Page 1

10

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

PREFEITURA DE COLOMBO PORTARIA Nº 191/2013 A PREFEITA MUNICIPAL DE COLOMBO, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por Lei, RESOLVE: I - Designar os Servidores Públicos Municipais Célia Regina Bontorin Ceccon, Márcio Strapasson, João Luiz Vicentin, Sandra Maria da Costa Holmann e Almir José Ceccon, sem prejuízo de suas funções e sob a presidência do primeiro, como membros da Comissão Permanente de Avaliação de Imóveis para efeito de cálculo do IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS - ITBI. A Comissão reunir-se-á em dia, horário e local a ser definido por seu Presidente. II - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e revoga as disposições em contrário. Dê-se publicidade, Paço Municipal de Colombo Em 09 de Abril de 2013. IZABETE CRISTINA PAVIN Prefeita Municipal PORTARIA Nº 192/2013 A PREFEITA MUNICIPAL DE COLOMBO, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por Lei, RESOLVE: I - Designar os Senhores Edson Luiz Carrão, Gilberto Norberto Nitz, Benedito Antonio de Sá, Hélio Cezar da Costa e Arlei Aparecido Barbosa, para em "Comissão" e sob a presidência do primeiro, procederem vistoria do Serviço de Transportes de Passageiros (Taxi) e Serviço e Transportes Escolares no Município. II - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e revoga demais disposições em contrario. Dê-se publicidade, Paço Municipal de Colombo Em 09 de Abril de 2013. IZABETE CRISTINA PAVIN Prefeita Municipal PORTARIA Nº 198/2013 A PREFEITA MUNICIPAL DE COLOMBO, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por Lei, RESOLVE: I - Designar a Servidora Publica Municipal TEREZINA NUNES DE ALMEIDA RG: 021077119, para exercer a função de Enfermeira da Equipe 134 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 08 de Janeiro de 2013; II - Designar o Servidor Publica Municipal ANTONIONI EMANUEL LOPES PEREIRA RG: 077288988, para exercer a função de Enfermeiro Coordenador da Unidade de Saúde Mauá , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 08 de Janeiro de 2013; II - Designar a Servidora Publica Municipal SAMIRA RADUAN NASER RG: 052052840, para exercer a função de Coordenadora do Programa Especial Hiperdia, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 08 de Janeiro de 2013; III - Designar o Servidor Publico Municipal BRUNO JAGHER FOGAÇA RG: 78695471, para exercer a função de Médico Generalista da Equipe 135 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Liberdade, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Fevereiro de 2013; IV - Designar a Servidora Publica Municipal CAROLINE GIOT BRONNER RG: 69056229, para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 136 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Liberdade, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Fevereiro de 2013; V - Designar o Servidor Publico Municipal DANIEL ENZO NISCHIMURA OUTI RG: 84327069 , para exercer a função de Médico Generalista da Equipe 132 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Fevereiro de 2013; VI - Designar a Servidora Publica Municipal DANIELA PAVIN RG: 887771909, para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 120 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde São José , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Março de 2013; VII - Designar a Servidora Publica Municipal EMANUELE CAROLINE MELCHERT ESPOSITO RG: 4153381, para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 122 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Guaraituba , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Março de 2013; VIII - Designar o Servidor Publico Municipal MARCIO YUKIO TAME RG:283834407, para exercer a função de Médico Generalista da Equipe 111 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre Nadolny, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Março de 2013; IX - Designar a Servidora Publica Municipal MAYARA DE REZENDE MACHADO RG: 1918620 , para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 127 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Jardim das Graças , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Março de 2013; X - Designar a Servidora Publica Municipal MICHELLY PIRES VIANA RG: 78514315, para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 123 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Guaraituba, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Março de 2013; XI - Designar o Servidor Publico Municipal RODRIGO TANOUE RG: 31082327, para exercer a função de Médico Generalista da Equipe 131 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01 de Março de 2013; XII - Designar a Servidora Publica Municipal AMANDA CHINERV DE FREITAS RASERA RG: 83351985, para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 113 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Monte Castelo, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 05 de Março de 2013; XIII - Designar, o Servidor Público Municipal HERNANDO ALVES PEREIRA RG: 366575685, para exercer a função de Médico Generalista da Equipe 124 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Guaraituba, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 02/02/2013. XIV - Designar, a Servidora Pública Municipal NICOLE KARINA NICOLAIKO RG: 86965674, para exercer a função de Médica Generalista da Equipe 104 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Atuba, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 02/02/2013 XV - Designar, o Servidor Público Municipal RICARDO LEANDRO KAUFMANN RG: 65852489, para exercer a função de Médico Generalista da Equipe 101 da Estratégia Saúde da Família da Unidade Monte Castelo, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 05/03/2013 XVI - Designar, a Servidora Pública Municipal MARACY BEZERRA TORRES BARÃO RG: 054778210, para exercer o cargo de Técnica em Enfermagem da Equipe 131 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 14/02/2013. XVII - Designar, a Servidora Pública Municipal MARGARETH BEZERRA TORRES RG: 265050479, para exercer o cargo de Técnica em Enfermagem da Equipe 103 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Monte Castelo, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 06/ 02/2013. XVIII - Designar, a Servidora Pública Municipal MARIA LUZIA ALVES DANIEL RG:056665390, para exercer o cargo de Auxiliar de Enfermagem da

Equipe 134 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 06/02/ 2013. XIX - Designar, a Servidora Pública Municipal SANDRA MARA CAVALHEIRO FERNANDES RG:056185534, para exercer o cargo de Técnica em Enfermagem da Equipe 118 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde São José , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01/02/2013. XX - Designar, a Servidora Pública Municipal SOLANGE BELO DO CARMO RG:059508032, para exercer o cargo de Técnica em Enfermagem da Equipe 132 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 06/02/2013. XXI -Designar, a Servidora Pública Municipal NAIR LENZ RG: 058566012, para exercer o cargo de Enfermeira Coordenadora da Unidade de Saúde Quitandinha , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 02/03/ 2013; XXII -Designar, a Servidora Pública Municipal LORENA BROTTO ARCIE PAVIN RG: 85323806, para exercer o cargo de Enfermeira Coordenadora da Unidade de Saúde Capivari , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01/03/2013; XXIII -Designar, a Servidora Pública Municipal LIDIANE MENDONÇA GOMES RG: 082653201, para exercer o cargo de Enfermeira Coordenadora da Unidade de Saúde CAIC, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01/03/2013; XXIV - Designar, a Servidora Pública Municipal ADRIANA CORDEIRO LOPES PEREIRA RG: 055916365, para exercer o cargo de Enfermeira da Equipe 133 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Alexandre de Lima Morais, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 02/04/2013. XXV -Designar, o Servidor Público Municipal DANIEL IGNACIO DA SILVA, RG: 129491671, para exercer o cargo de Enfermeiro da Equipe 114 da Estratégia Saúde da Família da Unidade de Saúde Atuba, vinculado a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 02/04/2013. XXVI - Designar, a Servidora Pública Municipal DENISE ALMEIDA BRITO SERATTO RG: 094370132, para exercer o cargo de Coordenadora do Programa Especial Materno-Infantil , vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 02/04/2013. XXVII - Designar, a Servidora Pública Municipal JUCÉLIA PINHEIRO RG: 70869306, para exercer o cargo de Enfermeira Coordenadora da Unidade de Saúde Jardim Paraná, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01/04/2013. XXVIII -Designar, a Servidora Pública Municipal NORMA SUELY MOREIRA RG: 055507252, para ocupar o cargo de Cirurgiã Dentista da Equipe 104 da Estratégia Unidade Saúde da Família da Unidade de Saúde Atuba, vinculada a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 01/04/2013. XXIX -Designar, o Servidor Público Municipal MARCOS MAGALDI JOHANSEM DE MOURA , RG: 62401338, para exercer o cargo de Coordenador de Erradicação Aedes Egypti, vinculado a Secretaria Municipal de Saúde, a partir de 04/04/2013. Dê-se publicidade, Paço Municipal de Colombo Em 11 de Abril de 2013. IZABETE CRISTINA PAVIN Prefeita Municipal PORTARIA Nº 199/2013 A PREFEITA MUNICIPAL DE COLOMBO, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por Lei, RESOLVE: I - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal LUCIANA MEILUS ALBUQUERQUE, RG 43.545.749-4/SP, do cargo de Agente universitário, na função de Psicóloga, a partir de 08/04/2013. II - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal JOÃO LUIS VICENTIN, RG 7.225.813-4, do cargo de Agente Universitário, na função de Engenheiro Civil, a partir de 10/04/2013. III - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal KELLEN CRISTINE CARRARO, RG 5.317.551-1, do cargo de Professor, na função de Professor, a partir de 02/04/2013. IV - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal MARIA DOLORES DOS SANTOS, RG 3.298.884-9, do cargo de Agente de Serviço de Apoio, na função de Auxiliar de Serviços Gerais, a partir de 02/04/2013. V - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal MARLI DE PAULA DOS SANTOS, RG 4.718.431-2, do cargo de Agente de Serviço de Apoio, na função de Auxiliar de Serviços Gerais, a partir de 02/04/2013. VI - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal ROSEMARI MUNIZ DE ANDRADE BARCIK, RG 6.776.862-0, do cargo de Agente de Serviço, Limpeza e Alimentação, na função de Auxiliar de Serviços Gerais, a partir de 15/04/ 2013. VII - Exonerar a pedido, o Servidor Público Municipal MARIANA VIEIRA DELAZERI, RG 8.276.655-3, do cargo de Agente Universitário, na função de Médica Generalista, a partir de 12/04/2013. Dê-se publicidade, Paço Municipal de Colombo Em 12 de Abril de 2013. IZABETE CRISTINA PAVIN Prefeita Municipal Extrato do termo aditivo 002/2013 - contrato nº 49/2011 - concorrência 09/ 2010 Objeto: Implantação de Sistema Educacional, a ser executado de forma contínua, tendo em vista a política pedagógica solicitada pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte, para alunos da Rede Municipal de Ensino, nas áreas de Educação Infantil e Ensino Fundamental de 09 (nove) anos. Contratante: Secretaria Mun. Educação, Cultura e Esportes - Aziole Maria C. Pavin. Contratado: Vez Instituto Unibrasil para Desenvolvimento da Ciência e Cultura CNPJ 05.801.233/000107 Prazo: Prorroga o prazo mais12 (doze) meses, de 17/03/ 2013 a 16 /03/ 2014. Valor/dotação: esolvem reajustar o valor do contrato com base no IGPM acumulado 2012/2013, em 8,29%; ficando o valor de R$ 652.479,73 (seiscentos e cinquenta e dois mil, quatrocentos e setenta e nove reais e setenta e três centavos), o qual será distribuído conforme tabela a seguir: As despesas decorrentes do termo correrão à conta da classificação orçamentária constante na LOA n.° 1283/2012. Dotações: 07.01.12.361.0010.2046.339039Fonte 0.1.102/ 07.01.12.361.0010.2046.339039 - Fonte 0.3.102/ 07.01.12.365.0014.2132.339030 - Fonte 0.1.102/ 07.01.12.365.0014. 2132.339039 Fonte 0.1.102 Colombo, 15 de março de 2013. Extrato Contrato 44/2013 - Concorrência 03/2012 Processo 1138136/13 Objeto: Serviços de reparos e manutenção Unid. Básica de Saúde Mauá Valor total: R$ 90.599,36 (Noventa mil, quinhentos e noventa e nove reais e trinta e seis centavos). Contratante: Secretaria Municipal de Saúde - Dalimar de Lucca Moreira Contratado: Camargo e Camargo Construções e Serviços LTDA., CNPJ Nº. 07.928.501/0001-81. Prazo: Execução 90 (noventa) dias Colombo, 10 de abril de 2013. Termo Aditivo: 003/2013 ao Contrato nº. 263/2010 - Convite 024/2010. Partes: Município de Colombo/PR e Lar Pequeno Aconchego Ltda. ME. CNPJ sob nº. 01.565.814/0001-36. Objeto: Serviços especializados para atender em regime de abrigo as

pessoas com transtornos psiquiátricos, diante de determinação judicial, conforme especificações do convite nº. 024/2010. Valor e Dotação: As despesas decorrentes do presente termo aditivo correrão à conta da LOA 1283/2012, dotações 08.01.10.301.0035.2129.339039, Fonte 1.303 – 09.01.08.244.0025.2080.339039 Fonte 1.000 – 09.01.08.244.0025.2081.339039 Fonte 1.000 Desd. 53.00, sendo o valor R$ 4.640,31 (Quatro mil seiscentos e quarenta reais de trinta e um centavos). Data: 22 de março de 2013. Assinatura: Maria da Silva Souza LEI 1290/2013 SÚMULA: “Autoriza o Poder Executivo a doar imóvel ao Instituto Federal do Paraná – Ministério da Educação - para implantação de Câmpus e revoga a Lei Municipal 1268/2012.” A CAMARA MUNICIPAL DE COLOMBO, Estado do Paraná aprovou e eu, IZABETE CRISTINA PAVIN, Prefeita Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1º - Fica o Poder Executivo Municipal autorizado a doar ao Instituto Federal do Paraná – Ministério da Educação, para implantação de Câmpus, o imóvel havido pelo Decreto de Desapropriação n° 011/2013, com as seguintes características e confrontações: Área 1 – 11.406,87m² - Inicia-se no ponto denominado 0=PP, georreferenciado no Sistema Geodésico Brasileiro, DATUM – SAD69, MC-51ºW, coordenadas Plano Retangulares Relativas, Sistema UTM: E= 679260.021m e N= 7197514.071m ou latitude de 25º19’41.33840"S e longitude de 49º13’08.36353"W. Deste ponto segue com o azimute de 52º29’15" e a distância de 63.50m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘1’ (E=679310.391m e N=7197552.739m). Deste ponto segue com o azimute de 157º53’25" e a distância de 63.97m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘2’ (E=679334.469m e N=7197493.472m). Deste ponto segue com o azimute de 77º39’25" e a distância de 188.31m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘3’ (E=679518.431m e N=7197533.727m). Deste ponto segue com o azimute de 196º26’35" e a distância de 106.01m confrontando com o lote B-2 da subdivisão 217-C de propriedade de Gel Fruta Indústria e Comércio de Alimentos Ltda. até o ponto ‘4’ (E=679488.424m e N=7197432.053m). Deste ponto segue com o azimute de 289º45’10" e a distância de 242.68m confrontando com o lote 1 até o ponto ‘0=PP’ (E=679260.021m e N=7197514.071m); início de descrição, fechando assim o perímetro de 664,47m, do polígono acima descrito totalizando com um área superficial de 11.406,87m². Área 2 – 43.593.13m² - Inicia-se no ponto denominado 0=PP, georreferenciado no Sistema Geodésico Brasileiro, DATUM – SAD69, MC-51ºW, coordenadas Plano Retangulares Relativas, Sistema UTM: E= 679254.641m e N= 7197518.988m ou latitude de 25º19’41.18095" S e longitude de 49º13’08.55822"W. Deste ponto segue com a distância de 55.99m confrontando com a Rua Antônio Chemin até o ponto ‘1’ (E=679285.115m e N=7197565.151m). Deste ponto segue com o azimute de 18º41’06" e a distância de 80.75m confrontando com a Rua Antônio Chemin até o ponto ‘2’ (E=679310.985m e N=7197641.647m). Deste ponto segue com a distância de 37.64m confrontando com a Rua Antônio Chemin até o ponto ‘3’ (E=679326.329m e N=7197675.938m). Deste ponto segue com o azimute de 30º55’25" e a distância de 53.49m confrontando com a Rua Antônio Chemin até o ponto ‘4’ (E=679353.817m e N=7197721.825m). Deste ponto segue com a distância de 18.66m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘5’ (E=679371.371m e N=7197715.609m). Deste ponto segue com a distância de 78.39m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘6’ (E=679437.539m e N=7197675.969m). Deste ponto segue com a distância de 109.71m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘7’ (E=679505.251m e N=7197589. 732m). Deste ponto segue com a azimute de 53º26’49" e a distância de 114.36m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘8’ (E=679597.118m e N= 7197657.842m). Deste ponto segue com o azimute de 143º39’00" e a distância de 78.01m confrontando com a Associação Banestado até o ponto ‘9’ (E=679643.356m e N=7197595.012m). Deste ponto segue com o azimute de 233º30’34" e a distância de 102.50m confrontando com o lote B-2 da subdivisão 217-C de propriedade de Gel Fruta Indústria e Comércio de Alimentos Ltda. até o ponto ‘10’ (E=679560.949m e N=7197534.056m). Deste ponto segue com o azimute de 269º33’22" e a distância de 42.52m confrontando com o lote B-2 da subdivisão 217-C de propriedade de Gel Fruta Indústria e Comércio de Alimentos Ltda. até o ponto ‘11’ (E=679518.442m e N=7197533.761m). Deste ponto segue com o azimute de 257º38’51" e a distância de 188.31m confrontando com o lote 2 da subdivisão pertencente a Pedro Scrok, Zizi Diva Sgoda Scrok, Mauro José Scrok, Cláudia Vanessa Fiorese Scrok, Marcelino Scrok, Vania Busato Scrok, Marcos Rogério Scrok, Jacqueline Mendes de Morais Scrok até o ponto ‘12’ (E=679334.469m e N=7197493.472m). Deste ponto segue com o azimute de 337º53’25" e a distância de 63.97m confrontando com o lote 2 da subdivisão pertencente a Pedro Scrok, Zizi Diva Sgoda Scrok, Mauro José Scrok, Cláudia Vanessa Fiorese Scrok, Marcelino Scrok, Vania Busato Scrok, Marcos Rogério Scrok, Jacqueline Mendes de Morais Scrok até o ponto ‘13’ (E=679310.392m e N=7197552.739m). Deste ponto segue com o azimute de 232º29’17" e a distância de 63.50m confrontando com o lote 2 da subdivisão pertencente a Pedro Scrok, Zizi Diva Sgoda Scrok, Mauro José Scrok, Cláudia Vanessa Fiorese Scrok, Marcelino Scrok, Vania Busato Scrok, Marcos Rogério Scrok, Jacqueline Mendes de Morais Scrok até o ponto ‘14’ (E=679260.021m e N=7197514.071m). Deste ponto segue com o azimute de 312º25’40" e a distância de 7.29m confrontando com Fermax Industria de Componentes para Esquadrias até o ponto ‘0=PP’ (E=679254.641m e N=7197518.988m); início de descrição, fechando assim o perímetro de 1095.15m, do polígono acima descrito totalizando com uma área superficial de 43.593,13m². Art. 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º - Fica revogada a Lei nº 1.268, de 22 de agosto de 2012 e demais disposições em contrário. Colombo, 12 de abril de 2013. IZABETE CRISTINA PAVIN Prefeita Municipal LEI 1291/2013 SÚMULA: "Dispõe sobre o fornecimento de carnês do IPTU e taxas agregadas confeccionados em sistema Braille aos contribuintes portadores de deficiência visual." A CAMARA MUNICIPAL DE COLOMBO, Estado do Paraná aprovou e eu, IZABETE CRISTINA PAVIN, Prefeita Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1º - A Prefeitura Municipal de Colombo fornecerá aos contribuintes portadores de deficiência visual, a partir do exercício de 2014, carnês do IPTU e taxas agregadas confeccionados em sistema Braille. Art. 2º - A confecção dos carnês especificados deverá atender as normas e a legislação em vigor. Art. 3º - O carnê será emitido em sistema Braille, quando solicitado pelo portador de deficiência visual parcial ou total, ou por seu representante legal junto à Prefeitura Municipal de Colombo. Art. 4º - As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão à conta de dotações próprias, suplementadas se necessário. Art. 5º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Colombo, 12 de abril de 2013. IZABETE CRISTINA PAVIN Prefeita Municipal


| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

11

PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA 18ª (DÉCIMA OITAVA) VARA CIVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ CARTÓRIO. EDITAL DE CITAÇÃO DOS RÉUS: VALDECIR MELARK e PALMIRA SCHIMIDT MELARK. Prazo: 15 (quinze) dias. F A Z S A BE R, que por este edital com o prazo de 15 (quinze) dias, ficam CITADOS os requeridos: VALDECIR MELARK, brasileiro, casado, pedreiro, portador do CPF n°. 588.808.799-87 e PALMIRA SCHIMIDT MELARK, brasileira, casada, empregada doméstica, inscrita no CPF N°. 686.675.580-87, para querendo, no prazo legal, de 15 (quinze) dias, efetuar o pagamento do débito ou oferecer embargos, nos termos do artigo 1.102b do Código de Processo Civil, aos Autos de AÇÃO MONITÓRIA sob n° 1.277/2008, proposta por HSBC BANK BRASIL S/A. - BANCO MÚLTIPLO em face de VALDECIR MELARK E PALMIRA SCHIMIDT, na qual o requerente alega ser credor dos requeridos da importância de R$ 32.975,36 (trinta e dois mil, novecentos e setenta e cinco reais e trinta e seis centavos), data base de cada contrato, valor este que deverá ser atualizado até a data do efetivo pagamento. Alega que foi firmado entre as partes Contrato Global de Relacionamento Comercial e Financeiro para pessoa física, conforme proposta de Abertura de Conta Corrente e Termo de Opção - Pessoa Física n°. 0031-10078-48, contrato de renovação periódica automática, para garantir pagamento de cheques de sua emissão, saques no Banco 24:00 horas, débito em conta, compra com cartão, etc. Os requeridos utilizaram todo numerário disponibilizado em conta corrente, que vinha sendo movimentada normalmente até a data de 02/04/2008 quando o débito em sua conta corrente ultrapassou o limite de crédito liberado pelo requerente, atingindo o valor de R$ 8.721,71 (oito mil, setecentos e vinte e um reais e setenta e um centavos). Assim, o requerente transferiu para contabilidade especial "CA" o saldo devedor existente na conta corrente, a fim de evitar a incidência de IOF e demais encargos em desfavor dos requeridos. O valor corrigido monetariamente e acrescido de juros de mora na data base de 11/09/2008 totaliza a quantia de R$ 9.242,53 (nove mil, duzentos e quarenta e dois reais e cinqüenta e três centavos). Os requeridos firmaram ainda, Contrato de Abertura de Limite de Crédito Rotativo em Conta Corrente (Crédito Especial), qual seja: operação n°. 0031-117076-5, com liberação de crédito no valor de R$ 17.276,00 (dezessete mil, duzentos e setenta e seis reais) em data de 11/ 10/2007, para ser pago em 24 parcelas, vencendo-se a primeira em 12/11/2007 e a última em 13/10/2009 sendo que, das 24 parcelas, os requeridos adimpliram apenas 02 parcelas, restando as demais parcelas em aberto. O requerente tentou de todas as maneiras compor amigavelmente com os requeridos a fim de que estes cobrissem o saldo negativo, não logrando êxito. ADVERTÊNCIA: ficam os requeridos cientes de que se não efetuarem o pagamento do débito ou apresentarem embargos no prazo de 15 dias, contados do decurso do prazo deste edital, constituir-se-á de pleno direito o titulo executivo judicial, prosseguindo-se na forma do Livro I, Ti762tulo VIII, Capitulo X do Código de Processo Civil. DESPACHO de fl. 139 "1.Defiro o pedido de citação do réu por edital, com prazo para publicação de quinze (15) dias, a contar da intimação deste despacho, na forma do inciso III do art.232 do CPC: e de 20 (vinte) dias pra que se considere realizada a citação (inciso IV, do mesmo dispositivo legal). Sujeito o autor à sanção prevista no art. 233 do CPC, uma vez caracterizada a hipótese. 2. Intime-se. Diligências. Curitiba, 09 de dezembro de 2011."JOSÉ EDUARDO DE MELLO LEITAO SALMON JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO DA 18a Vara Cível de Curitiba, para que chegue ao conhecimento dos interessados e não possam de futuro alegar ignorância, mandou o presente edital que será publicado e afixado na forma da lei. Em, 21 de fevereiro de 2013. Eu,(a) (João de Maria Camargo), Escrivão, que o fiz digitar e subscrevi.(a) VANESSA JAMUR MARCHI - Juíza de Direito Designada.

