Issuu on Google+

12

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Terça-feira, 16 de outubro de 2012 |

PREFEITURA DE COLOMBO ESTADO DO PARANÁ

2ª Publicação do Extrato da Ata de Registro de Preços 226/2012 Licitação: Pregão n.° 78/2012 - Processo 1116169/2012 Valor Total: R$ 237.960,00 (duzentos e trinta e sete mil novecentos e sessenta reais). Objeto: Contratação de empresa, por meio do sistema de registro de preços, para prestação de serviços de serralheria para atender as necessidades das secretarias da Prefeitura de Colombo, conforme quantidades e especificações constantes no Termo de Referência (Anexo VII), que integra o Edital. Contratante: Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal da Administração, Secretaria de Educação, Cultura e Esportes, Secretaria Municipal de Obras e Viação, Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho. Contratado: Márcio Roberto da Silva Madalena-ME. - CNPJ n.° 14.973.913/0001-07. Vigência: 10 de julho de 2012 a 09 de julho de 2013. Data: Colombo, 15 de outubro de 2012. Assinatura: Ivonne Cecília R. Solano, Rita de Cássia Camargo Gonçalves, Alcione Luiz Giaretton, Moacir José Kretchmer, Myron Pereira de Almeida.

2ª Publicação do Extrato da Ata de Registro de Preços 225/2012 Licitação: Pregão 78/2012 - Processo 1116169/2012 Valor Total: R$ 205.700,00 (duzentos e cinco mil setecentos reais). Objeto: Contratação de empresa, por meio do sistema de registro de preços, para prestação de serviços de serralheria para atender as necessidades das secretarias da Prefeitura de Colombo, conforme quantidades e especificações constantes no Termo de Referência (Anexo VII), que integra o Edital. Contratante: Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal da Administração, Secretaria de Educação, Cultura e Esportes, Secretaria Municipal de Obras e Viação, Secretaria Municipal de Ação Social e Trabalho. Contratado: STF Brasil Comércio de Máquinas e Equipamentos LTDA-ME. - n.° 07.784.255/0001-31. Vigência: 10 de julho de 2012 a 09 de julho de 2013. Data: Colombo, 10 de julho de 2012. Assinatura: Ivonne Cecília R. Solano, Rita de Cássia Camargo Gonçalves, Alcione Luiz Giaretton, Moacir José Kretchmer, Myron Pereira de Almeida.

Preços Registrados:

Encontram-se a disposição no Setor de Contratos, sito à Rua XV de Novembro, n°. 105, Centro Colombo/PR ou pelo site www.colombo.pr.gov.br no link licitações.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO A Secretária Municipal de Saúde, do Município de Colombo, Estado do Paraná, atendendo ao disposto no artigo 12, da Lei Federal nº 8689/93, TORNA PÚBLICO Que será realizada, no próximo dia 25/10/2012, às 14:00 horas, junto à Câmara Municipal de Colombo, a Audiência Pública para demonstração da execução do Plano de Saúde, do período Julho a Setembro, Terceiro Trimestre / 2012, nos termos da legislação. Colombo, 15 de outubro de 2012. IVONNE CECÍLIA RESTREPO SOLANO Secretária Municipal de Saúde


| Terça-feira, 16 de outubro de 2012 |

POSTO MARU LTDA DÉCIMA SEGUNDA ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL CNPJ Nº 81.894.297/0001-88 NIRE 412.02292863 TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EM SOCIEDADE ANÔNIMA RUI CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°. 1.038.294-7 SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 186.711.019-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Heitor de Andrade, 93, Jd. das Américas, CEP 81.530-310; MARTINHO CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°.870.555-0 SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 072.040.279-49, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Leoberto Leal, 553, Guabirotuba, CEP 81.510-090; PATRICIA FRANÇA KLETTKE, brasileira, casada em regime de comunhão parcial de bens, empresária, residente e domiciliada em Curitiba-PR, Rua Cidra, n.º 118, Uberaba, CEP 81.560-160, portadora da cédula de identidade nº. 5.542.360-1 SSP/PR e CPF nº. 859.735.489-53; ROSANGELA FRANÇA, brasileira, separada judicialmente, comerciária, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 01 - Uberaba, CEP 81.570-200, portadora da cédula de identidade nº. 6.191.939-2 SSP/ PR e CPF/MF nº. 943.017.009-00; PRISCILA FRANÇA, brasileira, solteira, comerciaria, residente e domiciliada em CuritibaPR, na Rua Marins Tavares de Andrade, nº. 129, Guabirotuba, CEP 81.520-500, portadora da cédula de identidade nº. 7.541.544-3, expedida pelo SSP/PR e CPF/MF sob nº. 009.056.569-03; ROSA CICHELA HEIN, brasileira, natural de Maracajá - SC, casada em regime de comunhão universal de bens, portadora da cédula de identidade n°. 787.456-1 SSPPR e inscrita no CPF/MF sob n°. 856.551.479-04, empresária, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, CEP 81.570-340; INÊS BATISTA DA CRUZ, brasileira, natural de Maracajá - SC, viúva, empresária, portadora da cédula de identidade n° 787.452 SSP-PR e inscrita no CPF/MF 864.283.149-91, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo de Simas, 160, Uberaba, CEP 81570-270; ARINO CICHELLA, brasileiro, natural de Maracajá - SC, casado em regime de separação total de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 378.715 SSP-PR e inscrito no CPF/MF 072.039.939-49 residente e domiciliado na cidade de São José do Pinhais - PR, à Rua Canoinhas, 164, São Sebastião, CEP 83075-050; RICARDO CAROLLO, brasileiro, casado em regime de separação de bens, comerciante, natural de Curitiba-PR, portador da cédula de identidade 3.454.701-7 SSP/PR e CPF nº. 873.207.119-15, residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP: 81.570-270; RODRIGO CAROLLO, brasileiro, solteiro, maior, comerciante, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 5.444.836-8 SSP/PR e CPF nº. 026.022.769-28 residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP 81.570-270; VALMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba - PR, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 1.308.800 SSP-PR, CPF/MF 392.677.689-72, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, na Rua Vadeco Suit, 28, Uberaba, CEP 81.560-270; ZENIR DAGOSTIM CARDOSO, brasileira, natural de Curitiba – PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora cédula de identidade n° 1.551.097-8 SSP-PR, CPF/MF 856.811.729.53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Zulmira Bacila, 2120, Uberaba, CEP: 81.580-200, DIAMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba – PR, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, portador da cédula de identidade RG nº. 1.543.685 SSP-PR e CPF/MF nº. 316.797.309-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Ortigueira, 09, Uberaba, CEP 81.560-260 e MARCIA REGINA DAGOSTIM GOMES, brasileira, natural de Curitiba PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade n° 3.092.473-8 SSP-PR, CPF/MF 536.508.839-53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Av. Senador Salgado Filho, 3222, Uberaba, CEP 81.570-000, únicos sócios componentes da sociedade empresaria limitada denominada de POSTO MARU LTDA., com sede e foro na cidade de Curitiba/PR, à Rua Ana Berta Roskamp, 15. Esquina BR 277, Jardim das Américas, com contrato social registrado na JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PARANA sob n° 41202292863, por despacho em sessão de 19.03.90, ultima alteração sob n° 20111217920, por despacho em sessão de 30/06/2011, resolvem em comum acordo alterar o seu contrato social conforme condições seguintes: CLAUSULA PRIMEIRA: A Sociedade tem sede e foro na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, à Rua Ana Berta Roskamp, nº 15, Jardim das Américas, Cep 81.530-250, com filiais localizadas nos seguintes endereços: a) Rodovia Estrada de Paranaguá /Curitiba, nº 68.000 KM 68, Bairro Sede em São José dos Pinhais/PR, CEP: 83075000, inscrita no CNPJ nº 81.894.297/0002-69 e NIRE nº 41900314757. b) Rodovia PR 407, Engenheiro Argus Thá Heyn, 240 – Praia de Leste, Pontal do Paraná - PR CEP: 83255-000, inscrita no CNPJ nº 81.894.297/0003-40 e NIRE nº 41900314765. c) Rodovia Estrada da Paranaguá/Curitiba, s/n, KM 67,50, Bairro Sede em São José dos Pinhais/PR, CEP: 83075-000, inscrita no CNPJ nº 81.894.897/0004-20 e NIRE nº 41900558362. d) Avenida Rui Barbosa, nº 3406, Afonso Pena em São José dos Pinhais/PR, CEP: 83065-260, inscrita no CNPJ nº 81.894.297/0005-01 e NIRE nº 41900563951. e) Rodovia Curitiba/Parangua, BR 277 nº 2153 em Curitiba/PR, CEP: 82940-000, inscrita no CNPJ nº 81.894.297/000692 e NIRE nº 41900693367. CLÁUSULA SEGUNDA: O sócio VALMOR DAGOSTIM que possui na sociedade 23.834 quotas no valor de R$ 23.834,00 (vinte e três mil oitocentos e trinta e quatro reais) aliena e transfere aos demais sócios 179 (cento e setenta e nove) quotas no valor de R$ 179,00 (cento e setenta e nove reais). Parágrafo Primeiro: Com a transferência das quotas do sócio VALMOR DAGOSTIM, o capital social, no valor de R$ 897.088,00 (oitocentos e noventa e sete mil e oitenta e oito reais), dividido em 897.088 (oitocentos e noventa e sete mil e oitenta e oito) quotas no valor de R$ 1,00 (um real) cada uma, fica assim distribuído entre os sócios: Quantidade Quantidade de Quotas de Quotas SÓCIO QUOTISTA antes da Quotas após a Transferência Transferidas Transferência Valor Atual RUI CICHELLA MARTINHO CICHELLA PATRICIA FRANÇA KLETTKE ROSANGELA FRANÇA PRISCILA FRANÇA ROSA CICHELA HEIN INES BATISTA DA CRUZ ARINO CICHELLA RICARDO CAROLLO RODRIGO CAROLLO VALMOR DAGOSTIM ZENIR DAGOSTIM CARDOSO DIAMOR DAGOSTIM MARCIA REGINA D. GOMES TOTAL

114.490 114.490 38.164 38.163 38.163 114.490 114.490 114.490 57.245 57.245 23.834 28.620 23.833 19.371 897.088

23 23 7 8 8 23 23 23 11 11 (-179) 6 6 7 -

114.513 114.513 38.171 38.171 38.171 114.513 114.513 114.513 57.256 57.256 23.655 28.626 23.839 19.378 897.088

R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$

114.513,00 114.513,00 38.171,00 38.171,00 38.171,00 114.513,00 114.513,00 114.513,00 57.256,00 57.256,00 23.655,00 28.626,00 23.839,00 19.378,00 897.088,00

Parágrafo Segundo: Em razão da alienação efetivada, ficam as quotas gravadas com usufruto vitalício distribuídas da seguinte forma: SÓCIOS QUOTISTAS NU-PROPRIETÁRIOS

QUANTIDADE DE QUOTAS GRAVADAS

VALMOR DAGOSTIM ZENIR DAGOSTIM CARDOSO DIAMOR DAGOSTIM MARCIA R. DAGOSTIM GOMES PATRICIA FRANÇA KLETTKE ROSANGELA FRANÇA PRISCILA FRANÇA RICARDO CAROLLO RODRIGO CAROLLO

10.198 10.203 10.203 10.204 38.171 38.171 38.171 57.256 57.256

TOTAL

USUFRUTUÁRIOS FORTUNATO DAGOSTIM FORTUNATO DAGOSTIM FORTUNATO DAGOSTIM FORTUNATO DAGOSTIM ANA CICHELLA FRANÇA ANA CICHELLA FRANÇA ANA CICHELLA FRANÇA SANTINA CAROLLO SANTINA CAROLLO

269.833

Parágrafo Terceiro: Os sócios e usufrutuários dão entre si e a sociedade a mais ampla, geral e rasa quitação das quotas e usufruto ora transferidos. CLÁUSULA TERCEIRA – Os sócios resolvem, por unanimidade e na melhor forma de direito, transformar o tipo jurídico de Sociedade Limitada para Sociedade por Ações de Capital Fechado, nos termos e condições ora estabelecidos e mais detalhadamente indicados no Estatuto Social da sociedade, o qual foi aprovado por todos os sócios sem restrições, e passa a fazer parte integrante desta alteração de contrato social como anexo. Parágrafo único: A transformação em sociedade por ações é feita sem solução de continuidade, de forma que permanecerá titular de todos os seus direitos e obrigações anteriores ao presente ato. CLÁUSULA QUARTA: A sociedade passará a atuar sob a denominação de POSTO MARU S.A. CLAUSULA QUINTA: - A sociedade passa a reger-se pelos dispositivos da Lei 6.404/76 e suas posteriores alterações: CLÁUSULA SEXTA: O Capital Social de R$ 897.088,00 (oitocentos e noventa e sete mil e oitenta e oito reais), totalmente subscrito e integralizado, passa a ser dividido em 8.970.880 (oito milhões novecentos e setenta mil oitocentas e oitenta e oito) ações ordinárias nominativas, com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada. CLÁUSULA SÉTIMA: Os atuais sócios quotistas da sociedade passarão a deter ações em numero proporcional a sua anterior participação societária, sem qualquer acréscimo ou prejuízo, conforme quadro societário constante no anexo I. CLÁUSULA OITAVA: Em razão das doações efetivadas na 10ª Alteração do Contrato Social, as ações, decorrentes da transformação das quotas com usufruto vitalício é mantido, conforme quadro societário constante no anexo I. Parágrafo único - Os usufrutuários constantes no quadro societário detêm o direito à posse, uso, administração e percepção dos frutos das ações gravadas, sendo que o exercício destes direitos será sempre realizado pelos usufrutuários. CLÁUSULA NONA: Em função da transformação do tipo jurídico societário, são eleitas as seguintes pessoas para ocupar os cargos de Diretores da Sociedade: Sr. RUI CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°. 1.038.294-7 II-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 186.711.019-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Heitor de Andrade, 93, Jd. das Américas, CEP: 81530-310, nomeado para o cargo de DIRETOR PRESIDENTE, Sra. ROSA CICHELA HEIN, brasileira, natural de Maracajá - SC, casada em regime universal de bens, portadora da cédula de identidade n°. 787.456-1 ll-PR e inscrita no CPF/MF sob n°. 856.551.479-04, empresária, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, CEP: 81570-340, nomeada para o cargo de VICE-PRESIDENTE, os quais comporão a diretoria, pelo mandado de 3 (três) anos, findo o qual, será realizada eleição para novos administradores, sendo permitida a reeleição. CLÁUSULA DÉCIMA: A diretoria será remunerada pelos serviços que desempenharem na administração da companhia da seguinte forma: DIRETOR PRESIDENTE receberá pró-labore mensal de R$ 13.420,00 (treze mil, quatrocentos e vinte reais), DIRETOR VICE-PRESIDENTE receberá pró-labore mensal de R$ 7.510,00 (sete mil quinhentos e dez reais). CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA: Os diretores eleitos aceitaram os seus respectivos cargos, declarando conhecer plenamente a legislação, preencher todos os requisitos legais para o exercício dos cargos e declaram, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração da sociedade em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, não estando incurso em quaisquer dos crimes previstos em Lei ou nas restrições legais que possam impedi-los de exercer atividades mercantis. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA: Ficam os administradores da Sociedade incumbidos de ultimar as formalidades remanescentes relativas à transformação, inclusive no que se refere aos registros necessários perante os órgãos competentes. CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA: Para todas as questões oriundas desta alteração contratual que não puderam ser solucionadas pela arbitragem, fica desde já eleito o foro da Comarca de Curitiba, com exclusão de qualquer outro por mais privilegiado que seja.

