Issuu on Google+

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE DO ESPÍRITO SANTO-FACASTELO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1º PERÍODO

DENISE DOS SANTOS PATUSSE LUDMILLA APARECIDA VIEIRA JENIFFER ADELAIDE ADÃO SANTOS THAIS GIRARDI

MEMBRO PÉLVICO DO CÃO

CASTELO 2013


DENISE DOS SANTOS PATUSSE LUDMILLA APARECIDA VIEIRA JENIFFER ADELAIDE ADÃO SANTOS THAIS GIRARDI

MEMBRO PÉLVICO DO CÃO

Trabalho

Acadêmico

apresentado

à

disciplina de Medicina Veterinária na Faculdade

do

Espírito

Santo,

requisito parcial de avaliação. Professor: Valderedo

CASTELO 2013

como


SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------ 5 2. MEMBRO PÉLVICO DO CÃO ----------------------------------------------------------------- 6 3. OSSO COXAL ------------------------------------------------------------------------------------- 7 3.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DO OSSO COXAL --------------------------------------- 7 3.2 ÍLIO ------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 3.2.1 Corpo do Ílio ----------------------------------------------------------------------------------- 7 3.3 ÍSQUIO -------------------------------------------------------------------------------------------- 8 3.4 PÚBIS ---------------------------------------------------------------------------------------------- 8 4. FÊMUR ---------------------------------------------------------------------------------------------- 9 4.1.1 Epífise Proximal ------------------------------------------------------------------------------- 9 4.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DO FÊMUR ------------------------------------------------ 9 4.1.1.1 Epífise Distal --------------------------------------------------------------------------------- 9 4.1.1.1.1 Corpo ---------------------------------------------------------------------------------------- 9 5. PATELA --------------------------------------------------------------------------------------------- 10 5.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DA PATELA ----------------------------------------------- 10 6. TÍBIA E FÍBULA ----------------------------------------------------------------------------------- 11 6.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DA TÍBIA --------------------------------------------------- 11 6.1.1 Epífise Proximal ------------------------------------------------------------------------------ 11 6.1.1.1 Epífise Dista --------------------------------------------------------------------------------- 11 6.1.1.1.1 Corpo --------------------------------------------------------------------------------------- 11 6.2 ACIDENTES ANATÔMICOS DA FÍBULA ------------------------------------------------ 12


6.2.1 Epífise Proximal ---------------------------------------------------------------------------- 12 6.2.1.1 Epífise Distal ----------------------------------------------------------------------------- 12 6.2.1.1.1 Corpo (Diáfise) ------------------------------------------------------------------------- 12 7. TARSOS ------------------------------------------------------------------------------------------ 13 8. METATARSOS E FALANGES -------------------------------------------------------------- 14 9. CONCLUSÃO ----------------------------------------------------------------------------------- 15 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ----------------------------------------------------- 16


1. INTRODUÇÃO

No conteúdo a seguir falaremos sucintamente sobre o membro pélvico do cão destacando suas estruturas (osso coxal, fêmur, patela, tíbia e fíbula, tarsos, metatarsos e falanges) com suas respectivas funções, principais acidentes anatômicos e algumas articulações localizadas neste membro.


2. MEMBRO PÉLVICO DO CÃO

Formam o esqueleto do membro posterior: Os ossos Coxais (ílio, ísquio e púbis), Fêmur, Patela, Tíbia e Fíbula, Tarsos, Metatarsos e Falanges. Tem como principal função gerar força para a propulsão, resultando no movimento do animal.


3. OSSO COXAL O Coxal é formado por três ossos, sendo eles o ílio que caracteriza- se como o maior, o ísquio, que é o mais caudal, formando assim a ponta da nádega e o púbis. Ao se fundir formam um conjunto único. No ponto de fusão forma-se uma fossa chamada acetábulo, onde se articula a cabeça do fêmur, essa articulação denomina-se articulação coxo-femoral. O osso coxal, de um lado uni-se ao do outro lado pelas bordas internas do púbis-sínfise pubiana. Feita por cartilagem, essa articulação abre-se nas fêmeas no término da gestação.

