Page 1

1


Kozav encontrou sua companheira e então ele a perdeu. Agora é hora de caçar ... Grace Hall é enfermeira, não médica. Mas quando cinco guerreiros Preor são trazidos para a sala de emergência e os médicos não fazem nada malditamente por eles, ela avança. Claro, eles são alienígenas com asas maciças que se transformam em dragões sempre que desejarem, mas ainda pareciam humanos. Um guerreiro em particular a atrai mais do que os outros. Suas asas de cerceta, corpo musculoso e olhos vidrados de dor a fazem saltar entre dois desejos - precisar de seu toque e o seu desespero para curá-lo. Quando ela está cheia com o conhecimento para tratar os machos, Grace começa a trabalhar. Ela vai salvar os machos Preor, mesmo que a mate. Quando ela perde a consciência depois de curá-los, ela nunca imaginaria. Kozav sen Aghin, Guerreiro Primordial da Terceira Frota Preor, acorda mais fraco do que um filhote no navio de guerra Preor. Ele está completamente curado, mas atormentado pela sensação de que algo está errado. E algo é ... Kozav encontrou sua companheiroa na Terra e ela foi deixada para trás - sozinha e desprotegida. Inaceitável. Kozav ainda carrega a culpa por suas ações durante o grande conflito e ele está determinado a não falhar tão grandemente novamente. A curvilínea, de olhos verdes, de cabelos escuros humanos é a sua fêmea para proteger, a sua reivindicação e sua para manter. Quando o perigo se intromete e alguém tenta tirar Grace de sua vida, Kozav está preparado para fazer o que for preciso para trazer de volta

2


Grace ao seu lado. Mesmo que isso signifique matar um dos seus. Ou serĂĄ Kozav com uma espada no peito? Pelo amor de Grace, ele esperava que nĂŁo.

3


Grace provavelmente perderia o emprego se ela esfaqueasse a mulher nos olhos. Esse conhecimento não diminuiu seu desejo de fazer o apunhalamento acima mencionado, no entanto. Não. Seus dedos coçavam para mudar seu aperto na caneta, apertá-la, e depois esfaquear, esfaquear, esfaquear. Ela engoliu em seco e empurrou para trás sua irritação. Não era culpa da mulher. Respire fundo. Ou mesmo culpa de seu companheiro. Outra respiração profunda. Nah, o problema era com Grace. A inveja a transformou em uma puta violenta. Não homicida, felizmente, mas uma puta nada menos. Um suspiro extraiu seu foco, puxando seus pensamentos longe da necessidade de arrancar para fora os olhos da idiota e se focar na sua tarefa em mãos. Principalmente, verificar a correspondência. Como representante sênior de acasalamento, era sua responsabilidade verificar os jogos por meio de uma lista de verificação prática e verificar sobre a compatiblidade entre o novo casal feliz. Foda-se, se ela estava sentada atrás de uma caixa. E ela nem sequer era bem paga. Ela conseguia um salário minimo por estar sentada atrás da escravaninha na agencia usando um terno sorriso em seu rosto enquanto ela desejava aos novos companheiro felicidades enquanto lidava seu caminho para fora. Não antes de lubrificar a palma da Agência de Acasalamento Intergalática primeiro, embora. O IMA fez muito bom ... por um preço. Sobrecarga, certo?

4


Outro som, este mais um zumbido, e Grace levantou a cabeça, nem sequer um pouco surpresa com o que ela encontrou. O casal - uma mulher humana e seu companheiro Bellatani de pele azul - estavam enrolados um no outro. Tipo, literalmente. O Bellatani tinha quatro braços que ele usou para acariciar a sua nova companheira. Uma mão desapareceu debaixo da saia enquanto outros dois trabalhavam nos botões de sua blusa e então a quarta desapareceu ... em algum lugar. Agora era a hora de pôr fim a isso e não apenas porque ela estava com ciúmes. A IMA tinha uma política clara de acasalamento durante o processamento externo. Grace limpou a garganta. - Ahem. Um dos dois gemeu. - Aaaa. Hemmm. A resposta gemida foi mais longa que o tempo. A mulher se moveu no lugar e Grace percebeu que a mão perdida de Bellatani estava em suas calças, lutando para liberar seu comprimento ereto. Sim, ela não estava indo ver isso acontecer. Hoje não. Ela normalmente trabalhava na ingestão de acasalamento, o que era bom, mas hoje a garota que manipulava as entrevistas de saída estava fora, o que significava que Grace tinha que intervir e ... ela não era uma voyeur. Ela pegou um comprimido próximo, um dos modelos mais grossos mais velhos que era mantido em torno de apenas este propósito. Claro, ele funcionou muito bem e poderia acessar dados da agência, mas seu verdadeiro propósito era para ... Ela levantou o pedaço de plástico e metal e deixou-o cair sobre a mesa. Boom. (Realmente era grande.) A mulher rangeu, o Bellatani rugiu e Grace sorriu. Pelo menos ela tinha a sua atenção. Longos e pálidos dentes se desdobraram da boca do alienígena e Grace segurou-o, sem se encolher quando sibilou. Bellatani eram bons em jogo, mas geralmente não tocavam uma fêmea que não lhes pertencia. Não com raiva ou paixão. O que significava que ela não estava assustada. Muito.

5


- Olá, sou o Representante Sénior de Acasalamento Hall. Parabéns pelo seu acasalamento. Eu só tenho alguns formulários a terminar antes que você dois possa começar em sua maneira e apreciar a sua nova vida juntos. O Bellatani ainda olhava furioso, a mulher corou, e Grace folheou o dedo pela mesa para exibir o primeiro-de-muitos-formulário. - Agora, senhor, se você colocar sua palma aqui ... E assim foi. Um casal, dez mil créditos coletados, um casal feliz. Uma e outra vez. Ela se lembrou que estava feliz por todos os outros que combinavam. Realmente, na maior parte, ela estava feliz. Exceto quando chegava em casa à noite, disse adeus ao cuidador de sua mãe e então via sua mãe dormir. Sono que era interrompido por crises de tosse ou ver os seus ossos tremer uma e outra vez. Ontem à noite tinha sido ruim e a manhã não tinha moldado melhor. Para completar, ela teve dois longos turnos. Primeiro na Intergalactic Mating Agency e depois ela teve que ir para ...

Mais gemidos. Droga, eles estavam indo para ela novamente. Ela deveria ter se lembrado disso sobre a corrida. No segundo eles encontraram seu companheiro, era tudo sobre ficar na horizontal e eles não se importavam onde ou quando. Vertical poderia funcionar porque muitos de seus machos eram extremamente fortes. Além disso, eles tinham a coisa de braços extras acontecendo. Grace pegou o comprimido e o deixou cair, os três repetindo os mesmos acontecimentos de momentos antes. Ela ignorou o assobio que recebeu e manteve sua atenção na mulher humana. - Se primeiro colocar a palma aqui, confirmando a sua vontade de acasalar ... - olhou para o comprimido que agora estava tremendo. - Riz'ta Sico'rolqir, nós podemos tirar vocês dois daqui. Seres combinados com fora-mundistas tiveram que concordar em deixar o planeta. Sem impressão, sem acasalamento. A mulher bateu a mão para baixo, sacudindo a mesa com a força, antes de colocar os lábios em seu novo companheiro alienígena.

6


- Ótimo, se vocês dois tiverem alguma dúvida, sintam-se livres para chamar os oitocentos ... Eles desapareceram da vista, ignorando-a completamente. E realmente, era bom que eles não ficassem por perto. Seu próximo turno de quatro blocos começava em dez minutos e ela ainda tinha que mudar e começar a trabalhar. Ela pressionou alguns botões e sua estação desligada, as telas ficando vazias enquanto as portas de entrada e saída se fechavam. Ela levantou a bolsa sobre o ombro, grunhindo com o peso. A mochila segurava seu mundo. Uniformes, artigos de higiene pessoal e livros se ela tivesse uma pausa em qualquer ponto e tivesse tempo para estudar. Os tempos de estudo eram poucos e distantes entre si, mas ela sempre sustentava a esperança. Ela melhoraria sua educação. Ganharia mais dinheiro. Ela seria capaz de ... Um bip baixo da porta interna do escritório notificou-a de um visitante. Quando o painel se afastou sem sua resposta auditiva, ela soube exatamente quem viria visitar. Era o idiota do seu chefe, Michael Sethton esquesito e era um processo de assédio sexual esperando para acontecer. Pena que ela não tivesse as bolas para apitar. Principalmente porque ela precisava do emprego. Ela não podia se dar ao luxo de perdê-lo e era mais do que o dinheiro que ela perderia. Então, ela tratou dele. - Boa tarde, Sr. Sethton. - Ele grunhiu e deu a ela uma pequena ondulação de seu lábio. Ela não tinha certeza se era uma risada ou um rosnado, mas isso não importava tanto. - Eu pensei que eu pedisse que você me chamasse de Michael. - Ele caminhou para a frente, movendo-se gradualmente em seu espaço e não parando até que poucos centímetros os separassem. – Grace. - ele sussurrou seu nome, inclinando-se enquanto soltava a palavra com um suspiro. Ela lutou contra o desejo da mordaça. Porque o amordicimento levava a vomitos e vomitos em seu chefe provavelmente não iriam bem. Mas realmente, iria matá-lo mastigar uma chiclete depois de comer cebolas? - Certo. - ela raspou e engoliu em seco, empurrando para trás a bile. - Desculpa. Michael. - Sim, ela estava indo vomitar. - Boa tarde. - Ele cantarolou, olhar dando voltas ao redor da sala, não faltando nada, e finalmente pousando na alça de sua mochila. - Vai para algum lugar?

7


- Trabalho. - Ela deu a ele um sorriso tenso. - Você está no trabalho. - E agora eu tenho que ir para o meu outro emprego. Meu turno de hoje foi até ... - Eu sei quando seu turno acabou - ele enrolou o lábio. - Por que você se continua humilhando naquele ... lugar. Enfermagem? Isso era humilhante e seu trabalho na IMA não era? Isso estava fora da minha mente. Ele não iria entender e ela não estava prestes a explicar a ele. Mais uma vez. Então ela deu a ele uma desculpa que ele podia entender. - Quanto mais dinheiro eu puder salvar ... - Eu já disse que sim. - ele acariciou seu braço nu, dedos digitando sobre sua pele quando um arrepio de repulsão a alcançou. – cuidaria de você. Ela fingiu que não tinha a interrompeu. - Quanto mais posso fazer pela minha mãe. - E de sua mãe. - Ele removeu seu toque e balançou a mão dele como se cuidar de sua mãe não fosse nada. Como se não custasse a metade de seus créditos a cada mês. - Infelizmente, eu não posso levá-lo sobre essa oferta. - Michael era um chicote rápido quando ele precisava ser. Ele envolveu seus dedos carnudos em torno do bíceps de Grace, apertando fortemente até que ela estremeceu. - Você acha que você é boa demais para mim? - Sim. Sim, ela era. - Claro que não. Eu sou apenas independente. Você sabe disso. Quero fazer as coisas sozinha. Eu não quero ser um fardo para ninguém. - Ela balançou seus cílios e alargou seu sorriso. Sua comunicação soou, deixando-a saber que era hora de bater nas ruas se quisesse chegar ao seu trabalhar no tempo. O dinheiro do IMA era bom, mas não era por isso que ela manteve o trabalho. A ingestão no IMA deu-lhe oportunidades que outros lugares não o fizeram. O cheque de seu outro trabalho as mantinha alimentadas.

8


- E agora é hora de eu ir. - Eu não terminei. - ele rosnou. - Então podemos terminar isso amanhã. Eu realmente tenho que ir. - Eu não gosto de mulheres ... - ele disse a palavra como se fosse uma maldição. – independente. - E eu não gosto de você. Entăo, somos iguais. Mas ela năo disse que năo importa o quanto ela quisesse. Principalmente porque seu comunicador bipou mais uma vez, o tom insistente. Grace contornou em torno de seu chefe e fugiu para a porta. - Vejo você amanhã, Sr. Sethton! - Ela não se incomodou em esperar por uma resposta. A segunda que ela bateu no corredor, ela quebrou em uma corrida, correndo pelo longo trecho e para a saída lateral. Ela bateu a porta em um ritmo rápido, enviando-a balançando largo, e ela irrompeu na calçada movimentada. Ela virou à direita e depois saiu, passando mais alguns quarteirões até finalmente correr pela rua. Quando as sirenes chegaram a seus ouvidos, o flash familiar de luzes enchendo a área, ela dobrou sua velocidade. O que tinha acabado de entrar, veio em quente e necessitado. Sua comunicação bipou, mas esses tons lhe disseram que estava tudo em suas mãos e ela precisava estar lá para fazer o seu trabalho. Fez exatamente isso, elevando sua bolsa mais alta em seu ombro e aumentando a velocidade. Ela cavalgou em torno de pedestres, batendo mais de um lado quando eles simplesmente não moviam seus traseiros. As pessoas estavam morrendo e esses idiotas estavam sorvendo sua bebida de qualquer coisa. Ela não tinha tempo para eles. Não quando alguém precisava dela. Quando ela chegou ao prédio, ela já tinha empurrado sua atitude IMA de sua mente e adotado o que ela precisava para o próximo. Grace explodiu através das portas duplas de East Fortuna Medical e entrou diretamente no ... caos.

9


Grace não se deteve em seu passo, o olhar examinando a entrada da sala de emergência com um rápido olhar enquanto ela correu para a estação da enfermeira. Ela tirou sua bolsa do ombro e atirou-a sobre a mesa, sem se importar com o lugar onde ela desembarcou do outro lado. - O que temos? - Cinco conjuntos de olhos viraram-se para ela, rostos brancos e pálidos. Sua equipe, normalmente na bola e pronta para rolar, parecia mais do que um pouco chocados. Ela bateu palmas, tirando-as de qualquer surpresa que os capturasse. - Bem? Quem está morrendo primeiro? Mexa-se, gente. Em East Fortuna, ela estava no controle. Não havia ciúme ou mágoa, nenhum chefe batendo nela. Bastava trabalhar. Trabalho que era condenadamente satisfatório. Trabalho duro. Longas horas. Mas ainda trabalho. Trabalho que fazia com que ela pudesse guardar dinheiro para os cuidados de sua mãe. O braço direito de Grace - Brooke - falou primeiro, correndo pelo que tinha a sala de emergência em um alvoroço. – Três motocicletas foram contra cinco Preor. E os paramédicos os trouxeram todos eles aqui. Os cirurgiões estão nos humanos, mas ninguém sabe o que fazer com os Preors. - Deixe o nome do paramédicos em minha mesa. - Deus salvá-la de idiotas fodidos e Deus ajudasse os paramédicos quando ela terminasse com eles.

10


Se eles não podesse chegar com o alienigena Preor até á Torre Preor, o menos que eles podiam fazer era leva-los até á Estação Ujal Tau na praia. Eles seriam capazes de realmente ajudá-los. -Quando Preor está chegando aqui? - Ela caminhou até o fim do balcão, estendeu a mão e arrancou duas luvas da caixa junto com uma pilha de vestidos. Um bônus para tratar Preors em vez de seres humanos era que o Preors não poderia pegar doenças humanas e os seres humanos não poderiam pegar deles. Ela mudaria as luvas com a frequência necessária e manteria a contaminação cruzada ao mínimo, mas procedimentos estéreis poderiam tomar um assento traseiro por enquanto. – Em que cortinas? - Os motociclistas estão em uma ... - Não, os Preors. - Os idiotas dos motocicletas estavam sendo atendidos por médicos. Os Preors não. Oh, sua equipe provavelmente fez o que poderiam, mas eles eram o seu pessoal. Sem uma mão-guia ou um chefe gritando - tendiam a solha e parecia que a enfermeira-chefe do turno passado não tinha parado até Grace chegar. Esses caras eram espertos, mas inseguros um monte de vezes. - Aqui. - Brooke fez um gesto para o longo corredor até as cinco cortinas fechadas no final. Grace balançou a cabeça e Brooke sussurrou mais algumas palavras. - Todo mundo tem medo deles. Ok, com toda a honestidade, Grace podia entender algumas das hesitações de se emaranhar com um Preor. O Ujal, quando eles vieram pela primeira vez para a Terra, tinha sido bastante estranho. Eram alienígenas humanóides que se transformaram em sereios essencialmente em águas oceânicas. Eles tinham chegado com um pechincha, deixá-los viver nos mares da Terra e eles iriam limpar o meio ambiente. Ambos ganhavam desde que o planeta estava se transformando constantemente em uma porcaria. Infelizmente, essa oferta tinha chegado tarde demais para a mãe de Grace. Ela afastou sua mente do pensamento. Nenhum pensamento. Ela tinha um trabalho a fazer – ajudar os Preors.

11


Preors eram extremamente diferentes dos seres humanos e contudo de alguma forma o mesmo. Andavam em duas pernas, tinham dois braços, e seus rostos eram semelhantes, mas também tinham duas asas de dragão. E poderia se transformar em dragões. E por sorte, ela quis dizer que eles se transformaram em dragões. Então sim. Agora ela tinha cinco na sala de emergência que precisavam de cuidados. Ela olhou por cima do ombro, encontrando os olhares de sua equipe. - Luvas para cima. Temos uma merda para fazer. - Mas os médicos ... - A enfermeira mais nova, cujo nome Grace não conseguia se lembrar, tentou falar, mas cortou a mulher. - Os médicos estão cuidando dos humanos e somos todos os Preors. - Nós não sabemos a sua biologia. Grace quase revirou os olhos. - Eles podem se acasalar com humanos. Estou operando sob a suposição de que eles não são tão diferentes que não podemos furar uma agulha em sua pele ou pressionar uma bandagem para uma ferida sangrando. - Ela estalou os dedos. - Vamos fazer isso, pessoal. Ela não esperar ver se fizeram como solicitado. Eles iam ouvir. Eles iriam ajudar. Eles curariam. Exceto quando Grace chicoteou abrir a primeira cortina, ela se perguntou se sua mente estava escrevendo cheques com o seu conhecimento enquanto o médico ganhava o seu dinheiro. Muito sangue. Carne rasgada até ao osso. Uma asa em um ângulo estranho. Ela não fez contato visual com o paciente. Não quando ela precisava avaliar os outros. Colocou o estétocopio em seu peito, o ritmo crescente com cada batida do coração. Bom, eles estavam se movendo. - Brooke, pegue a cortina quatro. Suponha que a anatomia humana e me dê uma lista do que temos! - Ela arrancou na próxima cortina, expondo ainda outro Preor. Ele parecia machucado e ferido, mas sem sinais visíveis de sangramento. - Faça-me imaginar aqui. A cor não é boa. - Embora o verde pudesse ser uma coisa para Preors. - Carla, triagem.

12


E ela foi, jogando cortinas de lado, dando a cada macho um olhar superficial antes de passar para o próximo. Ela estava indo bem, também. Até que ela chegou ao último. Ocupado por um cerceta Preor. Ela não tinha notado as cores dos outros homens, mas este ... chamou sua atenção. Cabelo azul-esverdeado escuro, cristal - como, asas pálidas, e escamas brilhantes da cerceta que deslizava sobre sua pele. Ela notou outra coisa também, o sangue que derramava de um ferimento no peito e os olhos doloridos que colidiram com os dela. - Grace, este tem quatro pulmões e dois baços? - Eu acho - disse Carla. - Acho que há uma hemorragia interna ... em algum lugar. - Grace se aproximou do macho ferido. Não era homem porque Preors eram machos. Como ela sabia disso? - Grace, eu acho que encontrei o pulmão que está perfurado e talvez um de seus baços? Mas ... - Os pulmões são chamados luuq. Se for apenas um, ele ficará bem até que os curandeiros possam chegar aqui. - ela respondeu sem hesitação, sem dúvida em sua mente que os pulmões de um Preor eram chamados luuq e que eles poderiam sobreviver sem um ou dois até que a assistência viesse. Perder três era complicado, mas contanto que não mudassem ou tentassem voar, ficariam bem. - Concentre-se no seu baço-ewae. Se ambos estiverem danificados, precisamos prepará-lo para a cirurgia. - Grace ... - O tom de Brooke era tímido, suave. Grace não lhe poupou um olhar, não quando se aproximou do abatido ... ela estreitou os olhos e olhou fixamente as tiras que cruzavam o peito, as insígnias do que colocava sobre o ombro direito. O Guerreiro Primário Preor. How ... Ela não tinha tempo para perguntas. Sério. Não quando o macho na cama se sacudiu e se contorceu, fechando os olhos enquanto um gemido profundo escapava de seus lábios. Ela parou de hesitar e entrou em ação, alcançando uma tesoura de segurança de uma bandeja próxima quando se aproximou. - Ajude-me a tirá-lo. Eu não gosto da aparência de sua perna e a cor está mudando. - E não de uma boa maneira. Raiva sussurrou a bênção do guerreiro enquanto ela cortou suas tiras de peito. Ela ainda não estava se

13


dirigindo ao fato de que conhecia Preor. Ou que se alguém tira as tiras de um guerreiro, elas devem dizer a bênção em honra do guerreiro. Ela tirou uma correia de katoth e depois a outra, o sangue fluindo livremente de uma ferida que tinha sido escondida pela pele bronzeada. - Um kit aqui e uma dúzia de gazes. - Possivelmente mais do que uma dúzia de gazes. Ela correu os dedos ao longo de seu lado, sentindo as cristas e texturas que fizeram um corpo de Preor diferente do de um humano. - Porra. Algo perfurou um de seus ... - qual era a palavra para o rim? - Koiy e ele precisa sair. Alguém esfrega... - Enfermeira Hall? Ugh. Doutor Idiota. - Temos pacientes que precisam de seus cuidados. - O que você acha que eu estou fazendo? Ela podia praticamente sentir sua repulsa ondulando pelo ar, acariciando-a com seus dedos pegajosos e repugnados. Ele não considerava os Preor "pacientes". Sua suposição foi confirmada com suas próximas palavras. - Pacientes humanos. - Grace girou sobre ele, curvando seu lábio para o médico que governava o ER com um punho de ferro de espécie. Bem, não hoje. Algo dentro dela lhe dava a força para negá-lo. Ela provavelmente estava perdendo o emprego, já que era enfermeira e não médica, mas não podia permitir que os feridos não fossem tratados. - A menos que você esteja aqui para ajudar, saia. - O médico endireitou a coluna e olhou para ela . - Você não é um cirurgião. - Não, Dr. Richards, eu não sou, mas eu sei uma porra de muito mais do que você faz agora. - Sim, ela ainda não estava se dirigindo a tudo isso. Melhor fazer seu trabalho e fazer perguntas mais tarde. Como ela sabia o que fazer, o que dizer, onde cortar e puxar para remover seu koiy sem danificar os tecidos delicados de um de seus hyots. Sem outra palavra para Richards, ela retornou a sua tarefa, chamando ordens e fazendo a equipe se mover novamente. O doutor ficou ali, a boca aberta e os olhos arregalados de surpresa. Carla balançou ao redor dele, tentando entrar no espaço sem deixar cair seu fardo e Grace estalou mais uma vez. - Se você não vai ajudar, saia. - Você não pode ...

14


- Só faça... - Ela estendeu sua mão direita, a esquerda explorando suavemente a área ao redor da maior ferida. - Bisturi a laser. - Apareceu. Inferno, tudo que ela pediu, apareceu: bisturi, selador, gazes. Ela respondeu a perguntas sobre um ombro e depois se virou e gritou ordens sobre a segunda. Depois que terminou com a cerceta Preor, ela se mudou para a próxima e depois para a próxima. Todos trocaram luvas e esfregaram entre os pacientes, certificando-se de que não havia contaminação cruzada de qualquer forma. Os Preors não tinham tipos de sangue da mesma forma que os humanos, mas haveria reações biológicas à introdução de sangue incompatível. A infusão de sangue incompatível poderia matar um ser humano e daria a um Preors uma febre. E quando pensou em qualquer mal que chegasse a um Preor - sua cerceta Preor - em sua mão ... Ela estremeceu. Ela também decidiu que ela não iria abordar a "parte dela" desse pensamento. Carla virou-se do pêssego Preor que ela tinha terminado de trabalhar, a cor lembrando-a de um pôr do sol de Tampa. Ela tinha trabalhado a linha em ordem de severidade e ele ficaria bem. Os ossos delicados em suas asas teriam que ser ajustados no navio de Preor, mas o reparo seria facilmente terminado pelo ryaapir. Certo. As mesas médicas do navio podiam reparar sua asa e isso era chamado de ... ryaapir. Quando isso acabou, ela realmente precisava descobrir essa merda. Por agora, ela se arrastou para o próximo paciente, balançando em seus pés. Tudo, mãos firmes seguraram seus ombros, dando-lhe um aperto suave antes de dirigi-la para a próxima cortina. Carla a sustentou, mas Brooke mostrou o que precisaria. Os outros também estavam lá. Correndo em volta, limpando depois de Grace enquanto ela fazia seu trabalho. Foda-se, o trabalho dos médicos. Quando ela finalmente arrastou para uma parada ao lado do último guerreiro, ela deu a ele um pequeno sorriso, encontrando seus olhos vidrados de dor. - Me desculpe por ter demorado tanto para chegar até você. Vamos ver o que está acontecendo. - Os gritos pelo corredor a alcançaram, palavras estranhas, mas não, enchendo suas orelhas. A voz do Dr. Richards juntou-se, proclamando sua inocência e culpando tudo sobre Grace. - Se algum de seu povo morrer, não é culpa deste hospital. - Filho bastardo prostituto de uma prostituta. Não, espere, isso foi um insulto para uma prostituta. O baque de botas batendo em uma telha ecoou pelas paredes do corredor, saltando pelo

15


espaço e superando os monótonos bips de suas máquinas. Mas ela tinha um paciente e não importa a identidade dos recém-chegados, ela faria o que pudesse por ele. - Diga-me onde dói. - Havia muito sangue manchado nele para dizer. - Enfermeira Hall! - Ela ignorou Dr. Richards. - Eu a exijo ... - Sua voz caiu de repente e ela quase agradeceu quem silenciou o homem. - Curandeira Hall?- O tom era respeitoso - forte sem ser condescendente ou irritante. Considerando outras pessoas meramente respirando em sua zona de irritação "foda-se e morra", isso estava dizendo algo. O paciente sob seu cuidado pegou sua mão e deu um leve aperto. Estou bem, Curandeira Hall. Nossos curandeiros podem me ajudar agora. Ela se virou lentamente, equilibrar um pouco duvidoso naquele momento. Ela não tinha certeza de quanto tempo ela tinha corrido ou quanto tempo ela lutou contra os médicos humanos especistas, mas ela certamente sentiu o cansaço arrastando-a. Um Mestre Curandeiro estava diante dela com alguns outros Segundo e Terceiro curandeiro alinhados atrás deles. Sim, eles poderiam mais do que cuidar de seus pacientes. É claro, em vez de agradecê-los por vir ou atualizá-los sobre o status de cada macho, ela os insultou. - Levou você fodidamente tempo suficiente. - Então ela desmaiou.

16


O primeiro pensamento de Kozav ao acordar foi que, se não causasse um incidente intergaláctico, ele desafiaria aqueles filhos de um katoth para uma batalha até a morte. Eles haviam voado através do espaço aéreo de Preor sem cuidado e derrubado seus guerreiros. Lembrou-se de Detzan colidir com um dos idiotas - e o estalo de uma asa. O resto estava perdido nas nuvens de dor e caindo. Ele gemeu e testou seu corpo, procurando por dor persistente. Sua pele estava apertada, os músculos rígidos, e suas asas doíam, mas não era o pior. Os curandeiros haviam desempenhado bem suas tarefas. Exceto, sua cabeça. Sua cabeça bateu no tempo com seus batimentos cardíacos. Ele girou e grunhiu com a nova onda de dor latejante. Sua mente permaneceu nublada, coberta pela névoa da manhã, como se a névoa da Terra enchesse a área. Sua visão estava turva e ele se perguntou se ele teria atingido sua cabeça mais duro do que os curandeiros acreditavam. Ele deveria estar quase curado pelo ryaapir, mas sua visão permaneceu indescritível. Ele balançou a cabeça mais uma vez, tentando limpá-la da mortalha persistente, e grunhiu mais alto. O que no céu estava errado com ele? O som da aproximação de alguém ecoou por sua cabeça e ele estremeceu, gemendo a cada passo enquanto se aproximavam. Um forte toque puxou suas pálpebras, expondo seus olhos à luz brilhante do quarto, e ele se afastou.

17


Agora ele se expôs como um debilitado dragão que era. Num movimento idiota Kozav rodou em seu estômago e fez seu corpo girar. O impulso combinado com sua fraqueza o enviou sobre a borda da plataforma e caiu para o duro, metal chapeamento abaixo. Ele nem sequer conseguiu se segurar nas mãos e nos joelhos e caiu em um montão. - Guerreiro Primário? - Um dos primeiros curandeiros, Yeem? Yazen? Yofol? Kozav não se lembrava. Ele simplesmente chamaria o "curandeiro" masculino. - Você gostaria de ajuda? Gostar? Não. Era necessário? Parecia que sim. Mas primeiro ele tentaria se levantar sozinho. Permanecer em uma cama doente não era uma maneira de um guerreiro curar. Ele puxou um braço perto e depois o outro, colocando-os debaixo dele. Ele se apertou, tremendo quando seus braços se endireitaram. Ele trabalhou de joelhos em seguida, agradecido por ter conseguido estabilizar-se. Seu próximo passo foi alcançar a plataforma. Ele conseguiu pegar uma das mãos na borda, segurando a mesa e usando o aperto para se erguer. Por um momento. Ele tropeçou para a esquerda e depois caiu para a direita, conseguindo descansar sua parte superior do corpo na plataforma. Ainda assim ... Yeem-Yazen-Yofol manteve sua distância. Inteligente. - O quê... - Kozav resmungou, sua garganta seca coçando quando ele tentou falar. - Aconteceu? Por que ... - Ele se sentia como um dragonlet se recuperando de um ataque da gripe tantalakian? - Você permaneceu inconsciente por mais tempo que os outros, Guerreiro Primário. Os humanos foram questionados, mas a fêmea que o tratou não estava disponível para falar conosco. Você pode descrever seus sintomas? Tudo está quebrado, não pareceu a resposta que ele desejava. - Dores de cabeça. Dores corporais. Tudo ... dói. - Seus reparos eram adequados se cru. Examinamos você e não encontramos nenhuma evidência de lesão contínua. Existe um local específico que requer atenção? - Mais passos, mais batendo na cabeça de Kozav. - Seu sangue foi analisado nove vezes e não encontramos nenhuma

18


explicação para sua inconsciência contínua. Guerreiro Primário, o Curandeiro ordenou um décimo teste usando um dos analisadores de backup no porão. Como Taulan diria, ele não deu um fekh voador sobre analisadores de backup. - Desde que você acordou, podemos discutir seus sintomas e descobrir sua doença. - O sinal sonoro do comprimido do curandeiro teve Kozav estremecendo. Sim, ele adoraria saber o que havia de errado com ele. Então eles poderiam consertar o que ... Saber. O estômago de Kozav se arqueou, a palavra vindo de um estranho mas não - dentro de sua cabeça. - Você está se sentindo bem em um quarto aquecido? Poderia ter experimentado o Saber enquanto inconsciente? - Não. - Você está se sentindo quente em um quarto frio? Onde ele a conheceu? Quando? - Não. - Você está se sentindo enjoado com comida? Ele a havia reivindicado? Certamente ele teria recordado uma coisa dessas. - Guerreiro Primário? - Yeem-Yazen-Yofol tentou sua atenção mais uma vez, mas Kozav ainda estava muito preocupado com o Saber. O Saber. A memória genética do seu povo. Era demais para um único Preor suportar, por isso não aparecia até que um Preor encontrasse a sua companheira. Juntos, eles poderiam lidar com todo o peso do conhecimento impartido. As asas de Kozav agitaram-se em agitação, seu corpo instando-o a se mover enquanto sua mente tentava processar os pensamentos, tentou processar a informação inundando sua cabeça.

19


O Saber persistiu - e era o Saber – que os estava deixando incapaz de fazer nada além de respirar. Esse sentimento só pioraria com cada segundo que passasse. O Saber deu-lhe uma lista de problemas associados com a separação de seu companheiro e um suor frio estourou sobre sua carne. Loucura por um Preor, mas o último item na lista de conseqüências deu-lhe a força para ficar de pé. Morte. Um companheiro não-Preor não poderia sobreviver sem o apoio de um. Ele se balançou ligeiramente em seus pés, mas não caiu. - Por quanto tempo eu estive fora de mim? - Quase dez horas na Terra, Guerreiro Primário. - Dez horas desde que fiquei ferido - murmurou ele. Dez horas da Terra. Ela ainda estava viva? Sim. Sim ela estava. O Saber ainda o inundava, então ela tinha que ainda estar respirando, seu coração batendo. Mas como ela estaria indo? O Saber respondeu-lhe a pergunta... - Não, Guerreiro Primário. Você ficou ferido há dezesseis horas na Terra. - Eu estava na superfície ferido ... e ninguém veio até mim? Meus guerreiros? - Seus guerreiros. Ele estava tão preocupado consigo mesmo, pelo sua companheira, que deveria ter ... não. As fêmeas vinham antes de tudo. - Suas lesões foram as piores. Os outros se recuperaram bem. Você e o guerreiro Detzan vivem por causa da Curandeira Hall da Terra. - Os curandeiros na Terra são chamados de médicos. O Dr. Hall ajudou-nos? - Yeem-Yazen-Yofol franziu a testa e folheou o seu datapad, raspando os dedos na superfície e enviando um raio de agonia através da mente de Kozav. Quanto mais tempo ele permanecesse acordado - e separado de sua companheira - pior seus sintomas se tornariam. Ele rezou para os céus que ele conseguisse chegar á sua companheira antes que ela fosse danificada além de cura. - Registros indicam seu título na Terra é Enfermeira, mas ela realizou uma cirurgia no Guerreiro Detzan que impressionou mesmo Mestre Curan... - Ele não se importou.

20


Enfermeiro ou mĂŠdico, o macho responderia Ă s suas perguntas. Ele dizia a Kozav de cada pessoa que se aproximava enquanto ele permanecia morto para o mundo ao seu redor. Kozav encontraria sua companheira. E esse Hall o ajudaria.

21


Kozav destruiria o próprio edifício se alguém não respondesse a suas perguntas. Sua cabeça bateu no tempo com seu ritmo cardíaco crescente e o desejo de desembainhar suas espadas e executá-las através de um desses seres humanos cresceu a cada respiração. - Onde. Está. Hall? - Mais uma negação e sangue seria derramado. Seus dedos curvaram com o impuso para desnudar suas garras, para mostrar a estes curandeiros que - o que - eles enfrentavam. Preors não ficavam bem sem seus companheiros. Considerando que ele nunca esperava encontrar uma, ou merecer uma após o que ele tinha feito em seu passado, ele não iria perdê-la agora. - Não sei quem você acha que é ... - Um homem baixo e sem pêlos deu um passo à frente, seu ventre redondo mostrando o caminho, e ele parecia não ter mais de quarenta anos terrestres. Para ser tão fraco em uma idade tão jovem ... preguiçoso. Pura preguiça. Ele desgostava Kozav para falar com alguém tão fraco. Ele tinha trezentos e noventa e quatro anos sob suas asas e ainda treinava pesadamente. Quando seu crânio não parecia como se fosse dividido em dois. - Eu sou Kozav sen Aghin. - Ele deu um passo à frente e se elevou sobre o humano. - Guerreiro Primário da Terceira Frota Preor, em segundo apenas para o Mestre de Guerra Taulan joi Lana Coburn e você vai responder às minhas perguntas. Ele alargou a sua posição, espalhando as asas enquanto cruzava os braços. O homem veria a quem ele negava, veria o perigo que enfrentava.

22


Enquanto Kozav não deslizava suas espadas livres, seu amigo de longa data, Detzan, fez. O brilhante metal surgiu do lado direito de Kozav e depois o outro - Choler, o Negociante Master - apareceu à sua esquerda. Surpreendeu-o que o homem normalmente arrepiado intercedesse, mas não deveria. Uma companheira para um Preor era um presente precioso. Negando a um macho essa alegria não seria tolerada. Mesmo um Mestre de Negociação poderia perder a cabeça. Agora o silêncio absoluto reinava. Este médico Hall reparou os ferimentos de Choler também, conseguindo salvar suas evas danificadas. O rápido clipe de sapatos sólidos no piso liso rompeu a quietude interminável, um homem novo se aproximando por trás do preguiçoso na frente dele. Ele vestia o que os humanos chamavam de terno. Uma forma de vestido que normalmente significava que ele se sentia importante. Kozav esperaria e veria. Quando o recém-chegado finalmente parou, ele girou um sorriso em Kozav. Ele já odiava o homem. A expressão era falsa e pingava nojo. Ele não podia pensar na palavra humana, só que era repugnante e cheirava horrívelmente. - Eu entendo que temos um problema. Talvez vocês, cavalheiros ... - Nós somos Preor. - Detzan estalou as palavras. - E nós não temos um problema. Traga-nos o Dr. Hall ou vamos localizá-lo nós mesmos. - Kozav iria destruir o edifício no processo. A expressão do homem não vacilou. - Nós não temos um Dr. Hall no pessoal. É possível que você tenha o hospital errado ... - Eu acho que ele está falando sobre Grace. - Uma mulher saiu de um quarto próximo, aliviando das sombras. - Os médicos não tratariam vocês e ela é a única que cuidou de todos vocês. - Não vai dizer mais nada, enfermeira Butler. Você não vai abrir este hospital para ... Kozav parou de ouvir o homem e virou-se para a fêmea. - Mordomo da enfermeira ...

