Page 1

S ã o J o s é d o s P i n h a i s | Quinta-feira, 9 de dezembro de 2010 |

CONTATO: taniajeferson@metropolesjp.com.br

Mamografia e Radiografia Digital na Ultradiagnose adquire novo equipamento A mais moderna tecnologia digital para imagens de radiografias e mamografia está agora disponível na clínica Ultradiagnose, de São José dos Pinhais. O sistema, produzido no Japão pela Fuji Medical Systems – primeira companhia no mundo a desenvolver o sistema digital – foi a escolhida para fornecer os equipamentos pelo seu elevado grau de qualidade e confiança. O método digital substitui o filme fotográfico por uma película que é sensível aos RaiosX e “grava” uma imagem quando é feita a exposição. A seguir, a película é introduzida em uma máquina que realiza a leitura e digitalização das imagens, enviando-as para um computador, onde são processadas e armazenadas. As películas são a seguir impressas por uma impressora em um filme especial que não

usa produtos químicos para a revelação, não poluindo o meio ambiente com metais pesados e outros produtos tóxicos que são liberados no processo da radiografia convencional, sendo ecologicamente correto. Também chamada de Radiografia Computadorizada ou CR das iniciais em inglês, o computador permite um processamento da imagem, onde pode-se ajustar para um perfeito equilíbrio dos tons da radiografia, evitando repetições da exposição, que ocorrem na radiografia convencional quando não se obtém uma imagem ótima, bem como menores doses de radiação para o paciente. Pare se ter uma idéia, o sistema trabalha com uma escala de cinza de 12 bits, que permite 4096 diferentes tons de cinza. Um olho humano bem treinado é capaz de diferenciar 256

tons diferentes de cinza. Isso traduz em uma excelente qualidade de imagem, que com a ajuda do computador, pode-se aplicar filtros eletrônicos que realçam as partes moles ou os ossos e que permite visibilizar a estrutura das finas trabéculas no interior dos ossos. Na Mamografia, a capacidade de diferenciação das estruturas internas da mama é surpreendentemente mais detalhada do que a mamografia convencional por filme, o que faz com que atualmente os médicos estão indicando o exame digital. A Clínica Ultradiagnose é a primeira a oferecer em São José dos Pinhais a tecnologia de radiografia e mamografia digital, realçando o seu pioneirismo por estar sempre em contato com as tecnologias mais avançadas no diagnóstico por imagens,

Sistema é produzido no Japão pela Fuji Medical Systems

sendo também a primeira no município a oferecer Tomografia Helicoidal Multislice e sendo a primeira da região metropolitana e a terceira incluindo Curitiba a oferecer a Ultrassonografia Tridimensional.

O método digital da Ultradiagnose substitui o filme fotográfico por uma película que é sensível aos Raios-X


2

| Quinta-feira, 9 de dezembro de 2010 |

Segredo da barba perfeita está no processo de preparação da pele, revela pesquisa

Alimentos que ajudam a prevenir o câncer Frutas e legumes orgânicos são as estrelas do cardápio O que frutas vermelhas, uvas, brócolis e tomate têm em comum? Eles estão no topo da lista dentre os alimentos que protegem contra o câncer. O Instituto Americano de Pesquisa do Câncer estima que cerca de 1/3 dos 1,4 milhões de casos de câncer que ocorrem anualmente nos Estados Unidos poderiam ser prevenidos se as pessoas adotassem uma dieta saudável. Se pensarmos que o que comemos se traduz em como o nosso corpo reage, faz todo o sentido frutas e legumes orgânicos serem considerados “estrelas” do cardápio. Frutas Vermelhas Framboesa, amora e mirtilo (blueberry) são consideradas uma fonte riquíssima de vitamina C. Flavonóides, ácido elágico, fibras e outros antioxidantes (substâncias que ajudam na proteção das células do corpo contra os danos cumulativos), ajudam a evitar o aparecimento de diversos tipos de câncer, em especial os de cólon, esôfago, pele, bexiga, pulmão e mama. Uvas Fruta abundante em antioxidantes, em especial o resveratrol. Pesquisa científica identificou que o resveratrol tem a capacidade de impedir que células cancerosas desenvolvam-se na mama, fígado, estômago e sistema linfático. A maior fonte de resveratrol encontra-se na casca da uva. Outro ponto importante: uvas vermelhas são

