Issuu on Google+

Sexta-feira, 3 de junho de 2011 |

3

Hospital do Coração dá dicas de como se prevenir das doenças respiratórias que aparecem no inverno As mudanças nos hábitos de vida também contribuem para o aumento das doenças respiratórias, pois ficamos mais tempo em ambientes internos e expostos ao ar condicionado. As pessoas mais sedentárias, que dormem pouco e se alimentam mal, prejudicam a resposta de defesa do organismo Com a chegada do outono e do inverno, muitas pessoas sofrem com as oscilações climáticas. O tempo seco e a baixa umidade relativa do ar são fatores que contribuem para o aumento das alergias respiratórias devido à alta concentração de poluentes na atmosfera. Com isso há uma redução dos mecanismos de defesa do organismo, o que propicia o aparecimento de doenças respiratórias como a asma, bronquite, rinite e sinusite. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, as alergias atingem, em média, 30% da população mundial. Especialistas estimam que, até o final do século, metade dos brasileiros deve sofrer com divervos tipos de alergias. Porém, durante o inverno, os maiores níveis de poluentes no ar costumam irritar as vias respiratórias com mais frequência e, nessa estação, ocorre a já conhecida inversão térmica, quando uma camada de ar frio mais pesada acaba descendo à superfície terrestre e retendo os poluentes. O ar frio também atua como irritante das vias aéreas, o que acarreta mais sintomas alérgicos, como a falta de ar e a coriza. Além disso, a maior circulação de vírus como o da gripe e do resfriado influenciam diretamente no aumento de doenças do aparelho respiratório. Segundo o pneumologista do HCor - Hospital

do Coração, Dr. Carlos Carvalho, o organismo reage de acordo com a temperatura e com o clima. “A temperatura do nosso corpo internamente é de 37 graus. Em dias muito frios ocorre a vasoconstrição para mantermos o nosso corpo aquecido. Já, com a respiração, existe uma grande perda de água e calor. Quando as vias respiratórias são atingidas por um ar mais seco e frio há uma piora do sistema respiratório, que reduz a produção de muco eliminado pelas glândulas das vias aéreas, na qual existem enzimas e anticorpos protetores. Com o frio, o transporte do muco das vias aéreas inferiores para as superiores fica comprometido e faz com que as doenças respiratórias se proliferem com maior facilidade”, explica o especialista. Para se manter protegido de vírus e bactérias que afetam a respiração, atitudes simples podem evitar a proliferação dessas doenças como manter os ambientes arejados, beber bastante líquido e controlar a umidade relativa do ar acima de 50%, são algumas das ações que podem fazer a diferença. Além de receitas caseiras existem no mercado atualmente algumas vacinas para a prevenção de infecções respiratórias como é o caso da gripe, vírus influenza e para o pneumococo. Elas são encontradas em clínicas especializadas, porém devem ser indicadas por um médico. “No inverno, o HCor, assim como os hospitais e clínicas de nossa cidade, registra um aumento de 30 a 40% no atendimento a pacientes com doenças respiratórias. As crianças e os idosos são os que mais procuram um especialista”, explica Dr. Carvalho.

Dicas úteis para fugir das doenças respiratórias nesse inverno * Mantenha o organismo hidratado, mas sem exagero; * Evite fumar ou se expor a ambientes com muita poeira ou fumaça; * Mantenha o ambiente arejado. As bactérias ficam concentradas em ambientes fechados, por isso é importante evitar esses locais fechados; * Evite o contato com pessoas gripadas ou com resfriados, pois essas doenças são adquiridas pelo ar; * Mantenha a respiração sempre pelo nariz e não pela boca, pois as narinas têm a função de filtrar o ar e aquecê-lo; * Lençóis, edredons e roupas devem ser expostos ao sol e lavados sempre que necessário; * As pessoas que já possuem problemas respiratórios como bronquite, asma e sinusite devem evitar o contato com bichos de pelúcia, tapetes e produtos que possuem pêlos; * A alimentação deve ser balanceada com sopas e caldos ricos em verduras e legumes. As frutas são essenciais, principalmente aquelas que contêm vitamina C, como a laranja. Elas ajudam a prevenir gripes e resfriados.

Manter os ambientes arejados, beber bastante líquido e controlar a umidade relativa do ar são algumas das ações que podem evitar problemas respiratórios


