Page 1

A ÚLTIMA TEMPORADA PERSONAGENS DA SÉRIE ‘MAD MEN’ SE PREPARAM PARA A DESPEDIDA PÁG. 14

CAMPINAS Segunda-feira, 14 de abril de 2014 sunny snow rain Edição nº 975, ano 4

partly sunny

cloudy

sleet

thunder

part sunny/ showers

MÍN: 18°C MÁX: 24°C hazy

showers

www.readmetro.com | leitor.camp@metrojornal.com.br | www.facebook.com/metrojornal | @jornal_metrocps

Ajuda da Força Nacional do SUS será pedida hoje Epidemia. Ajuda do governo federal é para combater dengue em Campinas, que somava na quinta-feira passada 3.615 casos confirmados. Saúde quer, principalmente, mão de obra, pois profissionais estão sobrecarregados com horas extras diárias PÁG. 02

ITUANO É GRANDE

Time do interior bate Santos nos pênaltis e é campeão Paulista PÁG. 14

Ônibus são atacados no fim de semana Transporte coletivo está na mira de vândalos, que queimam, depredam e apedrejam os veículos PÁG. 03

Aplicativo ajuda na hora de pegar carona pela cidade Ferramenta que funciona em Campinas quer reduzir frota na rua e melhorar mobilidade urbana PÁG. 04

RECICLE A INFORMAÇÃO: PASSE ESTE JORNAL PARA OUTRO LEITOR

Turma do Pânico estreia coluna semanal PÁG. 12 Jogadores erguem a taça e comemoram título ganho em cima do Peixe no Pacaembu | LUIS MOURA/FOLHAPRESS

thunder showers

wind


1 FOCO

Eleições 2014

Chapa confirmada A coligação PSB/Rede realiza evento hoje, em Brasília, para confirmar a chapa para as eleições. O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos será o candidato a presidente e a ex-senadora Marina Silva vai discursar como candidata a vice.

Cotações Dólar + 0,77% (R$ 2,22) Bovespa + 1,45% (51.867 pts) Euro + 0,36% (R$ 3,07) Selic (11% a.a.)

Salário mínimo (R$ 724)

|02|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

FOCO

Saúde solicita hoje apoio da Força Nacional do SUS Combate à dengue. Secretário fará o pedido formal ao Ministério da Saúde nesta segunda. Exército, também hoje, inicia treinamento O secretário de Saúde, Carmino de Souza, recorre hoje ao Ministério da Saúde para conseguir apoio da Força Nacional do SUS no combate à dengue na cidade. A partir da solicitação, será montado um grupo com integrantes do Ministério e da Secretaria de Saúde que analisará os dados da epidemia em Campinas. De acordo com o último balanço divulgado pelo Executivo, o município soma 3.615 casos confirmados, sendo que 143 pessoas tiveram complicações. Uma mulher de 69 anos morreu em decorrência da doença e outros 3.346 estão sendo investigados – a expectativa da Vigilância Epidemiológica é de que 80% se confirme. Embasado por essas informações, o Ministério definirá se Campinas precisa ou não do apoio da Força Nacional do SUS e qual o tipo de ajuda. O programa é uma forma de cooperação

Olhar cidadão

JOSÉ LUIZ DATENA JOSE.DATENA @METROJORNAL.COM.BR

do governo federal com estados e municípios, criado para a execução de medidas de prevenção, assistência às situações de surtos, epidemias, desastres ou de desassistência à população. Segundo a Secretaria de Saúde, o principal reforço é o de profissionais, já que a maior parte deles está fazendo hora extra para dar conta da demanda. “Há uma sobrecarga na linha de frente, que são as unidades básicas de saúde, pronto atendimentos e hospitais”, afirmou Souza. “Também precisamos de apoio no trabalho de remoção de criadouros e na nebulização costal”, completou. Apesar de um aumento significativo no uso de insumos, essa ainda não é uma preocupação. No caso do soro fisiológico, a Saúde informou que em média são usados 4 mil litros por mês. Entretanto, este mês o uso pode bater a casa dos 40 mil

litros, tendo em vista que abril registra pico da epidemia de dengue. Ainda nesta segunda-feira, o Exército – que deveria ter começado os trabalhos na semana passada – realiza o treinamento para iniciar a colocação de telas de proteção nas caixas d’água de residências. A ação será, de início, na região Noroeste. Nova arma de combate O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública, Mauro Fukumoto, autorizou que os agentes de saúde entrem em qualquer imóvel desabitado, fechado, abandonado ou com acesso não permitido pelo proprietário em todo o município, para a eliminação de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti.

DISPARADA

80% dos criadouros estão nas casas | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS

JULIANA EWERS

“Esperávamos uma quebra na transmissão entre o ano passado e este. Eu vejo os números da epidemia deste ano com muita preocupação.”

METRO CAMPINAS

CARMINO DE SOUZA, SECRETÁRIO DE SAÚDE

Nessa semana que passou, mais um possível caso de erro médico numa unidade municipal de saúde. Um cidadão de 74 anos, com histórico de doença cardíaca, procura um médico com fortes dores de estômago, quase à altura do peito. Como rotineiramente acontece nesses verdadeiros atendimentos automáticos de saúde, tipo caixa rápido, o homem é mal examinado, segundo sua própria esposa, com quem viveu a vida inteira e que pediu entre lágrimas um atendimento adequado. Pelo contrário, a receita tradicional: Buscopan para tirar a dor, um remedinho para estômago e a tradicional frase “vai pra casa que você melhora”. O homem de quase 80 anos, com sua mulher desesperada e as dores no peito, até que tentou procurar um hospital para fazer, no mínimo, um eletrocardiograma. Não deu tempo, morreu do coração. Há algumas semanas, em outra unidade parecida, a mãe levou o seu bebê doente e o conselho foi o mesmo: volta para casa que não é nada sério. A criança também morreu. A mãe voltou ao local e, numa crise de desespero após ser chamada de louca, ameaçou quebrar tudo. Foi levada para uma delegacia e indiciada por tumulto. O delegado nem pensou em ouvir o médico envolvido no caso. Não tem jeito. O nosso sistema público de saúde está falido, matando mais do que salvando vidas. Faltam remédios para aliviar a dor de pacientes terminais ou melhorar

a saúde de quem tem doenças crônicas como a diabetes, por exemplo. O que até afasta o cidadão brasileiro de procurar esses hospitais, onde o remédio (ou a falta dele) pode ser pior do que a doença, onde o atendimento é péssimo e gente é tratada como bicho. Já nem falo mais do descaramento da possível roubalheira que houve com a famigerada cobrança CPMF e nem me pergunto onde foi parar aquele dinheiro todo. A verdade é que, mesmo em ano de eleição, as nossas autoridades em nível federal, estadual e municipal estão pouco se lixando para a saúde do povo. Enfiam cada vez mais dinheiro a fundo perdido em estádios da Copa e obras olímpicas. Cada vez há mais notícias de desmandos, desvios de verbas públicas que nunca chegam, principalmente, a um setor vital como o da saúde. Como é possível acreditar nessa desmoralizada classe de políticos, na qual nem os bons que sobraram podem fazer alguma coisa porque são minoria e quando tentam chegam até a ser ameaçados? Circo tem de sobra, no Brasil. O que está faltando é vergonha na cara, pão e remédio. A história prova que quando o povo se sente desamparado o resultado é revolta geral contra as instituições que, repito, como sempre são a fronteira final para a paz e o desenvolvimento do país. Mas instituições se mantêm com honradez, honestidade e respeito pelo povo, que são coisas raras nos dias de hoje. Cuidado, porque povo insatisfeito é como boi em disparada, e aí salve-se quem puder.

FALE COM A REDAÇÃO

EXPEDIENTE

COMERCIAL: 019/3779-7421

Metro Brasil. Presidente: Cláudio Costa Bianchini (MTB: 70.145) Editor Chefe: Luiz Rivoiro (MTB 21.162). Diretor Comercial e Marketing: Carlos Eduardo Scappini Diretora Financeira: Sara Velloso. Diretor de Tecnologia e Operações: Luiz Mendes Junior Gerente Executivo: Ricardo Adamo Coordenador de Redação: Irineu Masiero. Editor-Executivo de Arte: Vitor Iwasso

leitor.camp@metrojornal.com.br 019/3779-7518

O jornal Metro circula em 24 países e tem alcance diário superior a 20 milhões de leitores. No Brasil, é uma joint venture do Grupo Bandeirantes de Comunicação e da Metro Internacional. É publicado e distribuído gratuitamente de segunda a sexta em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, ABC, Santos, Campinas e Grande Vitória, somando 510 mil exemplares diários.

