Page 1

NÂş6

Set/Out.2008

www.revistaseason.wordpress.com

Prison Break, pode ser cancelada por falta de audiĂŞncia?

S A E B I O R P I A LE ? S A D N E G E L . S A . R K O A H E R 4 B 2 n O S Comparamos 3 grandes shows, PRI . t veja os resultados! s O L


QUARTA TEMPORADA

FOX


ÍNDICE

número 6 ¬ setembro/outubro de 2008

¬LOST 7. Ficha dos personagens. 13. Kate Austen, uma vida de fuga. 23. Estações Dharma - O Espelho. 42. Porque gosta de pizza? 52. Saiba porque muitos fãs não vão curtir o último capítulo de Lost.

¬DEXTER 16. Monstros também têm sentimentos. ¬PUSHING DAISIES 18. Doce sabor da morte. ¬SEÇÃO FLASHBACK 20. Arquivo X - A verdade está lá fora. ¬PRISON BREAK 15. Será realmente o fim do túnel para uma série tão aclamada pelos fãs brasileiros? ¬NIP/TUCK 24. A beleza é uma maldição. ¬ENTREVISTA 26. Pedro Araujo fala sobre seus

34

O Óraculo de Desmond

4


projetos e sobre o “Blog na TV”. ¬BAND OF BROTHERS 31. Companhia de heróis.

>: EDITORIAL CONVIDO VOCÊ LEITOR a brindar esta nova edição recheada de grandes sucessos da televisão de hoje e de ontem. Como seriam os seriados

¬SEASON 30. “Legendar”, é crime? ¬CAPA 35. Prison Break, Lost e 24 Horas: batalha justa pela liderança. ¬CSI

atuais sem a influência dos pioneiros? Talvez nestas páginas você encontre alguns detalhes lá de 1980 que podem estar presentes hoje no seu seriado preferido, grandes produtores sabem aproveitar os mínimos detalhes e transportá-los para nossa realidade. Isso leva a um “combate” entre as emissoras quanto a público, orçamento

40. Investigação criminal.

gasto, audiência e tantos outros fatos que sim-

¬BÔNUS SEASON 44. Sussuros no vento.

pelo que estão visualizando. A Season vem evo-

¬SUPERNATURAL 50. Ser ou não ser? Eis a questão.

confiança que nos está sendo concedida. A cada

bolizam a aceitação e fascinação das pessoas

luindo, a equipe Season unida vem evoluindo, estamos expandindo nossas páginas graças a

nova edição atentamos o nosso olhar para o desejo de vocês leitores e esperamos corresponder positivamente aos requisítos do sucesso. Grande abraço a todos.

Janssen Barufe Miane Nabarro - janssen_ogro@hotmail.com

5


[EXPEDIENTE] EDITOR GERAL JANSSEN BARUFE MIANE NABARRO DIRETOR GERAL VICTOR DARMO DESIGN JANSSEN BARUFE MIANE NABARRO JADER MIANE NABARRO PUBLICIDADE DANIEL AUGUSTO SILVA VARELLA COLUNISTAS ANGENOR SANTOS CAIO WERNER GROSSL DE MELLO LUANA CAROLINA COSTA COELHO LUIZ EDUARDO GUEDES MARCUS ALMEIDA DE SOUZA TIELI NAKAMURA THIAGO BASTOS THIAGO DE SOUZA LIMA VAGNER WOJCICKOSKI VICTOR DARMO

COLABORADORES DANIEL NEGREIROS ARAÚJO DANIELLE M. FÁBIO HOFNIK KELLI SOUZA LUCAS BENICÁ PEREIRA LUIGI FONTENELLE TATIANE STORCH APOIO BLOG NA TV CALDEIRÃO DE SÉRIES COMENTÁRIOS EM SÉRIE DARKUFO DUDE WE ARE LOST FORA DE SÉRIE ISFREEPOP LOST ESCOTILHA BRASIL LOST IN LOST LOSTPEDIA PORTAL LOST BRASIL QUER CAFE TEORIAS LOST

REVISÃO FINAL MARCUS VINÍCIUS DE MORAES TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO THIAGO DE SOUZA LIMA

seas seas o n Revista

revistaseason.wordpress.com

6

Quer ser parceiro, anunciar ou se corresponder com a Season? revistaseason@hotmail.com No orkut Revista Season


¬ FICHA DOS PERSONAGENS

por Luiz Eduardo

Richard, Vincent e Boone

R

ichard Alpert recruta pessoas para a Mittelos Bioscience Corporation. Porém, apesar disso ser verdade ou não, ou mesmo se existe uma Mittelos Bioscience, ele foi chamado em questão quando se revelou que ele é um dos Outros. É provavelmente o membro mais velho do Time O. Richard estava presente no hospital logo após o nascimento de Locke, observando-o em uma incubadora através de uma janela. Alguns anos mais tarde, ele visitou Locke que estava sob cuidados de pais adotivos, e lhe aplicou um teste. Oferecendo-lhe uma luva de baseball, um livro de leis, um vidro com cinzas, uma bússola, uma revista em quadrinhos e uma faca, disse à Locke para escolher os objetos que lhe pertenciam. Locke inicialmente pegou o vidro com cinzas e a bússola, para a felicidade de Richard. Assim que Locke pegou a faca, Richard indignado alegou que foi uma resposta errada, e retirou-se apressadamente. Vários anos atrás, Richard encontrou Ben pequeno na selva. Embora que isso tenha ocorrido mais ou menos 30 anos atrás (Ben tinha 10 anos, e agora tem 40) Richard parecia ter a mesma idade que tem agora. A única diferença física era seu cabelo comprido. Ben pergunta a Richard se ele é um dos hostis, e Richard pergunta se ele sabe o que esse termo significa. Ben diz a Richard que está procurando por sua mãe, e que teve visões dela. Ben pede para ir com ele. Richard diz que se ele realmente quiser ir com ele, ele pode, mas precisa pensar mais a respeito. Ben então volta para seu acampamento. Vários anos depois, Richard participou da purgação. É revelado que Ben trabalhava secretamente com ele. Quando Ben e Richard se reúnem depois da purgação, Richard está claramente perturbado pelas ações que ele e seu povo cometeram, matando os membros da Iniciativa Dharma. Ele pergunta a Ben se ele quer que eles busquem o corpo de seu pai, e Ben diz para dei-

xá-lo lá. Ele trabalhava com Ethan Rom para recrutar Juliet no seu laboratório, que ele dizia existir em uma área perto de Portland. Porém, depois, ele disse que o laboratório nao ficava “exatamente” em Portland. Junto com Ethan, Richard leva Juliet para um aeroporto misterioso e no salão da Herarat Aviation. No terminal aéreo Richard e Ethan dão um suco de laranja com tranqüilizantes para Juliet, o qual ela bebe. Logo depois do acidente do vôo 815, Richard está no mundo exterior, aonde ele filma a irmã de Juliet e seu sobrinho. Richard não aparece, mas Ben se refere a ele pelo nome. De volta Richard estava na vila dos Outros, e foi pedido, por Ben para ir chamar o “Homem de Tallahassee.” Depois acompanhou Ben para pegar Locke capturado, e os dois levaram Locke para uma sala onde o pai de Locke, Anthony Cooper, estava prisioneiro em uma cadeira de rodas. Mais ou menos uma semana depois, depois de Locke falhar em matar seu pai como um pedido de Ben, Richard vai conversar com Locke e explica a ele que Ben sabia que ele não conseguiria matar seu próprio pai, e estava tentando envergonhá-lo na frente de todos os Outros para que eles não pensassem que Locke é “especial”

7


como haviam pensado quando eles ouviram que se até lá. Logo depois ele ficou sabendo sobre a a paralisia de Locke foi curada quando ele che- explosão das tendas na praia e no dia seguinte, gou na ilha. Durante essa conversa com Locke, resolveu interceptar os sobreviventes no caminho ele questiona a liderança de Ben, dizendo que ele para a Torre de Rádio para convencê-los a não está perdendo tempo com o trabalho nas mulhe- usarem o telefone de Naomi. Richard disse que res grávidas, e diz a Locke que existem razões não era uma boa idéia, pois o Outros já estavam bem mais importantes para eles estarem na ilha. estranhando os planos de Ben, de terem que deiEle encoraja Locke a matar seu pai para acelerar xar suas casas e sobre o que tinha acontecido o processo e sugere que ele deveria recrutar al- com Jacob e com Locke. Mas o líder dos outros guém para fazer isso. Ele então dá a Locke um estava irredutível e disse que iria mesmo assim. arquivo sobre a vida de Sawyer, e pede que ele Richard lembrou-o do fato que seria um contra leia e convença Sawyer a matar Cooper ao invés quarenta, mas Ben estava mesmo decidido a ir. de Locke. Richard intercepta Sayid e Kate enquanto Um dia depois, Richard pergunta a Ben eles procuram por Jack. Ele fala para eles abaise ele deveria levar o gravador de volta a es- xarem suas armas, revelando que eles estavam tação médica para Juliet. Ben fica bravo, e diz cercados por vários Outros. Richard fez um acorque pensava que Richard já havia feito isso. Ben do com Sayid e Kate, propondo que se eles ajupercebe que seu gravador está sumido. Mais tar- dassem os Outros a resgatar Ben, eles poderiam de, Richard está presente quando Locke chega sair da ilha usando o Helicóptero. Depois da emao acampamento e quando Locke alega que Ben boscada contra os mercenários, e uma luta corpo o levará para ver Jacob. Quando Locke começa a a corpo de Sayid contra Keamy, Richard salvou bater em Mikhail, nem Tom e nem Richard aten- Sayid atirando nas costas de Keamy. Depois de dem a ordem de Ben para ajudar Mikhail. Richard contar a Ben sobre o trato, Ben decide Quando Bem retorna, Richard o pergunta deixar Kate e Sayid irem, e Richard e seu grupo sobre sua ida ao Jacob. Richard parece se pre- irem em direção ao acampamento secundário, 2 ocupar quando Ben reivindica que Locke sofreu milhas a leste da Orquídea para esperar por Loum “acidente” na jornada, e está presente quan- cke. do Ben diz a Pryce para levar imediatamente sua equipe ao acampamento dos Losties, o que é melhor do que esperar até a noite seguinte, como tinha sido combinado no plano original. Richard estava presente quando Ben foi contatado por Bonnie que avisou sobre a presença de Charlie na Escotilha Submarina. O líder dos Outros mandou que Bakunin fosRichard conversando com Locke sobre Sawyer.

8


Vincent

V

incent é o labrador amarelo de Walt. Ele pertencia a Brian Porter, o pai adotivo de Walt. Após a morte de Susan, mãe de Walt, Michael tomou Vincent de Brian sem sua permissão. Quando Walt questionou, dizendo que Vincent pertencia a Brian, Michael disse a Walt que Brian deu o cachorro a ele. Ele fez isso tanto pra consolar seu filho quanto por causa do seu descontentamento em relação a Brian. Durante o vôo 815 da Oceanic, Vincent estava provavelmente no compartimento de bagagem do avião. Vincent foi visto primeiro por Jack depois do acidente vagueando livre na floresta. Walt gastou a maior parte do seu tempo, logo que caiu na ilha, procurando por Vincent, criando assim conflito com Michael, que queria que ele ficasse por perto. Quando Michael mencionou sobre Vincent para Jack, Jack revelou que o cachorro estava bem. Depois, Vincent retornou ao acampamento quando Locke usou o apito que ele tinha construído. Locke levou Vincent a Michael para que ele o levasse a Walt, fazendo assim com que se reconciliasse com seu filho. Quando Walt partiu com Michael pra buscar resgate na balsa, ele deixou Vincent sob os cuidados de Shannon. Vincent tentou nadar até Walt, mas logo retornou a praia, talvez sentindo que algo de ruim iria acontecer com a balsa e com Walt. Nos dias seguintes, Vincent serviu como uma fonte de conforto e distração para Shannon, que tinha recentemente sofrido a perda de seu irmão, Boone. Após a morte de Shannon, o seqüestro de Walt e desaparecimento de Michael, Vincent fez companhia a Ana-Lucia quando ela se juntou aos sobreviventes na praia. A amizade deles durou pouco, sendo que Michael matou Ana Lúcia quando retornou. Vincent também estava presente antes de Charlie atacar Sun, embora ele não tenha latido nem a defendido. É possível que, se ele ainda estive por perto, tenha reconhecido Charlie e por isso não viu nenhuma razão para fazer alarde. Vincent fez amizade com vários personagens na ilha, e não tem um “dono” próprio por esse motivo. Ele foi visto com Sawyer, que estava o alimentando e cuidando dele. Ele encontrou as estátuas da Virgem Maria na tenda de Sa-

wyer e levou até Charlie. Vincent surgiu da floresta ante Hurley e Charlie com um esqueleto de braço humano em sua boca. A mão segurava um chaveiro com uma chave e um pé de coelho. Ele conduziu Hurley por dentro da floresta, e eventualmente até a Kombi da Dharma de onde tirou a chave e o esqueleto. Vincent permaneceu com Hurley, Charlie, Jin e Sawyer enquanto eles olhavam a kombi, e depois embarcou com eles na jornada onde Hurley conseguiu que a kombi funcionasse. Vincent retirou a coberta de Paulo e Nikki quando estavam paralisados e enquanto os sobreviventes presumiam que estavam mortos e preparavam seu enterro. É muito provável que Vincent soubesse que ainda estavam vivos, levando em conta a alta percepção própria dos cachorros. Mais tarde, quando os sobreviventes vão deixar o acampamento para irem até a torre de rádio, Hurley fica encarregado de levar Vincent em sua coleira. Mais tarde nota-se que Vincent, enquanto passa pelas rochas, não quer continuar o caminho, tentando puxar Hurley para longe, claro isso também pode ser um erro de gravação, mas labradores geralmente gostam de água. Vincent é levado junto para a parte da frente do avião, aonde ele vai com o grupo de Locke, já que Claire e Hurley, que estão cuidando do cachorro, escolhem esse grupo. No dia seguinte, o grupo de Locke encontra a pára-quedista Charlotte no rio. A ruiva explica que tem um transponder, que serviria para o grupo do cargueiro a encontrar, o que Locke responde que eles não

9


querem ser encontrados. Alguém, possivelmente Eles estavam andando pela selva quando foram do grupo de Locke, amarra o transponders no atacados por um urso polar. Sawyer atirou nele corpo de Vincent e esse sai pela floresta e é en- e o matou, e eles continuaram na busca por um contrado pelo grupo de Jack, que pensa que era Charlotte. Dias depois, Vincent é visto sendo acariciando por Jin e Sun, visto que o cachorro havia voltado para a praia quando foi solto por Locke. Três dias depois, Vincent é quem descobre o corpo de Ray no mar. Ele começa a latir para chamar a atenção do pessoal e Bernard vai ver o que está acontecendo. Assim, Bernard grita por ajuda e Vincent continua latindo para o corpo.

