Page 1

O Jornal Metro é impresso em papel certificado FSC, com garantia de manejo florestal responsável, pelo Grupo Sinos S/A.

‘SE QUER MUDAR, NÃO PODE SEGUIR FAZENDO A MESMA COISA’ JOSÉ ‘PEPE’ MUJICA, PRESIDENTE DO URUGUAI, EM ENTREVISTA EXCLUSIVA AO CANAL LIVRE, DA BAND

PÁG. 10

PORTO ALEGRE BOLSA SOBE 7,4% EM Terça-feira, 1º de abril de 2014 Edição nº 598, ano 3 MÍN: 22°C MÁX: 28°C

www.readmetro.com | leitor.poa@metrojornal.com.br | www.facebook.com/metrojornal | @jornal_metropoa

MARÇO E SUPERA TODOS OS OUTROS INVESTIMENTOS PÁG. 08

QUATRO RODADAS

DO BRASILEIRÃO ESTÃO INDEFINIDAS DEVIDO A FIFA PÁG. 14

a

Dilma quer 2 ponte do Guaíba pronta em 2017 Momento aguardado. Presidente assina, em Brasília, contrato para construção da travessia que ligará Porto Alegre ao restante do Estado com investimento de R$ 649 milhões. Governo começa a cadastrar famílias que serão transferidas devido aos trabalhos PÁG. 04

DRAMA SEM FIM

Familiares de desaparecidos buscam respostas 50 anos depois do golpe, que é lembrado na capital e no país PÁGS. 02, 03 E 07

Corpo estava em sacos de lixo | BAND TV/REPRODUÇÃO

Um crime que intriga a Polícia Civil Homem de 25 anos foi localizado esquartejado em contêineres no centro de Porto Alegre PÁG. 06

RECICLE A INFORMAÇÃO: PASSE ESTE JORNAL PARA OUTRO LEITOR

Transporte tem primeira licitação em 94 anos Sem saber o que aconteceu com Eurico, que desapareceu em 1972 e só teve o corpo localizado sete anos depois, Suzana Lisbôa mantém acesa sua luta | GABRIELA DI BELLA/METRO

EPTC recebe em junho propostas de consórcios interessados em operar os ônibus a partir de 2015 PÁG. 04


|02|

1

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{FOCO}

Data para nĂŁo esquecer Ditadura. No dia que completou 50 anos do golpe militar, Porto Alegre parou para homenagear alguns de seus sobreviventes e repensar o passado. Atividades foram elaboradas na UFRGS, Assembleia Legislativa e Ajuris

FOCO

â€œĂ‰ fantĂĄstico o que estĂĄ acontecendo aqui hoje (SalĂŁo de Atos da UFRGS lotado) porque falar de memĂłria tem sentido, se faz sentido no presente. É algo vivo e que tem que ter sentido para todos. É emocionante, estimulante, vibrante.â€? L&L&'( )*L&+*,T&- .,./.A&A 0.* 1O& *(EO LE&VA EM 1978 NO EPISĂ“DIO EM QUE MILITARES URUGUAIOS, COM A COLABORAĂ‡ĂƒO DE MILITARES BRASILEIROS, A SEQUESTRARAM, EM PORTO ALEGRE, DE FORMA CLANDESTINA. A OPERAĂ‡ĂƒO FOI EXEMPLO DE COOPERAĂ‡ĂƒO ENTRE OS SERVIÇOS SECRETOS DAS DITADURAS, SOB O NOME DE OPERAĂ‡ĂƒO CONDOR.

Hå 50 anos, 31 de março marcava a tomada do poder no país, o golpe militar que colocou o país em um våcuo constitucional de 21 anos. E ontem a data não passou em branco. Em Porto Alegre, atividades simultâneas com relatos de testemunhas oculares da história, seus sobreviventes e familiares foram reunidos em diferentes núcleos da cidade para que não se esqueça o que aconteceu. O ato-homenagem aos sobreviventes da ditadura

e seus familiares que lutam atÊ hoje contra a impunidade emocionou o Salão de Atos da UFRGS. A uruguaia Liliån Celiberti, sequestrada no período, na Operação Condor, foi uma das presenças do evento de ontem. Na Assembleia Legislativa, a programação se estendeu desde as 9h atÊ as 18h. Para apresentar e debater as formas de resistência ao regime militar, as questþes prÊ-golpe, a memória e o trabalho da Comissão da Verdade, passaram nomes

como o presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, uma das vozes mais ativas no Estado contra os horrores do passado. O Judiciårio tambÊm não deixou de tocar no tema. Um encontro foi promovido com os magistrados Ivo Gabriel da Cunha e Aramis Nassif que atuaram no período da ditadura. O Metro Jornal destaca alguns dos relatos espalhados ontem pela cidade. Acompanhe. METRO POA

“Olhando hoje, acho que naquele perĂ­odo a magistratura se encolheu porque era conveniente. Éramos e somos conservadores.â€?

“70% da população nasceu depois de 68. A famĂ­lia nĂŁo falou, a escola sonegou e a imprensa calou. Agora ĂŠ que estĂŁo falando.â€?

“JĂĄ que estamos aqui para refletir, temos que dizer que quando um juiz foi cassado o tribunal nĂŁo fez nada.â€?

ARAMIS NASSIF, DESEMBARGADOR APOSENTADO, DA COMISSĂƒO DA VERDADE

JAIR KRISCHKE, PRESIDENTE DO MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS

IVO GABRIEL DA CUNHA, DESEMBARGADOR APOSENTADO

“Estou admirada, encantada. HĂĄ muito tempo nĂŁo via uma manifestação tĂŁo forte como essa. Se Marighella estivesse vivo seria, para ele, um grande presente. Ele sempre foi um lutador, desde estudante. Quanto mais juntos vocĂŞs estiverem, mais cedo resolveremos os problemas do Brasil.â€? CLARA CHARF, COMPANHEIRA DE CARLOS MARIGHELLA UM DOS PRINCIPAIS ORGANIZADORES DA RESISTĂŠNCIA CONTRA O REGIME MILITAR

50 anos do Golpe

“O dia de hoje exige que lembremos e contemos o que aconteceu. Devemos isso a todos que morreram e desapareceram, aos torturados e perseguidos, a suas famĂ­lias, a todos os brasileiros.â€? DILMA ROUSSEFF, PRESIDENTE DO BRASIL

Cotaçþes Dólar +0,44% (R$ 2,26) Bovespa +1,30% (50.415 pts) Euro +0,27% (R$ 3,11) Salårio Selic (10,75% a.a.) mínimo (R$ 724)

Ex-companheira de Carlos Marighella, Clara Charf, 88 anos, foi recebida com aplausos de pĂŠ por um auditĂłrio da UFRGS com mais de 2 mil presentes | GABRIELA DI BELLA/METRO

FALE COM A REDAĂ‡ĂƒO leitor.poa@metrojornal.com.br 051/2101.0471 COMERCIAL:051/2101.0302

O jornal  circula em 24 países e tem alcance diårio superior a 20 milhþes de leitores. No Brasil, Ê uma joint venture do Grupo Bandeirantes de Comunicação e da Metro Internacional. É publicado e distribuído gratuitamente de segunda a sexta em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, ABC, Santos, Campinas e Grande Vitória, somando 510 mil exemplares diårios.

EXPEDIENTE Metro Brasil.    ClĂĄudio Costa Bianchini. (MTB: 70.145) E   Luiz Rivoiro. (MTB 21.162).      Carlos Eduardo Scappini     Sara Velloso.       Luiz Mendes Junior   !x"# Ricardo Adamo C     $ Â? Irineu Masiero. E -Ex"#  % Vitor Iwasso Metro Porto Alegre.   !x"# LuĂ­s GrisĂłlio E  !x"#:Maicon Bock (11.813 DRT/RS). Â? NathĂĄlia Halcsik Grupo Bandeirantes de Comunicação RS. -  Leonardo Meneghetti

Editado e distribuĂ­do por Metro Jornal S/A. Endereço: rua DelďŹ no Riet, 183, Santo AntĂ´nio, CEP 90660-120, Porto Alegre, RS. Tel.: (051) 2101-0302 O jornal   ĂŠ impresso no Grupo Sinos S/A. A tiragem e distribuição desta edição sĂŁo auditadas pela BDO. 40.000 exemplares


PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{FOCO}

|03|◊◊

GABRIELA DI BELLA/METRO

Cheios de ideais e na clandestinidade

SUZANA K. LISBÔA

Luiz Eurico e Suzana tinham apenas 20 e 17 anos, respectivamente, quando se casaram, em março de 1969. Jovens idealistas, resolveram entrar para a clandestinidade no final deste mesmo ano, quando Luiz Eurico ficou sabendo que havia sido condenado a seis meses de prisão. O motivo: a mobilização para reabrir o Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos, no ano anterior. O envolvimento de Luiz Eurico com a militância política vinha desde os 15 anos, quando morava em Caxias do Sul e escreveu panfletos contra o golpe de 1964. Em Porto Alegre, já na clandestinidade, ficou responsável por reestruturar a ALN (Ação Libertadora Nacional), movimento liderado por Carlos Marighella. Para isso, o casal passou dez meses em Cuba, onde aprendeu técnicas de guerrilha e se aprofundou nos

ideais de esquerda. Em 19 de agosto de 1972, Suzana foi para São Paulo. Luiz Eurico viajou alguns dias depois e o casal nunca mais se encontrou. Suzana seguiu todas as pistas possíveis, mas só encontrou o corpo do marido em meados de 1979, no cemitério de Perus, em São Paulo, enterrado com o nome de Nelson Bueno, um de seus codinomes. No inquérito policial, a data da morte foi 3 de setembro, por suicídio. A dona da pensão onde ele vivia, no bairro da Liberdade, reconheceu sua foto. O jovem gaúcho foi o primeiro desaparecido político brasileiro que teve seu corpo oficialmente reconhecido no país. Coincidentemente, foi na mesma época da votação da Lei da Anistia no Congresso, e a família usou a tribuna para denunciar os crimes da ditadura. MÔNICA KANITZ