ANEXO I QUADRO SOCIETÁRIO Demonstrativo do quadro societário e usufrutuários da empresa POSTO MARU S.A., após a transformação de 897.088,00 (oitocentos e noventa e sete mil e oitenta e oito) quotas com valor nominal de R$ 1,00 cada uma, em 8.970.880 (oito milhões novecentos e setenta mil oitocentas e oitenta e oito) ações ordinárias nominativas com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada, totalmente subscrito e integralizado, equivalentes a 100% do capital social, dividido entre os acionistas e usufrutuários a seguir qualificados: 1) QUALIFICAÇÃO DOS ACIONISTAS RUI CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°. 1.038.294-7 SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 186.711.019-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Heitor de Andrade, 93, Jd. das Américas, CEP 81.530-310; MARTINHO CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°.870.555-0 SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 072.040.279-49, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Leoberto Leal, 553, Guabirotuba, CEP 81.510-090; PATRICIA FRANÇA KLETTKE, brasileira, casada em regime de comunhão parcial de bens, empresária, residente e domiciliada em Curitiba-PR, Rua Cidra, n.º 118, Uberaba, CEP 81.560-160, portadora da cédula de identidade nº. 5.542.360-1 SSP/PR e CPF nº. 859.735.489-53; ROSANGELA FRANÇA, brasileira, separada judicialmente, comerciária, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 01 - Uberaba, CEP 81.570-200, portadora da cédula de identidade nº. 6.191.939-2 SSP/

JUÍZO DE DIREITO DA SEXTA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA DO PARANÁ. EDITAL DE CITAÇÃO DE MERGEFIELD REQUERIDOSJOSE LUIZ DE OLIVEIRA - COM PRAZO DE 20 (VINTE DIAS). FAZ SABER a todos quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, que por este Juízo da 6ª Vara Cível, sito à Avenida Cândido de Abreu, n.º 535, Centro Cívico, Nesta Capital, tramitam os autos de Ação COBRANÇA - SUMARIO sob n.º 2624-28.2005.8.16.0001 movida por CONJUNTO MORADIAS ITATIAIA IX contra JOSE LUIZ DE OLIVEIRA, de cuja petição inicial em síntese o seguinte: FAZ SABER, que pelo presente edital com citação do réu JOSÉ LUIZ DE OLIVEIRA, brasileira, casado, industriário, portadora da CIRG sob o n° 1.498.872PR, pelo presente com prazo de vinte dias, para oferecer defesa, sob o ônus da revelia, com fulcro no artigo 277 § 2° e 319 do CPC, nos termos da ação sumária de cobrança - autos de n° 267/2005, proposta pelo Conjunto Residencial Moradias Itatiaia IX, na qual alega a mora do réu, como proprietários do apto. 01, bloco 05, no pagamento das taxas condominiais dos meses de março/2001, abril/2001, fevereiro/2003 a dezembro/2004 bem como as que se venceram no curso da ação com fulcro no art. 290 do CPC, totalizando a importância de R$ 530,14 (quinhentos e trinta reais e quatorze centavos), pelo que requer a citação do réu e sua condenação ao pagamento do principal, bem como, acrescida da multa condominial, correção monetária, juros de 1% ao mês, custas processuais e honorários advocatícios, este em 20% sobre o valor da condenação. Não havendo condições de contratar um advogado o interessado poderá, antes da data da audiência, procurar Defensoria Pública. Fica através do presente, CITADO:JOSE LUIZ DE OLIVEIRA, para comparecer à audiência designada para a data de 27/11/2012, às 14:00 horas, neste Juízo, quando será tentada a conciliação e recebida a defesa oral ou escrita, através de advogado, ciente de que não o fazendo presumirse-ão como verdadeiros os fatos afirmados pelo autor; desejando prova testemunhal, deverá apresentar o rol em Cartório, juntamente com a contestação, na audiência de conciliação (Lei 9.245 de 26/12/95 combinado com o artigo 278 do CPC). Tem o presente o prazo de vinte dias, prazo esse que correrá em Cartório e será contado a partir da publicação, o qual será afixado no lugar de costume e publicado na forma da Lei. Curitiba, 04 de Outubro de 2012. Eu, (a) Liliana Lima Bittencourt, Escrivã, que mandei digitar e subscrevi. ANA LUCIA FERREIRA JUÍZA DE DIREITO.

PR e CPF/MF nº. 943.017.009-00; PRISCILA FRANÇA, brasileira, solteira, comerciaria, residente e domiciliada em CuritibaPR, na Rua Marins Tavares de Andrade, nº. 129, Guabirotuba, CEP 81.520-500, portadora da cédula de identidade nº. 7.541.544-3, expedida pelo SSP/PR e CPF/MF sob nº. 009.056.569-03; ROSA CICHELA HEIN, brasileira, natural de Maracajá - SC, casada em regime de comunhão universal de bens, portadora da cédula de identidade n°. 787.456-1 SSPPR e inscrita no CPF/MF sob n°. 856.551.479-04, empresária, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, CEP 81.570-340; INÊS BATISTA DA CRUZ, brasileira, natural de Maracajá - SC, viúva, empresária, portadora da cédula de identidade n° 787.452 SSP-PR e inscrita no CPF/MF 864.283.149-91, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo de Simas, 160, Uberaba, CEP 81570-270; ARINO CICHELLA, brasileiro, natural de Maracajá - SC, casado em regime de separação total de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 378.715 SSP-PR e inscrito no CPF/MF 072.039.939-49 residente e domiciliado na cidade de São José do Pinhais - PR, à Rua Canoinhas, 164, São Sebastião, CEP 83075-050; RICARDO CAROLLO, brasileiro, casado em regime de separação de bens, comerciante, natural de Curitiba-PR, portador da cédula de identidade 3.454.701-7 SSP/PR e CPF nº. 873.207.119-15, residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP: 81.570-270; RODRIGO CAROLLO, brasileiro, solteiro, maior, comerciante, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 5.444.836-8 SSP/PR e CPF nº. 026.022.769-28 residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP 81.570-270; VALMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba - PR, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 1.308.800 SSP-PR, CPF/MF 392.677.689-72, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, na Rua Vadeco Suit, 28, Uberaba, CEP 81.560-270; ZENIR DAGOSTIM CARDOSO, brasileira, natural de Curitiba – PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora cédula de identidade n° 1.551.097-8 SSP-PR, CPF/MF 856.811.729.53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Zulmira Bacila, 2120, Uberaba, CEP: 81.580-200, DIAMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba – PR, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, portador da cédula de identidade RG nº. 1.543.685 SSP-PR e CPF/MF nº. 316.797.309-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Ortigueira, 09, Uberaba, CEP 81.560-260 e MARCIA REGINA DAGOSTIM GOMES, brasileira, natural de Curitiba PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade n° 3.092.473-8 SSP-PR, CPF/MF 536.508.839-53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Av. Senador Salgado Filho, 3222, Uberaba, CEP 81.570-000. 1.1) As ações serão distribuídas entre os acionistas acima qualificados na forma do demonstrativo a seguir: ACIONISTAS

QUANTIDADE DE AÇÕES

VALOR R$

RUI CICHELLA MARTINHO CICHELLA PATRICIA FRANÇA KLETTKE ROSANGELA FRANÇA PRISCILA FRANÇA ROSA CICHELA HEIN INES BATISTA DA CRUZ ARINO CICHELLA RICARDO CAROLLO RODRIGO CAROLLO VALMOR DAGOSTIM ZENIR DAGOSTIM CARDOSO DIAMOR DAGOSTIM MARCIA REGINA DAGOSTIM GOMES

1.145.130 1.145.130 381.710 381.710 381.710 1.145.130 1.145.130 1.145.130 572.560 572.560 236.550 286.260 238.390 193.780

114.513,00 114.513,00 38.171,00 38.171,00 38.171,00 114.513,00 114.513,00 114.513,00 57.256,00 57.256,00 23.655,00 28.626,00 23.839,00 19.378,00

TOTAL

8.970.880

897.088,00

2) QUALIFICAÇÃO DOS USUFRUTUÁRIOS ANA CICHELLA FRANÇA, brasileira, natural de Araranguá - SC, casada em regime universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade nº. 1.045.116-7 SSP-PR e inscrita no CPF/MF sob n° 872.838.249-87, residente e domiciliada na cidade de Curitiba -PR, à Rua Marins Tavares de Andrade, nº. 129, Guabirotuba, CEP 81.520-500; SANTINA CAROLLO, brasileira, natural de Araranguá - SC, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade n° 699.024 SSP-PR e inscrita no CPF/MF 596.973.349-00, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP 81570-270 e FORTUNATO DAGOSTIN, brasileiro, natural de Criciúma – SC, viúvo, empresário, portador da cédula de identidade 271.801 - SSP-PR e inscrito no CPF/MF 084.924.929-53, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Zulmira Bacila, 291, Uberaba, CEP 81580-200. 2.1. Em razão das doações das ações sociais efetivadas na 10ª Alteração do Contrato Social, as ações, decorrentes da transformação das quotas com usufruto vitalício, mantém o usufruto vitalício, conforme seguinte demonstrativo: SÓCIOS QUOTISTAS NU-PROPRIETÁRIOS

QUANTIDADE DE QUOTAS GRAVADAS

VALMOR DAGOSTIM ZENIR DAGOSTIM CARDOSO DIAMOR DAGOSTIM MARCIA R. DAGOSTIM GOMES PATRICIA FRANÇA KLETTKE ROSANGELA FRANÇA PRISCILA FRANÇA RICARDO CAROLLO RODRIGO CAROLLO

101.980 102.030 102.030 102.040 381.710 381.710 381.710 572.560 572.560

TOTAL

USUFRUTUÁRIOS FORTUNATO DAGOSTIM FORTUNATO DAGOSTIM FORTUNATO DAGOSTIM FORTUNATO DAGOSTIM ANA CICHELLA FRANÇA ANA CICHELLA FRANÇA ANA CICHELLA FRANÇA SANTINA CAROLLO SANTINA CAROLLO

