Issuu on Google+

w w w. m e t r o p o l e j o r n a l . c o m . b r

Ano 13 | Nº 3005 | 12 de abril de 2012

Presidente: Ary Leonel da Cruz

AE/Notícias

» O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, confirmou ontem (11) que as montadoras irão investir US$ 22 bilhões até 2015. Belini e outros representantes do setor conversaram com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre o novo regime automotivo brasileiro, que dá incentivos a um maior conteúdo de componentes nacionais nos carros. O novo regime vigorará entre 2013 e 2017. "O grande esforço agora é em busca da competitividade do setor no Brasil", disse Belini, após a reunião com o ministro. Página 7

Senado aprova mais 11 Varas do Trabalho no Paraná » O plenário do Senado

Federal aprovou nesta quarta-feira (11), o projeto de lei da Câmara dos Deputados que cria onze novas varas do trabalho para o Paraná. O projeto segue para sanção presidencial. A presidente Dilma Rousseff deve se manifestar em 15 dias úteis, contando da chegada do projeto à Casa Civil. Para a presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), desembargadora Rosemarie Diedrichs Pimpão, a atuação do senador Álvaro Dias, relator do projeto, foi fundamental para a rápida tramitação do processo no Senado.

As montadoras são estruturas industriais com grande valor tecnológico agregado

Governo destina R$ 26 milhões para consórcios de saúde

Rogério Machado/SEDS

Governo comemora um mês de UPS no bairro Uberaba » O secretário de Estado da Segurança Pública Reinaldo de Almeida César, o comandante geral da PM coronel Roberson Luiz Bondaruk e o subcomandante geral coronel César Alberto Souza divulgam na manhã de hoje (12) o balanço de um mês das atividades da Unidade Paraná Seguro do Uberaba (UPS). Durante o evento também serão entregues certificados da conclusão do "Curso de Operador de Grupo de Interação Social", aos policiais que trabalham na UPS ou se prepararam para esta função. Página 10

» O prefeito de Colombo, J. Camargo lançou oficialmente ontem, 11, o projeto multimídia Lousa Interativa em todas as salas de aulas de quintos anos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino. "Temos investido na

melhoria da educação através da ampliação e modernização das tecnologias disponíveis em sala de aula, e a evolução está evidente nas vidas de nossas crianças", destacou o prefeito J. Camargo. Página 4

Exames, palestras e orientações estimulam o combate ao Câncer de Mama em Pinhais pio. Na noite da última terça-feira (10) foi realizado um evento de mobilização com palestras, orientações e agendamento de exames. Página 13

Anencefalia: julgamento de ação é suspenso no STF

A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa o vice-governador Flávio Arns e o secretário da Saúde Michele Caputo Neto participam da solenidade

» Os 24 consórcios intermunicipais de saúde do Estado assinaram nesta quarta-feira (11) o termo de adesão ao Comsus, programa do governo estadual que destinará este ano R$ 26 milhões aos consórcios para qualificação da atenção secundária à saúde. O

Paraná Clube com o Ceará em Fortaleza

Colombo implanta projeto multimídia nas escolas

» O combate ao Câncer de Mama vem sendo enfrentado pelas equipes de Saúde em Pinhais. Várias iniciativas vem mobilizando o público feminino nos bairros do municí-

Página 3

Comsus (Programa de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde) amplia o acesso da população a consultas especializadas, a exames (como ultrassom, exames oftalmológicos e mamografias) e cirurgias eletivas ambulatoriais. Página 3

» O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, suspendeu o julgamento da ação que pede a descriminalização do aborto no caso de gravidez de feto anencéfalo. A sessão será retomada hoje (12), às 14 horas. Dos 11 ministros, seis já votaram, sendo cinco a favor da mulher ter a opção de interromper a gestação nesses casos - Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Joaquim Barbosa, Luiz Fux e Cármen Lúcia- e somente Ricardo Lewandoski, o único contra e o último a proferir o voto ontem. Faltam votar os ministros Carlos Ayres Britto, Celso de Mello, Gilmar Mendes e Cezar Peluso. Página 3

Coritiba vence o ASA no Couto Pereira » Depois de se recuperar da derrota por 1 x 0, no jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil, diante do Asa de Arapiraca (AL), o Coritiba eliminou os alagoanos por 3 x 0, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba, na noite de ontem (11). Com o resultado, o alviverde se classifica para as oitavas de final, em que enfrentará Paysandu ou Sport. O próximo desafio do Coxa será no domingo (15), diante do Operário de Ponta Grossa, às 16, no Estádio Germano Krüger, em partida válida pela 9ª rodada do Paranaense 2012.

Foto Marcelo Schiavon/Gazeta Press

» O Paraná Clube foi até Fortaleza (CE), na noite de ontem (11), com a esperança de trazer uma vitória sobre o Ceará, mas depois da partida empatada em 1 x 1, o Tricolor virou o placar e, no finalzinho, cede o empate e o jogo termina em 2 x 2, na primeira rodada da segunda fase da Copa do Brasil. Mesmo sendo guerreiro em campo, a zaga paranista teve muito trabalho para afastar o perigo imposto pelos cearenses. Destemido, depois de ver o time adversário abrir o placar, o elenco do Paraná buscou o empate aos onze minutos, virou no jogo e, no final, o Ceará empatou e o jogo terminou em 2 x 2. O próximo confronto será na quarta-feira (18), na Vila Capanema. Página 12

Diário de Circulação Nacional

Montadoras vão investir US$ 22 bilhões até 2015

Programa Família Paranaense chega a 30 municípios » A secretária da Família, Fernanda Richa, assinou ontem (11) o protocolo de intenção com 30 prefeitos para participação no Programa Família Paranaense. São os primeiros municípios a iniciar o processo para implantação do programa, que envolve várias secretarias do governo estadual para melhorar as condições de vida das famílias em situação de vulnerabilidade social. O programa vai atender 100 mil famílias até 2014. Página 6

Quinta-feira

Coritiba vence o jogo por 3 x 0 e elimina o ASA da Copa do Brasil

Página 12


2

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Editorial

A crítica da crise O mundo é capitalista, mesmo sob protestos ideológicos, e tudo que diz respeito à vida planetária tem estreita relação com recursos financeiros. Esse mundo capitalista vive hoje uma crise gerada pelo próprio sistema. E ameaça um dos eventos mais importantes para o planeta: a Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) - a Rio+20. A crise econômica que atinge países da Europa e os Estados Unidos pode ter impacto negativo sobre a Rio+20, mas não será suficiente para esvaziar a conferência global marcada para junho deste ano, no Rio de Janeiro. Na avaliação do negociador-chefe do Brasil para a Rio+20, André Correa do Lago, a crise pode prejudicar o compromisso dos países mais ricos de transferir recursos financeiros a nações em desenvolvimento para que avancem na agenda sustentável. "É evidente que num período em que os países mais ricos estão precisando de dinheiro para resolver seus problemas fica muito difícil que eles assumam compromissos de transferência de recursos para países em desenvolvimento", afirmou. Por outro lado, Correa do Lago acredita que a crise social e econômica cria um ambiente mais favorável para se questionar o modelo atual de produção e consumo. "Se a ideia é ter um mundo diferente, sob novos paradigmas, o efeito da crise contribui para a discussão de mudanças significativas. A crise ajuda a pensar em alternativas", acrescentou. Correa do Lago ressaltou ainda que a conferência vai tratar de questões a serem resolvidas em longo prazo, que vão além da duração da crise econômica. Representantes de 40 países que integram o G77, grupo formado por nações em desenvolvimento, estarão reunidos por dois dias a partir de hoje no Rio de Janeiro, para uma discussão informal sobre os principais temas que serão debatidos durante a Conferência Rio+20: a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e a estrutura da governança mundial no desenvolvimento sustentável. "Não será uma negociação formal, mas uma discussão para sentir como está o clima para a reunião de Nova York, no fim de abril [quando será realizada mais uma reunião preparatória para a conferência]", disse Correa do Lago. Segundo ele, o Brasil deve tentar fortalecer sua participação dentro do G77 para que suas propostas nas negociações sobre o texto que servirá de base para a conferência das Nações Unidas tenham mais peso do que se forem apresentadas isoladamente. "Se a posição dos países for aprovada pelo G77 ela será defendida por 131 países [que integram as Nações Unidas]. É do interesse do Brasil continuar no grupo dos 77", afirmou. Correa do Lago enfatizou ainda que o grande resultado da Rio+20 não está relacionado ao documento final, que será assinado pelos países-membros ao fim do encontro, mas à maneira como o desenvolvimento sustentável será tratado e aos processos de mudança que serão abertos a partir da conferência. Tudo muito do jeitinho que os organizadores gostam e, como dizem os ideológicos, politicamente correto. Se a mesma economia que os mentores da Rio+20 pretendem reformar não prover os recursos, a cúpula planetária estará comprometida.

Política & Poder AS PROMESSAS A coisa toda é meio controversa, mas muito mais ponto de vista de adversário político querendo fazer mídia e criar caso em ano eleitoral. Eis que o deputado federal João Arruda, sobrinho do senador Roberto Requião (PMDB), secretário-geral do diretório estadual do partido, disse nessa semana que irá registrar em cartório as promessas feitas na campanha de 2010 e ainda não cumpridas pelo governador Beto Richa (PSDB). Algumas então serão registradas pela segunda vez, já que o então candidato Richa formalizou todas em cartório. Encenação de candidatos a cargos majoritários que nas eleições dos últimos anos tem feito esse teatrinho para eleitor incauto ver. Arruda diz que os "contratos de gestão" reafirmados no início da semana entre Richa e os membros do primeiro escalão de seu governo "são conversa para boi dormir". Pode-se dizer a mesma coisa dessa intenção do deputado que, aliás, tem uma explicação pronta a respeito. "Pirotecnia se combate com pirotecnia", diz ele. NÃO CUMPRIDAS Arruda cita as tais promessas não cumpridas por Richa: "Helicópteros para transportar doentes do interior para a capital, aumento de 26% aos professores, transporte escolar, não privatização de serviços públicos, tarifas módicas (ao invés disso tarifaço do Detran e da água), pedágio mais barato, etc.". Diz que vai ao cartório na próxima semana. POIS É A propósito de pedágio, será que o tio do deputado registrou em cartório, quando candidato a governador em 2002, a sua famosa promessa do "abaixa ou acaba"? Se o fez, ta mais do que provado que isso de registro é mesmo factóide de campanha. E Arruda pretender que o governador fizesse tudo em 14 meses de governo é fazer papel de tolo. "SURPRESA" 1 Falando em conversa para boi dormir, soube-se ontem que o prefeito com o maior salário do País, Luciano Ducci (PSB), que encaminhou no final de fevereiro à Câmara Municipal uma proposta de redução do próprio salário, não pode fazer isso. Ducci queria cortar em 30% os proventos. Dele e dos sucessores no cargo. Em tempo: Ducci já devolve todos os meses aos cofres da prefeitura 30% do que recebe. "SURPRESA" 2 Fez-se muita propaganda da iniciativa, mas Ducci foi "surpreendido" com parecer da procuradoria jurídica da Câmara de Curitiba, que considerou ilegal o projeto, já que a legislação eleitoral brasileira proíbe qualquer revisão salarial 180 dias antes da eleição. Como é que os advogados da prefeitura não viram isso antes? "Na verdade isso é uma jogada política, isso ele poderia ter feito desde o início", comentou o vereador Algaci Túlio (PMDB). GRIPADO O governador Richa desmarcou sua agenda de hoje e amanhã no interior do Estado. Está com uma

Correspondência para roselivalerio@gmail.com

gripe forte, daquelas que o curitibano tem umas três por ano, com amigdalite e faringite. Só com antibiótico, líquidos e cama. AS SENHORAS A Mesa Executiva da Assembléia Legislativa pode ter criado um novo conflito interno com sua decisão de extinguir a Associação Paranaense das Senhoras dos Deputados Estaduais (Apasde). Ontem o deputado Cleiton Kielse (PMDB), protestou, alegando que a associação colabora com mais de 40 entidades assistenciais e filantrópicas, e que a extinção não seria justificável. MUITA GRANA O peemedebista disse também que a Apasde seria dona de imóveis e terrenos no valorizado bairro Centro Cívico, onde fica a sede dos três Poderes do Estado, em valor superior a R$ 10 milhões. Kielse disse já existiam projetos para ocupálos, embora não se tivesse notícia disso antes. DISCRIÇÃO No momento da queixa de Kielse, Valdir Rossoni (PSDB), presidente da Assembleia, estava na Câmara de Curitiba e o deputado Augustinho Zucchi (PDT), que presidiu a sessão, afirmou não ter informação sobre a questão. Ao que parece, esta foi uma daquelas medidas tomadas pela Mesa Executiva que não se fez alarde, o que é curioso. EM TEMPO Cerca de quatro anos atrás, um aposentado da Assembléia entrou com ação popular apontando irregularidades na compra de seis terrenos pela Associação das Senhoras dos Deputados. Conforme a ação, a compra teria sido realizada com dinheiro doado pelo próprio Legislativo entre os anos de 1999 e 2001. TV CÂMARA Assinado ontem o convênio entre a Assembléia Legislativa e a Câmara de Curitiba para a utilização compartilhada da grade da TV Sinal veiculo oficial de comunicação do Legislativo do Estado, no período da meia noite ao meio dia, para veiculação e transmissão das atividades do legislativo municipal. A Câmara de Maringá também usa a TV Sinal. DECISÃO DE 300 Neste domingo 15, será dada a largada à corrida eleitoral pela disputa da prefeitura de Curitiba com a decisão dos petistas nas urnas do diretório municipal para escolher os 300 delegados ao encontro municipal do final do mês, que decidirão se o partido fará aliança com Gustavo Fruet, o candidato do PDT, já no primeiro turno das eleições ou se lançará candidatura própria. AH, O VANHONI Com dois pré-candidatos, os deputados Dr. Rosinha e Tadeu Veneri (a "candidatura" do deputado Ângelo Vanhoni é só para tumultuar e dividir, já que ele é favorável a Fruet), o bate-chapa promete ser bastante acirrado, uma vez que dos mais de seis mil filiados ao PT em Curitiba, pouco mais de 2.600 estarão aptos a votar nas chapas de delegados. FIM ANUNCIADO No final do mês passado, duas chapas se inscreveram para a disputa: uma pró-Fruet, com 1.283 adesões e outra, pela candidatura própria, com 682. Votarão em Curitiba também os ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Paulo Bernardo (Comunicações), ambos

favoráveis à aliança com Fruet. VIU O ROSINHA? Por enquanto, depois de Vanhoni, claro, os nomes petistas mais cotados para vice-prefeito de Gustavo Fruet são os de Roseli Isidoro e André Passos, dois ex-vereadores que não conseguiram reeleição. Se tem ligação ou não com isso de vice, difícil saber já, mas o Dr. Rosinha está sumido, calado. SOBRA VICES Nessa de pré-candidatos à viceprefeito, no caso do prefeito Luciano Ducci (PSB), tem as pencas, a começar pelo deputado federal tucano Fernando Francischini. Na mesma fila está Osmar Bertoldi do DEM e Ney Leprevost, do PSD. Para o deputado Ratinho Jr, agora mais pré-candidato a prefeito do que nunca, o PV leva vantagem na indicação do vice, com os deputados Rasca Rodrigues e Roberto Aciolli e o vereador Paulo Salamuni. MINHA CASA Nesta quinta-feira o Ministério das Cidades anuncia os selecionados para a oferta pública do programa Minha Casa, Minha Vida para os municípios com até 50 mil habitantes. Do Paraná foram selecionados 134 municípios para a construção de 5.128 novas moradias em bairros dessas cidades. PAGAMENTO... Demorou mas a história teve prosseguimento. Começou em 2010 e parte dela teve desfecho essa semana, quando o MP, Ministério Público, entrou com ação contra o ex-presidente da Câmara Municipal de Curitiba, vereador João Cláudio Derosso (PSDB), pedindo a sua condenação por improbidade administrativa, por conta da contratação de funcionários "fantasmas" na Casa. PELOS FANTASMAS Na ação, o MP pede a devolução de R$ 2,5 milhões que teriam sido pagos indevidamente a servidores comissionados que não trabalhavam e o bloqueio dos bens dos envolvidos. Os promotores acusam ainda o exvereador Ehden Abib e o João Leal de Matos, este último mantinha cargo comissionado na Assembleia Legislativa e na Câmara ao mesmo tempo. STAND BY Ontem, porém, a juíza da 8ª Vara da Fazenda Pública não aceitou a ação proposta pelo Ministério Público contra o vereador Derosso. A questão é técnica. Determinou que o MP emende a inicial em 10 dias para sanar as pendências apontadas por ela. E a defesa de Derosso reclamou de o MP ter divulgado a ação que propôs provocando suposto "julgamento popular sem direito de defesa do acusado". OUTRO CASO Derosso responde a outra ação na Justiça, denunciada também pelo MP, sobre as irregularidades na licitação e contratação de serviços de publicidade para a Câmara. Nesta ação que acabou lhe rendendo a renúncia, o Ministério Público pede o bloqueio de bens até R$ 6 milhões do tucano.

Comissão da Câmara convoca Ideli para falar sobre compra de lanchas Brasília - Por 8 votos a 7, a Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara aprovou ontem (11) a convocação da ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, para dar explicações sobre possíveis irregularidades na compra de 28 lanchas-patrulha, adquiridas entre dezembro de 2008 e março de 2011 pelo Ministério da Pesca. A pasta foi comandada por Ideli no início do governo da presidente Dilma Rousseff. Apesar de a compra ter sido feita durante a gestão de seu antecessor na pasta, o ex-ministro Altemir Gregolin, há suspeitas de que a empresa Intech Boating, que vendeu as lanchas, seria doadora de campanha de Ideli ao governo de Santa Catarina, em 2010. O contrato está sob análise do Tribunal de Contas da União. A votação do requerimento contou com votos favoráveis de deputados de partidos que integram a base do governo, como o PP. O PR, que era da base e por divergências com o Planalto adotou uma postura independente na Casa, também votou a favor do requerimento. “Não se trata de vacilo [da base aliada]. Tivemos um problema de quórum [baixo] e deputados de partidos da própria base votando a favor do requerimento”, disse o deputado Odair Cunha (PTMG). Durante o processo de votação, Cunha ainda tentou chamar deputados da base para rejeitar o requerimento, mas não teve sucesso. “Esse requerimento é um absurdo, ela não é responsável pela assinatura do contrato e ele [contrato] não foi feito no período em que ela era ministra”, argumentou Cunha. Já o deputado Valderlei Macris (PSDB-SP), autor do requerimento, reconheceu que a aprovação de uma convocação de ministro é um fato não muito comum e atribui a vitória a um “cochilo” da base e também à falta de apoio da ministra no Congresso. Para o parlamentar, a ministra tem que explicar as irregularidades no contrato. “Ela assinou um dos contratos e ela tem que explicar. Será que ela não tinha controle dos pagamentos que eram feitos? Não houve preocupação da ministra sobre esse contrato, se era um bom contrato?”, questionou o tucano. Como se trata de convocação, a ministra é obrigada a dar explicações dentro de 30 dias.

Prefeituras estão no limite com o governo do Estado Alunos da rede pública estadual só não estão sem ônibus devido a protesto dos prefeitos por causa do ano eleitoral Roseli Valério, de Curitiba Em função do repasse de recursos pelo Estado não ser em montante equivalente ao que as prefeituras gastam, se agrava a questão do transporte escolar dos alunos da rede pública estadual nos municípios e prefeitos ameaçam se rebelar. Por conta disso o presidente da Associação dos Municípios do Paraná(AMP) e prefeito de Piraquara, Gabriel Samaha, o Gabão (PPS), pediu uma reunião “em caráter emergencial” com o secretário estadual da Educação, Flávio Arns. Em Foz do Iguaçu, o prefeito Paulo Mac Donald Ghisi (PDT), se antecipou e suspendeu a realização do serviço. Proibiu que 1,8 mil alunos da rede estadual de ensino entrassem nos ônibus que fazem o transporte escolar. O prefeito estaria disposto a manter os alunos do Estado fora dos ônibus - e a maioria fora

das salas de aula, por consequência - até que o governo do Estado faça o repasse da verba prometida. Desde o início da semana a determinação para os motoristas dos ônibus é de que apenas os estudantes das escolas municipais utilizem os veículos, que antes levava a todos os alunos. Pais e estudantes de várias séries e idades fizeram um protesto contra a falta de transporte escolar e usaram um ônibus para trancar uma das ruas por onde um dos veículos passa. O ano eleitoral fez Mac Donald recuar um pouco e o protesto só não foi seguido desde o início por outros prefeitos em função do mesmo motivo. Os que serão candidatos a reeleição não querem arriscar com esse gesto impopular. Por notas Ainda assim, outros prefeitos paranaenses - que não serão candidatos em outubro poderão seguir a decisão do prefeito de Foz de suspender a

realização do serviço. Vários municípios já teriam sinalizado com a intenção de adotar o mesmo posicionamento. “Todos eles pela mesma razão: a insuficiência dos recursos que recebem do Estado para o transporte escolar”, alertou Gabão na carta enviada a Flávio Arns. Ontem, porém, Mac Donald recuou, em função da repercussão da medida e liberou a entrada dos alunos das escolas estaduais nos ônibus municipais, mas apenas para os que fazem o mesmo caminho para as escolas da própria prefeitura. Os outros estudantes continuam sem transporte. Por meio de nota, a secretaria informou ontem que “nos próximos dias” vai assinar os convênios com todas as prefeituras e vai calcular os valores dos repasses, ainda em abril. Antes disso, em nota encaminhada à AMP no mês passado, porém, a Secretaria da Educação informou que só vai comu-

nicar o valor a ser liberado em 2012 depois da conclusão do estudo que está sendo feito para dimensionar o custo do serviço às prefeituras. Até ontem a reunião com Arns ainda não havia sido agendada pelo secretário, mas quando ela ocorrer serão convidados os presidentes das 18 associações regionais de municípios do Estado. Gabão quer uma resposta imediata do secretário ao compromisso assumido em 13 de fevereiro, durante reunião com prefeitos de todas as regiões do Paraná, na qual Arns disse que lutaria pelo repasse de R$ 80 milhões para a realização do serviço. O custo do transporte escolar é de R$ 120 milhões. Em 2011, o valor liberado pela Secretaria da Educação aos municípios foi de R$ 58 milhões. Os prefeitos reivindicam do governo o repasse integral das despesas com o serviço que, por lei, é atribuição do Estado.


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

3

Governo destina R$ 26 milhões para os 24 consórcios de saúde Os 24 consórcios intermunicipais de saúde do Estado assinaram nesta quarta-feira (11) o termo de adesão ao Comsus, programa do governo estadual que destinará este ano R$ 26 milhões aos consórcios para qualificação da atenção secundária à saúde. O Comsus (Programa de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde) amplia o acesso da população a consultas especializadas, a exames (como ultrassom, exames oftalmológicos e mamografias) e cirurgias eletivas ambulatoriais. O vice-governador Flávio Arns disse que, em conjunto com outros programas, o Comsus promoverá a saúde e ajudará a prevenir doenças. "Este governo tem compromisso com a cidadania, com cuidar das pessoas no local onde elas vivem", destacou Arns. "Estamos resgatando uma dívida histórica com os consórcios, que durante muito tempo atuaram no Paraná sem apoio devido por parte do Governo do Estado", disse o secretário da Saúde, Michele Caputo Neto. Ele destacou que, pelo Comsus, os 24 consórcios terão recursos de custeio, investimentos (obras e equipamentos) e capacitação. RECURSOS O repasse de custeio passará dos atuais R$ 219 mil para R$ 1,2 milhão mensais. Para construção de centros de especialidades regionais serão destinados R$ 9 milhões, neste ano, a quatro consórcios que têm os projetos prontos. São os consórcios da Região Metropolitana de Curitiba (Comesp), de Apucarana (Cisvir), de Pato Branco (Assims) e de Toledo (Ciscopar). "Estamos recebendo projetos de outras seis regiões e queremos atender todo o Paraná", informou Caputo Neto. Para aquisição de equipamentos, a maioria dos consórcios receberá repasse único de R$ 100 mil, com exceção do Cimsaúde, que atende a região de Ponta Grossa e Telêmaco Borba, que receberá R$ 200 mil, e das quatro macroregiões de saúde - Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel, que receberão R$ 500 mil por atenderem especialidades médicas de maior complexidade. O Comsus é um dos sete programas estratégicos da Secretaria da Saúde, dos quais quatro já estão implantados: o Farmácia do Paraná, de assistência farmacêutica, o Apsus, que atua para melhorar a Atenção Primária do SUS em todos os municípios do Estado, o Hospsus, de apoio a

hospitais públicos e filantrópicos do SUS, para melhorar a atenção terciária e o Comsus para a qualificação da atenção secundária. PARCERIA O presidente da Associação dos Consórcios e Associações Intermunicipais de Saúde do Paraná (Acispar), Silvio Barros, disse que o Comsus vem restaurar a parceria do Estado com os consórcios. "Este é um projeto pioneiro, que vai potencializar a ação dos consórcios de modo a atender a população com mais competência, minimizando fragilidades regionais", disse Barros. A presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná (Cosems), Marina Martins, destacou a importância dos consórcios para a saúde no estado e parabenizou a Secretaria da Saúde pela iniciativa de fortalecê-los através do Comsus. "Essa parceria vai fazer com que pequenos municípios, que dispõem de poucos profissionais

na área, contratem servidores e prestadores de serviços", disse Renato Tonidandel, prefeito de Santa Lúcia e presidente do Cisop (10.ª Regional - Cascavel). "O mais importante é que o governo reconheceu a importância dos consórcios. A parceria vai amparar os consórcios e as principais áreas que serão beneficiadas serão a da saúde mental e da gestação de risco", informou Dina Cardoso, prefeita de Farol e presidente do CIS-Comcam (11ª RS Campo Mourão). "A nossa região atende mais de 900 mil habitantes e esse programa vai atender a todos os 21 municípios. A parceria vai trazer desenvolvimento e melhorar o apoio para a área da saúde e vai trazer uma qualidade de atendimento médico, de exames, consultas e cirurgias", afirmou Johnny Lehmann, prefeito de Rolândia e presidente do Cismepar (17.ª RS - Londrina). ACISPAR A partir desta quarta-

feira (11) a Associação dos Consórcios Intermunicipais de Saúde do Paraná (Acispar) terá sua estrutura montada no prédio central da Secretaria da Saúde, em Curitiba. O local também abriga a sede administrativa do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná (Cosems-PR). "Reunimos dois dos nossos importantes parceiros. Este é um governo municipalista e valoriza a união e a organização dos municípios para oferecer atendimento de qualidade à população paranaense", afirmou Caputo Neto. Criada em 2001, a Acispar mantinha sede provisória em Jacarezinho, no Norte Pioneiro. HOMENAGEM Na solenidade, Caputo Neto prestou homenagem (in memorian) a Arnaldo Agenor Bertone, especialista em saúde coletiva e mestre em administração de saúde. Bertone foi diretor da secretaria e um dos idealizadores do Consórcio Paraná Saúde, que completou 12 anos de su-

Deputado Francisco Bührer entrega veículos para entidades assistenciais O deputado estadual Francisco Bührer, com a primeira dama do Paraná e secretária de estado da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, e o vice-governador Flávio Arns realizaram, nesta quarta-feira (11), a entrega de veículos voltados ao fortalecimento da política de assistência social e ao atendimento prioritário de crianças e adolescentes, beneficiando entidades assistenciais e prefeituras. As entidades e prefeituras atendidas indicadas pelo deputado Francisco Bührer, em forma de Emenda Parlamentar foram o Centro de Amparo Monte Claro e o Centro Social Padre Arnaldo Jansen, ambas de São José dos Pinhais e as prefeituras de Tijucas do Sul, Mandirituba e Quatro Barras, onde estes veículos serão destinados para atendimentos na área social. A medida faz parte do

Deputado Buhrer e a secretária Fernanda Richa durante a entrega de um dos veículos á representante de entidade assistencial

programa Família Paranaense, ação intersetorial do governo voltada para a melhoria das condições de vida de pessoas em situação de extrema vulnerabilidade social e que tem como meta atender 100 mil famílias até 2014. Conforme explicou o deputado Francisco, essa foi a primeira parte das entregas de veículos programadas pelo

Governo em atendimento aos pleitos dos parlamentares: "Hoje estamos entregando veículos por meio da secretaria de estado da Família e Desenvolvimento Social. Na próxima etapa será através da Secretaria da Educação, onde contemplamos a APAE de São José dos Pinhais e isso deve acontecer num prazo de 30 a 40 dias".

Rogério Machado/SEDS

O repasse de custeio passará dos atuais R$ 219 mil para R$ 1,2 milhão mensais

A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa o vice-governador Flávio Arns e o secretário da Saúde Michele Caputo Neto, participam da solenidade de adesão ao Programa de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde (Comsus)

cesso na aquisição e distribuição de medicamentos do componente básico para os municípios paranaenses. Sua viúva Maria Angélica Cerveira recebeu um retrato em aquarela feito pelo artista Maurício Machado, servidor da Secretaria. O quadro será afixado na sede da secretaria, na galeria que homenageia os profissionais da saúde que se destacaram na defesa do SUS no Paraná. Também participaram da solenidade de adesão ao Comsus a se-

cretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, o secretário de Desenvolvimento Urbano, César Silvestre, a presidente do Conselho Estadual de Saúde, Joelma Carvalho, o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Valdir Rossoni, e os deputados estaduais Ademar Traiano, Artagão Junior, César Silvestre Filho, André Bueno, Rose Litro, Marla Tureck, Jonas Guimarães, Bernardo Ribas Carli, Duílio Genari e Adelino Ribeiro.

Senado aprova projeto que cria 11 Varas do Trabalho no Paraná O plenário do Senado Federal aprovou nesta quartafeira (11), o projeto de lei da Câmara dos Deputados que cria onze novas varas do trabalho para o Paraná. O projeto segue para sanção presidencial. A presidente Dilma Rousseff deve se manifestar em 15 dias úteis, contando da chegada do projeto à Casa Civil. Para a presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), desembargadora Rosemarie Diedrichs Pimpão, a atuação do senador Álvaro Dias, relator do projeto, foi fundamental para a rápida tramitação do processo no Senado. O projeto foi protocolado no Senado em 19 de março eaprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania em 4 de abril. No mesmo dia, o senador fez um requerimento de urgência, que obrigou a votação do plenário em um prazo máximo de duas sessões. "Já enderecei ao senador o reconheci-

mento da comunidade paranaense pelo pronto apoio ao projeto e sua preocupação com a comunidade jurídica paranaense. "Também é importante lembrar a atuação dos nossos deputados - em especial do relator do projeto na Câmara, deputado Sandro Alex, e do deputado André Vargas (Comissão de Finanças e Tributação) - que revelaram grande espírito público no encaminhamento e tramitação do projeto", ressaltou a presidente. Além da criação das 11 varas, estão previstos novos cargos de Juiz do Trabalho, servidores efetivos, cargos em comissão e funções comissionadas. O projeto prevê a criação de varas do trabalho em Apucarana, Bandeirantes, Cascavel, Colombo, Cornélio Procópio, Francisco Beltrão, Pato Branco, Ponta Grossa, Porecatu, São José dos Pinhais e Toledo.

Anencefalia: julgamento Câmara de SJP homenagea de ação é suspenso e Guarda Municipal retorna nesta quinta O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, suspendeu o julgamento da ação que pede a descriminalização do aborto no caso de gravidez de feto anencéfalo. A sessão será retomada hoje (12), às 14 horas. Dos 11 ministros, seis já

votaram, sendo cinco a favor da mulher ter a opção de interromper a gestação nesses casos - Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Joaquim Barbosa, Luiz Fux e Cármen Lúcia- e somente Ricardo Lewandoski, o único contra e o último a proferir o voto hoje. Faltam votar os minis-

tros Carlos Ayres Britto, Celso de Mello, Gilmar Mendes e Cezar Peluso. O ministro Dias Toffoli se declarou impedido de votar no julgamento, pois, quando era advogado-geral da União (AGU), defendeu a interrupção da gestação de fetos com anencefalia.

A Câmara de Vereadores de São José dos Pinhais realiza hoje (12) às 19 horas, sessão especial em comemoração aos sete anos de criação da Guarda Municipal do município. Também serão homenageados os guardas que se destacaram nesse período. A Guarda Municipal foi criada em 14 de abril de 2005 e conta com um efetivo de aproximadamente 180 guardas. Tem como objetivo proteger o patrimônio público municipal, além de auxiliar em serviços nas áreas de trânsito, defesa civil e combate ao crime. Para o presidente da Câmara, vereador professor Assis, a homenagem é merecida. "A Guarda Municipal sempre foi motivo de orgulho para a cidade, não podemos deixar de comemorar mais um ano de sua existência, destacando os efetivos que receberão Votos de Louvor e Reconhecimento por seus serviços prestados", comentou.


4

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Prefeitura lança oficialmente a Lousa Interativa

Projeto de Lei que trata de recomposição salarial já está na Câmara

A ferramenta inova com a última tecnologia existente no mercado e garante mais interatividade nas aulas Crédito: Elio de Andrade/PMC

Prefeito J. Camargo destacou a importância da Lousa Interativa

A Prefeitura de Colombo garante mais uma importante conquista na área educacional. Na manhã desta quarta-feira, dia 11, o prefeito J. Camargo lançou oficialmente a implantação do projeto Lousa Interativa em todas as salas de aulas de quintos anos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino. "A prefeitura tem investido na melhoria da educação através da ampliação e modernização das tecnologias disponíveis em sala de aula. A evolução está evidente nas vidas de nossas crianças e nós como gestores municipais temos que acompanhar esse ritmo com a intenção de cada vez mais proporcionar facilidades que melhorem o aprendizado. E a Lousa Interativa é uma ferramenta a mais para que os professores possam transmitir seus conhecimentos aos nossos alunos de uma forma mais dinâmica e interativa", destacou o prefeito J. Camargo. O projeto tem como objetivo geral propiciar ações de modernização das Unidades Escolares, oferecendo aos alunos e professores, o acesso a recursos tecnológicos, os quais contribuirão para a melhoria da qualidade no processo ensino-aprendizagem. "Aplicará metodologias diferenciadas e adequadas ao ritmo individual de aprendizagem e às inteligências múltiplas, conceito que dá conta da diversidade de ideias, geralmente não consideradas durante um processo educacional com recursos tradicionais", destacou o secretário de Educação, Cultura e Esporte, Alcione Giaretton, lembrando que todos os alunos serão

beneficiados gradativamente com a nova ferramenta e que o sucesso do projeto estará garantido com o comprometimento e empenho dos professores da Rede Municipal de Ensino. A Lousa Interativa será um recurso multimídia que facilmente se adaptará às necessidades de cada turma. Todo con-

teúdo que estiver sendo trabalhado em sala poderá ser projetado, manipulado e editado de inúmeras formas, por professor e alunos. "Essa nova ferramenta, auxiliará o professor no processo de ministrar uma aula brilhante, atraente, significativa que mantenha os alunos conectados a ele o tempo todo. O conteúdo que es-

tiver sendo trabalhado em sala poderá ser projetado, manipulado, e editado de inúmeras formas, por professor e alunos", complementou o secretário. Representando o Poder Legislativo, o presidente da Câmara, vereador Onéias Ribeiro, parabenizou a Administração Municipal por proporcionar mais esse importante avanço na educação. Participaram também do evento a vice-prefeita, Rose Cavali, os vereadores Binho e Painho; secretários Municipais, diretores e gestores de Escolas, demais servidores e a população. Capacitação Para que a implantação do projeto da Lousa Interativa aconteça com sucesso, a Prefeitura de Colombo realizará uma capacitação aos professores para o manuseio o equipamento interativo.

Secretário Giaretton fez uma breve explanação dos benefícios que a nova ferramenta proporcionará aos alunos

Presidente Onéias Ribeiro divulgou o projeto de Lei do Executivo

O presidente do Legislativo, vereador Onéias Ribeiro (PT), divulgou na sessão ordinária de terça-feira (10), o projeto de Lei que trata da recomposição salarial de 19,30%. Esse índice é resultado de 58% de perda salarial verificado pela atual administração em janeiro de 2005 mais que não foram concedidos nos anos de 1997 a 2004 aos servidores municipais. "O projeto agora será analisado pela Assessoria Jurídica da Casa e posteriormente pelas Comissões Competentes: Constituição e Justiça; Economia, Finanças e Orçamentos e por fim a comissão de Educação, Saúde e Bem Estar Social", explicou Ribeiro. Segundo a mensagem do Projeto de Lei encaminhado pelo Poder Executivo, o prefeito J. Camargo quando assumiu em janeiro de 2005, verificou uma defasagem salarial de 58% pela falta de reajuste inflacionário não concedido aos servidores dos anos de 1997 até 2004. "Vale lembrar, que desde 2005 até a presente data, todos os anos foram concedidos recomposição salarial in-

Vereadores que compõem a mesa executiva da Casa

Abertas as inscrições para o 7º Festival de Teatro de Colombo Estão abertas, até o próximo dia 25, as inscrições para a 7ª edição do Festival de Teatro de Colombo (Feteco), que será realizado de 13 a 30 de junho, no auditório da Regional Maracanã. O evento é uma realização da Prefeitura Municipal, organizado pela Secretaria de Educação, Cultura e Esporte, via Departamento de Cultura. Podem se inscrever para a seleção de espetáculos, grupos de teatro profissionais ou amadores e estudantes das Redes Municipal, Estadual e Particular da cidade e região. "Quando criamos o Festival de Teatro, a principal ideia era oportunizar para os grupos locais um espaço para mostrarem seus trabalhos. Mais no decorrer das edições o Festival cres-

ceu muito. Já chegamos a somar oito cidades diferentes na mesma temporada, o que é bom para os grupos locais e para a população, que pode ter acesso a esses espetáculos, além da integração da classe artística. Esperamos que neste ano, se repita o sucesso das outras edições", disse a diretora do Departamento de Cultura, Marinei Vidolin. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pessoalmente ou encaminhadas via correio valendo a data da postagem até o dia 25 de abril para o Departamento de Cultura, localizado na Rua XV de Novembro, 105, CEP 83.414-000, Centro. Não serão aceitas inscrições via e-mail. Confira o regulamento no site www.colombo.pr.gov.br

flacionária, ano a ano, mais a parte da recomposição perdida, colocando o município em 2012 segundo o DIESSE, num percentual de 19,30%. Isso significa que houve uma redução importante no percentual salarial devido de 38,70%" falou Camargo. O projeto de Lei divulgado tem por objetivo conceder aos servidores ativos, que nos próximos exercícios, na data base que acontece no mês de maio, seja dado, além dos reajustes inflacionários gerais concedidos nos termos do art. 37, inciso X, da Constituição Federal, o percentual de 4% ano para zerar as perdas históricas de 1997 até 2004, pela falta de reajuste inflacionário daquele período. O projeto ainda enaltece que deverá ser respeitado o percentual de gasto com a folha de pagamento do pessoal, e os limites de Lei de Responsabilidade Fiscal. Segundo Onéias Ribeiro, é importante aguardar o parecer jurídico da matéria para aprofundar as discussões. "Zerar a recomposição salarial é uma vitória importante para todos os servidores. Quando a perda salarial chegou a 58% em janeiro de 2005, não foi só dos educadores e sim, de todos os funcionários da prefeitura. O importante que esta matéria contemplará todas as categorias em atividade. Vamos aguardar o momento oportuno para que através de emenda ao projeto, se possível possamos contemplar os pensionistas e aposentados", falou o presidente do legislativo Onéias Ribeiro, que prevê mais de 40 dias de tramite da matéria na casa.

