Page 1

| Quarta-feira, 18 de abril de 2012 |

Feirão do Emprego da Construção neste sábado

A Prefeitura de Curitiba participa neste sábado (21) do Mega Feirão do Emprego da Indústria da Construção, iniciativa do governo federal que vai acontecer em todo o país. O Mega Feirão será das 8 às 16 horas, no Cietep, avenida Comendador Franco, 1341, no Jardim Botânico. O Mega Feirão em Curitiba está sendo organizado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná (Sinduscon/PR), com o apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e Ministério do Desenvolvimento Social. O evento deve reunir milhares de pessoas que estão em busca de uma colo-

cação no mercado da construção civil e empresas do setor interessadas em contratar mão de obra. Além das ofertas de vagas de trabalho, haverá também prestação de serviços gratuitos, exposição de fornecedores e inscrições em cursos de capacitação na área da construção civil nos para trabalhadores da capital paranaense e Região Metropolitana. O objetivo do evento é aproximar trabalhadores em busca de emprego e as empresas do nosso setor que oferecem oportunidades de trabalho em diferentes atividades. Além de propiciar oportunidades de emprego, a in-

tenção também é oferecer serviços de saúde, lazer e cidadania, bem como cursos de capacitação e atualização profissional. As empresas associadas do Sinduscon/PR interessadas em participar do evento podem entrar em contato com a entidade, pelo telefone (41) 3051-4355 ou enviar email paraseconci@sindusconpr.com.br. Além de encontrar candidatos para as vagas disponíveis de imediato, os construtores também poderão montar cadastro de profissionais, para que posteriormente sejam chamados para entrevistas de emprego, conforme a necessidade de cada empresa.

Artigo

Estímulo à Literatura Adelino Venturi O estímulo das crianças e jovens para a Literatura é uma das ações educacionais de maior alcance na formação das pessoas. O Brasil, infelizmente, ainda é um país que apresenta atrasos nessa área. Isso é histórico e, apesar do enorme manancial de talentos literários, o país ainda vive da imagem e das obras dos escritores tradicionais, como Machado de Assis, Guimarães Rosa e outros. Como educador, acredito que para se reverter essa defasagem devemos começar pela base, na escola, nos níveis iniciais, primário e secundário. E é nesse sentido que a Prefeitura de São José dos Pinhais dá um bom exemplo. Tivemos a oportunidade de ler nas páginas deste Metrópole os detalhes dessa ação de mérito das autoridades municipais. Diz a publicação que, desde cedo, o mundo das letras faz parte do cotidiano dos alunos da Escola Municipal Santa Rita, no bairro Cidade Jardim, em São José dos Pinhais. A partir do 1º ano as crianças recebem estímulos à leitura e como resultado chegam a ler em média quatro livros por mês quando chegam no 5º ano, além da leitura estabelecida pela escola. O projeto Literatura na Escola vem sendo construído há quatro anos. Neste sábado (14), a escola promoveu um Chá Literário com contação de história para alunos, pais e comunidade, além de leitura compartilhada entre pais e filhos. De acordo com a diretora

Regina Sueli Lourenço, a escola faz questão de envolver os pais, que a cada período são convidados a passar pela biblioteca da escola para ler com seus filhos. "Os pais têm respondido muito bem e quando conseguimos estabelecer esse vínculo entre ambos é realmente um ganho, pois reveem seus próprios hábitos", comenta Eliana. A professora Eliana Yang acrescenta que o objetivo da escola é ampliar o conhecimento dos alunos para além dos conteúdos curriculares obrigatórios. "Queremos formar uma geração de leitores com qualidade e que leiam por prazer, não por obrigação", relata. A pedagoga Claudia Haschich comenta que os alunos de todas as séries tomaram gosto pela leitura e que eles contagiam os pais ao demonstrarem que o envolvimento é para valer. "Nos orgulhamos muito de ter chegado a um nível de interesse com nossos alunos, que não deixa nada a desejar em relação às escolas particulares. Acertamos uma fórmula, principalmente por ser uma bandeira que todos carregamos aqui", revela.

Além de ler, os alunos também se ensaiam como escritores, começando pela literatura de cordel, onde retratam aspectos da própria vida cotidiana. Maria Eugênia Almeida de Souza, 10 anos, aluna do 5º ano, contou que lê um livro por semana e até já se considera íntima de alguns autores. "Participo do projeto desde o meu primeiro ano nesta escola. Então, fui me interessando a conhecer mais sobre os autores e hoje, quero conhecer mais autores e também estilos literários diferentes". Está aí esse belo exemplo, uma iniciativa de mérito. A cultura literária é a porta aberta para o conhecimento além dos bancos escolares. É a oportunidade de viajar sem sair de casa; enfim, de aprender e também se divertir. Adelino Venturi é professor, empresário e membro do Conselho Deliberativo da Associação Comercial, Industrial, agrícola e de Prestação de Serviço (Aciap), de São José dos Pinhais


2

| Quarta-feira, 18 de abril de 2012 |


| Quarta-feira, 18 de abril de 2012 |

3


6

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Quarta-feira, 18 de abril de 2012 |

FUNDAO MARAN ATA DE COMUNICAO SOCIAL

UNIO SUL BRASILEIRA DA IGREJA ADVENTISTA DO STIMO DIA

CNPJ 00.831.694/0001-09

CNPJ 79.080.602/0001-56

BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO: Rádios: Novo Tempo - FM 99.9; Novo Tempo - FM 96.9; Novo Tempo FM 104.9; Novo Tempo FM 106.5; Novo Tempo AM 630

Sede: Rua João Carlos de Souza Castro, 562 - Curitiba - PR BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO: Regiões Administrativas: Associaçào Sul Riograndense, Associação Central Sul Riograndense, Missão Ocidental Sul Riograndense, Associação Catarinense, Associação Sul Paranaense, Associação Norte Paranaense e Associação Central Paranaense

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ( Em R$1) ATIVO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1) ATIVO

PASSIVO 2011

2010

CIRCULANTE Disponível Contas a Receber Estoques Despesas Antecipadas

118.631.308 100.603.242 7.748.755 8.350.141 1.929.170

97.200.419 78.908.584 9.516.314 7.454.578 1.320.942

ATIVO NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Investimentos Imobilizado Intangível

119.044.734 290.685 600 118.704.522 48.927

105.686.268 279.896 600 105.305.187 100.585

TOTAL DO ATIVO

237.676.042

202.886.687

2011

2010

24.574.021 14.792.504 1.692.221 527.140 7.562.156

25.785.863 14.161.186 1.222.911 3.845.078 6.556.688

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Social Superávit do Exercício Verbas Disponíveis/Reserva

213.102.021 129.908.689 32.552.057 50.641.275

177.100.825 126.459.550 29.239.370 21.401.904

TOTAL DO PASSIVO

237.676.042

202.886.687

CIRCULANTE Contas a Pagar Provisões Fundos em Confiança Receitas Antecipadas

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1)

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1) 2011

2011

2010

36.736.489 32.552.057 4.026.183 214.830 (56.581)

31.107.147 29.239.370 1.863.814 3.963

309.561 1.824.139 (895.563) (608.227) (10.788)

(5.006.535) (1.768.254) (2.969.090,46) (269.190) -

2.251.050 1.100.629 1.005.467 (3.317.938) 3.462.892 39.297.100

3.362.167 4.140.685 2.145.118 (3.112.687) 189.051 29.462.780

(17.425.518) (163.172) (17.588.690)

(22.002.642) (332.936) (22.335.578)

2010 ATIVIDADES OPERACIONAIS

RECEITA BRUTA SERVIÇOS De Serviços Contribuições Atividades Subsidiárias

157.225.354 148.736.324 8.489.030

131.095.649 123.465.419 7.630.229

2.911.864 1.326.343 1.585.521

4.291.192 2.668.244 1.622.948

160.137.218

135.386.840

(141.586.725) (59.164.964) (6.497.719) (49.717.337) (326.759) (14.183.802) (11.696.144)

(112.747.644) (49.603.237) (5.915.493) (36.270.081) (307.098) (16.334.438) (4.317.298)

RESULTADO OPERACIONAL BRUTO

18.550.493

22.639.196

Patrimoniais e Financeiras Outras Receitas Outras Despesas

8.251.790 8.267.850 (2.518.076)

5.552.532 3.586.568 (2.538.927)

De Doações/Subv./Outras Doações Diversas Subv. Organizações Adventista SUPERÁVIT BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesasl com Pessoal Encargos Sociais e Previd. Administrativas e Gerais Encargos Tributários Assistência e Orientação Social Outorg. Organização Adventista

RESULTADO OPERACIONAL

32.552.057

29.239.370

SUPERÁVIT DO EXERCÍCIO

32.552.057

29.239.370

Superávit Líquido Ajustado Superávit do Exercício Depreciação do Imobilizado Amortização do Intangível Provisão para Devedores Duvidosos (Aumento)Redução do Ativo Contas a Receber Estoques Despesas do Exercício Seguinte Realizável (Não Circulante) Aumento(Redução) do Passivo Contas a Pagar Receitas Antecipadas Fundos em Confiança Outras Obrigações Caixa Líquido das Ativ. Operacionais ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS (Acréscimo) Redução no Imobilizado (Acréscimo) Redução no Intangível (Acréscimo) Redução no Diferido Caixa Líquido nas Ativ. De Investimentos ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Recebimento/Liquidaçào de Empréstimos Caixa Líquido nas Ativ. Financiamentos VARIAÇÃO LÍQUIDA NAS DISPONIBILIDADES SALDO INICIAL DE CAIXAS E EQUIVALENTES DE CAIXA SALDO FINAL DE CAIXAS E EQUIVALENTES DE CAIXA

(13.752) (13.752)