23


- Carla - ela o corrigiu. Ele rolou seu nome em sua língua, determinado a lembrá-lo quando ele fez seu relatório e recomendou-lhe um elogio. Ela estava alta contra os homens, sob a sua raiva. Apesar de seu tremor, ela era uma mulher humana forte. - Carla, fale-me da Grace. Grace Hall? E ele ouviu as palavras hesitantes da mulher, observou como ela se encolheu para longe do homem adequado e deu a volta. Ele não pensou quando ele agiu, apenas respondeu a sua angústia. Ele mudou de postura, alargando as asas enquanto caminhava entre os dois homens e seu corpo trêmulo. Quando ele se aproximou, seu cheiro o infundiu, mas ele cheirou outra coisa também. Um aroma que o chamava e ressoava com sua alma. O Saber surgiu, como se a memória de sangue desejasse abraçar os sabores. Este humano esteve perto de sua companheira. Ele perdeu a noção de suas palavras, concentrando-se apenas nesse perfume. - Onde você esteve recentemente? - ele a interrompeu. Carla sacudiu e suavizou sua voz. Ele tinha esquecido o que era estar perto de mulheres. - Quem você tocou recentemente? - Meu turno terminou um par de horas atrás, mas eu fiquei porque eu estava preocupada com Grace. - Ela gesticulou pelo corredor. - Eu estava no quarto dela. - Mostre-me. - Ele gentilmente estendeu a mão para ela, odiando os tremores que continuavam a atormentá-la. A parte protetora de sua alma em seu nome. - Enfermeira Butler, você não ... Uma terceira e quarta lâmina apareceu, e Kozav continuou a ignorar os irritantes humanos. Esta Graça ajudou não só Choler e Detzan, mas também Rendan e Vende. Todos os quatro se recusaram a ficar para trás quando descobriram seu propósito. Ele manteve suas asas abertas, usando-as para rebanhar os outros fora de seu caminho enquanto ele permitia que Carla o guiasse. Quanto mais eles viajavam, mais sua dor recuava. Como se, quanto mais se aproximava, menos sentia os efeitos agonizantes do Saber. Sua companheiro estaria sentindo a mesma maneira? Sua ... Grace?

24


Eles se mudaram para um longo corredor, seus passos encurtavam para combinar com os dela. Ela era uma mulher minúscula e ele se perguntou se ela talvez combinaria com um dos machos em seu navio. Ela seria uma forte adição à corrida de Preor e ele a traria à atenção do Mestre de Guerra Taulan quando Kozav retorna-se com sua fêmea. Não, ele se aproximaria da Maestra da Guerra Lana. Ela iria garantir que Carla fosse cuidada, bem como convenceria ao Mestre de Guerra que era sua própria idéia e não dela nem Kozav. Com a Maestra de Guerra Lana, ele aprendeu que as fêmeas da Terra poderiam ser disfarçadas. Ele esperava que sua fêmea fosse a mesma. - Ela está aqui. - Carla fez um gesto para uma porta à direita e ele a conduziu até a sala escura. Sombras encheram cada canto, a única luz que vinha de uma que brilhava acima da única cama ocupada. A pequena dor que ele ainda experimentava desapareceu com sua primeira visão de Grace Hall. Sua cabeça já não latejava, o peso não natural não mais sufocava seus ombros, e todas as dores restantes fugiam de seu corpo. Ela era sua companheira. - Só ela nos reparou? - As enfermeiras ajudaram, mas ela fez as cirurgias necessárias. Os médicos não iriam ajudá-la e ela se recusou a desistir. - Carla sacudiu a cabeça. - Eu não sei como ela sabia sobre sua anatomia e eu sei que ela nunca trabalhou em cirurgia. Seu foco é o atendimento de emergência, mas ela sabia o que estava fazendo. Grace trabalhou em vocês cinco até que seus próprios curandeiros apareceram. - Carla pisou debaixo de sua asa e se aproximou da cama. Kozav seguiu em seu rastro. - Foi quando ela desmoronou. - Kozav engoliu em seco, recusando-se a reconhecer a dolorosa emoção que obstruía sua garganta. - Qual é a doença dela? - Eles acham que é apenas exaustão. Ela trabalha dois empregos e veio em turno logo após que vocês foram trazidos. Os sinais vitais são bons, e ela está hidratada. A imagem não mostra lesões internas ou inchaço em qualquer lugar. Ela acabou de desmaiar logo que os curandeiros chegaram. Não, ela não simplesmente “desmaiou”. O Saber fez isso com ela. Deve ter atingido quando ela começou seu trabalho e que complementou seu conhecimento, permitindo-lhe repará-los. Inundava-a com memórias

25


desconhecidas sem seu apoio e agora estava inconsciente. Sua fêmea lutou com o peso do Saber tempo suficiente para tratá-los e depois foi engolida pela sua pressão. Shaa kouva ... Sua amada. - Guerreiro Primário Kozav? - A voz de Detzan chamou sua atenção e ele se virou para encarar seu amigo. - Vamos transportar a minha companheira para o médico. - E uma vez que os curandeiros confirmaram que ela está bem, ele a colocaria em seu quarto, em sua cama, até acordar. Porque ela acordaria. Kozav não permitiria nada menos.

26


O quarto não cheirava como o hospital. Quando Grace abriu os olhos e olhou para o teto, decidiu que definitivamente não se parecia com o hospital. O teto era de metal liso, maçante substituia os azulejos manchados do teto que estava acustomada a ver. As paredes eram da mesma cor prateada, mas a pintura creme do hospital - uma vez branca - tinha desaparecido. Um zumbido baixo encheu suas orelhas, não o sinal rítmico dos monitores do hospital. Parecia quase como o motor de um carro, mas mais profundo, mais alto e suave ao mesmo tempo. Ela não sabia como explicar. Era diferente, estranho. Uma vez que tudo era prata – metal - ela se perguntou se ela tinha sido trancada por suas ações. Ela operou vários Preor sem licença. A última coisa que ela lembrou foi dizer a um Mestre Curandeiro Preor que ele teve seu tempo doce. E então ... ela franziu o cenho, tentando puxar para a frente as lembranças. Os seus curandeiros finalmente chegaram? Sim. Sim, eles tinham. Isso é quando seu corpo deu para fora nela. Sua adrenalina desapareceu e ela apenas caiu para o chão. Algo lhe cutucou a mente, cutucando e provocando. Ela fechou as pálpebras novamente, apagando a luz que esfaqueou seus olhos. Espere. Ela não tinha desmaiado de exaustão ou sua adrenalina caiu. Isso foi… Saber. O Saber. Era uma coisa Preor ... e era ... Ela odiava que as palavras fossem lentas, arrastadas de sua mente como melaço frio. Sentiu que tinha as respostas dentro dela, mas não conseguia pegá-las. Os pensamentos dançavam dentro e fora do alcance, provocando-a, e o giro

27


rápido fazia seu estômago apertar. Náusea ultrapassou-a, afogando os dores restantes na necessidade de vomitar. E Deus, ela odiava vomitar. Grace rolou para seu lado, retardou sua respiração e lutou para acalmar seu coração. Através do nariz e para fora através da boca, agradável e constante. Um suor úmido explodiu em sua pele, tornando-a pegajosa e fria no quarto estranho. Concentrou-se na batida de seu coração, na arremetida de sangue em suas veias, e no desejo desesperado de não vomitar. A nova posição permitiu que ela visse mais do espaço - uma cadeira estranha estava perto da parede distante e em frente a ela, um sofá. Havia mesmo algum tipo de planta de vasos estranhos no canto. Uma árvore pwaa que se assemelhava a uma palmeira da Terra. Outra onda de náusea rolou pelo estômago. Uma que não tinha nada a ver com estar tonta ou doente e tudo a ver com o fato de que ela sabia o que era uma arvore pwaa. O Saber ... O Saber deu tudo a ela. Cada pensamento, cada memória, cada pouco de pesquisa e conhecimento reunidos pelos Preors. Era a memória genética da raça - a memória do sangue - e só era acessível por um casal acoplado. Foi isso que a levou à superfície da Terra, deu-lhe o que ela precisava para trabalhar naqueles cinco Preor e salvá-los. O Saber entregou-lhe todos os detalhes da fisiologia de Preor. Entre isso e sua experiência médica, ela cuidou de cada um. Espere. Na superfície da Terra ... Era como se ela não pensasse que ela estava no planeta por mais tempo ... sem conscientemente tomar essa decisão? Os pensamentos eram dela ainda não eram e ... claro que ela estava na Terra, não estava? Năo, ela năo estava. Havia a árvore pwaa que só podia viver em navios de Preor ou no próprio planeta. Havia a folha aczi de seda que cobria seu corpo. As paredes de metal liso e portas sem costura que os seres humanos ainda não conseguiram construir ainda. Ela levantou o lençol com cuidado e olhou por seu corpo. E a xina que ela usava agora em vez de seu uniforme ou vestido de hospital. O pano era quase sem peso, mas forte - um dos mais fortes da galáxia. Ele sempre mantinha-se limpo e fresco, não importa o seu tratamento e

28


resistia a lâminas, embora não poderia fazer nada para danos nos tecidos moles. O traje de Grace era um top de tanque confortável que deixou seus ombros nus e combinando calças fluidas que acariciavam suas pernas. Cerceta… Olhos de água-marinha e cabelos azul-esverdeados. Ela lembrou-se de sua corrida de pânico para salvar os machos Preor. Agora ela estava em cativeiro. Grace balançou a cabeça, afastando a tontura que vinha com o movimento. Ela era cativa, mas não podia ficar assim. Ela tinha que chegar em casa. Ela não sabia ao certo quanto tempo havia permanecido no hospital, mas seu turno era demorado as vezes. Além disso, era sexta-feira, o que significava Ronda partiu cedo e sua mãe... A mãe dela. Oh, Deus, que horas eram? Ronda saiu às cinco e se Grace não estava lá para tomar conta e sua mãe teve um ataque, ela ... Pânico. Um pânico profundo e sincero. Tudo o processo de acalmar que ela tinha feito para si desapareceu, desaparecendo como se nunca tivesse existido. O que quer que estivesse acontecendo, quem quer que ela tivesse irritado para acabar presa pelos Preors, eles precisavam cuidar de sua mãe. Agora.

A primeira responsabilidade de um homem era para sua companheira e, por extensão, sua família. As palavras do Saber não estavam assegurando nada. Nenhum sentimento quente e distorcido a enchia. Não enquanto sua mãe estava na Terra e Grace estava ... Ela olhou ao redor, examinando seus arredores mais uma vez. Grace estava onde quer que ela estivesse. Ela empurrou-se até que ela se sentou na borda da cama, pernas penduradas sobre o lado. Seus membros tremiam, os músculos se contorcendo com os movimentos, mas ela passou por sua resposta do corpo. Queria que ela se recostasse. Bem, ela queria falar com a mãe dela. O medo e a preocupação a impulsionaram, ajudando-a a jogar de lado o aczi e com cuidado, empurrando-a lentamente para seus pés. Ela estendeu o braço, a mão apoiada em uma mesa de cabeceira para que ela pudesse se segurar no segundo que ela achava que estava perdendo o equilíbrio.

29


Ela não teve tempo de sobra para se machucar. Ela tinha que sair e ir embora. A cada segundo que passava, a certeza de que sua mãe precisava dela crescia desesperadamente. A sensação não era lógica, ela não tinha nenhuma prova de que havia algo de errado, mas as emoções estavam presentes, não desapareciam. Ela faria o que fosse preciso, quem quer que fosse, para chegar em casa. Não, um tsunami de repulsa a inundou, sugando seu fôlego de seus pulmões. Ela só poderia estar com seu companheiro. Aceitar outro em sua cama seria considerado iqi. Vergonhoso. Desonroso. Não as ações de um acasalado ...O Saber novamente. Aquilo que ela estava chegando lentamente a perceber que era real e não alguma invenção estranha de sua imaginação. Ela tinha experimentado o Saber em algum ponto durante o dia e ela precisava encontrar seu companheiro antes de outra luta do Saber a fizesse ficar doente. O começo de uma pergunta avançou, sua mente se perguntando o que implicava a doença do Saber, mas ela chutou o pensamento de lado antes que o Saber pudesse saltar. Ela se endireitou, satisfeita quando seu estômago não tentou fazer uma aparição. Ela arrastou-se em direção ao pequeno painel fixado na parede mais distante que parecia semelhante a uma almofada de acesso na Terra como um identificador. Ela não pensou que ela seria permitida sair, mas tentaria de qualquer maneira. Ela ficaria amaldiçoada se não saísse e chegasse à mãe. Ela se encostou na parede ao lado da praça escura, tomando um momento para recuperar o fôlego antes de tentar outro movimento. Ela não queria nada mais do que voltar para a cama, rastejar sob o aczi e dormir mais uma noite tranquila. Ela fechava os olhos e fingia que o dia não tinha acontecido. Mas Donna Hall esperava por ela. Donna que cresceu na sujeira e na pobreza. Donna que arriscou sua vida mantendo Grace quando todo mundo na família Hall lhe disse para fazer um aborto. Sua mãe sacrificou um inferno de um lote ao longo dos anos e Grace faria qualquer coisa por ela. Mesmo que tivesse que enfrentar quem estava do outro lado da porta. Usando a parede para mantê-la estável, ela cuidadosamente pressiona seu polegar na almofada, contando os segundos enquanto o sistema de computador decidiu se ela seria deixada livre ou não. Ela não estava muito esperançosa, mas um pouco de brilho viveu em seu coração. Sem aviso

30


prévio, os painéis deslizaram separados com um whoosh suave, expondo o mundo além de sua pequena suite. A área era tão rígida e monocromática como o quarto que ela ocupava. Metal no metal em mais metal. As paredes e o teto eram lisos, enquanto o piso era feito de grades de metal. O pesado golpe estridente de botas no chão vibrou pelo ar. Ótimo. Ela espiou a cabeça ao redor da esquina, a atenção deslizando para cima e para baixo pelo corredor. Vazio. Nem uma alma à vista e como ela estava lá, o som daquelas botas cada vez mais fracas. Ela não estava sozinha, mas também não estava em perigo de descoberta imediata. Soltou o fôlego que estava segurando e tomou um segundo para examinar o corredor um pouco mais perto. Foi quando um fato ficou claro. Ela não estava em uma base humana ou prisão ou navio ou ... qualquer coisa. Não só porque os metais utilizados na construção não eram familiares. Ou o fato de que o design era diferente do que qualquer outra que ela já tinha visto. Ou até mesmo a presença da árvore pwaa no canto da sala. Nope, tinha tudo a ver com a escrita alienígena na parede. Escrita estranha que podia ler. A escrita estrangeira de Preor que ela podia ler informou que o convés de comando estava à esquerda e o salão de refeições à direita. A boca de Grace estava seca e o ar escapuliu de seus pulmões, choque golpeando-a com um punho duro enquanto a realidade a chutava na bunda. Ela caiu contra a parede, joelhos ameaçando dar para fora sobre ela. Ela estava em um navio Preor. Ela tinha feito seu pior e melhor para curar aqueles guerreiros e como pagamento ela tinha sido transportada para o seu navio. O que ... Oh merda. Ela não matou um deles, não é? O Saber tinha lhe dado tudo o que ela precisava saber, não tinha? O barulho de alguém se aproximando chegou até ela, lembrando que o corredor poderia estar vazio no momento, mas ela definitivamente não estava sozinha. Se ela fosse sair da sala, agora era um bom momento como qualquer outro. Ela olhou para a direita, aliviada que ninguém estava vindo, e então dirigiu à esquerda para o convés de comando.

31


O Sr. Teal era o Guerreiro Primário e ele estaria no convés de comando ou alguém ali poderia lhe dizer onde encontrá-lo. Ela entrou no largo salão, maravilhando-se à distância de uma parede para a outra e então ela se lembrou das asas de um Preor.

Eles precisariam de muito espaço para andar se dois machos alados desejassem passar um ao outro. As fêmeas não tinham asas, uma vez que eram destinadas a cuidar, enquanto os machos protegidos e.... Ela cortou o Saber ficando em seus joelhos. Ela não precisava de uma explicação de fisiologia. Ela teve o bastante disso no hospital. Grace manteve sua mão em uma superfície de metal enquanto ela se afastava, com cuidado onde ela colocava os seus pés. Só faltavam três passos para que suas solas nuas protestassem andando no chão ralado, mas não havia muito que ela pudesse fazer sobre isso. Sua mãe sempre lhe disse que ela podia ser teimosa como uma mula quando ela queria conseguir alguma coisa. Uma vez que as mulas estavam extintas, Grace teria que confiar em sua mãe. E talvez ela fosse teimosa. Com certeza seria mais fácil sentar e descansar, mas ela se recusou a sentar em seu traseiro e esperar naquele quarto até que alguém se lembrasse dela. Ela precisava voltar para a Terra - para sua mãe. Agora. Ou tão perto quanto agora ela poderia obter. - Fêmea! - Uma voz crescendo se estendeu ao longo do corredor e vibrou através dela, sacudindo-a de dentro para fora. Ela refletiu sobre seu ombro, espionando um homem Preor de pé não mais de cinquenta metros de distância. Por uma fração de segundo, ela se perguntou se ele era um dos homens que ela tinha tratado, mas logo percebeu que ele era um estranho. Ela não reconheceu os cabelos âmbar ou alaranjadas brilhantes. Seu estômago se contraiu, o medo guerreando com a náusea que ainda a atormentava. Ela amordaçou, o corpo rasgado em duas direções - a necessidade de cair de joelhos e vomitar e a necessidade de correr. - Hall. - ele latiu como se ela tivesse escutado, como se ela fosse um animal de estimação. Mais tarde, ela soprou com indignação justa por seu tom e palavra.

32


Agora, ela só queria continuar em movimento. Então, ela fez o que os seres humanos faziam melhor quando confrontados com uma situação preocupante. Ela o ignorou. Infelizmente, isso não impediu sua aproximação. Seu ritmo aumentou, transformando-se de uma caminhada lenta em um movimento rápido. Sim, ela assim se manteve em movimento. - Fêmea! - Ela tinha um nome. Pelo menos se ele fosse abordá-la, ele deveria usar seu nome. - Eu ordeno que você pare. - Sim, bem, o Dr. Richards ordenou que ela não salvasse vidas de Preor. Grace não era uma boa ouvinte. Ela era uma boa ferida, no entanto. Porque maldita o seu corpo doía e protestava cada passo dela. Mas a determinação a manteve em movimento. Determinação de sair do navio e voltar para a Terra, a determinação de ir para sua mãe, a determinação de não desmaiar ao realizar as duas primeiras determinações. - Fêmea, se você não parar, eu vou ser forçado ... Até aquele momento, naquele segundo, ela não tinha percebido as profundezas de seu problema. Talvez fosse apenas exaustão ou preocupação ou a estranha coisa de Saber ainda batendo em sua mente, mas ela não tinha aceitado completamente os prós e contras de estar em um navio de Preor. Com Preors. Quem tinha asas. Quem carregava espadas. Quem poderia forçá-la a fazer o que eles queriam. Ela olhou por cima do ombro, observando como ele alcançou atrás de si e retirou dois comprimentos de metal afiado. Espadas, este guerreiro especial Preor decidiu desembainhar enquanto ele fechou sobre ela. A luz do vestíbulo brilhava nas lâminas afiadas, e todos os pensamentos sobre sua mãe, o Saber, e o navio pararam. Somente o plano cessou. Foi quando seus instintos da sobrevivência retrocederam dentro. Dor ou não, ferimentos ou não, Grace Hall iria recoar a sua bunda cansada tão rapidamente quanto podia. Ela girou, ignorando a sensação de raspagem no fundo de seu pé, e fugiu pelo corredor. Ela ignorou a maldição do perseguidor e sua velocidade crescente, concentrando-se apenas em encontrar alguém que não a cortasse em pedaços. Devia haver pelo menos um guerreiro assim no navio, certo? - Fêmea. - Fêmea. Como se ela não fosse nada mais do que uma coisa. Ela colocaria seu chapéu de cadela para esse comentário mais tarde. Por

33


agora, ela tentou ir mais rápido, tentou colocar mais velocidade e força e ... falhou espetacularmente. Mas não foi culpa dela. O Preor, em suas costas, apertava a camisa, puxando-a e fazendo-a voar para trás, pelo ar. Um grito estourou de seus lábios - longo, alto e interminável - enquanto ela puxava os braços. Ele não ia pegá-la. Não, ele a tinha parado e depois deixado ir. Ela estendeu as mãos, tentando se segurar e segurar sua queda, mas ela ainda colidiu com a grade, o metal cavando em sua carne, e bateu a cabeça na superfície dura. Nova dor pulsou através dela quando seu corpo protestou seu tratamento . O laranja Preor rosnou, Grace gemeu, e acima de tudo que ... alguém rugiu.

34


Kozav quase rasgou um buraco nas portas em um esforço para chegar a Grace, um rugido que acompanha sua feroz necessidade de estar ao seu lado. No momento em que as portas se afastaram, ele enfiou as mãos com as pontas de garra entre elas e empurrou até que seu corpo pudesse se encaixar no espaço. Ele não tinha tempo de sobra para a condição do navio. Ele não se importou se ele tinha que destruir uma entrada ou cem delas. O grito de sua companheira ecoou nas paredes. Verdade, era possível que o grito veio de outra fêmea, mas ele conhecia cada um no navio. Apenas um par de machos Preor tinha encontrado companheiras na Terra até agora e apenas uma fêmea acompanhou seu companheiro de Preor. Este grito feminino era novo e estranho, e isso enviou um frio abaixo de sua coluna enquanto ecoava nas paredes. Sua companheira precisava dele. Agora. Ele apertou suas asas contra seu corpo, não permitindo que elas arrastassem no ar enquanto ele corria. Ele correu pelo corredor, amaldiçoando sua posição como Guerreiro Primário. Se ele fosse qualquer outro homem, ele teria permanecido no lado de Grace, mas a Maestra da Guerra Lana do navio estava grávida e exigiu o Mestre de Guerra Taulan ao seu lado. Isso deixou Kozav sozinho para gerenciar o navio. Kozav não podia reprovar ao homem sua felicidade pela paternidade iminente. Ele simplesmente desejou que a Maestra de Guerra estivesse com os jovens em outro momento. Qualquer outra hora do que agora.

35


Outro grito e depois um gemido. Logo outros guerreiros seguiram em seu rastro, preparados para lutar pela mulher que gritou com dor e medo. Mais de uma lâmina foi desembainhada, mas ele manteve as suas amarradas às costas até que ele soubesse contra o que ele estava lutando. O fogo de seu dragão se agitava, o sangue se aquecia a cada passo batendo. Ele virou a última volta para a passagem que levava a seu quarto, e a visão que o cumprimentou o fez correr pelo metal sob seus pés. Ele não hesitou em saltar para o macho pairando sobre Grace. Kozav voou pelo ar, colidindo com o guerreiro e envolvendo os braços ao redor do que ousou assustar sua fêmea. Eles caíram longe de sua companheira derrubada, rolando até que Kozav estava por cima dele. Ele grunhiu e afrouxou seu abraço. Lentamente. O guerreiro ofegou. - Eu não ... - Kozav apertou mais uma vez seu aperto. - Eu não vou ouvir mentiras. Seu sangue está em suas mãos, em sua roupa. Você tocou uma fêmea que não pertence a você. - Eu tenho meu nome proprio ... - Sua companheira resmungou e ele decidiu que eles iriam abordar suas crenças mais tarde. Ela estava errada. - Você se atreveu a tocar... - Ninguém ousaria interromper um homem furioso, um Guerreiro Primário com intenção de morrer. Exceto Grace. - Ele só me assustou, Guerreiro Primário. - Kozav estremeceu. Ele não gostava de ouvir seu título em seus lábios. Ele sempre seria Kozav para ela. Sempre. - Ele ... - Eu fui procurar o convés de comando e ele veio ao virar da esquina e gritou para mim. - Gritou para você. - Sua voz era suave, mas ele fez com que todos ouvissem a sua raiva. - Ele gritou para que eu parasse então ... - Ela enrugou o nariz e então fez uma careta. A queda tinha que ter machucado sua bochecha. - Foi um mal-entendido cultural? - Era óbvio que ela tentou acalmá-lo com mentiras.

36


O macho não teria tanto de seu sangue nele, em suas roupas, se ele estivesse apenas tentando ajudá-la. A pegada vermelha perto do pênis do macho não estaria lá se este tivesse apenas amedrontado ela. Ele diria a Grace depois para ela nunca mentir para ele. Kozav grunhiu, mantendo sua atenção em Grace. - Você vai explicar ... - Não. Você vai explicar por que eu estou aqui, em vez de na Terra. Esta não era uma conversa que ele queria ter no corredor quando cercado por seus guerreiros. Tecnicamente, ela não tinha concordado em sair com ele. Tecnicamente, ele havia violado as leis de Preor ao seqüestrar uma mulher. Tecnicamente, ela foi capaz de acessar essas informações através do Saber e poderia trazer acusações contra ele. Kozav foi treinado em batalha, treinado pelos melhores Preors que alguma vez conheceu. Ele sabia como avançar melhor da posição dominante. Ele também sabia quando era melhor recuar. - Shaa kouva. - ele murmurou, imitando a suavidade que seu pai tinha usado freqüentemente em com a sua mãe. Quando Kozav tinha uma mãe. Antes que ele a tivesse matado. Antes que ele tivesse cometido o erro que ... - Shaa ... - Os olhos expressivos de Grace se arregalaram e ela lambeu os lábios. Surpresa e admiração brilharam em seus traços e ele percebeu que não sabia que ele era seu companheiro. Ela sabia que ela tinha um companheiro no navio? Grace franziu a testa em confusão e balançou a cabeça enquanto ela esfregava a testa. - O Saber. - Ela estava ciente do Saber, então. Ele sacudiu a cabeça em um rápido aceno de cabeça. - Sim. - Eu te tratei ... e os outros. - Seus olhos ficaram sem foco por um momento. - Então seus curandeiros apareceram e então eu acordei aqui. Ela olhou para ele, seus lábios firmemente apertados juntos. - Mas eu tenho que voltar.Ela nunca iria deixá-lo. Nunca. - Não. Eu devo punir esse macho por te tocar e depois conversaremos. - Kozav voltou a focalizar o guerreiro que ainda não havia dado seu nome.

37


- Guerreiro Primário. - sua voz baixa provocou seu coração, mas seu título em seus lábios o fez rosnar. Quase rosnando. Ele não agiria de tal maneira em direção a um dom dos céus. No entanto, era tentador. - Kozav, Grace. Você me chamará de Kozav ou shaa kouvi. Eu sou seu companheiro. - Kozav. - ela repetiu seu nome e ele empurrou para baixo a tristeza que veio em não ouvir o carinho em seus lábios. Ele viria. Céus dispostos, ele viria. - Foi apenas um mal entendido. Fiquei assustada e caí. É isso aí. Ele estava me ajudando quando você chegou na esquina. - Ele olhou para sua companheira, pesando suas palavras para a verdade. - Não era um mero medo, shaa kouva. - Era terror e sua companheira tentou colocar o guerreiro de joelhos com seu chute sem sucesso. Ainda mentiu para ele. - Eu acordei sozinha em um navio estranho com roupas diferentes. - Ela estreitou os olhos e por alguma razão ele sentiu como se ele deveria se desculpar por ... algo. - Pode ter sido um pouco mais do que medo. - Fez um gesto para o outro guerreiro. - Isso não significa que você deva matá-lo. Isso é só ... - ela balançou a cabeça. – Estúpido - Mais de um par de asas bateram em surpresa e antecipação. Kozav não tomou insultos levemente. A menos que, ao que parece, eles viesse de sua companheira. - Você quer reivindicar a vida dele? - Não quero que ele morra. Eu só quero isso feito. Eu tenho que voltar à superfície e... - Não. - Ela não o deixaria. - Eu o pouparei, mas você não me deixará. Nós somos companheiros. O Saber tem ... - Não estou negando a parte do companheiro disto - ela retrucou para ele, os olhos em chamas de raiva. Mais guerreiros reviraram suas asas. Como mulheres fofoqueiras, todas eles. - Estou simplesmente dizendo que eu tenho que ir para a Terra e ... - Você não nega que nós somos companheiros? - Ele não iria responder a sua demanda para sair. A pesquisa indicou que olhares não podiam matar, mas se eles pudessem, ele estaria morto na expressão de sua companheira.

38


- O Saber se estende entre nós. - Ela falou com os dentes cerrados. Está lá. Eu sabia como tratar a todos vocês em East Fortuna e agora posso ler Preor.... - ela acenou para um sinal próximo. - Posso aceitar que está presente e real. Mas isso não significa que eu ... - Bom. Pelo menos, eles não teriam esse argumento. Embora ela ainda estivesse tentando sair assim com a companheira de Jarek joi Melissa quando o Saber os atingiu. Posição dominante. Escarranchando o guerreiro morto em breve. Ele permitiu que suas unhas se alongassem e se afiasse com sua natureza de dragão e envolveram uma mão ao redor da garganta do macho. Ele pressionou as unhas do outro contra o rosto do guerreiro. - Diga-me por que eu não deveria te matar agora. - Ele seguiu sua demanda com um silvo, o som ressoando através do ar. O desejo de esguichar o macho o cavalgava com força, a necessidade de vingar sua companheira se transformou em um ser físico que se retorcia dentro de seu peito. Isso não era raiva. Era vigança. Sua raiva cresceu quando o cheiro do sangue de Grace encheu seu nariz. Odiava que seu corpo reagisse com a excitação, sua necessidade de ser revestido em seu perfume guerreando com a necessidade de cuidar de sua saúde e conforto. Por enquanto, ele se concentraria no macho. - Diga. - Kozav percorreu a pele do guerreiro e baixou o rosto. - Eu... O macho cometeu o erro de lutar, dirigindo as unhas de Kozav mais fundo, mas seu aperto segurou o macho mais jovem firme. Como seu cativo não queria falar, interrogaria a sua companheira. Ele respirou profundamente, tentando acalmar-se, mas tudo o que conseguiu foi trazêlo mais de seu cheiro. Doce e metálico. Despertando e enfurecendo ao mesmo tempo. - Grace? - Ele virou a cabeça, mas sua atenção permaneceu em sintonia com sua presa. - Você está ferida? - Kozav se concentrou em um dos machos próximos e seu olhar colidiu com o de Detzan. As lâminas do macho foram desembainhadas, um aperto branco e forte segurando as alças. - Entre em contato com o médico e tenha Curandeiro Mestre ... - Estou bem - ela murmurou e permaneceu no chão, uma pequena mão esfregando sua cabeça e escovando seu longo cabelo e olhos escuros.

39


Lentamente, agonizando lentamente, ela se levantou do chão e Kozav deu a primeira olhada em sua companheira enquanto ela estava consciente. Ele também teve seu primeiro olhar sobre os novos ferimentos em seu corpo e onde o sangue emergiu. Seus pés estavam crus, manchando a pálida grade com gotas de vermelho. Ele não tinha pensado em segurar seu calçado, e ele aceitou isso como um fracasso de sua parte. A vergonha o impregnava e resolveu cuidar melhor de sua fêmea. Ele não tinha aprendido com os erros do passado ainda? O macho abaixo dele lutou e Kozav apertou sua mão. - Diga-me seu nome para que eu possa dizer a sua mãe e pai de sua morte. Ele mataria este macho. Sua companheira estava coberto de arranhões e contusões, a coloração se espalhando a cada segundo. Gotículas de sangue manchou sua xina e mais encontrou seu caminho para suas palmas. Grace suspirou e encostou-se na parede. Ela estava ferida e precisava de apoio, mas nenhum outro Preor se apresentou para prestar sua ajuda. Boa. Eles poderiam manter suas vidas. Os machos não podiam tocar em fêmeas que não lhes pertenciam. A fúria de Kozav se entrelaçou e queimou seu caminho, queimando-o com seu calor e intensidade. Ele queria destruir esse macho por tocar em Graça. Matar todos os homens na área, mesmo aqueles que estão olhando para a sua companheira. Havia trinta e, se desafiasse dois de cada vez, só o levaria ... - Ele não pode responder se você continuar sufocando ele. - Grace raspou as palavras e Kozav admitiu que Melissa tinha escapado do navio com um farol de transporte do Ujal Rhal. Agora Kozav estava feliz que ele tinha despojado e mudado. Ele também estava feliz por ter ouvido a Maestra da Guerra e ter permitido que a fêmea substituísse sua roupa em vez de fazê-la sozinha. Ele fez mais pesquisas quando sua companheira estava descansando e aprendeu que as fêmeas não gostavam de ser despojadas sem permissão. A multidão despediu-se de um recém-chegado, os guerreiros reunidos se afastaram para o Mestre da Guerra anterior do navio e sua companheiro. Kozav inclinou a cabeça em reconhecimento.

40


- Estimado Guerreiro Jarek. - Era difícil abster-se de chamar Jarek pelo título de Mestre de Guerra, mas o homem decidiu viver tranquilamente na Terra com sua companheira humana em vez de continuar a viver no navio. Foi quando Taulan se tornou Mestre de Guerra e Kozav se tornou o novo Guerreiro Primário. Agora, Jarek simplesmente visitava ocasionalmente, mais freqüentemente, desde que a companheira de Taulan estava carregando. - Você está me ouvindo? - Ele teria que encontrar um guarda para sua companheira. Se ela estava decidida a se mover, mesmo que ela estivesse ferida ... - Claro, shaa kouva. - Ele não estava, mas não diria isso. - Kozav? - Jarek ergueu uma sobrancelha. Era uma expressão humana que muitos Preor pareciam adotar. - Este macho atacou Grace. - Grace rosnou como uma fêmea Preor irritada. - Ele ... - Eu não entendo por que ele ainda respira. - A confusão de Jarek era evidente - Grace não quer que ele morra - O que Kozav achou desapontador. - As mulheres podem ser emocionais. - Melissa cotovelou seu companheiro. Kozav desejou que Grace não estivesse presente para testemunhar esse comportamento. Ele não queria que sua companheira pensasse que poderia atacá-lo como ela quisesse. ~ - Sério? - A atenção de Grace saltou entre ele e Jarek. Kozav não gostou que ela olhasse para o outro macho, mas ele não podia fazer nada sobre isso enquanto o atacante de Grace permanecia abaixo dele. Ele deslocou sua atenção para a multidão e se concentrou em Radoo, um macho castanho. - Primeiro Guerreiro, leve este macho para uma cela de retenção. - O primeiro guerreiro se afastou e tomou posse do macho sangrando, levando-o pelo corredor. Agora ele podia lidar com sua companheira. - Shaa kouva. - Ele foi para ela e envolveu seu braço ao redor de sua cintura para estabilizá-la. Não era a primeira vez que ele a tocava, mas era a primeira vez que ela estava acordada quando ele colocou as mãos sobre ela. Ela era curvada e doce, cheirando a seu quarto e as roupas que ele trouxera de Preor. Ele

41


tinha trazido muitas coisas de Preor para ela. - Shaa kouva, você concordou que é minha companheira. - Sim, mas esse não é o problema aqui. Eu preciso ... - E você concordou que experimentaria o Saber. - Shaa kouvi. - Suas palavras pareciam experimentar o céu mais claro. - Sim, mas ... - Verdade? - Jarek falava sobre Grace e Kozav enquanto falava o macho sobre a interrupção dela. - Bênçãos dos céus, Kozav. Apresente-nos a sua companheia. Kozav inclinou a cabeça de acordo. - Devo pedir-lhe que testemunhe. - Ele manteve os olhos trancados nos de Grace. - Pelo Tratado da Terra, eu reivindico a Grace Hall como Kouva a Kozav sen Aghin, agora Kozav joi Grace, Guerreira Primária da Terceira Frota Preor.

42


Grace sugou uma respiração rápida, choque e medo atravessando-a com sua reivindicação. Conceitualmente, ela sabia que eram companheiros. Ela sentiu isso quando ele se aproximou e ele tocou sua alma quando ele colocou as mãos sobre ela. Além disso, o Saber não teria se manifestado se ela não tivesse conhecido um Preor. Mas sua mãe ... Sua mãe estava doente e sem cura na Terra. Os Preors eram avançados o suficiente para cuidar de sua mãe? Para acabar com sua dor constante? Deus, Grace esperava que sim. - Você não entende. Eu tenho que voltar para a Terra. Há alguém que precisa de mim. - Eu preciso de você. Ele não a conhecia. Ele não podia precisar dela. Ele não dependia dela por seu bem-estar. A única coisa que podia fazer era evitar seu sofrimento. - Eu entendo, a doença do Saber. Kozav rosnou. - É mais do que ... Grace não queria ouvir falsas promessas de "é mais" e empurrou como se não tivesse falado. - Bem, você não me deu á luz, então você não conta. - Ela olhou para ele. - Minha mãe precisa de cuidados constantes. Eu não sei que horas são, mas seu cuidador sai às cinco às sextas-feiras ... - São sete em seu tempo terrestre.

43


O alívio surgiu através dela. Duas horas? Ela achou isso difícil de acreditar, mas aliviou um pouco de sua preocupação. - Duas horas não é assim... - Sábado. O estômago de Grace se apertou, o coração pulando uma batida com aquela nova informação. Uma nova corrida de determinação afastou qualquer dor que ainda se demorasse e ela endireitou a espinha. - Eu tenho que voltar. Agora. E ela malditamente bem não aceitaria "não" como uma resposta. Não quando se tratava de família. - Grace... De certa forma, ela era uma imbecil, mas em muitos outros - quando contou - ela não recuava. Alien ou não, asas ou não, espadas ou não, ela estava voltando à Terra. Ela olhou para ele, seus olhos se encontraram, e manteve sua voz suave, mas ainda mais dura do que o aço. - Você vai me devolver à Terra. Agora. Você vai me levar para minha casa. Agora. Minha mãe está muito, muito doente e eu não posso pagar enfermagem em tempo integral. Isso significa que ela depende de mim para cuidar dela durante a noite. Então, você quer me levar de volta ou eu vou rasgar este navio à parte procurando um pod eu mesma. Naturalmente, toda a sua força e exigências foram minadas por seu balanço de um lado para o outro. A fraqueza não a levaria à mãe dela. Só a força o forçaria a escutar, a ver Grace e aceitar que nada ficaria entre ela e o planeta azul e verde. Sua mão apertou sua cintura e ela se inclinou, tentando mostrar que ela não precisava dele. Na verdade, ela não precisava de ninguém. Ela se saiu bem sozinha diante do Saber e do Kozav e do navio Preor. - Shaa kouva. - ele repreendeu como se ela fosse uma criança e uma onda de força encheu suas veias. - Não. - Ela afastou-se, agradecida por seus joelhos não se dobrando embaixo dela. - Não. - Ele tentou agarrá-la de novo, mas não estava acontecendo. Não até ouvir. Só quando a ouviu, ouviu-a. - Kozav, minha mãe tem Pol Mutation. Ele franziu o cenho. - Não estou familiarizado com esta doença.