Boone Carlyle

B

oone Carlyle era filho de Sabrina Carlyle e enteado de Adam Rutherford, que se casaram quando ele tinha 10 anos. Boone é meio-irmão de Shannon Rutherford, que é dois anos mais nova que ele. Quando Boone tinha seis anos de idade, ele possuia uma babá chamada Theresa, que quebrou o pescoço ao cair das escadas respondendo ao seu chamado. De acordo com Shannon, ele não dá crédito a armas, ainda assim acompanha desfiles, apesar de Boone negar tal informação. Ela também conta a Hurley que ele é um político de orientação Liberal. Depois do acidente do vôo 815, Boone, na ocasião com 22 anos de idade, ajudou Jack a salvar vários passageiros da explosão dos destroços do avião. Enquanto estava disposto a ajudar, fez muitas coisas erradas no pânico do momento. Ele aplicou respiração boca-a-boca em Rose, soprando ar em seu estômago, antes que Jack o impedisse e mandasse que ele pegasse algumas canetas para fazer um traqueotomia. Mais tarde naquele dia, Boone ofereceu uma barra de chocolate a Shannon e ela recusou dizendo que ia comer algo melhor no barco de resgate. Ansioso para se redimir, Boone ficou com a responsabilidade de ficar de olho nos sobreviventes feridos enquanto Jack foi até o cockpit. No dia seguinte, ele foi com Sayid, Kate, Charlie, Shannon, e Sawyer até um local mais alto para mandar uma mensagem angustiada.

10

local para enviar a mensagem, mas eles não conseguiram obter um sinal. Na volta, eles tentaram encontrar um sinal, Boone roubou a arma de Sawyer, que estava sonolento, e quando perguntaram o ele o porquê de ter feito isso, ele respondeu que alguém deveria ficar de guarda com a arma. O grupo entregou a arma a Kate pensando que ela era de confiança. Quando eles chegaram à praia, Shannon avisou que Mars estava agonizando, para a reprovação de Boone. Um dia depois. Boone pediu a Jack que confortasse Rose, pois acreditava que seu marido havia morrido no acidente. Ele disse a Shannon que ela não conseguia se virar sozinha, o que fez com que a moça flertasse com Charlie só para que ele pegasse um peixe para ela. Quando Charlie voltou com o peixe, Boone disse que ela era muito manipuladora. Naquela noite, ele ajudou Hurley e Claire na apresentação do memorial em homenagem àqueles que não tinham sobrevivido ao acidente. No sétimo dia, Boone viu Joanna se afogando em alto mar. Boone foi o primeiro a entrar na água na tentativa de salvá-la, mas também começou a se afogar. Jack entrou na água e conseguiu salvar Boone, mas não conseguiu voltar a tempo para salvar a mulher. Boone ficou muito desapontado e culpou a si mesmo pela morte


de Joanna. Ele ficou bastante irritado com Jack, perguntou por que ele tinha ido atrás dele e de Joanna e tentou se mostrar útil, pensando em alternativas para conseguir água e comida. Os outros sobreviventes interpretaram erroneamente isso como uma tentativa de Boone roubar tudo o que restava para si mesmo. Ele chegou ser acusado e atacado até que Jack interveio sem eu favor. Foi tratado por um breve momento de modo estranho, foi aceito de volta no grupo, depois de provar que a atitude que tomou era apenas para ajudar. Ele ajudou os sobreviventes em vários projetos, incluindo a tentativa de Sayid em triangular o sinal da transmissão de Rousseau e ajudou os sobreviventes a se mudarem para as cavernas. Quando que os remédios para a asma de Shannon sumiram, Boone foi até o suprimento particular de Sawyer em busca deles, mas o golpista atacou o garoto e bateu nele, que correu até as cavernas e contou para Jack. Sawyer realmente não tinha os remédios, mas Sun pôde ajudar Shannon usando algumas plantas nativas da Ilha. Quando Hurley construiu um Campo de Golfe, Boone convidou Shannon a ir com ele para ver Jack, Hurley, Michael, e Charlie jogarem. No jogo, Boone apostou com Sawyer dois frascos de bronzeador para Shannon na jogada de Jack, que acabou vencendo a aposta. Quando Hurley tentou fazer um censo dos sobreviventes que estavam na Ilha, Boone informou a ele que Sawyer tinha a lista dos passageiros. Ele perguntou o porquê de fazer o censo e o milionário respondeu que a causa era o ataque que Claire tinha sofrido nas cavernas. Shannon se recusou a se mudar para lá, para a tristeza de Boone. Boone fez parte de uma busca que foi realizada para encontrar Claire depois que ela foi

seqüestrada por Ethan. Mais tarde, Boone e Locke se separam de Jack e Kate, e começaram um vínculo. Eles falaram sobre suas vidas antes do acidente, mas Boone não acreditou que Locke trabalhava numa Companhia de Caixas. Durante a busca, eles tropeçaram na porta da escotilha quando Locke atirou a lanterna para Boone que a perdeu por não poder vê-la por causa da chuva. Boone continuou trabalhando com Locke para tentar entrar na escotilha, usando destroços para tentar quebrar o vidro. Mentia para Shannon quando ela perguntava o que ele estava fazendo na companhia de Locke, já que ele passava muito tempo longe da praia. Shannon começou se relacionar com Sayid, fazendo Boone ficar bastante ciumento, especialmente quando ela cantava para o novo namorado. Boone disse a Locke que os sobreviventes já estavam ficando desconfiados, já que eles

11


sempre diziam que iam caçar, mas nunca traziam o javali. Locke replicou dizendo: “O que estamos fazendo é mais importante.” Com o passavam muito tempo juntos, Locke começou a perceber os sentimentos de Boone por Shannon. Quando o rapaz disse que estava indo contar à irmã sobre a escotilha, Locke o drogou e o amarrou a uma árvore a quatro milhas do acampamento. Enquanto estava amarrado, Boone experimentou uma alucinação onde era caçado pelo monstro que matou sua irmã violentamente. A experiência ajudou Boone a “desencanar” de Shannon. Ele também foi a primeira pessoa a quem Locke confidenciou sobre sua paralisia e cura. Quando Michael, e Walt brigaram no 25º dia, o garoto encontrou refúgio em Boone e Locke, que o ensinou a manejar uma faca de modo correto. Mais tarde naquele dia nas cavernas, ele pediu insistentemente que Shannon o ajudasse a ir com Locke para procurar o cachorro perdido do garoto, Vincent. De qualquer forma, contaram com a ajuda de Claire. Sabendo que Ethan poderia voltar por Claire, os sobreviventes decidiram manter pessoas de guarda dia e noite. Boone se voluntariou para ajudar, mas Scott foi assassinado por Ethan, que veio atacar da selva e não do oceano. Depois que Charlie matou Ethan numa ação de captura que acabou falhando, as coisas começaram e ficar difíceis na Ilha. Sayid foi até Boone para explicar que ele e Shannon estavam ficando cada vez mais próximos. Boone ficou agressivo, e Sayid explicou que não estava pedindo a permissão dele. Boone então disse a Sayid que ela tinha uma queda por “caras que pudessem cuidar dela” e iria deixá-lo em breve. No 36º dia, Boone e Locke acabaram de escavar a escotilha, mas ainda mantinham segredo para os sobreviventes. Os dois viram os números na parte de cima dela, sem saber o quão importante eles eram. No 40º dia, Locke levou Boone até o avião cheio de drogas que ele tinha visto em seu sonho. Como Locke estava tendo dificuldades para andar, ele disse que Boone deveria subir no penhasco para investigar. Boone descobriu que o avião era realmente um aeroplano nigeriano usado para o transporte de drogas e que dentro havia muitas Estátuas da Virgem Maria todas recheadas de he-

12

roína. Quando ele tentou fazer contato usando o rádio do avião, acabou fazendo contato com Bernard, sem saber que aquele que estava do outro lado também estava na Ilha. O aeroplano então começou a cair com Boone dentro e ele acabou sofrendo um grave acidente. Locke carregou Boone, que estava gravemente ferido, de volta para a caverna e quando chegou lá, Jack perguntou o que havia acontecido e ele disse que o rapaz tinha caído de um despenhadeiro. Jack batalhou desesperadamente, com a ajuda de Sun, para salvar Boone, mas por causa da mentira de Locke, Jack não podia salválo. Chegou até mesmo a tentar uma transfusão usando seu próprio sangue. Jack percebeu que a perna de Boone tinha sido esmagada e tentou amputá-la, mas o rapaz o impediu sabendo que morreria de qualquer forma. Boone morreu mais tarde naquele mesmo dia. Suas últimas palavras foram: “Diga a Shannon...” eduardluiz@hotmail.com


¬ LOST

por Marcus Almeida

Katherine Austen, uma vida de fulga

E

nganar, Usurpar, mentir e por que não matar, diversas razões podem explicar atitudes de bom ou mau caráter de uma pessoa, estas razões em busca da fuga pessoal aumentam quando o indivíduo é colocado sob pressão e precisa cobrir seu erro na maioria com outro pior, daí qualquer ação pode ser explicada como golpe de sobrevivência. Quando entramos no universo de Lost sempre que revemos um episódio aprendemos mais sobre a história da ilha e de seus habitantes, às vezes um olhar despercebido pode revelar tantas coisas, mais em nenhum outro episódio se pode analisar a ampla capacidade de uma personagem mudar de atitudes por minuto como foi no quarto quarto da quarta temporada: Eggtown, onde as peripécias de Katherine Austen, um verdadeiro pupilo na arte do engano assim como Dexter Morgan o novo enigma dos seriados, ambos possuem o domínio persuasivo e sem receio fazem uso dele. Normalmente estas e outras ações ficaram mais evidentes em determinados momentos do episódio Eggtown, Kate mostra total frieza social, na verdade seu grande medo é de passar o resto de sua vida sofrendo e sozinha como sua mãe, talvez este seja o motivo de sua personalidade forte e selvagem que, apenas o amor consegue domar. Mas, esse amor não seria o amor encubado pelo doutor Jack muito menos o desejo carnal pelo ex-presidiário Sawyer, mas pelo pequeno Aaron o qual ela tomou como seu filho e pra ele ela abriu seu coração como Kate jamais tinha feito antes. Um episódio sem grandes acontecimentos, sem mortes, brigas ou grandes mistérios como o episódio anterior, Eggtown vem apenas focando a vida pessoal de Kate. No início do episodio nossa heroína se depara com seu pior medo, encarar o juízo e ser condenada por fraude, incêndio culposo, agressão contra um oficial federal, agressão com

13


arma letal, roubo de veículo, roubo de propriedade alheia e por fim homicídio doloso, mesmo depois de todas essas acusações ela se declara inocente, pela afeição angelical de sua face e seus modos qualquer alma caridosa poderia declará-la inocente, não foi tão fácil driblar a justiça mas ela consegue parcialmente a liberdade, talvez seria menos doloroso se ela tivesse escutado Miles e ficado permanentemente na ilha, mas a curiosidade e falta de confiança falou mais alto e Kate se vê encurralada por seus erros. Por um instante de fraqueza emocional um reencontro que poderia facilitar sua vida se não fosse tão orgulhosa, sua mãe poderia não depor contra ela e mais uma vez Katherine escolhe o caminho mais difícil para so-

lucionar os problemas, o que importa é que no final das contas os fãs de Kate poderão conhecer um pouco mais de sua ambígua personalidade e conhecer alguns dos motivos pelo qual ela sempre se encontra fugindo de si mesma, na verdade depois de tudo, amores mal resolvidos, aventuras, rejeições, Kate não sabe mais quem ela é de verdade sua personalidade foi difundida entre seus disfarces, e com isso ela se perdeu. Justamente aí que entra o maior mistério da sardenta, quem é Katherine Austen? De uma coisa podemos ter certeza,mãe do Aaron ela não é, amar o Sawyer ela não ama, vontade de ficar na ilha ela não tem, a única coisa que aparentemente é real na história de Kate é seu amor platônico por Jack, saber até quando essa busca desenfreada pela razão da sua existência vai durar é uma tarefa difícil, porém não impossível. Somente as mentes pensadoras de Lost poderão dizer se Kate é fugitiva da polícia ou do seu próprio eu. kytovynyprince@hotmail.com

14


¬ PRISON BREAK

por Luana Coelho

Será mesmo o fim do túnel para uma série tão aclamada pelos fãs brasileiros?