Em 1972, Luiz Eurico Lisbôa, então um jovem militante da ALN, desapareceu. Foi encontrado sete anos depois, no cemitério de Perus. Há 40 anos, Suzana busca saber o que aconteceu com o marido e com todos as vítimas da ditadura

‘MINHA REVOLTA CONTINUA’ Como é, atualmente, a rotina da Comissão dos Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos? Lutamos pela mesma coisa desde a época em que este grupo foi formado, em 1978, ainda na época da luta pela Anistia: queremos saber o que aconteceu com cada um dos mortos e desaparecidos, quem matou, como foi a circunstância da morte. Queremos que os corpos sejam identificados e entregues para o sepultamento, queremos a punição para quem os matou. Nada disso foi alcançado desde aqueles anos, o Estado brasileiro até hoje não fez nada... Mas e o trabalho da Comissão da Verdade? A Comissão da Verdade não busca os desaparecidos, empurra isso para a Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos. Este grupo foi criado pelo governo FHC com a Lei 9.140 e integrada ao Ministério da Justiça, fiz parte dele durante dez anos. Foi o único governo que assumiu parte dos desaparecidos, cerca de 130. E o governo Lula? No governo Lula, a comissão foi anexada à Secretaria Espe-

cial dos Direitos Humanos e deixou de ser um assunto de Estado. Quando vi que nada mais ia acontecer, saí. O governo brasileiro foi obrigado, pela Justiça, a dizer onde estão e identificar os mortos, mas o Lula sempre recorreu. A mesma sentença foi dada pela Corte Interamericana de Direitos Humano, mas o Brasil não cumpre a decisão. Existe um número certo de mortos e desaparecidos? No último dossiê chegamos a uma lista de 467. Pelo menos metade desapareceu no Araguaia, muitos outros no exterior. Os poucos corpos fomos nós, os familiares, que encontramos. Mas devem existir muitos outros... Posso dizer que eu tive a sorte de encontrar o corpo do Luiz Eurico, de poder enterrá-lo. Muitas famílias tiveram que fazer enterros simbólicos, convivem com a dúvida sobre o que realmente aconteceu há 40 anos. É isso que queremos que a Comissão da Verdade busque, pois o dossiê sobre os mortos já existe. Qual é o seu sentimento hoje, quando se lembra os 50 anos do golpe? Ainda é um sentimento de

profunda indignação e revolta. Eurico desapareceu em 1972, levei sete anos para ter a certeza de que ele estava morto e só há dois tive certeza de que ele não se matou. Um laudo pericial da Comissão da Verdade atestou que era mentira a versão de que ele teria se suicidado num quarto de pensão. A senhora nunca soube o que aconteceu realmente? Não, até hoje sonho com isso. Todos os dias, quando acordo, minha indignação se renova. É isso o que me dá força para continuar... Também me apeguei muito aos outros familiares, nos reunimos com frequência em São Paulo, participamos de várias atividades. Há pais e mães que já morreram e a lembrança deles me dá força para continuar. Vocês eram muito jovens quando entraram para a clandestinidade. O que esperavam do Brasil? A gente acreditava mesmo que poderia mudar o rumo da História. Nosso cotidiano era pesado, andávamos na rua distantes uns dos outros porque o primeiro da fila sempre podia morrer. Os militares venceram aquela guer-

ra, mas eu me sinto vitoriosa por ter sobrevivido. Tenho a cabeça erguida e posso chamar estes covardes de torturadores e assassinos. O que vocês, deste grande grupo de familiares, esperam do governo? Queremos que o Estado brasileiro venha a público e peça desculpas pelos crimes cometidos. Na semana passada, o coronel Paulo Malhães deu uma entrevista assumindo que torturou, matou, quebrou dedos, arrancou arcadas dentárias... E o Exército Brasileiro silencia diante disso, faz de conta que não é com eles. E porque a senhora acha que o governo Dilma não faz isso? Eu conheço a Dilma e sei o que ela pensa do assunto. Mas a presidenta deve estar seguindo os acordos do governo Lula, porque ele sim nos enganou. No momento em que o Lula assumiu a presidência ele optou por defender os militares. O Lula nunca nos recebeu para conversar. MÔNICA KANITZ METRO PORTO ALEGRE

Homenagem aos 10 anos da morte do militante | GABRIELA DI BELLA/METRO

Leis buscam Dossiê reúne verdades e mais de 400 fatos da época desaparecidos A Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos políticos foi criada em 1995, pela Lei 9.140, e reconheceu oficialmente os desaparecidos políticos no período de 1961 a 1988. No governo FHC ficou ligada ao Ministério da Justiça e, em 2003, foi transferida para a Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Antes disso, às vésperas da promulgação da Lei da Anistia, os familiares já se organizavam e pediam reconhecimento à sua comissão que unia forças em busca de informações e investigações extraoficiais. Já a Comissão Nacional da Verdade foi criada em 2011 pela Lei 12.528 e tem por finalidade apurar violações graves de Direitos Humanos. MÔNICA KANITZ

Em quase 800 páginas, o “Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil – 1964-1985” (lançamento da Imprensa Oficial, de São Paulo) reúne informações detalhadas sobre as 436 vítimas da ditadura militar. São histórias reais, a maioria de jovens, que ainda aguardam uma explicação e um final – a maioria ainda segue desaparecida. O livro também apresenta um capítulo detalhado sobre as ações e os episódios que buscam esclarecer os fatos, como a promulgação da Lei da Anistia, em 1979; as investigações sobre as valas clandestinas, onde vários corpos foram descobertos; os episódios do Araguaia; e mobilização da sociedade civil em comissões. MÔNICA KANITZ


|04|

94 anos. Transporte tem primeira licitação Pela primeira vez desde 1920, quando foi autorizada a circulação de ônibus em Porto Alegre, a prefeitura lançou ontem um edital de licitação para esse tipo de transporte. As empresas interessadas no serviço devem apresentar propostas em 3 de junho. No edital, a cidade foi dividida em três áreas: Norte/Nordeste, Leste/Sudeste e Sul. Cada consórcio poderá apresentar propostas para mais de uma área, mas, se vencer em duas, será declarado vencedor na disputa em que tiver maior diferença para o segundo colocado. O principal critério da disputa é o valor da tarifa oferecida pela empresa. O valor máximo varia de R$ 2,93 a R$ 2,95. Apesar disso, a cidade continuará tendo um valor único de passagem. O diretor-presidente da EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação), Vanderlei Cappellari, disse que serão 60 dias de análise, após a abertura das propostas, para a declaração dos vencedores. Com isso, a expectativa é de que as novas empresas assumam o transporte no primeiro semestre de 2015. METRO POA Saiba mais Confira detalhes da licitação dos ônibus: Á ea Porto Alegre foi dividida em três bacias operacionais: Norte/Nordeste, Leste/Sudeste e Sul. Pe d A concessão será por 20 anos, sem prorrogação. A c dici ad Na largada, as novas empresas terão de ter 25% da frota com ar. wA cada ano, o incremento tem de ser de 15%, até chegar ao 100% no quinto ano.

Segunda ponte deve ficar pronta em 2017 Momento aguardado. Presidente Dilma assina, em Brasília, contrato para construção de nova travessia sobre o Guaíba, em Porto Alegre. Obra esperada há mais de duas décadas terá um investimento de R$ 649,6 milhões

Dilma com José Fortunati, Tarso Genro e Jairo Jorge (da esq. para dir.), em Brasília | ROBERTO STUCKERT FILHO/PR

Números Saiba mais sobre a obra:

(3,6 metros cada).

E e ã A ponte terá 1,9 km de extensão. Contando com viadutos e acessos, serão construídos 7,3 km.

Di e e A travessia terá 28 metros de largura, com 36 metros de altura em relação às águas.

Fai a Serão duas faixas de circulação em cada sentido

I e i e R$ 649,6 milhões do governo federal. A obra

Olhar crítico

DIEGO CASAGRANDE DIEGO.CASAGRANDE @METROJORNAL.COM.BR

Idade da f a Na média, não pode superar 4,6 anos. Todo novo veículo tem de ser adaptado a pessoas com deficiência. Mai a agei Companhias terão premiação quando agregarem novos passageiros pagantes.

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{FOCO}

Diego Casagrande é jornalista profissional diplomado desde 1993. Apresenta os programas BandNews Porto Alegre 1a Edição, às 9h, e Ciranda da Cidade, na Band AM 640, às 14h.

será executada pelo consórcio formado pelas empresas Queiroz Galvão e EGT Engenharia.

GOLPE DE 1964, 50 ANOS DEPOIS Entre 31 de março e 1º de abril de 1964 os militares brasileiros entraram em cena. Incitados por parcela significativa da população civil, estavam preparados para um confronto que não houve. Queriam impedir uma ditadura comunista/socialista à imagem e semelhança de Cuba e URSS ou, na melhor das hipóteses, impedir uma ditadura populista com inspiração em regimes totalitários de esquerda. E conseguiram. O mundo era bem menos plural e estava dividido entre as doutrinas de americanos e russos, países com vocação imperialista. Naquela época era pender para um lado ou outro e, infelizmente, as coisas radicalizaram por aqui. Também lamento que existissem apenas duas opções, mas é isso. Os militares que lideraram o golpe não eram extraterrestres desalmados que caíram de paraquedas sem nenhum vínculo com o Brasil ou com os cidadãos brasileiros. Eram homens que tiveram amplo apoio da sociedade civil, desejosa de frear a guinada à extrema esquerda que o país estava dando. E estava, mesmo que, por razões ideológicas, seu profes-

Ao assinar ontem o contrato com o consórcio que irá elaborar o projeto básico e construir a segunda ponte do Guaíba, a presidente Dilma Rousseff afirmou que quer a obra concluída em três anos, embora o contrato preveja no mínimo três anos e meio de prazo. Ela destacou que conhece a necessidade urgente de uma travessia por ser moradora de Porto Alegre. “Há sempre um ou outro compromisso que acaba ganhando peso significativo na nossa agenda. Na minha, adquiriu peso significativo a segunda ponte do Guaíba, pela importância dessa ponte para a população do Rio Grande do Sul, para o desenvolvimento do Estado e para a qualidade de vida dos porto-alegrenses e integrantes de toda a região metropolitana, e por ser uma demanda histórica de mais de 20 anos”, afirmou, em Brasília, ao lado governador Tarso Genro, do prefeito da capital, José Fortunati, e do de Canoas, Jairo Jorge. A obra envolve um total de 7,3 km de extensão, incluindo a ponte e acessos. A execução será feita pelo consórcio formado pela Queiroz Galvão e EGT

