Page 1

1


Ele quer voltar para Preor e ela quer um emprego, mas nem sempre se consegue o que quer. Lana Cooper está com seus últimos cem dólares, não tem emprego, e seu carro vagabundo acabou por morrer. Como sua vida se tornou tal aglomeração de eventos horriveis? Oh, certo. Um cara. Só que ela não tem a chance de implorar por um emprego. Não, uma caminhada ao longo da praia muda tudo. Oh, ela tem um emprego agora ... como a companheira de um macho quente, e um dragão de Preor. Taulan sen Pavon está ansioso para voltar para sua casa em Preor. Sim, ele viajou para a Terra na esperança de encontrar uma companheira humana, mas agora ... Agora ele gostaria de curar na privacidade de sua casa. Asas destruídas e corpo danificado por uma explosão, ele não tem nenhum desejo de ver os outros encontrando a alegria com as suas companheiras, enquanto ele permanece indigno e sozinho em um navio cheio de milhares de homens. Mas então ele encontra Lana. Lana com seu sorriso atraente, olhos brilhantes, corpo gostoso, e cuja mera presença inicia o Saber. Ele pode viver o suficiente para reivindicá-la? Ela pode ver além do preconceito de seu pai para amá-lo? Ambas as perguntas são inúteis porque ainda existem Preors que desprezam a união de humanos e dragões. Eles nunca vão parar até acabarem com o que estavam obtendo. Incluindo assassinato.

2


O nariz de Taulan se encheu com o fedor de carne queimada e asas chamuscadas. O cheiro oprimindo tudo o mais ao ponto que não podia identificar os atacantes. Os traidores. Momentos atrás, sua única preocupação era garantir que a delegação de Ujal fosse adequadamente protegida. Um pedido de guerreiros adicionais foi imediatamente respondido e ele enviou uma meia dúzia de homens ferozes para proteger o Mestre de Guerra e Ujal. No momento em que a Engenharia se tornou vulnerável, os traidores atingiram. Primeiro, uma explosão sacudiu o navio, o navio listando para o porto. Antes de abrir a boca para dar ordens, outro floresceu diante dele. O lado de estibordo foi engolido em chamas impetuosas por um breve momento. Fogo que não podia tocá-lo - ele ou qualquer outro Preor. Eles nasceram das chamas, seus corpos produzindo calor como se seu próprio sangue fosse substituído pelo fogo. A explosão foi apenas uma distração. O assalto mortal veio imediatamente depois. Com o primeiro rolo de laranja e amarelo que soprou os painéis do portal da Engenharia, Taulan entrou em uma corrida. Ele afastou as asas e estendeu a mão. Suas mãos encontraram suas lâminas facilmente, as alças desgastadas se fundindo em suas palmas depois de todos esses anos. Passaram de uma geração para a outra, eram tão velhos quanto a família Pavon. Mais velhos do que as lâminas do Mestre de Guerra Jarek.

3


Os punhos do metal afiado encheram uma mão e então a outra, prata perversa que brilham nos salões agora negras. O navio rapidamente suprimiu as chamas, mas não fez nada para o resto do caos. Taulan entrou no corredor e bloqueou a primeira greve, encontrando o olhar de seu atacante. O Mestre de Treinamento - Prasho - rosnou para ele, mostrando seus longos dentes. Prasho sibilou duas palavras que o identificavam como o inimigo. Por pureza. Pureza. Pureza do sangue Preor, pureza de sua raça, pureza de suas almas. Os Preor eram uma raça moribunda, a guerra e a doença devastando sua população até que sua única esperança estivesse nas fêmeas na superfície da Terra. Sem elas ... eles iriam perecer não haveria mais Preors - o que os humanos chamavam de dragões – encheriam os seus do seu planeta natal. O conselho aprovou a junção de suas raças e a raça de Ujal – povo dos mares. Que chavam a Terra de casa. No entanto, muitos ainda discordavam dos planos. Prasho era um deles. Taulan olhou ao redor, espiando outros que pareciam o macho atacando-o. Os homens que já não usavam os uniformes dos guerreiros Preor. Eles atacaram outros, metal balançando pelo ar e encontrando casa em carne e osso. Gritos guerreavam com grunhidos, o sabor do sangue misturando-se com o almíscar do suor. Esses machos lutaram pela pureza? Taulan lutou por sua própria razão. Um que estimulou os seus machos em ação também. Desnudou suas próprias presas, trancando as lâminas com Prasho por um breve momento antes de reunir as suas forças e empurrar o macho vários passos para trás. – Por Honra. - Taulan morreria antes de conceder essa vitória masculina. Movimento à sua esquerda chamou a sua atenção e ele se afastou, seu segundo atacante falhou o seu alvo. Com o seguinte, Taulan trouxe sua lâmina para cima e bloqueou a lamina. Prasho não seria deixado fora da batalha, juntando-se ao seu companheiro traidor. Ele dividiu sua atenção entre os dois, seu foco restante na luta antes dele quando ele bloqueou tudo o mais. Este novo traidor - Kazor, o

4


Guerreiro de Treinamento Primário - era tão perigoso quanto o Mestre de Treinamento. Sim, ambos eram responsáveis por assegurar que os guerreiros do navio continuassem prontos, mas eles eram tão bons quanto os seus próprios treinadores. E eles não tinham o Mestre de Guerra Jarek para um professor como Taulan tinha. O metal acendeu cada vez que as bordas afiadas colidiram, enviando brilhos de luz amarela através do ar. Eles cortaram a escuridão, revelando as identidades de mais traidores. Malin, Yuzin, Rawet. Malin caiu sob um honroso guerreiro, mas Yuzin derrotou seu oponente, o guerreiro agora deitado morto no chão. Rage deu Taulan mais força, permitindo-lhe dispor de Kazor com o próximo golpe. Seu foco tornou-se centrado em Prasho, sua batalha continua. Ele abriu as asas, usando as membranas finas e ossos fortes para manter seu equilíbrio. Ele se movia com graça fluida, em sintonia com cada mudança de músculo. Uma contração de uma asa o ajudou a empurrar para a esquerda para enfrentar o ataque de Prasho. Uma vibração do outro lhe permitiu saltar mais alto, evitando a varredura da perna do outro macho. Ele usou cada parte de si mesmo, lutando por sua vida quando outros dentro do salão fizeram o mesmo. Uma cacofonia de grunhidos, gritos, gemidos, assim como rosnados encheu o ar. Eles ecoaram as paredes de metal e grunhidos duros disseram-lhe que mais um outro caindo debaixo de uma lâmina. Seus homens. Seus guerreiros. Guerreiros treinados para executar os motores de um navio, não lutar em seu nome. Os traidores pereceriam por isso mesmo se ele tivesse que destruir cada um deles. Foi quando um novo perfume chamuscou seu nariz, o aroma imediatamente seguido por um grito agonizante e um ressoante baque e murmúrio de asas. O sorriso de Prasho se alargou, o mal fez seus olhos brilharem no meio da invasão o cheiro pútrido de carne ardente e morte azeda consumia seu

5


nariz - mais uma prova da natureza enlouquecida desses machos. O fogo não podia ferir um Preor, mas havia produtos químicos que podiam. Produtos químicos que destruíram o músculo. Que comia através de osso como se não existisse. Seu oponente se aproximou, movendo-se para o caminho de arco da lamina de Taulan e rapidamente tomando o golpe. Através da dor, o sorriso de Prasho nunca vacilou. Não, ele permaneceu estável mesmo quando ele se aproximou e assobiou novamente. Ele deveria ter extraído sua espada, deveria ter chutado o Guerreiro de Treinamento Primário e libertado sua espada. Porque foi quando Prasho puxou seu cinto, alcançou o ombro de Taulan e despedaçou um frasco pequeno entre as asas. Relâmpago rápido, foi feito antes que ele tivesse sido capaz de ver mesmo o movimento, o ataque entregue antes que ele pudesse se defender. Agora seus gritos se juntaram aos outros, enchendo o ar juntamente com o cheiro de sua carne e ossos sendo consumidos. A dor o dominava, a agonia mais forte do que qualquer outro sentimento que experimentara em sua vida. Ele tinha sofrido muito ao longo dos anos, sofreu inúmeras lesões quando ele lutou para se tornar um dos maiores guerreiros.O passado não era nada comparado ao presente. Seus pensamentos foram arrancados da batalha e ele foi forçado a se concentrar na agonia afundando em seu sangue. Seu agarre vacilou, a mão escorregando da lâmina ainda embutida no peito de Prasho, enquanto a outra caiu no chão de seus dedos desossados. Taulan caiu de joelhos, o vapor de sua carne consumida ao redor dele como uma nuvem macabra, e ele ficou surdo para a batalha ao redor. Seu corpo se moveu para frente e com esse movimento veio outra sensação, uma que o feriu ainda mais do que a agonia do ataque de Prasho. Um súbito peso levantou de suas costas, a nova liberdade estranho e antinatural. Suas asas se afastaram. Tudo o que fez um Guerreiro Prefeito caiu no chão ao lado dele. Ele morreria. Morreria ali no chão de seu navio com seu corpo rasgado por estes machos. Perante ele, Prasho caiu também, seu olhar de dor orgulhosa colidiu com o de Taulan. O sangue cobriu os lábios do macho, pingando gotas de sua boca. O traidor lhe deu um sorriso manchado de sangue, uma dedicação enlouquecida para sua causa enchendo seu olhar. Nenhum som veio da boca de Prasho, mas sua intenção era clara. "Por pureza." Taulan não tinha muita força, o veneno comendo em sua carne e agarrando-o com uma dor sem fim. Mas ele tinha o suficiente para encontrar vingança - para encontrar consolo em um ato final. Ele estendeu a mão para o lado, dedos trêmulos encontrando o cabo de sua lâmina curta.

6


Ele apertou-a firmemente, agarrando o mais forte que pôde, e tirou o metal de sua bainha. Ele ofegou com o esforço, engolindo a bílis que ameaçava levantar-se, e levantou seu braço. Reunindo o poder que podia, ele tomou uma última honra, uma última ação para ajudar seus companheiros guerreiros e os Preor. Ele eliminou outra mancha em sua corrida. Uma rápida elevação e empurrão realizou sua ação, sua lâmina afiada deslizou sob o queixo de Prasho, através de sua boca e dentro de seu crânio. Enquanto a luz permanecia nos olhos do traidor, a morte demorando e esperando para levar o macho em seus braços. Palavras antes que tomou Prasho e então veio para ele. - Por honra.

7


A fome levou Lana para o composto alienígena e o desespero a empurrou até que ela tomou aquele passo final, até á estação. O ar salgado provocava seu nariz, e os cheiros do mar a infundiam enquanto o som das ondas lhe enchia as orelhas. O vento golpeou seu corpo e uma rápida varredura da entrada do prédio revelou a fonte. Sim, ela estava dentro da UST-Ujal Station Tau - mas as janelas que davam para o oceano estavam abertas, permitindo a entrada da brisa. Seus passos ecoaram na grade de metal que compunha o chão e ela estava grata por ela vestir sapatilhas em vez de saltos altos. As pontas pontiagudas teriam deslizado diretamente através de uma daquelas praças e a teriam tropeçado. Hoje, mais do que qualquer outro, precisava estar perfeitamente sã. Sua vida dependia disso. Não, realmente, toda a sua vida. Era isso. O culminar de uma cadeia de eventos que enviou seu mundo em um caos de uma tragédia fluindo após o outro. A familiar picada de lágrimas lhe encheu os olhos e ela pressionou uma mão para seu estômago enquanto ela tomou uma respiração profunda. Soltando-a devagar, ela lutou pela calma enquanto arrastando seus pensamentos longe do que a faria chorar. Ela se chacoalhou na autopiedade o suficiente. Ela permitiu-se alguns bons gritos e agora era hora de colocar-se em sua calcinha grande de menina e voltar a si.

8


Ela olhou ao redor da área, procurando uma recepcionista de algum tipo. Ou um soldado, mesmo. A porta estava destrancada, de modo que a estação estava obviamente "aberta" para o dia, mas não havia nenhum lugar para assinar nem ninguém para notificar sua presença. Aprofundando-se na entrada, ela olhou para um corredor próximo e se perguntou se o lobby era realmente um dos caminhos sinuosos e não onde ela tinha entrado. Ela olhou para a esquerda, olhando para o corredor antes de se virar para olhar para a direita também. E viu ... nada. Sem sinais. Sem portas. Não... Um baixo whoosh por trás tinha Lana pulando para trás, endireitando enquanto ela puxou seu casaco de volta no lugar quando ela procurou a fonte do som. O fato preto era um de seus poucos trajes bonitos e limpos que mereciam uma entrevista. Viver dentro de um carro a fazia um pouco impossivel a sua limpeza e evitar as rugas em suas roupas. Mais do que um pouco. Quanto à vida em seu carro ... Ela esperava que hoje seria o começo do fim dessa mesma. - Posso te ajudar? - A voz lírica cortou em seus pensamentos e ela empurrou com um pequeno rangido. Lana girou apenas quando outra voz baixa atingiu seus ouvidos. À sua esquerda, um painel deslizou fechado, misturando sem emenda com a parede de metal. Portanto, há outros escritórios forrando os corredores. Eles eram apenas invisíveis num relance. - Senhorita? Oh. Certo. Ela voltou sua atenção para a mulher que estava diante dela. Alta e magra, a recém-chegada parecia humana em quase todos os sentidos. Seu corpo tinha curvas pequenas em todos os lugares certos e sua pele era um bronzeado suave, beijada pelo sol. Olhos que a olhavam com curiosidade eram um azul cintilante que rivalizava com o oceano claro a apenas cem metros deles. Sim, ela parecia humana da testa aos pés. Aquela área acima de sua testa anunciava sua alienígena. Especificamente, o fato de que seu cabelo azul combinava com seus olhos azuis.

9


Em qualquer outro lugar do mundo, isso não seria um grande negócio. Homens e mulheres muitas vezes coloriam o seu cabelo. Mas na UST os moradores eram alienígenas viviam no mar com mais freqüência do que não. Lana limpou a garganta. - Eu sou Lana Cob-Cooper. Ela engoliu em seco e lutou para manter seus batimentos cardíacos firmes. Ela não era Lana Coburn, não mais. Ela era Lana Cooper com uma adorável identificação falsa e tudo. Ela gastou quase todo o dinheiro em sua conta escondida para garantir que ela nunca seria ligada ao nome Coburn novamente. Era a única meia verdadeira de sua fuga. Ninguém poderia encontrá-la agora. Pelo menos, era o que ela esperava. - Desculpe. - Ela deu um pequeno sorriso e rezou a mulher não comenta-se sobre sua gagueira. - Eu sou Lana Cooper e tenho uma consulta com ... - Lana procurou o nome do entrevistador. Poderia ser mais foda-se? Ela precisava do trabalho ainda esqueceu o nome da pessoa com quem ela tinha que falar? Então ela bateu nela e ela quase chorou de alívio. Ela chorava muito ultimamente. - Charlotte ta'Rhow. Uma das fêmeas humanas que recentemente tinha acasalado um macho Ujal e foi o recém-nomeado Diretor de Youngling Recovery. A especialidade de Lana eram crianças. Antes de se afundar para viver dentro de seu carro, ela trabalhou como assistente social e, em seguida, Diretora da Casa do Coração - uma casa privada financiada para crianças órfãs e adolescentes. Foi lá que ela conheceu Stev.. Ela não ia lá. Hoje não. Nunca mais. A menos que ele me encontre. Os olhos da mulher brilharam e um sorriso amplo enfeitou seus lábios. - Oh! Lottie estava animada para falar com você. Ela disse que suas qualificações eram exemplares e ... Assim que sua excitação floresceu, ela desapareceu, e Lana percebeu a aproximação de outra pessoa. O pesado golpe de botas na grade metálica contou-lhe o tamanho da pessoa. De longe, ele rivalizou com Steven - ela engoliu a bile que surgiu ao pensar em seu nome. Facilmente dois metros, possivelmente maiores. Desde que ela estava na UST, ela assumiu que ele era um Ujal, e os machos tinham normalmente dois metros de altura ou mais.

10


Desde que ele usava botas, ele estava ligado à terra por um tempo. Os Ujal não se incomodavam com sapatos, a menos que eles estavam indo para fora de água por longos períodos. Então houve um outro som que se juntou aos passos batendo. Um murmúrio suave, e o deslize de ... Ela não conseguia identificar o que exatamente sussurrava, mas era algo. Não tecido. Ela conhecia aquele som. E o pincel de papel em papel. Isso era orgânico? Mas não pele ou escamas Ujal. O som deixou Lana com ... O macho virou a esquina e finalmente entrou em exibição. Com a sua aparência, a mulher com quem estivera conversando retrocedeu um passo. O medo se esgueirou em seus olhos, e o sorriso genuíno se tornou frágil. Lana podia entender por quê. Dois e cinquenta? Experimente dois e setenta? No que diz respeito à coloração do macho ... Ele era diferente, mas não um Ujal. Não, ela estava diante de um Preor. Ao vivo e em cores vivas. Seus cabelos longos se enrolavam em seus ombros, a tonalidade escura - quase preta - contrastava com sua pele ligeiramente cobre. Mas acima desses ombros estavam um par de brilhantes asas de marrom. Os apêndices escuros se contraíram, mantendo sua atenção. Ela nunca tinha visto um Preor tão perto. Claro, os aliens shifters dragões eram tudo o que falavam, mas não se misturavam com a população regular como os Ujal. Onde os Ujal poderia passar para os seres humanos, dependendo de sua coloração, o Preor nunca poderia. Seu status como alienígenas era um tanto óbvio com toda a coisa das asas acontecendo. Os olhos escuros se fixaram na outra fêmea antes de se voltar para Lana e depois para longe novamente. Ele curvou uma única sobrancelha em questão, sem expressar as palavras em sua mente, mas Lana podia imaginar o que ele disse: - "Quem é essa?" - Bom dia, Radoo sen Matzal. - A fêmea estava muito menos animada agora, seu discurso formal. - Esta é Lana Cooper para ver Charlotte ta'Rhow. - Radoo resmungou e então ela foi o assunto de seu escrutínio mais uma vez. Ele olhou para ela, seus olhos esfregando seu corpo da cabeça aos pés como se estivesse tentando ler sua mente. Ele poderia? Não se sabia muito sobre a raça Preor. Ele sabia que ela era uma fraude? Sabia que ela estava fugindo? Suas perguntas ficaram sem resposta - ou respondeu, dependendo de como ela olhasse as coisas - porque Radoo simplesmente se virou e

11


continuou sua viagem pelo corredor oposto. Nenhuma das duas mulheres falou por longos momentos, passando alguns segundos enquanto o som de seus passos diminuía de volume até que sua presença não era mais sentida. Ela soltou a respiração em uma exalação gradual enquanto lutava para abrandar o batimento cardíaco. Ele não tinha dito nada sobre os medos que atravessavam sua mente. Talvez ele não pudesse arrancar seus pensamentos de seu cérebro. - Desculpe. - a mulher sussurrou. - Isso foi ... Ele ... - Lana colou um sorriso - não importa quão falso - em seus lábios. Ela acenou afastado o que o Ujal tentou dizer. - Está bem. Imagino a maioria dos homens – machos - corrigiu-se rapidamente. O termo homem era para humanos. Os alienígenas eram do sexo masculino. Uma diferença sutil que importava. - Todos são um pouco intimidadores. Eu tenho certeza que vou me acostumar com isso. - As últimas palavras repetiram-se em sua cabeça e ela estremeceu. - Quero dizer, se eu for contratada. - O mal-estar do Ujal gradualmente se dissipou, e ela descobriu que o sorriso da mulher passou de falso para real enquanto ela se acalmou. - Tenho certeza. Eles não são ruins, é só ... - Diferentes? - A fêmea Ujal acenou com a cabeça. - Sim, diferente. Todos nós estamos no limite desde a destruição no navio Preor, e apenas indivíduos investigados são permitidos entrada para a estação. - Lana ergueu as sobrancelhas e gesticulou para a porta. - Eu entrei. - O sorriso não era condescendente, mas tinha um pouco de "abençoe seu coração" nele. - Os sistemas examinaram seu rosto e identificaram você antes de destrancar a porta. Já tínhamos pesquisado antes de pedir sua presença. A tecnologia faz o resto. - Bem, pelo menos sua identidade se levantou contra os Ujal. Dinheiro bem gasto, então. - Charlotte se comunicou com a estação mais cedo e indicou que ela seria aproximadamente trinta minutos atrasado. Os filhotes em seu cuidado se distraíram com um grupo de golfinhos e vários filhotes os seguiram sem permissão. - Lana podia simplesmente apostar. Os miúdos eram miúdos tanto na terra ou no mar. - Você é bem-vinda para esperar aqui no lobby. - A fêmea de Ujal gesticulou ao redor, e Lana notou a distinta falta de

12


qualquer lugar para se sentar. - Ou caminhe pela praia. Ela entrará pela baía coberta, e ela e alguns rapazes se juntarão a você na areia. - Certo. Porque as pessoas – alienígenas – para quem ela queria trabalhar passavam a maior parte do seu tempo na praia. Considerando que eles se transformaram essencialmente em sereias, ela poderia entender o seu amor pela água. Parecia que ela teria que aprender a amá-la também. Com oitenta e cinco por cento da estação ocupada e operada por Ujal, ela provavelmente estaria envolvida com um monte de atividades baseadas em areia. Além disso, realmente, seu trabalho era - seria - para ajudar os filhotes resgatados a transição de uma vida terrestre para uma que envolvesse o oceano. Lana assentiu. - Claro, será bom dar um passeio na areia. Parece bonita. - A mulher deu a ela um sorriso verdadeiro e alegre. - O mar está fresco e a areia macia hoje. Tenho certeza que você vai adorar. Charlotte a localizará quando chegar. - Perfeito - mentiu. Era tudo menos perfeito. Ela não queria atravessar a praia. Ela queria um emprego. Ela queria ser paga. Ela queria ... Seu estômago resmungou, e nenhuma mulher disse uma palavra sobre o som. Ela queria um emprego para que ela pudesse ser paga e comer. Em vez disso, ela tem ar salgado, areia pegajosa e uma meia hora de espera. Parece perfeito.

13


Só porque Taulan não tinha mais asas não significava que o temperamento e o fogo de seu dragão também haviam desaparecido. Os céus estavam perdidos para ele para sempre, mas a queimação da sua necessidade pelo ar em suas escamas não tinha diminuido. Permaneceu firmemente entrincheirado em seu coração, sua carne e ossos parecendo chamar para a liberdade de vôo. Foi o que o levou a Preor Tower, levando-o aos níveis mais altos ocupados pelos Mestres de Guerra e Defesa e suas companheiras. Ele podia ficar na varanda, estender os braços e tomar banho nos ventos fortes que fluíam dos mares. Sua pele instintivamente reagiu ao ar salgado, como se ele ainda tivesse asas para ser secado pela brisa. Agora ele era quase tão humano quanto os terráqueos. Ele se encostou à grade amovível que alinhava a varanda do Mestre de Guerra, inclinando-se sobre as barras de metal e fechando os olhos. Podia quase imaginar voar acima da cidade abaixo, tomando o ar sobre Tampa e liberando seu fogo nos céus. Mas ele não podia - nem nunca poderia. E não só porque a prática fora proibida pelo Mestre de Guerra Jarek depois de sua luta contra uma dúzia de odiosos Preor enviou a cidade ao pânico em massa. A porta de vidro escorregadio retumbou quando foi empurrada e uma risada aguda chegou-lhe uma fração de segundo antes que um corpo minúsculo caísse em suas pernas. Ele se inclinou para longe da grade e voltou sua atenção para o dragonlet- filhote - agarrado a ele. Seu sorriso

14


largo e suas escamas delicadas, bem como os olhos brilhantes, lembraramno de sua mãe - a principessa de Ujal. Não era a principessa mas Melissa que perseguiu rapidamente a criança. - Theresa fa'Vyl-Zeret, quantas vezes ... - Melissa pisou em vista. Ela era uma verdadeira Maestria de Guerra e perfeita contraparte do Mestre de Guerra de Preor. Onde seu superior era bem-envelhecido e forte, capaz de defender contra qualquer atacante, sua companheira era leve, mas não menos feroz. Juntos, eles tinham conquistado aqueles guerreiros Preor. Uma luta que ele desejou poder ter visto. Mas ele ainda estava inconsciente, ainda mantido em extase, enquanto os curandeiros ... tentavam encontrar uma resposta que nunca apareceria. Não demorou muito depois dessa luta sangrenta que Taulan foi trazido para fora do sono de cura, corpo reparado partes ainda faltando. Faltava as suas asas. Ele tinha ido de Taulan sen Pavon, Guerreiro Primário de Jarek joi Melissa, Mestre de Guerra da Terceira Frota Preor, para simplesmente ... Taulan, filho de ninguém, amado por ninguém. Ninguém o tinha rebaixado - ainda - mas ele havia perdido aquela parte integral de si mesmo quando duas explosões balançaram o navio Preor. Eles sacudiram todo o navio e feriram ou mataram muitos quando tudo foi dito e feito. Violência sem sentido. Estupidez. Ignorância. Escolha qualquer descritor e se aplicaria àqueles que tentaram interferir na aliança entre Preor, Ujal e a Terra. O olhar de Melissa caiu sobre Taulan, sua raiva se suavizou ligeiramente antes que ela voltasse sua atenção mais para o sul - para o filhote ainda agarrado a sua perna. - Theresa Melissa fa'Vyl-Zeret. Tantos nomes para uma tal fêmeazinha. Então ele se lembrou das palavras de Maestra de Guerra Melissa. - O que o desejo Preor não é sobre

tomar companheiros. É sobre misturar nossas vidas junto apenas como os Ujal e os seres humanos fizeram no passado. O Saber nos permite encontrar um ao outro, mas o compromisso é o que nos liga. Compromisso. Uma coisa estranha para um Preor considerar. Especialmente quando foi colocado ao lado do Saber.

15


O Saber. O reconhecimento genético entre um macho e uma fêmea que os identificou como companheiros. Também concedia ao casal o conhecimento genético do povo Preor. Cada evento, cada pensamento, cada pergunta, seria respondida em um momento pelo Saber. Ele deixava o casal em um relacionamento ainda mais proximo do que um casamento humano e deu-lhes as ferramentas para formar um relacionamento que iria resistir à passagem do tempo. Ele ... era uma coisa que ele nunca iria experimentar por si mesmo. Era por isso que ele viera a Preor Tower, por que ele pedira entrada e por que ainda esperava pelo Mestre de Guerra Jarek. Encontrar um companheiro na terra era uma impossibilidade, especialmente depois de perder suas asas. Ele não era mais um homem digno. Não quando ele era incapaz de levar para o céu e defender sua companheira, se necessário. Taulan sorriu para o filhote, escondendo sua inveja enquanto passava os dedos pelo cabelo da jovem. Ele revirou os cachos e apreciou o riso de Theresa. - Você deve ouvir a senhortia Meli, jovem. Aquele sorriso se transformou em uma pequena carranca, seus lábios em forma de arco formando um pequeno franzir. Seria perigosa quando chegasse à idade. Ela faria com que cada macho farejasse depois dela mesmo se o macho soubesse que Theresa não era sua companheira. Todos ainda desejariam um gosto do velho fa'Vyl-Zeret. Theresa voltou sua atenção para Melissa, e a filhote sorriu amplamente até que suas covinhas apareceram. - Senhorita Meli, estou dizendo oi para Titio 'Taulan. Tio Taulan, embora não fosse mais do que um estranho. No entanto, num curto espaço de tempo, ele se tornaria enredado por Jarek e Melissa, pelo príncipe Ujal e sua principessa - pela própria Teresa. Tave e Rina fa'Vyl-Zeret o receberam de braços abertos, e ele simplesmente passou de Taulan para Tio Taulan. Melissa não parecia estar aceitando a explicação da filhote. - Uh-huh. Dentro, jovem. Só porque o tio Taulan está aqui fora quer dizer que você tem vir atrás dele. E se a grade não fosse segura? E se você bater nele e ela cedeu? Ele não ... - A voz dela se apagou no final, mas ele sabia suas próximas palavras, mesmo que ela não as pusesse em voz.

16


Ele não tem asas. A lembrança o trouxe de volta a uma das razões para sua visita. Jarek. Preor. Taulan se abaixou, agarrou a jovem Theresa e a levantou em seus braços. Ele enrolou um para que ela pudesse descansar em seu antebraço, e ela rapidamente rodeou seu pescoço. Sua risada saltou das paredes e ecoou pelo ar, e ele se viu sorrindo com a alegria da jovem. - Vamos, vamos entrar e parar de assustar a sua senhorita Meli. - Ele não podia chamar a Maestra de Guerra pelo seu verdadeiro nome. Parecia uma traição falar com tanta familiaridade. Ele era um guerreiro - um Guerreiro Primário, mas um guerreiro, ainda. Ele não tinha o direito de falar a palavra. - Se você for boazinha, eu vou... - Se eu for boazinha? - Tal excitação permaneceu em seus olhos, a alegria da princesa Ujal quase uma coisa tangível. Ela vibrou, sua antecipação e admiração rolou através dele. A jovem estava sempre ansiosa para ir para o mar, mesmo que ela dormisse sob as ondas de cada noite. Ele ergueu uma sobrancelha, sua atenção voltando para Maestra de Guerra Melissa. Melissa agia como um mordomo de filhote enquanto seus pais governavam o Ujal na Terra, mesmo que sua própria posição dentro do Preor a colocasse acima de tais tarefas. Sua permissão era necessária. Com a cabeça, ele falou. - Eu vou levá-la, mas você não deve se desviar das areias secas. Se você entrar nas águas, eu não posso ajudá-la e eu não vou levá-la nunca mais. - Sem água? - Seu lábio inferior gordo tremia. Se Taulan não estivesse tão familiarizado com as tentativas de subterfúgio de Teresa, ele teria caído na expressão. - Sem água. - Theresa, olhando e soando muito mais velha do que seu punhado dos anos, resmungando e cruzou seus braços pequenos sobre seu peito. - Pegar ou largar. - Era uma expressão que ele tinha aprendido recentemente da televisão da Terra. - Tudo bem, - ela resmungou e fez resmungou um pouco mais, mas ele não iria ceder. Não quando seus cuidados mudariam para ele uma vez que saíssem do condomínio do Mestre de Guerra. - Bom. - Ele apertou seu abraço por um momento livre e tentou fingir que não era invejoso e doido por ter um dragão - libélula - dele próprio

17


.Taulan seguiu Melissa pela casa, pisando cuidadosamente brinquedos dispersos e revirando móveis. Uma vez que eles chegaram à porta da frente, ele esperou enquanto Melissa puxava o portal de par em par, mas ele parou antes que ele pisou. - Você vai notificá-lo ... - Não havia nenhuma pergunta sobre ele. - Dizer a ele ? Quem é ele? - Melissa ergueu as sobrancelhas. Ele ergueu um pesado olhar para Melissa. - Você sabe por que eu quero falar com o Mestre de Guerra. - Ele odiava a grosseira em seu tom. - Eu sei porque você acha que precisa falar com ele. A realidade é diferente. - Melissa o alcançou e a parede de suas costas o segurou imóvel. - Você é um bom e digno ... - Taulan correu para a esquerda e para a porta da frente, sem querer ouvir suas palavras. Ele tinha feito sua escolha. Ele voltaria para casa para lamber suas feridas e, em seguida, finalmente jogarse fora de uma alta torre como qualquer outro homem em sua situação faria. - Estaremos à beira da água, se quiserem nos encontrar. - Ele entrou no corredor que levava aos elevadores. - Quando terminarmos, voltaremos para a UST. Se o príncipe e principessa não estiverem em residência, eu a devolvo. - Ele não permitiria que nada acontecesse com os filhotes. Ele poderia não ter o seu próprio - nunca - mas ele sempre seria cuidadoso com o futuro de todos os Preors. Relações alegres entre o Ujal e Preor ditavam seu futuro. Não esperando uma resposta, ele caminhou em direção às pequenas caixas de metal que as levariam ao térreo. Se ele tivesse suas asas, ele teria simplesmente ... Mas ele não tinha asas. Então, quando Theresa pediu para apertar o botão para baixo, ele abaixou e permitiu que ela esfaqueasse o disco de plástico com seu dedo gordinho. Seu sorriso combinou com o dela quando ela soltou seu grito de vitória. Tais coisas pequenas eram tão preciosas para os jovens. As pressões e a mágoa não pesavam sobre os filhotes. Não, isso esperava até que eles tivessem ganhado duzentos anos, quando alcançassem seus objetivos de vida. Foi quando o mundo puxou o céu de baixo de suas asas e enviou suas vidas em uma interminável furacão. Taulan prendeu a respiração dentro do elevador, odiando a sua dependência de máquinas rudimentares da Terra. Se ele tivesse suas asas ... Ele se perguntou se haveria algum dia em que as palavras simples não cruzassem sua mente. Como se seu corpo se lembrasse do caminho

18


enquanto sua mente estava distraída, ele se encontrou cruzando a areia pálida nas margens de Tampa. As ondas rolavam para dentro e para fora, o ritmo lento raspando seus nervos. Isso acalmava tanto os humanos como Ujal, mas o som era simplesmente uma lembrança do adversário mais mortal de um Preor. Uma vez que as águas atingissem as asas de um dragão, um vez que entrenhassem em suas escamas o macho estava perdido. Algo tão inócuo, porém tão fatal para a sua espécie. Theresa balançou e estremeceu, as mãos pequenas empurrando contra seu peito enquanto ela tentava se arrancar de seu aperto. - Tio 'Taulan, Tio Taulan, quero descer. - Ele abaixou a menina para a areia. - Não entre no ... - Ele deveria ter salvo seu fôlego. Porque no momento em que ele a pôs no chão, ela se foi. Não tinha mais do que vinte pés até a borda do oceano, e ela cruzou-a entre um piscar de olhos e a próxima. Se ela fosse uma criança humana, ele a teria pego nas águas rasas. Mas ela não era uma criança humana - ela era Ujal. Assim que seus pés atingiram as águas do oceano, ela se foi. Deixando-o, como sempre, sozinho. Até que uma voz aguda quase quebrou seus tímpanos. Duas dessas vozes, na verdade. Um jovem e temeroso. - Ajuda! Um mais velha e sedutora, apesar da raiva enchendo cada sílaba. Você está fodidamente louco? Não. Não, ele não era. Pelo menos ele não acreditava que fosse. Era difícil dizer, na verdade. Porque como a palavra humana fodidamente ecoou em sua mente, também fez outra coisa. Algo eterno e desconhecido. Ou melhor, conhecido. Era o Saber, que deixou Taulan de joelhos.

