Page 1


O Vínculo do Dragão Thea Harrison

Primeiro Livro da série “raças antigas”


Afrodithe Traduções Tradução: Laura Melo, Mila R., Fran Apel, Priscila Barbosa, Fátima Soledade, Monica M. Medeiros, Etiene Monteoliva, Nathaly Toledo, Daniele Souza, Krika Prado Revisão Inicial: Krika Prado, Josi Tomeleri Revisão Final: Juliana Vieira S. Machado


A voz hipnótica ordenou: “Você entrara agora!” De repente, era a única coisa que Pia queria fazer. Ela foi até as cortinas e as levantou com uma mão, ao mesmo tempo em que olhava para um enorme quarto nas sombras. Um macho reclinado em lençóis pálidos, sobre uma enorme cama de estrutura escura. Ele tinha um físico maciço, músculos densos se salientado nos longos membros, a pele nua de seu escuro torso contra o linho pálido. O cabelo caído sobre a testa forte era ainda mais escuro. Uma boca sensual curvou-se em um sorriso cínico. Apenas seus olhos brilhavam contra a escuridão com um ligeiro, calculista e feiticeiro brilho… Um poder como champagne preencheu o quarto, fazendo-a se sentir como se estivesse nadando nele. Ela nunca tinha estado na presença de tanta magia antes. Se pressionando contra sua pele, alegrando e amedrontando, viciando... Transformou o fogo que a voz tinha acendido dentro dela, em desejo liquido. Um som animalesco brotou de dentro dela…

“Divertido, feroz e ardentemente excitante – Eu não posso ter o suficiente! Thea Harrison nos presenteia com um delicioso e viciante romance, e eu já estou desejando ansiosamente o próximo sucesso.” – Ann Aguirre, autora campeã de vendas nacional (USA).

“Eu simplesmente amei Dragon Bound… fiquei hipnotizada ate o final da ultima pagina.” – Christine Feehan, Autora em primeiro lugar de vendas, do New York Times


Agradecimentos

Eu tenho muito a agradecer e muitas pessoas para mencionar. Sou profundamente afortunada por todos que conheci e com quem trabalhei durante a jornada deste livro até sua publicação. Primeiro, eu gostaria de agradecer minha fabulosa agente, Amy Boggs, da Donald Maass Literary Agency, por sua sempre presente boa vontade e por ter uma paciência digna de medalha, com minha escrita. As palavras não podem expressar a minha emoção ao agradecer minha editora, Cindy Hwang, pelo entusiasmo de uma central elétrica e sua experiência. Seu assistente, Leis Pederson, pelas prontas e amigáveis respostas e a todo o time da Berkley por seu fantástico trabalho. Eu também gostaria de oferecer meus sinceros agradecimentos a Ann Aguirre, Nalini Singh, Shannon Butcher, J.R.Ward, Christine Feehan, Angela Knight e Anya Bast. Elas são mulheres incríveis e escritoras realizadas, eu estou honrada de receber seu apoio. E aqui uma menção aos meus heróicos leitores cobaias. Obrigada a Anne, Shawn, Fran B., Suzi, Fran H. e Amanda por me acompanhar e se unirem a diversão. E eu não sei o que teria feito sem o encorajamento e amizade recebidos de Steven, Pamela e Anne, nestes últimos anos: eles ajudaram a manter minha sanidade através de alguns momentos insanos. Eu também gostaria de oferecer meus agradecimentos mais puros a Lorene e Carol por seu inacreditável apoio. Elas sabem o que fizeram e foi algo miraculoso. E por ultimo, mas certamente, não menos importante, obrigada a Matt por seu generoso trabalho no website e a Erin, por me amar, apesar de minha esquisitice.


Fazer negócios com um dragão. Isso sim é uma experiência de cortar a garganta. - Atribuído a Donald Trump


UM

Pia foi chantageada a cometer um crime, que era mais suicida do que ela poderia ter imaginado e ela não podia culpar ninguém, exceto a si mesma. Saber disso não tornava as coisas mais fáceis. Ela não podia acreditar ter cometido esse enorme erro de julgamento, gosto ou sensibilidade. Honestamente, o que ela fez? Bastou um olhar para uma carinha bonita e ela se esqueceu de tudo, o que sua mãe lhe havia ensinado sobre sobrevivência. Era uma droga tão grande, que ela poderia apontar uma arma para sua cabeça e puxar o gatilho. Exceto que ela não possuía uma arma, porque ela não gostava delas. Além disso, puxar o gatilho de uma arma era muito definitivo. Ela tinha problemas com envolvimentos e estava morta de qualquer maneira, então, por que se incomodar? A buzina de um taxi soou. Em Nova York, era um som tão comum que todos o ignoravam, mas desta vez, a fez pular. Ela deu uma olhada por cima de seu ombro curvado. Sua vida estava em ruínas. Ela fugiria o resto de sua vida, por todos os quinze minutos que ainda tinha, mais ou menos, graças ao seu tolo comportamento e seu ex, cabeça de merda, que a sacaneou, e depois ferrou com ela tão feio, que ela não conseguia superar a sensação de uma faca enfiada em seu estomago. Ela tropeçou numa rua estreita, repleta de lixo, perto de um restaurante Coreano. Destampou uma garrafa de 1 litro de água e derramou metade dela garganta abaixo, uma mão espalmada na parede de cimento, enquanto assistia ao tráfego de pedestres na calçada. Vapor vindo da cozinha do restaurante a envolveu, num rico odor de pimenta-vermelha e Shoyu dos molhos de gochujang e ganjang, sobrepondo-se ao fedor de podridão de uma lixeira próxima e ao cheiro amargo dos escapamentos do tráfego. As pessoas na rua pareciam às mesmas, conduzidas por forças internas conforme elas caminhavam, elétricas, pela calçada, gritando em seus celulares. Algumas resmungavam para si, enquanto remexiam as latas de lixo e olhavam para o mundo com olhos perdidos e desconfiados. Tudo parecia normal. Até agora, tudo bem? Depois de uma longa e horripilante semana, ela acaba de cometer o crime. Roubou de uma das mais perigosas criaturas na face da terra, uma criatura tão assustadora que só de imaginá-la era mais aterrorizante, de maneira que ela não queria encontrá-la na vida real. Agora, ela quase tinha terminado. Mais umas paradas, mais um encontro com o babaca cabeça de merda e então ela poderia gritar por, digamos, um par de dias ou até descobrir para onde ela poderia correr e se esconder. Apegando-se a este pensamento, ela marchou rua abaixo até que chegou ao Distrito Mágico. Localizado a leste do Distrito Garment e ao norte da Koreatown, o Distrito Mágico de Nova York foi chamado algumas vezes de Cauldron (Caldeirão). Era composto de vários quarteirões que fervilhavam com energias brancas e escuras. O Caldeirão ostentava “seja cuidadoso” como uma capa de cetim vermelho, de boxeador. A área estava cheia de edifícios com vários andares, com quiosques e lojas oferecendo leituras de Tarô, consultas psíquicas, fetiches e feitiços, vendedores de varejo e atacado, importados, aqueles que lidavam com mercadoria falsificada e


aqueles que vendiam itens mágicos e que eram realmente mortais. Mesmo à distância de um quarteirão da cidade, a área agredia os sentidos de Pia. Ela se dirigiu a uma loja localizada nos limites do distrito. A fachada estava pintada com verde sálvia do lado de fora, com a moldura de vidro laminado das janelas e porta, pintadas em amarelo pálido. Ela deu um passo atrás para olhar para cima. DIVINUS estava escrito em um letreiro de metal escovado sobre a vitrine frontal. Anos atrás, sua mãe, numa ocasião, comprou feitiços do bruxo que possuía esta loja. O chefe de Pia, Quentin, também tinha mencionado que o bruxo tinha um dos talentos mágicos, mais fortes que ele já tinha encontrado em um humano. Ela olhou para a vitrine, na fachada da loja. Seu reflexo borrado retribuiu o olhar, uma jovem mulher cansada, com constituição longa e jovial, com características tensas e um embaraçado rabo de cavalo de um pálido cabelo loiro. Ela olhou além de si mesma, para o interior sombreado da loja. Em contraste com os arredores barulhentos e nem um pouco limpos da rua da cidade, o interior da loja parecia frio e sereno. O edifício parecia brilhar com o calor. Ela reconheceu feitiços de proteção no lugar. Em uma gôndola perto da porta, energias harmônicas despertavam de um sedutor arranjo de cristais, ametista, peridoto, quartzo rosa, topázio azul e celestina. Os cristais captavam a luz obliqua do sol e transformavam-na em um arco-íris brilhante de luz, no teto. Seu olhar encontrou o único ocupante no interior, uma mulher, alta como uma rainha, talvez latino-americana, com um olhar que se conectou ao dela com um estalar de energia. Foi quando a gritaria começou. “Você não precisa entrar ai!”, gritou um homem. Então, uma mulher guinchou, “Pare antes que seja tarde!” Pia sobressaltou-se e olhou para trás. Um grupo de vinte pessoas estava parado do outro lado da rua. Eles seguravam vários cartazes. Um pôster dizia: MAGICA = ESTRADA PARA O INFERNO. Outro dizia: DEUS NOS SALVE A TODOS. Um terceiro declarava: RACAS ANTIGAS – UMA MISTIFICAÇÃO ELITISTA. Seu senso do irreal aprofundou-se, trazido pelo stress, falta de sono e um constante sentimento de medo. Eles estavam gritando com ela. Alguns da raça humana persistiam numa beligerante descrença nas Raças Antigas, apesar do fato das muitas lendas folclóricas, das gerações passadas, fornecerem provas de como os métodos científicos foram desenvolvidos. As Raças Antigas e a raça humana viveram juntas e abertamente desde a Era Elisabetana. Estes humanos com sua história revisionista faziam tanto sentido como aqueles que declaravam que os Judeus não foram perseguidos na Segunda Guerra Mundial. Além de estarem sem noção da realidade, eles estavam fazendo piquete para uma bruxa humana para protestar contra as Raças Antigas? Pia balançou sua cabeça. O som fresco de um sino chamou a sua atenção para a loja. A mulher de olhar fixo e poderoso segurou a porta aberta. “O costume da cidade pode trabalhar em ambos os sentidos”, ela disse a Pia, sua voz repleta de desprezo. “Lojas de Magia devem ficar dentro de certo distrito, mas os protestantes têm que permanecer a 15 metros das lojas. Eles não podem atravessar a rua, eles não podem entrar no Distrito Mágico e eles não podem fazer nada além de gritar aos clientes em potencial e tentar amedrontá-los, daquela distância. Você


gostaria de entrar?” Uma sobrancelha imaculada ergueu-se em um desafio imperioso, sugerindo que decidir entrar na loja dela, seria realmente um ato de bravura. Pia piscou para ela, a expressão em branco. Depois de tudo o que ela tinha passado, o desafio apresentado pela outra mulher era mais do que insignificante – era uma coisa sem sentido. Ela entrou sem pestanejar. O sininho da porta tocou atrás dela. A mulher parou pelo tempo de uma batida do coração, sendo surpreendida por Pia. Então, ficou de pé em frente a Pia, com um sorriso tranquilo. “Eu sou Adela, a proprietária da Divinus. O que eu posso fazer por você, minha querida?” O rosto da comerciante transformou-se em perplexo e questionador, conforme ela olhou acima de Pia. Ela murmurou quase para si mesma: "O que é isso... Há algo sobre você...” Merda ela não tinha pensado nisso. Esta bruxa podia se lembrar de sua mãe. “Sim, eu me pareço com Greta Garbo”, Pia interrompeu-a, com expressão impassível. “Continuemos agora”. O olhar da outra mulher agarrou-se ao dela. O rosto e a linguagem corporal de Pia transmitiam um sinal de FECHADO e a bruxa voltou a se comportar como uma vendedora profissional. "Minhas desculpas", disse ela em sua voz de leite com chocolate. Ela gesticulou. "Eu tenho cosméticos de ervas, remédios para a beleza, tinturas ali, naquele canto, cristais carregados com feitiços de cura” Pia olhou em volta, sem perceber tudo isso, embora ela notasse um cheiro picante. O cheiro era tão maravilhoso que ela respirou profundamente, sem pensar. Apesar de si mesma, a tensão nos músculos de seu pescoço e ombros, cedeu. O odor continha um nível baixo de feitiço, cuja intenção clara era relaxar os clientes nervosos. Apesar do feitiço não causar realmente nenhum dano e não atrapalhar seus sentidos, a natureza manipuladora disso a repeliu. Quantas pessoas relaxaram e gastaram mais dinheiro por causa dele? Suas mãos se apertaram, conforme Pia empurrava a mágica para longe. O feitiço se agarrou a sua pele um momento antes de se dissipar. A sensação a lembrou de teias de aranha contra sua pele. Ela lutou contra a vontade de esfregar seus braços e pernas. Irritada, ela se virou e encontrou os olhos da lojista. "Você me foi recomendada por fontes confiáveis", disse á ela em um tom cortante. "Eu preciso comprar um feitiço de união” O comportamento afável de Adela caiu por terra. “Entendo”, ela disse, combinando com a firmeza de Pia. Suas sobrancelhas levantaram-se em outro tênue desafio. “Se você ouviu falar de mim, então você sabe que não cobro pouco.” “Você não cobra pouco, porque deve ser uma das melhores bruxas na cidade.” disse Pia enquanto se movia para perto do balcão de vidro. Ela removeu a mochila de seus ombros curvados e a depositou sobre o balcão, puxando seu emaranhado rabo de cavalo debaixo de uma das alças. Colocou sua garrafa de água dentro da mochila e fechou seu zíper. “Gracias,” disse a feiticeira, sua voz suave. Pia deu uma olhada para o estojo dos cristais, abaixo. Eles eram tão brilhantes e adoráveis, cheios de mágica, luz e cor. Como seria segurar um, sentir seu peso e frescor na palma de sua mão, enquanto ele cantasse para ela sobre as luzes das estrelas e espaços de profundas montanhas? Como seria possuir um? A conexão se fechou conforme Pia se virou. Ela visualizou seu próprio desafio na outra mulher. “Eu posso sentir os feitiços que você tem tanto na loja, como dentro dela, incluindo os feitiços de atração nesses cristais, assim como aquele que


supostamente devem fazer seus clientes relaxarem. Posso dizer que seu trabalho é suficientemente competente. Eu preciso de um feitiço de juramento e união e preciso sair desta loja com ele, hoje. “Não é tão fácil como pode parecer,” disse a feiticeira. Grandes pálpebras se baixaram, fechando sua expressão. “Isto não e um drive thru de fast food.” “A união não tem que ser sofisticada,” disse Pia. “Veja, ambas sabemos que você cobrará mais porque eu preciso disso neste momento. E ainda tenho muito a fazer, então poderíamos, por favor, simplesmente pular a próxima parte, onde dançamos em volta uma da outra e negociar? Porque, sem ofensa, este tem sido um longo e terrível dia. Estou cansada e não estou a fim.” A boca da bruxa se curvou. “Certamente,” ela disse. “Apesar de que com uma união, há pouca coisa que eu posso fazer nesta situação e há algumas coisas que eu não farei de maneira nenhuma. Se você precisar de algo talhado para um propósito especifico, levara mais tempo. Se você estiver procurando por uma união negra, esta no lugar errado. Eu não pratico magia negra.” Pia balançou sua cabeça, aliviada pela atitude comercial da mulher. “Nada muito escuro, eu acho,” ela disse com uma voz esganiçada. “Alguma coisa com sérias consequências, entretanto. Tem que significar negócios.” Os olhos da feiticeira brilharam com um brilho sardônico. “Você quer dizer algo do tipo „eu juro que farei “coisa e tal” ou do tipo “meu traseiro pegara fogo até o final dos tempos‟? Pia concordou, sua boca retorcendo-se. “Isso. Esse tipo de coisa.” “Se alguém fizer um juramente de livre e espontânea vontade, a união entra na esfera da justiça e obrigação contratual. Eu posso fazer isso. Eu tenho, na verdade”, a outra mulher disse. Ela se moveu em direção aos fundos da loja. “Siga me.” A consciência pesada de Pia se contraiu. Diferente das magias polarizada branca e negra, a magia cinza deveria ser considerada neutra, mas a analise ética de uma bruxa nunca se ajustou muito a ela. Como o feitiço de relaxamento na loja, se sentiu manipuladora, desprovida de qualquer substancia moral e real. Um grande dano poderia ser causado sob a desculpa da neutralidade. O que era muito, muito hipócrita dela, não era? Vindo diretamente da cena do crime, como ela acabara de fazer e desesperada para colocar suas mãos naquele feitiço de união. O impulso de correr bombeou adrenalina em suas veias. A autopreservação a manteve ancorada no lugar. Desgostosa com ela mesma, sacudiu a cabeça e seguiu a bruxa. Não da nada! ...ela realmente esperava que não fosse verdade. Elas concluíram seu negócio em uma hora. Convidada pela feiticeira, ela escapou pelos fundos da loja, para evitar confusão com os protestantes. Sua mochila foi aliviada de uma considerável quantia de dinheiro, mas Pia achou que o dinheiro foi bem gasto, considerando-se a situação de vida ou morte em que se encontrava. “Só mais uma coisa”, disse a feiticeira. Ela inclinou seu corpo curvilíneo numa pose languida, contra o batente da porta dos fundos de sua loja. Pia parou e olhou para trás, para a outra mulher.A feiticeira sustentou seu olhar. “Se você estiver pessoalmente envolvida com o homem, objeto deste feitiço, eu lhe digo, querida, ele não vale a pena.” Uma risada áspera saiu dela. Ela levantou a mochila mais alta, sobre os ombros. “Se ao menos os meus problemas fossem tão simples." Algo se moveu abaixo da superfície dos adoráveis olhos da outra mulher. A troca de pensamento pareceu calculista, mas poderia ter sido um truque da luz do final de


tarde. No próximo momento, colocou uma máscara de indiferença em seu lindo rosto, enquanto ela já se movia mentalmente para outras coisas. “Sorte, então, chica,” a feiticeira disse. “Se precisar comprar algo mais, volte, a qualquer hora.” Pia engoliu e disse com a garganta seca, “Obrigada.” A feiticeira fechou sua porta e Pia se dirigiu ao final do quarteirão, depois se misturou ao tráfego na calçada. Pia não compartilhou seu nome. Depois da primeira recusa, a feiticeira soube não perguntar e ela não mencionou. Ela se perguntou se tinha a palavra PROBLEMA tatuada em sua testa. Ou talvez, fora o seu suor. O desespero emprestava certo cheiro a ela. Seus dedos roçaram o bolso frontal do seu jeans, onde ela tinha deslizado o juramento de união, embalado num lenço branco e simples. Um forte brilho mágico emanou através do surrado tecido e fez com que sua mão formigasse. Talvez, depois que ela se encontrasse com o cabeça de merda e concluísse a transação, ela pudesse respirar fundo pela primeira vez, em dias. Ela supunha que deveria ser grata, pela feiticeira não ser mais do que um tubarão. Então, Pia ouviu o mais terrível som de sua vida. Começou baixo, como uma vibração, mas tão profundo em poder que balançou seus ossos. Ela diminuiu os passos até parar com os outros pedestres. As pessoas protegiam seus olhos e olhavam em volta conforme a vibração crescia, até se transformar em um rugido que varreu as ruas e chocalhou os prédios. O rugido era como o frear de cem trens, tornados, o Monte Olímpo explodindo em uma chuva de fogo e inundação! Pia caiu sobre os joelhos e jogou seus braços acima da cabeça. Outros gritaram e fizeram o mesmo. Outros ainda, olhavam em volta com olhos esbugalhados, tentando localizar o desastre. Alguns correram em pânico rua abaixo. Os cruzamentos próximos estavam pontilhados com acidentes de carro, conforme os motoristas aterrorizados perdiam o controle e batiam uns nos outros. Então, o rugido parou. Os prédios se acalmaram. O céu sem nuvens estava sereno, mas Nova York certamente não estava em ordem. Ela se colocou de pé sobre pernas instáveis e enxugou sua face úmida pelo suor, consciente do caos que reinava ao seu redor. Ela sabia o que – quem – tinha produzido aquele horrível som e porque. Esse conhecimento fez com que suas tripas dessem um nó. Se ela estivesse em uma corrida por sua vida, o rugido foi o tiro de saída. Se Deus fosse o juiz, ele acabara de gritar VÁ.

Ele tinha nascido junto com o sistema solar. De ou tome. Ele se lembrava de uma luz transcendente e um imenso vento. A ciência moderna o chamou de Vento Solar. Ele relembrou a sensação de um voo sem fim, um eterno aquecer de luz e magia, tão penetrante, jovem e puro que soou como as trombetas de mil anjos. Seus maciços ossos e carne devem ter sido formados junto com os planetas. Ele se tornou conectado com a Terra. Ele conhecia a fome e aprendeu a caçar e comer. A fome o ensinou seus conceitos, tais como, antes e depois e perigo e dor e prazer. Ele começou a ter opiniões. Ele gostava do jorro do sangue, conforme ele se empanturrava de carne. Ele gostava de cochilar ao sol, sobre uma rocha quente. Ele


adorava se lançar ao ar, levantando voo e flutuando nas correntes quentes, alto, acima do solo, parecido com o êxtase daquele primeiro voo sem fim. Depois da fome, ele descobriu a curiosidade. Novas espécies floresceram. Havia o Wyrkind, Elfos, Fae tanto claro como escuro, seres altos, de olhos brilhantes e criaturas achatadas como cogumelos coloridos, pesadelos alados e coisas ariscas que saltavam nas folhagens e se escondiam sempre que ele aparecia. O que se tornou conhecido como Raças Antigas, tendiam a se agrupar, em, ou em torno, dos bolsos dimensionais cheios de magia da outra terra, onde tempo e espaço atracavam-se quando a terra foi formada e o sol brilhou com uma luz diferente. Magia tinha um sabor parecido com o sangue, somente era mais dourada e quente como a luz do sol. Era bom ser engolida com carne vermelha. Ele aprendeu a linguagem, escutando as escondidas aos Antigos. Ele praticou sozinho, quando levantou voo, meditando cada palavra e seu significado. Os Antigos tinham varias palavras para ele. Wyrm*, eles o chamaram. Monstro. Demônio. Grande Besta, Dragua. Dessas maneiras, ele foi nomeado. No começo, ele não percebeu quando o primeiro Homo Sapiens moderno começou a se proliferar na África. De todas as espécies, ele não havia adivinhado que eles floresceriam. Eles eram fracos, tinham períodos de vida curto, sem nenhuma armadura natural e eram fáceis de matar. Ele manteve um olho neles e aprendeu sua língua. Como outro Wyrkind fez, ele desenvolveu a habilidade de transformar de forma, de maneira que ele poderia caminhar com os humanos. Eles tiravam o que gostavam da Terra, ouro e prata, cristais brilhantes e gemas preciosas, as quais foram moldadas em belas criações. Colecionador por natureza, ele coletava tudo o que lhe chamava a atenção. Estas novas espécies se espalharam pelo mundo, então ele criou tocas secretas em cavernas subterrâneas onde ele juntava suas posses. Seu tesouro incluía trabalhos dos Elfos, dos Fae e dos Wyr*, assim como criações humanas, como pratos de ouro, prata e cobre, cálices, artefatos religiosos e moedas de todos os tipos. Dinheiro, entretanto, era um conceito que o intrigava, como ele estava ligado a tantos outros conceitos interessantes, tais como, transações, política, Guerra e ganância. Havia também, cascatas de cristais soltos e gemas preciosas, assim como joias produzidas de todo tipo. Seu tesouro cresceu a ponto de incluir escritas das Raças Antigas e dos humanos, como livros, que eram uma invenção que ele (somente algumas vezes), achava ser mais preciosa do que qualquer tesouro. Junto com seu interesse em história, matemática, filosofia, astronomia, alquimia e magia, ele se tornou intrigado com a ciência moderna. Ele viajou a Inglaterra para conversar sobre a origem das espécies, com um famoso cientista, no século XIX. Eles se embebedaram juntos – o Inglês mais desesperado do que ele – e tinham conversado desde altas horas até que a nevoa noturna tinha sido transformada em vapor pelo sol.

*Wyrm – Poderosa fera mística, parente primitivo e distante dos dragões. O seu símbolo é representado por uma serpente em expiral.


Ele se lembrava de dizer, ao esperto e bêbado cientista, que ele e a civilização humana tinham muito em comum. A diferença estava em que sua experiência foi expressa numa única entidade, um conjunto de memórias. De certa maneira, isso significava que ele incorporou todos os estágios da evolução de uma vez – besta e predador, mágico e aristocrata, violência e intelectualismo. Ele não estava tão certo de que tinha adquirido emoções humanas. Ele tinha certeza de que não tinha adquirido a moralidade humana. Talvez, seu grande progresso tenha sido a lei. Humanos de diferentes culturas também tinham muitas palavras para ele. Ryu, eles o chamaram. Wyvern. Naga. Para os Astecas, ele era a serpente alada Quetzalcoatl, a quem eles chamavam Deus. Dragos. Quando ele descobriu o roubo, Dragos Cuelebre explodiu no céu com a envergadura de asas, que se aproximava de um jato Cessna de oito lugares. A vida moderna se tornou complicada. Seu hábito normal era focar a potencia ao evitar uma aeronave quando voava ou mais simples ainda, simplesmente programar um plano de voo junto ao controle aéreo local. Com sua ultrajante riqueza e posição como um dos mais antigos e o mais poderoso ods Wyr, a vida se movimentava e se rearranjava a seu bel prazer. Ele não estava sendo educado, desta vez. Era um voo do tipo “saia da porra do meu caminho”. Ele estava cego de fúria, violento de incredulidade. Lava fluía em suas antigas veias e seus pulmões trabalharam como foles. Quando ele se aproximou do auge de sua escalada, com a longa cabeça estalou para trás e para frente, ele rugiu de novo. O som rasgou o ar, como se suas garras de navalha tivessem atacado um inimigo imaginário. Todas as suas garras, exceto por aquelas do pé dianteiro, que agarraram o pedaço de algo tão frágil e para ser franco, inconcebível. Esta pequena evidencia era tão ridícula e tão absurda para ele, como um sundae de chocolate quente no topo da cabeça de um avestruz. A cereja no topo do sundae de chocolate quente foi o sopro ilusório, do odor que impregnava essa prova. Tal odor provocou um frenesi em seus sentidos, assim como o fez rememorar algo de tanto tempo atrás, que ele não conseguia se lembrar exatamente o que era. Sua mente se tornou branca, quente e ele perdeu a noção do tempo. Sentindo somente a sua cólera, ele voou, até que se conscientizou e começou a raciocinar novamente. Então Rune lhe disse, em sua cabeça, “Meu senhor? Estais bem?” Dragos virou sua cabeça, pela primeira vez consciente de que seu Primeiro voava atrás dele, a uma distancia discreta. Ele não tinha notado a proporção de sua fúria. Em outro tempo, Dragos estaria consciente de tudo o que acontecia a sua volta. Dragos notou que a voz telepática de Rune era tão calma e neutra, como qualquer outra voz física de um macho, era como se ele houvesse pronunciado as palavras em voz alta.

*Wry - Criatura de duas naturezas, que normalmente eles têm duas formas animal e outra humana.


Houve muitas razões para que Dragos tivesse nomeado Rune seu Primeiro, em sua Corte. Tais razões eram o porquê, de Rune ter prosperado em seu serviço por tanto tempo. O outro macho era moderado, maduro e dominante o suficiente para assegurar autoridade na, às vezes, indisciplinada sociedade Wyr. Ele era inteligente com uma capacidade de astucia e violência que se assemelhava ao próprio Dragos. Mais do que tudo, Rune tinha o dom da diplomacia que Dragos nunca conseguiu. Tal talento fez o macho mais jovem, útil quando tratando com as outras Antigas Cortes. Também o ajudou a navegar por tempos difíceis, quando Dragos era tomado pela fúria. Dragos apertou o maxilar e cresceram dentes poderosos, moldados para a máxima carnificina. Depois de um momento, ele respondeu, “Estou bem”! “Como posso servi-lo?” Seu Primeiro perguntou. Sua mente ameaçou se agarrar a pura incredulidade do que ele tinha descoberto. Ele rosnou. “Aconteceu um roubo.” Uma pausa. Rune perguntou, “Meu senhor?” Por uma vez, a frieza lendária de seu Primeiro havia sido abalada. Isso lhe trouxe um gosto cruel de satisfação. “UM LADRÃO, Rune.” Ele mordeu cada palavra. “UM LADRÃO invadiu meu tesouro e pegou algo meu.” Rune precisou de alguns momentos para absorver suas palavras. Dragos deu a ele esse tempo. O crime era impossível. Nunca tinha acontecido, não em todo os milênios de sua existência. Ainda assim, aconteceu agora. Primeiro alguém tinha de alguma maneira, descoberto seu tesouro, o que era um feito por si só. Um elaborado, mas falso, conjunto completo, com sistemas de segurança para artes, estava localizado abaixo dos níveis do subsolo da Cuelebre Tower, mas a localização verdadeira do tesouro de Dragos, não era do conhecimento de ninguém, exceto dele mesmo. Seu tesouro real estava protegido por um poderoso manto e feitiços de aversão mais antigos, do que os da tumba do faraó e tão sutis quanto veneno insípido sobre a língua. Mas, depois de localizar seu covil secreto, o ladrão teve sucesso em passar por todas as fechaduras físicas e mágicas de Dragos, com a facilidade de uma faca cortando manteiga. Pior ainda, o ladrão conseguiu escapar da mesma maneira. O único aviso que Dragos teve foi uma desconfortável sensação, que o havia perturbado por toda à tarde. Seu desconforto havia crescido ao ponto, onde ele não teve sossego até checar sua propriedade. Ele tomou conhecimento de que seu covil havia sido infiltrado, tão logo ele colocou os pés, perto da entrada da caverna no subsolo. Ainda assim, ele não podia acreditar nisso, mesmo depois que seu interior foi dilacerado, ao descobrir uma evidencia incontestável de roubo, junto com alguma coisa mais que superou todos os inconcebíveis anteriores. Ele olhou para baixo, para seu pé direito fechado. Ele mudou abruptamente de direção para fixar uma rota de retorno para a cidade. Rune o seguiu e se colocou suavemente em sua retaguarda, seu ala direita. “Você ira localizar este ladrão. Faça tudo o que for possível.” Dragos disse. ”Tudo, você entendeu? Use todos os meios mágicos e não mágicos. Nada mais existe para você. Nenhuma outra tarefa, nem diversões. Passe todas as suas atuais obrigações para Aryal ou Grym” “Eu compreendo meu senhor.” Rune disse, mantendo sua voz mental quieta. Dragos sentia outras conversas no ar, apesar de ninguém se atrever a um contato direto com ele. Ele suspeitava que seu Primeiro, já houvesse começado a dar ordens para transferir suas obrigações aos outros.


Ele disse, “Que uma coisa esteja bem clara, Rune. Eu não quero este ladrão machucado ou morto por ninguém, a não ser eu. Você não pode permitir isso. Você deve ter certeza das pessoas que usara nesta caçada.” “Eu irei.” “Será sua responsabilidade se alguma coisa sair errado.” Dragos disse a ele. Nem ele mesmo entendia porque havia pressionado o assunto, com esta criatura que, por séculos, tem sido firme e confiável como um metrônomo. Suas garras se apertaram em seu implausível pedaço de evidencia. “Entendido?” “Entendido, meu senhor.” Rune respondeu calmo como sempre. “Bom.” ele rosnou. Dragos percebeu que havia retornado sobre a cidade. O céu ao redor deles estava livre de todo trafego aéreo. Ele pairou num largo circulo, para se estabelecer na espaçosa plataforma de pouso, no topo do Cuelebre Tower. Tão logo ele se acomodou, ele se transformou em sua forma humana, um macho de cabelos escuros, de 2,07m de altura, com pele de um tom bronze escuro e olhos dourados, de ave de rapina. Dragos se virou para observar Rune pousar. As asas do majestoso Grifo brilharam no sol do entardecer, enquanto também mudava de forma, um homem de cabelos amarelo castanhos, quase tão maciço quanto o próprio Dragos. Rune inclinou sua cabeça para Dragos, numa breve reverencia de respeito, antes de alcançar as portas do telhado. Depois que o outro homem saiu, Dragos desapertou seu punho direito, no qual ele segurava um pedaço de papel amassado. Por que ele não havia comentado sobre isso com Rune? Por que ele nem mesmo chamou o grifo de volta para lhe dizer? Ele não sabia. Ele simplesmente obedeceu ao impulso de guardar o segredo. Dragos segurou o papel próximo ao seu nariz e inalou. Um odor ainda emanava do papel, que tinha absorvido o óleo da mão do ladrão. Era um odor feminino que cheirava como um brilho de sol selvagem e era familiar de tal maneira, que despertou os mais profundos instintos de Dragos. Ele permaneceu imóvel, olhos fechados conforme se concentrava em inalar aquele raio de sol feminino e selvagem, em profundas inspirações. Havia alguma coisa ali, alguma coisa de muito tempo atrás. Se ele conseguisse se lembrar. Ele havia vivido por tanto tempo, sua memória era um vasto e complicado emaranhado. Poderia levar semanas para localizar a lembrança. Ele se esforçou com mais empenho para aquele evasivo tempo, com um sol mais novo, jovem, uma densa floresta verde e um odor celestial, que o levou a se colidir com a vegetação rasteira. O frágil fio de lembrança se quebrou. Um rosnado baixo, de frustração, retumbou de seu peito. Ele abriu os olhos e se forçou a não rasgar o papel que ele havia segurado com tenso cuidado. Ocorreu a Dragos que Rune havia se esquecido de perguntar o que o ladrão havia roubado. Seu covil no subsolo era enorme, por necessidade, com caverna sobre caverna, repletas de tesouros daqueles que o mundo nunca havia visto. Os tesouros dos impérios enchiam as cavernas. Obras surpreendentes em beleza enfeitavam as ásperas paredes das cavernas. Itens de magia, retratos em miniatura, brincos de cristal tilintastes que jogavam arco-íris nas lamparinas. Obras de arte embaladas para protegê-los do meio ambiente. Rubis,


esmeraldas e diamantes do tamanho de ovos de ganso e voltas e voltas de pérolas. Escaravelhos egípcios, cartelas e pingentes. Ouro Grego, estátuas Sírias, gemas Persas, jade Chinês, tesouro Espanhol a partir de navios afundados. Ele ainda mantinha uma coleção de moedas modernas que tinha começado há vários anos e adicionado de forma casual, desde quando ele se lembrava. Sobre a cabeça do avestruz estava um sundae de chocolate quente… Sua obsessiva atenção aos detalhes, uma memória imaculada de cada peça de seu gigante tesouro, um traço de odor como um selvagem raio de sol e o instinto tinha levado Dragos ao lugar certo. Ele descobriu que o ladrão havia levado um centavo de cobre de 1962, da Casa da Moeda dos Estados Unidos, retirado de uma jarra de moedas, que ele ainda não tinha se incomodado em colocar no livro da coleção. … e sobre o sundae de chocolate quente, no topo da cabeça do avestruz, empoleirava-se uma cereja… O ladrão havia deixado uma coisa para ele, no lugar do que ela tinha levado. Ela tinha posicionado com cuidado, no topo da jarra de moedas. Era uma mensagem escrita num pedaço de papel, por uma mão instável. A mensagem fora embrulhada em uma oferenda. “Sinto muito”, dizia a mensagem. O roubo era uma violação de privacidade. Era um inacreditável ato de imprudência e desrespeito. Não somente isso, era – frustrante. Ele era homicida, incandescente com a fúria. Era mais velho do que o pecado e não conseguia se lembrar quando ele esteve com tanta raiva. Ele olhou para o papel novamente. “Desculpe-me por ter pegado seu centavo. Deixo outro para substituí-lo.” Sim, era o que dizia. Um canto de sua boca se torceu. Ele se surpreendeu profundamente, quando explodiu numa gargalhada.


Dois

Pia passou a próxima hora caminhando através da cidade. Ela testemunhou como a cidade se transformou depois que o som profano foi ouvido, como se fosse uma pintura que algum artista houvesse manchado, com faixas sinistras de cores escuras. Estresse esculpido nas expressões das pessoas que passavam pela rua. A raiva explodiu em gritos de confrontos e grupos de policiais uniformizados apareceram. Pedestres se moviam com maior urgência. Pequenas lojas e quiosques colocavam para fora sinais de fechadas e bloqueavam as portas. Em circunstâncias normais, ela teria tomado o metrô, mas tão feio como o humor tinha se transformado nas ruas, ela não estava prestes a arriscar ficar aprisionada no subsolo. Por fim ela parou na frente da porta do cabeça de merda. O cortiço onde vivia estava em condição miserável. Ela respirava pela boca e tentou ignorar o preservativo usado no chão da escada e o bebê berrando dois andares abaixo. Depois que ela fizesse esta ultima coisa e tivesse o trabalho de dizer adeus a Quentin, ela daria o fora daqui. A porta foi aberta de um puxão. Seu punho estava se movendo, antes que ela tivesse olhado para ele completamente. Ele se dobrou quando ela lhe deu um soco no estômago. Ele ofegou e tossiu. "Porra, cadela!" "Ai!" Ela balançou o braço, abrindo seu punho aberto. Polegar fora, não dentro, estúpida. Ele se endireitou e olhou para ela enquanto esfregava seu abdômen. Então ele começou a sorrir. "Você fez isso, não é? Você realmente, realmente fez isso.” "Como se você tivesse me dado alguma escolha", ela retrucou. Ela empurrou seu ombro. Ele se afastou o suficiente para que ela pudesse se esgueirar para dentro, fechando a porta com uma batida. Seu sorriso se transformou em uma risada alegre. Ele balançou o punho no ar. "Sim!" Pia lhe deu um olhar amargo. Cabeça de merda, também conhecido como Keith Hollins, tinha uma amigável boa aparência, com cabelo desgrenhado de um louro desbotado e corpo de surfista. Seu sorriso largo e arrogante atraia as mulheres a sua volta, como abelhas ao mel. Ela tinha sido uma daquelas abelhas uma vez. Então, a desilusão havia se estabelecido. Ela tinha pensado que ele era gentil, quando só estava sendo charmoso. Ela tinha tomado a sua maneira carinhosa como afeto real e chamou-o de menino,quando a verdade era que ele era egoísta até o osso. Ele se considerava o próprio Capitão Fantástico. Ele criou a ficção de que ele gostava de arriscar, quando na realidade ele era um viciado em jogos de azar. Ela tinha terminado com ele há alguns meses. Então, somente na semana passada, sua traição tinha esmurrado-a nos dentes, mas parecia ter sido há muito mais tempo. Pia tinha estado tão solitária, desde que sua mãe morreu seis anos atrás. Não havia uma única outra criatura, que a conhecia por quem e pelo que ela era. Apenas sua


mãe a tinha conhecido. Sua mãe a tinha amado tanto, que tinha devotado sua vida para garantir o bem-estar e segurança de Pia. Ela criou a filha com uma atenção fanática ao sigilo e com todos os feitiços de proteção que ela pôde fazer ou comprar. Então Pia tinha jogado fora quase tudo o que sua mãe havia lhe ensinado, por um sorriso doce e a promessa de alguma afeição. Sinto muito, Mamãe, ela disse em sua cabeça. Eu juro que vou me sair melhor agora. Ela olhou para Keith fazendo uma gingada de touchdown. Ele fingiu bater uma bola de futebol no chão e sorriu para ela. "Eu sabia que você ia me socar. Eu lhe devia uma. Sem ressentimentos, querida.” "Fale por você." As palavras de Pia foram revestidas de gelo. "Eu tenho todos os tipos de ressentimentos acontecendo por aqui." Ela deixou cair à mochila no chão e olhou ao redor, embora ela tivesse quase certeza de que eles estavam sozinhos. Embalagens de fastfood, estava se espalhavam sobre a mesinha de café adquirida num brechó. Uma camiseta suja estava amontoada no encosto do sofá. Algumas coisas nunca mudam. "Ah, vamos lá, P., não há necessidade de agir assim. Ei, escute. Eu sei que você ainda está chateada, mas você tem que entender uma coisa, querida. Eu fiz isso pornôs." Ele alcançou seu ombro, mas ela afastou-se num pulo, antes que seus dedos pudessem tocá-la. Seu sorriso esmaecido, mas ele não perdeu seus modos leves e carinhosos. "P., você parece não entender. Nós vamos ser ricos agora. Fodidamente muito ricos. Por que, você pode ter o que quiser. Você não gostaria disso, minha linda?” Keith era o único que não entendia. O idiota não percebia que ele era um dano colateral. Ele tinha construído este mundo de fantasia, no qual ele era um jogador, enquanto suas dívidas de jogo pioraram e ele caiu mais e mais sob o controle de seus associados. Esses "associados" eram ligações sombrias, algumas vezes removidas do agenciador de apostas de Keith. Imaginou-os como uma gargalhada de hienas, reunidas em torno de sua presa com o propósito mórbido. Keith era o almoço, mas eles decidiram brincar com a comida antes de matá-lo. Ela não sabia e não queria saber, quem eram os contatos dele. Já era horrível o suficiente para ela saber, que havia um Poder real em algum lugar naquela cadeia alimentar. Humano ou Élfico, Wyr ou Fae, não importava. Algo desagradável tinha virado a sua atenção nesta direção. Ele tinha magia e músculo suficientes para se apoderar de um dos principais Poderes do mundo. E aqui estava o Capitão Fantástico, um mero humano, com nenhuma única faísca de Poder dentro dele e sem um mínimo de juízo, também. O fato de que ela tinha se ligado a ele, mesmo que por poucos meses, a manteria humilde para sempre. Ela disse a ele, "Você soa como o diálogo de um filme ruim." O comportamento de flerte de Keith caiu por terra e ele olhou para ela. "Sim? Bem, foda-se você também.” "E ele continua," ela suspirou. Uma dor de cabeça começou a pulsar em Pia. "Olha, vamos acabar com isso. Seus manipuladores queriam que eu roubasse algo de Cuelebre” "Eu apostei com meus companheiros, que eu poderia conseguir qualquer coisa de qualquer lugar", Keith zombou. "E eles sugeriram algo de Cuelebre". Hoje tinha sido um dia muito ruim e longo, no topo de uma semana muito ruim e longa. Tinha começado no momento em que Keith, havia colocado em sua mão um objeto de Poder, dizendo-lhe que ela encontraria o covil de Cuelebre com ele. O choque ainda


se agarrava a ela, ao lembrar-se do pulso de magia grave que tinha queimado sua mão. O sentimento foi agravado por uma onda de terror para quem quer que fosse, ou o que quer que fosse, que tinha o tipo de talento para criar o artefato e entregá-lo para Keith. Foi com certeza um momento especial, quando ela descobriu que Keith a tinha traído. Quando ela percebeu isso, entre Cuelebre e as gargalhadas das hienas, ela já estava ferrada. Se ela roubasse de Cuelebre, ela estaria morta. Se ela não fizesse, ela não tinha dúvida de Keith diria a suas hienas, e ela ainda estaria morta. Estava entre a cruz e a espada! Ter o encanto em suas mãos era como segurar uma bomba de fragmentação. O projeto tinha sido ilusoriamente simples. Se parecia com um encanto de busca, com uma ativação em uma única vez, mas tinha o Poder de cortar, através de todas as proteções de Cuelebre. Sua respiração tremeu quando ela se lembrou da terrível caminhada que ela tinha feito mais cedo, naquele dia, através de um inocente parque ensolarado da cidade, onde os adultos tomavam café e cuidavam de crianças curvadas, enquanto elas jogavam areia e tentavam se desviar da areia jogada pelas outras, num vai-e-vem sem fim. Os sons do tráfego e dos latidos dos cães tinham pontuado a dor das bolhas em sua mão, assim como o Poder ativado do encanto tinha cintilado e a tinha arrastado de um caminho de flores, alinhadas para uma porta de manutenção de metal enferrujado, completamente anônima, debaixo de um viaduto do parque. O encanto a direcionou a um caminho que tremeluzia fracamente, que levava a uma invisível nevoa de feitiços de camuflagem e aversão, o que a convenceu, com uma urgência crescente, de que ela estava perdida, enganada, amaldiçoada, presa em seu pior pesadelo, em perigo mortal, condenada por toda a eternidade. O frágil controle de Pia estalou. Ela deu um tapa no peito de Keith com ambas as mãos, fazendo com que ele se afastasse alguns passos. "Você me chantageou a roubar de um dragão, seu idiota!", ela gritou. Ela o empurrou de novo e ele cambaleou para trás. "Eu confiei a você meus segredos." Embora nem todos eles, graças aos misericordiosos Poderes, não todos. Ela tinha de alguma forma, mantido algumas ultimas migalhas de auto preservação. "Eu pensei que nós nos amássemos. Deus, que piada infeliz. Eu poderia rastejar sob uma rocha e morrer de vergonha, exceto que Você. Não. Vale a pena." Seu último empurrão jogou Keith contra a parede. O olhar em seu rosto teria sido cômico, se ainda lhe tivesse sobrado algum senso de humor. Seu espanto se tornou feio. Suas mãos se moveram mais rápido do que ela esperava. Ele a empurrou de volta tão forte que ela tropeçou e quase caiu. "Bem, eu devo ter feito um maldito bom trabalho de fingir isso”, ele rosnou. "Porque provavelmente você foi a foda mais infeliz que eu já tive." Pia nunca soube até aquele momento, que ela era capaz de matar alguém. Suas mãos se curvaram em garras. "Eu sou uma excelente foda", ela silvou. “Eu sou a melhor coisa que já aconteceu para o seu miserável, iludido e com ejaculação precoce traseiro. Você só não teve o bom gosto de reconhecer isso. E você sabe o que? Agora eu nem sei por que eu aguentei você. Eu tenho uma vida sexual melhor, com minha mão e cinco minutos de um chuveiro quente.” A cara do Capitão Fantástico se tornou vermelha. Ela o encarou. Ela nunca tinha visto essa cor em uma pessoa antes. Ele levantou seu braço para trás como se fosse bater nela.


"Faça isso e você nunca conseguira o que quer. Além disso, você perde uma mão." O frio em sua voz se transformou em um picador de gelo. Ele congelou. A estranha cruel que tinha tomado o corpo dela, fez com ela ficasse nariz a nariz com ele. "Vá em frente", disse ela, expressando-se em um tom suave e uniforme. "A amputação poderia ser um pouco terapêutica agora.” Ela olhou para baixo até que ele deixou a mão cair e deu meio passo para trás. O movimento não foi grande, mas significou muito para o seu orgulho maltratado. Numa luta de vontades, ela o levou ao tapete. "Vamos acabar com isso", disparou ele. "Já era tempo”. Ela buscou em seu jeans e deu-lhe um pedaço de papel dobrado. "Você recebe o que eu roubei, quando você ler isso em voz alta." "O que?" Ele deu-lhe um olhar vazio. Era claro que as coisas tomaram um rumo além de sua compreensão. Como um humano não mágico, ele não podia sentir como o papel brilhava com o Poder vindo do feitiço de Ligação. Ele desdobrou e examinou o conteúdo do papel e seu rosto se contorceu novamente com raiva. Ele deixou cair o papel, como se estivesse pegando fogo. "Ah não, sua puta. O caralho que isso vai acontecer. Você vai me dar o que você pegou e vai me dar AGORA!” Ele se lançou para sua mochila. Ela deu vários passos rápidos, deixando-o embaralhado com o conteúdo dela. Carteira, tênis, a garrafa meio vazia de água e seu iPod espalharam-se pelo chão. Ele fez um ruído incoerente, estrangulado e virou-se sobre ela. Ela dançou para trás, outro passo e se manteve na ponta dos pés, com ambas as mãos vazias para cima, conforme lhe dava um sorriso sarcástico. "Onde está!" Saliva voou. "O que você fez? Onde você escondeu? FODA!” "Você disse que não importava", disse ela. Como Keith avançando sobre ela, ela continuou se movendo em contrapartida, mantendo uns poucos passos entre eles. "Você disse que seus protetores...” "Associados", ele rugiu, fechando suas mãos em punhos. “... não se importavam com o que eu pegasse desde que fosse de Cuelebre, desde que eles pudessem comprovar a origem da peça. Eu suponho que eles possam encantá-lo de alguma maneira para comprovar se é realmente dele.“ A parte de trás de sua perna entrou em contato com a mesa de café. Ela se contraiu e saltou para trás quando Keith investiu para ela. Ela colocou um monte de impulso em seu salto e aterrissou agachada no sofá, enquanto Keith tropeçava na mesa. "E você sabe o que?", disse. "Eu não dou a mínima, exceto por uma coisa." Pia fez uma pausa e se endireitou. Ela saltou um pouco conforme Keith se colocava de pé. Sua boa aparência de surfista tinha se torcido em uma expressão de ódio. Ela se perguntou se ocorreria a ele que o seu salto para trás tinha sido alto e distante demais para uma mulher humana normal, mas supostamente nada disso importava mais. "Uma coisa sobre chantagem é que ela nunca para em apenas um pagamento. Todos os programas de TV dizem isso, mesmo assim”, disse ela. Ela não achou que poderia se desapontar mais, até que seu estomago afundou, a ver a expressão dissimulada que brilhou nos olhos de Keith. “Você acha que eu não saquei que você iria continuar me usando? Depois de tudo, por que você pararia só em um roubo? Seria como „Ei, Pia, me manterei calado sobre você se fizer só mais uma coisinha para mim‟. Não é?” Seu lábio superior se curvou "Nós realmente poderíamos ter sido parceiros."


Ele teve a ousadia de soar amargo. Inacreditável. Ela baixou o tom irreverente e tornou-se séria. "Isso ou você continuaria a me chantagear, ou mais cedo ou mais tarde - se você não tivesse ainda - contaria a seus proprietários sobre mim. Ou" ela levantou um dedo “o que acha disto? Você vai dar-lhes o que roubei e que provara a eles que você estava fazendo mais do que apenas se vangloriando. Fará com que eles o levem a sério.” Sua boca se apertou. "Eles já me levam a sério, cadela." "Certo." Ela continuou: "Eles provavelmente prometeram sumir com todas as suas dívidas de jogos se você levasse o roubo adiante. Talvez, também tenham dito que dariam a você uma boa quantia de dinheiro. Você está esperançoso de que isto salvara o seu couro. Então eles finalmente se sentarão e darão a atenção que você merece. Eles terão que considerá-lo um jogador de verdade e não um afogado em dividas ate as orelhas. Mas você não percebe – se isso acontecer, eles também ficarão muito interessados em como você conseguiu realizar o roubo. Eles irão enchêlo de perguntas.” A raiva desapareceu do rosto de Keith, conforme o que ela disse fez sentido. “Não seria desta maneira,” ele disse. “Dificilmente, eu diria a eles alguma coisa sobre você.” Aleluia parecia que ele estava se tornando atencioso. Ou, o que ele achava que era ser atencioso. Ela relaxou o suficiente para sair do sofá e sentar. “Você sabe, eu acho que acredito em você, sobre isso,” ela disse. “Pelo menos, eu acho que você acredita nisso. Mas, o que “dificilmente você não diria a eles” já seria muito.” Ela podia ver qual era a linha de raciocínio dele. Ele reteria todo o poder. Iria mantê-la amarrada a uma pseudo parceria, onde ele seguraria todos os cordões e a teria para fazer o que quisesse. Seus “sócios” iriam admira-lo e respeitá-lo. Ele provavelmente pensou que também se tornaria um verdadeiro corretor para eles e conseguiria o que eles quisessem, por honorários exorbitantes. Então, Keith viveria uma boa vida. "Tudo bem", disse ela, buscando os fragmentos de força que ela queria mostrar que tinha, para adotar uma atitude enérgica. Apoiou as mãos sobre as coxas. "Temos que dar um passo para fora da terra da fantasia de Keith, agora. É desse jeito que vai funcionar: você jurou que manteria o que eu disse em segredo. É tudo sobre forçar um desonesto a ser um homem honesto. Você me chantageou, então agora, eu estou chantageando você, porque, a não ser que perceba os fatos como lhe disse, eu estarei ferrada.” Ele balançou sua cabeça e disse, “Não, você não estará, P. Tudo o que tem que fazer é trabalhar comigo. Por que, caralho, você não consegue ver isso? “Porque eu não sou como você, Keith,”, ela devolveu. “e controlar os danos é a única maneira de eu ter uma chance remota de sair deste pesadelo.” "Eu não posso acreditar que você simplesmente vai embora.” Ele parecia tão petulante como um garotinho. "Eu já fui, há alguns meses atrás", ela lembrou. "Você simplesmente não ficaria longe. Agora pegue aquele pedaço de papel e faça o juramento de ligação ou eu vou embora e você nunca vai ter o que eu roubei. Isso significaria que você vai ter de renegociar um plano de pagamento diferente com aqueles seus 'associados', sobre o dinheiro que você lhes deve. Não é?” Ela não tinha que dizer como estas diferentes opções de pagamento poderia ser. Ela conseguia dizer que ele sabia que sua vida estava por um fio. Keith se dirigiu a ela, sua boca com os cantos virados para baixo. "Você sabe, poderia ter sido bom." Ela balançou a cabeça. "Só em seus sonhos, vaqueiro."


Ele caminhou até o feitiço e o pegou relutante em cada passo. Ela permaneceu em silêncio quando ele parou pela última vez. Ela podia dizer que ele estava tentando pensar em um jeito de se livrar e não ler. Mas não havia nada que ele pudesse fazer e ambos sabiam disso. Ele leu de forma rápida, num tom mal-humorado. "Eu, Keith Hollins, juro aqui que nunca falarei sobre Pia ou seus segredos de forma nenhuma, direta ou por dedução ou o silêncio, ou eu vou perder a minha capacidade de falar e sofrerei dor física constante para o resto da minha vida." Ele deu um grito conforme a mágica era ativada. O papel explodiu em chamas. Pia suspirou como se um peso tivesse sido levantado, só um pouco, de seus ombros. Ela foi até suas coisas, que estavam em sua mochila. Keith disse, “Ok eu fiz o que você queria. Agora vamos pegar o que você roubou. O que é - uma pedra, uma joia? Tinha que ser algo que você pudesse carregar." Avareza rastejou de volta a seus olhos. "Onde você escondeu?" Ela encolheu os ombros. "Eu não o escondi." "O que?" Ele se tocou. Mostrou os dentes como um cão feroz. "Estava com você o tempo todo." Ela retirou um lenço de linho dobrado do bolso do jeans e entregou a ele. Ele o abriu, rasgando-o, enquanto ela colocava a mochila nas costas. Foi para a porta ao mesmo tempo em que ele começou a praguejar. "Ah, foda-me. Você roubou uma porcaria de um CENTAVO!” “Tchau, fofo”, ela disse. E se afastou. O corredor nublou-se a sua frente. Ela rangeu os dentes até que a dor disparou por sua mandíbula. Ela não iria derramar mais nenhuma lágrima por aquele perdedor. Ele gritou-lhe: "O que é que um dragão estava fazendo com um centavo em seu tesouro? Como eu sei que este maldito centavo era mesmo dele?” Bem, ai estava uma pergunta. Ela considerou lembrá-lo que seus “sócios” poderiam verificar o verdadeiro roubo. Ela considerou dizer a ele que sabia que uma farsa causaria sua morte, mas o pobre coitado estava condenado de qualquer maneira. Ou Cuelebre o encontraria e o mataria, ou mais cedo ou mais tarde, ele irritaria um dos “associados”. Eles iriam querer saber como ele se apoderou da propriedade de Cuelebre e agora Keith não ia ser capaz de dizer-lhes. Como era estranho isso. Então ela pensou em lhe dizer sobre sua própria estupidez, uma vez que não tinha ocorrido a ela tentar passar um falso centavo, para ele. Apesar de umas poucas e incomuns habilidades, Pia não tem um osso desonesto em seu corpo. Ela não podia pensar com a astúcia de um criminoso. Além disso, ela não se atreveu a fazer nada além do trabalho, quando ela tinha percebido um verdadeiro poder se movendo nas sombras atrás dele. Alguma coisa estava surgindo. Era maior e pior do que qualquer coisa que Keith podia imaginar ou ela iria querer. Cheirava como algo escuro como assassinato ou guerra. Ela queria correr disso, tão longe e rápido quanto ela pudesse. Nunca, nem em um milhão de anos que ela teria imaginado encontrar um pote de moedas de um centavo em meio a todo aquele tesouro ofuscante, no covil de Cuelebre, ou que "tomar um centavo, deixar um centavo" viria à mente. Todo mundo fazia isso em postos de gasolina. Por que diabos não. Ela pensou em toda uma conversa que ela poderia ter tido com ele. Em vez disso, ela balançou a cabeça. Já era tempo de se mandar.


"Você vai se arrepender", ele gritou para ela. "Você nunca vai encontrar alguém que vai aguentar todas as suas besteiras!" Ela lhe mostrou o dedo do meio e continuou andando. Uma fraca sensação de pânico continuou a fazer com que Pia quisesse correr. Depois de vários minutos mastigando os lábios, ela decidiu não voltar para o apartamento dela. A dificuldade na decisão a surpreendeu. Ela não possuía muitas coisas que importavam. Seu mobiliário era apenas móveis, mas tinha um pouco de lembranças de sua mãe e ela era aficionada a algumas de suas roupas. Além de posses, o real sofrimento era romper com a continuidade de ter um lar. Não se permita apegar demais a pessoas, lugares ou coisas, sua mãe tinha dito. Você tem que ser capaz de deixar tudo para trás. Esteja preparada para correr a qualquer momento. Este era o eixo principal que definia suas vidas. A mãe de Pia manteve esconderijos de dinheiro e identidades diferentes para elas, em uma meia dúzia de lugares pela a cidade. Pia tinha memorizado as rotas de transporte público, combinações de cadeados e números de segurança de depósitos por todos os locais, desde que ela tinha seis anos de idade. Elas tinham tido exercícios regulares, de como fugir de Nova York, quando ela usaria as rotas e acessaria os documentos e dinheiro, enquanto sua mãe a seguia e observava. A foto de sua carteira de identidade era atualizada conforme Pia crescia. Ainda assim, mesmo Pia tendo assentido e dito que ela compreendia, os eventos da ultima semana lhe mostraram o quanto ela realmente não tinha entendido ou se interado das coisas. Sua mãe tinha morrido quando Pia estava com dezenove anos de idade. Agora, aos vinte e cinco anos, ela estava começando a perceber como seu comportamento tinha se tornado desleixado. Foi somente seu o erro monumental de confiar em Keith. Ela estava em dia com as aulas regulares de artes marciais e autodefesa, mas ela tinha falhado com o hábito de encará-las seriamente. Ao invés disso, ela as tratou como se fossem para exercitar ou divertir-se. Agora, as primeiras lições de sua mãe estavam aparecendo para assombrá-la. Ela só esperava que pudesse sobreviver o tempo suficiente, para apreciar o que significava ser mais triste e sábio. Mais cedo, Pia havia esvaziado um esconderijo para pagar a bruxa pelo o feitiço de união. Agora, ela tomou um caminho tortuoso para o bar do Elfie, ao sul de Chelsea. Ela se programou para alcançar um cofre antes que os bancos fechassem e um segundo esconderijo, menos convencional, escondido no playground de sua velha escola de ensino fundamental Ela tinha três novas identidades e mil dólares em notas não marcadas e não sequenciais, enfiados em sua mochila, junto com uma renovada paranóia pesando em seus ombros. Quando ela atravessou a porta da frente do bar do Elfie, ela começou a se sentir como se estivesse vestindo a metade da sujeira da cidade. Ela se sentiu encardida e derrotada, emocionalmente drenada e fisicamente faminta. O estresse tinha obstruído a garganta por dias e ela não tinha sido capaz de engolir muitos alimentos. O Elfie estava aberto para o almoço, durante o dia. O almoço, servido das onze às três da tarde, era uma parte complementar do negócio, já que o lugar ganhava vida á noite. Quentin, o proprietário, poderia tê-lo transformado num dos importantes clubes de Nova York, se ele quisesse. Ele tinha carisma e estilo para isso. Em vez disso, Quentin manteve um olho no negócio até que ele ficou enorme. Elfie era conhecido como um clube de boa vizinhança, com uma clientela constante, fiel e


mista, formada por todas as três raças. Eles eram a própria Ilha dos Brinquedos desajustados da cidade, o refugo e destroços da sociedade, não sendo totalmente Wyr, Fae, Élficos ou humano e, portanto, não pertenciam totalmente há qualquer lugar. Alguns estavam abertos sobre sua natureza de raça mista e defendiam os benefícios de viver fora do armário. Muitos, como Pia, escondiam o que eles eram e fingiam se encaixar em qualquer lugar. Ela havia trabalhado no Elfie desde que tinha vinte e um anos, quando entrou por aquelas mesmas portas e pediu um emprego a Quentin. Foi o único lugar que ela encontrou depois que sua mãe morreu, onde se sentia perto de ter um lar. Ela se colocou no final do balcão de atendimento e inclinou-se sobre ele. O atual bartender que estava de serviço, Rupert, parou de “lançar” bebidas e olhou para ela, com surpresa. Ele levantou o queixo, silenciosamente perguntando se ela queria uma bebida. Ela negou, com a cabeça e movimentou os lábios, perguntando, “Onde está Quentin?” O bartender encolheu os ombros. Ela inclinou a cabeça, acenando para ele, que voltou ao trabalho. O ar condicionado lambeu sua superaquecida pele. Seus olhos ameaçaram ficar molhados novamente ao olhar em volta, para os arredores familiares. Ela gostava de atender no bar do Elfie. Ela gostava de trabalhar para Quentin. Ela esperava que o Capitão Fantástico e suas hienas apodrecessem no inferno. A multidão do happy hour atravancava o grande espaço moderno e se alinhavam intensamente, para as bebidas. Itens de magia de nível baixo e Poder faiscavam através do constante murmurar das conversas. Canais de esporte estavam sintonizados nas enormes HDTVs no outro lado do bar. Muitas pessoas assistiam a widescreen montada no alto, em outro canto do bar. Ela levantou os olhos para o noticiário da CNN. “… e em noticias locais, relatos continuam a aparecer quanto à extensão dos estragos, resultados com o misterioso evento desta tarde. Enquanto isso, a especulação continua a correr solta quanto à causa. "Uma mulher loira laqueada, habitual da CNN, deu um sorriso profissional para a câmera. A repórter estava na frente de uma calçada, onde equipes de operários varriam montanhas de vidro quebrado. Um sujeito mosca de bar próximo a Pia, disse em uma voz que soava como pedras caindo, "Hei, linda. Você não pegou uma semana de férias? O que você está fazendo aqui no seu tempo livre?” Ela deu uma olhada para o brutamontes, atarracado mestiço de troll, empoleirado num banco de aço, feito sob medida. De pé, ele se curvava a uma altura de 2,44m, com a pele de um cinza pálido e uma cabeleira negra que se recusava a assentar. "Hei, Preston", disse ela. "Sim, eu ainda estou fora. Eu só preciso falar com Quentin por um minuto.” Preston era um dos frequentadores do Elfie. Ele declarou que vivia de acordo com seus próprios termos. Um programador de computador independente, trabalhava em casa durante o dia e aquecia o banco do bar no Elfie, à noite. Ele bebia como um peixe e, ocasionalmente, atuava como um leão de chácara voluntário, quando as coisas ficavam feias. "Você sabe que é um mau sinal quando você não pode deixar o trabalho, querida", ele grunhiu enquanto despejava garganta abaixo um copo alto, da Coca Cola, cheio de uísque. "É uma maldição", ela concordou. Puxada por uma corda invisível, seu olhar voltou-se para a tela de cima. Ela assistiu, fascinada e aterrorizada, ao mesmo tempo. “Quentin foi a algum lugar, mais ou menos vinte minutos atrás," o mestiço de troll falou. “Disse que voltaria logo.” Ela assentiu conforme a repórter da CNN continuava. “… Enquanto isso, os oficiais públicos confirmam que a origem do evento ocorreu a alguma distancia da Torre


Cuelebre, na Quinta Avenida, num parque local perto da Estação Penn. As Empresas Cuelebre soltaram um comunicado assumindo a responsabilidade pelo infeliz „acidente de desenvolvimento e pesquisa.” Agora vamos para Thistle Periwinkle, diretora de RP (relações publicas) e uma das mais famosas portavozes das Raças Antigas.” A cena cortou para uma figura pequena, cercada pelos repórteres, em frente à Torre Cuelebre, que era revestida de mármore e cobre polido. A multidão do bar explodiu em apitos produzidos com dois dedos, batendo os pés e aplaudindo. “UAU!” Fada Barbie – sim!”“ MINHA GAROTA!” A pequena figura vestia um terno rosa pálido que acentuava sua constituição de ampulheta com cintura minúscula. Perto dos 1,55m dela, Pia sempre se sentia como um cavalo galopante, quando via a fada na televisão. A famosa boca publica de Cuelebre, usava seu fofo cabelo lavanda chique, com as pontas para cima. Ela franziu seu nariz inclinado, num simpático sorriso para a dúzia de microfones apontados para seu rosto. “Deus, ela é quente.” Preston levantou o olhar. “O que eu não daria para ter uma chance.” Pia dirigiu ao macho enorme, de traços marcados, um rápido olhar e coçou a parte de trás de sua cabeça. O fato da adorável fada, ser a porta voz RP das Empresas Cuelebre, sempre pareceu ser manipulador, para ela. Veja o quanto somos legais, amigáveis e seguros, oh, Deus! A fada ergueu uma mão delicada. Tão logo os gritos cessaram, ela começou a falar. “Será somente um breve comunicado, hoje. Continuaremos, mais tarde, com mais detalhes tão logo entendermos melhor a situação. As Empresas Cuelebre lamentam todas as inconveniências que este incidente causou as boas pessoas de Nova York e promete uma solução rápida a toda e qualquer reclamação de danos em propriedades.” O sorriso de boneca da fada morreu. Ela olhou diretamente para dentro da lente da câmera, sua expressão normalmente alegre, implacável. “Descansem seguros de que Cuelebre, esta usando todos os recursos disponíveis para conduzir uma completa investigação. Ele, lhes da sua garantia pessoal, de que o que causou o incidente de hoje será cuidado de maneira rápida e definitiva. Nunca mais haverá outra ocorrência como esta.” Que mimo! A multidão de repórteres em volta da fada silenciou. No bar, o constante barulho morreu. Mesmo Rupert parou de servir as bebidas. Alguém ali perto disse “Porra! Aquela doce garota acaba de se tornar assustadora?” Na tela plana, a cena explodiu em caos novamente, antes de ser cortada para os principais estúdios na CNN, onde a repórter loira disse em um tom urgente, “E esta foi a declaração publica da Cuelebre e não pareceu carregada de munição, pessoal.” O telejornal passou a fazer um breve resumo biográfico de Cuelebre. Não havia muito do multibilionário recluso documentado. Ele era apontado universalmente como um dos mais antigos Poderes nas Raças Antigas e reconhecido como o governante de mãos de ferro do território Wyrkind de Nova York. Ele também era um dos principais, no caso, sombrio, jogador de poder no cenário político de Washington. Segmentos de filmes e fotos em close dele estavam sempre borrados. O mais detalhado que as câmeras conseguiram captar dele, eram fotos tiradas a distancia. A rede mostrou algumas fotos tiradas de uns homens de aparência dura e ponderosa. No meio deles, erguia-se uma figura maciça e dominante pego no meio do movimento, quando uma cabeça escura se virava. Cuelebre nunca tinha feito nenhuma confirmação publica do que ele era, mas os shows de noticias adoravam especular. Eles evitavam alegar qualquer coisa, mas ajudou muito que seu primeiro nome, Dragos, realmente significava “dragão” e que Cuelebre era uma serpente alada gigante e mitológica. Pia tateou, a procura do uísque de Preston. O troll lhe passou o copo e ela deu um gole. O líquido escorreu por sua garganta, queimando e explodiu em uma bola de fogo


no buraco de seu estomago. Ela tossiu e devolveu a ele. “Eu entendo você,“ disse o troll. “Eles tem passado essas coisas por toda tarde. Aparentemente o „incidente‟”, fez aspas com os dedos no ar, “quebrou janelas em prédios até a uma milha de distancia e quebrou uma pedra enorme ao meio. Eu o ouvi com meus próprios ouvidos e sou homem o suficiente para admitir que o som, fez as minhas bolas se encolherem.” Pânico pulsou através dela novamente. Ela levou suas mãos para baixo do balcão, para esconder o quanto estavam tremendo. Clareou sua garganta. “Sim, eu ouvi também.” “Quem poderia tê-lo deixado tão bravo?” Preston balançou sua cabeça. “Não posso imaginar, mas fará com que o Dia do Julgamento se pareça com um picnic.” Uma profunda voz lhe disse ao ouvido, “Você esta péssima.” Pia quase saltou fora de sua pele. Então, ela pressionou as partes internas de seus pulsos contra suas pálpebras, até começar a ver estrelas, antes de se virar para o rosto de Quentin. “Este é meu chefe,” ela disse sobre os ombros, para Preston. “Um elogio em um minuto.” O troll bufou. Quentin inclinou-se contra a parede, perto das portas giratórias que levavam ao fundo. Ele a olhou com o cenho franzido. Ele tinha 1,89m de força tensa e magra e características elegantes de sobra, um daqueles caras lindos de morrer, que poderia ter estado na capa da GQ se ele tivesse sido modelo. Seu cabelo loiro escuro, quando solto, caia abaixo dos ombros largos, mas ele normalmente os matinha puxados para trás, numa trança. O estilo severo enfatizava os longos ossos de sua face e olhos azuis penetrantes. As emoções de Pia balançaram de maneira selvagem. Seus lábios se apertaram e ela olhou para baixo para puxar uma alça da mochila. "Eu preciso falar com você", ela disse a ele. "Deduzi." Ele endireitou-se da parede e voltou a empurrar, abrindo uma porta de vaivém. Pia agitou os dedos para Preston e andou para trás, Quentin atrás dela. A porta voltou ao seu lugar, abafando o barulho do bar. Ela continuou até o almoxarifado e entrou em seu escritório espaçoso. Ela parou no meio da sala, largou a mochila e ficou ali, sua mente cansada em branco. Uma mão bem proporcionada veio por cima do ombro e enganchou-se abaixo de seu queixo. Ela permitiu que ele a virasse, embora ela só pode encontrar o seu olhar intenso e fixo, por um momento, antes de seu próprio se virar para um ponto, em algum lugar sobre o ombro direito dele. Seu peito doía. Ela podia sentir o exame minucioso dele descendo por seu corpo. “Estou deixando a cidade,” ela disse para o ponto sobre seu ombro. A voz dela soou em choque. “Eu vim dizer adeus.” Silêncio se estendeu e cresceu fino. Então Quentin colocou a mão em sua testa e envolveu a outra em torno de seu pescoço. Seu olhar voou para ele e a preocupação que ela viu em sua expressão, quase a fez se encolher. Ele disse: "Você tem uma dor de cabeça." Calor dourado começou a fluir de suas mãos, infundindo sua cabeça e se espalhando por seu corpo, aliviando a dor. "Oh Deus, eu não tinha ideia de que você podia fazer isso", disse ela com um suspiro. "Isso é tão bom." Quando seus joelhos cederam, ele a puxou em seus braços e abraçou-a. "Receio não poder fazer nada sobre a dor de cabeça."


A boca de Pia tremeu. Ele deve ter lido a miséria em seu rosto, como um mapa rodoviário. Ela descansou a cabeça em seu ombro. "Você não deveria gritar comigo, por não estar lhe dando aviso de duas semanas?” "Que tal eu não gritar e nós vamos apenas dizer que eu fiz." Ele esfregou suas costas. “Combinado?” Ela fungou e balançou a cabeça, seus braços ao redor de sua cintura. A idade de Quentin era indeterminada. Ele poderia ter algo entre 35 a 135. Havia algo de implacável e imutável sobre ele, em repouso e sua aura carregava um, que, de segredos violentos, de maneira que Pia sempre colocou seu dinheiro em mais velho (ela ficava com os 135). Ela tinha uma queda flamejante por ele, por anos. Geralmente, ela curtia isso. Foi uma indulgência confortável, feita porque ela sabia que nunca faria nada sobre isso. Houve um frisson de consciência, no momento em que colocaram os olhos um no outro. Quentin deu um zumbido num baixo nível de Poder que puxou seus ossos. Ela reconheceu o que era. Ele carregava um glamour que o ajudava a se passar por humano, que era muito parecido com o dela e os outros mestiços que camuflavam a si mesmos. Ela não tinha certeza do que ele era, mas ela adivinhou que tinha parte Elfa. Ela sabia que ele não tinha ideia de quem ela era, e porque ele não tinha sondado, ela tolerou os olhares especulativos que lhe dera no início do seu conhecimento. Uma das coisas que ela mais apreciava sobre seu relacionamento com Quentin, era que eles não faziam um ao outro, perguntas muito pessoal. Após o primeiro par de meses de cautela, eles tinham relaxado na companhia um do outro, tendo chegado a um entendimento tácito. Ambos sabiam que, tinha coisas que era melhor deixar escondidas nas sombras. Ambos estavam satisfeitos em deixá-las lá. Ele começou a desembaraçar seu rabo de cavalo, penteando os fios com os longos dedos. "Será que Keith tem alguma coisa a ver com isso? Você não o tem visto desde que rompeu com ele, não é?" Ela ficou chocada com a forma como se sentiu bem, com Quentin acariciando seu cabelo. Sentindo-se sem ossos, ela virou o rosto em sua camisa. Ele cheirava a macho quente,viril e verdes lugares em crescimento. Foi tão bom ser segurada por um homem, forte e firme. Por alguns momentos, ela quis que isso banisse o frio dentro dela,enquanto fingia que pertencia a esses braços e que estava segura. Que perigosa e estúpida pretensão. Ela se endureceu e se retirou de seus braços. "Sim, eu o vi, e não, não era romântico. Keith tem contribuído para isso", ela admitiu, não querendo mentir, não só porque ela se importava com Quentin, mas também porque ela nunca tinha sido capaz de descobrir, quanto de senso de verdade ele tinha. "Mas é complicado”. Quentin girou para fechar a porta de seu escritório. Inclinou-se contra ela e cruzou os braços. "Ok, então eu vou descomplicar. Apenas me diga onde ele vive." Alarme disparou. "Não! Você tem que me jurar deixá-lo em paz." Quentin inclinou a cabeça, observando-a com muita acuidade para seu conforto. "Por quê? Você ainda se importa com ele, não é?” "Deus, não!" Ela coçou a cabeça com as duas mãos e em seguida, esfregou o rosto. "Isso não é nada disso. Olha, você não entende porque você não sabe de nada, sacou. E eu não posso explicar isso para você. Eu nem deveria ter vindo aqui dizer adeus. Isso, foi um grande erro."


Ela gesticulou para que ele se afastasse da porta. Ele não se moveu. Só então ela percebeu que sua posição perto da porta tinha sido deliberada. Ela bufou, mais brava com si mesma, do que ela estava com ele. Ela tinha que começar a ficar mais esperta, realmente rápido, ou ela viraria churrasco. Quentin pegou e segurou seu olhar, seus olhos se tornando tempestuosos. "Só me diga em que tipo de problema que você está," disse ele, lenta e deliberadamente. "E eu vou cuidar dele. Eu não vou fazer perguntas que você não pode ou não quer responder. Tudo que você tem a fazer e me dizer o que está errado." E simples assim, seu pânico estava de volta, só que dessa vez era por ele. Ela saltou para frente e agarrou-o pelos ombros. "Você me escute." Ela tentou sacudi-lo, mas ele era muito grande. A teimosia em seu rosto a fez grunhir. "Eu falo sério. Você tem que me levar a sério. Aconteceu merda e eu não vou contar a você sobre isso. Eu estou saindo e é isso." Ainda olhando para ela, ele tirou suas mãos de seus ombros, envolveu-as juntos e as segurou contra o peito magro. "Pia, nós nos conhecemos por quatro anos, e nós temos respeitado a privacidade um do outro muito bem até agora. O que quer que você seja, eu sei que você é uma boceta inteligente...." "Você me diz isso, com uma cara séria, depois que me apaixonei por Keith. Que piada" disse ela. Ela tentou livrar suas mãos, mas ele não as deixou ir. "Você cometeu um erro estúpido. Isso não faz de você uma estúpida", disse ele, esmagando suas mãos contra o peito até que ela as sentiu pulsar. "Eu tenho visto você observando como as coisas funcionam por aqui. Você acha que eu não tenho contatos ou influência? Deixe-me ajudá-la. Ela parou de lutar, já que não foi capaz de se soltar de qualquer maneira. "Eu sei que você tem influência. Tem que haver muitas razões pelas quais o Elfie, tem uma clientela grande e leal de mestiços e por que você fala com muitos deles aqui, em seu escritório. E eu tenho certeza que tem que ser um monte de conversas interessantes, durante seus jogos de poker segunda-feira à noite. A julgar pelas outras visitas e entregas na porta de trás, eu também estou quase certa de que você tem contatos no território Élfico, e só Deus sabe com quem mais.” "Então você deve saber que eu posso ajudá-la", disse ele. Ele pareceu perceber que a estava machucando e afrouxou o aperto. "Tudo que você tem a fazer é me deixar fazê-lo." Ela revirou os olhos. Ela sabia que ele era teimoso, mas isso era ridículo. "Ainda não está me ouvindo. Você. Não pode. Ajudar-Me." Ela virou suas mãos para cima e apertou a dele. "Nós ainda não vamos falar sobre isso, mas só pense por um minuto, certo? Dragão?" Ela enrolou suas mãos em garras. "Rugido? Eu saindo da cidade?" Ele empalideceu, enquanto olhava para ela. "O que você fez?" Ela balançou a cabeça. Pelo menos ele estava levando a sério, agora. "Tudo o que você precisa saber é que meu tipo de problema é passado e superado. Não faça nada. Melhor ainda, nem mesmo pense em fazer alguma coisa. E Deus, Quentin, não vá atrás de Keith. Há algo de muito ruim e assustador lá fora, que acha que pode mexer com Cuelebre e escapar. "Inclinando-se para frente, ela deixou um pedaço de sua testa encostar-se ao peito dele. "Depois de lhe dizer tudo e apenas isso, agora eu vou ter que te matar. Por favor, me escute. Você veio a significar muito para mim e eu não quero ouvir que você foi ferido ou morto. Especialmente quando não há nada que você possa fazer, de qualquer maneira.”


Seus braços foram em volta dela novamente e ele a apertou tão forte que ela perdeu o fôlego. Então, ele colocou seus lábios junto ao seu ouvido. "Eu não vou", disse ele, "deixar você sair correndo sem lhe ajudar. Lide com isso." Ela gemeu e empurrou contra ele, mas ele não a libertou. "Qual é o problema com você, idiota? Você deseja a morte?" "Ah, cala a boca. Claro que não. Eu só cuido dos meus." disse Quentin. Ele a soltou e caminhou até sua mesa. Surpresa, ela cambaleou e girou em volta para localizá-lo. Sua boca afinou-se em linhas severas. Ela viu novamente a sombra de algo assustador escurecer seu rosto. Ele lançou-lhe um olhar irônico. "Mesmo se você faz coisas estúpidas, incompreensíveis e grita como uma menina." "Foda-se. Você não é o meu chefe. Não mais, pelo menos."ela murmurou. Ela o observou abrir seu cofre de parede com rápida eficiência. Ele puxou um envelope e entregou a ela. "Você ira para lá", disse a ela. "Para um pequeno lugar que eu possuo." Sua atitude autoritária causou um breve impulso de raiva, espirrando como o tiquetaque de um motor, mas estava perdendo a energia para lutar com ele. Ela abriu o envelope, tirou duas chaves de casa, presas em um anel de metal simples e apenas olhou para ele. "Pergunte-me onde é. Diga, 'Quentin, onde é?‟”, ele disse. "Vá em frente." "Quentin, onde é?" Ela papagaiou sem expressão, enquanto começou a jogar as chaves sobre a mesa. "Por que, obrigado por perguntar, Pia. Quão educada, não é característico de você." Ele caminhou de volta e disse-lhe: "É fora de Charleston.” Ela congelou no meio do lançamento das chaves. "Carolina do Sul, Charleston? A sede da Corte Elfica Charleston, bem no meio de seu território?" Quentin sorriu. "Esse é o único. O Cuelebre não poderá entrar sem a permissão do Alto Senhor Elfico, ou ele quebra todos os tipos de tratados e as coisas ficarão realmente fodidas para ele." Seu sorriso desapareceu e ele procurou seu olhar. "Eu não sei o que acontece depois que você chegar lá ou qual será seu próximo passo. Isso pode não fazer nada além, do que aproveitar alguns políticos mais Antigos, para comprar-lhe algum espaço para respirar. Mas é um primeiro passo.” "Sim, é", ela respirou, olhando para as chaves. Ela as enfiou no bolso e jogou os braços ao redor de Quentin. Talvez, apenas talvez, havia esperança para ela depois de tudo. Quentin empurrou outro conjunto de chaves para ela e a levou por trás até o pequeno estacionamento adjacente aos fundos do bar. Ele parou ao lado de um despretensioso Honda Civic, azul, 2003. "Pegue," disse ele. "Isso é muito generoso", disse ela, com a garganta obstruída. "Você está relacionado com o carro." Ele recusou-se a pegar as chaves de volta. "Olha, o carro não pode ser rastreado até você, ou de volta a mim. Eu mantenho uma meia dúzia deles. Ele não é grande coisa. Cale-se e entre.” "Eu vou sentir sua falta", disse ela. Ele deu-lhe um abraço forte. "Isso não é um adeus." "Claro que não é." Ela colocou os braços ao redor de sua longa cintura e segurou-o com força. "Falo sério, Pia. Encontre uma maneira de se manter em contato para me informar que está tudo bem, ou eu irei atrás de você."


Ela só podia esperar que algo acontecesse, para impedi-lo de cumprir essa promessa. Ele tinha que ficar de fora dessa bagunça. Ela não podia suportar o pensamento de que ela poderia ter colocando seu chefe e amigo em perigo de ser morto, porque ela não podia ir embora sem dizer adeus. Ele apertou seus lábios em sua testa e recuou. "Vá em frente, saia daqui." Ela apertou o botão de desbloqueio no anel de chave, jogou a mochila no banco do passageiro e subiu no carro. Quando ela parou no fim do quarteirão, ela olhou no espelho retrovisor. Quentin ficou à beira do estacionamento observando-a, as mãos nos quadris. Ele acenou para ela. Houve uma brecha no tráfego. Ela entrou na rua e ele se foi. Quentin tinha dito que a viagem de carro levaria mais ou menos umas doze horas, dependendo do tráfego, de Nova York a Charleston, a maior parte na I-95. Ela queria colocar tanta distância quanto fosse possível, entre ela e o território Wyr de Nova York. Após quarenta minutos, ela parou em uma Starbucks e comprou um sanduíche de salada de tofu e um café grande, tão forte que poderia ter desentupido sua banheira. Em seguida, ela dirigiu até não poder ver direito. Os territórios das raças Antigas estavam sobrepostos ao mapa geográfico humano. Havia sete territórios Antigos nos Estados Unidos, incluindo o território Wyr situado em Nova York e do Tribunal Elfico que estava situado em Charleston. Cada território tinha seu próprio senhor ou senhora que aplicava suas leis. Alguns governantes Antigos preferiam viver a uma distância da humanidade. Eles mantinham suas Cortes em outros espaços, onde somente aqueles com aptidão mágica poderiam discernir e atravessar as fronteiras dimensionais. Outros, como Dragos, moravam no reino humano. Ela não estava certa onde a fronteira Wyr-Elfica estava, então dirigiu até ter certeza de que ela tinha atravessado. Sensata ou não, ela se sentiu um pouco, despindo-se do medo. Finalmente, por volta das 3h00 da manhã, o esgotamento com o qual ela vinha lutando, não aceitou um não como resposta. Ela parou em um motel e conseguiu um quarto com uma de suas identidades falsas. Após colocar a tranca na porta, deixou cair à mochila em uma cadeira e se afundou na cama. A sala girou, conforme ela tirava um sapato e depois o outro. Eu poderia dormir por um mês, ela pensou enquanto era sugada por um redemoinho escuro. Ela não era tão sortuda.

Dragos estava parado à beira da varanda de sua cobertura, no topo da torre Cuelebre. Ele olhou para sua cidade enquanto o sol se aproximou do horizonte. A essa hora do dia, a luz do sol se pondo parecia um pesado peso de ouro, com a riqueza e complexidade de um raro, vinho branco envelhecido. Seus pés estavam plantados afastados, as mãos cruzadas atrás das costas. A sacada era um de seus lugares favoritos para meditar. Não havia grades. Era uma grande saliência que acompanhava a circunferência do prédio, o que tomava o tamanho de um quarteirão. A varanda era um lugar acessível, o mais privado lugar para se lançar ou pousar quando ele não tinha vontade de ir para o telhado, que era


usado por suas sentinelas e alguns outros membros privilegiados de sua Corte. Ele podia entrar ou sair da cobertura de qualquer uma das muitas e grandes portas em estilo francês. As Empresas Cuelebre eram o guarda chuva, para vários números de empresas e era consequentemente classificadas entre as dez primeiras maiores corporações do mundo. Cassinos, hotéis e resorts, comércio, transporte, estoque internacional de avaliação de risco (exército privado para contratar), bancos. Ele empregou milhares de Fae, Elfos, Wyr e os seres humanos em todo o mundo, embora a maioria dos da raça Wyr preferissem viver no estado de Nova York para que eles pudessem viver dentro da lei e proteção de seu território. Aqueles Wyr que se agruparam na Corte de Dragos e ocuparam posições chave em suas empresas, tendiam a ser predadores de algum tipo, o tipo de Metamorfo que prosperou em um competitivo, volátil, às vezes violento ambiente, embora houvesse alguns cabeças duras, exceções como a fada RP das Empresas Cuelebre, Thistle Periwinkle, conhecida por seus amigos como Tricks. Como Rune, o seu Primeiro, todas as suas sete sentinelas eram criaturas imortais, forte em Poder. Eles também eram aves de rapina, de algum tipo. Havia os quatro grifos, Rune, Constantino, Graydon e Bayne, cada um responsável por manter a paz em um dos quatro setores do seu território. A gárgula Grym estava encarregada da segurança corporativa para as Empresas Cuelebre. Tiago, um dos existentes e conhecidos três pássaros trovão chefiava a segurança privada de Dragos. Por último, mas não menos importante estava a harpia Aryal, que estava encarregada das investigações. Ela não aceitou muito bem transferir as rédeas da investigação do roubo, para Rune. Ela não era conhecida por ter um temperamento sereno. Havia uma razão para que ela tivesse subido, a uma posição tão preeminente em sua Corte. O sorriso de Dragos era sombrio. A harpia era uma cadela do inferno quando ela perdia a paciência. Ele enfiou a mão no bolso da camisa e retirou o pedaço de papel deixado por seu ladrão. A mensagem estava escrita na parte de trás de um recibo de 7Eleven. O papel fino já estava ficando marcado por seu manuseio. Ele abriu e leu o que o ladrão tinha comprado ontem. Um pacote de Twizzlerse uma grande Coca Slurpeede cereja. “Rune” disse ele telepaticamente. A resposta de seu Primeiro foi imediata. “Meu senhor”. “Você irá para - ele olhou para as letras desbotadas no recibo - a Rua Quarenta e Dois, loja 7Eleven e irá recuperar todas as imagens de segurança deles, das ultimas vinte e quatro horas. Há uma boa chance do nosso ladrão ter sido pego nelas.” “Verdade”, demorou Rune, seus instintos caçadores ativados. “Saindo agora. De volta dentro de uma hora.” “Ah, e Rune? Traga na volta, Twizzlers e uma Coca Cola Slurpee de cereja”. Ele queria saber o que essas coisas eram. “Claro. Pode Deixar”, disse o Primeiro, claramente surpreendido. “Dragos?” “O quê”. Ele apertou os olhos e se espreguiçou, aquecendo-se com o resto de luz solar. “Alguma ideia de qual tamanho você quer o seu Slurpee?” A voz mental de seu Primeiro soou estranha.


Eles se conheciam e trabalhavam juntos por várias centenas de anos. Dragos disse, “Você sabe meus gostos bem o suficiente. Será que vou gostar?” Agora que Dragos estava de volta no controle de seu temperamento, Rune caiu em sua informalidade amigável normal. “Uh, eu acho que não, amigo. Eu nunca soube que você consumiu comida lixo antes”. “Peça uma pequena, então”. Dragos segurou o recibo no alto, cheirou e franziu a testa. Mesmo com o nariz sensível, o recibo estava começando a perder aquele delicado perfume feminino e cheirava como ele. Ele caminhou para dentro. A cobertura tomava o ultimo andar da Torre. Logo abaixo, ficavam seus escritórios, salas de reuniões, um salão de jantar executivo, a área de treinamento e outras áreas públicas. O terceiro andar abaixo alojava suas sentinelas e outros oficiais superiores da Corte e corporativos. Se tivesse um edifício de um tipo, seria uma mansão. Todos os quartos e salas foram construídos em uma escala maciça. Dragos localizou a cozinha na cobertura. Era um lugar estranho, cheio de máquinas de cromo e bancadas. Não havia ninguém ali. Ele foi em busca da cozinha comunitária, responsável por servir a sala de jantar e atender as necessidades de todos os sentinelas, os executivos corporativos e da Corte. Ele a localizou no próximo piso, abaixo. Ele caminhou pelas portas duplas. Meia dúzia dos funcionários da cozinha congelaram. No canto um brownie* deu um grito de espanto e desapareceu na invisibilidade. A chef comandante correu para frente, torcendo as mãos. Ela era um lobo terrível em sua forma Wyr, mas ela mantinha a forma humana, a de uma mulher de meia-idade, de cabelos grisalhos, durante o horário de trabalho. "Esta é uma honra inesperada, meu senhor," ela se emocionou "O que podemos fazer por você?" "Há sacos de plástico com zíperes sobre eles. Eu os vi em comerciais", disse Dragos para ela. Ele estalou os dedos, tentando lembrar o nome. "Você coloca comida dentro deles." "Sacos Ziploc?", ela perguntou em voz cautelosa. Ele apontou para ela. "Sim. Eu quero um” Ela se virou e rosnou para sua equipe. Uma fada saltou para um armário e depois saltou para eles. Ela se curvou para Dragos, abaixou a cabeça e os olhos no chão, enquanto segurava uma caixa de papelão, aberta. Ele tirou um saquinho, colocou o recibo da 7Eleven dentro e a fechou. "Perfeito", disse ele, colocando a pequena bolsa no bolso da camisa. Ele saiu, ignorando o murmúrio que subiu atrás dele. Enquanto esperava Rune aparecer, foi para seu escritório para enfrentar as questões mais urgentes, que esperavam sua atenção. Seus quatro assistentes, todos Wyr, escolhidos a dedo por sua inteligência rápida e disposições resistentes, ocuparam as outras salas, que foram enfeitadas com obras de resumo expressionismo, de artistas como Jackson Pollock e Arshile Gorky e escultura de Herbert Ferber.

*(Um elfo legendário, de boa natureza, que executa serviços úteis, a noite)


Localizado num canto do edifício, seu escritório era decorado em tons naturais, com madeira e pedra. Assim como a cobertura, as paredes externas do escritório eram de placas de vidro combinadas com Portas Francesas de ferro forjado, que se abria para uma varanda privada. As paredes interiores eram adornadas por duas telas, nas quais mais do que apenas tinta, havia sido utilizada para criá-las, encomendadas da falecida artista Jane Frank*. Elas eram da Serie Aerial**, que capturaram paisagens como vistas de cima, em pleno voo. Uma tela apresenta a paisagem de dia, e a outra, de noite. Após sentar-se em sua mesa, seu primeiro assistente, Kristoff, enfiou sua desgrenhada e escura cabeça pela porta. Dragos cerrou os dentes em uma onda de irritação. Com a cabeça inclinada sobre os contratos, em sua mesa, ele disse, "Aproxime-se com cautela." A natureza ursine do Wyr e seu comportamento desajeitado, mascaravam um MBA treinado de Harvard, com uma mente perspicaz, sagaz. Sendo um urso inteligente, Kristoff disse as duas palavras, garantidas a chamar sua atenção. "Urien Lorelle". Sua cabeça se ergueu. Urien Lorelle, o Rei Dark Fae, foi um dos sete governantes das Raças Antigas; seu território estava situado na maior área de Chicago e ele era o cara que Dragos mais amava odiar. Ele sentou-se e flexionou as mãos. "Traga-o." Com braços em excesso, Kristoff avançou e derramou documentos sobre a mesa. "Eu consegui a ligação que estávamos procurando, entre Lorelle e o desenvolvimento de armas. Aqui estão as copias exatas de tudo. O arquivamento 10-K com o SEC da Transcontinental Power and Light, a declaração por procuração do ultimo ano e relatório anual e as suas ligações de conferências trimestrais, dos ganhos corporativos. Eu marquei as páginas relevantes e digitei um relatório." Formado na última parte do século XIX, a Transcontinental Power and Light, Inc., foi uma das maiores companhias de serviços públicos, proprietária investidora do país. O Rei Dark Fae era o maior acionista individual. Dragos pegou o arquivamento 10-K e começou a folheá-lo. O documento da Comissão de Títulos e Valores Imobiliários era grosso, cerca de 450 páginas em tamanho, recheado de estatísticas, tabelas e gráficos. Urien Lorelle e ele compartilhavam tantas diferenças de opinião. A empresa de serviços públicos de Lorelle era partidária da mineração que removia os topos das montanhas. Dragos preferia que os topos permanecessem onde ele pudesse vê-los. As fábricas obsoletas de Urien, que funcionavam com a queima de carvão, haviam emitido mais de cem milhões de toneladas de dióxido de carbono anualmente. Dragos preferia respirar ar puro quando ele voava. Urien queria vê-lo morto. Dragos preferia ver Urien não apenas morto, mas completamente destruído "É porque você prefere viver em uma Outra terra. Você não se importa o quanto você polui este lado das coisas, seu bastardo retrógrado ", ele murmurou. Ele disse a Kristoff, "Resuma".

