Page 1

1

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


2

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Agência Federal Paranormal 04 Olívia Black

Resumo Você tem que ser o melhor para ir para a guerra com o pior. Esse é o lema que os agentes da Agência Federal Paranormal vivem. Eles treinam duro para caçar aqueles que são desonestos, aplicando as leis estabelecidas através dos tempos. Eles entregam justiça aos que quebram as leis e salvam os inocentes. Eles são os guardiões do mundo paranormal. Reed Dolur é um homem privado. Como um shifter tigre branco e um agente com o FPA, Reed gosta de manter sua vida pessoal separada de sua profissional. Quando ele está fora do trabalho, Reed passa seu tempo em Leather Men, um clube local BDSM. Uma noite, Reed sai à procura de uma cena dura e encontra um homem misterioso. Depois de uma cena intensa, Reed acorda sozinho, seu corpo carregava as marcas de seu Dom e o cheiro de seu companheiro pairando no ar. Graham Bingham era um agente de FPA, vivendo e trabalhando em Los Angeles, Califórnia. Quando os homens mortos começam a aparecer em torno da cidade, Graham logo percebe que ele está amarrado a cada uma das vítimas. Seus corpos ostentam suas marcas, mas ele não é responsável. Alguém está imitando-o, matando homens inocentes, e apontando a evidência em sua direção. Para manter os outros agentes em sua equipe segura, Graham deixa seu distintivo e vida para trás. Quando ele encontra seu companheiro, Graham corre na direção oposta. Ele não acha que ele será capaz de proteger Reed, não com um assassino perseguindo-o.

3

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Capítulo Um Reed Dolur era um especialista em guardar segredos. Ele sabia como manter sua personalidade profissional separada de sua vida pessoal. E com seu treinamento FPA, Reed manteve seu perfume bem fechado para que outros paranormais não soubessem sua verdadeira identidade. Esta noite não era diferente. Usando suas calças de couro, uma camiseta preta e uma jaqueta, Reed parou na entrada de Leather Men, um clube BDSM no lado oeste. O porteiro o olhou de cima a baixo, com um sorriso nos cantos da boca. Com um aceno de cabeça e uma piscadela, acenou para Reed. Homens de couro era um playground escuro para consentir adultos, procurando algum jogo áspero. Quando entrou no andar principal do clube, a masculinidade crua o cercou, recebendo-o como um abraço quente de um velho amigo. O humor, como a iluminação, era escuro. A música alta batia no prédio industrial de três andares, fazendo seu coração bater freneticamente enquanto a antecipação cantava em suas veias. Reed considerou este lugar sua casa longe de casa. No clube de couro dos homens, poderia realmente ser ele mesmo, sem preocupar-se o que outro pôde pensar. Os outros agentes não sabiam que ele freqüentava esse bar, e ele planejava mantê-lo assim. Fazendo o seu caminho através da multidão de homens, Reed caminhou para o bar. Encontrou um ponto vazio e encheu-o, apoiado na madeira brilhante. Quando o barman, DJ, o avistou, levantou um copo curto e ergueu uma sobrancelha interrogativa. Reed assentiu. Ele observou o homem adicionar alguns cubos de gelo ao copo e enchê-lo com líquido âmbar, seu habitual uísque escocês. — Vou colocá-lo em sua conta. Disse DJ, enquanto entregava a bebida para Reed. 4

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Obrigado. Reed levantou o copo e saudou o barman antes de se afastar, permitindo que outro cara tomasse seu lugar. Reed caminhou ao redor do nível mais baixo do clube, seus olhos varrendo o quarto, à procura de um homem para capturar o seu interesse. Um estranho em um dos cantos escuros chamou a atenção de Reed, e ele parou. Com suas habilidades sobrenaturais, Reed podia distinguir as feições do homem, independentemente da falta de luz. Cabelos pretos, cavanhaque e pele bronzeada. Ele parecia duro e não apenas por causa de estar dentro do clube BDSM, mas a vibração saindo dele. Ele era um Dom. Usava um par de jeans desgastados, botas pretas e uma camiseta. Suas roupas delineavam seu corpo bem definido e enorme protuberância. Os olhos de Reed moveram-se para cima e para baixo na forma do homem e ele teve que admitir que estava impressionado. Lambendo seu lábio inferior, Reed sutilmente puxou-o em sua boca e mordeu para baixo. A sobrancelha esquerda do homem se contraiu e ele inclinou a cabeça, convidando Reed para se juntar a ele em uma das salas de jogos. O estranho virou-se e seguiu pelo corredor. Reed demorou um momento para limpar seus pensamentos. Ele estava desesperado para seguir, o que significava que ele precisava pensar com seu cérebro, não com seu pau. Ele estava lutando uma batalha perdida embora e seu galo vencesse. Com sua mente feita, Reed engoliu sua bebida de um gole, pôs o copo para baixo, e seguiu o desconhecido. Ele caminhou pelo corredor, olhando para cada uma das portas abertas. Várias cenas estavam sendo jogadas para fora em cada quarto, aumentando a excitação de Reed enquanto passava. Ele podia ouvir os gritos de prazer e dor se misturando, instrumentos diferentes distribuindo tortura erótica, e pele batendo contra a pele. Seu pau endureceu, pressionando contra a frente de seus couros, implorando para sair, mas Reed não queria correr para a linha de chegada. 5

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Não, ele queria que fosse tirado. Ele queria sentir alguma dor antes do prazer final de liberação. Reed desceu o corredor retorcido, caminhando em direção às salas particulares. Reed ficou aliviado. Ele não queria uma audiência. Um monitor de segurança estava sentado em um tabuleiro ao lado de uma corda de veludo. Ele sorriu e assentiu, permitindo que Reed passasse. Durante sua primeira visita, Reed tinha recebido uma lista das regras para manter as coisas seguras, sãs e consensuais. A maioria das portas ao longo deste corredor foi fechada, embora houvesse monitores para olhar dentro dos quartos. Era apenas para fins de segurança. Quando Reed alcançou uma das portas abertas, ele olhou para dentro e viu seu mistério Dom esperando por ele. — Oi. Ele disse sua voz tremendo ligeiramente, mais de excitação que de medo. Cada vez que ele fazia uma cena com um Dom, seu sangue cantava e seu corpo vibrava. — Eu sou Reed. — Graham, mas pode me chamar de senhor. Suas palavras saíram em um tom suave e profundo, e Reed realmente tremeu. Isso nunca tinha acontecido antes. Ele nunca foi afetado pela voz de um homem. Ele podia vir do som da voz de Graham sozinho. — Senhor. O apelido rolou fora de sua língua facilmente. — Algum limite que eu deveria estar ciente? Graham perguntou. Graham caminhou ao redor dele, e Reed podia praticamente sentir os olhos do homem inspecionando-o. Ele fechou a porta com um clique suave e um arrepio percorreu seu sistema. — Não senhor. Reed era um shifter. Um tigre branco e curava rapidamente, às vezes um pouco depressa demais. Era decepcionante, já que ele adorava ver as marcas em sua pele depois de uma cena intensa. Gostava de seu sexo duro e áspero com bastante dor que sentia em seu corpo por dias depois. 6

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Vermelho, amarelo, verde? Eram palavras básicas e seguras que todos usavam no clube. Não há razão para obter fantasia. — Sim, senhor. Concordou Reed com facilidade. — Você não é novato, não é? — Não senhor. — Ajoelhe. Reed caiu graciosamente no chão, ajoelhado aos pés de Graham. Ele apertou os braços atrás das costas, segurando as mãos, enquanto empurrava seu peito. Ele colocou seu corpo em exibição, esperando que seu Dom nesta noite ficaria satisfeito. Graham mudou-se com Reed. Ele não tocou, ainda não, apenas acumulou a expectativa. Reed estava praticamente tremendo. Graham passou a mão pelos fios loiro de Reed e inclinou a cabeça para trás. — Eu quero que você chupe meu pau antes de amarrar você. Ele ordenou. — Vamos ver o que essa bela boca pode fazer. Graham se inclinou para trás e olhou para Reed enquanto desabotoava seu cinto de couro preto e desabotoava seu jeans. Reed não tinha certeza de onde olhar, nos olhos castanhos hipnóticos do homem ou em sua virilha. Graham estendeu a mão para dentro do jeans e os olhos de Reed caíram automaticamente, observando como ele puxava seu galo grande e gordo sem cortes. Reed olhou para o cabo duro do homem, a saliva enchendo a boca. Porra! Ele não ficou desapontado. Reed imaginou como o homem provaria enquanto olhava para o poço de Graham. Endureceu bem diante de seus olhos, saindo direto, implorando pela boca de Reed. Ele queria envolver seus lábios em torno do comprimento de Graham. Ele queria lamber seu eixo e chupar suas bolas. Tantas imagens eróticas passaram por sua mente, mas Reed não se moveu. Ele não ousou explorar sem a permissão de Graham. — Quer provar-me? — Sim, senhor. Mais do que queria respirar. 7

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Graham tirou o cinto e colocou-o sobre o ombro de Reed, provocando-o com o couro. — Seja um bom menino e me trague. Reed manteve as mãos na base de sua espinha. Ele se inclinou, envolvendo cuidadosamente os lábios em torno da cabeça do pênis de Graham, girando a língua em torno da ponta crescida. — Você pode usar suas mãos, garoto. Reed envolveu uma mão em torno da base do eixo de Graham, firmando o comprimento com o punho. Com a outra mão, Reed segurou a coxa grossa de Graham. Ele lentamente mergulhou a cabeça, tomando o eixo do homem mais profundo em sua boca. Graham gemeu, encorajando Reed. Ele começou a chupar suavemente, tirando o prazer para ambos, enquanto movia a boca e o punho. Pre-cum vazou em sua língua, o sabor doce de Graham enchendo a boca. Ele moveu a mão pela coxa de Graham. Quando o homem não o impediu, Reed colocou suas bolas pesadas, puxando suavemente. — Oh, porra. Exalou Graham. Os quadris de Graham avançaram. Ele passou as mãos pelo cabelo de Reed, puxando as cordas e movendo a cabeça de Reed para a velocidade desejada. Reed relaxou, dando todo o poder para Graham e o homem não decepcionou. Ele usou Reed de forma áspera, empurrando seu comprimento abaixo sua garganta, repetidamente. De repente e sem aviso, os quadris de Graham empurraram para frente violentamente, e ele veio na língua de Reed. Reed engoliu e sugou, trabalhando Graham com desespero. Reed pegou tudo de Graham em sua garganta, tentando não perder uma única gota. Ele não queria decepcionar esse homem, não quando a diversão tinha acabado de começar. Reed continuou movendo sua boca, limpando Graham, lambendo seu comprimento, até que Graham lentamente se afastou. Reed ficou em posição de joelhos na frente de Graham, esperando a próxima ordem do homem. 8

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Ele se afastou. — Levante-se. Reed levantou-se. Ele apertou as mãos atrás das costas e baixou a cabeça, olhando para o chão. — Eu quero que você remova sua roupa e dobre-a. Coloque os itens no balcão e deite-se de bruços no banco. — Sim, senhor. — Reed começou a se mover, seguindo as ordens de Graham. Uma vez em posição, Graham cercou seus pulsos e tornozelos em couro, espalhando seus membros abertos, forçando Reed em forma de X. Graham caminhou ao redor do banco, correndo suas mãos ásperas ao longo do corpo de Reed. O primeiro ataque caiu e Reed soltou um suspiro pesado. Graham começou lento, aquecendo Reed com sua mão. Mas Reed não tinha dúvida de que a velocidade e severidade logo mudariam. Smack! Smack! Smack! Graham deu-lhe uma palmada, alternando entre as bochechas, uma e outra vez. Dor lentamente floresceu. Era cru e intenso exatamente como Reed ansiava. Ele precisava da dor aguda e ardente. Smack! Seu pau latejava, seu corpo respondendo ao que precisava desesperadamente. Smack! Smack! Smack! Reed se contorceu, balançou, e empurrou seu traseiro em resposta, silenciosamente implorando por mais, querendo e precisando da dor. Smack! — Onde você está? Perguntou Graham, sua voz mais profunda do que antes. — Verde, senhor. Reed respondeu automaticamente. Smack! Smack! Smack! Smack! Os quatro últimos se juntaram a dor transformando-se em prazer. Lavou sobre ele como uma onda de maré, puxando-o sob uma corrente forte, até que nada existisse exceto por este momento. A excitação de Reed estava em um ponto alto de todos os tempos. Podia vir de uma ordem simples enquanto Graham continuava a usar a mão, levando sua palma quente pelas costas das coxas de Reed. 9

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Você consegue lidar com uma bengala? É um dos meus brinquedos favoritos, mas muito poucos podem lidar com a intensa dor pungente. Só um verdadeiro masoquista gosta do beijo de uma bengala. Disse Graham, massageando e acariciando a pele de Reed. — Sim senhor. Graham deixou-o por apenas um breve momento e depois voltou com a mesma rapidez. — Rattan ou fibra de carbono? Ele estava dando a Reed uma escolha sobre o tipo de dor que ele queria, madeira ou plástico. Quanto menos flexível fosse uma cana, mais dor causaria. — Deixarei a decisão a você, senhor. — Uma vez que esta é a nossa primeira vez juntos, eu vou usar o rattan. Se é demais, quero que use sua palavra segura. — Sim senhor. Reed tentou relaxar enquanto Graham esfregava a haste de um lado para o outro entre a dobra de seu traseiro e suas coxas, provocando a carne trêmula. Ele sabia o que estava por vir. Já sentira a bengala contra a pele muitas vezes. Ia doer, mas também ia se sentir muito bem. — Quero que você os conte para mim. Ordenou Graham. — Sim, senhor. Foi a única advertência que recebeu. No primeiro golpe, Reed soltou um suspiro. — Um senhor. — Bom garoto. Outro apito da cana terminou em uma forte picada contra a coxa de Reed. Seu pau, que já era duro, empurrou em resposta. — Dois senhor. Houve outra picada, a penetração da dor afundando abaixo da superfície. — Três senhor. Reed contou cada golpe. Graham não se moveu rápido. Ele tomou seu tempo como um Dom bem treinado. Em sua mente, ele podia ver as linhas vermelhas em uma linha perfeita, deixando um rastro de vergões. Graham 10

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


parecia saber todos os pontos a serem atingidos para tirar mais dor. A base de sua bunda, onde a bochecha e coxa se encontrava, doía como o inferno, mas também tinha o pênis duro e dolorido, pre-cum driblando da cabeça para o banco. O calor dançava em suas veias. Reed balançou seus quadris, precisando de mais atrito contra seu pênis. A bengala movia-se pelas costas das coxas e nádegas. — Vinte senhor! O último golpe o catapultou sobre a borda no subespaço. Prazer e dor se misturaram, arrastando-o para baixo sob uma maré de pura satisfação. Reed ficou manco no banco, ofegando. A bengala atingiu o chão bem antes de Graham cobrir as costas de Reed com seu peito. Reed balançou para trás o máximo que pôde. A fricção do pênis de Graham contra seu traseiro era incrível. Ele queria mais, muito mais. — Eu quero sentir você em volta do meu pau. Graham disse a ele. — Quero que você venha. Um dedo liso roçou o buraco de Reed, e ele gemeu. — Por favor senhor… A cabeça sem corte do eixo de Graham pressionou contra sua bunda, lentamente rompendo seu buraco. Seu traseiro se esticou, tentando acomodar a circunferência de Graham. A queimadura. A mordida da dor. As bochechas dele em chamas. Fodidamente fantástico. Reed sentiu Graham em toda parte. Ele lentamente afundou em Reed, dando tempo do corpo se ajustar. Graham afastou-se parcialmente, depois empurrou para dentro, enchendo Reed de novo completamente. Ele nunca tinha sido tão consumido antes. Graham possuía seu corpo. — Queimando. Tão fodidamente bom. Reed estava em alta. — Você é tão apertado. Graham murmurou contra seu pescoço. Reed queria responder com algo espirituoso sobre o pau monstruoso de Graham, mas ele não conseguia falar, muito menos amarrar uma frase. 11

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Graham recostou-se. Ele segurou os quadris de Reed quando ele começou a se mover. Reed gemeu com cada impulso. Graham bombeou seus quadris, duro e furioso. A cada batida pedia mais, enquanto palavras sem sentido saíam de seus lábios. As garras do homem varreram os lados de Reed e o cheiro de sangue lhe fez cócegas no nariz. A mordida afiada da dor misturada com os poderosos impulsos do pau de Graham enviou Reed sobre a borda. Ele gritou quando ele veio, jatos de cum disparando da cabeça de seu eixo, embebendo seu abdômen. A escuridão nublou sua mente, e se ele não tivesse sido amarrado ao banco, ele teria desmoronado. Ele lutou para manter os olhos abertos, mas foi uma batalha perdida, e ele desmaiou. Minutos, horas ou dias... Reed não tinha certeza quando acordou e voltou à consciência. A primeira coisa que seu cérebro registrou foi o cheiro que permaneceu dentro da sala. Chuva fresca. Ele lembrou-lhe de um aguaceiro pesado depois de um longo feitiço seco, doce, fresco e poderoso. O cheiro envolveu Reed e ele respirou fundo, puxando-o para os pulmões. Reed queria dar uma volta no cheiro. Ele queria que cobrisse todo o seu corpo. Graham. Meu companheiro. Abrindo os olhos, Reed levantou a cabeça e olhou ao redor da sala. Ele não estava mais amarrado ao banco. Em vez disso, ele estava deitado na cama dentro da sala privada. Havia uma garrafa de água e uma barra de chocolate sentado na mesa lateral. Reed lentamente se sentou e olhou ao redor. Seu coração despencou quando percebeu que estava sozinho. Graham, seu amante escuro, tinha desaparecido.

12

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Capítulo Dois Levou toda a força de Reed para participar da reunião obrigatória na sede do FPA. Ele esfregou o peito, desejando que a maldita dor desaparecesse, enquanto caminhava pelo corredor. Quando acordou, Reed olhou ao redor do clube para Graham, mas o homem estava longe de ser encontrado, então ele arrastou seu traseiro para casa. Reed tomou banho e olhou para si mesmo no espelho, inspecionando todas as marcas em seu corpo, até que eles lentamente começaram a desaparecer. Graham o tinha marcado bem, permitindo que Reed revivesse seu tempo juntos na sala de jogos. Mesmo que amasse a maneira que seu corpo doía do uso áspero de Graham, foi decepcionado que seu companheiro tinha saído sem reivindicá-lo. Meu companheiro. Ele ainda estava tendo dificuldade em envolver sua mente em torno de tudo o que tinha acontecido. Ele foi atraído para o homem, mesmo sem perfumá-lo. Era quase como se seu corpo reconhecesse Graham, mesmo se sua mente não o fizesse. Por que eu não conseguia cheirá-lo? Eu deveria saber que ele era meu companheiro. Havia tantas perguntas sem resposta e em vez de voltar para Leather Men à luz do dia para encontrar Graham, Reed estava preso em uma reunião obrigatória. Ele estava planejando voltar. Assim que ele foi demitido desta reunião, Reed estava indo para encontrar Graham. Era sua nova missão. Reed entrou na sala de reuniões e sentou-se na mesa redonda. Ele olhou ao redor, fazendo contato visual com cada agente, e acenou com a cabeça em saudação. Ele não estava com vontade de conversar. — Bom dia. Disse Abram, entrando na sala de reuniões, seguido de um rapaz que Reed não reconheceu.

13

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Em qualquer outro dia, Reed poderia ter sido curioso, mas hoje ele não poderia se importar menos. Sua mente estava consumida com pensamentos de Graham. Quem era ele? Por que deixou Reed sozinho? Ele sabia que eram companheiros? — Este é Toby Winters. Abram apresentou o jovem e Reed voltou ao presente. Toby tinha cabelos cor de cobre e olhos azuis, e em uma inspeção mais íntima, Reed percebeu que o homem era um shifter raposa. — Ele está se juntando à equipe. O anúncio foi uma surpresa. Havia normalmente um processo que cada homem precisava passar para ser aceito. Toby não parecia velho o suficiente para ter muita experiência. — London decidiu ficar em Los Angeles indefinidamente. Toby é de seu escritório e se ofereceu para se transferir para Nova York. Reed nunca teve o prazer de trabalhar com London. Ele não estava exatamente desapontado por ela estar saindo, não depois de todo o drama que ela causou com os outros agentes. — Sente-se, Toby. Disse Abram, e o jovem puxou uma das cadeiras vazias ao redor da mesa. — Você pode encontrar a equipe depois da nossa reunião. Houve uma pequena pausa antes de Abram assentir com a cabeça em direção a Axel. — Se você estiver pronto... — Sim, senhor. Axel levantou-se. Ele apertou alguns botões do controle remoto e uma grande tela abaixou. Imagens horríveis apareceram, espalhando a tela. Os olhos de Reed concentraram-se em algumas marcas familiares: pulsos e tornozelos machucados, cujos punhos de couro estavam firmemente enrolados ao redor dos membros, listras vermelhas perfeitamente retas percorrendo cada uma das nádegas e coxas das vítimas e profundas marcas de garras rasgadas na pele. 14

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Há algumas imagens e vídeos perturbadores aparecendo por toda a Internet. Continuou Axel. — Até agora, eu tenho sido capaz de localizar 14 vídeos, e tenho poucas dúvidas de que haverá mais. Ele clicou no controle remoto e um monte de mini-telas surgiu, cada uma mostrando uma vítima diferente. — Ele tortura os homens, jogando fora algum tipo de fantasia extrema BDSM, antes de matá-los e vê-los morrer. Fantasia de BDSM. A mente de Reed girou e seu coração martelou freneticamente em seu peito. Tanto quanto Reed queria assustar-se com as semelhanças entre sua noite no clube de Leather Men e essas vítimas, ele manteve sua boca firmemente selada. Colocando suas emoções sob controle, Reed escondeu seu cheiro para que os outros agentes não soubessem o que ele realmente estava sentindo. Graham. Seu companheiro estava envolvido nisso? Foi por isso que o homem o abandonou dentro da sala de jogos privada? Respirando fundo, Reed lentamente o apagou quando ele se recostou na cadeira, tentando parecer relaxado. Mantenha-o junto. — O que te faz pensar que esse assassino é paranormal? Perguntou Shaw. — O assassino deixa as mesmas marcas em cada vítima. Axel aproximou-se, mostrando as marcas de garra, quatro linhas perfeitamente iguais, rasgando a pele. Reed encolheu-se em sua cadeira, envolvendo seus braços ao redor de seu estômago. Ele cobriu as marcas do lado dele, tentando esconder o fato de que ele poderia ter sido uma das vítimas. Começou a soar, e as vozes se apagaram, parecendo estar longe. — Você pode rastrear os vídeos? Encontrar o endereço IP do computador que ele está usando para postar os vídeos? Qualquer coisa?