17.994 17.994

21.694.658

7.145.196

78.908.584

71.763.389

100.603.242

78.908.584

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1) Discriminação

Patrimônio Social

Saldos em 31 de dezembro de 2009

Total

17.956.267

17.379.585

147.854.963

17.956.267 (4.022.319) 6.493

(17.956.267) 29.239.370 -

4.022.319 -

29.239.370 (6.493)

126.459.552

29.239.370

21.401.904

177.100.825

29.239.370 19.842.850 3.449.140

(29.239.370) 32.552.057 -

(19.842.850) -

32.552.057 3.449.140

178.990.912

32.552.057

1.559.054

213.102.021

Incorporação Superávit Exercício Anterior Superávit do Exercício Constituição de Verbas Disponíveis/Reservas Fundos Específicos Saldos em 31 de dezembro de 2011

Verbas Disponíveis/Reservas

112.519.111

Incorporação Superávit Exercício Anterior Superávit do Exercício Constituição de Verbas Disponíveis/Reservas Cisão/Fusão Saldos em 31 de dezembro de 2010

Superávit (Déficit) do Exercício

PASSIVO

CIRCULANTE Disponível Contas a Receber Despesas Antecipadas ATIVO NÃO CIRCULANTE Imobilizado (-) Depreciação/Amort. Acum. Intangível TOTAL DO ATIVO

2011 667.808 523.009 144.798 0

2010 326.007 290.684 34.948 374

2.896.658 3.134.084 (2.574.636) 2.337.209

2.965.313 3.128.339 (2.500.807) 2.337.782

3.564.466

3.291.320

DAVI CONTRI Tesoureiro

903.656 903.656 860.216 22.531 837.685 1.763.872 (1.817.684) (649.143) (150.466) (717.813) (97.532) (195.950) (6.780) (53.812) 26.839 339.743 (31.241) 281.529 281.529

23.779.990,23 15.781.693,51 29.516,15 1.968.951,58 13.783.225,78

20.882.360,76 12.684.123,05 30.968,44 2.582.119,01 10.071.035,60

CLIENTES E OUTROS RECEBÍVEIS ..................................... Anuidades á Receber ............................................................. Cheques e outros títulos a receber ...................................... Convênios e Contratos a receber ......................................... (-) Provisão Créditos e Liquidação Duvidosa. ....................

5.905.731,58 6.870.635,40 4.256.052,77 213.429,46 (5.434.386,05)

6.418.713,81 4.778.745,07 4.408.263,11 191.875,07 (2.960.169,44)

ESTOQUES .............................................................................. Mercadorias e Material de Consumo ...................................

294.415,31 294.415,31

300.041,57 300.041,57

OUTROS ATIVOS CIRCULANTES .......................... (Nota 04) Despesas Antecipadas .......................................................... Adiantamentos ........................................................................ Impostos a Recuperar ............................................................

1.798.149,83 1.615.770,76 176.799,85 5.579,22

1.479.482,33 1.315.733,56 143.357,30 20.391,47

NÃO - CIRCULANTE ............................................................... REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ............................. (Nota 05) Clientes Nacionais a Receber a Longo Prazo ..................... Obrig. Trib. E Fiscais a L ongo Prazo ................................... Depósitos Judiciais ................................................................ INVESTIMENTOS .................................................................... Participações Societárias ...................................................... IMOBILIZADO ........................................................... (Nota 06) Bens em Uso ........................................................... (Nota 10) (-) Depreciação Acumulada ................................................... INTANGÍVEL ................................................................ (Nota 06) Direitos de Uso e Concessões ............................................. Software .................................................................................. Marcas e Patentes de Invenção ............................................ (-) Amortização Acumulada ...................................................

116.640.587,53 3.307.747,11 272.438,00 2.884.223,20 151.085,91 780,20 780,20 113.308.790,84 150.771.200,77 (37.462.409,93) 23.269,38 4,00 78.079,37 2.745,10 (57.559,09)

107.006.981,60 2.343.678,52 2.197.459,43 146.219,09 600,00 600,00 104.659.473,76 138.509.602,48 (33.850.128,72) 3.229,32 12,00 56.920,34 2.745,10 (56.448,12)

TOTAL DO ATIVO ....................................................................

140.420.577,76

127.889.342,36

PASSIVO 2011

2010

CIRCULANTE ............................................. (Nota 07) Obrigações Fiscais e Sociais a Rec ..................... Fornecedores ........................................................... Outras Obrigações a Pagar .................................... Provisões Sociais e Trabalhistas ........... (Nota 13) Receitas Antecipadas - Escolas ............................

11.403.062,78 10.608,47 523.794,67 868.954,53 4.261.347,31 5.738.357,80

10.970.642,96 296.179,97 328.183,35 2.271.372,57 3.237.783,86 4.837.123,21

NÃO - CIRCULANTE .................................. (Nota 08) Obrig. Trib. e Fiscais a Longo Prazo ......................

3.870.829,31 3.870.829,31

2.197.459,43 2.197.459,43

PATRIMÔNIO LÍQUIDO .............................. (Nota 09) Patrimônio Social ..................................................... Superávit do Exercício ............................................

125.146.685,67 114.721.239,97 10.425.445,70

114.721.239,97 106.341.091,58 8.380.148,39

TOTAL DO PASSIVO .................................................

140.420.577,76

127.889.342,36

As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - MÉTODO INDIRETO (Nota 12) 2011

2010

1- ATIVIDADES OPERACIONAIS Superávit do Exercício (+) Depreciação e Amortização (+) PCLD Superávit do Exercício Ajustado

10.425.445,71 5.085.347,80 3.175.342,03 18.686.135,54

8.380.148,39 4.182.440,79 510.668,45 13.073.257,63

(Acréscimo) Decréscimo do AC + ANC (-) Contas a Receber (-) Estoques (-) Adiantamento Exercício Seguinte (-) Realizável (Não Circulante) Total de Acréscimos/Decréscimos do AC + ANC

-3.102.407,72 5.626,26 -300.037,20 -964.068,59 -4.360.887,25

-1.373.780,34 88.594,87 -236.957,70 0,00 -1.522.143,17

(Acréscimo) / Decréscimo do PC + PNC (+) Contas a Pagar (+) Receitas Antecipadas (+) Fundos em Confiança (+) Exigível (Não Circulante) (+) Outras Obrigações Total de Acréscimos/Decréscimos do PC + PNC

-1.070.960,60 1.182.891,17 -281.656,58 1.673.369,88 1.023.563,45 2.527.207,32

1.986.577,73 685.291,99 -263.604,57 551.954,99 732.461,82 3.692.681,96

TOTAL DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

16.852.455,61

15.243.796,42

2- DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS (Acréscimo) Redução no Imobilizado (Acréscimo) Redução no Intangível (Acréscimo) Redução no Investimento Total de Acréscimo/Decréscimo nas Ativ. De Investimento

-13.732.230,92 -22.474,03 -180,20 -13.754.885,15

3- DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Recebimento/Liquidação de Empréstimos

-12.511.927,97 364,46 0,00 -12.511.563,51

0,00

-266.612,54

(1+2+3) VARIAÇÃO DAS DISPONIBILIDADES

3.097.570,46

2.465.620,37

VARIAÇÃO OCORRIDA NO PERÍODO DISPONIBILIDADE NO INÍCIO DO PERÍODO DISPONIBILIDADE NO FINAL DO PERÍODO

3.097.570,46 12.684.123,05 15.781.693,51

2.465.620,37 10.218.502,68 12.684.123,05

As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (EM REAIS) Contas Especificações

Patrimônio Social

Superávit do Exercício

Verba Disponível

Patrimônio Líquido

Saldo em 31 de dezembro de 2009 Transferido P/Patrimonio Verbas Disponíveis Superávit em 2010 Saldo em 31 de dezembro de 2010 Transferido p/Patrimonio Verbas Disponíveis Superávit em 2011 Saldo em 31 de dezembro de 2011

92.889.811 11.296.723 (387.771) 103.798.763 8.380.148 112.178.911

11.296.723 (11.296.723) 8.380.148 8.380.148 (8.380.148) 10.425.446 10.425.446

2.154.557 387.771 2.542.328 10.425.446 2.542.328

106.341.091 8.380.148 114.721.239 -

As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

125.146.685

3.564.466

3.291.320

2011

2010

316.702 281.529 73.828 (38.655) (70.822) (71.196) 374 (8.382) (13.340) 4.958 237.498

87.847 50.027 43.999 (6.179) 15.771 16.145 (374) (104.613) (104.613) (994)

(5.173) (5.173) 232.325

27.542 27.542 26.548

290.684

264.137

523.009

290.684

Superávit (Déficit) do Exercício

Verbas Disponíveis/Reservas

Total

3.031.719

45.073

130.000

3.206.792

45.073 -

(45.073) 50.027

-

50.027

2010 773.058 773.058 615.539 40.369 575.170 1.388.598 (1.676.707) (521.685) (133.817) (771.097) (68.646) (181.461) (288.109) 24.079 334.388 (20.331) 50.027 50.027

Discriminação

ATIVIDADES OPERACIONAIS Superávit Líquido Ajustado Superávit do Exercício Depreciação / Amortiz. do Imobilizado Provisão Para Devedores Duvidosos (Aumento)Redução do Ativo Contas a Receber Despesas Antecipadas Aumento(Redução) do Passivo Contas a Pagar Antecipações (=) Caixa das Atividades Operacionais ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS (Acréscimo) Redução no Imobilizado (=) Caixa Atividades de Investimento VARIAÇÃO LÍQUIDA NAS DISPONIBILIDADES SALDO INICIAL DE CAIXAS E EQUIVALENTES DE CAIXA SALDO FINAL DE CAIXAS E EQUIVALENTES DE CAIXA

Patrimônio Social

Saldos em 31 de dezembro de 2009 Incorporação Superávit Exercício Anterior Superávit do Exercício Saldos em 31 de dezembro de 2010