Metro Campinas. Editora-Executiva: Zezé de Lima (MTB: 16.231) Editor de Arte: Gustavo Moura. Gerente Comercial: Simone Monfardini Grupo Bandeirantes de Comunicação Campinas - Diretor Geral: Rodrigo V. P. O. Neves

Editado e distribuído por Metro Jornal S/A. Endereço: avenida Engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza, 2799, Jardim São Gabriel, CEP 13045-541, Campinas, SP. Tel.: 019/3779-7421. O jornal Metro é

impresso na Plural Editora e Gráfica Ltda. A tiragem e distribuição desta edição são auditadas pela BDO. 30.000 exemplares


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

Vandalismo volta a atingir o transporte público Depredação. Três ônibus foram atacados na região do Ouro Verde. Vidros, câmeras de monitoramento, campainhas e elevador de acessibilidade foram quebrados por vândalos A onda de depredações que atinge o transporte coletivo em Campinas deixou na noite de sábado para domingo mais prejuízos. Dessa vez, três ônibus. De acordo com informações passadas pela Polícia Civil, os ataques ocorreram no Jardim Ieda, Parque Universitário e Parque Dom Pedro – todos bairros integram a região do Ouro Verde. Os veículos tiveram vidros das janelas, câmeras de monitoramento, campainhas e elevador de acessibilidade quebrados. A diretoria de Comunicação da Transurc (Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas) foi procurada ontem, mas informou que apenas hoje terá mais informações sobre os prejuízos. O último cálculo feito pela entidade apontava que as concessionárias do transporte público de Campinas já somavam, na última sex-

ta-feira, R$ 713,55 mil de prejuízo por conta do vandalismo neste ano. A conta incluía um carro que foi totalmente queimado na noite de quinta-feira e teve perda total, com prejuízo de R$ 180 mil, além de outros três veículos apedrejados, cujos reparos foram orçados em de R$ 3 mil. No Carnaval, 30 veículos foram danificados, contabilizando o prejuízo financeiro de R$ 80,55 mil e ainda há os três carros queimados e nove danificados durante protesto em 13 de janeiro no Terminal Vida Nova, que causaram prejuízo de R$ 450 mil. A manutenção dos veículos é um dos itens para o cálculo do preço da passagem. Para o usuário ter noção, o valor de R$ 713,55 mil não contempla as depredações cotidianas, como o conserto de assentos pichados, rasgados ou quebrados. METRO CAMPINAS

Prejuízos somam mais de R$ 700 mil no ano | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS

{FOCO}

|03|◊◊

Homem bateu o carro próximo a av. John Boyd Dunlop|THOMAZ MAROSTEGAN/METRO

Polícia. Homem rouba carro, bate, dá perda total e é preso em seguida Um homem de 19 anos foi preso na tarde de ontem após roubar um veículo no Jardim Tropical, que fica próximo à Vila União. Depois de cometer o crime, o rapaz saiu em disparada para o Parque Residencial Fazenda, onde bateu o carro em um poste. O veículo deu perda total. Ao ser abordada enquanto fazia o descarte de material reciclável em uma coperativa da região, o homem reagiu e entrou em luta corporal com o ladrão que, ao observar a chave do carro no contato, empurrou a vítima e fugiu com o carro. Na região do Parque Residencial Fazenda, o assaltante começou a dar “cavalo de pau” com o carro e acabou batendo em um poste. De acordo com testemunhas, o bandido saiu cambaleando do veículo para fugir, quando um guarda municipal à paisana observou a cena e

4 horas

foi o tempo que a Guarda Municipal ficou esperando o guincho da Emdec para fazer o recolhimento do veículo. acionou as viaturas. Moradores da vizinhança chegaram a relatar que o ladrão chegou a pedir fósforos para pedreiros de uma construção para tentar colocar fogo no veículo após a batida, na rua Alcides Barel, que fica próximo à avenida John Boyd Dunlop. O guincho da Emdec demorou 4 horas para fazer a remoção do carro. O homem foi encaminhado à 2ª Delegacia Seccional de Campinas. Ele já tinha passagem recente pela polícia por porte ilegal de arma. O carro roubado não tinha seguro. METRO CAMPINAS

Salto alto é novo vilão na vida das crianças

Salto alto pode trazer problemas na coluna | CARLOS GIACOMELI/METRO CAMPINAS

Com a avalanche de propagandas e os múltiplos lançamentos para os baixinhos, fica difícil blindar as crianças de, cada vez mais, quererem se vestir na moda, seguindo as tendências das novelas e dos comerciais. Esse cenário pode culminar na relação complicada entre a criança e o uso do sapato de salto. Uma pesquisa realizada pela a fisioterapeuta Renata Augusto Martins em sua dissertação de mestrado na FCM (Faculdade de Ciências Médicas) mostrou que esse conjunto pode trazer vários tipos de malefícios para os pequenos. Os fatores envolvidos vão desde a questão ortopédica até a social. Fisicamente, o sapato de salto para a criança pode acarretar em problemas na coluna, no modo de andar, já que for-

1a7

anos de idade é a faixa de idade das meninas que foram acompanhadas pelo estudo.

ça uma pisada diferente. “Quando a criança, ou até mesmo uma mulher, usa salto, ela não anda da mesma forma que o faz quando está descalça ou de tênis. Se isso faz mal para os adultos, imagine para uma criança”, explica Renata. Além disso, outro fator preocupa muito e foi apontado na pesquisa. “O salto traz algo de sensual e isso não combina com a criança. Hoje nos preocupa essa sensualidade precoce. O salto vem sempre com um

vestido, que é associado a acessórios, batons”, cita a pesquisadora, que teve ajuda e orientação do professor pediatra Roberto Teixeira Mendes, também da FCM. “Você percebe, muitas vezes, em uma festa infantil. A criança chega, já tira o sapato e vai correndo brincar, ou seja, ela quer se livrar daquilo”, completou. Esse cenário é mundial e muitas vezes está escondido atrás do pensamento ingênuo de que a criança “parece uma mocinha” de salto, como relata a pesquisadora. “Claro que é normal uma criança fantasiar ser uma princesa, experimentar o sapato da mãe e viver um conto de fadas, mas isso não pode fazer parte da vida real dela tão cedo. Isso é apenas uma preparação para ser adulto, não dá pa-

ra ser princesa toda hora”, afirma. Além disso, o fator comercial é um obstáculo que é difícil para a mãe superar. “Hoje existem sapatinhos de salto com foto de princesas, o que faz a criança querer usar o produto. Existem modelos com 5 centímetros de salto”. A orientação é a mais simples possível: “Vejo que o sapato ideal é o tênis e, tanto quanto possível, as crianças deveriam andar mais descalças”, adverte Renata. O estudo acompanhou 12 mães com meninas na faixa etária de 1 a 7 anos, período em que a criança ainda está aperfeiçoando a sua forma de andar. O tipo de calçado escolhido nesse período pode diferenciar o desempenho de um caminhar seguro. METRO CAMPINAS


|04|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

FOCO

Aplicativo de caronas chega para desafogar o trânsito Ponga. Dispositivo criado por engenheiro está disponível para usuários do sistema iOS. Adaptação à realidade brasileira é prioridade Descongestionar o trânsito e melhorar o meio ambiente foram duas das motivações do engenheiro André Paraense para desenvolver o Ponga, aplicativo gratuito de caronas que está em funcionamento para usuários dos sistema operacional iOS. Através do Ponga, motoristas cadastrados indicam que estão disponíveis para oferecer caronas intramunicipais – dentro dos municípios – e recebem notificações de passageiros interessados. Já com a carona acertada, o passageiro pode acompanhar em tempo real o trajeto do condutor e, caso perceba um equívoco na rota, até entrar em contato por telefone. Ao final da viagem, o dispositivo sugere uma doação rela-

de 1 a 5

os motoristas e passageiros podem ser avaliados. O objetivo das notas é dar mais segurança a quem usa o sistema. tiva aos custos da viagem. O valor é baseado em três fatores: distância percorrida, quantidade de pessoas no veículo e tempo da viagem. O pagamento, entretanto, é sugerido, não obrigatório, ressalta o criador. Segundo Paraense, a ideia foi importada dos Estados Unidos, onde aplicativos semelhantes já funcionam há cerca de um ano. O staff do Ponga precisou aprimorar o sistema já existente à realidade brasileira. Para proporcionar segurança aos

usuários, é possível avaliar motoristas e passageiros com notas que vão de 1 a 5. “Os maus caronistas, pessoas com notas entre 1 e 2, são banidos após uma avaliação da nossa equipe”, explica, acrescentando que é obrigatório associar a conta do Facebook ao dispositivo. “Houve uma preocupação em indicar as referências. É difícil dar carona sem garantias de segurança.” Outro desafio consiste em apontar os interesses em comum dos cadastrados – música, esportes e hobbies. A intenção é que, além da divisão de custos e do descongestionamento das vias, haja interação entre os usuários. O site do Ponga é www. wabbers.com. METRO CAMPINAS

André Paraense estudou o mercado norte-americano para lançar seu produto | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS

CPI aborda hoje risco de antenas à saúde

Equipamentos vêm sendo checados | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS

Igreja. Semana Santa tem início com celebração do Domingo de Ramos A Catedral Metropolitana de Campinas recebeu ontem centenas de fieis para a missa de Domingo de Ramos, celebração que abre a Semana Santa, a mais importante entre os cristãos e que terminará no próximo domingo, com a comemoração da Páscoa. A missa teve início com uma procissão que percorreu um trecho da rua 13 de

Maio com os fieis segurando ramos que depois foram benzidos pelo arcebispo metropolitano de Campinas d. Airton José dos Santos. O arcebispo usou a celebração para chamar a atenção dos presentes para a grandeza do exemplo de Jesus Cristo e a importância das pessoas dedicarem a vida ao bem. METRO CAMPINAS

A CPI das Antenas ouve hoje Ricardo Carlos Cordeiro, professor da FCM (Faculdade de Ciências Médicas) da Unicamp, sobre eventuais impactos ao meio ambiente e à saúde provocados por antenas de telefonia móvel. O vereador Artur Orsi (PSDB), que propôs e preside a comissão que investiga irregularidades na instalação de antenas de celular em Campinas, avalia que o

médico e professor vai contribuir no esclarecimento de dúvidas e preocupações manifestadas com frequência por entidades ligadas ao meio ambiente, e principalmente por famílias que residem próximas a esses equipamentos. Na última sexta-feira, o gerente regional da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), Everaldo Gomes Ferreira, esteve na

comissão e denunciou em audiência os artifícios usados pelas empresas de telefonia para burlar a legislação que disciplina a instalação de torres de transmissão. Segundo Ferreira, as legislações municipais e a federal não se complementam, e as empresas se aproveitam desses “pontos cegos” para driblar a fiscalização.