19


Lana assistiu os acontecimentos se desenrolarem como se fosse um filme. A cena de abertura tinha um cara quente segurando uma criança adorável, fazendo cócegas e rindo com a criança. Uma dor sem qualquer relação com a fome a atingiu, uma que suplicava por uma vida perfeita que envolvesse marido e filhos. Não era algo em que pudesse perder tempo. Não quando sua atenção deveria estar solidamente em alimentar-se e vestir-se, em fixar um telhado sobre sua cabeça. Onde ela poderia ter a sua entrevista e que acabasse com ela em uma situação melhor e ela rezava por isso. A criança sacudiu seu caminho para fora dos braços do homem, e seu tom barítono profundo subiu acima das ondas. Ressoou contra algo profundo dentro dela. Ela tremeu com o som e lutou para esmagar o brilho do desejo que floresceu a vida. Ela poderia pensar no homem quente mais tarde. Então… A criança disparou para as ondas. Não, não apenas disparou, ela correu tão rápido com aquelas pernas curtas e gorduchas poderiam carregá-la. E o gostoso ... não fez nada além de apoiar as mãos nos quadris e ver a menina desaparecer sob a superfície do oceano. A criança não voltou. Lana deu um passo e depois dois, o olhar se lançando entre o homem e onde a menina desapareceu. Ele ainda não se moveu, e sua inação a

20


estimulou em movimento. Mesmo se a criança pudesse nadar como Michael Phelps, ela ainda não seria páreo para os mares tumultuosos. O rosto pálido da menina apareceu entre as ondas, e Lana percebeu que ela estava a uns cem metros de distância. A voz estrangulada de uma criança a fez cavar por força. – Socorro. Como diabos a garota chegou tão longe? Ela perdeu os sapatos entre um passo e outro, o casaco de terno rapidamente seguindo quando ela arrancou seus braços livres do tecido. Ela não podia fazer nada sobre a saia que ainda envolvia suas coxas, mas ela se preocuparia com isso uma vez que segurasse firmamente a criança. A adrenalina alimentou sua raça, o hormônio enviando sua freqüência cardíaca uma batida e o sangue rapidamente bombeando através de suas veias. Ele reforçou seus músculos, dando-lhe mais força e velocidade. - Você está fodidamente louco? - Ela rosnou as palavras no homem imóvel, furiosa que ele permitiu que uma criança ... Lana respirou fundo e mergulhou nas ondas. A corrente arrebatou suas roupas, pesando-a e puxando-a de um lado para o outro. Ela arrancou o tecido de sua saia mais acima de suas pernas até que se aglomerou em torno de sua cintura, deixando-a livre de seu confinamento. O ar permaneceu trancado em seus pulmões, alimentando seu corpo enquanto nadava na água salgada e em direção a onde ela tinha visto pela última vez a criança. Algo lhe fez cócegas na mente, pressionando e empurrando seus pensamentos, mas ela o golpeou de volta. Seu foco tinha que permanecer na criança - em levá-la para a segurança. Ela veio à tona e fez uma pausa, olhando para o turbulento mar. A cabeça sacudida olhou acima da água para a esquerda, outros cinquenta pés. Uma respiração profunda e então ela estava fora, pernas chutando e braços se movendo, corpo fazendo como sua mente exigiu. Sua mente ... Algo ainda empurrou e pressionou. Pensamentos? Recordações? O Saber. Que diabos foi isso? Um reconhecimento de ...

21


Lana afastou os pensamentos e fortaleceu sua mente. Ela deixou a determinação profunda em cada parte de seu corpo. Ela chegaria até a garota. Ela a salvaria. E nenhuma interferência a impediria. Não mental, não físico. Então, se um alienígena tentou distraí-la com a estranha coisa do Saber, eles poderiam tentar seus jogos em outra pessoa. Ela levantou a cabeça mais uma vez e viu que a menos de dez pés a separava da criança. Em uma corrida cegante, ela colocou toda a sua força atrás do próximo golpe e no seguinte, e então ela segurou a menina perto, palavras calmantes deixando seus lábios em uma corrida ofegante. - Eu tenho você. Silêncio. Eu tenho você. Descanse. Relaxe. - ela balbuciou, sílabas tropeçando sobre si mesmo entre pesados suspiros enquanto ela procurava acalmar a criança. Quando seu pulso diminuiu, assim como sua respiração e foi quando outras coisas se tornaram óbvias para ela. Com as escamas na pele - sob suas palmas. Como o fato de que as pernas de uma criança não a rodeavam, mas uma cauda esvoaçante roçava suas coxas. Ou o conhecimento de que outras pessoas pulavam lentamente sobre a superfície da água em um círculo solto ao seu redor. Outros que estavam cobertos de escamas que brilham na luz, e ela não tinha dúvida de que se ela pudesse ver nas águas frias, ela notaria que eles tinham caudas também. Ah merda. Em que ela entrou? O filhote em sua posse é... Essa coisa estranha novamente. Lana não teve tempo para brincar com algum idiota que achava divertido brincar com ela. Ela balançou a cabeça, empurrando aquela voz - aquelas fantasias afastando-se mais uma vez. A criança agarrou-se a Lana, esfregando sua bochecha manchada de lágrimas contra o ombro de Lana. Lana ignorou os outros e simplesmente procurou acalmar a menina, escovando os cabelos para trás e sussurrando contra a têmpora. - Está tudo bem. Eu tenho você. Você está bem, querida? A garota soluçou, levantando a cabeça para encontrar o olhar de Lana, e aquele lábio inferior gordo tremia. - Abanou a minha cauda. - Ela levantou a cauda para fora e para fora da água, apontando para uma teia de linhas vermelhas cruzando as espumantes escamas. - Ali.

22


- Tudo bem, vamos pegar alguns ... - Alguma coisa. Como Ujal tratava as picadas de água-viva? - Seria melhor se você soltasse Theresa para nós. - Um verde Ujal falou sobre ela, chamando tanto Lana e a atenção da criança. - Nãooo! - Ninguém poderia lamentar como uma criança. - Shhh ... - Ela olhou para o macho verde enquanto ela acariciava a menina. Theresa estava machucada e chorando, obviamente assustada, e esse enorme Ujal queria tirá-la de uma fonte de conforto. Lana entendeu que a raça não se importava com os humanos e estava preocupada com a intenção de Lana, mas ela era a que tinha nadado no meio do oceano, não era? Ela não teria saído para salvar Theresa se ela pretendesse fazer mal. Aquela coisa estranha em sua mente tentou empurrar para a frente, e ela empurrou de volta. Se ela resistisse a suas tentativas de manipulação e controle emocionais, ela poderia resistir a alguns alienígenas. A fadiga lentamente avançou para ela, a diminuição da adrenalina deixando-a exausta. Sua força gradualmente marcou quanto mais ela segurava Theresa enquanto pisava água. Ela não duraria muito mais tempo, não contra a bateria suave e interminável pelas correntes. Então ela não teria escolha a não ser abandonar a garota. – Theresa. o homem verde rosnou, o som ameaçador. Theresa se agarrou a ela ainda mais forte e ela pôde dizer que continuar discutindo apenas a faria escavar seus calcanhares - er, sua cauda - ainda mais duro. Lana iria tentar raciocinar com o macho verde. - Olhe, eu nadei para salvá-la porque ... - Lana ignorou os roncos e não deixou seu foco vacilar. - o cara na praia ... - Ela inclinou a cabeça em direção à areia pálida e então olhou para aquele macho também. Ele rondava a praia, andando de um lado para o outro. Fúria e preocupação encheram sua forma, fazendo cada passo pesado e vivo. - Apenas deixou ela nadar sozinha e não veio atrás dela quando ela gritou por ajuda. - O estranho parou e tomou as mãos antes de gritar. - Bikk! - O cara verde - Bikk? - pesou e balançou a cabeça antes de girar a atenção para outro macho - este era rosa. - Vá dizer a Taulan que tudo está bem. Vamos acompanhar ... - Bikk olhou para ela, com uma sobrancelha levantada.

23


- Lana Cob ... - Ela realmente precisava se acostumar com seu novo nome. – Cooper. - Lana Cooper para a estação. - O macho nadou fora e a atenção de Bikk permaneceu trancada nela. - Nós a levaremos conosco. Você pode obter roupas novas e falar com o pessoal da segurança. - Ela inclinou a cabeça em direção ao homem na praia. - E ele? Ele tem que falar com 'pessoal da segurança'? Ele deixou ... - Ele não poderia ter feito mais do que ela, o que nos alertou para problemas. - Bikk pressionou os lábios e olhou para a praia. - Preors não podem tolerar os mares. Eles afundam e não têm a capacidade de nadar. Vir para as águas teria sido uma morte sem sentido. - Por alguma razão uma sacudida de preocupação a agrediram e então uma onda de conforto e tranquilidade veio do Saber. Alguém estava brincando com a cabeça dela e ela não gostou. Em tudo. Mas se ele era um Preor, por que o homem na praia não ... - E isso é algo que Theresa sabe. - Uma admoestação sombria encheu seu tom e Theresa estremeceu - Você vai contar para mamãe e papai? Tão pequena, tão minúscula. - Não, você vai. - As palavras de Bikk não provocaram nenhum argumento. Um cãibra provocou sua coxa externa, e ela apertou os dentes contra a dor pulsante em seus músculos. Não demoraria muito para que todos os pensamentos de conversação fossem substituídos pelo desejo de simplesmente permanecer viva. Enquanto ela não confiava exatamente nesses Ujal, algo dentro dela a incitava a colocar sua fé em Bikk e os outros. - Bikk, certo? - Ela sibilou quando seu bezerro se aninhou e então lutou contra a careta ameaçando alcançar seu rosto. - Sim? - Ou me leve para a praia, tome Teresa, ou me sustente. Eu não vou durar muito mais tempo. - Ela odiava admitir a fraqueza, mas o orgulho não iria mantê-la respirando. As palavras tinham Theresa apertando seu apoio e enterrando seu rosto contra o pescoço de Lana. - Desculpas. Eu esqueço a fragilidade humana. - Fragilidade? Se ela não estivesse tão cansada, mostrar-lhe-ia a fragilidade. Entrar na água do oceano em uma saia de terno enquanto segurando uma criança era quase isso.

24


Bikk nadou para a frente, cortando a água sem dificuldade, e então ela encontrou-se encostada contra ele, seu lado pressionado em seu peito. Arrepios se levantaram sobre ela, superando sua pele, enquanto uma onda de repulsa abraçou-a da cabeça aos pés. Engoliu em seco contra o acompanhamento de dor e suprimiu o desejo de gemer. Seu toque causou mais dor do que a cãibra que enrijece sua coxa. Ele não esperou por ela para conceder seu acordo. Em vez disso, no momento em que ela estava alinhada com ele, ele partiu. Ele cortava a água, movendo-se com velocidade surpreendente, apesar do peso adicional. Os outros se moveram para cercá-los e seguiram com facilidade o ritmo, seus olhares de granito não deixando nada de lado enquanto examinavam o ambiente. A prisão de Tereza não diminuiu, braços pequenos firmemente agarrados a ela. Bikk não disse uma palavra enquanto os transportava para a UST. Entretanto, enquanto o Ujal permanecia quieto, o Preor não o fez. Em poucos segundos de sua viagem, o outro macho rugiu, o som tremendo o ar e forçando a água a tremer com sua força. Sim, ele gritou e soou como ... - Minha. Mas isso não foi a parte surpreendente - ou não a unica parte surpreendente. Não, o que assustou ainda mais a Lana foi o modo como seu corpo reagiu. Ela sugou em uma respiração rápida quando seus mamilos se armaram e seu corpo se apertou. Essa única palavra ressoou através dela da cabeça aos pés e aquela coisa estranha, intrusiva - se anunciou mais uma vez. Não fez muito além de sussurrar uma única palavra em sua cabeça em troca. - Meu. Não. De jeito nenhum. Ela não estava perdendo a cabeça. Ela não estava apaixonada por algum Preor que corria ao longo da praia que rugia em vez de falar. Ela não estava. Mas isso não impediu que as sensações chegassem. Nenhuma quantidade de negação parou a certeza em suas faixas. Tão certo como ela segurava um filhote Ujal em seus braços, ela tinha um Preor perseguindo-os. Um Preor que pertencia a ela.

25


Eles não permitiam que ele a visse, nem lhe dizeram o seu nome ou sua condição. Ele tinha corrido sobre as areias, amaldiçoando sua falta de asas a cada passo. Seu dragão rondava, sua natureza ardente rosnando em sua desvantagem. Se ele tivesse suas asas ... Mas ele não as tinha. O que significava que duas pernas tinham que levá-lo de um lugar para outro. A areia voou quando ele decolou, e um rugido escapou de sua boca para ser seguido por um jorro de chamas vermelhas. Seus dedos doíam e palpitavam, a necessidade de trocar o peso dele, mas que bem faria? Nada. Seria simplesmente fazê-lo muito grande para rondar os corredores da UST. O dragão roxo demorou-se logo abaixo da superfície de sua pele bronzeada, a besta ardente procurando uma fenda na armadura de Taulan. Não escaparia. Ele não permitiria que nada o impedisse de correr para o lado da fêmea assim que pudesse. Ele olhou para os dois guardas flanqueando a entrada, primeiro mostrando a expressão de um Ujal - Rhal - e depois ao outro - Erun. Eram dois dos maiores guerreiros de Ujal e parte dos guardas pessoais da principessa e do príncipe. Rhal podia matar qualquer um em silêncio, suas escamas de meia-noite lhe permitindo entrar e sair de qualquer casa quando trabalhava como assassino do rei. Erun ... Erun podia matar com a mesma facilidade, mas era tudo menos silencioso. O macho machucava e destruia, causando tanta dor como pôde antes de terminar uma vida. Seu tempo nas esferas de luta de Ujal ensinou-lhe muito.

26


Seus olhares de retorno estavam avisando o suficiente. Se ele ousasse tentar romper o quarto, morreria quietamente e rapidamente ou em voz alta e dolorosamente. Ele também não esperava. Não quando sua ... sua companheira ocupou a sala além desse conjunto de portas. O Saber insistiu nele, continuando a esmurrá-lo com o conhecimento genético de sua raça. Tudo o que veio antes dele foi jogado em sua mente. Ele ensinou-lhe os segredos de sua espécie, sobre eventos no passado que moldaria seu futuro. Ele deu-lhe as memórias de todos os outros Preor em sua história. Ele entendeu por que o Saber só atingia quando um companheiro era encontrado. Ele teria caído sob o peso desse novo conhecimento, mas com seu companheiro para compartilhar o fardo, ele poderia suportar esta corrida inicial de informação. Mas ele não tinha sua companheira - ainda não. Ela permaneceu seqüestrada, mantida em cativeiro pelo Ujal que ele chamava de amigo e aliado. O rugido de um dragão encheu sua mente, empurrando de lado cada tentativa do Saber para dar-lhe mais. Tentou enfiar fatos sobre o Saber e o que deve acontecer quando os companheiros se encontrarem. Ele precisava estar ao seu lado ou ... Bem, nada disso importava se Rhal e Erun bloqueassem seu caminho. O fogo do dragão queimou-o de dentro para fora, enchendo os seus pensamentos, e sua pele esticada quando o animal o empurrando para a frente. Seus ombros se alargaram, e ele sentiu em vez de ver, suas escamas deslizando livre de sua carne humanóide. Ele não poderia ter isso, no entanto. As paredes da UST não podiam conter um dragão de duzentas toneladas. Ele iria destruir a estação e tudo o que ele havia trabalhado. Incluindo sua companheira. Inaceitável. O Saber o mataria sem ela. O conhecimento seria demais para uma única mente para carregar. Então ele deve esperar. Espere e preocupe-se e ore para que tudo o que os manteve separados logo desapareça. Ele virou seu olhar ardente para Rhal e encontrou o olhar de olhos negros do macho. Nenhum sinal de cor mostrou em seus olhos, meia-noite pura que abrange as orbes. Uma advertência do Ujal. O assassino estava preparado para lutar contra Taulan.

27


Uma batalha – o Saber assegurou - o que o Ujal venceria. Já a informação pesava sobre ele, esticando sua mente quase ao ponto de ruptura. Se ele caísse para a morte ou estivesse ao lado de sua companheira, Taulan arriscaria a morte. Exceto, significaria morte para sua companheira, também? Eles estavam amarrados agora, o Saber golpeando os dois, embora sua companheira humana o tivesse em menor grau. Pelo menos, ele acreditava que ela era humana. Os Preor e Ujal não poderia formar um vínculo. E se a mulher fosse Ujal, ela não precisaria de assistência adicional para retornar à estação. Assistência de Bikk. O macho solteiro tinha tocado sua fêmea. E Bikk estava dentro daquele quarto com sua companheira. Bikk que procurava a sua própria fêmea. Inaceitável. Taulan deu um passo em direção às portas, a pele ondulando com a ameaça de seu dragão. A fera já não se preocupava em esmagar os que o rodeavam. Não, se isso significasse chegar ao seu lado. Não se importava se não tinha asas. Ainda era uma fera feroz, que respirava fogo. Ainda poderia lutar e vencer. - Taulan. - A voz de Rhal continha mais do que um sinal de advertência. Ele rosnou baixo, e as escamas pretas de Rhal voaram sob sua pele em uma clara ameaça. O macho estava lembrando-o de seu status, de quem Taulan lutaria se não se acalmasse. Taulan descobriu que não se importava. - Vou entrar naquele quarto, Rhal do Ujal. - Não, você não vai. - À sua direita, Erun disse as palavras sem uma sugestão de inflexão, não uma verdadeira advertência, mas uma declaração flagrante. - Sim. - Ele flexionou as mãos e empurrou contra o dragão. - Não vou me separar dela. - Você já estava separado quando falhou em seu dever. - disse Rhal. - Sim. - Ele não podia negar que tinha falhado tanto com Theresa e sua companheira. Isso não significava que ele cederia. - Mas nada que você faça vai me impedir de passar por aquelas portas.

28


- Não quero te fazer mal. - Erun cruzou os braços sobre o peito. Ele não queria, mas o faria. Isso, Taulan sabia. Taulan não faria o mesmo com um guerreiro de Preor que fracassara? - Eu ... - Guerreiro Primário! - A casca áspera precedeu o pisoteio seguro de seu Mestre de Guerra, Jarek. O murmúrio das asas lhe lançou uma pontada - a inveja erguendo a cabeça - mas ele a empurrou para o lado em favor de sua necessidade de chegar a sua companheira. Ele se virou e clicou nos calcanhares enquanto apertava seu punho sobre seu coração em uma saudação. - Mestre de Guerra. - Explique. - Jarek estalou, e Taulan fez como exigido, contando os eventos até ... Ele olhou por cima de seu ombro, seu olhar encontrando Rhal e depois Erun antes de retornar a Jarek. Ele esperava anunciar seu status em particular, já que não tinha certeza de como sua nova companheira tomaria – ou estava tomando - o Saber. Apressá-la não ajudaria a sua situação. Em vez de repreendê-lo, o Mestre de Guerra lhe deu um duro olhar, sua expressão ilegível. Se seu superior exigisse que partisse, Taulan desobedeceria Jarek sem hesitar. Ele não colocaria nenhum espaço adicional entre ele e sua companheira. Já sentia os pesados efeitos do Saber arrastando-o para baixo, e ele se preocupou sobre como a sua pequena companheira estava lidando com o influxo. Ela era tão pequena em comparação com sua altura e volume. Sua cabeça dificilmente chegaria a seu ombro, e seu corpo estava curvado de uma maneira que o lembrava da companheira do Mestre de Guerra. Suave e atraente. E era protetora. Boa de coração. Mergulhar no mar - um lugar que ele nunca poderia ir - mostrou coragem e força. Ela tinha nadado longe da costa para salvar um filhote. É verdade que Theresa não precisara ser salva - mesmo que chorasse por causa de suas pequenas picadas - mas sua companheira não sabia. Ela viu uma criança em necessidade e arriscou sua vida por aquela jovem. Jarek ergueu a mão, e Taulan ficou tenso, aguardando o golpe punitivo que estava por vir. Ele não se oporia a um golpe no rosto para envergonhar seu povo e falhar em seus deveres. Ele imaginou que passaria muito tempo preso no navio também. Ele seria tirado da superfície da Terra. Em vez disso, o Mestre de Guerra colocou sua mão no ombro de Taulan com um duro golpe e depois apertou.

29


- Parabéns, Guerreiro Primário. - E ele sabia que Jarek significava aquelas palavras. A felicidade de seu superior era visível em cada centímetro de sua expressão. - Parabéns. - Outro aperto que quase o enviou de joelhos. Quase. Taulan não tinha se tornado o Guerreiro Primário porque estava fraco. Ele poderia ficar contra seu líder. Era apenas sua idade que o impediu de atingir tal posição. O próximo movimento de Jarek o forçou a se virar com o guerreiro até que ambos enfrentaram os dois Ujal. Rhal ergueu uma única sobrancelha e Jarek deu-lhe outro aperto punitivo. - Ele vai ficar bem e vai ficar calmo. - Rhal apenas grunhiu e acenou com a cabeça para Erun. Logo os painéis se separaram para eles e Taulan se permitiu ser puxado para a frente. Demorou cada força de controle para permanecer no lado do Mestre de Guerra. Especialmente uma vez que seu olhar examinou a sala e aterrissou em sua companheira. Principessa Rina abraçou uma Teresa subjugada em uma cadeira próxima, enquanto Príncipe Tave estava ao seu lado. Mas era sua companheira que o mantinha extasiado. Não por causa da sua beleza ou da atração do Saber. Foi porque o resto dos guardas de Tave a cercaram quando ela se sentou em uma cadeira no centro da sala, mais de um tridente apontado para ela. Uma fúria que ele nunca tinha experimentado o bombardeou, o dragão mentalmente atacando-o com uma força surpreendente. Esta não foi a frustração que veio com a separação, mas uma raiva em seu cativeiro - com a ameaça de violência. Taulan respirou profundamente, o peito se expandindo e depois se contraindo. Exceto com cada inspiração, a largura de seus ombros aumentaram, esticando o tecido de sua camisa. A besta não ia ceder. Não até que sua companheira ficasse livre e a estivesse segurando firmemente em seus braços. Então ele a afastaria, a caçava um aries e a manteria a salvo daqueles que estavam na sala. Ninguém a ameaçaria de tal maneira nunca mais. Mas não só o cativeiro destruiu seu controle. Era o medo. Seu medo. O cheiro pungente agitou seu dragão em um frenesi e adrenalina bombeado através de seu sangue. A prontidão de uma batalha de um dragão o alcançou com aquele único olhar temeroso. Um olhar que se tornou um olhar fixo. Seus olhos brilhantes encheram os dele, as lágrimas nadando em suas profundezas, e então ela piscou tão rápido como elas apareceram. Ela fechou as pálpebras e respirou fundo também. Como se ela provasse o ar e procurasse seu

30


cheiro. No entanto, os seres humanos não conseguiam encontrar aromas como os Preor. Ainda o excitava para vê-la tentar. Necessidade e raiva lutaram, um tentando superar o outro até que ambos pulsaram dentro dele.

Leve ela. Revendiquia. Leve ela. Revendiquia. Muitas vezes as palavras repetiam, incitando-o a ir ao seu lado e fazer como desejava. - Jarek, o que significa isso? - A voz de Tave atravessou sua batalha mental e o atraiu de volta ao presente. O líder de Ujal olhou por eles para olhar para os dois homens que lhes tinham concedido entrada. Rhal? Erun? Jarek deve ter reconhecido a luta interna de Taulan porque ele apertou ainda mais o seu apoio até que Taulan quase dobrou sob a força do Mestre de Guerra. Ele amaldiçoou a exaustão persistente de suas feridas todo esse tempo atrás e o dragão rosnou em seu cativeiro continuado. Seria livre em breve. Ele tentou tranquilizar a besta. Logo. - Você está segurando a companheira de um Preor e a menos que você gostaria de lutar com um dos meus machos, você vai libertá-la. - Taulan ainda pode batalhar por ousar tocála. Quando sua companheira abriu os olhos uma vez mais, ela colocou seu olhar enervante nele. Havia tanto em sua expressão. Esperança. Mágoa. Devastação. Necessidade. - Não. - A resposta de Tave foi imediata, e ele se adiantou para ficar diante de Rina e seu filhote, como se temesse que Taulan ou Jarek causariam um dano a mulheres ou jovens. Nunca. - Eu estou segurando Lana Coburn. Ela tentou acessar o Ujal com uma identidade falsa e procurou assegurar uma posição ajudando os filhotes. Ela está escondendo a verdade, e eu conhecerei seu verdadeiro propósito aqui. - Tave olhou para sua companheira. - Vou saber por que ela tentou seqüestrar a realeza Ujal antes de ser julgada. - Tentou? - Jarek falou desde que Taulan não conseguiu. Ele conservou sua energia, engarrafou sua raiva, e esperou o momento para atacar. Ele poderia mudar rapidamente - ainda mais rápido do que Jarek - pegar Lana e partir. O Ujal perseguiria, mas enquanto Jarek não se juntar, ele poderia escapar com sua companheira.

31


- Pela a tentativa de seqüestro de um filhote real e subterfúgio. - A raiva se libertou, seu dragão correndo para a frente e rasgando o controle de sua mente. A besta tinha um anseio, um pensamento que repetidamente repetidas vezes em sua mente - Lana, companheira. O estalido de fios e vozes levantadas eram os últimos sons que ele ouviu quando o dragão tomou o poder, quando ele se transformou. Ele manteria Lana segura. Ou morreria tentando.

32


Lana não tinha tirado os olhos dele desde o momento em que o colocaram na cela ao lado dela. Seu enorme corpo transbordou a pequena cama, os ombros se estendendo para além da borda lateral e os pés pendurados no fundo. Suas roupas tinham rasgado quando ele tinha começado sua transformação, mas alguém o tinha vestido em uma blusa, o tecido agarrando a seu corpo musculoso apesar de seu grande tamanho. A única indicação que ele ainda vivia era a ascensão e queda gradual de seu peito, mas por outro lado, ele permaneceu imóvel. Mas isso não tinha sido o caso naquela sala. Aquele quarto onde ela foi forçada a entrar numa cadeira e interrogada. Porque eles tinham descoberto quem ela era - que ela tinha mentido. E depois de tudo o que aconteceu com o Ujal e Preor nos últimos meses ... Estúpida, estúpida, estúpida. Ninguém jamais disse que Lana era o lápis mais brilhante da caixa. Esse era o ditado, certo? Ela não conseguia se lembrar de tudo, de seus estudos históricos. Em um ponto, crianças da Terra coloridas com varas de cera e ... Ela balançou a cabeça. Agora não era o momento de se perder nas memórias. Ela tinha sido pesquisada mais adiante - "seqüestrado" a filha do príncipe aparentemente causou isso - e dentro de momentos de sair da água, ela foi arrastada para o casal que governava a Ujal na Terra.

33


Theresa chorou quando não lhe permitiram vir a Lana, mas as lágrimas não balançaram Tave. Lana permaneceu no lugar, interrogada, e cutucada. O único problema era que ela não tinha nada para lhes dar, e ela com certeza não iria admitir a verdade, a menos que ela precisasse. Ser batida e abusada por seu ex tinha sido ruim o suficiente. Não precisava que mais ninguém soubesse da sua estupidez. Ela não queria arriscar que ele a encontrasse. Quanto menos soubessem sobre ela, melhor. Além disso, havia essa coisa, aquela pessoa, continuamente em sua cabeça. Empurrou e empurrou e empurrou até que ela pensou que ela gritaria com o esforço para mantê-lo na baía. Mas ele - eles - se recusaram a ser esquecidos e. Gritava uma única palavra repetidamente: Saber, saber, saber. Lana fechou os olhos e esfregou as têmporas enquanto a chutava para o fundo de sua mente. Ela não sabia quem - ou o quê - era, mas precisava ficar sã para que ela pudesse descobrir uma maneira de sair de sua situação atual. Entre ela e ... Taulan? Eles estavam em uma panela grande de água quente. Ela teria "supostamente" sequestrado a filha do casal real enquanto também entrava na estação sob um nome falso, e ele tinha atacado praticamente todos os guardas da sala. Jarek - o Mestre de Guerra Preor disse a ela que Taulan estava tentando chegar até ela - para protegê-la. Então ele discutiu com Tave sobre seu tratamento, bem como os outros Preor até que eles foram trazidos aqui, para a versão da estação de uma prisão. E não importava o quanto Jarek argumentasse, ou o corpo de Lana gritasse, ela e Taulan não tinham permissão para estar na mesma cela. Então ela se sentou, olhando para ele, observando-o respirar mesmo que ele parecesse sem vida. Jarek explicou algumas coisas antes de ele ter sido escoltado da sala, mas não o suficiente. Taulan perdeu as asas naquele acidente no navio Preor há poucos meses. Ele tinha sido acusado de cuidar de Theresa, mas Preors não podia nadar. Era protetor das fêmeas que era por que tinha atacado.

34


Proteção de fêmeas. Lana pensou que havia mais do que isso. O Preor tentou mentir para ela, mas depois de seu tempo com Steven, ela podia detectar uma mentira com facilidade. Humano ou não, ela podia dizer. Agora esperava que Jarek voltasse. Ou para que Taulan acordasse. Ela não se importou enquanto o silêncio foi banido e as conversas de outra pessoa se livraram dos sentimentos opressivos que pesavam sobre ela. Seria um dos outros Preors batendo em sua cabeça? Um baixo assobio precedeu o raspar de metal em metal, e a porta para o galpão se abriu. Em vez de uma guarda Ujal ou Jarek, uma pequena mulher entrou. Uma fêmea? Ela não tinha certeza se o recém-chegado era Ujal ou Preor - talvez humano? - mas pelo menos não era um guarda vindo para aterrorizá-la um pouco mais. Então, novamente, todos os guardas a assustaram. Especialmente quando ela estava em uma gaiola, e eles estavam livres para fazer o que eles desejavam. - Olá. - A mulher fez uma pausa fora da cela e suavemente agarrou as barras. - Eu sou Nalan e você é Lana, certo? Ela assentiu e deu um passo lento para a frente. - Pelos astros, Nalan! - O ressoante e rápido golpe de botas de metal contou que outra se aproximou, e um momento depois, um Preor alado apareceu. - Eu disse ... Nalan acenou com a mão ao macho e caminhou para o seu lado, encostado no grande Preor. Eles estavam juntos? Ela só tinha ouvido falar de um punhado de casais Ujal humano e apenas um humano-Preor. - O que ela podia fazer, Evuklar? Ela está trancada atrás das grades como se ela fosse um criminoso comum. Nós tratamos as fêmeas melhor do que isto. - A mulher girou um brilho no macho maior e ele estremeceu. - Nalan, ela ... - Eu quero que ela seja libertada. - Ela chegou até a ponto de pisar seu pé pequeno. - Você sabe que Tave reivindicou a soberania. Ela... - Está aqui. - Lana disse. Ela estava com medo - aterrorizada - mas ela não seria deixada de fora de uma conversa sobre ela se ela podesse ajudar. - E você é? - Nalan corou, rosa corando suas bochechas, enquanto Evuklar olhou para ela.

35


- Desculpas. - a fêmea correu para fora. - Eu sou Nalan e este é meu companheiro, Evuklar, Mestre de Defesa da Terceira Frota Preor. - Nalan enfiou a mão entre as barras. - Os humanos apertam as mãos em saudação, sim? - Lana olhou para o braço estendido e depois se concentrou no rosto da mulher. Então notou sua decidida falta de asas. - Mas você é humana. Outro rubor. - Não, sou Preor. Como meu Evuklar e seu Taulan. – Dela quem? - Preor fêmeas não têm asas. Nós não somos dotadas com os dragões. Nós trazemos a harmonia a um repouso e o cuidado para dragonlets. Cabe a nossos machos defender e proteger-nos. - Uh-huh. - Ela se inclinou para frente e segurou a mão de Nalan. Ela parecia agradável o suficiente e a fêmea queria libertá-la. Ela não podia ser tudo ruim. Desde que fora subjugada pelo Ujal e atualmente residia atrás das grades - e fora do alcance de Steven - ela caiu de volta para seu nome. - Lana Coo-Coburn. Nalan sacudiu a cabeça. - Não, você é Lana joi Taulan Coburn. - Lana ergueu as sobrancelhas. - O quê? - Isso deu um suspiro. - Eu estou ficando à frente de mim mesma. Você experimentou o Saber, sim? - O Saber ... - Sua pergunta foi afogada por um gemido baixo da outra cela, e o ritmo cardíaco de Lana aumentou. Quase explodiu de seu peito enquanto a esperança guerreava com preocupação. Ela espiou ao redor do casal, lutando para a visão de seu Taulan. Seu Taulan? Lana sacudiu a cabeça. Ele não era nada dela. E ainda assim era. Não era ele ... o Deus Saber, sentia-se como se estivesse enlouquecendo de um lado para o outro, com o empurrão e o empurrão que passavam pela cabeça dela.Taulan abriu os olhos, ergueu a cabeça e deu-lhe um pequeno aperto. Um punhado de piscadas rápidas foi seguido por ele focando no casal. Por alguma razão, isso ... mágoa. Uma parte dela choramingou por não ser a primeira pessoa que ele buscava e fodesse se ela pudesse descobrir o porquê. Ela só queria ser a coisa mais importante em sua vida e mundo. Ainda assim não havia razão para se sentir assim, no entanto.

36


O Saber. Algo sussurrou em seu ouvido e uma certeza encheu seu sangue.

