Issuu on Google+

Ano 03 • Número 05 • Janeiro a Abril de 2008

Jó i as e m c asa Pisos, metais, cortinas. Assim como colares e brincos, o acabamento é um toque fino e revelador da personalidade de cada um. Melnick Even, uma empresa para superar expectativas. Mais: Paisagismo • Tecnologia • Estética • Leitura• Vinhos • Viagem • Moda • Gastronomia


editorial

índice

7 8

Cliente Jovem casal do Cosmopolitan prepara lar para novo morador.

Cimento que te quero verde Como ter natureza por cima do concreto.

10

Novos serviços para facilitar a vida Administradoras de condomínios montam listas de profissionais como pintores, chaveiros, faxineiros, etc.

12

Massoterapia, para curar ou só relaxar

14

Giddens, o sociólogo da política

16

Atenção ao que está na rua

Uma prática milenar cada vez mais prestigiada.

O criador da Terceira Via é o autor.

Técnicas de segurança de entradas de prédio.

Detalhes que fazem a diferença final como uma jóia no corpo, um detalhe que valoriza e revela as

colunas

18

Mas continuaremos atuando no alto padrão, oferecendo aos clientes, como sempre, o que existe de melhor. Exemplo é o ARTE Luxury Home Resort, empreendimento que construiremos no bairro Petrópolis, onde acontecerá a Casa Cor 2008, evento ao qual pela quarta vez a Melnick presta apoio estrutural. Na reportagem de capa, abordamos o acabamento de nossas residências, o toque final que identifica a personalidade de cada um. Diversos profissionais e empresas apresentam as últimas tendências em finos acabamentos. Como um jardim em prédios pode dar a idéia de se estar em meio à natureza é o que revela a arquiteta Susana Nedel. Gilberto Timmers apresenta uma ótima receita de caça e Beto Conte sugere o destino da sua próxima viagem de turismo: o Egito.

Boa leitura! Juliano Melnick

A explosão dos outlets Por Anita Freire

Conexão HDMI Por Fernando Ely

Revestimentos de parede Por Cynthia Garcia

28

O ano começou movimentado e promete ser muito positivo. Já em março, criamos uma empresa com a Even, uma das maiores construtoras de imóveis residenciais do país, sediada em São Paulo. A nova empresa, chamada Melnick Even, ampliará nossa atuação no Sul do Brasil. Agora, nosso padrão de qualidade poderá ser encontrado em outras cidades e em outros segmentos de mercado.

Acompanhe de perto as nossas novidades visitando o Espaço Melnick Even na Casa Cor 2008. E nos envie sugestões e comentários sobre a revista. Contate conosco pelo e-mail melnickmagazine@melnick.com.br.

O acabamento da casa é

preferências pessoais.

Muitas novidades

Pernil com cachaça Por Gilberto Timmers

Egito: 5.000 anos de história Por Beto Conte

32

Tecnologia em carros de luxo

34

O vinho da próxima Copa

36

Últimas da Melnick

As novidades dos veículos para conforto e segurança.

expediente A Melnick Magazine é uma publicação da Interna Projetos Editoriais, sob licença da Melnick Construções. As opiniões, entrevistas, artigos e colunas assinadas são de inteira responsabilidade dos autores. É vedada a reprodução total ou parcial do conteúdo sem prévia autorização e sem citação da fonte. Edição, reportagem, revisão, comercialização e diagramação

Coordenação Andrea Teixeira Andréia Cardoso Juliano Melnick

(51) 3019-5643 www.interna.com.br Jornalista responsável: Marco Antônio Schuster MTb 4.116/RS

Impressão Maredi 3.000 exemplares Projeto gráfico Parla Comunicação

Foto de capa: ©istockphoto.com/Lise Gagne

O bem que a democracia fez à África do Sul.

Melnick Even, Casa Cor 2008 e lançamento.

