Page 1

12

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

FURUKAWA INDUSTRIAL S/A PRODUTOS ELETRICOS CNPJ/MF n° 51.775.690/0001 – 91 - NIRE n° 41.300.009.317. ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 25 DE JUNHO DE 2013, LAVRADA SOB A FORMA SUMÁRIA, NOS TERMOS DO PARÁGRAFO PRIMEIRO DO ARTIGO 130 DA LEI Nº 6.404/76. 1. Data, Hora e Local das Assembleias: 25 de Junho de 2013, às 10h00min, na sede social da Companhia, situada na Rua Hasdrubal Bellegard, n° 820, Cidade Industrial, Curitiba, Estado do Paraná. 2. Quórum: Presença de acionistas representando a totalidade do capital social, conforme assentamentos constantes do Livro de Presença de Acionistas. 3. Composição da Mesa: Presidente -Sr. Hideyo Kawazoe; e Secretário - Sr. Foad Shaikhzadeh. 4. Ordem do Dia: Ordinariamente: -(I) Examinar, discutir e aprovar as contas da administração, o relatório da Diretoria e os demais documentos financeiros relativos ao exercício social encerrado em 31 de Março de 2013; -(II) Aprovar a distribuição de dividendos e de juros sobre o capital próprio. -(III) Aprovar a constituição da Reserva de Subvenção para Investimentos. – (IV) Apreciar a proposta da Diretoria para manutenção de sua composição, mediante a reeleição de todos os seus membros; -(V) Fixar os honorários da Diretoria. 5. Publicações: Dispensadas na forma do parágrafo 4°, do artigo 124, da Lei n° 6.404/76. 6. Documentos: Foram lidos e apreciados os documentos a que se refere o art. 133 da Lei n° 6.404/76, relacionados ao balanço patrimonial encerrado em 31 de Março de 2013 e publicados no “Diário Oficial do Estado do Paraná” do dia 20 de Junho de 2013 e no “Jornal Gazeta do Povo” no dia 19 de Junho de 2013. 7. Deliberações: As matérias constantes da Ordem do Dia foram colocadas em discussão e votação, tendo sido tomadas, por unanimidade de votos dos Acionistas presentes com direito de voto, as seguintes deliberações: Assembleia Geral Ordinária: I) Aprovado o Relatório da Administração, as Demonstrações Financeiras, o Relatório dos auditores independentes e os demais documentos financeiros relativos ao exercício social encerrado em 31 de Março de 2013. II) Aprovada a distribuição de dividendos e de juros sobre capital próprio para a acionista Furukawa Electric Co. Ltd. no valor total de R$ 35.140.000,00 (trinta e cinco milhões, cento e quarenta mil reais). Deste valor, R$ R$ 11.407.493,00 (onze milhões, quatrocentos e sete mil, quatrocentos e noventa e três reais) já foram provisionados a título de juros sobre capital próprio, conforme deliberado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 28 de dezembro de 2012 e R$ 23.732.507,00 (vinte e três milhões, setecentos e trinta e dois mil, quinhentos e sete reais) foram adiantados com base em saldo acumulado existente na conta Reserva de Lucros, conforme Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 27 de março de 2013. III) Aprovada a destinação de parte do lucro líquido do exercício para a constituição da Reserva de Subvenção para Investimentos no valor de R$ 22.774.177,26. IV) Aprovada a reeleição dos Diretores abaixo indicados para os seguintes cargos componentes da Diretoria: Chairman: Sr. HIDEYO KAWAZOE, japonês, casado, engenheiro mecânico, residente e domiciliado em Curitiba, Estado do Paraná, com escritório na Rua Hasdrubal Bellegard, 820, Cidade Industrial de Curitiba, portador do C.I./RNE n°V488142-N, e do CPF/MF nº 011.241.949-67; Diretor Presidente: Sr. FOAD SHAIKHZADEH, brasileiro, casado, engenheiro, residente e domiciliado em Curitiba, Estado do Paraná, com escritório na Rua Hasdrubal Bellegard, 820, Cidade Industrial de Curitiba, portador do C.I./R.G. n° 7.748.000-SSP-SP e do CPF/MF n° 007.170.958-43 e Diretor Financeiro: Sr. SHIN KATOH, japonês, casado, contador, residente e domiciliado em Curitiba, Estado do Paraná, com escritório na Rua Hasdrubal Bellegard, 820, Cidade Industrial de Curitiba, portador da C.I./RNE V548955-0 e do CPF/MF nº 011.472.219-60. V) Aprovada a fixação dos honorários globais anuais da Diretoria em até R$ 3.000.000,00 (Três milhões de reais) a ser distribuído entre seus membros. 8. Observações Finais: (a)Todas as deliberações foram tomadas por unanimidade, abstendo-se de votar os legalmente impedidos; (b) Os Diretores ora reeleitos, presentes à Assembléia, declaram não estarem incursos em crime de corrupção contra a administração pública e nenhum dos crimes previstos em lei que os impeçam de exercer atividades mercantis, sendo desde logo reempossados em seus cargos com mandato de 01 (um) ano, permanecendo nos respectivos cargos até ocorrer nova eleição. 9. Encerramento: Nada mais sendo tratado, lavrou-se a Ata a que se refere esta Assembléia Geral Ordinária, que foi aprovada pela unanimidade dos Acionistas presentes. Curitiba, Estado do Paraná, 25 de Junho de 2013. (a) Presidente da Mesa: Sr. Hideyo Kawazoe; (b) Secretário: Sr. Foad Shaikhzadeh; (c) Acionistas Presentes: Furukawa Electric Co., Ltda e Hideyo Kawazoe.; (d) Diretores reeleitos: Hideyo Kawazoe, Foad Shaikhzadeh e Shin Katoh. A presente é cópia fiel da ata lavrada no livro próprio. Curitiba, 25 de Junho de 2013. Secretário. JUNTA COMERCIAL DO PARANÁ – Registro em 02/07/2013 sob n° 20133581853.

Veículo da Nasa buscará sinais de vida em Marte

EDITAL DE PROCLAMAS CARTÓRIO DO PORTÃO. Av. Pres. Arthur da Silva Bernardes nº 2350/ cj. 03/09 – Portão CEP: 80.320-300 / CURITIBA - PR - Tel./ Fax: (41) 3013-1667. www.cartoriodoportao.com.br. Faz saber que pretendem casar: SANDRO ALBERTO ARTIOLLI e LUCIANA DE MACEDO EDINALDO NICOLAU BASTOS e LILIAM PEREIRA LACERDA RODRIGO SOARES DE LIMA FALCÃO e ANA MARIA SILVEIRA THIAGO ROMUALDO CHIARELLO PADILHA e PEDRO RODRIGUEZ PAZINATTO JEAN PIERRE ANTUNES DE OLIVEIRA e BÁRBARA BISPO APOLONIO ELTON CECON e PRISCILA LAÍS LEITE SILVA JOÃO PAULO BARBIERI e MAYARA TIEME MINO CAETANO EVANDIR MAMÉDIO DE OLIVEIRA e MARLI TEREZINHA VELLOSO DOUGLAS VICTOR PADILHA DA SILVA e BEATRIZ CRISTINE SIMÃO DANIEL AUGUSTO CARPES BELINTANI e MAYARA DOS SANTOS ANDRADE RAUL MEIRA PICLER e ELOISA FERREIRA DA SILVA VINICIUS BEDNARCZUK DE OLIVEIRA e VERÔNICA DEL GRAGNANO STASIAK REINALDO SAUKIO e REINILDE DOS SANTOS ERIK MARTINS DE PAULA e GABRIELLE FERNANDA FERREIRA RENAN FABIO MATHEUS e DAIANE LEDO RODRIGUES INDALECIO MENDES SUBTIL JUNIOR e CRISTIANE TELLES PETER CALEB ASSUNÇÃO MARQUES e JÉSSICA MAYARA DE FRANÇA- Serv. Distrital do Umbará,Curitiba/PR

LEANDRO AUGUSTO MORGENSTERN e KÁTIA LINE VELASCO Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da Lei, no prazo de 15 dias. O referido é verdade e dou fé. Curitiba, 10 de julho de 2013. CAROLINE FELIZ SARRAF FERRI Tabeliã e Registradora

WASHINGTON - O próximo veículo-robô que será enviado para a exploração de Marte, a partir de 2020, deverá investigar mais intensamente sinais de vida passada na superfície do Planeta Vermelho, informaram cientistas na terça-feira. Após cinco meses de trabalho, a Equipe de Definição Científica da agência espacial americana (SDT) divulgou um relatório de 154 páginas que traz suas propostas para o próximo veículo marciano. A missão poderá utilizar, pela primeira vez, análises microscópicas, recolher amostras de rochas para o possível envio à Terra e realizar testes sobre a utilização de recursos naturais visando uma futura viagem humana ao planeta. A Missão Marte 2020 terá como base o trabalho realizado pelo veículo-robô "Curiosity" da Nasa, que explora o Planeta Vermelho desde agosto de 2012 e já encontrou sinais de ambientes potencialmente habitáveis. A missão será "um grande passo na busca de sinais de vida" em Marte, disse Jim Green, diretor da Divisão de Ciências Planetárias na NASA. O passo seguinte da NASA será analisar as recomendações e fazer um esforço para se obter os instrumentos científicos necessários, incluindo dispositivos de maior resolução de imagem, microscópios, mineração em pequena escala, química orgânica e ferramentas de detecção de carbono para buscar elementos biológicos na superfície de Marte. "A combinação deste conjunto de instrumentos seria incrivelmente poderosa", disse Jack Mustard, presidente da SDT e professor de ciências geológicas na Universidade Brown. O veículo-robô recolheria 31 amostras que algum dia poderiam ser enviadas à Terra, como "um legado para a compreensão do desenvolvimento da 'habitabilidade' do planeta", disse Brown aos jornalistas. A agência espacial dos EUA ainda não desenvolveu a tecnologia para enviar as amostras à Terra sem que haja alteração no conteúdo, e no momento não há planos para um potencial envio de material marciano. John Grunsfeld, administrador associado da NASA para a ciência, afirmou que para 2020 o veículo marciano permitirá que a agência de um passo para "responder às grandes perguntas" prévias à visita humana ao Planeta Vermelho, prevista para 2030.

ASSOCIAÇÃO RUTH SCHRANK CNPJ

81.917.767/0001-81 - Rua Das Laranjeiras, 72 - Jardim Colina Verde - Bairro Alto - CURITIBA-PR

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2012

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE MUTAÇÃO DO PATRIMÔNIO SOCIAL CONTA - PATRIMÔNIO SOCIAL

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

EXER C IC IO 2010 EXER C IC IO 2011 EXER C IC IO 2012

Saldo Anterior

R$ 346.628,48 R$ 394.591,92 R$

Superavit ou (Déficit) do Exercício

R$

47.963,44 R$

422.356,82

27.764,90 R$

112,29

R$ 394.591,92 R$ 422.356,82 R$

422.469,11

(+) Fundo de Valorização de Imóvel (-) Depreciações e Amortizações (+) Ajusto do Patrimônio/Doações (+) Receitas Exercícios Futuros

SALDO ATUAL

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS ORIGENS DOS RECURSOS

E X E R C IC IO 2 0 10

Superavit do Exercício

R$

47.963,44

E X E R C IC IO 2 0 11

R$

27.764,90

R$

450,00

R$

E X E R C Í C IO 2 0 12

R$

112,29

9.254,34

R$

1.800,00

Ajustes Patrimoniais/Doações Depreciações do Exercício Alienação de Bens do Imobilizado Ajustes do Superavit Redução do Ativo a Longo Prazo Aumento do Passivo Exígivel a Longo Prazo

Total das Origens

R$

47.963,44

R$

37.469,24

R$

1.912,29

R$

30.744,95

R$

3.011,00

R$

24.387,24

APLICAÇÃO DOS RECURSOS Aquisição de Imobilizado Aumento do Ativo Permanente Aumento do Ativo Diferido Aumento do Ativo Realizável a Longo Prazo

R$

2.169,10

Redução do Passivo Exigível a Longo Prazo

R$

4.000,00

Total das Aplicações

R$

36.914,05

Aumento (ou Redução) do Capital Circulante Líquido

R$ 11.049,39

R$ 26.310,73

R$

8.147,51

R$

11.158,51

R$

R$

1.800,00

R$

26.187,24

R$ (24.274,95)

VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO Ativo Circulante início período

43.681,71

R$

49.556,08

R$

76.033,14

R$

49.556,08

R$

76.033,14

R$

71.090,35

Variação do Ativo Circulante

R$

(5.874,37) R$

26.477,06

R$

Passivo Circulante início do período

R$

(8.981,52) R$

3.806,50

R$

Passivo Circulante final do período

R$

Variação do Passivo Circulante

R$

VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO

R$ 11.049,39

Ativo Circulante final do período

(4.942,79) 3.972,83

R$

(3.972,83) R$

(23.304,99)

(5.175,02) R$

(166,33) R$

(19.332,16)

3.806,50

R$ 26.310,73

R$ (24.274,95)

DEMONSTRAÇÃO DO SUPERÁVIT OU DÉFICIT ACUMULADO TOTAL 01 - Saldo Acumulado do Exercício Anterior: 2010 02 - Ajustes de Exercícios Anteriores 02.1 - Efeitos da mudança de critérios contábeis 02.2 - Retificação de erro de exercícios anteriores 03 - Superavit Líquido do Exercício 04 - Destinação do Superavit 04.1 - Transferência para reservas estatutárias 05 - Saldo Atual

R$ 422.356,82

R$

112,29

R$ 422.469,11

Curitiba - Pr., 31 de dezembro de 2012

I - CONTEXTO OPERACIONAL A ASSOCIAÇÃO RUTH SCHRANK, inscrita no CNPJ sob nº 81.917.767/0001-81 é uma pessoa jurídica de direito privado, de caráter educacional e de assistência social, fundada em 30 de outubro de 1990, sem fins lucrativos, que tem por finalidade a educação especial para pessoas portadoras de deficiência física e mental de nível severo, inclusive com assistência social às famílias de vários de seus educandos. Possui autonomia administrativa, financeira e patrimonial, regendo-se pelo Estatuto Social e demais legislação aplicável à Entidade. Usa o nome ASSOCIAÇÃO RUTH SCHRANK; Tem sede e foro na cidade de Curitiba, Estado do Paraná; Sua área de atuação é no município de Curitiba e Região Metropolitana, podendo ser ampliada em nível Estadual e Federal; e, Seu prazo de duração é por tempo indeterminado. II - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES As demonstrações contábeis e financeiras foram elaboradas em conformidade com a Lei nº 6404/76, atendendo também, o que dispõe a CFC nº 877/2000. III – RESUMO DAS PRÁTICAS CONTÁBEIS A prática contábil adotada é por regime de competência. Os direitos e obrigações da Entidade estão em conformidade com seus efetivos valores reais. Não há conta Empréstimo Compulsório (DL 2.288/86) por não possuir valores a receber sob este título. Não há conta Plano de Expansão por não possuir valores a serem contabilizados a este título. As aplicações financeiras estão demonstradas pelo valor de aplicação acrescidas dos rendimentos correspondentes, apropriados até a data do balanço, com base no regime de competência. A Entidade não mantém a Provisão para Devedores Duvidosos em decorrência de suas finalidades filantrópicas e assistenciais. A Entidade não possui estoque de produtos recebidos da Receita Federal do Brasil, à titulo de doação, para venda, bem como, outros produtos de almoxarifado. O imobilizado se apresenta pelo custo de aquisição ou valor original, visto que a Entidade não procedeu a correção monetária de balanço e/ou depreciação em exercícios anteriores. As receitas da Entidade são apuradas através de comprovantes de recebimento, entre eles, avisos bancários, extratos bancários, recibos e outros documentos legais e fiscais. As despesas da Entidade são apuradas através de notas fiscais, recibos, comprovantes e extratos bancários, tudo em conformidade com as exigências legais e fiscais. A Entidade recebe doações de pessoas físicas e jurídicas. No ano de 2012 foi recebido o valor de R$-31.402,72, que está assim composto: PESSOAS JURÍDICAS ............................................................................................................ R$ 2.351,92 PESSOAS FÍSICAS ................................................................................................................. R$29.050,80. A Entidade recebeu do Poder Público, no ano de 2012 o valor de R$-657.166,26, relacionados a seguir, a título de convênios, subvenções e prestação de serviços ao SUS: Secretaria da Educação ..................................................................................................... R$ 303.466,33 S U S ................................................................................................................................... R$ 231.952,00 Prefeitura Municipal de Piraquara .................................................................................... R$ 23.280,00 FAS-Fundação da Ação Social ........................................................................................... R$ 60.799,90 Prefeitura Municipal de Almirante Tamandar ................................................................... R$ 35.760,03 F N D E / PDDE – MEC ....................................................................................................... R$ 1.908,00 A Entidade, com a finalidade de angariar recursos para sua manutenção, realiza eventos como jantares, noite da sopa, chás, bingos beneficentes, venda de produtos recebidos em doação (doados exclusivamente para essa finalidade), e outros eventos mais, que no exercício de 2012, proporcionou uma arrecadação de R$-31.115,63. Venda de produtos recebidos da Receita Federal em 2012 .......................................................................... R$ 4.584,00 Venda de produtos usados recebidos em doação ......................................................................................... R$ 5.537,00 Outros eventos (jantares, sopas, festa junina, rifas etc ................................................................................ R$ 20.994,63 As aplicações financeiras renderam no exercício de 2012 o valor de ........................................................... R$ 1.503,58. Os recursos da Entidade foram aplicados em suas finalidades institucionais, em conformidade com seu Estatuto Social, demonstrados pelas suas despesas e investimentos patrimoniais. A Entidade utiliza-se do Grupo Receitas/Despesas Não Operacionais, para o registro e controle das gratuidades relativas isenção da Cota Patronal do INSS que, no ano de 2012, somaram a importância de R$-135.659,52. No atendimento ao disposto no Inciso VI do artigo 3º do Decreto nº 2536/98, informamos que toda receita é aplicada 100% (cem por cento) para custear nossos atendimentos, pois, oferecemos gratuidade total. O custo da isenção da quota patronal de previdência social usufruída pela Entidade no ano de 2012 foi de R$-135.659,52, e está assim composto: - contribuição patronal ...................................................................................................................................... R$ 01.238,46 - Contribuição a Terceiros ................................................................................................................................. R$ 29.359,15 - RAT – Seguro Acidente Trabalho .................................................................................................................... R$ 5.061,91. Curitiba-Pr., 31 de dezembro de 2012.