O Festival de Teatro de Colombo será realizado de 13 a 30 de junho


5

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Metró ole Variedades Todo filho da raça saxônica é educado para desejar ser o primeiro. Este é o nosso sistema; e um homem mede sua grandeza pelos arrependimentos, invejas e ódios de seus concorrentes. ( Ralph Waldo Emerson )

TOME NOTA

Parcialmente nublado com chuvas e trovoadas isoladas

Máx.26º Mín.15º

Dia 13: Mín. 16º e Máx. 27º Dia 14: Mín. 16º e Máx. 24º Dia 15: Mín. 16º e Máx. 25º

PROGRAMAÇÃO DE CINEMA

Torta de Dois Brigadeiros

5) A atriz Marina Ruy Barbosa é neta de um famoso autor. Quem é o avô dela? a) Pedro Ruy Barbosa b) Benedito Ruy Barbosa c) Manoel Ruy Barbosa d) Gilberto Ruy Barbosa

Combate (?) Caymmi, cantor

“Cobra (?)”, obra de Raul Bopp Dois povos que vivem no Iraque

Condição da mulher brasileira a partir de 1932 Expor; pronunciar Animal semelhante à girafa

Obra de Vladimir Nabokov

97 (?) Johnson, ator de “América”

O melhor exercício físico

Letra grega Acidentado vítima da violência urbana

Perto, em inglês Flor-símbolo da França

Tipo de pronome possessivo

Reles Hospital Central do Exército

Observação (abrev.) A casa do esquimó

Peças dos telefones modernos

Unir; ligar

I

G

L

U

Tipo de meningite Formato do DIU Atua Placas de capacitores

BANCO

(?) Mahal, monumento indiano

Mal, em inglês Sentimento ausente no carrasco

Solução A R A B E S C U R D O S

4) Beto era personagem de Daniel Ávila em qual dessas produções? a) “Malhação” (Globo) b) “Amigas e Rivais” (SBT) c) “Duas Caras” (Globo) d) “Sete Pecados” (Globo)

© COQUETEL 2005

Consistência do sorvete derretido Tipo de Rio cadeira africano

Ciência O leite biológica servido ao aplicada às bebê leis

N D O O R R A I T O R O B A G L E B A D D O

3) Romeu e Juju eram personagens de qual dessas duplas em “Sete Pecados”? a) Nicette Bruno e Ary Fontoura b) Marcello Novaes e Gabriela Duarte c) Nicette Bruno e Reynaldo Gianecchini d) Malvino Salvador e Mel Lisboa

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

B R N A E I T C L A L O L H I N E A A R V I L I E L A S T T A J T R O

2) Em “Dance, Dance, Dance”, novela que foi ao ar pela Band, Dudu Pelizzari deu vida a qual personagem? a) Miguel Castilha b) Wagner Luz c) Bruno Medeiros d) Diego Vasconcelos

Depois da linhaça, da quinoa, do amaranto e de uma infinidade de outras sementinhas, chegou a hora da chia cair de vez no prato dos brasileiros. Ao ser incluída na alimentação, a chia facilita os processos de emagrecimento, ajuda a regular o funcionamento do intestino, a diminuir o colesterol ruim, a fortalecer os ossos e a prevenir o aparecimento dos radicais livres, além de turbinar o corpo com ômega 3, a gordura que faz bem para o coração. Mas antes de exagerar, fique sabendo que a chia é calórica: uma colher de sopa tem 70 calorias, quase o mesmo que uma colher de Nutella. A chia não tem o poder de fazer a gordura sair do corpo, mas pode ajudar bastante aqueles que querem perder uns quilinhos. Por ser uma boa fonte de fibras, ela dá sensação de saciedade por um tempo maior do que os alimentos pobres neste nutriente e, ainda, facilita o trânsito intestinal. “Ao adicionar a chia na alimentação, o processo digestivo torna-se mais demorado, evitando a sensação fome logo após o consumo”, diz a nutricionista Mariana Braga, coordenadora de atendimento da Rede Nutrício, em Belo Horizonte. Por possuir uma boa dose de ômega 3, o mesmo nutriente presente no azeite de oliva e no salmão, a chia protege o funcionamento das artérias, diminuindo os níveis de colesterol ruim, o LDL, no sangue. “Alimentos ricos em ácidos graxos poliinsaturados, como o ômega 3, são um excelente protetor contra o aparecimento do colesterol ruim e doenças crônicas, como aterosclerose e hipertensão. Além disso estudos mostram que os lipídios também têm ação no retardo do esvaziamento gástrico, contribuindo para redução do apetite e do controle glicêmico”, diz Priscila Rosa, da Equilibrium Consultoria, de São Paulo. Além disso, a chia dá um banho em vários alimentos, quando o assunto é propriedade nutritiva. Possui bons índices de vitaminas do complexo B, riboflavina, niacina e tiamina, essenciais para a circulação sanguínea e para a produção de anticorpos. Uma colherada de chia tem mais cálcio que um copo de leite de vaca e por isso fortalece os ossos e evita a osteoporose. Por possuir mais antioxidantes que meio quilo de tomates, auxilia na redução dos radicais livre. As boas quantidades de ferro, mais que 300g de espinafre, evita o aparecimento da anemia, por exemplo. Como consumir A chia está disponível em três formas de consumo: óleo, semente e farinha. “No óleo há maior concentração de ômega 3. Porém, não é uma boa escolha para o consumo de fibras, já que elas se perdem no processo. Já a farinha é uma versão triturada da semente e há bastante semelhança entre elas no que diz respeito à composição nutricional, o que favorece a preservação das fibras”, diz Braga.

M A M O E L D E I O C AP I A N D A L H T E C A G E A E L E

1) Em “Luz do Sol”, novela que foi ao ar pela Record, Bruno Ferrari viveu qual desses personagens? a) Pedro b) Leonardo c) Freddy d) Agenor

Novo grão da moda, a chia ajuda a emagrecer e turbinar o corpo, mas é calórica

2/rô. 3/bad. 4/near. 5/ocapi. 6/lolita — norato. 9/eletrodos.

Stock Car em São José dos Pinhais Os carros oficiais da principal categoria do automobilismo brasileiro estão expostos no Shopping São José, na Praça de Eventos. Para quem gosta de velocidade e adrenalina, a exposição é um prato cheio para poder fotografar e conhecer de pertinho os carros da Stock Car. A exposição fica até sexta-feira (13) e conta com dois carros que irão participar da etapa paranaense realizada no Autódromo Internacional de Curitiba, no dia 15 de abril. Os fãs do Shopping São José no Facebook, vão participar de uma promoção que irá sortear ingressos para a corrida. Além disso, em parceria com a G27, um stand será montado com um cockpit Stock Car, que é um produto oficial da principal categoria do automobilismo brasileiro, oferecendo aos clientes a simulação de uma corrida virtual. CINEMA É TEMA DE BAILE A festa que acontece dia 13, já é tradicional no Círculo Militar do Paraná. O esperado Baile do Cinema do Círculo Militar do Paraná está chegando. A festa já virou tradição e é esperada por sócios e não sócios, que O diretor social David Lauffer, organizador o evento, já preparam as fantasias de seus filno ano passado se vestiu de Willy Wonka, mes favoritos, com antecedência. de “A Fantástica Fábrica de Chocolate” Neste ano a data é promissora e acontece na supersticiosa sexta-feira (13), que já pode dar uma ideia de fantasia aos mais criativos. O evento está marcado para as 22h no Salão Rubi. Mais informações no fone (41) 3264 5022.

Ingredientes: 1 lata de leite condensado 4 ovos 1 lata de creme de leite 450 ml de leite 1 colher (chá) de baunilha 400 g de chocolate meio amargo picado 1 pacote de pão de fôrma sem casca chocolate granulado a gosto (para polvilhar) Modo de Preparo: 1- Num liquidificador coloque a lata de leite condensado, os ovos, a lata de creme de leite, o leite e a baunilha e bata até obter um creme homogêneo. Reserve este creme branco. 2- Em banho-maria derreta o chocolate meio amargo picado e misture em 1 xícara (chá) do creme branco reservado. 3 - Numa fôrma retangular (35cm x 25cm), coloque um pouco do creme branco no fundo, depois faça uma camada com pão de fôrma sem casca, coloque outra camada de creme branco, outra camada de pão de fôrma sem casca e despeje o restante do creme branco. Sobre este creme branco espalhe o creme misturado com chocolate e cubra a fôrma com papel alumínio. 4- Leve ao forno a 180 graus, préaquecido, em banho-maria, por 40 minutos.

(RESPOSTAS: 1-D/2-C/3-B/4-D/5-B)


6

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Programa Família Paranaense chega a 30 municípios Entre as cidades contempladas com o programa, Mandirituba e Agudos do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba A secretária da Família, Fernanda Richa, assinou ontem (11) o protocolo de intenção com 30 prefeitos para participação no Programa Família Paranaense. São os primeiros municípios a iniciar o processo para implantação do programa, que envolve várias secretarias do governo estadual para melhorar as condições de vida das famílias em situação de vulnerabilidade social. O programa vai atender 100 mil famílias até 2014. Com a assinatura do protocolo de intenções, os 30 municípios se comprometem a estudar a viabilidade de implantação do Programa Família Paranaense, cumprindo as exigências da Unidade Gestora do programa, coordenada pela Secretaria da Família e Assistência Social (Seds). A partir de agora os prefeitos terão 15 dias para confirmar a adesão e, no inicio de maio, começar o processo de seleção das cinco mil famílias que serão atendidas neste primeiro ano. "É um programa de emancipação social, que oferece atenção especial a quem precisa", destaca a secretária da Família, Fernanda Richa. "O diferencial é a contrapartida social: o município e as famílias assumem, cada qual, sua parcela de responsabilidade", completou a secretária. A seleção dos 30 municípios foi feita com base em três critérios: município com maiores taxas de extrema pobreza; menor IPDM e maiores taxas de cobertura de atualização do cadastro único (Cadúnico). O IPDM (Índice Ipardes de Desempenho do Município), que anualmente avalia a gestão municipal, nas áreas da saúde, educação, emprego e renda, considerou os municípios que apresentaram o índice igual ou menor (0,662). Segundo a coordenadora do programa, Letícia Regina dos Reis, são considerados indicadores fatores como situação do domicílio, trabalho infantil, falta de acesso aos serviços públicos, situações de violência, pessoas com deficiências e uso de drogas. "Com essa análise, bem mais elaborada que um simples recorte social com base em renda, será possível oferecer um conjunto de ações planejadas de acordo com a região e as necessidades de cada família", apontou Letícia. Outro critério que também compõe o diagnóstico é a capacidade de gestão na assistência social. "Além de indicadores sociais, foi preciso considerar a existência de estrutura física, como um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e equipe mínima para garantir o acompanhamento das famílias atendidas pelo programa", explica a coordenadora do programa. REPERCUSSÃO Para o prefeito de Candói, na região Centro-Sul, Elias Farah Neto, a participação do município no programa significa atender as necessidades das pessoas que mais precisam. A ação conjunta de várias secretarias, acrescenta Elias, vai dar um impulso para melhorar a qualidade de vida das famílias em situação de extrema pobreza. "Vamos capacitar as assistentes sociais que atuam dentro do Centro de Referência da Assistência Social (Cras) do nosso município para identificar essas famílias e em conjunto com elas promover a sua emancipação", informou o prefeito. Da Região Metropolitana de Curitiba, o prefeito de Mandirituba, Antonio Maciel Machado (Machadinho), o programa vai atender o que é, em sua opinião, a célula mais

Fernanda Richa: "É um programa de emancipação social, que oferece atenção a quem precisa"

importante da sociedade: a família. "Esta é a oportunidade de recuperar a autoestima dessas pessoas com qualificação e por meio do trabalho, o que trará de volta a dignidade para suas vidas. Saímos do assistencialismo para oferecer realmente uma chance de mudança na vida dessas famílias", disse Machadinho. Durante a permanência das famílias no programa, o estado e as prefeituras oferecerão o suporte para que cada família, ao reconhecer suas vulnerabilidades, conquistem sua autonomia. Todo o processo será monitorado e acompanhado pelos órgãos envolvidos: a Seds, como gestora do programa, e outras 17 secretarias estaduais, além de gestores municipais. EIXOS Para viabilizar a promoção social, todos os órgãos atuarão de forma intensiva e simultânea dentro de determinados eixos. Assistência Social - Oferta e serviços de proteção social básica e especial. Acompanhamento familiar e benefícios eventuais. Além da construção e implementação de Cras e Creas. Educação - Vagas em escolas e creches. Implantação e melhorias de escolas. Saúde - Rede Mãe Paranaense. Oferta de serviços nas unidades básicas e de serviços especializados. Ampliação das urgências e emergências médicas. Construção e adequação de unidades de saúde. Habitação - Requalificação urbana de territórios; construção e regularização de moradias. Agricultura, Segurança Alimentar e Meio Ambiente Banco de alimentos e programa do leite; hortas comunitárias e educação ambiental. Além de armazéns da família e cozinhas comunitárias. Trabalho - Cursos de qualificação profissional e oportunidade pela economia solidária. Segurança Pública - Ações do programa Paraná Seguro. MUNICÍPIOS Agudos do Sul, Altamira do Paraná, Amaporã, Barbosa Ferraz, Campina da Lagoa, Campo Bonito, Candói, Cantagalo, Cerro Azul, Cruz Machado, Fênix, Goioxim, Imbituva, Laranjeiras do Sul, Mandirituba, Mangueirinha, Ortigueira, Piraí do Sul, Prudentópolis, Rebouças, Reserva, Santa Cecília do Pavão, Santo Antônio do Sudoeste, São Jerônimo da Serra, São José da Boa Vista, São Pedro do Iguaçu, Teixeira Soares, Tomazina, Turvo e Wenceslau Braz.

Governador inaugura Cras em Tunas do Paraná O governador Beto Richa e a secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, participaram na última terça-feira (10) da inauguração de um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) em Tunas do Paraná, na Região Metropolitana de Curitiba. A nova unidade atenderá 2,5 mil famílias em situação de vulnerabilidade social. Richa e Fernanda também entregaram um veículo e equipamentos de informática para o Conselho Tutelar do município, no valor total de R$ 29,3 mil. "A área social é um dos principais focos desta gestão, principalmente o atendimento aos municípios que mais precisam", disse o governador. A secretária da Família destacou a importância do Cras para a capacitação da população e a promoção do desenvolvimento local. "O Cras é um instrumento importante de desenvolvimen-

to social que vai permitir mais qualidade de vida para os moradores", disse o prefeito de Tunas do Paraná, Jorge Luiz Martins Tavares. Construída com recursos do município, a unidade terá assistente social, pedagogo e psicólogo para atendimento à população. Hoje, existem 475 Cras em funcionamento no Paraná. Até 2013, a rede será formada por 579 unidades. As unidades são construídas com recursos do Fundo Estadual de Assistência Social (Feas), por deliberação do Conselho Estadual de Assistência Social (Ceas). Cada Cras recebe investimentos de R$ 250 mil. CONSELHOS TUTELARES A entrega de um veículo e de equipamentos de informática para o Conselho Tutelar de Tunas faz parte de um plano que prevê

Richa falou para uma grande multidão em Tunas do Paraná

melhorias nos conselhos tutelares de todo o Estado. Segundo Fernanda Richa, em 2011 foram destinados R$ 13 milhões do Fundo da Infância e Adolescência (FIA) para a compra de veículos e equipamentos de informática. Segundo o prefeito Jorge Tavares, esta é a primeira vez que o governo do Estado faz esse tipo de repasse ao Conselho Tutelar.

"O automóvel vai facilitar o atendimento feito pelos conselheiros nas comunidades mais afastadas", afirmou. Richa e Fernanda também assistiram a uma apresentação da Orquestra de Cordas de Tunas do Paraná, um programa social desenvolvido pela prefeitura em parceria com a Orquestra Sinfônica do Paraná, do Teatro Guaíra.

Promovendo parcerias para o crescimento empresarial

Agência SJP do SICOOB será a quinta na RMC O SICOOB Paraná possui seis agências na Capital e quatro unidades na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Na RMC, o SICOOB atua desde 2003. As ações foram ampliadas com a abertura das agências de Araucária (2007), Campo Largo (2008), Fazenda Rio Grande (2011) e Pinhais (2012). A unidade de São José dos Pinhais será a quinta agência do grupo paranaense, que é formado por 19 cooperativas, com quase 100 unidades em funcionamento, que administraram, em apenas uma década, R$ 1 bilhão em recursos. De acordo com o presidente do Conselho de Administração do SICOOB Paraná, Jeferson Nogaroli, em 2011, após a remuneração do capital social dos cooperados pela taxa Selic média do ano de 11,62%, o SICOOB apresentou sobras de R$ 2.091.136,25. "O patrimônio líquido cresceu 50% e o total de recursos administrados 42%", resume Jeferson Nogaroli. PRODUTOS ACIAP O SICOOB possui amplo portfólio para empresas e prestadores de serviços do empresariado de São José dos Pinhais visando propiciar o pronto e diferenciado atendimento às suas necessidades. "Destacamos que o SICOOB será a marca de crédito da Aciap, com soluções financeiras projetadas para cada necessidade da economia são-joseense. Atuamos com sucesso em parcerias com as Associações Comerciais onde existem nossas agências. Em São José não será dife- Agência do SICOOB-PR rente", avalia Vanessa Carneiro, em Pinhais funciona no gerente instaladora da agência do térreo da Associação da cidade SICOOB São José dos Pinhais. Comercial (ACIPI)

FALECIMENTOS  Mitico Sato, 80 anos. Sepultamento hoje, às 17 horas, no Cemitério Memorial da Vida.  Benedita Alzira Ramos Pimpão, 65 anos. Sepultamento hoje, às 09 horas, no Cemitério Padre Pedro Fuss.  Ivo Skoronski, 71 anos. Sepultamento hoje, às 15 horas, no Cemitério Parque Senhor do Bonfim.  Nicolau Michalski, 77 anos. Sepultamento hoje, em horário a ser definido, no Cemitério São José Batista, em São José dos Pinhais. Serviço Funerário Municipal - São José dos Pinhais Rua Ângelo Zem, 55 Centro - Fone : 3382 1271


7

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

TR, POUPANÇA E TBF TR MENSAL % dez jan 0,09 0,09

Montadoras vão investir US$ 22 bilhões até 2015, diz presidente da Anfavea “O grande esforço agora é em busca da competitividade do setor no Brasil”, disse Belini, após a reunião com o ministro Brasília – O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini, confirmou ontem (11) que as montadoras irão investir US$ 22 bilhões até 2015. Belini e outros representantes do setor conversaram com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre o novo regime automotivo brasileiro, que dá incentivos a um maior conteúdo de componentes nacionais nos carros. O novo regime vigorará entre 2013 e 2017. “O grande esforço agora é em busca da competitividade do setor no Brasil”, disse Belini, após a reunião com o ministro. Segundo Belini, os investimentos previstos para o setor começarão a deslanchar já neste ano, tanto nas montadoras quanto no setor de autopeças. Ele destacou que as desonerações e os financiamentos também deverão contribuir para o aumento da produção. Os representantes das montadoras pediram a Mantega mais atenção para o crédito no varejo para a venda de veículos para, assim, expandir-se a produção. Belini ressaltou, porém, que é baixo o volume de recursos destinados pelos bancos pú-

Crédito barato e qualificação chegam às pequenas empresas do interior O Governo do Estado inicia nesta semana uma série de ações de incentivo para que micro e pequenos empresários do interior do Paraná possam fortalecer seus empreendimentos. Crédito facilitado, qualificação profissional e informações serão oferecidos com programas de financiamento e com a instalação de Fóruns Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Paraná. As primeiras ações serão lançadas nesta quinta-feira (12) em Santo Antônio da Platina e na sexta-feira (13) em Cornélio Procópio (sexta). “Vamos movimentar economias locais e regionais”, afirma o secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros. Os empresários - explica - terão acesso a crédito barato e qualificação com o Bom Negócio Paraná e com o Banco do Empreendedor. “Na outra ponta, teremos no Fórum um local próprio para sintonizar políticas públicas de acordo com as peculiaridades econômicas de cada região do Estado”, destaca. As ações são resultados de parcerias entre o Governo do Estado, prefeituras e diversas entidades como o Sebrae, Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Associações Comerciais, Faciap, Agência de Fomento, comerciantes, empresários, empreendedores e lideranças locais e regionais. “Esse trabalho em conjunto é uma das características mais importantes do Governo Beto Richa. Parcerias com o foco no desenvolvimento regional, por meio da geração de emprego e renda”, acrescenta Barros. A agenda de lançamentos segue até junho com eventos em 17 cidades, sempre às quintas e sextas-feiras. Na próxima semana, os encontros serão realizados em Cambé e Apucarana.

blicos federais para o financiamento ao consumidor Para ele, existem ainda dificuldades no setor para a venda de caminhões e a renovação da frota. “Na realidade, a quantidade de postos que está sendo implementada no país é satisfatória. Porém, os frotistas não têm a segurança de que a capilaridade de postos será suficiente para fornecer diesel [para os caminhões]. Isso é uma questão que precisa ser resolvida”, disse. No último dia 3, o governo anunciou um aumento de recursos do Tesouro Nacional para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com o objetivo de estimular a produção dentro do novo Plano Brasil Maior, além do novo regime automotivo brasileiro. Entre as medidas para o setor, estão a redução das taxas de juros fixas de 10% ao ano para 7,7% ao ano para ônibus e caminhões com produção nacional e o aumento do prazo total do financiamento de 96 meses para até 120 meses. Os juros do Procaminhoneiro caem de 7% ao ano para 5,5%, mas, para os ônibus híbridos, a taxa de 5% ao ano foi mantida.

ACP participa do lançamento do Plano Brasil Maior A Associação Comercial do Paraná (ACP) participou do lançamento do Plano Brasil Maior feito na semana passada pela presidente Dilma Rousseff. O coordenador do Conselho Político da entidade, Marco Antonio Peixoto - que representou a ACP na solenidade no Palácio do Planalto - destacou as medidas que visam estimular o setor industrial e alavancar a economia. “O plano é abrangente”, disse. “É um grande passo para evitar a desindustrialização” acentuou. Marco Antonio destacou que representantes das principais entidades empresariais e de trabalhadores do Brasil foram convocados para o evento em Brasília. Entre as medidas anunciadas, destacam-se a desoneração da folha de pagamento, incentivo a exportação, aumento nos prazos de pagamento de PIS/Cofins (até novembro e dezembro), redução do IPI, repasse de recursos ao BNDES, regime automotivo, Plano Nacional de Banda Larga e defesa comercial. Marco Antonio disse que a questão da desindustrialização foi explanada pelo ministro Guido Mantega, da Fazenda, que anunciou a concessão de R$ 6,5 bilhões em subsídios do governo federal. Segundo o coordenador, foi lembrada também a necessidade de reduzir os spreads bancários e a conter a valorização do real, tendo em vista a implicação direta na produção industrial e nas exportações.

fev 0,00

mar 0,11

ano 0,19

12 m 1,16

POUPANÇA MENSAL % dez jan fev 0,59 0,59 0,50

mar 0,61

ano 1,70

12 m 7,39

ÍNDICES DIÁRIOS 10/3 a 10/4 11/3 a 11/4 12/3 a 12/4 13/3 a 13/4 14/3 a 14/4 15/3 a 15/4 16/3 a 16/4 17/3 a 17/4 18/3 a 18/4 19/3 a 19/4 20/3 a 20/4 21/3 a 22/4 22/3 a 23/4 23/3 a 23/4 24/3 a 24/4 25/5 a 25/4 26/3 a 26/4 27/3 a 27/4 28/3 a 28/4 29/3 a 29/4 30/3 a 30/4 31/3 a 1/5 1/4 a 1/5 2/4 a 2/5 3/4 a 3/5 4/4 a 4/5 5/4 a 5/5

0,0290 0,0534 0,0763 0,0878 0,0990 0,0519 0,0328 0,0492 0,0746 0,0884 0,0881 0,0909 0,0566 0,0283 0,0335 0,0581 0,0885 0,0806 0,1106 0,0636 0,0171 0,0227 0,0227 0,0283 0,0158 0,0096 0,0105

0,6892 0,7238 0,7468 0,7684 0,7797 0,7222 0,6930 0,7095 0,7451 0,7990 0,7687 0,7715 0,7270 0,6885 0,0637 0,7285 0,7691 0,7511 0,7914 0,7340 0,6772 0,6828 0,6828 0,6885 0,6759 0,6597 0,6606

CONSTRUÇÃO em % jan fev CUB/PR 0,24 0,06 CUB (Fev / 2012): R$ 998,56

mar -

0,5291 0,5537 0,5767 0,5882 0,5995 0,5522 0,5330 0,5494 0,5750 0,5888 0,5284 0,5337 0,5584 0,5889 0,5810 0,6112 0,5228 0,5284 0,5159 0,5096 0,5106

ano 0,30

12 m 8,71

FAJ-TR / TR-FATOR 10/4 11/4 12/4

2,75967462 2,75975463 2,75986685

0,01236416 0,01236452 0,01236502

SELIC Fev/11 0,84% Set/11 Mar/11 0,92% Out/11 Abr/11 0,84% Nov/11 Mai/11 0,99% Dez/11 Jun/11 0,96% Jan/12 Jul/11 0,97% Fev/12 Ago/11 1,07% Mar/12 * No mês corrente o valor da Selic é sempre 1,00%

0,94% 0,86% 0,86% 0,91% 0,89% 0,75% *1,00%

IR MARÇO * IR 2011: A oitava parcela do IR 2011 venceu em 30/11. Para pagamento de parcelas atrasadas há em fevereiro juros Selic de 10,22%, mais multa. ** Para pagar atrasado um tributo cujo vencimento foi no mesmo mês,será cobrada a Selic do mês corrente (1,00%). Para atrasos que extrapolem o mês em curso, será cobrada taxa equivalente à soma da Selic dos meses em atraso, mais multa.

PREVIDÊNCIA Competência: FEVEREIRO Vencimento empresas 20/03 e pessoas físicas 15/03. A partir disso há multas de 4% a 100% e juros (Selic) EMPRESÁRIO/EMPREGADOR Contribui com 11% sobre o pró-labore, entre R$ 545,00 (R$ 59,95) e R$ 3.691,74 (406,09), através de GPS. AUTÔNOMO 1) Quem só recebe de pessoas físicas: recolhe por carnê 20% sobre os limites de R$ 545,00 (R$ 109,00) a R$ 3.691,74 (R$ 738,34) . 2) Quem só recebe de pessoas jurídicas: a empresa recolhe 11% até o máx. de R$ 3.691,74 (R$ 406,09) e desconta do autônomo. 3) Quem recebe de jurídicas e físicas: têm desconto de 11% sobre o que recebe de jurídicas, até R$ 3.691,74 (R$ 406,09). Se não atingir este teto, recolhe 20%, via carnê, sobre a diferença até R$ 3.691,74. FACULTATIVO Contribui com 20% sobre qualquer valor entre R$ 545,00 (R$ 109,00) e R$ 3.691,74 (R$ 738,34), através de carnê. ASSALARIADOS Salário Contribuição (R$) Até 1.174,86 De 1.174,87 até 1.958,10 De 1.958,11 até 3.916,20

Alíquota 8,00% 9,00% 11,00%

EMPREGADOS DOMÉSTICOS Alíquota % 8 a 11 12 20 a 23

Empregado Empregador Total

R$ mín 49,76 74,64 124,40

SALÁRIO FAMÍLIA – MARÇO Salário de até R$ 608,80 Salário de R$ 60,81 a 915,05

R$ máx 430,78 469,94 900,72

R$ 31,22 R$ 22,00

OUTROS ÍNDICES

“É um grande passo para evitar a desindustrialização”, disse Marco Antonio Peixoto, da ACP

Repercussão “A repercussão do Plano Brasil Maior foi imediata”, ponderou Marco Antonio. Disse que o Banco do Brasil resolveu adotar algumas medidas para adequar-se ao pedido do governo federal. A principal ação foi a redução de juros de várias linhas de crédito, facilitando as compras para os consumidores e investimentos das micro e pequenas empresas. Além disso, o financiamento de veículos terá uma nova taxa de juros de 0,99%. Na sequência, a Caixa Econômica Federal também anunciou um pacote de redução dos juros para empréstimos. Cartão de crédito, cheque especial e os financiamentos são os principais setores que sofrem redução para aquecer o mercado de consumo. O coordenador lembrou que apesar de anunciar um limite de crédito disponível ao cliente de R$ 43,1 bilhões, o BB foi superado pela Caixa, que surpreendeu oferecendo taxas para o cheque especial de 1,85% ao mês.

BTN + TR TJLP Sal. Mínimo FGTS UPC

dez 1,564041 6,00 545,00 0,3112 22,19

jan 1,565506 6,00 622,00 0,3405 22,24

IR – TABELA DE MARÇO Desconto na fonte e carnê-leão Base (R$) Alíquota Até 1.637,11 isento 1.637,12 a 2.453,50 7,50% 2.453,51 a 3.271,38 15,00% 3.271,39 a 4.087,65 22,50% 4.087,65 em diante 27,50%

fev 1,566858 6,00 622,00 0,3332 22,24

mar 1,566858 6,00 622,00 22,24

Dedução – R$ 122,78 R$ 306,80 R$ 552,15 R$ 756,53

Deduções: a) Assalariados: 1) - R$ 164,56 por dependente; 2) - pensão alimentícia; 3) - contribuição à Prev. Social; 4) - R$ 1.637,11 por aposentado a partir de 65 anos; 5) - contribuições à previdência privada e aos Fapi pagas pelo contribuinte; b) Carnê Leão: itens de 1 a 3 mais as despesas escrituradas no livro-caixa.


8

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

PIRAQUARA

MANDIRITUBA

Prefeitura implanta Comitê de Transição das Eleições 2012 Objetivo da atual administração é agir com transparência abrindo as portas para os novos pré-candidatos a prefeito social, educação e etc., além de deixar o candidato a par dos custos envolvidos em cada ação. O visitante também poderá entender quanto é e de onde vem a receita do município,

pois tendo consciência da capacidade de arrecadação e dos gastos, ele poderá elaborar o plano de governo e fazer as suas proposA medida adotada por Gabão é inédita em Piraquara

Foto Frans Rodrigues/PMP

O prefeito de Piraquara Gabriel Jorge Samaha, o Gabão, está implantando o Comitê de Transição Eleições 2012. A iniciativa, tomada por Gabão, tem como principal objetivo abrir as portas da prefeitura para os candidatos à sucessão do cargo. A visita está aberta ao coordenador de campanha ou ao próprio candidato a prefeito da cidade, que devem estar filiado a um partido político. O comitê, composto pela Controladoria e pela Secretaria de Finanças da Prefeitura Municipal de Piraquara, começará a agendar as visitas a partir do dia 1º de maio, e cada visitante poderá ir até a prefeitura quantas vezes forem necessárias para conhecer todo funcionamento dos órgãos. A abertura visa mostrar a atual situação da prefeitura, o orçamento, os programas e políticas públicas existentes nas diversas áreas, como saúde, assistência

tas de campanha, sem medo de não poder cumprilas depois de eleito. INÉDITO A medida adotada pelo prefeito Gabão, é inédita na história do município de Piraquara e, segundo ele, deveria ser feito sempre, por todos os gestores. "É importante para que o novo governante não crie expectativas falsas e não prometa nem proponha coisas que não poderá cumprir depois, prejudicando sua gestão" explicou. Para Gabão a criação de um comitê como este é a base da saúde de uma gestão que se inicia. "Para que se garanta a transparência nas transições governamentais e evite que os políticos façam promessas que não podem ser cumpridas, que algumas vezes são feitas por maldade, mas outras são feitas por falta de entendimento dos processos de cada prefeitura", complementou Gabão.

ARAUCÁRIA

Começou na noite de ontem (11), a sexta edição do Festival de Música de Mandirituba, que segue até esta sexta-feira (13), no Teatro Municipal da cidade. Segundo os organizadores, até o dia 13 de abril aproximadamente 150 artistas deverão participar das apresentações de MPB, gospel, composição própria, sertanejo e bandas. Neste ano a premiação será diferenciada. Os primeiros colocados de cada categoria vão participar da gravação de um CD, que posteriormente será lançado no município e divulgado regionalmente. Os segundos e terceiros lugares receberão troféus. A expectativa é de que aproximadamente três mil pessoas assistam as apresentações musicais durante esses três dias de evento. Ao todo são 80 inscrições, dos mais diversos gêneros musicais. O festival está sendo realizado no Teatro Municipal, sempre com início as 19h. O evento é uma realização da Prefeitura de Mandirituba através da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte.

A sexta edição do Festival de Música de Mandirituba segue até esta sexta-feira

PIÊN

Academias ao ar livre são instaladas no município

Foto Carlos Poly/ACS

Palestras de educação no trânsito recomeçam nas escolas Demonstrando muito interesse e atenção, alunos da Escola Municipal Azuréa Belnoski, no Jardim Tupy, participaram no início desta semana da abertura das palestras de educação no trânsito em 2012, realizadas pela equipe da Secretaria de Urbanismo. As atividades tiveram sequência nas escolas desde a manhã de ontem (11) e seguem até amanhã (13), onde serão atendidas mais de 750 crianças, do 1º ao 9° ano, somente nesta escola. Dentre essas crianças, estava Gabriela Tormes de Souza, de onze anos, que adorou a palestra. "Gostei muito. Tudo que aprendi aqui posso contar para meu pai e minha mãe. A gente sempre usa cinto de segurança e tem respeito no trânsito. Foi bem legal a palestra", contou. O projeto já existe há mais de um ano e tem como objetivo ensinar e orientar as crianças sobre a importância de se respeitar e preservar vidas no

Mais de três mil pessoas são esperadas no festival de música

Dranka e o vice Tureck visitam local onde os equipamentos serão instalados

Alunos da rede municipal de ensino participam das palestras de trânsito

trânsito. O agente Municipal de Trânsito, Rômulo Sales Araújo, que é um dos que ministram a palestra. Ele comentou o risco que as crianças correm no trânsito, já que estátisticas mostram que a maior causa de mortes de crianças de um a 14 anos é no trânsito. "Temos que orientar as

crianças sobre a importância de se cuidarem no trânsito. Muitas utilizam a rua para brincar e acabam se machucando. Então é preciso orientar, até porque tendo uma educação de trânsito desde pequenos eles crescerão sendo mais responsáveis, trazendo um trânsito mais seguro. Eles são o nosso futuro", anali-

sou o agente Rômulo. Hoje, mais de 50 mil pessoas morrem de acidentes de trânsito por ano no Brasil, sendo que mais da metade é ocasionado por embriaguês. Por isso, além de preparar os jovens para o futuro, a SMUR também faz palestras para os adultos, através de empresas.

A prefeitura de Piên quer incentivar ainda mais a pratica de atividades físicas e a promoção da qualidade de vida e bem estar da população local. Para isso, o prefeito Gilberto Dranka confirmou recentemente a implantação de duas academias ao ar livre no município, uma delas no centro da cidade, na Praça da Paz, e outra no bairro de Trigolândia. Na última segunda-feira (9), o prefeito Dranka e o vice prefeito Livino Tureck, estiveram visitando os locais onde as academias serão instaladas. "A principal vantagem é ter um espaço público, atrativo, modernamente equipado para fazer exercícios que podem contribuir para o combate ao sedentarismo, ajudando na promoção da saúde da população", destacou Dranka. Os trabalhos de instalação das academias serão iniciados nas próximas semanas.


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

9

Busca ativa destrói 13 focos em empresas de risco

Foto: Luiz Costa/SMCS

Ferrovelhos, garagens, depósitos de materiais e oficinas mecânicas são pontos estratégicos das vistorias contra a dengue

Funcionários da Banseg, empresa de leilão de veículos, adotam medidas de prevenção no combate a dengue

O trabalho permanente de inspeção sanitária feito pela Prefeitura identificou e destruiu neste ano 26 focos de larvas do mosquito da dengue. Desse total, 13 estavam em pontos estratégicos localizados ao longo da Linha Verde. Apenas um foco estava numa residência da Vila Hauer, na

Regional Boqueirão. Em todo ano passado ocorreram 62 focos. “Isso mostra a importância de não interrompermos a busca ativa, feita de janeiro a janeiro, do mesmo modo que a população deve permanecer atenta à prevenção”, observa o diretor do Centro de Saúde Am-

ARTIGO

biental da Secretaria Municipal da Saúde, Luiz Antônio Teixeira. Curitiba segue sem registrar casos locais de dengue. Residências Quem mora em casa deve prestar atenção aos objetos e utensílios que podem armazenar água limpa, dentro e fora de casa. É

o caso de baldes, pneus velhos, pratos dos vasos de plantas, tampas de refrigerantes e embalagens de alimentos dispersos por jardins e quintais. Bordas de piscinas e ralos internos e externos também precisam de atenção, assim como os potes de água dos animais de estimação. A solução é desfazer-se do desnecessário ou, quando os objetos não puderem ser descartados, mantê-los ao abrigo da chuva. No caso dos vasos, os pratos devem ser preenchidos com areia para absorver a água. Para as bordas das piscinas e os ralos, o indicado é esfregá-los pelo menos uma vez por semana com escova e detergente para remover a crosta onde os ovos do mosquito podem ser depositados. Os potes dos bichos devem ser limpos da mesma maneira todos os dias. Risco Já para quem trabalha em áreas propícias ao aparecimento de focos - como os 26 dos cerca de 800 pon-

tos estratégicos vistoriados quinzenalmente, entre ferrovelhos, garagens, depósitos de materiais e oficinas mecânicas - o cuidado deve ser ainda maior. De acordo com determinação da Vigilância Sanitária, é necessário ter um plano de gerenciamento para lidar com as possíveis situações de risco e prevenir a ocorrência de focos do mosquito. Desde que começou a se guiar por um plano próprio, a empresa de leilões de veículos Banseg, no bairro Ganchinho, enfrenta o risco da dengue com mais eficiência. A empresa, que em 2007 chegou a registrar cinco dos 107 focos identificados na cidade, reduziu o número de ocorrências para um caso em 2010 e atravessou todo o ano passado sem registrar o problema. Para o responsável pela área administrativa da Banseg, Luiz Gonzaga Carleto, o segredo do resultado está no envolvimento dos 35 funcionários da empresa

em todos os setores com o propósito de combater a dengue. “Os carros (inteiros ou batidos) são vistoriados antes de serem colocados na área de visitação, que acontece antes de cada leilão”, conta Carleto. Passam pelo local até 1,8 mil carros vindos do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul – em muitos casos, de cidades onde a dengue, ao contrário de Curitiba, é um problema de saúde pública. Outra medida importante, avalia o administrador, foi enviar cartas às cerca de cinquenta oficinas de onde vêem os carros pedindo que eles sejam inspecionados antes de despachá-los para Curitiba. E antes dos quatro leilões que acontecem todos os meses, os interessados em arrematar os carros recebem folhetos sobre a prevenção da dengue. “Não depende só de nós, mas creio que estamos cuidando bem da nossa parte”, argumenta.

*Padre Reginaldo Manzotti

O primeiro dos Dez Mandamentos da lei de Deus (PARTE I) Os mandamentos da lei demônios para descobrir o de Deus começam dizendo: futuro; consulta de horós“Amar a Deus sobre todas as copo; necromancia; invocoisas”. De fato, o primeiro cação de mortos e mesa mandamento se refere do branca/mesa preta; missas amor a Deus. E Jesus resunegras; cartomantes; intermiu dessa forma: amarás o pretação da sorte; buscar senhor teu Deus, de todo o refúgio, recurso à mediunicoração, de toda a tua alma, dade. Tudo isso esconde de todo o entendimento uma vontade de poder so(Mateus 22,27). São palabre o tempo, sobre a históvras que seguem do Antigo ria e sobre a providência de Testamento. Escutem IsDeus. rael, o senhor nosso Deus: Encontramos o que a Padre Reginaldo Manzotti: o senhor nosso Deus é úniBíblia chama de ocultismo, “Evangelizar é Preciso” co (Dt 6,4). nos seguintes textos: LeO primeiro mandamenvítico 19, 31; Deuteronôto, “Amar a Deus sobre todas as coisas” conmio 3, 19; e Primeiro Coríntios 10, 12-13. dena o politeísmo. (Do grego: Poli, muitos; A feitiçaria também é algo que fere o Théos: deus). E condena toda a forma de ido“Amar a Deus sobre todas as coisas”. São peslatria, ou seja, adorar outros deuses. soas que pretendem domesticar os poderes Mas o que é idolatria? É tudo aquilo que ocultos. A superstição também é o desvio do no nosso coração ocupa o lugar de Deus. Porsentimento religioso. É acreditar, por exemtanto, o primeiro mandamento é contra coplo, na sorte. “Eu vou à missa, mas dentro de locar no lugar de Deus outros deuses. Adorar casa eu tenho que ter uma ferradura, ou um a Deus, orar a ele, oferecer-lhe o culto que lhe trevo de quatro folhas. Sou católico, mas eu é devido e cumprir as promessas faz parte do acredito em figa, em objetos, amuletos”. primeiro mandamento. Texto de Primeiro Coríntios 10, 19-22: Mas quais são as faltas graves contra o Que quero dizer com isto? Que a carne saprimeiro mandamento? Superstição é um dos crificada aos ídolos seja alguma coisa? Ou exemplos. “Não vou passar em baixo de uma que os ídolos mesmo sejam alguma coisa? escada que me dá agouro”. “Vou usar fita verNão! Mas aquilo que os ímpios imolam, eles melha que tenho sorte”. Mas até onde isso imolam aos demônios e não a Deus. Ora, não ofende Deus? A reposta é: ou acreditamos quero que entreis em comunhão com os deque ele é Deus, nosso único Senhor ou não. mônios. Não podeis beber o cálice do Senhor Atualmente, estamos vivendo a pior fase e o cálice dos demônios. Não podeis particido ateísmo, principalmente nas famílias. Fico par da mesa do Senhor e da mesa dos demôperplexo em ver avós, pais e filhos que estão nios. Ou queremos provocar o ciúmes do Sese tornando ateus. E não estamos tratando nhor? Queremos ser mais forte do que ele? de uma negação direta a Deus, porque toda a Este texto e os outros que seguem, ele fala negação é uma afirmação. Falo da indiferende como superar a idolatria, a prática pagã. ça. E a indiferença religiosa é a pior forma de A ação de tentar Deus consiste em pôr à ateísmo. prova, em palavras ou atos a bondade e a Por exemplo, a indiferença de ir na igreja, onipotência. O grave pecado contra o prino rezar, na devoção, a indiferença sobre o meiro mandamento é colocar Deus em seque é a Eucaristia. Fico angustiado, pois quangundo lugar. Como muitos fazem: primeiro tos adolescentes jovens não têm a Primeira lugar dinheiro, depois Deus. Quem ama a Comunhão e a Crisma. Os filhos não vão mais Deus cumpre seus mandamentos e suas vonpara a Catequese. E essa indiferença é uma tades. forma de ateísmo. Uma falta grave contra o *Padre Reginaldo Manzotti é coordenaprimeiro mandamento. dor da Associação Evangelizar é Preciso e Magia, espiritismo, idolatria, simonia (copároco da Igreja Nossa Senhora de mércio de funções sagradas – querer comGuadalupe, em Curitiba (PR). Apresenta prar a graça de Deus) também são faltas gradiariamente programas de rádio e TV que ves contra o primeiro mandamento. A blassão retransmitidos por milhares de emisfêmia contra Deus e os santos também. soras do país e exterior. Tentar a Deus; recorrer a Satanás e aos Site: www.padrereginaldomanzotti.org.br.