R. Engenheiro Veríssimo de Matos, 255 Fone 3388 1818 - www.melnick.com.br


cliente

Alessandra Moraes Ignácio tem a cara da fe-

nizar o imóvel de acordo com o gosto deles,

licidade. Casada há menos de dois anos com

conta: “Utilizamos o Personnal System,

Cristiano da Rocha Ignácio, segunda morado-

trouxe a minha arquiteta para cá, imediata-

ra do Cosmopolitan, ela vai ser mãe de João

mente decidimos transformar um quarto em

Pedro neste inverno.

escritório e deixar um terceiro vazio”, que

Esbanjando simpatia, recebeu-nos numa ensolarada manhã e agradeceu muito o presente da Body Store, um kit de sais e perfumes de banho. Quando ela e Cristiano decidiram casar, saíram à procura de apartamentos. Depois de cuidadosa pesquisa, o pai dela, Luiz Moraes, levou os dois para ver uma obra na esquina da Pedro Chaves Barcellos com Pedro Ivo. A

agora já está sendo decorado para abrigar o João Pedro. Já o escritório é a peça preferida do casal. É que ela está fazendo pós-graduação em Direito — trabalha na AdvocaciaGeral da União — e Cristiano é empresário no setor médico-hospitalar. O computador é ferramenta importante para estudo e informações de negócios para os dois.

decisão não foi difícil, revela Alessandra: “Há

Mudaram-se do apartamento que ocuparam

uma diferença incrível entre esse e os outros

temporariamente assim que o Cosmopolitan

prédios que vimos. Não é fácil encontrar em

foi entregue, pois tudo estava pronto: “A

outros empreendimentos o que encontramos

Melnick sempre teve um atendimento nota

nos da Melnick. Compramos na planta”.

10. Na pontualidade, na qualidade e também

Ela já tinha experiência com a Melnick, pois

“É um projeto bom para essa fase da nossa vida.”

7

no pós-entrega”.

desde 2005 morava no Château Lussat com

E o João Pedro também deve gostar, acre-

os pais. Encontrou no Cosmopolitan a mesma

dita: “O prédio tem infra-estrutura para

qualidade, mas adequada a sua realidade. “É

crianças. A gente pode deixar os filhos com

um projeto bom para essa fase da nossa vida”,

uma babá. E tem outras crianças para ele

diz. O passo seguinte ao da compra foi orga-

brincar”.

Rua Olavo Barreto Viana, 36 - loja 218 Fone: (51) 3028.2710 www.emporiobodystore.com.br


pa i s a g i s m o

FOTOS: DIVULGAÇÃO / SUSANA NEDEL

Cimento que te quero verde

8

“É preciso ter áreas de sol e sombra próximas. Afinal, alguém pode querer tomar um banho de sol conversando com alguém à sombra.” Susana Nedel, paisagista.

Jardins em condomínios têm uma enorme potencialidade de realizar altos vôos na nossa imaginação. Cercados de tecnologia como TV a cabo, internet, condicionadores de ar, telefonia e dezenas de artefatos que significam conforto e comodidade, eles podem reproduzir o melhor que encontramos na natureza: solo gramado, brisa, áreas de sol, áreas de sombra, murmúrio de água corrente ou aromas de flores. Para se ter um ambiente assim é preciso alguns cuidados. É preciso pensar na qualidade de vida, assegura a paisagista Susana Nedel. Ela diz: “A pessoa deve pensar ‘estou no jardim da minha casa, não no do prédio’. Minha preocupação é com o intangível”. Há 30 anos construindo jardins para residências e condomínios de alto padrão, ela conseguiu desenvolver técnicas capazes de atender a essas sensações que a gente tem, mas não consegue tocar e só são atendidas por olhos, ouvidos, olfato. Nada impossível. Basta saber utilizar diferentes recursos, valendo-se do que Susana chama de “lei do bosque”: a cada ângulo que se enxergue, muda a paisagem. Plantas médias e grandes e gramados são o forte do seu trabalho: “É preciso ter áreas de sol e sombra próximas. Afinal, alguém pode querer tomar um banho de sol conversando com alguém à sombra”. Algumas perfumosas, para aprofundar mais a sensação gostosa de contato