COLOMBO PREVIDÊNCIA PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE COLOMBO

EXTRATO DE CONTRATO DE LOCAÇÃO PROCESSO: Nº 26/2013 LICITAÇÃO: Dispensa de Licitação nº. 04/2013. CONTRATO: Nº 04/2013. PARTES: Colombo Previdência e Agostinho Fiorese / Ivete Cecon GuimarãesFiorese representados por Cibele Rozek. OBJETO: Locação de imóvel localizado no cruzamento da Rua José Leal Fontoura com a Rua Zacarias de Paula Xavier, 654, Centro Colombo/Pr para sede da Colombo Previdência. VALOR: O valor do contrato, para efeito contábil, é de R$ 51.885,49 (cinqüenta e um mil oitocentos e oitenta e cinco reais e quarenta e nove centavos). DOTAÇÃO: As despesas decorrentes do presente contrato serão atendidas através dos recursos de dotação orçamentária de 2013, LOA n° 1283/2012- Dotação 14.02.2.020.3.3.90.39.10.00.00.00 Locação de Imóveis. PRAZO: O prazo de locação deste contrato será de 12 (doze) meses, com inicio em 02 de maio de 2013 à 01de maio de 2014. DATA: 12 de abril de 2013. ASSINATURA: Eliseu Ribeiro dos Santos- Diretor Superintendente.

JUÍZO DE DIREITO DA SÉTIMA VARA CÍVEL - Cartório da 7ª Vara Cível - Av. Cândido de Abreu, 535 - 4º andar - Comarca de Curitiba - Estado do Paraná - Dra. Kátya de Araújo Carollo - Escrivã - Eduardo Mattana Carollo - E. Juramentado - Carlos Ostrowski Junior - E. Juramentado. EDITAL DE INTERDIÇÃO DE RAFAELA WARNECKE, PARA CONHECIMENTO DE TERCEIROS, NA FORMA ABAIXO, COM PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS. Edital de Interdição de RAFAELA WARNECKE, nascida nesta capital, aos 12/06/1987, filha de Carlos Augusto Warnecke e Silmara Irene Grassi, portadora da Certidão de Nascimento Matrícula nº. 083162 01 55 1987 1 00005 253 0006609 60 do Cartório Distrital das Mercês, nesta capital, para conhecimento de terceiros, e ainda aos que o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, na Ação de INTERDIÇÃO, sob nº. 61.684/2011, que tramita na 7ª. Vara Cível de Curitiba, sito na Av. Cândido de Abreu, 535, 4°. andar, Fórum Cível, Centro Cívico, movida por CARLOS AUGUSTO WARNECKE e SILMARA IRENE GRASSI. Foi decretada a interdição de RAFAELA WARNECKE, a qual é portadora de doença mental, que o(a) incapacita de exercer os atos da sua vida civil e de expressar-se de acordo com os seus sentimentos, sua incapacidade é plena, que ele(a) não tem condições de reger-se, de administrar-se e de praticar todos os atos da vida civil, e deverá ser sempre supervisionado(a) por alguém, sendo nomeado(a) Curador(a) do interditando(a) os requerentes e genitores CARLOS AUGUSTO WARNECKE e SILMARA IRENE GRASSI. E, para que chegue ao conhecimento de todos e ninguém no futuro alegue ignorância, expedi o presente edital que será publicado pela imprensa local e pelo órgão oficial por três vezes, com intervalo de 10 (dez) dias, de conformidade com o art. 1184 do Código de Processo Civil. Curitiba, aos três dias do mês de abril do ano de dois mil e treze. E Eu (a) (Katya de Araújo Carollo) Escrivã, o fiz digitar e subscrevo. (a) CARLA MELISSA MARTINS TRIA - Juíza de Direito Substituta.

PODER JUDICIARIO DO ESTADO DO PARANA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL DE CURITIBA 22° VARA CIVEL DE CURITA - PROJUDI. JUIZO DE DIREITO DA VIGESSIMA SEGUNDA VARA CIVEL FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA / PR. EDITAL DE CITAÇÃO DOS INTERESSADOS AUSENTES, INCERTOS E DESCONHECIDOS COM O PRAZO DE 30 DIAS. FAZ SABER a todos que o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, expedido dos autos n° Autos n°.0059032-92.2012.8.16.0001 de Usucapião, requerido por Jose Sebastião Moreira, sobre os seguintes bens: No ano de 2003 o requerente adquiriu por compra os veículos: 1- Marca Pick up FORD F1, ano de fabricação 1948, combustível: gasolina, de cor vermelha, e é identificado pela numeração de chassi n°B204253; 2 - Marca Bel Air, ano de fabricação: 1956, combustível: gasolina, de cor azul, e é identificado pela numeração de chassi n° B729288; 3 - Marca Pick up GMC 3100, ano de fabricação 1956, combustível Diesel, cor vermelha, e é identificado pela numeração de chassi n°9BM688; No ano de 2005 adquiriu, também, os veículos: 4- Marca Pick up CHEVROLET 3100, ano de fabricação 1941, combustível: gasolina, cor vermelha, e é identificado pela numeração de chassi n° 1B263767; 5 - Marca Pick up CHEVROLET 3100, ano de fabricação 1954, combustível: gasolina, cor azul, e é identificado pela numeração de chassi n°M345303; e 6 - Marca Pick up FORD F1, ano de fabricação 1942, combustível: gasolina, cor amarela, e é identificado pela numeração de chassi n°M688232; Os veículos supramencionados foram adquiridos pela Requerente de dois senhores que hoje não sabe seus paradeiros e nem suas qualificações. Fica devidamente citados os interessados, para querendo, no prazo de 15(quinze) dias, contados da fluição do prazo do edital citatório, apresentar contestação, sob pena de presumirem como verdadeiros os fatos alegados na inicial. E para que chegue ao conhecimento de todos mandou expedir o presente edital que será afixado na sede deste Juízo no lugar de costume do Fórum local, e publicado na forma da lei. CUMPRA-SE. DADO E PASSADO nesta Cidade e Comarca de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, aos 17/01/2013. Eu(a) Marlene Romeiro Coleta, empregada juramentada, que o digitei e subscrevi. (a) Caroline Maia Almeida Juíza de Direito Substituta.

EDITAL DE CITAÇÃO PRAZO DE 30 DIAS. AUTOS N°45629-27.2010.8.16.0001. O Doutor Eduardo Novacki, MM Juiz de Direito da Vara Cível do Foro Regional de Campo Largo da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Estado do Paraná, etc... FAZ SABER, a todo quanto o presente edital virem, ou dele conhecimento tiverem, especialmente os supracitados, que por este Juízo e Secretaria do Cível deste Foro Regional de Campo Largo da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Estado do Paraná, tramita em seus regulares termos da AÇÃO DE USUCAPIÃO DE COISA MÓVEL registrada sob nº 45629-27.2010.8.16.0001 em que é Requerente MARTINS ALFREDO SCHMIDT."Alega ser possuidor há mais de onze anos, pacífica, notória, pública, justa e de boa fé, sem interrupção e nem oposição, dos veículos: marca "FORD", modelo: A, ano de fabricação: 1931, 2 PORTAS e chassi sob n°. A872119 / e JEEP de marca "FORD - BRONCO", 4X4, modelo: U-150, ano de fabricação: 1967 e chassi sob n°U15FLB21137. Citem-se os Réus ausentes e desconhecidos, em lugar incerto, através de edital com prazo de 30 (trinta) dias, como pleiteado, para que querendo ofereça resposta que tiver no prazo de 15 (quinze) dias (art. 297/ CPC), observando-se as normas contidas nos arts. 300--301, do Código de Processo Civil, sob pena de revelia e confissão ficta, consoante o disposto no art. 285, fine c/c 319, do mesmo diploma legal, presumindo-se verdadeiros os fatos não impugnados (art. 302/CPC). 2. Citem-se, ainda, por edital - com prazo de 30 (trinta) dias, que deverá ser publicado no Diário Oficial e, por duas vezes, ao menos, em jornal de ampla circulação local, no prazo previsto no inciso III, do art.232/CPC, eventuais interessados, mencionados ou não na inicial, que se encontram em lugar incerto (art. 942/CPC), para que, querendo, também ofereçam resposta no mesmo prazo e com as mesmas advertências mencionadas no item anterior." E para que chegue a conhecimento de todos e ninguém possa no futuro alegar ignorância, mandou expedir o presente edital o qual deverá ser publicado e afixado no lugar de costume na forma da Lei, dando ciência que o prazo para contestar será de 15 dias, contados a partir do fim do prazo de 30 dias. A presente citação valerá para todo o processo, com a advertência de que não sendo contestada a ação, serão presumidos como verdadeiros os fatos articulados pelo autor na inicial com fundamento nos artigos 285 e 319 do Código de Processo Civil. Dado e passado neste Município e Comarca de Campo Largo. Estado do Paraná aos doze dias do mês de setembro do ano de dois mil e doze. Eu (a) Carlos Eduardo Brito Pereira, Técnico Judiciário, o subscrevi.(A) Eduardo Novacki Juiz de Direito.

POSITIVO INFORMÁTICA S.A.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIAS GERAIS ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA - RIO LINHAS AÉREAS S.A. - CNPJ 01.976.365/0001-19 - Convocamos os Srs. Acionistas da RIO LINHAS AÉREAS S.A. a se reunirem em Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária a serem realizadas, cumulativamente, no dia 23 de abril de 2013, às 14:00 horas, na sede da sociedade, na Avenida Rocha Pombo, s/nº, Aeroporto Internacional Afonso Pena, Hangar Rio, Bairro Afonso Pena, CEP 83010-620,São José dos Pinhais, Estado do Paraná, a fim de deliberarem sobre a seguinte ORDEM DO DIA: Assembléia Geral Ordinária: 1- deliberar sobre as Demonstrações Financeiras e o Parecer dos Auditores Independentes, relativos ao exercício social encerrado em 31/12/2012; 2- deliberar sobre o resultado do exercício social encerrado em 31/12/2012; e 3eleger os membros da Diretoria. Assembléia Geral Extraordinária: 1- Deliberar sobre a aquisição de uma aeronave Boeing 737-400; 2- Deliberar sobre a abertura de novas filiais; 3- fixar o montante global e anual da remuneração dos membros da Administração para o exercício de 2013; e 4- outros assuntos de interesse da Sociedade. São José dos Pinhais/PR, 11 de abril de 2013. Rio Linhas Aéreas S.A. Diretor Presidente Vicente Batista de Lima.

NOTIFICAÇÃO - AMARÍLIS VAZ CORTESI, advogada inscrita perante a OAB/PR sob n. 12.839, com escritório profissional na Rua Grã Nico, n. 113, cj. 102-E, BairroEcoville, em Curitiba/PR, telefax (41) 32853109, NOTIFICA, nos termos do artigo 45 do Código de Processo Civil, para que surta todos os efeitos legais e de direito, que está comunicando sua renúncia ao patrocínio das seguintes ações judiciais:1)AUTO POSTO DISCOVERY LTDA., CNPJ 00.430.210/0001-10: 1.1) Execução de Título Extrajudicial nº 960/2002 proposta por Texaco Brasil S/A - Produtos de Petróleo, em trâmite perante a Vara Cível de Araucária/PR e,1.2) Embargos à Execução nº 512/2003 proposta co - ntra Texaco Brasil S/A - Produtos de Petróleo,em trâmite perante a Vara Cível de Araucária/PR.2) AUTO POSTO KATO LTDA., CNPJ 002.154.305/0001-83:2.1) Ação de Reintegração de Posse nº 32.069/0000 proposta por Shell Brasil Ltda.,em trâmite perante a 13ª Vara Cível de Curitiba/PR e,2.2) Ação de Abstenção de Uso de Marca nº 32.071/0000 proposta por Shell Brasil Ltda. em trâmite perante a 13ª Vara Cível de Curitiba/PR.3) AUTO POSTO YPACARAÍ LTDA., CNPJ 01.791.173/ 0001-38:3.1) Medida Cautelar de Sustação de Protesto nº 241/2001 proposta contra Petrobrás Distribuidora S/A em trâmite perante a Vara Cível de Matinhos/PR e,3.2) Ação Declaratória de Nulidade de Título nº 311/ 2001 proposta contra Petrobrás Distribuidora S/A. em trâmite perante a Vara Cível de Matinhos/PR.Ficam os Notificados cientes de que deverão constituir novo patrono para as respectivas ações, no prazo de dez (10) dias contados da data desta publicação, e que não o fazendo as ações correrão à revelia.Curitiba, 07 de fevereiro de 2013.AMARÍLIS VAZ CORTESI -OAB/PR 12.839.

CESBE PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF Nº 09.438.590/0001-03 ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA - EDITAL DE CONVOCAÇÃO Pelo presente Edital ficam convocados os Senhores Acionistas desta empresa para se reunirem em Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada no dia 26 de abril de 2013, em primeira convocação às 10h00, e em segunda convocação às 10h30, em sua Sede Social, sita à Rua João Negrão, 2226, 1º andar, nesta Capital, com a seguinte Ordem do Dia: a) Tomada de Contas da administração, exame, discussão e votação do Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis e do parecer dos Auditores Independentes, relativos ao exercício social findo em 31/12/2012; b) Deliberação sobre a destinação do Lucro Líquido do Exercício e Distribuição de Dividendos; c) Fixação dos honorários da Diretoria e do Conselho de Administração para o exercício de 2013. d) Outros Assuntos de interesse social. Curitiba, 09 de abril de 2013. CARLOS DE LOYOLA E SILVA Diretor Presidente

Companhia Aberta CNPJ nº: 81.243.735/0001-48 - NIRE 20060322411 Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária - Edital de Convocação Ficam convocados os Senhores Acionistas da Positivo Informática S.A. (“Positivo Informática” ou “Companhia”) a reunirem-se em Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária, na sua sede administrativa, localizada na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, na Rua Senador Accioly Filho, 1.021, Cidade Industrial de Curitiba, às 9h00 do dia 30 de abril de 2013, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: Em Assembleia Geral Ordinária: Deliberar sobre a: (i) aprovação das contas dos administradores, das demonstrações financeiras, do parecer dos auditores independentes e da proposta de distribuição de lucros, referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012; (ii) proposta de remuneração global dos administradores da Companhia para o exercício social de 2013; e (iii) proposta de eleição dos membros do Conselho de Administração. Em Assembleia Geral Extraordinária: Deliberar sobre a: (i) alteração do artigo 3º do Estatuto Social, de forma a adicionar o termo “distribuição” à sua alínea “a”, configurando-se tal alteração mera explicitação do objeto social, por ser tal atividade inerente à industrialização e à comercialização de equipamentos de informática e de eletroeletrônicos; (ii) alteração dos artigos 7º, §3º; 30º, §1º; 34º, caput e §§1º, 3º, 8º, 9º e 10º do Estatuto Social, harmonizando-se termos e definições para a adequação final deste às normas do Novo Mercado da BM&FBovespa; (iii) e consolidação do Estatuto Social da Companhia, de maneira a refletir as alterações sugeridas nos itens “i” e “ii” acima, caso aprovadas pelos acionistas. Informações Gerais: Os acionistas deverão, se possível, depositar na Companhia, até às 09h00 do dia 29 de abril de 2013 (i) na sede administrativa da Positivo Informática, localizada na Rua Senador Accioly Filho, 1.021, na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, (ii) pelo fac-símile (41) 3316-7810 ou (iii) pelo e-mail ir@positivo.com.br, além do documento de identidade e/ou atos societários pertinentes que comprovem a representação legal, conforme o caso: (i) comprovante expedido pela instituição escrituradora, no máximo, 5 (cinco) dias antes da data da realização das Assembleias Gerais; (ii) o instrumento de mandato com reconhecimento da firma do outorgante; e/ou (iii) relativamente aos acionistas participantes da custódia fungível de ações nominativas, o extrato contendo a respectiva participação acionária, emitido pelo órgão competente. Caso não seja efetuado o depósito prévio dos documentos, o acionista deverá comparecer munido de toda a documentação acima referida no dia das Assembleias Gerais. Conforme o disposto no artigo 141 da Lei nº 6.404/76 e na Instrução CVM nº 165/91, alterada pela Instrução CVM nº 282/98, acionistas representando pelo menos 5% (cinco por cento) do capital social da Companhia poderão requerer a adoção do processo de voto múltiplo, desde que o façam, por escrito à Companhia, com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas antes da realização das Assembleias Gerais. Todos os documentos pertinentes à ordem do dia, a serem analisados ou discutidos nas Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária, encontram-se disponíveis aos acionistas na BM&FBovespa S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, na Comissão de Valores Mobiliários - CVM, através do sistema IPE, no website de relações com investidores da Companhia (www.positivoinformatica.com.br/ri) e na sede social da Companhia. Curitiba, 10 de abril de 2013 Oriovisto Guimarães - Presidente do Conselho de Administração


12

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |


| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

13

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

RENAULT DO BRASIL S.A. e CONTROLADA CNPJ 00.913.443/0001-73

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Um dos maiores exemplos é a parceria que a Renault mantém com o GRSP (Global Road Safety Partnership), da Cruz Vermelha Internacional, que reúne os governos e agências governamentais, setor privado e organizações da sociedade civil para abordar questões de segurança rodoviária nos países de baixa e média renda.

Recursos humanos O plano de investimentos vem acompanhado também da geração de novos empregos. Desde 2011 foram abertos 1.000 novos postos de trabalho na Renault, que em dezembro de 2012 conta com aproximadamente 6.300 colaboradores diretos. A expectativa é de que este número continue crescendo, na medida em que o volume de produção comece a aumentar para atender às demandas do mercado. Vale lembrar que o parque de fornecedores da Renault no Paraná também gera outros 25.000 empregos indiretos.

Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras Consolidadas da Renault do Brasil S.A. e Empresa Controlada, relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. Adicionalmente, destacamos alguns fatos e informações importantes ocorridos no período. O Mercado e as Vendas O ano de 2012 foi marcado por um excelente desempenho para a Renault, que figura entre as marcas automotivas que mais se destacaram no Brasil nos últimos anos. Pelo terceiro ano consecutivo com crescimento acima do mercado, a Renault emplacou 241.573 unidades (194.294 em 2011), o que representa um aumento de 24,3% em relação a 2011, frente a um mercado que cresceu 6,1% na mesma comparação. No ano, a participação de mercado foi de 6,7% (vs 5,7% em 2011). Para alcançar esse resultado foi fundamental a estratégia de ampliação e renovação da gama de produtos – com a chegada de modelos como Novo Clio, Fluence GT, Duster Tech Road, Sandero GT Line e nova linha de motores - e expansão da rede comercial, com um aumento de 15%, totalizando 235 concessionárias em todo o País . O bom desempenho do ano se deveu, principalmente, aos bons resultados alcançados por modelos como Duster, que emplacou 46.904 unidades, consolidando-se como o SUV (Sport Utility Vehicle) mais vendido no Brasil em 2012. Já o Sandero emplacou 98.458 unidades (vs 81.787 unidades em 2011) e destacou-se com as evoluções na linha 2012, marcadas pela chegada do novo motor 1.6 8V Hi-Power, do Sandero Gt Line, da série limitada Stepway Rip Curl.

Sustentabilidade ambiental e mobilidade (Preservar) A Renault tem o compromisso com a melhoria da qualidade ambiental, gerenciamento de resíduos e impacto ambiental, mobilidade sustentável e responsabilidade com as gerações futuras. Por esta razão, a Renault já desenvolve produtos ambientalmente responsáveis desde a concepção até sua destinação final. É importante destacar que o Complexo Ayrton Senna, onde estão instaladas as fábricas da Renault do Brasil, possui uma área total de 2,5 milhões de metros quadrados, onde cerca de 60% é ocupado por mata preservada, o que confere à Renault um importante papel na proteção do patrimônio ambiental da região.

Responsabilidade Social No âmbito institucional, 2012 também foi marcado por ações históricas. Em junho, a Renault firmou os direitos de naming rights do Expo Renault Barigui, um centro de exposições instalado no principal parque de Curitiba (PR), o Parque Barigui. Já em outubro, a marca firmou os direitos de naming rights da principal sala de espetáculos musicais de projeção internacional de São Paulo, que passou a se chamar Teatro Renault (antigo Teatro Abril). No que se refere à responsabilidade social, o Instituto Renault completou dois anos em 2012. Atuando em quatro eixos de trabalho - educação, segurança no trânsito, desenvolvimento social e diversidade, e sustentabilidade ambiental e mobilidade - o Instituto Renault continuou impr imindo sua marca em projetos que já impactaram, direta ou indiretamente, mais de 290.000 pessoas por ano.

Destaques 2012 Destaque para os projetos voltados à diversidade. Pela primeira vez no Brasil, o Women’s Fórum for Economy and Society foi patrocinado pela Aliança RenaultNissan. A Aliança também marcou presença na Rio+20. Uma frota de veículos elétricos da Aliança Renault-Nissan fez o traslado dos representantes das Nações Unidas durante a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável no Rio de Janeiro, a maior cúpula ambiental do mundo. A Renault disponibilizou um Fluence Z.E (Zero Emissão), cuja comercialização foi iniciada na Europa no final do ano passado, e um Kangoo Z.E, um pequeno furgão elétrico premiado com o título de International Van of the Year 2012.

Desenvolvimento Social (Transformar) Como um dos principais eixos estratégicos para a Renault desde sua chegada ao País, essa frente tem por objetivo contribuir para a melhoria da qualidade de vida e dar condições de desenvolvimento pessoal, profissional, social e geração de renda para as comunidades locais. A Renault desenvolve diversos trabalhos sociais na região da Borda do Campo, no Município de São José dos Pinhais, onde está instalado o seu complexo industrial. Destaque para a Associação Borda Viva, onde a Renault, seu principal parceiro privado, apóia vários projetos sociais da instituição.

Crescimento O ano de 2012 marcou também o início de uma nova fase no processo de crescimento da Renault no País. Além da ampliação da rede comercial e lançamento de novos produtos, a Renault deu inicio ao programa de investimentos para aumento da capacidade de produção. Iniciados em 2012, estes investimentos, da ordem de R$ 500 milhões, que fazem parte de um plano total de R$ 1,5 bilhão para o período 2010-2015. Com a sua conclusão, a capacidade produtiva do Complexo Ayrton Senna - do qual fazem parte as fábricas de automóveis, de comerciais leves e de motores – passa de 280.000 para 380.000 veículos por ano. A capacidade instalada da fábrica de automóveis, responsável pela produção dos modelos Duster, Sandero e Logan, aumenta de 220.000 para 320.000 unidades anuais, ou seja, passa a ter capacidade para produzir 1 carro por minuto. A fábrica de comerciais leves mantém a sua capacidade em 60 mil veículos por ano.

Agradecimentos M a n i fe s t a m o s n o s s o s a g r a d e c i m e n t o s a o s fo r n e c e d o r e s , concessionárias, bancos, acionistas e demais parceiros pela confiança depositada em nossa empresa, aos clientes que manifestaram sua preferência pelos nossos produtos e, principalmente aos colaboradores pelo esforço, competência, lealdade e dedicação, que asseguram o progresso do empreendimento.

Segurança no Trânsito (Proteger) Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, acidentes rodoviários são a principal causa de morte de crianças e jovens com idades entre cinco e 29 anos. Assim, a Renault quer estimular as práticas de direção segura e ações educativas para incentivar a harmonia no trânsito focando a conscientização, prevenção de acidentes e violência no trânsito.