Prefeito Luciano Ducci vistoria obras na Regional Boa Vista

População aprova obras na Regional Boa Vista Rua V er eador Jurandir de Azevedo e Silva é rreconstruída econstruída no Ver ereador tr echo entr venida Anita Garibaldi e a R ua Edgar Távora trecho entree a A Avenida Rua Os moradores da Rua Vereador Jurandir de Azevedo e Silva, na Barreirinha, estão satisfeitos. Teve início ontem (11) a reconstrução da pavimentação da rua, no trecho entre a Avenida Anita Garibaldi e a Rua Edgar Távora. “Eu já nem abria mais a minha casa, pois entrava muita poeira. Agora estou muito feliz”, afirmou a aposentada Rosemari Maciel, que mora no local há 26 anos. O antipó antigo está sendo retirado e um trecho de 450 metros receberá capa asfáltica nova. A obra será concluída no prazo de 30 dias. A dona de casa Célia dos Santos, que diariamente percorre o trecho a pé empurrando o carrinho do seu filho Pedro Henrique, comemorou. É bem difícil andar por aqui com o carrinho de bebê, agora vai melhorar muito a nossa vida”, disse. O prefeito Luciano Ducci, ao visitar a obra, comentou que a reconstrução da pavimentação naquele trecho da rua também terá uma importante função na fluidez do trânsito da região. “Esse é

um importante novo eixo de ligação entre a Anita Garibaldi e a Ludovico Geronasso, o que permite um desvio de fluxo”, disse. Luciano Ducci explicou ainda que a obra havia sido pedida pelos moradores em audiência pública. “Foi um pedido da população e que estamos executando”, disse. ÁGUAS PLUVIAIS Nesta quarta (11), durante visita à Regional da Boa Vista, o prefeito Luciano Ducci também visitou a obra de execução de uma galeria de águas pluviais, na esquina das ruas Ari Barroso e Arthur Carlos Peralta. “Isso foi o melhor que poderia acontecer para nós”, disse o aposentado Carlos Geronasso, que mora na região há 67 anos. A pensionista Dirce da Luz Kazowiski, que mora em frente à obra, está satisfeita. “A antiga galeria não vencia a água da chuva, provocando alagamentos freqüentes em todo o meu terreno e até dentro da minha casa”, explicou. Ela mora no local há 54 anos.

“Essa obra era tudo o que eu queria, resolveu o nosso problema”. A nova galeria de águas pluviais, que estará pronta até o fim do mês, tem 140 metros de extensão e diâmetro de 80 centímetros. A antiga tinha um diâmetro de apenas 40 centímetros. REGIONAL BOA VISTA No início da tarde de ontem (11), o prefeito Luciano Ducci se reuniu com 150 servidores que trabalham na Regional Boa Vista. No encontro, foram apresentadas as principais obras e avaliados os projetos da Prefeitura em andamento na região. “É importante esta conversa com a equipe de gestão em toda a cidade, pois Curitiba passa hoje por uma transformação que a deixará inovadora, bem planejada e moderna”, afirmou o prefeito. “Os funcionários são quem colocam a mão na massa. São eles que fazem as obras andarem e os programas acontecerem, daí a prioridade pelo diálogo entre todos”, disse Luciano Ducci.


10

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Governo comemora um mês de UPS no bairro Uberaba

Foto Ademar Marques/Metrópole

Policiais militares atuam diuturnamente para proporcionar segurança na região mais violenta da capital

Policiais militares começaram as atividades no dia 8 de março, no Uberaba

O secretário de Estado da Segurança Pública Reinaldo de Almeida César, o comandante geral da PM coronel Roberson Luiz Bondaruk e o subcomandante geral coronel César Alberto Souza divulgam na manhã de hoje (12) o balanço de um mês das atividades da Unidade Paraná Seguro do Uberaba (UPS). Durante o evento também serão entregues certificados da conclusão do "Curso de Operador de Grupo de Interação So cial", aos policiais que trabalham na UPS ou se prepararam para esta função. "Esta é a primeira turma, composta por 62 policiais militares, a se formar neste curso que valoriza a cima de tudo os direitos humanos e o policiamento comunitário", destaca o coronel PM Roberson Bondaruk. Também participam do evento, comandantes

Uma ação dos policiais da Delegacia de Vigilância e Capturas, de Curitiba, resultou na prisão de Odair José de Moraes Pontes, 31 anos, condenado a 21 anos de cadeia por crime de latrocínio (roubo seguido de morte), e foragido da Colônia Penal Agrícola (CPA), na tarde de ontem (11), em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. Segundo a polícia, Pontes estava foragido do sis-

tema penal desde janeiro deste ano, onde cumpria pena. Ele teve o mandado de prisão expedido pela 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba e foi localizado pelos policiais após uma semana de investigação. Depois de ouvido na delegacia especializada, Pontes foi encaminhado para o Centro de Triagem II, em Piraquara, onde permanece à disposição da Justiça.

Foto Divulgação/Polícia Civil

Condenado por latrocínio é capturado em Araucária

UPS A instalação da primeira Unidade Paraná Seguro, no bairro Uberaba, em Curitiba, ocorreu no dia 8 de março com a presença do governador Beto Richa, que apresentou aos moradores da região os cerca de 60 policiais que atuam na UPS. Eles foram treinados

para executar policiamento comunitário e são comandados pela tenente Caroline Costa, com supervisão da tenente coronel Karin Denise Krasinski, comandante do 20º Batalhão da PM. "A UPS consiste em um novo modelo de policiamento e de prestação de segurança pública com ações de aproximação entre a população e a polícia, aliadas ao fortalecimento de políticos e sociais, denominado de Grupo de Interação Social".

Suspeitos de matar expolicial são encontrados mortos a tiros Dois rapazes apontados pela polícia como suspeitos de autoria de um crime em que foi vítima um ex-policial militar, foram encontrados mortos com vários tiros na manhã de ontem (11), na Rua Alberto Piekas, em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba. Policiais militares do 17º Batalhão informaram que Jeferson da Silva, 23 anos, e Ricardo de Oliveira, 21, foram executados com vários tiros quando estavam dentro de um veículo Corsa a caminho do trabalho, por volta das 7h. Testemunhas contaram para a polícia que dois homens desceram de um veículo Fiat Uno vermelho e, depois de abordar o carro das vítimas, efetuaram os disparos contra os dois, que morreram na hora. Policiais da delegacia da cidade estiveram no local e levantaram duas hipóteses. A primeira seria vingança, já que os dois teriam sido ouvidos na delegacia local como suspeitos de matar um ex-PM. Os dois foram

ouvidos e negaram a participação no homicídio. A outra hipótese levantada pela polícia seria a disputa por ponto de venda de drogas na região O ex-policial militar Sidarte Martins Oliveira, 42, foi assassinado na noite do último domingo (8), no bairro Cachoeira, na mesma cidade. Segundo a polícia, Oliveira estava acompanhado da filha de 12 anos em um carro, quando teve que parar atrás de um veículo Corsa preto. Quando os demais motoristas começaram a buzinar, dois rapazes saíram do Corsa e atiraram contra a cabeça do expolicial, que morreu na frente da filha. Uma semana depois, Ricardo e Jeferson foram investigados e ouvidos na delegacia como principais suspeitos do crime. Na manhã de ontem, os dois foram assassinados. A guerra entre traficantes na região do bairro Cachoeira pelo comando do tráfico de drogas também está sendo investigada pela Polícia Civil.

RONDA POLICIAL Odair José de Moraes Pontes era foragido da Colônia Penal Agrícola

Michelotto discute segurança com polícia carioca

Delegado geral Marcus Michelotto participa de evento no Rio

de unidades da Polícia Militar da região, convidados e representantes da sociedade civil organizada e da comunidade em geral.

O delegado geral, Marcus Vinícius Michelotto, participou ontem (11), no Rio de Janeiro, da abertura da 36ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil, promovida pelo Conselho Nacional de Chefes de Polícia Civil (Concepc). Durante o evento, que acontece no Riocentro, varias palestras abordaram as ações de sucesso que trouxeram benefícios efetivos para a segurança pública de diversos estados. Para Michelotto, o encontro serve como oportunidade de discussão das questões que envolvem as forças de segurança dos estados. "A participação dos chefes de polícia é importante para a troca informações e experiências, que complementam as ações estratégicas dos sistemas de segurança em todo o país", afirmou. Durante todo o dia, os palestrantes falaram para o público assuntos como, "A Contextualização da Polícia Civil no Século XXI", "A Política Nacional de Segurança Pública", "Atuação da Polícia Civil no Âmbito da Força Nacional", além de discussões sobre a legislação que envolvem o assunto. Durante o evento, serão eleitos os novos presidentes e vice-presidentes regionais do Conselho.

TIRO NO CORAÇÃO Maikel de Souza Santos, 22 anos, perdeu a vida depois de ser atingido com um tiro no coração, no início da tarde de ontem (11), no bairro Boqueirão, em Curitiba. Segundo a polícia, o motivo para o crime seria uma briga entre gangues da região da Vila Pantanal, no mesmo bairro. Um suspeito do crime, conhecido apenas como "Wagner de Tal" foi preso por policiais militares nas imediações e levado à DP de Homicídios, que investiga o fato. VESTIDO CURTO Uma garota que não portava documentos e aparentando ter entre 16 e 20 anos, usando um vestido curto, foi encontrada morta na madrugada de ontem (11), na Rua Colômbia, bairro Nações, em Fazenda Rio Grande. Policiais militares do 17º Batalhão informaram que a menina foi assassinada com tiros na cabeça. No local do crime, ninguém soube informar a identidade da vítima, que teve o corpo recolhido ao IML de Curitiba. A DP de Fazenda Rio Grande está investigando. CACHIMBO NO PÉ Com uma garrafa de pinga na mão e um cachimbo de fumar crack no pé, um usuário de drogas foi encontrado morto no final da noite da última terça-feira (10), no Jardim Osasco, em Colombo. A Polícia Militar informou que o rapaz levou pelo menos quatro tiros na cabeça. Como estava sem documentos e não foi reconhecido por ninguém do bairro, o corpo foi recolhido ao IML da capital e o caso repassado à DP do Alto Maracanã. DEPOIS DA PELADA Dois rapazes foram baleados quando voltavam de uma partida de futebol, por volta das 2h de ontem (11), na Rua Pedro Gusso, bairro Capão Raso, em Curitiba. A polícia apurou que os dois amigos voltavam de uma pelada onde teriam se envolvido em uma confusão. Depois de atingidos pelos tiros, os dois tiveram que ser levados em estado grave para o Hospital do Trabalhador. A hipótese de algum envolvido na confusão ter seguido os dois e disparado os tiros está sendo investigada pela Polícia Civil.


11

(foto - Luca Bassani)

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Esta é a equipe do Qualqué 1 que entra em quadra amanhã às 20h20 no C.E.L Ney Braga 1 para enfrentar o vice líder, Colégio Lindaura

Lico Kaesemodel nasceu em Curitiba, começou no kart aos 12 anos; em 2004 estreou em provas de Turismo já se sagrando campeão do Troféu Maseratti, e está na Stock Car deste 2007

2ª Etapa Copa Caixa Stock Car 2012 Correndo “em casa” o piloto Lico Kaesemodel vai em busca do pódio.

Copa São José de Futsal 2012 - 1ª Divisão Nesta fase de jogos entre os Grupos A x B a Classificação Geral da Copa São José – 1ª divisão – Adulto Masculino, é esta: 1º - Abate Futsal (11 pontos); 2º - Colégio Lindaura (10); 3º - The Black (08); 4º - Polynove (07); 5º - Arte da Bola (06); 6º - São Marcos (06); 7º - Distribuidora Pérola (05); 8º - Riacho Doce (05); 9º - Qualqué 1 (03); 10º - Lava Car Buiu (03); 11º - Papelaria Suzaki (03); 12º - Eclipse A C (02 pts).

Confira as próximas rodadas da Copa São José de Futsal 2012 Sexta (13)

20h20 - Colégio Lindaura X São Marcos

Centro de Esporte e Lazer Ney Braga I

21h10 - Distribuidora Pérola X Abate Futsal

19h30 - Distribuidora Pérola X São Marcos

Segunda (23)

20h20 - Colégio Lindaura X Qualque 1

Centro de Esporte e Lazer Ney Braga I

21h10 - Papelaria Suzaki X Eclipse

19h30 - Arte Da Bola X Qualque 1

Terça (17)

20h20 - São Marcos X Abate Futsal

Centro de Esporte e Lazer Colônia Rio Grande

21h10 - Eclipse X The Black

19h30 - Riacho Doce X The Black

Quarta (25)

20h20 - Polynove X Arte Da Bola

Centro De Esporte E Lazer

21h10 - Lava Car Buiu X Eclipse

Colônia Rio Grande

Quinta (19)

19h30 - Papelaria Suzaki X Colégio Lindaura

Centro de Esporte e Lazer São Marcos

20h20 - Lava Car Buiu X Polynove

19h30 - Papelaria Suzaki X Qualque 1

21h10 - Distribuidora Pérola X Riacho Doce

Parabéns aos Aniversariantes do mês: Clécio, Idélcio e Douglas Uma vez por semana, já há vários anos, essa turma se reúne lá no Campo do Élcio (Pop) na Colônia Zacarias para um futebolzinho e um Churrasco... E nessa semana o pessoal deu os Parabéns aos aniversáriantes de abril: Clécio (Síndici do Brasil), Idélcio (Idécio Imóveis) e Douglas (Nawtech).

Sábado, 14 de abril. 7h20 às 7h30 – Shake Down – COPA CHEVROLET MONTANA 7h40 às 8h20 – 3º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 1 – COPA CAIXA STOCK CAR 8h30 às 9h10 – 3º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 2 – COPA CAIXA STOCK CAR 9h20 às 9h50 – 1º treino livre (máx. 10 voltas) / grupo 1 – COPA CHEVROLET MONTANA 10h às 10h30 – 1º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 2 – COPA CHEVROLET MONTANA 10h53 – largada 2ª etapa/corrida 1 do MINI CHALLENGE CUP (25 min. + 1 volta) 12h às 13h – treino de classificação da 2ª etapa da COPA CAIXA STOCK CAR 13h10 às 13h40 – 2º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 1 – COPA CHEVROLET MONTANA 13h50 às 14h20 – 2º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 2 – COPA CHEVROLET MONTANA 14h43 – largada 2ª etapa/corrida 2 do MINI CHALLENGE CUP (25 min. + 1 volta) 15h30 às 15h50 – treino de classificação da 2ª da COPA CHEVROLET MONTANA 16h às 17h – horário promocional – visitação aos boxes + volta rápida Domingo, 15 de abril 9h30 – largada da 2ª etapa da COPA CAIXA STOCK CAR (40 min. + 1 volta) 10h53 – largada da 2ª etapa/corrida 3 do MINI CHALLENGE CUP (25 min. + 1 volta) 11h30 às 12h30 – horário promocional – visitação aos boxes + volta rápida 13h13 – largada da 2ª etapa da COPA CHEVROLET MONTANA (35 min. + 1 volta)

Confira a programação oficial da 2ª etapa da Copa Caixa Stock Car: Quinta-feira, 12 de abril. 12h às 13h30 – shake down – MINI CHALLENGE CUP Sexta-feira, 13 de abril. 9h15 às 9h45 – 1º treino livre – MINI CHALLENGE CUP 10h às 10h40 – 1º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 1 – COPA CAIXA STOCK CAR 10h50 às 11h30 – 1º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 2 – COPA CAIXA STOCK CAR 12h às 12h30 – 2º treino livre – MINI CHALLENGE CUP 13h às 13h40 – 2º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 1 – COPA CAIXA STOCK CAR 13h50 às 14h30 – 2º treino livre (máx. 16 voltas) / grupo 2 – COPA CAIXA STOCK CAR 15h às 15h30 – 3º treino livre – MINI

(foto - Vanderley Soares)

Depois de dois empates, contra Lavar Car Buiu e Colégio Lindaura, o Abate Futsal voltou a vencer na última segunda (09), fez 7 a 3 na Papelaria Suzaki

CHALLENGE CUP 16h40 às 17h – treino classificatório – MINI CHALLENGE CUP

O Autódromo Internacional de Pinhais com seus 3.695 metros, recebe neste final de semana a 2ª etapa da Copa Caixa Stock Car Brasil, a principal categoria de Turismo do Automobilismo Nacional. Categoria criada em 1979 e desde então vem evoluindo e inovando a cada temporada. Conta com 16 equipes, 32 carros e a elite dos pilotos nacionais. Atrai cerca de 40 mil pessoas aos autódromos por onde passam em cada uma das suas 12 etapas. Lico Kaesemodel é um dos sete representantes do estado na disputa da Copa Caixa Stock Car, e começou bem a temporada, na 1ª etapa em São Paulo foi o mais rápido nos treinos livres da sexta feira e terminou a corrida entre os Top 10. “Corrida em casa a confiança aumenta, principalmente após o bom começo que tivemos na etapa de abertura em Interlagos, quando todos estavam ansiosos em função das varias mudanças implantadas na categoria esse ano. Minha equipe, a RCM, conta com um bom acerto para essa pista. Então, vamos com tudo buscar um pódio”, disse Lico, que aposta na regularidade para realizar um bom campeonato esse ano. O que mudou para este ano: Fim do pitstop para reabastecimento, corridas mais curtas - de 50 minutos passou para 40 min., porém o tanque de combustível esta maior, mais peso e desgaste de pneus; permissão do push to pass na classificação. O sistema de pontuação também mudou. Serão 22 pontos para o vencedor, 20 para o segundo e 18 pontos para o terceiro colocado. A partir daí os pontos vão caindo de um em um até o 20º, que recebe um ponto. Ou seja, as vitórias valerão menos, mas a regularidade vale mais. Não haverá mais descartes e na etapa decisiva do campeonato a pontuação valerá o dobro. O ganhador somará 44 pontos, o segundo 40, e assim por diante.

COPA CHEVROLET MONTANA são-joseense Marcello Cesquim também vai acelerar neste domingo, na pista de Pinhais, a partir das 13h13 pela Copa Montana. Com transmissão ao vivo da Rede TV!


12

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Gazeta Press

Paraná Clube cede empate para o Ceará no final do jogo Depois de quase um mês sem jogar, Tricolor vira o jogo, mas termina em 2 x 2. Decisão para as oitavas de final será na Vila Capanema, na próxima quarta

Depois do empate, Tricolor recebe o Ceará no jogo de volta, quarta-feira

O Paraná Clube foi até Fortaleza (CE), na noite de ontem (11), com a esperança de trazer uma vitória sobre o Ceará, mas depois da partida empatada em 1 x 1, o Tricolor virou o placar e, no finalzinho, cede o empate e o jogo termina em 2 x 2, na primeira rodada da segunda fase da Copa do Brasil. Mesmo sendo guerreiro em campo, a zaga paranista teve muito trabalho para afastar o perigo imposto pelos cearenses. Destemido, depois de ver o time adversário abrir o placar, o elenco do Paraná Clube buscou

Foto Central Press

Piloto são-joseense é promessa do automobilismo nacional

Marcelo Cesquin participa no domingo da segunda etapa da Copa Montana

Grande celeiro de pilotos, o Paraná diminuiu sua participação nas principais categorias do automobilismo brasileiro nos últimos anos. Com a saída de Enrique Bernoldi e dos irmãos Tarso e Thiago Marques da Stock Car e, mais recentemente, de Diogo Pachenki da Copa Montana, o estado perdeu representatividade nas pistas nacionais. Mesmo assim, ainda conta com nomes de peso, como Ricardo Zonta, Júlio Campos e os gêmeos Rodrigo e Ricardo Sperafico, que disputam a Copa Caixa Stock Car. Porém, novos pilotos es-

tão surgindo para aumentar a força do estado nas principais categorias brasileiras. Uma dessas promessas é Marcello Cesquim, de 21 anos, que começou no automobilismo em 2006. Na estreia nas pistas de terra, foi campeão paranaense de Hot Dodge, aos 16 anos. Em 2007, ficou com o título paranaense e o vice-campeonato brasileiro de Stock Car na Terra. Em 2008, começou sua adaptação às pistas de asfalto, treinando com carros de tração traseira. Disputou a etapa de Curitiba da Pick-up Racing, em 2009, conquistando o sexto lugar. No ano seguinte, estreou na Copa Montana, categoria que disputa atualmente. Neste fim de semana (14 e 15 de abril), ele participará da segunda etapa da Copa Montana, em Curitiba. Após um fim de semana de muitas quebras em Interlagos (SP), o paranaense, que estampa no carro as cores da International Caminhões, espera voltar a brigar pelas primeiras posições. Para atingir esse objetivo, Cesquim intensificou a preparação nas últimas semanas. "Fiz vários treinos de kart e fui para a pista com um carro de tração traseira. Estou afiado e espero contar com o apoio da torcida local", destaca. A intenção do piloto nascido em São José dos Pinhais é fazer um campeonato consistente este ano para chegar à Copa Caixa Stock Car até 2014. Os pilotos da Copa Montana entram na pista de Curitiba no sábado (14), para dois treinos livres e a tomada de tempos. A corrida acontece neste domingo (15), a partir das 13h15.

o empate aos onze minutos. Paulo Henrique lançou Luisinho, que ia sair na cara do gol. No entanto, foi assinalado impedimento e, no lance seguinte, o mesmo Luisinho não perdoou e mandou para o fundo das redes. Luisinho recebeu de Nilson na grande área, brigou pela bola e bateu. O goleiro adversário nada pode fazer, e o Tricolor virou o jogo, 2 x 1. Sentindo o desgaste, o Paraná foi modificado pelo técnico Ricardinho. Com isso, o atacante Douglas fez sua estreia com a camisa paranista, entrando na vaga de Nilson. Aos 33 minutos, em lance de bola alta, o Ceará correu atrás do empate. Apodi cruzou e Romário completou, de cabeça, decretando

a igualdade em dois gols. Perto do final da partida, os jogadores do Paraná começaram a sentir cãibras, por conta da falta de ritmo e pela grande intensidade do futebol apresentado em campo. O resultado de 2 x 2 acabou sendo péssimo para o Ceará, que terá que vencer o jogo de volta, na Vila Capanema, na próxima quarta-feira (18), já que um empate sem gols, ou em 1 x 1, classifica o Paraná para as oitavas de final da Copa do Brasil. Até lá, os comandados do técnico Ricardinho terão que treinar pesado para vencer o Cará na Vila Capanema por dois ou mais gols para eliminar o adversário e garantir vaga para as oitavas de final.

Coritiba vence em casa e elimina o ASA na Copa do Brasil Depois de se recuperar da derrota por 1 x 0, no jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil, diante do Asa de Arapiraca (AL), o Coritiba eliminou os alagoanos por 3 x 0, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba, na noite de ontem (11). Com o resultado, o alviverde se classifica para as oitavas de final, em que enfrentará Paysandu ou Sport. Após algumas dificuldades sem conseguir entrar na defesa alagoana, o Coritiba conseguiu abrir o placar aos 38 minutos do primeiro tempo, em cobrança de pênalti convertida por Tcheco. Anderson Aquino ampliou aos 46 minutos. No segundo tempo, aos 26 minutos, Everton Ribeiro fez tabela com Anderson Aquino e chutou forte, no canto, para marcar o terceiro gol coxa branca. Na próxima fase, o Coxa encara o vencedor da partida entre Paysandu e Sport Recife. Até lá, o elenco coxa branca estará voltando suas atenções para o Campeonato Paranaense, onde briga pela conquista do título do segundo turno. O próximo desafio do Coxa será no domingo (15), diante do Operário de Ponta Grossa, às 16, no Estádio Germano Krüger, em partida válida pela 9ª rodada do Paranaense 2012.

Coxa se recupera e consegue bater o ASA em casa por 3 x 0


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

13

Exames, palestras e orientações estimulam o combate ao Câncer de Mama

Na noite da última terça-feirafoi realizado um evento de mobilização com palestras, orientações e agendamento de exames

O combate ao Câncer de Mama vem sendo enfrentado pelas equipes de Saúde em Pinhais. Várias iniciativas vem mobilizando o público feminino nos bairros do município. Na noite da última terça-feira (10) foi realizado um evento de mobilização com palestras, orientações e agendamento de exames. A vice-prefeita Marli Paulino, autora da Lei que incentiva a Semana de Prevenção e Combate ao Câncer de Mama em Pinhais chama a atenção das mulheres para a prevenção. “Este é um tema extremamente importante que tem que ser tratado com muita seriedade, pois, infelizmente, hoje morrem muitas mulheres de câncer de mama no país por falta de orientação e cuidado”, destacou. A Prefeitura de Pinhais, no intuito de prevenir, vem expandindo os serviços voltados à saúde da mulher. Em 2011 foram realizadas no município 4545 mamografias e ecografias mamárias. “Procuramos intensificar estas ações e atingir o maior número possível de mulheres, todas as Unidades de Saúde e a Unidade de Saúde a Mulher mobilizaram-se para atingir os objetivos”, comentou Ivanilde Nascimento, diretora do Departamento de Assistência em Saúde.

Risco De acordo com o Instituto Nacional do Câncer - Inca, entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença está a idade, principalmente na faixa até os 50 anos. Depois disso, esse aumento ocorre de forma mais lenta, apesar de constante. Entretanto, há outras variantes que precisam ser consideradas, como a vida reprodutiva, histórico familiar e densidade do tecido mamário, entre outras. Por isso, segundo a entidade, o exame clínico anual e o rastreamento através da mamografia são as estratégias mais eficazes para a descoberta e controle da doença. No Brasil, excluídos os tumores de pele não-melanoma, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres de todas as regiões, exceto na região Norte, onde o câncer do colo do útero ocupa a primeira posição. Dentre os casos esperados para 2012, a estimativa é de 12 mortes para cada 100 mil habitantes. Previna-se: Para informações sobre como prevenir o Câncer de Mama, primeiramente, procure a Unidade de Saúde mais próxima ou ligue: 3912-5384.

Condor oferece mais de 200 vagas de emprego

O Condor Pinhais está sendo construído na Avenida Jacob Macanhan, em frente à Praça do Skate

A Rede de Supermercados Condor, que irá inaugurar uma unidade em Pinhais neste primeiro semestre, oferece mais de 200 vagas de emprego. São diversos cargos com e sem a necessidade de experiência, como operador de caixa, açougueiro, padeiro, confeiteiro, cozinheiro, entre outros. As vagas ofertadas são para os ho-

rários de abertura, das 07h às 17h, e fechamento, das 14h20min às 22h. Os interessados devem dirigir-se a Agência do Trabalhador de Pinhais, localizada na Rua 19 de Novembro, 175, onde o Condor disponibiliza uma agente para o recrutamento de pessoal. Condor Pinhais Com um projeto arquitetônico

moderno e sustentável, o novo hiper vai contar com 27 check outs e 30 mil itens. Em uma área total construída de 17 mil m², sendo 5.500 m² de área de vendas, o Condor Pinhais será completo, com praça de alimentação e 10 lojas de apoio. Os clientes também vão contar com o conforto de um estacionamento coberto no subsolo e outro descoberto na frente

da loja, com capacidade para 6 mil vagas rotativas. A nova loja vai seguir o padrão das últimas inaugurações da rede, com setores de eletro, vestuário, adega, além de uma rotisseria com produtos selecionados e variados. Para agradar a clientela feminina, que tem seus dias cada vez mais atribulados, será desenvolvido um setor de higie-

ne e limpeza, em um ambiente aconchegante para que elas sintam como se estivessem dentro de uma loja especializada de beleza. O Condor Pinhais está sendo construído na Avenida Jacob Macanhan, em frente à Praça do Skate. Na via estão sendo realizadas obras de infraestrutura para receber o empreendimento.

Pinhais avança nas políticas voltadas às pessoas com deficiência

A comissão tem como objetivo a implementação de políticas públicas voltadas aos munícipes com algum tipo de deficiência

Nesta última terça-feira (10), a Prefeitura de Pinhais realizou uma importante ação em prol da pessoa com deficiência, por meio de reunião com representantes de todas as secretarias para a formalização da Comissão Intersecretarial de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Pinhais. Essa comissão tem como objetivo a implementação de políticas públicas voltadas para a melhoria da qualidade de vida dos munícipes com algum tipo de deficiência. O projeto iniciou em setembro de 2010, com representantes das secretarias de Assistência Social, Desenvolvimento Econômico, Educação e Saúde, que vêm realizando reuniões e desenvolvendo algumas ações, entre elas o mapeamento das pessoas com deficiência no município. Quem e quantas são as pessoas com deficiência, suas necessidades e expectativas são informações importantes para que a Prefeitura de Pinhais possa desenvolver políticas específicas e que atendam realmente as necessidades desta população. O projeto prevê também o fortalecimento interno por meio de um levantamento de ações que cada secretaria vem desenvolvendo em benefício da pessoa com deficiência. No Brasil, vários municípios estão realizando um mapeamento sobre a real situação do deficiente no país. O diferencial do município de Pinhais está no fortalecimento do trabalho conjunto entre todas as secretarias que desenvolverão ações focando no respeito ao ser humano. Para maiores informações procure um CRAS ou Unidade de Saúde mais próximo de sua residência.


14

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

PREFEITURA DE COLOMBO ESTADO DO PARANÁ Extrato de termo aditivo Termo Aditivo: 001/2012 ao Contrato de Locação nº 040/2011 Processo: Dispensa de Licitação nº 023/2011. Partes: Município de Colombo/PR e Dionei da Silva Objeto: Locação de um imóvel localizado na Rua Sudão, 820 - Vila Alto da Cruz I - Colombo/PR, com área de aproximada de 258 m², destinada para utilização da Casa de Apoio Sete Anjos. Valor/ dotação: Através do presente termo aditivo as partes resolvem reajustar o valor do aluguel em 3.43757% , referente ao IGPM, o qual passará para R$ 1.106,78 (um mil, cento e seis reais e setenta e oito centavos) mensais. As despesas decorrentes do presente aditivo correrão à conta da classificação orçamentária constante na Lei Orçamentária Anual n.º 1237/2011, sob rubrica nº. 09.01.08.243.0028.6079.339036 - Desdobramento 15.00 Fonte/Recurso 0.1.000. Data: 23 de março de 2012. Assinatura: Denise Helena G. Camargo - Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho

Extrato de termo aditivo Termo Aditivo: 001/2012 ao Contrato de Locação nº 039/2011 Processo: Dispensa de Licitação nº 021/2011. Partes: Município de Colombo/PR e Amauri Veloso Objeto: Locação de um imóvel localizado a Rua Cornélio Procópio, 479, Jd. Guilhermina, Colombo /PR., com área de 110 m², para utilização do Centro de Convivência Girassol. Valor/ dotação: Através do presente termo aditivo as partes resolvem reajustar o valor do aluguel em 3,43757% , referente ao IGPM, o qual passará para R$ 331,00 (trezentos e trinta e um reais) mensais. As despesas decorrentes do presente aditivo correrão à conta da classificação orçamentária constante na Lei Orçamentária Anual n.º 1237/2011, sob rubrica nº. 09.01.08.241.0026.2086.339036 - Desdobramento 15.00 Fonte/Recurso 0.1.000. Data: 28 de março de 2012. Assinatura: Denise Helena G. Camargo - Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho

Extrato de termo aditivo Termo Aditivo: 001/2012 ao Contrato de Locação nº 037/2011 Processo: Dispensa de Licitação nº 015/2011. Partes: Município de Colombo/PR e Augustinho José Borba Objeto: Locação do Imóvel situado à Rua Floripa Mulmann, 579, Atuba, Colombo/PR., com área de 160 m², para utilização do Centro de Convivência Vó Eliza Valor/ dotação: Através do presente termo aditivo as partes resolvem reajustar o valor do aluguel em 3.43757% , referente ao IGPM, o qual passará para R$ 679,58 (seiscentos e setenta e nove reais e cinqüenta e oito centavos) mensais. As despesas decorrentes do presente aditivo correrão à conta da classificação orçamentária constante na Lei Orçamentária Anual n.º 1237/2011, sob rubrica nº. 09.01.08.241.0026..2086.339036 - Desdobramento 15.00 Fonte/Recurso 0.1.000. Data: 23 de março de 2012. Assinatura: Denise Helena G. Camargo - Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho

Extrato de termo aditivo Termo Aditivo: 001/2012 ao Contrato de Locação nº 042/2011 Processo: Dispensa de Licitação nº 018/2011. Partes: Município de Colombo/PR e Valdemar Nunes da Silva Objeto: Locação de um imóvel localizado a Rua do Pintasilgo, 484, Jd Ana Rosa, Colombo/ PR, com área de 84 m², para utilização do pró-criando Ana Rosa. Valor/ dotação: Através do presente termo aditivo as partes resolvem reajustar o valor do aluguel em 3,43757% , referente ao IGPM, o qual passará para R$ 724,06 (Setecentos e vinte e quatro reais e seis centavos) mensais. As despesas decorrentes do presente aditivo correrão à conta da classificação orçamentária constante na Lei Orçamentária Anual n.º 1237/2011, sob rubrica nº.09.01.08.243.0028.6079.339036 - Desdobramento 15.00 Fonte/Recurso 0.1.000. Data: 23 de março de 2012. Assinatura: Denise Helena G. Camargo - Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho

Extrato de termo aditivo Termo Aditivo: 001/2012 ao Contrato de Locação nº 038/2011 Processo: Dispensa de Licitação nº 020/2011. Partes: Município de Colombo/PR e Dals Administradora de Bens Objeto: Locação de Loja dentro de um barracão, com metragem total de 3.240,00m2 (três mil duzentos e quarenta metros quadrados), localizado à Rua São Pedro, 594 - Jardim Nossa Senhora de Fátima Colombo - Paraná, para utilização da Regional Maracanã. Valor/ dotação: Através do presente termo aditivo as partes resolvem reajustar o valor do aluguel em 3,43757% , referente ao IGPM, o qual passará para R$ 23.635,48 (vinte e três mil, seiscentos e trinta e cinco reais e quarenta e oito centavos) mensais. As despesas decorrentes do presente aditivo correrão à conta da classificação orçamentária constante na Lei Orçamentária Anual n.º 1237/2011, sob rubrica nº. 04.07.04.122.0008.2029.339039 - Desdobramento 15.00 Fonte/Recurso 0.1.000. Data: 27 de março de 2012. Assinatura: Rita de Cássia Camargo Gonçalves - Secretaria Municipal da Administração

Extrato da Ata de Registro de Preços

DÉCIMA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA – FORO CENTRAL DE CURITIBA. EDITAL DE CITAÇÃO do confrontante Miguel Angelino Rodrigues, bem como dos eventuais interessados que encontram em lugar incerto e não sabido, com prazo de quarenta (40) dias. A Dra. Patricia de Fucio Lages de Lima, MMª. Juíza de Direito Substituta da Décima Primeira Vara Cível desta Comarca de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, Faz Saber, a quantos o presente edital virem ou dele tiverem conhecimento que tem curso, neste Juízo da Décima Primeira Vara Cível da Comarca de Curitiba, sito à Av. Cândido de Abreu, 535, 6º andar, Centro Cívico, Ação de Usucapião, nº 0007280-52.2010.8.16.0001, em que é requerente Sankara Empreendimentos Imobiliários Ltda e requerida Atlantis Empreendimentos Imobiliários Ltda, na qual requer-se declarada a posse e domínio da autora relativamente ao bem imóvel usucapiendo, sobre o qual vem mantendo posse mansa e pacífica por mais de cinco anos, sendo: “Conjunto nº111, do Conjuto Comercial Atlântis, sito a Rua Isaias Natel de Paula, esquina com a Rua Des. Hugo Simas, com área construída total de 32,1111, tendo direito a estacionar um veículo no terreno localizado nos fundos, num espaço de 1/19 avos daquele estacionamento, conforme R-2 da matrícula 23.738, junto a 1ª CRI desta Capital”, pelo que, com fundamento no artigo 942, do CPC, ficam por este edital, com prazo de quarenta (40) dias, a contar da data da primeira publicação no jornal, do confrontante Miguel Angelino Rodrigues, bem como os interessados ausentes, em lugar incerto e não sabido, Citados de todos os termos da ação em referência para que, querendo, no prazo de quinze (15) dias, através de advogado constituído, contestem o feito, sob pena de, não o fazendo, serem tidos como verdadeiros os fatos narrados pela parte autora e de prosseguimento da ação à revelia. Dado e Passado nesta cidade de Curitiba-PR, aos três (03) dias do mês de Abril de 2012. Eu, (a) Renata Ferreira Escrevente Juramentada, o subscrevo. (a) Patrícia de Fúcio Lages de Lima Juíza de Direito Substituta.