muito mais ricas em resveratrol do que as uvas verdes. Brócolis São vegetais crucíferos, da mesma família da couve-flor, repolho, couve e couve de Bruxelas. Pesquisas descobriram que os vegetais dessa família são ricos em isotiocianatos, que regulam um complexo sistema enzimático que protege as células no nosso corpo contra o câncer de estômago, boca, faringe e laringe (garganta) e esôfago. Tomate A cor vermelha do tomate deve-se ao licopeno, antioxidante importante na luta contra o câncer de próstata, mama, útero e melanoma (o mais agressivo tipo de câncer de pele). O interessante é que quanto mais concentrado o tomate, melhor, pois o processamento faz com que o licopeno seja absorvido mais facilmente (extrato de tomate e ketchup, por exemplo). Vale à pena lembrar que o uso de pesticidas e agrotóxicos de forma não controlada no Brasil ainda constitui um fator preocupante. Por isso, sempre que possível, opte pelos vegetais orgânicos. Nenhum vegetal possui propriedade de prevenir o aparecimento do câncer isoladamente. Para a prevenção do câncer, recomendase uma dieta balanceada, que seja rica em vegetais, fibras e carnes magras e pobres em gorduras (saturadas e trans).

Na rotina diária de acordar cedo, tomar café e se preparar para o trabalho, o simples ato de fazer a barba parece apenas mais uma tarefa, aparentemente simples, muitas vezes rápida, mas que requer uma série de cuidados. O universo masculino deve estar atento ao que deve ser feito antes, durante e depois do barbear, Uso de gel e tudo em prol de uma espuma agiliza o pele perfeita. Um estudo nordeslizar da lâmina, te-americano da facilita a retirada do área de Beleza & Cuidados Pessoais pelo e mantém a da Procter and pele hidratada; água Gamble (P&G) desvendou técnicas e sabonete comum comprovadas para não são se adequar às diversas necessidades recomendados dos homens e ajudálos a encontrar um equilíbrio cuidadoso entre cortar o pelo e manter a pele intacta. A maioria dos homens se barbeia de quatro a cinco vezes por semana. Sete em dez usam algum tipo de sabonete, creme ou gel para a pele. Apenas no dos folículos do pelo e que dificulum em cinco usam um produto pós- tam a penetração de água; barba para condicionar a pele após o - Aplique géis e espuma de barbear processo. Muitos tentam obter um com lubrificantes adicionais para mebarbear mais rente empregando forte lhorar o desempenho da lâmina na pele pressão que resulta em irritação da pele da face e do pescoço. Esses géis e espue cortes. Os cientistas da P&G desen- ma foram testados rigorosamente e volveram a pesquisa do manual da bar- foram criados para ajudar as lâminas ba perfeita, que tem como base o uso de barbear a transpor a superfície da de gel e espuma, elementos que não ir- pele, reduzindo a fricção e facilitando ritam a pele e facilitam o procedimen- o corte dos pelos em diferentes posito: ções e ângulos mesmo em uma única Passo 1: preparação da pele passada da lâmina. - Limpar a pele e hidratar os pelos Diferentemente de sabonete faciais antes de barbear-se pode ajudar comum e água, a pesquisa mostra a minimizar o risco de irritação da pele. que o gel de barbear: Pelo seco é difícil de cortar; na verda- Mantém a pele e a barba hidratade, ele pode ter a mesma força de um das e macias durante o barbear, pois fio de cobre de espessura semelhante. reduz a evaporação da água; Quando o pelo está úmido, ele dilata e - Melhora o deslizar da lâmina (até torna-se mais fácil de cortar. 35% a mais com os géis mais novos que Como preparar a pele possuem uma camada protetora anti- Use sabonete líquido facial ou fricção); esponja vegetal suaves – mesmo que - Permite que a lâmina corte rente apenas por 30 segundos – para ajudar a à pele com menos força; remover a oleosidade, sujeira, transpi- Não obstrui as lâminas da mesma ração e dejetos que se formam em tor- forma que o sabonete.