Engenharia pelo valor de R$ 649,6 milhões (26% a menos do que o previsto inicialmente). A expectativa é gerar 1,1 mil empregos. Por dia, devem passar pela nova ponte 50 mil veículos. A ponte atual é de 1958 e, periodicamente, registra problemas de congestionamento devido ao içamento do vão móvel. A futura ponte não precisará ser levantada para a passagem de navios por ser mais alta Licença e transferências Para o início da obra, o governo federal ainda depende de uma licença a ser concedida pela Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental). O governador Tarso disse que a liberação será agilizada. Além disso, os responsáveis pela obra começarão a “construir as vigas de sustentação da nova ponte para adiantar o serviço”, segundo o Dnit. Nos próximos dias, deve ter início o cadastro das 850 famílias que terão de ser realocadas para a construção da nova ponte nas vilas Tio Zeca e Areia e da Ilha Grande dos Marinheiros. Na ilha, o traçado da ponte passa sobre o galpão de reciclagem de lixo, que terá de ser transferido. METRO POA

sor de história não tenha lhe contado. Exemplos não faltam. Quando o presidente João Goulart radicalizou tentando obter do Congresso o Estado de Sítio – carta branca para cassar direitos políticos e patentes – e incitou a quebra da hierarquia militar junto aos sargentos, acendeu a luz vermelha. Para ficar apenas nestes dois fatos. A desordem estava instalada. Por nossa brasilidade e características únicas, o comunismo por aqui teria suas idiossincrasias e talvez nunca fosse ostentar a foice e o martelo. Talvez. Mas por acaso hoje o governo ditatorial da Venezuela ostenta tais símbolos? Cuba havia caído nas mãos de Fidel e Che Guevara que fuzilavam pessoas a torto e a direito. A ditadura cubana matou mais de 15 mil. A influência soviética era inegável e havia um clima de conspiração e insubordinação no ar. Por isso nomes importantes da época abraçaram a causa. Juscelino Kubitschek, Magalhães Pinto, Carlos Lacerda, Ulisses Guimarães, Carlos Heitor Cony, Alberto Dines, Antonio Callado, Rubem Braga e Carlos Drummond de Andrade são apenas alguns. Muitos depois se arrependeram, mas não havia volta. Os militares não fizeram as prometidas eleições, veio o AI-5, a luta armada, a infâmia da tortura e 21 anos de governo autoritário. Hoje temos democracia, mas ela ainda tem inimigos. Que possamos protegê-la e melhorá-la. Não há outro caminho.


|06|

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{FOCO

Aprovado. Corredor Parque do Gasômetro será dividido em duas partes A criação do Corredor Parque do Gasômetro foi aprovada na tarde de ontem pela Câmara Municipal de Porto Alegre. A votação, no entanto, definiu o parque em duas áreas distintas (como mostra o infográfico acima) e não em uma área unificada com rebaixamento da pista da avenida João Goulart, como previam as emendas aprovadas na revisão do Plano Diretor, em 2009. Pela proposta, a primeira área do parque compreende o Museu do Trabalho e seu entorno, a praça Brigadeiro Sampaio, junto à Rua dos Andradas, a avenida Siqueira

Campos, a rua General Portinho e a avenida Presidente João Goulart. Na segunda, na região da praça Júlio Mesquita, o alcance chega à avenida Siqueira Campos, rua Vasco Alves, rua Washington Luiz, avenida Presidente João Goulart, rua General Salustiano, avenida Loureiro da Silva e Usina do Gasômetro. A emenda que proíbe o estacionamento na praça Júlio Mesquita foi aprovada. Já a proposta de integração das praças e da orla através do rebaixamento da avenida João Goulart foi rejeitada. METRO POA

O CORREDOR PARQUE DO GASÔMETRO Joã oG oul art

huelo r. Riac

PRAÇA BRIG. SAMPAIO

Alves

PRAÇA JÚLIO MESQUITA

o embr e Set r. 7 d adas Andr r. dos

co ral Vas r. Gene

USINA DO GASÔMETRO

av. P resi den te

A área total do parque compreenderá as praças Brigadeiro Sampaio e Júlio Mesquita até a rua Vasco Alves

ue de r. Duq

s Caxia

r. Demétrio Ri beiro r. Washington Luiz

av. L ourei ro da Silva

Polícia foi acionada por volta da meia-noite de domingo | BAND TV/REPRODUÇÃO

Partes do corpo da vítima estavam em sacos de lixo | BAND TV/REPRODUÇÃO

Corpo esquartejado no centro da capital intriga Polícia Civil Mistério. Vítima foi encontrada em seis partes dentro de contêiner na avenida Alberto Bins. Ele tinha 25 anos e era de Passo Fundo. Polícia segue à procura de pistas dos responsáveis O corpo de um homem foi encontrado em seis pedaços dentro de um contêiner na avenida Alberto Bins, centro de Porto Alegre, na noite de domingo. Segundo o DML (Departamento Médico Legal), a vítima foi identificado como Valdinei Matias, de 25 anos. As causas do assassinato, porém, seguem uma incógnita para os agentes e também para a população. O homem foi encontrado por uma catadora, que reconheceu uma cabeça dentro do contêiner e acionou a polícia por volta da meia-noite. No mesmo local, próximo ao viaduto da Conceição, estavam as outras cinco partes do corpo: tronco, bra-

ços e pernas. Em outro contêiner da avenida foram encontrados ainda uma faca, um estilete e uma almofada com vestígios de sangue, que a polícia poderá apontar alguma relação com o crime apenas após os resultados dos exames de DNA. Valdinei Matias seria de Passo Fundo, interior do Estado, mas, segundo o delegado Felipe Bringhenti, da 2º Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa da capital, ainda não foi possível descobrir o que a vítima fazia em Porto Alegre. “Vamos levar a imagem dele para pessoas que residem e trabalham perto do local, para reconhecimen-

to, e esperamos que os familiares nos digam alguma coisa sobre ameaças, problemas pessoais, atividades que ele realizava e identificarmos a rotina da vítima para, posteriormente, se as imagens não revelarem, chegar até a solução do caso”, explica o delegado. As imagens das câmeras públicas e de estabelecimentos no entorno da região do contêiner ajudarão na investigação. A hipótese de relação com o tráfico de drogas não está descartada, já que a morte por esquartejamento é prática utilizada por traficantes para propagar o medo. METRO POA Mobilização

Vestibular 2015. UFRGS divulga obras obrigatórias

Últimas árvores removidas A prefeitura da capital finalizou a retirada de árvores da avenida João Goulart na manhã de ontem. Oito tipuanas e nove grandes raízes foram retiradas. As remoções fazem parte das obras de duplicação da avenida Edvaldo Pereira Paiva | GABRIELA DI BELLA/METRO

A UFRGS divulgou as leituras obrigatórias para o vestibular 2015. A novidade é a inclusão, pela primeira vez, de uma obra sonora. O álbum “Tropicália ou Panis et Circenses”, de Caetano, Gilberto Gil, Mutantes e outros compositores está entre as quatro novas obras, da relação que inclui 12 autores. São elas: “A noite das mulheres cantoras”, de Lídia Jorge; “O amor de Pedro por João”, de Tabajara Ruas; con-

tos do livro “Dançar tango em Porto Alegre”, de Sergio Faraco; “Terras do Sem Fim”, de Jorge Amado; “Boca de Ouro”, de Nelson Rodrigues; 12 contos de Murilo Rubião; “As Parceiras”, de Lya Luft; “Seleta”, de Gregório de Matos Guerra; “O Guardador de Rebanhos”, de Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa); “Memórias de um Sargento de Milícias”, de Manuel Antônio de Almeida; e “Esaú e Jacó”, de Machado de Assis. METRO POA

O crime Confira o que se sabe até o momento sobre o fato: Ide ificaçã Valdinei Matias tinha 25 anos. Ele era morador da cidade de Passo Fundo. L ca Ainda não se sabe onde o crime ocorreu. O corpo, no entanto, foi encontrado por uma catadora de papéis em um contêiner na avenida Alberto Bins, na noite de domingo. O c Estava dividido em seis partes.

CPI da Procempa

Funcionários da CEEE em greve

Relatório indicia 13 pessoas

Os servidores do quadro operacional da CEEE entraram, ontem, em greve por tempo indeterminado. A paralisação atinge 60% dos 4,5 mil funcionários. Apenas serviços emergenciais estão sendo atendidos. A paralisação ocorre devido ao descontentamento da categoria com os valores de reajuste apresentados pela empresa. METRO POA

O relatório da CPI da Procempa, que investigou possíveis irregularidades ocorridas entre os anos de 2005 a 2013, elaborado pelo vereador Nereu D’Ávila (PDT), foi aprovado por 7 a 5, ontem, na Câmara de Vereadores. Treze pessoas, entre dirigentes da companhia e donos de empresas, foram indiciadas. Caberá agora ao Ministério Público aprofundar as investigações. METRO POA


PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{BRASIL}

|07|◊◊

Governo pede desculpas por 64 Golpe de 1964. Ministro da Justiça afirma que é dever do Estado assumir responsabilidade pelos crimes cometidos durante a ditadura Cinquenta anos após o golpe militar, o governo assumiu ontem, num gesto inédito, a responsabilidade pelos crimes e atos de violência cometidos durante a ditadura no Brasil. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, usou o ato público ‘Para não repetir – 50 anos do golpe militar’, promovido pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), para fazer críticas aos antigos ocupantes do cargo que preferiram se omitir a tratar do assunto, e pediu desculpas às vítimas dos anos de chumbo.

