Issuu on Google+

7

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| 25 a 27 de abril de 2014 |

IBQ – INDÚSTRIAS QU�MICAS S/A CNPJ Nº 78.391.612/0001-40

IBQ – INDÚSTRIAS QU�MICAS S/A

RELATĂ“RIO DA ADMINISTRAĂ‡ĂƒO Ă€S DEMONSTRAÇÕES EM IFRS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposiçþes legais e estatutårias, submetemos para apreciação dos acionistas o Relatório da Administração e as Demonstraçþes Financeiras da IBQ – INDÚSTRIAS QU�MICAS S/A informaçþes relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2013, acompanhados do Relatório de Auditoria Independente. As demonstraçþes Financeiras estão sendo apresentadas em conformidadecom as normas internacionais de contabilidade emitidas pelo IASB etambÊm de acordo com as pråticas contåbeis adotadas no Brasil, comatendimento integral da Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09, e pronunciamentos emitidos pelo CPC – Comitê de Pronunciamentos Contåbeis e aprovados pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade epela CVM – Comissão de Valores Mobiliårios. A EMPRESA Somos uma empresa que atua no desenvolvimento da indústria base brasileira, especialmente na construção civil pesada, agregados e mineração. Fornecemos soluçþes em engenharia de desmonte para construtoras brasileiras em projetos de hidrelÊtricas, portos, estradas, alÊm de fornecermos soluçþes tÊcnicas em desmonte de rocha para mineradores e distribuidoras em todo território nacional. A IBQ Indústrias Químicas S/A esta comprometida com a pråtica de altos padrþes de qualidade no fornecimento de explosivos civis, sistemas de iniciação e serviços em desmonte de rocha. Para atingir este objetivo praticamos os princípios de melhoria contínua em nossos produtos, processos e sistemas operacionais, sempre de acordo com os requisitos aplicåveis ao Sistema de Gestão da Qualidade, de forma a exceder as expectativas de nossos clientes, parceiros de negócios, acionistas e comunidade, operando sempre de forma Êtica, segura e ambientalmente responsåvel. Contamos com um parque fabril atualizado e bem equipado, localizado em Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, no Estado de Paranå, similarmente ao que ocorreu no ano de 2012, a fåbrica atingiu sucessivos recordes de produção no decorrer de 2013. A IBQ Indústrias Químicas S/A,operando com a marca comercial Britanite, atualmente com representação comercial e operaçþes em quatorze estados brasileiros, tem a maior rede de atendimento entre as empresas do mesmo segmento do país. Competindo com empresas internacionais tradicionais no ramo de serviços de desmonte de rocha e fornecimento de explosivos para uso civil, a IBQ Ê líder de mercado, continuando com uma participação aproximada de 45% enquanto que seus concorrentes, representados por empresas internacionais ocupam uma parcela equivalente do mercado. Enquanto que uma participação representativa do mercado brasileiro como que a IBQ detÊm em face de competidores globais torna lenta uma maior ocupação de mercado, a experiência dos colaboradores e a qualidade dos produtos Britanite, permite estruturar estratÊgias de crescimento para outros mercados e eventualmente para novos negócios. Após completar 50 anos em 2011 e mudar a estrutura do controle acionårio em 2012, ocasião em que a CR Almeida Engenharia e Construçþes S/A completou o processo de venda parcial do controle acionårio para o consórcio ENAEX e EXSA, a IBQ passou a ser uma empresa com presença internacional, contando com seus novos acionistas: Grupo Breca (do Peru) e Grupo Sigdo-Koppers (do Chile). 2 DQR GH  FRQVROLGRX D VLQHUJLD HQWUH RV QRYRV DFLRQLVWDV UHVXOWDQGR HP DSHUIHLoRDPHQWR GD H¿FLrQFLD administrativa, atravÊs da melhoria de processos internos, compliance de informação e governança corporativa. Objetivando manter a rentabilidade e sustentabilidade do crescimento da empresa em face da crescente demanda, no segundo semestre de 2013, adquirimos uma empresa concorrente no Nordeste, um dos mercados com maior crescimento previsto no Brasil. Desde então, estamos executando planos de expansão de capacidade da nova unidade. A Receita da Companhia nos últimos 5 anos tem crescido constantemente superando o crescimento do PIB Brasileiro. 3DUD¿QVGHLOXVWUDomRFRPSDUDPRVQRJUi¿FRDEDL[RDVYDULDo}HVFXPXODWLYDVGHFUHVFLPHQWRGR3,%HDVYDULDo}HV de crescimento da receita da IBQ.

Como fator positivo adicional em relação ao futuro dos negócios, a empresa pode contar com os benefícios gerados pelo Plano Nacional de Mineração 2030. Este programa, criado pelo Governo Federal, visa superar os obståculos e garantir a solidez, competitividade e desenvolvimento do ser de Mineração. O programa nortearå e pretende fortalecer o setor mineral brasileiro nos próximos 20 anos. Segundo a opinião de especialistas e a partir da perspectiva de investidores internacionais, o setor de Mineração tambÊm estå se tornando primordial, canalizando empreendimentos em conjunto (joint ventures), parcerias e alianças. Ao se unirem por meio de associaçþes internacionais, as empresas de mineração poderão colaborar de forma mais H¿FLHQWHSDUDUHVROYHUSUREOHPDVUHJLRQDLVFRPXQVEDUUHLUDVUHJXODWyULDVHRWLPL]DUYDORUDWRGRVRVFRQFRUUHQWHVGR setor por meio de infraestrutura compartilhada e investimentos de logística. A IBQ Indústrias Químicas S/A tambÊm tem representatividade acentuada no setor de construção civil, o qual vem representando 31% de sua receita, tendo sido parceira de todas as grandes construtoras nacionais em obras de infraestrutura como a Usina HidrelÊtrica de Belo Monte, Jirau e Teles Pires, construção do Rodoanel e Metro em São Paulo, Metro e Portos no Rio de Janeiro e obras do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) no Norte e Nordeste tais como Ferrovia Transnordestina e obras de transposição do Rio São Francisco. 3DUDHQIUHQWDURVGHVD¿RVDWXDLVDVHPSUHVDVGHPLQHUDomRFRQVWUXomRFLYLOHVHXVSDUFHLURVHQWUHHOHVDVHPSUHVDV prestadores de serviço da årea de desmonte de rocha, a exemplo da IBQ Indústrias Químicas S/A devem continuar a controlar os custos, melhorar o gerenciamento de projetos de investimento, melhorar o seu planejamento de cenårios e fortalecer seus controles internos. Para o ano de 2014, as previsþes são bastante otimistas, uma vez que os mercados que atendemos devem crescer acima da mÊdia no Brasil, especialmente os serviços ligados à infraestrutura, como a construção e recuperação de estradas, portos, usinas hidrelÊtricas aeroportos e ferrovias, o que impþe a expansão conjunta do mercado de explosivos e serviços de desmonte de rocha. CERTIFICAÇÕES  ‡&HUWL¿FDomR6LVWHPDGH*HVWmRGD4XDOLGDGH Norma: NBR ISO 9001:2008   �UJmR&HUWL¿FDGRU%XUHDX9HULWDV  ‡&HUWL¿FDomR(PEDODJHQVSDUD7UDQVSRUWH7HUUHVWUHGH3URGXWRV3HULJRVRV Normas: ANTT 420/04 e Portaria 326/06   �UJmR&HUWL¿FDGRU&21&(37$ DESEMPENHO COMERCIAL O negócio de prestação de serviços em desmonte de rocha e comercialização de explosivos civis estå segmentado em duas grandes åreas. A primeira delas representada pelas pequenas mineradoras e pedreiras independentes, que constituem o negócio de varejo de venda de explosivos civis e aplicação em pequena escala, suportados pelos especialistas da Britanite ou tÊcnicos do cliente, sob supervisão da Britanite. Este segmento de varejo Ê formado por mais de quinhentos clientes que estão em constante contato com os representantes comerciais e tÊcnicos da Companhia, visando aperfeiçoar suas operaçþes, melhorar a produtividade de seus negócios e colocar os seus requerimentos para os novos serviços de desmonte que irão realizar. A segunda grande årea de negócios Ê representada por grandes mineradoras, construtoras de grande porte e conglomerados de pedreiras e cimenteiras, para os quais a IBQ executa o planejamento, aplicação e desmonte de rocha usualmente sob contratos de longo prazo. (PIXQomRGDGLYHUVL¿FDGDVHJPHQWDomRGHFOLHQWHVQRPHUFDGRGHYDUHMRGRVFRQWUDWRVGHORQJRSUD]RHPREUDV de infraestrutura e com as grandes mineradoras, e de ter o negócio lastreado em diferentes segmentos de negócios tais como, mineração, infraestrutura e construção civil, a Britanite tem conseguido continuadamente aumentar o seu IDWXUDPHQWRDSHVDUGDÀXWXDomRHFRQ{PLFDHPDOJXQVGHVWHVPHUFDGRV $EDL[RDSUHVHQWDPRVJUi¿FRGHPRQVWUDQGRRSHUFHQWXDOGHSDUWLFLSDomRQRIDWXUDPHQWRGHFDGDJUDQGHJUXSR

A Companhia tem apresentado crescimento substancial no segmento de Mineração, setor em grande parte responsåvel pelo desempenho positivo da balança comercial brasileira e por aproximadamente 50% da receita da Companhia,o qual, segundo levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Mineração – IBRAM deverå ser objeto de uma das maiores parcelas de investimento do setor privado no País no período de 2011 a 2015, com aportes de US$ 68,5 bilhþes. BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Nota explicativa

31/12/2013

31/12/2012

Nota explicativa

31/12/2013

4 5  7

Ativos nĂŁo circulantes Contas a receber Contas a receber de partes relacionadas   7ULEXWRVDUHFXSHUDU Impostos diferidos ativos   2XWURVDWLYRV   ,PRELOL]DGR IntangĂ­vel

5 15  8   11

415 74.674  4.145 1.926 109.205

1.727 57.198  8.139 811 96.354

17  61.735   17.485 212.125

6 7  65.667   8.114 194.042

PASSIVOS Passivos circulantes   )RUQHFHGRUHV   (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV   2EULJDo}HVÂżVFDLVVRFLDLVHWUDEDOKLVWDV Adiantamentos de clientes Dividendos a pagar Outros passivos

  

   1.529 6.486 1.981 108.386

   345 5.561 711 91.250

   58.573

   51.151

16

Passivos nĂŁo circulantes   (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV   2EULJDo}HVÂżVFDLVVRFLDLVHWUDEDOKLVWDV ProvisĂŁo para riscos tributĂĄrios, trabalhistas e cĂ­veis

  14

PatrimĂ´nio lĂ­quido Capital social Reservas de capital Reservas de lucros

16 16 16

69.832 58.256 26.283 154.371 321.330

Total do patrimĂ´nio lĂ­quido e passivos 321.330 290.396 $VQRWDVH[SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDV

Total dos ativos

69.832 58.256  147.995 290.396

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO L�QUIDO PARA OS EXERC�CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em milhares de reais - R$) Nota explicativa Saldos em 31 de Dezembro de 2011 Aumento de capital Distribuição de dividendos Ajustes de avaliação patrimonial: Realização - depreciação do imobilizado Realização - impostos diferidos Incorporação de sociedade /XFUROtTXLGRGRH[HUFtFLR Destinaçþes propostas: . Reserva legal . Dividendos propostos . Reserva para expansão Saldos em 31 de Dezembro de 2012 Lucro líquido do exercício Destinaçþes propostas: . Reserva legal . Dividendos propostos . Reserva para expansão Saldos em 31 de Dezembro de 2013

16(a) 16(c3) 16(d) 16(d) 2  16(c1) 16(c3) 16(c2)

Capital social 68.000 1.633 199  69.832 -

Reservas de capital 58.256  58.256 -

Reservas de lucros 21.862 (19.566) 

Ajustes de avaliação patrimonial 6.121 (3.368) 1.145 (3.898) 

Lucros acumulados 3.368 

Total 95.983 1.633 (19.566) 1.145 54.557 

-

(1.171) (5.561)  

8.361

(5.561) 147.995 8.361

418 5.958 69.832 58.256 26.283 $VQRWDVH[SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDV

(1.985) -

(418)

(1.985) 154.371

(5.958) -

NOTAS EXPLICATIVAS Ă€S DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCĂ?CIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Valores expressos em milhares de Reais - R$, exceto quando indicado de outra forma) 1. INFORMAÇÕES GERAIS A IBQ - IndĂşstrias QuĂ­micas S/A (“Sociedadeâ€?), sociedade anĂ´nima de capital fechado estĂĄ registrada QR&13-&DGDVWUR1DFLRQDOGH3HVVRD-XUtGLFDVREQžH1,5(1~PHURGH ,QVFULomRGH5HJLVWURGH(PSUHVDVQžLQLFLRXVXDVDWLYLGDGHVHPMXQKRGH(VWi VHGLDGDQDFLGDGHGH4XDWUR%DUUDVHVWDGRGR3DUDQiQD5RGRYLD5pJLV%LWWHQFRXUWNP%DLUUR )ORUHVWDO&(37HPFRPRDWLYLGDGHDFULDomRGHVROXo}HVIDEULFDomRHRIRUQHFLPHQWRGH explosivos e acessĂłrios de detonação destinados a: mineração, construção civil pesada e pedreiras. (P  GH DJRVWR GH  D 6RFLHGDGH ÂżUPRX FRQWUDWRV GH FRPSUD GH TXRWDV MXQWR DV HPSUHVDV Bel QuĂ­mica Ltda(“BELâ€?) e RC IndĂşstria & ComĂŠrcio de Explosivos Ltda(“RCâ€?), as quais estavam VLWXDGDVQRPXQLFtSLRGH(VFDGD3($PEDVDSUHVHQWDYDPFDSLWDOVRFLDOGH5VHQGRRGD%(/ UHSUHVHQWDGRSRUTXRWDVQRYDORUQRPLQDOGH5WRGDVVXEVFULWDVHLQWHJUDOL]DGDVHRGD 5&UHSUHVHQWDGRSRUTXRWDVQRYDORUGH5VXEVFULWDVHLQWHJUDOL]DGDV (PGHQRYHPEURGHD6RFLHGDGHLQFRUSRURXDVHPSUHVDV%(/H5&VHQGRTXHXPDQRYD ÂżOLDO IRL FULDGD SDUD GDU FRQWLQXLGDGH DV DWLYLGDGHV GDV HPSUHVDV H[WLQWDV GHQRPLQDGD Âł)LOLDO ,%4 Escadaâ€?. 2. REORGANIZAĂ‡ĂƒO SOCIETĂ RIA (P  GH -XQKR GH  D ;,21 ,, 3$57,&,3$dÂŽ(6 6$ HQWmR FRQWURODGD SHOD ;,21 , 3$57,&,3$dÂŽ(66$ SHUWHQFHQWHDRVJUXSRV(1$(;6$H(;6$6$ DGTXLULXGDVDo}HV da IBQ IndĂşstrias QuĂ­micas S.A. (PGH'H]HPEURGHIRLDSURYDGDDWUDYpVGH$VVHPEOHLD*HUDO([WUDRUGLQiULDDLQFRUSRUDomR GHIRUPDUHYHUVDGDWRWDOLGDGHGRDFHUYROtTXLGRGDFRQWURODGRUD;,21,,3$57,&,3$dÂŽ(66$SHOD IBQ - IndĂşstrias QuĂ­micas S/A. $LQFRUSRUDomRIRLHIHWXDGDFRPEDVHQDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVGHGH2XWXEURGHRQGH IRLDSXUDGRRDFHUYROtTXLGRGD;,21,,3$57,&,3$dÂŽ(66$QRPRQWDQWHGH5YDORUHVVH HTXLYDOHQWHDRSDWULP{QLROtTXLGRGD;,21,,3$57,&,3$dÂŽ(66$GHGX]LGRGRLQYHVWLPHQWRHGR ĂĄgio, os quais foram utilizados para aumento do capital social da Sociedade. (PFRQVHTXrQFLDGDLQFRUSRUDomRRiJLRIRLEDL[DGRQDHQWLGDGHYHtFXOR;,21,,3$57,&,3$dÂŽ(6 S.A antes da incorporação, e os benefĂ­cios econĂ´micos a serem auferidos com decorrĂŞncia do ĂĄgio baixado, na forma de redução futura de tributos, foram constituĂ­dos sob forma de crĂŠdito tributĂĄrio para o imposto de renda e contribuição social no montante de R$ 54.358, o qual foi reconhecido no ativo em contrapartida de uma conta de reserva de capital no patrimĂ´nio liquido. O saldo de imposto de renda e contribuição social diferidos relativos ao custo atribuĂ­do do ativo LPRELOL]DGRUHJLVWUDGRVQRSDVVLYRGD6RFLHGDGHDWpDGDWDGDLQFRUSRUDomRQRYDORUGH5 IRLUHFRQKHFLGRQRUHVXOWDGRXPDYH]TXHDGHSUHFLDomRGHVVDSDUFHODWRUQDVHGHGXWtYHOSDUDÂżQV tributĂĄrios apĂłs a incorporação. Por essa mesma razĂŁo, o saldo remanescente da conta de ajustes de avaliação patrimonial correspondente, foi revertido para a mesma conta de reserva de capital onde foram registrados os efeitos da incorporação. $FRPSRVLomRGRDFHUYROtTXLGRLQFRUSRUDGRSHOD;,21,,3DUWLFLSDo}HV6$IRLFRPRVHJXH Descrição Saldo da Incoporadora Ativo Caixa e equivalentes 238 IRPJ e CSLL diferidos 54.358 Ativo total 54.596 Outros passivos (39) Eliminação investimento IBQ (54.358) Acervo liquido incorporado 199 3. BASE DE PREPARAĂ‡ĂƒO E APRESENTAĂ‡ĂƒO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIĂ RIAS 3.1. Declaração de conformidade $VGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVGD6RFLHGDGHIRUDPSUHSDUDGDVGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV adotadas no Brasil, as quais compreendem aquelas incluĂ­das na legislação societĂĄria brasileira e os Pronunciamentos, as Orientaçþes e Interpretaçþes emitidas pelo ComitĂŞ de Pronunciamentos ContĂĄbeis (“CPCâ€?), e aprovadas pelo Conselho Federal de Contabilidade (“CFCâ€?), vigentes em 31 GHGH]HPEURGH 3.2. Reapresentação de exercĂ­cios anteriores 1RGHFRUUHUGHD$GPLQLVWUDomRGD6RFLHGDGHLGHQWLÂżFRXDVHJXLQWHVLWXDomRTXHUHVXOWRXQD UHDSUHVHQWDomRGDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVGRH[HUFtFLRÂżQGRGH D  2V ODQoDPHQWRV TXH DOWHUDUDP DV GHPRQVWUDo}HV GH  GH GH]HPEUR GH  GHFRUUHP GH DFRUGR 6KDUH3XUFKDVH$JUHHPHQW Âł63$´  DVVLQDGR HQWUH RV DFLRQLVWDV HP  GH PDUoR GH  onde as obrigaçþes que surgirem decorrentes de fato gerador anteriores Ă  data de aquisição em nome da Sociedade, serĂŁo absorvidas pelo acionista CR Almeida S/A Engenharia e Construçþes. 'HVWDIRUPDRVDOGRGDVSURYLV}HVSDUDULVFRVÂżVFDLVWUDEDOKLVWDVHFtYHLVGLVFULPLQDGRVQDWDEHOD abaixo foram reconhecidos pela Sociedade em contrapartida dos respectivos reembolsos a serem recebidos do acionista C.R. Almeida S/A Engenharia e Construçþes, em caso de eventual desfechos desfavorĂĄveis Ă  Sociedade. Tais valores haviam sido divulgados lĂ­quidos em suas respectivas rubricas HPGHGH]HPEURGH2VDMXVWHVGHFRUUHQWHVGRDVVXQWRDFLPDIRUDPUHFRQKHFLGRVGHIRUPD UHWURDWLYDFRQIRUPH&3&3ROtWLFDVFRQWiEHLV0XGDQoDVGH(VWLPDWLYDH5HWLÂżFDomRGH(UURV $GLFLRQDOPHQWHHPUD]mRGRUHVSHFWLYRWHPDQmRDIHWDUDVGHPRQVWUDo}HVGHGHMDQHLURGH tais saldos nĂŁo foram reapresentados. &RQVHTXHQWHPHQWHRVHIHLWRVGRVDMXVWHVDSOLFDGRVGHIRUPDUHWURVSHFWLYDQRH[HUFtFLRÂżQGRHP GHGH]HPEURGHIRUDP Ativo 31/12/2012 Saldos originalmente divulgados 268.994 Ativos nĂŁo circulantes   $MXVWHQDUXEULFDGHRXWURVDWLYRV  Saldos reapresentados  Passivo 31/12/2012 Saldos originalmente divulgados 215.819 Passivos nĂŁo circulantes   $MXVWHQDUXEULFDGHSURYLVmRSDUDULVFRVÂżVFDLVWUDEDOKLVWDVHFLYHLV  Saldos reapresentados  3.3. Base de elaboração $VGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVIRUDPHODERUDGDVFRPEDVHQRFXVWRKLVWyULFRFRQIRUPHGHVFULWRQDV prĂĄticas contĂĄbeis a seguir. O custo histĂłrico geralmente ĂŠ baseado no valor justo das contraprestaçþes pagas em troca de ativos. 1) Principais prĂĄticas contĂĄbeis As principais prĂĄticas contĂĄbeis adotadas pela Sociedade estĂŁo descritas abaixo. Essas foram aplicadas de modo consistente nos exercĂ­cios apresentados.