EDITAL DE PROCLAMAS CARTÓRIO DO PORTÃO. Av. Pres. Arthur da Silva Bernardes nº 2350/ cj. 03/09 – Portão CEP: 80.320-300 / CURITIBA - PR - Tel./ Fax: (41) 3013-1667. www.cartoriodoportao.com.br. Faz saber que pretendem casar: PAULO JOSÉ DE OLIVEIRA e SEBASTIANA ALVES CARDOSO RICARDO ZARICHEN RAMOS e KEITI MARY DEMÉTRIO RODRIGO GRASSMANN e CAROLINE MACIEL MELQUISEDEQUE NOBRE SOARES e LETICIA OLIARSKI FABIO AUGUSTO DE OLIVEIRA INACIO e IRENILDA PIEDADE DE ALMEIDA PAULO SERGIO DE MELLO e LUCIANA DE MOURA RINALDI - Cartório de Registro Civil e Pessoas Naturais do Município e Comarca de Francisco Beltrão-PR, Cartório Arion Cavalheiro. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da Lei, no prazo de 15 dias. O referido é verdade e dou fé. Curitiba, 11 de Abril de 2012. CAROLINE FELIZ SARRAF FERRI Tabeliã e Registradora

EDITAL DE PROCLAMAS TABELIONATO E REGISTRO CIVIL DE SANTA QUITÉRIA. Av. N. Sra. Aparecida, 305, loja 13, Seminário – CEP: 80.440-000. Tel: (41) 3342-7372 Fax: (41) 3343-2333 – CURITIBA -PR Faço saber que pretendem casar-se e apresentarem os documentos exigidos pelo artigo 1.525 do Código Civil Brasileiro: NEY FRESSATO e ELISETE AUGUSTO TAVARES Sabendo alguém de qualquer impedimento, oponha-o na forma da Lei, no prazo de quinze dias. O referido é verdade e dou fé. Curitiba 11 de Abril de 2012. CID ROCHA JÚNIOR OFICIAL

EDITAL DE PROCLAMAS CARTÓRIO DISTRITAL DO BOQUEIRÃO RUA MAL. FLORIANO PEIXOTO, Nº5636, HAUER, CEP: 81630-000. CURTIBA – PARANÁ Faz saber que pretendem se casar: PHILLIPPE INACIO ALVES CONCEIÇÃO e ALINE APARECIDA FIGUEIRA ARMANDO FRANCISCO MOHAMMAD MUSHASHE e ANDRESSA FERNANDA MEGLIATO DOS SANTOS LEANDRO SZNAIDER e JAMÍLLE THAIZ DA CRUZ FERNANDO DOS SANTOS ALVES e BRUNA PINHEIRO BARBOSA RICARDO JOHNNY CRISTOFOLI e DEBORA VASCONSELOS DE LARA JOSE WALDO DE ARRUDA CUNHA e KEZIA MARA ENGEL DE OLIVEIRA JEAN CARLOS STAVISKI e TATIANA DE ARAUJO GONÇALVES Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da lei e no prazo de quinze dias. Curitiba, 11 de Abril de 2012. WALDOMIRO BAPTISTA NETO OFICIAL

Processo n°. Licitação Ata de n°. Valor Total Objeto

Contratante Contratado Preços Registrados

Vigência Data Assinaturas

1094547/2012 Pregão n.° 25/2012 111/2012 R$ 107.250,00 (Cento e sete mil, duzentos e cinquenta reais). Empresa especializada no fornecimento de kits de lanche, para atender às necessidades do Projeto Bombeiro Aprendiz, do Projeto Atitude, do Programa Projovem e demais programas da Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho de Colombo. Município de Colombo - Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho de Colombo. Festa Facil Panificadora e Confeitaria Ltda-Me, CNPJ º 06.191.297/0001-04 Encontram-se a disposição no Setor de Contratos, sito à Rua XV de Novembro, n°. 105, Centro - Colombo/ PR ou pelo site www.colombo.pr.gov.br no link licitações. 03 de abril de 2012 a 02 de abril de 2013. Colombo, 03 de abril de 2012. José Antonio Camargo - Prefeito Municipal

EDITAL DE PROCLAMAS CARTÓRIO DISTRITAL DE SÃO CASEMIRO DO TABOÃO. Rua Mateus Leme nº 1425 Centro Cívico – CEP: 80.530-010 - Fone: (41) 3352-3212 Fax: (41) 3352-3222 – CURITIBA –PR. Faço saber que pretendem casar-se os contraentes: ADRIANO AURÉLIO BELINSKY e IVANILDA DIAS ROCHA DANIEL EDWARD LANE e GIOVANA BIGARELLA RUARO ANDERSON PILATY RODRIGUES e KAUANA MARIA DOMINGUES Sabendo alguém de qualquer impedimento, oponha-o na forma da Lei. Curitiba, 11 de Abril de 2012. JOSÉ MARCELO LUCAS DE OLIVEIRA Oficial

Extrato de dispensa de licitação. Processo Nº: 1109014 Dispensa 31/2012. Partes: Município de Colombo/PR, Plasmaton Indústria e Comércio de Plásticos Ltda. Objeto: Aquisição de sacolas plásticas oxibiodegradaveis para embalar frutas e verduras atendendo as necessidades do Programa Troca Verde. Valor: O valor máximo da dispensa será de R$ 3.540,00 (três mil quinhentos e quarenta reais) Embasamento Legal: Artigo 24. Inciso II Lei nº. 8.666/93. Data 10/04/2012

Extrato do Empenho N° Empenho: Data: Valor do Empenho: Dispensa n°: Contratado: Contratante: Objeto:

Órgão Responsável:

2810/2012 10/04/2012 R$ 3.540,00 (três mil quinhentos e quarenta reais). 31/2012 Plasmaton Indústria e Comércio de Plásticos Ltda Prefeitura Municipal de Colombo Aquisição de sacolas plásticas oxibiodegradaveis para embalar frutas e verduras atendendo as necessidades do Programa Troca Verde. Secretaria Municipal da Agricultura e Abastecimento

Aviso de Licitação Edital – Pregão Presencial Nº. 045/2012 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento através de REGISTRO DE PREÇOS de Combustível Óleo Diesel, para abastecimento da Frota Pública Municipal, Região do Guaraituba, Região da Sede e para a Usina de Asfalto do Município, conforme quantidades e especificações constantes do Termo de Referência Anexo VII, que integra o presente Edital. Data: 25 de abril de 2012, Às 09:00 Horas. Local de Abertura: Prefeitura de Colombo, edifício sede, situado na Rua XV de Novembro, 105, Colombo, Paraná. Preço Máximo: Constante no Edital. Critério de Julgamento: Menor Preço por Lote. Informações Complementares poderão ser obtidas na Secretaria Municipal da Administração, sito a Rua XV de Novembro Nº. 105, Centro, Colombo - Paraná, ou pelos fones: (041) 3656–8002 Ou 3656–8112 ou pelo site: www.colombo.pr.gov.br. Colombo, 11 de abril de 2012. José Antonio Camargo Prefeito Municipal

Aviso de Licitação Edital - Pregão Presencial Nº. 046/2012 Objeto: Aquisição por meio do SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS, de 1.000 m³ de areia fina de praia para as canchas de futebol do Município, conforme quantidades e especificações constantes no Termo de Referência (Anexo VII), que integra o Edital. Data: 26 de abril de 2012, Às 09:00 Horas. Local de Abertura: Prefeitura de Colombo, edifício sede, situado na Rua XV de Novembro, 105, Colombo, Paraná. Preço Máximo: Constante no Edital. Critério de Julgamento: Menor Preço Global. Informações Complementares poderão ser obtidas na Secretaria Municipal da Administração, sito a Rua XV de Novembro Nº. 105, Centro, Colombo - Paraná, ou pelos fones: (041) 3656-8002 Ou 3656-8112 ou pelo site: www.colombo.pr.gov.br. Colombo, 11 de abril de 2012. José Antonio Camargo Prefeito Municipal

SÚMULA DE LICENÇA DE OPERAÇÃO Tema comércio de pneus Ltda. torna pública que recebeu do IAP, a Licença de Operação, com validade até a data de 28/05/2012 para vulcanização, comércio de pneus, laminação e derivados de borracha, implantada na rua Ângelo Costa nº 140, Costeira, São José dos Pinhais, Paraná.

SÚMULA DE RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO Tema comércio de pneus Ltda. torna público que requereu do IAP, prorrogação da Licença de Operação até a data de 28/05/2016 para vulcanização, comércio de pneus, laminação e derivados de borracha implantada na Rua Ângelo Costa Nº140, costeira, São Jose dos Pinhais, Paraná.

POSITIVO INFORMÁTICA S.A. EDITAL DE HASTA PÚBLICA E INTIMAÇÃO DE NEI AZAMBUJA e de SUA ESPOSA (se casado for), COM O PRAZO DE 5 (CINCO) DIAS. O Doutor LUCIANO CARRASCO FALAVINHA SOUZA, MM. Juiz de Direito da Secretaria da Décima Vara Cível do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, FAZ SABER a todos quantos virem o presente ou dele tiverem conhecimento que tramitam por este Juízo e Cartório da Décima Secretaria do Cível os autos da AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO CONVERTIDA EM DEPÓSITO, autuada sob o n.º 80/1996, em que é requerente SERVOPA ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA. e é requerido NEI AZAMBUJA, na qual será levado à arrematação em primeira e segunda hasta pública o bem de propriedade do devedor na forma que segue: PRIMEIRA PRAÇA: Dia 26/ 04/2012, às 13:45 horas, lance igual ou superior ao da avaliação, conforme art. 682 do CPC. Não havendo arrematante, SEGUNDA PRAÇA: Dia 10/05/2012, às 13:45 horas, com venda pelo maior lanço, desde que não seja vil. LOCAL: Átrio do Edifício Montepar, sito na Avenida Cândido de Abreu, nº 535, 5º andar, Edifício do Fórum, Bairro Centro Cívico, nesta Capital. DESCRIÇÃO DO BEM: “Um terreno urbano constituído pelo lote nº 7 (sete), da quadra nº 11 (onze), situado na Colônia Dona Luiza, Bairro de Oficinas, nesta cidade, medindo de quem da rua olha o imóvel, 12,60 (doze metros e sessenta centímetros) de frente para a rua Laplace; do lado esquerdo, divide com propriedade de Lidia Kowalkiewicz, onde mede 44,90 (quarenta e quatro metros e noventa centímetros); do lado direito, divide com propriedade de Acir Penteado onde mede 44,78 (quarenta e quatro metros e setenta e oito centímetros); e, no fundo, divide com propriedade de Antonio Ricci, onde mede 13,50 (treze metros e cinqüenta centímetros), com a área de 584,40m². Existindo sobre o mesmo uma casa de madeira sob nº 57, à referida rua Laplace”, com as demais características constantes na Matrícula nº 11.102 da 1ª Circunscrição de Registro de Imóveis de Ponta Grossa/PR. DÉBITOS FISCAIS: FAZENDA NACIONAL: Não houve resposta. FAZENDA ESTADUAL: Não houve resposta. FAZENDA MUNICIPAL: Não houve resposta. ÔNUS: Nada consta. AVALIAÇÃO: R$ 145.000,00 (cento e quarenta e cinco mil reais) - Avaliado em 12/10/2010 (fl. 694). VALOR DO DÉBITO: R$ 66.947,88 (sessenta e seis mil, novecentos e quarenta e sete reais e oitenta e oito centavos), atualizado até fevereiro de 2010. INTIMAÇÃO: No caso dos devedores não serem encontrados pelo Sr. Oficial de Justiça, ficarão intimados através do presente edital. Em não havendo expediente forense nas datas ora designadas, ficam as praças automaticamente transferidas para o primeiro dia útil que se seguir, no mesmo horário. Dado e passado nesta cidade de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, aos vinte e seis dias do mês de março do ano de dois mil e doze. Eu (a) Suellen Blanchet Nascimento Ristow, Supervisora de Secretaria, o digitei e subscrevi. (a) LUCIANO CARRASCO FALAVINHA SOUZA, Juiz de Direito.

Companhia Aberta - CNPJ/MF: 81.243.735/0001-48 Ata da Reunião do Conselho de Administração Realizada em 13 de Março de 2012 1. Data, Hora e Local: No dia 13 de março de 2012, às 09:00 horas, na sede Administrativa do Grupo Positivo, na Av. Cândido Hartmann, 1400, na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná. 2. A convocação foi efetuada por meio eletrônico, estando presentes os Conselheiros Oriovisto Guimarães, Ruben Tadeu Coninck Formighieri, Hélio Bruck Rotenberg, Samuel Ferrari Lago e Álvaro Augusto do Amaral. Não esteve presente o Sr. Fernando Soares Mitri que justificou antecipadamente sua ausência. Como convidado, o Sr. Ricardo Fernandes Pereira, Vice-Presidente Financeiro da Companhia. 3. Mesa: Presidente: Oriovisto Guimarães; Secretária: Alessandra de Paula Souza. 4. Ordem do dia: a) análise dos resultados do mês de janeiro de 2012; b) análise das demonstrações financeiras da Companhia referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011, acompanhadas do relatório da administração e do parecer de auditoria da Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011; c) análise da proposta de destinação de lucros; d) definição da remuneração global dos administradores para 2012; e) análise da proposta de alteração do Estatuto Social da Companhia; f) designação da data para realização da Assembleia Geral da Companhia referente ao exercício de 2011; e g) eleição da Diretora Vice-Presidente de Tecnologia Educacional. 5. Deliberações: Aberta a reunião, o Sr. Presidente convidou a mim, Alessandra de Paula Souza, advogada da Companhia, para secretariar a reunião e lavrar a presente ata. Passou-se então à discussão dos temas da pauta, pela ordem: a) Analisou os resultados de janeiro de 2012; b) Analisou e aprovou as demonstrações financeiras da Companhia referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011, acompanhadas do relatório da administração e do parecer de auditoria da Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011; c) Tendo em vista o resultado aferido para o exercício social findo em 31 de dezembro de 2011, o Conselho entende que não se aplica a proposta de distribuição de dividendos; d) Definiu a proposta de remuneração dos Administradores para o ano de 2012, a ser submetida à apreciação da Assembleia Geral, no valor global de R$ 11.500.000,00 (onze milhões e quinhentos mil reais); e) Deliberou propor à Assembleia Geral a alteração dos artigos; 8º, inciso vii; 9º, §1º; 10º, caput; 10 §§1º e 3º; 14º, inciso xix; 15º; 18º, §1º; 18, §4º; 23º, caput; 24º, “b”; 25º, caput; 25º, “b”; 26º, caput; 29º, §3º; 30º, caput; 30º, §2º; 31º, caput e §1º (atual artigo 32); 32º, caput, §1º, §5º, incisos ii e iii, §11º, §13º e §16º (atual artigo 34); 33º (atual artigo 35); 34º (atual artigo 36); e 35º (atual artigo 37) do Estatuto Social, conforme Anexo I. Também deliberou propor à Assembleia Geral a inclusão dos artigos 1º, parágrafo único, 10º, §4º; 31º, caput e §§ 1º e 2º; e 33º, caput e §§1º a 4º, conforme Anexo I. f) Designou o dia 30 de abril de 2012, às 09:00 horas, para realização das Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária da Companhia; e g) Elegeu como Diretora Vice-Presidente de Tecnologia Educacional, a Sra. Elaine Camargo Roginski Guetter, brasileira, casada, engenheira civil, portadora da cédula de identidade civil RG nº 1.440.738-3/PR, inscrita no CPF/MF sob nº 544.853.209-87, residente e domiciliada na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná. A posse e investidura no cargo ocorrerão na presente data. O cargo de Diretor de Operações de Tecnologias Educacionais, anteriormente ocupado pela Sra. Elaine, ficará vacante. 6. Autorizar a lavratura desta Ata em forma de sumário, nos termos do artigo 130, §1º, da Lei nº 6.404/76. 7. Nada mais tratado lavrou-se a ata que foi lida, aprovada e assinada por mim Secretária e pelos Conselheiros da Companhia. Curitiba, 13 de março de 2012. Autenticação da Mesa: Alessandra de Paula Souza - Secretária. Junta Comercial do Paraná. Certifico o Registro em: 09/04/2012 sob número: 20121161064. Protocolo: 12/116106-4, de 19/03/2012. Sebastião Motta - Secretário Geral.

POSITIVO INFORMÁTICA S.A. Companhia Aberta - CNPJ nº 81.243.735/0001-48 - NIRE 20060322411 Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária - Edital de Convocação Ficam convocados os Senhores Acionistas da Positivo Informática S.A. a reunirem-se em Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária, na sua sede administrativa, localizada na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, na Rua Senador Accioly Filho, 1021, Cidade Industrial de Curitiba, em Curitiba, Estado do Paraná, às 9h00 do dia 30 de abril de 2012, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: Em Assembleia Geral Ordinária: Deliberar sobre a: (i) aprovação das contas dos administradores, das demonstrações financeiras e do parecer dos auditores independentes, referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011; (ii) proposta de remuneração global dos administradores da Companhia para o exercício social de 2012; e (iii) proposta de reeleição dos membros do Conselho de Administração. Em Assembleia Geral Extraordinária: Deliberar sobre a: (i) alteração dos artigos 8º, inciso vii; 9º, §1º; 10º, caput; 10º §§ 1º e 3º; 18º, §1º; 18, §4º; 23º, caput; 24º, “b”; 25º, caput; 25º, “b”; 26º, caput; 29º, §3º; 30º, caput; 30º, §2º; 31º, caput e § 1º (atual artigo 32); 32º, caput, §1º, §5º, incisos ii e iii, §11º, §13º e §16º (atual artigo 34); 33º (atual artigo 35); 34º (atual artigo 36); e 35º (atual artigo 37), e a inclusão dos artigos 1º, parágrafo único, 10º, §4º; 14º, inciso xix; 31º, caput e §§ 1º e 2º; e 33º, caput e §§ 1º a 4º, tudo para sua adequação ao Regulamento do Novo Mercado da BM&FBovespa; (ii) alteração do artigo 15 do Estatuto Social, para alterar a denominação do cargo de Diretor de Produções Terceirizadas para o cargo de Diretor de Relações Institucionais; e (iii) consolidação do Estatuto Social da Companhia, de maneira a refletir a alteração sugerida no item “i” acima, caso aprovado pelos acionistas. Informações Gerais: Os acionistas deverão, se possível, depositar na Companhia, até as 09h00 do dia 27 de abril de 2012 (i) na sede administrativa da Positivo Informática, localizada na Rua Senador Accioly Filho, 1.021, na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, (ii) pelo fac-símile (41) 3316-7810 ou (iii) pelo e-mail ir@positivo.com.br, além do documento de identidade e/ou atos societários pertinentes que comprovem a representação legal, conforme o caso: (i) comprovante expedido pela instituição escrituradora, no máximo, 5 (cinco) dias antes da data da realização das Assembleias Gerais; (ii) o instrumento de mandato com reconhecimento da firma do outorgante; e/ou (iii) relativamente aos acionistas participantes da custódia fungível de ações nominativas, o extrato contendo a respectiva participação acionária, emitido pelo órgão competente. Caso não seja efetuado o depósito prévio dos documentos, o acionista deverá comparecer munido de toda a documentação acima referida no dia da assembleia. Conforme o disposto no artigo 141 da Lei 6.404/76 e na Instrução CVM nº 165/91, alterada pela Instrução CVM nº 282/98, acionistas representando pelo menos 5% do capital social da Companhia poderão requerer a adoção do processo de voto múltiplo, desde que o façam, por escrito à Sociedade, com antecedência mínima de 48 horas antes da realização da Assembleia Geral. Todos os documentos pertinentes à ordem do dia, a serem analisados ou discutidos nas Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária, encontram-se disponíveis aos acionistas na BM&FBovespa S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, na Comissão de Valores Mobiliários - CVM, através do sistema IPE, no website de relações com investidores da Companhia (www.positivoinformatica.com.br/ri) e na sede social da Companhia. Curitiba, 10 de abril de 2012 Oriovisto Guimarães - Presidente do Conselho de Administração


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

15

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S.A. CNPJ n. 81.304.727/0001-64 www.iguacucelulose.com.br MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas A Administração da IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S/A. submete à apreciação de V. Sas. o comentário de desempenho e as correspondentes demonstrações contábeis, com o parecer dos auditores independentes, referentes ao período encerrado em 31 de dezembro de 2011. O ano de 2011 foi um ano de desafios para a Companhia, tanto pela estabilidade do mercado interno, com leve reaquecimento apenas no segundo semestre, como também pelo comportamento do mercado externo, com arrefecimento da crise europeia e leve retomada no mercado americano. Por isso, o ano foi importante para a Companhia se preparar para um próximo momento que engloba o crescimento do mercado interno e a retomada do mercado externo, seja por melhoria de processos e controles internos ou pelos investimentos realizados para aumentar a capacidade produtiva. Algumas conquistas da Companhia merecem destaque no ano de 2011, entre elas: (i) novos clientes no mercado de embalagem (no mercado interno e no mercado externo); (ii) exportações para quase 30 países nos 05 continentes; (iii) início das exportações de sacos de cimento para países do norte da África; e (iv) início de operação de uma nova linha de produção de sacos, importada do Japão; (v) investimentos com ganhos de produção, nas unidades produtoras de papel, localizadas em São José dos Pinhais-PR e Campos Novos-SC. Em 2011, a demanda de embalagens no mercado interno manteve-se forte e acompanhou o crescimento das indústrias de cimento, argamassa, sementes agrícolas e ração animal, com aumento de 2,5% na receita. No mercado externo, ainda afetado pela manutenção da crise europeia e a leve retomada das atividades econômicas nos Estados Unidos, o crescimento foi de 8% nas vendas. Quanto ao desempenho em 2011, ele foi afetado pela inflação, variação cambial, além do início dos pagamentos do REFIS Federal (a partir de junho/2011). O quarto trimestre de 2011 foi caracterizado pelo impacto positivo da valorização do dólar nas vendas para o mercado externo, início da operação da nova linha de sacos industriais na unidade de Campos Novos-SC e aumento da produção de papéis, fruto dos investimentos realizados visando maior produtividade, que contribuíram para a melhoria das margens. Por outro lado, os custos operacionais continuaram numa trajetória de crescimento, principalmente em relação aos preços praticados pelos fornecedores. Para amenizar esse impacto negativo nos resultados, a Companhia realizou renegociações com os seus principais fornecedores, destaque para os de químicos e/ou buscou alternativas de outras fontes de fornecimento. Além disso, tomou ações visando melhorar/otimizar os seus processos produtivos. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o PIB (Produto Interno Bruto) em 2011 apresentou crescimento de 2,7%, inferior ao previsto em relatórios de inflação divulgados previamente pelo Banco Central do Brasil (BACEN). Como expectativa futura, o próprio Bacen, em seu relatório de inflação divulgado em 22 de dezembro de 2011, prevê para 2012 em seu cenário de mercado: taxa de câmbio média de R$1,75/US$ e inflação entre 4,5 e 5,5%. O crescimento projetado para o PIB, por sua vez, é de 3,5%, com destaque para a construção civil, com expectativa de crescimento de 4,8%, justificado pelas obras do governo e pela expansão do crédito imobiliário; para o setor industrial que deverá crescer 3,7%; o setor de serviços que tem previsão de crescimento de 3,3%; e agropecuária, 2,5%. As expectativas da Companhia para o exercício de 2012, no mercado interno, são positivas, principalmente em função do mercado de sacos industriais manter-se aquecido, do término da curva de aprendizagem dos principais investimentos realizados em 2011 e a manutenção da taxa de câmbio no patamar atual (R$/US$ 1,80). Para o ano de 2012, as expectativas são complementadas com aumento de produção, início do programa de redução de custos (contratação de empresa de consultoria especializada para desenvolver projeto específico), melhoria na qualidade dos produtos e produtividade. Este conjunto de fatores permitirá o crescimento sustentável da Companhia baseado também em inovação tecnológica, desenvolvimento de novos produtos e expansão para novos mercados. Em relação aos segmentos de negócio, espera-se: (i) manutenção da produção na Divisão Celulose; (ii) crescimento na Divisão Papéis, aproveitando-se dos investimentos realizados no segundo semestre de 2011; e (iii) na Divisão Embalagens, gerar crescimento por meio da nova linha de sacos, que ampliou a capacidade instalada. Isto posto, é importante ressaltar que a empresa aproveitou o ano de 2011 para se preparar para o aquecimento da demanda do mercado interno e uma retomada das atividades do mercado externo. Todavia, a continuidade das situações de fraco desempenho das economias da Europa e dos Estados Unidos, exigirá da Companhia ações sustentáveis que objetivem a manutenção das margens operacionais e que mantenham a sua trajetória de crescimento. PERFIL CORPORATIVO A IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S.A., empresa do Grupo Imaribo, tem o compromisso de fornecer produtos com qualidade e confiabilidade, buscando na melhoria contínua satisfazer as expectativas de nossos clientes. A empresa atua na industrialização e comercialização de papel e celulose. Nas suas quatro unidades industriais, localizadas nos estados do Paraná e Santa Catarina, são produzidos celulose, pasta mecânica, papéis e sacos industriais. A Companhia é responsável por todo o ciclo da produção da madeira, desde a floresta até a apresentação final. Por isso, industrializa e comercializa produtos de base florestal com garantia de qualidade e de serviços para clientes de diferentes ramos. O parque florestal, localizado no Paraná e em Santa Catarina, conta com 14.234,67 hectares reflorestados, preponderantemente com pinus. O processo segue uma rigorosa política ambiental de responsabilidade em relação aos recursos naturais, com a preservação das matas nativas, gestão de resíduos sólidos, tratamento de efluentes e plano de fomento florestal. Cada unidade fabril é especialista numa linha de produtos e conta com um corpo técnico focado na criação de novos produtos para atender as necessidades específicas de cada cliente. Hoje, a Companhia é a principal fornecedora nacional de celulose fibra longa não branqueada, de papel base para carbono e um dos três maiores produtores brasileiros de sacos multifoliados, além de exportar para os cinco continentes. A empresa gera 1.165 empregos diretos e aproximadamente 3.000 indiretos, contribuindo efetivamente para o desenvolvimento nas suas localidades de atuação. DESEMPENHO OPERACIONAL E ECONÔMICO-FINANCEIRO • Produção O crescimento da produção total em 2011 na comparação com o ano de 2010 ocorreu devido principalmente aos investimentos realizados e os ganhos de produtividade. O desempenho de cada divisão de negócios pode ser melhor visto a seguir: - Divisão Celulose: o crescimento de 0,2% em relação ao ano anterior significa praticamente uma manutenção das atividades e da operação em capacidade plena. Desta forma, manteve-se a expectativa de não haver crescimento. - Divisão Papéis: a produção de papéis totalizou 88,7 mil toneladas, 1,2% superior à produção realizada no ano de 2010. Nesta divisão, a partir de agora, a expectativa é crescer como resultado dos investimentos realizados no segundo semestre de 2011. - Divisão Embalagens: nesta divisão de negócios, houve um crescimento de 18,8% em relação ao ano de 2010, totalizando 290.652 milheiros de sacos (embalagens). Este resultado foi alcançado por ganho de mercado sustentado pela entrada em operação de uma nova linha de produção no segundo semestre de 2011, que ampliou a capacidade de produção em aproximadamente 30%. Sendo assim, a expectativa para essa divisão é crescer ainda mais para aproveitar este aumento de capacidade instalada.

• Ebitda e Margem Ebitda O EBITDA alcançou R$ 36,4 milhões no ano de 2011, 10,5% inferior ao valor registrado no mesmo período de 2010, com margem EBITDA de 14,0%. É válido ressaltar que o EBITDA foi diretamente afetado pelo fato do somatório do crescimento de custos e despesas operacionais ter sido maior do que o crescimento de receita, evidenciando-se um impacto inflacionário e efeitos da variação cambial.

A segmentação da receita mostra uma estabilidade da divisão entre mercado interno e mercado externo, com ganho percentual de 1% de representatividade no mercado externo no total de receita operacional bruta. A demanda de embalagens para o mercado interno manteve-se forte, tendo acompanhado o crescimento da indústria de cimento, argamassa, sementes agrícolas e ração animal. Desta forma, a receita proveniente do mercado interno em 2011 totalizou R$ 226,5 milhões, 2,5% superior aos R$ 221,1 milhões registrados no ano de 2010. Enquanto isso, as vendas para o mercado externo foram 8,0% superiores às vendas do ano de 2010, totalizando R$ 81,4 milhões (US$ 47,9 milhões) em 2011 ante R$ 75,4 milhões (US$ 42,3 milhões) em 2010. Essa melhoria nas vendas para o mercado externo significa uma retomada gradual da atividade econômica, somado a esforços na conquista de novos mercados, mas ainda com um viés um pouco negativo.

• Receita Operacional Líquida Em linha com a variação da receita operacional bruta, a receita operacional líquida totalizou R$ 259,9 milhões em 2011, 4,1% superior em relação ao ano de 2010.

• Lucro Líquido e Margem Líquida No período acumulado dos 12 meses de 2011, a Companhia apresentou lucro líquido de R$ 7,9 milhões, 44,32% inferior ao mesmo período de 2010 em função do conjunto dos eventos acima citados, bem como pelo reconhecimento de débitos tributários na consolidação do "REFIS IV".

Lucro por ação: O lucro por ação foi de R$ 0,04 no encerramento do exercício social de 2011. • ENDIVIDAMENTO O endividamento financeiro de curto e longo prazo da Companhia somou R$ 58,4 milhões no encerramento do exercício social em dezembro de 2011. Deste montante, 10% é dívida de curto prazo e o restante está alocado no longo prazo, provendo à companhia uma posição confortável para administrar seu endividamento. Em relação ao ano de 2010, temos um aumento do endividamento no ano de 2011, principalmente pela aquisição de equipamentos e de investimentos correntes, tendo para este o destaque de investimentos na Divisão Papéis.

• Custo dos Produtos Vendidos O custo dos produtos vendidos somou R$ 203,7 milhões em 2011, com incremento de 5,9% em relação ao mesmo período de 2010, quando totalizou R$ 192,2 milhões. A relação dos custos dos produtos vendidos sobre a receita líquida foi de 78,4% no exercício de 2011 e 77,0% no mesmo período do exercício de 2010. Os aumentos dos preços dos insumos de produção, com destaque para os químicos, foi o principal fator para o aumento no custo dos produtos vendidos.

• Lucro Bruto e Margem Bruta O lucro bruto alcançou R$ 56,2 milhões em 2011, 2,1% inferior aos valores apresentados no ano de 2010. A margem bruta dos períodos comparativos apresentou redução de 1,4 p.p., representando 21,6%. Além dos fatores mencionados anteriormente, no acumulado do ano, a apreciação do Real frente ao dólar americano aliado ao impacto inflacionário nos custos, são dois fatores que afetaram o lucro bruto.

• Despesas Operacionais As despesas operacionais totalizaram R$ 44,3 milhões em 2011, um crescimento de 29,9% em relação ao ano de 2010. Este resultado reflete: a manutenção dos patamares de despesas administrativas; aumento de 13,1% nas despesas de vendas devido ao aumento das comissões pagas aos representantes no Exterior; fretes internos nas exportações e inexistência de variação do valor justo de ativos biológicos e aumento de outras despesas operacionais.

• Receita Operacional Bruta A receita operacional bruta da Companhia, em 2011 totalizou R$ 307,9 milhões, 3,9% superior aos R$ 296,5 milhões registrados no mesmo período de 2010, em função de dois parâmetros: o aumento dos volumes vendidos e a recuperação dos preços nos mercados de atuação, apesar da apreciação de 5,1% da taxa média do Real (R$) frente ao dólar americano (US$).

O demonstrativo abaixo, apresenta o cronograma de liquidação dos passivos financeiros, por faixas de vencimento, contados da data de apresentação do balanço patrimonial até a data contratual do vencimento: Entre um Entre dois e Acima de Até um ano e dois anos cinco anos cinco anos Em 31de dezembro Empréstimos e Financiamentos 5.849 14.281 35.982 2.318 5.849 14.281 35.982 2.318 • INVESTIMENTOS Os investimentos realizados pela Companhia em 2011 somaram R$ 29,5 milhões (R$ 20,4 milhões, em 2010). Em relação ao ano de 2010, o valor investido é 31% superior, devido aos investimentos voltados ao processo produtivo, com foco na redução de custos, produtividade, incremento de produção, tais como: expansão de 30% da capacidade de produção na Divisão Embalagens; investimentos na Divisão Papéis e automação florestal. • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS As conquistas de 2011 foram alcançadas com a dedicação e esforço de 1.165 colaboradores diretos e aproximadamente 3.000 indiretos, a quem foram destinados, aproximadamente, R$ 38 milhões entre salários diretos, indiretos e encargos. • INOVAÇÂO Com o objetivo de perpetuar seus negócios, a Companhia vem investindo sistematicamente em inovação tecnológica. Esses investimentos proporcionaram significativos ganhos operacionais, ambientais e sociais. Dos projetos de inovação desenvolvidos em 2011, citamos, principalmente: (i) papéis especiais para exportação; e (ii) pomares de sementes clonais. •RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Para os projetos de responsabilidade social a Companhia destinou recursos para educação, saúde e contribuições a comunidade. Esses projetos visam alinhar as atividades produtivas da Companhia com a geração de valor e a perenidade dos seus negócios. O cuidado com o meio ambiente é uma preocupação diária da Companhia. O seu processo de produção segue uma rigorosa política ambiental de responsabilidade em relação aos recursos naturais, com a preservação das matas nativas, gestão de resíduos sólidos, tratamento de efluentes, monitoramento da qualidade do ar e planos de fomento florestal. •RELACIONAMENTO COM AUDITORES INDEPENDENTES Em atendimento a Instrução CVM 381/2003, informamos que a Companhia não tem por prática a contratação de serviços que não estejam relacionados à auditoria externa junto a seus auditores independentes. Se eventualmente serviços forem contratados, serão respeitados os princípios de independência do auditor independente. • DECLARAÇÃO DA DIRETORIA Em atendimento as disposições constantes no artigo 25 parágrafo 1º, incisos V e VI, da Instrução CVM nº 480/2009, a Diretoria declara que revisou, discutiu e concorda com as opiniões expressas no parecer dos Auditores Independentes, emitido em 19/03/2012, e com as Demonstrações Financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, o qual foi aprovado em Reunião de Diretoria de 19/03/2012, e pelo Conselho de Administração em Reunião na mesma data. • AGRADECIMENTO A Companhia quer registrar seus agradecimentos aos clientes, fornecedores, representantes, instituições financeiras, órgãos governamentais, acionistas e todos aqueles que contribuíram para o desenvolvimento das atividades da Companhia e pelo apoio recebido, bem como a equipe de colaboradores pelo empenho e dedicação dispensados. A Administração

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Valores expressos em milhares de reais) ATIVO .............................................................................................................................................................. ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades (nota 4) ............................................................................................................................... Clientes (nota 5) ............................................................................................................................................... Estoques (nota 6) ............................................................................................................................................. Adiantamentos a fornecedores .......................................................................................................................... Tributos a recuperar (nota 7) ........................................................................................................................... Despesas do exercício seguinte ........................................................................................................................ Outros créditos (nota 8) ................................................................................................................................... Total do ativo circulante .................................................................................................................................

2.011

2.010

4.724 27.453 21.101 125 1.018 301 6.105 60.827

221 30.995 14.635 390 1.352 346 8.271 56.210

ATIVO NÃO CIRCULANTE Tributos a recuperar (nota 7) ............................................................................................................................ Partes relacionadas (nota 9) ............................................................................................................................. Adiantamento para futuro aumento de capital .................................................................................................. Adiantamento a fornecedores ............................................................................................................................ Outros créditos ................................................................................................................................................. ........................................................................................................................................................................... Investimentos (nota 10) ................................................................................................................................... Ativo Biológico (nota 12) ................................................................................................................................ Imobilizado (nota 11) ...................................................................................................................................... Intangível (nota 13) .......................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................................... Total do ativo não circulante ..........................................................................................................................

25.582 287.360 56.776 99 661 370.478 674 172.025 490.007 1.187 663.894 1.034.372

2.498 270.797 56.776 622 330.694 674 165.468 480.019 801 646.962 977.656

TOTAL DO ATIVO ..........................................................................................................................................

1.095.198

1.033.866

2.011

2.010

5.849 24.573 6.694 29.858 7.123 4.609 78.706

6.013 25.208 6.703 8.379 10.040 10.181 66.525

Empréstimos e financiamentos (nota 14) ......................................................................................................... Obrigações trabalhistas e sociais (nota 16) .................................................................................................... Obrigações tributárias (nota 17) ..................................................................................................................... Adiantamento de clientes (nota 18) ................................................................................................................. Partes relacionadas (nota 9) ............................................................................................................................. Tributos diferidos (nota 19) ............................................................................................................................. Provisão para contingências (nota 20) ........................................................................................................... Outras obrigações (nota 21) ............................................................................................................................

52.581 858 341.143 5.260 4.952 175.031 32.685 24.312

23.590 1.372 335.866 9.104 3.056 181.260 32.998 7.162

Total do passivo não circulante ......................................................................................................................

636.823

594.409

TOTAL DO PASSIVO ......................................................................................................................................

715.529

660.934

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social (nota 22.a) ................................................................................................................................ Capital social SCP ............................................................................................................................................ Adiantamento para futuro aumento de capital - AFAC (nota 22.c) .................................................................. Reservas de Incentivos Fiscais ......................................................................................................................... Reservas de reavaliação (nota 22.b) ................................................................................................................. Reserva especial Lei no 8.200 .......................................................................................................................... Reservas de Lucros ........................................................................................................................................... Lucros/Prejuízos acumulados .......................................................................................................................... Ajuste de Avaliação Patrimonial (nota 22.e) ................................................................................................... Prejuízos acumulados - SCP .............................................................................................................................

2.661 1.008 30.471 1 19.241 3.101 22.056 73.252 230.354 (2.476)

2.661 1.008 30.471 1 19.858 3.241 79.903 238.265 (2.476)

Total do patrimônio líquido ...........................................................................................................................

379.670

372.932

TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ...............................................................................

1.095.198

1.033.866

PASSIVO ........................................................................................................................................................... PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos (nota 14) ......................................................................................................... Fornecedores e contas a pagar (nota 15) ........................................................................................................... Obrigações trabalhistas e sociais (nota 16) ..................................................................................................... Obrigações tributárias (nota 17) ..................................................................................................................... Adiantamentos de clientes (nota 18) ............................................................................................................... Outras obrigações (nota 21) ............................................................................................................................ Total do passivo circulante ............................................................................................................................. PASSIVO NÃO CIRCULANTE

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

Continua


16

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Continuação

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE SETEMBRO DE 2011 E 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Valores expressos em milhares de reais)

Capital social 2.661

SALDO INICIAL EM 01 DE JANEIRO DE 2010 Ajustes de exercícios anteriores Adiantamento para futuro aumento de capital Realização do Custo atribuído Realização dos Tributos diferidos sobre custo atribuído Realização da reserva de reavaliação Imposto de renda e contribução social diferidos sobre reservas de reavaliação Realização da reserva de correção monetária Resultado do período

Capital social Adiant. para Futuro Aumento de Capital Capital social SCP’s 30.471 1.008

Reserva de Incentivos Fiscais 1

Reservas e Retenção de Lucros Reserva de Reserva Especial Reservas de Ajuste de Avaliação reavaliação Patrimonial Lucros Lei no 8.200 3.520 21.829 247.884

Lucros/Prejuízos acumulados Lucros Prejuízos acumulados acumulados SCP’s 72.713 (2.476) (19.859)

(14.574) 4.955 (2.983) 1.012 (279)

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Ajustes de exercícios anteriores Realização do Custo atribuído Realização dos Tributos diferidos sobre custo atribuído Reserva Legal Reservas de Lucros a Realizar Reservas p/ Contingências Realização da reserva de reavaliação Imposto de renda e contribução social diferidos sobre reservas de reavaliação Realização da reserva de correção monetária Resultado do período Destinações propostas pela administração - Ad-referendum da A.G.O: . Reserva para contingência (artigo 195, Lei n º 6.404/76)

2.661

30.471

1.008

1

3.241

279 14.168 19.858

238.265 (11.987) 4.075

532 7.408 6.228 (937) 320 (141)

7.888

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

2.661

30.471

1.008

1

22.056

3.101

14.574 (4.955) 2.983

19.241

230.354

79.903 128 3.390 2.923 (532) (7.408) (6.228) 937

(2.476)

Total 377.611 (19.859) 1.012 14.168

141 7.888

372.932 128 (8.597) 6.998 320 7.888

(7.888) 73.254

379.670

(2.476)

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS PERÍODOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Valores expressos em milhares de reais) ........................................................................................................................................................................... RECEITA OPERACIONAL BRUTA Vendas de produtos ........................................................................................................................................... Tributos sobre vendas e outras deduções ........................................................................................................ RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA ....................................................................................................... CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS ......................................................................................................... LUCRO BRUTO ............................................................................................................................................. RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas administrativas ................................................................................................................................. Despesas comerciais ......................................................................................................................................... Resultado financeiro ......................................................................................................................................... Valor Justo dos Ativos Biológicos .................................................................................................................. Outras receitas/despesas operacionais ............................................................................................................. ........................................................................................................................................................................... RESULTADO OPERACIONAL .................................................................................................................... RESULTADO OPERACIONAL ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL ....................................................................................................................... Imposto de renda e contribuição social ............................................................................................................ Imposto de renda e contribuição social diferidos ............................................................................................ RESULTADO DO PERÍODO .......................................................................................................................... Lucro líquido por ação básico - R$ .................................................................................................................. Lucro líquido por ação diluído - R$ ................................................................................................................

2.011

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Valores expressos em milhares de reais ) 2.010

307.939 (48.054) 259.885 (203.658) 56.227

296.500 (46.840) 249.659 (192.233) 57.426

(18.054) (21.545) (5.150) 411 (44.338) 11.889

(18.074) (19.045) 1.833 7.408 (6.249) (34.128) 23.298

11.889 (4.000)

23.298 (6.209) (2.922) 14.168 0,07 0,07

7.888 0,04 0,04

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS VALORES ADICIONADOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Valores expressos em milhares de reais) ........................................................................................................................................................................... 1. RECEITAS 1.1. Vendas de mercadorias, produtos e serviços .............................................................................................. 1.2. Outras receitas operacionais ...................................................................................................................... 1.3 Provisão para créditos de liquidação duvidosa - Reversão / (Constituição) ........................................... ........................................................................................................................................................................... 2. INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIRO 2.1. Custos dos produtos, das mercadorias e dos serviços vendidos .............................................................. 2.2. Materiais, energia, serviços de terceiros e outros ...................................................................................... 2.3 Outros ........................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................................... 3. VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2) ........................................................................................................ 4. RETENÇÕES 4.1 Depreciação, Amortização e Exaustão ........................................................................................................ 4.2 Valor Residual do Ativo ............................................................................................................................. 4.3 Outros ......................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................................... 5. VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3-4) .......................................... 6. VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 6.1. Receitas financeiras .................................................................................................................................... 7. VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5+6) ............................................................................. 8. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 8.1. Pessoal 8.1.1. Remuneração direta .............................................................................................................................. 8.1.2. Benefícios ............................................................................................................................................. 8.1.3. FGTS .................................................................................................................................................... 8.2. Impostos, taxas e contribuições 8.2.1. Federais ................................................................................................................................................ 8.2.2. Estaduais .............................................................................................................................................. 8.3. Remuneração de capital de terceiros 8.3.1. Juros ..................................................................................................................................................... 8.4. Remuneração de capitais próprios 8.4.1. Lucro/Prejuízo do exercício ................................................................................................................ ...........................................................................................................................................................................