Senado lembrou os 50 anos do golpe | GERALDO MAGELA/AGÊNCIA SENADO

“O Estado brasileiro pede desculpas por aquilo que foi feito na época da ditadura, pelas mortes, pelas torturas, pelas famílias que choraram. É algo que mostra um novo tempo, uma realidade democrática que

nós temos hoje orgulho de ter conquistado”, declarou. O governo também prestou homenagens aos mortos e desaparecidos vítimas do regime militar, entre 1964 e 1985, e falou em dívida histórica.

“O dia de hoje exige que nós lembremos e contemos o que aconteceu. Devemos isso a todos os que morreram e desapareceram, devemos aos torturados e perseguidos, devemos às suas famílias, devemos a todos os brasileiros”, declarou a presidente Dilma Rousseff. Ela afirmou ainda que ‘por 21 anos nossas instituições, nossa liberdade, nossos sonhos foram calados’, mas disse que o Brasil pode tirar lições da ditadura. “Aprendemos o valor da liberdade, o valor de um Legislativo e de um Judiciário independentes e ativos. Aprendemos o valor da liberdade de imprensa, o valor de eleger pelo voto direto e secreto de todos os brasileiros. Aprendemos o valor de ir às ruas”, disse. MARCELO FREITAS METRO BRASÍLIA

Revisão da lei de anistia terá apoio A Anistia Internacional lança hoje uma campanha virtual para coletar assinaturas à favor do pedido da revisão da Lei de Anistia no Brasil. Uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), tomada em 2010, proíbe que agentes do Estado que participaram de tortura, mortes e desaparecimento de corpos durante a ditadura se-

jam punidos. A lei foi editada em 28 de agosto de 1979, durante o regime militar. Uma reviravolta na decisão terá apoio da Subcomissão Permanente da Memória, Verdade e Justiça do Senado. “Teremos total engajamento”, afirmou o presidente do colegiado, senador João Capiberibe (PSB-AP).

50 dias A campanha intitulada ‘50 dias contra a impunidade’ vai coletar assinaturas por meio de petição eletrônica. A revisão da lei de anistia, segundo a entidade, respeitaria a decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que prevê a punição de crimes contra a humanidade cometidos durante o regime militar.

Além disso, a Anistia Internacional pede a inclusão dos crimes contra a humanidade e de guerra no direito brasileiro e apoio e desenvolvimento de políticas de memória, como a abertura de arquivos e o estabelecimento de museus, para manter presente a história das violações de direitos humanos no Brasil. METRO BRASÍLIA

Dilma manifesta apoio à jornalista A presidente Dilma Rousseff manifestou ontem solidariedade à jornalista Nana Queiroz -- que trabalha no Metro Brasília --, criadora da campanha #EuNãoMereçoSerEstuprada. Dilma afirmou que a lei e o governo estão do lado das mulheres vítimas de violência. Nana recebeu ameaças de estupro depois de lançar, na semana passada, uma campanha que mobilizou milhares de pessoas a postar fotos no Facebook contrárias ao resultado da pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), que revelou que 65,1% dos entrevistados acreditam que

as mulheres que mostram o corpo merecem ser atacadas. “O governo e a lei estão do lado de Nana Queiroz e das mulheres ameaçadas ou vítimas de violência”, afirmou Dilma, na conta pessoal no Twitter. “Nenhuma mulher merece ser vítima de violência, seja física ou sob a forma de ameaça. Organizadora do protesto, Nana Queiroz merece toda a minha solidariedade e respeito.” A jornalista agradeceu. “Cara presidenta, obrigada. Esperamos contar com seu apoio para aprovação de leis que protejam mulheres de crimes virtuais”, respondeu. METRO BRASÍLIA

Dilma se manifestou nas redes sociais | REPRODUÇÃO

Câmara e Senado discutirão a criação da CPI | ANDRESSA ANHOLETE/METRO BRASÍLIA

Pasadena. CPI da Petrobras tem dia decisivo no Congresso O governo trabalhará até o último instante para abafar a CPI da Petrobras. A estratégia é convencer senadores a retirarem as assinaturas do pedido feito pela oposição para investigar, principalmente, a polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, com um valor considerado superfaturado e com o aval da presidente Dilma Rousseff, – que na época era ministra de Minas e Energia e presidente do Conselho de Administração da estatal. O pedido de CPI contou com 28 assinaturas, mas o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) retirou o apoio deixando o requerimento com o número mínimo exigido pelo regimento do Senado. Na primeira atuação após ser anunciado novo ministro da Secretaria de Relações Institucionais, o deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), que toma posse hoje, reuniu líderes aliados na noite de ontem para preparar um plano B. Se a CPI prosperar, o

governo fará uma coleta de assinaturas para ampliar o fato determinado dos trabalhos para investigações sobre irregularidade no Porto de Suape – que atingiria o pré-candidato ao Palácio do Planalto Eduardo Campos (PSB) -- e denúncias de corrupção na Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) e no metrô de São Paulo, cujo alvo é o pré-candidato do PSDB, senador Aécio Neves (MG). A oposição vai se reunir hoje e acredita que não terá dificuldade para reunir as 171 assinaturas na Câmara e 27 no Senado. Propina A Petrobras informou ontem que não encontrou ‘fatos ou documentos que evidenciem pagamento de propina a empregados’ da empresa feita holandesa SBM Offshore. O relatório final da auditoria foi encaminhado ao Ministério Público e TCU (Tribunal de Contas da União). METRO BRASÍLIA

Mais Médicos. Cubano é encontrado morto Um cubano de 52 anos que veio para o Brasil para participar do programa Mais Médicos foi encontrado morto em um quarto do Hotel Nacional, no centro de Brasília, no início da tarde de ontem. O homem, cujo nome não foi divulgado pelo Ministério da Saúde, responsável pelo programa, tinha um lençol enrolado no pescoço e a polícia trabalha com a hipótese de suicídio. A perícia no local foi realizada no início da tarde, logo após o corpo ter sido encontrado por uma camareira do hotel. O médico não chegou a trabalhar no Brasil, pois ain-

Hotel Nacional é um dos mais tradicionais de Brasília | DIVULGAÇÃO

da participava do curso de formação oferecido aos profissionais estrangeiros. O Ministério da Saúde não informou se ele dividia o quarto. Lançado em julho de 2013, o programa Mais Médicos já selecionou 13.235 profissionais para trabalhar no Brasil, a maioria cubanos. METRO BRASÍLIA


|08|

Inflação. Mercado eleva projeção pela 4a semana Economistas de instituições financeiras elevaram pela quarta semana a projeção de inflação para este ano, a 6,30% ante 6,28%, a Selic, em 11,25% em 2014, segundo o boletim Focus, do Banco Central. Os economistas também apostaram em nova alta de 0,25 ponto percentual na Selic, atualmente em 10,75%, na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que começa hoje e termina amanhã. Sobre o crescimento da economia neste ano, medido pelo PIB (Produto Interno Bruto), a estimativa foi de 1,69%, ante 1,7%, da semana anterior. A expectativa para a cotação do dólar até o fim do ano é de R$ 2,46, contra R$ 2,49 da semana passada. Para o ano que vem, os economistas mantiveram projeção de inflação de 5,8%. A projeção da Selic foi mantida em 12%, e a do PIB também permaneceu inalterada, em 2%. A estimativa para a cotação do dólar de R$ 2,55 na última semana também foi mantida. METRO

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{ECONOMIA}

Bolsa sobe 7% e lidera ganhos no mês de março Aplicações. Ibovespa tem melhor desempenho desde janeiro de 2012. Para analistas, alta pode ser pontual. Dólar e ouro têm perdas

ao ano é estimativa para a Selic, que será definida amanhã

Com uma alta de 1,30% ontem, a Bolsa de Valores encerrou o mês de março com uma valorização de 7,4% e liderou o ranking de investimentos. O Ibovespa, principal índice do mercado de ações, teve o melhor desempenho mensal desde janeiro de 2012, fechando aos 50.576 pontos. Na outra ponta do ranking de investimentos, estão o ouro e o dólar, com quedas de 4,26% e 3,13%, respectivamente em março. No período, a estimativa para a inflação medida pelo IPCA é de 0,84%. A Bolsa foi beneficiada por um fluxo positivo de recursos, especialmente de investidores estrangeiros. Apesar de ter emendado o 11º pregão seguido de alta, os especialistas avaliam que o desempenho do mês passado não representa ainda uma recuperação. “A alta parece estar relacionada ao exagero no passado dos investidores em re-

Copa. País tem pouco a ganhar, afirma Moody’s

Crédito imobiliário tem o melhor resultado em 20 anos

A Copa do Mundo terá pouco impacto duradouro na economia brasileira, avaliou a agência de classificação de risco Moody’s. Para a agência, os setores de bebidas e alimentos, acomodação, aluguel de carro, publicidade e transmissão de TV são os que mais devem se beneficiar. Segundo a agência, os jogos gerarão apenas 0,4% de PIB adicional para o Brasil em um período de 10 anos, e os gastos com infraestrutura planejados equivalem a apenas 0,7% do total de investimento planejado para o país entre 2010 e 2014. Ainda assim, Mattos lembrou que a Copa oferece uma oportunidade de exposição na mídia mundial.

O volume de empréstimos para aquisição e construção de imóveis com recursos da poupança somou R$ 8,8 bilhões em fevereiro, melhor resultado para o mês nos últimos 20 anos, segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança). Sobre igual período do ano passado, o crescimento foi de 52%. No primeiro bimestre, foram financiados R$ 17 bilhões para aquisição e construção de imóveis, 36% mais do que em igual período de 2013. Em 12 meses, até fevereiro, o volume de empréstimos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo alcançou R$ 113,7 bilhões, estabelecendo um novo recorde.