Adolfo Celso Guidi

Osmar Calsavara-CPF 108205669-34

Presidente - CPF 393.914.009-06

CRC-PR-TC 038935/O-8

Adolfo Celso Guidi Presidente – CPF 393.914.009-06

Osmar Calsavara-108.205.669-34 CRC-PR-TC-038935/O-8


| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

13

IMARIBO S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ/MF 76.486.463/0001-77 www.imaribo.com

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas Submetemos à apreciação de V. Sas. o Relatório da Administração e as correspondentes demonstrações contábeis, referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Em 2012, as atividades da Companhia estiveram direcionadas, preponderantemente, no fornecimento de madeira beneficiada para os mercados externo e interno, representando, respectivamente, 53,09% e 46,91% das vendas. As perspectivas da Administração para 2013, aproveitando o bom momento da economia nacional e também visando recuperar perdas decorrentes da apreciação do real (R$), continuará sendo a busca de uma maior participação no mercado interno. Os investimentos previstos para 2013 estão direcionados a manutenção e expansão da capacidade produtiva, bem como à redução de custos, sempre

buscando a melhoria continua de seus negócios para permanecer ofertando produtos com qualidade e confiabilidade requeridas pelos seus clientes. Agradecimento A Companhia quer registrar seus agradecimentos aos clientes, fornecedores, representantes, instituições financeiras, órgãos governamentais, acionistas e demais partes interessadas pelo apoio recebido, bem como a equipe de colaboradores pelo empenho e dedicação dispensados. Declaração da Diretoria Em atendimento as disposições legais pertinentes, a Diretoria declara que revisou e concordou com as Demonstrações Contábeis relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012, as quais foram aprovadas em Reunião de Diretoria de 04/06/2013. Curitiba, 04 de junho de 2013. A ADMINISTRAÇÃO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) ATIVO

2.012

PASSIVO

Ajustado (Nota 2.b) Não auditado

ATIVO CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa (nota 4) Clientes (nota 5) Estoques (nota 6) Adiantamentos a fornecedores Tributos a recuperar (nota 7) Despesas do exercício seguinte Outros créditos Total do ativo circulante

2.011

186 4.735 2.460 6 3.658 40 81 11.166

ATIVO NÃO CIRCULANTE 197 208.788

434 190.217

1.459 2.710 213.154

30.471 1.344 3.120 225.586

Investimentos (nota 10) Imobilizado (nota 11) Ativo biológico (nota 12) Intangível (nota 13)

415.691 66.758 43.606 250 526.305

371.577 68.885 32.384 234 473.080

Total do ativo não circulante

739.459

698.666

TOTAL DO ATIVO

750.625

2.011 Ajustado (Nota 2.b)

PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores (nota 14) Empréstimos e financiamentos (nota 15) Obrigações trabalhistas e sociais (nota 16) Obrigações tributárias (nota 17) Adiantamentos de clientes (nota 18) Outras obrigações (nota 21) Total do passivo circulante PASSIVO NÃO CIRCULANTE Empréstimos e financiamentos (nota 15) Obrigações tributárias (nota 17) Partes relacionadas (nota 8) Tributos diferidos (nota 19) Provisão para litígios (nota 22) Provisão para perda de investimento (nota 20) Outras obrigações (nota 21) Total do passivo não circulante TOTAL DO PASSIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social (nota 23.a) Ações em tesouraria Reserva de capital Reservas de retenção de lucros Reservas de reavaliação (nota 23.b) Ajuste de avaliação patrimonial (nota 23.c) Lucros acumulados Total do patrimônio líquido TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

39 3.456 2.707 23 6.207 5 102 12.539

Tributos a recuperar (nota 7) Partes relacionadas (nota 8) Adiantamento para futuro aumento de capital (nota 9) Depósitos judiciais Outros créditos

2.012

711.205

Não auditado

11.126 1.315 767 1.463 178 5.601 20.450

6.362 3.082 763 1.169 47 3.296 14.719

2.144 13.115 249.174 32.478 6.793

2.004 13.411 259.491 29.260 5.954

32.748 12.598 349.050 369.500

31.281 341.401 356.120

2.034 (209) 1.302 115.664 14.027 248.307 381.125

2.034 (209) 35.898 13.993 246.364 57.005 355.085

750.625

711.205

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Ajustes de exercícios anteriores (nota 2.b) SALDO INICIAL AJUSTADO (NOTA 2.b) E NÃO AUDITADO EM 01 DE JANEIRO 2011 Realização do custo atribuído controladas e coligadas Realização da reserva de reavaliação controladas e coligadas Realização do custo atribuído Realização dos tibutos diferidos sobre custo atribuído Realização da reserva de reavaliação Realização dos tributos diferidos sobre reservas de reavaliação Realização da reserva correção monetária Realização tributos diferidos sobre correção monetária Ações em tesouraria Lucro líquido do exercício Constituição de reserva de retenção de lucros SALDO AJUSTADO (NOTA 2.b) E NÃO AUDITADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Realização do custo atribuído controladas e coligadas Realização da reserva de reavaliação controladas e coligadas Realização do custo atribuído Realização dos tributos diferidos sobre custo atribuído Realização da reserva de reavaliação Realização dos tributos diferidos sobre reservas de reavaliação Realização da reserva correção monetária Realização tributos diferidos sobre correção monetária Transação de capital Lucro líquido do exercício Reserva legal Constituição de reserva de retenção de lucros SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

Capital social 2.034 2.034

Ações em tesouraria (191) (191)

-

15.188

Ajuste de avaliação patrimonial Reservas de Custo Lucros reavaliação atribuído acumulados 16.762 233.035 104.715 (2.363) 18.350 (63.557) 14.399

251.385 (4.612)

(360) (620) 211 (56) 19 (14) 5 (18) 20.710 2.034

(209)

-

35.898

13.993

246.364 (4.625)

(243) (265) 90 (76) 26 (140) 48 420

6.743

1.302 2.034

(209)

1.302

79.766 115.664

14.027

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

2.011 Ajustado (Nota 2.b) Não auditado

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA (Nota 25) 35.040 Valor justo dos ativos biológicos (nota 12) 10.458 CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (23.865) LUCRO BRUTO 21.633 RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas administrativas (nota 26) (2.369) Despesas comerciais (nota 27) (1.566) Resultado da equivalência patrimonial (nota 10) 13.023 Outras receitas/despesas operacionais (nota 28) (89) 8.999 LUCRO OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO E TRIBUTOS 30.632 Despesas financeiras (nota 29) (18.135) Receitas financeiras (nota 29) 19.719 LUCRO OPERACIONAL ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 32.216 Imposto de renda e contribuição social correntes (nota 19) (2.691) Imposto de renda e contribuição social diferidos (nota 19) (3.485) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 26.040

32.530 6.462 (25.327) 13.665 (2.105) (1.603) 18.243 10.670 25.205 38.870 (17.852) 12.115

33.133 (2.003) 31.130

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) 2.012

2.011

248.307

Não auditado

LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Outros resultados abrangentes TOTAL DOS RESULTADOS ABRANGENTES DO EXERCÍCIO

26.040 -

31.130 -

26.040

31.130

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) FLUXO DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) Reservas Reserva Retenção de legal lucros 15.188 -

2.012

Ajustado (Nota 2.b)

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

Capital

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS)

2.012

2.011 Ajustado (Nota 2.b) Não auditado

Total 371.543 (47.570)

41.158 4.612 360 620 (211) 56 (19) 14 (5) 31.130 (20.710)

323.973 (18) 31.130 -

57.005 4.625 243 265 (90) 76 (26) 140 (48) (7.163) 26.040 (1.302) (79.766) -

355.085 26.040 381.125

Das operações Lucro líquido do exercício Imposto de renda e contribuição social diferidos (nota 19) Depreciações, amortizações e exaustões Provisões para lítígios Encargos financeiros Equivalência patrimonial Valor justo de ativos biológicos (nota 12) Constituição de passivo a descoberto Deságio aquisição de créditos de tributos Baixas ao imobilizado/intangível Variação nos saldos de ativos e passivos Redução/ (aumento) das contas a receber Redução/ (aumento) dos estoques Redução/ (aumento) de outros ativos Aumento/ (redução) de fornecedores Aumento/ (redução) de obrigaçõe trabalhistas e sociais Aumento/ (redução) de obrigações tributárias Aumento/ (redução) de outros passivos Caixa líquido gerado nas atividades operacionais Atividades de investimentos Adições ao imobilizado/intangível Dispêndios com ativos biológicos Caixa líquido aplicado nas atividades de investimentos Atividades de financiamento Aumento/ (redução) dos empréstimos Ações em tesouraria Mútuos e saldos com partes relacionadas Caixa líquido gerado nas atividades de financiamento Variação de caixa: Caixa no início do exercício Caixa no final do exercício

11.207 26.040

7.127 31.130

3.485 3.147 138 4.961 (13.023) (10.458) 1.467 (5.599) 1.049 (2.410) (1.279) 247 2.464 4.764

2.003 2.576 6.596 (18.243) (6.462) (10.535) 62 2.891 3.507 (978) 858 4.206

4 (982) (7.628)

31 (2.816) (1.917)

8.797

10.018

(2.083) (766)

(6.310) (940)

(2.849)

(7.250)

(2.290) (3.511)

1.871 (18) (4.612)

(5.801) 147 39 186

(2.759) 9 30 39

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) 1. Contexto Operacional A Imaribo S.A Indústria e Comércio é uma Companhia do segmento de madeiras, sediada à Rua Alfred Nobel, 635, Curitiba PR, tendo como objetivo a industrialização e comercialização nos mercados interno e externo de madeiras, derivados e participação em outras sociedades. 2. Base de Apresentação das Demonstrações Contábeis (a) Demonstrações contábeis individuais da controladora As demonstrações contábeis foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, com base nas disposições contidas nas normas estabelecidas pelo CFC, e nos Pronunciamentos, Interpretações e Orientações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis ("CPC"). A Companhia optou, com base no CPC 36, parágrafo 10.d, por não divulgar seu balanço consolidado, tendo em vista que sua controladora final disponibiliza ao público suas demonstrações consolidadas. As demonstrações contábeis foram aprovadas pela Diretoria em 19 de março de 2013, considerando os eventos subsequentes ocorridos até essa data. (b) Reapresentação dos saldos comparativos A Companhia identificou certos ajustes contábeis a serem realizadas em suas Demonstrações Contábeis relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, assim como sobre os saldos iniciais de 01 de janeiro de 2011. Visando apresentar tais informações de forma comparativa estão sendo reapresentadas certas rubricas relativas àquele período. Conforme segue: 1. Alteração no balanço patrimonial de abertura findo em 31 de dezembro de 2010. 31/12/2010 01/01/2011 Publicado Ajustes Ajustado Ativo circulante 12.266 12.266 Ativo não circulante 658.663 (4.447) 654.216 Investimentos (a) 359.448 (5.125) 354.323 Imobilizado (d) 62.550 678 63.228 Total do Ativo 670.929 (4.447) 666.482 Passivo circulante 14.519 (5.954) 8.565 Passivo não circulante 284.867 49.077 333.944 Provisão para perda de investimento (b) 41.816 41.816 Tributos diferidos (c) 26.958 1.307 28.265 Provisão para litígios 5.954 5.954 Patrimônio líquido 371.543 (47.570) 323.973 Reserva de reavaliação (d) 16.762 (2.363) 14.399 Ajuste de avaliação patrimonial (d) 233.035 18.350 251.385 Lucros acumulados (d) 104.715 (63.557) 41.158 Total do passivo e patrimônio líquido 670.929 (4.447) 666.482 2. Alteração no balanço patrimonial findo em 31 de dezembro de 2011 31/12/2011 31/12/2011 Publicado Ajustes Ajustado Ativo circulante 12.539 12.539 Ativo não circulante 701.627 (2.961) 698.666 Investimentos (a) 375.216 (3.639) 371.577 Imobilizado (d) 68.207 678 68.885 Total do Ativo 714.166 (2.961) 711.205 Passivo circulante 20.673 (5.954) 14.719 Passivo não circulante 303.831 37.570 341.401 Provisão para perda de investimento (b) 31.281 31.281 Tributos diferidos (c) 28.925 335 29.260 Provisão para litígios 5.954 5.954 Patrimônio líquido 389.662 (34.577) 355.085 Reserva de reavaliação (d) 10.824 3.169 13.993 Ajuste de avaliação patrimonial (d) 229.712 16.652 246.364 Lucros acumulados (d) 111.403 (54.398) 57.005 Total do passivo e patrimônio líquido 714.166 (2.961) 711.205 3. Reconciliação dos ajustes acumulados de reapresentação

31/12/2011 Patrimônio Líquido Resultado

01/01/2011 Patrimônio

Líquido Saldo originalmente apresentado 389.662 20.710 371.543 Investimento (a) (3.639) (312) (4.447) Imobilizado (d) 678 Provisão para perda de investimento (b) (31.281) 10.535 (41.816) Tributos diferidos (c) (335) 197 (1.307) Saldo ajustado 355.085 31.130 323.973 (c) Investimentos Em 2012, certos ajustes relativos a 2011 e 2010 foram efetuados em sua controlada e coligada, efeito que foi refletido no balanço de abertura para fins de comparabilidade com as demonstrações contábeis de 2012, através da equivalência reflexa. (d) Provisão para perda de investimento A Companhia ajustou o saldo para provisão para perda de investimento, pertinente a sua controlada Transimaribo Ltda., efeito que foi refletido no balanço de abertura para fins de comparabilidade com as demonstrações contábeis de 2012, através da sua participação em investimento. (e) Tributos diferidos A Companhia possuía saldos acumulados de diferenças temporárias relativas a correção monetária IPC/BTNF e especial (Lei nº 8.200/91), sobre as quais não haviam sido calculados os créditos tributários diferidos. Desta forma, a Companhia decidiu reapresentar as Demonstrações Contábeis findas em 31 de dezembro de 2011 e 2010, de maneira a refletir os efeitos neste período e permitir a efetiva comparabilidade com as demonstrações contábeis de 2012. (f) Reservas reflexas Em 2012 a Companhia ajustou os saldos de reservas reflexas em seu patrimônio líquido para refletir sua participação nas investidas. Tais ajustes foram feitos contra lucros acumulados no próprio patrimônio líquido. 3. Principais Práticas Contábeis As principais práticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações contábeis individuais anuais estão definidas abaixo. a. Moeda funcional e de apresentação Os itens incluídos nas demonstrações contábeis individuais são mensurados usando a moeda do principal ambiente econômico no qual a Companhia atua, qual seja, o Real (R$). b. Efeitos de câmbio em transações e saldos Operações com moedas estrangeiras são inicialmente registradas na moeda funcional (R$) utilizando as taxas de câmbio vigentes nas datas das transações ou da avaliação. Em existindo ganhos ou perdas cambiais resultantes da liquidação dessas operações e da conversão pelas taxas de câmbio do final do exercício, referentes aos ativos e passivos monetários em moedas estrangeiras, são reconhecidos na demonstração do resultado. Itens não monetários mensurados com base no custo histórico em moeda estrangeira são convertidos utilizando a taxa de câmbio em vigor nas datas das transações iniciais. c. Apuração do resultado O resultado das operações (receitas, custos e despesas) é apurado com observância do regime contábil de competência. A receita de venda de produtos é reconhecida quando seu valor puder ser mensurado de forma confiável e todos os riscos e benefícios são transferidos para o comprador. d. Estimativas contábeis As demonstrações contábeis incluem a utilização de estimativas que levaram em consideração experiências de eventos passados e correntes, pressupostos relativos a eventos futuros, e outros fatores objetivos e subjetivos. Os itens significativos sujeitos a essas estimativas e premissas são: • análise do risco de crédito para determinação da provisão para créditos de liquidação duvidosa; • revisão da vida útil econômica e do valor residual do ativo imobilizado e de sua recuperação nas operações; • mensuração do valor justo de instrumentos financeiros; • mensuração do valor justo dos ativos florestais; • interpretação de regulamentos tributários complexos, dado o amplo aspecto da legislação tributária bem como a natureza de longo prazo e a complexidade dos instrumentos contratuais existentes; • realização dos tributos diferidos ativos sobre diferenças temporárias; e • análise dos demais riscos para determinação de outras provisões, inclusive para litígios envolvendo Continua na próxima página...

Astrônomos acham o maior “útero estelar” da Via Láctea São Paulo – Um grupo de astrônomos descobriu uma estrela gigantesca se formando no seio de uma nuvem escura. Esse “útero estelar” é considerado o maior já encontrado na Via Láctea, com cerca de 500 vezes a massa solar. A estrela embrionária no seio da nuvem se alimenta do material que cai para o interior. Esse embrião celeste deve dar origem a uma estrela muito brilhante com uma massa que poderá atingir 100 massas solares. As estrelas mais brilhantes e de maior massa da Via Láctea se formam no interior de nuvens escuras e frias. Mas este processo sempre foi um mistério para a ciência. Por isso, uma equipe internacional de astrônomos resolveu investigar a formação de uma dessas estrelas gigantescas com o Alma (Atacama Large Millimeter/ submillimeter Array), do Observatório Europeu do Sul (ESO). Existem duas teorias para a formação de estrelas de massa muito elevada. Uma sugere que a nuvem escura progenitora se fragmenta, criando vários núcleos pequenos que colapsam por si próprios, formando estrelas. A outra é mais dramática: uma nuvem inteira começa a colapsar, com o material em rápido descolamento para o centro da nuvem, o que cria na região uma ou mais estrelas de massa muito elevada. A equipe liderada por Nicolas Peretto do CEA/AIM Paris/Saclay, França e Universidade de Cardiff, Reino Unido, concluiu que o Alma era a ferramenta perfeita para descobrir o que se está realmente a passar no interior destas nuvens. A estrela analisada (SDC 335.5790.292) está a cerca de 11 000 anos-luz de distância, numa nuvem conhecida como Nuvem Escura de Spitzer (sigla do inglês, SDC). Com o auxílio do Telescópio Espacial Spitzer da Nasa (Agência Espacial Americana), e o Observatório Espacial Herschel da ESA (Agência Espacial Europeia), a SDC 335.579-0.292 revelou um ambiente dramático de filamentos de gás escuros e densos. Com o Alma foi possível observar em detalhes a quantidade de poeira e o movimento do gás no interior da nuvem escura. O núcleo tem mais de 500 vezes a massa do nosso Sol agora. Mas esse valor deve aumentar ainda mais. Todo o material, eventualmente, colapsará para formar uma estrela jovem que poderá atingir as 100 massas solares - um monstro muito raro. De todas as estrelas da Via Láctea apenas uma em cada dez milhares atinge este tipo de massa, afirmam os cientistas do projeto


14

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

...Continua

e.

f.

g.

h.

i.

j.

k.

l.

m.

n.

o.

p.

q.

r.

s.

t.

