Issuu on Google+

Oh não! Lição de casa! Por Marcos Meier Para muitas crianças a lição de casa é uma tortura. Para muitos pais, também. Se é assim, por que as escolas insistem em passar tarefas a seus alunos? Não é muita carga em cima dessas crianças tão pequenas? Por que fazer? Não é melhor que as crianças brinquem, descansem ou se divirtam? Vamos às respostas. A aprendizagem, do ponto de vista neurológico, tem algumas fases bem definidas. A primeira delas é a aula em si, o momento da construção do conhecimento pela criança. Nessa fase os conceitos são armazenados na memória de curto prazo. A criança esquece tudo em pouco tempo, em poucas horas. A segunda fase ocorre justamente durante a lição de casa! É nesse momento que o cérebro leva as informações que estão na memória de curto prazo para a memória de longo prazo, para a memória “permanente”. Esse processo só acontece quando o cérebro percebe a necessidade de usar novamente a informação. Em terceiro lugar vem a fixação, que ocorre durante o sono profundo. Nesse período o cérebro recebe a liberação do hormônio do crescimento, da leptina, do cortisol, etc. Toda essa química ativa a fixação das informações que estão na memória de longo prazo impedindo-as de serem esquecidas. Pelo menos não enquanto forem necessárias. Essa fixação ocorre, portanto, durante um período do sono de qualidade, do sono restaurador. Dormir bem é importantíssimo. A OMS, Organização Mundial de Saúde recomenda um período de 10 horas de sono para crianças de até 10 anos de idade. Se a criança não dorme adequadamente, acaba não tendo todas as horas de que seu corpo necessita. Ela não grava, não fixa, não retém, não memoriza o que anda aprendendo na escola ou no seu dia-a-dia. Além disso, se não faz lição ou não revisa o que foi aprendido naquele dia, não haverá nada na memória de longo prazo a ser fixado. E as informações vão se apagando da memória. Por isso aí vão algumas dicas: Garanta o momento da lição, mas não faça a lição pelo seu filho. Desligue a TV, peça que as outras crianças brinquem em outro espaço, enfim, garanta que o momento da lição seja agradável e realmente aconteça. Essa deve ser a ajuda. É um “crime” fazer a lição pela criança. Se todos os dias houver o momento da lição, vira hábito e logo não será mais necessário mandar a criança fazê-la. Não é nada fácil garantir esse espaço e criar o hábito de estudar, mas é fundamental para que a criança possa desenvolver autonomia na aprendizagem. http://www.revistaviver.com.br/blog/?p=191 Revista Viver Curitiba maio/2010


Aprender