Page 1

Edição Especial

O mundo vai conhecer Pernambuco

Com uma bagagem cultural diversa, delegação pernambucana chega ao Fórum com grandes expectativas – pg. 04

Desenvolvimento pela educação

Rei do Baião

Coral e Dança

Entrevista com a reitora do IFPE, Cláudia Sansil – pg. 05

Estudantes de Belo jardim trazem releituras de Luiz Gonzaga para o Fórum – pg. 06

Espetáculos prometem emocionar plateia – pg. 07


02

ifpeacontece

Institucional

#48mai12

Muito prazer, IFPE Conheça a instituição que está em franca expansão no Estado e reúne 20 mil estudantes em atividades de ensino, pesquisa e extensão

O

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco é formado pelo antigo CEFET-PE e pelas Escolas Agrotécnicas Federais de Barreiros, Belo Jardim e Vitória. Tem como missão “promover a educação profissional, científica e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, com base no princípio da indissociabilidade das ações de Ensino, Pesquisa e Extensão”. O IFPE atua em diversos níveis de ensino, desde o técnico, passando pelo superior, chegando até a pós-graduação. São mais de 20 mil estudantes, distribuídos nos campi de Afogados da Ingazeira, Barreiros, Belo Jardim, Caruaru, Garanhuns, Ipojuca, Pesqueira, Recife e Vitória de Santo Antão, e, ainda, em 19 pólos da Educação a Distância, localizados em municípios do interior nordestino. Até o final de 2014, serão mais seis campi, quando estará concluída a terceira fase de expansão da instituição.

Expediente Reitora Cláudia Sansil Assessora de Comunicação Renata Farache

Jornalistas Carolina Falcão Gil Aciolly Patrícia Rocha

Revisão Verônica Rodrigues Estagiária Patrícia Felix

Projeto gráfico e diagramação Michael Oliveira

Gráfica São Mateus Tiragem 12.000 exemplares

Av. Professor Luiz Freire, 500 - Cidade Universitária I Recife/PE I CEP: 50740-540 I Fone 55 81 2125.1760 I ascom@reitoria.ifpe.edu.br Assessoria de Comunicação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco


ifpeacontece

03

#48mai12

Gastronomia

A cultura do sabor Mais que iguarias, estudantes do IFPE mostram que doces do Nordeste são herança da tradição colonial

Por Gil Aciolly gilaciolly@reitoria.ifpe.edu.br

O

que pode acontecer quando estudantes se juntam para fazer um trabalho escolar? No caso de seis jovens do campus do IFPE, localizado no município de Belo Jardim, interior pernambucano, o resultado não poderia ser mais saboroso. Apaixonados pela gastronomia local, eles resolveram mostrar ao resto do país a história dos tradicionais doces pernambucanos e como essas guloseimas influenciaram, culturalmente, o restante do Brasil. Para isso, vão levar à Feira Gastronômica da segunda edição do Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, os doces de coco, banana, leite, goiaba e a tradicional cocada. Além de degustar, os visitantes aprenderão o passo a passo de como fazer as delícias em casa. Os tipos de doces foram escolhidos, levando-se em conta o critério da praticidade. “A viagem é longa e temos que ter diversos cuidados, inclusive, com a validade do produto”, explica o estudante Alex Lima, do curso técnico de Enfer-

magem. Nascido em Pesqueira, cidade conhecida como da renda e do doce, ele aprendeu a produzir as delícias com a avó. “Nosso objetivo é mostrar o processo de confecção de forma mais caseira possível”, disse, justificando o motivo pelo qual vai produzir o material em casa, em vez de usar o laboratório do curso técnico de Agroindústria do campus Belo Jardim, que tem características industriais. Outro integrante do grupo é o estudante Maciel Caetano, que nasceu no interior pernambucano de São Caetano, cidade conhecida pelas cocadas. Lá, o produto é fonte de renda para dezenas de famílias. Com seis anos, ele já estava na cozinha, incentivado pela avó. “Gosto de fazer a cocada tradicional de coco, mas também adoro a morena (coco queimado com cravo) e a de leite”, conta o jovem, falando ainda das novas cocadas de cenoura e umbu. Ele diz que, apesar do simples preparo, o doce leva sofisticação a qualquer mesa, seja de restaurante ou residencial. “Minha expectativa é grande para mostrar a cultura pernambucana