Que diabos era um Companheiro Saber? Essa mesma voz, essa mesma certeza. O Saber sinalizou a descoberta de companheiros de Preor e só se manifestou quando eles estavam em ... - Evuklar? Nalan? - Sua atenção bateu nas barras ao redor dele. Onde está La... - Seus olhares colidiram e ele saltou da cama, o braço estendido e os dedos com as pontas de garra alcançando-a. - Lana. - Ela se viu fazendo o mesmo, o desejo de tocá-lo, a pele na pele ou na pele em escamas. Ela não se importava. A sensação dele sob suas mãos a dominou até que ela foi impulsionada por esse desejo. Seus olhos cintilaram profundamente roxos por um momento quando ele não pôde alcançá-la e então ele agarrou as barras. - Deixe-me sair. - Taulan rosnou para Evuklar e o maior Preor não parecia nem um pouco assustado. - Taulan... - Agora. - Seu grunhido fez os cabelos em seus braços se levantarem, uma pitada de medo entrando em confusão com seu desejo por ele. Sua pressão sobre as barras reforçou até que seus nós dos dedos ficaram brancos e depois as barras ... ficaram vermelhas. - Agora. - Taulan. - A voz áspera era familiar, o tom e rudeza que lembra ela de um outro Preor ela se encontrou recentemente. Quando, logo antes de Taulan começar a sua mudança furiosa de duas pernas para garras. Tinha sido este recém-chegado que tinha subjugado Taulan. Então ambos foram trazidos aqui. Ela com algemas e ele sendo arrastado. Taulan foi distraído pelo macho de asas verdes, dando-lhe uma atenção inquebrantável. – Minha. - O silvo soou mais reptiliano do que o humano, e isso ressoou com algo dentro do coração de Lana. As lágrimas brotaram de seus olhos e ela alcançou Taulan mais uma vez, embora ela soubesse que o movimento era inútil. Ela era dele e ele era dela. Ela puxou a mão para trás enquanto sacudia a cabeça. Não, isso estava errado. Isso era ... O Saber. A informação gotejou para a frente com sua desatenção e ela descansou sua testa contra as barras. O metal frio acalmou um pouco do calor que percorreu sua cabeça e ela ofegou com a onda maciça de ... Saber.

37


- Jarek. - Outro assobio, o vermelho das barras se espalhando e ela percebeu que ele estava aquecendo-as. - Minha. - Os tons cortados que se seguiram foram a incorporação de força e aço sólido. - O suficiente. - Mas as ações de Taulan nunca vacilaram. - Fique de pé. Baixe. Guerreiro Primário.

Guerreiro Primário. Uma posição importante dentro do Preor militar. Ele era o comandante do navio quando o Mestre de Guerra não estava a bordo. Ele respondeu apenas ao seu Mestre de Guerra e nenhum outro. Era uma posição conquistada depois ... O Saber tinha interferido de novo. Taulan rosnou. - Jarek ... - Se você cessar, vou informá-lo das decisões que foram tomadas. - Eu não vou perdê-la. - Não. - Jarek balançou a cabeça. - Você não vai perdê-la. Mas por causa dela, você pode perder a Terra. - Todos os olhos se voltaram para Lana, suas várias cores pesando pesadamente sobre seus ombros. - Explique. - Agora era a vez de Taulan soar feroz e mortal. - Tave é muito protetor de Theresa e enquanto ele está disposto a admitir que as ações de Lana não foram uma tentativa de seqüestrar a princesa, ela ainda tentou se juntar ao Ujal usando falsa identificação. Ele não vai permitir que ela fique perto da estação e desde que Preor Tower é a sua casa atual e você não pode viver fora do complexo ...

Então eles teriam que ir para o espaço - para viver no navio. Um navio que continha cerca de dois mil homens, todos os guerreiros que se situavam no ranking de ... Ela aceitou a razão por trás do Saber, que talvez ela fosse companheira de Taulan, mas poderia parar de alimentar a sua informação já? A porta abriu novamente e fechou, Mais visitantes que se aproximavam deles. O que agora? Ujals familiar entrou em cena - Erun e Rhal - dois dos Ujals mais assustadores que ela já tinha visto. Lana se encolheu, colocando espaço entre ela e os machos. Barras não eram proteção suficiente desses dois. Taulan rosnou, o som mais besta do que o homem, e todos congelaram - Lana incluída. Como um, a atenção mudou para o Preor ainda capturado, para o vermelho dourado das paredes celulares. O brilho se estendeu para

38


fora e ela choramingou com um tendril de medo serpenteado em seu sangue. - Lana, você deve-se acalmar. - A voz de Nalan era suave e reconfortante. - O qu ... - Calma. - A mulher falou pelo lado de sua boca. - Ele é seu companheiro e ele está reagindo à sua angústia - o seu medo. - Companheiro? - Ela sussurrou. Havia conhecimento, o Saber, e então ouviu as palavras em voz alta. O olhar da meia-noite de Taulan capturou o dela. - Shaa kouva. - Shaa kouva. Duas palavras Preor. Minha querida. Ela pode não querer tudo o que o Saber tinha a oferecer, mas ela queria o estranho de cabelos escuros. - Shaa kouvi.- A voz de Taulan soou profundamente dentro do brigue. - Pelo tratado da terra eu reivindico a Lana Coburn como Kouva a Taulan sen Pavon, agora Taulan joi Lana, Guerreiro Primário à Terceira Frota de Preor.

39


Tantas mudanças, tão pouco tempo. Sua reivindicação lançou eventos em movimento que ele nunca previu. Sua única preocupação - quando ele tinha olhado para Lana através das grades - era garantir que ela fosse reconhecida como sua. Dele e não sob o controle da Terra. Ele não se importava com as acusações criminosas do Ujal e a razão por trás de seu nome alterado. Era o conhecimento que viria mais tarde. Naquele momento, seus pensamentos giravam em torno da felicidade e segurança de Lana - nenhuma das quais poderia ser garantida na Terra dentro de uma cela da prisão UST. Com um punhado de palavras, ele tinha assegurado seu futuro - um para ser gasto ao seu lado. Ao seu lado, no navio de batalha da Terceira Frota, que flutuava em órbita ao redor da Terra. Ao seu lado em seus novos aposentos e depois no convés de comando. Um deck de comando que em breve pertenceria a Taulan como Mestre de Guerra da Terceira Frota Preor. Taulan estava diante de uma escrivaninha familiar dentro do gabinete do Mestre de Guerra, perto do convés de comando. O metal marcado com cicatrizes tinha visto muitos Mestres de Guerra, e parecia que Jarek estava determinado a ver mais um - Taulan. Ele puxou sua atenção de Jarek e olhou para as estrelas cintilantes visíveis através do grande painel transparente. Os seres humanos chamaram-no uma janela, embora, na verdade, o navio não contem tais aberturas. Usou sistemas de

40


monitoramento para observar o ambiente e depois exibiu as imagens no casco. Um buraco em um navio de guerra? A idéia emitiu um tremor abaixo sua espinha. Agora ele sacudiu a cabeça pela centésima vez na última hora, ousando muito negando seu superior, mas repetiu a negação mesmo assim. - Mestre de Guerra Jarek ... - Simplesmente Jarek, agora. A decisão foi tomada. Fiz a minha nomeação e o conselho aprovou a minha escolha. Você será o Mestre de Guerra da frota. - Você tomou a decisão sem o meu consentimento. As asas de Jarek sussurravam com agitação. - Os militares não precisam de consentimento para recompensar seus guerreiros mais habilidosos. O rufar das asas de Jarek cortou Taulan a sua alma e trouxe seu foco para a verdadeira razão para sua recusa. Ele colocou os punhos na mesa amassada, os nós dos dedos descansando sobre o metal frio enquanto ele se inclinava para frente. - Os guerreiros não seguirão um Mestre de guerra. Não posso levá-los à batalha. Não posso ... - Quando foi a última vez que uma batalha alada aconteceu? Taulan arqueou uma sobrancelha. Não muito tempo atrás, vários Preors tentaram matar Jarek por causa de sua companheira humana e por ódio em sua missão. Muitos ainda acreditavam que Preors não deveria se reproduzir com humanos. Os criminosos que ainda viviam - por Jarek tinha enviado com vários - foram devolvidos a Preor. No entanto, ele sabia que não tinham encontrado todos aqueles que odiavam a aliança. Jarek bufou e Taulan sacudiu de surpresa. O sério e constantemente sério Mestre de Guerra bufou. Ele não tinha certeza se a mudança era boa para o macho, mas ele reconheceu que a causa era sua companheira humana. Uma companheira humana como a do próprio Taulan. - Diferente do ataque desonroso perpetrado por algumas filhotes, quando foi a última vez que ocorreu uma batalha alada?

41


Séculos. Taulan só tinha um pouco mais de duzentos anos sob as suas asas, mas o tempo era infinito e realmente tinha sido séculos - um milênio? - já que Preors tomou os céus para a batalha. - Independentemente disso, os machos não vão representar um Mestre de Guerra que não pode melhor em batalha. Jarek inclinou-se para a frente, combinando a posição de Taulan. Perder suas asas significa que você perdeu o juízo? Desafios são realizados com mãos e pés, não presas e garras. - O Mestre de Guerra estreitou os olhos. - A menos que você pretenda me dizer que você é muito fraco de corpo e alma para enfrentar qualquer desafiante. Ele sabia que a velha escama seca tentava picar seu orgulho. Ele não deveria se levantar para a isca, mas ele não conseguia se conter. Ele rosnou baixo, empurrando as palavras para além de seus dentes apertados. - Você sabe que é uma mentira. - Então prove isso. Prove para mim e para seus guerreiros que você é o homem que deve liderar. Ele apertou os lábios numa careta. - O que você pede ..

- É algo que para qual você treinou. Eu me aposento agora porque eu desejo gastar meus anos com minha companheira. Eu lutei - e ganhei - por Preor. Agora é hora de ter uma família e criar minhas próprias libélulas. O sorriso arrogante que derrubou os lábios de Jarek disse a Taulan que suas libélulas poderiam ser mais do que um simples sonho. - E sua companheira ...? - Ele levantou as sobrancelhas. - Fêmeas humanas... - o macho baixou a voz. – Experimentam uma aceleração a cada mês. Todo mês. Taulan se afastou bruscamente. Todo mês? - Você mente. Em vez de tomar as palavras como um insulto, o Mestre de Guerra - o Mestre de Guerra - sorriu. - Não, é verdade. - Ela podia ... - A mera idéia o cambaleou. As fêmeas Preor experimentaram uma aceleração uma vez, talvez duas vezes, a cada dez anos. Para que uma fêmea humana fique tão fértil ...

42


- Ela faz e todas as fêmeas humanas podem. - Os tons femininos os alcançaram e ambos se voltaram para a entrada do escritório. Eles assistiram Melissa, Lana, conversando com Nalan. Quando Lana sorriu, ele se viu espelhando a expressão. Jarek ainda não havia terminado. - Elas são o nosso futuro, Taulan. Depois de tudo o que aconteceu - depois de tudo o que meu pai fez - elas podem devolvê-lo para nós. Ah, o pai de Jarek. O macho que desenhou os sistemas que permitiram que as facções em conflito visassem fêmeas e libélulas. Seu pai era a razão de eles terem vindo à Terra em busca de companheiros. Era justo que o filho do homem mais odiado de Preor encontrasse a sua companheira primeira. Todos enfrentaram a adversidade durante a vida, mas nenhum tanto quanto Jarek - o macho que tinha um terrorista como seu pai e Jarek continuou. - Ganhar o amor de uma fêmea humana é o maior dom que um homem pode experimentar. Prender sua própria libelinha em seus braços é como vislumbrar a fonte das estrelas. - Uma grande mão caiu ao seu ombro. - Não desperdice a chance que você tem. Tome a posição, conduza esses machos, ensine-os sobre companheiros humanos e deixe-os aprender com vocês dois. - Mestre de Gue... - Jarek apertou seu aperto no ombro de Taulan e ele rapidamente se corrigiu. - Jarek, o que eles podem aprender com um Mestre de Guerra sem asas? - Eles podem aprender que uma mulher humana valoriza mais do que o tamanho de um homem. Que eles podem chegar a seus machos ferozes marcados de seu passado e ainda assim vocês dois ainda podem desenvolver um vínculo inquebrável. - O coração de Taulan gaguejou ao mencionar cicatrizes, e ele voltou seu foco de volta para Jarek. - A Lana está cicatrizada? O que você sabe dela? O quê ... - Jarek levantou a mão para parar o discurso. - Sua vida não foi fácil. Não havia muita informação, mas o pouco que o Ujal possuía revelava uma mulher que suportou muito, o que resultou em ter muito pouco. Sua mulher é uma lutadora. Ela não desiste facilmente. Ela é sua combinação perfeita, Taulan. Você pode duvidar que ela foi feita para você? E que as estrelas não lhe dariam mais do que você pode

43


suportar? - Ele suspirou, sabendo que as reservas que ele se apegou a eram apenas pequenas sugestões de desconforto e não verdadeiras objeções. - Você deseja que eu seja o Mestre de Guerra da frota, embora eu já não tenha asas. - O pensamento continuamente girou em sua mente. - Sim. - Não havia hesitação no lado de Jarek. Observando sua parceira sorrir para algo que Nalan disse, ele sabia que ele tinha apenas uma escolha. Ele não conhecia Lana na verdade, mas não tinha dúvidas de que eram feitos um para o outro. Eles foram feitos para estar juntos. Lado a lado e amando um ao outro até que o céu os chamasse para casa. E para mantê-la, protegê-la e amá-la, ele tinha que fazê-lo no navio ou em seu planeta natal. Eles não podiam fazer como Jarek e Melissa e fazer uma casa na praia de Tampa. Sua chance em um futuro feliz estava em um pedaço enorme de metal cercado por dois mil homens de Preor. Os homens que girariam olhos cobiçosos em direção á sua companheira não reclamada. Experimentar o Saber não era suficiente. Ele precisava amarrá-la a ele. Depois de passar horas negando Jarek, Taulan cedeu. - Muito bem. Aceito a posição. Jarek resmungou. - Boa. Farei um anúncio geral. Você está preparado para provar seu valor? - Provar seu valor. Ele quase bufou. Jarek tinha crença nele como fez o conselho, mas ainda ele tinha que provar-se a seus homens porque certamente haveria muitos que se opuseram à sua liderança. Jarek tinha suportado vários desafiadores, mas Taulan sabia que não estava perto do número que ele enfrentaria: - Sim, provarei meu valor. - Taulan encontrou o olhar intenso de Jarek. - E não reclamarei a Lana até que eu tenha feito isso. - Jarek lhe deu a garantia de que precisava. - Ela será uma mulher Preor por suas palavras sozinha, se não por ação. - Taulan assentiu. Boa. Pois ele não queria fazer de Lana uma viúva dentro de horas de reivindicá-la como companheira. Porque para provar a si mesmo aos guerreiros, ele teria que lutar contra todos os desafiadores.

44


De sem-teto para ... um tipo diferente de sem-teto, Lana supôs. Ela caminhou ao redor da sala, explorando sua nova prisão - er, casa. Ela ainda não entendia o que tinha acontecido na Terra. Claro, ela poderia deixar o Saber avançar, mas ela se recusou a deixá-lo alimentar suas respostas. Por agora, ela estava fora de uma cela, vestindo roupas Ujal e em um navio Preor. Em um navio Preor com seu companheiro e em seu – seu quarto. A suavidade suave das portas da suíte chamou sua atenção. Taulan atravessou o portal aberto, segurando uma grande caixa de papelão. O cenho franziu o rosto, as sobrancelhas abaixadas e juntas. Ele não remexeu seu olhar até que as portas silenciosamente se deslizaram atrás dele. Foi quando ele a procurou. O carrancudo olhar permaneceu, mas se iluminou quando seus olhos se encontraram. - Kouva – “amada” - Eu enviei guerreiros para a Terra para recolher seus pertences, mas isso é tudo o que eles descobriram no local. - Ele segurou a caixa para inspeção. - Você declarou que desejava que o conteúdo fosse recuperado e o veículo fosse reparado e doado para uma instituição de caridade ou destruído. Isso é tudo o que eles acharam dentro. Você forneceu as coordenadas corretas? Lana lutou para suprimir o embaraço em sua descoberta. Ela sabia o que encontraram. Foi uma das razões por que ela tentou falar com Taulan para não enviar ninguém para recolher suas coisas. Ela foi até ele e olhou

45


para dentro. Sim, exatamente como ela tinha suspeitado. - Parece que eles têm tudo. Ela encolheu os ombros e lutou para manter um rubor de manchar suas bochechas. Ela devia ter dito que não tinha nada. Em tudo. Que ela tinha sido burra o suficiente para confiar no cara errado e acabou na rua com algumas mudanças de roupas, um par de lembranças, e ao lado de nenhum dinheiro para seu nome. O nome dela? No final, ela nem sequer tinha isso. Ela pegou o recipiente e puxou-o de seu aperto. Ou tentou. - Eu disse que não havia nada que eu precisava no carro. - Ou queria. - Shaa kouva. - Ele murmurou as palavras e a tradução imediatamente encheu sua mente. O Saber avançou, ainda tentando se afirmar em sua cabeça. Mesmo que ela soubesse o que era, isso não significava que ela queria isso lá. Ele passou por ela e colocou a caixa no sofá. - Por que você tem tão pouco? Como você poderia ter tão pouco? A maioria dos seres humanos tem mais do que isso em uma idade muito mais jovem. Erun adotou o filhote Tabby e ela tem mais e ela recentemente adquiriu suas escamas. Não havia como negar essa verdade. Mas como era suposto dizer a um estranho próximo sobre sua estupidez e ingenuidade? Ela o seguiu e agarrou a borda, puxando-o de sua espera. - Eu decidi tentar um estilo de vida minimalista. Esse conceito não era realmente tão popular, mas quem se importava? O olhar que ele deu a ela só poderia ser descrito como triste e decepcionado. - Você mente, kouva. Lana engoliu sua negação instintiva e, em vez disso, raspou palavras para desanimá-lo. - Não é uma história que valha a pena contar. E seus pertences não valiam a pena ser mantidos, com toda a honestidade. Mas ela não conseguia fazer ela mesma atirar tudo. Ela puxou a pilha de roupas dobradas. Elas precisavam ser lavadas, mas pelo menos Taulan não teria que ir às compras para ela. Debaixo do tecido havia um par de pares de sapatos, incluindo tênis e outro par de saltos. Os que ela usava naquele dia estavam em algum lugar, embora não soubesse onde.

46


Ela colocou os sapatos de lado. Ela não podia andar descalça e ela não tinha dúvida de que as rudes prateleiras de metal no corredor rasgariam seus pés descalços. O Preor achou os caminhos ásperos úteis ao andar, mas as solas de Lana não eram tão duras. Por baixo ... A respiração dela ficou presa e engoliu um soluço. Eles a encontraram. Ela pensou que ela tinha perdido na confusão que sua vida tinha se tornado, mas deveria ter sido escondido em algum lugar no carro. Com as mãos trêmulas, levantou o medalhão de sua suave cama de pano. Não era nada especial, não era feito de ouro ou prata. O medalhão - um pedaço de metal composto niquelado - foi criativamente criado, mas bonito em sua simplicidade. Pendia de uma cadeia fina, os elos manchados pela sujeira e pela idade. Ele ostentava uma única rosa esculpida na superfície. Embora esculpida - depois de todos esses anos - era um termo que ela usava vagamente. Manuseio constante tinha suavizado a impressão, bem como as iniciais gravadas na parte traseira. No entanto, ela lembrou as palavras como se fosse ontem. Hoje. Amanhã. Para sempre. Sua mãe a amava hoje, amanhã e para sempre. A delicada escova de um dedo em seu rosto a sacudiu e ela chicoteou a cabeça ao redor. Encontrou Taulan segurando uma de suas lágrimas na ponta de seu dedo. Ela estava chorando? Lana deu um passo para trás, os dedos ainda agarrando o medalhão surrado. O último presente de sua mãe antes ... Antes dele. - Kouva, você não vai me dizer? Ela balançou a cabeça e afastou uma outra lágrima que ameaçava. Kouva. Amada. Poderia ela ser amada de alguém? O Saber sussurrou um sim fantasmagórico. Mas ela sabia a verdade. A verdade era não. Nunca. Ela não valia nada para ninguém. Por que ela deveria estar com Taulan? - Como eu disse, não é importante. Não é algo que valha a pena. Taulan não respondeu - apenas murmurou e voltou sua atenção para a caixa. Ele puxou um coelho de pelúcia maltratado, manchado, cortado e com um braço vazio de todo o enchimento. - Isso não vale a pena discutir? Parece quebrado. Eu deveria ter Tyff dispor ...

47


- Não. - Ela se afastou e agarrou o coelho contra seu peito. Era o único brinquedo que ela tinha conseguido salvar durante uma das raivas de seu ex. Ele sempre tentou destruir qualquer coisa que a fizesse feliz - qualquer coisa que despertasse um sorriso. - Então me diga por quê. - Ele apertou os lábios numa firma linha, a barra branca cortando seu rosto sob seu nariz. Dizer-lhe por quê? Dizerlhe por quê? Porque ... Porque a vida não era justa. Não para os feridos e quebrados, e não ajudava ninguém que não ajudasse a si mesmo. Ele se aproximou até que quase nenhum espaço os separava. Até que seu cheiro a cercasse e sua força oprimisse seus sentidos. - Diga-me, kouva. - Lana fez um último esforço para reorientar sua atenção. - Por que você não me diz... - Sua grande mão segurou sua bochecha, mais lágrimas desaparecendo com seus suaves traços. - Digame.- Se alguém lhe tivesse dito que os guerreiros de Preor podiam ser gentis, ela os chamaria de mentirosos. De jeito nenhum, homens tão maciços, tão mortíferos e perigosos, tinham um toque tão delicado. Mas Taulan podia ... E ela não podia deixar de fazer o que ele pedia. Porque sua voz era suave, seu toque ainda mais suave e seus olhos ... O olhar em seus olhos pediu-lhe para confiar nele, para colocar sua confiança em suas mãos. - Não é uma história bonita, Taulan. - O carinho de "shaa kouvi" saltou para seus lábios, o Saber empurrando-a para aceitá-lo, mas ela o empurrou de volta. Ela tinha sua própria mente, seus próprios pensamentos. Ela não seria controlada por alguma estranha coisa alienígena. - Há sempre partes escuras da vida de uma pessoa, shaa kouva. Cabe a mim, como seu companheiro, assegurar-lhe que o passado é imaterial. Estamos aqui agora e juntos. Hoje, amanhã, e até que tomemos nossos vôos finais. - Lana se inclinou para frente, os dedos enrolados em torno do medalhão e sua outra mão segurando seu brinquedo. Os pesos familiares eram um conforto e uma mágoa combinada. Ela pressionou sua testa no peito de Taulan, tomando consolo em sua proximidade. Seu calor a impregnava, aquecendo-a de dentro para fora. Ele queria sua história, queria a verdade.

48


- Meu ex ... - Seu ex era um monstro. O epítome do mal, a razão para cada lampejo e a causa de cada lágrima. Taulan passou seus braços em torno de sua cintura, e ela se inclinou ainda mais perto até que seus corpos estavam nivelados. A presença do Saber assegurou-lhe que Taulan realmente era seu companheiro - seu. Isso fez tudo bem dar tanto a um estranho perto? Aparentemente, sim. Então, novamente, eles estavam se conhecendo, certo? Isso tinha que ser parte dela. Pena que eles não poderiam ter começado com uma história mais fácil. Quem ela estava enganando? Nada era fácil. - Diga-me. - Tão fácil, mas tão difícil. - Meu ex, essas coisas, meu passado ... Eles são um e o mesmo. - Ela respirou fundo, saboreando seu cheiro aquecido e usando sua proximidade como força. Força para tirar as palavras, falar de coisas que ela nunca revelou. Não para aqueles que ela tinha pago por uma nova identidade e ninguém em sua vida antiga. Enquanto Taulan a abraçava, a consolava sem palavras, Lana fechou os olhos e contou sua história: - Eu tive uma boa infância. - Uma grande infância . Pais amorosos, amigos e um futuro brilhante. - Eu era boa na escola e quando me formei, fui para a faculdade. - Longe, longe de casa. - Lá, eu conheci Steven. - Taulan rosnou, mas em vez de medo de ultrapassá-la, um calor curioso permeou seu corpo. Seu indício de ciúme era o mesmo que ela tinha experimentado no passado e ainda ... diferente. Ela não tinha medo dele - do que ele faria. Pelo menos, não para ela. – Tudo começou com pequenas coisa. “Use seu cabelo assim" Ou "Nunca use isso de novo, é feio." - Ela não tinha visto isso então. Mesmo quando seus amigos lhe disseram que Steven era um idiota. - Eu era feia. Eu era feia a menos que eu o ouvisse. Eu era feia a menos que eu me vestisse como ele gostava e usava minha maquiagem apenas assim. Eu era feia se ... - Esses velhos sentimentos levantaram suas cabeças e empurraram para frente, tentando alcançá-la - banir a pequena auto-estima que ela tinha conseguido encontrar. Ela engoliu em seco e empurrou suas palavras de lado. - Você nunca poderia ser feia se você tentasse, shaa kouva. - Um rosnado tingiu seu tom. - Nunca. - E quando ele disse essas palavras, ela acreditou nelas. Da cabeça aos pés e em sua alma, ela acreditou nele. - Foi assim que começou e continuou por quatro anos. Quando ganhei meu diploma, eu ... - As lágrimas picaram seus olhos e ela piscou para trás, empurrando-os de lado quando eles ameaçaram dominá-la. - Eu não tinha amigos. Eu dificilmente conversava com meus pais e eu tinha mudado meu

49


curso assim que nós teriamos cada classe junto. - Exceto aquelas poucas. Aqueles poucas que lhe permitiam ganhar dois diplomas, que a deixassem qualificar para fazer o que ela amava. Ele a deixou pensar, deixou que seus pensamentos vagassem e torcessem até que ela voltasse a falar. - Nós nos mudamos juntos depois da formatura, e isso aconteceu... - ela engoliu a bílis que ameaçava. - Ficou muito pior. - Lana transferiu seu coelho para a outra mão e estendeu a mão para acariciar sua bochecha. Se ela pressionasse o suficiente, ela podia sentir o cume do osso. Ele nunca foi completamente curado corretamente. E seu nariz. Isso, pelo menos, fora tratado por um cirurgião plástico. Sua bochecha não a tinha feito parecer feia, então Steven salvou-se das perguntas e do agravamento e simplesmente nunca a levou ao médico. Seu nariz embora ... Ele tinha que olhar para ela todos os dias. Ele precisava de algo bonito na mesa da sala de jantar. - Ele começou a empurrar. Apenas me empurrando de lado quando discutimos. Ele tentou me intimidar com seu tamanho e ele .... - seu intestino apertado - ... funcionou. Eu desisti. Eu não empurrei. Eu não discuti. - Este Steven morrerá. - O tom disse a Lana que ele não estava brincando. - Não - ela balançou a cabeça e acariciou-o. - Eu não quero que você vá perto dele. Até mesmo pensar sobre ele depois de hoje. Já terminou... No momento em que eu estava pronta para sair - ...quando ele cruzou a linha que eu nunca poderia perdoar, ele tinha escolhido meu trabalho, minhas roupas, meu carro. Ele me dava dinheiro se eu pedisse e então me fez dizer a ele aonde cada centavo era colocado. - E Deus a perdoasse se ela não pudesse explicar cada um. A tensão encheu o corpo de seu companheiro, seus músculos e ossos vibrando com a violência suprimida. E ela reconhecia os sentimentos pelo que eram. Ela estava em sintonia com ele e sabia que ele desejava a morte de Steven. Ela também. - Perdi dez centavos uma vez... - ela soltou uma risada pesarosa. Ela se lembrava de cada soco. - Foi quando ele quebrou a bochecha - O que aconteceu quando você colocou esses centavos fora de lugar? Um para cada centavo. - O calor rolou sobre ela e ela soube que veio de seu companheiro, sua raiva o fazendo crescer quente. - Vou caçá-lo e matá-lo. Lentamente. - Deus, ela queria isso.

50


- Não. - Ela desenhou pequenos círculos em seu peito e então colocou sua palma sobre seu coração. Seu olhar se elevou até que seus olhos se fecharam. - Está feito. Acabou. - Shaa kouva. - ele segurou sua bochecha. - Ele ainda te causa dor e os danos cicatrizando em sua alma. Ela nunca mais terminará. - Ela sabia disso melhor do que ninguém. - É melhor, então. - Ele escovou seus lábios em sua testa e ela se acostumou com a carícia. Era melhor. - É o fim da sua história? Se fosse apenas isso. - A última vez ... - Ela engoliu em seco, lembrando-se da surra. - Eu conversei com minha mãe. Ela estava fazendo planos para me ajudar a deixá-lo. - Ela baixou a voz para um sussurro rouco, a dor lembrada tornando difícil falar. - Ele descobriu. - Diga-me. - ele sussurrou contra sua pele, sua respiração quente abanando seu rosto. - Quatro costelas rachadas, braço quebrado, três dedos quebrados. Ele tinha se divertido quebrando um por um enquanto ela assistia e gritava. - Mais contusões do que qualquer um poderia contar. - O aperto de Taulan se apertou com cada uma de suas palavras. - Onde. Ele. Está? - Ela gostava dele pelo sentimento. - Não importa. Ele não faz parte da minha vida, das nossas vidas. - Ela suspirou. - Ele pensa que eu estou morta e ele fugiu com o assassinato. A polícia o interrogou - segurou-o - enquanto eu chegava longe, muito longe. - Ela lembrou-se das noites cheias de dor, dos dias exaustivos e das horas que ela gastava drogada na parte de trás de algum carro do meio estranho. - Eu o odeio? Sim. Eu ainda hesito e tenho pesadelos? Sim. - Ela respirou calmamente. - Mas ele não governará minha vida. Meu passado não governará meu futuro. - Ela esfregou a orelha de seu coelho. - E essas são memórias da minha infância. Quando eu estava feliz e amada. Tudo entre então e agora ... - As lágrimas picaram seus olhos. - Tudo entre então e este momento não importa. Cada lágrima, cada choro, cada dor ... Com seu toque, sua presença, não importa. - Os olhos dele olharam os dela, como se ele procurasse uma mentira, e então ele finalmente empurrou a cabeça em um aceno de cabeça. - Como você diz. Mas ainda vou matá-lo.

51


Taulan mataria este Steven lentamente, dolorosamente, e sem hesitação. Talvez ele pudesse colocar o macho em estase para cura algumas vezes para tirar a tortura. Ele sabia muito sobre a dor, e mostraria a esse ser humano a amplitude de seu conhecimento. Por enquanto, ele a abraçou, sua kouva se encaixou perfeitamente em seus braços, e absorveu suas palavras. De sofrer tanto por tanto tempo. Estar só por tudo isso ... Ele não sabia como sua companheira sobreviveu. Lana se agarrou a ele, e ela finalmente permitiu que suas lágrimas caíssem. Eles encharcaram sua camisa, mas ele ainda sentia sua força interior. Ela era feroz e poderosa - não apesar de seu passado, mas por causa disso. E ele estava maravilhado com ela. Puro temor. Ele empurrou para o lado sua fúria, não querendo permitir que ele manchasse este momento ainda mais. Sua companheira mostrou força e faria o mesmo. Ele mostraria á sua companheira que ele ainda se importava com ela e que o homem desonroso não mudava seus sentimentos por ela. Nada poderia mudar seus sentimentos por ela. Taulan tomou uma chance e passou um beijo em sua têmpora, respirando seu cheiro. Ele não tinha certeza de quando - se - ele tivesse esse momento novamente, então ele pressionou sua vantagem. Sua pele era macia contra seus lábios, como a seda da Terra. Ele saboreou as curvas de seu corpo alinhado com o dele e a maneira que pareciam se encaixavam.

52


O Saber fluía entre eles, lembrando-lhe que estavam destinados a estar juntos - feitos um para o outro, apesar da distância entre seus planetas. Ela suspirou e caiu contra ele, dando-lhe ainda mais do seu peso, e ele nunca tinha experimentado tanta tentação em sua vida. Ele sabia que sua companheira havia descoberto sua alma, mas seu corpo se recusou a aceitar essa verdade. Ele só conhecia o desejo que brilhava para a vida com sua proximidade, com cada respiração suave e cada toque suave de seus dedos em seu peito. Ele endureceu, seu eixo se enchendo quando a sua necessidade por ela floresceu. O fogo de seu dragão acendeu a vida, seu calor interno crescendo a cada respiração. O Saber os amarrava juntos, sua presença anunciava sua conexão, e agora seu corpo exigia a companheira - Lana. Mas ainda não. Ele não era um dragão insensível que se importava só com ele. Ele não era um macho que abusava de mulheres ou se aproveitava delas como aquele Steven. No entanto, seu corpo não se lembrava desse fato e decidiu que queria seduzi-la. Esfregando os dentes, ele acariciou cuidadosamente sua companheira, um braço restante contra ela Enquanto o outro se apoiava nos joelhos. Exceto, antes que pudesse afastá-la de seu corpo e colocar espaço entre eles, Lana notou sua excitação. Ela congelou no lugar, sua respiração pegando com um pequeno suspiro, e Taulan se amaldiçoou. - Shaa kouva, ignore essa parte de mim. Temo que sempre te deseje quando estiveres perto. Ou mesmo se estamos separados. Não posso imaginar um momento em que eu não queira reivindicá-la. - Ele soou como um Preor de antigamente. Além disso, ele não tinha decidido que ele não iria reclamar Lana até que ele tinha satisfeito cada desafiador? Lana lançou-lhe um olhar de olhos arregalados, os brancos facilmente visíveis ao redor de suas íris. - Você ... Mesmo ... - Você é minha companheira, minha amada. - ele murmurou e lutou para ignorar a pulsação insistente de seu comprimento. - Meu coração é seu até o fim dos tempos, shaa kouva. Foi perdido para você no momento em que você amaldiçoou minha estupidez. - Ele sorriu quando um suave blush manchou suas bochechas. - E ainda será seu quando tomarmos nosso vôo final.