processos administrativos e judiciais e demais ativos e passivos na data das demonstrações contábeis. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes dos registrados nas demonstrações contábeis devido às imprecisões inerentes ao processo de estimativa. Essas estimativas e premissas são revisadas periodicamente. Caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa incluem o caixa e os depósitos bancários, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor. Clientes São apresentadas ao valor presente e de realização. É constituída provisão em montante considerado suficiente pela administração para os créditos cuja recuperação é considerada duvidosa. Estoques Os estoques são demonstrados pelo custo médio das compras ou da produção, que incluem a exaustão dos ativos biológicos. Os custos históricos ou os valores de realização são deduzidos de provisão para obsolescência, quando necessário. O custo dos produtos acabados e dos produtos em elaboração compreende matérias-primas, mão-de-obra direta, outros custos diretos e gastos gerais de fabricação. Demais ativos circulantes e não circulantes Um ativo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que seus benefícios econômicos futuros serão gerados em favor da Companhia e seu custo ou valor puder ser mensurado com segurança. Os ativos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação ocorre até o termino do exercício seguinte. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. Os demais ativos circulantes e não circulantes são demonstrados aos valores de custo ou realização, incluindo, quando aplicáveis, os rendimentos auferidos e são ajustados a valor presente líquido ou valor justo (fair value). Investimentos Os investimentos em controladas e coligadas são registrados pelo custo de aquisição e ajustados anualmente pelo método de equivalência patrimonial. Imobilizado Os bens do imobilizado são registrados ao custo e depreciados pelo método linear, considerandose a estimativa da vida útil-econômica dos respectivos componentes. As vidas úteis econômica, base para definição das taxas anuais de depreciação, estão mencionadas na Nota 11. Reparos e manutenção são apropriados ao resultado durante o período em que são incorridos. O custo das principais reformas é acrescido ao valor contábil do ativo quando os benefícios econômicos futuros ultrapassam o padrão de desempenho inicialmente estimado para o ativo. As reformas são depreciadas ao longo da vida útil restante do ativo relacionado. Os custos dos encargos sobre empréstimos tomados para financiar a construção do imobilizado são capitalizados durante o período necessário para executar e preparar o ativo para o uso pretendido. Redução do valor recuperável de ativos não financeiros - (teste de impairment). Anualmente, a administração revisa o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Quando tais evidências são identificadas e o valor contábil líquido excede o valor recuperável, é constituída provisão para deterioração, reconhecida no resultado do período, ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. Para tanto, a Companhia definiu e adota como base para determinar o valor recuperável do ativo o valor justo líquido de despesas de venda partindo da premissa de existência de um mercado ativo. Ativos biológicos Os ativos biológicos são mensurados ao valor justo, deduzidos dos custos estimados de venda no momento da colheita. Sua exaustão é calculada com base no corte raso das florestas. Os ativos biológicos da Companhia estão representados pelas florestas em formação, destinadas ao fornecimento de madeira, principalmente, para a produção de celulose e madeira serrada. A Companhia tem por política a revisão anual do valor justo de seus ativos biológicos com vida superior a 02 (dois) anos para eucalyptus e 03 (três) anos para pinus. Para determinação do valor justo foi utilizado o método do fluxo de caixa descontado, considerando a quantidade cúbica da madeira existente, segregada em anos de plantio, e os respectivos valores de venda de "madeira em pé" até o esgotamento das florestas. O preço médio líquido de venda foi estimado com base no preço estimado da madeira para o mercado local, baseado em estudo de mercado e amostras de algumas pesquisas de transações, ajustado para refletir o valor da "madeira em pé". Intangível O ativo intangível é demonstrado ao custo de aquisição ou formação, deduzido da amortização, a qual leva em consideração o prazo de vida útil estimado dos ativos intangíveis. O valor contábil do Ativos Intangíveis não supera seu provável valor de recuperação e foi submetido ao impairment test. Partes relacionadas Os saldos representativos de partes relacionadas no ativo, ou passivo, não circulantes, estão atualizados monetariamente até a data do balanço pela TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo). Empréstimos e financiamentos Os empréstimos e financiamento contraídos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo no recebimento dos recursos. São subsequentemente apresentados ao custo amortizado, ou seja, acrescidos de encargos e juros proporcionais ao período incorrido ("pro rata temporis"). Quando relevantes, os custos de transação são contabilizados como redutores dos empréstimos e reconhecidos no resultado ao longo do período da dívida, utilizando o método da taxa de juros efetiva. Demais passivos circulantes e não circulantes Um passivo é reconhecido no balanço patrimonial quando a Companhia tem uma obrigação legal ou constituída como resultado de um evento passado, sendo provável que um recurso econômico seja requerido para liquidá-lo. São acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias ou cambiais incorridos. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. Os passivos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação ocorre até o termino do exercício seguinte. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. Os demais passivos circulantes e não circulantes são demonstrados pelos valores conhecidos ou exigíveis, acrescidos dos respectivos encargos, variações monetárias e cambiais e quando aplicável, são ajustados a valor presente liquido. Imposto de renda e contribuição social - Corrente e diferido São calculados com base nas alíquotas vigentes na legislação do imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido ajustado para fins fiscais e consideram a compensação de prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social, para fins de determinação da exigibilidade. As alíquotas desses tributos são de 25% (15% mais adicional de 10% aplicável sobre o lucro excedente ao limite estabelecido pela legislação) para o imposto de renda e de 9% para a contribuição social sobre lucro. Caso existam, as inclusões de despesas ao resultado contábil, temporariamente não dedutíveis, ou exclusões de receitas, temporariamente não tributáveis, consideradas para apuração do lucro tributável corrente, geram créditos ou débitos tributários diferidos. Ativos e passivos contingentes e obrigações legais As práticas contábeis para registro e divulgação de ativos e passivos contingentes e obrigações legais são as seguintes: (i) ativos contingentes são reconhecidos somente quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, transitadas em julgado. Os ativos contingentes com êxitos prováveis são apenas divulgados em nota explicativa; (ii) passivos contingentes são provisionados na medida em que a Companhia, com base na opinião de seus assessores jurídicos, espera desembolsar fluxos de caixa. Processos tributários são provisionados quando as perdas são avaliadas como prováveis e os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Processos trabalhistas e cíveis, cujas perdas são avaliadas como prováveis, são provisionados com base na expectativa de desembolso e apoiado na opinião dos assessores jurídicos da Companhia. Passivos contingentes avaliados como de perdas remotas não são provisionados nem divulgados; e (iii) obrigações legais são registradas como exigíveis. Instrumentos financeiros - Reconhecimento inicial e mensuração subsequente (i) Ativos financeiros Os ativos financeiros da Companhia incluem caixa e equivalentes de caixa, clientes, partes relacionadas e outros recebíveis. Reconhecimento inicial e mensuração dos ativos financeiros Ativos financeiros são classificados como ativos financeiros a valor justo por meio do resultado, empréstimos e recebíveis, investimentos mantidos até o vencimento ou ativos financeiros disponíveis para venda. A Companhia determina a classificação dos seus ativos financeiros no momento do seu reconhecimento inicial, quando se torna parte das disposições contratuais do instrumento. Ativos financeiros são reconhecidos inicialmente ao valor justo, acrescidos, no caso de investimentos não designados a valor justo por meio do resultado, dos custos de transação que sejam diretamente atribuíveis à aquisição do ativo financeiro. Vendas e compras de ativos financeiros que requerem a entrega de bens dentro de um cronograma estabelecido por regulamento ou convenção no mercado (compras regulares) são reconhecidas na data da operação. Desreconhecimento (baixa) dos ativos financeiros Um ativo financeiro (ou, quando for o caso, uma parte de um ativo financeiro ou parte de um grupo de ativos financeiros semelhantes) é baixado quando: • Expirarem o direito de receber fluxos de caixa do ativo; • A Companhia transferiu os seus direitos de receber fluxos de caixa do ativo os riscos e benefícios ou controle sobre o ativo. (ii) Passivos financeiros Os passivos financeiros da Companhia incluem fornecedores, empréstimos e financiamentos, partes relacionadas, adiantamento de clientes, obrigações tributárias e outras contas a pagar. Reconhecimento inicial e mensuração dos passivos financeiros Passivos financeiros são classificados como passivos financeiros a valor justo por meio do resultado, empréstimos e financiamentos. A Companhia determina a classificação dos seus passivos financeiros no momento do seu reconhecimento inicial. Passivos financeiros são inicialmente reconhecidos a valor justo e, no caso de empréstimos e financiamentos, são acrescidos do custo da transação diretamente relacionado. Desreconhecimento (baixa) dos passivos financeiros Um passivo financeiro é baixado quando a obrigação for revogada, cancelada ou expirar. Quando um passivo financeiro existente for substituído por outro do mesmo mutuante com termos substancialmente diferentes, ou os termos de um passivo existente forem significativamente alterados, essa substituição ou alteração é tratada como baixa do passivo original e reconhecimento de um novo passivo, sendo a diferença nos correspondentes valores contábeis reconhecida na demonstração do resultado. Demonstrações dos fluxos de caixa

As demonstrações dos fluxos de caixa foram preparadas pelo método indireto e estão apresentadas de acordo com o pronunciamento contábil CPC 03 R2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. u. Pronunciamentos contábeis novos ou revisados aplicados em 2012 e pronunciamentos ainda não vigentes em 2012 Em 2012 o CPC emitiu um conjunto de emendas e revisões de suas normas, com o objetivo de eliminar inconsistências e esclarecer dúvidas na redação. A adoção dessas revisões não trouxe alterações às políticas contábeis da Companhia e não impactou seu desempenho ou a situação financeira. O IASB, por sua vez, revisou diversos pronunciamentos contábeis que ainda não haviam entrado em vigor até a data de emissão das demonstrações contábeis da Companhia. No Brasil, esses pronunciamentos somente serão requeridos após a aprovação do CPC. A Companhia pretende adotar tais normas quando as mesmas entrarem em vigor, entretanto a Companhia antecipou sua análise e não identificou nenhum pronunciamento que gere impacto significativo em suas demonstrações contábeis. Estão listadas a seguir as normas emitidas que ainda não haviam entrado em vigor até a data de emissão das demonstrações contábeis: Norma IAS 1 Apresentação das Demonstrações Financeiras IAS 16 Imobilizado IAS 19 Benefícios aos Empregados IAS 28 Contabilização de Investimentos em Associadas e Joint Ventures IAS 32 Instrumentos Financeiros: Apresentação IAS 34 Demonstrações Financeiras Intermediárias IFRS 1 Adoção Inicial das IFRS IFRS 7 Instrumentos Financeiros (Divulgação) IFRS 9 Instrumentos Financeiros (Classificação e Mensuração) IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas IFRS 11 Empreendimentos Conjuntos IFRS 12 Divulgação de Participações em Outras Entidades IFRS 13 Mensuração de Valor Justo IFRIC 20 Custos de Remoção de Resíduos na Fase de Produção

Em vigor pelo IASB 1º de julho de 2012 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2014 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013

4. Caixa e Equivalentes de Caixa 2.012 Caixa e fundos fixos Bancos conta movimento

2.011 Não auditado 2 37 39

2 184 186

5. Clientes 2.012

2.011 Não auditado 1.391 2.324 (259) 3.456

Clientes mercado interno Clientes mercado externo (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa

2.401 2.498 (164) 4.735 A movimentação da provisão para crédito de liquidação duvidosa está demonstrada a seguir: 2.012 Saldo no início do exercício 259 Adições 1.550 Recuperações/ realizações (1.645) Saldo no final do exercício 164 Em 31 de dezembro, a análise do vencimento de saldos de contas a receber de clientes é a seguinte: 2.012 A vencer 3.279 Vencidos a: De 1 a 30 dias 591 De 31 a 60 dias 256 De 61 a 90 dias 583 Acima de 91 dias 190 Total 4.899

2.011 151 406 (298) 259 2.011 3.165 291 259 3.715

6. Estoques 2.012 Produtos acabados Produtos diversos Materiais diretos Materiais indiretos

2.011 Não auditado 890 13 1.545 259 2.707

785 14 1.362 299 2.460

7. Tributos a Recuperar 2.012

2.011 Não auditado IRRF a recuperar 50 50 ICMS a recuperar 277 216 ICMS sobre imobilizado a recuperar 323 434 IPI a recuperar 13 285 IRPJ a recuperar 214 265 CSLL a recuperar 84 103 Reintegra - Decreto 7.633 dez/2011 53 PIS a recuperar 584 762 COFINS a recuperar 471 2.736 Antecipação parcelamento 1.786 1.790 ( - ) Saldo parcela não circulante (197) (434) 3.658 6.207 O valor relativo à rubrica "Antecipação Parcelamento", refere-se ao pagamento de parcelas de parcelamentos especiais federais (REFIS I, Lei nº 9.964/00). Após homologação da Receita Federal do Brasil (RFB), o saldo será utilizado no abatimento do saldo devedor migrado para o parcelamento especial federal constante da Lei nº 11.941/09), ou na compensação de outros tributos federais. 8. Partes Relacionadas A tabela a seguir demonstra os saldos e transações entre partes relacionadas no exercício: Saldos e transações em 31/12/2012: Encargos Agroflorestal Ibicuí S.A. Reflorestadora Monte Carlo Ltda. Transimaribo Ltda. Imaribo Cons.Part. e Empr.S/C Ltda Iguaçu Celulose, Papel S.A Total

TJLP TJLP TJLP TJLP TJLP

Saldos patrimoniais Resultado Ativos Passivos Vendas Compras Encargos 100 8.097 535 200.056 208.788

249.174 249.174

5.232 5.232

5.574 1.622 7.196

11 318 18 11.121 (14.085) (2.617)

Saldos e transações em 31/12/2011:

Saldos patrimoniais Resultado Ativos Passivos Vendas Compras Encargos Agroflorestal Ibicuí S.A. 141 4 Reflorestadora Monte Carlo Ltda. 3.005 5 4.474 108 Transimaribo Ltda. 42 2 Imaribo Cons.Part. e Empr.S/C Ltda 187.029 10.837 Iguaçu Celulose, Papel S.A - 259.491 5.011 2.062 (15.101) Total 190.217 259.491 5.016 6.536 (4.150) Essas rubricas registram substancialmente os mútuos concedidos e/ou captados junto às empresas do grupo econômico, relativos a aporte de capital de giro para manutenção das atividades normais das empresas. As referidas operações estão suportadas por contratos de mútuo, firmados por tempo e valores determinados, ficando pré-estabelecido que as devoluções dos recursos transferidos, a título de mútuo, deverão ocorrer num prazo máximo de 10 anos, levando em consideração a situação financeira e a necessidade de cada Companhia. Os saldos são atualizados mensalmente pela TJLP. Adicionalmente a companhia possui saldos registrados como contas a receber no valor de R$ 1.563 relacionados à Iguaçu Celulose, Papel S.A. e valores a pagar registrados em contas a pagar no valor de R$ 10.239 em favor de Reflorestadora Monte Carlo Ltda. 9. Adiantamento para Futuro Aumento de Capital Em 2011 a Companhia registrava o montante de R$ 30.471 refere-se a aporte realizado pela Companhia, mediante conversão instrumentos financeiros a receber (duplicatas e outros) em adiantamento para futuro aumento de capital, o qual foi integralizado no exercício de 2012. 10. Investimentos Os investimentos estão compostos, por participações em controladas e coligadas, ajustados pelo método da equivalência patrimonial, como segue: Patrimônio* investida Resultado Saldo Equivalência Investimento em 2012: (ajustado) investida Participação investimentos patrimonial Encargos TJLP TJLP TJLP TJLP TJLP

Transimaribo Ltda. (a) Reflorestadora Monte Carlo Ltda. Iguaçu Celulose, Papel S.A. Agro Florestal Ibicui S.A.

(34.262) 161.236 393.379 319.021

(1.528) 3.099 9.120 22.749

95,5800% 82,9957% 50,9678% 25,5080%

133.819 200.497 81.375 415.691

2.572 4.648 5.803 13.023

Patrimônio* investida Resultado Saldo Equivalência Investimento em 2011: (ajustado) investida Participação investimentos patrimonial Transimaribo Ltda. (a) (32.728) 11.022 95,5800% Reflorestadora Monte Carlo Ltda. 158.137 (586) 82,9957% 131.247 (486) Iguaçu Celulose, Papel S.A. 348.289 9.054 47,4900% 165.402 4.300 Agro Florestal Ibicui S.A. 296.272 57.053 25,2900% 74.927 14.429 371.577 18.243 a) Constituído provisão para perda, conforme nota 20. * O patrimônio líquido da investida foi ajustado ao valor sobre o qual é aplicada a participação, ou seja, excluindo os adiantamentos para futuro aumento de capital que eventualmente integrem o patrimônio líquido das mesmas. Continua na próxima página...

Estrela que irá ter 100 vezes a massa do Sol apanhada a nascer Novo radiotelescópio no Chile observou o interior de nuvem de poeiras e gases na nossa galáxia onde está a formar-se uma estrela gigantesca. Ela vai nascer, viver e morrer depressa, como um buraco negro. O núcleo amarelo é o "útero" estelar onde está a formar-se a nova estrela numa nuvem de gases e poeiras, a 11.000 anos-luz da Terra Como nascem as estrelas de grande massa, aquelas que têm pelo menos dez vezes a massa do Sol? Uma equipa internacional, que inclui a astrofísica portuguesa Ana Duarte Cabral, apanhou o maior embrião de uma estrela alguma vez visto a formar-se na nossa galáxia e que já deu pistas aos cientistas sobre o assunto. A estrela é uma das que estão a nascer na Via Láctea, dentro da Nuvem Escura de Spitzer 335.5790.292, um grande aglomerado de poeiras e gases que não deixa passar a luz visível. A zona da nuvem escura onde esta estrela se encontra em formação é como um grande útero estelar, com 500 vezes a massa do Sol, e é aí que a estrela está a alimentar-se vorazmente enquanto cresce. No final da sua formação, deverá atingir 100 vezes a massa do Sol, o que é muito invulgar. Não se conhecem estrelas com muito mais de 100 massas solares e mesmo com mais de 50 já são raras. Ora, para conseguir ver o interior desta nuvem escura, como se de uma ecografia se tratasse, a equipa utilizou o maior radiotelescópio da Terra, o ALMA, inaugurado no Chile em Março. Tudo porque o ALMA, da sigla em inglês de Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, observa outro tipo de radiação, com comprimentos de onda maiores do que a luz visível, por volta do milímetro, o que permitiu observar o interior desta nuvem opaca, situada a cerca de 11.000 anos-luz de distância da Terra. Outros telescópios espaciais, o Spitzer, da NASA, e o Herschel, da Agência Espacial Europeia, já tinham antes dado a ver que o ambiente dentro da nuvem era conturbado, com filamentos de gás escuros e densos. Mas o poder do ALMA permitiu observações mais minuciosas, quer ao nível da quantidade de poeiras quer do gás a deslocar-se dentro da nuvem, sublinha um comunicado do Observatório Europeu do Sul (ESO), organização intergovernamental de astronomia a que Portugal pertence e que é um dos parceiros do radiotelescópio. Fragmentação ou colapso total? Estas observações trazem agora novas pistas sobre a formação de estrelas de grande massa. Há duas hipóteses, explica ainda o comunicado. Uma sugere que a nuvem escura progenitora se fragmenta, criando vários núcleos pequenos de matéria, que entra em colapso sobre si própria, acabando por formar várias estrelas. A outra hipótese sugere que a nuvem inteira entrará em colapso, com o material a deslocar-se rapidamente para o centro da nuvem, criando nessa região uma ou mais estrelas de massa muito elevada. “As observações do ALMA permitiram-nos ver pela primeira vez com todo o pormenor o que se passa no interior desta nuvem,” diz o coordenador da equipa, Nicolas Peretto, da Universidade de Cardiff, no Reino Unido. “Queríamos ver como é que estrelas monstruosas se formam e crescem, e conseguimos! Uma das fontes que encontrámos é um verdadeiro gigante – o maior núcleo protoestelar alguma vez encontrado na Via Láctea.” Neste núcleo, o útero da estrela embrionária, muita matéria continua a juntar-se. A gravidade fará o seu trabalho e todo esse material cairá sobre si próprio, formando uma estrela com uma quantidade de matéria invulgar. “As observações do ALMA revelam os detalhes espectaculares dos movimentos da rede de filamentos de gás e poeiras e mostram que uma enorme quantidade de gás está a deslocar-se para a região central compacta”, explica por sua vez Ana Duarte Cabral, 28 anos, actualmente no Laboratório de Astrofísica da Universidade de Bordéus, em França, como pós-doutorada. Estas observações apoiam assim a hipótese do colapso global para a formação de estrelas de grande massa, em vez da hipótese da fragmentação, remata o comunicado. “Embora já soubéssemos que esta região era uma boa candidata a ter uma nuvem a formar estrelas de grande massa, não esperávamos encontrar uma estrela embrionária tão grande no seu centro. De todas as estrelas da Via Láctea, apenas uma em cada dez mil atinge este tipo de massa [100 massas solares]!”, sublinha Peretto. Com esse “tamanho”, se a colocássemos no nosso sistema solar, até onde chegaria ela? “Para já, o que observámos foi o núcleo que poderá dar origem a uma tal estrela, que neste momento ainda está em crescimento. O núcleo em si tem cerca de 10.000 unidades astronómicas, ou seja, 10 mil vezes a distância da Terra ao Sol, pelo que o tamanho deste núcleo é maior do que o sistema solar inteiro”, responde ao PÚBLICO Ana Duarte Cabral. “No entanto, quando a estrela for adulta e parar de crescer, se atingir as tais 100 massas solares, terá um raio que será cerca de 30 vezes maior que o raio do Sol. Mesmo assim, esta distância corresponde a menos do que a distância entre Mercúrio e o Sol. Seria uma estrela 30 vezes maior (em raio) do que o Sol, mas não chegaria a nenhum dos planetas.”


| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

15

...Continua

11. Imobilizado

18. Adiantamentos de Clientes Móveis, Edificações e Máquinas e utensílios e Imobilizado em benfeitorias equipamentos instalações Veículos andamento

2.012

Terrenos Total Saldo Inicial Ajustado (Nota 2.b) e Não Auditado em 01 de janeiro de 2011 Custo 42.021 17.531 11.976 573 1.612 1.234 74.947 Depreciação acumulada (4.231) (5.834) (325) (1.329) - (11.719) Valor contábil líquido 42.021 13.300 6.142 248 283 1.234 63.228 Adições 104 465 7 2.231 3.478 6.285 Transferências (bens) 293 619 169 (1.081) Baixas (-) (3) (373) - (376) Depreciação (-) (1) (461) (25) (79) - (566) Baixas da depreciação 2 312 314 Saldo Ajustado (Nota 2.b) e Não Auditado em 31 de dezembro de 2011 42.021 13.695 6.704 399 2.435 3.631 68.885 Adições 1.348 13 236 459 2.056 Transferências (bens) 1.167 2.156 (3.323) Baixas (-) (9) (7) (1.107) (2) (382) - (1.507) Depreciação (-) (1.821) (765) (38) (510) - (3.134) Baixas da depreciação 6 260 2 190 458 Saldo em 31 de dezembro de 2012 42.012 13.040 8.596 374 1.969 767 66.758 Custo atribuído ¨deemed cost¨ e vida útil econômica - imobilizado A Companhia procedeu à avaliação da vida útil econômica do ativo imobilizado, na adoção inicial dos CPCs, exercendo a opção de ajustar os saldos iniciais a valores justos, com a utilização do conceito de custo atribuído (deemed cost). Desta forma a Companhia atribuiu o valor justo através de laudo emitido por empresa especializada. Metodologia utilizada para determinar o novo cálculo da depreciação O valor da depreciação é determinado de forma linear considerando as vidas úteis remanescentes e os valores residuais de cada item do ativo imobilizado. Durante o exercício de 2012, a Companhia utilizou vidas úteis médias de 16 anos para edificações e benfeitorias, 14 anos para máquinas e equipamentos, 14 anos para móveis e utensílios e 12 anos para veículos. O ativo imobilizado da Companhia está integralmente estabelecido no Brasil e é empregado, exclusivamente nas operações relacionadas à sua atividade comercial e industrial, estando livre de ônus e/ou garantias, exceto quando atrelado ao seu próprio financiamento e as garantias oferecidas para quitação dos parcelamentos de tributos e contribuições junto à Receita Federal do Brasil, por meio do programa REFIS. 12. Ativo Biológico 2.012 2.011 Saldo inicial 32.384 26.983 Adições 766 940 Variação do valor justo (CPC 29) 10.458 6.462 Cortes efetuados no exercício (2) (2.001) Saldo Final 43.606 32.384 Os ativos biológicos da Companhia estão representados pelas florestas de pinus e eucalyptus em formação, destinadas ao fornecimento de madeira para a produção de celulose e madeira serrada. A avaliação das florestas foi realizada através do método do "income approach", baseado no fluxo de caixa futuro descontado a valor presente. Na determinação do valor justo dos ativos biológicos, as projeções estão baseadas em cenários projetivos os quais se baseiam na produtividade e área de plantio para um ciclo de corte de um número de 10 a 18 anos para pinus e 07 a 14 para eucalyptus, numa área plantada de 2.481 hectares em 31 de dezembro de 2012. O período dos fluxos de caixa é projetado de acordo com o ciclo de produtividade das áreas objeto de avaliação, produtividade média por m3 de madeira de cada plantação por hectare na idade de corte. O preço líquido médio de venda foi projetado com base no preço estimado para pinus no mercado local, baseado em estudo de mercado e amostras de algumas pesquisas de transações, ajustado para refletir o preço da "madeira em pé" por região. O custo médio estimado de manutenção das florestas contempla gastos com as atividades de roçada, controle químico de mato-competição, combate a formigas e outras pragas, adubamento, manutenção de estradas, insumos e serviços de mão de obra. Foram também considerados os efeitos tributários com base nas alíquotas vigentes, considerando uma taxa média de desconto de 8,22% a.a. Quaisquer alterações nas premissas utilizadas poderão impactar em alteração do resultado do fluxo de caixa descontado, logo, na valorização ou desvalorização dos ativos biológicos. 13. Ativo Intangível O ativo intangível está composto, substancialmente, por softwares, líquidos das respectivas amortizações acumuladas, calculadas com base em uma vida útil estimada de 05 anos para os aplicativos. O valor contábil dos ativos intangíveis não supera seus prováveis valores de recuperação e foram submetidos ao impairment test, conforme determinado pelo CPC nº 01 (Valor Recuperável dos Ativos). Direito de Software Marcas e uso telefone licença patentes Outras Total Saldo Inicial Não Auditado em 01 de janeiro de 2011 Custo 20 357 1 1 379 Amortização acumulada (162) (162) Valor contábil líquido 20 195 1 1 217 Adições 25 25 Amortizações (-) (8) (8) Saldo Não Auditado em 31 de dezembro de 2011 20 212 1 1 234 Adições 27 27 Amortizações (-) (11) (11) Saldo em 31 de dezembro de 2012 20 228 1 1 250 14. Fornecedores 2.012 Fornecedores mercado interno Fornecedores coligadas

887 10.239 11.126

2.011 Não auditado 1.231 5.131 6.362

15. Empréstimos e Financiamentos Instituição

Taxa de juros Circulante Não Circulante

Banco Boa Vista S/A TR +1% a.m. Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos 5,30%a.a. Banco Volvo S.A. - FINAME PSI - Equipamentos 7,92% a.a Banco Volvo S.A.- CDB 14,02% a.a. Banco Volvo S.A.- CDB - Equipamentos 1,70% a.a. Banco ABC do Brasil - FINAME PSI - Equipamentos 2,50% a.a Banco Fibra S/A - FINAME PSI 5,5% a.m. BANCO BIC - CDC - Equipamentos 0,60% a.m BANCO BIC - CDC - Equipamentos 0,51% a.m BANCO BIC - CDC - Veículos 0,46% a.m Banco GMAC - Veículos 1,34% a.m. Banco GMAC - Veículos 1,31% a.m.

1 167 105 79 93 85 703 30 24 27 1 1.315

191 263 333 370 839 98 50 2.144

2.012 Total 1 358 368 412 463 85 1.542 128 74 27 1 3.459

2.011 Total Não auditado 2.070 478 461 71 183 1.767 47 9 5.086

O saldo do não circulante tem vencimento de R$ 1.771 entre o segundo e terceiro anos, R$ 373 entre o quarto e quinto anos. Em relação aos financiamentos de ativos imobilizados, a garantia dada é o próprio bem e/ou aval de coligadas. 16. Obrigações Trabalhistas e Sociais

Não auditado INSS a pagar FGTS a pagar Parcelamento FGTS Contribuição sindical a pagar Provisão para férias Encargos sobre provisão para férias Outros

2.012 Circulante

2.011 Circulante

124 38 20 4 419 158 4 767

120 37 33 3 405 151 14 763

17. Obrigações Tributárias

PIS/COFINS/CSLL a pagar IRRF a pagar ISS a pagar IRPJ a pagar CSLL a pagar REFIS federal (a)

Circulante

2.012 Não Circulante

2 9 7 144 71 1.230 1.463

13.115 13.115

Circulante Não auditado 1 6 12 1.150 1.169

2.011 Não Circulante Não auditado 13.411 13.411

a. Programa de Parcelamento de débitos tributários e previdenciários - "REFIS IV" A Companhia aderiu e consolidou seus débitos tributários no Parcelamento Especial, "REFIS IV", junto a Receita Federal do Brasil, PGFN e INSS, migrando assim os valores anteriormente declarados no "REFIS I" e inclusão de todos os débitos em litígio (esfera administrativa ou judicial), cujo êxito das demandas seja remoto. Esta operação foi realizada com base na Lei nº 11.941/2009, de 27 de maio de 2009. De acordo com esta Lei, está previsto a redução de multas, juros, encargos legais e ainda a possibilidade de utilização de prejuízos fiscais e bases negativas de CSLL para abatimento de multas e juros. A Companhia encontra-se obrigada a manter os pagamentos regulares das parcelas vincendas, como condição essencial para a manutenção desse parcelamento e das condições do mesmo. Em 31 de dezembro de 2012, a Companhia está adimplente com esses pagamentos.

Brasilmad Trading Company S/A Mirian Correa Santos EPP Milton do Amaral Gomes Maria Salete Betaghin Alceu Pieri Sebastião Soltel Lucia Rita Becker de Souza e Ernesto de Souza Diversos

30 31 33 30 26 25 3 178

2.011 Não auditado 10 37 47

19. IRPJ e CSLL sobre o lucro (a) Reconciliação da alíquota efetiva A reconciliação dos tributos apurados conforme as alíquotas nominais e o valor dos tributos registrados nos exercícios de 2012 e 2011, estão apresentados a seguir: 2.012 2.011 Ajustado (Nota 2.b) Não auditado Lucro do exercício antes dos tributos 32.216 33.133 Impostos às alíquotas nominais (34%) (10.953) (11.265) Adiçoes permanentes: Equivalência patrimonial 4.428 6.203 Provisão para perda de investimento (499) 3.582 Crédito diferido sobre prejuízo não constituído 1.187 (450) Outras adições/exclusões permanentes, líquidas (340) (73) Impostos registrados no resultado (6.176) (2.003) Correntes (2.691) Diferidos (3.485) (2.003) Alíquota efetiva de imposto de renda e contribuição social 19,17% 6,05% (b) Imposto de renda e contribuição social diferidos 2.012 2.011 Ajustado (Nota 2.b) Não auditado Tributos diferidos ativos: Provisão para litígios e outros (47) Tributos diferidos passivos: Reavaliação espontânea imobilizado 1.675 1.702 Correção monetária especial (Lei nº 8.200/91) 418 471 Correção IPC/BTNF/90 (Lei nº 8.200/91) 40 41 Ativo biológico - valor justo 11.539 7.983 Imobilizado - deemed cost 18.065 18.418 Revisão da vida útil 788 645 Total tributos diferidos 32.478 29.260 Em 01/01/2010 a sociedade empresária avaliou o ativo imobilizado e as florestas ao valor justo bem como efetuou a revisão das estimativas de vida útil dos bens do ativo imobilizado. Sobre os ajustes efetuados no patrimônio líquido reconheceu o IRPJ e a CSLL diferidos decorrentes das diferenças temporárias, cuja realização ocorre de acordo com a realização desses ativos por depreciação, baixa ou venda. A Empresa possui saldos acumulados de Prejuízo Fiscal e Base Negativa de CSLL de aproximadamente de R$ 120.249 e R$ 123.730. Os créditos tributários ativos decorrentes desses saldos não foram contabilizados pelo fato de a Companhia possuir histórico de prejuízos fiscais, uma vez que os resultados de equivalência não afetam o resultado fiscal. 20. Provisão para Perdas de Investimentos A Companhia possui saldo para provisão para perda de investimento, pertinente a sua controlada Transimaribo Ltda., no valor de R$ 32.748 no exercício de 2012 e R$ 31.281 em 2011, correspondente a sua participação de 95,58%, conforme segue: Patrimônio Provisão para perda investimento em 2012: Líquido Paticipação Provisão Transimaribo Ltda (34.262) 95.58% (32.748) (32.748) Patrimônio Provisão para perda investimento em 2011: Líquido Paticipação Provisão Transimaribo Ltda (32.728) 95.58% (31.281) (31.281) 21. Outras Obrigações 2.012 2.011 Circulante Não Circulante Circulante Não Circulante Não auditado Não auditado Mineração Naque 5.599 12.598 Adami S/A Madeiras 150 Iguaçu Celulose, papel S/A 3.142 Sul América Cia de Seguros 3 Yasuda Seguros S/A 1 Outros 1 1 5.601 12.598 3.296 22. Provisão para Litígios A Companhia é parte envolvida em processos tributários e cíveis, os quais se encontram em instâncias diversas. As provisões para litígios, constituídas para fazer face as potenciais perdas decorrentes dos processos em curso, são estabelecidas e atualizadas com base na opinião de seus assessores jurídicos. 2012 2011 Não auditado Saldo inicial 5.954 5.954 Novas provisões 138 Atualização 701 Saldo final 6.793 5.954 Cíveis 138 Tributárias 6.655 5.954 23. Patrimônio Líquido a. Capital social O capital social, totalmente subscrito e integralizado, é de R$ 2.033.798,53 (dois milhões, trinta e três mil, setecentos e noventa e oito reais e cinqüenta e três centavos), dividido em 105.624.096.073 (cento e cinco bilhões, seiscentos e vinte quatro milhões, noventa e seis mil e setenta e três) ações, ordinárias nominativas, sem valor nominal. b. Reserva de reavaliação Movimentação Saldo Inicial - Ajustado (Nota 2.b) e não auditado 14.399 (-) Realização da reserva (430) (+) IRPJ e CSLL diferidos 24 Saldo em 31 de dezembro 2011 - Ajustado (Nota 2.b) e não auditado 13.993 (-) Realização da reserva (459) (+) Transação de capital 420 (+) IRPJ e CSLL diferidos 74 Saldo em 31 de dezembro de 2012 14.027 A Administração da Companhia optou pela manutenção dos registros relativos à reavaliação dos bens do ativo imobilizado, e estima que tais saldos serão mantidos até a sua realização integral. c. Ajuste de avaliação patrimonial Mutação Saldo Inicial - Ajustado (Nota 2.b) e não auditado 251.385 Realização do custo atribuído ao imobilizado (5.232) Realização dos tributos sobre o custo atribuído ao imobilizado 211 Saldo em 31 de dezembro de 2011 - Ajustado (Nota 2.b) e não auditado 246.364 Realização do custo atribuído ao imobilizado (4.890) Realização dos tributos sobre o custo atribuído ao imobilizado 90 Ganho por aumento de participação 6.743 Saldo em 31 de dezembro de 2012 248.307 A Companhia fez a opção de ajustar os saldos contábeis líquidos do imobilizado a valores justos (idem em suas coligadas/controladas), com a utilização do conceito de custo atribuído (deemed cost), mencionado no item 22 da Interpretação Técnica ICPC 10. A contrapartida foi registrada na rubrica de Ajuste de Avaliação Patrimonial. 24. Instrumentos Financeiros Os valores de mercado estimados de ativos e passivos financeiros da Companhia foram determinados por meio de informações disponíveis no mercado e metodologias apropriadas de avaliações. Entretanto, foi necessário considerável interpretação e julgamento, por parte da Companhia, para produzir a estimativa do valor de mercado mais adequada. Como consequência, as estimativas a seguir não indicam, necessariamente, os montantes que poderão ser realizados no mercado de troca corrente. O uso de diferentes metodologias de mercado pode ter um efeito material nos valores de mercado estimados. A administração dos instrumentos financeiros segue a política financeira da Companhia, sendo efetuada por meio de estratégias operacionais, visando liquidez, minimização de exposição cambial, rentabilidade e segurança. A política de controle consiste em acompanhamento permanente das taxas contratadas versus as vigentes no mercado. a. Gerenciamento de riscos Os principais fatores de risco de mercado que afetam o negócio da Companhia podem ser considerados como: • Risco de crédito Esses riscos são administrados por normas específicas de aceitação de clientes, análise de crédito e estabelecimento de limites de exposição por cliente, tendo a sua carteira de clientes pulverizada. • Risco cambial A companhia possui ativos em moeda estrangeira (dólar norte americano), os quais podem afetar o resultado da mesma pela variação da taxa de câmbio, no valor de R$ 2.498. b. Critérios, premissas e limitações utilizados no cálculo dos valores de mercado Os saldos contábeis e os valores de mercado dos instrumentos financeiros inclusos no balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 não divergem significativamente de seus valores de mercado. • Caixa e equivalentes de caixa Os saldos em conta corrente são mantidos em bancos têm seus valores de mercado próximos aos saldos contábeis. • Clientes Continua na próxima página...