Estudantes prometem conquistar o paladar dos participantes do Fórum

e o preparo dos doces. Tenho orgulho da minha terra, e, principalmente, de São Caetano”, enfatiza. Além da paixão pela gastronomia, os jovens dividem a ansiedade para expor o trabalho nos eventos. “Nosso principal interesse é mostrar nossa cultura aos povos, como nossa gastronomia influenciou o restante do Brasil”, diz o estudante de Agropecuária, Maciel Tavares. E ele tem razão. O escritor Gilberto Freire, em seu livro “Açúcar”, contou ao mundo a ligação entre o Nordeste e, particularmente seu

Pernambuco, com o produto derivado da cana, planta através da qual a cultura nordestina foi marcada, seja no processo de colonização, econômico, antropológico e sociológico. E foi, justamente, a partir do açúcar que o autor traçou a construção da análise do povo regional, tão vinculado aos caminhos dos canaviais. Receitas trazidas pelos africanos, portugueses, holandeses ganharam novas notas nos engenhos e tornaram o Nordeste a região, por excelência, dos doces.

Campus Belo Jardim também produz doces industriais no curso de Agroindústria


Delegação

ifpeacontece

04

#48mai12

Pernambuco falando para o mundo Num momento de desenvolvimento econômico no Estado, o IFPE promove expansão e amplia as possibilidades de acesso a ensino de qualidade Fotos: Carol Falcão / ASCOM IFPE

Delegação mostra toda sua alegria e disposição para encarar os mais de três mil quilômetros entre Recife e Florianópolis Por Carol Falcão cfalcao@reitoria.ifpe.edu.br

R

ecife, final dos anos 1940. Uma rádio local começas seus trabalhos fazendo transmissões em ondas curtas, que permitem que o conteúdo propagado seja ouvido em todas as partes do mundo. Assim, nascia um dos slogans mais emblemáticos da cidade e do Estado: “Pernambuco falando para o mundo”. Mais de meio século depois, o desenvolvimento e avanço das Tecnologias de Comunicação e Informação (TIC) permitem que o Estado esteja cada vez mais conectado com o mundo. Mas não é só nesse aspecto que a conexão de Pernambuco com todos os cantos do planeta acontece. O Estado vem chamando a atenção pelo seu desenvolvimento econômico, capitaneado principalmente pelos setores industrial e de serviços.

E os números comprovam isso. Segundo informações da Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (Condepe), o Estado encerrou o ano de 2011 com um PIB da ordem de R$ 110 bilhões, com um crescimento de 5%, enquanto que a taxa nacional foi de 3,1%. Esse índice de crescimento coloca Pernambuco como o terceiro colocado no ranking mundial de crescimento do PIB no ano passado, ficando atrás, apenas de gigantes como a China e a Índia. Antenado com essa configuração econômica está o Instituto Federal de Pernambuco, que está em plena fase de ampliação. Com nove campi em funcionamento, cerca de 18 mil estudantes e 1500 servidores (entre docentes e administrativos), o IFPE não para de crescer. Com a

terceira fase da expansão da Instituição, serão mais sete novos campi, que se somarão aos dez em funcionamento. Os investimentos são da ordem de 50 milhões.

