Issuu on Google+

Ciclista guia do

Salvador, 8 de dezembro de 2013 - PROJETO ESPECIAL DE MARKETING


2

Salvador, 8 de dezembro de 2013

Bike é mais qualidade de vida no trânsito Foto: divulgação

Quem não gostaria de ter um meio de transporte que não precisa de combustível, não fica preso em engarrafamentos, não cobra passagem e ainda permite que o usuário se exercite ao mesmo tempo em que se desloca? A utilização da bicicleta pode proporcionar todos esses benefícios. A melhora da saúde, redução do tempo gasto no trânsito e mais qualidade de vida são vantagens que têm feito muitos darem preferência às “bikes” no lugar de carros e ônibus. Uma pesquisa sobre mobilidade realizada na Região Metropolitana de Salvador mostrou que cerca de 1% das viagens realizadas pela população, seja para o trabalho, escola ou outros compromissos, é feita com bicicleta. O percentual pode ainda ser considerado baixo, mas a expectativa é que cresça com os programas de estímulo ao uso da bike. Fátima Carvalho, 35, come-

çou a pedalar há nove anos com o grupo Pedalada da Noite e, de lá para cá, passou a usar a bicicleta não apenas como hobby, mas, também, no seu dia a dia profissional. “Trabalho com vendas e, geralmente, vou buscar e entregar produtos com minha bike”, conta. Ela mora na Boca do Rio e, diariamente, pedala até bairros como Itapuã e Pituba. Além de ganhar tempo e economizar com transporte, Fátima nota outros benefícios com o ciclismo. “Pedalar ajuda a manter a forma, a saúde, sair da rotina e fazer novos amigos, porque o grupo está sempre aumentando”, pontua. Ela destaca também que sofre com dores na coluna, que são amenizadas com a prática regular do ciclismo. Saúde - Segundo o professor de Educação Física e conselheiro do Conselho Regional de Educação Física da Bahia,

Heitor Prates, pedalar é mesmo um bom exercício para manter a saúde. “Andar de bicicleta fortalece o sistema cardiovascular e toda a musculatura do corpo, principalmente os membros inferiores”, destaca Heitor.

Por que escolher a bike? Exige menos manutenção que um carro Economia com combustível, impostos e gasto com transporte público Não polui o meio ambiente Não fica presa em engarrafamentos Reduz as chances de desenvolver problemas cardíacos Reduz o colesterol ruim Pedalar combate a obesidade

Código de trânsito também define regras para ciclistas

Expediente:

da circulação e da segurança de ciclistas. O Código também determina que as bicicletas, triciclos e outros veículos do tipo têm prioridade sobre todos os outros veículos motorizados. Dessa forma, os ciclistas têm preferência de passagem. Por outro lado, os ciclistas também estão sujeitos a penalidades caso deixem de cumprir as regras impostas pelo CTB. Mesmo sem utilizar placa de identificação, as bicicletas podem sofrer multas.

Trabalha todos os músculos do corpo

Alguns artigos do CTB Onde trafegar O Artigo 58 indica que, nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer quando não houver no mesmo sentido ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes nos bordos da pista de rolamento. Respeito aos pedestres Conduzir bicicleta em passeios de forma agressiva ou onde não seja permitida a circulação é infração média e gera multa.

Foto: ShutterStock

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não foi elaborado apenas para os que dirigem caminhões, automóveis e motocicletas. O documento também traz regras para os ciclistas. As bicicletas, apesar de serem de menor porte e capacidade, são veículos cujos usuários possuem direitos e deveres que devem ser observados e cumpridos por todos que estão nas vias. Os órgãos de trânsito, por exemplo, têm a obrigação de promover o desenvolvimento

Relaxa o corpo, a mente e melhora o humor

Analista Responsável Projetos Especiais: Igor Bastos Tel.: (71) 3203-1389 | Analista de Comunicação: Marina Xavier (71) 3203-1870 | Comercial: Luciana Gomes - (71) 3203-1357