11%

METRO

RANKING DE RENTABILIDADE >> >> >> >> >> >> >> >> >> >>

APLICAÇÃO

MARÇO

IBOVESPA FUNDOS DE AÇÕES LIVRE FUNDOS DE RENDA FIXA IPCA * FUNDOS REFERENCIADOS DI CDI POUPANÇA ANTIGA POUPANÇA NOVA DÓLAR COMERCIAL OURO

-2,12% 7,04% 1,11% -6,42% 0,90% 0,84% 0,81% 0,76% 0,50% 0,50% -3,51% -3,13% -4,26%

FONTES: BANCO CENTRAL, BM&FBOVESPA, TESOURO NACIONAL E ANBIMA

lação a todos ativos; dólar, Bolsa e juros”, diz Marcio Cardoso, sócio-diretor da Easynvest Título Corretora. No ano, o Ibovespa acumula queda de 2,12%. Para ele, a tendência ainda é de volatilidade da Bolsa neste ano, devido ao período eleitoral. No mês passado, contribuiu para o avanço da Bolsa a alta dos papéis das estatais em março a pesquisa CNI/Ibope, que mostrou que a aprovação ao governo

ANO

2,42% 2,09% 2,28% 2,47% 1,69% 1,69% 4,42%

*ESTIMATIVA DO BC

da presidente Dilma Rousseff havia caído no fim do mês. O dólar fechou o último pregão do mês com avanço de 0,44%, a R$ 2,2694 na venda. Especialistas esperam que o BC continue com suas atuações no mercado de câmbio, mas talvez um pouco mais moderadas, preocupado com o impacto do dólar mais fraco sobre as exportações. Para os analistas, o piso informal para o câmbio estaria entre R$ 2,25 ou R$ 2,30. METRO

Empréstimo com recursos da poupança soma R$ 8,8 bi | FERNANDO MORAES/FOLHAPRESS

Com relação aos financiamentos, em fevereiro foram emprestados recursos para aquisições e construções de 46,4 mil imóveis, aumento de 58% em relação ao mesmo mês do ano passado. Esse número também

foi o maior para um mês de fevereiro nos últimos 20 anos, diz a entidade. Nos primeiros dois meses de 2014, foram financiadas 86 mil unidades, 33% mais que em igual período de 2013. METRO

Tipos de golpes Os mais citados por consumidores

31% PROPAGANDA ENGANOSA

12% DIFICULDADE PARA ACIONAR A GARANTIA

21% SERVIÇO DIFERENTE DO CONTRATADO

10%

COMBUSTÍVEL ADULTERADO

Fraudes. Maioria dos consumidores já foi vítima Mais da metade (54%) dos consumidores brasileiros foram vítimas de algum tipo de fraude nos últimos doze meses, segundo pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Somente nas capitais, 5,4 milhões de brasileiros foram vítima de golpes. Segundo os pesquisadores, muitos brasileiros, mesmo sendo vítimas de golpe, não têm plena consciência de que foram enganados. Quando questionados se já foram vítimas de fato, apenas 28% disseram que sim, percentual bem menor do que o obtido, quando os pesquisadores fizeram perguntas estimulando as situações de fraude (54%). “Em muitos casos os consumidores são fraudados e acham que estão lidando com uma situação normal. Esse desconhecimento é gra-

ve, porque deixa o golpista impune, estimula novas práticas e dificulta a vida do consumidor na hora de buscar um possível ressarcimento”, diz José Vignoli, educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz, do SPC Brasil. Foram classificados 19 tipos diferentes de golpes, comumente encontrados no comércio, no setor de serviços, no sistema bancário e na internet. O mais citado foi a propaganda enganosa, com 31%, seguida pela prática de entregar um serviço diferente do que foi contratado (21%). Dificuldades de acionar a garantia após a compra de um produto e problemas com combustível adulterado aparecem na sequência, com 12% e 10% dos casos, respectivamente. Fraudes com cartão de crédito (5%) e o golpe da pirâmide financeira (5%) aparecem com percentuais menores. METRO

Energia. Banco aumenta risco de déficit neste ano O Citibank elevou de 71% para 94% o risco de déficit de energia no Brasil em 2014, com base nas estimativas de chuvas divulgadas pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) na última sexta-feira para abastecer reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste do país. O ONS estimou na sexta-feira que a vazão de chuvas em abril para os reservatórios dessa região, onde estão as mais importantes represas para abastecimento de energia do país, devem ser equivalentes a 83% da média histórica. “Se a estimativa do ONS para abril se tornar realidade, então as chuvas de maio a dezembro terão que chegar a 108% da média histórica para o Brasil evitar inteiramente a ne-

cessidade de racionamento”, escreveram os analistas Marcelo Britto, Kaique Vasconcellos e Stephen H Graham em relatório. Para os analistas, um racionamento de 5% do consumo já seria necessário e o governo federal parece estar adiando a decisão por um racionamento de energia antes das eleições, na esperança de que uma recuperação das chuvas torne a medida desnecessária. Os reservatórios das hidrelétricas da região Sudeste/Centro-Oeste estão a 36,24% de nível de armazenamento, segundo dados fechados no domingo pelo ONS. A expectativa do operador é que eles estejam a 41% após as chuvas de abril, no início de maio, informou a “Reuters”. METRO


PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{MUNDO}

Crimeia recebe visita surpresa de premiê russo Desafio. Viagem de Medvedev ocorre apenas horas após encontro entre Washington e Moscou e irrita Kiev e o Ocidente O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, fez uma visita surpresa ontem à Crimeia, em um claro sinal de desafio de Moscou diante das sanções impostas pelo Ocidente. O premiê anunciou planos para transformar a península recém-anexada pela Rússia em uma zona econômica especial, apesar da pressão pela devolução à Ucrânia. Logo depois de pousar na principal cidade da Crimeia, Simferopol, Medvedev se reuniu com ministros que o acompanhavam, apresentando propostas para estimular a precária economia da região. “Nosso objetivo é tornar a península atraente para possíveis investidores, para que ela possa gerar renda suficiente para seu próprio desenvolvimento”, disse o premiê. Diante de bandeiras russas

em um discurso transmitido pela TV, Medvedev disse ainda que “há oportunidades” para isso e que “tudo” foi levado em consideração. A visita irritou Kiev e o Ocidente, que acusam o presidente russo, Vladimir Putin, de se apropriar ilegalmente do território após um referendo realizado no mês passado. Medvedev chegou a Simferopol horas depois de uma reunião, em Paris, entre o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e o chanceler russo, Sergei Lavrov, na noite de domingo. No encontro, Kerry reiterou que Washington considera a anexação “ilegal e ilegítima”. Deixando claro que Moscou não tem a intenção de devolver a Crimeia, o premiê apresentou medidas para elevar os salários dos 140 mil

Medvedev participa de cerimônia em Sevastopol

funcionários públicos, transformar a região em polo turístico, proteger as ligações energéticas da Rússia com a península e melhorar estradas, ferrovias e aeroportos.

| ALEXANDER ASTAFYEV/REUTERS

Também ontem, Putin telefonou para a chanceler alemã, Angela Merkel, e assegurou ter ordenado uma retirada parcial de tropas russas da fronteira leste da Ucrâ-

nia. Um porta-voz da chancelaria alemã disse também que os dois chefes de Estado “discutiram os próximos passos para estabilizar a situação na Ucrânia e na Transnístria”. Os ministros de Exteriores de Alemanha, França e Polônia sugeriram ontem a realização de uma conferência internacional sobre a crise após as eleições presidenciais na Ucrânia, previstas para maio. “Para enviar um forte sinal de apoio, consolidar os esforços internacionais e discutir reformas, sugerimos a realização de uma conferência sobre a formação de apoio, incluindo a assistência técnica para a Ucrânia após as eleições”, disseram os ministros em um comunicado, depois de uma reunião em Berlim. “Apreciaríamos muito a participação da Rússia”. METRO

|09|◊◊

Coreias

Pyongyang e Seul trocam tiros A Coreia do Norte disparou mais de 100 rodadas de artilharia em águas sul-coreanas como parte de um exercício ontem. Em resposta, Seul também fez disparos. O exercício de Pyongyang, no entanto, pareceu ser mais uma resposta à condenação da ONU aos lançamentos de foguetes na semana passada do que o início de um embate militar. METRO Aquecimento

Relatório da ONU reforça ameaças Cientistas disseram em novo relatório das Nações Unidas que o aquecimento global constitui uma crescente ameaça à saúde, às perspectivas econômicas e aos recursos hídricos e alimentares de bilhões de pessoas. “O mundo, em muitos casos, está mal preparado para os riscos decorrentes de uma mudança climática.” METRO


|10|

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{MUNDO}

BAND/DIVULGAÇÃO

Os jornalistas Fernando Mitre, Fabio Pannunzio e Ricardo Boechat, do programa Canal Livre, da Band, viajaram ao Uruguai para entrevistar o presidente do país, José Mujica, 78 anos. Eleito em 2009, “El Pepe”, como é conhecido, vive com a mulher, Lucía Topolansky, em uma casa modesta na zona rural de Montevidéu, doa maior parte do seu salário a pessoas carentes e se locomove em um Fusca 1987. Leia a seguir destaques da entrevista: A descriminalização da maconha Tudo que vínhamos fazendo não dava resultado. Havia cada vez mais consumidores e, sobretudo, muito pior, o narcotráfico, que aumenta o grau de violência e corrupção em várias esferas da sociedade. Então pensamos com aquele conselho: “Se quer mudar, não pode seguir fazendo a mesma coisa.” A desconfiança da sociedade Não acho (que pode comprometer a prática). É natural que as pessoas tenham medo. Mas não se mede a consequência de continuar com uma política que a humanidade aplica há cem anos e multiplica o preço, o grau de violência, e não estanca o vício. Não temos todas as respostas. O funcionamento do projeto Não somos defensores do consumo da maconha, somos inimigos, como somos inimigos do tabaco e do álcool. Se eu fumo um ou dois cigarros de maconha por semana, não está bem, mas é aceitável. Mas se uma pessoa começa a ficar alterada pelo consumo, precisa ser tratada. Talvez seja atendida apenas como um resto humano. A clandestinidade do consumo ajuda a incentivar as consequências negativas. O vício da maconha Não caímos na besteira de dizer que a maconha é uma droga leve. Não é. Todo vício é mau, seria melhor que não existisse. Tenho no Uruguai 150 mil consumidores, talvez 200 mil. Não quero deixá-los na clandestinidade. Queremos que o Estado intervenha para que possamos atendê-los a tempo. E queremos que seja uma experiência muito séria porque nós não temos de difundir o vício. A venda legal da maconha no Uruguai e o tráfico Nos EUA venderam abertamente em alguns Estados. Houve gente que comprou

Mujica é entrevistado em sua casa pelos jornalistas Fernando Mitre, Fabio Pannunzio e Ricardo Boechat (da esq. para a dir.)