53


Ele esfregou pequenos círculos na pele acima do joelho e ela estremeceu em resposta. Mas algo mais o incomodava. Algo sobre sua surpresa. Ele franziu o cenho, as sobrancelhas abaixadas e juntas. - O Saber não lhe disse isso? Jarek me disse uma vez que a conexão não é tão forte quanto um puro Preor, mas que sua Melissa ainda é capaz de acessar a totalidade da memória genética Preor. Simplesmente demora um pouco mais. - As lágrimas se foram e sua surpresa se transformou em arrependimento e ela estremeceu. - Shaa kouva? - Eu ... Você tem que entender ... Eu não queria ... - Seu ritmo cardíaco aumentou, o músculo batendo tão alto que o ouvido de seu dragão pegou o baque constante. - Lana? O que você tem preocupado? O Saber ... Ela lambeu os lábios e mordiscou o inferior. - Eu ... eu o bloqueei. Tipo ... Eu não - ela balançou a cabeça. - Eu nunca quero ser forçada a fazer algo de novo e a pressão apenas pressionado em mim. Eu pensei que era algum alienígena ou algo assim e eu lutei tanto para ganhar liberdade. Eu não queria que fosse tirado de mim novamente. Supressa o segurou imóvel, sua mente incapaz de dar sentido a suas palavras. Pelo menos, a princípio. Então foi seu coração que ameaçou estourar de seu corpo. - Você rejeitou o Saber? Taulan nunca tinha ouvido falar de tal coisa. O que isso significava para ele? Para eles? - Nem tudo. Algumas coisas dele ainda vieram. - Os olhos vermelhos se encontraram com os dele e ele odiava a trilha de lágrimas que manchava suas bochechas. Ela colocou a palma da mão sobre seu coração. Não onde o coração de um ser humano pertencia, mas onde o coração de um Preor poderia ser encontrado. Então ela recitou duas palavras que ele tinha desejado ouvir toda a sua vida. - Shaa kouvi. Seu pênis de alguma forma endureceu ainda mais, seu eixo agora capturado pela prisão de suas calças. Procurando pelo o calor molhado de sua companheira, procurando a finalização de seu acasalamento. Mas não podia. Ainda não. Possivelmente nunca. Ela merecia muito mais do que um homem sem asas e inútil. - Essas palavras são tudo o que você aprendeu? - Lana sacudiu a cabeça.

54


- Não, outras coisas aconteceram. Eu afrouxei a preensão e parei de empurrar tão duro para que ele possa vir para a frente. Mas ... - Seus olhos se encontraram com os dele. - Mas eu sei o suficiente para confiar no Saber, para aceitar que você é meu companheiro e estamos destinados a estar juntos. - Ela suspirou. - Com tudo o que aconteceu com Steven, eu deveria chamá-lo de mentiroso. Mas agora ... Agora eu sei que há tantas coisas que os seres humanos não entendem. O problema com o nosso mundo é que aqueles que não entendem não querem entender. - Não é mais o seu mundo, Lana joi Taulan Coburn. - Ele nunca se cansaria de dizer aquelas palavras. Assim como repetia constantemente seu novo nome. Taulan joi Lana Coburn. - Eu serei sempre da Terra. - Sim. - Ele assentiu. - Mas você não é mais do planeta Terra. Você se tornou Preor no momento em que deixamos a prisão Ujal. Eu reivindiquei você, kouva. Não importa o que os dias à frente trazem, você será eternamente uma fêmea Preor. - Ele passou os dedos pelos cabelos dela, saboreando a corrediça de seda das cordas. - Não importa o que o futuro mantenha, estará dentro da preensão do Preor. Nenhum outro pode tocála agora. - Ele capturou seu olhar com o dele e segurou-o. - Ninguém, shaa kouva. E se alguma tentativa, eles morrerão no final da minha lâmina. Qualquer restante tensão em seu corpo fugiu com suas palavras. Ele não tinha percebido que sua companheira era tão sanguinária. Ele poderia enunciar cada método de matar se ela gostasse disso. Faria tudo o que pudesse para fazê-la feliz. Lana estendeu a mão para ele, as pontas delicadas de seus dedos refletindo em seu rosto. Ela riscou sua sobrancelha, o comprimento de seu nariz e então esboçou seus lábios. E durante todo esse tempo ele lutou pelo controle, por alguma medida de força que o impediria de atacar sua companheira ignorante. Se ela continuasse, ele a reclamaria e não era tempo para isso. Ele não iria transmitir a dor da separação sobre ela. Ele nunca faria nada para prejudicá-la. Se ele cair durante os desafios e tomar seu último suspiro ... a agonia seria quase insuportável. Ele buscou paz dentro de sua mente, lutando por uma calma que parecia apenas fora do alcance. E durante sua desatenção, ela atingiu. Não, ela não o atingiu fisicamente. Ela fez muito, muito pior.

55


Ela trouxe seus lábios para os dele. O primeiro toque era meramente uma escova cuidadosa da boca na boca, mas depois disso veio mais. E desta vez ele só podia culpar a si mesmo. Pois a primeira carícia não era suficiente. Nem foi a segunda. E na terceira, ele não podia deixar de tomar um pequeno gosto de sua doce pele. O calor dela queimou-o como o fogo do dragão e o cheiro que lhe fazia cócegas no nariz o fez lembrar de casa e felicidade. Ele segurou suas bochechas, inclinando a cabeça para que ele pudesse explorá-la mais e então ... então ele fez. Ele passou a língua por seus lábios, lambendo a abertura de sua boca antes de mergulhar profundamente e reunir seus sabores. Doce e esfumaçado, o complemento perfeito para um dragão. O companheiro perfeito para um dragão. Seu eixo revirou, tentando quebrar livre dos confins da tela. Ele rosnou baixo, frustrado por não poder se afundar nela, que não podia transferir seu cheiro para seu corpo. Lana choramingou e gemeu, balançando a bunda como se implorando por mais e ele gemeu em resposta. Ele desejou nada mais do que afundar nela uma e outra vez até que ambos gritassem com o prazer de libertação. O cheiro almiscarado de sua excitação provocava seu nariz e sua boca estava molhada. Ele lamberia a sua nata, saboreava cada gota salgada e explorava suas profundidades íntimas. Ele iria encher sua buceta com seu pau, fodê-la uma e outra vez até que ela carregasse os seus dragonlets. Até que ela estava tão ligada a ele que nunca o poderia deixar. Nunca deixar um macho sem asas. Um macho sem asas. Ele era um macho Preor sem asas que tinha acabado de ser confirmado como o novo Mestre de Guerra da frota. Ele lutou para obter sua respiração sob controle, mas cada inspiração trouxe a Taulan mais do aroma celestial de Lana. Talvez ele pudesse saboreá-la alguns minutos mais. Ele se deteria antes que ele a reivindicasse. Ele faria isso. Por enquanto ... Taulan agarrou seus quadris e mudou de posição até que ela se deitou debaixo dele no sofá. Ele estava agradecido a Jarek por ter insistido no mobiliário de inspiração humana. Especialmente porque agora ele mantinha sua companheira presa na superfície almofadada. Ele se instalou entre suas coxas espalhadas e capturou sua boca mais uma vez, provocando sua língua e chupando-a em um ritmo sem idade. Ele lamberia sua pele, acariciaria cada centímetro de seu corpo, e quando ela gritasse por ele, ele iria afundar nela em um impulso feroz. Por agora, ele balançou seus quadris, executando o comprimento de seu pênis

56


ao longo da fenda dela coberta de pano. Seu calor o chamuscou e a umidade almiscarada disse-lhe que sua companheira estava mais do que preparada para sua posse. Pelas estrelas, desejava poder pegá-la. Ele não podia levála, mas ele podia satisfazê-la. Dê-lhe tanto prazer até que ela esquecesse os horrores de seu passado e em vez disso se focar em seu futuro juntos. Taulan levantou os lábios dela, mentalmente sorrindo quando ela choramingou com a perda. - Paciência, shaa kouva, paciência. - Ele levantou seu peito dela, seu pau ainda aninhado entre suas coxas. - Taulan. - ela gemeu. - Deixe-me te amar, shaa kouva. Deixe-me provar você, explorá-la. Sua boca molhada, já doendo para enterrar sua cabeça entre suas coxas espalhadas. - Deixe-me fazê-la voar. - A indecisão e a necessidade guerreavam em seus traços. Sua kouva o queria, mas ela ainda não tinha certeza dele. Ele abaixou a cabeça para um beijo mais suave e sussurrou suas últimas palavras contra seus lábios. - Confie em mim, confie no Saber. Basta confiar, shaa kouva. - Ele sabia que ele não pediu uma coisa pequena, mas ele ainda implorou. Ele se afastou, reunindo sua expressão séria, e ele quase rugiu em triunfo quando ela finalmente falou. - Sim.

57


Podia ser um erro, mas ela se repetiu. - Sim. O rebocador profundo da alma, a atração que a incitava a cair nos braços de Taulan era muito grande para resistir. Sua vagina doía, clitóris latejando com um desejo por seu toque, e ela sabia que estava molhada. Seu corpo se preparou para sua posse, sua reivindicação final. Mas ele mencionou degustação ... Taulan permaneceu duro e firme contra a juntura de suas coxas, seu pênis embalado por sua buceta, e ela rolou seus quadris em uma tentativa de aliviar a dor que a consumia. Ela desejava seu toque, a sensação de seus dedos - melhor ainda, sua boca - sobre ela. Seu corpo estremeceu, ondulando com desejo inabalável para ele - seu companheiro. Havia pouca coisa a ganhar com a negação contínua dela. Seu corpo ansiava por ele e sua mente estava cheia de pensamentos sobre ele ... só ele. Seu gosto, seu toque e sua mera presença. Era o suficiente para deixá-la louca de desejo. Seus olhos se encheram nos dela, os orbes escuros pareciam ver tudo sobre ela. Seu passado, sua dor, cada mágoa que a assaltava, e cada segredo em seu coração. E ela ... ela não estava preparada para ele saber tudo, conhecer as verdadeiras profundezas de tudo. Tinha se descoberto tanto quanto ousava. Mais poderia vir mais tarde. Muito tarde. Por agora ... Por agora, ela plantou um pé na almofada e usou-o como alavanca. Ela o usou para se arquear contra ele, para aumentar a pressão até que seu profundo gemido vibrasse através de seus nervos sensibilizados.

58


As vibrações tocavam cada polegada dela, rastejando em seu sangue e zizaguiando através dela como relâmpagos. Ela gemeu com aquelas novas sensações, corpo clamando por mais. - Taulan - gemeu ela. Pediu mais, expôs-se e estava preparada para dar-lhe tudo. Ele poderia levá-la a qualquer momento agora. - Paciência, shaa kouva. - ele murmurou e deu-lhe um suave escova de seus lábios sobre os dela. - Você me deu esse presente e eu desejo saboreá-lo -saborear você. Então ele passou a fazer exatamente isso. Lábios quentes se moviam ao longo de sua mandíbula, salpicando-a com beijos em sua pele sensibilizada. Ela corou quente, os nervos acendendo com seu gentil carinho. Seus seios ansiavam por suas mãos, seus mamilos duros e seixos. Ele disse que a provaria. Ele beijaria e mordiscaria os mamilos? Ela rezou para que sim. Ele continuou sua viagem, lábios fantasma ao longo da coluna de seu pescoço. Ele a acariciou e mordiscou o lóbulo da orelha com os dentes antes de seguir em frente. Esses beijos choviam em sua clavícula e depois descem pela curva superior de seu peito. Ele riscou o decote de seu top. O material fino e confortável de Ujal deu lugar ao puxão suave de Taulan, mostrando mais de seu peito ao seu olhar. Os montes de seus peitos cremosos vieram à vista, seus mamilos quase expostos ao ar fresco da sala. - Olhe para a recompensa ante de mim. - Ele mudou de peso e alterou sua posição até que ele se ajoelhou entre suas coxas. Agora ambas as mãos brincavam com seu corpo febril. Ele puxou o pescoço da parte superior apertada mais uma vez até que seus seios saíram livres do tecido restritivo. O Ujal sabia como fazer roupas que eram confortáveis, não precisava de um sutiã para fazer seus peitos parecerem bonitos, e era de fácil acesso. - Bonitos. - Ele agarrou os montículos gordos e gentilmente amassou sua carne. Seus polegares rastrearam seus mamilos, massageando-os suavemente antes de beliscar os mamilos. Ela arqueou em seu toque, a picada de dor aumentando o prazer percorrendo suas veias. Ela doía de desejo, corpo tremendo com a necessidade de mais. Mais de sua boca, suas mãos, seu ... tudo.

59


- Shaa kouvi. - Ela não tinha certeza se ela disse o carinho em voz alta, mas parecia estimular suas atenções. Ele se inclinou sobre ela, capturando seu mamilo entre seus lábios e depois seus dentes. Ele mordiscou e beliscou-a, a sucção atraindo o peito dela para a boca enquanto suas mãos ... continuavam sua própria exploração. Ele a distraía com suas atenções ao peito e ela se perdia nessas sensações. Só para ser trazida de volta quando seus dedos encontraram a cintura de suas calças. Ele provocou a borda, os dígitos mergulhando sob o tecido elástico com facilidade. Ele enganchou seus dedos e então, puxando o tecido lentamente abaixo seus quadris. Ela ergueu a bunda, dando-lhe mais espaço para trabalhar. Ela queria que sua roupa fosse, queria senti-lo contra ela da maneira mais íntima. Sua boceta doeu com antecipação, seu clitoris apertando com impaciência. Taulan soltou seu peito com um pop suave e ergueu a cabeça mais uma vez. Ele se recostou, sentando-se nos calcanhares enquanto ele puxava as roupas. Ao seu impulso, ela ergueu as pernas, movendo-se e reposicionando até que ele foi capaz de puxar as calças para baixo suas pernas e fora. Ela estava deitada para ele, seu corpo exposto ao seu olhar. Ela se perguntou se ele iria encontrar uma falha em seu corpo, com suas curvas. Quando seus olhos brilharam ainda mais, ela achou que estava feliz com sua forma. Suas mãos deslizaram sobre ela, começando por suas coxas externas e deslizando sobre ela Quadris e, em seguida, rastreamento sua cintura. Ele continuou, as palmas das mãos deslizando acima de suas costelas antes de segurar seus seios. Então ele inverteu o processo, sua carne áspera fazendo cócegas em seus nervos. Aquele simples toque, aquele toque simples e excitante, a aproximou da borda. O desespero por ele zumbiu em suas veias, seu corpo desejando o dele como se estivesse morrendo de fome. Necessidade a levou a mover-se, a rolar os quadris quando ele mais uma vez os embalou em suas mãos. - Taulan. - Ela não se incomodou tentando suprimir seu lamento. O ar fresco do quarto banhou sua vagina latejante e ela sabia que ela estava molhada para ele.

60


Se ao menos ele acariciasse os seus lábios sexuais, desliza-se o dedo pela costura e explora-se as suas profundidades sensuais. Em vez de seguir em frente, suas mãos permaneceram no lugar, seu apoio se movendo até que seus polegares brincavam no topo de seu montículo. Ele desenhou círculos pequenos em seus cachos curvados, o deslocamento de carne massageando suavemente o clitóris oculto: - O que você gostaria, shaa kouva? - Ele murmurou, suas palavras não mais do que um grunhido profundo. - Toque em mim. - Ela queria seu toque , Sua boca, seu pênis. Ela estava pronta para o último passo? O laço que formaria um vínculo inquebrável? Não, ainda não. Ela não tinha certeza de que ele também queria. Ele só mencionou degustação ... - Assim? - Ele riscou seus lábios inferiores com seus polegares, delicadamente separando-os e, em seguida, pressionando-os juntos mais uma vez. Foi uma massagem provocante. Uma que a deixaria louca se ele não saciasse seu desejo. - Não. - ela balançou a cabeça. - Mais. - Você deve me dizer, amada. - Olha fixo, ela jurou que suas íris mudaram de forma. Como se seu dragão tentasse se libertar. - Você deve dizer as palavras e me dizer como eu posso te agradar. Dizer as palavras. Ele não pediu muito. Ela abriu as pernas e balançou os quadris, movendo-se com as mãos enquanto procurava mais. - Toque-me. - Onde? Ela engoliu em seco e forçou as palavras passando por seus lábios. Minha buceta. Ele traçou a costura úmida com um polegar enquanto ele brincava com a borda superior de sua fenda. Apenas círculos delicados que ameaçavam deixá-la louca. - É aqui que você me deseja? Em sua boceta? - Sim. - ela sibilou. Seu polegar mergulhou mais fundo, rastreando sua umidade interior com um toque suave. - Eu quero que você toque minha buceta. Faça isso. - Ele fez o que ela exigiu, examinando suas dobras femininas. - Porra. Esfregue meu clitóris. Me foda ...

61


- Foder o quê? - Lana tremeu, alcançado por sua excitação. - Merda. - Ela estremeceu, sua boceta apertando e parecendo implorar por sua posse. Sim, era isso que ela queria. Ele, duro e profundo. - Foda a minha boceta com os dedos. Esfregue meu clitóris e foda minha boceta. Ela ofegou e então gemeu, seu companheiro fazendo exatamente como ela exigiu. O polegar atormentador encontrou o feixe de nervos com facilidade e esfregou o monte suavemente enquanto sua outra mão era qualquer coisa menos gentil. Ele infalivelmente encontrou sua abertura e empurrou dois dedos profundamente em seu centro. Ele os empurrou para dentro e para fora dela, seus dedos contundentes rastreando suas paredes internas. Ela balançou seus quadris, encontrando seus impulsos e reunindo o prazer que ela podia de suas atenções. - É isso que você desejava, shaa kouva? Meus dedos. - Ele se inclinou e pressionou um beijo duro em seus lábios antes de se afastar. Então ele sussurrou aquelas palavras eróticas contra sua boca. - Você queria ter meus dedos em sua boceta? Você desejou que eu fodesse você? - Lana soluçou e assentiu. Isso era o que ela queria, o que ela desejava acima de tudo. - Sim. Por favor. Mais. - Você quer minha boca, amada? Você quer que eu prove o seu gozo? - Ela apertou em torno de seus dedos, vagina dizendo mais do que as palavras jamais poderiam. - Eu acredito que você faria. - Ele não deu tempo suficiente para dizer outra palavra ou protestar contra seus movimentos repentinos. Porque um minuto ele se ajoelhou entre suas pernas espalhadas e no minuto seguinte ele estava espalhado entre suas coxas. Sua boca pairou sobre seu montículo encharcado, seus olhos agora treinados na parte íntima dela. - Você está deliciosa aqui. Molhado e lisa para seu companheiro. Sua buceta me deseja. - E ele parecia muito presunçoso sobre isso também. - Seu corpo pede por seu companheiro. - Deus, sim, sim. - E seu aroma me provoca. Você é deliciosa, shaa kouva. - Os olhos do dragão encontraram os dela. – E é minha por toda a eternidade. - Lana não tinha uma resposta a essa afirmação, mas ela não precisava de uma. Não quando Taulan abaixou a boca e saciou seu desejo. Ele lambeu sua buceta,

62


rastreando sua fenda de cima para baixo e depois voltando para outro sabor. Seus rumores e grunhidos profundos alimentaram o fogo de sua necessidade e ela se contorceu. - Por favor, Taulan. - ela gritou por mais, por menos, por tudo. Ele não respondeu ao seu apelo, mas em vez disso, enganchou as pernas sobre o dele Enquanto ele se instalava para mais. Sua nova posição a abriu para ele, mostrando-a completamente ao seu olhar. Ele grunhiu, o som quase um ronronar, e foi em busca do seu prazer. Sua língua circundou seu clitóris, dando voltas e voltas ao pequeno nó de nervos. Ela ofegou com o prazer, a sensação de sua língua em sua condução insana com necessidade e desejo. - Sim. Ai - Ela tremia e tremia, quadris seguindo seus movimentos. Ela não queria que ele abandonasse seu clitóris, sua ... boceta. Deus, a palavra era tão deliciosa e escura e uma emoção de desejo veio com cada repetição. Ela estava vindo. Ela estava vindo. Ela queria que ele entrasse, profundo, duro e rápido até que ela gritasse o seu nome em prazer. Até que ela se quebrasse em seus braços. Ele continuou a bombear dentro e fora de sua bainha, dígitos curvados e pressionando contra seu ponto G com precisão íntima. Ele levantou a cabeça e soprou ar quente em toda a sua buceta. - Eu saceio você, shaa kouva? - Sim. - ela gemeu e seguiu-o com um gemido. - Mais. - Mais o quê? - Lana gritou em frustração, sua excitação tornando-a insana com necessidade interminável. - Me lambe. Foda-me. - Toque seus seios para mim, shaa kouva. Mostre-me o que seu desejo pode fazer você fazer. Dê prazer a si mesma. - Ele não teve que pedir duas vezes. Não quando seus mamilos endureceram ainda mais. Não quando seus mamilos imploravam para serem arrancados e provocados. Ela amassou os montes pálidos enquanto Taulan voltou para seus movimentos. Uma onda de prazer rolou sobre ela, viajando de seus pés para a cabeça e para trás novamente. Ela perdeu o controle de seu corpo, não mais capaz de suprimir os tremores violentos que a atingiram. Então ficou pior melhor? - como grunhidos profundos e rosnados que escaparam da boca de seu companheiro.

63


Vibraram contra seu clitóris, seus batimentos se intensificaram quando seu prazer aumentou dez vezes. Perdeu-se ao prazer, à alegria de sua boca e dedos. Ela flutuava em um mundo de terremotos e ventos rajadas, seu corpo tremendo e respiração pesada. A felicidade ameaçava lavá-la, subindo cada vez mais com cada respiração - com cada arrancada de seus mamilos e mordiscada em seu clitóris. Ela deixou seus olhos se fecharem enquanto gemidos escapavam de seus lábios. Ela implorou e suplicou, orou por mais e menos quando as sensações e êxtase a dominou. Ela subiu para o precipício, suas atenções dando-lhe mais e mais alegria. - Foda-se. Sim. Foda minha buceta. - Ele resmungou e rosnou, seus movimentos se intensificando. – Foda minha boceta. - Ela queria tudo, ela queria mais. Com essas palavras, ele deu. Ele redobrou seus esforços até que ela não conseguia respirar pelo prazer. Então ... então ele raspou aquele feixe sensibilizado de nervos. E era isso, era isso que ela precisava para explodir em um banho de prazer. Sua vagina ordenhou seus dedos, e seu corpo tenso, músculos apertando quando ela foi lançada do precipício. Ela gritou com sua liberação, seu orgasmo roubando cada dica de controle que ela poderia ter segurado. Ela tremeu com as sensações esmagadoras, e cada um de seus rosnados e gemidos fez seu orgasmo se estender para frente. Ela era uma bola de eterno êxtase, de prazer que parecia se multiplicar a cada segundo que passava. Ela gritou o nome de Taulan, de volta arqueada e o corpo curvado, seus músculos não eram mais seus. Ela ofegou e suplicou - implorou-lhe para parar, para continuar, para ajudá-la a lutar pelas sensações que causou. E quando ela pensou que ela morreria de prazer, de felicidade absoluta que ele causou, ele retardou seus movimentos. Ele aliviou gradualmente a suave sucção de seu clitóris e o impulso de seus dedos. Ele aliviou seu ritmo rápido até que pudesse respirar novamente, até que ela pudesse pensar em mais do que sua boca e mãos em seu corpo. Quando ela podia respirar mais uma vez, não mais ultrapassado por suas atenções, ela caiu contra o sofá macio. Pensou e abriu os olhos para encontrar o olhar de Taulan, para ver seus olhos brilhantes e seu dragão que se escondia perto da superfície. - Taulan. - ela sussurrou seu nome, Incapaz de ficar quieta.

64


- Lana. - ele murmurou. - Minha Lana. - Ele pressionou um beijo gentil em seu montículo. - Você é deliciosa, minha Lana. - Ele afastou-se dela e se levantou. A protuberância de suas calças deu inegável prova de que ele a desejava e ela lambeu os lábios, perguntando-se qual seria o seu gosto. Ela estava pronta para dar esse passo, para ser ainda mais vulnerável diante dele? Ainda não tinha certeza. - Venha, shaa kouva. Gostaria de prová-la novamente, mas na nossa cama desta vez. - Ela não tinha uma resposta para sua pergunta, mas ela sabia uma coisa - ela queria que ele a provasse a noite toda.

65


Lana era linda enquanto dormia emaranhada nos lençóis de seda da Terra. Ele ordenou a seus guerreiros não apenas para reunir seus pertences, mas também itens para seus aposentos. Ela já estava presa a um homem sem asas - ele não seria um fracasso de qualquer outra forma. Ela teria o melhor que o planeta tinha para oferecer. Felizmente o Negociador Master Zurer joi Sobol negociou acordos de comércio com a Terra que garantiu a sua capacidade de fazer compras sem se preocupar com o pagamento. Os cristais espumantes Preors considerados sem valor eram altamente valorizados na Terra, embora os seres humanos os chamassem de diamantes. Eles aparentemente tinham a tecnologia para criá-los usando máquinas e ciência, mas grande parte da população preferia pedras "naturais". Taulan não se importava com o que os humanos gostassem, desde que lhe permitisse comprar itens que fizessem sua kouva sorrir. Ela sorriu e gemeu quando ela deslizou entre os lençóis. Ele acreditava que ela até tinha ronronado como um felino da Terra. Por alguma razão, o som e os movimentos sinuosos que ela estava fazendo abaixo do tecido roxo profundo fizeram-no duro. Tinha tomado cada fragmento de honra em sua alma para não tomar o que ela subconscientemente oferecido. Ou talvez ela soubesse que tentação ela apresentava. Não, ele não sucumbiria. Ele não ... As palavras repetidas em um mantra bem conhecido agora.

66


Ele não tinha certeza se tentava convencer seu coração ou seu pênis. Talvez ambos. Jarek não mencionaria a dificuldade que teria em não vestir sua companheira. Estando perto dela dessa maneira, enquanto ela permanecia vestida em pequenos pedaços de tecido e que só estaria escondida por uma fina camada de tecido ... Ele não tinha certeza de que poderia resistir a ela por muito mais tempo. Não. Ele não ... Lana respirou profundamente e se contorceu entre as dobras de cor púrpura, contorcendo-se enquanto soltava um gemido baixo. Seus braços esticados para seus lados, costas arqueadas e perna endireitada. Taulan reconheceu os movimentos, já que eram semelhantes aos seus trechos matutinos quando ele sacudia o sono da noite. Exceto o seu normalmente incluía uma vibração de suas enormes asas. Mas agora… Taulan tossiu, sacudindo sua companheira dos últimos vestígios de sono. Ela abriu os olhos com um sobressalto de chicotadas. Seus olhos desfocados se encontraram com os dele e mais algumas piscadas lhe davam seu intenso olhar. - Taulan. - ela murmurou, sua voz rouca de sono. Ela deu a ele um pequeno sorriso e uma mancha de rosa manchou suas bochechas. Ela estava envergonhada? Por ele? Pelo que tinham feito juntos? Claro. Seu companheiro era um bastardo sem asas ... - Eu dormi até muito tarde? Não era quem ele era, mas o que ele era. Hoje seria o primeiro dia de mostrar a ela o tipo de homem com quem ela acasalou. Ele esperava. Se ele não tivesse arruinado tudo com sua paixão na noite anterior. - Não - ele assegurou. - Eu pensei que poderíamos passar algumas horas juntos hoje. - Mas. - suas sobrancelhas apertadas juntos. - Você não precisa ... A negação de Taulan foi imediata. - Nada é mais importante do que você. - Ele se agachou ao lado da cama, mas manteve as mãos para si mesmo. Se ele a tocasse, ele a levaria, e sua contenção teria sido por nada. - Um homem Preor passa sua vida na esperança de experimentar o Saber.

67


Guerra e violência destruíram a nossa população feminina, mas isso não venceu nossas orações. - Ele arriscou um toque suave em sua bochecha, o suave golpe de sua pele suave com um único dedo. Não podia permitir-se mais. – As minhas foram respondidos com você, shaa kouva, e eu vou passar o resto dos meus dias tornando-me digno de você. Mesmo que eu não seja o macho que você merece, serei o único macho que você conhecerá. - Taulan se inclinou para frente, incapaz de resistir a ela. Ainda se lembrava do gosto de seus lábios e do modo como a língua dela deslizava contra a dele. - Porque agora que eu tenho você - e provado você - eu não vou deixar você ir. A verdade se instalou em seus ossos. Se ele ainda tivesse suas asas, ele teria esticado-as, mostrando sua força e permitindo que a certeza sufocasse em suas asas. A respiração de Lana foi travada com um suspiro suave, seus olhos se arregalaram de surpresa e ... medo? Não, não o verdadeiro medo. Ele tinha testemunhado aquela expressão quando ainda estavam entre os Ujal. Este era mais de um cuidado. Ele poderia superar uma natureza cautelosa, mas não o medo. - Eu, uh ... Ele traçou seu lábio inferior, o pequeno pedaço de carne rosa e gordo e implorando para ser mordiscado. - Você é minha, Lana joi Taulan Coburn. E o que eu reclamo, eu mantenho. Eu não sou seu Steven, mas você é minha. Pelo menos até que ele fosse morto em batalha. Quando um sorriso tímido provocou seus lábios, uma centelha de prazer em seu olhar, ele decidiu que ele não iria morrer em batalha. Ele também não a reivindicaria ainda. Apenas no caso de... Ela sacudiu a língua para fora, umedecendo o lábio inferior e lambendo o polegar ao mesmo tempo. Sua dureza esticada contra suas calças, seu pau lutando pela liberdade, e ele respirou fundo, lentamente, em um esforço para acalmar sua necessidade. - Você está preparada para enfrentar o dia? - Eu, uh, o que eu estou encarando? - Ela ergueu as sobrancelhas. - Um dia comigo ao seu lado.

68


- Aqui? - Seu olhar frenético saltou entre ele e a cama larga. Ele havia desistido da principal câmara de descanso do Mestre de Guerra para que ela pudesse dormir e ele só desejava poder se juntar a ela agora. Ele sorriu e escondeu sua careta quando seu pau protestou contra os limites de sua roupa. - Não. - Ele balançou a cabeça. - Pensei em mostrarlhe o navio. A frota é sua casa até retornarmos a Preor. Eu não quero que você se perca entre os decks e passarelas. - Era também uma maneira de tirá-la da tentação de uma cama apresentada. - Claro. - ela sussurrou e acenou com a cabeça. - Eu vou ... - ela olhou ao redor da sala, olhos caindo sobre a caixa que ele tinha dado a ela na noite passada. - Eu encontrarei algo para vestir e poderemos ir. A atenção de Taulan seguiu a dela e recordou exatamente o que estava presente. Quase nada vale a pena usar como uma fêmea Preor, muito menos a companheira do Mestre de Guerra do navio. As fêmeas de Preor receberam o melhor do que estava disponível e como uma fêmea acasalada, sua Lana merecia qualquer coisa para fazê-la sorrir. Incapaz de resistir a prová-la, ele se inclinou para frente e escovou seus lábios contra os dela em um beijo gentil. Ele não podia ousar toma-la. E ele não tomou, mas sua kouva deu. Ela era a agressora, a única a desencadear sua paixão e reivindicar sua boca. Em momentos ele foi atraído para a tempestade sensual. Ele se inclinou sobre ela, dando-lhe o seu peso e controle. Ele dominou seu beijo, ele dirigiu o curso de seu desejo, ele estava prestes a encontrar libertação em sua própria roupa como um dragonlet com sua concha presa a sua parte traseira. Taulan se afastou dela, arrancando seus lábios dela e girando sua cabeça para longe da tentação. Arfando, fechou os olhos e lutou pela calma. Suas costas se contraíram e se sacudiram, sua base de asa tremendo, e ele sabia que se ainda os tivesse, eles vibrariam com sua necessidade e excitação não cumprida. O arrependimento o empurrou e empurrou o luto interminável de lado. Ele lamentou suas asas perdidas o tempo suficiente e ele se permitiu tempo para sentir essas emoções mais tarde. Hoje era um tempo de descoberta. O Saber forneceu-lhe muita memória genética e Jarek havia completado esse conhecimento. O suficiente para saber que ele queria descobrir todos os segredos do delicioso corpo de Lana.

69


- Taulan? - Sua pergunta suave extraiu sua mente da palpitação em suas calças e de volta para sua companheira. - O navio tem padrões para a maioria das roupas femininas Preor. Não vai demorar muito tempo para ter algo criado. - Rosa tingiu suas bochechas e seus lábios torcidos com uma careta. Os batimentos de seu coração gaguejaram e ele teve a sensação inquieta de ter pisado erroneamente. - A menos que você prefira sua roupa. Tem valor sentimental? Posso limpar o navio ... - Taulan ... - seu toque suave quase quebrou o pouco controle que ele havia acumulado. – Está tudo bem. Se não é muito problema, eu gostaria de algo para usar que é mais parecido com o Preor de qualquer maneira. Seu pequeno sorriso não alisou sua careta, mas ele acenou com a cabeça. Você pode fazer algo sem as fendas para ... - Ela acenou com a mão Para suas costas. Esta vez ele balançou a cabeça. - Só os machos têm asas. - Exceto eu. - Um macho exige a mobilidade e a força de um dragão para proteger sua companheira e dragonlets. O único propósito feminino é proporcionar suavidade ao seu companheiro e às libélulas. Dois extremos para encontrar o equilíbrio. Eu protejo - ele apertou sua mão contra seu peito. - Você nutre. - Ele não confiou em si mesmo para colocar a mão em seu corpo, então em vez disso, ele simplesmente acariciou sua mão. Não querendo testar-se mais, ele se levantou e caminhou até um painel próximo. Não demorou muito para entrar no seu pedido. Quando ele se virou, ele encontrou Lana olhando para ele. - O painel irá alertá-la quando a sua tarefa está completa e roupa é preparada. A sala de limpeza está aí. - Fez um gesto para a porta oposta. - E eu espero por você na sala de reuniões central. - Não, esse não era o termo correto. Jarek compartilhou o conhecimento com ele. E porque Jarek sabia, então agora Taulan. Ele simplesmente tinha que pedir por isso. - Vou esperar por você na sala de estar. - E enquanto ela levantava a folha roxa escura de seu corpo, revelando as curvas vestidas com roupas apertadas, ele fugiu da sala. Um macho só podia sofrer tanta tentação.