3.076.792

50.027

130.000

3.256.819

Incorporação Superávit Exercício Anterior Superávit do Exercício Constituição de Verbas Disponíveis/Reservas

50.027 (177.900)

(50.027) 281.529 -

177.900

281.529 -

Saldos em 31 de dezembro de 2011

2.948.919

281.529

307.900

3.538.348

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 NOTA 01 – CONTEXTO OPERACIONAL A FUNDAÇÃO tem por fins a atuação no campo da comunicação social visando a defesa e promoção da cidadania, da dignidade, do bem-estar da pessoa humana, promoção da cultura e divulgação do conhecimento à comunidade mediante e principalmente: I- criação, manutenção e operação de emissoras de radiodifusão sonora e/ou de sons e/ou outros meios de comunicação, observadas as prescrições legais; II- a produção e a veiculação de ações e programas cívicos, informativos, educativos, culturais, morais, evangélicos e de saúde, entre outros; III- desenvolvimento de tecnologias auxiliares e complementares dos métodos convencionais de ensino; IV- colaboração com entidades públicas e privadas em ações e programas de interesse comunitário, de promoção social, educacional e cultural; V- instituição de bolsas de estudo, estágios, programas suplementares de assistência a estudantes ou a pesquisadores que possam contribuir para a consecução dos objetivos da FUNDAÇÃO; VI- promoção de cursos, simpósios, conferências, seminários, convenções e congressos, que tenham como tema de estudo questões relacionadas com os seus objetivos; VII- promoção, agenciamento e a distribuição do material que produzir ou desenvolver, visando a interação dos meios de comunicação social. § 1º As emissoras de radiodifusão e televisão da FUNDAÇÃO terão as denominações de fantasia escolhidas pelo Conselho de Curadores e registradas na forma da Lei. § 2º A FUNDAÇÃO não remunera, não distribui lucros, bonificações ou vantagens aos componentes dos órgãos estatutários, constantes do Capítulo VII. § 3º A FUNDAÇÃO poderá instalar, manter, operar e explorar serviços, departamentos e estabelecimentos consentâneos com seus fins em todo território nacional. § 4º Para a consecução de seus fins a FUNDAÇÃO poderá operar mediante convênios, acordos ou contratos com outras entidades. NOTA 02 – APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES Na elaboração das demonstrações financeiras de 2011, a Entidade adotou a Lei n° 11.638/ 2007, Lei nº. 11.941/09 que alteraram artigos da Lei nº. 6.404/76 em aspectos relativos à elaboração e divulgação das demonstrações financeiras. NOTA 03 – RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS A Entidade observa o princípio contábil da competência para o registro de suas transações, combinado com as seguintes práticas contábeis:

a)

Apresentação das contas: os ativos realizáveis e os passivos exigíveis com prazos inferiores a 365 dias, estão classificados como circulante. Apuração do resultado: as receitas, custos e despesas, foram contabilizados separadamente, de acordo com a sua natureza e estão apropriadas ao resultado do exercício. c) Critérios de avaliação das principais contas: c.1) Aplicações de Liquidez Imediata: As aplicações financeiras estão demonstradas pelos valores originais aplicados, acrescidos dos rendimentos pró-rata até a data do balanço; c.2) Ativo Não Circulante (Imobilizado e Intangível): Registrado ao custo de aquisição, corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995. A depreciação é calculada pelo método linear, às taxas que levam em consideração a vida útil estimada dos bens. NOTA 04 – RESULTADO DO EXERCÍCIO As receitas refletem valores nominais relativos a serviços e contribuições e nela estão incluídos, além dos valores referidos, outros provenientes de doações, subvenções de entidades congêneres e de poderes públicos, num montante de R$ 2.130.454 sendo R$ 903.656 caracterizadas como operacionais nos serviços de comunicação e R$ 1.226.798 como operacionais não vinculadas às atividades sociais e assistenciais e a conseqüente aplicação dos recursos na manutenção e desenvolvimento de seus objetivos institucionais, cujo montante representou R$ 1.848.925 produzindo um superávit no exercício de R$ 281.529. NOTA 05 – DOAÇÕES DIVERSAS O montante total recebido no ano de 2011 a título de Doações foi de R$ 22.531, sendo R$ 16.156 de pessoas físicas e R$ 6.375 de pessoas jurídicas. NOTA 06 – DISTRIBUIÇÃO DE RESULTADOS A FUNDAÇÃO não distribuiu resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio sob nenhuma forma ou pretexto, bem como, seus dirigentes, conselheiros, sócios e demais beneméritos, não perceberam vantagens ou benefícios, por qualquer forma ou título, em razão das competências, funções ou atividades que lhes fossem atribuídas pelos respectivos atos constitutivos, no exercício de 2011. b)

RECEITA BRUTA SERVIÇOS (Atividades Fins - Conforme arts. 25 do Estatuto Social) 1 - Receita Bruta Prestação Serviço Educacional: (atividade preponderante, cfe art. 25, I, do Estatuto Social) (+) Encargos Educ. Educação Básica COM Bolsas de Estudo (Leis Nos. 12.101/09, 9.870/99, 9.394/96 e art. 31 do Decr. No. 7.237/10) (+) Encargos Educacionais Educação Básica SEM Bolsas de Estudo (Leis Nos. 12.101/09, 9.870/99 e 9.394/96) (+) Encargos Educacionais Ensino Superior s/ ProUni (Lei No. 11.096/05, Lei 9.870/99 e Lei 9.394/96) (+) Juros e Multas s/ Encargos Educacionais (+) Doações Pessoas Físicas e/ou Jurídicas p/Custeio (NBC T 10.19) (Nota 18) (+) Rendimento s/ Aplicações Financeiras (+) Outros Serviços Educacionais (taxas, serviço de secretaria, cursos livres e outros) (+) Receitas de Encargos Educacionais de Exercícios Anteriores (+) Reversão de Provisões (+) Outras Receitas (Nota 15) 1.1 (-) Deduções: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) (-) Devoluções (-) Descontos Incondicionais 1.2 Receita Líquida de Prestação Serviço Educacional 1.3 (-) Custos Serviços Prestados: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) (-) Gastos c/ Pessoal e Encargos 1.4 (=) Superávit Bruto Serviço Educacional (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 1.5 (-) Despesas Operacionais Área Educacional: 1.5.1 (-) Despesas Administrativa e Operacional: (-) Serviços de Terceiros (-) Aperfeiçoamento de Pessoal (cursos e treinamentos) (-) Provisões Trabalhistas (-) Depreciação/Amortização (-) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (10.19.2.2) (-) Gerais (-) Despesas Financeiras (-) Desconto Dissídio Coletivo (-) Desconto Mensalidades (comercial) (-) Contas Incobravéis (-) Outras Despesas 1.5.2 (-) Despesas Com Assistência Educacional: (-) Bolsas Parciais-50% (Lei 12.101/09) - Educação Básica (-) Bolsas Integrais-100% (Lei 12.101/09) - Educação Básica (-) Bolsas Parciais (Decreto 2.536/98/Decreto No. 7.237/10) - Educação Básica (-) Bolsas Parciais-25% (art.10 da Lei 11.096/05-SEM ProUni) - Ensino Superior (-) Bolsas Parciais-50% (art.10 da Lei 11.096/05-SEM ProUni) - Ensino Superior (-) Bolsas Integrais-100% (art.10 da Lei 11.096/05-SEM ProUni) - Ensino Superior 1.6 (=) Superávit Líquido Educacional (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 2 - (+) Receita Bruta Prestação Área Social: (atividade fim, conforme arts. 25, III, do Estatuto Social e LOAS) (+) Subvenções e/ou Convênios Públicos p/Custeio (NBC T 19.4) (Nota 11) (+) Doações Pessoas Físicas e/ou Jurídicas p/Custeio (NBC T 10.19) (Nota 18) (+) Rendimento s/ Aplicações Financeiras (+) Receita de Parcerias entre entidades sem fins lucrativos (+) Outras Receitas (Nota 15) 2.1 (=) Superávit Bruto Área Social (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 2.2 (-) Despesas Operacionais Área Social: 2.2.1 (-) Despesas COM Assistência Social (PNAS e LOAS): (-) Projeto Social - Serviço Proteção Especial Alta Complexidade (Resolução CNAS No. 109/09) - Casa Lar de Crianças (Nota 28) 2.3 (=) Superávit/Déficit Líquido Exercício Área Social (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 3 - (+) Receita das Atividades Sustentáveis: (fontes de recursos, geram receitas para atividade fim, conforme art. 27 do Estatuto Social, baseado no CTN e art.12 da Lei 9.532/97) (+) Receitas c/ Aluguéis (+) Trabalho Voluntário (+) Receita com Prestação de Serviço (+) Convênios Privados (+) Pacientes Particulares (+) Doações Pessoas Físicas e/ou Jurídicas p/Custeio (NBC T 10.19) (+) Rendimento s/ Aplicações Financeiras (+) Outras Receitas (Nota 15) 3.1 (-) Deduções: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) (-) Cancelamentos/Devoluções 3.2 Receita Líquida de Atividades Sustentáveis 3.3 (-) Custos Serviços Prestados: (Lei No. 6.404/76, artigo 187) (-) Gastos c/ Pessoal e Encargos 3.4 (=) Superávit Bruto das Atividades Sustentáveis (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19) 3.5 (-) Despesas Operacionais Atividades Sustentáveis: (-) Ações Sociais - Voluntárias (-) Serviços de Terceiros (-) Provisões Trabalhistas (-) Depreciação (-) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (10.19.2.2) (-) Gerais (-) Despesas Financeiras (-) Outras Despesas 3.6 (=) Superávit Líquido Exercício Atividades Sustentáveis (Lei No. 6.404/76, artigo 187 e NBC T 10.19)

ELIEZER DOS SANTOS DE ALMEIDA Tesoureiro

NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A INSTITUIÇÃO ADVENTISTA SUL BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL é uma associação, de direito privado, de fins não econômicos e lucrativos, de caráter beneficente de assistência social, com atividade preponderante na área de educação. Possui título de Utilidade Pública Federal, conforme Decreto n.º 60.545 de 07/ 04/1967, Título de Utilidade Pública Estadual, conforme Decreto n.º 35.672 de 20.01.1961 e Título de Utilidade Pública do Município de Curitiba, conforme Lei n.º 4.367 de 21.09.1972. A Entidade possui registro e reconhecimento nos Ministérios da Educação e Desenvolvimento Social de Combate à Fome. Também tem registro no Conselho Municipal de Assistência Social de Curitiba, Conselho Municipal do Idoso e da Criança e do Adolescente e com certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS) em análise do triênio 2006/2007/2008, no Ministério da Educação, conforme processo n.º 23123.003828/2010-17. No artigo 7 do Estatuto Social, identificam-se as seguintes finalidades estatutárias: "A Instituição é uma entidade de fins assistenciais, educacionais, culturais, filantrópicos e de assistência a saúde, sem fins lucrativos." NOTA 02 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas em observância às práticas contábeis adotadas no Brasil, atendendo à Resolução do CFC n° 1.185/09, que estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação dos componentes, variações patrimoniais e de estruturação das demonstrações contábeis das entidades sem fins lucrativos.

