Issuu on Google+

Sexta-feira, 15 de julho de 2011 |

3

15 de julho - Dia do Homem Poucos homens fazem consultas rotineiras ao médico urologista, como fazem as mulheres aos ginecologistas. Em contrapartida, a maioria dos problemas graves podem ser solucionados se forem detectados em seu início. As companheiras ainda têm papel fundamental no estímulo ao hábito do autocuidado Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, 44% dos homens que buscam auxílio médico possuem queixas de impotência sexual. O que na verdade é um grande problema para os homens representa também sintomas de outras doenças físicas ou possíveis distúrbios emocionais para os médicos. A urologista Sylvia Faria Marzano indica as consultas já na adolescência, como fazem as meninas. “Muitos rapazes podem desenvolver ejaculação precoce e ficar escondendo esse problema por anos. O tratamento existe e é baseado em terapia, pois na maioria dos casos está ligado à ansiedade. Passamos exercícios de auto-conhecimento corporal para que o paciente controle sua ereção e ejaculação”, falou a médica. No caso do adolescente, um acompanhamento médico periódico pode ajudar já no início, evitando uma formação sexual cercada de traumas e constrangimentos. “Um bom médico também está capacitado para orientar esse jovem, distanciando-o das aventuras químicas em torno dos medicamentos para ereção, muito em voga em baladas, onde são ingeridos combinados com outras drogas apresentando grande risco de vida”, completou. A médica explica ainda que as disfunções sexuais em geral se baseiam na combinação de fato-

res biológicos, psicológicos e sociais. “A vida adulta do homem é cercada de desafios diários. Ele tem que ser bem sucedido, mostrar virilidade, conquistar uma mulher, constituir família, educar filhos, etc. Muitas vezes as disfunções surgem nesse período, durante as crises no relacionamento.” Meia idade Depois dos 40 anos, a saúde masculina começa a merecer atenção redobrada. “Dependendo do estilo de vida, alguns homens começam a dar os primeiros sinais de diabetes, colesterol, hipertensão e sobrepeso, os principais inimigos da ereção. Tanto as doenças como os efeitos colaterais dos medicamentos indicados para o controle destas podem diminuir o desejo, alterar o fluxo e a pressão sanguínea e aí ele sente o alarme”, aponta Sylvia. Nessa fase da vida é fundamental que os especialistas envolvidos no tratamento desse paciente se dialoguem para que os medicamentos dos variados tratamentos se combinem e permitam que o paciente mantenha sua qualidade de vida. Além disso, é nessa fase também que as mudanças na saúde sexual orgânica dos homens pedem maior acompanhamento. A próstata continua a crescer durante a vida e com o envelhecimento do homem, pode ficar tão grande que comprime a bexiga ou a uretra, causando problemas

para urinar e, muitas vezes, danificando a bexiga ou os rins ou contribuindo para o desenvolvimento de pedras na bexiga. A hiperplasia benigna acomete 40% dos homens com 50 anos, 60% dos homens com 60 anos e mais de 80% dos homens com 80 anos. O exame do toque é rápido (de 5 a 30 segundos), e indolor (usa-se lubrificante). O médico procura sentir os sulcos da próstata com o dedo. Geralmente, a próstata deve ter a consistência de fibro-elástica. Se houver algo duro, ali no meio, já pode ser um sinal de câncer de próstata. Nesse caso, o médico já com o PSA (Antígeno Prostático Específico) alterado ou não, pede uma biópsia para confirmar o diagnóstico. Para se determinar se tem o tumor benigno ou maligno. A descoberta de um tumor numa fase precoce e em um indivíduo jovem (com menos de 55 anos) possibilita alto grau de cura, variando de 75 a 87% em 10 anos. Recomenda-se que o exame retal seja feito em todos os homens acima de 50 anos, anualmente, como parte do exame médico de rotina. Se houver algum caso confirmado na família, esta prevenção deve ser semestral e iniciar-se entre 40 e 45 anos. Com a idade, alguns homens também podem desenvolver deficiência androgênica (diminui-

Exames rotineiros são fundamentais para acompanhar quadro de saúde

ção da produção do hormônio masculino). A taxa de declínio da testosterona varia de 1 a 2 % ao ano, a partir dos 50 anos de idade. Numerosas alterações anatômicas ocorrem nos testículos com a idade. O tamanho e o peso diminuem, e há também diminuição das células que produzem a testosterona. O tratamento mais eficaz é parecido com a reposição hormonal feminina, por injeções intramusculares de compostos de Testosterona. Os benefícios do tratamento incluem uma melhora na sensação de bem estar, libido e força muscular; aumento da massa magra e diminuição limitada da massa gorda corpórea; diminuição da depressão do idoso.