Equipamentos de segurança São equipamentos obrigatórios, para as bicicletas que utilizam as vias, a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.

produção:


3

Salvador, 8 de dezembro de 2013

Pedalando com segurança Foto: divulgação

Para evitar acidentes e minimizar a exposição aos riscos, existem equipamentos específicos e importantes para quem anda de bicicleta. Eles podem ser usados no próprio corpo, como capacetes, ou utilizados nas bikes, como espelhos retrovisores e faroletes. Alguns dos equipamentos são obrigatórios e seu uso é definido pelo Código de Trânsito Brasileiro. Há nove anos, o empresário Fernando Carvalho reuniu parentes e amigos e criou o grupo Pedalada da Noite. Desde então, as noites de segunda e quinta são dedicadas à prática do esporte, que também representa uma atividade de lazer para o grupo. Entretanto, para participar, é obrigatório usar alguns equipamentos de se-

gurança. “Para os passeios noturnos, exigimos sinalização traseira e dianteira, capacete e luvas”, conta Fernando. Alguns equipamentos são obrigatórios e seu uso é definido pelo Código de Trânsito Brasileiro, como sinalização dianteira, traseira e nos pedais e espelho retrovisor, além de campanhia. Como o grupo também participa de trilhas em terrenos irregulares no interior e até mesmo em outros estados, Fernando Carvalho também recomenda o uso de joelheiras e cotoveleiras, para evitar machucados mais graves. Ele ressalta a importância desses equipamentos para a segurança de quem pedala por esporte, lazer ou como meio de transporte para o trabalho.

Equipamentos da bike Equipamentos do ciclista Capacete - este é um equipamento básico que protege a cabeça em casos de quedas e impactos. O capacete também colabora para que o ciclista seja visto mais facilmente. Alguns modelos possuem viseira, para proteger os olhos. Luvas - as luvas protegem as mãos em casos de queda e impedem irritações como ardência, provocadas pelo contato com o guidom. Devem ser confortáveis e permitir movimentos das mãos, sem descuidar da segurança. Joelheira e tornozeleira - protegem cotovelos e joelhos em casos de queda. Óculos de proteção - a visão é delicada e importante para pedalar e para outras atividades do cotidiano, por isso é preciso garantir proteção especial para esse sentido.

Campanhia - importante para alertar pedestres e outros ciclistas sobre sua aproximação. O som das campainhas de bicicletas é curto e agudo, e dificilmente é ouvido por ocupantes de veículos motorizados. Refletores - refletivos dianteiros, traseiros e nos pedais da bicicleta, assim como nos capacetes, garantem que o ciclista fique mais visível no trânsito. Espelho retrovisor - seu uso envolve uma polêmica. Alguns dizem que, devido à vibração da bicicleta, fica difícil enxergar bem pelo retrovisor. No entanto, o Código de Trânsito Brasileiro define sua utilização como obrigatória. Faroletes - essenciais para usar à noite, os faróis podem ser colocados no guidom da bicicleta. Mas, é preciso ter cuidado com a regulagem para que a luz não fique direcionada para os olhos dos motoristas.


4

Salvador, 8 de dezembro de 2013

Salvador Vai de Bike Foto: Max Haack/AGECOM

Através do Movimento Salvador vai de Bike, lançado em setembro passado, a Prefeitura da capital busca incentivar o uso de bicicletas na cidade, impactando positivamente na mobilidade urbana e difundindo a cultura de sustentabilidade entre os soteropolitanos, através de meio de transporte alternativo, mais saudável e menos poluente. O projeto consta de várias ações, como implantação de estações públicas de compartilhamento de bicicletas, circuitos de ciclofaixas de lazer e turismo; ações de educação e conscientização, entre outras. O secretário Isaac Edington, do Escritório Municipal da Copa (Ecopa) e coordenador do movimento, explicou que a implantação das 40 estações de compartilhamento de bicicletas representa apenas uma das ações do projeto, e destacou o trabalho de conscientização da população. Uma ampla campanha visa estimular o respeito ao ciclista no trânsito, focando, inclusive, o uso compartilhado das vias públicas, de forma a garantir mais segurança para todos que circulam pela cidade. “A bike é um veículo e os ciclistas também precisam ter Foto: divulgação