Receita operacional líquida Custo dos produtos, das mercadorias e dos serviços vendidos

Nota explicativa 17

31/12/2013 343.856

31/12/2012 338.452

18

(188.117)

(183.319)

155.739

155.133

(85.781) (49.479) (1.164) (136.424)

(85.853) (42.936) 11.228 (117.561)

Lucro bruto Receitas (despesas) operacionais: Com vendas Gerais e administrativas Outras receitas (despesas)

18 18 22

/XFURDQWHVGRUHVXOWDGRÂżQDQFHLUR 5HVXOWDGRÂżQDQFHLUR 5HFHLWDVÂżQDQFHLUDV 'HVSHVDVÂżQDQFHLUDV







 

  

  

Lucro operacional antes do imposto de renda e da contribuição social 12.668 30.624 ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO   

 

Lucro lĂ­quido do exercĂ­cio 8.361 19.804 $VQRWDVH[SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDV

DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO ABRANGENTE PARA OS EXERC�CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em milhares de reais - R$)

1.171  19.907 -

16(c1) 16(c3) 16(c2)

Demonstração do Resultado Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (Valores expressos em milhares reais - R$)

(reapresentado)

(reapresentado)

ATIVOS Ativos circulantes Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber   (VWRTXHV Tributos a recuperar Outros ativos

31/12/2012

DESEMPENHO ECONÔMICO E FINANCEIRO A receita líquida das atividades operacionais neste exercício atingiu o montante de R$ 343,8 milhþes contra R$ 338,4 milhþes no exercício de 2012, ligeiramente acima do ano anterior porÊm com perspectivas bastante favoråveis. Em 2013 ocorreu o termino ou redução no nível de atividade de obras de infraestrutura iniciados em 2012. Entretanto, apesar da redução da receita oriunda da årea de construção civil, o segmento de mineração, que cresceu substancialmente com a entrada em operação da nova fåbrica em Carajas – operação Vale – tende a tornar-se ainda maior com o início da operação no projeto S11D, tambÊm da Vale. Este projeto Ê reconhecido como um dos maiores investimentos da Vale na dÊcada e, em conjunto com o novo contrato com a Anglo AmÊrica – Projeto Minas Rio, deverå aumentar substancialmente a participação da Britanite no mercado. Ao mesmo tempo, hå sinais importantes que o ritmo de obras de infraestrutura deve aumentar durante 2014, trazendo perspectivas muito boas para novos negócios. Da mesma forma que a receita líquida, o Lucro Bruto, no ano de 2013,manteve-se muito próximo ao do ano anterior, no montante de R$ 155,7mm (45% em relação a receita líquida), tendo sido, em 2012, R$ 155,1mm (46% em relação a receita líquida). Os números acima reforçam o desempenho positivo da abordagem de negócios e participação de mercado da Britanite, que, atravÊs da reorientação de seus objetivos para a årea de mineração, pode manter sua receita e receita, num ano em que a economia do país praticamente não cresceu. A geração de caixa operacional, medida pelo EBITDA, produziu R$ 40,0 milhþes representando11,85% em relação a UHFHLWDOtTXLGD¿FDQGR5PHQRUTXHVHQGRTXHRUHVXOWDGRGHLQFOXLFUpGLWRRSHUDFLRQDOQmRUHFRUUHQWH relacionado a impostos no valor de R$ 17,5 milhþes, valor este transferido a controladora anterior, por força do item 13.6 do Share Purchase Agreement (SPA) assinado entre os acionistas em 29/03/2012. Sendo assim, desconsiderando os impostos mencionados acima do EBITDA de 2012, no ano de 2013 o crescimento da geração de caixa foi de R$ 7,0 milhþes (21,2% superior ao ano anterior). As despesas com vendas, gerais e administrativas apresentaram um aumento de 4,7% em relação a 2012, devido principalmente à implantação do projeto Carajås com a Vale. Para 2014, a empresa conta com a estabilização deste projeto e com o uso intensivo de ferramentas tecnológicas para aumentar sua presença ao mesmo tempo que reduz gastos logísticos e toma vantagem de sua nova unidade produtiva no Nordeste. (P  R VDOGR OtTXLGR DFXPXODGR GDV GHVSHVDV H UHFHLWDV ¿QDQFHLUDV ¿FRX HP 5   PLOK}HV PDQWHQGRVH equivalente ao ano anterior em que era de (R$ 6,9)milhþes. O lucro líquido do exercício foi de R$ 8,3 milhþes comparåvel com R$ 19,8 milhþes no ano de 2012. Da mesma forma que no EBITDA, o lucro líquido do exercício anterior esta afetado pelos impostos no valor de R$ 17,5 milhþes, transferidos a antiga controladora.Excluindo-se o valor transferido, o lucro líquido apresentou crescimento de R$ 6,0 milhþes, o que representa 260,9% em relação a 2012. No ano de 2013, liderando o mercado, a companhia adotou medidas para melhorar ainda mais sua rentabilidade, tendo LPSODQWDGR QRYD PHWRGRORJLD GH SUHFL¿FDomR H UHSDVVH GH FXVWRVGH IUHWHV FRQVLGHUDQGR R YDORU DJUHJDGR SDUD R cliente, ação que proporcionou vantagem em relação às contas de grandes clientes, melhorando a relação custo versus benefício para o cliente, ao mesmo tempo que estabeleceu preços justos para os clientes mÊdios e pequenos, aliados a uma melhor prestação de serviços. O resultado destas açþes resultaram no crescimento do lucro liquido e do EBITDA. RECURSOS HUMANOS Na gestão de Recursos Humanos, a empresa tem adotado políticas de incentivo ao treinamento e ao desenvolvimento de carreira, principalmente junto ao seu pessoal de produção e atendimento aos clientes, fazendo frente à demanda de produção, garantindo elevados padrþes de qualidade e melhorando seus índices de produtividade. $R¿QDOGRH[HUFtFLRGHD&RPSDQKLDFRQWDYDFRPFRODERUDGRUHVGLUHWRVHLQGLUHWRVDORFDGRVQDXQLGDGH IDEULOGH4XDWUR%DUUDVQRVHVFULWyULRVHFDQWHLURVGHREUDV2FRUSRIXQFLRQDOGD&RPSDQKLDpDOWDPHQWHTXDOL¿FDGRH DWHQGHSOHQDPHQWHDVPDLVH[LJHQWHVQRUPDVHHVSHFL¿FDo}HVGHTXDOLGDGH A premissa do Plano de Cargos da empresa Ê a valorização do trabalho, promovendo a adequada valoração das posiçþes, preservando a consistência interna e ajuste aos níveis praticados no mercado, levando em consideração o SHU¿OGHFRPSHWrQFLDSUR¿VVLRQDORGHVHPSHQKRHRJUDXGHFRQWULEXLomRLQGLYLGXDOHFROHWLYR Possuímos tambÊm um Departamento de Saúde Ocupacional, criado para incentivar e manter a conquista do mais alto grau do bem-estar físico, mental e social dos colaboradores da empresa. A prevenção tambÊm Ê uma das diretrizes, para evitar danos causados à saúde pela postura, comportamento ou por riscos resultantes da presença de agentes nocivos no ambiente de trabalho. Estamos comprometidos com a manutenção de um ambiente de trabalho seguro, saudåvel e livre de acidentes e incidentes ambientais, e tambÊm com o atendimento de todos os requisitos legais necessårios às nossas operaçþes. Na Britanite as pråticas ambientais estão alÊm do atendimento à legislação e normas ou a imagem da marca, elas estão SUHVHQWHV LQFOXVLYH QRV UHVXOWDGRV ¿QDQFHLURV SRLV DFUHGLWDPRV TXH LQWHJUDU FRQVHUYDomR DPELHQWDO H FDGHLD GH valores, mais que um diferencial competitivo, Êfundamental para garantir a continuidade dos negócios.

a) Moeda funcional e estrangeira Moeda funcional $VGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVVmRDSUHVHQWDGDVHPUHDLVTXHpDPRHGDIXQFLRQDOGD6RFLHGDGH Transaçþes e saldos em moeda estrangeira Transaçþes em moeda estrangeira sĂŁo convertidas para a moeda funcional pelas taxas de câmbio vigentes nas datas das transaçþes. Os ganhos ou perdas cambiais oriundos da conversĂŁo de moeda estrangeira sĂŁo reconhecidos no resultado. b) Uso de estimativa $ SUHSDUDomR GDV GHPRQVWUDo}HV ÂżQDQFHLUDV UHTXHU TXH D $GPLQLVWUDomR IDoD MXOJDPHQWRV HVWLPDWLYDVHSUHPLVVDVTXHDIHWDPYDORUHVGHDWLYRVSDVVLYRVUHFHLWDVHGHVSHVDV3RUGHÂżQLomR os resultados reais podem divergir das respectivas estimativas. Estimativas e premissas com relação ao futuro sĂŁo revistas de maneira contĂ­nua pela Sociedade e sĂŁo baseadas em experiĂŞncia histĂłrica e novas informaçþes. RevisĂľes de estimativas contĂĄbeis sĂŁo reconhecidas no perĂ­odo em que as estimativas sĂŁo revisadas e em quaisquer perĂ­odos futuros afetados. Os principais saldos em que sĂŁo XWLOL]DGDVHVWLPDWLYDVVmR3URYLVmRSDUDFUpGLWRVGHOLTXLGDomRGXYLGRVD 3&/' SHUGDVHVWLPDGDV FRP HVWRTXHV REVROHWRVSURYLVmR SDUD ULVFRV ÂżVFDLVWUDEDOKLVWDV H FtYHLV UHDOL]DomR GRV LPSRVWRV GLIHULGRVDMXVWHDRYDORUSUHVHQWHGHSUHFLDomRHDUUHQGDPHQWRPHUFDQWLO F  ,QVWUXPHQWRVÂżQDQFHLURV SĂŁo reconhecidos pelo valor justo no momento em que a Sociedade se torna parte dos contratos. Os FXVWRVGHWUDQVDomRVmRDFUHVFLGRVDRYDORULQLFLDOGRLQVWUXPHQWRÂżQDQFHLURH[FHWRSDUDDWLYRVH passivos mensurados pelo valor justo por meio de resultado. Nesses casos ĂŠ reconhecido diretamente no resultado do exercĂ­cio. $ PHQVXUDomR VXEVHTXHQWH GHSHQGH GD FDWHJRULD HP TXH R LQVWUXPHQWR ÂżQDQFHLUR p HQTXDGUDGR ([LVWHP TXDWURFDWHJRULDV GH DWLYRV ÂżQDQFHLURV L  HPSUpVWLPRV H UHFHEtYHLV LL  DWLYR ÂżQDQFHLUR GLVSRQtYHO SDUD YHQGD LLL  DWLYRV PHQVXUDGRV SHOR YDORU MXVWR SRU PHLR GH UHVXOWDGR H LY  LQYHVWLPHQWRV PDQWLGRV DWp R YHQFLPHQWR ( GXDVFDWHJRULDV GH SDVVLYRV ÂżQDQFHLURV SDVVLYRV ÂżQDQFHLURVPHQVXUDGRVDRYDORUMXVWRSRUPHLRGRUHVXOWDGRRXRXWURVSDVVLYRVÂżQDQFHLURV F $WLYRVÂżQDQFHLURVPHQVXUDGRVSHORYDORUMXVWRSRUPHLRGRUHVXOWDGR 8P DWLYR ÂżQDQFHLUR p FODVVLÂżFDGR SHOR YDORU MXVWR SRU PHLR GR UHVXOWDGR TXDQGR IRU PDQWLGR SDUD QHJRFLDomR RX GHVLJQDGR FRPR WDO QR UHFRQKHFLPHQWR LQLFLDO 7RGRV RV LQVWUXPHQWRV ÂżQDQFHLURV GHULYDWLYRVVmRFODVVLÂżFDGRVREULJDWRULDPHQWHQHVWDFDWHJRULD$WXDOPHQWHD6RFLHGDGHQmRRSHUDFRP derivativos. Estes ativos devem ser mensurados pelo valor justo com contrapartida no seu resultado do exercĂ­cio, nĂŁo existindo necessidade de realização de teste para avaliar uma eventual perda no valor recuperĂĄvel. Dentro dessa categoria a Sociedade possui “Caixa e equivalentes de caixaâ€?. c.2) EmprĂŠstimos e recebĂ­veis $WLYRVÂżQDQFHLURVFRPSDJDPHQWRVÂż[RVRXGHWHUPLQiYHLVQmRSRGHQGRVHUFRWDGRVHPPHUFDGR ativo. Estes ativos sĂŁo mensurados pelo custo amortizado pela taxa efetiva de juros, estando sujeitos Ă  perda no valor recuperĂĄvel (PCLD). A taxa efetiva de juros ĂŠ aquela que desconta exatamente os Ă€X[RVGHFDL[DHVSHUDGRV'HQWURGHVWDFDWHJRULDD6RFLHGDGHSRVVXLRÂł&RQWDVDUHFHEHU´HGLUHLWRV e obrigaçþes com partes relacionadas. F 2XWURVSDVVLYRVÂżQDQFHLURV 2V SDVVLYRV ÂżQDQFHLURV QmR IRUDP FODVVLÂżFDGRV FRPR PHQVXUDGRV SHOR YDORU MXVWR SRU PHLR GR resultado. Estes sĂŁo reconhecidos pelo custo amortizado pela taxa efetiva de juros. Dentro desta FDWHJRULDD6RFLHGDGHSRVVXLRVÂł(PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV´HÂł)RUQHFHGRUHV´ d) Caixa e equivalentes de caixa &RPSUHHQGHPRVVDOGRVGHGLQKHLURHPFDL[DGHSyVLWRVEDQFiULRVjYLVWDHDSOLFDo}HVÂżQDQFHLUDV $VDSOLFDo}HVÂżQDQFHLUDVHVWmRGHPRQVWUDGDVDRFXVWRDFUHVFLGRGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVDWpD data do encerramento do balanço patrimonial e sĂŁo de liquidez imediata. Para que um investimento ÂżQDQFHLUR VHMD TXDOLÂżFDGR FRPR HTXLYDOHQWHV GH FDL[D SUHFLVD WHU FRQYHUVLELOLGDGH LPHGLDWD HP PRQWDQWH FRQKHFLGR GH FDL[D H HVWDU VXMHLWR D XP LQVLJQLÂżFDQWH ULVFR GH PXGDQoD GH YDORU 3RUWDQWRXPLQYHVWLPHQWRQRUPDOPHQWHTXDOLÂżFDVHFRPRHTXLYDOHQWHGHFDL[DVRPHQWHTXDQGRWHP YHQFLPHQWRRULJLQDOGHFXUWRSUD]RGHWUrVPHVHVRXPHQRVGDGDWDGDDTXLVLomR(VWmRFODVVLÂżFDGRV FRPÂłDWLYRÂżQDQFHLURPHQVXUDGRSHORYDORUMXVWRSRUPHLRGRUHVXOWDGR´ e) Ajustes a valor presente Os ativos e passivos de longo prazo sĂŁo ajustados a valor presente, bem como, os de curto prazo, caso o efeito seja relevante. Os principais efeitos estĂŁo concentrados nas rubricas “Contas a receberâ€? HÂł(PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV´ As taxas de juros utilizadas para desconto sĂŁo taxas de mercado, como a taxa SELIC, as quais sĂŁo DSOLFDGDVVREUHRVĂ€X[RVGHUHFHEtYHLVHSDJDPHQWRV f) ProvisĂŁo para crĂŠditos de liquidação duvidosa (PCLD) ConstituĂ­da apĂłs avaliação sobre a existĂŞncia de evidĂŞncia objetiva acerca da possibilidade de perda no valor recuperĂĄvel das contas a receber. Tal evidĂŞncia ĂŠ advinda de eventos ocorridos apĂłs o UHFRQKHFLPHQWR GR DWLYR TXH DIHWHP R Ă€X[R GH FDL[D IXWXUR HVWLPDGR WHQGR FRPR EDVH D DQiOLVH histĂłrica de perda, bem como a experiĂŞncia da Administração. A anĂĄlise sobre a evidĂŞncia ĂŠ feita LQGLYLGXDOPHQWHSDUDFDVRVPDLVVLJQLÂżFDWLYRVHFROHWLYDPHQWHSDUDRVGHPDLVFDVRV g) Estoques Os estoques sĂŁo demonstrados ao custo ou valor lĂ­quido de realização, dos dois o menor. O custo ĂŠ determinado pelo mĂŠtodo de avaliação de estoque “custo mĂŠdio ponderadoâ€? e o valor lĂ­quido de realização corresponde ao preço de venda estimado menos custos para concluir a venda. O custo dos produtos acabados e dos produtos em elaboração compreende matĂŠrias primas, mĂŁo de obra direta, embalagens, outros custos diretos e os respectivos gastos indiretos de produção (com base na capacidade normal de produção). Os estoques tĂŞm o seu valor recuperĂĄvel avaliado na data do encerramento do perĂ­odo de reporte. Em caso de perda por desvalorização, esta ĂŠ imediatamente reconhecida no resultado. h) Imobilizado Os itens do imobilizado sĂŁo avaliados pelo custo histĂłrico de aquisição, menos a depreciação acumulada e quaisquer perdas nĂŁo recuperĂĄveis (ou ajustado ao valor justo ou custo atribuĂ­do - deemedcost - para os bens das contas de terrenos, instalaçþes, mĂĄquinas e equipamentos e veĂ­culos, com base em laudo GH SHULWRV LQGHSHQGHQWHV  2 FXVWR KLVWyULFR LQFOXL RV JDVWRV QHFHVViULRV SDUD TXH R LWHP HVSHFtÂżFR esteja em condiçþes para seu uso pretendido. A depreciação ĂŠ reconhecida de maneira a alocar o valor depreciĂĄvel dos ativos durante suas respectivas vidas Ăşteis. O mĂŠtodo de depreciação utilizado ĂŠ linear. Os valores residuais e a vida Ăştil dos ativos sĂŁo revisados e ajustados, se apropriado, no decorrer do exercĂ­cio.A depreciação se inicia quando o ativo estĂĄ nas condiçþes de uso pretendidas pela Administração e cessa quando o ativo ĂŠ desreconhecido RXFODVVLÂżFDGRFRPRDWLYRPDQWLGRSDUDYHQGD8PLWHPGRLPRELOL]DGRpGHVUHFRQKHFLGRTXDQGRIRU vendido ou quando nenhum benefĂ­cio econĂ´mico futuro for esperado. Anualmente, a Administração avalia se existe indicativo que os ativos imobilizados estejam desvalorizados. Em caso positivo ĂŠ apurado o valor recuperĂĄvel (maior entre o valor em uso e o valor justo lĂ­quido de despesas com a venda). Caso o valor recuperĂĄvel seja inferior ao valor contĂĄbil lĂ­quido, uma perda por