4

Sexta-feira, 15 de julho de 2011 |

PARAPSICOLOGIA E VIDA MELHOR nº 197 O que é que significa possuir alguma coisa? O que significa tornar alguma coisa "minha"? Se alguém parar no centro de uma grande cidade, apontar para um arranha-céu e disser: "Aquele prédio é meu. Sou o dono dele", ou essa pessoa é muito rica, ou está se iludindo, ou é uma mentirosa. Em qualquer um desses casos, ela está contando uma história em que a forma de pensamento "eu" e a forma de pensamento "prédio" se fundem numa coisa só. É assim que o conceito mental de propriedade funciona. Se todo mundo confirmar sua história, é porque deve existir uma papelada assinada que ateste o motivo pelo qual todos concordam com isso. A pessoa é rica. Caso ninguém aceite sua afirmação, ela será mandada para um psiquiatra, pois ou está tendo alucinações ou é uma mentirosa compulsiva. É importante reconhecer que a história e as formas de pensamento que a constituem, independente de todos concordarem com elas ou não, não tem nada a ver com quem a pessoa é. Ainda que a afirmação sobre a propriedade do prédio seja aceita, trata-se, no fim das contas, de uma ficção. Muitos indivíduos não compreendem isso até estarem no leito de morte e constatarem que nada que é exterior, nenhuma coisa, jamais correspondeu a quem eles são. Com a proximidade da morte, todo o conceito de propriedade acaba se revelando sem o menor sentido. Nos seus últimos momentos de vida, as pessoas também entendem que, embora tenham estado em busca de uma percepção mais completa do eu ao longo de toda a sua existência, o que elas estavam de fato procurando, seu Ser, na verdade sempre havia estado ali, mas fora obscurecido de modo significativo por sua identificação com as coisas, o que, em última análise, significa identificação com a mente. Renunciar a todos os bens é uma prática espiritual antiga tanto no Oriente quanto no Ocidente. Desistir dos bens, porém, não nos liberta automaticamente do ego. Ele tentará assegurar a própria sobrevivência encontrando alguma coisa com a qual se identificar - por exemplo, uma imagem mental da própria pessoa como alguém que superou todos os interesses pelos bens materiais e é, portanto, superior ou mais espiritualizada do que as outras. Há indivíduos que abrem mão de todas as posses, no entanto têm um ego maior do que alguns milionários. Se deixarmos de lado um tipo de identificação, o ego logo encontrará outra. No fim das contas, não importa ao que ele se apega desde que isso tenha uma identidade. Ser contra o consumismo ou não concordar com a propriedade privada seriam outras formas de pensamento, outras mentalidades, capazes de substituir a identificação com os bens. Por meio delas podemos nos considerar certos e classificar os outros como errados. Na época da colonização da América do Norte, por exemplo, os nativos consideravam a propriedade da terra um conceito incompreensível. E, assim, eles a perderam quando os europeus os fizeram assinar folhas de papel, que eram igualmente incompreensíveis para a sua cultura. Os indígenas sentiam que pertenciam à terra, mas ela não lhes pertencia. O ego tende a equiparar ter com ser: eu tenho, portanto eu sou. E, quanto mais eu tenho, mais eu sou. Eis um grande engano.

Parapsicólogo Flávio Wozniack 3336-5896 9926-5464 A Parapsicologia pode ser de grande ajuda para os casos de: Depressão, medos, síndrome do pânico, estresse, ansiedade, TPM, bloqueios, traumas, dependências químicas, superação de perdas. Atendimento Pessoal em Curitiba, Colombo e agora também em São José dos Pinhais Rua Joinville 2830, Loja 1 - 3398-9908