2.698.330 ANEXO II ESTATUTO SOCIAL POSTO MARU S.A.

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ARTIGO 1º - A Sociedade opera sob a denominação de POSTO MARU S.A., é uma sociedade por ações de capital fechado, que se rege pelo presente Estatuto Social e pelas disposições legais e regulamentares que lhe forem aplicáveis, em especial pelas Leis 6.404 de 30 de dezembro de 1.976. ARTIGO 2º - A Sociedade tem sede e foro na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, à Rua Ana Berta Roskamp, nº. 15, Jardim das Américas, CEP 81.530-250, com filiais localizadas nos seguintes endereços: a) Rodovia Estrada de Paranaguá /Curitiba, nº. 68.000 KM 68, Bairro Sede em São José dos Pinhais/PR, CEP: 83075000, inscrita no CNPJ n.º 81.894.297/0002-69 e NIRE n.º 41900314757. b) Rodovia PR 407, Engenheiro Argus Thá Heyn, 240 – Praia de Leste, Pontal do Paraná - PR CEP: 83255-000, inscrita no CNPJ n.º 81.894.297/0003-40 e NIRE n.º 41900314765. c) Rodovia Estrada da Paranaguá/Curitiba, s/n, KM 67,50, Bairro Sede em São José dos Pinhais/PR, CEP: 83075-000, inscrita no CNPJ n.º 81.894.897/0004-20 e NIRE n.º 41900558362. d) Avenida Rui Barbosa, nº. 3406, Afonso Pena em São José dos Pinhais/PR, CEP: 83065-260, inscrita no CNPJ n.º 81.894.297/0005-01 e NIRE n.º 41900563951. e) Rodovia Curitiba/Paranaguá, BR 277 nº 2153 em Curitiba/PR, CEP: 82940-000, inscrita no CNPJ n.º 81.894.297/ 0006-92 e NIRE n.º 41900693367. Parágrafo Único - A sociedade poderá, por deliberação da diretoria, abrir ou fechar filiais ou outras dependências, escritórios e demais estabelecimentos que julgar necessários ao desenvolvimento da Companhia, em qualquer localidade do país ou do exterior. ARTIGO 3º - A duração da sociedade é por prazo indeterminado. ARTIGO 4º- A sociedade tem por objeto social o ramo de: Comercio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes, Loja de Conveniências e Lanchonete. PARAGRAFO ÚNICO: O estabelecimento situado à Rua Ana Berta Roskamp, nº. 15 na Cidade de Curitiba/PR, além do objeto previsto no Caput, possui a atividade de Lavagem de Veículos. CAPÍTULO II DO CAPITAL E DAS AÇÕES. ARTIGO 5º - O Capital Social é de R$ 897.088,00 (Oitocentos e noventa e sete mil e oitenta e oito reais), divididos em 8.970.880 (Oito milhões, novecentos e setenta mil, oitocentos e oitenta) ações ordinárias nominativas, com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada, representativas de 100% (cem por cento) do Capital Social. Parágrafo Primeiro – Cada ação ordinária dará direito a um voto nas deliberações da Assembleia Geral, em caso das ações que estiverem gravadas com usufruto, o direito de voto será exercido pelo usufrutuário. Parágrafo Segundo - Será permitida a conversão de uma espécie ou classe de ações em outra. Parágrafo Terceiro - Nos aumentos de capital social da Sociedade, poderão ser emitidas tanto ações ordinárias como preferenciais, sendo que o capital social deverá sempre preservar a proporção estabelecida em lei. Parágrafo Quarto – No caso de emissão de ações preferenciais de classes diferentes, a companhia deverá declarar no ato da emissão as vantagens e as preferências atribuídas a cada classe; Parágrafo Quinto - A transferência das ações nominativas opera-se por termo lavrado no “Livro de Transferência de Ações Nominativas”, datado e assinado pelo cedente e pelo cessionário, ou seus legítimos representantes. Parágrafo Sexto - A propriedade das ações presumir-se-á pela inscrição do nome do acionista no livro de “Registro de Ações Nominativas”. Qualquer transferência de ações será feita por meio da assinatura do respectivo termo no livro de “Registro de Transferência de Ações Nominativas”. Mediante solicitação de qualquer acionista, a Sociedade deverá emitir certificados de ações. CAPITULO III DA ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE. ARTIGO 6º - A administração da sociedade compete à Diretoria, a qual é investida de todos os poderes necessários à administração da sociedade e a consecução de seu objeto social, conferidos pela lei aplicável e de acordo com o presente Estatuto Social. Parágrafo Único - Cabe à Assembleia Geral fixar o montante da remuneração dos Diretores, que poderá ser de forma individual ou global, cabendo, então à Diretoria deliberar sobre a sua distribuição. ARTIGO 7º - A Diretoria será composta de 2 (dois) membros, acionistas ou não, residentes no país, sendo um Diretor Presidente e um Diretor Vice Presidente, eleitos pela Assembleia Geral para um mandato de 3 (três) anos, permitida a reeleição. Parágrafo Primeiro – Findo o mandato, os Diretores permanecerão no exercício de seus cargos até a realização de Assembleia Geral que prorrogue seus mandatos ou até a investidura de novos administradores eleitos pela Assembleia Geral. Parágrafo Segundo - Em sua ausência ou impedimento temporário, o Diretor será substituído pelo outro, ou na ausência de ambos, serão substituídos de acordo com a sua própria indicação. Parágrafo Terceiro - Em caso de vacância definitiva ou impedimento de um ou mais membros da Diretoria, deverá ser convocada Assembleia Geral no prazo de 30 (trinta) dias a contar da vacância do cargo, para eleição dos novos membros. ARTIGO 8º - Compete à Diretoria praticar todos os atos de gestão necessários a garantir o pleno funcionamento dos negócios sociais e a realização do objetivo da sociedade, observadas as demais normas deste Estatuto e a competência exclusiva da Assembleia. Parágrafo Primeiro - Compete aos Diretores Presidente e Vice-Presidente: a) a representação ativa e passiva da companhia, em juízo ou fora dele, especialmente para receber citação judicial; b) realizar a abertura de contas bancárias, assinaturas de cheques ou títulos; c) executar os negócios e atividades da Companhia; d) exercer os poderes gerais de administração, resolvendo e executando os negócios sociais; e) organizar, dirigir e fiscalizar toda a parte administrativa, financeira, comercial e operacional da Companhia; f) organizar e apresentar anualmente à Assembleia Geral as Demonstrações Financeiras e o Relatório da Administração; g) propor a criação ou extinção de cargos e funções; h) Deliberar sobre o pagamento de juros sobre o capital próprio; i) decidir sobre atos cuja competência não esteja definida no presente Estatuto e que não seja exclusivo da Assembleia Geral; Parágrafo Segundo - Nos limites de suas atribuições e poderes, é licito aos diretores constituir procuradores, em nome da sociedade, especificando no instrumento os atos e operações que poderão praticar e o prazo de duração do mandato que deverá coincidir com o ano-calendário, exceto o mandato judicial que poderá ser por prazo indeterminado. Parágrafo Terceiro - Cessará a responsabilidade do Diretor, pelos atos praticados durante o período de sua gestão, com a aprovação das contas do exercício social a que se referirem pela assembleia geral ordinária. Parágrafo Quarto - É vedada a utilização da denominação social para negócios estranhos ao objetivo da sociedade, bem como a prestação de qualquer tipo de abonos de mero favor, tais como aval, fiança ou qualquer espécie de garantia, sem aprovação da Assembleia Geral, ainda que em benefício dos acionistas ou usufrutuários.

JUÍZO DE DIREITO DA DÉCIMA NONA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLI!TANA DE CURITIBA - ESTADO DO PARANA. EDITAL DE CITACAO DO REQUERIDO CRISTIANO. LINDENBERG CORDEIRO (CPF 005.959.979-02), COM PRAZO DE 20 (VINTE) DIAS. FAZ SABER, a quantos o presente edital virem ou deles tiverem conhecimento que tem curso, neste Juízo das 19° Vara Cível de Curitiba/PR, sito à Av. Cândido de Abreu, 535, 10° andar, Centro Cívico, tramita os autos de AÇÃO MONITORIA, autuada sob n° 933-03.2010.8.16.0001, em que o requerente ADMINISTRADORA EDUCACIONAL NOVO ATENEU S/S LTDA promove contra o requerido CRISTIANO LINDENBERG CORDEIRO, inscrito no CPF/MF sob o n° 005.959.979-02, que encontra-se em lugar incerto e não sabido, devidamente CITADO dos termos da presente ação e do resumo da inicial que a seguir segue descrita: “(...) As partes firmaram contrato de prestação de serviços educacionais pelo período de 6(seis) meses o qual em contraprestação aos serviços educacionais prestados, o réu deveria pagar à autora importâncias referentes as mensalidades consecutivas durante a vigência do contrato. Ocorre que o réu freqüentou as aulas durante o semestre letivo contratado, usufruindo dos ensinamentos que lhe foram disponibilizados, bem como da estrutura geral, leia-se bibliotecas, laboratórios de informática, salas de apoio pedagógico e etc. (...)”. Ficando assim, devidamente CITADO o requerido CRISTIANO LINDENBERG CORDEIRO dos termos da presente ação, bem como no prazo de 15 (quinze) dias pague a importância devida no valor de R$ 8.004,73 (oito mil e quatro reais e setenta e três centavos) _(11/01/2010), acrescido de juros e correção monetária, ou, no mesmo prazo, apresente embargos, sob pena de não o fazendo no prazo estabelecido, constituir-se-á de pleno direito título executivo judicial, convertendo-se o mandado inicial em executivo, nós termos do artigo 1.102c,do Código de Processo Civil. “No caso de adimplemento voluntário estará isenta de custas e honorários”. e para que chegue ao conhecimento de todos e no futuro não possa alegar ignorância, passei o presente Edital que será afixado no lugar de costume e publicado, na forma da Lei. DADO E PASSADO, nesta cidade, Estado do Paraná. Curitiba, 03 de outubro de 2012, Eu, o subscrevi. (a) Fernando de Avila Oliveira - Escrevente Juramentado Portaria 161/2006 (a) RODRIGO A. WAGNER DE SOUZA Escrivão Titular.

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ - COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA – FORO CENTRAL DE CURITIBA – 2ª VARA DE FAMÍLIA DE CURITIBA – PROJUDI - Av. Cândido de Abreu, 830 - Centro Cívico - Curitiba/PR - CEP: 80.530-000 - Fone: (41)3353-7519 EDITAL COM O PRAZO DE VINTE DIAS PARA CITAÇÃO DE CARLOS ROBERTO MARASCA. A Exma. Sra. Dra. Caroline Vieira de Andrade Mattar, MM. Juíza de Direito da 2ª Vara de Família, Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, na forma da lei. FAZ SABER a quem conhecimento deste haja pertencer, especialmente do Sr. Carlos Roberto Marasca, que por este Juízo e Cartório da 2ª Vara de Família, Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, se processam os autos n.° 000037278.2007.8.16.0002 de ORDINÁRIA DE DIVÓRCIO POR CONVERSÃO, em que é Requerente MARIA ELISA MOREIRA e Requerido CARLOS ROBERTO MARASCA, sendo o presente objeto de citação da parte requerida, para que conteste a presente ação, nos termos da petição inicial, querendo em 15 (quinze) dias, ficando advertido de que a falta de contestação implicará presunção de que admitiu como verdadeiros os fatos afirmados pela parte autora (CPC, arts. 285 e 319). Despacho de seq. 23.1: “Autos n° 000037278.2007.8.16.0002. Tendo em vista que todas as tentativas de citação pessoal do réu restaram infrutíferas, DEFIRO o pedido de citação editalícia. Cumpra-se, observando-se os prazos aplicáveis à espécie. Decorrido o prazo sem manifestação do réu, nomeio, desde logo, o Dr. TIAGO MIGUEL DE SOUZA, OAB/PR 44.079, sob a fé do seu grau, nos termos do art. 9º, II, CPC, para atuar como curador especial daquele citado por edital. Intime-se-o, pessoalmente, do encargo, bem como para apresentar contestação no prazo legal. Curitiba, 1º de agosto de 2012. JOSEANE FERREIRA MACHADO LIMA - Juíza de Direito.”. E para que ninguém possa alegar ignorância, se passou o presente edital e cópias de iguais teores, que serão afixados no lugar de costume e publicados na imprensa desta Capital para citação de CARLOS ROBERTO MARASCA. Dado nesta Cidade e Comarca de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, aos 03 de outubro de 2012. Eu (a) Escrivão e/ou emp. juramentado(a), digitei e subscrevi. (a) CAROLINE VIEIRA DE ANDRADE MATTAR - JUIZA DE DIREITO.