15

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Não. Axel sacudiu a cabeça. — E acredite, eu tentei. Esse cara é bom. Parece que as mortes começaram em Los Angeles e se deslocaram pelo país. — Estávamos trabalhando neste caso. Murmurou Toby. Reed estreitou os olhos e olhou para o shifter raposa. O jovem sabia algo mais sobre esse caso, Reed podia senti-lo. Ele planejou encurralar Toby mais tarde e conversar com ele sobre esse caso. Era possível que a equipe de LA tivesse um suspeito em mente. Axel continuou. — Quando a equipe de LA começou a investigar, o assassino seguiu em frente. Um mapa apareceu na tela, mostrando uma linha de pontos vermelhos da Califórnia para Nova York. — Houve três corpos despejados aqui na cidade até agora. — Eu quero Axel para assumir a liderança neste caso, uma vez que ele está seguindo este cara on-line. Disse Abram. — Mas ele vai precisar de muito apoio. — Estou aqui se precisar de alguma coisa. Reed disse automaticamente, erguendo a mão. Ele normalmente limpa com Max, mas com este caso, ele precisava estar mais envolvido. — Eu também. Max assentiu. — Precisamos parar esse cara. Ele é um sádico. É óbvio que está começando a torturar essas pessoas. Acho que você está certo Axel. Haverá mais vítimas. — Devemos provavelmente verificar os clubes locais de BDSM. Reed sugeriu. Foi realmente apenas uma desculpa para voltar para Leather Men. — Há uma possibilidade boa que este cara começou jogar nos clubes primeiramente e começou demasiado áspero. Ele poderia ter sido expulso de alguns, talvez até mesmo rejeitado. Se for esse o caso, poderemos conseguir algumas boas pistas. Ele precisava encontrar Graham antes de qualquer outra pessoa. Reed não queria manter os outros agentes no escuro sobre sua experiência, mas 16

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


sua lealdade estava dividida. Ele talvez não conhecesse Graham pessoalmente, mas ele era companheiro de Reed. Graham era o destino de Reed. — Eu tenho feito alguma escavação e embora as idades e as ocupações variem os homens todos olham similares. Cabelo loiro, olhos azuis e fisicamente aptos. Disse Axel. Porra! Porra! Porra! Agora que ele estava olhando para as vítimas, Reed percebeu que ele se encaixava na conta. Olhos azuis, e fisicamente aptos. Graham estava começando a parecer um suspeito viável. Poderia ele realmente ser um serial killer? — Este caso é a nossa prioridade máxima agora. Precisamos sair na comunidade e fazer a nossa presença conhecida. Fique atento e certifique-se de ficar em grupos. Eu não quero que nada aconteça a esta equipe. Abram disse, de pé. — E mantenha-me informado. É isso por agora. Todos estão dispensados. Reed ouviu os outros reunir suas coisas e sair da sala de conferências, mas ele não se moveu. Ele olhou para a tela, olhando para cada vítima e decifrando todos os implementos BDSM usados neles. Quando uma mão tocou seu ombro, ele pulou um pouco e olhou para o rosto sorridente de Max. — Ei cara, você está bem? — Sim. Reed assentiu rapidamente. — Sim, estou bem. Ele limpou a garganta e se levantou. — Você tem certeza? Max franziu as sobrancelhas. — Você não parece tão bem. — Só pensando em cortar meu cabelo. Reed empurrou sua mão através de seus fios de loiro platinado. — Oh, sim. Ele sorriu. — Você quer mudar essa boa imagem de garoto? Max tingiu seu cabelo várias vezes, todas as cores do arco-íris. Era seu jeito 17

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


de se rebelar e de se expressar sozinho. Hoje era rosa brilhante. — Em que cor você está pensando? — Qualquer coisa menos louro. Reed murmurou, principalmente para si mesmo. — Onde estão os corpos? — No necrotério. Max soou como se estivesse adivinhando. — Acho que as autoridades humanas simplesmente assumiram que não era paranormal relacionado. De qualquer maneira, não precisamos fazer a limpeza. — Eu preciso vê-los. — As fotos não foram suficientes para você? Reed sabia que este seria um bom momento para dizer a verdade, para abrir e compartilhar sua experiência com Graham. Fora de todos os agentes, ele estava mais perto de Max. Eles se tornaram bons amigos enquanto trabalhavam juntos, mas nesse caso, ele não tinha certeza de como Max reagiria. — Eu só quero ter certeza de que tenho todos os fatos. — Eu sei o que você quer dizer. Max assentiu. — Depois de fazer parte da equipe de limpeza por tanto tempo, é bom estar finalmente em um caso novamente. Você quer que eu acompanhe? — Tenho certeza que você tem coisas melhores para fazer. Reed ficou em um movimento suave. Max encolheu os ombros. — Na verdade não, mas cabe a você. — Não, está tudo bem. Reed realmente não queria companhia. Ele estava planejando fazer um par de paradas, o necrotério e depois o clube. Ele estava preocupado embora. Reed gostava de manter suas identidades separadas, mas parecia que ambos os mundos estavam colidindo juntos, e ele não sabia o que fazer. — Se precisar de alguma coisa, me ligue. Reed assentiu. — Eu vou. 18

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Esteja seguro lá fora, lindo garoto. Max arrepiou os cabelos brincando e Reed não pôde deixar de sorrir. Eles saíram da sala de conferências juntos, movendo-se em direção à margem de elevadores. Reed pressionou seu dedo contra o botão de chamada. Uma luz vermelha cintilou quando sua impressão digital foi lida. Quando a luz ficou azul, o elevador abriu. Tanto ele como Max entraram e Reed foi parar na frente da câmera. Um feixe de luz projetado a partir do dispositivo, realizando uma varredura de retina. Quando ele passou os requisitos de segurança, a porta do elevador fechou e começou a se mover. O elevador movia-se em linha reta subterrânea, paralelo ao sistema de metrô. Foi da sede do FPA para o complexo de condomínios onde todos os agentes moravam. Quando as portas se abriram, ele saiu para a garagem. — Vejo você mais tarde. Max disse enquanto se dirigia para outro banco de elevadores que o levaria para casa. Reed pescou sua chave de carro e clicou no botão de desbloqueio em seu pequeno Porsche Boxster. Ele raramente dirigia na cidade, já que o trânsito era terrível, mas não sentia vontade de caminhar ou tomar transporte público. Desligando, Reed subiu no banco do motorista e ligou o motor. Ele clicou o cinto de segurança no lugar e inverteu, dirigindo lentamente em direção ao portão. Olhando para a câmera, ele acenou e as portas de metal se ergueram. Reed saiu, dirigindo-se para o necrotério da cidade. Tentou afastar todos os pensamentos de Graham, mas foi difícil. Reed não queria assumir o pior das fotografias e imagens de vídeo, considerando que as marcas em seu corpo eram quase uma imagem espelhada perfeita para aqueles sobre as vítimas. E para piorar as coisas, ele parecia semelhante aos outros homens. Então, por que Graham o havia poupado? Teria descoberto que eram companheiros? A única esperança de Reed neste momento era verificar os corpos das vítimas. Se ele tivesse sorte, ele poderia pegar um perfume diferente, de um 19

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


predador diferente. Reed estava realmente assustado que ele olharia Graham. — Se seu cheiro está em todas as vítimas, o que diabos você vai fazer? Reed fez a pergunta em voz alta, mas ele não sabia a resposta. Reed tinha estado com o FPA por anos. Ele mal conseguia se lembrar de como era sua vida antes de se tornar um agente. Se o companheiro de Reed era o responsável por matar esses homens e ele não o relatasse, Reed iria contra tudo em que acreditava, fidelidade, probidade e audácia. o lema da FPA. Ele se orgulhava de seguir as regras. Seu trabalho era proteger a comunidade paranormal dos perigos que espreitavam no escuro. Ele apertou os dedos ao redor do volante até que seus nós dos dedos ficaram brancos. Se Graham fosse culpado, Reed seria forçado a tomar uma decisão, e qualquer escolha que ele fizesse mudaria sua vida. Lentamente exalando, Reed puxou para a garagem de estacionamento no Bellevue Hospital Center off First Avenue. Ele desligou o motor e sentou-se dentro de seu veículo. Ele tentou se preparar para o pior cenário, mas esperava o melhor. Depois de alguns minutos, Reed abriu a porta e saiu, caminhando em direção ao necrotério. Reed se moveu com propósito. Ele precisava de respostas e precisava delas agora. As paredes de cimento cinzento deram lugar a azulejos de tijolos azuis. Abriu a porta de vidro e entrou no edifício com ar-condicionado. O interior era simples e indescritível com uma bandeira americana e uma bandeira do estado de Nova York em cada lado de uma mesa de cheque de mármore preto. Suas botas ecoaram do chão de azulejo enquanto ele caminhava até a mulher sentada atrás da mesa. — Posso ajudá-lo? Perguntou, olhando para ele. — Agente Reed Dolur. Ele puxou seu distintivo, piscando para o atendente atrás da mesa. — Eu gostaria de falar com o médico legista sênior. 20

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Reed soube da experiência que o examinador médico sênior revisou todos os casos para o exame mais adicional e decidiu-se então se uma autópsia era necessária. Toda a papelada passou por cima da mesa, o que significava que ele era a pessoa com quem Reed precisava falar. — É claro. Ela levantou o telefone e apertou alguns botões. Reed podia ouvir os dois lados da conversa, mas se virou, fingindo que não sabia o que estava sendo dito. — Ele vai descer em um momento. — Obrigado. Reed afastou-se da mesa. Reed estava no saguão. Queria dar um passo, soltar alguma da ansiedade que sentia, mas não o fez. Quando as portas do elevador tremeram, ele se virou e viu um cavalheiro mais velho caminhar em direção a ele. — Doutor Norman Thomas. Estendeu a mão. — Agente Reed Dolur. Ele sacudiu a mão do médico examinador. — Eu tenho falado com Axel Lee. Enviei todos os arquivos e fotos das vítimas. Houve algum problema? — Não senhor. Estou trabalhando com Axel neste caso. Eu estava esperando para dar uma olhada nos corpos. — Já fizemos as autópsias e recolhemos amostras para provas. Enviei todos os dados e resultados de testes para Axel. Há algo específico que você está procurando? Reed estava tentando descobrir uma maneira de dizer ao médico legista que ele queria cheirar as vítimas. Como ele deveria explicar isso a um ser humano? Mudanças eram tão dependentes de seus sentidos. Olhar uma imagem ou assistir a um vídeo não foi suficiente para realmente coletar informações. — Nós realmente apreciamos você enviar os arquivos para a nossa agência. Eu sou um pouco mais mão na massa quando se trata de trabalhar 21

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


em um caso. Eu quero visitar as cenas do crime e eu quero ver os corpos. Preciso de mais que fotos e vídeos. — Lamento dizer que os corpos já foram liberados para os parentes mais próximos. Os ombros de Reed caíram ligeiramente, desapontado. — Obrigado pelo seu tempo.

Capítulo Um Era apenas tarde quando Reed alcançou Leather Men. A entrada principal estava fechada e trancada, uma espessa corrente de metal enrolada nas portas duplas com um cadeado. Ele sacudiu a fechadura, mas deixou cair, decidindo não derrubar a porta. Reed caminhou ao redor do edifício, movendo-se ao longo do comprimento da parede de tijolos, procurando outra entrada. Ele sabia que alguém estava dentro desde que o proprietário vivia acima do clube. Reed sabia muito sobre as pessoas que trabalhavam no clube desde que ele passou todo o seu tempo livre no Leather Men. Quando chegou a uma porta de metal preta na parte de trás do edifício, Reed levantou o punho, batendo nele. O dono, Mestre Marcus Kelley, abriu a porta. Estava descamisado, com os jeans pendurados nos quadris. Olhou fixamente para Reed, com os olhos escuros e ilegíveis. — Reed? Tirou o distintivo, mostrando-o ao dono. Não havia razão para perder tempo ou bater em torno do mato. Reed não conseguia encontrar as respostas que precisava sem ser completamente honesto. — Agente Reed Dolur. Marcus inclinou a cabeça. — Sim senhor. — O que posso fazer por você? — Podemos conversar? 22

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Marcus se afastou, segurando seu braço em boas-vindas. — Por favor entre. — Obrigado. Reed guardou seu distintivo enquanto caminhou sobre o limiar. Marcus fechou a porta. Ele passou por Reed, e tomou a dianteira, andando para cima. Reed o seguiu. Ele tinha tido muitas conversas com Marcus no passado, a maioria girando em torno do estilo de vida. Ele considerava o grande homem urso um amigo, mas agora, ele não tinha certeza de onde estavam. Reed nunca mentiu para ninguém. Ele simplesmente omitiu informações pessoais sobre si mesmo, mas isso não impediu a culpa que estava sentindo. Quando chegaram ao grande apartamento, Reed observou Marcus caminhar até a cozinha. Tirou duas canecas de um armário e as encheu de café antes de tomar um assento à mesa. — Você vai se juntar a mim? Ele perguntou. — Sim. Reed respirou, sentado em frente ao Marcus. Marcus deslizou uma caneca sobre a mesa, e Reed levantou-a aos lábios, tomando um gole da bebida forte. Fechando os olhos, Reed inalou o aroma maravilhoso, e um sorriso provocou os cantos de sua boca. Ele tomou outro gole permitindo que o silêncio entre eles saísse. Não era desconfortável. Se nada, o silêncio era pacífico para sua mente irritada. Depois de alguns minutos, Reed colocou a caneca de volta para a mesa. Reed não sabia muito bem o que dizer, então decidiu começar no início. — Conheci um homem aqui ontem à noite. Seu nome é Graham. Não sei o sobrenome dele. Na verdade, eu sei muito pouco sobre ele. Nós estávamos em um dos quartos privados, e quando eu acordei, ele tinha ido embora. Foi quando eu percebi que ele era meu companheiro. Olhei em volta, mas não consegui encontrá-lo, então fui para casa, imaginando que poderia encontrálo mais tarde. Esta manhã houve uma reunião obrigatória e eu descobri que 23

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


há um homem lá fora matando outros homens depois de jogar uma fantasia BDSM violenta. Marcus apertou a mandíbula. Parecia que queria dizer algo, mas apenas assentiu, permitindo que Reed continuasse. — Das imagens e dos vídeos postadas na Internet, as vítimas se parecem um inferno comigo. Cabelo loiro, olhos azuis e fisicamente apto. No final da sessão, ele usa suas garras, e as marca. Reed levantou-se. Ele levantou a camisa, mostrando os restos de marcas de garra. — E então ele os mata. — E é ele, você tem certeza? — Não cem por cento, mas bastante propenso. Reed não podia negar as coincidências. — Como posso ajudar o FPA? — Você pode me dar acesso à filmagem de segurança? O olhar no rosto de Marcus disse não, mas antes que ele pudesse negar Reed continuou. — Eu sei o que este clube significa, não apenas para você, mas para alguém como eu. Eu vim aqui à procura de discrição e privacidade. Nunca quis que minha vida pessoal e minha vida profissional se misturassem. Confie em mim. Só estou procurando por um assassino. Não vou expor ninguém. — Gostaria de dizer não. Preciso proteger os homens que visitam o meu clube. E nós não tivemos nenhum problema de segurança. Todo mundo segue as regras. Mas tenho a sensação de que o FPA pode fazer qualquer coisa. — Verdade. Reed assentiu. — Nosso cara de tecnologia é um dos melhores hackers do mundo. Mas prefiro ter sua permissão. Reed não queria trazer o resto da equipe para isso. Ele queria ver os vídeos por conta própria. Esta foi a sua chance de encontrar Graham e reunir mais informações. Se tivesse acesso completo, Reed poderia encontrar 24

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


alguma prova e identificar as outras vítimas, se estivessem dentro desse clube. — Eu vou dar-lhe acesso à filmagem de segurança. Só você. Insistiu ele. Reed concordou com a cabeça e Marcus se levantou. Ele pegou um bloco de notas e uma caneta, rabiscando algumas linhas antes de entregar o pedaço de papel para Reed. — Estou confiando nessa informação, Reed. Destrua-o quando terminar. Reed olhou para o papel e viu a informação de segurança de Marcus junto com um site da empresa de segurança. — Eu prometo. — Eu apreciaria se você pudesse me manter informado. Não quero que ninguém se machuque no meu clube. Reed levantou-se, sua cadeira raspando ao longo da superfície. — Eu vou mantê-lo informado. — Vou falar com a minha equipe de segurança. Não darei detalhes, mas manteremos os olhos abertos. Eu também vou passar a palavra ao longo de outros clubes. — Obrigado. Reed queria falar com todos os clubes locais de BDSM. Havia uma distinta diferença entre BDSM e abuso. O que o assassino estava fazendo, Reed definitivamente classificaria como abuso, e depois assassinato. As diferenças entre os dois eram óbvias para ele. Consentimento, comunicação e respeito. — Tenha cuidado lá fora. Marcus ordenou sua voz severa, porém sincera. — Espero vê-lo de volta dentro deste clube inteiro e saudável. — Sim, senhor. Concordou Reed. — Vejo você em breve. Com isso, ele girou sobre seus calcanhares e desceu as escadas, saindo do Leather Men. Ele guardou o pedaço de papel com segurança dentro do bolso e voltou para casa, de volta para os condomínios da Agência FPA na Leonard Street.

25

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


**** Quando chegou em casa, Reed entrou com a informação de Marcus em seu computador pessoal. Uma série de mini-telas abriu, permitindo-lhe ver o clube inteiro em tempo real de mais de uma dúzia de ângulos diferentes. Reed mudou a data para a noite anterior, colocando no tempo que ele chegou ao clube. Ele observou a si mesmo como ele passou por cima do limiar e sua linguagem corporal mudou imediatamente, músculos rígidos relaxando na tela. Foi surpreendente em tantos níveis. Ele nunca tinha percebido o quanto ele precisava ir ao clube. Reed continuou a observar o seu progresso enquanto avançava pelo clube, caminhando em direção ao bar. Com os olhos colados à tela, Reed procurou Graham na multidão de homens vestidos de couro. Quando ele viu seu companheiro em outra tela, Reed pressionou o botão de pausa. Ele olhou para a imagem do homem e a dor em seu peito retornou com uma vingança. Levantando a mão, Reed esfregou o lugar acima de seu coração. Ele sabia como essa cena particular iria se desenrolar. Neste momento, Reed desejou ter o sistema avançado de Axel. Se o fizesse, seria fácil encontrar cada vídeo em que Graham apareceu. Como era Reed estava indo passar a noite assistindo as filmagens, procurando Graham com outros homens. Esfregando uma mão pelo rosto, Reed balançou a cabeça. Ele não tinha tempo para fazer isso, não quando havia um assassino caminhando pelas ruas. Precisava da ajuda de Axel. Puxando o telefone do bolso, Reed discou o guru da tecnologia. — Sim. Axel respondeu no primeiro toque. — Eu preciso do seu sistema de reconhecimento facial. — Ok. Ele simplesmente disse, sem fazer perguntas. Foi estranho. 26

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— O que eu preciso fazer? Tenho vários feeds de vídeo para passar e não muito tempo. — Eu tenho algum software que você pode baixar para o seu computador. Ou, você pode trazer os vídeos para mim. Isso seria muito mais rápido, especialmente se você não tem muito tempo. Reed soprou uma respiração frustrada enquanto esfregava a testa, correndo suas opções através de sua mente. Marcus sabia a verdade. Ele sabia que Reed era agente do FPA e um fundo no clube. Não houve julgamento, mas Reed não sabia se os outros homens no FPA não julgariam. Como os outros agentes reagiriam? Pensariam que ele era fraco? — É sobre o caso que estamos trabalhando? Ele automaticamente começou a balançar a cabeça. A negação estava na ponta de sua língua, mas Reed não podia mentir, não para um de seus amigos. — Sim. Acho que encontrei algo, mas ainda não estou pronto para compartilhar os detalhes. Axel ficou em silêncio por um momento e Reed se perguntou o que o homem estava pensando. — Eu vou enviar por e-mail para você o software. Basta baixá-lo para o seu desktop e siga os passos. — Obrigado. — Se você encontrar alguma informação pertinente, por favor, compartilhe comigo. — Claro. — Você tem correio. A chamada terminou e Reed pousou seu telefone ao lado de seu computador. Abrindo seu e-mail, Reed começou a baixar o software, seguindo os passos exatamente como Axel instruiu. Reed não era tão experiente em tecnologia como Axel, mas ele não era inexperiente quando se tratava de tecnologia. Ele conseguiu colocar o rosto de Graham no programa de 27

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


reconhecimento e executar o feed de segurança. Pequenas caixas cobriam o rosto de cada homem, movendo-se rapidamente pela multidão. Está funcionando. Foi um pequeno triunfo. Empurrando sua cadeira, Reed se levantou. Ele tirou a jaqueta, jogando-a sobre a parte de trás da cadeira antes de ir para a cozinha. Reed fez um sanduíche e serviu um grande copo de chá gelado antes de voltar para a sala. Olhou para as janelas panorâmicas, olhando para a cidade, enquanto comia. Com sua mente focada apenas em Graham, Reed mal podia provar o alimento que ele estava colocando em sua boca, mas ele precisava de alimento para continuar. Quando Reed terminou de comer, ele se concentrou em seu computador. A busca terminou. Cada clipe de vídeo foi marcado, mostrando Reed exatamente onde Graham tinha sido desde a sua primeira visita a Leather Men. Salvou-lhe centenas de horas. Ele precisaria agradecer a Axel quando o visse. Reed clicou no primeiro vídeo. Uma pequena caixa amarela cercou a cabeça de Graham, destacando-o e separando-o dos outros clientes. Ele seguiu os movimentos de Graham quando entrou em Leather Men. Com os ombros ao quadrado e as costas retas, Graham parecia confiante, como se ele fosse o dono do clube. Como ele rastreou Graham, Reed logo percebeu que em vez de limpar o nome do seu companheiro, mais evidências apareceram, fazendo do homem culpado. Graham encontrou-se com cada uma das três vítimas em Leather Men e teve uma cena com eles. A única diferença entre Reed e os outros era que seu tempo com Graham foi passado em uma sala privada, onde os outros foram exibidos publicamente. — Graham. Reed exalou seu coração despencando. Reed repetiu o vídeo várias vezes, apenas para dar outra olhada em Graham. Ele era um assassino? Ele estabeleceu outro local de encontro, 28

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


longe da segurança do clube? Reed não sabia. Só esperava que seu caminho cruzasse com o de Graham, antes que qualquer outro agente o encontrasse. — O que diabos eu vou fazer? Reed perguntou a si mesmo. Ele se recostou na cadeira e olhou para o teto, tentando encontrar algumas respostas. Uma lâmpada de consciência de repente prosseguiu. Havia apenas outra pessoa que poderia saber tanto quanto Reed fez neste momento. Toby. Pegando seu celular, Reed marcou Abram. Ele não sabia nada sobre o novo agente, além do fato de que o jovem era da equipe de FPA de Los Angeles, e tinha trabalhado no caso. — Sim. — Você tem o número do Toby? — Você é o comitê de boas-vindas não oficial? — Certo. Abram disse os números e Reed desligou e discou para Toby. — Aqui é o Toby. — Olá, Toby. Este é Reed Dolur. Nós não tivemos a chance de nos encontrar hoje na sala de conferências, mas acho que precisamos conversar. — OK. E aí? Reed decidiu seguir seu instinto. A equipe de Los Angeles estava trabalhando neste caso. Toby poderia saber algo útil. — Graham. O que você sabe? Reed não tinha nenhuma dúvida agora. Toby sabia alguma coisa. E havia uma boa possibilidade de que o shifter raposa suspeitasse de Graham em um ponto. — Precisamos conversar e precisamos trabalhar juntos. — Em que andar você está? Eu irei até você. — Vinte e três. — Eu estou chegando ao décimo oitavo. Estarei lá em um minuto. Toby terminou a ligação e Reed pousou o telefone na mesa. 29

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Quando o elevador caiu, alertando-o sobre a chegada de Toby, Reed se levantou. Ele caminhou em direção ao hall de entrada e alcançou o elevador apenas quando as portas se abriram. Toby, de aparência externa, era jovem, com cabelos coloridos e peludos, pendurados na testa. Seus olhos azuis mudaram a opinião de Reed. Os globos foram assombrados, provando que ele tinha visto muito em sua vida. — O que você sabe sobre Graham? Perguntou Toby sem preâmbulo. — Entre na sala de estar. Reed acompanhou Toby em direção à mesa. Ambos se sentaram antes de Reed começar. — Eu conheci Graham na noite passada em um clube aqui na cidade. Ele é meu companheiro. Os olhos de Toby se arregalaram, sua boca se abriu em choque absoluto. — Eu... eu... Ele parecia um peixe fora da água, sua boca abrindo e fechando. Teria sido engraçado, se a situação não fosse tão séria. — Eu não sei muito sobre ele. Reed admitiu. — Fui ao necrotério logo após a reunião esta manhã, na esperança de encontrar alguma evidência que poderia me apontar em uma direção diferente, mas os corpos já tinham sido liberados para as famílias. Fui diretamente ao clube depois e consegui coletar as imagens de segurança, mas vi Graham com as outras vítimas. Então me diga o que você sabe. Toby suspirou e assentiu. — Graham era um agente do FPA. O coração de Reed bateu contra seu peito, batendo tão forte que ele teve medo de que ele pudesse quebrar através de suas costelas. — Ele era o líder neste caso, mas em cada turno, a evidência parecia apontá-lo como o suspeito. Ele conhecia as vítimas, todas elas. Eles tinham tocado juntos em um clube popular em Los Angeles. O assassino era Graham ou alguém que conhecia Graham e queria que pensássemos que era ele. Nós não acreditamos que Graham era o assassino, mas ele desistiu de seu distintivo. 30

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


O coração de Reed quebrou por seu companheiro. Ele não acreditava que o destino o ligasse a um assassino em série, mas alguém estava fazendo um bom trabalho de apontar todas as evidências para Graham. Como ele deveria ajudar? Como ele deveria provar que Graham era inocente? — Foi quando saiu de Los Angeles? —Nós não sabíamos que ele tinha saído, não até mais tarde, quando outro corpo surgiu com o mesmo M.O. Perto de Las Vegas. — Por que ele entregou o distintivo? — Eu sempre pensei que ele fez isso para criar distância entre ele e a agência. Ele queria nos proteger. Ele disse que havia alguém lá fora tentando arruinar sua vida. Acho que é por isso que ele deixou LA. Ele provavelmente pensou que iria parar, mas não parou. O problema o seguiu pelos Estados Unidos. — É por isso que ele me deixou. Sussurrou Reed. Alguém estava jogando um jogo perigoso, seguindo Graham e matando os homens que ele demonstrava interesse. A conexão que ele sentia com apenas um olhar, havia pouca dúvida de que Graham também sentia isso. É por isso que ele saiu. Graham estava tentando protegê-lo. Falar com Toby deu a Reed a confirmação que precisava ouvir. Agora, ele só precisava descobrir seu próximo passo.