Ferreira lembrou aos vereadores da CPI que a Anatel cuida só da emissão dos sinais e as prefeituras têm como obrigação controlar a construção das torres. E é neste ponto que ocorrem os problemas, de acordo com ele. A reunião da CPI hoje será às 9h30, no Plenarinho da Câmara Municipal de Campinas. METRO CAMPINAS

Executivo reativa comissão para legislação de edificações A Prefeitura de Campinas vai reativar a CPLE (Comissão Permanente de Legislação Edilícia). De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, trata-se de um colegiado formado por integrantes de várias secretarias municipais e também por membros de entidades representativas das várias áreas do setor imobiliário da cidade.

Os convites já foram expedidos para a primeira reunião desta nova fase, marcada para a próxima quarta-feira. Ainda segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, as confirmações de presença indicam que será um encontro produtivo, com a casa cheia. Com outros nomes, mas atribuições parecidas, a

CPLE foi criada na década de 60 e ficou mais conhecida como Comissão do Código de Obras. “Em síntese, sua função é discutir e aperfeiçoar a legislação que rege as edificações no município, mas atendo-se principalmente a itens pontuais do texto legislativo”, explicou a assessoria de imprensa.. METRO CAMPINAS

Comissão foi criada na década de 60 | THOMAZ MAROSTEGAN/METRO CAMPINAS


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{BRASIL

|05|◊◊

RENATO JANINE RIBEIRO Filósofo e professor da Universidade de São Paulo fala ao Metro Jornal sobre protestos, Copa do Mundo e o cenário político e social do país

‘GOVERNO E OPOSIÇÃO NÃO SABEM LIDAR COM MANIFESTAÇÕES’ Professor titular de Ética e Filosofia Política na USP (Universidade de São Paulo), Renato Janine Ribeiro falou ao Metro Jornal sobre a onda de manifestações. Como interpretar o cenário de protestos no país? As manifestações pelo Brasil abriram uma nova pauta democrática. Em nossa história recente, passamos por três grandes momentos: o fim da ditadura em 1985, a estabilidade monetária no governo FHC e a inclusão social no governo Lula. Todas muito importantes para a sociedade, mas as manifestações mos-

traram que a qualidade dos serviços públicos está sendo a “quarta agenda” democrática. Em junho do ano passado, o pivô foi o transporte público, mas a agressão policial trouxe à cena a questão da segurança pública. Depois vieram a saúde e a educação. Surge uma cobrança nova da sociedade brasileira. Vamos ter muitas mudanças nos próximos anos e acredito que estarão focadas nisso, já que os governos não estão sendo capazes de garantir essas condições. Isso nas três esferas (municipal, estadual e federal)? Sim. Avançamos muito nos

termos democráticos, nossas eleições e deficiências não são piores que as dos Estados Unidos, por exemplo. Eles ainda têm fraude eleitoral, mas já superamos isso. Nosso maior problema mesmo são os serviços públicos. A sociedade está cheia disso. São questões que afetam a todos, mas a maioria está no plano municipal e estadual. No que a Copa do Mundo influencia este cenário? A Copa era para ser a consagração deste processo de inclusão social. A aposta do Lula de uma grande festa brasileira deu errado e o governo

não está sabendo lidar com isso. Mas a oposição também não está se saindo melhor. temos grandes Estados governados pelo PSDB e não há avanços significativos nas áreas sociais. O que podemos esperar da campanha eleitoral? Sou pessimista em relação às campanhas, acho que sempre puxam os debates para baixo. Em 2010, a discussão do aborto, por exemplo, foi claramente manipulada para tirar de cena questões mais relevantes. Mas acredito que o Brasil plantou sementes políticas e sociais que vão ficar. METRO CURITIBA


|06|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{BRASIL}

Projeto quer federalizar a educação básica Em pauta. Tramita na Comissão do Senado uma proposta que prevê uma consulta popular sobre a ideia de concentrar as despesas do magistério nas contas da União Na incômoda 58ª posição no ranking do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) formado por 65 países, a educação básica no Brasil, hoje dependente de uma subjetiva prioridade de investimentos de prefeitos e governadores, poderá passar a ser integralmente financiada com recursos da União. A mudança seria feita em dois passos. O primeiro, consultando a população. A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado mantém em pauta desde o ano passado um projeto convocando um plebiscito, que ocorreria em 5 de outubro, junto com o primeiro turno das eleições. A votação já foi adiada três vezes. Caso seja aprovada, o Congresso deverá informar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que programe as urnas eletrônicas. A aprovação deve ocorrer em até 70 dias antes do pleito, ou seja, até 27 de julho. PEC pronta Com o aval da população, a PEC 32 (Proposta de Emenda à Constituição) de 2013 entraria em pauta. De autoria do senador Cristovam

“O financiamento da educação básica pública e gratuita deverá passar a ser responsabilidade do governo federal?” PERGUNTA PROPOSTA PARA O PLEBISCITO

Buarque (PDT-DF) prevê um conjunto de mudanças que incluem o pagamento de R$ 9,5 mil aos profissionais de educação, formação rigorosa de professores e um modelo de escola básica que valorizaria o uso de tecnologias, mas sem a implantação de conteúdo pedagógico único. Segundo projeções feitas na elaboração do projeto, o atual número de alunos em escolas federais daria um salto de 257 mil para 51 milhões. A implantação, contudo, seria gradativa pelas próximas duas décadas. A ideia de federalização da educação básica foi levada pelo senador à presidente Dilma Rousseff em 2011, mas Cristovam nunca obteve respostas. MARCELO FREITAS METRO BRASÍLIA

Números

R$ 9,5

mil é o salário proposto a ser pago aos professores que integrarem a carreira de Estado no magistério

R$ 7,3

trilhões é a projeção do valor total investido na federalização da educação, equivalente a 6,4% do PIB até 2034

451

escolas federais que são modelos de ensino estão em funcionamento em todo o país

156.164 é a meta de escolas federais necessárias para implantar o novo ensino básico nas próximas duas décadas

CRISTOVAM BUARQUE Senador propõe, com investimento de 6,4% do PIB, novo modelo de educação básica, com escolas federais em tempo integral e professores bem remunerados

EDUCAR É REVOLUCIONAR O Brasil está preparado para a mudança? Do ponto de vista de dinheiro, não tenho dúvida. Já em relação a professores disponíveis, não. O recurso escasso é o jovem ativo, com disposição e vocação para ensinar. Hoje, na universidade, os jovens mais brilhantes querem fazer concurso para o Ministério Público, o Senado, ser advogados e engenheiros. A gente precisa de um bom tempo pagando altos salários para convencer os melhores a ser professores. Nestes 20 anos pagando R$ 9,5 mil, a gente começa a atraí-los. Quem pagaria a conta? A gente fala como se o dinheiro saísse do zero. Hoje se gasta 5,6% do PIB em educação. O Plano Nacional de Educação obriga a colocar 10%. Ao federalizar, se chegaria a 6,4%, em 20 anos. Só com o Governo Federal entrando. Os Estados e municípios não têm como fazer a revolução. Tem gente que acha que o prefeito não dá aumento porque é ruim, porque não gosta de educação. Pode até ter alguns assim, mas hoje nenhum tem condições de dar um salário ao professor muito melhor do que ele dá hoje.

“Os estudantes de hoje acreditam mais no celular e na televisão do que no professor ao vivo. E a aula é muito chata.” CRISTOVAM BUARQUE, SENADOR (PDT-DF) E EX-MINISTRO DA EDUCAÇÃO

Como atuariam as prefeituras? Poderiam trabalhar como parceiros, construir os prédios. Como será ao longo de 20 anos, você pode escolher qual cidade pode fazer. O prefeito precisa querer. Minha proposta é voluntária. Como atrair o professor com o perfil? Precisa criar uma nova carreira no magistério, pagando bem, dando formação nos cursos de pedagogia e criando outros institutos fora da universidades. Tem que acabar com o conceito que excelência se encontra somente na universidade. O Instituto Tecnológico da Aeronáutica é um exemplo. Depois de ser escolhido, o professor tem que ficar um ano dando aula sem que o contrato seja assinado. Como é feito com os diplomatas no Instituto Rio Branco: ficam dois anos ganhando para estudar e depois, se forem aprovados, é que serão contratados. Depois de entrarem -- e é um ponto difícil de pas-

sar politicamente, porque sem isso não resolve -- é preciso acabar com a estabilidade plena. Hoje, o professor entra no primeiro dia de aula e já está estável, a não ser que cometa pedofilia. Não é demitido por incompetência ou relaxamento. Eu proponho estabilidade responsável. Ele precisará passar, uma vez por ano, por uma avaliação. Se demonstrar falta de sintonia com resultados, será exonerado. Qual a escola que se espera? Hoje o professor do giz e do quadro negro não vai dar boas aulas. O aluno requer equipamentos modernos. O edifício precisa ser bonito e confortável. Não haverá revolução plena na educação se a gente continuar deixando nossos meninos em um lugar com 38 e 40 graus, sem ar condicionado. Nós estamos tão acostumados a desprestigiar a educação que as pessoas riem quando se fala em ar condicionado em escola. Ninguém ri de ar condicionado no aero-

porto, no supermercado, nos shoppings. A nova escola teria um novo currículo? A saída é o horário integral. Não tem escola boa em 4 horas. A parcela rica da população já descobriu isso há 40 anos. Estuda num período, mas depois faz inglês, ginástica, natação. Isso deveria ser dentro da escola. Essa revolução não encontraria resistências? Já há diversas escolas como essa espalhadas pelo Brasil. São escolas-modelos, como Pedro II e Colégio Militar. O desafio é transformar essas poucas em muitas. O problema foi que só fizemos 400 dessas. As prefeituras só conseguem fazer uma boa dessas para seguir como exemplo. Então só deve ter umas mil escolas boas no Brasil. A lei eleitoral diz que o plebiscito deve ser aprovado 70 dias antes das eleições para ocorrer simultaneamente. Vai dar tempo? Eu propus plebiscito para ver se obriga o governo, mas, se ele quiser, pode fazer sem consulta. Ainda tenho esperança que um presidente faça isso, independentemente de plebiscito. METRO BRASÍLIA