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

13

CAPÍTULO IV DA ASSEMBLÉIA GERAL. ARTIGO 9º - A Assembleia Geral reunir-se-á ordinariamente dentro dos quatro primeiros meses subsequentes ao término do exercício social para fins previstos em Lei e, extraordinariamente, em todas as oportunidades em que os interesses da Companhia assim o exigirem, guardados os preceitos de direitos nas respectivas convocações, que serão feitas pela Diretoria. ARTIGO 10º - As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as hipóteses especiais previstas em lei, serão tomadas pela maioria absoluta dos acionistas com direito a voto, nas seguintes matérias: (i) aumento do capital da Sociedade, desdobramento ou grupamento de ações, resgate de ações, emissão ou venda de quaisquer valores mobiliários da Sociedade conversíveis ou não em ações, inclusive, mas sem limitação, criação e emissão de ações preferenciais, debêntures, bônus de subscrição, partes beneficiárias ou opções de compra ou subscrição de ações; (ii) a cisão, fusão, incorporação da Sociedade com ou em outra sociedade, transformação ou outras formas de reorganização societária; (iii) a autorização para que os administradores da Sociedade confessem falência ou peçam recuperação judicial ou extrajudicial; (iv) a liquidação e dissolução da Sociedade; (v) a não distribuição ou distribuição de dividendos em montante diverso do dividendo mínimo obrigatório previsto neste Estatuto Social da Sociedade; (vi) a eleição e destituição de quaisquer dos membros da Diretoria; (vii) a fixação da remuneração anual global dos membros da Diretoria. (viii) a decisão definitiva sobre todos os atos de aquisição, venda, alienação, locação ou a constituição de ônus de qualquer natureza sobre os bens imóveis da Companhia. Parágrafo Primeiro - As Assembleias Gerais serão instaladas pelos Diretores e, na sua ausência ou impedimento, os acionistas escolherão o Presidente da Assembleia Geral. Parágrafo Segundo - O acionista pode fazer-se representar nas Assembleias Gerais por procurador que atenda às condições da lei, sendo exigido a apresentação do respectivo instrumento de mandato junto à Companhia em 48 (quarenta e oito), horas antes da realização da Assembleia Geral. CAPÍTULO V CONSELHO FISCAL ARTIGO 11º - O Conselho Fiscal, quando convocado, será composto de 3 (três) membros efetivos e 3 (três) membros suplentes, e somente será instalado e funcionará por deliberação da Assembleia Geral, nos casos previstos no § 2º do Artigo 161 da Lei n.º 6.404/76. ARTIGO 12º - O Conselho Fiscal terá competência prevista em Lei. CAPÍTULO VI DA DOAÇÃO E DO USUFRUTO ARTIGO 13º - Os usufrutuários detêm o direito à posse, uso, voto, administração e percepção dos frutos das ações gravadas, sendo que o exercício destes direitos será sempre realizado pelos usufrutuários. ARTIGO 14º - No caso de falecimento dos usufrutuários, o usufruto, bem como o exercício dos direitos a ele relativo serão transmitidos e transferidos em sua plenitude para os nu-proprietário das ações. Parágrafo único - Caso o proprietário das ações faleça antes dos usufrutuários, as ações gravadas retornarão ao patrimônio dos usufrutuários, sem qualquer tipo de obstrução, como se jamais houvesse sido estipulado o instrumento de doação, conforme artigo 547 do Código Civil. ARTIGO 15ª: Além de todos os direitos de usufruto gerados pela legislação vigente, fica expresso que o usufruto instituído sobre as ações doadas abrange especialmente: a) o direito dos doadores de perceberem para si todos os rendimentos gerados pelas ações, inclusive a distribuição de reservas, resultados, lucros e bonificações; b) o direito dos doadores de votarem nas assembleias gerais ordinárias e extraordinárias, cujo capital as ações representam, de forma incondicional e sem reservas, ainda que em nome dos donatários. ARTIGO 16ª: Os doadores poderão renunciar temporariamente, mediante manifestação expressa, à percepção de lucros distribuídos ou a distribuir em dinheiro e/ou ao direito de voto nas reuniões, total ou parcialmente, a favor dos donatários, sem que esta renúncia implique na alteração da cláusula de usufruto prevista neste contrato. ARTIGO 17ª: Os aumentos de capital da sociedade, independentemente do aumento de quantidade de ações, mediante incorporação de lucros ou reservas, de qualquer espécie ou natureza, inclusive correção monetária do capital social, bem como a transferência de ações entre os acionistas, que já tenham ocorrido ou que venham a ocorrer, serão também gravadas com usufruto, nos termos estabelecidos neste estatuto. ARTIGO 18ª: Além do usufruto, as doações ora realizadas e os seus eventuais reflexos futuros são gravados com cláusula de incomunicabilidade, de modo que o patrimônio correspondente constitui bens particulares dos respectivos donatários, não formando patrimônio comum com os correspondentes cônjuges, seja qual for o regime de bens do casamento. CAPITULO VII DIREITO DE PREFERENCIA ARTIGO 19ª: O direito de preferência às subscrições de ações, em aumentos de capital da sociedade, cabe aos doadores, que poderão cedê-los aos donatários. O direito de preferência deverá ser exercido pelo doador no prazo máximo de 30 (trinta) dias a contar da data da Assembleia Geral que aprovou o aumento do capital social. ARTIGO 20ª: As ações da sociedade não poderão ser transferidas ou alienadas sob qualquer título à terceiro sem o consentimento da maioria absoluta do(s) acionistas(s) remanescente(s) com direito a voto e dos usufrutuários, cabendo a este(s) o direito de preferência, na proporção do capital de cada um. ARTIGO 21º - O Acionista que desejar transferir suas ações deverá notificar por escrito a sociedade, discriminando o preço, forma e prazo de pagamento, para que este(s) exerça(m) ou renuncie(m) o direito de preferência, o que deverá ocorrer dentro de 30 (trinta) dias contando do recebimento da notificação ou em maior prazo a critério do acionista alienante. Decorrido o prazo sem que seja exercido o direito de preferência, as ações poderão ser livremente transferidas. Parágrafo único: Havendo, na ocasião, interesse de mais de um acionista na aquisição das quotas disponíveis, estas serão rateadas proporcionalmente ao capital de cada um. ARTIGO 22º: As ações não poderão ser penhoradas, alienadas ou cedidas a qualquer título sem o prévio consentimento da maioria absoluta dos acionistas com direito a voto, observadas as condições deste estatuto. CAPÍTULO VIII EXERCÍCIO SOCIAL, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS ARTIGO 23º - O exercício social inicia-se no dia 01 de janeiro de cada ano e termina no dia 31 de dezembro do mesmo ano. ARTIGO 24º - Anualmente, proceder-se-á ao levantamento das demonstrações financeiras, podendo, no entanto, a Diretoria autorizar a levantá-las semestralmente ou ainda a qualquer tempo que julgar conveniente aos interesses da Companhia. Parágrafo Primeiro: A Diretoria deliberará em Assembleia geral, devidamente convocada, a respeito da distribuição dos resultados. Parágrafo Segundo: Fica a companhia autorizada a distribuir lucros do exercício, com base em levantamento de balanço em período intermediário, observada a reposição de lucros quando a distribuição afetar o capital social. Parágrafo Terceiro- Na hipótese de ocorrer prejuízos, poderão estes permanecer na sociedade para compensação com lucros futuros ou ser distribuídos proporcionalmente aos acionistas, de acordo com a decisão destes. ARTIGO 25º - Dos resultados do exercício serão inicialmente deduzidos os prejuízos acumulados e a provisão para os impostos sobre o lucro. ARTIGO 26º - O lucro remanescente terá a seguinte destinação: (a) 5% (cinco por cento) para a constituição da reserva legal, que não excederá de 20% (vinte por cento) do capital social; a reserva legal poderá deixar de ser constituída no exercício em que seu saldo, acrescido do montante de reservas de capital de que trata o parágrafo primeiro do Artigo 182 da Lei 6.404/76, exceder de 30% (trinta por cento) do capital social; (b) 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido serão distribuídos aos acionistas como dividendo obrigatório; Parágrafo Primeiro – O pagamento dos dividendos deverá ser feito, salvo deliberação em contrário da Assembleia Geral, no prazo de 60 (sessenta) dias da data do encerramento das demonstrações financeiras. Parágrafo Segundo - A distribuição do dividendo previsto neste artigo não será obrigatória no exercício social em que a Diretoria informar à Assembleia Geral Ordinária não ser ele compatível com a situação financeira da Sociedade Parágrafo Terceiro - Os lucros que assim deixarem de ser distribuídos serão registrados como reserva especial e, se não absorvidos por prejuízos em exercícios subsequentes, deverão ser pagos como dividendos assim que o permitir a situação financeira da Sociedade. Parágrafo Quarto - O saldo dos lucros líquidos terá a destinação que a Assembleia Geral determinar, podendo ser transferido para a Reserva de Aumento de Capital ou outra reserva de lucros, cujos saldos, somados, não poderão ultrapassar o capital social; atingido esse limite, a Assembleia Geral deliberará sobre a aplicação do excesso em aumento do capital social ou na distribuição de dividendos. Parágrafo Quinto - A Assembleia Geral poderá, deliberar a distribuição de dividendo inferior ao previsto neste artigo ou a retenção de todo o lucro. Parágrafo Sexto – A Sociedade poderá pagar juros sobre o Capital Próprio, imputando-se o valor dos juros pagos ou creditados ao valor dos dividendos. CAPÍTULO IX DO ACORDO DE ACIONISTA ARTIGO 27º - Os Acordos de Acionistas que estabeleçam condições de compra e venda de suas ações, o direito de preferência da compra das mesmas, o exercício do direito de voto, o poder de controle ou demais assuntos de interesse dos acionistas serão sempre observados pela Companhia, quando tais acordos forem devidamente registrados na sua sede, na forma do art. 118 da Lei 6.404/76. Parágrafo Único - As obrigações e responsabilidades resultantes de tais acordos serão válidas e obrigarão terceiros, herdeiros e sucessores. CAPÍTULO X DESLIGAMENTO DO ACIONISTA E SUCESSÃO ARTIGO 28º - A sociedade não se dissolverá, nem entrará em liquidação, pela morte, retirada, falência ou recuperação judicial, interdição ou vontade de qualquer acionista, desde que à época a maioria absoluta dos acionistas com direito a voto decidam prosseguir com as atividades. Parágrafo Primeiro - Ocorrendo qualquer dessas hipóteses, os haveres do “de cujus”, retirante, falido, incapaz, interdito ou da recuperação judicial, serão apurados segundo o balanço patrimonial relativo ao último exercício social encerrado. Havendo decorrido sessenta dias ou mais da data desse balanço, um novo e especial balanço deverá ser encerrado para o mesmo fim. Parágrafo Segundo - A apuração dos haveres referido no parágrafo anterior far-se-á em uma única conta, compreendendo capital, lucros e outros créditos ou débitos, e deverá estar encerrada em 60 dias a contar do evento. Par��grafo Terceiro - Terminada a apuração dos haveres, estes serão pagos ao acionista retirante ou aos herdeiros do acionista falecido, sucessores ou representantes legais, em 36 (trinta e seis) parcelas mensais e sucessivas, corrigidas pela variação da TJLP, acrescida de correção monetária de acordo com a evolução inflacionária, vencendo-se a primeira 30 dias após o transcurso do prazo referido no parágrafo anterior, no caso de solução extrajudicial. Na hipótese de não ser alcançado o consenso quanto à desconstituição do vínculo societário, o termo inicial do parcelamento será o trânsito em julgado da decisão judicial que ordenar o pagamento dos haveres. Parágrafo Quarto - No relacionamento com a sociedade, no caso de morte de acionista, os herdeiros serão representados pelo inventariante. ARTIGO 29º - Assim como a qualquer acionista é outorgado o direito de retirar-se a qualquer tempo da sociedade sob as condições consignadas neste estatuto, também a sociedade poderá excluir qualquer acionista, após reunião da Assembleia Extraordinária convocada para este fim, ciente o acusado em tempo hábil, para permitir o seu comparecimento, bem como, seu exercício do seu direito de defesa, a maioria decide excluí-lo por entender que a sua permanência está pondo em risco a continuidade e/ou por descumprimento de qualquer Artigo deste Estatuto Social. Parágrafo Único: O Acionista excluído será responsabilizado pelas obrigações anteriores à exclusão por até dois (02) anos depois de averbada a resolução da Assembleia Extraordinária, e pelas obrigações posteriores, enquanto não requerida à averbação; ARTIGO 30º - No caso de falecimento ou sendo interditado qualquer acionista, a sociedade continuará suas atividades com os herdeiros ou sucessores. Não sendo possível ou inexistindo interesse dos acionistas remanescentes, o valor de seus haveres será apurado e liquidado com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, verificada em balanço especialmente levantado para essa finalidade. ARTIGO 31º - Após a extinção do usufruto, o acionista que discordar das deliberações que impliquem em alteração deste Estatuto Social, poderá optar pela sua permanência na sociedade com a modificação, ou dela retirar-se, recebendo o seu capital, lucros e haveres segundo dados do último balanço patrimonial, pagáveis na forma do disposto neste contrato. CAPÍTULO XI DA LIQUIDAÇÃO ARTIGO 32º - A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em Lei ou por deliberação da Assembleia Geral, que estabelecerá o modo de liquidação e elegerá os liquidantes e o Conselho Fiscal se requerida a instalação deste, que funcionará no período de liquidação CAPÍTULO X DELIBERAÇÕES GERAIS ARTIGO 33º - Os casos omissos neste estatuto serão resolvidos pela Assembleia Geral e pela legislação que rege a sociedade por ações. Artigo 34º - Fica eleito o foro de Curitiba, Paraná, para dirimir duvidas e controvérsias oriundas deste estatuto. A presente transformação e seus anexos foram devidamente registrados na Junta Comercial do Paraná sob n.° 41300085391 arquivado em 27 de setembro de 2012.


14

| Terça-feira, 16 de outubro de 2012 |

Parágrafo Quinto - A transferência das ações nominativas opera-se por termo lavrado no “Livro de Transferência de Ações Nominativas”, datado e assinado pelo cedente e pelo cessionário, ou seus legítimos representantes. Parágrafo Sexto - A propriedade das ações presumir-se-á pela inscrição do nome do acionista no livro de “Registro de Ações Nominativas”. Qualquer transferência de ações será feita por meio da assinatura do respectivo termo no livro de “Registro de Transferência de Ações Nominativas”. Mediante solicitação de qualquer acionista, a Sociedade deverá emitir certificados de ações.

MARU ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES LTDA SÉTIMA ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL CNPJ Nº 09.244.347/0001-54 NIRE 412.06065969 TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EM SOCIEDADE ANÔNIMA MARCIO CICHELLA, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Heitor de Andrade, 93 Jd. das Américas, CEP 81.530-310, portador da cédula de identidade nº. 6.039.153-0, expedida pelo SSP/PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 026.423.929-61; CLAUDIA CRISTINA CICHELLA, brasileira, casada em regime de separação total de bens, dentista, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Heitor de Andrade, 93 Jd. das Américas, CEP 81.530-310, portadora da cédula de identidade nº. 6.039.157-2, expedida pelo SSP/PR, inscrita no CPF/MF sob nº. 026.386.569-09; LEONARDO CICHELLA, brasileiro, solteiro, maior, advogado, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Leoberto Leal, 455, Guabirotuba, CEP 81.510-090, portador da cédula de identidade nº. 6.228.107-3, expedida pelo SSP/PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 033.889.559-05; ANDRÉ CICHELLA, brasileiro, solteiro, maior, engenheiro, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Leoberto Leal, 455, Guabirotuba, CEP 81.510-090, portador da cédula de identidade nº. 7.055.863-7, expedida pelo SSP/PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 058.360.359-97; HELENA CICHELLA, brasileira, solteira, maior, estudante, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Leoberto Leal, 455, Guabirotuba, CEP 81.510-090, portadora da cédula de identidade nº. 9.124.852-2, expedida pelo SSP/PR, inscrita no CPF sob nº. 069.666.449-60, PATRICIA FRANÇA KLETTKE, brasileira, casada em regime de comunhão parcial de bens, empresaria, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Cidra, n.º 118, Uberaba, CEP 81.560-160 portadora da cédula de identidade nº. 5.542.360-1 SSP/PR e CPF nº. 859.735.489-53; ROSANGELA FRANÇA, brasileira, separada judicialmente, comerciária residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 01 - Uberaba, CEP 81.570-200 portadora da cédula de identidade nº. 6.191.939-2 SSP/PR e CPF/MF nº. 943.017.009-00; PRISCILA FRANÇA, brasileira, solteira comerciaria, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Marins Tavares de Andrade, nº. 129, Guabirotuba, CEP 81.520-500 portadora da cédula de identidade nº. 7.541.544-3, expedida pelo SSP/ PR e CPF/MF sob nº. 009.056.569-03; DEYSE CRISTINA HEIN MOREIRA DE LIMA, brasileira, professora, casada em regime de comunhão parcial de bens, natural de Curitiba–Pr, portadora da cédula de identidade 5.841.417-4 SSP/PR E CPF nº. 978.837.609-63, residente e domiciliada em Curitiba - PR, à Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 02 - Uberaba, CEP 81570-200; CESAR AUGUSTO HEIN, brasileiro, maior, casado em regime de comunhão parcial de bens, comerciário, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 5.874.088-8 SSP/PR e CPF nº. 023.558.489-47 residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, CEP 81570-340; MARCOS BATISTA DA CRUZ, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, comerciário, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Antonio Jonque Filho, nº. 167, Uberaba, CEP 81570-360 portador da cédula de identidade nº. 4.013.182-5 SSP/PR e CPF nº. 640.648.919-53; HAMILTON BATISTA DA CRUZ, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 04- Uberaba, CEP 81.570-200 portador da cédula de identidade nº. 4.278.656-0 SSP/PR e CPF nº. 799.649.409-63; SERGIO CICHELLA, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, motorista, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Bárbara Cid, nº. 272, Uberaba, CEP 81.580-130, portador da cédula de identidade nº. 4.254.542-2, expedida pelo SSP/PR, e CPF nº. 610.066.10987; FERNANDO CICHELLA, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, comerciário, residente e domiciliado em São José dos Pinhais - PR, na Rua Aristides França, nº. 777 – Cidade Jardim, CEP 83.035-170, portador da cédula de identidade nº. 4.226.849-6 SSP/PR, e CPF nº. 686.136.959-49; ADRIANA CICHELLA GOVEIA, brasileira, casada em regime de comunhão universal de bens, advogada, residente e domiciliada em Palmeira- PR, a Rua Pedro de Paula Teixeira, nº. 68, Vila Maria, CEP 84.130-000, portadora da cédula de identidade nº. 5.697.234-0 SSP/PR e CPF nº. 040.401.619-71; RICARDO CAROLLO, brasileiro, casado em regime de separação de bens, comerciante, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 3.454.701-7 SSP/PR e CPF nº. 873.207.119-15, residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP 81.570-270; RODRIGO CAROLLO, brasileiro, solteiro, maior, comerciante, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 5.444.836-8 SSP/PR e CPF nº. 026.022.76928 residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP: 81570-270; VALMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba - PR, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 1.308.800 SSP-PR, CPF/MF 392.677.689-72, residente e domiciliado na cidade de Curitiba PR, na Rua Vadeco Suit, 28, Uberaba, CEP 81.560-270; ZENIR DAGOSTIM CARDOSO, brasileira, natural de Curitiba – PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora cédula de identidade n° 1.551.097-8 SSPPR, CPF/MF 856.811.729.53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Zulmira Bacila, 2120, Uberaba, CEP 81.580-200; DIAMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba – PR, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, portador da cédula de identidade RG nº. 1.543.685 SSP-PR e CPF/MF nº. 316.797.309-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Ortigueira, 09, Uberaba, CEP 81.560-260; e MARCIA REGINA DAGOSTIM GOMES, brasileira, natural de Curitiba - PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade n° 3.092.473-8 SSP-PR, CPF/MF 536.508.839-53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba PR, à Av. Senador Salgado Filho, 3222, Uberaba, CEP 81.570-000, únicos sócios componentes da sociedade empresaria limitada denominada MARU ADMINISTRACAO E PARTICIPAÇÕES LTDA., estabelecida na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, à Rua Ana Berta Roskamp, nº. 15, Jardim das Américas, CEP 81.530-250, inscrita no CNPJ sob o nº. 09.244.347/ 0001-54, devidamente registrada na JUNTA COMERCIAL DO PARANÁ sob o nº. 412.06065969 por sessão e despacho de 12 de novembro de 2007 e ultima alteração sob n° 20111217938, por despacho em sessão de 31/05/2011, resolvem em comum acordo alterar o seu contrato social conforme condições seguintes: CLAUSULA PRIMEIRA: O sócio VALMOR DAGOSTIM que possui na sociedade 49.093 quotas no valor de R$ 49.093,00 (quarenta e nove mil e noventa e três reais) aliena e transfere aos demais sócios 3.695 (três mil seiscentos e noventa e cinco) quotas no valor de R$ 3.695,00 (três mil seiscentos e noventa e cinco reais). Parágrafo Primeiro: Com a transferência das quotas do sócio VALMOR DAGOSTIM, o capital social, no valor de R$ 1.847.528,00 (um milhão, oitocentos e quarenta e sete mil quinhentos e vinte e oito reais), dividido em 1.847.528 (um milhão, oitocentos e quarenta e sete mil quinhentos e vinte e oito) quotas no valor de R$ 1,00 (um real) cada uma, fica assim distribuído entre os sócios: SÓCIO QUOTISTA