Capítulo Quatro Graham Bingham olhou para a parede do seu quarto de hotel. Seus olhos percorreram todas as fotos e fotos da cena do crime, esperando encontrar uma nova evidência, mas ele foi levado de volta à mesma conclusão repetidas vezes. Ele era o assassino. Ele conheceu todas as 31

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


vítimas. Cada homem usava suas marcas, mesmo que não fosse ele quem as colocasse ali. Graham balançou a cabeça em desgosto, horrorizado que alguém soubesse tanto sobre ele. Os olhos mortos das vítimas olharam para ele a partir das fotos, assombrando seus sonhos. As imagens também o empurraram para encontrar respostas. Ele ainda estava surpreso que os agentes do FPA em Los Angeles não o considerassem um trapaceiro e o deixassem de lado. Não importava aos outros agentes que todas as evidências apontassem para ele, eles confiavam em Graham. Todos acreditavam nele. O verdadeiro assassino, quem quer que ele fosse, estava fazendo um belo trabalho de colocar Graham de fazê-lo um suspeito. Ele pensou que os assassinatos poderiam parar se ele deixasse LA e começasse sua vida em algum lugar novo. Graham virou seu crachá e saiu de casa, mas o assassino o seguiu pelo país até Nova York. Mas ele foi capaz de escapar da captura, conseguindo ficar um passo à frente de Graham. Seu relacionamento com os jovens não importava. Uma simples conversa poderia levar a suas mortes. Demorou muito tempo para descobrir essa informação. O assassino estava alvejando homens que ele sabia serem do tipo de Graham, loiros, olhos azuis, jovens e musculosos. Todas as vítimas pareciam iguais. Ele estava trabalhando neste caso desde o início, tentando encontrar o homem por trás de todos os assassinatos viciosos. O cara era inteligente, organizado e encantador. Ele tinha que ser um bom conversador, a fim de convencer cada uma das vítimas para ir com ele de boa vontade e confiar nele o suficiente para ser amarrado. Depois de colocar o quebra-cabeça juntos, Graham ainda estava faltando as peças mais importantes. Quem era o assassino? Como o assassino o conheceu? E por que ele queria que Graham tomasse a queda 32

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


por esses crimes? O que fez Graham para atrair a atenção e a raiva deste homem? Graham esfregou uma mão pelo rosto. Estava frustrado. Este caso o estava deixando louco. Meses após meses de trabalho e ele não estava mais perto de encontrar as respostas que ele precisava. Graham não saia muito. Ele se trancou dentro do quarto do hotel, examinando cada detalhe, tentando descobrir quem o odiava o suficiente para querer que o FPA o matasse. Mas ontem à noite ele decidiu fazer uma pausa para limpar a cabeça, e foi para o Leather Men. Ele não tomou um caminho direto. Graham pegou três táxis diferentes, andou alguns quarteirões, e saltou para o metrô para ter certeza de que não estava sendo seguido. Enquanto estava no clube, Graham não falou com ninguém. Ele só tinha uma bebida e estava planejando sair quando viu Reed. Todas as suas boas intenções fugiram. Havia algo sobre o homem que chamou a besta dentro dele. Ele não sabia que Reed era seu companheiro até que o homem chegou ao clímax. Assim que perfumou Reed, Graham assustou-se e saiu, como se os cães de caça do inferno estivessem sobre seus calcanhares. Ele não parou de correr até que voltou para dentro do quarto de hotel. Nesse momento, ele percebeu Reed tinha mascarado o seu perfume, o que significava que o shifter era um agente FPA ou ele tinha tomado uma droga repressora de perfume. Com consciência vinha a culpa. Graham pintou intencionalmente um olho de touro enorme nas costas de Reed e agora ele precisava descobrir o que diabos ele ia fazer. Graham precisava chegar a Reed antes que o assassino o encontrasse. Se algo acontecesse com Reed, Graham não seria capaz de sobreviver sem seu companheiro. Ele só esperava que Reed pudesse aparecer em Leather Men procurando por ele. — Que porra vou fazer? 33

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Como ele iria salvar Reed quando ele não tinha sido capaz de salvar os outros? Graham havia feito tudo o que estava em seu poder para proteger os outros homens, até mesmo indo até eles, mas o assassino estava sempre um passo à frente dele. Ele foi tentado a fazer a viagem para Leather Men antes de abrir, mas decidiu contra ele. Ele precisava ter cuidado. Ainda havia uma possibilidade de que o assassino não soubesse nada sobre Reed. Pelo menos ele esperava que fosse esse o caso. Sentado na beira da cama, Graham colocou os cotovelos sobre os joelhos e a cabeça entre as mãos. Estava exausto. Ele não queria continuar correndo. Graham só queria sua vida de volta. Ele faria qualquer coisa para encontrar o homem responsável para que ele pudesse finalmente fechar este caso. Ele não queria viver dentro de quartos de hotel baratos por mais tempo. Graham pegou seu celular descartável da mesa de cabeceira. Ele segurou o pedaço de plástico frio na palma da mão, pensando em fazer uma chamada para o escritório do FPA. Ele estava tentando resolver este caso sozinho, mas era hora de incluir outra pessoa. Ele precisava de outro conjunto de olhos e uma nova perspectiva. Graham estava finalmente sendo honesto consigo mesmo. Ele precisava de ajuda.

**** — Seu nome é Graham Bingham. Disse Toby, e Reed se concentrou no jovem shifter sentado em frente a ele. — Ele é um shifter leão. Quando cheguei à agência em Los Angeles, eu era apenas uma criança. Meus pais... Ele engoliu em seco, seus olhos distantes e perdidos, como se lembrando algo incrivelmente doloroso.

34

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Minha família inteira foi morta por um patife. Em vez de tentar encontrar uma família de adoção ou outra raposa para me colocar, os agentes me permitiram ficar com eles. Eles cuidaram de mim. Eu fui para a escola e eu treinei todos os dias até que eu era bom o suficiente para me juntar à equipe. Graham me ajudou. Ele tomou o tempo para me ensinar a lutar com os meus punhos e um número de outras armas. Ele sempre foi gentil e solidário. Você deve saber que ele é um bom homem. — Eu sei que ele é um bom homem. Reed facilmente concordou. Ele poderia não conhecer Graham muito bem, mas ele sabia que o destino o combinaria com a outra metade de sua alma. — Eu sei que ele não é um assassino. É por isso que eu não contei aos outros agentes sobre as semelhanças entre meu encontro com Graham e as outras vítimas. Eu não queria que eles saltassem para as conclusões erradas. Não quero que nada aconteça com meu companheiro. — Qual é o nosso plano? O que vamos fazer? Perguntou Toby, inclinando-se para frente com interesse. — Eu não sei. Reed disse-lhe honestamente. Ele não tinha um plano. — Eu só estava esperando encontrar Graham antes de qualquer outra pessoa. — Tenho uma sugestão, mas pode ser perigoso. Pode ser uma boa idéia reunir sua equipe para o que eu tenho em mente. — Sou todo ouvido. — Você conheceu Graham em um clube de BDSM. Você jogou com ele, mas ele não marcou você, o que significa que ele provavelmente estava tentando protegê-lo. — Nós nos encontramos em uma sala privada. Com os outros, Graham fez uma cena em uma das áreas de exibição pública. — Acho que deveríamos fazer uma viagem ao clube esta noite. O homem que está tentando enquadrar Graham por esses crimes vai querer conhecê-lo. Há uma boa possibilidade de ele ter visto você com o Graham e 35

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


agora, ele vai querer que você seja sua próxima vítima. Exceto que desta vez, ele não vai atrás de um cidadão comum. Você é um agente FPA treinado. Ele entrará em uma armadilha e nós vamos pegá-lo. Toby respirou fundo, soltando lentamente. — Nós podemos finalmente terminar isso e Graham não terá que se esconder mais. Era uma boa idéia, e Reed estava mais do que disposto a se tornar isca, se isso significasse limpar o nome de Graham. Ele ainda tinha algumas reservas embora. Reed não queria compartilhar os detalhes de sua vida pessoal com o resto da equipe. Ele tinha medo de que suas opiniões dele pudessem mudar se soubessem o que ele desejava. O único problema com manter seu segredo é que ele estaria colocando-se em uma situação perigosa sem backup. Reed não estava disposto a fazer isso sem os outros agentes nas suas costas também. — Nós vamos precisar da equipe nesta operação. — Você não parece muito animado com essa idéia. Toby levantou uma sobrancelha, parecendo confuso. — Há algo que eu deva saber sobre a equipe aqui em Nova York? — Não. Reed sorriu, esperando tranqüilizar Toby. — Todos eles são maravilhosos. Melhores homens que eu já conheci. Eu só gosto de manter algumas coisas privadas. Mas ele sabia que tudo ia mudar. Tinha que mudar. Ele não podia manter seus mundos separados por mais tempo. — Eu entendo. Não vou dizer nada. Seu segredo esta seguro comigo. — Eu aprecio isso, eu realmente gosto, mas não podemos avançar sem o resto da equipe. Quem quer que seja esse assassino, ele teve muita prática, e não temos idéia de quem ele é. — Então o que você quer fazer? — Devemos ir procurar Axel e dizer-lhe o que sabemos. Ele é o líder neste caso. Reed levantou-se. Ele pegou o pedaço de papel com as 36

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


informações de segurança de Marcus e o colocou no bolso junto com o celular. — Você acha que ele vai acreditar que Graham não fez isso, mesmo com todas as provas dizendo o contrário? Toby parecia preocupado. — Foi por isso que você pediu uma transferência? — É uma das razões. Disse ele. — As coisas não eram as mesmas depois que Graham saiu. Eu queria ir com ele, mas ele não o permitiria. Eu não sabia se ele estava aqui em Nova York quando eu pedi a transferência, mas seguindo o rastro das vítimas, esta era a sua próxima parada lógica. — Vamos nos encontrar com Axel. Quanto mais cedo Reed juntasse a equipe, mais rápido ele poderia encontrar Graham. Reed e Toby voltaram para o edifício federal. Toby continuou a falar apontando todas as grandes diferenças entre a Costa Oeste e a Costa Leste. Reed balançou a cabeça, fingindo seguir, mas sua mente estava em Graham. Ele não conseguia tirar a imagem do shifter leão da cabeça ou o cheiro do homem do nariz. Reed desistiria de todos os seus segredos se significasse libertar Graham. Ele queria seu companheiro. Ele queria o homem ao seu lado. A única maneira de conseguir isso era incluir toda a equipe neste caso. Ele precisava ter certeza de que todos eles viram a verdade. Alguém estava incriminando Graham. — O software funcionou para você? Axel perguntou, girando em torno de sua cadeira enquanto Reed entrava na sala de tecnologia. — Sim. Reed assentiu. — Obrigado. — Por que eu tenho a sensação de que você encontrou alguma coisa? — Eu conheci meu companheiro na noite passada em um clube do lado oeste, Leather Men. — Isso é ótimo. Axel sorriu. — Parabéns.

37

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Reed levantou a camisa. As marcas de garra estavam praticamente curadas. A única coisa que restava era quatro linhas vermelhas. Axel se levantou e foi até Reed. Alcançando uma mão trêmula, ele tocou a pele de Reed. — Você está bem? Ele machucou você? — Não. Ele balançou a cabeça. — Não é o que você pensa. Isso foi consensual. Eu queria que ele fizesse isso. — OK. Eu só queria ter certeza. Axel não empurrou. — Já ouvi falar de Leather Men, mas nunca estive lá. Ele parou por um momento, olhando para as marcas no lado de Reed e ele deixou cair à camisa. Axel olhou para cima e ergueu uma sobrancelha interrogativa. — É o homem que estamos procurando? — Não. Mas todas as evidências apontam para ele. — Conte-me tudo. Reed virou-se para Toby e o rapaz se aproximou, contando a história de Axel desde o início, quando os rapazes começaram a aparecer em Los Angeles. Quando parou, Reed assumiu. Axel olhou de Reed para Toby e de volta. — O que você quer fazer? — Quero voltar para Leather Men e encontrar o Graham.

Capítulo Cinco Reed encostou-se à barra. Tentou parecer indiferente, como se fosse outra noite, mas no interior seu estômago estava em um nó apertado. Ele recusou sua bebida habitual, tomando um copo de água. Reed examinou a sala, aterrando em alguns dos outros agentes, enquanto procurava por Graham. Ele não tinha certeza se o outro shifter apareceria, mas ele estava esperando que o homem estivesse no clube, procurando por ele. 38

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Havia apenas vinte e cinco horas desde que ele vira Graham, mas parecia dias. Seu coração doía o buraco em seu peito crescendo a cada minuto que passava. Ele precisava de seu companheiro. Seu tempo juntos tinha sido explosivo, mas muito curto na opinião de Reed. Só de pensar em Graham e no tempo que passaram juntos trouxe um sorriso para o rosto de Reed. Um corpo duro apertou as costas de Reed, e ele fechou os olhos. O cheiro de Graham o cercou, enchendo sua cabeça. Ele puxou o cheiro incrível profundamente em seus pulmões e sentiu-se automaticamente tonto. Ele estava bêbado com o aroma doce e fresco. — Eu estava esperando que você estivesse aqui. Ele sussurrou no ouvido de Reed. A rica voz de barítono enviou um calafrio pelo corpo inteiro de Reed, e arrepios estouraram ao longo de sua carne. A voz do homem o afetou da mesma maneira que a noite anterior. — Você me deixou aqui. Reed manteve seu tom casual mesmo se as palavras soavam acusadoras. — Eu não sabia que você era meu até que você chegou ao clímax. Minhas garras tocaram sua pele e você deixou cair sua guarda. — E? Ele sabia que havia mais do que isso. — E eu estava envergonhado. Eu fui muito duro com você. Eu usei seu corpo para o meu prazer. Reed podia ouvir a culpa na voz de Graham. — Eu não me senti digno o suficiente para ser seu companheiro. — Eu gosto do jeito que você me machucou. Disse Reed honestamente. Graham rosnou a isso, seu peito vibrando contra as costas de Reed. — Venha para casa comigo. Eu preciso de você. — Estar comigo é perigoso. — Eu não me importo. — Você deve. 39

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


O tom brincalhão de sua conversa desapareceu. As palavras de Graham soaram como um aviso e Reed estava preocupado que seu companheiro pudesse realmente mandá-lo embora. Reed virou-se, encarando Graham. Seus olhos se conectaram e qualquer dúvida sobre a qual ele estava se segurando desapareceu de repente. — Nós precisamos conversar. Eu quero que você venha comigo agora, sem perguntas. Graham recuou ligeiramente, dando a Reed algum espaço. Depois de um momento, ele acenou com a cabeça. Reed estendeu a mão e Graham a pegou, entrelaçando os dedos. Reed assumiu a liderança, guiando Graham através da multidão de pessoas e fora do clube.

**** Graham olhou para suas mãos conectadas quando Reed o levou para fora de Leather Men. Ele apertou seu aperto, aliviado que Reed estava realmente no clube. Com o desconhecido pendurado sobre sua cabeça como o laço de um carrasco, Graham encontrou um pouco de felicidade tocando seu companheiro, e a fera dentro ronronou de prazer. Sua vida inteira poderia estar em ruínas, mas estar perto de Reed parecia acalmar todo o caos. Quando eles estavam lá fora, Graham puxou Reed perto do seu lado. Examinou a área, procurando qualquer perigo. Ele odiava estar fora e exposto, mas, acima de tudo, tinha medo de que o assassino machucasse Reed. Ele não queria que nada acontecesse a seu companheiro. Um SUV preto aproximou-se rapidamente, puxando para cima ao longo da borda fora do clube. Graham envolveu ambos os braços ao redor da cintura de Reed e girou-o ao redor, protegendo o corpo de seu companheiro com o seu próprio. Ele fechou os olhos, esperando que as balas começassem a voar. 40

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Graham? Está bem. É só a minha equipe. — Sua equipe? Ele perguntou, mantendo os braços firmemente enrolados ao redor de Reed. — Sou um agente do FPA. Seu aperto diminuiu. Voltando-se para o utilitário esportivo, Graham olhou para os outros membros cobertos da cabeça aos pés com couro preto. Eles cercaram o veículo, suas armas em exibição ainda no coldre. Mas, felizmente, não estavam apontados para ele. — Eu não matei ninguém. Reed virou a cabeça, colocando um beijo no rosto de Graham. — Eu sei que você não fez. Estamos aqui para ajudá-lo a resolver este caso. Graham manteve um braço firmemente enrolado na cintura de Reed, escoltando-o em direção ao SUV. Reed subiu primeiro e Graham seguiu a trás. Outro agente se aproximou e fechou a porta. O SUV decolou, deixando Leather Men no espelho retrovisor. Graham tinha certeza de que estava sendo levado para a sede da FPA para um interrogatório amigável. A única razão pela qual ele confiava em Reed era porque o homem era seu companheiro. Se tivesse sido qualquer outra pessoa, Graham não teria ido tão facilmente. Então outra vez, não pôde ser uma idéia tão má ser tomada dentro por um grupo de agentes de FPA. O assassino pode estar assistindo. Graham alcançou o assento e segurou a mão de Reed. Era a linha de vida que precisava para manter a calma quando sentia que seu mundo estava virando de cabeça para baixo, mais uma vez. Ele olhou para o perfil do motorista, cabelos negros e curtos com franjas longas que caíam sobre seus olhos. Ele perfumou o ar, tentando descobrir se ele era um shifter ou um vampiro. Não ser capaz de categorizar os cheiros em torno dele fez seu leão irritado. — Toby está em Nova York. — O quê? Graham olhou para Reed, com as sobrancelhas arqueadas. 41

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Ele se transferiu. Ele disse que as coisas não eram as mesmas em LA depois que você saiu. Graham ficou surpreso que o jovem shifter raposa tivesse deixado LA. Toby Winters era apenas uma criança quando toda a sua família foi varrida por um velhaco. Como o único sobrevivente, a equipe do FPA concordou que era no melhor interesse de Toby se mudar com eles, em vez de ser deixado em um lar adotivo. Ainda era difícil para Graham pensar no garoto como um agente ou mesmo como um adulto, especialmente quando ele tinha consolado o jovem enquanto ele chorava por sua mãe e seu pai. Toby teve que lidar com um monte de trauma após a violência que ele tinha testemunhado. Graham não podia acreditar que Toby estivesse em Nova York. — Pobre garoto. Resmungou Graham. Ele sacudiu a cabeça, desapontado por nenhum dos outros agentes ter insistido em que Toby permanecesse em Los Angeles. — Eu mal o conheci, mas Toby parece ser um bom sujeito. — A mudança será boa para ele. Trabalhar com novas pessoas poderia ser um desafio, mas Graham sabia que Toby iria encontrar o seu papel e com um pouco de tempo, ele poderia mostrar a todos eles como ele estava bem treinado. — Ele está esperando por nós no prédio federal. — Será bom vê-lo de novo. Graham se distanciou de todos os seus amigos, preocupado que o assassino pudesse voltar sua atenção para eles, num esforço para machucá-lo. Graham queria dizer mais. Ele queria ter uma conversa com seu companheiro. Havia tantas perguntas correndo em sua mente. Havia tantas coisas que ele queria dizer, mas eles tinham uma audiência. Reed podia acreditar em sua inocência, mas os outros agentes estavam céticos. Quando eles chegaram ao prédio federal, alguém os dividiria sob o disfarce de 42

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


perguntar a Graham sobre o caso, quando na verdade eles iriam interrogá-lo. Graham tinha sido um agente do FPA tempo suficiente para saber como as coisas funcionavam. Ou pelo menos, Graham sabia o que faria se os papéis fossem revertidos. Não demorou muito para puxar para uma estrutura de estacionamento subterrâneo. Erguendo a mão de Reed, Graham beijou cada nó. Ele levou a mão de Reed até sua bochecha e lentamente inalou, puxando o perfume do tigre em seus pulmões, uma doce mistura de excitação, cítrico, lavanda e hortelã. Ele queria mudar para sua forma de leão e rolar ao redor do perfume, marcando seu corpo com o cheiro delicioso de Reed. Reed era como o catnip (planta família da ) e a besta dentro quis fora. Ele queria marcar e reivindicar sua

hortelã

companheira. Quando o motor se fechou e as portas se abriram, Graham lentamente deixou cair a mão de seu companheiro. — Tudo vai ficar bem. Disse Graham antes de sair do SUV. O motorista parou Reed quando saiu do veículo com a mão no ombro. Graham observou-os através das janelas coloridas. — Eu vou escoltá-lo para Abram. O chefe está assumindo a liderança neste caso. OK? Reed olhou para Graham. Seus olhos se conectaram e Graham assentiu antes que Reed respondesse: — Sim, claro. — Você pode observar ou posso entrar em contato com você quando o Abram terminar. — Vou observar. — OK. O motorista deixou cair a mão do ombro de Reed e caminhou ao redor do veículo. — Por favor, siga-me. Graham fez como ordenado. Foi apresentado como um pedido amável, mas ele foi capaz de ler entre as linhas. O FPA estava dando a ele a chance 43

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


de falar. Reed caminhou em linha ao lado dele. Reed estendeu a mão e passou a ponta dos dedos pelo braço de Graham. Era um toque destinado a confortar e aquecer o coração de Graham. Olhando para Reed, ele piscou. Ele não estava com medo. Chegara a hora de pedir ajuda a este caso. Trabalhar sozinho só tinha terminado em mais morte. E agora que tinha encontrado seu companheiro, Graham estava atrasado para alguma felicidade. Ele estava cansado de correr e cansado de se esconder. O motorista, um shifter coruja pelo seu perfume pressionou seu dedo contra o botão de chamada. Uma luz vermelha brilhou sobre sua impressão digital antes de ficar azul. As portas do elevador se abriram, e Graham entrou em cena junto com Reed, o motorista e o passageiro. O motorista pisou na frente de uma câmera, e um feixe de luz projetado do dispositivo, realizando uma varredura de retina. Quando ele passou os requisitos de segurança, a porta do elevador fechou e começou a se mover rapidamente. Graham ficou impressionado. Eles não tinham um exame de retina no escritório de Los Angeles. Parecia que a equipe de Nova York tinha todos os bons brinquedos. Quando o elevador parou, Graham saiu. Ele foi levado para uma série de corredores. Quando eles viraram a próxima esquina, alguns agentes estavam de pé em frente a uma porta aberta. Todos os olhos se voltaram para ele, olhando-o de cima a baixo, como se o avaliando para uma luta. — Abram Jackman. O líder do FPA de Nova York estendeu a mão e Graham pegou. — É bom finalmente conhecê-lo. Graham conhecia Abram apenas por reputação. Na verdade, ele tinha ouvido muitas histórias sobre todos os agentes em um momento ou outro. O FPA gostava de conversar. — Eu sou Graham Bingham. — Eu ouvi falar de você. Abram entrou no quarto e fechou a porta, fechando o resto dos agentes lá fora. 44

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Boas coisas espero. Graham sentou-se em uma das cadeiras vazias. Abrão sentou-se diante dele. Ele baixou os olhos para baixo, examinando as pastas na mesa de metal por apenas um segundo antes de concentrar-se sobre o líder da divisão de Nova York. — Claro. Abram assentiu. Os dois homens ficaram em silêncio por um momento. Graham esperou. Ele não sentiu a necessidade de encher o espaço silencioso com palavras sem sentido. Logo Abram lhe diria o que ia acontecer. Graham era um suspeito e Abram era o agente que estaria fazendo as perguntas. Era uma inversão de papéis que Graham nunca esperara. Ao mesmo tempo, ele tinha sido um excelente agente, mas agora ele não tinha título. — Antes de começarmos, quero que saiba que mandei um par de agentes para o seu quarto de hotel. Estão arrumando seus pertences e esfregando o quarto. Reed não acha que você é capaz de assassinato. Ele acredita que você está sendo enquadrado. Ele é parte desta equipe e nós somos uma família, então estou apoiando Reed completamente. Se você está sendo vigiado, eu quero que o homem responsável saiba que você está sob custódia. Foi bom ouvir que a opinião de Reed importava mesmo que Abram não acreditasse necessariamente na inocência de Graham ainda. Com o tempo, ele esperava provar que não era culpado de matar catorze homens. — Eu passei sobre os detalhes deste caso tantas vezes que eu poderia recitá-los em meu sono. Disse Graham. — Eu não tenho idéia de quem é responsável, mas confie em mim quando eu digo que eu quero fechar este caso mais do que qualquer outra pessoa. Eu quero minha vida de volta e eu quero reivindicar meu companheiro sem me preocupar que ele se tornará a próxima vítima. Olhou para o ombro de Abram, para o espelho de dois sentidos. Reed estava ali? Seu companheiro estava assistindo? 45

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Você tem algum inimigo? Perguntou Abram. — Tenho certeza que fiz alguns anos. Ele já havia considerado todos os ângulos deste caso, fazendo listas de todos em sua vida que poderiam ser uma ameaça. Até agora, ele não conseguia pensar em alguém tão esperto para realizar esses assassinatos sem ser pego. — Mas não há ninguém capaz de matar catorze homens. Na verdade, a maioria das pessoas não sabe que eu estou envolvido no BDSM, exceto para amigos próximos ou outros membros nos clubes. E eu não compartilho nenhum detalhe com ninguém. — Alguém parece saber muito sobre você. Abram ergueu uma sobrancelha. — Ele sabe todas as marcas que você gosta de deixar nos corpos do seu amante. Ele conhece cada homem com quem entrou em contato. Os olhos de Graham voltaram-se para o espelho. A pele de Reed usava suas marcas, embora já estivesse certo de que haviam desaparecido. Era como as coisas eram com paranormais. Eles curaram rapidamente. Neste momento, porém, Graham estava preocupado com seu companheiro.