DEMONSTRAÇÃO DO SUPERÁVIT E/OU DÉFICIT DOS EXERCÍCIOS (EM REAIS)

CIRCULANTE ........................................................... (Nota 03) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA ................................... Caixa ........................................................................................ Bancos Conta Movimento ...................................................... Bancos Conta Aplicações C/Prazo .......................................

TOTAL DO PASSIVO

2011

2010

115.498.982,37

105.497.351,94

20.696.271,57

17.185.937,52

75.521.707,49

70.565.760,81

1.458.033,13 998.917,88

2.116.918,22 998.893,94

5.425.147,17 1.128.549,31

5.232.421,22 728.634,72

2.186.089,28 486.815,17 792.955,61 6.804.495,76 (2.203.925,00) (25.915,58) (2.178.009,42) 113.295.057,37

1.744.062,62 416.595,96 2.422.184,72 4.085.942,21 (2.691.675,68) (71.887,93) (2.619.787,75) 102.805.676,26

(48.109.999,65) (48.109.999,65)

(43.048.378,36) (43.048.378,36)

65.185.057,72 (62.058.202,90) (40.726.902,34) (740.444,91) (1.027.451,90) (416.123,37) (4.419.622,16) (3.164.593,64) (14.189.618,70) (915.101,55) (1.338.063,60) (9.473.805,17) (3.959,57) (5.038.117,77) (21.331.300,56) (7.754.276,95) (12.488.471,43)

59.757.297,90 (58.731.098,19) (40.653.993,76) (507.740,98) (1.029.227,14) (172.790,85) (4.119.948,14) (2.958.853,63) (13.823.628,26) (994.873,94) (1.439.185,90) (10.411.385,22) (2.412.461,56) (2.783.898,14) (18.077.104,43) (5.867.900,39) (9.212.528,02)

(453.523,19)

(2.103.836,10)

-

(36.088,98)

(54.321,94)

(34.637,70)

(580.707,05)

(822.113,24)

3.126.854,82

1.026.199,71

NOTA 03 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS As demonstrações contábeis para o exercício findo em 31 de dezembro de 2011 foram elaboradas e apresentadas de acordo com a Resolução CFC n.º 1.319/10, que permitiu, para este exercício de implementação da nova norma contábil, a não elaboração e divulgação dos ajustes retrospectivos requeridos pela NBC TG 1000; a) Caixa e Equivalentes de Caixa: Apresentação nas Demonstrações Contábeis, dos valores contabilizados neste subgrupo representam moeda em caixa e depósitos à vista em conta bancária, bem como os recursos que possuem as mesmas características de liquidez de caixa e de disponibilidade imediata ou até 90 (noventa) dias e que estão sujeitos a insignificantes riscos de mudança de valor; b) Aplicações de Liquidez Imediata: As aplicações financeiras estão demonstradas pelos valores originais aplicados, acrescidos dos rendimentos pró-rata até a data do balanço; c) Ativos circulantes: Contas a receber de clientes - As contas a receber de clientes são registradas pelo valor faturado, adotando-se o critério de apropriação de receitas de mensalidades educacionais a receber; d) Provisão p/ Crédito de Liquidação Duvidosa (PCLD): Esta provisão foi constituída em montante considerado suficiente pela Administração para suprir as eventuais perdas na realização dos créditos. A provisão foi calculada seguindo os critérios estabelecidos pela Entidade com base na análise dos títulos e seus prováveis valores de realização; e) Estoques: Os estoques são avaliados com base no custo histórico de aquisição, acrescido de gastos relativos a transportes e impostos não recuperáveis. Os valores de estoques contabilizados não excedem os valores de mercado. A provisão para desvalorização dos estoques é constituída, quando necessário, com base na análise dos estoques e seu tempo de permanência, a montante de provisão é considerado pela Administração ser suficiente para eventuais perdas; f) Imobilizado: Os ativos imobilizados são registrados pelo custo de aquisição ou construção, deduzidos da depreciação calculada pelo método linear com base nas taxas mencionadas na Nota 06 e levam em consideração a vida útil e utilização dos bens. Outros gastos são capitalizados apenas quando há um aumento nos benefícios econômicos desse item do imobilizado. Qualquer outro tipo de gasto é reconhecido no resultado como despesa quando incorrido; g) Obras em Andamento: As construções em andamento são constituídas pelo custo da mão-de-obra e aquisições de materiais; h) Passivo Circulante e Não Circulante: Os passivos circulantes e não circulantes são demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos incorridos até a data do balanço patrimonial. Quando aplicável, os passivos circulantes e não circulantes são registrados com base em taxas de juros que refletem o prazo, a moeda e o risco de cada transação; i) Prazos: Os ativos realizáveis e os passivos exigíveis até o encerramento do exercício seguinte são classificados como circulantes; j) Provisões: Uma provisão é reconhecida em decorrência de um evento passado que originou um passivo, sendo provável que um recurso econômico possa ser requerido para saldar a obrigação. As provisões são registradas quando julgadas prováveis e com base nas melhores estimativas do risco envolvido; k) Provisão de Férias e Encargos: Foram provisionadas com base nos direitos adquiridos pelos empregados até a data do balanço; l) Provisão de 13º Salário e Encargos: Foram provisionadas com base nos direitos adquiridos pelos empregados e baixados conforme o pagamento até a data do balanço; m) As Despesas e as Receitas: Estão apropriadas obedecendo ao regime de competência; n) Apuração do Resultado: O resultado foi apurado segundo o Regime de Competência. As receitas de prestação de serviços são mensuradas pelo valor justo (acordado em contrato - valores recebidos ou a receber) e reconhecidas quando for provável que benefícios econômicos futuros fluam para a entidade e assim possam ser confiavelmente mensurados. Os rendimentos e encargos incidentes sobre os Ativos e Passivos e suas realizações estão reconhecidas no resultado; o) Estimativas contábeis: A elaboração das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Administração da Entidade use de julgamento na determinação e no registro de estimativas contábeis. Ativos e passivos sujeitos a essas estimativas e premissas incluem o valor da Provisão para Devedores Duvidosos, Provisão para Contingências e Ativos e Passivos relacionados a benefícios a empregados. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores diferentes dos estimados, em razão de imprecisões inerentes ao processo da sua determinação. A Entidade revisa as estimativas e as premissas, pelo menos, anualmente.

NOTA 06 - ATIVO NÃO-CIRCULANTE (IMOBILIZADO E INTANGÍVEL) a) Imobilizado - Os ativos Imobilizados são contabilizados pelo custo de aquisição ou construção, corrigidos até 31 de dezembro de 1995, sendo que bens do imobilizado tangível estão reavaliados com base em laudos de empresas especializadas e de peritos até 2007, conforme parâmetros estabelecidos na vigente época. As depreciações dos bens que compõem o imobilizado foram calculadas pelo método linear a taxas anuais que levam em consideração o tempo de vida útil estimada dos bens.

2.299.394,62

286.399,93

202.827,57

643.131,68 141.894,76 1.126.969,96 141.202,78

708.862,49 132.095,23 1.200.238,10 55.371,23

(2.071.387,00) (2.071.387,00) (2.071.387,00)

(2.081.066,12) (2.081.066,12) (2.081.066,12)

Descrição

(2.071.387,00)

(2.081.066,12)

268.212,11

218.328,50

Quadro Demonstrativo do Imobilizado em 31 de dezembro: Taxa Depreciação

Exercício

Concedente

Total do Convênio

Valor Recebido

2011

Governo

286.400

286.400

Valor Realizado

2010

Governo

202.827

202.827

0,00

Total Geral

608.911

608.911

608.911

608.911

NOTA 12 - DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (DFC) - MÉTODO UTILIZADO INDIRETO A Demonstração do Fluxo de Caixa foi elaborada em conformidade com a Resolução do Conselho Federal de Contabilidade CFC Nº. 1.125/08 que aprovou a NBC TG 3 - Demonstração dos Fluxos de Caixa e também de acordo com a Resolução 1.152/09 que aprovou a NBC TG 13. NOTA 13 - PROVISÃO PASSIVOS E ATIVOS CONTINGENTES Em atendimento a Resolução CFC 1.180/09, e respaldado por documento recebido da Assessoria Jurídica, constando os processos administrativos (fiscais e/ou tributários) que a Entidade possui e a situação provável com suficiente segurança das perdas desses valores, constituímos uma provisão para contingências passivas, reconhecidas contabilmente as quais demonstramos abaixo: Contingências Trabalhistas