44


- Você não precisa estar familiarizado com isso. Você só tem que me levar de volta. - Você vai explicar. - ele se apertou nela e Grace estalou por todos os lados. - Você quer que eu explique. - A fúria a fez rosnar enquanto a pura frustração e raiva alimentavam seu discurso. - É uma mutação de poluição em seu DNA. Ela cresceu no meio de lodo e poluição, antes que o Ujal viesse e limpasse o planeta. Sua cidade estava coberta de fuligem e sujeira, o oceano era praticamente terra seca e comida era escassa. Agora, me pergunte se os homens no comando fizeram alguma coisa. Será que eles fizeram alguma coisa para evitar que ficasse pior? Não... - ela cuspiu, raiva em pleno andamento. - Não, eles continuaram correndo suas usinas e vivendo em suas torres de marfim e ... Grace engoliu em seco, com os olhos ardendo quando pensou no que era o mundo quando sua mãe estava crescendo. Tinha ficado melhor depois que Grace nasceu, quando ela ainda era uma criança, mas o dano tinha sido feito para sua mãe. Kozav mais uma vez tentou puxá-la para seus braços e ela se afastou. O farfalhar das asas lembrou-lhe que não estavam sozinhos, mas ela não se importava. Ela deveria estar envergonhada por ter uma partida gritando na frente de todos, mas nada importava mais do que sua mãe. - E ela sobreviveu. Mal. Quando os Ujal vieram, eles purificaram tudo, colocaram salvaguardas no lugar e agora controlam o que fazemos ao planeta. Mas eles não podiam consertar o que tinha sido feito ao povo. Especialmente porque o governo nem sequer reconhece que há um problema. Não há tratamento. Não há cura conhecida. - Isso não me fala de sua doença. Não, não, não. Ela poderia muito bem e conversar em termos mais suaves, mas ela estava apenas ... acabada. Cansada e estressada e todas as outras emoções no mundo. Ela tinha experimentado todos eles desde que ela abriu os olhos. - Significa que a poluição mudou seu código genético. Essa evolução entrou e tentou tornar impossível para a população crescer porque não havia nenhuma maneira o mundo poderia suportar tantos problemas. Significa que quando ela decidiu procurar uma intervenção médica para me ter, quase a matou. Ainda está tentando matá-la e ninguém na Terra reconhece o problema. Eu trabalho dois trabalhos para nos apoiar, para fornecer-lhe os melhores cuidados que eu posso. Eu trabalho até que eu esteja dormindo em meus pés e tenha bolhas cobrindo meus dedos do

45


pé. - Raiva ardente a tinha pisando em direção a ele, pés raspados estavam condenados. - E se você não me deixar ir até ela, se ela morrer porque você está tentando afirmar o seu domínio ou qualquer outra mentira Preor... seu rosto escureceu, mas ela não tinha dito nada ainda. - Eu nunca vou te perdoar. - Foi justa? Justo da parte dela colocar tudo sobre ele? Não. Mas uma coisa que Grace aprendera ao longo dos anos era que a vida não era justa. Ela chutou. Chutou uma pessoa na bunda e então outra vez nas costelas para a medida boa. Ela batia uma pessoa para baixo uma e outra vez, e cada vez, ela rastejou de volta para seus pés, pronta para enfrentá-la mais uma vez. Agora ela esperou. Esperou sua reação ao seu ultimato. Kozav não falou no começo, apenas segurando-a nos braços e segurando-a contra seu peito. Seu aperto era firme quando ele girou e caminhou pelo longo corredor. - O que ... - ela gritou. - Iremos até sua mãe. Lamento não ter ouvido mais cedo, mas isso não acontecerá novamente. Teremos uma equipe de médicos nos seguindo se for necessário. - A determinação desagradável encheu sua voz. Grace rezou o mais que pôde para que eles não precisassem de uma equipe médica. Que ela precisava apenas arrumar a sua mãe e então eles poderiam descobrir o que fazer a seguir. Sua mãe seria bem-vinda no navio? Ela teria que mandar sua mãe para casa? Seria ... As portas se separaram para eles durante sua caminhada e guerreiros saltaram fora do caminho quando Grace e Kozav se aproximaram, dandolhes espaço. Ela olhou por cima do ombro e observou que vários guerreiros seguiam, alguns que haviam observado seu argumento com Kozav e outros que eles pegaram ao longo do caminho. O grupo manteve-se, só parando quando eles entraram na baía de ônibus. Um ônibus próximo, suas portas de largura, ocupou o centro da baía, e ele se dirigiu nessa direção. Ele rapidamente a colocou na cadeira vazia do copiloto e alcançou as restrições, mãos grandes rápidas e eficientes enquanto a amarrava dentro. - Kozav, espere. - Ela agarrou seu pulso. - O que está acontecendo? - Nós estamos indo para a sua mãe, minha mãe-por-acopolamento. Se eu tivesse percebido sua condição quando eu a recuperei. - ele balançou a

46


cabeça. - Eu sinto muito, shaa kouva. Eu sou um homem egoísta que só pensou em mim mesmo, mas eu não vou cometer o erro novamente. Murmúrios de fora do navio chegaram a eles. - Eu voluntário ... - Eu peço ... - Eu deveria ... - E eles? - Não reconheceram as vozes, mas cada um estava cheio de feroz determinação. - As fêmeas e as libélulas, acima de tudo, são sagradas em Preor. O que a sua mãe sofreu e que você lutou para cuidar dela por tanto tempo ... eles estão pedindo a honra de proteger você e sua mãe enquanto estamos na superfície. Só podemos trazer seis outros em um ônibus deste tamanho, mas acredito que mais nos seguiram. - Ela deixou que a esperança de tentar rastejar em seu coração tivesse livre reinado. Ele realmente a estava ajudando. Ele cuidaria disso. Eles ... todos eles cuidariam. Entăo talvez as coisas estariam bem.

47


Nada estava bem. Nem uma maldita coisa. Grace não sabia de onde vinha essa certeza, o conhecimento de que ela estava prestes a entrar no inferno, mas estava lá. Isso a fez explodir no rosto, golpeando-a com dúvidas e preocupações. Ela não ia gostar disso ... fosse o que fosse. A viagem foi rápida, o ônibus da Preor cortando todo o tráfego aéreo. Se isso era com permissão ou porque Kozav simplesmente não se importava, ela não tinha certeza. Agora eles navegaram para a costa, para o pavilhão da Preor Tower. Pelo menos, isso era o que ela tinha pensado que fariam, mas eles contornaram completamente a torre e a estação de Ujal. - Kozav? - Ela olhou pela janela. Ou melhor, à imagem digital projetada na parede do navio que parecia uma janela. O cenário passou correndo, o ônibus voando baixo e usando as ruas como se fosse um carro. - Nós não precisamos desembarcar? - Ela acenou sua mão de volta o caminho que eles tinham vindo. - Lá? Ele não rasgou seu olhar de seu caminho quando falou, mas ela não tinha dúvida de que ela tinha sua atenção. - Não vamos atrasar a assistência para a sua mãe, shaa kouva. Eu falhei com você uma vez. Não voltarei a fazê-lo. Ele cerrou o queixo, uma veia latejando em sua têmpora, e ela reconheceu os sinais de auto-aversão quando os via. Essa não era a verdade. Ele não tinha falhado com ela. Ele ... não tinha ouvido imediatamente.

48


- Não foi fracasso, Kozav. Nós ... - Fiquei preso na merda que era a vida. - Tudo que poderia dar errado, dá. Isso é tudo. Ele ficou quieto por um momento e ela se recusou a tentar identificar as emoções que encheram sua voz. - Nem tudo, shaa kouva. Eu encontrei você. Não há presente maior do que você em minha vida. - Você diz isso agora ... - Ela deu a ele um sorriso pesaroso. - Apenas espere até eu encher todas as tampas. Kozav puxou sua atenção do céu e olhou para ela. Um calor esfumaçado encheu seus olhos, o cerceta escurecendo até que estivessem quase pretos. - Estou ansioso pela experiência. Ela corou, o rosto ardendo. - Eu quero dizer… - Guerreiro Primário Kozav, aproximamo-nos do destino. - A voz do navio interrompeu a conversa. Eles estavam chegando perto de sua casa, sua mãe. E Grace trouxe um pouco de esperança junto com ela. Ela receberia seus cuidados médicos adequados. Kozav prometeu. Ela se inclinou para a frente, ansiosa. As restrições escavadas em seu peito e ombros, mas em sua excitação, ela não se importava. A vizinhança ao redor dela gradualmente foi ficando mais escura, mais suja, e mais ao redor da cidade. Os efeitos da negligência eram óbvias na condição da área. Sim, eles estavam perto. Ela reconheceu o prédio meio demolido na esquina. Um empreendedor de terra comprou o lote anos atrás e começou a demolição, mas as políticas ambientais de Ujal puseram um fim à construção. Havia um pequeno pedaço de grama - quase erva - que agia como um chamado playground. Em seguida, a pequena loja de canto e ao lado dela estava um restaurante gorduroso que ela trabalhava ocasionalmente. O acerto era considerável pelas gorjetas e uma refeição. Tinha sido um bom trabalho quando ela estava nessa idade intermediária. Muito jovem para algumas coisas e muito velha para outras. - Grace? - O tom preocupado de Kozav desviou seu olhar de seus arredores. - Sim? Você precisa de instruções? - Ela cutucou seu cinto de segurança, pronta para ficar livre da restrição. - Se você for para a

49


esquerda no próximo cruzamento - ela acenou com a mão, ainda com a atenção na estúpida fivela - ... fica a dois quarteirões da direita. Ela quase lhe disse que era o prédio vermelho, mas a cor tinha desbotado a merda-marrom há muito tempo. Agora todos os edifícios eram da mesma cor. - Este é o lugar onde você viveu? - Seu rosnar chamou seu foco e ela franziu o cenho para ele. - Hã? - Aqui? - Ele gesticulou para fora da frente do navio e ela seguiu onde ele apontou. Ela tentou vê-lo através de seus olhos, as calçadas rachadas e buracos que alinham as estradas. O lixo que demorava em calhas. Os caras que costumavam descansar em um dos rebaixos e incomodavam todo mundo. - Sim. - Ela desfez o fecho final e empurrou para seus pés, cuidado para não tropeçar desde o ônibus ainda voava através do céu. - Eu disse que não tínhamos dinheiro. Fiz tudo o que podia para nos apoiar. - Ela enrolou o lábio, anos sendo desprezada por causa do que ela não tinha, não saia da sua mente – aquele desdem. - De repente, lamentando sua escolha? - Shaa kouva ... - O telhado do prédio é de tamanho suficiente para aterrissar, Guerreiro Primário. - A voz do navio entrou em sua conversa e ela ficou contente por ter parado o que certamente seria um argumento na frente dos outros guerreiros. Kozav estava ajudando-a, ajudando-as. Um pouco de gratidão não era pedir demais. Deus, ela estava montando este trem de cadela desde que ela acordou e ela estava tão pronta para sair já. - Terra. O cérebro de Grace o alcançou então. - No telhado? Do meu prédio? - Kozav arqueou uma sobrancelha e ela balançou a cabeça rapidamente. Não. Não a menos que você queira trazer tudo para baixo. Vai desmoronar. Kozav inclinou a cabeça e ela praticamente sentiu seus pensamentos em sua própria mente quando ele decidiu entre confiar nela ou assumindo

50


que ela exagerou. Ela simplesmente esperou que ele escolhesse. Escolher a sua superioridade ou acreditar nela - apenas um pouco. - Não vamos aterrar. Abaixar e flutuar três polegadas acima do telhado. Partiremos e então subiremos a uma distância segura pairando. Não vamos ficar muito tempo. - Então, ele decidiu confiar nela. Aquilo não era apenas uma quebra de casca em seu coração um pouco? Essa confiança inicial era boa considerando que ele teria que dar a ela um pouco mais de tempo. Pelo menos tempo suficiente para entrar e sair do edifício. O telhado era um ótimo lugar para encontrar paz ... contanto que uma pessoa soubesse onde pisar. Havia mais de que alguns buracos, mas aqueles eram realmente apenas um problema durante a estação chuvosa. O que acontecia de junho a novembro. Mas os outros seis meses do ano, só chovia uma vez por semana, em vez de todos os dias. Três guerreiros sairam do navio flutuante – mesmo que o Kozav disse que era apenas um pequeno grupo entraria no edificio. Seus passos pesados e o rangido de algo rangendo debaixo dos seus pés fez ela gemer. – Shaa Kouva, você tem certeza que isso é seguro? Não, ela realmente não tinha. - Claro. Estou morando aqui há quinze anos. Desde que ela tinha conseguido dinheiro para o aluguel ... ou quando ela não tinha. Grace esperou que ela tenha soado mais confiante do que ela se sentia enquanto ela continha a sua respiração com cada passo que eles davam.. Felizmente, eles não tiveram que confiar nas escadas antigas por muito tempo. Seu apartamento ficava no décimo quarto andar de vinte andares. Agora, eles entrariam em seu apartamento, pegariam a mãe dela e sairiam daquele buraco na bunda da Flórida. Execto se algo estivesse acontecendo realmente. Não quando ela chegou à porta dela e o cheiro a atingiu. Era familiar e devastador, e um soluço subiu por sua garganta. Ela tentou com suas chaves, agradecida por Kozav ter tomado todos os seus pertences quando ele tinha sequestrado ela do hospital.

51


Os pedaços de edifícios de apartamentos esculpidos em metal não tinham quadros de identidade extravagantes - tremeram em seus dedos, suas mãos se recusaram a trabalhar, até que seu companheiro os tirou dela. - Qual, shaa kouva? - Compreensão e doçura a fez querer chorar mais. - Essa ... - ela apontou. Seus movimentos eram cuidadosos e gentis, mas ela viu a maneira como seus músculos se enrijeceram, as linhas esculpidas em seus braços e o som de suas asas sussurradas. Ele estava bravo, chateado, algo assim. Algo diferente da calma que ele tentou retratar. E a vergonha a atingiu. Ela tentou ser forte e poderosa e agir como se não se importasse, mas não havia como evitar a situação por vir. Porque só ia piorar. No momento em que a porta se abriu e a realidade o atingiu no rosto, ele realmente veria o que ele tinha entendido com o Saber. Kozav virou a maçaneta e abriu a porta, mas em vez de deixá-la entrar primeiro, ele a segurou de volta para que seus guerreiros pudessem entrar. Sorridente virou-se para o medo e ela agarrou seu antebraço, apertando forte. - Você não pode deixá-los ir em seu quarto, Kozav. - Pânico tinha sua voz aumentando em passo. - Ela não quer que ninguém a veja quando ... Grace sabia exatamente como sua mãe parecia neste momento. Se sujou porque ela se cansou e não conseguia se levantar. Indiferente porque ninguém a tinha ajudado com as refeições, então ela não tinha energia. Esgotada porque a mutação lhe dava fadiga crônica. - Hall. - Uma sílaba e todos congelaram no lugar, nenhum movimento de Preor. - Venha, shaa kouva. Vamos cuidar da sua mãe.

52


O fogo do dragão de Kozav queimava em seu peito, aquela parte dele ansiosa para explodir e destruir todo o edifício - o bloco inteiro. Nada disso merecia ficar. Nada disso estava em condições de abrigar ninguém. No entanto, ele tinha visto dragonets - não, os humanos chamavam-nas crianças - nas ruas. Jovens que brincavam entre o lixo. As mulheres que pareciam esgotadas além da compreensão. Arredores que não estavam aptos para prisioneiros, muito menos famílias. No entanto, este lugar existia. Ele seguiu sua companheira pelo corredor, ansioso para recuperar sua mãe-por-acasalamento e, em seguida, partiriam antes que a estrutura desaba-se abaixo deles. Ele havia questionado sua companheira sobre sua integridade e ele sabia que ela mentiu. Mesmo se ela tivesse dito a verdade, eles ainda precisavam recuperar sua mãe. Ele tinha deixado o navio de guerra, inseguro de seus próximos passos, apenas pensando em chegar à mãe de sua companheira, mas agora que ele tinha visto os arredores ... a mãe de Grace estaria voltando com eles. Ele não permitiria nada menos. Cada passo abaixo do estreito corredor tinha deixado a sua companheira mais tensa, seu corpo tão apertado que ele acreditava que ela

53


estaria a qualquer momento. Inaceitável. Seu propósito era facilitar a vida dela, protegê-la e cuidar dela. - Shaa kouva? Ela tropeçou e se virou para encará-lo. - Hã? - Esteja à vontade. Decidi que vamos levá-las a partir daqui e você nunca mais terá que voltar. - Eles ficaram de fora de uma porta fechada agora e sua companheira alcançou o botão. O cheiro que tinha seu estômago virando na porta principal encheu esta pequena área. O aroma da sujeira veio de trás da porta fina e raiva o sufocou. Como o estomago da sua companheira em tais condições ele estava além de entender e então ele tinha se recusado a ouvir a sua companheira. A vergonha o envolveu em um instante. Um brilho estranho veio aos olhos de Grace e ele ficou rígido. - Você está quebrando de alguma forma? - Ele alcançou seu rosto e pegou uma gota única quando ela escapou passado seus cílios. - Você precisa de assistência médica? Grace riu e fungou, limpando o que restava do líquido. - Não, eu estou bem. Preocupada. Assustada. Ele ficou de pé, endireitando as costas e esquadrando os ombros. - Eu vou te proteger com minha vida, shaa kouva. Ela deu a ele um sorriso triste. - Não há maneira de me proteger de algumas coisas. - Então foi sua vez de fazer o mesmo, chupar em uma respiração profunda - e ela pareceu se preparar para o que estava por vir. - Eu sei que você quer ajudar, mas eu preciso ir lá sozinha. Doente… - Eu vou com você. Ela abanou a cabeça. - Não. Apenas ... deixe-me ver com o que estamos lidando. Vou deixar você saber o que precisamos. Kozav lutou contra seus instintos. Não gostava da ideia dela entrar num quarto sem ele, mas não tinha escolha. Ele provaria para sua companheira que ele era um macho digno. Permitiria que sua companheira fizesse as escolhas quando era necessário. Suas boas intenções duraram até que ela abriu a porta.

54


Não era o cheiro que o estimulava a agir. Nem a sujeira do quarto pequeno. Era a única mulher que descansava no centro da pequena cama, seus membros se enroscando ao redor dela, cabelos castanhos esbugalhados e mascarando metade de seu rosto magro, e os olhos que combinavam com o de Grace. A aceitação da morte estava gravada em suas características da sua mãe-por-acasalamento. Antecipação e reconciliação. Ele tinha visto esse rosto com muita frequência quando ele não era mais do que um quarto guerreiro. Quando sua mãe se voltou para ele e sua irmã gritou por ele. Quando viu seu pai se afastar ... Ele não permitiria que sua companheira sofresse como ele. Ele falhou com a sua própria e sua irmã. Ele não falharia com Grace. O rosto feminino corou o rosa pálido, seu corpo nem sequer conseguiu produzir um blush completo, mas ele reconheceu seu embaraço. Ele não tiraria o orgulho feminino dela. Kozav puxou a porta completamente fechada, deixando sua companheira sozinha como ela havia pedido. Mas isso não significava que ele ficaria ocioso enquanto esperava por ajuda. Ele pisou de volta pelo corredor e entrou no espaço central e aberto da casa de sua companheira. Seus guerreiros estavam de guarda em toda a sala, estacionados ao lado da porta da frente e janelas. Eles prestaram-lhe atenção enquanto permaneciam vigilantes. Ele iria abordá-los em um momento. Primeiro, ele precisava pedir ajuda. E exigiria o mais alto e o mais longo que fosse necessário. Ele retirou a sua comunicação e imediatamente contactou o navio de guerra em órbita. O aparelho não era privado - todos os homens ouviam a conversa - mas Kozav não tinha tempo para privacidade. - Navio, conecte-me ao Curandeiro Mestre Sugal. - Sua raiva aumentou com cada sílaba, sua incapacidade de fazer qualquer coisa imediatamente esmagando sua alma. - Sim, Guerreiro Primário. - O comunicador permaneceu em silêncio e a próxima voz que ele esperava era de Sugal, mas era o computador mais uma vez. – Curandeiro Mestre Sugal afirma que ele não está disponível.

55


Os gemidos e rosnados surpreendidos dos outros ecoaram os sentimentos de Kozav. Com prazer, rasgaria o Mestre de Cura em pequenos pedaços. Depois que ele cuida-se da mãe de Grace. - Navio, ele vai parar imediatamente o que está fazendo e responder a sua comunicação. - O Mestre de Cura Sugal indicou que não tem tempo para a sua investigação no momento. - Frequência de transmissão. O Curandeiro não iria atendê-lo voluntariamente, Kozav teria outros completando sua tarefa. - Confirmado. Freqüência de transmissão ativada. - Atenção. Este é o Guerreiro Principal Kozav. As unidades do guerreiro udou e rvu, localizam e prendam o Mestre de Cura Sugal. - O macho aprenderia a atender a convocação de seu superior. A ordem e o controle impediriam a todos e a cada Preor de perseguir outros, suas naturezas dominantes e agressivas, permitindo nada menos que controle total. - Whelon, uma unidade de emergência médica deve ser montada e transportada para o meu local imediatamente. Mestre do Coração Sobol joi Zurer, sua presença também é solicitada. - Kozav sabia melhor do que ordenar uma fêmea acoplada. Ele não queria lutar contra o Mestre Zurer por qualquer ofensa. - Guerreiro unidades raghroru e ruor, você vai fornecer escolta. Espero que essas ordens sejam executadas e concluídas dentro de dez minutos terrestres. Navio, comunicação final. - Suas primeiras e segundas unidades guerreiras garantiriam a captura de Sugal, enquanto a terceira e quarta unidades transportaram o pessoal e o equipamento necessários. Esperançosamente a presença de Sobol aliviaria todo o desconforto que sua mãe-por-acasalamento pudesse experimentar de ser cercado por tantos machos. A raiva e a frustração o desejavam poder golpear algo - alguém - mas imaginou que seu punho atravessaria a parede se tentasse exalar sua fúria dessa maneira. Que o Mestre de Cura rejeitou seu pedido - um que envolvia a saúde de uma mulher ... Uma vez que tudo era conhecido, o resto dos guerreiros veria que Sugal lamentaria sua decisão.

56


- Mestre de Cura Sugal é o tio do Terceiro Guerreiro Impe. - A voz tensa e profunda chamando a atenção de Kozav. - O quê? - O jovem guerreiro que encontrou com Grace. - Seu tio é o Mestre de Cura Sugal. - Kozav rosnou e enrolou seu lábio. Guerreiros fracos o desgostavam, homens enganadores o enfureciam. Parecia que esses dois homens eram ambos. - Eles aprenderão dos erros de suas ações. - Sim. - Cada guerreiro concordou com ele e agora Kozav percebeu que ele poderia ter que proteger Sugal e Impe de seus homens. O barulho de uma aproximação de ônibus chegou e Detzan olhou pela janela. - As unidades raghroru e ruor chegaram. - Espantava-o que tinham chegado tão rapidamente, mas não deveria ter. Muitos observaram Kozav com Grace naquele corredor. Muitos sabiam da razão de sua viagem à superfície. Pelo menos ele tinha alguns machos em que ele poderia depender para ser honrado. - Conceda-lhes entrada quando eles chegarem. Eu estarei com a Grace e sua mãe. - E ele não seria rejeitado. Ele caminhou mais uma vez pelo corredor estreito, ignorando o modo como o chão balançava com cada passo. Já o aroma da doença diminuía e ele odiava ter sido ela quem limpou o espaço. Ele bateu suavemente na porta, esperando para ver se ela iria vir até ele ou se ele teria que empurrar seu caminho para o espaço. Mas sua companheira apareceu, cabelo macilento e úmido, rosto pálido e olhos arregalados. - Shaa kouvi. - Seu batimento cardíaco tropeçou e alegria cantou em seu peito. Ele odiava a razão por trás do uso dela, mas ele adorava ouvir isso em seus lábios. - Shaa kouva. - ele murmurou em troca. - Curandeiros estarão aqui momentaneamente. - Curar ... - ela sussurrou e engoliu em seco. Líquido encheu-lhe os olhos outra vez e ele estava inseguro sobre o que ele fez de errado desta vez. - Você deseja que eu os envie? Acreditei que a sua mãe precisasse de cuidados médicos ... - Ela agarrou a mão dele e apertou-a com força.

57


- E ela precisa. - Será que ela permite isso? - Kozav não tinha certeza de que ele desse á mãe de Grace a escolha. Gárcia olhou por cima do ombro e Kozav seguiu a linha de visão de sua companheira. A mudança na fêmea sentada em uma cadeira perto da janela era espantosa. A palidez permanecia, mas seu cabelo tinha sido escovado, roupas mudaram, e seus olhos não pareciam tão cheios de exaustão. - Mãe? - Sua companheira sussurrou em sua mãe. Talvez a doença da mulher também tenha afetado sua audição? Ele teria que avisar os curandeiros. - Eu ... -Seu lábio inferior tremeu e Kozav não pôde ficar em silêncio. Ele falou diretamente com a mãe de Grace. – Senhora Hall, eu juro para você ... - Donna. - Grace murmurou. - O nome dela é Donna. - Kozav sacudiu a cabeça. - Ela é uma mãe honrada e deve sempre ser tratada como tal. É o nosso jeito.- Ele encolheu os ombros. Ela não podia mudar sua raça inteira. Senhora Hall, os curandeiros estarão aqui momentaneamente para escoltála até nossa nave. Senhora Hall bateu a mão, um gesto bem parecido com o da sua kouva. - Estou bem agora. - sua voz era tão macia e frágil. - Não adianta me arrastar para o espaço só para ouvir que não há nada que possa ser feito. Então você terá que me trazer de volta novamente. - O pequeno sorriso que ele recebeu foi fraco e terno, e um olhar para sua companheira mostroulhe que ela tinha as mesmas crenças. Eles realmente pensavam ... Kozav agarrou a mão de sua companheira e puxou ela para dentro do quarto, não parando até que eles parassem em frente a Senhora Hall. - Foime dito que as fêmeas humanas não gostam de ser dito o que fazer. Acham ofensivo. Então, sinto muito pelo que vou dizer, mas sua raiva não mudará minha decisão. - Ele apertou suavemente a mão de Grace e então se abaixou, procurando cuidadosamente os olhos da Senhora Hall. Ele embalou as mãos fechadas em uma das suas. – Senhora Hall, sua filha é minha companheira, minha. - O olhar da mulher doente saltou entre eles. - Eu tenho tratado isso mal roubando sua filha de você quando você precisava dela, mas eu juro aos céus que você não sofrerá mais. Você voltará para o navio Preor conosco permanentemente. - Sua companheira

58


ofegou, mas seu foco estava na mulher frágil diante dele. - Você ficará confortável e nossos curandeiros farão tudo o que puderem para te aliviar. Eu juro. - Era um voto que pretendia manter. Nenhuma fêmea jamais teriam outro dia de mágoa, dor ou luta.

59


O Saber a fez de estúpida. Não, Kozav a fez de estúpida. Na verdade, ele sendo todo doce e promissor para cuidar de sua mãe fez ela ser estúpida. Apenas ... tudo o que foi dito acima. Tudo, desde acordar até o momento, foi uma grande bola de "fazer Grace de estúpida". E funcionou. Porque agora ela estava na casa dele - a deles? - enquanto sua mãe estava na clínica e Kozav estava fazendo o que os Guerreiros Primários faziam. Quando os curandeiros e guardas adicionais, assim como Sobol joi Zurer, haviam aparecido em seu apartamento, Grace sentiu uma tensão subjacente que atravessava todos eles. E não se dissipou quando voltaram para o navio de guerra. Kozav acompanhara-a até a suíte e prometeu que ele só iria embora por pouco tempo. Ela estava para descansar e, em seguida, ele iria voltar e escoltá-la para médico para verificar a sua mãe. Ele não queria que ela vagasse sozinha e se metesse em encrenca. Suas palavras, não as dele. Ele apenas enfatizou o repouso. Bem, ela tinha descansado - por cinco minutos - e então ela tinha andado para trinta mais. Agora Grace estava pronta para balançar e descer pelo corredor para descobrir como sua mãe estava indo e se o Preors poderia fazer qualquer coisa por ela. Pela enésima vez, agradeceu a Deus pelos Preors. Mesmo que eles não tivessem uma cura, sua mãe, pelo menos, estaria limpa, alimentada e confortável até o fim. O fim quando a mutação de Pol ganhasse.

60


Ao pensar no final, seus olhos ardiam, as lágrimas se aglomeravam. Maldição, ela não era normalmente um pregoeiro, mas Kozav ... a tinha transformado em uma, aparentemente. Grace piscou a umidade e sacudiu a cabeça. Não ia descer por aquela estrada sentimental. Não é certo então. Talvez mais tarde, quando ela não estava tão preocupada com tudo em seu mundo explodindo. Por enquanto, ela recolhia seus ovários de bronze e encontraria a sua mãe. Seu companheiro poderia ... Era estranho pensar em Kozav dessa maneira. Seu companheiro. O Saber se manifestou entre eles e ele era seu companheiro. A única coisa que ela estava procurando por todo esse tempo (por todas as razões erradas) e agora ela tinha um. Ele não havia sido encontrado nos escritórios da agência de acasalamento intergaláctico, mas em uma mesa de exame. Ela ainda não tinha chegado a um acordo com o conceito de uma companheira alienígena alada, mas precisava fazê-lo. Em breve. Antes que ele esperasse que ela compartilhasse sua cama. Não que isso fosse um problema para ela. Ela já o desejava, seu corpo sintonizado com o dele, e sua boca estava molhada quando ela se perguntou qual seria o seu gosto. Não. Grace. Grace Má. Precisava encontrar a sua mãe. A única maneira de fazer isso era pedir para chegar. - Navio, direções para médicos, por favor. - Médico está localizado no convés ravou seção ouakh." Isso não lhe dizia nada. - Vamos tentar isso de novo. - ela resmungou. - Navio, por favor, forneça orientações passo-a-passo que me levarão desta sala para médicos. - O Guerreiro Principal Kozav joi Grace Hall recomendou ficar dentro da suíte. Ela olhou para o quarto, pois não tinha certeza de como o navio monitorava a área. - Recomendar não é o mesmo que ordenar. Cumpra. Não voltaria a perguntar. Se o navio năo a escutasse, ela ... Fazeria algo muito ruim. Ela não sabia o que, uma vez que não estava familiarizada com os navios Preor, mas o Saber subiu, alimentando seus dados a um ritmo que a deixou tonta e ela tropeçou em direção a uma cadeira próxima.

61


Ela agarrou as costas, doendo para ficar de pé, e esperou que ele terminasse. Havia um bônus em fazer essa pergunta mental, no entanto. Ela não precisava do navio para fornecer indicações por mais tempo. Aparentemente, o design não havia mudado em quase um século e estava bem documentado na memória do sangue. - Ignore meu pedido. - Grace se encaminhou para a porta, o último dos conhecimentos se instalando em sua mente. - Eu mesmo cuidarei disso. Ela fez uma pausa na saída para o quarto e colocou o polegar no identipad, esperando para ver se o navio iria deixá-la ir ou tentar mantêla cativa. Não parecia muito feliz por ela encontrar o médico. A luz vermelha ficou verde e as portas se abriram, revelando o corredor além. Um tremor a atingiu, um completamente alheio à exaustão ou preocupação. Não. Era mais uma sugestão de pressentimento com uma pitada de "é assim que as mulheres de velhos filmes de horror morriam." Que o frio abaixo de sua espinha e o repentino inundar de mal-estar praticamente gritou que ela deveria voltar para a sala e rastejar debaixo das cobertas. Mas aquele era o caminho fácil, e ela não tinha levado nada fácilmente em anos e anos. Ela estava acostumada a fazer as coisas difíceis, a defender o que acreditava e a trabalhar pelo que queria. No momento, ela queria sua mamãe. Então, morte por estupidez ou não, ela saiu da sala, se contorcendo quando as portas de metal se fecharam atrás dela. Ela se lembrou do caminho delineado pelo Saber, fazendo-a virar à direita e depois à esquerda, evitando o corredor que levava à área da refeição e depois dobrando para trás, evitando também as salas de treinamento. O Saber foi realmente um ótimo guia. Ela já estava a meio caminho da sala médica, mesmo se movendo tão lentamente como ela estava. A doença conhecedora tinha desaparecido há muito tempo, desde que ela tinha se reunido com Kozav, mas isso não limpou imediatamente a fadiga deixada para trás por suas emoções revoltas ao longo do dia. Ela estava a apenas três quadras do médico agora, duas esquerdas e, em seguida, uma direita, o que permitiria que ela mergulhasse em torno de engenharia e sair em outra área principalmente deserta do navio. Rápido.

62


Fácil. Até que ela chegou perto da próxima esquina. Ela tinha ficado muito arrogante - muito satisfeita consigo mesma. Grace não tinha visto uma alma e assumiu que ela estava casa livre desde que ela estava tão perto de médico, mas ... Sim, ela não estava. Foi quando a merda ficou real. Vivo, em uma cor laranja. Ela curvou a curva e bateu contra uma sólida parede de carne, saltando para trás. Ela agarrou o bíceps da pessoa - Preor – que ela bateu e tropeçou, quase perdendo o equilíbrio. Choque foi seguido por pânico e preocupação dançou em seus nervos. Teria o navio contatado Kozav e dizendo onde ela estava? Ele a tinha interceptado? Não. Porque Kozav era cerceta e esse cara com seus cabelos âmbar e asas alaranjadas lhe lembrava ... Era isso. Lembrando-a de apenas um. Era ele. - Você. - Você. - ele rosnou em troca, expondo longas e brilhantes presas. Grace sacudiu suas mãos dele e se arrastou para trás. Sua raiva a chicoteou, perseguindo-a, golpeando-a com sua intensidade. A coisa inteligente seria recuar, pedir desculpas e rezar para que ela saísse da situação sem ferir. Implore, Grace, implore. - Desculpe por isso. - Ela se forçou a sorrir, embora tivesse certeza de que era mais uma careta. - Você sabe o que você tem feito para mim? - Ele se elevou sobre ela, dando um passo adiante cada vez que ela deu um passo para trás. - Você sabe o que eu tive que suportar? Ela lambeu os lábios e engoliu passado o nó duro em sua garganta. – Eu... Ele se aproximou mais uma vez, uma luz no corredor escuro brilhando em seu rosto. - Você? Não, mas ela tinha alguma idéia. Seu rosto era uma massa de cores roxas e verdes, chocando com a laranja de suas asas e olhos. Ela viu as pequenas leções do ataque de Kozav, mas nada disso tinha estado presente quando eles tinham deixado o navio. Todos os danos ao macho tiveram que ter ocorrido depois que eles tinham ido para a Terra.

63


- Eu não ... Ela não fez uma maldita coisa. Bem ou mal. Ele tinha sido o único a vir atrás dela. Ela mentiu para Kozav sobre o comportamento desse macho, mas ela tinha a intenção de chegar a sua mãe. Ela deveria ter lhe dito a verdade, mas ... - Sabe o que aconteceu com meu tio? Por sua causa? Por causa de alguma criadora? Criadora. Um termo depreciativo aplicado a ... Grace colocou uma tampa no Saber. Ela não precisava de uma explicação como aquela. A definição era bastante clara. Ele a via como nada mais que uma embarcação. Alguém para levar bebês de Preor a termo e então era isso. Ela era uma coisa para ele, não uma pessoa. Apenas uma criadora. Ele a perseguiu, pastoreando-a como se ela fosse gado, mais longe na passagem. - Sugal era um Mestre de Cura. O único Mestre de Cura na Terceira frota. E ele foi preso por causa de você e sua mãe criadora. - Ele sibilou. Vocês duas deveriam ter ficado na Terra. Os Preors não precisam de você. Qualquer uma de vocês. Grace ia ficar calma. Ela não iria reagir ao seu ataque. Ela só precisava aguardar seu tempo e quando alguém mais chegasse, ela fugiria. Simples. Fácil. Só que ele continuou falando e não demorou muito para dizer as palavras que quebraram as costas do camelo. Ou liberou o fogo de ódio de Grace. - Você não é nada. Você não é ninguém. Você é ikpor.

Inútil. Lixo. Crescer com apenas um centavo para seu nome significava que a vida de Grace era diferente da de todos os outros. Isso significava que ela tinha ideais sólidas e uma carga de orgulho ao ter um carro quando se tratava de

64


quem ela era e o que ela tinha realizado na vida. Ela lutou e lutou por tudo o que tinha. Ela era o dom de Deus para o mundo? Não. Mas ela não era nada. Ela não era ninguém. E ela tinha trabalhado duro para valer alguma coisa. - Eu não sou ninguém? - Ela parou de se retirar e ficou firme. - Eu não sou ninguém? – Ela apontou para si mesma. - Olha, eu tentei salvar seu traseiro desgraçado. Você e eu sabemos que você me agarrou e me jogou para baixo. Nós dois sabemos que se Kozav não tivesse aparecido, eu estaria com contusões ou um osso quebrado. - Os Preors não precisam de criadores... Ela zombou dele. – Escute ... - Meu nome é o Terceiro Guerreiro Impe sen Viz'on. Certo. Os gracejos da Terra não trabalhariam em um Preor mesmo se suas asas fossem a cor do Tang alaranjado. Seu sangue bombeava rapidamente através de suas veias, raiva alimentando cada palavra e movimento. - Bem. Terceiro Guerreiro Impe Meninco com uma Boceta sen Viz'on. - Seu rosto escureceu a um vermelho escuro e ela se perguntou se ele estava familiarizado com insultos da Terra. - Eu posso ser uma criadora, mas você não é nada além de um novato que tenta brincar de ser um guerreiro. - Ela o olhou para cima e para baixo, certificando-se de que seu desprezo zombador o envolvia. - Você é uma criança, sua especialíssima borboleta misógina. - Cadela Criadora. Grace estava preparada para o insulto da criadora. Ela não estava preparada para o revés que veio com a cadela. Ou o apagão que imediatamente se seguiu.