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

CLÁUDIO HUMBERTO

Rio de Janeiro. Pacificada desde 2008, comunidade Santa Marta sofre com acúmulo de lixo. Moradores também se queixam de esgoto a céu aberto e de contas de energia muito caras

CLAUDIO.HUMBERTO @METROJORNAL.COM.BR

DISCIPLINA DE DIRCEU IMPRESSIONA OS CARCEREIROS. Conhecido pela

“CPI É PARA RESPONDER À INDIGNAÇÃO, AO APARELHAMENTO DA

disciplina, José Dirceu impressiona até os mais céticos carcereiros da Papuda. Segundo relato de um deles, logo após sua prisão, em dezembro, José Dirceu se apresentou como voluntário para serviços de varrição e limpeza do pátio da prisão. “Como assim, o senhor, varrendo?”, custou a acreditar o agente penitenciário. Dirceu respondeu: “Para mim, trabalho é tudo igual”. Ganhou a vassoura.

MALHAÇÃO. Para

tentar manter o tônus muscular, o ex-ministro faz exercícios usando, como peso, uma garrafa de coca-cola que encheu de areia.

ESTATAL.” AÉCIO NEVES (PSDB), PRÉ-CANDIDATO, PEDINDO PRESSÃO NAS REDES SOCIAIS POR CPI

que lhe faz a filha mais nova, de apenas 3 anos, seu xodó. LEITURA EM DIA. Agora trabalhando na biblioteca da Papuda, José Dirceu se dedica à leitura. Já leu 21 livros, quase todos presenteados pelos advogados. SENADO APURA TORTURA A BRASILEIROS NO CHILE DE 73. A Comissão de

José Dirceu | DANIEL GUIMARÃES/FRAME/FOLHAPRESS

A FALTA QUE ELA FAZ. O ex-ministro José Dirceu somente se queixa da falta

Direitos Humanos do Senado ouvirá nesta segunda (14), às 9h, brasileiros presos e torturados no Chile, em 1973. Presidida por João Capiberibe (PSB-AP), a Subcomissão da Memória, Verdade e Justiça convidou Otto Brockes, Nielsen de Paula Pires, Tomás Togni Tarquinio e Edson Campos a reconhecer os policiais brasileiros enviados clandestinamente ao Chile para interrogá-los.

PODER SEM PUDOR

Caridade anônima O então governador de Minas, José Maria Alkmin, velha raposa política, era conhecido “mão de vaca”. Certa vez, amigos dele, bem humorados, foram procurados por uma irmã de caridade que lhes pediu doação para uma instituição de Belo Horizonte. Propuseram à irmã: - O que o governador doar em dinheiro, nós doaremos em dobro. Recebida pelo governa-

|07|◊◊

‘Favela-modelo’ falha

Política

BICO FECHADO. Dirceu não reclama das condições do cárcere nem mesmo quando é submetido a 22 horas na cela, com direito a 2 horas de banho de sol.

{BRASIL}

dor, a irmã recebeu um cheque de vultosa quantia. Ela ficou muito animada e logo ela procurou os amigos do governador que prometeram dobrar a parada. Só então notou que o cheque de Alkmin estava sem assinatura. Ela voltou ao seu gabinete: - O sr. esqueceu de assinar o cheque, governador. - Não esqueci, querida irmã. É que caridade somente faço no anonimato.

COM ANA PAULA LEITÃO E TERESA BARROS WWW.CLAUDIOHUMBERTO.COM.BR

Na primeira comunidade a receber uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora), a segurança não chega a ser um problema. Mas as queixas são muitas em outros aspectos da comunidade Santa Marta, apontada como “favela-modelo” pelo governo do Estado.

Uma das principais reclamações é o preço da conta de luz. Em dezembro, Francisco Vieira da Silva recebeu a cobrança de R$ 3.321,87, valor que Francisco não pagou. Em nota, a concessionária de eletricidade do Rio afirmou que o aumento do pre-

ço das contas se deu em função da elevação da temperatura, além do crescimento no número de eletrodomésticos adquiridos pelas famílias nos últimos anos. Outro aborrecimento é a sujeira no morro. O esgoto a céu aberto também atra-

palha a vida dos moradores. Segundo a Companhia Municipal de Limpeza Urbana, 15 garis e um agente de limpeza recolhem, diariamente, cinco toneladas de lixo despejado indevidamente na comunidade. METRO RIO


|08|

Empreendedorismo

BRUNO CAETANO BRUNO.CAETANO@METROJORNAL.COM.BR

HOBBY PROFISSIONAL A mãe do colega de trabalho faz bolos tão bons que são dignos de aplausos. Você tem uma prima especialista em salgados, sucesso total nas festas em família. Seu amigo cria estampas para camisetas como ninguém. Eles mantêm essas atividades apenas como hobby, porém todos certamente são simpáticos à hipótese de ganhar dinheiro com elas. Afinal, não são raros os casos de gente que transformou o lazer em negócio e se deu bem. Mas como fazer disso algo profissional e rentável? Primeiro, é preciso avaliar o mercado e identificar o potencial da iniciativa, oferecendo o produto a conhecidos, por exemplo, para ouvir suas opiniões. Vale deixar amostras para teste e até saber deles quanto estariam dispostos a pagar. É o momento de analisar possibilidades, fazer ajustes e desenvolver um diferencial. Percebida a aceitação, vamos ao plano de negócio, que inclui estudar quanto será preciso investir, qual o lucro, quanto tempo será exigido para a operação funcionar, qual a estratégia para entregar encomendas no prazo, cuidar da apresentação do produto (embalagem), identificar concorrentes, entre outros aspectos. Tudo deve ser colocado no papel para o empreendimento começar a tomar forma. Montar um catálogo dos produtos, confeccionar um cartão de visita, partir para a divulgação (jornal de bairro, panfletos, parceria com lojas, visitação a feiras e eventos relacionados etc) e ir a campo atrás de clientes são as ações seguintes. Ponto importante: formalização. Muitas atividades são enquadradas na categoria de Microempreendedor Individual (MEI). Além de passar a existir oficialmente, o negócio conquista credibilidade e amplia as chances de retorno. Mas há que se considerar que, conforme ganha corpo, o negócio exige mais do seu responsável, assim, ele deve aprimorar suas práticas de gestão e capacitar-se sempre. O hobby deixará de ser só lazer para virar obrigação. O empreendedor precisa estar ciente da mudança ou terá problemas. Ganhar dinheiro fazendo o que gosta é ótimo. Mas nada vem de graça. Dedicação e trabalho duro fazem parte do script. Você tem uma história de empreendedorismo para contar? Escreva para mim (bcaetano@sebraesp.com.br). Este espaço também é seu.

Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP e mestre e doutorando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. O Sebrae-SP é uma instituição dedicada a ajudar micro e pequenas empresas a se desenvolverem e se tornarem fortes. Saiba mais em www.sebraesp.com.br

Dilma culpa clima e diz que alta é ‘momentânea’ A presidente Dilma Rousseff chamou a alta da inflação registrada em março de “momentânea” e disse que o governo mantém “o olho na inflação”. Ela responsabilizou as extremas variações do clima pelos números. “Nós mantemos sistematicamente um olho e um controle na inflação, mesmo quando, devido à seca que ocorre no Sudeste e à chuva torrencial que ocorre no Norte e no Nordeste, nós tivemos impacto nos produtos alimentares”, disse Dilma na sexta-feira, em um discurso a cerimônia de inaugu-

ração de uma estação de tratamento de esgoto em Porto Alegre. “Mas é importante olhar, primeiro, que isso é momentâneo”, enfatizou a presidente. Ela também destacou que “há produtos que enquanto alguns sobem outros caem”. Dilma prometeu controlar a inflação “sistematicamente”. O grupo Alimentação e Bebidas foi o principal responsável pela alta da inflação em março, quando o (IPCA) atingiu 6,15% em 12 meses, aproximando-se cada vez mais do teto da meta do governo, de 4,5%. METRO