Autenticidade na bagagem É fácil reconhecer um pernambucano. Provavelmente ele carrega a bandeira do seu Estado ou faz alguma referência a ela (seja na camisa, na bolsa ou estilizada numa pintura). É alguém que diz “visse?”, gosta de macaxeira com charque e quando acha alguma coisa boa, diz logo: “Isso é massa!”. No segundo Fórum Mundial, nem precisa pesquisar muito para encontrar um desses por aí. A delegação que o IFPE está enviando para o Fórum é composta por 122 participantes (sendo 114 estudan-

tes e oito acompanhantes). Todos percorreram os 3.375 quilômetros que separam Recife de Floripa em quatro ônibus. A jornada de ida e volta totaliza seis dias. Nas atividades do Fórum, também é fácil encontrar o sotaque e o gostinho pernambucano. São três atividades autogestionadas: Coral, Dança e Música, que farão homenagens ao centenário de nascimento de Luiz Gonzaga, além da presença em atividades técnicocientíficas. Se o contato com um legítimo pernambucano ou pernambucana fizer com que você queira conhecer mais sobre o Estado, não perca tempo! Vá correndo ao stand do IFPE no Fórum e conheça um pouco da nossa cultura e história. Quem sabe você não volta com a gente?


ifpeacontece

05

#48 mai12

Entrevista

Fórum Mundial é mais um marco na Educação Profissional A reitora do IFPE, Cláudia Sansil, fala dos desafios da Educação Profissional e da responsabilidade de realizar a terceira fase da expansão Por Carol Falcão cfalcao@reitoria.ifpe.edu.br

Como a senhora avalia o impacto da terceira fase de expansão do IFPE na configuração econômica e social de Pernambuco? É mais um momento de contribuição da educação profissional. Os cursos serão montados a partir de pesquisa de mercado e audiências públicas, atentos aos Arranjos Produtivos Locais. Nosso Estado é o que mais cresce no País; precisamos de novas configurações e cursos para atender a essa realidade. Nessa perspectiva, quando construídos, os campi ajudarão a manter esse ritmo, sempre crescente, da economia. E desenvolvimento passa, obrigatoriamente, por educação. Quase quatro anos após a formação dos Institutos Federais, quais os principais avanços da Instituição e quais os principais desafios para os próximos anos? São muitos desafios. Destaco a migração de uma cultura escolar para acadêmica, transformação do diverso em uno (culturas agrícola e industrial), motivação de servidores, planejamento eficiente e eficaz, normatizações, melhora nos conceitos dos cursos, conclusão da expansão, criação de mestrados próprios e figurar entre os três melhores institutos do Brasil. Já os avanços dizem respeito à paridade entre administrativos e docentes em cargos de direção, implantação de mais de 20 comissões buscando maior participação da comunidade acadêmica nas decisões da gestão, maior aproximação com as universidades, ampliação das bolsas de pesquisa e extensão e avanços na área de gestão e TI. Da tríade Ensino, Pesquisa e Extensão, característica das Universidades e Institutos Federais, a Extensão é, historicamente, a que menos recebia incentivos. A senhora acredita que vivemos um momento de aproximação com a comunidade? Como essa aproximação se dá? No âmbito dos Institutos, a Extensão Tecnológica assumiu um protagonismo inédito. Particularmente no IFPE são várias ações. Ressalto a inserção das comunidades, a extensão rural desenvolvida pelos campi agrícola, e o exitoso programa Mulheres Mil, que iniciou no campus

Foto: Carol Falcão / ASCOM IFPE

Recife e foi contemplado com mais três campi na chamada pública de 2011. Recentemente, selecionamos os demais cinco campi, com a última chamada pública da Setec. Vamos ampliar e criar o Homens Mil. Estamos construindo a incubadora de empresa, agência experimental e empresa júnior. Temos a caravana de extensão, que aborda as demandas das comunidades locais e atividades artísticas e esportivas dos campi - Essas duas últimas, fundamentais ao desenvolvimento dos nossos estudantes. Qual a importância do Fórum Mundial para os participantes? São muitas as dimensões positivas dessa participação: integração com outros institutos, contato com outras culturas, apresentações de trabalhos científicos. O IFPE leva uma das maiores delegações do evento, isso demonstra o quanto valorizamos o Fórum. São 114, com representação de todos os campi e EaD, além de docentes e técnicos administrativos, com seus trabalhos. Vamos realizar quatro atividades autogestionadas e apresentação de mais de uma dezena de trabalhos. É uma grande conquista e estamos orgulhos disso. O Instituto está de parabéns e o evento será outro marco na Educação Profissional do Brasil e do Mundo.