65


O apagão não durou muito. No entanto, a tontura do ouvido estava presa. Isso e o palpitar de sua bochecha. Ou melhor, o lado direito inteiro de seu rosto desde a mão de Impe sen Viz'on era tão grande como uma casa. E, é claro, quando pensou em seu nome, estava com a voz mansa e melancólica do homem. Meu nome é ... Whiny, idiota Whiny. Grace lentamente abriu os olhos, ansiosa para descobrir onde ela tinha acabado. O teto era o mesmo que o quarto de Kozav, mas a superfície sob ela era diferente - suave, mas dura. Isso não lhe disse nada. O aromas no quarto p fizeram, embora. Um hospital era um hospital, fosse na Terra ou numa espaçonave alienígena. Não havia como escapar dos aromas da doença e desinfectante. O pessoal de limpeza poderia ser o melhor de sempre criado, mas doença sempre agarrava a tudo. Ela lentamente virou a cabeça, procurando qualquer outra pessoa que pudesse estar na área, e ela percebeu que ela não estava em uma sala privada, mas um espaço aberto. Um espaço aberto que ela compartilhava com sua mãe. Bem, ela chegou ao seu destino. Dolorosamente, mas ela chegou lá. A cor da mãe dela era melhor, alguns da palidez passou e substituído por um baixo nível de saúde. Não, não era a verdadeira saúde, mas pelo menos não era a morte. As lembranças do passado a assombravam, a fragilidade do corpo de sua mãe, a magreza de seus braços quando Grace os agarrava e ajudava entrar no banheiro. O quarto não tinha era tão ruim quanto imaginara, mas tinha estado perto. Quando ela colocou sua mãe no

66


chuveiro, instalando-a na pequena poltrona, ela não tinha feito nada a não ser pedir desculpas. Por suas falhas. Por sua negligência. Por tudo. E assim como uma mãe, ela tinha sido dito que não havia nada a perdoar. O que só a fez chorar mais forte. Então Kozav, com sua natureza vigorosa e presença dominante, estava além de gentil e atencioso com Donna Hall - Senhora Hall em suas palavras. Respeito e admiração a cada palavra e toque. Depois disso, ele tinha feito como prometido. Curandeiros entraram e saíram do pequeno apartamento, levando sua mãe para tratamento, enquanto Kozav prometeu que teria o melhor que Preor tinha para oferecer. Ele exigiria o Mestre Real de Cura, se necessário.

Não vou perder outra mãe. A mensagem ecoou através dela, dor de cabeça e pesar nessas poucas palavras, mas não tinha sido o momento de questioná-lo. Não enquanto rodeado por seus guerreiros. Agora, deitada em uma das plataformas de médico e olhando para o rosto relaxado de sua mãe, Grace sabia que ele tinha cumprido cada voto. O sussurro das asas, já familiar para ela no curto período em que estivera cercada por Preor, chamou sua atenção para um curandeiro nas proximidades. Seus olhos cinzentos eram gentis, mais suaves do que os outros guerreiros que ela conhecera até agora, e ele lhe deu um sorriso suave. Talvez fosse o cinza geral de sua aparência que aliviava parte de sua tensão ou simplesmente sua expressão, mas ele lembrou-a de um gentil, velho médico. Nenhum dos meninos bonitos que não conheciam a bunda de seus cotovelos, mas um daqueles que ela tinha visto em velhos vídeos. Quando os médicos se importavam mais com os pacientes do que com os créditos. - Oi. - ela sussurrou, não querendo incomodar a mãe. A mulher precisava de seu descanso, precisava dela para ficar saudável. Bem, o mais saudável possível. - Olá, Grace joi Kozav. Eu sou curandeiro primário Whelon.

67


Ela deu ao macho uma cuidada aparência de seus lábios em troca, esperando que a dor se acendesse, e ela ficou surpresa quando ele permaneceu um trote maçante. - Qual é o dano, Doutor? - Hematomas, nada mais. - Ele ergueu as sobrancelhas. - Você teve muita sorte, Grace joi Kozav. A força de um Guerreiro Preor é muito maior do que os mais ferozes oficiais militares da Terra. Sim, ela sabia disso. Agora. Ela tinha sido enfeitada por um ou dois pacientes na sala de emergência. Às vezes merda acontece. - Sim, isso é tudo que parece. - Ela colocou suas mãos na cama perto de seu peito, e levantou-se antes de balançar as pernas sobre o lado. Ela assim não estava comentando sobre a força de um Preor. - E como está minha mãe? - Melhor, embora nenhuma cura ainda tenha sido encontrada. - Ele balançou a cabeça. - Mas eu não estaria me preocupando com outro quando você deveria se preocupar com você mesma. - Você acabou de dizer que eu estava bem. - Dolorida, mas bem. Ele inclinou a cabeça em reconhecimento, aquele pequeno sorriso ainda no lugar, e ela teve a sensação de que ele estava rindo dela atrás daquela cara amável. - Agora. No entanto, Guerreiro Primário Kozav foi notificado... - Que minha companheira não pode sequer seguir as ordens mais simples. - Ela estava tão atenta ao curandeiro que não ouvira as portas do médico abrir. Mas elas estavam abertas agora e Kozav pisoteou através delas, não abrandando até que ele chegou ao seu lado. Seus traços estavam assentados em um furioso franzir de sobrancelha, raiva queimando em seus olhos de cerceta. - Disseram-lhe que esperasse por mim. Que eu iria escoltá-la até á sua mãe uma vez que minha tarefa estivesse completa. - E eu não fiz isso. Ele estreitou os olhos. - O que fez você vir a prejudicar. Isso é inaceitável. Você seguirá as ordens dadas a você. Não posso deixar que ignore minhas instruções. Eu não tenho tempo para me preocupar com você a cada momento do dia. Eu tenho guerreiros para liderar. Grace se afastou bruscamente. - Eu vou seguir ... - ela pulou. Instruções ... - Ok, uma parte dela queria dar-lhe alguns subsídios. Ela provavelmente o assustou e ela admitiu que sair dos quartos sem uma escolta foi uma espécie de movimento idiota. Tudo bem, foi um movimento

68


idiota. Mas toda a ordem, instrução, coisa de exigencias não iria funcionar. - Eu cometi um erro, sim.- Vêem? Ela poderia ser complacente. - Mas se você acha que eu vou apenas virar e deixar você andar por cima de mim, você ... - Você é minha companheira! - Sua voz saltou fora das paredes de metal e ela olhou para ele. - Diminua seu tom de voz. Se você acordar minha mãe, eu vou ... fazer algo muito ruim. - Fraco, mas ela consultaria o Saber mais tarde para uma ameaça apropriada. - Talvez seja melhor que ela esteja acordada e ouvir o seu comportamento. Se ela sabe que sua filha não é mais do que um katoth estúpido que vagueia ... Grace ficou eriçada. Ela não era uma vaca estúpida. - Você acabou de me ligar ... - ... e se coloca em perigo. - Seu olhar ainda permaneceu, seu rosto vermelho brilhante com sua raiva. - Eu vou ter que pedir um de meus guerreiros para agir como um guardião para você, se você não pode ficar onde você está colocada. - Você está dizendo que eu preciso de uma babá? Que eu não posso andar com segurança entre os poderosos guerreiros Preor que são supostos por valorizar as mulheres e as libélulas acima de tudo? Grandes caras que você tem aqui. - Ela esperava que ele não perdesse o sarcasmo. Os ombros de Kozav se expandiram, escamas de cerceos ondulando sobre sua pele bronzeada, e ela percebeu que ela poderia ter empurrado muito longe. Ele respirou fundo e soltou lentamente, repetindo a ação antes de falar mais uma vez. Pelo menos seu rosto não estava tão vermelho quanto um tomate. - E seus humanos são melhores? Homens que juraram cuidar dos outros e estavam dispostos a deixar morrer os meus guerreiros? - Eu nunca disse que eles eram melhores. Inferno, Richards é um burro e não deve mesmo ser chamado um doutor, mas eu não vou ao redor dizendo a todos que é o presente do deus à profissão médica. Mesmo o Saber é um idiota quando se trata de como as fêmeas são queridas. - Grace apontou para sua bochecha, o calor do grande hematoma emanando da

69


área, e ela girou o dedo. - Esta é uma maneira estranha de acalentar. Somente dizendo. O rosnado de Kozav atravessou a sala mais uma vez, continuando até que ela se perguntou se ele iria se tranformar em dragão cheio na frente dela. Isso ... não seria uma coisa boa. Não quando ela tinha certeza de que um Preor crescia mais do que encher o espaço, esmagando todos na sala. Grace afastou sua raiva, sabendo que poderia lidar com isso mais tarde. - Kozav. - Seu grunhido diminuiu, mas a expressão furiosa permaneceu no lugar. - Admito que teria sido melhor se eu tivesse esperado por você. No entanto, o Saber me forneceu instruções para vir até ao médico... - enquanto também a ajudava a evitar o maior número possível de Preor, uma vez que sabia que ela estava sorta no errado. - Então eu não teria me perdido. Quanto a Impe, ninguém poderia ter previsto que ele reagiria da maneira que ele fez. - Impe? - Violência mal barrada encheu a única palavra. - Impe sen Viz'on? O macho que é suposto estar confinado? Pelo menos sua raiva se afastou dela. Um tom encheu a sala, rapidamente seguido pela voz do navio. Guerreiro Primário Kozav, sua atenção é necessária. Engenharia Master Vende requer sua ajuda. Kozav fechou os olhos e cerrou os dentes, e Grace teve o bom senso de ficar quieta. Quando finalmente voltou sua atenção para Grace, ele respondeu ao navio enquanto mantinha seus olhos nela. - Informe Vende que estou a caminho. - Confirmado. - Shaa kouva. – O carinho saiu como um rosnado. - Eu estou colocando um guerreiro fora do médico. Quando estiver preparada para partir, ele irá escoltá-lo até nosso quarto e você permanecerá lá até resolver o problema de Vende. Está entendido? Grace conseguiu manter-se de lançar em uma tirada maciça sobre os direitos das mulheres e em vez disso, respondeu com uma única palavra. Sim. Ele não disse nada mais depois disso, apenas girou e pisou de volta o caminho que ele tinha vindo, não abrandou quando ele chegou à saída e as

70


portas se separaram para ele. Ela espiou o guarda mencionado, um guerreiro amarelo estacionado à esquerda do portal. Meu Deus. - Grace Celina Hall. Grace estremeceu. Não somente sua mãe estava acordada, ela estava acordada e rechaçando o nome completo da Grace. Não é bom. - Oi mãe. Como você está se sentindo? Talvez concentrar-se na condição de sua mãe em vez de Grace permitiria que ela escapar sem uma palestra. Donna virou a cabeça e seus familiares olhos estreitos encontraram a de Grace. – ‘Não’ como você está se sentindo. Nope, sem sorte. - Você realmente... - Sim - Grace suspirou. - Para tudo o que foi dito acima. - Eu estava tão preocupada com você que ... - Você arriscou sua vida. - Eu não pensei que houvesse qualquer perigo. - ela murmurou. Convenientemente esquecendo o que aconteceu a primeira vez que ela se aventurou nos corredores do navio e originalmente encontrou Impe. - Uh-huh. - A voz áspera de sua mãe manteve mais do que uma pitada de descrença. - Eu disse que estava preocupada? - Gracie ... - O olhar de sua mãe se suavizou e ela ergueu a mão da cama, gesticulando para Grace vir para a frente. - Deixe-me contar um pouco sobre esses homens. Grace não podia evitar; Ela gemeu. - Você acabou de conhecê-los. Como você pode saber mais do que eu? O olhar no rosto de sua mãe disse Grace para não a questionar. Maldição, sua mãe sempre soube tudo o que havia para saber sobre tudo. Era como magia. Sua mãe disse que estava ficando velha. Ela deslizou cuidadosamente da plataforma, segurando a borda até que ela tinha certeza

71


que ela não iria desmoronar no chão. Certa vez, ela embarcou para sua mãe, dando ao curandeiro um sorriso suave quando ele colocou uma cadeira perto de sua mãe. Grace se abaixou e agarrou a mão de sua mãe, surpresa por sua força. Meras horas e Donna estava se sentindo melhor. - Com ou sem asas, os homens são homens, querida. Agora, você me escuta, Gracie Celina ... Esta seria uma palestra muito longa.

72


Kozav voltou para seus aposentos, aliviado que Mamãe Hall estava descansando bem e que os curandeiros estavam fazendo tudo o que podiam para a fêmea. Sua companheira cuidou muito de sua mãe - o suficiente para se arriscar - e ele não tinha certeza de como iria lidar com a perda da Senhora Hall. Ele disse aos curandeiros que sua companheira nunca deveria descobrir o que é viver sem uma mãe, sua ameaça clara. Gordura e fuligem de engenharia se agarravam à sua pele e asas, e ele as agitou, tentando livrar-se de algo que permanecia. A exaustão o puxou, acenando para que ele caísse na cama e deixasse o sono reclamá-lo. Só que não acreditava que fosse assim tão simples. Ele tinha deixado Grace no médico, um hematoma estragava a sua bochecha e palavras furiosas em sua língua. Como ela se arriscaria de tal maneira, deixar a segurança de seu quarto sem escolta ... Ele balançou a cabeça. Ele não podia acreditar em uma coisa dessas. Mesmo depois de falar com a Senhora Hall, ele não conseguia entender como as fêmeas humanas poderiam ser tão descuidadas. - Quando uma mulher cresce dependendo de ninguém além de si mesma, ela vai continuar assim mesmo que ela não esteja mais sozinha. Cabia a ele provar ser confiável e forte. Ele iria mostrar a ela que os problemas e preocupações não eram mais dela sozinha.

73


As palavras eram fáceis de dizer. Ele não tinha certeza de que o seguimento seria igualmente simples. Não quando o desejo de rugir o alcançava cada vez que se lembrava do roxo de seu rosto. Kozav respirou profundamente e lutou pela calma, a fumaça escapando de seu nariz com a exalação. Ele não podia se aproximar de sua companheira ainda furioso. Ele deveria ter trabalhado fora de toda a sua raiva na engenharia, mas ainda perseguiu-o. Durante sua conversa com a mãe de Grace, ele se acalmara muito mais, seus modos gentis semelhantes aos de sua mãe. No entanto, aproximando-se de seus aposentos, a ansiedade e a raiva aumentaram. Ansiedade? Sim, ele estava preocupado com Grace não estaria onde ela deveria estar. Ele tinha dado ordens, mas Grace era uma mulher humana que tinha uma mente própria. De acordo com a mãe dela. Parou diante de sua porta, preparando-se para uma onda de desapontamento e fúria. Onde estava a dócil, mulher com quem ele sonhara? Onde estava a companheira que se parecia com sua mãe? Uma que não iria desafiá-lo, mas trabalhar com ele de mão em garra. Melissa joi Jarek e Lana joi Taulan foram tão difíceis? Ele não acreditava nisso. Ele balançou sua cabeça. Ele precisava abraçar a aceitação. Os céus o doaram com uma companheira. Ela era linda em sua força, suas curvas exuberantes sedutoras e tentadoras, e o ângulo teimoso de sua mandíbula era sedutor, mesmo quando ela o aborrecia. Grace era bonita de seus cachos suaves para seus pés pequenos. Grace Celina. Nomes humanos que significam o dom de Deus dos céus. Um presente que ele aceitaria. Ele simplesmente trabalharia em sua paciência e talvez ela poderia trabalhar em ser sua outra metade, em vez de continuar a ficar sozinha. Seria necessário compromisso. Ele não estava familiarizado com a palavra humana, mas Senhora Hall explicou o conceito facilmente. Ambos teriam de se dobrar e fazer o seu melhor para não quebrar um ao outro.

74


Kozav se preparou e colocou o polegar no identificador. Não demorou muito para que o navio o identificasse e lhe concedesse a entrada. Entrou, olhando para a área em busca de alguma visão de sua companheira. E ele não a encontrou. - Navio, localize... - Kozav? - Grace espiou ao redor de um canto, de pé no corredor pequeno que conduziu à área de preparação de comida. O roxo em seu rosto não estava mais presente, a tecnologia Preor agora totalmente sintonizada com a fisiologia humana. - Eu não ouvi você entrar. - Guerreiro Primário Kozav? - interrompeu o navio. - Ignore as ordens. - ele rosnou para o navio e fez uma careta quando sua companheira se encolheu. Ele realmente precisava se controlar. Grace engoliu em seco e acenou com a mão em direção à área de preparação de refeições. Não, os humanos chamaram isso de cozinha. Estou fazendo um lanche porque eu não tinha certeza do que você gosta de comer. Você quer que eu tente cozinhar? Talvez este fosse um daqueles ramos de oliveira de que Senhora Hall falou. - Se você me der um momento para limpar, eu posso nos preparar uma verdadeira festa Preor apta para um Haclu. Grace merecia uma refeição adequada para a realeza, considerando tudo o que ela tinha suportado antes que eles conhecerem e depois que ele a reclamou. - Mas você tem trabalhado duro o dia inteiro. Eu estou feliz em ... tentar? - Ela mordiscou seu lábio inferior e Kozav não podia mais controlar a si mesmo. Não quando ela apresentava uma tentação tão bonita. Ele lentamente avançou, fechando a grande abertura entre eles, e não parando até que não mais de seis polegadas os separassem. - É minha honra preparar esta refeição para você. É nossa primeira noite como um casal acoplado. Um rubor rosa tingiu suas bochechas e ela deu um pequeno passo para trás. Registros históricos e dados extraídos da Internet da Terra indicaram

75


que ele não deveria pressioná-la. Kozav não acreditava que diminuir o espaço mais uma vez era pressão. - Oh. - Ela lambeu os lábios, pedaços gordos de carne tentando-o a mordiscar. - Eu ... - Seus olhos correram pela sala, acomodando-se em tudo menos nele. Kozav acariciou seu rosto, o polegar acariciando suavemente sua bochecha ferida. - Você está bem? - Ele olhou para o local, odiando-se por seu fracasso. - O médico curou você completamente? Eles não seriam capazes de curar Impe ou Sugal uma vez que ele os encontra-se. Ambos haviam desaparecido dos sensores e começaram a causar problemas em todo o navio, o que era por que ele tinha estado longe dela por tanto tempo. Sistema crítico após falha do sistema crítico e os Mestres precisavam de todos os homens fortes e inteligentes que tinham. Grace acenou com a cabeça. - Sim. E eu sinto muito sobre ... Ele descansou seu polegar em seus lábios. - Sua mãe indicou que seria melhor se concordássemos que estávamos ambos errados e que talvez devêssemos começar de novo. Os cantos de seus lábios se inclinaram para cima em um pequeno sorriso. - Ela também foi a um encontro com Jesus? Ele franziu a testa, tentando conectar mentalmente essa pessoa de Jesus à sua discussão com Senhora Hall. - Eu não entendo. Eu não falei com Jesus. Seu pequeno sorriso se transformou em um completo sorriso. - É quando você tem que se sentar com alguém e ouvir algumas verdades frias e duras sobre si mesmo e seu comportamento. - Eu não me sentei. Grace riu e foi a primeira vez que ele ouviu um som da parte dela. Estava cheia de felicidade, e afundou em seu coração. Pela primeira vez em séculos, a alegria infundiu-o e a esperança gerou vida. Com seus risinhos, ela se inclinou para a frente e colocou a mão em seu peito. Outro primeiro - um toque voluntário. Ele prendeu a respiração, com medo de fazer qualquer movimento que pudesse desencorajá-la. Seu olhar caiu para onde ela acariciou, seus dedos pálidos um contraste severo contra sua carne suja.

76


Ela correu seus dedos em pequenos círculos em seu corpo, as pontas pegando poeira e graxa e deixando pele bronzeada em seu rastro. - Eu devo me limpar, shaa kouva. - Ele colocou sua mão sobre a dela, acalmando seus movimentos. - No momento em que eu terminar, prepararei uma refeição para nós. - Ela assentiu, mas não se moveu, sua palma ainda descansando em sua carne. - Shaa kouva? - O que aconteceu com Impe? Kozav enrugou o lábio. - Ele ainda não foi recapturado. Impe e seu tio Sugal foram libertados por guerreiros desconhecidos. Detzan está fazendo uma varredura de segurança no navio e cada guerreiro na área está sendo entrevistado. - Oh. - Sua pele empalideceu um pouco e ele deu-lhe um novo voto. - Eu vou te proteger, shaa kouva. Ele não vai te tocar. Ele não vai te fazer mal. - Ele deu a mão dela um suave aperto. - Eu morreria primeiro.

77


Grace não tinha idéia se a refeição antes dela rivalizava com um Haclu ou não, mas cheirava deliciosamente. Kozav colocou um grande prato entre as duas colocações sobre a mesa e logo se juntou a ela. Ela se inclinou para frente, respirando os aromas que flutuavam da carne cozida e legumes. Kozav levantou um utensílio, algo que parecia semelhante a um garfo terrestre, mas parecia ser feito de madeira com apenas dois dentes. A dalk. Significado para imitar dois apontou, garras de Preor. Os abatidos eram fornecidos às libélulas. Bem, ninguém poderia dizer que o Saber não era útil. Ele pegou o dalk e apontou para vários montes espalhados no prato. Grelhados katoth com algumas especiarias que eram os favoritos de minha mãe. É semelhante à carne, mas mais rico. - Ele gesticulou em outro. - Tapix com molho taqi. Uma verdadeira delicadeza. Tapix é semelhante ao frango, mas o molho taqi requer uma planta especial encontrada apenas nas regiões mais baixas de Preor. Cresce na beira do mar de Gor Ari, agarrando-se aos penhascos de Udriea. - Ele cravou um nódulo e levantouo para a boca, o rico, molho vermelho-castanho pingando da mordida. - Os ventos nunca cessam nas falésias e um guerreiro deve ser habilidoso e forte para colher o taqi. - Ela abriu a boca, deixando seu murmúrio baixo seduzi-la. - Eu mesmo reuni isso antes que a frota se lançasse. O Gor Ari quase me pegou.

78


Ele traçou seu lábio inferior, seus olhos de paixão-vidrados que pareciam colados a ela, e ela sacudiu a língua para fora para reunir um pouco do molho deixado em sua esteira. Os sabores explodiram em sua língua e ela saboreou o gosto pequeno. Rico. Picante. Cremoso. Ele encheu suas papilas gustativas nos sabores sedutores e ela separou seus lábios mais adiante. Ele segurou a mordida firme e se inclinou para frente, puxando a peça em sua boca. Mais desses gostos a encheu e ela gemeu com a doce ternura da carne. O molho permaneceu uma especiaria ardente enquanto o tapix adicionado uma doçura. Paixão agitada, seu corpo aquecendo com sua proximidade e a intimidade de ser alimentada por ele. Ela tomou as palavras de sua mãe de coração e estava fazendo o seu melhor para relaxar e tomar Kozav pelo seu valor nominal, não como um homem com o objetivo de controlar uma mulher. Ela mastigou e engoliu em seco. - Por que você arriscaria sua vida por um tempero? Preors não podia entrar na água por causa das suas asas. Essencialmente os tornavam inúteis. Se eles se molharem sobre um oceano, era a morte certa. Porque ele lutaria contra o vento nos penhascos de Udriea ... - Porque quando eu me preparei para viajar para a Terra em busca de uma companheira, eu sabia que ela merecia o melhor. - Olhos espumantes perfuraram os dela. - Sempre. - Ele voltou sua atenção para o prato, e para algo mais. - Ikati. Na Terra, você a chamaria de venda-honorária. Também chama o Gor Ari de casa. - Preors não pescam para comer. - Ela não tinha certeza se isso era uma declaração ou uma pergunta. Eles estavam de volta ao oceano igualando a morte. - Não, mas como o companheiro de ikati, eles permanecem na superfície do mar. Um rápido e habilidoso Preor pode capturar uma para sua companheira. - Ele apertou a mordida em seus lábios e ela aceitou sem hesitação. Ele comparou o ikati com outro animal da Terra, mas foi isso e muito mais. Ela não conseguia explicar como se diferenciava da comida humana. Foi apenas ... mais. - Eu voei através dos céus e quando este saltou acima dos mares, eu o peguei com minhas próprias mãos. - Seus olhos queimados com fogo. - Mãos. Eu não abracei o meu dragão para pega-los

79


com garras como muitos outros machos fazem. Minha companheira merece o melhor. Então, ele arriscou sua vida duas vezes para esta refeição. Ele usou sua força para combater os ventos ao longo da costa escarpada do oceano e, em seguida, novamente quando ele pegou o peixe. - Eu não preciso disso. - Ela balançou a cabeça. - Você não deve arriscar sua vida por comida. Mas ela também não deixaria que fosse desperdiçada. - Eu tinha que provar a mim mesmo, shaa kouva. - Não há nada a provar. Ele segurou sua bochecha. - Como você está errada. Tive de provar a mim mesmo que eu era forte o suficiente para cuidar de você - salvar você - de qualquer situação. - Alguma coisa nublou sua expressão por um momento, um breve escurecimento de seus olhos antes de se retirar. Não era a primeira vez que via o sussurro de tristeza e raiva. - Este próximo é realmente especial. Mesmo poucos na família de Haclu apreciam tal prato. O imperador não o provou em quase um século. - Ele deslizou o dalk em um pequeno pedaço de carne, enrolando-o em torno dos dentes antes de levantá-lo do prato. - Isso é syhri. Vive no limite da atmosfera do planeta. Onde um batimento de asas pode ser a diferença entre a vida em Preor e a morte no espaço. É o único ser de Preor que pode viver nos mais altos alcances dos céus. Alguns acreditam que eles são filhos dos próprios céus. Não, ela não poderia entendê-lo corretamente. Quando ele foi alimentá-la mais uma vez, ela agarrou seu pulso. - Quer dizer que alguém ... você ... voou para o espaço? Por isso? - ela inclinou a cabeça em direção ao syhri que ainda segurava. - Por que você faria uma coisa dessas? Por que você arriscaria sua vida por alguém que você nem conhecia? Alguém que talvez você nunca encontraria? Você quase se matou por ... comida, Kozav. - Prove o syhri e então eu vou te dizer. - Com base em sua expressão, o desconfortável aperto de seus ombros, ela sabia que seu pedido era realmente uma tática de bloqueio. Mas ela não ia deixar as perguntas. Por que ele estava sendo suicida? Ela amava um bom bolo de chocolate tanto quanto qualquer garota, mas ela não iria saltar de um precipício para obtêlo.

80


Grace abriu a boca e aceitou a mordida mais recente, gemendo quando os sabores tentadores flutuavam sobre suas papilas gustativas. Não havia descrever o sabor. Doçura e calor. Sexo e amor. A dor de cabeça, foi rapidamente substituída por alegria e felicidade. Cada mordida atraiu emoções diferentes, os sentimentos se contorcendo e se entrelaçando com os seus próprios, ampliando-os até que uma única lágrima escapou de seus olhos. Ela engoliu em seco e ofegou, um calor que a aqueceu de dentro para fora e ela lançou a Kozav um olhar de olhos arregalados. - O que… - Syhri, filhos do céu. O céu dá um Preor tudo o que precisamos. Os céus são tudo. - Ele balançou a cabeça, dando-lhe um sorriso pesaroso. Eu não acredito que a pequena besta é verdadeiramente um dragão de nossos céus, mas é o mais próximo qualquer um já chegou a sentir a sua verdadeira essência. - Ele deu-lhe outra mordida e ela preparou-se para as emoções rolando. Quando gozo e tendrils do amor passaram através de seu coração, os agarrou e os prendeu perto. Ela se deleitou com as emoções e permitiu que eles ampliassem. - É o maior presente que eu poderia imaginar para uma companheira e eu tive que provar o meu valor. Se eu tivesse falhado e tivesse perecido, teria provado que eu não era o homem que eu acreditava ser. Grace deixou que o último deslize por sua garganta e impediu-o de reunir outro. Ela não levaria mais uma mordida até que ele soubesse que não precisava dele pra praticamente voar para o espaço para ser feliz. - E onde eu teria estado se você tivesse morrido? Teria eventualmente encontrado algum homem humano para se estabelecer? Teria bebês com ele? Kozav rosnou e mostrou as presas com um assobio. - Nunca. - Então o que diabos? - Ela não se importava se ela soava desagradável ou até mesmo mais do que um pouco mal-intencionada. Além disso, obviamente, tudo estava indo abaixo. Rápido. - Por que você faria isso? Seu rosto endureceu, lábios comprimidos. - Foi necessário. - Necessário? - Ela balançou a cabeça. Incapaz de acreditar em suas palavras. – Como pode ser se isso quase o matou? - Eu não arriscaria ter uma companheira se eu não pudesse primeiro provar meu valor. - Os olhos ardentes se encontraram com os dela. - Eu me

81


recusei a vir para a Terra antes que eu pudesse provar que Kozav sen Aghin era digno do Saber. - O fogo em seu olhar lentamente banhado para ser substituĂ­do por uma tristeza profunda. - Eu matei minha famĂ­lia por causa da fraqueza, Grace. Eu me recusei a matar minha companheira tambĂŠm.

82


Lá, Kozav tinha falado do pior. Ele revelou seu verdadeiro fracasso e agora sua companheira poderia decidir se eles iriam tentar construir um acasalamento apaixonado ou se resignar a companheiros platônicos. Eles não podiam viver um sem o outro - a doença do Saber que Grace teve era a prova. Kozav provou sua dignidade para si mesmo antes de deixar Preor. Ele estava confiante em sua capacidade de ter e cuidar de uma companheira. Agora esperava para ver se suas realizações eram suficientes para Grace. Ele não estava pronto para ver sua reação, então ele juntou outra tira de syhri para ela poder ter um tempo, como os humanos disseram. Ele lembrou aquele dia que ele perseguiu o syhri, as orações para os céus. A luta interna para equilibrar sua necessidade de ganhar altura e uma batida controlada de suas asas. Ele havia treinado para a tarefa, forçando-se a voar mais alto cada dia e passar mais tempo no ar mais fino. Respirar se tornou mais difícil o mais longe ele viajou, mas eventualmente ... Ele colocou silenciosamente a deliciosa carne na frente de sua boca, esperando que ela se abrisse para ele. Em vez disso, ela o chamuscou com seu toque, mão pequena cercando seu pulso. A leve pressão o encorajou a afastar a mão e concordou com seu pedido silencioso. Ele devolveu o dalk ao prato, permitindo que ela dirigisse seus movimentos, e depois esperou. Seus olhos cintilantes se encontraram com os dele, as lágrimas se acumulando em seus orbes e borrando-os de sua visão. Ele segurou sua bochecha, precisando de outra conexão com a fêmea que pertencia a ele. Ele tinha cometido muitos erros em seu passado e em seu curto tempo

83


conhecendo Grace. Agora tinha feito outro a fazendo chorar. - Sem lágrimas, shaa kouva. - ele adorava repetir essas palavras, lembrando a si mesmo que ele tinha encontrado sua companheira com cada repetição. Depois da guerra ... - Você me destrói com suas lágrimas. Grace sacudiu a cabeça, desalojando-o, e ele lutou além da dor emocional que veio com a separação. Então suas mãos estavam sobre ele, uma palma em sua bochecha enquanto a outra enrolava ao redor de seu pescoço. Seu aperto era forte, com certeza, mas facilmente afastado se tentasse mergulhar em sua mente – o cutucando, e escavando ao seu redor até que ele revela-se os seus segredos. Ele não tinha certeza se sabia do aspecto de um acasalamento Preor, e ele não queria revelá-lo até que eles se aceitassem. - Bem, você me destruiu com o que você acabou de dizer. Eu não posso acreditar ... - Ela engoliu em seco, as emoções deslizando em seu rosto tão rapidamente ele sentiu falta deles. - Eu não posso acreditar - não acredito – que você machucaria sua família - que você mataria qualquer um. Você mostrou tanta bondade e gentileza. Mesmo quando você gritou, você era muito cuidadoso sobre como você me tocou. Eu posso ter ficado irritada com você, mas eu nunca estive com medo. Eu apenas não posso acreditar ... - Acredite. - Ele vivia com os pesadelos todos os dias. - Não. Eu recuso. Eu admito que eu não te conheço bem, mas o Saber diz que os companheiros são complementos um ao outro. Que nossas crenças básicas são semelhantes. - Ela apertou sua mandíbula e olhou para ele. - Você não faria mal à sua família. Não se você os amasse. Não se você não tivesse causa. Porque eu sei que nunca faria nada para minha mãe. Ele apertou sua mandíbula também, o suave acariciamento de seu polegar não fazendo nada para aliviar a tensão. - E quanto à negligência? Negligência pode matar alguém tão facilmente como uma garra ou fogo. Não os matei, mas os matei. - Você não faria. - Suas palavras sussurraram sobre sua pele. - Sim. - Ele não seria perdoado por suas ações. Não permitiria que ela o imaginasse melhor do que ele era. - Não.