L

incoln Burrows (Dominic Purcell) está no corredor da morte e brevemente será executado, após ser culpado por um assassinato que seu irmão, Michael Scofield (Wentworth Miller), tem convicção de que ele não cometeu. Michael assalta um banco, propositalmente, para ser preso e levado para Fox Rivers, a mesma prisão onde se encontra seu irmão. Ao chegar lá, Michael, um engenheiro civil com as plantas da prisão tatuadas em seu corpo, começa a executar um elaborado e complexo plano para libertar Lincoln e provar sua inocência. A série Prison Break, que teve sua estréia no dia 29 de agosto de 2005, é transmitida pela FOX e foi premiada pelo evento Saturn Award em 2006, entre vários outros prêmios, como a Melhor Série Network TV, está atualmente em sua 4ª temporada e obteve recorde de audiência nas três temporadas anteriores. Entretanto, apesar de todo o sucesso conquistado com as temporadas passadas, Prison Break vem passando por um processo bastante complicado: a possibilidade de cancelamento. É sabido que para continuar no ar uma série necessita de, pelo menos, 5 milhões de espectadores por episódio lançado, ou seja, caso haja um número menor do que o estipulado, o seriado inevitavelmente será cancelado. Prison Break estava caminhando para esse trágico desfecho com os primeiros episódios da 4ª temporada, chegou a possuir cerca de 5,8 milhões de espectadores em “Shut Down”, 3º episódio, mas, felizmente, sua audiência vem subindo desde esse último, apesar de ainda ter que aumentar consideravelmente para se ver livre do risco de cancelamento. Não se sabe seguramente qual o grande motivo para a situação em que a série se encontra, já que muitos dos fãs brasileiros afirmam que a 4ª temporada é uma das melhores, porém, existe a possibilidade de o fracasso do seriado Terminator: The Sarah Connor Chronicles ter afetado a sua audiência, já que ele é exibido logo

antes de Prison Break. Foi revelado que o canal está bastante desapontado com Terminator e os seus baixos números registrados no intervalo demográfico de 18 a 49 anos e que, provavelmente, irá cancelar a série ainda no decorrer dessa temporada, mudando Prison Break para um novo horário de modo a tentar salvá-la. Obviamente, tudo o que resta aos fãs brasileiros é continuar assistindo e acompanhando essa série tão intrigante e contagiante e fazendo a sua parte para que a idéia de cancelamento seja definitivamente extinta, de forma que Prison Break possa continuar com seu enredo fascinante da mesma maneira que vem fazendo, aumentando mais ainda, e rapidamente, a sua audiência. Luh_coelho_s2@hotmail.com

15


¬ DEXTER

por Tieli Nakamura

O que esperar de uma das temporadas mais aguar dadas da atualidade: Dexter Season 3.

A

primeira temporada de Dexter nos mostrou um homem seguro de si e de seus propósitos na vida: matar foragidos da lei. Já na segunda temporada, Dexter começa a questionar seus propósitos e entrando em contato cada vez mais com seus – supostos – sentimentos, nosso querido vilão põe em prova aquilo que foi o alicerce de toda sua vida até então: o código de Harry, seu pai e mentor. Então, o que esperar da terceira temporada? Para aqueles que acompanham a série e estão ansiosos para saber o que está por vir nessa temporada, o produtor executivo da série, Clyde Phillips, nos conta que o código mantém-se constante na vida do personagem, assim como o seu pai, que não deixará de estar de alguma forma presente no subconsciente do filho. Mas agora o código evolui e toma mais o formato daquele que o usa, pois sem ele, Dexter talvez entrasse em um colapso que o faria perder-se e ser pego. Novos personagens também entram na trama da tumultuada vida do personagem. O mais influente deles será Miguel Prado, um promotor assistente da cidade de Miami, que logo no primeiro episódio se envolverá com Dexter de uma maneira mais intrínseca do que ele gostaria (ou imaginaria!). Outro personagem novo é Quinn, um investigador que entrou para compor o time após a morte de Doakes. Dizem que será o novo caso amoroso de Debra - e esperamos que dessa vez dê certo, pois a moçoila tem acumulado casos “matadores” ao longo da trama... Agora, o que os fãs da série mais aguardam é a tal surpresa misteriosa que o produtor promete que irá mudar para sempre a vida do nosso querido assassino. As especulações sugerem que Dexter vai ser pai - por mais absurdo que isso seja para esta cara que vos escreve.

16

Oras, se ele sofreu uma investigação daquelas na segunda temporada e passou ileso pois não tinham nenhuma prova ou evidência contra ele, não me parece cabível que ele se descuidaria logo com uma gravidez de Rita, que poderia facilmente ser evitada por ele com algum preservativo... Mas isso é só a minha opinião! Ainda correm boatos de que Dexter-pai seria uma nova versão de Harry, ensinando seu código de ‘ética’ ao herdeiro, com direito a flashbacks e flashforwards da linhagem Morgan. O que podemos prever de antemão, com certeza, é que este seriado vai fazer você grudar seus olhos na tela (seja ela do computador ou da TV), aguardar ansiosamente pelo próximo episódio e torcer incessantemente para que o mocinho acabe de vez com o bandido! Ou seria o bandido contra o bandido?

tielicn@hotmail.com


17


¬ PUSHING DAISIES

por Caio Werner

O doce prazer da morte

N

o dia 25 de Abril de 2001, começavam as seções do filme O Fabuloso Destino de Amélie Poulain na França, e as portas estavam, então, abertas para a criação do seriado Pushing Daisies. A série, do diretor Bryan Fuller, inspirada no filme de Amélie Poulain estreou no dia 3 de Outubro de 2007. Amor, destino, vida, morte, ciúmes, investigação; todos esses elementos compõem a história de Pushing Daisies. A série nos impressiona desde o começo, em sua abertura. Da expressão americana “to push up the daisies”, que significa estar morto e enterrado vêm o nome da série, aparecendo entre margaridas, girassóis, campos verdes e maravilhosos, tudo colorido com um nome de significado mortal. Essas cores trazem mensagens subliminares: o uso abusivo do amarelo, do vermelho, laranja e outras cores, nos remetem a sensações extasiantes e alegres, cada qual com seu significado, provado em estudos sobre psicologia da cor.

18

A história da série é intrigante: Ned, um confeiteiro de tortas, tem o dom de trazer as pessoas de volta a vida com um simples toque, porém, se tocar mais uma vez na pessoa, a mesma morrerá para sempre. Entretanto, se deixar a pessoa viva por mais de um minuto, outro ser vivo, que esteja perto, acabará morrendo. Ned tomou consciência de seus atos ainda criança: sua mãe morreu quando ele deixou uma mosca viva por mais de um minuto, mas reviveu-a. Porém, quando foi dar um beijo de boa noite em seu filho, tocou-o e acabou morrendo para sempre. Deixando sua mãe viva por aquela tarde, o pai de uma amiga muito querida de Ned, Charlotte Charles, acaba morrendo e Ned aprende os limites de seu dom. Já adulto, Ned é dono de uma casa de tortas que está falindo quando é descoberto pelo investigador Emerson Cod, que contrata Ned para resolver casos inexplicáveis, afinal, quem melhor para dizer quem o matou senão o próprio morto? A história começa realmente quando Ned precisa descobrir quem matou sua amiga de infância e dona de seu primeiro beijo, Charlotte, a qual ele chama de Chuck. Desesperado e ansioso pelo amor que sente a moça, ele deixa-a viva e outra pessoa morre em seu lugar. Ned e Chuck sentem um amor enorme um pelo outro, mas por ironia do destino, não podem se tocar. A garota entre na aliança entre o confeiteiro e o investigador, ajudando a desvendar casos absurdos e também contam com a ajuda da confeiteira Olive Snook, que trabalha com

Cena de bertura de Pushing Daisies


A confeiteira Olive cuida do cachorro Digby Ned e o ama escondidamente. Esse amor de Chuck e Ned é algo que há muito não se vê na televisão, não é um amor carnal e vivo como vemos todos os dias na televisão, mas um amor ingênuo e leve, pois o casal não pode se tocar. Pushing Daisies teve 9 episódios em sua primeira temporada, atrapalhada pela greve dos roteiristas, mas volta no dia 1º de Outubro de 2008 com 24 episódios em sua segunda temporada. Críticas positivas vêm sendo dadas a série que concorreu a dois importantes prêmios no último Emmy: melhor ator em uma série de comédia (Lee Pace – Ned) e melhor atriz coadjuvante em uma série de comédia (Kristin Chenoweth – Olive) e levando o prêmio de melhor direção por uma série de comédia. Seu formato é inusitado, com músicas e cenário estilo Amélie Poulain e lembrando os filmes do diretor Tim Burton, a série agarrou os corações de milhares de telespectadores com sua comédia leve e sua paixão grandiosa; o designer Michael Wylie disse que o que ele faz para série é transformá-la quase em uma ilustração, algo grande e mais brilhante do que a vida. A série passa nos Estados Unidos pela mesma rede que Lost, Grey’s Anatomy, Ugly Betty e outros, a ABC e reprisa atualmente sua pri-

meira temporada no canal de TV paga Warner Channel. Por experiência própria, digo que Pushing Daisies é apaixonante, os cenários, as cores, a trilha sonora, os roteiros e os impecáveis atores; trouxe um novo jeito de tratar o assunto de morte, com comédia e leveza, levando o telespectador a ter a oportunidade de viajar nos sonhos e ilusões que compõem essa grande série que é Pushing Daisies.

caio_w_g_mello@hotmail.com

O amor intocável de Ned e Chuck

19


Seção Flashback ¬ ARQUIVO X

por Thiago Bastos

A verdade está lá fora

F

oi com esse pensamento que o diretor/ criador/produtor/roteirista e idealizador da série Chris Carter lançou em 1993 uma das séries que viria a se tornar o grande fenômeno de ficção científica da década de 90: Arquivo X. A série, apesar de ser rotulada como ficção, também aborda outros ramos como ação, suspense, aventura, romance, investigação e até mesmo comédia. Arquivo X contava com um protagonista o ator David Duchovny, como o agente especial do FBI Fox Mulder - e uma atriz coadjuvante Gillian Anderson, como a agente especial do FBI Dana Scully. Com o passar do tempo, rapidamente a agente Scully passou a ser peça fundamental da série, sendo tratada também como protagonista. Mulder era formado em psicologia e era conhecido por seus amigos dentro do FBI como “Spooky Mulder” (Mulder assombrado) por seu estranho modo de pensamento que todos os casos em que trabalhava tinham um fundo paranormal ou ufológico. Mulder dizia ainda que, durante sua infância, sua irmã Samantha tinha sido abduzida por alienígenas e desde então nunca mais tinha voltado. Através da ânsia de encontrar a irmã é que ele tenta entender o que há de tão misterioso nos casos em que aborda. Já Scully é uma médica formada que larga a carreira na medicina para trabalhar no FBI. Com todo seu ceticismo de cientista, ela é designada pelos altos diretores da Agência de Investigação a trabalhar com Mulder e fazer relatórios mais plausíveis dos casos misteriosos aparentemente resolvidos pelo agente. Ao primeiro contato entre os dois surge