70


Lana prendeu a respiração com um baixo suspiro à primeira vista. A segunda respiração saiu como uma rajada, todo o ar saindo de seus pulmões. Era ... Ela não tinha as palavras. Lindo não foi uma descrição boa. Não era suficiente. Não descreveria completamente o céu subindo nem a grama verde exuberante. Não poderia explicar os aromas da terra e do ar fresco. Não podia explicar as diferentes cores da luz que dançavam pelo céu. Não, lindo definitivamente não era suficiente. - Nós ainda estamos no navio? - Ela não estava certa por que ela sussurrou, mas parecia necessário. Como se ela não pudesse falar em sua voz normal em um lugar tão abençoado. - Sim. - Taulan combinou seu volume, mas ela ouviu o sorriso em sua voz. - Os humanos chamam isso de popa - a retaguarda. O navio de guerra é grande, mas metade é composta do aerie comunal. Comunal aerie. Comunal, certo. Ela tinha esquecido essa parte. Ela não tinha certeza do porquê. Os gritos e risos de outros Preor encheram o ar, os homens voando dançando através do céu falso. Taulan disse-lhe que não era permitido mudar completamente em um navio, mas um Preor ainda precisava sentir o vento sob suas asas. - Você está preparada para entrar? Você se lembra da minha explicação?

71


Sua explicação ... A gravidade deslocou-se no interior do aries. Algo mudou quando a gravidade mudou lateralmente. Um navio não era alto o suficiente para acomodar um espaço tão grande, então os Preor alongaram seus navios e brincaram com a ciência. Como isso era mais fácil, ela não sabia, mas o que quer que lhe desse a vista deslumbrante funcionava para ela. - Lana? - Ele acariciou seu braço, suas mãos calosas acariciando sua pele e ela lembrou aquelas palmas e dedos patinando sobre seu corpo, trazendo-a para a borda. Ela assentiu com a cabeça, a vista roubou a respiração por um momento. Ela limpou a garganta e engoliu em seco. - Sim. Seu sorriso a cegou, a prova de sua alegria brilhando mais brilhante do que o sol falso que iluminava o aerie. - Então deixe-me mostrar-lhe alguns de Preor. A mão em sua parte inferior das costas impulsionou-a para a frente e ela fez como ele desejava. Ele queria mostrar a ela uma pitada de seu mundo e ela queria vê-lo. A transição da nave para a alergia alterada a fez tropeçar, mas Taulan rapidamente a endireitou, seu aperto firme e seguro. Ela agarrou seu bíceps musculosos e ele ficou tenso sob seu toque. Porque ele não a queria? Só na noite passada ... Taulan gemeu e puxou-a para perto, envolvendo-a em seus braços. Seu pau grosso estava confortável contra sua barriga inferior, provando que ela estava errada. Ele já estava duro para ela e ela se viu molhando com um desejo respondendo. - Shaa kouva. - ele raspou e ela estremeceu, sua voz acariciando dela da cabeça aos pés. - Shaa kouvi. - O Saber tinha as palavras estalando para seus lábios, o carinho tão natural como respirar. O conhecimento genético de Preor avançou, dominando-a em sua força. Uma vez que essas duas palavras estouraram livres, mais seguiram os seus passos. Da linguagem Preor à história, sua mente estava cheia de pensamentos que não eram seus. Ela reuniu cada fragmento, sua mente scaneando cada dica de informação. Ela o tinha empurrado antes, mas agora ... agora sabia onde com quem – e a quem pertencia.

72


Preor e Taulan. Sua nova casa, seu novo companheiro. Não significava que ela o aceitasse sem reservas, mas não havia disputa do empate de seu coração. Cada parte de seu corpo queria estar com Taulan. Passar a vida com ele e dar à luz as suas libélulas. Mas as libélulas não saíam de uma concha? Eles eram lagartos, certo? Se eles saíram de uma concha e ela era uma humana, como ... - Venha, Lana. Tenho outros que gostaria que você conhecesse. Ela engoliu em seco, de repente preocupada. Ele não tinha dito nada sobre amigos. - Taulan, eu não acho ... Ele deu um aperto suave em sua mão. - Venha.

Venha. Essa palavra era mais divertida quando ele sussurrava contra sua vagina e não quando estavam prestes a encontrar seus amigos. Ele a atraiu ao longo de um caminho pedregoso, as rochas triturando sob seus sapatos. Seus sapatos novos. Tudo o que ela usava era novo, apertado, e não deixava muito à imaginação. As solas de seus sapatos eram duras, mas flexíveis, dando seu grande movimento, protegendo os pés. O melhor para escalar aeries aparentemente. Ela não o tinha compreendido completamente naquele tempo, mas olhando fixamente as paredes imponentes de pedra sintética, rochosa, ela conseguiu. - Desta maneira. - Ele a puxou em volta de uma fileira de sebes altas e se aproximou das asas com um punhado de outros machos. Taulan colocou a mão no primeiro macho que eles vieram - sua base de asa, o Saber informou-a - e empurrou. - Mexam-se, velhas escamas secas. O macho tropeçou para a frente, seu riso se dividindo no ar e parte da tensão de Lana se aliviou. Ela reconheceu aquela voz, o timbre profundo junto com as asas verdes escuras. Mestre de Guerra Jarek. A risada tilintante que veio logo depois disse que o macho tinha trazido sua companheira humana junto. Então ela conhecia - ou seja, um par de pessoas - de uma espécie. Um piscar de asas de Jarek tinha os pés do Preor levantando-se do chão e depois uma rápida contração deixá-lo cair para a grama ao lado de seu companheiro. Com Jarek fora do caminho, Lana deu uma olhada nos outros na área. Sim, ela deu uma olhada neles e deu um passo para trás gigante.

73


- Uh ... - Ela queria não estar lá agora. – Taulan. - ela sussurrou. Ela não tinha certeza se ele ouviu seu desconfiança ou leu sua mente quando o Saber lhe assegurou que ele poderia algum dia, mas sua reação ao seu desconforto foi instantânea. Ele puxou-os para uma rápida parada e pisou na frente dela, bloqueando sua visão. Sua visão de vários homens, mas que não era a parte mais preocupante. Não, foram os dois Ujal de pé ao lado dos quatro Preors. O Ujal que a haviam a encarcerado, a desprezaram e olharam para baixo sobre ela. Por que estavam no navio e rindo de Taulan e Jarek. Taulan colocou um dedo sob o queixo dela e a encorajou a levantar o olhar. - Shaa kouva? - Ele se inclinou e pressionou um beijo suave em sua testa. – Não estão aqui por você. - Ele falou contra sua carne. - Você é meu próprio mundo, Lana joi Taulan Coburn. Não permitirei que nada aconteça com você enquanto houver folego em meu corpo. - Isso não mudou o fato de que ela estava desconfortável com estranhos. Seu companheiro continuou. - Você não conheceu Erun e Nessa. Eles têm uma filhote - Tabby - mas ela permaneceu em casa para esta visita. - Apesar de seus sorrisos de boas-vindas, a garganta de Lana se apertou e ameaçou fechar. - Por causa de ... Porque ela não era quem ela dizia ser? Porque o Ujal não gostou que ela mentiu? Erun não se moveu, mas Nessa veio adiante. - Porque Tabby tem um resfriado e não tínhamos certeza do que faria com o sistema de Preor. - A mulher afastou Lana de Taulan e a ausência imediatamente a atingiu com uma sensação de perda. - Nenhum de nós a julgará com base no seu passado, Lana. - Nessa deu um aperto suave em suas mãos. - Eu sou humana - era humana. Há muitas razões pelas quais uma pessoa muda seu nome. - Muitas razões pelas quais as mulheres mudaram seus nomes e Nessa parecia sentir o raciocínio de Lana. - Rina sabe disso e Tave também. O Ujal está apenas muito à beira. Meu ex-marido ajudou a vender crianças Ujal como escravos. Ele é a razão pela qual o Preor estará ajudando a Ujal a procurar filhotes perdidos. Quanto a Erun ... - Ela balançou a cabeça, seu olhar em Erun. - É a história dele para contar, mas saiba que nem todos os Ujals vão olhar para você como Tave. Ele ... - A mão da mulher tremia. - Todos nós perdemos alguém para os extremistas. Ou perto de nós ou um conhecido, mas mesmo um é demais. Isso o torna muito, muito cauteloso. Fanaticamente assim. - Lana assentiu.

74


- Eu entendo. - ela sussurrou. E ela fez. - Obrigada pela calorosa recepção. Quando Nessa recuou, Taulan se moveu para seu lado mais uma vez e continuou as apresentações. Jarek e sua companheira Melissa - irmã do ex-marido de Nessa. Então Kozav, o novo Guerreiro Primário do navio. De lá, era Rendan, o Mestre da Ofensa. Evuklar e Nalan, o Mestre de Defesa e sua companheira. Ela também conheceu Vende, o Engenheiro Mestre, e Choler, o principal Negociante Master do navio agora que Zurer e Sobol retornaram a Preor. Os machos eram principalmente solteiros, viajando com a Terceira Frota na esperança de encontrarem suas companheiras entre a população feminina da Terra. E ... falando com eles, rindo e sorrindo com eles, ela percebeu que ela queria isso para esses homens. Claro, eles tinham asas e se transformavam em dragões, mas isso não os tornava menos merecedores do que qualquer outro homem no planeta. Eles eram fortes, dignos, auto-suficientes e confiáveis. Nenhum Preor se tornou um mestre em seu ofício sem muito estudo e treinamento. Estes eram os homens que lutaram para sua posição e ganharam. Como, literalmente lutaram pelos os seus lugares no navio. Mesmo então, Choler contou sua luta com Yuass - a maneira que o mais velho tropeçou quando golpeado no peito o fazendo rolar e quase quebrou o braço de Choler. No final, Yuass abandonou a sua estação e Choler juntou-se à frota para a sua missão. - Então, cada vez que alguém é promovido ou assume uma posição, outros podem lutar para deslocá-los? - Sim, Maestra da Guerra. - Maneiras, Preor. - respondeu ela. - O conselho nomeia os mestres contudo os machos abaixo dele podem aceitar o macho novo ou batalhar para sua posição se acreditam que são servidos melhor. - Sim Maestra da Guerra. - Esse título novamente. Cada um dos machos tinha usado quando falava com ela e ela ainda não entendia por quê. Agora era a hora de descobrir. - Por que você continua fazendo isso? - Fazendo o quê? - Kozav falou.

75


- Chamando-me Maestra da Guerra. - Ela levantou suas sobrancelhas em questão. - Porque você é. - Sua expressão combinava com a dela. - Isso seria ... - ela se voltou lentamente para Taulan. - Isso significaria que você é Mestre de Guerra. Mas Jarek é ... - ela olhou para Jarek. - Você é o Mestre de Guerra da Frota. Não é? Jarek não respondeu à pergunta e, em vez disso, olhou para Taulan. - Eu acredito que é hora de nosso partido partir. Aproveite sua tarde e esperamos vocês dois para a refeição da noite no refeitório. - O olhar de Taulan permaneceu sobre ela enquanto os outros fugiram. Inferno, eles praticamente correram do aerie. - Taulan? - Seu companheiro estremeceu. - Eu planejei falar sobre isso quando estivessemos sozinhos. - Lana acenou com a mão e gesticulou para o espaço vazio. - Nós estamos sozinhos. Você é o Mestre de Guerra agora? - Outro estremecimento. - Jarek escolheu abandonar sua posição assim pode continuar na Terra com Melissa. - E o conselho confirmou você. - Era uma pergunta e uma declaração em um. - Sim. - Então outros Preor podem desafiá-lo - possivelmente matá-lo - pelo direito de ser o Mestre de Guerra da frota? - Shaa kouva ... - Responda a pergunta. - ela retrucou, preocupação superando todas as outras emoções, o sentimento papidamente se transformando em raiva. - Se o seu companheiro sem asas não vai responder, então eu vou. - A voz de cascalho raspou sua carne, puxando-a da raiva pânico - tingida e de volta ao presente. O presente onde o medo se arrastou em seu coração. Ela girou no lugar, balançando ao redor para encontrar o maior Preor que ela já tinha visto.

76


Concedido, ela não tinha encontrado muitos, mas este indivíduo era enorme. Ele aproximou-se com facilidade de sete metros de Preor, forte e musculoso, - Droze ... - A voz de Taulan continha um aviso claro. O desconhecido Droze caminhou para frente e ela lentamente deu um passo para trás, lutando para manter espaço entre eles. - Mestre de Guerra Taulan? - O seu titulo e o nome de seu companheiro não passaram de um desprezo. - Chega. - Taulan rosnou. Mas Droze não tinha terminado. Ele falou com ela mais uma vez. - Qualquer desafiante pode vir para o novo Mestre de Guerra. Qualquer desafiante pode matar esse lixo sem asas por aceitar a posição. - Você pode tentar. - As palavras de Taulan estavam geladas - Oh, eu vou, Taulan. Eu serei o primeiro a encarar você e a pessoa a tomar o sangue da sua vida.

77


Taulan cerrou os punhos, as unhas do dragão tentando estourar livremente para que ele pudesse destruir o homem exultante diante dele. Droga, mentalmente zombou. Um guerreiro mal adequado e apenas com a frota porque seu pai tinha oleado muitas garras. O pai do Preor queria que ele tivesse um companheiro - uma fêmea humana para continuar a linha. Pena que o velho nunca perguntou a Droze. Taulan teve suas suspeitas sobre as explosões que balançaram o navio que resultou em danos pesados a Jarek e a perda de asas de Taulan. Eles começaram - e terminaram - com Droze sen Vender. Ele não tinha visto o macho no meio da batalha, mas isso não acalmou suas suspeitas. Ele olhou para o grande macho - odiando-o por sua atitude, comportamento e mera presença. - Outra vez, você pode tentar o melhor na batalha, mas você sabe que a vitória escorregará através de seu aperto como sempre tem. A atenção de Droze saltou para um ponto apenas à direita de Taulan e ele se preparou para o próximo ataque. Ele não tinha dúvida de que Droze e seus amigos tentariam eliminá-lo antes dos jogos. Covardes. Ele não tinha antecipado a presença de sua kouva. Ele não faria a luta fácil para eles, mas também acabaria rapidamente. O farfalhar no ar era a única sugestão que tudo não era como deve ser. Taulan se abaixou e o punho que balançava apontado para o seu templo apenas passou por sua cabeça. Nesse movimento fluido mesmo, ele ficou baixo e girou, aterrando um golpe na seção média do seu atacante. Um gemido ofegante escapou do macho, e Taulan não poupou um

78


momento de pensar em identificá-lo. Este macho iniciou um ataque não provocado. Qualquer Preor que valesse a balança retaliaria. Um ataque foi seguido por outro. Ele bateu na secção baixa duas vezes antes de endireitar e apontar para o rosto do macho. Olhos surpresos se encontraram com os dele, e ele reconheceu o primo de Droze, Luuvak. Esse macho era ainda mais inútil do que Droze. Ele socou duas vezes, um jab, em seguida, cruz, e chutou com a perna. Um golpe rápido ao lado do joelho de Luuvak mandou o macho caindo em cascata para o chão. Taulan mal tinha quebrado um suor e não sofreu um único sinal de dor. Ele saiu ileso da batalha, mas Lana ... não o fez. Não, seu grito e subseqüente grito de dor o fizeram abandonar sua presa gemendo. O dragão rugiu, determinação em cada respiração enquanto o fogo batia em seu coração. Quando ele se virou, quase tropeçou em sua pressa para destruir Droze. O olhar inicial deu-lhe um instantâneo da situação. Mostrou-lhe um Droze sorridente e uma Lana sangrando. Mostrou-lhe a alegria de Droze pela dor e o medo de Lana. Medo que gradualmente se transformou em raiva. Seu grito foi imediatamente seguido por um grunhido profundo e um empurrão feroz. Seus movimentos eram desleixados e desprovidos de instrução, batidas e tapas salpicadas com ponche ocasional e joelho levantado. Ela gritava com cada golpe, sua voz enchendo o ar. O revés o estimulou em movimento. A batida que Droze deu em sua companheira. Sua cabeça chicoteada para o lado, cuspe voando de seus lábios com o movimento rápido. Quando Droze tentou repetir o movimento, Taulan estava lá. O macho ergueu o braço, o punho fechado, e o levou para a cabeça da sua companheira. Não aceitável. Ele cavou fundo para a velocidade de seu dragão - maldizendo sua desvantagem sem asas mais uma vez - e pisou entre sua companheira e o macho furioso. Pegou a mão de Droze com o punho cerrado, segurando seu braço antes que pudesse fazer contato. - Isso. - ele manteve a voz baixa e calma. - ... seria um erro.

79


Droze zombou dele. - Você não pode fazer nada. Você não é nada mais do que um draglet aleijado que deveria ter sido deixado para morrer. Com a mão livre, ele apanhou cuidadosamente para Lana e puxou-a para ele, não parando até que ela ficou em suas costas. Seu dragão esfriou um pouco, respirando facilmente agora que ela estava fora do alcance do perigo. Ela se encostou em suas costas, seu peso um conforto contra seu corpo. Sua presença acalmou parte do fogo do dragão dentro dele. Acalmando, mas não terminando com ele. - O fato de eu viver deveria provar minha força. - Taulan se aproximou, ainda apertando o punho levantado de Droze. - Diga-me, Droze, você teria sobrevivido? Ou você teria gritado com as estrelas pela sua mãe como a libélula que você é? O insulto tinha o efeito que ele esperava. Droze rasgou livre e então veio para ele mais uma vez. A batalha retomou em sério, garras expostas e colmilhos desceu para que eles realmente se prejudicassem mutuamente. Taulan queria que o sangue fluísse, todo o de Droze. Ele sibilou quando raspou suas garras ao longo do estômago de Droze e grunhiu quando o outro macho pegou seu bíceps com uma garra esquerda. A garra direita tentou seguir seu parceiro e Taulan curvou os joelhos, inclinando-se para trás, de modo que o golpe simplesmente roçou onde ele estava. Continuaram aquela dolorosa batalha. Punhos e chutes trocados, Taulan segurando as costas do pescoço de Droze e puxando o macho para baixo enquanto ele levantava o joelho. Ele apertou o cabelo do outro macho e empurrou a cabeça para o lado, com a boca aberta para afundar as presas na garganta do outro. Ele morderia e rasgaria e ... Droze sacudiu a cabeça do alcance de Taulan e atacou o novo Mestre de Guerra. Taulan também deu um passo de tropeção para trás antes de correr para a frente uma vez mais, garras estendidas e dragão dolorido por esta morte do macho. A pele de Taulan queimava, cada nova fatia provocando dor desenfreada ao longo de seus nervos. Mas isso não o impedia. Não, continuou, defendendo e atacando tantas vezes quanto não. Ele iria vencer contra o Droze covarde. Sangue revestiria as pastagens, o verde agora vermelho e liso com o líquido. Ele parou os ataques de Droze, lutando contra a letargia espalhando que o atormentava. A pele aberta, batendo e embebecendo a sua roupa. Sua pele - normalmente bronzeada - brilhava agora em cor-de-rosa, o sangue da sua vida guerreava com a cor beijada pelo sol.

80


Ele pode não ter asas, mas ele ainda era um dragão Preor, ainda um carnívoro que anseiam sangue e carne. O sangue de Droze. Sua boca regada, imaginando uma mordida profunda no pescoço do seu oponente. Mordeu e rasgou, terminando a vida do macho. Mas uma coisa impediu-o de terminá-lo com a morte - um olhar em sua companheira. Sua face rapidamente inchando. Seu lábio cortado. O sangue estragando sua testa. Droze tinha conseguido danificar sua companheira apesar de sua intervenção rápida. Sua companheira precisava de cuidados médicos. Ele não tinha tempo para brincar com Droze quando ela estava em necessidade. Taulan juntou suas forças, fez um punho, e arou no rosto de Droze. Ele bateu o macho duro o suficiente para fazer a cabeça do oponente chicotear a cabeça para trás e então Droze caiu para baixo, corpo caindo em inconsciência com aquele único golpe. Ele não tinha dúvida de que ele iria ter que batalhar com Droze mais tarde. Mas por agora, ele tinha que cuidar de Lana. Taulan se curvou rapidamente e a ergueu em seus braços, empurrando a dor para segurá-la enquanto ele caminhava para a entrada do aerie. - Taulan. - Lana sussurrou, seus dedos trêmulos eram como fantasmas sobre sua pele. - Estou bem. Só me leve de volta para o nosso quarto. - Vou levá-la ao médico. - Não havia outro destino. - Taulan. - A palavra segurou um apelo suave. Ele apertou seu aperto quando ele alcançou a câmara de ar, a principal transição de aerie para navio. A mudança na gravidade o fez apertar os dentes, mas o movimento terminou e se estabeleceu tão rapidamente como tinha começado. - Médico. - Nenhum argumento. Taulan encontrou dois Segundos Guerreiros no corredor, ambos machos gaguejando para parar para saudálo. Então eles o olharam de boca aberta. Ele não teve tempo para se explicar nem queria. Em vez disso, ele emitiu ordens. - Luuvak e Droze estão à esquerda da entrada na primeira clareira. Fixe-os em uma cela de retenção até eu possa falar com eles. - Lana gemeu e inclinou sua cabeça contra seu peito, mas por outro lado permaneceu em silêncio. - Eles não recebem atenção médica antes que Lana joi Taulan Coburn esteja totalmente curada. - Medo e raiva guerrearam em ambos os traços masculinos e Taulan compreendeu essas emoções. Ter uma mulher tão abusada quando deveriam ser atesorada acima de tudo ...

81


- Entendido, Mestre de Guerra. - Os guerreiros de rosto sombrio imediatamente alteraram seu curso e caminharam para a aerie. Saber que aqueles machos não iriam negá-lo – já que eram aqueles mais próximos á idade de Taulan, e pareciam não estar dispostos a tira-lo da sua posição – ele voltou em seu caminho. Taulan virou à esquerda e parou novamente. Com a mudança de turno recente, o corredor para o refeitório ficou repleto de guerreiros. - Façam um buraco. - ele berrou. Lana sacudiu no berço de seus braços, mas segurou sua língua. Os poucos mais próximos dele se afastaram, imediatamente dando-lhe espaço, e como mais machos se moviam, mais percebeu a identidade de seu fardo. E as lágrimas brilharam nos olhos da velha escama seca. Como Jarek, o macho planejou que esta missão fosse sua última. Se ele não encontra-se um companheiro entre as fêmeas da Terra, ele planejou tomar seu vôo final para o céu. - Os culpados estão sendo levados sob custódia agora. Isso não ficará impune. - Não. – Os olhos que tinham visto tanto agora estavam focados nele. - Não, não ficará. - Ele poderia ter que proteger os atacantes contra o resto dos machos no navio se todos eles reagissem à notícia da mesma maneira. Os caminhantes seguiram-no, os homens mais rápido para se afastar como pequenos fragmentos da história enquanto se movia para baixo no comprimento da passarela. A meio do seu caminho para a sala médica, as saudações eram breves enquanto eles abriam caminho. Alguns permaneceram em silêncio, enquanto outros desejavam á sua companheira uma cura rápida e uma diminuição de sua dor. Suas lesões latejavam no tempo com seu coração, cada passo chacoalhando e enviando novos ferimentos de dor para baixo em sua coluna. A exaustão o provocava, tentando-o a sucumbir, mas não deixaria sua Lana. Então ele continuou. - Ele empurrou. Ele se mudou de um corredor para o outro, sussurros em seu rastro. Então ... Então eles finalmente estavam em seu destino, as portas duplas de médicos estavam largas e acolhedoras. Os dois curandeiros no turno juntamente com vários assistentes curandeiros ficaram perto da abertura. Felizmente, eles não

82


ousaram se aproximar. O dragão de Taulan gritou por sangue, exigiu que se banhasse no líquido vermelho de seus inimigos. No momento, ele aceitaria até mesmo um amigo para devorar. O segundo que ele se aproximou o suficiente, o Mestre de Cura girou em seu calcanhar e levou Taulan para uma plataforma próxima. Sim, o Mestre da Cura rapidamente se prontificou, mas foi Taulan quem falou primeiro. - Você tem programação de reparos humanos? - Se não o fizessem, ele iria para a superfície, o Ujal e os seres humanos seriam condenados. - Foi o primeiro item negociado por Zurer joi Sobol. - O curador correu para o dispositivo enquanto o outro adquiriu um próximo. - Diagnosticar ou reparar? - Diagnosticar? Ele poderia dizer o que estava errado. Quanto a repará-la, ela estava sangrando e ... - Vamos consertar. - respondeu o outro curandeiro. Não estava falando com Taulan. Lana abriu os olhos e lentamente virou a cabeça para encontrar o olhar de Taulan. - Shaa kouvi. - Ela estendeu seu braço, procurando seu toque, e ele se adiantou, ansioso para sentir sua pele contra a dele. - Shaa kouvi. - Ela chamou para ele e ele foi, facilmente alcançando seu lado em dois passos. Mas quando ele foi pegar sua mão, os curandeiros o pararam. - O diagnóstico não pode ser concluído enquanto ela toca em outro. - Taulan enrolou seus dedos, formando um apertado punho enquanto ele lutou contra o desejo de matar o curador para mantê-los separados. Lana deulhe um sorriso dolorido e, em seguida, lentamente fechou os olhos. A princípio, ele acreditava que ela estava dormindo, mas logo reconheceu os sinais de perda de consciência e disparou um olhar para o Mestre de Cura. O Mestre de Cura não pareceu se importar. - Sua dor não faz bem ninguém. Ela vai dormir até ser adequadamente reparada. O dano parece superficial, mas há vestígios de outras lesões mais profundas dentro. - As luzes abrangiam Lana, o branco mudando de vermelho para azul e amarelo. O arco-íris de matizes patinava sobre sua pele em uma carícia invisível. Ele não sabia muito sobre a cura - apenas sobre a guerra -, mas ele reconheceu as cores de ferimentos graves. Seu intestino apertou, um tremor afundando profundamente nele e ele ofegou para respirar.

83


Ele tropeçou e se pegou em outra plataforma, usando-o para ficar em pé. – Curandeiros? - Eles não lhe deram sua atenção. Seu foco estava em suas máquinas e no corpo de sua companheira. - Curandeiros? - A fumaça escapou de seu nariz, o fogo do dragão espreitando na borda de seu controle. Não o levaria muito para liberar o calor. O Mestre de Cura olhou para ele e então acenou com a cabeça para o curandeiro secundário antes de se aproximar de Taulan, sua expressão sombria. - Mestre de Guerra Taulan... - Pelo menos nem todos discordaram com sua nova posição. - Lana Coburn ... - Lana joi Taulan Coburn... - sua correção foi imediata, mesmo se ele não deveria se preocupar com essas coisas no momento. - Seu parceiro vai exigir uma cura extensa. As lesões anteriores complicaram ... - Ela só tinha um pouco de sangue ... - Ele acenou com a mão em seu lábio. - Como eu disse, está escondido sob sua carne. Estamos reparando essas áreas agora, mas levará tempo. Ela é humana. Nossa tecnologia vai funcionar, mas em um ritmo mais lento do que se ela fosse Preor. - Taulan olhou para sua companheira, lembrando-se de seu amplo sorriso e a vivacidade que ela mostrou. - Mas ela vai curar? - Mestre de Cura se aproximou de toda a sua altura. - Eu não perdi uma única alma para as estrelas nesta plataforma e eu não vou começar com a companheira do próprio Mestre de Guerra. - Essa era a verdade. Taulan tinha vivido, o pior dos feridos das explosões múltiplas, enquanto no cuidado do curandeiro. - Veja que ela faz. - Ele sacudiu a cabeça em um rápido aceno de cabeça. - Mantenha-me informado. - Vamos mantê-la sedada por muitas horas para que ela não vá experimentar a dor da cura. - Ele odiava que ele não seria capaz de ouvir a sua voz até que ela estivesse bem mais uma vez, mas ele era mais a favor com a idéia de sentir dor se estivesse consciente. - Entendido - Com isso, ele se virou para a entrada da sala médica, com a intenção de alcançar os dois machos prisioneiros. V

84


- Você a deixaria? - A desaprovação demorou-se na voz do curandeiro. A sede de sangue de Taulan o empurrava com força, empurrando-o e empurrando-o para dar passos adicionais para proteger sua companheira. Incluindo a eliminação de ameaças. Ele parou na entrada e se encostou na parede, seus ferimentos atraindo força dele, mas não fazendo nada para diminuir sua determinação. - Eu parto para matar aqueles que a tocaram.

Lentamente. Metodicamente. Dolorosamente.

85


Lana acordou com uma dor de cabeça, sua cabeça latejando no tempo com seu coração. Ela apertou suas pálpebras e então puxou-as abertas, piscando contra a luz ofuscante. Ela os fechou de novo e afastou a cabeça do brilho. Sua próxima tentativa veio um olho de cada vez, um lento revelar que não picava muito. Naturalmente, com a cabeça virada, sua primeira visão não era aquelas lâmpadas brilhantes, mas o rosto de um estranho. Ela empurrou para trás, enervada pela proximidade do homem, apenas para gemer e se amaldiçoar pelo movimento. - Ela acordou, Mestre de Cura. - O estranho falou e empurrou para seus pés. Foi então que ela notou o seu uniforme de tipo. Os guerreiros da Preor usavam cintas que cruzavam seus peitos e calças apertadas, feitas de um material de couro curtido que era nativo de seu planeta. As marcas em uma das tiras grossas denotavam sua posição - Primeiro Guerreiro. Mãos seguraram-na, uma envolvendo seu pulso enquanto outro grampeado algo para seu dedo indicador na outra mão. Ela abriu os braços, engolindo o gemido de dor enquanto procurava escapar de seus apertos. Ela já tinha sido pressionada por outro Preor. Ela não queria adicionar outras pessoas à mistura. - Mantenha suas mãos para si mesmo. - ela rosnou. - Uma Maestra de Guerra ... - Uma curandeira tentou agarrar seu pulso novamente. - Lana Coburn... - Aquela curandeira cortou o dispositivo em seu dedo.

86


Desta vez, ela não era tão agradável. Apesar da dor latejar através de seu corpo, encerrando suas veias e afundando em seus músculos, ela rastejou longe deles. Ela puxou as pernas para cima e como um caranguejo caminhou para trás até que ela apertou a borda da plataforma- cama – qualquer coisa. Ela rangeu os dentes e engoliu a agonia que veio com seu próximo movimento. Ela chutou contra a superfície da plataforma e segurou as bordas ainda mais apertado. Entre o empurrão e o aperto de seus músculos, ela virou para cima e para trás, rolando até que seus pés aterrissaram no chão com um ruído retumbante que enviou uma sacudida de dor por sua espinha. Ela não tinha conservado muito sobre a parte de defesa de sua classe de auto-defesa, mas Steven ensinou-lhe uma coisa - a importância de fugir. Ela era muito, muito boa nisso. Ela balançou em pernas inquietas, lutando por equilíbrio enquanto ela manteve sua atenção focada nos machos na sala. Os dois curandeiros e o Primeiro Guerreiro não eram os únicos à sua volta. Não, outros dois permaneceram perto de outras plataformas. Como a dela, eles seguravam corpos. Ao contrário dela, os corpos que estavam lá estavam cobertos de vagens translúcidas. O Saber correu para frente. Congelar recipientes para os mortos. Pelo menos não tentou falar com ela. Quem tinha morrido? Movimento atraiu seu olhar de volta para aqueles que a rodeavam, os curandeiros e guerreiros sozinhos se encontravam inquietos nas proximidades. Bem, os curandeiros pareciam inquietos. O guerreiro tinha um brilho especulativo em seus olhos. - Maestra da Guerra ... - O mais velho dos dois curandeiros - um Mestre de Cura, se o Saber estava certo - deu um passo adiante. Lana contrapôs seu movimento com um dos seus, indo para trás e para longe. - Lana Coburn ... - O curandeiro mais novo tentou de novo e ela se irritou com o nome que ele usou. - Meu nome é...

87


O Primeiro Guerreiro terminou de repreender o macho em seu nome. - Lana joi Taulan Coburn. E você vai se lembrar disso ou eu vou bater em você. Ok, ela gostava do guerreiro. Ela ainda não queria que os curandeiros a tocasse. Não que ela quisesse o guerreiro, mas ela gostou dele um pouco mais do que os outros dois. Sua localização era óbvia, mas a razão escapou dela. Ela não tinha sido tão magoada. Teria ela? Ela poderia levar um soco. Steven provou isso muitas vezes. - O que aconteceu? - Você sofria de um queixo quebrado, costelas fraturadas, várias contusões ... Lana lambeu seu lábio inferior. Ela teria simplesmente chamado de lábio dividido, mas seja o que for. - ... E choque. - Então ... nada de novo. - Também parece que você sofreu muitas dessas lesões no passado ... A primeira pergunta que lhe ocorreu durante cada internação foi mais uma vez. - Eu posso ir? - Ela estava machucada, mas não machucada. Onde está Taulan? - Ela não queria falar sobre o que ela tinha suportado no passado. De todo. Nunca. - Eu não sei por que você se levantou antes de sua cura estar completa, mas você ainda tem mais... Ela levantou uma mão, silenciando o curandeiro. - Eu tenho me curado sozinha por um longo tempo. - Ela pressionou seus dedos em suas costelas, verificando seu nível de dor. - E eu já me senti pior. Isso vai acabar em um ou dois dias. O curandeiro mais velho não estava desistindo. - Você deve... - Eu escoltá-la-ei a seus quartos, Maestra da Guerra. - O Primeiro Guerreiro deu um passo adiante e decidiu que era seu novo melhor amigo. - Onde está Taulan? Os lábios do Primeiro Guerreiro apertaram e formaram uma barra branca sob seu nariz. - No comando.