06

#48mai12

Foto: Gil Aciolly / ASCOM IFPE

ifpeacontece

Cultura

Grupo vai mostrar ao público do Fórum a importância de Luiz Gonzaga para a música brasileira

Rei do Baião é atração no Fórum Por Gil Aciolly gilaciolly@reitoria.ifpe.edu.br

O

centenário do Rei do Baião, Luiz Gonzaga, será comemorado em grande estilo, na segunda edição do Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica. Um grupo de 20 estudantes do curso superior de Música, do campus Belo Jardim, do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), vai prestar uma homenagem ao cantor e compositor, tocando suas músicas, fazendo releituras e mostrando o motivo pelo qual o artista é consagrado no Brasil. Para que tudo saia perfeito, esforço e dedicação são fundamentais. E isso não falta. Desde o início do ano, todas as terças e quintas-feiras, os estudantes da disciplina Prática Profissional trabalham com as músicas de Gonzaga. Foi assim que nasceu a ideia de montar o espetáculo. Com a realização do Fórum, surgiu o espaço para mostrá-lo, em primeira mão. Na reta final para a apresentação, além das aulas, ensaios extras são realizados. ‘Será uma hora de apresentação, com coletâneas do Rei. Um show dinâmico, com efeitos de

voz. Haverá narrativas, mostrando fatos importantes da vida e da obra do compositor. “Quem assistir vai compreender a dimensão do que é Luiz”, explica o professor Evandro Sampaio da Nóbrega, que vai reger o grupo. O trabalho, que ainda contou com a orientação de outros dois professores da disciplina, Rejane Campelo e Flávio Lima, também vai mostrar as raízes da cultura nordestina. Uma releitura promete momentos de efeitos rítmicos que influenciam o cenário atual. Músicas consagradas, como ‘Asa Branca’ e ‘Assum Preto’, terão nova roupagem com notas de funk. Mas também serão tocadas as versões originais do compositor. “Os arranjos, desenvolvidos pelos próprios estudantes, foram adaptados para serem executados por todos eles. Isso porque antes pretendíamos fazer uma apresentação de pequenos grupos, mas decidimos mostrar o todo”, explica o regente. No grupo, o que não falta é entusiasmo e orgulho. Tudo por que os integrantes amam Luiz Gonzaga. A maioria deles já tem

na música a atividade profissional, uma vez que na concorrida seleção para o curso oferecido no IFPE é realizada uma prova prática bem exigente. Todos ouviram Luiz Gonzaga, desde a infância. O estudante, Daniel Victor, 22 anos, que toca trombone, é um exemplo. Já trabalha em uma famosa orquestra pernambucana. Mas, para ele, será um orgulho executar, com os colegas de turma, as músicas do cantor que o inspirou desde pequeno. “Tenho os discos dele. Desde menino, ouvia na radiola, com o meu avô. Nunca apresentei um trabalho assim. Estou ansioso”, revela o jovem. “Luiz Gonzaga levou Pernambuco para o resto do Brasil. Mostrou que nossa cultura é forte. A partir dele, passaram a nos olhar, de forma diferente. Agora, vamos mostrá-lo ao mundo”, afirma o estudante William Wanderley, 29 anos, que toca trompete. O mesmo pensamento é compartilhado por Leonardo Araújo, 26 anos, que toca flauta transversa. “Somos um estado multicultural. Tivemos várias influências musicais. Vamos

mostrar a força de Gonzaga, a força do forró. Palavra que vem do ‘for all’, que quer dizer ‘para todos’ em inglês”, explica. Tanta admiração não é só pelo trabalho, mas pela vida do compositor. Autodidata, Luiz Gonzaga entendia muito de música. Antes de cantor, era instrumentista. Passou cinco anos de sua vida, pedindo uma chance às gravadoras onde trabalhava, tocando acordeom. ‘Ele não se dobrou ao modismo musical e segurou a bandeira da resistência do povo nordestino, através de sua arte’, explica o professor. A música que Gonzaga fazia, em termos instrumentais, não atingia as pessoas, como gostaria. “Ele tem músicas harmonicamente simples e outras complexas, que fogem à sequência comum da época do baião. Acrescentou o triângulo ao forró. Melodicamente e harmonicamente, ele representa o ponta pé inicial da evolução da música nordestina”, elogia. Luiz Gonzaga do Nascimento nasceu no município pernambucano de Exu, em 13 de dezembro de 1912.