84


- Ah, shaa kouva. - ele se inclinou para frente, movendo-se lentamente e cuidadosamente enquanto pressionava sua testa na dela. Seu cheiro o cercava, abraçava-o com seus doces sabores. Desde o momento em que a tinha tocado, encontrara dentro de si uma ternura oculta. Mesmo enquanto ele se enfurecia com a sua teimosia, ele continuava no controle. Era como se suas ásperas bordas e incontáveis anos fossem arrastados pela sua mera presença. Exceto quando ela estava machucada. Ele não permitiria que os pensamentos de seus ferimentos ressurgissem e quebrassem esse momento terno. - Eu não terminei suas vidas intencionalmente, mas foi a minha culpa no entanto. - Eu não entendo. - ela sussurrou, as palavras quebrando seu coração. - A guerra ... a morte de tantos ... - Os gritos das fêmeas e dragonlets encheram sua mente. Suas mortes sem sentido e horríveis. - Você não sabe a verdade do que foi feito. O que fizemos a nós mesmos. Como nós falhamos com aqueles em nosso cuidado. E como eu destruí minha própria linha. Grace afastou-se da cadeira e ficou tenso, preparado para se afastar de seu caminho e lhe dar espaço para fugir se ela quisesse. Mas ela não o fez. Em vez disso, ela se abaixou a um de seus joelhos e rodeou-o com os braços. Será que o Saber mostrar-lhe o quanto ele precisava de um toque suave, a sensação de sua companheira em seus braços? Ou ela tinha realmente vindo a aceitá-lo? - Diga-me. - Suas curvas o embalaram, sua mera presença lhe dando força para continuar e o conforto que ele precisaria quando terminasse. Kozav forçou sua mente de volta a esse tempo, aos dias infinitos do fogo e da dor. Lágrimas e sangue. Muito sangue. - O grande conflito começou com uma disputa territorial. Uma luta por pedaços de céu em um planeta que ainda está meio intocado. - Ele fechou os olhos e deixou a fachada de seu guerreiro escorrer. Ele era simplesmente um macho segurando sua companheira. - Eu não tinha mais de quinze anos. Um guerreiro muito jovem com as escamas da minha mãe se apegando a mim. - Seus lábios se curvaram em um pequeno sorriso, lembrando-se de sua mãe. Ela tinha sido uma mulher minúscula que

85


governou seu aerie com um punho de ferro. - Fiquei tão orgulhoso de ter recebido a entrada no exército cedo e escolhido para lutar pelo Haclu. - Ele deveria ter sido forçado a esperar, mas seu pai concordou em permitir que ele entrasse antes que seus dezoito anos passassem. - A oposição estava determinada a se separar e a fazer guerra contra nós. Eles não queriam apenas estabelecer seus próprios céus. Eles queriam livrar o planeta da linha Haclu completamente. Machos estúpidos e postura estúpida, como sua mãe disse uma vez. Grace descansou sua bochecha em seu peito, dando-lhe mais força para continuar. - Os Haclu estavam felizes em deixá-los ir. Para alocá-los terra e os céus acima. Para deixá-los governar. Preors não procuram reivindicar as nuvens, mas se desejassem deixar de ser uma parte de nós, eram enviados com boas bênçãos. O imperador quer o que todos os Preors querem - céus pacíficos. - Não foi suficiente para eles. - ela sussurrou. - A oposição queria os céus, mas não gostava que lhes dissessem que estavam ‘autorizados’ a fazer qualquer coisa. Eles sentiram que ninguém deveria governar absolutamente sobre outro. Nunca. - Ele suspirou, trechos de discursos provocando sua mente. - Muita gente tem essa opinião na Terra. Sua opinião é certa e todo mundo tem que ter isso também. Kozav assentiu. - Teria sido mais aceito se os Haclu negligenciassem seu povo, mas nós florescemos sob seu governo. Nós sempre o fizemos. Eles são justos e ferozmente batalhão contra qualquer corrupção dentro do governo. Nossas leis equilibram o que é certo com as ações que levamos devido à nossa natureza interior. - Tudo o que o Saber revelaria a ela apoiava suas palavras. Milênios de decisões e legislativos. Milênios de paz. - E a oposição ... - Ele engoliu em seco. - Eles bateram primeiro - nas fronteiras. As fronteiras que desejavam e respeitavam. Mas para um povo que viveu sem eles por tanto tempo ... - Ele se inclinou para mais longe e enterrou o rosto em seu cabelo. Ele deixou seu cheiro acalmar as emoções furiosas dentro dele. - Uma família, um pai e uma mãe junto com seus dois dragonlets, estavam fora apreciando o ar. O tratado foi recentemente assinado e os quatro entraram no território da oposição. - Ele estremeceu. Os vídeos transmitidos de aerie para aerie ainda o assombravam. - Eles

86


estavam separados. Os dragões e a mãe arrancados das costas do pai. Ele tinha gouges profunda ao longo de sua espinha, osso e carne cortada de seu corpo. Relatos dizem que as mães e as libélulas morreram antes de chegar ao chão, mas o pai ... - Rugos e soluços, o macho maltratado e destruído pelo ataque. - Ele afirmou ter ouvido sua companheira gritando por ele quando ela caiu. Ele nunca tinha visto um homem feroz trazido tão baixo. Ele tinha oitocentos anos sob suas asas - uma velha escama seca, se alguma vez houve uma - e os eventos esmagaram seu espírito. - Ele tomou seu vôo final no momento em que ele foi libertado pelos curandeiros. - O que isso quer dizer? - A voz de Grace tremeu e ele se amaldiçoou por revelar a história de Preor. Mas era um conhecimento que ela precisava ouvir, de seus lábios e não do Saber. - Eu toquei a própria borda do espaço quando eu peguei o syhri. Ele não parou. Ele voou e voou até que ele foi tirado de Preor pelas estrelas. Kozav tinha quase sucumbido a tal vôo depois que ele tinha falhado com sua mãe e irmã. Quase. Nesses primeiros dias ... Ele virou a cabeça e pressionou os lábios contra seu pescoço, saboreando seu cheiro e um toque de seu gosto. - Essa foi a primeira batalha. Uma de muitas. Para cada ataque, nós retaliamos. Para cada morte, nós reivindicamos uma vida do nossos próprios. Nós não iríamos à guerra, mas defenderíamos nosso povo. Até… Até. Até aquele dia. Até aquele momento. Até que ele tinha sido muito lento para parar ... - Eu só tinha sido concedido o status de guerreiro. Eu era jovem. Um mero sexto guerreiro. Mal digno de buscar itens para os outros, mas eu era um guerreiro, não menos. - Arrogante. Ignorante. Estúpido. - Servi a um macho poderoso, um Guerreiro Primário da nossa região. Eu era responsável por executar mensagens. Eu era jovem, leve e rápido. Grace bufou e inclinou a cabeça para trás. A tristeza nublou seus olhos, mas um sorriso provocou seus lábios. - Eu não acho que você já foi leve. Você é maciço. Ele se esforçou para encontrar seu pequeno sorriso. - Mais leve, então. Era para eu simplesmente entregar uma mensagem, mas eu vi um homem da oposição voando rente do chão. Ele voava tão baixo, suas cores se misturando tão bem, que eu quase perdi sua passagem. As folhas... - ele

87


fechou os olhos, a cena se desenrolando. - As folhas ficaram castanhas, a estação crescendo mais fria. A coloração do macho correspondia aos arbustos. Se ele não tivesse passado por cima de uma seção de árvores que ainda se agarrava ao calor do verão em vez de sucumbir, as folhas verdes brilhando contra o marrom do macho – eu nunca o teria visto. Mas Kozav tinha. Ele espiou o macho e deu perseguição. Furioso, interminável, perseguição sangrenta. - Eu o segui à distância. Eu queria ver seu destino, seu propósito, para cruzar a fronteira. - Ele bufou, seus pensamentos puxando para frente cada vez mais. - Imaginei que seria um espião. Eu reuniria inteligência, traria o homem em custódia, e relataria. Gostaria de ganhar medalhas e prêmios. Eu faria meu pai orgulhoso. - Ele estremeceu, quase soluçando sobre os próximos eventos. Ele era um macho forte, mas mesmo machos fortes derramavam lágrimas. - Eu estou aqui por você. - Uma única frase, algumas palavras, e suas emoções estabilizadas. - Eu pensei que era um jogo. Um jogo ... até chegarmos às margens exteriores de Croria. É uma das nossas maiores cidades e onde o sen Aghins chamou casa. - Ele fechou os olhos, tentando afastar o que veio a seguir. - Você quer dizer ligar para casa. - ela murmurou e ele balançou a cabeça. - Chamado. Eu sou tudo que é deixado e depois que o dia ... Eu nunca voltei. - Ele iria passar o resto. - Eu vi onde ele se dirigiu e mergulhei para pegá-lo. Eu ia enterrá-lo na terra. Mas o macho me viu. E ele era rápido. Mais rápido que meus quinze anos. Rápido o suficiente para me despenhar e voar direto acima de mim. Se eu não o odiasse por suas ações, eu teria ficado admirado. Para um Preor voar para cima, não em um ângulo, mas puramente vertical ... é uma visão. Kozav fez uma pausa, odiando o resto da história, mas sabendo que precisava ser contada. Grace merecia a verdade. - O que aconteceu quando ele voou para você? - Na história da Terra ... - Ele ordenou o que sabia do passado da Terra. Ele procurou o termo que ele precisava e avançou em sua história. - Havia guerreiros. Guerreiros Kamikaze. Eles entraram em batalha com a intenção de morrer, mas destruiriam o maior número possível. - Grace assentiu e

88


continuou. - Este macho era um guerreiro Kamikaze. Um de muitos naquele dia. Um dos muitos que conseguiu. - Ele tentou afastar suas emoções para que ele pudesse terminar sua história. - O pai de Jarek, Taulass, era um Mestre da Ciência para a oposição. Ele desenvolveu um vírus que ele injetou em homens fanáticos. Uma vez dentro de um desses machos, o vírus infectou seu fogo e quando eles sopravam suas chamas, a doença se espalhava e infectava tudo o que tocava. Ele respirou profundamente e empurrou para baixo a dor que ameaçava engolfá-lo. - Infectou todas as mulheres que tocou. Os machos não foram afetados. Mas a maneira mais rápida de eliminar uma espécie é matar as fêmeas. - Grace agarrou-o com mais força e segurou-a mais perto também. Seus olhos ardiam e ele não se importava que ele chorasse como uma fêmea. Ele derramou sangue durante a batalha. Não havia vergonha de derramar lágrimas também. - Eu destruí aquele macho, mas não os salvou, shaa kouva. A perseguição pela cidade parecia interminável, seu oponente entrando e saindo de passagens que ligavam as aeronaves. As fêmeas não tinham asas e tinham que navegar pela cidade de alguma forma. O estranho cavou-se para a esquerda e para a direita, deslizando pelos mais ínfimos espaços. Soprando fogo com cada batida de suas asas. Infectando as fêmeas com cada flexão de músculo. Eu o peguei na praça central diante dos senhores da justiça. Eu não era tão forte ou rápido, mas eu tinha resistência. Quando o mandei espiralar para o chão, consegui subjugá-lo. Ele morreu sob minhas garras. - Sua alma ainda se deleitava com a sensação do sangue do macho fluindo sobre suas garras. - Não foi até que a primeira mulher ficou doente que nós percebemos a verdade. Corri para minha mãe e minha irmã. Meu pai tinha ido embora, lutando pelo Haclus. E eu ... eu assisti a luz sair dos olhos da minha mãe e segurei minha irmã perto enquanto ela me chamava, me implorava, para acabar com sua dor. Ele não podia mais falar. Não enquanto os gritos de Oosa soavam em sua mente. - Não foi culpa sua, Kozav. Nada disso. Kozav bufou. - Eu falhei em seguir ordens. Eu não relatei minhas descobertas ou solicitei ajuda. - O orgulho da juventude.

89


- Orgulho. - ele zombou. O orgulho matou sua família. - Eu não o peguei. Eu não o parei. Quando terminei sua vida, o estrago em Croria já tinha sido feito. - E seu pai? - É por isso que eu estava determinado a provar o meu valor antes de tentar encontrar uma companheira na Terra. Depois que minha mãe morreu, meu pai logo a seguiu. - Ele se afastou e segurou as bochechas de Grace. Ele afastou suas lágrimas sem fim com seus polegares. - Eu queria ser forte e honrado para a minha companheira. Porque se eu a encontrasse na Terra, eu não queria dar a ela um companheiro inútil. - Você nunca poderia ser inútil. Nunca. - Minha família... - Morreu por causa de machos enlouquecidos. Você não. Eles tentaram destruir sua raça. Você não. Ele orou aos céus para que pudesse acreditar nela, mas não estava disposto a esperar. Ele tinha passado tantos anos - séculos - com a culpa estrangulando-o que ele não conhecia qualquer outra forma de viver. - Como você diz, shaa kouva. - Ele roubou outra pressão de seus lábios em sua pele, a sensação de sua carne tão perto, uma tentação muito grande. - Como você diz. Grace inclinou a cabeça para o lado, parecendo dar-lhe mais espaço, e ele queria aproveitar o movimento. Mas havia muitos pressupostos entre eles. Escolhas feitas com consequências dolorosas. - Grace? - Eu ... - Sua companheira tremia. - Grace? - Kozav afastou-a dele, preocupada com o tremor dela. Ele encontrou seu olhar, catalogando sua aparência a cada momento. Eles estavam tão perto, seus olhos verdes cheios de palavras, seus cachos escuros enquadrando seu rosto e seus lábios rosados implorando por seu beijo. - Eu ... - Seus dedos dançaram ao longo de seu pescoço, refletindo sobre os pontos úmidos onde ele colocou seus lábios. Ele não devia ter tido tanta liberdade, mas não conseguira conter-se.

90


- Peço desculpas se fui longe demais. - Não. - Ela balançou a cabeça. - Isso não é o que eu estava tentando dizer. - Ela fez uma careta. - Eu gostei. - Era aquilo paixão em seu olhar? Eu gosto muito disso. O cokh de Kozav latejava, precisava que sua companheira crescesse com cada inspiração de seu cheiro sedutor. - Não sei o que isso significa, Grace. - Eu gosto do jeito que você me olha também. Mesmo quando você está gritando comigo. - Seu pequeno sorriso provocante o fez endurecer ainda mais. Ele não seria capaz de andar se ela não cessasse. - Como eu olho para você, shaa kouva? - Como se você morresse sem mim. Ele inclinou a cabeça para o lado. - Você não entende, minha companheira? Eu morreria sem você. Nosso começo não foi suave, mas mesmo quando você me assustou até que eu pensei que eu iria cair do céu como uma pedra, eu ainda não poderia imaginar a vida sem você. - Sou difícil. - Você é um desafio. - Eu sou teimosa. - A palavra é opinativa. - Sou independente. - Você tem medo de confiar, shaa kouva, há uma diferença. Grace se afastou de seu olhar e imediatamente sentiu a perda de sua atenção. - Você tem conversado com a mamãe. - Eu me assegurei de seu bem-estar antes de eu voltar para nossos aposentos. Os Preors tomaram muito dela e eu desejo que ela tenha tudo o que poderia desejar. Ela lentamente virou a cabeça em direção a ele novamente. - Por quê? - Porque você é minha companheira, ela é a sua mãe e, algum dia, com os céus dispostos - ela será a avó das nossas libélulas. - Ele se odiava por revelar tanto e se amaldiçoava pela língua solta.

91


Sua companheira sugou em uma respiração rápida, seus olhos largos centrados nele. - Você quer isto? Mais do que suas asas, ele queria isso. - Virá - ou não - com o tempo, shaa kouva. Por agora, deixe-me continuar alimentando você e então será hora de se aposentar. - Sua expressão se tornou céptica, uma mulher cautelosa de um macho. - Somos companheiros e é melhor compartilhar espaço. Não há outra cama e a que eu tenho é muito grande. Você não tem nada a temer de mim. Eu não vou te tocar a menos que você queira, Grace. Kozav rezou para que ela desejasse suas mãos sobre ela, mas em seu coração, ele sabia que ele estaria dormindo com bolas azuis. Seu único consolo foi que eles não podem ser azuis para sempre. A mãe lhe indicou que a Grace era lenta em confiar, mas uma vez que ela se doa-se a um homem de coração, seria um dos homens mais afortunados vivo. Quando ele recebeu um pequeno sorriso de sua companheira, ou um sorriso bonito, ele sabia que a mulher falava a verdade. Seria o homem mais sortudo se Grace lhe confiasse seu coração. Enquanto isso, ele esperava que bolas azuis não fosse uma condição mortal.

92


Grace era uma criança grande. Não havia razão para ficar nervosa por compartilhar a cama com um homem - não, macho - ela mal sabia. Eles eram companheiros, certo? Deve estar bem. Normal, mesmo. Sim, alguém precisava dizer isso para as borboletas em seu estômago. Na verdade, eles eram mais como uma dúzia de ouxch. O Saber forneceu a palavra, mas sua mente humana a traduziu para algo como um pterodáctilo pré-histórico. Grandes, enormes coisas aladas estavam fazendo uma bagunça de sua barriga. Ela lambeu os lábios, a boca seca, e olhou para a enorme cama que dominava a câmara de dormir de Kozav. Sua câmara de dormir, ela supôs. Ele se moveu ao redor da sala, puxando o uniforme de amanhã, colocando suas lâminas em seu lugar ao lado da cama. - De fácil alcance, se formos atacados. Eu vou te proteger, shaa kouva. Não falharei com você de novo. Ela queria corrigi-lo. Sua briga com Impe não foi sua culpa. Era sua, mas sabia que seria um exercício inútil. Kozav caminhou para o outro lado da sala e bateu na parede. Uma gaveta deslizou para fora, revelando seu conteúdo. Duas fileiras de tecido alinhadas no retângulo, variando as cores que variam do branco ao preto e a cada máscara do cinza no meio. Ele apoiou as mãos nos quadris, olhando para as roupas por um momento. Ele voltou sua atenção para ela, olhando

93


para ela com os olhos estreitados da cabeça aos pés e de volta, antes de voltar sua atenção para a gaveta. - Eu acredito que cometi um erro, shaa kouva. - Ele finalmente se concentrou nela completamente. - Eu ordenei o navio construir a roupa do dia, mas nada para o descanso. Eu acreditava que compartilharíamos ... Ela podia imaginar o que ele acreditava. Ela podia imaginar o que sua mãe iria encorajá-la a fazer agora, também.

Abrace a vida Gracie. Não há dúvida de que ele é seu, não é? Sim, bem, ela abraçou bastante vida para o dia muito obrigada. Ele limpou a garganta. - Minha roupa fora de serviço será grande em você e os Preors só usam calças. Usar algo como uma camisa humana poderia interferir com nossas asas. Então, ela estaria de topless. Ótimo. Ela estava realmente lamentando toda a decisão de "deixar as roupas para agora porque o navio pode cuidar das coisas". E ela tinha a louca ideia de usar roupas da Preor. - Eu ... - O grande e mau guerreiro estava hesitante. - Eu vivo minha vida com honra, agora, shaa kouva. Ela balançou a cabeça, não o entendendo e odiando a incerteza em seu tom. - O que isso tem a ver com camisas? - Eu juro que não vou espreitar ou tocar você enquanto descansamos. Ou podemos esperar para se aposentar mais duas horas para o navio criar pee-jays. Grace quase gemeu. Quase. Ela estava dividida entre "Por favor, olhe e me toque", "Vou cortar você se você olhar meus peitos", e "Talvez seja melhor se esperarmos que o navio cuide das coisas." Principalmente porque saber que ela estava com o seu companheiro e saber de que ela era sua companheira eram duas coisas muito diferentes. Ela o queria, mas ... Não, ela o queria. Ela só tinha normas sociais e expectativas saltando em torno de sua cabeça. Boas meninas não iam ficar com caras depois de passarem algumas horas com elas. Mesmo que ela já tivesse suas mãos dentro dele de uma maneira não-sexy. Havia nomes para garotas que pulavam na cama com os meninos.

94


Só que ele não era um menino, não era? Não, ele era um macho - um homem Preor - que também era seu companheiro. E não tinham eles já falado sobre a coisa de confiança? Como ela precisava confiar nele? Sem mencionar a exaustão que pesava sobre ele, evidente na forma como seus ombros caíam e as asas se enrolavam em torno dele ao invés de segurá-lo tensamente nas costas. Ele estava cansado. Cansado de seu trabalho como Guerreiro Primário e abatido por relatar essa história. Ela não ia ser tão egoísta como fazê-lo ficar acordado mais um par de horas apenas porque ela era cautelosa. Este seria o primeiro passo para a confiança. Ela se acostumaria com uma cobertura parcial e faria fé em sua honra. - Esta tudo bem. - Ela forçou um tom relaxado que ela definitivamente não sentia. Eu sei... Eu posso confiar em você. A expressão aliviada e o pequeno sorriso que recebeu em troca foram suficientes para dizer-lhe que tomara a decisão certa. Kozav era honrado não importa seu passado ou suas crenças sobre o começo da guerra. Seu companheiro deu-lhe um rápido aceno de cabeça e tirou um par de calças, segurando-os para fora para ela. - Eu vou sair. Você pode mudar e entrar na cama. Voltarei dentro de alguns minutos. Ela foi até ele, dedos escovando os dele enquanto ela pegava o pacote de pano. Quando ela teria se retirado, ele reivindicou sua mão na dele. Obrigado por esta confiança, shaa kouva. Você não vai se arrepender. A combinação de seu toque e seu cheiro em torno dela cutucou Grace em fazer algo que ela não tinha planejado. Ela fechou a distância entre eles e empurrou para suas pontas dos pés para que ela pudesse escovar um beijo suave em seus lábios. Era suave e rápido, não mais do que uma escova fugaz, mas era suficiente para estimular sua excitação. Era o suficiente para ter seus mamilos endurecendo a pontos firmes. Foi essa rápida onda de paixão de um toque tão inocente que a assustou. Ela nunca respondeu a um homem de tal maneira - nunca - e o poder de sua necessidade surpreendeu o inferno fora dela. Quase sentiu-se forçada, como se ela não tivesse controle sobre seu próprio corpo e ações,

95


mas o Saber lhe disse que os sentimentos eram seus. Não houve força ou interferência. Apenas desejo puro em nível biológico. O Saber lhes disse que eram companheiros. O resto foi para o casal. O casal que era geneticamente compatível e sua atração existia até o nível celular. Grace mentalmente balançou a cabeça. Ela analisou a situação até a morte e ainda não tinha uma resposta firme sobre qualquer coisa. Por enquanto, eles iam para a cama e lidar com o resto nos próximos dias. Ela puxou sua atenção de Kozav, escondendo-se dele, seu rosto quente. - Obrigado. Eu vou ... - Ela tirou o embrulho dele. - Vou me trocar. Kozav respirou fundo, uma vez, duas vezes e depois uma terceira vez. - Sim, shaa kouva. Ela arriscou um olhar para ele, surpresa pela intensidade de sua expressão. Seus olhos se escureceram quase pretos, suas pupilas se dilataram amplamente, e ela não podia perder a necessidade que lhe cobria o rosto. Ela permitiu que seu olhar viajasse por seu corpo, por seu peito musculoso, seu estômago achatado e, finalmente, pela juntura de suas coxas. Parecia que o beijo consegui leva-los a uma onde de calor, o desejo montando seus corpos. Covarde que ela era, em vez de tomar o que seu corpo oferecia - o que ela mais queria - ela recuou e se afastou dele. Caminhou até seu lado da cama e esperou que ele a deixasse em paz. Seus passos eram silenciosos quando ele partiu, o único som de sua saída vindo das portas da sala abrindo e fechando atrás dele. Seu corpo protestou a distância, o aquecimento ainda mais, e sua vagina apertada com desejo insatisfeito. Ela sabia sem se tocar que estava molhada e pronta para ele. Seria tão fácil chamá-lo de volta, para pedirlhe para levá-la. Mas não importa o quanto ela o queria, não era o momento de tê-lo. Talvez amanhã. Ou no dia seguinte. Ou depois. Ou ... quando finalmente podia confiar nele com todo o seu coração. Por enquanto, ela tirou sua xina e puxou as calças de Kozav. Seu cheiro a inundou e quando ela se arrastou para a cama, ela se envolveu em seu acolhedor abraço. Com isso veio outra onda de excitação, seu corpo

96


tentando convencĂŞ-la de que fazer amor com Kozav deveria acontecer agora.

97


Os céus o odiavam. Eles desejavam que ele morresse na cama em vez em batalha, lutando por sua companheira e Preor. A dor pulsava através dele, batendo um ritmo desigual por todo o corpo. Doía respirar, a agonia parecia não ter começo nem fim. Cada batida de seu coração enviou outra rodada de tormento ao longo de sua espinha e seus nervos chiaram com a dor ardente. No passado, ele tinha sido arranhado, explodido, e espetado com uma espada, e nenhuma dessas experiências correspondeu ao tormento deste momento. Ele olhou para o guardião do tempo na parede, um conjunto de números brilhantes que ele odiava naquele momento. Ele ainda tinha horas até que era hora de acordar, até que ele pudesse escapar dessa miséria. A fonte de sua tortura suspirou, depois se contorceu, e finalmente soltou um gemido baixo quando se instalou na nova posição. Com cada mudança corporal, Kozav era cada vez mais agredido, mais e mais exposto ao seu olhar. Seu torturador? Grace. Os cachos de Grace se espalharam por sua cama, o aczi afundando-se cada vez mais baixo ao longo de sua forma exuberante cada vez que ela se movia, e o cheiro de sua pele afundando nele. Havia outra doçura almiscarada, uma que ele não tinha notado antes, e ele descobriu que ele também gostava desse aroma. Chamava algo profundo e primitivo dentro dele, exortando-o a tomá-la, reivindicá-la.

98


Mas ele restringiu o impulso. Ele havia jurado que não colocaria as mãos sobre ela, e não o faria. Ela bufou e rolou para ele, descansando sobre seu estômago, seu braço levemente escovando a borda de sua asa. Ela o tocou. Ele decidiu que ainda não havia violado seu voto, assim, ele não precisava se mover nem se desculpar por suas ações. O cokh de Kozav estava irritado e duro entre suas pernas, a fonte de sua agonia parecia crescer ainda mais e doer ainda mais. Mas era uma dor alegre. Se ele não tivesse encontrado Grace, ele não sentiria tal desconforto, e preferiria sofrer de dor do que ficar sem ela. Como qualquer homem honrado, ele esperaria até que sua mulher congratulou-se com seu toque. Grace virou a cabeça e acariciou sua asa, o nariz pertinho esfregandose contra a borda sensível e um raio de puro prazer o fez sugar uma respiração áspera. Se ela continuasse a acariciar e tocar sua asa, ele se derramaria em suas calças, dominado pelo prazer de sua carícia. Ela suspirou, um sopro quente de ar úmido o banhou, e suas bolas se apertaram, abraçando seu corpo em preparação para libertação. E ainda assim ele não a alcançou, tocou-a. Ele merecia uma estátua para honrar sua contenção. Ela murmurou em seu sono, os lábios gordos, e ele desejou que ele tivesse tomado o tempo para realmente desfrutar do seu beijo de lazer. Mas ela não estava pronta. Um fato que ele deve lembrar muitas vezes. - Está frio - ela murmurou e se aproximou. Kozav decidiu que ele merecia um lugar com a deusa dos céus quando toma-se seu vôo final. Grace não parou de se mexer até que o lado dela estava encostado ao dele. Ele dormia com as asas na maior parte dobradas debaixo dele, a borda principal de sua asa enrolada ao longo de seus ombros e parcialmente para baixo seu lado. Era uma posição que ele ainda não sentia confortável, mas Taulan e Jarek asseguraram-lhe que isso permitiria a Grace "aconchegarse" com ele. Ele tinha zombado mas humorado suas idéias quando ele veio para descansar ao lado de sua companheira. Agora ele estava feliz por ter ouvido os dois machos. Porque parecia que sua companheira gostava de "aconchegar-se".

99


Seus seios exuberantes apertavam contra sua asa e braço, a pele nua o abrasava e ele ansiava acariciá-la com as mãos ... e a boca. Ela descansou seu estômago inferior contra seu quadril e então colocou sua perna esquerda em suas coxas, joelho chegando perigosamente perto de sua dureza. Ele não tinha certeza do que o assustava mais - a dor de ser golpeado ou envergonhar-se, encontrando o prazer ao ser acariciado por ela. Sua freqüência cardíaca aumentou, batendo um ritmo crescente até que ele pensou que estouraria de seu peito. Ela deslizou sua mão sobre seu estômago, dedos delicados acariciando a sua carne, e ele estremeceu com o toque. Ela não parou de se mover até que sua mão se enrolou em torno de seu quadril oposto, até que ela o abraçou completamente como se o estivesse revendicando para ela mesma. Era assim que ele deveria ver a espera. Sua mente queria reivindicálo. Exceto, isso o fez perceber que era seu coração que a tinha feito hesitar. Seu coração e confiança na mãe de Grace era de imensa. Ele ganharia tanto e acreditava que uma noite de tormento mais do que lhe valeu um lugar em seu coração. Não foi até que sua mão começou a derivar mais para o sul que ele percebeu que ele precisava ser o homem de confiança que ele tinha jurado ser. Parando ela. - Grace. - ele murmurou, precisando que ela cessasse antes que ele não pudesse fazê-lo. Sua mão continuou em sua jornada para o sul, os dedos provocando seu quadril e deslizando facilmente sob a cintura solta de suas calças. O calcanhar de sua mão chegando a descansar logo acima de seu comprimento firme. Quando se moveu para continuar a carícia íntima, agarrou-lhe o pulso, rodeando-o com firmeza. – Grace. Sua companheira sacudiu, empurrando e congelando no lugar. Lentamente, levantou a cabeça do peito e levantou a atenção para ele. A escuridão os envolveu, mas sua natureza Preor permitiu que ele a visse claramente. Um Preor tinha que sempre ser capaz de rastrear sua presa, mesmo no escuro da noite. A pesquisa disse-lhe que os seres humanos não eram tão talentosos. Assim, enquanto ele podia ver seu lindo rubor, ela só podia ver seu contorno e suas carateristica sombreadas.

100


- Você... - ele murmurou. Sua mão tão perto de onde ele precisava de seu toque estava o deixando louco e ele engoliu em seco enquanto lutava pela calma. - Você ... Eu não ... Você se arrependeria ... Ela enterrou o rosto contra o braço dele com um gemido. - Eu sinto muito. Ela não tentou afastar-se dele, e ele se deu permissão para realmente aceitar e apreciar sua proximidade. Kozav soltou um riso. - Shaa kouva, você nunca deve se desculpar por me tocar. Eu morreria para sentir você, mas eu fiz um voto e seria desonroso permitir que você continuasse enquanto você não está ciente de suas ações. - Eu não tenho uma desculpa para mim. Eu fiz um grande negócio sobre você ... E agora estou escalando você como uma árvore. Ele não entendia a referência, mas acreditava que ele tinha o melhor. Ele esfregou seu pulso cercado com o polegar, traçando seu ponto de pulso com um golpe suave. - Você nunca deveria se desculpar por me tocar, Grace. Nós somos companheiros. - Ele arriscou muito e virou a cabeça, esticando até que ele foi capaz de escovar seus lábios entre os dela. O movimento era desconfortável e tenso, mas permitia que ele tivesse um gosto dela. - Eu sempre vou recebê-la em meus braços. - Grace choramingou e ele congelou, inseguro se o som veio de prazer ou dor. . Shaa kouva? Você está indisposta? Devo entrar em contato... Ela abanou a cabeça. - Estou bem. Eu só ... Meu corpo só ... - Ela tremeu. - Há tanta necessidade dentro de mim. Como um desejo... - Eu também sinto isso. Fomos feitos um para o outro e os céus cuidaram de que fôssemos reunidos. - Não nos conhecemos. Como posso me sentir assim ... - Sinto o mesmo, Grace. - O Saber ... - Sua companheira estava insegura, desconfiado dele e do Saber, e ele não podia culpar sua suspeita. - É um símbolo de acasalamento, mas não pode controlar nossos corpos ou emoções. - Ele roubou outro beijo. Ela não se queixou do primeiro, então ele empurrou sua sorte por um segundo. - O desejo que

101


compartilhamos é nosso. Já ouvi falar de casais que permanecem em acasalamentos platônicos. Muito, muito raramente. Ele não explicaria que a razão por trás da falta de paixão compartilhada não era por falta de desejo, mas devido a uma lesão que deixou um deles incapaz. - Então, se eu quero te tocar... - com um dedo ela traçou um pequeno círculo acima de seu eixo. - Ou se eu quero que você me toque... - o golpe iria matá-lo. - Não será por causa do Saber. - Não - ele murmurou, à beira da explosão. - Então... - ela abaixou a boca em seu peito e deu-lhe um beijo gentil. - Então me solte, shaa kouvi, para que eu possa te tocar. Kozav gemeu e empurrou, sua necessidade de vir quase superando cada onça de controle que ele possuía. - Grace, você não precisa ... - Eu não tenho que fazer nada. Eu sei. Mas eu gostaria de tocá-lo, darlhe prazer. - Será que vai dar prazer em fazê-lo? Eu não serei uma companheira egoísta. - Sua companheira ficaria bem satisfeita quantas vezes quisesse. Grace mordiscou seu lábio inferior, o olhar deixando o dele e viajando ao longo de seu corpo. Sentia-a como se fosse um toque físico, sua mão dançando ao longo de sua carne. Sua atenção caiu finalmente à ascensão sob o aczi, sua necessidade flagrante e grande. Ele esperou enquanto ela fazia sua escolha, esperou e orou aos céus que ela gostaria de explorá-lo. Quando ela acenou com a cabeça e se esticou contra seu aperto, ele a soltou. - Faça o que quiser, rasi. - Rasi? - Ela murmurou, seus dedos ainda provocando ele. Ela queria que ele falasse agora? Quando sua mão estava tão perto de seu dikh? - Kozav? As pontas de seus dedos roçaram a base de seu comprimento, acariciando sua carne sensível. Ele resmungou e gemeu, as sensações de sua carícia conduzindo o discurso dele. - Hmm?

102


Ele nunca diria a outra alma, mas Kozav joi Grace Hall - anteriormente sen Aghin – choramingou, mas ele conseguiu reunir força suficiente para falar. - Gato ... - ele ofegou quando ela cercou seu eixo, palma suave segurando-o. – Gato Preor. Devotado. - Ela torceu seu aperto, acariciando a raiz de seu pênis. - Protectivo. - Então ela deslizou seu punho ao longo de seu pau da base para a ponta e arqueou suas costas com um grito áspero. Ele ergueu os quadris, tentando seguir as deliciosas sensações. - Amorosa. Essas palavras descreveram sua Grace. Uma mulher que faria qualquer coisa para proteger aqueles que amava. Quem sofreria e lutaria por aqueles em seu coração. Ele esperava que um dia fosse essa pessoa que ela cuidaria de tal maneira. Ela esfregou o polegar sobre a cabeça de sua dureza, espalhando o líquido em toda a ponta. - Minha rasi. - ele sibilou. A dele, enquanto ela permitisse. Ele esperava que fosse para sempre. Grace meramente humilhou e pressionou o mais próximo possível dele, eliminando qualquer distância restante entre seus corpos. Suas curvas sensuais o acariciavam, e jurou lembrar-se desta noite pelo resto de seus dias. A primeira vez que sua companheira se abriu para ele, aceitou-o de alguma forma. Ela bombeou seu comprimento de novo e de novo, puxando sua liberação para a frente. Com cada respiração, ele lutou pelo controle. Com cada toque, ela lutou para deixa-lo louco. Ele estava preso entre os dois, equilibrado à beira do orgasmo, e se deleitava com o doloroso prazer dele. O ar fresco subitamente banhou seu corpo e ele observou enquanto Grace jogava de lado o aczi, expondo os dois ao ar fresco do navio. Os olhos de sua companheira estavam focados em sua excitação ... Kozav memorizou a suave curva de seu peito, o nó endurecido de seu mamilo e o mergulho de sua cintura para o alargamento de seus quadris. Ele olhou para ela, desfrutando de suas atenções enquanto desfrutava de sua beleza. Ela era perfeita, sua companheira. Seu rasi era tão bonita quanto feroz. E muito, muito perigosa.

103


Seu ritmo aumentou, a palma o atormentava com seus rápidos movimentos. Ela o acariciou de cima a baixo, apertando-o logo abaixo da cabeça de seu pau antes de voltar seu caminho para massagear a base. Ele balançou seus quadris no tempo com seu toque, tomando cada indício de prazer que ela deu. Nunca antes havia sentido tal êxtase, tal êxtase inimaginável com a simples sensação da mão de outrem sobre ele. Ele entregou-se a Grace, deitou-se nu para ela. Uma picada afiada em seu peito chamou sua atenção e a visão diante dele emitiu um arrepio da felicidade abaixo de sua espinha. Seu rasi apertou sua carne entre os dentes, mordendo-o sem quebrar a pele. Ela gemeu com a ação, quase um rosnado, que o tinha correndo ainda mais perto do seu orgasmo. Grace agiu como uma fêmea feroz Preor, reivindicando seu companheiro e segurando-o firme enquanto ela tomou o que ela desejava. Kozav congelou no lugar, deixando-a dar e tomar como ela queria. Sua companheira mordeu mais forte, e seus pulmões congelaram, corpo apertando com a dor aumentada. Foi maravilhoso e horrível ao mesmo tempo. Seu eixo se contraiu em seu aperto, corpo reagindo à dor adicionada. O aperto de Grace se apertou, o ritmo aumentando e ele se permitiu se perder com seus desejos. Ele se deleitava com o toque de sua companheira, na confiança que ela lhe mostrava com esse único ato. Ele foi levado ao ponto de loucura, mas nunca levaria mais do que lhe foi dado. Sua provocação era prova de sua confiança nele. Ela abriu a boca e soltou sua carne e suas bolas se esticaram firmemente com a mudança de sensações. - Rasi, eu vou ... – Ele iria derramar-se em sua mão e na cama. Ele deveria se importar, certo? Grace não ouvia ou não se importava. Talvez ela desejasse que ele viesse por toda a sua mão. Ela se moveu mais rápido com mais força, dentes mordiscando e mordendo o que ela poderia alcançar enquanto ela o torturou. De cima a baixo ela acariciava, mais rápido, mais forte, e com um aperto logo abaixo da cabeça. Ele tremia com a necessidade suprimida, com desejo puro e ânsia não adulterada. - Rasi. - ele raspou o apelido, quase forçado além do discurso.

104


Não precisava falar, apenas precisava escutar. - Venha. - ela sussurrou a palavra contra sua carne úmida. - Venha, shaa kouvi. Kozav obedeceu, as costas arqueadas, as asas tremendo e o corpo tremendo quando sua essência irrompeu da cabeça de seu pênis. O líquido branco jorrava do seu pau e cobriu a pequena mão de Grace, pintando-a com a prova de seu desejo. Ele rugiu com o orgasmo de fusão óssea, tomado pelas sensações ardentes que se fechavam ao longo de sua espinha e chamuscava seus nervos. Seus cuidados diminuíram, diminuindo gradualmente enquanto amaciava em sua mão, e eventualmente ele relaxou também, sua respiração áspera. Ele nunca poderia ter imaginado que o toque de sua companheira poderia se sentir tão glorioso. Ele também nunca pensou que ele seria um daqueles que aceitava ordens de sua companheira. Talvez isso fosse um segredo que seria melhor manter entre eles.

105


Grace não admitia que sua mãe tinha razão, mas ... sua mãe estava certa. Droga. O olhar presunçoso no rosto da mulher disse a Grace que sua mãe sabia que ela estava certa, também. Elas tinham feito aquela conversa fiada de “como você está”. Presunção estava lá. - Você está brilhando. Ela fingiu inocência, olhos arregalados e lábios entreabertos. - Eu não tenho ideia do que você está falando. - Mmmhmm. Por que não acredito em você? - A voz de Donna não estava tão rouca, suas bochechas coradas de saúde. O curandeiro explicou que os Preors podiam torná-la mais confortável, mas não a tinham curado. Ainda. - Porque você é uma mãe odiosa que sempre pensa o pior de mim? Ela brincou. Năo querendo dizer isso, mas esperando que distrai-se a măe dela. Não. - Uh-huh. Nada a ver com um certo macho de cerceta que me visitou esta manhã? Um que parecia tão brilhante e feliz? Grace fingiu que tinha algo em sua xina, pegando o material leve. Eu não sei do que você está falando. E mesmo que o fizesse, eu não falaria sobre isso com minha mãe.

106


- Quando você se transformou em uma puritana? Ela cheirou, ainda não olhando para sua mãe. - Quando você se transformou em uma dor curiosa no ... - Quando eu pode olhar para você sem desejar que eu morresse assim você seria livre para viver sua vida. Ela chiou, os olhos rasgando com a súbita ideia de um futuro sem a mãe dela. - Mamãe. Donna pegou sua mão e deu um aperto suave. – Querida. - ela murmurou. - Eu nunca quis que sua vida fosse sobre cuidar de mim. Eu era um fardo. Grace sacudiu a cabeça. - Eu não me importei. Você é minha mãe. - Bem, eu me importo. - Sua mãe lhe deu um sorriso aquado. - Eu te amo tanto e só queria que você fosse feliz. Cuidar de mim chupou a vida de você. - Não. - Ela estava cansada o tempo todo, mas cada minuto gasto a ganhar dinheiro para ajudar a mãe valia cada bolha. - Sim. - Um daqueles dedos delicados esfregou o dorso da mão de Grace. - E não importa o que o Preors pode ou não pode fazer por mim, estou tão feliz em vê-la com Kozav. - Os lábios de sua mãe se curvaram em um pequeno sorriso. - Estou tão feliz em ver que seu futuro está resolvido. - Talvez não. Quer dizer, nós realmente não discutimos ... Donna bufou. - Não minta para mim ou para você mesma. Você é para ele e ele é para você. O resto é detalhes.

Pênis nos detalhes da vagina. Claro, ela não disse isso. Sua mãe já estava pisando limites pessoais. A próxima coisa que Grace saberia, a mulher queria uma peça por jogo. Algumas crianças eram melhores amigos dos seus pais, e isso era legal. Outras crianças não queriam imaginar seus pais sabendo nada sobre sexo. Nunca. Grace era uma concepção imaculada, droga. Apenas poof, e havia um bebê - Mamãe...

107


O whoosh da porta do gabinete médios os interrompeu e Detzan entrou, seu enorme corpo pegando a entrada. Ela ainda estava espantada com o contraste entre o tamanho de um Guerreiro Preor e sua cuidadosa delicadeza em torno das fêmeas. O olhar de Detzan rapidamente escaneou a sala aberta e pousou nela. Ele lhe deu uma inclinação da cabeça. - Grace joi Kozav, seu companheiro ... - Apenas Grace. - Ela não tinha certeza se o macho iria ouvi-la, mas ela tinha que tentar. O joi Kozav, mesmo que soasse bom, ainda tinha que acabar. Ele continuou falando como se não tivesse interrompido. Isso parecia ser uma característica entre os Preors. “ ... Aguarda-te no convés de comando quando terminares a visita à tua mãe. Bem, ela não tinha terminado, droga. Ela... - Volte e me veja mais tarde, querida. - O sorriso de sua mãe se alargou e a verdadeira felicidade encheu sua expressão. - E diga olá para o seu companheiro por mim. Traída por sua própria mãe. Grace realmente queria se manter escondida de Kozav depois da noite passada, depois da paixão que tinham compartilhado na escuridão. Ela ainda teve um tempo difícil embrulhando sua cabeça em torno de suas ações de bronze. Ela nunca ... E então ... Suas asas e pele e as mordidas ...