MARCIO CICHELLA CLAUDIA CRISTINA CICHELLA LEONARDO CICHELLA ANDRÉ CICHELLA HELENA CICHELLA PATRICIA FRANÇA KLETTKE ROSANGELA FRANÇA PRISCILA FRANÇA DEYSE CRISTINA H.M DE LIMA CESAR AUGUSTO HEIN MARCOS BATISTA DA CRUZ HAMILTON BATISTA DA CRUZ SERGIO CICHELLA FERNANDO CICHELLA ADRIANA CICHELLA GOVEIA RICARDO CAROLLO RODRIGO CAROLLO VALMOR DAGOSTIM ZENIR DAGOSTIM CARDOSO DIAMOR DAGOSTIM MARCIA R. DAGOSTIM GOMES TOTAL

Quantidade de Quotas antes da transferência 117.908 117.908 78.606 78.605 78.605 78.606 78.605 78.605 117.908 117.908 117.908 117.908 78.606 78.605 78.605 117.908 117.908 49.093 58.948 49.093 39.682 1.847.528

Quotas transferidas 242 242 161 162 161 161 162 161 242 242 242 242 161 162 161 242 242 (3.695) 122 102 83

Quantidade Quotas após a transferência 118.150 118.150 78.767 78.767 78.766 78.767 78.767 78.766 118.150 118.150 118.150 118.150 78.767 78.767 78.766 118.150 118.150 45.398 59.070 49.195 39.765 1.847.528

Valor Atual 118.150,00 118.150,00 78.767,00 78.767,00 78.766,00 78.767,00 78.767,00 78.766,00 118.150,00 118.150,00 118.150,00 118.150,00 78.767,00 78.767,00 78.766,00 118.150,00 118.150,00 45.398,00 59.070,00 49.195,00 39.765,00 1.847.528,00

Parágrafo Segundo: Em razão da alienação efetivada, ficam as quotas gravadas com usufruto vitalício distribuídas da seguinte forma: SÓCIOS QUOTISTAS NU-PROPRIETÁRIOS

QUANTIDADE DE QUOTAS GRAVADAS

MARCIO CICHELLA

118.150

CLAUDIA CRISTINA CICHELLA

118.150

LEONARDO CICHELLA

78.767

ANDRÉ CICHELLA

78.767

HELENA CICHELLA

78.766

PATRICIA FRANÇA KLETTKE

78.767

ROSANGELA FRANÇA

78.767

PRISCILA FRANÇA

78.766

DEYSE CRISTINA H.M DE LIMA

118.150

CESAR AUGUSTO HEIN

118.150

MARCOS BATISTA DA CRUZ

118.150

HAMILTON BATISTA DA CRUZ

118.150

SERGIO CICHELLA

78.767

FERNANDO CICHELLA

78.767

ADRIANA CICHELLA GOVEIA RICARDO CAROLLO

78.766 118.150

RODRIGO CAROLLO

118.150

VALMOR DAGOSTIM

20.785

ZENIR DAGOSTIM CARDOSO

20.907

DIAMOR DAGOSTIM

20.887

MARCIA R. DAGOSTIM GOMES TOTAL

20.867 1.737.546

USUFRUTUÁRIOS 70.890 47.260 70.890 47.260 47.260 31.507 47.260 31.507 47.260 31.506 47.260 31.507 47.260 31.507 47.260 31.506 70.890 47.260 70.890 47.260 70.890 47.260 70.890 47.260 47.260 31.507 47.260 31.507 47.260 31.506 70.890 47.260 70.890 47.260 12.471 8.314 12.544 8.363 12.532 8.355 12.520 8.347 1.737.546

RUI CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA RUI CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA MARTINHO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA MARTINHO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA MARTINHO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA ANA CICHELLA FRANÇA LIBARA ACCORDI CICHELLA ANA CICHELLA FRANÇA LIBARA ACCORDI CICHELLA ANA CICHELLA FRANÇA LIBARA ACCORDI CICHELLA ROSA CICHELA HEIN LIBARA ACCORDI CICHELLA ROSA CICHELA HEIN LIBARA ACCORDI CICHELLA INES BATISTA DA CRUZ LIBARA ACCORDI CICHELLA INES BATISTA DA CRUZ LIBARA ACCORDI CICHELLA ARINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA ARINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA ARINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA SANTINA CAROLLO LIBARA ACCORDI CICHELLA SANTINA CAROLLO LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA

Parágrafo Terceiro: Os sócios e usufrutuários dão entre si e a sociedade a mais ampla, geral e rasa quitação das quotas e usufruto ora transferidos. CLÁUSULA SEGUNDA – Os sócios resolvem, por unanimidade e na melhor forma de direito, transformar o tipo jurídico de Sociedade Limitada para Sociedade por Ações de Capital Fechado, nos termos e condições ora estabelecidos e mais detalhadamente indicados no Estatuto Social da sociedade, o qual foi aprovado por todos os sócios sem restrições, e passa a fazer parte integrante desta alteração de contrato social como anexo. Parágrafo único: A transformação em sociedade por ações é feita sem solução de continuidade, de forma que permanecerá titular de todos os seus direitos e obrigações anteriores ao presente ato. CLÁUSULA TERCEIRA: A sociedade passará a atuar sob a denominação de MARU ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. CLAUSULA QUARTA: - A sociedade passa a reger-se pelos dispositivos da Lei 6.404/76 e suas posteriores alterações; CLÁUSULA QUINTA: O Capital Social de R$ 1.847.528,00 (um milhão, oitocentos e quarenta e sete mil, quinhentos e vinte e oito reais), totalmente subscrito e integralizado, passa a ser dividido em 18.475.280 (dezoito milhões, quatrocentos e setenta e cinco mil e duzentos e oitenta) ações ordinárias nominativas, com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada. CLÁUSULA SEXTA: Os atuais sócios quotistas da sociedade passarão a deter ações em numero proporcional a sua anterior participação societária, sem qualquer acréscimo ou prejuízo, conforme quadro societário constante no anexo I. CLÁUSULA SÉTIMA: Em razão das doações efetivadas na 2ª Alteração do Contrato Social, as ações, decorrentes da transformação das quotas com usufruto vitalício é mantido, conforme quadro societário constante no anexo I. Parágrafo único - Os usufrutuários constantes no quadro societário detêm o direito à posse, uso, administração e percepção dos frutos das ações gravadas, sendo que o exercício destes direitos será sempre realizado pelos usufrutuários. CLÁUSULA OITAVA: Em função da transformação do tipo jurídico societário, são eleitas as seguintes pessoas para ocupar os cargos de Diretores da Sociedade: Sr. RUI CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°. 1.038.294-7 II-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 186.711.019-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Heitor de Andrade, 93, Jd. das Américas, CEP: 81530-310, que terá o cargo de DIRETOR PRESIDENTE e Sra. ROSA CICHELA HEIN, brasileira, natural de Maracajá - SC, casada em regime universal de bens, portadora da cédula de identidade n°. 787.456-1 ll-PR e inscrita no CPF/MF sob n°. 856.551.479-04, empresária, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, CEP: 81570-340, que terá o cargo de VICE-PRESIDENTE, os quais comporão a diretoria, pelo mandado de 3 (três) anos, findo o qual, será realizada eleição para novos administradores, sendo permitida a reeleição. CLÁUSULA NONA: A diretoria não será remunerada pelos serviços que desempenharem na administração da companhia, salvo deliberação em contrario pela Assembleia Geral. CLÁUSULA DÉCIMA: Os diretores eleitos aceitaram os seus respectivos cargos, declarando conhecer plenamente a legislação, preencher todos os requisitos legais para o exercício dos cargos e declaram, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração da sociedade em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, não estando incurso em quaisquer dos crimes previstos em Lei ou nas restrições legais que possam impedi-los de exercer atividades mercantis. CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA: Ficam os administradores da Sociedade incumbidos de ultimar as formalidades remanescentes relativas à transformação, inclusive no que se refere aos registros necessários perante os órgãos competentes. CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA: Para todas as questões oriundas desta alteração contratual que não puderam ser solucionadas pela arbitragem, fica desde já eleito o foro da Comarca de Curitiba, com exclusão de qualquer outro por mais privilegiado que seja.

(Continuação) 1) QUALIFICAÇÃO DOS ACIONISTAS MARCIO CICHELLA, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Heitor de Andrade, 93 Jd. das Américas, CEP 81.530-310, portador da cédula de identidade nº. 6.039.153-0, expedida pelo SSP/PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 026.423.929-61; CLAUDIA CRISTINA CICHELLA, brasileira, casada em regime de separação total de bens, dentista, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Heitor de Andrade, 93 Jd. das Américas, CEP 81.530-310, portadora da cédula de identidade nº. 6.039.157-2, expedida pelo SSP/PR, inscrita no CPF/MF sob nº. 026.386.569-09; LEONARDO CICHELLA, brasileiro, solteiro, maior, advogado, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Leoberto Leal, 455, Guabirotuba, CEP 81.510-090, portador da cédula de identidade nº. 6.228.107-3, expedida pelo SSP/PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 033.889.559-05; ANDRÉ CICHELLA, brasileiro, solteiro, maior, engenheiro, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Leoberto Leal, 455, Guabirotuba, CEP 81.510-090, portador da cédula de identidade nº. 7.055.863-7, expedida pelo SSP/PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 058.360.359-97; HELENA CICHELLA, brasileira, solteira, maior, estudante, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Leoberto Leal, 455, Guabirotuba, CEP 81.510-090, portadora da cédula de identidade nº. 9.124.852-2, expedida pelo SSP/PR, inscrita no CPF sob nº. 069.666.449-60, PATRICIA FRANÇA KLETTKE, brasileira, casada em regime de comunhão parcial de bens, empresaria, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Cidra, n.º 118, Uberaba, CEP 81.560-160 portadora da cédula de identidade nº. 5.542.360-1 SSP/PR e CPF nº. 859.735.489-53; ROSANGELA FRANÇA, brasileira, separada judicialmente, comerciária residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 01 - Uberaba, Cep 81.570-200 portadora da cédula de identidade nº. 6.191.939-2 SSP/PR e CPF/MF nº. 943.017.009-00; PRISCILA FRANÇA, brasileira, solteira, comerciaria, residente e domiciliada em Curitiba-PR, na Rua Marins Tavares de Andrade, nº. 129, Guabirotuba, CEP 81.520-500, portadora da cédula de identidade nº. 7.541.544-3, expedida pelo SSP/ PR e CPF/MF sob nº. 009.056.569-03; DEYSE CRISTINA HEIN MOREIRA DE LIMA, brasileira, professora, casada em regime de comunhão parcial de bens, natural de Curitiba–Pr, portadora da cédula de identidade 5.841.417-4 SSP/PR E CPF nº. 978.837.609-63, residente e domiciliada em Curitiba - PR, à Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 02 - Uberaba, CEP 81570-200; CESAR AUGUSTO HEIN, brasileiro, maior, casado em regime de comunhão parcial de bens, comerciário, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 5.874.088-8 SSP/PR e CPF nº. 023.558.489-47 residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, CEP 81570-340; MARCOS BATISTA DA CRUZ, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, comerciário, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Antonio Jonque Filho, nº. 167, Uberaba, CEP 81570-360 portador da cédula de identidade nº. 4.013.182-5 SSP/PR e CPF nº. 640.648.919-53; HAMILTON BATISTA DA CRUZ, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Mario Mendes de Lara, nº. 1, casa 04- Uberaba, CEP 81.570-200 portador da cédula de identidade nº. 4.278.656-0 SSP/PR e CPF nº. 799.649.409-63; SERGIO CICHELLA, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, motorista, residente e domiciliado em Curitiba-PR, na Rua Bárbara Cid, nº. 272, Uberaba, CEP 81.580-130, portador da cédula de identidade nº. 4.254.542-2, expedida pelo SSP/PR, e CPF nº. 610.066.10987; FERNANDO CICHELLA, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial de bens, comerciário, residente e domiciliado em São José dos Pinhais - PR, na Rua Aristides França, nº. 777 – Cidade Jardim, CEP 83.035-170, portador da cédula de identidade nº. 4.226.849-6 SSP/PR, e CPF nº. 686.136.959-49; ADRIANA CICHELLA GOVEIA, brasileira, casada em regime de comunhão universal de bens, advogada, residente e domiciliada em Palmeira- PR, a Rua Pedro de Paula Teixeira, nº. 68, Vila Maria, CEP 84.130-000, portadora da cédula de identidade nº. 5.697.234-0 SSP/PR e CPF nº. 040.401.619-71; RICARDO CAROLLO, brasileiro, casado em regime de separação de bens, comerciante, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 3.454.701-7 SSP/PR e CPF nº. 873.207.119-15, residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP 81.570-270; RODRIGO CAROLLO, brasileiro, solteiro, maior, comerciante, natural de Curitiba-Pr, portador da cédula de identidade 5.444.836-8 SSP/PR e CPF nº. 026.022.76928 residente e domiciliado em Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, CEP: 81570-270; VALMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba - PR, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 1.308.800 SSP-PR, CPF/MF 392.677.689-72, residente e domiciliado na cidade de Curitiba PR, na Rua Vadeco Suit, 28, Uberaba, CEP 81.560-270; ZENIR DAGOSTIM CARDOSO, brasileira, natural de Curitiba – PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora cédula de identidade n° 1.551.097-8 SSPPR, CPF/MF 856.811.729.53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Zulmira Bacila, 2120, Uberaba, CEP 81.580-200; DIAMOR DAGOSTIM, brasileiro, natural de Curitiba – PR, casado em regime de comunhão parcial de bens, empresário, portador da cédula de identidade RG nº. 1.543.685 SSP-PR e CPF/MF nº. 316.797.309-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Ortigueira, 09, Uberaba, CEP 81.560-260; e MARCIA REGINA DAGOSTIM GOMES, brasileira, natural de Curitiba - PR, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade n° 3.092.473-8 SSP-PR, CPF/MF 536.508.839-53, residente e domiciliada na cidade de Curitiba PR, à Av. Senador Salgado Filho, 3222, Uberaba, CEP 81.570-000. 1.1) As ações serão distribuídas entre os acionistas acima qualificados na forma do demonstrativo a seguir: ACIONISTAS MARCIO CICHELLA CLAUDIA CRISTINA CICHELLA LEONARDO CICHELLA ANDRÉ CICHELLA HELENA CICHELLA PATRICIA FRANÇA KLETTKE ROSANGELA FRANÇA PRISCILA FRANÇA DEYSE CRISTINA H.M DE LIMA CESAR AUGUSTO HEIN MARCOS BATISTA DA CRUZ HAMILTON BATISTA DA CRUZ SERGIO CICHELLA FERNANDO CICHELLA ADRIANA CICHELLA GOVEIA RICARDO CAROLLO RODRIGO CAROLLO VALMOR DAGOSTIM ZENIR DAGOSTIM CARDOSO DIAMOR DAGOSTIM MARCIA R. DAGOSTIM GOMES TOTAL