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{ECONOMIA}

Inflação alta deixa poupança menos atrativa

Seu bolso. Especialista mostra alternativas para quem quer diversificar investimentos e diz que Tesouro Direto é a melhor opção. Captação da caderneta cai 70% em março Com a inflação acumulada em 12 meses batendo os 6,15%, o rendimento da maioria das aplicações mais conservadoras está deixando de ser atraente para pequenos investidores. A poupança, principal opção de investimento do brasileiro, está perdendo recursos. Em março, a captação da caderneta caiu 70%. Na opinião de Amerson Magalhães, diretor da Easynvest Corretora, o investidor deve pensar além do que encontra na rede bancária. “Para o pequeno investidor, o Tesouro Direto, que pode ser uma boa alternativa”, sugere. “Ele permite ao pequeno investidor a compra de títulos de renda fixa emitidos pelo governo com as mesmas taxas e condições dos grandes investidores”. Segundo ele, com cerca

O RENDIMENTO DAS PRINCIPAIS APLICAÇÕES A P L I C AÇ ÃO

M A RÇO

-8

-6

-4

-2

0

ANO

2

8 -8

1,11 0,92 0,90 0,81 0,76 0,50 0,50

FUNDOS DE AÇÕES LIVRE IPCA FUNDOS DE RENDA FIXA FUNDOS REFERENCIADOS DI CDI POUPANÇA ANTIGA POUPANÇA NOVA OURO

6

7,04

IBOVESPA

DÓLAR COMERCIAL

4

-3,13 -4,26

-6

-4

-2

0

2

4

6

8

-2.12 -6,42 2,18 2,42 2,28 2,47 1,69 1,69 -3,51 4,42

FONTES: BANCO CENTRAL, BM&FBOVESPA, TESOURO NACIONAL E ANBIMA

de R$ 100 é possível entrar, e ter rendimento superior à poupança, com baixo risco. Apesar da perda de competitividade, a poupança continua a ser um dos investimentos favoritos dos brasileiros. Entre os paulistanos, segundo pesquisa da Federação do Comércio do

Estado de São Paulo (Fecomercio), 74,1% dizem que a caderneta representa a sua principal aplicação. “A poupança é uma boa opção de investimento mas certamente não é a mais rentável. Em um cenário de alta na inflação, a poupança fica cada vez menos

interessante”. A sugestão é comprar títulos indexados à taxa Selic. “A remuneração será a própria taxa, descontado o IR”. Magalhães calcula um retorno de 8,5%. “Se o investimento for mantido por mais de dois anos, a rentabilidade pode chegar a 9,5%”, diz. METRO

Copa pode ter série de greves Sindicatos que representam até 4 milhões de trabalhadores de setores estratégicos ameaçam greves, protestos e paralisações-surpresa durante a Copa, que começa em junho. De acordo com levantamento realizado pelo jornal “Folha de S.Paulo”, ao menos 16 categorias poderão cruzar os braços no período, para forçar negociações de aumento de salários e conquista de benefícios. Entre as categorias que ameaçam realizar greves isoladas em indústrias ou protestos em alguma das 12 cidades-sede dos jogos e que poderão ter impacto direto na infraestrutura da Copa estão as de bebidas (150 mil trabalhadores no Estado de São Paulo), hotelaria, bares e restaurantes (1,8 milhão em todo o país), aeroviários (35 mil em São Paulo), metroviários de São Paulo (9,8 mil), rodoviá-

Manifestantes diante do Mané Garrincha, em Brasília | ANDRÉ BORGES/FOLHAPRESS

rios (1,5 milhão no Estado de São Paulo), policiais federais (9 mil em todo o Brasil), taxistas (33 mil em São Paulo), ferroviários da CPTM (8 mil em

São Paulo), motoristas e cobradores de ônibus (40 mil em São Paulo) e agentes de trânsito (4,5 mil na capital). O Dieese aponta que ope-

rários de arenas da Copa tiveram 4,1% de reajuste acima da inflação em 2012, ante 3,2% na média dos demais do setor de construção. METRO


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{MUNDO}

Incêndio mata ao menos 11 no Chile

Crise. Ucrânia anuncia ofensiva contra rebeldes

Catástrofe. Cidade portuária de Valparaíso foi atingida por chamas de até 20 metros, que deixaram 5 mil pessoas feridas Um incêndio de grandes proporções em Valparaíso, cidade portuária no litoral central do Chile, deixou ao menos 11 pessoas mortas e mais de 500 casas destruídas na madrugada de ontem. As autoridades chegaram a falar em 16 mortos, mas o número foi corrigido para baixo depois. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, declarou estado de catástrofe e viajou à cidade, que fica a 120 quilômetros da capital, Santiago. Cerca de 5 mil pessoas ficaram feridas e 10 mil foram forçadas a deixar a região e levadas a abrigos ou casa de parentes, enquanto cerca de 1,2 mil bombeiros e centenas de brigadistas buscavam conter o fogo, que devastou aproximadamente 800 hectares

com chamas de até 20 metros de altura. As Forças Armadas também foram mobilizadas para ajudar na operação e na segurança dos moradores. Aviões e helicópteros foram usados para conter as chamas. O fogo começou na noite do sábado em uma zona de floresta nos arredores do porto de Valparaíso, mas o vento propagou as chamas, que atingiram seis morros ao redor da cidade e onde há moradias. Segundo a polícia local, os mortos eram, na maior parte, idosos. Ontem ao amanhecer era possível ver a destruição deixada pelo incêndio, o pior a atingir a cidade, que foi declarada patrimônio da humanidade pela Unesco.

Ricardo Bravo, chefe do governo local, disse ontem à agência de notícias Reuters que o fogo ainda não estava completamente extinto de manhã em partes mais altas da cidade. A geografia de Valparaíso, cidade formada por colinas, e o fato de muitas casas serem feitas de madeira tornaram o combate ao incêndio mais difícil. Terremoto Um tremor de magnitude 5,2 atingiu ontem as regiões de Tarapacá e Antofagasta, no norte do Chile. As áreas já tinham sido afetadas por um terremoto de magnitude 8,2 que ocorreu no começo do mês. Segundo as autoridades, não houve vítimas ou danos visíveis. METRO e agências

|09|◊◊

Chamas de até 20 metros deixaram 5 mil feridos | CESAR PINCHEIRA/REUTERS

ALESSANDRO BIANCHI/REUTERS

GIAMPIERO SPOSITO/REUTERS - ALESSANDRO BIANCHI/REUTERS

Com papa cansado, Domingo de Ramos tem ‘selfies’ e mate

Com um aspecto cansado, o papa Francisco rezou a missa do Domingo de Ramos ontem na Praça São Pedro diante de mais de 100 mil pessoas, segundo o Vaticano. Depois da cerimônia, com um sermão de improviso, o pontífice argentino tomou mate e tirou fotos com fieis. O Domingo de Ramos marca o dia em que, segundo a Bíblia, Jesus entrou em Jerusalém sob aplausos da multidão, cerca de uma semana antes do dia em que cristãos acreditam que ele ressuscitou dos mortos. O papa deve canonizar dois papas no dia 27.

O governo ucraniano disse ontem que as Forças Armadas do país devem lançar uma operação de “grande escala” contra o “terrorismo”, para combater militantes separatistas pró-Rússia. A declaração, feita pelo presidente em exercício, Oleksander Turchinov, eleva o risco de um confronto militar com Moscou. Turchinov deu prazo até hoje para que rebeldes pró-Rússia que ocupam prédios públicos em cidades no leste da Ucrânia deponham as armas. Ele acusou a Rússia de estar por trás dos levantes na região leste da Ucrânia, que tem maioria russófona. “O sangue de heróis ucranianos foi derramado na guerra que a Federação Russa está travando contra a Ucrânia”, disse Turchinov, em um pronunciamento à nação. “O agressor não parou e segue disseminando desordem no leste do país”. Ele se referia à morte de um oficial de segurança em um confronto que também deixou outros dois oficiais feridos em Slaviansk. Em nota, a chancelaria em Moscou chamou a operação militar planejada por Kiev de “ordem criminosa” e afirmou que o Ocidente deve manter sob controle seus aliados na Ucrânia. “É responsabilidade do Ocidente evitar uma guerra civil na Ucrânia”, disse o ministério. Moscou disse ainda que proporá ao Conselho de Segurança da ONU uma “discussão urgente” sobre o assunto. METRO E AGÊNCIAS


2

|10|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{CULTURA}

CULTURA

Longa revela ‘lado B’ de Julian Assange Benedict Cumberbatch (esq.) vive o ciberativista, que se alia a Daniel (Daniel Brühl, de vermelho) em um momento crucial para o WikiLeaks

| DIVULGAÇÃO

Cinema. Fundador do WikiLeaks – site que ganhou fama ao revelar arquivos secretos – se opôs ao lançamento da polêmica biografia ‘O Quinto Poder’, que chegou ao Brasil direto para locação após ter fracassado nas bilheterias dos EUA Show

Maria Rita em novo CD

Sete anos depois de “Samba Meu”, Maria Rita volta ao gênero no CD “Coração a Batucar”. A nova turnê chega a Porto Alegre no dia 9 de maio, com apresentação no Teatro Sesi. Ingressos à venda nas lojas Multisom, de R$ 95 a R$ 180.