2.011

2.010

306.366 1.481 8 307.855

295.085 801 (76) 295.810

102.431 70.294 172.725 135.129

98.819 69.933 6.467 175.219 120.591

24.578 457 (81) 24.954 110.176

20.148 20.148 100.443

24.504 134.681

27.789 128.232

32.865 2.561 2.405

28.866 2.180 2.190

32.870 26.436

36.567 25.712

29.654

18.549

7.888 134.681

14.168 128.232

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Valores expressos em milhares de reais) ........................................................................................................................................................................... FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

2.011

2.010

Lucro/Prejuízo líquido do exercício ................................................................................................................ Ajustes para reconciliar o resultado do exercício com recursos provenientes de atividades operacionais: . Ajustes de exercícios anteriores ..................................................................................................................... . Reversão dos tributos diferidos ...................................................................................................................... . Realização do Custo atribuido ....................................................................................................................... . Depreciação/amortização/exaustão ................................................................................................................. . Créditos PIS e COFINS s/ativo Imobilizado .................................................................................................. . Valor justo de Ativos Biológicos ................................................................................................................... . Valor residual do imobilizado baixado ........................................................................................................... ........................................................................................................................................................................... Redução (aumento) nos ativos: Clientes ............................................................................................................................................................. Estoques ........................................................................................................................................................... Adiantamentos a fornecedores .......................................................................................................................... Tributos a recuperar .......................................................................................................................................... Despesas do exercício seguinte ........................................................................................................................

7.888

14.168

128 7.318 22.681 1.899 (8.597) 457 31.774

(19.670) 5.967 14.574 20.148 (7.408) (7.021) 20.758

3.542 (6.466) 166 (22.750) 45

(9.449) (1.070) 869 (579) 354

Outros créditos ................................................................................................................................................. ........................................................................................................................................................................... Aumento (redução) nos passivos: Fornecedores e contas a pagar .......................................................................................................................... Obrigações trabalhistas e sociais ..................................................................................................................... Obrigações tributárias ...................................................................................................................................... Tributos diferidos ............................................................................................................................................. Adiantamentos de clientes ................................................................................................................................ Provisão para contingências ............................................................................................................................ Outras obrigações ............................................................................................................................................. ........................................................................................................................................................................... RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS ........................................................................................................... FLUXOS DE CAIXA APLICADOS NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS

2.127 (23.336)

1.987 (7.888)

(635) (523) 26.756 (6.229) (6.761) (314) 11.578 23.872

10.211 2.190 (2.957) (2.493) (7.044) 25.127 4.421 29.455

32.311

42.325

Adições ao ativo imobilizado .......................................................................................................................... Adições ao ativo intangível .............................................................................................................................

(41.499) (469)

(27.518) (65)

RECURSOS LÍQUIDOS APLICADOS NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS .............................................................................................................

(41.968)

(27.583)

Partes relacionadas ........................................................................................................................................... Empréstimos e financiamentos ..........................................................................................................................

(14.667) 28.827

(16.276) 1.664

RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES (APLICADOS) DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS ...............................................................................................

14.160

(14.612)

Aumento (redução) no caixa e equivalentes .....................................................................................................

4.503

130

Disponibilidades no início do exercício .........................................................................................................

221

91

Disponibilidades no final do exercício ............................................................................................................

4.724

221

FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

1. CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia foi constituída em 04 de novembro de 1965, no Município de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, Brasil, sob a denominação de Industrial Papeleira Santa Mônica Limitada. A partir de 17 de agosto de 1970, passou a atuar como sociedade por ações de capital fechado. A IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S.A., surgiu de uma reestruturação societária da então Industrial Papeleira Santa Mônica S.A., sendo que em 30 de novembro 1984 ocorreu a incorporação de ativos da CELUPEL- Celulose e Papel Rio Correntes Limitada. A IGUAÇU é uma tradicional Companhia no segmento de papel e celulose. A Companhia tem como objetivo a (i) produção e comercialização nos mercados internos e externos de papel, celulose, pasta de madeira, cartões, madeiras, embalagens e seus correlatos, derivados e semi-produtos; (ii) agricultura, pecuária, silvicultura e afins; (iii) florestamento e reflorestamento próprios ou de terceiros; (iv) produção e comercialização de corretivo de acidez do solo; e (v) participação em outras sociedades como sócia quotista ou acionista. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Base de apresentação (a) Demonstrações contábeis individuais As informações foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, com base nas disposições contidas na Lei das Sociedades por Ações, nas normas estabelecidas pela CVM, e nos Pronunciamentos e Orientações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis ("CPC"). Em atendimento ao disposto no § 3º, do artigo 1º, da Instrução CVM nº 457/07 (alterada pela Instrução CVM nº 485/10), a administração da Companhia declara que estas demonstrações contábeis estão em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPCs). Aprovação das demonstrações contábeis individuais As demonstrações contábeis individuais foram aprovadas pela Diretoria em 19 de março de 2012, considerando os eventos subsequentes ocorridos até essa data, que tiveram efeito sobre as divulgações das referidas informações. 3. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS As principais práticas contábeis aplicadas na preparação destas informações contábeis individuais anuais estão definidas abaixo. a. Moeda funcional e de apresentação Os itens incluídos nas demonstrações contábeis individuais são mensurados usando a moeda do principal ambiente econômico no qual a Companhia atua, qual seja, o Real (R$). b. Transações e saldos Operações com moedas estrangeiras são convertidas em moeda funcional (R$) utilizando as taxas de câmbio vigentes nas datas das transações ou da avaliação. Em existindo ganhos ou perdas cambiais resultantes da liquidação dessas operações e da conversão pelas taxas de câmbio do final do exercício, referentes aos ativos e passivos monetários em moedas estrangeiras, são reconhecidos na demonstração do resultado. Com isso, os ganhos e perdas cambiais relacionados aos empréstimos, clientes, caixa e equivalente de caixa são apresentados na demonstração do resultado como receita ou despesa financeira. c. Apuração do resultado O resultado das operações (receitas, custos e despesas) é apurado com observância do regime contábil de competência. A Companhia adota a seguinte política para reconhecimento da receita: (a) o valor da receita é seguramente mensurável; (b) é perfeitamente provável que benefícios econômicos futuros fluirão para a Companhia; e (c) quando critérios específicos tiverem sido atendidos individualmente nas vendas realizadas, entendendo para isso, que tenha ocorrido a transferência de propriedade e dos riscos da mercadoria ao cliente, ou ainda comprovação da transação obtida por meio da evidenciação dos termos da negociação com os clientes do exterior (Incoterms). d. Estimativas Contábeis As informações anuais incluem estimativas e premissas, como a mensuração de provisões para perdas com operações de crédito, estimativas do valor justo de determinados instrumentos financeiros, provisões para passivos contingentes, estimativas da vida útil de determinados ativos e outras similares. Os resultados efetivos podem ser diferentes dessas estimativas e premissas. e. Caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa incluem o caixa, os depósitos bancários, outros investimentos de curto prazo de alta liquidez, que sejam prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor. f. Contas a receber São apresentadas ao valor presente e de realização, uma vez que as contas a receber de clientes no mercado externo são atualizadas com base nas taxas de câmbio vigentes na data das demonstrações contábeis. É constituída provisão em montante considerado suficiente pela administração para os créditos cujo recebimento seja considerado duvidoso. g. Estoques Os estoques são demonstrados pelo custo médio das compras ou da produção, que incluem a exaustão dos ativos biológicos. Os custos de reposição ou os valores de realização são deduzidos de provisão para obsolescência, quando necessário. O custo dos produtos acabados e dos produtos em elaboração compreende matérias-primas, mão-de-obra direta, outros custos diretos e gastos gerais de fabricação. As importações em andamento são demonstradas ao custo acumulado de cada importação. h. Demais ativos circulantes e não circulantes Um ativo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que seus benefícios econômicos futuros serão gerados em favor da Companhia e seu custo ou valor puder ser mensurado com segurança. Os ativos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação seja provável até o término exercício seguinte. Do contrário, são demonstrados como não circulantes. Os demais ativos circulantes e não circulantes são demonstrados aos valores de custo ou realização, incluindo, quando aplicáveis, os rendimentos auferidos e são ajustados a valor presente líquido ou valor justo (fair value). i. Demais Ativos Investimentos As participações em SCP's (sociedades em conta de participação) são avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e os demais investimentos são avaliados ao custo ou valor justo, acrescidos de correção monetária até 31 de dezembro de 1995, e quando cabível, são deduzidos de provisão para perdas. Imobilizado Os bens do imobilizado são registrados ao custo e depreciados pelo método linear, considerando-se a estimativa da vida útil-econômica dos respectivos componentes. A vida útil-econômica, as quais são base para definição das taxas anuais de depreciação, estão mencionadas na Nota 11. A Companhia tem por política realizar a revisão anual das suas taxas de depreciação. Reparos e manutenção são apropriados ao resultado durante o período em que são incorridos. O custo das principais reformas é acrescido ao valor contábil do ativo quando os benefícios econômicos futuros ultrapassam o padrão de desempenho inicialmente estimado para o ativo. As reformas são depreciadas ao longo da vida útil restante do ativo relacionado. Os custos dos encargos sobre empréstimos tomados para financiar a construção do imobilizado são capitalizados durante o período necessário para executar e preparar o ativo para o uso pretendido. Os arrendamentos mercantis de imobilizado nos quais a Companhia fica substancialmente com todos os riscos e os benefícios de propriedade são classificados como arrendamento financeiro. Os arrendamentos financeiros são registrados como se fossem uma compra financiada, reconhecendo, no seu início, um ativo imobilizado e um passivo de financiamento (arrendamento). Os arrendamentos mercantis nos quais uma parte significativa dos riscos e benefícios de propriedade fica com o arrendador são classificados como arrendamentos operacionais. Os pagamentos feitos para os arrendamentos operacionais (líquidos de todo incentivo recebido do arrendador) são apropriados ao resultado pelo método linear ao longo do período do arrendamento. Ativos Biológicos Os ativos biológicos são mensurados anualmente ao valor justo, deduzidos dos custos estimados de venda no momento da colheita. Sua exaustão é calculada com base no corte das florestas. Os ativos biológicos da Companhia estão representados pelas florestas em formação, destinadas ao fornecimento de madeira para a produção de celulose. A Companhia tem por política a revisão anual do valor justo de seus ativos biológicos com vida superior a 04 (quatro) anos. Para determinação do valor justo foi utilizado o método do fluxo de caixa descontado, considerando a quantidade cúbica da madeira existente, segregada em anos de plantio, e os respectivos valores de venda de "madeira em pé" até o esgotamento das florestas. O preço médio líquido de venda foi estimado com base no preço estimado da madeira para o mercado local, baseado em estudo de mercado e amostras de algumas pesquisas de transações, ajustado para refletir o valor da "madeira em pé". Intangível O ativo intangível é demonstrado ao custo de aquisição ou formação, deduzido da amortização, a qual leva em consideração o prazo de vida útil estimado dos ativos intangíveis. O valor contábil do Ativo Intangível não supera seu provável valor de recuperação, sendo submetido anualmente ao impairment test. Redução do valor recuperável dos demais ativos (teste de impairment) Anualmente, a administração revisa o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Quando tais evidências são identificadas e o valor contábil líquido excede o valor recuperável, é constituída provisão para deterioração, reconhecida no resultado do período, ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. Para tanto, a Companhia definiu, como unidades geradoras de caixa, cada uma de suas plantas industriais e adota como base para determinar o valor recuperável do ativo o valor justo líquido de despesas de venda partindo da premissa de existência de um mercado ativo. j. Empréstimos e Financiamentos Os empréstimos e financiamentos contraídos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo no recebimento dos recursos. São subsequentemente apresentados ao custo amortizado, ou seja, acrescidos de encargos e juros proporcionais ao período incorrido ("pro rata temporis"). Quando relevantes, os custos de transação são contabilizados como redutores dos empréstimos e reconhecidos no resultado ao longo do período da dívida, utilizando o método da taxa de juros efetiva. k. Partes relacionadas Os saldos representativos de partes relacionadas no ativo, ou passivo, não circulantes, estão atualizados monetariamente até a data do balanço pela TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo). l. Demais passivos circulantes e não circulantes Um passivo é reconhecido no balanço patrimonial quando a Companhia tem uma obrigação legal ou constituída como resultado de um evento passado, sendo provável que um recurso econômico seja requerido para liquidá-lo. São acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias ou cambiais incorridos. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. Os passivos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação até o término do exercício seguinte. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. Os demais passivos circulantes e não circulantes são demonstrados pelos valores conhecidos ou exigíveis, acrescidos dos respectivos encargos, variações monetárias e cambiais e quando aplicável, são ajustados a valor presente líquido. m. Imposto de renda e contribuição social - Corrente e Diferido São calculados com base nas alíquotas vigentes na legislação do imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido ajustado para fins fiscais e consideram a compensação de prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social, para fins de determinação da exigibilidade. Acaso existam as inclusões de despesas, ao resultado contábil, temporariamente não dedutíveis, ou exclusões de receitas, temporariamente não tributáveis, consideradas para apuração do lucro tributável corrente, geram créditos ou débitos tributários diferidos. As alíquotas desses tributos são de 25% (15% mais adicional de 10% aplicável sobre o lucro excedente ao limite estabelecido pela legislação) para o imposto de renda e de 9% para a contribuição social sobre lucro. n. Ativos e passivos contingentes e obrigações legais As práticas contábeis para registro e divulgação de ativos e passivos contingentes e obrigações legais são as seguintes: (i) ativos contingentes são reconhecidos somente quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, transitadas em julgado. Os ativos contingentes com êxitos prováveis são apenas divulgados em nota explicativa; (ii) passivos contingentes são provisionados na medida em que a Companhia, com base na opinião de seus assessores jurídicos, espera desembolsar fluxos de caixa. Processos tributários são provisionados quando as perdas são avaliadas como prováveis e os montantes envolvidos forem mensuráveis com Continua


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

17

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

Continuação

suficiente segurança. Processos trabalhistas e cíveis, cujas perdas são avaliadas como prováveis, são provisionados com base na expectativa de desembolso e apoiado na opinião dos assessores jurídicos da Companhia. Passivos contingentes avaliados como de perdas remotas não são provisionados nem divulgados; e (iii) obrigações legais são registradas como exigíveis. 4. DISPONIBILIDADES 2.011 2.010 Caixa e fundos fixos Bancos conta movimento Aplicações financeiras

8 435 4.282 4.724

8 213 221

2.011

2.010

Clientes mercado interno Clientes mercado externo

15.084 12.510

21.559 9.586

(-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa

(142) 27.453

(150) 30.995

2.011 7.450 8.235 5.416 21.101

2.010 3.372 7.853 3.410 14.635

2.011 51 2.433 391 70 -

2.010 24 2.498 1.160 74 2 17 75 (2.498) 1.352

5. CLIENTES

6. ESTOQUES Produtos acabados Materiais diretos Materiais indiretos 7. TRIBUTOS A RECUPERAR IRRF a recuperar ICMS sobre imobilizado a recuperar ICMS a recuperar IPI a recuperar IRPJ a recuperar CSLL a recuperar INSS a recuperar CSRF a recuperar PIS a recuperar COFINS a recuperar Antecipação Parcelamento ( - ) Saldo parcela não circulante

2 0 117 338 23.198 (25.582) 1.018

O montante de R$ 2,4 milhões (R$ 2,5 milhões em 2010), referente ao ICMS sobre o ativo imobilizado é composto por créditos sobre as aquisições do Ativo Imobilizado, nos termos da Lei Complementar nº 87/1996. O montante de R$ 23,1 milhões se refere ao pagamento de parcelas de parcelamentos especiais federais (REFIS I, Lei nº 9.964/00), as quais serão utilizadas, após homologação da Receita Federal do Brasil (RFB), no abatimento do saldo devedor migrado para o parcelamento especial federal constante da Lei nº 11.941/09).

Os ativos biológicos da Companhia estão representados pelas florestas em formação, destinadas ao fornecimento de madeira para a produção de celulose. Na determinação do valor justo dos ativos biológicos, as projeções estão baseadas em cenários projetivos os quais se baseiam na produtividade e área de plantio para um ciclo de corte entre 15 a 18 anos e numa área plantada aproximada de 14.234,67 hectares em 31 de dezembro de 2011. O período dos fluxos de caixa é projetado de acordo com o ciclo de produtividade das áreas objeto de avaliação, produtividade média por m³de madeira de cada plantação por hectare na idade de corte. O preço líquido médio de venda foi projetado com base no preço estimado para pinus no mercado local, baseado em estudo de mercado e amostras de algumas pesquisas de transações, ajustado para refletir o preço da "madeira em pé" por região. O custo padrão médio estimado contempla gastos com as atividades de roçada, controle químico de mato-competição, combate às formigas e outras pragas, adubamento, manutenção de estradas, insumos e serviços de mão de obra. Foram também considerados os efeitos tributários com base nas alíquotas vigentes, considerando uma taxa média de desconto de 7,00% a.a. A avaliação dos valores justos dos ativos biológicos em 31 de dezembro de 2010 foi realizada pela Administração pautada em laudo de consultoria especializada. Desta forma, entende a Administração que as premissas utilizadas no exercício encerrado de 2010 podem também ser assumidas em 31 de dezembro de 2011. Quaisquer alterações nas premissas utilizadas poderão impactar em alteração do resultado do fluxo de caixa descontado, logo, na valorização ou desvalorização dos ativos biológicos. 13. ATIVO INTANGÍVEL O ativo intangível está composto substancialmente por softwares, líquidos das respectivas amortizações acumuladas. O valor contábil dos ativos intangíveis não supera seus prováveis valores de recuperação e foram submetidos ao impairment test, conforme determinado pelo CPC nº 01 (Valor Recuperável dos Ativos). 14. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 2.011 2.010 Instituição Taxa de juros Ciculante Não Circulante Total Total Banco ABC do Brasil S.A.- FINAME -Equipamentos 5,50% a.a. 697 1.478 2.175 Banco ABC do Brasil S.A.- FINAME -Equipamentos TJLP + 8%a.a. 150 336 486 Banco SAFRA S.A - FINAME PSI - Equipamentos 5,5% a.a. 49 133 182 230 Banco SAFRA S.A - FINAME PSI - Equipamentos 5,5% a.a. 34 92 126 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos 4,50% a.a. 162 401 563 996 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos TJLP + 7% a.a. 21 51 72 145 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos 5,50% a.a. 160 448 608 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos 5,32% a.a. 40 109 149 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos 5,28% a.a. 12 30 42 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos TJLP + 8% a.a. 20 124 144 Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos TJLP + 4,00% a.a. 30 101 132 Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul TJLP + 4% a.a. 978 5.231 6.209 7.164 Credit Suisse - CCE - Máquinas e Equipamentos V.C. + 8,5%a.a. 37.352 37.352 Banco Industrial e Comercial S.A. - Equipamentos CDI+0,45% a.m. 828 1.801 2.629 3.412 Banco Industrial e Comercial S.A. - Equipamentos CDI+0,47% a.m. 125 250 375 500 Banco SAFRA S.A - CDC - Equipamentos 1,36% a.m. 403 738 1.141 1.427 Banco Volvo S.A. - Equipamentos 1,39% a.m. 8 Banco GMAC - Veículos 1,31% a.m. 93 68 162 126 Banco América do Sul S.A. TJLP + 2% a.a. 739 951 1.691 2.313 Banco Bamerindus S.A. TR +6% a.a. 104 2.000 2.104 3.844 Banco Bamerindus S.A. TR +6% a.a. 1.202 1.202 2.766 Banco Excel S.A. INPC + IGPD-DI/2 a.m. 5.833 Banco Boa Vista S.A. TR a.m. 885 885 839 5.849 52.581 58.430 29.603 Em relação aos financiamentos de ativos imobilizados, a garantia dada é o próprio bem e/ou aval de coligadas. 15. FORNECEDORES

8. OUTROS CRÉDITOS

Créditos com funcionários Importações em andamento Direitos de Créditos a Receber Outros Títulos a Receber

2.011

2.010

224 1.625 986 3.270 6.105

127 3.357 1.706 3.081 8.271

Fornecedores mercado interno Fornecedores coligadas Fornecedores mercado externo Prestadores de serviços de transporte Prov.P/Ajuste a valor presente

2.011

2.010

13.937 3.184 6.100 1.899 (548) 24.573

15.717 5.647 1.952 1.958 (66) 25.208

16. OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS

9. PARTES RELACIONADAS

ATIVO Imaribo S.A. Indústria e Comércio Reflorestadora Monte Carlo Ltda. Adiantamentos a SCP's Total do ativo não circulante PASSIVO Transimaribo Ltda. Agroflorestal Ibicuí S.A. Nórdica Veículos S.A. Adiantamentos a SCP's

Encargos

2.011

2.010

TJLP TJLP (a)

259.491 24.977 2.892

244.383 23.523 2.892

287.360

270.797

126 594 1.341 2.892

118 41 5 2.892

TJLP TJLP TJLP (a)

Total do passivo não circulante 4.952 3.056 (a) Estas transações não estão sujeitas à encargos financeiros. Essas rubricas registram substancialmente os mútuos concedidos e/ou captados junto às Companhias do grupo econômico, relativos a aporte de capital de giro para manutenção das atividades normais das Companhias. As referidas operações estão suportadas por contratos de mútuo, firmados por tempo indeterminado, ficando pré-estabelecido que as devoluções dos recursos transferidos, a título de mútuo, deverão ocorrer quando se fizer necessário ou conveniente, levando em consideração a situação financeira e a necessidade de cada Companhia. Os saldos são atualizados mensalmente pela TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo). Adiantamento para futuro aumento de capital 2.011 2010 Reflorestadora Monte Carlo Ltda. Transimaribo Ltda.

46.776 46.776 10.000 10.000 56.776 56.776 A Administração da Companhia estima que tais valores serão integralizados ao capital social das respectivas empresas na próxima Assembleia de Acionistas. Remuneração dos Administradores A assembleia geral ordinária/extraordinária, do dia 28/06/2010, fixou a remuneração anual e global do conselho de administração e da diretoria, para o triênio 2010/2013, em R$ 2,2 milhões, direcionados aos 05 (cinco) conselheiros e 04 (quatro) diretores estatutários. 10 . INVESTIMENTOS

Investimentos em SCP's Outros investimentos

2.011

2.010

613 61 674

613 61 674

Estão compostos, substancialmente, por investimentos em Sociedades em Conta de Participação - SCP's, ajustados pelo método da equivalência patrimonial e estão apresentados em 31 de dezembro de 2011, da seguinte forma: Projetos florestais Projeto 09/73 Projeto 18/75 Projeto 45/79 Projeto 09/81 Projeto 10/81 Projeto 11/81 Projeto 12/82 Projeto 01/78 e 03/79

2.011 94 84 160 71 7 116 38 42 613

2.010 94 84 160 71 7 116 38 43 613

11. IMOBILIZADO Edificações e Máquinas e Terrenos Benfeitorias Equipamentos

Móveis, Utensílios e instalações

Imobilizado Veículos em andamento Outros

Total Em 01 de janeiro de 2011 Custo 214.128 67.912 333.333 6.426 3.047 7.855 1 632.702 Depreciação Acumulada (19.151) (127.934) (4.908) (1.431) (153.423) Valor contábil líquido 214.128 48.761 205.400 1.518 1.616 7.855 1 479.279 Adições 15 1.885 71 521 27.005 29.496 Transferências (bens) 218 3.165 160 259 (3.802) Transferências (depreciações) 116 (116) Baixas (-) (1) (354) () (472) (827) Depreciação (-) (3.454) (14.369) (372) (168) (18.364) Baixas da Depreciação 301 123 424 Saldo em 31 de dezembro de 2011 214.127 45.540 196.142 1.376 1.764 31.058 1 490.007 Custo Atribuído ¨Deemed Cost¨ e Vida Útil Econômica - Imobilizado A Companhia procedeu a avaliação da Vida Útil Econômica do Ativo Imobilizado de acordo com as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, atendendo em especial a deliberação CVM nº 583, de 31 de julho de 2009, que aprova o Pronunciamento Técnico CPC 27 o qual aborda o assunto do ativo imobilizado e sua vida útil e a Deliberação CVM nº 619, de 22 de dezembro 2009 que aprova a Interpretação Técnica ICPC 10. Na adoção inicial deste pronunciamento, a Companhia fez a opção de ajustar os saldos iniciais a valores justos, com a utilização do conceito de custo atribuído (deemed cost), mencionado no item 22 da Interpretação Técnica ICPC 10. Desta forma a Companhia atribuiu o valor justo através de laudo emitido por consultoria especializada. Metodologia utilizada para determinar o novo cálculo da depreciação A base adotada para determinar o novo cálculo da depreciação foi a política da Companhia que demonstra as novas vidas úteis e seus percentuais residuais para cada item do ativo imobilizado das unidades avaliadas. Para cada família de itens a Companhia estabeleceu uma nova vida útil conforme as premissas, critérios e elementos de comparação citados abaixo: • Política de renovação dos ativos; • Inspeção "in loco" de todas as unidades avaliadas; • Experiência da Companhia com ativos semelhantes; • Experiência da Companhia com vendas de ativos semelhantes; • Inventários físicos de todas as unidades avaliadas; • Informações contábeis e controle patrimonial; • Especificações técnicas; • Conservação dos bens; • Política de Manutenção - Visando salvaguardar os ativos; Na determinação da política de estimativa de vida útil, os critérios utilizados pelos técnicos foram o estado de conservação dos bens, evolução tecnológica, a política de renovação dos ativos, e a experiência da Companhia com seus ativos. O ativo imobilizado da Companhia está integralmente estabelecido no Brasil e é empregado, exclusivamente nas operações relacionadas à sua atividade comercial e industrial, estando livre de ônus e/ou garantias, exceto quando atrelado ao seu próprio financiamento e as garantias oferecidas para quitação dos parcelamentos de tributos e contribuições junto à Receita Federal do Brasil, por meio do programa REFIS. O valor contábil dos ativos imobilizados não supera seus prováveis valores de recuperação e foram submetidos ao impairment test, conforme determinado pelo CPC nº 01 (Valor Recuperável dos Ativos). 12. ATIVO BIOLÓGICO Valor R$ Em 01 de janeiro de 2011 Custo 167.561 Exaustão Acumulada (1.411) Valor contábil líquido 166.150 Adições 12.003 Transferências (bens) Transferências (exaustão) Baixas (-) (3.429) Exaustão (-) (6.075) Baixas da Exaustão 3.376 Saldo em 31 de dezembro de 2011 172.025

PPR a pagar INSS a pagar Funrural a pagar FGTS a pagar Parcelamento FGTS Parcelamento Sesi Parcelamento Senai Contribuição sindical a pagar Provisão para férias Encargos sobre provisão para férias Indenizações a pagar Outros

2.011 Circulante Não Circulante 1.164 1.006 11 309 639 119 219 17 2.943 1.077 48 6.694 858

2.010 Circulante Não Circulante 780 862 3 250 958 109 414 13 2.503 948 57 1.178 6.703 1.372

17. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS 2.011 2.010 Circulante Não Circulante Circulante Não Circulante IPI a pagar 1.046 1.130 ICMS a pagar 298 56 538 22 ISS a pagar 9 8 IRF s/ salários 223 191 IRF s/ serviços PF/PJ 12 CSRF a pagar 11 IRPJ a pagar 405 282 Parc. Especial Lei 11.941/2009 25.935 302.531 293.947 REFIS Estadual - PR 1.502 37.355 6.096 41.792 Parcelamento Estadual - SC 70 Parcelamento Multa Isolada IRPJ/CSLL 36 81 32 106 Parcelamento Cofins 382 1.121 Outros 33 29.858 341.143 8.379 335.866 a.Programa de Parcelamento de débitos tributários e previdenciários - "REFIS IV" A Companhia aderiu e consolidou seus débitos tributários no Parcelamento Especial, "REFIS IV", junto a Receita Federal do Brasil, PGFN e INSS, migrando assim os valores anteriormente declarados no "REFIS I" e inclusão de todos os débitos em litígio (esfera administrativa ou judicial), cujo êxito das demandas seja remoto. Esta operação foi realizada com base na Lei nº 11.941/2009, de 27 de maio de 2009. De acordo com esta Lei, está previsto a redução de multas, juros, encargos legais e ainda a possibilidade de utilização de prejuízos fiscais e bases negativas de CSLL para abatimento de multas e juros. Em 31 de dezembro de 2011, o valor total consolidado no parcelamento especial ("REFIS IV") é de R$ 328 milhões, a ser pago em 152 prestações mensais, acrescidas de juros correspondentes à variação mensal da SELIC. A Companhia encontra-se obrigada a manter os pagamentos regulares das parcelas vincendas, como condição essencial para a manutenção desse parcelamento e das condições do mesmo. Em 31 de dezembro de 2011, a Companhia está adimplente com esses pagamentos. Posição Data da Composição de tributos federais atual consolidação Débitos tributários 249.532 346.711 Débitos previdenciários 78.934 93.987 (-) Utilização Base Negativa CSLL (8.419) (-) Utilização Prejuízos Fiscais (22.170) (-) Reduções de multas, juros e encargos legais (129.786) 328.466 280.325 Programa de revitalização fiscal das empresas paranaenses - REFISPAR A adesão ao Programa de Parcelamento de Dividas Tributárias (REFISPAR) no Estado do Paraná foi formalizado em março de 2007, em conformidade com o Decreto no 7.440/2006, o qual foi registrado em conformidade com a Instrução CVM nº 346/2000 e Pronunciamento Técnico - CPC 12 "Ajuste a Valor Presente". As garantias prestadas foram a manutenção automática dos gravames decorrentes de medidas cautelares fiscais e das garantias prestadas nas ações de execuções fiscais. Os tributos estão com seus pagamentos regulares a partir das datas da opção ao REFIS estadual, não havendo qualquer risco associado à perda dos regimes especiais de pagamentos. A divida consolidada na data de adesão está assim apresentada: Tributo Principal Multa Juros Total ICMS 18.122 12.832 66.613 97.567 Total 18.122 12.832 66.613 97.567 Para liquidação de multa e juros, não foram utilizados créditos fiscais. Os valores pagos durante o exercício de 2011, montam em R$ 7,9 milhões (R$ 7,6 milhões em 2010). Em 31 de dezembro de 2011, o saldo devedor atualizado do REFISPAR montava em R$ 38,8 milhões (R$ 47,8 milhões em dezembro 2010). 18. ADIANTAMENTOS DE CLIENTES Os valores de adiantamentos de clientes totalizaram R$ 12,3 milhões. Deste montante, o valor de R$ 9,1 milhões (R$ 14,2 em dezembro 2010), é decorrente de negociações com o cliente Comércio de Papéis e Tintas Gráficas Marea Linea Ltda, o qual cedeu os seus direitos sob o presente adiantamento à sociedade empresária Isidorio & Moraes Papéis e Embalagens Ltda. 19. IRPJ E CSLL DIFERIDOS Diferenças Temporárias Reavaliação Custo Atribuído ao ImobilizadoRevisão Vida Útil Valor Justo Florestas Lei 11.051 Total IRPJ CSLL IRPJ CSLL IRPJ CSLL IRPJ CSLL CSLL IRPJ CSLL Em 01 de janeiro de 2010 2.620 944 93.895 33.802 3.124 1.124 35.473 12.770 - 135.112 48.640 Constituição dos Tributos 296 107 1.852 667 552 2.148 1.326 Baixa dos Tributos (744) (268) (3.643) (1.312) - (4.387) (1.580) Em 31 de dezembro de 2010 1.876 676 90.548 32.597 3.124 1.124 37.325 13.437 552 132.873 48.387 Constituição dos Tributos - 1.271 1.271 Baixa dos Tributos (236) (85) (2.997) (1.079) (2.149) (774) (181) (5.382) (2.118) Em 31 de dezembro de 2011 1.640 591 87.551 31.518 3.124 1.124 35.176 12.663 1.643 127.491 47.540 A Companhia contabilizou, em 31/07/1995, o IRPJ e a CSLL diferidos sobre a reavaliação dos seus bens, cuja realização ocorre de acordo com a realização da reserva de reavaliação (depreciação) ou na alienação dos bens reavaliados. Em 01/01/2010 a Companhia avaliou o ativo imobilizado e as florestas ao valor justo bem como efetuou a revisão das estimativas de vida útil dos bens do ativo imobilizado. Sobre os ajustes efetuados reconheceu o IRPJ e a CSLL diferidos decorrentes das diferenças temporárias, cuja realização ocorre de acordo com a realização desses ativos por depreciação, baixa ou venda. Reconciliação do imposto de renda e contribuição social sobre o lucro A reconciliação dos tributos apurados conforme alíquotas nominais e o valor dos tributos registrados (com base em alíquotas efetivas) nos exercícios de 2011 e 2010 estão apresentados a seguir:

Lucro do exercício antes dos tributos Imposto de renda e contribuição social às alíquotas nominais (34%) Demonstrativo da origem da despesa de IRPJ e CSLL efetiva Ajustes do Regime Tributário de Transição (RTT), líquidos Adições/Exclusões permanentes, líquidas Outros itens, líquidos Imposto de Renda/Contribuição Social correntes Alíquota efetiva de imposto de renda e contribuição social

2011 11.889 (4.042)

2010 23.298 (7.921)

2.252 4.120 (6.249) (4.000) 33,65%

(6.585) 11.619 (6.209) 26,65%

20. PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS A Companhia é parte envolvida em processos trabalhistas e cíveis, os quais se encontram em instâncias diversas. As provisões para contingências, constituídas para fazer face a potenciais perdas decorrentes dos processos em curso, são estabelecidas e atualizadas com base na opinião de seus assessores jurídicos. A partir do exercício de 2010, a Companhia vem adotando o disposto na Deliberação CVM nº 594/09, a qual aprovou o pronunciamento CPC 25 - Provisão e Passivo e Ativo Contingentes. Baseado nos critérios dispostos no CPC 25, os saldos das provisões para contingências, em 31 de dezembro de 2011, podem ser apresentados da seguinte forma: Continua


18

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Continuação

Trabalhistas Cíveis ( - ) Depósitos judiciais

2.011 3.060 31.937 (2.312) 32.685

2.010 3.140 31.937 (2.079) 32.998

A Companhia está envolvida em outros processos trabalhistas e cíveis surgidos no curso normal dos seus negócios, os quais, na opinião da administração e de seus assessores jurídicos, têm expectativa de perda classificada como remota. Consequentemente, nenhuma provisão foi constituída para fazer face à eventual desfecho desfavorável destes. 21 . OUTRAS OBRIGAÇÕES

Paulo Estevão Albieri Milenia Agrociencias S/A Companhia Cacique Café Soluvel Braspine Madeiras Ltda. Usina Açucar Sta. Terezinha Moinho Iguaçu Agroind. Ltda. Montana Ind. Maq. Ltda Couroada Coml. E repres. Ltda Evolution Part. Mobil. Ltda Stein Telecom Ltda. Stein Participações Ltda. Honorários de Sucumbência Sul América Cia de Seguros Mapfre Vera Cruz Seguradora S/A CVM - Comissão Valores Mobiliários Nórdica Veículos S/A - P34 Arrendamentos e aluguéis Cristiano Klug Adiantamentos diversos Outros

2.011 Circulante Não Circulante 677 175 1.397 2.096 1.143 1.715 132 197 290 15 41 95 20.133 8 75 467 265 4.609 24.312

2.010 Circulante Não Circulante 93 4.732 500 150 100 325 1.397 3.493 1.143 2.858 132 329 624 249 19 37 123 7 107 906 16 2 10.181 7.162

31.12.2011 R$ US$ 12.510 6.672 1.625 867 (6.100) (3.252) 8.036 4.287

Clientes exterior Importação em andamento Fornecedores exterior Valor exposição líquida b.

Composição de saldos Em atendimento à Instrução CVM nº 475/08, os saldos contábeis e os valores de mercado dos instrumentos financeiros inclusos no balanço patrimonial, em 31 de dezembro de 2011, estão identificados a seguir Saldo Contábil 4.724 27.453 224 (58.430) (24.573) (12.382) (62.983)

Disponibilidades Clientes Adiantamentos a fornecedores Empréstimos e financiamentos Fornecedores e contas a pagar Adiantamentos de clientes

c.

22. PATRIMÔNIO LÍQUIDO a.Capital social O capital social, totalmente subscrito e integralizado, é de R$ 2.661.061,68 (dois milhões, seiscentos e sessenta e um mil, sessenta e um reais, sessenta e oito centavos), dividido em 203.112.185 (duzentas e três milhões, cento e doze mil e cento e oitenta e cinco) ações, ordinárias nominativas, sem valor nominal. b. Reserva de reavaliação Movimentação Valor R$ Saldo de reservas constituídas em exercícios anteriores a 1994 2.198 Constituição de reserva em 31 de julho de 1995 80.322 (-) Realização da reserva (68.797) (-) IRPJ e CSLL diferidos (2.230) (+) Correção monetária 7.748 Saldo em 31 de dezembro de 2011 19.241 Em conformidade ao item 38, do CPC 13, a Administração da Companhia optou pela manutenção dos registros relativos à reavaliação dos bens do ativo imobilizado, e estima que tais saldos serão mantidos até a sua realização integral. c. Adiantamentos para futuro aumento de capital Está composto integralmente por aportes de capital efetuados pelas empresas do Grupo, os quais a Administração da Companhia estima que serão totalmente integralizados ao capital social na próxima Assembleia de Acionistas. d. Dividendos O estatuto social da Companhia assegura um dividendo mínimo anual correspondente a 25% do lucro líquido, ajustado pelas movimentações patrimoniais das reservas, observado o disposto pela legislação societária. e. Ajuste de Avaliação Patrimonial Conforme mencionado na nota explicativa 11, a Companhia fez a opção de ajustar os saldos contábeis líquidos do imobilizado a valores justos, com a utilização do conceito de custo atribuído (deemed cost), mencionado no item 22 da Interpretação Técnica ICPC 10. A contrapartida foi registrada na rubrica de Ajuste de Avaliação Patrimonial, conforme demonstrado: Mutação Realização do custo atribuído ao imobilizado Realização dos tributos sobre o custo atribuído ao imobilizado Saldo 31 de dezembro de 2009 Realização do custo atribuído ao imobilizado Realização dos tributos sobre o custo atribuído ao imobilizado Saldo em 31 de dezembro de 2010 Realização do custo atribuído ao imobilizado Realização dos tributos sobre o custo atribuído ao imobilizado Saldo em 31 de dezembro de 2011

montantes que poderão ser realizados no mercado de troca corrente. O uso de diferentes metodologias de mercado pode ter um efeito material nos valores de mercado estimados. A administração dos instrumentos financeiros segue a política financeira da Companhia, sendo efetuada por meio de estratégias operacionais, visando liquidez, minimização de exposição cambial, rentabilidade e segurança. A política de controle consiste em acompanhamento permanente das taxas contratadas versus as vigentes no mercado. a. Gerenciamento de riscos Os principais fatores de risco de mercado que afetam o negócio da Companhia podem ser considerados como: • Risco de crédito Esses riscos são administrados por normas específicas de aceitação de clientes, análise de crédito e estabelecimento de limites de exposição por cliente, tendo a sua carteira de clientes pulverizada. • Risco cambial A companhia possui os seguintes ativos e passivos em moeda estrangeira (dólar norte americano), os quais podem afetar o resultado da mesma pela variação da taxa de câmbio:

Valor R$ (17.097) 5.813 247.884 (14.574) 4.955 238.265 (11.987) 4.075 230.354

Valor de mercado 4.724 27.453 224 (58.430) (24.573) (12.382) (62.983)

Critérios, premissas e limitações utilizados no cálculo dos valores de mercado • Disponibilidades Os saldos em conta corrente são mantidos em bancos têm seus valores de mercado próximos aos saldos contábeis. • Contas a receber O saldo de contas a receber tem seus valores de mercado próximos aos saldos contábeis pela sua natureza de curto prazo e, quando cabível, observado o quesito da materialidade, são ajustados a valor presente. • Derivativos A Companhia tem como política a eliminação dos riscos de mercado, evitando assumir posições expostas a flutuações das taxas de câmbio de curto prazo e operando apenas instrumentos que permitam controles destes riscos. De acordo com suas políticas financeiras, a Companhia não tem efetuado operações envolvendo instrumentos financeiros que tenham caráter especulativo.