20

uma certa barreira por parte do agente, percebendo que sua nova parceira estava ali para desmerecer todo o seu trabalho. E este clima na verdade é amenizado durante o desenrolar da série. Logo em um de seus primeiros casos dentro da sessão do FBI designada a explicar mortes violentas e casos inexplicáveis, os agentes se deparam com uma base militar secreta. Em que encontram uma nave com tecnologia e aparência não-humanas. A partir deste ponto, o perfil dos dois agentes começa a ser mais claro: enquanto Mulder diz que a nave só pode se tratar de um objeto alienígena, Scully diz que nada mais era que o desenvolvimento de aviões com alta capacidade de espionagem feita pelo governo americano (que, durante a série, foi revelado como um dos grandes vilões, ocultando a verdade sobre fatos paranormais para própria proteção da espécie humana). Porém a série não tratava apenas de ETs e naves espaciais. Em alguns episódios os agentes se deparam com espécies de seres vivos não conhecidas, como uma espécie de inseto voador capaz de digerir seres humanos, ou ainda um fungo que se instala no sistema respiratório. Já outros casos envolvem religião (um dos assuntos sempre abordados), clonagem, projetos secretos, inteligência artificial, telepatia e clarividência, entre outros. Na segunda temporada de Arquivo X um fato inesperado acontece: a atriz Gillian Anderson fica grávida, e os roteiristas dão logo um jeito de afastar a agente Scully. Num episódio que se estabelece uma caçada a naves alienígenas, a agente é abduzida por engano, no lugar de outra pessoa. Dentro da nave, fazem experimentos com ela, e durante um bom tempo a agente


se encontra desaparecida. Esta foi uma fase de grande repercussão, pois afinal a maioria dos fãs esperava que Mulder, o agente que acredita e até tem desejo de ser levado por outros seres, fosse para a nave no lugar de Scully. Tempos depois a agente retorna sem nenhuma explicação, deixada em um local abandonada. Mais tarde ela descobre que afinal não foi abduzida e sim levada por pessoas dentro do governo que implantaram algo parecido com um chip em seu corpo para desmoralizar o trabalho do agente Mulder. A série originalmente foi feita para acabar em cinco temporadas. No final da quinta temporada, os diretores de grande escalão do FBI e do governo, ao verem que o agente Mulder está descobrindo coisas demais, decidem pôr um fim nas investigações inexplicáveis do FBI, culminando com o incêndio que leva embora todas as provas encontradas de que estes fatos paranormais realmente existiam. Bom, como na verdade tudo que é bom tem mais é que durar mais mesmo... É decidido continuar com a série. Isto com uma jogada que atraiu ainda mais fãs para a série: o Filme. Nele, que pode e deve ser encarado como um episódio da série, os agentes são designados a trabalhar com o setor do FBI que desvenda atentados terroristas. Em um desses atentados, um prédio é explodido. Durante a investigação, Fox observa que dentro do prédio, o FBI escondia provas da existência de corpos alienígenas e o agente, junto com sua parceira viajam em busca de respostas. Ao final do filme, o FBI decide reabrir seus arquivos X, pois assumem que ainda existe muito a se esclarecer. De volta à série, a sexta temporada é conhecida pelos fãs como a temporada mais engraçada de todas, e alguns episódios realmente tem um cunho mais descontraído do que o normal. Como o do triângulo das bermudas, em que Mulder é sal-

vo por um navio e dentro, se vê transportado para séculos atrás de distância. Neste episódio, ele conhece uma “Scully” de outra época e todos os principais personagens da série também aparecem... Na verdade são os seus tatatatatatatataravós. Ele dá um beijo em “Scully” e ela retribui com um soco no queixo. Outro episódio de destaque é o que o agente morre, porém este episódio falava de viagem no tempo e no fim, tudo volta ao normal.

FOX MULDER [DAVID DUCHOVNY]

21


A temporada seguinte mostrou o tão esperado beijo entre os agentes na virada de ano 19992000. Porém, se isso alegrou os fãs, outra notícia, culminaria no começo do fim da série: o afastamento do ator David Duchovny, que alegava estar muito preso a série e queria ser reconhecido por outros trabalhos fora o “agente Mulder”. Então como sumir com o personagem? Fácil: abdução. Afinal era isso o que Mulder sempre esperou desde o início de sua busca: a prova concreta de vida inteligente fora da Terra. O FBI então manda um novo parceiro para a agente Scully: o novato agente Doggett, interpretado por Robert Patrick. Este personagem, ao contrário do que muitos pensavam, foi bem aceito pelo público, claro com uma certa queda de audiência da série. Agora os papéis de cético e “assombrado” se invertem, já que a agente Scully, dentro de sete anos dentro dos arquivos X, acredita

DANA SCULLY [GILIAN ANDERSON]

22

em muitas coisas que seu parceiro só de pensar já ficaria com o cabelo em pé. E assim Doggett transforma-se no olhar científico da série, discordando muitas vezes de sua própria parceira. No final da oitava temporada a agente surpreende a todos dizendo: “Estou grávida!!!” E quem era o pai? Claro que era o agente Mulder. Na nona e última temporada a agente é afastada da investigação dos casos do FBI e é transferida para a sala de aula: ela é agora professora dos novos recrutas da agência. E uma nova personagem é apresentada: a agente Mônica Reyes (Annabeth Gish). Mulder e Scully continuaram aparecendo ocasionalmente na série (neste ponto ele já tinha sido trazido de volta pelos homenzinhos verdes). Porém o fato de os arquivos X serem investigados por dois outros agentes nunca agradou muito aos fãs. E a série acabou sendo encerrada na nona temporada com o episódio especial intitulado “A Verdade”. E termina com Mulder e Scully juntos no último episódio. Com todos os altos e baixos ficam as saudades de uma das séries mais precursoras do gênero de investigação e ficção científica da década de 90 e início dos anos 2000 que deu origem ao gênero de investigação de casos paranormais que acompanhamos até hoje em séries como “Supernatural”, “C.S.I.”, “House”, “Medium”, “LOST” e até mesmo a novíssima série “Fringe”, criticadas por muitos como uma cópia da série dos agentes, já que aborda a história de uma investigadora e seu parceiro que se deparam com fatos inexplicáveis e tentam explicá-los. O futuro da série nos aguardava ainda surpresas. Uma delas ocorreu recentemente com o filme “Arquivo X – Eu Quero Acreditar”. Válido para rever os agentes com a mão na massa de novo, porém ainda longe dos altos tempos da série. Para os que são fãs, e para aqueles que ainda virão a ser, a série - e os personagens - sempre estarão nos nossos corações.


¬ LOST

por Luana Coelho

Estações Dharma: A Chama

A

Chama, estação de comunicação da Iniciativa DHARMA, era dividida em três ambientes: área externa, área interna e subsolo, e localizava-se, aparentemente, próxima à divisão de um rio em duas partes. Na parte externa da estação havia somente um celeiro para o gado, já na interna, existia uma área doméstica, um local para depósitos, e uma sala onde se encontrava um misterioso computador. Na sala principal, via-se um tapete que escondia uma passagem que levava ao subsolo, onde havia manuais de orientação e mais um depósito. A sala estava programada para autodestruição através de alguns explosivos existentes no subsolo da mesma. No momento em que Locke inseriu o código “77” no computador da estação, iniciou-se uma contagem regressiva para autodestruição, o que aconteceu instantes depois de Kate e Locke saírem do local. No lado de fora da estação, mais especificamente no telhado da casa, havia uma antena para comunicação com o mundo exterior, no entanto a mesma não estava em funcionamento. Havia também um grupo de alto-falantes com um poste de luz, não se sabia o porquê de estarem ali, nem se estavam funcionando, apesar de que na mensagem gravada por Marvin Candle era indicado que tanto o satélite quanto o sonar estavam inativos. Na sala de estar, Mikhail Bakunin mantinha-se de guarda e foi descoberto por Locke, Kate, Sayid e Danielle. Havia no ambiente um pôster de Nadia Comaneci, ginasta romena ganhadora de uma medalha de ouro, Mikhail afirmou que nomeara seu gato em homenagem à ginasta. Coincidentemente ou não, Nadia uniu-se a uma academia de ginástica chamada “A Chama” em 1967. Na sala dos computadores, havia uma máquina com um jogo de xadrez em sua tela, o qual protegia o acesso manual para algumas funções do computador. A vitória no jogo resultava na exibição de um vídeo que falava sobre o menu

da máquina. O sistema do computador contava com uma série de códigos numerados: 24 – Suprimentos. 32 – Ativar o uplink da estação. 38 – Acessar comunicação com o mundo exterior. 56 – Acessar o sistema de sonar. No caso de haver uma tentativa de comunicação com o mundo exterior, no momento em que o sistema estivesse inoperável e, após isso, houvesse a tentativa de acessar o sonar da estação, quando o mesmo também estivesse inoperável, um novo menu surgiria oferecendo a seguinte opção: 77 – Reportar a invasão pelos elementos hostis. Esse código ativava a contagem regressiva que resultaria na autodestruição da estação, através dos dispositivos explosivos C-4 existentes em sua área subterrânea. Luh_coelho_s2@hotmail.com

23


¬ NIP/TUCK

por Thiago Bastos

A beleza é uma maldição

N

ip/Tuck é uma série que acompanha a vida de dois cirurgiões plásticos: os doutores Sean McNamara (Dylan Walsh) e Christian Troy (Julian McMahon). O que diferencia a série de outras do gênero são os temas abordados com um alto grau de dramaticidade como obsessão por beleza, traição, homossexualidade e cenas quase que explícitas de sexo. Durante a série podemos acompanhar o desenrolar da vida dos dois amigos e parceiros de trabalho. Sean é o cara sério, pai de família, com um casal de filhos e com esposa perfeita. Com o desgaste da relação, o relacionamento dos dois vai-se acabando. Já Christian é o galã bem de vida que só quer saber de mulheres, dinheiro e sexo, não necessariamente nesta ordem. A relação dos dois, porém, é abalada quando o Sean descobre que seu filho mais velho é na verdade fruto de um relacionamento de sua mulher com o amigo Christian que ocorreu antes do casamento. Um dos temas freqüentemente abordado pela série é a violência. Exemplo disso é o episódio em que um gangster manda os doutores desfazerem todas as plásticas que o cafetão pagou para sua mulher, como lábios, seios, lipo e tudo mais... E os cirurgiões fazem isso com armas apontadas para suas cabeças. Em relação à homossexualidade, o próprio doutor Christian se pega apaixonado pelo colega de trabalho e isso o deixa mais confuso ainda. A partir deste momento ele começa a freqüentar uma psicóloga que diz que na verdade ele não está simplesmente apaixonado pelo amigo, mas sim que a vida “certinha” do companheiro de trabalho lhe inspira como se fosse um sonho inalcançável. Na terceira temporada surge um ícone da série o “talhador”: um maníaco mascarado que segue e esfola suas vítimas, todas elas muito bem selecionadas, já que eram sempre

24

pessoas belíssimas que já tinham passado por uma intervenção cirúrgica. Um dos principais suspeitos de ser o talhador era o próprio doutor Troy, já que em muitas vítimas era encontrado seu cartão de trabalho. O doutor chega a se entregar, porém seus amigos e os próprios telespectadores se perguntam se seria ele mesmo. É claro que o final dessa parte da saga você acompanhará na série. Uma das participações mais chocantes é da personagem Ava (Famke Janssen), uma mulher que tinha sido casada com um cirurgião plástico. Mais tarde descobre-se que este cirurgião tinha um amigo de trabalho que o amava, porém como ambos eram homens, este relacionamento não iria acontecer. Então este seu amigo decide fazer a cirurgia de troca de sexo para os dois ficarem juntos e ficam. Pois este era o passado de Ava. Eles adotam uma criança como filho. Mais tarde descobre-se que o motivo de os dois não estarem mais casados era uma traição de Ava: ela tinha relacionamentos sexuais com o próprio filho menor de idade já que como o pênis do filho era menor que o do marido, não a feria. Essa foi mais uma das épocas mais perturbadoras da série. Com o fim da quarta temporada, o doutores mudam-se para Hollywood e estabelecem seu novo consultório. Lá, são convencidos por um canal de TV a se deixarem ser filmados com o intuito de realizarem um Reality Show de suas vidas, tanto pessoais quanto profissionais. A série atualmente está em sua quinta temporada e a previsão é de no mínimo sete, já que se pode contar também que a é recordista em audiência em seu horário no canal FX dos estados Unidos. Se você procura uma série perturbadora e intrigante, não tem medo de sangue e agüenta bem dramas psicológicos, delicie-se com Nip/ Tuck. professornasa@hotmail.com


25


PEDRO ARAUJO DIRETO DO “BLOG NA TV”

P

edro Araujo, carioca, mas mora em São Paulo desde 2001. Formado em publicidade pela ESPM, atualmente trabalha com Planejamento Digital na LongPlay 360. Amante da internet, tecnologia, esportes, bares e amigos. Season - Como e quando você integrou a equipe do “Blog na TV”? Pedro - Desde a sua criação em abril de 2007. Junto com a Gisele, sou co-fundador do Blog NaTV. Éramos conhecidos da comunidade Lost no Orkut. Eu fazia todos os meus comentários sobre episódios lá e participava ativamente dos tópicos. A Gisele, nessa mesma época já estava matutando a idéia de criar um blog sobre seriados. Como muita gente na comunidade era fã dos meus comentários - ela inclusive - foi feito o convite para que eu pensasse em participar de um blog. Aceitei e a partir daí fomos tocando tudo juntos: nome, layout, temas... Desde então, a Gisele é mais focada na produção de conteúdo, além de ser a editora da equipe de comentaristas; e eu me divido entre produção de conteúdo também e a parte técnica do site, que aí envolve layout, plugins, programação, divulgação etc. além de atuar na prospecção de parcerias para o blog. SE - O que te levou a isso? PA - Queria compartilhar com mais e mais pesso-

26

as os meus comentários sobre Lost, mostrar outras leituras e dinâmicas sobre essa série. Ainda mais que eu não concordava com algumas coisas que outros blogs já existentes diziam. Aceitei a oportunidade para poder falar sobre outras séries que eu gostava também. Tendo um blog e chamando os outros fãs das diversas séries pra comentar conosco, era algo mais fácil do que ir publicando de comunidade em comunidade no orkut, como eu fazia antigamente. Além disso, o blog reuniria num mesmo local também, os fãs de diversas séries, criando uma comunidade ativa de debates. SE - Era uma equipe desde o início ou você e a Gisele Ramos criaram e depois a equipe foi formada? PA - No início, éramos somente nós dois. Porém, é humanamente impossível que apenas duas pessoas consigam assistir e comentar sobre todas as séries, além de equilibrar isso com vida profissional e pessoal. Dessa forma, fizemos uma campanha entre nossos leitores e em várias comunidades do Orkut, convocando os fãs de séries que não eram comentadas no Blog NaTV, para que eles mesmos o fizessem. Tivemos um retorno bem positivo. Após uma seleção entre os candidatos, várias séries novas entraram no por-


tfólio do blog graças a essa equipe que foi criada de novos autores. Hoje a equipe é mais enxuta, mas estamos bem contentes com o resultado. Estamos pensando ainda na possibilidade de fazer um novo recrutamento.

em São Paulo, e que em breve deve trazer mais novidades aí. SE - Qual seu seriado preferido e o que mais lhe chama atenção nele?