Passo 2: o barbear. - Dar passadas delicadas e escolher lâminas de barbear de alta qualidade, resultado de avanços científicos e extensivos testes clínicos e com pacientes, podem melhorar significativamente a experiência de barbear; - Verifique a lâmina para certificar-se de que ela não perdeu o corte. Enxágue a lâmina após cada barbear para impedir o acúmulo de pelos e gel de barbear nos seus fios e no cartucho. Passo 3: reidrate a pele. - Ao barbearem-se, os homens podem, inadvertidamente, remover as células do estrato córneo assim como os hidratantes naturais. Se essa barreira de umidade não for restaurada, a pele pode ficar seca, esticada e irritada; - O uso de hidratante pós-barba gera conforto e maciez à pele, mantém a barreira protetora e prepara o local de forma adequada para o próximo barbear. Hidratantes diários que contêm glicerina ou outros emolientes hidratantes reduzem a secura da pele e melhoram a proteção.

A menopausa e os cuidados com a pele Diagnóstico precoce e reposição hormonal podem melhorar a aparência da pele e a qualidade de vida da mulher na Menopausa Quando o assunto é menopausa uma das primeiras coisas que se tem em mente são as típicas ondas de calor. No entanto, esse período marca muito mais alterações e sintomas no organismo da mulher. A pele é um dos órgãos mais afetados nessa fase. O aspecto envelhecido e desgastado da pele reflete a ausência do estrógeno na mulher. Isso ocorre devido a perda da função dos ovários que cessam a produção de progesterona e estrógeno. Como o estrógeno é o principal responsável pela boa-aparência cutânea, a falta dele desencadeia importantes alterações na pele da mulher menopausada. Estima-se que nos primeiros cinco anos de menopausa diminui-se cerca de 30% do colágeno da derme, deixando-a mais flácida. Pode haver também, a diminuição da elastina. Além da pele, cabelos e unhas sofrem com as alterações hormonais da menopausa. A pele das mãos e dos pés ficam mais grossas e ásperas ocasionando até rachaduras. Já o rosto sofre um aumento de vascularização, podem surgir vasos pequenos e finos; a superfície ad-

quire uma aparência vermelha e quente em decorrência dos calores repentinos. O cabelo, principalmente os fios brancos, torna-se mais fino e seco. As unhas ficam mais fracas e quebradiças demorando a crescer. Para se preparar para a menopausa e tratar os sintomas de forma adequada, o diagnóstico precoce é determinante. Atualmente, as mulheres já podem contar com um importante aliado, o Confirme Menopausa. O autoteste consegue detectar através da urina a presença do hormônio folículo estimulante (FSH). Quando é sinalizado o aumento dele o início da menopausa é confirmado. O teste funciona como o de gravidez. Uma tira deve ser colocada verticalmente dentro do recipiente em que foi coletada a urina. Após três segundos, devese colocar a tira em uma superfície limpa, seca e não absorvente. O resultado surgirá em cinco minutos. O Confirme Menopausa pode ser encontrado em farmácias ou através do site www.confirme.com.br. O autoteste possui preço acessível e têm 99% de precisão.


| Quinta-feira, 9 de dezembro de 2010 |

3

Diabetes e obesidade: um desafio para todo oftalmologista Há maior possibilidade de evitar a perda de visão relacionada com o diabetes do que evitar as que se relacionam com a idade, como catarata, glaucoma e degeneração macular