25. MEDIDA PROVISÓRIA nº 449/2008 (convertida na Lei Federal nº 11.941/2009, em 27/05/09) Foi publicada em 03 de dezembro de 2008 a Medida Provisória nº 449 (convertida na Lei Federal nº 11.941/2009, em 27/05/09) que, substancialmente ratifica a inexistência de efeitos fiscais sobre as alterações decorrentes da Lei nº 11.638, bem como cria o RTT - Regime Tributário Transitório. Em face do exposto, para fins de apuração do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido dos exercícios de 2009 e 2008, a Companhia optou pelo RTT, que permite à pessoa jurídica eliminar os efeitos contábeis da Lei nº 11.638/08, por meio de registros no livro de apuração do lucro real - LALUR ou de controles auxiliares, sem qualquer modificação da escrituração mercantil. Em 2011 a Companhia também adotou as mesmas práticas tributárias adotadas em 2009 e 2010, uma vez que o RTT terá vigência até a entrada em vigor de lei que discipline os efeitos fiscais dos novos métodos contábeis, buscando a neutralidade tributária. 26. LUCRO/PREJUÍZO POR AÇÃO Em atendimento ao disposto no CPC 41, o lucro líquido por ação está sendo apresentado como básico e diluído. O lucro básico por ação é calculado mediante a divisão do lucro atribuível aos acionistas da Companhia pela quantidade média ponderada de ações ordinárias emitidas durante o período, excluindo as ações ordinárias compradas pela Companhia e mantidas como ações em tesouraria. A Companhia não possui dívida conversível em ações e opção de compra de ações, dessa forma, não apresenta ações ordinárias potenciais para fins de diluição. A tabela a seguir reconcilia o lucro líquido do exercício com os valores usados para calcular o lucro líquido por ação básico e diluído: Númerador básico e diluído 31/12/2011 31/12/2010 Alocação do lucro líquido dos exercícios para os acionistas - R$ 7.888 14.168 Denominador básico e diluído: Ações disponíveis (sem valor nominal) 203.112.185 203.112.185 Média ponderada das ações disponíveis (sem valor nominal) Lucro líquido por ação básico - R$ 0,04 0,07 Lucro líquido por ação diluído - R$ 0,04 0,07 27. DEMONSTRAÇÃO DO LAJIDA/EBITDA - INFORMAÇÃO ADICIONAL

23. SEGUROS A Companhia mantêm cobertura de seguros dos seus bens do ativo imobilizado, de seus estoques e despesas fixas, considerados suficientes para fazer frente a eventuais sinistros. Sendo o valor de R$ 80 milhões para danos materiais e R$ 12,8 milhões para lucros cessantes. A Companhia não tem seguro para suas florestas. Visando minimizar o risco de incêndio, são mantidos, pela brigada interna de incêndio, um sistema de torres de observações em locais distribuídos estrategicamente, bem como vigilantes motorizados e caminhões bombeiros. A Companhia não apresenta histórico de perdas relevantes com incêndio de florestas. 24. INSTRUMENTOS FINANCEIROS Os valores de mercado estimados de ativos e passivos financeiros da Companhia foram determinados por meio de informações disponíveis no mercado e metodologias apropriadas de avaliações. Entretanto, foi necessário considerável interpretação e julgamento, por parte da Companhia, para produzir a estimativa do valor de mercado mais adequada. Como consequência, as estimativas a seguir não indicam, necessariamente, os

Lucro/Prejuízo líquido do período (+) Depreciação, amortização e exaustão (líquido crédito pis/cofins) (+/-) Resultado financeiro líquido (-) Valor justo de ativos biológicos (-) Reduções concedidas através do REVIGORAR III (+) Provisão para Contingências (+) Imposto de Renda e Contribuição Social Diferidos (+) Imposto de Renda e Contribuição Social LAJIDA (EBITDA) * * LAJIDA - Lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização * EBITDA - Earning before interest, tax, depreciation and amortization

2.011 7.888 22.681 5.150 (3.334) 4.000 36.386

2.010 14.168 20.148 (1.833) (7.408) 6.467 2.922 6.209 40.673

Continuação

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS de capital, que representam R$ 344,1 milhões, em 2011 (R$ 327,5 milhões em 2010). A recuperabilidade desse valor está condicionada a eventual necessidade de captação de recursos financeiros pela Companhia, conforme disposto nos instrumentos contratuais firmados entre as partes.

DIRETORES e ACIONISTAS da IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S.A. Examinamos as demonstrações contábeis individuais da IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S.A., que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis individuais de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS), emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.

OUTROS ASSUNTOS Demonstrações do Valor Adicionado Examinamos, também, as demonstrações individuais do valor adicionado (DVA), referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, cuja apresentação é requerida pela legislação societária Brasileira para as companhias abertas, e como informação suplementar pelas IFRS que não requerem a apresentação da DVA. Essas demonstrações foram submetidas aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e, em nossa opinião, estão adequadamente apresentadas, em todos os aspectos relevantes, em relação às demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Curitiba, 19 de março de 2012.

RESPONSABILIDADE DOS AUDITORES INDEPENDENTES Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante.

MÜLLER AUDITORES INDEPENDENTES S/S CRC-PR Nº 005.694/O-5 CLOVIS EDECIO MÜLLER CONTADOR CRC-RS Nº 25.016/O-0 T-PR

Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião.

PAULO ROBERTO PIZANI - DIRETOR PRESIDENTE JOSÉ EDUARDO NARDI - Diretor Industrial RAIMAR STERNARDT - Diretor de Controle JOSÉ FELIPE MATA DE R. M. CAVALCANTI - Diretor Adm. Financ. e de Relações com Investidores

DIRETORIA

OPINIÃO SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da IGUAÇU CELULOSE, PAPEL S.A. em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB. ÊNFASE Valores a Receber de Partes Relacionadas Conforme mencionado nas notas explicativas "9" e "10" a Companhia possui créditos de mútuos e de valores adiantados e destinados a futuro aumento

Classilinha AGORA VOCÊ TEM MUITO MAIS VANTAGENS. Anuncie no Classilinha e ganhe anúncio no site www.metropolejornal.com.br

Aspirador de Pó ELECTROLUX - VENDO - R$ 130,00 Entrar em contato com Cássio ou Raquel - Fone: 41 9991-1729

Salão de Cabeleireiros VENDO - 6 cadeiras, 1 balcão recepção, 1 TV, 1 lavatório, 8 cadeiras para acento, 3 mesas manicure c/6 cadeiras, 6 penteadeiras, 1 computador, 2 armários, 5 carinhos auxiliar. R$ 8.500,00 / Aceito Proposta. Fone: 3283-1984, Carlos

Wizard São José dos Pinhais! Estamos contratando professores! Interessados favor entrar em contato: Telefones 3058-0556 / 3058-0553 SE VOCÊ TEM FLUÊNCIA EM ITALIANO o u e n v i a r c u r r í c u l o p a r a : e gosta de dar aulas. Venha para a wizard@wizardsjp.com.br Wizard São José dos Pinhais! Estamos contratando professores! Interessados favor entrar em contato: Telefones 3058-0556 / 3058-0553 ou enviar currículo para: wizard@wizardsjp.com.br SAIBRO, TERRA PARA JARDIM E ATERRO - ROBSON PALLÚ

Professor de Italiano

Areia, Pedra, Brita, Pedrisco

Professor de Francês

SE VOCÊ TEM FLUÊNCIA EM FRANCÊS e gosta de dar aulas. Venha para a

F: (41) 9234 0989 - (41) 3058 0989 Agradecemos a preferência

Exemplo:

Econômico / 5 edições Inteligente { Mínimo: R$ 30,00 Para anunciar ligue: 3383-6650 GOL 1.0 - 95 - Bordo - Liga leve, aro 15, insufilme. R$ 12.000,00. Ótimo estado. Informações: 9106-1534

CONTADOR JONESLEI KNISS CRC-PR 050506/O-5

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PAULO ROBERTO PIZANI HERCILIO NARDI JULIO CÉSAR PISANI HELOISA MARIA PIZANI DE OLIVEIRA FRANCO VERA MARIA LUHM PISANI


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Neuroestimulação pode recuperar a autonomia de portadores de Parkinson 11 de abril, é comemorado no mundo inteiro o Dia da Doença de Parkinson, com o objetivo de ampliar a conscientização sobre a doença e incentivar a pesquisa e a inovação no seu tratamento. O Parkinson é uma condição crônica, sem causa conhecida, progressiva e degenerativa do sistema neurológico, que afeta os movimentos e a coordenação dos portadores. Conforme progride, incapacita o indivíduo, fazendo com que atividades simples do dia a dia, como tomar banho e se vestir, se tornem impossíveis. Segundo dados do Ministério da Saúde, a prevalência do Parkinson no Brasil é de 100 a 200 casos para cada 100 mil habitantes. Embora não tenha cura, os sintomas físicos do Parkinson podem ser gerenciados com medicamentos e fisioterapia. O problema é que, após anos de tratamento, é comum que os remédios deixem de fazer efeito. O neurocirurgião Erich Fonoff afirma que, mesmo com a evolução na área médica, esta ainda é uma doença de difícil diagnóstico. “Seus sintomas iniciais podem ser confundidos com outras doenças, além de variar bastante de paciente para paciente”, explica Fonoff. Geralmente os primeiros sinais da doença de Parkinson são sutis. Muitos ficam surpresos ao saber que a falta de expressão facial, perda do olfato, constipação, tontura, desmaios, postura curvada e dificuldade para dormir também podem ser sintomas da doença. Segundo o médico, a maioria das pessoas só reconhece a doença quando surgem os tremores constantes e a dificuldade para se movimentar e andar. Normalmente, os sintomas aparecem depois dos 65 anos de idade, porém aproximadamente 15% dos que convivem com o Parkinson desenvolvem a doença antes dos 50 anos. “Ainda não existe prevenção. Mas quanto antes for descoberta, melhor será a resposta do paciente ao tratamento. Adiar a procura por ajuda médica pode interferir no sucesso da terapia,” alerta o neurocirurgião. Apesar da cura ainda não ter sido descoberta, um tratamento pouco conhecido dos brasileiros pode mudar a vida dos pacientes. A neuroestimulação é uma terapia revolucionária, mas ainda pouco difundida no país, apesar de ser realizada desde os anos 80 no exterior. Durante a cirurgia, um aparelho parecido com um marca-passo é implantado no peito do paciente e envia estímulos elétricos, por meio de eletrodos, para áreas específicas do cérebro, ajudando o parkinsoniano a controlar seus movimentos e recuperar a autonomia. A cirurgia é feita com o paciente acordado, par que ele possa auxiliar o médico na localização da área exata que controla os movimentos no cérebro. De acordo com Fonoff, este é o tratamento mais avançado para a doença. “A neuroestimulação é uma terapia segura que proporciona resultados excelentes e nos últimos anos ganhou mais efetividade, podendo ser aplicada com maior precisão. O implante é uma alternativa para os casos em que o tratamento medicamentoso deixou de ser eficiente ou para quem sofre muito com os efeitos colaterais”, afirma Fonoff. Após ouvir um relato esperançoso, o engenheiro civil Carmelo Lorenzo Filho, de 66 anos, se submeteu à cirurgia. O engenheiro apresentou os primeiros sinais da doença aos 52 anos, mas só foi diagnosticado com Parkinson treze anos depois. Ele relata que conviveu durante anos com o a doença e a depressão, que limitavam tudo em sua vida. Um dia, quando foi buscar remédios na unidade de saúde de costume, ouviu a dentista de lá contar que seu pai havia feito o implante de um neuroestimulador. “Ela disse que ele havia entrado no hospital de cadeira de rodas e saiu andando. Não acreditei, pedi o telefone do médico e agendei a minha consulta. Foi assim que descobri o tratamento que mudou a minha vida. Depois da neuroestimulação as pessoas não acreditam quando conto que tenho Parkinson. Hoje me exercito, trabalho, dirijo, tenho uma rotina como a de qualquer outra pessoa,” conta

19

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

Nórdica Veículos S.A. CNPJ nº 77.997.187/0001-74 RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de Vossas Senhorias o Balanço Patrimonial e as Demonstrações Contábeis, relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011. MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Em 2011 a Companhia aproveitou o momento positivo de mercado de caminhões, incentivado por financiamentos com recursos do BNDES para renovação e atualização da frota nacional, e ganhou a concorrência de fornecimento de ônibus para atualização da frota de ônibus da cidade de Curitiba, gerando a maior venda em uma única transação realizada por uma concessionaria Volvo do Brasil S.A. As perspectivas da Administração para 2012, aproveitando o bom momento da economia nacional continuará focando em sua participação no mercado interno de caminhões pesados e semi pesados, alem de ônubus objetivando a busca de resultados consistentes, que proporcionem o retorno requerido pelos sócios e demais partes interessadas.

Agradecimento A Companhia quer registrar seus agradecimentos aos clientes, fornecedores, representantes, instituições financeiras, órgãos governamentais, acionistas e demais partes interessadas pelo apoio recebido, bem como a equipe de colaboradores pelo empenho e dedicação dispensados. Declaração da Diretoria Em atendimento as disposições legais pertinentes, a Diretoria declara que revisou e concordou com as Demonstrações Contábeis relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, o qual foi aprovado em Reunião de Diretoria de 19/03/ 2012. Curitiba, 19 de março de 2012. A ADMINISTRAÇÃO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 BALANÇO PATRIMONIAL (Em milhares de reais) NOTA Ativo Circulante Caixa e Equivalentes de Caixa Contas a Receber de Clientes Estoques Impostos a Recuperar Adiantamentos Concedidos Partes Relacionadas Despesas Antecipadas Outros Direitos Realizáveis

5 6 7 8 9 10

Não Circulante Direitos Realizáveis Depósitos Judiciais Partes Relacionadas Outros Direitos Realizáveis

10

Ativo Biológico Investimentos Imobilizado Intangível

11 12 13

Total do Ativo

31 de dezembro de 2011

31 de dezembro de 2010

30.165 93.900 55.009 4.635 14.507 9.842 40 1.673 209.771

51.902 48.021 22.363 4.243 3.192 5.098 101 767 135.687

574 23.889 359 24.822 0 11 56.042 0

170 4.502 359 5.031 17.312 11 54.141 1.096

56.053 290.646

72.560 213.278

Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Fornecedores Instituições Financeiras Obrigações Trabalhistas e Provisões Obrigações Tributárias Adiantamentos de Clientes Dividendos e Juros s/ Capital Próprio Demais Contas a Pagar

31 de dezembro de 2011

31 de dezembro de 2010

67.269 231 2.518 7.629 1.054 15.338 518 94.557

24.192 426 2.307 27.683 2.391 6.697 802 64.498

15 17 18

436 30.431 869 31.736

417 22.709 262 23.388

19a 19b 19b

83.291 6.248 49.442 25.372

10.288 6.248 83.430 25.426

164.353 290.646

125.392 213.278

14 15 16 17 19c

Não Circulante Instituições Financeiras Obrigações Tributárias Passivos Litigiosos Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Capital Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial

Total do Passivo e Patrimônio Líquido

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO (Em milhares de reais)

DEMONSTRAÇÃO DOS VALORES ADICIONADOS (Em milhares de reais)

Períodos 01/jan./11 a 31/dez./11

01/jan./10 a 31/dez./10

1. RECEITAS 1.1 Vendas de Mercadorias, Produtos e Serviços 1.2 Outras Receitas Operacionais

RECEITA OPERACIONAL BRUTA

800.519

581.301

Vendas de Mercadorias e Serviços (-) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA CUSTOS DAS MERCADORIAS E SERVIÇOS LUCRO BRUTO DESPESAS/RECEITAS OPERACIONAIS Despesas Gerais e Administrativas Remuneração dos Administradores Reversão de Juros s/ Capital Próprio Outros Ganhos/(Perdas) Líquidos Encargos Financeiros Líquidos

800.519 (96.447) 704.072 (620.770) 83.302 (11.823) (34.145) (1.818) 5.900 22.251

581.301 (69.341) 511.960 (444.215) 67.745 (18.724) (30.384) (1.835) 4.381 11.778

2. INSUMOS 2.1 Vendas de Mercadorias, Produtos e Serviços 2..2 Outras Receitas Operacionais

(4.011)

(2.664)

3. 4. 5. 6.

7. VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5+6) 8. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 8.1 Pessoal 8.1.1 Remuneração Direta 8.1.2 Benefícios 8.1.3 FGTS 8.2 Impostos, Taxas e Contribuições 8.2.1 Federais 8.2.2 Estaduais 8.2.3 Municipais 8.3 Remuneração de Capital de Terceiros 8.3.1 Juros 8.4 Remuneração de Capital de Próprio 8.4.1 Juros s/ Capital Próprio e Dividendos 8.4.2 Lucro do Exercício

RESULTADO OPERACIONAL RESULTADO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO IR e CS Corrente IR e CS Diferido

LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

71.479

49.021

71.479 (20.146) 1.515

49.021 (15.614) 1.422

52.848

VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2) DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA SOCIEDADE (3-4) VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 6.1 Receitas Financeiras

34.829

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

31/dez./11

31/dez./10

787.226 27.469 814.695

571.171 13.423 584.594

634.603 3.637 638.240 176.455 1.295 175.160

438.413 12.475 450.888 133.706 2.472 131.234

5.110 5.110 180.270

4.096 4.096 135.330

19.784 1.503 1.129

22.412 1.060 1.247

21.955 78.911 919

16.847 55.029 785

3.222

1.634

5.900 46.947 180.270

4.381 31.935 135.330

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Valores em R$)

CAPITAL SOCIAL 10.226

RESERVAS DE C.M. ESPECIAL 62

RESERVAS DE CAPITAL RESERVA DE INCENTIVOS DOAÇÕES FISCAIS E SUBVENÇÕES 267 10

62

(62)

(10)

EVENTOS SALDOS INICIAIS EM 01 DE JANEIRO DE 2010 Lucro do Exercício Realização da Reserva de Capital Realização do Custo Atribuído ao Imobilizado Tributos Diferidos s/ Realização do Custo Atribuído DESTINAÇÕES PROPOSTAS DO EXERCÍCIO - Juros s/Capital Próprio - Dividendos Distribuídos - Reserva de Lucros a Disposição dos Acionistas SALDOS FINAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Lucro do Exercício Aumento de Capital Realização do Custo Atribuído ao Imobilizado Tributos Diferidos s/ Realização do Custo Atribuído DESTINAÇÕES PROPOSTAS DO EXERCÍCIO - Reserva Legal - Reserva para Investimento e Capital de Giro - Juros s/Capital Próprio - Dividendos Distribuídos - Reserva de Lucros a Disposição dos Acionistas SALDOS FINAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

10.288

0

267

0

RESERVA ESPECIAL DE ÁGIO 5.981

RESERVA LEGAL 1.426

5.981

1.426

RESERVAS DE LUCRO RESERVA DE AJUSTES LUCROS OU RESERVA RETENÇÃO DE AVALIAÇÃO PREJUÍZOS ESTATUTÁRIA DE LUCROS PATRIMONIAL ACUMULADOS 1.426 53.988 25.884 0 34.829 10 (694) 694 236 (236)

1.426

73.003

26.590 80.578

25.426

(4.381) (4.326) 0 125.392 52.848 4.325 (82) 83

(2.642) (2.642) (5.900) (7.313) (34.351) 0

0,00 0,00 (5.900) (12.313) 0 164.353

(82) 28

2.642 2.642

83.291

(4.381) (4.326) (26.590) 0 52.848

(68.678) 55

0

267

0

5.981

4.068

4.068

(5.000) 34.351 41.306

25.372

TOTAL 99.270 34.829 0 0 0

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (Método Indireto) (Em milhares de reais) Períodos

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucros Antes do IR e CS Ajustes por: Reversão de Juros s/ Capital Próprio Provisão p/ Contingências Reconhecimento do Valor Justo do Ativo Biológico Depreciação e Amortização Reversão de Provisão de Manutenção da Integralidade Contábil do Patrimônio Alienação do Imobilizado Alienação Ativo Biológico Redução Intangível Lucro Ajustado IR e CS Correntes Pagos (Aumento)/Diminuição dos Ativos: Contas a Receber de Clientes Estoques Impostos a Recuperar Despesas do Exercício Seguinte Demais Direitos Realizáveis Depósitos Judiciais Aumento/(Diminuição) dos Passivos: Fornecedores Obrigações Trabalhistas e Provisões Obrigações Tributárias Outras Obrigações Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aplicações no Imobilizado Partes Relacionadas Depósitos Judiciais Adiantamentos a Funcionários e Fornecedores Caixa Líquido Usado nas Atividades de Investimento FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Obrigações com Instituições Financeiras Aumento de Capital Partes Relacionadas Adiantamentos de Clientes Dividendos Pagos Caixa Líquido Usado nas Atividades de Financiamento (DIMINUIÇÃO)/AUMENTO LÍQUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO

01/jan./11 a 31/dez./11

01/jan./10 a 31/dez./10

71.479

49.021

(5.900) 607 0 1.295 0 70 17.312 1.096 85.959 (20.146)

(4.381) (503) (4.373) 4.794 (2.322) 14 0 0 42.250 (15.614)

(45.879) (32.646) (392) 61 (906) 0

(2.309) (702) (3.345) 2 (390) (155)

43.078 211 (10.817) (284) 18.239

14.499 572 484 3 35.295

(3.266) 0 (404) (11.315) (14.985)

(2.195) 3.498 0 (1.706) (403)

(176) 4.325 (24.131) (1.337) (3.672) (24.991) (21.737) 51.902 30.165

424 0 (3.460) 1.648 (2.777) (4.165) 30.727 21.175 51.902

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Em milhares reais, exceto quando indicado de outra forma) NOTA 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Nórdica Veículos S.A. têm como atividade operacional o comércio e locação de veículos automotores em geral, venda de peças e acessórios, exploração de oficina de reparo e consertos de veículos automotores e serviços de recauchutagem de pneus a frio. A Companhia firmou em 27 de dezembro de 1990 o Contrato de Concessão Comercial junto a Volvo do Brasil Motores e Veículos S.A., por tempo indeterminado, objetivando a concessão de direitos e privilégios de promover a comercialização de chassis caminhão, ônibus, peças, unidades de troca e acessórios, fabricados ou fornecidos pela Volvo, prestar assistência a esses produtos inclusive mediante atendimento em garantia, bem como utilizar, para diferenciar as suas instalações, as diversas marcas comerciais, emblemas, logotipos e sinais da Volvo. O contrato entre as partes determina a área de concessão demarcada para atuação da Nórdica Veículos. A Nórdica Veículos ao longo do Contrato de Concessão Comercial vêm atendendo satisfatoriamente as exigências e obrigações impostas pela Concedente relativo as vendas, recursos financeiros, dependências, contabilidade, padrões éticos, instalações, oficinas , ferramentas, pessoal, departamentos, estoques e administração geral. NOTA 2. RESUMO DAS PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTÁBEIS As principais políticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações financeiras estão definidas abaixo. Essas políticas vêm sendo aplicadas de modo consistente em todos os exercícios 2.1 Base de Preparação As demonstrações contábeis da Companhia foram elaboradas e preparadas de acordo com as Normas Internacionais de Relatório Financeiro ("IFRSs") emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB e as práticas contábeis

adotadas no Brasil. As práticas contábeis adotadas no Brasil compreendem aquelas incluídas na legislação societária brasileira e os pronunciamentos, as orientações e as interpretações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC e aprovados pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM. As demonstrações financeiras foram elaboradas com base no custo histórico, exceto por determinados instrumentos financeiros mensurados pelos seus valores justos, conforme descrito nas práticas contábeis a seguir. O custo histórico geralmente é baseado no valor justo das contraprestações pagas em troca de ativos. As principais práticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações contábeis estão definidas a seguir. Essas práticas foram aplicadas de modo consistente no exercício anterior apresentado, salvo disposição em contrário. A preparação de demonstrações financeiras requer o uso de certas estimativas contábeis críticas e também o exercício de julgamento por parte da administração da Companhia no processo de aplicação das políticas contábeis. Aquelas áreas que requerem maior nível de julgamento e possuem maior complexidade, bem como as áreas nas quais premissas e estimativas são significativas para as demonstrações financeiras, estão divulgadas na nota nº 3. 2.2 Caixa e Equivalentes de Caixa Caixa e equivalentes de caixa incluem o caixa, depósitos bancários à vista e aplicações financeiras realizáveis em até noventa dias da data da aplicação ou considerados de liquidez imediata ou conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor, os quais são registrados pelos valores de custo acrescidos dos rendimentos auferidos até as datas dos balanços, que não excedem o seu valor de mercado ou de realização. 2.3 Instrumentos Financeiros 2.3.1 Classificação A classificação depende da finalidade para a qual os ativos e passivos financeiros foram adquiridos ou contratados e é determinada no reconhecimento inicial dos instrumentos financeiros. Os ativos financeiros mantidos pela Companhia são classificados sob as seguintes categorias: (a) Ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado Os ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado são ativos financeiros mantidos para negociação. Um ativo financeiro é classificado nessa categoria se foi adquirido, principalmente, para fins de venda no curto prazo. Os ativos dessa categoria são classificados como ativos circulantes. No caso da Companhia, nessa categoria estão incluídos unicamente os instrumentos financeiros não derivativos. Os saldos referentes aos ganhos ou às perdas decorrentes das operações não liquidadas são classificados no ativo ou no passivo circulante, sendo as variações no valor justo registradas, respectivamente, nas rubricas "Receitas financeiras" ou "Despesas financeiras". (b) Ativos financeiros disponíveis para venda Quando aplicável, são incluídos nessa classificação os ativos financeiros não derivativos, que sejam designados como disponíveis para venda ou não sejam classificados como (a) empréstimos e recebíveis, (b) investimentos mantidos até o vencimento ou (c) ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado. Em 31 de dezembro de 2011, a Companhia não possuía ativos financeiros registrados nas demonstrações contábeis sob essa classificação. (c) Empréstimos e Recebíveis São incluídos nessa classificação os ativos financeiros não derivativos com recebimentos fixos ou determináveis, que não são cotados em um mercado ativo. São registrados no ativo circulante, exceto, nos casos aplicáveis, aqueles com prazo de vencimento superior a 12 meses após a data do balanço, os quais são classificados como ativo não circulante. Em 31 de dezembro de 2011, no caso da Companhia, compreendem caixa e equivalentes de caixa (nota explicativa nº 5), e contas a receber de clientes (nota explicativa nº 6). (d) Passivos Financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado Os passivos financeiros são classificados como ao valor justo por meio do resultado quando são mantidos para negociação ou designados ao valor justo por meio do resultado. A Companhia não mantém nem emite derivativos para fins especulativos, tampouco possui passivos detidos para negociação, nem designou quaisquer passivos financeiros ao valor justo por meio do resultado. (e) Outros Passivos Financeiros Os outros passivos financeiros são mensurados pelo valor de custo amortizado utilizando o método de juros efetivos. Em 31 de dezembro de 2011, no caso da Companhia, compreendem saldos a pagar a fornecedores nacionais (nota explicativa nº 13) e instituições financeiras (nota explicativa nº 14). 2.3.2 Reconhecimento e Mensuração As compras e as vendas regulares de ativos financeiros são reconhecidas na data de negociação - data na qual a Companhia se compromete a comprar ou vender o ativo. Os ativos financeiros a valor justo por meio do resultado são, inicialmente, reconhecidos pelo valor justo, e os custos da transação são debitados à demonstração do resultado. Os ativos financeiros são baixados quando os direitos de receber fluxos de caixa dos investimentos tenham vencido ou tenham sido transferidos; neste último caso, desde que a Companhia tenha transferido, significativamente, todos os riscos e os benefícios da propriedade. Os ativos financeiros disponíveis para venda e os ativos financeiros mensurados ao valor justo através do resultado são, subsequentemente, contabilizados pelo valor justo. Os empréstimos e recebíveis são contabilizados pelo custo amortizado, usando o método da taxa efetiva de juros. Os ganhos ou as perdas decorrentes de variações no valor justo de ativos financeiros mensurados ao valor justo através do resultado são apresentados na demonstração do resultado em "Outros ganhos(perdas), líquidos" no período em que ocorrem. Receita de dividendos de ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado é reconhecida na demonstração do resultado como parte de outras receitas, quando é estabelecido o direito da Companhia de receber os dividendos. As variações no valor justo de títulos monetários, denominados em moeda estrangeira e classificados como disponíveis para venda, são divididas entre as diferenças de conversão resultantes das variações no custo amortizado do título e outras variações no valor contábil do título. As variações cambiais de títulos monetários são reconhecidas no resultado. As variações cambiais de títulos não monetários são reconhecidas no patrimônio. As variações no valor justo de títulos monetários e não monetários, classificados como disponíveis para venda, são reconhecidas no patrimônio. Quando os títulos classificados como disponíveis para venda são vendidos ou sofrem perda (impairment), os ajustes Continua...


20

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

...Continuação acumulados do valor justo, reconhecidos no patrimônio, são incluídos na demonstração do resultado como "Ganhos e perdas de títulos de investimento". 2.3.3 Compensação de Instrumentos Financeiros Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é apresentado no balanço patrimonial quando há um direito legalmente aplicável de compensar os valores reconhecidos e há a intenção de liquidá-los em uma base líquida ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. 2.3.4 Impairment de Ativos Financeiros (a) Ativos mensurados ao custo amortizado A Companhia avalia no final de cada período do relatório se há evidência objetiva de que o ativo financeiro ou o grupo de ativos financeiros está deteriorado. Um ativo ou grupo de ativos financeiros está deteriorado e os prejuízos de impairment são incorridos somente se há evidência objetiva de impairment como resultado de um ou mais eventos ocorridos após o reconhecimento inicial dos ativos (um "evento de perda") e aquele evento (ou eventos) de perda tem um impacto nos fluxos de caixa futuros estimados do ativo financeiro ou grupo de ativos financeiros que pode ser estimado de maneira confiável. Os critérios que a Companhia utiliza para determinar se há evidência objetiva de uma perda por impairment incluem: (I) Dificuldade financeira relevante do emissor ou devedor; (II) Uma quebra de contrato, como inadimplência ou mora no pagamento dos juros ou principal; (III) A Companhia, por razões econômicas ou jurídicas relativas à dificul-dade financeira do tomador de empréstimo, garante ao tomador uma concessão que o credor não consideraria; (IV) Torna-se provável que o tomador declare falência ou outra reorganização financeira; (V) O desaparecimento de um mercado ativo para aquele ativo financeiro devido às dificuldades financeiras; ou, (VI) Dados observáveis indicando que há uma redução mensu-rável nos futuros fluxos de caixa estimados a partir de uma carteira de ativos financeiros desde o reconhecimento inicial daqueles ativos, embora a diminuição não possa ainda ser identificada com os ativos financeiros individuais na carteira, incluindo: - Mudanças adversas na situação do pagamento dos tomadores de empréstimo na carteira; - Condições econômicas nacionais ou locais que se correlacionam com as inadimplências sobre os ativos na carteira. A Companhia avalia em primeiro lugar se existe evidência objetiva de impairment. O montante do prejuízo é mensurado como a diferença entre o valor contábil dos ativos e o valor presente dos fluxos de caixa futuros estimados (excluindo os prejuízos de crédito futuro que não foram incorridos) descontados à taxa de juros em vigor original dos ativos financeiros. O valor contábil do ativo é reduzido e o valor do prejuízo é reconhecido na demonstração do resultado. Se, num período subsequente, o valor da perda por impairment diminuir e a diminuição puder ser relacionada objetivamente com um evento que ocorreu após o impairment ser reconhecido (como uma melhoria na classificação de crédito do devedor), a reversão da perda por impairment reconhecida anteriormente será reconhecida na demonstração do resultado. 2.4 Contas a receber de clientes e créditos de liquidação duvidosa As contas a receber de clientes correspondem aos valores a receber de clientes pela venda de veículos ou prestação de serviço no decurso normal das atividades da Companhia. Estão registrados no balanço pelo valor nominal dos títulos representativos desses créditos e acrescidos das variações monetárias ou cambiais, quando contratadas. Se o prazo de recebimento é equivalente a um ano ou menos (ou outro que atenda o ciclo normal da Companhia), as contas a receber são classificadas no ativo circulante. Caso contrário, estão apresentadas no ativo não circulante. As contas a receber de clientes são, inicialmente, reconhecidas pelo valor justo e, subsequentemente, mensuradas pelo custo amortizado com o uso do método da taxa efetiva de juros menos a provisão para devedores duvidosos "PDD" (impairment). Na prática são normalmente reconhecidas ao valor faturado, ajustado pela provisão para impairment, se necessária conforme os valores demonstrados na nota explicativa nº 6. 2.5 Estoques Os estoques estão registrados pelo custo médio de aquisição, ajustados ao valor realizável líquido, quando este for menor que o custo. O valor líquido de realização é o preço de venda estimado, no curso normal dos negócios, deduzidos os custos de aquisição e conversão bem como custos para colocar os estoques em sua localização e condição atual. Os detalhes estão divulgados na nota explicativa nº 7. 2.6 Ativo Biológico Abrange o tratamento contábil das atividades de envolvem ativos biológicos os reflorestamentos de Pinus Elliottii e Pinus Taeda, implantados no período de 2007 a 2008, em uma área total de 784,64 hectares. Estão avaliados pelo valor justo, levando em consideração o tipo de manejo e a expectativa de produção, bem como o valor presente dos rendimentos futuros. Os detalhes e informações acerca dos ativos biológicos estão descritas na nota explicativa nº 11. 2.7 Investimentos Os investimentos estão avaliados pelo custo de aquisição. 2.8 Imobilizado O imobilizado é mensurado pelo seu custo histórico, menos depreciação acumulada. O custo histórico inclui os gastos diretamente atribuíveis à aquisição dos itens. O custo histórico também inclui os custos de financiamento relacionados com a aquisição de ativos qualificadores. Os custos subsequentes são incluídos no valor contábil do ativo ou reconhecidos como um ativo separado, conforme apropriado, somente quando for provável que fluam benefícios econômicos futuros associados ao item e que o custo do item possa ser mensurado com segurança. O valor contábil de itens ou peças substituídos é baixado. Todos os outros reparos e manutenções são lançados em contrapartida ao resultado do exercício, quando incorridos. Os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da Companhia, originados de operações de arrendamento mercantil do tipo financeiro, são registrados como se fosse uma compra financiada, reconhecendo no início de cada operação um ativo imobilizado e um passivo de financiamento, sendo os ativos também submetidos às depreciações calculadas de acordo com as vidas úteis estimadas dos respectivos bens. Os custos subsequentes são incluídos no valor contábil do ativo ou reconhecidos como um ativo separado, conforme apropriado, somente quando for provável que fluam benefícios econômicos futuros associados ao item e que o custo do item possa ser mensurado com segurança. O valor contábil de itens ou peças substituídos é baixado. Todos os outros reparos e manutenções são lançados em contrapartida ao resultado do exercício, quando incorridos. Terrenos não são depreciados. A depreciação dos demais ativos é calculada pelo método linear, para distribuir seu valor de custo ao longo da vida útil estimada, em taxas descritas na nota explicativa nº 12. Os valores residuais e a vida útil dos ativos são revisados e ajustados, se apropriado, ao final de cada exercício. O valor contábil de um ativo é imediatamente baixado para seu valor recuperável se o valor contábil do ativo for maior do que seu valor recuperável estimado. Os ganhos e as perdas de alienações são apurados comparando-se o valor da venda com o valor residual contábil e são reconhecidos em "Outros ganhos/(perdas), líquidos" na demonstração do resultado. O valor contábil do Ativo Imobilizado não supera seu provável valor de recuperação e é submetido ao teste de recuperação (impairment test) ao menos anualmente, conforme determinado pelo Pronunciamento Técnico - CPC nº 01 - Valor Recuperável dos Ativos. 2.9 Intangível Ágio resultante da expectativa de rentabilidade futura (Goodwill) O ágio registrado pela Companhia é oriundo da incorporação da empresa Rio Bonito Transportes e Logística Ltda., ocorrida em 30 de novembro de 2006, o qual a Administração da Nórdica Veículos optou por manter até a sua plena realização e entende este ágio como tendo vida útil determinada de 60 meses, o qual no decorrer do ano-calendário de 2011 foi totalmente amortizado, conforme descrito na nota explicativa nº 13. 2.10 Avaliação do Valor Recuperável dos Ativos Os bens do imobilizado, quando aplicável, outros ativos não circulantes são avaliados anualmente para identificar evidências de perdas não recuperáveis, ou, ainda, sempre que eventos ou alterações significativas nas circunstâncias indicarem que o valor contábil pode não ser recuperável. Quando aplicável, se houver perda decorrente das situações em que o valor contábil do ativo ultrapasse seu valor recuperável, definido pelo maior entre o valor em uso do ativo e o seu valor líquido de venda, ela é reconhecida no resultado do exercício. Para fins de avaliação do valor recuperável, os ativos são agrupados nos níveis mais baixos para os quais existam fluxos de caixa identificáveis separadamente (Unidades Geradoras de Caixa - UGCs). 2.11 Contas a Pagar aos Fornecedores As contas a pagar aos fornecedores são obrigações a pagar por bens ou serviços que foram adquiridos de fornecedores no curso normal dos negócios, sendo classificadas como passivos circulantes se o pagamento for devido no período de até um ano (ou no ciclo operacional normal dos negócios, ainda que mais longo). Caso contrário, as contas a pagar são apresentadas como passivo não circulante. São, inicialmente, reconhecidas pelo valor nominal e, subsequentemente, acrescido, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias e cambiais incorridos até as datas dos balanços. 2.12 Empréstimos São reconhecidos, inicialmente, pelo valor justo, no momento do recebimento dos recursos, líquidos dos custos de transação nos casos aplicáveis. Em seguida, passam a ser mensurados pelo custo amortizado, isto é, acrescidos de encargos, juros e variações monetárias e cambiais. Qualquer diferença entre os valores captados (líquidos dos custos da transação) e o valor de liquidação é reconhecida na demonstração do resultado durante o período em que os empréstimos estejam em aberto, utilizando o método da taxa efetiva de juros. As taxas pagas no estabelecimento do empréstimo são reconhecidas como custos da transação do empréstimo, uma vez que seja provável que uma parte ou todo o empréstimo seja sacado. Nesse caso, a taxa é diferida até que o saque ocorra. Quando não houver evidências da probabilidade de saque de parte ou da totalidade do empréstimo, a taxa é capitalizada como um pagamento antecipado de serviços de liquidez e amortizada durante o período do empréstimo ao qual se relaciona. Os empréstimos são classificados como passivo circulante, a menos que a Companhia tenha um direito incondicional de diferir a liquidação do passivo por, pelo menos, 12 (doze) meses após a data do balanço. 2.13 Juros sobre o Capital Próprio Foram calculados de acordo com a legislação vigente, respeitando o limite de variação da Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP, aplicada sobre o patrimônio líquido ajustado. 2.14 Partes Relacionadas Consiste na transferência de recursos, serviços ou obrigações entre as partes relacionadas. A Companhia possui operações financeiras e comerciais junto a partes relacionadas, nas quais são observadas as condições equânimes de mercado. A proposta de distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio efetuada pela Administração da Companhia que estiver dentro da parcela equivalente ao dividendo mínimo obrigatório é registrada no passivo, por ser considerada como uma obrigação legal prevista no estatuto social da Sociedade. Para fins societários e contábeis, os juros sobre o capital próprio estão demonstrados como destinação do resultado diretamente no patrimônio líquido. 2.15 Provisões As provisões de ações judiciais (trabalhista, civil e tributário) são reconhecidas quando: o Grupo tem uma obrigação presente ou não formalizada (constructive obligation) como resultado de eventos passados; é provável que uma saída de recursos seja necessária para liquidar a obrigação; e o valor tiver sido estimado com segurança. Quando houver uma série de obrigações similares, a probabilidade de liquidá-las é determinada, levando-se em consideração a classe de obrigações como um todo. Uma provisão é reconhecida mesmo que a probabilidade de liquidação relacionada com qualquer item individual incluído na mesma classe de obrigações seja pequena. As provisões são mensuradas pelo valor presente dos gastos que devem ser necessários para liquidar a obrigação, usando uma taxa antes de impostos, a qual reflita as avaliações atuais de mercado do valor temporal do dinheiro e dos riscos específicos da obrigação. O aumento da obrigação em decorrência da passagem do tempo é reconhecido como despesa financeira. São atualizadas até as datas dos balanços pelo montante estimado das perdas prováveis, observadas suas naturezas e apoiadas na opinião dos advogados do Grupo. Os fundamentos e a natureza das provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas estão descritos na nota explicativa nº 18. 2.16 Imposto de Renda e Contribuição Social Corrente e Diferido As despesas de imposto de renda e contribuição social do período compreendem os impostos correntes e diferidos. Os impostos sobre a renda são reconhecidos na demonstração do resultado, exceto na proporção em que estiverem relacionados com itens reconhecidos diretamente no patrimônio líquido ou no resultado abrangente. Nesse caso, o imposto também é reconhecido no patrimônio líquido. A despesa de imposto de renda e contribuição social - correntes é calculada com base nas leis e nos normativos tributários promulgados na data de encerramento do exercício, de acordo com os regulamentos tributários brasileiros, às alíquotas de 25% e 9%, respectivamente, para imposto de renda e contribuição social. A Administração avalia periodicamente as posições assumidas na declaração de renda com respeito a situações em que a regulamentação tributária aplicável está sujeita à interpretação que possa ser eventualmente divergente e constitui provisões, quando adequado, com base nos valores que espera pagar ao Fisco. O imposto de renda e a contribuição social diferidos são calculados sobre as diferenças temporárias entre as bases fiscais dos ativos e passivos e seus valores contábeis. O imposto de renda e a contribuição social - diferidos são determinados usando as alíquotas de imposto promulgadas nas datas dos balanços e que devem ser aplicadas quando o respectivo imposto de renda e contribuição social - diferidos ativos forem realizados ou quando o imposto de renda e a contribuição social - diferidos passivos forem liquidados. O imposto de renda e a contribuição social - diferidos ativos são reconhecidos somente na proporção da probabilidade de que o lucro real futuro esteja disponível e contra o qual as diferenças temporárias possam ser usadas. Os montantes de imposto de renda e contribuição social - diferidos ativos e passivos são compensados somente quando há um direito exequível legal de compensar os ativos fiscais circulantes contra os passivos fiscais circulantes e/ou quando o imposto de renda e a contribuição social - diferidos ativos e passivos se relacionam com o imposto de renda e a contribuição social incidentes pela mesma autoridade tributária sobre a entidade tributável ou diferentes entidades tributáveis em que há intenção de liquidar os saldos em uma base líquida. 2.17 Apuração do Resultado e Reconhecimento da Receita O resultado é apurado em conformidade com o regime contábil de competência, sendo a receita de venda reconhecida no resultado do exercício quando os riscos e benefícios inerentes aos produtos são transferidos para os clientes. A receita compreende o valor justo da contraprestação recebida ou a receber pela comercialização de bens e serviços no curso normal das atividades da Companhia. A receita é apresentada líquida dos impostos e abatimentos. 2.18 Demonstração do Valor Adicionado (DVA) Esta demonstração tem por finalidade evidenciar a riqueza criada pela Sociedade e sua distribuição durante determinado período e é apresentada pela Sociedade, conforme requerido pela legislação societária brasileira, como parte de suas demonstrações contábeis individuais, pois não é uma demonstração prevista nem obrigatória conforme as IFRSs. A DVA foi preparada com base em informações obtidas dos registros contábeis que servem de base de preparação das demonstrações contábeis e seguindo as disposições contidas no CPC 09 - Demonstração do Valor Adicionado. Em sua primeira parte apresenta a riqueza criada pela Sociedade, representada pelas receitas (receita bruta das vendas, incluindo os tributos incidentes sobre ela, as outras receitas e os efeitos da provisão para créditos de liquidação duvidosa), pelos insumos adquiridos de terceiros (custo das vendas e aquisições de materiais, energia e serviços de terceiros, incluindo os tributos incluídos no momento da aquisição, os efeitos das perdas IFRS 9 - Instrumentos Financeiros) (em vigor a partir de 1º de janeiro de 2013). A publicação é parte do projeto de melhorias do IASB sobre a mensuração, a classificação e o reconhe-