4

Sexta-feira, 3 de junho de 2011 |

PARAPSICOLOGIA E VIDA MELHOR nº 191 As manifestações coletivas de insanidade que se encontram na essência da condição humana constituem a maior parte da história da nossa espécie. Medo, cobiça e desejo de poder são as forças motivadoras psicológicas que estão por trás não só dos conflitos armados e da violência envolvendo países, tribos, religiões e ideologias, mas também do desentendimento incessante nos relacionamentos pessoais. Elas produzem uma distorção na percepção que temos dos outros e de nós mesmos. Reconhecer a própria loucura marca, obviamente, o surgimento da sanidade, o início da cura. Ao longo da história surgiram pessoas especiais que se dirigiam aos seus contemporâneos falando sobre pecado, sofrimento e ilusão. Diziam: "Observe seu modo de viver. Veja o que você está fazendo, o sofrimento que está causando". Depois, indicavam a possibilidade de despertar do pesadelo coletivo da existência humana "normal". E mostravam o caminho para a iluminação (hinduístas), para a salvação (Jesus), para o fim do sofrimento (budismo). O mundo ainda não estava preparado para esses mestres. No entanto, eles foram uma parte crucial e indispensável do despertar humano. Inevitavelmente, na maioria das vezes, não chegaram a ser bem entendidos por seus contemporâneos, nem pelas gerações seguintes. Seus ensinamentos, embora simples e eficazes, acabaram sendo distorcidos e mal interpretados, em alguns casos até mesmo na maneira como foram registrados por escrito por seus discípulos. Alguns desses sábios foram ridicularizados, insultados ou mortos, enquanto outros passaram a ser venerados. Os ensinamentos que indicavam o caminho que se encontra além da insanidade da mente subconsciente foram desvirtuados e tornaram-se eles mesmos parte da insanidade. Assim, as religiões, numa grande medida, firmaramse como forças divisoras em vez de unificadoras. Em lugar de estabelecerem o fim da violência e do ódio, suscitaram mais violência e ódio, mais separações entre indivíduos, religiões e até cisões dentro de um mesmo credo. Tornaram-se ideologias, sistemas de crenças com os quais as pessoas podiam se identificar. Por meio dessas crenças, elas se classificavam como "certas" e chamavam os outros de "errados". Assim, definiam sua identidade diante dos inimigos - os "outros", os "nãocrentes" ou "crentes equivocados" - e, algumas vezes, consideravam-se no direito de matá-los. Mas, apesar dos desvarios perpetrados em nome das religiões, a Verdade que elas indicam não deixou de brilhar em sua essência, ainda que fracamente, através de muitas camadas de distorção e interpretação errônea. Essa Verdade só pode percebê-la quem tenha visto pelo menos lampejos dessa Verdade dentro de si. A Verdade nos leva muito além do que a mente é capaz de compreender. Nenhum pensamento pode conter toda a Verdade. No máximo, pode apontar para a Verdade dizendo, por exemplo: "Todas as coisas são intrinsecamente uma só." Essa é uma indicação, não uma explicação. Compreender essas palavras é sentir profundamente dentro de si mesmo a Verdade para a qual elas apontam. CURSO SOBRE FENÔMENOS PARANORMAIS: Telepatia, pressentimentos, feitiços, mau olhado, casas assombradas, possessões. Na Paróquia Bom Jesus - São José dos Pinhais. Início: 21 de Junho. Inscreva-se no 3081-4336

Parapsicólogo Flávio Wozniack 3336-5896 9926-5464 1. Atendimento em São José dos Pinhais 2. Av. Manoel Ribas, 852 - sala 12 Mercês - Curitiba 3. Estrada da Ribeira - Colombo Clínica Strapasson - 3606-2635

Os resultados da lipoaspiração são duradouros? Um estudo americano - Fat Redistribution Following Suction Lipectomy: Defense of Body Fat and Patterns of Restoration - publicado na revista Obesity, causou muita preocupação em quem está pensando em fazer uma lipoaspiração e certa apreensão em quem se submeteu ao procedimento, recentemente. Isso porque os autores, pesquisadores da Universidade do Colorado, defendem que o procedimento pode reduzir a gordura de coxas e quadril, mas, com o tempo, a gordura retirada das coxas volta a se acumular na parte superior do abdome e nos braços. De acordo com os estudiosos, que acompanharam 32 mulheres na faixa dos 36 anos, que tiveram suas circunferências corporais e percentuais de gorduras medidos, dois meses após a lipoaspiração, elas tinham perdido 2% de gordura e quase o mesmo em circunferência. Um ano depois, as medidas foram reavaliadas. A gordura total voltou aos índices originais, mas concentrada na parte superior do corpo. Este tipo de resultado, segundo os pesquisadores americanos, não depende do cirurgião plástico ou de sua habilidade cirúrgica. Ele depende da

É importante entender que a lipoaspiração é uma cirurgia de acerto de contornos e não deve ser encarada como um método para emagrecer “biologia da gordura”. Os pesquisadores dizem não se surpreender com a volta da gordura, pois o corpo, “defende a sua gordura”. Assim como na lipoaspiração, se você perder peso, mesmo fazendo dieta, ele voltará. Resultados da lipoaspiração Para o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada, “a região lipoaspirada melhora o contorno corporal, por isso, se houver um aumento de peso, pequeno ou moderado, não ocorrerá perda do resultado. Por outro lado, se você ganhar muito peso, as células de gordura restantes começam a armazenar os excessos, uma vez que as células gordurosas aspiradas não voltam. Resumindo: o novo acúmulo de gordura só acontecerá se o paciente engordar. Por-