Thomas W. Gardner e Robert A. Gabbay, oftalmologistas norte-americanos, publicaram no Arch Ophthalmol um interessante artigo sobre as comorbidades da diabetes e as sérias conseqüências da doença para a visão. Em Diabetes and Obesity – A Challenge for Every Ophthalmologist – a dupla destaca que os Estados Unidos já lutaram diversas batalhas, por diversas causas: pobreza, drogas, terrorismo... Mas que nenhuma delas será tão difícil de vencer quando a da perda de visão provocada pela diabetes em seu País. Nesta nova guerra, os autores defendem que os oftalmologistas são “guerreiros da linha de frente” na luta contra a perda da visão provocada pela diabetes. Eles podem ganhar esta guerra, usando novas táticas e armas do século 21. Panorama da obesidade Globalmente, mais de 1 bilhão de adultos apresentam sobrepeso e, pelo menos, 300 milhões são obesos, incluindo 34% dos adultos americanos com idade acima de 20 anos. O aumento da obesidade duplicou a prevalência de diabetes, na última década. Até um terço das crianças nascidas em 2000 desenvolverá o diabetes durante a vida. Hoje, 24 milhões (8%) dos americanos têm diabetes e 57 milhões tem pré-diabetes. Até 2050, o número de americanos com retinopatia diabética triplicará de 5,5 para 16 milhões, e aqueles com retinopatia que ameaça a visão passarão de 1,2 para 3,4 milhões. O número de casos de catarata vai aumentar em 235% e o glaucoma entre os hispânicos idosos com diabetes deverá aumentar também. O impacto econômico da diabetes nas doenças oculares é profundo. As despesas com medicamentos de pessoas com retinopatia diabética não proliferativa são 63% maiores do que aqueles sem retinopatia, e 400% maiores para aqueles com retinopatia proliferativa. Pessoas com diabetes também têm um risco aumentado de oclusões vasculares retinianas, ceratite neurotrófica e paralisia de nervos cranianos. Portanto, a epidemia de obesidade criará um fardo financeiro insustentável para os que apresentam doenças oculares causadas pela diabetes. As nações da Europa já conseguiram sensibilizar a população sobre os perigos da tríade obesidade-diabetes-retinopatia diabética, o mesmo não aconteceu nos Estados Unidos, onde a prestação de cuidados de saúde é mais fracionada e os incentivos à população sobre a prevenção da doença são menores. Assim, muitos pacientes com diabetes não se preocupam com o controle da doença e já chegam aos oftalmologistas precisando de fotocoagulação ou vitrectomia, tratamentos que não

restauram a função visual normal. A agência americana responsável pela aprovação de medicamentos e terapias, FDA - Food and Drug Administration - , não aprovou até hoje nenhum tratamento para retinopatia diabética. Os únicos tratamentos reconhecidos são a terapia insulínica intensiva e o controle da hipertensão. A fotocoagulação só é eficaz quando os pacientes desenvolvem edema macular ou retinopatia proliferativa. Outras alternativas terapêuticas, tais como o emprego de esteróides intravítreo ou de inibidores de crescimento vascular endotelial, têm apresentado apenas benefícios transitórios. Uma doença que afeta muito mais do que os olhos... A retinopatia diabética foi entendida, durante muito tempo, como uma “doença microvascular” do olho, mas os estudos recentes ampliam este entendimento e têm demonstrado que o diabetes afeta toda a retina neurossensorial, incluindo as células ganglionares, as células de Müller, astrócitos, células da microglia e células endoteliais. “Testes de sensibilidade ao contraste, de adaptação ao escuro, de campos visuais e retinografias revelam que a função visual é prejudicada antes do início do aparecimento dos microaneurismas, em muitos pacientes com diabetes”, informa o oftalmologista Virgilio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares. Assim, a retinopatia diabética é uma neuropatia sensorial, envolvendo o parênquima da retina semelhante à neuropatia periférica. “Entender como o diabetes afeta a retina neural pode melhorar os meios para diagnosticar a retinopatia diabética, antes da perda da visão sintomática, o que pode reduzir os custos pessoais e econômicos em relação à doença”, destaca o médico. As doenças mais comuns tratadas por oftalmologistas, tais como catarata, glaucoma, degeneração macular, descolamento de retina e estrabismo são primariamente distúrbios oculares, diferentemente da retinopatia diabética, uma conseqüência do diabetes. O que presenciamos, nas clínicas oftalmológicas, é que invariavelmente, os pacientes diabéticos são tratados cirurgicamente, com a realização de facectomia, fotocoagulação e vitrectomia. “Assim, o principal meio de modificar o curso das doenças diabéticas dos olhos se encontra nas mãos de médicos de outras especialidades, tais como endocrinologistas e clínicos gerais. A abordagem cirúrgica da doença em estágio avançado no olho não é uma estratégia de enfretamento da retinopatia diabética. Os esforços devem se concentrar na prevenção da doença e na intervenção preco-