Capítulo Seis Levantando a mão, Reed tocou o vidro. Ele desejou que houvesse uma maneira de dizer a Graham que tudo estava bem entre eles, mas ele não podia interromper, não com Abram assumindo a liderança no caso. Ele podia ver a preocupação nos olhos de Graham. Ele estava preocupado que suas respostas machucassem Reed. A única coisa que importava a Reed era remover todas as suspeitas em torno de Graham. Ele sabia, sem dúvida, que seu companheiro não era responsável por esses crimes. Reed só precisava

46

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


do resto da equipe para acreditar, para que pudessem encontrar o verdadeiro assassino. Depois de um momento de silêncio, Graham assentiu e concentrou sua atenção em Abram. — Sim. O assassino sabe exatamente o que eu gosto e o tipo de homens que me atraem. — Então é possível que o homem responsável seja seu amigo. — Eu acho que é possível. É difícil acreditar que alguém me odeia o suficiente para querer que o FPA me ponha para baixo. — Por que você acha que ele não o confrontou diretamente? Por que matar quatorze homens e apontar o dedo para você? — Eu acho que ele gosta do jogo. Este suspeito é esperto e encantador. Ele sabe como convencer as pessoas a ir com ele de boa vontade para que não haja uma luta, sem deixar testemunhas. Ele esteve um passo à frente de mim desde o início. Quando eu consegui o caso, eu reconheci as vítimas e as marcas em seus corpos. O sujeito também é capaz de cobrir seu cheiro, mas não o suficiente para fazer dele um agente bem treinado. Poderia ser uma droga repressora de perfume. De qualquer maneira, a única coisa que eu sei com certeza é que ele é um grande shifter gato. Reed ouviu passos e olhou para o corredor. Shaw marchou em direção a eles com Ranger nos calcanhares. Reed viu a agulha hipodérmica e o pequeno frasco de vidro na mão de Shaw, e ele automaticamente entrou no caminho de Shaw, bloqueando sua entrada na sala. — Que diabos está fazendo? — Estamos tentando provar que seu companheiro não é um assassino. Este soro ajudará a obter as informações de que precisamos. Reed tinha visto a medicação psicoativa trabalhar sua magia em vários suspeitos, ajudando a FPA provar culpa e inocência. O soro ajudou a equipe a obter informações de indivíduos que não eram capazes ou não estavam dispostos a fornecer o contrário. Também forçou o suspeito a ser 47

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


completamente honesto. Ao questionar Graham sob o soro, a equipe acreditaria nele, independentemente de qualquer evidência. Era impossível mentir sob a influência da medicação. — Reed. Ian envolveu um braço em volta dos ombros de Reed, aplicando uma pequena pressão para fazê-lo sair do caminho de Shaw. — Vamos lá, cara. Somos uma equipe. Ninguém aqui faria alguma coisa para machucar seu companheiro. Vamos dar-lhes algum espaço para fazer o seu trabalho. Podemos sair e comer algo. — Essa é uma ótima idéia. Vamos pegar uma pizza e um pouco de cerveja. Podemos relaxar na sua casa, sugeriu Max, piscando para Reed um sorriso brilhante. Reed respirou fundo, tentando acalmar seus nervos desgastados. Ele sabia que sua equipe não faria nada para colocar Graham em perigo. Por machucar Graham, eles estariam machucando ele. Os companheiros eram sagrados. Cada paranormal foi abençoado quando encontraram a pessoa significada para ser deles. Ninguém na equipe faria qualquer coisa para levar o companheiro de Reed embora. Ele só precisava lembrar que esses homens eram seus amigos. Acenando com a cabeça, Reed se afastou, dando Shaw e Ranger espaço para passar. — Vai ficar tudo bem. Prometeu Shaw. — O que há na caixa? Reed perguntou, finalmente percebendo que Ranger estava carregando uma caixa de arquivo branco. — Alguns arquivos e papelada do quarto de hotel de Graham. Ele está investigando este caso desde o início. Acho que pode haver algo aqui que pode nos ajudar. Reed assentiu. — Cuide dele. — Eu acompanharei Graham a sua casa quando a entrevista terminar. Shaw disse. — Você provavelmente deveria sair para jantar com Ian e Max. 48

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Acho que Graham apreciaria alguma privacidade quando o soro entrar em vigor. Ele é um cara duro. Deixe-o segurar essa imagem para você. Shaw estava certo. Seria melhor se ele partisse. Ele não queria ver Graham num estado enfraquecido. Graham era seu homem. — Sim. OK. Shaw abriu a porta e entrou na sala de interrogatório. Quando a porta se fechou, Reed olhou para Ian e Max. — Vamos antes que eu mude de idéia.

**** A porta se abriu e dois agentes entraram seguido pelo perfume masculino de Reed. Graham se endireitou, olhando para o espelho. Ele realmente queria ver seu companheiro, mas não disse nada aos agentes. Um homem, um lobo shifter, deixou cair uma caixa sobre a mesa antes de fazer uma saída rápida. Ele não disse uma palavra. O outro, um lobo com longos cabelos azuis e negros ficou para trás. — Eu sou Shaw Iza. Ele colocou uma agulha hipodérmica e um frasco de vidro sobre a mesa. — Antes de começarmos, eu queria que você soubesse que eu pedi a Reed para ir para casa, para nos dar alguma privacidade. Quando terminarmos, eu o acompanharei até seu lugar. Graham assentiu. Ele não queria que Reed o visse sob a influência de qualquer medicação psicoativa. A última coisa que queria era que Reed o considerasse fraco, especialmente considerando a dinâmica de seu relacionamento. — Este medicamento é uma fórmula especial que criamos. Testamos várias vezes. É seguro e os efeitos colaterais são mínimos. É uma droga psicoativa que altera a função cognitiva superior. Antes de apoiá-lo completamente, precisamos saber se você está dizendo a verdade. — Você tem uma objeção a tomar o soro? Perguntou Abram. 49

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Não. Graham pôs o braço sobre a mesa. — Bom, então vamos começar. Abram assentiu em direção a Shaw. O lobo shifter pegou a agulha e o frasco de vidro. Ele encheu a seringa antes de deslizar a borda, removendo todas as bolhas de ar. Shaw alinhou o ponto afiado até a veia de Graham, entre seu antebraço e bíceps e lentamente puncionou sua pele. Ele não hesitou quando Shaw esvaziou o conteúdo em sua veia. Vai levar alguns minutos. Graham colocou ambas as mãos em seu colo. Ele respirou fundo, relaxando contra a cadeira de metal, enquanto a droga funcionava no seu sistema. Shaw caminhou ao redor do quarto. Agarrou uma cadeira e sentouse em frente a Graham. — Eu falei com o líder do ramo de LA. Ele disse que você transformou desistiu do trabalho, mesmo que toda a equipe sabia que você era inocente. Estou curioso, por que você fez isso? Perguntou Abram. — Quando eu originalmente aceitei o caso, eu vi as semelhanças. Não demorou muito para perceber que eu estava sendo alvo. Graham suspirou. — Os homens. As marcas. O cheiro do gato. Havia muitas coisas que apontavam para mim. Ele estava à minha frente em cada turno. Eu pensei que seria melhor deixar LA. Eu não queria que o suspeito fosse atrás de minha equipe para me punir mais, então entreguei meu crachá e entreguei os arquivos originais Abram tirou a tampa da caixa de arquivos. — E você guardou cópias, por quê? — Eu tenho examinado as fotos da cena do crime, esperando que eu possa ver algo que eu perdi antes. Graham podia sentir a droga funcionando. Seus lábios estavam entorpecidos, suas gengivas começaram a formigar, e sua língua sentiu pesado em sua boca. — Esse cara começou a matar homens com quem eu compartilhava cenas em um clube de BDSM em Los 50

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Angeles, usando a mesma ferramenta para marcar seus corpos, mas então ele evoluiu quando eu parei de ir. Quando eu não consegui encontrá-lo, deixei LA. Graham lambeu os lábios secos. Ele passou a língua pelos dentes. A droga estava funcionando. Ele já podia sentir os efeitos. — Como você está se sentindo? Shaw perguntou. — Você está pronto para começar? — Sim, estou apenas um pouco confuso. As palavras de Graham saíram enrolada, como se ele tivesse tomado muitas bebidas. — Isso é de se esperar. Apenas fique calmo e não lute contra os efeitos. — Certo. Graham assentiu, mas sua cabeça caiu para o lado. Flexionando seus músculos, Graham tentou manter o controle, mas a droga era muito poderosa. A cada segundo que passava, Graham deslizou lentamente pela cadeira de metal, inclinando-se. — Quero que feche os olhos e relaxe. Graham assentiu, seguindo as ordens de Shaw. — Relaxe. A tensão está saindo de seu corpo. Respire... e para fora. Bom... Shaw disse, sua voz se tornando profunda e baixa, quase sedutora. — Toda a tensão está flutuando. Tudo que você pode sentir é você mesmo. Concentre-se em si mesmo. Só que não é você hoje. Você esta no dia em que foi designado para este caso. Quero que você abra seus olhos, Graham, em três... Dois... Um. Ele abriu os olhos. Foi estranho. Intelectualmente, Graham sabia que ele estava dentro da sala de interrogatório. Mas parecia que ele estava na sala de conferência em Los Angeles. Estava sentado à mesa, rodeado pelos outros agentes. — O que você vê? Onde está você? — Estou na sala de conferências. Estamos tendo uma reunião, examinando o caso. Houve quatro cadáveres encontrados na área. Todos 51

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


eles usam marcas semelhantes, feitas por uma bengala, e também havia outros implementos BDSM usados. O golpe de morte é feito por um grande shifter gato com garras afiadas rasgando a carne. Todas as vítimas são humanas. — Como você está se sentindo? — Estou preocupado. O assassino pode estar no estilo de vida do BDSM. Ele pode estar posando como um Dom ou Mestre bem treinado, quando na realidade ele está machucando e matando humanos. — Que semelhanças você vê entre você e o assassino quando você olha para as vítimas? — Conheci os homens antes. Eu tive cenas com cada um deles. Eu usei os mesmos implementos em cada um deles que o assassino usou. Eu também gosto de usar minhas garras. Basta olhar para as fotos e ouvir o relatório inicial me surpreendeu. — Você já machucou alguém sem sua permissão? — Não. Seguro, sã e consensual. Respeito às palavras seguras. Eu falo sobre limites. Eu nunca faria nada a ninguém sem sua permissão. — Você é o assassino? — Não. — Você sabe quem é o assassino? — Não. — Há alguma coisa pertinente ao caso que você não tenha compartilhado conosco? — Reed poderia ser a próxima vítima. Compartilhamos uma cena juntos em Leather Men. — Por que você foi para o Leather Men sabendo que havia um assassino seguindo você? Por que colocar outros homens em perigo? — Eu pensei que poderia pegar o assassino. Era a verdade. Todas as palavras que derramaram de seus lábios eram completamente honestas e 52

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


não filtradas. — Eu não sei quem ele é ou por que ele está fazendo isso. Eu coloco pessoas inocentes em perigo esperando terminar isso de uma vez por todas. Eu os segui para casa e os assisti, esperando que ele mostrasse, mas ele está sempre um passo à frente de mim. É culpa minha e eu assumi toda a responsabilidade. Eu cometi um erro e mais inocentes foram mortos por causa disso. — Por que não pediu ajuda? — Eu estava planejando pedir ajuda. Agora que eu encontrei meu companheiro, eu percebo que eu não posso trabalhar este caso sozinho e quem quer que o assassino seja ele não vai parar. Eu não quero que nada aconteça com Reed. — Acho que é bom por enquanto, Shaw. É seguro dizer que ele não cometeu os assassinatos. — Graham quero que feche os olhos. Respire fundo, puxando o ar através do nariz e soprando-o pela boca. Bom trabalho. Continue respirando. Legal e fácil. Apenas relaxe e concentre-se na minha voz. Você está voltando ao presente, deixando o passado para trás. Eu quero que você abra seus olhos em três... Dois... Um... Graham abriu os olhos. Ele piscou rapidamente, tentando limpar a neblina de sua mente, antes de se concentrar novamente em Abram e Shaw. — Como você está se sentindo? Shaw perguntou. — Estou bem. Graham sentou-se e limpou a garganta. — Obrigado. — Eu acho que você tinha a idéia certa de como pegar o homem responsável, mas você não tinha o backup para fazê-lo funcionar. Disse Abram. — Para pegar esse cara, precisamos jogar seu jogo. Acho que pode ser uma boa idéia colocar Reed em uma das casas seguras ao redor da cidade. Os dois podem jogar uma cena em Leather Men e então você pode levar Reed para casa. O assassino fixará suas vistas em Reed e nós finalmente conseguiremos pegá-lo. 53

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Só vai funcionar se o assassino não souber que Reed é um agente. Disse Shaw rapidamente. — Há uma boa possibilidade de que ele já saiba. — Eu não acho que isso realmente importa. Esse cara quer que Graham sofra. Ele quer que a agência ponha Graham como um desonesto. Que melhor maneira de provar que Graham é o assassino do que matar Reed? A cabeça de Graham girava enquanto escutava Abram e Shaw. Os homens foram para frente e para trás, planejando uma operação de picada que colocaria Reed em uma situação muito perigosa. E embora fosse um bom plano Graham não queria que seu companheiro estivesse perto do assassino.

Capítulo Sete Reed caminhou ao redor de seu condomínio, torcendo as mãos, enquanto esperava por Graham. Ele enviou Ian e Max de volta as suas casas depois de compartilhar uma pizza e um par de cervejas. Eles se ofereceram para ficar e conversar até que Graham chegasse, mas Reed insistiu que fossem para casa. Enquanto os minutos giravam para horas, o medo começava a agitar-se em suas entranhas, a bílis pútrida subindo em sua garganta, sufocando-o. E se Abram e Shaw não acreditasse em Graham? E se a droga não funcionasse? Ele sabia sem dúvida que Graham era inocente, mas Reed não podia ajudar a preocupação que o consumia. Ele imaginou o pior cenário uma e outra vez, até que ele estava convencido de que Abram acharia Graham culpado de assassinato. Reed olhou para o relógio na parede, observando os segundos passando. Eram duas da manhã, e ele estava exausto. Reed esfregou os olhos cansados. Esperando... Esperando... Esperando... 54

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Alguns minutos mais tarde, o elevador tremia, anunciando a chegada de Graham, e Reed praticamente correu para o vestíbulo. Ele deslizou para parar quando as portas de metal se abriram. Seus olhos pousaram em Graham e ele sorriu. O alívio que ele sentiu o fez ficar tímido e inseguro. Graham saiu do elevador e envolveu os braços ao redor de Reed, puxando-o para um abraço apertado. Reed inalou, puxando o cheiro de Graham em seu sistema. O tigre dentro acalmou instantaneamente. Era disso que ele precisava. Seu companheiro. — Eu o trouxe para casa com segurança, como prometido. Anunciou Shaw. — Obrigado. Reed murmurou contra o peito de Graham. — Sem problemas. Vamos nos encontrar por volta do meio-dia. Podemos falar sobre o próximo passo. — Certo. Reed concordou. As portas do elevador deslizaram fechadas, deixando-o sozinho com seu companheiro. — Como foi tudo? — Eles querem criar uma operação de armadilha, usando você como isca. Reed assentiu. — É nossa melhor chance de pegar esse cara. — Eu sei, mas eu não gosto. Graham correu uma de suas mãos para cima e para baixo Reed de volta em um movimento reconfortante. — Eu não quero que nada aconteça com você. Não quero perder você. — Eu sou um agente FPA. Eu estive em um monte de situações perigosas. Eu não tomo nenhum risco desnecessário e eu não faço nada sem a minha equipe. Graham soltou uma respiração pesada. Ele não parecia convencido, mas ele balançou a cabeça de qualquer jeito, sua barba roçando a testa de Reed. — E eu vou ter você assistindo minhas costas. — Sempre terei suas costas. 55

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Graham lentamente deixou cair os braços, recuando o suficiente para olhar para Reed. Seus olhos caíram na boca de Reed e ele lambeu seu lábio inferior. A excitação acendeu, crescendo entre eles, como um fio vivo. A respiração de Reed tornou-se agitada, adrenalina e expectativa correndo desenfreada em seu sistema. Reed estava desesperado para sentir os lábios de seu companheiro contra os seus. Graham pareceu esperar por um momento antes de finalmente tomar a boca de Reed em um beijo apaixonado. Reed suspirou, derretendo no peito de Graham enquanto seus joelhos se enfraqueceram. Sem os braços fortes de Graham em volta dele, Reed teria caído no chão. O beijo foi selvagem e frenético, cada um deles dizendo o que sentia sem palavras desnecessárias ficar no caminho. Reed moveu suas mãos, tocando seu companheiro. Seu tigre subiu à superfície, suas unhas alongando-se, transformando-se em garras. Reed rasgou as roupas de Graham, rasgando o material em pedaços, num esforço para chegar à carne nua. Ele precisava sentir a pele quente do homem contra a sua. Ele conseguiu manter suas bocas conectadas enquanto se desnudava no meio do vestíbulo. — Quarto. Reed ofegou. O peito de Graham vibrou enquanto ele rosnava. Ele levantou Reed de seus pés, jogando-o sem esforço sobre seu ombro. — Pelo corredor. Disse Reed. — É o último quarto no final. Graham caminhou em direção a seu quarto, Reed firmemente travado no lugar em seu ombro largo. Quando chegaram ao quarto de Reed, Graham colocou cuidadosamente Reed na cama. Ele apertou os cotovelos contra o edredom e lentamente sentou-se. Graham tirou a camisa esfarrapada e deixou cair o material no chão. Ele não tirou os olhos de Reed enquanto tirava o resto de suas roupas. Reed olhou com admiração quando o corpo nu de Graham foi revelado. Ele olhou, 56

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


hipnotizado. Graham tirou os sapatos antes de tirar as calças e chutar o material para o lado. Os olhos de Reed percorreram o corpo nu e bronzeado de Graham. O pau de Graham era pesado e duro, e Reed lambeu seus lábios. Ele ainda podia se lembrar do gosto do pau de Graham em sua língua. Reed queria o pau grande e bonito de Graham. Seu corpo inteiro praticamente vibrou com a necessidade. — Tire suas roupas, querido. A voz de Graham era áspera, e como antes, o tom grave afetou Reed. Seu pênis estava duro, apertando contra o zíper de suas calças, implorando pela atenção de seu companheiro. Reed fez o que lhe mandaram. Ele começou a tirar a roupa, atirando os itens para o chão ao lado da cama. Quando estava nu, Reed ajoelhou-se no centro da cama, esperando por Graham. Graham moveu-se para ele, então, seus músculos ondulando enquanto ele subia para a cama.

**** Graham subiu na cama e se ajoelhou na frente de Reed. Estendendo a mão, Graham agarrou os ombros de Reed, massageando os músculos antes de passar as mãos pelo peito do homem, esboçando as linhas fortes. Ele apertou os mamilos de Reed, rolando os botões apertados entre seu polegar. Ele apertou cada vez mais forte, até que Reed ofegou e seus quadris empurraram para frente. Pre-cum vazou da cabeça do eixo de Reed, como uma torneira quebrada, fazendo uma linha molhada ao longo do abdômen de Graham. Ele sorriu. Reed mal se agarrava. A tensão estava escrita em todo o seu belo 57

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


rosto. O homem viria com uma ordem simples. Graham podia vê-lo claramente. E embora quisesse dar prazer a seu companheiro, Graham queria tirá-lo. Movendo as mãos para baixo do abdômen apertado de Reed, Graham envolveu a palma da mão na base do pênis de Reed. — Não venha. Ordenou ele. Reed assentiu com a cabeça enquanto respirava fundo. — Quero provar você. — Eu sou todo seu. Reed inclinou-se para frente. Ele colocou um beijo na clavícula de Graham. Ele se moveu para baixo, colocando beijos abertos ao longo de seu peito e estômago. Quando ele alcançou o pênis dolorido de Graham, Reed beijou a cabeça de seu pau. Graham passou uma mão pelos cabelos de Reed. Ele agarrou os fios em um aperto e lentamente empurrou seu pênis entre os lábios de Reed. Sua boca abriu-se largamente, os lábios se estendendo ao redor da grossa circunferência. Era a visão mais bonita que Graham já vira. A boca sexy de Reed estava ansiosa. Ele o levou para baixo de sua garganta, e Graham gemeu. Reed gemeu profundamente em seu peito enquanto engolia, puxando Graham mais fundo. Graham começou a mover seus quadris, lentamente alimentando Reed com seu pau, uma e outra vez. Reed moveu sua língua, lambendo e lambendo, girando a língua em torno do eixo de Graham enquanto chupava. Ele lentamente aumentou o passo enquanto olhava para os brilhantes olhos azuis de Reed. Graham manteve uma das mãos no cabelo de Reed e, com a outra, agarrou a mandíbula de Reed. Ele se moveu mais rápido, rosnando enquanto seu orgasmo subia pela coluna. Reed parecia saber o impacto que estava tendo. Ele engoliu o comprimento de Graham e aumentou a sucção. 58

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Oh bebê. Sua boca... Ele não ia durar muito. Cabeça balançando na boca, lábios e língua trabalhando furiosamente, Reed o levou para liberação com tanta intensidade que Graham pensou que poderia passar para fora do prazer. — Engula-me. Ordenou ele. Reed o levou até a raiz, sugando com força. — Oh, porra! Os quadris de Graham se sacudiram. Seus músculos apertaram e ele veio. Reed lentamente puxou para trás. Ele lambeu e beijou o eixo de Graham antes de sugar suavemente a cabeça do pênis de Graham, sua boca gentil, quase reverente. Quando o mundo de Graham parou de girar, ele acariciou o rosto de Reed, acariciando seu cabelo. Era difícil acreditar que eles tinham acabado de se conhecer. Havia já um vínculo tão forte entre eles e com algum tempo, cresceria até que nenhum deles pudesse viver sem o outro. Suas emoções estavam crescendo no segundo, seu coração se expandindo, enchendo-se de Reed. Era intenso e cru, mais do que qualquer coisa que ele já sentiu em toda a sua vida. Encontrar um companheiro era um milagre, uma bênção, e um presente todo enrolado em um só. Graham puxou Reed para cima, conectando seus peitos, e segurando Reed perto. Ele mergulhou sua cabeça e conectou seus lábios, suavemente persuadindo sua boca aberta. Suas línguas giravam e dançavam juntas. Era novo, mas familiar. Parecia certo. Desconectando seus lábios, Graham virou Reed, pressionando seu peito contra as costas de Reed e seu companheiro inclinou sua cabeça para trás contra o ombro de Graham. Ele moveu suas mãos ao redor da cintura de Reed, correndo-as para cima e para baixo seu peito e abdômen achatado. — Oh... Oh... Se sente tão bem... Reed gemeu. Ele colocou as bolas de Reed com uma mão, acariciando e brincando com os pesados pesos. 59

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Você quer vir, querido? Ele sussurrou, mordiscando o lóbulo da orelha de Reed. — Eu quero você dentro de mim. Graham pegou as mãos de Reed. Ele se inclinou para frente, colocando Reed em suas mãos e joelhos. Com os dedos entrelaçados, Graham moveu seus quadris. Sua ereção deslizou entre as bochechas de Reed e ele continuou se movendo, provocando Reed enquanto aumentava a excitação do homem. Seus dentes alongaram quando o leão dentro acordou e esticou. O desejo de marcar seu companheiro era forte. Tanto o ser humano quanto a besta precisava reivindicar Reed para que outros paranormais pudessem saber que ele pertencia a Graham. Ele se inclinou para trás e correu os pontos afiados ao longo do ombro de Reed, mordendo suavemente para baixo, mas não quebrando a pele. Sons pequenos e sexy saíram da boca de Reed. Ele gemeu e gemeu todo seu corpo tremendo, enquanto Graham roia sua carne. — Por favor por favor… Graham sabia que estava dirigindo Reed louco. O perfume de sua excitação cercou Graham como uma espessa nuvem. — Não se mova. Graham se inclinou para trás. Ele passou os dedos pelos braços de Reed e arranhou as unhas ao longo dos lados do homem. Graham lambeu, beijou, e mordiscou seu caminho pelas costas de Reed. Quando alcançou a bela bunda de bolha de Reed, Graham afundou os dentes na carne carnuda. Reed gritou, gritando o nome de Graham, e ele sorriu. Espalhando as bochechas de Reed com as mãos, Graham abriu a boca e cuspiu em um ponto logo acima do buraco de Reed. Ele observou como sua saliva percorreu a roseta apertada de Reed. Graham empurrou seu rosto para o traseiro de Reed. Ele correu a língua sobre o buraco de Reed, cobrindo-o 60