SE - Algum dia imaginou que o site toma- PA - Essa é fácil. Dexter! Eu tinha Lost como ria à proporção que tem hoje, tendo esse série favorita, mas tive que dar o braço a torcer. grande fluxo de acessos? Como se não bastasse o enredo que é ótimo e a interpretação impecável de Michael C. Hall, a PA - Sim. Pra falar a verdade, ainda nem che- série desse psicopata que todos adoramos tem gamos onde imaginamos que podemos estar. Ti- algo que pouquíssimas séries hoje em dia têm: vemos um crescimento bem rápido. E reconhe- um roteiro amarradinho, episódio a episódio, cimento também. Com com trama bem disapenas um ano de tribuída ao longo da existência, já estávatemporada, sem aquemos entre os três blogs les famosos “episódios mais acessados sobre enrolação”. Eu sempre séries do Brasil (que destaco também que não estão hospedados as temporadas são sob nenhum portal), excelentes, pois elas sendo que esses dois à se fecham em si prófrente e muitos outros prias, como se cada já têm muito mais temuma fosse uma série po de estrada. Desperdiferente. É uma série tamos o interesse de literalmente afiada! anunciantes, que nos procuram para divulgar SE - De todas as sésuas séries, produtos ries que você acome promoções, além do panha, existe um Yahoo, que nos selepersonagem precionou para seu projeferido? Algum que to, o Yahoo! Posts. você fica maravilhado em ver interSE - Quais seus planos para o futuro? Pre- pretar? tende incrementar o site com mais algumas novidades? PA - Benjamin Linus. Mestre da persuasão e dissimulação, Ben é um personagem daqueles que PA - Como disse anteriormente, sabemos que dá gosto de ver. Foi juntamente com Desmond, a há um potencial enorme a ser explorado ainda mais rica aquisição de Lost após a primeira teme estamos trabalhando para que o Blog NaTV porada. Seus diálogos são sempre os melhores possa crescer mais e mais. Temos sim alguns da série. A interpretação de Michael Emerson é projetos em mente, como uma possível seleção digna de Emmy, embora não tenha ainda recebide novos colaboradores, algumas melhorias no do nenhum, mesmo após duas indicações conseconteúdo, uma pesquisa para saber dos leitores cutivas. suas críticas, dúvidas, sugestões, além de estar sempre buscando novas parcerias para o blog, SE - Fizemos atualmente uma matéria sobre inclusive uma que está pra vir logo mais, com o legendas free que, não são ilegais. Como blog Teorias Lost. Temos ainda a Iniciativa Lost, você vê esse trabalho? Qual sua relevância que realizou o Dharma Day no mês de setembro dentro do mundo dos seriados?

“As pessoas que baixam as séries são formadores de opinião, ajudam a série a ficar conhecida, despertam a curiosidade de quem tem TV paga. E é um processo irreversível, a TV tem que se acomodar a isso.”

27


PA - “As pessoas que baixam as séries são formadores de opinião, ajudam a série a ficar conhecida, despertam a curiosidade de quem tem TV paga. E é um processo irreversível, a TV tem que se acomodar a isso.” Sim. Aspas, pois apesar de ser exatamente esse o meu pensamento, quem disse isso foi ninguém mais ninguém menos, que o diretor de um dos maiores canais de TV paga do Brasil, Paulo Barata, do Universal Channel. Sem as legendas, essa rápida e gigantesca propagação das séries pela internet não seria possível. Graças a nós, os tradutores, sincronizadores e revisores, milhares de fãs podem acompanhar suas séries favoritas, sem o martírio de esperar anos até que os canais de TV tragam esses seriados para cá. Além disso, por mais que as equipes de legendas sejam denominadas amadoras, elas trabalham com muito mais profissionalismo e dedicação. As legendas feitas pelos fãs são melhores, mais fiéis e não somem do nada ou aparecem como “ia6klbkaeptjju3fffffffffyyyyy...”, como tem acontecido (e muito!) nos canais da TV a cabo.

é um erro grave. É óbvio que a audiência na TV está caindo, mas não só por causa das pessoas que desistem da série, esses são uma parcela pequena. Lost tem uma legião de fãs que são fiéis. Ocorreu que a forma de assistir a série é que mudou. As pessoas agora podem baixar da internet, podem gravar e assistir na hora que quiser com sistemas como o TiVo, podem comprar pelo iTunes ou em DVDs. Houve migração dos meios, graças ao avanço das tecnologias. Lost perdeu audiência, como qualquer outra série também perde com o passar do tempo, mas seu sucesso é indiscutível, visto que mesmo quando não está no ar, as pessoas não param de falar sobre essa série. SE - Qual maior mistério em Lost e quando você gostaria de vê-lo revelado?

PA - Não creio que exista “o maior mistério”. Lost é uma soma deles. A Dharma, Ben, Widmore, a Oceanic, o avião plantado no fundo do mar, a ilha... É como um grande quebra-cabeça, onde os mistérios estão todos unidos e um completa SE - Algumas pessoas dizem que os rotei- o outro. ristas e produtores estão se perdendo diante do emaranhado de mistérios e ligações SE - Qual seu personagem preferido e qual que aparecem a cada episódio, o que acha sua relevância dentro do grupo dos sobredisso? viventes? PA - Eu diria que essas pessoas são um bando de chatas. Lost é uma série de mistérios. Se tirar os mistérios, sobre o quê? Discordo totalmente dessa opinião. Temos sim novos mistérios surgindo, mas também várias respostas já vieram e essas pessoas simplesmente fecharam os olhos pra isso. Lost é uma série para pessoas inteligentes; como não conseguem comentar com embasamento, apelam pra essas críticas infundadas, apenas com intenção de causar polêmica e aparecer.

PA - De novo, Benjamin Linus. A sua relevância dentro do grupo dos sobreviventes é total, principalmente para Locke, pois embora ele não seja um nativo da ilha – apesar de ter dito isso – é o cara que mais entende todos os mistérios da ínsula. E praticamente todas as ações dos sobreviventes do vôo 815 são influenciadas por Ben. É aquela coisa que Alex nos contou na terceira temporada: “ele faz você agir pensando que essa é a sua vontade, mas na verdade é a dele.”

SE - Quem você gostaria de ver “morto” por SE - Dentro desse conceito, você acredita não fazer um papel que realmente traga inque Lost esteja realmente perdendo audi- teresse aos telespectadores? ência desde a primeira temporada ou acredita que a cada episódio fica ainda mais in- PA - Morto? Acho que ninguém, mas queria que crível vê-lo? alguém não tivesse morrido: Rousseau. Acho que ela fará falta. Mesmo que ela ainda volte à série PA - Levar em conta apenas os números da TV em flashbacks, creio que ficou faltando falar muiamericana para considerar a audiência de Lost ta coisa sobre ela. Fora que era uma personagem

28


minha opinião, seria fantástico se no final da série, em vez de ir respondendo os mistérios um a um, a série nos desse uma resposta única que fosse uma dica de como solucionar todos eles, e nós telespectadores termos que ir voltando e achando as respostas de cada um desses mistérios. Isso nos possibilitaria uma experiência úniSE - O que espera das últimas duas tempo- ca, ao assistir a série inteirinha novamente, mas radas que teremos pela frente? sob uma perspectiva completamente diferente. especial, pois aparentemente ela é a única que esteve na ilha sem ser da Dharma e nem dos Hostis (que depois ela própria criou o termo “outros”). Inclusive ela estava na ilha na época da purgação, mas partiu sem nos dar a sua versão dos fatos.

PA - Gostaria que as próximas temporadas fossem um mix explicando mais sobre Charles Widmore e sua obsessão pela ilha e a saga de Ben e Jack tentando convencer os demais a retornar à ínsula misteriosa. Não sei, mas arrisco dizer que eles conseguirão. Talvez Ben não consiga, já que a ilha não permitiria, pois ele a moveu, mas os Oceanic 6 sim. Afinal, eles ainda precisam resgatar os demais que ficaram na ilha. E claro, explicar como Locke morreu.

SE - Por fim, deixe uma mensagem para todos aficionados por Lost e séries em geral que acompanham seu trabalho no “Blog na TV”.

PA - Caros fãs de Lost e leitores da Revista Season, nunca se esqueçam que somos seres privilegiados. Gostar dessa série e entendê-la em seus mínimos detalhes é para poucos. Continuem acessando o Blog NaTV para saber de todas as novidades e comentários sobre essa e outras séSE - O que gostaria que ocorresse no final, ries. E não percam o próximo Dharma Day. Assim que tivermos mais informações, elas serão no último episódio? amplamente divulgadas. Grande abraço a todos. PA - Não me aventuro a escrever um roteiro de Namastê! como eu imagino que possa acontecer, mas em

¬¬

Mestre da persuasão e dissimulação, Ben é um personagem daqueles que dá gosto de ver. Foi juntamente com Desmond, a mais rica aquisição de Lost após a primeira temporada. Seus diálogos são sempre os melhores da série.

¬¬

29


É CRIME

LEGENDA

Q

?

R

uer assistir um episódio novo de uma nova série, ou de uma série que você acompanha há tempo, um filme que ainda não está nas locadoras? Mesmo o idioma original não sendo o português, pode procurar meu amigo: certamente vai haver uma legenda para você. Por trás desta legenda, pessoas com perfis bastante diversos. Na maior parte das vezes, gente com não mais de 20 e poucos anos, com muitas horas de sono perdidas, trabalhando em grupo, mas cada um no seu silêncio - e não recebendo um centavo pelo trabalho. Tudo isso por quê ? Por que são fãs das séries, por que é um desafio interpretar um texto para a sua língua, por que dá orgulho ver o seu nome (na grande parte das vezes nicknames) atrelado a algo de qualidade, e admirado por muitos. Até aqui, tudo muito lindo. Ameaças rondam de tempos em tempos os sites de legendas, nivelando a legendagem gratuita à invasão de um computador de uma rede bancária. Foi aprovado em 10 de julho deste ano um projeto de lei substitutivo proposto pelo senador Eduardo Azeredo que tipifica e criminaliza diferentes tipos de ação criminosa em redes privadas ou públicas de computadores. Nesse projeto, a legendagem especificamente não está incluída. Trocando em miúdos, aparentemente quem usa o computador para o bem, nada tem a temer. Mas não é bem assim. Atrela-se a legendagem gratuita a pirataria. É justo se voltar contra redes on-line de jovens tradutores que se

30

Kelli Souza Janssen Barufe

unem pelo prazer de legendar seus seriados favoritos baixados da internet porque estes demoram meses para chegarem no Brasil ? As chances da lei contra os crimes cibernéticos assustar quem mantêm esses sites e fechar seus endereços para sempre é alta. Mas todos sabemos que movidos pelo mesmo desafio, outros sites pipoquem na internet na mesma velocidade que outros teriam sido fechados. É uma bola de neve, que não derreterá nunca... porque se fosse assim, os sites que disponibilizam as letras das musicas deveriam ser fechados também...ou não? Não seriam “legendas” para as letras das músicas? Afinal de contas, traduzir um texto para o seu idioma é crime? É, minha gente... bom era o tempo que se emprestava livros para os amigos lerem de graça (sim, ele não pagou os direitos ao autor como você), gravar aquele filme de madrugada no videocassete, assistir e emprestar para o vizinho, ou ir à loja de discos e gravar fitas K-7 com as seleções preferidas e escutar bem feliz no seu carro, sem ter medo de ser taxado de “pirata”, e correndo o risco de levar um cutucão de cacetete no ombro.