QUANTIDADE DE AÇÕES

VALOR EM R$

1.181.500 1.181.500 787.670 787.670 787.660 787.670 787.670 787.660 1.181.500 1.181.500 1.181.500 1.181.500 787.670 787.670 787.660 1.181.500 1.181.500 453.980 590.700 491.950 397.650 18.475.280

118.150,00 118.150,00 78.767,00 78.767,00 78.766,00 78.767,00 78.767,00 78.766,00 118.150,00 118.150,00 118.150,00 118.150,00 78.767,00 78.767,00 78.766,00 118.150,00 118.150,00 45.398,00 59.070,00 49.195,00 39.765,00 1.847.528,00

2) QUALIFICAÇÃO DOS USUFRUTUÁRIOS RUI CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°. 1.038.294-7 SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob nr. 186.711.019-91, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Heitor de Andrade, 93, Jd. das Américas, Cep: 81530-310; MARTINHO CICHELLA, brasileiro, natural de Criciúma - SC, casado em regime de comunhão universal de bens, empresário, portador da cédula de identidade n°.870.555-0 SSP-PR, inscrito no CPF/MF sob nº. 072.040.279-49, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Leoberto Leal, 553, Guabirotuba, Cep: 81510-090; ANA CICHELLA FRANÇA, brasileira, natural de Araranguá - SC, casada em regime universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade nº. 1.045.116-7 SSP-PR e inscrita no CPF/MF sob n° 872.838.249-87, residente e domiciliada na cidade de Curitiba -PR, à Rua Marins Tavares de Andrade, nº. 129, Guabirotuba, CEP 81.520-500; ROSA CICHELA HEIN, brasileira, natural de Maracajá - SC, casada em regime universal de comunhão universal bens, portadora da cédula de identidade n°. 787.4561 SSP-PR e inscrita no CPF/MF sob n°. 856.551.479-04, empresária, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Simão Brante, 520, Uberaba, Cep: 81570-340; INÊS BATISTA DA CRUZ, brasileira, natural de Maracajá - SC, viúva, empresária, portadora da cédula de identidade n° 787.452 SSP-PR e inscrita no CPF/MF 864.283.149-91, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo de Simas, 160, Uberaba, Cep: 81570-270; ARINO CICHELLA, brasileiro, natural de Maracajá - SC, casado em regime de Separação total de bens, empresário, portador da cédula de identidade n° 378.715 SSP-PR e inscrito no CPF/MF 072.039.939-49 residente e domiciliado na cidade de São José do Pinhais - PR, à Rua Canoinhas, 164, São Sebastião, Cep: 83075-050; SANTINA CAROLLO, brasileira, natural de Araranguá - SC, casada em regime de comunhão universal de bens, empresária, portadora da cédula de identidade n° 699.024 SSP-PR e inscrita no CPF/MF 596.973.349-00, residente e domiciliada na cidade de Curitiba - PR, à Rua Francisco Timóteo Simas, 781, Uberaba, Cep: 81570-270; FORTUNATO DAGOSTIN, brasileiro, natural de Criciúma – SC, viúvo, empresário, portador da cédula de identidade 271.801 - SSP-PR e inscrito no CPF/MF 084.924.929-53, residente e domiciliado na cidade de Curitiba - PR, à Rua Zulmira Bacila, 291, Uberaba, Cep: 81580-200, e LIBARA ACCORDI CICHELLA, brasileira, natural de Maracajá – SC, viúva, do lar, portadora da RG nº. 8.989.279-1 II - PR, CPF nº. 500.004.54915, residente e domiciliada nesta Capital na Rua Francisco Timóteo de Simas, 154, CEP 81.570-270, Bairro Uberaba. 2.1) A usufrutuária LIBARA ACCORDI CICHELLA detém somente o direito à percepção dos frutos, consubstanciada no recebimento de 40% (quarenta por cento) dos lucros da sociedade, caso tenha sido aprovada a sua distribuição aos acionistas, o restante dos lucros será distribuído aos demais usufrutuários de acordo com a participação dos respectivos nu-proprietários estabelecida abaixo. 2.2) A administração, posse e uso das ações gravadas com usufruto em nome da Sra. LIBARA ACCORDI CICHELLA caberá aos demais usufrutuários de acordo com a participação dos respectivos nu-proprietários estabelecida abaixo. 2.3) No caso do falecimento da Sra. LIBARA ACCORDI CICHELLA o usufruto das ações gravadas em seu nome passará para os demais usufrutuários, de acordo com a participação dos respectivos nu-proprietários estabelecida abaixo. 2.4) Em razão das doações das ações sociais efetivadas na 2ª Alteração do Contrato Social, as ações, decorrentes da transformação das quotas com usufruto vitalício, mantém o usufruto vitalício, conforme seguinte demonstrativo: SÓCIOS QUOTISTAS

QUANTIDADE DE QUOTAS GRAVADAS

NU-PROPRIETÁRIOS MARCIO CICHELLA

1.181.500

CLAUDIA CRISTINA CICHELLA

1.181.500

LEONARDO CICHELLA

787.670

ANDRÉ CICHELLA

787.670

HELENA CICHELLA

787.660

PATRICIA FRANÇA KLETTKE

787.670

ROSANGELA FRANÇA

787.670

PRISCILA FRANÇA

787.660

DEYSE CRISTINA H.M DE LIMA

1.181.500

CESAR AUGUSTO HEIN

1.181.500

MARCOS BATISTA DA CRUZ

1.181.500

HAMILTON BATISTA DA CRUZ

1.181.500

SERGIO CICHELLA

787.670

FERNANDO CICHELLA

787.670

ADRIANA CICHELLA GOVEIA

787.660

RICARDO CAROLLO

1.181.500

RODRIGO CAROLLO

1.181.500

VALMOR DAGOSTIM

207.850

ZENIR DAGOSTIM CARDOSO

209.070

DIAMOR DAGOSTIM

208.870

MARCIA R. DAGOSTIM GOMES

208.670

TOTAL

17.375.460

USUFRUTUÁRIOS 708.900 472.600 708.900 472.600 472.602 315.068 472.602 315.068 472.596 315.064 472.602 315.068 472.602 315.068 472.596 315.064 708.900 472.600 708.900 472.600 708.900 472.600 708.900 472.600 472.602 315.068 472.602 315.068 472.596 315.064 708.900 472.600 708.900 472.600 124.710 83.140 125.442 83.628 125.322 83.548 125.202 83.468 17.375.460

RUI CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA RUI CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA MARTINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA MARTINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA MARTINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA ANA CICHELLA FRANÇA LIBARA ACCORDI CICHELLA ANA CICHELLA FRANÇA LIBARA ACCORDI CICHELLA ANA CICHELLA FRANÇA LIBARA ACCORDI CICHELLA ROSA CICHELA HEIN LIBARA ACCORDI CICHELLA ROSA CICHELA HEIN LIBARA ACCORDI CICHELLA INES BATISTA DA CRUZ LIBARA ACCORDI CICHELLA INES BATISTA DA CRUZ LIBARA ACCORDI CICHELLA ARINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA ARINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA ARINO CICHELLA LIBARA ACCORDI CICHELLA SANTINA CAROLLO LIBARA ACCORDI CICHELLA SANTINA CAROLLO LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA FORTUNATO DAGOSTIN LIBARA ACCORDI CICHELLA

ANEXO II ESTATUTO SOCIAL MARU ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ARTIGO 1º - A Sociedade opera sob a denominação de MARU ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A., é uma sociedade por ações de capital fechado, que se rege pelo presente Estatuto Social e pelas disposições legais e regulamentares que lhe forem aplicáveis, em especial pelas Leis 6.404 de 30 de dezembro de 1.976. ARTIGO 2º - A Sociedade tem sede na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, à Rua Ana Berta Roskamp, nº. 15, Jardim das Américas, CEP 81.530-250. Parágrafo Único - A sociedade poderá, por deliberação da diretoria, abrir ou fechar filiais ou outras dependências, escritórios e demais estabelecimentos que julgar necessários ao desenvolvimento da Companhia, em qualquer localidade do país ou do exterior. ARTIGO 3º - A duração da sociedade é por prazo indeterminado. ARTIGO 4º- A sociedade tem por objeto social o ramo de: Incorporação de Empreendimentos Imobiliários, Administração de Bens Moveis e Imóveis próprios e de terceiros.

Demonstrativo do quadro societário e usufrutuários da MARU ADMINISTRAÇÃO E PARTICIPAÇÃO S.A., após a transformação de 1.847.528 (um milhão, oitocentos e quarenta e sete mil, quinhentos e vinte e oito) quotas com valor nominal de R$ 1,00 cada uma, em R$ 18.475.280.(Dezoito milhões, quatrocentos e setenta e cinco mil, duzentos e oitenta mil) ações ordinárias nominativas com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada, totalmente subscrito e integralizado, equivalentes a 100% do capital social, dividido entre os acionistas e usufrutuários a seguir qualificados:

CAPÍTULO II DO CAPITAL E DAS AÇÕES. ARTIGO 5º - O Capital Social é de R$ 1.847.528,00 (um milhão, oitocentos e quarenta e sete mil, quinhentos e vinte e oito reais), totalmente subscrito e integralizado, dividido em 18.475.280 (dezoito milhões, quatrocentos e setenta e cinco mil e duzentos e oitenta) ações ordinárias nominativas, com valor nominal de R$ 0,10 (dez centavos) cada, representativas de 100% (cem por cento) do Capital Social. Parágrafo Primeiro – Cada ação ordinária dará direito a um voto nas deliberações da Assembleia Geral, em caso das ações que estiverem gravadas com usufruto, o direito de voto será exercido pelo usufrutuário. Parágrafo Segundo - Será permitida a conversão de uma espécie ou classe de ações em outra. Parágrafo Terceiro - Nos aumentos de capital social da Sociedade, poderão ser emitidas tanto ações ordinárias como preferenciais, sendo que o capital social deverá sempre preservar a proporção estabelecida em lei. Parágrafo Quarto – No caso de emissão de ações preferenciais de classes diferentes, a companhia deverá declarar no ato da emissão as vantagens e as preferências atribuídas a cada classe;

CARTORIO LIDIA KRUPPIZAK Registro civil e Títulos e Documentos – Pessoas Jurídicas Fone: (41) 3035-3200 EDITAL DE PROCLAMAS LIDIA KRUPPIZAK, Oficial de Registro civil da sede da comarca, na forma da lei FAZ SABER que pretendem se casar: EVERTON SANTOS PASQUARELI E ALICE FLORIANO CAMARGO ANTONIO MARCOS DA FONSECA E ROSENILDA FRANCO DO AMARAL CLEVERSON DOS SANTOS FERNANDES E RAQUEL RIOLA CRISTIANO BATISTA DE MORAES E HELLEN JAQUELINE SAUER SERGIO LUIS DE LIMA E ELAINE CRISTINA ZEGOLAN WAGNER DIRLON KASPECHAK DA SILVA E FERNANDA ESTHENES

DO NASCIMENTO RAFAEL SILVA DE LIMA E AGATHA JARUGA RICARDO LEMOS DA SILVA E ALEXANDRA SANT’ANA TIAGO HENRIQUE RISSARDI E DANIELE DA SILVA CERCAL ALEXANDRE DIAS DOS SANTOS E NATASHA DA COSTA SANTOS LIÉBERT RAMOS JUSTINO E LILIAN BEATRIZ DE MOURA FABIANO SANTO ESTACHIO E JOCIMARA FERNANDES LAÉRCIO FRERE E VANILDA VITORINO PIRES VAGNER APARECIDO CARLOS FRANCISCO E PATRÍCIA CORDEIRO DA SILVA ANDRÉ LUIS WEIGERT E ANDRESSA CRISTINA BIELESKI ALEXANDRE LENDZION E EUNICE FERREIRA RIBEIRO