São José dos Pinhais/PR, 22 de março de 2013. A Diretoria

BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais - R$)

ATIVO Circulante Caixa e equivalentes de caixa Aplicações financeiras Clientes Estoques Impostos a recuperar Despesas antecipadas Outros ativos circulantes

Não Circulante Aplicações financeiras Depósitos judiciais Impostos diferidos Impostos a recuperar Investimentos

Consolidado

Controladora 31/12/2012 31/12/2011

Notas explicativas

5 6 7 8 9 10

6 21 20.2 9 11 12 13

31/12/2012

Notas explicativas

31/12/2011

2.906.335 56.984 329.291 556.783 89.289 39.022 99.898 4.077.602

2.374.633 392.612 531.680 129.254 28.926 87.571 3.544.676

2.932.984 56.984 345.199 612.813 90.524 39.022 56.254 4.133.780

2.379.097 411.638 573.444 144.757 28.926 62.761 3.600.623

281.697 20.069 156.165 44.294 51.076 1.200.364 12.491 1.766.156

307.617 20.069 167.316 25.123 56.001 967.169 13.295 1.556.590

281.697 20.245 189.484 44.479 6 1.205.982 12.491 1.754.384

307.617 20.245 206.411 25.301 6 973.435 13.316 1.546.331

PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Circulante Fornecedores 14 Empréstimos e financiamentos 15 Obrigações tributárias 17 Obrigações sociais e previdênciarias Partes relacionadas 16 Imposto de renda e contribuição social a pagar Provisões comerciais Provisões para garantia Adiantamentos de clientes Outros passivos circulantes

5.843.758

5.101.266

5.888.164

5.146.954

Consolidado 31/12/2012 31/12/2011

1.145.670 1.209.943 102.455 163.868 139.040 135.025 111.628 334.124 1.827 3.343.580

936.657 674.032 282.456 137.341 46.548 15.909 112.046 82.390 1.828 2.289.207

1.170.758 1.209.943 111.013 167.206 139.896 3.028 135.025 111.628 334.124 1.827 3.384.448

956.679 674.032 287.676 140.020 43.356 33.364 112.046 82.390 1.828 2.331.391

260.557 212.269 56.868 319.207 848.901 4.192.481

704.968 210.350 40.280 492.699 1.448.297 3.737.504

260.557 214.881 56.868 319.207 851.513 4.235.961

704.968 212.839 40.280 492.699 1.450.786 3.782.177

Participação de não controladores Total do patrimônio líquido

1.255.209 22.008 277.489 96.571 1.651.277 1.651.277

4.638.236 60.447 48.106 (3.383.027) 1.363.762 1.363.762

1.255.209 22.008 277.489 96.571 1.651.277 92 1.652.203

4.638.236 60.447 48.106 (3.383.027) 1.363.762 1.015 1.364.777

Total do passivo e do patrimônio líquido

5.843.758

5.101.266

5.888.164

5.146.954

Passivo não circulante Empréstimos e financiamentos Provisão para riscos Provisão para garantia Obrigações tributárias

15 21 17

Total do passivo Patrimônio líquido Capital social Reserva legal Reservas de subvenção Dividendos a distribuir Prejuízos acumulados

TOTAL DO ATIVO

Controladora 31/12/2012 31/12/2011

18 19 19 19

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais - R$) Notas explicativas Receita líquida de vendas Custo dos produtos vendidos e serviços prestados Lucro bruto Receitas (despesas) operacionais Vendas Gerais e administrativas Resultado de equivalência patrimonial Outras receitas (despesas) operacionais, líquidas Lucro operacional antes das receitas e despesas financeiras Resultado financeiro Receitas financeiras Despesas financeiras Variação cambial, liquida

25 26

26 26 11, 26 26

Controladora 2012

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais - R$) Atribuível ao acionista controlador

Consolidado 2011

2012

9.553.908 7.849.252 9.813.462 7.947.768 (7.779.190) (6.404.773) (7.913.765) (6.388.069) 1.774.718 1.444.479 1.899.697 1.559.699

(1.229.448) (445.858) 41.399 467.267

(974.843) (1.258.756) (399.406) (476.975) 46.324 62.300 466.275

(997.744) (422.452) 62.037

608.078

178.854

630.241

201.540

27 27 27

170.875 (264.523) 65.564

156.640 (213.215) 89.582

170.982 (265.296) 66.907

158.757 (213.578) 90.173

20.1 20.1

579.994 (128.685) (11.151)

211.861 (81.785) 84.757

602.834 (144.999) (16.927)

236.892 (99.240) 78.021

Lucro líquido do exercício

440.158

214.833

440.908

215.673

Lucro atribuível a: Acionistas controladores: Acionistas não controladores: Lucro líquido do exercício por lote de mil ações - em mil R$

440.158 1,0414

214.833 0,5083

440.158 750

214.833 840

Lucro antes do imposto de renda e d a contribuição social Imposto de renda e contribuição social correntes Imposto de renda e contribuição social diferidos

Capital social

Proposta de distribuição de dividendos

Reserva para subvenção de investimentos

Reserva legal

Prejuízos acumulados

Total

Participação de não controladores

Total

SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Pagamento de juros sobre capital próprio Dividendos e juros sobre capital próprio pagos pela controlada 11 Lucro líquido do exercício Constituição de reserva para subvenção de investimentos 19.2 Juros sobre capital próprio a distribuir 19.1

4.638.236 -

100.009 (100.009)

-

-

(3.489.307) -

1.248.938 (100.009)

1.632 -

1.250.570 (100.009)

-

48.106

60.447 -

-

214.833 (60.447) (48.106)

214.833 -

(1.457) 840 -

(1.457) 215.673 -

SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

4.638.236

48.106

60.447

-

(3.383.027)

1.363.762

1.015

1.364.777

19.1

-

(48.106)

-

-

-

(48.106)

-

(48.106)

11

(3.383.027) -

96.571

217.042 -

22.008 -

440.158 3.383.027 (217.042) (22.008) (104.537) (96.571)

440.158 (104.537) -

(839) 750 -

(839) 440.908 (104.537) -

1.255.209

96.571

277.489

22.008

-

1.651.277

926

1.652.203

2011 Notas explicativas

Pagamento de juros sobre capital próprio Dividendos e juros sobre capital próprio pagos pela controlada Lucro líquido do exercício Redução do capital por absorção de prejuízo acumulado Constituição de reserva para subvenção de investimentos Constituição de reserva legal Dividendos mínimos obrigatórios Dividendos propostos a distribuir

18 19.2 19.1 19.1

SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais - R$) Notas explicativas

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

Atividades operacionais Lucro líquido do exercício Ajustes para reconciliar o lucro líquido do exercício com o caixa gerado pelas atividades operacionais:

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais - R$) Notas explicativas Receita líquida de vendas Custo dos produtos vendidos e serviços prestados Lucro bruto Receitas (despesas) operacionais Vendas Gerais e administrativas Resultado de equivalência patrimonial Outras receitas (despesas) operacionais, líquidas Lucro operacional antes das receitas e despesas financeiras Resultado financeiro Receitas financeiras Despesas financeiras Variação cambial, liquida Lucro antes do imposto de renda e d a contribuição social Imposto de renda e contribuição social correntes Imposto de renda e contribuição social diferidos

25 26

26 26 11, 26 26

Controladora 2012

Consolidado 2011

2012

2011

9.553.908 7.849.252 9.813.462 7.947.768 (7.779.190) (6.404.773) (7.913.765) (6.388.069) 1.774.718 1.444.479 1.899.697 1.559.699

(1.229.448) (445.858) 41.399 467.267

(974.843) (1.258.756) (399.406) (476.975) 46.324 62.300 466.275

(997.744) (422.452) 62.037

608.078

178.854

630.241

201.540

27 27 27

170.875 (264.523) 65.564

156.640 (213.215) 89.582

170.982 (265.296) 66.907

158.757 (213.578) 90.173

20.1 20.1

579.994 (128.685) (11.151)

211.861 (81.785) 84.757

602.834 (144.999) (16.927)

236.892 (99.240) 78.021

440.158

214.833

440.908

215.673

Lucro líquido do exercício Lucro atribuível a: Acionistas controladores: Acionistas não controladores: Lucro líquido do exercício por lote de mil ações - em mil R$

440.158 1,0414

214.833 0,5083

440.158 750

214.833 840

Depreciação e amortização Realização de ajuste a valor presente Provisão para créditos de liquidação duvidosa Provisão para perdas nos estoques Equivalência patrimonial Provisão para riscos Provisão para garantia Provisões diversas Resultado na alienação de ativo imobilizado Impostos diferidos Juros e variação cambial não realizada (Aumento) redução nos ativos operacionais: Clientes Estoques Impostos a recuperar Aplicações Financeiras Depósitos judiciais Despesas antecipadas Outros ativos Aumento (redução) nos passivos operacionais: Fornecedores Outros passivos Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aquisição de imobilizado e intangível Recebimento pela alienação de bens do ativo imobilizado Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento

12 e 13

11 21

20.2

12, 13 e 28

FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Obtenção de empréstimos Pagamentos de empréstimos Juros sobre capital próprio Caixa líquido gerado pelas atividades de financiamento AUMENTO LÍQUIDO DO SALDO DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no fim do exercício

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

5 5

Controladora

Consolidado 2012

2012

2011

2011

440.158

214.833

440.908

215.673

222.012 109.461 73 (1.893) (41.399) 91.789 45.826 22.979 (25.642) 11.151 32.313

252.305 66.240 58 6.598 (46.324) 75.798 26.321 68.926 (16.743) (84.757) 112.961

222.905 109.461 73 (1.300) 91.992 45.826 22.979 (25.642) 16.927 32.610

253.334 66.240 58 6.730 76.049 26.321 68.926 (16.743) (78.021) 113.352

37.810 (23.209) (103.906) (31.064) (87.427) (10.096) 7.559

(24.317) (170.551) (8.354) (307.617) (45.902) 26.317 (23.819)

61.394 (38.069) (102.931) (31.064) (87.416) (10.096) 10.462

(34.883) (181.626) (16.621) (307.617) (46.058) 26.317 (24.008)

(7.368) 96.544 785.671

143.178 218.472 483.623

(3.087) 99.311 855.243

170.732 232.959 551.114

(314.870) 105.184 (209.686)

(232.544) 124.731 (107.813)

(315.094) 105.184 (209.910)

(233.430) 124.731 (108.699)

1.186.739 (1.124.703) (106.319) (44.283)

893.656 (532.634) (19.638) 341.384

1.186.740 (1.124.703) (153.483) (91.446)

893.656 (532.634) (101.466) 259.556

531.702 2.374.633 2.906.335 531.702

717.194 1.657.439 2.374.633 717.194

553.887 2.379.097 2.932.984 553.887

701.971 1.677.126 2.379.097 701.971

(Continua na página seguinte - 2)


14

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

RENAULT DO BRASIL S.A. e CONTROLADA (Continuação - 2 - da página anterior referente RENAULT DO BRASIL S/A e CONTROLADA) - CNPJ 00.913.443/0001-73 DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ABRANGENTES PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Em milhares de reais - R$) Controladora

Lucro líquido do exercício Outros resultados abrangentes Resultado abrangente total do exercício

2012 440.158 440.158

Consolidado 2011 214.833 214.833

2012 440.908 440.908

2011 215.673 215.673

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. NOTAS EXPLICATIVAS ÁS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (Valores expressos em milhares de reais, exceto quando especificamente indicado) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Renault do Brasil, com sede em São José dos Pinhais, Paraná, é uma sociedade anônima de capital fechado e parte integrante do Grupo Renault, com sede em Paris – França. A Sociedade tem por objeto social o desenvolvimento, produção, importação, exportação e comercialização de veículos automotores de passeio e comerciais leves, bem como de motores, componentes e peças de reposição. A empresa controlada Renault do Brasil Comércio e Participações Ltda. tem por objeto social a comercialização de peças, acessórios e componentes para veículos da marca Renault. Conforme descrito na nota explicativa nº 16 a Sociedade mantém transações em montantes significativos com partes relacionadas. Referidas transações são realizadas com base em condições negociadas entre a Sociedade e as empresas relacionadas. 2. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTÁBEIS 2.1. Base de elaboração As demonstrações financeiras individuais e consolidadas foram elaboradas e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com observância às disposições legais contidas na Lei das Sociedades por Ações, incorporando as alterações nas práticas contábeis promovidas pelas Leis 11.638/07 e 11.941/09, abrangendo os Pronunciamentos e Orientações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC e aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade – CFC, vigentes para 31 de dezembro de 2012. As demonstrações financeiras foram elaboradas com base no custo histórico, exceto por determinados instrumentos financeiros mensurados pelos seus valores justos, conforme descrito nas práticas contábeis a seguir. O custo histórico geralmente é baseado no valor justo das contraprestações pagas em troca de ativos, na data da transação. As bases para a apresentação das demonstrações financeiras consolidadas estão descritas na nota explicativa nº. 4. Conforme permitido pela Resolução n°1.162/09 emitido pelo Conselho Federal de Contabilidade, a Sociedade decidiu por não apresentar as Demonstrações de Valor Adicionado (DVA). 2.2. Reconhecimento de receita A receita é mensurada pelo valor justo da contrapartida recebida ou a receber, deduzida de quaisquer estimativas de devoluções, descontos comerciais e/ou bonificações concedidos ao comprador e outras deduções similares. A receita de vendas de produtos é reconhecida quando todas as seguintes condições forem satisfeitas: i. A Sociedade transferiu ao comprador os riscos e benefícios significativos relacionados à propriedade dos produtos; ii. A Sociedade não mantém envolvimento continuado na gestão dos produtos vendidos em grau normalmente associado à propriedade nem controle efetivo sobre tais produtos; iii. O valor da receita pode ser mensurado com confiabilidade; iv. É provável que os benefícios econômicos associados à transação fluam para a Sociedade; e v. Os custos incorridos ou a serem incorridos relacionados à transação podem ser mensurados com confiabilidade. 2.3 Caixa e equivalentes de caixa Compreendem os saldos de caixa, depósitos bancários à vista e aplicações financeiras. Essas aplicações financeiras estão demonstradas ao custo, acrescido dos rendimentos auferidos até as datas de encerramento do exercício, e possuem vencimentos inferiores a 90 dias ou sem prazos fixados para resgate, com liquidez imediata, e estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. 2.4 Moeda estrangeira As transações em moeda estrangeira, ou seja, qualquer moeda diferente da moeda funcional da Sociedade são registradas de acordo com as taxas de câmbio vigentes na data de cada transação. No final de cada período de relatório, os itens monetários em moeda estrangeira são reconvertidos pelas taxas vigentes no fim do exercício. 2.5 Custos de aposentadoria Os pagamentos a planos de aposentadoria de contribuição definida são reconhecidos como despesa quando os serviços que concedem direito a esses pagamentos são prestados. 2.6 Tributação A despesa com imposto de renda e contribuição social representa a soma dos impostos correntes e diferidos. 2.6.1 Impostos correntes A provisão para imposto de renda e contribuição social está baseada no lucro tributável do exercício. O lucro tributável difere do lucro apresentado na demonstração do resultado, porque exclui receitas e/ou despesas tributáveis ou dedutíveis em outros exercícios, além de excluir itens não tributáveis ou não dedutíveis de forma permanente. A provisão para imposto de renda e contribuição social é calculada individualmente com base nas alíquotas vigentes no fim do exercício. 2.6.2. Impostos diferidos O imposto de renda e contribuição social diferidos (“imposto diferido”) é reconhecido sobre as diferenças temporárias no final de cada período de relatório entre os saldos de ativos e passivos reconhecidos nas demonstrações financeiras e as bases fiscais correspondentes usadas na apuração do lucro tributável, incluindo saldo de prejuízos fiscais, quando aplicável. Os impostos diferidos passivos são geralmente reconhecidos sobre todas as diferenças temporárias tributáveis e os impostos diferidos ativos são reconhecidos sobre todas as diferenças temporárias dedutíveis, apenas quando for provável que a empresa apresentará lucro tributável futuro em montante suficiente para que tais diferenças temporárias dedutíveis possam ser utilizadas. Os impostos diferidos ativos ou passivos não são reconhecidos sobre diferenças temporárias resultantes de reconhecimento inicial de outros ativos e passivos em uma transação que não afete o lucro tributável nem o lucro contábil. A recuperação do saldo dos impostos diferidos ativos é revisada no final de cada período de relatório e, quando não for mais provável que lucros tributáveis futuros estarão disponíveis para permitir a recuperação de todo o ativo, ou parte dele, o saldo do ativo é ajustado pelo montante que se espera que seja recuperado. Impostos diferidos ativos e passivos são mensurados pelas alíquotas aplicáveis no período no qual se espera que o passivo seja liquidado ou o ativo seja realizado, com base nas alíquotas previstas na legislação tributária vigente no final de cada período de relatório, ou quando uma nova legislação tiver sido substancialmente aprovada. A mensuração dos impostos diferidos ativos e passivos reflete as consequências fiscais que resultariam da forma na qual a Sociedade, no final de cada período de relatório, recuperar ou liquidar o valor contábil desses ativos e passivos. 2.7 Imobilizado Estão demonstrados ao valor de custo, deduzidos de depreciação e perda por redução ao valor recuperável acumuladas, quando aplicável. São registrados como parte dos custos das imobilizações em andamento os honorários profissionais e, no caso de ativos qualificáveis, os custos de empréstimos capitalizados de acordo com a política contábil da Sociedade. Tais imobilizações são classificadas nas categorias adequadas do imobilizado quando concluídas e prontas para o uso pretendido. A depreciação desses ativos inicia-se, como os outros ativos imobilizados, quando eles estão prontos para o uso pretendido. A depreciação é reconhecida com base na vida útil estimada de cada ativo pelo método linear, de modo que o valor do custo menos o seu valor residual após sua vida útil seja integralmente depreciado (exceto para terrenos e construções em andamento). A vida útil estimada, os valores residuais e os métodos de depreciação são revisados anualmente e o efeito de quaisquer mudanças nas estimativas é contabilizado prospectivamente. Um item do imobilizado é baixado após alienação ou quando não há benefícios econômicos futuros resultantes do uso contínuo do ativo. Quaisquer ganhos ou perdas na venda ou baixa de um item do imobilizado são determinados pela diferença entre os valores recebidos na venda e o valor contábil do ativo e são reconhecidos no resultado. 2.8 Ativos intangíveis Ativos intangíveis com vida útil definida, adquiridos separadamente são registrados ao custo, deduzidos da amortização e das perdas por redução aos valores recuperáveis acumulados, quando aplicável. A amortização é reconhecida linearmente com base na vida útil estimada dos ativos. A vida útil estimada e o método de amortização são revisados anualmente e o efeito de quaisquer mudanças nas estimativas é contabilizado prospectivamente. Um ativo intangível é baixado na sua alienação ou quando não há benefícios econômicos futuros resultantes do uso ou da alienação. Os ganhos ou as perdas resultantes da baixa de um ativo intangível, mensurados como a diferença entre as receitas líquidas da alienação e o valor contábil do ativo, são reconhecidos no resultado quando o ativo é baixado. 2.9 Redução ao valor recuperável de ativos tangíveis e intangíveis A Sociedade revisa anualmente o valor contábil de seus ativos tangíveis e intangíveis para determinar se há alguma indicação de que tais ativos sofreram alguma perda por redução ao valor recuperável. Se houver tal indicação, o montante recuperável do ativo é estimado com a finalidade de mensurar o montante dessa possível perda. Quando não for possível estimar o montante recuperável de um ativo individualmente, a Sociedade estima o montante recuperável da unidade geradora de caixa à qual pertence o ativo. Quando uma base de alocação razoável e consistente pode ser identificada, os ativos também são alocados às unidades geradoras de caixa individuais ou ao menor grupo de unidades geradoras de caixa para o qual uma base de alocação razoável e consistente possa ser identificada. O montante recuperável é o maior valor entre o valor justo menos os custos na venda ou o valor em uso. Na avaliação do valor em uso, os fluxos de caixa futuros estimados são descontados ao valor presente pela taxa de desconto, antes dos impostos, que reflita uma avaliação atual de mercado do valor da moeda no tempo e os riscos específicos do ativo para o qual a estimativa de fluxos de caixa futuros não foi ajustada. Se o montante recuperável de um ativo calculado for menor que seu valor contábil, o valor contábil do ativo é reduzido ao seu valor recuperável. A perda por redução ao valor recuperável é reconhecida imediatamente no resultado. Quando a perda por redução ao valor recuperável é revertida subsequentemente, ocorre o aumento do valor contábil do ativo para a estimativa revisada de seu valor recuperável, desde que não exceda o valor contábil que teria sido determinado, caso nenhuma perda por redução ao valor recuperável tivesse sido reconhecida para o ativo em exercícios anteriores. A reversão da perda por redução ao valor recuperável é reconhecida imediatamente no resultado. 2.10 Estoques Os estoques são apresentados pelo menor valor entre o valor de custo e o valor líquido realizável. Os custos dos estoques são determinados pelo método do custo médio. O valor líquido realizável corresponde ao preço de venda estimado dos estoques, deduzido de todos os custos necessários para realizar a venda. 2.11 Subvenções governamentais Subvenção para investimentos e para custeio: conforme mencionado na nota explicativa nº 19.2, a Sociedade goza de benefícios fiscais relacionados à crédito presumido, suspensão de pagamento e diferimento do ICMS. A parcela correspondente à utilização do benefício fiscal relativa ao crédito presumido de ICMS decorre da venda de produtos industrializados e é reconhecida da seguinte forma: • Como receita do exercício corrente, sob a rubrica de outras despesas (receitas) operacionais, limitada a parcela cujas obrigações de investimentos relacionadas ao benefício foram plenamente atendidas; • Mantida no passivo, sob a rubrica Receita Diferida, para a parcela do ICMS cuja obrigação de investimento ainda não tenha sido atendida; • Também mantida no passivo, sob a rubrica Receita Diferida, a parcela de investimento referente a um ativo amortizável. Esta parcela será reconhecida como receita ao longo do período da vida útil deste bem, na proporção de sua amortização. • Como receita do exercício corrente, a parcela do benefício em que não há obrigação direta de investimento; Tanto a subvenção para custeio quanto a subvenção para investimento são computadas no resultado como receita na conta “Outras despesas (receitas) operacionais, liquidas”. 2.12 Provisões As provisões são reconhecidas para obrigações presentes (legal ou presumida) resultante de eventos passados, em que seja possível estimar os valores de forma confiável e cuja liquidação seja provável. O valor reconhecido como provisão é a melhor estimativa de pagamento requerido para liquidar a obrigação no final de cada período de relatório, considerando-se os riscos e as incertezas relativos à obrigação. Quando a provisão é mensurada com base nos fluxos de caixa estimados para liquidar a obrigação, seu valor contábil corresponde ao valor presente desses fluxos de caixa (em que o efeito do valor temporal do dinheiro é relevante). Quando alguns ou todos os benefícios econômicos requeridos para a liquidação de uma provisão são esperados que sejam recuperados de um terceiro, um ativo é reconhecido se, e somente se, o reembolso for virtualmente certo e o valor puder ser mensurado de forma confiável. 2.12.1 Garantias A Sociedade oferece garantia de 1 a 3 anos para cobertura de problemas de fabricação. Os valores são provisionados com base em estimativas, tomando como parâmetro, médias históricas dos gastos incorridos, de acordo com as análises realizadas pelo departamento de garantia, as quais são revisadas anualmente. 2.12.2 Provisão para riscos É constituída com base na avaliação efetuada pelos consultores jurídicos e pela Administração da Sociedade das prováveis perdas com os processos judiciais, deduzida do saldo de depósitos judiciais, quando existentes. 2.12.3 Provisões comerciais Referem-se principalmente a provisões com comissões e bônus concedidos para a comercialização de veículos, de acordo com análises efetuadas pelo departamento comercial, as quais são revisadas anualmente. 2.13 Instrumentos financeiros 2.13.1 Ativos financeiros não derivativos A Sociedade e sua controlada reconhecem os empréstimos e recebíveis inicialmente na data em que foram originados. Todos os outros ativos financeiros (incluindo os ativos designados pelo valor justo por meio do resultado) são reconhecidos inicialmente na data da negociação na qual se torna uma das partes das disposições contratuais do instrumento. A Sociedade e sua controlada deixam de reconhecer um ativo financeiro quando os direitos contratuais sobre seus fluxos de caixa se expiram, ou quando transferem os direitos relativos ao recebimento dos fluxos de caixa contratuais em uma transação no qual essencialmente todos os riscos e benefícios de sua titularidade são transferidos. Eventual participação que seja criada ou retida nos ativos é reconhecida como um ativo ou passivo individual.

