Issuu on Google+

| Terça-feira, 24 de maio de 2011 |

11

A importância do BRINCAR Brincar é tão importante para a criança como trabalhar é para o adulto. É o que torna a criança ativa, criativa, feliz e mais propensa a ser bondosa, a amar ao próximo, a ser solidária. Oportuniza o relacionamento saudável com os outros. Para criarmos crianças felizes e interessadas no mundo que a cerca, ela precisa percorrer todas as etapas de seu desenvolvimento físico, cognitivo, social e emocional. Seu primeiro apoio nesse desenvolvimento é a família. Posteriormente, esse grupo se amplia com os colegas de brincadeiras e o colégio. Nas brincadeiras, a criança tem a oportunidade de comparar, analisar nomear, associar, classificar, criar, entre outros. A criança faz amigos com imensa facilidade, aprende em grupo a compartilhar seus brinquedos, a respeitar o direito dos outros, as normas estabelecidas, envolve-se em atividades pelo simples prazer de participar, sem visar nenhum lucro ou até mesmo castigo. Brincando a criança alcança o sentido da vida. O brincar tem suas etapas de desenvolvimento. A criança começa brincando sozinha, manipulando objetos. Depois irá procurar companheiros para as brincadeiras paralelas (cada um com seu brinquedo). A partir daí, desenvolverá o conceito de grupo e descobrirá os prazeres e frustrações de brincar com os outros, crescendo emocionalmente. Brincar em grupo evita que a criança se desestimule, mesmo quando ainda não sabe brincar junto. Ela aprende a esperar sua vez e a interagir de forma mais organizada, respeitando regras e cumprindo normas. Com os grupos ela aprende que, se não encontrarmos uma forma eficiente de cooperar uns com os outros, seremos todos prejudicados. A vitória depende de todos. Aprende-se a ganhar e a perder. Por muitas vezes irão acontecer disputas por brinquedos, aqueles “famosos empurrões”,

choro por uma perda, mas tudo isso é aprendizado para sua vida. A atividade lúdica produz entusiasmo, deixa a criança alegre, desafia seus limites, desenvolve a coordenação motora e o raciocínio lógico, isso a levará a se tornar um adulto bem desenvolvido, resolvido, confiante e feliz. A participação dos pais é de extrema importância na fase das brincadeiras em grupo. Tente ser o mais tranquilo possível em situações conflitantes com coleguinhas. O adulto é você nesta história, então tente agir como tal, busque ajuda, soluções de profissionais escolares ou se necessário de psicólogos, aju-

Os pequeninos devem e precisam brincar A partir dos primeiros meses de vida, a criança começa a explorar o mundo que a cerca, principalmente por meio dos brinquedos, embora até por volta dos cinco meses o bebê não brinque realmente com eles, mas o contato com os mesmos já contribui para desenvolver os cinco sentidos (tato, olfato, visão, audição e paladar). Ela apenas morde, cheira, sacode o brinquedo para ouvir o barulho e pronto, o deixa de lado. O interesse dura pouco, mas nunca deve ser desprezado. As sensações precisam ser estimuladas sempre nas crianças, a importância em brinquedos coloridos, com sons (cuidado com os volumes altos) ou que possam ser levados à boca, como os mordedores. Por volta dos seis meses, quando a criança já começa a sentar e engatinhar, os pais devem oferecer brinquedos que despertem o interesse dos pequenos e que eles possam pegar. Os adultos devem estimular o bebê a buscar o brinquedo, a se interessar por ele, evite dar tudo na mão da criança, assim como não ser tão pronto em pegar qualquer coisa quando simplesmente a criança aponta para algo, estimule-a a falar “Você quer o que? Ah! quer água..., aí você alcança, assim como qualquer objeto que aponte. Outro fator é a criança por muitas vezes se interessar, por exemplo, por um papel de ovo de Páscoa (colorido, faz barulho, é brilhante), neste a criança tem grande possibilidade de criar e transformar coisas inusitadas em brinquedos. Muitas vezes os pequeninos ganham um brinquedo maravilhoso, mas o que interessa naquele momento para ele é o papel de presente, que dá para criar, fazer barulho, amassar, descobrir novas formas... Mas atenção, muita atenção! Na hora de comprar o brinquedo, adquira somente os autorizados pelo INMETRO, mesmo se a criança ganhar um brinquedo de algum amigo, parente ou outro que não tenha o selo de segurança, não fique preocupada, simplesmente não entregue o mesmo a criança, você deve pensar na segurança do seu filho. Leia com atenção as instruções, indicação de idade e cuidados do fabricante antes de comprar. As recomendações de faixa etária