*(http://en.wikipedia.org/wiki/Jane_Frank) **(http://en.wikipedia.org/wiki/Aerial_landscape_art)


Seu assistente disse, “A Transcontinental estabeleceu uma parceria chamada RYVN, a sigla...bem, isso não importa. RYVN entrou com um pedido de concessão, junto ao Departamento de Energia, para limpar um local antigo do Departamento de Energia no Meio Oeste, que produzia combustível nuclear e de defesa, lá pelos anos 50. RYVN diz que quer explorar a construção de uma nova central de geração de energia nuclear no lugar, junto com novos contratos com o Departamento de Defesa.” Seus olhos brilharam, como lava quente. Ele sussurrou, "Aplicações de defesa." Kristoff balançou a cabeça, olhos escuros, brilhantes. "Armamento". Os documentos financeiros que ele segurava, cheiravam a tinta de impressora e papel, mas Dragos sentiu o sangue de uma morte iminente. "Fale com nosso contato no DOE,” disse Dragos. "Certifique-se de que ele rejeite o pedido de concessão da RYVN e saiba por quê. Depois de ter feito isso, eu quero que você destrua a parceria com a RYVN. Quando isso for feito, vá atrás dos parceiros individuais e desmantele-os, um por um. Chefie o projeto você mesmo.” "Certo", disse Kristoff. "Sem misericórdia, Kris. Quando terminarmos, ninguém se atreverá a fazer parceria com Urien em algo deste tipo novamente." Kristoff perguntou: "O orçamento do projeto?" "Ilimitado." O Wyr-urso se virou para ir embora, e ele acrescentou: "E Kris? Certifiquese de que eles saibam quem os derrubou. Especialmente Urien." "Considere feito". Kristoff deu-lhe um sorriso. Tantas diferenças de opinião entre ele e o Rei Dark Fae. Tanto ódio, tão pouco tempo. Só então Rune apareceu na porta, vestindo jeans rasgados, coturnos e uma camiseta da Grateful Dead*. Os cabelos castanhos amarelados estavam penteados pelo vento. Ele carregava duas bebidas em um suporte de papelão, um saco de plástico e uma pasta grossa, de documentos, debaixo de um braço. Ele despejou o conteúdo do saco. Pacotes de Twizzlers caíram sobre a mesa. Dragos abriu um pacote aberto, rasgando-o. Rune empurrou canudos nas bebidas, deu-lhe uma e manteve a outra. "Eu tenho as imagens", disse Rune, apontando para a pasta debaixo do braço. "Você sabe o que estamos procurando?" "Faça cópias de qualquer um que comprar Twizzlers e Coca Slurpees de cereja e traga-as para mim. Apenas essas duas coisas, nada mais. Será uma fêmea, embora ela possa estar disfarçada." Dragos deu uma dentada em uma corda vermelha de doce. Ele olhou com desgosto para a outra metade restante em sua mão e jogou-a na lata de lixo. Então ele pegou a bebida e chupou o canudo com cautela. Rune caiu na risada com sua expressão. "Eu disse que não iria gostar." "É, você o fez." Ele deu um gole no Slurpee. "Aparentemente, você procura nas fitas, por alguém sem gosto." "Isso não deve demorar muito. Agradeça aos Poderes pela tecla de avanço rápido", disse Rune. Ele surrupiou alguns dos pacotes de Twizzlers, piscando para Dragos. "Já que você não gosta deles." ele disse e saiu.

*(http://www.hippieshop.com/cgi-bin/gold/category/21000GDT)


Dragos voltou a trabalhar, mas sua concentração tinha se espalhado para outros assuntos. Ele mantinha três widescreens na parede oposta, em diferentes canais de notícias. Seus outros três assistentes vieram e se foram. A pequena linha de manchetes de um canal chamou a sua atenção e ele aumentou o volume. A estimativa preliminar de custo, para os danos que ele causara à tarde, já estava na casa das dezenas de milhões. A equipe de reportagem realizava entrevistas com os pedestres. Uma mulher disse, entre lágrimas, "Esqueça os danos materiais. Eu ouvi aquele som mais cedo hojee eu farei terapia para o resto da minha vida. Eu quero saber se Cuelebre vai pagar por isso!” Ele apertou o botão mudo. Aquele centavo estava se tornando malditamente caro. Fora das janelas do tamanho da parede, o fim da tarde se transformou em completa noite. Então Rune veio galopando de volta em seu escritório, um papel nas mãos. "Eu consegui, eu a consegui," seu Primeiro exclamou. "Muitas pessoas compraram um monte de porcarias, mas apenas uma mulher comprou somente Twizzlers e uma Slurpee. Quais são as chances?" Dragos recostou-se em sua cadeira. Ele sentiu um pulso de escura antecipação conforme Rune entregava-lhe o papel. Ele examinou todas as fotos. Eram de uma cena fixa da caixa registradora da 7Eleven e das portas da frente de vidro. Rune jogou sua grande forma em uma cadeira, assistindo-o impaciente. Dragos limpou a grande extensão de sua mesa e começou a espalhar as fotos uma a uma. Rune tinha imprimido várias sequências de 8X11. Quando Dragos colocou a ultima foto em branco e preto, ele quase podia imaginar a mulher das fotos se movendo. Ele não podia esperar para ver o filme e assisti-la em seu movimento real. Ali estava ela, abrindo a porta. Moveu-se para a esquerda e desapareceu do alcance da câmera. Lá estava ela novamente, reaparecendo, segurando um pacotede Twizzlers e uma bebida Slurpee em mãos esguias. Ela pagou, deu ao caixa um sorriso. A última foto era dela empurrando a porta da frente, para fora. Ele passou os olhos por cima das fotos novamente, com mais cuidado. O ângulo das tomadas fez com que ficasse difícil dizer com certeza, mas ela parecia ter a altura normal de uma mulher humana alta. Ela era graciosa como um whippet*, ossos longos e curvas delicadas. A câmera captou a inclinação e a depressão de suas clavículas. Usava o denso cabelo em um rabo de cavalo que estava um pouco desalinhado, e era ou branco ou outra cor clara. Ele apostava em algum tom de loiro. Seu rosto triangular era muito jovem para ela ser grisalha. A linha de sobrancelhas escuras de Dragos baixou sobre seu nariz de lâmina reta. A mulher parecia cansada, preocupada. Não, ela parecia mais do que cansada, ela parecia assombrada. O sorriso que ela deu o caixa foi cortês, mesmo gentil, mas triste. Ela não era o que ele esperava, mas sabia nos seus velhos e cruéis ossos, que aquela era a sua ladra. Ele traçou com um dedo a silhueta de sua figura enquanto saia pela porta do 7Eleven. Era a única foto dela indo embora. Ele não gostou desta foto. Bateu a mão achatada nela e a amassou em seu punho.

*(http://pt.wikipedia.org/wiki/Whippet)


"Eu tenho você", disse ele. “Eu tenho apenas uma pergunta para você”, disse Rune. As pernas longas do Grifo estavam espalhadas, seus olhos curiosos. "Como é que você sabia para onde me mandar e o que procurar?" Dragos olhou para cima com um flash de ciúmes secreto. "Não importa como. Nós a encontramos e sua parte nisto está feito. Você pode voltar aos seus deveres regulares". Rune acenou para as fotos. "O que tem ela?" "Eu vou cuidar dela". Dragos mostrou os dentes. "Vou caçar esta aqui. Sozinho." Ele dispensou Rune, subiu para o seu quarto na cobertura e abriu as portas francesas. O ar de fim de primavera lambeu o quarto. Ele ficou a porta olhando as luzes da cidade brilhando. “Onde está você, ladra? Eu sei que você está correndo para algum lugar.” Ele disse para a noite. Ele levantou a cabeça para a brisa, que carregava uma mescla complexa de aromas da cidade. Poder, mágico ou não, tem seu próprio conjunto de hábitos. Ele percebeu que havia caído em uma complacência aborrecida. Ou a vida moldava-se ao que ele desejava ou ele a dobrava a sua vontade. Ele não pedia, ele tomava. Se um interesse comercial o ameaçasse, ele os destruía. Sem piedade. Ele havia se acomodado na preguiça nada sofisticada da força bruta. Dragos convocou seu Poder e começou a sussurrar distraidamente para a noite. Ele segurou a imagem de sua ladra firmemente em sua mente. As linhas mágicas dobraram-se como músculos há muito não usados e começaram a se curvar para fora, na brisa. Era só uma questão de tempo até que ele encontrasse seu alvo. Peguei você.


Três

Pia sonhou com uma voz sussurrante, sombria. Ela se mexeu e virou, lutando para ignorá-la. Exaustão era uma algema poderosa. Tudo o que ela queria fazer era dormir. Mas a voz insinuou em sua cabeça e afundou forte as garras de veludo. Ela abriu os olhos para descobrir que ela estava de pé à beira de uma espaçosa varanda que pairava alta sobre Nova York. A cena da noite era deslumbrante. Luzes de todas as cores foram pintadas com spray em massivos arranha-céus contra um fundo roxo-preto. Ela olhou para baixo. Ela estava descalça e parada sobre lajes, não concreto. Não havia um corrimão. Ela gritou e caiu sobre seu traseiro enquanto ela cambaleava para trás. Ela arrastouse para trás até que ela colocou vários metros entre ela e o precipício. Então ela notou suas longas pernas nuas saindo de uma négligé branca simples. A lingerie acentuava seu copo esguio, leve, de constituição forte e vigorosa. Négligé? Ela tocou o material acetinado. Ela não tinha uma négligé. Tinha? Ela podia jurar que ela não tinha ido para a cama com ela. A propósito, onde mesmo ela tinha ido para a cama? A luminescência suave perolado acendeu as lajotas ao seu redor. O sangue correu por seu corpo em uma onda de adrenalina. Oh merda, ela estava brilhando. Isto não era bom mesmo. Ela empurrou o cabelo do rosto. O brilho a fez se sentir mais nua do que ela teria se sentido se ela estivesse nua. Ela não tinha perdido o controle sobre o feitiço de amortecimento desde que ela era uma criança. Ela se atrapalhou com o feitiço que iria proteger a luminescência e fazer sua pele parecer humana. Era perigoso para ela estar tão exposta, mas ela parecia ter esquecido como lançar o feitiço. "Aí está você," uma voz profunda e tranquila, disse. "Eu estava esperando por você." Essa voz. Uísque e seda, imutável e masculina. Derramou-se sobre ela e colocou seu corpo em chamas. Ela foi privada do ar. Seus lábios se separaram em um ofegar silencioso. Ela se virou para as elegantes e abertas portas francesas forjadas em ferro negro. Cortinas brancas, diáfanas, medindo do teto ao chão, ondulavam com a brisa. Elas obscureciam tanto quanto revelavam. "Você quer entrar agora." Aquela bela e incomparável voz criou um profundo desejo que sacudiu através dela. Ela pôs-se de pé. Uma pequena parte de sua mente se rebelou. Um olá, foi o que disse essa pequena parte para ela. Devagar com o desejo. Lembre-se o que aconteceu da última vez que você cedeu ao desejo. Você se apaixonou por um babaca que chantageou você. Você perdeu tudo e teve que começar a fugir. A cena a sua volta piscou e começou a se desvanecer. O sussurro escuro surgiu com força até que era tudo o que ela podia ouvir ou pensar. Ela estava tão solitária que seu peito doeu. Na verdade, doeu fisicamente. Ela apertou uma mão entre os seios e olhou em volta, confusa. A voz hipnótica ordenou, “Você entrara agora.”


De repente era a única coisa que Pia queria fazer. Ela foi até as cortinas e levantou-as com uma mão ao mesmo tempo em que olhava para um enorme quarto nas sombras. Um macho reclinado em lençóis pálidos sobre uma enorme cama de estrutura escura. Ele tinha um físico maciço, músculos densos se salientado nos longos membros, a pele nua de seu escuro torso contra o linho pálido. O cabelo caído sobre a testa forte era ainda mais escuro. Uma boca sensual curvou-se em um sorriso cínico. Apenas seus olhos brilhavam contra a escuridão com um ligeiro, calculista e feiticeiro brilho… Um desconforto deslizou por suas costas, como suaves pés de rato. Havia algo de importante que ela deveria se lembrar sobre seus olhos. Se pelo menos, ela pudesse pensar sobre isso. Um poder como champagne preencheu o quarto, fazendo-a se sentir como se estivesse nadando nele. Ela nunca tinha estado na presença de tanta magia antes. Se pressionando contra sua pele, alegrando e amedrontando, viciando. Transformou o fogo que a voz tinha acendido dentro dela, em desejo liquido. Um som animalesco brotou dela. O homem desenrolou um longo braço muscular e estendeu a mão para ela. A resistência se derreteu. Ela foi até ele com pressa. Mal tinha chegado àcama quando ele explodiu em ação. Segurou seus braços, arrastou-a através de seu corpo e derrubou-a sobre o colchão, conforme rolava sobre ela. Fixando-a com seu corpo pesado, ele trançou as mãos em torno de seus pulsos brilhantes e puxou-os sobre sua cabeça. A força entrelaçada em seus dedos fez com que a carne e osso que elas algemavam parecessem reduzidas e frágeis. Magia e desejo a sufocou. Sua respiração se tornou irregular,sua violência controlada e o domínio de seu corpo pressionando-a para baixo. Um calor sexual cresceu em baixo de seu corpo com a junção entre as coxas lisas. Magia e desejo a sufocaram. Sua respiração se tornou irregular diante da violência e dominância controlada dele e do corpo pressionando o seu para baixo. Um calor sexual agrupou-se baixo, em seu corpo e a junção entre suas coxas cresceu em umidade. Um estrondo começou baixo em sua garganta. A cama tremeu com o som selvagem. Seu rosto duro e sombrio era talhado com o mesmo material invencível que formava seu corpo. Havia algo familiar sobre seu cabelo espetado negro. "Olhe para mim", disse ele, empurrando o rosto para baixo até que eles estavam nariz a nariz. "Olhe para mim." No brilho perolado de seu corpo, seu olhar brilhou ouro como os olhos de um falcão. Olhos de predador. Olhos de um Feiticeiro. Um aviso soou em uma parte distante de sua mente, mas era tarde demais. Ela jogou a cabeça para trás e olhou em seus olhos. Simples assim, e ela estava na armadilha como uma aranha na teia. Ele poderia fazer o que quisesse com ela agora, qualquer coisa mesmo. Ela descobriu que era impossível se importar. Ela descobriu que queria estar nesta armadilha. Ela esfregou contra seu tenso e sexy corpo. Foi tão bom ser imobilizada por ele, um prazer renegado que ia contra tudo o que ela tinha sido ensinada ou pensava que sabia sobre si mesma. "Ah, qual é o problema com você", ela gemeu. Ela arqueou o pescoço e tentou ajustar o ângulo de seus quadris direito. Essa área entre as coxas dela estava começando a pulsar com um vazio insistente, profundo e dolorido. "O que você está esperando?" Ele se deteve, como se tivesse se surpreendido. Então algo mudou entre eles. Ela não sabia o que era, mas ela pode sentir quando aconteceu. O ar ficou ainda mais elétrico,


um fio vivo pulando sem aterramento, estabelecendo uma força, que ia e vinha entre eles. Então ele deslocou-se em lenta deliberação, acomodando-se completamente sobre ela. Seu rosnado se aprofundou, um ruído surdo vibrando naquele enorme e musculoso peito. Seus olhos eram selvagens, vorazes. Sua cabeça desceu sobre ela com a força do mergulho de uma ave de rapina. Lábios abertos e rígidos capturaram os dela. A suave sedução que havia estado anteriormente em sua voz, tinha desaparecido. Ele empurrou em sua boca, penetrando-a com uma língua quente e faminta, enquanto ele a pressionava contra a cama com seus quadris. Algo estava duro e pesado ao longo de sua barriga lisa. Com uma sensação de choque ela percebeu que era uma ereção enorme. Seus lábios tremeram sob os dele quando ela choramingou "Isso é tão bom." Ela trabalhou seus músculos das costas, tentando esfregar os quadris em seu pênis. Ele respirou fundo e murmurou uma maldição abafada. Ele transformou seu corpo em uma enorme gaiola, feita de ossos, músculos e fome conforme se curvava ao redor dela, prendendo-a com os braços, pernas e seu peso. Ela se arqueou com toda a força, alegre dentro da gaiola, que lhe deu um sentimento absurdo de liberdade. Ela gemia, conforme eles comiam a boca um do outro, frenéticos para se consumirem um ao outro. As mãos dele se moviam em seus pulsos, algemas incansáveis. Sua língua impôs um ritmo agressivo conforme ele fodia sua boca. O ritmo antigo primitivo só fez a sua necessidade pulsar mais quente. Ela precisava dele para penetrá-la de outras maneiras. Ela se contorceu e ele se moveu de maneira que uma grande coxa musculosa estava em cada lado dela, o que deixou seus quadris em perfeito alinhamento com a pélvis dolorida dela. Este movimento também trouxe o comprimento de sua ereção contra seu clitóris. Ele se apertou contra ela, flexionando-se como um grande felino caçador, esfregando o comprimento, quente e duro de carne ao longo do cume gracioso de seu osso pélvico. Um prazer correu por seu corpo como garras frenéticas. Ela choramingou em sua boca e empurrou seus quadris contra ele. Vagamente ela soube que algo estava errado. Ela estava agindo fora do personagem, mesmo para um sonho sexual. Tinha algo a ver com uma vida de solidão, com a sensualidade elétrica que este macho exalava, com o chamado dele pela feitiçaria e com ela olhando em seus olhos, tornando-se enredada, com sua paciência sedutora e astuta. Ela tentou se segurar a aqueles pensamentos, mas eles correram como água fluindo através de seus dedos. Seu frenesi sexual – o frenesi sexual dele, derramandose sobre e através dela, anulou tudo. Com dificuldade, ele afastou a boca da dela, virou a cabeça para um lado e disse alguma coisa, com a voz entrecortada. As palavras eram estranhas, a linguagem áspera e queimando com o Poder. Elas pareciam maldições. Suas mãos deslizaram longe de seus pulsos. Uma mergulhou para baixo colando seus quadris mais apertados contra ele. A outra subiu para espalmar seu delicado seio, enquanto ele deitava duro contra ela. Seus lábios saqueadores deslocaram-se para baixo e o lado,de seu rosto para sua garganta. Ele a mordeu, um gesto selvagem e arcaico que enviou um terremoto por seu corpo. Ela gritou e passou as unhas para baixo, na imensa musculatura das costas dele, enquanto ela enrolava as pernas em torno dos quadris dele, tensos de bombear e puxou-o ainda mais. Eles estavam quase lá, quase lá. Ele rolou com ela até que ela estava deitada, esparramada em cima dele. Ela ajustou à nova posição com um meneio ansioso, a boca virada para ele, procurando pela dele. Mãos rígidas afundaram no cabelo dela e seguraram sua cabeça presa contra seu peito peludo. Ela precisava que ele se empurrasse dentro dela, como se ela nunca tivesse precisado de nenhuma outra coisa antes. Ela mergulhou uma mão entre eles para segurar a cabeça ampla e aveludada de seu pênis. Estava úmida na ponta.


Então, com seus pulmões trabalhando duro, ele puxou a cabeça para trás até que seus lábios estavam apenas tocando. Ainda empurrando seus quadris contra sua pélvis naquele lento, rígido ritmo sexual, esfregando o pau grosso contra a palma da mão dela, ele sussurrou em sua boca aberta, "Diga-me o seu nome." Ok, espere. Ela tinha que se lembrar de algo sobre isso. Ela se esforçou para pensar além da necessidade que queimava por ele. "Diga-me", ele sussurrou, as palavras se enrolando em torno dela, capturando-a mais firme. Espere um minuto. Sua respiração tremeu. Nomes têm poder. Poder, como aquele em sua voz. Ela procurou dentro de sua mente fluída pelo desejo, por uma boa mentira, mas ouvia a si mesma dizer, “Pia Giovanni.” Ela ofegou com a dor verdadeira e esfregou-se ao longo do comprimento do corpo dele, tentando reencontrar o ritmo que ele tinha começado. Ela precisava tanto gozar que poderia ter gritado. "Pia." Ele disse seu nome não mais do que em um sopro. Sua respiração quente enrolada ao redor dela, como tentáculos de fumaça de um incêndio infernal. "Bonito". Deus, foi inacreditável, como ele acariciou toda ela sem nada, a não ser com o Poder de sua voz. Ele lambeu sua pele quente e murmurou novamente, com aquela acariciante, escura e sedutora voz, "Mas esse é o seu nome humano, não é, querida? Você é algum tipo de Wyr. Eu preciso saber o seu nome real.” Então, como se ele não pudesse ajudar a si mesmo, ele segurou a parte de trás de seu traseiro e empurrou para cima e contra si, tão duro, que seus quadris deixaram a cama. Mas apenas espere. Dando-lhe o seu verdadeiro nome lhe daria Poder sobre ela. "Que todos os deuses tenham misericórdia, me diga." O gemido agonizante veio de seu âmago e explodiu nos lábios inchados e umedecidos dela. O fantasma da voz de sua mãe tocou com lucidez fria, seus pensamentos loucos de desejo. Nunca diga seu nome verdadeiro para ninguém, meu amor, ela disse a Pia. Mais e mais a mãe dela tinha repetido essa lição. Ela falou com o Poder de sua própria voz, para que a aula fosse fixada na mente de Pia, porque ela tinha sido uma criança caprichosa, às vezes. Se você disser a alguém o seu verdadeiro nome, você terá dado para sempre a esta pessoa, Poder sobre você. É o seu mais precioso e secreto tesouro. Mantenha-o seguro como você guarda a sua vida, já que o seu nome é a chave para a sua alma. O feitiço do sonho se despedaçou. "Não", ela sussurrou. Estaria ela negando a ele ou a sua mãe? Ela tentou se prender, segurando-se a seu tronco com as pernas, agarrando-se àquele espetado cabelo negro com dedos gananciosos. Ele rugiu. Parecia sentir tanta dor quanto ela. Ele a envolveu com braços fortes e apertados, mas ela já estava se tornando Imaterial. A seda crua de seu cabelo derreteu-se através de seu aperto. Ela retirou suas mãos, procurando por ele. Por um momento, ela sentiu os dedos que procuravam, roçando levemente os dela. Então ele se foi. Rapidamente e violentamente, ela se colocou consciente e saltou em sua cama com um grito silencioso. Seu coração martelava como se tivesse acabado de correr em uma maratona. Suas roupas sujas estavam encharcadas de suor, a colcha da cama do motel estava emaranhada debaixo dela. O ar condicionador sacudiu, soprando ar velho, desodorizado, através do quarto. O remanescente de magia permanecia choco no ar, como champanhe azeda. Seu corpo faminto chorou. Com um gemido, ela mergulhou a mão entre as pernas dela e apertou. Só fez doer mais.


Ela nunca tinha se sentido tão miserável, com luxúria não consumada. Ela se enrolou em uma bola infeliz, faminta por aquele amante do sonho e com medo dele ao mesmo tempo. Algo bem dentro dela começou a sussurrar seu nome. Então, o pânico a fez parar com isso. Ela não podia pensar sobre isso, não podia deixar que o que aconteceu tornar-se demasiado real, porque isso seria além de desastroso. Em seguida, ela se sobressaltou quando percebeu que ainda estava brilhando. O glamour de baixo nível, que escondia o brilho perolado de sua pele foi alimentado a partir de sua própria força vital. Era para permanecer ativo em todos os momentos, mesmo quando ela dormia. Sua mãe a ajudou a colocar o feitiço no lugar. Ela não tinha perdido o controle sobre ele em anos. Ela renovou o feitiço e reprimiu a si mesma para parecer humana novamente. Ela estava tão ferrada! Fazendo uma careta, ela se enrolou em uma apertada bola.

Dragos explodiu fora de sua cama, rosto contorcido, uma mão segurando sua dolorosa ereção. Suas bolas doíam tanto que ele tropeçou para frente, para se segurar nas bordas de uma cômoda de mogno próxima. Ele se inclinou sobre ela, estremecendo. Mas que diabos? O encantamento que ele enviou, deveria seduzir seu ladrão com a mais profunda fantasia, o desejo mais sincero dela. Ele não tinha esperado nada além de um sonho de riqueza ou poder, sucesso ou mesmo fama, mas sexo? Oportunista supremo, ele havia rido para si mesmo e tinha sido rápido em exigir, conforme ele a encantava mais fundo em sua armadilha de sonho. Então, ela pisou em seu quarto e seu mundo parou. Ela era mais adorável do que ele poderia ter imaginado, seu corpo brilhando com seu próprio luar interno. Sua mente foi capturada. O que era ela? Seu conhecimento das Raças Antigas estava perto de ser enciclopédico, compilado como tinha sido ao longo dos tempos. Ele voltou atrás, em busca de qualquer memória deste tipo de criatura e bateu em uma parede em branco. Tudo o que veio à mente foi aquela memória distante e atormentada da vez em que ele pegou uma amostra de um perfume na brisa que o deixou selvagem. Lembrou-se agora. Séculos atrás, ele havia mergulhado na floresta no Norte de Umbria e perseguido um aroma indescritível, selvagem, muito parecido com o do seu ladrão, captando-o e perdendo-o novamente em surtos intermitentes, certo de que ele ouviu o farfalhar de folhagens afiadas conforme alguma misteriosa criatura saltava para longe dele. A floresta tinha fervilhado com o Poder verde das coisas que crescem, lá atrás, quando tanto ele quanto o mundo eram muito mais jovens. No sonho, ele concentrou tudo o que tinha nesta mulher, ávido para entender e categorizar o que estava acontecendo e encontrar o lugar apropriado para isso em sua vasta memória. No entanto, ele não teve nenhum sucesso. A magia que estava numa parte inerente dela era delicada e delicada com filamentos de ouro, com camadas de complexidade e beleza femininas. Parecia selvagem e misteriosa, fresca como seu brilho de luar. Todo o seu corpo tinha se apertado em choque, assistindo enquanto ela caminhava em sua direção, com um balançar gracioso dos quadris estreitos, lábios generosos abertos e seu olhar radiante com anseio sensual. Anseio por ele, a Grande Besta. Cuelebre. Wyrm. Ele não se reconheceu, então, ou ao vulcão que entrou em erupção dentro dele. O animal atacou e a tomou com força e violência voraz. E ela tinha adorado.


Luxúria cega tomou conta dele, então, queimando-o de uma forma que nunca tinha experimentado antes. Ele se tornou uma presa dela e para ela, de corpo e velha e perversa alma. O encantador se tornou o encantado. A ondulação sensual daquela graciosa forma feminina debaixo dele foi como de uma epifania*. Tomar sua ansiosa e suculenta boca o fez voraz. Tudo o que podia pensar era em mergulhar seu pênis dentro dela em um êxtase de arrebatamento. Ele tinha conseguido se segurar à razão pela qual ele tinha lançado o feitiço, assim que reconheceu em um canto de sua mente que apesar do quão intenso e prazeroso este devaneio tinha sido, ele foi projetado para alimentar uma fome, não para aliviá-la. Servia para usar a fraqueza e desejos de sua presa contra ela para que ele pudesse tê-la sob seu controle. Nenhum deles conseguiria satisfação do sonho, o apetite só aumentaria. Mas, quando ele apertou o feitiço e a pressionou para a rendição final, ela negou. Seu ladrão disse não a ele. Ele rosnou e partiu a cômoda de mogno em pedaços. Pegou a cama e atirou-a através do quarto, em seguida, virou-se e dirigiu seus punhos àparede. Ele deve ter atingido uma viga porque algo dentro da parede gemeu e cedeu. A porta de seu quarto foi aberta violentamente. Ele se virou como um chicote, quase mais rápido do que a visão, dentes a mostra. Rune e Aryal entraram como ciclones gêmeos, os corpos semi vestidos direcionados como armas. Seu Primeiro estava armado com uma espada, enquanto Aryal carregava uma semi automática. Rune foi para a esquerda e a harpia de 1,83m de altura mergulhou para a direita, antes dos dois perceberem, que ele não estava sob ataque. Eles agiram devagar, até parar. Para dar crédito a suas sentinelas, elas não correram quando encararam a figura nua de seu senhor enfurecido. Na verdade, Dragos tinha que admitir que foi corajoso da parte deles, entrar em seu quarto, em primeiro lugar. Esse pensamento era o fio que o ajudou a juntar controle suficiente, para não separar suas cabeças de seus ombros. "Pesadelo?" Rune disse, o olhar aguçado firme conforme se endireitava da posição de agachamento de luta e deixava a ponta de sua espada encostar-se ao chão. "Eu tenho o nome humano dela", disse ele. Todos eles sabiam o que ele queria dizer. "Pia Giovanni. Descubra o que você puder sobre ela, rapidamente e me traga a bruxa. Eu preciso de um feitiço de rastreamento." As sobrancelhas elegantes da harpia Aryal ergueram-se, quando ela olhou seu quarto em ruínas, para o céu antes do amanhecer. Por um momento, a vida dela ficou por um fio. Se ela tivesse dito uma única palavra naquele momento, ela teria morrido em chamas. "MALDITOS SEJAM, MEXAM-SE!" O chão da cobertura estremeceu com o seu rugido. Eles correram porta afora. Então, eles eram tão inteligentes, como eram corajosos. Os traços remanescentes do encantamento o agarraram. Ele jogou umas roupas em seu corpo e saiu para a varanda. A cobertura era uma prisão. Mesmo o vasto, amplo e barulhento panorama da cidade pareciam uma gaiola. Ele queria se lançar ao ar. Ele sentiu o impulso de abater algo, mas ele estava preso e sem poder voar até que a bruxa chegasse. O dragão se deteve na borda da saliência, os punhos cerrados e com os olhos apertados, ele observava os pequenos e rápidos movimentos dos humanos na rua, 80 andares abaixo. Pouco tempo depois, Rune disse telepaticamente, “Meu senhor, a bruxa está aqui.”

*(aparição ou manifestação divina)


“Meu escritório”, disse. Ele se moveu ao longo da varanda da cobertura até que parou um andar acima do seu escritório. Então, ele saltou para a saliência abaixo. Rune e a bruxa já tinham entrado na sala. O grifo não foi afetado por sua súbita aparição, mas a bruxa olhou como ele se endireitou em toda sua estatura. Uma mulher humana Hispânica com uma beleza de altura imperiosa, ela foi rápida para baixar seu olhar quando ele abriu as portas francesas e marchou para dentro. Por alguns anos, as Empresas Cuelebre tinham contrato com a melhor bruxa da cidade. Dragos nunca se preocupou em aprender seu nome, mas ele a reconheceu. Ela tinha medo dele, o que ele ignorou. Todos os seres humanos tinham medo dele. Eles devem ter. Ele rosnou, "Eu preciso de um feitiço de rastreamento colocado em uma mulher." A bruxa inclinou a cabeça. Ela disse: "Certamente, meu senhor. Claro, sem dúvida, você já sabe que quanto mais informações me forem dada quanto ao alvo, melhor eu posso criar um feitiço de rastreamento para ele." "Seu nome é Pia Giovanni.", disse Dragos. Ele entregou-lhe a pilha de fotos das filmagens de segurança da 7Eleven. "Aqui está à aparência dela." A bruxa ficou imóvel, os olhos na foto de cima. Sua expressão era um branco perfeito, mas alguma coisa, alguma mudança mínima em sua postura ou respiração, despertou o predador nele. Uma mudança suave e fluida em seu corpo lhe trouxe mais perto dela. Ele podia sentir o calor do seu corpo e o pulso em seu pescoço e pulsos, que bateu mais rápido com sua proximidade. Ele a examinou com o Senso de Verdade (habilidade de perceber mentiras), e perguntou: "Você conhece esta mulher?" O olhar escuro da bruxa se levantou até o seu. Ela disse: "Eu a vi no Distrito Mágico. Eu não sabia o nome dela." Seu rosto permaneceu naquele branco perfeito, não revelando nada. Não era, pensou ele, a calma alegre de inocência, mas uma educada disciplina. Ainda assim, ela falou a verdade. O predador nele recuou. Ele acenou para as fotos. "Seu nome e uma foto é o suficiente para você?" A bruxa disse: "Eu poderia lançar um feitiço com essas coisas. Mas seria mais forte e duraria mais tempo, se você tivesse alguma coisa dela que eu pudesse usar como uma âncora. Um bom feitiço de rastreamento é mais complicado do que uma descoberta. É preciso deslocar-se e mover-se conforme o objeto muda de direção." Sem surpresa, ele enfiou a mão no bolso da camisa e tirou um saco plástico Ziploc que continha um maltratado recibo. "Acontece que eu tenho algo que pode usar.”


Quatro

Abalada por esse despertar rude, Pia rolou e saiu da cama, cambaleando para o banheiro para tomar um banho. Ela não tinha levado nenhum item de toalete em sua mochila, além de loção para mão e Chap-Stick* então ela teve que se contentar com uma tira de papel embrulhado com sabão liso, do motel. Levou uma eternidade para aplicar um pouco através de seu longo cabelo e ensaboar uma toalhinha, mas pelo menos, a água estava quente e farta. A pele do lado do seu pescoço estava sensível quando ela a esfregou. Ela parou e esfregou a região sensível. O que era isso? Depois de enxaguar rapidamente, ela envolveu os cabelos emaranhados em uma toalha, pegou outra toalha para se secar e então limpou o espelho embaçado sobre a pia para espiarem seu pescoço. Mordida. Era a marca de uma mordida. Ela passou os dedos pela área, na junção de seu pescoço e ombro. A pele não estava rompida, mas havia uma impressão de dentes, e a marca de um chupão estava começando a se formar. Ela sussurrou, "O desgraçado me deu um chupão?" Em um sonho? Arrepios subiram por sua pele. Ela esfregou os braços e evitou olhar para seu pálido rosto, com círculos escuros em volta dos olhos. De alguma forma, aquele sonho horrível tinha sido real. A magia dele a tinha encontrado. Ele sabia qual era a aparência dela. Ela lhe disse seu nome. Se mande, agora. Ainda bem que ela tinha outros três nomes, com RGs com foto, que provavam isso, porque ela tinha que apagar aquele com o qual ela tinha vivido toda a sua vida. Pia Alessandra Giovanni tinha que ir. Ela sentiu outra pontada, outra perda. Sua mãe havia lhe dado esse nome, como um carinho especial, pelo tempo que ela tinha passado na Florença Medieval. Quanto mais Pia teria que perder? Aparentemente tudo. Era demais para sua mente cansada. Ela movimentou uma escova pelos cabelos, miserável em como ele tinha se emaranhado sem o condicionador, e então ela se vestiu com suas roupas sujas. Quando ela ligou o Honda, o relógio do painel marcava 06h30. Ela tinha dormido somente por duas horas. Ela passou por outro drive thru e comprou suco, mais café e fatias de maçã, embora ela só conseguisse engolir algumas mordidas. Ela dirigiu para o sul, enquanto o céu ia se iluminando em tons pastel até o auge do dia. A temperatura esquentava conforme ela se distanciava, até que ela abaixou os vidros das janelas e abriu o teto solar do Honda.

*protetor labial


Se tivesse feito a viagem por qualquer outro motivo, ela teria se divertido. O céu estava sem nuvens. O cenário na Carolina do Sul era diferente ao qual estava acostumada. As plantas estavam umas semanas atrasadas, em relação à Nova York, em soltar as flores e a terra parecia estranha a seus sentidos. Começou a passar por propriedades vívidas em verde e profusões de camélias, rosas, azaleias e árvores de magnólias cobertas com brotos cor-de-rosa. Musgo espanhol enrolado ao longo dos carvalhos, como belas estolas de pele. Charleston e seus arredores tinham uma graça e beleza, que era muito diferente da definição de vida urbana da qual ela tinha acabado de sair. Ela dera um risinho irônico quando Quentin tinha lhe passado instruções para uma casa de praia em um lugar chamado Folly* Beach. Ficava cerca de 20 minutos ao sul de Charleston. A maioria das casas, ele havia dito, eram alugadas para férias. Ele possuía a dele há mais de 30 anos e a mantinha mobiliada e abastecida com roupa de cama e utensílios de cozinha. Quando chegou próximo ao destino, parou em um hipermercado para comprar roupas e artigos de higiene pessoal, aspirina, um telefone celular pré-pago e mantimentos. Quando chegou à fila do caixa, perto do corredor de bebidas, ela cedeu e comprou uma garrafa de uísque também. Uma garota tem que ter prioridades. Se ela não merecia uma bebida depois da semana de pesadelo que tinha passado, ela não sabia quem merecia. Jogou as compras no porta-malas do Honda. Logo depois, dirigiu em ritmo lento por uma estrada costeira de Folly Beach. Ela fitou os vislumbres do Oceano Atlântico que dava pra ver entre as casas. O cheiro do oceano atingiu o carro. A luz do sol era diferente aqui, mais clara e mais débil, dando a sensação de um lugar embebido em magia. Havia uma passagem dimensional em algum lugar por ali, para Outras terras. Ela não estava surpresa, já que a sede do Tribunal Élfico estava localizado dentro ou perto de Charleston. A casa de Quentin era no fim da estrada, junto à praia. Era maior que muitas das casas que ela havia passado. Com a sua própria entrada para a garagem. Depois de estacionar,ela recolheu seus pacotes e entrou na casa, que passava uma sensação de vazio, embora, graças a um serviço de limpeza mensal, era no mínimo fresca e limpa. Existiam três quartos para escolher. Ela guardou a comida e então escolheu o quarto maior com banheiro privado. Ela jogou os produtos de higiene pessoal no balcão do banheiro e empilhou suas roupas novas e roupas íntimas em uma cômoda. Encontrou toalhas e lençóis, fez a cama movendo-se lenta e metodicamente. Assim que a cama estava feita, ela tirou a calça jeans, entrou embaixo das cobertas e se enroscou enquanto abraçava um travesseiro. Em breve ela começaria a pensar sobre seus passos seguintes e tentaria fazer um plano. Mesmo que Cuelebre não pudesse entrar tanto no território Élfico, ele tinha mais dinheiro do que Deus e provavelmente mais empregados também. Ela não ousava ficar muito tempo. Ela fecharia os olhos só por um momento. Ela despertou com um sobressalto horas depois. Durante vários instantes turvos ela não se lembrava de onde estava ou o por que. Então a memória retornou, ela caiu de volta contra os travesseiros. Ok. A vida é uma merda! Mas ao menos ela não teve mais um sonho bizarro de sexo, onde ela era mordida. O quarto estava abafado e quente. Apesar das cortinas estarem fechadas, parecia, a partir da luz difusa, que o sol estava num ângulo muito menor do que quando tinha deitado. Saiu da cama e vestiu-se com algumas de suas roupas novas, capris, sandálias e um top vermelho com alças finas. Seus seios eram altos, pequenos e firmes, então ela não se preocupou comum sutiã.

* maldade, demoníaco, horror. Praia do Demônio ou praia do Horror


Espiou para fora. Era começo da noite, talvez por volta de cinco horas. Ela foi ao banheiro salpicar o rosto com água fria. Depois de passar uma escova de novo pelo cabelo rebelde, ela arrumou-o novamente em outro rabo de cavalo. Então foi para a área de cozinha / sala de jantar, separado por um balcão e banquetas de bar. A área de jantar tinha portas de vidro corrediças que abriam para um grande deck com algumas peças simples de mobiliário. Escadas conduziam para a praia. Desceu as escadas. Parou na areia aquecida pelo sol e respirou fundo por alguns minutos, enquanto olhava para um horizonte sem limites e ouvia a dança murmurante de um oceano calmo contra a costa. Tirando as sandálias, ela andou próxima a beira da água e deixou a espuma do mar correr através de seus dedos. Fazia muito frio. A tensão que tinha se instalado em suas omoplatas, diminuiu. Ela observou uma gaivota pairar sobre a água e deixou-se absorver no momento. Então continuou sua caminhada pela beira da água. Com o início da noite, havia poucas pessoas na praia. Uma mulher com dois filhos vagava junto à beira d'água cerca de 45 metros dali, pegando conchas e pedras, até que alguém gritou de uma casa e eles entraram. Suspirou e tentou pensar além da pista de obstáculos em sua cabeça. Uma ideia saltou, como uma máquina de pinball. Pelo menos o sono havia ajudado a limpar sua mente. Ela se perguntou se Keith ainda estava vivo. Ficou surpresa ao descobrir que sentia tristeza com o pensamento. Ela se preocupou com o Poder sombrio que havia dado a ela, um artefato forte o suficiente para conseguir passar pelos feitiços de aversão de Cuelebre. Ela se esquivou. Não pense sobre isso. Então pensou sobre a proteção feroz de Quentin, sua teimosa insistência em ajudar ela e o abraço apertado de quebrar ossos que ele tinha lhe dado. Seus olhos se umedeceram. Ok. Não pense sobre isso. Keith se foi. Quentin se foi. Sua vida se foi. Ela franziu a testa e esfregou os olhos. Então, o que ela sabia? Cuelebre sabia seu nome. Tinha esse problema coberto. Ele sabia o que ela era. Ele podia até mesmo saber como ela cheirava, assim podia mudar sua aparência, talvez tingir seus cabelos e cortá-lo curto, mas tinha que ser mais inteligente para ocultar seu cheiro. Eu não posso ficar aqui, eu preciso abandonar o Honda. Eu preciso obter novas rodas e fazer isso funcionar a meu favor, algo difícil de rastrear, talvez alterar seu trajeto algumas vezes mais rápido. Isso poderia atrasá-lo. Preciso me mover de maneira aleatória e afastar-me completamente de Quentin e meu passado. E preciso encontrar uma forma de bloquear esse bastardo dos meus sonhos. Para fazer isso, ela precisava de mais conhecimentos mágicos do que ela poderia reunir. Sua mãe poderia ter se mantido escondida, tanto no sentido físico e psíquico, mas seu sangue não corria tão forte em Pia. Embora ela tivesse um senso altamente qualificado para a magia, ela não podia fazer metade das coisas que sua mãe poderia ter feito. A última ajuda que Quentin lhe dera na noite anterior havia sido um número 0800 que ele a fizera memorizar. Conheço pessoas em Charleston, ele disse. Se você precisar de ajuda, ligue para eles. Será que ela ousaria? Quem eram essas pessoas? Ela virou para o norte e começou a caminhar de volta para a casa de praia. E ela ousava ficar aqui mais uma noite? Olhou para o céu e fez uma pausa. À distância, sobre a água, um pedaço do céu ondulava. Parecia o brilho aquoso de ondas de calor em uma estrada de asfalto num dia quente de verão. Mas a noite de Maio estava amena, o céu começava a escurecer no leste e não havia asfalto em qualquer lugar próximo à ondulação. Ela protegeu os olhos. O que era aquilo? Era grande e parecia estar ficando maior rapidamente. Ela observou a mancha crescer, com um aperto no estômago. Ela nunca tinha visto nada parecido antes, mas sabia que era errado. Espere um minuto. Aquela mancha brilhante de ar não estava crescendo. Ela estava se aproximando.


Oh merda. O pensamento de Pia se estilhaçou em instinto cru.Girou e correu. Ela podia não ter herdado muitas das habilidades de sua mãe, mas se havia uma coisa que podia fazer com uma extravagância de talento, era correr. Seus dedos nus cavaram na areia e ela quase voou pela praia. Porém quase voando não é o mesmo que realmente voar. Até mesmo enquanto ela empurrava com toda a velocidade que tinha, sabia que não ia ser capaz de superar o que se lançou em sua direção. Uma sombra envolveu-a por trás. Ela percebeu apenas um vislumbre sobre a areia a sua frente, de uma forma grande, alada, com um pescoço de serpente e uma cabeça longa e malvada. Em seguida, a sombra recolheu-se em si mesma e um segundo depois, uma montanha se chocou contra suas costas. Ela bateu na areia tão forte que ficou sem fôlego. A montanha se definiu no corpo, duro e pesado de um macho. Braços musculosos vieram para baixo em ambos os lados dela. Mãos enormes agarraram seus pulsos magros, enquanto uma coxa longa atravessou as costas de suas pernas. Ela ofegou, lutando para conseguir expandir suas costelas feridas de maneira que, os pulmões assim poderiam funcionar, tinha as palmas das mãos e joelhos machucados com o impacto. Ela fitou as mãos que a aprisionavam. Como os braços, elas eram poderosas, com a cor de um bronze escuro, que parecia muito dramática contra sua pele pálida. Sua mente lamentou. Ela estava morta. O macho colocou o nariz em seu cabelo e respirou fundo. Um arrepio convulsivo torturou seu corpo em resposta. Ele estava farejando ela. Ela sentiu seu nariz na parte de trás do pescoço. Ele esfregou o rosto em seu cabelo. Um gemido nasceu e morreu no fundo da sua garganta. “Ótima caçada,” ele rosnou, sua voz um ronco escuro à sua volta. Tossiu e areia voou à sua frente. “Não o suficiente”. O peso foi tirado de suas costas e ele virou-a com estonteante agilidade. Ela bateu de volta na areia, de braços abertos enquanto ele segurava-a pelos pulsos novamente. Ele mostrou os dentes, um sorriso predador. “Nós sempre poderemos fazê-lo novamente.” Ela teve um pensamento dele a deixando ir e atacando de novo, brincando com ela como um grande felino e estremeceu. “Você não deveria estar aqui.” ela sussurrou. Seus olhos tinham ficado lacrimejantes devido à força do impacto que a derrubou. Ela tentou se concentrar no rosto forte e feroz inclinado sobre ela. Em seguida, sua visão clareou. Cuelebre era de tirar o fôlego. Energia e Poder fervilhavam nele; ele irradiava isso como um sol escuro. Ele tinha uma brutalidade bonita, feições angulosas com linhas arrojadas, como se um escultor o tivesse talhado do granito. Sua pele era de um marrom escuro com uma tonalidade de bronze e aqueles olhos de dragão brilhavam como ouro quente. Em sua forma humana ele media cerca de dois metros de altura e possuía mais de cem quilos de macho dominante Wyr, esparramados como uma avalanche sobre seu corpo. Em comparação, ela se sentia delicada e frágil. Seus cabelos eram negros como tinta. Exatamente como no sonho. Ele havia escorregado por entre seus dedos como a seda. O choque de seu ataque não tinha começado a passar, mas através dele notou algo surpreendente. Ele jogara sua coxa sobre a dela novamente. Ele olhava para seu pescoço. Sua pulsação acelerou. Ele estava olhando a mordida que ele lhe dera. Um comprimento rígido foi crescendo contra seu quadril. "Então, esta é a sua longa, escamosa, cauda réptil ou você está apenas feliz em me ver?" Não, ela não disse isso. Disse? Encolheu-se mortificada, fechando os olhos e esperou ter seu corpo espalhado por toda praia.


Nada aconteceu, nada de mal. Ainda. Talvez se ela mantivesse os olhos fechados nada aconteceria. Ela sussurrou através dos lábios trêmulos: "Eu não quis dizer isso. Hum, não preste atenção para a lunática que habita este corpo." Como o silêncio continuou, ela abriu um olho cauteloso. Ele a estudava, o olhar de lava alerta incandescente, alerta com interesse. "Você está possuída?", perguntou. Ela teve de limpar a garganta duas vezes antes que pudesse responder. "Você pensaria assim, não é? com todos os movimentos idiotas que eu fiz ao longo dos últimos dois meses. Eu tenho agido como louca com todo o stress. Este comportamento estranho parece ter levado a melhor sobre a minha boca. Ela não parece vir instalada com um freio. Sem ofensas."Os cantos de seus lábios se levantaram em um sorriso trêmulo. "Eu aposto que você quer o seu centavo de volta, hein?" Ele mudou de posição, com graça sinuosa, soltando suas mão para se ajoelhar sobre ela. Seu olhar de predador se estreitou ainda mais. "O que você acha?" As mãos dela agitaram-se, incapaz de se conter, ela ajeitou o colarinho da camisa dele com dedos trêmulos. Seus dedos pareciam delicados galhos brancos contra a espessa coluna de seu pescoço. Dragos olhou para suas mãos. Ela as deixou cair no peito e juntou as mãos. "Eu acho", disse ela, em voz baixa, "que você faria qualquer coisa para conseguir sua propriedade de volta. Não importa que tenha sido tomada, não importa quem tomou, não importa onde você teria que ir para encontrá-la." "Ninguém toma o que é meu." Seu rugido reverberou através do solo. Ele mostrou os dentes e se inclinou até que estivesse cara a cara com ela. "Ninguém". Santa mãe, ele era assustador e magnífico. Ele desapareceu num borrão quando seus olhos lacrimejaram de novo. Ela assentiu e sussurrou: "Eu sei. Eu... Eu não creio que isso importa muito para você e não espero que mude alguma coisa, mas eu sinto muito." Dragos inclinou a cabeça, sua atenção afiada, nela. "Era o que dizia o seu bilhete." Vozes se aproximavam. Ela esticou o pescoço e viu um casal andando de mãos dadas na direção deles. Dragos colocou uma mão sobre sua boca para mantê-la em silêncio. Enquanto ambos assistiam ao casal que passava, alheio a tudo ao redor, a não mais do que 5 metros deles, ela deduziu que ele tinha que estar disfarçando-os de olhos curiosos. A única coisa a fazer. Caso contrário, alguém poderia chamar a polícia se vissem um homem atacar uma mulher na praia. Então poderia haver uma matança totalmente desnecessária. Depois que o casal se afastou, Dragos deslocou seu peso para uma mão e passou um dedo por sua bochecha, seguindo seu queixo pelo lado de seu pescoço. Ele observou o caminho que seu dedo percorreu, conforme traçava a curva delicada de sua clavícula até a borda de sua camisa. Seu dedo estava quente e abrasador contra a suavidade de sua pele. Ela estremeceu mais duramente e gemeu. Uau, ela não fazia ideia que sua sexualidade estava tão bagunçada. Ali estava o predador de todos os predadores, que emanava perigo por todos os poros, agachado sobre ela. Ele era o único dragão verdadeiramente conhecido, que ainda existia. Era como se ele fosse um monumento natural ou algo assim. Oh meu Deus, não só ele é mais velho que o Grand Canyon, mas ele é como o papa e Rei Fae e o presidente dos Estados Unidos, tudo em um só. Para algumas culturas antigas, ele havia sido um deus. Ele ia machucá-la tanto antes de matá-la e tudo que ela podia pensar era quão quente o beijo dele tinha sido no sonho e quão delicado o toque de seu dedo era deslizando


por seu corpo. Sua mente oscilou. Ela olhou para sua mão. Sua respiração rápida e seu coração disparado. Dragos pegou uma mecha de seu cabelo e enrolou no dedo. Então, ele a segurou contra a luz do sol poente. Ele a virou de um lado e de outro, encarando os fios. Ele nada fez para mantê-la presa no lugar. Tão inconcebível era a possibilidade de ela fugir dele. A força do seu olhar era tanta que todo o seu corpo tremia. Uma onda de calor sensual, incendiando qualquer pensamento coerente que ela ainda tinha. Seu sexo se umedecido com um fluxo líquido. Ela não podia estar mais humilhada, mais mortificada ou se sentindo mais nua. Com o nariz ultra-sensível de um Wyr, é claro que ele podia cheirar cada mudança minúscula corporal. Ele tinha que estar ciente de sua excitação crescente. Ele poderia, sem dúvida, ler cada emoção que seus feromônios exalavam, enquanto que ela não podia dizer nada sobre ele. Seu olhar estava tão fixo e sua expressão tão grave, ela não sabia absolutamente nada sobre o que ele estava pensando – exceto. Pia olhou para o comprimento imenso do corpo masculino, enquanto ele mantinha-se equilibrado sobre ela, do tronco comprido e afilado até os ombros largos, além dos quadris que pareciam tão magros e firmes. Estava vestido na moda, em jeans e uma camisa branca Armani de seda abotoada, enrolada nos braços e enfiada na cintura do jeans. Ela chupou o lábio inferior, olhando para a evidência indiscutível e saliente sob o zíper da calça jeans. A protuberância, assim como o resto de sua forma humana, fez seus olhos se arregalarem. Tudo bem. No sonho os detalhes do tamanho de seu desejo não estavam nem um pouco ocultos. Ela se perguntava se ele ainda podia ser estimulado enquanto arrancava a cabeça de seus ombros. Ele era um dragão, uma besta Wyrkind, por conhecimento geral, um dos mais antigos das Raças antigas e por reputação, malvado, astuto e implacável. Padrões de pensamento normais dos humanos simplesmente não se aplicavam. "Bem, isso é socialmente inexplicável", ela murmurou. "Silêncio!", disse Dragos. Ela silenciou, deixou a mente em branco e esperou, enquanto ela o observava estudar os fios de seu cabelo. Seu cabelo sempre pareceu um tanto grosseiro para ela, tão volumoso e de um loiro pálido, quase branco.As pontas faiscavam como ouro no sol. Quando ela o usava solto, em vez de preso no rabo de cavalo de costume, ele batia a meio caminho entre os ombros e cintura.

Dragos cerrou sua mão nos longos fios brilhantes e segurou-os perto do nariz, inalando. Lá estava ele. Lá estava o mistério que ele não soube resolver. Ele tinha pensado nisso como um raio de sol selvagem, mas isso foi quando ele teve um mero fragmento do aroma numa folha de papel. A realidade derrubando-o. De algum modo sua fragrância delicada, feminina fez mais do que capturar a essência do ar iluminado pelo sol. De alguma forma, o levou de volta quase mais do que ele podia ir, de volta para a manhã onde tudo começou, quando ele se deleitou com a luz mágica e transcendental. Um tempo tão remoto, penetrante, jovem e puro. Ele achou o seu caminho sem pressa, de volta ao presente e estudou o cabelo dela novamente, enquanto o passava entre os dedos. Parecia-se com a seda chinesa, eram da mesma cor de algumas jazidas de ouro aluviais que ele tinha conhecido. Ele tinha uma estatueta peruana do século XIII, que era da mesma cor. Ele deixou cair o punhado de cabelo e passou a estudar tudo sobre essa fêmea misteriosa e imprevisível.


"Eu não achei que você seria tão jovem", disse ele. Ele sentiu a mesma natureza de excitação que ele teve há muito tempo atrás, quando havia perdido o controle e caído através da vegetação rasteira em perseguição de alguma coisa. Olhou para seu corpo de costas, deitado, tão quieto e submisso debaixo dele, que exercia uma pressão impiedosa em seu autocontrole. "Há sangue Wyr em você. Também sangue humano." Ele viu os longos músculos do pescoço gracioso quando ela engoliu. "Eu tenho 25", disse ela, com a voz enrouquecida e ofegante. O predador nele notou que ela não fez qualquer menção ao sangue Wyr. Mas ela brilhava com o Poder suave e ele se lembrou do sonho no qual ela tinha sido tão luminescente como a lua. Havia a luminescência sida simbólica ou real? Que tipo de Wyrou Fae brilhariam desse jeito? Os Elfos carregavam uma luz dentro deles, mas não como o que ele vira no sonho. "Olhe para você", ele murmurou, quase para si mesmo. "Você é um bebê, nada mais que um momento, uma batida de coração." Ela tomou uma respiração trêmula. "Sou mais do que isso." Ele arqueou uma sobrancelha, mas deixou o protesto morrer. A palidez dela possuía muitos tons preciosos. Havia mechas em tons de ouro em seu cabelo. A cremosidade de sua pele clara era como pérolas. Aqueles olhos grandes, que o fitavam com tanto medo, perplexo como com excitação, eram de um azul violeta tão profundo como o céu da meia noite. Como safiras. Ele quase conseguia fantasiar que via as estrelas distantes em seus olhos. Ele sentou-se sobre os calcanhares e permaneceu assim enquanto a ajudava a levantar-se. "Agora nós iremos até onde quer que você esteja hospedada." Ela cambaleou um pouco até que recuperou o equilíbrio, observando-o com a desconfiança de uma criatura selvagem pronta para fugir novamente. "Por quê?", Ela perguntou,olhos azuis escuros piscando. “Você simplesmente vai me matar. Por que nós não acabamos logo com isso de uma vez?" "Você não tem ideia do que eu vou fazer", disse a ela.Isso tinha que ser verdade, porque ele mesmo não sabia. Ele estava inundado em impulsos e emoções estranhas. Suas pálpebras caíram, enquanto ela observava seu rosto. Ele disse, "Eu tenho um monte de perguntas. Apenas me diga o que eu quero saber e eu vou deixar você ir”. "Você está falando sério?" Ela indagou. Ele riu, uma risada rouca e perversa. "Não." Fúria brilhou em seu rosto e foi amortecida. "Muito bem", disse ela, a voz monótona. Ela virou-se e caminhou em direção à casa de praia. Dragos a seguiu, franzindo a testa. Assim como ele não gostou da foto em que ela andava para longe da câmera, ele não gostava de sua voz monótona e apagada ou de sua expressão fechada. Isso apagava aqueles tons preciosos. O medo e estresse em seu perfume, irritou, desvalorizando sua intoxicante excitação, a selvageria jovem viciante em sua fragrância natural. Aquele flash de fúria tinha sido muito mais interessante. Fúria também tinha um cheiro, como o crepitar de uma fogueira. Ela pegou um par de sandálias. Ele assistiu ao seu bem desenhado traseiro e pernas longas e esguias enquanto ela subia as escadas de madeira para a varanda e entrava na casa de praia pelas portas de correr. Ela deixou cair às sandálias novamente apenas no interior. Assim que ele entrou, ele fechou e trancou a porta atrás dele. Ela foi até a pia da cozinha e se concentrou em lavar a areia das escoriações em suas mãos.A casa estava ficando fria, o piso da cozinha frio sob os pés sujos de areia. Seu rabo de cavalo parecia um ninho de rato fixado na parte trás de sua cabeça. Ainda naquela voz tensa, monótona, ela perguntou: "Você está com fome?" Ele fez uma pausa, surpreendido novamente por ela. Ele inclinou-se contra uma parede. Não havia como dizer o que aquela lunática em seu corpo diria a seguir. "E se eu estiver?", disse.


Ela olhou para ele, o rosto tenso."Se você estiver, vou precisar usar um serviço de entrega. Eu sou vegetariana e você é famoso por não ser. Supondo que eu não estou no menu para o jantar, eu não tenho nada para alimentá-lo que você vai gostar. " Ela pretendia oferecer-lhe o jantar? Ele tinha importantes perguntas para esta mulher, sua propriedade a localizar e o ultraje e a fúria, que tinha colocado de lado, mas não esquecidas. Ele tinha a justiça para fazer e vingança para reclamar, mas primeiro tinha que mapear esse território desconhecido, no qual ele entrou. Ele percebeu algo. Pela primeira vez em muito tempo, talvez até séculos, ele não estava entediado. Desde o momento em que pegou o pedaço de papel em seu esconderijo, seu pequeno ladrão tinha continuado a surpreendê-lo. Dragos esfregou o queixo e se preparou para se entreter."Peça alguma coisa",disse ele. Ela começou a folhear uma lista telefônica no balcão da cozinha. Ela folheou as páginas amarelas, e as páginas vermelhas para os negócios, depois as páginas verdes para empresas Élficas. A cabeça dela estava curvada quando resmungou baixinho. Dragos inclinou para frente, quase capturando o que ela disse. "O que?" Ela fez uma pausa e olhou para ele, os olhos arregalados. "O quê?", Perguntou ela. "Você sussurrou, „Peça algo, por favor'", ele disse a ela. "O que é que você quer que eu peça?" Apesar da severidade de sua situação, ela se surpreendeu ao sentir a diversão borbulhar. Ela manteve um controle severo sobre ele. "É normal", ela disse ao dragão, “as pessoas dizerem, por favor, quando fazem um pedido. Você disse, "Peça alguma coisa." A maioria das pessoas diria, 'Peça alguma coisa,por favor." "Ah." Dragos cruzou os braços. "Mas eu não pedi nada. Eu ordenei." Ela segurou a ponta do nariz."Isso você fez." Seu dedo viajou para baixo na página verde e parou no número para um restaurante Elfico. As mãos tremendo, ela digitou um número. Uma voz jovem, musical atendeu ao telefone. Élfica. Toda consciente do olhar dourado e aguçado focado com paciência implacável sobre ela, Pia disse: "Eu estou ligando de uma casa de praia em Folly Beach." Ela recitou o endereço. "Você atende esta área?" "É claro que sim”, disse a voz. "Nós conhecemos bem o endereço." "Nós gostaríamos de uma dúzia de bifes porterhouse*", disse ela. Ela olhou para seu captor. "Dragos, você os quer crus ou cozidos?" "Só grelhados", disse ele. A pessoa do outro lado da ligação prendeu a respiração. "Estaremos com você o mais rápido possível", disse ele. "Pode demorar um pouco. Entregaremos em cerca de uma hora." "Tão logo possa estará bem", disse ela. Ela apagou o número da memória do celular, clicou no botão de desligar e colocou-o sobre o balcão. Ela não achava que Dragos tinha desviado o olhar nenhuma vez, desde que tinham entrado na casa de praia. Era apenas mais uma coisa a acrescentar a uma lista crescente de coisas que pareciam irreais.

*http://koroboffgastronomia.blogspot.com.br/2012/11/t-bone-porterhouse.html


Em seguida, ela se levantou, olhando para as mãos. Uma hora, ela pensou. Deus, isso parecia para sempre. Seus ombros caíram. Ela não achava que ainda tivesse adrenalina para bombear em seu sistema. "Eles estarão aqui em breve. E agora?". Ele se afastou da parede. "Agora", Dragos disse, “Você me dirá por que me roubou. E como. Mais especificamente discutiremos como.”


Cinco

Pia manteve o olhar baixo. Ela tocou uma palma esfolada com um dedo. “Meu ex-namorado chantageou-me para fazer isso” - Keith Hollins. - Disse ele. Assustada, ela ergueu a cabeça. “ Você sabe, quem ele é?” Suas negras sobrancelhas se ergueram. “Eu sei um monte de coisas.” Suas sentinelas tinham trabalhado rápido naquela manhã, antes de ele deixar Nova York. Enquanto a bruxa lançava um feitiço de rastreamento para ele, Aryal e vários outros tinham ido conferir os antecedentes de Pia Giovanni. Eles investigaram outras possibilidades até que descobriram a correta. Uma equipe havia sido despachada para vasculhar seu apartamento e seguirem qualquer pista que encontrassem. Pouco depois de o feitiço estar no lugar e dele ter recolhido informações prévias, Dragos tinha levantado voo, dirigindo-se para sul atrás de sua presa. “Seu namorado está morto” Disse-lhe ele. Simples assim e foi o suficiente. Sua visão escureceu e o mundo inclinou-se. Dragos pulou para a frente, fortes braços a envolveram antes que ela pudesse cair. Ele baixou-a num banco de bar e empurrou sua cabeça para baixo. O seu rabo de cavalo estava uma bagunça, notou com desaprovação como se derramava em direção ao chão. Ele manteve uma mão na parte de trás do pescoço dela. Com a outra ele trabalhou a coisa fofa e elástica fora do seu cabelo até que ele caiu livre, apesar de um tanto emaranhado. Ele deslisou a coisa fofa em seu bolso. Ela perguntou, sussurradamente “Você o matou?” “Não. Nem o meu pessoal.” A pele na parte de trás do pescoço dela ficou gelada. Ele sentiu a onda de arrepio que passou através dela. “Eles encontraram-no hoje, mais cedo. Morte horrível.” “Droga, pobre idiota. Eu tentei avisá-lo.” Ela cobriu o rosto com as mãos. Ciúmes o espetou. Seu lábio elevou-se num rosnar silencioso. Ela era sua ladra, de ninguém mais. “Você o amava.” “Não” Disse ela, com tristeza na voz. “Sim. Não sei. Eu penso que algum dia o fiz, mas ele não era o que eu pensava que ele era. Depois de terminar com ele, o bastardo chantageou-me. Eu sabia que ele ia conseguir fazer com que fosse morto. Até tentei avisá-lo, mas ele não quis me dar ouvidos. Ele teve o que mereceu, mas ainda é difícil de ouvir sobre alguém por quem eu costumava preocupar-me” Ela serrou os punhos. “Deixe-me levantar. Não vou desmaiar.” Ele soltou a pressão que tinha colocado no seu pescoço. E ela endireitou-se no banco do bar. Parecia composta, mas a sua pele estava pálida. Arrepios correram ao longo dos seus braços nus e ombros. “Você está muito fria” Disse ele. “Significa choque, eu acho. Vamos resolver isso.” Ele notou a garrafa de whisky que estava no balcão da pia. Pegou nela juntamente com uma caneca de café do armário. Ele despejou a bebida e enfiou nas mãos dela. “Beba isso enquanto eu encontro um cobertor.” Ela olhou para ele com desconfiança, enquanto seus dedos se enroscavam em torno da caneca. “Sim, eu sei.” Disse ele, impaciente. “Cortarei seus membros, um por um. Talvez um dia. Quando eu estiver com vontade. Enquanto isso, você não vai desmaiar, vai se manter quente e vai deixar de atormentar-se.” Suas narinas se comprimiram. “Eu não gosto do cheiro disso.” Sua bonita boca caiu aberta.


“Você não… gosta… “ Ela soltou uma risada histérica que acabou por se transformar num verdadeiro riso. Dobrou-se no banco do bar, inclinando a caneca de café. Ele cobriu a mão dela com a sua, firmando a caneca e pressionou um dedo contra os seus lábios. “Pare com isso.” “Desculpe-me.” Ela chiou. “Tudo o que você disse. Apenas, não sei, estava feliz até que você decidiu me fazer em pedaços.” Ela gemeu. “Como faria, Sua Majestade?” “Eu estava sendo sarcástico” Disse. “O que é muito tranquilizador, vindo de um dragão enfurecido” Disse-lhe ela. “Tipo qualquer coisa como, „me diz o que quero saber e eu deixo você sair livre.‟ Decididamente tem o seu próprio encanto. Aposto que todos os seus outros prisioneiros adoram.” O seu esguio corpo continuava a tremer. Ela estava fora de controle. Ele não iria conseguir fazer-se compreender enquanto ela estivesse agitada. Dragos segurou o seu queixo. Olhou fixamente em seus olhos, com a intenção de iludi-la em uma sensação de calma. Em vez disso ele deparou-se, com uma defesa mental. Intrigado inspecionou, sentindo ao longo das extremidades. A barreira parecia ser tanto natural como intencional. Lá estava, o eco de outro Poder feminino entrelaçado nela, uma presença sutil, muito parecida com a dela, contudo separada. Era uma construção totalmente bonita, uma cidadela elegante que protegia o núcleo da fêmea. Foi por isso que ela foi capaz de quebrar o encanto no sonho. Ele podia por abaixo essa parede se quisesse, mas isso seria como empunhar uma marreta contra uma pedra. Não seria nada lógico se teria de a salvar depois. “Pare com isso” Ela sussurrou. Seu corpo se endureceu, afastando-se do seu toque. “Saia, da minha, cabeça.” Ele a segurou rápido e usou a sua voz, em vez da sua mente. “Cale-se mulher” Murmurou. “Fique calada agora.” Sua voz profunda murmurou. Tentáculos de som enrolados no ar e enroscando-se à sua volta. Ela acalmou e tranquilizou. Sua respiração estremeceu e aumentou. Olhou nos olhos dourados de Dragos. Existia um incrível abismo naquelas brilhantes piscinas. Ela poderia cair em seu olhar e nunca mais sair. “Valium não chega nem perto de você.” Murmurou ela. “Engarrafe isso e você poderia fazer outra fortuna.” “Está mais calma agora.” disse-lhe ele. Sua expressão facial era impenetrável. “Sim.” Ela arrancou seu olhar do dele e fitou a sua caneca de café. E forçou-se a dizer. “Obrigada.” Ele soltou-lhe o queixo e as mãos e deu um passo atrás. “Beba.” Ela olhou para cima enquanto ele desaparecia pelo corredor. Então levou a caneca aos lábios e bebeu tudo de uma só vez. O gole incendiou as suas veias, atingindo-a mais duro, uma vez que ela não tinha comido bem na última semana. Colocou a caneca no balcão e inspecionou as mãos e tocou ao longo da mandíbula. Ela havia sentido um abalo quando ele a atirou ao chão, mas a forma como a tratou desde então tinha sido bastante cuidadosa. Que notável. O que isso significava? Ele caminhou de volta para a cozinha, trazia em uma mão o capuz azul claro que tinha comprado anteriormente. Acenou para a caneca vazia e deixou cair o capuz em seu colo. Ela encolheu os ombros enquanto ele cruzava os braços. Empoleirado no banco do bar como ela estava, elevava-se sobre ela ainda mais do que ele faria se ela estivesse em pé. Ela pensou que a casa era bastante espaçosa, até que ele tinha entrado. “Vamos começar de novo.” disse ele. Ela manteve o olhar focado em seus braços cruzados, que pareciam muito escuros contra a camisa de seda branca. A distância que separava seus peitorais era


extraordinária. Em outro homem seria demasiado. Nele, aqueles fortes músculos revestiam um corpo suficientemente desenvolvido para levá-los com poder e graça. “Keith chantageou-me para que roubasse algo de você.” ela disse. “Não importava o que era. Ele devia muito dinheiro a algumas pessoas.” “Dívidas de jogo.” Disse ele. Ela levantou a cabeça. Tinha se estabelecido como um paciente predador. - Você já conseguiu chegar tão longe? “Encontramos o seu agente de apostas. Também morto.” Dedos gelados deslizaram pela sua espinha. Ela puxou o capuz fechando-o em torno do peito. “Eu namorei Keith por alguns meses. Durante algum tempo eu pensei… não importa o que pensei.” Ele inclinou a cabeça. “Você pensou o quê?” “Você não está interessado em tudo isso.”Uma cor cobriu as suas bochechas. “Não faça suposições sobre o que me interessa, o que penso ou sobre o que vou fazer. Você não tem ideia do que me interessa.“ disse-lhe ele. Ele recostou-se contra a borda da mesa da sala de jantar e cruzou um tornozelo sobre o outro. “Estamos entendidos?” Ela assentiu com a cabeça, sua cor desaparecendo. Ela continuou. “Nós já tínhamosestabelecido que eu era uma idiota. Keith apareceu quando eu estava me sentindo para baixo e eu me apaixonei por seu charme. Eu fui….indiscreta. Eu devia ter usado mais a cabeça eestraguei tudo.” Sua garganta se fechou. “Você disse que tinham terminado.” ele incitou-a quando ela ficou em silêncio. Ela assentiu. “Eu tinha, há um tempo atras. Então na semana passada ele apareceu. Estava certo de que este esquema ia pagar todas as suas dívidas e torna-lo rico. É claro que nessa altura meus óculos cor de rosa se foram. Eu não queria ter nada a ver com isso, ou com ele. Então ele…obrigou-me.” “Chantageou-a, você disse. Sobre as suas indiscrições.” Ele falou num tom neutro. Ele tinha reprimido a agressão. Ela era muito consciente de que ele estava a "dirigi-la", mas ainda assim soou impiedoso.Ela cobriu a garganta com uma mão enquanto ele analisava a sua expressão. “Podemos não falar nisso por favor?” Ela tentou firmar a voz. “Por favor?” Suas pálpebras caíram, dissimulando seu olhar. “Vá em frente com a sua história.” “Tinha o que eu sabia.” Ela enfatizou a última palavra. “O que eu pensava e logo havia o que eu tinha adivinhado. Keith só sabia falar sobre seus „sócios‟. Pessoas que ele conheceu através de seu agente de apostas e com quem estava fazendo negócios. De alguma maneira, ele foi mais homem em todas as suas histórias do que foi na vida real, sabe o que eu quero dizer?” Ele acenou com a cabeça, mantendo silêncio. “Bem, eu acho que ele estava meio desesperado, meio contador de vantagem e inteiro manipulável. Ele começou a prometer a àqueles contatos dele qualquer coisa que ele podia. Os empréstimos haviam vencido. Ele revelou ter-lhes dito que conseguiria qualquer coisa que eles quisessem.” Ela engoliu em seco. “E eles disseram, que tal alguma coisa de „Cuelebre‟, então. Deram-lhe um feitiço que localizaria o seu covil e Keith veio a mim.” “Eles o fizeram, agora”. Ele não se moveu, mas se esticou todo. O que irradiou dele fez o seu coração acelerar. Ela lambeu os lábios que estavam secos e sussurrou. “Eu acho que Keith disse-lhes algo a meu respeito, mas não muito. Ele teria gostado de me manter em segredo porque ele queria ser o grande jogador epensou que podia me controlar. Ele tinha esperanças de repetir o negócio. Mas eu penso que alguém muito sórdido e poderoso o manipulava e agora, graças a mim, eles têm algo seu.” “Eles de fato o tem.” Ele mostrou os dentes em um sorriso de cortar. “Eu tenho que lhe agradecer mais tarde por isso.”


Ela sussurrou. “Aquele encantamento me assustou pra caramba. Se eu não fizesse o que ele queria, sabia que Keith iria cantar como um canário. Será que ele me entregaria? Num piscar de olhos, se quisesse salvar a sua própria pele. Em seguida, eles viriam atrás de mim. Portanto eu estava dentro, dane-se, dane-se você se não o reconhece.” “Onde está o encantamento agora?” Seus olhos tornaram-se puro ouro, totalmente dragão. “Desintegrou-se quando o usei.” Seus olhos se estreitaram. “Eu teria sentido meus feitiços falharem se tivessem sido anulados, mas eles estavam no lugar quando eu fui investigar.” Ela colocou uma mão na orelha e esfregou o pescoço, num estressado e defensivo gesto, enquanto recordava a dor de usar o encantamento. Ele se aproximou como um impiedoso dragão o olhar dissecando seu rosto. Ela sussurrou. “O encantamento não anula nada. Entre ele e seus feitiços, eu senti como se estivesse sendo rasgada.” “Ainda assim você os atravessou.” Ela não se incomodou em responder. Em vez disso ela procurou o seu rosto. A expressão dele era selvagem, catapultando os seus pensamentos para frente, sobre o quanto as consequências seriam enormes para o seu próprio futuro. Seus lábios estavam dormentes. “Um encantamento tão poderoso poderia encontrar qualquer coisa escondida, não poderia? “ “Dependendo da força do utilizador, sim.“ Qualquer coisa escondida. Havia coisas no mundo que nunca deviam ser encontradas, coisas perigosas, ou criaturas frágeis e preciosas que dependiam do sigilo. Um encanto de rastreamento tão forte quanto o que Pia tinha usado, poderia cortar como uma faca através da defesa de qualquer um. Ela estremeceu e se encolheu interiormente. Apesar de seus medos e preocupações por sua própria segurança, isto nunca tinha sido sobre ela. Dragos franziu o cenho, enquanto considerava o campo minado que ela tinha manobrado para chegar ao seu tesouro, o encantamento desconhecido agia contra seus feitiços. O conflito entre magias opostas poderia matar qualquer pessoa. Aquela elegante fortaleza dentro da sua mente foi o que provavelmente tinha salvo a sua vida. Apesar da sua obvia virada, ele achava que ela não tinha percebido o perigo pelo qual passou. Ele se perguntou se era a sua consciência que a fez ficar tão chateada. Ele era fascinado pelo conceito de consciência. Deixou cair uma mão pesada em seu ombro, segurando os ossos delgados e tendões. Seu corpo se moveu de forma sutil inclinando-se para dentro de seu estimulante agarre. Ele mudou a conversa de volta para um ponto anterior. “Hollins poderia ter entregue, você de alguma forma, antes que eles o matassem.” “Não.” ela suspirou. “Não, o que pode realmente ser por isso que o mataram.” “Como você pode ter tanta certeza?” “Depois de ele me chantagear, eu chantageei-o.” Disse-lhe ela. Ela olhou para ele com um olho. Era aprovação brilhando no seu olhar? “Eu não daria a ele o que roubei a menos que ele lesse o feitiço que eu comprei ontem. Ele teria perdido a capacidade de falar se tentasse falar sobre mim.” Seu estômago se revirou quando ela imaginou o que deve ter sido feito a Keith. Tinha sido uma morte ruim, disse Dragos. E Dragos não era exatamente conhecido por ser impressionável. Teria a morte de Keith em sua consciência se ela tivesse sido a única a começar toda essa porcaria? Ou ela começou toda essa porcaria abrindo a sua grande boca? A moral de tudo isso estava ficando muito complicado para ela descobrir. “Como você conseguiu passar por meus bloqueios e vigias?”


Ela fechou os olhos e colocou as mãos sobre o rosto. Que importância tinha isso? “Eu sou uma mestiça, não tenho muito sangue Wyr ou muitas habilidades. Não consigo mudar a minha forma para a forma Wry e não tenho muito Poder. Não existe nada de interessante sobre mim.” Ela puxou as mãos para longe e olhou para ele. Ele estava observando-a. “O quê, cresceram-me duas cabeças?” “Você acha que não existe nada de interessante sobre você.” disse ele. “Ou que você não tem muito Poder.” Ela lhe deu um olhar vazio e um encolher de ombros. “Exceto, eu acho, por um estúpido truque de salão que fui muito estúpida em manter para mim mesma.” “Que é?” “É mais fácil mostra do que dizer.” Ela caminhou até a porta de correr de vidro, destrancou-a,pisou no deck e fechou a porta de novo. No exterior, a tarde tinha virado noite escura. Ainda olhando para ela, ele espreitou-a e colocou um punho contra o vidro como se o fosse quebrar. Ela disse a ele. “Vá em frente e tranque-a novamente.” Suas sobrancelhas escuras baixaram-se em uma carranca Ela apenas olhou para ele. “Ora, vamos. Você sabe que poderia me pegar de novo se eu tentasse fugir.” Com os seus dourados olhos de dragão segurando os dela, ele fez o que ela lhe disse. Ela abriu a porta e voltou para dentro. “Vê?” Ele olhou para a porta e novamente para ela. “Faça de novo.” Ela foi para fora. Ela caminhou de volta depois de ele trancar a porta. Ele disse. “Eu não senti você lançar o feitiço.” “Isso é porque eu não o fiz. É apenas uma parte de mim.” Fechaduras, enfermarias, dê um nome e ela poderia atravessá-lo. Nada a poderia prender. Nada, isso é, a menos que ele caísse diretamente de um céu azul claro e se sentasse sobre ela. Ela cavou a palma da mão ao mesmo tempo que uma dor de cabeça começava a pulsar. “Isso é tudo o que eu sei. Isso e mais uma vez, me desculpe. Eu suponho que você vai querer fazer-me em pedaços agora.” Ele não se moveu para trás quando ela entrou. Estava tão perto que ela podia sentir o calor do seu corpo em sua pele. Ele tinha um tipo de força e vitalidade que era um choque constante para o sistema. Ela sentiu-se pequena, fria e pálida em comparação. Apesar do enorme perigo que esta criatura representava, ela sentia um desejo muito irracional de se enroscar no seu calor. Ele segurou a cabeça dela. Largas palmas e longos dedos seguraram-lhe o seu crânio. Estranhamente, ela não sentia medo e não resistiu quando ele inclinou a sua face para cima. O predador se inclinou sobre ela. “Você cometeu um crime.” disse ele. “E agora você está em dívida para comigo. Digao.” O que foi isto? Ela não conseguia nenhum indício procurando no seu rosto. Seus ombros caíram e sua boca se curvou. “E se eu não quiser dizer?” “Você será recompensada.” disse o Senhor dos Wyr. “Você vai me servir até que eu considere a dívida paga. Está claro?” “Sem desmembrar?” Preguntou ela. Seu olhar se fixou nele. Poderia ela acreditar nele dessa vez, ou seria isso uma cruel piada? Ele balançou a cabeça e alisou o seu cabelo para traz. “Sem desmembrar. Você disse a verdade” ele disse. “Eu pude senti-lo enquanto você falava. Você cometeu um crime, mas também foi uma vítima. Isto é justiça.” Ele inclinou a cabeça até que seu nariz apenas tocou a ponta do dela, inalando. Sua voz era muito mais suave, enquanto ele continuava. “Mas quando eu for atrás de quem orquestrou isto? Isso será vingança.”


Ela estremeceu, ficando fraca de alívio. Suas mãos alisaram sobre os fortes músculos em seu peito. Ela sentia-se cercada por ele, contra todo o bom senso ou a sanidade, ela sentiu-se segura. A sua espinha perdeu a rigidez. Ela inclinou-se contra ele. Só um pouco. Ela fez isso disfarçadamente para que ele não notasse. “Eu não gosto da palavra „servir.‟ O que você quer que eu faça?” “Eu vou dar utilidade a você, de alguma forma.” disse-lhe. “E se eu não o quiser fazer?” Sua cabeça começou a baixar, como uma flor que se inclina. Suas mãos dirigiram-se para descansar no seu peito. “Eu não vou voltar a roubar.” avisou ela. “Então se for isso o que você quer, nós podemos muito bem voltar para o desmembramento agora mesmo.” Ele ouviu-a. Garota forte. “Não há nada que você possa roubar que eu não consiga de muitas outras maneira. Não vou coloca-la em perigo.” Ele reteve a cabeça dela aninhada em uma mão e colocou um braço ao redor dela. Ele murmurou. “Eu não ponho em perigo os meus tesouros.” O que é que ele queria dizer com isso? Ela estava hipnotizada por ele, de uma forma que não tinha nada a ver com encantamento. Ela tentou focar-se. “Não estou de acordo com a sua ideia.”resmungou. “ Vou ter de pensar sobre isso.” Mas não parecia tão ruim. Era muito melhor do que ser feita em pedaços. E ela roubou dele, juntamente com ter-lhe contado muito sobre si mesma. Ela mordeu o lábio. E se ele decidisse chantageá-la também? “Eu não estava ciente de que lhe dei uma escolha.” disse ele. Era divertimento o que se ouvia na sua voz? “Crime e julgamento lembre-se, sem negociação. Você vive sobre meu domínio, você vive segundo a minha lei. Mas vá em frente e pense sobre isso durante todo o caminho de volta para Nova Iorque.” Uma buzina soou do lado de fora da casa. Ela pulou e arrastou-se para longe. Ele olhou para ela com as sobrancelhas levantadas. “Oh, Deus.” disse ela “É a …..é a entrega. Eu vou busca-la. Volto já.” Ela encaminhou-se para a porta apenas para ser trazida de volta, pela mão dele que circulava seu pulso. “Eu vou lá.” disse ele. “Não seja tolo” ela disse para ele. Um batimento selvagem abateu-se no seu peito.“Eu disse que pagava o jantar e vou. É o mínimo que posso fazer.” “Não.” Ele passou por ela, longas pernas diminuindo a distância até à porta. Maldição. Ela o pegou pelo braço antes de ele abrir e tentou uma última vez. “Por favor, Dragos. Deixe-me fazer isso.” Ele colocou as mãos em seus ombros e empurrou-a de volta para a sala de estar. “Alguma coisa não está certa. Eu consigo sentir. Você não vai lá fora.” disse ele. Ele tinha-se transformado completamente em um frio assassino. Seu Poder acelerou aumentando a sua força para o nível de guerreiro. “Não é seguro.” Como é que isto ficou tão confuso? Ela torceu as mãos. Ele não só caminhou para fora como correu, aquele magnífico corpo dele transformou-se numa arma. Um som cortou o ar. Dragos girou para trás, suas pernas curvando-se. Tudo aconteceu muito rápido. Ela tomou conhecimento uma batida de coração depois. Olhou para Dragos, que tinha desabado na calçada. Uma dúzia de altos Elfos saíram de diversos lugares escondidos, detrás do seu Honda, do Ford desconhecido em marcha lenta próximo do matagal.Eles mantiveram as armas apontadas para a figura esticada. Um longo arco de seis pés. Ela lançou-se em direção a Dragos, que se encontrava deitado de costas. A escuridão parecia coberta por um manto branco, que começou a espalhar-se. Ela caiu de joelhos ao lado dele. “Vocês atiraram nele!” ela gritou. Olhou para os olhos sérios dos elfos envolvendo-os. “Vocês sabem quem é ele?” Um deles deu um passo adiante. Era um homem de cabelos grisalhos, bonito da forma como todos os Elfos são, com uma luz graciosa que de alguma maneira faz com que


todas as outras criaturas pareçam pálidas em comparação. Apesar de sua constituição delgada, ele não parecia apenas poderoso, ninguém na clareira carregava mais poder do que ele,exceto Dragos. “Nós sabemos quem ele é.” disse o Elfo. E Olhou para Dragos, seu bonito rosto ficou frio. “Wyrm.” Ela voltou-se para Dragos. Mesmo ferido, ele parecia totalmente sem medo, o seu olhar de ave de rapina desviou-se dos elfos para se focar nela. Ela rasgou a camisa para olhar o sangramento do orifício sobre o seu peito esquerdo. “Eu não entendo. Nenhum de vocês está transportando armas. Onde está a seta?” Perguntou ela. Arrancou o seu capuz e apertou-o contra a ferida. “Magia Elfica.” Dragos respondeu entre dentes. “Nenhuma simples seta poderia marca-lo.” disse o Elfo. “Mas esta já derreteu dentro do seu corpo. E continuará a libertar veneno em sua corrente sanguínea por um número de dias.” “O que você fez!” Gritou ela. O rosto contorcido. Cerrou os punhos e colocou-se em pé. Dragos agarrou seu pulso. “Pia.” ele disse quando ela lutou contra seu agarre. “Nós o incapacitamos.” disse o Elfo a ela. “Você não entende.” ela disse a Dragos. “Eu os chamei. É minha culpa.” Ela tentou forçar seus dedos a se abrirem. Era como tentar abrir algemas de aço. Ela olhou para cima para o Elfo que voltou sua atenção para Dragos. “Você entrou em nossas terras sem permissão. Tratados foram quebrados. Haverá consequências. Por agora, o veneno irá impedi-lo de se transformar na Grande Besta. Uma vez que „cortamos as suas asas‟, nós lhe daremos doze horas para alcançar as nossas fronteiras. Se até lá você não tiver ido, haverá mais de doze de nós que virão por você.” “Eu quebrei a lei dele.” disse Pia. “Ele só estava vindo atrás de mim.” “A lei dele não é a nossa.” disse o Elfo. “E ele quebrou a nossa. Wyrm, libere o seu domínio sobre a fêmea.” “Ela é minha.” Dragos arreganhou os dentes, olhos dourados cintilando como lava. Seu rugido estremeceu em seus joelhos através do solo e longos dedos agarraram seu pulso. Ele esticou-se e começou a levantar-se. Os outros Elfos apontaram seus arcos para ele. “Você vai libertá-la agora ou perde as doze hora de favor.” Disse o líder deles. Pia levantou sua mão livre para os Elfos, dedos esticados e palmas para cima. “Pare!” Ela inclinou-se sobre Dragos. Curvar-se perto daquele o rosto feroz foi uma das coisas mais corajosas que ela tinha feito na vida. Um instinto que ela não conseguia explicar produziu uma gentileza na sua voz. “Dragos.” ela murmurou. Calma e tranquila, como se ela falasse com um animal ferido. “Pode olhar para mim, por favor? Você sabe como pessoas normais pedem „por favor‟. Preste atenção em mim, não neles.” Aquele olhar de lava voltou-se para ela, alheio e queimando. Ele poderia nãoser capaz de mudar, mas ele estava imerso no dragão. “Obrigada.” ela murmurou. Ela deixou cair o braço livre e acariciou o seu cabelo negro. Dragos acompanhou o movimento, em seguida, olhou para o seu rosto. “Eu sei que você está muito zangado, mas eu prometo-lhe, não vale a pena lutar por causa disto.” ela sussurrou. Ela puxou somente um pouco as suas pontas escuras. Uma lembrança a atingiu. “E você me prometeu que não iria me colocar em perigo. Só há alguns minutos atrás. Lembra-se? “ Seu rosto perigosamente cerrado. “Você é minha.“ ele disse a ela. Por um abrasador instante, ela não tinha ideia do que responder a isso. Então Oh, outra rápida ideia e ela estava sobre ele. “Soltar o meu pulso não vai mudar nada.” ela murmurou. Ela imitou o que ele tinha feito com ela antes, acariciou com um dedo o lado de seu rosto e em seguida, colocou a mão no rosto dele. “Por favor.” Seus dedos soltaram-na e ele deixou-a afastar-se.


Ela ficou em seus pé instáveis, de alguma forma conseguiu ficar em pé e se virou para o líder dos Elfos, que lhe fez uma ligeira inclinação. Ele olhou para ela. “Eu a conheço de algum lugar?” Campainhas de alarme começaram a tocar no seu interior, mas todas as ideias rápidas tinham desaparecido. Ela balançou a cabeça e disse. “Nós nunca nos conhecemos.” “Eu estou seguro de que já a vi antes. Você parece. . .” O olhar cor de mar do Elfo aumentou. “ Você parece exatamente…” Dragos colocou uma mão no tornozelo dela. “Sim, eu pareço a Greta Garbo.” Ela interrompeu-o em voz alta. Um impulso do medo umedeceu a sua pele. „Cale-se, Elfo‟. “Isso acontece-me muitas vezes.” “Minha senhora, é uma honra conhecê-la.” soprou o líder Elfico . Ele curvou-se para ela, o vago respeito anterior tornou-se em reverência. Quando ele se endireitou, o seu rosto estava repleto de alegria. “Você não tem ideia de como esperei e rezei para que alguma coisa da sua mãe permanecesse neste mundo.” Todos os outros Elfos olharam para eles, os rostos deles iluminaram-se com curiosidade. Ela fez uma careta para o líder dos Elfos. “Eu não tenho ideia do que você está falando.“ Disse ela. Ele pareceu avançar e recuou para si próprio. A sua alegria começou a mudar mas ela ainda a podia sentir na pulsação acelerada dele. Ele sorriu-lhe e disse. “Claro, perdoeme. Enganei-me.” Então a sua voz telepática soou na cabeça dela como um profundo sino ao vento. “O meu nome é Ferion. Uma vez conheci uma mulher que se parecia muito com você. Conhece-la foi um dos maiores presentes da minha vida.” “Estou honrada de que você tenha partilhado isso comigo,” disse ela. “Mas é perigoso para mim falarmos sobre isso, eu não sou essa mulher. De fato, sou muito menos que essa mulher.” “ Não para os meus olhos,” disse ele. ”Por favor, permita-nos oferecer-lhe o nosso santuário. Eu sei que nosso Senhor e Senhora a iriam recebê-la com alegria, cada pedaço como se fosse eu próprio. Nós valorizamos a sua presença entre nós.” Ela hesitou por um momento, sim, ela estava tentada. O pensamento de umas boas vindas apertava seu coração solitário. Mas a reverência de Ferionlevantou um pouco seu astral. Ela não pensava que pudesse suportar viver com tal consideração. Nãoquando ela era muito menos do que aquilo que ele achava que ela era, absolutamente nada especial, apenas um brilho na luz da noite escura, um truque de magia estúpido e uma boca grande que a colocara em muitas dificuldades. Viver com os Elfos, onde ela iria se sentir como uma fraude, enquanto ela envelheceria e morreria e eles permaneceriam para sempre os mesmos, seria apenas um tipo diferente de solidão. A ciumenta mão em seu tornozelo apertou. Ela olhou para Dragos, que a estava observando com um reduzido olhar. “Eu agradeço-lhe pela oferta do santuário. Talvez um dia eu possa levá-la em consideração”, disse ela a Ferion. Assim como ela não podia aceitar, ela não suportava dizer não, também, ao que poderia ser o único lar já oferecido a ela. “ Por enquanto, eu tenho uma divida a pagar.” Ferion falou alto, “Senhora, imploro-lhe, venha conosco. Não fique com a Besta.” Ela se agachou até Dragos e atreveu-se a espreitar sob o capuz cobrindo a sua ferida. Ele tinha parado de sangrar. Ela removeu o sangue seco do seu ombro tão gentilmente como ela podia. Limpou as mãos no material e dobrou a parte ensanguentada para o resto do capuz. “Toda esta corrente de destruição é minha culpa.” ela disse. “Eu tenho de fazer tudo o que puder para corrigi-lo.” O aperto de Dragos em sua perna aliviou. Seus dedos deslizaram ao longo da sua barriga da perna em um movimento sutil.Ele aborreceu-a


tanto, que ela virou-se para ele. “Mas não importa que coisa ridícula você diga, eu não sou sua. Você não estaria aqui, exceto por mim, então eu te verei na fronteira do elfos. Eu sei que você perdeu a cabeça, você tornou-se assustador, obsessivo e territorial e você quer recuperar a sua propriedade e tudo aquilo, mas, qual é. Tudo o que eu peguei foi a droga de um centavo. Além disso, eu já lhe dei outro.” Um canto de sua longa, sexy e cruel boca se evantou num sorriso. Os Elfos recusaram tocar Dragos, então ela teve de ajudá-lo tanto como podia. No momento em que ele se empurrou do chão e elatinha se colocado debaixo do braço bom dele, os Elfos tinham desaparecido. Ela sabia que era melhor acreditar que eles tinham ido embora. “Você levou um centavo de 1962” Disse Dragos. Seus dentes estavam serrados. “Você deixou um de 1975. Não é nenhuma substituição.” Ela olhou para ele. “Oh meu Deus, é assustador que você tenha reparado.” “Eu sei tudo do meu tesouro escondido e exatamente onde está escondido.” disse-lhe ele. “Até o mais ínfimo pedaço.” “Você deveria ir a um médico, obter um exame para TOC*”. Ela ofegou. “Talvez eles tenham medicação para isso.” Seu peito moveu-se em uma risada silenciosa. Ela focou-se em colocar um pé na frente do outro. Ele inclinou-se sobre ela o menos possível, caso contrário ambos teriam caído novamente no chão. Ele ainda se sentia como se um Volkswagen tivesse sido pendurado no seu pescoço. Eles foram para dentro. Ele desabou no sofá. Passou o braço sobre os olhos e esticou uma perna até a bota pairar sobre o final. Deixando o outro pé no chão. O sangue e os botões que ela tinha estourado quando rasgou para a abrir, tinham arruinado sua camisa Armani. Ela olhou seu peito que era tanto largo como extenso, estreitado em musculosos abdominais que ondulavam para dentro das suas calças. Pelo amor de Deus. O macho foi ferido e aqui estava ela cobiçando-o como um pervertido em uma loja pornô. “Eu não estou bem da cabeça.” ela murmurou. Ele disse por debaixo do braço “Irei atrás desse comentário mais tarde.” Ela voltou para a cozinha. “Vou buscar-lhe alguma água.” “Whisky.” “Certo. E água.” Ela trouxe a garrafa de Whisky, junto com um jarro de água e um pano. Ele roubou a garrafa dela, destapou-a e bebeu metade sem parar. Ela esperou até que ele parasse para respirar. Em seguida, sentou-se na mesa de café de madeira e usou a toalha para limpar o sangue de seu peito. A entrada da ferida já não era nada mais do que uma cicatriz branca. “Ainda dói?” ela perguntou, ansiedade roendo-a. “Sim.” “Desculpe.” “A sua voz está muito alta. Cale-se.” Ele disse a ela.Ela mordeu os lábios quando terminou de lava-lo. Ele suspirou e moveu-se. Embora ele não tenha perdido nada dessa elegância de animal letal, era obvio que ele estavacom dor. “Continue a fazer isso com o pano. É bom.” Ele fez uma pausa. “Por favor.” Após congelar por um momento, ela disse. “Eu vou buscar um limpo.” Ela deixou cair o pano ensanguentado na pia, pegou outro e correu de volta. Ele não tinha se mexido. Ela começou a alisar o pano umedecido sobre o seu peito e ombros. Se ele se sentia quente antes, agora ele era o inferno. Ela pegou o braço envolto no seu estomago de músculos definidos, levantou a manga e banhou-o. Então baixou-o e estendeu a mão para o braço que ele tinha a cobrir os olhos.