O fone de ouvido OnBeat

Escocês inventa fone de ouvido que recarrega celulares Um inventor da cidade de Glasgow, na Escócia, criou um protótipo de fone de ouvido que capta energia solar para carregar baterias de telefones celulares e outros dispositivos móveis. Andrew Anderson lançou o fone de ouvido, chamado OnBeat, no site de crowdfunding (que capta doações para financiar vários tipos de projetos) Kickstarter, por meio do qual espera viabilizar sua comercialização. O inventor espera arrecadar 200 mil libras (cerca de R$ 674 mil) para avançar com o projeto e colocar os fones à venda no começo de 2014. A alça do fone tem uma célula solar flexível com uma capacidade de carregamento de 0,55 watts. A energia gerada é armazenada em duas pequenas baterias de lítio. Escondidas nas conchas do fone, as baterias carregam o telefone celular quando o fone é conectado no celular por meio de um cabo. "Ainda estamos trabalhando no design e no protótipo. Precisamos melhorar os fones de ouvido, as pessoas querem saber de isolamento de ruído", disse o inventor à BBC. Anderson disse ainda que a ideia veio de seu pai, Frank. "É muito simples, você até pensa que já foi feito. Você pode comprar carregadores solares para celulares, mas o problema é que é como se você estivesse carregando dois telefones", disse. Caminhada A ideia de usar fontes renováveis de energia para carregar baterias de dispositivos eletrônicos é popular entre desenvolvedores e inventores. Vários já analisaram, por exemplo, a possibilidade de gerar e armazenar energia capturada durante uma caminhada. Um projeto que tenta arrecadar dinheiro pelo Kickstarter nos Estados Unidos é o de uma palmilha de sapato que pode ser usada para carregar baterias. Para carregar a bateria de um iPhone, por exemplo, seria necessária uma caminhada de quatro a oito quilômetros, de acordo com a equipe de desenvolvimento da palmilha SolePower, que desenvolveu este projeto na Universidade Carnegie Mellon, na cidade americana de Pittsbugh. "Nós desenvolvemos um protótipo para acender sapatos para que estudantes pudessem ver mais facilmente onde estavam pisando à noite", afirmou o website dos desenvolvedores. "Rapidamente percebemos que esse conceito de geração de energia tinha apelo mais universal, indo além do uso apenas para acender pequenas luzes." "Somos inventores de coração e nosso objetivo é resolver problemas usando uma tecnologia legal. Além disso, nós queríamos muuuuito que nossos telefones parassem de morrer (pelo esgotamento da bateria)", declarou a equipe no site.


16

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

...Continua

O saldo de contas a receber tem seus valores de mercado próximos aos saldos contábeis pela sua natureza de curto prazo e, quando cabível, observado o quesito da materialidade, são ajustados a valor presente. • Derivativos A Companhia tem como política a eliminação dos riscos de mercado, evitando assumir posições expostas a flutuações das taxas de câmbio de curto prazo e operando apenas instrumentos que permitam controles destes riscos. De acordo com suas políticas financeiras, a Companhia não tem efetuado operações envolvendo instrumentos financeiros que tenham caráter especulativo. 25. Receita Operacional Líquida 2.012 2.011 Não auditado Receita operacional bruta Vendas a terceiros 12.386 10.391 Vendas a coligadas 5.232 5.016 Vendas exportações 19.943 19.660 Deduções Impostos (2.450) (2.424) Devoluções (71) (113) Receita operacional líquida 35.040 32.530 26. Despesas Administrativas 2.012 2.011 Não auditado Despesas administrativas Pessoal (900) (1.023) Serviços contratados (985) (190) Depreciações (152) (348) Energia elétrica (20) (17) Telecomunicações (41) (43) Impostos (218) (237) Outros (53) (247) Total (2.369) (2.105) 27. Despesas Comerciais 2.012 2.011 Não auditado Despesas comerciais Pessoal (210) (122) Depreciações (6) (5) Fretes (mercado interno) (8) Comissões (mercado interno) (22) Serviços contratados (mercado interno) (372) (444) Fretes (mercado externo) (780) (909) Comissões (mercado externo) (15) Serviços contratados (mercado externo) (1) Impostos (1) Outros (176) (98) Total (1.566) (1.603)

28. Outras Receitas Despesas Operacionais 2.012

Outras receitas (despesas) operacionais Provisão PCLD Pis e Cofins s/ indenizações sinistros e outros Provisão para perda de investimento Perda ICMS sobre ativo imobilizado Resultado na alienção do imobilizado Provisão para litígios e outros Receita precatório IPI exportação Receita de indenizações de sinistros e outros Total

2.011 Ajustado (Nota 2.b) Não auditado

95 (7) (1.467) (70) (103) (138) 1.529 72 (89)

(108) (1) 10.535 230 14 10.670

29. Receitas/Despesas Financeiras 2.012 Despesas Financeiras Despesas de tarifas bancárias Variações cambias e monetárias Juros passivos coligadas Juros sobre tributos Juros sobre empréstimos e financiamentos Outras despesas financeiras

Receitas financeiras Receitas e rendimentos aplicação financeiras Variações cambias e monetárias Juros ativos coligadas Juros sobre duplicatas Outras receitas financeiras

2.011 Não auditado

(16) (259) (14.085) (1.209) (1.328) (1.238) (18.135)

(20) (155) (15.101) (1.236) (1.056) (284) (17.852)

7 11.478 338 7.896 19.719

7 84 10.976 340 708 12.115

30. Seguros A Companhia mantêm cobertura de seguros dos seus bens do ativo imobilizado, de seus estoques e despesas fixas, com vigência até 31/05/2014. Sendo o valor da cobertura de R$ 80 milhões para danos materiais e R$ 14 milhões para lucros cessantes. A Companhia não tem seguro para suas florestas. Visando minimizar o risco de incêndio, são mantidos, pela brigada interna de incêndio, um sistema de torres de observações em locais distribuídos estrategicamente, bem como vigilantes motorizados e caminhões bombeiros. A Companhia não apresenta histórico de perdas relevantes com incêndio de florestas.

DIRETORIA Paulo Roberto Pizani Diretor Presidente

Raimar Sternadt Diretor de Controle

José Felipe Mata de Rangel Moreira Cavalcanti Diretor Administrativo / Financeiro

José Eduardo Nardi Diretor Industrial / Comercial

Joneslei Kniss Contador CRC/PR 050506/O-5

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores e Acionistas da Imaribo S.A. Indústria e Comércio Curitiba - PR Examinamos as demonstrações contábeis da Imaribo S.A. Indústria e Comércio ("Companhia"), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção

relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Exceto quanto ao resultado de valor justo dos ativos biológicos descrito no parágrafo de base para opinião com ressalva, acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para opinião com ressalva Conforme divulgado na nota 2b, a Companhia ajustou, de forma retrospectiva, suas demonstrações contábeis de exercícios anteriores. Nessas circunstancias, conforme requerido pelo "Pronunciamento Técnico CPC 26 (R1) - Apresentação das Demonstrações Financeiras", item 39, a mesma deveria também estar divulgando seus balanços patrimoniais e respectivas notas explicativas relativamente a 01 de janeiro de 2011 (saldo de abertura). No entanto, a Administração da Companhia optou por não proceder a tais divulgações. Fomos nomeados auditores da Companhia durante exercício de 2012 e, portanto, não revisamos a avaliação dos ativos biológicos próprios e de sua controlada Reflorestadora Monte Carlo Ltda. em 31 de dezembro de 2011 (saldos iniciais do exercício corrente). Dessa forma, não foi possível nos satisfazer por meios alternativos, quanto ao valor justo dos ativos biológicos, que estão registrados no balanço patrimonial por R$ 32.384 mil

Exame de sangue poderá prever taxa de envelhecimento, diz estudo Cientistas britânicos do King's College acreditam que um simples exame de sangue poderá prever o grau de envelhecimento de uma pessoa no futuro. Os pesquisadores descobriram que as 'impressões digitais' químicas no sangue, conhecidas como metabólitos, deixadas como resulta-

do de mudanças moleculares ainda antes do nascimento ou durante a infância, podem fornecer pistas sobre o estado geral de saúde no longo prazo e também sobre a taxa de envelhecimento. Ao estudar gêmeos, os cientistas encontraram um grupo de 22 metabólitos ligados ao

envelhecimento. Um destes, considerado como uma nova descoberta, está ligado a traços como função pulmonar, densidade mineral dos ossos e também fortemente ligado ao peso no momento do nascimento, um fator conhecido que determina a saúde durante o envelhecimento.

Exame de sangue detecta Down em feto de dois meses Os pesquisadores fizeram um perfil dos metabólitos analisando amostras de sangue doadas por mais de 6 mil gêmeos. Eles identificaram 22 metabólitos diretamente ligados ao envelhecimento cronológico. A concentração dos metabólitos era maior entre pessoas mais velhas do que entre os mais jovens. Um metabólito em particular, chamado de C-glyTrp, está associado com a função pulmonar, densidade mineral nos ossos, índice de colesterol e pressão sanguínea. O papel deste metabólito no envelhecimento é uma descoberta completamente nova. Ao comparar os pesos no nascimento de gêmeos

idênticos que participaram da pesquisa, os pesquisadores descobriram que este metabólito também estava associado a um peso mais baixo em recém-nascidos. Ana Valdes, a pesquisadora que liderou o estudo, este metabólito único, que está relacionado ao envelhecimento e a doenças ligadas ao envelhecimento, era diferente em gêmeos idênticos que tinham pesos diferentes ao nascer. Isto nos mostra que o peso ao nascer afeta um mecanismo molecular que altera este metabólito. — Isto vai nos ajudar a entender como uma nutrição mais baixa ainda no útero altera os caminhos moleculares que vão resultar em um envelhecimento mais rápido

A CONSTRUTORA ANDRADE RIBEIRO LTDA. torna público que requereu ao IAP a Licença de Operação para Barracões Industriais destinados à Locação denominado Condomínio Avenida das Araucárias, localizado na Avenida das Araucárias, nº 2060, município de Araucária – PR. Não tendo sido determinado Estudo de Impacto Ambiental.

e maior risco de doenças ligadas ao envelhecimento 50 anos depois. A cientista afirma que a compreensão destes caminhos moleculares envolvidos nos processos de envelhecimento pode abrir caminho para a criação, no futuro, de exames simples para detectar e terapias para tratar doenças ligadas ao envelhecimento. — Como estes 22 metabólitos ligados ao envelhecimento são detectáveis no sangue, agora podemos ver a verdadeira idade a partir de uma amostra de sangue e, no futuro, isto poderá ser melhorado e poderemos identificar o futuro do envelhecimento biológico das pessoas.

em 31 de dezembro de 2011. Em decorrência desse assunto, não foi possível determinar se teria havido necessidade de efetuar ajustes na variação do valor justo dos ativos biológicos, receita de R$ 10.458, bem como da receita de equivalência da controlada mencionada no valor de R$ 2.475, registradas no resultado de 2012. Opinião com ressalva Em nossa opinião, exceto pela ausência de divulgação de informações e pelos possíveis efeitos no resultado de valor justo dos ativos biológicos, conforme descrito no parágrafo "Base para opinião com ressalva", as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Imaribo S.A. Indústria e Comércio em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Outros assuntos O balanço patrimonial de 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, demonstrados para fins comparativos, não foram auditados por nós nem por outros auditores independentes. Portanto, não expressamos opinião ou qualquer forma de asseguração sobre os mesmos. Curitiba (PR), 31 de maio de 2013. Ernst & Young Terco Auditores Independentes S.S. CRC 2SP 015199/O-6 - F - PR Marcos Antonio Quintanilha Contador /CRC-1SP132.776/O-3-T-SC-S-PR

SUS aumenta controle de qualidade de sangue doado Segundo os pesquisadores, os níveis deste novo metabólito, que podem ser determinados ainda na gravidez e afetados pela nutrição durante o desenvolvimento da criança, podem refletir um envelhecimento acelerado. De acordo com os cientistas, no futuro será possível identificar estes marcadores de envelhecimento com um simples exame de sangue, o que poderá fornecer mais informações sobre a expectativa de vida e abrir caminho para o desenvolvimento de tratamentos de doenças relacionadas a esta época da vida de uma pessoa. Tim Spector, chefe do Departamento de Pesquisa com Gêmeos do King's College de Londres, "cientistas sabem há muito tempo que o peso de uma pessoa no momento do nascimento é um fator importante para a saúde na meiaidade e velhice e que pessoas que nascem com peso baixo são mais propensas a doenças relacionadas à idade". — Até agora os mecanismos moleculares que ligam o baixo peso ao nascer com saúde e doença na velhice ainda eram evasivos, mas esta descoberta revelou um dos caminhos moleculares envolvidos.

SÚMULA DE CONCESSÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO Auto Posto Transcap Ltda, CNPJ: 04.368.711/0001-35, torna público que recebeu do - IAP, a Licença de Operação n° 24.304 com vencimento em 26/08/2013 para operação de Posto de Abastecimento de Combustíveis e Serviços, a: Rua Gabriel de Lara, 925 - Bairro Leblon. Paranaguá - PR.

Renault emplaca mais de 100 mil veículos no primeiro semestre Com 20.024 veículos emplacados em junho, a Renault do Brasil continua sua trajetória de crescimento no mercado brasileiro, atingindo a participação de 6,6 em junho. “Os resultados comerciais da Renault estão em linha como o planejado, voltamos à nossa participação de mercado de 2012”, afirma Olivier Murguet, Presidente da Renault do Brasil. Mesmo após a parada de oito semanas, a partir de dezembro de 2012, para ampliação da sua capacidade instalada de 280 mil para 380 mil veículos por ano, a Renault acumula um volume de 102.020 unidades emplacadas no primeiro semestre, o que reflete a retomada do ritmo de produção e vendas. O aumento no volume das comercializações de produtos de diferentes categorias – compacto, SUV, sedan e comercial leve - é resultado dessa estratétegia. As vendas do Sandero e Sandero Stepway – totalizando 8.707 veículos - 19% a mais que no mês de maio, são alguns dos destaques. O Duster também contribuiu para os bons resultados apresentados pela Renault. SUV vêm conquistando o público e suas vendas, em junho, somaram 4.134 unidades. No segmento de entrada – cujos números de mercado apontam queda de 25% no semestre a demanda pelo popular da marca também continua aquecida. O Novo Clio registrou, no último mês, 2.582 veículos emplacados, um volume 184% superior ao mesmo período do ano anterior. Já o novo Master, desde o seu lançamento, em março, tem sido apontado como um dos grandes destaques na categoria de veículos comerciais leves, o que se confirma com seu expressivo desempenho comercial. Em junho, foram emplacados 1.012 veículos, 82% a mais que no mês anterior, o que conferiu ao modelo o seu recorde de emplacamentos. A indústria automotiva brasileira cresceu, no primeiro semestre, 4,8%.

COMARCA DE RIO BRANCO DO SUL – PARANA 57° SEÇÃO JUDICIARIA – ENTRANCIA INTERMEDIARIA FORUM DR. VERISSIMO GONÇALVES PEREIRA NETO. VARA CÍVEL E ANEXOS – CGC 79.732.251/000110. JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE RIO BRANCO DO SUL – PARANA. EDITAL DE CITAÇÃO DO REQUERIDO FABRICIO DOMINI DA COSTA RIBEIRO - CPF/MF n° 902.700.029-87, COM PRAZO DE VINTE DE 20 (VINTE) DIAS. FAZ SABER a todos quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem que, por meio deste CITA o réu FABRICIO DOMINI DA COSTA RIBEIRO - CPF/ MF n° 902.700.02987 para os termos dos autos de DEPOSITO registrado e autuado sob n° 781/2006 (numeração única: 283832.2006.8.16.0147) onde figura como requerente SERVOPA ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA CNPJ/MF n °76.515.071/0001-99. CITO para ficar ciente de que poderá, no prazo de 05 (cinco) dias, efetue a entrega o veículo abaixo descrito, ou, no mesmo prazo, consigne, também em Juízo, o valor do débito (art. 902, I e II do CPC), ou, ainda, apresente contestação por intermédio de Advogado, sob pena de revelia e de serem aceitos como verdadeiros os fatos articulados pela parte autora (art. 285 e 319 do CPC), onde foi alegado em síntese o seguinte: “...Por força do Termo de Cessão e Transferência de Cotas, celebrado em 04/ 02/2005, o requerido aderiu ao Consórcio no contrato n° SER02253, grupo n°5803, cota n°033-6, obrigandose a todos os seus termos. Pela referida Cédula foi concedido crédito no montante de R$ 25.402,00 (vinte e cinco mil quatrocentos e dois reais). Em garantia da dívida acima descriminada, foi constituída ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA, o devedor transferiu Alienação Fiduciária à requerente, nos termos do Decreto-Lei 911 de 01/ 10/69 do bem abaixo relacionado, consoante item IV do Preâmbulo a saber: “VEÍCULO MARCA: VOLVO; MODELO: 850 GLE W; ANO DE FABRICAÇÃO: 1996; MODELO: 1997; COR: PRATA; CHASSI YV1LW5106T2310176; PLACA: LYW- 6255; RENAVAM: 67.918395-7.” Ocorre , porém, que o Requerido deixou de pagar as prestações incorrendo em mora desde então, nos termos do artigos 2° do já mencionado Decreto Lei, devidamente comprovada, encontrando-se o débito totalmente vencido, cujo valor, contratados importa em R$ 26.876,86 (vinte e seis mil oitocentos e setenta e seis reais e oitenta e seis centavos) a ser atualizado...”. E para que chegue ao conhecimento de todos os interessados, expediu-se o presente edital que será publicado na forma da Lei e afixada cópia no local de costume, para que ninguém alegue ignorância futura. Nesta Cidade e Comarca de Rio Branco do Sul - Paraná, 23 de maio de 2013, Eu(A) Juliane Mildemberger, Empregada Juramentada, digitei e subscrevi.” (a) Marcelo Teixeira Augusto Juiz de Direito.

JUÍZO DE DIREITO DA VIGÉSIMA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA – PR.EDITAL DE CITAÇÃO - Prazo: 20 (vinte) dias. A DOUTORA CAMILE SANTOS DE SOUZA SIQUEIRA, MERITÍSSIMA JUIZA DE DIREITO DA VIGÉSIMA VARA CÍVEL DE CURITIBA, PARANÁ, POR NOMEAÇÃO NA FORMA DA LEI, ETC...FAZ SABER a todos quantos virem o presente edital, ou dele conhecimento tiverem que, por este Juízo e Cartório da Vigésima Vara Cível se processam os termos da ação de rescisão de contrato, sob nº. 0034397-47.2012.8.16.0001 (1285/2012), requerida por MMD INCORPORAÇÕES E PARTICIPAÇÕES LTDA contra ANTONIO AUGUSTINHAKI, e em atendimento ao que dos autos consta, fica a parte requerida, ANTONIO AUGUSTINHAKI, brasileiro, casado, portador do RG nº. 1.313.946/PR e inscrito no CPF/MF sob nº. 348.304.569-49, CITADO, para os termos da ação, conforme peça inicial e despacho abaixo transcritos, podendo, querendo, no prazo de QUINZE (15) DIAS, contados do término do prazo do edital, contestá-la, sob pena de não o fazendo, presumirem-se aceitos, como verdadeiros, os fatos articulados pela parte autora (arts. 285 e 319 do CPC). PEÇA INICIAL EM RESUMO: “ação de rescisão de contrato nº 34397-47.2012.8.16.0001, movida por MMD INCORPORAÇÕES E PARTICIPAÇÕES LTDA, contra ANTONIO AUGUSTINHAKI, em atendimento ao que dos autos consta fica o requerido, residente em lugar desconhecido, CITADO para no prazo de quinze (15) dias contestar a ação, sob pena de rescisão do compromisso de compra e venda do lote 11, da quadra 14 do Loteamento Jardim Santarém I” resumo apresentado pela parte. DESPACHO: “Defiro a citação por edital, conforme requerido. Faculto ao autor a apresentação, em disco removível, da minuta, conforme determina o CN 5.4.3.1, no prazo de 10 dias. Após, expeçase edital, com prazo de 20 dias. Não apresentada a minuta o edital deverá ser expedido com a transcrição integral da petição inicial. Intime-se. Curitiba, 13 de fevereiro de 2013. (a) Dra. Camile Santos de Souza Siqueira - Juíza de Direito. E para que chegue ao conhecimento dos interessados e não possam de futuro alegar ignorância, mandou expedir o presente que será publicado e afixado na forma da Lei. Curitiba,7 de junho de 2013. Eu, empregado juramentado, que o digitei, subscrevo e assino por determinação do MMA. Juiza (Portaria 001/2011). (a) Fabio Eduardo Nunes - Empregado Juramentado.