“A bike é um veículo e os ciclistas também precisam ter seu espaço respeitado nas vias públicas” Isaac Edington

seu espaço respeitado nas vias públicas”, afirmou. A campanha disponibiliza dicas e informações sobre as principais questões que promovam uma boa convivência entre ciclistas e motoristas, a exemplo da obrigatoriedade de se manter 1,5 metro de distância ao ultrapassar quem está na bike e o direito das bicicletas de compartilhar as vias com os veículos. “Estamos desenvolvendo políticas públicas voltadas para o setor e para o desenvolvimento econômico, por meio do estímulo à bike. Precisamos também envolver as empresas, para que dê condições aos seus funcionários de se deslocarem para o trabalho de bicicleta, com a implantação, por exemplo, de banheiros para banho antes do trabalho”, citou. Ciclovias - Isaac Edington destacou que investimentos também serão realizados em ciclovias, a exemplo do espaço recém-inaugurado na Boca do Rio. “Todas as novas obras na Orla, por exemplo, também terão circuitos cicloviários”, garantiu. Há ainda a implantação

dos Circuitos de Ciclofaixas de Lazer e Turismo, aos domingos. A Prefeitura começou a instalar Paraciclos em locais estratégicos da cidade. Esses equipamentos buscam garantir um local adequado e seguro para o ciclista guardar sua bike. Designers da Desal, órgão da Prefeitura, desenvolveram também novas estruturas, denominadas de “Ciclovagas”. São bicicletários especiais instalados na via pública que ocupam uma vaga de carro para dar lugar às bicicletas. O programa é desenvolvido pelo Ecopa, em parceria com a Secretaria Municipal de Urbanismo e Transportes (Semut) e a Superintendência de Trânsito e Transporte (Transalvador). Conta ainda com a participação da Secretaria da Cidade Sustentável (Secis), da Superintendência de Controle e Ordenamento do Solo do Município (Sucom), da Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Desal), da Superintendência de Conservação e Obras Públicas de Salvador (Sucop) e da Empresa Salvador Turismo (Saltur).

Até janeiro, serão 40 estações Até o início de janeiro, 40 estações públicas de compartilhamento de bicicletas estarão em funcionamento em Salvador, disponibilizando 400 bicicletas para a população. Até o momento, 21 já foram implantadas em locais estratégicos da cidade, conectadas a uma central de operações via wireless, alimentadas por energia solar. “A população aprovou e está gostando muito do projeto. Já percebemos uma mudança de comportamento e já há mais ciclistas nas ruas e uma percepção de mais respeito no trânsito”, disse o secretário Isaac Edington. O movimento ganha adeptos diariamente, e, atualmente, 36 mil pessoas já estão cadastradas e 23,3 mil credenciadas, ou seja, já utilizaram o sistema de compartilhamento. “Em apenas dois meses, registramos mais de 44 mil viagens através do Salvador vai de Bike”, informou. Para participar do proje-

to, o usuário deve fazer o cadastramento no site www. bikesalvador.com e efetivar o credenciamento anual, no valor de R$ 10. Nos domingos e feriados, é possível desfrutar gratuitamente do serviço durante 90 minutos. Nos dias de semana e sábados, a gratuidade é oferecida durante 45 min. É possível fazer quantas viagens quiser durante todo o dia, de 6h às 22h, desde que sejam realizadas com intervalo de pelo menos 15 minutos. Salvador foi a quinta capital do país a contar com sistema compartilhado de bicicletas. No mundo, cerca de 500 cidades contam com projeto parecido. O projeto foi implantado após chamamento público, que teve como vencedora a empresa Serttel Ltda, que possui expertise em atividades dessa natureza nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife. Conta também com a parceria do Banco Itaú.