07

#48 mai12

Foto: Arquivo / ASCOM IFPE

ifpeacontece

No I Fórum Mundial, em 2009, delegação pernambucana já mostrava seu talento

Vozes e Movimentos Coral IFPE e Grupo de dança Arte em Movimento dão destaque para a cultura nordestina nos palcos do FMEPT Por Patrícia Yara patriciarocha@reitoria.ifpe.edu.br

O

que têm em comum estudantes de diferentes áreas do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), além da busca por uma formação profissional? Alguns poderiam apostar no sonho de garantir um futuro promissor ou até mesmo no desejo de ser um profissional de destaque no mercado, mas o que une esses jovens e os motiva a serem quem são é a paixão pela arte. Com esse sentimento, eles já representaram o IFPE e o Nordeste em vários eventos estaduais e nacionais. Na segunda edição do Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica (II FMEPT) não podia ser diferente. O grupo de dança Arte em Movimento e o Coral IFPE vão levar a magia da arte para os palcos de Floripa e mostrar ao mundo a riqueza cultural nordestina. O Arte em Movimento surgiu há 11 anos, fruto das aulas de dança

ministradas pelo coreógrafo Black Escobar, como atividade extracurricular para alunos da Instituição. De lá para cá, Black não parou de incentivar profissionalmente o grupo e já montou nove espetáculos, muitos até premiados em festivais estudantis. Na primeira edição do Fórum, em 2009, a trupe apresentou “Sonhos, peripécias e gargalhadas”, que promovia um passeio pelo universo das brincadeiras infantis. Para o II FMEPT, uma montagem de 2008 foi reformulada e ganhou um novo nome, “Vitalino, o homem que veio do barro”. “Fora do Nordeste, as pessoas não conhecem muito a história do mestre Vitalino, o famoso criador dos bonecos de barro de Caruaru. Por isso, apostei novamente nesse espetáculo”, destacou o coreógrafo. A novidade é que a proposta se ampliou para homenagear os cem anos de Luiz Gonzaga. Black explica que a trilha sonora da primeira montagem contemplava o trabalho do músico de forma instrumental.

Nessa nova proposta foi inserida uma música cantada pelo próprio Gonzagão. “Queremos mostrar um pouco da história de dois ícones pernambucanos que são contemporâneos”, ressaltou. São 20 bailarinos e uma maratona diária de ensaios. Cleiton Zambiachi, 19 anos, é um deles. Estudante de Química, ele vê na dança uma outra paixão que o divide. Há três anos no Arte em Movimento, é a primeira vez que vai ao Fórum. “A expectativa é muito grande. É muito bom ter a oportunidade de levar um pouco da nossa cultura para o mundo”, afirma. Vozes – O Coral IFPE existe há mais de 30 anos. Sob a regência da professora de música, Lucivanda Silva, tem pouco mais de 16. Sua proposta é divulgar o canto coral como algo que pode ser trabalhado em qualquer um. Alunos de todos os cursos e períodos, além de egressos, fazem parte do grupo. “Nossa filosofia é a de que todos podem cantar, além de desenvolver a musicalidade individual, a descoberta do uso correto da voz e a independência auditiva que vai permitir o canto a quatro vozes (soprano, contralto, tenor e

baixo)”, explica a regente. Sobre a participação do grupo no I FMEPT, Lucivanda relembra que o repertório era basicamente de músicas do Nordeste. O que mais a marcou foi uma canção de ciranda, expressão cultural fortemente conhecida em Pernambuco. “Quando cantamos a ciranda, a plateia toda se envolveu e uma grande roda coletiva foi formada”, lembra. Para o segundo Fórum, a professora afirma que o repertório continua priorizando compositores nordestinos, mas revela que vai haver novidades. Dessa vez, o grupo, que é composto de 48 alunos, será representado por 25 integrantes e, igualmente, vai homenagear Luiz Gonzaga. Em meio a tantas danças e canções regionais, o frevo não podia faltar. Pensando nisso, os dois grupos se uniram para divulgar o ritmo pernambucano com um espetáculo à parte. Seja na chegada, nos intervalos ou no encerramento do encontro, onde houver um espaço eles pretendem contagiar a todos com essa autêntica manifestação da cultura popular promovendo uma inesquecível festa.