3.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DO OSSO COXAL •

Acetábulo: formado pelos corpos dos três ossos.

Sínfise pélvica: formada pelas sínfises púbica e isquiática.

Espinha isquiática: formada pelos ossos ílio e ísquio.

Linha arqueada: formada pelos ossos ílio e púbis.

3.2 ÍLIO

Formado pelo Corpo e Asa

Asa do Ílio

Duas faces: Face Glútea: formato côncavo; possui a(s) linha(s) glútea(s) Face Sacropélvica: formato convexo;

Face ilíaca: inserção de ligamentos

Face auricular: articulação com o sacro.

Dois ângulos: Medial: tuberosidade sacral (com espinhas ilíacas dorsais cranial e caudal – nos cães e pequenos ruminantes). Lateral: tuberosidade coxal (com espinha alar nos cães).

3.2.1 Corpo do Ílio Três faces em forma de prisma que possuem:


Sulco para vasos ilíacofemorais;

Sulco para vasos iliolombares;

Forame nutrício;

Sulco para o músculo reto femoral;

Tubérculo psoas;

Borda cranial do acetábulo. 3.3 ÍSQUIO

Formado por: •

Face Ventral;

Face Pélvica;

Corpo do Ísquio;

Ramo do Ísquio;

Tábua (ou tábula) do Ísquio;

Incisura Isquiática Menor;

Borda Caudal do Acetábulo.

Tuberosidade Isquiática: - Arredondada nos carnívoros e eqüinos. - Três pontas nos ruminantes e suínos.

Arco Isquiático.

3.4 PÚBIS Formato de “L”. Formado por: •

Face Ventral;

Face Pélvica;

Borda Cranial:


Eminência Iliopúbica;

Tubérculo Púbico (eqüinos machos).

Borda Caudal:

Forma o limite cranial do forame obturador; Sulco obturador.

4. FÊMUR Osso longo da coxa, que divide-se em duas epífises e uma diáfise, articula-se com o acetábulo, proximalmente e a patela e a tíbia distalmente. O corpo é cilíndrico, exceto próximo das extremidades, onde é mais largo e comprido. Ele é fortemente curvado em seus dois terços distais e convexo cranialmente. 4.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DO FÊMUR

4.1.1 Epífise Proximal •

Cabeça do Fêmur - é lisa e arredondada

Fóvea da Cabeça do Fêmur - localiza-se na cabeça do fêmur

Colo - liga a cabeça com o corpo

Trocanter Maior - eminência grande, irregular e quadrilátera localizada na borda superior do fêmur

Trocanter Menor - localiza-se posteriormente na base do colo. É uma eminência cônica que pode variar de tamanho

Linha Intetrocantérica - se dirige do trocanter maior para o trocanter menor na face anterior

Crista Intetrocantérica - crista proeminente localizada na face posterior, correndo numa curva oblíqua do topo do trocanter maior para o menor


4.1.1.1 Epífise Distal •

Face Patelar - articula-se com a patela

Côndilo Medial - articula-se com a tíbia medialmente

Côndilo Lateral - articula-se com a tíbia lateralmente

Fossa Intercondilar - localiza-se entre os côndilos

Epicôndilo Medial - proeminência áspera localizada medialmente ao côndilo medial

Epicôndilo Lateral - proeminência áspera localizada lateralmente ao côndilo lateral 4.1.1.1.1 Corpo

Linha Áspera - localiza-se na face posterior do fêmur.

5. PATELA

A patela é um osso curto que se articula com a tróclea da extremidade distal do fêmur; ela é considerada como um osso sesamóide grande intercalado no tendão do músculo quadríceps femoral. A patela também limita o movimento da tíbia para frente na extensão da articulação do joelho.

5.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DA PATELA

Face Anterior - É convexa.

Face Posterior - Apresenta uma área articular lisa e oval.

Borda Proximal - é espessa e pode ser chamada de BASE.


Borda Medial - é fina e converge distalmente.