31/12/2013 31/12/2012 Lucro líquido do exercício 8.361 19.804 Outros resultados abrangentes Realização da depreciação do ajuste ao custo atribuído do imobilizado (3.368) Realização dos impostos diferidos sobre o custo atribuído 1.145 Resultado abrangente do exercício 8.361 17.581 $VQRWDVH[SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDVGHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDV

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERC�CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 31/12/2013

31/12/2012

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro líquido do exercício antes do imposto de renda e da FRQWULEXLomRVRFLDO Ajustes por:  'HSUHFLDo}HVHDPRUWL]Do}HV Juros e variaçþes monetårias Constituição (reversão) de perda estimada com crÊditos de  OLTXLGDomRGXYLGRVD Constituição (reversão) de provisão para riscos tributårios, trabalhistas e cíveis Perdas estimadas com estoques obsoletos Ganho (perda) na alienação de ativo imobilizado Diminuição (aumento) nos ativos: Caixas e equivalentes advindos da incorporação Contas a receber Estoques 7ULEXWRVDUHFXSHUDU Outros ativos Aumento (diminuição) nos passivos: Fornecedores 2EULJDo}HV¿VFDLVVRFLDLVHWUDEDOKLVWDV Adiantamentos de clientes Outros passivos Juros pagos Imposto de renda e contribuição social pagos Caixa líquido gerado pelas(utilizado nas) atividades operacionais

84 (18.491) 37  (5.548)

238 2.311 (3.629)  

(3.335)

(2.772)    1.184 1.338 (6.548) (2.867) (3.187)

3.481  

212 (19.891) (3.163) (3.911) 15.487

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aquisição de imobilizado $TXLVLomRGHDWLYRVLQWDQJtYHLV Caixa líquido utilizado nas atividades de investimento

(16.282)    (27.353)

(34.977)  

(41.175)

    7  



1.633   

19.173 (19.566) 

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Aumento de capital (PSUpVWLPRVH¿QDQFLDPHQWRVREWLGRV 3DJDPHQWRGHHPSUpVWLPRVH¿QDQFLDPHQWRV Operaçþes de mútuo com empresas ligadas Pagamento de dividendos &DL[DOtTXLGRJHUDGRSHODVDWLYLGDGHVGH¿QDQFLDPHQWR AUMENTO L�QUIDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO IN�CIO DO EXERC�CIO CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FIM DO EXERC�CIO





 9.295

 6.328





4.552 397 136

4.478 8.978

(1.312) 1.727 415

(68) 1.795 1.727

$VQRWDVH[SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDV

desvalorização Ê reconhecida. i) Intangível Ativos intangíveis se referem a softwares, ågio pela aquisição de empresas (vide nota 2), marcas e patentes. Os softwares são reconhecidos pelo custo menos a amortização acumulada e qualquer perda no valor recuperåvel. Eles são amortizados em função do correspondente benefício econômico ao longo de sua vida útil estimada. A Sociedade utiliza o mÊtodo de amortização linear. A vida útil e o mÊtodo de amortização são revisados anualmente. Os gastos com ativos intangíveis gerados internamente, somente começam a ser ativados quando a Sociedade for capaz de demonstrar que o ativo gerarå benefícios econômicos futuros, e cessa quando o ativo estiver pronto para o uso esperado. j) Arrendamentos 7RGDV DV RSHUDo}HV GH DUUHQGDPHQWR VmR FODVVL¿FDGDV FRPR ¿QDQFHLUR RX RSHUDFLRQDO $UUHQGDPHQWRV¿QDQFHLURVVmRDTXHOHVTXHWUDQVIHUHPVXEVWDQFLDOPHQWHWRGRVRVULVFRVHEHQHItFLRV inerentes à propriedade do ativo arrendado a Sociedade. Todos os demais arrendamentos são FODVVL¿FDGRVFRPRRSHUDFLRQDLV 3DUDRVDUUHQGDPHQWRV¿QDQFHLURVRDWLYRDUUHQGDGRHXPDGtYLGDGHLJXDOYDORUVmRUHFRQKHFLGRV pelo valor justo do ativo ou valor presente dos pagamentos mínimos, entre eles o menor. Quando QmR H[LVWH FHUWH]D TXDQWR j WUDQVIHUrQFLD GD SURSULHGDGH GR DWLYR DR ¿QDO GR FRQWUDWR R DWLYR p depreciado pelo menor prazo entre a vida útil do ativo e o prazo do arrendamento. O passivo Ê amortizado pela taxa efetiva de juros. Os pagamentos referentes aos arrendamentos operacionais são reconhecidos no resultado linearmente durante o prazo do arrendamento. N  3HUGDHVWLPDGDQRYDORUUHFXSHUiYHOGHDWLYRVQmR¿QDQFHLURV ,PSDLUPHQW

7RGR ÂżQDO GH SHUtRGR D 6RFLHGDGH DYDOLD VH H[LVWHP HYLGrQFLDV REMHWLYDV GH TXH RV DWLYRV QmR ÂżQDQFHLURV HVWHMDP GHVYDORUL]DGRV OHYDQGR HP FRQWD IDWRUHV LQWHUQRV H H[WHUQRV &DVR H[LVWDP evidĂŞncias, o teste de recuperabilidade econĂ´mica ĂŠ realizado. Ativos intangĂ­veis com vida Ăştil LQGHÂżQLGDHFRPRWDPEpPRVQmRGLVSRQtYHLVSDUDXVRVmRWHVWDGRVDQXDOPHQWHVHPSUHQDPHVPD data, independente da existĂŞncia de evidĂŞncias. Para os outros ativos ĂŠ avaliada a existĂŞncia de indicadores que o valor esteja desvalorizado, caso positivo, o teste ĂŠ realizado. O valor recuperĂĄvel de XPDWLYRRXGHGHWHUPLQDGDXQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[DpGHÂżQLGRFRPRVHQGRRPDLRUHQWUHRYDORU em uso e o valor lĂ­quido de venda. Nas situaçþes nas quais o valor recuperĂĄvel se mostrar inferior ao contĂĄbil ĂŠ reconhecida uma perda com contrapartida no resultado do exercĂ­cio. l) ProvisĂľes ProvisĂľes sĂŁo passivos de valor e/ou prazo incerto. Elas sĂŁo reconhecidas quando a Sociedade tem uma obrigação presente, seja legal ou nĂŁo formalizada, como resultado de eventos passados, sendo provĂĄvel que uma saĂ­da de recursos serĂĄ necessĂĄria para liquidar a obrigação. Em adição, o valor deve ser passĂ­vel de ser estimado com segurança. As provisĂľes sĂŁo reconhecidas pela melhor HVWLPDWLYDQDGDWDGREDODQoR$HVWLPDWLYDUHĂ€HWHRYDORUSDUDOLTXLGDUDREULJDomRRXWUDQVIHULUSDUD um terceiro. O valor ĂŠ baseado em experiĂŞncia passada ou opiniĂŁo de especialistas. m) Imposto de renda e contribuição social corrente e diferido A despesa com imposto de renda e contribuição social representa a soma dos impostos correntes e diferidos. (i) Impostos correntes A provisĂŁo para imposto de renda e contribuição social estĂĄ baseada no lucro tributĂĄvel do exercĂ­cio. O lucro tributĂĄvel difere do lucro apresentado na demonstração do resultado, porque exclui receitas ou despesas tributĂĄveis ou dedutĂ­veis em outros exercĂ­cios, alĂŠm de excluir itens nĂŁo tributĂĄveis ou nĂŁo dedutĂ­veis de forma permanente. A provisĂŁo para imposto de renda e contribuição social ĂŠ calculada SHOD6RFLHGDGHFRPEDVHQDVDOtTXRWDVYLJHQWHVQRÂżPGRH[HUFtFLR (ii) Impostos diferidos O imposto de renda e contribuição social diferidos (“imposto diferidoâ€?) ĂŠ reconhecido sobre as GLIHUHQoDV WHPSRUiULDV QR ÂżQDO GH FDGD SHUtRGR GH UHODWyULR HQWUH RV VDOGRV GH DWLYRV H SDVVLYRV UHFRQKHFLGRVQDVGHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVHDVEDVHVÂżVFDLVFRUUHVSRQGHQWHVXVDGDVQDDSXUDomR GR OXFUR WULEXWiYHO LQFOXLQGR VDOGR GH SUHMXt]RV ÂżVFDLV TXDQGR DSOLFiYHO 2V LPSRVWRV GLIHULGRV passivos sĂŁo geralmente reconhecidos sobre todas as diferenças temporĂĄrias tributĂĄveis e os impostos diferidos ativos sĂŁo reconhecidos sobre todas as diferenças temporĂĄrias dedutĂ­veis, apenas TXDQGR IRU SURYiYHO TXH D 6RFLHGDGH DSUHVHQWDUi OXFUR WULEXWiYHO IXWXUR HP PRQWDQWH VXÂżFLHQWH


8

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| 25 a 27 de abril de 2014 |

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERC�CIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Valores expressos em milhares de Reais - R$, exceto quando indicado de outra forma)

(Continuação da pågina anterior)

para que tais diferenças temporårias dedutíveis possam ser utilizadas. Os impostos diferidos ativos ou passivos não são reconhecidos sobre diferenças temporårias resultantes de ågio ou de reconhecimento inicial (exceto para combinação de negócios) de outros ativos e passivos em uma transação que não afete o lucro tributåvel nem o lucro contåbil. $UHFXSHUDomRGRVDOGRGRVLPSRVWRVGLIHULGRVDWLYRVpUHYLVDGDQR¿QDOGHFDGDH[HUFtFLRHTXDQGRQmRIRUPDLVSURYiYHOTXHOXFURVWULEXWiYHLVIXWXURV estarão disponíveis para permitir a recuperação de todo o ativo, ou parte dele, o saldo do ativo Ê ajustado pelo montante que se espera que seja recuperado. Impostos diferidos ativos e passivos são mensurados pelas alíquotas aplicåveis no período no qual se espera que o passivo seja liquidado ou o ativo VHMD UHDOL]DGR FRP EDVH QDV DOtTXRWDV SUHYLVWDV QD OHJLVODomR WULEXWiULD YLJHQWH QR ¿QDO GH FDGD H[HUFtFLR RX TXDQGR XPD QRYD OHJLVODomR WLYHU VLGR VXEVWDQFLDOPHQWHDSURYDGD$PHQVXUDomRGRVLPSRVWRVGLIHULGRVDWLYRVHSDVVLYRVUHÀHWHDVFRQVHTXrQFLDV¿VFDLVTXHUHVXOWDULDPGDIRUPDQDTXDOD 6RFLHGDGHHVSHUDQR¿QDOGHFDGDH[HUFtFLRUHFXSHUDURXOLTXLGDURYDORUFRQWiELOGHVVHVDWLYRVHSDVVLYRV (iii) Imposto de renda e contribuição social correntes e diferidos do período O imposto de renda e contribuição social correntes e diferidos são reconhecidos como despesa ou receita no resultado do período, exceto quando estão relacionados com itens registrados em outros resultados abrangentes ou diretamente no patrimônio líquido, caso em que os impostos correntes e diferidos tambÊm são reconhecidos em outros resultados abrangentes ou diretamente no patrimônio líquido, respectivamente. n) Capital social $VDo}HVRUGLQiULDVVmRFODVVL¿FDGDVQRSDWULP{QLROtTXLGR&XVWRVDGLFLRQDLVGLUHWDPHQWHDWULEXtYHLVjHPLVVmRGHDo}HVVHRFRUULGRVVmRGHPRQVWUDGRV em conta redutora do patrimônio líquido de quaisquer efeitos tributårios. o) Reconhecimento de receitas A receita de venda Ê reconhecida quando os riscos e benefícios inerentes à propriedade dos bens são transferidos. A receita Ê mensurada pelo valor justo GDFRQWUDSUHVWDomRUHFHELGDRXDUHFHEHUGHGX]LGDGHTXDLVTXHUGHVFRQWRVFRPHUFLDLVHRXERQL¿FDo}HV YROXPHUHEDWHV FRQFHGLGRVSHOD6RFLHGDGH ao comprador. 4XDQGRDFRQFOXVmRGHXPDWUDQVDomRTXHHQYROYDDSUHVWDomRGHVHUYLoRVSXGHUVHUHVWLPDGDFRPFRQ¿DELOLGDGHDUHFHLWDDVVRFLDGDjWUDQVDomRp reconhecida tomando por base o estågio de execuçãoda transação ao tÊrmino do exercício de reporte. 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Caixa Bancos conta movimento  $SOLFDo}HV¿QDQFHLUDV







31/12/2013 161 117 137 415

31/12/2012 227 823 677 1.727

6mRFRQVLGHUDGDVHTXLYDOHQWHVGHFDL[DDVDSOLFDo}HV¿QDQFHLUDVTXHSHUPLWHPRUHVJDWHDTXDOTXHUPRPHQWRVHPDSHUGDGRVMXURVWUDQVFRUULGRV2YDORU FRQWiELOGDVDSOLFDo}HV¿QDQFHLUDVpSUy[LPRDRVHXYDORUMXVWR$VDSOLFDo}HV¿QDQFHLUDVVmRVXEVWDQWLYDPHQWHFRPSRVWDVSRUDSOLFDo}HVHPFHUWL¿FDGRVGH depósitos bancårios (CDB). 5. CONTAS A RECEBER  )DWXUDVHWtWXORVDUHFHEHU Serviços executados a faturar Renegociaçþes Clientes - Caução ( - ) Ajustes a valor presente ( - ) Provisão para crÊditos de liquidação duvidosa



 &OLHQWHVQDFLRQDLV Clientes estrangeiros











31/12/2013  9.579 4.844 2.999 (618)  

74.691

31/12/2012  6.613 3.474 2.887 (256) (5.562) 57.204

  74.691

 5.774 57.204

Circulante NĂŁo circulante

74.674 17 74.691

57.198 6 57.204

a) Faturas e títulos a receber e serviços executados a faturar Representam valores a receber provenientes de faturas emitidas e de mediçþes de serviços prestados eainda não faturados. 2SHUtRGRPpGLRGHFUpGLWRQDYHQGDGHSURGXWRVpGHGLDVHPGHGH]HPEURGHHGLDVHPGHGH]HPEURGH b) Renegociaçþes As contas a receber em atraso são renegociadas, normalmente, com a inclusão da taxa de juros condizentes ao risco de crÊdito da contraparte. Os valores foram ajustados ao valor presente pela taxa implícita nos contratos. c) Clientes caução Nas contrataçþes de grandes obras de alguns clientes são exigidos depósitos em caução com o objetivo de garantir a realização dos serviços pela Sociedade e são contabilizados por seu valor histórico. d) Provisão para crÊditos de liquidação duvidosa (PCLD) Movimentação na provisão para crÊditos de liquidação duvidosa no período: 31/12/2013 31/12/2012 Saldo inicial 5.562 980   $GLo}HV      ( - ) Reversþes (971) (388) ( - ) Baixas (478) (139)  6DOGR¿QDO    6.603 5.562 A PCLD Ê determinada com base em critÊrios estabelecidos pela Administração para fazer face às provåveis perdas na realização das contas a receber. 3DUDRSHUDo}HVLQGLYLGXDOPHQWHUHOHYDQWHVpUHDOL]DGDXPDDQiOLVHGRVÀX[RVGHFDL[DIXWXURVHVSHUDGRVSDUDDVGHPDLVpFRQVWLWXtGDXPDSHUGDSDUD os crÊditos com base na anålise histórica. Composição das contas a receber por faixas de vencimento: Vencendo 59.562 51.254

 (P  (P

Total 81.294 62.766

6. ESTOQUES  3URGXWRVDFDEDGRV MatĂŠrias primas Produtos para revenda  (PEDODJHQV Adiantamentos a fornecedores  2XWURVHVWRTXHV ( - ) Perdas estimadas com estoques obsoletos



















31/12/2013  6.574 4.539  2.734  (397) 28.045

Taxa mĂŠdia Marcas e patentes  ĂˆJLRSHODDTXLVLomRGHHPSUHVDV D   'LUHLWRGHXVRGHVRIWZDUH

 

A movimentação ocorrida no perĂ­odofoi a seguinte: 31/12/2011 Em Operação Marcas e patentes 994   ĂˆJLRSHODDTXLVLomRGHHPSUHVDV D   Direito de uso de software 4.834      Amortização Acumulada Marcas e patentes (11) Direito de uso de software (1.415) (1.426) Valor lĂ­quido 4.402

31/12/2013 Depreciação Acumulada  (3.934) (3.934)

Custo 438  14.376 21.419 Adiçþes 259  5.939   

 

5.097

Baixas 872    (11) (282) (293) 1.385

31/12/2012

Adiçþes

31/12/2012  4.932 5.415  3.764  28.479

1RH[HUFtFLRÂżQGRHPGHGH]HPEURGHIRLFRQVWLWXtGDXPDSURYLVmRGH5SDUDLWHQVREVROHWRV3DUDHVWDSURYLVmRIRLXWLOL]DGRRFULWpULR baseado no prazo validade dos produtos constantes em estoque. $$GPLQLVWUDomRFDOFXODDVSHUGDVFRPHVWRTXHVREVROHWRVFRPEDVHQDGDWDGHYDOLGDGHGRVSURGXWRVFRQVWDQWHVQRVFDWiORJRVGHSURGXWRVHÂżFKDVGH tĂŠcnicas, desta forma espera que os estoques sejam recuperados em um prazo mĂŠdio de15 meses.