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


com um grosso casaco de saliva. Os músculos de Reed flexionaram, seu buraco apertado tremulou enquanto movia seus quadris, silenciosamente implorando por mais. Uma vez que seu traseiro estava bem lubrificado, Graham se inclinou para trás e soprou. — Oh Deus... Arrepios estouraram ao longo da carne de Reed e ele estremeceu. Graham massageou as bochechas de Reed. Com a língua, contornou o buraco de Reed, desenhando formas. Ele alternava velocidades, adicionando mais estimulação. Quando Reed estava movendo seus quadris, palavras sem sentido vieram de seus lábios, Graham sabia que Reed estava pronto para mais. Ele colocou o dedo em sua boca, ficando agradável e molhada antes de penetrar lentamente no traseiro de Reed. Graham esfregou o pescoço contra a bunda de Reed enquanto movia o dedo para dentro e para fora da bunda de Reed, esticando-o. — Por favor... Reed implorou. — Eu preciso de você... Estou tão perto... — Onde está o seu lubrificante, querido? Graham perguntou, beijando a bunda de Reed. — Não. Reed sacudiu a cabeça. — Faça-me queimar. Graham pressionou a cabeça do seu eixo contra o rabo de Reed. Ele aplicou alguma pressão e seu pênis deslizou para além do apertado anel de músculo, afundando no corpo de seu companheiro. Graham segurou os quadris de Reed com força, impedindo que seu companheiro se movesse. Ele estava mais uma vez perto da borda. Qualquer movimento nesse momento e sabia que ele iria entrar no fundo do rabo de Reed. Tomando algumas respirações profundas, Graham foi finalmente capaz de afrouxar a sua espera. — Você é meu. Ele rosnou. — Sim... Oh, deus... sim... Reed gemeu lindamente, aceitando a reivindicação de Graham. 61

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Graham puxou os quadris para trás. Ele observou o pênis dele puxar livre antes de lentamente empurrando para frente, enterrando seu comprimento mais uma vez. Ele começou um ritmo lento, aumentando a velocidade. Cada impulso era mais profundo, mais difícil. Só estar dentro de seu companheiro transformou Graham em um animal selvagem. Ele não conseguia o suficiente. Com cada movimento, Graham perdeu o controle, movendo-se mais rápido, fodendo seu companheiro mais duro. Ele estava completamente perdido na sensação do corpo de Reed. — Ah... Ah... Ah... Pequenos sons sexy derramaram dos lábios de Reed. Com cada movimento que Graham fez, os sons agudos se transformaram em bonitinhos gemidos. — Oh... Graham... Oh... Isso estimulou Graham. Ele correu as mãos para cima das costas de Reed, correndo suas unhas afiadas contra sua carne, deixando linhas perfeitamente retas vermelhas para trás. Ele adorava ver suas marcas na pele de Reed. Reed arqueou suas costas, pressionando seu corpo para trás como se implorando por arranhões mais profundos. Suas garras se alongaram e ele deslizou as pontas afiadas ao longo da carne de Reed. Sangue borbulhou fora das feridas abertas, mas a pele rapidamente tricotou junto. — Eu preciso... Reed ofegou. — Venha para mim, querido. Reed gritou, gritando o nome de Graham. Seus músculos apertaram e seu corpo se sacudiu. A pele bateu contra a pele em uma bela melodia, enquanto o cheiro de sexo enchia seus pulmões e sua cabeça. Graham agarrou os ombros de Reed, girando os quadris. — Vai ser tão difícil. Ele rosnou. O orgasmo de Graham rasgou-o. Ele cobriu as costas de Reed e afundou os dentes no ombro do homem, marcando e reivindicando seu companheiro. Ele empurrou seus quadris, batendo violentamente em seu companheiro como ele continuou a preencher o buraco de Reed com seu 62

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


esperma. Quando seu orgasmo cedeu, Graham puxou seus dentes livres e lambeu a ferida, fechando a pele rasgada. Ele se encolheu quando viu as marcas irregulares. Ele provou que ele estava em um frenesi selvagem quando ele reclamou seu companheiro. Graham envolveu seus braços ao redor da cintura de Reed, segurando-o em um abraço apertado. Ele não queria deixar o calor do corpo de Reed. Em vez de se afastar, Graham baixou lentamente os dois para os lados. — Eu deveria ter marcado você na nossa primeira noite juntos. Sentia-se culpado por deixar Reed dentro da sala de jogos sozinho. Quando ele percebeu que o shifter tigre era seu companheiro, Graham estava com medo fora de sua mente. Ele saiu porque queria manter Reed seguro. Graham preferiria viver uma vida solitária sem seu companheiro do que Reed acabasse como aqueles outros homens. Era suposto proteger seu companheiro, mas Graham não estava seguro se poderia. — Não tenho remorsos. Murmurou Reed. — Você vai me marcar? Ele queria sentir os dentes de Reed afundando em sua carne. Queria que o tigre o reivindicasse. Reed afastou-se lentamente. Ele rolou, encarando Graham. Seus olhos brilhavam o azul mais brilhante do que nunca. Graham pôde ver o tigre branco subindo à superfície. Inclinando a cabeça, deu mais acesso a Reed. Seu doce tigre ronronou enquanto se aproximava. Reed lambeu uma linha ao longo da clavícula de Graham e ele gemeu. Ele sentiu as pontas afiadas dos dentes de Reed logo antes de bater, perfurando a carne de Graham. Seus olhos reverberaram quando a dor virou prazer delicioso. — Obrigado, bebê. Graham passou a mão sobre a cabeça de Reed, massageando seu couro cabeludo. — Meu. Sussurrou Reed.

63

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Capítulo Oito Reed acordou com um sorriso em seu rosto. Levantando os braços acima de sua cabeça, ele se esticou e se virou, acariciando o corpo quente de Graham. Reed abriu os olhos. O sol entrou pelas janelas, banhando Graham em luz dourada. Reed lentamente sentou-se. Ele olhou para Graham, deixando seus olhos percorrerem o corpo do homem. Ele é tão bonito. Inclinando a cabeça, Reed olhou para o relógio na mesa de cabeceira, e seus olhos se arregalaram. — Merda! Reed saltou da cama. — Graham! Nós precisamos ir. Era quase uma hora e eles deveriam se encontrar com a equipe ao meio-dia. Porra! Reed tirou as calças do chão e tirou o celular. Ele tinha três chamadas perdidas e seis mensagens de texto. Ele gemeu, jogando seu telefone na cama antes de correr para o banheiro. Reed escovou os dentes e espirrou água no rosto. Fez uma pausa, olhando para o seu reflexo no espelho, enquanto as gotas de água corriam pelo seu rosto. Os olhos de Reed pousaram em seu ombro. Levantando uma mão, ele tocou a marca de Graham, rolando os dedos sobre a pele enrugada. Parecia que seu companheiro o havia reclamado em um frenesi selvagem, marcando-o durante um momento intenso. — Desculpe. Disse Graham da porta. Reed baixou a mão e olhou para seu companheiro, com as sobrancelhas franzidas em confusão. — O que? Por quê? — A marca. Graham olhou para o ombro de Reed. — Eu fui um pouco áspera demais. Eu rasguei sua pele. Meu leão... — Ele balançou a cabeça, como se estivesse desapontado consigo mesmo por perder o controle. Reed odiava ver o olhar em seu rosto, especialmente porque amava tudo o que Graham lhe fazia. O toque áspero do homem era a perfeição. Ele 64

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


nunca conheceu outro homem que pudesse cumprir todos os seus desejos. Caminhando em direção a Graham, ele tocou a bochecha do homem, e Graham olhou para ele. — Eu amo isso. Eu gosto de saber que eu fiz você perder o controle. Duvido que isso aconteça muitas vezes e a verdade seja dita, isso me faz sentir especial. — Você é. Exclamou Graham. Ele abaixou a cabeça, conectando seus lábios em um doce beijo. Era apenas uma simples pressão de suas bocas. Reed suspirou. Ele queria rastejar de volta para a cama com seu companheiro. Ele queria que o shifter leão o marcasse novamente, mas os outros agentes estavam esperando por eles. Gemendo de decepção, Reed recuou, colocando algum espaço entre eles. Se não o fizesse, havia uma boa chance de ele não aparecer na sede do FPA por dias. — Eu acho que temos que ir, hein? Reed assentiu. — Há uma escova de dentes nova debaixo da pia e roupas limpas no meu armário. Gostaria que houvesse tempo para um banho, mas isso vai ter que esperar para mais tarde. Já estamos atrasados. — Ok. Graham beijou sua testa antes de entrar no banheiro. Ajoelhouse e abriu o armário, revolvendo até encontrar o pacote de escova de dentes. Ele a abriu e abriu a torneira, encharcando as cerdas. Reed podia assistir Graham o dia inteiro. Cada movimento que ele fazia era gracioso. Tudo o que ele fazia era incrivelmente sexy. Estou me apaixonando por ele. Essa foi a única explicação razoável. De que outra forma ele poderia achar Graham escovando seus dentes sexy? Encontrar seu companheiro era mudar a vida. Ele tinha visto isso acontecer a muitas pessoas ao longo dos anos e nunca realmente entendia. Era como se seu coração batesse somente por Graham. Graham... bump-bump... Graham... bump-bump. 65

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Balançando a cabeça, Reed girou sobre seu calcanhar e marchou em direção a seu armário. Ele se vestiu em tempo recorde puxando um par de jeans e uma camiseta de algodão macio. O perfume masculino de Graham cobriu sua pele junto com suor seco e sexo. Era intoxicante e Reed estava feliz por estar atrasado. Ele realmente não queria remover o cheiro. Ele queria que o cheiro de Graham permanecesse nele o dia todo. Reed tirou algumas roupas limpas para Graham. Mesmo que ele estivesse alguns centímetros mais baixo, ele esperava que os jeans não parecessem um par de calças capri. Imaginar o shifter muscular leão com suas calças acima de suas canelas o fez rir . — O que há de tão engraçado? Perguntou Graham enquanto entrava no armário. — Eu não acho que minhas calças vão caber você. — Tudo bem. Graham deu de ombros. — Abram enviou um par de agentes para coletar minhas coisas do hotel. Posso pegar minhas roupas depois da reunião. Ele beijou a testa de Reed antes de tirar a camisa da mão de Reed. Graham deslizou o material sobre sua cabeça antes de girar em seu calcanhar e sair do armário. Reed o seguiu, olhando fixamente as bochechas carnudas do homem. Graham curvou-se e pegou suas calças do chão. Os olhos de Reed estavam colados ao traseiro nu de Graham. Ele gemeu em desapontamento quando os globos musculares foram cobertos pelo tecido macio. — Você está pronto? Graham olhou por cima do ombro dele e piscou. Reed pegou seu celular da cama. Enfiou o dispositivo no bolso e assentiu. Ele não queria sair do quarto. Talvez depois que o caso acabasse, os dois poderiam se manter afastados do mundo por um tempo. Seria bom fazer uma pausa depois de trabalhar sem férias por tantos anos. 66

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Ele não se lembrava da última vez em que ele fugiu do trabalho. Se o pensamento já atravessou sua mente no passado, ele o empurrou para longe. Como ele poderia sequer considerar tirar um momento da agência quando havia tantas pessoas ruins no mundo ferindo e matando seres inocentes? Agora que tinha seu companheiro, Reed queria fingir, mesmo que por um tempo, que tudo estava bem. Ele precisava de um tempo privado com Graham. Reed agarrou a mão de Graham e puxou seu braço, levando seu companheiro de seu quarto e em direção ao hall de entrada. Ele apertou o botão de chamada e as portas se abriram. Pisando dentro da caixa de metal, ele apertou o botão para a garagem. As portas se fecharam e o elevador caiu rapidamente. Seu aperto apertou os dedos de Graham e ele pressionou seu ombro contra o de seu companheiro, inclinando-se em seu amante. — Tudo isso acabará em breve. Disse Graham, como se sentisse seu desconforto. — Eu só odeio não saber o que vai acontecer. Especialmente com este caso. A liberdade de Graham e sua vida estavam nas mãos da equipe. Precisavam encontrar o assassino e derrubá-lo. — É tudo parte de ser um agente FPA, certo? — Sim. Cada caso era diferente, todas as situações únicas. Era impossível saber o resultado de cada missão. Tudo o que ele poderia fazer é ficar alerta e usar seu treinamento. — Você sente falta? — Eu posso ter desistido do distintivo, mas eu nunca deixei de ser um agente. Eu tenho trabalhado neste caso todos os dias, tentando encontrar o homem responsável. Graham suspirou, seus ombros caindo. — Para dizer a verdade, ficarei aliviado quando tudo isso terminar. Perseguir esse cara é exaustivo. 67

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Talvez tenhamos sorte e terminemos isso esta noite. Disse Reed, enquanto as portas do elevador se abriam na garagem subterrânea. — Eu não estou realmente feliz com o plano que Abram foi comigo na noite passada. Eu não quero te colocar em perigo. Graham puxou o braço de Reed, parando-o. Reed encarou Graham. Levantando as mãos, Graham segurou suas bochechas. Ele deslizou as almofadas de seus polegares para frente e para trás sobre seu rosto. — Eu não seria capaz de viver se alguma coisa acontecesse com você, meu companheiro. Graham puxou Reed de perto. Ele inclinou a cabeça de Reed para trás e conectou seus lábios, tomando posse da boca de Reed. O beijo estava cheio de paixão. Quando Graham se afastou, ele sugou o lábio inferior de Reed em sua boca e gentilmente mordiscou a carne antes de deixá-lo ir. — Nada vai acontecer comigo. Reed jurou. Graham passou os braços em volta dos ombros de Reed e deu-lhe um abraço apertado. Mas cedo demais, Graham deixou cair os braços. Ele pegou a mão de Reed e eles caminharam em direção ao elevador que os levaria para a sede do FPA. Quando entraram na sala de conferências, Reed parou na soleira, quando todos os olhos se voltaram para eles. — Obrigado por se juntar a nós. A voz de Abram teve um tom provocante e os outros homens riram à custa dele. Reed caminhou em direção à cadeira mais próxima localizada em volta da mesa redonda e sentou-se. Graham o seguiu. Ele agarrou uma das cadeiras que estavam instaladas ao redor do perímetro da sala para convidados e companheiros. Ele colocou a cadeira diretamente atrás de Reed e sentou-se. Reed respirou fundo. Ele nunca tinha chegado tarde a uma reunião antes. Graham colocou sua palma quente contra as costas de Reed e ele se acalmou imediatamente. 68

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Sinto muito por estar atrasado. Disse Reed a todos os agentes da sala. — Não vai acontecer novamente. — Não se preocupe com isso. Abram afastou suas desculpas. — Eu não pensei que você fosse aparecer. Shaw adicionou com uma piscadela e um sorriso. — Agora que vocês dois estão aqui, vamos mudar de marcha, e discutir a operação. Todos os agentes vão estar envolvidos nisto. Você não estará sozinha a qualquer momento, Reed. Abram olhou para ele, e ele acenou com a cabeça. Ele confiava em todos os membros de sua equipe. Reed sabia, sem dúvida, que cada homem dentro deste quarto tinha suas costas. — Eu falei com Graham muito bem na noite passada e ele relutantemente concordou em fazer uma cena pública com Reed em Leather Men. Ao colocar Reed em campo aberto, espero chamar o homem responsável pelos assassinatos. Com a informação que conhecemos, há uma boa possibilidade de que Reed se torne seu próximo alvo. — Eu conversei com o dono de Leather Men, Marcus Kelley. Acrescentou Axel. — Ele concordou em nos ajudar com este caso. Ele está se encontrando com sua equipe de segurança hoje. E ele também está esperando Reed e Graham no clube. Ele vai colocar vocês dois no palco principal. O coração de Reed chutou um entalhe, galopando em seu peito. Ele tentou controlar suas emoções para que os outros homens não soubessem o que estava sentindo. Verdade seja dita, ele estava nervoso.

**** 69

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Quando entraram na sala de conferências, Graham encontrou um rosto familiar na multidão. Ele sorriu e acenou com a cabeça em saudação para Toby Winters, genuinamente feliz por ver o jovem. Depois de deixar sua casa em Los Angeles, Graham não tinha certeza se ele iria ver algum desses caras novamente. Tinha sido difícil arrumar sua vida e virar as costas para a única família que ele tinha. Na época, Graham não achava que houvesse outra escolha. O assassino tinha a mira em arruinar a vida de Graham. Havia uma possibilidade muito real de que o assassino desconhecido pudesse voltar sua atenção para os outros agentes do FPA em um esforço para punir ainda mais Graham. Ele não poderia ter suas mortes em sua consciência. Era bastante difícil saber que homens inocentes haviam sido mortos sem razão. Graham ouviu com a metade de um ouvido como Abram passou a operação armadilha com o resto da equipe. Demorou um momento para olhar ao redor da sala, olhando para os outros agentes. Ele tinha ouvido histórias diferentes ao longo dos anos, mas nunca teve a oportunidade de conhecer qualquer um dos agentes. Era estranho estar dentro de uma sala de conferências do FPA, mas sentar-se nos arredores da mesa redonda. Como convidado, não lhe foi permitido participar da discussão propriamente dita, a menos que lhe fosse feita uma pergunta direta por um dos agentes ativos. Essas eram as regras. Ele não era um agente, não mais. Ele mal conseguia se lembrar de uma época em que ele não estava usando um distintivo FPA e segurando uma arma. Quando o ritmo cardíaco de Reed se acelerou, Graham aproximou sua cadeira de seu companheiro. Ele estendeu a mão e tocou o lado de Reed, correndo a mão para cima e para baixo. Reed se inclinou em seu toque e suspirou. Graham podia sentir a ansiedade de Reed lentamente deixar seu corpo, mesmo que ele não pudesse perfumá-lo. Como um agente treinado FPA, seu companheiro era 70

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


bom em esconder as verdadeiras emoções. Era um truque que Graham conhecia muito bem. — Eu acho que isso significa que precisamos fazer um show. Reed olhou por cima do ombro dele, seus olhos azuis brilhantes conectando com Graham. Ele não queria colocar Reed em uma posição desconfortável. Ele sabia por um único olhar que seu companheiro não estava inteiramente a bordo. Graham compreendeu. Sendo colocado em exposição na frente de um quarto inteiro de pessoas deixava a pessoa vulnerável e exposta. — Se você quiser. Disse Graham. — Pode haver outra maneira. Verdade seja dita, ele não estava realmente certo se eles tinham outras opções neste momento. Ele tinha que fazer algo grande para chamar a atenção do assassino. Graham não estava disposto a fazer nada sem Reed. Ele não tocava em outro homem, mesmo o pensamento o repeliu. Seu companheiro era seu mundo. — Está bem. Eu confio em você. Essas três pequenas palavras, eu confio em você, tocaram seu coração. Ter a confiança de Reed significava tudo para ele.

Capítulo Nove Christian Bauer estava sentado em um canto escuro dentro de Leather Men. Ele manteve suas costas contra a parede e olhou sobre a multidão, procurando por Graham Bingham. Este clube não era sua cena, mas o antigo agente da FPA foi atraído para clubes de BDSM como este o que significava que Christian precisava estar aqui. Cada passo, tudo o que ele fazia, aproximava Christian de seu objetivo.

71

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Estivera perseguindo o shifter leão responsável pela morte de seus pais por muitos anos, seguindo e aprendendo suas rotinas. Christian queria que Graham sofresse o mesmo que seus pais. Ele iria gostar de ver o ex-agente ser derrubado. Christian ainda podia se lembrar da noite em que sua vida inteira foi virada de cabeça para baixo como se tivesse acabado de acontecer. Ele tinha oito anos e dormia profundamente na casa de sua família em Big Bear Lake, em uma montanha na Califórnia. Ele adorava a cabana, mas não mais. Ele não conseguia voltar atrás, mesmo depois de todos os anos que passaram. Estava perdido e sozinho. As lembranças ainda estavam frescas, uma ferida aberta que sangrava e causava grande dor. Christian estava profundamente adormecido quando sua mãe o agarrou da cama. Ele deu um sobressalto piscando os olhos. — Shhh... Ela envolveu seu braço em volta de seu estômago enquanto corria pelo corredor. — Ele está aqui. Christian não tinha certeza do que estava acontecendo. Estava desorientado e confuso. — Eu quero que você me escute... Ela o colocou dentro da cova de seu pai, e abriu um pequeno esconderijo na parede. — Você precisa ficar escondido. Entre. Ordenou ela. Christian fez o que ela disse, entrando numa brecha localizada na parede. — Não saia, não importa o quê. Você me entende? O coração de Christian bateu freneticamente, seu sangue bombeando através de suas veias tão rápido que ele mal conseguia entender o que ela estava dizendo. Quem está aqui? Onde eu deveria me esconder? Ela continuou falando, uma onda de palavras que Christian não entendeu. — Promete-me. Christian assentiu com a cabeça. — Eu prometo. — Bom. Ela fechou o painel de madeira, trancando-o dentro. A escuridão se fechou ao redor dele, espessa o suficiente para sufocálo. Christian começou a tremer, seu pequeno corpo tremendo sem nenhum 72

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


sinal de alívio. Chupando um profundo sopro de ar, Christian envolveu seus braços em torno de suas canelas. Ele se inclinou para o lado, apoiando seu ombro contra a parede. Ele não podia ouvir nada. Estava em silêncio. A única coisa que ele podia ouvir era a batida de seu próprio coração, batendo violentamente dentro de seu peito. Avançando para frente, Christian colocou suas mãos contra a madeira, e olhou através das fendas finas. Houve um alto estrondo de madeira, o vidro quebrando, o grito estridente de sua mãe e Christian saltou para trás. Ele queria chamar. Ele queria gritar por sua mãe e seu pai, mas as palavras ficaram presas dentro de sua garganta, incapazes de emergir. Sua língua inchou, expandindo dentro de sua boca, impedindo-o de falar. Ruídos, estrondos altos e gritos cercaram-no. Era um caos completo, mas ele não podia ver uma maldita coisa. Ele só podia ouvir enquanto seu mundo explodiu na outra sala. Christian não sabia o que estava acontecendo. Seu cérebro de oito anos de idade não era capaz de processar nada. Mamãe? Pai? Ele estava tão assustado. O barulho parou de repente, tudo ficando misteriosamente silencioso. Christian podia ouvir seu coração batendo, o sangue correndo por suas veias. Não sabia ao certo quanto tempo passava, mas a espera o estava matando lentamente. Sua mãe lhe disse para ficar. Ele não a decepcionaria. Ele tinha prometido. Quando um homem entrou no escritório de seu pai, Christian congelou. Ele prendeu a respiração, temendo que até a menor coisa atraísse a atenção do estranho. Ele estava vestindo todo preto, de suas botas até seu casaco longo. Quando ele se virou, Christian pegou um flash de metal. Ele estava segurando uma arma. Christian encarou o homem, memorizando seu rosto. 73

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Quem é você? Era uma voz familiar, um homem de seu orgulho leão da montanha apareceu de repente atrás do estranho. — Agente Graham Bingham, FPA. O homem apresentou-se quando se virou. Graham Bingham. FPA. Ele arquivou o nome fora, com certeza nunca esqueceria. — Que diabos aconteceu aqui? Perguntou ele. — Que tipo de problema você trouxe para o nosso orgulho? Nosso Alfa e sua família... Estão todos mortos? Umidade encheu seus olhos, lágrimas escorreram pelo seu rosto, mas Christian não fez um som. Christian levantou o braço, enxugando as lágrimas. Essa foi toda a confirmação de que ele precisava. Seus pais estavam mortos... Sumiram para sempre. O agente guardou sua arma. — Seria melhor conversarmos lá fora. Quando os homens desapareceram da vista, Christian esperou por alguns minutos, certificando-se de que os dois homens se foram antes de empurrar contra o painel. A madeira se moveu, e ele saiu de seu esconderijo. Quando seus pés bateram no chão, Christian correu para a janela mais próxima e abriu-a. Escalando, Christian rapidamente removeu o pijama, e mudou para sua forma de leão da montanha. Suas patas atingiram a sujeira e ele começou a correr em direção à linha de árvores, precisando se afastar. Ele não sabia o que fazer ou aonde ir, mas sabia que seus pais estavam mortos. Sacudindo a cabeça, Christian tentou limpar sua mente, afastando as lembranças dolorosas. Ele precisava manter o foco em sua missão. Até agora, todas as evidências apontavam para Graham. Ele não tinha certeza por que o FPA ainda não havia o abatido, mas ele não iria desistir ou recuar. Esta era sua chance de vingar seus pais. 74

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Quando Graham Bingham entrou no clube, Christian se endireitou. Ele não pôde deixar de sorrir. O shifter leão tinha-se transformado uma parte tão grande de sua vida. Desde que descobriu o agente do FPA, Christian estava perseguindo e planejando, esperando a oportunidade perfeita. Ele queria que o agente sofresse. Queria ouvir seus gritos. Ele só esperava que eles finalmente substituíssem os que estavam dentro de sua cabeça. Ele não queria mais ouvir sua mãe. Um homem pisou ao lado de Graham, e os olhos de Christian imediatamente caíram sobre o ombro do homem. A raiva o consumiu como fogo selvagem, queimando em seu intestino, até que ele pensou que poderia estourar. Filho da puta. Christian bateu o punho contra a mesa. O cara com Graham estava usando sua marca, uma mordida viciosa claramente visível para todos verem. Não havia nenhuma maneira que ele fosse capaz de convencer o companheiro de Graham a ir com ele de bom grado, não como os outros. Os dois fizeram um círculo ao redor da sala, chamando a atenção dos outros no clube. Todos os olhos pareciam estar focados em Graham e seu companheiro. Os dois eram uma impressionante vista-vestindo couro com os músculos em exibição. Se ele não odiasse tanto Graham, Christian poderia considerá-lo um homem bonito. Grunhindo, os lábios de Christian começaram a desdenhar. Ele queria se levantar e sair, mas no final ele decidiu ficar por perto. Eles estavam fazendo isso para seu benefício, disso ele tinha certeza. Ele precisaria mudar seus planos agora, mas isso não seria um problema para ele. Christian era um homem muito paciente. Recostado contra a parede, cruzou os braços sobre o peito, seguindo os homens com os olhos.