tanto, aquele que se submete a uma lipoaspiração deve fazer sua parte: ou seja, manter ou até baixar, quando necessário, seu peso após uma lipoaspiração”, explica. A lipoaspiração é um procedimento destinado a remover apenas gorduras localizadas, como as que se encontram debaixo dos braços, nos quadris e na região abdominal. “É o tipo de gordura que dificilmente pode ser eliminado, mesmo com o auxílio de exercícios físicos e de uma nova dieta”, explica o médico. Esta regra só se aplica aos pacientes adultos. Crianças, ainda que tenham acúmulo de gordura no corpo, a ponto de comprometer seu bem estar físico e psicológico, não devem se submeter à lipoaspiração. Já para os adolescentes, a lipoaspiração é mais aceita pelos mé-

dicos, contanto que o jovem operado não seja obeso. Ruben Penteado explica que a partir de 10% a mais do peso ideal, os resultados da lipoaspiração não são tão satisfatórios. É importante entender que se trata de uma cirurgia de acerto de contornos e não deve ser encarada como um método para emagrecer. “Há um limite de gordura que pode ser retirado. Exercício e dieta são os caminhos para quem precisa eliminar o excesso de peso. De acordo com as normas do Conselho Federal de Medicina, não se pode passar de 7% do peso corporal do paciente na lipoaspiração úmida (com injeções de soluções líquidas) e 5% de retirada de gordura na lipoescultura a seco”, diz o cirurgião plástico. Este limite máximo de retirada de gordura varia de acordo com cada paciente. “Mas, em geral, varia de 5 a 7% do peso corporal. O exagero pode debilitar o organismo porque junto com a gordura há também aspiração de sangue. É recomendável conversar com o cirurgião plástico, falando de suas expectativas e ouvindo a avaliação do profissional sobre o quanto pode ser removido do seu corpo”, aconselha o diretor do Centro de Medicina Integrada.

O preenchimento das receitas médicas está mais rigoroso No dia 9 de maio de 2011, foi publicada no Diário Oficial da União, a nova resolução que dispõe sobre o controle de medicamentos antimicrobianos A partir desse mês, o paciente passará por uma rigorosa conferência de sua receita médica ao chegar a uma farmácia. Isso se deve a Resolução – RDC nº 20/2011, publicada no dia 09 de maio de 2011, no Diário Oficial da União. “A nova legislação dispõe sobre o controle de medicamentos antimicrobianos de uso sob prescrição e substitui todas as normas anteriores que abrangiam a questão”, explica a farmacêutica Adriana Bess de Souza, da Farmácia Magistral, que faz parte do Grupo do Hospital Nossa Senhora das Graças. A nova resolução mantém a essência da revogada RDC nº. 44/2010 quanto à exigência da apresentação, retenção e escrituração das receitas contendo medicamentos antimicrobianos. “O objetivo é fazer com que as pessoas façam o uso coerente do medicamento, para minimi-

zar a elevação da resistência bacteriana no país”, afirma Adriana. Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que mais de 50% das prescrições de antibióticos no mundo são inadequadas. Com a nova lei em vigor, para que o paciente consiga adquirir a medicação é necessário que a receita médica corresponda a todos os itens solicitados – incluindo o preenchimento do receituário e seu novo formato. “As receitas que não obedecerem aos itens solicitados na lei, não serão atendidas pelas farmácias”, ressalta a farmacêutica. Em relação ao formato a nova resolução exige que o receituário deva ser preenchido de forma legível, sem rasuras e que o paciente receba no consultório médico duas vias. “Nela, deve conter a identificação do paciente, com nome completo, idade e sexo”, explica a farmacêutica. Para que não haja rejeição das farmácias é fundamental a iden-

tificação do médico emissor. “É necessário ter o nome do profissional, nº de CRM e nome da instituição, endereço completo, telefone, assinatura, carimbo com marcação gráfica e a data da emissão”, enumera. No momento do preenchimento o médico deve evidenciar a identificação do medicamento ou substância prescrita, sob a forma de Denominação Comum Brasileira (DCB). “O médico precisa prescrever a dose ou concentração, forma farmacêutica, posologia e a quantidade em algarismos arábicos”, esclarece. A receita poderá conter a prescrição de outras categorias de medicamentos desde que não sejam sujeitos a controle especial. “Não há limitação do número de itens contendo medicamentos antimicrobianos prescritos por receita. Já a prescrição de medicamentos antimicrobianos deve ser realizada em receituário privativo do médico ou do estabelecimento de saúde”, enfatiza.

Receita para tratamento de doenças As especificações de tratamentos também devem ser mencionadas pelo médico. De acordo com a farmacêutica existem vários tipos de tratamento, entre eles: - Tratamento Prolongado: a receita poderá ser utilizada para aquisições posteriores dentro de um período de 90 dias a contar da data de sua emissão. - Receita de uso contínuo: A receita deverá conter a indicação de uso contínuo, com a quantidade a ser utilizada para cada trinta dias. - Tratamentos ligados ao Ministério da Saúde (que exijam períodos diferentes dos mencionados): a receita/prescrição e a dispensação deverão atender às diretrizes do programa. - Validade da receita antimicrobiana: A receita de antimicrobianos é válida em todo o território nacional, por dez dias a contar da data de sua emissão.


saude03-06