cimento de instrumentos financeiros emitido em novembro de 2009 e substitui a parte da IAS39 relacionada à mensuração e classificação de ativos financeiros. Esse pronunciamento determina a classificação dos ativos financeiros em duas categorias: ativos reconhecidos ao valor justo e ativos reconhecidos ao valor de custo amortizado com a determinação da classificação sendo realizada no momento do reconhecimento do ativo e de acordo com o modelo de negócios da companhia e as características do instrumento financeiro contratado. Em virtude das características dos instrumentos financeiros atualmente contratados pela Sociedade não são esperados efeitos significativos no momento da adoção desse pronunciamento a partir de 1º de janeiro de 2013. NOTA 3. ESTIMATIVAS E JULGAMENTOS CONTÁBEIS CRÍTICOS As estimativas e os julgamentos contábeis são continuamente avaliados e baseiam-se na experiência histórica e em outros fatores, incluindo expectativas de eventos futuros, consideradas razoáveis para as circunstâncias. 3.1 Estimativas e Premissas Contábeis Críticas Com base em premissas, a Companhia faz estimativas com relação ao futuro. Por definição, as estimativas contábeis resultantes raramente serão iguais aos respectivos resultados reais. As estimativas e premissas que apresentam um risco significativo, com probabilidade de causar um ajuste relevante nos valores contábeis de ativos e passivos para o próximo exercício social. Tais estimativas e premissas podem diferir dos resultados efetivos. Os efeitos decorrentes das revisões das estimativas contábeis são reconhecidos no período da revisão. As premissas e estimativas significativas para demonstrações contábeis estão relacionadas a seguir: Reconhecimento de Receita A receita compreende o valor justo da contraprestação recebida ou a receber pela comercialização de bens e serviços no curso normal das atividades da Companhia. A receita é apresentada líquida dos impostos e abatimentos. Valor justo dos Instrumentos Financeiros Quando aplicável, a Companhia determina o valor justo dos instrumentos financeiros que não são negociados em bolsa utilizando técnicas de avaliação. Essas técnicas são significativamente afetadas pelas premissas utilizadas, incluindo as taxas de desconto e as estimativas de fluxos de caixa futuros. A esse respeito, as estimativas do valor justo derivadas não podem sempre ser fundamentadas pela comparação com mercados independentes e, em muitos casos, podem não ser capazes de serem realizadas imediatamente. Imposto de Renda, Contribuição Social e outros Impostos A Companhia reconhece ativos e passivos diferidos com base nas diferenças entre o valor contábil apresentado nas demonstrações contábeis e a base tributária dos ativos e passivos utilizando as alíquotas em vigor. A Companhia revisa regularmente os impostos diferidos ativos em termos de possibilidade de recuperação, considerando-se o lucro histórico gerado e o lucro tributável futuro projetado, de acordo com um estudo de viabilidade técnica. Provisões para riscos Tributários, Cíveis e Trabalhistas A Companhia é parte de diversos processos judiciais e administrativos, como descrito na nota explicativa nº 18. Provisões são constituídas para todas as contingências referentes a processos judiciais que representam perdas prováveis e estimadas com certo grau de segurança. A avaliação da probabilidade de perda inclui a avaliação das evidências disponíveis, a hierarquia das leis, as jurisprudências disponíveis, as decisões mais recentes nos tribunais e sua relevância no ordenamento jurídico, bem como a avaliação dos advogados externos. A Administração acredita que essas provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas estão corretamente apresentadas nas demonstrações contábeis. NOTA 4. GESTÃO DE RISCO FINANCEIRO 4.1 Considerações Gerais e Políticas A Companhia contrata operações envolvendo instrumentos financeiros, todos registrados em contas patrimoniais, com o objetivo de reduzir sua exposição a riscos de moeda e de taxa de juros, bem como de manter sua capacidade de investimentos e estratégia de crescimento. São contratados aplicações financeiras, empréstimos e financiamentos. A administração dos riscos e a gestão dos instrumentos financeiros são realizadas por meio de políticas, definição de estratégias e implementação de sistemas de controle, os quais estabelecem limites e alocação de recursos em instituições financeiras. Os procedimentos de tesouraria definidos pela política vigente incluem rotinas mensais de projeção e avaliação Sociedade, sobre as quais se baseiam as decisões tomadas pela Administração. A Política de Aplicações Financeiras estabelecida pela Administração da Sociedade elege as instituições financeiras com as quais os contratos podem ser celebrados, além de definir limites quanto aos percentuais de alocação de recursos e valores absolutos a serem aplicados em cada uma delas. 4.2 Fatores de Riscos Financeiros As atividades da Companhia a expõem a diversos riscos financeiros: risco de mercado (incluindo risco de taxa de juros de valor justo, risco de taxa de juros de fluxo de caixa e risco de preço), risco de crédito e risco de liquidez. O programa de gestão de risco global do Sociedade se concentra na imprevisibilidade dos mercados financeiros e busca minimizar potenciais efeitos adversos no desempenho financeiro do Companhia. A gestão de risco é realizada pela administração da Companhia. A administração identifica, avalia e protege a Companhia contra eventuais riscos financeiros. A Administração estabelece princípios para a gestão de risco global, bem como para áreas específicas, risco de taxa de juros, risco de crédito, uso de instrumentos financeiros não derivativos e investimento de excedentes de caixa. Não houve nenhuma alteração substancial na exposição aos riscos de instrumentos financeiros da Companhia, seus objetivos, políticas e processos para a gestão desses riscos ou os métodos utilizados para mensurá-los a partir de períodos anteriores, a menos que especificado o contrário nesta nota. • RISCO DE MERCADO Risco cambial A Companhia não apresenta ativos e passivos denominados em moeda estrangeira, tão logo não está exposta ao risco cambial. Risco de Crédito O risco de crédito é administrado corporativamente. O risco de crédito decorre de caixa e equivalentes de caixa, depósitos em bancos e instituições financeiras bem como de exposições de créditos a clientes, incluindo contas a receber em aberto. Os limites de riscos individuais são determinados com base em classificações internas ou externas de acordo com os limites determinados pela diretoria executiva. A utilização de limites de crédito é monitorada regularmente. Não foi ultrapassado nenhum limite de crédito durante o exercício e a administração não espera nenhuma perda decorrente de inadimplência dessas contrapartes. Risco de Liquidez A previsão de fluxo de caixa é realizada nas unidades operacionais da Companhia e agregada pelo departamento de Finanças. Este departamento monitora as previsões contínuas das exigências de liquidez da Companhia para assegurar que ele tenha caixa suficiente para atender às necessidades operacionais. Também mantém espaço livre suficiente em suas linhas de crédito compromissadas disponíveis a qualquer momento, a fim de que a Companhia não quebre os limites ou cláusulas do empréstimo (quando aplicável) em qualquer uma de suas linhas de crédito. Essa previsão leva em consideração os planos de financiamento da dívida da Companhia, cumprimento de cláusulas, se aplicável, exigências regulatórias externas ou legais - por exemplo, restrições de moeda. O excesso de caixa mantido pelas unidades operacionais, além do saldo exigido para administração do capital circulante, é transferido. A administração investe o excesso de caixa em contas correntes com incidência de juros, depósitos a prazo, depósitos de curto prazo e títulos e valores mobiliários, escolhendo instrumentos com vencimentos apropriados ou liquidez para fornecer margem suficiente conforme determinado pelas previsões acima mencionadas. NOTA 5. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

Caixa e Bancos Aplicação de Liquidação Imediata

31 de dezembro de 2011 7.670 22.495 30.165

31 de dezembro de 2010 1.724 50.178 51.902

Em 31 de dezembro de 2011, os Certificados de Depósitos Bancários - CDBs são remunerados por taxas que variam entre 95,50% e 106% (100% a 108% em 31 de dezembro de 2010) do CDI. Os CDBs são classificados pela Administração da Companhia na rubrica "Caixa e equivalentes de caixa", por serem considerados ativos financeiros com possibilidade de resgate imediato e sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor, conforme composição apresentada: Instituição Remuneração Banco do Brasil CDB - 95,50% CDI Banco Fibra CDB - 106% CDI Banco Safra S.A. CDB - 101,30% CDI Banco Volvo do Brasil S.A. CDB - 106% CDI Banco Volvo do Brasil S.A. Capitalização - 100% CDI

31 de dezembro de 2011 327 635 1.756 12.800 6.977 22.495

31 de dezembro de 2010 2.255 1.003 5.230 11.394 30.296 50.178

NOTA 6. CONTAS A RECEBER DE CLIENTES 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Contas a Receber - Clientes 94.108 48.073 Créditos a Receber 539 479 (-) Provisão p/ Créditos de Liquidação Duvidosa (747) (531) 93.900 48.021 A seguir estão demonstrados os saldos de contas a receber de clientes e créditos por idade de vencimento, posição em 31/ dez./11: Títulos Título Período Vencidos % A Vencer % A Vencer 306 0,33% De 001 a 030 5.196 5,53% 46.884 49,93% De 031 a 060 542 0,58% 26.661 28,39% De 061 a 090 250 0,27% 8.020 8,54% De 091 a 120 236 0,25% 3.816 4,06% De 121 a 150 80 0,09% 677 0,72% De 151 a 180 1 0,00% 955 1,02% Acima de 180 dias 713 0,76% 310 0,33% (-) PCLD (747) -0,80% 0 0,00% Sub-Totais 6.271 6,68% 87.629 93,32% Totais em 31/dez./11 93.900 100,00% A movimentação da provisão para créditos de liquidação duvidosa para o exercício findo em 31 de dezembro de 2011 está assim representada: 31 de 31 de dezembro dezembro de 2010 Adições Reversões de 2011 531 216 747 (a) Provisão constituída conforme a nota explicativa nº 2.4. (b) Compostas por títulos vencidos há mais de 180 dias, baixados em virtude do não recebimento e pela reversão decorrente do recebimento de títulos anteriormente provisionados. A despesa com a constituição da provisão para créditos de liquidação duvidosa foi registrada na rubrica "Reversão de Perdas de Títulos Incobráveis" na demonstração do resultado. Quando não existe expectativa de recuperação de numerário adicional, os valores creditados na rubrica "Provisão para créditos de liquidação duvidosa" são em geral revertidos contra a baixa definitiva do título. A exposição máxima ao risco de crédito na data das demonstrações contábeis é o valor contábil de cada faixa de idade de vencimento conforme demonstrado no quadro de saldos a receber por idade de vencimento. A Companhia não mantém nenhuma garantia para os títulos em atraso.A provisão de perdas estimadas em créditos de liquidação duvidosa foi constituída em montante considerado suficiente pela Administração da Companhia, para fazer face às eventuais perdas na realização dos créditos a receber. NOTA 7. ESTOQUES 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Veículos Automotores 45.686 14.289 Peças e acessórios 9.041 7.671 Materiais de Uso e Consumo 282 403 55.009 22.363 A seguir estão demonstrados os saldos da conta de Veículos Automotores, mantidos em estoque, posição em 31/dez./11: 31 de dezembro de 2011 Caminhões Novos - "Linha F" 30.225 Caminhões Novos - "Linha VM" 6.276 Caminhões Usados 6.432 Ônibus Novos 2.753 45.686 Os estoques de Caminhões novos - linha "VM", referem-se substancialmente a veículos da categoria de semipesados, enquanto os Caminhões novos - linhas "F" referem-se veículos classificados como pesados. O aumento registrado no saldo de estoques em 2011 em relação a 2010, conta de Veículos Automotores, é justificado pelo maior volume de vendas ocorrido no exercício, bem como em decorrência da antecipação de aquisição dos veículos modelo 2012 para revenda, os quais possuem nova tecnologia SCR de pós-tratamento de emissões de gases.A Volvo foi a primeira montadora a apresentar sua nova linha de caminhões já adequada aos requisitos ambientais da legislação Euro 5/Proconve P7. A linha FH com motor 13 litros traz uma nova motorização, que torna os caminhões ainda mais potentes, proporcionando baixo consumo de combustível e grande produtividade. Para atender às novas exigências legais de emissões de gases, a Volvo escolheu a tecnologia SCR - Selective Catalytic Reduction (Redução Catalítica Seletiva, em português) um processo que transforma materiais particulados e óxido nitroso (NOx) em vapor de água e nitrogênio. NOTA 8. IMPOSTOS A RECUPERAR 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 ICMS a Recuperar (a) 4.436 4.226 IRPJ a Recuperar 137 0 CSLL a Recuperar 11 0 continua

Mães obesas têm mais probabilidade de ter filhos com autismo As crianças nascidas de mães obesas têm mais probabilidade de ser diagnosticadas com autismo ou outros problemas de desenvolvimento do que os filhos de mães magras, refere um estudo publicado na revista Pediatrics, citado pela Reuters. Os autores não estabelecem uma relação de causa e efeito entre os dois problemas de saúde mas dizem que a associação encontrada é preocupante em face do aumento das taxas de obesidade nos Estados Unidos. O estudo pretendeu estudar o impacto no desenvolvimento cognitivo das crianças de uma variedade de alterações metabólicas na mãe, incluindo a hipertensão arterial e a diabetes. A associação mais forte foi encontrada entre a obesidade e distúrbios do espectro do autismo. Os autores ressalvam que não fica provado que uma condição leve a outra, mas “se há alguma coisa que a pessoa pode fazer para ficar mais saudável, esta é mais uma razão para as grávidas terem em consideração”, disse Paula Krakowiak, a investigadora da Universidade da Califórnia Davis, que liderou o estudo. O estudo surge na sequência da divulgação de dados do Centro Nacional para o Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, que estimou que uma cada 88 crianças sofre de uma distúrbio do espectro do autismo – o número representa um aumento de cerca de 25% face a um relatório de 2006. Krakowiak e os colegas analisaram os casos de 1004 crianças, entre os dois e os cinco anos, nascidas na Califórnia. Destas, 517 sofriam de um distúrbio do espectro do autismo e 172 tinham atrasos de desenvolvimento. Das crianças a quem foi diagnosticado um distúrbio do espectro do autismo, 48 nasceram de mães com diabetes gestacional de tipo 2; 111 de mães obesas e 148 que tinham algum tipo de alteração metabólica, como a hipertensão. No caso das crianças com atrasos de desenvolvimento, 20 tinham mães com diabetes gestacional de tipo 2; 41 tinham mães obesas e 60 tinham sido geradas por grávidas com alterações metabólicas. No geral, a relação entre a mãe ter diabetes e o filho ter autismo não foi considerada significativa, mas os investigadores detectaram uma ligação entre a obesidade da mãe e outras alterações metabólicas e o facto de o filho sofrer de autismo. “Há definitivamente uma associação, o que reforça a ideia de que é preciso fazer descer as taxas de obesidade e aumentar os esforços para promover estilos de vida mais saudáveis”, notou Krakowiak. Os investigadores envolvidos no estudo sublinham que quase 60% das mulheres dos Estados Unidos em idade fértil têm excesso de peso e um terço são obesas. Os autores deixam claro que não é possível dizer que o aumento das taxas de obesidade no país é responsável pelo crescimento da prevalência do autismo, mas Krakowiak disse que o aumento paralelo chamou-lhe a atenção. Hannah Gardener, uma epidemiologista do Departamento de Neurologia na Universidade de Miami, disse à Reuters que é natural que as duas taxas sejam associadas. “Ainda há muito de desconhecido e estudos como estes ajudam-nos a tentar responder a perguntas que ainda não têm resposta”. Mas Gardener ressalvou que os investigadores ainda estão longe de perceber o que poderá explicar uma ligação entre a obesidade e o autismo


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Medo de não ter o celular à disposição cria uma nova fobia Sentir-se muito angustiado com a ideia de perder seu celular ou de ser incapaz de ficar sem ele por mais de um dia é a origem da chamada “nomofobia”, contração de “no mobile phobia”, doença que afeta principalmente os viciados em redes sociais que não suportam ficar desconectados. Em fevereiro, um estudo feito com cerca de 1 mil pessoas no Reino Unido - país onde a palavra “nomofobia” surgiu em 2008 - mostrou que 66% das pessoas se sentem “muito angustiadas” com a ideia de perder o celular. A proporção chega a 76% nos jovens de 18 a 24 anos, segundo uma pesquisa realizada pela empresa de soluções de segurança SecurEnvoy. Cerca de 40% das pessoas consultadas afirmaram possuir mais de um aparelho. “O fenômeno aumentou com a chegada dos smartphones e de planos ilimitados. Cada um pode ter acesso a uma infinidade de serviços: saber onde está, se existem restaurantes nas proximidades, comprar passagem para o fim de semana, planejar a noitada, etc”, resume à AFP Damien Douani, especialista em novas tecnologias da agência FaDa. “Há alguns anos, o SMS já era uma forma de nomofobia. Falávamos até da “geração de polegadas” para descrever quem enviava mensagens sem parar. Contudo, a internet móvel via smartphone, é o SMS 10 mil vezes mais poderoso”, explicou. “O reflexo do Google foi transferido para o mobile: se preciso de uma informação e encontro resposta para tudo, isso é a facilidade encarnada”, ressalta Damien Douani. Vício Aproximadamente 22% dos franceses admitem ser “impossível” ficar por mais de um dia sem celular, segundo uma pesquisa realizada em março pela empresa Mingle com 1.500 utilizadores. Esta porcentagem chega a 34% entre os jovens de 1519 anos. Entre as pessoas consultadas, 29% afirmaram que conseguem ficar sem o telefone por mais de 24 horas, “mas dificilmente”, contra 49% que acreditam conseguir “sem problema”. “Podemos compreender que as pessoas sejam viciadas em seus smartphones, pois elas têm toda a vida programada ali, e se, por acaso, perderem o aparelho ou ele quebrar vão ficar isoladas do mundo”, ressalta o escritor Phil Marso, organizador do Dia Mundial sem Celular, que acontece nos dias 6, 7 e 8 de fevereiro todos os anos. “É uma ferramenta que desumaniza. Um dia na rua, uma pessoa que procurava um caminho me mostrou seu smartphone com o mapa da área na tela ao invés de me perguntar onde era a rua que procurava”, conta. “Paralelamente a isso tudo, as redes sociais estão criando laços com as comunidades e há uma necessidade de constante atualização e consulta em todos os momentos. Se houvesse um pequeno contador em cada telefone contabilizando o número de vezes que cada pessoa acessa as redes, ficaríamos surpresos”, acrescenta Damien Douani. Este especialista fala de uma “real extensão do campo de vício”: “Existe nessa síndrome “eu estou o tempo todo conectado”, “eu verifico meu telefone sempre que posso”. “Estamos em uma sociedade robótica em que devemos fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Uma parte da população acha que, se não estiver conectada, perde alguma coisa. E se perdemos alguma coisa, ou se não podemos responder imediatamente, desenvolvemos formas de ansiedade ou nervosismo. As pessoas têm menos paciência”, segundo Phil Marso, autor em 2004 do primeiro livro escrito inteiramente em SMS. “O smarpthone destruiu uma forma de fantasia. Tudo está disponível em uma tela e não há mais espontaneidade ou surpresa, como encontrar um restaurante sem querer. Nós estamos matando o inesperado”, acredita.

...Continuação

NOTA 14. FORNECEDORES

PIS a Recuperar (b) ICMS s/ Mercadoria em Transito INSS a Compensar (c)

18 17 14 0 19 0 4.635 4.243 (a) O montante de R$ 4.436 (R$ 4.226 em 31 de dezembro de 2010) está composto predominantemente, representa aproximadamente 99%, de transações de compra dos créditos de ICMS, envolvendo vendas de ativos da Companhia ou aquisições de créditos tributários com deságio. As respectivas operações estão suportadas por instrumentos contratuais e homologações junto a Secretária da Fazenda do Estado do Paraná através do Sistema de Controle da Transferência e Utilização de Créditos Acumulados - SISCRED. (b) Refere-se a saldo remanescente de Pedido de Habilitação de Crédito Reconhecido por Decisão Judicial Transitada em julgado, disciplinado pela Instrução Normativa SFR nº 517, de 27/fev./05, a título crédito reconhecido através do processo judicial nº 2000.70.00.079205-5. (c) Refere-se a pagamento indevido ocorrido no mês de compe-tência de setembro de 2011. Será realizado no decorrer de 2012 o pedido de compensação dos valores. NOTA 9. ADIANTAMENTOS CONCEDIDOS 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Adiantamentos p/ Volvo do Brasil Ltda. 12.959 2.777 Adiantamentos a fornecedores diversos 1.379 281 Adiantamentos a empregados 169 134 14.507 3.192 O montante de R$ 12.959 mil e R$ 1.379 mil (R$ 2.777 mil e R$ 281 mil em 31 de dezembro de 2010), refere-se aos adiantamentos concedidos ao fornecedor de bens Volvo do Brasil Ltda. e demais fornecedores, por conta do fornecimento peças e acessórios, utilizados nos serviços de conserto, reparos e recauchutagem de pneus a frio, bem como aquisição de serviços de terceiros. Tais valores serão realizados durante o exercício de 2012, quando da entrega dos produtos e serviços.Os adiantamentos a empregados, representa R$ 169 mil (R$ 134 mil, em 31 de dezembro de 2010), refere-se a predominantemente a adiantamentos de férias, os quais serão realizados no mês subsequente. NOTA 10. PARTES RELACIONADAS No curso habitual das atividades e em condições de mercado, são mantidos pela Companhia operações com partes relacionadas, tais como contas a receber de negociações comerciais e contratos de mútuo entre as partes. O demonstrativo abaixo apresenta, discriminado por modalidade tais operações com estas partes relacionadas: 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 ATIVO CIRCULANTE Títulos a Receber Iguaçu Celulose, Papel S.A. 9.842 5.098 Total Ativo Circulante 9.842 5.098 NÃO CIRCULANTE Contratos de Mútuo Iguaçu Celulose, Papel S.A. 1.264 5 Transimaribo Ltda. 5.313 4.497 Títulos a Receber Iguaçu Celulose, Papel S.A. 17.312 0 Total Ativo Não Circulante 23.889 4.502 Títulos a receber - Ativo Circulante Tais montantes referem-se à operação comercial de cessão de direitos creditórios junto à parte relacionada Iguaçu Celulose, Papel S.A., em condições usuais de mercado. Títulos a receber - Ativo Não Circulante Contrato celebrado com a Iguaçu Celulose, Papel S.A, o qual teve por objeto a compra integral, do Projeto Florestal "P34", relativo ao reflorestamento de Pinus Elliottii e Pinus Taeda, no total de 787,64 hectares, cujo pagamento ficou estipulado em um prazo máximo de 60 (sessenta) meses. Contratos de mútuo As operações de mútuos concedidos junto às empresas do grupo, relativos a aportes de capital de giro para manutenção das atividades normais das referidas companhias estão suportadas por contratos de mútuo, firmados por tempo indeterminado, ficando pré-estabelecido que as devoluções dos recursos transferidos, a título de mútuo, deverão ocorrer quando se fizer necessário ou conveniente, levando em consideração a situação financeira e a necessidade de cada Companhia. Para os contratos de mútuos entre partes relacionadas estão previstas as seguintes remunerações, atendendo os critérios dispostos nos respectivos contratos: Remuneração Iguaçu Celulose, Papel S/A TJLP (*) Transimaribo Ltda. 1% a.m (*) Taxa de Juros de longo Prazo NOTA 11. ATIVOS BIOLÓGICOS 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Reflorestamento de pinus taeda e pinus ellioti 0 17.312 0 17.312 Em 30 de setembro de 2009 a Companhia adquiriu o Projeto de Reflorestamento de Pinus, localizado nos municípios de Jaguariaiva e Pirai do Sul, no Estado do Paraná. O ativo biológico foi avaliado a valor justo por peritos técnicos, no montante de R$ 12.939, na mesma data. Em 31 de dezembro de 2010, atendendo os critérios de mensuração pelo valor justo, mencionados no CPC 29, a Companhia procedeu novamente avaliação desses ativos biológicos, utilizando-se de trabalhos de peritos técnicos, os quais levaram em consideração o tipo de manejo e a expectativa de produção, bem como o valor presente dos rendimentos futuros, a fim de definir o valor justo de realização desses ativos. Determinação do estoque de madeira por hectare Para a avaliação dos reflorestamentos de Pinus, levou-se em consideração o manejo adotado pela Companhia e a lotação de árvores por hectare. O tipo de manejo foi submetido ao sistema SISPINUS elaborado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- EMBRAPA e os índices de sítio foram determinados pelos resultados do inventário florestal elaborado para a avaliação pertinente. Custos e valores utilizados na avaliação Para a determinação do valor atual dos reflorestamentos de Pinus foram utilizados os seguintes critérios: Especificações Parâmetros Valor da terra R$ 4 mil/Hectare Taxa de atratividade mínima 7% a.a. Custo da administração R$ 400/Hectare Ciclo do reflorestamento 20 anos Valor justo dos reflorestamentos Os reflorestamentos de Pinus, implantados na área de 787,64 hectares, com idades entre 7 e 14 anos, foram avaliados em R$ 17.312, conforme o demonstrado abaixo: Projeto

Ano plantio

PRPE003497R1 PRPE003498R1 PRPE003498R1 PRPE003499R1 PRPE003400R1 PRPT003497R1 PRPT003498R1 PRPT003499R1 PRPT003400R1 PRPT003401R1 PRPT003402R1 PRPT003403R1 PRPT003404R2

21

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

1.997 1.998 1.998 1.999 2.000 1.997 1.998 1.999 2.000 2.001 2.002 2.003 2.004

Idade Área (ha) 13 12 12 11 10 13 12 11 10 9 8 7 6

164 33 9 44 73 103 50 98 176 9 17 8 4

Espécie P. P. P. P. P.

elliottii elliottii elliottii elliottii elliottii P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda

Área (ha)Valor Atual/ha Espécie 164 33 9 44 73 103 50 98 176 9 17 8 4

20 21 18 21 19 23 27 26 22 20 26 20 8

P. P. P. P. P.

Valor Total

elliottii elliottii elliottii elliottii elliottii P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda P. taeda

3.243 703 158 931 1.357 2.389 1.326 2.549 3.859 188 429 149 30 17.312 Em junho de 2011, ocorreu a celebração de Instrumento Particular de Compra e Venda do Projeto de Reflorestamento de Pinus Elliottii e Pinus Taeda, sendo a Nórdica Veículos S.A., denominada vendedora e a Companhia Iguaçu Celulose Papel S.A. , denominada compradora. O presente contrato tem por objeto a compra integral, do Projeto Florestal "P34", relativo ao reflorestamento de Pinus Elliottii e Pinus Taeda, no total de 787,64 hectares. O valor a ser pago pela compradora é de R$ 17.312, Mil, o que inclui os tributos e encargos, nada mais sendo devido pela mesma à vendedora, a qualquer título, cujo pagamento ficou estipulado em um prazo máximo de 60 (sessenta) meses, a contar da data de assinatura do contrato. Nesse sentido, o valor anteriormente classificado como Ativo Biológico, foi reconhecido em contrapartida da conta de Partes Relacionadas, conforme mencionado anteriormente na nota explicativa 10. NOTA 12. IMOBILIZADO A composição dos saldos estão assim demonstrados: 31 de 31 de Taxa média dezembro dezembro ponderada de 2011 de 2010 anual de Custo Depreciação Valor Custo Depreciação Valor IMOBILIZADO depreciação (%) Corrigido acumulada Residual Corrigido acumulada Residual Terrenos 31.203 - 31.203 29.753 - 29.753 Edificações, instalações e benfeitorias 4% e 10% 20.248 (4.297) 15.951 19.062 (3.591) 15.471 Máquinas e Equipamentos 10% 4.031 (2.223) 1.808 3.750 (1.857) 1.893 Móveis, utensílios e ferramentas 10% e 20% 1.525 (697) 828 1.199 (544) 655 Veículos 20% 7.422 (1.170) 6.252 7.395 (1.026) 6.369 64.429 (8.387) 56.042 61.159 (7.018) 54.141

A seguir está demonstrada a movimentação ocorrida no imobilizado da Companhia no período de 01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2011, a saber: 31 de 31 de dezembro dezembro MOVIMENTAÇÃO IMOBILIZADO de 2010 Aquisição Baixas Depreciação de 2011 Terrenos 29.753 1.450 31.203 Edificações, instalações e benfeitorias 15.471 1.113 (633) 15.951 Máquinas e Equipamentos 1.893 281 (366) 1.808 Móveis, utensílios e ferramentas 655 326 (153) 828 Veículos 6.369 96 (70) (143) 6.252 54.141 3.266 (70) (1.295) 56.042 Estudo sobre a vida útil econômica dos bens patrimoniais Para o desenvolvimento do estudo técnico o ativo imobilizado foi segmentado em grupos de bens de acordo com a sua natureza e representatividade. Foram considerados também, neste estudo, os aspectos de atribuição de valor residual aos ativos conforme o CPC 27 e a ICPC 10, bem como a análise das particularidades do setor comercial e a pouca probabilidade de venda de bens patrimoniais operacionais. A seguir apresentamos, por natureza dos bens, a vida útil e as taxas de depreciação: Vida útil Taxa de depreciação Anterior Atual Anterior Atual Edificações, instalações e benfeitorias 10 e 25 anos 30 e 35 anos 4,00% e 10,00% 2,86% e 3,33% Máquinas e equipamentos 5 e 10 anos 5 e 40 anos 10,00% e 20,00% 2,50% e 20,00% Móveis, utensílios e ferramentas 5 e 10 anos 10 anos 10,00% e 20,00% 10,00% Veículos 5 anos 3 e 30 anos 20,00% 3,33% e 33,33% Perdas pela não recuperabilidade de imobilizado (Impairment) A Companhia não identificou indicadores que pudessem reduzir o valor recuperável de seus ativos em 31 de dezembro de 2011, com base nas suas análises. NOTA 13. INTANGÍVEL (-) Reversão Prov. 31 de manut. Integral 31 de dezembro Contábil do dezembro MOVIMENTAÇÃO INTANGÍVEL de 2010 Amortização Patrimônio de 2011 Ágio Investimento Rio Bonito 3.225 (3.225) 0 (-) Amortização (2.129) 2.129 0 1.096 2.129 (3.225) 0 O ágio registrado pela Companhia é oriundo da incorporação da empresa Rio Bonito Transportes e Logística Ltda., ocorrida em 30 de novembro de 2006, o qual a Administração da Nórdica Veículos optou por manter até a sua plena realização e entende este ágio como tendo vida útil determinada de 60 meses, o qual no decorrer do ano-calendário de 2011 foi totalmente amortizado. O valor contábil do ativo intangível não superava seu valor de recuperação e foi submetido ao teste de recuperação (impairment).