*Transtorno Obsessivo Compulsivo


“Foi a chamada telefónica. “ disse ela. “Para os filés. Eu não liguei um número da lista telefônica. Eu tinha memorizado uma linha de ajuda que alguém me deu.” “Eu percebi isso.” Sua resposta foi muito seca. Ela assentiu com a cabeça, mergulhou o pano quente na água do jarro para esfriá-lo e começou tudo de novo. As palavras continuaram a sair dela. Ela disse, “Eu estava assustada quando liguei para eles. Eu pensei que você fosse me matar.” “Percebi isso também.” “Desculpe-me. “ ela explodiu. Ela pegou a garrafa de Whisky dele e tomou um profundo gole. Conforme ela baixou a garrafa, ela apanhou-o a sorrir. “Deus.” ele disse. “Você deveria estar muito arrependida. Nos últimos dois dias, você já me custou uma quantidade incalculável de mão-de-obra, dezenas de milhões de dólares em danos materiais. “Vamos avivar a memória. Não fui eu quem desatou aos gritos que serviu para acordar os mortos.” Sua espinha se endireitou e ela olhou para ele. O seu sorriso ampliou-se, um golpe de branco na escuridão da sala. “Você tem me causado todos os tipos de alianças quebradas com a comunidade dos Elfos, e agora eu estou muito doente.” Ela apontou para ele. “Você quebrou essas alianças. Não era suposto você vir aqui. Isso foi uma loucura…” Uma pausa. Ela olhou para ele com olhos tristes. “ Você está mesmo muito doente?” “Bastante.” Ele apontou para a garrafa e ela entregou-lha. “Meu corpo está lutandocontra o veneno. Está melhor do que estava.Em pouco tempo,eu vou ser capaz de me mover por conta própria.” Ela virou-se e sentou-se com um pequeno grunhido no chão. Ela arrastou as pernas, colocou os cotovelos sobre os joelhos e pressionou as palmas das mãos contra os olhos. Sua dor de cabeça havia crescido. “Eu não tenho a certeza onde terminam as terras dos Elfos, mas não vai demorar muito para o levar. Algumas horas. Temos algum tempo.” Ele enfiou os dedos em seus cabelos e levantou os fios. “Eu quero alguns dos seus cabelos.” Ela levantou a cabeça. “O que?” “Eu disse que quero alguns fios dos seus cabelos. Dê-me um cacho e eu vou te perdoar por invasão de domicílio.” “Ok. Certo.” Ela piscou para ele. “Então eu dou-lhe um cacho do meu cabelo, levo-o até à fronteira Élfica e deixo-o lá?” Ele riu. “Eu nunca disse que a deixaria ir. Eu só disse que perdoaria você.” “Eu sabia que isso era muito fácil.” ela murmurou. “Você não é mesmo uma estrada reta, não é? Ok, então você me perdoa mas não me deixa ir?” Seus ombros caíram.“Não tem importância. Eu estou muito cansada para esta conversa.” Ele continuou a correr os seus dedos através dos seus cabelos. “Você alguma vez deu algum, ao seu namorado?” Os olhos dela tentaram fechar-se. O gentil puxar no seu cabelo fazia com que fosse quase impossível manter a cabeça ereta. “Ex.” ela murmurou. “Ex.“ ele emendou. “Não.” Ela lutou contra o prazer, para acordar. Ela deu um puxão indiferente na sua mão. “Pare com isso. Eu não consigo manter os meus olhos abertos quando você faz isso.” “Então não o faça.”Ele alisou a palma da mão sobre a cabeça.Ele gostava de como sua voz ficava suave com sonolência. Ele gostava que ela não cheirasse mais a medo, seu cheiro estava modificado com uma leve excitação persistente. “Vá dormir.” ele murmurou. “Tenho que cumprir esse prazo. Coloque um alarme.” Ela tentou lutar para ficar de pé. Quando ela estava se levantando sobre os joelhos, ele passou um braço em volta da sua cintura e baixou-a em cima dele. Não foi difícil. Estava desequilibrada para


começar e vacilante com a fadiga. Ela opôs-se e tentou soltar-se, mas ele passou os braços em volta dela e segurou-a no lugar. “Deite-se.” ordenou. “Vou certificar-me de que sairemos na hora certa. Vá dormir.” Ela caiu sobre ele como um castelo de cartas. Ele puxou a sua cabeça em um lugar confortável no seu ombro não lesionado. “Pare de me dar ordens.” bocejou. Com o pretexto de conseguir ficar confortável, ela esfregou o rosto contra seu peito, tendo prazer na sensação de macho, quente potente.Ele infiltrou-se nas frias fendas que corriam dentro dela. “Você não é meu chefe.” “Durma.” ele disse a ela. Só assim ede um momento para o outro, ela estava dormindo. Ninguém estava por perto para testemunhar, quando ele experimentou pressionar seus lábios contra a sua testa. Ele decidiu que ele gostava disso também.


Seis

A cama deslocou-se debaixo dela. Pia bocejou e esfregou seu nariz. Por que o colchão estava tão desigual e morno? Seus olhos se arregalaram. A sala estava completamente escura. Tudo o que podia ver eram sombras. Estava espalhada sobre Dragos, suas pernas emaranhadas. Ela se esticou e tentou se levantar, mas os braços pesados que a cercava, se recusaram a deixa-la ir. E sua cabeça estava presa. Deu um puxão. Ele tinha envolvido seu cabelo em torno de um pulso grosso. Parecia haver cascalho alojado em sua garganta. Pigarreou, “você pensou que eu tentaria fugir enquanto você dormia? Eu não te deixaria enquanto está machucado.” Ele desenrolou seu cabelo e deixou as pontas soltas, arrumando-as de volta. “Eu não dormi.” Desta vez quando ela se empurrou nos cotovelos, ele a deixou ir, permitindo que um braço a enlaçasse pela cintura. Não ia pensar sobre essa sesta. Não ia pensar sobre dormir em seus braços ou como foi chocante se sentir tão bem com isso. Ops. Ela acabou de pensar nisso. “Como você pode não dormir?” pediu. “Você se sentiu muito mal?” “Não é meu hábito usual, mas eu posso ficar dias sem comer ou dormir se for preciso.” Manteve sua voz em um ritmo calmo. O som ecoou através dela. “Eu não tenho nenhuma intenção de dormir no território dos Elfos. Além disso, tudo que eu necessitava era descansar.” “Como você se sente agora?” Demasiada grogue para manter acima sua cabeça, afundou-se para baixo outra vez e descansou sua bochecha em seu peitoral. Mmm. Pele de cetim sobre ferro. “Melhor. Meu ombro se parece com gelo, mas a dor diminuiu. Serei capaz de me levantar e mover por aí, mas eu não acho que poderei me transformar até bem depois que o prazo deles expirar. A mágica de seu veneno foi bem construída.” Ela correu os dedos levemente sobre seu ombro ferido. A área parecia febril, muito mais quente do que o resto de seu corpo, não gelado. “Isso dói?” “Não” capturou sua mão e trouxe-a até sua boca. Ela se endureceu quando ele deslizou seu dedo indicador em sua boca e o sugou. Simples assim, e aquela luxúria intensa do sonho veio rugindo novamente. O aperto em sua cintura se deslocou até que ficassem melhor alinhados, pelve junto a pelve. A evidência de seu despertar projetou-se longa e firme sob seu jeans. Ela gemeu e tentou se contorcer para longe. Mas tudo que pode fazer foi friccionar seus corpos. Ela se chocou, “Pare.” Ele não se apressou, sugando até a ponta de seu dedo. Sua voz escura escovou como uma fricção preguiçosa de um tigre contra sua pele. “Por quê? Você me quis no sonho. Eu quis você. Eu tenho cheirado sua excitação desde então. Somente algumas horas se passaram. Nós temos tempo, antes que nós precisemos sair.” Ele lambeu sua palma, uma sensação que disparou por todo o caminho descendo emseu corpo até vibrar entre suas pernas. Ela ofegou. “O que aconteceu era um sonho!” “Então? Nós ainda queremos isso.” Seus lábios se moveram para a pele delicada de seu pulso. O batimento em seu pulso era frenético contra sua boca. Sua língua riscou a veia. Ela não ficou chocada, mas desconcertada apenas. Ele era aquele tipo devastador de homem, mas esta sensualidade tinha perceptível delicadeza com a qual ela não sabia lidar. Teve que se esforçar para reencontrar sua indignação. Quando o fez, estava suspirando de prazer. “O sonho era um feitiço! Não era real.”


“Era a verdade,” disse. Os dedos longos começaram a provocar seu caminho para baixo da bainha de sua camisa, traçando sua pele na parte baixa das costas. “O encanto lhe trouxe o que você mais queria.” Sua pele formigou e ela se sentiu sufocada. Esforçou-se duramente para se soltar e falou sério desta vez. Por um momento, seus braços a apertaram como se recusassem a deixa-la ir. Então seu aperto afrouxou. Ela tropeçou em seus pés, colidiu com a mesa de centro e bateu em algo. A umidade embebeu o carpete em seu pé descalço. Tinha retrocedido sobre o jarro de água que tinha usado para o limpá-lo. Seus braços erguidos, conforme ela ia de encontro a parede. Seus dedos deslizaram ao longo do gesso liso até que encontrou um interruptor. Acionou o interruptor e permaneceu parada com ambas as mãos apoiadas na parede, olhos espremidos, fechados contra a luz repentina. Seu rosto estava em chamas. Lembrou-se de Keith e os erros horríveis que cometeu. Ignorando o conselho da sua mãe, abrindo-se e compartilhando, tudo porque quis se apaixonar e ser amada, quis confiar e ter sua confiança. Tudo porque quis um amante e um companheiro, um lar verdadeiro, uma casa segura, um lugar do qual não tivesse que fugir, inclusive se desafiou a pensar, talvez um dia até mesmo crianças. Os músculos em seus braços estavam demasiado apertados. Friccionou sua bochecha úmida em seu ombro. As molas do sofá protestaram. Ela sentiu, assim como o ouviu, vir por trás dela. Um inferno de energia ferveu ao longo de seus nervos hipersensíveis. Dragos pressionou-lhe o corpo com o dele. Pressionou suas mãos sobre as dela, tão maiores e mais escuras do que as femininas e delgadas que tremeram por baixo. Sua aflição cortou o ar. Ele baixou sua bochecha à parte superior de sua cabeça. Sua Corte era às vezes um lugar tumultuado. Alguns estavam comprometidos. Muitos eram solteiros. Todo o Wyrkind vivia com uma sensualidade sincera e suas emoções quentes transformavam facilmente em violência. Tomou uma fêmea ocasionalmente, mas seus acoplamentos eram sempre simples. Era sexo direto sem complicações. Mas ele tinha sido testemunha de muitos outros acoplamentos que eram muito mais complexos. Sentimentos feridos, enganos, ciúmes, corações quebrados, infidelidades, paixões – tudo isso jogado fora em um contexto à vida da Corte. Esta era uma fêmea complexa, nenhum sexo simples por contrato. Considerou o que fazer, exemplos das coisas que tinha visto, rejeitando uma coisa após outra. Então disse em uma voz baixa, “Eu não compreendo. Você vai me explicar, por favor?” Desgraçado. Agora ele aprendeu que dizendo, “por favor”, tinha sucesso com ela, ele estava começando a dizer. Ela balançou sua cabeça. Ele suspirou. “Eu sou velho e eu sou frequentemente cruel e calculista, não é seguro estar perto de mim quando estou com raiva. Eu não me desculpo pelo que eu sou. Eu sou um predador, eu ordeno outros predadores resolutos e decididos. Mas eu não pretendia angustiar você.” Ela se acalmou enquanto o escutava. A terrível sensação de exposição desvaneceuse. Ela a cercou com seu corpo e sua energia a engolfou. Ele não compreendeu. Pensou que o sonho era apenas sobre o sexo. Se fosse tão simples. Ela inclinou sua cabeça para trás e ele se moveu de modo que ela a descansasse na cavidade de seu pescoço. Disse, “O sonho era manipulativo. Era fora da realidade. Você pode escolher fazer coisas nos sonhos que você pode não escolher fazer quando está acordado.” “Mas era verdadeiro?” Sua respiração soprou os delicados cabelos em sua têmpora. Como era estranho ele estar incerto. Ele usava a arrogância com muito mais facilidade. Isso não deveria ser tão encantador como ela pensava que era. Ela não estava realmente bem da cabeça. “Havia uma verdade no sonho,” ela admitiu. “Não é tão óbvio, quanto apenas o sexo.” “Há mais envolvido do que eu pensei.” Ela podia ouvir o sorriso em sua voz. Ele soou… satisfeito. “Você está contente com isso?” ela perguntou, incapaz de não sorrir também.


“Você é complicada. Mas eu não estou entediado.” Ela puxou uma mão de debaixo da dele e cobriu sua boca. “Eu estou tão feliz por poder mantê-lo distraído, sua majestade.” Ele a envolveu em seus braços. “Então, qual é esta realidade que não é tão óbvia quanto o sexo no sonho? Como isso tem a ver com a excitação que eu senti de você?” Ela se deleitou com a força daqueles braços e decidiu se permitir apreciar ser abraçada. Sem análise, motivos ou segundas intenções, nenhuma visão do futuro, sem expectativas. “É que como eu sinto realmente. Quanto pode ter restado do feitiço do sonho? Você é complicado também, eu tenho estado morrendo de medo de você por todo o dia. E para mim, a atração é uma coisa, mas fazer am- ” parou em uma respiração brusca. “Mas sexo,” alterou, “é outra coisa. Eu tenho que ter um determinado nível de confiança em alguém, antes de poder ficar tão vulnerável.” “Você confiou em Keith,” Ele disse. Ela não poderia deixar de vacilar. “Sim, eu fiz. E ele me traiu. E isso ainda machuca.” “O encantamento do sonho já se acabou” disse-lhe. “O que quer que você sinta é real, e o que você escolher fazer sobre isso é da sua conta.” Ele puxou seu cabelo para um lado e pôs seus lábios na marca de mordida em seu pescoço. Seu pulso vibrou como uma borboleta e ela prendeu a respiração. Os braços dele se apertaram e então a deixou ir e deu um passo para trás. Ela deu a volta, desgrenhada e desconcertada. Os pés descalços graciosos brilharam pálido contra o bege neutro do tapete, seus dedos do pé estavam pintados em um vermelho lustroso. Ela parecia delicada e deliciosa e sua virilha apertou. Ele ignorou. “Nós devemos ir.” Ela inclinou-se, tentando dobrar as pontas esvoaçantes do cabelo atrás de suas orelhas. “Sim, claro que devemos. Por quanto tempo descansamos?” “Duas horas.” Ele girou, se afastando e lutando para controlar sua reação a ela. “Há tempo para se lavar, então. Se você não se importa, eu vou tomar um banho e mudar de roupa. Eu não demorarei.” Ela apressou-se pelo hall. Dragos dobrou sua cabeça e olho-a se afastar. Ele ainda não gostava da imagem dela se afastando. Um dia você vai confiar em mim. Então você me dirá que o que mais havia sobre o sonho e porque você estava tão abalada. Você não estará com medo de mim e você me contará todos seus segredos. E então você será minha. Ele sorriu. Ela não percebeu que ele ainda estava na caçada. Bom. Era melhor dessa maneira. No quarto, Pia agarrou o segundo conjunto de roupas novas que tinha comprado junto com a roupa de baixo, um par de capri azul jeans e uma camiseta amarela limão de stretch, com as luvas curtas forradas e um cachecol. Somente mais um conjunto novo sobrando. Na taxa em que sujava as coisas, ela teria que lavar roupa ou comprar mais. Fechou a porta do banheiro, se sentindo tola quando a trancou. Como se o Exército dos Estados Unidos pudesse mantê-lo fora caso ele decidisse entrar. Agitou sua cabeça, abriu o chuveiro, tirou a roupa e entrou. A água morna jorrou sobre sua cabeça e o corpo, acalmando as partes doloridas e cansadas. Sibilou quando a água bateu em seus joelhos esfolados. Trabalhando rápido, lavou seu cabelo com o shampoo apropriado, suspirando com alívio enquanto passou o condicionador através dele e o comprimento embaraçado se tornou mais macio e mais manejável. Então ensaboou o resto de seu corpo, enxaguou, se secou e se vestiu. Escovou seu cabelo e prendeu-o com uma borracha amarela, lançou os produtos de higiene pessoal de volta para o saco de compras e saiu do banheiro. Dragos estava estendido sobre as cobertas amarrotadas. Ele fez a cama Queen size parecer pequena e apertada. Ela sentiu que bateu em uma parede invisível quando ela o viu. Ele estava deitado de costas, os olhos fechados, uma mão atrás de sua cabeça, a outra descansando em seu estômago de tanquinho.


Tinha removido a camisa manchada de sangue e vestiu somente suas calças jeans e botas. A ferida do ombro ainda brilhava em branco contra sua pele de bronze. Seus músculos ondulavam sob seu peitoral pesado e os mamilos escuros enrugaram-se contra o ar fresco. Tinha a cabeça úmida. Ele tinha se lavado também, o escuro cabelo polvilhado naquele peito verdadeiramente, não humano, ainda estava úmido. Sua cabeça estava demasiada úmida também. Ela pegou o cheiro de um homem limpo. Como em cada cômodo em que ele entrava, ele possuía o quarto apenas por estar lá. Ela se arrepiou e remexeu sua última camisa limpa, de manga comprida e botões. Depois que rasgou fora a etiquetas, colocou-a e a vestiu como uma jaqueta, já que seu moletom tinha tido um curto tempo de vida. Sua presença era muito irresistível. Ela não podia se sentar perto dele na beira da cama. Em vez disso, agachou-se para deslizar suas meias e seus tênis. Seu olhar voou de Dragos para seus vários pertences espalhados pelo quarto. Ela olhou para sua mochila com a documentação para três novas identidades e quase cem mil dólares. Então olhou para trás o homem deitado de costas. “Você está pronto?” Ela perguntou. Soou tão esbaforida como se tivesse corrido uma maratona. Movimentou-se pelo quarto, recolhendo seus pertences, enfiando-os em outro saco de compras. “Sim,” ele disse. Respirou profundamente e suspirou. Era uma vista imponente. Ela lambeu os lábios e tentou pensar de outras coisas. “Você não precisa daquelas outras identidades,” ele disse a ela. “Eu gosto do nome Pia Alessandra Giovanni. Combina com você.” Merda. Três identidades bem construídas e muito caras foram para o ralo. E as outras estavam para trás em Nova York. “Eu não posso acreditar em você!” Ela explodiu. “Essas são minhas coisas! Você não tinha o direito de olhá-las.” “Naturalmente que tinha,” ele disse. Por que ele achou que podia vir com esta? Jogou um dos sacos de compras nele. Ele deve tê-la observado de olhos semicerrados. Em um movimento que parecia preguiçoso, contudo muito rápido, ele pegou o saco com uma mão. “Eu aposto que você contou o dinheiro também!” ela disparou. “Naturalmente que eu o fiz,” disse outra vez. Ele lhe abriu um sorriso, uma barra de brancos dentes à mostra. “As mulheres realmente demoram muito tempo no banheiro. Eu também olhei no refrigerador, usei seu celular para ligar para Nova York e peguei suas chaves do carro. Não pode haver um fiapo de um predador Wyr em você porque você não é apenas uma vegetariana, você é uma vegana. Não me surpreende você ser tão magricela”. “Magricela!” Somente ele poderia pensar de chamar uma mulher medindo 1,52m e 63 Kg de magricela. Jogou o outro saco de compras nele. Ele pegou aquele também, mas não pode impedir que os frascos de shampoo, condicionador e loção se derramassem sobre ele. “Eu não sou! E de qualquer maneira, eu não sou vegana tampouco. Eu comerei mel se o colher de uma maneira responsável. Mas esqueça sobre tudo isso devolva minhas chaves do carro!” “Não vai acontecer” ele disse a ela. Lançou-se contra ele e esmurrou-o no peito. “Você é um bastardo! Você não tem o direito de revistar minhas coisas ou - ou roubar meu carro!” Ele começou rir, um riso profundo, completo. Então em um movimento que imitou o sonho, agarrou seus braços, rolando sobre seu corpo e jogando-a no colchão. Ela guinchou. Ele subiu sobre ela, eclipsando a luz. Aqueles olhos de ave de rapina dourada estavam acesos. “Não há nenhuma outra entidade no mundo que ousaria agir dessa maneira comigo.” Ela congelou e o sangue foi drenado de sua face. A expressão dele mudou. Manteve um dedo apontado sob seu nariz e disse, “Não! Eu não quis dizer isso como uma ameaça.” Seus lábios tremeram. “O que você quis dizer então?”


Ele colocou uma mão em sua bochecha. Era tão longa que quase cobria o comprimento da cabeça dela. “Você é minha", disse ele. "Você pode negar isso, argumentar, espernear, tentar fugir. Mas. Você. Ainda. É. Minha.” "Isso é loucura", ela sussurrou. "Eu não tenho ideia do que isso significa. Eu não pertenço a você ou a qualquer outra pessoa." "Sim, você sabe", disse a ela. Seu polegar acariciou seus lábios. “Você é minha e vou mantê-la. Eu não vou machucar você e eu vou te proteger. E você está começando a confiar em mim. Tudo isso é uma coisa boa." "Eu não sou um pedaço de propriedade, porra!" "Mas você está em minha posse." Ela enunciou: "Eu acho que você é um lunático”. "Já que você também é, isso funciona bem o suficiente." Sua boca se curvou em um sorriso. Ele abaixou a cabeça lentamente, olhando para ela. Quando ela ficou tensa, ele sussurrou: "Você está segura. Eu só quero te provar. Nada mais." Ele esperou centímetros acima de seus lábios. Isso era tão errado em tantos níveis. Ela olhou dos seus olhos pacientes para sua boca. A tensão derreteu de seu corpo traidor. Ele sentiu sua resistência sumir. Sua boca cobriu a dela. Seus olhos se fecharam. Seus lábios, quentes e firmes, se movendo como plumas contra o dela, descobrindo a sua forma e textura. Não era nada como o sonho, quando ambos estavam duros e ásperos entre eles. Esse beijo foi lento, confiante, sem pressa e sensual. O prazer fez um espiral para baixo através de seu corpo e cresceu líquido. Ela murmurou e tocou sua mandíbula. Ele lambeu e mordiscou seus lábios, sua respiração profunda. Os dedos dela viajaram de sua mandíbula e enfiou-se em seu cabelo, ele abriu a boca e introduziu a língua dentro da dela. O prazer cravou maior, mais nítido. Ele inclinou a cabeça dela para que tivesse melhor acesso e pudesse cavar mais fundo em sua boca, seu corpo endurecendo. Ele dirigiu sua coxa entre as pernas dela e empurrava para a área que tinha umedecido em resposta a ele. Ela fez outro ruído abafado enquanto retribuía seu beijo, aumentando a excitação. Ele rosnou e empurrou com mais força com a coxa, mais profundo com a língua. Ele acertou exatamente no ponto certo. Ela ofegou e arqueou sua pélvis. Ambos os braços dela estavam enrolados em torno de seu pescoço. Ele segurou seu traseiro e a puxou com mais força contra ele. Ele passou o outro braço por baixo do pescoço, segurando-a pressionada ao longo do comprimento do seu corpo. Ele encontrou um ritmo perverso com a boca e a coxa que roubou todo o pensamento dela, até que ela estava tão incendiada, comendo-o com a mesma falta de controle como ela tinha feito no sonho. Ele devorou-a com ganância faminta. Ela correu as mãos sobre os ombros nus dele. Seu torso nu estava em cima dela, sua ereção espessa e dura pressionando contra seu quadril. Ela o queria sem roupas. Ela o queria dentro dela, segurando-a enquanto se impulsionava nela. Oh meu Deus, ela queria fugir do inferno agora. Ela puxou sua boca e disse ofegante. "Pare. É demais." Ele recuou a cabeça e sibilou. Ele esmagou-a contra ele e não se moveu, seu corpo imobilizado. Seu olhar se tornou lava de novo, os olhos dourados queimando. Ela virou-se e escondeu o rosto contra seus rígidos e compactos bíceps. Ela sussurrou, "Eu apenas não estou pronta." "O namorado", ele rosnou. "Ex-namorado. E eu já o superei.” Ela olhou para ele. Ele estava olhando para ela, os planos e ângulos de seu rosto escuro estavam afiados. “Você disse que ainda doía."


Ela colocou os dedos contra aquela boca esticada e a traçou, obcecada com a forma e a textura dele. "Eu estou magoada porque eu escolhi confiar em alguém e fui traída. Não estou mais machucada por ele, nem quero alguma coisa a ver com ele, se ele ainda estivesse vivo. O máximo que eu estaria tentada a fazer é bater nele como o diabo." A tensão em seu corpo começou a diminuir. Ela sentiu a boca puxar para um sorriso sob seus dedos. "Você bateu nele como o diabo?" Ela sorriu de volta, os olhos enrugando. "Bem, não", ela admitiu. "Mas me deu muita satisfação empurrá-lo até que eu o esmaguei na parede.” Ele a estudou. O marfim de sua pele estava corado, um rosa delicado, lábios inchados e vermelhos escuro por ser beijada. Esses olhos de violeta noturnos, brilhavam para ele. Não importando o que ela alegou sentir, seu corpo estava relaxado e confiante, curvado para se encaixar no dele. O cheiro de sua excitação intensa era delicioso. Todos seus tons preciosos tinham um brilho polido. "Você está absolutamente linda", disse ele. Ele apertou seus lábios contra sua testa. Seus olhos se arregalaram em choque. Então, ela desviou o olhar, seu rubor se intensificando. Ela não conseguia pensar em nada para dizer. Num impulso, ela o abraçou apertado. Ele pareceu surpreso porque ficou parado e depois a abraçou de volta, esmagando-a contra ele antes de deixá-la ir. Ele rolou para longe dela e ficou sobre seus pés em um movimento suave e flexível. "Agora nós realmente devemos ir." Ela balançou em seus pés, não tão graciosa como ele tinha sido. Ele a ajudou a pegar as coisas que tinham caído dos sacos de compras e insistiu em carregá-los e a mochila dela. Sentindo que ela tinha perdido o controle principal de sua vida de alguma forma, ela se arrastou atrás dele. Antes de saírem, ela foi até a cozinha para pegar seu telefone celular e para pegar o que ela poderia comer na fuga. Ela ignorou os ingredientes da salada e temperos. Ela jogou em outra sacola de compras um pacote de amêndoas, iogurte de soja e uma colher, que roubou da gaveta de utensílio, junto com a água engarrafada que tinha comprado. A secadora estava funcionando na pequena área de serviço fora da cozinha. Dragos parou e tirou sua camisa Armani rasgada. Ele havia lavado o sangue o melhor que pôde, mas o branco imaculado se foi. Ele deu de ombros, mas não se incomodou de abotoar os poucos botões que tinham sobrado. Ela agradeceu até mesmo por aquela cobertura insignificante. Embora isso não ajudasse muito. Ele ainda estava sexy e a distraia, com lampejos do peitoral longo e marrom aparecendo através da camisa aberta. A visão de seu peito nu havia roubado todos os dígitos de seu QI. Eles saíram da casa. Conforme Dragos fechava a porta da frente, ela fez uma nota mental para ligar para Quentin e avisá-lo que não tinha deixado a casa em uma forma tão boa quanto ela gostaria. Dragos acompanhou-a até o lado do passageiro do carro, ele olhou em volta. O assassino frio como pedra estava de volta. Ele abriu a porta para ela e fechou-a depois que ela estava sentada, em seguida, colocou os pacotes na parte de trás e subiu para o assento do motorista. "Você está esperando por problemas?", ela perguntou, olhando em volta, para a cena da noite tranquila. Em conjunto com a sesta e tudo mais, eles tinham usado cerca de seis horas das doze do limite de tempo de Dragos e era em torno das três da manhã. Alguém estava dando uma festa algumas casas abaixo, com todas as luzes acesas, mas eles estava quietos. "Não, se os Elfos mantiverem sua palavra", disse ele. Ele localizou a alavanca e empurrou o banco para trás o mais longe possível. "Por que não manteriam?", Perguntou ela, com os olhos arregalados. "Eu nunca ouvi falar nada de ruim sobre a integridade deles."


"E você é um pouco mais jovem do que eu, também", lembrou. "Cada raça teve os seus momentos menos estelares antes e agora. Oh, pelo amor de Deus. Este carro vai me matar." "O quê? Por quê?" "Ainda esperando por ele para pegar velocidade", ele disse a ela. "Qualquer dia agora. O que é isso, um PDM?” "O que é um PDM?" "Um carro Pedaço de merda." Ela começou a rir. "É um Honda Civic, é um belo carro. Muito eficiente em consumo de combustível." "Bem, nós sabemos por que, não é?" Apesar de suas palavras, ele manteve uma velocidade modesta até que eles tinham deixado à área de praia e alcançado uma estrada principal. Quando ele acelerou, manteve o carro a uma velocidade constante, no limite permitido. "Que tipo de carro você tem?" Ela abriu o iogurte. Ela estava morrendo de fome. "O meu favorito é o Bugatti." Ela poderia ter sabido que ele teria um carro valendo mais de um milhão de dólares. Sem dúvida, ele fazia algo extravagante como bater a barreira do som em 60 segundos. Ela começou a comer. "Quantos outros carros você tem?" "Talvez 30 em toda a frota. Eu não mantenho o controle de todos eles. Os que eu dirijo são o Bugatti ou o Hummer. Às vezes, os Rolls. Meu pessoal dirige os outros." "É claro que eles dirigem”, disse ela. Seu pessoal. Ela balançou a cabeça. Tal extravagante riqueza era inimaginável. Ele olhou para os lados, o lábio enrolado. "Que diabos você está comendo?" Ela limpou o canto da boca com o polegar. "Iogurte de soja". "Isso é comida? Eu tentei comer o que você comprou no outro dia, os Twizzlers e o Slurpee de Coca-Cola e cereja. Eu não pude cuspir de minha boca rápido o suficiente." Ela começou a rir. "Vamos lá, não poderia ter sido tão ruim assim." "Foi", disse a ela em uma voz grave. "Foi muito mais que ruim". "Como é que você sabe...” A compreensão a atingiu. "Oh, a nota que eu deixei. Eu escrevi no verso de um recibo.” Ela bateu na testa. "Foi assim que você me localizou.” "Nós conseguimos a filmagem de segurança a partir da data do recibo. Entre isso e seu nome humano que você me disse no sonho, nós achamos você." Ela suspirou, terminou seu iogurte e abriu o pacote de amêndoas. "Que beleza para a minha vida de crime." Ela ofereceu-lhe o pacote aberto e ele sacudiu a cabeça. Faróis vieram por trás deles e ficaram a uma distância constante. Ela percebeu que ele estava olhando pelo espelho retrovisor e se virou em seu assento. "O que é isso?" "Nós temos uma escolta para a fronteira dos Elfos." Seu perfil parecia duro na penumbra refletida. "Como são educados eles. O que você quer apostar se eles ofereceriam assistência na estrada, se tiver um pneu furado?" "Bem, você não pode culpá-los", ressaltou. "Você realmente transgrediu." "Sim, e você roubou de mim", disse ele. "E olha como estamos bem juntos?" Ela foi pega de surpresa. Ela pensou no dia sobrecarregado que teve. Eles estavam se dando extraordinariamente bem. Ela suspeitava que ela deveria estar assustada por isso. Pensando melhor sobre isso, como algumas partes dela estavam. "Agora que você mencionou," ela murmurou, "você realmente parece estar fugindo um pouco da sua maneira usual de agir. Está?" "É claro", ele disse, em uma voz de seda. "Você acha que eu vou de possivelmente estraçalhar a beijar em um dia, justamente com alguém que roubou de mim?" "Eu.. . Eu não tive muito tempo para pensar sobre isso. "Ela não tinha tido tempo para pensar em muita coisa. Ele levantou um dedo. "Primeiro, você é a única que teve sucesso em roubar de mim." Ele levantou outro dedo. "Em segundo lugar, eu não sou uma criatura de perdoar. Na


verdade, você é a única que eu já perdoei.” Ele colocou um terceiro dedo. "E em terceiro lugar, eu gosto de vingança. Estou ansioso para rasgar em partes a pessoa que lhe deu o feitiço e que acabou ficando com meu centavo." "Colocado assim, eu ainda deveria estar fugindo e gritando", disse ela. Ela engoliu em seco e olhou pela janela para as escuras cenas noturnas. "Por que está sendo diferente?" "Lembra quando eu disse que não estava entediado?" Ela assentiu com a cabeça enquanto dobrava o punho de sua camisa de mangas compridas entre os dedos. "Olhando para trás, eu acho que estive entediado por séculos. Isso é uma rotina muito grande. As pessoas correm para me dar qualquer coisa que eu poderia querer. E se por alguma razão isso não acontece, eu sempre posso comprar o que eu quero.” "Eu não posso imaginar", ela murmurou. "Bem, eu vivo assim todos os dias. Mas você é diferente. Você tem sido uma série de surpresas desde o início", disse Dragos. "Eu nunca estive tão irritado. Em seguida, a nota me fez rir em voz alta. O sonho? Grande surpresa. As coisas ridículas que você diz, o jeito que você cheira, a cor do seu cabelo na luz do sol, na luz da lua." Ele lançou um olhar de soslaio com aquele sorriso de lâmina afiada dele. "Estou muito não entediado. Eu acho que isso vale muito para mim, incluindo descobrir como fazer coisas novas." Ela se virou para olhar pela janela novamente. Oh grande, então ela poderia relaxar desde que ele estivesse entretido? O que aconteceria quando ele ficasse entediado com ela? Será que ele esqueceria como havia “perdoado-a”? Ela mordeu o lábio. A coisa boa é que ainda havia três esconderijos em Nova York, com três novas identidades e mais dinheiro. Supunha que ela estava voltando para a cidade com ele afinal de contas. Ela só teria que entrar em seu jogo até que encontrasse uma maneira de fugir. A mão dele pousou em seu joelho. Ela saltou e voltou sua atenção para ele. "Pia", disse ele. O sorriso tinha desaparecido de sua voz. "Eu quero que você me escute. Estou falando sério. Não tente fugir quando voltarmos para a cidade." Seus olhos se arregalaram. "Do que você está falando?" "Oh, vamos lá, não é um grande chute", ele respondeu. Sua mão apertada, tão durona nela, como uma algema de ferro. "Lembra que eu disse que eu liguei para Nova York? Eu conversei com meu Primeiro sentinela, um grifo chamado Rune. Achamos que sabemos quem pode ter sido responsável por orquestrar o que aconteceu, a manipulação e morte de Keith e seu agenciador, tendo certeza que o feitiço chegasse até você e quem acabou ficando com a moeda." "Oh," ela disse, sua voz muito baixa. "Eu tenho um sentimento de que eu não quero ouvir isso." A amêndoa que ela tinha acabado de engolir pareceu ficar presa em sua garganta. Ela dobrou o pacote, coloque as castanhas restantes na sacola de compras a seus pés e bebeu parte de uma garrafa de água antes de fechá-la e jogá-la de volta na bolsa. "Tenho a sensação de que você está certa. Mas você tem que ouvir. Se Keith disse qualquer coisa sobre você, qualquer coisa mesmo, você não está segura. Você pode garantir que ele não fez isso antes de você tê-lo feito dizer o juramento de ligação?" Ela se contorcia, pesando como chumbo com o retorno do medo. "Ele disse que tinha falado de mim, mas não tinha falado muito. Faz sentido se ele ainda não tinha. Ele teria tido a vontade de controlar a forma como as coisas aconteceram" "Mas tente esse pensamento", disse Dragos. "Ele também teria que ter sido muito, muito convincente com alguém a fim de obter aquele encanto. Sabe quantas pessoas poderiam fazer algo assim, algo com força para repelir os meus mais fortes feitiços?" "Eu estou supondo que pela forma como esta conversa está caminhando, não muitas," ela murmurou.


"Mais uma vez, você está certa. De imediato, eu posso pensar em três.” O aperto em sua perna soltou um pouco. Ele esfregou sua coxa. "Vê onde eu estou querendo chegar?" Seguindo o instinto, ela agarrou sua mão entre as dela. Ele permitiu que ela a mantivesse no colo. "Quem são eles?" "Uma bruxa, muito antiga na Rússia. A Rainha Vampira, em San Francisco, é uma feiticeira. E o Rei Dark Fae". "Merda" Merda, merda, merda. "Eu tenho pessoas fazendo a pesquisa agora para ver se pode haver alguma outra pessoa, que poderia conseguir um encanto forte o suficiente para encontrar o meu tesouro. Até agora, parece que não há. A bruxa é muito indiferente às coisas que acontecem fora do seu bairro. Eu não a vejo como suspeita. E a Rainha Vampira é uma espécie de amiga, ou pelo menos uma aliada, mas o Rei Dark Fae?"Dragos balançou a cabeça com um sorriso triste. "Urien me odeia além de qualquer outra coisa. O que acontece é que durante os últimos 200 anos sou dono de algo que ele quer desesperadamente e eu não vou deixa-lo colocar as mãos nele. Ele não hesitaria em nivelar o continente se ele achasse que isso acabaria comigo também. Você não seria nada, mas uma pequena saliência em seu caminho." Do pouco que ela sabia dos Fae, havia duas Cortes, uma Dark e uma Light, mais do que frequentemente estavam lutando entre si sobre algo. Os Fae da Luz eram governados por uma rainha. Urien governava os Fae das Trevas. Ele poderia ser o Poder desagradável que tinha manipulado Keith nos bastidores. Ela se concentrou na mão que segurava em seu colo. Era tão grande e forte. Seu braço era um tronco de árvore. Ela percebeu que estava acariciando-o, alisando seus longos dedos com os seus. "O meu povo está muito bem. Eu não acho que você seria capaz de ir muito longe de qualquer maneira, mas você provou ser surpreendentemente engenhosa", disse ele. Ele poderia ser muitas coisas, sedutor, persuasivo, tranquilo, mas esta capacidade para gentileza a surpreendeu. "E na mínima chance de que você conseguisse escapar, eu a encontraria novamente. Mas você estaria em perigo até que eu a encontrasse, assim o que você acha de uma promessa?" "Tudo bem", disse ela. "Boa menina." Sua mão apertou a dela, em seguida, ele se afastou. Eles caíram em silêncio. Algum tempo depois, quando o céu se iluminou para a madrugada, os faróis atrás deles piscaram e o carro que tinha estado atrás deles se afastou. Ela supôs que significava que tinham saído dos limites do território dos Elfos. Depois de um tempo suas pálpebras se fecharam novamente. Ela não achava que poderia cair no sono, mas duas horas de alongamentos e um cochilo à tarde não foram descanso suficiente, já que ela não havia dormido uma noite inteira fazia tempo. Ela esfregou as têmporas e disse: "Um dia desses, eu conseguirei uma verdadeira refeição e uma verdadeira noite de sono." Dragos disse: "Eu disse a Rune para encontrar alguém que pudesse cozinhar o tipo de comida que você come." Ignorando a si mesma, ela teve que sorrir. Ele fez o vegetarianismo parecer tão estranho, como cozinhar comida de cachorro. "Isso foi muito gentil de sua parte, obrigada." Ela teve uma breve luta entre o orgulho e o desejo, e o desejo ganhou. Ela colocou a cabeça contra o braço dele. Foi errado. Era uma tolice. Ela não devia aproveitar de tal conforto, do duro e musculoso calor no qual ela se encostou. E a última coisa que ela deveria fazer seria começar a confiar nele. Ele segurou sua cabeça e depois se concentrou novamente na condução. Ela cochilou. Algum indefinível tempo mais tarde, ela ficou alerta com uma vaga sensação de ansiedade. A sensação se reforçou quando ela se endireitou e olhou em volta. A luz


da manhã era mais forte, embora o sol ainda não houvesse aparecido no horizonte. O cenário chicoteava na janela. Ela olhou para o velocímetro. Eles estavam viajando cerca de 170 km/h. Ela olhou para Dragos. Seu corpo estava relaxado e ele dirigia com competência completa, mas seu rosto escuro era feroz. "O que há de errado?" "Alguma coisa nos encontrou. Estamos sendo rastreados. Eu não sei se podemos superar isso, mas estamos dando-lhe uma chance." Mesmo sabendo que era inútil, ela não podia deixar de olhar ao redor. Ela também abriu seus sentidos, esforçando-se para entender o que ela estava captando. A compreensão lhe escapava. Ela nunca tinha experimentado antes o que ela estava sentindo. ."O que é”, Perguntou ele. "Eu não entendo o que estou sentindo", disse ela. Suas sobrancelhas se levantaram. "Tente descrevê-lo." "Esse é o problema... eu não sei" Ela encolheu os ombros, sentindo-se inadequada. "É.. apenas não parece bom. É como um sentimento de medo, sabendo que algo ruim está próximo. Você não sente isso? " "Não", ele disse. "Você está descrevendo algo diferente do que o feitiço que nos foi colocado. O sentimento pode estar conectado ao seu sangue Wyr”. "Onde estamos?" "A próxima cidade grande é Fayetteville. Se chegarmos lá, vamos mudar de rumo." Se chegarmos lá? Ele parecia tão calmo. Ela agarrou o cinto de segurança. O que veio em seguida aconteceu tão rápido. Em uma curva cega, um grande veículo rugiu sobre eles. Dragos desviou duro, segurando o carro com controle apertado. Mas então veio outro veículo à frente, à direita. Ao lado do passageiro. A luz a cegou. Dragos deu um último puxão ofensivo ao volante. Os pneus gritaram quando o carro girou. Tudo girou. Em seguida, o veículo que se aproximava estava a ponto de impactar o lado do motorista. Ele jogou seu tronco sobre ela, encostando a cabeça dela no oco de seu pescoço. Um barulho horrível como tudo.


Sete

Dor a despertou. Seu corpo estava torto numa posição desconfortável. Ela estava cercada por metal retorcido e presa sob algo pesado. Ela gemeu. “Shh,” Dragos sussurrou. “Está tudo bem. Você vai ficar bem.” Ela tentou respirar bem fundo, mas não conseguiu. “Não consigo respirar,” ela choramingou. “Eu não posso mover minhas pernas.” “Sofremos um acidente, Pia. Você está presa, mas eu vou te tirar. Por enquanto você tem que me escutar. Não se mexa. Você pode fazer isso por mim? Só por um tempo?” Sua voz a envolveu e levou seu pânico embora. Ele sempre era sedutor quando queria acalmá-la. Um dia ela ia conversar sério com ele sobre esta mania de mexer com sua cabeça. Agora não pareceu ser o momento. Ela tentou respirações mais rasas e murmurou, “Ok.” “Você é uma menina corajosa,” ele a acalmou. O peso em seu peito foi erguido brevemente. O metal grunhiu. Era um som terrível. Dor queimou suas pernas e costas. Ela gritou e o mundo ficou cinza. Dragos amaldiçoou quando Pia perdeu a consciência novamente. O impacto foi tão violento que o carro era um amontoado irreconhecível de metal retorcido. A maioria das criaturas não teria sobrevivido ao acidente. Se ele fosse diferente do que ele era, se ele não tivesse recuperado o suficiente do veneno de Élfos, se ele não tivesse se jogado sobre Pia e empurrado para fora seu poder para cobrir os dois, ela teria sido esmagada em um instante. Eles foram cercados por sombras. Ele rasgou a bolsa destruída do air bag em pedaços e jogou esses pedaços para fora pelos pequenos buracos do que tinha sido a janela do passageiro da frente. Então ele tirou o cinto de segurança. Ele olhou em volta enquanto as sombras chegavam mais perto. Ele mostrou os dentes e rosnou um alerta e as sombras pararam. Acima do cheiro de borracha queimada e gasolina, o fedor de Goblin* fez suas narinas dilatarem. Logo, os Goblins começaram a rastejar mais perto de novo, as suas características grosseiras visíveis na madrugada. Eles pensaram que ele estava cercado. Eles estavam certos. Seu corpo estava tomado por vários machucados, contusões e cortes, mas ele os ignorou. Para ele, os ferimentos eram pequenos. Se ele estivesse sozinho, ele teria rasgado seu caminho para fora dos destroços e feito um SmackDown ** no estilo do WWE*** em suas bundas feias. Mas se ele fizesse isso, ele poderia causar um dano incalculável para Pia, talvez até matá-la.

*Goblins são criaturas geralmente verdes que se assemelham a duendes. Fazem parte do folclore nórdico, nas lendas eles vivem fazendo brincadeiras de mau gosto. Podem ser equiparadas aos trasgos e tardos do folclore português. **

Golpe de lutes de WWE.

***Golpe de lutes de WWE.


Ele teria que ter muito cuidado para libertá-la dos escombros. Isso levaria tempo. Ela era muito mais frágil do que ele. Os Goblins cresceram muito mais vigorosos. Eram criaturas disformes, de pele cinza e brutais com força sobre-humana. Eles eram uma das poucas raças Elder que não poderiam manter algum tipo de glamour para tornálos mais palatáveis para a coexistência com os seres humanos. Por esse motivo, eles passavam a maior parte de seu tempo nas Outras terras, onde a magia era mais forte, a humanidade era a raridade e determinadas tecnologias, como aparelhos elétricos e armamentos modernos não iriam funcionar com qualquer grau de segurança e confiabilidade. Ele expandiu seus sentidos e encontrou uma passagem próxima que levava a um receptáculo da Outra terra. Grande surpresa. Ele voltou sua atenção para Pia. Os destroços os tinham envolvido como um presente macabro. Ele estava torcido na cintura, seu torso cobrindo o dela. Seu assento tinha quebrado. Ela estava deitada parcialmente no que havia sido o banco de trás, enquanto a frente do carro tinha desmoronado sobre suas pernas. Ele liberou o braço esquerdo e o estendeu para trás para agarrar a coluna de direção, que estava pressionada contra seu rim esquerdo. Apoiando-se com o seu braço direito, ele empurrou. Cuidado. O metal grunhiu e a coluna se afastou alguns centímetros. Ele parou antes do que ele queria para que pudesse verificar se mexer a coluna faria alguma outra coisa desmoronar e pressionar Pia. Ele não sentiu nada se movendo. Tudo bem até aqui. Ele tentou o mesmo com o teto amassado que estava sobre suas costas e ganhou um pouco mais de espaço para eles. Os Goblins chamavam uns aos outros em sua linguagem gutural. Um deles veio muito perto. Sorrindo, ele enfiou uma espada serrilhada para ele através do buraco rangente da janela. Dragos pegou a espada. Ele socou o outro braço para fora do buraco. Ele fechou sua mão ao redor da garganta do Goblin e esmagou-o enquanto a criatura se engasgava e chutava. Ele o soltou. O Goblin caiu no chão, garras cavando seu pescoço arruinado quando ele morreu. Os outros Goblins observaram enquanto seu companheiro expulsava sua vida, mas não fizeram nenhum movimento para tentar ajudá-lo. Que porra encantadora. Ignorando seus dedos sangrando, ele puxou a espada para o carro. Os outros Goblins rosnaram, mas se mantiveram bem fora de seu alcance. Ele prendeu a espada perto de sua mão e voltou sua atenção para Pia, ignorando quando o carro em ruínas deu uma guinada. Os Goblins levantaram os destroços como se fosse uma superfície plana, uma mesa, com eles lá dentro. Pelo menos ela estava respirando mais fácil. Contusões, cortes e hematomas marcavam seu rosto. A camisa que ela usava como uma jaqueta foi cortada e estava úmida com sangue em alguns lugares. Sempre pálida, para seu olhar sombrio ela parecia muito branca na luz suja da manhã. Um delicado rendilhado de veias azuis era visível sob a pele fina de sua têmpora. A mesa plana deu uma guinada movimentando-se, saiu da estrada e atravessou o campo. Os Goblins armados e protegidos correram ao lado e atrás os mantendo cercados. Eles viajaram em direção à passagem que os levaria para a Outra terra. Dragos escaneou o corpo dela com o Poder, prestando muita atenção a sua coluna e pernas. Ele deu um suspiro de alívio quando ele os encontrou intacto. Ele conseguiu jogar cobertura o suficiente sobre ela para evitar grandes danos estruturais. Em seguida, ele procurou por sangramentos. Ele descobriu um corte devido ao metal retorcido em sua panturrilha direita. Não é à toa que ela desmaiou quando ele tentou mover as coisas. Ele abaixou a cabeça e usou seus ombros como apoio para empurrar o teto amassado, ganhando vários centímetros necessários de espaço. Ele estudou a forma como as pernas dela estavam presas até que estava satisfeito por ter encontrado uma maneira de ampliar a área sem machucá-la ainda mais. Ele agarrou os dois lugares que ele havia escolhido e os separou. O metal protestou, mas


se moveu até que suas pernas estavam livres. Sangue jorrou quando o metal retorcido deixou sua perna. Ele bateu a palma da mão sobre ele. Apesar da necessidade urgente de parar o sangramento, ele parou e respirou fundo quando sentiu seu Poder brotando debaixo de sua mão. Luz solar líquida, eterna magia, jovem, selvagem e livre. Ele descartou cada palavra conforme elas vieram a ele. Elas eram todas inadequadas. O que ele agora tinha certeza era o que ele tinha suspeitado antes. Ele estava na presença de algo único. Na série de surpresas que havia encontrado desde que se tornou consciente dela, ele chegou a outro início em sua longa vida ruim quando ele descobriu o respeito. Ele enviou um pulso muito suave de Poder para cicatrizar a ferida e estancar a hemorragia. Ele enviou o pulso sobre seu corpo, cicatrizando outros cortes menores. Ela sentiria dor e estaria infeliz quando ela acordasse, mas ela viveria. Mas isso era tudo o que importava. Isso era tudo o que importava. Ele se ajeitou o máximo que pôde e segurou seu queixo. “Pia,” ele disse, atingindo de forma suave e calma sua mente inconsciente. “Hora de acordar. Eu quero que você abra os olhos agora.” Ela empurrou os dedos que seguravam seu queixo. Ela estava cansada, caramba. Ela murmurou, “Você pode parar de falar tão alto?” “Pia, olhe para mim.” “Eu quero dormir,” ela disse, em seu tom petulante. Por que essa voz tem que ser tão linda? Ele sussurrou: “Eu sei, mas você não pode. Aguente bebê” “Deus, você é tão irritante.” Ela suspirou, mas abriu os olhos. Ela olhou para Dragos, que sorriu para ela, sua expressão escura iluminada com uma expressão estranha. Em outra pessoa ela chamaria isso de alívio. Ele apoiou seu peso em um cotovelo ao lado de sua cabeça enquanto ele se inclinava sobre ela. Um lado de seu rosto estava com um hematoma roxo escuro. Seu olhar deixou aquele quebra-cabeça e foi para outros, viajando por um metal disforme desconhecido enquanto eles se lançaram em um movimento constante e desigual. Ela levantou a cabeça para olhar para fora e ela desejou não ter se incomodado. Monstros corriam ao lado deles. A sensação de pavor de antes bateu nela com força total. O terreno circundante brilhou com a magia que foi crescendo em força. Era demais tomar todos de uma vez. “Estamos sendo sequestrados,” ele disse em uma voz calma. “Acidente de carro. Lembra-se? Tenho certeza de que eles estão transportando-nos para a Outra terra.” Ele acariciou seu cabelo. “Você está bem. Você foi ferida, mas não é ruim.” Ela olhou para seu corpo golpeado e manchado de sangue. Um clique soou em sua cabeça. “Oh Deus, eu estou suja de sangue,” ela gaguejou. Ela passou a mão em seus braços, esfregou a úmidas estrias de seu rosto. “Ouoh,” ele disse. Ele agarrou suas mãos. “Não entre em pânico. Eu disse que está tudo bem.” “Faça parar. Eu não posso ficar suja de sangue.” Ela lutou e começou a hiper ventilar. “Mantenha sua voz baixa. Um deles pode entender seu idioma.” Ele colocou a mão sobre sua boca, segurando-a. “Droga, eu acabei de fechar os seus ferimentos. Você vai se cortar novamente, se você não tiver cuidado.” “Dragos, eu não posso ficar assim,” disse ela, abafada contra sua palma. “Você entende? Eu não posso ficar suja de sangue!” Ela olhou para ele com olhos selvagens. “Você pode queimá-los?” Ele olhou para ela, seu olhar de ouro preso. “Pia,” ele disse, “você tem cortes por toda parte.” “Não importa,” ela ofegou. “Temos que nos livrar do sangue.” Depois de um rápido olhar assassino para o que estava acontecendo do lado de fora de sua gaiola particular, ele disse por entre os dentes cerrados, “Merda. Tudo bem fique quieta.” Ela congelou, empurrando para fora o pânico. Em um movimento rápido, ele rasgou suas calças capri acima dos joelhos e tirou o pano sangrento dela. Ele o usou para


enxugar suas pernas e a borda de metal que a tinha cortado e o enrolou. Ela lutou para se livrar de sua camisa, o que foi difícil devido ao pouco espaço. Ele a ajudou rasgando-a e depois ele usou os pedaços para limpar os cortes em seus braços e seu rosto o melhor que podia. Ele juntou isso ao chumaço de tecido que ele apertava em um punho. Magia surgiu. O caminhão tossiu e parou. Os Goblins correram para desengatar a mesa, chamando uns aos outros conforme eles colocavam correntes embaixo. Uma dúzia de Goblins agarrou as correntes e começou a transportá-los para frente. “Atravessamos,” ele disse. Ela nunca tinha ido a Outra terra antes. Sua mãe se recusou a levá-la, insistindo que sua melhor chance de evitar a descoberta era se esconder entre os humanos. Apesar de tudo que estava acontecendo, o sentimento da terra foi inebriante. Ela olhou pela janela arruinada. Árvores majestosas e antigas cobertas com vinhas se elevavam em torno deles. Havia uma simetria com a terra que alimentou seu espírito cansado. Seu olhar seguiu a espessa curva de um tronco de árvore até que os galhos espalharam lá no alto com a graciosidade de um teto de catedral abobadada. Repleto com a idade, encharcado com a magia, tudo parecia mais rico, mais verde e a luz do sol de manhã cedo brilhou mais dourada e brilhante. Dor a obrigou a deitar-se. Ela sussurrou, “É lindo.” “Eu tenho certeza de que não vai ser assim aonde eles estão nos levando,” ele disse. Ambos olharam para a camiseta de manga curta amarelo limão que ela usava por baixo. O ombro direito estava encharcado de vermelho, juntamente com uma área em sua cintura onde ela tinha sangrado através da camisa. “Arranque-a,” ela disse. Ela afastou um sentimento de pânico de se expor. Ela esperava que seu sutiã estivesse limpo. Seus olhos brilharam como lava quente quando ele olhou para os Goblins que os cercavam. “Foda-se eu vou,” ele retrucou. Ele empurrou o chumaço de tecido em seu colo, em seguida rasgou a camisa no ombro e na cintura até que ele tirou todo o pano ensanguentado. O que sobrou da camiseta era uma bagunça irregular que deixou sua barriga e ombro nus, mas o colarinho estava intacto. Ela olhou por baixo dele e suspirou de alívio. O sutiã estava sem sangue... Por último, ele rasgou sua própria camisa que tinha pintinhas vermelhas. Ele amarrou o conjunto ao que sobrou de sua camisa. Então ele ergueu-a com uma mão perto da abertura da janela amassada. Seus olhos se estreitaram. A lava neles queimando conforme seu Poder surgia. O pacote explodiu em chamas. “Obrigado,” ela respirou. Ele disse: “Vamos falar sobre isso quando chegarmos em casa.” Ela se encolheu em seu peito, longe do brilho do fogo, olhando como ele segurava a bola na mão. A bola queimou com intensidade demais, alimentada por sua magia. Ela sentiu o calor lamber sua pele mas ele não a queimou. Ele deu uma olhada do lado de fora, um olhar rápido e demoníaco, depois jogou o pano em chamas com força suficiente para que ele batesse perto do rosto de um Goblin. “Dois coelhos, uma cajadada só.” Ele deu de ombros quando Pia olhou para ele. Ele observou com interesse quando a gritaria começou. O Goblin correu em círculos irregulares, batendo no seu rosto em chamas e gritando. O fogo se recusou a acabar. Em vez disso, alimentado pelo seu Poder, pela magia da terra e tudo o que estava em seu sangue, ele se espalhou pela armadura de couro. Pia se afastou da visão horrível. Ela cobriu os ouvidos e enterrou o rosto em seu peito. Ele segurou a parte de trás de sua cabeça e viu quando o Goblin caiu e morreu. Vingança era uma cadela linda. Ela também era uma boa amiga dele e eles estavam apenas começando.


Sobraram 20 Goblins após os dois que Dragos tinha matado. Em pouco tempo outra dúzia se juntou a eles. Os recém-chegados trocaram de lugar com aqueles que transportavam a mesa. O ritmo retornou. Depois que Dragos empurrou as partes distorcidas do carro para fora em alguns lugares cuidadosamente escolhidos, eles puderam se mover lá dentro e ficaram mais ou menos confortáveis. Então, ele concentrou sua atenção sobre o que estava acontecendo lá fora. Ela tinha assistido com os olhos arregalados, como ele havia dobrado as extremidades irregulares de metal ao redor de suas pernas, para que ela não se cortasse novamente quando se movesse. Era um tipo de força assustadora a que ele tinha. Ela olhou em torno da área apertada, área estranha aos seus pés e conseguiu encontrar uma garrafa de água maltratada que não havia sido perfurada. Eles dividiram metade dela em goles, então ela tampou o resto para mais tarde. Ela não tinha dúvida de que Dragos salvou sua vida em mais de uma maneira. Ela estava grata por ele ter sido capaz de parar o sangramento, cicatrizando seus cortes. Ele disse a ela que era uma forma de cauterização, exceto que ele era capaz de impedi-la de sentir a dor. Era uma pena que a extensão de suas habilidades de cura parasse aí, porque seu corpo todo doía. Ela olhou para fora de vez em quando, olhando em volta com admiração para a paisagem que era tão parecida e ao mesmo tempo tão diferente da parte da Terra que ela conhecia. A fileira fluida de colinas, folhagem verde azulado fosforescente, cacos de luz solar deflagrando veias de cristal em pedras de granito, as cenas passavam velando alguma verdade invisível que era tão essencial, tão palpável, ela poderia jurar que ela quase podia tira-lo do ar com suas duas mãos. Algo por muito tempo negado, a parte faminta de sua alma desfraldada e lamentada com a necessidade de beber isso tudo. Era a magia da Outra terra que a chamava? Foi a selvageria antiga e sagaz da floresta que não tinha visto nenhum machado de lenhador, nenhum arado de fazendeiro, que a lembrou de seu ser mais profundo, a criatura selvagem que vivia presa dentro da gaiola inadequada de sua fraqueza, a carne mestiça? Ela queria se cortar para que a pobre criatura saísse. O aumento da emoção desesperada foi tão violento, tão incontido, a parte dela que era civilizada com língua e cultura se encolheu para longe disso. Um impulso a assombrou para tentar contar a Dragos sobre como ela estava repleta pelo frenesi, mas a civilização e língua falharam com ela no final. Ela não entendeu o que ela sentia e assim ela permaneceu em silêncio. Com a mesma forma tão poderosa que a terra chamava por ela, os Goblins assustavam-na, então ela não olhava para fora com muita frequência. Ela preferiu deitar-se em sua cadeira quebrada e olhar para o teto mutilado enquanto ela tentava explorar a paisagem misteriosa que ela encontrou dentro de si. Ela se convenceu de que os Goblins eram a fonte do medo que se agarrava a ela. O sentimento se arrastava ao longo de sua pele como aranhas bebê. Havia outras camadas para a mescla de emoções contraditórias e complicadas. O choque do acidente permanecia. O medo se agarrou, junto com a ansiedade sobre o que iria acontecer a seguir. Emoção brotou do fato que ela estava na verdade na Outra terra. Dragos existia no centro de tudo isso. Ele era seu único ponto de referência estável, sua bússola, o norte verdadeiro. Sua pele bronzeada escura parecia mais intensa, o cabelo escuro mais brilhante, o ouro de seus olhos mais polido do que tinha sido antes. Ela questionou se era um efeito da terra saturada de magia, ou se era um efeito colateral do veneno Élfico tentando sair de seu sistema. Talvez ambos. Ela estudou seu rosto perigoso conforme ele se reclinava sobre o ombro e observava o que acontecia do lado de fora. Seus olhos dourados calculando enquanto ele mantinha a espada Goblin que ele havia pegado pronta ao seu lado.


Ela pesou as probabilidades. Por um lado, 30 ou 40 Goblins armados, mais ou menos. Por outro lado, um dragão muito puto. Ela pensou na enorme força naquelas mãos quando ele entortou o metal perto de suas pernas. Talvez ela fosse tendenciosa, mas os Goblins estavam mortos. O ponto seria como e quando ele iria liquidá-los. “O problema sou eu,” ela disse, deixando sua voz baixa como ele tinha pedido. “Sobre o que você está falando?” ele disse em uma voz suave, apenas prestando meia atenção nela. “Assim como foi quando os Elfos cercaram você. Você não iria combatê-los, porque eu estava no caminho.” Isso o fez dar toda a sua atenção a ela. Ela se sentia calma e clara. “Eu aposto que provavelmente você poderia ter saído dos escombros bem antes de nós atravessarmos.” "Especulação como essa é inútil", disse a ela, franzindo a testa. “Talvez você pudesse ter saído dos escombros antes que os Goblins transformassem o carro em uma mesa, certo?” ela insistiu. “Você não fez, no entanto, por causa de mim. Eu estou te segurando.” “Vamos ser claros sobre uma coisa,” disse ele. “Eu não sei o que diabos você é. Estamos acrescentando isso àquela lista crescente de coisas que precisamos esclarecer quando sairmos daqui. Mas uma coisa que você não é, é um problema. Vamos dizer que você é uma consideração tática.” “Consideração tática,” ela bufou. “O que significa isso?” “Isso significa que você interfere nas decisões que eu tomo. Pare de se preocupar.” Ele bateu em seu nariz com o dedo indicador. “Parece que estamos chegando ao nosso destino.” Ela apoiou-se nos cotovelos e olhou para fora. Eles estavam viajando por um longo tempo. Ela não tinha certeza de quanto tempo, porque tinha ouvido que o tempo passava em um ritmo diferente nas Outras terras. O sol tinha baixado e parecia final da tarde ou início da noite, mas, se ela fosse por seu relógio biológico, parecia que tinham estado presos naquele terrível escombro por um dia inteiro. A terra ficou mais rochosa e mais selvagem desde que ela tinha olhado para fora. Mais a frente contra o fundo de uma ribanceira estava uma fortaleza de pedra de aparência sombria? Uau, ela nunca tinha visto uma fortaleza antes. Um casal Goblins saiu e correu à frente do grupo principal. Ansiedade era a emoção principal em sua mistura emocional. Seu estômago se apertou. A mão de Dragos parou em seu ombro em um aperto firme e constante. “Ouça-me,” ele sussurrou. “Você vai fazer o que eu digo. Você entendeu? Agora não é o momento de discutir ou me desobedecer. Eu sou o especialista aqui. Entendeu?” Ela assentiu com a cabeça. Ela se concentrou em controlar sua respiração enquanto seu olhar se focava nele. “Aqui está o que você não vai fazer,” ele sussurrou, olhando profundamente em seus olhos. “Não chame qualquer atenção para si mesma de forma alguma. Não lhes dê nenhuma razão para acreditar que você é algo mais que um acidente. Não os olhe nos olhos. Para um Goblin isto é um sinal de agressão. Não fale com eles. Não lute. Você entendeu?” “Acho que sim,” ela sussurrou de volta. Esse cavalo a galope estava de volta em seu peito. Com a forma como as coisas tinham acontecido na semana passada, ela havia perdido 10 anos de sua vida por causa do stress. “Aqui está o que eu acho que vai acontecer. Eles vão nos separar. Eles podem te machucar.” Seu peito apertado a ponto de dor. “Eles não vão te matar. Eles viram que eu estava cuidando de você de alguma forma, por isso eles querem usá-la como um meio para me controlar. Goblins não têm interesse em mulheres humanas. Eles não vão te estuprar.”


Um espasmo de tremor a atingiu e depois desapareceu novamente e ela estava calma. “Está tudo bem,” ela disse a ele. “Eu estou bem. Estou feliz que você está me dizendo isso.” “Essa é a minha boa menina corajosa.” Ele largou seu ombro e roçou os dedos contra sua bochecha. “Isso é tão paternalista,” ela disse, recusando-se a reconhecer como seu coração idiota havia aumentado com suas palavras. Parecia bem claro agora que ela não tinha nenhum senso ou bom gosto. Ele lhe deu um encolher de ombros impaciente. “E?” Sem mais nem menos ela pirou. O olhar de seu raptor se estreitou. Ela bateu as duas mãos sobre a boca para abafar o barulho e ficou séria rápido. “Isto ainda é sobre aquele centavo, não é?” ela disse entre suas palmas. “Isto está relacionado ao centavo,” ele concordou. “Eu acho que ele foi usado para colocar um feitiço de rastreamento em mim, muito parecido com o que usamos em você. Não sinto qualquer Poder real aqui ainda, mas eu aposto que nosso organizador destes eventos está a caminho. É mais uma razão porque você não deve chamar a atenção sobre si mesma.” “Eu não vou.” Ele olhou para fora. “Quase lá agora. Se eles estão pensando o que eu espero, eles não sabem que eu poderia ter saído. Do ponto de vista deles, deve ter parecido que eu tenho estado tentando me libertar. Eu estou torcendo que eles tenham me subestimado.” Outra onda de adrenalina a atingiu. Seu sistema estava tão sobrecarregado que ela estava começando a se sentir zonza. Ela recordou os últimos acontecimentos e assentiu. “É isso. Mantenha sua cabeça baixa, mantenha a calma e sobreviva.” Seu olhar era feroz. “Eu irei te buscar.” Eles começaram a ir mais devagar. Ela não teve coragem de olhar para fora. “Quão perto você pensa que esta para jogar o que sobrou do veneno?” Ela forçou a pergunta pelos músculos de sua garganta travada. “Pode demorar um dia, talvez dois. Ajudou nós termos atravessado e a magia da terra é muito abundante aqui. “ Um dia ou dois. Em alguns aspectos não era muito tempo. Em outros aspectos, era uma vida. Tudo isso era sobre ela. Ela roubou a moeda, foi atrás dela que ele veio depois e ela foi a pessoa que o fez ser baleado pelos Elfos. Ele não escapou dos destroços para ajudá-la. Ele ainda não ia lutar quando eles parassem, porque ela estava por perto. Ele tem que esperar até que eu esteja fora do caminho. Para que eu não seja morta. Talvez agora que nós chegamos tão longe, ele tenha que esperar até que eleesteja curado. Vai ser uma corrida, entre o quão rápido ele pode se libertar e quão rápido o Poder que organizou sua captura pode chegar aqui. A emoção que estava envolvida nisto era indescritível. “Eu acho que você é meu herói,” ela disse. Apenas metade era brincadeira. Ele olhou para ela, a imagem de incredulidade. “A maioria das pessoas,” ele disse, “acha que eu sou um homem muito mau.” Ela estudou seus olhos para tentar descobrir se isso o incomodava. Ele não parecia incomodado por isso. Ele parecia desconcertado por ela. “Bem,” ela disse finalmente, “talvez você seja um dragão muito bom.” A mesa parou. Hora do show. Ela se manteve agachada quando ela olhou para fora dos destroços. Um Goblin saiu de uma porta de metal preto. Ela tinha visto fotos de Goblins antes, mas os desenhos e esboços não conseguiram capturar seu vigor robusto. Os reais eram não só horríveis, mas poderosamente construídos. A língua que falavam um ao outro era agitada, gutural e áspera. Conforme alguns se aproximaram, ela percebeu o quão ruim eles fediam.


Ainda assim, havia algo de diferente neste Goblin, um ar de autoridade. Ele segurava cordas de correntes negras com algemas. Ele caminhou mais perto deles mas parou a uma distância segura. Ele fedia também. Eles eram totalmente repugnantes e de alguma forma ela deveria deixá-los colocar suas mãos sobre ela. Outro tremor convulsivo a atingiu. Em um movimento invisível para os Goblins, abaixo de sua linha de visão, Dragos colocou a mão em seu joelho. Ela cobriu-a com a dela. “Anime-se,” ela sussurrou para ele. “Não seja um covarde.” Sua mão apertou e seus ombros estremeceram. Ela esperava tê-lo feito rir de novo. O Goblin que se aproximou disse algo a eles. Chop Chop Chop. Dragos lhe respondeu na mesma língua terrível. Chop Chop. Eles foram para lá e para cá mais algumas vezes. Em seguida, o Goblin se aproximou e jogou as algemas. Dragos se estendeu para fora e as pegou. Ele as puxou para dentro dos destroços. Eles faziam muito mais sentido para ele do que para ela, porque ele os entendia com destreza. O medo se tornou tão forte que foi repugnante. Alguns deles se aproximavam das correntes. Elas cheiravam a algum tipo de magia horrível. Dragos abaixou e colocou uma algema em um de seus tornozelos. Ela sibilou, “Pare! O que você está fazendo? Não as coloque!” “Cala a boca,” disparou ele. Ele trancou a segunda algema segundo em seu outro tornozelo. Ela agarrou seu braço. “Dragos, há algum tipo de magia ruim nelas!” Ele virou e rosnou para ela, os olhos brilhando. Ela estremeceu e se escondeu dele. Seus pensamentos morreram. Ele terminou de colocar as outras duas algemas em seus pulsos grossos e os segurou de modo que o Goblin pudesse ver. O Goblin acenou e gritou para os outros que invadiram a frente. Quando eles começaram a erguer as portas destruídas para fora do carro, ela enrolou em posição fetal e fechou os olhos.


Oito

O que aconteceu em seguida foi feio. Ela não podia dizer que não tinha sido avisada. Primeiro, eles a arrastaram dos destroços. Ela manteve seu olhar treinado no chão enquanto tomava um soco no estômago. Quando ela estava enrolada no chão tentando respirar, eles a chutaram. Outra e outra vez, botas de bico fino bateram nela, intercaladas com risadas duras dos Goblins, à medida que provocavam Dragos, até que ela já não se manteve em silêncio porque era a coisa mais inteligente a fazer. Ela ficou em silêncio porque não conseguia inspirar profundamente para gritar. Ela teve uma visão borrada de Dragos em pé nas garras de dois Goblins, cada um tão furioso e grande como ele. Seu agressivo e perigoso rosto era branco, olhos dourados reflexivos e emocionantes como duas moedas gregas. Uma vida mais tarde, vários Goblins com espadas desembainhadas levaram Dragos agachado através da fortaleza de pedra. Um Goblin agarrou-a pelos cabelos e seguiram atrás deles. Outro veio por trás, ainda a chutando, embora sem muito interesse. O grupo de Goblins guardando Dragos o escoltou para uma cela. Seus Goblins passaram pela cela até um cruzamento no corredor à direita. Uma vez que estavam fora da linha de visão de Drago, suas maneiras tornaram-se profissionais e desinteressadas. Eles a pegaram pelos braços e a arrastaram até outra cela. Lançaram-na em uma pilha de palha rançosa. Um Goblin disse algo. Chop Chop. O outro riu. Eles a deixaram e o som da grade da cela batendo soou. Os sons foram se apagando no corredor. Ela deitou na palha por um tempo. Em seguida, ela se arrastou por alguns metros, entrou em colapso e deitou no chão sujo e frio. Talvez ela tenha desmaiado. Ela não tinha certeza. A próxima coisa que ela percebeu foi um besouro preto azulado andando pelo chão. Ela acompanhou seu progresso. Ele caiu de cabeça em uma fenda e ficou preso. Ela arrastou-se e observou-o um pouco mais. Ele conseguiu dar meia volta e sua pequena cabeça cutucou a fenda. Suas antenas balançaram e suas pernas dianteiras trabalharam, mas não foi o suficiente para rastejar para fora. Seus dedos se arrastaram pelo chão até que encontraram um pouco de palha. Ela pegou um punhado raso, enfiou as pontas da palha na fenda e levantou-o. O besouro saiu e continuou seu caminho. Quando ele desapareceu, ela suspirou, rolou de costas e alavancou-se em uma posição sentada. Seu raciocínio voltou. Fazer uma coisa de cada vez. Dar um passo. Ela rastejou até a parede. Passo. Ela colocou primeiro um pé embaixo dela, então o outro. Passo. Ela endireitou seus ombros. Quando ela teve certeza que seu equilíbrio estava de volta, abriu a porta da cela e saiu. Drago estava deitado de braços abertos aonde eles o tinham sujeitado. Eles o haviam acorrentado duas vezes. A primeira com algemas mágicas pretas e a segunda com um segundo conjunto de algemas unido a quatro pontos no chão. Ele olhou para o teto, os pensamentos embaralhados em um caminho sinuoso. A cada poucos minutos ele puxava as correntes do chão. Ele ignorou seus tornozelos e pulsos sangrando. Ele podia sentir uma debilidade crescente na corrente em seu braço esquerdo e se concentrou nela. A porta de sua cela estava aberta. Ele virou a cabeça, o pensamento sinuoso se transformando em letal. Uma surrada e suja Pia recuou para a sala e ele tornou-se são. Ele começou a tremer. Ele observou-a escutando a porta rachando por alguns momentos até que ela fechou a porta. Ela se virou. Quando ela o avistou, seus ombros cederam.


"Oh, pelo amor de Deus". Ela revirou os olhos. "Dois conjuntos de algemas? Agora eu acho que precisamos de dois conjuntos de chaves. Este dia está ficando cada vez melhor". “Venha cá", ele disse. Ele deu um enorme puxão à corrente amarrada ao seu braço esquerdo. A corrente gemeu, mas não quebrou. “Venha cá. Venha cá". Ela inclinou a cabeça, seu olhar cansado tornando-se sóbrio. Ela mancou através da cela e caiu de joelhos ao lado dele. "Eles bateram em você também", ela disse. Ela tocou suas costelas com gentileza. Sua agitação aumentou. Falar com ela antes que os Goblins a tivessem levado, tinha sido fácil. Ele havia explicado a ela calmamente, com sua crueldade habitual, como as coisas poderiam acontecer. Geralmente, ela parecia estar indo bem. Ele se aproximou do confronto como sempre fazia, pronto e focado para atender qualquer desafio futuro. Então o primeiro Goblin tinha dirigido o punho ao seu estômago e ele se tornou um bat-merda louco. Cada chute, cada golpe que ela sofreu foi como ácido corrosivo em suas veias. Ele queria uivar. O dragão esforçou-se para arrancar os corações de seus peitos enquanto assistiam. Ele se agarrou a seu autocontrole por um fio, pela noção de quão pior poderia ficar para ela se eles soubessem que era ele quem estava procurando. Eles a machucaram. Eles a machucaram e o feriram em algum lugar dentro de si, um lugar que nunca havia sido ferido antes. Ele havia sofrido lesões físicas e dor muitas vezes antes. Isso significava pouco para ele. Mas esta nova ferida - ele estava em estado de choque. Ele nunca tinha percebido o quão invencível ele tinha sido até que ela foi arrancada dele. Ele estudou-a com um olhar faminto quando ela se ajoelhou ao lado dele. O brilho de seu cabelo estava embotado pela sujeira. Sua esfarrapada camiseta estava cinza e os encurtados jeans capri não eram mais azuis. Sua pele pálida estava manchada e com hematomas inchados tão profundos que eram preto azulado. E por baixo de tudo, tudo, foi lembrando-se de como aconteceu antes, ele a fez encolher-se dele. Nunca antes ele havia se odiado, mas pensou que se odiava neste momento. "Venha cá, venha cá", ele sussurrou. Seus lindos olhos passaram de sóbrios para preocupados. Ela se inclinou e colocou sua bochecha contra ele. Ele virou o rosto para ela e seu cabelo caiu sobre ele em um dossel de luz. Ela estava murmurando em seu ouvido, enquanto sua mão acariciava seu rosto. Ele se concentrou nisso. "Eu sinto muito. A culpa é toda minha. Eu não posso te dizer como eu estou arrependida". “O quê?" ele disse. "O que você está dizendo? Pare de falar desse jeito. Cale a boca." Ele roçou os lábios ao longo de sua pele, respirava a sua presença. Debaixo da sujeira da masmorra e do fedor do Goblin, ele encontrou sua delicada e indomável fragrância. Algo apertado e ferido em sua alma, expandiu-se novamente. "Eu rosnei para você. Eu não queria ter feito isso." "Não seja ridículo; é claro que você quis." Ela acariciou seu cabelo e deu um beijo em seu rosto. "Você se encolheu de mim. Nunca se encolha de mim outra vez." "Dragos," ela disse numa voz sensata. “Se você virar para mim e rosnar como um animal selvagem quando não estou esperando por isso, eu acho que poderia me assustar novamente. Chame-me de menininha se você quiser, mas é assim que é.” "Eu não vou fazer isso de novo," ele sussurrou. Ele estava tão silencioso que ela quase não o ouviu. Ele concentrou toda sua atenção na viagem que seus dedos leves como pluma fizeram em seu rosto até que ela tocou seus lábios. Ela suspirou e descansou mais seu peso sobre ele. "Cadeados não podem me manter enjaulada, mas isso não significa que eu posso puxar essas malditas algemas. Como diabos eu conseguirei obter dois conjuntos de chaves com Goblins correndo por todo o lugar?" O desgastado autocontrole em sua voz enviou-lhe um pouco de volta para a loucura. "Você não vai," ele disse


Ela levantou a cabeça e fez uma careta para ele. Ele ficou aliviado ao ver que ela não havia sido quebrada. "O que mais nós vamos fazer?" ela perguntou. "Não podemos simplesmente esperar até que o Rei DarkFae , ou o Coringa ou Charada, ou quem quer que o inferno seja, apareça." Sua mente começou a engrenar novamente e tudo se tornou claro. "Isso é o que está acontecendo," ele disse a ela. "Eu tenho uma audição muito boa. A maioria dos Goblins tem que ir jantar. Há poucos guardas em lugares estratégicos. Eu posso ouvir onde eles estão." "É útil saber disso", ela disse com alívio. "E é isso que vamos fazer", ele disse a ela. "Você conhece a junção dos corredores e qual deles leva à direita?" Ela assentiu. "Se você for direto, ao invés de à direita, há uma sala que eles usam no caminho. Eu acho que é uma sala da guarda. Posso ouvi-los lá falando sobre a ceia. Havia o som de metal tilintando, que espero que seja das armas e o raspar de cadeiras, por isso é um lugar onde se reúnem. Não há ninguém lá agora. Eu quero que você vá lá procurar as chaves que possam caber nestas correntes do chão ou algo reto e fino que possa ser usado como ferramenta para arrombar a fechadura. Na falta desses dois, tente pegar um machado. Seja rápida". "Dragos", ela falou olhando-o em dúvida. "Eu não sei como arrombar um cadeado. Eu nunca tive que aprender dãh.” "Você não terá que fazê-lo. Eu sei como arrombar um cadeado", ele disse. Ele tinha aprendido a arrombar cadeados assim que eles tinham sido inventados. As pessoas gostavam de trancar todos os tipos de coisas que ele queria. Ele sacudiu a algema no pulso esquerdo. "Há uma fraqueza em um desses elos. Eu vou quebrá-lo". Ela olhou para o seu braço e sua testa enrugada. Ela disse com preocupação, "Seu pulso está uma bagunça". "Não seja uma menininha", disse a ela. Seu olhar encontrou o dele e se acendeu com um sorriso relutante. "Não é nada. Melhor se apressar. Não sabemos quanto tempo temos enquanto eles comem a ceia". "Certo", ela disse. Um eco de dor e raiva voltou enquanto observava sua luta para ficar em pé sem sua graciosidade habitual e ele não podia fazer nada para ajudá-la. Ele daria uma atenção especial para os que tinham batido nela. Eles seriam um monte de Goblins mortos antes que ele atravessasse esse lugar. Mas, por hora, ele voltou sua considerável atenção à enfraquecida corrente e puxou. Pia rastejou pelo corredor abaixo novamente, desta vez confortada pela reafirmação de Dragos de que ela não estava em perigo iminente de correr até um Goblin. Ela encontrou a sala da guarda, a qual ele falava que estaria com a porta aberta. Ela olhou para dentro e recuou. "Ugh", ela murmurou. "Criaturas imundas". Ela pulou, em seguida colocou a mão nas costelas doloridas quando Dragos sussurrou em seu ouvido, “você está bem?" "Oh, claro que você pode me ouvir", ela disse. "Sim, estou bem. São só restos de alimentos mofados em cima da mesa e fede aqui. Eles são nojentos". "Eles tem um gosto muito ruim também", ele disse. "Você comeu um Goblin" ela exclamou. "Não", ele disse. "Eu mordi um Goblin. Ele parecia um pouco tenso. Ela mordeu o lábio. Ela esperava que ele não estivesse danificando muito o seu braço. Relevância, Pia. Sacudiu-se e correu pela sala o mais rápido que podia. O lugar era definitivamente medieval e não o tipo higienizado dos filmes de Hollywood, de qualquer maneira. O que era a urina no canto? Ugh! Ela tentou, tanto quanto foi possível, evitar tocar as coisas.


Ela estava desapontada por não ter encontrado as chaves, mas ela encontrou um canivete que se encaixava no bolso e uma faca estilete. As algemas não eram feitas com precisão. O estilete parecia que era fino o bastante para entrar nas fechaduras se pudesse dobrar um pouco a ponta. Ela agarrou o cabo de um machado de batalha do rack de armas. Era muito pesado para ela levantar, então ela teve que arrastá-lo de volta para a cela. O som do machado raspando o chão do corredor a fez ficar apreensiva, então correu muito mais rápido do que seu abusado corpo queria. Ela estava suando e com dor, então se apoiou na porta e a abriu com um toque do quadril. Conteve um grito quando soltou o machado no interior da cela. Dragos olhou do machado para ela e o modo como ela encostou-se ao batente da porta, ofegante. Ele levantou seu braço esquerdo, onde parte da corrente do chão pendia quebrada. Ela ergueu o estilete. Ele sorriu. De volta ao jogo. Depois que ela lhe deu a lâmina fina, se apoiou contra a parede mais próxima e deslizou para baixo até ficar sentada. Era reconfortante vê-lo trabalhar, então relaxou sua mente por saber que não havia nada naquele momento que ela poderia ou deveria estar fazendo. Ele dobrou a ponta da lâmina, deslizando-a em uma fenda no piso e puxou o punho. Ele tinha que torcer a cintura, esforçar-se para alcançar a corrente da algema presa em seu pulso direito e segurar firme enquanto trabalhava na fechadura. Ela admirava a força e a graça de seu corpo enquanto ele trabalhava. Para manter sua posição retorcida teve que contrair seus marcantes músculos abdominais. Eles ondularam e se flexionaram enquanto ele respirava controladamente. A linha de seu ombro largo deslizou ao redor de sua cintura apertada. Seu jeans estava tão imundo quanto o dela, mas as nádegas e as longas pernas masculinas davam água na boca. Veio o pensamento de que ele parecia amaldiçoadamente sexy acorrentado no chão. Especialmente se este fosse o seu castelo. Ela enviaria seus servos para lavá-lo (todos eles do sexo masculino, heterossexuais, limpariam esta cela nojenta, colocariam velas aromáticas ao redor e um colchão com lençóis de seda embaixo dele. Ah, e talvez deixassem uma garrafa de vinho e um par de taças), depois ela iria levá-lo à loucura montando sobre ele e esfregando seu corpo seminu em seu torso escaldante. Porém, não havia castelo. Ela não tinha servos. Seus pulsos estavam sangrando, doloridos e não era nada divertido. E todos os lugares aos quais ela foi, fediam como Goblins. Ah sim, e suas vidas estavam em perigo. "Ainda não estou bem da cabeça", ela murmurou. Ele enviou-lhe o brilho de um sorriso sobre seus ombros. "Você explicará o que isso significa muito em breve". Ela sentiu um rubor aquecer suas bochechas. "Não é provável". Ele tirou a algema, sentou-se e estendeu-se, então deslizou para a frente e começou a trabalhar as algemas em seus tornozelos. Era matéria de fato sobre isso, mas ela teve que cobrir a boca para abafar um grito. Ela sentou-se ereta e aplaudiu animadamente. Seu sorriso se aprofundou. Logo seus tornozelos estavam livres. Ele esperou um momento para arrombar a fechadura da algema de seu pulso esquerdo e arremessá-lo em um canto. Em seguida, eles olharam para as outras algemas e correntes de metal preto com a magia repulsiva. Eram duas correntes, uma mantendo seus braços juntos, a outra em seus tornozelos, o que o impedia de andar no seu passo normal. "De modo algum eu acho que isso vai ser tão fácil", disse ele. Ele estava certo. Não importa quanto ele trabalhou, não foi capaz de arrombar qualquer uma das quatro fechaduras. "Eu acho que estas não vão abrir sem as chaves correspondentes. Aposto que é parte da magia". Seu entusiasmo despencou. “O que você acha que elas fazem, além de serem viscosas?" "Bem, os Goblins não sabiam que fui baleado pelos Élfos, não é?", disse. Ou se sabiam, não iriam querer confiar nas algemas, uma vez que elas iriam se desgastar em algum ponto. Elas tem o mesmo efeito que o veneno dos Élfos em mim, limitam a


minha força e me impedem de me transformar. Caso contrário, não haveria qualquer chance daquelas", ele empurrou o queixo para o outro conjunto de correntes, "me manterem prisioneiro". "Então o que vamos fazer agora?" Ela levantou as mãos. Ela podia sentir em seu interior uma rachadura que ia ficando cada vez maior. Foi apenas uma questão de tempo para que ela caísse na fenda, como o besouro, só que ela não tinha tanta certeza de que seria capaz de rastejar o caminho de volta. "Você vai voltar para a sua cela". Ele agachou-se sobre ela e colocou a mão sobre sua boca quando ela começou a protestar. "Você prometeu, ou não, que não haveria discussão?" "Foda-se! Você não é meu chefe", ela murmurou contra a palma da sua mão. Ela colocou as mãos em torno do seu pulso, tendo cuidado com a pele ferida. "Você continua esquecendo-se disso". "Deixe-me ver se eu entendi direito", os olhos dourados brilhando. "Você prometeu não discutir somente quando você não quer discutir. É isso?" Ele era divertido? Louco? Ela não sabia dizer. "É claro". Ele soltou uma risada, colocou as mão sob seus braços e a colocou de pé. "Ok, menininha. Você vai para a cela, fecharei a porta atrás de você e nem todos os fodase deste mundo irão mudar isto. É o lugar mais seguro para você". Se por alguma razão eles voltarem antes de eu sair, eles nunca vão pensar que você saiu. Vão pensar que eu fiz tudo isto". Ele gesticulou ao redor da cela. "Eu não quero me separar de você". "Azar o seu", disse ele. "Eu estou indo caçar e não quero você lá". Ele ergueu o machado de batalha em uma mão como se fosse feito de isopor e colocou outro em suas costas. Apesar de seu tom insensível, ele teve cuidado ao levá-la pelo corredor. Entre suas lesões e correntes, eles foram a ritmo lento. Ela entrou na cela e se voltou. Ela não podia olhar para ele. Ela preferiu manter o olhar no chão enquanto seus lábios tremiam. "E se eles voltarem?" Um silêncio pesou entre eles. Longos dedos deslizaram sob seu queixo e a persuadiram a levantar o rosto. Ela mordeu os lábios quando olhou para sua expressão sóbria. "Eu não vou deixá-la sozinha por muito tempo. Vou ser o mais rápido que puder". Uma grande lágrima estourou em sua mão e parecia que o tinha queimado. Ele fez um juramento sob sua respiração. Então ele abaixou a cabeça e roçou sua boca com a sua. "Eu juro para você, Pia, eles não vão te machucar novamente. Você tem que confiar em mim". Ela assentiu e empurrou sua cabeça para longe passando as costas de sua mão no seu rosto. "Vá" Ele ficou lá olhando para ela. Por um momento, parecia que ele ia falar alguma coisa, mas ela virou-lhe as costas. Achou que sentiu seus dedos acariciarem sua nuca e então ele se foi. Toda a vitalidade que a envolvia e sustentava, foi drenada com sua ausência. Ela olhou ao redor da sombria e horrível cela e se sentiu tão solitária que poderia se deitar e morrer. Ela se sentou no chão e se abraçou como se fosse um pequeno pacote, com os joelhos erguidos e a testa descansando nos antebraços. Como ela conseguiu esse truque antes, como ficou impassível assim que os Goblins a levaram? Foi involuntário. Tinha que ter sido algum tipo de defesa, em resposta ao horror sentido quando aquelas mãos monstruosas a tocaram. Agora os minutos escorriam de forma agonizante e ela não conseguia se isolar. Ela queria fazer um check-out, se dissociar do presente e ir para outro lugar em sua cabeça, mas ela não descobria como fazê-lo novamente. Custou tudo o que ela tinha para dar, não entrar em pânico e sair pela porta da cela.