Não é segredo que Julian Assange não ficou nada animado com “O Quinto Poder”, em que Benedict Cumberbatch, (estrela da série britânica “Sherlock”) encarna o combativo fundador do WikiLeaks. O site, que ganhou fama ao revelar arquivos secretos do governo americano, chegou a publicar uma troca de e-mails entre os dois. O ator queria um encontro com o ciberativista, que foi rebatido por um pedido para que ele não fizesse o filme. “Isso era meio espe-

rado, os argumentos de-

“Chegamos a um ponto em que tudo parecia certo, com a certeza de que cada voz havia sido ouvida.” BILL CONDON, DIRETOR, SOBRE O EQUILÍBRIO BUSCADO PARA JULIAN ASSANGE NO FILME

le eram muito fortes. Mas eu também tinha contraargumentos”, diz o ator. “Adoraria tê-lo encontrado. Penso como qualquer artista: estar frente a frente com o indivíduo vivo é muito mais produ-

tivo e informativo do que trabalhar a partir de uma fotografia”, acrescenta. “Infelizmente não tive a chance de fazê-lo. Respeito seu ponto de vista, mas fundamentei em meu e-mail que havia bastante o que celebrar em nossa versão da história, porque ela traz de volta o foco das atenções para a importância do WikiLeaks enquanto ideia.” Cumberbatch decidiu ir adiante mesmo com a desaprovação de Assange, que profetizou – corretamente – o fiasco do longa

nas bilheterias pelo mundo. O filme somou apenas US$ 8,5 milhões. A relutância do ciberativista se deve ao fato de o filme narrar os momentos pré-estouro do WikiLeaks, em 2010, a partir do ponto de vista de Daniel Domscheit-Berg (Daniel Brühl), que trabalhou ao lado de Assange e rachou com ele por discordar de sua postura sobre a divulgação de dados sigilosos. O retrato mostra um homem solitário, egocêntrico e megalômano, mas ainda assim admirável.

Para Brühl, a discussão sobre o acesso à informação é essencial para os dias de hoje. “Estamos apenas no início de tudo. Os governos e as empresas precisam aprender a lidar com isso. Estamos mergulhados em informação de forma exagerada e errada. É preciso canalizar ou filtrar isso, senão teremos grandes conflitos no futuro”, conclui ele. NED EHRBAR METRO INTERNACIONAL


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

CULTURA

Artista retrata

|11|◊◊

No Piola. Após expor em Barcelona, Giló Silvatti disseca expressões humanas em exposição que chega hoje ao Cambuí

as faces da emoção em mostra Transportar as emoções humanas para os quadros é a tarefa da artista Giló Silvatti na exposição “Faces de Ti”, que aporta no bar e pizzaria Piola hoje à noite. A mostra contempla expressões e estados de espírito das pessoas com as quais a artista convive. “Há um pouco de tristeza, alegria e leveza na exposição. O que mais me encanta são os olhares. Eles interpretam tudo que se passa no coração”, explica. Analisar cuidadosamente rostos e olhares foi a

10

telas compõem ‘Faces de Ti’, que ganhou uma versão na Catalunha, onde a artista morou na década passada prioridade de Silvatti durante o período em que morou em Barcelona. Em 2008, a artista idealizou uma mostra semelhante a “Faces de Ti” na Catalunha. Para aprimorar a segunda versão, ela ob-

servou pessoas e guardou expressões de homens e mulheres na memória desde 2012. “As telas não foram nomeadas. Apenas as chamo de Elle e Ella. Assim, cada um encontrará nelas o seu olhar, o seu sorriso”, acrescenta. Dez telas fazem parte da mostra que estará à disposição do público no Piola de hoje até o dia 5 de maio. De acordo com a artista, os quadros podem ser adquiridos no local. Os valores das obras não foram divulgados.

Tony Tornado confirma presença na Virada A organização da edição deste ano da Virada Cultural anunciou as atrações que comparecerão ao palco da Estação Cultura nos dias 31 de maio e 1º de junho. Figura importante da história da música negra nacional, o cantor Tony Tornado traz o seu suingue a Campinas no primeiro dia da festa, que também terá o samba de Tatiana Rocha, Carol Ladeira e Leci Brandão. Andreia Preta, intérprete de ritmos brasileiros, completa a programação. O segundo dia será marcado pela variedade musical. Além de Chico César, conhecido por ‘Mama Africa’, o rock da banda Hos Tio, o pop de Carina Mennitto e o jazz de Alexandre Cunha conduzem o evento. | DIVULGAÇÃO

“O que mais me encanta são os olhares. Eles interpretam tudo” GILÓ SILVATTI, ARTISTA

Pinturas ganharam apenas duas nomenclaturas: ‘Elle’ e ‘Ella’ | DIVULGAÇÃO

Um coquetel de abertura está programado para as 19h de hoje. O Piola está localizado na rua Ferreira Penteado, 1463, no Cambuí. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone da casa (3251-1119). METRO CAMPINAS


|12|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{VARIEDADES} Os invasores

Leitor fala

Dengue

CIRO & BERNARDO

ALCKMIN! A COPA DO IMUNDO É NOSSA!

Cruzadas

Se cada mentira utilizada para enganar a população fosse punida com um dia de cadeia, políticos como o petista André Vargas dificilmente escapariam da prisão perpétua. Mas, infelizmente, o Brasil é um país subdesenvolvido e desenvolvido na corrupção de todos os partidos.

E atenção! RACIONAMENTO DE ÁGUA! O Alckmin está com três problemas graves: falta de cabelo, falta de carisma e falta d’água! Mas, em compensação, ele vai lançar dois eventos trepidantes: SP Fashion Torneira e a Copa do Imundo! A COPA DO IMUNDO É NOSSA! E já imaginou o Cristiano Ronaldo sem poder lavar o cabelo na Copa? ELE VAI SE MATAR! E acredite se quiser! Sabe como chama a presidente da Sabesp? Dilma Pena. O quêêê? Outra Dilma?! Deus, tenha pena de nós!

ROGÉRIO BUARQUE – CAMPINAS, SP

Paulínia Milton Serafim e o prefeito de Paulínia não são farinha do mesmo saco? Até quando essas cidades vão ser tratadas dessa maneira.

PETROBRAS URGENTE! Amanhã a Graça Foster vai depor no Senado! Imagine o diálogo! “Quem aprovou a compra da refinaria?” “Foi o Noé.” “Que Noé?” “Noé da sua conta!” Kkk! E o caso André Vargas e o doleiro? O Vargas emprestou o jatinho do doleiro. Agora só falta a Dilma emprestar a vassoura da Graça Foster. E sair voando! É a famosa dupla Derruba Pingolim! A Graça e a Nem de Graça!

LUIZ CARLOS LOPES – CAMPINAS, SP

Metro Pergunta

Você tem notado o mau cheiro na região central de Campinas?

E olha que charge boa! Um cara foi procurar emprego em Brasília e deu de cara com a placa: “Pra honesto não há Vargas.” E atenção! Exclusivo! Mais uma pesquisa bombástica do Ipea! Pesquisa do Ipea afirma que 65% das mulheres que casam mudam de signo. Antes de casar a mulher é Virgem, e depois que casa vira Touro! Taí uma pesquisa honesta!

Siga o Metro no Twitter: @Jornal_MetroCPS

@mjcastilho

Sudoku

Sim. Entretanto, não há nenhuma política pública efetiva em nosso município de reinserção dos moradores de rua. @vipurgato

Tenho. O mau cheiro tem sido uma das marcas registradas da região nos últimos tempos. É uma pena. Torço para que isso acabe.

E pra terminar, duas manchetes do Jornal dos Dois Echás! 1) Homem entra no banco ouvindo Iron Maiden e é barrado no detector de Metal. 2) César Tralli de patins ultrapassa Massa e vence o GP da Malásia! Por falar nisso, eu tava seguindo o Felipe Massa no Twitter, mas ultrapassei! Kkk!

@MaranhaoAntonio

A Prefeitura de Campinas precisa tomar cuidado com essa questão. Isso prejudica muito um local tão importante para a cidade.

Por hoje é só! Ciro Botelho e Bernardo Penteado! Os Colunáticos! Direto da redação do Pânico na Band!

Metro web

Twitter: @ciraobotelho / @bernardpenteado

Para falar com a redação:

leitor.camp@metrojornal.com.br

Ciro Botelho e Bernardo Penteado são redatores de humor no programa ‘Pânico na Band’, autores de sátiras como ‘Video Soul’, ‘Jornal dos Dois Echás’, ‘Jô Suado’, entre outros. Juntos há dez anos na TV, lançaram os livros ‘Piadas Fantárdigas de Tiririca’ e As Melhores Piadas de Bêbado’ (ed. Matrix). Também escrevem o blog ‘Colunáticos’ no site do ‘Pânico na Band’ (paniconaband.band.uol.com.br)

Horóscopo

ANDRÉ MEIRELLES – CAMPINAS, SP

André Vargas

Bom dia, caros e baratos leitores! Tá no ar o Pânico no Jornal, o seu Prozac impresso! Manchete do dia: “Rato faminto engole o RG da Regina Casé e cospe a foto!” Hahahaha!

Por falar em honestidade, ontem eu fui na padaria e perguntei: “Moça, essa coxinha é de hoje?” “Não, é de ontem.” “E esse pastel, é de hoje?” “Não, é de ontem.” “Pô, como eu faço pra comer alguma coisa de hoje?” “VEM AMANHÃ!” Kkk!

Existe uma saída de Barão Geraldo para Paulínia – pela Avenida Santa Isabel, após a caixa d’água, praticamente uma marginal à Zeferino Vaz – que vem sendo utilizada como lixão. Lá, jogam sofás, móveis velhos, entre outros móveis. Certamente é um dos focos do mosquito em Barão Geraldo.

