Page 4

R EG IÃ O

O

Um lugar de submissão ao Senhor

1ª RE se prepara para 40º Concílio focada no crescimento e na unidade da Igreja

Concílio é um lugar de missões e buscas, a fim de que a Igreja se torne um só coração, uma só alma. É acima de tudo, lugar de submissão ao Senhor Jesus”, lembrou o bispo Paulo Lockmann ao falar sobre o 40º Concílio Regional, que acontecerá de 24 a 27 de novembro, na Escola de Missões. Ele destacou também que a Igreja Conciliar nasceu com base nos princípios da Igreja Primitiva, registrados em

A

de Atos dos Apóstolos. Para exemplificar, o bispo citou o capítulo 6, quando a Igreja começou a ter dificuldades na distribuição dos recursos e bens das viúvas. Por conta disso, ela se reuniu para eleger os diáconos. Com a participação do povo e sob a liderança dos apóstolos, a Igreja encontrou caminhos para prosseguir na sua caminhada missionária. No capítulo 15 do mesmo livro, com a grande conversão dos gentios, a Igreja se reu-

nos diferentes níveis de atuação da Igreja e estabelece novas metas e desafios para continuidade do exercício da missão. Mais uma vez, com vistas para o alvo de levar o Evangelho para cada pessoa do Estado, uma igreja para cada bairro e um grupo de discipulado para cada rua, a Primeira Região manterá o foco em um milhão de discípulos, proposta que teve início no último concílio, em 2009. Segundo o bispo Paulo Lockmann, “essa

experiência não é só nossa”. A Igreja Metodista da Coréia, em 1970, tinha 70 mil membros. E hoje tem 1.850.000. “Em um estado como o nosso, com cerca de 10 milhões de pessoas que não conhecem Jesus como Senhor e Salvador, Deus pôs essa obra também em nossas mãos. Dessa forma, o Concílio deverá propor meios e caminhos para ajustar as estratégias para alcançarmos esse objetivo”, declarou bispo Lockmann.

Projeto de Gestão Estratégica Missionária 2012-2021: um grande desafio a ser alcançado

lcançar 1 milhão de discípulos. Quando? Iniciamos em março deste ano a arrancada para atingir este objetivo. De forma diferente das anteriores, trabalhamos junto às lideranças regionais e a Coream, preparando a base para disseminar por toda a Região a metodologia que nos permitirá, junto com pastores, líderes e membros de nossas igrejas, conquistar esta meta. Trata-se da inserção no dia a dia da Região de uma nova forma de gestão organizacional, que, com uma liderança atuante e o conhecimento técnico existente, concorrerá para vencer. Aparentemente, atingir 1 milhão de discípulos em 10 anos é uma marca difícil de ser alcançada. Entretanto, se conseguirmos transformar cada metodista num discipulador, facilmente alcançaremos a marca de 1 milhão. Bastará cada membro discipular um não crente a cada ano, ou seja, 10 discípulos em 10 anos e, consequentemente, a marca de 1 milhão pelos 100 mil discipuladores. O desafio passa a ser preparar 100 mil discipuladores e montar toda a estratégia para que os avanços conseguidos sejam mantidos.

Mas como fazer tudo isso acontecer?

4

niu para decidir sobre temas que iriam acelerar seu avanço missionário. Inspirados nessas narrativas, os delegados que estarão presentes no próximo Concílio deverão traçar os rumos da Igreja Metodista. Sob o tema Discípulos e Discípulas no Caminho da Missão Cumprem o Mandato Missionário de Jesus, o evento, que acontece a cada dois anos, irá tratar do desempenho da Igreja em todo no Estado. O Concílio se inteira da caminhada

Deixando de lado uma gestão com padronização mínima e controle sem foco em resultados e implantando na Região um modelo baseado numa visão sistêmica e com o suporte de um método para atingir os resultados desejados. E também com a utilização de ferramentas estatísticas e recursos tecnológicos atuais e adequados, além de investimento de impacto na formação, capacitação e treinamento de pastores, líderes e colaboradores. Utilizando a metodologia PDCA (Plan, Do, Check Act), em português, Planejar, Fazer, Verificar e Agi, na fase inicial. Primeiramente partimos para a definição de metas e a seguir a elaboração dos Planos que, uma vez executados, permitirão alcançá-las. As metas já foram definidas e desdobradas pelos 24 distritos da Região. Foram realizadas várias análises e levantamentos de dados regionais, um autodiagnóstico dos distritos e unidades de apoio (Secretarias Regionais juntamente com seus respectivos ministérios, federações e sede regional) e a análise SWOT [análise realizada do ambiente interno (forças e

fraquezas) e ambiente externo (ameaças e oportunidades]. O gráfico radar dos resultados do autodiagnóstico, apresentando uma média geral de 2,53 num total de 5 pontos possíveis, indica as várias áreas de interesse que necessitarão de atuação das unidades da Região, bem como 275 macroestratégias (ações) regionais que foram definidas pelas seis Áreas de Expansão Missionária (AEM) e três Áreas de Apoio Missionário (AAP) em que foi desdobrada a Região para desenvolvimento do PGEM.