2.13.1.1 Ativos financeiros registrados pelo valor justo por meio do resultado. Um ativo financeiro é classificado pelo valor justo por meio do resultado caso seja classificado como mantido para negociação, ou seja, designado como tal no momento do reconhecimento inicial. Os ativos financeiros são designados pelo valor justo por meio do resultado se a Sociedade e sua controlada gerenciam tais investimentos e tomam decisões de compra e venda baseada em seus valores justos de acordo com a estratégia de investimentos. Os custos da transação, após o reconhecimento inicial, são reconhecidos ao resultado quando incorridos. Ativos financeiros registrados pelo valor justo por meio do resultado são medidos pelo valor justo, e mudanças no valor justo desses ativos são reconhecidos no resultado do exercício. Caixa e equivalentes de caixa abrangem saldos de caixa e investimentos financeiros com vencimento original de 90 dias ou menos a partir da data de contratação. 2.13.1.2 Ativos financeiros mantidos até a data de vencimento Os investimentos mantidos até o vencimento correspondem a ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis e data de vencimento fixa que a Sociedade tem a intenção positiva e a capacidade de manter até o vencimento. Após o reconhecimento inicial, os investimentos mantidos até o vencimento são mensurados ao custo amortizado utilizando o método de juros efetivos, menos eventual perda por redução ao valor recuperável. 2.13.1.3 Empréstimos e Recebíveis Empréstimos e recebíveis são ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis e que não são cotados em um mercado ativo. Os recebíveis do Grupo referem-se basicamente a créditos de curto prazo, cujo reconhecimento da receita de juros através da aplicação da taxa de juros efetiva seria imaterial. 2.13.2 Passivos financeiros não derivativos A Sociedade e sua controlada reconhecem inicialmente títulos de dívida emitidos na data em que são originados. Todos os outros passivos financeiros (incluindo passivos designados pelo valor justo registrado no resultado) são reconhecidos inicialmente na data de negociação na qual se torna uma parte das disposições contratuais do instrumento. A Sociedade e sua controlada baixam um passivo financeiro quando tem suas obrigações contratuais retiradas, canceladas ou vencidas. Os ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é apresentado no balanço patrimonial quando, e somente quando, tenha o direito legal de compensar os valores e tenha a intenção de liquidar em uma base líquida ou de realizar o ativo e quitar o passivo simultaneamente. Tais passivos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método dos juros efetivos. 2.13.3 Instrumentos financeiros derivativos Derivativos são reconhecidos inicialmente pelo seu valor justo, custos de transação atribuíveis são reconhecidos no resultado quando incorridos. Após o reconhecimento inicial, os derivativos são mensurados pelo valor justo e suas variações são registradas no resultado. Embora a Sociedade e sua controlada façam uso de instrumentos financeiros derivativos com o objetivo de proteção, não é adotada a prática contábil de contabilização de instrumentos de proteção (“hedge accounting”). 2.14 Uso de estimativas A preparação de demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Administração da Sociedade se baseie em estimativas para o registro de certas transações que afetam ativos e passivos, receitas e despesas, bem como a divulgação de informações sobre dados de suas demonstrações financeiras. Os resultados finais dessas transações e informações, quando de sua efetiva realização em períodos subsequentes, podem diferir dessas estimativas. As principais estimativas relacionadas às demonstrações financeiras referem-se à provisão para créditos de liquidação duvidosa, provisão para perdas nos estoques, provisão para ajuste ao valor de realização de ativos, provisão para garantia de produtos e provisão para riscos. 2.15 Novos pronunciamentos contábeis O CPC emitiu novos pronunciamentos listados abaixo, porém com vigências a partir de 2013: • CPC 36 (R3) / IFRS 10 – Demonstrações Consolidadas • CPC 19 (R2) / IFRS 11 – Negócios em conjunto • CPC 45/ IFRS 12 – Divulgação de Participação em Outras Sociedades • CPC 46 / IFRS 13 – Mensurações ao valor justo • CPC 33 (R1) / Alterações a IAS 19 – Benefícios a empregados • CPC 18 (R2) / Alterações a IAS 28 – Investimento em coligadas com controle compartilhado • CPC 35 (R2) / IAS 27 – Demonstrações financeiras separadas Diversas normas, emendas às normas e interpretações IFRS emitidas pelo IASB ainda não entraram em vigor para o exercício findo em 31 de dezembro de 2012, sendo essas: • IFRS 9 – Instrumentos Financeiros • Alterações a IFRS 7 – Instrumentos financeiros: Divulgações • Alterações do IAS 32 – Ativos financeiros • IFRIC 20 – Custo de remoção na fase de produção de uma mina O CPC ainda não emitiu pronunciamentos equivalentes aos IFRSs acima citados, mas existe expectativa de que o faça antes da data requerida de sua entrada em vigor. A adoção antecipada dos pronunciamentos do IFRS está condicionada à aprovação prévia em ato normativo do Conselho Federal de Contabilidade. A Sociedade está analisando os impactos decorrentes da aplicação desses novos pronunciamentos e até o momento não concluiu a extensão do impacto destas novas normas em suas demonstrações financeiras. 3. PRINCIPAIS FONTES DE INCERTEZA NAS ESTIMATIVAS Na aplicação das políticas contábeis da Sociedade descritas na nota explicativa nº 2, a Administração deve fazer julgamentos e elaborar estimativas a respeito dos valores contábeis dos ativos e passivos para os quais não são facilmente obtidos de outras fontes. As estimativas e as respectivas premissas estão baseadas na experiência histórica e em outros fatores considerados relevantes. Os resultados efetivos podem diferir dessas estimativas. As estimativas e premissas subjacentes são revisadas continuamente. Os efeitos decorrentes das revisões feitas às estimativas contábeis são reconhecidos no período em que as estimativas são revistas, se a revisão afetar apenas este período, ou também em períodos posteriores se a revisão afetar tanto o período presente como períodos futuros. 3.1 Principais fontes de incertezas nas estimativas A seguir, são apresentadas as principais premissas a respeito do futuro e outras principais origens da incerteza nas estimativas no final de cada período de relatório, que podem levar a ajustes significativos nos valores contábeis dos ativos e passivos no próximo exercício. 3.1.1. Vida útil dos bens do imobilizado Conforme descrito na nota explicativa nº 2.7, a Sociedade revisa a vida útil estimada dos bens do imobilizado anualmente no final de cada período de relatório. 3.1.2. Avaliação de instrumentos financeiros Conforme descrito na nota explicativa nº 2.13, a Sociedade usa técnicas de avaliação que incluem informações que não se baseiam em dados observáveis de mercado para estimar o valor justo de determinados tipos de instrumentos financeiros. A nota explicativa nº 22 oferece informações detalhadas sobre as principais premissas utilizadas na determinação do valor justo de instrumentos financeiros, bem como a análise de sensibilidade dessas premissas. A Administração acredita que as técnicas de avaliação selecionadas e as premissas utilizadas são adequadas para a determinação do valor justo dos instrumentos financeiros. 4. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS – CONSOLIDADAS As demonstrações financeiras consolidadas incluem as informações da Sociedade e sua empresa controlada Renault do Brasil Comércio e Participações Ltda., da qual a Sociedade possui 98,22% de participação, cujas demonstrações financeiras foram preparadas utilizando-se das mesmas práticas contábeis adotadas pela controladora. Na consolidação das demonstrações financeiras, foi eliminada a participação da controladora no patrimônio líquido da controlada, bem como saldos de ativos e passivos, receitas, custos e despesas entre as empresas. A participação dos acionistas não controladores é apresentada destacadamente nas demonstrações financeiras consolidadas. Os lucros não realizados, referentes às vendas de peças de reposição e acessórios da controladora para a sua controlada, não foram considerados na preparação das demonstrações financeiras consolidadas devido à irrelevância do valor envolvido. 5. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Controladora

Consolidado

31.12.2012

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2011

2.829 2.774.920 128.586 2.906.335

25.007 1.683.492 666.134 2.374.633

14.680 2.789.718 128.586 2.932.984

29.471 1.683.492 666.134 2.379.097

Caixa e bancos Aplicação financeira no Brasil Aplicação financeira no exterior

As aplicações financeiras no exterior são representadas por aplicações de curto prazo em conta corrente remunerada no Banco Renault Finance (Suíça), com taxas de juros que variam de 2,44% a 3,04% ao ano, em 2011 e 2012, mais variação cambial do dólar norte-americano, que não possuem restrição de resgate, podendo ser realizadas imediatamente. As demais aplicações são representadas, substancialmente, por aplicações em fundo de investimento referenciados em CDI com liquidez diária, por Letras de Câmbio e Letras Financeiras com taxas atreladas à variação do Certificado de Depósito Interfinanceiro – CDI (de 110% a 111,3%) ou pré-fixadas de 11,5% a 11,7% ao ano. 6. APLICAÇÕES FINANCEIRAS As aplicações financeiras são representadas por Letras Financeiras mantidas junto à parte relacionada RCI Banque Brasil com taxas de juros (descritas abaixo), mantidas até o vencimento, conforme detalhado a seguir: Controladora e Consolidado Vencimento Circulante 28/10/2013 Total circulante Não circulante 28/10/2013 20/01/2014 07/04/2014 07/07/2014 20/10/2014 19/01/2015 Total não circulante

Taxa de juros sem 2012

Taxa de juros sem 2011

11,54%

11,81% 11,86% 111,34 % do CDI 110,84% do CDI 110,54% do CDI

31.12.2012

31.12.2011

-

56.984 56.984

-

11,54% 11,60% 11,65% 111,34 % do CDI 110,84% do CDI 110,54% do CDI

57.028 57.063 55.893 55.865 55.848 281.697

51.451 51.458 51.465 51.085 51.080 51.078 307.617

7. CONTAS A RECEBER DE CLIENTES E PROVISÃO PARA CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA Controladora e Consolidado

Clientes nacionais Clientes estrangeiros Provisão para crédito de liquidação duvidosa Contas a receber, líquido

31.12.2012 31.504 298.386 329.890 (599) 329.291

31.12.2011 81.396 311.742 393.138 (526) 392.612

31.12.2012 43.805 301.993 345.798 (599) 345.199

31.12.2011 94.522 317.642 412.164 (526) 411.638

O período médio de crédito na venda de produtos foi de 9 dias em 2012 (13 dis em 2011). As contas a receber de partes relacionadas inclusas nos valores acima totalizam R$ 307.085 em 2012 (R$ 305.129 em 2011) e estão apresentadas na nota explicativa nº. 16. O quadro a seguir demonstra os saldos a receber por vencimento: Controladora e Consolidado

Créditos a vencer Créditos em atraso até 30 dias Créditos em atraso de 31 a 90 dias Créditos em atraso de 91 a 120 dias Créditos acima de 120 dias

31.12.2012 172.422 84.089 35.813 5.049 32.517 329.890

31.12.2011 351.341 28.512 4.732 8.553 393.138

31.12.2012 185.656 85.488 36.735 4.833 33.086 345.798

31.12.2011 366.023 29.555 5.987 497 10.102 412.164

A provisão para créditos de liquidação duvidosa é constituída tendo como base os créditos vencidos há mais de 120 dias, em conjunto com a análise histórica de perda por cliente, e excluídos desses créditos os valores a receber de partes relacionadas. 8. ESTOQUES Controladora e Consolidado

Veículos Motores Componentes para fabricação Peças de reposição Material de consumo e reposição (-) Provisão para perdas de estoques

31.12.2012 338.064 9.040 182.747 9.054 55.095 (37.217) 556.783

31.12.2011 225.627 4.549 273.792 8.202 58.620 (39.110) 531.680

A provisão para perdas de estoque é realizada sobre itens sem giro há mais de 360 dias. (Continua na página seguinte - 3)

31.12.2012 338.064 9.040 182.747 70.365 55.095 (42.498) 612.813

31.12.2011 225.626 4.549 273.792 54.654 58.620 (43.797) 573.444


| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

15

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

RENAULT DO BRASIL S.A. e CONTROLADA (Continuação - 3 - da página anterior referente RENAULT DO BRASIL S/A e CONTROLADA) - CNPJ 00.913.443/0001-73 9. IMPOSTOS A RECUPERAR

12. IMOBILIZADO 31.12.2012

Circulante Imposto de renda e contribuição social antecipação e IRRF ICMS a recuperar IPI a Recuperar PIS/COFINS a compensar Outros impostos

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2012 31.12.2011 Taxas anuais de depreciação

Não circulante ICMS a recuperar PIS/COFINS a compensar Outros impostos

51.042 13.073 4.015 19.216 1.943 89.289

26.930 85.755 14.182 2.387 129.254

51.042 13.451 4.015 20.065 1.951 90.524

37.133 90.838 14.241 2.545 144.757

41.730 2.002 562 44.294 262.298

22.092 2.469 562 25.123 154.377

41.915 2.002 562 44.479 277.004

22.270 2.469 562 25.301 170.058

Edificações Instalações Máquinas e equipamentos Moldes e ferramentas Equipamentos de informática Veículos Móveis e utensílios Benfeitorias em imóveis de terceiros Sistemas de comunicação Equipamentos e materiais publicitários Adiantamento a fornecedores Outros

Os valores de impostos a recuperar estão sendo recuperados no curso normal dos negócios.

31.12.2012

31.12.2011

930 51.150 57 45.717 2.044 99.898

11. INVESTIMENTOS

31.12.2012

Controladora

31.12.2012 31.12.2011

7.970

1.024

Saldo no início do exercício Adições Amortização Saldo no final do exercício

8.457

37.751 51.782 38.255 14.574 57 14.574 25.846 1.430 3.391 1.475 87.571 56.254 62.761 Controladora e Consolidado

31.12.2011

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2011

424.490 818.631 1.029.617 1.148.801 66.922 33.862 21.024 9.635 7.271 30.527 60.900 46 3.651.726

(155.200) (493.414) (782.266) (914.057) (52.948) (6.436) (14.862) (9.129) (5.692) (17.358) (2.451.362)

269.290 325.217 247.351 234.744 13.974 27.426 6.162 506 1.579 13.169 60.900 46 1.200.364

231.358 187.870 199.857 245.411 11.718 30.293 4.053 534 1.811 12.383 41.832 49 967.169

269.290 329.859 247.490 234.744 13.981 27.426 6.359 552 1.782 13.170 61.283 46 1.205.982

231.358 193.026 200.201 245.411 11.719 30.293 4.113 586 2.056 12.384 42.239 49 973.435

51.076 51.076

56.001 56.001

6 6

47.164

41.399 750

46.324 840

967.169 530.034 (79.542) (217.297) 1.200.364

1.029.321 294.631 (107.988) (248.795) 967.169

6.467 10.451 (3.602) 13.316

Controladora

Consolidado 31.12.2011 31.12.2012 31.12.2011

Amort. Acum.

Valor Líquido

Valor Líquido

Valor Líquido

Valor Líquido

(61.642)

6.009

6.527

6.009

6.548

(2.439) (64.081)

6.482 12.491

6.768 13.295

6.482 12.491

6.768 13.316

Custo

Locais Terceiros Partes relacionadas (nota 16) Exterior Terceiros Partes relacionadas (nota 16)

ACC BNDES Exim BNDES Finem BRL BNDES Finem Automotiva BNDES Finem USD

Taxa anual de juros

Indexador

Vencimento final

De 1,03% a 1,26% De 4,50% a 9% De 5,50% a 8,80% De 5% a 7% 5,5%

Dólar norte-americano TJLP e/ou pré-fixado TJLP e/ou pré-fixado TJLP e/ou pré-fixado Dólar norte-americano

30/4/2013 15/7/2015 15/12/2016 15/4/2018 15/1/2017

785.331 33.465

547.458 20.194

810.877 33.122

580.298 20.046

30.822 296.052 1.145.670

12.565 356.440 936.657

30.822 295.937 1.170.758

356.335 956.679

31.12.2011

Circulante

Não Circulante

Circulante

Não Circulante

323.388 813.338 43.034 22.955 7.228 1.209.943

122.125 35.715 96.401 6.316 260.557

288.769 323.789 37.800 17.887 5.787 674.032

564.210 86.626 39.175 14.957 704.968

Os contratos com o BNDES possuem cláusulas restritivas com relação aos volumes e prazos para exportação. Em caso de descumprimento dessas cláusulas, o BNDES poderá exercer o direito de solicitar o pagamento antecipado dos empréstimos. A Sociedade acompanha mensalmente o atendimento às cláusulas restritivas e em 31/12/2012 estava adimplente com as referidas condições contratuais. Esses contratos estão garantidos por cartas de fiança emitidas por bancos classificados como de primeira linha.

Consolidado

Ano

Valor

31.12.2012 31.12.2011

2014 2015 2016 2017 2018

39.605 168.540 25.171 20.431 6.810 260.557

973.435 530.258 (79.542) (218.169) 1.205.982

1.035.638 295.517 (107.988) (249.732) 973.435

Consolidado 31.12.2012

RBCP

Outras empresas ligadas

Total

201.666 201.666

3.704 45.717 49.421

790.188 101.715 891.903

Passivo Royalties a pagar Adiantamentos de clientes Juros sobre capital próprio e dividendos a pagar Outros Sub total Fornecedores Total do passivo

37.621 93.207 130.828 141.377 272.205

1.287 1.287 748 2.035

Transações Compras Royalties Juros sobre capital próprio e dividendos Despesas financeiras Total de despesas

78.513 112.799 48.033 1.586 240.931

Vendas e outras receitas Receitas financeiras Total de receitas

524.405 524.405

Ativo Aplicações financeiras (a) Clientes Juros sobre capital próprio e dividendos a receber Total do ativo

(a) As aplicações financeiras com partes relacionadas estão assim representadas: Controladora e Consolidado Empresa Renault Finance RCI Banque Brasil

31.12.2012

31.12.2011

151.244 638.944 790.188

670.770 408.091 1.078.861

As principais empresas ligadas com as quais a Sociedade mantém relações comerciais são: Renault Argentina, SOFASA (Colômbia), Cormecânica (Chile), Nissan do Brasil e Nissan México. Peças de reposição As peças de reposição importadas pela Sociedade junto às empresas relacionadas, Renault S.A. – França e Renault Argentina S.A. são, na sua totalidade, vendidas à controlada Renault do Brasil Comércio e Participações Ltda. Remuneração do pessoal-chave da Administração A remuneração dos diretores e das demais pessoas-chave da Administração é conforme abaixo: Controladora e Consolidado Remuneração dos administradores

31.12.2012

31.12.2011

6.849

3.305

A remuneração total é composta por salário, bônus performance e benefícios, considerando as práticas de mercado. 17. OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Controladora

Consolidado

31.12.2012

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2011

27.792 22.399 3.690 33.704 937 13.933 102.455

124.358 35.652 20.360 63.316 37.105 862 803 282.456

35.246 22.351 4.557 33.704 1.213 13.942 111.013

124.358 40.397 20.355 63.558 37.105 1.100 803 287.676

5.265 456.800 (142.858) 319.207 421.662

5.297 739.721 (252.319) 492.699 775.155

5.265 456.800 (142.858) 319.207 430.220

5.297 739.721 (252.319) 492.699 780.375

A parcela relativa ao não circulante refere-se substancialmente ao benefício de dilação do prazo para o pagamento do ICMS a recolher. Esse benefício foi concedido pelo Governo do Estado do Paraná a partir de 1997 e estendeu-se até abril de 2006, de acordo com os diversos programas vigentes à época. Esse imposto começou a ser pago em 2011 e possui vencimento final em junho de 2022. Em 2012 houve pagamento no montante de R$ 29.510 (R$ 37.019 em 2011). Adicionalmente, a Sociedade efetuou a antecipação de parte do ICMS a recolher no montante de R$ 253.412 relativos às parcelas vincendas entre julho de 2013 e outubro de 2014. O valor do ajuste a valor presente foi calculado com base em taxas de mercado estimadas à época da transação. Em 2012, a realização do ajuste a valor presente gerou uma despesa financeira de R$ 109.461 (R$ 66.240 em 2011), registrada diretamente ao resultado do exercício. 18. CAPITAL SOCIAL Em Assembleia Geral Extraordinária ocorrida em 20 de novembro de 2012 foi autorizada a redução do capital social em R$ 3.383.027 através de absorção de prejuízos acumulados. Assim, o capital social em 31 de dezembro de 2012 é de R$ 1.255.209 (R$ 4.638.236 em 2011) e estava representado por ações nominativas sem valor nominal assim distribuídas: Acionistas ON PN Total % 285.438.214.584

136.615.973.268

422.054.187.852

99,85%

285.438.214.584

614.821.647 137.230.794.915

614.821.647 422.669.009.499

0,15% 100%

19. RESERVA Controladora Proposta para distribuição de dividendos (nota 19.1) Subvenção para investimentos (nota 19.2) Legal (nota 19.3)

31.12.2011

31.12.2012

Renault SAS

Reservas:

31.12.2012

Controladora e Consolidado

Controladora 31.12.2012

Não circulante Diferimento de CSLL ICMS a recolher Ajuste a valor presente

31.12.2011

15. EMPRÉSTIMOS As modalidades dos empréstimos e suas principais condições são:

16. EMPRESAS RELACIONADAS

Circulante IPI ICMS Impostos sobre importação PIS/COFINS IRRF e CIDE sobre royalties ISS IRRF

Consolidado

31.12.2012

O cronograma para pagamentos dos empréstimos de longo prazo é conforme abaixo:

Controladora 31.12.2011

13.316 3.911 (4.736) 12.491

31.12.2012

Softwares 33% 67.651 Propriedade intelectual 20% a 50% 8.921 76.572

Abaixo demonstramos a movimentação do ativo imobilizado:

31.12.2012

6.354 10.451 (3.510) 13.295

14. FORNECEDORES

Taxas Anuais de Amortização

6 6

42.150

13.295 3.911 (4.715) 12.491

Controladora

31.12.2012 31.12.2011 52.002 57.016 98,22% 98,22% 51.076 56.001

Lucro do exercício da controlada Receita de equivalência patrimonial reconhecida no exercício Lucro dos acionistas não controladores

Consolidado

13. INTANGÍVEL

31.12.2012 31.12.2011

Patrimônio líquido da controlada em 31 de dezembro Participação no capital social Saldo do investimento

Renault SAS Fundo de Desenvolvimento Econômico (PR)

Valor líquido

31.12.2012 31.12.2011 31.12.2012 31.12.2011

Em 31 de dezembro de 2012 e 2011, a Sociedade possuía 98,22% de participação no capital social da Renault do Brasil Comércio e Participações Ltda. (“RBCP”), empresa que se dedica à comercialização de peças, acessórios e componentes para veículos. Em 2012 a controlada RBCP distribuiu juros sobre capital próprio e dividendos no montante de R$ 47.164 (R$ 81.828 em 2011) dos quais R$ 839 (R$ 1.457 em 2011) foram destinados aos acionistas não controladores, conforme determinado em reunião dos sócios quotistas realizada em 30 de abril de 2012. Abaixo segue informações sobre o investimento na RBCP:

Saldo no início do exercício Adições Baixas Depreciação Saldo no final do exercício

Deprec. acumulada

(a) Amortizadas às taxas que refletem os prazos dos contratos de locação dos imóveis

Controladora e Consolidado

Renault do Brasil Com. e Participações Ltda. Outros investimentos

3,33% 4% a 50% 3,33% a 50% 14% a 50% 25% 25% 12% a 17% (a) 10% 10% -

Custo

Abaixo demonstramos a movimentação do ativo intangível:

10. OUTROS ATIVOS CIRCULANTES

Adiantamentos a fornecedores Adiantamentos a colaboradores Sinistros a receber Dividendos a receber Outros

Consolidado

Controladora

Controladora e Consolidado

31.12.2012

31.12.2011

96.571 277.489 22.008 374.060

48.106 60.447 108.553

19.1 Juros sobre capital próprio e dividendos a distribuir Os dividendos mínimos obrigatórios devidos aos acionistas ordinários são de 25% sobre o lucro líquido ajustado. Os acionistas preferenciais tem direito a dividendos 10% superiores aos distribuídos aos acionistas ordinários. O valor total dos dividendos mínimos obrigatórios relativos ao exercício findo em 2012 é de R$ 104.537, sendo, desse montante, R$ 75.648 de juros sobre capital próprio. Devido à Assembléia Geral não ter sido realizada até a data de