LEGENDERS

E M I R C É O Ã N R A D LEGEN

Texto Design

diabollyn@hotmail.com

CRIMES CIBERNÉTICOS


¬ BAND OF BROTHERS

por Luigi Fontenelle

Companhia de heróis

Muita gente não conhece este seriado, mas é muito bom, interessente e passa a entender os sentimentos dos soldados naquela época, muita gente quer guerra ou dizem que queriam estar na segunda guerra mundial, pois eu diria não à guerra e nem queria estar lá. Para quê? O que eu vou ganhar com isso? Na verdade meus amigos vou apenas perder, e perder muitos por causa de uma guerra? Imagine, você consegue fazer amizade com cinco soldados e viraram praticamente irmãos um ajudando ao outro e derrepente todos os seus amigos morrem com planos de voltar para casa, você iria se sentir sóbrio, solitário, abandonado sem ninguém ao seu lado. Sobre o Band Of Brothers...um Major chamado Richard Winters da Companhia Easy, 506º, Regimento da 101ª Divisão de pára-quedistas do exército norte-americano, que está vivo até hoje e carrega um fardo muito pesado por seus amigos morrerem na guerra, Richard é um dos mais idolatrados pelos EUA, mas o que é mais emocionante é uma frase que o neto perguntou a ele uma vez: “Vovô você foi um herói na guerra? Vovô disse - Não..... mas eu servi numa companhia de heróis.” Isso que fico impressionado com os sobreviventes, de não estarem sastifeitos por seus entes queridos terem morrido na segunda guerra mundial, isso mostra um, tamanho imenso, de valor por seus amigos, imagine a consciência de Richard como deve estar hoje em dia, vivo até hoje quase todos os seus amigos mortos. Vamos falar um pouco sobre o Capitão Herbert Sobel, muitos o julgaram pelo fato de ser medroso e confuso, mas quem fez a Companhia Easy? Sobel. Quem treinou-os? Sobel. Quem deixou os soldados mais atentos em suas missões? Sobel. Por fim Herbert Sobel fez a companhia Easy, mesmo confuso não sabendo fazer a sua estratégia como Richard Winters sabia, mas Sobel não desmonstrou nenhuma fraqueza qualquer, era durão com os soldados e quanto

aos soldados odiarem ele, ai vai mais um estado mental sobre a disciplina, Sobel era durão por que? Para fazerem tudo o que ele mandava e chegar no tal horário do treinamento em ponto, se não chegassem iria ser punido, se Sobel fosse ao contrário, bonzinho todos iriam aproveitar dele, “Ah ele é bonzinho se eu chegar dez minutos ele não vai fazer nada comigo por que ele é bozinho.” O que é que os soldados iriam aprender se Sobel fosse gente fina? Iriam ser tudo relaxado e desligados. Imagine se você fosse um médico da companhia? Ainda mais em Bagstone, você está em uma trincheira e derrepente escuta o seu chamado, você está lá congelando de frio e vai ter que se levantar no meio de um bombardeio de morteiro e tiros para socorrer um soldado, tudo bem você conseguiu passar da fase de tiros e bombas, mas e agora o soldado vai fazer ele sobreviver de certeza? Tem alguns que você conseguirá salvar e muitos não, mas como você não gostaria de falhar com nenhum deles, imagine como seria seu estado psicológico hoje em dia, arrependido por não ter conseguido salvar os soldados. Isso que digo meus amigos, vocês podem até gostar da guerra na hora, mas estarão preparados para a consequência? Os soldados da companhia Easy: Capitão Lewis Nixon (1918-1996), Filho dos donos da empresa Nixon Nitration, teve problemas com alcoolismo durante a guerra, após a qual consegue livrar-se do vício, casa-se várias vezes até encontrar Grace (descendente de asiáticos), com quem viveu até o fim de seus dias. Major Richard Winters (1918-), nasceu em Lancaster, Pennsylvania. Após a guerra, trabalha na Nixon Nitration (empresa dos pais de Nixon ) até o dia em que abre seu próprio negócio, uma inovadora ração para animais. Capitão Ronald Speirs (1920 - 11 de Abril de

31


2007), nasceu em Edburgh, Escócia, Reino Unido. Tornou-se militar de carreira após a guerra, tornando-se diretor da prisão Spandau, na Alemanha. Chega ao posto de Tenente-Coronel antes de ir para a reserva.

de Junho de 2003), nasceu e foi criado em Rector, Arkansas.

Capitão Herbert Sobel (1912-1987), nasceu em Chicago, Illinois. Após a guerra, deu baixa e guardou mágoa dos integrantes da Easy Company, tendo se recusado a participar dos encontros anuais, apesar dos vários convites. Suicidou-se em 1987.

Segundo Sargento John Martin, (1922-2005), nasceu em Columbus, Ohio, morreu em 2005. Após a guerra voltou para seu emprego na ferrovia, depois tornou-se empresário e enriqueceu.

1° Tenente Lynn “Buck” Compton (1921-) 2º Tenente C. Carwood Lipton (1920-2001), nasceu em Huntington, West Virginia. Cabo Joseph Liebgott, (1915–1992), motorista de táxi em São Francisco antes e após a guerra. 2º Sargento William “Wild Bill” Guarnere. (1922-), nasceu em South Philadelphia, Pennsylvania. 1° Tenente Harry Welsh (1918-1995), de Luzerne County, Pennsylvania. Após a guerra, casa-se com Kitty Gorgan e torna-se diretor de uma escola. SFC. Donald Malarkey (1921-), nasceu em Astoria, Oregon. Sargento Denver “Bull” Randleman, (1920 – 26

32

Sargento Warren “Skip” Muck (morto em 1945, em Bastogne)

Cabo Eugene “Doc” Roe, enfermeiro (1921– 1998), nascido em Bayou Chene, Louisiana Donald Hoobler ( morreu em 1945, nas Ardenas, após ser atingido por um disparo da Luger que levava no cós das calças. ) Cabo Edward “Babe” Heffron (1923-) Primeiro Sargento Floyd “Tab” Talbert (1923– 1982) Walter “Smokey” Gordon Cabo Myron “Mike” Ranney (após a guerra continuou no exército, tendo servido nas forças especiais até reformar-se. Faleceu de câncer em 1988)

Cabo Albert Blithe (1923–1967)


Segundo Sargento Darrel “Shifty” Powers (1923) Cabo Lester “Leo” Hashey(1925–2002) Coronel Robert F. Sink (1905-1965) Cabo Robert “Popeye” Wynn (1921–2000) Alex Penkala (morreu em 1945, atingido por disparo da artilharia, juntamente com Skip Muck) Sargento Burton P. “Pat” Christenson (1922– 1999) Cabo Alton Moore (1920–1958) Sargento Charles E. “Chuck” Grant (1915–1985) Matt Hickey como cabo Patrick O’Keefe (1926– 2003)

Cabo Allen Vest (1925–2001) Antonio C. Garcia (1925–2005) Joseph Ramirez Segundo Tenente Jack E. Foley (1922- ) Cabo Wayne A. “Skiny” Sisk (1922–1999) Cabo Roy Cobb Cabo Earl “One Lung” McClung (1923- ) 1° Tenente Thomas Meehan III (morto em 1944) 1° Tenente Norman Dike (Após a campanha nas Ardenas, Norman Dike tornou-se ajudante de ordens do General Maxwell Taylor.)

Cabo James Miller ( morreu em 1944, na Holanda Segundo Tenente Henry Jones (morto em ) 1947.) James H. “Mo” Alley, Jr. (1922- ), nativo de Mount Ida, no Arkansas. Cabo John A. Janovec ( morreu em 1945, na Alemanha, em um acidente automobilístico, quando a guerra na Europa já havia acabado. )

magoblazer@hotmail.com

33


¬ LOST

por Rogevan Santos

Oráculo de Desmond

I

ntrigante... Sem dúvida essa é uma das palavras que melhor define a série Lost e seus personagens. Um a um eles foram revelando-se ao público e nos envolvendo em suas histórias de vida dentro e fora da

questionar-se sobre o que seria realmente melhor, interferir ou não no futuro. Façam suas apostas, procurem pistas, o final tão enigmático pode estar bem perto de seus olhos ou de seus ouvidos. ilha. O Oráculo de lost anuncia... Grandes reveUm desses personagens é o Desmond. Ele lações vêm por aí!!! é o visionário, literalmente! Ele chegou e disse a que veio, é o profeta do apocalipse da ilha e sem rogevansantos@uol.com.br trocadilhos, sabe exatamente antes dos demais o que vai acontecer. Pensando bem, o dom que o Desmond carrega exerce um fascínio sobre nós os meros mortais. Afinal, qual de nós nunca se imaginou dono desse dom? O de ver aquilo que ninguém ainda nunca viu? Desmond tornou-se interessante quando saiu correndo de repente e salvou Claire das águas, e, logo em seguida protegeu com o taco de golfe a cabana onde Aaron dormia de um raio fulminante que viria logo em seguida, e, que só Ele viu antes...Assistimos seu flashback e então entendemos que tratava-se de um profeta. Na Grécia antiga, as pessoas visitavam o oráculo de DELPHOS para saber do futuro, uma espécie de embrião do exoterismo dos dias atuais. A Bíblia diz que o profeta era na essência da palavra, a boca de Deus na terra, era o responsável por alertar o povo e até ao Rei, que não raro o visitava e dele ouvia conselhos. Sem trocadilhos ou comparações com o livro sagrado, Desmond não seria um personagem chave dando pistas seguras e confiáveis sobre o final dessa trama? Creio que não custa nada aos mais desavisados olharem com maior interesse pra esse personagem. Já sabemos que Lindelof tem essa capacidade e essa faceta, a de deixar pistas importantes ao longo da série. Será que desmond sabe o final de tudo? Eu não me surpreenderia se Desmond fosse o emissário de Lindelof, ou omaior deles... Vale sempre ressaltar que para o personagem em questão esse dom não algo tão bom assim, seus conflitos de consciência o levam a

34


¬ CAPA

Lost x Prison Break x 24 Horas, saiba porque fazem tanto sucesso

O

que podemos esperar de uma grande série de TV? Que seja bem aceita pelo público, conseqüentemente com um grande nível de audiência e que futuramente vença prêmios importantes se “graduando” no âmbito televisivo. Porém, esse sucesso dificilmente é alcançado sem que haja grandes investimentos na produção e principalmente em elenco – obviamente um bom roteiro e estória também são relevantes. Agora, pensemos em três seriados atuais que arrastam multidões, pessoas fanáticas que viram as madrugadas na espera de um novo episódio que, praticamente está disponível simultaneamente ao canal de TV onde é exibido. Lost, Prison Break e 24 Horas já são fenômenos de acolhimento pelo público. Lost caminha para sua quinta temporada que estreará provavelmente em janeiro de 2009 exibido pela ABC, Prison Break estreou sua quarta temporada no dia 01 de outubro de 2008 exibido pela FOX e 24 Horas que caminha para sétima temporada e estreará em janeiro de 2009 também pela FOX. Aparentemente as três não têm muito em comum quanto ao conteúdo que apresentam, Lost retrata a “luta” dos sobreviventes no vôo 815 da Oceanic que caiu numa ilha com propriedades um tanto quanto exóticas. Já Prison Break e 24 Horas tem algo em

comum, na maioria das vezes as situações envolvem o Governo, suas armações ou armadilhas, porém enquanto Michael Scofield e Lincoln Burrows fogem para provar sua inocência, Jack Bauer luta incansavelmente contra o terrorismo. AUDIÊNCIA / PÚBLICO Um seriado, filme, telejornal ou qualquer outra coisa que seja transmitida necessita invariavelmente de público, de audiência. Então , se o público sente-se insatisfeito, irá parar de acompanhar o show e conseqüentemente os produtores terão um problemão para realinhar o rumo e o fluxo da trama. O público engloba a faixa etária dos telespectadores, um fator relevante, pois os produtores podem alterar e conduzir a trama de forma que possa atrair tanto público adulto quanto adolescentes ou até infantil, mas obviamente não se pode alcançar a todos tendo em vista que procuram por assuntos e diversão de forma diferenciada. A quem diga que Lost vem perdendo audiência devido ao infindável número de mistérios não resolvidos e agora mais recentemente há rumores de que Prison Break possa ser cancelado devido ao baixo nível de audiência, o que pessoalmente acredito ser muito improvável, mas vamos aos números:

24 HORAS

LOST

PRISON BREAK

6 temporadas 144 episódios Exibido em 54 países Público média de 49 anos Audiência 69,31 milhões nas 6 temporadas exibidas

4 temporadas 83 episódios Exibido em + de 70 países Público média de 43 anos Audiência 59,39 milhões nas 4 temporadas exibidas

4 temporadas 63 episódios Exibido em + de 40 países Público Audiência 30,40 milhões nas 3 temporadas exibidas