2011

2010

1.344.124

1.036.024

Tributárias (INSS)

2.884.223

2.197.459

a) Total

4.228.347

3.233.483

Depósitos Judiciais

2011

2010

Processos Judiciais

33.000

4.300

b) Total (a + b) Total

33.000

4.300

4.261.347

3.237.783

NOTA 14 - BENEFÍCIOS À EMPREGADOS Em atendimento a Resolução do CFC nº. 1.193/09 a Entidade descreve abaixo os benefícios concedidos aos funcionários conforme entendimento desta Norma: Descrição do Benefício

Total 2011

Salários e Encargos

47.709.722

Vale Refeição

348.082

Vale Transporte

487.446

Uniformes

103.338

Seguro

570.970

Assistência Médica

986.665

Total

50.206.223

NOTA 15 - OUTRAS RECEITAS / DESPESAS Conforme a Resolução 1.152/09 e 1.157/09 e a Lei nº. 11.941/09 as receitas e despesas não operacionais foram classificadas no Grupo "Outras Receitas / Despesas" no grupo operacional e não após a linha do "resultado operacional". Abaixo descrevemos os valores que compõem este grupo: Total 2011 139.275

Receitas Diversas

8.193.557

Total Outras Receitas

8.332.832

NOTA 16 - DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O superávit do exercício de 2011 será incorporado ao Patrimônio Social em conformidade com as exigências legais, estatutárias e a Resolução 877/2000 que aprovou a NBC T 10.19 em especial no item 10.19.2.7 que descreve que o superávit ou déficit do exercício deve ser registrado na conta Superávit ou Déficit do Exercício enquanto não aprovado pela assembléia das associadas e após a sua aprovação, deve ser transferido para a conta do Patrimônio Social. NOTA 17 - COBERTURA DE SEGUROS Para atender medidas preventivas adotadas permanentemente, a Entidade adota a política de contratar cobertura de seguros para os bens sujeitos a riscos por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros considerando a natureza de sua atividade e assim atendendo principalmente o Princípio Contábil da Continuidade.

Contábil Líquido 2011

Contábil Líquido 2010

-

17.887.612

16.971.994

Prédios

4%

62.034.159

51.078.259

Instalações

5%

70.082

40.362

Móveis e Utensílios

10%

3.125.935

2.544.767

2011

6.068.279

Máquinas e Equipamentos

10%

3.100.507

2.955.921

2010

5.941.284

Equipamentos de Informática

25%

1.470.508

1.536.356

12.779.097,14

Veículos

25%

228.714

331.507

338.477,22 2.089.537,28 8.468.439,15 1.239.131,42 607.364,78 5.146,39 16.650,48 14.350,42 (20.811,27) (20.811,27) 12.758.285,87 (1.119.012,14) (1.119.012,14)

Biblioteca

10%

15.014

19.485

Outros

20%

0

6

25.376.259

29.180.816

113.308.790

104.659.473

9.469.474,63 (3.177.737,77) (1.000.700,45) (473.164,36) (578.766,99) (9.081,37) (1.078.008,92) (118,62) (37.897,06)

11.639.273,73 (4.454.234,63) (2.089.537,28) (355.406,72) (2.046,31) (249.528,39) (1.315,81) (1.702.682,21) (48,09) (53.669,82)

6.291.736,86

7.185.039,10

4 - (+/-) Outras Receitas e Despesas (extraordinárias) - (NBC T 19.18) (-) Perdas / Baixas de Bens do Ativo Imobilizado (210.739,38) (+) Venda de Bens 1.052.694,40 (+) Receita c/ Sinistros 19.678,80 (+) Outras Receitas 14.956,64 (-) Outras Despesas (137.948,55) 4.1- (=) Déficit/Superávit Outras Receitas e Despesas 738.641,91

(94.901,15) 50.745,40 39.717,90 (44.981,07) (49.418,92)

10.425.445,70

a) Governo Federal, Estadual e Municipal

Terrenos

464.161,95 1.000.700,45 6.476.639,22 1.325.305,15 732.943,84 100,00 44.173,91 1.387.133,74 (13.744,99) (13.744,99) 11.417.413,27 (1.947.938,64) (1.947.938,64)

As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

NOTA 11 - SUBVENÇÕES E/OU CONVÊNIOS PÚBLICOS São recursos financeiros provenientes de convênios firmados com órgãos governamentais, e têm como objetivo principal operacionalizar projetos e atividades pré-determinadas. Periodicamente, a Entidade presta conta de todo o fluxo financeiro e operacional aos órgãos competentes, ficando também toda documentação à disposição para qualquer fiscalização. Os convênios firmados estão de acordo com o estatuto social da Entidade e as despesas de acordo com suas finalidades. Recebeu no decorrer do exercício as seguintes subvenções do Poder Público Estadual e Municipal:

Depósitos Bancários Não Identificados

NOTA 05 - ATIVO NÃO-CIRCULANTE (REALIZÁVEL A LONGO PRAZO) Este grupo é composto por valores de Obrigações Tributárias e Fiscais e Depósitos Judiciais cujo vencimento ultrapassa o exercício subsequente.

2.339.599,11

que esses ativos encontram-se registrados corretamente, pois foram avaliados a valor de mercado neste exercício de 2011. Para o exercício de 2012 a entidade poderá determinar a vida útil dos bens existentes no Ativo Imobilizado e Intangível, bem como poderá realizar o diagnostico da necessidade de realização da Provisão para Perdas Impairment, das demais contas, visando atender a Lei 11.638/07 e os Pronunciamentos Contábeis Técnicos CPC 01, CPC 04 e CPC 27.

Rubrica Contábil

NOTA 04 - OUTROS ATIVOS CIRCULANTES Este grupo é composto por Despesas Antecipadas, Adiantamentos e Impostos a Recuperar.

11.431.158,26

5 - (=) Superávit do Exercício (toda Entidade) (Nota 16)

CARLOS ALBERTO BLOTZ Contador - CRC/PR 047958/O-1

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Valores expressos em reais

BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO Regiões Administrativas: Santa Catarina, Sul Paranaense, Central Paranaense, Norte Paranaense, Instituto Adventista de Santa Catarina, Instituto Adventista Paranaense e Clínica Adventista de Curitiba

2010

3.256.819 3.076.792 50.027 130.000

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1)

DAVI CONTRI Presidente

Título de Utilidade Pública Federal, conforme Decreto n.º 60.545 de 07 de abril de 1967 - Registro no CNAS 058183/45 Associação sem fins lucrativos e econômicos, de caráter beneficente de assistência social, com atividade preponderante na área de Educação, conforme Estatuto Social Registrado no Cons. Municipal de Educação e/ou Saúde e/ou Assistência Social, Registrado no Cons. Municipal da Criança e do Adolescente, Registrado no Conselho Municipal do Idoso Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), encaminhado pelo CNAS para o ME, onde se encontra em processo de análise.

2011

3.538.348 2.948.919 281.529 307.900

DIRETORIA

CNPJ 76.726.884/0001-28 Rua João Carlos de Souza Castro, 562, Guabirotuba - Curitiba - PR

ATIVO

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Social Superávit do Exercício Verbas Disponíveis/Reserva

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1) 2011

RECEITA BRUTA SERVIÇOS De Serviços/Vdas./Contrib. Serviços de Comunicação De Doações/Subv./Outras Doações Diversas Subv. Organizações Adventista SUPERÁVIT BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesasl com Pessoal Encargos Sociais e Previd. Administrativas e Gerais Encargos Tributários Assistência e Orientação Social Outorg. Organização Adventista RESULTADO OPERACIONAL BRUTO Patrimoniais e Financeiras Outras Receitas Outras Despesas RESULTADO OPERACIONAL SUPERÁVIT DO EXERCÍCIO

CARLOS ALBERTO BLOTZ Contador - CRC/PR 047958/O-1

INSTITUIO AD VENTIST A SUL BRASILEIRA DE ADVENTIST VENTISTA EDUCAO E ASSISTNCIA SOCIAL

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1)

2010 34.501 12.457 22.044

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31 DE DEZEMBRO (Em R$1)

DIRETORIA MARLINTON SOUZA LOPES Presidente

2011 26.118 10.615 10.545 4.958

CIRCULANTE Contas a Pagar Provisões Receitas Antecipadas

Obras em Andamento Total

b) Intangível - Os ativos Intangíveis são contabilizados pelo custo de aquisição, deduzidos da amortização do período, originando o valor liquido contábil. As amortizações do intangível foram calculadas pelo método linear, levando-se em consideração o período estimado de seus benefícios para as suas atividades.