ce, casos em que o papel dos oftalmologistas deve evoluir ”, defende Virgilio Centurion. Tratamento multidisciplinar Para mudar este quadro, é preciso conhecer os fatores sistêmicos que afetam o desenvolvimento e a progressão da doença ocular diabética - notadamente a falta de controle da pressão metabólica e da pressão do sangue - e compreender as estratégias de tratamento médico. “Para auxiliar neste processo, oftalmologistas e os demais profissionais de saúde devem melhorar a comunicação nos dois sentidos. Oftalmologistas devem conhecer os dados sobre a saúde sistêmica de seus pacientes para tratá-los de forma mais eficaz. Da mesma forma, endocrinologistas e os demais profissionais de saúde devem saber o status oftalmológico de seus pacientes para que possam motivá-los a adotar medidas preventivas”, defende o oftalmologista Edson Branzoni Leal, que integra o corpo clínico do IMO. A retinopatia diabética pode ser influenciada positivamente por cuidados médicos apropriados. “O tratamento das comorbidades associadas, como insuficiência cardíaca congestiva, insuficiência renal, anemia e dislipidemia também pode melhorar o nível visual. Todos estes tratamentos podem ser sugeridos ao paciente pelo oftalmologista”, defende Edson Leal. Diversos trabalhos recentes têm demonstrado os benefícios da Assistência Crônica, modelo em que o paciente com doenças crônicas, como o diabetes, é atendido simultaneamente por uma equipe de médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde: educadores físicos, nutricionistas e educadores em diabetes, que podem auxiliar muito o dia-a-dia do médico, tão sobrecarregado. A importância desta abordagem e da mudança de paradigma é enfatizada pelo fato de que apenas 7,3% dos pacientes diabéticos atingem as metas terapêuticas para as três categorias mais importantes da doença: HbA1c, pressão arterial e colesterol LDL. “Os oftalmologistas têm uma oportunidade única para influenciar o comportamento do paciente, muito antes da perda da visão, uma das mais temíveis complicações da diabetes. Atualmente, estamos trabalhando no sentido de ajudar os pacientes a fazerem a ligação entre a doença do olho e o ABC do diabetes (HbA1c, pressão arterial e colesterol), o que pode motivá-los a cuidar melhor da própria saúde”, conta o oftalmologista do IMO. Ainda como estratégia de enfrentamento da retinopatia diabética, este é o momento apropriado para que o profissional de saúde, especialmente, o oftalmologista aprenda novas estratégias para lidar com o diabetes e suas doenças oculares relacionadas. “Essa mudança vai exigir alterações na formação do estudante de medicina e dos residentes de Oftalmologia, enfatizando estratégias de saúde pública, ao invés do emprego de lasers ou técnicas. A retinopatia diabética pode ser prevenida. Há maior possibilidade de evitar a perda de visão relacionada com o diabetes do que evitar as que se relacionam com a idade, como catarata, glaucoma e degeneração macular ”, diz Edson Branzoni Leal.

Controle a pressão arterial O calor excessivo pode ocasionar vertigens, zumbido no ouvido ou até mesmo desmaios A elevação da temperatura na estação mais quente do ano faz com que aumentem os casos de pessoas com pressão arterial baixa. De acordo com o neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Cleverson Gracia, o calor provoca a dilatação das artérias e diminui a circulação sanguínea, ocasionando a queda de pressão. “As altas temperaturas também podem levar a desidratação, contribuindo para um mal-estar ainda maior e, muitas vezes, ocasionar o desmaio, caso a queda de pressão seja muito drástica”, explica. De acordo com o médico, o mal-estar pode ser evitado. “Mantenha o corpo sempre hidratado, evite a exposição ao sol por muito tempo, evite lugar abafado, tenha uma alimentação leve e pratique exercícios físicos em ambientes ventilado”. A pressão baixa é mais comum em jovens, com tendência a normalização dos níveis na idade adulta. O sintoma mais comum é a sonolência nos dias mais quentes, podendo evoluir para tonturas, principalmente ao levantar. O problema só deve ser motivo de tratamento com medicamentos quando provoca desmaios ou em casos muito frequente de tontura, que piorem a qualidade de vida. Os hipotensos não devem descuidar da hidratação, bebendo, no mínimo, dois litros de água ao dia. Atividade física regular também é um bom aliado. Pessoas com pressão baixa devem evitar permanecer em ambientes fechados, pouco ventilados e com aglomeração. A cardiologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Débora Fontoura Nunes, informa que a pressão considerada normal, tanto em mulheres quanto em homens, não deve ultrapassar 120/ 80mmHg (milímetros de mercúrio). “Os níveis inferiores dependem dos sintomas do paciente. Aqueles que apresentam pressão arterial de 90/60mmHg (considerada baixa) mas, que não ocasione outros problemas, não precisam tomar nenhuma providência”, afirma. Ao contrário, aponta a médica, a pressão alta é uma doença crônica e que precisa de um tratamento permanente.