31/12/2012 Valor LĂ­quido 381  7.733 8.114

Valor LĂ­quido 438   17.485 Baixas

31/12/2013

381  9.967 

57   

 

438  14.376 

(2.234) (2.234) 8.114

 

 

9.371

-

(3.934) (3.934) 17.485

(a) à gio pela aquisição de empresas Refere-se a aquisição das empresas Bel Química Ltdae RC Indústria & ComÊrcio de Explosivos Ltda. Para contabilização dos ativos adquiridos e passivos assumidos Sociedade solicitou a um terceiro a elaboração do estudo para cålculo do ågio contåbil(goodwill) no qual Ê alocado o preço de compra 3XUFKDVH3ULFH$OORFDWLRQ33$ HDFRQWDELOL]DomRGHDORFDomRGRSUHoRGHFRPSUDRFRUUHUiQRH[HUFtFLRGH 12. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS        

Modalidade Moeda Encargos &DSLWDOGHJLUR 5  &',DDDDD &DSLWDOGHJLUR 86  9&DD $WLYR)L[R)LQDPH 5  7-/3DDDDDD $WLYR)L[ROHDVLQJ 5DDDDDP&',DD $WLYR)L[R&'& 5  DDD 0~WXR 5  &',DDP $GLDQWDPHQWRGHFRQWUDWRGHFkPELR 86  9&DDD /HDVLQJ 5  ,*30  (-) Encargos a apropriar Passivo circulante Passivo nĂŁo circulante

VencĂ­vel atĂŠ 31/12/2013                 (2.817) 85.091 58.226 26.865 85.091

31/12/2012         (1.863) 48.450 28.276  48.450

2VHPSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRVHPPRHGDHVWUDQJHLUDIRUDPFRQYHUWLGRVSDUDUHDLVPHGLDQWHDXWLOL]DomRGDVWD[DVGHFkPELRYLJHQWHVQDGDWDGDV GHPRQVWUDo}HVÂżQDQFHLUDVVHQGR86HTXLYDOHQWHD5HPGHGH]HPEURGH 5HPGHGH]HPEURGH  $VSULQFLSDLVJDUDQWLDVGHHPSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRVDOpPGRVSUySULRVEHQVÂżQDQFLDGRVLQFOXHPDYDLVGHVyFLRVHUHFHEtYHLV A Sociedade possui um contrato de arrendamento da sede e das instalaçþes industriais junto ao acionista CR Almeida S/A Engenharia e Construçþes. O FRQWUDWRIRLDVVLQDGRHPGHMXQKRGHHWHPSUD]RGHDQRVVHQGRUHQRYiYHOSRULJXDOSHUtRGR'HYLGRjQDWXUH]DHVSHFLÂżFDGDVLQVWDODo}HV LQGXVWULDLVD6RFLHGDGHGHFLGLXVHJUHJDURFRQWUDWRHPGXDVSDUWHV L WHUUHQRH LL LQVWDODo}HV2WHUUHQRIRLFODVVLÂżFDGRFRPRVHQGRXPDUUHQGDPHQWR RSHUDFLRQDOHQTXDQWRTXHDVLQVWDODo}HVIRUDPFRQVLGHUDGDVFRPRDUUHQGDPHQWRÂżQDQFHLUR$GLYLVmRGRVSDJDPHQWRVIRLGHÂżQLGDFRPEDVHQRVYDORUHV justos dos elementos na data inicial. O pagamento mensal ĂŠ atualizado anualmente pelo IGP-M. Como o valor presente dos pagamentos mĂ­nimos se PRVWURXLQIHULRUDRYDORUMXVWRGDVLQVWDODo}HVHVWHIRLFRQVLGHUDGRRYDORULQLFLDOGRDWLYRHGRSDVVLYRUHVSHFWLYR$WD[DGHMXURVIRLÂż[DGDSHORVSUHDG entre a Selic e o IGP-M na data inicial do arrendamento. Composição por ano de vencimento da parcela no passivo nĂŁo circulante: 31/12/2013  (P         (P         (P         $SyV        26.865 13. OBRIGAÇÕES FISCAIS, SOCIAIS E TRABALHISTAS 31/12/2013 31/12/2012 Sociais e trabalhistas SalĂĄrios e encargos 3.474 3.815 ProvisĂľes para bĂ´nus, fĂŠrias e encargos 9.217  12.691 13.335 Fiscais 'pELWRVFRUUHQWHV   'pELWRVSDUFHODGRV /HLQž       21.240  3DVVLYRFLUFXODQWH Passivo nĂŁo circulante

Vencidas de 91 a 360 dias mais de 360 dias 9.484  6.924 99

atĂŠ 90 dias 11.647 4.489

11. INTANGĂ?VEL

38.772

 1.237 21.240

  38.772

(PUHODomRDRVGpELWRVSDUFHODGRV OHLQž RVSDJDPHQWRVHVWmRSUHYLVWRVFRQIRUPHGHPRQVWUDGR



    

    

 31/12/2013      6.794

(P (P (P (P (P

    

    

14. PROVISĂƒO PARA RISCOS FISCAIS TRABALHISTAS E CĂ?VEIS $ 6RFLHGDGH SRVVXL FRQWLQJrQFLDV TXH HVWmR VHQGR GLVFXWLGDV MXGLFLDOPHQWH TXH LQFOXHP SURFHVVRV ÂżVFDLV WUDEDOKLVWDV H FtYHLV $ DGPLQLVWUDomR GD 6RFLHGDGHDFUHGLWDTXHDVROXomRGHVVDVTXHVW}HVQmRSURGX]LUiHIHLWRVLJQLÂżFDWLYDPHQWHGLIHUHQWHGRPRQWDQWHSURYLVLRQDGRTXHFRUUHVSRQGHDRVYDORUHV das açþes consideradas como “perdas provĂĄveisâ€?. A movimentação das provisĂľes ĂŠ como segue: Trabalhistas TributĂĄrias Total  6DOGRHP    Constituiçþes de provisĂľes   4.552 Saldo em 31/12/2013 548 8.482 9.030

7. TRIBUTOS A RECUPERAR Imposto de renda e contribuição social a compensar ICMS INSS PIS  &2),16 ISS Outros







Ativo circulante Ativo nĂŁo circulante

31/12/2012 3.298 2.435 117 458  756 9.173 8.139  9.173

2PRQWDQWHGHSURYLV}HVWULEXWiULDVGH5 5HP UHIHUHVHjDSXUDomRGDH[FOXVmRGR,&06GDEDVHGHFiOFXORGR3,6&2),16 UHODWLYDPHQWHDRH[HUFtFLRGHH(VWHPRQWDQWHpFREHUWRSRUGHSyVLWRVMXGLFLDLVHTXLYDOHQWHV YLGHQRWD  'HDFRUGRFRPR6KDUH3XUFKDVH$JUHHPHQW 63$ DVVLQDGRHQWUHRVDFLRQLVWDVHPGHPDUoRGHDVREULJDo}HVTXHVXUJLUHPGHFRUUHQWHVGHIDWR gerador anteriores à data de aquisição (vide nota 2) em nome da Sociedade, serão absorvidas pelo acionista CR Almeida S/A Engenharia e Construções. 'HVWD IRUPD R VDOGR GDV SURYLV}HV SDUD ULVFRV ¿VFDLV WUDEDOKLVWDV H FtYHLV GLVFULPLQDGRV QD WDEHOD DEDL[R IRUDP UHFRQKHFLGRV SHOD 6RFLHGDGH HP contrapartida dos respectivos reembolsos a serem recebidos do acionista C.R. Almeida S/A Engenharia e Construções, em caso de eventual desfechos desfavoráveis à Sociedade. 31/12/2013 31/12/2012  ([FOXVmRGR,&06GDEDVHGHFiOFXORGR3,6&2),16   Contingências trabalhistas 1.991 3.265 Contingências cíveis  259 21.441 21.402

Contribuição social 31/12/2013 31/12/2012

Os valores das provisĂľes para riscos cĂ­veis, consideradas como perdas possĂ­veis pelos assessores jurĂ­dicos da Sociedade, para os quais nenhuma SURYLVmRIRLFRQVWLWXtGDHPp5H5SDUD1RWHVHTXHFDVRHVWHVOLWtJLRVWHQKDPGHVIHFKRGHVIDYRUiYHOj6RFLHGDGHWDPEpPVHUmR reembolsados conforme descrito no parĂĄgrafo acima. A Sociedade estima que as provisĂľes sejam resolvidas em um prazo mĂŠdio de cinco anos.

31/12/2013 296 2.363 568  981  5.109 4.145 964 5.109

8. IMPOSTOS DIFERIDOS ATIVOS Imposto de renda 31/12/2013 31/12/2012 Composição da base de cålculo: Diferenças temporårias  3HUGDHVWLPDGDFRPFUpGLWRVGHOLTXLGDomRGXYLGRVD   3URYLVmRSDUDULVFRVWUDEDOKLVWDVH¿VFDLV   3URYLVmRSDUDSDUWLFLSDomRQRUHVXOWDGR  Perdas estimadas com estoques obsoletos Ajustes líquidos do regime de transição tributåria Outras diferenças temporårias Total das diferenças temporårias IRPJ/CSLL diferidos em razão do ågio gerado  SHODLQFRUSRUDomR;,21,,   6DOGRGHSUHMXt]RV¿VFDLVHEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDO 43.571

   397 (1.989) 192 12.766

   (947) 214 11.297

 24.629 181.573  45.393

AlĂ­quota aplicĂĄvel Total de impostos diferidos ativos

 43.571 193.138  48.285

   397 (1.989) 192 12.766  24.629 181.573  16.342

  (947) 214 11.297  193.138  17.382

6mRYDORUHVUHIHUHQWHVDLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGLIHULGRVQRPRQWDQWHGH5 5HPGHGH]HPEURGH H5 5HPGHGH]HPEURGH UHVSHFWLYDPHQWHRVTXDLVVHUHIHUHPDFUpGLWRVVREUHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDVSUHMXt]RV¿VFDLVGRLPSRVWRGHUHQGD HEDVHGHFiOFXORQHJDWLYDGDFRQWULEXLomRVRFLDOHYDORUHVUHIHUHQWHVDRiJLRUHJLVWUDGRSHODLQFRUSRUDomRGD;LRQ,, PHQFLRQDGRQDQRWD UHFRQKHFLGRV até o montante que assegure o direito à compensação com débitos incidentes sobre a provisão de IRPJ e CSLL. A Administração considera que tais créditos serão realizados na proporção da perspectiva de resultados tributários positivos futuros e demais eventos relacionados com a dedutibilidade das diferenças WHPSRUiULDV DWLYDV$ 6RFLHGDGH DGRWD D SUiWLFD GH UHYLVDU R YDORU FRQWiELO GR DWLYR ¿VFDO GLIHULGR DR PHQRV DQXDOPHQWH &DVR RFRUUDP FLUFXQVWkQFLDV UHOHYDQWHVTXHPRGL¿TXHPHVVDVSURMHo}HVHODVVHUmRUHYLVDGDVGXUDQWHRH[HUFtFLR 2LPSRVWRGHUHQGDHDFRQWULEXLomRVRFLDOGLIHULGRVIRUDPFRQVWLWXtGRVFRQVLGHUDQGRDDOtTXRWDFRPELQDGDYLJHQWHGH LPSRVWRGHUHQGDH FRQWULEXLomRVRFLDO HWLYHUDPDVHJXLQWHPRYLPHQWDomR Imposto de renda Contribuição social 31/12/2013 31/12/2012 31/12/2013 31/12/2012  6DOGRVQRLQtFLRGRH[HUFtFLR       &RQVWLWXLo}HVQRH[HUFtFLR      Compensações no exercício (11.324) ( 4.354)  

(1.565)  6DOGRVQR¿QDOGRH[HUFtFLR  45.393 48.285 16.342 17.382 A expectativa de recuperação da totalidade dos créditos e o efetivo pagamento dos débitos tributários diferidos, indicados pelas projeções de resultado WULEXWiYHOpGHDQRV 9. OUTROS ATIVOS O saldo de Outros ativos não circulantes é composto principalmente pelos depósitos judiciais de PIS/COFINS em garantia à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS no montante de R$ 8.138 somado as provisões de responsabilidade da acionista CR Almeida S/A Engenharia e Construções(vide nota nº 14), os quais estão integralmente provisionados no passivo na rubrica provisão para riscos tributários. (P$JRVWRGHD6RFLHGDGHREWHYHDXWRUL]DomRMXGLFLDOSDUDHIHWXDURSDJDPHQWRGDVFRQWULEXLo}HVSDUDR3,6H&2),16VHPDLQFOXVmRGR,&06 em suas bases de cálculo. Com base nessa decisão judicial, a exigibilidade foi suspensa, sendo os respectivos valores provisionados no passivo, na conta GH3URYLV}HVSDUDULVFRV¿VFDLVWUDEDOKLVWDVHFtYHLVDFUHVFLGRVGHDWXDOL]DomRSHODWD[D6(/,& 6LVWHPD(VSHFLDOGH/LTXLGDomRH&XVWyGLD $SDUWLUGH -DQHLURGHD6RFLHGDGHGHFLGLXDSDUWLUGHRSLQLmRGHVHXVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVLQLFLDUGHSyVLWRMXGLFLDOGRVYDORUHVGH3,6&2),16DSXUDGRVFRPR objetivo de garantir a liquidação na eventual perda no processo.

Nota Ativo circulante Contas a receber CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes Enaex Argentina SRL Proyectos Explosivos S.A. (Proex S.A.)     Ativo não circulante CrÊditos com pessoas ligadas Mútuo - CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes Imobilizado $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLUR&5$OPHLGD6$

31/12/2013 Taxa mĂŠdia 7HUUHQRV (GLÂżFDo}HVHLQVWDODo}HV 0iTXLQDVHTXLSDPHQWRVHIHUUDPHQWDV 0yYHLVHXWHQVtOLRV 9HtFXORVHDFHVVyULRV &RPSXWDGRUHVHSHULIpULFRV Outros

Custo       142.712

     

   

    

Em Operação  7HUUHQRV  (GL¿FDo}HVHLQVWDODo}HV  0iTXLQDVHTXLSDPHQWRVHIHUUDPHQWDV  0yYHLVHXWHQVtOLRV  9HtFXORVHDFHVVyULRV Computadores e perifÊricos    Em Andamento  (GL¿FDo}HVHLQVWDODo}HV  0iTXLQDVHTXLSDPHQWRVHIHUUDPHQWDV Móveis e utensílios  9HtFXORVHDFHVVyULRV Computadores e perifÊricos Outros    Depreciação Acumulada  (GL¿FDo}HVHLQVWDODo}HV  0iTXLQDVHTXLSDPHQWRVHIHUUDPHQWDV  0yYHLVHXWHQVtOLRV  9HtFXORVHDFHVVyULRV Computadores e perifÊricos Valor Líquido

Adiçþes

Baixas TransferĂŞncias

Depreciação Acumulada                 (41.424)

     1.522 

          562 71  

  22  33 2.385 

    22   1.866  165  

            (499)  (17.787) 76.226

             

(12.884) 24.293

          (21) (757) 7.592

     1.788           (1.788)   

31/12/2012

          111 3.262 

               (1.522) (29.914) 92.927

497  

31/12/2012 1.852 3.167 

(d)

-

7

(e)

3.482 3.482 5.780

3.741 3.741 8.767

(f) (g)

336 336

36 36

(PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV  $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLOÂżDQFHLUR&5$OPHLGD6$   $93DUUHQGDPHQWRPHUFDQWLOÂżQDQFHLUR&5$OPHLGD6$

L  (i)

 (2) 324

 (5) 445

Dividendos a pagar  ;,21,3DUWLFLSDo}HV6$ C.R. Almeida S/A

 16

 2.162 6.486

 1.854 5.561

(h) 

 

495 

 L  (i)

  (387) 

  (444) 3.631

Total dos ativos com partes relacionadas Passivo circulante Fornecedores AEQ Aliança Eletroquímica Ltda. Enaex Argentina SRL

Outras contas a pagar Aluguel a pagar - CR Almeida S/A     Passivo nĂŁo circulante  (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV  $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLOÂżDQFHLUR&5$OPHLGD6$  $93DUUHQGDPHQWRPHUFDQWLOÂżQDQFHLUR&5$OPHLGD6$

Valor LĂ­quido       101.288

Valor LĂ­quido       3.262 92.927

10.831

10.168

(a) Contas a receber - CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes Trata-se de contas a receber decorrente da venda de ativos imobilizados. (b) Contas a receber -Enaex Argentina SRL Refere-se a operaçþes de venda de produtos para aEnaex Argentina S/A. (c) Contas a receber -Proyectos Explosivos S.A. (Pro Ex S.A.) Trata-se do contas a receber decorrentes de venda de produtos. (d) Mútuo - CR Almeida S/A Engenharia e Construçþes Trata-se de operaçþes de mútuos com o acionista CR Almeida S/A referentes ao pagamento de seguro de vida de funcionårios que estava atrelado ao FRQWUDWRGD,%4,QG~VWULDH&RPpUFLRHP H $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLUR&5$OPHLGD6$ Trata-se do contrato de locação das instalaçþes junto a acionista CR Almeida S/A, uma vez que as instalaçþes foram reconhecidas no passivo pelo WUDWDPHQWRFRQWiELOGDGRGHDUUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLUR (f) Fornecedores - AEQ Aliança Eletroquímica Ltda. Trata-se de contas a pagar decorrentes de compras de estoques para industrialização (g) Fornecedores - ENAEX Argentina SRL Refere-se a operaçþes de aquisição de matÊria prima utilizada como matÊria prima pela Sociedade. (h) Aluguel a pagar - CR Almeida S/A Trata-se do contrato de locação do terreno junto a acionista CR Almeida S/A, uma vez que o terreno Ê tratado contabilmente como arrendamento operacional. L  (PSUpVWLPRVH¿QDQFLDPHQWRV&5$OPHLGD6$ 7UDWDVHGRDMXVWHDYDORUSUHVHQWHGDRSHUDomRGHDUUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLURMXQWRD&5$OPHLGD6$

A movimentação do ativo imobilizado ocorrida no exercício foi a seguinte: 31/12/2011

31/12/2013

31/12/2012

1mRIRLLGHQWL¿FDGDDQHFHVVLGDGHGHUHJLVWURGHSURYLVmRSDUDDMXVWHGRVEHQVDRVVHXVYDORUHVUHFXSHUiYHLV ³,PSDLUPHQW´  &RPDUHRUJDQL]DomRVRFLHWiULDRFRUULGDHP¾GHGH]HPEURGH YLGHQRWD RVYDORUHVGRFXVWRDWULEXtGRSDVVDUDPDLQWHJUDURYDORUGRFXVWRGR LPRELOL]DGRHDVXDGHSUHFLDomRVHWRUQRXGHGXWtYHOSDUD¿QV¿VFDLVLPSOLFDQGRQDUHYHUVmRGRVDMXVWHVGHDYDOLDomRSDWULPRQLDO 'XUDQWHRH[HUFtFLR¿QGRHPGHGH]HPEURGHIRUDPFDSLWDOL]DGRV5UHIHUHQWHVDFXVWRVGHHPSUpVWLPRVHOHJtYHLVSDUDFDSLWDOL]DomRFRPR FXVWRGDFRQVWUXomRGHDWLYRLPRELOL]DGR2PRQWDQWHDFXPXODGRGRVFXVWRVGHHPSUpVWLPRVFDSLWDOL]DGRVHPGHGH]HPEURGHHUDGH5 1DUXEULFDGH(GL¿FDo}HVHLQVWDODo}HVHVWmRLQFOXtGRVDWLYRVGHDUUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLURQRYDORUGH5UHIHUHQWHVjVLQVWDODo}HVGD sede da Sociedade na cidade de Quatro Barras, Paraná. Adicionalmente, nas rubricas de Computadores e periféricos e Veículos estão incluídos ativos de DUUHQGDPHQWRPHUFDQWLO¿QDQFHLURQRYDORUGH5

    

(a) (b) (c) 

Total dos passivos com partes relacionadas

10. IMOBILIZADO

     

15. TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS $VWUDQVDo}HVFRPSDUWHVUHODFLRQDGDVWUDWDGDVFRPRP~WXR¿QDQFHLURVmRIRUPDOL]DGDVDWUDYpVGHFRQWUDWRVFRPSUD]RGHYHQFLPHQWRLQGHWHUPLQDGR$V DWXDOL]Do}HVVmRIHLWDVFRPEDVHQDWD[DPpGLDGHHQGLYLGDPHQWRHUHDOL]DGDVHPFRQGLo}HVHVSHFt¿FDVGHWHUPLQDGDVSHOD$GPLQLVWUDomRGD6RFLHGDGH 3RUWDQWRDSRVLomR¿QDQFHLUDHRUHVXOWDGRGDVWUDQVDo}HVUHÀHWHPDVFRQGLo}HVHVWDEHOHFLGDVQHVWDVQHJRFLDo}HV

Adiçþes

Baixas TransferĂŞncias

                4.641 (23)                     (1.384)  

8.565

            12  (204)

31/12/2013

            (11)             (111) (3.262)          238 -

     

 

 

 

(2.656) (41.424) 101.288

Resultado do exercício Receitas de vendas de produtos e prestaçþes de serviços CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes Enaex Argentina SRL Compras  $(4$OLDQoD(OHWURTXtPLFD/WGD Enaex Argentina SRL  Despesas gerais e administrativas Depreciação instalaçþes - CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes Aluguel de terreno - CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes

Nota

31/12/2013

31/12/2012

(a) (b)

2.121

12.348 -

I  (g) 

 (2.498)  

 

 

(e)

(259)

(141)

(h)

(937) (1.196)

(495) (636)

Outras receitas (despesas) operacionais lĂ­quidas  2XWUDVGHVSHVDVÂżQDQFHLUDV&5$OPHLGD6$

M      

(287) (194) 'HVSHVDV¿QDQFHLUDVHQFDUJRVGHRSHUDo}HVGHP~WXR CR Almeida S/A - Engenharia e Construçþes (a)  

    

M  'HVSHVDV¿QDQFHLUDVHQFDUJRVGHRSHUDo}HVGHP~WXR&5$OPHLGD6$ Trata-se dos impostos incidentes sobre os rendimentos das operaçþes de mútuos 15.1. Remuneração da Administração $VGHVSHVDVFRPUHPXQHUDomRGDDGPLQLVWUDomRGD6RFLHGDGHWRWDOL]DUDP5QRH[HUFtFLR¿QGRHPGHGH]HPEURGH 5SDUDR H[HUFtFLR¿QGRHPGHGH]HPEURGH FRUUHVSRQGHQWHVDVDOiULRVHQFDUJRVHEHQHItFLRVGHFXUWRSUD]R


NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERC�CIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Valores expressos em milhares de Reais - R$, exceto quando indicado de outra forma)

(Continuação da pågina anterior)

16. PATRIMÔNIO L�QUIDO a) Capital social

Outras despesas Outros custos 31/12/2013 N° Açþes Participação%

31/12/2013 N° Açþes Participação%

&ODVVLÂżFDGDVFRPR

CR Almeida S.A. - Engenharia e Construçþes  ;,21,3DUWLFLSDo}HV6$

23.277.346 46.554.694 69.832.040

33,3333 66,6667 100,0000

23.277.34 46.554.694 69.832.040

33,3333 66,6667 100,0000

2FDSLWDOVRFLDOQRYDORUGH5pGLYLGLGRHPDo}HVRUGLQiULDVQRPLQDWLYDVQRYDORU GH5FDGDXPD Todas as açþes emitidas estĂŁo integralizadas e tĂŞm os mesmos direitos de voto em assembleias e de recebimento de dividendos. (PGHMXQKRGHD6RFLHGDGHVXEVFUHYHXHLQWHJUDOL]RXDo}HVRUGLQiULDVQRPLQDLV FDGDXPDFRPSUHoRGHHPLVVmRHVWDEHOHFLGRHP5PHGLDQWHHQWUHJDGHLPyYHLVFRQIRUPH$WD GDÂ?$VVHPEOHLD*HUDO([WUDRUGLQiULDUHDOL]DGDHPGHMXQKR b) Reservas de capital Representada integralmente da reserva de ĂĄgio decorrente dos efeitos advindos da reorganização societĂĄria mencionada na nota 2. c) Reservas de lucros Nota 31/12/2013 31/12/2012  5HVHUYDOHJDO  F    Reserva para expansĂŁo (c2) 24.211 18.253 26.283 19.907 (c1) Reserva legal $UHVHUYDOHJDOpFRQVWLWXtGDDQXDOPHQWHFRPRGHVWLQDomRGHGROXFUROtTXLGRGRH[HUFtFLRHQmR SRGHUiH[FHGHUGRFDSLWDOVRFLDO$UHVHUYDOHJDOWHPSRUÂżPDVVHJXUDUDLQWHJULGDGHGRFDSLWDO social e somente poderĂĄ ser utilizada para compensar prejuĂ­zos acumulados e aumentar o capital. (c2) Reserva de lucros para expansĂŁo $ UHVHUYD GH OXFURV SDUD H[SDQVmR IRL SRU SURSRVWD GD$GPLQLVWUDomR FRQVWLWXtGD HP  H  pelo saldo remanescente das reservas de lucros apĂłs a destinação de recursos para dividendos aos acionistas. (c3) Dividendos &RQIRUPH GHWHUPLQD R HVWDWXWR VRFLDO RV GLYLGHQGRV PtQLPRV REULJDWyULRV FRUUHVSRQGHP D  GR OXFUROtTXLGRDMXVWDGRQRVWHUPRVGRDUWGD/HL7DLVGLYLGHQGRVHPUHSUHVHQWDP 5TXHIRUDPLQWHJUDPHQWHSURYLVLRQDGRVQRSDVVLYR 5HPGHGH]HPEURGH $ UHVHUYDGHGLYLGHQGRVH[LVWHQWHQRH[HUFtFLRGHIRLFRQVWLWXtGDSHORVDOGRUHPDQHVFHQWHGROXFUR lĂ­quido do exercĂ­cio ajustado pelas realizaçþes de reservas e acrescido do montante existente em conta GHOXFURVDFXPXODGRVDWpRH[HUFtFLRGH'XUDQWHRH[HUFtFLRGH5IRUDPSDJRV aos acionistas, sendo o saldo remanescente, transferido para a reserva de lucros para expansĂŁo. A seguir sĂŁo apresentados os detalhes dos valorespropostos a tĂ­tulo de dividendos:  /XFUROtTXLGRGRH[HUFtFLR  ( + ) Realização de reservas ( + ) Ajustes de exercĂ­cios anteriores   'HVWLQDomRSDUDUHVHUYDOHJDO Base existente para distribuição  GHGLVWULEXLomRSURSRVWR  Dividendos propostos



$PRYLPHQWDomRGHIRLFRPRVHJXH



CR Almeida S.A. - Engenharia e Construçþes (*)  ;,21,3DUWLFLSDo}HV6$ **)

31/12/2013  (418) 7.943  1.985

 

31/12/2012  3.368 243 (1.171) 22.244  5.561

%

31/12/2012

Constituiçþes

Pagamentos

31/12/2013

66,67% 33,33%

1.854  5.561

1.324 662 1.986

(354)  

(1.061)

2.824 3.662 6.486

(*) CR Almeida S.A. - Engenharia e Construçþes possui 23.277.346 açþes ordinĂĄrias FRUUHVSRQGHQWHVDGHUHFHELPHQWRGHGLYLGHQGRV (**) ;,21 , 3DUWLFLSDo}HV 6$ SRVVXL 46.554.694 Do}HV RUGLQiULDV FRUUHVSRQGHQWHV D  GH d) Ajuste recebimento de dividendos. de avaliação patrimonial Refere-se Ă  contrapartida de custo atribuĂ­do de bens registrados no ativo imobilizado referidos a 1Âş de MDQHLURGH(VWHYDORUIRLUHDOL]DGRQDPHVPDSURSRUomRGDGHSUHFLDomRHRXEDL[DGRVEHQVTXH RULJLQDUDPUHJLVWURDWpDGDWDGDLQFRUSRUDomRGD;,21,, YLGHQRWD 2VDOGRUHPDQHVFHQWHGRFXVWR atribuĂ­do foi baixado na data da incorporação. 17. RECEITA OPERACIONAL LĂ?QUIDA Segue abaixo a conciliação entre a receita bruta e a receita apresentada na demonstração de resultado do exercĂ­cio:

Venda de produtos Prestação de serviços  5HFHLWDEUXWDGHYHQGDV   'HYROXo}HVHDEDWLPHQWRV   &RPLVV}HVVREUHYHQGDV  Tributos incidentes sobre a receita Deduçþes da receita Receita operacional líquida

6HPHVWUHVÂżQGRVHP 31/12/2013 31/12/2012 379.879 399.132 74.176        

   

(99.433) (89.665)  

(114.587) 343.856 338.452

‘   

  

  

18. INFORMAÇÕES SOBRE A NATUREZA DOS CUSTOS E DESPESAS RECONHECIDOS NA DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DO RESULTADO $6RFLHGDGHDSUHVHQWRXDGHPRQVWUDomRGRUHVXOWDGRXWLOL]DQGRXPDFODVVLÂżFDomRGRVFXVWRV e despesas baseados na sua função. As informaçþes sobre a natureza dessas despesas reconhecidas na demonstração do resultado ĂŠ apresentada a seguir:

Pessoal e encargos  0DWHULDLV Impostos  )UHWHV Serviços de terceiros Brindes, doaçþes e contribuiçþes Viagens  &RPEXVWtYHLV  'HSUHFLDo}HVHDPRUWL]Do}HV Locaçþes de veículos e imóveis  0DQXWHQomR  $OLPHQWDomR Consumo  ,PSRVWRVHWD[DV  &RPXQLFDomR









 

 

 

 

 

 

9

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| 25 a 27 de abril de 2014 |

31/12/2013 91.441  2.481  13.415 1.251 4.737   3.368   1.273  

31/12/2012 81.591  1.863  14.134 481 5.636   3.189   2.116  





Custo dos produtos, das mercadorias e dos serviços vendidos Despesas com vendas Despesas gerais e administrativas

1.991 5.634 323.377

3.416 1.482 312.108

 31/12/2013 (188.117) (85.781) (49.479) (323.377)

 31/12/2012 (183.319) (85.853) (42.936) (312.108)

 $WLYRVÂżQDQFHLURV Contas a receber





 3DVVLYRVÂżQDQFHLURV    3DVVLYRVÂżQDQFHLURVPHQVXUDGRVSHORFXVWRDPRUWL]DGR  $GLDQWDPHQWRVGHFRQWUDWRGHFkPELR $&&  Fornecedores - mercado externo

   (242) (2.493) (2.121)

19. RESULTADO FINANCEIRO 6HPHVWUHVÂżQGRVHP  31/12/2013 31/12/2012

Total lĂ­quido

CenĂĄrio remoto (alta de 50%) U$ 3,8397  2.563 2.563

    (955) (7.589) (6.121)

  

(1.669) (12.686) (10.123)

24.4. Risco de taxas de juros

 5HFHLWDV¿QDQFHLUDV   5HQGLPHQWRVGHDSOLFDo}HV¿QDQFHLUDV   9DULDo}HVFDPELDLVDWLYDV   Descontos obtidos Encargos sobre contas a receber de clientes  'HVSHVDV¿QDQFHLUDV    -XURVVREUHHPSUpVWLPRV   Atualização monetåria das obrigaçþes tributårias Variaçþes cambiais passivas Outras ( - ) Capitalização de custos de emprÊstimos

  151 93 4.000   617 3.242 433 (1.749) 10.647

 

  147 71 3.424

 

 3.615 2.442 846 (431) 10.372

20. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIĂ‡ĂƒO SOCIAL Imposto de Renda 31/12/2013 31/12/2012

Contribuição Social 31/12/2013 31/12/2012

Lucro antes do imposto de renda  HGDFRQWULEXLomRVRFLDO   Alíquota aplicável         Ajustes para cálculo da taxa efetiva:  ,PSRVWRVGLIHULGRVVREUHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDV    2XWUDVDGLo}HVHH[FOXV}HVOtTXLGDV        &RPSHQVDomRGHSUHMXt]RV¿VFDLVH    EDVHVQHJDWLYDVGHFRQWULEXLomRVRFLDO      'HGXo}HVSRULQFHQWLYRV¿VFDLV (288) Total do imposto de renda e da contribuição social no resultado 3.167 7.919 Taxa efetiva Imposto de Renda e Contribuição Social  

  

  

      -

  

  

(58)

1.140

2.901





21. BENEF�CIOS A EMPREGADOS A Sociedade, em conjunto com as partes relacionadas CR Almeida S.A. - Engenharia e Construçþes, C.R. Almeida S.A. - Engenharia de Obra, PRIMAV Construçþes e ComÊrcio S/A, AEQ - Aliança Eletroquímica Ltda., mantÊm um Plano Coletivo de assistência complementar na modalidade de Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) junto ao Bradesco Vida e Previdência S.A.. $V FRQWULEXLo}HV GD 6RFLHGDGH FRUUHVSRQGHP D  GR YDORU DSRUWDGR SHORV IXQFLRQiULRV H $GPLQLVWUDGRUHV 1R H[HUFtFLR GH  UHSUHVHQWRX   QR H[HUFtFLR GH   GD IROKD GH SDJDPHQWRWRWDOL]DQGR5 5QRH[HUFtFLRGH 2SUD]RGHFDUrQFLDGRSODQRGH3*%/pGH no mínimo 5 anos de vínculo empregatício. (VWH  SODQR VH WUDWD GH SODQR GH FRQWULEXLomR GH¿QLGD VHQGR TXH D 6RFLHGDGH UHFRQKHFH FRPR despesa a contribuição devida quando o empregado tiver prestado serviços à Sociedade.

31/12/2013 (169)  (995) (1.164)



31/12/2012 (411) 227  

 11.228

23. INSTRUMENTOS FINANCEIROS $ 6RFLHGDGH PDQWpP RSHUDo}HV FRP LQVWUXPHQWRV ÂżQDQFHLURV $ DGPLQLVWUDomR GRV LQVWUXPHQWRV ÂżQDQFHLURV p HIHWXDGD SRU PHLR GH HVWUDWpJLDV RSHUDFLRQDLV H FRQWUROHV LQWHUQRV YLVDQGR DVVHJXUDU liquidez, rentabilidade e segurança. A polĂ­tica de controle consiste no acompanhamento permanente das condiçþes contratadas versus as condiçþes vigentes de mercado. (P  GH GH]HPEUR GH  H  D 6RFLHGDGH QmR SRVVXtD QHQKXP LQVWUXPHQWR ÂżQDQFHLUR GHULYDWLYR SDUD PLWLJDU ULVFRV DVVRFLDGRV DRV VHXV LQVWUXPHQWRV ÂżQDQFHLURV H GXUDQWH RV SHUtRGRV tambĂŠm nĂŁo efetuou aplicaçþes de carĂĄter especulativo. 2V UHVXOWDGRV VmR FRQGL]HQWHV FRP DV SROtWLFDV H HVWUDWpJLDV GHÂżQLGDV SHOD $GPLQLVWUDomR GD Sociedade. 24. GERENCIAMENTO DE RISCOS As operaçþes da Sociedade estĂŁo expostas a riscos de mercado (moeda e indexadores), crĂŠdito e liquidez. Os riscos sĂŁo constantemente acompanhados pela administração. $$GPLQLVWUDomRHQWHQGHTXHRVLQVWUXPHQWRVÂżQDQFHLURVGHWLGRVSHOD6RFLHGDGHDSUHVHQWDPYDORUHV contĂĄbeis prĂłximos aos seus respectivos valores justos. 24.1. Risco de crĂŠdito 5HIHUHVHDRULVFRGD6RFLHGDGHLQFRUUHUHPSHUGDVUHVXOWDQWHVGDGLÂżFXOGDGHGHUHFHELPHQWRGHYDORUHV faturados a seus clientes. A exposição mĂĄxima ao risco de crĂŠdito da Sociedade ĂŠ o valor dos recebimentos pendentes de clientes mencionadas anteriormente como “contas a receberâ€? (vide nota 5). O valor do risco efetivo de eventuais perdas encontra-se apresentado como perda estimada no valor recuperĂĄvel (nota 5d). A mitigação desse risco ocorre com a aplicação de procedimentos analĂ­ticos de monitoramento das contas a receber de clientes, açþes de cobrança e paralisação das vendas. 24.2. Risco de mercado Risco de mercado ĂŠ a eventual perda resultante de mudanças adversas nos preços de mercado. Os riscos de mercado estĂŁo alĂŠm do controle da Sociedade, envolvendo principalmente a possibilidade GHTXHPXGDQoDVQDVWD[DVGHMXURVWD[DVGHFkPELRHLQĂ€DomRSRVVDPDIHWDUQHJDWLYDPHQWHRYDORU GRVDWLYRVÂżQDQFHLURVĂ€X[RVGHFDL[DHUHQGLPHQWRVIXWXURV$PLWLJDomRGHVWHVULVFRVRFRUUHDWUDYpV da aplicação de procedimentos de avaliação da exposição dos ativos e passivos ao risco de mercado. Os principais riscos demercado ao qual a Sociedade estĂĄ exposta sĂŁo o dĂłlar norte americano, CDI, IGPM e a TJLP. $ÂżPGHWHVWDUDH[SRVLomRDWDLVULVFRVD6RFLHGDGHGHÂżQLXFHQiULRV SURYiYHOSRVVtYHOHUHPRWR  a serem simulados. No provĂĄvel sĂŁo utilizadas as condiçþes consideradas como provĂĄveis pela $GPLQLVWUDomRDVTXDLVIRUDPGHÂżQLGDVFRPEDVHQDVWD[DVGLYXOJDGDVSHOD%0 )H%ROHWLP)RFXVHR FHQiULRSRVVtYHOHRUHPRWRXPDGHWHULRUDomRGHHUHVSHFWLYDPHQWHQDVYDULiYHLV)RLÂż[DGR RSHUtRGRGHXPDQRSDUDYHULÂżFDomRGRLPSDFWRQDVGHVSHVDVÂżQDQFHLUDVVHQGRGHVFRQVLGHUDGRVRV pagamentos a serem realizados no perĂ­odo. Segue a exposição lĂ­quida a tais riscos: 24.3. Risco de taxa de câmbio

CenĂĄrio provĂĄvel

CenĂĄrio possĂ­vel (alta 25%)

CenĂĄrio remoto (alta de 50%)

         (534) (5.167)

         (667) (6.263)

 

 

 

 

(7.360)

 )LQDPH7-/3a  &DSLWDOGHJLUR&',a  $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLO&', Arrendamento mercantil / IGPM

24.5. Risco de liquidez 2 ULVFR GH OLTXLGH] UHSUHVHQWD R ULVFR GH D 6RFLHGDGH HQIUHQWDU GL¿FXOGDGHV SDUD FXPSULU VXDV REULJDo}HVUHODFLRQDGDVDRVSDVVLYRV¿QDQFHLURV$6RFLHGDGHPRQLWRUDRULVFRGHOLTXLGH]PDQWHQGR caixa e investimentos prontamente conversíveis para atender suas obrigaçþes e compromissos e tambÊm se antecipando para futuras necessidades de caixa. 6HJXHDDQiOLVHGHOLTXLGH]SHORVYHQFLPHQWRVFRQWUDWXDLVGHWRGRVRVLQVWUXPHQWRV¿QDQFHLURV AtÊ 3 meses Ativos Caixa e equivalentes de caixa  &RQWDVDUHFHEHU Contas a receber de clientes em renegociação

De 3 a 12 meses

415  1.189 62.457

Passivos  )RUQHFHGRUHVPHUFDGRLQWHUQR Fornecedores mercado externo  (PSUpVWLPRVHÂżQDQFLDPHQWRV  $UUHQGDPHQWRPHUFDQWLOÂżQDQFHLUR Total lĂ­quido