Direito de Uso, Software e Marcas Total

Exercício

Valor Recebido

NOTA 19 - IMUNIDADE TRIBUTÁRIA A Entidade é imune à incidência de impostos por força do Art. 150, Inciso VI, alínea"C" e seu parágrafo 4º e Art. 195, parágrafo 7° da Constituição Federal de 05 de outubro de 1988. NOTA 20 - ISENÇÃO TRIBUTÁRIA A Entidade é isenta à incidência das Contribuições Sociais por força da Lei No. 9.532/97 e Lei No. 12.101/09. NOTA 21 - CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS USUFRUÍDAS (ISENTAS) Conforme o Art. 29 da lei n° 12.101/09, a entidade beneficente certificada fará jus à isenção do pagamento das contribuições de que tratam os Arts. 22 e 23 da lei n° 8.212/91. Abaixo demonstraremos as contribuições sociais usufruídas e o montante que não é pago. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS USUFRUÍDAS EM 2011

Quadro Demonstrativo do Intangível em 31 de dezembro: Descrição

NOTA 18 - DOAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES RECEBIDAS Eventualmente a Entidade recebe doações e/ou contribuições de pessoas físicas e/ou jurídicas, previstas no seu Estatuto Social conforme demonstrativo em anexo:

Taxa Amortização

Líquido 2011

Líquido 2010

33,33%

20.525

3.229

20.524

3.229

A entidade atendeu a Lei nº. 11.638/07, Pronunciamentos Técnicos CPC 04 e 27, Deliberações CVM nº. 583/2009 e 644/2010 e Resoluções do CFC nºs. 1.177/2009 e 1.139/2008 e assim entendeu que as taxas de depreciação utilizadas estão adequadas a realidade da Instituição (vida útil e utilização). A Administração estará atenta e pronta para implantar alterações nas taxas de depreciação dos bens em uso tão logo detectada qualquer necessidade de alteração e reavaliará as taxas anualmente, com base na vida útil dos bens do ativo imobilizado e intangível em uso (legislação vigente). NOTA 07 - OBRIGAÇÕES A CURTO PRAZO (PASSIVO CIRCULANTE) Este grupo está composto pelo seu valor nominal, original e representa o saldo das contas de fornecedores em geral, obrigações fiscais-empregatícias, tributárias, empréstimos e financiamentos e outras obrigações, bem como as provisões sociais. NOTA 08 - PASSIVO NÃO CIRCULANTE Este grupo está composto por provisões para contingências tributárias e fiscais, cujo vencimento ultrapassa o exercício subseqüente. NOTA 09 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO O patrimônio líquido é apresentado em valores atualizados e compreende o Patrimônio Social, acrescido do superávit do exercício e das verbas disponíveis.

Descrição

Educação

Sustentáveis

Social

Total

Salários e Serviços de Autônomos e Individuais - 20%

7.955.712

129.247

400.687

8.485.646

395.181

3.215

19.795

418.191

1.778.318

14.466

89.077

1.881.861

32.977

0

0

32.977

10.162.188

146.928

509.559

10.818.675

RAT/SAT(1%, 2% ou 3% )* Terceiros (4,5% - Educação e Social e 5,8% - Saúde) ** Cooperativas de Trabalho Total

Nota: * O RAT pode variar de 1% a 3%, dependendo do grau de risco de cada Entidade. Nota: ** Algumas entidades podem ter o percentual de terceiros de 4,5%. Quanto a Contribuição Social sobre Lucro Líquido - CSLL, entendemos que é inaplicável às entidades sem fins lucrativos, pois, não possuem "lucro" conforme conceituação da legislação tributária, sendo impossível aplicar sua regra de incidência. Vale afirmar que essas entidades possuem, eventualmente, SUPERÁVIT, o que não se confunde com LUCRO. Entendemos que qualquer entidade Sem Fins Lucrativos não estaria sujeita à incidência desta Contribuição Social sobre Lucro. NOTA 22 - OBRIGAÇÕES DA EDUCAÇÃO PARA FINS DE CEBAS Conforme determinação do Art. 40 da Lei n°. 12.101/09 e o Decreto n°. 7.237/10 a Entidade já procedeu com o recadastramento no Ministério da Educação, pelo site do SISCEBAS (http://cebas.mec.gov.br/). A Instituição Educacional mantêm seu cadastro atualizado no EDUCACENSO (Dados do Censo Escolar da Educação Básica) e no E-

8.380.148,39 NOTA 10 - REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS Conforme a Resolução 1.292/10 e NBC TG 01, a entidade, através de deliberação de diretoria, entendeu a não necessidade de testar a recuperabilidade dos ativos no exercício de 2011, pois o mesmo foi discutido e constatou-se

(Continua na página seguinte)


| Quarta-feira, 18 de abril de 2012 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

7

(Continuação das Notas Explicativas do balanço da Instituição Adventista Sul Brasileira de Educação e Assistência Social, referente a página anterior) MEC. Os serviços de educação desenvolvidos pela Entidade são atividades de inserção ou proteção nas Políticas Públicas de Educação (Plano Nacional de Educação - PNE) e na Lei de Diretrizes e Bases (lei n° 9.394/96) nas quais está inserida e como consequência, por elas, regulamentadas. NOTA 23 - DEMONSTRATIVO DO CUMPRIMENTO DE BOLSAS Em atendimento ao artigo 13 da Lei nº 12.101/09 (Educação Básica) a instituição deverá conceder bolsas de estudo nas seguintes proporções: a) no mínimo, uma bolsa de estudo integral para cada 9 (nove) alunos pagantes da educação básica e Superior; b) bolsas parciais de 50%, quando necessário para o alcance do número mínimo exigido. Educação Básica

Qtde 2011

Qtde 2010

Alunos Matriculados

23.663

23.875

Alunos Pagantes

20.521

21.354

Alunos Necessários (Relação 1 para 9)

2.281

2.372

Alunos com Bolsa Integral

2.839

2.521

NOTA 24 - DA CONCESSÃO DOS RECURSOS EM ASSISTÊNCIA EDUCACIONAL - EDUCAÇÃO BÁSICA A Entidade, em conformidade com o art. 13 da lei nº 12.101/0 e art. 25 do Decreto nº 7.237/10, oferece bolsas educacionais para alunos de baixa renda, comprovadamente em situação de vulnerabilidade social, na forma da lei (artigo 14 da lei nº 12.101/09). A receita base da educação básica para apuração da obrigação mínima dos 20% foi elaborada conforme a interpretação literal do Art. 13 da lei n° 12.101/09. As aplicações em gratuidades educacionais para os exercícios de 2011 e 2010 estão demonstradas a seguir:

Em atendimento ao artigo 10 da Lei 11.096/05 (Ensino Superior) a instituição deverá conceder bolsas de estudo nas seguintes proporções: a) no mínimo, uma bolsa de estudo integral para cada 9 (nove) alunos pagantes da educação básica e Superior; b) bolsas parciais de 50%, quando necessário para o alcance do número mínimo exigido. Cursos de Graduação e Sequenciais

Qtde 2011

Qtde 2010

Alunos matriculados

226

340

Alunos pagantes

141

151

Alunos necessários (relação 1 para 9)

16

17

Alunos com bolsa integral

85

189

EDUCAÇÃO BÁSICA - DSDE - 31.12.2011 31/12/2010

Anuidades e Educação Básica

96.217.979

87.751.698

(25.915)

(71.877)

(-) Parcelas Devolvidas (-) Bolsas de Estudo

(20.696.271)

(17.184.264)

(-) Desconto Incondicionais

(7.601.687)

(2.347.601)

(-) Bolsa Funcional e Dissídio Coletivo

(1.291.079)

(1.355.685)

Receita Líquida - Base de Cálculo Gratuidade

66.603.027

66.792.271

(20.696.271)

(17.184.264)

RUBRICAS CONTÁBEIS Receita Ensino Superior SEM Gratuidade Faturada cfe Lei 9.870/99 Receita Pós Graduação/Extensão SEM Gratuidade Faturada cfe Lei 9.870/99

Outras Receitas (A) TOTAL DAS RECEITAS CONFORME DSDE

31/12/2011

31/12/2010

789.893

1.978.019

33.111

138.899

5.223

24.097

680.669

655.478

2.189

16.247

1.511.085

2.812.740

(+) Receita Total

31.07%

25.73%

31/12/2011

31/12/2010

96.217.979

87.751.698

(29.614.952)

(20.959.427)

66.603.027

66.792.271

(- ) Obrigação - 20% sobre a Receita Efetivamente recebida

(13.320.605)

(13.358.454)

(+) Gratuidade Concedida

*20.242.748

17.184.264

6.922.143

3.525.810

(- ) Deduções (=) Receita Líquida - Base de Cálculo Gratuidade

(=) Gratuidade Concedida a Maior que a Obrigação

*Foram excluídas das gratuidades concedidas, as bolsa com outros percentuais diferentes de 50% e 100%. NOTA 25 - DEMONSTRAÇÃO DA BASE DE CÁLCULO DO ENSINO SUPERIOR (ENTIDADE SEM PROUNI) A INSTITUIÇÃO ADVENTISTA SUL BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL, em observância à Lei n.º 11.096, de 13 de janeiro de 2005, NÃO aderiu ao Programa Universidade Para Todos - PROUNI, em novembro de 2006, através do qual, matem bolsas próprias, projetos educacionais e outros.

Número de Beneficiados

Custos Envolvidos (R$)

Casa Lares

CRIANÇAS 0 A 14 ANOS

40

2.081.066

2011

Casa Lares

CRIANÇAS 0 A 14 ANOS

34

2.071.387

31/12/2011

Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto.

5.

Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião.

31/12/2010

Recursos Próprios

Total Aplicado

Recursos Próprios

Total Aplicado

Projeto Lar de Meninos do Xaxim - Curitiba

650.957

650.957

710.110

710.110

Projeto Lar de Meninas do Jardim Pinheiros - Curitiba

770.552

770.552

737.081

721.580

Projeto Lar Infantil Catarinense

649.878

649.878

633.875

633.875

(+) Total das Receitas (A)

31/12/2011

31/12/2010

6.

Curitiba, 31 de dezembro de 2011.

1.511.085

2.812.740

302.217

562.548

RUBRICAS CONTÁBEIS

31/12/2011

31/12/2010

Bolsas Estudo - Parciais - 50% (Lei No. 11.096/05)

580.707

822.113

54.322

34.638

Bolsas Estudo - Parciais - 25% (Lei No. 11.096/05) (C) TOTAL GRATUIDADE EDUCACIONAL CONCEDIDA

0

36.088

635.029

892.839

MARLINTON SOUZA LOPES Presidente

31/12/2010

(+) Total de Gratuidades Concedidas Educacionais (C)

635.029

892.839

(-) Obrigação - 20% sobre a receita bruta (B)

302.217

562.548

(=) Gratuidade Concedida a Maior que a Obrigação (C-B)

332.812

330.291

NOTA 26 - OBRIGAÇÕES DA ÁREA SOCIAL PARA FINS DE CEBAS Conforme determinação da lei n° 12.101/09 e do Decreto n° 7.237/10, a Entidade será certificada pelo Ministério da Educação, tendo em vista que sua área preponderante de atuação é a educação.