Hipertensão Embora, menos comum durante o verão, a pressão alta também pode ocorrer. Além de desconforto, a hipertensão acarreta problemas maiores de saúde, que pode ser agravado com o uso excessivo de sal na alimentação. “Pessoas com pressão normal, inclusive crianças, que consomem muito sal, apresentam risco maior de desenvolver hipertensão. Por isso, sempre se deve evitar o consumo de embutidos, conservas, temperos prontos e salgadinhos”, salienta a cardiologista. Na pressão alta os sintomas são vários e subjetivos. Alguns pacientes podem até nem se queixar, mas apresentar níveis de pressão extremamente altos. Os sintomas mais comuns são dores de cabeça, náuseas, irritabilidade, distúrbios do sono, vertigens e zumbido no ouvido. Ao perceber algum desses sinais, o médico deve ser procurado. A hipertensão pode apresentar consequências ou mesmo ser causada por problemas mais sérios, como o colesterol alto e o diabetes. Histórico da doença na família, sedentarismo, sobrepeso, tabagismo, estresse também são fatores que aumentam a chance da doença. “Hoje, a manifestação tem sido cada vez mais precoce, entretanto não é comum em crianças. Com o passar da idade a chance de desenvolver a doença aumenta - mais de 90% de quem tem mais de 80 anos é hipertensa”, revela. Tratamento e prevenção Existem casos de hipertensão que uma mudança de hábitos alimentares somados a atividade física e perda de peso já são suficientes para a normalização da pressão. Entretanto, na maioria das vezes, é necessário o uso de medicamentos. “Dieta saudável, com muitas frutas e verduras e baixo consumo de sal, controle rigoroso do peso, atividade física regular e suspensão do tabagismo são fatores importantes que colaboram para o controle ou até mesmo para o não surgimento da doença”, ensina a médica.


4

| Quinta-feira, 9 de dezembro de 2010 |

Suor excessivo pode ser tratado com aplicação de botox

Tratamentos ortodônticos contra o envelhecimento facial O tempo passa, as pessoas envelhecem e os problemas bucais e dentários costumam se fazer presentes – em especial quando não receberam atenção especial durante a juventude. Seja por questões financeiras, por falta de tempo ou por não achar necessário, muita gente acaba deixando os cuidados com os dentes - principalmente seu alinhamento - para mais tarde. Dados da Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR) revelam que quase metade (45%) das pessoas que buscam tratamentos para seus problemas dentofaciais são adultos. “Os avanços da tecnologia permitiram tratamentos muito mais eficazes e rápidos e praticamente sem desconforto. Além disso, a cultura da sociedade muda constantemente e os adultos já não tem mais nenhum receio em utilizar aparelhos corretivos”, afirma o ortodontista e ortopedista facial Gerson Köhler, da Köhler Ortofacial. Segundo Juarez Köhler, que também é especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial da Köhler Ortofacial, a afirmação “O que os outros vão dizer de mim” costumava ser declarada por adultos que se submetiam a tratamentos ortodônticos. Hoje em dia esta realidade mudou e tratar-se é uma questão não só de estética, mas, principalmente, de saúde. Há casos em que o paciente adulto primeiro tem que tratar outros problemas, como as doenças periodontais, para então dar início ao tratamento ortodôntico. “Na maioria dos casos os pacientes decidem procurar um profissional devido a questões funcionais associadas a questões estéticas. Ao tratar problemas nas posições dos dentes e nas alterações das funções da face – as chamadas anomalias dentofaciais - o rosto fica com aparência mais harmoniosa e jovem”, ressalta. Segundo Gerson, o envelhecimento precoce da face ocorre principalmente por causa das alterações funcionais que são um dos resultados nocivos das anomalias dento-