75

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


**** Reed não era um fã de cenas públicas. Não gostava de ser exposto diante de uma sala cheia de gente. E ele odiava ser vulnerável e exposto na frente de qualquer um. Isso o deixou incrivelmente incômodo. Ele sabia que havia muita gente que gostava da atenção, alguns até conseguiram, mas Reed não era um deles. Ele preferia os quartos particulares. Atrás de portas fechadas, Reed era livre para ser ele mesmo. Mas era mais do que isso. Ele odiava compartilhar algo tão pessoal com os outros. Um momento intenso compartilhado com seu amante não deve ser posto em exposição para todos verem. Reed olhou ao redor do clube, deixando seus olhos percorrerem o mar de rostos. Seu estômago apertou e se virou. Se ele tivesse alguma comida no estômago, Reed tinha certeza de que colocaria para fora. Seus nervos estavam no limite. O assassino poderia estar aqui? Era uma boa possibilidade. — Você quer algo para beber? Graham sussurrou em seu ouvido. Reed sacudiu a cabeça. — Eu só quero acabar com isso para que possamos ir para casa. — Podemos ir para casa, se quiser? — Não, precisamos tirá-lo. Esta é a nossa chance. Se ele voltar sua atenção para fazer de mim sua próxima vítima, então nós vamos pegá-lo. — Vamos chamar a atenção desse bastardo e depois levá-la para casa. Reed sorriu. Ele gostava do som disso. Ele não podia esperar para subir em sua cama e ter o corpo de Graham embrulhado em torno dele. Graham pegou sua mão, entrelaçando os dedos. Quero te ver dançar. A sobrancelha de Reed levantou-se. Ele não tinha certeza exatamente o que Graham queria dizer, mas a idéia parecia promissora. Graham 76

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


gentilmente puxou seu braço e Reed seguiu atrás dele. Eles passaram pela pista de dança, e um lampejo de excitação acendeu, correndo por suas veias. Quando chegaram a uma cruz acolhedora de St. Andrew no meio da sala de jogos pública, o corpo inteiro de Reed estremeceu. Graham levou Reed para a cruz e se moveu para ficar atrás dele. O calor do peito de Graham queimou em suas costas. Ele lentamente levantou o braço direito de Reed, e envolveu o punho de couro grosso em torno de seu pulso antes de se mover para a outra mão. Graham passou as unhas pelos braços de Reed, pelos ombros e pelas costas. Ele continuou a acariciar e acariciar quando se moveu. Graham envolveu um punho ao redor de cada tornozelo, segurando o corpo de Reed na cruz de Santo André. A respiração quente de Graham tocou o ombro de Reed antes que seus lábios se conectassem com a pele. — Eu não posso esperar para ver seu corpo balançar enquanto meu chicote beija sua pele, baby. Reed fechou os olhos. Concentrou-se unicamente em seu companheiro, ignorando a multidão que os rodeava, fingindo que estavam sozinhos. — Você está pronto para mim amor? — Sim senhor. Graham recuou. Reed tomou algumas respirações profundas, limpando sua mente. Seus músculos se enrijeceram enquanto esperava que o primeiro chicote caísse contra sua pele. A tensão e a antecipação cresceram, enquanto esperava pela primeira chicotada desembarcar. Houve um estalo de couro, seguido por uma linha de calor intenso. Deixou escapar uma pesada onda de ar. Reed flexionou os dedos, rolando os dedos, mantendo o corpo solto. Sua mente ainda tremia desde o primeiro golpe quando o chicote voltou a cair sobre ele, e ele gritou. Um leve brilho de suor estourou em sua pele. Reed comprimiu os lábios, recusando-se a fazer 77

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


um som, mas ele gemeu. Outro estalo foi rapidamente seguido por uma mordida afiada de fogo em seus ombros, de um lado do corpo para o outro. Reed acalmou sua mente, empurrando todo o ruído. Encontrou o lugar seguro dentro de sua cabeça. A única coisa na mente de Reed era Graham. Ele amava a conexão que eles tinham. Graham foi feito para ele, sua combinação perfeita. O chicote bateu nas costas de Reed de novo. Desta vez ele não ofegou ou fez um som. Ele balançou, movendo-se com o chicote, dançando com cada golpe exatamente como Graham queria. Outro golpe caiu. Graham parecia encontrar um ritmo enquanto o chicote continuava a cair contra suas costas, uma e outra vez, chovendo a dor em intervalos regulares. Reed nem sequer tentou contar os cílios. Graham pararia quando sentiu que Reed já tinha tido o suficiente. Ele pegou a dor e, com o passar do tempo, o fogo se transformou em prazer. Ele não lutou contra isso, ele a recebeu com os braços abertos. Toda a energia drenada do corpo de Reed. Ele descansou a cabeça contra a cruz de Santo André, relaxando seu corpo. A imagem de seu companheiro surgiu dentro de sua mente, dando-lhe força total. Graham. Graham. Graham. Quando uma ponta de dedo frio correu pelas costas do pescoço de Reed, ele gemeu, trocando seu peso. — Você é tão linda. A voz de Graham era áspera, sexy. — Obrigado, senhor. Graham tirou os punhos de couro dos tornozelos de Reed. Ele passou as mãos pelas pernas de Reed enquanto ele se levantava, pressionando seu peito frio contra as costas de Reed. Inclinou a cabeça para trás, apoiando-a no peito do companheiro e suspirou. Graham passou a mão pelo braço de 78

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Reed e desabotoou o primeiro punho, antes de fazer o mesmo com o outro. Os braços de Reed caíram e ele cedeu contra seu companheiro. Graham o segurou facilmente enquanto ele continuava a acariciar e massageando os músculos de Reed. — Como você está se sentindo? — Estou feliz por você estar aqui. — Não há nenhum outro lugar que eu prefiro estar do aqui com você, meu companheiro. Virando a cabeça, Reed acariciou o pescoço de Graham, lambendo e beijando sua pele salgada. Ele lentamente voltou à realidade, percebendo que os dois não estavam realmente sozinhos, mesmo que ele tivesse se convencido de outra forma. — Você acha que ele está assistindo? — Não pense nele. É só você e eu. Reed assentiu. Ele queria ficar concentrado em Graham, mas era difícil. Esta cena realmente não se sentia como se fosse sobre os dois deles. Foi um show para atrair o assassino para fora. Graham levantou Reed de seus pés, e Reed agarrou-se a ele, pressionando seu nariz sob o queixo de Graham. Ele puxou o cheiro de seu companheiro e fechou os olhos, relaxando. Ele não precisava pensar. Graham cuidaria dele.

Capítulo Dez Graham acordou com os braços em volta de Reed, seus corpos colados. Ele esfregou o nariz contra a parte de trás do pescoço de Reed, inalando o cheiro de seu companheiro profundamente em seus pulmões. Sorrindo, Graham abriu os olhos. O sol subiu lentamente acima do horizonte, iluminando o céu e enviando cacos de luz através das janelas do quarto. Seu coração estava inteiro pela primeira vez em sua vida e era tudo devido a seu 79

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


companheiro. Ele estava ansioso para o futuro. Graham não tinha certeza de quando a última vez que ele estava animado sobre acordar e enfrentar outro dia. Seu estômago grunhiu e Graham rolou lentamente para fora da cama. Ele guardou cuidadosamente os cobertores em volta de Reed, esperando que seu companheiro continuasse dormindo. Ele andou em volta do gigantesco colchão king-size e olhou para o rosto de Reed. Com seus cílios de platina e lábios curvados, Reed parecia doce e inocente, como um anjo caido do céu para resgatar Graham. Seu coração, que já estava cheio de Reed, parecia se expandir ainda mais. Ele realmente amava o homem. Estou apaixonado. Era mais do que um sentimento. Era indescritível e a vida mudava. Com todo o estresse com que estivera lidando nos últimos meses, reunir-se com Reed era a única luz em sua vida de outra forma escura. Seu companheiro era uma bênção. Graham vinha se perguntando por quê por tanto tempo. Por que esse assassino o estava atacando? Por que esse homem estava tão fixado nele? Não fazia nenhum sentido. Ele tinha começado desde o início, olhando para qualquer um que pudesse considerá-lo um inimigo e passar por cima de todos os pecados que cometeu ao longo de sua vida, mas não havia nada. Não conseguia pensar em ninguém. Estendendo a mão, Graham passou os dedos pelos cabelos de Reed, brincando com os fios macios. Eu vou cuidar de você. Eu vou te amar para sempre. Graham recuou lentamente. Era difícil deixar o lado de Reed até mesmo para ir para o outro quarto, mas ele de alguma forma conseguiu. Pegando sua roupa do chão, Graham puxou sua camiseta e um par de jeans. Ele arrastou os pés descalços contra o tapete de pelúcia enquanto se dirigia para a cozinha. Quando abriu a porta da geladeira, Graham sacudiu a cabeça. Estava completamente vazia. A única maneira de levar o café da manhã na cama para seu companheiro era fazer uma viagem para a 80

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


mercearia. Voltou para o quarto e colocou os sapatos. Ele empurrou seu celular em um bolso e sua carteira no outro. Graham pegou o elevador para o térreo. Quando as portas se abriram, ele passeou pelo saguão, olhando em volta para todas as peças de arte de vidro coloridas penduradas no teto e aparafusadas às paredes. Era impressionante, um jardim de vidro no meio da cidade. Os raios do sol atravessavam as janelas, fazendo as cores do vidro dançarem ao redor do grande espaço branco, pintando as paredes em arcoíris. Quando chegou à saída, o porteiro abriu a grande porta de vidro que dava para fora. Os sons de Nova York sopravam no silêncio, buzinas, sirenes, e uma barragem de vozes enquanto as pessoas andavam pela calçada. — Obrigado. Graham acenou para o porteiro. — Gostaria de um táxi? — Certo. Ele não sabia ao certo para onde ia. Provavelmente seria uma boa idéia pegar um táxi. Ele não queria se perder em Nova York. O porteiro assobiou e um táxi parou em frente ao prédio, parando ao lado do meio-fio. Graham caminhou em direção ao veículo e subiu no banco de trás, fechando a porta atrás dele. — Onde? O motorista perguntou através de um microfone dentro da cabine. Havia uma divisão grossa entre a parte dianteira e o assento traseiro, que Graham supôs era vidro à prova de balas, colocado lá para manter o motorista seguro de ser roubado. — A mercearia mais próxima. O carro entrou lentamente no trânsito e Graham olhou pela janela para o edifício de vidro e aço subindo bem acima da cidade. Ele imaginou Reed ainda dormindo pacificamente dentro e sorriu. Ele não podia esperar para voltar para seu companheiro. Ele queria passar o dia na cama com seu amante. 81

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


O táxi levantou velocidade, cambaleando de repente, e Graham foi empurrado de volta para o presente. O veículo saltou por um beco antes de fazer outra curva acentuada. — É este o caminho para a mercearia mais próxima? Graham perguntou. Ele não tinha certeza do que estava acontecendo, mas ele estava ficando desconfiado. Quando o motorista não respondeu, a suspeita começou a nublar sua mente. — O que está acontecendo? Vapores brancos e cheios de fumaça atravessavam as aberturas, enchendo o assento traseiro, e Graham enrugou o nariz. Graham cobriu o nariz e a boca, tentando bloquear o cheiro pútrido. Ele começou a tossir, sua respiração tornou-se difícil. Graham começou a bater na divisória, mas o motorista ignorou-o completamente. — Ei! Hey! Graham gritou. O cara não respondeu. Ele simplesmente virou outra rua e bateu no pedal do acelerador, dirigindo mais rápido. — Pare esse carro! Disse Graham. Ele agarrou a maçaneta da porta, tentando sair, mas a porta não se moveu. Ele estava preso. Graham socou a janela, mas seu punho simplesmente saltou do vidro. Mesmo com sua força paranormal, ele não conseguia se libertar. Em um pânico cego, Graham expulso as pernas e os braços, lutando para sair do banco traseiro do táxi. Medo como ele nunca tinha experimentado antes consumindo seu ser, impedindo-o de pensar com clareza. Seu corpo começou a se enfraquecer, os músculos ficaram moles, como toda a força drenada de seu sistema. A cabeça de Graham caiu para o lado. Sua visão borrada, manchas pretas piscando bem na frente de seu rosto, tirando a sua visão. Ele tentou permanecer forte, mas era impossível. Seu último pensamento foi de Reed quando tudo ficou escuro, e ele ficou inconsciente. 82

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


**** Reed estendeu a mão, passando-a sobre os lençóis frescos. Abrindo os olhos, ficou decepcionado quando percebeu que estava sozinho. Reed sentou-se e saiu da cama. Ele ergueu os braços acima de sua cabeça e esticou suas costas até que suas juntas racharam. Misturando os pés, Reed bocejou quando começou a procurar seu companheiro. — Graham? Ele gritou, mas não obteve uma resposta. — Olá? Reed mudou de quarto para quarto, mas o condomínio estava vazio. Quando ouviu o som estridente de seu telefone celular do outro quarto, Reed correu para o quarto. Ele pegou o telefone da mesa de cabeceira. Quando ele viu o nome de Graham piscando na tela sorriu aliviado. — Ei, amante. Acabei de acordar um pouco atrás. Onde você está? — O riso escuro encheu a linha telefônica. Os dedos gelados pareciam apertar o coração de Reed, apertando até que o órgão parasse de bater. Não era Graham. Oh Deus. — Quem é você? Ele saiu correndo, com um sentimento doente agitando dentro de seu intestino. — Eu acho que você sabe. Sua voz era quase provocante, como se esse telefonema fosse algum tipo de piada. — O que você quer? Reed perguntou, tentando manter a cabeça calma. Este não era o momento de começar a entrar em pânico. Seria muito fácil começar a gritar com o bastardo do outro lado do telefone, mas isso não faria a Graham nenhum bem. O assassino tinha seu companheiro. A vida de Graham estava em perigo. Reed precisava pensar com clareza para salvar o homem. Fique calmo. — Se você quer que Graham viva, você seguirá minhas ordens. Você entende?

83

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Reed engoliu em seco. Ele jogou suas pernas sobre o lado da cama e ficou de pé, socando os dedos dos pés no tapete. Reed faria qualquer coisa para manter Graham vivo. Preferia manter Graham seguro, mas já era tarde demais para isso agora. Reed só esperava que ele não fosse tarde demais. — Sim. Ele disse sem hesitação. — Você tem quinze minutos para chegar à estação Grand Central. Uma vez lá, você encontrará um grupo de cacifos alaranjados. Vá para o armário número 2134. Há um telefone esperando por você lá. Se você perder a minha ligação, ele está morto. O telefone clicou antes que Reed pudesse responder. Reed vestiu-se com pressa e correu em direção ao elevador. Não havia muito tempo. Quinze minutos para chegar à estação Grand Central em Nova York com o tráfego era impossível. — Axel. Reed gritou. — Sim. A voz de Axel saiu por cima do alto-falante. — O assassino tem Graham. Ele me ligou do telefone de Graham. Eu tenho que chegar à estação Grand Central em quinze minutos. Eu não tenho tempo para dar uma atualização para a equipe, mas vou precisar de backup, e eu vou precisar dele rápido. Tenho certeza de que esse idiota está jogando. — Vou enviar um texto ao grupo imediatamente. Reed suspirou. — Escute, eu não acho que vou chegar à estação de trem a tempo. Tenho certeza que este é um teste. Preciso de suas habilidades técnicas, cara. — Vou invadir o sistema da cidade e levá-lo através das sinaleiras. Pegue Leonard Street para West Broadway e vire à esquerda na Hudson. Vá direto para a oitava avenida e depois vire à direita na West Quarenta e Segunda Street. Uma vez mais, Reed podia ouvir os dedos de Axel se movendo através do teclado do computador. — Posso ter você lá dentro de treze minutos. 84

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Você é o melhor. Disse Reed quando as portas do elevador se abriram. — Ei Reed, não se preocupe. Ele é um agente treinado. Ele vai ficar bem. — Eu sei. — Dylan foi o primeiro a responder. Ele acabou de voltar para a cidade de Nova Orleans. Ele está indo para a estação de trem agora. Ele vai encontrar você lá. Reed sentiu-se aliviado por ter apoio. Indo cegamente em qualquer situação poderia ser extremamente perigoso. Ele saiu do elevador e correu em direção a SUV. Reed abriu as portas e entrou no banco do motorista. Enfiando o cinto de segurança, Reed saiu da garagem subterrânea e começou a seguir as instruções de Axel. O homem era um gênio. Cada sinaleira que ele se aproximava magicamente se tornava verde, permitindolhe entrar e sair do trânsito sem necessidade de parar. Ele estava preocupado com Graham. Havia uma possibilidade muito real de que seu companheiro estivesse sendo espancado ou torturado neste exato momento. Só o pensamento de que Graham poderia estar com dor era suficiente para forçar Reed a dirigir mais rápido. Havia tantas perguntas, correndo em sua mente. Por que o assassino mudaria sua M.O.? Por que ele iria atrás de Graham? Simplesmente não fazia sentido. Reed deveria ter sido o próximo alvo. Depois de sua cena em Leather Men, o assassino deveria ter espreitado ele, levado ele. Para arruinar ainda mais a vida de Graham, Reed deveria ter sido a próxima vítima. Era lógico, mas algo obviamente mudou. Puxando seu veículo para frente da estação de trem, Reed abandonou seu carro. O tempo estava se esgotando, os segundos passando mais rápido do que Reed podia se mover. Correu por enxames de pessoas, em um esforço para chegar aos armários. Quando ele se aproximou, Reed podia 85

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


ouvir um telefone tocando. Ele seguiu o som da campainha, procurando nos armários. 2134. Havia um cadeado no armário, mas isso não impediu Reed. Ele quebrou e puxou a porta de metal quadrada aberta, praticamente arrancando fora das dobradiças. Um telefone celular foi conectado a uma câmera de vídeo. Reed pegou o telefone, clicou no botão de conversa e segurou-o até o ouvido. Uma luz vermelha acendeu-se automaticamente, sinalizando que Reed estava sendo vigiado. Ele olhou para a câmera, esperando o próximo conjunto de ordens. — Oh, você conseguiu... Ele parecia entediado. — Eu estava esperando que isso fosse curto e doce. — Sinto desapontá-lo. A voz de Reed gotejou com sarcasmo. — Tal é a vida. Ele riu levemente. — Eu quero que você tire sua arma, crachá e telefone. Coloque os itens dentro do armário. Reed seguiu suas ordens. Ele lentamente puxou cada item, mostrando a câmera antes de colocá-los dentro do armário. — Você tem quinze minutos para chegar ao ginásio Equinox no Brooklyn. Está na rua Joralemon. Você está falando sério? Reed rosnou. Ele queria dizer algo, mas não podia, não com a vida de Graham nas mãos de outra pessoa. Era quase impossível chegar de Midtown a Brooklyn em quinze minutos. Mesmo em um bom dia com tráfego mínimo e Axel ajudando-o afastando todos os sinais vermelhos, Reed não pensou que a tarefa poderia ser realizada. — Armário número 211. É melhor você se mover. Disse ele, terminando a ligação. Reed amaldiçoou. Ele bateu a porta do armário antes de descolar, correndo pela estação de trem. Quando chegou ao meio-fio, Reed ficou surpreso que seu veículo ainda estivesse lá. Embora ele tivesse certeza de que tinha algo a ver com o outro agente encostado em seu veículo. 86

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Dylan Aldian se levantou e acenou com a cabeça para Reed. — E aí? Axel disse que você precisava de apoio. — Eu não posso explicar agora. Reed correu em torno de seu veículo e pulou dentro. — Academia de equinócio em Brooklyn. Ele gritou para fora da janela. — Eu vou chamar Axel. Ele gritou. Reed ligou o motor e saiu, puxando o veículo para a estrada. Ele agarrou o volante até que seus nós dos dedos ficaram brancos. Nada fazia sentido. Ele não conseguia descobrir o fim do assassino. Que jogo estava jogando? O que ele queria? — Ele já tem Graham. O que mais ele quer? Por alguma razão, o assassino tinha suas vistas fixas em Graham. Ele queria punir Graham e ele tinha conseguido. Graham desistiu do serviço, saiu de casa na Califórnia e tentou desaparecer. Não foi suficiente. O assassino queria mais, mas não queria simplesmente matar Graham. Ele tinha Graham, poderia facilmente colocar uma bala em sua cabeça. Então por que não tinha? Por que jogar este pequeno jogo com Reed? A menos que quisesse provar que tinha todo o poder. Quando o tráfego diminuiu, Reed mudou de faixa. Ele desviou dentro e fora dos veículos bloqueando seu caminho, mas depois de um tempo, tudo parou. Reed parou e sua agitação cresceu. Ele olhou ao redor freneticamente, procurando uma rota alternativa. Se ele tivesse um telefone celular, ele poderia entrar em contato com Axel, mas ele não tinha certeza de que o guru da tecnologia seria capaz de resgatá-lo dessa bagunça. Porra! Reed bateu o calcanhar de sua mão contra o volante. Detestava o trânsito. Enquanto os segundos passavam a minutos, Reed sabia que seu tempo estava se esgotando, e ele não poderia chegar atrasado. Ele não tinha um monte de opções, então Reed fez a única coisa que pôde. Ele virou a roda 87

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


e cortou uma linha de carros enquanto caminhava para a calçada. Reed não queria colocar nenhum civil em perigo, mas tinha que salvar seu companheiro. A vida de Graham era mais importante do que a de qualquer outra pessoa. Reed acelerou o motor enquanto passava pela calçada e subia para a calçada. Ele buzinou e as pessoas gritaram, mergulhando fora de seu caminho. Reed queria bater o pé contra o pedal do acelerador, mas ele não queria machucar ninguém acidentalmente. Ele dirigiu cautelosamente, girando sua roda para evitar pedestres e vendedores ambulantes. Todo o cenário parecia irreal, como se isso fosse algum tipo de videogame. Seu único objetivo era salvar Graham. E neste ponto, Reed estava disposto a fazer qualquer coisa.