08

#48mai12

Foto: Iandecy Pereira / Empetur

ifpeacontece

Turismo

Cenas de Pernambuco: o mundo se encanta com a diversidade do Estado.

O mundo começa em Pernambuco Destino de turistas, empresários, investidores e profissionais de todo mundo, Pernambuco atrai cada vez mais olhares para sua rica diversidade Por Patrícia Félix ascom@reitoria.ifpe.edu.br

P

ernambuco. Estado brasileiro localizado na região Nordeste, com população de quase nove milhões de habitantes, e PIB de mais de R$ 100 bilhões, certo? Mais ou menos. Além de ser o Estado é que mais cresce no País, há quem diga que o futuro se inicia aqui. Mas há quem diga que aqui só se veja seca e miséria, que o nosso transporte preferido é o jegue e que todo pernambucano quer mesmo é fazer a vida em outro lugar. Um equívoco. Por causa do crescimento do Estado, muitos trabalhadores de outras regiões estão construindo suas vidas aqui. Com isso, percebem que Pernambuco é bem diferente do que se ouvia falar. Muito mais do que a economia crescente, Pernambuco respira a cultura que é produzida,

compartilhada e incentivada pelos seus. Do litoral ao sertão, o Estado encanta quem vem para trabalhar ou para passar férias. Na capital, o Recife Antigo é o point dos eventos culturais que agitam os finais de semana e feriados da cidade. A Praça do Arsenal e o Marco Zero se tornaram emblemáticos, quando se pensa em cultura incentivada (basta conferir os grandes shows e manifestações culturais gratuitos que acontecem por lá). Mas, não é só de festa que vive a capital. Conhecida por sua vocação para a inovação, Recife abriga o Porto Digital, empreendimento que reúne cerca de 200 empresas de tecnologia fazendo negócio com o mundo e mais de seis mil colaboradores. A capital também

é conhecida por ser o segundo pólo médico e terceiro pólo gastronômico do Brasil. Mais que carnaval, frevo e folia, Pernambuco também tem a tradição que vem do Sertão, do Agreste e da Zona da Mata. No litoral sul, desenvolvimento anda de mãos dadas com turismo, reservas florestais e diversidade: Ipojuca e Barreiros estão aí para provar. Em Caruaru, tem o São João maior do mundo e a arte de Mestre Vitalino. Em Belo Jardim, a vocação musical do município se confirma nas diversas família dedicadas à atividade musical. Garanhuns é destino certo para quem aprecia flores, jazz e chocolates num clima ameno. Em Afogados, em pleno sertão do pajeú, o Sítio Arqueológico Leitão da Carapuça é um museu aberto da

história de nossos antepassados. Nas bandas de Pesqueira, é a renda e doce que atraem turistas do Brasil e do exterior. Em Vitória, destacam-se os grandes investimentos em indústria alimentícia e a produção de um item emblemático da nossa cultura: a aguardente. O pernambucano sabe do valor que tem para o Brasil e demonstra isso da melhor forma, seja na culinária, mistura das cozinhas indígena, europeia e africana, seja na alegria esbanjada em suas manifestações culturais ou na economia, que ferve no Porto de Suape. Deixando de lado os muitos estereótipos, o que se vê é isso: um povo que cresce a cada dia, respira cultura e tem um orgulho imenso dos que representam nosso Estado.


IFPE Acontece - Edição Especial  

Jornal mensal do IFPE realizado pela sua Acessoria de Comunicação a fim de informar seus discentes, doscentes e todos que compôem o IFPE.

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you