31.12.2011

Renault SAS

Outras empresas ligadas

Total

31.12.2011

790.188 307.085 45.717 1.142.990

1.078.861 305.129 25.846 1.409.836

202.047 202.047

790.188 106.928 897.116

790.188 308.975 1.099.163

1.078.861 309.999 1.388.860

6.925 6.925 187.392 194.317

37.621 6.925 93.207 1.287 139.040 329.517 468.557

32.714 10.479 163 3.192 46.548 376.634 423.182

37.621 93.873 131.494 141.377 272.871

6.925 1.477 8.402 187.682 196.084

37.621 6.925 93.873 1.477 139.896 329.059 468.955

32.714 10.479 163 43.356 376.381 419.737

15 15

1.003.148 1.003.148

1.081.676 112.799 48.033 1.586 1.244.094

2.572.105 138.439 99.859 7.618 2.818.021

78.513 112.799 48.872 1.586 241.770

1.003.148 1.003.148

1.081.661 112.799 48.872 1.586 1.244.918

2.572.038 138.439 99.859 7.618 2.817.954

136.448 136.448

1.969.700 63.590 2.033.290

2.630.553 63.590 2.694.143

2.262.700 52.043 2.314.743

524.840 524.840

2.004.570 63.590 2.068.160

2.529.410 63.590 2.593.000

2.190.459 52.043 2.242.502

aprovação das demonstrações financeiras, não foi constituído o passivo relativo a proposta de dividendos adicionais no montante de R$ 96.571, sendo constituída, portanto, uma reserva para distribuição de dividendos no patrimônio líquido. Em 2011, apesar da existência de prejuízos acumulados, a administração da Sociedade propôs a distribuição de juros sobre capital próprio a título de dividendos no valor total de R$ 48.106. 19.2 Reserva para subvenção de investimentos Em setembro de 2011 a Sociedade firmou um protocolo de intenções com o Governo do Estado do Paraná, estabelecendo condições gerais e obrigações mútuas para o desenvolvimento de novos projetos na unidade industrial da Sociedade instalada no Paraná. O referido protocolo prevê investimentos na ordem de R$ 1.500.000, a serem aplicados pela Sociedade na planta localizada no Paraná até 2015, gerando 2.000 empregos diretos. O Estado do Paraná, ciente da relevância que estes investimentos acarretam para a economia paranaense, fundamentada na legislação vigente, fornece total apoio aos projetos da Sociedade, permitindo-lhe acesso e fruição a todos os instrumentos de política pública estadual. Todas as obrigações assumidas pela Sociedade para os exercícios de 2012 e 2011 foram integralmente atendidas e o Estado reconhece que os instrumentos de política pública estadual objeto do protocolo assinado estão sendo concedidos em contrapartida aos investimentos que serão realizados pela Sociedade. Foi constituída Reserva para subvenção de investimentos no Patrimônio Líquido no valor total dos benefícios concedidos em 2011 e 2012. 19.3 Reserva legal A Reserva legal é constituída na proporção de 5% do lucro do exercício e limitada a 20% do Capital social. Em 2012, foi constituída reserva legal no valor de R$ 22.008, conforme cálculo abaixo: Descrição 2012 Lucro do exercício 2012 440.158 Reserva legal - 5% 22.008 No exercício de 2011 não foi constituída reserva legal em razão de a Sociedade apresentar prejuízos acumulados. 20. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Os valores do imposto de renda e contribuição social que afetaram o resultado do exercício são demonstrados como segue: 20.1 Despesa com imposto de renda e contribuição social Controladora Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social Regime tributário de transição conforme Lei 11.941/09 Base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social Alíquota combinada do imposto de renda e da contribuição social Imposto de renda e contribuição social às alíquotas da legislação Resultado da equivalência patrimonial Adições e exclusões permanentes, líquidas Imposto de renda e contribuição social constituído sobre prejuízo fiscal e base negativa de anos anteriores Compensação com prejuízo fiscal Outras

Consolidado

31.12.12

31.12.11

31.12.12

31.12.11

579.994

211.861

602.834

236.892

136.015

44.794

135.696

44.794

716.009

256.655

738.530

281.686

34%

34%

34%

34%

(243.443) 14.076 57.766

(87.263) 15.750 (46.248)

(251.100) 45.266

(95.773) (46.172)

(11.151) 42.916 (139.836) (128.685) (11.151) (139.836)

84.757 38.534 (2.558) 2.972 (81.785) 84.757 2.972

(16.927) 60.835 (161.926) (144.999) (16.927) (161.926)

78.021 44.658 (1.953) (21.219) (99.240) 78.021 (21.219)

20.2 Imposto de renda diferido Detalhamento da composição do imposto de renda e contribuição social diferidos: Controladora

Consolidado

Imposto de renda e contribuição social correntes Imposto de renda e contribuição social diferidos

Provisões não dedutíveis Tributos com exigibilidade suspensa Prejuízo fiscal Base negativa CSLL Imposto de renda diferido ativo Imposto de renda diferido ativo não registrado Parcela do imposto de renda diferido ativo registrado

Em 31 de dezembro de 2012, a Sociedade possuía R$2.946.176 de prejuízos fiscais e R$3.059.739 de base de cálculo negativa da contribuição social (R$3.117.840 e R$3.221.098, respectivamente, em 2011) para compensação com lucros tributáveis futuros. A Administração da Sociedade, com base em estudos e projeções de resultados futuros, assim como no histórico recente de geração de lucros tributáveis, decidiu por registrar contabilmente a parcela de impostos sobre a renda diferidos cuja perspectiva de realização se dará substancialmente nos próximos seis anos, conforme demonstrativo abaixo:

Prazo da realização

Controladora e consolidado 19.077 20.985 25.602 29.186 30.354 30.961 156.16

2013 2014 2015 2016 2017 2018

21. PROVISÃO PARA RISCOS Com base na análise individual dos processos judiciais, a Administração da Sociedade com base na avaliação efetuada por seus advogados, constituiu provisão para riscos conforme demonstrado abaixo: Controladora Consolidado 31.12.2012

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2011

35.891 118.438 3.106 230.160 17.426 405.021 16.200 54.366 (230.160) (33.158) 212.269 Depósitos judiciais que não requerem provisão(20.069)

26.979 112.995 1.788 155.336 19.335 316.433 10.423 41.973 (155.336) (3.143) 210.350 (20.069)

35.891 118.438 3.106 230.160 17.759 405.354 16.833 56.012 (230.160) (33.158) 214.881 (20.245)

26.979 112.996 1.788 155.336 19.510 316.609 11.136 43.573 (155.336) (3.143) 212.839 (20.245)

CPMF (a) Regime Automotivo (b) IPI (c) PIS/Cofins (d) Outros (e) Total de riscos tributários Trabalhistas (f) Cíveis (g) Depósitos judiciais PIS/Cofins (d) Depósitos judiciais CPMF (a) Depósitos judiciais diversos

As principais provisões podem ser resumidas conforme segue: a) CPMF – discussão a respeito da incidência ou não de CPMF sobre operações simbólicas de câmbio na conversão de empréstimos em moeda estrangeira em capital social. b) Regime Automotivo – discussão sobre o atendimento à determinadas cláusulas do regime automotivo regulado pelo Decreto-Lei 2072/96 durante o seu período de vigência de 1997 à 2000. c) IPI - discussão requerendo exclusão do IPI na composição da base de cálculo do ICMS, na venda de veículos para ex concessionária de Bauru/SP em razão de responsabilidade solidária. d) Pis/Cofins – discussão sobre a exigibilidade da tributação do PIS e da COFINS sobre a parcela do ICMS contida na receita de vendas. e) Outros – discussão a respeito de teses jurídicas sobre incidência ou não de tributos em operações realizadas pela Sociedade. f) Trabalhistas - discussões sobre procedência ou não de verbas trabalhistas reclamadas por empregados próprios e, por responsabilidade subsidiária, quanto a reclamações de empregados de terceiros.

31.12.12 325.335 38.370 736.544 275.377 1.375.626

31.12.11 265.222 29.801 779.460 289.899 1.364.382

31.12.12 334.275 38.370 754.463 281.867 1408.976

31.12. 11 272.899 29.801 802.533 298.244 1.403.477

(1.219.461)

(1.197.066)

(1.219.461)

(1.197.066)

156.165

167.316

189.484

206.411

g) Cíveis - discussão sobre cabimento ou não de indenização em rescisões de contratos com concessionárias e fornecedores. Para consumidores as ações se resumem em reclamações diversas relativas a danos morais e materiais. As demais discussões administrativas e judiciais de que par ticipam a Sociedade e sua controlada, foram avaliadas pelo departamento jurídico interno e consultores externos, que as classificaram como possibilidade de perda possível ou remota, razão pela qual não foi constituída provisão para riscos das mesmas. As contingências avaliadas com probabilidade de perda como possível totalizaram R$ 101.200 (R$ 105.882 em 2011).


16

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

RENAULT DO BRASIL S.A. e CONTROLADA (Continuação - 4 - da página anterior referente RENAULT DO BRASIL S/A e CONTROLADA) - CNPJ 00.913.443/0001-73 A movimentação da provisão para riscos durante o exercício pode ser resumida conforme segue: Controladora Saldo Inicial Adições Baixas Depósitos judiciais Saldo Final

Consolidado

31.12.2012

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2011

210.350 91.789 (2.443) (87.427) 212.269

200.673 75.798 (20.219) (45.902) 210.350

212.839 91.992 (2.523) (87.427) 214.881

203.067 76.049 (20.375) (45.902) 212.839

22.INSTRUMENTOS FINANCEIROS A Sociedade e sua controlada mantém operações com instrumentos financeiros. A Administração desses instrumentos é efetuada por meio de estratégias operacionais e controles internos visando assegurar liquidez, rentabilidade e segurança. A contratação de instrumentos financeiros com o objetivo de proteção é feita por meio de uma análise periódica da exposição ao risco que a Administração pretende cobrir (câmbio, taxa de juros, etc.). O controle consiste no acompanhamento permanente das condições contratadas versus as condições vigentes no mercado. A Sociedade e sua controlada não efetuam aplicações de caráter especulativo em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. Os valores de realização estimados de ativos e passivos financeiros da Sociedade e sua controlada foram determinados por meio de informações disponíveis no mercado e metodologias apropriadas de avaliações. Todavia, as estimativas efetuadas não indicam, necessariamente, os montantes que poderão ser realizados no mercado de troca corrente. Os derivativos são reconhecidos inicialmente pelo seu valor justo e os respectivos custos de transação são reconhecidos no resultado quando incorridos. Classificação dos instrumentos financeiros Controladora Consolidado Ativo Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber de clientes Aplicações financeiras de curto prazo Aplicações financeiras de longo prazo

Classificação

31.12.2012

31.12.2011

31.12.2012

31.12.2011

Valor justo através do resultado Empréstimos e recebíveis

2.906.335 329.291

2.374.633 392.612

2.932.984 345.199

2.379.097 411.638

Mantidos até a data de vencimento

56.984

-

56.984

-

Mantidos até a data de vencimento

281.697

307.617

281.697

307.617

1.470.500 1.145.670 313.942

1.379.000 936.657 487.402

1.470.500 1.170.758 313.942

1.379.000 956.679 487.402

Passivo Empréstimos e financiamentos Fornecedores ICMS a recolher (nota 17)

Outros passivos financeiros Outros passivos financeiros Outros passivos financeiros

A Administração revisou os ativos financeiros da Sociedade em conformidade com a manutenção do capital e as exigências de liquidez e confirmou a intenção e a capacidade da Sociedade manter os ativos classificados como “mantidos até a data de vencimento” até a data de seu efetivo vencimento. O valor contábil desses ativos financeiros é de R$ 338.681 em 2012 (R$ 307.617 em 2011). Os detalhes a respeito desses ativos estão descritos na nota explicativa nº. 6. Os principais riscos aos quais a Sociedade e sua controlada estão expostas na condução das suas atividades são: a) Risco de crédito: As contas a receber são representadas, em grande parte por saldos com empresas relacionadas, para as quais a Administração não espera enfrentar dificuldades de realização. b) Risco de taxa de câmbio: A Sociedade e sua controlada possuem obrigações e direitos indexados em moeda estrangeira, principalmente referentes às transações com partes relacionadas divulgadas na nota explicativa nº. 16. c) Valor de mercado dos instrumentos derivativos: A avaliação a valor de mercado dos instrumentos financeiros derivativos é efetuada pela tesouraria da Sociedade com base nas informações de cada operação contratada e suas respectivas informações de mercado nas datas de encerramento das demonstrações financeiras, tais como taxa de juros e dólar futuro. Tais informações são comparadas com as posições informadas pelas mesas de operação de cada instituição financeira envolvida. d) Risco de taxa de juros: A Sociedade está exposta a riscos relacionados a taxas de juros em função de empréstimos contratados vinculados, principalmente ao CDI, TJLP e taxas pré-fixadas, por outro lado, a Sociedade possui aplicações financeiras vinculadas a derivativos de proteção contratados sob as mesmas taxas de juros, para cobrir tal exposição. A Sociedade detém instrumentos financeiros derivativos para proteger riscos relativos à taxa de juros e variação cambial. Todos os instrumentos financeiros derivativos detidos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 foram celebrados em mercado balcão, com contrapartes de instituições financeiras de grande porte. Os instrumentos financeiros derivativos são apresentados no balanço patrimonial pelo seu valor justo, em conta de ativo ou passivo, respectivamente. Os instrumentos derivativos são classificados como “valor justo por meio do resultado”. As variações do valor justo dos derivativos são reconhecidas como receita ou despesa financeira no mesmo período em que ocorrem. Não houve mudança na exposição da Sociedade e sua controlada aos riscos de mercado ou na maneira pela qual a Sociedade administra e mensura esses riscos. Os valores justos de mercado dos instrumentos financeiros derivativos consolidados em aberto em 31 de dezembro de 2012 e 2011 são conforme abaixo:

Valor justo dos instrumentos financeiros O valor justo dos ativos e passivos financeiros é definido como o valor pelo qual o instrumento poderia ser trocado em uma transação corrente entre partes dispostas a negociar, e não em uma venda ou liquidação forçada. A tabela a seguir fornece uma análise dos instrumentos financeiros que são mensurados pelo valor justo após o reconhecimento inicial, agrupados nos Níveis 1 a 3 com base no grau observável do valor justo: • Mensurações de valor justo de Nível 1 são obtidas de preços cotados (não ajustados) em mercados ativos ou passivos idênticos. • Mensurações de valor justo de Nível 2 são obtidas por meio de outras variáveis além dos preços cotados incluídos no Nível 1, que são observáveis para o ativo ou passivo diretamente (ou seja, como preços) ou indiretamente (ou seja, com base em preços); • Mensurações de valor justo de Nível 3 são obtidas por meio de técnicas de avaliação que incluem variáveis para o ativo ou passivo, mas que não têm base os dados observáveis de mercado. (a) Os ativos financeiros não derivativos caixa e equivalentes de caixa, contas a receber de clientes, aplicações financeiras e tem valores contábeis que se aproximam de seus valores de mercado. Os passivos financeiros não derivativos empréstimos e financiamentos, fornecedores, ICMS a recolher, obrigações com partes relacionadas e outras contas a pagar, tem valores contábeis que se aproximam com os seus valores de mercado. Controladora e Consolidado Nível 31/12/2012 31/11/2011 Ativos financeiros Valor justo através do resultado - Instrumentos financeiros 2 23.243 Mantidos até a data de vencimento - Aplicações financeiras (a) 338.681 307.617 Empréstimos e recebíveis - Caixa e equivalentes de caixa (a) 2.906.335 2.374.633 - Contas a receber (a) 329.291 392.612 Passivos financeiros Valor justo através do resultado - Instrumentos financeiros 2 23.115 6.746 Outros passivos financeiros - Empréstimos (a) 1.470.500 1.379.000 - Fornecedores (a) 1.145.670 936.657 - ICMS a recolher (nota 17) (a) 313.942 487.402 Durante o período não houve nenhuma transferência entre os níveis. 23. PLANO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA A Renoprev - Sociedade de Previdência Privada, entidade fechada de previdência complementar, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado distinta de sua patrocinadora, com autonomia administrativa, patrimonial e financeira, possuia como patrocinadoras, até o exercício de 2011, a Sociedade e as seguintes partes relacionadas: • Renault do Brasil Comércio e Participações Ltda. • Companhia de Crédito, Investimento e Financiamento Renault do Brasil S.A. • Companhia de Arrendamento Mercantil Renault do Brasil S.A. A partir de 2012, o plano de previdência privada dos colaboradores da Sociedade e sua controlada passou a ser administrado pelo Multipensions Bradesco Fundo Multipatrocinado de Previdência Privada (Fundo), entidade constituída sob a forma de Sociedade Civil, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, patrimonial e financeira, com personalidade jurídica de direito privado distinta de suas patrocinadoras. Os saldos das quotas dos participantes foram transferidos da Renoprev para o Multipensions Bradesco através de portabilidade, sem prejuízo ou ônus para os participantes. As regras de participação, contribuição do participante e das patrocinadoras, bem como a modalidade de contribuição definida para o benefício pós-emprego permaneceram inalteradas. O Fundo tem como objeto a administração e execução de planos de benefícios de caráter previdenciário, complementares ao regime geral de previdência social, conforme estabelecido no Regulamento do plano de benefícios na forma da legislação vigente. Os recursos necessários à consecução dos objetivos do Fundo provêm, portanto, de contribuições das patrocinadoras e dos participantes, bem como, dos rendimentos resultantes da aplicação desses recursos em investimentos, de acordo com normas estabelecidas pelas autoridades competentes. As contribuições ao plano pela Sociedade e sua controlada em 2012 representaram cerca de 0,70% da folha de pagamento (0,94% em 2011), totalizando R$ 2.391 e R$ 51 respectivamente (R$ 2.058 e R$ 49, respectivamente, em 2011). 24. PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS O Plano de participação nos resultados adotado pela Sociedade estabelece a seguinte forma de distribuição: Bônus Performance: é aplicado para supervisores, gerentes e diretores e é calculado de acordo com o alcance de objetivos coletivos e individuais. Participação nos resultados (PPR): é aplicado aos demais colaboradores e é definido anualmente através de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e é baseado em indicadores de qualidade, volumes e market share. Os valores provisionados para pagamento de bônus performance e PPR em 31 de dezembro de 2012 e 2011 estão assim representados: Controladora 31/12/2012 9.075 89.010 98.085

Bônus Performance PPR

Controladora e Consolidado Valor de referência Indexador 2012 Swap

Ativo

Passivo

Parte ativa

Valor justo a receber (a pagar)

2012 Valor de mercado

Parte passiva

Dólar norteamericano + de 1,55% a 2,07% a.a.

de 98,8% a 99,99% do CDI

100% do CDI

Dólar norteamericano + de 2,44% a 3,04% a.a.

123.558

2011 Valor de curva

123.568

Valor de mercado

288.761

2012 Valor de curva

Valor de mercado

289.725

(456)

Valor de mercado

(754)

23.243

Valor de curva

22.276

(109.325)

(109.325)

(640.772)

(640.772)

(22.659)

(20.797)

(6.746)

(9.163)

14.233

14.243

(352.011)

(351.047)

(23.115)

(21.551)

16.497

13.113

Gestão de risco de taxa de câmbio A Sociedade e sua controlada realizam transações em moeda estrangeira; consequentemente estão expostas às variações nas taxas de câmbio. As exposições aos riscos de taxa de câmbio são administradas de acordo com os parâmetros estabelecidos pelas estratégias aprovadas por meio da utilização de contratos de swap cambial. Os valores contábeis dos ativos e passivos monetários em moeda estrangeira expostos a riscos de variação cambial pertencentes a Sociedade e sua controlada no final do período de relatório são apresentados a seguir: Controladora e Consolidado Passivo

Dólar norte-americano Euros

Ativo

2012

2011

2012

2011

130.354 22.763

176.414 16.373

116.097 23.986

142.785 18.087

Receita bruta de vendas: Mercado interno Mercado externo Prestação de serviços Impostos incidentes sobre vendas e outras deduções Receita líquida de vendas 26. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO POR NATUREZA

Matérias - Primas e materiais de consumo utilizados Despesas de depreciação e amortização Despesas com empregados Despesas com aluguéis e estrutura Despesas com manutenção e prestação de serviço Despesas com transporte Despesas comerciais Impostos, taxas e encargos Despesas com viagens Seguros e garantias Equivalência patrimonial Outros custos e despesas Custo de transformação de veículos Despesas com royalties Despesas com honorários profissionais Outras receitas operacionais Custo dos produtos vendidos Receitas (despesas) operacionais 27. RESULTADO FINANCEIRO

Análise de sensibilidade de moeda estrangeira A Sociedade e sua controlada estão expostas principalmente á variação cambial do euro e do dólar norte-americano. A tabela a seguir detalha a sensibilidade da Sociedade e sua controlada ao aumento e à redução de 10% no Real em relação a essas moedas estrangeiras. 10% é a taxa de sensibilidade utilizada para apresentar internamente os riscos de moeda estrangeira ao pessoal-chave da Administração e corresponde à avaliação da Administração das possíveis mudanças nas taxas de câmbio. A análise de sensibilidade inclui somente itens monetários em aberto e em moeda estrangeira e ajusta sua conversão no final do exercício para uma mudança de 10% nas taxas de câmbio. Os valores apresentados a seguir, representam um aumento ou uma diminuição no resultado e no patrimônio líquido quando houver uma valorização ou desvalorização de 10% do real em relação à moeda em questão. Controladora e Consolidado 2012

2011

Impacto do Euro

Impacto do dólar norte-americano

Impacto do Euro

Impacto do dólar norte-americano

330

2.913

417

6.308

Resultado

A Administração entende que a análise de sensibilidade não é representativa do risco de câmbio inerente a essas operações, uma vez que a exposição no fim do exercício não reflete a exposição durante o exercício. Índice de endividamento Controladora

Dívida bruta (a) Caixa e equivalentes de caixa (b) Aplicações financeiras (c)

Patrimônio líquido Endividamento líquido

31/12/2012 9.376 90.364 99.740

Os gastos com participação nos resultados foram contabilizados como despesas e custos com pessoal. 25. RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS Controladora

2011 Valor de curva

Consolidado

31/11/2011 10.579 68.319 78.898

Receitas financeiras Rendimento de aplicações financeiras Receitas com atualização monetária Outras receitas Total receitas financeiras Despesas financeira Realização do ajuste a valor presente Juros sobre empréstimos Despesas com atualização monetária Resultado em operações de derivativos Comissões fianças bancárias Despesas com multas Despesas com juros de mora Outras despesas financeiras Total despesas financeiras Variação cambial líquida Total resultado financeiro

31/11/2011 10.910 69.364 80.274

Consolidado

31/12/2012

31/11/2011

31/12/2012

31/11/2011

11.519.666 1.700.251 268.771 (3.934.780) 9.553.908

8.723.017 1.939.318 285.885 (3.098.968) 7.849.252

11.823.926 1.727.396 281.798 (4.019.658) 9.813.462

8.886.619 1.950.774 292.118 (3.181.743) 7.947.768

Controladora

Consolidado

31/12/2012 31/11/2011 (6.054.973) (5.051.259) (132.216) (134.455) (682.434) (600.291) (72.098) (54.118) (214.184) (198.487) (491.046) (349.366) (1.115.387) (891.193) (222.871) (131.777) (13.855) (18.361) (128.399) (96.890) 41.399 46.324 (198.033) (186.707) (64.679) (23.251) (145.679) (152.283) (6.404) (13.704) 555.029 185.420 (8.945.830) (7.670.398) (7.779.190) (6.404.773) (1.166.640) (1.265.624) Controladora

31/12/2012 31/11/2011 (6.160.286) (5.015.845) (133.085) (135.484) (691.827) (608.813) (79.027) (58.653) (219.290) (202.576) (520.310) (368.612) (1.148.376) (916.607) (223.009) (131.908) (14.023) (18.609) (128.399) (96.890) (203.696) (188.098) (64.679) (23.251) (145.679) (152.283) (6.564) (14.020) 555.029 185.421 (9.183.221) (7.746.228) (7.913.765) (6.388.069) (1.269.456) (1.358.159) Consolidado

31/12/2012

31/11/2011

31/12/2012

31/11/2011

170.005 868 2 170.875

154.012 2.601 27 156.640

170.105 875 2 170.982

156.117 2.601 39 158.757

(109.461) (83.027) (13.604) (39.068) (11.290) (2.129) (2.508) (3.436) (264.523)

(66.240) (70.686) (22.498) (44.585) (4.012) (1.996) (1.233) (1.965) (213.215)

(109.461) (83.122) (13.604) (39.068) (11.290) (2.230) (3.040) (3.481) (265.296)

(66.240) (70.686) (22.498) (44.585) (4.023) (2.066) (1.244) (2.236) (213.578)

65.564 (28.084)

89.582 33.007

66.907 (27.407)

90.173 35.352

28. TRANSAÇÕES QUE NÃO ENVOLVEM CAIXA A Sociedade efetuou aquisições de imobilizado à prazo no montante de R$ 219.075 em 2012 (R$ 72.538 em 2011), que não envolve caixa e, portanto não estão refletidas na demonstração dos fluxos de caixa.