Lembrou-se de cada vez que eles a tocaram. Ela sabia que conseguiria sair porta afora novamente. Que era, sem dúvida, guardada por um par desses caras de morcego malucos. Ela sufocou um gemido e espremeu-se em um apertado pacote. Como eu cheguei aqui novamente? É como se eu tivesse uma lista de compras com coisas que eu não deveria fazer e fui bem abaixo, procurando coisas de fora da lista como eles. Eu tinha sido muito cuidadosa com isso. Viver tranquilamente, sua mãe tinha dito. Deixar tudo para trás a qualquer momento. Não ficar muito ligada a pessoas. E não diga nada a ninguém sobre seu verdadeiro eu. Coisas simples, simples. Eu tenho que me dar o crédito por uma coisa. Mamãe nunca me disse para não roubar de um dragão. Sem dúvida, ela achava que era muito óbvio mencionar isso. Devia ter adicionado isso à canção de Jim Croce Don't messaround to the Jim Você não deve cuspir ao vento. Você não pode puxar a máscara do cavaleiro solitário e você não pode roubar do Cuelebre. Poderia ter destruído qualquer chance de viver de forma anônima? Estúpida! Um pequeno som a deixou em pânico. Uma chave raspou na fechadura. Seu corpo gritou em protesto quando ela se empurrou para ficar em pé e se apoiou contra uma parede. Ela puxou o canivete do bolso e pressionou a mola. A lâmina deslizou pela abertura. Ela escondeu o canivete ao longo da coxa, olhando com a boca seca quando a porta se abriu. Dragos escorregou para dentro, seu enorme corpo de lutador movendo-se com fluidez e passos felinos. As algemas de magia negra foram embora. Correias de arnês de couro atravessadas no seu peito. O punho do machado de batalha e o que parecia ser uma espada foram amarrados a sua volta. Facas embainhadas foram atadas a seus antebraços e a bainha de uma outra espada curta foi afivelada na sua cintura e amarrada na coxa. Suas feições bem delineadas estavam calmas. Santo Deus, ele fazia Conan, o Bárbaro, parecer um covarde. O alívio quase a fez cair de joelhos. Pontos pretos dançaram na frente dela. Em um instante ele estava em frente a ela, as mãos em seus ombros abraçando-a contra a parede. "Droga, parece que você vai desmaiar", disse ele. "Bom, eu não sabia que era você, sabia?" Ela lhe mostrou o canivete que estava segurando contra sua coxa. Seu rosto grave se iluminou com um sorriso. "Surpresa número cento e trinta e quatro e contando". “Você aumentou esse número", acusou. Ela empurrou a lâmina contra sua perna. Ele a fechou com um pequeno ruído seco e a deslizou de volta em seu jeans. "Você tem certeza", ele disse, parecendo divertir-se. "Você sabe como usar essa coisa?" “Bem o suficiente. Eu não sou uma lutadora, entretanto. É triste, mas é verdade". "Não, sua natureza é muito suave para isso, não é?" Ele acariciou seu cabelo e puxoua com cuidado para seus braços. Ela recostou seu corpo contra ele, seu mundo retornando ao seu lugar. Em um nível mais profundo, que ela não tinha tempo para analisar, foi uma experiência perturbadora. O calor do seu corpo mandou o frio embora. Ela colocou os braços ao redor da sua cintura e o abraçou com força. "Eu tive uma vida inteira de aulas, mas nunca tive que usar nada disso na vida real. Ainda". Obrigou-se a respirar profundamente até que a tontura persistente passasse. "Apenas me dê uma chance de espetar uma daquelas baratas de duas pernas e eu estarei lá". "Eles vão ter que passar por mim primeiro". Ele lhe deu um aperto suave e recuou. "Você foi mais rápido do que eu temia que fosse". Ela olhou para suas novas aquisições. "Parece que você encontrou um monte". "Eu encontrei as chaves para as algemas, mas não encontrei o capitão dos Goblins“ Em vez disso, encontrei seu quarto. Ele é um filho da puta ganancioso. Ele tinha todos


os tipos de coisas saqueadas. Metade parecia intacta". Ele se moveu de volta para a porta, ouviu por um momento e abriu-a. "Precisamos nos apressar agora. Há mais Goblinsse movendo. Parece que a ceia está acabando". Ele abriu caminho e desta vez se moveu muito mais rápido. Ela lutou para manter-se de pé, mas caiu alguns passos atrás. Ele diminui o passo até chegar à volta final que levou para a porta do lado de fora. Ele andou até a esquina e completamente silencioso, pegou o machado de batalha e desembainhou a espada em um movimento simultâneo. Ela prendeu a respiração com sua visão. Ele era um super guerreiro, magnífico e assustador. E, quando ele podia se transformar em um dragão, era seu próprio tanque de guerra e força aérea, ao mesmo tempo. Acrescente a isso a sua capacidade mágica, ele era praticamente um exército numa criatura. Ela sabia que ele era uma estrela dos Poderes em todo o mundo, mas ao vê-lo em movimento, ela começou a ter um vislumbre da compreensão real do que isso significava. Ela ficou mais perto, mas teve o cuidado de deixar bastante espaço entre eles. Ele olhou para ela, recostando-se contra a parede. Ele acenou para ela em aprovação. Ele apontou a espada para ela e murmurou: "Fique aqui". Ela acenou de volta. Ela lhe obedeceu. Ele entrou no corredor e virou-se em pé, girando seu grande corpo em volta, jogou o machado de batalha como se fosse um grande frisbee. Continuando na mesma volta suave, ele lançou a espada curta em uma saliência com tanta facilidade, como se tivesse jogado um punhal. Sem uma pausa, ele sacou a espada longa, uma das facas e pulou para frente, fora de vista. Ela cruzou os braços e agarrou os cotovelos, dando pancadinhas com os dedos dos pés e vacilando com os sons da batalha. Não que fossem muito parecidos como uma batalha. Tudo terminou em um segundo. Um momento depois, Dragos contornou a esquina e acenou para frente. "Nenhum desses rabugentos têm as chaves. Agora é a sua vez de fazer as coisas. É feio", alertou ele. "Espero que sim", disse ela, olhando para seus olhos redondos. Ela virou a esquina. No início, não fazia sentido o que ela viu, então ela desejou que não tivesse feito. Havia quatro Goblins espalhados no final do corredor. Ou, pelo menos, ela contou quatro cabeças, e não todas as que estavam presas a seus corpos. Sangue tinha borrifado nas paredes e criava grandes piscinas que se espalhavam pelo chão. Ela engasgou, seu estômago vazio se retorcendo. Dragos avançou. "Se você estiver indo vomitar, faça isso rápido", disse ele com uma voz de que era questão de fato. Ele arrancou o machado de batalha do Goblin que tinha sido quase dividido em dois e limpou a lâmina nas suas calças. Movendo-se rápido, ele recolheu o restante de suas armas, limpando as lâminas nos cadáveres e embainhando-as novamente quando estavas prontas. Ela se concentrou nas grandes portas de metal e não na carnificina, assim controlou sua ânsia de vomitar. Ela deu um passo em torno das piscinas de sangue. Fez uma pausa em um lugar e tentou descobrir como atravessar uma grande mancha de sangue de Goblin. Parecia que um óleo gorduroso tinha se espalhado entre os dois corpos esparramados. Se ela não estivesse ferida, teria pulado sobre ele sem um segundo pensamento. Seu dilema foi resolvido quando Dragos a agarrou pelos cotovelos e gentilmente balançou-a para o outro lado. A porta tinha sido barrada, mas ele já tinha removida a pesada barra de madeira. Ela agarrou uma madeira como se fosse uma alavanca com ambas as mãos e empurrou para baixo. A pesada porta foi se pendurando e se abriu com dobradiças silenciosas. Eles saíram em um profundo anoitecer. O ar parecia incrivelmente doce fora do reduto dos Goblin. A mesa com a Honda ainda estava aonde os Goblins tinham parado. Ela balançou a cabeça quando viu os destroços desfigurados. Foi uma maravilha ela ter sobrevivido. "Agora temos que mover a bunda", disse Dragos.


Ela olhou para a paisagem, alienígena e selvagem e só assim ela caiu na fenda. 'É isso aí", resmungou ela. "Acabei". Ele virou a cabeça, estreitando os olhos. Ele disse: "O quê?" "Eu disse que acabei". Chumbo preencheu seus membros ocos. Ela cambaleou e piscou, mas sua imagem se manteve borrada e fora de foco. "Eu... Eu não tenho comido bem ou dormido bem há mais de uma semana. Em seguida, houve o acidente e os Goblins. Estou exausta. Eu não tenho mais nada. Você vai ter que ir sem mim". "Você é uma mulher estúpida", disse ele. Ele parecia furioso. Por que ele estava tão bravo com ela? O mundo inclinou-se quando ele a arrastou para seus braços. "Eu não acabei". Segurando-a firme, ele começou a correr. Ela enfiou a cabeça embaixo de seu queixo e caiu em um estado de meia vigilância. Depois disso, ela não se lembrou muito daquela corrida, só lembrava que durou horas. Dragos nunca vacilou, nunca diminuiu o ritmo. Ele se quebrou em um suor leve, mas sua respiração se manteve profunda e regular. Seu pulso firme amortecia-a de eventuais choques. Ela notou uma coisa e murmurou uma pergunta quando percebeu que ele não estava levando-os de volta do jeito que eles haviam sido trazidos. "Quieta", disse ele. "Eu vou explicar mais tarde. Você apenas tem que continuar confiando em mim". Isso parecia importar muito para ele. Ele continuou carregando-a. Ela virou o rosto em seu pescoço. "Tudo bem". Não era como se ela tivesse escolha no momento. "Bom", ele disse rispidamente. Seus braços a apertaram. Essa foi a última vez que falou durante um longo tempo. Por fim, ele começou a desacelerar. Ela despertou de seu cochilo e se esforçou para levantar a cabeça e olhar em volta. Eles haviam deixado a paisagem árida e rochosa e a fortaleza dos Goblins muito tempo atrás e pararam numa clareira. Ele tinha corrido o restante do dia. A lua brilhava mais do que ela jamais havia visto. Ela pairava enorme e baixa sobre árvores murmurantes. Seu intenso e prateado brilho sombreava as bordas da clareira e deslocava-se com uma brisa intermitente, os contornos ondulantes tão realistas. Faces ocultas pareciam espreitá-los, sussurrando notícias de sua chegada. Água corrente escorria por perto. Dragos ajoelhou-se e colocou-a no chão, perto da água. Era um riacho. Ele colocou a mão em seu ombro e a amparou enquanto ela lutava para se sentar. "A água é segura", ele disse a ela. "Beba tanto quanto você acha que pode. Você deve estar seriamente desidratada". Ele se moveu para a beira da água a poucos metros rio abaixo adiante dela, deitou-se de barriga para baixo e mergulhou toda a cabeça dentro do rio. Pia caiu para a frente, desesperada para proporcionar alívio para sua boca e garganta secas. Ela pegou um punhado de água fria e chupou-o. Quando a necessidade de beber aliviou, ela jogou água sobre seu rosto e braços, desesperada para tirar o fedor da masmorra dos Goblins dela. Ela pegou mais para beber e suspirou. Dragos veio à tona finalmente, jogando a cabeça para trás em um jato molhado que brilhava à luz do luar. "Esta é uma das melhores coisas que já provei na vida", disse ela. Ela não estava falando da sede somente. A água estava crocante e viva, de alguma maneira, mais nutritiva e saborosa do que qualquer outra coisa que ela conseguia se lembrar que já havia bebido. Ela podia sentir seus murchos recursos emergindo avidamente. Ela acalmou a apertada, faminta parte de sua alma em algo parecido com a paz. Já se sentia mais segura agora do que jamais havia se sentido antes, o senso de crise trazido pelas lesões, exaustão e estresse. Ele sorriu. "Tem de ser aqui, na Outra Terra. A elevada magia da terra torna tudo mais intenso. Se você gosta disso, é só esperar para ver o que mais eu tenho para você". Ela se empurrou de volta de joelhos e sentou-se. "O que é isso", perguntou ela.


"Eu encontrei alguns alimentos que você pode comer. Eu peguei outras coisas também, mas a alimentação vem em primeiro lugar. Ele abriu o pacote de couro e entregou a ela uma folha plana enrolada. Ela a pegou com óbvia relutância. "Dragos, eu não acho que poderia comer qualquer coisa que você tenha encontrado naquele buraco do inferno". "Não seja tão rápida em tirar conclusões". Ele acenou com a cabeça. "Vá em frente, abra-a". Ela puxou as folhas em pedaços e o mais apetitoso aroma escapou. Ele quebrou um pedaço do final da bolacha que ela segurava e persuadiu-a a colocar entre seus lábios. Quando o pedaço atingiu sua língua, começou a derreter. Ela mastigou e engoliu com um gemido. Era indescritivelmente delicioso. “Pão Wayferer feito por Elfos Vegetarianos, nutrindo de uma forma que alimentava a alma, assim como o corpo e imbuído de propriedades curativas.” "Eu ouvi sobre isso, é claro. Quem não ouviu? É lendário. Mas eu nunca tive a oportunidade de provar qualquer um antes". Ele quebrou outro pedaço e alimentou-a, vendo como ela fechava os olhos e gemia de novo com prazer. "Coma cada mordida dele. Vai te fazer sentir-se bem", ele disse. "Eu encontrei uma dúzia deles. Nós temos em abundância". Ele olhou para ele. A dúzia de bolachas custava uma fortuna no mercado negro. A maioria das pessoas não podia mendigar, pedir emprestado ou roubar o pão Wayfarer. Oh. Olhou para o que ela segurava, seu prazer esmaecendo. "Você o encontrou na sala do capitão dos Goblins? "Entre outras coisas. Lembra que eu disse que metade da grana estava intacta?" Ele franziu a testa. "Por que você não está comendo?" "Ah, eu vou comer", assegurou ela. Ela quebrou outra peça. "É muito precioso para eu desperdiçar e eu preciso dele. É muito difícil desfrutar do infortúnio de outra pessoa." Ele sorriu um pouco e tocou o canto de sua boca. "Tudo que você sabe, é que alguns Elfos sofreram um aborrecimento menor quando o seu pacote foi roubado e eles esqueceram tudo sobre isso. Vá em frente e saboreie cada mordida". "Isso é verdade". O Elfo desconhecido não tinha necessariamente sido ferido ou morto. Ela inspirou profundamente. "Você não vai comer nenhum?" "Não é o meu tipo de comida", disse ele. "Eu vou à caça se sentir necessidade." Certo. Carnívoro. Ela voltou para sua refeição. Ele reclinou-se ao seu lado, apoiou a cabeça nas mãos e observava-a comer o seu pão Wayferer. Ele esperou até que ela colocasse o último pedaço em sua boca. Então ele começou a puxar outras coisas do pacote e colocou-as no seu colo. Um leve cobertor de lã de Elfos, uma túnica e calças, um pacote de sabão - sabão! - e uma escova de cabelo. Ela olhou para os tesouros. "Eu sei o quanto você odiava lá", disse ele. "Ah, meu Deus". Ela olhou para ele com lágrimas nos olhos. "Eu acho que isso é uma das coisas mais bonitas que alguém já fez pra mim. Tirando o fato de que você salvou minha vida não sei quantas vezes". "Você me salvou também, você sabe", disse ele. Ele parecia pensativo. A necessidade de se lavar tornou-se crítica. "Eu tenho que ficar limpa". "Pia, você está se esgotando aí sentada. Por que não espera até que você durma um pouco? Nós vamos descansar aqui enquanto eu vigio". Suas mãos começaram a tremer. "Você não entende. Eu não posso ficar mais um minuto fedendo como eles. Faz a minha pele se arrepiar". "Tudo bem", disse ele franzindo a testa. "Se você precisa ficar limpa, você tem que ficar limpa. Vai ficar frio. Eu vou reunir um pouco de madeira enquanto você se lava, então teremos uma fogueira". Ela fez uma pausa. "Não nos preocuparemos com a luz do fogo sendo visível?" Ele balançou a cabeça e se desenrolou do chão. "Eu vou ouvir alguém muito antes de chegar perto o suficiente para se tornar um problema". Ela virou-se de costas para ele e ajoelhou-se no córrego, já consumida pelo pensamento de expulsar o fedor do Goblin de seu corpo. Sua autoconsciência tentou


assumir quando ela retirou a camiseta imunda e seu arruinado sutiã, mas ela a esmagou. Pelo menos não estavam em plena luz do dia. Ele tinha visto, sem dúvida, milhares de mulheres nuas antes. (Milhares? Não, definitivamente não era hora de ir para lá). Nada mais importante do que conseguir tirar o fedor dela. O sabão feito pelos Elfos foi feito e enviado do céu. Ele amoleceu rápido, fez espuma na corrente fria, era suave na cura de seus cortes e tinha uma fragrância delicada que a fez suspirar de prazer. Ela lavou e enxaguou seu torso e vestiu a túnica limpa. Ela retirou sua calça capri, suas meias soquetes e seus tênis. As meias soquetes foram especialmente terríveis. Ela tinha sangrado dentro de um tênis e uma meia soquete estava coberta de sangue seco. Elas se juntaram à pilha de roupas que iriam para a fogueira assim que Dragos a acendesse. Ela puxou o cobertor sobre os ombros e deixou-o atrás dela em uma tentativa de preservar um pouco a sua intimidade e terminou de lavar o resto de seu corpo. Seu corpo foi atormentado por tremores violentos na hora em que ela tirou as calças, mas nada iria impedi-la de ensopar sua cabeça na água e ensaboar e enxaguar os cabelos encardidos pelo menos uma vez. Ela mergulhou a cabeça na água ofegando com o frio acentuado. Ela estava inclinada sobre o córrego, lutado com as mãos trêmulas para esfregar o sabão nos seus cabelos molhados, quando as mãos de Dragos vieram até ela. "Permita-me", disse ele. Ela inclinou-se em suas mãos e entregou-se aos seus cuidados. Seus dedos longos e duros massageavam seu couro cabeludo e trabalharam com o sabão com paciência pela longa corda molhada de cabelo que se arrastou no córrego. Seus dentes batiam durante o tempo em que ele demorou em terminar, pegando água suficiente para enxaguar todo o comprimento. Ele torceu seu cabelo e passou o braço pela sua cintura para colocá-la de pé. Ela pegou as roupas sujas. "Por aqui", disse ele. Ele tinha feito uma fogueira descontraída, que estava esperando para ser acesa. Assim que ela jogou as roupas em cima da pilha de lenha, ele estalou os dedos e a fogueira ardeu em chamas. "Truque legal". Seus dentes estalavam juntos. "Vem a calhar". Ele enrolou o cobertor em volta dela e a sentou de costas para ele. Então ele começou a escovar seus cabelos. Com o fogo à sua frente, envolta pelo cobertor e pelo calor de Dragos, ela se aqueceu em um instante. "Estou quebrando e queimando rápido" disse ela. "Estou surpreso que você se levantou, desde que você o fez", respondeu ele, deixando a escova de lado. Ele a puxou para seu colo, passou os braços ao seu redor e colocou a cabeça dela em seu ombro. Sentiu suas pálpebras encaixotadas em cimento. Ela não podia manter seus olhos abertos. Uma pilha enorme de perguntas, dúvidas, pensamentos e questões haviam sido empilhados, mas eles estavam afundando na baía do coma que se aproximava e que veio em sua direção como um trem preto. Ela fez um esforço enorme e abriu os olhos para olhar para Dragos. Sua face escura sempre seria difícil, sempre havia a borda de uma lâmina nela, mas observando o fogo ele parecia mais calmo do que ela já o havia visto antes. Ele era mau, de longe a criatura mais assustadora que ela já conhecera, mas quando descansou no círculo de seus braços, ela se sentiu mais segura do que jamais havia se sentido em sua vida. Seu corpo era tão forte e estável como a terra. Suas pálpebras se fecharam. "Você está certo, eu sou uma mulher estúpida", ela murmurou. "Eu não entendo você". "Talvez algum dia", disse ele, mesmo sentindo que ela já havia mergulhado no sono. Ele traçou a curva elegante de sua testa, seguindo o arco delicado de sua orelha. Seu


cabelo ainda úmido caiu sobre seu braço, uma extravagante cachoeira de luar dourado. Talvez um dia entenda, assim que eu consiga entender a mim mesmo. O dragão segurou sua figura dormindo mais perto. Ele baixou o rosto para sua cabeça e olhou ao redor da clareira com perplexidade, como se o silêncio e a pacífica cena pudessem lhe dizer quem ele era.


Nove

Pia estava correndo pelo simples prazer disso. O vento batia em seu cabelo. A lua olhou para baixo de seu trono no céu púrpura e sorriu para ela. A noite era mais brilhante do que ela jamais tinha visto antes, um tapete de veludo semeado de estrelas que piscavam como diamante brilhante e cantava trechos de música fraca e gelada, de viagens distantes e encantamentos em outros reinos. A magia na terra nutria partes dela que tinham sido aleijadas e meio mortas. Ela se sentiu mais forte, mais livre e mais selvagem do que nunca. Ela saltou bem alto e chegou até a fazer cócegas a borda da lua, que riu de prazer. Ela estava em um campo de quilômetros de largura, com todo o espaço do mundo para esticar as pernas. Árvores distantes sombreando nas bordas. Um homem alto e moreno, com cabelos negros e os olhos de ouro de ave de rapina, de pé perto das árvores a observava. Ela não se importava. Ele não podia pegá-la. Nada, nem mesmo o vento, a menos que ela o deixasse. Pia. Ela conhecia aquela voz. Ela adorava aquela voz. Ela se virou e viu sua mãe correndo em direção a ela. Em sua verdadeira forma, sua mãe tinha uma beleza incomparável e brilhava mais do que a Lua, que se inclinou diante dela. Mãe? Ela diminuiu e se virou. Ela se sentiu como uma menina pequena novamente. Mamãe? Elas se encontraram. Ela jogou os braços ansiosos em torno de sua mãe, que a aninhou. Minha doce menina. Eu sinto tanto sua falta, Pia disse a ela. Por favor, venha para casa. Sua mãe se afastou e olhou para ela com grandes olhos líquidos. Eu não posso. Eu desapareci de seu mundo. Eu não pertenço mais a ele. Então deixe-me ir com você, ela implorou. Leve-me para onde quer que esteja. Um rugido de negação sacudiu as árvores. Ele percorreu a terra, que tremia a seus pés. Pia voltou a olhar para o homem, apesar de que sua mãe permanecia intocada pela perturbação e parecia não saber da figura nas árvores. Você não pode se juntar a mim, querida. O seu lugar é entre os vivos. Olhos requintados sorriram para Pia. Dar à luz a você foi simplesmente a coisa mais egoísta que eu jamais tinha feito. Perdoe-me por partir. Eu não tive a intenção de abandoná-la. Lágrimas obstruídas sua garganta. Eu sei que você não pode evitar. Eu vim para avisá-la, disse a mãe. Pia, você não deve estar neste lugar. Há muita magia aqui. É por isso que nunca me atrevi a levá-la para a Outra terra. Ela olhou em volta. Mas eu gosto daqui. É tão bom. Você será exposta aqui e caçada. Volte. Luz de estrela começou a brilhar através da figura de sua mãe. Volte; misture-se com a humanidade. Não, não vá ainda. Pia tentou alcançá-la. Mas sua mãe já havia desaparecido, deixando uma mensagem final ao vento. Esteja segura. Saiba que você é amada. Ela procurou por sua mãe, quase segurado uma resposta a algo importante. Ela quase podia descobrir para onde sua mãe tinha ido, quase podia segui-la, exceto que o vento se enrolou a sua volta e segurou-a na terra. O sussurro que circulou em volta dela acariciava suas delicadas terminações nervosas, persuadindo-a, Pia, fique. Este não era seu nome verdadeiro, mas o Poder por trás do sussurro foi o suficiente para fazê-la hesitar. O vento tornou-se um dragão entrelaçando-se ao seu redor, roçando-lhe a pele como um gato. Fique.


Viva. Ela passou os dedos pela pele quente da bonita e selvagem criatura. Ele virou a cabeça. Grandes olhos hipnóticos, fundidos encararam os dela e ela foi capturada. Ela acordou. Ela estava deitada no chão, enrolada no cobertor Élfico, ao lado das brasas vermelhas e moribundas da fogueira. Dragos se agachou sobre ela, as mãos em concha sobre sua cabeça. Ele estava cochichando em um idioma que ela não reconheceu, mas isso puxou-lhe os ossos. "O que é isso?", Ela perguntou em voz sonolenta. Ela olhou para si mesma. Ela estava brilhante, com uma ligeira e perolada luminescência. Ela se sacudiu completamente acordada. "Porra, eu também perdi o domínio sobre o feitiço do abafamento naquele sonho que tivemos. Eu nunca tinha perdido o controle assim antes. Eu não posso continuar fazendo isso!" Ele respirou profundamente. Seu corpo estava apertado. Um fino tremor correu através de seus pesados músculos. Ele estava mais pálido do que ela já tinha visto, os olhos dilatados e gritantes. "Qual é o problema?", Ela perguntou de novo. Ela colocou a mão marfim, contra sua bochecha. "O que aconteceu?" "Eu abaixei você", disse ele. Seu rosto de lâmina afiada estava abatido. "Eu fui me lavar no riacho. Não fazia muito tempo.. . Eu tinha andado apenas seis metros de distância. " "Está tudo bem", disse ela. "O que quer que tenha acontecido, está tudo bem agora." Ele estava tão chateado, diferente de tudo o que ela já tinha visto dele. Até o momento, ele tinha sido calmo, arrogante, irritante, divertido, furioso, cauteloso, francamente imperioso. Mas isso era como tinha sido quando ela o encontrou acorrentado na cela, só que pior. Era difícil ver um macho tão indomável, tão abalado. Ela acariciou seu rosto. Ele afundou os punhos em seu cabelo como se para prendê-la completamente. "Vireime", ele trincou "e eu podia ver o fogo através de seu corpo. você estava transparente, Pia e você estava desaparecendo." "Isso é impossível", disse ela. Ou não era? Sua mente correu de volta para o seu sonho. Se ela tivesse começado a desvanecer, poderia a sua mãe tê-la visitado realmente? Seus lábios se abriram em um sorriso amargo. "Não sorria. Isso não é algo para se sorrir, porra,” ele rosnou para ela, seus punhos apertados. "Você quase foi embora. Minhas mãos passaram direto através de você. Se eu não tivesse começado a chamá-la de volta, você teria desaparecido para sempre." "Talvez, eu acho, mas eu não penso assim", disse ela em um tom ausente, deixando seus dedos deslizarem pelo cabelo dele. Ela amava os fios de seda da cor de tinta preta. Não havia uma dobra ou sugestão de enrolar neles. "Eu não acho que eu poderia ter ido para onde eu tentei ir. Ela disse que não era o meu lugar." "O que você está falando?" Seus olhos se estreitaram, mas a tensão em seu corpo baixou um nível. "Eu sonhei com minha mãe." Seu olhar foi desfocado e ela disse: "E eu acho que, na verdade, era ela. Quando ela se foi, eu tentei segui-la." "Você nunca faça isso de novo", disse ele entre os dentes. "Você entendeu?" "Dragos", disse ela, falando com cuidado, pois ele ainda estava tão chateado. "Você tem que parar de me dar ordens." Não importa o quão suavemente ela disse isso, ainda era como uma faísca para um pavio seco. "Foda-se", ele retrucou. Ele empurrou o rosto baixo para o dela, os olhos queimando com lava e endurecendo as feições. "Você é minha. E Você. Não pode. Ir”.


"Alto, lá. Eu não sei o que dizer a você. Você é como um daqueles perseguidores que usam esteroides." Ela jogou as mãos para trás e revirou os olhos. “Você está consciente, não está, que você não pode ter escravos por mais tempo. Você sabe, a abolição. Grande guerra. Aconteceu cento e quarenta ou quarenta e cinco anos atrás." "A história humana, termos humanos," ele rosnou. "Eles não significam nada para mim." Ela já sabia que ela não deveria atribuir motivos humanos ou emoções a ele. Aqui estava o lembrete. O dragão estava muito próximo da superfície. O grande corpo agachado sobre ela estava tenso com a ameaça. Toda lenda que ela já tinha ouvido falar sobre a natureza territorial e possessiva de um dragão, veio à mente. Droga, foi o suficiente para fazê-la engolir em seco, mas não, ela percebeu, com medo. Músculo por músculo, ela relaxou. "Ok, então, grandão", disse ela, suave E com calma. "Diga-me o que você quis dizer." "Eu não sei." Aquele rosto feroz e orgulhoso, estava intrigado. "Tudo o que sei é que você é minha para manter e proteger. Você não pode desaparecer e você não pode morrer. Eu não vou deixar." Ela pensou que não era o momento para ressaltar que ela iria morrer em algum momento. Ela tinha muito humana nela. "Então, eu sou sua por quanto tempo?", Ela perguntou, curiosa, agora que decidiu explorar esse caminho. "Até você se cansar de mim, ou você ficar entediado de novo?" "Eu não sei", disse ele novamente. "Ainda não pensei sobre isso." Uma súbita onda de afeição a surpreendeu. Ele não estava fingindo a sua perplexidade. Ele não estava colocando em um ato. "Isso faz de nós dois", disse ela. Ela pensou no pão wayfarer Élfico, a escova e sabão, e sua consideração a surpreendeu totalmente mais uma vez. Ela levou um dedo acima e deslizou pela garganta dele. "Assim, por uma questão de argumento, se eu sou sua, como você disse, para manter e proteger, parece-me que você iria me querer para – estar tudo bem. Para prosperar? " "É claro", disse ele. Ele olhou para a mão dela enquanto ela desenhava círculos em seu peito e o perigo que ele exalava se tornou mais escuro, esfumaçado. "Dragos", ela murmurou, "Eu não prospero quando alguém late ordens para mim o tempo todo." Ela olhou para ele para ver como ele reagiu à sua lógica. Ele estava franzindo a testa. "É como eu falo com as pessoas", disse ele. "É como você fala com seus funcionários e serviçais, você quer dizer?", Respondeu ela. Sua carranca se aprofundou. Ela mordeu os lábios para manter um sorriso. Como, diabos, podia ela estar tão encantada com tal primitivo bandido? Ela teve de estabelecer um equilíbrio diferente com ele ou ser cortada pela força de sua personalidade. "Veja, aqui está a coisa." Ela manteve sua voz suave, enquanto ela começou a esfregar seu peito em círculos suaves. "Alguém latindo ordens para mim faz com que me sinta presa e sufocada. Eu entendo que você adquiriu este hábito, mas talvez”, sugeriu ela, "você poderia tentar não ficar me dando ordens, algumas vezes.Você sabe, só até você se cansar e me deixar ir.” Suas pálpebras tinham ficado pesadas conforme ela o acariciava, mas seu olhar estreitado se fixou no rosto dela. Ela sorriu para ele, sem medo e relaxada. "E se eu não ficar entediado?" Disse. "E se eu não deixar você ir?" Ela foi sacudida por um sentimento de saudade que varreu sobre ela. Ela perdeu o sorriso e olhou para longe. "Nós nem sequer sabemos o que estamos falando,de qualquer maneira", disse ela. Ele afrouxou o aperto em seu cabelo, jogou o peso sobre um cotovelo e pegou sua mão luminescente. Ele inclinou-lhe o braço e olhou para ele. "Você é notável. Não, não!", disse, quando ela se lembrou e começou a abafar o brilho. "Deixe-me vê-la


como você realmente é, por enquanto, pelo menos. Ver o quão rápido você está curando." Ela olhou. As contusões feias e negras que tinham manchado sua pele estavam quase desbotadas. "Eu me sinto bem", ela confessou. "Diferente, de alguma forma. Melhor. Mais. Ei, eu sou a Mulher Biônica?” Ele sorriu. "Às vezes acontece com Halflings* quando eles vêm para a Outra terra," ele disse a ela. "O alto nível de magia pode ajuda-los a acessar habilidades e traços que poderiam, de outra maneira, permanecer latentes." Ela tentou manter um controle apertado sobre a esperança que surgiu com as palavras dele, mas perguntas ainda estavam vazando de seus pensamentos. Era essa a explicação por tudo o que ela sentia desde que eles tinham atravessado? Se o que ele disse era verdade sobre ela, ela poderia ser capaz de mudar? E se ela pudesse acabar com esse senso de viver uma meia vida, o sentimento de estar presa entre duas identidades incompletas, humana e Wyr? "Eu não tinha ideia", disse ela. "Minha mãe sempre se recusou a levar-me para Outro lugar. Eu nunca tive Poder suficiente para atravessar sozinha. Eu quase não tenho o suficiente para a telepatia." No sonho, sua mãe disse que era perigoso para ela estar aqui. Ela olhou ao redor do clarão produzido pela iluminação do carvão aceso. Isso significava que eles deveriam sair logo. Faltava urgência nesse pensamento. "Ah sim, sua mãe", respondeu ele, parecendo distraído enquanto inspecionava seus dedos finos, a inclinação graciosa de seu pulso. "Muito em breve vamos ter uma conversa sobre sua mãe, que ela era e por que, aquele Elfo idiota a amava tanto. Nós também vamos falar sobre por que você não está bem da cabeça e se você tem mais alguma identidade ou dinheiro escondido em algum lugar." Ela pegou a mão dela e bateu-lhe no braço. "Nada disso é da sua conta! E só porque ele gostava de mim, mas ele não gostava de você, não significa que ele é um Elfo idiota!” Ele lhe deu um sorriso preguiçoso, predatório conforme movia seu tronco sobre a dela. "Você não tem mais medo de mim mesmo, não é?" Ela ficou séria. Chame-a de louca, mas ela pensou que ele preferia cortar as mãos do que machucá-la. "E daí se eu não tiver?", ela murmurou. Sua boca, bonita ecruel, puxada em um sorriso. "Eu acho que se você não tem, é uma coisa muito boa", disse ele. Ele se moveu e antes que ela percebesse o que ele pretendia, ele tinha as mãos dela presas sobre a cabeça. "Isso me dá todos os tipos de licença para fazer coisas más a você. Com você. Sobre você. Dentro de você. Ela pulou e seu coração martelava. Ele olhou para ela, espalhada e indefesa, debaixo dele e insinuou uma coxa pesada entre as dela. Ele a empurrou para cima com a perna enquanto mordia seu pescoço no exato lugar em que ele o tinha feito no sonho deles. Ele bebeu em seu suspiro e segurou-a com facilidade quando ela tentou libertar as mãos. Não que ela tentou duramente. Emoção percorreu seu corpo como um trem bala. Ela se esticou por puro prazer de sentir-se deslizando contra seu torso nu, seu olhar brilhante captou todo movimento que ela fez. Ela estava se sentindo menos humano a cada minuto. Ela lambeu os lábios. "Dragos, eu não acho. . ." "Você não acha que o que?" Seu olhar ardente engolindo-a. "Eu não acho que eu sou tão boa quanto eu pensei que era", ela sussurrou. Suas pálpebras se fecharam e ela sorriu. "Essa é minha garota", ele sussurrou. Ele separou suas pernas, estabeleceu-se entre elas e começou a assaltá-la sexualmente, mordiscando e lambendo. Ele puxou seu lábio inferior entre os dentes e chupou a carne suculenta, em seguida, enfiou a língua profundamente em sua boca.

*(http://rpgpathfinderd20.livre-forum.com/t13-raca-halfling)


Ambos gemeram. Ele cavou mais fundo dentro dela, empurrando cada vez mais firme. Ela inclinou a cabeça para se abrir mais para ele. Ele transferiu seus pulsos para uma mão só, para que ele pudesse enfiar a outra sob a túnica dela, correndo os dedos calejados para cima, até a ondulação suave de seus seios. Ele agarrou o monte aveludado com cuidado ganancioso, encontrou seu mamilo e começou a girá-lo entre o polegar e o indicador. Ele puxou a carne sensível e deu-lhe um leve beliscão. O prazer a sacudiu enquanto ele brincava com seu seio. Sua respiração tornou-se irregular. Ela se sacudiu mais firme, mas ele se recusou a liberar pulsos, Ela levantou as pernas para embalar seu longo corpo, deslocando-se por baixo dele até que sua longa e pesada ereção estivesse aninhada contra sua pélvis. Ele silvou, o rosto escurecido com a luxúria, e se levantou para rasgar a túnica dela. "Não", ela gritou, enrijecendo-se. Ele congelou. Deus o abençoe, aquele dragão nem sequer respirou. "Eu não tenho nada mais para vestir", explicou ela. Ela lhe deu um sorriso trêmulo, quando seus olhos brilharam para os dela. O olhar aflito deixou seu rosto. Ele soltou-lhe os pulsos e se sentou em seus calcanhares enquanto ela se sentava e puxava a túnica pela cabeça. Ela a jogou para o chão. Ele colocou as mãos em seu tronco e correu os dedos até seus seios. "Pelo Amor de Deus", disse ele. Sua voz normalmente profunda tinha soado rouca. "Olhe para isso." Ela olhou para baixo. As linhas e curvatura de seu torso e seios pareciam ultra femininas contra os músculos de suas mãos grandes e braços tonificados. O brilho dela e o tom escuro da pele dele pareciam se alimentar um do outro. A palidez da pele dela estava mais cremosa, as auréolas de seus mamilos mais rosa. Os nervos das suas mãos e pulsos dele mudaram sob a pele, que estava um bronze mais rico e mais profundo. Ela colocou as mãos em seu tronco e assistiu enquanto as corria pelo peito. Músculos ondularam debaixo de suas palmas quando ele respirou, agitado. Ela raspou seus mamilos com unhas suaves. Parte dela estava em êxtase com o choque. Eu o estou tocando. Ele está me tocando. Ele silvou e agarrou seus dedos, indo por cima dela enquanto a deitava novamente. Ele colocou as mãos em sua cintura e entendendo o que ele queria, ela levantou os quadris para ele puxar as leggings fora. Ele deslocou-se para arrancar seus jeans e arremessá-los de lado. Então ele deslizou de volta sobre ela, pesado, duro e nu, eles estavam deitados, pele sobre pele. Se ele parecia quente antes, ele tinha se tornado vulcânico. Ela podia sentir seu coração batendo contra o peito. Ela se perdeu no prazer de esfregar-se contra ele, correndo as mãos para cima, até a musculatura considerável de suas costas poderosas. Ele deslizou para baixo em seu corpo, correndo sua boca aberta e trêmula ao longo do comprimento do pescoço dela, abaixo da clavícula, até que ele pudesse se banquetear em seus seios. Ele sugou e mordeu a carne suculenta, segurando seus mamilos entre os dentes e sacudindo-os com a língua, um após o outro, até que ela se arqueou e gritou, incoerente com claro prazer. Então ele se deslizou para mais longe, lambendo e mordendo seu caminho ao longo da curva de sua cintura. Ele agarrou o interior de seus joelhos finos e segurou-os espalhados enquanto chupava a carne macia de suas coxas. Ela se contorcia em seu domínio, gritando novamente enquanto erguia os quadris para ele. Ele parou e olhou para ela à vontade. Estrutura óssea elegante, creme radiante e rosa escuro, estavam acomodados em um travesseiro extravagante de cabelos emaranhados ouro pálido. Ele poderia rastrear sua jornada pelo corpo dela, através das deliciosas marcas que ele lhe havia feito e que estavam florescendo abaixo dos seios, no interior de sua coxas. Seus olhos escuros violeta estavam enormes e brilhantes de desejo, assim como eles estiveram no sonho.


Assim como ele a tinha desejado desde então. Desejo por ele, o monstro, a Grande Besta. Mas este não era um sonho, ele estava tão duro e cheio por querê-la, que ele estava com uma dor soberba. Ele olhou para os lábios suculentos, enrugados, rosa, cobertos com um emaranhado de cachos ouro branco. Ela estava escorregadia com a umidade, encharcada com ela e seu pênis pesado saltou com a evidência de sua generosa excitação. Ele sussurrou: "Eu vou comer você até você gritar". Seus pés delgados se enrolaram e um gemido profundo explodiu dela. Ele baixou a cabeça e continuou seu ataque, lambendo, mordendo e sugando com ganância feroz. Ele puxou seu pequeno e duro broto para sua boca e chupou fazendo com que ela se paralisasse, chocando-se com a força do prazer que se espiralava por seu corpo. Ela se apoiou nos cotovelos, ofegante e olhou para o que ele estava fazendo com ela. Aquela cabeça negra e aqueles ombros largos entre suas coxas trêmulas, sua face esculpida encharcada com excitação enquanto trabalhava nela, era uma visão tão erótica que a arremessou em um clímax. Ela pendurou a cabeça para trás e gritou quando o orgasmo a atingiu, com uma intensidade que ela nunca tinha experimentado antes. Ele nunca parou. Ele continuou a lamber e sugar, sua boca absorvendo as ondulações que, em cascata, passavam através dela. Ele colocou a mão espalmada na parte inferior de seu abdômen enquanto ela se apertava, sentindo o ritmo de seu clímax. Ele a retorceu e ainda assim ele continuou a chupar. A sensibilidade tornou-se demais. Ela afundou os dedos trêmulos em seu cabelo, tentou puxar a cabeça dele para trás. "Pare, eu não posso. . . Eu não posso. . . " Ele fez um som gutural, seu olhar de ouro quente piscando quando ele se concentrou em seu rosto suado e atordoado e chupou-a mais forte. Ele mergulhou dois dedos dentro dela, e simples assim, empurrou-a para outro clímax, este mais longo e mais intenso do que o primeiro. Ele engoliu este clímax e sem parar, empurrou um terceiro dedo. Seu torso arqueado, fora do chão e os tendões em seu pescoço distendidos, quando um grito fino e sem fôlego rompeu dela. Ela estava completamente tomada pelo que ele estava fazendo com ela. O céu noturno cheio de estrelas brilhantes desapareceu quando seus olhos se encheram e transbordaram. Por fim, ele se afastou e se arrastou até ela, a respiração dura, o propósito esculpindo cada dobra e deslocamento em seu corpo. Ela não tinha palavras quando olhou fixamente para ele. Ele era um esplêndido homem agressivo, os músculos grandes em seu peito e braços tremendo, seu grande e ereto pênis pendurado longo e pesado entre as coxas maciças como rochas. Ela olhou em seus olhos enquanto curvava a mão ao redor da ampla cabeça de cogumelo e acariciava. Com isso, ele foi à loucura das loucuras, pela terceira vez em três dias. Ele se lançou para ela, seus pulmões trabalhando para captar grandes goles de ar. Ele posicionou um braço sob seus quadris, levantando-os e preparando-a para sua entrada. Ela o guiou e ele mergulhou nela. Ela gritou com a invasão e cravou as unhas em suas costas. Ele não era um amante delicado, tímido. Ele era como nada que ela já tinha experimentado, um tsunami caindo sobre sua cabeça e destruindo sua antiga identidade, reformulando sua vida. Ele passou o outro braço ao redor dela, segurando-a pelo pescoço e quadris ao mesmo tempo em que começava a mergulhar nela com golpes pesados e poderosos. Ele estava gemendo em seu ouvido a cada estocada, enquanto acasalavam como animais que eram. O aumento da pressão, o som de sua carne se unindo, sua total falta de controle, fez com que ela cravasse as unhas em suas costas. Ela se esticou e choramingou, perdida no ritmo inexorável de seu corpo e gozou novamente. Ele jogou a cabeça para trás, o rosto contorcido em selvageria e espanto. Com um último impulso convulsivo ele fez um som abafado e se juntou a ela no clímax. Ela o sentiu pulsar fundo, dentro dela e apertou tudo o que podia em torno do comprimento delicioso dele, apegando-se à sensação, apegando-se a ele. Ele tremeu contra ela,


ofegante, os olhos fechados enquanto ele jorrava dentro dela. Ela colocou a mão na parte de trás de sua cabeça, um braço em volta de sua cintura, segurando-o como ele a segurou, murmurando em seu ouvido, “sim, aí está você, sim”. Ele virou o rosto, encontrou sua boca e a beijou ao mesmo tempo em que os segurava juntos tão forte, pélvis com quadril, por um tempo que pareceu que haviam se fundido e se tornado uma só criatura, claro e escuro, yin e yang. Foi então que sua consciência despedaçada capturou o que ele havia rosnado em seu ouvido enquanto ele a fodia. Minha, ele tinha dito. Você é minha. Você é minha. Ela estava à deriva, olhando para a silhueta da parte de trás de sua cabeça contra o céu, enquanto esfregava sua bochecha contra a dele, enquanto o peso dele a pressionava para baixo. Algo nela estava estalando e tentando se colocar em marcha em reação ao que havia acontecido. Era demais. Ela não conseguia pensar. Ele começou a mover os quadris novamente, puxando, empurrando, sua respiração ficando mais profunda. Oh Deus, ele ainda estava enorme e duro. Não humano. Ela emitiu um som de espanto no fundo de sua garganta, apertando-se a ele, enquanto ele trabalhava em seu interior. Era muito lindo. Ela empurrou com os quadris, igualando o seu ritmo. Desta vez, um gemido rasgou seu peito e ele tremia todo quando ele começou a pulsar. Ela trabalhou músculos internos e balançou-o através do clímax, murmurando em seu ouvido. Ele virou o rosto em seu pescoço. Ele se afastou, a face esculpida. Ela arfou de surpresa quando ele a virou sobre seu estômago e puxou seus quadris para cima, de modo que ela estava de joelhos. Seus cabelos emaranhados formaram uma nuvem sobre o rosto. "Não é fundo o suficiente", ele gemeu. "Tenho que ir mais fundo." Mais do que disposta, ela abriu os joelhos e arqueou a pélvis para trás. Ela alcançou entre suas pernas para guiá-lo quando ele se empurrou dentro dela por trás. O comprimento aveludado, quente e escorregadio de seu pênis pareceu ainda maior desse jeito. Ela murmurou um incentivo gutural ao mesmo tempo em que ele se enterrava ao máximo nela. Ela foi tomada não apenas por sua sexualidade esmagadora, mas por esta estranha criatura que vivia dentro de seu corpo e que se sentia mais sensual, mais feminino e mais desejada do que ela jamais tinha se sentido antes. Ele a cobriu, um braço baixo em volta da cintura dela segurando-a para suas estocadas frenéticas, a outra mão plantada no chão ao lado dela, de maneira que ele sustentava muito do seu peso. Desta vez, o movimento de pistão de seus quadris era implacável. Ele dirigiu duro e firme enquanto enterrava o rosto na parte de trás do seu pescoço, sua respiração estremecendo contra a pele dela. A pressão construída de novo, mas desta vez ela não tinha certeza se poderia aguentá-la. Ela soluçou e agarrou-se ao chão para se preparar. Grama arrancada sob suas unhas. Ele cravou os dentes na parte de trás do pescoço dela e seu Poder enrolou-se em volta dela. “Venha comigo”. Ele se deslocou para colocar a mão entre as pernas dela, para esfregar os dedos compridos ao longo de onde ele entrara nela e beliscar seu clitóris. Ele impulsionou duro uma última vez e se manteve tenso. Seu Poder ondulava sobre ela, através dela, com o seu clímax. Sua mente ficou incandescente. Ela voou para longe. Dragos despejou tudo o que tinha nela. Veio rugindo a partir da base de sua espinha enquanto ele se trancava na luva apertada de seu revestimento. Isso não era sexo. Ele teve sexo inúmeras vezes. O sexo era um simples acoplamento e libertação. Mais frequentemente do que não, meia hora mais tarde, ele já tinha esquecido o nome da fêmea. Isso era algo que ele nunca tinha feito antes. Isso era algo muito mais elementar e necessário do que o sexo. Banqueteando-se nela não aliviou sua fome, mas alimentou sua necessidade. Trabalhando dentro dela não foi suficiente. Gozar não aplacou a luxúria. Construiu o frenesi. Ela absorveu tudo o que ele fez para ela e amplificou de


volta, floresceu ainda mais brilhante e intoxicante. Ele teve que entrar nela tão profundamente que ele nunca voltou. Ele voltou à consciência. Ele ainda a estava cobrindo por trás, ainda estava dentro dela, com a mão cobrindo a graciosa área de sua pélvis. Tremores percorriam seu corpo. Os músculos delgados das coxas dela tremiam contra os seus. Ela ofegou em soluços silenciosos. O que ele tinha feito? Ele apertou os lábios em seu pescoço e puxou-os ao longo do ângulo elegante de seu ombro. Ele retirou a mão de sua pelve para escovar a nuvem emaranhada de seu cabelo, tirando-a do caminho, enquanto ele tentava ver seu rosto. "Ssh", ele murmurou. "Calma". Ela estava muito fraca para se sustentar em suas mãos e joelhos, sem seu braço para suportá-la. Seu pênis amolecido escorregou para fora dela, quando ela afundou para o chão. Ela apoiou a cabeça em seus próprios braços. Ele mudou de posição para deitar ao seu lado, uma coxa apoiada sobre as costas dela. Ele alisou o cabelo dela, esfregou suas costas trêmulas. Seu rosto parecia molhado. Ela estava chorando? Ele a tinha machucado? As perguntas o esfaqueavam. Ele podia jurar que ela estava com ele por todo o caminho. Ele parou de respirar. Ele colocou os dedos sob o queixo dela, para levantar sua cabeça e virá-la em direção a ele. Seu rosto e aqueles olhos brilhantes estavam devastados e totalmente abertos. Ela parecia tão bonita e frágil como cristal lapidado. Seu intestino apertou. "Eu perdi o controle", ele sussurrou. Isso, junto com a preocupação escurecendo seus olhos, trouxe-a de volta ao seu corpo. Ele estava tentando se desculpar? "Assim como eu", ela sussurrou de volta. "Eu nunca fiz isso antes." Ele tocou a pele delicada no canto dos olhos dela, esfregou a base de seu polegar ao longo do lábio inferior dela. "Nem eu", ela confessou. Um sorriso apareceu em seu rosto. Seus dedos desceram para traçar a curva de seus lábios. "Você. . .está bem?" Ela era uma bagunça. Ela estava eufórica, um acidente de trem emocional. Ela precisava ir para um quarto calmo e escuro, em algum lugar e tentar entender tudo o que tinha acontecido e que ele tinha feito - com ela. Mas primeiro, ela tinha que limpar aquela incerteza do rosto dele. O sorriso dela se ampliou e ela lhe disse a verdade. "Não", ela disse. Ela se inclinou e depositou um beijo naqueles lábios incríveis e sedutores. "Você me demoliu. Eu não tinha ideia de que alguém pudesse fazer as coisas que você fez. E eu quero saber quando podemos fazê-las de novo." A preocupação desapareceu e um sorriso de resposta iluminou os olhos dele. Ele olhou para sua boca. "Eu quero um monte de coisas." "O que você faz com a sua língua é um pecado", brincou ela. Aquela vulnerabilidade que ele viu nela ainda se escondia sob a superfície, mas ele escolheu continuar com a tentativa dela de suavizar as coisas. Ele lhe disse: "Há muitas vantagens em ser um homem mau." "Tais como?" Ele sentou-se e puxou-a para o seu colo, virando-a para que ela o encarasse, tronco com tronco, virilha com virilha, pernas esguias esticadas em ambos os lados dele. Era uma posição ainda mais íntima por causa da nudez de ambos, uma posição perfeita para fazer amor. Ele passou os braços em volta dela e ela enrolou os dela em volta do pescoço dele. Mesmo sentada em seu colo como ela estava, seu corpo era muito maior e mais longo do que o dela, ele teve de inclinar a cabeça para baixo para ficar cara a cara com ela. "Uma confortável falta de consciência," disse ele. "O prazer de sono ininterrupto. Um descomplicado desejo de descobrir cada possível prazer carnal com a bela mulher em seus braços."


Seus olhos brilharam com o elogio e se enrugaram para ele. Ele sorriu de volta e beijou-a, uma longa e lenta exploração, que enrolou os dedos de seus pés. "Bem, eu acho que você mantém um segredo muito bem escondido", disse ela quando ela pôde respirar novamente. Ele levantou uma sobrancelha. Ela bateu um dedo contra seu peito. "Existe uma criatura muito charmosa enterrada fundo, aqui dentro. Você deveria deixá-la sair com mais frequência". Ele riu alto, mas o olhar em seu rosto tornou-se calculista. Ela riu também quando percebeu que até aquilo, ela achou charmoso. Deus, ela era um caso perdido. Ela advertiu: "Não faça eu me arrepender de dizer isso." "Eu vou tentar não tirar vantagem demais", disse ele. "Oh, muito obrigado." Ela revirou os olhos. Aquilo provavelmente significava que ele tiraria o maior proveito disso. Seu estômago roncou. "Eu estou com fome de novo." Sentaram-se ao alcance do pacote. Ele deu-lhe uma bolacha de folha embrulhada, que ela desembrulhou. Ela comeu enquanto ele tentava correr os dedos através de seus emaranhados cachos. "Nós fizemos um número em seu cabelo", disse ele. Ele enviou um suave pulso de Poder através de suas mãos e seu cabelo alisou. Ela engoliu um pedaço do pão wayfarer delicioso. "Se você se cansar de ser um executivo multibilionário, você poderia fazer outra fortuna como cabeleireiro." "Vou me certificar de ter isso em mente", disse ele. Ele não disse a ela que ele não tinha interesse no cabelo de mais ninguém, exceto o dela. Ele olhou ao redor da clareira. "Demoramos demais aqui. Devemos sair assim que terminar." "Certo", ela disse, olhando ao redor também. "E por que nós viemos por este caminho, em vez de voltarmos pelo caminho que nos trouxeram?” "Você nunca esteve em Outra terra antes, certo?" Ela assentiu com a cabeça e ele continuou: "Esta não é a melhor analogia, mas que vai funcionar por hora. Tempo e espaço se fundiram quando a Terra foi formada, a união criou bolsos dimensionais onde a magia se acumulou. Imagine-os como lagos ou grandes corpos de águas.* Há lagos de diferentes tamanhos. Alguns são muito pequenos, mais como lagoas e alguns se mantém por si só. Outros são quase tão grandes como oceanos e estão ligados entre si, com córregos ou rios. Eu posso sentir que esse"ele fez um gesto em torno deles "é uma área muito grande conectado outras grandes áreas de terra." *partes na superfície da terra, cobertas com água, tais como um rio, lago ou o oceano. "Como você faz isso?", Ela perguntou. Ele franziu o cenho, não, ela podia ver, de irritação com a pergunta, mas mais em um esforço para descobrir como explicar o que ele vivenciava. Devia ser algo que ele tinha sabido fazer por tanto tempo que vinha automaticamente para ele, como respirar. "Eu coloquei minha mão sobre a terra e enviei minha consciência. Não é necessário ser um pulso intenso de Poder. É mais como um saber que vem a mim." Ela tentou imaginar como seria sentir aquilo. Talvez fosse o mesmo tipo de saber que ela tinha quando ela sentia que a magia estava por perto, ou que um feitiço tinha sido lançado, só que mais focado na terra. Ela queria experimentá-lo por si mesma algum dia. "Então, há diferentes caminhos para dentro e para fora deste lugar.” "Correto. Tivemos uma chance melhor de escapar tomando uma direção imprevisível, do que voltar pelo caminho que eles usaram para atravessar. Nós podemos até mesmo, ser capazes de ir tão longe ao norte que poderemos nos conectar com Nova York ou chegar pelo menos próximo a ela." "Já que estamos conversando, por que a tecnologia não funciona em Outras terras?" "Isso é um pouco equivocado. Algumas tecnologias funcionam se elas possuem um design passivo, se elas utilizam as forças naturais que já estão presentes, como o fluxo da água e se elas não envolvem combustão mais elaborada do que um fogão a lenha ou uma caldeira. Projetos de besta modernos não são exatamente passivos, mas eles estão de acordo em usar, porque eles não se utilizam de ignição. Você também pode trazer coisas como janelas de vidro fabricadas, arte, vários aparelhos de


conveniência como Melitta ou cafeteiras francesas e até mesmo, banheiros de compostagem, desde que o que você traga não dependa de eletricidade e você possa transportar de maneira segura através da passagem dimensional.” Ela riu. "Você parece tão doméstico". Ele sorriu. "Eu tenho uma casa até que muito confortável em Outra terra conectada ao norte de Nova York, onde fizemos um monte de experimentos para ver o que funciona e o que não funciona. Ela é projetada para tirar o máximo proveito do sol, que aquece a água através de um sistema hipocasto*, que irradia o calor e mantém a casa aquecida. Muito Romano. Então por que certas tecnologias não funcionam? "Ele deu de ombros enquanto corria os dedos pelos cabelos dela. "Há algumas teorias, mas a resposta curta é que ninguém sabe com certeza." Ela inclinou a cabeça para trás, saboreando o carinho. "Um revólver de ação simples não é um dispositivo muito complicado, nem é uma espingarda de pederneira, mas ouvi dizer que até mesmo armas simples são perigosas demais para usar." "Você está certa. Armas simples são apenas a aplicação de pólvora, fogo e chumbo, em um barril. Curiosamente, quanto mais primitiva a arma, maior é o tempo que você pode usá-la em Outra terra. Armas automáticas travam ou falham tão logo eles a trouxeram. Você pode obter alguns tiros disparados a mais de um modelo mais simples, mais histórico. Você pode, possivelmente, obter tanto quanto uma dúzia de rodadas disparadas, mas o total nunca é previsível e ao final, a arma sempre falha." Ela franziu o cenho. "Boa maneira de perder a visão ou a sua mão." "Ou a sua vida", disse ele. "Uma explicação possível é a Teoria da Terra Viva. E se o mundo fosse uma entidade gigantesca? Quando você usa uma criatura viva como um modelo conceitual, então a terra teria peças discretas, órgãos, membros, veias, músculos, uma estrutura esquelética e artérias e assim por diante. E se as Outras terras são mais essenciais para o sistema geral deste organismo do que outros lugares são mais como a artéria do que a veia periférica ou um órgão vital, em oposição a um que você pode sobreviver sem? E se a magia que é tão forte por aqui e que amortece, mesmo sabota, certas tecnologias for o mecanismo de defesa da Terra?" "Assim como as células brancas do sangue?", ela disse. "Se você usar essa analogia, talvez você pudesse disparar armas mais simples, algumas vezes mais, porque levaria mais tempo para o sistema imunológico reconhecê-las." "Exatamente. A teoria é mais poesia do que a ciência, mas eu gosto. Há também uma teoria da Terra Viva modificada, que derruba o conceito de uma entidade mundial. Ela se concentra, ao invés disso, em bolsos individuais de Outra terra como "mentes" coletivas que são criadas a partir da terra mágica de magia e da vida selvagem regional, embora essas mentes não são necessariamente conscientes como nós atualmente entendemos a consciência. Nesta teoria, o conceito de magia agindo como um mecanismo de defesa e dificultando a tecnologia ainda é o mesmo." Ela sorriu, intrigada e encantada com este novo olhar para ele e sua curiosa e ativa mente. "Você é um belo de um pensador científico, não é?", Ela disse. Suas sobrancelhas se ergueram e ele concordou. "Eu gosto de procurar por padrões subjacentes e o significado para o mundo. Gosto muito de ler revistas científicas." Ela terminou a refeição e lambeu os dedos em busca de qualquer doçura persistente. Seu olhar caiu para a boca dela e ela o sentiu endurecer contra a parte interna de sua coxa. Sua respiração engatou. Mas ele a afastou dele, levantou-se e ofereceu-lhe a mão para puxá-la de pé. Ela estava muito dolorida para se decepcionar. Ela disse isso a si mesma várias diferentes vezes, enquanto ela pegava a túnica amassada, as leggings e o cobertor. Ela foi para a corrente para enxaguar a evidência do que eles . . deixa pra lá.

*http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipocausto


Qual era a palavra para o que tinham feito? Fazer amor era muito bonita. Sexo parecia muito simples e básico. Acasalamento soava como se isso pudesse ser muito permanente. Ela mordeu o lábio quando a ansiedade ameaçou bater a seu lado. É demais para pensar. É muito grande. Ele realmente me demoliu. Eu não sei quem era aquela formidável vagabunda, que arrancou grama e desparafusou seus miolos. Eu não sei mais quem eu sou. Ela interrompeu aqueles pensamentos antes que ela se achasse muito fora de controle. Ela reafirmou o feitiço de abafamento. Ela suspirou com resignação ao virar as mãos para cima e olhar para elas. O pré-amanhecer estava iluminando a clareira para o cinza,elas estavam normalmente turvas, com aparência de mãos humanas. Uma verdadeira refeição quente, uma cama, uma programação estável. Ir para a cama à noite. Levantar-se de manhã. As coisas às quais você não dá valor até que não as tem mais. Ela arrastou a túnica e leggings em seu corpo e sentou-se no chão para colocar seus tênis. Ela reprimiu uma careta ao ver seu estado sujo e acrescentou à sua lista de queixas. Cem mil dólares no vaso sanitário. Três identidades jogadas fora. Nenhum carro. Sem meias. Sem roupa de baixo. E o que ela faz? Ela vai e faz sexo com a causa de todos os seus problemas. Claro, não foi sexo do tipo hum-e-faça-upa-a-lista-de-compras-até-que–ele acabe. Foi um tipo que ela nunca tinha sequer imaginado que fosse possível, um sexo do tipo qual-diabos-é-o-meu-nome-mesmo, mas sexo foi tudo o que eles fizeram. Ela seria pior do que uma tola se tentasse transformar isso em algo mais, ela seria uma estúpida e ridícula Wyr e não era esse o conceito de desculpa horrível para uma criatura. Ela arrancou seus cadarços amarrados enquanto reclamava para si mesma, então ela olhou para o objeto de sua obsessão. Ele tinha se lavado no córrego também estava de calça jeans e botas. Ele estava apoiado em um joelho, perto do fogo moribundo. Ele colocou a mão sobre as brasas vermelhas e com um último pulsar, elas se tornaram pretas. Ela chupou em uma respiração. Então, tudo bem, talvez ele fosse um cara do tipo qual-diabos-é-o-meunome-mesmo. Sua cabeça se ergueu e seu corpo ficou tenso. Ele se torceu para olhar na direção de uma leve brisa que soprava através das árvores próximas. O que é isso? Ela respirou fundo, sentindo a brisa. Ela pegou uma pitada de mau cheiro. Ele saltou de pé. "Corra".


Dez

Ela ficou de pé em um pulo e agarrou o cobertor e a escova de cabelo com mãos tremulas. Começou a enfiá-los dentro da sacola. Não mais Goblins. Por favor, Deus. Eu serei boa e comerei minhas ervilhas. “Esqueça tudo isso. Largue!”. Ele se lançou para suas armas. “Vá!” Isso ela poderia fazer! Ela largou tudo, se virou e correu. Tudo dentro dela entrou em alerta vermelho, todos os sistemas piscando. A adrenalina chutou seu traseiro. Sua visão e seu olfato aguçaram, sua audição se tornou mais acurada. Ela traçou o melhor caminho a seguir, ao mesmo tempo em que ela se esforçou violentamente para escutar qualquer sinal de perseguição. Não havia nada, nenhum som. Somente o vento valsando através das arvores, o de sua própria respiração entrecortada pelo medo e Dragos, correndo logo atrás dela. Mas, ela captou outro sopro do fedor de um Goblin. Seu coração falhou uma batida. Dragos disse em uma voz calma, atrás dela, “Tão rápido quanto você possa, Pia.” Certo. Ela prendeu seu queixo, procurou e encontrou seu passo e então se lançou. Dragos corria atrás dela conforme o céu se tornava brilhante com o amanhecer. Pia ia como se não pesasse nada. Caramba, ela corria como uma chita. Talvez, até mais rápido. Uma coisa incrível de se ver. Ela voava sobre obstáculos como troncos de arvores caídos e pedras, fazendo com que os saltos parecessem fáceis, como se ela simplesmente tivesse escolhido recolher seus pés e voar. Ele encontrou espaço em si mesmo para mais uma surpresa, quando percebeu que estava ficando para trás. Boa garota. Se ela tivesse resistência como tinha velocidade, eles poderiam ficar bem. Pia deixou sua mente em branco e viveu o momento. Nada existia além do profundo ritmo e sua respiração, o flexionar atlético de músculo e osso, o som de Dragos correndo atrás dela. Eles se aprofundaram tanto na floresta, que o azul do céu ficou obscurecido com o verde pesado dos galhos das arvores, mas a luz da manhã brilhava e o dia esquentou até que sua pele estava coberta de suor. A floresta estava silenciosa ao redor deles, os troncos das arvores antigas, retorcidos com segredos e aprisionados por medonhas trepadeiras. Ela percebeu que desde que os Goblins os tinham persuadido durante um dia antes, ela não havia escutado nenhuma simples criatura por ali, nem um farfalhar, pio ou canto de pássaros. Talvez fosse porque ela estava na presença do maior predador de todos eles. Ou porque os Goblins fervilhavam pela floresta como uma doença terminal. Ou ambos. Eu não culpo nenhum de vocês, ela pensou. Eu também não farfalharia, piaria ou cantaria se fosse vocês. Então, como uma nevoa desagradavelmente fria se elevasse do chão, um sentimento de frio Poder caiu cobre ela. Lambeu ao longo de sua superaquecida pele, sobre seu corpo, espremendo como o aperto de uma jiboia em volta de sua presa. Um pânico repugnante fechou os músculos de sua garganta, ou talvez, o aperto do Poder o fez. Ela tropeçou por um momento, o instinto a levando a agarrar seu pescoço. Dragos se virou para encarar o caminho pelo qual eles tinham vindo. Conforme Pia olhava por sobre seu ombro, ele rugiu. Os tendões se enrijeceram em seu pescoço, os músculos maciços de seu peito e braços se apertaram com a força de sua fúria. A lembrança do que havia acontecido em Nova York desbotou-se em trivialidade, comparada a este som do apocalipse. Estando parada tão perto dele, mesmo em sua forma humana, o Poder de seu rugido rasgou através da estrutura do mundo. O cabelo de sua nuca se enriçou. O terror disparou por ela, vindo de um lugar tão profundo, herdado de gerações anteriores, antes que ela se dessa conta. O som de seu rugido estilhaçou a constrição em volta de sua garganta. Aquele frio aperto do Poder, recuou. De repente, Pia podia respirar novamente. Ela tragou o ar.


Dragos se virou, os ossos selvagens de sua escura face, transformados com fúria e ódio. O dourado quente de seus olhos eram dois sois gêmeos e suas pupilas tinham se convertido em fendas. “Agora, nos sabemos com certeza,” ele rosnou. “Urien esta aqui e quer nos atrasar. Corra”. Ela retrocedeu alguns passos, ainda encarando Dragos. Ele estreitou aquele suave olhar alienígena para ela e inclinou sua cabeça, num perfeito retrato de exasperação masculina. Certo. Ela jogou suas mãos num gesto de “Já estou indo”, girou num calcanhar e correu por sua vida. Não muito tempo depois, ela atingiu os limites da floresta e vacilou, conforme ela olhava adiante, para uma planície plana. Não havia cobertura para criaturas do tamanho deles. Ela olhou para trás, desconfortável, conforme ele se aproximava dela. Ele estava com o machado de batalha e a espada presos as suas costas, novamente. A fúria em sua face de falcão havia se abrandado, mas seus olhos ainda estavam como lava quente. “Você pode se transformar?”, ela perguntou. “Não ainda. Eu tentei lá atrás, na floresta”. Ele inclinou a cabeça para a planície. “Não é como se eles não soubessem que estamos aqui.” Ela se inclinou para frente e ele teve a chance de admirar o quão rápido ela podia correr, sem arvores ou arbustos para atrapalhá-la. Para evitar desperdiçar o fôlego, ela se dirigiu a ele telepaticamente, “Eu ainda posso ouvi-los; e você?” “Não, eu acho que Urien os tem disfarçados”, ele lhe disse. “Do contrario, eu os teria escutado muito antes. Eles nunca teria chegado tão perto”. Aquilo, e ele tinha se permitido distrair pela sensualidade dela. Droga, ele sabia que tinham se demorado muito, mas o fez mesmo assim. Era tudo sua culpa. Ela estava em perigo, de novo, por causa dele. Ela mexeu com sua cabeça e seus velhos e bem afiados instintos, entraram em curto-circuito. Ele nunca mais iria perder a paciência com seus homens novamente, quando eles caíssem por um rosto bonito. “Eles estão nos perseguindo enquanto acreditam que você pode se transformar num dragão?”. Mesmo telepaticamente, o tom mental dela indicava quão suicida ela achava que isso era. “A menos que eles saibam o contrario”, ele disse. “Poderia ser porque eles estão tão agressivos. Talvez, eles saibam sobre o veneno Elfo e que ele poderia o enfraquecer gradativamente.” Ela tropeçou e quase foi ao chão. Ele saltou para frente para pegar seu braço. Ela lhe lançou um olhar, cheio de horror. “Mas, isso poderia significar que os Elfos – Ferion – sabia que seriamos atacados.” “Ou, isso significa que, pelo menos um dos Elfos passou alguma informação útil adiante, em uma interessante festa”, ele concordou. Ele a pressionou de volta a corrida. “E para ser justo, por tudo o que Ferion sabia, você fez o que disse que faria e me levou aos limites dos Elfos e me deixou.” “Dane-se a justiça”, ela devolveu. “Se eu vir aquele Elfo novamente, eu vou fazer um novo rasgo nele.” Ele não pode evitar arreganhar os dentes, rindo. ”Eu quero estar lá, quando o fizer.” Ela retardou seu passo, para caminhar ao lado dele. Quando ele franziu as sobrancelhas para ela, numa pergunta, ela disse, “Não se preocupe comigo, grandão. Posso acompanhar qualquer ritmo que você estabelecer.” Ele riu alto. “Aposto que pode, amor.” Ela gesticulou, com impaciência. “Só estou aborrecida por ele meter o nariz dele” Apesar das brincadeiras, ambos sabiam que a situação estava ficando mais desesperadora. Ele continuava a olhar para trás e logo viu uma horda de Goblins correndo, para fora da floresta. Com eles, vinha um batalhão de cavaleiros armados, em cima de cavalos.


Pia olhou para trás também. “Goblins não cavalgam”, ela disse. “Mesmo tendo ouvido isso. Cavalos não os toleram.” “Aqueles devem ser seus aliados, os DarkFae”, ele respondeu. Ele desconfiava que sua visão de ave de rapina deveria ser muito melhor do que a dela. Ele podia ver os cavaleiros Fae perfeitamente. Pela primeira vez, durante a fuga deles, seu rosto demonstrou tensão. “Eles tem bestas. Anime-se, garota.”. Ele lhe deu seu melhor sorriso. “As coisas esta ficando interessantes.” Ele acelerou o passo e verdade seja dita, ela o acompanhou, sua cabeleira longa e loira ao vento e as longas pernas de gazela, movendo-se como um relâmpago. Caramba, ele estava orgulhoso dela! O chão partiu-se a frente deles, um penhasco rochoso crescendo no horizonte. Eles haviam corrido por volta de um pouco mais de uma milha, quando uma dúzia de cavaleiros DarkFae apareceram ao longo do topo do penhasco. Os cavaleiros sobre o penhasco não estavam a cavalo. Eles eram Fae e estavam montados em criaturas que se pareciam com libélulas gigantes. Enormes, cheios de nervuras escuras, asas transparentes que brilhavam com matizes do arco-íris. Pia diminuiu o passo e parou, quando os avistou. Ao seu lado, Dragos fez o mesmo. Ela pressionou uma mão ao lado do corpo e se virou, num circulo. Eles estavam cercados. Ela se sentou no chão e colocou a cabeça nas mãos. Ele ajoelhou-se ao seu lado e colocou um braço ao redor de seus ombros. Ele não disse nada e nem ela. Não havia nada a ser dito. Uma vez que eles pararam de correr, seus perseguidores diminuíram a marcha e se aproximaram com mais cautela. Os Goblins se espalharam numa formação de meio circulo, os cavaleiros DarkFae se espalharam entre os Goblins. Os DarkFae sobre o penhasco se mantiveram lá, sentados no lombo das libélulas gigantes, enquanto assistiam a cena que se desenrolava abaixo. Pia protegeu seus olhos do sol e os encarou. O terceiro da esquerda radiava um Poder desagradável e frio, como nenhum outro ali. Ela engoliu, tentando aliviar sua garganta seca. “Lá”, ela disse. “O Rei Fae esta no penhasco, não é?” Dragos sentou atrás dela e a puxou contra seu peito. “Sim. Ele esta esperando para ver se é necessário.” “Nada de se transformar,” ela disse. Não era uma pergunta. Ele balançou a cabeça. “Eu preciso de um pouco mais de tempo.” Ele precisava de um tempo que eles não tinham. Ela virou seu rosto em direção a sua pele aquecida pelo sol. A respiração dele era lenta e calma. Ela admirou sua serenidade. Ela não estava calma. Sua cabeça estava a mil, como uma louca, seu coração ainda estava batendo ao ritmo da dança da lebre norte-americana. Ela pensou na surra que os Goblins lhe deram. Ela pensou em Keith e seu agenciador, ambos mortos. Ela pensou no canivete, no bolso de suas calças. Dragos a liberou, levantou-se em seus joelhos e removeu o arnês de armas. Ele depositou o machado de batalha e a espada ao seu lado. Então, ele tirou a curta espada que ele havia afivelado a sua cintura e a colocou no chão com as outras armas. Ele encarou o exército que se aproximava, com os olhos apertados, conforme dizia a ela, “Talvez se eu não voar, possa negociar com eles para que a deixem ir.” “Você não pode se render,” ela disse. “Eles vão matá-lo!” “Provavelmente, não agora.” Sua expressão era brutal e dura. “Se eu me render, pode nos comprar algum tempo. Se eu puder livrá-la, você poderia tentar chegar ao meu pessoal em Nova York e lhes contar o que aconteceu. Eles a manteriam a salvo”. Ele quis dizer que eles poderiam não matá-lo já, porque eles iriam torturá-lo. Ela sentiu a bilis subir.


Pia estudou o Rei DarkFae, sobre o penhasco. Ela nunca tinha odiado tanto alguém, especialmente alguém que ela nunca tinha conhecido antes. Ele era outro dos primeiros Poderes do mundo, um dos mais antigos das Raças Antigas. Seu conhecimento e lembrança da sabedoria e história da Terra seriam enormes. Como Dragos havia salientado, não tinha como dizer o que Keith poderia ter tagarelado, antes que ela o interrompesse com o feitiço de ligação. E Urien tinha conexões com os Elfos, se não Ferion, então, provavelmente, um dos outros Elfos havia testemunhado a discussão dela com Ferion e tinha ouvido o suficiente para especular. “Isso não vai funcionar, de qualquer maneira,” ela disse com voz monótona. “Eles não vão me deixar ir.” Ele baixou seus olhos para ela, nem se importando em discutir. “Então nós lutamos.” “Não serei capturada,” ela lhe disse. Enfiou a mão em seu bolso e retirou o canivete. Pressionou a alavanca e a lamina abriu-se num movimento. Mais rápido do que a vista, ele a agarrou pela cintura. Seus olhos inflamados. “O que diabos esta fazendo?” ele estalou. “Você não será capturada? Então nos lutamos. Não desistiremos.” Ela relanceou os olhos para os Goblins e os DarkFae. Eram tantos, um pequeno exército. Eles estavam quase ao alcance dos tiros dos arcos. Ela colocou a mão sobre a dele. “Dragos, desta vez você confiara em mim? Me deixara tentar mais uma coisa e não me perguntara nada?” Sua mão e rosto eram como pedra, seu corpo se apertou. Ela teve a sensação de pânico crescendo e manteve sua voz suave. “Por favor,” ela disse. “Não ha muito tempo.” Seus dedos a soltaram. Ele a deixou ir. Ela se levantou sobre seus joelhos e o encarou. Ele se manteve parado e assistiu seu rosto, enquanto ela colocava a ponta da lamina na cicatriz branca do ombro dele. Ela se concentrou no bronze escuro de sua pele nua. Ela mordeu o lábio e tentou fazer sua mão se mover, mas tudo o que conseguiu foi começar a tremer. Os nós dos dedos de Pia tornaram-se branco, enquanto ela apertava a lamina. “Droga,” ela rangeu os dentes. “Não posso cortá-lo.” A mão dele cobriu a dela novamente. Desta vez, ele deu um ligeiro solavanco e a lamina picou sua pele, bem sobre a cicatriz. Um sangue quente, brilhante começou a fluir do corte. Ela inspirou, tremula e inclinou sua cabeça para ele. Ele a soltou, novamente. A segunda picada foi muito mais fácil. Ela passou a lamina por sua palma, causando um bom e profundo corte. Dor floresceu e seu próprio sangue começou a pingar por seu pulso. O exército que avançava, já tinha ultrapassado raio de alcance dos arcos, perto o suficiente para que ela ouvisse os Goblins rindo e chamando uns aos outros. Falando numa ultima tentativa! Quisera eu saber se isto funcionara. Acho que descobriremos em breve. “Não da nada, grandão,” ela murmurou. Ela encontrou seus olhos afiados de águia e esfregou seu corte aberto no dele. Por uns segundos, pareceu que nada aconteceria. Então, algo flamejou e desabrochou dela, passando através de sua palma e entrando nele. Sua cabeça caiu para trás. Ele engasgou conforme oscilava em seus joelhos. Seu Poder rugiu em resposta. Ela oscilou também, tonta pela transferência. Então Dragos tremeluziu e se expandiu tão rápido que ela caiu para trás, sobre as costas. Ela lutou para se sustentar em seus cotovelos, encarando, de boca aberta, a aparência do enorme dragão de pé sobre ela. Oh , Meu Deus! Ela havia imaginado que ele deveria se parecer assim. Ela visualizou rapidamente sua sombra, voando sobre a praia. Nada poderia tê-la preparado para o impacto real. Ele deveria ser do tamanho de um jato particular, com variados tons de bronze que cintilavam as cores do arco-íris, sob o sol. Sua envergadura, peito com músculos pesados estavam diretamente sobre sua cabeça, que pendeu para trás e para frente, conforme ela pegava nas longas pernas, plantadas em cada um de seus


lados. A cor bronze, escurecendo para o preto no final destas pernas. Os pés dele tinham garras curvadas que deveriam ser do tamanho do antebraço dela. Seu corpo se estreitava em poderosos quadris e longa cauda. Ela olhou, por um momento congelado, para a fenda na bainha de grosso couro bronze, entre suas pernas traseiras, cobrindo a região de seus genitais. Parecia não haver nenhuma parte dele que fosse vulnerável. Sombras maciças desenrolaram-se pelo chão. Ele havia aberto suas asas e se envolvido como uma águia. Seu corpo redescobriu como se mexer. Ela escalou para trás, com mãos e pés, caminhando como um caranguejo. Ele arqueou seu longo pescoço de serpente. Inclinou abaixo, uma cabeça com chifres, triangular, que era do comprimento do corpo dela, de maneira que ele poderia olhar sem seus olhos, que eram grandes piscinas de lava derretida. Com um som que cortou o ar, ele bateu sua cauda para frente e para trás. “Esta é minha longa, escamosa e reptiliana cauda. E ela é maior do que a cauda de qualquer um,” Dragos disse em uma voz que era mais profunda, ponderosa, e ainda assim, reconhecida como dele. Um grande cílio se fechou, numa inconfundível piscada. Ela teve um colapso e começou a rir, histericamente. “Fique abaixada,” o dragão lhe disse. Ele abaixou sua cabeça enquanto se voltava para o penhasco, um gigante elegante e sinuoso. Ele arreganhou os dentes num desafio maldoso. “VENHAM, SEUS FILHOS-DA-PUTA.” Um por um, os DarkFae subiram ao ar, montados em seus corcéis libélulas. Eles se viraram e voaram para longe. Era impossível de ver, mas ela sentiu o predador dentro dele, vibrando com o instinto da caçada. Ele se segurou, todavia, e ela soube por quê. Ele não a deixaria desprotegida com o exército Goblin/Fae tão peto. Ela se equilibrou em um cotovelo para olhar para a direção em que estavam seus perseguidores. Os cavaleiros Goblins e Fae tinham mudado de direção. Estavam em franca retirada. O som de algo raspando o chão a fez olhar de volta para o dragão. Ele estava cavando com suas garras, no solo, conforme rosnava para aqueles que se retiravam. “Dragos,” ela disse. Ele olhou para ela. Ela jogou sua cabeça em direção ao exército retirante. “Vá.” Ele não precisou de mais encorajamento. Abaixou-se e se lançou no ar. Um rugido rasgou o céu como o som de um trovão. Os Goblins começaram a gritar conforme a matança começava. Ela estava ferozmente, vingativamente feliz. Não era tanto uma batalha como era um extermínio. Depois do primeiro mergulho espetacular, quando Dragos rolou e voou baixo sobre suas cabeças, esguichando fogo, ela não podia assistir a mais nada. Debruçou-se sobre seu estomago, colocou seus braços sobre a cabeça e esperou que tudo terminasse. O fedor de Goblin foi superado pelo cheiro de fumaça oleosa. Não demorou muito antes do silêncio cair sobre a planície. Não havia ninguém para fazer uma contagem de corpos. Nenhum de seus inimigos deixaram a planície, vivo. Ela aninhou o nariz mais profundo no alto capim doce e cheiroso. O sol estava alto no céu. Estava quente em suas costas e ombros. Um farfalhar tranquilo na grama cresceu mais perto. Uma sombra caiu sobre ela. Algo muito leve fez cócegas em seus braços que cobriam a parte de trás de sua cabeça. Fungou em seu cabelo. Ela cocou um braço. “Você matou os cavalos Fae?” A fungada parou. Dragos respondeu, em uma voz cautelosa, “Não era para fazê-lo?” Ela encolheu os ombros. “Só não era culpa deles.” “Se ajuda em alguma coisa, eu estava com fome e comi um.” Outra fungada. Ela não se aguentou e riu. “Acho que isso ajuda um pouco.” Ela rolou. Ele havia se estendido ao seu lado, seu grande corpo entre ela e os restos do exército Goblin/Fae. Suas asas, numa dramática varredura de bronze escurecendo


para o preto nas pontas, foram dobradas para trás. Seu couro brilhava ao sol. Ela levantou a cabeça e olhou na direção de algumas poucas lumas de fumaça. Sua cabeça triangular desceu na frente dela, seus olhos dourados afiados. "Você não precisa olhar para lá," ele disse em uma voz gentil. Ela se sentou e se inclinou contra o seu focinho. Ela encostou sua bochecha contra ele. De perto, ela podia ver um leve padrão como escamas em sua pele. Ela acariciou a curva de gama de uma narina. Parecia um pouco mais suave do que o resto dele. Ele permaneceu bem parado, respirando leve e fraco. "Como você sente sobre isso?, Ela perguntou a ele. É uma sensação boa." Ele suspirou, uma rajada de vento grande, e pareceu relaxar. "Obrigado por salvar minha vida de novo, Pia Alessandra Giovanni." Ele fez com que as sílabas do seu nome soassem como música. "O mesmo digo eu, grandão,” ela suspirou. Depois de mais alguns momentos, ele se retirou, dando-lhe tempo de sobra para se endireitar. Ela olhou para cima, bem para cima, para a silhueta de sua longa cabeça triangular contra o sol da tarde. "Você tem", disse ele, "duas escolhas." "Escolhas são legais.” Ela empurrou para seus pés, de repente sentindo cansaço e com dores novamente. "As escolhas são melhores do que as ordens." "Você pode montar", disse a ela. "Ou eu posso carregá-la." "Montar? Maldição." Ela protegeu os olhos e olhou para seu tamanho enorme. "Isso poderia ser mais emoção do que eu posso lidar agora. Eu não estou vendo nenhum cinto de segurança lá em cima.” "É isso aí". Dando-lhe tempo de sobra para se ajustar, ele envolveu as longas garras de um pé ao seu redor com tal precisão que ele não causou mais do queum arranhão ou espetada. Quando ele inclinou o pé, ela descobriu que tinha uma cavidade até que confortável na qual se sentar. Ele a levantou para que pudesse olhar para ela. "Tudo bem?" "Estou me sentindo um pouco Fay Wray aqui, mas por outro lado é ótimo", disse ela. "Você sabe, se você não fosse um multibilionário, você poderia fazer uma boa vida como um elevador. " Ele bufou uma risada. Então, o mundo caiu quando ele saltou no ar. Qualquer outra coisa que ela poderia ter dito se perdeu na batida de suas asas enormes, em seu grito agudo, de furar os tímpanos. “Retiro que disse!”, ela gritou com ele telepaticamente. Ela não tinha fôlego sobrando depois do grito para tentar falar em voz alta. “Esqueça sobre a produção de Valium, ou elevador e a carreiras de cabeleireiro. Você poderia ser a única montanha russa viva do mundo. Ei, eu aposto que a SixFlags pagaria uma fortuna.” “Vejo que a lunática que habita o seu corpo está viva e bem,” ele respondeu. Ele inclinou e mudou a direção, como se ele sentisse um jeito de voltar para o reino humano. Ela conseguiu sugar mais fôlego para gritar novamente. “Eu estou falando sério agora - eu não acho que posso lidar com isso!” “Difícil,” ele disse a ela. “Eu não estou dando a oportunidade de nada mais sair errado. Este e um voo sem escalas para Nova York. Obrigada por voar com as Companhias aéreas Cuelebre.” "Você não é engraçado", ela gritou em voz alta. Riso de dragão encheu sua cabeça. Ela encolhida em seu aperto inquebrável, com as mãos sobre os olhos. Ela descobriu que não era um voo suave e sem problemas, mas que tinha um ritmo a partir do bater de suas asas. Ela também achou que ela estaria se congelando. Estava prestes a se surpreender quando percebeu que ele a manteve comum cobertor de veludo do Poder enrolado nela. Isso a protegia da fria altitude e do vento. Ela podia sentir o bem estar de magia que marcava a passagem de volta para a dimensão humana conforme eles se aproximavam. Deu uma olhada através de seus dedos. Seguindo um sentido de direção que ela não compartilhava, ele estendeu suas


asas e eles planaram até que deslizaram ao longo de um pequeno cânion, uma centena de metros acima. “Você não é capaz de abrir os olhos ainda?”, perguntou ele. Ela disse a ele, “Estou tentando!”. “Muitas passagens para outras terras são como esta. Eles estão expressas em algum tipo de ruptura na paisagem física,” ele disse a ela. “Se nós voássemos apenas dez ou quinze metros mais alto, nós não estaríamos na passagem.” “Então nós estaríamos em Outra terra?”, perguntou ela, como ela se interessava menos em sua situação. “Correto. Do ar, é como seguir uma corrente de ar específico. A passagem através da qual os Goblins nos trouxeram, era um tanto incomum,” ele explicou. “Houve uma ruptura na terra mas era antiga e desgastada pelo tempo. Foi pouco visível até mesmo para os meus olhos.” Em algum lugar ao longo do caminho o sol tinha mudado e se tornado mais pálido. O cânion se encolheu até que era uma mera ravina enroscada com vegetação rasteira. A qualidade de ar mudou também. Eles haviam atravessado. “Pode dizer onde estamos?”, perguntou ela. Ela havia esquecido seu medo no fascínio de ver o pergaminho da terra, lá embaixo. “Ao norte de onde estávamos antes. Estou mais familiarizado com a paisagem ao longo da costa. Vou saber mais, quando chegarmos ao Atlântico.” Ele deu o equivalente a um encolher de ombros mental. “Estou mais interessado em descobrir quando estamos e quanto tempo se passou enquanto estávamos em Outra terra.” Ela havia se esquecido disso. Ela observou a mudança de paisagem conforme Dragos virava para o leste. Depois de cerca de meia hora ou mais, a linha azul do oceano apareceu a frente. Ele virou para voar ao norte, ao longo do limite da terra, subindo em altitude até que o ar parecia fino para ela. As cidades e vilas que sobrevoavam pareciam brinquedos de uma criança. “Lá”,ele disse. Ela olhou para cima para vê-lo acenar a sua esquerda. ”Isso é Virginia Beach. Nós temos um bom par de horas de voo ainda". Ah, certo. Ela caiu em pensamentos. E aqui estou sem minhas revistas ou romance de bolso e sem dinheiro para um filme em voo. Eles ficaram em silêncio. Depois de um tempo, observando à costa passar por entre seus pés pendurados, tornou-se tão comum que já estava chato. Ela inspecionou o corte na palma da mão, que havia fechado em algum momento durante a cicatrização de Dragos. A crosta já parecia ter uma semana de idade. Ela a cutucou sem muito interesse, então voltou sua atenção para as longas, curvas e negras garras que a cercavam. Ela esfregou uma, então bateu nela com uma unha. Ele brilhou como a obsidiana e sem dúvida foi mais dura do que diamantes. Depois disso, não havia mais nada a fazer a não ser chutar seus pés e se atormentar com o desastre em que sua vida se transformou. Depois de tudo, agora ela estava se aproximando de Nova York presa a própria criatura de quem ela tinha fugido. Com o qual, alias, ela também teve um fantástico e alucinante sexo. Isso foi uma completa virada em sua cabeça por si só, sem considerar todos os outros muitos desastres que ocorreram. Ela olhou para cima, para Dragos e desviou os olhos de novo, rapidamente. As lembranças do que eles tinham feito juntos eram tão intensas, que ela perdia o fôlego toda vez que pensava neles. Ainda, eles pareciam surreais ao mesmo tempo, quase como se tivesse acontecido com outra pessoa. E ela quase não conseguia ligar o homem que tinha sido seu amante com esta esplêndida e exótica criatura, que a carregou com tanto cuidado enquanto voava. Ela apoiou os cotovelos sobre uma garra e escondeu o rosto em suas mãos. Imagens dos últimos dias atravessaram seu olho interior. O confronto com os Elfos. Dragos


levando um tiro. O acidente de carro. A fortaleza Goblin, o espancamento. O lindo sonho de sua mãe. O impasse na planície. Ela não sabia o que fazer com tudo isso. Ela queria aquele quarto escuro para se esconder até que ela resolvesse tudo. Como em talvez 10 anos ou mais. E não era muito bom que ela tinha chamado a atenção do Rei Fae, com certeza, desta vez. Frente e no centro. Ele não podia saber de tudo o que tinha acontecido entre ela e Dragos. Mas eles tinham escapado juntos. Agora, o rei Fae tinha que ter algumas perguntas sobre se ela tinha algo significativo a ver com a transformação de Dragos, perguntas que ele gostaria de ter respondidas junto com todas as perguntas que ele poderia ter tido de antes. Bela maneira de ficar sob o radar e evitar o escrutínio, sua tonta! Se houvesse a probabilidade de ele ter tido o conhecimento de algo e estar interessado nela antes, agora ele tinha 100% de interesse em sua pessoa. Ela não tinha dúvida de que ela tinha acabado de saltar para o topo da lista dos Dez Mais Procurados do Rei Fae. Por tudo o que ela sabia, que eles iriam fixar fotos dela em correios e estações de polícia e transmiti-lo, via fax, para o FBI. Ela sempre poderia recorrer a cirurgia plástica e fugir para viver fora de área, em uma aldeia remota do México. Se ela pudesse recolher o material de seus três esconderijos restantes e sair da cidade novamente. Isso não impediria a detecção mágica,no entanto. Dragos já a tinha avisado que ele iria encontrá-la se ela tentasse fugir. O que é que isso fazia dela? Ela não sabia. Seria ela sua prisioneira quando eles voltassem para Nova York? Estaria ele falando sério sobre considerá-la sua propriedade ou tinha sido uma piada? Ele tinha um estranho senso de humor, às vezes, por isso era difícil de dizer. Apenas me diga o que eu quero saber e eu vou deixar você ir. Ha. Ela revirou os olhos. Ela não podia acreditar que ela caiu nessa. Ela realmente acreditava que ele a tinha perdoado pelo roubo. Ela supunha que era um milagre por si mesmo, já que não há muito atrás, tinha sido convencida de que ele ia rasgá-la em pedaços. E ela havia prometido a ele que ela não tentaria fugir. Ela quis dizer isso na época. Ela se perguntou se ela iria cumprir essa promessa. A vida tinha virado tão imprevisivelmente que não estava disposta a apostar em ninguém ou em nada neste ponto, muito menos nela mesma. Tudo o que ela sabia com certeza, era que enfrentaria um futuro incerto e perigoso. E lá estava ela… sozinha novamente. Pior do que nunca.


Onze

Ela caiu em um constrangido e vacilante cochilo, apoiando a cabeça sobre um braço enquanto ela se inclinava contra uma das garras curvadas. Pensando nisso, era um pouco como tentar cochilar em um assento de avião. A mudança em sua altitude a acordou. Ela se endireitou com um estremecimento e olhou em volta. Nova York se espalhava ao seu redor. A mancha panorâmica de luzes no profundo crepúsculo esfaqueando em seus olhos. Ela estremeceu e esfregou o rosto em uma tentativa de acordar. Dragos se deteve e fez um grande círculo. Eles estavam avançando para um dos mais altos arranha-céus. Ela gemeu quando seu estômago embrulhou. Então eles se soltaram sobre uma plataforma de lançamento no telhado da Torre Cuelebre. Ela olhou em volta, atordoada e tentou ficar de pé sem cambalear quando Dragos a colocou sobre seus pés. O teto era uma enorme extensão de espaço, mais que suficiente para lidar com alguém do tamanho de Dragos com espaço para os pousos e decolagens de outras criaturas ao mesmo tempo. Um grupo de pessoas estava esperando perto de um conjunto de portas duplas. À frente deles, um homem de cabelos castanhos amarelados estava com os pés plantados e afastados e os braços cruzados. Uma bela mulher de aparência feroz estava ao lado dele, com as mãos nos quadris. Um homem de aspecto Nativo Americano ficou um pouco além dos outros, em seu colete preto de couro sem mangas e jeans preto, com o cabelo preto cortado curto raspado em padrões de turbilhões todo tatuado e com braços musculosos. Até o último deles carregados com armas. Todos eles tinham 1,80m de altura ou mais. Nenhum deles parecia alguém que ela se sentiria confortável de encontrar em um beco. O ar atrás dela brilhava com o Poder. Ela olhou por cima do ombro enquanto Dragos se transformou, cada grama de força do dragão e energia compactada dentro da alta, musculosa, forma de um homem.Por algum truque mágico na mudança, ele ainda usava suas surradas e encardidas calça jeans e botas e nada mais. Ela olhou de seu peito nu para aquele rosto anguloso e para os olhos de ave de rapina e perdeu o fôlego novamente. Ele a pegou pelo braço e caminhou com ela para o grupo que os esperava perto das portas. Seu rosto aquecido com os curiosos e hostis olhos que a avaliavam. "Já era tempo de você aparecer", disse o homem de cabelos castanho amarelados. Ele fez um gesto com o queixo para o Nativo Americano. "Eu mandei chamar o Tiago e alguns da cavalaria, da América do Sul. Você está bem?” "Eu estou bem", disse Dragos. Dois dos homens seguravam as portas abertas. Dragos ignorou as portas abertas do elevador e tomou as escadas. Ela não teve escolha senão trotar ao seu lado. Os outros o seguiram. "Conferência em dez minutos. O quarto está pronto?" Que quarto? Seu quarto? Pia olhou para ele de soslaio quando atingiram o patamar para o andar da cobertura. "Tudo pronto", disse o homem castanho logo atrás dela. A maioria do resto tinha se dispersado para longe, indo para a sala de conferências. Eles se arrastaram por um grande corredor, viraram e desceram outro. As salas tinham pisos luxuosos de mármore. Obras de arte originais penduradas, colocadas em nichos iluminados nas paredes. Ela esticou o pescoço. Espera – aquela era uma pintura de Chagall?