SÚMULA DE PEDIDO DE RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE OPERAÇÃO Auto Posto Transcap Ltda, CNPJ: 04.368.711/0001-35, torna público que requereu ao Instituto Ambiental do Paraná - IAP, a Renovação da Licença de Operação para Posto de Abastecimento de Combustíveis e Serviços, a: Rua Gabriel de Lara, 925 - Bairro Leblon. Paranaguá - PR.


PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

17

AGROFLORESTAL IBICUÍ S/A CNPJ/MF Nº 78.171.188/0001-28 Curitiba - PR

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas negócios para permanecer ofertando produtos com qualidade e confiabilidade requeridas pelos seus clientes. Submetemos à apreciação de V. Sas. o Relatório da Administração e as correspondentes demonstrações contábeis, Agradecimento referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012. A Companhia quer registrar seus agradecimentos aos clientes, fornecedores, representantes, instituições financeiras, órgãos governamentais, acionistas e demais partes interessadas pelo apoio recebido, bem como a equipe de colaboradores pelo empenho Em 2012, a Companhia manteve as participações nas coligadas/controladas Iguaçu Celulose, Papel S/A e Nórdica e dedicação dispensados. Veículos S/A. Declaração da Diretoria As perspectivas da Administração para 2013 estarão na atuação no mercado interno, preponderantemente, no forneci- Em atendimento as disposições legais pertinentes, a Diretoria declara que revisou e concordou com as Demonstrações Contábeis mento de madeira para as empresas ligadas do Grupo Imaribo. relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012, as quais foram aprovadas em Reunião de Diretoria de 03/06/2013. Os investimentos previstos para 2013 estão direcionados a manutenção e expansão da capacidade produtiva, bem Curitiba, 03 de junho de 2013 como à redução de custos, sempre com respeito ao meio ambiente. Tudo isso, visando buscar a melhoria continua de seus A ADMINISTRAÇÃO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) ATIVO

2.011 PASSIVO

2.012

2.012

2.011 Ajustado ( Nota 2.b)

Ajustado ( Nota 2.b)

PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Obrigações tributárias 1 Outras obrigações 79 Total do passivo circulante 1.659 9.493 PASSIVO NÃO CIRCULANTE 4.924 Partes relacionadas (nota 7) 3.304 Tributos diferidos (nota 11) 19.460 Provisão para litígios Total do passivo não circulante TOTAL DO PASSIVO

ATIVO CIRCULANTE

Não auditado

Não auditado

Caixa e equivalentes de caixa Adiantamentos a fornecedores Tributos a recuperar (nota 4) Dividendos a receber (nota 12.d) Juros capital próprio a receber (nota 5) Outros créditos (nota 6) Total do ativo circulante

1 1.742 3.973 4.222 273 10.211

ATIVO NÃO CIRCULANTE Partes relacionadas (nota 7) Adiantamento para futuro aumento de capital Depósito judicial Outros créditos

2 2

2 139 278 419

65.739 37.578 8 103.325 103.327

62.112 38.185 8 100.305 100.724

594 1 9 604 280.662 106.537 14.733 401.932 402.536

PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social (nota 12.a) Reserva legal Reservas de incentivos fiscais Reserva de retenção de lucros Reservas de reavaliação (nota 12.b) Adiantamento para futuro aumento de capital - AFAC (nota 12.c) Ajuste de avaliação patrimonial (nota 12.e) Lucros acumulados

21.647 1.137 10 128.168 8.581 25.000 159.478 -

21.647 10 66.130 9.035 25.000 166.552 32.898

Total do ativo não circulante

47 10.000 1 72 10.120 307.918 106.258 12.841 427.017 437.137

Total do patrimônio líquido

344.021

321.272

TOTAL DO ATIVO

447.348

421.996

TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

447.348

421.996

Investimentos (nota 8) Imobilizado (nota 9) Ativo biológico (nota 10)

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (VALORES ESXPRESSOS EM MINHARES DE REAIS)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (VALORES ESXPRESSOS EM MINHARES DE REAIS)

2.012

2.012

2.011

2.011 Ajustado ( Nota 2.b)

Ajustado ( Nota 2.b)

Não auditado

Não auditado

Valor justo dos ativos biológicos (nota 10)

(1.892)

12.899

LUCRO BRUTO

(1.892)

12.899

Das operações

11.985

(23)

Lucro do exercício

22.749

57.053

(606)

4.385

19

83

Imposto de renda e contribuição social diferidos (nota 13) Depreciações, amortizações e exaustões Provisões para lítígios e outras

RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Despesas administrativas (nota 13) Resultado da equivalência patrimonial (nota 8) Outras receitas/despesas operacionais

(502) 28.074 25

(790) 52.812 2

27.597

52.024

RESULTADO OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO E TRIBUTOS

25.705

64.923

Despesas financeiras (nota 14) Receitas financeiras (nota 14)

(3.680) 118

(3.622) 137

-

8

Encargos financeiros

3.611

3.613

Dividendos recebidos

9.491

-

Juros sobre o capital próprio recebidos

2.643

546

(28.074)

(52.812)

1.892

(12.899)

Baixas ao imobilizado/intangível

260

-

Variação nos saldos de ativos e passivos

131

446

Equivalência patrimonial Valor justo de ativos biológicos (nota 11)

Redução/ (aumento) das contas a receber Redução/ (aumento) de outros ativos Aumento/ (redução) de fornecedores

RESULTADO OPERACIONAL ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL

22.143

61.438

606

(4.385)

22.749

57.053

Imposto de renda e contribuição social diferido (nota 11)

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

22

549

363

-

2

Aumento/ (redução) de obrigações tributárias

(139)

59

Aumento/ (redução) de outros passivos

(279)

-

12.116

423

-

-

Caixa líquido gerado nas atividades operacionais LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

-

Atividades de investimentos

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS)

Caixa líquido aplicado nas atividades de investimentos Atividades de financiamentos

2.012

2.011 Ajustado ( Nota 2.b) Não auditado

LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

22.749

57.053

-

-

Outros resultados abrangentes TOTAL DOS RESULTADOS ABRANGENTES DO EXERCÍCIO

22.749

57.053

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

Aporte e adiantamento para futuro aumento de capital

(12.116)

-

-

(422)

(12.116)

(422)

Variação de caixa:

-

1

Saldo inicial de caixa e equivalentes de caixa

1

-

Saldo final de caixa e equivalentes de caixa

1

1

Mútuos e saldos com partes relacionadas Caixa líquido gerado nas atividades de financiamento

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) Reservas de lucros Capital social 21.647

25.000

-

10

-

11.506

116.762

88.571

-

-

-

-

6.340

(2.210)

52.918

(56.325)

21.647

25.000

-

10

6.340

9.296

169.680

32.246

264.219

Realização do custo atribuído controladas e coligadas Realização da reserva de reavaliação

-

-

-

-

-

(261)

(3.128) -

3.128 261

-

Lucro líquido do exercício Constituição de reserva de retenção de lucros

-

-

-

-

59.790

-

-

57.053 (59.790)

57.053 -

21.647

25.000

-

10

66.130

9.035

166.552

32.898

321.272

Realização do custo atribuído controladas e coligadas Realização da reserva de reavaliação Realização por variação de participação em investida (nota 8)

-

-

-

-

-

(143) (311)

(3.069) (4.005)

3.069 143 4.316

-

Lucro líquido do exercício Reserva legal Constituição de reserva de retenção de lucros

-

-

1.137 -

-

62.038

-

-

22.749 (1.137) (62.038)

22.749 -

21.647

25.000

1.137

10

128.168

8.581

159.478

-

344.021

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Ajustes de exercícios anteriores (nota 2.b) SALDO INICIAL AJUSTADO (NOTA 2.b) E NÃO AUDITADO EM 01 DE JANEIRO 2011

SALDO AJUSTADO (NOTA 2.b) E NÃO AUDITADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

Reserva legal

Reserva de incentivos fiscais

Ajuste de avaliação patrimonial

Adiant. para futuro aumento de capital

Lucros à disposição da assembleia

Reservas de reavaliação

Custo atribuído

Lucros acumulados

Total 263.496 723

As notas explicativas são partes integrantes das demonstrações contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (VALORES EXPRESSOS EM MILHARES DE REAIS) 1. Contexto operacional A Agroflorestal Ibicuí S.A. é uma tradicional Companhia no segmento de cultura e extração florestal, sediada à Rua Alfred Nobel, 635, Curitiba PR, tendo como objetivo: (a) exploração e comércio agrícola, pecuária, extrativa de madeiras, florestamento e reflorestamento, nas diversas modalidades, com recursos próprios, incentivados ou de terceiros; (b) participação como acionista e/ou cotistas em outras sociedades. 2. Base de apresentação das demonstrações contábeis (a) Demonstrações contábeis individuais da controladora As demonstrações contábeis foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, com base nas disposições contidas nas normas estabelecidas pelo CFC, e nos Pronunciamentos, Interpretações e Orientações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis ("CPC"). A Companhia optou, com base no CPC 36, parágrafo 10.d, por não divulgar seu balanço consolidado, tendo em vista que sua controladora final disponibiliza ao público suas demonstrações consolidadas. As demonstrações contábeis foram aprovadas pela Diretoria em 19 de março de 2013, considerando os eventos subsequentes ocorridos até essa data. (b) Reapresentação dos saldos comparativos A Companhia identificou certos ajustes contábeis a serem realizadas em suas Demonstrações Contábeis relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, assim como sobre os saldos iniciais de 01 de janeiro de 2011. Visando apresentar tais informações de forma comparativa estão sendo reapresentadas certas rubricas relativas àquele período. Conforme segue: 1. Alteração no balanço patrimonial de abertura (31 de dezembro de 2010) 31/12/2010 01/01/2011 Publicado Ajustes Ajustado Ativo circulante 2.177 4.326 6.503 Dividendos e JSCP a receber (a) 665 4.326 4.991 Ativo não circulante Investimentos (b)

352.244 243.749

(2.002) (2.002)

350.242 241.747

Total do Ativo

354.421

2.324

356.745

Passivo circulante

350

-

350

90.575 32.206 -

1.601 1.593 8

92.176 33.799 8

Patrimônio líquido Ajuste avaliação patrimônial (e) Reserva de reavaliação (d) (e) Lucros a disposição da assembléia (e) Lucros acumulados (e)

263.496 116.762 11.506 88.571

723 52.918 (2.210) 6.340 (56.325)

264.219 169.680 9.296 6.340 32.246

Total do passivo e patrimônio líquido

354.421

2.324

356.745

Publicado 12.148 7.103

Ajustes 7.314 7.314

Ajustado 19.462 14.417

406.525 284.662 418.673 418

(3.991) 9 (4.000) 3.323 -

402.534 9 280.662 421.996 418

98.705 36.592

1.601 1.593

100.306 38.185

Passivo não circulante Tributos diferidos (d) Provisão para litígios (c )

2. Alteração no balanço patrimonial de 31 de dezembro de 2011 Ativo circulante Dividendos e JSCP a receber (a) Ativo não circulante Outros créditos Investimentos (b) Total do Ativo Passivo circulante Passivo não circulante Tributos diferidos (d)

Continua

Há poeira fria a sair de um buraco negro No centro das galáxias costumam existir buracos negros activos. Uma equipa de investigadores observou agora que de um desses buracos negros está a sair poeira fria, ao mesmo tempo que poeira mais quente forma um donut em torno do buraco e é sugada por ele, revela um artigo publicado nesta quinta-feira na revista Astrophysical Journal. O trabalho foi feito por uma equipa internacional que inclui investigadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos ou do Instituto Max Planck, na Alemanha, e que utilizaram o Interferómetro do Very Large Telescope, o telescópio do Observatório Europeu do Sul (ESO, sigla em inglês) instalado no cimo do monte Paranal, no deserto de Atacama, no Chile. Com este instrumento, os astrónomos observaram o centro da galáxia NGC 3783, onde um buraco negro irradia uma forte luz infravermelha. Esta luz denuncia uma quantidade enorme de pó cósmico situado em torno da buraco negro. Este pó foi captado pela gravidade do buraco negro, como quando a água desaparece num ralo originando à volta um remoinho. Estes buracos negros activos no meio das galáxias são objectos muito energéticos a que se chamam núcleos activos de galáxias. O material no donut está a temperaturas entre 700 e 1000 graus Celsius, mas o interferómetro descobriu poeira cósmica, mais fria e a libertar radiação infravermelha menos energética, que está a ser empurrada acima e abaixo do buraco negro. “Esta é a primeira vez que conseguimos combinar observações detalhadas no infravermelho médio da poeira fria, à temperatura ambiente, com observações igualmente detalhadas da poeira muito quente”, explica Sebastian Hönig, da Universidade da Califórnia, autor principal do artigo, num comunicado do ESO. A poeira fria forma um fluxo constante que é empurrado para fora do buraco negro, na direcção vertical à do donut de poeira, nos dois sentidos. O que se pensa é que a voragem de material do buraco negro produz uma radiação intensa que empurra a poeira mais fria. Ainda não se percebe como é que estes dois fenómenos complexos e aparentemente antagónicos estão ligados e permitem aos buracos negros existirem e crescerem.


18

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

Continuação

Provisão para litígios (c ) Patrimônio líquido Ajuste avaliação patrimônial (e) Reserva de reavaliação (e) (d) Lucros a disposição da assembléia (e) Lucros acumulados (e) Total do passivo e patrimônio líquido 3. Reconciliação dos ajustes acumulados de reapresentação

Saldo originalmente apresentado

319.550 119.739 6.602 59.790 86.762 418.673

8 1.722 46.813 2.433 6.340 (53.864) 3.323

8 321.272 166.552 9.035 66.130 32.898 421.996

31/12/2011 Patrimônio Resultado líquido

01/01/2011 Patrimônio líquido

319.550

59.790

263.496

Dividendos a receber (a) Investimentos (b) Provisão para litígios (c)

7.314 (3.991) (8)

(2.737) -

4.326 (2.002) (8)

Contingências Tributos diferidos (d)

(1.593)

-

(1.593)

321.272

57.053

264.219

Saldo ajustado

(c) Dividendos a receber A Companhia procedeu àajuste de dividendos a receber não reconhecidos nos saldos contábeis de 2011 e 2010, efeito que foi ajustadono saldo de investimentos e equivalência do balanço de abertura para fins de comparabilidade com as demonstrações contábeis de 2012.

Ativos financeiros são classificados como ativos financeiros a valor justo por meio do resultado, empréstimos e recebíveis, investimentos mantidos até o vencimento ou ativos financeiros disponíveis para venda. A Companhia determina a classificação dos seus ativos financeiros no momento do seu reconhecimento inicial, quando se torna parte das disposições contratuais do instrumento. Ativos financeiros são reconhecidos inicialmente ao valor justo, acrescidos, no caso de investimentos não designados a valor justo por meio do resultado, dos custos de transação que sejam diretamente atribuíveis à aquisição do ativo financeiro. Vendas e compras de ativos financeiros que requerem a entrega de bens dentro de um cronograma estabelecido por regulamento ou convenção no mercado (compras regulares) são reconhecidas na data da operação. Desreconhecimento (baixa) dos ativos financeiros Um ativo financeiro (ou, quando for o caso, uma parte de um ativo financeiro ou parte de um grupo de ativos financeiros semelhantes) é baixado quando: • Expirarem o direito de receber fluxos de caixa do ativo; • A Companhia transferiu os seus direitos de receber fluxos de caixa do ativo os riscos e benefícios ou controle sobre o ativo. (ii) Passivos financeiros Os passivos financeiros da Companhia incluem contas a pagar a fornecedores, partes relacionadas, outras contas a pagar e obrigações tributárias. Reconhecimento inicial e mensuração dos passivos financeiros Passivos financeiros são classificados como passivos financeiros a valor justo por meio do resultado, empréstimos e financiamentos. A Companhia determina a classificação dos seus passivos financeiros no momento do seu reconhecimento inicial. Passivos financeiros são inicialmente reconhecidos a valor justo e, no caso de empréstimos e financiamentos, são acrescidos do custo da transação diretamente relacionado. Desreconhecimento (baixa) dos passivos financeiros Um passivo financeiro é baixado quando a obrigação for revogada, cancelada ou expirar. Quando um passivo financeiro existente for substituído por outro do mesmo mutuante com termos substancialmente diferentes, ou os termos de um passivo existente forem significativamente alterados, essa substituição ou alteração é tratada como baixa do passivo original e reconhecimento de um novo passivo, sendo a diferença nos correspondentes valores contábeis reconhecida na demonstração do resultado.