Macroestratégias das AEMs e AAMs

Consolidamos as macroestratégias em 22 grandes medidas que, juntamente com as duas metas regionais (atingir 1 milhão de discípulos e 80% de discípulos em grupos até 2021), concluirão a Etapa de Formulação Estratégica Regional, que deverá ser submetida ao Concílio Regional em 25 de novembro. Esse processo foi desenvolvido pelo Grupo de Planejamento Estratégico designado pelo bispo Paulo Lockmann e coordenado pela Secretaria Executiva de Planejamento e Projetos. Nesse período, além das reuniões de trabalho do grupo, foram realizados três workshops, com a participação de titulares e/ou representantes das Superintendências Distritais, Secretarias Executivas Regionais, Federações, Coream e Unidades da Sede. O gráfico de metas ilustram o estabelecimento dessas metas ao longo dos próximos 10 anos, observando que o crescimento deverá ocorrer de forma geométrica (exponencial), considerando que a implantação do discipulado deverá ter um efeito multiplicador.

Metas

As metas devem ser atingidas pelo esforço de toda a equipe. Daí devem ser desdobradas até o nível da igreja local. As metas definidas foram as estratégicas. Torna-se necessário que essas sejam desdobradas. Por que isso? Numa organização, existem as atividades operacionais e as de melhoria. As atividades operacionais são geridas pelo sistema de gerenciamento da rotina do dia a dia que depende fundamentalmente da padronização dos processos e do orçamento. Os resultados da organização acontecem por meio desse sistema. Já as atividades de melhoria são de longo

prazo e anuais e integram o sistema de 1 REIM - Geral (média - 2,65)

1 REIM - Geral (média - 2,65) Ação Social

Responsabilidades Fiscais

Ação Social 3,5

Responsabilidades Fiscais 3,5 Processos 2,4 Processos

2,1

2,2

3,0 Ambiente Avaliação da Gestão Físico Igrejas

3,0 2,6

2,2

2,1

Ambiente Físico Igrejas

2,6 2,6

2,6 2,7

2,4 2,2

Pessoas - Estrutura

2,2 3,3

Pessoas - Estrutura Pastoral

3,3 MateriaisPastoral e Equipamentos Materiais e Equipamentos

Avaliação da Gestão Capacidade Produtiva

2,4 2,7

1,9

1,9 2,9

3,1 2,4

2,9

Capacidade Produtiva Comunicação

Comunicação Controle Bens Patrimoniais

Ensino Controle Bens Patrimoniais 3,1 2,9Estratégias Ministeriais Ensino

Finanças2,9

Finanças

Estratégias Ministeriais

1 REIM - Geral (média - 2,65) Ação Social

1.000.448

Ambiente Físico Igrejas 540.783

Responsabilidades Fiscais 110.364

Processos

Pessoas - Estrutura

Pastoral

3,5

137.955

2,2

2,1 193.137

3,0

Avaliação da Gestão

309.019

2,6 2,6

2,4 2,2 3,3

2,7

1,9

Capacidade Produtiva

Comunicação

2,4

Controle Bens Patrimoniais gestão estratégica da organização, tendo planos está programada para ocorrer até 3,1 como objetivo traçar os rumos futuros abril de 2012. 2,9 2,9 Materiais e ÉEquipamentos Ensino dos planos e os resultados da organização. sobre essa base que a A execução Finanças Estratégias Ministeriais organização deverá criar novas políticas, obtidos deverão ser acompanhados mennovos projetos e metas anuais. A partir salmente em reuniões padronizadas, com daí, deve-se desdobrar as metas para tosequencial definido, e obedecer a um crodos os níveis, até que todos tenham suas nograma rígido. A cada biênio o processo metas anuais. de desdobramento deverá se repetir. É um processo bastante trabalhoso O sistema em implantação é muito e que demanda muito treinamento, discipoderoso e traz, se levado a sério, um granplina e perseverança. Daí exigir da liderande avanço cultural e de foco em resultados ça uma participação mais ativa demonse seriedade na organização, sendo altatrando para a organização a necessidade, mente motivador para os participantes. priorização e sentido de urgência. Uma vez aplicado e apoiado por ações efiEsse processo de desdobramento das cazes de gente, atuação firme da liderança metas anuais e elaboração de planos dee desenvolvimento técnico adequados, deverá acontecer após o Concílio Regional e veremos alcançar o resultado desejado de se estenderá por todos os distritos, igrejas 1 milhão de discípulos em 2021. Sebastião Castro locais e unidades de apoio. A fase do desConsultor e Gestor Empresarial dobramento de metas e elaboração dos

Avante426 nov 2011  
Avante426 nov 2011  
Advertisement