CARLOS ALBERTO BLOTZ Contador - CRC/PR 047958/O-1

7.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Ilmo. Sr. Presidente da INSTITUIÇÃO ADVENTISTA SUL BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL CNPJ 76.726.884/0001-28 CURITIBA - PR 1.

COMPARATIVO OBRIGAÇÃO (20%) COM A GRATUIDADE CONCEDIDA 31/12/2011

DAVI CONTRI Tesoureiro

2.

RESPONSABILIDADE DOS AUDITORES INDEPENDENTES Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante.

4.

DIRETORIA

Bolsas Estudo - Integrais - 100% (Lei No. 11.096/05) Receita

Público Alvo

2010

BASE DA FILANTROPIA (RECEITA EFETIVAMENTE RECEBIDA) - 2011

GRATUIDADE CONCEDIDA - 2011

Percentual Aplicado

PROTEÇÃO ESPECIAL DE ALTA COMPLEXIDADE Projeto

Período

Descrição

EDUCAÇÃO SUPERIOR - DSDE - 31.12.2011

(B) OBRIGAÇÃO - 20% SOBRE A RECEITA BRUTA

Valor Aplicado Gratuidades - Filantropia

3.

NOTA 28 - PROJETOS / AÇÕES ASSISTENCIAIS E CUSTOS ENVOLVIDOS A Entidade realizou suas atividades de assistência social conforme quadro:

As aplicações em gratuidades educacionais para o exercício de 2011, considerando as regras da Lei No. 11.096/05 estão demonstradas a seguir:

Receita com Doações Pessoa Jurídica p/ Custeio

31/12/2011

(Continuação do RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS)

A receita base de cálculo referente ao Ensino Superior foi elaborada em conformidade com o artigo 10 inciso I da Lei n° 11.096 conforme descrito a seguir:

Receita com Outros Serviços Educacionais Rubricas Contábeis

NOTA 27 - FORMALIZAÇÃO DOS PROJETOS SOCIAIS A Entidade, no desenvolvimento de seus projetos formaliza, em cada projeto social, os seguintes itens: a justificativa; os objetivos do mesmo; a origem dos recursos; a infra-estrutura; o público-alvo, os recursos financeiros utilizados; os recursos humanos envolvidos; a abrangência territorial e a metodologia utilizada.

8.

Examinamos as demonstrações financeiras da INSTITUIÇÃO ADVENTISTA SUL BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL, que compreendem o Balanço Patrimonial em 31 de Dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do Superávit ou Déficit, das Mutações do Patrimônio Social e dos Fluxos de Caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas.

OPINIÃO Em nossa opinião, as demonstrações financeiras anteriormente referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da INSTITUIÇÃO ADVENTISTA SUL BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL em 31 de Dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. OUTROS ASSUNTOS Demonstração do Valor Adicionado – Examinamos, também, a demonstração individual do valor adicionado (DVA) referente ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2011, cuja apresentação é requerida pela legislação brasileira e Normas Contábeis Brasileiras, e como informação suplementar pelas IFRS que não requerem a apresentação da DVA. Essa demonstração foi submetida ao mesmo procedimento de auditoria descrito anteriormente e, em nossa opinião, está adequadamente apresentada, em todos os seus aspectos relevantes em relação às demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Auditoria dos valores correspondentes ao exercício anterior – Os valores correspondentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2010, apresentados para fins de comparação, foram auditados por outros auditores independentes, que emitiram relatório datado de 15/04/2011, o qual não conteve qualquer modificação. Porto Alegre, 23 de Março de 2012 Nilton Antonio Tiellet Borges Contador – CRC/RS “S” “PR” 015.233/O-8 CPF 005.449.140-15 Registro CVM Ato Declaratório nº 5417, DOU 14.5.99

RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Administração da INSTITUIÇÃO ADVENTISTA SUL BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou por erro.

Mauro Schmitt Soares Contador CRC RS-084.055/O-5 TSA AUDITORES ASSOCIADOS S.S. CRC/RS “S” “PR” 4.240

(Continua ao lado e acima)

Edital de citação de interessados, ausentes, incertos e desconhecidos e daquele em cujo nome porventura esteja transcrito o imóvel usucapiendo. Prazo de 60 dias. A Doutora Mychelle Pacheco Cintra juíza de direito substituta da primeira vara cível da comarca da região metropolitana de Curitiba, foro regional de São José dos Pinhais, Estado do Paraná. FAZ SABER que por este juízo o Cartório processam os termos dos autos numero 0011300-81.2010.8.16.0035 / 2097/2010 de ação de Usucapião, em que são requerentes ROSILEI INI COSTA, tendo por objetivo o terreno com área de 392,00 metros quadrados constituído pelo lote 14 da quadra BC situado no lugar colônia Guatupe, Município de São José dos Pinhais matriculado sob numero 59.886 da primeira Circunscrição Imobiliaria da Comarca. A área objeto da ação, possui a seguinte confrontação: DILMARA DOBROWOSKI; CELIA REGINA FENELON DA SILVA E PAULO CANDIDO DA SILVA; ADOLFO JACHINSKI NETO E LUCIANA RAMOS SENA. O prazo para contestar a ação é de quinze (15) dias. Advertindoo (s) de que se não forem contestados, presumir- se- ão aceitos pelo(s) mesmo(s) como verdadeiros os fatos articulados pelo(s) autor(es). Artigos 285 e 319 ambos do código de processo civil. São José dos Pinhais, trinta de setembro de 2011. Eu (a) (Carlos Alberto Bonim), Auxiliar de Justiça Juramentado que digitei e subscrevi. Carlos Alberto Bonim. Subscrição autorizada pelo MM. Juiz – Portaria 02/2010.

JUÍZO DE DIREITO DA SEXTA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - PARANÁ. EDITAL DE CITAÇÃO DE BERTEX TEXTIL LTDA., COM PRAZO DE 20 (VINTE) DIAS. A DOUTORA ANA LÚCIA FERREIRA, MM. JUÍZA DE DIREITO DA SEXTA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - PARANÁ. FAZ SABER a todos quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, com prazo de 20 (vinte) dias, que pelo presente CITA BERTEX TEXTIL LTDA., inscrito no CNPJ sob n. 082.010.083/0001-64, atualmente em lugar incerto e não sabido, nos autos de AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE, sob n. 1.868/2008, em trâmite perante a 6ª Vara Cível, movida por BRADESCO LEASING S/A. - ARRENDAMENTO MERCANTIL, em face de BERTEX TEXTIL LTDA., Resumo: Petição Inicial: Banco Bradesco S/A. - Arrendamento Mercantil, com sede social em São Paulo/SP., através de seu advogado e procurador, vem, à presença de Vossa Excelência, para consoante artigos 1361 à 1368 da Lei nº 10.406, decreto Lei 911/69 e demais alterações da Lei 10.931/04, propor a presente Ação de Reintegração de Posse em relação a BERTEX TEXTIL LTDA. I - Dos fatos. 1 - Mediante Contrato de Financiamento para Aquisição de Bens, firmado em 15 de Abril de 2008, obrigou-se o requerido a pagar a importância de R$ 169.758,60 em 60 parcelas iguais e consecutivas. No valor de R$ 2.829,31 - Em garantia das obrigações assumidas, nos termos do artigo 1361, caput, do Código Civil, o devedor transferiu em arrendamento mercantil, o bem descrito no supramencionado contrato, a saber: GMC c ABERTA - 14190 3e - 2001 branca - 9BG774NJ01C705679 - 3. O requerido mesmo sendo devidamente Notificado, não tendo, contudo, satisfeito o débito, que se acha totalmente vencido por força da cláusula 10ª, deixando de realizar pagamentos desde a prestação vencida em 15/08/2008, totalizando R$ 26.294,74, sendo que este valor compreende as parcelas vencidas e vincendas, multa contratual e despesas de notificação, honorários advocatícios e custas processuais, conforme demonstrativo financeiro. III. DO PEDIDO. Face ao exposto, não restando o requerente outra alternativa se não a de socorrer-se da tutela jurisdicional, Requer: a) seja concedida liminarmente a apreensão do bem, inaudita altera parte, com a expedição do competente mandado de busca e apreensão do veículo. Dá-se a presente para efeitos fiscais o valor à causa de R$ 32.787,00. (a) Nelson Paschoalotto. OAB/SP 108.911 - OAB/PR 42.745. FICA CITADO BERTEX TEXTIL LTDA., ATRAVÉS DO PRESENTE EDITAL, PARA QUE NO PRAZO DE 15 (QUINZE) DIAS, CONTESTE A AÇÃO, SOB PENA DE NÃO O FAZENDO SEREM CONSIDERADOS COMO VERDADEIROS OS FATOS AFIRMADOS, PRAZO ESSE QUE CORRERÁ A PARTIR DO TÉRMINO DO PRAZO DESTE EDITAL, CONTADO DE SUA PRIMEIRA PÚBLICAÇÃO. E, para que chegue ao conhecimento dos interessados e não possam no futuro alegar ignorância, mandou passar o presente edital que será publicado e afixado na forma da Lei. Aos vinte e seis dias do mês de março do ano de dois mil e doze. Eu, (a) Liliana Lima Bittencourt, Escrivã que mandei digitar e subscrevi por ordem do MM. Juiz. (a) ANA LÚCIA FERREIRA JUÍZA DE DIREITO.