Dragos parou em frente a uma porta de madeira clara. Ele a empurrou e a levou para dentro. O macho castanho e dois outros ficaram no hall perto da porta. Pia olhou em volta. Ela teve uma impressão borrada de uma sala que era maior do que uma pequena casa. Os tênis sujos afundaram no tapete branco de pelúcia. Uma lareira independente e área de estar rebaixada, com sofás de couro pálido e poltronas pálidas ficava de um lado.Uma cama de ferro forjado, preto emoldurado, do tamanho de um barco ficava na outra extremidade, empilhados com almofadas e mantas. Uma imensa tela de plasma pendurada em uma parede, um bar com pia e tudo, estava dobrado em uma alcova. Outra parede não era nada, senão janelas de placas de vidro, que iam do chão ao teto, com portas Francesas. Portas abertas conduziam para closets grandes o suficiente para se andar por eles e um banheiro. Ele virou-a de frente para ele e levantou-lhe o queixo. Ela olhou para ele, com olhos redondos e cautelosos. "Eu sei como você está cansada", disse ele em uma voz calma. "Eu quero que você fique aqui, tome um banho quente e descanse. Tudo que precisa está aqui, roupas, bebidas, eu vou mandar que lhe tragam uma refeição quente. Tudo bem?" Em alguns aspectos essa paisagem presente era mais estranha do que a Outra terra tinha sido. A bagunça enrolada dentro dela ficou ainda mais confusa. Ela estava meio com medo dele de novo, mas ao mesmo tempo ela não queria que ele saísse. Ela mordeu os lábios, cerrou os punhos para não segurá-lo ou parecer que era muito exigente. Ela lhe deu um aceno espasmódico. Ele colocou a mão na parte de trás do seu pescoço, um peso grande e morno, seu rosto apertando. Ele disse, como se ela tivesse argumentado, "Eu tenho falado com Rune, enquanto nos aproximávamos da cidade. Nós estivemos fora por uma semana. Eu tenho que informá-los sobre o que aconteceu." "Deve haver um milhão de coisas que você tem que fazer", disse ela. Ela saiu de seu aperto, cruzou os braços em volta de sua cintura e deu alguns passos para longe dele. "Eu não posso imaginar." Ele ficou parado com a mão suspensa no ar, franzindo a testa para ela. Ela teve um vislumbre do corredor, onde o macho de cabelo castanho amarelado que deve ser Rune levantou-se, juntamente com outros dois grandes homens gigantescos. Todos os três estavam olhando para Dragos, como se eles não o reconhecessem. Ele virou as costas e saiu. Ele disse, "Bayne, Con, fiquem aqui. Traga-lhe qualquer coisa que ela quiser." "Certo", disse um dos homens. Ele trocou um olhar com o outro homem. "Qualquer coisa que ela quiser." Dragos desapareceu com Rune, deixando-a sozinha no quarto grande e maravilhoso como um celeiro, com dois homens na porta. Guardas armados. Supôs que tinha uma pergunta respondida. Ela era uma prisioneira. Um deles pegou a maçaneta da porta e acenou para ela, seu rosto inexpressivo, castigado pelo tempo. "Bateremos quando a sua refeição chegar”, ele disse a ela. "Você precisa de mais alguma coisa agora?" "Não, obrigada", disse ela com uma garganta seca. "Eu estou bem." Seu guarda fechou a porta e deixou-a sozinha. Ela se virou em um círculo, observando tudo. A sala vazia estava envolta em sombras que aprofundavam com o início do crepúsculo. O estranho luxo da cobertura parecia mais frio e vazio sem a vitalidade da presença de Dragos. Ela esfregou os braços e estremeceu. Ela tirou os tênis repugnantes e colocou-os no chão ladrilhado, logo na entrada do banheiro, que era maior que todo o seu apartamento. Então ela caminhou silenciosamente para o nicho que escondia o bar. Apesar de pequeno, era abastecido com uma grande variedade de bebidas, tudo top de linha, é claro. Ela fez uma pausa, distraída pela coleção. Ela sempre quis experimentar um copo de Johnnie Walker Blue. Havia uma máquina de café no balcão


e uma pia. Por baixo do balcão havia um refrigerador de tamanho médio. Ela verificou o conteúdo. Garrafas de água Evian e Perrier, cerveja e pilsen, sucos diversos, vinho branco e champanhe. Ela tirou duas garrafas de água. Ela engoliu o Evian. Depois, com sua sede um pouco aliviada, ela abriu a Perrier e bebeu mais lentamente. A lareira era de verdade e não de gás. Era impecável e abastecida com uma pilha limpa de madeira, pronta para utilizar. Uma caixa de fósforos longos estava perto do controle remoto da TV, na mesa de café, na frente de dois dos sofás. Ela cedeu à tentação e acendeu o fogo. A cintilação amarela das chamas ajudou a dissipar alguns dos arrepios causados pelo quarto vazio. Em seguida, ela se arrastou para o closet e para o quarto de vestir. Um lado estava cheio de roupas masculinas. O outro lado estava cheio de suas roupas. De seu apartamento. Ela empurrou os cabides e abriu as gavetas da cômoda. Sua roupa de baixo, meias, camisetas e shorts, todos impecáveis, tudo passado e dobrado. Ela ergueu uma pequena trouxa limpa que era um par de calcinhas brancas. Algum estranho tinha lavado sua roupa íntima e as passado a ferro? O mesmo acontecia com as roupas sobre os cabides. Seus sapatos já não estavam em uma pilha, mas polidos e armazenados em ordem. Seu pequeno baú de jóias de cedro, estava em um dos armários. Ela abriu e ficou com lágrimas nos olhos com a visão do colar antigo de sua mãe. Ela acariciou o colar, em seguida, fechou o baú com cuidado e encostou-se à cômoda. Isso era tão assustador e. . . atencioso. Encontrar coisas familiares era reconfortante, ao mesmo tempo em que a assustava até a morte. Quando ele tinha dado a ordem para recolher as suas coisas? Teria sido na casa de praia quando ele telefonou para Rune? Ele tinha dito que ele tinha falado para Rune obter um cozinheiro vegetariano. Quando ele tinha decidido mover suas coisas para seu quarto? Ela pegou uma T-shirt, sutiã esportivo e calcinha e um par de shorts de flanela. Ela foi para o banheiro. Ela poderia passar uma semana sozinha de férias, apenas no banheiro. Havia uma banheira do tamanho de uma pequena piscina com degraus e assentos de bancos, havia frascos fechados de espuma de banho da Chanel. Seus produtos de higiene pessoal e maquiagem foram dispostos sobre o balcão de mármore da pia. Novos frascos de xampu e condicionador da marca que ela gostava estavam na prateleira do chuveiro. Alguém tinha, aparentemente, pensado em tudo, em cada maldito detalhe, exceto perguntar a opinião dela sobre tudo isso.Que bela gaiola dourada. Mesmo tendo Dragos a apressado para tomar um banho quente, ela se sentia muito vulnerável e instável para relaxar. Assim como tinha feito na casa de praia, ela trancou a porta do banheiro antes de se despir. O chuveiro tinha vários metros em tamanho, com um banco para se sentar e vários jatos. Depois que ela descobriu como ligá-lo, ela ficou debaixo de múltiplas correntes de água com os olhos fechados, até que o calor encharcou suas pernas fortes, de cima a baixo. Ela se sentou no banco enquanto ensaboava e condicionava seu cabelo e esfregou seu corpo até parecer que ela tinha removido uma camada de pele. Após a lavagem, ela envolveu seu cabelo em uma toalha, secou e se vestiu. Racional ou não, ela se sentiu melhor assim que ela se vestiu com roupas limpas. Quando ela saiu do banheiro, descobriu que um serviço de carrinho / mesa de jantar portátil e uma cadeira tinham sido posicionados perto das janelas. Havia uma toalha de mesa de linho branco pesado e simples, mas elegante e pratos com tampas de prata. Uma pequena garrafa de vinho branco gelado em um balde de gelo. Consumida pela fome, ela descobriu todos os pratos. Ela encontrou um risoto de limão e aspargo salpicado com amêndoas, uma salada com verduras mistas, peras fatiadas e cranberries secas,pão fresco assado com


pacotes individuais de margarina de soja e um crumble de blueberry de sobremesa. Ela caiu sobre a comida e devorou tudo, até a última deliciosa mordida. Depois de ficar limpa, confortável e encher seu estômago, ela não tinha espaço para alarme ou ofensa. Ela não conseguia nem manter os olhos abertos. Ela conseguiu escovar os dentes, antes de se arrastar entre os lençóis da cama enorme. Como eram as prisões, esta poderia ser difícil de vencer. Ela bocejou, desistiu de tentar pensar e adormeceu. No andar abaixo, Dragos entrou na sala de conferências, seguido por Rune. Localizado a uma distância curta e conveniente no corredor de seus escritórios, era uma grande sala executiva, com assentos de couro negro, uma grande mesa de carvalho polido e um equipamento de última geração para teleconferência. Todos os seus sentinelas estavam presentes, com exceção dos dois grifos Bayne e Constantino, que ficaram de guarda na porta de Pia. Rune tomou um assento perto do quarto grifo, Graydon, e inclinou a cadeira para trás. Tiago encostou-se na parede oposta, uma presença escura e compenetrada. Aryal esparramou-se e batia os dedos sobre a mesa. Ela nunca conseguiu ficar parada, a menos que ela estivesse caçando suas presas. O gárgula Grym inclinou a cadeira para que ele pudesse assistir Aryal. Tricks, a fada conhecida como Thistle Periwinkle, chefe de RP da Cuelebre, sentou-se com os braços e pernas cruzados na outra ponta da mesa. Suanuvemde cabelo lavanda, ostentando um corte de cabelo de 400 dólares, estava desgrenhado. Ela sacudia um pé pequeno e fumava. Dragos, assim como Tiago, não tomou um assento. Em vez disso, ele foi encostar-se ao balcão de carvalho na cabeceira da sala. Ele chutou um pé sobre o outro e cruzou os braços, inclinou o queixo e encarava no chão. Ele não gostava de como ele se sentia. Ele não gostou disso nenhum pouco. Ele se sentia nervoso e inquieto por deixar Pia sozinha. A sensação aumentou com cada passo que ele dava para longe dela e, a cada minuto que passava. Ela tinha parecido muito perdida e sozinha, parada no meio daquele quarto grande e vazio. Ele não gostou de como ela tinha olhado para ele, tão pouco, como se fosse um quebra-cabeça imprevisível,que ela não pudesse decifrar. Ou uma bomba que poderia explodir em seu rosto. Ela olhou para ele com desconfiança, incerteza. Com algo muito próximo ao medo, novamente. Ela afastou-se dele. Era inaceitável. Mas antes que ele pudesse sair e cuidar do que quer que estivesse se formando em sua cabeça, ele tinha que fazer isso primeiro. Ele ergueu o olhar e olhou em volta para os ocupantes dasala. Eles estavam todos olhando para ele e esperando. "Ei, Tricks", disse ele para a fumante e assentada fada. "Seu tio Urien disse oi." Tricks começou a praguejar, seus traços miúdos contorcidos. Ela apunhalou o cinzeiro com um cigarro meio fumado. "O que o desgraçado fez agora?” Rune disse: "Todo mundo sabe o que aconteceu até o momento em que você ligou da Carolina do Sul. Nós estamos lidando com a situação dos Elfos. Eles invocaram um embargo comercial com qualquer coisa relacionada com as Empresas Cuelebre, juntamente com todos os outros negócios Wyr conhecidos. Eles também juraram que escoltaram você e a mulher até a fronteira Élfica. Eles estão insistindo em saber o que aconteceu com ela." "Você quer dizer, além de abrigar a criminosa em uma suíte de cobertura e contratar um chef particular para ela? Sim, estamos de uma punição cruel e incomum,", Aryal sussurrou para Grym, mas a audição afiada de Dragos captou de qualquer jeito. Ele optou por ignorá-la por agora. "Eles realmente nos escoltaram até a fronteira. Isso é verdade até aí," ele disse. Ele lhes contou o resto, omitindo o que aconteceu em particular entre ele e Pia e passou por cima de tudo o que tinha a ver com os segredos dela. Pia era seu mistério. De ninguém mais. Ele pretendia resolvê-la sozinho.


O humor na sala se tornou feio, conforme ele descrevia o confronto na planície da Outra Terra. Quando ele terminou, Tiago agitou-se. Em sua forma thunderbird, ele era tão grande quanto qualquer um dos grifos. "Então, é guerra. Já não era sem tempo, maldição", disse ele. Uma satisfação sombria brilhava nos olhos de obsidiana*. Dragos assentiu. "É guerra. Nós não iremos parar até que Urien esteja morto.” Ele olhou para Tricks. "Isso significa que você será a Rainha DarkFae no final." "Oh Deus, não" a fada gemeu. "Eu odeio aquele fodido Tribunal DarkFae". "Bem, engula-o, Tricks. Você já fugiu disso por muito tempo. E desta vez, Urien foi longe demais." Mais de 200 anos atrás, no tempo da raça humana, Urien tomou a coroa DarkFae através de um golpe sangrento. Urien matou seu irmão, o Rei,a esposa do Rei e quem mais tivesse qualquer direito ao trono, exceto que ele conseguiu perder uma pessoa pequena, a filha mais velha deles, Tricks. Com apenas 17 anos de idade, Tricks tinha sido considerada pouco mais que um bebê,naquela época quando ela conseguiu escapar. Ela tinha corrido direto para Dragos, a única entidade que ela teve certeza de que poderia se levantar contra seu tio, sem nenhum medo, pediu asilo. Ela tinha estado com ele desde então. "Tem sido um divertido jogo de Foda-se, não é? Conseguimos mantê-lo correndo por um bom tempo, mas você sabe que tinha que acabar em algum momento", ele disse a ela. Ela deu-lhe um miserável aceno de cabeça. "Ok, isso é o que vamos fazer", disse ele. "Tiago, envie algumas das tropas que você trouxe de volta com você, para vasculhar aquela fortaleza Goblin. Eles sabem o que fazer para qualquer, estúpido o suficiente, para estar lá ainda”. Tiago sorriu. "É isso aí". "Aryal", continuou ele, "investigue a conexão Élfica. Eu quero saber quem pode ter vazado informações para Urien." A harpia lhe deu um aceno de cabeça. Ele voltou sua atenção para a gárgula. "Grym, eu quero que você trabalhe com Tricks para traçar o layout do palácio DarkFae e dados para possíveis planos de ataque. Eu tenho algumas idéias, mas também quero saber o que você pode sugerir.Tricks, eu sei que você vai ficar muito ocupada, mas eu apreciaria se você conseguisse contratar um substituto para seu posto antes de ir, ou pelo menos providenciar uma pequena lista de sugestões. Precisaremos de um novo Relações Públicas." "Claro que eu o farei", disse Tricks. "É o mínimo que posso fazer por você." "Isso nunca mais vai ser a mesma coisa,”Graydon disse em uma voz triste. "Assistir ao rostinho fofo dela quando ela aparecia na televisão e saber como Urien deve ter rangido os dentes em todas as vezes que ele a viu.” Todo mundo riu. Mesmo Tricks conseguiu sorrir. Rune e Graydon estavam olhando para ele. Ele lhes disse: "Até nova ordem, vocês dois, Bayne e Con, estão em uma missão especial. Arranje tenentes para assumir seus deveres regulares. Vocês quatros estarão responsáveis pela guarda de Pia, sempre que eu não estiver com ela. De dois em dois, 24/7. Ela não deve ficar sozinha nunca. Entendido?” A cadeira de Rune caiu sobre as quatro pernas. O macho bonito parecia muito alerta. A expressão de Graydon era a imagem de incredulidade. Era mais ou menos o reflexo de toda a sala. As sobrancelhas rosa de Tricks e seus lábios franziram. "Você está colocando quatro de seus guerreiros mais poderosos debabá para um mero ladrão?", Disse Aryal. "Em um momento como este?" Dragos olhou para ela com sobrancelhas abaixadas. Grym colocou uma mão em seu braço. O gárgula disse a ele, "A menos que não haja mais alguma coisa, nós voltaremos direto ao trabalho, meu senhor. Acho que todos nós temos muito a fazer."

*http://pt.wikipedia.org/wiki/Obsidiana


Ele considerou a harpia por mais alguns momentos, o dragão despertado e movendose no fundo de seus pensamentos. Aryal baixou o olhar e inclinou a cabeça em uma postura submissa. "Vão", disse ele. Os outros se dispersaram. Rune e Graydon o seguiram quando ele voltou para cima, pelas escadas. Ele andava pelo corredor, ainda pensando, enquanto eles o sombreavam em ambos os lados. Ele chegou à porta de Pia, onde Bayne e Constantino descansavam contra a parede, conversando. Os dois se endireitaram com a sua aproximação. "Coloque-os a par,” ele disse a Rune, que assentiu. Com dragão ainda despertado, ele se dirigiu a todos eles. Os grifos o observavam com rostos atentos, tranquilos. Ele disse: "Deixe-me fazer isso perfeitamente claro. Desta maneira, não há enganos. Nós temos trabalhado bem juntos por quase mil anos. Todos vocês vieram a significar muito para mim. Eu valorizo o seu serviço e prezo sua lealdade acima de todos os outros." Ele olhou para Rune. "Considero-o como meu melhor amigo." Todos ficaram mais altos enquanto ele falava. Ele apontou para a porta. "Ladrão ou não, ela é minha e eu vou ficar com ela. Se um único fio de cabelo da cabeça, daquela jovem mulher for prejudicado, é melhor que vocês quatro bastardos estejam abatidos e em pedaços quando eu os encontrar." O olhar firme de Rune encontrou com o dele. "Você não precisa se preocupar, meu senhor", disse o Grifo. "Vamos guardá-la com nossas vidas.Eu juro." Cansada como estava e, apesar do conforto da cama, Pia jogou e virou-se, incapaz de cair em um sono profundo. Ela sonhava em ser perseguida. As cenas ficavam mudando. Primeiro, ela estava rastejando através dos caminhos secretos de uma casa enorme, tentando encontrar algum lugar para se esconder. Em seguida, ela estava andando em círculos, dentro e fora de uma aglomerada e desconhecida rua da cidade, enquanto alguém desconhecido e ameaçador seguia atrás dela. Ela nunca conseguia ver o rosto de seu perseguidor, mas ele a aterrorizava pra diabo. Então, alguém levantou as cobertas. Um homem grande, úmido e nu deslizou para dentro, ao lado dela. Ela se assustou, acordando com um grande pulo. "Shh, sou eu", Dragos sussurrou. "Eu não queria te acordar." "Hum, ok" ela murmurou. "Não gostei do sonho de qualquer maneira." Havia uma razão pela qual não era uma boa idéia ele estar em sua cama. Ou ela estava na dele? Ela não estava acordada o suficiente para entender nada disso. Ela estava apenas desperta o suficiente, para sentir uma onda de prazer e alívio. Seus braços vieram ao seu redor. Ela fez um barulho e enterrou-se no seu lado. Seu calor e energia a envolveram. Ela colocou sua bochecha no seu ombro, contra a pele úmida e cheirando a limpeza, que cobria aqueles músculos duros e volumosos como seda e descansou a mão em seu peito. "Você gostou do seu jantar?", Perguntou. "Adorável". "Bom". Ele lhe deu um beijo na testa. "Retire o feitiço." "Sono", ela reclamou. Ele acariciou seus cabelos. "Por favor?" Ela murmurou, se atrapalhou para se concentrar no feitiço de amortecimento e o liberou. Seu peito largo moveu-se em um profundo suspiro. "Assim é melhor." "Shh", ela repreendeu. Ela virou de lado. Ele a envolveu com seu corpo. Seu bíceps protuberante, enquanto ele curvou seu outro braço em volta do tronco dela. Ele prendeu as pernas dela com uma coxa pesada. Ela lançou um olhar turvo de sono para baixo, para seus corpos entrelaçados. Sua forma de brilho pálido estava enjaulada por um macho bronze, escuro e possessivo. Era um abraço ciumento, sufocante. Ela deveria querer se livrar dele. Ela suspirou. Algo lá dentro, bem fundo, se encaixou e ela fechou os olhos, satisfeita.


Desta vez, quando ela adormeceu não havia mais sonhos. Um bom tempo de descanso depois, algo a trouxe de volta de sua profunda inconsciência. Ela ficou a deriva por um tempo em um estado crepuscular. Uma grande mão brincava, descendo pela frente de seu tronco. Dedos suaves trilhavam, de seu estômago plano, acima de sua caixa torácica para circular, primeiro um seio e então o outro. Ela suspirou e se espreguiçou. Ela se virou de costas enquanto se arqueava em direção àquele agradável e errante toque. Lábios roçaram seu ombro nu, acariciando a curva graciosa para seu pescoço. Dentes rasparam a pele sensível e beliscaram seu lóbulo. Ombro nu? Ela abriu os olhos. Sentiu novamente todo o choque por se encontrar deitada, nua, com ele. Ela esfregou um pé na perna dele, cabelos crespos fazendo cócegas em seus dedos. A pré-aurora brilhou lá fora e deixou o quarto com um leve tom de cinza.Dragos descansou seu peso em um braço quando ele se inclinou sobre ela. Seu rosto grave estava decidido, enquanto ele a estudava com um olhar de pálpebras pesadas. A linha delineada de sua boca estava curvada em um sorriso preguiçoso, sensual. Ele era tão lindo que todo o seu corpo latejava. Suas bem-cortadas narinas se dilataram e ela sabia que ele tinha percebido isso. Ela lambeu os lábios. Seu olhar caiu e ele observava o movimento. "Eu tenho certeza que eu fui para a cama com roupas", ela murmurou. "E você foi", disse ele, seu tom lânguido. Ele circulou a aréola de um seio. Ela viu quando seu mamilo se enrugou. "Elas estavam no meu caminho." "Você me despiu enquanto eu estava dormindo?" Ela estremeceu quando ele circulou a aréola do seio outro. "Eu devo ter apagado legal." "Eu poço ter ajudado você." Ela arqueou uma sobrancelha para ele. Ele disse a ela: "Foi apenas um pequeno encanto. Você precisava descansar." "Sem minhas roupas." Lá estava ele, mexendo com a cabeça dela de novo. Nota mental para si mesma: conversar entre eles sobre como ela não era sua própria Barbie para vestir e despir sempre que ele quisesse. "Eu precisava descansar também," ele disse em uma voz suave. "E elas estavam me incomodando." Ela bufou uma risada. Quem diria que este macho exótico e terrível seria tão engraçado? Ela amou isso, amou a surpresa que ele era. Em seguida, ele traçou seus lábios. Ela teve a sensação de que estava sendo perseguida, sem nem ter saído da cama. Ela pegou seu dedo em sua boca e chupou-o e ele se sentiu incendiado. Ele puxou seu dedo fora da boca dela. Sombrios olhos dourados brilharam com calor voraz. Sua cabeça desceu decidida sobre ela. Ele a afundou no travesseiro quando mergulhou em sua boca com uma língua dura e faminta. Ao mesmo tempo, ele colocou a mão em concha entre suas pernas, sondou seu sexo úmido e empurrou fundo, dois dedos dentro dela. Ela gemeu e agarrou-se em seu braço. Sua agressão fez surgir uma resposta impotente dela. Ela cresceu em umidade, encharcando seus dedos, estava inchada. Ele rosnou e empurrou sua língua e dedos dentro dela em uma penetração simultânea. Seus quadris iam de encontro à mão dele. Ela separou sua boca da dele e engasgou. "Espere. . . Eu não quero. . . " Ele pairou centímetros acima dela, a ave de rapina aguardando para mergulhar, enquanto seu polegar encontrava e esfregava seu clitóris. Ela gemeu e puxou sua mão mais forte contra ela. "Você não quer?", ele murmurou, dando-lhe um sorriso cruel. Ela encontrou seu pênis duro e o agarrou. Ele silvou e empurrou-se em sua mão, pulsando contra sua palma. "Eu quero explorar você também, antes de você me destruir outra vez." Ela olhou em seus olhos, incerta. Ele era tão dominante. Ela não tinha idéia do que ele poderia gostar. "Você gostaria disso?"


Ele fez uma pausa e ela o viu lutar com impulsos contrastantes. Então, ele puxou-se de sua mão e a prendeu sobre a cabeça dela. "Eu adoraria isso",sussurrou em seu ouvido. "Logo depois que fizer você chegar ao clímax primeiro." Ele empurrou em profundidade com os dedos longos e criativos e esfregou a base de sua palma contra ela, encontrando exatamente o ponto certo. Ela deu um pulo e lutou contra seu aperto, empurrando contra a pressão, esforçando-se para encontrar a liberação. "Vem para dentro de mim", ela persuadiu. "Não", ele sussurrou em seu ouvido, engolindo cada resposta. "Ainda não. Goze primeiro desse jeito, amante." "Droga!" Ele era diabólico. A pressão foi construída, era tão bom como seus dedos a acariciavam por dentro - Deus! - mas ela o queria,grosso, duro e enterrado dentro dela. Ela se virou e mordeu seu ombro. Ele riu, um som sexy e rouco. Ele se abaixou para sugar um de seus mamilos em sua boca, desenhando sobre ele e sacudindo-o com a língua, enquanto ele trabalhava nela. Lá estava, um clímax crescendo dentro dela como um fósforo que fora aceso. Ela arqueou e deu-lhe seus sons de prazer. Ele deixou seu mamilo para escovar sua boca sobre a dela enquanto ela gemia, seus músculos internos se contraindo. "É isso, aí está ele," ele sussurrou contra seus lábios. Ele aliviou esfregando a base de sua palma contra ela, trazendo-a para baixo novamente com cuidado. "Lindo". Eles ficaram quietos por um momento, respirando juntos. Em seguida, ela se mexeu e deu-lhe um sorriso malicioso. "Você queria saber por que eu disse que eu não estava bem da cabeça." Um canto de sua boca se elevou. "Sim, eu queria, não queria?" Ela caminhou seus dedos sobre o peito dele. "Eu continuo a ter fantasias sexuais com você em momentos muito inapropriados". "Por exemplo?", Perguntou ele, acariciando seu quadril e descendo para sua coxa. Ele correu os dedos através dos cachos emaranhados de ouro branco, entre suas coxas, seu toque era delicado e leve. Ele parecia muito interessado. Ela suspirou de prazer. Como ele se tornou um expert em excitá-la? "Como quando você caiu do céu e sentou em cima de mim. Você parecia à ira de Deus e isso me assustou até a morte. Então, tudo que eu conseguia pensar era naquele sonho maldito e como você estava sexy. Não é correto estar apavorada e excitada ao mesmo tempo". "Isso era tudo, que eu podia pensar também." Ele ergueu sua mão e beijou o machucado em sua palma. "Eu quis preparar uma armadilha para você com aquele sonho. Ao invés disso, eu fui pego por ela." "E então", ela sussurrou, os olhos brilhando "lembra quando você estava acorrentado na prisão Goblin?" "Não é uma lembrança que se apagará tão cedo", ele respondeu em tom seco. "Foi terrível", disse ela. "Eu me senti horrível, a cela era suja e eu estava com medo de novo. E lá estava você acorrentado e espalhado como um banquete gourmet.Apesar de tudo, por um momento lá, a sua visão me deu água na boca." Seu interesse se aguçou, tornou-se elétrico. "Eu tenho que lembrar de adicionar algemas em todos os quartos." Ela riu e se aconchegou mais perto. "Foi apenas uma fantasia. A coisa real foi muito perturbadora." "Então, fingiremos." Ele rolou de costas e segurou os trilhos da cama acima de sua cabeça. Esta posição esticou os músculos de seus braços epeito, acentuou sua caixa torácica e ondulou seu abdômen. Ela olhou para ele com pálpebras pesadas, seu corpo formigando. Sensualidade acumulada apareceu em seu olhar. Seu corpo excitado e seu rosto eram, as coisas mais sexy que ela já tinha visto. Foi ainda mais excitante, ele se oferecer para deitar suplicante perante ela, tal macho enorme e perigoso.


Ela deslizou sobre ele até que estavam tronco com tronco, seus seios pressionados contra o peito dele. Ela inclinou a cabeça e esfregou os lábios abertos junto aos dele. Ela lambeu, beijou e mordiscou. A respiração dele estava áspera. Ele a mordiscou, tentando persuadi-la a afundar-se para um beijo mais profundo, mas ela se afastou e deslizou para baixo. Ela deslizou a boca aberta ao longo das protuberâncias e reentrâncias de seu peito, beijando os ossos e esfregando o nariz no cabelo escuro e enrolado, espalhado por ali, que descia, apontando seu longo caminho em direção a sua virilha. Ele se mexeu debaixo dela, estendendo-se como um gato. Ela brincava com seus escuros e planos mamilos, provocando-os a endurecer. Ela estava se despertando tanto quanto ele. Abaixou-se e pegou seu pênis. Ele assobiou e empurrou seus quadris para cima. Ela olhou para baixo, para sua mão, pálida brilhante agarrando-o, com a respiração irregular. Ele era muito bem contornado, sua ereção grande e grossa, a pele do eixo e do bulbo da cabeça era macia como veludo. Seus testículos estavam acomodados firmemente abaixo. Ela os massageou. Eles eram pesados, voluptuosos globos redondos. Ele levantou a cabeça para assisti-la acariciando-o, os olhos brilhando. Ele era todo ângulos firmes e arestas duras. Os músculos de seus braços balançaram. Ela deu uma espiada em suas mãos fechadas, nos trilhos da cama. Os nós de seus dedos estavam brancos. "Este é o meu jogo agora. Não se deixe ir", alertou ela. Ela sustentou seu olhar feroz enquanto deslizava para baixo de seu corpo. Quaisquer que fossem as importantes questões ou perguntas que tinham que resolver entre eles, quando se tratava disso, eles eram capazes de gerar combustível mágico juntos. Ela se agachou sobre ele, levantou sua ereção, tomou a cabeça na boca e o sugou. Ele deu um grito curto e agudo, sua cabeça batendo de volta sobre os travesseiros. Seus quadris deixaram a cama quando ele empurrou em sua boca. Ela agarrou a raiz de seu pênis com uma mão, segurou seu saco com a outra e se banqueteou. O sabor e a sensação dele era inebriante. Ela cantarolou enquanto trabalhava para sugá-lo mais profundamente, abrindo seus músculos da garganta o máximo que podia, puxando-o para trás lento e apertado e em seguida, empurrando para tomá-lo fundo novamente. A fome fora de controle, selvagem e quente. Seu jogo foi esquecido, ele reuniu os cabelos dela em um punho e bombeou em sua boca. Colocou a outra mão entre as pernas dela, sondou e acariciou as molhadas dobras de seda. Então, ele puxou seu cabelo, forçando sua cabeça para longe dele. Ela fez um barulho de reclamação quando seu pau deixou sua boca. Ele a inçou para um beijo devorador, de boca aberta. Ele estava tremendo todo e isso a deixou louca. Ele a puxou para cima dele e ela abriu as pernas para sentar-se montada, enrolando-se sobre ele e esfregando seu sexo em sua ereção, enquanto ele continuava a segurá-la pelos cabelos, aprisionados por seu ataque. Cheia de ganância, ela se levantou e o posicionou de modo que sua cabeça grossa e ampla violasse sua entrada. Então, ele assumiu, a agarrou pelos quadris e se empurrou todo o caminho até a raiz. Todo o seu corpo se apertou e ele deu um grito. Ela estava fazendo barulho também, sons urgentes e animalescos, tremendo toda,enquanto seu corpo se ajustava ao maciço e invasor comprimento. Ele encontrou um ritmo, bombeando dentro dela com uma escalada urgência, os dedos cavando em sua carne branca e macia. Ela tentou se segurar de qualquer jeito que ela pudesse, cotovelos apoiados no peito dele. Sua cabeça estava erguida de modo que estava cara a cara com ela, seu rosto marcado com agressão sexual, o olhar feroz e luminoso, fixo no dela. Ele mostrou os dentes para ela. Sua beleza selvagem enviou-a para um colapso líquido. Ela estendeu os braços e empurrou a mão aberta nos travesseiros, os lábios entreabertos, atingindo,atingindo, e


então ela foi dominada por um choque de prazer tão intenso enquanto ele a empalava, que ela se contorceu no orgasmo. Ele se juntou a ela com um gemido áspero, empurrando para cima e para cima, ao mesmo tempo em que clímax jorrou dentro dela. Eles se mantiveram tensos por longos momentos. Seus pulmões trabalhavam enquanto ela tentava sugar algum ar. Seu maldito cabelo estava por todo lugar. Ela o tirou de seus olhos a tempo de pegar um vislumbre do rosto dele. Ele parecia desesperado, fora de controle. Ele balançou a cabeça, murmurando: "Não é o suficiente." Segurando abaixo pelos quadris com um braço para mantê-los unidos, ele os virou de modo que ela deitou em suas costas no colchão com ele por cima. Ele ainda estava duro. Ele começou a se mover novamente, deslizando para dentro e para fora de sua suculenta e apertada bainha. "Oh, Deus, você vai me matar", ela gemeu. Ele parou e procurou por seus olhos. Ela colocou os braços em volta do pescoço dele e sussurrou: "É melhor você não parar até que tenha terminado. Lembre-se, eu posso acompanhar qualquer ritmo que você estabelecer, grandão.” Seu rosto se iluminou com um sorriso selvagem. Então ele perdeu o sorriso, perdeu as palavras, perdeu tudo para a incontrolável paixão que varreu dela diretamente para ele. Ele não parou até que ele tinha gasto tudo o que tinha. Bêbada e intoxicada. Ele tinha acabado com ela novamente. Ele a levou tão longe, tão profundamente para fora de si mesma, que ela voltou transformada de maneiras fundamentais que ela não entendia. Ela fez barulho com ele e fez coisas que ela nunca tinha feito antes, coisas que ela nunca tinha concebido fazer. Ela nunca tinha percebido como o ato sexual poderia ser uma perda total de todo o comportamento civilizado. Ele a fez encarar o animal que vivia dentro dela. Não havia restado nada para ela se apegar, tanto dentro de si mesma ou no exterior com as rápidas mudanças que tinham dominado sua vida. Havia apenas ele, o destruidor de seu mundo e ela pendurada nele com tudo o que ela tinha. Eles estavam deitados em um emaranhado de pernas, a cabeça dele no ombro dela, enquanto a luz da manhã avançava através do teto. Ela podia ter cochilado. Ela tinha perdido a conta de seus orgasmos, sem contar o dele. Ele deu um beijo em seu seio. E disse, "Eu te marquei de novo." Ela bocejou e tentou descobrir como ele soava. Complexo, que era a palavra, a voz cheia tanto de arrependimento como de satisfação. "Você tem algumas marcas de mordida e alguns arranhões que você não tinha antes também, grandão.” Ele sorriu contra sua pele. O arrependimento se perdeu e pura satisfação masculina permaneceu no campo, vitoriosa. "Isso é verdade." Uma batida soou na porta e esta foi aberta por uma fada empurrando um carrinho de comida para dentro do quarto. “Bom dia,” ela cantarolou. Mais rápido do que o pensamento, Dragos se levantou dos lençóis e se jogou para cobri-la. Ele rugiu por cima do ombro, "O que você está fazendo!" Ela jogou o feitiço de amortecimento em si mesma o mais rápido que pode. Dragos parecia assassino. Ela colocou a mão contra sua bochecha, beijou-o e olhou por cima do ombro dele. A cor da pobre fada se tornou branco-morte e parecia que ela estava prestes a desmaiar. Ela gaguejou, "Eu sempre - isso nunca importou -" Pia disse em uma voz suave, "O que ele quer dizer é: 'Muito obrigado pelo café da manhã.‟ E você não fez nada de errado. Ele não está realmente bravo com você. Ele só ficou surpreso." Debaixo das cobertas, ela o beliscou com força. Ele agarrou a mão dela, mas não a contradisse. "As coisas estão um pouco diferente agora, então talvez seja uma boa idéia bater e esperar na próxima vez, até que alguém diga que você pode entrar” A fada dobrou-se várias vezes em reverências frenéticas. "Claro! É claro! Obrigada, minha senhora. Eu vou" ela apontou para a porta e saiu correndo.


A porta se acomodou no lugar. Pia olhou para Dragos em estupefação. Havia tantas coisas que tinha acontecido. Ela não sabia o que fazer com tudo isso ou o que dizer. Ela acariciou seu rosto e esperou até que ele se acalmasse. "Ela me chamou de 'minha senhora'", disse a ele em uma voz melancólica. "Eu não sei quem é essa. Eu não sou uma senhora." O que restou de sua fúria desapareceu para ser substituída por um brilho rápido. Ele espiou debaixo do lençol. "Eu posso atestar isso." "Ooh!" Ela esmurrou seu ombro. Eles olharam um para o outro, então começaram a rir. Ele empilhou os travesseiros, recostou-se contra eles e a puxou contra seu lado. Ela colocou a cabeça em seu ombro e tentou recuperar sua sensação de estar à deriva, em paz, que estava sentindo anteriormente. Esta provou ser um sentimento fugaz e começou a escapar. Ele passou os dedos através de seu cabelo. "Você me deve uma mecha de cabelo", disse ele. Ela fechou os olhos e tentou ignorar as realidades da manhã. Ela perguntou: "Quantas você quer?" "Muitas", disse ele, segurando alguns fios para cima, de maneira que eles brilharam na luz. Em seguida, ele franziu a testa. "Não muito." Ela começou a sorrir. "Decida-se. Eu posso cortá-lo curto e você pode ter tudo isso, se você quiser." "Não se atreva. Eu quero apenas o suficiente." "Oh, como se isso fizesse algum sentido." Ela levantou a cabeça para dar-lhe um olhar interrogativo. Ele estava carrancudo. Ela suspirou. "Espere". Ela caminhou nua para o quarto de vestir, pegou seu roupão cor-de-rosa, que cobria até suas coxas, de um cabide e amarrou-o com o cinto. Ela vasculhou as gavetas da cômoda que guardavam suas coisas, encontrou seu kit de costura portátil e caminhou de volta para o quarto. Ela se sentou de pernas cruzadas na cama, encarando Dragos. Ele entrelaçou suas mãos atrás da cabeça, olhando-a com interesse. Ela pegou a tesoura do kit, separou alguns cabelos próximos ao couro cabelo na parte de trás de sua cabeça, onde o corte ficaria escondido e cortou-os. Ela segurou a mecha para sua inspeção. Era um pedaço de bom tamanho, a largura de seu dedo mínimo e todo o comprimento de seu cabelo. "Perfeito", disse ele, os olhos brilhando de satisfação. "Dívida paga?", ela perguntou. "Dívida paga." Ele esfregou as extremidades entre os dedos. "O que você vai fazer com isso?", Perguntou ela. Ele franziu a testa novamente. "Eu não sei." "Aqui, eu vou trançá-lo para você. Caso contrário, isso se espalhará por todo lado." Ele assistiu em fascinação enquanto ela cortava dois pedaços de fio de ouro quase exatamente da mesma cor de seus cabelos. Quase, mas não completamente. Foi o mais próximo que ela pôde encontrar em seu kit de costura e não seria notado em qualquer distância, mas o fio pecava pela falta de brilho que o cabelo dela tinha. Ela colocou um pedaço de fio entre os dentes. Ela enrolou o outro fio várias vezes em volta de uma ponta dos cabelos e amarrou. Ela usou um pino de segurança para prender aquela extremidade no travesseiro e com rápida competência trançou a mecha. Ela disse entre dentes: "Você não vai fazer algum tipo de magia negra vudu com isso, vai?" "Oh, não", disse ele, olhar em seus dedos. "Eu só gosto da cor". Ela sorriu para si mesma, tanto aquecida como esquisita pela forma como eles estavam agindo um com o outro. Sentia-se tão natural, tão certo. Havia tantas razões pelas quais não deveria. Ela pegou o segundo comprimento do fio para amarrar a extremidade da trança. Algum impulso tolo a fez oferecer, "Eu poderia amarrá-la em torno de seu pulso, se quiser."


Ela esperou ele lhe dizer para não ser estúpida. Em vez disso, para sua surpresa, ele levantou as sobrancelhas e disse: "Eu gostaria disso." Ele estendeu seu pulso direito. Ela enrolou a trança em torno dele. Apesar da espessura do pulso dele, a trança foi o suficiente para dar a volta quase duas vezes. Ela pegou mais linha e trabalhou em unir a trança com costura. Depois que ela tinha certeza que estava segura, ela amarrou-a e cortou as pontas do fio. Ele levantou seu punho e admirou o brilho de ouro pálido. Ele correu um dedo em seu pulso, sentindo os solavancos suaves da trança. O bronze escuro de suapele fazia com que o brilho do cabelo parecesse mais brilhante ainda. "Dragos, eu sou uma prisioneira?", ela perguntou. Depois de pesar sobre ela desde a noite passada, a pergunta saiu com bastante facilidade depois de tudo. Seus olhos se estreitaram quando ele olhou para cima. Ela manteve sua atenção em colocar as coisas de volta em seu kit de costura e desejou que os dedos não tremessem. "Não", ele disse depois de um momento de reflexão. "Por que você pergunta?" "Os guardas na noite passada." Alívio fez com que ela oferecesse a ele um sorriso instável. "Os guardas são para sua segurança. Quando não estiver com você, eles estarão. "Como ela abriu a boca, ele disse: "Isso é inegociável". "Mas -" Seu rosto endurecido. "Sem discussão, Pia", disse ele. "Estou em guerra agora. Até que eu enterre Urien, ele vai continuar a ser um sério perigo. Se ele sabia sobre você antes ou não, é um ponto discutível. Depois do que aconteceu na planície, você acaba de se tornar um alvo importante." "Mas guardas, até aqui?" Ela sentiu qualquer esperança, mesmo da ilusão de liberdade, escorregar entre os dedos. "Alguns milhares de pessoas trabalham aqui todos os dias. Outros milhares visitam. Sim, há segurança e há áreas restritas, mas não,nenhum lugar é cem por cento seguro, não quando há Poder envolvido. Você se lembra de como eu cheguei a você com o sonho. E se algum ataque mágico ocorrer? Você terá guardas até tudo isso acabar. Fim da discussão." Ela apertou os lábios. Sua lógica era irrefutável e sua atitude autocrática tudo, menos intolerável. Quando ela pensou que ela tinha seu temperamento sob controle, ela lhe deu um aceno curto. Ela não necessariamente discordava dele, uma vez que ele havia explicado as coisas. Ela só deveria ter uma palavra a dizer, no que acontecia na sua vida. Ele se recostou contra os travesseiros e entrelaçou as mãos atrás da sua cabeça. Deu um sorriso descontraído, implacável. "Já tocamos no assunto e podemos ter aquela longa e necessária conversa, por que você não me conta tudo sobre sua mãe e como você me curou?"


Doze

Depois de um momento congelado, ela se jogou para fora da cama. Ela agarrou seu kit de costura e entrou no vestiário. "Eu não acredito que você está me pedindo isto". Ele a seguiu e encostou o ombro no batente da porta. Ele deslizou em uma calça de seda preta. Seus olhos dourados brilhavam. "É bastante evidente que você me curou com o seu sangue. Por isso você estava tão desesperada para destruí-lo. Seu sangue diz algo importante sobre você. Você não pode deixar nenhuma gota para trás". Ela viu seu vulto escuro descansando e desviou o olhar com determinação. Sim, ele era muito sexy para descrever com palavras. Ele também era totalmente insuportável, não tinha um pingo de vergonha e nem ficava embaraçado. "Eu acho que quando você prometeu que não me perguntaria sobre isso, você quis dizer que não perguntaria quando quisesse", ela disse com uma voz sombria. Ela colocou seu kit de costura em uma gaveta e passou por ele. "É claro". Ele se virou e a seguiu. "Aprendi isso com alguém que conheço. Você sabe, alguém que prometeu não discutir, apenas quando ela não quiser", disse ele, erguendo as sobrancelhas para ela. "Agora, quem poderia ser?" Tempestuosamente, ela foi até ele e apontou o dedo para o seu nariz. "Foi diferente". "Como você sabe?" "Estávamos em uma situação horrível. Reservo-me o direito de, às vezes, saber melhor do que você o que deve ser feito. Então eu vou discutir com você sempre que eu sentir vontade de argumentar, grandão". Sua boca se achatou. Ele cruzou os braços. Era óbvio que ele não tinha se impressionado com seu dedo na cara ou sua postura. "Como você fez quando estávamos no carro e os Goblins assistindo?" Ela fez uma careta. "Aquilo foi um erro. Eu já disse isso e pedi desculpas. Gostaria também de salientar que se eu tivesse sido uma boa menina e seguisse cada coisa que você me disse para fazer enquanto você atirava ordens ao vento, eu ainda poderia estar sentada na minha cela. Minha iniciativa salvou seu traseiro". "Eu já disse isso também", disse ele, os olhos apertados. Ele ficou cara a cara com ela. "Você está desviando o assunto. Você realmente não quer falar sobre isso, não é?" Ela se afastou dele, arredondando os olhos. "Qual parte do não me faça perguntas sobre isto lhe deu essa idéia?" Ele seguiu, à espreita, seu corpo movendo-se com fluidez. "Então, vejamos, o que eu sei? Nenhum bloqueio pode te prender, você é herbívora, usa um feitiço para parecer humana e sua mãe era reverenciada pelos Elfos". "Pare", ela sussurrou. Parecia que ele a estava descascando viva. Não havia misericórdia em seu olhar predador. "Você sabe. Eu senti o Poder quando a limpei, fora do carro. Então, na planície, quando você me tocou, eu pensei que você ia me derrubar no chão. Mas você não tinha certeza que era o seu trabalho. É porque você é uma mestiça não é? Todas essas habilidades estão no seu sangue Wyrkind. Herdou-o de sua mãe. Ela virou-se e olhou em torno do quarto. Parecia muito menor do que antes. Ela foi para as portas francesas, atravessou-as e correu para fora, desesperada por ar fresco. Isso foi pouco antes dela perceber que não havia parapeito nem muro, apenas uma borda em linha reta ao ar livre. Cortantes rajadas de vento assobiaram brincaram com seu cabelo. Tudo girou à sua volta e ela começou a se inclinar. Braços rígidos a seguraram rapidamente. "Merda", ela disse, tremendo. Ela agarrou seu braço. "Não há parapeito".


"Você se saiu tão bem no voo. Pensei que não tinha medo de altura", ele disse. Ele a puxou para dentro e manteve um braço em sua cintura enquanto fechava e trancava as portas. Franziu a testa para ela. "Você está branca como um lençol". "Eu não tenho problema com altura - quando há um parapeito! Ou um muro, ou algum tipo de barreira!" Ela apontou para a janela. "Essa é uma queda livre de 80 andares de altura. Não é pouca coisa para alguém sem para quedas ou asas". "Pia, a borda está a uns bons vinte metros de distância". Sua mão era gentil quando esfregou seu braço. "Eu sei disso. Eu disse que estava sendo racional?", ela falou. Constrangimento e medo, a deixaram mais irritada ainda. Ela encontrou seu equilíbrio e se endireitou saindo do seu abraço. Houve uma batida afiada na porta. Rune e Graydon entraram. Ela levantou as mãos e retrucou: "Alguém neste lugar espera por uma resposta quando batem na porta?" Os dois homens congelaram. Eles olharam para Pia, com seu cabelo loiro despenteado e seu rosto furioso, o roupão rosa na altura das coxas, as delicadas pernas torneadas e mais para baixo, para as unhas dos pés pintadas de vermelho. Então olharam para Dragos em sua calça de pijama de seda negra, o peito nu e a trança loira no seu pulso escuro. Dragos a perseguiu depois que ela entrou tempestivamente no banheiro. Ela bateu a porta. Ele colocou as mãos nos quadris e levantou sua voz para que ela pudesse ouvilo através do painel: "Nós não terminamos de discutir isso". A porta do banheiro abriu e ela retrucou: "E minha mãe não é problema seu!" Ela bateu a porta novamente. Dragos virou para olhar os dois homens. Graydon, o mais musculoso dos Grifos, balançou a cabeça deixando a sala. Rune apenas o olhou. Dragos disse: "O quê?" "Quem é você", disse Rune, "e o que você fez com o Dragos?" Ele lhe deu seu sorriso cortante. "Eu não tinha ideia de que isso podia ser tão divertido". Rune disse: "Nós apenas pensamos que você gostaria de começar o seu dia. Há problemas acumulados à espera da sua atenção". Graydon disse: "Nós o deixaremos agora e voltaremos muito, muito mais tarde". "Não se incomode". Ele caminhou até o carrinho de comida e começou a inspecionar o conteúdo debaixo das tampas de prata. Uma escondia mingau de aveia com nozes e maçãs. Ele a tampou de volta. A outra escondia um quilo de bacon frito e uma meia dúzia de ovos mexidos. Ele pegou um prato e o garfo. Ele disse a Graydon: "Faça-nos uma jarra de café". Ele fez uma pausa e olhou pensativo. "Por favor". Graydon virou a cabeça para o lado e arregalou os olhos para Rune enquanto dizia: "Sim, meu senhor". Dragos se sentou em um sofá, pegou o controle remoto e ligou a TV na CNN. Ele tomou seu café da manhã em rápidas e eficientes mordidas. Rune se esparramou em outro sofá. Graydon trouxe três xícaras de café fresco. De olho nas manchetes da manhã, Dragos disse: "Não quero mais invasões aqui". "Nunca mais", Graydon disse. O grifo tinha uma nota fervorosa em sua voz. "Nós passaremos a ordem". "A fada do café da manhã sem dúvida já fez isso", comentou Dragos em volta de um pedaço de bacon. "Vocês dois, palhaços, só perderam o memorando". "Fada do café da manhã”. Rune beliscou seu nariz e tossiu. Olhos dourados divertidos encontraram os dele, então se voltou para a fita ticker em execução na TV de plasma de tela plana. "Que coisas precisam ser tratadas?" Ele terminou sua refeição enquanto ouvia. Eles relataram uma variedade de problemas domésticos, comerciais, administrativos e militares. Ele respondeu com sua habitual determinação. Os dois Grifos começaram a transmitir suas ordens telepaticamente para as pessoas apropriadas.


A porta do banheiro se abriu e o cheiro de Chanel flutuou pela sala. Os homens ficaram em silêncio. Pia saiu, vestindo seu roupão rosa curto. Ela entrou no quarto de vestir e fechou a porta. "Contrate um comprador pessoal para Pia. Certifique-se de que um roupão longo esteja na lista". "Certo". Graydon o olhou e parecia que estava sendo torturado. "Os empreiteiros terminaram o conserto do outro quarto?" "Quase", Rune disse. "Houve alguns danos estruturais quando você, uh, socou a parede. Eles estão trabalhando duro para fazer o mais silenciosamente possível. Sendo que isto é do outro lado do edifício, o ruído não deve ser muito mau. Eles já sabem que podem ter que parar às vezes e estão preparados para trabalhar de acordo com a sua programação, se necessário. Ele olhou para fora das janelas e coçou o queixo. “Quando eles terminarem, diga-lhes para colocar um parapeito na varanda. Diga-lhes para ir ao outro lado do edifício e colocar cercas fechadas em cada extremidade. Isso ainda vai deixar muita borda aberta". Pia surgiu vestindo um jeans baixo e uma camisa de manga longa azul apertada que mostrava sua barriga. Ela carregava um saco de pano com zíper embaixo do braço. Ela fez uma pausa, olhando dos três homens para o carrinho de comida e a cama desfeita, sua expressão incerta. Ela parecia muito mais calma. Dragos se levantou do sofá e caminhou em direção ao carrinho. "Venha tomar o seu café da manhã com a gente", ele disse. Colocou seu prato vazio no carrinho e recuperou sua tigela com mingau de aveia e uma colher. "Você gostaria de um café?" Ela assentiu, arrastando-se atrás dele até os sofás. Graydon ficou de pé. Dragos colocou o mingau de aveia e uma colher em uma mesa no final do sofá onde ele estava sentado. "Eu vou te dar um copo", disse a ela. Dragos parou a meio caminho fora de seu assento. Ela mostrou a Dragos um cauteloso franzir de sobrancelhas. '"Você está sugando?" "É claro". Ele se inclinou e lhe deu um beijo repentino. A cor morena tocou seu rosto. Ele tocou uma alta e delicada bochecha. Ela olhou de soslaio para os outros homens. Eles estavam vestindo jeans e camisetas. Jaquetas de couro foram lançadas sobre as costas do sofá e cada homem usava um coldre com uma arma. Ela suspeitava que ambos tinham, ainda, várias armas escondidas. Parecia que Graydon estava assistindo a um acidente de trem. Rune estava esparramado, as pernas longas esticadas, sua expressão ilegível. Ela enrolou-se em uma extremidade do sofá, agradeceu a Dragos pelo café quando ele sentou ao seu lado e se concentrou em manter a cabeça baixa e comer seu café da manhã enquanto os homens conversavam. Ela estava tão faminta novamente que quase inalou o mingau de aveia com maçã e nozes. Ela tirou da bolsa um frasco de removedor de esmaltes, bolas de algodão e um vidro de esmalte Dusty Rose*. Ela removeu o esmalte vermelho lascado, enfiou bolas de algodão entre os dedos finos e começou a pintar as unhas dos dedos dos pés. Pelo que Dragos tinha descrito, Cuelebre Tower era uma cidade pequena. Só de ouvir a conversa dos homens, ela teve um mero vislumbre de quão vasta e complexa era a Cuelebre Enterprises. Era uma corporação global. Houve uma pausa na conversa. Ela olhou para cima. Dragos tinha se inclinado para ela, uma longa perna enganchada nas almofadas do sofá, um braço a sua volta. Sua cabeça estava inclinada, enquanto observava seu trabalho. Ela olhou para os outros dois homens. Nada ainda de amigável vindo daquele lado. Ela olhou para as unhas meio pintadas e seu rosto queimou.

*Esmalte importado Jordana Dusty Rose


"Eu vou para o banheiro", ela disse. "Não", Dragos disse. "Você está confortável aqui". Ela suspirou e murmurou. "Você não pode ditar as coisas, assim como está fazendo, grandão". "Eu posso ditar o que eu quiser", ele disse a ela. Ela revirou os olhos. Ela decidiu tentar ignorar os outros dois homens e voltou a pintar as unhas. Ela terminou um pé e começou o outro. "Mais alguma coisa?", Dragos perguntou aos Grifos. "Uma última coisa", disse Rune. "O Alto Senhor Élfico está exigindo uma videoconferência e provas do bem estar de Pia. Ela se tornou uma espécie de problema". O Grifo moreno lançou um olhar expressivo para ele, então desviou o olhar. Raiva súbita ardeu. "Eu não sou um problema", anunciou ela. Terminou de pintar o dedo mínimo. "Eu sou uma consideração tática". Dragos baixou a mão em seu ombro e lhe apertou. Ela olhou de lado para ele. Ele sorriu para ela. Ele disse para Rune: “O Alto Senhor Elfico pode ir se foder. Você pode me citar". "Senhorita Giovanni", Rune disse. "Perdoe-me. Eu não quis dizer que você é um problema. Eu queria dizer que os Elfos estão transformando o seu assunto em um problema". Com o queixo apoiado no joelho erguido, ela olhou para o Grifo. As desculpas pareceram muito facilmente oferecidas, seu belo rosto muito suave. "Eu não acho que você quis dizer isso, almofadinha.” Ela olhou duramente e fez questão que ele visse. Mas agora não era hora de entrar em outro confronto. Em vez disso, ela disse: "Se eles estão transformando o meu assunto em um problema, por que nós simplesmente não acabamos com ele?" Ela virou-se para Dragos. "Você poderia fazer a videoconferência e me deixar estar presente.” Seus dentes brancos se mostraram um pouco mais quando ele anunciou: "Eu não tenho nenhuma intenção de favorecer as demandas desse filho de uma cadela". Ela colocou de lado o esmalte de unhas e pôs a mão sobre a dele. "Isto é importante?" ela disse a ele.Ele olhou para ela debaixo da barra de suas sobrancelhas, os olhos dourados obstinados. Ela esfregou o polegar sobre a palma da sua mão. "Não seria melhor se os Elfos calassem a boca e fossem embora? Ei, e se eles parassem com essa frescura sobre você andar pelo quintal deles? Não é como se você tivesse comido suas tulipas ou cavado buracos no seu gramado. Você não urinou em cada árvore enquanto eu não estava olhando, não é?" A nuvem de tempestade que escurecia seu rosto se partiu. "Eu teria feito, se tivesse pensado nisso". Rune sorriu. Uma bufada explodiu de Grayson, que cobriu seu sorriso com uma mão tão grande quanto um prato de jantar. Ela abaixou a cabeça e balançou as bolas de algodão entre os dedos dos pés. Não era uma aprovação, mas pelo menos já era alguma coisa. Enquanto Dragos tomava banho e se vestia, Pia se entregou ao impulso que a estava devorando desde que Rune e Grayson entraram no quarto e arrumou a cama com rápida eficiência. Ela se sentiu melhor quando acabou, menos exposta, apesar de ter ficado claro como cristal que ela e Drago tinham dividido a cama na noite anterior. Ela manteve o rosto virado dos olhares disfarçados dos Grifos, enquanto a CNN continuava em segundo plano. Dragos saiu em passadas largas vestido com botas, calças militares e uma camisa preta que moldava seu peito musculoso. Não escapou a ela o simbolismo de sua roupa. Ele ainda estava em modo de combate. Ela abaixou-se ao passar por ele para escolher sandálias para calçar. Escolheu um par com tiras de paetês prateados e saltos baixos. Ela lamentou por seus tênis. Eram espalhafatosos, feitos sob medida e ela duvidava que o sangue seco e a poeira pudessem ser limpos o suficiente para que se sentisse confortável para usá-los novamente.


Dragos liderou o caminho para o andar de baixo. Pia teve que correr para acompanhálo. Rune e Grayson seguiram atrás deles. Olhou em volta tanto quanto podia, enquanto caminhava. Ela se sentiu a deriva. Ela não conhecia a planta da cobertura e não fazia ideia do caminho que tomaram. Eles passaram por um enorme ginásio com equipamentos de ginástica aeróbica, pesos e uma área de treinamento com armas. Ela olhou através das janelas para quatro Wyrs envolvidos em um exercício de treinamento de espada e quase correu para uma parede. A mão de Dragos disparou e corrigiu seu curso. Sua presença era um aríete que limpou o caminho. As pessoas abriram caminho enquanto eles se aproximavam, saudando-o com uma variedade de acenos, reverências e outros gestos de respeito. Ela evitou se concentrar em qualquer um no mar de rostos desconhecidos e seus olhares curiosos. Eles chegaram a uma sala de conferências executiva, ricamente decorada e construída na mesma escala maciça de todo o resto. Um casal de pessoas estava presente. A Relações Públicas da Corporações Cuelebre, a fada Thistle Periwinkle, mantinha uma pose formal, as mãos apoiadas na cintura. Estava vestida com um terninho de seda azul claro e sandálias estilo gladiador. De pé, a não mais do que cinco metros de distância, parecia ainda mais diminuta cercada pelo enorme Wyr. A fada encarava uma parede e falava élfico. A videoconferência já havia começado. Dragos pegou Pia pela mão e caminhou para frente. Olhando com curiosidade para Pia, a fada saiu do caminho. Dragos olhou para a grande tela plana na parede oposta. Rune e Graydon assumiram os lugares atrás deles. Três Elfos altos e esbeltos encheram a tela. Eles estavam em um escritório iluminado pelo sol muito parecido com a sala de conferências. Ferion ficou à direita. Uma graciosa mulher Élfica com um longo cabelo preto e olhar em forma de estrela, ficou à esquerda. O Elfo no meio tinha a mesma beleza atemporal dos outros, mas o poder em seus olhos era palpável, mesmo através da distância da videoconferência. Todos tinham expressões frias enquanto fitavam Dragos. O olhar do Alto Senhor Élfico brilhou. Dragos não se impressionou, sua postura corporal agressiva. Sua face se tornou perigosa e seus olhos se estreitaram maldosamente. Tudo bem. Talvez esta não tenha sido uma boa idéia. O Alto Senhor Élfico olhou para ela e a primavera tomou seu elegante rosto frio como o inverno. "Vemos que Ferion não exagerou", disse ele numa voz profunda e musical. Ele inclinou a cabeça para ela. "Minha senhora, é um prazer muito grande conhecê-la. Eu sou Calondir e esta é a minha companheira, a senhora Beluviel". Um delicado tremor apareceu sob sua pele. O senso de estar exposta estava de volta, mas desta vez foi insuportável. De toda uma longa série de más ideias, fazer essa videoconferência na frente de testemunhas foi a cereja do bolo. Dragos apertou seus dedos a ponto de doerem. Ela tomou uma respiração profunda. Era tarde demais para voltar atrás. Podia ver muito bem que ainda poderia foder mais alguém. "Estou honrada em conhecê-los", disse ela. "Por favor, me perdoem. Eu não tenho nenhuma experiência em Tribunais Formais". A mulher Élfica sorriu para ela. “Essas coisas contam como nada, comparadas com um bom coração". Dragos disse: "Vocês queriam ver se ela estava bem. Ela está. Pronto". "Espere! Queremos ouvir isso dela", Calondir disse friamente. O Alto Senhor Élfico olhou para Pia. "Senhora, você está bem?" Ela olhou para o perfil frio e duro de Dragos e depois de volta para os Elfos. Ela falou num impulso: "Estou sendo tratada com extraordinária graciosidade, meu senhor. Mesmo que eu não quisesse, eu realmente cometi um crime. Dragos ouviu as circunstância do que aconteceu e o que me obrigou. Ele escolheu me perdoar. Peço respeitosamente que considerem fazer o mesmo por ele. Nenhum mal chegou a vocês por suas ações, mas um grande mal chegou até ele por minha causa, o que eu lamento muito".


Algo se agitou através da sala de conferências. Um suspiro de movimento. Dragos virou-se para olhar para ela. O Alto Senhor considerou por um longo e sombrio momento. "Pensaremos em suas palavras", disse finalmente. "Se a Grande Besta é capaz de ser bondosa, talvez não possamos fazer menos do que isso". Sentindo-se desagradável, curvou-se para o Alto Senhor Élfico. "Obrigada. Eu prezo isso". "Enquanto isso, nós gostaríamos que você nos visitasse", Beluviel disse. Seus olhos sorridentes estavam calorosos. "Sua presença nos dará muito prazer. Gostaríamos de conversar com você sobre... bem, coisas de muito tempo atrás". Pia compreendeu que Beluviel tinha conhecido e amado sua mãe. Seus olhos embaçaram e ela assentiu. Dragos adiantou-se e puxou-a para trás. O gesto foi equivocadamente possessivo. Mesmo através da visão limitada atrás de seu ombro, ela podia ver que os Elfos tinham enrijecido. "Pare com isso. Qual é o seu problema?", sussurrou para ele. Ele estava desfazendo todo o bem que ela tentava fazer para ele. Ela empurrou-o pelo braço. Era como tentar mover uma rocha. Ele se voltou para olhar para ela. Ela se inclinou para olhar em torno dele e prometeu aos Elfos: "Falarei com ele". O Alto Senhor Élfico levantou as sobrancelhas. O rosto de Ferion era a imagem da ofensa. Beluviel olhou assustada. A mulher tinha apenas começado a sorrir quando a tela ficou em branco. Dragos cercou-a. Ele parecia furioso. "Você não visitará os Elfos". "Eu disse que estava indo visitar os Elfos?", ela estourou. "Eu estava sendo educada. Você pode procurar essa palavra algum dia, em um dicionário". Ele olhou ao redor. "Fora". A sala esvaziou. Thistle deu a Pia um sorriso alegre que ia de orelha a orelha, os olhos brilhando. A fada colocou a mão perto da bochecha, os dedos mindinho e polegar abertos, imitando um telefone. "Nós vamos conversar", ela murmurou, enquanto saltava para fora da porta. Pia deu um puxão forte. Dragos se recusou a soltar seu braço. Ela suspirou e colocou a mão sobre os olhos enquanto seus ombros caíam. Ela murmurou para si mesma: "Como cheguei até aqui e o que diabos estou fazendo?" Ao seu lado, Dragos respirou fundo várias vezes. Ela podia sentir o ar em volta dele queimando com o Poder. Ele estava muito zangado com ela, talvez a primeira vez desde a praia. Ele soltou seu braço e começou a andar à sua volta. "Os Elfos sabem mais sobre você do que eu", rosnou em seu ouvido enquanto passava. "Inaceitável. Eles sabem quem era sua mãe. Também inaceitável. Eles querem que você vá morar com eles. Eles são meus inimigos". A exposição, o estresse constante, a incerteza da sua situação presente, tudo se tornou demais. "Tudo o que eu quis, foi tentar te ajudar", ela explodiu. Jogou os braços sobre a cabeça e começou a chorar. Ele começou a xingar, um fluxo constante de pungência. Suas mãos pousaram em seus ombros. Ela se afastou e virou as costas para ele. Seus braços vieram em torno dela por trás. Ele a puxou contra seu corpo, curvando-se em torno dela, abaixando a cabeça ao lado da sua. "Shh", ele disse, parecendo ainda irritado. "Pare agora. Acalme-se". Ela chorou mais e encolheu os ombros, resistindo ao seu abraço. Seu corpo a apertou. Ele disse: "Pia, por favor, não se afaste de mim." Ele parecia tenso. Ele capturou sua atenção, então ela deixou que ele a virasse. Ele se encostou na mesa de conferências, abaixou seus braços e segurou-a firmemente. Ela inclinou seu corpo contra o dele e descansou a cabeça em seu ombro. "Eu não deveria contar a ninguém nada sobre mim", ela disse. As lágrimas escorriam por seu rosto e encharcavam a camisa dele. "Supostamente, era para eu viver a minha vida em segredo. Mas eu não quero ficar sozinha. Tudo o que eu disse foi um único maldito segredo e isso virou uma bola de neve. Primeiro Keith, depois você, depois os Elfos, depois os Goblins, depois o Rei DarkFae, depois os Elfos novamente, todas as


pessoas nesta sala olhando e você só continua cavando e cavando, e não vai parar até que eu sinta que vou gritar." Ele descansou a bochecha contra sua cabeça e afagou suas costas. "Eu sou amaldiçoado por uma curiosidade em estado terminal", ele disse. "Eu sou ciumento, egoísta, ganancioso, territorial e possessivo. Eu tenho um temperamento terrível e sei que posso ser um filho da puta cruel". Ele ergueu a cabeça. "Eu costumava comer pessoas, você sabe." Se ele queria chocá-la para que ela parasse de chorar, conseguiu. Um bufar explodiu dela. "Isso é horrível", disse ela. Seu nariz estava entupido. “Quero dizer, isso é horrível. Não é engraçado. Eu não estou rindo". Ele suspirou. "Foi há muito tempo atrás. Milhares de anos. Uma vez, realmente fui a Besta da qual os Elfos me chamaram". Ela fechou os olhos, respirou fundo, estremecendo e passou os dedos ao longo da costura da sua camisa. "O que fez você parar?" "Eu tive uma conversa com alguém. Foi uma epifania". Sua voz era triste. Ele a balançou. "A partir deste momento eu jurei que nunca iria comer algo que pudesse falar". "Ei, essa é a sua versão de virar vegetariano, não é?", ela disse. Ele riu. "Eu acho que talvez seja. Tudo isso é uma longa forma indireta de dizer que eu sinto muito. Nem sempre eu capto as nuances emocionais de uma situação e eu não tive a intenção de te fazer chorar." "É tudo, não é só você." Ela virou a cabeça e colocou o rosto em seu pescoço. Ele segurou-a mais perto. "Eu quero que você confie em mim, mais do que confiou naquele idiota do seu namorado." "Quando é que você vai esquecer isso? Ex-namorado. Ex. E de qualquer maneira, ele está morto." "Eu quero que você me diga o que, e quem você é, não só porque eu quero saber, mas porque você quer me dizer". "Por quê?", ela sussurrou. "Porque você é minha", ele estourou. "Eu não sou apenas uma posse, como você possui uma lâmpada." Ela se afastou e olhou para ele. Ele só olhou de volta para ela, o rosto duro e os olhos sem remorso. Ela suspirou. "Eu acho que essa é a parte territorial e possessiva, não é? Você sabe, eu não quero brigar com você." Como qualquer predador eficiente, ele sentiu o cheiro da fraqueza e agiu sobre ele. "Então, não brigue", disse ele. Ele deu um sorriso persuasivo. "Apenas me dê tudo o que eu quero." Ela gemeu e deixou a cabeça cair para trás. Ela olhou para o teto. Ela teve que conceder-lhe muito respeito. Pelo menos, ele estava todo à mostra, nada escondido. Ele estava em pé, de frente com o que ele era e o que queria. E ele não tinha vergonha de um único pedaço dele. Não como ela. "Eu acho que tenho muito que pensar," disse ela. Mesmo quando desfrutou olhando a linha pura e limpa de sua garganta, franziu a testa. Isso não era o que ele queria ouvir. Ele segurou a parte de trás da sua cabeça e puxou-a de pé para que pudesse olhar em seus olhos. Eles estavam encharcados de um escuro azul violeta, maiores e mais belos do que nunca. Ela olhou de volta para ele, esperando para ver o que ele faria em seguida. Isso não era o que ele queria também. Lá estava ela, dentro de sua pele, mais misteriosa para ele do que nunca. Ela o estava deixando louco. A curiosidade tomou conta dele e sem perceber que estava dando um passo importante, ele perguntou: "O que você quer?" A surpresa iluminou seu rosto. Ela inclinou a cabeça e sorriu para ele. Será que ela se atreveria e teria o tipo de coragem que ele teve e simplesmente diria o que queria em voz alta? "Eu acho que eu quero o que muitas pessoas querem. Eu quero me sentir


segura," ela disse, levantando um ombro. "Eu quero ter opinião na minha própria vida. Eu quero ser amada. Eu não quero viver esta meia vida, não sendo humana nem Wyr. Eu queria ser uma coisa ou outra. Eu quero pertencer a algum lugar." Ele tinha uma expressão estranha, concentrada em seu rosto enquanto a ouvia. Seus olhos estavam abertos e aceitando de uma forma que ela nunca pensou que tivesse experimentado antes com qualquer outra pessoa. "Eu não sei o que o amor significa", disse ele. "Mas você pertence a algum lugar. Seu lugar é aqui, comigo. Eu vou te manter segura. E eu acho que você pode ser mais Wyr do que você pensa." Ela franziu o cenho. "O que você quer dizer?" "Você está mais forte desde que nós estivemos em Outra terra. Eu posso sentir em você." Seus olhos se estreitaram. "Você não notou?" "Bem, sim, agora que você mencionou." Ela deu uma risada. "Quer dizer, eu tenho estado muito ocupada processando tudo o que aconteceu, mas eu ainda me sinto como eu me senti lá - eu não sei, mais viva. Minha audição, minha visão, tudo é ... mais!” "Você não estava certa de que poderia me curar", ele disse, como já havia dito antes. "E talvez você não pudesse, um par de semanas atrás. Lembra que eu falei que isso podia acontecer com alguns mestiços, quando elas imergem na mágica da Outra terra. Às vezes a magia desencadeia uma reação e eles são capazes de ir plenamente para sua natureza Wyr." Ela agarrou um punhado de sua camisa. Poderia ser verdade o que ele estava dizendo? Ele cobriu as mãos dela com as suas, olhando-a. "Quanto tempo se passou desde a última vez que tentou mudar?" "Anos atrás", ela sussurrou. Seus olhos deslocaram quando ela voltou no tempo. "Após a puberdade. Foi antes da minha mãe morrer. Eu acho que eu tinha dezesseis anos. Nós tentamos a cada seis meses ou mais. Uma vez que eu era adulta, clinicamente falando, nós decidimos que não havia mais nenhum ponto a colocar em nenhum de nós. Ela estava bem, me amava, não importava o porque. Mas eu continuava a ficar decepcionada quando eu não conseguia mudar." Ele tocou seu nariz. "Dezesseis é uma idade muito jovem para desistir. A maioria dos Wyr tem uma vida muito mais abrangente do que os seres humanos, mesmo os Wyr mortais, eles amadurecem numa idade mais tardia. Ela mal se atrevia a respirar. "Eu não sei o que pensar." "Eu não posso te fazer promessa nenhuma", disse a ela. “Mas através do tempo, eu ajudei um monte de Wyrkind através da difícil primeira mudança. Se você quiser tentar de novo e confiar em mim, eu farei tudo que puder para ajudá-la”.


Treze

Ela jogou os braços ao redor dele, abraçando-o com força. Em seguida, ela se afastou e começou a andar em círculo, sua mente acelerada. Ela se atirou para ele e abraçouo novamente. Ele riu e agarrou-a pelos quadris para segurá-la em um só lugar. "Você me ouviu quando eu disse que não posso fazer quaisquer promessas?" Ele exigiu. "Sim, claro que sim", disse ela, distraída. Ela se concentrou nele, com o rosto grave. Se funcionasse, ela seria caçada pelo resto de sua vida. Mas, da forma como a sua vida estava parecendo uma espiral fora de controle, ela seria caçada do mesmo jeito. "Tudo bem, então." Ele fez uma pausa. "Pense sobre isso. Deixe-me saber o que você decidiu." Ela assentiu com a cabeça. Ele a beijou, acariciando sua bochecha. Então, ele marchou até a porta e a abriu. Aglomerados de pessoas conversando no hall explodiram, pedido por atenção. "Quem precisa estar aqui?", ele questionou. A maioria se dispersou como chumbo grosso. Algumas de suas sentinelas, incluindo Rune e Graydon, permaneceram. Pia limpou seu rosto com sua manga numa vã tentativa para fazer-se mais apresentável. A fada RP das Empresas Cuelebre, deslizou em torno de Dragos e entrou na sala de conferência, enquanto ele falava para os outros. Radiante, ela saltou sobre Pia. "Oi! Uau, eu estou satisfeita em conhecê-la." Surpresa, Pia pegou a mãozinha da fada presa debaixo de seu nariz. "Olá, obrigada. Você é Thistle Periwinkle, certo?" "Oh, por favor," a fada gemeu. "Esse é o meu estúpido nome da TV. Não me chame assim. Me chame de Tricks, como todo mundo". "Tudo bem. . . Tricks. Eu sou Pia."Ela sorriu. Embora ela nunca tivesse se importado com a fada em suas aparições na televisão, era difícil não sorrir para este pacote compacto de exuberância. "Olha, eu sei que não temos muito tempo." Tricks acenou com as mãos. "Estou ocupada, você está ocupada, todo mundo está ocupado. Entretanto, eu tenho muito para dizer a você,” "Tudo bem", disse Pia ela. "Manda bala." "Primeiro, eu sinto muito pelo que meu tio Urien fez para vocês. Eu o odeio, ele matou a minha família e nós vamos lhe cortar a cabeça, e então eu tenho que ser Rainha, mas antes que isso aconteça, vamos fazer o almoço, ok?" Pia sentiu como se a fada tivesse pulado em sua cabeça e começado a sapatear nela. Ela disse: "Você está falando sério?" "Como um ataque cardíaco", disse-lhe Tricks. "E eu queria dizer que você fez um ótimo trabalho com o Sr. e Sra. Eu-Mantenho-Minha-Dignidade-Presa-Em-MinhaBunda. Realmente um ótimo trabalho." Pia desatou a rir. "Você está falando sobre os Elfos?” Tricks piscou e franziu seu nariz sardento. "É claro. Você quer um emprego?" "O quê?" "Eu preciso contratar alguém para tomar conta do meu trabalho de RP, com o assassinato próximo e assumindo o trono e tudo, eu acho que você seria ótima. Oh,não importa, nós não temos tempo para falar sobre isso agora. Nós vamos falar sobre isso ao longo do almoço."A fada olhou por cima do ombro. Ela fez um V com os primeiro e segundo dedos de ambas as mãos e acenou-lhes como o Presidente Nixon. "Mais duas realmente rápido. Hum, só para você saber, não é todo mundo que está feliz por você estar aqui. Um monte de gente é grande, quero dizer, você sabe, do jeito Wyr de ser, mas também há algumas pessoas que eu acho que são personagens


perigosos e desagradáveis. Não que eu esteja falando de nada específico, só...Há uma grande quantidade de predadores que trabalham aqui. Isso significa que há algumas cabeças realmente muito quentes e algumas vezes, as coisas explodem sem muito aviso, assim você só vai querer tomar cuidado com você mesma." "Predadores, cabeças quentes", disse Pia, observando a fada com fascinação. "Certo. Eu acho que eu realmente quero almoçar com você." "Claro que quer!" Tricks disse. Ela baixou a voz em um sussurro. "E por último, mas não menos importante. Dragos? Oh meu Deus, ele está tão caído por você!" Ela riu. "Eu tenho vivido na Corte Wyr por 200 anos e eu nunca o tinha visto desta forma. Todo mundo está assustado porque ninguém jamais o viu desta forma, nem mesmo pessoas que são muito mais velhos que eu. Então, você sabe, ele é um homem e tudo aquilo, eu sei que isso significa que ele tem problemas de comunicação, mas Uau, docinho, ele é tão quente que esfumaça sem nem mesmo ter que acender, se você sabe o que quero dizer, então. . . jeito de ser, minha mãe!" A fada riu de novo e estendeu a mão para uma colisão do punho. "Ok, é isso que eu queria dizer." Ela sorriu para Pia. "Almoço hoje, uma hora, entendeu?" "Entendi." Pia disse em uma voz atordoada enquanto ela batia com o punho na mãozinha estendida para ela. Dragos, caído por ela? Realmente caído por ela? Não somente tendo uma aventura sexual? Não somente tendo um ataque possessivo? Oh Deus, eu espero que sim. Não espero? Espero? Ela mordeu o lábio. "Tenho que ir." Tricks piscou para ela e saltou para fora assim que Dragos, Rune e Graydon recuaram para dentro. A fada bateu no braço de Rune. "Tenha certeza de que Pia esteja em meu escritório à 1h, ouviu?” "Eu pareço uma secretária social?" Rune disse. Os olhos de Tricks se estreitaram eo bom humor que ela tinha mostrado a Pia desapareceu, como se nunca tivesse existido. Ela apontou para seu próprio rosto. "Pareço me importar agora? Eu tenho um milhão de coisas para fazer antes de ir, por isso não me dê nenhuma dor." Rune riu e deu-lhe um abraço de um braço só. "Eu sinto muito, insignificante. Eu sei que você está tendo uma semana difícil." Tricks reajustou o objetivo de seu dedo e apontou para Rune. "Sim, bem, não me faça vir encontrar você também." Ela disparou para fora, os saltos pequenos clicando no corredor. "Você me parece em estado de choque, olhando para ela, amante", disse Dragos para Pia com um sorriso preguiçoso. Ele atravessou a sala para beijá-la. "Tricks tende a ter esse efeito nas pessoas. " "Eu acho". O sorriso de Pia era incerto. "Quando ela está em sua fase maníaca, ela é um pouco como se ela quisesse nos quebrar, já da primeira vez,” disse Rune. Ele piscou para eles, seu rosto suave. "Não que eu queira saber como isso seria." "Certo", Dragos disse em uma voz enérgica. "Eu tenho coisas para fazer, Tiago para conversar, uma decapitação a planejar." Ele olhou para ela. "Você está bem?" Ela sorriu para ele de novo, com mais certeza. "Sim". "Bom". Ele fez uma pausa. "Obrigado pelo que fez na teleconferência." "Não há de quê." Ele olhou para Rune e Graydon. "Ela é livre para fazer o que ela quiser. Entenderam?" Graydon olhou para os seus pés com uma longa expressão sofrida e esfregou a parte de trás do seu pescoço. Rune franziu os lábios e disse: "Dragos, isso poderia ser chamado de. . . muita consideração tática. Você não acha que seria mais sábio restringir seus movimentos? " “Por que eles estão falando sobre ela na terceira pessoa enquanto ela está bem aqui na sala?", Disse ela em um murmúrio ressentido. Olhos quentes e dourados encontraram os dela. Era sua imaginação ou que seus lábios se apertaram com algum tipo de emoção reprimida? Então ele se virou para dar um sorriso afiado, para Rune. "Foda-se", disse Dragos "Eu não sou o chefe dela."


Ele marchou para fora. A sala de conferências parecia escurecer e expandir-se na ausência de sua presença nuclear. Então Pia ficou de pé, olhando para ela, dois enormes, impassíveis guardas. Oh, menino. "Srta. Giovanni," Rune disse em uma voz suave, enquanto olhava para um ponto além do seu ombro esquerdo. "Para sua comodidade e prazer, Dragos enviou um assistente pessoal de compras para atendê-la, hoje. Ele dever estar chegando a qualquer minuto." Piaolhoupara o Grifo.Ela se virou, empurrou a cadeira até o final da mesa de conferência e se afundou nela. Ela achatou suas mãos pelasuperfície polida. Roupas farfalharam, como se alguém houvesses se deslocadoatrás dela. Okay. Ela assentiu com a cabeça. Okay. "Vocês poderiam se sentar, por favor?", ela perguntou. Depois de um momento, Rune tomou o assento à sua direita e esparramou seus longos membros para fora. Graydon tomou o assento à sua esquerda. Os dois homens trocaram um olhar. Ela apostava que estavam se perguntando o que ela ia fazer a seguir. Ela estava meio que se perguntando a mesma coisa. Suas unhas estavam lascadas. Ela esfregou na borda irregular de seu dedo indicador direito. Nuncahaviatempo suficienteem um dia. "Então," ela disse em uma voz calma enquanto olhava para suas mãos "esta atitude bajuladora passivo-agressiva está funcionando para você, almofadinha? Porque eu tenho que lhe dizer, não está funcionando para mim. Na última semana e meia, mais ou menos, eu fui chantageada, perseguida, ameaçada, estive em um acidente de carro no qual eu teria virado um hambúrguer, se não fosse por seu chefe, sequestrada, espancada e perseguida novamente. Eu estive em um confronto com um exército Goblin, o Rei Faee 40 ou 50 de seus caras favoritos, qualquer que seja a vida que eu tinha, ela foi destruída." Ela ouviu Runeinspirar. Ela disse: "Eu não terminei ainda. Eu também estou cheiaaté os olhos com o comportamento machista e autocrático desde que Dragosapareceu. Só para vocês entenderem quando eu digo que estou com pouca paciência agora. Eu entendo que vocês não querem ser minhas babás. Vocês deixaram isso bem claro, em alto e bom tom. Eu não quero isso também, mas é o que é. Então, podemos fazer isso da maneira fácil, ou temos que fazer da maneira difícil? Eu estou tentando ser legal, mas eu não tenho absolutamente nenhum problema em fazer da maneira difícil, se é issorealmente o que vocês querem." Ela olhou para os dois homens. Graydontinha colocado os cotovelos sobre a mesa. Ele estava olhando para ela. Pela primeira vez, ela percebeu que ele tinha bonitos olhos cinzentos, como ardósia. Ela não viu a aceitação em seu rosto enrugado, mas pelo menos não era mais rejeição. Rune tinha cruzado os braços sobre o peito e estreitado seu olhar sobre ela. "Almofadinha", Graydon disse. "Ela te pegou com essa, meu homem." "Foda-se", disse Rune. "Acredite ou não", Graydon disse a ela, "ele é o único diplomático do grupo. Dragoso envia para resolver todo tipo de merda bajuladora passiva-agressiva." Rune inclinou-se para frente e plantou os cotovelos sobre a mesa. "Cale-se, idiota." Ela mordeu o lábio e se recusou a sorrir. Rune olhou para ela. "Ok, Sra. Giovanni, vamos tentar fazer tudo de novo. Vamos ver como vai ser." "Chame-me de Pia". Ele acenou com a cabeça. "Só para você saber, no entanto, faça qualquer coisa para trair Dragos e eu vou estripar você eu mesmo." Ela arredondou os olhos. "Uau, almofadinha, isso faz de nós praticamente „melhores amigos para sempre‟, né?" Graydon explodiu. Depois de um momento, Rune sorriu abertamente também. "Tudo bem Pia", disse ele. "O que você gostaria de fazer hoje?"


Ela considerou ele. "Nós já sabemos que eu encontrarei Tricks para almoço. O que você acha que eu deveria fazer?" Isso deve ter sido a coisa certa a dizer, porque ambos os homens relaxaram. "Bem, já que você pergunta," ele disse, "a coisa mais segura seria você ficar na cobertura." Ela suspirou. Ele continuou: "Mas eu posso ver como isso nãoa agrada. Próxima melhor coisa, ficar na Torre. Vamos seguir as ordens e levá-la para fora se você realmente quiser ir, mas eu não acho que é uma boa idéia agora e para ser franco, eu não acho que Dragosache também." Ela virou-se, pensativa. A breve luta de Dragos com algo, não tinha sido apenas sua imaginação. Ele tinha freado seus próprios impulsos e opiniões para permitir a ela pelo menos alguma liberdade de escolha. Rune continuou: "Além disso, ainda hoje eu gostaria de ir para a academia e discorrer sobre algumas dicas de segurança com você." Ela se focou novamente nele e balançou a cabeça. "Tudo bem. Tenho tido aulas que devem ajudar com isso." "Eu sei sobre as suas aulas, Cardio Kickboxing”, disse Graydon. "Turbo Dance. Eu assisto aos informeciais”. "Você não está ajudando, Gilligan," Rune disse. Ela sorriu. "Que tal isso? Se você não se importa, eu gostaria de um tour à Torre." Os dois concordaram. "Eu também mataria por um café com leite de soja e baunilha do Starbucks,se isso não for muito trabalho. Tem que ter uma cafeteria aqui perto. E eu tenho que ter tênis novos. Os meus ficaram destruídos. Eu tenho cerca de1.200 dólares na minha conta poupança, se eu simplesmente puder chegar até ela. Então, talvez depois de Ticks e eu almoçarmos, poderemos ir para a academia." Rune enfiou a mão no bolso e tirou um cartão. Ele o colocou na mesa e o empurrou para ela, sem dizer uma palavra. Ela olhou. E olhou. Um cartão American Express Centurion Preto. Com o nome dela. Uma meia dúzia de emoções disparou através dela, como um trem em alta velocidade, começando com ofensa. Ele estava tentando pagar por ela, como se ela fosse algum tipo de prostituta? Isso era para mantê-la completamente entretida enquanto ele estava ocupado, até que ele tiver se cansado e decidir se livrar dela? Ela juntou as mãos trêmulas e respirou profundamente, várias vezes, até encontrar um pouco de autocontrole. Conforme ela se acalmava, ela se lembrou do que Trickshavia dito. Dragos era um homem e um dragão, o que significava que ele tinha problemas de comunicação. Diversão foi à última emoção do trem a passar pela estação. Ele freou bruscamente e parou. Dragos não a estava tratando como uma prostituta. Ele estava tentando dar-lhe um tratamento. Os grifos a estavam observando com suas caras de poker. "Esse cartão é tão errado Eu não quero nem falar sobre isso. É meio divertido olhar para ele, mas é errado. "Movendo-o como se o cartão pudesse explodir sobre ela, colocou um dedo em um canto e o empurrou de volta para Rune. "Olha, tudo que quero é algumas centenas de dólares de meu próprio dinheiro, um latte e um calçado novo. Ok?” Rune sorriu um sorriso verdadeiro desta vez enquanto ele e Graydon relaxavam mais. "E se eu lhe emprestar algum dinheiro até que possamos ter acesso a sua conta bancária? Há uma Starbucks no piso térreo, junto com algumas outras lojas, um CVS e um restaurante decente.” "Tudo bem, obrigado." Só então um homem delgado, de cabelos escuros desatou a tagarelar para dentro da sala de conferência. Ele era o assistente pessoal de compras, um vison-Wyr chamado Stanford. "Oi, amiga, é bom conhecê-la. Olha o que eu tenho para você. Uma camisola preta de cetim Dolce&Gabbana, ooh, ela vai ficar tão deslumbrante com o seu cabelo e tom de pele." Ele colocou uma caixa da Saksda 5ª. Avenida, na frente dela, abriu-a


e, com um movimento dramático de seu pulso, sacudiu a peça. "Vá em frente esinta isso, querida. “É divina”. Pia ouviu a tagarelice incessante do Wyr. Ela olhou para a camisola. DaSaks. Ela pressionou os dedos contra a pele sobre a sobrancelha direita, onde uma dor de cabeça estava começando a pulsar. Ela perguntou: "Olá, prazer em conhecê-lo também. Stanford, quanto custou isso?" O assistente olhou para ela como se nela tivessem brotados chifres. "Custou?" "E por que você a pegou para mim? Eu já tenho uma boa camisola." Graydon limpou a garganta. Ele bateu em seu braço. Ela se inclinou e ele sussurrou: "Eu acho que o chefe quer que você tenha algo que é mais do que um pedacinho de rosa, que mal cobre o seu rabo. Não me interprete mal. É uma bunda adorável." Ela deu um pulo para trás e olhou para o Grifo. "Desculpe-me?" As enormes bochechas do homem escureceram. Ele levantou um dedo. "Não que eu quisesse dizer isso ou notar ou qualquer coisa. Foda-se. Quero dizer, eu entendo sobre o cartão, mas se eu fosse você, eu consideraria deixar o patrão dar-lhe uma camisola. Você sabe, porque às vezes as coisas acontecem e nós os caras aparecemos sem nenhum aviso. E eu não acho que ele se sente bem, com a possibilidade de você ser vista enrolada naquele pequeno e fofo lenço rosa.” Ela apertou os dentes. Depois de um momento ela disse para Stanford, "Obrigado por comprar-me a camisola. É muito bonita." O Wyrvison inchou. "É isso aí, garota, agora estamos nos entendendo. Vamos descer e fazer umas compras sérias. Você e eu, amiga. Eu vou ajudá-la a parecer como uma rainha!" "Stanford", disse ela, dirigindo-se para o pequeno homem. "Você é pago em comissão ou de hora em hora?" Suas narinas se comprimiram e ele balançou a cabeça. "Oh, eu trabalho por comissão, querida. Unh-unh”. Ela se virou para Rune. "Tem algum dinheiro para me emprestar agora?" Ele sacou a carteira e entregou-lhe uma nota de cem dólares. "Posso ter o cartão de volta também?" Ele levantou uma sobrancelha castanha amarelada e entregou-lhe o cartão Centurion. Ela se virou para Stanford e deu-lhe o dinheiro e o cartão. "Eu quero duas coisas, por favor. Primeiro, eu quero que você pegue o dinheiro e me compre um par do tênis New Balance, tamanho 36 e me traga aqui, com o troco. Depois de fazer isso, eu quero que você pegue o cartão e reponha o estoque de todos os bancos de alimentos de Nova York." O pequeno homem empalideceu. "Cada banco de alimentos? Na cidade ou no estado?” Sua boca caiu aberta. "Eu não tinha pensado nisso. Vamos fazer cada um no estado. Quanto tempo você pode estar de volta com os tênis?" "Eu os trarei para você esta tarde", disse Stanford. Seu rosto havia se entristecido. "Obrigada." Ela olhou para Rune, língua entre os dentes. "Ele disse que eu teria qualquer coisa que quisesse." O grifo sorriu. "Ele disse, não disse?" Eles se levantaram enquanto Stanford saia discretamente e os dois grifos a levaram em uma excursão pela Torre, como prometido. Eles tinham relaxado o suficiente para conversar, o quefez tudo mais suportável. Ela teve uma noção geral do layout com rapidez suficiente. O andar da cobertura alojava os aposentos privados de Dragos. A pintura que tinha roubado sua atenção na noite anterior era de fato um Chagall e estava fixada no hall em frente a um Kandinsky. Além da suíte que ocuparam na noite anterior, havia duas outras, uma das quais estava envolta em pesado plástico de construção, com obras que estavam sendo feitas sob a estreita supervisão de guardas de segurança. A cozinha da cobertura parecia algo saído de uma revista de cozinha profissional. Ficava ao lado de uma sala de jantar que poderia acomodar 12 grandes Wyr com conforto.