ANEXO I QUADRO SOCIETÁRIO

CAPITULO III DA ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE. ARTIGO 6º - A administração da sociedade compete à Diretoria, a qual é investida de todos os poderes necessários à administração da sociedade e a consecução de seu objeto social, conferidos pela lei aplicável e de acordo com o presente Estatuto Social. Parágrafo Único - Cabe à Assembleia Geral fixar o montante da remuneração dos Diretores, que poderá ser de forma individual ou global, cabendo, então à Diretoria deliberar sobre a sua distribuição. ARTIGO 7º - A Diretoria será composta de 2 (dois) membros, acionistas ou não, residentes no país, sendo um Diretor Presidente e o outro Diretor Vice Presidente, eleitos pela Assembleia Geral para um mandato de 3 (três) anos, permitida a reeleição. Parágrafo Primeiro – Findo o mandato, os Diretores permanecerão no exercício de seus cargos até a realização de Assembleia Geral que prorrogue seus mandatos ou até a investidura de novos administradores eleitos pela Assembleia Geral. Parágrafo Segundo - Em sua ausência ou impedimento temporário, o Diretor será substituído pelo outro, ou na ausência de ambos, serão substituídos de acordo com a sua própria indicação. Parágrafo Terceiro - Em caso de vacância definitiva ou impedimento de um ou mais membros da Diretoria, deverá ser convocada Assembleia Geral no prazo de 30 (trinta) dias a contar da vacância do cargo, para eleição dos novos membros. ARTIGO 8º - Compete à Diretoria praticar todos os atos de gestão necessários a garantir o pleno funcionamento dos negócios sociais e a realização do objetivo da sociedade, observadas as demais normas deste Estatuto e a competência exclusiva da Assembleia. Parágrafo Primeiro - Compete aos Diretores a) a representação ativa e passiva da companhia, em juízo ou fora dele, especialmente para receber citação judicial; b) realizar a abertura de contas bancárias, assinaturas de cheques ou títulos; c) executar os negócios e atividades da Companhia; d) exercer os poderes gerais de administração, resolvendo e executando os negócios sociais; e) organizar, dirigir e fiscalizar toda a parte administrativa, financeira, comercial e operacional da Companhia; f) organizar e apresentar anualmente à Assembleia Geral as Demonstrações Financeiras e o Relatório da Administração; g) propor a criação ou extinção de cargos e funções; h) Deliberar sobre o pagamento de juros sobre o capital próprio; i) decidir sobre atos cuja competência não esteja definida no presente Estatuto e que não seja exclusivo da Assembleia Geral; Parágrafo Segundo - Nos limites de suas atribuições e poderes, é licito aos diretores constituir procuradores, em nome da sociedade, especificando no instrumento os atos e operações que poderão praticar e o prazo de duração do mandato que deverá coincidir com o ano-calendário, exceto o mandato judicial que poderá ser por prazo indeterminado. Parágrafo Terceiro - Cessará a responsabilidade do Diretor, pelos atos praticados durante o período de sua gestão, com a aprovação das contas do exercício social a que se referirem pela assembleia geral ordinária. Parágrafo Quarto - É vedado a utilização da denominação social para negócios estranhos ao objetivo da sociedade, bem como a prestação de qualquer tipo de abonos de mero favor, tais como aval, fiança ou qualquer espécie de garantia, sem aprovação da Assembleia Geral, ainda que em benefício dos acionistas ou usufrutuários. CAPÍTULO IV DA ASSEMBLÉIA GERAL. ARTIGO 9º -A Assembleia Geral reunir-se-á ordinariamente dentro dos quatro primeiros meses subsequentes ao término do exercício social para fins previstos em Lei e, extraordinariamente, em todas as oportunidades em que os interesses da Companhia assim o exigirem, guardados os preceitos de direitos nas respectivas convocações, que serão feitas pela Diretoria. ARTIGO 10º - As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as hipóteses especiais previstas em lei, serão tomadas pela maioria absoluta dos acionistas com direito a voto, nas seguintes matérias: (i) aumento do capital da Sociedade, desdobramento ou grupamento de ações, resgate de ações, emissão ou venda de quaisquer valores mobiliários da Sociedade conversíveis ou não em ações, inclusive, mas sem limitação, criação e emissão de ações preferenciais, debêntures, bônus de subscrição, partes beneficiárias ou opções de compra ou subscrição de ações; (ii) a cisão, fusão, incorporação da Sociedade com ou em outra sociedade, transformação ou outras formas de reorganização societária; (iii) a autorização para que os administradores da Sociedade confessem falência ou peçam recuperação judicial ou extrajudicial; (iv) a liquidação e dissolução da Sociedade; (v) a não distribuição ou distribuição de dividendos em montante diverso do dividendo mínimo obrigatório previsto neste Estatuto Social da Sociedade; (vi) a eleição e destituição de quaisquer dos membros da Diretoria; (vii) a fixação da remuneração anual global dos membros da Diretoria. (viii) a decisão definitiva sobre todos os atos de aquisição, venda, alienação, locação ou a constituição de ônus de qualquer natureza sobre os bens imóveis da Companhia. Parágrafo Primeiro - As Assembleias Gerais serão instaladas pelos Diretores e, na sua ausência ou impedimento, os acionistas escolherão o Presidente da Assembleia Geral. Parágrafo Segundo - O acionista pode fazer-se representar nas Assembleias Gerais por procurador que atenda às condições da lei, sendo exigido a apresentação do respectivo instrumento de mandato junto à Companhia em 48 (quarenta e oito), horas antes da realização da Assembleia Geral. CAPÍTULO V CONSELHO FISCAL ARTIGO 11º - O Conselho Fiscal, quando convocado, será composto de 3 (três) membros efetivos e 3 (três) membros suplentes, e somente será instalado e funcionará por deliberação da Assembleia Geral, nos casos previstos no § 2º do Artigo 161 da Lei n.º 6.404/76. ARTIGO 12º - O Conselho Fiscal terá competência prevista em Lei. CAPÍTULO VI DA DOAÇÃO E DO USUFRUTO ARTIGO 13º - Os usufrutuários detêm o direito à posse, uso, voto, administração e percepção dos frutos das ações gravadas, sendo que o exercício destes direitos será sempre realizado pelos usufrutuários. ARTIGO 14º - No caso de falecimento dos usufrutuários, o usufruto, bem como o exercício dos direitos a ele relativo serão transmitidos e transferidos em sua plenitude para os nu-proprietário das ações. Parágrafo único - Caso o proprietário das ações faleça antes dos usufrutuários, as ações gravadas retornarão ao patrimônio dos usufrutuários, sem qualquer tipo de obstrução, como se jamais houvesse sido estipulado o instrumento de doação, conforme artigo 547 do Código Civil. ARTIGO 15ª: Além de todos os direitos de usufruto gerados pela legislação vigente, fica expresso que o usufruto instituído sobre as ações doadas abrange especialmente: a) o direito dos doadores de perceberem para si todos os rendimentos gerados pelas ações, inclusive a distribuição de reservas, resultados, lucros e bonificações; b) o direito dos doadores de votarem nas assembleias gerais ordinárias e extraordinárias, cujo capital as ações representam, de forma incondicional e sem reservas, ainda que em nome dos donatários. ARTIGO 16ª: Os doadores poderão renunciar temporariamente, mediante manifestação expressa, à percepção de lucros distribuídos ou a distribuir em dinheiro e/ou ao direito de voto nas reuniões, total ou parcialmente, a favor dos donatários, sem que esta renúncia implique na alteração da cláusula de usufruto prevista neste contrato. ARTIGO 17ª: Os aumentos de capital da sociedade, independentemente do aumento de quantidade de ações, mediante incorporação de lucros ou reservas, de qualquer espécie ou natureza, inclusive correção monetária do capital social, bem como a transferência de ações entre os acionistas, que já tenham ocorrido ou que venham a ocorrer, serão também gravadas com usufruto, nos termos estabelecidos neste estatuto. ARTIGO 18ª: Além do usufruto, as doações ora realizadas e os seus eventuais reflexos futuros são gravados com cláusula de incomunicabilidade, de modo que o patrimônio correspondente constitui bens particulares dos respectivos donatários, não formando patrimônio comum com os correspondentes cônjuges, seja qual for o regime de bens do casamento. CAPITULO VII DIREITO DE PREFERENCIA ARTIGO 19ª: O direito de preferência às subscrições de ações, em aumentos de capital da sociedade, cabe aos doadores, que poderão cedê-los aos donatários. O direito de preferência deverá ser exercido pelo doador no prazo máximo de 30 (trinta) dias a contar da data da Assembleia Geral que aprovou o aumento do capital social. ARTIGO 20ª: As ações da sociedade não poderão ser transferidas ou alienadas sob qualquer título à terceiro sem o consentimento da maioria absoluta do(s) acionistas(s) remanescente(s) com direito a voto e dos usufrutuários, cabendo a este(s) o direito de preferência, na proporção do capital de cada um. ARTIGO 21º - O Acionista que desejar transferir suas ações deverá notificar por escrito a sociedade, discriminando o preço, forma e prazo de pagamento, para que este(s) exerça(m) ou renuncie(m) o direito de preferência, o que deverá ocorrer dentro de 30 (trinta) dias contando do recebimento da notificação ou em maior prazo a critério do acionista alienante. Decorrido o prazo sem que seja exercido o direito de preferência, as ações poderão ser livremente transferidas. Parágrafo único: Havendo, na ocasião, interesse de mais de um acionista na aquisição das quotas disponíveis, estas serão rateadas proporcionalmente ao capital de cada um. ARTIGO 22º: As ações não poderão ser penhoradas, alienadas ou cedidas a qualquer título sem o prévio consentimento da maioria absoluta dos acionistas com direito a voto, observadas as condições deste estatuto. CAPÍTULO VIII EXERCÍCIO SOCIAL, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS ARTIGO 23º - O exercício social inicia-se no dia 01 de janeiro de cada ano e termina no dia 31 de dezembro do mesmo ano. ARTIGO 24º - Anualmente, proceder-se-á ao levantamento das demonstrações financeiras, podendo, no entanto, a Diretoria autorizar a levantá-las semestralmente ou ainda a qualquer tempo que julgar conveniente aos interesses da Companhia. Parágrafo Primeiro: A Diretoria deliberará em Assembleia geral, devidamente convocada, a respeito da distribuição dos resultados. Parágrafo Segundo: Fica a companhia autorizada a distribuir lucros do exercício, com base em levantamento de balanço em período intermediário, observada a reposição de lucros quando a distribuição afetar o capital social. Parágrafo Terceiro- Na hipótese de ocorrer prejuízos, poderão estes permanecer na sociedade para compensação com lucros futuros ou ser distribuídos proporcionalmente aos acionistas, de acordo com a decisão destes. ARTIGO 25º - Dos resultados do exercício serão inicialmente deduzidos os prejuízos acumulados e a provisão para os impostos sobre o lucro. ARTIGO 26º - O lucro remanescente terá a seguinte destinação: (a) 5% (cinco por cento) para a constituição da reserva legal, que não excederá de 20% (vinte por cento) do capital social; a reserva legal poderá deixar de ser constituída no exercício em que seu saldo, acrescido do montante de reservas de capital de que trata o parágrafo primeiro do Artigo 182 da Lei 6.404/76, exceder de 30% (trinta por cento) do capital social; (b) 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido serão distribuídos aos acionistas como dividendo obrigatório; Parágrafo Primeiro – O pagamento dos dividendos deverá ser feito, salvo deliberação em contrário da Assembleia Geral, no prazo de 60 (sessenta) dias da data do encerramento das demonstrações financeiras. Parágrafo Segundo - A distribuição do dividendo previsto neste artigo não será obrigatória no exercício social em que a Diretoria informar à Assembleia Geral Ordinária não ser ele compatível com a situação financeira da Sociedade. Parágrafo Terceiro - Os lucros que assim deixarem de ser distribuídos serão registrados como reserva especial e, se não absorvidos por prejuízos em exercícios subsequentes, deverão ser pagos como dividendos assim que o permitir a situação financeira da Sociedade. Parágrafo Quarto - O saldo dos lucros líquidos terá a destinação que a Assembleia Geral determinar, podendo ser transferido para a Reserva de Aumento de Capital ou outra reserva de lucros, cujos saldos, somados, não poderão ultrapassar o capital social; atingido esse limite, a Assembleia Geral deliberará sobre a aplicação do excesso em aumento do capital social ou na distribuição de dividendos. Parágrafo Quinto - A Assembleia Geral poderá, deliberar a distribuição de dividendo inferior ao previsto neste artigo ou a retenção de todo o lucro. Parágrafo Sexto – A Sociedade poderá pagar juros sobre o Capital Próprio, imputando-se o valor dos juros pagos ou creditados ao valor dos dividendos. CAPÍTULO IX DO ACORDO DE ACIONISTA ARTIGO 27º - Os Acordos de Acionistas que estabeleçam condições de compra e venda de suas ações, o direito de preferência da compra das mesmas, o exercício do direito de voto, o poder de controle ou demais assuntos de interesse dos acionistas serão sempre observados pela Companhia, quando tais acordos forem devidamente registrados na sua sede, na forma do art. 118 da Lei 6.404/76. Parágrafo Único - As obrigações e responsabilidades resultantes de tais acordos serão válidas e obrigarão terceiros, herdeiros e sucessores. CAPÍTULO X DESLIGAMENTO DO ACIONISTA E SUCESSÃO ARTIGO 28º - A sociedade não se dissolverá, nem entrará em liquidação, pela morte, retirada, falência ou recuperação judicial, interdição ou vontade de qualquer acionista, desde que à época a maioria absoluta dos acionistas com direito a voto decidam prosseguir com as atividades. Parágrafo Primeiro - Ocorrendo qualquer dessas hipóteses, os haveres do “de cujus”, retirante, falido, incapaz, interdito ou da recuperação judicial, serão apurados segundo o balanço patrimonial relativo ao último exercício social encerrado. Havendo decorrido sessenta dias ou mais da data desse balanço, um novo e especial balanço deverá ser encerrado para o mesmo fim. Parágrafo Segundo - A apuração dos haveres referido no parágrafo anterior far-se-á em uma única conta, compreendendo capital, lucros e outros créditos ou débitos, e deverá estar encerrada em 60 dias a contar do evento. Parágrafo Terceiro - Terminada a apuração dos haveres, estes serão pagos ao acionista retirante ou aos herdeiros do acionista falecido, sucessores ou representantes legais, em 36 (trinta e seis) parcelas mensais e sucessivas, corrigidas pela variação da TJLP, acrescida de correção monetária de acordo com a evolução inflacionária, vencendo-se a primeira 30 dias após o transcurso do prazo referido no parágrafo anterior, no caso de solução extrajudicial. Na hipótese de não ser alcançado o consenso quanto à desconstituição do vínculo societário, o termo inicial do parcelamento será o trânsito em julgado da decisão judicial que ordenar o pagamento dos haveres. Parágrafo Quarto - No relacionamento com a sociedade, no caso de morte de acionista, os herdeiros serão representados pelo inventariante. ARTIGO 29º - Assim como a qualquer acionista é outorgado o direito de retirar-se a qualquer tempo da sociedade sob as condições consignadas neste estatuto, também a sociedade poderá excluir qualquer acionista, após reunião da Assembleia Extraordinária convocada para este fim, ciente o acusado em tempo hábil, para permitir o seu comparecimento, bem como, seu exercício do seu direito de defesa, a maioria decide excluí-lo por entender que a sua permanência está pondo em risco a continuidade e/ou por descumprimento de qualquer Artigo deste Estatuto Social. Parágrafo Único: O Acionista excluído será responsabilizado pelas obrigações anteriores à exclusão por até dois (02) anos depois de averbada a resolução da Assembleia Extraordinária, e pelas obrigações posteriores, enquanto não requerida à averbação; ARTIGO 30º - No caso de falecimento ou sendo interditado qualquer acionista, a sociedade continuará suas atividades com os herdeiros ou sucessores. Não sendo possível ou inexistindo interesse dos acionistas remanescentes, o valor de seus haveres será apurado e liquidado com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, verificada em balanço especialmente levantado para essa finalidade. ARTIGO 31º - Após a extinção do usufruto, o acionista que discordar das deliberações que impliquem em alteração deste Estatuto Social, poderá optar pela sua permanência na sociedade com a modificação, ou dela retirar-se, recebendo o seu capital, lucros e haveres segundo dados do último balanço patrimonial, pagáveis na forma do disposto neste contrato. CAPÍTULO XI DA LIQUIDAÇÃO ARTIGO 32º - A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em Lei ou por deliberação da Assembleia Geral, que estabelecerá o modo de liquidação e elegerá os liquidantes e o Conselho Fiscal se requerida a instalação deste, que funcionará no período de liquidação. CAPÍTULO X DELIBERAÇÕES GERAIS ARTIGO 33º - Os casos omissos neste estatuto serão resolvidos pela Assembleia Geral e pela legislação que rege a sociedade por ações. Artigo 34º - Fica eleito o foro de Curitiba, Paraná, para dirimir duvidas e controvérsias oriundas deste estatuto. A presente transformação foi devidamente registrada na Junta Comercial do Paraná nº 41300085358 arquivado em 19 de setembro de 2012.