Sim. Ela suspirou. - Sim, mãe. - ela disse, voz monótona, e sua mãe ... riu. Riu abertamente. E isso fez Grace pensar que talvez tudo estivesse bem. Ela se inclinou e deu a sua mãe um beijo na bochecha antes de se levantar da cadeira. - Eu vou parar por aqui esta noite. Comunique- me se você precisar de mim? As portas médicas vociferaram mais uma vez, um guerreiro mais velho e de tons castanhos passando por Detzan e em direção a eles.

108


- Oh, eu não acho que vou precisar de você. - Sim, sua mãe falou com Grace, mas seus olhos eram todos para o recém-chegado. Ela tinha que lembrar que sua mãe era uma adulta. Ela estava curando agora, se não totalmente curada, e poderia tomar suas próprias decisões. Já, a diferença entre quando eles tinham chegado e agora era chocante. Então, se ela queria fazer amizade com um homem, tudo bem? Certo? Grace não tinha certeza, mas se ele machucasse seus sentimentos de qualquer forma, ele era um dragão morto. - Grace joi... Ela lançou um olhar a Detzan e ele limpou a garganta, as asas tremendo. - Grace, Kozav está esperando. Sim, bem, ele pode ser um grande negócio para todos os outros, mas isso não significa que ele era um grande negócio para ela. Ok, ele era um grande negócio. Ela cheirou mentalmente. Tanto faz. Ela deixou sua mãe na companhia do guerreiro mais velho - Skala - e fez uma nota para perguntar sobre ele quando ela chegasse ao seu companheiro. Ela não queria um Preor em sua mãe enquanto ela ainda estava doente. Se esse cara pensou que poderia conseguir algo com Donna Hall, bem, ele... - Grace? - Detzan interrompeu seus pensamentos e ela balançou a cabeça. - Hã? - Kozav? Ela olhou ao redor e percebeu que enquanto eles tinham deixado a sala médica, eles não tinham chegado muito longe quando ela parou de andar junto com ele e bufou. – Desculpe. - ela resmungou. - Eu tenho muito em minha mente, tendo a parar o que estou fazendo enquanto penso. A única vez que eu não faço é quando estou seguindo alguém. - Ela acenou para sua cabeça. - É uma coisa visual estranha. Quando estou distraída, sou como um pato. Eu vou te seguir em qualquer lugar. Detzan ergueu as sobrancelhas. - Entendo?

109


Ele não viu e seu tom transmitiu mais do que suas palavras. Ele pensou que ela era um idiota enlouquecida. Ele estava apenas parcialmente certo e mesmo assim, era apenas metade do tempo. Ela era ocasionalmente um idiota enlouquecida. No momento, ela era normal, se distraída. - Deixa pra lá. Vamos embora. - O olhar de alívio em seu rosto teria sido hilário se não a ofendesse tanto, e Grace apoiou as mãos nos quadris. – Estar me seguindo é tão mal assim? - Não é a tarefa. É a repercussão se eu falhar. - Oooh. - Grace também não quereria lutar com um Kozav chateado e se algo acontecesse com ela ... Seu companheiro seria um burro chutando a bunda de outro burro. - Certo. Vamos fazer isso. O Saber forneceu instruções e ela fez o seu melhor para não deixar seus pensamentos se afastarem muito da realidade. Embaraçar-se uma vez com sua estranheza foi suficiente. Ela poderia revelar algo igualmente estranho mais tarde. Melhor não assustar o coitado de uma só vez. Isso manteria os Preors em seus dedos. Embora, não importa como duramente tentou não deixar sua mente vaguear, ela ainda o fez. A única diferença era que, desta vez, seu foco caiu para trás antes que ela pudesse se perder, e Grace tropeçou um passo. Ela tropeçou para a frente e duas mãos grandes agarraram-na, mantendo-a de golpear o chão. Detzan ergueu-a de volta a seus pés, agarrando-a até que ela parou sozinha, e logo a soltou rapidamente. - Grace joi Kozav? - Lá foi ser chamada de Grace. - Você está bem? Ele não lhe deu uma chance de responder. - Eu deveria ligar para o médico. - Não ... - ela sussurrou e estendeu a mão para afastá-lo. Ela não viajou porque estava doente. Não, era essa onda de ... ódio. Raiva. Raiva. Fúria. Violência. Sussurrou no ar, dando-lhe arrepios enquanto os cabelos na parte de trás de seu pescoço se erguiam. A pele entre suas omoplatas coçava e ela revirou os ombros em um esforço para encolher as sensações. - Não. - ela balançou a cabeça. - Eu estou bem. - Ela não estava bem. - Só me dê um minuto. Detzan deu um passo para trás, dando a ela a chance de se virar no lugar, de olhar para cima e para baixo dos corredores vazios. Alguém

110


estava escondido nas proximidades? Será que eles espreitam em uma porta apenas fora de vista? A sensação de ser assistida aumentou, a malevolência rastejando por toda ela como um ginásio da selva. - Você sente isso? - Ela apertou suas mãos e relaxou-as lentamente, tentando banir as sensações. - Sentir o que? - Confusão genuína encheu sua voz. Os grandes predadores idiotas nunca foram grandes observadores. Talvez isso fosse porque nunca tinham sido presas. Grace tinha - mais de uma vez - ao longo dos anos. Os homens sempre viam uma mulher sozinha como uma escolha fácil. Era isso que estava acontecendo aqui? Sim, ela não era, mas o que ela disse foi o suficiente para Detzan e eles voltaram para indo em direção à plataforma de comando. O sentimento não reapareceu enquanto percorriam os corredores, aquele sentimento de ser presa não surgia novamente. Até… Até que ela chegou no convés de comando e se tornou o foco de todos.

111


Kozav respeitava e valorizava tanto Taulan quanto Lana, a companheira do macho. Eles faziam um par marcante que parecia cheio de alegria ... quando eles não estavam discutindo sobre o convés de comando de Kozav. O Mestre de Guerra e Maestra poderia tê-lo de volta quando eles deixaram de discutir sobre nomes de dragonlet, ou sobre coisas como a baía, abelha duchas, e kriss-n-ings. Lana se tornou com os jovens menos de uma semana atrás e se o restante de seu tempo de rolamento passou desta maneira ... Kozav iria investir em engenhocas humanas chamadas eer plugz. - Matilda é um nome perfeitamente bom. - Lana agarrou seu companheiro e então se virou para ele. - Não acha, Kozav? Preor machos tinham uma regra - não discordar com um feto feminino. Nunca. - Claro, Lana joi Taulan. - Talvez agora eles iriam embora. - Veja, Kozav concorda comigo. - Lana voltou-se para Taulan. Matilda Patricia de Coburn. Taulan primeiro olhou para Kozav e depois cruzou os braços sobre o peito, os pés afastados, enquanto olhava para Lana. - Preors tem um nome de nascimento e seu nome da parte da mãe, shaa kouva. Nós não... - Não sou Preor. - Sim - Taulan deu um passo à frente. – Você é! - Não. - Lana refletiu o movimento. - Eu não sou.

112


Kozav nunca acreditou que Taulan faria mal a uma mulher. Nunca. Mas isso não significava que Kozav não estava feliz por ser interrompido pela chegada de sua companheira. As portas do convés de comando se abriram para revelar Grace com Detzan às costas. Ele acenou com a cabeça para o macho, deixando-o saber em silêncio que ele estava livre para ir. - Mestre de Guerra Taulan, Maestra da Guerra Lana, não acredito que tenham encontrado a minha companheira. - Como ele esperava, seu argumento cessou e todos focalizaram em sua Grace. Sua bela companheira. Ele tinha deixado seu sono despenteado e suavemente ronco quando ele tinha se levantado, o aczi girou em torno de suas pernas e seus seios descobertos ao seu olhar. Tinha sido incapaz de sair sem provar apenas uma sugestão dela e roçou um beijo em sua testa. Ele ainda carregava seu cheiro e ele não podia esperar para ter tudo sobre ele mais uma vez. Sim, ele, Taulan e Lana se concentraram na Grace, mas também todos os outros homens solteiros de plantão. Ele se virou, os lábios enrolados para revelar suas presas enquanto soltava um rosnado baixo. - Trabalhar. O olhar de Taulan disse a Kozav que ele havia reagido exageradamente. Kozav não se importava. Ele caminhou para o lado de sua companheira e cuidadosamente agarrou sua mão, usando seu aperto para levá-la para o outro casal. - Grace, este é o Mestre de Guerra Taulan e sua companheira Lana. Lana ... - Kozav disse que você é uma enfermeira? - Lana não esperou que ele terminasse de falar e aquela primeira pergunta levou a muitas, muitas outras. Qual era a especialidade de sua companheira? Ela já havia trabalhado em OB / GYN? O que sua companheira achou desse lugar? Lana teve uma dor. O que sua companheira achava que poderia ser a causa? Sua companheira acreditava que a sensibilidade do peito ...

113


Kozav estava preparado para terminar a conversa de qualquer maneira, mas a última pergunta forçou Taulan a intervir. - Chega. Você não vai falar de seus seios na frente de ... - Eu não o quê? Kozav não tinha muita experiência com mulheres, mas acreditava que Taulan tinha falhado com isso. O rosto de Taulan enrubesceu de raiva, os olhos de Lana se estreitaram de raiva, e logo o casal pisou do convés de comando e fora de vista. Fora do alcance da audição também. - Entãooo. - Grace olhou para a porta depois que eles saíram. - Eram eles, então. Ele deu a ela um sorriso pesaroso. - Lana está recém-grávida. Seus corações pertencem um ao outro, mas ... Grace bufou. - Hormônios. Não há nada mais assustador do que uma mulher grávida com hormônios. Soou como se sua companheira falasse por experiência e franzisse sua sobrancelha. - Precisamos de guardas adicionais? As fêmeas gravidas não são tipicamente violentas, mas não estamos familiarizadas com a gama de mudanças que uma mulher humana sofre. Nós não queremos machucá-la, mas talvez um protetor giratório para impedir que ela prejudique os outros deve ser posto em prática. Ele não acreditava que uma mulher tão pequena como Lana poderia ser uma verdadeira ameaça, mas ele também nunca acreditou que um homem Preor podesse prejudicar uma fêmea, também. Pensando em um determinado macho - Impe – sua fúria continua contra o guerreiro soltou para a frente. Surpreendeu-o com sua intensidade, e ele apertou as mãos quando sentiu como se suas garras estivessem livres a qualquer momento. Seus ombros coçavam, um sinal seguro de que sua mudança permanecia perto da superfície, e ele tentou encolher as sensações. Impe ainda não tinha sido encontrado e o tio do homem - Sugal também estava livre em algum lugar no navio. Kozav não acreditava que o curador soubesse o suficiente dos sistemas do navio para fugir à detecção, mas a responsabilidade principal de Impe era em manutenção de engenharia. Ele era obrigado a manter e reparar vários sistemas necessários, incluindo os sensores do navio. Outros guerreiros trabalharam

114


para reparar a destruição de Impe, mas a cada momento, a bagunça cresceu e Impe ficou livre. O sorriso de Grace floresceu, seus lábios se espalharam. - Ela não é mais uma ameaça física do que antes. Só um pouco mais temperamental e provavelmente muito mais exigente. Ele acreditava que Lana era muito mais temperamental, mas ele nunca diria isso. - Venha, rasi, há algo que eu gostaria de lhe mostrar. Não seria tão bom quanto a coisa real, mas eles iriam explorar Preor juntos uma vez que eles voltassem. Não demorou muito para chegar ao seu destino, as áreas fora de serviço perto do convés de comando devem os homens terem que abandonar rapidamente o seu relaxamento para ir à batalha. Havia várias salas comuns, alguns machos voando enquanto outros estavam descansando e contavam histórias antigas de antes da guerra que destruiu seu povo. Ninguém desejava discutir a própria guerra. Ele a atraiu pelo longo e final corredor, o comprimento alinhado com portas numeradas, e ele os fez parar ao lado do espaço que reservou. Ele bateu na almofada de controle e esperou o sinal sonoro baixo. - Kozav joi Grace Hall, Programa Udriea. - Kozav? - Grace tremeu em seu aperto. - O que… - É um dos meus lugares favoritos de toda a Preor. - A porta se abriu deslizando para eles. - Deixe-me mostrar para você. Ele a atraiu para o espaço, e ele respirou profundamente no momento em que cruzou o limiar, inalando os aromas de casa. Os Preors tinham alguns dos melhores programas da galáxia. Uma necessidade considerando suas naturezas. Agressivo, às vezes violento, Preors precisava de saídas calmantes. Uma fuga para uma desta realidades eram a melhor coisa. - Isto, shaa kouva, é Udriea. - O rolo de ondas salgadas encheu o ar, o whoosh suave e suspiro da água beijando a costa. Areia e rochas trituraram sob seus pés enquanto caminhavam, sapatos afundando em pontos macios. - E esse é o mar de Gor Ari. - Ela não protestou quando ele se aventurou mais longe e ela ouviu quando as portas do senchamber se fecharam. - Eu

115


tenho uma pequena casa de campo perto da borda do penhasco. Houve muitos dias em que eu não podia voar para a Udriea aerie então eu acabei construindo uma casa aqui mesmo. Sua companheira permaneceu quieta, mas quando ele olhou para ela, ela não parecia chateada. - É grande, não tão grande como algumas, mas grande o suficiente para você e eu. - Você e eu? - Grace parecia ter encontrado sua voz. - Este lugar está cheio de água salgada. Ele grunhiu. Ela falou a verdade. - Eu passei muitos dias aqui que eu acho que eu amo isso. Mesmo que o sal picasse minhas escamas nos dias ventosos. - Ele deu de ombros. - Não é um lugar fácil de amar, mas o céu não nos diz que o amor é sempre fácil. - Mas… - Desta maneira. - ele puxou, puxando-a para a sua propriedade no penhasco. Levou meros momentos para chegar à sua casa, e ainda menos tempo para se estabelecer no muro de pedra. Ele a ajudou a sentar-se na superfície dura ao lado dele e ele envolveu um braço ao redor de sua cintura. - Você vê por que eu posso amar este lugar mesmo se seus ventos me machucarem? - Ele apontou para a distância, mostrando-lhe o pôr-do-sol brilhante e os animais marinhos que saltavam das águas cristalinas. Qualquer um pode ver isto de um aerie, mas este é o Gor Ari como deve ser visto. Sim, as águas são mortais, mas a paz que eu encontro aqui não tem preço. Os seres humanos diriam que o custo vale a recompensa. Grace inclinou-se contra ele com um suave suspiro. - Mas isso te machuca. Ele encolheu os ombros. - Não tanto mais. Eu construí uma tolerância aos ventos e eu realmente sinto qualquer dor se eu ir muito perto da borda dos penhascos durante uma tempestade. - Sailfish estourou acima da água, os fãs de uma dúzia de peixes aspersão através do céu. - Pense em tantos que sentem falta disso porque não estavam dispostos a tentar o suficiente. - ele murmurou. Grace não disse mais nada e ele se contentou em segurá-la e assistir ao pôr-do-sol de Preor sob o Gor Ari, gerado pelo senchamber. Era uma bela vista e a única forma que ele reconheceu a localização não era real

116


era devido à falta de dores em suas asas. Caso contrário, parecia o mesmo - sentia o mesmo - e isso o fazia sentir falta de casa ainda mais. Ele ansiava por voltar, para se instalar em uma rotina diária com sua companheira e simplesmente aproveitar a vida. Ele se candidataria a uma posição de treinamento. Ele não queria estar fora do planeta se sua companheira estivesse pronta para apresentá-lo com seus filhos. Ela precisaria estar levando primeiro - obviamente - mas ele não imaginava que seria difícil. O Mestre de Guerra Taulan realizou a tarefa rapidamente e com grande eficiência. Kozav poderia fazer o mesmo. Ele era um guerreiro poderoso, forte e honrado. Sua única preocupação era Grace. Já Melissa joi Jarek desejava trabalhar e Lana joi Taulan declarou que não iria entregar os seus deveres, uma vez que ela segurava um diploma em suas mãos. - Rasi? - Hmm? - O que você fazia nos seus empregos da Terra? Você estava trabalhando como enfermeira, mas você também tinha mais dois empregos. Qual era o outro? - Era um mal necessário. O tom desgostoso lhe dizia que só precisaria se preocupar em mantê-la ocupada com uma única posição, embora a ideia de que ela estivesse cercada por machos não casados não se assemelhasse bem à sua natureza dragoniana. Talvez ela só pudesse tratar de mulheres humanas ou agir como uma conselheira. - Era um mal necessário. Eu era um Representante de Acasalamento Sênior para a Agência Intergaláctica de Acasalamento. - Ele olhou para ela, a confusão turvando sua mente com as palavras desconhecidas. Ele não reconheceu o ditado. - O que é um mal necessário? - Grace apertou os lábios e enrugou o nariz. - Algo que você não quer fazer, mas tem que fazer. - Ela balançou a cabeça. - Trabalhar lá era uma ideia estúpida, de qualquer maneira. Eu tinha merdas para pagar e eu tinha casais felizes sendo jogados na minha cara todos os dias. - Ela deu de ombros. – Tempos desesperados leva a medidas desesperadas.

117


- Não entendo. Se foi uma ideia estúpida, por que você escolheu fazer isso? Você estava tão desesperada que você foi forçada a trabalhar lá? - Ela curvou o canto de sua boca. - Foi uma maneira fácil de conhecer homens fora do nosso mundo? Kozav sacudiu e o ciúme acendeu com aquelas poucas palavras. Ele nunca tinha sido um homem que experimentára tal emoção, mas ele rugiu através dele mais alto que o bramido de um dragão. - Conhecer homens de outros ... - Eu sei, era estúpido, mas... - ela suspirou. - Acabei de receber outro aviso do senhorio de que eles iriam nos expulsar e o Ministério da Saúde recusou outra petição para que a Mutação Pol seja reconhecida como uma doença e eles negaram as reivindicações médicas. - Ele ouviu, ouviu cada palavra , Mas ele só poderia se concentrar em três palavras. Conhecer

rapazes fora do mundo. - Você tomou uma posição para conhecer machos? - Antes de conhecê-lo. - acentuou as palavras como se isso acalmasse seu coração ciumento. - Eu precisava de um companheiro fora do mundo. De preferência uma raça que foi medicamente avançada o suficiente para ajudar a minha mãe. Eu não tinha o dinheiro para juntar-me ao IMA e procurar um companheiro dessa forma, mas os candidatos passaram pelos escritórios o tempo todo. Eu esperava encontrar ... - Ela subitamente se endireitou, sorrindo em seus lábios mais uma vez. - Mas então eu encontrei você e nós ... Kozav deveria estar emocionado com sua felicidade. Ela disse as palavras tão facilmente, como se ela já tivesse aceitado completamente. Mas era ele ou simplesmente o fato de que os Preors ajudariam a mãe? Ela tinha sido tão resistente. Seu acordo e aceitação só chegaram depois que ela soube que sua mãe estava indo bem? Essa era a razão pela qual ela permitia tanto em sua cama. Ela simplesmente o usou para ... Ele se afrouxou, desalojando-a, embora tivesse certeza de que não a deixaria cair no chão rochoso. - Kozav? - Ele não reconheceria que ele a achava franzida adorável. - Você procurou um companheiro. No IMA, você tomou uma posição com a finalidade de localizar um companheiro.

118


- Sim. - ela tirou a palavra. - Você não se importou com o companheiro. Só que eles tinham tecnologia para ajudar a sua mãe. - Ele apertou os dentes. Ele não podia dizer a dor da raiva ou o ciúme. Simplesmente sabia que suas emoções o atacavam, girando e batendo nele como os ventos mais ferozes do Gor Ari. - Quando você diz isso assim, parece ... - Ela estremeceu e ele disse a si mesmo que não se importava. - Você teria tomado qualquer macho. Você teria feito qualquer coisa. - Ele cortou a mão no ar. - Para salvar minha mãe? Sim. Eu nunca menti sobre isso. Eu não entendo por que você está tão zangado. - Ela empurrou para seus pés, enfrentando de frente contra ele. - O que é isso tudo? Odiava que sua confusa franzida o despertasse. - Você teria acoplado qualquer macho disposto a salvar sua mãe. Há algum comprimento que você não teria ido? Você faria uma manipulação genética? Você teria mentido? Você alterou... Ele estalou a boca fechada com a última pergunta e se amaldiçoou por mesmo entreter o pensamento. Os seres humanos não poderiam enganar o Saber. Mesmo a manipulação genética não poderia forçar um acasalamento. Grace deu um passo para trás e olhou para o chão enquanto passava as mãos pela frente do aczi em gesto nervoso. Ela estava nervosa porque descobriu o a verdade? - Se a pessoa que você mais amou no mundo, a única pessoa que sempre esteve lá para você, estivesse morrendo... - ela levantou a cabeça e encontrou seu olhar, seus olhos transbordando de lágrimas. - O que você faria? Se tivesse levado um sacrifício para salvar sua família, o que você faria? - Qualquer coisa. - ele murmurou. Outro rio de líquido serpenteava pelo seu rosto. - Até onde você iria? - Até onde fosse preciso. - Exatamente. Lamento o que eu fiz no passado ferira seus sentimentos ou faz você zangado ou repugna você, mas ... Eu faria isso de novo. Num

119


piscar de olhos. Até você deveria entender isso. - Ela se virou e seguiu seu caminho, obviamente com a intenção de deixá-lo para trás. Talvez fosse melhor. O impulso de libertar seu fogo, de mugir aos céus e tomar suas asas, quase o dominou. Fúria lutou contra o ciúme em seu coração e ele lutou para respirar passado as emoções. Sim, por enquanto, o espaço era o melhor. - Navio, revela porta do senchamber. Acompanhe o progresso e avise os guardas que estão parados. - Ele sabia que ela não gostaria que o baybee se sentasse, mas ele não podia tê-la desprotegida. Grace continuou, não parando um momento para olhar de volta para ele. Seus passos permaneceram lisos e sem pressa enquanto ela se aproximava da saída e o deixava no senchamber. Sozinho. Como ele tinha sido por tantos anos. Mas sua companheira estava certa, ele teria feito qualquer coisa sacrificado qualquer coisa - para ter seu pai, mãe e irmã de volta com ele. Kozav olhou para o sol digitalizado à distância, os últimos raios desaparecendo sob o Gor Ari. Ele não chamou sua atenção das cores brilhantes, deixando os diferentes tons acalmá-lo enquanto ele procurava o pensamento racional. Seu corpo permaneceu sintonizado com a emoção, mas a emoção não resolveria seus problemas com Grace. A emoção era a fonte de seus problemas no momento. Ele nunca tinha experimentado ciúme antes. Ele nunca tinha sofrido sentimentos tão fortes. E agora sua reação a suas dificuldades a afastou. Ele girou e pisou em direção à saída. Ele não deveria ter permitido que ela fosse embora. Podiam ficar loucos um com o outro na mesma sala. Eles não tinham que ficar separados quando estavam zangados. - Navio, localize o Grace joi Kozav Hall. - ele gritou a ordem enquanto se afastava do senchamber, ansioso para localizar sua companheira. Este foi seu primeiro desacordo e Jarek revelou que a maquilhagem era a melhor parte de um argumento. - Navio? - Incapaz de localizar a Grace joi Kozav Hall. Kozav tropeçou até parar. – Explique. Talvez fosse apenas um mau funcionamento.

120


- Grace joi Kozav Hall já não faz parte da Terceira Frota. Ela foi localizada pela última vez na seção coru. Seção coru. Uma área de armazenamento perto de engenharia que não tinha nada além de suprimentos. Era também uma área atormentada, Kozav quase dobrou em dor com aquelas palavras. Ele não acreditava que Grace o deixasse voluntariamente, e Impe já tinha provado ser um guerreiro violento e desonroso. Em vez de esperar pelo resto da explicação do navio, ele lançou-se em novas ordens. - Guerreiro Primário Kozav a transmitir. - Radiodifusão. - Guerreiros da Terceira Frota, este é o Guerreiro Primário Kozav joi Grace Hall e devemos caçar um dos nossos. Impe sen Viz'on tomou minha companheira e ele será encontrado. - Kozav não teve que questionar se os guerreiros ouviram sua mensagem. Os rugidos de resposta, o tremor do navio, lhe disseram mais do que qualquer outra coisa. Com sua garra ou outra, Impe estaria morto e Grace estaria de volta em seus braços. Ele teria que convencê-la a ficar lá.

121


- Escute, seu pedaço de merda, seu lagarto com asas! - Grace agarrou Impe, lutando contra a firmeza dele. Ela chutou, apontando para sua canela, e perdeu. - Eu vou chutar sua bunda e alimentar um tuburão branco com você. - Ela empurrou e cavou seus calcanhares, jogando seu peso para trás em um esforço para detê-lo. - Eu vou transformar você em carne para ... Impe sacudiu até parar e se inclinou até que seu rosto estava a uma polegada da dela. Os olhos reptilianos se estreitaram e ele sibilou enquanto falava. – Silêncio. Ela não queria ficar em silêncio. Ela estava chateada e frustrada e ela nunca iria admitir, mas ela estava com medo, também. E magoada. Porra, ela já tinha sido revendicada pelo o cara, e nenhum outro a fez sentir daquele jeito. Ele teria ter magoada menos caso ele tivesse batido nela quando ele a viu saindo do senchamber, mas aquela tinha sido um caminho interessante. Grace enrolou os lábios. - Ou. O que. Ela ia morrer de qualquer forma, certo? Ela não imaginava que o macho que tinha evitado a captura por dias e já a tinha machucado duas vezes só a liberaria e fugiria. Quaisquer que fossem seus planos, não tinha grandes esperanças de fugir ilesa ou viva. - Fêmea - ele rosnou e estalou os dentes, agindo como se ele a mordesse e ela lutou contra a necessidade de se encolher.

122


Grace Hall era um monte de coisas, mas ela não era uma pessoa fraca que recuava quando confrontada com o que parecia ser uma situação terrível. Caso contrário, sua mãe já estaria fora de sua vida. Mas ela lutou quando os médicos lhe disseram que não havia esperança. Ela estava pronta para lutar novamente. Infelizmente, esta luta envolveu contusões e cortes reais assim ... sem divertimento. A cada passo, ela resistia o máximo que podia, tentando o melhor para se libertar de sua inamovível compreensão. Aliens fortes eram sexy, mas este alienígena particular tem que ser tão forte? Seus dedos cavados em sua carne, o castigo seguro de deixar seu braço coberto de contusões. Se, de alguma forma, conseguisse sair disto com apenas contusões, ela se consideraria afortunada. Ela olhou para cima e para baixo pelo corredor, procurando por alguém que pudesse ajudá-la. Em um navio de dois mil Preors, ela pensaria que haveria um grande sujeito alado por perto. Ou pelo menos perto o suficiente para ouvi-la. - Socorro! Alguem AJUDE! Ele está tentando me seqüestrar ... - Sua cabeça bateu contra a parede de metal, os ombros imediatamente seguindo e, em seguida, o resto dela apanhou. A dor irradiava ao longo de seu corpo, ultrapassando cada nervo e apagando quaisquer outras sensações. Ela caiu no chão com um gemido e levou uma mão para a parte de trás da cabeça. Estava pegajosa e molhada e ela afastou a mão dela, olhando para seus dedos vermelhos. Impe agachou-se. - Isso não foi inteligente. Grace juntou saliva em sua boca e cuspiu nele, cobrindo seu rosto no líquido transparente. Isso lhe deu um rugido e outro golpe. Pelo menos este bateu-a para fora, mas não antes que ouvisse outras vozes masculinas, gritos para parar e nao sair daquele lugar. Grace desmaiou com um pequeno sorriso no rosto. Eles a encontraram e eles a salvariam. Ela estava embrulhada dentro de um casulo morno de cobertores e o cheiro de Kozav enchendo seu nariz quando acordou, encontrou-se amarrada em um assento em um shuttle curto do vôo. Ele saltou e empurrou em seu caminho através do espaço, sacudindo quando eles passaram pela atmosfera da Terra. Grunhidos e maldições - alguns que ela conhecia e outros que ela não fazia ideia - voltaram para ela do banco do piloto.

123


Ela não tinha sido salva, então. Essas vozes tinham sido apenas imaginárias? O ônibus estremeceu, virando à esquerda e depois Impe supercorrecionado puxando-os para a direita. - Maldição você para os mares, Kozav. - A voz de Impe refletiu sua raiva, mas ela ouviu algo mais lá dentro - medo enlouquecido. - Eu vou te mostrar. Sim, ela não queria que o Impe mostrasse qualquer coisa a alguém. O que está acontecendo? O que você está fazendo? - As primeiras palavras dificilmente eram um sussurro e doía formar cada uma. Ela passou os dedos por seus lábios e estremeceu ao encontrar a grande fenda. Deve tê-la batido novamente enquanto ela estava desmaiada. Ela limpou a garganta e tentou novamente. - O que você está fazendo, idiota! Ela poderia ser desagradável. Não era como se ele pudesse atingi-la enquanto ele tentava navegar e evitar o que quer que fosse continuar enviando seu vaivém balançando pelo ar. - Você. - Eu. O que você está fazendo? Para onde você está me levando? O que... - Você se cala alguma vez? - Certo. Normalmente, quando eu não estou presa por uma desculpa pobre para um guerreiro Preor. - Sim, ela cutucou o dragão. - Eu vou matá-la na frente dele. Vou mostrar-lhe o que acontece quando um Preor deserta sua raça. Vou mostrar-lhe o que acontece quando um Preor leva uma humana para acasalar. Vou mostrar a todos. Marque o riso maniacal do tipo mau. Não, Impe não riu, maníaco ou de outra forma. Ele fez maldição mais embora. Outro tremor sacudiu o ônibus espacial, fazendo-os girar, com o estômago protestando e o conteúdo ameaçando aparecer. Ela agarrou as tiras segurando-a no lugar, agarrando-as firmemente em um esforço para se aterrar. Ela não teve tempo para ficar doente. Ela tinha que se concentrar e descobrir uma maneira de sair dessa bagunça e ... voltar para Kozav.

124


Um eco retumbante de pancada ao redor do ônibus, vibrando tudo, e Impe gritou, unido pelo som de um punho golpeando um console. - Não, não, não! - Tendo um pequeno problema lá em cima? Os homens têm problemas em pedir direções? Queria ajuda? - Ela não poderia ter parado se ela tivesse tentado. - Você vai calar a boca ou eu vou rasgar sua língua para fora e alimentá-la com ela. - Seu grito foi quase tão violento como a próxima queda do ônibus . Ele teria que chegar a ela primeiro e ela não viu Impe ter uma chance de deixar seu cargo e atacá-la. - Promessas, promessas. - Quanto mais furioso ele ficava, mais provável seria que cometesse um erro. Pelo menos é o que os velhos videos disseram. Eles puxaram de outra queda ainda, mas ainda listados à esquerda, puxando duro de um lado. Perdemos um motor. - O medo que tinha estado ameaçando dominá-la não lhe dava uma escolha agora. Ela ia ficar com medo e isso é tudo que havia para isso. Coisa engraçada - Impe também parecia com medo. Sua voz aumentou em tom, soando como uma mulher assustada em vez de um guerreiro de controle. O corpo de Grace parecia pegar sinais de medo de seu seqüestrador porque foi quando o suor frio estourou para cobrir a pele dela e seus dentes tagarelaram quando o terror a alcançou. As lágrimas brotaram em seus olhos e deslizou por suas bochechas enquanto um nó se formou em sua garganta. Ela iria morrer assim - amarrada a uma cadeira por um louco e despencar para o ... Ela espiou passado o piloto e cadeiras de navegação, tentando determinar a sua localização no planeta. Talvez eles desceriam perto de uma estação de Ujal e os aliens que viviam no mar podessem salvá-los antes que os tubarões realmente os transformassem em jantar. Talvez ... Foi quando ela viu isso - salvação ou a continuação de sua tortura, dependendo do modo como ela olhava as coisas. - A plataforma de treinamento. - Impe agiu como se ele não tivesse ouvido e ela lutou para levantar a voz. - A plataforma de treinamento. - Ele tinha que ver, certo? Era enorme, facilmente dois campos de futebol longo e largo, um espaço onde o Preors poderia deslocar, treinar e executar exercícios como dragões. Não havia espaço no navio para realmente entrar em um bom treino para os Preors instalado várias plataformas de

125


treinamento acima do meio do Golfo do México para apenas esse propósito. Não havia seres humanos ao redor para assustá-los e os guerreiros gostavam do desafio do ar salgado e da morte segura se falhassem. O rugido do ônibus, mas o ônibus logo se voltou para a plataforma metálica pairando, o que significava que ele a ouvira. Sua aproximação era irregular, o navio que salta acima e para baixo ao deslizar da esquerda para a direita. Ela não despedaçou o olhar da frente do navio, olhando para as projeções do mundo fora de sua pequena vagem. A plataforma cresceu cada vez maior até que quase encheu a tela de exibição e que foi quando finalmente chegou. O navio bateu para baixo na plataforma plana, deslizando através da extensão, enquanto girando como um topo. O metal ralava contra o metal e ela segurou as restrições o mais forte que podia enquanto eles derrapavam sobre a estação de treinamento. O rolamento continuou e continuou, cada segundo sentimento como um ano se passou até que sua velocidade gradualmente abrandou, facilitando até chegarem a uma parada agitada, balançando. Então era apenas Grace e Impe - e ele não estava mais distraído. Grace não era ninguém para sentar e esperar para ser resgatada. Ela empurrou e empurrou suas restrições, procurando uma maneira de rastejar livre da correia que a mantinha cativa. Clipe após clipe lentamente liberado, dando-lhe mais espaço para respirar enquanto ela tentava fugir. Grunhidos vieram da frente do ônibus, os sons estimulando-a a ir ainda mais rápido do que antes. - Vamos, vamos, vamos ... - ela murmurou e então soltou um grito quando a última fivela abriu. - Sim! Impe bufou e rosnou. - Fêmea! Ela deve aprender a manter a boca fechada. Ela tirou as correias e empurrou para seus pés, tropeçando para frente quando algo a alcançou. Ela listou à direita e depois à esquerda, pegando-se em um assento próximo por um momento. Ela se endireitou e empurrou um pé na frente do outro. Ela fugiria. Tinha que haver outros na plataforma de treinamento. Não era como se Preor a deixasse sozinha, certo? Grace cutucou, empurrou e golpeou o identificador ao lado da porta do vaivém, silenciosamente implorando para deixá-la livre já.

126


Mas não fez nada. Permanecia passivamente vermelho, negando-lhe a chance de escapar. - Abra. - Ela pressionou. – Abra. - Ela deu uma bofetada. - Abra, abra, abra. - Ela perfurou o identipad com cada palavra. Mais lágrimas, mais dor, mais desespero. - Navio, abra a porra da porta! - Confirmado. - Quando a voz mecânica encheu a área, Grace não questionou sua resposta ou as próximas ações. Ela simplesmente se aproveitou delas. As portas se abriram e ela se afastou, lutando para ir o mais rápido que podia antes que Impe percebesse ... O rugido parecia vibrar a plataforma e ela tropeçou para frente, pegando-se em suas mãos e joelhos. Ela grunhiu e balançou a cabeça, tentando banir a tontura que vinha com a nova posição. Ela não tinha tempo para sentar e descansar. Ela tinha que se manter em movimento. Tinha que continuar correndo. Tinha que manter... Um punho lhe arrancou o cabelo, os dedos cavando nas costas e puxando-a para trás até que suas costas batiam contra uma frente dura. A cabeça dela foi puxada de lado, expondo seu pescoço, e uma bochecha áspera raspou sua garganta. - Você acha que eu a deixaria escapar? Deixa você me fazer de bobo outra vez? - Se você não me deixar ir, eles ... - Eles, quem, criadora? - Ele ronronou. - Não há ninguém exceto eu e você. - Mas eu pensei ... - Seus pulmões congelaram e ela se afastou dele, estremecendo quando ele a segurou rápido. - As plataformas de treinamento são equipadas. Impe bufou. - Uma evacuação forçada. Eles nem sabem que você está faltando. O ônibus teve problemas mecânicos e não foi monitorado pelo navio de guerra. - Ele abaixou a cabeça e uma língua morna e quente traçou sua pele de ombro a mandíbula. - Ninguém a salvará, criadora. Ninguém sabe onde procurar. - Afiadas presas cortaram em sua pele e ela sibilou com a dor. Ele soltou seus cabelos e empurrou, enviando-a esparramada para o chão de metal raspado e danificado. Seus ombros cresceram em largura, escamas escorregando sobre sua pele e olhos completamente a de seu dragão. Ele estendeu as asas, esticando-as para fora, e deu-lhe um sorriso

127


que a gelou até os ossos. - E ninguém pode me parar enquanto eu te ensino como se comportar. Grace congelou, o coração gaguejando até parar e os pulmões recusando-se a trabalhar. Era isso. Era aqui que ela morria. Com as garras desse monstro enlouquecido e sem ninguém por perto para detê-lo. Nem mesmo Kozav.