88


E o convés de comando estava a caminho de seus aposentos. - Nós vamos passar por lá no caminho para casa. Casa. Sua suíte estava em casa agora? Uma casa de tipos, de qualquer maneira. Privado, silencioso, e deles. Com sua luta com aqueles dois Preors veio outra coisa - a destruição de seu domínio sobre o Saber. Agora as informações fluíam livremente, as palavras de Preor identificando cada parte do navio descansavam nas pontas de seus dedos e nas bordas de sua mente. O Primeiro Guerreiro manteve o ritmo com ela, suas botas pesadas batiam contra o caminho de metal. Ele manteve seu ritmo lento - ou pelo menos mais lento - para ela. Seus passos eram mais curtos e combinavam com os dela, o macho maciço não se afastando de seu lado ou tentou levála. - Qual é o seu nome? - Ela poderia aprender tantos nomes quanto pudesse. Parecia que ela estaria no navio - com Taulan - pelo resto de sua vida. Poderia também aprender sobre os envolvidos nele. - Skala sen Hweda, Maestra da Guerra. - ele murmurou. Ele virou para outro corredor e Skala congelou no lugar. Quando ela voltou sua atenção para ele, foi para ver suas asas voando. Suas narinas brilharam e um brilho venceu seus olhos. Ela seguiu sua linha de visão e seus olhos caíram em uma mancha de vermelho que arruinou a prata. Provavelmente seu sangue. Ele grunhiu baixas escamas castanhas entrando em vista enquanto suas asas bateram mais uma vez. - Skala? Eu ... - O Saber surgiu. Ela teve que apelar à sua necessidade de nutrir mais informação. Ela suavizou a voz e balançou. O balanço não era fingido, mas o sussurro rouco era. - Skala sen Hweda. - Ele lentamente desviou sua atenção dela. - Maestra da Guerra. - Estou ficando cansada. - Olhamos para o local mais uma vez e então assentimos. Ele fez um gesto para que ela continuasse. Skala não disse uma palavra enquanto atravessavam o resto dos corredores. Ele estava quieto, mas ela não estava. - Quem eram os homens que atacaram Taulan e eu? - Droze e Luuvak. Primos e pai de Droze era um homem importante para o conselho.

89


- Onde eles foram depois da batalha?

Mortos.Mortos.Mortos. A palavra soou em sua mente, saltando ao redor de seu cérebro e se recusando a ser banida. Morto? - Eu não pensei ... - Eles respiravam quando você partiu. - Skala assegurou. - Então quem fez isso? O que aconteceu? - Ela diminuiu o ritmo de suas passadas. Se os homens estivessem vivos quando ela e Taulan saíram, quem tinha terminado o trabalho? - O Preor ... - ele franziu o cenho e desviou o olhar. - Skala? - Droze e Luuvak foram levados sob custódia e então o Mestre de Guerra jurou que ... - As palavras de Skala foram silenciadas por sua chegada no convés de comando. E os gritos de dentro. Ele pressionou a palma para separar as portas e eles emergiram no ... caos. Não, não caos, seu companheiro em um ataque de furia.Taulan estava no centro do espaço maciço, sua pele um profundo roxo e coberto em escamas. Seus ombros eram mais largos, mais grossos e mais musculosos. Suas pernas esticaram suas calças perto de estourar e suas mãos estavam cobertas com garras mortais. A tela maciça na outra extremidade da sala estava dividida no meio, dois machos olhando para seu companheiro. Então suas palavras foram filtradas. - Minha mulher ainda dorme! Um giro completo desde que seus dragonlets atacaram e ela ainda se recupera! - Taulan rugiu. O macho à esquerda zombou enquanto o da direita bufou. - Então você mata machos dignos? Você, bastardo sem asas, ousou ... - Pelo menos ela ainda respira e vive para manchar sua linha! - Taulan inalou e soltou a respiração lentamente, seu corpo se expandindo ainda mais. - Se você ousar falar outra palavra ... - O que você vai fazer Taulan sen Pavon? Você vai me matar como você assassinou meu filho? - Lana sugou uma respiração dura e apertou uma mão para seu estômago. Teria ele matado por ela?

90


- Eu estaria justificado para acabar com a vida de um homem que se atreveu a tocar minha companheira. Justificado! - Agora, cada palavra era um rugido que abanou todo o navio. - Você... - Deixa as palavras de novo, vereador, e eu esquecerei quem você é e rasgarei as palavras de seus lábios. - A violência no tom de seu companheiro lhe disse que ele faria isso também. Deu um passo à frente, com a intenção de terminar a batalha verbal antes de escalar mais. Ela não tinha certeza dos detalhes, mas estes dois tinham de ser os pais dos homens mortos. Machos mortos Taulan havia matado? Ela se importava? Ela mudou de peso e engoliu seu gemido de dor. Não, talvez não. Não quando a agonia latejava em suas veias como uma chama ardente. Um toque macio e quase inexistente de Skala a fez hesitar e ela arqueou uma sobrancelha em questão. Quando ele permaneceu em silêncio - não tentando detê-la - ela voltou ao seu caminho. Seus passos eram silenciosos enquanto ela se aproximava, os homens ao redor dela lentamente vendo notar sua presença. Mas seu companheiro não. Ainda não. Ela não parou até que ficou ao seu lado e um toque suave em seu braço foi tudo o que precisou para chamar sua atenção. Ele olhou para ela com um rosnado em seus lábios que desapareceu rapidamente sob o alívio em seu olhar. - Shaa kouva. - Grandes braços envoltos em torno dela, puxando-a para perto, e ela afundou em seu aperto apertado. - Shaa kouva. - sua respiração quente abanou o rosto. - Quem é essa? - Nós não merecemos sua atenção, Mestre de Guerra? - Um grunhido profundo vibrou através dela e ela acariciou seu peito em uma tentativa de apaziguá-lo. Não deu certo. Em vez disso, Taulan a soltou e a empurrou para que ele pudesse enfrentar os dois machos. - Você vai falar com respeito dentro da presença de Lana ou eu vou remover a sua capacidade de falar! - O grito balançou a área. - Esta é a razão de suas mortes? Esta inútil ... - Fim da comunicação! - gritou Taulan e o Guerreiro da Comunicação deu a seu companheiro um olhar duvidoso.

91


Lana assentiu, tentando encorajá-lo, não assustá-lo além da crença. - Você não pode ... - Como ousa ... - As telas piscaram. Eles podiam e se atreveram. Braços e firmes se envolveram ao redor dela, envolvendo-a em seu cheiro e doçura. Ela sentiu nada além de segura nesses braços maciços, qualquer indício de mal-estar desaparecendo com o abraço. - Eu pensei que eu iria perder você. - ele sussurrou. - Eu sou mais difícil de matar do que isso. Foi apenas algumas costelas rachadas. - Seus lábios roçaram a parte superior de sua cabeça e depois sua têmpora, acalmando-a com nada mais do que aqueles beijos doces. - Você é preciosa e vulnerável. - Ele a soltou e colocou um dedo sob seu queixo, encorajando-a a erguer o olhar para ele. - E você é minha. Então ele a beijou. Não docemente ou suavemente, mas com intenção. Ele saqueou sua boca com sua paixão, sugando e acariciando como se não pudesse se cansar dela. Ele a possuía plenamente, tomando enquanto ela choramingava e gemia. Ela se agarrou a ele, dedos enrolados ao redor de seu bíceps em uma tentativa de permanecer ereta. Apesar de sua dor, seu corpo reagiu instantaneamente, os mamilos endurecendo e o aquecimento da sua boceta com a necessidade de seu toque. Por seu toque, sua carícia, seu ... amor. Talvez não agora, não exatamente naquele segundo, mas um dia. No momento, ela estava mais preocupada com seus ferimentos, os cadáveres e os Preors da tela. Ela puxou de seu beijo, lentamente aliviando-a até que sua paixão fervesse. - O que está acontecendo, Taulan? - Ele bufou e depois suspirou. - Venha, shaa kouva. Vamos nos aposentar e eu ... eu direi a você.

92


Taulan não conseguia descobrir quem ele queria matar primeiro. O Mestre de Cura, Skala, ou os senhores de Droze e Luuvak. Depois, todos os homens que ele passava, enquanto caminhava pelos corredores, Lana segura em seus braços. Um dos olhos do Terceiro Guerreiro que demorou em seu corpo por um instante demais e ele mostrou as presas com um sibilo. - Mova seus olhos. - Ou ele iria agarrá-los. Lana acariciou seu peito e descansou sua bochecha em seu ombro. Shaa kouvi ... - Ele estremeceu, não acreditando que tivesse a chance de ouvir aquelas palavras de Lana uma vez mais. Quando ele tinha deixado médico e procurado Droze e Luuvak ... Ele não tinha certeza de que ele seria capaz de retornar. Assassinato, destruição e morte estavam em sua mente. Ele iria acabar com eles. Termine a linha de Vender com a passagem de Droze e a família de Lujuak. Mas quando chegou às celas, eles ... - Taulan? - O murmúrio de Lana era como uma carícia suave. - Aqui, shaa kouva. Estamos quase na nossa suíte. - Se ela estava bem o suficiente para levantar-se e viajar de médico para o convés de comando em seus próprios pés, ela estava bem o suficiente para curar em seu quarto. Ele ignorou o guerreiro e voltou para o seu caminho apressado, seu passo determinado a comer o espaço. Todos os homens que encontraram

93


saltaram para fora do caminho, seus olhares evitados e, no entanto, mostraram seu respeito saudando ao passarem. Mais uma vez, vários sussurrou desejos de cura e orações para as estrelas para a sua companheira. Já a amavam. Amava-a pelo jeito que ela se defendera, sofrendo ferimentos e aceitando seu toque. Ele fez a última curva e não desacelerou até que eles estavam seguros na suíte. Nenhum outro seria concedido entrada até sua companheira tenha sido cuidado. Nenhum. Taulan cuidadosamente a baixou para o sofá e ele estava mais uma vez agradecido por sua presença. Ele mudou de posição, puxando o braço de debaixo das pernas, e moveu-se para soltá-la ainda mais para que ela se agarrasse a ele. - Espere. - Ela pegou sua mão e inalou com um longo assobio. Ele apostou que ela se feriu com aquela ação rápida. Seu apoio não diminuiu, mas ela lentamente descansou suas costas sobre as almofadas de pelúcia. Ela sussurrou seu pedido uma vez mais. – Espere. Ele ajoelhou-se a seu lado, um braço segurando seus ombros e cabeça enquanto ela segurava sua mão livre. - O que é isso? O que você precisa? Eu posso... - Shiuu. - Sua voz era suave e fina e ele se perguntou se era assim devido à fadiga ou desuso. Decidindo-se a ouvir o pedido, ficou em silêncio e esperou que ela falasse mais. - O que aconteceu desde ...? Taulan se acomodou no chão, satisfeito em tomar banho na presença de sua companheira. Ele não se importou se ele soou como um jovem, dragonlet. Sua companheira estava viva, acordada, e com ele. Ele simplesmente não contaria aos outros sobre seu comportamento. - O Mestre de Cura sedou você para que eles pudessem curar seus ferimentos. - ele murmurou, mantendo seu volume baixo. - Eles disseram que você ficaria dolorida? - Ela assentiu e ele mentalmente amaldiçoou, desejando que ele pudesse trazer aqueles dois de volta das estrelas e matálos ele mesmo. - Uma vez que você estava firmemente em seus cuidados, fui confrontar os dois machos que haviam atacado você. Ele balançou a cabeça e a deixou cair para a frente, descansando a testa no peito do companheiro. Seu peito amplo. Suave e doce e ... Ele não

94


podia imaginar sua companheira nua enquanto ele terminava a história. Uma pequena parte dele assegurou a Taulan que podia. Sua mente repetiu aqueles poucos momentos de ansiedade e raiva. Seu punhado de passos longe de Lana, a dor que alinhava suas feições, e finalmente o suave suspiro que a deixara quando dormia. - Eu deixei instruções para que os machos fossem levados para a prisão enquanto eu cuidava de você. - Ele soltou uma pequena risada. Era engraçado e ainda não. - Pelo menos eles foram até á prisão. Delicados dedos acariciaram seus cabelos, deslizando através dos fios em uma suave carícia. - O que aconteceu então? Ele fechou os olhos, a visão se enchendo de pedras vermelhas. - Eles estavam mortos. Lana ofegou. – Eu... você… Ele rapidamente levantou o olhar e encontrou seu olhar. Ele balançou sua cabeça. - Não, shaa kouva. Não foi você nem eu. - Ele se lembrou do pesado cheiro de sangue fresco que tinha lotado a pequena área, o borgonha cobrindo as paredes e o chão. Grandes faixas de líquido salpicavam o metal. Alguém tinha mergulhado suas mãos no fluido e deixou impressões de mãos macabras por toda a superfície. - Entre quando eu os deixei no aerie e quando eu voltei, outro ganhou o acesso a eles e terminou suas vidas. - O que ...? - Ela engoliu em seco e lambeu os lábios. Taulan amaldiçoou a resposta de seu corpo a ela, amaldiçoou seu pau duro e necessidade pulsante. Ele pulsou, montando suas veias e espalhando esse desejo desesperado de consumir cada centímetro de seu corpo. Sua kouva ficou ferida. Ele não deveria a desejar como uma libelinha. Contudo ... contudo desejou nada mais do que um outro gosto de seus lábios, outra carícia, a sensação de seu corpo despido contra o dele. - O que aconteceu? Quer dizer, quem foi? Taulan riu. - O suspeito óbvio sou eu. - Ele balançou a cabeça, lembrando-se de seu voto ao Mestre de Cura. - Mas não fui eu. - Ele suspirou e acariciou sua companheira, dedos brincando com seus longos fios. - E os feeds de dados foram destruídos.

95


- Destruidos? - Ela levantou as sobrancelhas em descrença. Era uma emoção que ele compartilhava com ela. Os sistemas Preor foram projetados com vários failafes e backups. Para que os dados tivessem desaparecido completamente ... Estava além da compreensão de Taulan. - Destruído. Desapareceu como se nunca tivesse existido. - Taulan, você ...? - Não, shaa kouva. - Ele virou sua mão e capturou seus dedos. Ele levou a mão à boca e passou um beijo suave sobre a delicada pele. - Não. Eu juro. Eu teria tido se eu os encontra-se lá, mas eles não morreram na minha mão. Nem por aqueles que eu chamo de amigos. - Embora ele também soubesse que Jarek estaria na fila para acabar com a vida dos homens, se Taulan não o fizesse. - Mas os dois homens nas telas disseram. - Esses dois machos ele também terminariam felizmente.. Eles são os pais de Droze e de Luuvak. Eles estão olhando para colocar culpa em alguém. Lamento suas mortes... - Ou melhor, o fato de que elas não aconteceram com sua garra. - Mas não tenho culpa. Uma investigação começou. - Ele acariciou sua bochecha, os suas pontas dos dedos eram como fantasmas sobre os oco abaixo de seus olhos. - E agora você está cansada, shaa kouva. Você deve estar na cama. Em repouso. Recuperando. - Eu me sinto bem ... - ela bocejou e esticou, estremecendo quando ela se empurrou muito longe. - Está contando uma falsidade. - Ele confiou o suficiente para dar-lhe um beijo na bochecha. Exceto, uma vez que ele pressionou seus lábios para sua carne, ele percebeu que não deveria ter feito isso. Não quando sua boca estava tão deliciosamente perto de sua bochecha. Sua boca molhada e um desejo por ela perfurou-o no estômago. Ele queria prová-la, acariciá-la, dar e pegar tudo o que podia. Suas unhas pequenas cavaram em sua carne, esculpindo pequenas linhas nele onde ela se agarrava. E aquela sugestão de dor foi o último empurrão que ele exigiu. Taulan jogou de lado todas as dúvidas e capturou seus lábios com os seus. Ele a havia atacado no convés de comando e tinha resolvido não fazê-lo novamente. Resoluções foram feitas para serem quebradas. Ele passou a língua por seus lábios, acariciando-a com um toque delicado.

96


Uma onda provocadora que a atormentava e depois a seguiu com um determinado golpe. Um suspiro delicado seguido por uma degustação profunda. Uma e outra vez, ele repetiu aqueles movimentos, arrancando gemidos de sua companheira e gemidos dele. Ele estava duro mais uma vez, seu corpo exigindo alívio, e suas costas coçaram e se contraíram. Se ele tivesse retido suas asas, elas vibrariam com sua excitação, sinalizando seu desejo melhor do que as palavras jamais poderiam. Mas ele não tinha asas. Ele era um sem-asas ... Lana sugou sua língua, tomando o controle do beijo e roubando todo pensamento racional de sua mente. Ansiava sua companheira como uma droga, seu corpo queimando para ela, e só piorou quanto mais eles se tocavam. Ele deveria se afastar dela, colocar espaço entre eles. Ela ainda estava sofrendo de seus ferimentos e não ... Suas unhas pequenas rasparam sua carne e apertaram seu ombro. Então esse toque percorreu seu peito, marcando seu caminho e mais para o sul. Quando se beijaram, sua companheira se moveu ainda mais. Ela ... ela...ela ... Ela se sentou e envolveu suas pernas em torno dele, embalando-o perto. Ele inclinou a cabeça para trás, permitindo que ela assumisse o controle e definisse o ritmo de sua conexão. Ele poderia facilmente se levantar acima dela, levá-la, reivindicá-la, fazê-la ... Não, ele não faria isso. Ainda não. Ele deveria primeiro ... Ela agarrou sua dureza, dedos dançando sobre seu comprimento e ela o apertou suavemente. Ele deve primeiro saber o quê? Taulan não tinha certeza. Ele não conseguia pensar. Não quando Lana o acariciava de tal maneira. Não quando ela o acariciou, puxou sua roupa e fez amor com ele com a boca. - Shaa kouva. - ele murmurou e aliviou o beijo apenas para ser arrastado de volta. – Lana... - ele tentou de novo, mas não muito difícil. Ele gostava de ser tocado demais para protestar contra suas ações. Ela apertou o fechamento de suas calças e ele percebeu que ele tinha que pôr fim a seu amor agora. - Lana. - Ela se afastou, separando suas bocas. - Taulan - gemeu ela. - O que você está fazendo? - Ele não queria - não podia - ceder a ela. Ela estava ferida. Se ela não se importasse, ele faria o trabalho. Além disso, os desafios logo começariam.

97


Ele não podia reivindicá-la em boa consciência quando ... Ainda segurando seu pau e agarrando-se a seu ombro, ela relaxou até que seus olhares se chocaram. - Eu estou fazendo você meu.

98


E ela o reivindicaria enquanto ele não a negasse. Ela o tinha tocado, experimentado, durante a noite de paixão, mas não tinha sido suficiente. Não. Agora ela queria senti-lo - seu pênis dentro de sua vagina. Queria gritar seu nome enquanto ele a fodia repetidamente. Ela queria explorar seu corpo e aprender cada segredo dele. - Você é meu. - Algo perigoso e feroz ecoou dentro dela, como se uma parte de seu corpo humano reconhecesse seu companheiro bestial. - Lana. - O arrependimento e a necessidade guerrearam seu caminho através de suas feições. Ele a queria, mas isso não significava que quisesse desejá-la. Ela queria isso o suficiente para os dois. Ela apertou a dureza sob sua palma, esfregando-o de raiz a ponta em um golpe firme. Uma mancha úmida formada na cabeça de seu pênis, mais uma prova de seu desejo por ela. Pre-gozo vazou de seu pau e ela queria apanhar essas dicas de sua excitação. Ela tinha experimentado antes, mas nunca como um prelúdio para o amor. Era algo que eles tinham feito porque ela não estava pronta para aquele passo. Para esta etapa. Mas agora ela estava. - Leve-me, Taulan. Foda-me. Encha-me. - Ela beliscou seu lábio inferior. - Reivindique-me, meu Preor guerreiro.

99


Um grunhido foi seu único aviso, apenas uma dica que ela tinha quebrado sua determinação feroz. O estrondo vibrou seu peito e transferiu para ela, sacudindo todo o seu corpo a tempo com aquele barulho. Seus dedos se agarraram com força, suas unhas escavando em sua carne e enviando uma sacudida de dor pela espinha. E o que se seguiu foi puro prazer. Seus lábios estavam em toda parte, mãos alternando entre arranhões dolorosos e deliciosas carícias. Ela equilibrou-se na beira da agonia e do êxtase, e ela sentiu que ele a consumisse. A dor da luta não era nada em comparação com a dor não cumprida de necessidade. Sua vagina estava quente e molhada, pesada e dolorida de desejo - por ele, por seu pênis. Quando ele puxou suas calças, ela não se opôs. Ela não disse uma palavra quando as unhas afiadas cortaram as suas roupas. Ela não tirou as calças. Eles estavam rasgadas de seu corpo em tiras de vibração até que ela estava nua da cintura para baixo. O olhar de Taulan permaneceu preso na juntura de suas coxas e ele lambeu os lábios. Como se quisesse outro sabor dela. Ela tremeu com o pensamento. Amou sua boca entre suas pernas, festejando em seu gozo e fazendo lhe gritar seu nome aos céus. - Shaa kouva. - As palavras eram guturais e profundas, mais besta do que o homem. - Você é minha. - Sim ela era. Ela puxou seu foco de seu delicioso toque e alcançou sua roupa, puxando e puxando até que ele estivesse com o peito nu. Sua boca regada com a necessidade de lamber e mordiscar cada um de seus músculos, rastrear seu abdominais com a língua e, em seguida, rasgar suas calças para que ela pudesse desfrutar do seu pau duro. Ele era tão musculoso, seu cheiro esfumaçado e doce com uma pitada de almíscar que a fez doer por ele. Sua próxima ação mostrou seus seios para a sala, mas outra roupa se perdeu nas garras mortais de seu companheiro. - Eu estou sempre desnudando você, shaa kouva. Eu estou sempre tomando quando eu deveria estar dando. - Ele rosnou as palavras, mas não parou seus movimentos. Não, ele continuou arrastando pano de seu corpo, continuou acariciando e acariciando ela, continuou seguindo suas mãos com sua boca. Ele chupou seu mamilo e mordiscou o nódulo duro. Ele a acendeu suavemente e depois mordiscou o suficiente para lhe dar uma sacudida de dor.

100


O homem sabia como acender o fogo de sua excitação. Taulan enlaçou seu montículo, seus dedos se curvando e deslizando em sua boceta molhada entrando com facilidade. Ele empurrou seus dedos dentro e fora de sua bainha, enviando tremores de excitação através de seu corpo. - Tome. - ele adicionou um terceiro dedo à sua buceta e ela ofegou com a intrusão. – Tome e dê, shaa kouvi. - Taulan zumbiu como se ele não acreditasse nela. - Eu adoro quando você me leva. Quando você me faz sentir, faça-me experimentar. - Ela rolou seus quadris, saboreando o calor de sua união. - Você toma meu prazer e dá-me mais ao mesmo tempo. Ele grunhiu, sua expressão de incredulidade, mas ele baixou a cabeça e sugou o mamilo esquerdo com força. Ele a soltou com um pop suave e depois ... Então ... - Eu vou levar sua buceta, Lana joi Taulan, e eu vou te dar meu pau. - Sim. - ela gemeu a palavra e depois choramingou quando ele se retirou. Mas ele apenas se retirou por um momento. Só o tempo suficiente para tirar a roupa de seu corpo e deixar-se desnudado em seu olhar. Tão bonito, todo esculpido em aço e pedra. Cicatrizes e aço. Uma sugestão de sua cicatriz curvou-se em torno de suas costelas, a pele torcida que percorria o comprimento de seu abdômen para deslizar através de suas costelas. Ela sabia que havia mais evidências de seus ferimentos, mais prova da perda de suas asas. Mas ele não a deixara ver nada ainda. E isso precisava mudar. Antes que ele pudesse se juntar a ela, ela empurrou para seus pés e não parou de se mover até que seus corpos estivessem praticamente alinhados. Seu pau duro cutucou seu quadril, seu pau pronto para encontrar em casa dentro de sua vagina, mas ela tinha outros planos primeiro. - Shaa kouva, eu preciso ... Taulan sugou uma respiração dura e ela não parou. Seus dedos encontraram a pele lisa ao longo de seu abdômen esculpido, mas então ela mudou seu caminho para suas costelas. Foi lá que ela encontrou a massa torcida de carne.

101


- Lana. - ele esboçou seu nome e agarrou seu pulso. - Não. - Ferozes, olhos ardentes incendiaram os dela, mas isso era muito importante. - Sim. - Ela não seria negada. - Não.- Ela não parou a exploração e ele não a obrigou a parar. - Você viu tudo de mim, Taulan. Você sabe tudo. É hora de compartilhar-se. - Ele pressionou seus lábios juntos e virou seu olhar para o chão, não mais olhando para ela em tudo. - Você não entende. - Sua voz não era mais do que um áspero raspão e dificilmente audível. - Nunca o farei se não me disser...mostre-me. - Ele respirou profundamente e soltou-o com uma respiração lenta. Ela sabia que ele não queria fazer isso, mas sim porque ela tinha perguntado. - Tudo bem. - ele estalou. - Mas faremos isso numa cama. Se você me deixar, não terei muito que me mexer antes de deixar que o céu me leve. Ele ergueu os lábios. - Eu sempre desejei morrer na cama com uma bela mulher. - Uma sacudida de tristeza correu por ela e ela olhou para seu companheiro mesmo que ele não estivesse dando a sua atenção. - Ninguém está morrendo, idiota. - Seu sorriso pesaroso tornou-se provocante. - Talvez você me ame até a morte. - Ela estava tentada a tentar. Taulan se curvou na cintura e a pegou em seus braços. Passos longos comiam a distância entre a sala e o quarto, e ele não a soltou até que ficaram ao lado da cama. Então tudo mudou, tudo mudou de movimentos ansiosos e rápidos para uma caminhada lenta e gradual. Lana permaneceu perto dele, dandolhe o conforto que podia, e ele a tomou por um minuto e depois por dois, antes de afastar-se finalmente. - Não é bonita, minha Lana. - A vida não é bonita. - Isso é uma verdade forte. - Ela acariciou seu lado mais uma vez, a pele irritada e vermelha, retorcida do dano que ele tinha sofrido. - A vida não é sobre as partes bonitas. É sobre tudo. Felicidade e tristeza. É mais fácil suportar a tristeza quando você tem um parceiro. - Ela se inclinou para frente e pressionou um beijo suave no centro de seu peito.

102


- Compartilhe comigo. - Taulan puxou sua atenção dela e ela reconheceu o mal-estar em sua posição. Ele estava nervoso, cauteloso, e tudo o que ela tinha experimentado quando ela revelou a verdade sobre Steven. - Compartilhe. - Outro beijo gentil. - Por favor. - Por favor o quebrou. Isso fez com que ele se afastasse e se aproximasse das cobertas. Tinha ele arrancando os cobertores e, finalmente, caiu sobre o colchão em seu estômago. Ela não poderia ter suprimido a surpresa que ela tinha tentado. Saber que suas asas haviam sido removidas com ácido era diferente. Sua parte traseira inteira era uma massa de cortes e listras vermelhas. Sua pele não era mais que um campo de batalha montanhoso onde uma luta por sua vida tinha ocorrido. A excitação de Lana diminuiu com a visão diante dela, com evidência de seu sofrimento, angústia e agonia profunda. Tantas coisas estavam ligadas às asas de um Preor. Tantas emoções, tantos aspectos de suas vidas dependiam de vôo. Fechado para sempre fora do alcance de sua companheira. Ele ergueuse para seus cotovelos e olhou por cima de seu ombro, seu rosto uma máscara de dor e ousadia. Sim, ele ousava que ela se compadecesse dele, que sentisse pena da pobre Preor que não podia voar. Mas Lana não era como qualquer outra pessoa com quem tivesse entrado em contato. Ela não se importava se ele voasse de novo. Ela não se importava com sua posição, sua riqueza, ou o que ele poderia fazer por ela. Ela se importava que ele ainda vivesse e que era isso. - Deite-se. - ela sussurrou as palavras enquanto ela subia sobre ele. Ela se moveu e se sentou em suas costas, seu traseiro apoiado no seu. Taulan ficou tenso e um tremor o escorregou. - Lana ... - Ela não disse uma palavra, não tentou acalmá-lo. Seu mundo centrou-se em explorar seu companheiro, ao assegurá-lo que o desejava como ele era e sem reservas. Cicatrizes não importavam. Nada mais que ele importava. - Shhh ... - Ela rastreou seus ombros, dedos eram como fantasmas enquantos eles derivam sobre sua pele. Ela evitou as cicatrizes maiores e, em vez disso, concentrou-se nas áreas menos desfiguradas. Mas isso não a satisfazia por muito tempo. Não, ela queria mais ... tudo dele. Ele se contorceu e ela o acalmou mais uma vez. - Shhh ... - Ela gradualmente aumentou sua pressão, acariciando suas costas e descobrindo cada parte escondida de Taulan. Ela cuidadosamente fez o seu caminho para as mais

103


escuras e as maiores cicatrizes. Eles eram verdadeiramente como uma cadeia montanhosa de carne que manchou suas costas. Outros viram isso como prova de fraqueza. Ela os viu como prova de força. Ela cuidadosamente acariciou a carne mais vermelha entre onde suas asas teriam descansado. Melissa e Nalan chamaram-lhe sua base de asa. Taulan não tinha sido destruído, suas asas simplesmente tinham desaparecido. Ele ainda tinha toda a sensação, os feixes de nervos que davam a um companheiro Preor tanto prazer. Ela provaria isso a seu companheiro agora. Sua pressão era macia, o primeiro curso apenas um toque em tudo quando o segundo era ligeiramente mais firme. A terceira ... Com a terceira, raspou um único prego sobre a pele torcida, o mais perto possível da base de uma de suas asas. E sua reação foi imediata. Ele rugiu com o toque provocador e se moveu da cama, levando-a com ele. Ele levantou-se para uma posição de push-up, enquanto ela permaneceu esparramada sobre suas costas. - Lana! - Ela mudou de posição e se moveu, movendo-se até que ela poderia trazer sua boca para sua base de asa. Ela soprou uma suave explosão de ar fresco através da carne sensível. - Sim? - Você ... Você não deveria ... - Ela lambeu a pele entre suas asas. Você ... Seu grande, mau guerreiro Preor choramingou. - Você ainda é um guerreiro Preor, shaa kouvi. Você ainda é um homem com sua base de asa. - Você não devia ... - Sua voz era suave e choramingante - Eu não deveria tratar meu companheiro como o guerreiro que ele é? - Ela lambeuo novamente. Saboreando a sugestão de calor e almíscar que patinava sobre suas papilas gustativas. Ela acariciou o vale entre suas asas danificadas, apreciando o cheiro de sua carne. - Você é o meu guerreiro, Taulan joi Lana Coburn. - Aparentemente aquelas palavras quebraram o pouco controle que ele tinha deixado. Ela encontrou suas posições repentinamente invertidas, Lana descansando em suas costas, enquanto Taulan pairava acima dela. Sua expressão feroz enviou uma sacudida de medo através de seu sangue. Seu rosto estava definido em linhas firmes e surpreendentes e ela tinha a sensação de que ele ficaria louco se ela o negasse agora. Ela nunca faria.

104


- E você é minha amada, Lana joi Taulan Coburn. - Ele descobriu seus dentes. – Minha. - Não havia mais discussão sobre eles deveriam ou não deveriam quando ele veio para reclamar. Simplesmente foi feito. Taulan não lhe deu uma chance de responder a seu pronunciamento. Em vez disso, ele posicionou seu pênis em sua entrada e encheu-a em um, suave empurrão. Seu pau esticou sua vagina, espalhando-a até que ela pensou que ela estouraria de estar tão cheia com o seu pau. – Minha. - Ele repetiu a palavra como se ela esquecesse. Isso começou uma letanía repetida, sua voz cada vez mais profunda e rouca com cada impulso e retiro. Meu. Meu. Ele bateu dentro e fora de sua buceta, sua bainha ondulando em torno dele e ordenhando seu pau. Ela queria ele, toda ele. Seu pênis, seu cheiro, seu gozo ... Tudo o que Lana podia fazer era agarrarse a ele, segurá-lo apertado enquanto ele a fodia com golpes punitivos. Seus quadris batiam juntos com o golpe lascivo da pele batendo na pele. Gritos e gemidos encheram o ar enquanto ambos se deleitavam no prazer de fazer amor. Porra. Ela estava vindo. Deus, ela queria vir. Ela ordenhou seu comprimento, cada espasmo enviando seu prazer girando cada vez mais alto. Ela subiu a colina em direção à alegria final, encontrando a borda ao seu alcance, ela estava equilibrada no precipício. Ela estremeceu e tremeu com os pedaços de felicidade que a envolveram. Não demoraria muito mais para empurrá-la sobre aquela última borda fina de controle. Um olhar de concentração feroz e necessidade revestiu características de Taulan. Seus músculos abaulavam e suor pontilhava sua sobrancelha enquanto escamas lentamente se erguiam à vista. Seus olhos reptilianos estavam focados nela, o dragão querendo participar também dessa reivindicação. E isso a excitou ainda mais. Ela gemeu com êxtase crescente, sua liberação pairando ao alcance. Lana enfiou os dedos em seu ombro e se puxou para ele, levantando-se da cama para poder alcançar seus lábios. Ela mordeu, mordendo-o sem tirar sangue, e exigiu que ele terminasse. - Venha na minha buceta, Taulan. Venha na minha boceta. - Era tudo o que ele precisava - tudo o que precisavam. Ele empurrou uma vez, duas vezes, e então seus quadris foram firmes contra os dela como um novo calor banhado suas paredes internas. Nesse mesmo momento, seu orgasmo a derrubou. Cobriu-a em uma onda de alegria e êxtase, a bem-aventurança crescendo e consumindo-a com as sensações. Ela gritou seu nome com sua

105


libertação, gritando sua alegria para o céu para que todos pudessem ouvir. Ela estremeceu e tremeu, os membros incontroláveis como o prazer continuou a rolar para baixo em sua espinha. Estrondos tremia-a, enviando tremores aleatórios através dela, forçando seus músculos a contrair enquanto seu orgasmo drenado afastado. Ele a deixou letárgica e saciada além da crença. Taulan estava na mesma forma, se contorcendo e sacudindo, seu pau ainda flexionando dentro de sua bainha apertada. Finalmente - finalmente - ele caiu sobre ela, dando-lhe seu peso. Ela o aceitou com um suave suspiro, desfrutando da sensação pesada de ele prendendo-a ao colchão. Qualquer outra pessoa teria assustado até que ela implora-se para ser liberada, mas com Taulan ... ela queria ficar capturada. Sempre.