intenso com a natureza. Plantas pequenas ficam para os detalhes. A piscina pode ajudar, acrescenta: “Ela é uma moldura importante no meu trabalho”, pois tem outras funções além de espaço para banhar-se. O retorno da água filtrada pode ser usado como hidromassagem, uma área mais rasa funciona como prainha, parte também pode funcionar como espelho d’água. Além disso, a borda infinita proporciona um agradável visual e a queda da água gera um barulho semelhante ao de cachoeiras. Com alguns complementos como lareiras — para produzir aconchego nas noites frias de outono —, churrasqueiras, fornos à lenha, o cenário fica excelente. Um gramado com árvores, lugar para o banho de sol, sombra onde corre uma brisa, barulho de quedas d’água por perto e vista para uma piscina que lembra um lago. Nesses momentos, nem se imagina que abaixo de tudo isso pode estar uma laje de concreto e um estacionamento, uma área de serviço, etc. Qualquer jardim pode proporcionar bem-estar, mesmo que não tenha todos esses elementos, mas desde que seja bem pensado. “Para mim, o importante é que haja sintonia”, diz Susana. E isso não depende de moda: “O que a gente gosta não sai de moda. Às vezes me perguntam se samambaia saiu de moda. Se você gosta, não saiu. As boas idéias não têm idade”.


Novos serviços para facilitar a vida

FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / IOFOTO

dia-a-dia

A novidade começou em São Paulo, está se espalhando pelo País e chegando em Porto

“O objetivo é trazer para a portaria tudo o que existe de serviço no bairro.”

Alegre: as administradoras de condomínio abrem o leque de ofertas de serviços além de cobranças de taxas, limpezas de prédios e prestação de contas. Apresentam ao morador uma lista de pequenos serviços que po-

Através do portal exclusivo do condomínio, moradores contratam pequenos serviços.

dem ser encontrados no bairro ou cidade. É como terceirizar o pequeno, mas estressante

“Trazer para a portaria tudo o que existe de

e imprescindível, trabalho de logística da

serviço no bairro”. Em grandes empreendi-

casa. Coisas como pintura, troca de chaves

mentos a listagem está acessível em portal

ou procura de escolas para os filhos.

exclusivo do condomínio na Internet, ou em

O grupo paulista Itambé, um líder nacional na administração de condomínios, é um pioneiro desse novo serviço, que batizou o con-

10

empreendimentos menores, o morador recorre à portaria, zeladoria ou setor designado pelo próprio condomínio.

ceito como “Facilities” e já opera na capital

“O portal tem todas as informações do pré-

gaúcha. Ricardo Ximenes, diretor da filial do

dio: atas de reuniões, pagamentos efetuados,

grupo para a Região Sul, sediada em Floria-

serviços executados, enfim toda a questão

nópolis, apresenta o objetivo do “Facilities”:

burocrática de administração”, explica Xi-


um trabalho de qualidade”. Para chegar nes-

uma parte do portal, que se realiza há mui-

se tipo de profissional — o cuidado vale tam-

to tempo. A novidade está na segunda parte.

bém para o chaveiro, o sapateiro, a lavande-

Ximenes dá um exemplo: “Se alguém quiser

ria, etc. — a Itambé faz pesquisa no bairro

marcar uma massagem, entra no portal, vê os

e na cidade. Depois de realizado o trabalho,

horários em que a sala está livre, escolhe um

acrescenta Ximenes, há uma pesquisa rápida

massoterapeuta e marca”. O profissional re-

com o morador que contratou o serviço: “As-

cebe imediatamente um e-mail comunicando

sim, conseguimos acompanhar a qualidade.

a sessão marcada, confirma. O mesmo pode

Se algo foi malfeito, vamos conversar com o

acontecer com quadra de tênis, salão de fes-

profissional”.

tas, sala de jogos, etc.

Atualmente, diz ele, existem mais de 120 ser-

Se a necessidade for pintar uma parede, o

viços homologados na empresa. Um desses

portal também resolve. Nele, está uma lis-

é o de restaurador de quadros. Também são

tagem de profissionais da região que execu-

catalogadas escolas, cursos de línguas estran-

tam o serviço com qualidade assegurada:

geiras, academias e clubes, serviços de táxis.

“Não se apresentará um pintor com barba

A maioria presta o serviço a domicílio: “Para

por fazer, nem deixará pingos de tinta no

o morador, é uma facilidade, pois cada vez as

chão, ou fumará durante o trabalho. Vai se

pessoas têm menos tempo para algumas tare-

apresentar alguém uniformizado e que fará

fas do dia-a-dia”.

FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / LISA F. YOUNG

menes. Mas essa transparência gerencial é

“Vai se apresentar alguém uniformizado e que fará um trabalho de qualidade.”

11


estética

A massagem estimula a eliminação de toxinas e resíduos de infecções, melhora a secreção glandular e causa relaxamento muscular, resultando numa sensação de bem-estar. 12

Com as mãos abrimos portas, abanamos para conhecidos, damos adeus, abraçamos amigos, acariciamos filhos e amores. As mãos são o principal instrumento da massoterapia, uma técnica de massagem capaz de relaxar nossa musculatura e causar bem-estar. Massagear já era uma habilidade exigida para os médicos no século V a.C. pelo pai da medicina, Hipócrates. Mas a prática mudou com o tempo e hoje é uma profissão independente, com seus métodos próprios e aplicações variáveis. No século XVI, o francês Ambroise Pare recolheu tudo o que se sabia sobre massagens em livros. Foi uma contribuição tão importante que até hoje a terminologia da atividade tem origem francesa. Outra grande contribuição veio do Oriente, com sua valorização da integração entre corpo e mente, coisa que recentes pesquisas científicas confirmaram como pertinente. Robin Manduré, massoterapeuta que trabalha com empresas, diz que a função da massagem é “realinhar as fibras musculares”. A maioria das pessoas tem um trabalho que raramente muda de posição e postura. Assim, diz ele, “alguns músculos passam a executar a função de outros”, o que gera cansaço muscular, dores, etc. “Uma sessão de massagem, fazendo um intervalo na rotina de trabalho, já é uma alegria”, afirma. A massagem estimula a eliminação de toxinas e resíduos de infecções, melhora a secreção

FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / YANIK CHAUVIN

FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / AL WEKELO

Massoterapia, para curar ou só relaxar

glandular e causa relaxamento muscular, resultando numa sensação de bem-estar. Porém, a massagem não substitui exercícios para manter uma boa forma física e boa saúde. “É preciso preparar o corpo para nossas atividades, da mesma forma como um jogador de futebol se prepara para jogar 90 minutos”, compara Robin. Caminhadas e alongamentos são algumas das sugestões dele. Exercício e massagem formam uma excelente combinação. Mas, se isso é difícil, acrescenta, pelo menos procure a massoterapia: “Entre não fazer nada e fazer só massagem, faça massagem”.


leitura

Giddens, o sociólogo da política Anthony Giddens conquistou reconhecimento mundial ao formular uma teoria política chamada “Terceira Via”, no final dos anos 1980, considerada de centro-esquerda e que se situa entre a social-democracia e o liberalismo. Mas, além de inspirar o governo do ex-primeiro ministro da Inglaterra Tony Blair, que por sua vez elegeu-se em oposição a Margaret Thatcher e sua política liberal, Giddens é um importante sociólogo inglês, com mais de 30 obras publicadas. Também ficou conhecido pela Teoria da Estruturação e por ter uma visão holística das sociedades modernas. Ele nasceu em Londres, em 18 de janeiro de 1938, e desde a juventude destacou-se pela capacidade intelectual. Foi um dos primeiros a trabalhar com o termo “globalização”. É professor em universidades como a London School of Economics and Political Science (LSE) e Cambridge. É um dos fundadores da editora de livros científicos Polity Press em 1985. Em sua obra, trata de diferentes temas, como história do pensamento social, estrutura de classes, elites e poder, nações, ambientalismo, relações familiares e sexualidade. 14


Onde comprar

Sugestões de leitura

Siciliano Moinhos Shopping Rua Olavo Barreto Vianna, 36 – loja 319 Moinhos de Vento - Telefone: 51. 3222.7595 e-mail: loja0097@siciliano.com.br

Siciliano Shopping Iguatemi Av. João Wallig, 1.800 - loja 2249 Chácara das Pedras - Telefone: 51. 3328.9400 e-mail: loja0073@siciliano.com.br

O Debate Global Sobre a Terceira Via Artigos de diversos autores sobre o conceito de Terceira Via e como aplicá-lo no mundo atual. A primeira via teria sido o socialismo; a segunda, o liberalismo; a terceira seria uma união entre eficiência econômica e justiça social. A idéia da Terceira Via foi fundamental na revitalização do Partido Trabalhista britânico, abalado eleitoralmente nos anos 70 e 80. Por isso, o conceito passou a designar uma postura moderna para a centro-esquerda.