128


Kozav iria destruir o navio com suas garras nuas se ele não obtesse respostas em breve. - Onde está a minha companheira? Os guerreiros procuraram cada centímetro do navio, indo quarto a quarto enquanto procuravam Grace. Com cada fracasso em localizá-la, sua raiva cresceu. Como o seu medo. Ele tinha ido atrás dela quando ela tinha ido embora, mas quando ele saiu do senchamber, foi para encontrar uma passagem vazia. E um salpico de sangue na parede. Seu sangue. Os sensores do navio estavam baixos e os sistemas de monitoramento estavam funcionado irregularmente, o que só deixou uma caçada física. Cada macho tinham sido tirados das suas câmaras de sono e ordenados a encontrar Grace, e cada macho jurou que não parariam até que ela fosse devolvida a ele. Grace não era apenas uma mulher - Preors valorizava todas as mulheres - mas também um símbolo de esperança. Ela era outra humana que combinava com um Preor. Outra humana que podia carregar sua libelinha. Kozav estava no meio do convés de comando, o olhar não se desviando de uma disposição de todo o navio. Ele procurou qualquer leitura estranha, qualquer dica de onde mais Impe tinha sabotado. Impe tinha causado

129


estragos e agora ele tinha Grace em suas garras. A última vez que encontrou o macho, ele a tinha deixado inconsciente. O que ele faria agora? Relatos de guerreiros fluíam pela sala, os operadores comunicando nota da localização de cada pesquisador e falha para salvar sua companheira. Ela precisava de segurança. Esse pensamento estava em sua mente. Sussurrou em suas veias e bateu em sua cabeça. Sua companheira precisava dele e ele não estava lá para ela. Ele apertou as mãos, frustração e pura raiva transformando suas unhas em garras de dragão. Ele procurou uma calma interior que pareciam estar fora de alcance, e então ele simplesmente implorou seu corpo para permanecer em duas pernas. Ele poderia melhor encontrá-la se ele pudesse andar. - Kozav! - A voz profunda era familiar e ele se virou para encontrar Jarek se aproximando com Taulan bem atrás dele. Jarek o alcançou primeiro. – Informe-nos de seu progresso. Informe-nos ... Um coloquialismo humano. Cada dia que Jarek passava na Terra com sua companheira resultou em mais mudanças na mente e no corpo do velho Preor. Boa? Ou ruim? Impe sentia que associar-se com os criadores humanos era definitivamente em detrimento de seu povo. Esse conhecimento alimentou sua raiva para queimar mais quente. - Os guerreiros estão procurando em cada corredor e carga. Se ele tem uma porta ou um painel de acesso, eles estão explorando o espaço. Eles não a encontraram. - E o fogo dos dragões de Kozav ficou mais quente por causa disso. - Qual é o status em sua caça para Impe e Sugal? - Jarek falou mais uma vez, agindo como o Mestre de Guerra, mesmo que ele já não tivesse o título. - Impe permanece infundado e Sugal foi recentemente descoberto escondido dentro de um dos túneis de engenharia. Os sensores foram modificados para que o navio não pudesse sentir sua presença. O engenheiro Mestre Vende o localizou. - Kozav correu uma mão pelo cabelo

130


e se amaldiçoou mais uma vez. Tantas coisas que ele poderia ter feito de forma diferente para parar isso e agora sua companheira tinha ido embora. - Sugal tem alguma coisa a dizer sobre a intenção de Impe? - A voz de Taulan era igualmente forte, mas seu tom segurava algo mais. - Ainda não. - Ele balançou a cabeça. E os céus sabiam que ele tentara aprender o que podia do Mestre de Cura. Taulan resmungou. - Creio que falarei com Sugal. Kozav esperava ouvir o que Taulan pudesse descobrir. Enquanto isso, a busca continuaria. - Você acha que ele a tirou do navio? Kozav não iria agarrar o macho. Ele devia ser respeitado. Mas Jarek achava que ele não tinha feito o navio contar seus ônibus no momento em que ele sabia que Grace tinha ido embora? - Não. A contagem do Shuttle mostra que todos estão ainda a bordo. Jarek resmungou. - Navio. - Sim, estimado guerreiro Jarek joi Melissa? A exaustão e a preocupação o fizeram estalar o guerreiro mais velho. - Já pedi... Jarek ergueu a mão para silenciá-lo. - Você é um guerreiro primário recentemente promovido. Quando você solicita algo do navio, suas respostas são baseadas em perguntas pré-programadas. Você pergunta quantos guerreiros estão no navio, ele irá dizer-lhe quantos guerreiros valiosos estão no navio. Não contará aqueles que não podem ajudar na sua defesa. - Kozav assentiu e ficou em silêncio. - Navio, prepare a contagem da canela - inoperante e capaz. Compare-o com a contagem de lançamentos atual - inoperacional e capaz - e calcule quaisquer discrepâncias. - Um ônibus inoperável não está a bordo. Kozav sentiu como se seu coração tivesse sido arrancado de seu peito. Ele tropeçou para a frente e pegou-se nas costas de uma cadeira de oficial de comunicação, usando para mantê-lo ereto. Impe a tinha levado em um ônibus espacial - um ônibus inoperável.

131


- Hora de partida? - Jarek latiu. - Meu vaivém foi aberto trinta e um minutos, cinquenta e dois segundos atrás. - Destino? - Jarek ainda o ignorou e continuou questionando o navio. - Destino final desconhecido. A direção indicou um desembarque do mar da Terra perto da costa da Flórida. - Não - ele murmurou. Ele não acreditava que sua companheira pudesse sobreviver nas águas. Os seres humanos não foram feitos ... Kozav se endireitou. Humanos e Preor não gostavam dos oceanos, mas havia uma raça alienígena que o fazia. - Navio, transmita as ultimas coordenadas para o Ujal e solicite assistência de recuperação. Inclua imagens de Grace e Impe para identificação. Grace a ser resgatada, Impe para ser capturado e mantido em prisão. - Confirmado. - O navio foi rápido para reconhecer suas ordens. Jarek apertou seu ombro. - E agora vamos procurar também. - Os oceanos da Terra são vastos. - Ele balançou a cabeça. - E sua conexão com ela pode se estender por qualquer distância. Ship, transmita todos os dados para o vôo curto no bay kuik. - Kozav não teve a chance de questionar o guerreiro. Não quando eles começaram seu enrolamento rápido através das passagens e finalmente para a baía de transporte. Ele seguiu Jarek dentro do ônibus espacial e se amarrou na cadeira do copiloto. - Como vamos encontrá-la?" - Você vai encontrá-la. - Ele ergueu as sobrancelhas e Jarek resmungou. - Juventude ignorante. - Jarek ligou os motores e em um movimento suave as portas da baía se abriram e o ônibus lançou para fora do navio. Kozav não lembraria ao macho que ele era o mais velho deles. Os companheiros compartilham uma conexão biológica. Quando essa conexão é reconhecida, o Saber se manifesta. - Kozav sabia o suficiente para permanecer em silêncio. - Por causa de sua conexão genética, você pode encontrar sua companheira em qualquer lugar. Você pode se conectar com sua mente.

132


- Depois que um acasalamento foi selado. - Kozav apontou o óbvio. Grace e eu não... - A vedação não é necessária. Eu me comuniquei com a mente de Melissa antes de nos juntarmos totalmente. As emoções são o núcleo da conexão. - Jarek os fez mergulhar em direção ao planeta, fluindo através das camadas da atmosfera. - Você se importa com ela o suficiente para encontrá-la? - Sim. - Sua resposta foi imediata e sincera. Ele faria qualquer coisa pela Grace. Ele viveria e morreria em sua palavra e faria felizmente em seu nome. - Sim. - Então procure por ela com sua mente. Vou levar-nos para as coordenadas fornecidas pelo navio e vamos viajar a partir daí. Foi contra tudo que estava enraizado nele como um guerreiro, mas Kozav fechou os olhos, tornando-se vulnerável, e olhou para dentro. Ele deveria estar procurando visualmente ou confiando em sistemas tecnológicos, mas ele colocaria sua confiança em Jarek. Ele diminuiu a respiração e olhou para dentro, procurando por qualquer presença estrangeira e não descobriu nada. Mais e mais nada. As palavras de Jarek percorreram sua mente. - Os companheiros

compartilham uma conexão biológica. Grace não seria uma presença estrangeira. Ela era parte dele. Então ele procurou um lado mais suave dele, uma que era dura, mas vulnerável. Uma porção de sua alma que se congratulava por ser cuidada por outros e também era feroz em sua proteção. Kozav procurou sua rasi. E a encontrou amontoada e chorando, chamando por ele enquanto soprava depois de chover sobre ela. Metal marcado cortou em sua carne, a superfície queimada manchada de vermelho, e ele viu através de seus olhos. Saw Impe ergueu a mão e então ele desapareceu quando ela fechou seus olhos e se preparou para a dor. Mas antes que ela apagasse sua visão, ele observou algo mais. Algo que lhe disse exatamente onde encontrar sua companheira, e com quem. Seus olhos se abriram, a corrida do fogo da batalha percorrendo seu corpo e sentiu como se seus nervos estivessem inflamados. Ele apontou para

133


a distância. – Por aqui. Plataforma de treinamento Ruor. Venha silenciosamente do Norte e vinte pés acima das ondas. - Kozav, você não pode ... Era um risco estar perto das ondas tumultuosas. Um furacão recente fez toda a área perigosa. No entanto, ele poderia. Era para isso que ele havia treinado. Era por isso que ele tinha uma casa na borda do Gor Ari e por que ele odiava, mas amava, as ondas. Ele havia treinado para coletar coisas que o tornassem digno de um companheiro. Agora ele usaria essas ferramentas e resgatar sua Grace. Este ato o faria mais do que digno. - Eu posso. Faça-o. - Ele não seria negado e Jarek deve ter sentido essa determinação nele. Jarek trouxe o ônibus ao redor, comunicando-se com o Ujal dentro das ondas enquanto manobrava. Quando finalmente estavam em posição, o guerreiro abriu as portas traseiras, expondo-as ao ar salgado. Jarek se aproximou e sibilou com a picada enquanto Kozav se alegrava com a sugestão de dor. - Eu vou me comunicar com você uma vez que estiver tudo terminado. - Kozav olhou fixamente no céu, observando as nuvens e avaliando as rajadas do vento. Flashes de cor nos mares mostraram-lhe os Ujal esperando e ele ficou satisfeito por a outra raça iria ajudar se necessário. Ele baixou a atenção de volta para o macho ao seu lado. - Impe não vai sobreviver a isso. O estimado guerreiro apertou seu ombro. - Enquanto você e sua companheira viverem, eu não me importo. Kozav sacudiu a cabeça em um rápido aceno de cabeça, voltou sua atenção para o mar abaixo ... e saltou. Se a situação não fosse tão séria, Kozav riria do grito de surpresa de Jarek quando saltou do ônibus espacial. Outros teriam lutado imediatamente para subir, mas ele se permitiu cair, para quase roçar a superfície desigual. Suas asas pegaram a corrente ascendente vindo das águas e ele usou o impulso para se lançar para cima. Então batidas constantes de suas asas o levaram mais alto. Ele manteve seu olhar treinado na plataforma metálica que pairava acima, recusando-se a permitir que sua atenção flutuasse de qualquer maneira.

134


Com cada batida de suas asas, ele pensou em sua companheira - sua Grace. Os olhos dela. O sorriso dela. Seu cenho franzido. Seu rosnado. Seus dentes em sua carne. Ele teria tudo de novo. Kozav se aproximou da plataforma de treinamento, a borda quase ao alcance, e dobrou as asas quando se aproximou de um dos postos de reparo do motor. Uma pequena prateleira cortada no lado da plataforma usada pelos engenheiros para descansar durante os trabalhos de reparação. Ele a usou para outro propósito agora. Ele lutou para acalmar seu coração acelerado e arremessou ar lentamente em seus pulmões. Assim que voltasse a controlar-se ... grito que alugava o ar empurrou-o em ação quando ele teria esperado. Ele estendeu a mão, agarrou a borda superior da plataforma e se arrastou para o metal marcado com cicatrizes. O navio Impe roubou balançou perto da borda do lado oposto, a grande faixa de char preto mostrando o caminho que tinha tomado quando eles tinham pousado. Ele examinou seus arredores procurando o macho e sua companheira, e a raiva o infundiu quando ele avistou o par. Impe estava em pé, asas abertas. Graça estava encolhida no chão, roupas rasgadas e sangue cobrindo sua pele pálida. Impe puxando sua perna para trás. Grace apertando em uma pequena bola em preparação para o chute. O rugido que rasgou dele era mais dragão que macho, e ele não percebeu que estava voando até que ele desembarcou na frente do outro osri. Ele pegou a perna de Impe, levantou-a e torceu o tornozelo. O movimento obrigou o outro macho a virar e cair no chão. Para tornar-se vulnerável como sua companheira. Com um grunhido, Impe se atirou em seus pés, as asas se espalharam para o equilíbrio. Quando o outro guerreiro alcançou suas lâminas, Kozav fez o mesmo. Ele cortaria alegremente Impe em pedaços e alimentaria os tubarões circulando abaixo. O metal entrou em choque, as espadas reluzindo e acendendo com cada golpe bloqueado. Mas isso não era um combate de espadas, era uma batalha para a morte - Impe. Então, quando o macho se abriu, Kozav apunhalou profundamente. Quando o macho tropeçou, Kozav não deu a Impe espaço para corrigir-se. Kozav cortou e cortou, chutou e empurrou, bateu o macho

135


com a base de sua lâmina e quebrou o nariz de Impe com a testa. O sangue fluiu livremente, pintando o metal em um vermelho escuro, e Kozav não podia esperar para ver tudo isso cobrindo a plataforma. Eles circularam à esquerda e depois à direita, cada um procurando uma abertura - uma vulnerabilidade. O movimento por trás de Impe lembrou a Kozav que sua maior vulnerabilidade não era seu próprio corpo, mas Grace. De alguma forma, Impe percebeu sua ligeira desatenção e girou, capturando Grace antes que Kozav pudesse detê-lo. O guerreiro sangrava livremente, mas ele ainda tinha força suficiente para segurar sua companheira firmemente em seu aperto. – Não era assim. Isto não era para ser assim. - Impe raspado e Grace se esticou contra a preensão do macho. Quando Impe pressionou a ponta de sua espada em sua carne, ela congelou. Impe olhou para Kozav, um olho inchado fechado enquanto o outro estreitou a uma simples fenda. - Eu tenho a sua pequena criadora, Kozav. Você vai ouvir agora? Você vai me ouvir quando eu digo que os seres humanos só podem nos enfraquecer? Eles não ouvem. Eles não fazem o que dizem. Eles não serão boas companheiras e seus dragonlets serão fracos. - Cada palavra era um sopro a Kozav, uma outra brasa adicionada ao fogo do dragão em seu coração. Empurrou-o mais perto da borda, mais perto do ponto onde ele perderia o controle e mataria o homem onde ele estava, não importa o custo. Mas ele nunca poderia magoar Grace. Seria matá-lo para prejudicála e sua fúria precisaria voltar sob controle. - Fraco como você, Impe? Fraco como seu tio? - Impe sibilou e Kozav fez o mesmo, deixando as mentiras pularem para seus lábios. - Taulan nem precisou tocar em Sugal para tirar seus segredos dele. Nós sabemos tudo, Impe. Liberte Grace e ... - Ele não faria isso. Não, todos além de Kozav sabiam, ele não tinha, mas Kozav precisava manter o macho desequilibrado. - Ele é fraco, como você é fraco. Sua linha não deveria ter sequer sido concedida passagem e a chance de procurar uma companheira. - Ele zombou e olhou para Impe, procurando por qualquer abertura. - Sua linha está cheia de covardes e machos inúteis. Sua linha não é nada.

136


As palavras empurraram Impe em ação e o macho atirou Grace para longe dele antes de se lançar em Kozav. Ele viu Grace cair no chão, pegar a superfície danificada e ... continuar caindo. Ela não parou quando se aproximou da borda, ou mesmo quando equilibrou-se bem na borda. Ela caiu sobre o lado enquanto Kozav não podia fazer nada além de observar. Não. Ele era apenas um observador uma vez e falhou. Desta vez salvaria sua família. A caminhada de Impe era estranha e tropeçando, dando-lhe a oportunidade perfeita de enterrar sua espada no peito do macho. Foi uma morte rápida, a espada precisa e afundando através do seu coração. Um golpe de matar bem praticado. Um que não dava a ele um prazer de que deveria. Antes que o corpo de Impe se balançasse para o chão em um montão sem vida, Kozav se foi, mergulhando sobre o lado. Ele segurou suas asas firmemente em seu corpo, formando uma vara aerodinâmica que cortava os céus. Sua velocidade aumentou, aproximando-o cada vez mais de sua companheira. Ela torceu e girou, corpo girando e mãos arrebatando no ar como se houvesse algo que poderia retardar sua queda. Não havia algo, mas havia alguém. Ele dirigiu sua atenção para as águas, medindo a distância, e ele sabia que precisaria agendar seus próximos movimentos com precisão. Caso contrário, perderia sua companheira antes que ele tivesse a chance de realmente tê-la. Kozav enrijeceu os músculos, apertando-se ainda mais para ajudar a acelerar sua aproximação. Ele teve que pegá-la no momento certo, deixar tudo fluir através dele no segundo preciso ... Deixou a alma de seu dragão se aproximar mais, perto o suficiente para que a mente estivesse presente, mas o corpo permanecia uma linha de carne e asa. Estava ali, pronto e esperando para a primavera, para fazer como exigido para salvar sua companheira. Eles se aproximaram da sepultura aquosa abaixo, atingindo o líquido uma sentença de morte segura a essas velocidades. Setenta e cinco pés. Cinquenta. Trinta.

137


Quando a distância se reduziu a vinte, Kozav deixou o dragão assumir o controle. A transição lavada sobre ele em uma corrida cega, corpo em expansão, asas alongadas, rosto transformando até um dragão de duas centenas de toneladas coberto em escamas de cerceta surgiu. Garras estendidas, ele pegou Grace, embalando-a quando permitiu que os ventos oceânicos e suas asas os baixassem em um deslizamento suave acima das ondulantes ondas do mar. A água batia a apenas seis pés sob suas garras, a morte espreitando perto, enquanto ele embalava a vida - e seu futuro - em suas garras.

138


Quatro dias depois, suas mãos ainda tremiam. Não importava o que ela estivesse fazendo ou onde ela estava, elas tremiam. Os tremores nunca saíram, nem mesmo quando ela dormia. Apenas uma vibração constante que parecia enraizada em seu corpo. Ela se perguntou se alguma vez iria embora. No entanto, não era todos os dias que uma pessoa era sequestrada, espancada, jogada sobre a borda de uma plataforma de treinamento e, em seguida, resgatada por um dragão. A Mestre do Coração Sobol joi Zurer não tinha uma resposta para Grace. Típico. Mas hoje não era sobre ela ou sua agitação ou os pesadelos que ela escondia de Kozav. O Kozav silencioso, meditativo que manteve sua distância. Ele a salvou, cuidou dela enquanto os curandeiros reparavam seus ferimentos e depois simplesmente ... se foi. Eles ainda compartilhavam um quarto, mas eles estavam perto de serem apenas estranhos. Quem sabia que uma briga por um emprego terminaria numa bagunça tão confusa? Outra pergunta que Sobol não pôde responder. Certo. Hoje. Hoje era sobre sua mãe. Ela estava ao lado da plataforma médica de Donna, dedos entrelaçados em torno de sua mãe, enquanto o guerreiro marrom - Skala - permaneceu à direita da sua mãe. Na realidade, Skala mal tinha deixado o lado de Donna desde que chegara ao navio. Ele ainda era totalmente estranho a Grace, mas Kozav tinha assegurado a ela que era um Honroso Primeiro Guerreiro que atuava como guarda de Lana joi Taulan.

139


E Skala, por sua vez, trouxe conforto à sua mãe. Quando sua mãe bateu na mão de Skala, algumas das rugas em seu rosto aliviaram. Quando Skala grunhiu porque uma curandeira se aproximou demais, sua mãe riu e sorriu. A mãe de Grace disse que não havia nada entre eles. Embora, realmente, tão doente como sua mãe estava, uma relação platônica não era surpreendente. Mas o brilho ocasional nos olhos de Skala e o rubor nas bochechas de sua mãe, Grace estava um pouco cética sobre o assunto platônico. Donna apertou suavemente os dedos de Grace. - Você está bem, Gracie? Grace riu com dificuldade. - Pergunte à mulher que está prestes a ter seu DNA parafusado. - Não haverá nenhum parafuso. - A voz de Skala era uma áspera, vigorosa raspagem. Grace suprimiu seu sorriso e ergueu uma sobrancelha. - Certo. Claro que não. Skala grunhiu e todo o intercâmbio lhe lembrou do tempo gasto com Kozav antes que Impe fizesse o mundo implodir. Ela olhou para seu companheiro do canto do olho e o pegou olhando para ela, um olhar de desejo puro e desejo absoluto gravado em sua expressão. Ela perdeu isso. Eles não tinham muita paixão antes de sua luta, mas ela sentia falta da proximidade que haviam compartilhado por aquele curto período de tempo. Ela sentia falta de falar com ele. Ela sentia falta de estar perto dele. Então ele percebeu que ela olhava para ele e a expressão desapareceu como se nunca tivesse existido. Ela se voltou para a mãe e a encontrou sussurrando para o guerreiro alado, apenas pegando trechos de sua conversa. - Não deveria ter suas esperanças. Skala resmungou. - Eu só não quero que você fique desapontado. Se você não espera para ... Outro grunhido. - Um Preor vive a vida com esperança.

140


Essas poucas palavras terminaram sua conversa não muito particular. - Mamãe? Algo que você queira me dizer antes de começar? - Ela inclinou a cabeça significativamente para Skala. - Não. Nada a contar. - O sorriso que ela conseguiu era largo e falso do que unhas postiças. - Uh-huh. - Se era assim que a sua mãe queria jogar as coisas, ela deixaria. Desde que se mudou para o navio Preor, o peso da responsabilidade tinha se levantado dos ombros de Grace. Mais e mais como sua mãe recuperou sua força. Com injeções diárias, sua mãe poderia viver uma vida bastante saudável. Mas isso não era suficiente para Donna Hall. Ela disse que tinha que viver para os seus netos e queria uma cura. Grace tinha certeza de que a motivação de sua mãe para uma cura veio de Skala também. O curandeiro aproximou-se de seu pequeno grupo, um hipo descansando no meio de uma pequena bandeja. - Como discutimos anteriormente, os efeitos colaterais desta injeção ... - Eu sei. A interrupção apressada de sua mãe fez com que Grace olhasse lentamente para a mãe. - Mamãe? Donna respirou fundo. - Na pior das hipóteses, nada muda. Eu continuo vivendo como eu estive aqui no navio. Os tratamentos me mantêm bastante saudável embora eu fique cansada. Eu vou ser capaz de ter uma vida fora de uma cama. Eu vou ser capaz de ter meu próprio quarto perto de médicos e ser independente. Pelo menos, um pouco. O curandeiro falou mais uma vez. - Donna Hall, há outro negativo ... - Negativo para você. - A resposta de sua mãe foi chicote rápido e Grace conhecia esse tom. Era o tom da mãe de "proceder sob seu próprio risco e eu posso rasgar seu rosto fora". Aparentemente, o curandeiro também estava familiarizado com ele, porque ele permaneceu calado enquanto levantava a hipoglicemia da bandeja. - Você está preparada, Donna Hall?

141


Grace apertou a mão de sua mãe, segurando forte, e ficou surpresa quando uma grande mão veio descansar em seu ombro. Ela olhou para trás e encontrou o olhar de Kozav. Havia o companheiro que ela estava perdendo, suas emoções escondidas em seus olhos. Havia o companheiro que ela iria voltar uma vez que isso fosse feito. Teriam um encontro com Jesus e resolveriam seus problemas mesmo que isso os matasse. - Pronta. - Sua mãe acenou com a cabeça e estendeu seu braço direito. Skala refletiu a posição de Kozav, segurando o ombro de Donna. Sua mãe sibilou enquanto distribuía seu conteúdo na sua corrente sanguinea. Então era apenas uma questão de espera. Segundos? Minutos? Horas? Segundos ganhou. Seu primeiro suspiro da mãe foi seguido por um gemido e depois um rosnado de Skala com uma demanda para ajudá-la. Mas não havia nada que alguém pudesse fazer. Eles só podiam ver e esperar e ver como o mundo de Donna tinha mudado com as modificações genéticas. Não modificações tanto como uma arrumação, como sua mãe o chamou. Apenas uma esfrega rápida do DNA antigo, reparando a Mutação Pol, e então tudo estaria bem. E era. Na maioria das vezes. Gritos se transformaram em gemidos transformados em gemidos e depois de volta aos gritos novamente. Ela se retorceu na cama, Grace ainda segurando uma mão enquanto Skala se recusava a abandonar a outra. Kozav estava de sentinela sobre todos eles, seu olhar um peso reconfortante, enquanto o tempo passava por entre eles. Grace não tinha certeza de quanto tempo tinha sido quando a batalha de Donna finalmente cessou, mas finalmente aconteceu. Algumas outras coisas aconteceram quando os últimos tremores deixaram sua mãe também. Skala, o guerreiro que grunhiu e rosnou para todos, que defendera ferozmente seu lugar ao lado de sua mãe, caiu de joelhos ao lado da plataforma. Sua mão cicatrizada afastou o cabelo de Donna e ele segurou a pálida face da mulher. As lágrimas escorregaram de seus olhos, rastejando por suas bochechas ressecadas e seus lábios formaram duas palavras que chocaram Grace para seu centro. - Shaa kouva. - As palavras de Skala ressoaram no quarto.

142


Certo, definitivamente isso chocou Grace. No entanto, não chocou a sua mãe. Como comprovado quando a mãe segurou a bochecha de Skala em troca, afastando as lágrimas que continuavam. - Shaa kouvi. Nem, aparentemente, ele chocou Kozav porque ele foi rápido para arrastar Grace fora da sala depois que ela deu a sua mãe um beijo e continuou a levá-la por um caminho de passagens gêmeas. Todos sabiam que eram companheiros, menos ela? Estava tudo muito confuso, ela precisava saber. - Todos sabiam que eram companheiros, exceto eu? - Ela se encolheu bruscamente, o braço se soltando do abraço de seu companheiro e apoiou as mãos nos quadris. - Eles são? Kozav passou os dedos pelos cabelos, um gesto que estava fazendo cada vez mais e definitivamente lembrou-a de um homem humano frustrado. - Eu queria ter essa conversa depois da nossa próxima, mas parece que não pode ser adiada. Ela não tinha idéia do que a outra conversa iria incluir, mas esta precisava ser resolvida. - Não, não pode. Todos ... Ele se aproximou, mas parou apenas de tê-la tocado. Ela lutou para não se inclinar sobre ele, para ter conforto em sua presença. A virada dos acontecimentos não era ruim, mas perturbadora. Tantas mudanças, tão pouco tempo. - Sua mãe não experimentou o Saber completo, mas começou a receber o conhecimento que não deveria ter tido quando chegou no navio. - Seus movimentos eram lentos quando ele estendeu a mão para ela e ela o encontrou no meio do caminho. Algo dentro dela dizia que seu relacionamento não estava perdido, mas exigia compromisso. Ela podia fazer isso. - Ninguém disse nada. - Sua mãe exigiu que todos os homens falassem com ela. - Parecia que Kozav estava mais do que um pouco irritado com essa regra. - E Skala? Ele sentiu… Kozav assentiu. - Desde o momento em que ela foi trazida a bordo. Ele procurou por ela. Não era um conhecimento completo, mas era o suficiente para reuni-los. Eles passaram esse tempo se conhecendo.

143


- E ninguém ... A mão livre de Kozav acariciou sua bochecha. - Sua mãe achava que o nosso acasalamento merecia um 'bom começo' e ela não queria que você se preocupasse com ela. Os curandeiros foram instruídos a não mencionar nada da importância de Skala para sua mãe e simplesmente relatam que sua saúde melhorou. Você mesmo viu as melhorias. Ela engoliu em seco e acenou com a cabeça. Ela tinha, mas ... seus joelhos estavam fracos e ela se encostou na parede. - Eu sou tão egoísta. - Shaa kouva. - Essas duas palavras bateram em seu coração e ela sentiu lágrimas se juntarem atrás de seus olhos. Era a primeira vez que ele a chamava assim em dias e ela quase pensou que nunca mais as ouviria. Você nunca poderia ser egoísta. - Minha mãe tinha tudo isso acontecendo e eu estou apenas fugindo e ... - Eu não acredito que você é capaz de fugir. E você deve lembrar que também teve que lidar com um macho muito idiota, enquanto algum outro idiota tentou apagar suas luzes. Grace não tinha certeza se estava pronta para aceitar sua explicação, mas suas palavras traziam um sorriso aos lábios dela. - Isso veio da minha mãe ou de uma das outras companheiras humanas Preor? - Nossa mãe. - Nossa? Kozav encheu o peito. - Fui instruído a chamá-la de mãe. É uma tradição da Terra. Sim, sim, era. Nas boas famílias. Nas famílias que se davam bem e eram amorosas e presas quando a merda explodiu. Grace pensou como ela quebrou na plataforma de treinamento e, em seguida, caiu sobre a borda para apenas ser resgatada por seu companheiro dragão, isso era perto de explodir que um Preor poderia obter. - É. - Ela estendeu a mão, juntando os dedos. - Isto é... - Bom. - Ele apertou sua mão em sua mão e suavemente puxou-a para longe da parede. - Existem outras tradições que eu gostaria de explorar.

144


Mãe me deu uma lista e eu gostaria de compartilhar algumas com você no

senchamber. Ela estava bem até chegarem ao bocado do senchamber. - Kozav? - Paz, shaa kouva. Eu ... - Ele franziu o cenho e olhou para as mãos unidas. - Eu não posso tolerar a ideia de você procurando outro. Foi o que levou minha raiva. - Ele franziu o cenho mais forte. - A tua mãe me deu uma bofetada por ser idiota. - Mesmo que odiasse que sua mãe o atingisse, Grace teve que sorrir. - Ela também disse que você acharia engraçado. Ela apenas encolheu os ombros e esperou que Kozav continuasse. - Nós dois tivemos vidas antes de nos encontrarmos um ao outro. A sua muito mais curta que a minha, mas não menos diverso. Eu devo aprender a aceitar que suas ações passadas estão no passado e trabalhar para a IMA estava fora de desespero e necessidade. Você fez o que era necessário e eu teria feito o mesmo se tivesse salvado minha família. Quando ele a olhou novamente, foi com uma expressão cautelosa, porém esperançosa. - A fêmea que está diante de mim hoje é minha companheira. Quero esquecer nossos passados e começar de novo. Tudo o que importa são os nossos dias indo para a frente. - Com a cabeça de Grace, ele continuou, sua voz hesitante. - Eu gostaria de tentar ir para a frente com você novamente, Grace joi Kozav Hall, se você permitir.

145


Kozav esperou, segurando a respiração até que acreditou que seus quatro pulmões iriam explodir. A mãe de Grace realmente o havia esbofeteado e, embora sua força não fosse nada comparada com a dele, a ataque o feriu em seu coração. Ele tinha errado com sua companheira, empurrou-a para longe quando ele deveria ter puxado para perto, e agora ele esperou para ver se ela lhe daria outra chance. Uma chance de fazer certo e forjar um futuro juntos. Uma chance de serem companheiros. Uma máscara em branco desceu sobre o rosto de sua companheira, escondendo seus pensamentos dele. - Eu quero seguir em frente, mas ... Ela balançou a cabeça. - Nós não podemos começar de novo. - Ela puxou as mãos dela e ele sentiu a perda para baixo para sua alma, seu dragão recuando com a retirada e seu corpo ficando frio com a perda de seu calor. - Tudo o que aconteceu, tudo o que vivenciamos e cada palavra que compartilhamos formará nosso futuro. Eu odeio os argumentos e o drama? Certo. Mas eu não iria esquecê-los para qualquer coisa. - Ela segurou suas bochechas e ele revelou em seu toque suave. - Esses argumentos são apenas uma outra faceta de nosso relacionamento. Não uma faceta brilhante, mas ainda parte de nós. Não posso prometer que nunca mais discutiremos ... Kozav resmungou. Não, nunca discutiriam novamente. Ele não permitiria. - Mas posso prometer que não haverá mais fugas. Ele concordou com a cabeça. Não haveria mais fugas. Ele não permitiria.

146


- Bom. - Afastou as mãos do rosto. Qualquer outro toque o teria prendido contra a parede. Sua metade normalmente possessiva até concordou com esse plano, dolorido para reivindicá-la aqui onde todos pudessem ver. Grace pertencia a ele e só a ele. Ele iria afirmar seu domínio e tomar para que não pudesse haver dúvida. Embora, a palavra já se espalhou entre os homens, as testemunhas de resgate de sua companheira passando a história de guerreiro para guerreiro. Kozav joi Grace Hall iria matar qualquer um que pensava em prejudicar sua companheira e ele tinha a força e o poder de fazê-lo, Não importa o seu adversário. Seus dedos formigaram com a necessidade de acariciar Grace, para explorar seu corpo e traçar suas curvas. Mas baixas vozes de barítono ecoaram de uma extremidade da passagem e ele sabia que esse não era o lugar. Tinha de se lembrar de que desejava levar sua companheira ao senchamber. Esse era seu objetivo. Então ele poderia explorá-la em seu lazer. - Então nós vamos para o senchamber? - Se ele perguntou, ela poderia negá-lo. Se ele contasse a ela, não o faria. Mesmo depois que Mamãe Hall o golpeou, ela o ajudou. Sem dar a ela a chance de dizer outra palavra, ele girou e caminhou pelo corredor, longe dos guerreiros se aproximando. Ele não queria ser interrompido e que lhe pedissem para contar a história do resgate de sua companheira novamente. Mais tarde, depois que ele sacia-se sua companheira - e ele mesmo - ele contaria as palavras repetidas vezes. Agora não. - Kozav, você não acha que devemos ... Ele não demorou. - Nós não devemos fazer nada, mas avançar para o senchamber. Se a sua objeção está relacionada à sua mãe, eu dei ordens para que fôssemos contatados sobre qualquer mudança negativa. Ela também deu as mesmas ordens embora eu acredite que maldições humanas foram usadas também.

147


Donna Hall apontara para a curandeira, uma careta em seus traços delicados. - Se você fudidamente os interromper eu vou quebrar o seu

braço e bater em você até que você chore por sua mamãe. Kozav prometeu proteger o curador se concordasse em contactá-los apenas em caso de emergência. A risada de graça de Grace encheu seu coração de alegria. - Você pensou em tudo? - Claro. - Ele não lhe disse que se não o fizesse, o senchamber poderia fornecer o que fosse necessário. Ele preferia que ela o visse como um companheiro perfeitamente competente. Ela poderia ver seus outros defeitos mais tarde. Ele poderia mostrar a sua companheira seu pior depois que ele "coloca-se um anel nela", como mamãe disse. Kozav não entendeu a referência de Mamãe Hall, mas a fêmea prometeu explicar depois de ter terminado o seu vay-kay-shun. Um vaykay-shun ele estava ansioso para começar e ele se perguntou se Grace poderia confortavelmente aumentar sua velocidade. Um rápido olhar mostrou que ela quase correu já. Em vez de desacelerar, ele deu um passo em direção a ela, dobrando-a e levantando-a em seus braços em um movimento suave. Ele a abraçou, desfrutando do seu grito de surpresa e depois a sensação de seus braços envolvendo seu pescoço. Ela descansou a cabeça em seu ombro com um suspiro, e seu hálito, respiração quente soprou sobre sua pele. O cheiro flutuante era suficiente para enviar sua excitação voando alto, seu pênis engrossando e endurecendo dentro de suas calças katoth. Sua roupa ficou apertada, o katoth implacável e não esticando para acomodá-lo. A excitação era acompanhada por uma dor de beliscão, mas era um glorioso. A dor foi causada por sua companheira, sua companheira que ele tinha resgatado e agora estava perto dele. Uma companheira que ele logo reivindicaria como sua. Minha. A palavra ressoava a cada passo. Minha. Minha.Minha. Kozav ignorou os guerreiros que eles passaram durante sua corrida para o senchamber, apenas mal reconhecendo-os com uma inclinação de sua cabeça. Quando seus olhares invariavelmente se voltaram para Grace,

148


eles rapidamente se afastaram, alguns até se escondendo em quartos próximos. Eles não queriam que ele acreditasse que cobiçavam Grace. Ele iria rir se não estivesse tão desesperado por sua companheira. Por outro lado, Grace, riu-se. Ele deveria dizer a ela que rir de machos era desrespeitoso, mas ... ele não podia arruinar sua alegria. Ele simplesmente mataria qualquer um que se ofendesse com suas risadas. Que parecia ser a resposta perfeita e que iria mantê-lo em andamento. Excelente plano. Não faltava muito antes que eles parassem fora do senchamber familiar, a área preparada para eles. Estava pré-programado com seus desejos para de sua vay-kay-shun, mas também tinha comida abastecida durante toda a sua experiência. Eles não teriam que deixar o senchamber e nenhum outro teria que entregar refeições para eles. Esse o seu próprio espaço pelos os próximos dias - mais se ele pudesse convencê-la a permanecer. Ele pedira um total de sete levantamentos livres de deveres, mas suas atividades seriam a seu critério. Nunca. Kozav se recusou a abandoná-la agora que ele a abraçava. Ele se inclinou para baixo. - Alcance e coloque sua mão no identipad, shaa kouva. - Sua companheira alcançou a almofada pequena, o estiramento que puxa sua xina firmemente em seus seios, e sua necessidade para ela cresceu. Um gemido saltou para seus lábios e ele o empurrou de volta. Os guerreiros de Preor não choravam. Eles, no entanto, descaradamente olhavam para o corpo de suas companheiras se a companheira estava ciente de era sedutora ou não. A curva de seus montes era delineada pelo material fino e elegante, o decote puxado para baixo com seus movimentos, expondo as sombras entre eles. Ele adorava seus seios. Não, ele adoraria seu corpo inteiro ... quantas vezes ela permitisse. Ela se endireitou em seu aperto, os braços deslizando para trás em volta de seu pescoço e aqueles seios tentadores aconchegados contra seu peito. Seus bicos duros cutucaram sua carne, dizendo a ele que sua companheira foi despertada também. Ele tinha lido sobre mulheres humanas extensivamente, mantendo-se longe dos videos, sugestão de Jarek e Taulan. Aparentemente, os videos não eram precisos. As fêmeas humanas não necessitavam da presença de outro macho ou fêmea para receber prazer de acasalamento. Alguns podem apreciar essas atenções, mas não era uma necessidade.