Participe também no Facebook:

www.facebook.com/metrojornal

www.estrelaguia.com.br

Está escrito nas estrelas

O momento é de atenção para não agir com impulso nas coisas que disser, especialmente junto aos familiares.

Período especial para uma reflexão sobre suas crenças. Bom momento para revitalizar energias, seja por sua fé, com ou sem religião.

Um aspecto tenso de Mercúrio com Júpiter – que rege seu signo – recomenda jeito e cuidado com a maneira de expor seus pensamentos.

Procure se certificar melhor de informações relacionadas ao seu trabalho ou alguma negociação para não cometer equívocos.

Há tendências para que seu senso crítico esteja acentuado, especialmente junto a amizades e pessoas que mais gosta. Seja cuidadoso.

Cuide para não deixar que assuntos antigos ou más lembranças impeçam de vivenciar momentos especiais na vida afetiva.

Planeta que rege seu signo, Mercúrio faz aspecto tenso com Júpiter, influência que pede atenção com o consumismo e assuntos supérfluos.

Propensões para repensar parcerias que envolvam trabalho e negócios. Atente-se para não perder o senso de diplomacia.

Um desejo por romper padrões ou viver mudanças será mais intenso. Só tenha cuidado para que tal conduta não afaste pessoas especiais.

Tendências a lidar com desafios no trabalho em função de padrões e costumes relacionados ao ambiente ou a mente de outras pessoas.

Um desejo por mudanças será intenso e capaz de fazer remanejar projetos. Atente-se para não radicalizar em certas relações.

A exposição de sentimentos será mais intensa. É propenso a expor algumas manias e mesmo ciúmes. Nas finanças, momento de moderação.


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

O começo do fim Estreia. Jon Hamm se prepara para dizer adeus ao publicitário Don Draper, seu personagem na premiada ‘Mad Men’. Última temporada da série chega hoje à HBO dividida em duas partes Com a estreia de “Mad Men”, sete anos atrás, a vida de Jon Hamm mudou para sempre – e ninguém tem mais ciência disso do que o próprio. A estreia da última temporada de sua jornada como Don Draper, que acontece hoje, às 21h, na HBO, tem feito o ator refletir sobre o personagem que o colocou no mapa. Sobre o que Hamm conversaria se tivesse a chance de sentar frente a frente com o misterioso executivo da publicidade que vem interpre-

tando há anos? “Acho que falaríamos sobre a vida e também sobre família. Dividiríamos experiências e eu pediria para que ele entrasse em forma”, afirma o ator. Uma das ideias dele para a despedida do papel é finalmente incorporar a pose que o tornou famoso. “Vou preparar um copo de uísque, sentar, ficar olhando para a paisagem da janela e esperar alguém tirar uma foto minha”, diz ele com uma gargalhada. “Não, não vou fazer isso. Foi uma

longa jornada. Tenho certeza que será incrivelmente difícil, mas coisas boas sempre acontecem no fim. Esse caso não é exceção”, revela. Na sétima temporada da premiada série, que será dividida em duas levas de sete episódios, encontramos mudanças na vida de Draper. Após desistir de buscar um recomeço no novo escritório de sua agência na Califórnia, ele vê sua mulher, Megan (Jessica Paré), mudar-se sozinha para perseguir a carreira de atriz.

Enquanto isso, Peggy Olson (Elisabeth Moss) precisa lidar com o afastamento de Ted Chaough (Kevin Rahm), com quem teve um affair. Para muitos fãs, a personagem de Moss é a que melhor sintetiza a transformação cultural vivida nos anos 1960 retratada pela trama, já que, ao longo da série, vemos sua evolução de secretária a publicitária de sucesso. O que será que a atriz espera do fim de Peggy? Mais do que apenas seguir os passos de Don, tor-

Elisabeth Moss e Jon Hamm se despedem dos papéis de Peggy Olson e Don Draper na sétima temporada de ‘Mad Men’ | DIVULGAÇÃO

MATTHEW WEINER O criador da série promete ao Metro Jornal que não vai baixar a guarda da qualidade de “Mad Men” nesta temporada. O que você fez para manter o alto nível de segredo em torno da série? Ajudou o fato de os críticos perceberem que o público não quer saber o que vai acontecer. A parte mais difícil é manter os convidados especiais em silêncio. Eles se empolgam muito e querem contar para todo mundo que estão no programa. Eu os ameaço, mas sem violência. O valor comercial da série es-

tá no segredo da narrativa. Você pensa sobre o destino dos personagens depois do último episódio? Não. Penso em que ponto vou deixá-los e como eles serão lembrados quando tudo acabar. E só. Você já sabe o que quer fazer em seguida? Não. Acho que saberei só um tempo depois que tudo tiver acabado. Não tiro férias há bastante tempo. Fiz um filme entre duas temporadas (“You Are Here”, sem previsão de estreia no Brasil). Se você

quer saber se vou voltar para a TV, bem, essa é uma das melhores vidas que há. Não espero algo assim de novo, mas vou adorar se acontecer. Como a série transformou a sua vida? Não posso calcular. Ela tem sido um desafio criativo para além dos meus sonhos. Pude dirigir, aprender a produzir e a lidar com negócios. Aprendi muito sobre os Estados Unidos e sobre mim mesmo. Escrevi muito disso na série, sobre as transformações que vivi. Mas não sou o Don! (risos) METRO INTERNACIONAL

ce ela. “Espero que Peggy encontre seu próprio lugar, um lugar melhor, mais feliz. Quero que ela trabalhe e seja bem sucedida, mas penso isso porque me identifico com ela. Eu quero o que ela quer”, diz. Pelo menos a atriz já garantiu algo para si diante do iminente fim. “Tem um anel que usei em todos os episódios. Vou levá-lo para casa.” NED EHRBAR METRO INTERNACIONAL

{CULTURA}

|13|◊◊

Berlim. Filme premiado exala frescor Ainda dá tempo de checar o que os alemães viram de especial em “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”. O longa de estreia de Daniel Ribeiro, que desembarcou nos cinemas brasileiros amparado por dois títulos relevantes no Festival de Berlim – o prêmio da crítica internacional e o Teddy, voltado a produções de temática gay – ainda pode ser visto no Galleria Shopping. O filme acompanha três adolescentes em fase de descobertas e conflitos. O protagonista, Leo (Ghilherme Lobo), é cego e luta para conseguir independência diante da superproteção dos pais. Ele e Giovanna (Tess Amorim) são amigos inseparáveis até a chegada de Gabriel (Fabio Audi), que desperta algo desconhecido no rapaz. Trata-se de um filme simples sobre o primeiro amor. Suas qualidades estão em exalar sensibilidade sem pieguice. “Quando estou fazendo [o filme], penso em criar um diálogo com quem está assistindo. Na forma, ele até parece simples, com uma história tradicional, sem grande ousadia. O tema é onde tento aprofundar mais para fazer as pessoas discutirem e debaterem”, afirma Ribeiro. Essas qualidades, já presentes no curta “Eu não Quero Voltar Sozinho”, que deu origem ao longa e teve 3 milhões de visualizações no YouTube, contribuíram para que o burburinho em torno da produção fosse anterior ao sucesso dela no exterior. “A gente descobriu que o filme dizia muito sobre quem estava assistindo. As pessoas se sentiram meio representadas e queriam compartilhar aquela mensagem”, disse o diretor ao Metro Jornal, logo após a premiação. METRO


3

|14|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

ESPORTE

Bicampeão. Santos vence no tempo normal, leva decisão para os pênaltis, mas sucumbe ao Ituano, novo dono do título do Campeonato Paulista

ESPORTE

Agora quem dá bola é o Ituano Capitão Josa foi o responsável por levantar a taça para o Ituano pela segunda vez na história | DANILO VERPA/FOLHAPRESS

Nessa, não

“A lista da Copa não está definida, mas todos os jogadores já estão meio cientes de quais serão os convocados. Fica para próxima” GANSO, MEIA DO SÃO PAULO, EM ENTREVISTA AO “UOL”

O surpreendente time do Ituano aprontou mais uma no Pacaembu. Depois de perder por 1 a 0 no tempo regulamentar – resultado que igualou o jogo de ida –, o Ituano derrotou o favorito Santos na decisão por pênaltis. A exemplo do que fez em 2002, levantou a taça e sagrou-se bicampeão do Campeonato Paulista. Precisando da vitória, o Santos fez desde o início o que se esperava: marcou sob pressão e partiu para cima dos visitantes. Já o Ituano tentava conter o ímpeto do Peixe, investir nos contra-ataques e, claro, abusava da catimba para o tempo passar. Com muita vontade na disputa de cada bola, somado à tensão da partida, o duelo ficou quente. Tanto que, em apenas 15 minutos de jogo, quatro lances divididos acabaram em confusão. Quando os ânimos baixaram e as equipes se preocu-

1 0 • •

(6) PÊNALTIS

(7)

Aranha; Cicinho , Neto, David e Mena; Alison, Arouca e Cícero; Geuvânio (Alan Santos), Thiago Ribeiro (Rildo) e Leandro Damião (Gabriel). Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS

Vagner; Dick, Anderson ITUANO Salles, Alemão e Dener; Josa, Paulinho (Marcinho), Jackson Caucaia e Cristian (Marcelinho); Esquerdinha e Rafael Silva (Jean Carlos). Técnico: Doriva