(d) Investimentos Em 2012, certos ajustes relativos a 2011 e 2010foramreconhecidosnas empresas controlada e coligada, efeito que foi refletidono balanço de abertura para fins de comparabilidade com as demonstrações contábeis de 2012, através da (o) Demonstrações dos fluxos de caixa equivalência reflexa. As demonstrações dos fluxos de caixa foram preparadas pelo método indireto e estão apresentadas de acordo com o pronunciamento contábil CPC 03 R2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. (e) Provisão para litígios Em 2010 a Companhia possuía discussões processuais, as quais, segundo seus atuais assessores jurídicos, foram (p) Pronunciamentos contábeis novos ou revisados aplicados em 2012 e pronunciamentos ainda não vigentes em 2012 classificadas como expectativa de perda provável. Desta forma, os saldos foram complementados e a Companhia decidiu Em 2012 o CPC emitiu um conjunto de emendas e revisões de suas normas, com o objetivo de eliminar inconsistências e reapresentar as Demonstrações Contábeis findas em 31 de dezembro de 2011 e 2010, de maneira a refletir os efeitos neste esclarecer dúvidas na redação. A adoção dessas revisões não trouxe alterações às políticas contábeis da Companhia e não período e permitir a efetiva comparabilidade com demonstrações contábeis de 2012. impactou seu desempenho ou a situação financeira. O IASB, por sua vez, revisou diversos pronunciamentos contábeis que ainda não haviam entrado em vigor até a data de emissão das demonstrações contábeis da Companhia. No Brasil, esses pronun(f) Tributos diferidos ciamentos somente serão requeridos após a aprovação do CPC. A Companhia pretende adotar tais normas quando as mesmas A Companhia possuía saldos acumulados de diferenças temporárias relativas a correção monetária IPC/BTNF e especial entrarem em vigor,entretanto a Companhia antecipou sua análise e não identificou nenhum pronunciamento que gere (Lei nº 8.200/91), sobre as quais não haviam sido calculados os créditos tributários diferidos. Desta forma, a Companhia impactosignificativoem suas demonstrações contábeis. Estão listadas a seguir as normas emitidas que ainda não haviam entradecidiu reapresentar as Demonstrações Contábeis findas em 31 de dezembro de 2011 e 2010, de maneira a refletir os do em vigor até a data de emissão dasdemonstrações contábeis: efeitos neste período e permitir a efetiva comparabilidade com as demonstrações contábeis de 2012. Norma (g) Reservas reflexas IAS 1 Apresentação das Demonstrações Financeiras Em 2012 a Companhia ajustou os saldos de reservas reflexas em seu patrimônio líquido para refletir sua participação IAS 16 Imobilizado nas investidas. Tais ajustes resultaram somente em reclassificações nas contas do próprio patrimônio líquido. IAS 19 Benefícios aos Empregados IAS 28 Contabilização de Investimentos em Associadas e Joint Ventures 3. Principais práticas contábeis IAS 32 Instrumentos Financeiros: Apresentação As principais práticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações contábeis individuais anuais estão IAS 34 Demonstrações Financeiras Intermediárias definidas a seguir. IFRS 1 Adoção Inicial das IFRS IFRS 7 Instrumentos Financeiros (Divulgação) (a) Moeda funcional e de apresentação IFRS 9 Instrumentos Financeiros (Classificação e Mensuração) Os itens incluídos nas demonstrações contábeis individuais são mensurados usando a moeda do principal ambiente IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas econômico no qual a Companhia atua, qual seja, o Real (R$). IFRS 11 Empreendimentos Conjuntos (b) Apuração do resultado IFRS 12 Divulgação de Participações em Outras Entidades O resultado das operações (receitas, custos e despesas) é apurado com observância do regime contábil de competência. IFRS 13 Mensuração de Valor Justo A Companhia adota a seguinte política para reconhecimento da receita: (a) o valor da receita é seguramente mensurável; IFRIC 20 Custos de Remoção de Resíduos na Fase de Produção (b) é perfeitamente provável que benefícios econômicos futuros fluirão para a Companhia; e (c) quando critérios específicos tiverem sido atendidos individualmente nas vendas realizadas, entendendo para isso, que tenha ocorrido a 4. Tributos a recuperar transferência de propriedade e dos riscos da mercadoria ao cliente. (c) Estimativas contábeis As demonstrações contábeis incluem a utilização de estimativas que levaram em consideração experiências de eventos passados e correntes, pressupostos relativos a eventos futuros, e outros fatores objetivos e subjetivos. Os itens sigIRRF s/ JCP a recuperar nificativos sujeitos a essas estimativas e premissas são: IRPJ a recuperar Pgto antecipado parcelamento • revisão da vida útil econômica e do valor residual do ativo imobilizado e de sua recuperação nas operações; PIS a recuperar • mensuração do valor justo dos ativos florestais; COFINS a recuperar • interpretação de regulamentos tributários complexos, dado o amplo aspecto da legislação tributária bem como a s natureza de longo prazo e a complexidade dos instrumentos contratuais existentes; e • análise dos demais riscos para determinação de outras provisões, inclusive para litígios envolvendo processos admi5. Juros sobre o capital próprio a receber nistrativos e judiciais e demais ativos e passivos na data das demonstrações contábeis.

Em vigor pelo IASB 1º de julho de 2012 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2014 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013 1º de janeiro de 2013

2.012

2.011 Não Auditado

343 1.324 75 1.742

885 688 75 2 9 1.659

A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores divergentes dos registrados nas O montante de R$ 4.222 em 2012 (R$ 4.924 em 2011)se refere à juros sobre o capital próprio a receber de sua controlada demonstrações contábeis devido às imprecisões inerentes ao processo de estimativa. Essas estimativas e premissas são NórdicaVeículos S.A. revisadas periodicamente. 6. Outros créditos 2.012 2.011 (d) Caixa e equivalentes de caixa Não Auditado Caixa e equivalentes de caixa incluem o caixa, os depósitos bancários, outros investimentos de curto prazo de alta liquidez, com vencimento em até três meses da data de contratação, que sejam prontamente conversíveis em um montante Indenizações a receber 273 273 conhecido de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor. Imaribo S.A Indústria e Comércio 210 Créditos diversos 2.821 (e) Demais ativos circulantes e não circulantes 273 3.304 Um ativo é reconhecido no balanço patrimonial quando for provável que seus benefícios econômicos futuros serão 7. Partes relacionadas gerados em favor da Companhia e seu custo ou valor puder ser mensurado com segurança. Encargos 2.012 2.011 Os ativos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação seja provável,até o término do Não Auditado exercício seguinte. Do contrário, são demonstrados como não circulantes. Os demais ativos circulantes e não circulantes são demonstrados aos valores de custo ou realização, incluindo, quando ATIVO Iguaçu Celulose, Papel S.A TJLP 47 594 aplicáveis, os rendimentos auferidos e são ajustados a valor presente líquido ou valor justo (fair value). Total do ativo não circulante 47 594 (f) Investimentos PASSIVO Os investimentos em coligadas são registrados pelo custo de aquisição e ajustados anualmente pelo método de equi- Reflorestadora Monte Carlo Ltda. TJLP 65.639 61.971 valência patrimonial. Imaribo S.A. Indústria e Comércio TJLP 100 141 Total do passivo não circulante 65.739 62.112 (g) Imobilizado Os bens do imobilizado são registrados ao custo e depreciados pelo método linear, considerando-se a estimativa da Essas rubricas registram substancialmente os mútuos concedidos e/ou captados junto às Companhias do grupo econômico, relavida útil-econômica dos respectivos componentes. As vidas úteis econômicas, base para definição das taxas anuais de tivos a aporte de capital de giro para manutenção das atividades normais das Companhias. depreciação, estão mencionadas na Nota 9. As referidas operações estão suportadas por contratos de mútuo, firmados por tempo e valores determinado, ficando pré-estabeleReparos e manutenção são apropriados ao resultado durante o período em que são incorridos. O custo das principais cido que as devoluções dos recursos transferidos, a título de mútuo, deverão ocorrer num prazo máximo de 10 anos, levando em reformas é acrescido ao valor contábil do ativo quando os benefícios econômicos futuros ultrapassam o padrão de consideração a situação financeira e a necessidade de cada Companhia. desempenho inicialmente estimado para o ativo. As reformas são depreciadas ao longo da vida útil restante do ativo Os saldos são atualizados mensalmente pela TJLP. relacionado. Remuneração dos administradores Os custos dos encargos sobre empréstimos tomados para financiar a construção do imobilizado são capitalizados Nos exercícios de 2012 e 2011 não houve qualquer tipo de remuneração aos administradores, que acumulam funções em outras durante o período necessário para executar e preparar o ativo para o uso pretendido. empresas do Grupo. (h) Redução do valor recuperável de ativos não financeiros - (teste de impairment). 8. Investimentos Anualmente, a administração revisa o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças Os investimentos estão compostos, por participações em controladas e coligadas, ajustados pelo método da equivalência nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor patrimonial,como segue: recuperável. Quando tais evidências são identificadas e o valor contábil líquido excede o valor recuperável, é constituída provisão Patrimônio para deterioração, reconhecida no resultado do período, ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. Para investida Resultado Saldo Equivalência tanto, a Companhia definiu e adota como base para determinar o valor recuperável do ativo o valor justo líquido de Investimento em 2012: (ajustado) * investida Participação patrimonial investimentos despesas de venda partindo da premissa de existência de um mercado ativo. Iguaçu Celulose, Papel S.A 393.379 9.120 32,5268% 127.954 3.053 Nórdica Veículos S.A 179.982 25.024 99,99% 179.964 25.021 (i) Ativos Biológicos 307.918 28.074 Os ativos biológicos são mensurados ao valor justo, deduzidos dos custos estimados de venda no momento da colheita. Sua exaustão é calculada com base no corte raso das florestas. Patrimônio Os ativos biológicos da Companhia estão representados pelas florestas em formação, destinadas ao fornecimento de Investimento em 2011 - Ajustado investida Resultado Saldo Equivalência madeira, principalmente, para a produção de celulose e madeira serrada. nota 2.b e não auditado (ajustado) * investida Participação patrimonial investimentos A Companhia tem por política a revisão anual do valor justo de seus ativos biológicos com vida superior a 2 (dois) anos para eucalyptus e 3 (três) anos para pinus. Para determinação do valor justo foi utilizado o método do fluxo de caixa Iguaçu Celulose, Papel S.A 348.289 9.054 34,31% 119.498 3.106 descontado, considerando a quantidade cúbica da madeira existente, segregada em anos de plantio, e os respectivos Nórdica Veículos S.A 161.180 49.711 99,99% 161.164 49.706 valores de venda de "madeira em pé" até o esgotamento das florestas. O preço médio líquido de venda foi estimado com 280.662 52.812 base no preço estimado da madeira para o mercado local, baseado em estudo de mercado e amostras de algumas pesquisas de transações, ajustado para refletir o valor da "madeira em pé". * O patrimônio líquido da investida foi ajustado ao valor sobre o qual é aplicada a participação, ou seja, excluindo os adiantamentos para futuro aumento de capital que eventualmente integram o patrimônio líquido das mesmas. (j) Partes relacionadas Em setembro de 2012 ocorreu um aumento de capital na investida Iguaçu Celulose, na qual a Companhia exerceu somente parcialOs saldos representativos de partes relacionadas no ativo, ou passivo, não circulantes, referente a mútuo, estão atualizados mente seu direito de preferência, fazendo com que a participação fosse reduzida de 34,31% para 32,53%. Os efeitos foram registrados monetariamente até a data do balanço pela TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo). em transação de capital no patrimônio. (k) Demais passivos circulantes e não circulantes 9. Imobilizado Um passivo é reconhecido no balanço patrimonial quando a Companhia tem uma obrigação legal ou constituída como Móveis, resultado de um evento passado, sendo provável que um recurso econômico seja requerido para liquidá-lo. São acresEdificações e Máquinas e utensílios e cidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias incorridos. As provisões são Terrenos benfeitorias equipamentos instalações Total R$ registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. Saldo em 31 de dezembro de 2010 Os passivos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação ocorre até o término do exercício Não auditado 106.165 432 22 1 106.620 seguinte. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. Depreciação (-) (81) (2) (83) Os demais passivos circulantes e não circulantes são demonstrados pelos valores conhecidos ou exigíveis, acrescidosdos respectivos encargos, variações monetárias e cambiais equando aplicável, são ajustados a valor presente liquido. Saldo em 31 de dezembro de 2011 Não auditado 106.165 351 20 1 106.537 (l) Imposto de renda e contribuição social - Corrente e diferido Baixas (-) (260) (260) São calculados com base nas alíquotas vigentes na legislação do imposto de renda e contribuição social sobre o lucro Depreciação (-) (17) (2) (19) líquido ajustado para fins fiscais e consideram a compensação de prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social, para fins de determinação da exigibilidade. Por estar enquadrada na atividade rural, os lucros apurados pela Saldo em 31 de dezembro de 2012 105.905 334 18 1 106.258 Companhia podem ser integralmente compensados com prejuízos fiscais anteriores, se existentes. As alíquotas desses tributos são de 25% (15% mais adicional de 10% aplicável sobre o lucro excedente ao limite Custo atribuído ¨deemed cost¨ e vida útil econômica - imobilizado estabelecido pela legislação) para o imposto de renda e de 9% para a contribuição social sobre lucro.Impostos diferidos A Companhia procedeu à avaliação da vida útil econômica do ativo imobilizado, na adoção inicial dos CPCs, exercendo a opção ativos e passivos são apresentados líquidos se existe um direito legal ou contratual para compensar o ativo fiscal contra de ajustar os saldos iniciais a valores justos, com a utilização do conceito de custo atribuído (deemedcost). Desta forma a o passivo fiscal e os impostos diferidos são relacionados à mesma entidade tributada e sujeitos à mesma autoridade Companhia atribuiu o valor justo através de laudo emitido por empresa especializada. tributária. Metodologia utilizada para determinar o novo cálculo da depreciação Caso existam, as inclusões de despesas ao resultadocontábil, temporariamentenão dedutíveis, ou exclusões de receitas, O valor da depreciação é determinado de forma linear considerando as vidas úteis remanescentes e os valores residuaisde cada item temporariamente não tributáveis, consideradas para apuração do lucro tributável corrente, geram créditos ou débitos do ativo imobilizado. tributários diferidos. Durante o exercício de 2012, a Companhia utilizou vidas úteis médias de 16 anos para edificações e benfeitorias, 14 anospara máquinas e equipamentos e 14 anospara móveis e utensílios. (m) Ativos e passivos contingentes e obrigações legais O ativo imobilizado da Companhia está integralmente estabelecido no Brasil e é empregado, exclusivamente nas operações relaAs práticas contábeis para registro e divulgação de ativos e passivos contingentes e obrigações legais são as seguincionadas à sua atividade comercial, estando livre de ônus e/ou garantias. tes: (i) ativos contingentes são reconhecidos somente quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, transitadas em julgado. Os ativos contingentes com êxitos prováveis são apenas divulgados em nota explicativa; (ii) 10. Ativo biológico passivos contingentes são provisionados na medida em que a Companhia, com base na opinião de seus assessores 2012 2011 jurídicos, espera desembolsar fluxos de caixa. Não auditado

Saldo inicial 14.733 1.834 Processos tributários são provisionados quando as perdas são avaliadas como prováveis e os montantes envolvidos Adições forem mensuráveis com suficiente segurança. Variação do valor justo (CPC 29) (1.892) 12.899 Cortes efetuados no exercício Processos trabalhistas e cíveis, cujas perdas são avaliadas como prováveis, são provisionados com base na expectativa Saldo final 12.841 14.733 de desembolso e apoiado na opinião dos assessores jurídicos da Companhia. Passivos contingentes avaliados como de perdas remotas não são provisionados nem divulgados; e (iii) obrigações legais são registradas como exigíveis. Os ativos biológicos da Companhia estão representados pelas florestas de pinus em formação, destinadas ao fornecimento de madeira para a produção de celulose e madeira serrada. (n) Instrumentos financeiros - Reconhecimento inicial e mensuração subsequente A avaliação das florestas foi realizada através do método do "income approach", baseado no fluxo de caixa futuro descontado a valor presente. (i) Ativos financeiros Na determinação do valor justo dos ativos biológicos, as projeções estão baseadas em cenários projetivos os quais se baseiam na produtividade e área de plantio para um ciclo de corte de um número de 15 a 18 anos e numa área plantada de 474 hectares em 31 de Os ativos financeiros da Companhia incluem caixa e equivalentes de caixa e outros recebíveis. dezembro de 2012. Reconhecimento inicial e mensuração dos ativos financeiros Continua

Há três planetas na zona habitável de uma estrela As observações anteriores já tinham permitido concluir que a estrela Gliese 667c acolhia três planetas, um deles a orbitar numa região onde a água pode existir sob forma líquida, ou seja, onde será possível existir alguma forma de vida. Os astrónomos quiseram saber mais ainda e foram à procura de outros planetas, comparando e cruzando os dados recolhidos por diferentes telescópios. Uma equipa de astrónomos liderados por Guillem AngladaEscudé da Universidade de Göttingen, Alemanha, e Mikko Tuomi, da Universidade de Hertfordshire, Reino Unido, encontrou, de facto, algo mais. Segundo explicam num comunicado do Observatório Europeu do SUL (ESO) foram encontradas “evidências da existência de até sete planetas em torno da estrela”. A estrela observada faz parte de um sistema estelar triplo que está situado a 22 anos-luz de distância na constelação de Escorpião e que se encontra muito próximo do planeta Terra. Estes planetas agora detectados orbitam a terceira estrela mais ténue do sistema estelar triplo. “Sabíamos, a partir de estudos anteriores, que esta estrela tinha três planetas e por isso queríamos descobrir se haveria mais algum,” diz Tuomi, no comunicado do ESO. “Ao juntar algumas observações novas e analisando outra vez dados já existentes, conseguimos confirmar a existência desses três e descobrir mais alguns. Encontrar três planetas de pequena massa na zona habitável de uma estrela é algo muito excitante!” Três destes planetas são super-Terras – planetas com mais massa do que a Terra mas com menos massa do que Urano ou Neptuno – que se encontram na zona habitável da estrela. “Esta é a primeira vez que três planetas deste tipo são descobertos nesta zona num mesmo sistema”, refere o comunicado. “O número de planetas potencialmente habitáveis na nossa galáxia é muito maior se esperarmos encontrar vários em torno de cada estrela de pequena massa – em vez de observarmos dez estrelas à procura de um único planeta potencialmente habitável, podemos agora olhar para uma só estrela e encontrar vários planetas”, acrescenta o co-autor Rory Barnes (Universidade de Washington, EUA), no mesmo comunicado. Além das três super-Terras situadas na zona habitável existem neste sistema dois planetas quentes situados mais próximo da estrela e dois planetas mais frios em órbitas mais afastadas. De acordo com as análises e cálculos efectuados pensa-se que “os planetas situados na zona habitável e os dois que se encontram mais próximo da estrela apresentam sempre a mesma face virada à estrela, o que significa que o seu dia e o seu ano têm a mesma duração, e num lado do planeta é sempre de dia, enquanto no outro é sempre de noite”. A equipa usou dados recolhidos por vários instrumentos – desde o espectrógrafo UVES montado no Very Large Telescope do ESO, no Chile, ao Carnegie Planet Finder Spectrograph (PFS) montado no Observatório de Las Campanas, no Chile, ao espectrógrafo HIRES montado no telescópio Keck de 10 metros, no Mauna Kea, Havai: a estes dados juntou-se ainda “ uma enorme quantidade de dados do HARPS (High Accuracy Radial velocity Planet Searcher), instrumento montado no telescópio de 3,6 metros do ESO, no Chile, obtidos anteriormente no âmbito de outro projecto.


| Quinta-feira, 11 de julho de 2013 |

PUBLICAÇÕES LEGAIS / NACIONAL

19

Continuação

O período dos fluxos de caixa é projetado de acordo com o ciclo de produtividade das áreas objeto de avaliação, produtividade média por m3 de madeira de cada plantação por hectare na idade de corte. O preço líquido médio de venda foi projetado com base no preço estimado para pinus no mercado local, baseado em estudo de mercado e amostras de algumas pesquisas de transações, ajustado para refletir o preço da "madeira em pé" por região. O custo médio estimado de manutenção das florestas contempla gastos com as atividades de roçada, controle químico de mato-competição, combate a formigas e outras pragas, adubamento, manutenção de estradas, insumos e serviços de mão de obra. Foram também considerados os efeitos tributários com base nas alíquotas vigentes, considerando uma taxa média de descontode 6,94% a.a. Quaisquer alterações nas premissas utilizadas poderão impactar em alteração do resultado do fluxo de caixa descontado, logo, na valorização ou desvalorização dos ativos biológicos.