Borda Lateral - é fina e converge distalmente.

6. TÍBIA E FÍBULA

Esqueleto da perna que compreende dos ossos, a saber, a tíbia e a fíbula. A tíbia é um osso longo, grande que suporta e articula-se distalmente com o tálus (osso társico tibial). A fíbula está situada ao longo da borda lateral da tíbia, da qual esta separada pelo espaço interósseo da perna. É muito mais delgada do que a tíbia e não se articula com o fêmur. No porco e no cão ela possui um corpo completo e duas extremidades, já no cavalo e no boi é muito reduzida e, além disso, modificada.

6.1 ACIDENTES ANATÔMICOS DA TÍBIA


6.1.1 Epífise Proximal •

Côndilo Lateral - eminência que articula com o côndilo lateral do fêmur.

Côndilo Medial - eminência que articula com o côndilo medial do fêmur.

Eminência Intercondilar - localiza-se entre os dois côndilos.

Tuberosidade da Tíbia - grande elevação oblonga que se insere o ligamento patelar.

Fóvea Fibular - local da tíbia que articula com a fíbula (lateral à tuberosidade da tíbia).

6.1.1.1 Epífise Distal •

Maléolo Medial - processo piramidal.

Fossa para o Tálus - articula-se com o tálus.

Incisura Fibular - local de articulação com a fíbula.

6.1.1.1.1 Corpo •

Borda Anterior - crista (mais proeminente).

Borda Medial - lisa e arredondada.

Borda Lateral - crista interóssea (fina e proeminente).

Face Posterior - apresenta a linha do músculo sóleo.

Face Lateral - mais estreita que a medial.

Face Medial – lisa, convexa e larga. 6.2 ACIDENTES ANATÔMICOS DA FÍBULA

6.2.1 Epífise Proximal

Cabeça da Fíbula - forma irregular.


Face Articular para a Tíbia - face plana que articula-se com o côndilo lateral da tíbia.

6.2.1.1 Epífise Distal

Maléolo Lateral- expansão distal da fíbula.

Face Articular para o Tálus.

6.2.1.1.1 Corpo (Diáfise)

Borda Anterior - espessa e áspera.

Borda Interóssea - crista interóssea.

Borda Posterior - inicia no ápice e termina na borda posterior do maléolo lateral.

Face Medial - estreita e plana. Constitui o intervalo entre as bordas anterior e interóssea.

Face Lateral - é convexa e localiza-se entre as bordas anteriores e posteriores.

Face Posterior - entre as bordas posteriores e interósseas.


7. TARSOS

Tarso (ou jarrete) contém um grupo de ossos curtos, em número de cinco a sete nos diferentes animais. A fileira proximal consiste de dois ossos, o tálus e calcâneo (társicos, tibial e fibular); o primeiro esta situado no lado tibial (medial) e tem uma tróclea para articulação com a extremidade distal da tíbia; o ultimo situado no lado fibular ( lateral), tem processo, o túber calcanear que projeta-se proximalmente e em direção plantar, e constitui uma alavanca para os músculos. A fila distal consiste de quatro ossos quando sete elementos társicos estão presentes, como no porco e cão. São designados numericamente como primeiro társico, segundo társico, etc. O central esta interposto entre as fileiras.


8. METATARSOS E FALANGES

Os ossos metatársicos e das falanges parecem, em geral, como os correspondentes da região do membro torácico. Na seguinte seqüência: Metatarso, falange proximal, falange média e falange distal.

Metatarsos

Falanges


9. CONCLUSÃO

A partir das informações presentes pode-se afirmar que o membro pélvico tem como principal função gerar força para propulsão, resultando no movimento do animal. E é composto pelos seguintes ossos: Coxal, Fêmur, Patela, Tíbia e Fíbula, Tarsos, Metatarsos e Falanges.


10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SISSON/GROSSMAN-anatomia dos animais domésticos-getty/volume 1/volume 2.

http://anatomiavetufpa.blogspot.com.br/2011/02/miologia-veterinaria-1membro-toracico.html


Membro pélvico do cão