149


Que agradou Kozav. O fogo matador queimava em seu coração quando pensava em outros se unindo em seus acasalamentos. Agora ele não precisava disso. A porta do senchamber se abriu, revelando um espaço mal iluminado, estrelas cintilantes acima deles e a lua cheia iluminando a área. - Você está preparada, shaa kouva? A atenção de Grace foi para a cena que ele havia desenhado. Quando ela virou a cabeça e encontrou seu olhar fixo, olhos cheios de admiração e alegria, ele sabia que as horas que ele passou pesquisando e elaborando suas férias valia cada momento de preocupação e frustração. - O quê ... - seu sussurro rouco segurou uma pitada de descrença e ele tomou a única palavra como permissão para entrar no senchamber. Ele atravessou o limiar, seus passos levando-os mais para dentro da cena. As portas se fecharam atrás deles, fechando-as contra qualquer intruso que não fosse aquele que ele colocara em sua lista aprovada. Kozav rasgaria o navio em pequenos pedaços se permitia que qualquer outro que não fosse seu superior, a mãe de sua companheira ou Skala interferisse. - Você criou ... - Ela se moveu e ele cuidadosamente a abaixou para o chão, pegando sua mão antes que ela pudesse se afastar dele e explorar. Essa é a cabine ... - Ela apontou na distância, seus passos lentos. - E isso é… Seus pés botados afundaram nas areias claras, o material quase branco que lembra as praias de Tampa. Era apenas uma parte de todo o senchamber. Mãe Hall deu vários locais como base para o senchamber e Kozav ... Kozav levou todos para criar este. - Estas são as praias de Tampa. - Ele gesticulou na frente deles. - A cabana é do meu avô. Antes ... - As lágrimas encheram seus olhos e ele olhou furiosamente. Ele gritaria com a Mamãe Hall - suavemente porque não queria lutar contra Skala - por mentir para ele. - Eu não acho que eu iria vê-la novamente e lá está. - Se te desagrada, eu posso mandar remover o senchamber ... - Não! - Ela girou para encará-lo, colocando sua palma em seu peito. - Não. Eu amo isso. Eu tenho tantas boas lembranças de lá e eu não posso acreditar que você trouxe de volta. - Bom. Significava que não precisava

150


gritar suavemente com a mãe de Grace. Ou lutar com Skala. - Mostre-me todo o resto. A alegria e excitação de Grace eram contagiosas, o sufocando, e ele a levou ao longo do caminho da praia para explorar. À esquerda, ele apontou uma réplica de seu aerie pessoal, os pilares subindo bem acima das nuvens, em vez das montanhas que ele normalmente chamava de casa. Não desejava atravessar uma montanha para mostrar a Grace suas cavernas. Quando eles viajassem para o planeta, eles podiam ver muito de Preor desde o topo e ele estava ansioso para revelar a beleza do planeta. À direita, passavam pela cabine, a areia passava para a grama e o mar de Tampa se tornava um lago suave e calmo. A grama cedeu logo a penhascos, água baixa que formou um rio fino distante abaixo. Uma brisa suave chicoteava seus cabelos e ele respirava profundamente, aproveitando os aromas do ar livre, mesmo que não fossem reais. Pararam na borda, olhando para a fita de água. - O grande Canyon. - Sua mãe afirmou que sempre quis explorar, e depois de ver as voltas e voltas, não é um desafio que eu poderia perder. - Desafio? - Ela olhou para ele pelo canto do olho, as sobrancelhas levantadas. Kozav a puxou para seus braços, pressionando sua frente para suas costas. - Você não pode imaginar, shaa kouva? Correndo ao longo dos caminhos, testando sua força contra os ventos e pedras? Exploraremos as terras a pé, mas desejo tomar tempo para me tentar contra as grandes rochas. - Você não pode se machucar aqui, certo? Eu não quero que você se machuque. - Sua preocupação levantou algumas das preocupações restantes. - Claro que não, o senchamber não permite que seus visitantes se prejudiquem. - Ele não lhe disse que ele também pediu permissão para visitar o site do planeta. Sua mãe mencionou algo sobre pedir perdão em vez de permissão, no entanto. Ele perguntaria a ela mais depois dessa hora juntos.

151


- Bom. - Ela se virou e colocou a mão em seu peito, sobre seu coração. - Eu não acho que eu poderia lidar com você se machucando. - E eu me sinto da mesma maneira, shaa kouva. - Ele colocou sua palma em cima de sua mão, esfregando as costas gentilmente com seu polegar. - Eu perderia a cabeça se você fosse ferida. As memórias o atormentavam, imagens de sua condição quando ele finalmente mudou de posição e a levou dentro de um ônibus espacial. O inchaço e hematomas combinados com os cortes sangrantes quase o enviaram de volta para a borda e para as escamas de seu dragão. A única razão pela qual ele tinha resistido era porque sua companheira precisava de mãos, não de garras, quando se amontoava contra ele. - Eu quase me perdi no céu quando você foi tirada de mim, rasi. - Seu feroz gato da selva que lutou contra Impe apesar de seus ferimentos. - O que isso significa? - Kozav fez uma careta e escovou uma mecha de cabelo atrás de sua orelha. - Eu quase me transformei em minha forma de dragão em minha angústia e ela nunca teria deixado ir se você não tivesse sido devolvido para mim. - Eu não fiz isso de propósito. - ela resmungou. - Eu sei disso, mas isso não diminuiu minha raiva. Na verdade, ele ampliou meus sentimentos. Sabendo que outro tinha suas mãos em você ... - Ele balançou a cabeça, incapaz de terminar o pensamento. - Kozav. - ela suspirou seu nome, seus olhos se tornando suaves e lábios formando um pequeno sorriso. - Eu não vou deixar você. E se eu estiver sempre faltando, saiba que não foi por escolha. - Uma nova tensão tumultuou em suas veias, nervos acendendo a vida e pegando fogo com excitação. - Você está ficando comigo. - Declaração, não pergunta. Ela poderia dizer-lhe que não, se ele perguntasse. - Sim. - a voz de Grace era um sussurro soprando - Você é minha companheira. - Ele manteve suas palavras duras, não deixando espaço para discordância. - Nunca duvide. - Kozav resmungou enquanto ele pensava nisso. Ele sabia que ela concordaria e qualquer que lhe perguntasse, era o que ele diria.

152


Ele não lhes dizia que mentia e estava verdadeiramente preocupado com seu acordo. As cores do céu mudaram gradualmente, a meia-noite recuando, enquanto os rosa e púrpura do nascer do sol se desenrolavam lentamente para eles. As estrelas recuaram, escondidas atrás dos raios emergentes do sol, e Grace se afastou. Ele rapidamente pegou sua mão, incapaz de tolerar que ela colocasse espaço entre eles. - Aonde você vai? - O sorriso que ele recebeu foi pacífico, seus olhos refletindo contentamento, e a felicidade parecia envolvê-la. - Nunca me sentei na praia e assisti ao nascer do sol, relaxando e sem outro lugar para ir. - O orgulho o encheu. Ele deu-lhe algo que ela sempre desejou. - Então nós faremos isso. - Eles fariam tudo o que ela desejava porque Kozav estava contente de estar em sua presença. Ele se sentiria melhor dentro dela, mas encontraria consolo no tempo que passassem juntos. E sua mão desde bolas azuis ainda não o tinha matado.

153


Grace inclinou-se contra Kozav, desfrutando a sensação dele, forte e seguro em suas costas. Ele se sentou na areia, os joelhos dobrados e espalhados, com os pés no chão. Ele se inclinou para trás e colocou seu peso em uma mão enquanto ele acenava para ela. - Videos mostram fêmeas descansando com seus companheiros desta maneira. Você deve sentar aqui entre minhas coxas e eu vou protegê-la com meu corpo. Ele viu a posição como proteção enquanto ela olhava para ele como doce afeição. Bem, ela deixava que ele continuasse pensando o que quisesse enquanto desfrutava da proximidade deles. Congratulou-se com o silêncio envolvente, o confortável silêncio quebrado apenas com o suave murmúrio do oceano. A água parecia se esticar em uma extensão infinita e ela estava sem fôlego quando a beira do sol beijou o horizonte. - É lindo. - ela sussurrou. Ela sabia que não era real, o senchamber refletindo sua programação, mas foi criada por Kozav, o que a tornou real o suficiente para ela. - Não tão bonito como você, shaa kouva. - Seus lábios fantasiados sobre a delicada pele em seu pescoço, enviando um arrepio de desejo correndo através dela.

154


- Você está com frio? - Seu companheiro rosnou e ela abriu a boca para ... o quê? Diga-lhe que ela estava pronta para descer e ficar suja? A pergunta ainda era uma questão em sua mente, os eventos das últimas semanas ainda girando em sua mente. Havia o Saber e tudo o que veio com ele, bem como as diferenças que formaram uma parede entre eles. Havia ambos bons e maus em ambos os seus passados, eventos que moldaram-los hoje, mas ainda causou problemas também. - Navio... Grace se virou em seu abraço e colocou a mão em seu braço para chamar sua atenção. - Está bem. Não estou com frio. - Doente? Navio... - Ou doente. - Ele era bonito em uma maneira muito protetora. - Então… Se ela fosse fazer isso, estar presente em seu relacionamento e avançar com honestidade, ela tinha que colocar tudo para fora. - Seu beijo. - Ela acariciou o pequeno ponto onde ele a tocou com seus lábios. - Eu gostei. Quando as fêmeas humanas ficam excitadas ... Sim, ela se acovardou. Ela fez isso. O sorriso de Kozav era lento, um gradual curvar de seus lábios. Começou nos cantos exteriores, uma procissão lenta até que era tão larga, que seus dentes foram expostos. - Você quer acasalar comigo. - Meu corpo faz. - Assim fez. Desde sua paixão compartilhada, seu corpo o queria. Ela queria sua boca sobre ela, suas mãos acariciando sua pele e seu pênis dentro de sua vagina. - E seu coração, shaa kouva? Esse doce carinho sussurrou tão sem esforço. O coração dela o queria? Mesmo que fosse rápido, mesmo que seu "namoro" não fosse a coisa que os sonhos fossem feitos, e mesmo se ... As desculpas eram inúteis neste momento. Eles prometeram falar a verdade e isso seria o que ela daria a ele. - Sim. - Sua voz era firme e mesmo quando falava. - Sim, meu coração quer você, também.

155


Ele grunhiu como se dissesse: - Eu sabia disso - e ela resistiu ao desejo de bater nele. Machos arrogantes. - E você? - perguntou ela. Kozav riu, sua profunda risada sacudindo os dois. Ele fechou as pernas, segurando-a ainda, e então roçou seu pau em sua bunda. - Meu cokh tem estado duro por você desde o momento em que eu senti você. Nunca duvide que eu te anseie, shaa kouva. Ela olhou para ele e desta vez conseguiu suprimir seu tremor. - E seu coração? É melhor ele dizer que sim ou ... - Você nunca deve duvidar que você me possui, shaa kouva, corpo e alma. Nunca. Grace liberou a respiração que ela estava segurando, o ar saindo em um baixo jeito de alívio em sua declaração. – Bom. Kozav se inclinou, seus lábios acariciando os dela com um quase beijo. - É bom. Vai ser melhor quando eu tiver você em meus braços. Quando eu puder testemunhar sua paixão e olhar fixamente quando você vem. Grace estremeceu e não se incomodou em segurar o tempo. - Isso soa ... – Ela imaginou-se debaixo dele, seu corpo maciço prendendo-a à cama enquanto ela gritava seu nome. - Eu gosto do som disso. Ele arrastou beijos ao longo de sua mandíbula, a língua disparando para provar sua pele e dentes raspando a junção de seu pescoço e ombro. Ele correu o nariz pela garganta e beliscou o lóbulo da orelha. - Eu posso sentir o cheiro que você faz, meu rasi. Ela ficou rígida. - O que? Ele alargou os joelhos e se inclinou para frente, braços deslizando em torno de sua cintura, e suas palmas chegaram a descansar logo acima de seu montículo. Sua vagina doía, esquentando com excitação e necessidade. Ele a raspou com suas presas mais uma vez, coçando a pele dela e ela choramingou em resposta. - Posso sentir seu desejo. Doce. - Ele lambeu. - Salgado. - Ele beliscou. – Minha.

156


Seu grunhido acariciou-a cada terminação nervosa, arrancando cada um até que ela tremia. Seu clitóris se contraiu e pulsou no tempo com seu coração como se silenciosamente implorando para ser acariciado e beliscado. Seus mamilos endureceram dentro de sua xina, esticando contra o material fino. Ela se esticou e torceu, gemendo quando o tecido de seda acariciou os seus mamilos. - Diga-me o que você deseja, meu rasi. - Shaa kouvi - ela sussurrou o carinho, um que ela não tinha usado com freqüência, e Kozav enrijeceu em resposta. A tensão em seu corpo durou uma fração de segundo antes de liberar um baixo, profundo grunhido. - Grace. - ele roncou e ele apertou sua espera. - Grace, você não pode dizer isso e esperar que eu me comporte. Eu quero ... - E ela também. Assim, muito, muito. Ela rastreou seus braços fortes, dedos dançando sobre o músculo tenso de seus antebraços antes de rodear seus pulsos. Ele foi retirar-se, mas ela o segurou, não permitindo que ele se retirasse. - Grace? - Seu tom forçado era seguido pelo bater das asas. Seu guerreiro Preor estava lentamente perdendo o controle. Bom. Ela gentilmente puxou seu braço direito, puxando até que sua grande palma se acomodou entre suas coxas. Ela rolou seus quadris contra sua mão, gemendo com as novas sensações - a pressão adicionada que seu toque lhe dava. - Eu quero que você me toque aqui. - Ela o encorajou a mover sua mão esquerda, deslizando-a sobre sua barriga, até seu abdômen, e finalmente ele agarrou seu peito. Ela arqueou em sua carícia, gemendo quando ele capturou um mamilo duro entre seu polegar e indicador. - E quero que você me toque aqui. - Como quiser. - O rosnado bestial tinha os cabelos em seus braços levantando-se, o arrepio cobrindo sua pele, e ela descobriu que ela gostava daquela ameaça perigosa com seu amor. Kozav esfregou sua buceta coberta de pano, o calcanhar de sua mão esfregando-se por sua carne sensível. Seus dedos brincaram com ela, acariciando, pressionando quando ela precisava de mais pressão e batia em seus lábios sexuais quando queria deixá-la louca. Todo o tempo, ela se moveu com ele, rolando e balançando os quadris, procurando cada vez mais prazer com cada respiração. Ele beliscou e

157


provocou seu mamilo, arrancando-o e depois brincando suavemente com o nó duro. Ela estava dividida entre o prazer, a buceta dolorida de estar cheia e os seios implorando atenção. - Kozav, tão bom. Parece tão bom. - Você virá por mim, Grace? Você vai me deixar cheirar mais o seu creme? - Um grunhido seguiu essas palavras, o som de rolamento profundo adicionando ao seu desejo. - Você vai me deixar provar você, meu rasi? - Oh, Deus. - Ela estremeceu e gemeu com a imagem de sua cabeça cerceta de Kozav entre suas coxas enquanto ele lambia a sua buceta quase enviando-a sobre a borda. - Devora-la? - Ele mordiscou sua orelha e sussurrou a última palavra em seu ouvido. O corpo de Grace se contraiu, tentando enroscar-se com a onda de bem-aventurança que a atingiu. A palavra dura que saía de sua boca, suja e deliciosa, fez seu corpo termer quando os orgasmos minúsculos roubaram o seu controle. Até ela podia sentir o cheiro de sua excitação, o cheiro almiscarado de seu desejo por Kozav enchendo o ar. E ele queria prová-la - provar essa parte dela. Mesmo pensando nessa única sílaba, sua vagina estava mais perto do precipício, quase atirando-a sobre a borda para soltá-la. - Por favor. - Ela não era orgulhosa demais para implorar. Não quando precisava de seu companheiro com tanta ferocidade. - Por favor, Kozav. - Ele aumentou a pressão em seu centro, dedos desenhando pequenos círculos ao longo de sua fenda escondida. - Por favor, me lamba? Por favor, me preencha? Eu te darei o que quiser, rasi. Mas você precisa dizer a palavra. - Isso é quando sua garganta fechou acima, quando a realidade de ter que tomar uma decisão rolou atraves dela. Agora ... Agora seu corpo cantava pelo o dele e ela não se importava. Sua boceta precisava ser preenchida, fodida e reivindicada. Por Kozav. Agora. Com essa realização vieram alguns outros eventos surpreendentes. Em um movimento apressado, Grace caiu para a frente e girou ao redor na areia, seus joelhos esfregando na superfície desigual. Mas nenhum momento a areia pinicando a sua pele a prejudicou. Não, o chão era suave e sedoso, quase como a cama do quarto. No momento em que ela enfrentou seu companheiro, ela se abalou, empurrando-o até que ele caiu contra a areia pálida. Suas asas se espalharam, estendendo-se atrás dele, e ela

158


suspirou quando o sol brilhava sobre suas escamas verde-azuladas. Tão lindo, mas tão mortal. E todo dela. - Você. Eu quero você. - Como? Ela correu as mãos ao longo de seu abdômen, acariciando seu estômago achatado e seu peito musculoso. - No momento em que eu posso ter você. De todas as maneiras. - Como você não tem uma preferência ... - A voz de Kozav era praticamente um ronronar, como um rasi que ele a chamava. Grace não esperava que seu mundo caísse e se voltasse, para descer ou para voltar a pousar na areia almofadada enquanto seu companheiro se erguia acima dela. Suas asas protegiam-na do sol, o brilho filtrando através da carne fina. A posição do sol acentuava seu tamanho, a largura de seus ombros e cada linha esculpida de seus músculos. Forte. Feroz. Poderoso. Ele a encorajou a estender as pernas, colocando um pé em cada lado dele, tornando-se vulnerável a ele. Ele deslizou suas pernas externas com as palmas das mãos, acariciando-a através da xina. - Então talvez eu faça o que quiser, shaa kouva. - Suas suaves carícias alcançaram seus quadris e a parte inferior da bainha de seu topo, provocando o pano e gradualmente levantando-o em seu corpo. - Como isso soa, minha companheira? Ele a queria. Queria tirá-lo. Queria que ela se tornasse vulnerável por escolha e não por circunstâncias forçadas como a última vez que estivera meio vestida com ele. Ela queria o mesmo. Ela afastou as mãos, odiando a torção de desapontamento em sua expressão, mas aquela tristeza desapareceu quando ela terminou o trabalho que tinha começado. Ela meio que se sentou, dando-lhe espaço para poder retirar a camisa de seu corpo e depois sobre a sua cabeça. Ela o jogou de lado e voltou para sua pose relaxada. O vento provocava sua pele, a areia gerada pelo senchamber era com um fantasma sobre sua carne e seus mamilos se endureceram ainda mais. Eles se tornaram bicos duros que estavam desesperados para serem tocados, beijados, acariciados. - Você é tão gloriosa, Grace. - Ele riscou o mergulho de sua cintura e desnatou sua caixa torácica antes de voltar sua atenção para seus seios. Ele embalou-os em suas palmas, e a sua carne gorda transbordou de suas mãos

159


grandes, e esfregou as pontas duas com os seus polegares. - Tão responsivos. - Ele beliscou aqueles pedaços de carne, uma sacudida de dor aumentando seu desejo, e ela choramingou em resposta. - Tão minha. - Kozav. - Ela se arqueou contra suas mãos que a atormentavam, procurando mais do prazer e da dor. Ele se inclinou para frente, seu olhar nunca deixando o dela enquanto capturava um nó com a boca. Ele a amamentou, lambendo e mordiscando o pedaço de carne sensível. Ele atormentava seu seio esquerdo antes de se mover para a direita, dando-lhe o mesmo tratamento torturante. Ela choramingou e choramingou, implorando por mais e mais. Cada puxão de seu seio foi direto para seu clitóris, seu centro ansioso para ser tomado por ele. Ele levantou a cabeça e soprou um suave sopro de ar através de um mamilo úmido. - Você é minha, não é, shaa kouva? Kozav raspou o nó com um de seus dentes afiados, arrancando um grito agradável de sua garganta. - Sim! Dele, somente dele. Ele deu a ela o mesmo recorte de dor no outro seio e depois seguiu em frente. Ele beijou o vale entre seus montes arredondados, indo mais ao sul para provocar seu estômago e depois fazer uma pausa em seu umbigo. Este é o lugar onde o cabo da vida da sua mãe é conectado a você enquanto ela estava te tendo. - ele murmurou. - As libélulas que eu te dou terão o mesmo. - Ele acariciou seu ventre. - Eu a encherei até que você esteja carregando e pesada com nossa prole, shaa kouva. Grace estremeceu com a promessa e a agradável ameaça. - Sim. - Ela queria esse laço com ele, queria que eles tão conectado quanto possível. Sim. Kozav resmungou, aquele que parecia mais satisfeito do que arrogante. Ele mergulhou seus dedos abaixo da cintura de suas calças de xina, arrancando o cordão que segurava o material macio no lugar. - E você está pronta para se entregar a mim? Pronta para eu te encher? Reivindicar você?

160


A maneira como ele disse aquelas palavras - o grunhido profundo e tom sedutor que ele usou ... Ela balançou seus quadris, levantando-os ligeiramente e alargando as pernas uma dica mais adiante, e ela procurou qualquer atrito disponível. - Por favor. Ele riu. Agora que era arrogante. Mas quando desatou o cordão e deslizou o tecido pelas pernas, jogando-o para fora quando ele estava feito, ela não se importava com ele soando tão arrogante. Não quando seu olhar estava cheio de admiração e ela manteve seu foco inteiro. - Tão gloriosa. - Ele acariciou a pele recém-exposta com dedos suaves, provocando os cachos bem cortados que protegiam seu montículo e seus úmidos lábios sexuais. - Tão rosada e úmida. - Ele abaixou a cabeça, acariciando seus cachos e respirando profundamente. – Você sabe o quão deliciosa você cheira? Eu não posso esperar para prová-la, shaa kouva. Olhos de cerceta estavam nela. - Diga sim, Grace. - Sim. - Sem hesitação. Nunca mais. Grace tinha estado com homens antes, mas nunca com um Preor. Nunca um homem cujo dragão lhe deu uma língua bifurcada. E Kozav usou aquela língua para sua vantagem. Ele deslizou ao longo da costura de sua vagina, deslizando entre eles para acariciar sua carne interior. Ela arqueou as costas, gritando para os céus, enquanto seu companheiro fez o seu melhor para deixá-la louca. Ele lambeu e provocou, movendo seu clitóris com flexões rápidas de sua língua e depois acalmando as sensações esmagadoras com suaves voltas. Ele sorveu o feixe de nervos, cada um seguido por uma explosão de felicidade que consumiu todo o seu corpo. Sua vagina se apertou, paredes internas ondulando com cada carícia atormentadora de seus lábios, língua e dentes. Sim, dentes. Dentes que ele usou para cortar seu clitóris e mordiscar seus lábios inferiores. Ela estremecia sobre a borda de prazer e dor, mas cada parte do seu corpo estava adorando aquela sugestão de dor. Ela queria mais. Ela queria tudo. Cada um dos toques de Kozav a empurrou mais perto para se soltar, o êxtase atraindo-a para a borda do orgasmo e cutucando-a para dar o salto de vôo em prazer. Grace encheu seus seios, refletindo os movimentos que ele usou em seus meros momentos antes. Ela arrancou e amassou, enquanto se dobrava em sua onda após a onda de pura alegria. Então ele introduziu uma nova sensação, a ponta rompida de um dedo correndo ao longo da costura de

161


sua vagina e então mergulhando nela com um forte impulso. Ela gritou, esmagada pela súbita invasão e soluçou quando ele se afastou e se acomodou mais uma vez. - Kozav. - ela sussurrou seu nome com um gemido de necessidade. - Você gosta disso, minha Grace? - Antes que ela pudesse responder, sua língua estava de volta, destruindo suas defesas com puro prazer. - Kozav, eu vou ... - Como se ele soubesse o que ela queria dizer, ele rosnou e aumentou seu ritmo . Seu dedo mergulhou dentro e fora de sua buceta molhada, seu creme facilitando o caminho para sua penetração espessa. Ela ofegava e implorava, absorvendo cada indício de êxtase que podia e deixando que a atraísse cada vez mais perto de seu pico. Ela se equilibrou ao longo da borda, vacilando e torcendo nos ventos suaves. Seu corpo precisava de mais, precisava de um sinal de algo mais para enviá-la gritando sobre a ponta e jogá-la em um mar de alegria. Então ... Então ele fez. Ele rosnou e picado seu clitóris com a ponta de sua presa. Aquela dor abrasadora arrancou um grito de sua garganta e ela arqueou suas costas, abrindo-se a ele ainda mais. O orgasmo era como um tsunami de prazer, afogando-a na felicidade, e ela gritou seu nome. - Kozav. Ele acalmou a picada com a língua, abrandando o ritmo e gentilmente lambendo sua vagina enquanto a trazia para baixo das nuvens. Ele fez amor com a sua boceta, lábios suaves, língua suavemente lambendo sua vagina molhada, e sussurros – como hums que acalmavam os nervos sensíveis restantes. Ela ofegou, suas atenções esmagadoras eventualmente diminuindo até que ela pudesse respirar mais uma vez. - Shaa kouvi. - Ela precisava da sua atenção - precisava dele. Ela peneirou seus dedos através de seu cabelo, os fios de seda facilmente deslizando entre os dígitos. - Venha até mim.

162


O cheiro da necessidade de Grace provocou seu nariz e alimentou o fogo de seu dragão. Seu pau latejava dentro de suas calças de katoth, desesperado para ser liberado e empurrado para o calor esperado de sua companheira. Ela estava gloriosamente espalhada diante dele, o rosado úmido de sua vagina aberta ao seu olhar. Seus sabores se agarram a seus lábios e ele lambeu-os mais uma vez, desfrutando do sabor doce salgado. Ele doeu por outra amostragem, mais tempo gasto com a cabeça enterrada entre suas coxas exuberantes. Mas seu pau era insistente. Ele precisava dar-lhe mais prazer com seu corpo, precisava deslizar para seu calor e dar-lhe o cumprimento daquela união. Ele se afastou, com a intenção de ficar de pé, mas sua companheira o pegou com as pernas. Ela envolveu-os em torno de sua cintura e o conteram. Podia libertar-se facilmente de sua sujeira, mas seu choramingar não o fez permanecer no lugar. - Shaa kouva, eu devo remover minha ... - Não, apenas empurre-os para baixo. Preciso de você. - Eu não vou entrar em você como um jovem impaciente. - Kozav, eu preciso de você. Agora. - Ela se apoiou com uma mão e alcançou os laços de sua calça com a outra. Ele não podia acreditar que uma mulher estivesse tão desesperada, mas um olhar em seus olhos revelou a verdade. Sua companheira estava em grande necessidade e ele não iria negar á sua kouva. Com mãos rápidas e unhas de dragão, ele rasgou os laços que confinavam seu pênis e seu

163


comprimento saia livre do katoth. Ele agarrou seu pau, deslizando a mão ao longo de seu eixo, e foi gratificado pela respiração desigual de sua companheira e olhos largos. - É isso que você quer, shaa kouva? Ela lambeu os lábios e acenou com a cabeça, caindo de volta para as areias enquanto deixava cair as pernas. Ela abriu os joelhos, espalhando as coxas uma vez mais. - Por favor. Quando tomou os seios, quase gemeu em voz alta. Quando ela o beliscou seus mamilos, ele o fez. - Você me leva à loucura. - Pelo menos eu não estarei sozinho.

Kozav se moveu sobre ela, deixando uma mão descansar ao lado de seu ombro enquanto agarrou seu pau com a outra. Ele cutucou sua abertura com a ponta do pau, estremecendo quando seu buraco beijou a cabeça. - Uma vez eu faço isso, Grace, eu nunca vou deixar você ir. Se você correr, eu perseguirei. Se você se esconder, eu vou te encontrar. Nós seremos um do outro até que eu tome meu vôo final. Ela acariciou o lado de seu rosto, seu olhar sério e intenção. – Revendique-me. Ele não precisava de outro convite. Ele empurrou dentro dela em um movimento, feroz, o bater de seus quadris contra os dela sacudindo os dois. E ele estava dentro dela, seu calor molhado cercando seu pênis e massageando-o com suas paredes ondulantes. Ela o ordenhou, acariciandoo dentro de sua bainha, e ele quase se derramou. Ele se agarrou a seu controle por um fio, procurando por qualquer fragmento de restrição que ainda pudesse existir. - Pelos céus, shaa kouva. - Ele se retirou e empurrou para frente uma vez mais, gemendo com seu abraço confortável. - Tão apertada, tão molhada. - Shaa kouvi. - ela ronronou e ergueu as pernas, envolvendo-as em torno de sua cintura. O movimento a abriu ainda mais plenamente, permitindo-lhe afundar-se nela ainda mais profundamente. Ele rolou seus quadris, deslizando dentro e fora de seu centro, adotando um ritmo que quase o

164


levou para fora de controle com necessidade. Dentro e fora, ele mergulhou, dando e tomando prazer enquanto faziam amor. Ele se lembrou dos registros da Terra - a revista Cosmopolitan - sobre as relações sexuais que ele havia revisado e mudado o ângulo de sua penetração, inclinando seus quadris no caminho certo para ... - Kozav! - Grace gritou seu nome para o céu, prazer enchendo sua voz, e sua vagina ondulou em torno dele, apertando-o firmemente. Os seres humanos tinham um ponto de prazer interior e ele descobriu o de sua companheira. Agora ele a deixaria louca, deixando os dois loucos. Sua companheira ofegou e gemeu, seus tremores transformando-se em ondas de rolamento que manteve o tempo com seus impulsos. Seus quadris bateram juntos, o cheiro de seu sexo enchendo o ar, e os sons de sua paixão perfurando o silêncio. O suor se acumulava em sua testa e deslizava por suas costas, e um brilho fino cobria seu peito nu. E Grace? Seus cabelos se tornaram uma massa despenteada e sensual em cima da cabeça, as bochechas coradas e os olhos vidrados de paixão e desejo. Parecia uma mulher bem-fodida. E ele era o macho que a deixou assim. As unhas de sua companheira cavaram em seus ombros, arranhando e raspando sua carne enquanto tentava puxá-lo para mais perto, mas ele permaneceu como estava. Ele não perderia a posição que levou Grace a balbuciar. Não até ela gritar seu nome concluindo ... Ele rezou para os céus que ela encontrasse o seu prazer em breve. Suas bolas estavam apertadas contra seu corpo, sua semente ansiosa para ser liberada e encher sua companheira. Seu aperto em sua carne apertou, unhas rombas cavando nele e um leve cheiro de sangue - seu sangue - encheu o ar. O orgulho o sufocava. Ele dirigiu sua companheira para a violência e ele de bom grado revelaria essas feridas a outros guerreiros. Ele esperava carregar as cicatrizes por séculos. - Grace, shaa kouva ... - Ele sabia o que ele estava dizendo, mas as palavras saltaram para seus lábios. Seus olhos se concentraram nele, permanecendo preso em seu olhar. Ele aumentou seu ritmo, batendo dentro e fora de sua vagina. Cada

165


empurrão em seu corpo, os seios saltando, e a visão o fez apertar os dentes. Não conseguia encontrar sua libertação sem ela. Ele ... Deveria... segurar ... - Foda-se, Kozav. - Ela jogou a cabeça para trás com um suspiro e seu centro ficou tão apertado que ele acreditou que ela iria espremer seu pau. - Rasi. - Sua perigosa gata. Ela arranhou e arranhou enquanto procurava seu prazer e ele amava cada faceta dela. - Vou ... - A palavra sibilou com arfadas longas e ele sabia o que ela queria dizer. Sua companheira estava prestes a encontrar o prazer de sua fêmea. Seu próprio corpo tomou isso como permissão para deixar suas paixões livres. Seu pau inchou ainda mais, bolas latejando e doendo com a necessidade de enchê-la. A bolha de prazer se reuniu na base de sua espinha. Envolveu-o como uma coisa física, abraçando sua cintura antes de se espalhar. Percorreu e torceu-se através de seu corpo, afundando em cada célula, acariciando cada nervo, até que foi consumido pelo ecstasy iminente. Então ... Então a bolha da alegria estalou. Banhou-o de imensurável prazer, roubando o ar de seus pulmões. Sua companheira gritou para ele, seu nome longo e alto escapou de seus lábios. Sua vagina ordenhou seu eixo, puxando mais e mais de sua semente em seu corpo. O êxtase deslizou sobre sua pele, percorrendo sua carne em uma onda sinuosa de felicidade desconhecida. Gritou, soluçou e gemeu, sua própria libertação não permitindo que ela falasse, e Kozav encontrou-se movendo-se no tempo com seus contrações e sacudidas ritmáticas, concluindo aquela felicidade. Ela tinha o cheiro dele e todos saberiam que ela foi tomada – por ele. Os tremores continuaram acumulando ambos, mas ele lentamente se recuperou, encontrando seu fôlego e seu batimento cardíaco gradualmente voltando ao normal. E ainda assim ele permaneceu dentro dela, seus quadris corados, seu pênis se suavizando. Ele não queria deixar sua perfeição molhada, mas ele não teria escolha. Gasto, exausto, mas energizado, Kozav mudou cuidadosamente suas posições até que ele embalou sua companheira em seu colo. Ela realmente era sua companheira agora. Eles haviam compartilhado seus corpos e já sentia o fortalecimento de seus laços emocionais. Ele não podia viver sem

166


ela, seu coração já estava cheio de ... amor. Amor pela mulher sensual e protetora feroz. O amor pela fêmea que aceitou suas falhas, seu passado cheio de horror, e as abraçou. Os videos humanos estavam errados. O amor não precisava de uma quantidade específica de tempo sendo passado. O amor não precisava saber uma cor favorita. Amor não precisava saber uma comida favorita. A umidade de sua paixão cobria seu pênis, o vento gerado pelo senchamber secando a umidade. Ele sabia que sua semente cobria a buceta de Grace também. Com sorte, ela iria pegar rapidamente. Ele não mentira quando ele disse que não podia esperar para vê-la grande com sua prole. Não podia esperar para ver o resultado do seu ... amor. - Shaa kouva ... - Ele pressionou um beijo suave em sua têmpora e acariciou o topo de sua cabeça. - Shaa kouvi ... - Ela se contorceu contra ele como um kit rasi, se aconchegando. - Eu sou, Grace? - Hmm? - Ela inclinou a cabeça para trás, um sorriso sonolento enfeitando seus lábios. - Eu sou seu amado? - Eu sou? - ela respondeu. Ele gostava que ela o desafiasse, mas ele não diria isso a ela. Se ela soubesse o quanto ele gostava de discutir com ela, ela poderia começar a concordar com ele o tempo todo por despeito. Sua companheira era uma criatura contrária. - O Saber atraiu-me para você, mas não cria emoções. Eu lhe disse isso. - Ele escovou seus lábios nos dela e então falou contra aqueles pedaços tentadores de carne. - Mas agora, eu sei que você é verdadeiramente minha amada, minha companheira. Eu tomei você, Grace, e agora vou manter você. - E eu vou manter você. Kozav resmungou. Como se ela tivesse uma escolha. Ele tinha feito muito em sua vida, tinha muitos arrependimentos, mas ele não iria adicionar perdendo Grace aos seus fracassos. Ele a amarraria se ele alguma

167


vez tentasse sair, e ele não se importava se os humanos tivessem leis contra tais coisas. - Quando retornarmos a Preor, teremos decisões a tomar. - Muitas. - Tipo ...? - Onde morar. - Você já tem um aries. Tenho certeza que vai ficar bem. Ele descansou sua bochecha em cima de sua cabeça. - Eu construi com a minha companheira primeiro em mente. Tudo foi concebido para o conforto das mulheres. Mas Skala não vive perto, o que significa que sua mãe não estará perto. Devemos nos mudar ou pedir a Skala que se mude com a sua sua mãe. - Kozav não esperava essa discussão. O macho não era tão forte como Kozav, mas com a idade veio o conhecimento. Um adversário nem sempre tinha que ser mais poderoso para vencer, apenas mais inteligente. - Ele é uma velha escama seca e colocada em seus caminhos. Eu não sei ... - Ele a ouviu fungar e fechou a boca. Segurando seus ombros, ele a encorajou a se inclinar para longe dele. - Grace? Você está com dor? Você precisa de um curandeiro? Navio.. Colocou dois dedos em seus lábios. - Silêncio. - Ele teria que explicar que as fêmeas não disseram aos guerreiros para "silenciarem". - Eu estou apenas ... feliz. - Uma única lágrima escapou de seus olhos e seu intestino apertou. Será que os humanos choram quando felizes? Ele não se lembrava desse fato dos videos e registros. - Minha mãe realmente está bem. - Os curandeiros acreditam. - E Skala é seu companheiro? Kozav assentiu lentamente. Talvez suas "lágrimas felizes" fossem um truque de algum tipo. - Sim. Como eu disse, eles tinham suspeitas, mas até o tratamento de Mamãe Hall concluído, eles não estavam certos. O Saber se manifestou plenamente agora. São companheiros. - Então nada mais importa, Kozav. - Ela enxugou as lágrimas e ele ficou aliviado ao ver que nenhum outro emergiu. - Eu tenho a minha mãe saudável, eu tenho você, e... - ela segurou a parte inferior do estômago. Eu tenho alguma prole que podemos criar. O que não importa, apenas quem.

168


Olhando para sua companheira, para as emoções em seus olhos, ele sabia que sua companheira estava correta. - Bonita e inteligente. Eu sou um homem de sorte, shaa kouva. Eu tenho uma companheira e um futuro. Nada mais importa. Não onde eles viveriam, ou preocupações sobre continuar sua linha de família. Porque hoje, agora, ele tinha recuperado tudo o que tinha perdido naquele horrível dia há muito tempo - uma família.

Blog: http://portale-books.blogspot.com.br Página no Facebook: https://www.facebook.com/portalebooks

Visite-nos!

169

Erin tate and Celia Kyle dragons of preor #3 kozav  
Erin tate and Celia Kyle dragons of preor #3 kozav  
Advertisement