Havia uma extensa biblioteca com duas clarabóias, mobiliada com móveis surrados e confortáveis de couro e com mais de 20 mil volumes sobre uma grande variedade deassuntos. A biblioteca também tinha uma caixa de vidro que abrigava os mais velhose mais frágeis livros. A sala de estar era como a suíte deles, com uma parede que tinha janelas que iam até o teto, intercaladas com portas Francesas. Tinha dois televisores de plasma de 50 polegadas em cada extremidade da sala, várias áreas de estar com sofás e cadeiras e um bar que era comparável em tamanho ao do Elfie‟s. Somente sentinelas e empregados domésticos, seguranças e de cozinha, selecionados tinham acesso ao andar da cobertura. O próximo andar abaixoacomodava as enormes áreas comunitárias para o pessoal chave, como a sala de jantar executivo, a sala de teleconferência, o ginásio e área de treinamento, os escritórios pessoais de Dragos e uma grande sala de reunião. Abaixo disso, ficavam os alojamentos das sentinelas e certos oficiais executivos, da Corte e convidados de outros territórios Élficos. Então o resto da Torre era tomada por escritórios - assuntos corporativos internacionais, domésticos,Wyrkind e Élfico. Dois andares foram dedicados a escritórios de advocacia. Uma empresa de lei inteira trabalhava para as Empresas Cuelebresobre qualquer coisa, desde a legislação corporativa internacional para as relações Elfico-humana, como assuntos que surgissem entre as comunidades Elfica tais como as sanções comercias Élficas impostas no território Wyrkind. O escritório de advocacia litigava assuntos na frente de um tribunal Élfico, que era composto por representantes dos sete territórios, tanto quanto das Nações Unidas humanas, que ouviam e estabeleciam disputas legais. A riqueza, a extravagância da Torre, com piso de mármore Turco com veios dourados, luminárias de vidro fosco e brilhante e detalhes em latão polido, foi uma proclamação arquitetônica maciça do dinheiro e do poder de Cuelebre. Ela pensou na Cidade Proibida, Versalhes, templos para deuses Egípcios. Não tão alta como o histórico 102Empire State Building, este edifício não era menos que um palácio em uma cidade que adorava o deus do comércio. No centro do átrio da Torre, no piso térreo, havia uma escultura do século III que se levantava sobre as cabeças dos pedestres. Uma irmã intacta para o danificado Vitória Alada de Samotrácia, exposto no Museu do Louvre, a escultura capturou uma linda e poderosa deusa, com um rosto severo. Ela estava envolta em túnicas, com suas asas grandes que varriam alto no ar atrás dela. Ela segurava uma espada em uma das mãos, enquanto a outra segurava sua boca enquanto ela emitia um grito de guerra para as tropas invisíveis. A estátua era da Grécia antiga, mas a inscrição no moderno pedestal era em Latim, muito simples. REGNARE. Para reinar. Ela chegou ao seu limite, quando alcançaram o térreo e estava extremamente grataem conseguir seu café com leite de soja e aquele chute de cafeína. Graydon pegou um mocha grande, Rune,um café preto gelado. Os homens pediram uma dúzia de bolos e sanduíches diversos. Em seguida, eles escolheram uma mesa de canto. Embora suas maneiras estivessem descontraídas e casuais, Rune e Graydonangularam suas cadeiras para que eles pudessem manter um olho sobre o resto do Starbucks. Eles também podiam assistir ao tráfego em geral no piso térreo, através das janelas. Pia chutou um pé enquanto bebia o seu café com leite. Ela tentou não encarar muito o quão rápido a montanha de alimentos desaparecia entre os dois homens. Ela disse: "As pessoas usam palavras como „império‟, mas é impossível entender, a menos que você tenha a chance de ver tudo isso em pessoa." "Dragos é aquele que fez isso", disse Rune enquanto ele arrasava um pedaço de bolo de cenoura. "Cerca de 1.500 anos atrás, ele percebeu que os Wyr tinhamquese unir e formar a nossa própria sociedade. Era a única maneira de proteger a nossa própria


identidade e interesses, como as sociedades humanas e outras raças Élficas desenvolveram." "Sim, aquele dragão é um desagradável filho da puta,", Graydon riu. "Eu não acho que ninguém mais poderia ter feito isso. Ele uniu os imortais com os mortais, enfiou suas leis por nossas goelas abaixo e chutou os nossos traseiros de predador de maneira dura e por tempo suficiente, até que todos nós começamos a nos comportar. Tivemos que fazê-lo ou morrer. Foram anos sangrentos aqueles do começo." "Parece muito feudal", disse ela. Ela esfregou o dedo ao redor da borda da tampa do café. "Não apenas parece feudal", disse Rune. "É feudal. Eu não acho que haja alguma outra maneira de executar as coisas. Um monte de Wyr são criaturas pacíficas, como Stanford, que não tem nenhum problema em se misturar com a sociedade humana. Muitos precisam saber que terão sua merda de vida arrancada deles, se eles não seguirem as regras. O mundo ficou pequeno demais para qualquer outra coisa." "Isso é o que vocês fazem, não é? Quero dizer, quando vocês não estão de babá." "Cada um dos quatro grifos comandam as forças Wyr, que patrulham um quadrante do território Wyr", disse Graydon. "Nós somos uma espécie de chefe de polícia. Mas algumas vezes, somos designados para cuidar dos detalhes antes.” Ele bateu nela com o ombro. "Você não é tão especial, boneca." Ela se recostou com um sorriso. "Obrigado, eu me sinto muito melhor agora." Nesse momento, o relógio de pulso de Rune tocou. Ele apertou um botão para silenciá-lo. "É a hora do seu almoço. Hora de nos dirigirmos ao escritório da Tricks, agora," ele disse enquanto se levantava. Conforme eles entraram no elevador, os homens conversavam entre si, com a facilidade de uma longa amizade. Pia ficou em silêncio enquanto considerava seu próximo encontro, o almoço com a Tricks. Ela se virou para encarar o reflexo no fundo espelhado do elevador. Como sua camisola cor de rosa, as calças jeans eram da Target e ela tinha aparado seu próprio cabelo. O terninho de seda da Trickstinha as linhas clássicas de um designer famoso, como Ralph Lauren ou Dior e suas elegantes sandálias em estilo gladiador, provavelmente custavam tanto quanto um bom carro usado. E quão louco foifalar com a fada sobre um trabalho tão implacavelmente famoso e público? Mesmo que a posição fosse oferecida a ela, não poderia pegá-la. Engraçado, como ela não tinha notado essas coisas antes, quando estava conversando com Tricks. Auto-consciente, elapuxoua cintura da calça jeans e alisou o cabelo para trás enquanto ela tentava pensar em maneiras graciosas para escapar da conversa que estava por vir. Ela virou-se para frente de novo, junto com os dois grifos quando se aproximavam do septuagésimo nono andar. As portas se abriram para revelar Trickscorrendo em direção a eles, com os pequenos punhos cerrados e o doce rosto de duende transformado com fúria. A fada saltou de uma esquina e pressionou-se de voltacontra a parede, sua atenção claramente focada na sala atrás dela. Pia deslizou um olhar incerto de Rune para Graydon. Os dois grifos trocaram um olhar. Em um movimento aparentemente casual, Runesegurou o braço dela, silenciosamente a apressando em direção a uma esquina, enquanto ele pressionava o botão para abrir a porta e segurar o elevador. Graydoncolocou a mãonaarma, emseulado. Grudado nos calcanhares da fada, explodiu o Índio Americano macho que Pia tinha percebido no grupo de sentinelas saudando o retorno de Dragos a Nova York. Com 1,95m e uns 110 kg, com tatuagens de arame farpados circundando grossos e musculosos bíceps e redemoinhos raspados em cabelos negros curtos, o macho Wyrnão era uma visão menos assustadora em plena luz do dia, como ele tinha sido à noite. Seu rosto parecia como se tivesse sido cortado com um machado. Um trovão ressoou na distância. As sobrancelhas de Graydon subiram. Ou não percebendo ou não se importando com a sua presença, o macho investiu pelo corredor, na esquina. Tricks saiu de trás dele e bateu-lhe com a mão plana na parte de trás de sua cabeça.


O Índio Americano girou sobre um calcanhar com velocidade estonteante. Ele agarrou Tricks pelos ombros e sustentou-a para que ela era ficasse cara a cara com ele. Pia fez um barulho involuntário. Instinto assumiu e tentou avançar, fazer algo para ajudar a fada delicada. A mão de Runeapertou-lhe o braço, ancorando-a no lugar. Ele sussurrou: "Não quando há trovão no ar." O que diabos isso significa? Tricks gritou à queima-roupa no rosto irritado do macho Wyr, "Estou farta até aqui desse lixo de teimosia e mau humor. Tiago! Agradeço-lhe por se lembrar de que o meu nome não é 'Tricks maldição‟ ou „Maldito seja, Tricks‟. Doravante essas frases são contra a lei, quando você gritar comigo novamente, é melhor que a próxima coisa a sair de sua boca seja “Maldição, senhora'!" Por um momento palpitante eles olharam um para o outro. Então a raiva no rosto de Tiago estilhaçou. "'A partir de agora?'", Disse. Ele começou a rir. "Você está brincando, certo?" Ela o chutou na canela. "Não se atreva a rir de mim!" Ele riu mais ainda, o cruel assassino com cara cortada a machado, transformou-se em um homem bonito. "Mas você fica tão bonita quando você está louca. Veja só você. As pontas de suas orelhas ficaram rosa." Assim comoa raiva do macho Wyr se dissipou, a fada parecia comprimir, até mesmo vibrar, agora com mais fúria. "Coisa errada a dizer, idiota", disparou ela. Ela recuou o punho e o plantou em seu olho. A risada de Tiago soluçou. "Au." Ele colocou a mão sobre o olho e olhou para ela. "Tenha todos os chiliques que quiser – você ainda não estará deixando Nova York sem o detalhe de um segurança Wyr.". A algum sinal não dito que ela não conseguiu captar, Rune e Graydon relaxaram. A mão de Graydoncaiu de sua arma, como Rune soltou o braço de Pia. Ela olhou para ele e esfregou o local, apesar de ele ter sido bastante cuidadoso para não causar-lhe desconforto. Ela seguiu os grifos conforme eles saíram do elevador. "Tiago," Tricks disse, soando severamente tentada. "Primeiro de tudo, Urien ainda não está morto." "Dou uma semana", disse Tiago. "Em segundo lugar," a fada continuou, "depois que ele estiver morto, Dragos e eu já decidimos que não haverá Wyr permitido quando eu me for. O DarkFae nunca aceitaria a presença de uma força Wyr, e se qualquer um dos outros territórios sequer suspeitar que os Wyr estão tentando controlar a sucessão do DarkFae será como merda jogada no ventilador." "Isso é suicida", disse Tiago categoricamente. Ele cruzou os braços, músculos grossos se encolhendo. "E isso não vai acontecer." "Terceiro," Tricks continuou, com os dentes cerrados, "Eu serei a Rainha. É o jogo de tesoura-papel-pedra. Rainha ganha de guerreiro Wyr idiota. Eu entendo que você está acostumado a comandar seu próprio exército, correndo por aí e matando coisas e fazendo o que diabos você quer. Isso não acontece emNova York, isso não acontece ao meu redor. Supere isso ou vá para casa. Se você tem uma casa. Se você ainda mora em uma casa." Tiago fez uma careta. "Eu moro em uma casa quando tenho tempo." Runeavançou, exigente, "Quando você e Dragos decidiram que você deixaria Nova York sem um guarda-costas Wyr?" A fada lhe lançou um olhar incomodado. "Nós discutimos sobre isso esta manhã." Graydon juntou-se ao triângulo. "Doce, eu acho que devemos rever essa decisão. Vai ser um inferno de um choque quando você fora público com a sua real identidade. A maioria das pessoas acha que toda a sua família está morta. Vai haver algum DarkFae que vai se sentiu muito deslocado, quando descobrirem que você é a real herdeira ao trono." Tricks bateu os punhos sobre suas orelhas. "Nós não estamos falando sobre isso. Não estou falando."


Ainda de pé perto do elevador, Pia assistiu ao quarteto raivoso com fascinação. Ela não entendia tudo o que tinha acontecido, mas era claro que os quatro estavam amarrados juntos com muito mais do que apenas política Inter-Elfica. Eles estavam no meio de uma briga familiar do tipo nocautear, arrastar para fora. Ela olhou em volta, sentindo-se desajeitada e um pouco intrusa. Ela reconheceu onde estavam da turnê anterior. No fim do corredor estavam as grandes portas duplas de carvalho, no momento, sustentadamente abertas. Elas levavam aos escritórios de Dragos. Não aguentando de curiosidade, ela avançou pelo corredor e olhou para dentro dosantuário para encontrar equipamentos ainda mais luxuosos e uma desenfreada exibição de riqueza. Ela arfou. Ela não reconheceu muitas das obras de arte que ela tinha visto na cobertura, mas ela tinha quase certeza de que ela estava olhando para uma pintura de Jackson Pollock, pendurada diretamente na parede oposta às portas abertas. Dragos estava nas proximidades. Ele estava concentrado em uma conversa com um grande e cabeludo, um jovem homem que conseguiu parecer amarrotado e um pouco maltrapilho apesar de usar um terno caro. Dragos pegou a visão dela e sorriu. O calor de seu sorriso se espalhou por ela, que sorriu de volta. Um momento depois, seu rosto se escureceu com raiva, a rápida transformação tão inexplicável e inesperada, que ela recuou. Ele caminhou em sua direção e puxou-a contra seu lado. "Ela não está sozinha. Estamos aqui. Temos ela,", disse Graydon de perto da esquina, atrás dela. O grifo a tinha seguido. Ele não ficou mais do que 1,50m atrás, relaxado, mas alerta, com as costas contra a parede. Ela olhou em volta ao mesmo tempo em que Dragos olhou para o corredor. Rune plantou-se vários metros mais longe. Ele ainda estava discutindo com Tiago e Tricks, mas ele se posicionou entre eles e Graydon e Pia. A rigidez deixou o corpo de Dragos e sua expressão se acalmou. Foi quando Pia se conscientizou. Ela beliscou o lábio inferior entre o polegar e o indicador. Seu olhar de raiva não foi para ela. Tinha sido por seus guarda-costas. Ela lhe disse: "Se eu o deixar bravo assim – de novo – você me dará a chance de me desculpar, certo?” Ele puxou a mão da boca dela e beijou-a rapidamente. "Você não vai me deixar tão louco de novo." Ela estava muito consciente do olhar fascinado do jovem macho cabeludo. Uma cor escura pintou suas maçãs do rosto. Ela afagou o braço de Dragos e murmurou, "Desde que você acredite nisso, Grandão." Ele se virou, puxando-a com ele. "Pia, este é um dos meus assistentes, Kristoff." Ela encontrou o olhar do Wyr cabeludo, que foi iluminado com apreciação. Ele deu um sorriso tímido. "Oi". O dia de Pia se iluminou. Nem todo mundo desgostava dela à primeira vista. Ela disse: "É bom conhecer você." "Pegue 10", disse Dragos para Kristoff. Ele levou Pia para seu escritório. Persianas verticais foram recolhidas das duas paredes externas, o grande escritório estava brilhante, quente e cheio da luz do sol do início de tarde. Ela piscou, deslumbrada. Apontou para a porta e disse: "Eu não queria interromper. Eles estavam todos ocupados falando lá fora e eu pensei em apenas dar uma espiada“ “Foram ele que interromperam. Eles estão fazendo barulho suficiente para acordar os mortos", disse Dragos. Ele apertou um botão na parede. Com um motor que praticamente não fez barulho, fechou as persianas verticais sobre as janelas, permanecendo semi-abertas, mas fornecendo alguma sombra do brilho ofuscante da luz. "Sua chegada foi um bônus de boas-vindas." Sua atenção voltou para as janelas e para o céu brilhante, sem nuvens, lá fora. "Nós ouvimos o trovão?"


Ele suspirou. "A forma Wyrde Tiago é o thunderbird. Relâmpagos e trovões aparecem quando ele se descontrola. É algo para se ver numa batalha. Normalmente seu temperamento é muito melhor controlado, mas todo mundo está no limite agora." Pia avistou as duas paisagens penduradas nas paredes internas. "Oh, estes são magníficos", ela respirava. Ela caminhou em direção a eles. O efeito da paisagem aérea tinha sido criado por um mix de mídia, com tinta, tecido, glitter e miçangas. A paisagem do dia tinha um rio cortando a tela. A paisagem da noite transmitia uma impressão de cidades espalhadas por um terreno de retalhos. Elas não poderiam ser mais perfeitas para ele. Ela podia simplesmente vê-lo sentado em sua mesa e olhando para elas enquanto se imaginava voando lá em cima, enquanto contemplava todas as partes que compõem o todo. Ela virou-se para sorrir seu prazer para Dragos. "Mais padrões." Sua expressão iluminou-se com surpresa e prazer. Ele disse simplesmente: "Sim". Uma batida fez os dois virarem. Tricks estava de pé, à porta, com um sorriso tímido. Ela disse para Pia, "Eu sinto muito que você teve que testemunhar o que aconteceu no hall.” Sorrindo abertamente, Dragos disse para a fada, "Maldição, minha senhora." As bochechas da fada escureceram. Ela disse: "O quê, você nunca disse algo estúpido em um acesso de raiva?" "Nunca", disse Dragos. Ele agarrou o pulso Pia e puxou-a com ele enquanto se apoiava contra sua escrivaninha. Assim que ela se estabeleceu ao seu lado, ele desenhoucírculos leves em suas costas. Pia tossiu. Ele olhou para ela. Ela murmurou atrás de sua mão, "Grande rugido, na semana passada?" Seus dedos deslizaram sob a bainha de sua camisa e ele a beliscou. Pia deu um pulo para cima e bufou para ele. Preocupada com seu próprio senso de injustiça, Tricks não notou a mímica entre eles. Ela disse, "Dragos, você tem que fazer alguma coisa. Tiago está me dando nos nervos." "Claramente", disse Dragos. Tricks fez uma careta. Ela disse a Pia, "Eu sou grande amiga de todas as outras sentinelas, mas eu mal conheço esse cara. Ele está sempre fora em algum lugar, lutando com coisas. Ao longo dos últimos 200 anos, tivemos talvez uma dúzia de conversas, sempre que ele foi chamado de volta para Nova York. De repente, ele está fervendoe rosnando por todo lugar, pensando que ele pode me dizer o que fazer?" A fada virou-se para Dragos. "Ele é um cão de ferro-velho. Ele não deveria estar autorizado a entrar em casa. Poderia, por favor, enviá-lo de volta à América do Sul?" "O contrato da Sul América não é importante. Eu o cancelei há meia hora", disse Dragos. "Nós estamos chamando o resto das tropas para casa." Os ombros delgados de Trickscederam. Ela vestiu a expressão de alguém observando sua vida se quebrando em pedaços, a sua volta. A boca de Pia se transformou em um solidário beicinho. Ela sabia exatamente como a fada se sentia. Tricks lhe deu um sorriso triste. "Que tal um pouco de álcool com o almoço?" "Parece bom para mim", disse Pia.


Quatorze

Pia e Tricks disseram adeus a Dragos e deixaram seu escritório. No corredor, Graydon e Rune conversavam com Tiago. Tricks ignorou o trio quando passou por eles. Tiago olhou sua passagem. O bonito homem sorridente que Pia havia visto uma vez, brevemente, foi suplantado por um rosto com características acentuadas de um assassino. Pia igualou-se com o curto passo da fada e manteve sua expressão inescrupulosamente neutra. Tricks a levou até o Manhattan Cat, o restaurante no piso térreo. "É propriedade de uma Wyr-Fox, Lyssa Renard", a fada disse enquanto caminhavam através do saguão lotado. "Lyssa é uma puta, um pouco esnobe, mas ela sabe fazer comida". "Eu ouvi falar sobre o restaurante", Pia disse. Ela teve um vislumbre de Rune e Graydon, mantendo o ritmo a poucos metros de distância, os olhos examinando constantemente a multidão. "Tem recebido comentários decentes". "Você é vegetariana, certo?" Tricks empurrou a porta do restaurante mantendo-a aberta. "É claro que há uma grande quantidade de animais e peixes mortos no cardápio, mas há também algumas boas saladas e alguns pratos de tofu que eu gosto. O melhor de tudo, eles têm no estoque este Piesport safra 2004 que me deixa louca. Você gosta de vinho branco?" "Completamente." "Uma garota de acordo com meu próprio coração." Tricks virou-se para a recepcionista, uma morena jovem e esbelta Wyr-Cat aproximando-se com os menus e um sorriso. "Oi Elise, me desculpe, estamos atrasadas." "Não tem problema, Tricks", disse a recepcionista. A decoração do restaurante era simples e elegante, com madeira escura, toalhas de mesa brancas e flores frescas. Todas as mesas estavam ocupadas, enquanto uma ou duas pessoas saudaram Tricks, a maioria dos ocupantes não deu atenção a elas. O som de conversas e talheres as acompanhou enquanto a Wyr-Cat as levava a uma pequena sala privada na parte de trás, que Tricks explicou, era reservada permanentemente para os executivos da Cuelebre. Havia três mesas na sala vazia. Depois de deixar Pia precedê-las, Tricks parou na porta. Ela disse a Elise, "Nós vamos querer dois tofus salteados, uma garrafa de Piesport e não é permitido nenhum homem." Isto foi jogado para os dois Grifos que estavam firmes nos seus calcanhares. Elise assentiu com um sorriso e escapuliu. "Ah, Tricks, vamos lá", disse Graydon. "Não", disse a fada. "Você conhece esta sala. Você sabe que há apenas uma maneira de entrar e sair. E você sabe que ela está comigo. Lide com isso." Tricks bateu a porta na cara deles. Pia começou a rir. "Não há lugar para eles se sentarem lá fora", disse ela. "Eu sei. Eu ainda estou brava com eles. Além disso, essas paredes são à prova de som. Você sabe, a supersensitiva audição dos Wyr, segredos corporativos, almoços confidenciais de negócios e tudo isso." Tricks sorriu. "Isto significa que eu e você podemos ter uma conversa de garotas." Pia não tinha nenhuma ilusão sobre o que ela havia testemunhado. A confiança destemida da fada ao redor dos sentinelas Wyr, era baseada em duzentos anos de convivência com eles. Eram perigosos e poderosos homens e Tricks teve que esculpir seu próprio caminho com eles. Assim, foi encorajador ver esse lado mais suave dela. O almoço veio rapidamente. O garçom manteve a porta aberta enquanto servia. Mesmo do lado de fora, Rune encostou-se contra uma divisória em frente à porta. Ele


chupou um dente e as observava atentamente com olhos apertados até que o garçom saiu e fechou a porta atrás dele. Algum impulso fez Pia dizer, "Eles estão preocupados com você. Está claro que eles vão sentir sua falta quando você partir." Tricks escorregou um sorriso. "Eu vou sentir falta deles também." Havia um brilho molhado naqueles bonitos e demasiadamente grandes, olhos cinza da fada? Pia desviou o olhar quando ela se sentou. "Sinto muito", disse ela. "Isso foi muito pessoal. Eu não tinha nenhum direito de dizer qualquer coisa." Tricks deslizou em uma cadeira ao lado dela. "Está tudo bem. Você está certa." Pia desviou o olhar lateralmente. Ela observou como a fada flexionou as mãos delicadas e olhou para ela. "Eles são tão bons rapazes, Pia. Mesmo o Tiago, aquela montanha de mau humor. Cada um deles levaria uma chuva de balas por você." "Bem", Pia disse em uma voz suave, "eles poderiam tomar uma chuva de balas por você." "Oh, não." Tricks olhou para ela, os olhos arregalados. "Quero dizer, sim, eles tomariam por mim. Sem questionamentos. Mas eles tomariam por você também, apenas porque Dragos quer você segura." Porra, a tristeza da fada estava fazendo seus próprios olhos formigarem com lágrimas. "Eu acho que sei um pouco sobre o que você está passando agora mesmo", Pia disse. "Nada com as coisas de Rainha prestes a acontecer. Isso é à saída da minha estratosfera. Mas as outras coisas." "Você quer dizer, o fim da vida como você a conhece?" "Sim, isso." Tricks deu uma risadinha súbita. "Como ficamos tão deprimidas? Nós ainda nem terminamos nossa primeira taça de vinho." Ela pegou sua taça e clicou contra a da Pia. "Salut, nova amiga." Pia pegou sua taça. "Salut." Tricks bateu para trás com seu vinho. "Agora, para as coisas boas. Fofocas. Você precisa saber quem está mentindo, enganando, esfaqueando pelas costas, buscando vingança, quem fez o que de errado e quem é simplesmente difícil de conviver neste lugar. Eu estou aqui para lhe dar o roteiro que toda garota deve ter antes de começar a trabalhar neste hospício." Faminta, Pia garfou alguns tofus salteados em sua boca. Ela comentou: "Parece que eu preciso de um fluxograma." A fada engasgou. "Lindo! Eu preciso de uma caneta." Pia a observou dar batidinhas de leve nos bolsos de seu terno de seda, em seguida correu para a porta para acenar para uma garçonete que passava. Tricks retornou triunfante. Ela começou a rabiscar a toalha branca, desenhando círculos e flechas entre os nomes enquanto tagarelava. Elas terminaram o almoço. O garçom veio e saiu com seus pratos. Mais vinho fluiu. Algum tempo depois, Pia esfregou seu nariz. Ela olhou para a taça de vinho vazia e então para as garrafas vazias na mesa vizinha. Ela apertou os olhos para sua nova amiga que listou um lado em sua cadeira. "Qual é seu nome?" A fada riu. "Tem que estar neste gráfico. Eu tenho certeza que eu escrevi em algum lugar." Pia olhou para os densos rabiscos negros que cobriam a toalha de mesa. “Nós estávamos indo falar sobre alguma coisa. Nós não falamos?" "Claro que sim. Você vai assumir meu trabalho de Relações Públicas." "Tudo bem." Ela assentiu. Era a solução perfeita. É claro que era. Mas espere. Havia alguma coisa que ela precisava lembrar sobre isso. Dúvidas, outras considerações, razões muito boas pelas quais ela não deveria aceitar. Havia algo... Algo que brilhou no ar, um Poder/Força tão leve, delicado e efervescente que ela só percebeu horas depois de estar sentada, saturada na sua presença. Sua melhor amiga estava escrevendo alguma coisa embaixo. T-r-i-c-k-s. A fada desenhou corações e flores ao redor da palavra enquanto cantarolava para si mesma.


"Tricks", disse Pia. Tricks desviou o olhar do desenho, a língua entre os dentes. Pia colocou um cotovelo sobre a mesa, o queixo na mão, e sorriu para a outra mulher. "Há alguma chance do seu Poder\Força estar relacionado com charme ou carisma?" Tricks coçou a ponta de uma orelha. "E se fosse isto?" "Eu não acho que deveria dizer, sim, a nada que você me perguntar enquanto estamos juntas na mesma sala e estou bêbada, isto é tudo", disse Pia. Uma das pálpebras de Tricks baixou a meio mastro, o olhar astuto e impenitente. Em seguida, a fada sorriu e o brilho do sol e a felicidade explodiram na sala. "Oh, que seja!", disse ela. A tarde desceu ao início da noite. Dragos, Kristoff e Tiago assistiam ao noticiário da noite no escritório de Dragos. Kristoff estava com um braço enrolado na cintura, uma mão cobrindo a nuca. Tiago mantinha-se com os pés plantados separados, braços cruzados. Tatuagens de arame farpado se dobravam quando seus bíceps se contraíam. Dragos sentou à sua mesa. Ele bateu os dedos juntos contra sua boca, quando olhou as Empresas Cuelebre serem espancadas em rede nacional. Duas pessoas bonitas estavam na tela. Uma delas era uma repórter fêmea humana. A outra era o Rei DarkFae. Pela primeira vez em muitas décadas, Dragos olhou no rosto do seu inimigo. Urien tinha a típica coloração e características DarkFae, com olhos cinza demasiadamente grandes, maçãs do rosto salientes, pele branca e cabelos pretos que caíam sobre seus ombros. Seu cabelo estava puxado para trás, revelando orelhas elegantes e pontudas. "...claro, a demolição do projeto é um choque financeiro para as pessoas desta comunidade e para o Estado de Illinois", disse Urien com um sorriso encantador e cheio de pesar. "E não apenas pelos possíveis empregos perdidos. Nós perdemos uma valiosa fonte de energia limpa e econômica, que poderia ser produzida por uma nova usina atômica de energia elétrica e temos que agradecer as Empresas Cuelebre por isso. Como você sabe, a nação encara o desafio de reduzir nossas emissões de carbono. A única maneira de conseguir reduzir as emissões é desenvolvendo eficiência energética e tecnologias limpas, como a energia eólica e a solar. A energia nuclear tem que fazer parte dessa mistura..." Dragos socou o botão de mudo. Ele olhou para Tiago e seu miserável assistente. Tiago disse, "Urien parece bem para um homem morto." "Muito bem", Dragos rosnou. "Eu não acredito que fodido hipócrita ele é", Kristoff disse amargamente. "Ele está falando de energia limpa e reduzir as emissões, quando ele ainda está explodindo o topo das montanhas e tem uma das empresas mais poluidoras do planeta. Você sabe que o nosso contato no Departamento de Energia, Peter Hines, recusou o pedido de subvenção para a RYVN, como nós pedimos. Ele foi demitido hoje. E o ataque repentino da mídia de Urien acertou mais cedo esta tarde. As ações de seis companhias estão em baixa." "As que têm sede em Illinois", disse Dragos. "Sim." "OH, supere isso, Kris", Tiago disse impaciente. "Você acha que Urien aceitaria perder seu projeto de estimação, quieto? É claro que ele está atacando de volta. Ao menos, você tem a satisfação de saber que realmente o irritou. Normalmente, ele não quer ter nada a ver com a mídia humana." Kris roeu uma unha. "Eu sei o que vai acontecer em seguida. A RYVN vai requerer novamente a concessão após a substituição de Hines. Depois disto, o sentimento do público estará do seu lado." "Eles só conseguirão aquela concessão sobre o meu cadáver", Dragos estalou. “Eu disse para fazer o que for preciso para esmagar os parceiros da RYVN para longe, e eu quis dizer exatamente isso.” Ele ficou de pé e bateu com as mãos sobre a mesa.


Tiago ficou em silêncio e Kris olhava para os pés, enquanto Dragos lutava contra a raiva. Depois de um momento, ele continuou, com um semblante de calma. "Obtenha uma retenção de Hines, ofereça-lhe um emprego. Ele é um burocrata - deve ser capaz de fazer alguma coisa que nos agrade." Kris disse, "Talvez ele possa se juntar à nossa equipe de lobistas em Washington." "Vá". Kris escapou. Dragos voltou seu olhar quente para Tiago. "E, pelo amor de Deus, você vai descobrir quem é o filho da puta escorregadio, para que eu possa rasgá-lo em pedaços?" "Estou trabalhando nisto", Tiago disse. "Ele pode correr de mim, mas ele não pode se esconder para sempre. Nós vamos pegá-lo, Dragos." Ele olhou quando seu sentinela saiu. Alocar Urien não estava acontecendo rápido o suficiente. Ele rosnou baixo em sua mesa e forçou as mãos a se levantarem apertando as têmporas. Eu tenho que parar de rasgar a mobília. Há muita maldita coisa a fazer. Não há mais tempo para outros reparos ou reorganizações. Seus pensamentos se deslocaram para Pia. Ele olhou pela janela e franziu a testa para o entardecer precoce. Ele saiu do escritório e correu pelas escadas até a silenciosa cobertura. Ele caminhou pelas salas. Elas ecoaram com o vazio. Ele não gostou disso. Suas sobrancelhas franzidas se transformaram em uma carranca. Mas o que mais ele esperava? Será que ele esperava que Pia estivesse ali esperando por ele sempre que decidisse ir por esse caminho - como uma funcionária ou serviçal? Foda-se. “Rune,” disse ele telepaticamente. Rune respondeu. “Elas ainda estão no almoço.” “Ainda no almoço?” Dragos inverteu a direção e foi em direção ao elevador. Minutos depois, ele entrou no Manhattan Cat e fez o caminho através do restaurante para a sala executiva. Rune e Graydon estavam em ambos os lados da porta fechada. Graydon saltou sobre seus pés. Rune recostou-se na parede com os braços e os tornozelos cruzados. Dragos pôs as mãos nos quadris e olhou para eles. Rune disse, "Almoço de tofu salteado à uma e trinta. Quatro garrafas de vinho. O garçom levou uma bandeja de sobremesas de chocolate e uma garrafa de conhaque há mais ou menos quarenta e cinco minutos atrás. A última vez que porta se abriu, elas estavam cantando 'I will survive'." "O que é isso?" Dragos disse. "É um sucesso dos anos setenta de Gloria Gaynor. Eu acho que elas estão cantando isso como uma espécie de 'união feminina sobre os malvados ex-namorados', este tipo de coisa." Sua cabeça se ergueu. Ele teve um dos pensamentos mais surpreendentes e indesejáveis do último século. Eu sou um namorado? Ele rosnou e empurrou a porta aberta. Pia e Tricks estavam com as mãos e os joelhos no chão, rindo em silêncio aos trancos e barrancos. As mesas e as cadeiras foram empurradas para a parede. Pia estava dobrando uma toalha branca que estava coberta com escrita preta. "Me dê um minuto", Pia estava dizendo. "Eu juro que só vi isso. Se você dobrar o fluxograma direito - olhe, os nomes combinam. Todas essas pessoas dormiam juntas também." Tricks riu. "Como você percebeu? Isso parece algo saído do Tesouro Nacional ou do Código Da Vinci. Nós precisamos pegar um antigo e esquisito óculos, com lentes especiais e talvez nós vejamos alguma outra coisa. Espere. Lá vamos nós." Ela soltou um arroto alto e longo. Pia contou através do longo arroto. "...dez mil dou-lhe duas, dez mil dou-lhe três, doulhe quatro - opa, você ganhou." Ela olhou para a pequena fada, com espanto. "Aonde você coloca todo esse ar?"


"É um dom", Tricks disse. O mau humor de Dragos estourou como uma bolha de sabão e ele sorriu. O rabo de cavalo loiro de Pia havia afrouxado e caía sobre uma orelha. Tricks havia chutado as sandálias e enrolado as calças de seda de grife até os joelhos. Ela parecia uma refugiada da Pucci* na Quinta Avenida. Ele se se encostou à porta e esperou para ver quem iria notá-lo primeiro. Pia o fez. Ela se sentou sobre os calcanhares, surpresa e alegria iluminando o seu rosto. "Oi." Surpresa e alegria, um presente embrulhado todo para ele. Ele sorriu para ela. "Você está bêbada como um gambá." Em uma embriagada câmera lenta, Tricks o reparou e aos dois Grifos às suas costas. Ela gritou e abriu os braços sobre a toalha de mesa. "Ninguém pode ver isso!" Rune deslizou ao redor de Dragos, a cabeça inclinada em curiosidade. "Ora, o que é isto, segredos de Estado?" "Muito bonito!" Ela começou a embrulhar o pano. Rune pegou um canto e puxou. Ela se jogou em cima dele. "NÃOOOO". Dragos ignorou-os. Ele se agachou na frente de Pia e colocou uma mecha de cabelo atrás de sua orelha com uma mão gentil. Sua pele pálida estava vermelha e seus olhos brilhantes não conseguiam se focar. "Você vai ficar doente como um cão amanhã de manhã." "Nós apenas pensamos..." ela disse. A sentença desapareceu. Ela olhou para ele com assombro. "Você é o homem mais bonito que eu já vi. Eu diria isso se estivesse sóbria, também.” Então ela lhe deu um sorriso desleixado quando balançou a cabeça. Seu rabo de cavalo deslizou mais ainda. "Não, eu não o faria. Eu sou muito autoconsciente." Sua fúria e frustração de mais cedo deslizaram para o passado, uma transmutação química trazida por esta feiticeira embriagada. Rindo alto, ele deslizou as mãos sob seus cotovelos e a colocou de pé com cuidado. “O que mais você pode me dizer, estando bêbada?" Ela se inclinou para frente e cambaleou, confidenciando num sussurro. "Você é o homem mais sexy que eu já conheci também. Você sabe, sua cauda longa, escamosa, reptiliana é realmente maior do que a de qualquer outra pessoa. Não que eu já estivesse com muitos outros caras. Ou fazendo comparações ou nada do tipo." Ela soluçou e observou-o preocupada quando ele deu uma gargalhada. “Eu estou apenas despencando com esta conversa." "Muito bonito", disse ele. Colocou um braço ao redor dela e guiou-a em volta de Rune e Tricks, que lutavam sobre a toalha de mesa. "Está tudo bem, amor. Eu estou aqui para te pegar. Então, com quantos caras você já esteve?" Ela levantou dois dedos e olhou para eles com um olho fechado. "Um deles não conta mais, porque já está morto. Ela cutucou suas próprias bochechas com os dois dedos. "Eu não posso sentir meu rosto. Como foi o seu dia?" "Bem", ele disse. Ele capturou sua mão, envolveu um dedo e pressionou um beijo contra seu dedo indicador remanescente e levou-a para fora do restaurante. "Foi muito bom." Na tarde seguinte, Pia havia se trocado em roupas de ginástica, juntamente com seus sapatos novos. Ela feriu os cabelos ao apertá-los numa trança na nuca. Sua memória da noite anterior era imprecisa. Ela se lembrou de falar e flertar, sentindo-se brilhante, bonita e espirituosa, enquanto Dragos gracejava com ela, seu rosto escuro amassado de tanto rir. Lembrou-se de cair na cama gritando e chutandoo, enquanto ele lhe fazia cócegas sem piedade. Lembrou-se de adormecer enrolada em volta dele, suas mãos empunhadas na cachoeira de seu cabelo.

* Loja de Emilio Pucci, estilista famoso.


Ela estava sozinha na cama, quando a ressaca finalmente martelou dentro de sua consciência, mais tarde na manhã seguinte. Ela rolou para longe da claridade das janelas com um gemido, descobrindo um frasco descansando no travesseiro dele. Ele tilintou com magia. Uma nota foi amarrada ao gargalo. Dizia, beba-me. Aquela poção salvou sua vida. Ela esperava que alguém tivesse a amabilidade de enviar uma para Tricks também. Mesmo com a ajuda da poção, levou algum tempo antes que ela pudesse se atrever a colocar qualquer outra coisa no seu estômago. Agora, depois de um leve almoço, que tinha comido com cautela, ela, Rune e Graydon finalmente foram para a academia como originalmente planejaram. Ela abriu a porta. Os dois Grifos no salão interromperam sua conversa. Suas expressões estavam inteiramente sem graça. Ela franziu o cenho. "Eu fiz ou disse alguma coisa ontem pelas quais eu tenha que pedir desculpas?" "Não você, bolinho", disse Graydon. "Mas aparentemente um monte de outras pessoas na Torre fez. Rune acha que devemos mudar o nome para Melrose Place*. Eu acho que Peyton Place** tem um toque mais clássico para ele, não é?” "Oh, não", ela disse. "Você pegou a toalha de mesa da Tricks." Rune sorriu. "Não antes da merda me acertar." Eles pegaram as escadas. Talvez vinte pessoas estivessem no ginásio. Algumas trabalhavam com equipamentos e outras praticavam boxe em duas grandes áreas de treino. Uma área era usada duramente, mas o piso de madeira estava bem conservado e a outra tinha esteiras espalhadas. Rune recolocou os soldados na área coberta com esteiras, enquanto Graydon foi para o vestiário trocar a roupa. Então Rune foi se trocar também. Quando ele voltou, acenou para ela e Graydon para o centro do tapete. Ambos os homens usavam regatas apertadas e calças pretas de algodão. Eles pareciam maiores do que nunca quando ela ficou entre eles, totalizando mais ou menos uns duzentos quilos de sólidos músculos Wyr. Aqueles que Rune havia deslocado para a borda da área, ficaram observando, entediados. Pia respirou fundo tentando dissipar o nervosismo que passou a dominar seu estômago, muito consciente dos olhares curiosos, não inteiramente amigáveis, dirigidos a ela. Ela se equilibrou nas pontas dos pés, balançou os braços e as pernas e esticou o pescoço. Rune disse, "Certo, vamos passar por algumas técnicas básicas de autodefesa. Pia, o principal a extrair é que nós somos os guarda-costas e sabemos o que é melhor. Você tem que fazer o que nós dissermos, quando dissermos para fazê-lo. Se eu lhe disser para abaixar, você fará bem melhor do que se abaixar, maldição. Se Gray lhe disser para cair no chão, você vai plantar seu rosto. A coisa mais difícil é que um ataque provavelmente irá acontecer sem aviso, então seguir as ordens sem hesitar ou questionar é absolutamente essencial." "Em outras palavras", Graydon disse, "se nós dissermos para se abaixar não levante a cabeça, olhe em volta e diga 'hein?', isso é o que o seu instinto pode dizer pra fazer, mas se você está dizendo 'hein' isso provavelmente significa que sua cabeça levará um tiro." "Certo", ela disse, olhando de um para o outro. "Sem 'heins".

* Série que se passa no condomínio Melrose, em Los Angeles, onde as vidas de seus locatários se cruzam em diversas situações envolvendo ambição, sexo, traições e até mesmo assassinatos. **A Caldeira do Diabo, filme que rendeu uma minissérie e que se estabeleceu como o primeiro drama tórrido, abrindo caminho para gerações futuras como Desperate Housewives e Twin Peaks.


Rune disse, "Gray fique atrás de Pia. Você vai ser o seu atacante. Pia, Gray vai vir por trás de você, vai agarrá-la e arrastá-la para fora. Eu quero que você preste atenção em como ele se apodera de você e da posição de seus corpos. Nós vamos trabalhar nas maneiras pelas quais você pode sair do seu agarre, certo?" "Tudo bem", disse ela. Graydon moveu-se atrás dela. Para um homem tão grande, ele era silencioso em seus pés. Ela se concentrou no chão em frente a ela e continuou a respirar profundamente, afundando em seu treinamento. Fique firme, mas flexível, enraizada, mas cedendo. Ela alcançou atrás com sua consciência e lá estava ele. Ela teve uma conexão com ele, mais forte do que ela jamais teve com alguém antes. Ela podia senti-lo respirar, o objetivo da sua mudança de peso. Sua audição, visão, seu senso de tudo ao redor era ...maior do que ela jamais havia tido. Ele veio para cima dela, desumanamente rápido. Fluiu como água. Ela deslizou para o lado, dobrando sua cintura e sentiu sua mão roçar ao longo de seu braço. Uma torção e ela se equilibrou, sentindo-o se estender e esta foi sua alavanca. Graydon caiu de costas com um impacto que sacudiu o chão. O silêncio encheu o ginásio enquanto as máquinas de exercício diminuíram o ritmo e pararam. Ambos os Grifos olharam para ela. Graydon blasfemou deixando sua cabeça cair no tapete. "Que diabos você fez?" Não era nenhum movimento de Turbo Dance*." Rune pôs as mãos nos quadris e começou a rir. "Ela te derrubou, foi isto que ela fez." "Eu sinto muito. O que eu fiz foi errado?", ela disse, ficando ansiosa enquanto eles continuavam olhando para ela. "Eu não segui as ordens, não foi? Eu deveria ter deixado ele me agarrar?" "Não. Não, eu acho que você fez isso muito bem", disse Rune. Ele ofereceu a mão para Graydon e ergueu o Grifo aos seus pés. Gaydon olhou para ela. "Eu estava sonolento dessa vez. Minha falta. Você disse que teve aulas e nós deveríamos ter escutado. Mas nós vamos fazer isto de novo, bolinho, e você não vai conseguir me pegar de surpresa desta vez." Ela assentiu. "Certo." Eles assumiram suas posições anteriores e ela equilibrou-se sobre seus pés novamente, a cabeça inclinada, se concentrando no chão. Desta vez, intrigada com seus sentidos aguçados, ela se concentrou nos dois, Graydon e Rune. Seu Poder/Força e sua energia física, tornava fácil segurar as posições deles em sua mente. Graydon moveu-se para o ataque, seu corpo letal afiado por séculos de incontáveis combates. Ela correu e deslizou para longe dele. Desta vez, ele a acompanhou, serpenteando um braço para envolver em torno de sua cintura. Mas ela não estava mais lá. Ela se moveu contra o ponto dele, sentindo a força da energia que ele colocou nos braços e como ele moveu seu corpo para frente, esta foi sua alavancagem. O piso trovejou quando ele bateu no tapete. Ele bateu com o punho no tapete. "Foda-se!" Rune gritou entre risadas. Graydon deu uma cambalhota a seus pés. Foi um show surpreendente de força, agilidade e velocidade para um homem tão grande, então ela recuou. Ele rosnou para Rune, "Pode rir, idiota. É a sua vez de tentar." "Pare de ser um bebê chorão", disse Rune. Ele mudou de posição em relação a Pia, o predador dentro dele despertado e um sorriso cheio de ameaça. "Pronta?" Com a adrenalina dominando, ela levantou os ombros em um encolher rápido e irregular.

* Um tipo de dança.


"Dê-me o que você tem, escorregadia." Lançou-se, usando tanto astúcia quanto velocidade, ela podia dizer que ele estava realmente se empenhando, sem restrições. Ela caiu de costas em uma curva graciosa quando ele a alcançou e a força no momento era sua alavancagem. Ela bateu na esteira e quando foi para trás usou seus pés e uma mão para impulsioná-lo sobre sua cabeça. Por um breve momento, ele estava no ar. Em seguida, ele bateu no tapete quando ela completou seu salto mortal e desceu sobre seus pés. Rune tossiu fortemente, sua expressão congelada. Alguém assobiou e gritou. Distraída, ela olhou na direção do barulho. Sua audiência estava aplaudindo. "Isto foi um maldito balé!" Graydon rugiu. Ele socou seu ombro e bateu no seu lado. Ela resmungou e tropeçou e ele a agarrou. "Ah, merda, bolinho, eu sinto muito. Eu não tive a intenção. Eu te machuquei?" Ele parecia tão preocupado quando a estabilizou, que ela não teve coragem de reclamar. Ela esfregou o lugar onde ele havia batido nela, então ele empurrou sua mão para girar seu braço e sondar os músculos do seu ombro com dedos cuidadosos. "Eu estou bem", ela disse. "Está tudo bem." Rune rolou sobre seus pés. "Vá buscar Bayne e Con", disse a um dos seus observadores, que saiu correndo. Ele andou até ela, os olhos apertados. "O que foi tudo o que você estudou?" "Wing Chun*, jiujitsu, algumas armas", disse ela. "Coisas básicas como espada e faca. Eu posso carregar e disparar uma arma ou uma besta. Eu não sou tão boa com o arco longo." Ele a estudou como se ela fosse um cubo mágico que ele ainda não tivesse conseguido solucionar. "Dragos disse que você não era uma lutadora." "Eu não sou." Graydon se recusou a ser enxotado. Ela desistiu de tentar afastá-lo e deixou-o massagear os músculos do seu ombro. "Não como vocês são. Eu não escolho uma briga se puder evitar, não tenho um instinto assassino e não gosto de coisas de armamento." "Você poderia matar, se fosse obrigada?" "Se eu não tiver outra escolha", ela respondeu sem hesitar. "Eu acho que poderia fazer isso se fosse para sobreviver. Caso contrário, todo o meu foco e treinamento é conseguir ficar longe." "Excelente. Podemos trabalhar com isto. De quais disciplinas, com as quais você trabalhou, você gostou mais?" Ela considerou. "Eu diria que foi o Wing Chun. Eu gosto dos princípios de eficiência, praticidade e economia de movimentos, sentindo a energia dos movimentos do seu oponente. É elegante. Eu tive um professor que me disse uma vez, que o melhor tipo de lutador era como o haiku**, livre, simples e muito curto. Wing Chun parece ter algo dessa filosofia." Ele acenou com a cabeça. "O que você diria que é a sua força?" "Tem que ser a velocidade. Vamos encarar, se vocês estivessem realmente em busca de sangue e tivessem suas mãos em mim, eu estaria frita." "Muito bem. E a sua fraqueza?" Ela inclinou a cabeça, esfregou a parte de trás do pescoço e confessou, "Seguir ordens. Eu nunca fiz nada disso antes. Vou tentar o meu melhor, mas se um de vocês gritar abaixe-se, eu poderia acabar sendo um daqueles idiotas que levanta a cabeça e diz, 'hein?' " “Bem, isso pode não fazer diferença se você for lenta demais para se posicionar", disse Graydon.

* Sistema de luta surgido no sul da China que se distingue pela economia de movimentos e utilização da estrutura óssea. ** Tipo de poesia muito curta, tipicamente japonesa.


"Nós temos que gritar abaixe-se porque você pode se assustar e saltar debaixo de nós, se você achar que pode resolver, mesmo que seja para o seu próprio bem." Ela fez uma careta para ele. Os outros dois Gryfons, Bayne e Constantine tinham se juntado a eles enquanto conversavam, até que Pia foi cercada por uma enorme parede de sólidos músculos e atenção masculina. Rune disse para eles: "Vocês tem que ver isto. Pia, você está pronta para mais?" "O que você quer dizer com, estou pronta para mais?” Ela bufou e sacudiu a cabeça. “Eu ainda nem suei, escorregadio." "Eles estão lutando com palavras, bolinho", disse Graydon com alegria. Ele estalou os dedos. Bayne e Constantine se revezaram na tentativa de enfrentá-la. Cada Gryphon acabou no tapete. Eles tiveram mais sorte quando foram atrás dela em pares. A parte superior do top de Pia se encharcou com o suor. Não só eles eram guerreiros formidáveis com séculos de experiência, assim como estavam motivados e aprendiam rápido. Muito em breve ela teria que aumentar seus esforços. Ela se moveu em alta velocidade, sabendo que precisava aprender ainda mais com eles do que eles com ela. Todo o foco dela estava nos quatro Wyrs, cuja intenção era fazê-la cair. Enquanto eles riam e faziam um monte de brincadeiras, ela sabia, agora, que o que estavam trabalhando não era apenas um mero exercício, poderia ser uma questão de vida ou morte. Dragos tinha desfrutado com Pia uma noite completamente cativante. Esta manhã ele segurou sua forma macia dormindo e viu o sol nascer. Ele descobriu outra nova e estranha experiência, um sentimento de absoluto contentamento e paz no silêncio, uma certeza de que tudo estava certo no seu mundo. Isso era passado. Seu senso de humor já estava fazendo falta. A fortaleza Goblin tinha sido abandonada. Não havia ninguém para questionar. As algemas encantadas tinham desaparecido sem deixar vestígios. O ataque repentino da mídia de Urien foi gravado anteriormente. Ele tinha tido muito tempo até que alguém investigasse o local da entrevista, e ninguém conseguia identificar o paradeiro do filho da puta. Aqueles que investigavam a fuga de Pia e seu ex-namorado agenciador, chegaram a um beco sem saída e o valor das ações das empresas em Illinois continuava a cair. Havia, também, a não tão pequena consideração de que se o Rei DarkFae foi hábil para conjurar um feitiço para encontrar suas reservas, então o local estava comprometido. Não importava que o encanto tivesse funcionado só uma vez e que Pia fosse à única pessoa que soubesse sua atual localização. Urien poderia fazer outro feitiço, não podia? E talvez Pia fosse a única no momento que pudesse navegar através das fechaduras e guardas de Dragos, mas uma vez que algo tenha sido violado, era apenas uma questão de tempo para alguém descobrir como fazer isso novamente. Havia algo que também não tinha sido falado, de que haviam encontrado outro encanto, cuja força poderia conseguir fazer isso. Ele pensou em avisar aos seus aliados, os Elvers, sobre o que tinha acontecido, mas se ele o fizesse teria que admitir sua própria vulnerabilidade. Ele não estava disposto a ir tão longe, ainda. No topo de tudo isso, a tortura chinesa da água* começou assim que ele entrou no seu escritório. *O torturado era amarrado sentado em baixo de uma torneira que pingava água em sua cabeça, constantemente, durante muitos dias. No início apenas incomoda por estar molhando, depois o barulho dos pingos na cabeça começam a se tornar insuportáveis e mais tarde começa a abrir uma ferida no alto da cabeça, com os pingos constantes. Isso acontecia numa solitária.


O prefeito de Nova York estava exigindo falar com ele. Ninguém mais poderia. Seus eleitores estavam insistindo para que ele chegasse a um acordo sobre o controle do ruído, portanto a semana passada nunca aconteceria novamente. Gotejamento. O governador de Illinois chamou-o pessoalmente para falar sobre sua perseguição aos parceiros da RYVN. Gotejamento. O Tribunal Elder havia emitido uma intimação para ele, para discutir seu "ato de agressão" em terras Elfica e alegações de um assassinato em massa de Faes em Outra Terra. Aparentemente, eles decidiram ignorar o fato de que ele nunca respondeu intimações de ninguém, nunca. Gotejamento. Um mensageiro pessoal do Alto Senhor Elfico já havia chegado com um convite escrito para Pia visitá-los no solstício de verão. Somente Pia, ninguém mais. Certamente, não ele. O Alto Senhor teria o prazer de levantar o embargo comercial com os Wyrkind, tão logo recebesse a aceitação dela. Por escrito. Gotejamento, porra, gotejamento. Depois, houve as decisões de negócios intermináveis sobre todo o resto. Seus assistentes administrativos e equipes de gestão eram excelentes. Cada coisa que chegou ao seu escritório realmente precisava de sua atenção direta. Como norma, ele gostava de trabalhar com todos os eventos internacionais seguidos pelas empresas Cuelebre. Era como jogar vários jogos de xadrez ao mesmo tempo. Mas hoje ele sentia como se vestisse roupas apertadas sobre pele esfolada. Ele queria rasgar tudo fora dele e enfiar as garras na parede. Ele caminhou. Não conseguia parar de pensar em Pia. Lá estava ela, na frente e no centro, não importava o que mais ele tentasse para transformar sua mente. Ele não queria estar trabalhando nessa merda toda. Negócios eram chatos. Quem dava à mínima se as ações de seis empresas de Illinois parassem por um tempo? Não que ele precisasse do dinheiro. Todas as entidades clamando por atenção, eram como uma matilha de chihuahuas latindo e beliscando seus calcanhares. O pensamento de encontrar outro local secreto e mover todo o seu tesouro era uma dor grave na sua bunda. E por que alguém não poderia enviar-lhe a cabeça de Urien por Sedex? Ele espalmou as mãos na janela e inclinou-se sobre ela, enquanto olhava para fora sobre a sua cidade. Quando ele perguntou a ela na noite passada, se ela estava interessada no cargo de Relações Públicas de Tricks, a cautela roubou o brilho de seus lindos olhos como uma ladra. Ela disse, eu vou ter que pensar sobre isto. Novamente. Exatamente como ontem, quando ela tinha dito, eu acho que eu tenho muito em que pensar. O que diabos ela tem muito para pensar? Ela olhou para ele com o desejo naqueles lindos olhos cor de meia-noite. Ele poderia jurar que quando ela o abraçou, tinha sido com sincero afeto. Ela foi generosa dando e não recebendo nada de volta fisicamente. Ele ficava louco só de pensar em quão apertada ele a sentia quando estava dentro dela, quão linda ela estava quando chegou ao clímax. Ele endureceu quando se lembrou dos sons que ela fazia quando estavam fazendo amor. Ele ficou atônito com o quão fácil era para ela conversar com ele, o quanto ele queria falar com ela, e brigar com ela foi a melhor diversão que ele já havia tido. Ele a tinha visto apenas há algumas horas atrás, droga, não podia esperar para brigar com ela de novo, conversar com ela e ouvir as coisas ridículas que ela falaria a seguir, para abraçar e rir com ela, para imobilizá-la e dirigir-se até dentro dela novamente, até que não houvesse mais nada dentro dele, mais nada dentro dela, exceto seu nome. Ela era sua. Por que não podia admitir? Sempre que chegavam a este ponto, sempre que ele achava que tinha um bom aperto sobre ela, parecia um sonho ilusório quando ela se transformava em fumaça e escapava entre seus dedos. Aqueles feitiços de proteção em sua mente. Era onde ela desaparecia. Ela retornava para a alcova elegante. Ele não podia ficar com ela, a menos que quebrasse os feitiços e quebrasse a sua mente.


Ele fez uma careta. De alguma forma, ele iria encontrar uma maneira de entrar naquela alcova. Ele a teria. Então, Deus o ajudasse, se ele tivesse o resto de sua vida considerável, ele seria todo dela. Qualquer outra coisa seria inaceitável. Determinado a tentar sacudir a poeira e focar em algo útil, ele abriu a porta e saiu de seu escritório para ver se Kris tinha alguma atualização para ele. Ninguém estava nos escritórios externos. Foi quando ele percebeu o tumulto. O ritmo das suas passadas aumentou à medida que ele atravessava o corredor. Ele dobrou a esquina. As pessoas tinham se agrupado na sala exterior do ginásio. Eles estavam olhando pelas janelas. Quando ele se aproximou um grito subiu e as pessoas lá dentro gritaram e bateram palmas. Ele afastou as pessoas do seu caminho quando entrou no ginásio, avistando Graydon e Bayne nas bordas dos tapetes caídos. Os Gryphons ficaram com os braços cruzados. Eles estavam assistindo algo no chão e rindo. Quando Dragos se aproximou, Graydon o avistou sobre a cabeça dos espectadores e sorriu. "Ei, patrão. Obrigado pelo novo brinquedo." Dragos perguntou: "Sobre o que você está falando?" Graydon disse a ele: "Estamos jogando pregos na herbívora. Nenhum de nós conseguiu descobrir o que ela é, mas caramba, ela é rápida. Até agora a equipe Grifon está 2 para 10. Se ela se untasse com óleo, aposto que nada conseguiria pregá-la." Ele chegou à borda do tapete e olhou para baixo. Constantine estava agachado, braços para fora, concentrado na batalha que estava ocorrendo na frente dele. "Pega ela, pega ela." Rune e Pia estavam em um emanharado de membros sobre o tapete. O corpo poderoso de Rune estava tenso, tentando cobrir o dela. A forma menor retorcida de Pia fluiu debaixo dele, com o rosto feroz e avermelhado. Ambos estavam ofegantes e escorregadios com o suor. Seus pálidos e delgados membros se flexionaram para evitar seu aperto. O Grifon jurava que tinha deslocado ela, em uma posição que lembrava muito uma das que Dragos tinha usado ontem pela manhã, quando ele a havia tomado por trás. O dragão detonou.


Quinze

O ataque aconteceu sem aviso prévio, assim como Rune disse que seria. Um minuto ela estava imersa em movimento / contra-ataque de sua disputa com Rune, mente correndo para traçar estratégias contra o seu fluxo de intenções. Ele tinha colocado ela para baixo sobre o tapete. Não bom. Isso significava que havia probabilidade dele a prender. Ela tinha que sair debaixo dele rápido, ou entre ele e Constantine, estava perdida. Então seu peso desapareceu. Perdendo o equilíbrio, ela caiu de costas. Ela engasgou para recuperar o fôlego e tentou entender o que estava acontecendo. Constantine estava esparramado contra a parede. Ele cuspiu sangue, rolou e ficou com um joelho debaixo dele. Bayne empurrava pessoas para a porta. "Fora. Todos para fora." Graydon ajoelhou-se, deslizou um braço ao redor dela e levantou-a para uma posição sentada. Ele havia ficado pálido. "Você está bem, docinho?" Ela disse: "O que aconteceu?" Ele não estava prestando atenção. Ela seguiu a direção de seu olhar. Dragos tinha Rune preso à parede, uma mão em sua garganta. Rune seguro imóvel no aperto do macho maior, braços relaxados e as mãos abertas. Seu olhar de alertafoi fixado em Dragos, enquanto seu rosto tinha escurecido. Constantine ficou em suas mãos e joelhos e tossiu. "Ele está matando-o." Pia encontrou seus pés, evitou Graydon, que tentou agarrá-la e saltou para frente. Não havia nada de racional em Dragos. O dragão olhava para fora de seus olhos. Ele tinha se transformado parcialmente. As linhas de seu corpo e rosto eram monstruosas, tudo errado. Garras afundavam no pescoço de Rune. O sangue escorria dos furos. Ela não parou, não pensou. Ela relaxou até Dragos e o tocou no ombro para sinalizar sua presença. Ela acariciou o braço dele enquanto deslizava sob ele, insinuando seu corpo entre os dois homens. Ela colocou as mãos naquele rosto alienígena mortal e o acariciou. Seu Poder era um inferno. Ela tentou algo que nunca tinha feito antes e roçou sua própria energia mais fria, mais suave contra o dele. "Ei você aí", disse ela. Gentil, suave. Ela puxou uma profunda, lenta e controlada respiração. "Dragos, eu quero que você olhe para mim agora, por favor. Esqueci-me de lhe dizer sobre a primeira parte do meu dia de ontem. Mandei meu assistente de comprasalimentar Nova York. O estado, não você sabe, a cidade. Então você receberá uma conta do supermercado muito grande em breve. Sinto por isso, exceto que, bem, acho que eu não sinto." O dragão piscou. Ele olhou para ela. Ela nunca tinha visto algo tão magnífico. Ela sorriu para ele e alisou o cabelo escuro enquanto matinha o tom macio. "Pare para pensar nisso, aposto que você receberá várias contas de mercearia. Eu não consigo imaginar se Stanford vai ser capaz de conseguir tanta comida de um único fornecedor. Stanford é o assistente de compras. Ele é um Wyr vison. E o meu novo robe é bonito. É de cetim preto, muito elegante e macio. Eu o vesti esta manhã e pensei em você quando eu tomei o banho." Ela colocou a mão sobre os músculos rígidos de seu braço, quando ela se inclinou contra seu peito. "Saia da borda agora. Solte o seu amigo. Você gosta dele. Você se lembrará disso logo e então ficará chateado por tê-lo machucado. Além disso, eu quero que você me dê um beijo, assim eu posso agradecê-lo da maneira correta pelo robe – e pela poção que você deixou sobre o travesseiro, esta manhã. Foi muita consideração de sua parte.” Os olhos do dragão se estreitaram. Seu Poder mudou para embrulhar um manto invisível de calor ao redor dela.


"Eu ainda não estou bem da cabeça", ela sussurrou para ele. Sexualidadeardeu naqueles olhos dourados de ave de rapina. Ela colocou a ponta de seu dedo entre os lábios dele e esfregou o interior de uma coxa ao longo de sua perna. "Vamos lá, grandão, você sabe que você quer." Ele deslizou um braço ao redor dela, segurou-lhe o queixo com aquelas garras longas e sangrentas e inclinou sua cabeça para cima com cuidado primoroso. Ela levantou-se na ponta dos pés, fechou os olhos e ergueu o rosto para ele com total confiança. Sua boca dura roçou contra a dela. Ela podia sentir o movimento rápido a suas costas quando Graydon puxou Rune de perto deles. O grifo engasgou e tossiu. Em seguida, o resto do mundo caiu quando Dragos aprofundou o beijo. Ela deslizou os braços ao redor de seu pescoço. Ela sentiu seu corpo mudar e voar de volta a contornos mais familiares. Ele deslizou sua boca ao longo da curva de sua bochecha, para baixo até sua clavícula e enterrou o rosto em seu pescoço. Seu olhar deslizou para o lado. Os grifos sóbrios haviam se organizado em torno da área. Bayne recostou-se contra uma parede perto de Constantine, que estava sentado no chão, com uma garrafa de água. Runeestava mais longe, perto dos pesos livres, enquanto secava seu pescoço com uma toalha. As perfurações já estavam sarando. Graydon ficou a 1m deles, de braços cruzados, olhando para ela com uma expressão ansiosa. Ok, aquilo era talvez um pouco perto demais quando ela estava ocupada, se perdendo no beijo de Dragos. Ela o enxotou com os dedos. Ele balançou a cabeça. Em seguida, ele murmurou, "Que porra é essa?" Ela arredondou os olhos, voltando-lhe a boca," eu não sei." Ela enxotou-o novamente. O grifo era teimoso como uma mula. Ele limpou a garganta e disse em voz alta, "Chefe, você tem que saber que nunca faríamos mal a ela. Nós estávamos somente treinando algumas manobras de autodefesa. Ela acabou por ser tão malditamente boa nisso, que começamos a nos divertir, isso é tudo." Dragos levantou a cabeça. Ele segurou a parte de trás de sua cabeça e puxou-a mais perto conforme se afastava dos grifos, colocando seu corpo entre ela e eles. A ficha caiu. Ele não estava sendo protetor. Ele quase tinha matadoseu Primeiro, porque ele estava com ciúmes. Ela colocou as mãos em seu peito e empurrou. Ele deixou seu aperto afrouxar. Ela olhou para ele, mas quando viu a tensão em seu rosto sombrio, a pequena e rápida chama de raiva morreu. Talvez ela não entendesse o que estava acontecendo. Talvez ela nunca entenderia. Ela se largou. "Há algo mais que eu possa fazer?" "Eu preciso falar com meus homens", disse ele. Ela inclinou a cabeça e assentiu. Ela olhou em volta para o do ginásio vazio. "Tudo bem. Eu gostaria de tomar um banho.” Ele a deixou ir. "Vamos todos para cima." Enquanto ele falava a seus homens, ela se virou em direção às portas. Uma mulher alta poderosa estava na entrada, olhando para eles. Armada e vestida em couro, ela tinha uma beleza estranha, com os músculos magros, cabelo preto emaranhado e olhos cinzentos de tempestade. Levou um tempo para Pia a reconhecer. Era uma das sentinelas do terraço da Torre. Aryal, a harpia. A mulher se virou enquanto ela observava, mas não antes de Pia ter visto o olhar impiedoso e a face branca e fria do julgamento. Pia,Dragos e os quatro grifos subiram para a cobertura. Pia pegou a caixa da Saksem cima da cama e desapareceu para o banheiro sem uma palavra. Alguns momentos depois o chuveiro foi acionado. Os grifos invadiram o bar atrás de garrafas de Heineken. Dragos abriu as portas francesas. Ele parou à porta enquanto uma forte brisa soprou para dentro, o ar fresco foi estimulante e calmante. Rune se juntou a ele, de maneira casual e descontraída, as mãos na cintura, e como ele, também olhou para a cidade.


Ele disse ao seu Primeiro em voz baixa: "Eu lhe devo um pedido de desculpas." O grifo procurou seu rosto. "Está tudo bem, meu senhor. Eu posso imaginar como as coisas devem ter parecido. Você já nos alertou para tomar cuidado com ela." "Não", ele disse. "Não é certo. É claro que eu não estou no controle. Estou bem ciente de que não estou agindo ou pensando normalmente, ou mesmo racionalmente." O olhar de Rune era penetrante, talvez muito penetrante para seu gosto. "Dragos", disse ele, "todos nós já vimos Wyr agindo desta forma antes, você sabe. Nós apenas nunca vimos você agindo desta forma." Ele inclinou a cabeça. "O que você quer dizer?" "Vamos lá, pense sobre isso", disse o Grifo, um sorriso vincando seu rosto bronzeado. "Quando é que vemos Wyr sendo muito ciumento, possessivo e obsessivo? Quando seus temperamentos se tornam muito voláteis? Muito irracionais?" Sua boca torceu. "Eu sempre fui mal-humorado." "Bem, sim, você pode ser um mal-humorado filho da puta, especialmente quando as coisas não saem do seu jeito. Mas você sabe, você só perde a paciência quando existe uma razão.Há uma razão para tudo isso também." Seus pensamentos se torceram e se viraram. Ele considerou os dramas que aconteciam quando os ânimos Wyrse tornavam acalorados. "Você acha que eu estou em acasalamento." Seu Primeiro encolheu os ombros. "A possibilidade me ocorreu. Há também muita coisa acontecendo agora. Você tem estado sob considerável pressão. Foi raro acontecer de você estar em perigo real de ser morto.” Ele respirou fundo e assentiu. Acasalamento. Hmm. Ele era uma criatura solitária por natureza. Ele podia interagir com os outros, mas por dentro ele sempre tinha sido um solitário. Ele combatia o stress pela socialização constante na vida moderna, escapando para longos voos regulares, ele podia perderse no vento e na luz do solar. Essa foi à justa posição que o deixou perplexo. Ao invés de sentir alívio por escapar da presença de Pia hoje cedo, quando ele tinha deixado de dormir na sua cama, ele tinha sentido sua ausência como uma perda. Ele tinha. . . tido saudades dela. "Eu acho que eu tenho muito que pensar", disse ele. A ironia desta declaração lhe ocorreu, vindo tão rápido, quanto depois que ele tinha dito que este era o refrão preferido de Pia. Ele esfregou o queixo e começou a andar ao redor do quarto grande. "Só – nenhum de vocês toque nela por hora. Não até eu entender tudo isso." Rune caminhou para se juntar aos outros nos sofás ao redor da lareira e aceitou a garrafa de cerveja pilsen que Bayne ofereceu. Ele disse: "Entendido. A menos, claro, que a vida dela dependa disso." Ele explorou a paisagem estranha dentro de si por um momento e concordou com a cabeça. Ele mudou de assunto. "Ainda sem sorte quanto à localização de Urien," disse-lhes. "Quaisquer Goblins que possam ter sobrevivido, espalharam-se. O prefeito está se lamentando, o governador de Illinois está tentando cavar um túnel em minha bunda, os Elfos estão sendo manipuladores, e. . ." Ele parou e balançou a cabeça. "Ela não disse que está alimentando o estado, não é?" Graydon esfregou o rosto, cobriu a boca com a mão e disse, abafado, “Hã-hã." Rune e os outros não eram tão circunspectos. Eles caíram na risada perante sua expressão. Rune, explicou: "Ela pediu ao assistente para completar o estoque de todos os bancos de alimentos do estado. Para ser honesto, eu acho que o cartão de crédito dela há assustou um pouco. Talvez ela seja mais uma mulher do tipo flores e doces." Vendo sua careta, Graydon acrescentou: "Ela gostou do manto, no entanto. Disse que era muito legal."


"Que seja", disse ele, descartando o assunto com um aceno de sua mão. "Eu acho que está bastante claro para todos, que eu não posso estar cercado de muitas pessoas neste momento ou eu realmente posso rasgar a garganta de alguém." Bayne resmungou. "É muito difícil pedir desculpas, depois que a conversa degenera a esse ponto." Ele lhes deu um sorriso triste. Ele completou um circuito da sala e começou outro. "Outro dia como o de hoje não vai acontecer. Começaremos a liquidar alguns dos negócios e simplificaremos a vida." "Talvez seja uma boa ideia ir para Cartago no norte do estado por algumas semanas, em vez disso", disse Constantine, em uma voz cautelosa. Ele se referia à propriedade de 250 acres de Dragos no interior do estado, no norte de Nova York. "Você sabe, tirar algumas tardes e voar sobre as Adirondacks, descobrir o que você realmente quer fazer, deixar a coisa acertada em sua cabeça?" "Ir para onorte do estado por um tempo não é uma má ideia,” disse ele. "Mas eu já estou resolvido sobre as coisas. Fora o fato de que Urien tem que morrer, eu quero reduzir a minha vida e me livrar de algumas dores de cabeça. E enquanto estamos no assunto, eu quero que vocês me ajudem a descobrir o que fazer com todo o lixo que eu tenho amontoado debaixo do metrô." Debaixo dos jatos do chuveiro, Pia estava sentada no banco com a cabeça entre as mãos. A reação de medo e adrenalina a atingiu e ela chorou até que sua garganta doía, seu nariz entupia e ela não podia chorar mais. Os últimos dias tinham sido tão cheio de extremos, ela sentia como se estivesse sofrendo de algum tipo de choque psíquico. Tudo era estranho, cheio de fluxos e nuances oculta, com episódios de intensa alegria e repentinas pontas afiadas de ansiedade e isolamento. Arealidade tornou-se um caleidoscópio que vivia quebrando e se reformando. Por um tempo, quando a merda tinha caído no ventilador, Dragos tinha sido seu centro, o seu ponto estável. Estranho, mas ela tinha estado bem com todo o perigo eincerteza que os rodeava. Aqui,Dragos era parte de tudo, mais imprevisível e desconhecido. Ela teve momentos de lucidez quando sentiu que ela estava ligada a ele, de uma forma que foi mais profunda do que qualquer um deles compreendia. Sentia-se como se o compreendesse melhor do que ele mesmo. Então, toda a certeza deslizou para longe e ela foi deixada, agarrando-se ao ar. Quando isso aconteceu, ela se sentiu fraturada por dentro. Talvez ela fosse o caleidoscópio, quebrando e reformando. Talvez ela fosse à parte de tudo o que era imprevisível e desconhecida. Ele foi além de esplêndido. Ele fez com que sua respiração ficasse presa e seu coração disparasse, seu temperamento explodisse e seu senso de humor afiasse. Ele conseguiu fazer sua sexualidade dançar de alegria. Ele queria que ela confiasse nele, mas como ela poderia confiar em alguém que ela não entendia? Como ela poderia amar alguém que admitiu que nem sabia o que era amor, que a reivindicou como sua posse e que era capaz de quase matar seu aliado mais antigo, mais confiável e amigo? Espere um minuto. Ela não acabou de pensar nisso, acabou? Bem, isso não era verdade. Ela estava sofrendo de uma versão super valorizada da Síndrome de Estocolmo*. Ela admitiria que tivesse a “síndrome de água na boca” por ele. Hã, não que ela pudesse negar nesta fase final. Mas ela não iria admitir a palavra com A. Oh Deus.

*http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_de_Estocolmo


Ela queria ir para casa, mas ela não tinha uma casa. Seu apartamento não eramais dela. Já poderia ser de outra pessoa agora. Mesmo que isso não tivesse acontecido, ela tinha medo de não ser capaz de entrar novamente naquele lugar, ela o acharia entulhado e muito pequeno e tão estranho quanto tudo o mais em que se transformou sua vida. A porta do box se abriu. Ela começou a se mover e se encolheu de volta ao banco, cobrindo os seios em um gesto reflexivo, quando Dragos entrou completamente vestido. Ele se ajoelhou na frente dela, segurando o banco de cada lado de suas coxas. As linhas graves de seu rosto e corpo musculoso logo ficaramencharcados, seus olhos dourados estavam sombrios. Ela puxou a gola da camiseta encharcada dele e suspirou. "O que você está fazendo?" "Vocêchorou de novo", disse ele. "Por quê?" Ela riu, um som pequeno, oco. "Dia difícil, eu acho." "Não disfarce", disse ele. "Diga-me por que." "E se eu não quiser", ela retrucou. "Difícil", disse a ela. Ele pegou seus ombros e puxou-a em seus braços. "Você tem que me dizer, para que eu possa aprender a não fazer, seja lá o que eu fiz." Maldito. Como ele podia acabar dizendo exatamente a coisa certaquando ela mais precisava dela? "Quem disse que foi você? Eu já lhe disse, tudo está me atingindo." Ela colocou o rosto em seu pescoço e acariciou, deleitando-se com sua pele quente e molhada. "Ainda disfarçando", disse ele. Ele pegou um frasco de sabonete para o corpo de ervas perfumado, esguichou um pouco em uma palma e começou a massagear o pescoço e os ombros dela. "Você estava se divertindo com os grifos. Fui eu." "Nós não estávamos nos divertindo o tempo todo", ela resmungou. Ela engoliu um gemido ao sentir como era bom sentir suas mãos massageando seus músculos cansados. "Eu tive que exercer uma grande parte do meu considerável charme sobre eles nos últimos dias." Seu peito se moveu em uma risada silenciosa. Seus dedos percorriam a forma de violino pálida de suas costas, arrastando espuma. Ele fez uma pausa e disse em um tom sombrio, "Você tem uma contusão dos diabos em seus ombros." "Não comece mesmo que comigo", disse ela. Ela esfregou as costas dele. "Depois de todo o meu trabalho duro, nós acabamos nos entendendo muito bem hoje. Tenho que lhe dizer que eu estava me divertindo esplendidamente, limpando o chão com eles, quando você acabou com a festa." Ele se afastou e levantou-se para despir as roupas encharcadas e arremessá-las a um canto. Ela olhou para as linhas elegantes e fortes de seu corpo nu e seu coração começou a bater. Ela não podia lidar com a força de sua reação a ele agora. Ela desviou o olhar. Ele sentou-se no banco e a puxou para cima. Ela tentou se afastar. "Dragos, não. Eu não posso.” "Silêncio. Confie em mim.” Ele a colocou em seu colo e a posicionou de modo que ela estava olhando para ele. Então, ele se inclinou para trás contra a parede, passou os braços em volta dela, deitou a cabeça em seu ombro e apenas a abraçou. Ela deitou a cabeça no ombro dele também e ele a balançou. Ele disse: "Tira isso." "Você é uma verdadeira encheção de saco." Ela suspirou, removendo o feitiço de amortecimento. "Eu sei." Ele apertou um beijo em sua clavícula. Sua ereção estava pressionada entre eles, mas ele não fez nenhum movimento sexual. Ela fungou quando o calor e conforto deslizaram através de seus membros. "E eu sou uma verdadeira manteiga derretida.”


"Assim fala a dama que, segundo Rune, jogou pela sala quatro dos meus lutadores mais duros, como se eles fossem travesseiros," disse ele. Ele esguichou shampoo em cima da cabeça dela e ensaboou seu cabelo. "Eu te assustei de novo, não foi?" "Não. Sim. Ah, eu não sei." Ela se endireitou e olhou para ele. Água escorria dos planos duros de seu rosto e salpicavam em seus cílios negros. "Como você pôde fazer isso com ele? Ele é o seu segundo em comando. Você os conhece há. . . por muito mais tempo do que eu posso compreender. Se você pode fazer aquilo para ele, para quem mais você poderia fazer a mesma coisa?" "Neste momento, eu poderia fazer isso para qualquer um, menos você." Ele a levantou de seu colo, ficou de pé e se ensaboou. Ele lavou sua virilha e genitais. Manipulou seu pênis ereto com praticidade revigorante, mas ela ainda tinha de desviar o olhar, pois ele estava de dar água na boca. Ela terminou de enxaguar seu cabelo enquanto ele escorria. Ele desligou o chuveiro. Ela enrolou os cabelos em uma toalha e se secou com outra, enquanto Dragos esfregava uma toalha sobre sua cabeça e corpo. A domesticidade da cena era tanto bizarra quanto sedutora. Ela lutou para não ceder a um sentimento de pertencer. Era uma ilusão. Ela se enfiou no robe preto da Dolce&Gabbana e viu seus olhos clarearem com aprovação. "Por que ninguém além de mim?", ela perguntou. "Por que eu sou a única que está segura?" Por que eu posso confiar em você? Ela queria perguntar. Mas a tensão havia aliviado em suas feições e ela não queria perturbar a paz que havia surgido e tomado seu lugar. Ela tirou a toalha de seu cabelo e começou a escová-lo por todo o seu comprimento. Ele parou atrás dela, uma toalha pendurada ao redor de seus quadris e tomou a escova dela. Ele alisou o cabelo enquanto ela o assistia pelo espelho. A trança de cabelo molhado em seu pulso estava do mesmo tom escuro de mel. Depois de vários momentos de olhar pensativo, ele disse, "Você não sabe muito sobre como viver em sociedade Wyr, não é?" Ela balançou a cabeça. "Eu esqueci o quão isolada você foi." Ele beijou sua nuca. "Tudo se esclarecerá em seu devido tempo. Eu prometo. Apenas acredite em mim quando digo, que eu nunca te machucaria, eu vou protegê-la de qualquer outra pessoa que tentar machucá-la." Ela acreditou mesmo nele. Isso se encaixava em como ele respondeu a ela, quando ela agiu para acalmá-lo, com tudo o que ele tinha dito e com todas as suas ações. As coisas se acomodaram em seus devidos lugares. "Tudo bem", disse ela. "Mas como podemos ter certeza de que você não vai ferir os outros, então? Eles são tão leais a você, Dragos”. "Eu sei que são. Eles são bons homens. Você vai ter que aceitar minha palavra de que eles entendem o que aconteceu mais cedo, talvez até melhor do que eu. Nós fomos todos um pouco descuidados demais hoje. Isso não vai acontecer de novo." "Você poderia ser um pouco mais enigmático?" ela perguntou. Irritação provocava o sarcasmo nela como nenhuma outra coisa. "Poucas dessas frases fazem sentido, você sabe. O que não vai acontecer de novo?” Ele sorriu. "Você está com fome? Vamos jantar. Já deve estar preparado na sala de jantar agora." Uma vez que ele mencionou comer, ela percebeu como estava faminta. De repente, ela se sentiu vazia e frágil. "Eu estou morrendo de fome. Tudo que eu tive para o almoço foi uma salada." Ele franziu o cenho enquanto caminhava para o vestiário. "Você deve comer mais do que isso. Deve ser necessário muita alface e cenouras, para manter qualquer corpo de peso normal." "Muito engraçado". Ele inclinou a cabeça para ela. "Eu não sabia que estava fazendo uma piada."


Ela o seguiu e escolheu um top vermelho sem mangas e uma saia branca salpicada com grandes flores vermelhas, combinando. Ela vestiu a calcinha, mas não se incomodou com um sutiã ou sapatos. Os olhos de Dragosbrilharam com aprovação quando ele a viu. Ele havia se vestido de maneira simples também, com outra camisa branca de seda Armani, com mangas enroladas e calças pretas. Eles caminharam até a sala de jantar. Seu estômago roncou com o cheiro apetitoso de carne assada, pão fresco e alho. Cheiro apetitoso. . . carne assada. . . Uma onda de náusea vertiginosa a atingiu. Mas que diabos? Ela parou abruptamente, apoiou uma das mãos na parede e apertou a outra em seu estômago. Quando a saliva inundou sua boca. Dragos virou. Ele serpenteou um braço ao redor de sua cintura. "O que há de errado?" Ela levantou uma mão enquanto se concentrava em respirar profundamente. A náusea e a tontura passaram depois de um momento. Ela se endireitou. "Eu estou bem." "Você vai voltar para o quarto", disse ele. Seu rosto definido em linhas duras. "Eu vou mandar chamar o nosso médico Wyr". "Não, eu não vou, e não, você não vai", disse ela. Ela lutou contra seu aperto. Ele se recusou a deixá-la ir. "Dragos, por favor. Pára com isso. Eu estou bem. Eu não comi muito hoje, mais cedo e eu estou apenas - com mais fome do que eu percebi. Todos os cheiros são bons por aquele caminho e você quer ir na outra direção? Não seja tão mau." Ele concordou e deixou-a ir com óbvia relutância. Ela levantou as mãos e deu de ombros para ele. Ele continuou a observá-la enquanto eles iam para a sala de jantar. Dois locais foram colocados numa extremidade da mesa grande de mogno polido, perto da janela, rodeados por diversos pratos cobertos. Velas brancas foram acesas e havia um buquê de rosas brancas grandes em um vaso de cristal de pregas. O horizonte da cidade foi o pano de fundo para o conjunto. Ela foi inundada pelo prazer. "Como é belo. Eu adoro rosas.” Ele sorriu. "Ótimo. Eu esperava que você gostasse." Ele segurou a cadeira para ela e então se sentou também. Um prato de algum tipo de carne assada fatiada estava perto do cotovelo de Dragos, juntamente com batatas e molho. Revoltada com a visão e confusa, ela desviou o olhar. Perto dela estava um prato de macarrão gravata borboleta com pimentão vermelho e brócolis em molho de alho coberto com queijo, uma salada de espinafre coberto com fatias de manga e nozes. Entre eles estava uma cesta de pães de grãos brancos e inteiros. Uma garrafa abertade Pinot Noir colocada ali perto. Seu estômago deu outra guinada instável, mas ela estava com tanta fome, que apesar disso, ela se forçou a dar uma mordida na massa. A náusea desapareceu como se nunca tivesse existido. Ela disse: "Isto é delicioso." "Se você gosta de doce, você pode querer guardar espaço para a sobremesa", disse ele. "Temos morangos mergulhados no chocolate amargo." Ela suspirou. "Eu morri e fui para o céu." O silêncio caiu enquanto eles se concentravam em sua comida. Ela sentiu novamente aquela sensação bizarra, de dividir uma cena domésticatão simples como jantar com ele. Pega pelas garras da fome compulsiva, ela comeu como se não houvesse amanhã. Em seguida, ficou mais fácil para ela ser capaz de pensar novamente. Sentindo-se hesitante, ela perguntou a ele sobre seu dia e ficou surpresa e lisonjeada quando ele aparentemente respondeu com toda a franqueza. Ele contou a ela sobre o desaparecimento de Urien, o seu conflito corporativo, o prefeito e os Elfos. Ela mordeu o lábio, se sentindo inquieta. "Isso não vai ter uma resolução rápida ou fácil, não é? " Ele lhe dirigiu o olhar por sob as sobrancelhas abaixadas enquanto tomava um gole de vinho. "Parece que não. Poderia ser uma boaideia para nós, passarmos algum tempo em minha propriedade rural. Não só é mais sereno e privado, é bem defensável."


Nós. Nós. Suas roupas em seu quarto. Dormindo em sua cama. Ela pensou em seu confronto com o Rei Fae na planície e como Dragostinha contrariado seu instinto de perseguir para que ele pudesse protegê-la. "Dragos, o que está acontecendo aqui?" "O que você quer dizer?" Ela depositou seu garfo. Ele olhou para ela, pensamentos passando por seu olhar sombrio e dourado. Depois de alguns momentos, ela disse, "Eu gostaria de lhe fazer umasérie de perguntas, se eu puder.” Ele depositou o garfo e faca também e apoiou os cotovelos sobre a mesa, apertou as mãos frouxamente, os dedos indicadores pressionados contra sua boca. "Vá em frente." Ela começou a dobrar a ponta do guardanapo de linho. "Você estaria caçando Urien você mesmo se eu não estivesse aqui?" "Sim", ele respondeu sem hesitação. Por um momento, ela perdeu o fôlego. Implicações tentaram povoar sua mente. Ela as evitou e focou em outra pergunta. "O que aconteceu com o meu apartamento?" "Eu presumo que está onde você o deixou", disse ele. "Por quê? Você quer alguma coisa de lá?" Ela apertou suas mãos. "E se eu quiser ir embora? E se eu quisesse voltar para lá?" "Você prometeu que não faria isso." Sua voz era firme, implacável. Justo. Ela começou a plissar o guardanapo novamente. "E se eu quiser o meu próprio quarto?" Silêncio. Ela se forçou a continuar. "E se eu quiser ir ver os meus amigos? E se eu quiser começar a trabalhar no meu serviço de novo?” Silêncio. Ela olhou para cima e encontrou o olhar do dragão. Ele não tinha mudado de posição, mas suas mãos tinham se cerrado. Seus dedos estavam mais longos e terminavam em garras afiadas. Ela não tinha certeza de qual emoção se moveu dentro dela com esta visão. Ele era de longe a criatura mais perigosa e digna de pena. Ela se sentiu preocupada. Ela estendeu a mão pela mesa, mantendo-a aberta para ele e disse em uma voz suave, "São apenas perguntas, grandão". Ele encarou sua mão apoiada sobre a mesa, seus dedos curvados sobre uma palma vazia. Por um momento, que se tornou mais terrível do que ela podia imaginar, ela pensou que ele ignoraria sua tentativa de aproximação. Então, aqueles longos dedos com garras envolveram os dela com a maior delicadeza. Ele disse, sem expressão, "O que você quer?" Algo estava em jogo nesta posição indefinida em que eles se encontravam. Ela escolheu suas palavras com muito cuidado. "Eu não tenho certeza, só que eu gostaria de saber que minhas vontades contam. Eu não quero que falem sobre mim na terceira pessoa, enquanto eu estou de pé, logo ali ou que a minha vida seja organizada sem meu consentimento. Eu gostaria de entender o que estamos fazendo." "Isso ajudaria nós dois", disse ele. Linhas envolviam sua boca. Ela o estudou. "Cinco dias atrás, mais ou menos, pelo menos para nós, minha vida estava em perigo e eu estava fugindo de você. Agora minhas roupas estão em seu quarto, nós estamos compartilhando uma cama e eu estou preocupada sobre como eu posso me encaixar aqui. Isso além de todo o resto como Urien e Goblins e relações Elficas. Meu passado parece que se foi. Eu não tenho amigos aqui. Tricks não conta já que ela não vai ficar. O futuro não está definido e parece que o que quer que seja queestejamos fazendo, não tem qualquer contexto ou base." "Você está certa, seu passado se foi", disse ele. "Você vai fazer amigos aqui, se você quiser. No que diz respeito ao futuro ou qualquer contexto possível ou fundação que possamos ter, você tem que tomar algumas decisões. Eu acho que é melhor fazê-lo bem rápido."


Ele falou com a mesma clareza direta, com que ele tinha dito a ela de como negociar os perigos, da captura deles pelos Goblins. Em vez de se sentir desconcertada pela atitude dele, uma calma profunda se instalou dentro dela. Ela apertou sua mão e seus dedos retribuíram a pressão. "Tudo bem, que tipo de decisões você acha que eu tenho que fazer?” “Rune acha que eu posso estar me acasalando com você,” ele disse, o dragão ainda olhando através de seus olhos. "Eu acho que ele pode estar certo." Acasalando com ela. Todo o ar deixou oquarto e sua tontura de antes voltou com força total. Ela pode não saber muito sobre os meandros da vida em completa sociedade Wyr, mas ela sabia que Wyr nem sempre se acasalavam. Quando o faziam, era para a vida. Foi o aconteceu com sua mãe, que havia se ligado a um homem mortal. Depois que ele morreu, ela tinha se segurado à vida pelo bem de sua filha, mas quando Pia já não era tão dependente dela, ela perdeu a vontade de viver e desapareceu deste mundo. "Oh Deus." Seu rosto parecia sem sangue. "Você não pode acasalar comigo. Eu sou uma mestiça mortal. Isso vai mata-lo." "Isso não parece ser um fator relevante." Ele parecia composto como sempre, mas ele agarrou-lhe a mão com tanta força, que ela não podia sentir seus dedos. "Além disso, o que você é parece ser parte de uma incógnita. Sua mãe era mortal?" "Não até que ela acasalou com o meu pai e ele morreu." Ela esfregou a testa. "Ela aguentou por um longo tempo. Ele morreu antes que eu fosse velha o suficiente para me lembrar dele. Quando eu era pequena não sabia de nada. Mas quando cheguei à idade suficiente para cuidar de mim, eu podia senti-la desaparecendo. Ela não estavamais interessada na vida. Foi uma coisa terrível de se ver". "Se você for capaz de assumir plenamente suas habilidades Wyr, você vai ser o que a sua mãe era." "Mas e se eu não puder?" Ela sussurrou, olhando para ele com horror escurecendo seus olhos. "As coisas são como são, Pia." Ele parecia tão destemido como sempre. "Tudo tem um fim. Mesmo eu vou terminar de uma maneira ou de outra. No momento, isso está fora de questão. Se você quiser deixar o meu quarto ou minha vida, é melhor você decidir agora. Eu vou fazer o meu melhor para tentar deixar você ir. Se isso é realmente o que você precisa. Eu não possogarantir nada. Isso vai contra todos os meus instintos, porque você é minha." Seu rugido sacudiu o chão. Sacudiu Pia também. Ela puxou sua mão e depois de um momento, ele a liberou. Ela colocou os braços em volta de sua cintura e olhou para o azeite e pedaços de alho congelando em seu prato. O silêncio entre eles tornou-se pesado, sulfuroso. O ritmo rápido de botas soou no corredor. Graydon virou no canto da sala de jantar em jeans e uma jaqueta Harley Davidson. "Ei, chefe, consegui o que você queria." Ele parou e olhou do rosto aflito de Pia para aexpressão sombria de Dragos. "Eu volto depois" "Não." Dragoslevantou-se em um movimento rápido. "Dê a ela e fique comela. Eu estou saindo para um voo.” Um voo, em um momento como este? Ela olhou para cima e disse: "Dragos, não." Sua reação foi imediata. Ele parou e olhou para ela. "O Rei Fae", disse ela. "Ele ainda pode segui-lo. Não é seguro.” Ela poderia dizer que não era o que ele queria ouvir dela. A escuridão voltou a seu rosto. Ele disse com brutalidade deliberada, "Eu sou muito mais seguro sozinho.” Ela se encolheu e desviou o olhar. Dragos olhou Graydon. "Eu vou estar na faixa telepática." Ele marchou para fora. "O que isso significa?", Disse. "Faixa telepática. Quem eu conheço com esta habilidade, só pode se comunicar se estiverem a poucos metros de distância um do outro."


"Dragos tem um alcance que é mais como uma centena de quilômetros", Gray disse a ela. Ela empurrou seu jogo de pratos para longe e colocou a cabeça entre as mãos. Graydon suspirou e veio sentar-se ao lado dela. "Sinto muito", disse ela em suas mãos. "Eu sei que você não quer estar aqui." "Você cale essa boca," ele disse a ela. "Não tenho problemas em estar aqui. Eu só acho que seria melhor se Dragos estivesse aqui, ao invés disso." Ela olhou para o grifo sobre seus dedos. Ele pegou a garrafa de vinho e estava olhando para o líquido deixado no interior, suas feições marcadas pelo tempo estavam contemplativas. Havia sobrado cerca de um terço da garrafa. Ele inclinou a cabeça para trás e bebeu tudo. Ela disse: "Sente-se melhor?" "Não", ele disse. "Para isso, seria necessário uma garrafa de uísque. Ou duas. Foi um daqueles dias, sabe o que eu quero dizer?" Ela assentiu com a cabeça. Sim, amigo, ela sabia. Ele enfiou a mão no casaco e tirou um pacote embrulhado em dourado. Dando-lhe uma careta, ele o colocou na frente dela. "Eu tenho certeza que não era para ser deste jeito, mas tudo bem. Isto é do chefe." Ela olhou para o pacote fino. "Será que vai explodir na minha cara, como tudo hoje?" "Sei, não. Poderia, a julgar pelo que eu acabei de presenciar". Graydon achatou suas mãos sobre a mesa e se levantou. "Volto já". Ela pegou o pacote e rasgou o papel. Na caixa preta, estavam às palavras Tiffany &Company. O sentido do bizarro voltou mais forte do que nunca enquanto ela abria a tampa. Um colar aninhado em veludo marfim, um anel de opala fixados em ouro. As opalas eram maiores do que o tamanho das suas unhas dos polegares e tinha um brilho multicolorido diferente de quaisquer outras opalas que ela já tivesse visto. Com lágrimas formigando na parte de trás do nariz, ela baixou o estojo e levantou o colar. Ele se espalhou sobre seus dedos, as pedras piscando com cores intensas à luz das velas. Graydon apareceu com uma garrafa de uísque debaixo do braço. Ele carregava outraaberta em sua mão. Ele acenou com a cabeça quando viu a expressão no rosto dela e tomou um gole. Então, ele deu a volta no canto da mesa e sentou-se ao seu lado novamente. Ele deslizou a garrafa aberta para ela. Johnnie Walker Blue. Tudo bem. Ela tomou um gole saudável e olhou para a garrafa. Porra, esse material era suave. Cortá-lo com gelo seria apenas errado. "Um dragão acaba de me dar uma peça de jóia", disse ela. Ela tomou outro gole direto da garrafa e a passou para Graydon. "Será que agora faço parte do seu tesouro?” Ele balançou a cabeça e bebeu demais. "Não, docinho", disse ele. "Eu tenho certeza de que você o substituiu."