35


ORÇAMENTO Vivemos num mundo capitalista em que, muitas coisas que precisamos fazer requerem gastos. Com os seriados ou filmes, não é diferente, milhões são investidos para que se possa fazer uma mega produção e ter um grande retorno. Eis que surge um grande abismo, como saber e o investimento terá o retorno esperado ou até mesmo supere isso? Infelizmente não se pode prever a aceitação do público, o risco de se ter um enorme prejuízo é inevitável. Esse risco pode se transformar num fracasso capaz de destruir a carreira de um produtor ou quem quer que esteja envolvido e pior ainda “sujar” o nome da empresa no meio televisivo, fazendo com que perca obviamente credibilidade. Uma curiosidade, a rede ABC não andava bem das pernas e teve um grande impulso quando lançou o seriado Lost juntamente com Desperated Housewifes, os níveis de negócios atingiram marcas sem precedentes com publicidade e o grande investimento em marketing. ELENCO Os personagens (atores) são a “cara” do show, literalmente dão vida ao roteiro e a trama, produzidos pelos roteiristas e materializados pela equipe em geral. Filmagem, cenário entre outros aspectos são focados direta e indiretamente na desenvoltura dos atores. Por este motivo é fundamental que, o responsável pelo núcleo dos personagens estude e selecione a pessoa idela para cada interpretação. Vejamos 24 Horas, é tamanho sucesso do ator Kiefer Sutherland que por onde vemos seu rosto certamente associamos à série, sem dúvida criou-se uma identidade e isto é fascinante tanto para vida profissional do ator quanto para própria marca da emissora de TV. Lost não foge a isso, porém há uma diferenciação, não se pode conside-

36

rar - pelo menos por enquanto - um personagem principal onde a estória se focaliza no mesmo. A árvore genealógica, digamos assim, do elenco tem muitas ramificações, no entanto, os artistas, principalmente do grupo que “mais aparece” interpretam seus papéis brilhantemente. Destaco especialmente o infalível Benjamin Linus (Michael Emerson), o doutro Jack Shephard (Matthew Fox), a fugitiva Kate (Evangeline Lilly), o dude Hurley (Jorge Garcia), Sawyer (Josh Holloway), Sayid (Naveen Andrews), enfim, apesar de “desconhecidos” até então acredito que o seriado não seria o mesmo sem essas grandes figuras. Em Prison Break vemos a trama focalizada

LOST Estima-se entre 10 e 14 milhões o dinheiro gasto no episódio piloto que foi o mais caro da história da televisão. PRISON BREAK Valor médio de U$ 2 milhões dóllares por episódio na primeira temporada, total de aproximadamente U$ 24 milhões. Média de U$ 1,4 milhões para cada episódio da segunda temporada, totalizando aproximadamente U$ 30,8 milhões. Média de U$ 3 milhões por episódio na terceira temporada, gasto em torno de U$ 39 milhões.


nos irmãos Michael Scofield (Wentworth Miller) e Lincoln Burrows (Dominique Purcell), Miller dá um banho de interpretação, é incrível a dramaticidade com que faz suas cenas. Dominique também exerce grande papel, mas talvez por ser a força bruta, o contra peso da inteligência, não tenha tanto destaque - apesar que isso muda um pouco a partir da terceira temporada. Destaque para Sara Tancredi (Sarah Wayne Callies), os fugitivos C-NOTE (Rockmond Dunbar), Fernando Sucre (Amaury Nolasco), Haywire (Silas Weir Mitchell ) e T-BAG (Robert Knepper), no qual estes dois últimos são uns dos melhores atores que já vi atuando - juntamente com Mi-

chael C. Hall (Dexter Morgan), que hoje não está na lista. PREMIAÇÕES Quem não se sente maravilhado ao receber um prêmio ou bonificação? Nem que seja um simples elogio. No cinema americano o Oscar, Globo de Ouro ou o Emmy são grandes alavancadores de carreiras, veja os prêmios mais importantes recentemente de 24 Horas, Lost e Prison Break: Emmy Awards 2007 - Melhor mixagem de som em série dramática (24 Horas) 2005 - Melhor série drama de televisão (Lost)

De acordo com o site Internet Movie Database, o melhor episódio de Lost foi o último da terceira temporada “Through the Looking Glass”, de Prison Break o 21 da primeira temporada “Go” e de 24 Horas foi escolhido o 24 da primeira temporada “11:00 p.m.12:00 a.m.”

Globo de Ouro 2006 - Melhor Drama TV - Melhor Ator em Drama TV - Wentworth Miller (Prison Break) 2006 - Melhor série drama de televisão (Lost) 2002 - Melhor ator em série de televisão - drama (Kiefer Sutherland) 2004 - Melhor série de televisão - drama (24 Horas) ALMA Award 2008 - Melhor ator numa série de drama, Jorge Garcia (Lost) 2008 - Melhor ator numa série de drama, Amaury Nolasco (Prison Break) 2008 - Melhor atriz num série de drama, Marisol Nichols (24 Horas) A lista completa pode ser encontrada no site Internet Movie Database - www. imdb.com

37


www.revistaseason.wordpress.com

SEASON POSTER


¬ CSI

por Daniel Varella

Investigação Criminal

T

rabalhar com evidências, investigar cenas de crimes procurando rastros do suspeito, é isso que faz a equipe CSI. Um simples fio de cabelo pode determinar o culpado, um pequeno fragmento de bala mostra a arma do crime, para essa equipe a menor das provas pode ser a chave para o sucesso da investigação. CSI é gravado na cidade de Las Vegas, está iniciando a 9ª temporada que já é sucesso na TV, sua estréia superou outras séries de muito prestígio. A série retrata uma equipe que investiga cenas de crimes, e para isso cada tem sua especialidade e sua tarefa. A equipe é responsável por ir à cena do crime coletar evidências interrogar suspeitos e fazer a análise dos materiais encontrados. Todo o material coletado, como fotografias, pedaços de unha e amostras de sangue, tudo é analisado e são feitos testes com a mais alta tecnologia, como por exemplo, comparar DNA, fragmentos de balas, as causas da morte e com o resultado em mãos formam possíveis perfis das vítimas e dos culpados e terminam a investigação apontando um suspeito, é nessa hora que capitão Jim Brass entra em cena para prender os criminosos. Mas não é sempre assim, algumas vezes alguns criminosos conseguem escapar por falta de alguma prova convincente, e em outros casos a morte de uma pessoa é um simples acidente doméstico ou outro fato, mas que não existe um criminoso a ser culpado. CSI é totalmente imprevisível, em alguns momentos os telespectadores já acham ter a certeza do verdadeiro culpado, mas no último instante aparece uma prova que pode mudar totalmente o rumo da investigação. Tudo o que eles fazem na série as técnicas e equipamentos usados condizem com a realidade o único diferencial está no tempo, já que alguns testes levam segundos para serem feitos na série e na realidade levariam dias para sair o resultado. Mas essa equipe de CSI tem seus dias contados, já que o protagonista da série Gil Grissom (William Petersen) irá deixar o elenco fixo

40

depois de 8 temporadas e ele aparecerá ocasionalmente em alguns episódios, e para seu lugar o mais cotado é Laurence Fishburne ele mesmo o Morpheus de Matrix. Outro que está deixando a série é o perito Warrick Brown (Gary Dourdan) que não renovou seu contrato para a 9ª temporada e para isso os roteiristas acabaram por matar seu personagem no último episódio da 8ª temporada, não vou contar aqui como aconteceu sua morte porque aposto que algumas pessoas ainda não viram o grande final. Lembramos também que Sara Sidle (Jorja Fox) saiu da série para continuar com projetos pessoais, mas em um episódio aparece Grissom falando com ela no celular, e então será que ela volta? Os roteiristas já garantiram que eles não serão substituídos e esquecidos na realidade, novos personagens serão acrescentados a série. A série recebe críticas por causa de suas fortes cenas de violência e imagens pesadas, mas os fãs ainda consideram a melhor série policial. Portanto, se você gosta de uma série com ação, suspense, ótimos personagens e um bom roteiro que prende o telespectador com certeza CSI é o mais recomendado. danielvarella2@hotmail.com


O D E LIC

S S O CR T NO

PO

41


¬ LOST

por Vagner Wojcickoski

Porque gosta de pizza?

N

ão raramente me impressiono com a capacidade que as pessoas têm de criticar coisas que não conhecem bem, ou conhecem pouco. Impressiona pela arrogância e pelo despeito em relação ao trabalho que as pessoas fazem pra desenvolver determinada coisa. Dessa maneira as pessoas poupam a si mesmos de ter uma postura crítica em relação a quaisquer coisas. Obviamente é muito mais fácil e agradável não ter posição nenhuma, do que ir realmente a fundo a ponto de poder opinar. E a discussão acaba sempre se voltando para o gosto. O gosto meu que é diferente do teu. Afinal, o que seria do amarelo se todos gostassem do verde? Sempre, em qualquer situação, em relação a quaisquer tipos de coisas, algo vai ser melhor pra alguém, e pior pra outrem. E é isso que define o que é bom do que é ruim? Algo precisa ser unanimidade para que possa reconhecer se é bom ou não? Para ilustrar melhor isso, no início do filme “Náufrago”, Tom Hanks entrega um CD para um guri na empresa de entregas, e diz: “É Elvis Presley, 50 milhões de pessoas não podem estar erradas!” Levando isso em consideração, é preciso reconhecer se algo é bom ou não, se tem valor como arte, sendo música, pintura, literatura, cinema ou TV, mesmo que não goste. Certamente ao clicarem no link para fazer o download da Revista Season, ou para lê-la online, predispõe que gostem de Lost, em primeiro lugar, e em segundo da Revista, e mais adiante, que gostam de ler, e de conhecer a opinião de outras pessoas. Parece óbvio, mas é realmente o óbvio que incomoda. Quem já parou pra pensar sobre porque gosta de Lost? Talvez seja um pouco mais difícil de responder, do que se a pergunta fosse: “Porque gosta de pizza?”. Hum...porque é bom! Porque tem vários sabores, posso escolher o sabor que mais me agrada, posso comer quando quiser, porque consigo reunir meus amigos em uma

42

pizzaria, e conversamos a noite inteira, enquanto as calabresas, quatro queijos e portuguesas vão descendo sobre nossas cabeças e descendo sobre nossos estômagos. Lost tem um pouco disso, vários ingredientes que se misturam, e criam uma trama viciante e gostosa de assistir. Pra nós “fanáticos” (uso o termo entre aspas, pra não criar um tom pejorativo), que esperamos o ano inteiro pela próxima temporada ser lançada, e ficamos especulando sobre os mistérios, sobre as perguntas sem respostas, têm um gostinho ainda melhor, das novidades, de coisas boas que estão por vir. Uma relação diferente, portanto, daqueles que descobrirão na prateleira de uma locadora de blue-rays ou qualquer outra tecnologia que possa substituir os pré-históricos DVD’s, daqui há uns 5 ou 10 anos, todas as 6 temporadas de Lost completa, do início ao fim, e poderão assistir “tudo de uma vez”, “numa tacada só”, a seu bel prazer... De qualquer maneira os ingredientes continuarão os mesmos, principalmente levando em consideração que é uma série atemporal, sem determinação de datas e com poucos eventos históricos atuais que possam remeter a uma data específica. Talvez daqui há alguns anos seja difícil pra um adolescente entender porque o Sawyer põe a culpa no Sayid quanto à queda do avião nos primeiros episódios de Lost, mas certamente a memória da sociedade não deixará morrer esse conflito entre americanos e iraquianos. Toda a atmosfera criada entre os sobreviventes nos remete a esse clima de hostilidade, com certa obrigação de sociabilidade, pela situação em que se encontram e pela necessidade de sobrevivência. Grande parte do público de Lost se imagina em determinadas situações, como num grande acampamento, que não tem dia nem hora pra acabar, onde os dias se sucedem iguais, em que as situações são criadas pelos próprios personagens, e principalmente pelo personagem princi-


pal, a ilha. Nós, na condição de espectadores interagimos na trama, criando hipóteses para as soluções dos problemas, e nos surpreendemos com os rumos que a trama segue. Nada de anormal pra quem assiste séries de TV, ou a filmes “hollywoodianos”. Mas Lost vai além, transpondo a barreira da TV, e criando uma atmosfera diferenciada, e complementada por outros meios, como a internet e o celular por exemplo. Os sites, blogs e fóruns sobre Lost transpiram informações sobre os personagens, sobre os mistérios, sobre a ilha, sobre a trama. Diria que é praticamente impossível ter informações específicas sobre determinados assuntos, como a Iniciativa Dharma, por exemplo, assistindo apenas aos episódios na TV, dia após dia, temporada após temporada. E é essa experiência fascinante de criar um entretenimento virtual para qualquer hora do dia, e não apenas para cada episódio que sempre merece durar mais, que Lost nos proporciona. Talvez por isso muitas pessoas ainda resistam à assistir a série, por não ter “tempo” de acessar a internet, ou não ter acesso à mesma. E por esse motivo, acabam levando a série como um “filme que não termina nunca”. Quando meu pai terminou de assistir a primeira temporada de Lost, ele disse: “bah tchê, esse filme é muito enrolado”. :) Percebi que talvez não valesse a pena explicar que não era um

filme, e que ter vários caminhos, vários personagens, vários mistérios a serem desvendados, não era exatamente enrolação. Mesmo assim, ele assistiu até o fim da quarta temporada, e me perguntou essa semana: “oh guri, vai demorar muito pra lançarem mais desse filme?” :) Drama, suspense, ação, aventura, romance, interatividade, muitos momentos “what the f...?” que deixam todo mundo indignado, mas que logo nos envolve em outro instigante mistério (como quando encontram o avião no fundo do oceano sem sobreviventes, quando Michael atira em Ana Lucia e em Libby, ou o Jack jogando futebol americano com os Outros), nos fazem ficar vidrados na frente da TV, e na frente do computador, e o pior (ou melhor), a criar uma revista que daria uma atenção especial a série. “Gostar ou não gostar, eis a questão.” Talvez seja a maneira como a gente espera, e recebe as informações que os episódios nos passam, e até que ponto estamos realmente a fim de descobrir o que há por trás de tudo isso. Ponderem, critiquem, entendam tudo o que Lost nos instiga, e continuem aguardando ansiosamente pelas próximas temporadas. Enquanto isso, assistam Arquivo X desde o ínicio, ou uma temporada de 24 horas pra relaxar. vgw@hotmail.com

43


44


45


46


47


48


Na próxima edição...