‘P E P E ’ M U J I C A Em entrevista ao programa Canal Livre, da Band, o presidente do Uruguai fala sobre maconha, aborto, ditadura no Uruguai e prisioneiros de Guantánamo. E reconhece:

‘S O U U M L ÍDER EXÓTICO’ e foi vender onde era proibido. Nós não vamos vender aqui para que seja revendido depois no Brasil, na fronteira... (O projeto) não existe para incentivar o vício. Serão quantidades pequenas e controladas, identificadas. Vamos aplicar as mesmas leis da reserva da aplicação financeira. Hoje há farmácias que podem vender ópio e certas drogas que viciam, mas isso é controlado. Vamos usar os mesmos mecanismos de controle. Por isso precisamos de plantas clonadas, que tenham uma identidade na sua composição molecular. Os usuários da droga Vamos preservar a identidade do consumidor. Não vamos publicar no noticiário. Teremos um registro. A produção da maconha É possível que a produção seja privada mas será em áreas militares vigiadas. Não vamos plantar por todos os lados, tem que ser bem controlado. E se der errado? Teremos de mudar de política e ver por que não funcionou. Não se pode ser fanático. Temos de ter a audácia de inovar. Mas quando a

inovação está errada deve-se renovar o caminho. A regulação do sal Não colocamos sal (nas mesas dos restaurantes). Se você quer sal, pede e te trazem. Não favorecemos o consumo. Sabemos que é prejudicial. Não o proibimos, mas não favorecemos. Um país ‘de vanguarda’ O Uruguai sempre foi um país muito vanguardista. O divórcio, por desejo da mulher, se estabeleceu na década de 1910. Somos um país muito pródigo em legislação social. É um país laico, muito laico. Mas é um país pequeno. O que podemos fazer não é possível para um país com as dimensões do Brasil. O aborto Simplesmente ninguém gosta do aborto. Não somos favoráveis ao aborto. Mas acreditamos que boa parte das mulheres está sozinha. Se as deixamos sós, favorecemos sua tragédia. O primeiro atendimento é psicológico - e oferecemos todo o apoio se a mulher quiser retificar a decisão que tomou. Com isso conseguimos salvar. A política que aplicamos existe para salvar vi-

das, assegurar a vida da mãe e tratar que em muitos casos a mulher volte atrás. Se mantivéssemos como era antes, negando a realidade, as mulheres continuariam fazendo (abortos) clandestinamente em más condições. Assim elas se sentem pecadoras e não resgatamos ninguém. O que fazemos é colocar em perigo a vida da mulher, especialmente nos setores mais pobres da sociedade. A violência no Uruguai O índice de criminalidade aumentou e está muito ligado ao narcotráfico. Surgiram crimes que não existiam, como o ajuste de contas. Vemos que isso se multiplica. Isso é pior que a droga. Muito pior, porque começa a encher a sociedade de violência, estabelece o mundo do crime nas cadeias. (É) uma maneira de pensar onde se perdem todos os limites. Mesmo o mundo do crime tinha uma ética, valores, coisas que não podiam ser feitas. Com o narcotráfico é plata o plomo (dinheiro ou bala). As críticas sobre a falta de tempo e dinheiro para dar efetividade à lei

Vamos ter dificuldades, com certeza. Mas vamos tentar aproveitar os recursos que o Estado já tem. Por isso mencionei a questão militar, há terras de monte abandonadas. Nem tudo se arruma gastando. É necessário usar os meios que já temos em mãos. Já temos os funcionários públicos. Temos de aproveitar as pessoas que já estão trabalhando, com capacitação. Governo de continuidade com modificações Há um setor de economia de autogestão, gerenciada pelos próprios trabalhadores. E criamos um fundo do lucro que o maior banco do Estado tem. Uma parte tem de ir para incentivar essa atividade essencialmente. Criamos um mecanismo porque em geral as iniciativas empresariais são de pessoas que têm dinheiro. Quem não tem dinheiro não tem crédito. E se não tem empréstimo, como começam? É como a discussão de quem veio primeiro, o ovo ou a galinha. O mais difícil para os trabalhadores é aprender a ser patrão de si mesmo. Reduzir o estado paternalista. Os prisioneiros de

Guantánamo O Uruguai é filho de imigrantes. Todos nós temos um avô ou uma bisavó que veio fugido de algum lugar, por fome, guerra ou necessidade. É um país de refúgio, de refugiados que vieram com a sua dor de todas as partes. É uma barbaridade o que fizeram aí (em Guantánamo). É uma cadeia clandestina, com presos que não tiveram julgamento, nem juiz, nem defesa, nunca. (Estão presos) sem acusação há 12 anos. E não sabem o que fazer porque não querem levá-los aos EUA, certo? O mínimo que podem fazer é dizer-lhes: “Se quiserem, aqui terão um lugar para viver”. Eu morreria de vergonha se não tivesse a coragem de enfrentar o mundo porque essa é uma questão de princípios. Eu fiquei preso por uma causa, fui julgado. Um líder ‘exótico’ Sou consciente de que sou um pouco exótico no mundo que tenho de viver. As repúblicas vieram como uma negação à monarquia divina. Vieram para confirmar que somos todos iguais. Os governos tendem a viver e criar um modo de viver parecido ao modo de viver dos setores acomodados, e não da maioria da população. Tenho muito claros meus costumes, meu modo de ser. É como a maioria do meu povo. Opto por viver e gastar como eles vivem e gastam. Não preciso de mais. Não é que não tenhamos interesse. Temos interesse do coração, não do bolso. A Suíça da América Latina? Percebemos que isso seria um erro. Seria viver explorando negativamente a região. E a região é muito maior que nós. Não podemos permitir isso, viver às custas dos demais. Além disso, a Suíça pôde fazer isso (lavanderia fiscal) porque estava ao lado da França e Alemanha. Nós estamos ao lado de Argentina e Brasil, é diferente. As lições da ditadura no Uruguai Este é um dos problemas mais duros que nos deixam de herança. São dores e injustiças muito difíceis de esclarecer. Há um pacto de silêncio. Mas mesmo com essas limitações tratamos de fazer todas as investigações que pudermos. Os responsáveis foram processados e estão presos. E o Estado se responsabilizou pelo que passou. Seguimos trabalhando para esclarecer a verdade. BAND


PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{CULTURA}

|11|◊◊

Direitos humanos na arte Memória. Novo espaço cultural do Centro Histórico é dedicado aos direitos humanos. Museu abre hoje no Memorial do RS

O Memorial do RS fica no Centro Histórico | GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/METRO

Previsto inicialmente para ser inaugurado em fevereiro, o Museu dos Direitos Humanos do Mercosul abre hoje suas portas ao público. A data coincide com os 50 anos do golpe militar no Brasil, um dos períodos de maior violação aos direitos humanos de nossa história recente. “O museu foi uma solicitação de ativistas dos países do Mercosul, para preservar documentos das ditaduras, já que o Rio Grande do Sul esteve no centro da Operação Condor”, explica Márcio Tavares dos Santos, diretor do Memorial do Rio Grande do Sul. O prédio centenário, na Praça da Alfândega, também abriga o Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul, totalizando 12 milhões de documentos sobre a história do Estado. Além de passar a limpo o

período da ditadura, o novo museu (que já tem um milhão de documentos) também vai abranger outras formas de violação dos direitos humanos, como a escravidão, as ocupações de território, a perseguição aos índios e a discriminação feminina. “O museu vai articular as visões do passado olhado para o futuro. A ideia é mostrar a organização das sociedades”, acrescenta. Novos espaços O museu abre hoje com a exposição “Deus e sua Obra no Sul da América: A Experiência dos Direitos Humanos através dos Sentidos”, com obras de mais de cem artistas brasileiros e estrangeiros, entre pinturas e esculturas, além de documentos históricos. “Queremos que a História dialogue com outras linguagens, principalmente a artística”, destaca Tavares.

A abertura oficial, às 18h30, será com um shows do músicos Daniel Drexler (do Uruguai) e Ernesto Fagundes (do Rio Grande do Sul). O público também vai encontrar o Memorial do Rio Grande do Sul renovado. O amplo hall do primeiro andar, que abrigava uma linha do tempo gaúcha, agora será o principal espaço de exposições do Museu dos Direitos Humanos. Também há espaços remodelados no segundo e terceiro andares, num total de 13 galerias, que serão usados para mostras temporárias. METRO POA Para ver No Memorial do RS (Praça da Alfândega, s/nº) Abertura hoje, às 18h30 Visitação até o dia 31 de maio, com entrada franca. Tel.: 3224-7210

2 CULTURA

Michael Jackson

Novo álbum “Xscape” é o nome do disco, que terá oito faixas inéditas do cantor morto em 2009. O lançamento sai em maio pela gravadora Epic Records. As informações são da revista “Billboard”.