Consolidado

31/12/2012

31/11/2011

31/12/2012

31/11/2011

(3.269.501) 2.906.335 338.681 (24.485)

(2.808.356) 2.374.633 307.617 (126.106)

(3.294.589) 2.935.984 338.681 (19.924)

(2.828.378) 2.379.097 307.617 (141.664)

1.651.277 1,48%

1.363.762 9,25%

1.652.203 1,20%

1.364.777 10,38%

(a) A dívida está definida pelas obrigações com fornecedores e adiantamentos de clientes, empréstimos e financiamentos de curto e longo prazo e ICMS a pagar de longo prazo. (b) Disponibilidade em tesouraria, depósitos em bancos e aplicações de liquidez imediata. (c) Aplicações financeiras de curto e longo prazo.

29. COBERTURA DE SEGUROS As apólices de seguros mantidas pela Sociedade são renovadas anualmente, conforme detalhado abaixo: i. Riscos nomeados, com cobertura contra os riscos de incêndio, raio, explosão, danos elétricos, fenômenos da natureza, derrames de “sprinklers”, tumultos e outros para os prédios, instalações, equipamentos, máquinas, móveis, utensílios, mercadorias e matérias primas em estoque, objetos, tendo, conforme apólice, valor em risco de R$ 3.581.100, franquia de R$ 11.937 e limite máximo indenizável de R$ 3.581.100 (R$ 3.332.573, R$ 11.937 e R$ 3.332.573 respectivamente em 2011). ii. All Risks com cobertura integral ao estoque de produtos acabados com limite máximo indenizável de R$ 60.885 (R$ 111.400 em 2011). 30. AUTORIZAÇÃO PARA CONCLUSÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Administração da Sociedade autorizou a conclusão das presentes demonstrações financeiras em 22 de março de 2013.

Laduir Pinelli Júnior Contador CRC-SC 023.686/O-T-PR

DIRETORIA

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores e Acionistas da Renault do Brasil S.A. São José dos Pinhais – PR

Examinamos as demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Renault do Brasil S.A. (“Sociedade”), identificadas como controladora e consolidado, respectivamente, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas.

Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações financeiras A Administração da Sociedade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.

Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de

exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Sociedade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados às circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Sociedade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião sobre as demonstrações financeiras individuais e consolidadas Em nossa opinião, as demonstrações financeiras anteriormente referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Renault do Brasil S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. DELOITTE TOUCHE TOHMATSU Auditores Independentes CRC nº 2 SP 011.609/O-8 F-PR

Curitiba, 22 de março de 2013. Cosme dos Santos Contador CRC nº 1 RJ 078.160/O-8-T-PR


| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

17


18

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

Para prefeitos, ajuda da Assembleia Legislativa é fundamental O evento de lançamento do Plano de Apoio e Desenvolvimento dos Municípios (PAM) era para eles, os prefeitos do Paraná que estavam representando toda a população paranaense. Os principais atores do evento saíram satisfeitos com o programa e, principalmente, por saber

que a Assembleia Legislativa é responsável pelos recursos disponibilizados. O prefeito de Florestópolis, Onício de Souza, falou sobre a falta de arrecadação dos pequenos municípios e que essa parceria entre Assembleia e Governo do Estado é fundamental para o de-

senvolvimento das cidades. “É um ato inovador na Assembleia, que nesta legislatura deu cara nova à Casa. Parabenizo a atitude do presidente e demais legisladores que fizeram essa parceira com o governo, que reflete em atendimento a todos os paranaenses, principalmente dos

menores municípios que têm dificuldade de arrecadação própria e vive principalmente da parceria e ajuda do governo do estado”, disse Souza que pretende utilizar os recursos na aplicação de asfalto nas ruas da cidade. Já a prefeita de Tibagi, Angela Mercer de Mello, lem-

brou a importância do Legislativo e do trabalho árduo para que sobrem recursos a ser devolvidos ao governo estadual. “Acho de extrema importância esse programa e sei a seriedade que é feito esse trabalho para que haja devolução. Parabenizo esse trabalho que foi feito através do

presidente Rossoni. Nós os municípios é que somos os beneficiados.” O prefeito de Iguatu, Flávio Brandão, disse que os problemas na cidade são muitos, mas ao que tudo indica os recursos serão utilizados no calçamento para garantir a segurança e facilitar a locomoção dos pedestres. “Precisamos fazer reforma urbana, com a colocação de calçadas. Temos um posto de saúde em que o calçamento ainda é de pedra irregular e o acesso ao posto é difícil. Vou fazer o debate com a população, para que decidam onde será aplicado, mas conhecendo a demanda é provável que apliquemos em calçada ou pavimentação asfáltica.”, relatou. Brandão destacou, ainda, a importância dos recursos economizados na Assembleia e que já tem contribuído para diversas obras nos municípios paranaenses. “Através dessa politica transparente que o Valdir Rossoni tem aplicado à frente da Assembleia é que estão sendo feitas várias obras nos municípios, graças não só à Assembleia, mas também ao governo do estado que está sempre presente e ajudando no desenvolvimento dos municípios.”

Comissão da Câmara aprova projeto que obriga Detrans a avisar vencimento da carteira de motorista Agência Brasil Brasília - Dois projetos de lei que beneficiam os motoristas serão analisados nos próximos dias pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, em caráter conclusivo. Um deles obriga os órgãos de trânsito dos estados e do Distrito Federal (Detrans) a comunicar com 90 dias de antecedência o vencimento da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O texto aprovado pela Comissão de Viação e Transportes, em caráter conclusivo, estabelece ainda que os órgãos devem informar a quantidade de infrações e data de vencimento dos pontos anotados na carteira, nos casos de infrações cometidas no ano anterior. O relator da proposta, deputado José Stédile (PSB-RS), disse que em alguns casos os motoristas se esquecem de observar a validade da carteira e acabam sendo punidos com multa, apreensão do documento e do veículo, que só pode ser retirado por condutor habilitado. O outro projeto obriga os órgãos de trânsito a fornecer aos usuários o número do protocolo de atendimento feito por centrais telefônicas, internet ou presencial, bem como solicitações verbais. O texto também determina que a resposta deverá ser dada até 48 horas após a solicitação do consumidor. Para o relator do projeto na Comissão de Defesa do Consumidor, onde o texto foi aprovado em caráter conclusivo, deputado Severino Ninho (PSB-PE), a medida irá facilitar a vida dos usuários dos serviços.


| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

19

Central de Produções GWUP S.A. CNPJ/MF nº 01.959.772/0001-18 Balanços Patrimoniais levantados em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Valores expressos em milhares de reais – R$) Demonstrações do Resultado para os exercícios findos Demonstrações dos Fluxos de Caixa para os exercícios findos em 31 em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 de dezembro de 2012 e de 2011 (Valores expressos em milhares de reais – R$) Ativos Nota 2012 2011 Passivos Nota 2012 2011 (Valores expressos em milhares de reais – R$) Fluxos de caixa de atividades operacionais 2012 2011 Ativos circulantes 38.397 65.325 Passivos circulantes 22.250 11.156 Nota 2012 2011 Lucro líquido do exercício antes do IRPJ e CSLL 29.896 12.375 Caixa e equivalentes de caixa 4 13.519 16.225 Fornecedores 13 5.143 2.025 21 88.524 84.391 Ajustes para reconciliar o lucro líquido do exercício com o caixa Aplicações financeiras 5 9.589 11.180 Dividendos a pagar 18 – 101 Receita líquida de vendas 22 (5.028) (4.621) gerado pelas atividades operacionais: Contas a receber de clientes 6 6.814 36.451 Salários, provisões e contribuições sociais 615 523 Custo das mercadorias vendidas 83.496 79.770 Depreciação e amortização 963 639 Estoques 7 1.227 844 Impostos a recolher 14 8.332 7.374 Lucro bruto Provisão para crédito de liquidação duvidosa 4.939 4.403 Impostos a recuperar 8 285 362 Parcelamentos fiscais 17 612 1.132 receitas (despesas) operacionais 22 (46.158) (49.643) Provisão para riscos fiscais, cíveis e trabalhistas 2.288 7.690 Despesas antecipadas 9 6.520 88 Partes relacionadas 18 7.432 – Vendas 22 (17.820) (15.217) Provisão para estoques obsoletos (132) 1.237 Outras contas a receber 443 175 Outras contas a pagar 116 1 Gerais e administrativas 23 5.560 (6.344) Juros e variação cambial, líquidos (944) 2.226 Ativos não circulantes 16.201 20.602 Passivos não circulantes 24.573 19.198 Outras receitas (depesas) operacionais 25.078 8.566 Resultado da alienação de bens do ativo imobilizado (20) – Contas a receber de clientes 6 997 3.699 Partes relacionadas 18 11.468 7.319 Lucro operac. antes do resultado financeiro (Aumento) redução nos ativos operacionais: Partes relacionadas 18 5.647 23 Parcelamentos fiscais 17 – 1.062 Resultado financeiro 24 7.060 5.945 Contas a receber de clientes (16.613) (19.046) Depósitos judiciais 251 257 Provisão p/ riscos fiscais, cíveis e trabalhistas 19 13.105 10.817 Receitas financeiras 24 (2.234) (2.143) Estoques (251) (771) Impostos diferidos 16 4.950 6.939 Patrimônio líquido 7.775 55.573 Despesas financeiras 24 (8) 7 Impostos a recuperar 77 (357) Propriedades para investimento 10 – 2.833 Capital social 20.a 3.974 100 Variação cambial, líquida 29.896 12.375 Despesas antecipadas (6.432) (88) Imobilizado 11 1.370 5.028 Reserva de lucros 20.b, 20.c 3.801 54.456 Lucro antes do IRPJ e da contribuição social Outros ativos (262) (29) Intangível 12 2.986 1.823 Ajuste Avaliação – TVM 20.d – (1.791) Imposto de renda e contribuição social 15 (11.673) (10.197) Aumento (redução) nos passivos operacionais: Lucros acumulados – 2.808 Corrente 15 1.021 4.954 Fornecedores (terceiros e partes relacionadas) 3.118 255 Total dos ativos 54.598 85.927 Total do patrimônio líquido e passivos 54.598 85.927 Diferido Lucro líquido do exercício 19.244 7.132 Salários, provisões e contribuições sociais 100 209 Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido 35 34 Número de ações/quotas ao final do exercício 4.178.874 100.000 Impostos a recolher Capital Reserva Ajuste Lucros (prejuízos) Lucro líquido por ação/quota do capital – Impostos de renda e contribuição social pagos (10.750) (3.517) Nota social de lucros avaliação – TVM acumulados Total em R$ (diluído e básico) – ON 26 4,61 71,32 Parcelamento de impostos (927) (649) Saldos em 31/12/2010 (não auditado) 100 54.456 (626) (4.324) 49.606 Partes relacionadas – créditos diversos 7.432 – Demonstrações do Resultado para os exercícios findos em Ajustes de avaliação – TVM 20.d – – (1.165) – (1.165) Outras obrigações 115 (306) 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Lucro líquido do exercício – – – 7.132 7.132 Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais 12.632 4.305 (Valores expressos em milhares de reais – R$) Saldos em 31/12/2011 100 54.456 (1.791) 2.808 55.573 Fluxos de caixa de atividades de investimento Constituição de reserva de lucros – 2.808 – (2.808) – Nota 2012 2011 Aquisição de imobilizado (423) (535) Distrib. de divid. antec. (R$ 0,99 p/ ação) em 07/12/2012 20.c, 20.e – (57.246) – (22.754) (80.000) Lucro líquido do exercício 19.244 7.132 Recebimento pela alienação de imobilizado 27 – Integralização de capital em 07/12/2012 20.a 80.000 – – – 80.000 Outros resultados abrangentes Adições ao intangível (1.548) (1.881) Lucro líquido do exercício – – – 19.244 19.244 Ajuste de avaliação patrim. – valor de mercado Aplicações financeiras (2.673) (7.885) Ajustes de avaliação – TVM 20.d – – (832) – (832) Ações disponível para venda 20.d (832) (1.165) Partes relacionadas (mútuo ativo) (10.688) 8.185 Cisão parcial 20.a, 1.b (76.126) – 2.623 7.293 (66.210) Resultado abrangente total do exercício 18.412 5.967 Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento (15.305) (2.116) Constituição de reserva legal 20.b – 962 – (962) – Fluxos de caixa de atividades de financiamento Constituição de reserva de lucros 20.c – 2.821 – (2.821) – 8. Impostos a Recuperar Distribuição de dividendos (33) (202) Saldos em 31/12/2012 3.974 3.801 – – 7.775 O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: (33) (202) 2012 2011 Caixa líquido aplicado nas atividades de financiamento (2.706) 1.987 Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras (Valores expressos em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) IRPJ a recuperar (a) 128 262 (Redução) aumento líq. no caixa e equival. de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 16.225 14.238 1. Contexto Operacional – a) Atividades: A Central de Produções GWUP S.A. (“GWUP” ou justo por meio do resultado) são reconhecidos inicialmente na data da negociação na qual CSLL a recuperar (a) 37 37 13.519 16.225 “Sociedade”) é uma sociedade por ações de capital fechado, conforme alteração ocorrida se torna uma das partes das disposições contratuais do instrumento. A Sociedade deixa de COFINS a recuperar 74 42 Caixa e equivalentes de caixa no fim do exercício em 09/11/2012, anteriormente constituída como sociedade limitada, com sede na cidade reconhecer um ativo financeiro quando os direitos contratuais sobre seus fluxos de caixa PIS a recuperar 15 9 10. Propriedades para Investimento de Curitiba, no Estado do Paraná, constituída em 04/07/1997. Tem como objeto social se expiram, ou quando transferem os direitos relativos ao recebimento dos fluxos de caixa IRRF a recuperar sobre aplicações financeiras 10 1 O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: venda de livros e revistas, materiais didáticos, CD’s, DVD’s, bem como a programação, contratuais em uma transação no qual essencialmente todos os riscos e benefícios de sua ICMS a recuperar 2 4 Taxa Média Anual Líquido Líquido divulgação, editoração eletrônica, produção de comerciais, filmes bem como programas titularidade são transferidos. Eventual participação que seja criada ou retida nos ativos é Outros 19 7 de Depreciação 2012 2011 de rádio, televisão e internet, produções artísticas, produção de trilhas sonoras, serviço de reconhecida como um ativo ou passivo individual. 2.12.1.1. Ativos financeiros registrados 285 362 4% – 2.788 edição, serviço de programação visual e produção de áudio e visuais, inclusão de estúdio pelo valor justo por meio do resultado.: Um ativo financeiro é classificado pelo valor justo a) Os créditos tributários de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social Edificações Obras de arte – 45 de som, exportação e importação, serviços combinados de escritório e apoio administrativo. por meio do resultado caso seja classificado como mantido para negociação, ou seja, sobre o Lucro Líquido (CSLL) são decorrentes de retenções e serão utilizados através de – 2.833 É responsável pela produção dos materiais das marcas: Wise-Up, Go Getter e Lexical. b) designado como tal no momento do reconhecimento inicial. Os ativos financeiros são compensação com débitos devidos. Em 08/12/2012, as propriedades para investimento foram integralmente transferidas Cisão Parcial: Em 08/12/2012, foi cindido parcialmente o patrimônio da Sociedade, ao valor designados pelo valor justo por meio do resultado e a Sociedade gerencia tais investimen- 9. Despesas Antecipadas 2012 2011 para a empresa ligada BCASPE através de cisão parcial. Abaixo movimentação da conta: contábil, para a empresa ligada BCASPE Empreendimentos e Participações Ltda. (“Bcaspe”) tos e toma decisões de compra e venda baseada em seus valores justos de acordo com a Tx. Média Anual 6.500 – a qual é controlada pelos sócios controladores da Sociedade. Conforme nota explicativa nº estratégia de investimentos. Os custos da transação, após o reconhecimento inicial, são Propaganda e publicidade (a) 20 88 29, a cisão ocorreu como resultado da negociação de venda de ações da Sociedade. Essa reconhecidos ao resultado quando incorridos. Ativos financeiros registrados pelo valor justo Outras despesas antecipadas de Depreciação 2011 Cisão 2012 6.520 88 Edificações negociação determinou a exclusão dos ativos e passivos cindidos do patrim. da Sociedade por meio do resultado são medidos pelo valor justo, e mudanças no valor justo desses 4% 2.788 (2.788) – objeto da venda. Como resultado da cisão parcial houve as seguintes reduções nas contas ativos são reconhecidos no resultado do exercício. 2.12.1.2. Ativos financeiros mantidos (a) Referem-se a pagamentos efetuados para direito de uso da marca e participação na Obras de arte 45 (45) – patrimoniais em dezembro de 2012: até a data de vencimento: Os investimentos mantidos até o vencimento correspondem a “Copa do Mundo do Brasil”, junto a Federação Internacional de Futebol e Associados (FIFA). Líquido 2.833 (2.833) – Ativos Total cindido ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis e data de A amortização é realizada proporcionalmente às veiculações de propaganda e publicidade Ativos Circulantes: vencimento fixa que a Sociedade tem a intenção positiva e a capacidade de manter até o relacionadas ao uso da marca “FIFA”, com início em 2012 e término em dezembro de 11. Imobilizado Aplicações financeiras – ações 3.003 vencimento. Após o reconhecimento inicial, os investimentos mantidos até o vencimento 2014. No exercício de 2012 foram apropriados ao resultado o montante de R$ 1.500 em O saldo dessa conta está composto p/ seguintes valores: Contas a receber de clientes 40.603 são mensurados ao custo amortizado utilizando o método de juros efetivos, menos eventual razão do inicio do uso da marca, o quais foram registrado na rubrica de propaganda e Taxa Média Deprec. Líquido Líquido Total dos ativos circulantes 43.606 perda por redução ao valor recuperável. 2.12.1.3. Ativos financeiros disponíveis para publicidade em despesas com vendas. Em abril de 2012, a Sociedade GWUP assinou o Anual de Deprec. Custo acumul. 2012 2011 venda: Os ativos financeiros disponíveis para venda correspondem a ativos financeiros não contrato de patrocínio com a FIFA, acima mencionado, pelo qual assumiu o compromisso Ativos Não Circulantes: Terrenos – – – – 100 Contas a receber de clientes 3.699 derivativos designados como “disponíveis para venda” ou não são classificados como: (a) dos seguintes pagamentos: 4% 28 (2) 26 3.623 Valor Edificações Partes relacionadas 9.244 empréstimos e recebíveis, (b) Ativos financeiros mantidos até a data de vencimento, ou (c) Período 10% 76 (18) 58 63 8.000 Instalações Impostos diferidos 3.439 ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado. Ações listadas mantidas pela 2012 (valor já pago) 10% 588 (196) 392 404 16.000 Maquinas e equipamentos Propriedade para investimento 2.833 Sociedade e negociadas em um mercado ativo são classificadas como “disponíveis para 2013 20% 870 (438) 432 377 30.000 Equipam. de proc. de dados Imobilizado 3.496 venda” e demonstradas ao valor justo no encerramento do exercício. Os ganhos e perdas 2014 10% 713 (267) 446 441 54.000 Moveis e utensílios Total dos ativos não circulantes 22.711 são reconhecidos em “Outros resultados abrangentes” 2.12.1.4. Empréstimos e Recebí- Total Total dos ativos 66.317 veis: Empréstimos e recebíveis são ativos financeiros não derivativos com pagamentos Adicionalmente o Grupo se comprometeu em ministrar cursos de línguas, conforme Aparelhos de comunicação 10% 31 (15) 16 20 fixos ou determináveis e que não são cotados em um mercado ativo. Os recebíveis da instruções da FIFA, no valor estimado de R$ 8.000. Passivos 2.306 (936) 1.370 5.028 Sociedade referem-se basicamente a créditos de curto prazo. Compreendem os saldos de Passivos Circulantes: Abaixo movimentação do ativo imobilizado: Dividendos a pagar 68 caixa, depósitos bancários à vista e aplicações financeiras. Essas aplicações financeiras Máquinas e Equip. Proc. Móveis e Aparelhos de Salários , provisões e contrib. sociais 8 estão demonstradas ao custo, acrescido dos rendimentos auferidos até as datas de encerTerrenos Edificações Instalações Equipam. de dados Utensílios Comunicação Total Total dos passivos circulantes 76 ramento do exercício, e possuem vencimentos inferiores a 90 dias ou sem prazos fixados Saldo em 31/12/2010 (não auditado) 100 3.931 17 210 315 428 17 5.018 Passivos Não Circulantes: Partes Relacionadas 31 para resgate, com liquidez imediata, e estão sujeitas a um insignificante risco de mudança Adição – – 49 234 172 73 6 535 Total dos passivos não circulantes 31 de valor. 2.12.2. Passivos financeiros não derivativos: A Sociedade reconhece, inicial- Depreciação – (308) (3) (40) (111) (60) (3) (525) Patrimônio Líquido: Patrimônio líquido 66.210 mente, títulos de dívida emitidos na data em que são originados. Todos os outros passivos Saldo em 31/12/2011 100 3.623 63 404 377 441 20 5.028 Total dos passivos e do patrimônio líquido 66.317 financeiros (incluindo passivos designados pelo valor justo registrado no resultado) são Adição – 87 2 46 210 78 – 423 2. Apresentação das Demonstrações Financeiras e Principais Práticas Contábeis – 2.1. reconhecidos inicialmente na data de negociação na qual se torna uma parte das disposi- Baixa – – – – (3) (4) – (7) Declaração de conformidade: As demonstrações financeiras da Sociedade foram prepa- ções contratuais do instrumento. A Sociedade baixa um passivo financeiro quando tem suas Baixa por cisão (custo) (100) (4.959) – – – – – (5.059) radas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, vigentes para 31/12/2012. obrigações contratuais retiradas, canceladas ou vencidas. Os ativos e passivos financeiros Baixa por cisão (depreciação) – 1.563 – – – – – 1.563 As práticas contábeis adotadas no Brasil compreendem aquelas incluídas na legislação são compensados e o valor líquido é apresentado no balanço patrimonial quando, e somente Depreciação – (288) (7) (58) (152) (69) (4) (578) societária brasileira e os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidas quando, tenha o direito legal de compensar os valores e tenha a intenção de liquidar em Saldo em 31/12/2012 – 26 58 392 432 446 16 1.370 pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC e aprovados pelo Conselho Federal de uma base líquida ou de realizar o ativo e quitar o passivo simultaneamente. Tais passivos Tx. Média Anual Amortiz. Líquido Líquido e Trabalhistas 2012 2011 Contabilidade – CFC. 2.2. Base de preparação: As demonstrações financeiras foram são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação 12. Intangível 77 59 de Amortiz. Custo acumul. 2012 2011 Riscos cíveis (a) elaboradas com base no custo histórico, exceto por determinados instrumentos financeiros atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo 10.682 8.985 (a) 3.416 (464) 2.952 1.771 Riscos trabalhistas (b) mensurados pelos seus valores justos, conforme descrito nas práticas contábeis a seguir. custo amortizado através do método dos juros efetivos. 2.12.3. Instrumentos financeiros Desenvolv. de produtos 2.346 1.773 20% 92 (58) 34 52 Riscos fiscais (c) O custo histórico geralmente é baseado no valor justo das contraprestações pagas em troca derivativos: As empresas da Sociedade não operam com instrumentos financeiros deriva- Softwares 13.105 10.817 3.508 (522) 2.986 1.823 de ativos. A preparação das demonstrações financeiras requer o uso de certas estimativas tivos. 2.13. Ajuste a valor presente: Em conformidade com o CPC 12 – Ajuste a valor contábeis e também o exercício de julgamento por parte da Administração da Sociedade presente, os elementos integrantes do ativo e passivo decorrentes de operações de longo (a) Os gastos com desenv. de produtos referem-se a gastos incorridos e diretamente (a) Cíveis: Os processos cíveis relacionam-se, entre outras questões, a reclamações no processo de aplicação das práticas contábeis. Essas estimativas podem afetar os prazo e relevantes em curto prazo foram ajustados a valor presente. Os efeitos do valor associados ao desenvolvimento de materiais didáticos. Tais gastos são substancialmente formalizadas por clientes, junto aos órgãos de defesa do consumidor. Não existe nenhum valores divulgados de ativos e passivos na data das demonstrações financeiras e os presente do ativo, contas a receber, tem como contrapartida a conta de “receita financeira” compostos pelos serv. prestados por funcionários da Soc. e por terceiros referentes ao processo individualmente com valor representativo. (b) Trabalhistas: Os processos valores divulgados de receitas e despesas durante o exercício. Apesar de essas estimativas no resultado do exercício. A taxa de juros utilizados para desconto são taxas de mercado, projeto gráfico, edição e revisão de texto e diagramação e outros. A amortiz. é calculada de trabalhistas relacionam-se, entre outras questões, a reclamações formalizadas por exserem baseadas na melhor perspectiva da Administração, os resultados reais podem ser como a Selic, os quais são aplicados sobre os fluxos de recebíveis, livre de risco de crédito, acordo com a vida útil estimada de 6 anos, período estimado pelo histórico de substituição -funcionários, os quais buscam reivindicar diversos pleitos indenizatórios. Em 31/12/2012, materialmente diferentes. As áreas que envolvem maior julgamento ou complexidade, ou sendo em média em 2012 de 8,54% (11,67% em 2011). 2.14. Normas e interpretações do material no mercado, iniciando-se a sua amortiz. a partir da finalização do projeto e início não existe nenhum processo individualmente com valor representativo. Adicionalmente, há cujas premissas e estimativas sejam relevantes às demonstrações financeiras, estão novas e revisadas já emitidas e ainda não adotadas: O CPC emitiu novos pronuncia- da comercialização dos produtos. A movimentação do ativo intangível está representada por: obrigações trabalhistas pelo não recolhimento de encargos sobre prestadores de serviços com característica de vínculo empregatício. (c) Fiscais: Relacionam-se a obrigações fiscais Desenvolv. divulgadas na nota explicativa nº 3. As principais práticas contábeis adotadas na elaboração mentos listados abaixo, porém com vigências a partir de 2013: • CPC 36 (R3)/IFRS 10 – de produtos Softwares Total pelo não recolhimento de impostos federais em 2011 sobre despesas não rateadas para destas demonstrações financeiras estão descritas a seguir: 2.3. Reconhecimento da Demonstrações Consolidadas • CPC 19 (R2)/IFRS 11 – Negócios em conjunto • CPC 45/ as outras empresas do grupo, que utilizam a mesma estrutura da sociedade (TI, pessoal, Saldo em 31/12/2010 (não auditado) – 56 56 receita: A receita é reconhecida na extensão em que for provável que benefícios econô- IFRS 12 – Divulgação de Participação em Outras Sociedades • CPC 46/IFRS 13 – Mensu1.869 12 1.881 administrativa, etc). Probabilidades de Perda Possível: Existem outros processos cíveis, micos serão gerados e quando puder ser mensurada de forma confiável. A receita é rações ao valor justo • CPC 33 (R1)/Alterações a IAS 19 – Benefícios a empregados • CPC Adição (98) (16) (114) trabalhistas e tributários em curso, que foram avaliados pelos assessores jurídicos como mensurada com base no valor justo da contraprestação recebida ou a receber, excluindo- 18 (R2)/Alterações a IAS 28 – Investimento em coligadas com controle compartilhado • Amortização 1.771 52 1.823 sendo de risco possível, para os quais nenhuma provisão foi constituída, tendo em vista que -se devoluções, descontos, abatimentos e impostos ou encargos sobre vendas. Venda de CPC 35 (R2)/IAS 27 – demonstrações financeiras separadas. Diversas normas, emendas Saldo em 31/12/2011 1.547 1 1.548 as práticas contábeis adotadas no Brasil não requerem a sua contabilização. Os valores de produtos: A receita na venda de produtos é reconhecida quando forem satisfeitas todas às normas e interpretações IFRS emitidas pelo IASB ainda não entraram em vigor para o Adição (366) (19) (385) causas possíveis totalizavam, em 31/12/2012, R$ 270 (R$ 25 em 2011). as seguintes condições: • Houve transferência para o comprador dos riscos e benefícios exercício findo em 31/12/2012, sendo essas: • IFRS 9 – Instrumentos Financeiros • Alte- Amortização 2.952 34 2.986 Abaixo demonstramos quadro de movimentação: mais significativos inerentes à propriedade dos produtos; • Não há envolvimento contínuo rações a IFRS 7 – Instrumentos financeiros: Divulgações • Alterações do IAS 32 – Ativos Saldo em 31/12/2012 3.129 2012 2011 Saldo em 31 de dezembro de 2010 (não auditado) na gestão dos produtos vendidos em grau normalmente associado à propriedade nem financeiros • IFRIC 20 – Custo de remoção na fase de produção de uma mina. O CPC ainda 13. Fornecedores 6.190 4.815 2.025 (+) Adições controle efetivo sobre tais produtos; • O valor da receita puder ser confiavelmente mensu- não emitiu pronunciamentos equivalentes aos IFRSs acima citados, mas existe expectativa Fornecedores (+) Atualização monetária 1.498 Comissões a pagar (a) 328 – rado; • For provável que os benefícios econômicos associados à transação fluirão para a de que o faça antes da data requerida de sua entrada em vigor. A adoção antecipada dos 10.817 5.143 2.025 Saldo em 31 de dezembro de 2011 empresa vendedora; • As despesas incorridas ou a serem incorridas, referentes à transa- pronunciamentos do IFRS está condicionada à aprovação prévia em ato normativo do 1.344 ção, possam ser confiavelmente mensuradas, e Mais especificamente, a receita na venda Conselho Federal de Contabilidade. A Administração da Sociedade com base nas informa- (a) Os valores de comissões a pagar referem-se a comissões sobre venda de material (+) Adições 989 de produtos é reconhecida quando os produtos são entregues, e a titularidade legal e o ções atualmente disponíveis e conhecidas está analisando se os CPCs novos e revisados, didático a pagar ao franqueado. A Administração avaliou que não há valores de ajuste a (+) Atualização monetária (45) valor presente a serem registrados, devido à imaterialidade dos montantes envolvidos e (-) Reversões risco, transferidos. 2.4. Moeda funcional e moeda estrangeira: Moeda funcional e de acima mencionadas, terão efeitos relevantes nos saldos e divulgações realizadas. 13.105 apresentação: As demonstrações financeiras são apresentadas em reais (R$ mil), que é a 3. Julgamentos, Estimativas e Premissas Contábeis Significativas – A preparação das pelos prazos médios de pagamentos praticados serem de cerca de 45 dias. 14. Impostos Saldo em 31 de dezembro de 2012 20. Patrimônio Líquido – a) Capital Social: Em novembro de 2012, houve aumento de a Recolher – O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: moeda funcional das entidades incluídas nas demonstrações financeiras. Transações e demonstrações financeiras requer que a Administração faça julgamentos e estimativas 2012 2011 capital no montante de R$ 80.000, através de integralização dos dividendos a pagar aos saldos em moeda estrangeira: São atualizados monetariamente com base em taxa de e adote premissas que afetam os valores apresentados de receitas, despesas, ativos e 6.246 5.479 acionistas (vide nota 20.e), totalizando nesta data 80.100 mil ações ordinárias do capital câmbio, índices de variação monetária e encargos financeiros, nos termos dos contratos passivos, bem como as divulgações de passivos contingentes, no fim de cada período de IRPJ corrente a pagar 1.944 1.788 social nominativas e sem valor nominal. Em 08/12/2012, houve a cisão parcial com a vigentes, de modo que reflitam os valores auferidos e incorridos até o fim de cada período relatório. Contudo, a incerteza relativa a essas premissas e estimativas poderia levar a CSLL corrente a pagar 16 18 redução de R$ 76.126, conforme nota explicativa nº 1.b., equivalentes a 75.921 mil ações de relatório. As variações cambiais sobre itens monetários são reconhecidas no resultado resultados que requeiram ajustes significativos ao valor contábil do ativo ou passivo afetado ISS 126 89 do capital social naquela data. O capital social da Sociedade, em 31/12/2012, é de R$ 3.974 no período em que ocorrerem. 2.5. Imposto de renda e contribuição social: A despesa em períodos futuros. As estimativas e premissas subjacentes são revisadas continuamente. Outros impostos (R$ 100 em 31/12/2011), através de 4.179 mil ações ordinárias nominativas e sem valor 8.332 7.374 com imposto de renda e contribuição social representa a soma dos impostos correntes e Os efeitos decorrentes das revisões feitas às estimativas contábeis são reconhecidos no diferidos. Impostos correntes: A provisão para imposto de renda e contribuição social está período em que as estimativas são revistas, se a revisão afetar apenas esse período, ou 15. Imposto de Renda e Contribuição Social Corrente e Diferido – A despesa de imposto nominal. b) Reserva legal: A Reserva legal é constituída na proporção de 5% do lucro do baseada no lucro tributável do exercício. O lucro tributável difere do lucro apresentado na também em períodos posteriores se a revisão afetar tanto o período presente como períodos de renda e contribuição social do exercício pode ser conciliada com o lucro contábil como exercício e limitada a 20% do Capital Social. Em 2012, foi constituída na sociedade, o valor Valor 2012 2011 de R$ 962 de reserva legal, conforme cálculo abaixo: demonstração do resultado, porque exclui receitas ou despesas tributáveis ou dedutíveis futuros. A seguir, são apresentadas as principais premissas a respeito do futuro e outras segue: 19.244 29.896 12.375 Lucro do exercício 2012 em outros exercícios, além de excluir itens não tributáveis ou não dedutíveis de forma principais origens da incerteza nas estimativas no fim de cada período de relatório, que Lucro antes do IRPJ e da contribuição social 962 (10.165) (4.208) Reserva legal – 5% permanente. A provisão para imposto de renda e contribuição social é calculada individu- podem levar a ajustes significativos nos valores contábeis dos ativos e passivos no próximo IRPJ e CSLL consid. as alíq. nom. de 25%e 9%, respec. (487) (1.035) c) Reservas de lucros: O saldo de lucros acumulados em 31/12/2011, no montante almente por cada empresa da Sociedade com base nas alíquotas vigentes no fim do exercício. Provisão para créditos de liquidação duvidosa: A Administração com base Efeito das diferenças permanentes (10.652) (5.243) de R$ 2.808, não foi transferidos para reservas de lucros, devido ao estatuto social da exercício. Impostos diferidos: O imposto de renda e contribuição social diferidos (“imposto as particularidades de cada segmento de negócio e constituiu tais provisões de forma a IRPJ e CSLL do exercício (11.673) (10.197) Sociedade, na forma de uma sociedade limitada, não prever a destinação dos lucros diferido”) é reconhecido sobre as diferenças temporárias no final de cada exercício entre cobrir prováveis perdas na realização dos créditos. Essa estimativa leva em consideração a Corrente 1.021 4.954 acumulados a não ser quando de forma contraria for decidida a distribuição ou retenção os saldos de ativos e passivos reconhecidos nas demonstrações financeiras e as bases análise de cada cliente e a recuperabilidade dos valores históricos. Provisão para estoques Diferido (10.652) (5.243) pelos quotista, fato que não correu naquele exercício. Do saldo das reservas existentes em fiscais correspondentes usadas na apuração do lucro tributável, incluindo saldo de prejuí- obsoletos: O reconhecimento das perdas nos estoques foi realizado com base na avaliação Total zos fiscais, quando aplicável. Os impostos diferidos passivos são geralmente reconhecidos dos estoques que não possuem expectativa clara de utilização e venda. A base principal A apuração do imposto de renda e contribuição social na Sociedade é efetuada pela 31/12/2011, foi distribuído R$ 57.246 aos sócios em 2012. O saldo de lucros acumulados, sobre todas as diferenças temporárias tributáveis e os impostos diferidos ativos são dessa avaliação foi o giro dos estoques. Vida útil dos bens do imobilizad: A Sociedade sistemática do lucro real. A Sociedade não possui saldos de prejuízo fiscal e base negativa em 31/12/2012, no montante de R$ 2.821, foi constituído reserva de lucros para futura reconhecidos sobre todas as diferenças temporárias dedutíveis, apenas quando for prová- avalia anualmente se a vida útil estimada dos bens do imobilizado é a melhor estimativa da contribuição social, consequentemente, não foram constituídos impostos diferidos aprovação na assembleia geral, conforme ata de reunião do Conselho de Administração , vel que a empresa apresentará lucro tributável futuro em montante suficiente para que tais de vida útil dos bens em poder das Sociedades. Provisões para riscos fiscais, cíveis e sobre tais valores. Os impostos diferidos referem-se a diferenças temporárias, conforme representa pela totalidade dos seus acionistas. d) Ajuste Avaliação – TVM: Em 2012, houve o ajuste de avalição patrimonial (perda) no montante de R$ 832 (R$ 1.165 em 2011), líquido diferenças temporárias dedutíveis possam ser utilizadas. A recuperação do saldo dos trabalhistas: A Sociedade reconhece uma provisão para causas fiscais, cíveis e trabalhis- descrito na nota explicativa 16. impostos diferidos ativos é revisada no final de cada exercício e, quando não for mais tas. A avaliação da probabilidade de perda inclui a avaliação das evidências disponíveis, a 16. Impostos Diferidos – Os saldos de impostos diferidos estão assim compostos: Impostos de impostos, o qual refere-se aos ajustes de marcação a mercado das ações classificadas 2012 2011 como disponíveis para venda. Esses valores foram cindidos em dezembro de 2012, conforme provável que lucros tributáveis futuros estarão disponíveis para permitir a recuperação de hierarquia das leis, as jurisprudências disponíveis, as decisões mais recentes nos tribunais diferidos ativos 192 4.403 nota explicativa nº1.b. e) Distribuição de dividendos: Em dezembro de 2012, a Sociedade todo o ativo, ou parte dele, o saldo do ativo é ajustado pelo montante que se espera que e sua relevância no ordenamento jurídico, bem como a avaliação dos assessores jurídicos. IRPJ e CSLL diferidos Prov. p/ crédito de liquid. duvidosa 297 2.226 utilizou o montante de lucros do exercício de janeiro a dezembro de 2012 para distribuição seja recuperado. Impostos diferidos ativos e passivos são mensurados pelas alíquotas As provisões são revisadas e ajustadas para levar em conta alterações nas circunstâncias, Ajuste a valor presente – AVP – 2.713 antecipada de dividendos aos sócios no montante de R$ 22.754 Adicionalmente houve a aplicáveis no período no qual se espera que o passivo seja liquidado ou o ativo seja realizado, tais como prazo de prescrição aplicável, conclusões de inspeções fiscais ou exposições Ajuste a avaliação – TVM 1.105 1.237 distribuição de dividendos através de reserva de lucros no montante de R$ 57.246 referente com base nas alíquotas previstas na legislação tributária vigente no final de cada exercício, adicionais identificadas com base em novos assuntos ou decisões de tribunais. Ajuste a Provisão para estoques obsoletos 13.105 10.817 há anos anteriores, totalizando dividendos de R$ 80.000 distribuídos em 2012. Em reunião ou quando uma nova legislação tiver sido substancialmente aprovada. A mensuração dos valor presente: A Sociedade avalia mensalmente os efeitos do ajuste a valor presente Provisão para riscos fiscais, trabalhistas e cíveis (140) (986) do Conselho de Administração, representada pela totalidade dos seus acionistas, o saldo de impostos diferidos ativos e passivos reflete as consequências fiscais que resultariam da com base na estimativa de realização dos valores dos recebíveis em cada data base de Ajuste de receita por período de competência Base de cálculo 14.559 20.410 lucros no período foi destinado à reserva de lucros para posterior apreciação da assembleia forma na qual a Sociedade espera, no final de cada exercício, recuperar ou liquidar o valor apuração das demonstr. financeiras. 34% 34% geral ordinária. 21. Receita Líquida de Vendas – A seguir, a composição da receita de contábil desses ativos e passivos. O imposto de renda e contribuição social correntes e 4. Caixa e Equivalentes de Caixa – Os saldos de caixa e equival. de caixa estão compostos Alíquota 4.950 6.939 vendas da Sociedade no exercício: 2012 2011 diferidos são reconhecidos como despesa ou receita no resultado do exercício. 2.6. Caixa por: 2012 2011 6.939 Receita bruta de vendas 1 1 Abaixo mapa de mov. dos imp. diferidos: Saldo inicial em 2011 e equivalentes de caixa: Compreendem os saldos de caixa, depósitos bancários à vista e Caixa 107.744 96.806 (3.439) Receita de Materiais Didáticos 382 834 Cisão parcial aplicações financeiras. Essas aplicações financeiras estão demonstradas ao custo, acres- Bancos conta movimento (68) (84) 429 (-) Impostos sobre vendas e serviços 13.136 15.390 Ajuste avaliação – TVM cido dos rendimentos auferidos até as datas de encerramento do exercício, e possuem Aplicações financeiras – renda fixa (a) (15.082) (7.100) 1.021 (-) Devoluções e abatimentos 13.519 16.225 Resultado vencimentos inferiores a 90 dias ou sem prazos fixados para resgate, com liquidez imediata, (4.070) (5.231) 4.950 (-) AVP – Ajuste valor presente e estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. 2.7. Contas a receber: (a) As aplicações financeiras em renda fixa estão classificadas como equivalentes de Saldo final em 31/12/2012 88.524 84.391 Registradas no balanço pelo valor nominal dos títulos representativos desses créditos, caixa e estão representados por certificados de deposito bancário, cujos rendimentos são 17. Parcelamentos Fiscais – O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valo- Receita líquida de vendas 2012 2011 22. Informação sobre a Natureza das Despesas Reconhecidas na Demonstração do líquidas do ajuste a valor presente calculado sobre as vendas a prazo. A provisão para vinculados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário) com taxa média anual de remu- res: 612 2.194 Resultado – A Sociedade apresentou a demonstração do resultado utilizando uma clascrédito de liquidação duvidosa é constituída com base em análise do percentual histórico neração entre 100% a 102,5%, com liquidez imediata, e estão sujeitas a um insignificante Parcelamento de ICMS - Rio Janeiro Circulante 612 1.132 sificação das despesas baseada na sua função. As informações sobre a natureza dessas de perda dos valores a receber e em montante considerado pela Administração necessário risco de mudança de valor. – 1.062 despesas reconhecidas na demonstr. do resultado são apresentadas a seguir: e suficiente para cobrir prováveis perdas na realização desses créditos, os quais podem 5. Aplicações Financeiras – Os saldos de aplicações financeiras estão compostos por: Não circulante 2012 2011 2012 2011 O saldo refere-se ao parcelamento de ICMS junto ao Estado do Rio Janeiro decorrente de ser modificados em função da recuperação de créditos junto a clientes devedores ou (4.638) (3.910) 9.589 6.950 3 autos de infração de exercícios distintos, no montante total de R$ 4.586 (valor original Material para revenda e materiais utilizados mudança na situação financeira de clientes. 2.8. Estoques: Apresentados pelo menor valor Aplicações financeiras - fundos de investimentos (28.216) (32.458) – 4.230 do parcelamento), os quais foram parcelados em 30 meses e 60 meses em 2008 e são Propaganda e publicidade entre o valor de custo e o valor líquido realizável. Os custos dos estoques são determinados Títulos em ações (5.520) (5.059) 9.589 11.180 atualizados monetariamente pelo UFIR/RJ. Os valores correspondem ao saldo principal, multa Despesas com pessoal pelo método do custo médio de aquisição. O valor líquido realizável corresponde ao preço (4.939) (4.403) de venda estimado dos estoques, deduzido de todos os custos estimados para conclusão As aplicações financeiras em fundos de investimentos são realizadas nos bancos: San- e honorários advocatícios. As autuações ocorreram principalmente pela falta de recolhimento Provisão para créditos de liquidação duvidosa (6.829) (7.246) e custos necessários para realizar a venda. Quando aplicável, a provisão para perdas nos tander, Itaú, Caixa Econômica Federal – CEF e Banco do Brasil os quais o administrador de ICMS, não destacado no documento fiscal, relativo a operações de saídas de mercadorias Despesas comerciais e comissões (2.395) (1.116) estoques é constituída com base em estimativas considerando-se produtos fora de linha é responsável pela escolha da carteira de aplicação do fundo. As operações em renda tributadas, cujo levantamento foi efetuado com base nos livros e documentos fiscais. Em Fretes (7.987) (8.466) ou com baixa rotação e o melhor julgamento da Administração das empresas incluídas nas variável referem-se a aplicações em ações de Cias. de capital aberto, custodiadas pela maio de 2012, a Sociedade entrou em um novo programa de reparcelamento advindo da Lei Serviços de terceiros (547) (618) demonstrações financeiras. Caso a potencial perda não seja mais provável, a provisão é IntraCorretora, ajustadas pelo valor de mercado, de forma que os efeitos da marcação a 6.136/2011, no qual obteve redução do saldo devedor através de anistia de multa e juros Manutenções (2.056) (399) revertida na proporção correspondente. 2.9. Imobilizado: O ativo imobilizado está demons- mercado foram registrados na rubrica de “Ajuste Avaliação – TVM” no patrimônio líquido, no montante de R$ 655, reconhecido na rubrica de receita financeira. Os parcelamentos Brindes, doações e conversão de material (1.528) (702) trado ao valor de custo, deduzido de depreciação e perda por redução ao valor recuperável, por serem consideradas operações disponíveis para venda. Em 12/2012, os valores foram estão sendo pagos mensalmente e não ocorreram nenhum descumprimento do mesmo. Em Honorários advocatícios (76) (107) 31/12/2012 restam 10 parcelas mensais a serem pagas. 18. Partes Relacionadas – Os Comunicação quando aplicável. Tais imobilizações são classificadas nas categorias adequadas do imo- cindidos, conforme demonstrado na nota explicativa nº 1.b. (897) (1.321) bilizado quando concluídas e prontas para o uso pretendido. A depreciação desses ativos 6. Contas a Receber de Clientes– O saldo de contas a receber de clientes está composto saldos de ativos e passivos com partes relacionadas estão compostos da seguinte forma: Viagens (963) (639) 2012 2011 Depreciação e amortização inicia-se quando eles estão prontos para o uso pretendido na mesma base dos outros pelos seguintes valores: 2012 2011 Ativo não circulante Aluguéis (229) (225) ativos imobilizados. A depreciação é calculada pelo método linear, de acordo com as taxas Cheques em custódia 2.949 46.070 Incluído em partes relacionadas: (909) (755) 4.956 – Energia elétrica e telefonia de depreciação considerando a vida útil de cada ativo. Um item do imobilizado é baixado Boletos e cartão de crédito 5.353 709 Klinos (b) (1.277) (2.057) 691 – Outras Despesas depois da alienação ou quando não há benefícios econômicos futuros resultantes do uso (-) Ajuste a valor presente (298) (2.226) Medialab (b) (69.006) (69.481) – 17 contínuo do ativo. Quaisquer ganhos ou perdas na venda ou baixa de um item do imobilizado Provisão para créditos de liquidação duvidosa (193) (4.403) Omna (b) – 6 Classificados como: são determinados pela diferença entre os valores recebidos na venda e o valor contábil do 7.811 40.150 Cad (b) (5.028) (4.621) 5.647 23 Custos das merc. e serv. prest. ativo e são reconhecidos no resultado. 2.10. Intangível: Os gastos com atividades de Circulante 6.814 36.451 (46.158) (49.643) 2012 2011 Despesas com vendas pesquisa são reconhecidos como despesa no período em que são incorridos. Os gastos Não circulante 997 3.699 Passivo circulante Desp. Gerais e Administrativas (17.820) (15.217) com desenvolvimento (ou de uma fase de desenvolvimento de um projeto interno) é A composição dos vencimentos dos saldos de contas a receber de clientes são como seguem: Incluído em dividendos a pagar: (69.006) (69.481) – 51 reconhecido como intangível se, e somente se, demonstrado todas as seguintes condições: 2012 2011 Flávio Augusto da Silva – 50 23. Outras Despesas Operacionais – Abaixo composição dos principais valores de outras • A viabilidade técnica de completar o ativo intangível para que seja disponibilizado para A vencer 8.190 43.854 Luciana Diniz da Silva 2012 2011 – 101 despesas operacionais: 112 419 uso ou venda; • A intenção de se completar o ativo intangível e usá-lo ou vendê-lo; • A Vencidos até 30 dias (1.344) (6.190) 2012 2011 Provisão para processos administrativos e/ou judiciais – 326 Incluídos em créditos a pagar habilidade de usar ou vender o ativo intangível; • Como o ativo intangível irá gerar prová- Vencidos de 31 a 60 dias 20 – – 340 Bcaspe (a) 7.432 – Resultado na alienação de imobilizado veis benefícios econômicos futuros; • A disponibilidade de adequados recursos técnicos, Vencidos de 61 a 90 dias 6.998 – – 302 financeiros e outros para completar o desenvolvimento do ativo intangível e para usá-lo ou Vencidos de 91 a 120 dias 7.432 – Rateio de despesas grupo Ometz Outros (114) (154) – 281 Passivo não circulante vendê-lo; e • A habilidade de mensurar, com confiabilidade, os gastos atribuíveis ao ativo Vencidos de 121 a 150 dias 5.560 (6.344) – 1.257 Incluído em partes relacionadas: intangível durante seu desenvolvimento. O montante inicialmente reconhecido de ativos Vencidos acima de 150 dias (298) (2.226) GWI (b) intangíveis corresponde aos gastos incorridos desde quando o ativo intangível passou a (-) Ajuste a valor presente 10.335 7.268 Os valores de rateio de despesas grupo Ometz referem-se a reembolso que a Sociedade cobra das demais empresas ligadas pelo suporte de custos administrativos e de venda, (193) (4.403) Omna (b) atender aos critérios de reconhecimento mencionados anteriormente. Quando nenhum ativo (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa 1.133 – 7.811 40.150 Klinos (b) intangível puder ser reconhecido, os gastos com desenvolvimento serão reconhecidos no Total clientes – 19 iniciado em 2012. resultado do período, quando incorridos. Subsequentemente ao reconhecimento inicial, os A provisão para crédito de liquidação duvidosa foi constituída com base em análise do Medialab (b) – 32 24. Resultado Financeiro 2012 2011 ativos intangíveis são registrados ao valor de custo, deduzido da amortização e da perda percentual histórico de perda dos valores a receber e em montante considerado pela 11.468 7.319 Receita financeira 1.436 1.606 por redução ao valor recuperável acumuladas, assim como os ativos intangíveis adquiridos Administração necessário e suficiente para cobrir prováveis perdas na realização desses (a) Os saldos a pagar para a BCASPE referem-se a valores recebidos de cheques em cus- Rendimento de aplicações renda fixa 4.359 3.006 separadamente. A amortização é realizada pelo método linear a partir da conclusão do ativo créditos, os quais podem ser modificados em função da recuperação de créditos junto a tódia e boleto após o processo de cisão parcial realizada em dezembro de 2012, os quais Ajuste a valor presente - AVP – 826 intangível e que o mesmos esteja apto a comercialização. Baixa de ativos intangíveis: clientes devedores ou mudança na situação financeira de clientes. Por esse critério, foi serão transferidos para a empresa ligada BCASPE, esses valores serão pagos à medida Juros de capital sobre ações 355 122 Um ativo intangível é baixado na alienação ou quando não há benefícios econômicos reconhecido no resultado de 2012, despesa com provisão para crédito de liquidação duvidosa que os depósitos incorrerem sem prazo de vencimento e sem encargos financeiros sobre Rendimentos de aplicações renda variável 191 65 futuros resultantes do uso ou da alienação. Os ganhos ou as perdas resultantes da baixa no montante de R$ 4.939 (R$ 4.403 em 2011), sendo o montante de R$ 4.746 sobre o os mesmos. (b) Refere-se a valores de mútuo entre partes relacionadas, para os quais, não Dividendos sobre ações e outros investimentos 655 – de um ativo intangível, mensurados como a diferença entre as receitas líquidas da aliena- contas a receber cindido em 08/12/2012, conforme nota explicativa 1.b, e R$ 193 sobre o há prazos ou encargos estabelecidos. Nas transações comerciais com partes relacionadas, Receita anistia lei 6136/2011 64 320 ção e o valor contábil do ativo, são reconhecidos no resultado do exercício, quando o ativo saldo em aberto em 31/12/2012. Abaixo demonstramos a movimentação da provisão para as sociedades utilizam preços e prazos definidos entre as partes. Abaixo movimentação de Descontos obtidos e outras 7.060 5.945 é baixado. 2.11. Provisões: Reconhecidas para obrigações presentes (legal ou presumida) créditos de liquidação duvidosa: compras e vendas de materiais didáticos entre partes relacionadas: (348) (158) Valor resultantes de eventos passados, em que seja possível estimar os valores de forma confi2012 2011 Despesa financeira: Multas e Juros pagos (989) (1.498) – Parte relacionada ável e cuja liquidação seja provável. O valor reconhecido como provisão é a melhor esti- Saldo inicial em 01 de janeiro de 2011 Vendas Compras Vendas Compras Atualiz. monetária s/ provisão p/ riscos trabalh. e cíveis 2012 2011 (4.403) Klinos mativa das considerações requeridas para liquidar a obrigação no fim de cada período de Constituição da provisão 3 2.620 95 – (385) (296) (4.403) Omna relatório, considerando-se os riscos e as incertezas relativos à obrigação. As obrigações Saldo em 31 de dezembro de 2011 3 10 229 – Tarifas e despesas bancárias (512) (191) (4.939) Medialab legais são registradas independentemente da probabilidade de perda. As contingências de Constituição da provisão – 2.826 – 2.457 Outros (2.234) (2.143) 9.149 natureza fiscal, cível e trabalhista objeto de contestações judiciais são reavaliadas perio- Cisão parcial 6 5.456 324 2.457 (8) 7 (193) Durante o exercício de 2012 a Sociedade realizou transações de recuperação de despesas Variação cambial: (Passiva) Ativa dicamente e contabilizadas com base nas opiniões dos assessores jurídicos e da Adminis- Saldo em 31 de dezembro de 2012 4.818 3.809 tração sobre o provável desfecho dos processos judiciais nas datas de divulgação. As 7. Estoques (rateio de compartilhamento de despesas) com partes relacionadas, conforme demonstrado Resultado financeiro 25. Instrumentos Financeiros – As considerações sobre riscos e valorização dos instruempresas incluídas nas demonstrações financeiras adotam o procedimento de provisionar O saldo dessa conta está composto pelos seguintes valores: abaixo: Parte relacionada (recuperação de despesas) 2012 2011 a totalidade das disputas de natureza fiscal, cível e trabalhista cuja chance de perda tenha 2012 mentos financeiros podem ser assim resumidas: a) Risco de mercado: O risco de mercado 2.251 1.977 Klinos sido considerada provável. 2.12. Instrumentos financeiros: Os ativos e passivos financei- Produtos acabados (a) 2.577 é o risco de que o valor justo dos fluxos de caixa futuros de um instrumento financeiro 81 104 Omna ros são reconhecidos quando uma entidade da Sociedade for parte das disposições con- Embalagens e outros 720 flutue devido a variações nos preços de mercado. Os preços de mercado são afetados por (1.105) (1.237) GWI tratuais dos instrumentos. Os ativos e passivos financeiros são inicialmente mensurados (-) Provisão para estoques obsoletos (b) 3.009 três tipos de risco: risco da variação dos preços dos produtos, risco de taxa de juros e risco 1.227 844 Medialab pelo valor justo. Os custos da transação diretamente atribuíveis à aquisição ou emissão de 692 de variação cambial. b) Risco de liquidez: A Administração da Sociedade realiza a gestão ativos e passivos financeiros (exceto por ativos e passivos financeiros reconhecidos ao (a) Trata-se, basicamente, de materiais didáticos para venda, que inclui, livros, CDs e DVDs. Total 6.998 do risco de liquidez através de ferramentas para o gerenciamento das necessidades de valor justo no resultado) são acrescidos ou deduzidos do valor justo dos ativos ou passivos (b) A provisão para estoques obsoletos é constituída com base nas mercadorias cujas pers- Remuneração do pessoal–chave da Administração – As despesas com salários da captações, manutenção de reservas e linhas de créditos que julga adequado, através do financeiros, se aplicável, após o reconhecimento inicial. Os custos da transação diretamente pectivas de realização são avaliadas como remota. Esta análise é feita através do histórico Administração, incluindo encargos e remuneração variável, totalizaram R$ 60 em 2012 monitoramento contínuo dos fluxos de caixas previstos e reais. c) Risco de crédito: O atribuíveis à aquisição de ativos e passivos financeiros ao valor justo por meio do resultado de movimentação dos itens em estoques, cuja classificação como obsoleta compreende (R$  53 em 2011). A remuneração dos administradores foi aprovada em assembleia risco de crédito refere-se ao risco de uma contraparte não cumprir com suas obrigações são reconhecidos imediatamente no resultado. 2.12.1. Ativos financeiros não derivativos: mercadorias sem movimentação há mais de 360 dias, além da análise qualitativa da geral, em 09/11/2012, no montante de R$ 42 mensais. A Sociedade não possui plano de contratuais, levando as sociedades a incorrer em perdas financeiras. Para reduzir esse risco, A Sociedade reconhece os empréstimos e recebíveis, inicialmente, na data em que foram Administração da Entidade quanto às perspectivas de venda das mercadorias em estoque. previdência ou remuneração sob a forma de pagamento baseado em ações ou qualquer as sociedades adotam a política de comercializar seus produtos a clientes que possuam originados. Todos os outros ativos financeiros (incluindo os ativos designados pelo valor A Administr. espera que os estoques sejam realizados em um período inferior a 12 meses. outro tipo de remuneração da divulgada acima. 19. Provisão para Riscos Fiscais, Cíveis continua …