Poder Judiciário do Estado do Paraná Comarca Da Região Metropolitana de Curitiba – Foro Regional de São José Dos Pinhais 3ª Vara Cível de São José dos Pinhais – Projudi Rua João Ângelo Cordeiro, S/N - São José Dos Pinhais/Pr. Autos Nº. 0002524-24.2012.8.16.0035 - Edital De Citação De Interessados, Réus, Ausentes, Incertos e Desconhecidos. Prazo De 60 Dias. O Doutor, Meritíssimo Osvaldo Canela Junior Juiz De Direito Titular Da 3ª Secretaria Cível Da Comarca Da Região Metropolitana De Curitiba - Foro Regional De São José Dos Pinhais - Estado Do Paraná, FAZ SABER, pelo presente edital, com prazo de sessenta dias, que ficam os interessados, réus, ausentes, incertos e desconhecidos devidamente CITADOS do inteiro teor da petição inicial da ação de USUCAPIÃO que tramita perante a 3º SECRETARIA CÍVEL DO FORO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, sob o n. 0002524-24.2012.8.16.0035, em que é requerente ACIR KROPNITSKI e requerido ESTER VIEIRA MULLER KOTESKI e SINCLAIR KOTESKI.O autor é senhor e legítimo possuidor do Imóvel Lote de Terreno nº 17 da Quadra 22 da Planta Roseli, situado no Bairro Afonso Pena em São José dos Pinhais-PR, de forma regular, medindo 13,00 (treze) metros de frente para a Rua Santa Luzia, no lado direito de quem da rua olha para o lote mede 39,00 (trinta e nove) metros, confrontando com o Lote nº. 18, no lado esquerdo mede 39,00 (trinta e nove) metros confrontando com o Lote nº. 16, e nos fundos mede 13,00 (treze) metros confrontando com o Lote nº. 10, fechando assim o perímetro com a área de 507,00 (quinhentos e sete) metros quadrados, terreno este situado no lado ímpar da Rua Santa Luzia, distante 26,00 (vinte e seis) metros da esquina com a Rua Santo Antonio, contendo uma casa de alvenaria sob nº. 263. Citem-se os requeridos para, querendo, oferecer resposta no prazo legal de 15 (quinze) dias, observando-se que não sendo contestada a ação no prazo legal, presumir-se-ão aceitos como verdadeiros os prazos alegados na inicial pelo autor (artigos 285 e 319 do Código de Processo Civil). E ainda, que a presente citação valerá para todos os atos do processo e que os requeridos da presente somente serão intimados dos atos processuais seguintes se atenderem a presente citação.São José dos Pinhais, 13 de abril de 2012. Eu, (a) Tiago Hiroaki Inoue, o digitei vai conferido e assinado pela Diretora de Secretaria conforme autorização da Portaria 02/2011. (a) Patrícia Elache Gonçalves dos Reis Diretora de Secretaria.

Classilinha AGORA VOCÊ TEM MUITO MAIS VANTAGENS. Anuncie no Classilinha e ganhe anúncio no site www.metropolejornal.com.br Interessados favor entrar em contato: Telefones 3058-0556 / 3058-0553 ou enviar currículo para: wizard@wizardsjp.com.br

Rodas Liga Leve Aro 20 Costureira VENDE-SE: RODAS DE LIGA LEVE ARO 20 + PNEUS (estado de novo), 5 furos, multi-furo. Troco p/moto. R$ 4.000,00 Fone 9864-8323

PRECISA- SE DE COSTUREIRA com pratica em confecção de cortinas e almofadas para trabalhar em loja no centro de São José dos Pinhais. Telefone p/ contato : 3035-1519

Arei a , Pedra, Bri t a, Pedri s co Santana MI 2.0 - 2005 Professor de Francês VENDO SANTANA MI 2.0 2005. Cor Prata único dono 44.000 km rodados. Estado de 0 km. R$ 30.000,00. Fone: 9647-8913 / 3081-2623

SAIBRO, TERRA PARA JARDIM E SE VOCÊ TEM FLUÊNCIA EM FRANCÊS ATERRO - ROBSON PALLÚ e gosta de dar aulas. Venha para a F: (41) 9234 0989 - (41) 3058 0989 Wizard São José dos Pinhais! Agradecemos a preferência Estamos contratando professores!

Exemplo:

Econômico / Mínimo: 5 edições Inteligente { R$ 30,00 Para anunciar ligue: 3383-6650 GOL 1.0 - 95 - Bordo - Liga leve, aro 15, insufilme. R$ 12.000,00. Ótimo estado. Informações: 9106-1534


8

| Quarta-feira, 18 de abril de 2012 |

Construtoras apostam na gastronomia para conquistar clientes Ela está mais acessível e tem se tornado uma opção para a divulgação dos lançamentos imobiliários na capital paranaense. Construtoras e incorporadoras estão fazendo uso da gastronomia para conquistar e fidelizar clientes, além de valorizar o espaço gourmet dos futuros condomínios. "Esta é uma maneira mais agradável e simpática de apresentar o empreendimento às pessoas com o mesmo perfil e potencial de compra, estimulando a visita ao plantão de vendas", afirma a diretora de marketing e compras da Swell Construções e Incorporações, Vanessa Pissetti. Recentemente, a empresa promoveu um evento no plantão de vendas do Prime Class Residence, no Bairro Água Verde, em Curitiba, com a degustação orientada de queijos e cervejas, ministrada pelo sommelier André Junqueira. O resultado foi além do esperado. "Além de contribuir para a divulgação institucional da empresa, a ação resultou na concretização da venda de cinco apartamentos no condomínio", revela Vanessa. Para a diretora de marketing e compras, além de usar a criatividade, é necessário escolher um profissional com a mesma imagem e posicionamento assumidos pela empresa no mercado. "É indispensável que ela seja reconhecida, respeitada e que o evento seja bem organizado, sem falhas", comenta Vanessa. Elaborar uma boa lista de convidados também contribui para o sucesso da ação. "A definição do perfil do público deve ser minuciosa, de modo que as pessoas sintam-se bem e identificadas com os demais convidados", afirma o proprietário da agência Trade Comunicação e Marketing, Jorge Cicarello. Para a chef Marisa Rocha Bonczkoviski, os eventos também são uma oportunidade de divulgar o trabalho e conquistar novos clientes. "Além disso, ajuda a

A chef Marisa Rocha Bonczkoviski

esclarecer algumas dúvidas de quem gosta de cozinhar. As orientações repassadas podem ser usadas para o preparo de pratos em casa. Esta é uma forma de democratizar a gastronomia", defende. Segundo Marisa, algumas adaptações no modo de preparo são feitas para garantir a qualidade das composições servidas. "É preciso atenção redobrada com o transporte para manter os alimentos na temperatura

ideal. Geralmente, a base é feita antes, deixando apenas a finalização para o dia do evento, garantindo a qualidade do produto final", conta. Algumas opções, como os canapés, são mais fáceis de preparar, sendo bastante indicados para eventos empresariais. "Mas, se houver uma estrutura apropriada, especialmente um bom fogão, é possível preparar qualquer prato", afirma Marisa.

7º Prêmio MasterInstal está com inscrições abertas A única premiação que valoriza as melhores práticas aplicadas na direção da qualidade, conformidade e eficiência das instalações nas edificações, o Prêmio MasterInstal, chega à sua sétima edição As inscrições podem ser feitas em cinco categorias: Qualidade, Sustentabilidade e Conformidade de Instalações; Projetos para a Execução de Instalações;

Métodos e Processos na Execução de Instalações; Treinamento, Qualificação e Segurança de mão de obra na Execução de Instalações; Tecnologia Aplicada na Execução de Instalações. Além do reconhecimento aos profissionais e empresas do setor de instalação, o Prêmio MasterInstal tem como objetivo ampliar a visibilidade dos

parceiros, marcas e produtos que participam do projeto. Este ano, a cerimônia acontecerá em 23 de outubro, para mais de 500 convidados, no Auditório do SESI, localizado na FIESP, em São Paulo. As inscrições podem ser feitas pelo site: www.premiomasterinstal.com.br. O Prêmio MasterInstal é dirigido às empresas e

profissionais da indústria de instalações, desde o projeto até sua implementação final nas edificações, passando pelo emprego de materiais, recursos humanos, processos e utilização de equipamentos e dispositivos, além das concessionárias de serviços en-

volvidas na cadeia setorial. Realizado pelo Sindicato da Indústria de Instalação (Sindinstalação) e Associação Brasileira pela Conformidade e Eficiência das Instalações (Abrinstal), o Prêmio MasterInstal possui como parceiro a Garrido Marketing,

empresa responsável pela organização da premiação. O sucesso dos cases será reconhecido por um rigoroso julgamento e, principalmente, em função das estratégias e resultados obtidos em benefício à qualidade das instalações.

Profissionais paranaenses já podem usufruir dos benefícios da CREDCREA Uma cooperativa iniciada em 2002 com 33 profissionais hoje contempla mais de 3,7 mil profissionais do Sistema CONFEA/CREA, que usufruem de benefícios como cotas capital, conta corrente, poupança, aplicações, cartões de crédito e débito, transferências, pagamento de folhas e emissão de contracheques. Tudo isso com vantagens como atendimento personalizado, inexistência de taxa de manutenção de conta e taxas de juros menores. Esta é a essência da CREDCREA – Cooperativa de Crédito dos Profissionais do CREA-SC, que promove o desenvolvimento econômico e social de seus cooperados, através da prestação de serviços financeiros com qualidade e custos baixos. Presente em quatro cidades de Santa Catarina - Florianópolis, Rio do Sul, Itajaí e Jaraguá do Sul -, desde 2011 a cooperativa atua também em parceria com o CREA-PR, usando os princípios aplicados no Estado catarinense. “A cooperativa de crédito não persegue o lucro, mas sim assegura o bem-estar dos associados. Reaplicando o dinheiro dos cooperados na comunidade em que atuam, geramos emprego e renda para nossas instituições e profissionais envolvidos”, diz o presidente da CREDCREA, engenheiro civil Gelásio Gomes. Mais informações sobre a CREDCREA em www.credcrea.coop.br ou credcrea@credcrea.coop.br

imob18-4-12  

imob18-4-12

Advertisement