|12|

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{VARIEDADES} Os invasores

Achados & perdidos

Roupa curta e ataque sexual

RUBEM PENZ RUBEM.PENZ@METROJORNAL.COM.BR

U M ABELHUDO CUIDA VOCÊ Houve um tempo em que apartamento em andar alto e uma luneta – ou bom binóculo – traziam a alegria ao voyeur. A mesma condição de moradia – longe do chão – fazia a tranquilidade de quem não gosta de se preocupar em fechar as janelas. Numa situação ou em outra, paradisíacas sempre foram as coberturas dos prédios, verdadeiros observatórios para os que gostam de espiar a intimidade alheia, reduto exclusivo aos que curtem o relaxamento no vestuário. Eis que a tecnologia de imagem à distância, combinada com aeromodelismo, controle remoto e GPS, numa só tempo, dota de pontos de vista mais qualificados do que qualquer elevada observação permitiria, um cidadão que não precisa estar nem sobre o meio fio. Assim, devassam-se obstáculos outrora intransponíveis. Estou me referindo ao drone, maquininha esperta que voa silenciosamente sobre nossas cabeças e obtém enquadramentos em suaves panorâmicas ou agressivo zoom. Agora mesmo, enquanto escrevo (ou enquanto você lê), alguém pode ser nossa invasiva e ardilosa companhia. Ainda bem – para quem supostamente me vê – que estou composto. “Drone”, o nome deste robô, significa zangão (abelha macho). Excelente escolha. Primeiro, porque os masculinos são, na minha impressão, mais afeitos ao hábito de ficar espiando do que as femininas. Também o rapaz abelha não trabalha – logo, tem tempo para ficar à toa, só no bico. Por fim, este ser especializado que nasce por partenogênese (ovos não fecundados) tem sentidos aguçadíssimos de olfato e visão, localizando uma rainha virgem (leia-se “oportunidade”) a quilômetros de distância. Como se pode notar, as noções de privacidade estão de tal maneira sendo relativizadas que a sociedade do Grande Irmão já deixou de ser ficção ou entretenimento de qualidade duvidosa. Obviamente, sei que os drones que constantemente voam por aí têm fins bem mais nobres do que este que arrolo – o voyeurismo. Por exemplo, ações de guerra, espionagem e inteligência policial. Ou aplicações técnicas na agricultura, construção civil e ciência. Isso em nada o diferencia do binóculo e da luneta: antes de acabarem nas mãos dos comuns mortais, os equipamentos óticos também foram usados em combate, ciência, etc. A popularização das ferramentas tende a popularizar na mesma medida seu uso. E, no popular, olhar o que se passa na intimidade de uma mulher bonita é bastante legítimo. E agora, o que fazer? Na minha opinião, absolutamente nada, a não ser dar uma alegriazinha ao pobre coitado que se satisfaz espreitando. Recuso-me a afinar minha rotina pelo diapasão da paranoia. Quer saber: esqueçamos as persianas! É no excesso de espetáculo que mora o fim do espetáculo. Como dizia Vinícius se referindo a uma bela, ela era “tão cheia de pudor, que andava nua”. Assim seja!

Cruzadas

Sendo homem e casado há seis anos, posso afirmar que esse comportamento é típico de um ogro. As mulheres têm o direito de sentirem-se bem com qualquer tipo de roupas, com exceção das religiosas – a sensualidade do corpo é somente para o marido – considerada uma postura louvável. Mas nem por isso as outras mulheres são prostitutas. Tem algumas que até podem encaixar e querem que isso aconteça. Bem como tem mulheres com um pouco de cultura, mas nem todas são iguais. Nem um homem tem uma bola de cristal para saber que tal e tal mulher está usando roupa curta porque quer ser estuprada. Se a situação fosse invertida e as mulheres fossem mais ousadas, todos os homens que usam terno e gravata em qualquer função, ou uniforme de militar – qualquer das forças – guarda, PM, bombeiro, Exército e segurança. Esses homens estariam em perigo, pois não poderiam mais utilizar essas roupas, pois as mulheres ficariam loucas por quem passa sensação de segurança e proteção. Com terno e gravata um homem é sinal de ser bem sucedido e isso desperta algo nas mulheres. Mas esse é um assunto que os ogros não entendem. WALDOMIRO TARCÍSIO – CURITIBA, PR

Metro pergunta

Na sua opinião, o Grêmio Siga o Metro irá reverter o resultado no Twitter: no segundo jogo e se @jornal_metropoa tornar campeão gaúcho? @Gustavowlg

Sudoku

Pela qualidade técnica que o Inter apresentou será tetracampeão. @Kel_Gehm_USA

Não! @Anne_Di_Franco

Não está morto quem peleia! Apesar do foco ser outro, espero que revertam o resultado. @pierreproenca

Só se jogar bola... Aquilo domingo foi um arreganho!

Metro web Para falar com a redação:

leitor.poa@metrojornal.com.br Participe também no Facebook:

Rubem Penz é escritor, músico, publicitário, baterista e compositor. Autor de “Enquanto Tempo” e coordenador da oficina literária Santa Sede crônicas de botequim. Seu site é rubempenz.net

Horóscopo

Leitor fala

www.facebook.com/metrojornal

www.estrelaguia.com.br

Está escrito nas estrelas

Sol e Urano formam conjunção em seu signo, influência para desprender-se de padrões e para ter cuidado com ansiedade nas relações.

O Sol - regente de Leão - faz conjunção com Urano, o que aumenta um desejo para se desprender de padrões e acelerar objetivos.  

Regente de seu signo, Júpiter faz aspectos tensos com Sol e Urano, impulsionando para se desprender de tudo o que impede sua autonomia.  

Com a Lua em seu signo, cuide para não tomar decisões pela emoção em algumas responsabilidades importantes que tenha.

Fará bem buscar novos conhecimentos e informações que sejam úteis para projetos e para mudar situações que causam problemas na rotina.

O bom aspecto de Mercúrio com Saturno – regente de seu signo – favorece conversas, integração social, estudos e atividades culturais.

Regente de seu signo, Mercúrio faz bom aspecto com Saturno, apontando ótimas possibilidades para definir metas a longo prazo.

Propensões para desvendar sentimentos e obter revelações. Hora para se desvincular de lembranças negativas em seus relacionamentos.     

O Sol faz conjunção com Urano – que rege Aquário – o que despertará iniciativas diferentes para planos e fará retomar boas relações.

Júpiter em seu signo faz aspectos tensos. Atente-se para não se exceder em decisões ou agir de forma exagerada com pessoas próximas.

A Lua está em Touro, seu signo oposto, influência capaz de proporcionar maior envolvimento com assuntos de outras pessoas.

Período positivo para valorizar estudos e empenho a temas culturais que dão prazer. Procure retomar contatos com quem gosta.     


PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

Opinião

HELIO CASTRONEVES HELIO.CASTRONEVES @METROJORNAL.COM.BR

{ESPORTE}

|13|◊◊

3

“Este é o nosso melhor momento na temporada e no mês onde tudo é decidido.” DANIEL ALVES, JOGADOR DO BARCELONA

É SEMPRE BOM COMEÇAR NO PÓDIO Oi galera! Pois é, o Team Penske começou muito bem a temporada 2014 do Verizon IndyCar Series e eu assinalei o meu sexto pódio em St. Petersburg, o terceiro consecutivo. Não vou dizer para vocês que estou super feliz com o 3º lugar, afinal, meu objetivo era vencer. Mas sem dúvida foi uma maneira robusta de começar o campeonato. Eu realmente tinha chances de vencer e vou explicar. O piso ainda molhado no sábado, depois que uma tempestade atrasou o Qualifying em mais de três horas, não foi o melhor dos mundos para mim. O meu Dallara Chevrolet #3, com as cores da Hitachi, tinha andado muito bem no seco. Acabei fazendo o 10º tempo para a largada, mas isso acabou sendo um estímulo, pois largando mais atrás eu tinha de fazer uma corrida mais ofensiva desde o início. Funciona mais ou menos assim. Quando a gente está largando na frente, a estratégia costuma ser mais conservadora porque o nível de risco que você está disposto a correr é pequeno. Agora, se está lá atrás, a forma de entrar na pista é mais agressiva, principalmente estando no meio do pelotão, com chances de chegar rapidamente nos ponteiros. Na primeira volta ganhei duas posições e mais duas nas seguintes. Resultado, já era o 6º na terceira volta e com o carro funcionando muito bem com pneus vermelhos (com as laterais na cor vermelha, bem entendido, né?), que são mais aderentes e rápidos, mas duram menos que os pretos. Estava uma delícia guiar o carro naquelas condições e já era líder quando parei para o primeiro pit, na volta 28. Foi aí que a gente não foi feliz. Pela estratégia da equipe eu coloquei os pretos, mas teria sido melhor repetir os vermelhos para manter o ritmo. Retomei os macios no segundo pit, que aconteceu na volta 54, e voltei a andar rápido. Entre a 65ª e 75ª voltas, derrubei a diferença para o Will Power, que já era líder, de 8s2 para 0s6. Mas aí aconteceu uma bandeira amarela e o lance mais estranho da corrida. Aproveitei para colocar outro jogo de macios e estava grudado no Will, esperando a relargada. Mas quando o pace-car saiu da frente do grupo, o Will ao em vez de acelerar deu uma desacelerada. Malandrinho ele, né? Freei forte para não bater e o efeito dominó acabou sobrando para o Marco Andretti e para o Jack Hawksworth, que bateram. Quer dizer, nem aconteceu a verde. Na outra tentativa, na volta 88, a mesma coisa. Só que o Ryan Hunter-Reay aproveitou o fato de eu ter de desacelerar e me passou. Ou seja, numa corrida que tinha tudo para ganhar, terminei em 3º. Faz parte e o importante é que começamos bem. A próxima será no dia 13 de abril, em Long Beach, outro circuito de rua dos mais legais. Forte abraço e vamos que vamos!!! Helio Castroneves, 38, nasceu em São Paulo e foi criado em Ribeirão Preto. É o piloto brasileiro com mais vitórias na Indy, com 28 conquistas, e venceu três edições da Indy 500 (2001, 2002 e 2009). Disputa em 2014 sua 17ª temporada na categoria e 15ª pelo Team Penske.