106


Taulan não deveria se arrepender de suas ações. Como poderia um homem afortunado pesar nunca reivindicar sua companheira? Mas ele o fez. Muitas vezes e de muitas maneiras. Sua companheira era apaixonada e ansiosa na cama e passaram horas explorando o corpo um do outro. Uma exploração que ele desejava continuar ... numa data posterior. Numa época em que a vida não os puxava em muitas direções. Hoje ... hoje poderia ser um beco sem saída. Ele quase riu. Ele acreditava que o pensamento era um trocadilho humano. Mas ele não tinha tempo para trocadilhos. Não quando ele deveria ir ao centro de treinamento para enfrentar seus oponentes. - Lana. - Ele afastou os cabelos de seu rosto. - Shaa kouva, você deve acordar. - Ela gemeu e levantou seus braços, esticando com uma torção de seu corpo. O movimento fez o lençol de seda abaixar, expondo a ponta de um peito arrugado. O mamilo estava duro e aparentemente implorando por seus lábios, sua língua e dentes. Se ao menos tivessem tempo. - Taulan? - Ela questionou e depois relaxou de volta para o colchão com um gemido profundo.

107


- Você deve acordar. - ele murmurou e lutou para dissipar sua excitação. Sua pele nua chamou-o como uma sirene humana, exigindo seu toque sensual. - Não podemos dormir? - Seu tom se aproximou de um gemido e ela alcançou para ele. Ela agarrou seus dedos e puxou-o para mais perto. Volte. Ele deu a ela um sorriso pesaroso. - Não hoje, infelizmente. Talvez amanhã se ele supera-se os próximos desafios. - Taulan? - Ela franziu o cenho e levantou-se para seus cotovelos, escovando cabelo de seus olhos e então ela encontrou seu olhar. - O que está acontecendo? Ele odiava que, mesmo em seu curto tempo juntos, ela tivesse aprendido a lê-lo. Ele respirou fundo e soltou-a lentamente. Ele poderia enfrentar qualquer número de machos na batalha, mas ele não podia falar com pequena sua companheira. Ele lentamente se abaixou para sentar ao lado dela na cama e acariciou seu braço. Sua pele era suave sob sua palma e tudo que ele desejava fazer era beijar cada centímetro de seu corpo. Em vez disso, ele tinha que falar com ela, mantendo sua paixão, para poderem discutir o que estava por vir. - É tempo, shaa kouva. A confusão franziu a testa por um momento antes que ela se dissipasse e seus olhos se arregalaram. - Não. - Ela balançou a cabeça. - É estúpido e bárbaro. - É tradição. É um desafio honroso. Ela balançou a cabeça novamente. - Não, não é. Você não tem asas e eles tem e não é justo. Ele estremeceu quando colocou a voz na verdade. Ele não tinha asas. Mas isso não o tornava um guerreiro menor. Não diminuiu suas realizações ou seu trabalho duro. - Justiça não vai levar os machos à batalha. - Justiça não lutaria com seus machos lado a lado para garantir a vitória. - Sua raça nem sequer" batalha "mais. Não no céu, de qualquer maneira. - ela respondeu e ele não podia negar sua verdade. Eles agora

108


permaneceram firmemente em seus navios quando a violência irrompeu. As garras e as asas foram usadas somente em instâncias como esta. - Mas devemos honrar os velhos costumes, shaa kouva. - Traçou a mandíbula com um único dedo. - Perdemos muito ao longo dos séculos as mulheres - mas ainda podemos honrar a fundação de nossa espécie. - É estúpido. - ela sussurrou e ele lamentou as lágrimas nadando em seus olhos. Ele lhe deu um pequeno sorriso e reconheceu a verdade em suas palavras. - Eu não posso negar isso, mas isso não vai parar os desafios. Ela colocou a mão sobre a dele, dando-lhe um suave aperto. - Então renuncie. Não faça isso. Nós podemos… - Nós podemos permanecer no navio, perto de seu planeta natal e possivelmente reavivar seu relacionamento com sua família, ou nós podemos retornar a Preor. Você nunca mais os veria. Espaço em navios chegando a este planeta de azul e verde era muito precioso para permitir uma passagem de não-guerreiro masculino e feminino. - Poderíamos viver na Terra. - Seu lábio inferior tremeu e ele sabia que a perspectiva a assustou apesar de sua força e habilidade para protegêla. No entanto, ele não podia forçá-la a suportar o medo constante de viver na Terra. Temia que seu companheiro anterior a encontrasse – que a machucasse. - Nós discutimos isso, baby. - O carinho humano provou estranho em sua língua contudo era uma palavra familiar a sua companheira e isto lhe ganhou um pequeno sorriso. - Se eu não aceitar esta posição, devo deixar o navio. E nas partes secretas dele, ele queria a posição. Ele queria lutar pelo seu direito de liderar a Terceira Frota, para ser Mestre de Guerra, para atingir o status para o qual ele havia treinado. Talvez por isso que o seu lado egoista apresentou as suas opções com um tom sombrio. Talvez ele estava tentando manipulá-la sem previdência.

109


Essa percepção empurrou as palavras além de seus lábios. - Eu sou um bezor egoísta. - ele raspou e balançou a cabeça. - Não, eu não farei isso para você, para nós. Vou encontrar outro caminho. Eu vou... Taulan de repente encontrou-se com os braços da sua pequena femêa humana, em volto em torno dele. – Não. – ela sussurrou contra seu pescoço. – Estou apenas sendo egoísta. - Não. Sou eu quem é egoísta. Eu desejo isso ... - Taulan, pare. - Ela levantou a cabeça e pressionou um dedo em seus lábios. - Estamos tropeçando um com o outro com desculpas e arrependimentos. Eu não quero que você se machuque. Isso é tudo. Mas ... - Olhos espumantes encontraram os dele. - Mas você treinou para isso. Não se trata de ficar com ficar aqui com eles ou voltar a Preor, o que significa que eu nunca vou voltar. E não é sobre Steven e viver na Terra. É sobre você gastar mais de duzentos anos para chegar aqui. Duzentos e cinquenta e três anos de seus duzentos e setenta e sete. - Ela respirou fundo e soltou-a lentamente. Endireitando, ela esquadrou seus ombros, uma nova resolução enchendo sua expressão, e tirou os dedos. - Então vamos nos vestir, ir lá embaixo, e você vai mostrar a eles que você é o filho da mãe mais duro de sempre. Taulan não entendia o final de sua afirmação, mas o orgulho em seu olhar era inconfundível, essa crença pura era o que estava fazendo-o sentir-se vitoriosos. Sua determinação reforçou sua própria bravata e a confiança o sufocou. Ele iria encontrar cada macho, ir contra eles garra a garra, e sair o vencedor. Não havia outra alternativa aceitável. - Então vista-se, shaa kouva. Gostaria de tomar o café da manhã com você antes de encararmos o dia. Lana retirou os braços e o cutucou. Ele se levantou rapidamente, estendendo a mão enquanto esperava que ela se levantasse. Uma sacudida de orgulho o encheu quando saiu da cama. A folha de seda caiu longe de sua forma curva, expondo seu corpo maduro ao seu olhar. Ele tinha rastreado cada centímetro dela com a língua e as mãos, explorando da cabeça aos pés. Sua pele era macia e um creme pálido - um contraste tão marcado com sua pele acobreada. No momento em que ela ganhou seus pés, ele a puxou para perto, alinhando seus corpos. Eles se encaixam como peças de quebra-cabeça humanas, seu corpo moldando ao dele, e ele apreciou sua proximidade.

110


Não porque ele acreditava que era a última vez que eles se tocavam, mas porque eles tinham que ser separados enquanto ele lutava contra os desafiadores. Não havia outro resultado aceitável. Ele abaixou a cabeça, com a intenção de roubar um beijo de sua companheira, quando um som suave anunciou um visitante os interrompeu. Taulan amaldiçoou e grunhiu, seus dentes formigando dentro de suas gengivas, e o desejo de rasgar o macho que se atrevera a intrometer-se neste momento quase o dominou. Com uma respiração profunda que nada fez para acalmá-lo, ele se afastou de Lana. - Me dê um momento. Se vista e pequeno-almoço nessa ordem. Vou despedir quem ousou nos incomodar esta manhã. - Ela deu a ele um sorriso pesaroso e um aceno de cabeça, e ele virou sobre seu calcanhar, com a intenção de rasgar a cabeça do macho de seus ombros. Por interrompê-los ... Não, ele precisava se acalmar. Como os humanos diziam, não era sábio matar o mensageiro. No momento em que entrou na área central comum, ele latiu a ordem. - Entre. - Então ele desejou ter deixado os visitantes - para apodrecer na passagem. Eles devem ter queimado através de meia dúzia de motores para chegar à Terra de Preor tão rapidamente. – Conselheiro. - ele inclinou a cabeça para o pai de Luuvak. - Senhor. - Ele repetiu a ação para o de Droze e olhou atrás dos dois machos. Meia dúzia de guardas desconhecidos formaram um meio círculo atrás dos Preors. Isso não era bom. - A que devo esse prazer? - Taulan sen... - Mestre de Guerra Taulan joi Lana Coburn. - A correção foi imediata e determinada. Ele não se importava com o motivo de terem viajado tão longe, mas seria dirigido adequadamente. O pai de Luvuk zombou. - Isso é para discussão. Você não foi confirmado. - Uma formalidade que será resolvida em breve. - Talvez esses dois gostariam de desafiá-lo para Mestre de Guerra. A idéia fez com que seu dragão retumbasse com prazer. E rapidamente: - Você está sob guarda por ordem do conselho. O senhor sibilou e Taulan não tinha dúvida de que o conselho fora manipulado para emitir a ordem. Após os desafios. E uma vez que os

111


desafios fossem completos - desafios que Taulan ganharia - eles seriam forçados a apresentar um inquérito formal. Os Mestres de Guerra não podiam simplesmente ser presos por capricho. - Nós não interferiremos. - O sorriso que ele recebeu foi largo e tingido de malícia. - Nós simplesmente o manteremos sob guarda - bem como você conteve nossos filhos - até que seja hora de enfrentar sua morte. O brilho em seus olhos disse a Taulan que ele entraria em confinamento, mas ele não poderia sair. Para ele, capturando seus braços, e cercando-o antes de empurrá-lo através do portal aberto. A última coisa que viu antes de ser empurrado era rosto aflito da sua companheira, o medo ea raiva cobrindo suas feições, e seu nome em seus lábios. - Taulan ... - Taulan viveria - através da captura e dos desafios - para voltar ao seu lado. Não poderia haver outro resultado.

112


A única razão pela qual Lana não tinha invadido as celas foi porque Jarek a segurou de volta. No momento em que prendera Taulan, Jarek e Melissa entraram em sua suíte, apenas para serem seguidos por Evuklar e Nalan, assim como Tave e Rina. Aparentemente, ela tinha novos aliados no casal real Ujal quando Rina explicou as circunstâncias por trás das mentiras de Lana. Agora Tave queria caçar Steven e afogá-lo nos mares em nome de Lana. Skala logo acrescentou a seus números e a sala ficou mais apertada pelo momento. - Taulan ... - Taulan foi levado e ela teve vontade de correr atrás dele, para se certificar de que ele não foi ferido enquanto estava em cativeiro. - Está sendo vigiado por seu Guerreiro Primário. - Jarek rosnou e Lana sacudiu com seu tom, uma pitada de medo avançando. Então Melissa o acotovelou. - Você pode estar com raiva, mas não tire isso de Lana. - O que fez Jarek respirar fundo e soltá-lo lentamente. - Desculpas. Estou simplesmente furioso em nome de Taulan. Todos os que o conhecem estão seguros no conhecimento que não foi ele quem terminou a vida de Droze e Luuvak. - Nós sabemos quem foi? - Sua mente não tinha tocado nesses dois desde que ela acordou. Ela tinha estado muito empenhada em seu companheiro.

113


- Apenas suspeitas, Maestra de Guerra - falou Skala, seus olhos gentis mesmo quando a raiva enchia seu corpo. Suas asas tremiam com a raiva abaixada e os músculos estavam tensos com fúria contida. - O que isso significa para Taulan? Será que eles ...? - Matariam seu companheiro assim como seus jovens morreram? - Guerreiros leais ao Mestre de Guerra enredam os corredores e ficam de guarda fora das celas. Se ele fizer um som suspeito, eles vão forçar a entrada. Ninguém vai prejudicá-lo ainda mais. Ninguém irá prejudicá-lo ainda mais. O que não significava que ele não fora ferido antes que todos chegassem ao navio. Ela lutou contra o desejo de chorar, de zombar e delirar sobre a injustiça de toda essa merda de Preor, mas se manteve sob controle. Ela poderia ir em todos mais tarde. Depois que Taulan fosse libertado e os desafios fossem feitos. Em seguida, iria. - Então, qual é o nosso próximo passo? O que estamos fazendo agora? - Agora. - Todos os olhares balançaram para Jarek e ela empurrou para baixo o tendril de medo que ameaçava assumir. Ele parecia feroz e mortal - seus ombros mais largos e agora mais altos do que antes. - Agora vamos para a aerie. Lana franziu a sobrancelha. - Mas os desafios serão no treinamento ... Sua voz se apagou com a firme sacudida da cabeça de Jarek. - Não. O aerie. Taulan se mostrará como qualquer outro Preor. - Mas ele não pode voar. Evuklar encolheu os ombros. - Mas isso não significa que ele não vai ganhar. - Nós conversamos sobre ... - Sobre a luta estando na sala de treinamento e no chão. - Não quero dizer que um guerreiro Preor tenha mentido, mas ... - Mas ele mentiu. - Rina terminou para seu companheiro.

Ele mentiu. Ele mentiu.

114


Para poupar sua preocupação, claro, mas isso não negou a mentira. Ela ia chutar sua bunda. Assim que ele curasse de outros chutaria sua bunda. - Tudo bem. - ela retrucou. - Vamos acabar com isto. Para que ela pudesse continuar com o chute acima mencionado. Ela apertou sua raiva, segurando-a para poder afastar a preocupação e o medo. Ela não tinha espaço para essas emoções. Agora não. Ela poderia desmoronar mais tarde. Jarek conduziu sua pequena procissão, Evuklar e Tave ao seu lado, enquanto seus companheiros estavam com os dela. Skala tomou a retaguarda, suas grandes asas se espalharam atrás dele e bloqueando qualquer um que pudesse tentar esgueirar-se sobre eles. Mas os machos não deveriam ter se preocupado. Sim, os salões estavam alinhados com outros Preors, mas cada um inclinou a cabeça, pegando seus olhos um breve momento antes que seus olhares se voltassem para o chão ... e então eles oraram. Força para a Maestra de Guerra. Alegria para a Maestra de Guerra. Orgulho da Maestra de Guerra. Uma e outra vez, variações desses temas a seguiam dos quartos que ela compartilhava com Taulan e para o aerie. Tave e Rina devem ter entrado no aerie em um ponto porque não foram dadas explicações sobre o deslocamento da gravidade. Logo eles se encontraram em uma multidão. Uma multidão que gradualmente se separou deles, criando um caminho para o centro do grande espaço coberto de capim. Foi quando ela o viu, viu seu companheiro com um olho enegrecido e lábio inchado. Um sibilo rastejou até sua garganta e escapou de sua boca, a raiva superando sentido. Ela deveria ter ficado atrás de Jarek. Deveria ter permanecido no lugar em vez de corrida para frente para enfrentar os homens de regozijo que suporte seu companheiro. - Vocês idiotas de merda. - Ela abaixou o alcance de Jarek e correu para seu companheiro. - Eu vou... Um braço espesso a segurou pelo meio, apenas uma meia dúzia de guerreiros entrou em seu caminho, com as lâminas abertas.

115


A voz de Jarek encheu sua orelha. - Segure, Lana joi Taulan. Guarde sua raiva. Agora não é a hora. Ela empurrou contra seu aperto, não querendo ser contida. Ela olhou para os homens em seu caminho, encontrando seus olhares com a fúria queimando em seu sangue. Ela lutou contra seus instintos, a necessidade de se acovardar sob essa raiva. Dias atrás, ela teria se encolhido atrás e ficar escondida atrás de Jarek, mas hoje ... Hoje ela era companheira de Taulan e Mestra de Guerra da Terceira Frota. Ela não o envergonharia por se encolher e se esconder. Ela iria chutar seus traseiros tão duro quanto ela podesss merda. - Eu estou indo para ... - Jarek apertou sua espera. - Depois do desafio. - Você o vê, Jarek? - Ela rosnou e ergueu a voz. - Vocês todos o vêem? Veja o que esses honrados machos fizeram ao Mestre de Guerra da frota? - Ele não é um Mestre de Guerra! - O berro atravessou a multidão, tão alto que parecia que o macho gritava diretamente em sua orelha. Mais uma vez, os homens reunidos se separaram, concedendo uma entrada de recémchegado. Tinha apenas um momento para admirar a identidade desse homem antes que Jarek lhe desse a resposta. - Nathor sen Pavon. - Taulan ...? - Primo distante. - Nathor andou para frente, logo chegando a ficar no meio do círculo áspero. - Ele não é um Mestre de Guerra. - Defina seu desafio. - o Conselheiro deu um passo adiante, um sorriso afetado em seus lábios. - Nathor sen Pavon, Guerreiro das Comunicações Primárias, desafia Taulan sen Pavon ... - Lana não pôde evitar invadir a declaração. - Quando você vai ficar com as bundas na cabeça? - Frustração, raiva e medo a faziam gritar. - Ele é meu companheiro. Meu. Se você não vai usar seu novo nome, eu posso malditamente bem bater em você! - Surpresa impregnou ela, mas ela não iria voltar para baixo. Não quando sentiu algo mais consumir seu sangue. O fogo do dragão. Nalan e Melissa haviam sussurrado sobre isso sobre as sugestões de características de dragão que ela iria pegar uma vez

116


que ela acasala-se Taulan. Aparentemente, um temperamento era uma dessas coisas. Nathor falou como se não tivesse dito uma palavra. - ... para a posição de Mestre de Guerra da Terceira Frota. - Reconhecida. - o vereador falou primeiro e sua declaração foi imediatamente seguido pelo pai de Droze. - Reconhecida. - Ambos os homens acenaram com a cabeça um para o outro e então seus lábios se entreabriram em grandes sorrisos antes que o vereador dissesse as poucas palavras que ela odiaria pelo resto de sua vida. - Deixe o desafio começar. - Lana não podia fazer nada enquanto ela era arrastada por Jarek. Quando os guardas ao redor de Taulan soltaram seu companheiro, ele limpou a gota de sangue que escapou de seu lábio partido e um sorriso brincou os cantos até que quase sorriu. O resto da multidão afrouxou também, alargando o círculo até Nathor e Taulan foram deixados no seu centro. - Você deve voltar para baixo, Nathor. - Taulan parecia feroz apesar das contusões que estragaram seu rosto. Nator sacudiu a cabeça e mostrou seu alongamento de presas - Nunca. - Assim seja.

117


Taulan não esperou que Nathor respondesse. Traição perseguiu seus calcanhares, mas mais importante, a raiva encheu suas veias. Um membro de sua própria família, seu parente de sangue, desafiou-o e foi uma verdadeira declaração de dúvida. Nem mesmo sua família o apoiava. Ele saltou para o macho, garras e presas desnudas quando começou a batalha. Ele não esperaria que seu oponente se preparasse. Taulan atacou Nathor, levando-o ao chão em um emaranhado de membros e ressoando rosnados. A multidão se moveu e correu enquanto rolavam pela grama, mantendo-se fora do caminho. Nathor imediatamente lutou contra a sujeição feroz de Taulan, seu aperto inabalável até que ele acabou montado em Nathor. Foi quando ele entregou seu primeiro golpe, e depois o segundo. A fúria tremia dentro dele, crescendo e se espalhando com cada batida de seu coração. Dor batia nele, remanescentes do golpe que ele sofreu enquanto sob o "cuidado" do conselho, mas não era nada comparado com as emoções que o consumiam de dentro. Nathor balançou o braço, as garras descobriram, e eles afundaram na carne do ombro de Taulan antes que ele pudesse parar seu primo. Não importa. Ele não sentia a dor, não além da raiva que o impregnava. Ele lhe emprestou força e determinação, determinação para vencer e depois destruir os homens desonrosos que impuseram as mãos sobre ele enquanto ele permaneceu na custódia.

118


Ele iria levá-los todos. Eles mudaram de posição, Nathor ganhando vantagem, mas apenas por um momento. Só o tempo suficiente para infligir outro corte profundo. Taulan plantou os pés no chão e ergueu os quadris enquanto segurava os ombros do seu adversário. O movimento repentino fez com que Nathor virasse para cima e sobre Taulan, dando a Taulan a chance de recuperar os pés. Ele não esperou que Nathor fizesse o mesmo. Um rápido pontapé na mandíbula do seu desafiador fez com que a cabeça de Nathor se encaixasse à esquerda e o macho aparecesse ao lado. Não o suficiente para dissuadi-lo. Não quase. Nathor rapidamente se recuperou, elevando-se a toda a sua altura em frente a Taulan. Eles trocaram golpes, punhos e pés, garras e presas. O sangue fluiu e os músculos queimaram, mas eles não pararam. Sua batalha levou-os em uma rota sinuosa através da multidão. Mas ele nunca perdeu de vista sua companheira, sua Lana assistindo a batalha com medo e preocupação em seus olhos. Ele mataria Nathor por causar um mal-estar ao sua companheira. - Pare com isso, Nathor. - Ele tentaria mais uma vez antes de dar o passo final. Nathor apenas desdenhou. - Nunca. Eu nunca vou seguir esse macho. Um que permitiu que sua fêmea ficasse prejudicada. Uma que não tem asas. Taulan ouviu as palavras, mas o tom chamou sua atenção. Juntamente com o fato de que as lesões de Lana vieram antes de sua falta de asas. Ele golpeou Nathor, afundando suas garras profundamente no peito do macho sob sua caixa torácica. Ele levantou o momento em que seus dedos atingiram o osso, causando ainda mais dano. - Cesse. Seu oponente disparou suas asas, usando-as para levantar seu corpo da mão de Taulan e um gota molhada atingiu suas orelhas quando seus dedos foram libertados. - Não. - Outra contração de asas fez com que Nathor subisse mais alto até que ele pairasse apenas fora do alcance. - Venha me seguir, Mestre de Guerra. Venha me derrotar nos céus como um verdadeiro Preor.

119


- Ele não deveria ... - O grito de Lana foi silenciado por Jarek, o homem cobrindo os lábios com a palma da mão. A única coisa que salvou o macho foi o fato de que ele tinha sua própria companheira. - É isso que você deseja, Nathor? Para tomar seu vôo final? Nathor enrolou o lábio. - Como se você pudesse seguir. Eu vou leválo para o ar e deixá-lo no chão como um humano raivoso. Um rumor os cercava, o som crescendo a cada batida das asas de Nathor. Nem todos gostaram de ouvir o macho falar de seres humanos de tal maneira. Eles eram a esperança para o futuro e ele desonrou-los com suas palavras. - Deixe-nos sair da Terra, Nathor. - Ele não tinha escolha, mas isso não significava que ele tinha que seguir o Preor como um dragão. Enquanto Nathor ganhou altura, também Taulan ... nas paredes irregulares de pedra dos lembretes imponentes de aerorias Preor. Garras raspadas contra pedra e ele rastejou até a pedra escarpada. Ele foi cada vez mais alto, chutando Nathor quando ele se aproximou muito e se virou para um lado quando o macho tentou puxá-lo da parede. O tempo todo, Taulan esperou. Esperou e observou como Nathor ficou cada vez mais frustrado com suas falhas. - Você não pode me bater, Nathor. - Sua respiração permaneceu estável enquanto Nathor ofegava por seus esforços. - Eu posso! Eu vou! Eu destruí Droze e Luuvak e eu ... - Taulan estreitou os olhos. - Foi você. Você sem honra. - Você tem uma companheira e você não a vingou. - O olhar nos olhos do macho estava dizendo, a borda louca revelando mais do que palavras. Sim, as palavras de Nathor disseram que ele não se importava com os humanos, mas a inveja estava em seu olhar. Taulan tinha uma companheira e não a protegeu, assim que Nathor fêz exame sobre ela para vingar Lana. E agora desafie-o.

120


- Uma companheira que vai morrer se você não parar. - Taulan soltou seu apoio e permitiu-se cair vários pés, evitando a próxima tentativa de Nathor. - É isso que você deseja? Matá-la com a minha morte? Pois se ele morresse, ela o faria. - Um homem honrado não permitirá que ela padeça. O médico mestre a curará. - A perda de lesões sangüíneas - empurrou Nathor mais perto da borda da transição e não demoraria muito para que o homem sucumbisse. - E esse homem não será você. - Taulan cuidaria disso. . - Você sem honra, sem força. Você que vai tomar o seu vôo final. Hoje. - Você vai morrer. - O azul abarcou Nathor, seu corpo brilhando enquanto transformava o ar de sua forma humanóide para um dragão Preor totalmente crescido. A transição foi rápida. Uma ondulação que atingiu um macho enquanto ele se movia. E foi nesse momento, naquela amplitude de tempo entre as formas, que Taulan golpeou. Ele pulou para longe da parede, girando e torcendo seu corpo de modo que, quando Nathor se acomodou em sua nova forma, Taulan sentou-se em seu adversário. Gritos e gritos acompanharam a transição, zombaria e alegria lutando pela supremacia, mas ele só teve tempo para uma coisa agora. Destruir Nathor - o macho que estava disposto a tomar tudo o que Taulan tinha ganho. Eles giraram pelo ar, girando e mergulhando enquanto Nathor tentava desalojá-lo. Tentava. Taulan não seria jogado fora tão facilmente. Ele agarrou as costas do macho, uma mão cercando uma única coluna, enquanto a outra ... O outro cresceu garras, maiores e mais compridas do que antes, para que ele pudesse terminar a batalha rápida e facilmente. Não era uma coisa fácil que ele oferecia. Não é uma escolha fácil para conceder a intenção do macho em destruir sua vida. Mas ele deulhe exatamente o mesmo. - Pare, Nathor. -Taulan tomou a ação seguinte do macho como uma negação. Nathor inclinou seu corpo e raspou suas costas maciças contra as paredes rochosas da aerie, tentando livrar-se do peso de Taulan. Era o fim, então. A rejeição final que selou seu destino. Quando Nathor se endireitou, Taulan entrou em ação. Ele saltou das costas de seu oponente, navegando pelo ar e girando ao redor assim que agarrou o peito do macho. Escamas vulneráveis foram reveladas a ele, uma das poucas manchas tenras em um Preor. Ele se preparou para o que estava para vir, os sentimentos prestes a

121


bombardeá-lo enquanto tomava a próxima ação. O chão se aproximou, o mergulho íngreme de Nathor outro movimento significava livrá-lo do peso de Taulan. Quando alcançaram a grama, um deles não se levantou outra vez. As unhas afiadas em sua mão esquerda que brilham, executaram sua tarefa com eficiência rápida. Ele cortou a garganta de Nathor. Ele cavou suas garras em seu primo, seu parente de sangue, e terminou sua vida com um único golpe. O som que encheu o ar foi interrompido, seu oponente teve dificuldade em segurar a respiração enquanto o sangue fluiu da ferida para cobrir a pele de Taulan. O chão se aproximou, seus corpos não mais descendo em um mergulho controlado, mas uma queda incontrolável. Ele afastou-se de Nathor, lutando para colocar espaço entre eles antes que eles colidissem com a grama. Ele poderia sobreviver à queda ... contanto que não se estivesse esmagado sob o peso de um deslocado Preor. A aterragem de Nathor sacudiu a nave, o ressoante baque vibrando através dos ossos de Taulan, enquanto o seu próprio de repente parou. Não porque ele encontrou a grama, mas porque mais de um Preor levantou-se no ar para o arrancar do aperto iminente da morte. Sakala agarrou seu braço esquerdo enquanto Evuklar arrebatava à sua direita. Os machos trabalharam juntos para abaixá-lo e no momento em que seus pés encontraram o chão sólido, ele tinha seus braços preenchidos por Lana. As lágrimas de sua companheira encharcaram a pele dele, mas pelo menos ele ainda tinha pele para ela umedecer. - Quem é o próximo desafiante! - O grito do Conselheiro levantou-se acima dos aplausos da multidão e seu grito os silenciou mais rápido do que qualquer Mestre de Guerra alguma vez conseguiu. O grupo recuou, deixando Taulan sozinho para enfrentar os dois machos. Ele soltou sua companheira e pediu que voltasse para Jarek. Este não era o lugar para ela. Não quando ele estava inseguro como os dois Preors mais velhos tomariam suas palavras. Tabulan deixou seu olhar tocar na multidão, seus olhos pousando em guerreiro após guerreiro e cada um deles tinha uma única expressão seus rostos - orgulho. - Você não vai encontrar outro desafiante aqui - não havia dúvida em sua mente - Então você será levado sob custódia pelos assassinatos de ... Agora a multidão aumentou - Ele não vai! Suas escamas mortas!

122


Taulan ergueu as mãos, pedindo silêncio, e ele não falou mais até que todos se calaram. - Você pode não ter ouvido, mas Nathor admitiu a assassinar seus filhos. Não fui eu. Não estava sob minha ordem ou por minha mão, mas com a garra de um macho com mais preconceitos do que crenças. - Ele apontou para o dragão maciço que estava morto perto. - Você procura o assassino de seus filhos? Ele está lá. Faça o que quiser, mas saia do meu navio. - Ele deixou seu ódio e fúria através, permitindo que ele ultrapassar suas feições até que eles não pudessem duvidar de seus sentimentos. Até que eles não puderam deixar de ver a violência mal repreendida dentro dele. - Agora.

123


Lana estava nervosa e não foi só porque Taulan não estava totalmente curado da sua luta com Nathor. Os cortes não eram nada, mas linhas rosa, mas seu companheiro se movia com uma lentidão rígida que tinha ela pairando em torno dele. O que, obviamente, lhe rendeu mais de um brilho. Ela decidiu não levá-lo pessoalmente. Parecia que os machos Preor eram como seres humanos em pelo menos uma consideração - eles não gostavam de revelar fraqueza. Especialmente na frente de sua guarda. O guarda encheu a pequena embarcação de transporte que todos empilharam para sua viagem à superfície da Terra. Especificamente, a pista de pouso perto de UST e Preor Tower. Obtendo um pedido de desculpas do príncipe e acreditando que ele queria dizer que eram duas coisas muito diferentes. Seu companheiro tinha fé no Ujal, mas Lana ainda se lembrava de ter sido "escoltada" ao UST rodeado por meia dúzia de tridentes com machos em escalas e caudas. Seu companheiro sentou-se ao lado dela dentro da pequena embarcação, mas sua atenção estava em seus guerreiros, não nela. O que era bom. Bem. Mas não foi. Não quando seu estômago revolvia e ela sentia como se ela voltasse de dentro para fora a qualquer momento. Seu café da manhã ameaçou fazer um reaparecimento e ela realmente não sentiu vontade de vomitar na frente destes Preor. Eram os mais maldosos dos machos corpulentos e malvados que eram mortíferos e ferozes. Ela esfregou seu abdômen e rezou para mantê-lo. Pelo menos até a noite acabar.

124


Podia vomitar quando voltassem para o quarto. Tentando manter sua comida no lugar, ela tentou distrair-se com as vistas de passagem. As estrelas encheram a tela de vídeo, as luzes cintilantes se aproximavam da atmosfera da Terra. Quanto mais se aproximavam do azul pálido do Golfo do México, mais ela ficava confusa. Lana cedeu Taulan, querendo sua atenção, mas ele continuou falando. Outra cotovelado não lhe deu nada. Quando ela entrou em um terceiro, ela congelou no lugar e sua respiração congelou em seus pulmões. Ela estava cotovelando seu companheiro, interrompendo-o, em um esforço para chamar sua atenção. Não é grande coisa para uma mulher como Nalan ou Melissa - eles se levantaram para seus companheiros dominantes - mas para Lana ... Ela olhou para o braço como se fosse a primeira vez que ela o visse como se fosse uma nova parte de seu corpo. Ela tinha feito o movimento sem pensar. Mais importante ... sem medo de retribuição. Não porque Taulan não fosse forte o suficiente para vencê-la se ele quisesse, mas porque ele não iria vencê-la, não importa o quê. O Saber não lhe disse isso. Era simplesmente uma certeza profunda da alma. Taulan nunca a machucaria de propósito. - Shaa kouva? Precisou da minha atenção? Ela balançou a cabeça, puxando-se do choque dessa nova realização. - Você nunca me machucaria. - Awe encheu seu tom. As asas voaram, tremendo de agitação, mas ela não se importou. Não só Taulan nunca a machucaria, ele não permitiria que o mal lhe chegasse. - Você nunca me machucaria. Seu companheiro franziu a testa, a sobrancelha franzida e os lábios virados para baixo. - É claro que eu não ... Ela não precisava de sua afirmação. Ela precisava de seu toque, sua boca, para sentir seus braços envolvidos ao redor dela porque ela achava que a alegria a quebraria em um milhão de pedaços. E Lana continuou a tomar o que desejava. Ela se inclinou sobre ele, suas mãos sobre seus ombros enquanto ela o puxava para mais perto. O beijo não era sensual ou lento, não tinha a intenção de despertar, mas apenas expressar sua felicidade com a descoberta.

125


Pela primeira vez desde que conhecera Steven, ela poderia trocar um beijo sem esperar que um punho o seguisse. Ela capturou seus lábios, deslizando sua língua entre os seus, e provou-o. Ela provou seu companheiro, seu único. E Taulan rosnou em resposta. Ele não permitiu que ela o mantivesse rápido, mas em vez disso agarrou-a pela cintura e levantou-a em seu colo. Ele a abraçou firmemente, segurando-a com os braços ao redor da cintura dela. Seu pau endureceu contra sua bunda, e ela se contorceu. Sua vagina doía com a súbita necessidade de ser preenchida por ele, para ser tomada e reivindicada mais uma vez. Mas uma tosse baixa cortou através de sua crescente necessidade mais rápida do que qualquer outra coisa jamais poderia. Porque era um lembrete de que eles não estavam sozinhos. Rosto queimando, ela enterrou seu rosto contra seu pescoço enquanto ele ... riu. Inferno, era perto de uma risada aberta do ventre que a sacudiu com sua força. - Ah, shaa kouva. Você sempre me surpreende. - Ele a acariciou em troca e murmurou. - Você mostra sua paixão ante dos guerreiros e ainda se esconde como um dragão capturado roubando guloseimas. Ela bufou, mas não disse mais uma palavra. O que ela poderia dizer? Desculpe por vocę estar na frente dos caras. O navio estremeceu e sacudiu e foi o suficiente para que ela tirasse sua atenção para a tela de vídeo que espelhava seus arredores. Ela viu chamas brilhantes de passar pela atmosfera encheu a tela, mas eles desapareceram tão rapidamente como elas apareceram. - O qu ...? - Os Preor não estão à mercê da atmosfera da Terra. Foi isso que você quis saber? Ela assentiu com a cabeça. - Sim, os nossos próprios navios ... Eles praticamente irromperam em chamas durante a reentrada. Mesmo agora, depois que o programa espacial estava em vigor há anos e anos, os navios ainda se tornaram fogos de artifício.