Desesseis

Ela olhou para o Gryphon. "O que você quer dizer?" "Ele está reduzindo os custos. Ele decidiu vender alguns negócios, está fazendo planos para reduzir consideravelmente o seu tesouro, ou movê-lo, ou merda, eu não sei, talvez abandoná-lo completamente. Diz que quer se livrar da interferência. Graydon esfregou a testa. "Eu acho que talvez o inferno realmente tenha um dia frio de vez em quando. Não parece que ele está muito bem da cabeça, não é?" Os olhos dela brilharam molhados. Olhando alarmado, ele estendeu a mão para acariciar a dela, então pareceu repensar o gesto. Ele disse: "Eu sei que ele não é um cara romântico. Quer dizer, ter a mim apenas entregando-lhe o seu presente e tudo. Até eu sei que ele é imperfeito, mas eu acho que ele está tentando. "Há até lindas flores sobre a mesa e merda..." Sua voz falhou quando ela apenas olhou para ele. Ele ofereceu-lhe a garrafa. Seu estômago deu outra guinada inexplicável. Ela balançou a cabeça. Ela dobrou o guardanapo e sussurrou: "Eu preciso de um amigo para conversar." A rouca voz Griphin tornou-se gentil. "O que eu sou, um fígado picado? Você acabou comigo esta tarde, o que nos torna praticamente amigos no meu livro.” Ela pegou o colar novamente, virando-o de maneira a capturar a luz do fogo. "Eu não acabei com você." "Se você tivesse um osso malvado em seu corpo, você poderia ter feito", Graydon disse a ela. "Agora Rune está vasculhando a cidade atrás de um especialista Wing Ding para nos treinar. Todos nós iremos aprender a ir com o fluxo ou qualquer merda que seja isto que você disse. Acha que vamos parecer tão bonitos quanto você fazendo isto?" "Sem chance", disse ela sorrindo enquanto olhava para ele de soslaio. Seus olhos cinzentos estáveis sorriram de volta. "Isso foi o que eu disse também. Con, no entanto, acha que vai parecer como merda quente, mas isso ele sempre faz. O cara gasta uma hora toda manhã apenas arrumando seu cabelo. Estou te dizendo. Produtos de cabelo para homens? Isso não está certo." Ela riu. Um silêncio companheiro caiu entre eles. Ela brincava com o colar enquanto ele se esparramava na cadeira e bebia uísque. "Então", disse o Griphon finalmente, "conte para o Tio Gray tudo sobre isto. Dragos feriu seus sentimentos ou alguma coisa assim?" "Uau, isto seria simples", disse ela. "Já passei por isso, fiz aquilo, faremos de novo em breve, eu imagino. Ele disse que poderia acasalar comigo." "Oh", disse Graydon. "Isso." "Sim, isso". As palavras começaram a saltar para fora dela. "Nós nos conhecemos numa questão de dias e ele tomou conta da minha vida. Ele exige que eu confie nele, alega que eu sou sua como se eu fosse um pedaço de propriedade. Ele ainda não sabe o que eu sou e isso o está deixando louco." "Bem, nenhum de nós sabe, docinho. Nós não te entendemos e você não está disposta a falar sobre isso." Graydon bebeu um pouco mais. "Eu tenho minhas razões." Ela estremeceu. "E eu sou uma mestiça. Se eu não conseguir fazer uma mudança completa, isso vai matá-lo." "Então vocês falam sobre isso e ele sai", disse Grayson. "Não soa muito bem." "Bem, não. Ele disse que eu tinha que fazer a minha escolha, sobre o que eu queria mais rápido, então ele tentaria me deixar ir. Ele disse que não tinha certeza se conseguiria me deixar ir. Então ele me deixou. Enquanto isso, há o Rei Fae para lidar, e isso tudo é muito estranho." Ela moveu a mão num gesto destinado a incluir tudo.


"Eu mal conheço alguém aqui e parece que já despertei ressentimentos. Tudo que minha mãe me ensinou foi correr e me esconder. Não estou correndo nem me escondendo. Isso é loucura." "Ei, não venha com todo esse drama adolescente pra cima de mim", disse Graydon. "Vamos retornar a partir dos arabescos por um minuto e desembaraçar as coisas. Temos que tratar de Urien, ele é um fato perigoso da vida no momento, mas ele não é parte do problema real, não é?" Depois de um momento, ela balançou a cabeça. "Tudo bem. Agora, quem te odeia? Nenhum de nós sabe. Você é, com certeza, uma infernal virada de jogo e eu admito que nos pegoude surpresa. Nós não vimos a ideia com bons olhos a princípio e alguns dos sentinelas ainda estão irritados com isso. Mas nós nos ajustaremos. Mudanças acontecem. Isso não quer dizer que não haverão outros, que terão problemas, se você acasalar com Dragos. Ele é muito poderoso, financeiramente, politicamente e magicamente, eu não vou mentir para você. A política do Tribunal pode ser muito intransigente. Você tem que saber que faz parte do pacote." Ela estreitou seus olhos sobre ele, lembrando da mulher do lado de fora do ginásio. Ela descreveu a mulher para ele. "Ela é um dos sentinelas, não é? Parecia que ela tinha um ódio real por mim." Ele bateu as pontas de seus contundentes dedos contra a garrafa, franzindo a testa. "Esta é Aryal, e sim, ela é uma de nós. Ela não odeia exatamente você. Harpias não são conhecidas por perdoar realmente as coisas. Dê tempo a ela. Ela se aproximará." Ela assentiu. "Tricks mencionou alguns predadores impetuosos." Ele sorriu. "Há alguns orgulhosos Wyr-lions pobres e famintos na divisão de direito empresarial. Eles trazem um novo significado para a palavra 'mal-intencionado', mas eles têm o seu lugar. Se alguém lhe der algum problema, tudo o que você tem a fazer é me deixar saber e eu vou cuidar disso." "Obrigada". Ela deu-lhe um olhar irônico. Ela não disse isso, mas se ela fosse viver aqui, ela teria de lutar suas próprias batalhas e esculpir seu próprio nicho. Ele disse: "Isso pode ser difícil, mas é tudo simples ao mesmo tempo. Você sabe no que se resume. Você quer Dragos ou não? Você o quer muito, o suficiente para superar o que a sua mãe te ensinou e baixar a guarda, enfrentar toda essa merda, o Tribunal Wyr, e lidar com o que o futuro trouxer? Ou você quer fugir e deixar tudo isso para trás? Isso é tudo o que você tem que descobrir. O resto vai se resolver com o tempo." Ela tentou imaginar fugir e começar tudo de novo. Ela poderia ir para o sul. Ela estaria sozinha. Ela sabia, sem nem discutir, que se ela dissesse adeus a Dragos, não haveria segunda chance. "Está tudo acontecendo muito rápido." "Frequentemente, o vínculo do acasalamento Wyr faz isto. Eu sei de vezes em que isto aconteceu no momento em que os Wyr colocaram os olhos um no outro. Agora, houve algumas estradas esburacadas." “Alguma vez você soube do vinculo do acasalamento Wyr acontecer com uma pessoa e com a outra não?" Ele soltou um suspiro. "Essa é uma pergunta difícil. É muito mais complicado se for um vínculo Wyr com uma não Wyr, como uma humana, uma vez que os não Wyr não passam pela mesma experiência que nós passamos. Como acasalamento Wyr, eu lembro de uma vez, um par de centenas de anos atrás que não deu certo. Pelo menos, eu acho. Eles estavam indo para o processo de ligação ou estavam apenas fodendo? Ela se matou quando ele não quis tê-la." Sua testa enrugou-se. "Isso é terrível." "Nem me fale." "E se eu permanecer mortal?" Ele deu de ombros. "Dragos não parece estar fugindo por causa disso. Você vai negar a si mesma, um companheiro e a chance de ser feliz somente porque um dia você vai morrer?"


"Isso é diferente. Eu vou morrer, de uma forma ou de outra, se eu não puder me transformar. Só parece terrível pensar que Dragos poderia morrer por minha causa." Ele encolheu os ombros e olhou para as mãos enquanto girava a garrafa de uísque em círculos. "Não existem garantias na vida. Só porque alguns de nós tem excepcionamente uma vida longa e nos chamamos de 'imortais', não significa que não podemos ser mortos. Gostaria de aproveitar a chance de ter uma companheira, mortal ou de outra forma. A nossa maioria, você sabe. Nós nunca esperamos que acontecesse com Dragos, mas eu aposto com você que cada um de nós já pensou que sortudo filho da puta ele é." Eles ficaram em silêncio novamente. Então ela deslizou a mão para tocar as costas da dele. "Obrigada, Gray. Você é um bom ouvinte e um homem sábio." Ele pegou sua mão e apertou um beijo contra seus dedos. "Shhhh", ele sussurrou sobre sua mão, os olhos enrugados. "Não diga a ninguém." Ela sorriu para ele. "Seu segredo está seguro comigo." Ela ficou tentada a colocar as roupas de ginástica e gastar uma hora na esteira, mas o cansaço tomou conta dela. Tinha sido um longo dia e os Grifos já tinham dado a ela bastante trabalho antes que Dragos os parasse. Apesar dos protestos de Graydon, ela colocou o colar de volta na caixa, limpou a mesa de jantar, colocou as sobras na grande geladeira de aço inoxidável, enxaguou os pratos e os colocou na máquina de lavar louça. Então, ela decidiu esperar o retorno de Dragos na biblioteca. Rune veio se juntar a eles enquanto ela navegava através dos volumes. Ela cumprimentou-o, pegou um livro da história do início dos Wyr e se enrolou para ler em uma grande poltrona de couro. A cadeira era a peça mais maltratada da mobília da sala, o couro marrom escuro amanteigado, tendo um fraco, mas inconfundível e familiar cheiro masculino. Ela só podia imaginar Dragos relaxando nesta poltrona enquanto lia suas revistas científicas. Rune e Graydon respeitaram seu desejo tácito de privacidade e se sentaram no outro lado da sala para jogar xadrez. Depois de um tempo ela deixou o livro descansar sobre seu peito enquanto fechava os olhos. Um toque suave em seus ombros a acordou. Rune agachou ao lado do braço de sua cadeira, seus olhos gentis. Ela caiu para trás na cadeira e bocejou. "Que horas são?" "Passa das duas", ele disse. "Você parece abatida. Por que não vai para a cama? Melhor ainda, Dragos disse que ficaria na faixa telepática. Você pode chamá-lo de volta se quiser.” Ela balançou a cabeça. "Eu não quero fazer isso. Ele precisava de espaço. Ele teve um dia duro. E eu não quero ir para a cama sem ele." Seus olhos começaram a se fechar e ela os forçou a abrir. "A menos que vocês precisem ir para a cama?" Ele sorriu. "Ficaremos aqui até ele chegar. Não se preocupe conosco, estamos bem." Ela assentiu com a cabeça e sentiu um calor suave quando ele colocou um cobertor de cashmere ao seu redor. "Obrigada." "Obrigado você, Pia." Ele caminhou de volta para a mesa de xadrez e para Graydon. Ela fechou os olhos novamente. Logo, ela estava caminhando em uma floresta muito antiga, respirando seu cheiro de barro fresco. Um pequeno, perolado, luminescente dragão estava enrolado em seus ombros como uma estola. Ela acariciou a sinuosa e graciosa perna e o dragão levantou a cabeça para olhar para seus belos e profundos olhos azul violeta. Ela estava emocionada quando olhou para seus olhos inocentes bem abertos. "Eu te amo", disse o pequeno dragão. Ela beijou seu focinho delicado. "Eu também te amo, amendoim." Ela começou a despertar e se sentou, olhando ao redor. Por um momento, se sentiu desorientada e abandonada quando colocou a mão sobre a garganta e os ombros vazios. Graydon e Rune observavam do outro lado da sala. Ambos estavam bem acordados e alertas. Graydon disse: "O que foi isso?"


Ela balançou a cabeça. "Apenas um sonho." Eles ficaram de pé. "Que tipo de sonho?", Rune perguntou, olhos afiados. Ela franziu a testa para eles, não querendo compartilhá-lo. "Nada aconteceu. Foi apenas um sonho." Ambos olharam para o teto. "Dragos está de volta", Graydon disse a ela. "Ele vai ficar bem aqui." "Tudo bem", disse ela, magoada porque Dragos não a contatou telepaticamente e determinada a deixar que isso não importasse. Agora não era hora de mostrar uma pele fina, De fato, enquanto ela permanecesse na Torre, deveria abandonar qualquer sensibilidade delicada que pudesse ter por completo. Dragos entrou e a atmosfera na sala ficou elétrica. Ele parecia revigorado. Ele olhou para os Grifos e empurrou o queixo em direção à porta então eles deslizaram para fora, enquanto ele andava a passos largos e se agachava em frente à poltrona. Ela deu-lhe um sorriso hesitante quando ele apoiou os braços na cadeira e a olhou. Seu olhar era mal-humorado, sua boca apertada. "São quase quatro da manhã", disse ele. “Se você queria tanto evitar minha cama, poderia ter ficado em um dos outros quartos”. Seu sorriso desapareceu. Ela se esforçou para sentar direito e puxar a caixa de jóias debaixo do livro aberto. Ela jogou a caixa para ele. Impossível errar à queima-roupa. Ela bateu em seu peito. "Eu estava esperando para agradecer-lhe o presente", ela retrucou. "Que você, ah, a propósito, não me entregou pessoalmente. Mexa-se." Ele ficou agachado à sua frente, olhos apertados. Ela grudou seu rosto no dele, dando-lhe um olhar cheio de brilho intenso. Ela mostrou os dentes. "Eu disse para sair do meu caminho." Ele agarrou-a contra seu peito e baixou a boca sobre a dela. Ela lutou, conseguiu soltar um braço e deu-lhe um tapa no ombro. Ele agarrou-a pela nuca para mantê-la imóvel enquanto a devorava. Ela fez um som, parecido ao que alguém tenta fazer quando está amordaçado, contra sua boca e deu-lhe novamente um tapa, dessa vez mais fraco. Ele manteve seus lábios abertos e dirigiu a língua em sua profundidade. Maldito! Ela lançou o braço livre ao redor de seu pescoço e beijou-o furiosamente. Toda a eletricidade da sala lançou-se em seu corpo em um estrondoso choque. Depois de um momento, ele aliviou, tornando-se mais gentil. Ela chupou seu lábio inferior entre os dentes e mordeu-o com força. Ele a empurrou para trás, os olhos dourados queimando. Tocou os lábios, olhou para a mancha de sangue em seus dedos, seu rosto enrugado de tanto rir. "Você gostava de me ter beijando você." Ela não tentou negar. "Bem, há um monte de coisas acontecendo por aqui além disso. Eu tenho um pouco de raiva que ainda está em curso. Não que você tenha perguntado. Você veio aqui procurando comprar uma briga? Como você espera que eu confie em você, quando age como um porco?" Ele não gostou disso e olhou para ela. Impressionada com a força e a ferocidade da sua expressão, ela olhou para ele. Se ela estivesse encontrando-o pela primeira vez e ele olhasse para ela assim, ela giraria seu calcanhar em fuga antes que pudesse dizer Kentucky Derby. Como as coisas tinham mudado. Seu abraço afrouxou sobre ela. Ele recuou em seus calcanhares. Ela se endireitou e inspecionou o livro aberto que tinha ficado esmagado entre eles. Algumas das páginas haviam se dobrado. Ela alisou-as e, em seguida, deixou o livro numa mesa próxima. Durante todo o tempo ela estava focada nele agachado perto demais na sua frente. "Sinto muito", disse ele. Sua raiva não morria tão rápido só porque ele sabia como dizer a palavra "desculpa". Mas ela não queria começar a escalar coisas novamente, então apenas balançou a


cabeça. Talvez, esperar para falar com ele tenha sido um erro. Ela evitou o seu olhar enquanto dobrava o cobertor jogado, colocando-o sobre o braço da poltrona. "Pia." Ela olhou para ele. Ele segurou a caixa de jóias em direção a ela. "Eu tenho um presente para você." A rigidez que mantinha sua espinha ereta, derreteu. Maldito novamente. "Você tem?" Ele abriu a caixa e tirou o colar. Ouro e fogo do arco-íris brilhavam em seus dedos escuros e refletiam no brilho dos seus olhos. "Eu queria ver como as opalas pareceriam contra sua pele." "É um belo presente", disse a ele. "Obrigada." "Eu gostaria de colocá-lo em você." "Tudo bem", disse ela. Ela puxou o cabelo com uma mão e segurou-o de lado, enquanto se retorcia na cadeira. Seus dedos trabalharam em sua nuca, assegurando o fecho. Em seguida, o peso do colar firme no lugar ao redor do seu pescoço, muito mais pesado que as correntes finas as quais estava acostumada. Era mais longo que uma gargantilha e repousou no topo dos seus seios. Ela olhou para baixo e tocou uma das pedras. Seus dedos acariciaram o oco na base do pescoço e trilharam ao longo de sua pele. "Adorável", ele sussurrou. Ele se curvou e inclinou sua cabeça para pressionar um beijo contra sua garganta. Ela acariciou seu cabelo preto, os olhos semicerrados. Ele recuou. As linhas de tensão abriam um parênteses em sua boca novamente. "Você quer ficar ou não?" "Eu vou ser honesta com você", disse a ele. "É difícil querer ficar quando você está sendo impossível. Mas eu não quero ir." Seu olhar brilhou com alguma coisa, triunfo ou alívio, ou talvez ambos. Ele começou a puxá-la de volta para seus braços. "Espere." Ela apoiou as duas mãos sobre seu peito. "Eu não terminei. Eu não vejo como poderemos terminar esta conversa até que algo mais esteja concluído." "E o que é isso?" Seus olhos se estreitaram. "Eu preciso saber com certeza quem e o que eu sou. Nós dois precisamos saber. Isso tem que vir antes de qualquer outra coisa. Você acha que quer que eu fique, mas e se você mudar de ideia?" Ela colocou os dedos sobre sua boca quando ele ia começar a falar e disse: "Não importa o que você disser agora, desde que seja efetivamente sobre mim. Eu não vou ser capaz de confiar em coisas entre nós, até que eu acredite que você saiba quem eu sou. Inferno, até eu saber quem eu sou. Eu quero que você me ajude a tentar me transformar, por favor." Ele segurou a mão dela e tirou os dedos de sua boca. "Posso falar agora?" Ele exigiu. Ele parecia louco novamente. Ela se perguntou se alguém já tinha lhe dito antes, que não importava o que ele pensasse ou falasse. Ela lambeu os lábios secos e disse: "Sim." "Tudo bem. Você quer fazer isso, vamos fazer agora." Ele se levantou e a puxou para seus pés. "Agora?" Ela olhou para um relógio de parede próximo. "São quatro e meia da manhã." "Que inferno de diferença isto faz? Eu não vou te dar mais tempo para analisar e analisar as coisas para decidir, no último momento, não fazer algo que você disse que iria fazer, porque está com medo e amarelar. Você estava cochilando, não estava?" Ele a pegou pelo pulso e saiu pela porta. "Bem, sim." Ela correu para acompanhá-lo. "Maldição, isto é outra coisa. Você tem que parar de me arrastar por aí como um saco de batatas." As coisas eram sempre do tipo He-Man com ele. Ele mudou o seu aperto para entrelaçar seus dedos com os dela. "Melhor?" "Talvez", ela resmungou. Ele a levou através do quarto, para o quarto de vestir. "Você vai querer colocar um jeans e alguns sapatos, talvez pegar um casaco ou uma jaqueta. Há um receptáculo


da Outra Terra cerca de quinze minutos de voo a oeste da cidade. Eu já o usei antes para esse tipo de coisa. Não é muito grande, mas a magia é forte e estável." "Tudo bem." Ela entrou em seu armário e parou. Nervos começaram a amarrar seu interior em nós. Ela iria deixar que ele a encaminhasse a fazer isso agora? Sim. Porque ele estava certo, ela já estava analisando demais e já estava tentada a desistir por causa do medo. Foi difícil o suficiente tentar por conta própria e não se transformar. Parecia que muito já estava alinhado para isso. Não se dando a chance de pensar, ela arrancou sua saia e se enfiou em um par de jeans. Ela sentou-se no chão para puxar as meias com força e calçar seu tênis novo, em seguida, pegou um moleton preto com zíper. Então ela removeu com cuidado o colar de opalas e colocou sobre a cômoda ao lado de seu pequeno porta joias. Ela entrou no banheiro para escovar os cabelos um par de vezes e puxou o comprimento de volta com um elástico de cabelo. Dragos apareceu na porta do banheiro. Ele manteve os jeans, mas trocou a camisa Armani por uma camiseta preta que moldava seu torso musculoso. Ele calçava botas pretas e tinha uma arma no coldre em sua cintura e uma espada amarrada às costas. Ela elaborou brevemente a visão. "Cer-to." "É apenas uma precaução, Pia. Estamos deixando a cidade", disse ele. "Nós não vamos longe, os Grifos irão conosco, nós ainda estaremos dentro das minhas terras, mas você tem que se acostumar com isso. Sair armada é um fato da vida agora." "É claro. É apenas mais uma coisa para se acostumar." Ela olhou para o coldre. "Uma arma?" "É para qualquer problema que possa ocorrer neste lado da passagem. Elas são seguras o suficiente para carregar se você não dispará-las do outro lado." Ela fez uma careta. "Eu acho que vou me ajustar." "Você está indo mais do que bem com tudo isso", disse ele. "Eu estou orgulhoso de você." Ela sorriu para ele quando o prazer brotou. Ela calculou a medida de quão longe ela foi quando seu elogio a afetou tanto. Mas ela também suspeitava que ele não oferecia elogios levianamente ou frequentemente. "Tudo pronto?" ele questionou. Desta vez, quando ele se aproximou dela, estava pronta para ele e pegou sua mão. Bayne, Constantine, Graydon e Rune estavam armados e esperando por eles quando subiram para o telhado. Ela olhou de um para o outro. Eles estavam descontraídos e alertas e não davam nenhuma dica de que serem chamados antes do amanhecer, era algo incomum. Graydon piscou para ela e ela lhe deu um sorriso incerto. Pia não tinha imaginado que teria tanta audiência quando tentasse se transformar novamente. Ela se esforçou para não deixar que isso importasse, mas o terrível senso de estar exposta naquele dia mais cedo voltou, transformando seu nervosismo em medo. Dragos caminhou com ela até o centro do telhado. Algum sinal passou entre os homens que ela não captou. Os quatro sentinelas se transformaram em Grifos. Ela perdeu totalmente a sensação de medo quando a maravilha o superou, seu olhar fixo. Eles tinham o corpo de um leão e cabeça e asas de águia. Nenhum desenho de Grifo que ela já tivesse visto antes, tinha conseguido capturar sua estranha majestade e feroz dignidade. Eles eram menores que Dragos em sua forma dragão, mas ainda enorme para seus olhos, o corpo elegante e musculoso de cada um, do tamanho de uma van. O Poder de Dragos brilhou a sua volta. Ela se virou e olhou para o dragão preto e bronze e esqueceu tudo sobre os Grifos. Ele abaixou a imensa e triangular cabeça com chifres para ela. Ela estendeu as mãos sobre seu focinho, os olhos brilhando. Ele deu-lhe uma cutucada com cuidado e bufou. Ela apertou um beijo na pele morna entre seus dedos. Ele a pegou e grupou-se sobre as poderosas ancas e lançou-se da Torre.


Assim como Dragos havia prometido, o voo foi curto, o que foi bom, desde que era tão desagradável. Ela manteve os olhos fechados, para que não tivesse que olhar para a paisagem urbana rolando lá em baixo. Ela respirava pela boca em um esforço para controlar a náusea que brotou, desde que eles a levaram para o ar. Depois de cinco minutos, mais ou menos, a violenta náusea desapareceu e ela se sentiu aclimatar no voo. Eles já haviam passado o rio Hudson e cruzaram Nova Jersey, os Grifos voando em uma formação protetora em torno deles. Não demorou muito até que se inclinaram e começaram a deslizar para baixo. Ela tentou entender o que estava vendo. O spray de luzes elétricas que cobria a terra terminou à frente deles e uma massa mais escura levantou-se à sua frente contra o céu noturno. Ela perguntou: "O que é isso?" "Montanha First Watchung", disse Dragos. "Esta é uma passagem curta e apertada ao longo de uma ravina profunda. Espere." A percepção da magia da terra veio rápido. Os Grifos inclinaram para trás quando ele entrou em uma descida íngreme e deslizou muito baixo. Eles passaram entre árvores que encimavam as bordas de uma ravina. Ela poderia jurar que as pontas das asas de Dragos roçaram as bordas rochosas em ambos os lados. As luzes à distância, atrás deles, vacilaram e desapareceram e ela podia dizer que eles atravessaram para Outra Terra. Dragos subiu na altitude, mas apenas por mais alguns minutos. Rapidamente desceram em uma clareira. Ela baseou as pernas na terra assim que Dragos a colocou de pé. Ela olhou ao redor deleitando-se com o vento e o silêncio. O céu noturno deste lado da passagem estava coberto de nuvens tênues. O brilho da terra mágica era mais forte do que ela jamais havia sentido antes. Ele a chamou em uma maré de luar prateado, despertando a criatura enjaulada que vivia dentro dela, que gemeu e se lançou contra o interior da sua pele, batendo para sair. Ela olhou fixamente para a silhueta gravada das árvores que ondulavam e balançavam ao vento, imaginando se esta pequena jóia de lugar seria semelhante à luz do dia. Dragos se transformou, mas os Grifos não. Eles mantinham a vigilância em quatro pontos ao redor da clareira. Dragos andou atrás dela. Ele colocou os braços ao redor dela, puxando-a de volta contra ele. Ela respirou fundo, cruzou os braços sobre os dele e encostou a cabeça contra seu peito. O sangue dela corria muito rápido nas veias. Ela disse: "Eu sinto que estou em casa e no exílio, ao mesmo tempo. Eu gostaria de poder me acalmar." "Nós temos tempo. Nós não vamos apressar isso. E esta não é uma situação de tudo ou nada. Se não funcionar da primeira vez, vamos aprender com ela e tentar novamente." Sua voz era calma e tranquila. Ele deu um beijo em sua têmpora. "Eu vou te dizer algumas coisas agora. Algumas delas são coisas que eu sei e algumas são apenas a minha opinião. Eu quero que você me escute. Eu não estou pedindo para você fazer nada. Se você quiser virar agora e voltar para Nova Iorque sem tentativas, vamos fazer isso. Tudo bem?" Eu te amo, ela quase disse. Ela pegou as palavras de volta a tempo e em vez disso, deu-lhe um aceno brusco. "Você concorre a melhores chances de se transformar, se me der o seu Nome verdadeiro." Seus braços se apertaram, embora ela não se movesse. "Eu não estou pedindo para você me dar seu Nome. Podemos tentar isso sem ele. Eu só estou dizendo a você que eu posso ajudá-la melhor se eu souber. Às vezes os mestiços são pegos no meio da transição e são incapazes de completar a transformação. Se isso acontecer, eu posso puxá-la chamando seu Nome." "Tudo bem", disse ela, com a respiração entrecortada. "O que mais?" "Eu estive pensando sobre isto. Eu sei que sua mãe colocou feitiços de proteção em você. Eu pude senti-los imediatamente quando eu tentei seduzir você a primeira vez. Há quanto tempo você os tem?" "Desde que eu me lembro", respondeu ela. Ela inclinou a cabeça para trás para poder olhar para ele. Sua cabeça estava escura contra o céu noturno, mas ela podia ver as


linhas tênues do seu rosto e o brilho escuro dos seus olhos. "Mamãe estava sempre preocupada que algo pudesse acontecer a ela antes que eu crescesse. Ela também estava preocupada por eu ser uma mestiça, já que eu não era tão forte quanto ela e não podia fazer metade das coisas que ela podia. Eu acho que ela se sentia culpada por ter-me tido." A mão dele rodeou sua garganta abaixo do queixo. Ele beijou sua boca. "Está claro que ela a amava muito e tudo o que ela queria fazer era mantê-la segura. Ela nunca quis te machucar de alguma forma." "Ela fez", Pia disse. Dragos continuou: "Eu não sei ao certo, mas estou supondo que os feitiços de proteção estão impedindo a sua transformação. Eles estão fortemente tecidos ao redor do seu núcleo. Assim, da maneira que eu vejo, você tem duas escolhas. Você pode tentar se transformar do jeito que você está e por tudo o que eu sei, você será capaz. Mas se você quiser fazer uma tentativa mais forte, eu acho que deveria, pelo menos, remover os feitiços de proteção enquanto você tenta se transformar. Compartilhar seu nome é outra questão completamente diferente. É um passo muito radical. Mas eu queria que você soubesse que está na mesa também." Pânico tentou assumi-la novamente. Ela lutou contra o impulso irresistível de fugir. Que diabos ela estava fazendo? Estava indo exatamente na direção oposta de tudo o que tinha sido ensinado a ela. Ela rangeu: "Me dê um minuto." "Leve o tempo que precisar", disse ele, a voz calma e tranquila. Ele esfregou seus braços. Poderia sua mãe tê-la aprisionado com os vários feitiços que foram feitos para mantê-la segura? Como ela poderia confiar tanto em Dragos? Eles estavam no aberto, mas ela ainda se sentia dentro da gaiola. Ela sempre sentiu que nunca era forte ou boa o suficiente. Ao lado de sua brilhante mãe, radiante beleza, ela se sentia maçante como lixo e inadequada. Ela sabia que sua mãe a amava e teria se odiado ao descobrir que tinha feito ela se sentir dessa maneira. Mas sua mãe sempre havia tido muito medo por ela. Havia a morte de seu pai feito sua mãe tão medrosa? "Eu não quero viver assim por mais tempo", ela sussurrou. Dragos apertou as mãos sobre ela, mas permaneceu em silêncio. Ela se virou para ele. "Eu não posso tirar os feitiços de proteção. Eu não sei como. Você pode removê-los?" "Não sem feri-la." Ele pegou o rosto dela entre as mãos. "E eu não vou fazer isso." "E se eu lhe disser o meu nome?" perguntou ela, incapaz de dizer as palavras em voz alta. "Então, sim, eu poderia." Ela olhou para o céu e disse-lhe o seu Nome. A respiração deixou o seu corpo. Ele estremeceu e segurou-a firmemente, inclinando a cabeça e os ombros, envolvendo-se ao redor dela. "Você nunca vai se arrepender", ele murmurou. "Nunca. Eu juro pela minha vida." Ela colocou a mão no rosto dele enquanto descansava em seu peito. Ele acariciou-lhe a mão e começou a sussurrar. Os sussurros enrolaram em torno do seu corpo, acariciando-a, pedindo-lhe para relaxar, a se abrir para ele. Ela olhou para seu rosto escuro e sombreado, olhar hipnótico. Ele moveu-se em segredo para dentro dela, como um ladrão na noite. O dragão preencheu a parte mais profunda do seu ser, enrolando seu bronze, serpenteando o corpo ao seu redor, sussurrando, sussurrando. A intrincada cidadela de feitiços dentro dela caiu. Grandes olhos dourados encheram sua visão, tão insondáveis quanto o mundo. Não havia uma única parte dela que ele não possuiu. Então, com habilidade, ele começou a se retirar. Ela olhou para o que ele mostrou a ela, como drenar profundamente dentro de si mesma, através de seu Poder quando ela quisesse a transformação. Então, ela estava sozinha dentro da sua cabeça. Ele a embalou e sussurrou: "Você está bem?"


"Sim", ela sussurrou de volta. "Mas eu me sinto tão estranha." Ela se sentia despojada, todos os seus sentidos bem abertos. Os minúsculos pêlos em sua pele se arrepiaram quando o vento soprou através da clareira e o mundo respirou magia. Ele sorriu. "Você está pronta?" "Pronta, como jamais estarei, eu acho." Ele soltou-a e afastou-se. Ela podia sentir seu Poder quando ele manteve uma ligação de luz com ela. Ela olhou ao redor do espaço aberto. Os Grifos estavam sombreados, sentinelas imóveis. Ela alcançou bem no fundo de si mesma o seu Poder. Ele veio prontamente a ela, brotando mais abundante e mais rico do que jamais foi. Encheu-a de um ribombante jorro de luz. Ela esticou e estendeu tudo o que tinha em direção à criatura selvagem presa dentro dela, a sua parte esquiva que nunca foi capaz de alcançar anteriormente. E o mundo se transformou.


Desezete

Ela olhou intensamente assustada, por um momento, antes de sua forma humana brilhar e desaparecer. Uma criatura requintada brilhando com a luminescência de uma pérola tomou seu lugar. Ela era do tamanho de um pequeno pônei Shetland, mas era tão diferente de um pônei, como um galgo era de um São Bernardo. Seu corpo pequeno tinha esbeltas e atrevidas linhas. Suas longas pernas delgadas terminavam em cascos delicados. Ela tinha um arco de pescoço gracioso e uma delicada cabeça equina terminada em um chifre afiado, elegante. "Puta merda", Dragos sussurrou. A possibilidade havia passado pela sua cabeça a partir das várias pistas que a ele tinham sido dadas, mas não as levou a sério. Em toda a sua vida, ele nunca tinha posto os olhos em um unicórnio. Ele tinha ouvido, por muitos séculos que essas criaturas raras, tinham sido caçadas até a extinção, mas ele sempre tinha se inclinado a considerá-las apenas um mito. Um chifre de unicórnio poderia dissipar qualquer veneno. Ela poderia curar com seu sangue, mas ela só poderia ser capturada de maneira ardilosa. Nenhuma gaiola poderia segurá-la. Sacrificar sua vida lhe daria imortalidade. Não é de se admirar que sua mãe a havia ensinado a correr e se esconder. Seus grandes e escuros olhos violeta azulados escuro, pertenciam a Pia. Eles estavam arregalados em alarme. Predadores. Ela estava cercada por predadores. Ela empinou e rodou, procurando uma maneira de escapar. O homem alto e moreno começou cantando para ela. Ela bateu o pé e baixou seu chifre para ele. "Shh, minha querida, você está segura. Tenha calma. Você está segura." Ele deu um passo na direção dela. Ela arrastou-se para trás, tropeçou em si mesma e olhou para baixo confusa. Ela tinha tantas pernas. Ela olhou para trás. Havia uma cauda também. Os grandes predadores na borda da clareira estavam cada vez mais próximos, os olhos arregalados. O homem rosnou para eles e eles congelaram, depois mudou para homens também. Ela galopou em um círculo e fez um som de angústia. Em seguida, o homem moreno sussurrou seu nome. Ela deslizou para uma parada e olhou para ele. "Lembre-se de quem você é." Ele falou as palavras em voz baixa, mas com Poder. Pia balançou a cabeça e bufou. Ela levantou um pé e olhou para um casco. Hey. Ela havia mudado. Ela era Wyr. Dragoscaiu de joelhos. Tudo nele estava em um suspenso estado de apreensão. Depois de tudo que eles tinham passado, depois de ela ter dado um passo radical e confiado nele com o seu Nome, ela parecia quase em pânico em apenas ficar perto dele. Era seu lado Wyr. Tinha que ser. O animal estava tomando o controle. "Vamos, querida", ele persuadiu. Ele levantou as mãos vazias. "Não há razão para pânico. Você se lembra de todos nós. Você gosta de nós. Deus, você é a coisa mais linda que eu já vi." Ela arqueou o pescoço e olhou para ele de soslaio. Foi consciência que ele viu em seus olhos? Ela entendeu o que ele estava dizendo? "Dê-me um sinal, querida." Calma, calma. Agora ele tinha uma ideia do que ela experimentou quando ela fez com que ele voltasse a si. "Deixe-me saber que você está aí.” Ela olhou para o campo aberto ao luar e depois de volta para ele. Uma corrida parecia bastante agradável. Mas lá estava ele, com o rosto todo iluminado. Parecia que era seu aniversário, Natal e Ano Novo, tudo em um.


Ela deu alguns passos em direção a ele. Eles estavam com os olhos da mesma altura quando ele estava de joelhos. Uma respiração sacudiu fora dele. Ela andou o resto do caminho para ele e deitou sua brilhante cabeça em seu ombro. Ele acariciou seu nariz de veludo. Ela pôs os lábios em seus dedos. Seus olhos brilharam com um brilho úmido. Ele sentou-se de pernas cruzadas e puxou-a para seu colo. Ela dobrou as pernas debaixo dela como um gato. Ele colocou os braços em volta dela e descansou sua bochecha no topo de sua cabeça. Eles ouviram o som do vento nas árvores distantes. "Obrigado", ele sussurrou. "Obrigado." Ela teve dificuldade de mudar de volta e chegou perto de entrar em pânico novamente. Ele teve que guiá-la durante a transição. Ele segurou-a o tempo todo e conversou com ela até que ela estava de volta a sua forma humana novamente e ajoelhada no chão na frente dele. "Por que foi tão difícil mudar de volta?" Ela engasgou, agarrando suas mãos. "Não vai ser sempre", disse ele. "Disseram-me que é como aprender a caminhar ou andar de bicicleta. Uma vez que você já domina a mudança logo será sua segunda natureza. Você poderia mudar e mudar de volta para si mesma, agora que você já passou por isso uma vez, mas eu não recomendo isso imediatamente. Na primeira vez, especialmente para um mestiço, pode deixá-lo confuso.” "Fale-me sobre isso." Ela resmungava, mas seus olhos estavam brilhantes. Ele ajudou-a ficar de pé, pois os Grifos se aproximavam. Todos os quatro homens estavam olhando para ela com admiração. Ela olhou para Graydon, que sorriu para ela. "Você é um colírio para os olhos", disse ele. "Eu pensei que você acabaria sendo algo pequeno, rápido e estranho, como um sagui ou algo do tipo.” Num impulso, ela foi até ele e lançou os braços ao redor de seu pescoço. "Obrigada por ser um bom amigo." O grande homem segurou-a e olhou para Dragos por sobre seu ombro. A expressão de Dragos ficou sombria, mas depois de um momento, ele deu ao Grifo um rápido aceno. Graydon bateu em suas costas, seus olhos cinzentos sorrindo. "O prazer é meu, docinho". Dragos colocou uma mão em seu braço e puxou-a para longe. Ele disse a ela: "Devemos voltar agora." Ele e os Grifos se transformaram. Ela deu especial atenção à facilidade e habilidade com que eles o faziam. Ela queria tentar de novo por conta própria, mas teria que esperar até ter algum descanso. Sentia-se como cada nervo estivesse exposto e super ativo. Ao mesmo tempo, suas pálpebras expressaram opinião própria, fechando gostando ela ou não. Ela dormiu no voo de volta. Ela nem sequer acordouquando Dragos se transformou, o que ele fez com extremo controle e destreza. Ele segurou suas patas dianteiras debaixo dela quando a mudança começou. Com ele compactado, suas patas dianteiras deslocaram-se para debaixo de seus braços humanos, joelhos e ombros, até que eleestava de pé como um homem no telhado da torre, abraçando-a enquanto ela dormia contra seu peito. Os Grifos já havia mudado. Eles se reuniram ao redor, olhando-a, juntamente com Dragos. Ela ainda estava brilhando. Runeficou de pé, apoiado em um lado do quadril, seus polegares enganchados nos espaços do cinto de sua calça jeans. Ele disse em uma voz calma, "Você percebe, não você sabe que, se isso vazar ela vai ser caçada pelo resto de sua vida." "Ela já está ciente disso, assim como eu." A expressão de Dragos estava sombria. "Por isso, isso não vazará. Ninguém ouviu sobre ela. Entendido?” "E sobre Aryal, Grym e Tiago?" "Nem mesmo os outros sentinelas, não agora. Isso fica entre nós." Ele olhou para o rosto adormecido descansando em seu ombro. "Ela teve uma semana infernal poruma


série de razões. Eu quero dar um tempo a ela e deixá-la relaxar. Então ela pode decidir quem pode saber e quem não.” Ela estava meio acordada quando Dragos tirou sua roupa e colocou-a na cama, apenas para rolar e enterrar o rosto em um travesseiro, uma perna dobrada. Ele já despido, deslizou sob as cobertas ao lado dela e moldou seus corpos juntos, enganchando a perna sob o dela, um braço dobrado em torno dela. Ela entrelaçou os dedos com os dele. Ele enterrou o rosto em seu cabelo. Ela dormiu rígida e sonhou que corria. Acordou com um susto quando percebeu que estava correndo em quatro pernas e a memória do que tinha acontecido, enviou um brilho de felicidade através dela. O sol da manhã tinha iluminado o quarto. Ela olhou para Dragos, que estava deitado de lado de frente para ela, um braço pesado envolto em torno dela. As linhas duras do seu rosto eram tranquilas no sono. A colcha tinha deslizado até a cintura, e os músculos de seu peito e braços estavam relaxados. Seus cílios eram curvados e escuros contra sua pelebronzeada, bochechas magras, seu cabelo escuro despenteado. Sua ereção matinal estava pressionada contra seu quadril. Ele nunca seria um homem suave. A capacidade para a violência vivia e respirava sob sua pele. Mas ele havia mostrado seus momentos de extraordinária gentileza e ela suspeitava que vê-lo tão relaxado no sono era um presente raro de confiança. Eu te amo, ela quase disse. Mas ele já confessou que não sabia o que era amor. Suas mãos cerraram. Talvez ele nunca saberia. Talvez isso fosse o mais perto que ela poderia obter, se ela o aceitasse como um companheiro. Se tivesse que escolher entre apenas estar com ele e ficar sozinha, sem ele, ela prefeririao que podia dele. Ela teria que aprender a se adaptar a qualquer relação que ele era capaz de ter. Teria que ser o suficiente. Ela fechou os dedos ao redor de seu pênis grosso e apertou seus lábios contra os dele. Ele fez um som profundo no peito e beijou-a de volta, quando ele empurrou os quadris contra a mão que o acariciava. Então ele empurrou as pernas dela, rolou em cima dela e aliviou sua ereção em seu interior. Ambos suspiraram quando ele estava completamente nela. "É isso", ele murmurou. Ele acariciou seu ouvido. "Isso mesmo." "Exatamente onde você pertence", ela sussurrou. Ela enganchou uma perna ao redor dele e esfregou as costas largas. Ele balançou contra ela, flexionando seu grande corpo sobre ela, dentro dela. Era tão bom, tão bom. Ele a trouxe lento e fácil a um clímax tão rico, que trouxe lágrimas aos seus olhos. Ele a estava beijando, as mãos emoldurando seu rosto, quando o clímax chegou. Ela sentiu que ele começou a pulsar dentro dela, pela forma como ele se debruçou sobre os cotovelos, ofegou, seu rosto estava tão transformado, tão bonito, que ela teve que sussurrar. "Você é meu." Ele abriu os olhos e olhou bem dentro dela, ainda trêmulo. "Eu sou seu", disse ele. Ambos caíram no sono novamente com ele dentro dela, aquecendo-se ao sol da manhã. Algum tempo depois, ela se mexeu e murmurou um protesto quando ele se retirou e tirou seu peso de cima dela. "Eu tenho coisas que eu preciso fazer", ele disse em uma voz suave. "Você fica na cama e descansa." Ela lhe deu um biquinho sonolento. Ele beijou sua testa. Ela se enrolou na quentura da cama, abraçou seu travesseiro e cochilou. Era um dragão branco um tanto engraçado. Sua cabeça era grande demais para o seu corpo. Ele se concentrou nela, amor puro e determinado em seus belos olhos quando ele cambaleou em sua direção. Suas patas traseiras não estavam em sincronia com as frontais. Ele caiu no chão.


Ela não podia rir. Seria ferir seus sentimentos. Ela apertou as mãos apertadas juntas para evitar a ajudá-lo. Ela disse: Ei, lindo bebê. Mamãe, disse ele, rastejando rápido em sua direção. Mamãe. Ela pulou da cama, o coração batendo loucamente. “ Mas o que...?” A cama girou. Náuseas lhe atingiram, desta vez incontroláveis. Ela pulou da cama. Não conseguiria chegar ao banheiro a tempo, mas pelo menos chegou até a pia antes que vomitasse. Ela o fez até não poder mais. Várias vezes, quando ela pensava que havia acabado, seu estômago balançava novamente até que lágrimas escorreram pelo rosto, ela estava vazia e restavam apenas espasmos dolorosos. Oh, não. Oh não, não. Isso não poderia estar acontecendo, não mesmo. Uma das vantagens em ser Wyr, para macho ou fêmea, era a capacidade natural de contracepção. Ela nunca tinha tido bastante certeza de como funcionava. Tinha algo a ver com a fixação da mente numa barreira à gravidez e que de alguma forma estava ligado à capacidade de transformação. Era tudo parte do controle sobre o próprio corpo. Sendo metade humana, ela nunca tinha tido essa capacidade, então ela tinha que confiar em métodos contraceptivos. Ela tinha um implante de DIU de cobre por mais de um ano. Que deveria funcionar por 12 anos. Só que agora Dragos estava em sua vida, derramando tudo dentro dela, inundando-a com seu poder esêmen uma e outra vez. Reivindicando-a de todas as formas que podia. Recuperando-se do choque, ela mal se lembrava de verificar se as cordas transparentes do DIU ainda estavam no local. Elas estavam. Mas, um recém adquirido sentido se espalhava pelo seu corpo. Lá. Uma pequena vida faiscava dentro dela. Traição a corroia. Aquele desgraçado. Ela tomou banho e se vestiu. Camiseta, calças cargo cáqui até seus joelhos, tênis. Trinta e cinco dólares emprestados de Rune, sobra da compra dos sapatos. Ela saiu da sala. Desta vez foram Bayne e Aryal que descansavam na sala. Pia dirigiu um curto olhar para a alta e poderosa mulher vestida de couro preto com cabelo emaranhado e uma estranha e magra beleza, com os olhos de um cinza tempestuoso cheios de julgamento. Bayne cumprimentou-a com um largo sorriso. Aryal não. A harpia mostrou-lhe um frio olhar em seu rosto anguloso "Onde está o Con?" Pia perguntou. "Ele tinha outros negócios para cuidar", Bayne disse a ela. "Aryal estará aqui durante a tarde." "Tem algum problema com isso?" Aryalperguntou, uma sobrancelha dobrando-se com insolência. Pia comprimiu os lábios. Isso era sempre uma droga. Ela era apenas grata de não ter que olhar Graydon no rosto. Ela ignorou a pergunta da harpia e sacudiu o polegar para a porta aberta. "Vá em frente e veja o que está na TV. Melhor fazer um café não? Talvez uma garrafa, caso você queira repetir. Eu vou pegar um café da manhã. Volto já. " "É isso aí", Bayne disse com um sorriso alegre. Aja casualmente. Vá pelo corredor. Passe pela cozinha e pela sala de jantar. Ela olhou por cima do ombro enquanto dobrava a esquina. Bayne e Aryal tinham desaparecido na suíte. Ela correu do elevador para a escada que dava para a área enorme da sala de estar. O elevador era operado por chave no nível de cobertura, um problema que não pode resolver, desde que ela não podia forçar as portas abertas. A porta da escada estava trancada. Não há problema. Era só empurrar a porta aberta e atravessá-la. Ela achatou suas mãos trêmulas no painel da porta e se inclinou sobre ela, respirando com dificuldade, com a sensação de estar presa em uma gaiola voltando mais forte do que nunca. Sua vontade de correr era esmagadora. Ela lutou para esquecer o pânico,


dor e traição e ao invés disso, pensar sobre as coisas com alguma aparência de racionalidade. Mesmo se ela tentasse, ela não poderia sair da Torre. Havia um monte infernal de escadas até o nível da rua. Ela tinha cinco minutos para sair do edifício, 10, no máximo, se ela trancasse a porta do banheiro e as sentinelas pensassem que ela estava tomando seu próprio tempo resolvendo assuntos femininos no banheiro. E o que ela enfrentaria se conseguisse sair? O perigo de Urien e suas forças não tinha ido embora, só porque ela estava tendo um dia ruim e precisava dar o fora. Seja inteligente por uma vez. Não adicione outra coisa para sua lista de coisas estúpidas. Náusea lhe atingiu novamente. Ela fechou os olhos, cerrou os punhos e lutou pelo controle de seu corpo. Atrás dela, Bayne disse, "Pia? Está tudo bem? " Ela respirou fundo, endireitou os ombros e se virou. Ela disse, "Dragos disse que eu poderia ir a qualquer lugar. E eu preciso sair.” Só Deus sabia o que sua expressão facial revelava neste momento. Não poderia ter sido bom, pois o Grifo a olhou com uma cara sóbria e olhos preocupados, muito ao contrário de seu ânimo anterior. "Pode me dizer o que você precisa?", Perguntou ele. "Eu ficaria mais do que feliz em trazer o que você quiser." Seu autocontrole escorregava de suas mãos. Ela entrou em colapso. Ela girou e chutou a porta, que ressoou com um oco metálico. O som era um pouco como uma bomba explodindo na sua cara. Foi meio como descobrir que estava grávida quando você não deveria estar. Sim, eu meio que gosto disso. "Eu preciso sair!", ela gritou. Ela empurrou os punhos contra a porta fechada. "Eu não estou bem." Chute. "Eu preciso não falar sobre isso. Eu preciso que Dragos me deixe em paz. "Chute. "Eu preciso que você pare de me fazer perguntas e me leve para onde eu preciso ir. Você pode fodidamente fazer isso por mim ou não?" De repente Aryal estava lá. Ambosas sentinelas se moveram para ficar em cada lado dela, seus rostos girando ainda e vigilantes. Elas se moviam como soldados em seus atléticos corpos. O comportamento descontraído de Bayne tinha vaporizado. Ele cobriu-a com sua energia masculina de proteção e colocou uma mão suavemente em suas costas. "É claro que vou", disse ele. "Vamos levá-la a qualquer lugar que você precise ir." "Bayne," disse Aryal. "As ordens permanecem", ele disse a ela. Os lábios da harpia se curvaram, mas ela não disse nada. Pia soltou uma respiração. Ela virou-se cegamente para o elevador. Bayne a guiou para dentro. Ele manteve uma mão firme em seu ombro enquanto Aryal deslocava-se para ficar entre ela e as portas do elevador. Ela colocou os braços em volta de sua cintura, olhando cegamente em um ponto entre os ombros de Aryal enquanto o elevador despencava oitenta andares da cobertura ao térreo. As portas se abriram e eles saíram. Aryal permaneceu em seu lugar, enquanto Bayne se moveu tão perto dela que seus ombros se roçavam, enquanto seu olhar afiado percorria otérreo, lotado. Então eles empurraram as portas giratórias e saíram sob o sol de uma movimentada rua de Nova York. Ela fez uma pausa, uma mão pressionada a seu abdômen. Ela mal podia acreditar. Eles tinham, na verdade, mantido a sua palavra e levado-a para fora da Torre. Silenciosamente Bayne seguiu em frente, na direção de um Porsche SUV preto que apareceu como que por magia na calçada. Aryal olhou em volta com um olhar afiado, cabelos emaranhados soprando em seu rosto angular, quando ela deslizou para o banco do motorista. Bayne abriu a porta traseira para Pia. Ela subiu, virou e o impediu de ficar no banco junto com ela. Por um breve momento seu olhar encontrou o dela, a bondade e a preocupação em seu olhar, mexeu em algo dentro dela. Em seguida, ele


deu um passo para trás, fechou a porta e mudou-se para o banco do passageiro da frente. "Ok, Pia", disse Bayne. O olhar gélido de Aryal encontraram os dela no espelho retrovisor. "Para onde?" "Brooklyn." Quando mão de Bayne moveu-se em direçãoao sistema de GPS do carro, ela disse: "Eu vou dar-lhe as instruções que você precisa." As duas sentinelas trocaram um olhar. "Tudo bem", disse Aryal. O Porsche adentrou no tráfego. Pia encolheu-se em sua cadeira e olhou para fora da janela, quando eles passaram a quinquagésima nona estação de metrô Street. Ouviu a voz de Dragos em sua cabeça: “Pia, o que você está fazendo?” Ela fechou os olhos. Tinha sido demais esperar que os sentinelasmantivessem o silêncio sobre sua saída. O que ela não daria por um pouco privacidade agora. “Não fale comigo”, ela disse para Dragos. “Você deixou a Torre.” Sua voz mental estava tão calma e controlada que enviou um arrepio na espinha de Pia. “Você prometeu que não o faria.” Ela rosnou, “Eu disse para não falar comigo, seu filho da puta.” Após uma batida de coração, então, com bastante calma ele exigiu, “O que aconteceu?” “Cale a boca. Saia da minha cabeça.” “Pia, porra.” Quando ela não respondeu, ele rugiu: “QUE MERDA EU FIZ AGORA?” Seu grito telepático reverberou em seu crânio. Ela colocou a mão na testa. “Não grite comigo assim. Eu não posso pensar! Dê-me um minuto.” Sentia o corpo entorpecido, o cinto de segurança, era a única coisa que a segurava em seu lugar enquanto Aryal cortava pelo tráfego. Como poderia Dragos até mesmo pedir isso a ela? Como ele poderia não perceber que ela saberia, agora que ela tinha feito a mudança completa para Wyr? “Sinto muito por gritar com você.” Ele mudou sua tática para persuasão. “Bayne e Aryalnãome disseram nada, apenas que você está chateada e eles estão a levando para onde precisa ir. Graydon está preocupado com você. Nós podemos falar sobre qualquer coisa que está errado, não podemos? Pia, por favor. Você está me matando aqui.” Algo que qualquer um poderia dizer sobre ele, era que ele tinha uma sabedoria perspicaz e tinha o dom de deslizar pela mente de uma pessoa como um estilete. Ela enxugou os olhos e tentou falar algo. “Você não sabe. . . nada. . . sobre o que está acontecendo?” “Eu juro que não.” Sua resposta foi forte e imediata. “O que quer que tenha acontecido, podemos corrigi-lo.” Poderiam? Como? “Diga-me onde você está indo.”, disse ele. “Nós vamos fazer isso juntos.” “Dragos, me dê uma tarde.” Ela se agarrou a maçaneta de porta do Porsche quando ele se dirigiu a um trecho aberto e ganhou velocidade. “Preciso me acalmar e pensar, entender algumas coisas antes que eu possa falar com você.” O silêncio pulsava. Então, calmamente, ele disse: “Eu poderia chamar seu nome e trazer você de volta.” Ela fungou quando olhou para fora da janela. “Ameaças não são uma boa ideia, agora, cara.” Os segundos corriam. Em seguida, ele disse a ela, “Você tem uma tarde. Depois disso eu estou indo até você.” Você está me dando uma tarde inteira do meu próprio tempo? Nossa, obrigado. Que magnânimo da sua parte, disse, dolorosamente, a parte mais sarcástica da mente dela. Ela, porém, se calou e ficou em silêncio. Então, ele ficou em silêncio também e ela estava sozinha.


Sem ele. Rune e Graydon estavam no escritório de Dragos e apresentavam carrancas idênticas, suas mãos ancoradas em seus estreitos quadris. "Pelo menos ela está protegida", Graydon disse. "Ela tem Aryal e Bayne com ela." Ele não parecia tranquilizado por suas próprias palavras. Rune perguntou: "Ela disse para onde precisava ir ou o que estava errado?" "Não." Dragos andava pela sala. Ele sentia que o espaço era muito pequeno e fechado. "Ela apenas disse que precisava de tempo. Eu disse a ela que eu ia dar a ela uma tarde.” Rune disse: "Você realmente dará a ela toda à tarde?" "Não, porra. Eu menti”. Ele abriu as portas francesas com tal violência que estilhaçou o vidro. Cacos afiados se espalharam pela sala. O ar fresco diminuiu seu senso de confinamento, mas ele ainda vibrava com a necessidade de ação. "A bruxa não está atendendo o telefone", disse ele. "Precisamos encontrar alguém para colocar um feitiço de rastreamento sobre ela, com urgência." Ele levantou o punho. A única coisa nele era cabelo pálido trançado. "Com isso", disse Graydon. Ele mergulhou para fora da janela e mudou em pleno ar. Dragos e Rune fitaram um ao outro. Bayne e a harpia eram excelentes guerreiros. Eram um dos seus melhores casais. Mas uma tarde poderia ser um muito tempo, em Nova York, principalmente para o Rei Fae e sua intenções malignas. Uma tarde poderia ser um tempo muito longo, de fato. Pia deu instruções a Aryal quando necessário, mas além disso, a viagem para o Brooklyn permaneceu misericordiosamente silenciosa. Logo chegaram à clínica de saúde Wyr do Brooklyn na qual ela havia se consultado nos últimos anos. A clínica estava situada em uma singela praça e era um edifício de blocos de concreto em um bairro cheio de casas de penhores e barbearias, lojas de bebidas e empresas que oferecem empréstimos consignados. Um abandono fugitivo rondava os limites das calçadas, junto de uma sensação de que algo afiado e aterrorizante se amontoava em locais sombreados, esperando para mostrar os dentes após o anoitecer, mas a clínica estava aberta durante o dia, tinha profissionais competentes e um elevado número de mestiços como pacientes, por isso foi estava sempre lotada. Aryal estacionou o Porsche no meio-fio e desligou o motor. Tanto ela quanto Bayne tiraram seus cintos de segurança enquanto esquadrinhavam a rua. O estômago de Pia se apertou novamente. "Fiquem aqui", disse ela. "Desculpe, Pia", disse Bayne. OGrifo se moveu rápido. Ele estava fora do carro e em guarda permanente antes que ela pudesse chegar à porta do carro aberta. Aryal deslizou à frente do Porsche e se juntou a ele. Ela controlou a vontade de gritar com eles enquanto saía. Ela olhou de uma sentinela para a outra. A expressão de Aryal era inflexível, enquanto os olhos de Bayne estavam cuidadosamente em branco. Ela perguntou o que eles achavam de seu destino, que tipo de conversa telepática poderia estar acontecendo, pordetrás daqueles rostos assassinos. "O negócio é o seguinte", disse ela. Ela apontou para o edifício. "Ninguém ali sabia que estávamos chegando. Vocês não vão entrar e assustar pra caramba qualquer um que esteja lá dentro, então podem apenas guardar as entradas e ficar aqui fora.” Bayne franziu os lábios enquanto olhava para ela. Ela estreitou os olhos e disse: "Eu poderia ter vindo sem você. Eu realmente queria, Bayne. Não faça eu me arrepender por ter jogado pelas suas regras. " Aryal disse de repente para ele: "Vigie a saída" Bayne fez uma careta. "Tudo bem", disse ele. Ele girou em seus calcanhares e se afastou.


Pia não esperou para ouvir mais. Ela foi em direção às portas da frente. Ela tinha quase as alcançado quando Aryal agarrou-a pela camisa e empurrou-a contra o lado do edifício. "Mas que diabos...!", Ela gaguejou. Choque transformou-se em indignação. Seus punhos bateram nas mãos da sentinela para mantê-la à distância. Com uma falta de esforço quase insolente, Aryal segurou seu antebraço preso na garganta dela. "Cale-se", exclamou Aryal. "Eu não estou te machucando. Você e eu vamos ter uma conversa. " "Vamos lá!" Pia escavando em seus calcanhares e tentando arrancar o braço da harpia para longe de sua garganta. Aryal pegou seu pulso. Sentiu o aperto de aço de seus dedos em sua carne. Aryal deu uma varredura rápida na rua com um olhar afiado. "Você causou mais problemas no último par de semanas que uma gangue de rua de ratos Wyr correndo soltos ", disse a harpia. "Eu quero saber o que diabos você está fazendo agora." "Isso não é da sua conta". "É da minha conta se coloca Dragos em perigo novamente." Pia tentou enfiar os dedos de sua mão livre na barriga da harpia, mas Aryal o evitou com um toque elegante de seus quadris. "Eu não estou machucando ninguém. Tudo o que você precisa saber é que Dragos prometeu-me uma tarde.” "E você acreditou." Aryal soltou uma curta risada. "Genial, garota." Ele tinha mentido? Isso dói. Ela deu um olhar espantado para a harpia e se sentiu como uma idiota. Seus olhos ardiam. Ela a pressionou, "Tire suas mãos de mim." Aryal liberou-a tão depressa que quase caiu, perto demais entre ela e a rua lotada. A harpia usava uma jaqueta de couro que se abriu quando ela colocou as mãos nos quadris. Pia teve um vislumbre do coldre da sentinela do ombro. "Sabe, eu poderia entender esse seu rabo de cavalo de líder de torcida", disse Aryal, dando-lhe um sorriso que poderia cortar vidro. “Levaria um tempo, mas eu conseguiria. Eu poderia entender porque os Grifos perderam suas mentes e te bajulam. O que eu não consigo entender é isso: você violar a lei, colocar em perigo a vida do senhor Wyr e com isso a de todos nós e não ter sido punida por isso. Então eu tenho que admitir, que você me irrita. " "Você não tem ideia do que está falando", retrucou Pia, como seu intestino revirado. Esfregou os olhos ardentes. Ela se sentia presa, mas ela poderia ter feito algo diferente para evitar o que aconteceu? Ela se sentiu sem equilíbrio. “Eu não tenho nenhuma ideia se você pode ou não ser a companheira de Dragos”, Disse Aryal. "Bem, docinho, esse é um problema intratável e é o porquê de eu apenas não poder te matar.” As mãos de Pia estavam em punhos. Ela disse entre dentes: "Não, você não pode, não é?" Ela lançou seu punho com tal velocidade que passou pela guarda da harpia. Ela bateu com ele no ombro de Aryal, tão forte que a sentinela cambaleou para trás. "Você não tem que gostar de mim ou me aprovar. Você não tem que concordar com as decisões de Dragos. Você tem que fazer o que você mesma disse. Ele te disse para me levar de volta para a Torre?” Aryal olhou para ela e permaneceu em silêncio. "Imagino que não. Então você tem que dar o fora. Você não pode começar a me questionar ou me intimidar e exigir respostas com algum tipo de grunhido como se eu estivesse sob o seu comando, porque eu não estou e nunca estarei.” Ela caminhou até que estivesse frente a frente com a sentinela, seu corpo tenso e pronto para o combate. "E Graydon é o único que pode me chamar de docinho, você não. Você não fez por merecer. Agora eu vou fazer o que eu vim fazer aqui. Você vai para fazer seu trabalho ou Dragos vai querer saber por que você não o fez.” A surpresa queimou nos olhos de Aryal, seguido de uma expressão pensativa.


Pia não esperou para ver mais. Ela se virou e empurrou as portas da frente da clínica. Meia dúzia de pessoas se sentavam em torno da sala de espera. Alguns estavam assistindo AllMyChildren em um aparelho de TV no alto de uma parede. Ela foi até a recepcionista. Uma enfermeira que reconheceu deu um sorriso superficial. "Boa tarde. O que eu posso fazer por você?” "Meu nome é Pia Giovanni. Eu preciso ver um médico ou uma enfermeira”, disse Pia, mantendo a voz calma para que outras pessoas não pudessem ouvir. Os músculos do seu pescoço e face doíam de tensão. Ela torceu as mãos. "Dr. Medina me conhece. Sinto muito. Eu não tenho hora marcada, mas...” Seus olhos brilhavam. "Eu temo que poderia ser uma emergência." "Oh, querida", disse a enfermeira rapidamente, com compaixão. Ela entregou a Pia um lenço de papel Kleenexe a levou através das portas de um quarto que continha umapia, uma cadeira e uma balança. "Tudo bem, o que está acontecendo? Tem certeza de que deveria estar aqui e não na sala de emergência?” "Eu não sei. Aconteceram tantas coisas.” Ela engoliu. “Eu sou um Wyr mestiça, por isso tenho um DIU. Você sabe, aquele com o cobre, não um com hormônios, por causa de não ser totalmente humana. E eu estou nesse novo relacionamento com um Wyr puro e eu consegui mudar na última noite. " "Parabéns!" A enfermeira deu um sorriso largo. RACHEL, estava escrito em seu crachá. "Obrigada." Ela tentou sorrir enquanto ela se lembrava de como ela estava feliz. "Mas, de repente, eu fiquei doente nos últimos dias. Estive muito ruim esta manhã e eu tenho certeza que de alguma forma eu engravidei. Eu posso sentir isso agora que eu mudei. E o DIU ainda está no lugar.” Ela se concentrou na enfermeira, sua expressão intensa. "Estou em choque. Eu não consigo pensar direito, mas eu já sei de uma coisa. Eu não quero perder este bebê.” A enfermeira colocou a mão sobre o abdômen de Pia, olhando-a. Pia parou. Ela sentia o formigamento da magia da enfermeira sobre ela. "Oh, uau, está certo, você está grávida", disse a enfermeira, seus olhos se iluminando. "Que doce, linda e forte faísca." "Será que por ter mudado ontem à noite, eu o feri?", ela perguntou. "Não! Ah, não, mudar é a coisa mais natural do mundo. Sua náusea soa um pouco diferente, no entanto. E com o DIU, você fez a coisa certa vindo até nós. Vamos levála para ver uma enfermeira ou um médico. Basta ir em frente e tomar um assento bem ali, eu vou puxar seus registros. Na verdade, vou ver se consigo pegar. . . " Murmurando para si mesma, a enfermeira saiu correndo. Pia caiu na cadeira e colocou a cabeça entre as mãos. Graças a Deus Dragos tinha parado de rugir em sua cabeça, porque senão ela pensou que poderia girar no ar e voar em pedaços. Ela pensou que o seu silêncio era sinistro, mas ela não se importava desde que ela pudesse ouvir-se pensar por apenas um pouco. Ela se sentia frágil e à beira da náusea novamente. Ela colocou a mão em seu abdômen. Fique ai, amendoim. Sorte continuou a fluir seu caminho, pois o Dr. Medina estava se preparando para sair de férias e tinha acabado de ver o último dos pacientes, que ele tinha programado para o dia. Pia estava familiarizada com o Dr. Medina e confortada pela familiaridade. Ela era um grisalho Wyr canino com uma atitude sem noção e um senso de humor que Pia achava muito calmante. Depois de um rápido exame e um pulso de Poder, o médico retirou o DIU e sorriu para ela. "Boas notícias. Você, minha querida, está em excelente forma e não é ectópica, que é um dos principais riscos quando ocorre uma gravidez com um DIU. O bebê está exatamente onde ele deveria estar, todo situado à direita e apertado no seu útero e não em uma trompa de Falópio, ou em qualquer outro lugar. Estou feliz que você veio tão logo. Mulheres que esperam por muito tempo correm um risco elevado de aborto ou outras complicações graves. Agora diga-me sobre estas náuseas que você tem experimentado. "


Pia estava aliviada. Ela descreveu os últimos dias. "Eu jamais fiquei tentada a comer carne", disse ela com um tremor. "Mas é que cheirava tão bem. E isso é tão errado.” O médico olhou-a através de seus óculos. "há alguma chance de o bebê ser um predador?" "Sim?" Ela não quis dizer como uma pergunta. Será que sim? "Bem, isso será um problema." O médico sentou-se e sorriu para ela. "Casais Predador/ herbívoro são muito mais incomuns do que casais homogêneos, embora eles aconteçam, é claro, já que os Wyr são muito mais do que apenas sua natureza animal. Eu não vou mentir para você. Você terá uma difícil jornada e parecerá, às vezes, que seus instintos estão descontrolados.” "Será que vai ser uma gravidez de alto risco?" Sua mão foi para seu abdômen novamente. "Eu não diria isso. Não há razão para pensar nisso agora. Considere ingerir proteína e cálcio. Se você não puder se forçar a ser onívora durante a gravidez, você precisará guardar fluidos proteicos, como a soja. Soro é melhor. Junto com as vitaminas prénatais, vou receitar um encanto anti náuseas que deve ajudar. Não vai bloquear a dor e ela é uma mensageira muito importante. Mas deve ajudar a manter o alimento em seu devido lugar. Mantenha-o com você em toda parte, menos no chuveiro. Ele perde a sua eficácia se molhado com muita frequência.” "Muito obrigada, especialmente para me ver antes de sair de férias", ela respondeu com um sentimento sincero. O médico rabiscou em um bloco de receitas e entregoulhe uma. Ela disse: "Uma última pergunta, se você não se importa." "Claro, vá em frente, desde que isso não vá demorar muito. Eu tenho um voo para Cancun esta noite e minha companheira que não ficará feliz comigo, se eu perdê-lo.” Ela hesitou, sem saber como escolher as palavras e agarrou a borda de seu vestido de exame. "Saber da gravidez foi um verdadeiro choque. Quer dizer, eu tinha um DIU, então eu pensei que deveria ter impedido esse tipo de coisas, certo? Isso ainda não foi um tema de conversa com o meu... parceiro. Eu estava começando a sentir-me enjoada antes desta manhã, então eu já devia estar grávida. Por isso, pode ter sido que o pai... tenha mudado as coisas?” Os olhos do médico eram astutos e gentis. "O controle de nascimento não é cem por cento infalível, para qualquer Wyr ou humano. Sim, todas as coisas são iguais, o DIU é um método muito eficaz de controle de natalidade na maioria dos casos. E sim, os Wyr podem controlar o seu ciclo de reprodução. A maior parte deles. Mas eu também conheço Wyr que perderam o controle durante os primeiros dias do frenesi do acasalamento. Apenas vocês dois podem dizer se são apenas amantes ou companheiros. Se eu fosse você, porém, eu penso que seria mais fácil se meu atual parceiro fosse meu companheiro. Será que isso ajuda? " Ela teve que engolir em seco, antes que ela pudesse responder. "Sim. Isso ajuda muito, Dr. Medina, muito obrigada." "O prazer é meu. Eu amo bebês. Deveria ter sido um obstetra.” O médico fechou o arquivo e ficou, mas fez uma pausa antes de sair. Ele olhou Pia com curiosidade. "A propósito, você nunca me contou no que você se transformou." Pega de surpresa, ela gaguejou, "Oh, um. . . um sagui." "Estranho", o médico murmurou, dando-lhe um olhar interrogativo. "Eu não teria classificado saguis como herbívoros. E seu companheiro?” "Ele... não é um sagui." O médico estreitou seus olhos para Pia. "Você vai me dizer, se torna clinicamente relevante, não vai?" "Sim, claro", disse ela com um sorriso tímido. "Eu prometo". O médico apontou para ela. "Tome suas vitaminas. Vejo você no próximo mês.” Ela mudou suas roupas, tonta de alívio e de fome. Ela poderia comer um cavalo se não fosse de alguma forma canibal. Ela se curvou e amarrou os cadarços.


Grávida. Companheiro. Eu vou ter um bebê dragão. Não, isso não chegou até seu interior. Vamos dizer outra vez. Eu vou ter um bebê dragão. Ela se endireitou com estrelas negras dançando na frente de seus olhos. Talvez ela realmente estivesse indo girar no ar e voar em pedaços de qualquer maneira, com ou sem a ajuda de Dragos. Ela tinha tantas coisas acontecendo dentro dela, pensamentos aleatórios e sentimentos foram surgindo como fogos de artifício no quarto de julho. O pânico de perder o bebê havia diminuído, para ser substituído pelo pânico por estar grávida. Ela ficou aliviada, não só porque a gravidez era viável, mas, mais ainda, porque todas as evidências apontavam para confirmar que Dragos não a tinha prendido intencionalmente a ele. Parecia que ela lhe devia um grande pedido de desculpas. Mas havia tempo para isso! Ela tinha acabado de, literalmente, horas atrás, decidir ficar com Dragos. Depois, houve a guerra com Urien, que apenas havia começado. E ela sabia como Dragos iria reagir quando ouvisse a notícia. Ele poderia girar no ar e voar em pedaços também. Ela pressionou a mão sobre seu abdômen. Oh, amendoim, eu sempre tive a esperança sorrateira de poder ter um filho um dia, mas eu tenho que dizer-lhe, agora não era a hora. Ela deu de cara comum obstáculo inesperado quando começou a sair. A enfermeira verificando-a perguntou: "Ainda o mesmo seguro e pré-pagamento?" Mesmo seguro, do Elfie. E ela estava com 33 dólares no bolso e sem talão de cheques. Ela beliscou a ponta do nariz. Oferecendo um pedido de desculpas mental para todos os envolvidos com a promessa de pagar realmente a conta, ela mentiu, "Sim, obrigada." Ela quitou seus 25 dólares de pré-pagamento e acenou para a recepcionista, evitando olhar para qualquer coisa enquanto continuava o diálogo interno com seu amendoim. E se ele odiar a ideia da gravidez? E se ele não quiser você? Ele tem que te querer, que é tudo que pode ser feito. Enfim, eu quero você. Eu só não sei o que eu vou fazer com você. Só mais uma coisa que eu vou ter que descobrir, de um jeito de viver com o resto das mudanças loucas que estão acontecendo na minha vida. Negócios terminados, ela fez seu caminho através do lobby para a porta da clínica onde ela fez uma pausa. Ela não achava que tinha o poder de alcançarDragos telepaticamente, mas ela decidiu tentar de qualquer maneira. “Dragos?” Sua resposta foi imediata e, graças a Deus, calma. “Sim.” “Terminei. Eu estou indo para casa.” ela disse a ele. “Eu tenho algumas novidades e eu lhe devo um grande pedido de desculpas.” “Nós podemos falar sobre o que é, mais tarde.”disse ele. “Onde você está? Eu vou pegar você.” “Você não sabe?” Ela tinha certeza de que Bayne ou Aryal teriam dito a ele até agora. Ela empurrou a porta de vidro, olhando à brilhante luz do sol. Onde estava a harpia? Ela protegeu os olhos enquanto olhava em volta.“Eu fui ao médico...” Ela pisou em alguma coisa e olhou para baixo. Havia sido um dardo? Uma súbita dor espetou em seu pescoço. Ela passou a mão pelo local da dor e viu outro dardo cair na calçada. Dormência se espalhou por seu corpo em uma velocidade inacreditável. O mundo ficou de lado e ela bateu na calçada. Bayne. Aryal. Ela tentou ligar para eles, mas sua boca não estava funcionando. Alguém estava gritando em outra parte de sua cabeça, mas ela não pôde se conectar, ou entender o que eles estavam dizendo. Três pessoas entraram em seu campo de visão e olharam para ela. Dois eram DarkFae do sexo masculino com longos olhos puxados, maçãs do rosto salientes, orelhas pontiagudas e cabelo escuro.


Um deles era uma mulher hispânica, com uma beleza majestosa e olhos que se conectaram aos dela com um estalar de Poder. A bruxa Adela, do Caldeirão. "Oh, é você. Mais uma vez.” A boca de Adela franziu e ela suspirou. "Eu estava com medo disso." Sua cadela estúpida, ela tentou dizer. Vou chutarsua bunda. Se Dragos não chegar até você antes... Tudo flutuou para longe.


Dezoito

Uma voz diabólica trovejou em sua cabeça. Ele chamou seu nome. “Use seu poder, caramba. Eu posso sentir que você está aí. Tente com mais vontade, a voz imperiosa exigia. ACORDE PORRA.” Tudo girava em torno dela. Fedia óleo e escapamento. Ela estava deitada em algo rígido que vibrava, seu rosto pressionado contra um tapete áspero. Ela sentiu-se tonta, enjoada. Ela respirava curto. Alguém estava fazendo um som fino de choramingar. Oh, era ela. Cale-se, idiota. Ela lutou para fazer como a voz exigiu e se concentrou profundamente. Seu instrutor de treinamento teria dito que ela atingiu seu chi, seu fluxo de energia, o ponto certo para sua respiração. Por um tempo terrível ela ficou desorientada e sem rumo no escuro. Então ela se conectou. Poder fluiu a partir da base de sua espinha e inundou seu corpo. Isso não dissipou todos os efeitos da droga, mas ajudou a limpar a cabeça um pouco. Ela foi amarrada com os braços para trás, amordaçada e colocada no porta-malas de um carro em alta velocidade. Ela desistiu. Aparentemente, nunca choveu de verdade, mas pingou. “Responda-me agora,” Dragos ordenou. “Estou tendo uma semana infernal”, ela conseguiu articular. Sua voz mental era esganiçada e faltava controle, mas ele a ouviu. “Aí está minha menina.” O trovão se foi, substituído pelo alívio desesperado. “Fale comigo. Você se machucou?” “Não, algum tipo de droga.” Ela lutou para encontrar palavras que fizessem sentido. “Amarrada. No porta malas de um carro. Estamos viajando rápido.” “Tudo bem. Mantenha a calma,” disse Dragos. “Bayne e Aryal.” Ela tentou descobrir como articular seus nomes em uma pergunta. “Nós os encontramos fora da clínica. Eles foram drogados também. Eles estão bem, eles estão tentando superar isso.” Dragos soou composto novamente. “Nós finalmente pegamos alguém que pode lançar um feitiço de rastreamento. Eu vou ser capaz de segui-la em apenas um momento. Como você está amarrada? Você pode se soltar?” Náuseas vieram. Ela apertou-se com força. Não podia se dar ao luxo de vomitar com a mordaça em sua boca. Ela se inclinou para trás para que pudesse sentir ao longo de suas pernas com as mãos que foram machucadas e começavam a ficar dormentes. “São essas restrições de plástico. Nenhum bloqueio, tipo cadeado ou fechadura. Eu não posso tirá-los”. Tudo bem, ele disse novamente. “Não se preocupe com isso.” Ela tinha coisas importantes para contar a ele. O que eles eram? Por quanto tempo ele seria capaz de falar com ela? Graydon tinha dito algo sobre o seu raio telepático como sendo mais de cem quilômetros. Ela não tinha ideia de quanto tempo tinha estado inconsciente ou o quão longe eles estavam um do outro. Ela disse. “Eu tenho que dizer umas coisas no caso de perdemos contato.” “Nós não vamos perder o contato, ele retrucou. É isso. Eu tenho um feitiço de rastreamento em sua trança. Eu estou a caminho.” Ela manteve sua respiração profunda e regular. Parecia ajudar a manter seu estômago calmo, embora os gases do escapamento a fizessem querer vomitar. Ela tentou pensar. Era a magia da terra que ela sentia a distância? “Será que o feitiço de rastreamento ainda funciona se atravessarmos para a Outra Terra?”


Ele disse, “Eu não vou deixar você chegar tão longe.” Ele não disse que o feitiço ainda funcionaria. Tinha a sensação de que isso significava que não. Ela disse, “São dois DarkFae. Eles estão trabalhando com uma bruxa do Distrito Mágico.” A voz dele se tornou ameaçadora. “Descreva-a.” “Ela tem cabelos escuros, uma humana, o primeiro nome é Adela. Ela é proprietária da loja Divinus. Não me lembro de seu sobrenome.” Ela se esforçou para pensar. “Não se preocupe com isso. Não importa, disse ele. Você pode descrever os DarkFae para mim?” Ela tentou o seu melhor, mas ela tinha apenas dado um olhar breve para eles antes de cair inconsciente. “Sinto muito.” Ele falou suavemente. “Nada disso importa agora. Vamos apenas nos concentrar em te trazer de volta.” Ela sentiu a magia da terra mais forte. “Uh-oh. Mas eu tenho que lhe dizer. Eu estou grávida.” Seu rugido encheu sua cabeça. “O QUE!” Ela falou mais rápido. “Eu nunca tive controle sobre isso, então eu coloquei um implante de DIU. Quando percebi o que estava acontecendo esta manhã, eu estava tão assustada que pudesse abortar, tudo que eu conseguia pensar era que eu tinha que ir ao médico rápido e tirar o DIU. E eu estava com tanta raiva de você. Eu pensei que você tivesse feito isso de propósito.” “Pia. Meu Deus.” “Eu sonhei com ele esta manhã. Eu acho que foi real. Ele era um dragão branco, o menino mais lindo que você já viu.” Eles entraram em uma ampla curva, pegaram velocidade por um tempo breve, depois diminuíram em outra curva. Ela disse a ele com calma forçada, “Estamos saindo de uma estrada e reduzindo a velocidade. Eu posso sentir a magia da terra por perto.” Rápido, ele disse. Ele parecia mais agitado do que ele nunca. “O porta malas do carro tem um bloqueio. Tente abri-lo, e me diga o que você vê.” Se suas mãos estivessem livres ou presas a sua frente, ela só precisaria abrir o bloqueio pelo lado de dentro. Ela lutou para conseguir colocar seus joelhos debaixo de seu corpo e empurrou para cima com o ombro a abertura. A chance surgiu quando eles começaram a parar. Por que diabos não. Ela empurrou o porta malas para abrir mais amplo, de modo que ela poderia se contorcer e escorregar para o pavimento com um baque doloroso. Ela olhou para a extremidade dianteira de uma picape Dodge Ram vindo diretamente para ela. O caminhão freou a centímetros de seu rosto. O carro onde ela tinha estado se afastou da parada e virou à esquerda. “Hey!” Um homem gritou do caminhão. Cale-se, homem estúpido, cale-se. A porta do caminhão bateu. Ela sentou-se quando um homem de meia-idade apareceu. Ele se ajoelhou ao lado dela, o rosto cheio de choque e indignação. “Que diabos?”, disse. “Oh doce Jesus, senhora, você foi sequestrada?” Você acha? Alguns metros a frente, as luzes de freio do carro apareceram. Ela gritou contra a mordaça para o homem. “Apenas espere, mel. Vai ficar tudo bem agora.” O homem trabalhava para soltar sua mordaça. “Eu escapei em uma parada, ela disse para Dragos. Eles perceberam. Eles estão em um Lexus cinza e eles estão voltando. Eu estou vendo sinais para. . . uma rodovia 17 e. . . Averill Avenue ou State Road 32. Há uma placa para um parque estadual. Eu não posso ver o nome. São os mesmos dois caras, sem a bruxa.”


“Eu sei onde você está, ele disse com satisfação. Muito bem.” O homem soltou mordaça e puxou-a sobre sua cabeça, enquanto o Lexus parava. Ela gritou para o homem, “Corra!” Os dois Fae saíram, parecendo chateados. Eles tinham armas. Não, não é muito bem. Eu cometi um grande erro. Oh Deus, oh Deus, oh Deus. Dragos estava tentando falar com ela, mas ela não podia calar-se, não podia correr, não podia fazer nada além de olhar com horror quando o homem levantou-se e virouse. Um Fae levantou a arma e atirou nele. Ela choramingou, “Eu acho que eu acabei de provocar a morte de alguém.” Em seguida, o outro Fae levantou a arma e atirou nela. Ela olhou para a dor em seu peito. Outro dardo preso em sua camiseta. Tudo ficou escuro. O dragão rugiu em angústia enquanto ele se arremessava para o norte com toda a sua força e velocidade. Ele foi seguido por todos os seus sentinelas, com exceção de um que ficou para lidar com a bruxa. Ele estava muito longe, muito longe e agora ela foi embora de novo. Seus inimigos haviam levado sua companheira. Seu filho. Ela tinha que estar viva. Qualquer outra opção era inaceitável. Um Poder frio ardente a fez acordar. Ela tossiu e ficou de lado. A mordaça desapareceu e também as restrições de pulso e tornozelo. Seus braços e pernas estavam formigando de dor quando sua circulação retornou. Ela estava deitada no chão. Ela tocou a madeira polida. “Aqui está o nossa ladra,” disse uma voz culta masculina sobre sua cabeça. “Hora de levantar e brilhar.” Não humano. Fae. Ela sabia exatamente quem era. Pena que a cabeça dele ainda estava presa ao seu corpo. Ela esperava que fosse encontrá-lo de outra forma. “Eu estou dormindo, depois eu estou acordada. Então eu estou dormindo e agora eu estou acordada de novo,” ela resmungou. “Decida o que quer.” O macho riu. “Bem, você não tem sido enfadonha, eu vou reconhecer isso, mas você tem sido uma cadela escorregadia para se manter. E, aparentemente, para Cuelebre segurar.” Sim, bem, não vamos falar sobre isso. Ela olhou para as botas lustrosas pretas perto de sua cabeça. Eles pertenciam a pernas que foram mais longe do que ela poderia se concentrar ainda. “Posso tomar um pouco de água?” “Claro, por que não.” Ele jogou água fria em seu rosto. Ela estava muito esgotada para reagir com muito mais do que um suspiro. “Tudo bem,” ela disse depois de um momento. “Posso tomar um pouco de água agora, por favor, Sua Alteza?” Ele riu de novo. “Não é enfadonha nem muda. Isso é muito melhor do que o seu namorado, que tanto me entediava e era mudo. Para ser honesto, eu não sei o que você viu nele.” “Ex. Ex-namorado,” ela disse. “Juro por Deus, eu nunca vou esquecer disso.” Finalmente parecia que seus membros iriam funcionar. Ela empurrou-se para uma posição sentada. Ela estava em um quarto muito grande que tinha um toque medieval. Havia uma grande lareira de pedra e um grupo de cadeiras perto, uma longa mesa de madeira com bancos, arandelas iluminadas que deram a cena uma iluminação bruxuleante que ela achou estranha e um teto de vigas altas. Havia também guardas Fae em longas janelas metálicas. Os dois que a capturaram estavam estacionados em grandes portas duplas. Mais uma vez ela não tinha ideia de quanto tempo tinha estado inconsciente, ou onde ela estava. Ela esperava que as drogas não tivessem machucado o bebê. Sua mão escorregou para o seu abdômen. Ela se deu uma varredura sub-reptícia. Ela suspirou


de alívio quando ela localizou a pequena vida brilhante dentro dela. Aí está você. Parece que somos só você e eu, bebê. Por enquanto, pelo menos. O Rei Fae agachou ao lado dela. Ele entregou-lhe uma taça. Ela tomou um gole cauteloso. Fria, água clara e nítida. Ela sugou o conteúdo para baixo. Então, ela olhou para o assassino de Keith. Algumas semanas atrás ela não sabia que havia tantas pessoas no mundo para se odiar. Urien. A bruxa Adela. Os dois homens DarkFae parados na porta que haviam atirado em um ser humano inocente, sem nem piscar os olhos. Sua lista de vinganças estava ficando cada vez maior. Os poucos Fae que ela conheceu tinham uma aparência, que ia desde aqueles que tinham uma característica de duende, como Tricks, até aqueles que tinham uma estranha beleza, como Urien. Era muito ruim que ele fosse um monstro. Com a sua construção flexível magra, maçãs do rosto salientes, pele branca e cabelo preto como corvo, ele deveria ter sido um dos milagres da natureza. “Este é um dos refúgios do meu país,” disse ele, depois de ter percebido sua curiosidade. “Sem uma corte completa no momento, só eu e os meus homens. E agora você, é claro.” Ele fez um gesto para a taça. “Mais?” “Sim, muito obrigado.” Ela entregou a ele e se levantou enquanto ele ia enchê-la de um jarro de prata sobre a mesa. Ela bebeu aquela taça também. “Beba quanto quiser. O sedativo pode deixar com bastante sede, assim me disseram,” disse Urien. “Eu suspeito que você acorda com sede quando você toma duas doses seguidas. Fato que surpreendeu bastante meus homens, já que uma dose deveria ter sido suficiente para a viagem.” “Eu sempre tive um metabolismo rápido,” disse ela. Ela encheu a taça pela última vez e bebeu tudo. A hidratação fez toda a diferença do mundo. Coisas pararam de girar no limite de sua visão e ela se sentiu mais forte. “A anestesia local no dentista? Esqueça isso. Não pega até que me dêem uma dose suficiente para anestesiar um elefante.” “Eu entendo.” O Rei Fae caminhou para uma das cadeiras de espaldar alto perto da lareira e se sentou. Ele apontou para a cadeira em frente a ele com um sorriso. “Por favor, junte-se a mim. Nós temos muito o que falar, você e eu.” A pior coisa que você poderia fazer com um predador era mostrar o seu medo e correr. Ela suspeitava que lidar com o Rei Fae seria uma experiência similar. Ela tomou a cadeira que ele indicou, recostou-se e cruzou as pernas. Urien observou-a através dos dedos, então ele pegou o copo de vinho sobre a mesa ao lado de sua cadeira e tomou um gole. “Que surpresa e mistério que você foi, a Sra. Giovanni.” “Não foi intencional,” disse ela. “Bem, talvez a parte do mistério fosse, mas era para ninguém descobrir.” Ele deu-lhe um sorriso que não alcançou seus olhos frios e negros. “Eu sabia que eu gostaria de você desde que peguei o centavo. Agora que me fez rir.” Seus olhos se aguçaram. “Há algo sobre você. . . . “ Todas essas pessoas estúpidas de idade. Cada um deles conheceu, ouviu falar, fofocou, ou cheirou sua mãe à distância? Que maneira de ser discreto. Muito obrigado, mamãe. Ela beliscou seu nariz e suspirou: “Sim, eu pareço com Greta Garbo. Eu ouço muito isso.” “Realmente e quem é essa Greta Garbo?” Ela olhou para ele sobre sua mão. “Uma estrela de filme antigo.” “Eu não acompanho esses passatempos humanos ultramodernos.” Ele descartou o assunto com um toque de seus dedos. “Esse zé ninguém de merda ficou irritando meus homens, por isso, quando eu ouvi a respeito de suas reivindicações absurdas sobre sua namorada, eu pensei, vamos jogar uma espécie de encanto para a encontrar lá fora e ver o que acontece. Você sabe, só para experimentar um protótipo de uma coisinha que eu preparei no meu tempo livre. Imagine minha surpresa quando tudo o que ele alegou se tornou realidade. Então, imagine minha surpresa quando ele não disse uma palavra sobre você.” Ele se inclinou para frente. “Não depois que ele foi


castrado, não depois que ele foi eviscerado não, após ter ficado cego. Eu não acho que o menino tinha esse tipo de lealdade nele. Eu pensei que ele iria desistir de você nos primeiros dez minutos.” Ela cobriu a boca, lutando para não mostrar nenhuma emoção. Depois de um momento, ela tinha controle suficiente para dizer: “Ele não podia dizer nada. Obriguei a fazer um juramento de ligação.” Urien estalou os dedos. “Isso explica tudo. Um mistério resolvido. Então me diga como o tesouro do dragão parecia. Era tão magnífico como diz a lenda?” Sua expressão ficou malvada. “Para ser honesta, eu estava com muito medo para olhar ao redor.” Ela fechou os olhos, lembrando-se do terror. Parecia ter ocorrido há muito tempo. “Até onde eu sabia ele ia aparecer a qualquer minuto. Eu entrei, encontrei um pote de moedas ao lado da entrada, tirei uma moeda e corri. Eu poderia ter pego outra coisa, mas eu estava tão brava com Keith, que eu não lhe daria a satisfação de entregar algo de valor real. E eu esperava que se eu levasse apenas um centavo, talvez Cuelebre não me matasse, se ele me apanhasse.” "O que é uma grande deixa para nosso próximo mistério,” disse Urien. Ele levantou a cabeça, estudando-a como se ela fosse um inseto em um microscópio. “Por que Cuelebre não te matou ainda?” Ela entrelaçou as mãos na frente de seu estômago. Aguente aí, bebê. Se alguém tem senso de verdade, é ele. Aí vem um sapateado complicado. “Você teria que perguntar a ele,” ela disse. Ela arregalou os olhos. “Porque eu tenho que te dizer, eu fiquei muito surpresa.” Seus olhos se estreitaram, sem piscar. Ela sentiu o desvio de energia através de sua pele fria e lutou para não estremecer. “Como você escapou dos Goblins?” Ela balançou a cabeça. “Mais uma vez, você tem que perguntar a ele. Eu estava trancada no minha cela quando ele veio até mim. Pegar a moeda não ajudou em nada. Ele estava com uma raiva infernal quando ele me pegou, e você tem que saber que ele não é do tipo que perdoa. Ele estava determinado a ser o único a julgar-me, ninguém mais.” Então, algo lhe ocorreu. “Você sabe, eu nunca pensei nisso antes, mas ele também não iria me querer viva porque eu sei onde está o seu covil” As sobrancelhas do Rei Fae se levantaram. “É verdade.” “Não que isso importe mais,” acrescentou. “O que você quer dizer?” Ela encolheu os ombros. "Um dos meus guardas me disse que Cuelebre decidiu mudar seu tesouro. Acho que agora que o local foi comprometido...” Ela deixou sua voz diminuir. Ele deu de ombros também. “Eu acho que é de se esperar. Muito ruim. Ele tirou tanto de mim. Eu teria gostado de ter roubado mais dele. Talvez eu tenha que tirar alguma coisa do novo local.” Ele acenou com a mão branca. “Mas isso é uma conversa para outra altura. O que eu quero saber é como você fez isso.” Seu Poder envolveu-a e apertou com mais força, uma jibóia invisível enrolando em torno de seu corpo. Arrepios subiram ao longo de sua pele. Ela mordeu o lábio para se controlar e não começar a falar. Sua mente trabalhou, tentando encontrar e eliminar eventuais lacunas em sua história antes que ela as entregasse. “Você sabe como saguis são pequenos, estranhos e rápidos?” ela perguntou. “Saguis,” ele disse. “Keith ou outra pessoa não te disse que eu sou metade Wyr, uma mestiça?” “Alguém mencionou isso, sim,” respondeu ele lentamente. “Bem, eu sou estranha e rápida. E eu tenho o dom de passar através de eclusas.” Ela levantou os dedos e mexeu-os. Deduzir, dar a entender, não afirmar. Cuidado agora. “É assim que eu estava pensando em fugir. . . hoje? Mais cedo, de qualquer maneira. Meus guardas não sabem que eu posso fazer isso. Eu planejava enganá-los a olhar


para o outro lado, então escorregar para fora da área bloqueada, onde eles estavam me mantendo.” Ele deu um sorriso encantador e a sensação de frio diminuiu um pouco. “Impressionante. Então, minha cara, você não só humilhou Cuelebre roubando parte de seu tesouro, mas você teve a capacidade de escapar de sua torre também. Eu sabia que perseguir você iria valer a pena.” Que sorte para nós, bebê. “Isto leva-me ao nosso último pequeno mistério,” disse Urien. “O que aconteceu entre você e Cuelebre naquela planície? Vocês dois pareciam uma equipe. Algo aconteceu, algum tipo de oscilação de energia e ele foi capaz de mudar. Nos foi garantido que ele não seria capaz de faze-lo tão cedo.” Uma gota de suor frio deslizou entre seus seios. Ele tinha em tantas palavras apenas confirmando um cúmplice Elven. Ela fechou os olhos e esfregou as têmporas. Ela estava começando a sentir-se esgotada e suas mãos tremiam. “Você sabia que os Goblins me bateram muito?” Sua voz tremeu também. “Eles estavam tentando conseguir um aumento de Cuelebre, o que não aconteceu, é claro, porque ele assistiu a coisa toda com esse olhar de pedra fria em seu rosto.” Huh, não sabia que ela ainda estava chateada com isso, o que era quase irracional da parte dela, não era? Não era como se Dragos tivesse tido qualquer escolha. Aquelacara de paisagem dele pode ter salvado sua vida. O Rei Fae bebeu vinho e a olhou. "Bem, nós enfrentamos um exército desses Goblins fedorentos. Eu teria feito qualquer coisa para escapar. Em Nova York, pelo menos eu tinha alguma esperança de sobrevivência, se eu pudesse encontrar uma forma de escapar. Havia este lugar branco em seu ombro, onde os Elfos tinham atirado nele com sua porcaria mágica.” Ela fez um gesto em si mesma. “Foi bem aqui. Então eu fiz uma aposta de última hora. Eu o convenci a me deixar lancetar a ferida. E, aparentemente, você estava lá, você devia estar no penhasco? Você disse que sentiu o impulso de Poder.” Ela deixou o horror das lembranças aparecerem em seus olhos. “Ele matou tudo na planície, exceto eu.” O silêncio encheu a sala. Ela procurou o rosto de Urien, que era liso e inexpressivo. Você acha que ele acreditou, bebê? Não posso dizer. Talvez sim, talvez não. Nunca jogue pôquer com este desajustado. Mas não foi o que aconteceu ainda mais estranho? Tudo tinha acontecido com ela e até mesmo ela tinha dificuldade em acreditar. Pia sentiu a mesma desorientação que sempre sentia, quando ela e Dragos se separavam por um tempo. Disse a si mesma ferozmente, ele vem me buscar. Ele disse que vinha. Nós somos companheiros, talvez. Provavelmente. Ou agora, de acordo com Graydon, eu sou seu tesouro. O que não faz sentido. De qualquer forma eu estou grávida de seu filho. Ele pode não nos amar, mas ele tem que se importar. Certo? “Eu entendo,” disse o Rei Fae finalmente. Ele terminou seu vinho e colocou o copo de lado. “Bem, você já passou por uma grande aventura nestes últimos dias, não é?” “Olha,” ela se sentia tão vazia que doía e os cantos da sala estavam muito longe. “Eu sou uma hóspede ou uma prisioneira? Você vai me torturar por algum motivo estranho, eu não entendo - porque apenas no caso de você não fazer isso, eu quero que você saiba que eu não comi nada desde ontem e eu não estou me sentindo tão bem agora.” O Rei Fae fez uma careta e perguntou. “Cuelebre não cuidou de você, não é? Minha querida, por que eu teria alguma razão para torturá-la?” “Eu não sei.” Ela levantou as mãos e deixou-as cair em seu colo. “Tem sido um inferno de um dia pelas duas últimas de semanas,” disse ela. Não havia nenhuma razão para esconder o cansaço exasperado em sua voz, então ela nem tentou. “E eu não entendo metade das coisas que aconteceram comigo, além disso, porque você teria que usar seus capangas para me drogar ao invés de andar até mim na rua e se apresentar?”