Inglaterra mostra camisa Sem inovações, a Seleção Inglesa apresentou os uniformes para a Copa do Mundo. A Nike explicou que a camisa branca homenageia a equipe que disputou o Mundial de 1970. A principal diferença para o modelo anterior está na gola: a camisa antiga tinha gola redonda e azul, enquanto a nova traz gola em “V” e branca | DIVULGAÇÃO

ESPORTE

Daniel Alves vê momento como decisivo para a temporada | ALBERT GEA/REUTERS

Momentos bem diferentes em campo Liga dos Campeões. Quartas de final começam hoje com dois jogos As quartas de final da Liga dos Campeões sempre apresentam dois grupos distintos em campo. De um lado há aqueles clubes de vida dupla, também disputando as primeiras posições dos torneios nacionais. De outro, aqueles cujo âmago do restante da temporada se apoia na competição continental, já que a campanha em seu país ficou abaixo das expectativas. Nos dois jogos de hoje, Barcelona contra Atlético de Madrid, e Manchester United e Bayern de Munique, cada confronto tem dois times em cada um dos grupos. Enroscados na briga pela liderança do Campeonato Espanhol, Barcelona e Atlético de Madrid se enfrentam na Catalunha. O clube da capital lidera a disputa local com um ponto de vantagem sobre o Barça. “Se dissermos que so-

2 clubes, Real Madrid e Atlético de Madrid, ainda não perderam nesta edição da Liga dos Campeões. mos favoritos, estaremos sendo prepotentes. Estamos aqui para competir. Será um grande confronto”, resumiu Diego Simeone, técnico do Atlético. O jogo pelo Espanhol terminou empatado por 0 a 0. “A valentia está garantida. Teremos de igualar em intensidade para competir com eles”, analisou Tata Martino, comandante do Barcelona, elogiando uma das principais características do adversário. No outro jogo do dia, dois times que não possuem mais vida dupla, mas

por motivos bem diferentes. Jogando em casa, o Machester United recebe o Bayern de Munique. Os ingleses não possuem maiores pretensões na Premier League e tentam salvar a primeira temporada sem Alex Ferguson no comando com a Liga dos Campeões. “Como jogadores, não nos vemos como azarões”, afirmou Ryan Giggis, lendário jogador do United. Os alemães foram campeões nacionais com sete rodadas de antecipação e a única preocupação na competição local é empilhar recordes. Os jogos estão programados para às 15h45 (horário de Brasília) e terão transmissão dos canais ESPN. Amanhã, o Real Madrid recebe o Borussia Dortmund,. Já o PSG enfrenta o Chelsea, em Paris. METRO POA

“Somos o Manchester United e vamos jogar em Old Trafford, vivemos grandes noites aqui.”

“Temos nossa identidade e nós vamos mantê-la e honraremos a história do nosso clube. ”

“Aceito o favoritimso, pois no ano passado o Bayern venceu tudo e já somos os campeões nacionais esse ano.”

RYAN GIGGS, JOGADOR DO UNITED

SIMEONE, TÉCNICO DO A. DE MADRID

PEP GUARDIOLA, TÉCNICO DO BAYERN

Aposentado

Héverton Pivô do caso que rebaixou a Portuguesa no último Campeonato Brasileiro, o meia Héverton anunciou ontem aposentadoria do futebol. O jogador de 28 anos defendia o Paysandu. “Ele [Héverton] me disse que não tem mais prazer em jogar futebol, em treinar. O principal motivo foi o problema que teve na Portuguesa”, explicou o presidente do clube do Pará, Vandick Lima.


|14|

PORTO ALEGRE, TERÇA-FEIRA, 1º DE ABRIL DE 2014 www.readmetro.com

{ESPORTE}

O homem que mudou o jogo

Boa atuação no Gre-Nal fará Alan Patrick virar titular do time de Abel Braga

Libertadores. Lutando contra o desgaste físico Apontado como um dos motivos para a queda de rendimento do Grêmio no clássico Gre-Nal, o cansaço físico se tornou a principal preocupação do Grêmio para enfrentar o Atlético Nacional, amanhã. O desgaste apresentado no segundo tempo foi agravado com o embarque às 6h30 de ontem para Medelín, onde ocorre o jogo pela Libertadores. “A questão física preocupa no sentido de recuperar os nossos atletas. Vamos conseguir recuperar os atletas”, garantiu o preparador físico Fábio Mahseredjian. Após o desembarque na Colômbia, os jogadores titulares treinaram na academia do hotel. Os reservas realizaram trabalho com bola. A questão física foi ressaltada pelo técnico Enderson Moreira após a derrota para o rival. O preparador

físico fez coro a opinião do treinador. “Concordo com a opinião do Enderson. Tivemos pouco tempo hábil de recuperação e poupamos os titulares poucas vezes, além de jogarmos partidas decisivas. Tivemos queda pela sequência de jogos”, justificou o preparador físico. Os titulares gremistas disputaram três partidas consecutivas antes do clássico Gre-Nal. Apesar da preocupação, a princípio, o time que jogará amanhã deverá ser o mesmo que atuou nos últimos quatro jogos. Camisa 10 Mesmo lesionado, a camisa 10, de Zé Roberto, segue sendo a mais vendida nas lojas GrêmioMania. Trinta e cinco por cento dos torcedores escolhem esse número na hora de comprar o uniforme tricolor. METRO POA

| LUCIANO LEON/FUTURA PRESS

Convencendo. Alan Patrick ganha espaço em 2014 e quer ficar no Inter também em 2015 Os dois gols da vitória colorada por 2 a 1 no Gre-Nal foram de Rafael Moura, mas a troca que modificou o andar da partida foi a entrada de Alan Patrick no intervalo. Foi a primeira vez na carreira do meia em que ele protagonizou a mudança total do panorama de uma partida com o seu ingresso em campo. “Nunca tinha acontecido. Foi a primeira vez. Fico feliz por isso ter acontecido e poder ajudar”, contou o jogador em visita ao Grupo Bandeirantes. O meia, junto com Rafael Moura, vive uma reversão de expectativa em 2014. Ele Racismo

“O Abel chegou e nos deu essa confiança. Somos o exemplo disso.” ALAN PATRICK, AO FALAR DO MOMENTO VIVIDO POR ELE E RAFAEL MOURA

chegou no Beira-Rio na metade do ano passado, pouco jogou e quanto esteve em campo não rendeu o esperado. O novo ano trouxe atuações mais destacadas e os 45 minutos em que esteve em campo no clássico lhe garantiram a titularidade, assegurada pelo técnico Abel Braga após a partida. O crescimento da qualidaBotafogo

de das atuações de Alan Patrick está intimamente ligado com a chegada do treinador. “A confiança do treinador (foi um diferencial). O Abel chegou e nos deu essa confiança. Somos o exemplo disso. Todos os jogadores precisam dessa confiança”, explicou o meia formado na base do Santos ao lado de Neymar. Até a sua “estreia oficial” como titular, ele terá que esperar até o segundo jogo da final do Campeonato Gaúcho, marcada para 13 de abril. “Dá vontade de que fosse agora (o jogo de volta). Estamos ansiosos pelo seCopa do Mundo

gundo jogo. Tem mais 90 minutos para focar e fazer um bom jogo para conquistar o título”, revelou. Alan Patrick terá até o fim do ano para convencer os dirigentes colorados a contratá-lo em definitivo. Emprestado pelo Shakhtar Donetsk, o jogador teve seu empréstimo, que terminava em maio, prorrogado até o fim do ano, com passe fixado. Mas, desde já, ele não esconde o seu desejo de permanecer no Beira-Rio. “Sempre deixei claro que quero ficar”, assegurou. VALTER JUNIOR METRO PORTO ALEGRE

Beira-Rio

Ato no Gre-Nal será denunciado

Novo protesto por atraso salarial

Álbum será lançado na sexta

Pavimentação do entorno é definida

O procurador do Tribunal de Justiça Desportiva Alberto Franco irá denunciar o Grêmio pelos insultos racistas sofridos pelo zagueiro do Inter Paulo, no domingo. O clube procura, através de imagens, identificar os torcedores. O ocorrido não foi relatado em súmula. Caso punido, o Tricolor receberá uma multa.

Os jogadores do Botafogo voltaram a protestar, ontem, por causa do atraso de dois meses de salário. Os atletas se reuniram no centro do gramado do campo anexo ao Engenhão abraçados, por cerca de 10 minutos. A cena já havia acontecido no treino de sábado. O atraso no pagamento é um problema enfrentado pelo clube desde o ano passado. METRO RIO

A Panini lançou ontem, no Museu do Futebol, o álbum oficial da Copa do Mundo. As figurinhas chegam às bancas na sexta-feira, em pacotes contendo cinco unidades, que custará R$ 1 cada. O preço do álbum brochura será de R$ 5,90 e a edição especial, com capa dura, R$ 24,9. Ao todo, o álbum contém 640 figurinhas, das 32 equipes que estarão no Mundial. METRO

Foi concluído ontem o processo de licitação para o asfaltamento do entorno do Beira-Rio. O Consórcio Procon-Coesul realizará as obras orçadas em R$ 8,7 milhões. A ordem de início para execução da obra dever ocorrer ainda na primeira quinzena de abril. A previsão é que a obra seja finalizada em 60 dias.

METRO POA

METRO POA

Mahseredjian admite cansaço | LUCAS UEBEL/GRÊMIO FBPA

A Fifa disse. Sem Brasileirão nos estádios da Copa do Mundo Agora não tem mais conversa: a Fifa recusou ceder os estádios que serão usados na Copa do Mundo – para partidas do torneio ou treinos das seleções – para jogos do Campeonato Brasileiro das Séries A, B e C no período entre 20 de maio e 1o de junho. O Mundial começa em 12 de junho. A entidade máxima do futebol já havia definido que não liberaria os estádios para algumas rodadas do Nacional, mas os clubes ainda tentavam mandar seus jogos nos estádios, ao menos, na 6ª rodada. Com a restrição, os times só pode-

rão utilizar até a 5ª rodada. Nas quatro seguintes, terão de achar alternativas. Após a 9a rodada, o Brasileirão será interrompido para a Copa. A restrição inclui também os estádios que receberão treinos das seleções, como a Arena do Grêmio, o Pacaembu e o Independência. Desta forma, a 6ª rodada da Série A tem por enquanto apenas dois dos dez jogos com estádios definidos: Criciúma x Chapecoense, no Heriberto Hulse, e Goiás x Santos, no Serra Dourada. Todos os outros mandantes terão de buscar alternativas. METRO


PORTO ALEGRE - TERร‡A-FEIRA, 1ยบ DE ABRIL DE 2014


20140401_br_portoalegre  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you