levam em consideração as habilidades cognitivas da criança, bem como os aspectos de segurança do brinquedo, que se for indicado para uma idade muito superior ou muito inferior a da criança, pode ser usado inadequadamente, causando lesões. Ao comprar brinquedos para crianças, observe o tamanho. Todas as partes do brinquedo devem ser maiores do que o pulso da criança para prevenir o sufocamento. Se um brinquedo passar por dentro do tubo de papelão de um rolo de papel higiênico, ele é muito pequeno para crianças menores. Procure brinquedos de construção robusta. Peças pequenas (como os olhos) em animais de pelúcia

de seu filho a aprender a lidar com as frustrações, mais tarde este aprendizado será altamente válido na vida do seu filho. Mais do que entreter as crianças, a função do brinquedo e do brincar é fazer com que o pequeno projete no objeto, aspectos positivos e negativos da vida, e isso irá ajudar na definição de normas e limites. As prateleiras das lojas de brinquedos fazem brilhar os olhos da garotada de todas as faixas etárias. A variedade de opções oferecidas é tão grande que, muitas vezes, pode deixar os pais em dúvida. Mas, muito mais do que ser um instrumento de entretenimento

para os pequenos, o brinquedo tem a função de ajudar no desenvolvimento infantil em diversos aspectos como no intelectual, motor e no desenvolvimento da linguagem. O amadurecimento psicomotor também é trabalhado nas brincadeiras consideradas tradicionais, como pular corda e amarelinha e subir no trepa-trepa. Pular corda estimula o ritmo, a agilidade, a flexibilidade e o equilíbrio. Já a amarelinha e o subir no trepa-trepa faz com que a criança adquira o domínio das pernas e o equilíbrio, assim como subir em escadas. Os jogos, em geral, tanto de quadra, quanto de tabuleiro, também são indicados, ensinam a respeitar o adversário, a lidar com ganhos e perdas, com normas, liderança e a se sociabilizar. Jogos de videogame e computador podem ser benéficos, desde que monitorado por um adulto qual o tipo de jogo que usará. Cuidado principalmente com jogos de violência, pois muitos deles passam um conceito errôneo sobre não haver punição para quem usa a violência ou até mesmo aquelas batidas de carros ou quedas “fantásticas” em que o personagem nunca morre, isso pode deixar na criança uma ideia grave de não saber o que é certo ou errado. Assim como limitar o tempo de uso, pois ficar muito tempo em frente ao computador ou videogame não oportuniza a relação com o outro, não deixa desenvolver relacionamentos. Brincar digamos que seja uma forma de atividade complexa, pois possui uma peculiaridade de combinar a ficção com a realidade, ou seja, brincando a criança trabalha muitas vezes com informações, dados e fatos da realidade, mas na forma de ficção. Ela reproduz ações que percebe no meio, à medida que cresce, vai incorporando os conhecimentos adquiridos, os desejos e os sentimentos à representação na vida real. devem ser firmemente costuradas e não somente coladas ou fixadas com grampos. E cuidado com brinquedos com cordas, alças ou fitas maiores do que 15 cm, pois podem resultar em estrangulamento. Assim como quando comprar a bicicleta ou o skate, lembre de comprar o capacete, cotoveleiras e outros acessórios que ajudarão na proteção da criança. A cada ano, aproximadamente 111.000 crianças com menos de 14 anos de idade são atendidas em emergências hospitalares por lesões relacionadas a brinquedos. Brinquedos apropriados para os pequenos Recém-nascido à 1 ano de idade Escolha brinquedos vistosos, que atraiam o olhar, a audição e o toque do seu bebê. Brinquedos adequados incluem: serem antialérgicos, tapetes de atividade, animais preferencialmente os que não sejam de pelúcia, brinquedos para o banho, bonecos macios, móbiles, livros de pano, blocos de plástico de tamanho grande, chocalhos, mordedores, etc. 1 a 3 anos de idade Crianças desta idade são curiosas e sem noção de perigo. Gostam de escalar, pular, atirar coisas e jogos de empurrar. Brinquedos adequados incluem: livros, blocos, jogos de encaixar, bolas, jogos de puxar e empurrar, brinquedos que imitam painel de automóveis, telefones de brinquedo, brinquedos de formas, bonecos mais robustos e que falam (ajudam o desenvolvimento da linguagem), etc. 3 a 5 anos de idade Estas crianças gostam de testar sua força física, gostam de jogos de experimentação ou aqueles que imitam atividades de crianças mais velhas ou dos pais. Brinquedos adequados incluem: material de artes não tóxico (tintas, massa de modelar...), vídeos, instrumentos musicais, quadro negro e giz, martelo e bancada, brinquedos de casa (vassoura, fogão...), brinquedos de transporte (triciclos, carros, caminhões), fantasias, utensílios para chá, brinquedos de pátio (balanço, caixa de areia...). Claudia Zarpelon Setim - Diretora Pedagógica Fabiana Ziliotto - Coordenadora Ed. Infantil


Educacao24-05