A Administração da Companhia optou pela manutenção dos registros relativos à reavaliação dos bens do ativo imobilizado, e estima que tais saldos sejam mantidos até a sua realização integral. c) Adiantamentos para futuro aumento de capital Está composto integralmente por aportes de capital efetuados pelas empresas do Grupo, os quais a Administração da Companhia estima que sejam totalmente integralizados ao capital social durante o exercício de 2013.

d) Dividendos O estatuto social daCompanhia assegura um dividendo mínimo anual correspondente a 25% do lucro líquido, ajustado 11. IRPJ e CSLL sobre o lucro pelas movimentações patrimoniais das reservas, observado o disposto pela legislação societária. (a) Reconciliação da alíquota efetiva A Companhia utiliza a prerrogativa do parágrafo 3º do artigo 202 da Lei 6.404 de que a Assembleia Geral de Acionistas, no caso de companhia fechada, é soberana para deliberar sobre a distribuição de dividendos, para não destinar parte do lucro A reconciliação dos tributos apurados conforme as alíquotas nominais e o valor dos tributos registrados nos exercícios para a distribuição de dividendos, proposta que será submetida à aprovação da assembleia. de 2012 e 2011estão apresentados a seguir: Reconciliação do imposto de renda e contribuição social sobre o lucro e) Ajuste de avaliação patrimonial 2012 2011 Conforme mencionado na nota explicativa 9, a Companhia fez a opção de ajustar os saldos contábeis líquidos do imobilizado Ajustado ( Nota 2.b) a valores justos, com a utilização do conceito de custo atribuído (deemedcost), mencionado no item 22 da Interpretação Não auditado Técnica ICPC 10. A contrapartida foi registrada na rubrica de Ajuste de Avaliação Patrimonial. Lucro do exercício antes dos tributos 22.143 61.438 Impostos às alíquotas nominais (34%) (7.529) (20.889) Adições permanentes: 13. Despesas administrativas Equivalência patrimonial 9.545 17.956 Crédito sobre prejuízo compensado não constituído 576 2012 2011 Crédito diferido sobre prejuízo e diferenças temporárias não constituído (1.367) (2.094) Não auditado Outras adições/exclusões permanentes, líquidas (44) 66 Despesas administrativas Impostos registrados no resultado 606 (4.385) Serviços contratados 10 18 Diferidos 606 (4.385) Depreciações 19 81 Alíquota efetiva de imposto -2,74% 7,14% Energia elétrica 29 29 Impostos 320 661 (b)Imposto de renda e contribuição social diferidos Outros 124 1 2.012 2.011 Ajustado ( Nota 2.b) Não auditado

Tributos diferidos ativos: Provisão para litígios e outros

(3)

(3)

1.595 38 3.742 32.200 6 37.578

1.595 4.387 32.200 6 38.185

Total

502

790

14. Receitas/despesas financeiras 2012

Tributos diferidos passivos: Reavaliação espontânea imobilizado Correção IPC/BTNF/90 (Lei nº 8.200/91) Ativo biológico - valor justo Imobilizado - deemed cost Revisão da vida útil (Lei nº 11.638/08) Total tributos diferidos

Na adoção inicial dos CPCs a Companhiaatribuiu um novo custo ao ativo imobilizado eavaliou as florestas ao valor justo. Sobre os ajustes efetuados no patrimônio líquido reconheceu o IRPJ e a CSLL diferidos decorrentes das diferenças temporárias, cuja realização ocorre de acordo com a realização desses ativos por depreciação, exaustão, baixa ou venda.

2011 Não Auditado

Despesas financeiras Despesas de tarifas bancárias Juros passivos coligadas Outras despesas financeiras Receitas financeiras Juros ativos coligadas Outras receitas financeiras

(3.680) (3.680)

(1) (3.613) (8) (3.622)

16 102 118

18 119 137

15. Instrumentos financeiros Os saldos contábeis dos instrumentos financeiros inclusos no balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 não divergem significativamente de seus valores de mercado.

12. Patrimônio líquido

a) Capital social O capital social, totalmente subscrito e integralizado, é de R$21.647.264,82 (vinte e um milhões, seiscentos e quarenta e • Caixa e equivalentes de caixa sete mil, duzentos e sessenta e quatro reais e oitenta e dois centavos), dividido em 38.324.124.290 (trinta e oito bilhões, Os saldos em conta corrente são mantidos em bancos têm seus valores de mercado próximos aos saldos contábeis. trezentos e vinte e quatro milhões, cento e vinte quatro mil e duzentos e noventa) ações, ordinárias nominativas, sem valor nominal. • Partes relacionadas Os saldos de mútuo são atualizados por taxas variáveis, de forma que os saldos se aproximam do valor justo. b) Reserva de reavaliação Movimentação • Fornecedores Os saldos de fornecedores reconhecidos pelo valor de mercado e possuem prazo de vencimento curto, de forma que os saldos Saldo em 31 de dezembro de 2010 - Ajustado (Nota 2.b) e Não auditado 9.296 se aproximam do valor justo. (-) Realização da reserva (261) Saldo em 31 de dezembro de 2011 - Ajustado (Nota 2.b) e Não auditado (-) Realização da reserva (-) Realização por variação de participação em investida

9.035 (143) (311)

Saldo em 31 de dezembro de 2012

8.581

16. Seguros A Companhia não possui seguro para ativo imobilizado e florestas. Porém, visando minimizar o risco de incêndio, são mantidos, pela brigada interna de incêndio, um sistema de torres de observações em locais distribuídos estrategicamente, bem como vigilantes motorizados e caminhões bombeiros. A Companhia não apresenta histórico de perdas relevantes com incêndio de florestas.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aos Administradores e Acionistas da Agroflorestal Ibicuí S.A. Curitiba - PR Examinamos as demonstrações contábeis da Agroflorestal Ibicuí S.A. ("Companhia"), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Exceto quanto ao resultado de valor justo dos ativos biológicos descrito no parágrafo de base para opinião com ressalva,acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para opinião com ressalva Conforme divulgado na nota 2b, a Companhia ajustou, de forma retrospectiva, suas demonstrações contábeis de exercícios anteriores.

Nessas circunstancias, conforme requerido pelo "Pronunciamento Técnico CPC 26 (R1) - Apresentação das Demonstrações Financeiras", item 39, a mesma deveria também estar divulgando seus balanços patrimoniais e respectivas notas explicativas relativamente a 01 de janeiro de 2011 (saldo de abertura). No entanto, a Administração da Companhia optou por não proceder a tais divulgações. Fomos nomeados auditores da Companhia durante exercício de 2012 e, portanto, não revisamos a avaliação dos ativos biológicos em 31 de dezembro de 2011 (saldos iniciais do exercício corrente). Dessa forma, não foi possível nos satisfazer por meios alternativos, quanto ao valor justo dos ativos biológicos, que estão registrados no balanço patrimonial por R$ 14.733 mil em 31 de dezembro de 2011. Em decorrência desse assunto, não foi possível determinar se teria havido necessidade de efetuar ajustes na variação do valor justo dos ativos biológicos, despesa de R$ 1.892, registrada no resultado de 2012. Opinião com ressalva Em nossa opinião, exceto pela ausência de divulgação de informações e pelo resultado de valor justo dos ativos biológicos, se houver, conforme descrito no parágrafo "Base para opinião com ressalva", as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Agroflorestal Ibicuí S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Outros assuntos O balanço patrimonial de 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, demonstrados para fins comparativos, não foram auditados por nós nem por outros auditores independentes. Portanto, não expressamos opinião ou qualquer forma de asseguração sobre os mesmos. Curitiba (PR), 31 de maio de 2013. Ernst & Young Terco Auditores Independentes S.S. CRC 2SP 015199/O-6 - F - PR Marcos Antonio Quintanilha Contador CRC-1SP132.776/O-3-T-SC-S-PR

DIRETORIA PAULO ROBERTO PIZANI Diretor Presidente

RAIMAR STERNADT Diretor de Controle

JOSÉ FELIPE M. R. M. CAVALCANTI Diretor Adm.Financeiro

JOSÉ EDUARDO NARDI Diretor Industrial e Comercial

JONESLEI KNISS Contador CRC/PR 050506/O-5

Avião movido a energia solar completa voo através dos Estados Unidos O avião movido a energia do sol, o Solar Impulse, completou recentemente sua viagem através dos Estados Unidos. Embora o veículo já tenha realizado voos internacionais e intercontinentais anteriormente, só agora ele se tornou o primeiro aparato alimentado por esse tipo de força a voar de uma costa a outra do país. A máquina que completou o feito, o modelo HB-SIA, é abastecida por mais de 11 mil painéis distribuídos pelos seus quase 64 metros de asas. Durante o dia, as placas fornecem energia para o funcionamento do veículo ao mesmo tempo em que carregam uma bateria, que funciona durante a noite. A viagem foi realizada em dois meses e três dias, com partida de Mountain View, na Califórnia, e chegada no aeroporto internacional John F. Kennedy, em Nova York. O avião fez paradas nos estados de Arizona, Texas, Missouri e Virginia, ficando algumas semanas em cada localidade. Cada trecho de voo durou de 19 a 25 horas. Donos do mundo O cronograma original da viagem previa a chegada a Nova York um dia depois do que aconteceu de fato, mas os planos foram adiantados por conta de um rasgo descoberto durante o voo na parte inferior da asa. Uma vez completado o teste, a equipe planeja usar um novo modelo, o HB-SIB, para realizar a primeira viagem aérea ao redor do globo movida exclusivamente por energia solar.

PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS, ACIDENTES DO TRABALHO E PRECATÓRIAS CÍVEIS DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÂO METROPOLITANA DE CURITIBA - PARANÁ. Rua Lysimaco Ferreira da Costa, 355, Centro Cívico, CEP 80·530100. Eliane Leocádia Porrat Ivanoski - Escrivã.. Edital para conhecimento de terceiros, expedido dos autos de RETIFICAÇÃO DE REGISTRO CIVIL sob n° 0004313-63.2012.8.16.0001, em que é Requerente ANDRÉA APARECIDA RODRIGUES STELE WEISER. PRAZO DE VINTE (20) DIAS O Doutor Irajá Pigatto Ribeiro, Meritíssimo Juiz de Direito da Vara de Registros Públicos, Acidentes do Trabalho e Precatórias Cíveis do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, faz saber aos que o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, expedido dos autos acima mencionados, que se processam por este Juízo e Cartório, que pelo presente cientifica terceiros interessados do pedido de retificação do nome da Requerente que, nos termos da sentença prolatada nos autos em 22/05/2013, passa a se chamar “ANDRÉA APARECIDA RODRIGUES WEISER”. - E, para que chegue ao conhecimento dos interessados e ninguém possa alegar ignorância mandou expedir o presente edital que será AFIXADO e PUBLICADO na forma da Lei. Dado e passado nesta cidade de Curitiba, Capital do Estado do Paraná, aos Vinte dias do mês de Junho do ano Dois Mil e Treze. Eu, Eliane Leocádia Porrat Ivanoski, Escrivã que o fiz digitar e subscrevi.(a) IRAJÁ PIGATTO RIBEIRO - Juiz de Direito.

DÉCIMA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL DE CURITIBA. EDITAL de CITAÇÃO de FRANTEMP VIDROS DE SEGURANÇA S/A., na pessoa dos sócios, Srs. FÁBIO KENJI SERRA FUGIWARA e JOÃO AUGUSTO SERRA FUGIWARA, com PRAZO de 20 (vinte) dias A Dra. RENATA ESTORILHO BAGANHA, MMª. Juíza de Direito da 11ª Vara Cível da Comarca de Curitiba, Estado do Paraná, FAZ SABER que por este cartório e juízo, tramitam autos de AÇÃO DE DECLARATÓRIA INEXIGIB DÉBITO C/C RESCISÃ, nº14796/2012, proposta por JORGE ADÃO MARKIW e em face de FRANTEMP VIDROS DE SEGURANÇA S/A 07.763.412/ 0001-22, onde determinou-se a citação do requerido, e esgotados foram todos os meios possíveis para localização destes, estando portanto, atualmente, em lugar incerto e não sabido, ficam, por edital, FRANTEMP VIDROS DE SEGURANÇA S/A., na pessoa dos sócios, Srs. FÁBIO KENJI SERRA FUGIWARA e JOÃO AUGUSTO SERRA FUGIWARA, CITADO de todos os termos da ação em referência para, no prazo de quinze (15) dias, contados da publicação deste em Jornal Oficial ou de Circulação Comercial, através de advogado constituído, responder os termos da inicial da ação, sob pena de nomeação de Curador Especial e prosseguimento do feito independentemente de seu conhecimento. Dado e passado nesta cidade de Curitiba - PR, aos Três (03) dias do mês de Julho (07) de dois mil e treze (2.013). Eu(a)(Renata Ferreira), Escrevente Juramentado, que o digitei, conferi e subscrevo. (a)RENATA ESTORILHO BAGANHA Juíza de Direito.

EDITAL DE INTIMAÇÃO DOS EXECUTADOS COSMOTECHNOLOGY AR CONDICIONADO E ENERGIA LTDA E ANTONIO BONACCORSO, ESTE POR SI E TAMBÉM NA QUALIDADE DE REPRESENTANTE LEGAL DA PRIMEIRA, COM O PRAZO DE TRINTA (30) DIAS. Edital de INTIMAÇÃO dos executados COSMOTECHNOLOGY AR CONDICIONADO E ENERGIA LTDA e ANTONIO BONACCORSO, este por si e também na qualidade de representante legal da primeira, para que, no prazo de quinze (15) dias, paguem o débito nos autos nº 0007767-56.2006.8.16.0035 (955/2006), de AÇÃO MONITÓRIA (em fase cumprimento da sentença), promovida por BANCO BRADESCO S/A, em trâmite perante o Juízo e Cartório da 2ª Vara Cível da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba – Foro Regional de São José dos Pinhais –PR, que em data de 28/05/2008, era de R$ 32.445,01 (trinta e dois mil, quatrocentos e quarenta e cinco reais e um centavo), sob pena de incidir, sobre esse montante, a multa de 10% prevista no artigo 475-J, 4º do CPC e consequente penhora de bens de sua propriedade, tantos quantos sejam suficientes à liquidação do débito. E, para que chegue ao conhecimento dos executados acima nominados e não possam alegar ignorância, foi expedido o presente edital a ser afixado no lugar de costume do juízo e publicado pela imprensa, na forma da lei. São José dos Pinhais, 02 de julho de 2013. Eu_ (Ivete Marly Hahn – Auxiliar de Justiça Juramentada), que o digitei e subscrevi. ELIANA SILVEIRA DA ROSA – Escrivã (Assinatura Autorizada pela Portaria 01/2011).

JUIZO DE DIREITO DA QUARTA VARA CIVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE CURITIBA – AVENIDA CANDIDO DE ABREU, 535, 2º ANDAR – FORUM CÍVEL – CENTRO CÍVICO. EDITAL DE CITAÇÃO DA REQUERIDA MAYARA BENEDETTI BRANDÃO. PRAZO DE VINTE (20) DIAS. A DRA. JULIA MARIA TESSEROLI DE PAULA REZENDE, MM. JUÍZA DE DIREITO DA QUARTA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, NA FORMA DA LEI, ETC. FAZ SABER a todos quantos o presente edital virem, ou dele conhecimento tiverem, que por este Juízo e Cartório da 4ª Vara Cível se processa a Ação Execução de Título Extrajudicial nº 11845/2010, proposta por BANCO BRADESCO S/A contra MAYARA BENEDETTI BRANDÃO e MAURICIO BRANDÃO, tendo o presente a finalidade de CITAR a requerida MAYARA BENEDETTI BRANDÃO, atualmente em lugar incerto e não sabido, para que, fique ciente de todos termos da ação em referencia e, para que, no prazo legal de três (03) dias, pague a importância de R$ 14.747,23 (quatorze mil, setecentos e quarenta e sete reais e vinte e três centavos), que deverá ser atualizada até a data do efetivo pagamento, mais honorários fixados em 10% (dez por cento) sobre o valor do débito, ficando advertida que poderá opor embargos no prazo de quinze (15) dias, ou no mesmo prazo, poderá depositar 30% do valor devido (inclusive custas e honorários) e requerer o pagamento do restante, em até 06 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% ao mês, tudo em conformidade com a Resenha da Inicial a seguir transcrita: “O exeqüente é credor dos executados pela quantia líquida de R$ 14.114,02, representada pela Cédula de Crédito Bancário Empréstimo Pessoal Sem Seguro Prestamista nº 321/ 9393396, firmado em 30/03/2009, por Mayara Benedetti Brandão e tendo como avalista solidário Mauricio Brandão; ocorre que a emitente deixou de pagar as parcelas contratadas, a partir daquela que venceu em 30/05/2009 (amortizou parte) e as subseqüentes, ocasionando, dessa forma o vencimento antecipado de toda a dívida, nos termos da cláusula 6ª 6.1 “a” do contrato antes mencionado”. DADO E PASSADO, nesta cidade e Comarca de Curitiba, aos 10 de maio do ano de 2013. Eu (a) (Bruna C. Montagner), Auxiliar Juramentada, que o fiz digitar e

NOVO MASTER FECHA O MÊS DE JUNHO COMO LÍDER DE VENDAS NO SEU SEGMENTO Com 1012 unidades emplacadas, o recorde do modelo, o Novo Renault Master fechou o mês de junho como líder no segmento entre vans, furgões e chassis-cabine, abaixo de 3,8 toneladas. No acumulado do primeiro semestre de 201 3 foram emplacadas 4794 unidades, um crescimento de 36,1% em relação ao mesmo período em 2012. As vendas do modelo representam 31,9% do segmento. “O Novo Master é um produto com excelente aceitação do mercado, por todas as suas funcionalidades e serviços agregados, como a rede Renault Pro +, especialmente desenvolvida para atender

o público que utiliza o veículo como um instrumento de trabalho”, afirma Gustavo Schmidt, Vice-presidente Comercial da Renault do Brasil. Menor custo de manutenção, mais conforto, praticidade, robustez e segurança, aliados a um design que transmite o conceito do produto, são fatores que contribuem para fazer do Novo Master o veículo mais vendido da sua categoria. A nova geração do Novo Master foi lançada em março no Brasil, onde é produzido na Fábrica de Veículos Utilitários, que integra o Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR).

O Novo Master apresenta várias configurações diferentes em relação ao comprimento e a altura do teto do veiculo. A linha 2014 conta com 12 versões e 10 opções de transformações, totalizando mais de 70 opções, para atender desde pequenos comerciantes a grandes corporações e empresas públicas, inclusive nichos específicos de mercado. A Renault certifica os melhores transformadores do Brasil, para que produzam veículos para os clientes da marca. Os projetos são desenvolvidos pelos fornecedores e validados pela Renault do Brasil, o que garante a segurança e a qualidade dos produtos.

RENAULT PRO+ Uma das grandes vantagens oferecidas pela Renault em relação a sua linha de utilitários é o programa Renault Pro+, criado em 2012. O Renault Pro+ oferece tratamento especializado com foco nos comerciais leves da marca, incluindo desde a consultoria no momento da compra até a manutenção programada. O “Renault Pro+” é formado por uma rede de concessionárias credenciadas em todo o território nacional, com área específica, dedicada exclusivamente à exposição e à manutenção de veículos utilitários.

Editais11 7 13  

jornais

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you