Gol. Cícero, aos 42 minutos do 1o tempo Arbitragem. Raphael Claus, auxiliado por Carlos Augusto Nogueira Júnior e Danilo Ricardo Simon Manis

param mais em jogar futebol, o Santos colocou mais volume de ataque. Apesar de dominar as ações ofensivas, o time da Vila Belmiro pecava na armação, lançando bolas diretas da defesa ao ataque, o que facilitava para a defesa do Ituano. A chance mais perigosa foi na bola parada. Cícero arriscou por cima da barreira, obrigando Vagner a fazer a defesa. A torcida incendiou. E o alvinegro foi no embalo. No minuto seguinte, em cabeçada à queima-roupa de Damião, o go-

leiro fez nova intervenção. Mas nada de gol. Isso até os 42, quando Alemão cometeu pênalti em Cícero. O camisa 8, que havia perdido a cobrança no primeiro jogo, desta vez mandou para o fundo das redes. Na volta do intervalo, com o placar levando para disputa de penalidades, o panorama mudou. Especialmente por parte do Ituano, que colocou a bola no chão e adotou uma postura mais ofensiva. Se o time de Itu se soltava, o Peixe não se encontrava. Apesar disso, as

defesas levavam vantagem sobre os ataques. Na melhor oportunidade, cara a cara com o goleiro, Geuvânio mandou para fora. Cícero, de cabeça, também teve a chance de anotar. O lateral Cicinho ainda foi expulso no final. O jogo ficou aberto, com chances de lado a lado, mas o resultado persistiu e a decisão foi para os penais. Para o Santos, Cícero, Alan Santos, David Braz, Gabriel, Arouca e Alison. Rildo havia perdido. Pelo Ituano, Jackson, Marcelinho, Esquerdinha, Marcinho, Jean Carlos, Dener e Josa converteram. Anderson Salles não teve sucesso. Aí brilhou a estrela do goleiro Vagner, que pegou a cobrança de Neto para decretar a vitória e o bicampeonato paulista do Ituano. WILSON DELL’ISOLA METRO SÃO PAULO

“A gente ainda não percebeu o que aconteceu. Estou atônito ainda. Mas o Ituano pode dizer que é campeão” DORIVA, TÉCNICO DO ITUANO

“Esse é um clube de guerreiros. Conseguimos a glória máxima. Estou muito feliz. Agora só quero comemorar” VAGNER, GOLEIRO DO ITUANO

Sobe e desce Como de costume, a disputa por pênaltis cria heróis e vilões. Os goleiros foram bem, cada um pegou um.

ARANHA

VAGNER

NETO

ANDERSON SALLES


CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

ESPORTE

|15|◊◊

Brasil conhece mais campeões

Estaduais. Confira outras torcidas que soltaram o grito ontem

Paulista

Capivariano é o campeão da A2

Não foi apenas em São Paulo que houve decisão de título, que acabou com o Ituano. No Rio de Janeiro, o Flamengo foi campeão após arrancar o empate por 1 a 1 com o Vasco no último minuto, com gol irregular de Márcio Araújo. O Inter foi outro que soltou o grito depois de golear o rival Grêmio por 4 a 1. Em Belo Horizonte, o Cruzeiro segurou o 0 a 0 contra o Atlético-MG e, com a vantagem do primeiro jogo, sagrou-se campeão. No goiano, o Atlético-GO bateu o Goiás por 1 a 0 e ficou com o caneco. Já o Bahia ficou no 2 a 2 com o Vitória e foi campeão. Assim como o Figueirense, que bateu o Joiville por 2 a 1 em Santa Catarina. O mesmo aconteceu no paranaense: após empate por 1 a 1, o Londrina derrotou o Maringá nos pênaltis.

O Capivariano comemorou o título da Série A2 no sábado, vencendo a Itapirense por 3 a 1, em casa, no Estádio Carlos Conalghi, na última rodada da competição. A conquista veio somente no final do segundo tempo, quando Georginho e Rodolfo marcaram os gols. METRO CAMPINAS

Parabéns!

Red Bull também ascende à A1 O Red Bull se sagrou como o vice-campeão da Série A2 ao chegar aos 40 pontos, ao vencer, de virada, por 2 a 1, o Grêmio Barueri no sábado. São Bento e Marília foram as outras duas equipes que também subiram, após vencerem as partidas também no sábado passado. O Guarani fechou a participação no torneio perdendo do Rio Branco, por 3 a 2. METRO CAMPINAS

METRO

Com gol aos 45’ do segundo tempo, Flamengo fatura a taça Expulsões, pênalti, chuva de cartões amarelos e gol decisivo aos 45’ marcaram o empate em 1 a 1 entre Flamengo e Vasco.

Cruzeiro empata e leva o título mineiro invicto O Cruzeiro sagrou-se o campeão mineiro ao segurar o empate em 0 a 0 com o Atlético-MG. A equipe celeste fechou o campeonato invicta.

Como era esperado...

Inter é tetra com goleada sobre o Grêmio Para os gremistas será difícil esquecer. A partida final foi marcada pela goleada de 4 a 1 do Internacional, com direito a ‘olé’ da torcida.

Vadão sai e Dado Cavalcanti é o novo técnico da Macaca Vadão pediu demissão no início da noite de ontem e Dado Cavalcanti já foi anunciado na sequência como o novo técnico da Ponte Preta. A apresentação oficial está marcada para a manhã de hoje, no Majestoso. À tarde, ele já participa do treinamento da Macaca para a estreia na Série B do Campeonato Brasileiro. METRO CAMPINAS


|16|

CAMPINAS, SEGUNDA-FEIRA, 14 DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

ESPORTE

Timão espera aval dos Bombeiros Arena São Paulo. Após apresentação do novo projeto de segurança para o Itaquerão, Corinthians e Odebrecht esperam aprovação O novo projeto de segurança apresentado pela construtora Odebrecht para a Arena Corinthians está nas mãos do Corpo de Bombeiros de São Paulo. Após análise, o órgão solicitou mudanças para adequar o projeto ao que prega a legislação estadual. Ao “Globoesporte.com”, a construtora afirmou que as reformulações já foram providenciadas. No início de abril, o Corpo de Bombeiros apresentou um relatório com irregularidades do estádio de Itaquera, que será palco do jogo de abertura da Copa do Mundo, dia 12 de junho. Neste momento, a principal pendência é o sistema de controle de extração de fumaça do estádio,

Obras da arena estão 98% concluídas | ANTONIO MIOTTO/FOTOARENA

que precisará passar por mudanças. Segundo o jornal “Folha de S. Paulo”, haverá um evento no próximo dia 23, com a presença da presidente Dilma Rousseff. Um dia antes, o secretário-ge-

ral da Fifa, Jérôme Valcke, deve fazer uma visita à arena corintiana. Para amanhã, está agendada a cerimônia da entrega simbólica das chaves ao clube por parte da construtora Odebecht. METRO

O QUE ROLOU NAS COPAS

SERGIO PATRICK DA RÁDIO BANDEIRANTES

AM 840 / FM 90,9

ITÁLIA IMPROVÁVEL O futebol italiano vivia um momento difícil em 1982. Os clubes do país não conquistavam o título europeu desde 1969 e o futebol local estava afundado em um escândalo de armação de resultados. Para a Copa da Espanha, davam esperança a boa campanha da azzurra quatro anos antes, na Argentina, e a boa qualidade daquela geração. Rápido e oportunista, o atacante Paolo Rossi, que retornava de uma suspensão de dois anos por estar envolvido no escândalo, passou em branco nos primeiros quatro jogos. O técnico Enzo Bearzot insistiu em Rossi e foi recompensado. Primeiro, o jogo memorável contra o Brasil, marcando os três golsda vitória por 3x2. Mais dois na semi contra a Polônia e um na decisão contra a Alemanha Ocidental, para ser artilhei-

ro e craque da Copa. Aos 40 anos, o capitão Dino Zoff levantou a taça que fazia a Itália se igualar ao Brasil com três títulos mundiais.

ADOLESCENTE EM CAMPO Aos 17 anos e 41 dias, o norte-irlandês Norman Whiteside superou Pelé como o mais jovem a atuar em Copas. E a Irlanda do Norte surpreendeu ao derrotar a dona da casa, Espanha, por 1x0 e chegar à segunda fase. O meia jogaria ainda a Copa de 86, no México, e faria carreira no Manchester United. O torneio

for ampliado para 24 times, com cinco estreantes (Argélia, Camarões, Honduras, Kwait e Nova Zelândia) e aumentou o caminho para a taça para sete jogos. El Salvador tomou da Hungria a maior goleada em copas: 10 a 1. Na primeira decisão por pênaltis da história dos mundiais, a Alemanha Ocidental eliminou a França e foi à final.

BRASIL MÁGICO Quem viu a seleção de Telê Santana com os craques Zico, Falcão e Sócrates derrotar a União Soviética, golear a Escócia e a Nova Zelândia e passar pela Argentina, viveu a expectativa do tetra. O time era excelente, mas parou na Itália antes da semi. E deixou a marca de uma derrota quase tão dolorosa quanto o Maracanazo de 1950.

Colaborou Leandro Quesada, da Rádio Bandeirantes. Sergio Patrick é apresentador da Rádio Bandeirantes, que comanda a Cadeia Verde e Amarela das rádios do Grupo Bandeirantes nas transmissões da Copa do Mundo. A coluna O QUE ROLOU NAS COPAS traz histórias e personagens de todos os mundiais. Envie sua sugestão para spatrick@band.com.br .

20140414_br_metro campinas  
Advertisement