5

Salvador, 8 de dezembro de 2013

Passo a passo para participar 1° Passo

2° Passo

3° Passo

4° Passo

5° Passo

6° Passo

O usuário precisa se cadastrar no sistema pela internet, no site www.bikesalvador.com. Clique na opção “cadastre-se”

Para destravar a bicicleta, o usuário poderá ligar para o número 4062-7024, ou utilizar o aplicativo do Bike Salvador para smartphones, informando o número de identificação da estação e da bicicleta que deseja retirar

Realizar o credenciamento. Clique no Menu “Credenciamento” no site e efetue o pagamento da anuidade, com valor R$ 10, através de cartão de crédito

Digite o número da estação que deseja retirar a bicicleta; digite o número da posição da bicicleta escolhida, confirme a operação e puxe a bicicleta quando a luz verde estiver acesa

Veja no mapa do site a localização das estações e dirija-se a qualquer uma delas para retirar a Bike

Na devolução, basta encaixar a bicicleta e verificar se a mesma está devidamente travada. Se a Estação estiver sem espaço para a sua bicicleta, ligue para a Central de Atendimento: (71) 4062 8077.

Mapa das estações

21 20

19

18 01

17

02 03 04

Ilustração gerada a partir do Google Maps

05

06

12 07 08

09 10

11

13 14

15

16

01

Praça Castro Alves

08

Praça Bahia Sol

15

Parque Costa Azul

02

Praça da Piedade

09

Parque Cruz Aguiar

16

Jardim de Alah

03

Campo Grande

10

Largo da Mariquita

17

Boca do Rio

04

Largo da Vitória

11

Amaralina

18

Imbuí

05

Porto da Barra

12

Rua Ceará

19

Praia de Patamares

06

Avenida Centenário

13

Praça Marconi

20

Av. Pinto de Aguiar

07

Jardim Apipema

14

Praça Nossa Sra. da Luz

21

Plakafor


6

Salvador, 8 de dezembro de 2013

Cuidados sobre duas rodas Foto: arquivo pessoal

O ciclista deve tomar alguns cuidados essenciais para pedalar com segurança. Não basta estar atento apenas às suas próprias ações. Para evitar riscos, é essencial observar tudo que acontece ao redor e, até mesmo, estar preparado para o que os pedestres e motoristas possam fazer, como abrir a porta do veículo. Lúcia Saraiva, fundadora do grupo Amigos de Bike, que pedala em Salvador e faz trilhas em áreas rurais de outras cidades baianas, conta que em toda grande metrópole há locais perigosos para pedalar. “Mas, a maioria dá para encarar numa boa. Basta procurar as vias alternativas da cidade no seu roteiro”, explica. Para ela, é preciso investir, cada vez mais, na conscientização de motoristas e ciclistas. Ela explica que as vias de grande fluxo nos horários de pico são mais arriscadas. Principalmente por causa das imprudências praticadas por alguns motoristas. “Muitos não respeitam a distância de segurança de 1,5m e nem conhecem os direitos dos ciclistas”, afirma.

Dicas para sair pedalando Mantenha em dia a manutenção da bicicleta. Caso não saiba como cuidar da parte mecânica, procure uma oficina especializada na manutenção de bikes. Sinalize antecipadamente com as mãos a direção que vai tomar. Prefira caminhos onde o fluxo de veículos de médio e grande porte é menor. Não pegue carona em veículos em movimento e evite malabarismos.