Ai minhas pernas! O inverno é a época mais indicada para as cirurgias de varizes e varicoses Sensação de peso, inchaço, cansaço nas pernas ao final do dia e incômodo com a aparência estética. Esses são os principais sintomas das varizes e varicoses que, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), atingem cerca de 25 milhões de pessoas em todo o mundo. A boa notícia é que a estação mais fria do ano é o período ideal para tratá-las. “Com o clima ameno do inverno, o pósoperatório tornar-se mais confortável, já que após a cirurgia, é necessário restringir a área tratada da exposição solar por, pelo menos, um mês”, explica o cirurgião vascular do Hospital Nossa Senhora das Graças, Marcio Miyamotto. O diagnóstico das varicoses é basicamente clínico, pois são superficiais e visíveis. Já, as varizes situam-se na hipoderme, ou seja, abaixo da pele. As veias de localização mais profunda, como, as safenas e as perfurantes, podem dilatar e não serem detectadas ao exame físico. Nesses casos, o especialista orienta a realização de um ecodoppler colorido (ecodoppler vascular) para obter mais informações sobre o diagnóstico da doença. Para atender a grande procura por tratamentos para varizes e varicoses, surgiram novas alternativas. Para as varizes, além da cirurgia convencional existe a radiofrequência, o endolaser e a escleroterapia por espuma. Já para as varicoses, há a escleroterapia (conhecido como “aplicação”), o laser transdérmico e a termocoagulação. Varizes O tratamento mais utilizado para a retirada das varizes é a cirurgia convencional. “Esse

Desfile com pernas bonitas no verão tratando delas no inverno

procedimento ocorre com pequenas incisões e, sob anestesia, as veias safenas são retiradas”, diz o cirurgião. Entretanto, para pacientes obesos, pessoas com veias safenas muito dilatadas e profundas, ou com alteração da pele no local das varizes são indicadas outros procedimentos. Entre elas, o tratamento das safenas por radiofrequência, em que não são necessárias incisões e a veia não é retirada, mas sim “secada”. “Sem trauma cirúrgico da retirada de veia, esse procedimento é menos agressivo e oferece uma recuperação pós-operatória mais rápida e com menor ocorrência de edema e hematomas”, ressalta o cirurgião. O tratamento com endolaser é semelhante ao da radiofrequência. “A decisão entre a esco-

lha por um dos procedimentos deve ser realizada pelo cirurgião vascular, já que os benefícios são parecidos”, esclarece. Já o tratamento das varizes e das veias safenas com escleroterapia por espuma possui uma vantagem: o método pode ser realizado com anestesia e com período de afastamento menor que a cirurgia convencional. “Atualmente é destinada a pacientes com varizes mais antigas, que apresentam grandes alterações de pele ou que apresentaram feridas nas pernas”, orienta Dr. Miyamotto. Varicoses Já para as varicoses, o médico orienta que o tratamento de escolha seja a escleroterapia, conhecido como ‘aplicação’. “Esse tratamento consiste na injeção de uma substância líquida dentro dessas pequenas vei-

as anormais, que irão destruí-las ‘ou secá-las’. Várias substâncias podem ser utilizadas, porém a glicose hipertônica é a mais usada pela sua eficácia e maior segurança”, detalha o cirurgião. Também pode ser utilizado o tratamento com laser transdérmico, que permite tratar as varicoses em qualquer lugar no corpo, inclusive na face. “Através de um dispositivo que emite uma luz, transferindo energia para certos tecidos embaixo da pele, há a geração de calor que ‘seca’ a varicose que está sendo tratada”, explica. Outro tratamento é a termocoagulação, realizada com uma microagulha. “É indicado para tratar daquelas varicoses muito pequenas, em que a punção para injeção de glicose é, tecnicamente, mais trabalhosa”, salienta.

Aprenda como clarear a pele do rosto e deixar sua face com uma aparência saudável fazendo esta receita caseira simples As manchas no rosto são indesejadas por todos e estas colorações na pele são ocasionadas por diversos motivos, a exposição ao sol, marcas de acne, melanina e infecções são alguns dos fatores que provocam as manchas na pele. Receita caseira para clarear a pele do rosto ½ xícara de arroz branco lavado ½ xícara de água mineral 1 pacote de gelatina vegetal sem sabor 1 colher de sopa de aveia em pó 1 colher (chá) de álcool de cereais Como preparar o “clareador natural” Deixe o arroz de molho na água por 12 horas, feito isso passe o arroz num tecido fino e recolha o líquido, onde será umedecida a gelatina. Adicione a aveia e o álcool e misture bem. Aplique na pele limpa, numa camada espessa e homogênea. Repousar por 20 minutos, deitando-se com os pés ligeiramente acima do nível da cabeça. Deixe agir por 30 minutos e remova com água fria.

Pequenos cuidados em casa deixam a pele mais clara e hidratada


saude15-07