faciais. Um exemplo é a respiração incorreta, feita pela boca, que modifica todo o funcionamento dos músculos faciais. O processo de deglutição também sofre mudanças e por ser constante – o ser humano engole a saliva cerca de duas vezes por minuto – acaba prejudicando a harmonia facial. “São efeitos altamente nocivos que no decorrer de mais de 40 anos - apenas como exemplo de idade - envelhecem o rosto e também provocam danos à saúde, tais como os distúrbios do sono que reduzem a qualidade de vida do indivíduo”, acrescenta. Os tratamentos ortodônticos também geram benefícios psicológicos, além da melhora das questões físicas e de saúde. Um sorriso bonito, com dentes saudáveis e um rosto harmônico aumentam a confiança e a auto-estima de homens e mulheres que já não gostavam mais de sorrir devido aos problemas bucais. “Não importa a idade, as pessoas querem se sentir bem e ter qualidade de vida. A beleza estética influencia até mesmo as relações sociais e de trabalho, que podem ser prejudicadas pela falta de autoconfiança, principalmente quando se trata do rosto, cartão de visita de qualquer pessoa”, destaca Juarez. Os dois especialistas esclarecem que atualmente não há razão para ter receio em usar aparelhos corretivos ortodônticos quando se está com 40 ou 50 anos, afinal hoje em dia existe uma gama de opções que atende a todas as necessidades e gostos. “Os aparelhos estão cada vez mais modernos e discretos. Alguns são produzidos em material cerâmico, que imita a cor dos dentes e ficam quase imperceptíveis a uma distância de um metro, outros são transparentes e praticamente invisíveis. Já os metálicos podem ser implantados no lado interno dos dentes, não ficando expostos ao sorrir. Por isso quem precisa de tratamento não deve hesitar em buscar um especialista”, aconselha Gerson.

Roupa molhada, cheiro ruim e sensação desagradável são alguns dos sinais de que o corpo está eliminando líquidos através da pele. O suor tem como principal função manter a temperatura do organismo estável, entre 36 e 36,5°C, e é produzido pelas glândulas sudoríparas que ficam localizadas na derme – camada da pele onde ficam as terminações nervosas e os folículos capilares. “Uma pessoa possui cerca de 2,6 milhões de glândulas sudoríparas, que podem ser écrinas ou apócrinas”, explica o cirurgião plástico Alderson Luiz Pacheco, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP). As chamadas glândulas écrinas estão por todo o corpo, sobretudo na testa, na solas dos pés e nas palmas das mãos, e são responsáveis pelo suor fluído e sem cheiro que contém água e sais minerais. Já as apócrinas aparecem após a puberdade e são encontradas principalmente nas axilas, na testa, palma das mãos e sola dos pés e produzem uma secreção composta por água, gordura e resíduos do metabolismo. “O cheiro nas axilas é provocado peça ação de bactérias da região e nos pés este fator se associa com a umidade, causando o odor desagradável”, esclarece. Pacheco aponta que o excesso de transpiração que não é causada por atividade emocional ou física - chamada de hiperidrose – acomete de 1% a 2,5% da população e afeta principalmente as axilas (hiperidrose axilar), as mãos (hiperidrose palmar), os pés (hiperidrose plantar) e também pode se manifestar no couro cabeludo (hiperidrose crânio-facial). “Ainda não se sabe ainda

quais são as causas da hiperidrose. Porém é possível afirmar que a quantidade de transpiração é uma característica individual ligada a fatores como a raça, metabolismo, questões psicológicas, doenças específicas como a obesidade, e o consumo de medicamentos, álcool, cafeína e drogas ilícitas”, ressalta. O distúrbio se agrava quando o excesso de suor possui odor desagradável, chamado de bromidrose, ou cor alterada, a cromidrose. O cheiro e as manchas nas roupas causam desconforto e podem acarretar problemas estéticos, sociais e psicológicos. Pacheco observa que mesmo com o uso de desodorantes antitranspirantes – que combatem o odor – ou antiperspirantes - que ajudam a reduzir o suor – o problema não é amenizado. “Para controlar a hiperidrose existem dois tipos de tratamentos, a cirurgia – denominada Simpatectomia – ou a aplicação de botox. O procedimento cirúrgico é definitivo, porém há riscos de complicações irreversíveis”, alerta. Já a aplicação de toxina botulínica é um procedimento mais simples, que não requer internação e elimina completamente o suor, apesar de não ser definitivo. “O botox não tem riscos de efeitos colaterais. Ele atua como um bloqueador do estímulo constante das glândulas sudoríparas que provocam o suor excessivo. Conforme são realizadas as aplicações a intensidade da hiperidrose é reduzida e a necessidade de reaplicação vai diminuindo. Em geral o procedimento tem quer ser feito a cada seis ou 12 meses e exige apenas anestesia local”, acrescenta.