126


- Eu não não sei o que dizer. - Taulan deu de ombros. - Os Preor são melhores do que os humanos. - Ele balançou as sobrancelhas e ela percebeu que ele estava vendo televisão da Terra demais. - Em muitas coisas. Ela apenas revirou os olhos. Porque, na verdade, seu companheiro Preor era melhor do que os seres humanos ... em muitos aspectos. O navio bateu no chão e ela guinchou, surpreendida pelo repentino pouso, e o piloto girou em seu assento. - Desculpas, Maestra da Guerra. Eu imploro ... - Bom Deus, os homens se desculparam e pediram perdão por tudo. Talvez ainda estava muito acostumada com os seres humanos e as suas idiotices. - Nenhum macho que valha a pena suas asas vai parar de se desculpar quando você está assustada ou surpresa, Lana. - Ela ignorou os suspiros que vieram dos guerreiros. Aparentemente, dirigindo-se a ela pelo seu primeiro nome era uma coisa-não-a-fazer. - Eles podem fazer isso silenciosamente então? Desculpar-se com as estrelas ou algo assim? - Infelizmente, Choler sacudiu a cabeça. Bastardo. Qualquer outra conversa foi interrompida pelo silvo baixo do navio, igualando a pressão para combinar com a Terra, seguido por um thunk, em seguida, thud como a porta se abriu e a passarela desceu. Os guerreiros chamaram a atenção, entrando em formação para que ela e Taulan estivessem cercados enquanto se dirigiam para a Torre Preor. Aparentemente, ela tinha uma surpresa rápida e então eles iriam a UST para o jantar. Lana tinha votado fazer a supresa ser um pouco mais longa e acabarem por pular o jantar a seguir. Taulan derrotou ela. Assim como um homem – er, macho. Cercado por Preor, seu pequeno grupo lentamente fez seu caminho através da pista de aterragem e para o caminho que os levaria para a torre. Eles se moviam rápidamente e eficientemente, sem parar, apesar dos alaridos e gritos de alguns dos manifestantes que permaneciam constantemente nos estacionamentos. Assim como Preor estava em desacordo com os seres humanos, havia seres humanos que não queriam que sua raça acasalasse os Preors. Lana pensou que era um monte de merda por toda parte. A verdadeira razão pela qual os humanos não queriam a adesão era porque os homens sabiam que o pênis de um Preor era maior. Pelo menos, isso era o que ela

127


tinha testemunhado. Dois guerreiros estavam de guarda fora das portas duplas da entrada da torre e eles pararam seu grupo feroz, identificação. Aparentemente, vários extremistas tentaram ganhar acesso à torre com asas falsas. Eles estavam amarrados com explosivos suficientes para trazer todo o edifício desmoronando. A malícia e a ignorância sempre a surpreenderam, mas ela não tinha certeza do porquê. Se a sociedade poderia criar um homem como Steven, poderia criar todos os tipos de idiotas. Logo eles estavam em um elevador, o espaço retro-montado para acomodar o contingente completo de guardas com espaço sobra. - Agora sei como se sente uma sardinha - murmurou ela. Só para ter Choler responder. - Preor não é uma comida marítima, Lana. Talvez você tenha perdido aquela parte de sua instrução. Eu vou ... - Choler sorriu, alegria dançando em seus olhos, e ela resistiu ao desejo de cotovelá-lo. Duro. - Choler, pare de antagonizar a Maestra da Guerra. Lana, pare de nos comparar aos peixes. - murmurou Taulan. - É como viajar com dragonlets. - Só porque ela podia, ela inclinou a cabeça para trás e estendeu a língua para seu companheiro. - Não mostre se você não está preparada para usála. - ele resmungou. Lana estava mais do que preparada ... quando eles estivessem sozinhos. Esperava que eles estivessem sozinhos em breve. Como, realmente logo. O elevador começou o seu caminho, fazendo os numeros passarem enquanto eles premaneciam dentro da caixa de metal. Mais do que as asas de um guerreiro se contraíram e murmuraram. Em nervosismo ou excitação? Ela sabia que os homens estacionados no navio não conseguiam trocar muito freqüentemente. Talvez por isso estivessem indo tão alto. Taulan iria deixá-la ver alguns dos guerreiros se transformar e voar para ela. Pelo menos desta vez, o macho não estaria tentando matar seu companheiro. Como surpresas eram, este era muito legal. Ela fingiria estar chocada quando eles chegassem ao telhado. Não faz sentido arruinar as coisas para seu companheiro. Ela apenas ... O elevador se abanou e as portas se separaram. No início, ela não viu nada fora de lugar ou estranho. Eles pareciam entrar em uma espécie de entrada, coisa de área de estar. Algumas cadeiras de pelúcia formaram um

128


meio círculo em torno de uma pequena mesa de café e o layout apareceu para convidar os visitantes a ter um assento e passar alguns minutos conversando antes de ir ... alguns. Havia duas arcadas, uma em cada lado do lobby.

Qual caminho eles iriam? Ela se perguntou ... Não se perguntava nada. Ou melhor, algo. Algo como como diabos eles chegaram lá? Ou de onde eles vieram? Mesmo santo foda são reais? Porque lá, emoldurado no arco à sua direita, ficou de pé seus pais. Mais velhos, mais enrugados do que ela se lembrava, mas eles estavam lá. A visão de Lana ficou turva, as lágrimas encheram seus olhos, e ela estourou os guerreiros que ainda os mantinham contidos. Ela se agachou e se lançou para frente, escapando de seu alcance antes que qualquer um deles pudesse descobrir que ela tinha escapado. Ela correu, acelerando a cada passo, e quando seu pai abriu os braços, ela correu mais rápido. Durante anos ela não tinha estado com eles. Anos que ela tinha estado firmemente sob o polegar de Steven. E agora ela tinha seus pais de volta uma vez mais. Por causa de Taulan - um alienígena, um homem que a amava mais do que qualquer homem poderia.

129


Taulan não conseguia tirar os olhos de sua companheira. Ela brilhava de felicidade, sua alegria facilmente visível e ele se aqueceu em seu calor. Ela revelou em sua surpresa - a chegada de seus pais - mas não sabia tudo. Ele se moveu para a frente, seus guerreiros se separaram rapidamente para lhe conceder movimento, e ele viu que mais de um ainda franziu o cenho em Lana. Ele não podia culpá-los. Ela abaixou sua segurança como se fossem inconsequentes. Ele parou ao lado de Skala. - Os machos terão de trabalhar na sua rapidez. - A velha escala seca riu. - Ela vai nos manter em grande forma, Mestre de Guerra. - Há sim sem duvida! A gargalhada masculina e o sorriso das travessuras de seu companheiro agradaram a Taulan. Estava contente por Lana exigir que Skala permanecesse ao seu lado. Ela encontrou conforto no guerreiro mais velho e o guerreiro mais velho encontrou outra razão para não tomar seu vôo final ainda. Com sorte, Skala iria encontrar uma companheira na Terra e passaria muitos mais anos com uma fêmea ao seu lado. Taulan continuou, andando em direção a sua companheira e seu pai e mãe. A sua mãe avistou-o primeiro e ele se viu o destinatário de um abraço e um beijo. Ele explicou à fêmea que os machos não aceitavam afeição de nenhuma outra que sua companheira, mas ela informou que as

130


mães fizeram como quiseram. Ele teria que explicar a ela - novamente que ela não era sua mãe. Quando sua companheira pegou seus olhos, rapidamente limpou o batom que certamente manchou sua bochecha. - Lana, eu tentei dizer à sua mãe que ... Sua companheira bufou e voltou para seu lado. Ela lambeu o polegar e esfregou em um ponto em seu rosto. Talvez este fosse um ritual humano. - Mamãe vai abraçar e beijar você e papai vai te dar o que um cara faz apertar e bater as costas. Apenas aceite e siga em frente. - Um sujeito aperta? - Ele esperava que não fosse uma espécie de manobra de combate. Ele feriria gravemente o pai de Lana se eles lutassem. Sua companheira apenas bateu no peito dele. - Você vai ver. - Ela se inclinou para ele, e inclinou a cabeça para trás. - Obrigado. Este é o maior presente que alguém já me deu. - Uma única lágrima escorregou pelo seu rosto. - Eu não pensar que eu iria vê-los novamente. Não depois de Steven e você ... - Um Mestre da Guerra Preor que pode fazer o que bem entender. Apertou um beijo em sua testa e puxou seu cheiro. Ela cheirava a glória. Como o céu nítido de Preor no auge do inverno. - Mas essa não é a única surpresa. - Tem mais? - Oh, Lana, você nunca vai adivinhar o que seu jovem homem fez. - A voz de sua mãe interrompeu sua conversa e então ela agarrou a mão de Lana. - Venha ver. Taulan a soltou e empurrou-a para a mãe. – Vá. Sua companheira desapareceu ao virar da esquina e ele lentamente seguiu, parando ao lado do pai de Lana. Senhor Coburn suspirou. - Minha esposa não sabe o significado da palavra surpresa. - Ele bateu no ombro de Taulan. - Mas você vai aprender. Ele franziu a testa para o humano mais velho e então voltou seu olhar para Choler. O Mestre de Negociação o salvou de lutar contra o Senhor Coburn. - Larry, eu acredito que eu expliquei que os machos Preor ...

131


Senhor Coburn bufou e soltou Taulan enquanto seus olhares se fechavam. - Menino, eu sou velho, mas eu não sou burro. Eu não iria desafiar um de vocês. - Taulan? - A voz suave de Lana o alcançou e apertou seu coração. Surpresa e algo mais enchia seu tom. Quando ele voltou sua atenção para ela, foi para vê-la balançar no lugar, seu olhar de olhos arregalados bloqueado nele. Ela apareceu à esquerda, desabando contra o sofá que Jarek insistiu em colocar, e Taulan correu para seu lado. - Shaa kouva? - Ele a puxou para seu colo, sem se importar que ele a segurasse mais perto do que era honrado quando em presença de seu pai e mãe. Ele segurou sua bochecha e examinou seu rosto, procurando a fonte de seu desconforto. - O que está errado? - Você comprou isto. Tudo isso. - As palavras saíram finas e macias. Eu não ... Você ... Nós vivemos em ... Ele virou o cenho para a Senhora Coburn. - Eu não entendo. - Ele acreditava que ele tinha feito uma bondade. - Choler. - ele estalou. – Explique. Senhora Coburn não deu ao guerreiro a chance de falar quando ela se apresentou. - Ela está apenas surpresa, Taulan. Somos pessoas simples e isso . - ela acenou para o apartamento. - Isso é mais do que alguma vez tivemos em nossas vidas. - Eu queria ter acomodações adequadas para o pai e a mãe da minha companheira. - Ele virou o olhar para Choler. - Você indicou ... O macho tentou responder Taulan mais uma vez, e mais uma vez Senhora Coburn intercedeu. - Teríamos ficado bem com um pequeno apartamento de um quarto do outro lado da cidade. - Ela balançou a cabeça. - Uma suíte em um dos andares superiores da Torre Preor está além de qualquer coisa que poderíamos ter imaginado. Taulan resmungou. ocasionalmente.

-

Você

vai

compartilhá-lo

conosco

Senhora Coburn sorriu. - Você e meus pequeninos. Ele não tinha certeza do que era uma abelha, mas ele supôs que ela falava de suas libelinhas. - Devemos criá-los primeiro.

132


Talvez eles não entendessem a fisiologia de Preor. Ele se perguntou se ele deveria explicar isso ou mandar o Mestre de Medicina vir à tona. Como ele não queria falar de acasalamento com o pai e a mãe de sua companheira, ele ordenaria a alguém para instruir o casal. Lana balançou a cabeça e finalmente lhe deu atenção. - Você fez isso. Você trouxe meus pais aqui. Você lhes deu uma casa que compartilharemos com eles? - Em algumas ocasiões. - Ele não podia permitir que ela assumisse qualquer outra coisa. - Eu não posso viajar do navio mais de uma vez a cada oito anos, e eu não vou permitir que você visite por conta própria. Eles são autorizados a vir para o navio de guerra quando quiserem. - Ele acreditava que ele tinha feito muitas concessões. - Agora, você pode me agradecer. O bufo de Senhora Coburn era muito parecido com a própria Lana. Curioso. - Mestre de Guerra Taulan? - Lazun deu um passo à frente e ele reconheceu a expressão desconcertada no macho. Ele estava agindo como um animal em preparação para essa surpresa. Deveria ter esperado que seus guerreiros estivessem no limite e cautelosos em interromper. - A refeição da noite será servida no UST em breve. - Uma refeição que eles tinham que estar presentes para. Com um suspiro, ele colocou Lana em seus pés e, em seguida, levantou-se também. - Venha, Coburns. O príncipe Tave está perdoando, mas eu ouvi que sua companheira está esperando outro filhote e requer a alimentação constante. Eles não vão esperar muito por nós. - Oh, mas nós não vamos. Eu não tenho nada para vestir. - Nós vamos ficar aqui e nos acomodar. - Lana bufou. Sim, as duas fêmeas soaram muito semelhantes. - A primeira vez que eu conheci Tave eu estava em um terno da saia, embebida até ao osso na água do mar com sua filha que estava colada a mim. O que você está vestindo está bem. - Parecia que o casal ainda tinha dificuldade em concordar, então Taulan tomou a decisão para eles. - Nós iremos todos. Guerreiros. - ele estalou e os homens caminharam para frente, caindo em posição em torno dos quatro deles. Agora eles não tinham escolha. Taulan estava orgulhoso de sua decisão. Especialmente

133


quando sua companheira sorriu para ele. Sim, ele tinha feito a escolha certa. Pelo menos, essa era a sua crença até que eles partiram de Preor Tower e começaram a sua caminhada para UST. Porque, quando sua companheira e sua mãe fizeram uma pausa para recolher alguns escudos enquanto continuavam em outros cinqüenta pés, um macho emergiu das sombras. Um que agarrou uma faca e a segurou para a garganta de sua companheira. Inaceitável.

134


Era bom demais para ser verdade. Tudo isso. Cada única coisa que aconteceu desde o momento em que ela conheceu Taulan até este segundo ... Sim, muito bom para ser verdade. Porque Steven estava lá - ali - com uma faca contra a garganta e sua mão suja atarraxada em seu cabelo. Ele puxou com força e ela estremeceu, a sacudida de dor escorregando através dela. O corpo de Lana deu as boasvindas à dor como um velho e odiado amigo. Uma daquelas pessoas que uma pessoa conhecia há tanto tempo, mas odiava nas profundezas de sua alma. E sua presença alimentou esse ódio. A enchendo até que quase queimou-a de dentro para fora. Lembrou-se de cada palavra que ela tinha suportado, cada zombaria, gritaria. Ela se lembrava de cada bofetada, soco e pontapé. A primeira vez que ele partiu seu lábio. A primeira vez que ele quebrou seu nariz. A primeira vez que ele fraturou as costelas. Depois, havia as contusões ... Tantas, tantas vezes. Mas então ela conheceu Taulan. Conheceu e ele tinha transformado seu mundo em seu fim. Não porque ele era um alienígena, mas porque ele era seu alienígena. Seu companheiro. Seu único.

135


O Saber pulsou dentro dela, inundando-a com mais informações. Dava-lhe o conhecimento que não tinha percebido que ela precisava queria. Ele disse aqui para onde chutar, onde bater, onde cortar. Aquela onda de consciência instou-a a agir, pediu-lhe para pisar no seu peito do pé, cotovelo-lo no rosto e, em seguida, levantar o joelho com tanta força que as suas bolas acabariam em sua garganta. Ela tinha que admitir, a imagem que o Saber pintou lhe deu um sorriso. Seus lábios se levantaram nos cantos até que um sorriso dividiu suas feições. Sim, ela podia fazer tudo isso e mais e não podia esperar. Claro, ela teve que convencer Taulan para dar a ela a chance. Em seguida, seu olhar transformou-se lentamente de uma expressão de puro ódio e má intenção para confusão. Ele balançou a cabeça, franzindo a sobrancelha ao encontrar seu olhar. – Lana? A faca em sua garganta escavou em sua pele e um familiar picada de dor imediatamente seguido. Ela sabia que ele tinha cortado em sua carne, a queimadura familiar e bem-vinda. Bem-vindo porque acrescentou adrenalina ao seu sangue e força aos seus músculos. Taulan rugiu, seu peito se expandindo e seus ombros crescendo cada vez mais a cada respiração. Sua mudança ameaçou, o redemoinho de roxo escuro pareceu subir da areia e dançar ao redor de suas pernas. À medida que subia, a cor de suas escamas também, a escuridão tentando alcançá-lo. A faca - e Steven - não seriam páreo para seu companheiro. Mas primeiro… - Estou bem, Taulan. - ela roncou e lutou pelo ar quando seu ex apertou seu aperto. Lana empurrou Steven. Não tentando desalojá-lo, mas apenas dar-lhe o oxigênio que seu corpo desejava. Um gemido baixo veio de sua direita e ela lançou sua atenção para a fonte. Sua mãe descansou na areia, sua mão enrugada apertando seu antebraço. Areia e conchas escavadas no lado de baixo do antebraço de sua mãe e uma onda de raiva se juntou à fúria de Lana. Sim, ele segurou Lana no ponto de faca, mas ele tinha machucado sua mãe. Ele machucará a mãe dela.

136


- Steven. - ela ofegou quando ele cavou a ponta de sua faca mais profundo em seu pescoço vulnerável. - Você não vai se safar disso. Você sabe disso, certo? - Ele puxou seu cabelo mais uma vez. Era uma das coisas que ele gostava – arrasta-la pelo cabelo. - Você não vai sair desta praia comigo. Ou sem ele mesmo desde que o seu companheiro parecia como se ele fosse felizmente arrancar a cabeça do seu ex. Considerando que ele lutou contra um dragão deslocado recentemente - e ganhou - ela não achava que Steven tivesse uma chance no inferno. - Você é minha. - ele rosnou. - Eu tive você primeiro. Eu a treinei. Ele a treinou para temê-lo, para fazer o que queria ou para se machucar. Sim, ele a treinou bem. - Você pode ter me tido, mas não mais. - Não. Você é minha. - Steven. - Esse ponto de faca afundando em sua pele estava realmente irritando ela agora. No passado, ela tremia e chorava. Agora ela ficou furiosa. - Eu te deixei. Eu mudei meu nome para que você não pudesse me encontrar. Foi uma grande pista que eu não queria ter nada a ver com você. A dor tornou-se fúria e ela usou cada fragmento de dor - cada memória de agonia - para alimentar seus movimentos. O Saber ainda descia e fluía, agora lentamente dando-lhe uma nova consciência de seu corpo, de equilíbrio e força, e quando usar ambos. - Lana! - Seu companheiro gritou para ela, mas ela não lhe poupou um olhar, não quando ela precisava se concentrar no pedaço de merda segurando seu cativo. - Você é minha. - Não. - Ela apertou os dentes e se preparou para o que estava por vir. - Eu não sou. - Lana fechou os olhos, afastando Taulan enquanto ela fazia o que precisava ser feito. Ela estava sobre isso, sobre ele, sobre cada coisa de merda neste momento. Ela ergueu o joelho e pôs o pé no peito com força o máximo que pôde. Ela sentiu os ossos se encaixarem sob seu pisar e ela sorriu quando Steven soltou um grito agudo.

137


- Sente-se bem, não é? - Ela murmurou e ignorou o novo rugido de agonia Rasgando através dela. Sua lâmina afundou-se mais profundamente em seu pescoço, mas ela não teve tempo para se preocupar agora. Não quando ela tinha um cotovelo para jogar. Ela curvou seu braço e bateu-o para trás, pegando seu nariz. Ela sorriu ante o familiar aperto. - Como isso? Outro grito. Steven deixou cair a faca quando levantou as mãos ao nariz e permitiu que ela escapasse. Mas claro, ela estava livre, mas ela não tinha terminado. Ela girou no lugar, agarrou sua cabeça e puxou-a para o joelho, ferindo-o ainda mais. Ainda, não tinha terminado. Não ainda. Enquanto ele tropeçava, agora cegado pelo sangue e lágrimas, ela trouxe seu joelho para a luta mais uma vez. Bem onde um homem era mais vulnerável. Ela realmente queria empurrar suas bolas em sua garganta. Ela o levantou com força e sorriu quando seu grito feminino dividiu o ar. Ele abandonou tentando controlar o fluxo de sangue de seu nariz e em vez disso agarrou sua virilha. Ele tropeçou para o lado e finalmente caiu sobre a areia. Insuficiente. Não ainda. Ele precisava pagar por tudo o que tinha feito ... Todos os seus machucados, hemorragias, hematomas e lacrimejantes. No segundo que ele atingiu a praia ela estava sobre ele novamente, perna puxada para trás e pronta para ir atrás de suas costelas. Fracturando suas costelas como ele tanta vez lhe tinha feito. Como ele gostaria disso? Ela deixou sua perna ir, pé flexionado e pronto para arar no corpo do homem maltratado. Apenas para ser parada. Um grosso, púrpura antebraço enrolado em torno de sua cintura e arrancou-a longe de Steven. Ele os girou no lugar até que ela não pudesse mais ver sua pedreira. Mas sua luta não a deixara. Não, ela ainda chutou e socou, agora lutando contra seu companheiro pela liberdade. Ela queria ... ela precisava ... - Calma, shaa kouva. Calma ... - seu murmúrio baixo e o amolecimento de sua espera a fizeram esforçar-se para a liberdade uma vez mais. Liberdade que ele não concedeu. A primeira sugestão de lágrimas lhe encheu os olhos e ela soluçou. - Eu quero ...

138


- Eu sei. - Ele acariciou seu cabelo, seus lábios a um barulho de sua orelha. - Eu sei mais do que você pode imaginar, mas você não pode. - Ele ... - Eu sei. - Eu preciso ... - Eu preciso vê-lo enfrentar a justiça. Eu preciso dele para machucar. Eu preciso dele para chorar. - Eu sei disso também. Ele vai ser visto, mas eu não posso permitir que você carregue a carga disto em sua alma. Ele saberá o motivo de sua dor e sua morte. - Você vai ...? - Ela deveria se sentir mal que ele enfrentaria a morte por suas ações, mas ela não fez. - Nenhum homem-macho, Preor, Ujal Ou qualquer outra coisa jamais colocará as mãos em cima de uma fêmea Preor e viverá. - Ele lentamente a girou em seu abraço e ela caiu para frente. Ela deixou que ele tomasse seu peso, a adrenalina batendo e abandonando-a. Ele segurou sua bochecha e ela encontrou seu olhar como uma lágrima única riscado abaixo seu rosto. - Nenhum. Seu destino foi selado no momento em que ele te tocou com raiva em seu coração. Vai ser devagar porque ... - seu guerreiro feroz acariciou suavemente a pele em torno de sua lesão - ... porque ele derramou seu sangue. - Na Terra, temos o direito a um julgamento justo. - Eu não posso explicar as falhas da Terra. Quando a culpa é clara, quando vários guerreiros testemunham o evento, seu destino é selado. - Mestre de Guerra Taulan? - A chegada de Radoo os tirou de sua conversa. - Jarek pediu que eu ver se o seu partido tem qualquer dificuldade. O olhar de Radoo não perdeu nada, seus olhos examinando a ferida de Lana, para a mãe dela, e então para o Steven contorcendo-se e choramingando. - Não parece que você precise de ajuda. - Seus olhos ardiam e as chamas lambiam suas íris, enquanto a raiva superava seus traços rígidos. - Mas eu ofereço-a. - Ninguém disse uma palavra por diversos momentos, a atenção do partido em Radoo e em Taulan até seu companheiro finalmente concordou.

139


- Acolhemos sua ajuda nisso, então. - Ela tinha certeza de que seus guerreiros se lamentavam como crianças pequenas, que tinham tirado o seu traje. - Lana? - murmurou Taulan - Hmm? - Ela lentamente afastou o olhar do ameaçador Radoo. - Sim? - Você está bem o suficiente para continuar? Podemos procurar atendimento médico no navio, mas estamos muito próximos e eles estão familiarizados com a biologia humana. - O sussurro suave de sua mãe, o tom tingido de dor e voz cheia de lágrimas, tomou a decisão por ela. Ela não podia submeter a mãe à espera para chegar ao seu navio. Tão cautelosa quanto ela era do Ujal e UST, ela deu o seu consentimento. - Vamos para a UST.

140


Sua Lana foi curada e, no entanto, Taulan não conseguiu evitar que seus pensamentos retornassem ao evento na praia. Ela tinha sido vulnerável, danificada, e ele sabia que ele falhou como um companheiro. Ele permitiu que ela chegasse a se prejudicar enquanto estava sob seus cuidados. Ele não ficaria surpreso se ela o expulsasse da sua cama e da sua vida. O Saber os empurraria juntos, mas eles poderiam passar a maior parte do seu tempo separados. Lana caminhou lentamente em volta da suíte que lhes foi dada para a noite. Embora suas feridas fossem curadas, ele não queria sujeitá-la à viagem da Terra para o navio. Passar uma noite na UST não faria mal. Não importava quanto ele desejasse ser cercado por guerreiros conhecidos por ele. Ele não tinha nada contra os melhores machos do príncipe, mas eles não eram Preor. Mas os Preor sofriam com o ar salgado em suas asas. O fato de Taulan não ter asas foi uma das razões pelas quais ele conseguiu entrar na varanda da estação com ela. A brisa golpeou seu corpo e ele deixou seus olhos fechados. O ar fresco e úmido incomodava seu dragão, mas não havia dor, pois o ar secava as finas membranas de suas asas desde que ... ele não as tinha. Ela se encostou na beira da varanda e se apoiou contra a grade. Agarrando a borda, ela inclinou a cabeça para trás e olhou para as estrelas pontilhando os céus.

141


Como desejava poder levá-la voando entre os ventos torcidos. Aproximou-se dela, apoiando uma das mãos na parte inferior das costas. Ele esfregou suavemente e então deslizou sua palma para seu lado. Um deles puxou-a contra ele, seu corpo moldando-o como se fossem feitos um para o outro. Porque eles eram. Taulan beijou sua cabeça e depois acariciou seu cabelo. Ele não conseguia manter os lábios para si mesmo, não podia negar a si mesmo seu toque. - Shaa kouva, você está bem? Ela esfregou sua bochecha contra seu peito, transferindo seu cheiro para ele. Bom, ele queria que todos soubessem que ele tinha experimentado o Saber e agora tinha uma companheira forte ao seu lado. - Estou bem. - Você não parece bem. ‘Tudo bem’ ele descobriu, que significava muitas coisas diferentes para as mulheres. Lana descansou sua bochecha sobre seu coração e enrolou seu braço livre em torno de sua cintura. Ela o abraçou - "abraçou" - de uma maneira que acalmava sua besta. Era tanto reconfortante como uma expressão de seu carinho. Então ela não o odiava por suas falhas. - Eu sou ... - ela suspirou. Suspirar, ele aprendeu, também poderia ser ruim também. Jarek foi mais informativo. - Não sei o que sou. Ele acariciou suas costas, traçando sua espinha. - Me fale de seus sentimentos, shaa kouva. Dê este fardo a seu companheiro. Era seu trabalho como companheiro para aliviá-la de qualquer maneira possível. Lana inclinou a cabeça para trás e encontrou seu olhar. Tantas emoções permaneciam em seu olhar - medo, raiva, preocupação, esperança. - Eu não quero ser um fardo para você. Você tem tanto a ver com o navio e ... - E nada é mais importante do que você, Lana joi Taulan Coburn. Nada. Nunca. - Tenho medo de mim mesma.

142


Ele franziu a testa e olhou para o sua companheira delicada. - Eu não entendo. Ela abanou a cabeça. - Eu ... eu nunca fui violenta, Taulan. Eu nunca quis bater a merda fora de qualquer um. Mas o Saber estava lá e eu senti ... - Ela suspirou. Mais uma vez. Ele não gostava disso. - Eu senti que me empurrou para lutar contra Steven. Como se quisesse me libertar e eu tivesse que lutar com ele. Como se eu não tivesse escolha. Pode o Saber ...? - Ah, shaa kouva. - ele murmurou e se afastou o suficiente para levantar seu companheiro em seus braços. Dois passos os tinham em uma das cadeiras que alinhavam na varanda. Sentou-se e acomodou Lana em seu colo. - Você deveria ter falado sobre isso antes. - Ele não queria chagála, mas não podia ser ajudado. - Preors são ensinados sobre o Saber desde do berço. Não tememos sua presença, mas nos alegramos quando vier. - Ele acariciou sua bochecha, dedos traçando sua mandíbula até o queixo dela e depois lábios. - Eu esqueço que você não é o mesmo. As ondas diminuíram e fluíram, dando-lhes um cenário reconfortante para a conversa. Até o vento morreu, como se a Terra sentisse a necessidade de silêncio e quietude. - O Saber não pode forçar nada sobre você. Dar-lhe-á o conhecimento e emitirá constantemente mais, mas não pode forçá-lo a sentir-ou fazerqualquer coisa que você não deseja. Não a controla, ele a enriquece. Seu olhar preocupado permaneceu no lugar e ele mentalmente suspirou. Um suspiro que não era bom. Ele acreditava entendia a explicação de Jarek agora. - Porque está em sua mente, ele conhece sua mente. Em algum nível, em algum canto de seus pensamentos, você queria lutar e machucar Steven. Você queria lutar com ele. O Saber simplesmente lhe deu as ferramentas. - Isso não me fez ...? - Ele mal ouviu suas palavras e ele se inclinou ainda mais perto de seu companheiro. - Isso não me fez chutar sua bunda assim? - Não, não podia. Não pode fazer de você nada além do que você é minha companheira. Minha companheira gloriosa, bonita, feroz e forte. Ele não podia manter o orgulho longe do seu tom. Ele se gabaria das ações de sua companheira por muitos anos vindouros. Seus olhos cintilantes encontraram os dele e ele achou que ele avistou a alegria em suas profundidades.

143


- Não pode me fazer sentir qualquer coisa que eu não quero sentir. - Não. Isso transmite conhecimento apenas. A memória genética do Preor. Isso é tudo. Lana mordiscou seu lábio inferior e acariciou seu peito, seus dedos traçando círculos em seu peito. Se ela não parasse, ele aceitaria o convite que ela emitiu mesmo que não percebesse o que suas ações o faziam sentir. - Isso não pode me fazer am ... - Um rubor corou suas bochechas e ele pegou a mão dela enquanto ela olhava para seu colo. - Qualquer coisa que você pode sentir - raiva, atração, tristeza e carinho ... - amor se as estrelas me abençoarem - Essas são emoções que vivem em seu coração. Em nenhum outro lugar. - Amor. - ela sussurrou tão baixo que quase perdeu. Aquela única palavra, a cautela em seu tom, teve seu coração levantando enquanto enchia de alegria. Ela não mencionaria se ela não sentisse algum indício de carinho. Ele experimentou mais do que simplesmente cuidar e mais do que os primórdios do amor. Sua companheira era forte - mais forte do que imaginava que um ser humano poderia ser - e ele estava orgulhoso de têla ao seu lado. - Sim. - ele lutou para manter a voz no nível. - Se você sentir amor um que corresponderia ao meu - é puro. Não é o Saber que controla você. - Você ... - Seus olhos se arregalaram quando a esperança encheu sua expressão. - Você é forte, Lana. Sábia e com uma força interior que supera qualquer Preor. Você simplesmente não tomou o que a vida lhe deu, você lutou por mais. Você ama sem hesitação e sua crença em mim é firme. Você aceita minhas falhas... - sua companheira merecia um macho que estivesse inteiro, mas ele não a deixaria ir - ... e deu as boas-vindas a meu toque apesar de seu passado. Como eu não poderia amar uma fêmea como você? Ela o olhou furiosa e balançou a cabeça. - Você fala sobre falhas e eu sei que você quer dizer as suas asas. - Ela estreitou os olhos mais. - Eu te amo como você é. Se você tivesse asas, eu adoraria. Você não tem, mas isso não muda meus sentimentos. - Ela acariciou seus ombros e ele desejou que seus dedos tocassem ao longo de suas asas em vez disso. - Você sobreviveu

144


a algo que teria matado um menor Preor e você lutou para ser o Mestre de Guerra da Terceira Frota. - Ela acariciou a linha de sua mandíbula. - Não consigo pensar em um homem mais forte, mais merecedor do que você, Taulan. E estou feliz por tê-lo como meu companheiro. Quero passar o resto da minha vida ao seu lado e dar à luz as suas libélulas. - Ela enrugou o nariz. - Embora você vai ter que me dizer como isso funciona porque na Terra lagartos põem ovos e eu sou humano e ... - E ele não queria ouvir Lana compará-lo a um lagarto da Terra, então ele a silenciou a única maneira que ele sabia ... ele a beijou. Ele não era macio e doce, mas apaixonado e feroz e cheio de cada grama de amor que vivia dentro de seu coração. Ele, Taulan joi Lana Coburn, homem sem asas e Mestre de Guerra da Terceira Frota Preor, tinha uma companheira que o amava. Agora ele passaria o resto de seus dias lutando para se tornar digno de seu amor. Depois que ele explicasse sobre dragonlets ...

Blog: http://portale-books.blogspot.com.br Página no Facebook: https://www.facebook.com/portalebooks

Visite-nos! 145

Dragons of preor livro 02 taulan celia kyle & erin tate  
Dragons of preor livro 02 taulan celia kyle & erin tate  
Advertisement