31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Volvo do Brasil Veículos Ltda. 63.657 22.803 Outros Fornecedores 3.612 1.389 67.269 24.192 O montante de R$ 63.657 (R$ 22.803, em 31 de dezembro de 2010), referem-se às aquisições de estoques de veículos (caminhões) no montante de R$ 45.463, (Ônibus) no montante de R$ 4.151, (Peças) no montante de R$ 14.043, necessários a atender as demandas de clientes para os próximos períodos. A seguir estão demonstrados os saldos de fornecedores por idade de vencimento, posição em 31/dez./11: Títulos Título Período Vencidos % A Vencer % A Vencer 4 0,01% De 001 a 030 54.074 80,38% 6.371 9,47% De 031 a 060 5.861 8,71% 357 0,53% De 061 a 090 1 0,00% 33 0,05% De 091 a 120 3 0,00% 0 0,00% De 121 a 150 233 0,35% 8 0,01% De 151 a 180 1 0,00% 0 0,00% Acima de 180 dias 323 0,48% 0 0,00% Sub-Totais 60.496 89,93% 6.773 10,07% Totais em 31/dez./11 67.269 100,00% O aumento registrado no saldo de fornecedores em 2011 em relação a 2010, conta Volvo do Brasil Veículos Ltda., é justificado em decorrência da antecipação na aquisição dos veículos modelo 2012 para revenda, os quais possuem nova tecnologia SCR de pós-tratamento de emissões de gases, conforme mencionado anteriormente na nota explicativa nº 7. NOTA 15. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 31 de dezembro de 2011 Circulante Não Circulante Referência Banco Safra - 327052627 24 66 A Banco Safra - 327052635 87 240 B Libro Companhia Securitizadora 120 130 C 231 436 As referências alfabéticas ao lado dos valores indicam comentários mencionados a seguir: Referência Moeda Vencimento Encargos Garantias A Real 15/set./15 Juros de 5,5% a.a. + TJLP (a) Alienação Fiduciária B Real 15/set./15 Juros de 5,5% a.a. + TJLP (a) Alienação Fiduciária C Real 20/jan./14 Juros de 2,0% a.a. + TJLP (a) Alienação Fiduciária (a) TJLP - taxa de Juros de Longo Prazo NOTA 16. OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PROVISÕES 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Obrigações com pessoal 12 14 Obrigações sociais 709 714 Provisões de férias e encargos 1.797 1.579 2.518 2.307 NOTA 17. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

COFINS a recolher PIS a recolher IRPJ a recolher CSLL a recolher IRRF a recolher ICMS a recolher ISS a recolher Parcelmantos Federais IRPJ e CSLL Diferidos Outros impostos e taxas a recolher

Não Circulante 143 31 3.546 1.507 543 11 84 1.759 0 5 7.629

31 de dezembro de 2011 Circulante 0 0 0 0 0 0 0 17.033 13.398 0 30.431

Não Circulante 10.094 2.795 6.696 2.525 971 1.469 84 1.811 0 1.238 27.683

31 de dezembro de 2010 Circulante 0 0 0 0 0 0 0 7.795 14.914 0 22.709

Em 31 de dezembro de 2011, os saldos relativos ao COFINS e PIS a recolher nos montantes de R$ 143 e R$ 31 referemse a valores correntes do mês, conforme premissas estabelecidas na legislação fiscal brasileira. Em 31 de dezembro de 2010, os saldos relativos ao COFINS e PIS a recolher nos montantes de R$ 10.094 e R$ 2.795 respectivamente, referem-se aos impostos compensados com créditos tributários de PIS base semestralidade, antes do trânsito em julgado das ações que pleiteavam a homologação dos referidos créditos. Em 31 de dezembro de 2011, os saldos relativos ao IRPJ e CSLL a recolher nos montantes de R$ 3.546 e R$ 1.507 referem-se a valores correntes do mês, conforme premissas estabelecidas na legislação fiscal brasileira. Em 31 de dezembro de 2010, os montantes de R$ 6.696 e R$ 2.525 respectivamente, referemse à apuração corrente do exercício de 2010 e exercícios anteriores, os quais aguardavam a inclusão e/ou homologação de parcelamentos. Com o advento da Lei nº 11.941/09, que instituiu novo parcelamento federal intitulado REFIS IV e tendo em vista as condições favoráveis deste, a Companhia optou por re-parcelar os seus débitos federais, que se encontravam já parcelados em programas anteriores. A adesão deu-se através de programa disponibilizado, no sítio da Receita Federal do Brasil cujo parcelamento foi estabelecido em 180 meses com redução de 60% da multa, 25% dos juros, e 100% dos encargos legais, nos termos do que lhe garante o artigo 1º, da Lei nº 11.941/09, e artigos 15 e 17, da Portaria Conjunta da PGFN/RFB nº 06/09. Em junho de 2011, ocorreu a homologação pela Secretaria da Receita Federal do Brasil da consolidação dos débitos parcelados no REFIS IV, de dívidas não parcelas anteriormente (Art. 1º-Demais débitos no âmbito da PGFN), saldos remanescentes do PAES (Art. 3º-Débitos Previdenciários no âmbito da PGFN), saldos remanescentes do PAES (Art. 3º-Demais Débitos no âmbito da PGFN), saldos remanescentes do PAES (Débitos Previdenciários no âmbito da RFB) e Dívidas não parceladas anteriormente (Art. 1º-Demais Débitos no âmbito da RFB), conforme demonstrado: Valor do Valores inclusos no REFIS IV Débito Reduções Antecipações Consolidação Dívidas não parceladas anteriormente Art.1º Demais débitos no âmbito da PGFN 656 (208) (2) 446 Saldos Remanescentes do PAES - Art.3º Débitos Previdenciários no âmbito da PGFN 400 (85) (147) 168 Saldos Remanescentes do PAES - Art.3º Demais Débitos no âmbito da PGFN 18.346 (6.567) (2) 11.777 Saldos Remanescentes do PAES - Art.3º Débitos Previdenciários no âmbito da RFB 993 (207) (351) 435 Dívidas não parceladas anteriormente Art.1º Demais débitos no âmbito da RFB 7.914 (920) (2) 6.992 Saldo total incluso do REFIS Posição junho de 2011 28.309 (7.987) (504) 19.818 Valores pagos no período de julho a dezembro de 2011 (1.026) Parcelamentos Federais - Saldo em 31 de dezemrbro de 2011 18.792 O montante de R$ 13.398 (R$ 14.914 em 31 de dezembro de 2010) compreende o saldo remanescente do imposto de renda e contribuição social diferidos constituídos sobre o custo atribuído (deemed cost) do ativo imobilizado na adoção inicial dos CPC´s em 1º de janeiro de 2009. Os impostos diferidos foram constituídos as mesmas taxas dos impostos correntes e são realizados na medida em que os bens são depreciados ou baixados em contrapartida do resultado, estes são transferidos para lucros ou prejuízos acumulados. As informações inerentes aos critérios de constituição dos impostos diferidos estão descritos na nota explicativa nº 12. NOTA 18. PASSIVOS LITIGIOSOS A Companhia tem passivos contingentes relacionados com ações judiciais decorrentes do curso normal dos negócios. A Companhia é parte envolvida em processos trabalhistas, cíveis e tributários, em andamento, e está discutindo essas questões tanto na esfera administrativa como na judicial, as quais, quando aplicáveis, são amparadas por depósitos judiciais. As provisões para as eventuais perdas decorrentes desses processos são estimadas e atualizadas pela administração, amparada pelo apoio de seus consultores legais externos. A natureza das obrigações pode ser sumariada como segue: 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Contingências trabalhistas 247 183 Contingências cíveis, fiscais e tributárias 242 79 Outros Depósitos Judiciais 380 0 869 262 Contingências trabalhistas e previdenciárias consistem, principalmente, em reclamações de empregados vinculadas a disputas sobre o montante de compensação pago sobre demissões, conforme demonstrado: Contingências Trabalhistas Refere-se às demandas trabalhistas que, em 31 de dezembro de 2010, incluíam 16 ações (14 ações em 31 de dezembro de 2010) trabalhistas contra a Companhia, movidas por colaboradores ou ex-colaboradores, a saber: Contigências Trabalhistas Valor RT 01403/2003 cascavel 2 RT 19944/2003-013-09-00-0 13º VT ctba 14 RT 00676/2001-652-09-00-0 18ª VT ctba 4 RT 01124-2003-069-09-00-0 2ª VT cascavel 10 RT 01716-2002-069-09-00-0 2º VT cascavel 9 RT 0000741 08º VT Curitiba 30 RT 00001448 10º VT Curitiba 30 RT 0001261 22º VT Curitiba 30 R00001584 22º VT Curitiba 20 RO 0001528 11º VT Curitiba 25 RT 32122/2008 10º VT Curitiba 4 RT 01074-2009-094 VT Francisco Beltrão 15 RT 0001441 5º VT Curitiba 2 RT 0000809-31/2010 3ºVT Foz do Iguaçu 2 RT 0000074 1ºVT Cascavel 25 RT 02593/2011 1º Cascavel 25 247 A Administração da Companhia, assessorada por seus consultores jurídicos, bem como seguindo o entendimento do conservadorismo, realiza provisões das ações trabalhistas com probabilidade de perda. Contingências Cíveis, Fiscais e Tributárias. Referem-se demandas judiciais relativas às cobranças de créditos comerciais, indenizações e notificações fiscais e tributárias ocorridas no curso normal das atividades da Companhia, a saber: Contigências Cíveis Valor PROC 1163/2006 6 PROC 24/2007 3 FAZ. PUBLICA DO ESTADO DO PR - PROC 34.026/96 48 AUTOS 982/2007 10 AUTOS 537/2007 1 AUTOS 023.2009.032.460-1 9 INSS - AUTOS 31.484.747-2 1 FAZ. PUBLICA DO ESTADO DO PR - PROC 126.572/1998 10 AUTOS 262/2000 39 AUTOS 70.012/2000 115 242 As provisões constituídas em 31 de dezembro de 2011 são consideradas suficientes para cobrir possíveis desembolsos e consideram as probabilidades de perda provável. As ações cíveis de perdas possíveis estão estimadas no montante de R$ 1.171(R$ 1.359 em 31 dezembro de 2010), referente aos mesmos assuntos já mencionadas, no entanto considerados pelos assessores da Companhia como perda possível. No exercício corrente a Companhia realizou a reversão de provisão para contingências fiscais, bem como pagamentos em virtude de prescrição, decisão judicial, ou mudança de opinião quanto ao risco de perda pelos assessores jurídicos da Companhia. NOTA 19. PATRIMÔNIO LÍQUIDO a) CAPITAL SOCIAL O capital social em 31 de dezembro de 2011 é composto de 4.458.492 (quatro milhões e quatrocentos e cinquenta e oito mil e quatrocentos e noventa e dois) (4.458.492, em 2010) ações ordinárias nominativas, sem valor nominal, compreendendo o montante de R$ 83.291 mil (R$ 10.288 mil, em 2010), totalmente subscrito e integralizado por sócios nacionais: Quantidade de Ações Participação (%) Agro Florestal Ibicuí 4.458.589 99,99993% Betina Pisani 1 0,00002% continua Espólio de José Carlo Pisani 1 0,00002%


22

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

...Continuação Paulo Roberto Pizani

1 4.458.592

0,00002% 100,00%

Aumento de Capital Social Conforme a Ata da 28ª Assembleia Geral Ordinária e 32ª Assembleia Geral Extraordinária, datada de 25 de maio de 2011, e publicada no Diário Oficial do Paraná em 06 de julho de 2011, os acionistas representando 100% do capital social deliberaram e aprovaram o aumento de capital social da Companhia de R$ 10.288 mil para 83.291 mil, sem a emissão de novas ações, mediante a incorporação R$ 73.003 mil da Reserva de Retenção de Lucros. b) RESERVAS Reservas de Capital Está composta, substancialmente pela Reserva Especial de Ágio no montante de R$ 5.981 mil em 2011 (R$ 5.981 mil, em 2010), oriunda da incorporação da Empresa Rio Bonito Transporte e Logística Integrada Ltda., bem como o montante de R$ 267 mil em 2011 (R$ 267 mil, em 2010) relativo às reservas de Incentivos Fiscais. Reservas de Lucros A reserva legal foi constituída sobre lucros auferidos nos exercícios até o limite de 20% do capital social, conforme requerido pela legislação societária Art. 193 da Lei nº 6.404/76. A reserva estatutária está composta de acordo com as destinações mencionadas no Estatuto Social da Companhia, dentro dos limites permitidos pela Lei nº. 6.404/76. c) DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS E JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Dividendos Aos acionistas é assegurado, anualmente, a distribuição de dividendos mínimos obrigatórios, à razão de 25% do lucro líquido ajustado por aumentos ou reduções de reservas conforme estabelecido no artigo 202 da Lei das Sociedades por Ações. Juros sobre Capital Próprio Os juros sobre capital próprio foram calculados de acordo com a legislação vigente e compreendem o montante de R$ 5.900 mil (R$ 4.381 mil, em 2010), sendo deduzido o Imposto de Renda Retido na Fonte sobre a operação de R$ 885 mil, permanecendo saldo a pagar de R$ 5.015 mil. NOTA 20. RECEITA OPERACIONAL 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Receita Operacional Bruta Vendas de Mercadorias 772.702 559.524 Serviços Prestados 17.883 15.593 Comissões e Corretagens 9.934 6.184 (-) Deduções Descontos Concedidos (5.556) (6.800) Devolução de Vendas (7.737) (3.331) PIS (588) (593) COFINS (2.735) (2.803) ICMS (78.912) (55.029) ISS (919) (785) 704.072 511.960 NOTA 21. CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS E SERVIÇOS PRESTADOS 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Mercadorias Vendidas 609.776 433.539 Gastos com Veículos 3.007 4.029 Gastos com Estocagens 148 754 Custos com Pessoal 6.129 4.817 Serviços de Terceiros 1.116 985 Outros Custos 594 91 620.770 444.215 NOTA 22. DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Pessoal 20.598 18.069 Gastos com Vendas 3.331 2.205 Manutenção 956 1.196 Depreciação e Amortização 1.368 1.176 Despesas Gerais 7.892 7.738 34.145 30.384 Remuneração da Diretoria A diretoria da Companhia é composta por pessoas que possuem autoridade e responsabilidade para planejar, dirigir e controlar as atividades da Sociedade. Os membros da diretoria foram eleitos pela 27º Assembleia Geral Ordinária, realizada em 23 de julho de 2010 para o triênio 2010/2013 e a remuneração anual e global fixada da diretoria compreende o montante de R$ 1.818 mil (R$ 1.835 mil, em 2010), integralmente paga em folha de pagamento. Os pagamentos aos membros da diretoria apresentavam a seguinte composição para o exercício corrente: 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Remuneração 1.448 1.452 INSS e FGTS 370 360 Benefícios 0 23 1.818 1.835 A participação no capital social da Companhia por membros da diretoria compreende em 31 de dezembro de 2011 o percentual de 0,00002%, ou seja, 1 (uma) ação, sem valor nominal. (0,00002%, 1 (uma) ação, em 2010) NOTA 23. OUTRAS RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Outras Receitas Operacionais Reversão de Provisão 5.311 132 Reconhecimento do Valor Justo dos Ativos Bilógicos 0 4.374 Reversão de Provisão de Manut. da Integriadade Contábil do Patrimônio 2.128 2.322 Bonificação por atingimento de meta 9.822 5.848 Ganho com Deságio na Aquisição de ICMS 0 340 Reduções concedidas através do REFIS IV 7.987 0 Outras Receitas Diversas 570 2.280 (-) Outras Despesas Operacionais Amortização de Ágio (3.225) (3.518) Perda na Negociação de Precatórios 0 0 Contingências Processuais (285) 0 Outras Despesas Diversas (57) 0 22.251 11.778

NOTA 24. SEGUROS Os valores segurados são determinados e contratados com bases técnicas e são considerados suficientes para a cobertura de eventuais perdas decorrentes de sinistros com bens do ativo e de responsabilidade civil, cujos os montantes segurados apresentam-se da seguinte forma: (em reais) Vigência Descrição Cobertura Valor Início Término Patrimonial Prédio, raio e explosão 8.000.000 31/dez./10 31/dez./11 Danos Elétricos 100.000 31/dez./10 31/dez./11 Vendaval, Granizo, Impacto de Veículos 930.000 31/dez./10 31/dez./11 Equipamentos Eletrônicos 10.000 31/dez./10 31/dez./11 Responsabilidade civil operações 195.000 31/dez./10 31/dez./11 Respons. Revenda de camimhões 260.000 31/dez./10 31/dez./11 Revenda de Veículos - Ind. Trans. Ext 234.000 31/dez./10 31/dez./11 Equipamentos Danos materiais 178.981 28/out./11 28/out./12 Aeronáutico Casco 4.592.364 24/set./11 24/set./12 Responsabilidade Civil Aeronáutico 11.409.600 24/set./11 24/set./12 Veículos Casco Tabela FIPE 100% 30/dez./10 30/dez./11 Danos Materiais 15.000 a 150.000 30/dez./10 30/dez./11 Danos Corporais 60.000 a 600.000 30/dez./10 30/dez./11 Danos Morais 10.000 30/dez./10 30/dez./11 NOTA 25. DEMONSTRAÇÃO DO EBTIDA/LAJIDA - INFORMAÇÃO ADICIONAL 31 de 31 de dezembro dezembro de 2011 de 2010 Lucro Líquido do Exercício 52.848 34.829 (+) IRPJ e CSLL 20.146 14.192 (-) IRPJ e CSLL Diferidos (1.516) 0 (+) Resultado Financeiro Líquido (1.889) (1.717) (-) Depreciação e Amortização 1.368 1.175 (+) Amortização Ágio Rio Bonito 3.225 3.518 (-) Reversão Prov. Manu. Integral Contábil do Patrimônio (2.128) (2.322) (-) Valor Justo dos Ativos Biológicos 0 (4.374) (-) Reduções Concedidas através do Refis IV (7.986) 0 (-) Diferença na Consolidação do Refis IV (5.279) 0 (-) Reversão de Perdas Estimadas 0 (348) (+) Provisão para Contigências 285 344 (-) Reversão de Provisão para Contigências (31) (132) LAJIDA (EBITDA) * 59.043 45.165 LAJIDA - Lucro Antes do Juros, Impostos, Depreciação e Amortização EBITDA - Earning before interest, tax, depreciation and amortization

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DIRETORES e ACIONISTAS da NÓRDICA VEÍCULOS S.A. Curitiba - PR Examinamos as demonstrações contábeis da NÓRDICA VEÍCULOS S.A., que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. RESPONSABILIDADE DOS AUDITORES INDEPENDENTES Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. A evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. OPINIÃO SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da NÓRDICA VEÍCULOS S.A., em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. OUTROS ASSUNTOS Auditoria dos Valores Correspondentes ao Exercício Anterior Os valores correspondentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, apresentados para fins de comparação, foram anteriormente auditados por outros auditores independentes que emitiram relatório datado em 30 de março de 2011, que não conteve qualquer modificação. Demonstrações do Valor Adicionado (DVA) Examinamos, também, a demonstração do valor adicionado (DVA), referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, como informação suplementar pela IFRS que não requer a apresentação da DVA. Essa demonstração foi submetida aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e, em nossa opinião, está adequadamente apresentada, em todos os seus aspectos relevantes, em relação às demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Curitiba, 29 de fevereiro de 2012. MÜLLER & PREI AUDITORES INDEPENDENTES S/S CRC-PR Nº 6.472/O-1 CLOVIS EDECIO MÜLLER CONTADOR CRC-RS Nº 25.016/O-0 T/PR

DIRETORIA PAULO ROBERTO PIZANI Diretor Presidente JOSÉ FELIPE M.R.M. CAVALCANTI Diretor Adm. Financeiro RAIMAR STERNADT Diretor de Controle MAURO LUÍS GROSSMANN Contador CRC - PR Nº 43.774/O-6

Percentual de fumantes no país fica pela primeira vez abaixo dos 15% A pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada ontem pelo Ministério da Saúde, indica que o percentual de fumantes no país passou de 16,2% em 2006 para 14,8% no ano passado. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, elogiou os resultados e lembrou que é a primeira vez em que o índice fica abaixo dos 15%. “É uma queda importante e mostra a correção de algumas medidas do governo, do Congresso Nacional, [no sentido] de reforçar a luta contra o tabagismo”, disse, ao destacar ações como a proibição de fumódromos e a criação de espaços livres do tabaco. Dados mostram que a frequência de fumantes continua maior entre os homens: 18,1% contra 12% entre as mulheres. Ainda assim, a população masculina lidera a redução do tabagismo no país, já que 25% deles declararam ter deixado de fumar, contra 19% entre as pessoas do sexo feminino. A tendência de queda no consumo entre os homens foi constatada em todas as faixas etárias e independentemente do grau de escolaridade. A quantidade de pessoas que abandonam o hábito de fumar, de acordo com o ministério, aumenta com o avançar da idade. A frequência de ex-fumantes chega a ser quase cinco vezes maior entre homens com mais de 65 anos. Entre as mulheres, a maior queda foi verificada na faixa etária dos 55 aos 64 anos (30%). Outro aspecto positivo apontado pelo estudo é a queda do índice de homens que fumam mais de 20 cigarros por dia – o chamado fumante pesado. A proporção passou de 6,3% em 2006 para 5,4% em 2011. Em relação ao fumo passivo, a pesquisa Vigitel indica que 11,8% dos brasileiros não fumantes moram com pelo menos uma pessoa que fuma dentro de casa. Além disso, 12,2% das pessoas que não fumam convivem com algum colega fumante no local de trabalho. Adultos entre 18 e 24 anos são os que mais sofrem com o fumo passivo em casa (17,7%). No trabalho, a frequência de homens atingidos pelo fumo passivo é 17,8%, mais do que o dobro da registrada entre as mulheres, 7,4%. Dados mostram ainda que, quanto maior o acesso à informação, menor a chance de a pessoa começar a fumar. O percentual de fumantes entre pessoas com até oito anos de estudo ficou em 18,8%, contra 10,3% entre pessoas com 12 anos ou mais de estudo.

Paraná perde representatividade nas pistas brasileiras Marcello Cesquim surge como uma das novas forças do estado. Piloto estará em ação neste fim de semana, em Curitiba, na segunda etapa da Copa Montana

As quarta-feiras em todas as bancas

Grande celeiro de pilotos, o Paraná diminuiu sua participação nas principais categorias do automobilismo brasileiro nos últimos anos. Com a saída de Enrique Bernoldi e dos irmãos Tarso e Thiago Marques da Stock Car e, mais recentemente, de Diogo Pachenki da Copa Montana, o estado perdeu representatividade nas pistas nacionais. Mesmo assim, ainda conta com nomes de peso, como Ricardo Zonta, Júlio Campos e os gêmeos Rodrigo e Ricardo Sperafico, que disputam a Copa Caixa Stock Car. Porém, novos pilotos estão surgindo para aumentar a força do estado nas principais categorias brasileiras. Uma dessas promessas é Marcello Cesquim, de 21 anos, que começou no automobilismo em 2006. Na estreia nas pistas de terra, foi campeão paranaense de Hot Dodge, aos 16 anos. Em 2007, ficou com o título paranaense e o vice-campeonato brasileiro de Stock Car na Terra. Em 2008, começou sua adaptação às pistas de asfalto, treinando com carros de tração traseira. Disputou a etapa de

Piloto de São José dos Pinhais (PR) tem 21 anos

Curitiba da Pick-up Racing, em 2009, conquistando o sexto lugar. No ano seguinte, estreou na Copa Montana, categoria que disputa atualmente. Neste fim de semana (14 e 15 de abril), ele participará da segunda etapa da Copa Montana, em Curitiba. Após um fim de semana de muitas quebras em Interlagos (SP), o paranaense, que estampa no carro as

cores da International Caminhões, espera voltar a brigar pelas primeiras posições. Para atingir esse objetivo, Cesquim intensificou a preparação nas últimas semanas. “Fiz vários treinos de kart e fui para a pista com um carro de tração traseira. Estou afiado e espero contar com o apoio da torcida local”, destaca. A intenção do piloto nascido em São José dos

Pinhais é fazer um campeonato consistente este ano para chegar à Copa Caixa Stock Car até 2014. Os pilotos da Copa Montana entram na pista de Curitiba no sábado (14), para dois treinos livres e a tomada de tempos. A corrida acontece no domingo, a partir das 13h15, com transmissão ao vivo da Rede TV!.


| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

23

ESTEIO-ENGENHARIA E AEROLEVANTAMENTOS S.A. C.N.P.J. N.º 76.650.191/0001-07 Rua Dr. Reynaldo Machado n.º 1.151 - Prado Velho DEMONSTRATIVO DO FLUXO DE CAIXA - DFC INDIRETO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas: Cumprindo as disposições legais e estatutárias, esta Diretoria tem o grato prazer de submeter à apreciação de V.S.ªs., as contas relativas ao Balanço Patrimonial levantado em 31 de dezembro de 2011, as Demonstrações do Resultado do Exercício, das mutações do Patrimônio Líquido e das Origens e Aplicações de Recursos, juntamente com o Parecer dos Auditores Independentes. Permanecemos a disposição para quaisquer esclarecimentos que entendam necessários. Aos senhores, aos nossos clientes, fornecedores, instituições financeiras, empregados, a todos quantos, enfim, colaboraram conosco, deixamos consignados os nossos agradecimentos. Curitiba, 31 de dezembro de 2011 A Diretoria

BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

31/12/2011

CIRCULANTE Disponibilidades Contas a Receber de Clientes Impostos e Contribuições a Compensar Créditos a Receber de Terceiros Adiantamento a Fornecedores Despesas do exercicio seguinte NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Empréstimos Compulsórios Depósitos Judiciais Empréstimos a pessoas ligadas Impostos a Recuperar INVESTIMENTOS Participações em outras Sociedades Incentivos Fiscais IMOBILIZADO Aeronaves (-) Depreciação Imóveis - Edificações Veículos Equipamentos Técnicos Móveis, Utensílios e Instalações Marcas e Patentes Direito de uso de Sistemas Direito sobre Telefones (-)Depreciação/amortização acumulada TOTAL DO ATIVO

37.909.445,75 11.282.520,88 20.007.680,12 1.106.718,27 4.802.767,38 534.984,02 174.775,08 27.839.743,10 2.028.061,74 489.587,70 551.304,71 987.169,33 3.826.286,71 3.821.127,88 5.158,83 21.985.394,65 215.105,26 (215.105,26) 2.146.357,07 5.098.368,42 31.175.708,03 764.442,40 1.220,54 3.071.127,81 41.644,28 (20.313.473,90) 65.749.188,85

31/12/2010 PASSIVO 35.479.189,54 11.257.082,12 17.469.635,40 698.081,30 5.584.903,52 298.908,94 170.578,26 19.645.299,49 1.812.898,78 455.319,51 502.989,18 818.560,56 36.029,53 1.152.400,40 1.147.241,57 5.158,83 16.680.000,31 215.105,26 (215.105,26) 1.826.357,07 4.945.770,13 24.965.937,48 692.175,85 1.220,54 2.294.738,75 41.644,28 (18.087.843,79)

31/12/2011

31/12/2010

8.237.402,46 532.578,60 4.991.452,44 413.528,85 834.130,89 1.314.536,03 115.345,81 35.829,84

8.067.350,87 742.734,52 5.425.807,78 203.749,38 666.470,58 1.012.822,65 2.723,14 13.042,82

NÃO CIRCULANTE Provisão para Contribuição Social Provisão para Imposto de Renda Obrigações com a controladora Financiamentos

15.779.032,07 643.022,04 2.009.339,48 50.391,23 13.076.279,32

9.576.145,03 668.673,08 1.559.145,77 993.000,00 6.355.326,18

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reserva Legal Reserva de Lucros

41.732.754,32 12.000.000,00 2.400.000,00 27.332.754,32

37.480.993,13 12.000.000,00 2.166.563,22 23.314.429,91

CIRCULANTE Fornecedores Obrigações Fiscais e tributárias Adiantamentos de Clientes Salários a Pagar Provisões e encargos sociais trabalhistas Financiamentos Seguros Parcelados

55.124.489,03 TOTAL DO PASSIVO

65.749.188,85

55.124.489,03

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 DESCRIÇÃO

CAPITAL REALIZADO

SALDO EM 31/12/2010

12.000.000,00

RESERVA DE CAPITAL

INCENTIVOS FISCAIS

-

-

RESERVA LEGAL 2.166.563,22

AJUSTE DE EXERCICIOS ANTERIORES

RESERVA LEGAL RESULTADO DO EXERCÍCIO DISTRIBUIÇÃO DE DIVIDENDOS SALDOS EM 31/12/2011

233.436,78

12.000.000,00

-

-

2.400.000,00

RESERVA LUCROS

TOTAL

23.314.429,91 (2.604.470,10) (233.436,78) 8.206.231,29 (1.350.000,00)

37.480.993,13 (2.604.470,10) 8.206.231,29 (1.350.000,00)

27.332.754,32

41.732.754,32

NOTAS EXPLICATIVAS DA DIRETORIA ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

1. Atividades operacionais Lucro líquido do período (+) Depreciações (-) Ajustes Exercicio Anterior Variações no circulante

8.206.231,29 2.559.806,39 (2.604.470,10) 8.161.567,58

(Aumento)/ Redução das contas do Ativo 31/12/2009 31/12/2010 31/12/2011 Clientes 8.398.984,12 17.469.635,40 20.007.680,12 Outras contas a receber 4.712.340,52 5.883.812,46 5.337.751,40 Imp. e contrib. a recuperar 1.127.004,23 698.081,30 1.106.718,27 Despesas antecipadas 632.193,72 170.578,26 174.775,08 Realizável a longo prazo 1.955.902,68 1.812.898,78 2.028.061,74 Total ativo circulante 16.826.425,27 26.035.006,20 28.654.986,61

Aumento/ (Redução) das contas do Passivo Fornecedores 403.572,34 742.734,52 532.578,60 210.155,92 Antecipação de clientes 477.072,12 203.749,38 413.528,85 (209.779,47) Impostos e contrib. a recolher 4.700.558,69 5.425.807,78 4.991.452,44 434.355,34 Salários e férias a pagar 559.677,78 666.470,58 834.130,89 (167.660,31) Outras contas a pagar 52.757,15 15.765,96 151.175,65 (135.409,69) Provisões Sociais e Trabalhistas 851.358,59 1.012.822,65 1.314.536,03 (301.713,38) Exigível a Longo Prazo 8.189.562,30 9.576.145,03 15.779.032,07 (6.202.887,04) Total passivo circulante 15.234.558,97 17.643.495,90 24.016.434,53 (6.372.938,63) Caixa líquido gerado / nas atividades operacionais: 2. Atividades de investimentos (-) Aquisições do ativo permanente (-) Aumento dos investimentos Caixa líquido (consumido) nas atividades de investimentos: 3. Atividades de financiamentos (-) Distribuição de lucros Dividendos distribuídos

A Esteio iniciou suas atividades em 30 de dezembro de 1968, atuando como empresa de consultoria, cujas atividades se concentravam na execução de projetos e supervisão de obras de engenharia civil. A crescente necessidade da utilização de levantamentos aerofotogramétricos levou a Esteio a equipar-se e a preparar uma equipe técnica para a realização de serviços de aerolevantamentos. Assim, a partir de 1976 passou a executar serviços de cobertura aerofotogramétrica e mapeamento convencional, sendo hoje, uma empresa de destaque nas áreas em que atua, possuindo em seu acervo, grande quantidade de serviços executados, com a aplicação de tecnologia de vanguarda e atuação em âmbito nacional. A) APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis. A Lei 11.638/07 e a Medida Provisória 449/08 convertida na Lei 11.941/09 modificam a Lei 6.404/76 em aspectos relativos à elaboração e divulgação das demonstrações financeiras, as quais foram observadas pela empresa dentro do conceito do porte estabelecido.

a. Substituição da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos pela Demonstração dos Fluxos de Caixa, elaborada conforme regulamentação do CPC 03 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. C) RESUMO DAS PRINCIPAIS DIRETRIZES CONTÁBEIS 1. As aplicações financeiras estão demonstradas ao custo, acrescido dos rendimentos "pró-rata temporis", até a data do encerramento do balanço. 2. As contas a receber de clientes, representam em sua grande parte direitos de créditos da empresa, junto a Órgãos Públicos Municipais, Estaduais, Federais e economia mista.

(7.865.200,73) (2.673.886,31) (10.539.087,04)

1.350.000,00 (1.350.000,00) 25.438,76 11.257.082,12 11.282.520,88 25.438,76

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2011 RECEITA OPERACIONAL BRUTA

31/12/2011

31/12/2010

55.983.444,37

55.321.280,89

RECEITAS DE VOO

822.088,90

1.125.064,28

OUTRAS RECEITAS

55.161.355,47

54.196.216,61

(-) Impostos sobre serviços

(5.182.242,78)

(4.968.776,52)

=RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA

50.801.201,59

50.352.504,37

(-) Custos dos Serviços Aereos

(1.603.283,77)

(1.403.545,29)

Tripulantes

(719.782,74)

(675.522,38)

Combustivel

(168.604,61)

(155.851,69)

Manutenção

(218.960,66)

(172.345,53)

Seguros de Aeronaves

(158.032,62)

(128.504,29)

Arrendamentos

(305.966,96)

(255.792,36)

(5.746,37)

(10.602,80)

Tarifas de Auxilio à Navegação

(26.189,81)

(4.926,24)

3. Os valores do Imposto de Renda na Fonte são oriundos das retenções na fonte de serviços prestados, de acordo com os Artigos 647 e 650 do Decreto nº 3.000 de 26/03/ 99 (RIR).

(-) Outros Custos dos Serviços Prestados

(37.610.604,45)

(34.958.316,01)

LUCRO OPERACIONAL LIQUIDO

4. As participações em outras sociedades estão registradas ao custo e não representam investimentos relevantes.

(-) Despesas Administrativas

11.587.313,37

13.990.643,07

(-) Honorários da Diretoria

(764.720,00)

(673.260,00)

(-) Despesas Tributárias

(261.128,91)

(182.196,00)

(5.150.838,07)

(2.722.475,15)

(+) Receitas Financeiras

6.274.244,60

4.324.450,84

(-) Despesas Financeiras

(1.004.362,26)

(749.961,72)

5. O valor do imobilizado foi registrado ao custo de aquisição ou construção, deduzido da depreciação/amortização acumulada.

(+) Variações Monetárias Ativas

710.573,70

314.724,80

(-) Variações Monetárias Passivas

(986.215,84)

(340.429,82)

(=) Resultado Operacional

10.404.866,59

13.961.496,02

6. As depreciações foram calculadas pelo método linear, com base em taxas que levam em consideração a vida econômica dos bens, segundo parâmetros estabelecidos pela legislação tributária.

(+) Receita não operacional

691.912,69

231.896,71

(-) Despesas não operacional

(474.309,07)

(190.682,73)

2.227.818,85

1.907.807,93

(=) Lucro antes da Provisão para CS e IR

12.850.289,06

15.910.517,93

7. Os valores dos arrendamentos mercantis estão registrados de acordo com os contratos, os bens são reconhecidos como ativos sendo depreciados pelas taxas de depreciação aplicáveis a cada grupo de ativo. Os encargos financeiros são apropriados ao resultado ao longo do prazo contratual.

(-) Provisão para Contribuição Social

(1.186.173,74)

(1.308.760,24)

(-) Provisão para Imposto de Renda

(3.457.884,03)

(3.270.493,17)

8.206.231,29

11.331.264,52

0,6839

0,9443

8. As obrigações com fornecedores representam dívidas contraídas junto a fornecedores de insumos e serviços, essenciais à atividade da empresa.

B) SUMÁRIO DAS PRÁTICAS CONTÁBEIS MODIFICADAS A principal alteração nas práticas contábeis promovidas pela Lei 11.638/07 e pela Lei 11.941/09 aplicáveis a empresa adotadas para a elaboração das demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 foi a seguinte:

11.914.525,80

Caixa líquido (consumido) nas atividades de financiamentos: 4. Aumento / (redução) líquidas das disponibilidades Disponilibidades imediatas em :31/12/2010 Disponibilidades imediatas em :31/12/2011 Aumento / (redução) líquido das disponibilidades:

Tarifas Aeroportuárias CONTEXTO OPERACIONAL

Variações 2.538.044,72) 546.061,06 (408.636,97) (4.196,82) (215.162,96) (2.619.980,41)

9. O imposto de renda da pessoa jurídica e a contribuição social sobre o lucro são contabilizados pelo regime de competência sendo que, as provisões lançadas no exigível a longo prazo, representam o referido imposto e respectiva contribuição, sobre os lucros diferidos, de conformidade com o Art.3°, da Lei n° 8.003 de 14 de março de 1990 e Art. 30, da Lei n° 9.065, de 20 de junho de 1995. 10. Os empréstimos e financiamentos são atualizados pelas variações monetárias incorridas até a data do balanço e os juros respectivos transcorridos estão provisionados. As variações monetárias e os juros são apropriados no resultado como despesas financeiras. 11. O capital subscrito e integralizado está representado por 12.000.000 (doze milhões) de ações ordinárias nominativas com valor nominal de R$ 1,00 (um real) cada uma. 12. O valor da conta Lucros Acumulados foi reclassificado para a conta Reserva de Lucros.

DIRETORIA

Carlos Valério Avais da Rocha Diretor Presidente

Carlos Lucidório Trindade Diretor Financeiro

SONIA GRAZIELA PEDRINI DE OLIVEIRA Contadora CRC-054120/O-0

(+)Reversão das Provisões

LUCRO LIQUIDO DO EXERCÍCIO LUCRO POR AÇÃO

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores da ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Examinamos as demonstrações contábeis da ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos S.A., que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A Administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração das demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos S.A. em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Curitiba, 23 de março de 2012 MASTER AUDITORES INDEPENDENTES S/S CRC/PR Nº 004541/O-1 ELISANDRA A. BUDEL CASAGRANDE CONTADORA CRC/PR Nº 050345/O-2

CÂMARA DE COLOMBO Estado do Paraná Processo Administrativo nº. 5039/2012. Contrato nº. 01/2012 Contrato celebrado com a Empresa BROTTO & RISSARDI LTDA. ME, que tem por objeto prestar serviços de decoração de ambientes, filmagens, fotografias, projeção de imagens e organização de apresentação artística nos eventos realizados pela Câmara Municipal quais sejam: Sessões Ordinárias, Sessões Especiais e Sessões Solenes, na forma, condições e quantidades a serem determinados pela Câmara Municipal de Colombo, de acordo com o constante no ANEXO I do Convite n° 01/2012, o qual integra o contrato. O valor estimado para este Contrato, no período de 12 (doze) meses é de R$ 75.000,00 (setenta e cinco mil reais).

Comissão Permanente de Licitações

Comissão Permanente de Licitações

AVISO DE CANCELAMENTO DE PUBLICAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 005/2012 Tipo: Menor Preço – GLOBAL

AVISO DE CANCELAMENTO PUBLICAÇÃO DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 005/2012 TIPO: MENOR PREÇO GLOBAL.

A Comissão Permanente de Licitações comunica que está cancelada a publicação da Tomada de Preço 005/2012 cujo objeto descrito foi a Contratação de empresa para reforma e revitalização da Escola Municipal Joaquim K. Matsumoto, Escola Municipal Antônio Baldan, Escola Municipal São Francisco, Escola Municipal Nossa Senhora de Fátima, Escola Municipal Santa Fé, Escola Municipal Carlos Eduardo Nichele, Escola Municipal Dep. Luiz Gabriel Sampaio e CMEI Estados, no Município de Fazenda Rio Grande, edital da licitação e Projeto Básico constante no Processo Administrativo 5802/2012. Houve a publicação equivocadamente no Diário Oficial do Estado no dia 09/04/2012 Edição 86688 Pág. 21. Considerando-se que o processo licitatório encontra-se em fase de elaboração de Edital, sem validade, portanto, a publicação referida.

A Comissão Permanente de Licitações comunica que esta cancelada a publicação da Tomada de Preço 005/2012 cujo objeto descrito foi a Contratação de empresa para reforma e revitalização da Escola Municipal Joaquim K. Matsumoto, Escola Municipal Antônio Baldan, Escola Municipal São Francisco, Escola Municipal Nossa Senhora de Fátima, Escola Municipal Santa Fé, Escola Municipal Carlos Eduardo Nichele, Escola Municipal Dep. Luiz Gabriel Sampaio e CMEI Estados, no Município de Fazenda Rio Grande, conforme edital da licitação e Projeto Básico constante no Processo Administrativo 5802/2012. Houve a publicação equivocadamente no jornal “O METRÓPOLE” no dia 09/04/2012. Considerando – se que o processo licitatório encontra-se em fase de elaboração de Edital, sem validade, portanto, a publicação referida.

Fazenda Rio Grande/PR, 11 de Abril de 2012.

Fazenda Rio Grande/PR, 11 de Abril de 2012.

Gerry José dos Santos Presidente da CPL

Gerry José dos Santos Presidente da Comissão de Licitações

Colombo, 02 de abril de 2012. ONÉIAS RIBEIRO DE SOUZA Presidente


24

| Quinta-feira, 12 de abril de 2012 |

Dirceu João Maschyo

E-MAIL: dirceuesporte@hotmail.com

INTERMUNICIPAL QUARENTINHAS

Dois jogos nesta quinta pelo Intermunicipal Quarentinhas A segunda rodada da segunda fase do Quarentinhas começa nesta quinta no estádio do Urano, os outros jogos acontecem no final de semana

Tubarão da Fazenda e Mixto fazem a abertura da segunda fase no estádio do Urano

RODADA SEGUNDA FASE: Estádio do Urano V. São Pedro Curitiba - Quinta feira 12/04 19:45hrs MIXTO ELETRO ROMA X TUBARÃO DA FAZENDA RIO GRANDE 21:30hrs COMDOR DO RIO BRANCO DO SUL X REAL SANTANA Campo Maria Antonieta em Pinhais - Sábado 14/04 14:10hrs SANTIAGO DE PINHAIS 16:00hrs GERA DE PINHAIS

X X

BORDIGNON PINHAIS XV DE PINHAIS - A

Campo do C.T do Grêmio do Ganchinho - Sábado 14/04 14:10hrs MOLEZÃO F.C. X 16:00hrs MALHARIA CRISTIANE X

CANARINHO DE PINHAIS FORTALEZA

Campo Grêmio do Ipiranga - Domingo 15/04 10:00hrs GRÊMIO IPIRANGA 11:30hrs GRUPO DOS XV

SERGIPE RIO NEGRO

X X

Dois jogos marcam a abertura da segunda rodada do Quarentinhas nesta quinta-feira (12), Tubarão da Fazenda e Mixto Eletro Roma fazem a preliminar para Condor e Real Santana. O primeiro confronto começa às 19h45 na sequência o Comdor vai defender a liderança às 21h30, ambas as partidas acontecem no estádio do Urano na Vila São Pedro. O fechamento da rodada está marcado para o final de semana com destaque para dois clássicos do município de Pinhais. Na classificação do grupo E o Mixto soma um ponto e está em quarto, o adversário ainda não pontuou e está na última colocação, o líder é o Fortaleza que têm três. Uma vitória pode deixar o time na liderança, mas vai precisar torcer por uma combinação de resultados. Pelo grupo F o Comdor vai defender a primeira posição contra o lanterna Real Santana, o time tem três contra nenhum ponto do oponente, é o famoso jogo dos seis pontos. Outro destaque são os clássicos do município de Pinhais, e promete agitar as quatro torcidas da cidade, o primeiro acontece entre Santiago e Bordiginon, marcado para as 14h deste sábado (14). Os clubes estão em lados opostos na tabela de clas-

sificação, enquanto o Santiago lidera com três pontos o adversário ainda não saiu do zero. O jogo é a preliminar para o outro clássico entre Gera e XV de Pinhais. O segundo embate fica por conta de GERA e XV com início às 16h também

no sábado (14). Os dois estão no grupo F, o Gera ainda no pontuou e segura à última posição, o XV tem um ponto e está em quarto, o líder do grupo é o Grêmio Ipiranga com três. Ambos os confrontos acontecem no Estádio da Mariantonieta.

CLASSIFICAÇÃO SEGUNDA FASE: GRUPO E FORTALEZA / SANTIAGO / MALHARIA CRISTIANE - 3 pts RIO NEGRO / MIXTO ELETRO ROMA - 1 pt TUBARÃO DA FAZENDA / GRUPO DOS XV / BORDIGNON - 0 (zero) GRUPO F GREMIO IPIRANGA / CANARINHO / COMDOR RIO BRANCO - 3 pts XV DE PINHAIS - A / MOLEZÃO F.C. - 1 pt SERGIPE / GERA / REAL SANTANA - 0 (zero) Lembrando que classificarão quatro equipes de cada grupo para a terceirafase Artilheiros da competição: Paulinho (GRUPO DOS XV) - 12 gols. Ilmo (SANTIAGO) / Edson (GREMIO IPIRANGA) -10 gols. Rolando (GERA) / Nilson (SANTIAGO) - 9 gols. Fusca (GREMIO IPIRANGA) / Chimaru ( XV DE PINHAIS - A ) Daniel (FORTALEZA) - 8 gols. Valdir (CANARINHO) / Petico (GERA) / Jefferson (MIXTO) - 6 gols.

Contra o Ipiranga no domingo, o Sergipe tenta a primeira vitória na segunda fase

Grêmio Ipiranga defende a liderança do grupo F contra o Sergipe

XV de Pinhais e GERA se enfrentam no sábado no maior clássico de Pinhais, as duas equipes ainda não venceram na segunda fase

Aula de Italiano no centro de Colombo As aulas de conversação da língua Italiana acontecem na sede da Sociedade Beneficente Colombo FC, onde está sediada a Associação Italiana Pe. Alberto Casavecchia, na Rua XV de Novembro, nº 120, no centro de Colombo. AULAS DE CONVERSAÇÃO PARA ADULTOS • Dia: 5ª-feiras • 19h30 até 21h30 • Investimento: R$ 80,00/ mês AULAS DE CONVERSAÇÃO PARA CRIANÇAS (a partir de 5 anos de idade) - Dia: 5ª-feiras (ou a combinar) - Horário: * Manhã (9h30 às 10h30) * Tarde (14h às 15h)

Contato: Professora Terezita Fones: 3656-5579 e 9247-2446

Comdor vai defender a liderança em jogo de seis pontos contra o Real Santana nesta quinta (12)


metro21-12-4-12