PARAPSICOLOGIA E VIDA MELHOR n.º 170 Por que tantas pessoas escolhem o sofrimento? Por que muitas mulheres se casam com homens que as agridem fisicamente, se já viveram o mesmo drama numa relação anterior? Por que elas escolhem esse tipo de homem e por que não conseguem sair dessa situação? É uma ilusão dizer que alguém “escolhe” um relacionamento problemático ou alguma situação negativa na vida. Uma escolha sugere uma consciência, um alto grau de consciência. Sem ela, não há escolha. A escolha começa no instante em que nos desidentificamos da mente e de seus padrões condicionados, o instante em que nos tornamos plenamente conscientes, livres. Até alcançar esse ponto, você está inconsciente, não é livre. Significa que você foi obrigado a pensar, sentir e agir de determinadas maneiras, de acordo com o condicionamento da sua mente. É por isso que Jesus disse: “Pai, perdoai-os, porque eles não sabem o que fazem”. Se há pessoas paralisadas em um relacionamento abusivo e não é a primeira vez, é porque não escolheram. A mente subconsciente, condicionada como é pelo passado, sempre busca recriar o que conhece e com o que está familiarizada. Mesmo que seja doloroso, ao menos é familiar. A mente sempre se apega ao que lhe é familiar. O desconhecido é perigoso porque ela não tem controle sobre ele. É por isso que a mente não gosta do momento presente e prefere ignorá-lo. Se há pessoas que estão repetindo relacionamentos sofridos pode ser por estarem recriando um padrão gravado na mente subconsciente, às vezes, já durante a gestação, como no caso de gestantes vítimas de violência. Que imagem de relacionamento ou de família têm em seu subconsciente as pessoas que na infância cresceram em meio a conflitos conjugais, separações? Será uma imagem positiva de relacionamento, de família, de homem, de mulher? Muito pro-

vavelmente não. Por outro lado, essas pessoas podem estar reproduzindo um padrão mental aprendido na infância, segundo o qual elas são desprezíveis e merecem ser punidas. É também possível que elas vivam grande parte da vida identificadas com o sofrimento, que está sempre em busca de mais sofrimento para se alimentar. Os parceiros também têm seus próprios padrões inconscientes, que completam os delas ou vice versa. Ninguém escolhe o problema, a briga, o sofrimento. Ninguém escolhe a doença. Elas acontecem porque não existe presença suficiente para dissolver o passado, ou luz suficiente para dispersar a escuridão. Você não está aqui por inteiro. Você ainda não acordou. Nesse meio tempo, a mente condicionada, o subconsciente, está governando a sua vida. Do mesmo modo, se você é uma das inúmeras pessoas que têm assuntos mal resolvidos com pessoas que fizeram ou fazem parte da sua vida, se ainda guarda ressentimentos por alguma coisa que alguém fez ou deixou de fazer, então você ainda acredita que eles tiveram uma escolha e poderiam ter agido diferente. Sempre parece que as pessoas fizeram uma escolha, mas é ilusão. Enquanto a sua mente, com seus padrões de condicionamento, dirigir a sua vida, enquanto você for a sua mente, que escolhas você tem? Nenhuma. Quase todas as pessoas vivem nesse estado de inconsciência, agem movidos pela inconsciência. No momento em que você perceber isso, não haverá mais ressentimento. Estarão criadas as condições para a compaixão. Parapsicólogo Flávio Wozniack - CNPAC nº 101 E-mail: flavio.wozniack@ig.com.br 1. Av. Manoel Ribas, 852 - sala 12 Mercês – Curitiba - 3336-5896 9926-5464 2. Estrada da Ribeira - Colombo Clínica Strapasson - 3606-2635

Saude 09-12-2010  

Saude 09-12-2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you