De 1 a 3 anos

  12.343

      (2.611)        

(2.349) (37.611)  

24.846 (26.863)

Superior a 3 anos

Total





415 

17

-

4.257 74.817

        (2.943) (3.294) (24.855)  

(24.838) (3.580)

 

(2.611)  

(9.688)  

(30.435)

2V ÀX[RV GH FDL[D DWLYRV H SDVVLYRV IRUDP FRQVLGHUDGRV QD DQiOLVH GH OLTXLGH] D YDORUHV QmR descontados. Os recebíveis de clientes incluem apenas as operaçþes vincendas. 23.6. Concentração de risco A Sociedade esteve, atÊ recentemente, exposta ao risco de fornecimento do nitrato de amônia, principal insumo para a fabricação de seus produtos, uma vez que tal fornecimento vinha sendo concentrado em XP~QLFRIRUQHFHGRUWRGDYLDPHGLGDVGHGLYHUVL¿FDomRIRUDPWRPDGDVDSDUWLUGRVHJXQGRVHPHVWUH GHSDUDLPSRUWDomRGRSURGXWRGHXPGRVFRQWURODGRUHVLQGLUHWRVGD6RFLHGDGH(QDH[6$ 25. SEGUROS $VFREHUWXUDVGHVHJXURVHPGHGH]HPEURGHVmR

22. OUTRAS RECEITAS (DESPESAS) Resultado na baixa de imobilizados Resultado na baixa de investimentos  5HYHUVmR3HUGDVHPFRQWDVDUHFHEHU Outros resultados

CenĂĄrio possĂ­vel (alta 25%) U$ 3,1998  1.468 1.468

CenĂĄrio provĂĄvel U$ 2,5598  372 372

     

Risco BĂĄsico/roubo de mĂĄquinas )URWDYHtFXORV 5HVSRQVDELOLGDGHWHUFHLURV *DUDQWLDH[HFXomRGHVHUYLoRV *DUDQWLDSURFHVVRMXGLFLDO 5HVSRQVDELOLGDGH3URÂżVVLRQDO 5HVSRQVDELOLGDGH&LYLO Total

Vencimentos Diversos   'LYHUVRV   

Valor segurado 886       81.298

Premio total 5      29 1.307

A apropriar 3      869

A Administração da Sociedade adota a polĂ­tica de contratar seguros de diversas modalidades, para fazer face a eventuais ocorrĂŞncias de sinistros. A Administração da Sociedade continua a negociar com VHJXUDGRUDVFRPDÂżQDOLGDGHGHFRQWUDWDUDSyOLFHGHVHJXURTXHFXEUDVHXDWLYRLPRELOL]DGRVREUHRV quais a SociedadenĂŁo possui cobertura em virtude do risco ser recusado pelas seguradoras. 26. TRANSAÇÕES NĂƒO CAIXA 'XUDQWHRVH[HUFtFLRVÂżQGRVHPGHGH]HPEURGHHGHD6RFLHGDGHUHDOL]RXDWLYLGDGHV GH LQYHVWLPHQWR H ÂżQDQFLDPHQWR QmR HQYROYHQGR FDL[D SRUWDQWR HVVDV QmR HVWmR UHĂ€HWLGDV QD GHPRQVWUDomRGRVĂ€X[RVGHFDL[DVHQGR $ 6RFLHGDGH HQWURX HP FRQWUDWRV GH DUUHQGDPHQWR PHUFDQWLO ÂżQDQFHLUR SDUD D DTXLVLomR GH HTXLSDPHQWRVGHLQIRUPiWLFDHYHtFXORVGXUDQWHRVSULPHLURVVHPHVWUHVGHH'HVWDIRUPDR PRQWDQWHGHVWDVDTXLVLo}HVGHDWLYRLPRELOL]DGRTXHQmRHQYROYHUDPFDL[DQRH[HUFtFLRÂżQGRHPGH GH]HPEURGHIRLGH5UHODWLYDPHQWHDYHtFXORVH5UHODWLYDPHQWHDHTXLSDPHQWRV GHLQIRUPiWLFD 5H5QRH[HUFtFLRÂżQGRHPGHGH]HPEURGHUHVSHFWLYDPHQWH  27. APROVAĂ‡ĂƒO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS $V GHPRQVWUDo}HV ÂżQDQFHLUDVIRUDP DSURYDGDV H DXWRUL]DGDV SDUD SXEOLFDomR SHOD GLUHWRULD GH GD 6RFLHGDGHHPGHMDQHLURGH DIRETORIA EXECUTIVA: ANTONIO LUIZ CYRINO DE SĂ CARLOS ALBERTO DUQUE ANDRÉ LUIZ CUNHA ANDRÉ DE CAMARGO FĂ BIO CANTANA FRANCISCO TORRENT

DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO/FINANCEIRO DIRETOR COMERCIAL DIRETOR DE OPERAÇÕES DIRETOR DE AUDITORIA INTERNA DIRETOR DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CONSELHO DE ADMINISTRAĂ‡ĂƒO: JUAN EDUARDO ERRAZURIZ OSSA MARIO AUGUSTO BRESCIA CAFFERATA JUAN PABLO ABOITIZ DOMINGUEZ JUAN ANDRES ERRAZURIZ DOMINGUEZ MARIO AUGUSTO MIGUEL BRESCIA MOREYRA KARL GEORG MASLO LUNA MARCO ANTONIO CASSOU JOAO ALBERTO GOMES BERNACCHIO CÉSAR BELTRĂƒO DE ALMEIDA CONTADOR: MARCOS ROGÉRIO MARCATTO

PRESIDENTE VICE PRESIDENTE

CRC/PR 037.466/O-2

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores e Acionistas da IBQ - INDÚSTRIAS QU�MICAS S.A. Quatro Barras - PR ([DPLQDPRV DV GHPRQVWUDo}HV ¿QDQFHLUDV GD ,%4  ,QG~VWULDV 4XtPLFDV 6$ ³6RFLHGDGH´  TXH FRPSUHHQGHPREDODQoRSDWULPRQLDOHPGHGH]HPEURGHHDVUHVSHFWLYDVGHPRQVWUDo}HVGR UHVXOWDGRGRUHVXOWDGRDEUDQJHQWHGDVPXWDo}HVGRSDWULP{QLROtTXLGRHGRVÀX[RVGHFDL[DSDUDR H[HUFtFLR¿QGRQDTXHODGDWDDVVLPFRPRRUHVXPRGDVSULQFLSDLVSUiWLFDVFRQWiEHLVHGHPDLVQRWDV explicativas. 5HVSRQVDELOLGDGHGDDGPLQLVWUDomRVREUHDVGHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDV A administração da Sociedade Ê responsåvel pela elaboração e adequada apresentação dessas GHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDVGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLVDGRWDGDVQR%UDVLOHSHORVFRQWUROHV internos que ela determinou como necessårios para permitir a elaboração de demonstraçþes ¿QDQFHLUDVOLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR

Responsabilidade dos auditores independentes 1RVVDUHVSRQVDELOLGDGHpDGHH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHHVVDVGHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDVFRP base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências Êticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoåvel de que as demonstraçþes ¿QDQFHLUDVHVWmROLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWH Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a UHVSHLWR GRV YDORUHV H GLYXOJDo}HV DSUHVHQWDGRV QDV GHPRQVWUDo}HV ¿QDQFHLUDV 2V SURFHGLPHQWRV selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção UHOHYDQWHQDVGHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDVLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR1HVVD avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada DSUHVHQWDomRGDVGHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDVGD6RFLHGDGHSDUDSODQHMDURVSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULD TXHVmRDSURSULDGRVQDVFLUFXQVWkQFLDVPDVQmRSDUD¿QVGHH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHDH¿FiFLD desses controles internos da Sociedade. Uma auditoria inclui, tambÊm, a avaliação da adequação das pråticas contåbeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contåbeis feitas pela administração, bem FRPRDDYDOLDomRGDDSUHVHQWDomRGDVGHPRQVWUDo}HV¿QDQFHLUDVWRPDGDVHPFRQMXQWR

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTà BEIS PARA OS EXERC�CIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2013 (Em milhares de reais)

Comercial ElĂŠtrica DW S.A. C.N.P.J. M/F 05.381.281/0001-93

RELATĂ“RIO DA ADMINISTRAĂ‡ĂƒO Aos Srs. Acionistas Em cumprimento Ă s disposiçþes legais e estatutĂĄrias, submetemos Ă  apreciação de Vsas. o Balanço Patrimonial, Demonstrativo de Resultado, Demonstraçþes de Fluxo de Caixa, Mutaçþes do PatrimĂ´nio LĂ­quido e Notas Explicativas, referentes aos exercĂ­cios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012. Colocamo-nos Ă  disposição para qualquer esclarecimento adicional necessĂĄrio.

Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2013 e 2012 (Em milhares de reais) ATIVO

PASSIVO 2013

CIRCULANTE Disponibilidades Aplicaçþes Financeiras Clientes (Nota 3) Impostos a Recuperar Outras contas a Receber Estoques (Nota 4) Despesas Antecipadas ATIVO NĂƒO CIRCULANTE ICMS outros CrĂŠditos ICMS s/Imobilizado PERMANENTE Investimentos (Nota 5) Bens do Imobilizado (NOTA 6) (-) Depreciação/Amort. Acumulada TOTAL DO ATIVO

2013

2012

26.397 4.921 4.371 6.391 1.226 277 43.583

14.332 2.557 4.378 416 335 22.018

37 37

-

2012 CIRCULANTE

944 3 43.453 20.046 3.927 36.434 151 104.958

1.004 10.359 23.004 6.349 1.416 18.171 14 60.317

261 261

280 40 320

12.828 (7.824) 5.004 110.223

4.786 7.030 (4.083) 7.733 68.370

Fornecedores Financiamentos Obrigaçþes Trabalhistas Obrigaçþes TributĂĄrias Contas a Pagar Outras Contas PASSIVO NĂƒO CIRCULANTE Obrigaçþes TributĂĄrias PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO Capital Social Reservas de Capital Reservas de Lucros Reserva de Lucros a Realizar

22.363 13.668 669 29.903 66.603 110.223

TOTAL DO PASSIVO

18.680 8.200 669 18.803 46.352 68.370

DEMONSTRAĂ‡ĂƒO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMĂ”NIO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013. (Em milhares de reais)

SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 Agio na Subscriçþes de Açþes Subscriçþes efetuadas Constituiçþes reservas por Incorporação Reservas afetadas por Incorporação Reservas de Lucros SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

Capital Social

Reservas de capital

Reserva de Lucros

Lucros Acumulados

18.681 3.682 22.363

8.200 2.645 2.822 13.667

669 669

18.803 (347) 11.447 29.903

Demonstração de Resultados dos ExercĂ­cios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 (Em milhares de reais) RECEITA OPERACIONAL BRUTA Venda de mercadorias Receita c/Prestação de Serviço DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA Impostos e Devoluçþes RECEITA OPERACIONAL LĂ?QUIDA Custo das Mercadoria Vendidas LUCRO BRUTO DESPESAS OPERACIONAIS Despesas c/Pessoal Despesas Administrativas Resultado c/EquivalĂŞncia Patrimonial RESULTADO FINANCEIRO Receitas Financeiras Despesas Financeiras LUCRO OPERACIONAL Despesas/Receitas nĂŁo Operacionais RESULTADO ANTES DOS IMPOSTOS E CONTRIBUIĂ‡ĂƒO SOCIAL ProvisĂŁo p/Imposto de Renda Contribuição Social RESULTADO LĂ?QUIDO DO EXERCĂ?CIO Juros sobre Capital PrĂłprio LUCRO/(PREJUĂ?ZO) POR AĂ‡ĂƒO EM R$

Total do Patrimonio LĂ­quido 46.353 2.645 3.682 2.822 (347) 11.447 66.603

Demonstração dos Fluxos de Caixa dos Exercícios findos em 2013 e 2012 (Em milhares de reais)

2013 283.396 546

2012 184.489 449

(47.921) 236.021 (175.058) 60.962

(42.113) 142.825 (106.295) 36.530

(26.848) (19.664) 1.007 (45.505)

(15.597) (12.918) 1.053 (27.462)

557 (596) (39) 15.418 942

746 (145) 601 9.669 157

15.353 (2.997) (909) 11.447 0,5119

9.826 (2.403) (943) 6.480 0,3469

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Lucro líquido do exercício Reconciliação do lucro líquido do período com o caixa gerado pelas atividades operacionais Imposto de renda e contribuição diferidos Equivalência Patrimonial (Nota 5) Depreciação, Exaustão e amortização Amortização Desågio (Aumento) diminuição no Ativo Contas a receber de clientes (Nota 3) Estoques (Nota 4) Impostos e contribuiçþes a recuperar Demais contas a receber Aumento (diminuição) no Passivo Fornecedores Impostos e taxas a recolher Obrigaçþes trabalhistas Demais contas a pagar Caixa gerado pelas atividades operacionais FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES INVESTIMENTOS Aquisição de imobilizado (Nota 6) Caixa usado nas atividade de investimentos FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTOS Pagamentos de financiamentos Pagamentos de dividendos e JCP Caixa usado nas atividade de financiamento AcrÊscimo (decrÊscimo) líquido em caixa e aplicaçþes financeiras Caixa e aplicaçþes financeiras no início do exercício Caixa e aplicaçþes financeiras no fim do exercício

Extravios de Blocos de Notas Foi extraviado o bloco de Nota Fiscal, nÂş 2 (de 051 a 100), com algumas notas preenchidas, da Editora Eliza Lazarini Maschio e Cia Ltda, CNPJ 06.340.439/0001-40.

2013

2012

11.447

6.480

4.402 3.741 -

817 (1.054) 945 -

(20.449) (18.263) (13.697) (3.585)

(2.240) (6.662) (2.325) -

12.065 2.013 1.814 368 (20.144)

(3.016) (1.136) (564) 5.249 3.506

4.403 4.403

1.058 1.058

5.325 5.325 (10.416) 11.363 947

4.564 6.799 11.363

NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL: A empresa tem por principal atividade o comĂŠrcio de materiais elĂŠtricos, prestação de assessoria e serviços gerenciais na elaboração de projetos em engenharia elĂŠtrica, industrial e de segurança; manutenção e reparação de equipamentos elĂŠtricos, comĂŠrcio de componentes eletrĂ´nicos e equipamentos de telefonia e comunicação, equipamentos e suprimentos de informĂĄtica, mĂĄquinas e equipamentos para uso comercial; partes e peças, Produtos de higiene e conservação domiciliar, produtos saneantes domissanitĂĄrios, de roupas e acessĂłrios para uso profissional e de segurança do trabalho. NOTA 2 - ELABORAĂ‡ĂƒO APRESENTAĂ‡ĂƒO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTĂ BEIS: As Demonstraçþes Financeiras foram elaboradas de acordo com as prĂĄticas contĂĄbeis no Brasil, em conformidade com as diretrizes constantes na Lei das Sociedades por Açþes 11.638 de dezembro de 2007. 1. PRINCIPAIS PRĂ TICAS CONTĂ BEIS: a) Disponibilidades – A disponibilidade representa saldos existentes em caixa e bancos, demonstrados ao custo, acrescido dos rendimentos auferidos atĂŠ a data dos balanços. b) PDD – A ProvisĂŁo para Devedores Duvidosos ĂŠ constituĂ­da atĂŠ o limite que se estima ser suficiente para cobrir eventuais perdas na realização das contas a receber de clientes condicionadas aos prazos legais para dedutibilidade, conforme Lei 9.403/96 (NOTA 3). NOTA 3 – CONTAS A RECEBER - CLIENTES Composição Contas a Receber (-) ProvisĂŁo para Perdas Total

2013 44.736 (1.283) 43.453

2012 24.460 (1.456) 23.004

c) Estoques – Os estoques de mercadorias para revenda são valorizados ao custo mÊdio de aquisição, sendo desvalorizados com base na permanência. A provisão para desvalorização dos estoques Ê considerada por parte da Administração como suficiente para eventuais perdas. (NOTA 4). NOTA 4 - ESTOQUES Contas Estoques Mercadorias em trânsito (-) Provisão para Perdas Total

2013 40.508 317 (4.391) 36.434

NOTA 6 - IMOBILIZADO Composição Benfeitorias Edifícios e Construçþes Móveis e Utensílios Equip, Måquinas, Ferramentas Software e sistemas e programas Hardware Veículos Imobilizado em andamento Total

2009 2010 2010 2011 2011 2011 2012 2012

2012 Inc PRLT Inc EMEL 232 23 186 479 107 156 180 46 15 791 114 386 342 131 200 245 30 1 679 2.947 451 944

Ad/Bx 93 (202) 816 2.763 730 154 49 4.403

Deprec (56) (419) (315) (1.847) (730) (112) (262) (3.741)

2.301 972 3.273 623 4.246 3.896 890 4.786 (4.786) -

2013 478 121 742 2.207 673 318 466 5.004

7. IMPOSTOS: O imposto de Renda Ê calculado com base nas alíquotas de 15%, acrescida do adicional de 10% sobre o lucro tributåvel excedente de R$ 240mil para o imposto de renda e 9% sobre o lucro tributåvel para contribuição social, incluindo o imposto de Renda Diferido decorrente das diferenças temporais no valor de R$ 5.814 mil. 8. CAPITAL SOCIAL: O Capital Social subscrito e integralizado estå divido em 22.363.296,00 açþes ordinårias nominativas, todas sem valor nominal. DIRETORIA Diretores: Edson Luiz Wamser, Fernanda Wamser, Leonardo Dissenha , Bruno Nebelung, Almir JosÊ Lopes e Darcisio Schafaschek Conselho de Administração: Daniel Tatini, HervÊ Salmon, Guillermo Mario Cassarotti, Adir Dissenha e Rosana Martin Wamser Contador: Eli Rocha Amaral – CRC/SC 028421/O-3 T-PR

SĂšMULA DE EMISSĂƒO DE LICENÇA DE OPERAĂ‡ĂƒO A empresa abaixo, torna pĂşblico que recebeu do IAP – Instituto Ambiental do ParanĂĄ, Licença de Operação para o empreendimento a seguir especificado: EMPRESA: Concremais IndĂşstria e ComĂŠrcio de Artefatos de Concreto Ltda. ATIVIDADE: IndĂşstria e ComĂŠrcio de Artefatos de Concreto ENDEREÇO: Alameda Arpo, n.Âş 1.200, Ouro Fino. MUNICĂ?PIO: SĂŁo JosĂŠ dos Pinhais. VALIDADE: 28/05/2014.

OpiniĂŁo (P QRVVD RSLQLmR DV GHPRQVWUDo}HV ÂżQDQFHLUDV DFLPD UHIHULGDV DSUHVHQWDP DGHTXDGDPHQWH HP WRGRVRVDVSHFWRVUHOHYDQWHVDSRVLomRSDWULPRQLDOHÂżQDQFHLUDGD,%4,QG~VWULDV4XtPLFDV6$HP GHGH]HPEURGHRGHVHPSHQKRGHVXDVRSHUDo}HVHRVVHXVĂ€X[RVGHFDL[DSDUDRH[HUFtFLR ÂżQGRQDTXHODGDWDGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLVDGRWDGDVQR%UDVLO &XULWLEDGHMDQHLURGH DELOITTE TOUCHE TOHMATSU AUDITORES INDEPENDENTES CRC NÂş 2 SP-011.609/O-8 F-PR

OTĂ VIO RAMOS PEREIRA CONTADOR CRC NÂş 1 RS-057.770/O-2 S-PR

CARTĂ“RIO DISTRITAL DE UBERABA Av. Sen. Salgado Filho, nÂş 2.368 - MunicĂ­pio e Comarca de Curitiba Estado do ParanĂĄ.