“É preciso investir, cada vez mais, na conscientização de motoristas e ciclistas” Lúcia Saraiva

Lúcia aponta alguns cuidados que o ciclista deve ter como, usar roupas claras, não pegar carona em veículos em movimento e evitar malabarismos. A ciclista ainda lembra que é preciso respeitar os pedestres e cuidar da bike. “Não ande com pneus murchos e mantenha sua bicicleta sempre regulada. Carregue sempre uma câmara de ar reserva e kit remendo”, conclui. Foto: Max Haack/AGECOM

Não use fones de ouvido, pois eles impedem que você fique atento a barulhos do trânsito, como buzinas, sirenes e carros se aproximando. Ao se aproximar de veículos parados ou estacionados, fique atento às atitudes dos ocupantes. Eles podem abrir as portas sem notar que há um ciclista passando. Segure o guidom com as duas mãos. Solte uma das mãos apenas quando precisar sinalizar. Ciclistas devem andar sempre seguindo o fluxo da via, e nunca na contramão. Bicicletas não são veículos apropriados para transportar grandes cargas. Elas comprometem o equilíbrio e podem provocar acidentes. Bebida e direção também não combinam para os que estão pedalando. O efeito do álcool é prejudicial e a bicicleta conduzida por um ciclista embriagado torna-se um veículo perigoso.

O motorista deve sempre lembrar que o ciclista tem preferência. Quando avistar alguém pedalando, deve reduzir a velocidade e manter a distância maior que 1,5 metro para ultrapassá-lo. Os especialistas lembram que se estiver difícil fazer a ultrapassagem, é preciso ter paciência e esperar alguns minutos. Ameaçar ciclista é considerado uma infração gravíssima, e colar na traseira ou empurrá-lo contra o passeio é infração grave. A buzina só deve se utilizada se realmente for necessária,

pois ela assusta e pode atrapalhar os ciclistas. Como a bicicleta é menor que o carro ou moto, é preciso esperar por ela para que o motorista possa fa-

zer uma conversão ou estacionar, cedendo a passagem. A comunicação visual com o ciclista é essencial para que não haja acidentes. Sinalizar é sempre prudente e necessário. Sempre que for sair do carro, os especialistas também aconselham o motorista a olhar o retrovisor para verificar se algum ciclista está vindo. Abrir a porta do carro sem olhar, por exemplo, pode machucar quem esteja passando na hora. Carros que andam na contramão geram riscos a ciclistas, pedestres e aos outros motoristas.

Foto: ShutterStock

Motoristas devem ter atenção


7

Salvador, 8 de dezembro de 2013

Nova ciclofaixa será implantada na Pituba Foto: Max Haack/AGECOM

Através do Movimento Salvador vai de Bike, dois Circuitos de Ciclofaixas de Lazer e Turismo já foram criados, no Campo Grande e Comércio. Eles funcionam aos domingos e feriados das 7h às 16h e visam oferecer à cidade uma opção de baixo impacto e contrubuir para a valorização do patrimônio histórico e cultural do município. O próximo circuito será implantado entre o Parque da Cidade e a Orla, na Pituba. “Trata-se de uma estratégia. Nossa meta é que as ciclofaixas sejam o ponto de partida para que as pessoas adotem o uso da bicicleta como meio de transporte no seu dia-a-dia”, expli-

cou o secretário Isaac Edington. Na implantação dos circuitos, foram identificados pontos estratégicos nos roteiros, como praças, museus, monumentos históricos e outras paisagens. Busca-se ainda incentivar a visitação a estes pontos da cidade. O primeiro circuito foi implantado do Campo Grande ao Centro Histórico, contando com sinalização e monitoramento, o que garante a segurança dos condutores. Quem não tem bicicleta contará com três estações de compartilhamento, na praça do Campo Grande, Na Praça da Piedade e na Praça Castro Alves. A outra, no Comércio, começando em frente à Bahia Marina,

passando pelo Mercado Modelo e seguindo até os Fuzileiros Navais. Faixas - A Prefeitura também iniciou a implantação de uma faixa exclusiva para a parada de bikes e motos em cruzamentos e semáforos da cidade. Elas buscam aumentar a visibilidade das bikes e motos à frente dos carros; evita a aglomeração ao lado dos automóveis e torna a largada do semáforo mais segura.