ADRIANO DA SILVA FERREIRA SATO E FABIANA ANTUNES COSTA ODILON JOAQUIM MARTINS E EVELIN MARIA BITTELBRUNN JULIO CESAR DA COSTA E GISLAINE REGINA DOS SANTOS PETRIU CARLOS JOSÉ CONCEIÇÃO E LEILA APARECIDA CARIAS DE OLIVEIRA TIAGO GARCIA PASCOAL E FLAVIANE DE OLIVEIRA Se alguém souber de algum impedimento legal, acuse-o para os fins de direito. E para constar e chegar este ao conhecimento de todos, lavro o presente para ser afixado no lugar de costume e publicado em imprensa local. São José dos pinhais, 15 de outubro de 2012 LIDIA KRUPPIZAK Oficial do Registro Civil


| Terça-feira, 16 de outubro de 2012 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

15

ENTREVISTA ESPECIAL

ROBERTO LUIZ D’ÁVILA Cardiologista nascido no Rio de Janeiro, hoje é uma das principais referências no país quando o assunto é Saúde e Medicina. Como presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), tem acompanhado debates importantes e que tocam temas polêmicos, como a falta de políticas públicas de valorização de profissionais e a abertura indiscriminada de novos cursos de graduação para médicos. Graduado em Medicina (UFRJ 1976), mestre em Neurociência e Comportamento (UFSC 1978) e, atualmente, aluno do Doutorado em Bioética, pela Universidade do Porto (Portugal), ele entende que o momento atual é de crise para os profissionais da área. No entanto, afirma, isso não deve tirar o ânimo na busca de um tempo melhor para o exercício da Medicina e para a qualificação do atendimento de milhões de pessoas. Preparando-se para comemorar o Dia do Médico, em 18 de outubro, ele concedeu essa entrevista exclusiva à rede formada pela Central de Diários do Interior e Associação dos Diários do Interior do Brasil (CDI/ADI-BR), declarando-se um eterno namorado de seu ofício: "Enxergo nesta atividade uma paixão, que surge vocacionada pela solidariedade e pelo compromisso com a equidade, a justiça e a ética".

Em 18 de outubro é o Dia do Médico. Há o que comemorar? D'Ávila - A possibilidade do exercício da Medicina é sempre algo que merece comemoração. Enxergo nesta atividade uma paixão, que surge vocacionada pela solidariedade e pelo compromisso com a equidade, a justiça e a ética. No entanto, apesar desse sentimento de orgulho, nossa classe passa por um momento difícil. O cenário no qual esta vocação deve ser colocada em prática enfrenta pesada turbulência. O que o senhor quer dizer? D'Ávila - Por exemplo, de um lado, existem as pressões dos gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), que pecam pela falta de empenho na elaboração de políticas públicas que qualifiquem a assistência e valorizem os profissionais; do outro, estão os empresários dos planos de saúde, que insistem na cultura do lucro em detrimento do bem-estar dos pacientes e da autonomia dos médicos. Estes são apenas dois exemplos de situações que têm nos preocupado. Contudo, isso pode até nos entristecer, mas, certamente, não tira nossa vontade de mudar este quadro. Cabe aos médicos exercerem seu ofício sem se curvar às pressões e à indiferença. O desafio é defender a fé naquilo que nos move: a busca do diagnóstico, a oferta do tratamento e a promessa de consolo a quem está fragilizado pela doença. Como o médico deve fazer face aos desafios do momento? D'Ávila - Não há uma fórmula, mas posso dividir algo acumulado pela minha experiência. Em tempos de crise, devemos ser médicos. Ou seja, não somos mercadores da saúde, garotos propaganda ou vassalos de quem quer que seja. Devemos, como médicos, nos ver como mulheres e homens preparados para salvar vidas. Não se comportar à altura de tão importante missão significa pactuar com a mediocridade de interesses outros, que se postam quilômetros distantes de onde estamos. A população espera a reação da categoria diante dessas pressões, pois sabe que nossa luta implica em melhores condições de assistência onde quer que seja. Uma das principais queixas está na queda nos valores de remuneração pelo SUS.

D'Ávila - Percebemos, ao longo dos anos, dois movimentos: no SUS, os gestores nunca se preocuparam em criar um plano de carreiras, cargos e vencimentos que beneficiasse aos seus profissionais, inclusive os médicos. Os salários na esfera pública foram progressivamente esvaziados e, com isso, cada vez mais atender em ambulatórios ou hospitais do SUS se tornou uma opção secundária. Dentro desse cenário, há outra distorção, que é a precarização do trabalho médico, a inexistência de vínculos e o desrespeito aos quais alguns colegas são expostos quando aceitam atender em municípios menores, periféricos, e não recebem o que lhes é prometido. O que o CFM faz nesses casos? D'Ávila - Atualmente, tentamos reverter isso quando iniciamos uma discussão no âmbito do Ministério da Saúde e do Congresso Nacional para criar a carreira de Estado para o médico. Ou seja, estabelecer parâmetros para que o médico - e outros profissionais da Saúde - contem com honorários adequados, planos de progressão, educação continuada e outras vantagens que possam tornar o exercício da Medicina dentro do SUS novamente interessante. Sem dúvida, essa é uma saída para a crise que impera na área. Qual a sua opinião sobre a abertura de mais vagas em cursos de Medicina e de novas escolas médicas? D'Ávila - Somos contrários à abertura indiscriminada de novos cursos e de vagas em escolas médicas de qualidade duvidosa. A experiência mostra que muitos desses estabelecimentos não oferecem o mínimo aos seus estudantes, que passam ser a vítimas de empresários que pensam apenas no lucro. O que exigimos do governo é que tenha um olhar atento sobre esta questão e evite a proliferação desenfreada dessas escolas caça-níqueis. Uma iniciativa importante no âmbito da Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação era a avaliação feita pelo grupo coordenado pelo ex-ministro Adib Jatene. Graças a este trabalho, inúmeras vagas foram fechadas e escolas tiveram que se equipar. O governo federal diz que o país precisa de mais médicos. O CFM se posiciona contra esta percepção. Afinal, faltam ou não faltam médicos?

Mortes por acidentes caem 20% no feriadão O número de mortes em acidentes de trânsito desse feriado prolongado teve queda de 20% em relação ao da Independência do Brasil, segundo balanço divulgado ontem (15) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Entre os dias 11 e 14 de outubro, período da operação Nossa Senhora Aparecida, foram registrados 94 mortos, enquanto o feriado de Sete de Setembro teve 117 mortes nas estradas. Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Norte, Pará e Rio de Janeiro foram os estados com maior redução no número de mortes em acidentes de trânsito. Santa Catarina registrou três mortes nesse fim de semana prolongado, 12 óbitos a menos que durante o feriado da Independência. Paraná e Rio Grande do Norte registraram oito (redução de oito) e uma (redução de seis) mortes no feriado do Sete de Setembro, respectivamente, enquanto Pará, com duas mortes, e Rio de Janeiro, com três mortes, contabilizaram redução de cinco vítimas sobre as estatísticas do feriado da Independência. O número de acidentes, no entanto, subiu de 2.442 para 2.544, o que equivale a aumento de 4% em relação ao feriado da Indepen-

dência. De acordo com a PRF, os estados da Bahia, do Espírito Santo, Pará, Ceará e de Goiás mais o Distrito Federal tiveram maior redução no número de acidentes de trânsito. Na operação Nossa Senhora Aparecida, a PRF fez 18.153 autuações e apreendeu 182 quilos de drogas e 19 armas. No total, 402 pessoas foram presas. Além disso, mais de mil pessoas foram flagradas dirigindo sem habilitação. Segundo a PRF, as estatísticas de acidentes não foram comparadas com o mesmo período do ano passado porque em 2011 o feriado de Nossa Senhora Aparecida caiu em uma quarta-feira. PARANÁ A Operação Nossa Senhora Aparecida nas estradas paranaenses encerrou à meia-noite do último domingo (14), depois que a PRF reforçou o trabalho de fiscalização nas rodovias. Com isso, a redução nas estradas do Paraná foi de 42,85% no número de mortos nos acidentes em comparação ao feriado de 7 de Setembro. Desde a zero hora de quinta-feira (11), até o final da operação, no domingo (14), foram fiscalizados 11.223 veículos e 8.379 pessoas. Mais uma vez, não hou-

ve trégua para aqueles que aumentam o risco de acidentes no trânsito. Foram aplicadas 14.221 multas, 14,40 % a mais que o ultimo feriado sendo a maioria delas por excesso de velocidade. A fiscalização de alcoolemia foi intensificada. A PRF efetuou 3.629 testes e flagrou 111 motoristas dirigindo sob a influência de álcool (+16,84%) , sendo

dada voz de prisão para 29 motoristas que insistiram nesta prática criminosa de beber antes de dirigir (-19,44%). Dos 337 acidentes registrados (+25,74%), sete foram fatais (-41,66%), que culminou com oito pessoas mortas, que representou 42,85% menos vítimas fatais e 177 pessoas ficaram feridas.

FOTO: Márcio Arruda/CFM

"Não somos mercadores da saúde"

D'Ávila - Se formos avaliar os padrões estatísticos nacionais, temos a segurança de que não faltam profissionais no país. Atualmente, contamos com cerca de 370 mil médicos em condições de atender os brasileiros. O problema é que a maioria deles se concentra nos estados do Sul e do Sudeste, nas capitais e nos municípios mais desenvolvidos ou da faixa litorânea nas outras regiões. Assim, admitimos a dificuldade de encontrar médicos em áreas distantes, de difícil provimento, na Amazônia, no Nordeste, e mesmo nas periferias de algumas grandes cidades, onde a violência se impõe. Qual a solução? D'Ávila - Em nosso ponto de vista, há uma lacuna na esfera das políticas públicas que precisa ser preenchida. Cabe ao governo estabelecer fórmulas que estimulem a migração e a fixação dos médicos nestas regiões. Para isso, é importante oferecer boas condições de trabalho, acesso à educação continuada, plano de progressão funcional e remuneração coerente com a responsabilidade e o compromisso exigidos. Percebemos que, aos poucos, nosso alerta tem sido compreendido por importantes setores da sociedade, inclusive da mídia. Esperamos que a gestão do SUS tenha a mesma sensibilidade e adote medidas para colocar esse desafio no passado. Esse cenário causa distorção também no setor privado? D'Ávila - Como já foi enfatizado, passamos por uma crise de valorização da Medicina. E não se trata de um discurso corporativista, mas um apelo ao bom senso. Vamos tomar como exemplo o que é pago por uma consulta por plano de saúde. Em alguns locais, o médico - que estudou em torno de nove anos, entre graduação e residência - recebe em torno de R$ 35, ou seja, menos do que é pago por um corte de cabelo. Em São Paulo, um obstetra recebia em torno de R$ 200 por um parto, enquanto o cinegrafista que registrava o procedimento para a família cobrava R$ 1.000. Com base nestes dados, eu devolvo a pergunta: estamos sendo exagerados em nossos pleitos? Tenho certeza de que não. O que esperamos, tanto do setor público quanto do setor privado, é um tratamento digno. Não queremos ganhar mais do que a categoria merece, mas o justo pela formação exigida e pela responsabilidade inerente aos atos de prescrever e diagnosticar.


editais16-10-12