Capítulo Onze Quando ele chegou ao ginásio, Reed bateu nos intervalos e seu carro derrapou até parar na frente do Equinócio. Ele desligou o motor e saiu do carro, correndo praticamente em direção à porta da frente. Ele abriu as portas duplas e caminhou até a recepção, ignorando a saudação atrás do balcão. Reed foi para trás, indo direto para o vestiário dos homens. Ele desconsiderou toda a agitação em torno dele, concentrando-se apenas na missão em mãos. Graham. Seu único pensamento era de seu companheiro. Assim que ele estava a uma curta distância do vestiário, ouviu o som abafado de um telefone tocando. Ring…ring…ring…ring…ring… O telefone tocou uma e outra vez. Reed não sabia ao certo quanto tempo estava tocando, mas sabia que já estava atrasado. Ele não fez isso em quinze minutos, mas ele não estava realmente surpreso. O trânsito era um 88

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


inferno em Nova York. Em um esforço para abrir o armário, Reed arrancou de suas dobradiças e jogou o retângulo de metal no chão. Ele agarrou o celular e os toques pararam. — Não! Ele balançou o punho, querendo bater os nós dos dedos na parede dos armários, mas ele segurou-o junto. Droga! O que diabos eu vou fazer? Reed olhou para o telefone, querendo que voltasse a tocar, mas a maldita coisa não obedeceu. Ele falhou com seu companheiro? O assassino estava colocando uma bala na cabeça de Graham agora que ele tinha perdido a ligação? Reed olhou através do armário. Havia uma muda de roupa, uma camisa de capuz preto e calças de moletom. Reed fez uma pausa. Quanto tempo demorou o assassino a planejar essa pequena caçada? O assassino queria jogar um jogo, o que significava que ele ligaria de volta. Enquanto isso, Reed esperou. Quando o telefone começou a tocar novamente, Reed pressionou seu polegar contra o botão e levou para sua orelha. — Suas habilidades de condução são impressionantes, agente Reed Dolur. Reed não disse nada. Em vez disso, examinou o vestiário, procurando alguém que pudesse estar observando-o. O assassino estava próximo. Parecia uma tarefa impossível, mas tudo fazia sentido. Este pequeno jogo era para o prazer do assassino. Então, se o assassino o seguia pela cidade, onde estava Graham? — Já que você sabe quem eu sou, creio que é justo que eu saiba seu nome, não acha? — Christian Bauer. — O que você quer com Graham? Por que você está fazendo isso? Houve uma longa pausa antes de Christian começar a falar. — Troque suas roupas. Quando terminar, saia pela parte de trás do prédio. Certifique-se 89

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


de que você não está sendo seguido desta vez. Se você for, eu vou matar Graham. Sua próxima parada é a Catedral de St. Patrick na Quinta Avenida. Um pacote está esperando por você no altar. O tempo é essencial, então é melhor você se mover. Ele desligou a ligação. Reed deixou cair o telefone no chão. Ele foi tentado a chamar os outros agentes, mas decidiu contra ele. Havia uma possibilidade boa que o assassino tinha os telefones com escuta desde que seguia Reed. Despojando-se de suas roupas, Reed colocou os suéteres e fechou o capuz. Fez como ordenado e saiu pela saída traseira. Reed empurrou a porta e examinou os fundos. Ele precisava de um carro novo agora que ele tinha que deixar o seu próprio atrás. Seus olhos pousaram em um brilhante carro esporte vermelho. Sorrindo, Reed caminhou em direção ao automóvel lindo. Reed testou a porta antes de quebrar a janela. Ele abriu a porta, sentado no banco do motorista. Reed mexeu com alguns fios e o carro ganhou vida, ronronando para ele. Reed acelerou o motor e saiu, voltando para onde estava. Todo este jogo era apenas uma perseguição de gansos selvagens para a diversão de Christian Bauer. Reed se perguntou se a catedral seria sua última parada ou se esse pequeno jogo continuaria. Ele realmente não queria brincar mais, mas não tinha escolha. — Graham... ele respirou. Reed sabia que seu companheiro ainda estava vivo. Ele não podia realmente explicar como ele sabia, mas sabia. Chame isso de esperança ou fé. O que quer que fosse o sentimento dentro de seu coração o manteve indo. Uma imagem de seu companheiro levantou-se em sua mente e Reed segurou nela com toda sua força. Ele não desistiria. Ele não permitiria que Christian ganhasse. Dirigindo agressivamente, Reed voltou para Manhattan. Ele não quebrou demasiadas leis desta vez desde Christian não estava 90

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


cronometrando ele. Levou a Reed quase quarenta minutos por causa da construção e do tráfego, mas eventualmente, ele conseguiu. Reed estacionou perto da Catedral de St. Patrick e caminhou até a igreja. O edifício, uma obra-prima gótica, ergueu-se no alto do céu, ocupando todo um quarteirão da cidade. Padrões decorativos foram esculpidos no tijolo revestido de mármore, com rebordos afiados em torno de toda a igreja, e janelas de lanceta com molduras de capô. O edifício antigo era um marco proeminente na cidade. Tinha estado ali desde a umas centenas de anos, mas tinha havido um monte de mudanças e crescimento ao longo dos anos, expandindo e restaurando até que era uma atração turística. Reed subiu as escadas e entrou na igreja, onde bancos de madeira, vitrais, colunas enormes e tetos altos o cumprimentaram. Ele não estava muito familiarizado com o layout da igreja, mas assumiu que o altar estava na frente. Ele caminhou direto pelo corredor central. Reed manteve os degraus ligeiros, mas seus passos ainda ecoavam ao redor do grande espaço aberto. A igreja estava cheia de gente, a maioria estava tirando fotos do vitral e da arquitetura, mas alguns estavam sentados nos bancos. Reed passou por todos e caminhou em linha reta até o altar na frente da igreja. Ele parou por um momento, olhando para uma estátua de anjo. Reed nunca tinha sido um homem religioso, mas neste momento, ele disse uma oração silenciosa por seu companheiro. Respirando fundo, deu uma volta ao altar de mármore branco e dourado antes de se ajoelhar discretamente. Ele fingiu amarrar seu sapato enquanto deslizava uma mão debaixo do altar, e sentia ao redor. Reed encontrou uma pequena caixa. Agarrando ele se levantou, e fez uma saída rápida. Uma vez fora, ele tirou a fita e abriu a tampa. Dentro, ele encontrou uma chave e um cartão com um endereço em Flushing. Reed enfiou o papel e a chave na caixa e enfiou-a no bolso. 91

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Caminhando em direção ao meio-fio, Reed estendeu a mão e chamou um táxi. Não demorou muito para que um carro parasse ao lado do meio-fio. Abriu a porta e subiu no banco de trás. — Para onde? Perguntou o motorista. Reed sacudiu o endereço e o motorista saiu, afastando-se do meio-fio e entrando no trânsito. Inclinando a cabeça para trás, Reed olhou para o teto do carro. Havia alguns pedaços de feltro solto pendurado, balançando lentamente da brisa vindo da janela aberta do lado do motorista. Reed tomou algumas respirações profundas, tomando um minuto para limpar sua mente. Ele não sabia ao certo o que esperar quando finalmente alcançou seu destino em Flushing. Reed não sabia que tipo de situação ele estava entrando, mas o endereço era para um armazém em Queens. Reed empurrou uma mão pelo cabelo, coçando as unhas contra o couro cabeludo. Pense. Pense. Pense. Era difícil para Reed ficar focado e profissional quando este caso era pessoal. Ultimamente, Reed achou impossível manter seus dois mundos separados. Eles colidiram em uma grande bolha bagunçada e agora ele não podia sequer pensar claramente. Inclinando-se para frente, Reed tocou na divisão à prova de balas. — Sim? Sua voz saiu por cima de um alto-falante. — Você tem um telefone que eu posso usar? Reed perguntou. O motorista olhou para ele através do espelho retrovisor, dando-lhe um olhar engraçado. Era como se ninguém nunca tivesse pedido emprestado antes. — Eu vou pagar o dobro. Era a única coisa que Reed poderia oferecer neste momento. Não era como se um motorista de táxi de New York City acreditasse em qualquer outra coisa. Ele não tinha o crachá para provar que ele era um agente. 92

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Triplo. — Feito. O motorista tirou o celular do bolso da fonte. Ele empurrou o telefone móvel através de uma pequena fresta. Reed agarrou-o. Ele a abriu e ligou para o quartel-general. — Agente Axel Lee, FPA. — É o Reed. — Dylan estava perseguindo você, mas ele perdeu você no ginásio. Onde está você? — Em um táxi. Reed suspirou. Com a mão livre, esfregou os olhos com força suficiente para ver luzes brilhantes atrás de suas pálpebras. — Estou indo para Flushing. O nome do assassino é Christian Bauer. Eu preciso que você procure qualquer coisa sobre ele. Ele é um hifter gato e tenho certeza que ele é da Califórnia. Ele me faz correr pela cidade em círculos. Eu não sei se esta será minha última parada, mas pode ser uma boa idéia enviar backup. — Vou enviar um texto para o grupo com o endereço. — Ele tem me observado, Axel. Diga a todos para proceder com cautela. — Christian Bauer. Ok... Axel murmurou enquanto digitava. — Ele cresceu em Big Bear Lake, Califórnia, perto da Floresta Nacional de San Bernardino. Uma grande parte da terra pertencia ao orgulho de sua família, leões de montanha. — O que aconteceu com sua família? — Seus pais foram mortos. O agente Graham Bingham fez parte da investigação. Parece que ele estava perseguindo um trapaceiro, um homem que fazia parte do orgulho de Christian em algum momento. Acontece que o vilão matou os pais do homem antes que Graham pudesse detê-lo. 93

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Ele culpa Graham. — Isso aconteceu anos atrás. Axel disse a ele. Naquela época, Christian tinha oito anos. Ele era apenas um garoto. Eu duvido que ele saiba toda a história. Das notas no arquivo, parece que o garoto desapareceu depois que seus pais foram assassinados. Ele simplesmente desapareceu. Não há uma trilha de papel. Nada. — Mesmo se ele fosse apenas um garoto, ele responsabiliza Graham. Ele quer que Graham morra, mas mais do que isso, ele quer que Graham sofra. Imagens gráficas preenchiam a cabeça e o medo de Reed se apoderou de seu coração enquanto a bile subia em sua garganta tão grossa que quase o sufocava. Reed tinha um sentimento muito ruim. Por favor, não deixe Graham se machucar. Ele disse uma oração silenciosa, esperando que seu companheiro ainda estivesse vivo, porque ele estava certo de que Graham não estava seguro nem estava ileso. — O apoio está a caminho. Eles vão te encontrar lá. — Obrigado. Reed fechou o telefone. Ele empurrou o dispositivo de volta através da ranhura e o motorista pegou, colocando o telefone no bolso dianteiro de sua camisa. A mente de Reed estava correndo. Olhou pela janela, observando a selva de aço e vidro da cidade passar. Reed afastou sua emnte. Era a única maneira de lidar com a situação desconhecida que enfrentava. Reed não tinha certeza de quanto tempo havia passado antes que o táxi parasse. Ele voltou à realidade, concentrando seus olhos no armazém abandonado que eles pararam na frente. Uma cerca rodeava a propriedade. Um cadeado com correntes fechava o portão. O armazém não parecia estar em mal de forma, mas era óbvio que o lugar não estava sendo usado como um negócio. Este realmente era o lugar? Parecia impossível, mas fazia 94

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


sentido. Quem iria procurar Graham em um armazém abandonado no Queens? Reed puxou algum dinheiro e entregou-o através do espaço no vidro antes de sair e fechar a porta atrás dele. Ele caminhou em direção ao portão, tirando a chave do bolso. Reed agarrou a fechadura e introduziu a chave. Não encontrando resistência. Ele fez o trabalho rápido na fechadura, rapidamente jogando de lado. Reed atravessou a cerca e começou a andar pelo edifício. Não parecia haver nada fora do comum, mas ele sabia que este tinha que ser o lugar. Reed caminhou até a entrada principal. Ele passou a mão em torno da maçaneta da porta e lentamente a girou, deixando-se entrar. Reed caminhou sobre o limiar, seus olhos saltando ao redor do espaço, à procura de perigo iminente, mas não encontrou nenhum. Não parecia haver uma razão para esconder sua presença, então Reed continuou andando pelo prédio de concreto vazio. Ele tinha a sensação de que Christian Bauer estava observando cada movimento que ele fazia. Com cada passo que fazia, pequenas nuvens de poeira subiam ao ar. Ele inalou profundamente quando percebeu o cheiro de sangue misturado com o perfume de chuva fresca de seu companheiro. Ele apressou os passos, aproximando-se do cheiro. A cada passo, o cheiro de sangue se tornava cada vez mais forte. Quando ele viu um quarto no canto do prédio, ele diminuiu o passo. O medo agarrou seu coração e Reed arrastou seus pés. Ele estava com medo. Reed alcançou a porta aberta e olhou para dentro. A primeira coisa que Reed notou foi que todo o quarto estava coberto de paredes de plástico, teto e chão, cada polegada quadrada estava coberta. Ao aproximar-se, Reed viu uma cruz de Santo André no centro da sala e alguém estava algemado. Ele não conseguia ver o rosto de Graham, mas tinha a sensação de que seu companheiro era a vítima presa à cruz. Oh, deuses. Oh, deuses. Oh, deuses. 95

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Reed entrou na sala, lentamente. Ele viu o rosto da vítima. Era o Graham. Reed examinou o corpo de seu companheiro. As costas do homem estavam rasgadas. Demorou muito esforço para colocar um pé na frente do outro, mas Reed de alguma forma conseguiu fazê-lo. Ele parou ao lado de seu companheiro e levantou uma mão trêmula em direção ao rosto de Graham. Sua bochecha estava presa contra o estofamento da cruz de Santo André, seus olhos fechados, e uma bola de mordaça empurrada entre seus lábios. Ele não estava se movendo. Ele não fez um único som. Lágrimas queimaram as costas dos olhos de Reed, mas ele as baniu. Reed tocou o rosto de Graham, enxugando as linhas de lágrimas secas. Ele deslizou seus dedos para baixo e os pressionou contra o pescoço de Graham, sentindo procurando um pulso. Quando ele sentiu as batidas, ele foi finalmente foi capaz de respirar. — Graham. Ele sussurrou. — Sou eu, amor. Estou aqui. Vou desamarrar você e levá-la para casa. Reed destrancou a mordaça, tirando a bola de borracha da boca de Graham. Seus olhos se abriram lentamente, como se fosse preciso grande concentração para realizar a tarefa simples. Graham piscou, olhando para seu rosto como se tudo isso fosse um sonho. — Saia... É uma armadilha.

Capítulo Doze Reed ficou em alerta. Ele se moveu, girando ao redor, enquanto ele colocava as costas para Graham. Reed estava pronto. Ele faria qualquer coisa para proteger seu companheiro. Ele até mesmo entregaria sua própria vida, se era isso que ele precisava fazer. Reed estava pronto para a batalha. Ele estava pronto para matar. Erguendo o nariz, Reed perfumou o ar, 96

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


procurando qualquer sinal de seu inimigo. O cheiro forte de sangue dominou seu nariz, tornando impossível para ele encontrar o outro shifter. — Cristian? Christian Bauer? Gritou Reed. A voz dele saiu da sala e do armazém, ecoando no concreto. — Eu sei que você esta ai… Ele sabia que o shifter leão da montanha tinha que estar assistindo e ouvindo. Não havia como ele desaparecer e deixar Graham vivo. Christian queria causar mais danos. Afinal, este era o seu jogo. Reed olhou de relance para seu companheiro. Ele realmente queria remover as algemas que seguravam Graham na cruz, mas precisava ficar alerta. O resto da equipe deve estar chegando em breve. Quando o fizeram, ele seria capaz de cuidar bem de seu companheiro enquanto os outros homens terminavam a vida de Christian. — Você não sabe toda a história, Christian. Graham não é responsável pela morte de seus pais. Ele estava lá para salvar seu orgulho de um trapaceiro. Graham estava caçando o homem, mas já era tarde demais. O malandro matou seus pais. Reed esperou enquanto os segundos lentamente se transformavam em minutos sem nenhuma resposta de Christian. O som de passos alcançou as sensíveis orelhas de Reed. Ele não tinha certeza se era outro agente ou se era Christian. De qualquer forma, Reed precisava estar preparado. Despojando-se de suas roupas, a besta subiu dentro dele, e Reed deixou-a livre. O poder subiu através de seu corpo enquanto ele mudava de homem para tigre branco. Pêlos brancos como a neve cresciam ao longo de sua pele com uma pitada de preto misturado, criando suas listras distintas. Seus ossos racharam e quebraram, realinhando e mudando. Reed rugiu quando caiu no chão em quatro patas. Ele aproximou Graham, percorrendo o comprimento de seu corpo contra as pernas do homem, marcando seu território. 97

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Suas orelhas se contraíram quando Reed ouviu um barulho. Christian estava se aproximando. Reed colocou seu corpo entre a forma inconsciente de Graham e o único ponto de entrada na sala. Seu tigre estava procurando uma boa luta. Ele queria punir Christian por machucar seu companheiro, o sangue escorrendo pelas costas de Graham e as lágrimas nas bochechas de Graham. Reed rosnou, convidando o outro shifter para uma luta. Mutilar. Ferir. Matar. Essas três pequenas palavras jogaram através da mente do tigre. Houve um grunhido de resposta do lado direito da porta. Dentro de um segundo, o leão de montanha apareceu no quarto. Ele se moveu rápido, indo direto para a garganta de Reed. Ele pensou que ia pegar Reed desprevenido. O leão de montanha assumiu que Reed ia ser um alvo fácil, mas estava errado. Reed estava preparado. E mais do que isso, ele era um agente treinado. Reed atacou, cortando o outro shifter com suas garras. Ele rasgou a carne do leão da montanha, mordendo seu corpo. Rugidos e rosnados encheram a sala, ecoando nas paredes. Os dois gatos selvagens foram um para o outro, seus corpos colidindo no ar, com garras expostas e bocas abertas. Reed atacou Christian no chão, pousando em cima. Ele tirou uma pata e se conectou. Sangue voou ao redor da sala, apimentando seu pêlo branco em carmesim. Christian virou-o e Reed se afastou, dando a volta ao outro shifter. Eles se atacaram de novo e de novo, seus corpos se fechando no ar. Com garras e dentes expostos, os pontos afiados facilmente afundaram na carne, rasgando e dilacerando.

**** 98

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Rosnados e grunhidos viciosos puxaram Graham de volta à beira da inconsciência. Graham se encolheu de dor quando ele virou o pescoço, tentando encontrar os sons. Os shifters gatos, um tigre branco e um leão da montanha, estavam travados no combate feroz. Eles rolaram ao redor, cada um tentando obter a vantagem. Os dois gatos selvagens estalaram suas mandíbulas poderosas enquanto circundavam um ao outro. Eles se separaram e, em seguida, corriam um para o outro. Tufos de pêlo voavam enquanto as bestas trocavam golpes, cortando com garras e mordendo carne. O sangue espalhou-se pela sala, caindo como chuva. — Reed... ele respirou fora, empurrando todo o ar de seus pulmões. Seu belo tigre branco estava coberto de traços de sangue, o carmesim se destacava contra o casaco branco imaculado. Reed estava em batalha com um assassino. Graham observou o máximo que pôde, mas sua visão ficou turva e sua cabeça girou. Inclinando-se contra a cruz acolchoada, Graham tomou profundos goles de ar. Ele não podia dizer se Reed estava ganhando ou perdendo a luta. Seu coração galopava freneticamente em seu peito, ameaçando se libertar. Christian Bauer. Graham compreendeu de onde veio o ódio. O homem o considerava pessoalmente responsável pela morte de seus pais. E talvez ele fosse responsável ou pelo menos parcialmente. Graham estava perseguindo um trapaceiro, mas ele era muito lento. O chicote com ponta de prata bateu nas costas dele repetidamente, rasgando sua pele em pedaços enquanto Christian o repreendia. Ele tirou toda a sua raiva de Graham e prometeu matar Reed. Era uma promessa que Graham acreditava. Quando a dor ficou muito intensa, Graham desmaiou. — Ei, cara. Graham foi despertado por uma voz familiar. A cavalaria está aqui. Era o resto da equipe do FPA. Graham reconheceu a voz, mas não 99

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


pôde ver o suficiente para distinguir as feições. — Eu vou remover as algemas e levá-lo para a segurança. OK? — Reed? Perguntou Graham. A única coisa que importava para ele era seu companheiro. Ele não queria que nada acontecesse com Reed. — Ele está chutando um traseiro. Seu companheiro é um bom lutador. Graham assentiu. Ele confiava que os outros agentes se meteriam se Reed precisasse de ajuda para derrubar o trapaceiro. Eles eram uma equipe. Como os punhos foram removidos, Graham lutou para ficar acordado. Ele precisava estar consciente, mas era uma tarefa impossível. A escuridão o cercou e seu corpo ficou mole.

**** Com um único golpe de pata, Reed apontou para a veia jugular do leão de montanha e fez contato cortando pele e carne. O outro shifter caiu no chão, uma grande piscina de sangue se espalhando pelo chão de concreto. Reed rondava mais perto. Ele observou como o animal tomou seu último suspiro. O pêlo recuou, voltando à pele e aos ossos. Christian Bauer estava deitado no chão, morto. Reed mudou. Ele ficou ali por um momento, apenas esperando para ver se Christian poderia voltar à vida. Quando ele não se agitou, Reed lentamente se virou e enfrentou o resto de sua equipe. — Graham? Reed perguntou seus olhos saltando ao redor do quarto, procurando seu companheiro. — Jeremy está com ele na outra sala. Ele está muito mal mas vai ficar bem. Disse Max. Max estendeu os suéteres e o casaco com capuz, e Reed pegou os itens de seu aperto. Ele se vestiu, puxando o material de algodão macio sobre 100

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


sua pele encharcada de sangue. Ele olhou para o chão, sua mente ainda girando fora de controle do que tinha acontecido. Ele tinha andado em círculos o dia inteiro e terminou em derramamento de sangue. Não tinha que ser assim. Christian poderia ter falado com o FPA sobre sua teoria. A agência teria investigado e dado a ele as respostas que ele desejou desesperadamente. Seus pais não foram assassinados por Graham. — Eu vou fazer a limpeza, Reed. Vá para o seu companheiro. Max cutucou o ombro de Reed e ele deixou a sala em um atordoamento. Quando saiu da sala, viu Graham. Seu companheiro estava sentado, conversando com Jeremy e Toby. Ele estava consciente, mas as marcas em suas costas não estavam curando. A pele não estava remendando. — Prata. Jeremy disse, respondendo à pergunta não formulada de Reed. — Eu limpei as feridas, mas ele vai curar mais rápido se mudar e correr, embora ele vai ter cicatrizes. Reed caiu de joelhos ao lado de Graham, toda a energia drenando fora dele. Ele pressionou sua testa contra o ombro de Graham, respirando o cheiro de seu companheiro, Graham está vivo. Ele estava espancado e sangrando, mas vivo. A adrenalina que saía do seu sistema caiu e as lágrimas que ele tinha estado segurando, derramaram por suas bochechas. Tinha chegado tão perto de perder seu companheiro. Graham colocou a mão na cabeça de Reed, segurando seu crânio. — Tudo bem, amor. Estou bem. — Onde podemos mudar e correr? Reed perguntou, levantando a cabeça. — Kissena Park é o mais próximo de nossa localização. Disse Max. — Podemos chegar rapidamente e ficar de guarda para dar a ambos tempo suficiente para mudar e correr. Reed olhou para o amigo e assentiu. — Obrigado. 101

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Vamos. Max estendeu a mão e Reed pegou, permitindo que o homem o puxasse para seus pés. — Vamos sair daqui. Posso limpar mais tarde. Agora mesmo, nós devemos ir ao parque. Jeremy e Toby ajudaram Graham a se levantar. A equipe saiu do armazém, os outros agentes escoltando-os do edifício. Reed desejou poder explodir o local. Ele queria apagar tudo o que tinha acontecido dentro daquele lugar terrível. Foi um jogo doentio que chegou a um fim trágico. Reed estava se movendo no piloto automático. Entrou na parte de trás do SUV de Max com Graham. Era difícil para Reed manter sua distância quando ele queria envolver todo o seu corpo em torno de Graham, mas ele não queria uma audiência e ele realmente não queria causar Graham mais dor. Seu companheiro se encolheu com cada movimento que ele fez. Mesmo que ele não se queixasse, era evidentemente óbvio. Seus olhos contaram tudo. Quando chegaram ao parque, Reed saiu do veículo. O resto da equipe foi à frente deles, limpando o parque. Reed tirou suas roupas imundas e olhou para Graham. Seu companheiro estava imitando suas ações, removendo suas calças. O sangue nas costas de Graham continuou a fluir, a prata tornando impossível curar. — Você está muito quieto. Graham aproximou-se ao lado dele, pegando a mão de Reed. — Você está bem? Ele machucou você? — Quando eu vi você naquela cruz... Reed começou, olhando para seu companheiro. Lembrar o estado em que ele achou Graham era quase demais para suportar. Ele odiava ver a imagem dentro de sua cabeça. O sangue. A pele. A pele rasgada. — Meu coração parou de bater. Eu pensei que você estava morto e eu sabia naquele momento eu não seria capaz de viver sem você. Eu não posso viver sem você e não apenas porque você é meu companheiro, mas porque eu te amo. 102

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Eu também te amo. Graham inclinou-se lentamente, colocando seus lábios contra os de Reed. Instintivamente, Reed envolveu seus braços em torno da cintura de Graham, precisando se aproximar de seu companheiro. Ele não percebeu o erro até Graham puxou para trás. Reed imediatamente deixou cair às mãos e deu um passo atrás. — Ah Merda! Eu sinto Muito! Desculpe! Como ele poderia ter esquecido? — Está tudo bem, amor. Graham estendeu a mão e agarrou a mão de Reed, puxando-o para mais perto. — Vamos correr. Tem sido um longo tempo desde que eu estive em minha outra forma. Eu vou curar e então você pode me tocar em qualquer lugar que você quiser. Ele piscou e Reed encontrou-se sorrindo. Seu grande e forte leão ficaria bem. — Você primeiro. Reed inclinou seu queixo. — Quero ver você em sua forma de leão. Os músculos de Graham se flexionaram e ondularam quando ele começou a mudar. O pêlo dourado e grosso brotava ao longo de seu corpo, crescendo. Seus ossos se partiram e se moveram quando o homem se voltou para a besta. O pêlo de Graham engrossou e Reed deu um passo adiante, seus olhos vagando sobre seu companheiro. Reed rapidamente notou que havia muitos tons de marrom. A coisa mais impressionante sobre seu leão era sua crina grosseira e escura. Reed estendeu a mão e Graham rondou mais perto. Ele inclinou a cabeça para baixo, e Reed coçou a testa, passando os dedos pela crina de seu companheiro. — Você é lindo. Em sua forma de leão, Graham parecia que pesava quinhentas libras. Como um homem, Graham parecia um pouco intimidador, mas como um leão, 103

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


as pessoas gritariam e correriam para as colinas. Provavelmente era uma coisa boa que os outros agentes do FPA estivessem limpando o parque. Graham ronronou. Ele bateu na perna de Reed. — Está bem, está bem… Graham estava pronto para correr. Ele precisava esticar as pernas e realmente deixar o seu leão livre. Reed compreendeu completamente o sentimento. Fazia muito tempo que não se movia por prazer. Ele queria correr ao lado de seu companheiro e rolar na grama macia. Reed puxou o ar da noite para dentro de seus pulmões e soltou sua besta interior. O tigre branco dentro cresceu rápido e homem furioso transformando em animal. Ele caiu em quatro patas, levantou o rosto e rugiu para o céu. Liberdade. Ser capaz de mudar era uma das experiências mais libertadoras na vida de Reed. Era quase o mesmo que visitar o clube de BDSM. Ele podia soltar-se e ser ele mesmo. Graham saiu correndo pela grama, e Reed o seguiu aliviado por ter tido esse momento com seu companheiro.