Foto: Max Haack/AGECOM

deveres

4 Preservar a vegetação 1 2 Não é permitido

3 Utilizar veículos tracionados por animais;

a Ciclofaixa 1 Utilizar a pé, exceto pais ou responsáveis que estejam acompanhando ciclistas menores de 12 anos. O pedestre responsável e a criança deverão manter-se junto à guia da Ciclofaixa, estando o responsável posicionado atrás do menor e, de preferência, na calçada ou no canteiro central, tendo como referência o sentido da circulação;

2 Utilizar motocicletas ou

equivalentes com propulsão à combustão;

5

Colocar em risco a segurança de outros com excesso de velocidade, condução perigosa e agressiva, circulação no contra fluxo, condução de passageiro fora da garupa ou assento especial a ele destinado, transporte de crianças fora das cadeiras, ou qualquer outro ato que represente risco;

6 Ultrapassar a velocidade de 20 km/h;

Ao observar alguma irregularidade, comunicar aos monitores da Ciclofaixa, imediatamente no local;

7 Transportar volumes com

dimensões incompatíveis à prática de ciclismo ou que cause risco ou transtorno aos demais usuários;

4 Utilizar a Ciclofaixa para prática de atividades esportivas;

Respeitar as determinações repassadas pelos monitores em serviço;

8 Empinar pipas e utilizar

linhas cortantes em qualquer local;

9

Entrar e circular com animais na Ciclofaixa, exceto quando em suportes específicos acoplados à bicicleta;

10 Realizar eventos

promocionais ao longo do trajeto, inclusive nos acessos e no entorno da Ciclofaixa;

3

Observar avisos, comunicações e alertas das placas indicativas, sinalizações verticais, horizontais e de semáforos ao longo do percurso da Ciclofaixa;

11 Colher ou danificar flores, frutos, mudas e plantas;

as delimitações 12 Ultrapassar das áreas da Ciclofaixa, circulando fora da demarcação dos cones;

13 Entrar e/ou sair da Ciclofaixa fora das faixas de travessia e das portarias disponíveis nos parques;

14 Parar para descansar na Ci-

clofaixa, causando obstrução ao trânsito de bicicletas;

ou associar nomes 15 Utilizar ou marcas na Ciclofaixa para fins comerciais, exceto as do patrocinador;

existente ao longo do percurso.

e zelar para que 5 Cumprir sejam obedecidas, de forma integral, as normas deste regulamento e do Código de Trânsito Brasileiro;

16

Apresentar espetáculos e shows de qualquer natureza;

17

Comercializar ou distribuir mercadorias ou impressos, inclusive nos acessos e no entorno da Ciclofaixa;

18

Realizar exibições, exposições de produtos e serviços eminentemente comerciais ou promocionais, com ou sem distribuição de impressos, que configurem, de qualquer modo, o lançamento, divulgação, sustentação no mercado ou propaganda de cunho particular. Fonte: Bike Salvador


VEJA SALVADOR COM OUTROS OLHOS. VÁ DE BIKE. O Movimento Salvador Vai de Bike está tomando conta da cidade, proporcionando mais mobilidade, lazer, saúde e qualidade de vida. Salvador está ganhando novas ciclofaixas, ciclovias, bicicletários e eventos ciclísticos. Além das estações públicas de compartilhamento de bicicletas. Já são 21 estações espalhadas pelos bairros. Pegue carona nessa onda. Vá de bike.

Estações: Campo Grande • Praça da Piedade • Praça Castro Alves • Porto da Barra • Jardim Apipema • Centenário • Largo da Vitória • Praça Bahia Sol • Largo da Mariquita • Amaralina • Rua Ceará • Praça Marconi • Nossa Sra da Luz • Parque Costa Azul • Jardim de Alah • Boca do Rio • Imbuí • Praia de Patamares • Pinto de Aguiar • Parque Cruz Aguiar • Carlos Batalha Saiba mais no site:

salvadorvaidebike.salvador.ba.gov.br.


Guia do Ciclista