20

PUBLICAÇÕES LEGAIS/ NACIONAL

… continuação capacidade de créditos. Adicionalmente o risco de perda das contas a receber é avaliado para que qualquer indicativo de perda seja refletido nas demonstrações financeiras. d) Risco de câmbio: O risco decorre da possibilidade das sociedades virem a incorrer em perdas e em restrições de caixa por conta de flutuações nas taxas de câmbio, reduzindo os saldos de ativos, já que possuí vendas ao exterior em moeda estrangeira. Índice de endividamento 2012 2011 Dívida bruta (a) (12.575) (2.025) Caixa e equivalente de caixa (b) 13.519 16.225 Aplicações financeiras 9.589 11.180 10.533 25.380 Patrimônio líquido 7.775 55.573 Índice endividamento líquido -135,47% -45,67% (a) A dívida está definida pelas obrigações com fornecedores, partes relacionadas no circulante e emprést. e financiam. de curto e longo prazo. A Sociedade não possui instrumentos financeiros derivativos. (b) Disponibilidade em tesouraria, depósitos em bancos e aplicações de liquidez imediata. 25.1. Categoria de instrumentos financeiros: Ativos financeiros não derivativos: Caixa e equivalentes de caixa, contas a receber de curto e longo prazo e outras contas a receber são classificados como recebíveis. Seus respectivos valores contábeis aproximam-se de seus valores de mercado. Passivos financeiros não derivativos: Os emprést. e financiam., fornecedores, obrigações tributárias, obrigações com partes relacionadas e outras obrigações são classificados como passivos financ. mensurados pelo custo amortizado e seus respectivos valores contábeis aproximam-se de seus valores de mercado. Ativos financeiros 2012 2011 Disponíveis para venda: Títulos em ações – 4.230 – 4.230 Empréstimos recebíveis: Caixa e equivalentes de caixa 13.519 16.225 Aplicações financeiras 9.589 6.950 Contas a receber 7.811 40.150 Outras contas a receber 443 175 31.362 63.500 Passivos financeiros: Custo amortizado: Partes relacionadas (circulante) 7.432 – Fornecedores 5.143 2.025 12.575 2.025 25.2. Tabelas do risco de liquidez e juros: As tabelas a seguir mostram em detalhes o prazo de vencimento contratual restante dos passivos e ativos financeiros da Soc. e os prazos de amortiz. contratuais. As tabelas foram elaboradas de acordo com os fluxos de caixa não descontados dos passivos financeiros com base na data mais próxima em que a Entidade deve quitar as respectivas obrigações. As tabelas incluem os fluxos de caixa dos juros e do principal. Na medida em que os fluxos de juros são pós-fixados, o valor não descontado

| Segunda-feira, 15 de abril de 2013 |

Central de Produções GWUP S.A. foi obtido com base nas curvas de juros no encerramento do exercício. O venc. contratual 25.4. Análise de sensibilidade da taxa de juros: A análise de sensibilidade foi determinada Não há diferença entre o lucro básico e lucro diluído na Sociedade para o ano de 2012 e 2011. baseia-se na data mais recente em que da Soc. deve quitar as respectivas obrigações. com base na exposição às taxas de juros dos instrumentos financeiros no final do exercício. 27. Informações Complementares a Demonstração de Fluxo de Caixa – Transações 2013 2014 Total Para os ativos com taxas pós-fixadas, a análise é preparada assumindo que o valor do ativo que não Envolvem Caixa: a) Conforme demonstrado na nota explicativa nº 1.b os valores Caixa e equivalentes de caixa 13.519 – 13.519 em aberto no final do exercício esteve em aberto durante todo o exercício. Um aumento cindidos de ativos e passivos não afetaram a saída de caixa. b) Conforme demonstrado Aplicações financeiras 9.589 – 9.589 ou uma redução de 10% é utilizado para apresentar internamente os riscos de taxa de na nota explicativa 20.e, os dividendos distribuídos não foram pagos aos acionistas sendo Contas a receber de clientes 6.940 1.169 8.109 juros ao pessoal-chave da Administração e corresponde à avaliação da Administração que tais valores foram utilizados para integralização de capital, conforme nota explicativa Partes relacionadas (circulante) (7.432) – (7.432) das possíveis mudanças nas taxas de juros. Se as taxas de juros fossem 10% mais altas/ 20.a., consequentemente não afetaram a saída de caixa. Fornecedores (5.143) – (5.143) baixas e todas as outras variáveis se mantivessem constantes o lucro do exercício findo em 28. Compromissos – a) A Sociedade possui contratos firmados de locações de imóveis 17.473 1.169 18.642 31/12/2012 diminuiria/aumentaria em R$ 179 (redução/aumento de R$ 173 em 2011). Isso comerciais e satélite para os quais tem o compromisso mensal aproximado de R$ 60. 25.3. Valor justo dos instrumentos financeiros: O valor justo dos ativos e passivos ocorre principalmente devido à exposição da Sociedade às taxas de juros nas aplicações 29. Eventos Subsequentes – Em 08/02/2013 foi assinada junto a Abril Educação S.A. a financeiros é definido como o valor pelo qual o instrumento poderia ser trocado em uma financeiras em renda fixa e fundo de investimentos. venda de 56,67% das ações da Sociedade. Os 43,33% remanescentes serão trocados por transação corrente entre partes dispostas a negociar, e não em uma venda ou liquidação 26. Lucro por Ação 2012 2011 aproximadamente 8 milhões de units representativas de ações da Abril Educação, corresforçada. A tabela a seguir fornece uma análise dos instrumentos financeiros que são Denominador pondentes a 9,7% do capital da empresa. Esses papéis terão restrições de negociação por mensurados pelo valor justo após o reconhecimento inicial, agrupados nos Níveis 1 a 3 Total de ações ON (2012)/quotas (2011) 4.178.874 100.000 um período de até 18 meses. com base no grau observável do valor justo: • Mensurações de valor justo de Nível 1 são Lucro líquido do exercício 19.244 7.132 30. Aprovação das Demonstrações Financeiras – A emissão das demonstrações finanobtidas de preços cotados (não ajustados) em mercados ativos ou passivos idênticos. • Resultado por ações básico e diluído em R$ 4,61 71,32 ceiras da Sociedade foi autorizada pela Administração em 10/02/2013. Mensurações de valor justo de Nível 2 são obtidas por meio de outras variáveis além dos preços cotados incluídos no Nível 1, que são observáveis para o ativo ou passivo diretamente Flavio Augusto da Silva – Diretor Sebastião Riceto do Rosario – Contador CRC PR-025302/O-7 (ou seja, como preços) ou indiretamente (ou seja, com base em preços); • Mensurações de valor justo de Nível 3 são obtidas por meio de técnicas de avaliação que incluem variáveis Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras para o ativo ou passivo, mas que não têm base os dados observáveis de mercado. (a) Os Aos Administradores e acionistas da nas demonstr. financ., independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação ativos financeiros não derivativos caixa e equivalentes de caixa, contas a receber de curto Central de Produções GWUP S.A. de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada e longo prazo e partes relacionadas tem valores contábeis que se aproximam de seus apresentação das demonstr. financ. da Sociedade para planejar os procedimentos de audiCuritiba – PR. valores de mercado. Os passivos financeiros não derivativos empréstimos e financiamentos, Examinamos as demonstr. financ. da Central de Produções GWUP S.A. (“Sociedade”), que toria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião fornecedores, obrigações com partes relacionadas e outras contas a pagar, tem valores compreendem os balanços patrimoniais em 31/12/2012 e 2011 e as respectivas demonstr. sobre a eficácia desses controles internos da Sociedade. Uma auditoria inclui, também, a contábeis se aproximam com os seus valores de mercado. do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas Ativos financeiros contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstr. Nível 2012 2011 de caixa para os exercícios findos naquelas datas, assim como o resumo das principais financ. tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente Disponível para venda: Títulos em ações 1 – 4.230 práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião sobre as demonstr. financ.: Em – 4.230 sobre as demonstr. financ.: A Administração da Sociedade é responsável pela elaboração nossa opinião, as demonstr. financ. acima referidas apresentam adequadamente, em todos e adequada apresentação dessas demonstr. financ. de acordo com as práticas contábeis Emprést. e recebíveis: os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Central de Produções GWUP adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para Caixa e equiv. de caixa (a) 13.519 16.225 Aplicações financeiras (a) 9.589 6.950 permitir a elaboração de demonstr. financ. livres de distorção relevante, independentemente S.A. em 31/12/2012 e 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa Contas a receber (a) 7.811 40.150 se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa para os exercícios findos naquelas datas, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Outras contas a receber (a) 443 175 responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstr. financ. com base Brasil. Ênfases por outros assuntos específicos: Conforme descrito na nota explicativa nº 31.362 63.500 em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de 1.b, chamamos a atenção para o processo de cisão parcial de ativos e passivos ocorrido em Passivos financeiros Nível 2012 2011 auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e 08/12/2012. Nossa opinião não está modificada em relação a este assunto. que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável Custo amortizado: Curitiba, 14 de março de 2013. Partes relacion. (circulante) (a) 7.432 – de que as demonstr. financ. estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve Cosme dos Santos Fornecedores (a) 5.143 2.025 a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos Deloitte Touche Tohmatsu Contador 12.575 2.025 valores e divulgações apresentados nas demonstr. financ.. Os procedimentos selecionados Auditores Independentes CRC 2SP 011.609/O-8 F-PR CRC 1RJ 078.160/O-8 T-PR dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante Durante o período não houve nenhuma transferência entre o nível 1 para os níveis 2 e 3.

Setim participa de inauguração de Centro de Eventos em São José dos Pinhais

Divulgação/PMSJP

Prefeito Setim e o vice Toninho da Farmácia na solenidade de inauguração

Na noite desta quarta-feira (10), o prefeito Luiz Carlos Setim, a Secretária de Educação Neide Setim e o viceprefeito Toninho da Farmácia participaram da inauguração do centro de eventos Diógenes Dacheux Stori do Laboran Análises Laboratoriais. Com localização estratégica, na Rua Terra Rica, 17, junto ao Parque Linear do Rio Ressaca, o centro dedicado a eventos científicos e culturais, conta com um auditório com estrutura moderna, ambiente climatizado, um espaço gourmet e estacionamento para mais de 100 carros, oferecendo conforto e segurança para seus usuários. Idealizado pelo diretor responsável do Laboran, José Stori, e construído em homenagem ao seu pai, que dá nome ao complexo, o Centro de Eventos Diógenes Dacheux Stori, fica ao lado do Centro Técnico Administrativo do Laboran. O centro técnico administrativo do Laboran já faz parte da história de São José dos Pinhais. Inaugurado em 2005, em uma área superior a 3.000 m², o centro laboratorial é um dos mais modernos do país. Satisfeito, o prefeito Setim comentou a importância da abertura de mais um espaço para a realização de eventos na cidade. "São José dos Pinhais é uma cidade que cresce e se desenvolve a cada dia. Por isso espaços como este, dedicados a comunidade científica são muitos importantes para nossa cidade. Nós conhecemos a história que o Laboran e agrademos por eles escolherem o nosso município para instalar este centro de eventos". Representando o legislativo do município, a vereadora Nina Singer participou do evento. Também estavam presentes secretários municipais.

Divulgação Câmara

100% dos royalties do Mesmo com chuva, petróleo para a educação jovens vão às ruas para tem o apoio de Vargas marcar 100 dias que antecedem visita do papa

André Vargas durante discurso na Câmara dos Deputados

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, esteve esta semana na Câmara dos Deputados participando de audiência na Comissão de Educação. Na ocasião encontrou o primeiro-vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT-PR). Mercadante foi pedir aos deputados a aprovação da Medida Provisória (MP) 592/ 12, que destina 100% dos royalties das futuras concessões de petróleo para investimentos na área da educação. André Vargas defende a proposta e espera que a MP possa entrar na pauta dos trabalhos da Câmara em breve. O relator, Carlos Zarattini (PT-SP), anunciou que pretende apresentar seu parecer nas próximas sessões.

Agência Brasil Rio de Janeiro – Mesmo sob chuva fina, centenas de jovens se concentraram ontem (14) na Praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, para marcar os 100 dias que antecedem a chegada do papa Francisco para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ). O evento está marcado para o período de 23 a 28 de julho na capital fluminense. Durante a manhã, os jovens participaram de uma caminhada pela orla. Outras atividades esportivas estavam marcadas para serem realizadas durante o domingo. Segundo o jovem Walmyr Junior, um dos responsáveis pelo evento, o intuito é mostrar que a juventude católica também tem interesse pela “geração saúde”. “Será um dia esportivo com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da juventude: nós vamos ter corrida rústica, de bicicleta, vôlei de praia, futevôlei, long board, futebol, patins.” A atividade chamou a atenção de cariocas como Carla Souza que caminhava pela praia e se misturou aos jovens.

“Embora eu não seja uma católica fervorosa, eu aprecio o movimento e sinto a paz que irradia dessa garotada, reunida em paz e em torno de um objetivo comum.” Walmyr Junior disse que a expectativa para a chegada do papa ao Brasil é grande e que as atividades querem inserir o Rio de Janeiro no cenário mundial da fé. “O Brasil já é conhecido por ser um dos maiores países católicos do mundo. É preciso aproveitar a oportunidade para mostrar a questão da dignidade humana, a valorização da vida, a primazia do bem comum – todas essas coisas que fazem com que a gente possa se amar e respeitar mais”, disse o responsável pelo setor de comunicação do JMJ. Os eventos para lembrar os 100 dias que antecedem a chegada do papa ao Brasil começaram na última sexta-feira (12), quando católicos de diversas paróquias do Rio de Janeiro iniciaram a Vigília dos Jovens Admiradores, na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, no centro da cidade. Em seguida, os jovens saíram em procissão pelas ruas da

Lapa, símbolo da boemia carioca, até a Igreja de Sant’Ana, onde a vigília passou a contar com a presença da banda Frutos de Medjugorje. “Nós levamos cerca de 6 mil pessoas em procissão pelas ruas da Lapa. Foi uma festa muito bonita, onde a gente conseguiu fazer com que pessoas que estavam curtindo nos bares e restaurantes se impactassem com a alegria diferenciada dessa juventude católica”, destacou Walmyr Junior. “Depois fomos para a Igreja de Santana onde ficamos até as 6h da manhã e de onde saímos para a feijoada da JMJ, na quadra da Unidos da Tijuca, onde fizemos uma grande festa – inclusive com a participação da bateria da Unidos da Tijuca”, completou. A série de eventos programados para o início da contagem regressiva dos 100 dias para a chegada do papa ao Brasil será encerrada nesta terçafeira (16), com uma missa que será celebrada, na comunidade do Mandela, em Manguinhos, subúrbio da cidade, por dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro.

editais15-4-13  

editais15-4-13

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you