EDITAL DE PROCLAMAS Faz saber que pretendem converter a uniĂŁo estĂĄvel em casamento civil: RAFAEL EDUARDO EUFRASIO e TAYNARA DANTAS DE OLIVEIRA LUIZ HENRIQUE SOARES e KETERLY KARINE ALVES DE SOUZA Se alguĂŠm souber de algum impedimento, oponha-o na forma da lei. O referido ĂŠ verdade e dou fĂŠ. Curitiba, Uberaba, 24 de Abril de 2014

2012 20.145 80 (2.054) 18.171

d) Ativo permanente - d1. INVESTIMENTOS: Efetuada aquisição da empresa Emel Materiais ElÊtricos S/A, Cnpj/Mf 04.523.811/0001-28 em 31/12/2012 e sua incorporação em 01/09/2013 na totalidade da sua posição patrimonial. A Participação no Capital Social da empresa Proelt Eletro Comercial S/A, em 51%, com 358.753 (trezentos e cinquenta e oito mil, setecentas e cinquenta e três) açþes, sem valor nominal, avaliada pelo mÊtodo da Equivalência Patrimonial foi incorporada à DW em 01/01/2013 (NOTA 5). d2. IMOBILIZADO: O Imobilizado Ê demonstrado ao custo de aquisição. As depreciaçþes e amortizaçþes são calculados pelo mÊtodo linear, com base nas taxas que levam em consideração a vida útil estimada dos bens. (NOTA 6). NOTA 5 - INVESTIMENTOS – d1 Saldo Investimento Equivalência Patrimonial Saldo Investimento Equivalência Patrimonial Saldo Investimento Saldo Investimento Equivalencia Patrimonial Saldo Investimento Incorporação 31/12/2012 Total do Investimento

$FUHGLWDPRV TXH D HYLGrQFLD GH DXGLWRULD REWLGD p VXÂżFLHQWH H DSURSULDGD SDUD IXQGDPHQWDU QRVVD opiniĂŁo.

PatrĂ­cia Lazzarotto Oficial

Justiça Gratuita EDITAL PARA CONHECIMENTO DE TERCEIROS INTERESSADOS, NA DECRETAĂ‡ĂƒO DA INTERDIĂ‡ĂƒO DE MAURĂ?LIO TEODORO DE ALMEIDA, COM O PRAZO DE TRINTA (30) DIAS. FAZ SABER, pelo presente edital, que por este JuĂ­zo e CartĂłrio da 2.ÂŞ Vara CĂ­vel da Comarca da RegiĂŁo Metropolitana de Curitiba - Foro Regional de SĂŁo JosĂŠ dos Pinhais – PR., se processam os autos n.Âş 0009070-32.2011.8.16.0035 (9070/ 2011), de INTERDIĂ‡ĂƒO, em que figura como requerente MALVINA THEOTONIA DE ALMEIDA e requerido MAURĂ?LIO TEODORO DE ALMEIDA, tendo a autora informado, na inicial, que o requerido ĂŠ portador de deficiĂŞncia mental. O feito teve seu regular processamento, com a perĂ­cia mĂŠdica e o acompanhamento do MinistĂŠrio PĂşblico e, de acordo com o laudo pericial, ficou demonstrado que o requerido ĂŠ portador de doença mental de carĂĄter irreversĂ­vel, a qual determina sua incapacidade para praticar os atos da vida civil, sendo que em data de 08/05/2013, por decisĂŁo proferida Ă s fls. 68/69 dos autos em referĂŞncia, decretou-se a interdição de MAURĂ?LIO TEODORO DE ALMEIDA, brasileiro, maior, nascido em 21/05/1965, filho de Nilo Teodoro de Almeida e Malvina Theotonia de Almeida, portador da CI RG sob n.Âş 4.591.630-8/PR e inscrito no CPF/MF sob n.Âş 681.054.449-68, residente e domiciliado na Rua Videira, n.Âş 297, Jardim Santa Catarina, nesta Cidade de SĂŁo JosĂŠ dos Pinhais - PR, sendo-lhe nomeada curadora na pessoa da requerente MALVINA THEOTONIA DE ALMEIDA, brasileira, viĂşva, portadora do CI RG sob n.Âş 5.945.706-3/PR e inscrita no CPF/MF sob n.Âş 916.939.349-49, residente e domiciliada no mesmo endereço acima descrito, que deverĂĄ prestar o compromisso na forma da lei. E, para que chegue ao conhecimento de terceiros e interessados, e nĂŁo possam alegar ignorância, expediu-se o presente edital, a ser afixado no lugar de costume do juĂ­zo e publicado pela imprensa, na forma da lei. SĂŁo JosĂŠ dos Pinhais, 26 de março de 2014. Eu______________________(Ivete Marly Hahn - Auxiliar de Justiça Juramentada), que o digitei e subscrevi. ELIANA SILVEIRA DA ROSA - EscrivĂŁ Assinatura Autorizada pela Portaria 01/2011


10

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| 25 a 27 de abril de 2014 |

DESAFIO JOVEM VIDAS PARA CRISTO

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

CNPJ 00.077.234/0001-37

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013. 2.013 ATIVO

161.215,13

CIRCULANTE DISPONIBILIDADES

2.012 122.201,89 PASSIVO

70.291,11

31.277,87

70.291,11

31.277,87

38,21

252,09

38,21

252,09

CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS

CAIXA Caixa Geral

FOLHA PAGAMENTO EMPREGADOS Salários a pagar

2.013

2.012

161.215,13

122.210,08

7.441,53

8.184,11

7.398,28

8.094,48

4.663,16

5.459,97

4.663,16

5.259,42

13º Salário a pagar BANCOS CONTA MOVIMENTO Banco Itau Banco do Brasil

3.234,35

3.116,83

3.109,85

3.116,83

124,50

-

ENCARGOS SOCIAIS A PAGAR

-

I.N.S.S. a pagar F.G.T.S. a pagar

APLICAÇÕES FINANCEIRAS Banco do Brasil

67.018,55

27.908,95

Contribuições Sindicais a Pagar

67.018,55

27.908,95

PIS sobre a folha

2.735,12

2.634,51

2.077,16

1.893,36

573,30

651,52

-

IMPOSTOS RETIDOS A RECOLHER

BENS E DIREITOS EM USO

90.924,02

90.924,02

90.924,02

90.924,02

99.050,30

99.050,30

Máquinas e Equipamentos

33.113,44

33.113,44

Móveis e Utensílios

22.993,65

22.993,65

948,00

948,00

Computadores e Periféricos

30.159,00

30.159,00

Benfeitorias em imóveis de Terceiros

11.836,21

11.836,21

(8.126,28)

(8.126,28)

Ferramentas

(-) DEPRECIAÇÃO ACUMULADA

Imposto a Recolher

PATRIMÔNIO LÍQUIDO PATRIMÔNIO SOCIAL Patrimônio Social CONTAS DE CAPITAL CONTAS DE CAPITAL Superávit Acumulados

SUPERÁVIT OU DÉFICIT DO EXERCÍCIO Superavit do Exercício TOTAL DO ATIVO

161.215,13

122.201,89 TOTAL DO PASSIVO

89,63

43,25

89,63

43,25

89,63

43,25

89,63

153.773,60

PATRIMÔNIO SOCIAL

Curitiba, 23 de abril de 2014 Comissão Permanente de Licitação

-

84,66

OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS NÃO CIRCULANTE IMOBILIZADO

200,55

Aviso de Licitação Pregão Eletrônico nº 13/2014 Processo nº 117732193 OBJETO : Aquisição de Equipamentos para Laboratórios dos Cursos Técnicos em Agropecuária e Eletrônica. Data : 14/05/2014 HORAS :09:30 hs VALOR MÁXIMO: R$ 59.100,86 (cinquenta e nove mil, cem reais e oitenta e seis centavos. O edital encontra-se à disposição no portal ou www.licitacoes-e.com.br PREGÃO ELETRÔNICO DO BANCO DO BRASIL, pesquisa avançada e o n.º da licitação

114.025,97

31.493,93

31.493,93

31.493,93

31.493,93

31.493,93

31.493,93

122.279,67

82.532,04

82.532,04

62.223,67

82.532,04

62.223,67

39.747,63

20.308,37

39.747,63

20.308,37

161.215,13

122.210,08

Reconhecemos a exatidão do presente Balanço Patrimonial, com base na documentação apresentada, encerrado em 31/12/2013. Marilei da Silva do Nascimento

Sonia Mara Klymko Bressan

Presidente

Téc. Contábil

CPF 048.102.967-25

C.R.C. PR 052.421/O -5

DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31/12/2013 RECEITAS OPERACIONAIS LÍQUIDAS

DEMONSTRAÇÃO SOCIAL - 2013 2.013

ORIGEM DE RECURSOS

295.081,38

Contribuições Receitas Operacionais Receitas não Operacionais

RECEITAS FINANCEIRAS Ganhos com Aplicação Financeira

2.012 242.955,21

12.223,00

4.012,00

274.288,28

201.791,60

8.570,10

37.151,61

1.216,52

603,53

1.216,52

553,88

Juros e descontos obtidos

-

49,65

-

6.706,54

DEDUÇÕES DAS RECEITAS Devoluções

Devoluções TOTAL DAS ORIGENS

296.297,90

DESPESAS OPERACIONAIS LÍQUIDAS

2.013

DESPESAS OPERACIONAIS

236.852,20 2.012

256.550,27

216.543,83

254.494,94

212.960,01

DESPESAS FINANCEIRAS

1.457,12

3.332,26

DESPESAS TRIBUTARIAS

598,21

251,56

256.550,27

216.543,83

RESULTADO ANTES DAS PROVISÕES

39.747,63

20.308,37

SUPERÁVIT/DÉFICIT EXERCÍCIO

39.747,63

20.308,37

DESPESAS OPERACIONAIS

TOTAL DAS DESPESAS

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS ORIGEM DE RECURSOS

2.013

2.012

Superávit ou Déficit do Exercício

39.747,63

Contribuições de associados

12.223,00

4.012,00

8.570,10

2.077,61

274.288,28

201.791,60

Convênio Judiciário Receitas com convênios Receitas financeiras TOTAL DAS ORIGENS

20.308,37

1.216,52

553,88

336.045,53

228.743,46

APLICAÇÕES DE RECURSOS Aquisição de imobilizado

-

Pagamentos administrativos e financeiros

-

256.550,27

216.543,83

TOTAL DAS APLICAÇÕES

256.550,27

216.543,83

Excesso das aplicações sobre as origens

(79.495,26)

(12.199,63)

DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE ATIVO CIRCULANTE

Saldo inicial

Saldo final

Variação

2012

22.634,86

31.277,87

8.643,01

2013

31.277,87

70.291,11

39.013,24

PASSIVO CIRCULANTE

Saldo inicial

Saldo final

2012

19.841,28

8.175,92

(11.665,36)

Variação

2013

8.175,92

7.441,53

(734,39)

23.101,95

62.849,58

CAPITAL CIRCULANTE

39.747,63

DESCRIÇÃO DAS MUTAÇÕES Saldos em 31/12/2012 Ajustes de exercícios anteriores Transferência para resultado anteriores Superávit/ Déficit do exercício Saldos em 31/12/2013

DAS

PATRIMÔNIO SOCIAL 31.493,93

31.493,93

MUTAÇÕES RESULTADO EXERCÍCIO ANTERIOR 62.223,67

82.532,04

DO

PATRIMÔNIO

SUPERAVIT/ DÉFICIT DO EXERCÍCIO

TOTAL

20.308,37

114.025,97

39.747,63

39.747,63

39.747,63

153.773,60

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013. I – CONTEXTO OPERACIONAL NOTA 01 O DESAFIO JOVEM VIDAS PARA CRISTO, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem finalidades lucrativas, inscrita no CNPJ/MF 00.077.234/000137, tendo como finalidade oferecer aos dependentes químicos, uma recuperação definitiva, reintegração no âmbito familiar, atividades sócioeconômicas e realizar palestras, encontros, debates e outras preventivas contra o uso de drogas e ou álcool em lugares estratégicos. A prestação de serviços se rege pelo Estatuto Social e pela legislação aplicável. II – APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES As Demonstrações Contábeis e Financeiras, foram elaboradas em moeda corrente nacional, em unidade de reais, consoantes as práticas contábeis emanadas da Lei 6.404/76 e alterações posteriores, bem como em conformidade com as normas contábeis vigentes, em especial a resolução CFC nº 1409/ 2012, que aprovou a NBC ITG 2002, norma específica para instituições de caráter social, sem fins lucrativos. III – RESUMO DAS PRÁTICAS CONTÁBEIS NOTA 02 As prestações de contas dos repasses do Poder Público referente a o ano de 2013, foram aprovadas. NOTA 03 Não há estoque a registrar no ano de 2013. NOTA 04 O imobilizado se apresenta pelo custo de aquisição ou valor original. NOTA 05 Os custos, as despesas e as receitas da Instituição foram apropriados em obediência ao regime de competência do exercício, e os direitos e obrigações foram classificados em ordem decrescente de realização e exigibilidade respectivamente, sendo que aqueles vencíveis até o exercício seguinte foram classificados no Circulante, enquanto que os que irão vencer após o termino do exercício seguinte foram classificados no Longo Prazo. NOTA 06 As aplicações financeiras estão demonstradas pelo valor de aplicação, acrescido dos rendimentos correspondentes, apropriados até a data do Balanço, em obediência ao regime de competência dos exercícios e aplicados integralmente nas atividades fins; NOTA 07 A depreciação foi registrada pelas taxas permitidas pelo fisco. NOTA 08 Receitas com convênios refere-se a convênios com a Prefeitura, Estado e recursos oriundos de outros eventos. NOTA 09 A Entidade não presta nenhum serviço à prazo, em decorrência d e suas finalidades filantrópicas e assistenciais, portanto não mantém a Provisão para Devedores Duvidosos. NOTA 10 A Entidade recebeu doações no ano de 2013, que totalizaram um valor de R$ 10.073,00. NOTA 11 A Entidade recebeu no ano de 2013, auxílios e subvenções do Poder Público através de convênio, o valor de R$ 209.500,00. NOTA 12 Os recursos da entidade foram aplicados em suas finalidades institucionais, de conformidade com o seu Estatuto Social, demonstrados pelas suas Despesas e Investimentos Patrimoniais. NOTA 13 A entidade recebeu doações de alimentos (frutas e verduras) de empresa estatal, sem mensurar valores.

LÍQUIDO

DÉCIMA PRIMEIRA VARA CIVEL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA – FORO CENTRAL DE CURITIBA. Av. Cândido de Abreu nº 535, 6º andar, CEP 80.530-906, Fórum Cível, Fone (41) 3352-9703. EDITAL de CITAÇÃO de AGRIMPE LOCAÇÃO QUADRA ESPORTIVA E LANCHONETE e EDITE AGRIMPE (CPF/MF Nº 403.273.709-63), com prazo de 20 (vinte) dias. A /Dra. RENATA ESTORILHO BAGANHA, MMª. Juíza de Direito da 11ª Vara Civel da Comarca de Curitiba, Estado do Paraná, FAZ SABER que por este cartório e juízo, tramitam autos de AÇÃO EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL CÉDULA, Nº 38915/2011, PROPOSTA POR BANCO BRADESCO S/ A em face AGRIMPE LOCAÇÃO QUADRA ESPORTIVA E LANCHONETE e EDITE AGRIMPE(CPF/MF Nº 403.273.70963), onde determinou-se, pelo Juízo, a citação dos executados para pagamento da quadra exigida ou oferecimento de bens à penhora, restando negativas as diligências realizadas pelo Sr. Oficial de Justiça, para citação dos executado as, nos endereços constantes dos autos, e esgotados todos os meios possíveis para citação destes, estando portanto em lugar incerto e não sabido, ficam AGRIMPE LOCAÇÃO QUADRA ESPORTIVA E LANCHONETE e EDITE AGRIMPE (CPF/MF nº 403.273.709-63), CITADOS, por este edital, dos termos da execução ora em processo, para que no prazo de três (03) dias, contados da data da primeira publicação do presente Edital, pague(m) a importância de R$ 31.793,81 (trinta e um mil, setecentos e noventa e três reais e oitenta e um centavos), devidamente corrigido até a data do efetivo pagamento, e honorários advocatícios fixados, estes últimos na forma do artigo 652-A, do CPC,EM 10% (dez por cento) sobre o valor do débito, cientes os executados da redução pela metade da verba honorária para pagamento no prazo acima estipulado, nos termos do § único do artigo acima referido, sob pena de não o fazendo serem constritos judicialmente tantos bens quanto bastem à integral satisfação do débito, na forma do § 1º, do artigo 652 do CPC( Lei nº 11.382/2006). Ficando ainda, cientes de que, independentemente de penhora , depósito ou caução, poderá opor embargos à execução, no prazo de quinze dias, e que se os embargos forem manifestamente protelatórios, o Juiz aplicará à parte devedora multa de sobre o valor da execução, (CPC, art. 736). Ciente ainda de que decorrido o prazo legal sem o pagamento, será procedida a penhora ou arresto de bens, observada a ordem legal (CPC, art. 655) e a sua avaliação, lavrando-se o respectivo auto e demais atos. Tudo de conformidade com contido nos autos acima indicados. Dados e passado nesta cidade de Curitiba – PR, aos Vinte e Dois (22) dias do mês de Março do ano de dois mil e quatorze (2.014). Eu (a) (Renata Ferreira), Escrevente Juramentada, o digitei, conferi e subscrevo. RENATA ESTORILHO BAGANHA. Juíza de Direito.

SÚMULA DE PEDIDO DE RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO A Concremais Indústria e Comércio de Artefatos de Concreto Ltda. Torna publico que requereu ao IAP – Instituto Ambiental do Paraná, Renovação de Licença de Operação para implantação de Indústria e Comércio de Artefatos de Concreto, implantado na Alameda Arpo, n.º 1.200, Ouro Fino, município de São José dos Pinhais, Estado do Paraná.

