Page 17

A presença de sais depositados exerce uma dupla ação, pois, de um lado, reduz o valor da pressão de saturação, e, por outro lado, cria uma situação desfavorável, pois estes sais, dissolvidos na água condensada, podem levar à formação de um eletrólito particularmente agressivo. A figura 9 mostra a evolução da corrosão de um aço carbono em função da umidade relativa, para uma atmosfera poluída com 0,01% de SO2 e por um período de exposição de 55 dias. Fica 12 evidenciado que a corrosão é acelerada quando a umidade relativa supera os 60% . 2.2.1.3 - Caracterização da Corrosão Atmosférica As Normas13 ISO 9223 e ISO 9226 definem os critérios relativos à caracterização de uma atmosfera e o grau de corrosividade, determinado a partir da velocidade de corrosão de metais expostos. Três são os parâmetros utilizados na classificação de uma atmosfera: • A duração da exposição à uma dada umidade (tempo de umedecimento) τ: período de o tempo no qual a umidade relativa é superior a 80% e a temperatura é superior a 0 C. São descritas cinco categorias, indo de τ1 (< 10 h.ano ) a τ5 (> 5.500 h.ano ). -1

-1

• A concentração de SO2 atmosférico, dado em µg.m : São descritas quatro categorias, -3 -3 indo de P0 (< 12 µg.m ) a P3 (90 < P < 250 µg.m ). Uma atmosfera rural não poluída 14 -3 como a de Sorocaba - SP, apresenta um valor médio anual de 5 µg.m , enquanto que uma atmosfera industrial como a encontrada em Cubatão - SP, possui um valor médio -3 anual de 27 µg.m . -3

-2

-1

• A concentração de íons cloreto, dada como velocidade de deposição, em mg.m .dia . São descritas quatro categorias, indo de So (< 3 mg.m-2.dia-1) a S3 (300 < S < 1.500 mg.m-2.dia-1). Uma atmosfera como a de Fortaleza, CE., apresenta uma taxa de deposição de cloretos de cerca de 300 mg.m-2.dia-1. A tabela descrita a seguir ilustra a corrosividade de uma atmosfera segundo a Norma ISO 9226 em função das velocidades de corrosão observadas para diferentes valores de τ, P e S, para os aços carbono.

12 W. H. J. Vernon, Trans. Faraday Soc., 27, 35 (1933). 13 ISO 9223:1992 “Corrosion of Metals and Alloys - Corrosivity of atmospheres - Classification”; ISO 9226:1992 “Corrosion of Metals and Alloys Corrosivity of atmospheres - Determination of corrosion rate of standard specimens for the evaluation of corrosivity”. International Organization for Standardization. 14 Companhia de Tecnologia de Saneamento Média Ambiental de São Paulo - CETESB, “Relatório de Qualidade do Ar no Estado de São Paulo 2001”.

22 COLETÂNEA DO USO DO AÇO

2-manuais_corrosao  
2-manuais_corrosao  

Volume 2 COLETÂNEA DO USO DO AÇO Fábio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 2004 2ª Edição Colaboração: Carlos Gaspar - Revisão Andréa Vicentin -...

Advertisement