49


¬ SUPERNATURAL

por Danielle M.

Ser ou não ser? Eis a questão.

S

er o que? Ahh, ser divertido e ponto final. Do mesmo povo envolvido em X Files (Arquivo X), SN é uma série honesta e bacana até a última ponta. A saga dos irmãos Winchester (sim, nome de arma, hohohohoho) é muito simples de resumir: Eles seguem adiante o negócio da família - matar coisas bizarras, fora do comum, estranhas, sinistras, esquisitas, sem sentido, do diabo e quantos outros sinônimos possíveis nessa situação. Tudo começa na infância dos irmãos, quando sua mãe é misteriosamente assassinada. Anos depois, Sam, tem a mesma sina, sua namorada, Jessica, também é morta. Não podendo fugir do destino de matança sinistras, Sam não corre mais dos negócios da família e alia-se a Dean para caçar o demônio responsável pelas mortes de sua mãe e namorada. Além de, claro, procurar seu pai, que sumiu sem deixar muitas pistas, o único que sabe como deter a tal criatura sobrenatural. Sobrenatural, aliás, foi a tradução escolhida para Supernatural no SBT (sim, eu sei, não é a emissora que traduz). Melhor assim. Triste sina foi a de Nip/Tuck, exibida como “Estética”. Ao longo dessa cruzada em busca do pai e da criatura demoníaca, os irmãos Winchester dirigindo o seu Impala 67 (carrinho irado, viu!), encontram outras situações sobrenaturais, além de gatinhas de todas as etnias. No piloto da série, a primeira criatura é aquela lenda urbana manjada em quase todos os países, a tal noiva/mulher de branco. Essa é uma grande sacada da série: pegar lendas urbanas, referências pop de outros seriados, como por exemplo, Buffy e é claro, Arquivo X. No mesmo piloto, há uma deliciosa referência a Scully e Mulder (que voltará a se repetir na 2a temporada, no 2.7, com mais piadinhas, no episódio com a participação de Linda Blair, ela mesma, a garota possuída de O Exorcista). Por essas e outras, So-

50

brenatural já foi chamada de “genérico de Arquivo X”. Eu considero isso um elogio! A rivalidade entre os irmãos também é mote para as histórias. Sam não aceita muito bem as regras do papai e Dean, por outro lado, as segue cegamente. Quando finalmente encontram seu pai, os conflitos, a rejeição, todos aqueles sentimentos reprimidos são liberados. Lutar com o pai? Esquecer e tocar a vida adiante? Essas são algumas questões que Sam leva consigo. Sam, alias, tem um poder ainda não muito definido. Um “medium’? Poder de premonição? Poder mais ativo, de fato? Seja qual for, é certo que a criatura demoníaca sabe e deseja ter o irmão caçula para si, daí a morte das mulheres mais importantes da vida de Sam. A season finale da 1a temporada é de perder o fôlego. Após um terrível acidente causado pelo demônio (que possui mais uma vez o corpo de um inocente), Sam, Dean e o papai Winchester são deixados a própria sorte. Na 2a temporada, os irmãos abrem a porta do inferno e liberam o que não deveria e Dean está condenado. Na 3a temporada, Dean é morto e ficamos sem ar. E agora? Depois da melhor season finale possível, com Dean levado ao inferno à mando de Lilith , arrastado e estripado pelo cão do diabo. O que mais poderíamos esperar? Uma open season infinitamente superior a passada. Já começo destacando o excelente trabalho de edição de som, mais do que as próprias imagens, o som nos deu uma medida exata do que estava acontecendo e nos coloca bem no clima soturno da série. Me senti no próprio inferno de Hellraiser. A 4a temporada começa com uma evolução na série. Efeitos, trilha sonora e roteiros, amadureceram. O medo e questões filosóficas de como agir sob ele, são o mote desta season. Começo soturno e promissor. Será que a intervenção divina se fará presente nesta season?


Não há como não se divertir com SN. Pegue sua pipoca e refrigerante e manda ver. É muito difícil não se divertir com Supernatural. Assim como também é impossível não reparar nos irmãos, que são fofos, sensuais ...além do papai, nooooossa, que coroa! Meu irmão preferido é o Dean! Gato, gato! Com seu Impala 67 e uma trilha sonora maravilhosa, Supernatural já está na 4a temporada! danimistica@gmail.com

51


¬ LOST

por Victor Darmo

Porque muitos fãs de Lost NÃO vão curtir o último capítulo.

E

ssa afirmação não beira o sensacionalismo de mais um título de matéria para atrair a atenção do leitor. De acordo com o caminho trilhado por Lost até agora, uma das maiores séries de suspense e aventura da atualidade promete frustrar boa parte de seus telespectadores devido ao descompromisso dos produtores com a chamada “fórmula” dramatúrgica. Esta pode possuir inúmeras variantes, mas todas derivadas da forma clássica que simplificadamente apresentada abaixo: Apresentação dos personagens, apresentação do(s) drama(s) com espinha dorsal, plots e subplots, argumento dos capítulos. E os três mais impactantes: tensão, clímax, revelação e peripécia. Vamos explicar resumidamente, para entendermos onde Lost se atropela: Na apresentação dos personagens e exposição dos dramas, conhecemos quem é quem na trama, ainda que os personagens possam sofrer alteração de caráter e de importância de acordo com o andar da obra. É neste momento que entendemos que Jack é um médico caído numa ilha junto com outras dezenas de pessoas, que tomaria sobre si a missão de messias do grupo que se salvou e usaria de sua bondade, espírito aguerrido e conhecimentos médicos em prol do resgate do grupo. Este “momento” num filme, seriado ou novela acontece geralmente no primeiro capítulo, e se estende até o terceiro, da ordem dos personagens mais importantes para os de apoio. Em Lost, a apresentação do drama e dos personagens centrais é clara nos primeiros capítulos, mas o diferencial fica por conta de que sobre nenhum personagem podemos jogar um julgamento final: estão constantemente expostos aos nossos olhos, desnudados em flashbacks, que ora os absolvem, ora os condenam e o caráter de muitos parece habitar no mundo da amoralidade, ou seja, ausência de moral. Outro diferencial é a contínua apresentação de novos personagens. Como parte do mistério proposto sobre quem seriam os Others, o aparecimento de no-

52

vos personagens adquire uma função no todo, mas escapa da linha tênue do digerível pela trama ao exagero. O pico desta contínua inflação de gente e subtramas explodiu com a chegada de Rodrigo Santoro, como um dos sobreviventes da ilha. Quebrando os princípios básicos da verossimilhança, o telespectador teve que engolir que seu personagem era mais um sobrevivente e, portanto, estava no universo de Lost desde o primeiro capítulo, ainda que jamais tivesse aparecido ou sido citado. O público reagiu de tal maneira que o personagem teve que ser morto já em sua terceira aparição e os produtores se desculparam publicamente pela “gafe”. Como plots e subplots entendemos as tramas paralelas que se desenrolam em torno da trama central. Um exemplo dela é a paixão de Ben por Juliet, que em nada interferem na espinha dorsal “o que é a Dharma” ou “será que vão sair da ilha?” Tensão e climax são aqueles picos de emoção que eclodem na trama e nos dá a sensação clara de que algo muito grande e decisido está para acontecer. É como a tensão máxima suportada por uma corda antes de se romper. O rompimento seria a revelação. O “quem matou?” É um exemplo clássico de revelação. Junto com a revelação (pouco antes ou pouco depois) vem a peripécia, que seria uma reviravolta na trama. O personagem que estava morto reaparece vivo empunhando uma arma contra o mocinho também cai como um bom exemplo clichê. Lost também derrapa feio no excesso de “clímax fakes”. Quando possuídos pela trilha de suspense e ganchos deixados propositalmente pelos produtores, caímos na armadilha de achar “é hoje que a coisa vem à tona!” o episódio se encerra sem revelar nada. Na seqüência, o telespectador relembra todo o episódio e reflete: no que acrescentou este capítulo? Em nada! Ou seja, episódios desprendidos da linearidade central e ainda com clímax fakes pipocaram nas últimas temporadas e podem ser um dos motivos para a perda brutal de audiência da série nos últimos anos. Mas a gafe pior de Lost ficará sem dúvidas sobre as revelações e peripécias finais. Acorrentados aos


contratos, os produtores continuam a esticar a trama e se prendem na própria teia dos mistérios “menores” como artifício de baixo calão para manter a atenção dos fãs. Isso sem falar do exagero de cenas que não se explicam em ordem cronológica. É exatamente aí que encontramos a grande tragédia de Lost. Com a miscelânea de mistérios a serem explicados, ganchos da vida dos personagens que começam e não terminam, e toda a série se passando agora no presente, passado e futuro, o rio de Lost seguirá para a última temporada não mais um rio, mas um tsunami de pendências a serem resolvidas às pressas. A gigantesca onda devastará a própria trama. Será como passar um tsunami por um córrego. Quanto da água passará e quanto transbordará e não chegará ao curso final? Esse transbordo serão aquelas inúmeras (dezenas?) de enganosas coincidências a qual nos acostumamos desde a primeira temporada a buscar uma lógica. Alguém estava com a televisão ligada no plano de fundo de uma cena, e passava na tevê algum outro personagem da série. Lembram? O que isso quer dizer?! Qual a relação entre os personagens?! Nenhuma. Kate encontra seu cavalo na ilha. Era mesmo o cavalo dela ou um parecido? Vai saber! “Chegamos ao fim e pronto” dirão os produtores. Parece duro de acreditar, mas a conta matemática não deixa brecha para dúvidas. Imaginemos que tenhamos, até o presente momento (quarta temporada) mais de 80 pontos que não se esclareceram em si mesmo, sendo pelo menos 10 destes, de suma importância para o desfecho da trama. Isso quer dizer que pelo menos uns dez episódios da última temporada deixariam de ser episódios apenas para ficar “explicando” forçosamente as incontáveis deixas enigmáticas ao longo da série mais para prender audiência que outra coisa. Fugiria completamente à idéia de qualquer produtor com certa sanidade, já que os fãs esperam empolvorosos pela revelação dos mistérios centrais da trama. Acredito que os últimos três episódios trarão a nós finalmente estes desfechos principais e sim, muita coisa ficará clara. Mas para que o eixo principal da trama seja devidamente destroçado diante de nossos olhares canibais, os outros capítulos que os antecedem servirão como preparo para a chegada deste fim. Todo fim de série é como um nascimento, onde tudo caminha para ele.

Nesse evento, apenas aqueles “mistérios e coincidências” que os roteiristas consigam trançar com o fim, voltarão à baila para esse precioso momento final. Os outros (sem trocadilhos, risos) ficarão sem explicação, mas não sem destino: a criatividade de cada um. Segundo o próprio produtor e diretor geral da série JJ Abrams, muita coisa continuará pendente no ar mesmo depois do final que só será possível através de uma explicação pessoal do fã. É uma tragédia da qual já se anteviam os riscos. Séries de suspense já foram vítimas do próprio surto de pendências e tiveram o mesmo fim. Arquivo X, a série de ficção-científica mais famosa até Lost, chegou a desfilar no ranking das séries mais vistas do planeta. O programa durou 10 temporadas e rendeu um filme para o cinema. Mas a série, que explorava a existência ou não de vida extraterrestre com tom investigativo, acabou ganhando do meio para o final episódios com universo à parte do original. A dupla Molder e Scully deixaram de aturar em dupla (que era a fórmula da série) devido à gravidez da atriz, personagens coadjuvantes que viraram monstros também apareceram e até casos de fantasmas os dois detetives acabaram investigando. Ou seja, a série que chegou a levantar polêmica de uma ligação dos ETs com o governo Norte Americano, se descaracterizou com episódios beirando a trash “Os Mutantes” e a linha mistério barato de Scoobi-Doo. E para fechar com chave-de-ouro, não conseguiram concatenar todos os ganchos no fim da série. Toda boa idéia é como uma bexiga vazia. O argumento é o ar, o “gás” da trama. Ele pode inflar a boa idéia, dando lhe forma, peso e fazê-la subir, chamando olhares de todos. Mas o exagero pode ser fatal. Ar demais e o balão estoura. thundercroy@hotmail.com

53


o seas as se n Revista

Apresenta


Season_6  

Sexta edição da revista revista brasileira sobre seriados.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you