“Este,” disse o Rei Fae, “é um ponto muito bom. Vamos apenas dizer que nós não tínhamos certeza como você iria reagir e não estávamos dispostos a deixá-la escapar novamente. Uma vez que, todos os relatórios mostravam, que você foi surpreendentemente protetora da Wyrm ao falar com os elfos na Carolina do Sul.” Ela congelou. Ela não tinha previsto isto. O que poderia ter sido dito? Como ela deveria responder? Ela disse com os lábios dormentes, “Se aquele confronto houvesse se intensificado ainda mais, dois Anciões dementes poderiam estar em guerra agora. Se isso acontecesse, um monte de gente teria morrido. Claro, eu roubei dele, mas eu não sou uma assassina. Se você tinha um relatório sobre o confronto, então você sabe que eu ia leva-lo na fronteira de Elven e partir, mas depois surgiram alguns Goblins em cima de nós. E de alguma forma aquele evento leva de volta a você, não é?” Ele deu um sorriso de pálpebras pesadas. “Bem, veja, um dia desses, eu vou finalmente conseguir matar Cuelebre. Você só ficou no caminho.Infelizmente.Mas tudo isso é passado agora.” Ele acenou com a mão. “Acho que devemos considerá-la mais como uma empregada recrutada, em vez de um convidado ou prisioneiro. Eu posso ver muitos usos para você. Muitas pessoas têm tantas coisas que eu quero.” “Eu não sabia que isso era uma entrevista de emprego, ou eu teria colocado um terno,” disse ela, a fúria deixando-a imprudente. Whoa, diminua a velocidade, potranca. Ele não está te torturando. Lembre-se, isso é uma coisa boa. Ele jogou a cabeça para trás e riu. “Eu gosto de você, Pia. Isto é muito simples: você vai fazer o que lhe for dito. Se você fizer isso, vai ter, comparativamente falando, uma vida muito confortável. Se você não fizer? Oh, eu não recomendo isso. Eu realmente não recomendo.” Ele se levantou. “A conversa acabou. Piran, Elulas, levem-na ao seu quarto e tenham certeza de que ela fique bem acomodada. Lembre-se de não usar nada com uma fechadura ou cadeado próximo a ela. Ah, e de-lhe algo para comer. A coitada tem círculos roxos sob seus olhos. Ela parece prestes a desmaiar.” Seus sequestradores se aproximaram. Seus próprios, Coisa Um e Coisa Dois. Ela se levantou e foi com eles. O que mais havia para fazer? Eles a deixaram usar o banheiro no piso térreo. Ela ficou aliviada ao descobrir que a casa não era muito medieval. Pelo menos tinha água corrente e um vaso sanitário. Em seguida, eles a levaram até um lance de escadas e por um longo corredor para uma sala vazia, com nada mais que uma cama estreita, dois cobertores dobrados e uma janela gradeada. Então o Coisa Um lhe deu uma irritante e minuciosa busca, enquanto o Coisa Dois assistia. O Fae sentiu ao longo das costuras de suas roupas, passou as mãos até o interior de suas pernas e apertou sua virilha, sondou entre e debaixo de seus seios e a fez tirar os sapatos para que ele pudesse inspeciona-los. Ela rangeu os dentes e aguentou firme. Ela foi capaz de segurar a sua raiva, só porque era óbvio pela expressão entediada e sem emoção do Fae, que a busca não tinha conotações sexuais. Não havia nenhuma maneira que ela pudesse ter infiltrado um bloqueio, mesmo se ela tivesse tentado. Eles a trancaram no quarto. Ela sacudiu um cobertor sobre o colchão nu e caiu sobre ele, ouvindo enquanto os dois Fae conversavam entre si em sua língua, parecida com Celta. Um conjunto de passos foi embora, ela esperava que eles tivessem ido buscar para ela algum tipo de alimento. Ela ia ter que engolir o que quer que eles trouxessem, para que ela pudesse se estabilizar e se preparar para as próximas etapas, quaisquer que fossem. Ela esperava que não fosse carne. Parecia já ser noite lá fora, cinza e chumbo com uma promessa de chuva, o que deixou a sala sombria. Seu olhar passeou pelas paredes nuas enquanto ela descansava. “Dragos?” Ela tentou. “Você está aí?” Nada além de um silêncio mortal. O que isso significava? Cautelosamente, ela expandiu sua consciência. Ela não conseguia sentir nada, nenhuma magia da terra, nenhum outro Fae, nada além do cobertor frio e do pesado Poder de Urien. Seria ele


capaz de suprimir a magia em sua vizinhança? Se assim fosse, este era um mecanismo de autodefesa muito útil. Suas sobrancelhas se levantaram quando ela olhou para si mesma. Ela não estava brilhante. Ele deve ser capaz de suprimir a magia, mas não de desfazer os feitiços já em vigor. Quaisquer que sejam os detalhes, ela achava que ele podia sentir qualquer aumento do Poder nas imediações. Ela pensou em sua história de novo. Ei, bebê, me coloque sob pressão e eu arraso. Mas a história não se sustentaria por muito tempo. Por um lado, ela não sabia a extensão do conhecimento de Adela sobre ela ou sobre o quão profundamente a bruxa estava envolvida com o Fae das Trevas. Se ela soubesse a verdade, mais cedo ou mais tarde, Pia teria que assumir que ela contaria tudo a Urien. E sobre a conexão Elven. Ferion sabia de sua herança real, tinha falado com o Alto Senhor e Senhora Anciões e esteve presente na teleconferência. Poderia ela ousar esperar que o contato de Urien não fosse Ferion? Ele a tratou com tanto calor. Isso significava que ele não teria falado dela para o Rei Fae? Ela tentou se lembrar do que Ferion havia dito em voz alta em Folly Beach e o que ele havia dito durante a conversa telepática privada. Ela não conseguiu. Isso era preocupante. Mas, pelo menos, parecia lógico que não era Ferion, a conexão Elven de Urien. Havia muitas variáveis desconhecidas, não menos importantes,que o fato de que ela não tinha o senso da verdade. Urien poderia muito bem ter estado jogando com ela ou mentindo sobre suas próprias razões. Assim, a única coisa que ela ousava esperar era que tivesse ganhado um pouco de tempo. Passos se aproximaram. Ela sentou-se conforme uma chave entrou na fechadura. O Coisa Dois entrou. Ele colocou uma bandeja no chão. Saiu e trancou a porta novamente. Ela verificou o conteúdo da bandeja. Metade de um pão escuro liso, maçãs e mais água. Gol!!!! Ela caiu sobre a comida. O pão era provavelmente de ontem, uma vez que estava apenas começando a endurecer, mas ainda era macio com grãos deliciosos. As maçãs estavam maravilhosas. Elas eram tão boas, que a fez pensar que deviam ser de uma outra terra, talvez até este lugar. Ela comeu tudo, bebeu metade da água e sentiu uma onda de energia imediata. Muito melhor. E agora? Havia duas maneiras de sair deste quarto. Ela empurrou a bandeja contra a parede para que a última de sua água não derramasse. Ela foi inspecionar sua janela. Ela olhou, mal ousando acreditar em sua sorte. As barras da janela estavam do lado de fora do painel de vidro. Eram duas grades de metal simples e verticais, com apoios na parte superior e inferior. Eram articuladas em ambos os lados da janela e fixadas com um cadeado e uma corrente de metal ficava em torno das barras de extremidade. Eles pareciam substituições para as antigas persianas da janela. Alguém tinha preparado este espaço para sua chegada. Ela forçou a janela aberta tão silenciosamente quanto pôde, em seguida, parou para ouvir. Seus dois guardas Fae continuaram a falar, sem interrupções. Urien pode ser capaz de suprimir a magia, mas sua mãe sempre disse que a magia contra a capacidade intrínseca natural, era uma coisa difícil de definir, em sua demonstração, Dragos não tinha sido capaz de senti-la fazer qualquer coisa. Ela pegou o cadeado e puxou. Ele caiu aberto. Ela escorregou a fechadura e desenrolou a corrente. Levantou-a e a analisou. Era boa e sólida, mais de um metro de comprimento. Ela dobrou-a, girando uma ponta em volta de sua mão e balançou para sentir seu peso. Não era uma arma ruim para alguém com tão poucas opções. Ela deixou cair o cadeado na cama, bebeu o resto de sua água e afrouxou a grade de metal para abrir alguns centímetros, enquanto tentava espiar o terreno ao redor da casa. Urien ou quem estava encarregado de sua segurança, foi inteligente o suficiente para manter a área em torno da casa livre de arbustos. A paisagem não era muito atraente,


mas também não dava a ninguém, um lugar para se esconder. Ela voltou para dentro quando um guarda veio virando da esquina e andou lá embaixo. Sua sorte só foi até ali, parecia. Ela observou por um tempo, contou para estimar a passagem do tempo e manteve o controle dos guardas. O quinto guarda foi o principal, de modo que havia quatro guardas fora, um para cada lado, já que eles patrulhavam em um círculo. Quatro, mais o Coisa um e o Coisa Dois, os guardas de dentro próximos às janelas da sala de reuniões e sem dúvida, alguns que ela não tinha visto. Talvez Urien tivesse um total de 20 homens com ele, um número razoável se ele quisesse se mover rápido e silencioso. O que pareceu é que ela tinha duas opções: ela poderia se trancar novamente e esperar, o que era arriscado. Ou ela poderia saltar para fora da janela, derrubar um guarda rapidamente e correr como se o diabo estivesse atrás dela. Extremamente arriscado. Ela não teria defesas ou opções, se ficasse. Estaria à mercê do Rei Fae e da história que ela tinha inventado, o que era como uma bomba-relógio prestes a explodir. E ela não se atreveu a pensar sob qualquer escrutínio. Não podia suportar pensar no que aconteceria se ele descobrisse que ela estava grávida de Dragos. Assim, na realidade, ela não tinha escolha. Ela observou os guardas girarem novamente. Qual deles parecia mais sonolento, o mais lento, o mais incompetente? Porra, todos eles pareciam bem. Bem, morrer simplesmente não era uma opção. Ela estava lutando por dois agora. “Aguenta aí, bebê,” ela sussurrou, apoiando o pé no parapeito da janela. Quando o guarda seguinte passou, ela abriu a grade de metal e saltou para fora. O baque quando ela atingiu o chão fez o guarda pegar sua besta enquanto se virava. Ele foi rápido. Ela foi mais rápida. Ela girou e usando cada grama de força centrífuga que pôde acumular, atacou-o com a corrente. Ela poderia dizer pela forma como o golpeou na têmpora que ele estava morto quando caiu no chão. Ela não sentiu nada, nenhuma piedade, nem remorso, enquanto observava seu corpo desabar. Huh. Então é isso que sente quando se tem um instinto assassino. Tudo bem. Ela pegou sua besta e avaliou com uma olhada. Já estava carregada, um arco composto moderno, leve e elegante, com uma mira telescópica e um coldre montado no braço principal, que segurava uma meia dúzia de parafusos. Ela conhecia esta arma. Hey. Coração batendo forte, ela correu para o canto da casa, onde o guarda seguinte apareceria em apenas alguns segundos. Ela apertou suas costas contra a parede, respirou fundo e esperou com a arma pronta. Ela ficou cara a cara com o guarda Fae seguinte, quando ele virou a esquina. Seus olhos se arregalaram. Ela atirou-lhe à queima-roupa e olhou rapidamente em torno do canto. A partir da visão que teve desta parte da casa sabia que era mais comprida e existia uma parte de outro edifício visível nas proximidades. Talvez fosse um estábulo? Onde eles manteriam as coisinhas libélula, dentro de um edifício ou fora? Ela se afastou, recarregou a besta e contou. Quatro dez mil, três dez mil, dois dez mil . . . Ela não podia ouvi-lo, mas o guarda tinha que estar lá. Ela virou a esquina, atirou nele e puxou seu corpo, empilhando-o em cima do outro guarda. Ela recarregou e contou. Ela não podia acreditar quando o último guarda caiu. Ela olhou para seu corpo, grata porque ainda estivesse dormente. Ela tinha acabado de matar quatro pessoas em minutos e tudo que ela podia pensar, era que sua cabeça levou apenas alguns segundos para começar tudo isso.


Melhor fazer com que a perda de suas vidas contasse para alguma coisa. Ela deixou cair o arco, pegou do último guarda morto uma carga completa de munição para a besta e correu.


Dezenove

Meia hora havia se passado, desde que Dragos perdeu a conexão com Pia, através do feitiço de rastreamento. Então, ele e suas sentinelas chegaram a junção da Autopista 17 com a Avenida Averill. Encontraram carros de polícia, uma ambulância e um caminhão de bombeiros cercando uma pickup Dodge Ram preta. Ele enviou Tiago, Rune e Grym voarem a sudeste, sobre o Parque Estadual Harriman, procurando por um Lexus cinza. Em quase 47 mil hectares de área, o parque era o segundo maior em Nova York e tinha mais de 30 lagos e umas duzentas milhas de trilhas para caminhadas. Ele também tinha uma passagem para uma grande área de Outra terra. Ainda protegendo a sua presença da vista humana, Dragos se atirou para o chão, seguido por Graydon, Bayne e Constantine. Depois da transformação, ele correu para os veículos de emergência, que responderam ao chamado, ladeado pelos grifos. Graydon andou até uma policial e se apresentou. “O que aconteceu?” “Houve um tiroteio,” disse a mulher, olhando de Dragos para os grifos com olhos escancarados. “A vítima é um cara de meia idade que foi atingido, lá embaixo, na rua. Um par de crianças o encontrou. . .“ Dragos ignorou o resto. Caminhou a passos largos, passando pelo caminhão. Havia uma poça de sangue. Bayne parou para examinar este ponto. As portas da ambulância estavam abertas. Ele olhou para dentro dela. Dois paramédicos estavam trabalhando sobre um homem. “Ele está consciente?” perguntou a um dos paramédicos. “Você não pode ficar aqui agora,” disse o homem, sem olhar para cima. Ele entrou, agarrou o homem e o jogou para fora da ambulância. Ele disse para o outro paramédico, “O homem está consciente?” Ele negou, olhos esbugalhados. “Estamos trabalhando para estabilizá-lo. Temos que levá-lo para o hospital.” Dragos subiu e agachou perto da maca. Os olhos da vítima estavam vidrados com o choque. Dragos puxou a máscara de oxigênio para baixo e exigiu: "Ela estava viva quando a levaram?" A boca do homem trabalhava. Ele estava ofegante, em respirações curtas e fracas e sua cor não era boa. "O que. . . " Dragos se aproximou mais. "A mulher que foi sequestrada. Ela estava viva quando eles a levaram?” "S-sim, acho que sim. . . " o homem conseguiu dizer, engasgando. “Atiraram nela... atiraram nela.“ A mão do paramédico veio por cima dele e segurou a máscara de oxigênio e colocoua no lugar. “Por favor,” ele disse para Dragos. “Ele já está preso. Você tem que ir.” Viu quando Constantine soltou o paramédico que ele tinha expulsado ao tentar subir na ambulância. Parou, com o rosto branco e as mãos apertadas, conforme Graydon e Bayne corriam até eles. E falou através de lábios esbranquiçados, “Ele acha que ela estava viva. Disse que eles atiraram nela.” “Ah, merda,” disse Graydon, pálido. Constantine pegou firmemente o braço de Dragos. “Não vá fazer com que ela esteja completamente morta em sua cabeça,” ele disse. “Lembre-se, eles a drogaram e sequestraram da primeira vez. Eles não a mataram. Eles a querem viva.” “Você está certo,” ele disse. Ele olhou para eles, seus olhos injetados de sangue. Pela primeira vez ele se forçou a dizer o que ela lhe tinha dito mais cedo. “Ela esta grávida. Urien está com minha companheira grávida”. Os grifos o encararam em igual medida de horror e aflição. Então, Tiago disse: “Encontramos o Lexus. Eles atravessaram por aqui.”


Instigados, os quatro correram da cena humana e tomaram o ar para se juntar aos outros. Boa notícia: o Lexus não tinha nenhum traço de sangue. O aperto em seu peito afrouxou. Ele começou a respirar novamente. Eles localizaram a passagem e cruzaram para a Outra terra. Dragos tinha esperado ardentemente, mas o feitiço de rastreamento colocado em sua trança não sobreviveria à separação e à passagem. Eles teriam que rastreá-la e a seus raptores por terra. Ainda bem que eles tinham um dos melhores rastreadores de todas as espécies do seu lado. Tiago galopou pelo chão em grandes arcos, estudando o solo até que ele se pôs a correr em uma direção. Rune e Graydon observavam de longe fora do caminho enquanto os outros se mantinham no chão com Tiago. Dragos permaneceu no ar, camuflando sua presença enquanto observava em círculos, projetando-se a frente da trajetória de Tiago. A morte era uma boa amiga e voava em sua sombra. Pianão tinha ideia de onde estava ou para onde estava indo. Era a história de sua vida, aparentemente. Ela tinha uma meta: correr para tão longe quanto pudesse de Urien e o mais rápido que ela conseguisse. Ela esperava que ele não tivesse nenhum daqueles trecos de libélulas com ele. Se isso se transformasse numa corrida pelo chão, ela tinha uma boa chance de luta. A paisagem rural estava forrada com grossos agrupamentos de floresta e áreas abertas, acarpetadas com uma desenfreada profusão de flores silvestres. Ela fez uma pausa na beirada de uma madeira e passou o olhar rapidamente sobre o cenário atrás dela. Nenhum sinal ou som de perseguição. Ouro, púrpura e carmesim espalharam-se pelo campo verde esmeralda, pelo qual ela acabara de passar. Seu olhar pousou em uma brilhante flor roxa, com pétalas caneladas como uma margarida, enquanto esta cuspiu um longo e emplumado estame, rápido como um chicote e pegou um inseto com sua ponta pegajosa, o qual então foi retraído para dentro dela levando sua presa. Ela recuou. Não vamos pensar em nada relacionado com metáforas. Ela pendurou o arco em suas costas e mergulhou em uma área de floresta para servir de cobertura. Ela evitou qualquer coisa que parecesse com uma trilha. Se ela conseguisse chegar longe o suficiente, ela começaria a pensar sobre como ocultar melhor seu rastro, mas agora ela não tinha tempo para usar a finesse. Uma leve chuva começou a tamborilar na copa das árvores, o pingar ocasional era muito espaçado para acertá-la. Talvez ela tivesse sorte e a água despencasse. Uma chuva forte ajudaria a dissipar seu cheiro . O Wyr recém-libertado nela estava ansioso para esticar as pernas e se lançar a uma dura corrida, mas a mente humana de Pia não poderia deixar de estar frustrada. Seis meses a partir de agora, ela teria tido a oportunidade de praticar muitos dos truques, que sua mãe tinha tentado lhe ensinar, sobre como ocultar o seu caminho dos perseguidores. Como estava, ela não ousava tentar recorrer ao seu Poder, caso ela cometesse um erro e denunciasse sua posição. Ela conseguiu talvez, quinze minutos de paz e quietude. Então, Urien silvou em sua cabeça, “Você acaba de cometer um grande erro, Pia Giovanni. O que eu fiz ao seu namorado não é nada comparado ao que eu vou fazer quando pegá-la.” Nojo, nojo. Ameaça, ameaça A lunática dentro de seu corpo disse ao Rei Fae, “Eu posso com qualquer ritmo que você escolher, seu bundão. Pegue-me se puder.” Ok, vamos encarar. Não era a coisa mais esperta que ela tinha feito. Mas, hoje ela estava até aqui com pessoas más. A chuva começou a cair com mais força. Ela correu mais rápido. Sua consciência se concentrou no que estava ao seu redor, observando os obstáculos, traçando seu curso à frente por entre as árvores e trabalhando para se manter em pé, num solo que se tornou escorregadio. Logo, ela estava molhada até os ossos.


A floresta se tornou mais sombria e traiçoeira. Então ela viu um intervalo entre as árvores à frente. Ela conseguiu derrapar até parar, antes que caísse de cabeça morro abaixo, num rochoso declive. Ah, isso não é tão bom. À sua frente, uma extensão muito grande de prado se desenrolava. Não era do tamanho da planície, onde ela e Dragos tinham sido encurralados, mas ainda era muito grande e exposto para seu gosto. Ela mordeu o lábio e tentou pensar. Não podia voltar. Não devia ir para os lados tampouco. Urien espalharia seus homens conforme eles a perseguissem. Droga. Nada a fazer a não ser ir em frente. Talvez pudesse alcançar o outro lado antes de ser vista. Ela pulou o declive, atingiu o fundo e disparou com tudo o que ela tinha. “Pia”, Dragos disse. Ela pisou em alguma espécie de buraco animal e caiu. Dor lançou-se perna acima. Ela a agarrou e se balançou. “Dragos! Droga”. Ela pensou que o ouvi dizer: “Obrigado, deuses”. Em seguida, ele exigiu mais alto, “Onde você está”? “Bom, eu não sei, não é?”Ela devolveu. “Fui drogada novamente e levada de carroça para uma das casas de férias de Urien. Então eu escapei, agora ele está me perseguindo e eu acabo de pisar numa porcaria de buraco de coelho. Droga, DROGA, malditamente droga.” “Você quebrou alguma coisa?” “Eu não sei.” Ela mordeu o lábio e com um grande esforço, mexeu o tornozelo. “Descreva onde você está”, ele mandou. Ela empurrou os cabelos dos olhos, olhou em volta e disse a ele o que via. O tornozelo protestou, mas aguentou seu peso. Mais ou menos. Ela se lançou em uma corrida louca, mas sua antiga velocidade tinha ido embora. “Hey, grandão”, ela disse, rilhando os dentes com a dor. “Não tenho como lhe dizer, o quão feliz estou por você ter vindo ou como é bom ouvir sua voz”. “O quão feliz você está por eu ter vindo?” ele disse numa voz neutra. “O que diabos isso significa?” “O que você acha que isso significa!” Ela retrucou. “Esqueça. Eu não posso falar agora. Isso é muito difícil.” Ela tentou se esforçar mais, para ganhar um pouco mais de velocidade, mas não havia nenhuma. Lascas irregulares de dor disparavam por sua perna a cada passo. Se ela fosse um cavalo, ela teria que ser sacrificada. Ela não ia conseguir. Ela colocou as mãos nos quadris, prendeu a respiração e andou. A chuva era boa, agradável e fresca em seu corpo superaquecido. Ela estava a meio caminho através do prado, quando um senso de maldade a fez virar. Ela olhou de volta para a linha de árvore da qual ela tinha acabado de vir. Urien e seus homens, montados em cavalos, estavam olhando para ela. Ela já tinha ultrapassado o sinal de “conheça seus limites e estará pronta para ultrapassá-los”, há algum tempo atrás. Inferno, ela já estava olhando para seus limites de binóculos, a esta altura. Mancando para trás, ela levantou o dedo do meio para o Rei Fae. Seus cavalos mergulharam pelo declive. Com uma casualidade que falava de desprezo, ele e seus homens correram em sua direção. Ela puxou o arco de suas costas. Tão logo chegassem ao seu alcance, ela estaria ao alcance deles. Ela ficar contra o crepúsculo, como um farol. Ela rasgou sua camiseta branca e a jogou de lado, então virou seu corpo para ser menos que um alvo. Sinto muito, amendoim. Ela localizou Urien pela lente do arco. O bastardo estava começando a sorrir de maneira nojenta. Ele se aproximava a meio galope. Ela atirou assim que uma pancada a atingiu. Isso a derrubou.


Ela deitou esparramada em suas costas e piscou para a chuva acima, sentiu-se tão bem, talvez porque fosse a única no chão que viu o dragão que vinha como chumbo, gritando do céu. Patas dianteiras estendidas, garras expandidas, dentes maus arreganhados, Dragos arrebatou Urien do lombo de seu cavalo. Ele bombeou suas asas para subir no aracima das árvores, então ele jogou a cabeça para trás e rugiu enquanto rasgava o Rei Fae em pedaços. “Ai está o meu Bad Boy,” ela sussurou. Deus, ele estava de tirar o fôlego. Uma estranha confusão tomava conta dos prados. Era alguma coisa do tipo de um pesadelo. Grifos atacavam Fae enquanto cavalos gritavam e mergulhavam em terror. Ela pensou ter visto uma criatura de aparência demoníaca, alada, arrancar a garganta de um Fae. Havia um enorme pássaro escuro que causava trovões com o bater de suas maciças asas. Raios saiam de seus olhos, mas talvez àquela altura ela estivesse começando a alucinar. Graydon se abaixou sobre ela. “Oh, foda, não!” Ele sussurrou. Ele agarrou sua camiseta destruída e pressionou-a em volta do ferimento causado pela flecha em seu peito. “Aguente firme, querida.” Ela tocou sua mão. “Eu estou bem,” ela tentou dizer a ele. “Tudo vai ficar bem de novo.” Ela não acreditou que tivesse conseguido pronunciar as palavras, pois ele esfregou as bochechas em seu ombro e gritou, “Dragos!” Então Dragos caiu sobre seus joelhos ao lado dela, seu mundo entrou nos eixo novamente. A face dele estava acinzentada, seus olhos violentos. Ele adicionou pressão ao ferimento no peito dela e deitou uma mão em sua bochecha. “Pia.”Ele falou como se as palavras fossem arrancadas dele. “Não se atreva a me deixar. Eu juro por Deus, que a seguirei até o inferno se preciso for e a trarei de volta pelos cabelos.” Um canto da boca dela subiu. Ela colocou sua mão sobre a dele em sua bochecha. E disse: “Você diz as melhores coisas horríveis.” Ela estava tão cansada, então descansou seus olhos por um minuto. Depois disso ela se lembraria de uma série de imagens, como pérolas num cordão. Ela abriu os olhos para descobrir que Graydon tinha segurado suas costas contra o peito, um braço sobre seus ombros, o outro braço apertado embaixo em volta de sua cintura. Eles se sentaram em uma gaiola feita de garras formada pelos dois pés dianteiros de Dragos. Rune estava em cima deles, olhando através das garras. "Segure-a assim,” ele disse com o rosto sombrio. "Não deixe que ela se acotovele." "Estou com ela", Graydon disse. "Vamos." Eles estavam sendo tão dramáticos, como se fosse caso de vida ou morte. Falando em ser grandes guerreiros com garras. Eram piores do que um bando de colegiais. Ela desmaiou assim que Dragos se lançou. A próxima coisa que ela percebeu era Dragos segurando-a. Ela poderia ter levado uma taça de vinho cheia até a borda e não derramar nenhuma gota, pelo jeito com que ele esta voando escada acima. “Eu não quero saber!”, rugiu. “Tragam-me uma porcaria de um bom médico tão rápido quanto possível. Roube um de Monroe, se precisar. Um de vocês voe até Nova York e traga nosso curandeiro Wyr!” Ela tentou focalizar seu olhar borrado. Esta era a casa de Urien, de novo? Estou acordada, estou adormecida, estou acordada, estou adormecida. Estou na casa, estou fora. Agora estou dentro de novo. Isto está ficando ridículo. E ela desmaiou. Então as coisas ficaram realmente estranhas. Ela estava imersa em Poder de dragão. Ele a tinha consumido. Com todo fôlego, ele trabalhou seus pulmões. O batimento de seu coração vacilou. A grande máquina do coração dele assumiu o ritmo. O Poder dela começou a enfraquecer, mas ele tinha


seu Nome. Ele ordenou que ela permanecesse em sua carne. Ela foi carregada para dentro dele, intrinsicamente entrelaçando-se a sua força vital. Ela pensou ter ouvido sua mãe dizer, Ele não pode segurá-la para sempre. Você poderá vir a mim se desejar. Mas havia alguém mais com elas, uma faísca obstinada, pequena e brilhante. Ela era apenas uma criação nova, mas já tinha suas próprias opiniões. Dragos prendeu sua vida a seu corpo, mas o Poder de seu filho pulsava dentro dela. Ele estava tentando curá-la. Ela despertou. Ah, não, doce bebê, ela sussurrou. Você é muito pequeno para isso. O amendoim pareceu discordar. Um brilho quente de energia impregnou seu corpo, assim como o Poder de cura de sua mãe, assim como o dela própria. Por um momento, tudo foi brilhante, bem e certo. Então, com infinita delicadeza, o dragão colocou seu Poder, naquela pequena centelha de vida que brilhava tão clara, tão forte, conduziu-o de volta até ele e aninhou-se no lugar. Menino precioso. Seus dedos penetraram uma polegada no lençol. Eles foram agarrados por uma mão muito maior, mais poderosa que se seguraram à dela enquanto ela caia no sono.


Vinte

Quando ela acordou novamente, de verdade, ela estava na cama deles na Torre Cuelebre. Ela fixou o olhar no teto por incontáveis minutos, enquanto a luz mudava. Estava quieto. Ela estava quente, limpa, seca e sem dor. Dragos estava deitado ao seu lado, seu braço ao redor dela. Ela olhou para ele, para sua face durante o sono e viu algo que ela nunca tinha visto antes. Ele parecia exausto e abatido, como se alguma coisa dentro dele tivesse sido forçada demais. Ela franziu o cenho. Havia ele se ferido na batalha? Ela tentou erguer o braço direito para afagar o rosto dele, mas não conseguiu. Ela deu um puxão em seu braço e de repente Dragos ergueu-se em seu cotovelo. Ele colocou sua mão sobre o braço dela, segurando-o para baixo. “Meu amor, não faça isso.” “Minha mão está presa em algo,” ela resmungou. Olhou para cima, para ele, com ansiedade sonolenta. “O que está errado? Você parece tão triste. Está ferido?” Ele sorriu para ela, os olhos dourados claros e a aparência abatida desapareceram. “Eu não fui ferido, a não ser em meu coração.” “Alguém o acertou no coração!” Ela tentou livrar sua mão em um puxão. “Pia, amor, pare. Olhe para seu braço.” Ela virou-se e seguiu a direção que o dedo dele apontava. “Você está com medicamento intravenoso. Você fica tentando removêlo durante o sono, então tivemos que amarrar sua mão. Nós não queríamos que você se machucasse.” “Oh.” Sentindo-se tola, ela calou-se. Virou-se para ele. “Alguém o acertou no coração!” “Sim.” Ele beijou seu nariz. “Você o fez, metaforicamente falando.” Beijou sua boca com lábios infinitamente carinhosos. “Você estava morrendo, sua merdinha. Seu coração parou e seus pulmões não funcionavam. Tive que assumir por um momento. Então nosso filho decidiu ajudar e quase se extinguiu para curá-la. Roubou-me séculos de vida. Ele acariciou-a com o nariz, suas pálpebras fechadas. Ela o aspirou, esfregou sua bochecha contra a dele e deixou sua presença acalmar as bordas irregulares em seu interior. "Eu sinto muito", ela sussurrou. Uma lágrima deslizou pelo canto do olho e encharcou seu cabelo, seguido por outra. "Eu sinto muito por tudo." "Pare com isso." Ele segurou seu rosto e enxugou as lágrimas. "Não é culpa sua. Eu voei com seu médico na volta de Cancun e tive uma conversinha com ele.Primeiro eu descobri o que era um DIU e como ele poderia ter colocado em risco você e à gravidez. Eu entendi por que você entrou em pânico e por que você estava com medo de que eu tivesse forçado a gravidez em você." "Eu deveria saber melhor." "Como você poderia? Ficamos juntos por menos de uma semana e sob circunstâncias muito menos do que ideais. Mas é claro que eu não quis deixar você grávida. Você me arruinou." Sua voz e rosto estavam tristes. Ele acariciou seus cabelos. "Eu não tinha ideia de que meu controle tinha deslizado a esse ponto." Seu olhar se agarrou a ele, sua mão livre deslizou para cobrir o abdômen, em um gesto de proteção que rapidamente estava se tornando um hábito. Algo de hesitação e fragilidade em sua expressão pareceu ter chamado à atenção dele. A linha escura de suas sobrancelhas contraída. Ele cobriu a mão dela com a sua, entrelaçando seusdedos com os dela. “A gravidez é um choque total,”ele disse. “Conectar-se com nosso filho enquanto ele curou você, ele é uma das coisas mais bonitas que eu já vi. Eu não consigo nem começar a descrever minha reação a ele. Nunca senti essas coisas antes.”


“Esta é realmente uma boa maneira de descrever,” ela sussurrou. “Eu também estou aterrorizada.” Ele a beijou, seus lábios movendo-se devagar e calmamente enquanto a saboreava. “Eu não tenho ideia de como agir perto de novas criaturas pequenas. Mas estou feliz.” “Eu também estou” ela murmurou. Seus olhos brilharam com calma umidade, enquanto sorria para ele. Então seu olhar se voltou para dentro e se tornaram assombrados. “Eu matei cinco pessoas.” Os olhos dele se estreitaram. “Como você sabe?” “Foi por minha culpa o homem do caminhão ter levado o tiro. . .“ Ele bateu de leve em seus lábios. “Essa é fácil. Ele não está morto. Era incerto, no começo, mas eles dizem que ele vai sobreviver muito bem." "Graças a Deus", disse ela, suspirando. "Havia, no entanto, quatro guardas mortos em torno da casa Urien sobre os quais estávamos muito curiosos. Foi você?" Ele procurou seu rosto. Seus dedos não pareciam poder parar de acariciar as maçãs do rosto dela, o queixo, sua garganta. Ela fez uma careta e acenou com a cabeça. Ele mostrou-lhe os dentes. "Eu estou tão orgulhoso de você. Você progrediu quando precisou. Fez o que precisava ser feito e se mandou." “É, bom, você é um monstro sedento de sangue. Quem se importa com o que você pensa,” ela murmurou. Ela se deixou levar pela emoção por uns minutos e ele deixou, acariciando seu cabelo. Ela se ergueu o suficiente para dizer, “Para ser honesta, estava me sentindo mal por não estar me sentindo mal. Exceto pelo cara do caminhão. Sobre ele, eu realmente me senti mal.” “Isso é estúpido e complicado. Pare com isso agora mesmo.” ordenou. Ela deu o espectro de uma risadinha. "Lá vai você de novo, dando ordens. Sua Majestade está começando a se sentir melhor. Ah, falando de majestades." Seus olhos abertos muito amplos. "Urien realmente achava que seria meu chefe." "O que foi uma das coisas que fez com que ele fosse finalmente morto." Seus olhos plissados. "Imagine isso." Ela dormiu por um tempo com o esgotamento fácil de uma convalescente. Acordou uma vez para dizer com uma repentina urgência, "Não vá a lugar nenhum." Ele estava vestido com o que antes, havia sido uma calça jeans, cortada como um shorts e esticado por cima das cobertas, lendo relatórios, com travesseiros apoiando suas costas. Ele se colocou de lado e lhe deu um olhar fixo. "Eu não vou a lugar nenhum, Pia. Nenhum mesmo. E nem você." Seu rosto muito amado estava imóvel como uma montanha. Ela assentiu com a cabeça e relaxou. Ele não voltou a sua leitura de novo, até que ela pareceu dormir. O quase morrer pode ser tirado de seu corpo. A breve chama de cura de Poder do amendoim tinha cuidado do essencial, mas ela tinha que fazer o resto por conta própria. Ela havia ficado inconsciente por dois dias. Dragos tinha dado um presente para ela, um encanto anti-nauseas,que foi colocado dentro do pingente de dois quilates de diamantes em um colar no seu pescoço. No dia depois que ela acordou, quando eles tiveram certeza de que poderia mandar os líquidos e alimentos sólidos para baixo, o médico removeu a medicação intravenosa. Ela não conseguia se concentrar em nada mais substancial do que revistas e programas de TV e dormia frequentemente. Quando ela estava acordada, Dragos era estimuladoa contar cada detalhe do que havia acontecido. Ele contou a história de sua busca, até a parte final quando todas as sentinelas tinham se lançado ao ar para procurar o prado que ela tinha descrito. Com seu olhar afiado de ave de rapina, Bayne tinha pego o movimento quando Urien e seus homens mergulharam pelo declive em direção a ela. Eles ainda tinham umas milhas para percorrer e se arremessaram para frente com toda a velocidade que possuíam.


Cada grama da formidável energia de Dragos tinha sido focada em derrubar Urien, antes que o Rei Fae tivesse a chance de sacar o seu considerável Poder e revidar. Ele não tinha visto Pia ser atingida, mas ele tinha visto a flecha dela acertar Urien, no alto do ombro. Não tinha sido um tiro para assassinar, mas foi o suficiente para distrair o Rei Fae por aqueles poucos segundos finais, enquanto Dragos e as sentinelas mergulhavam para o ataque. Todos tinham visto ela mostrar o dedo para Urien. As sentinelas fizeram muito disso, enquanto se esparramavam nos sofás, com seus pés em cima dos móveis, comiam pizza, bebiam cerveja após cerveja e assistiam SOAPnet. "Eu gosto do gêmeo do mal", disse Graydon, apontando sua garrafa para a tela plana. "O outro é muito adocicado. Ninguém é tão bom." "Porra, não", disse Constantino confortavelmente. "Mas você tem que admitir que a atriz é super sexy. Você acha que eles são de verdade?" "Duvido", disse Graydon. "Eles são muito globulares". Constantino assentiu. "Eu aguento globulares". "Trocadilho", disse Graydon. "Gemido". Pia olhou para eles por cima da Cosmopolitan que estava folheando, mas absteve-se de comentar. Ela supôs que poderia ter sido pior. Pelo menos eles foram um pouco sutis. Ela estava enrolada em uma extremidade do sofá, aconchegada debaixo de uma echarpe clara de seda. Depois que começou a se sentir mais firme, ela tinha sido capaz de convencer Dragos, a ir cuidar do acúmulo de coisas na empresa, mas isso só significava que tinha um fluxo constante, rotativo de sentinelas como visitantes. Ela não tinha tido um momento para si mesma desde o sequestro. Quando ela reclamou para Graydon, ele respondeu, "É apenas uma precaução docinho. Alguns dos Fae de Urien ainda estão sendo caçados, e a conexão Élfica que estávamos caçando desapareceu. Malditamente maldito." Ele riu. "Eu não posso acreditar que ele disse a vocês aquilo" ela disse. "Eu tinha acabado de torcer o tornozelo e estava tendo um dia ruim. Eu não era responsável pelo que saiu da minha boca ou na cabeça." "Você se saiu como uma profissional", ele a acalmou. "Sim, eu sei. Eu arrasei," ela resmungou. "E de qualquer maneira, estou na cobertura da Torre. Este lugar está mais seguramente trancado do que Fort Knox. Ninguém está me caçando mais. Eu tenho certeza de que não vou a lugar algum, agora." "Sim, mas você tem que lembrar", disse o Grifo enquanto dava uma pancadinha em seu nariz, "Você assustou o chefe pra caramba. Ele não está acostumado a sentir medo. Se não o deixar extravasar, acho que ele poderia explodir. Aliás, você assustou a todos nós, pra caramba. Além disso, você é da família agora e nós estamos nos divertindo. É como férias.” Ele piscou. .Família. Uau. "Certo", ela murmurou. Ela não tentou pular de alegria e fingiu ainda estar malhumorada, mas deu-lhe um sorriso afetuoso. Uma Tricks depressiva veio agradecer-lhe por sua participação na morte de Urien e para dizer adeus. A fada estava indo embora para ser coroada Rainha na Corte Dark Fae. Seu cabelo não estava mais tingido de lavanda e já não tinha mais as pontas viradas alegremente para cima. Estava em seu preto corvo natural. Pia ficou surpresa ao ver o quanto isso mudou a aparência da fada e a fez parecer mais séria. "Por favor, Deus, venha me visitar em breve", disse Tricks. "Não me abandone na Corte Drak Fae. Nós vamos fazer um almoço de novo. " Ela gemeu. "Certo, mas da próxima vez vamos fazer sem a Piesporter e conhaque." Tricks deu um sorriso manhoso, com um lado da boca. "Vamos ver." Pia lhe disse: "Eu vou sentir sua falta." A fada jogou os braços ao redor dela. "Eu vou sentir sua falta também."


Um almoço em algum momento com a Rainha Dark Fae. Convites para visitar oSr. e sra. Soberanos Élficos. Quão estranha sua vida tinha se tornado. Num impulso, ela perguntou, "Você encontrou alguém para assumir seu cargo de RP?" "Não", disse Tricks. "Não houve tempo. Por que, você o quer?" Ela levantou um ombro, sentindo-se acanhada. "Talvez eu fale com Dragos sobre isso. Você sabe, quando eu estiver pronta." "Seja o que decidir, mantenha aquele dragão enrolado em seu dedo mindinho", aconselhou a fada com uma risadinha. "É o seu karma, depois de tantos séculos sendo o centro do universo de todos por aqui. Isso vai fazer-lhe um bem enorme." Outro visitante veio numa tarde. Pia olhou para cima quando Aryal jogou seu corpo de 1,83m, em um sofá ao lado dela. Os cabelos negros da harpia estavam enrolados novamente, o que pareceu ser o seu estado usual. Ela vestia calça jeans de cós baixo, um colete de couro sem mangas e as necessárias armas de uma sentinela. Pia a estudou, enquanto Aryal mexia-se inquieta. A beleza macilenta ímpar da harpia, não tinha nada a ver com dieta e mesmo magra, seu corpo era lapidado. Pia olhou para os músculos de seu braço e o ondulado estômago, pensando em todo o trabalho duro necessário para uma aparência daquelas. Não nesta vida. Aryal olhou para o Hospital Geral passando na tela plana e sacudiu um pé. Ela pegou umaHarper‟s Bazaarfolheou algumas páginase jogou-a de lado. Pia pensou ter ouvido a harpia murmurar, "Eu não sou boa em nada dessas merdas de mulher." Ela levantou as sobrancelhas e se perguntou se ela deveria dizer alguma coisa. Aryal olhou para a TV. Ela disse: "Você pode acreditar - primeiro, a bruxa Adela lhe vendeu um juramento de união, no dia seguinte ela colocou um feitiço de rastreamento em você para Dragos e esta semana ela se comprometeu com o Drak Fae para encontrar você. Você acabou por se transformar num caixa eletrônico para ela." Pia balançou a cabeça. "Isso é muito errado. Eu nunca me senti muito bem sobre ela." A harpia continuou, "Nós encontramos o corpo dela no rio Hudson. Sua garganta tinha sido cortada. Aparentemente, ela ofereceu seus serviços demais. O relatório forense não é conclusivo, mas estamos supondo que o Dark Fae a matou. O intervalo entre o tempo estimado da morte eo seu sequestro é pequeno. Parece que o Dark Fae estava tentando cobrir seus rastros depois de levar você." "Entendo", disse ela, seu tom neutro. Talvez ela devesse sentir pela morte da bruxa. Seja o que Adela tenha feito, Pia não estava certa de que ela merecesse morrer por isso. No momento ela não conseguia esboçar muita reação. O silêncio caiu entre elas. Então, os estranhos olhos cinzentos, tempestuosos de Aryal encontraram os dela. "Bayne e eu nos sentimos como merda sobre o sequestro. Mas eu não me arrependo sobre o resto." "Eu não pedi para você se arrepender. Você tem direito a sua própria opinião e você estava tentando proteger Dragos do seu próprio jeito. Eu respeito isso e não hámais nada a ser dito." Pia pegou a ponta do seu rabo de cavalo de líder de torcida e chicoteou a harpia. Um sorriso selvagem se espalhou pelo rosto de Aryal. "Uh, escute, em algum momento quando você estiver a fim, eu gostaria de ter uma ou duas rodadas com você na esteira. Por um tempo os grifos não poderiam falar sobre qualquer outra coisa." "Claro, por que não", disse à sentinela. "A forma como as coisas tem sido, é melhor eu me manter em dia com o meu treinamento." "Ok". Aryal colocou as mãos sobre os joelhos e começou a ficar de pé. "Só uma coisa", disse Pia. A harpia fez uma pausa e olhou para ela. Pia dirigiu a ela um olhar fixo e frio. "Tente me empurrar contra a parede de novo e eu vou acabar com você." O sorriso de Aryal se transformou em uma carranca. Parecia que ela tinha acabado de engolir algo azedo, mas depois de um momento, ela acenou com a cabeça.


Pia devolveu o aceno de cabeça e olhou para sua revista. Foi uma dispensa. A harpia tomou-o como tal, lançou-se para fora do sofá e desapareceu. Pia também teve tempo para dar a Quentin um telefonema. Ela saiu para a varanda em uma tarde ensolarada e fechou a porta para um pouco de privacidade. Então ela se encostou à nova parede e olhou para a cidade enquanto conversavam. Era praticamente uma troca. Ela tinha que atualizar Quentin de tudo o que tinha acontecido desde a breve estadia em sua casa de praia. Foi muito para contar, incluindo que ela era agora, aparentemente, companheira de Dragos e estava carregando seu filho. Quando ela terminou, houve um longo, longo silêncio, na outra extremidade. Ela tocou uma das lajes com o dedão do pé e assistiu tráfego abaixo enquanto esperava. "Isso vai levar um tempo para eu processar", Quentin disse em um escrupulosamente tom de voz neutro. "Não me diga." "Como. . . é ele? " "Você sabe Rex Harrison em My Fair Lady?" "O professor resmungão,filho-da-puta??" "Sim, bem" - ela fechou um olho, olhou para o horizonte e sorriu "Dragos é muito pior." Isso causou outro discurso que foi muito bonito, ao longo das linhas do tipo: é melhor ele a tratar direito ou eu não me importo quem o bastardo, eu mato ele eu mesmo. Ela se inclinou, colocou a testa no corrimão da parede e suportou seu discurso com tanta paciência quanto ela poderia reunir, fazendo barulhos de vez em quando para fingir que estava realmente escutando. Finalmente, ele disse, "Eu quero ver você em pessoa. Eu quero ter certeza de que ele não a confundiu com algum tipo de distorção." "Ele não o fez", disse ela. "Mas eu irei ao Elfie logo para uma visita de verdade." "É melhor". Quentin parecia sombrio. "Ou tão alérgico à Torre como sou, eu vou ai liberta-la." "Diga a todos que eu sinto falta deles." "Eu vou. Vejo você em breve" Ele enfatizou a última palavra. "Sim, você vai, eu prometo." Pelo menos, ela foi capaz de livrar-se da conversa e desligar. Ela estava atormentada. O início desta nova vida era o inferno de um monte de trabalho duro. Ela e Dragos não conversaram muito depois de terem partilhado histórias, e ela não o via muito depois que o convenceu a voltar a trabalhar. Ele logo ficou imerso na estabilização de algumas empresas em Illinois, antes que as vendesse e ele mencionou algo sobre o início de uma tomada hostil de uma empresa de serviços públicos de um investidor proprietário. Ela se perguntou se a distância entre eles seria a definição de sua vida agora. Ele deslizava para a cama com ela todas as noites e envolvia-aem seus braços e ela tirava muito conforto de sua proximidade. Mas eles não faziam amor, ou sexo, ou. . . Acasalavam-se. Mudar e se tornar uma Wyr completa acentuou sua capacidade de cura. Após três dias de convalescença, ela estava subindo pelas paredes. Finalmente o Dr. Medina, que vinha diariamente consultá-la em casa, a liberou para andar em esteira e outros exercícios leves. "Sim!" Ela vinha esperando pelo sinal verde. "Sem correr até eu dizer que pode, não importa o quão bem você se sinta. E eu não vou dizer que pode até menos a próxima semana", avisou o médico. "Esse ferimento causado pelo arco deu um soco em seu sistema respiratório.” “Sem correr. Entendi.” Ela pegou suas roupas, calças de exercícios de Lycra preta, um top, e os vestiu. “Obrigada!” "Não tem de quê." O médico sorriu. "Eu sei o caminho da rua."


Ela se sentou na beirada da cama para colocar seu tênis de corrida - outro novo par – assim que o médico deixou a suíte. Depois que seus últimos sapatos foram arruinados em seu voo através da floresta tropical molhada, Dragos tinha comprado para ela, seis novos pares. A porta se abriu. Ela olhou para cima, pronta para contar aos caras, que poderiam ir para a academia. Dragos avançou. Como de costume, ele assumiu o comando total do espaço aéreo no quarto. Deu-lhe um longo olhar, então fechou a porta. Ele havia se vestido naquele dia em jeans preto e uma camisa de seda preta que enfatizava as fortes linhas atléticas de seu corpo maciço e do bronze de sua pele e não via nada para aliviar a gravidade de seu rosto. Mesmo em sua forma humana, ele parecia capaz de rasgar o Rei Fae em partes com as próprias mãos. Ela deveria achar isso tão sexy como ela achava? Ela coçou a cabeça. Surpreendia-se consigo mesma, com seus pensamentos. "Oi," ela disse. "Eu não estava esperando por você." "Aparentemente, você não espera muito de mim", disse ele. "Desculpe-me", ela disse surpresa. Ele começou uma lenta caminhada em torno da grande suíte. Era seu caminhar de caça a presa, seus longos membros musculosos movendo-se como líquido abaixo da seda e do brim. Ela se torceu, para assisti-lo com partes iguais de prazer e incerteza. “O médico liberou você para se exercitar,” ele disse. “Então, eu achei que isso significava que você está forte para encarar outras coisas também.” “Ok.” "Vá em frente e me chame de obsessivo, mas nós temos um pequeno acerto de contas a fazer,” ele disse. Estava com o cenho franzido. Isso fez com que a testa dela se franzisse em resposta. "O que há de errado? O que mais eu fiz?" Ela já não tinha feito mais do que o suficiente para uma semana? A este ritmo, ela ia ter que se transformar em uma catatônica, para garantir que nada mais acontecesse. Ele se virou para encará-la, as mãos nos quadris. "Você se lembra de quando você pisou na toca do coelho?" Ela bufou. "Não é provável que eu esqueça." Seus olhos semicerrados brilhavam como moedas de ouro. "Você se lembra do que você disse?" Ela encolheu os ombros, rosto e mente em branco. Ele a cercou, colocou as mãos em seus ombros e empurrou-a para trás. Ela caiu de costas no colchão. "Ei!" Então, ele engatinhou na cama até que estava apoiado em suas mãos e joelhos, sobre ela. Ele olhou para ela, cada centímetro do macho dominante Wyr, irritado. "Você disse e eu cito, 'Não tenho como lhe dizer quão feliz estou por você ter vindo ou como é bom ouvir sua voz” "E daí?" Ela bateu em seus ombros com a palma das mãos. É claro que ele não se moveu um centímetro. "Pare com essas coisas de homem das cavernas agora.” "Você pode ter percebido que eu sou um cara do tipo primitivo." Ele mostrou os dentes e os enfiou em seu rosto. "Todos esses séculos de civilização? Apenas um verniz". "Oh, pelo amor de Deus." Ela relaxou e só olhou para ele, impotente, como de costume, contra a corrente de excitação que varreu sobre ela. "Você tem estado aborrecido com o que eu disse por todo esse tempo?" Ele inclinou a cabeça, seus olhos de lava quente. "Você disse isso como se eu fosse algum tipo de visitante. Ou como você não estava certa, de que poderia vir quando tinha sido sequestrada. Quando você tinha acabado de me dizer que estava grávida do meu filho. Eu não sei o que diabos você pensa de mim, a não ser que eu sou um monstro com sede de sangue." "Dragos!" Seus olhos se arregalaram. Ela tocou seu rosto. "Eu estava brincando quando eu disse isso."


"Então? Eu sou um monstro com sede de sangue e você é minha companheira." Não houve um toque de suavidade naquele rosto agressivo. Ele resmungou: "E eu sou seu. O que será necessário para que você aceite isso?" "Eu aceito. Eu prometo que eu aceito", disse ela. Incrivelmente, ela o havia ferido em mais maneiras do que uma. Ela acariciou sua bochecha. "Eu só não sei como ser sua companheira. Em algum lugar entre aquela horrorosa fortaleza Goblin e quando você me golpeou de leve com a cauda, na planície, eu caí de amores por você. Mas, eu venho de uma grande formação humana. Amar, ser amado, fazer amor – tais coisas fazem sentido para mim. São parte de quem eu sou. E você já admitiu não saber o que é o amor. Então, eu ainda não tenho esse quadro de referência que eu estava procurando. Mesmo estando juntos, eu não sei como me comportar ou o que isso significa. " Sua expressão tinha se aliviado enquanto ela falava. Ele beijou a palma de sua mão. "Isso significa, sua mulher estúpida, que estou aprendendo também. Agora você me ouça. Eu nunca paro de pensar em você. Você está comigo onde quer que eu vá, eu sinto sua falta quando estamos separados. Eu já mostrei que vou matar por você. Eu também morreria por você. Você me faz rir. Você me faz feliz. Você é o meu milagre e meu lar. Só de você se contorcer, eu me sinto doloroso. Eu sempre virei por você, vou sempre querer você e sempre precisarei de você. Estamos entendidos? Ela começou a brilhar. "Soa muito como o amor para mim." "Eu também achei", disse o dragão. Em um movimento rápido demais para ela prever, ele pegou as mãos dela e colocou-as sobre sua cabeça. Ela se assustou, masobrigouse a relaxar em seu domínio. Seu olhar feroz de ave de rapina queimou na luz. Ele foi descendo até que ele ficou cara a cara com ela. Ele silvou: "Então diga." Ela lhe deu um sorriso suave, radiante e sussurrou: "Eu sou sua." "Já não era sem tempo", ele rosnou. Ele levantou-se da cama e puxou-a com ele. Então, ele tomou em suas mãos a parte superior de seu top e rasgou-o. "Diga isso de novo." Ela começou a rir. Até mesmo para seus próprios ouvidos, ela parecia bêbada. Ela pegou a camisa e tentou desabotoar os botões com dedos desajeitados enquanto dizia a ele novamente, "eu sou sua". Ele a girou até que se rosto estava do lado oposto ao dele. A violência controlada em seus movimentos cessou o riso dela. Seus joelhos começaram a tremer. Ele rasgouo resto de suas roupas e a empurrou para cima da cama, até que ela estava totalmente exposta a ele. A sensação de vulnerabilidade era quase demais para suportar. Ela estremeceu convulsivamente. Ela ouviu o menor dos sons de trás, a captura de sua respiração e um farfalhar de roupas. Ela tentou olhar por cima do ombro para ver o que ele estava fazendo. Então, ele colocou seus lábios quentes sobre ela por trás e lambeu ao longo das dobras delicadas de sua mais privada e hipersensível carne. Ele fez cócegas em seu clitóris com sua língua e boca contra ela, "Diga isso de novo." Excitação rugiu mais e através dela. Jogou-a de suas mãos. Ela caiu para frente, virou sua bochecha úmida para a colcha e ofegou. Seu colapso a expôs ainda mais para ele. Ele lambeu, mordiscou e chupou, persuadindo o prazer dela com um toque suave e hábil, então transformando-o em exigente e duro, agarrando-a pelos quadris e segurando-a no lugar enquanto ele se banqueteava nela, com um apetiteimplacável, que a levou a guinchar em um clímax que atingiu pico após pico, até que ela se contorcesse totalmente desamparada em suas garras, enquanto lutava para respirar o suficiente para poder gritar. Todo o tempo ele insistiu que ela admitisse ser sua. Ela disse isso a ele todas as vezes que ele exigiu: gemendo, soluçando até que finalmente ela se deitou desossada de costas, uma massa de nervos expostos e trêmulos. Não havia nenhuma parte dela que ele não tivesse satisfeito ou tomado quando ele finalmente se moveu sobre seu corpo, posicionou seu pênis em sua encharcada e convidativa entrada e empurrou. Ela acariciou a curva forte de suas costas, com as


mãos trêmulas, enquanto ele a preenchia e ela gemia, drogada com prazer. Lágrimas escorriam pelos cantos de seus olhos. Ele emoldurou seu rosto com as mãos grandes, ao mesmo tempo em que entrava nela por completo, até a base. Por fim, ele tinha queimado toda a sua própria ferocidade, até que tudo o que restou em seu severo e sombrio rosto era ternura. "Aprendi muitas coisas durante os longos anos", ele sussurrou enquanto se movia dentro dela. "Eu tomei o tributo de soberanos e testemunhei o fim dos impérios. Mas você é a minha melhor professora." Ela acariciou sua bochecha magra. "Eu te amo". Um sorriso cheio de simples admiração iluminou aqueles dourados e ferozes olhos. "Eu sei." Risos ameaçaram a tomar conta dela, mas depois ele perdeu o seu sorriso e cresceu em propósito, enquanto dirigia com mais força, mais fundo dentro dela. Ela arqueou-se em direção a ele, enquanto ele acertou justamente o ponto certo do prazer e seu poderoso corpo tremeu quando se derramou dentro dela. Ela embalou-o perto como ele suspirava e escondia o rosto em seu pescoço. Depois disso, ela acariciou o cabelo enquanto eles se deixavam levar. Então se ergueu apenas o suficiente para mudar o seu peso de cima dela. Ele deitou de costas e a puxou contra seu lado. "É bom ter isso resolvido", disse com satisfação. Ele correu os dedos pelos cabelos dela e com um suave pulso do Poder desembaraçou os fios. "O que somos, companheiros?" Ela acariciou sua dura e bonita boca. "Sim." Ele beijou-lhe os dedos. "Porque nós vamos nos casar." "Nós vamos? – “Ela mordeu o lábio. "Essa é a sua proposta? Só isso, vamos nos casar." "Oh". Ele se moveu e alcançou o lado da cama, enfiou a mão dentro do bolso de sua camisa e então, deixou cair um anel de diamante enorme em seu peito. "Aqui". Ela revirou os olhos e caiu de costas. Isso era bom demais para deixar passar. "Bem, Dragos, é clara essa coisa de que somos companheiros, mas eu não sei sobre casamento", disse ela. "Eu leio Cosmo. Você come pessoas. Acho que o Tribunal de Divórcios pode concordar que essa é a definição de irreconciliável.” Ele se posicionou de lado. O lençol deslizou de seu peito musculoso, conforme se apoiou em um cotovelo e olhou-a por debaixo de suas sobrancelhas. Era seu olhar voluntarioso, teimoso. Deus, ela amava aquela expressão. Ela podia simplesmente ver as engrenagens girando em sua cabeça. Depois de um momento, ele disse: "Por favor." "Assim é melhor, Grandão." Ela assentiu com a cabeça e colocou o anel.


Uma prévia especial do próximo romance das Raças Antigas por Thea Harrison CORAÇÃO DA TEMPESTADE Motel 6 não era tão ruim. Na verdade, ele era tipo bonitinho numa maneira poliéster de ver. Claro, não era o Regent, ou o Renaissance, ou o Ritz-Carlton. Mas o atendente tinha sido alegremente desinteressado quando ela fezo check-in, os preços eram acessíveis e o mais importante, eles tinham quartos para fumantes. Ponto. Por um lado, não havia nenhum serviço de quarto ou aquelas queridas garrafas pequenas de bebida em um pequeno frigobar. Por outro lado, não houve qualquertentativa de assassinato ou uma coroação pendente. Hum. Tricks perguntou se eles ofereciam um contrato de locação para 12 meses. Ela mancou para o quarto. Tirou seus óculos escuros novos de seu nariz e deu uma longa e cuidadosa olhada para os arredores. O sol quente e brilhante da tarde tostava o asfalto do estacionamento do motel, um vento inconstante fazia um redemoinho com a sujeira e gases de escape, como se fosse uma sopa tóxica. O motel estava localizado perto de alguma saída interestadual, juntamente com vários restaurantes fast-food, postos de gasolina e um Walgreens*. O som do tráfego era uma constante em segundo plano, mas isto não devia ser muito perturbador, uma vez que ela fechasse a porta. Ela não podia ver ou ouvir nada de anormal nas imediações próximas ao motel, sua visão e audição, juntamente com sua sensibilidade para a magia, eraminumanamente acuradas. Ela não estava com vontade de fazer uma inspeção mais extenuante. Um exame visual da entrada teria que ser bom o suficiente. Depois que ela fechou a porta e colocou a cadeira encostada nela por segurança, a primeira coisa que fez foi chutar de seus pés seus elegantes saltos de dez centímetros. “Ah, obrigado, deus dos pés”. Elacolocou seus óculos de sol sobre a TV. O quarto duplo foi pintado ou decorado com papel de parede bege. Tinha colchas brilhantes estampadas com um insistentelaranja, uma janela coberta com cortinas pesadas e curtas, que pairavam sobre um aparelho de ar condicionado de parede, longo e fino, com uma mesa simples e cadeira que estavam encostados na parede. Ela deixou cair suas sacolas de compras sobre a cama mais próxima, mancando até o ar condicionado e ligando-o ao máximo. A vida tinha mesmo ido para o inferno desde que Dragos tinha matado seu tio. Oh, Urien tinha que morrer, sem dúvida. Ela estava contente que ele estivesse morto. Ela só queria que isso pudesse ter acontecido em um par de décadas ou mais. Esse negócio de se tornar a Rainha DarkFae? Ela não estava a fim. Ela despejou o conteúdo dos sacos de compras. Os itens contavam a história de um longo e ocupado dia. Tinha muito a fazer, uma vez que ela havia matado seu primo de segundo grau Geril e seus dois comparsas. Primeiro item em sua agenda era fugir. O segundoitem era obter material e continuar correndo. Ela entrou em uma farmácia 24 horas, comprou ataduras, um par de calças de moletom, óculos de sol euma camiseta, trocou-se no banheiro deles e saiu. Óculos de sol à meia-noite. Huh. Idiota Aqueles tinham ficado em sua primeira sacola de compras até o amanhecer. Então, ela roubou um carro e dirigiu em círculos, sem rumo, enquanto tentava pensar além da tundra congelada em sua cabeça. Ela parou em um hipermercado e comprou mais coisas, deixou o carro roubado no estacionamento e pegou um táxi para oaeroporto, onde ela tomou outro táxi, e lá estava ela. *Loja de conveniência e farmácia americana.


Seu caminho tinha sido tão aleatório, tão errático, foi definido pelo estresse induzido de decisões in-loco, que desafiava a habilidade de qualquer um a descobrir onde aqui era. Inferno, mesmo ela não sabia onde aqui era, só que ela ainda estava em algum lugar na grande área de Chicago. Nenhuma corrida tinha sido longa o suficiente para leva-la a qualquer outro lugar, infelizmente. Ela não queria ter sua imagem fixada muito profundamente na memória de qualquer um dos taxistas, por isso tentou manter as duas viagens tão normal quanto possível. Ela sempre poderia roubar um carro novo e dirigir para fora da área, mas primeiro precisava de umashoras para se recuperar, enquanto ela considerava quais seriam seus próximos movimentos. No momento estava muito inundada com impulsos conflitantes, dor e exaustão para ter certeza de qualquer coisa. Um saco de compras continha seu vestido tomara-que-caia vermelho amassado e a bolsa combinando que continha um pó compacto, um batom, e seus dois estiletes pequenos. Ela mantinha suas pontas envenenadas e tinha vários lugares para ela mantê-los ou carregá-los, dentro do bolso do lado de sua bolsa, amarrado aos seus braços ou debaixo de seu vestido, amarrados a suas coxas. Foi bom a cor vermelha do vestido, para ter escondido as manchas de sangue ou ela poderia ter chamado mais atenção na farmácia. Ela colocou aquela bolsa de lado. Outra sacola continha uma garrafa fechada de vodka, um saco de Cheetos, três pacotes de Malboro vermelho e um isqueiro. Diga alô para seu encontro quente de hoje à noite. Ela colocou todos estes itens sobre a mesinha perto da cabeceira da segunda cama. A terceira sacolacontinha um kit de primeiros-socorros, bandagens extras, itens de toaletes e roupas de baixo. A última sacola tinha jeans, chinelos de dedo, um shorts, um par de tops e uma dúzia de carteiras. Ela se sentou na beira da cama e inspecionou as bolhas em seus calcanhares. Deveria ter trocado para os chinelos, logo que ela os comprou. Deveria ter comprado os chinelos na primeira loja e os óculos de sol depois, mas tudo o que ela podia pensar depois do ataque era, oh deuses, não posso ser reconhecida. Devia, teria, poderia. Eles eram os Três patetas do arrependimento. Tudo no que eles eram bons em dizer: whoop whoop whoop e bater um na cabeça do outro. Rangeu os dentes. Ela tinha colado um curativo temporário em si mesma, quando tinha se trocado no banheiro da farmácia, mas ela precisavalimpar e colocar um curativo de maneira correta, em seu ferimento à faca. Ao invés, ela pegou as carteiras. Não eram carteiras novas. Eram carteiras de outras pessoas. Elas pertenciam a todas as pessoas com as quais ela tinha esbarrado hoje, quando ela tinha torcido seu narizinho bonito e dito me perdoe. Apostava que até o últimodeles estava muito insatisfeito com elaneste exato momento. Por que ela batia carteiras e começava a fumar e a beber quando estava sob stress? Podemos dizer mecanismos de compensação desajustados (* se conhecer uma psicóloga, pode ser confirmado), classe? Se ela não fosse cuidadosa, ela iria para a prisão, onde as pessoas a chamariam de Entojada dedos leves. Ela beliscou seu nariz e suspirou. Era boa em uma exposição de cães e pôneis. Podia limpar bem e fingir ser respeitável o suficiente, freqüentementepor horas, até mesmo dias de cada vez. Ela tinha, afinal, sido excelente em seu trabalho como chefe de relações públicas para Cuelebre Enterprises. Foi tudo um ato. Ela sabia por um longo tempo agora, que não era nada mais do que um Hobbit do tipo Sackville-Baggins*. Ela tomou banho primeiro. Foi mais difícil e mais desgastante do que ela esperava. Depois do banho, ela se sentou no vaso sanitário e silvou quando ela removeu o curativo de sua ferida aberta à faca. Ela cutucou para ver se havia qualquer fibra de tecido do seu vestido ou qualquer outro tipo de sujeira ainda na ferida. Estrelas cinzasfloresceram na frente de seus olhos. Porra, isso dói. A perfuração era profunda, e estava produzindo uma secreção constante e avermelhada. Ela colocou pomada antibactericida sobre a ferida, fixou da melhor maneira que pôde, um curativo duplo. Espalhou mais pomada sobre as bolhas em seus calcanhares e


colocou um Band-Aids da HelloKitty sobre elas. Vestiu, então, suas roupas de baixo novas. Minúsculos e curtos shorts, em estilo boxer, camuflados, que se assentavam baixo, em seu quadril. Não eram fofos? O próximo passo não seria tão fácil. Ela grunhiu enquanto se movimentava o mais cuidadosamente possível para entrar em um sutiã esportivo. Estruturalmente ela podia não ser muito grande,mas seu alegre par de filhotes lhe deu um Olé. Deveria ter comprado um sutiã com um fecho na frente, mas hoje não tinha sido um exemplo brilhante de seu melhor raciocínio. Whoop whoop whoop, bofetada. Depois que ela conseguiu colocar o sutiã, foi fácil vestir uma camiseta camuflada de alcinhas, que combinava com o shorts, com comprimento acima do seu piercing no umbigo. Então ela dividiu o cabelo e fez um rabo-de-cavalo de cada lado. Como ele estava cortado em camadas curtas com as pontas viradas para fora, os cabelos presos ficaram de pé como negros ouriços gêmeos. Ela fez beicinho para si mesma no espelho e disse: "me perdoe". Sim. Este visual é bom para várias carteiras mais. Não que eu vou roubar mais, porque eu estou parando agora. Eu só estou dizendo. E agora, já estava passando da hora de ter aquele encontro quente. Ela mancou até a cama e descansou seu corpo dolorido e machucado sobre ela, acendeu um cigarro e ligou a TV. Ela começou a olhar os conteúdos das carteiras roubadas. Em alguns deles tinham fotos de família. Tirou as fotos e começou a depositá-las pela cama. Então, seu cérebro cansado registrou o que estava passando na televisão. Ela olhou. Colocou o cigarro no cinzeiro. Colocou as carteiras e fotos em cima da cama. Pegou a garrafa de vodka, abriu-a e tomou um grande gole. Esta foi a primeira vez que viu a filmagem feita por um celular do ataque no beco, onde ela tinha jogado fora a merda do corpo morto de seu primo em segundo grau, Geril. Não ia ser a última vez. Nem de longe. Tiago acreditava em dar crédito onde o crédito é devido. A merdinha já havia tentado de maneira infernal evitar ser rastreada. Na hora em que tinha alcançado Chicago, a SUV que Rune havia requisitado estava esperando por ele, juntamente com uma lista detalhada de materiais variados, incluindo dinheiro, algumas mudas de roupas, um laptop e uma variedade de seu tipo preferido de armas. Tiago pegou o veículo em Lakeview com seu contato Wyr, Tucker, que já havia escondido o material em uma bolsa grande no banco traseiro. Tucker era como sua natureza Wyr-texugo, um macho baixo, poderoso, atarracado e antissocial. Ele fez bem a viver em relativo isolamento fora da estrutura social do território Wyrkind. O texugo estava satisfeito com um trabalho que tinha tarefas esporádicas, muitas vezes com tarefas estranhas e horários irregulares, desde que elepudesse viver a uma curta distância de sua amada Wrigley Field. Embora Tiago não tivesse pensado em pedir um, havia também um celular, escondido em um bolso lateral da grande e pesada mochila de lona, que ele só descobriu porque tocou, na hora em que ele estava se instalando no assento do motorista. Ele atendeu. "O quê". Dragos disse, "Relatório preliminar da autópsia sobre os três homens mortos DarkFae." Suas sobrancelhas se levantaram. "Isso foi rápido." "Com o próximo governante do território DarkFae desaparecido, as autoridades aceleraram o trabalho", disse Dragos. "Todos os homens DarkFae morreram do mesmo tipo de veneno que Tricks aromatiza seus estiletes." Tiago ajustou o assento e colocou o veículo em movimento. Ele resmungou. "Pelo menos ela manteve suas armas envenenadas, quando saiu de Nova York. Bom para ela." *Uma família que foi criada pelo casamento de Longo Bolseiro e SackvilleCamellia. A família, no entanto, teve vida curta por causa do assassinato de seu neto único.


"O filho da puta que fez o filme está cooperando com a polícia", disse Dragos. "Ele está alegando que não viu ninguém na vizinhança, quando ela se mandou rua abaixo.” "Eu quero saber onde ele vive", disse Tiago. Ele dirigiu rápido e de forma agressiva enquanto olhava para os outros veículos na estrada. "Mais tarde. Cheque o aeroporto. Imagens de segurança mostram alguém que parece que poderia ter sido ela saindo de um táxi." Dragos desligou sem dizer adeus. Tiago desligou o telefone e jogou-o para o banco do passageiro. Quando Urien havia assumido o controle do governo DarkFae, Tricks tinha pedido asilo a Dragos em 1809. Embora jovem, ela já tinhaatingido seu tamanho adulto. Ela era pequena e delicada, até mesmo para um dos Fae. Ela tinha apenas uma fração da força que os Wyrs tinham. Também havia seu tio Urien, um dos homens mais desagradáveis e mais poderosos do mundo, que estava determinado a vê-la morta. As sentinelas Wyr tinham se incumbido de lhe ensinar todos os truques sujos em que podiam pensar, a fim de mantê-la viva, que foi onde ela pegou seu apelido. Nada estava fora dos limites, ou assim Tiago tinha ouvido. Ele tinha estado ocupado em outro lugar, ajudando a manter a paz no Missouri, quando o Osage assinou o Tratado de Fort Clark e cedeu suas terras para o governo dos EUA. Tudo contribuiu. Ela havia deixado o hotel com três homens e três homens foram mortos. Ela tinha sido retirada do local do ataque,ou ela estava em fuga. A lógica lhe disse que ela tinha ido embora e estava foragida. Mas se é assim, por que não tinha pedido ajuda a Nova York? Tricks era da família. Qualquer um deles correria alegremente para ajudá-la, mas ela ainda não tinhatentado ligar para ninguém e não respondeu a nenhuma das mensagens deixadas em seu telefone celular. Tiago planejou esclarecer cada uma daquelas questões quando se encontrasse com ela. Ela podia ser um inferno para se rastrear, mas ele era velho e cheio de Poder e a maioria de seus talentos estavaconcentrado na caça. Não havia nada nesta Terra que ele não poderia seguir, uma vez que ele colocasse sua mente na tarefa. Ele recuperou pistas de cheiros perdidos, fez saltos intuitivos que ninguém mais pensaria em fazer, merda, mais frequentemente do que não, a sorte simplesmente caiu em seu caminho. Pode levar um tempo, mas no final ele sempre capturava sua presa. Sua presa, no final, parecia estar escondida em um quarto de motel fora do Tollway I294 Tri-State. Ele parou por um momento fora da porta e escutou. O cheiro de Tricks estava ao redor de toda a calçada, mas era quase meia-noitee ele não queria bater na porta errada por engano. Ele a ouviu lá dentro. Ela estava cantando numa voz pura, doce e clara. Suas sobrancelhas se levantaram. "No vale, o vale tão baixo, pendure sua cabeça, e ouça o vento soprar. . . "O canto parou. Ele a ouviu murmurar: "Não consigo lembrar o que vem depois, alguma coisa, alguma coisa...” Ele sorriu enquanto relaxava e encostou-se no batente da porta. Se ela estava cantando e conversando, ela não estava morta em uma vala. Era tudo de bom. Ela disse: "Ah, está certo. . . Não, espere, isso é outra canção. Merda, eu estou muito bêbada. " Isso soou como sua deixa. Ele bateu na porta. Silêncio. Ele imaginou que havia uma nota assustada ali. Ele bateu novamente. "Tricks, é Tiago. Abra." Ela disse com a incredulidade lenta do embriagado, "É você, Dr. Morte?" "Vamos, abra a porta."


"Não, obrigado pela visita. Eu estou bem. Tudo está bem. Tudo foi providenciado. Só não assista nenhuma TV por um tempo, ok? Você pode voltar para Nova York, ou onde quer que seja seu covil quando você não está matando coisas." Ele fez uma careta. Dr. Morte? Não, obrigado e não assistir a nenhuma TV? Que diabos ela quis dizer com isso? Ele murmurou, "Eu não vivo em um covil." Ele posicionou o ombro contra a porta de metal pesado, que foi construída para atender aos códigos de segurança de incêndio e para manter os ladrões do lado de fora. Depois de empurrar com umaumento contínuo de pressão, a fechadura e a corrente quebraram. A fumaça do cigarro rodopiou quando a porta foi aberta. Ele tossiu, agitou a mão na frente do rosto e olhou para a cena do lado de dentro. O quarto de motel estava um chiqueiro. Sacolas de compras estavam empilhadas na cama mais próxima da porta. Tricks estava deitada de costas sobre a outra cama, que estava cheiacom fotos, cartões de crédito e carteiras de motorista. Ela estava vestida com uma espécie de versão pornô de camuflagem, de calções muito curtos e uma pequenacamiseta elástica, que deixava sua cintura estreita nua. Sua cabeça estava pendurada na ponta da cama. Ela segurava uma garrafa de vodka em uma mão pequena. O nível da bebida estava significativamente baixo. Ela agarrava um controle remoto na outra mão. Um cigarro ardia em um cinzeiro meio cheio e um saco aberto de Cheetos estava no chão. Seu corpo compacto e curvilíneo estava deitado para fora como uma espécie de oferenda a um deus pagão. Como alguém que tinha sido um deus pagão certa vez, ele sabia do que estava falando e ele definitivamente apreciava a vista. Com a cabeça pendurada sobre o final da cama, acentuavam-se os seios deliciosos e redondos, que se curvavam sobre uma contrastante cintura estreita. Um anel de ouro brilhava no seu umbigo, apenas implorando para ser lambido. Seus ossos graciosos do quadril e a área de sua pélvis estavam delineados pelos shorts que o Congresso deveria decretar ilegais. Pernas esbeltas, bem torneadas e nuas, com pontas de dedos dos pés pintadas de rosa picante completavam o pacote e seu pau apreciativo inchou ao saudar cada centímetro, suculento dela. Ele franziu o cenho, perdendo o equilíbrio com sua própria reação intensa e indesejável. Puxe as rédeas, garanhão. Sob o cheiro de fumaça, ele podia sentir o cheiro de perfume feminino – e cheiro de sangue? "Oh, você não devia ter feito isso", disse Tricks. Olhos Fae grandes e de cabeça para baixo, tentaram se concentrar nele. "Arrombar e invadir. Isso é contra a lei." Ela riu. Tiago se refugiou com seus sentimentos estranhos, na emoção muito mais familiar de agressão. "O que você está fazendo?" Ele exigiu. "O que você quer dizer com "voltar para Nova York? Estou sentindo cheiro de sangue?" "Eu só posso responder uma pergunta de cada vez, você sabe", disse ela. Com dignidade notável, considerando-se tudo. "Eu estou pendurando minha cabeça para ouvir ovento soprar. Eu nunca entendi muito bem aquela parte da letra. Quem ouve o vento soprar quando penduram suas cabeças? Pendure suas cabeças sobre o quê? O que isso quer dizer? Você sabe?” Ele não tinha ideia sobre o que ela estava tagarelando. Algo sobre a música estúpida que ela estava tentando cantar. Ele empurrou a porta com um pée marchou para apagar o cigarro que estava queimando. "Isso é nojento", disparou ele. "Por que você não ligou? Estávamos todos doentes de preocupação com você." "Uau", disse ela. Olhou para cima - ou para baixo, do jeito que estava – para a virilha de Tiago, que tinha parado bem na frente dela. Ele era um bárbaro de aparência má, assustador e enorme, em jeans preto, botas pretas e um colete de couro preto. Ele se eriçou com armas e raiva e os músculos incharamem todos os lugares. Sua virilha ostentou uma protuberância significativa também. Uma protuberância muito significativa. Ela lambeu os lábios. Podia estar bêbada, mas não estava morta. Ela não teria pressa em esquecer essa visão.


Ele se agachou e de repente seu rosto de cabeça para baixo estava na frente dela. Os olhos de obsidiana brilhavam. "Tricks, que diabos? Francamente.” Ela tentou acompanhar onde aquela protuberância em sua virilha, de dar água na boca, tinha ido, não podia, então, se concentrou em seu rosto. Pele morena, feições fortes e belicosas, e uma boca sensualmente moldada que mais frequentemente do que não, parecia que poderia cortar concreto. Ela sempre pensou que ele fosse um homem orgulhoso, indiferente, com as pernas mais longas e os movimentos mais sexys que ela já tinha visto. Ele andava por toda parte com seu passo rápido, ganhando terreno e movimentando os quadris. "Nunca ninguém lhe disse que você se parece muito com Dwayne Johnson", ela perguntou. Ele fez uma careta. "Quem diabos é Dwayne Johnson?" Ele tentou tirar a garrafa de vodka dela. Ela se agarrou à bebida. "Você sabe, o Rock? Quente, jogador de futebol – cara atleta de luta livre que virou ator de cinema? Apenas. . . você é muito mais maligno." Ela se concentrou muito forte, língua entre os dentes e tocou sua carranca com a ponta de seu dedo indicador. A garrafa de vodka bateu em seu nariz. Ele deu um tranco com a cabeça para sair do caminho. Seus olhos se estreitaram sobre ela. Era interesse masculino o que apareciaem seu escuro e brilhante olhar? Ela não confiava em seus poderes de observação no momento. "Quente, s-" Ele parou. Quando ele falou de novo, seu grunhido normal caiu para um murmúrio rouco. "Você está me comparando a um ator de cinema? Foda-se, sim, é claro que eu sou muito mais maligno." Huh. Não era ele o rei da cocada preta? "Seja como for, não deixe que ele suba à cabeça", disse ela com desdém. "Você não é tão sexy como eu acho que você é." Ela apertou os olhos. Espere. Aquilo não tinha saído legal. Ela organizar as coisas em sua cabeça confusa e cheia de vodka. Não ajudou ele ter dado a ela um sorriso branco rápido que mexeu com seu cérebro ainda mais. Com a mesma rapidez, o sorriso desapareceu. Em seguida, o Dr. Morte estava de volta e carrancudo de novo. Ooh. Sexy. Não, assustador. Não, sexy. Oh, meleca. Ele agarrou a mão dela. Ele podia sentir o quão delicadamente formado os ossos eram. Ele poderia esmagá-la tão facilmente. Qualquer um desses homens DarkFae o poderiam ter quebrado seu pescoço facilmente se conseguissem pegá-la de jeito. Ele teve o cuidado de manter o seu toque suave, mesmo quando disse, "Maldição, fada, é melhor você começar a responder algumas perguntas." "Ou o quê?" Ela apontou o controle remoto para ele e apertou o botão mudo. "Bléé. Vou arranjar alguém para me fazer um feitiço mágico que realmente abafe o som.” Uma espécie de desespero tomou conta de suas feições duras. Ele pegou a garrafa de vodka dela e tomou um gole. Ela observou com interesse aguçado enquanto um choque atravessou seu rosto ao engolir a bebida. Ele engasgou e cuspiu todo o conteúdo de sua boca no tapete. Ele olhou para a garrafa. "Vodka com sabor de chiclete? Chiclete?" "O quê? É bom." Ela procurou pela a garrafa. Ele a segurou fora de seu alcance. "De jeito nenhum." Ela fez uma careta. "Esse é o meu jantar. Me devolve." "Oh, não, jovem senhora. Você já tomou mais do que deveria." Apenas um Wyr de um gazilhão de anos de idade, poderia sair com essa e chamar uma fada de duzentos anos de idade de "jovem senhora." Caramba, ele era um Bárbaro devastadoramente bonito, de cabeça para baixo ou não. Mas tão enfadonho! Lembrou-se da vodka. Ela tentou alcançá-la de novo


Ele se levantou, pegou o cinzeiro e caminhou para o banheiro. Ela mal pôde ver o que aconteceu pelo canto do espelho do banheiro quando elevirou a garrafa de cabeça para baixo na pia. Lá se foi o resto do meu quente encontro. "Dane-se você", ela o chamou. Não era um pensamento. Ela olhou para seu esbelto e rígido traseiro com interesse. Tiago ignorou e jogou o cinzeiro no lixo do banheiro. Ele fez uma pausa, olhando para baixo na lata de lixo. Se era possível, ele parecia ainda mais irritadodo que antes. Ele parecia capaz de assassinar alguém. Os ossos fortes, orgulhosos de seu rosto se apertaram como um punho. Suas pálpebras se fecharam em um piscar lento enquanto ela tentava processar. Se ele estava tão bravo, ela deveria pensar seriamente em fugir. E ela deveria, mesmo, tão logo ela encontrasse seus pés novamente. Um arrepio ondulou por sua espinha abaixo. Ela rolou para o lado, dobrou os joelhos contra o peito e colocou os braços ao redor deles. Ela não o queria bravo com ela. Ela não queria ninguém bravo com ela. Tiago caminhou de volta para a cama. Ela podia jurar que ouviu um estrondo do trovão à distância. Ele se agachou ao lado da cama e esfregou seu ombro com uma mão gigante calejada. "Onde você está ferida, fada?" Sua gentileza foi tão inesperada, vindo como aconteceu de um rosto de punho fechado e irado, que quase a matou. Seus olhos se encheram de lágrimas. Ela fez um gesto para o lado dela. Choque gelado correu sobre sua pele, seguido por uma explosão de calor. Tiago não sabia onde colocar sua raiva. Aquele bastardo Fae a tinha acertado no beco. Ele a tinha esfaqueado. "Deixe-me dar uma olhada." Ele tentou levantar sua camiseta. Ela resistiu. "Eu já limpei e enfaixei." Ele explodiu. "Maldição, mulher! Eu disse deixe-me dar uma olhada, porra!” Seus olhos se arregalaram e ela congelou. A força de sua raiva era palpável. Ela bateu contra sua pele. Um trovão ribombou, desta vez mais perto. Quase acima de suas cabeças. Ela tinha ouvido as histórias sobre Tiago. O trovão e o relâmpago vinham quando ele realmente perdia a calma. Cautelosamente, ela se desenrolou, seus olhos estavam arregalados. Ela se forçou a deitar passivamente enquanto olhava para ele. Algumas vezes, com guerreiros dominantes Wyr, a melhor coisa que você podia fazer era ficar quieta e sair do caminho deles – ou nesse caso, concordar. Mais cedo ou mais tarde, sua violência sempre se assentava até cessar e então eles podiam escutar a razão de novo. Ele colocou um joelho na cama e inclinou seu peso sobre ele, enquanto levantava a camiseta dela. A bandagem cobria suas costelas debaixo de seu seio esquerdo. Elaestremeceu quando ele puxou o curativo para olhar o que estava por baixo. "Você sabe como você é irritante?", Disse. "Porque se você não souber, eu tenho tempo." "Isso parece profundo", ele disse em uma voz calma. Relâmpagos brilharam lá fora. Um trovão explodiu com um estrondo. Ela saltou e estremeceu. Ele colocou a mãobrevemente contra sua cintura estreita. "Ssh agora, fique calma. O curativo está encharcado. Eu vou mudar a bandagem." Ela cedeu a seus olhos. Droga. Ela não tinha dormido em dois dias. Ela estava começando a descer da parte da cantoria do bêbado. Ele estava agindomuito sério e preocupado, uma tempestade estava se formando do lado de fora, e toda a diversão estava arrumando suas malas e deixando a festa. Ela tentou se segurara a isso. "Você sabe, a tecnologia do século XXI é muito legal", disse ela. "Eu vou gravar meu colapso em DVD e enviar para o meu terapeuta pelo email." Seu sorriso não foi maior do que uma fenda. Ela desistiu. Se desenrolou quando ele pediu a ela para deitar esticada. Ele tirou a atadura suja e com um cuidadoso toque de veludo leve, limpou o ferimentoe cobriu-a


com as bandagens de algodão novamente. Em um ponto, ele se abaixou perto de sua pele e cheirou a ferida. Ok, então aquilo parecia um pouco estranho, mas ela sabia o que ele estava fazendo; ele estava verificando com seu sentido de olfato Wyr, para ver se ele podia detectar veneno. Ele pousou os olhos nela depois e deuum sorriso apertado, rápido, que provavelmente era para reconfortar, mas não falou nada. Ele parecia ocupado com seus próprios problemas internos. Um relâmpagoatingiu o estacionamento. Seu tremor se aprofundou. Aquilo era simples e positivamente sexy. Não, assustador. Não, sexy. Droga! "Tudo bem, eu terminei por hora", disse ele. Sua voz suave e uniforme era de alguma maneira muito pior do que sua voz quando gritava. Ele fixou o curativo no lugar. Então, olhou para ela e a fúria em seus olhos escuros a esfaqueou. "Nós sabemos tudo o que importa." Ela esfregou a ponta afiada de uma orelha, que estava queimando de vergonha. "Aparentemente, o mundo inteiro sabe", ela murmurou. "Eu nunca vi o cara com o telefone celular." "Esse babaca vai ter sorte se viver uma semana, se eu tiver algo a dizer sobre isso. Eu não posso acreditar que ele não ligou para o 911, assim que ele percebeu que alguém estava sendo atacado." Ele pegou a mão dela e segurou-a. "Agora eu quero que você me diga, por que você não ligou e por que você quer que eu vá para casa?” Ela puxou a mão e colocou-o contra o peito. "Não seja bom para mim." "Eu vou ser o que diabos eu quiser ser", disparou ele. "Por que não ligou?" Ela murmurou, "Eu tenho que fazer isso sozinha. Nenhum Wyr é permitido.” "Isso é notícia velha", disse Tiago. "Os planos mudaram." Só isso? Planos mudaram? Ela fez uma careta para ele. "Ei, cowboy, eu vou ser a rainha. Eu não acho que você possa mandar em mim desse jeito.” Ele esfregou a parte de trás da cabeça e levantou as sobrancelhas para ela. "Como você vai me impedir?" "Foda-se", disse ela. "Você já disse isso", ressaltou. "Eu estou ficando entediado agora." "Sim, bem, é a única coisa que eu posso pensar no momento", ela murmurou. Com um esforço hercúleo, conseguiu manter seu olhar para longe e não encarar a virilha dele novamente. "O jogo mudou. Lide com isso.” Seu olhar retornou para suas feições saturnas e escuras. A força de sua presença era tal, que os cabelos minúsculos em seus braços se levantaram. Queimou oestado dormente que ela tinha conseguido alcançar com o álcool. Ele tinha o físico extremo de um Wyr que era o ápice de um predador, seu corpo temperadopor anos de luta, os músculos grossos envolvidos com tendões e veias. Seu Poder era uma força pesada e abafada que a pressionava para o colchão. Ela lutou para se sentar. De repente, ele estava debruçado sobre ela. Ele ajeitou um braço enorme debaixo de seus ombros para ajudá-la na posição vertical. Droga, nãoseja bom para mim! Ela choramingou. "Olha, você não pode ficar e isso é tudo a se discutir. Eu estou bem. Eu lidei com tudo.” Ele retrucou: "Você tem um ferimento a faca entre as costelas!" "Você deveria dar uma olhada nos outros caras", disse ela. Suas palavras bateram em uma parede de pedra. "Nós terminamos com essa discussão", disse ele. Ele caminhou até a outra cama. "O que você quer levar com você?" "Tudo isso." Ela falou em um tom de voz ausente, enquanto olhava para a bunda dele de novo. Realmente, era a mais sexy bunda que ela já tinha visto. Primeiro, ela teve umclose de sua frente, e agora ela foi apresentada à visão da parte de trás. Apertado, tenso e vestido de preto como se tivesse sido embrulhado para presente só para ela. Ela deu um tapinha na bunda dele e disse , "Belos pães ." Enquanto ele começava a reunir seus pacotes, ela abriu a carteira dele.


Um cartão branco liso estava ali dentro. Uma forte escrita masculina corria por todo ele. Dizia: "Coloque-me de volta." Ela se curvou. Ratos. Ele deve ter falado sobre ela com as outras sentinelas, que estavam muito mais versados em suas falhas de caráter. Ela enfiou acarteira no bolso de trás dele. Ele chegou de volta e afagou-lhe a mão. "Estou levando as malas para o carro", disse para ela. "Volto já". Ele caminhou para fora. Simples assim e ela perdeu o pouco controle que tinha sobre a sua vida. Ela deslizou direto da parte divertida da bebedeira e mergulhou no monte de neve intitulado, fase do arrependimento. Ele voltou e recolheu-a em seus braços. Ele era um belo de um bárbaro mau e estava sendo tão cuidadoso com ela, tão gentil e agradável. E elanão podia se permitir confiar nele. Não podia se permitir confiar totalmente em ninguém, nunca mais. Sua cabeça caiu contra seu braço, enquanto ele a levava para fora do motel. Ela cantou, "Triste, triste, triste, triste."

Thea Harrison (The elder Races - Dragon Bound ) #01 o vínculo do dragão  
Thea Harrison (The elder Races - Dragon Bound ) #01 o vínculo do dragão  
Advertisement