EDITAL DE CITAÇÃO DOS RÉUS AUSENTES, INCERTOS E DESCONHECIDOS, COM PRAZO DE VINTE (20) DIAS - N° 02/2014. O DOUTOR ERICK ANTÔNIO GOMES, MM. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, FORO REGIONAL DE ARAUCÁRIA, ESTADO DO PARANÁ, FAZ SABER, QUE POR ESTE JUÍZO E CARTÓRIO PROCESSAM OS TERMOS DOS AUTOS N° 0008874-58.2012.8.16.0025 DE AÇÃO DE USUCAPIÃO, EM QUE SÃO REQUERENTES ANGELINA HILDA MANFRON E JOSÉ MENEGUSSO CÂNDIDO, E REQUERIDOS B & B INVESTIMENTOS LTDA E SKB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, TENDO POR OBJETIVO A POSSE DO SEGUINTE BEM: “ÁREA DE 1.355,20M2, INSERIDA NO IMÓVEL DE MATRÍCULA Nº 23.448, O IMÓVEL INICIA-SE NO MARCO 1, DO VÉRTICE 1 SEGUE ATÉ O VÉRTICE 2 NO AZIMUTE 201º 08'55”, EM UMA DISTÂNCIA DE 69,56 M, CONFRONTANDO-SE COM A AV. DAS ARAUCÁRIAS, DO VÉRTICE 2, SEGUE ATÉ O VÉRTICE 3 NO AZIMUTE 308º06'54", EM UMA DISTÂNCIA DE 23.82M, CONFRONTANDO COM FRANCISCA MARKOWICZ RUWINSKI, DO VÉRTICE 3 SEGUE ATÉ O VÉRTICE 4 NO AZIMUTE 25º32'33", EM UMA DISTÂNCIA DE 62,79M, CONFRONTANDO COM TADEU LIGESKI E B & B INVESTIMENTOS LTDA, FINALMENTE DO VÉRTICE 4 DEFLETINDO SEGUE ATÉ O VÉRTICE 1 (INÍCIO DA DESCRIÇÃO), NO AZIMUTE DE 111º08'55", NA EXTENÇÃO DE 17,98M, CONFRONTANDO COM PROLONGAMENTO DO JARDIM MURYN, FECHANDO ASSIM A ÁREA DE 1.355,20M2". FICAM OS RÉUS AUSENTES, INCERTOS E DESCONHECIDOS, CITADOS ATRAVÉS DO PRESENTE EDITAL, DOS TERMOS DA AÇÃO ACIMA MENCIONADA, ADVERTINDO-O(A) DE QUE SE NÃO FOREM CONTESTADOS PRESUMIR-SE-ÃO ACEITOS PELO(A) MESMO(A) COMO VERDADEIROS OS FATOS ARTICULADOS PELO(A) AUTOR(A). ARTIGOS 285 E 319 AMBOS DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. OCORRENDO A AUSÊNCIA INJUSTIFICADA DO REQUERIDOS REPUTAR-SE-ÃO VERDADEIROS OS FATOS CONTRA SI ALEGADOS, SALVO HAVENDO PROVA CONTRÁRIA NOS AUTOS. E PARA QUE CHEGUE AO CONHECIMENTO DOS RÉUS AUSENTES, INCERTOS E DESCONHECIDOS, E NINGUÉM NO FUTURO POSSA ALEGAR IGNORÂNCIA, PASSOU-SE O PRESENTE EDITAL QUE SERÁ PUBLICADO E AFIXADO NA FORMA DA LEI. CUMPRA-SE NA FORMA DA LEI. DADO E PASSADO NESTA CIDADE E FORO REGIONAL DE ARAUCÁRIA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, ESTADO DO PARANÁ, AOS 31/01/2014. EU (a) ESCRIVÃO/JURAMENTADO (A), O DIGITEI E SUBSCREVI. ERICK ANTÔNIO GOMES JUIZ DE DIREITO.

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ. COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA – FORO REGIONAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS – 1ª VARA CÍVEL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS – PROJUDI. Rua João Ângelo Cordeiro, s/n – São José dos Pinhais/PR – CEP: 83.005-570 – Fone: (41) 3283-2676. EDITAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO DOS INTERESSADOS, AUSENTES, INCERTOS E DESCONHECIDOS E DO CONFRONTANTE TOMAZ CARVALHO. AUTOS Nº 0017745-81.2011.8.16.0035. PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS. A Doutora Danielle Nogueira Mota Comar, Juíza de Direito da Primeira Vara Cível da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Foro Regional de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, FAZ SABER que por este Juízo e Cartório processam os termos dos autos número 001774581.2011.8.16.0035 de Ação de Usucapião, requerida por Ademir Juliatto e outros, tendo por objetivo o imóvel descrito como: “área de terras de 959.051,35m2, situada no lugar denominado Anta Gorda, no Município de São José dos Pinhais”. A área objeto da ação, possui a seguinte confrontação: Odenir Foggiatto, Roberto Juliatto, Ademir Juliatto, Tomaz Carvalho e Alcídio Bueno Machado. Fica o confrontante TOMAZ CARVALHO e os interessados, ausentes e incertos, desconhecidos – CITADOS e INTIMADOS através do presente edital, dos termos da ação acima mencionada. Advertindo-o (a) de que se não forem contestados presumirse-ão aceitos pelo (a) mesmo (a) como verdadeiros os fatos articulados pelo (a) autor (a). Artigos 285 e 319 ambos do Código de Processo Civil. Ocorrendo a ausência injustificada dos requeridos reputar-se-ão verdadeiros os fatos contra si alegados, salvo havendo prova contrária nos autos. São José dos Pinhais, 10 de abril de 2014. Eu_ (Geisielen Ananias Pinto), Juramentada que o digitei e subscrevi. Subscrição autorizada pelo MM. Juiz – Portaria 02/2010.


Extrato da Ata de Registro de Preços nº. 060/2014

Extrato da Ata de Registro de Preços nº. 063/2014

Objeto: Registro de preços para prestação de serviços de locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Piraquara. Modalidade: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 084/13. Detentora da Ata: GARAGEM MODERNA LTDA-EPP, com sede Av. João Gualberto, 1276 – Juvevê – Curitiba-PR e CNPJ sob nº. 77.171.247/000103, vencedor dos itens 2 e 3, pelo valor total de R$ 308.400,00 (Trezentos e oito mil e quatrocentos reais). Validade da Ata: 12 (doze) meses, a contar da assinatura. Data da Assinatura: 24 de abril de 2014.

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO E ADJUDICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL nº. 084/2013

Objeto: Registro de preços para prestação de serviços de locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Piraquara. Modalidade: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 084/13. Detentora da Ata: SAN MARCO AUTOMÓVEIS LTDA, com sede na Av. Coronel Joaquim de Oliveira Prata, 1175 – Parque São Geraldo – UberabaMG e CNPJ nº. 25.308.164/0001-01, vencedor do item 10, pelo valor total de R$ 204.000,00 (Duzentos e quatro mil reais). Validade da Ata: 12 (doze) meses, a contar da assinatura. Data da Assinatura: 24 de abril de 2014.

Extrato da Ata de Registro de Preços nº. 061/2014

O PREFEITO MUNICIPAL DE PIRAQUARA, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e com base na Lei nº. 8.666 de 21/06/93, Lei nº. 10.520/02, que institui a modalidade Pregão, Decreto nº. 3931/01e de acordo com o procedimento licitatório e julgamento das propostas apresentadas ao PREGÃO PRESENCIAL nº. 084/2013 – Processo nº. 475/13, que tem por objeto o registro de preços para prestação de serviços de locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Piraquara, pelo período de até 12 (doze) meses: HOMOLOGA o referido processo licitatório, adjudicando seu resultado às seguintes empresas: GARAGEM MODERNA LTDA-EPP, com sede Av. João Gualberto, 1276 – Juvevê – Curitiba-PR e CNPJ sob nº. 77.171.247/0001-03, vencedor dos itens 2 e 3, pelo valor total de R$ 308.400,00 (Trezentos e oito mil e quatrocentos reais); GUIA VEÍCULOS LTDA, com sede na Av. das Torres, 1530 – São Cristóvão – São José dos Pinhais–PR e CNPJ nº. 82.461.310/ 0001-78, vencedor dos itens 1, 6 e 7, pelo valor total de R$ 138.732,00 (Cento e trinta e oito mil, setecentos e trinta e dois reais); A.M.B. TRANSPORTE LTDA-ME, com sede na Rua Paulo Jacomel, 67 – Uberaba – Curitiba-PR e CNPJ sob nº. 10.275.087/ 0001-63, vencedor do item 8, pelo valor total de R$ 84.000,00 (Oitenta e quatro mil reais); SAN MARCO AUTOMÓVEIS LTDA, com sede na Av. Coronel Joaquim de Oliveira Prata, 1175 – Parque São Geraldo – Uberaba-MG e CNPJ nº. 25.308.164/000101, vencedor do item 10, pelo valor total de R$ 204.000,00 (Duzentos e quatro mil reais) e BAJ TRANSPORTES LTDA-ME, com sede na Rua Pe. Ribeiro, 177 – Centro – Rio Branco do Sul-PR e CNPJ nº. 05.166.615/0001-06, vencedor dos itens 4, 5 e 9, pelo valor total de R$ 541.920,00 (Quinhentos e quarenta e um mil, novecentos e vinte reais). Palácio 29 de Janeiro, Prédio Prefeito Antonio Alceu Zielonka, 24 de abril de 2014.

Extrato da Ata de Registro de Preços nº. 064/2014

Objeto: Registro de preços para prestação de serviços de locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Piraquara. Modalidade: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 084/13. Detentora da Ata: GUIA VEÍCULOS LTDA, com sede na Av. das Torres, 1530 – São Cristóvão – São José dos Pinhais–PR e CNPJ nº. 82.461.310/ 0001-78, vencedor dos itens 1, 6 e 7, pelo valor total de R$ 138.732,00(Cento e trinta e oito mil, setecentos e trinta e dois reais). Validade da Ata: 12 (doze) meses, a contar da assinatura. Data da Assinatura: 24 de abril de 2014.

11

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| 25 a 27 de abril de 2014 |

Objeto: Registro de preços para prestação de serviços de locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Piraquara. Modalidade: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 084/13. Detentora da Ata: BAJ TRANSPORTES LTDA-ME, com sede na Rua Pe. Ribeiro, 177 – Centro – Rio Branco do Sul-PR e CNPJ nº. 05.166.615/ 0001-06, vencedor dos itens 4, 5 e 9, pelo valor total de R$ 541.920,00 (Quinhentos e quarenta e um mil, novecentos e vinte reais). Validade da Ata: 12 (doze) meses, a contar da assinatura. Data da Assinatura: 24 de abril de 2014.

Justiça Gratuita EDITAL PARA CONHECIMENTO DE TERCEIROS INTERESSADOS, NA DECRETAÇÃO DA INTERDIÇÃO DE CAIO MURILO KRANZ, COM O PRAZO DE TRINTA (30) DIAS. FAZ SABER, pelo presente edital, que por este Juízo e Cartório da 2.ª Vara Cível da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba - Foro Regional de São José dos Pinhais – PR., se processam os autos n.º 0013170-64.2010.8.16.0035 (23170/ 2010), de INTERDIÇÃO, em que figura como requerente TANIA MARA KRAZ e requerido CAIO MURILO KRANZ, tendo a autora informado, na inicial, que o requerido é portador de deficiência mental. O feito teve seu regular processamento, com a perícia médica e o acompanhamento do Ministério Público e, de acordo com o laudo pericial, ficou demonstrado que o requerido é portador de doença mental de caráter irreversível, a qual determina sua incapacidade para praticar os atos da vida civil, sendo que em data de 26/02/2013, por decisão proferida às fls. 76/77 dos autos em referência, decretou-se a interdição de CAIO MURILO KRANZ, brasileiro, solteiro, nascido em 27/04/1988, filho de Tania Mara Kranz, portador da CI RG sob n.º 7.272.870-0/PR e inscrito no CPF/MF sob n.º 011.399-789-26, residente e domiciliado na Rua João Dombroski, n.º 359, Braga, nesta Cidade de São José dos Pinhais - PR, sendo-lhe nomeada curadora na pessoa da requerente TANIA MARA KRANZ, brasileira, solteira, do lar, portadora do CI RG sob n.º 6.424.039-0/PR e inscrita no CPF/MF sob n.º 680.293.149-49, residente e domiciliada no mesmo endereço acima descrito, que deverá prestar o compromisso na forma da lei. E, para que chegue ao conhecimento de terceiros e interessados, e não possam alegar ignorância, expediu-se o presente edital, a ser afixado no lugar de costume do juízo e publicado pela imprensa, na forma da lei. São José dos Pinhais, 26 de março de 2014. Eu______________________(Ivete Marly Hahn - Auxiliar de Justiça Juramentada), que o digitei e subscrevi.

Extrato da Ata de Registro de Preços nº. 062/2014 Objeto: Registro de preços para prestação de serviços de locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Piraquara. Modalidade: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 084/13. Detentora da Ata: A.M.B. TRANSPORTE LTDA-ME, com sede na Rua Paulo Jacomel, 67 – Uberaba – Curitiba-PR e CNPJ sob nº. 10.275.087/ 0001-63, vencedor do item 8, pelo valor total de R$ 84.000,00 (Oitenta e quatro mil reais). Validade da Ata: 12 (doze) meses, a contar da assinatura. Data da Assinatura: 24 de abril de 2014.

EDITAL DE CITAÇÃO DE AGOSTINHO COSTA FILHO, COM O PRAZO DE VINTE (20) DIAS. A Doutora MICHELA VECHI SAVIATO, Juíza de Direito Substituta da (1ª.) Vara Cível do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Capital do Estado do Paraná na forma da lei. F A Z S A B E R a quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, que tem curso neste Juízo de Direito da 1ª. Vara Cível, situado à Avenida Cândido de Abreu, nº. 535, 1º andar, Edifício do FORUM, Centro Cívico, nesta Capital, uma AÇÃO COBRANÇA -ORDINÁRIA sob nº. 68.868/1999, movida pó CONDOMÍNIO NÚCLEO HABITACIONAL EUCALIPTOS VIII contra AGOSTINHO COSTA FILHO, referente a cobrança de taxas de condomínio em atraso, meses de abril de 1997 até maio de 1999, do apartamento 13, matricula 53.909 da 8ª Circunscrição Imobiliária de Curitiba. Encontrando-se o requerido em lugar incerto e não sabido, tem o presente edital a finalidade de CITAÇÃO do requerido: AGOSTINHO COSTA FILHO, para no prazo de 20 (vinte) dias, a partir da primeira publicação, apresentar contestação no prazo de quinze (15) dias, sob pena de presumirem-se aceitos como verdadeiros os fatos alegados pelo autor. O presente edital será afixado no lugar de costume no Fórum e publicado na forma da lei. - Dado e passado nesta Cidade de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, aos trinta e um (31) dias do mês de março do ano de dois mil e quatorze (2014). - E eu, (Bárbara Cardoso), E. Juramentada, o digitei e subscrevi. MICHELA VECHI SAVIATO Juíza de Direito Substituta.

ELIANA SILVEIRA DA ROSA - Escrivã Assinatura Autorizada pela Portaria 01/2011

JURITI ASSOCIAÇÃO DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR

JURITI SECURITIZADORA S.A. A Juriti Securitizadora S.A., com CNPJ nº 10.246.252/0001-59, com sede na Rua José Theodoro Ribeiro, 1414 ʹ Ilha da Figueira, Jaraguá do Sul ʹ SC vem por meio deste divulgar suas informações financeiras dos anos 2012 e 2013.

A Juriti Microfinanças, com CNPJ nº 10.246.252/0001-59, com sede na Rua José Theodoro Ribeiro, 1414 ʹ Ilha da Figu Jaraguá do Sul ʹ SC e Filial na Rua Joaquim Nabuco, 1900 ʹ Centro, São José dos Pinhais ʹ PR, vem por meio deste divu suas informações financeiras dos anos 2012 e 2013.

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (em Reais)

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (em Reais) PASSIVO

ATIVO 2013

2012 CIRCULANTE

CIRCULANTE

8.774.158 196.982 8.497.934 748 78.494

189.340 8.460.599 44.489 81.342

NÃO CIRCULANTE

5.077.969

10.936.538

Realizável a Longo Prazo

4.947.624

10.739.857

Investimentos Imobilizado Intangível TOTAL DO ATIVO

2012 4.636.596

913 4.387.440 122.427 4.638

4.848 .354.724 272.546 4.478

11.686.505

13.685.056

2.442.597 1.785.601 7.090.235 368.072

4.625.731 8.686.933 372.392

(2.349.796)

1.390.656

2013

2012

662.745

1.806.316

7.479.590

9.493.776

8.331.236

2.491.390

711.114

637.338

7.184.685

4.428.820

8.775.770

Caixa e Equivalentes de Caixa Operações de Crédito Tributos a Recuperar Outros Créditos

Partes Relacionadas

2013 4.515.418

ATIVO CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa

4.947.624

10.739.857

708 128.599 1.038

300 194.356 2.025

13.852.127

19.712.308

Fornecedores Empréstimos e Financiamentos Obrigações Sociais e Tributárias Outras Obrigações

Outros créditos

NÃO CIRCULANTE

Total do Ativo Circulante

Empréstimos e Financiamentos Partes Relacionadas Recursos de Debêntures Obrigações Tributárias Diferidas PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Prejuizos Acumulados TOTAL DO PASSIVO

2.000.000 (4.349.796)

2.000.000 (609.344)

13.852.127

19.712.308

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (em Reais) 2013 RECEITA LÍQUIDA DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO

2012

1.031.976

2.952.194

(3.165.954)

(1.708.324)

(643.029) (399.318) (2.123.607)

(679.049) (523.847) (503.528) (1.900)

Resultado Antes das Receitas e Despesas Financeiras Receitas Financeiras Despesas Financeiras

(2.133.978) 897.718 (2.234.261)

1.243.870 911.568 (2.619.348)

Resultado Antes dos Tributos Provisão para IRPJ e CSLL

(3.470.521) (269.931)

(463.910) (387.319)

Resultado Líquido das Operações Continuadas

(3.740.452)

(851.229)

Resultado Líquido do Exercício

(3.740.452)

(851.229)

DESPESAS OPERACIONAIS Despesas com Pessoal Despesas Administrativas Despesas com Operações de Crédito Despesas (Receitas) Financeiras

Operações de crédito Valores a receber Programa Gaúcho

-

͞Demonstrações contáveis auditadas por Sappia Auditores Independentes, CRC 8.363/O-8. As Demonstrações contábeis, notas explicativas e parecer dos auditores independentes estão a disposição na sede da Juriti Securitizadora͘͟

NÃO CIRCULANTE Realizável a longo prazo Operações de crédito Total do realizável a longo prazo

2.076.715

2.531.827

2.076.715

2.531.827

Investimentos

1.235

300

523.286

561.897

11.524

12.013

2.612.760

3.106.037

Imobilizado Intangível Total do Ativo Não Circulante TOTAL DO ATIVO

19.797.445

17.534.857

PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos e financiamentos Obrigações tributárias

2013

2012

81.593

1.745

429.220

1.817.625

67.864

69.163

Obrigações sociais

519.419

608.444

Outras obrigações

131.939

148.311

1.230.035

2.645.288

Total do Passivo Circulante NÃO CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos

12.298.546

6.525.994

Partes relacionadas

4.947.624

12.688.548

17.246.170

19.214.542

Total do Passivo Não Circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Social Superávit(Déficits) do exercício

-

1.259.135

1.321.240

(5.584.108)

Total do Patrimônio Líquido

1.321.240

4.324.973)

19.797.445

17.534.857

TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

DEMONSTRAÇÃO DO SUPERÁVIT (DÉFICIT) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (em Reais) 2013

2012

RECEITA DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO

15.742.263

8.639.021

DESPESAS OPERACIONAIS Despesas com Operações de Crédito Despesas com Pessoal Despesas Administrativas Despesas (Receitas) Financeiras

(9.522.284) (1.256.375) (5.450.844) (2.965.886) 150.821

(12.732.298) (5.215.177) (4.607.293) (2.962.381) 52.553

Resultado antes das receitas e despesas financeiras Receitas financeiras Despesas financeiras

6.219.979 6.742 (1.714.731)

(4.093.277) 2.928 (1.493.759)

Superávit (Déficit) das operações continuadas SUPERÁVIT (DÉFICIT) DO EXERCÍCIO

4.511.990 (1.324.987)

(5.584.108) (1.144.345)

͞ĞŵŽŶƐƚƌĂĕƁĞƐĐŽŶƚĄǀĞŝƐĂƵĚŝƚĂĚĂƐƉŽƌSappia Auditores Independentes, CRC 8.363/O-8. As Demonstrações contábeis, notas explicativas e parecer dos auditores independĞŶƚĞƐĞƐƚĆŽĂĚŝƐƉŽƐŝĕĆŽŶĂƐĞĚĞĚĂ:ƵƌŝƚŝDŝĐƌŽĨŝŶĂŶĕĂƐ͘͟


Editais