Capítulo Treze Deitado na grama, Graham soltou uma respiração profunda enquanto relaxava. Era o crepúsculo, a suave luz brilhante do céu caía abaixo do horizonte, espalhando os raios do sol. No silêncio do parque, Graham fechou os olhos. A agitação da vida urbana parecia distante, como uma memória distante. Agora que ele estava morando em Nova York, momentos como esse eram muito poucos. Vida urbana para um shifter era difícil. Não havia muitas oportunidades para mudar e correr, especialmente para um leão. Bocejando, Graham rolou para seu lado.

104

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Suas orelhas se contraíram quando ouviu patas que se enchiam contra a terra, aproximando-se por trás. Ele fingiu estar dormindo enquanto Reed se aproximava dele. Seu companheiro circulou uma vez e fez uma pausa. Graham não tinha certeza do que o tigre branco estava pensando, mas rapidamente descobriu quando o animal se lançou, saltando nas costas de Graham. Reed brincou mordiscando as orelhas antes de esfregar o rosto contra a crina de Graham. O outro gato ronronou, a vibração ressoando profundamente em seu peito. Era um som bonito, provando que seu companheiro estava contente e feliz. Rolando sobre, Graham colocou Reed em suas costas. Olhou fixamente nos olhos azuis brilhantes do tigre e lambeu seu rosto, correndo sua língua áspera sobre a pele branca de Reed. Agarrando sua cabeça grande, Graham esfregou seu rosto contra seu companheiro, marcando Reed com seu cheiro. Depois de alguns minutos, Graham sabia que ele precisava de mais contato físico com seu amante. Ele queria tocar e beijar a carne nua. Ele começou a mudar e Reed seguiu sua liderança. Uma vez de volta em forma humana, Graham mergulhou e capturou os lábios de Reed, beliscando e lambendo. Ele não podia acreditar o quão perto ele tinha vindo a perder a própria vida. Enquanto Christian batia nele até sangrar, a única coisa na mente de Graham era Reed. Ele tinha a imagem de seu companheiro em sua mente o tempo todo. Dava-lhe a força que precisava para suportar. Reed passou as pernas pela cintura de Graham e empurrou os dedos pelo cabelo de Graham, penteando os fios. Graham apimentou uma trilha de beijos ao longo da mandíbula e do pescoço de Reed. Ele se moveu para baixo do corpo de Reed, chupando a pele de seu companheiro até chegar ao mamilo de Reed. Ele lambeu e mordeu, elevando o botão até um pico duro. Sua língua se arrastou para o outro mamilo e ele mordiscou, mordendo a carne. Ele continuou a aumentar a pressão até que os quadris de Reed se ergueram e ele gritou de prazer. 105

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Oh, porra! Eu preciso de você… Graham riu levemente. Ele adorava ouvir a voz de Reed grossa de paixão enquanto ele implorava. Enquanto ele tinha sido algemado para a cruz, Graham não tinha certeza se ouviria a voz de seu companheiro novamente. Balançando a cabeça, afastou esses pensamentos. Eles estavam vivos. Eles estavam juntos. Graham não tinha nada com que se preocupar, especialmente porque o homem que o perseguia estava morto. Graham beliscou e beijou, arrastando para baixo o peito e abdômen de Reed. Ele arrastou sua língua ao longo do quadril de Reed, esboçando a linha proeminente de V. Graham envolveu sua palma em torno da base do eixo de Reed, segurando seu pênis em um agarre apertado. Abrindo a boca, ele envolveu a cabeça do eixo de Reed, girando a língua em torno da ponta crescida. — Oh oh oh… Reed agarrou seu cabelo, puxando-o áspero como ele começou a mover seus quadris, empurrando seu pau abaixo Garganta de Graham. Ele sacudiu a cabeça, gemendo como pre-cum gotejado em sua língua. Mantendo uma mão envolta em torno da base do eixo de Reed, Graham usou o outro para puxar as bolas de Reed, enrolando-as bruscamente. — Leve-me. Reed suplicou. — Oh, deuses... Eu preciso... Graham colocou um dedo em sua boca, umedecendo o dígito antes de pressioná-lo profundamente no rabo de Reed. — Porra! Sim! Graham chupou o pau de seu companheiro enquanto ele lentamente bombeava seu dedo, esticando seu companheiro. Reed ficou louco. Ele arqueou as costas e começou a se mover freneticamente, empurrando seu traseiro para baixo, com força. Graham acrescentou outro dígito, abrindo os dedos num movimento em forma de tesoura. Graham aplicou mais pressão, 106

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


sugando o eixo de Reed com mais força, movendo seus dedos, mudando seu ritmo e ritmo. Reed choramingou a cabeça girando de lado a lado. Ele apertou seu aperto no cabelo de Graham, arrancando os fios. — Ah... Ah... Ah... Estou chegando perto... Graham jogou Reed sobre suas mãos e joelhos. Ele agarrou as bochechas de Reed, apertando a carne carnuda enquanto mergulhava, espalhando um grosso casaco de saliva sobre o buraco de Reed. Ele cuspiu e lambeu, enfiando a língua na bunda de Reed repetidamente. — Eu vou te foder querido. Estás pronto para MIM? — Sim! Gritou Reed, movendo seus quadris, como ele fodeu o ar na frente dele. Graham bateu uma bochecha e depois a outra. Smack, smack. A carne branca cremosa avermelhou lindamente, uma impressão de mão perfeita formando em cada bochecha. — Fique quieto. Smack, smack. — Sim senhor. Reed sacudiu com expectativa. Ele abaixou a cabeça para o chão, levantando seu traseiro para o ar, oferecendo a si mesmo, dando controle sobre a vontade de Graham. Alinhando seu eixo, a cabeça de seu pau beijou a roseta de Reed. Ele empurrou para frente, e seu pau encontrou-se com alguma resistência como ele afundou no corpo voluntário de seu companheiro. Reed gritou seu nome, seus músculos internos paertando ao redor do pênis de Graham. Graham cobriu as costas de Reed, conectando seus corpos. Ele começou a se mover, puxando os quadris para trás antes de empurrar para frente, mais uma vez. — Mais duro. Eu quero sentir você. Reed implorou. Graham soltou. Ele não precisava ser gentil com Reed. Na verdade, seu companheiro preferiu tratamento mais áspero. Girando os quadris, Graham 107

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


moveu-se para frente e para trás, bombando seu eixo profundamente no rabo de Reed. Fixou a próstata de seu companheiro em cada curso. Sons incoerentes caíram dos lábios de Reed, seu corpo se enrijecendo. Reed começou a se mover, empurrando seu traseiro para trás, empalando-se no pau de Graham. Graham pegou o ritmo enquanto seu orgasmo se aproximava rapidamente. Graham lambeu e beijou o ombro de Reed, provando sua pele salgada. Ele raspou os dentes contra a carne e seu companheiro estremeceu. Rápido, Graham mordeu seu companheiro, enterrando seus caninos na pele macia entre o pescoço e ombro. Reed gritou, e sua semente irrompeu, atingindo a grama verde abaixo. Ele segurou seu companheiro no lugar como ele moveu seus quadris mais rápido, empurrando seu pênis dentro e fora do corpo de Reed em longos e duros golpes. Graham sugou a ferida, provando o sangue requintado de seu companheiro enquanto fluía pela sua garganta. Esse momento era tão intenso que parecia que sua alma estava sendo amarrada ao de Reed, unindo-os para sempre. — Reed! Gritou Graham. Seus quadris empurraram para frente, os músculos se contraindo quando veio profundamente dentro do corpo do seu companheiro. O leão dentro rugiu, ecoando dentro da mente de Graham. Quando seu orgasmo diminuiu, ele puxou seus dentes livres e lambeu a ferida. Com a boca aberta, Graham ofegou, seu coração martelando violentamente.

**** Reed caiu lentamente no chão, seus membros não eram mais fortes o suficiente para segurá-lo. Colocando a cabeça com o braço, Reed estava 108

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


deitado na grama fria com o corpo de Graham cobrindo-o como uma manta quente. Dentro do parque, com seu companheiro ao seu lado, Reed encontrou paz. Graham passou as mãos e os lábios sobre o corpo de Reed acariciando e amando. Esse momento era o lembrete de que precisava acreditar que ambos estavam vivos. Fechando os olhos, Reed soltou um suspiro pesado. — Eu te amo. — Eu também te amo querido. Graham mordiscou o lóbulo da orelha de Reed. Seu cavanhaque fez cócegas no pescoço de Reed e ele riu arrepios estourando ao longo de seus braços. — Vocês dois estão prontos para ir para casa? Max gritou. Reed olhou por cima do ombro. Max estava de pé ao lado dos veículos com um grande sorriso no rosto. — Estaremos lá em um minuto. Graham se inclinou para trás, dando espaço suficiente para Reed rolar em suas costas. Ele olhou nos olhos quentes de chocolate de seu companheiro e sorriu. Seu coração estava finalmente em paz. Ele estava preocupado o dia inteiro, mas ter Graham inteiro e saudável fez tudo melhor. — Estou tão feliz por finalmente ter terminado. Reed ficou aliviado que Christian não fosse mais capaz de atormentar Graham. Tantas pessoas inocentes foram mortas em um esforço equivocado para se vingar. Foi um desperdício. — Eu tenho corrido por tanto tempo. Graham balançou a cabeça. — Eu ainda não consigo acreditar que acabou. Não terei mais que olhar por cima do ombro. Posso finalmente relaxar. Reed desejava poder ficar no parque a noite toda. Ele gostaria de fazer amor sob o céu noturno e adormecer, mas os outros agentes estavam esperando por eles. — Como estão suas costas? Ele perguntou. 109

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Graham se afastou, indo de joelhos. Ele se virou e Reed lentamente se sentou. Movendo-se atrás de seu companheiro, Reed correu suas mãos para baixo as costas do homem. A pele era rosa e enrugada, no processo de remendar-se, mas haveria cicatrizes por causa do chicote mergulhado em prata. A carne sentiu-se áspera sob a ponta de seus dedos enquanto deslizava suas mãos sobre a pele. — Eu não sou tão sexy como costumava ser. Seu tom era provocador, mas Reed podia ouvir a insegurança amarrando a cada palavra. Graham estava realmente preocupado que Reed não o achasse atraente. — Merda. Reed rosnou. Nada sobre Graham poderia jamais repulsá-lo. As marcas eram bonitas, únicas. Eles falaram de força e sobrevivência. Seu poderoso leão tinha sofrido muita dor e ele saíra vivo, não intacto, mas vivo e isso era tudo o que importava. Reed não seria capaz de viver em um mundo sem seu companheiro. Seu coração teria murchado e morrido sem Graham. — Você está pronta para ir para casa? Graham perguntou, olhando por cima do ombro dele, um sorriso provocando o canto de sua boca. — Sim. Para casa. Reed não conseguia pensar em outro lugar que preferisse estar. Graham levantou-se. Ele estendeu a mão e Reed a pegou, permitindo que Graham o puxasse até seus pés. Eles caminharam de mãos dadas em direção ao grupo de veículos esperando por eles. Sua nudez não importava para os outros. Era normal para shifters desde que tiveram que remover suas roupas para mudar. Quando chegaram ao grupo, Max estava lá, segurando um par de abrigos. Reed tirou-os de suas mãos e entregou um Graham. Ele puxou as calças, passando os polegares pelo elástico, ajustando-os aos quadris. — Como você está se sentindo, cara? Max perguntou, dirigindo sua pergunta para Graham. 110

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Bem. Graham sorriu. Ele agarrou a mão de Reed, entrelaçando os dedos mais uma vez. — Estou muito melhor agora. Os olhos de Max se voltaram para Reed. — Você parece cansado. — Esgotado. — Vamos. Max inclinou a cabeça em direção ao SUV. Graham levou Reed para o veículo de Max. Ele abriu a porta e Reed subiu, se movendo para dar lugar a seu companheiro. Graham entrou atrás dele e fechou a porta. Inclinando a cabeça para trás, Reed fechou os olhos. Ele só planejou descansar seus olhos por um momento, mas uma vez fechado, ele não poderia abri-los novamente. Correndo ao redor da cidade seguido pela luta e resgate de seu companheiro deixou Reed completamente drenado. Tinha sido uma montanha-russa emocional com pontas afiadas e gotas. — Ei querido. Graham gentilmente o sacudiu. Reed abriu os olhos e olhou ao redor, surpreso ao descobrir que estavam estacionados na garagem subterrânea. — Estamos em casa. Esfregando os olhos, Reed estendeu as costas. Graham abriu a porta e estendeu a mão, ajudando Reed a sair do veículo. Ele passou o braço em volta da cintura de Reed, levando-o para o elevador. — Estamos quase em casa. Eu vou te aconchegar, eu prometo. Reed bocejou. — Obrigado. Ele desejou ter a energia para tomar um banho, como suor seco e sangue ainda agarrado a sua pele, mas entrar na cama era mais importante. O sabão e água quente teriam que esperar até manhã. Quando as portas do elevador se abriram Reed arrastou os pés. Ele inclinou-se para Graham e seu companheiro apoiou seu peso. Reed manteve os olhos fechados, confiante em seu companheiro para levá-lo ao redor do apartamento, em direção ao seu quarto. Graham fez uma pausa. Reed podia ouvir o farfalhar de cobertores e lençóis. 111

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


Subindo na cama, Reed se deitou. Seu corpo fundiu-se na cama ultramacia. Graham seguiu logo depois. Reed sentiu o calor irradiando da pele de Graham antes de sentir a carne nua do homem contra a sua. Seus corpos se uniram, conectando-se como ímãs debaixo das cobertas. Membros entrelaçados, Reed colocou a cabeça contra o peito de Graham e respirou seu companheiro profundamente em seus pulmões. O sono puxou sua consciência, puxando-o para baixo. — Eu te amo. Ele murmurou. Os braços de Graham se apertaram ao redor dele em um forte abraço. — Eu te amo.

Epílogo A equipe foi chamada para a sala de conferência para outra reunião obrigatória. Reed caminhou em direção à sede do FPA com Graham ao seu lado. Olhando para seu companheiro, os lábios de Reed se ergueram em um sorriso satisfeito. Ele realmente não queria deixar sua casa, não depois de passar dias na cama com seu amante, mas o dever o chama. Era hora de voltar para a terra dos vivos. Reed precisava voltar às ruas da cidade de Nova York. Estendendo a mão, Reed pegou Graham. Ele usou seus dedos para separar Graham, apertando as palmas das mãos, entrelaçando os dedos. Ele estava orgulhoso de ter um homem como Graham ao seu lado. Ele era a combinação perfeita de Reed. O destino os uniu, mas o amor e a paixão selaram seu vínculo. Eles entraram juntos na sala de conferências, lado a lado e todos os olhos se voltaram para eles. Reed começou a conduzir Graham para um dos assentos de hóspedes localizados nos arredores da sala, mas antes que ele 112

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


pudesse realizar sua tarefa, Abram levantou-se chamando a atenção de todos. — Graham, por que você não se junta a nós na mesa de conferência? Abram estendeu a mão, um distintivo e uma arma descansando em sua palma. — O escritório de Los Angeles enviou isto mais de dois dias atrás. Se você estiver interessado, é claro. Fez uma pausa, esperando que Graham aceitasse a posição. Graham apertou a mão de Reed e olhou para seu companheiro. — O que você acha? Ele perguntou. Reed sorriu. Foi um alívio. — Você deve se juntar à nossa equipe. Ele assentiu antes de voltar sua atenção para Abram. — Obrigado pela oportunidade. Eu ficaria honrado. — Bem vindo à equipe. Estamos felizes por tê-lo. Venha e pegue seu distintivo. Disse Abram. Graham ergueu a mão de Reed, beijando seus nós dos dedos antes de soltá-los completamente. Ele caminhou em direção a seu líder e coletou seu distintivo e arma de Abram. Reed sentou-se e puxou uma cadeira vazia ao lado dele para Graham. — Você pode se juntar a nós na mesa. Abram disse a Graham. — Obrigado. Graham agarrou seu distintivo, passando o polegar sobre o metal. Embora seus traços faciais pareciam relaxados e calmos, seus olhos estavam tempestuosos, os globos castanhos rodando de emoção. Era óbvio para Reed que Graham nunca pensou em ver o distintivo novamente. Graham respirou fundo. Ele andou em volta da mesa e os outros agentes o receberam na equipe, apertando a mão e se apresentando corretamente. Graham sorriu para cada um enquanto voltava para onde Reed estava sentado. Graham puxou a cadeira e sentou-se. Ele colocou sua arma e 113

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


crachá na mesa à sua frente. Ele olhou para os itens por um momento antes de olhar para Reed e piscar. — Bem vindo à equipe, agente Bingham. — Estou feliz por estar aqui, agente Dolur. Estendendo a mão, Reed pousou a palma na coxa de Graham, esfregando o grosso músculo. Graham imitou sua ação, os dois incapazes de manter as mãos um do outro. Reed observou a grande mão de Graham percorrer sua coxa, massageando o músculo antes de finalmente voltar sua atenção para a reunião. Todos se acomodaram em suas cadeiras, esperando que Abram apresentasse o próximo caso. — Este caso é muito secreto. Abram colocou a mão sobre uma pasta. — Fui contatado pelo senador Grom. Se o nome soa familiar, deve. O senador sempre foi um defensor dos direitos paranormais. Ele está pedindo nossa ajuda neste caso. Envolveu o seqüestro de um VIP. Seqüestro. Parecia bastante simples. Eles lidaram com a abundância ao longo dos anos. O motivo era geralmente dinheiro relacionado, alguém que pega alguma criança rica de alto perfil. Uma pequena equipe de agentes FPA deve ser capaz de encontrar a vítima com bastante rapidez. — A vítima é Winston Grom. Ele é filho do senador Grom. Quem toma a dianteira neste caso está programado para se encontrar com o senador diretamente após esta reunião. Ele está esperando. O olhar de Abram percorreu o grupo à mesa. — Eu vou aceitar. Ian se ofereceu antes que alguém dissesse uma palavra. Abram concordou com a cabeça, e deslizou a pasta sobre a brilhante mesa. — É preciso viajar para isto. Disse Abrão a Ian. — Você vai entrar em território hostil. Você precisa de backup. Dylan, Max, eu quero que vocês dois limpem seus calendários para as próximas semanas. — Sim, senhor. Disseram ao mesmo tempo. 114

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Bom. Ele acenou com a cabeça. — Vocês estão dispensados. Os três homens saíram rapidamente. Uma vez que eles foram embora, Abram entregou alguns casos menores, mas Reed não se voluntariou. Ele estava sendo egoísta, ele sabia, mas a verdade seja dita, Reed queria passar mais tempo com Graham. — Reed e Graham estão de plantão. Se alguém precisa de backup, suporte ou limpeza certifique-se de contatá-los diretamente. Mantenha-me informado com atualizações regulares sobre cada caso. Abram disse, enquanto ficava de pé. — Alguém tem alguma coisa a acrescentar? Quando ninguém falou, ele simplesmente assentiu. — Todos dispensados. Reed empurrou a cadeira para trás e levantou-se. — Você quer ir para casa? — Absolutamente. Graham piscou seus olhos brilhando como o leão dentro levantou-se à superfície. Vendo a elevação da besta enviou uma onda de adrenalina através do corpo de Reed. Sua respiração tornou-se áspera enquanto seu coração martelava descontroladamente em seu peito. Em um instante, ele estava duro e dolorido, todo o seu corpo vibrando de excitação. Levantando os dedos dos pés, Reed beliscou o lábio inferior de Graham, mordendo a carne antes de se virar e correr da sala de conferências. Seu leão rugiu e Reed soube que ele estaria seguindo. — Faça um buraco! Ele gritou e os outros agentes se separaram, dando-lhe uma rota direta para o elevador. — Bloqueio. Reed gritou sobre seu ombro. — É melhor você correr mais rápido. Avisou Axel. — Os Leões gostam da perseguição. Ele vai te pegar, Reed. Havia gargalhadas atrás dele mas Reed ignorou os outros agentes enquanto continuava. Ele não tinha um plano além de seduzir Graham. Ele gostava quando seu amante ficava muito duro. Puxar o leão em um jogo de 115

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


gato e rato seria definitivamente fazer o truque. Reed sabia que sentiria Graham por dias e não podia esperar para usar as marcas de seu companheiro em todo o corpo. Reed pulou no elevador e apertou o botão de fechar as portas repetidamente. Ele captou um vislumbre de Graham. O leão não estava correndo. Ele caminhou pelo corredor em direção a Reed com um olhar feroz em seu rosto e um sorriso perverso curvando seus lábios. — Eu vou pegar você, meu companheiro. As portas começaram a fechar, mas seu alívio foi de curta duração quando Graham estendeu a mão, como se para impedi-los de fechar. Mas era tarde demais. As portas se fecharam, trancando Graham. Recostado contra a parede do elevador, Reed riu. Ele não podia se ajudar. Seu coração era leve e cheio de amor. O elevador moveu-se rapidamente, correndo em direção ao prédio de condomínios na rua Leonard. Quando as portas se abriram, Reed sabia que o tempo era essencial. Ele correu para o outro banco de elevadores localizado em toda a garagem subterrânea. Levou um até o condomínio dele no vigésimo terceiro andar. Assim que entrou no vestíbulo, Reed começou a tirar as roupas. Ele marchou para o quarto e pulou na cama, esperando impacientemente Graham para se juntar a ele. O elevador piscou, sinalizando a chegada de Graham. — Impertinente companheiro. Ele rosnou. Reed puxou seu lábio inferior em sua boca e mordeu, impedindo um gemido de escapar. A voz de Graham emitiu um arrepio de consciência através de seu sistema. As botas pretas de Graham bateram no chão de madeira, ficando cada vez mais alto quando ele se aproximou. — O que você quer amor? Graham perguntou quando ele entrou no quarto. — Você senhor. 116

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/


— Você já me tem. — Marque-me senhor. Disse Reed, sem fôlego. Graham desabotoou o cinto, tirando o couro das presilhas. — Sempre. Reed entrou em posição, inclinando-se sobre a borda de sua cama, colocando seu corpo nu em exibição para seu companheiro. Graham deu um passo atrás de Reed. Ele levantou o cinto, esfregando o couro para frente e para trás contra o rabo de Reed, provocando e provocando. Graham tirou o cinto e Reed ficou tenso, esperando. Smack. O cinto fez contato com seu traseiro e Reed gemeu. Smack. Smack. Graham derrubou o cinto uma e outra vez. Sua bunda formigou, a construção lenta do calor no prazer extremo. Reed sabia o que era o céu, e era isso. Momentos tão intensos que ele cantou, balançou, e dançou para seu companheiro. O futuro tinha ficado melhor.

Fim

117

http://sany-diversidade.blogspot.com.br/

Profile for Livros & Chocolate

olivia black agencia federal paranormal 04 predador  

homo

olivia black agencia federal paranormal 04 predador  

homo

Advertisement