Teoria Social Hoje Coletânea organizada junto com Jonathan Turner (também sociólogo) sobre as tendências da sociologia anglo-saxã, principalmente nos últimos 50 anos. É uma das melhores seleções sobre o tema disponível no Brasil. São 12 capítulos de visões diferentes, escritos em linguagem clara e precisa. O livro não se limita a retratar esse passado recente e o presente. Também apresenta perspectivas de transformação.

Sociologia Esse livro tem mais de 700 páginas e é uma das principais introduções ao tema Sociologia da atualidade. Giddens começa pela definição do termo e analisando os seus principais teóricos. Os capítulos seguintes analisam o desenvolvimento da humanidade, desde a sociedade de caçadores e coletores até os dias atuais, com Internet e crise ecológica (na edição mais recente).

15


FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM/ZORAN MIRCETIC

segurança

Atenção ao que está na rua As empresas de segurança estão em permanente atenção e sempre criando novas técnicas de combate a atos de violência, como assaltos, seqüestros, roubos, ou qualquer outro tipo de crime.

O controle de quem deve entrar no prédio deverá ser feito na rua, utilizando os recursos mais modernos.

Uma das estratégias é inspirada na filosofia de guerra, compara Chen Gilad, diretor de planejamento da paulista Haganá: “Travar a guerra fora de sua fronteira, nunca em seu interior”. Portanto, o controle de quem deve entrar no prédio deverá ser feito na rua, utilizando os recursos mais modernos. Câmeras, aparelhos

Empresas investem em treinamento dos porteiros para garantir maior segurança dos moradores.

de biometria, guaritas, sistemas que detectam movimento de pessoas nas redondezas evitan-

16

do alarmes falsos são algumas das tecnolo-

de visitantes (qualquer um que não seja mo-

gias auxiliares nessa segurança. Além disso,

rador), melhor. Assim, diz Chen, “entregado-

acrescenta Chen, existem os procedimentos

res de pequenas encomendas sequer devem

de segurança, que ocorrem em três cenários.

entrar”. Já convidados devem se identificar

O primeiro é quando chega um condômino

(necessário apenas em sua primeira visita),

sozinho, seja a pé ou de carro. “A principal

depois, explica, “resta apenas anunciá-lo e

dificuldade está ligada à memorização dos

receber a autorização para o seu acesso (não

moradores,” diz ele, “e na visualização de-

obrigatoriamente nesta ordem)”.

les quando estão dentro do carro, muitas vezes distante da guarita e atrás de um vidro blindado ou escurecido”. Problemas que se resolvem com um bom sistema de controle de acesso e a utilização de um profissional próximo ao veículo.

O terceiro cenário é a mistura dos dois primeiros. Esta situação não é difícil de resolver, garante Chen: “Resta permitir o acesso do morador em primeiro lugar, assim como já realizado no cenário um. Automaticamente nos falta aplicar os cuidados do cenário

O segundo cenário é quando chegam visitan-

dois para concluir o procedimento. Parece

tes sozinhos. Quanto mais restrita a entrada

simples...E é”.


c a pa

Deta l h e s q u e fa z e m a di f e r e n ç a f i n a l

Pisos, cortinas e metais são alguns elementos fundamentais para definir o acabamento e deixar sua casa de acordo com seu gosto. FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM/DENIS TEVEKOV


Detalhes são coisas muito grandes pra esque-

Existem tendências, mas, como diz Luciana

cer. Não só em questões emocionais, como

Baldi, do Armazém Cerâmico, não existe uma

canta Roberto Carlos, mas também em coi-

moda única: “O ambiente transmite a manei-

sas materiais. O acabamento de uma residên-

ra da gente ser. Assim como a roupa. Então,

cia é um caso típico em que a atenção ao de-

cada um deve usar o que existe para fazer o

talhe faz uma enorme diferença no resultado

acabamento de acordo com sua preferência”.

final. Um piso escolhido sem cuidado, metais

Fomos pesquisar algumas dessas opções.

definidos com pressa ou luminárias mal colocadas podem comprometer um projeto. Pior: vão servir de arrependimento durante muito

A volta do parquê

tempo.

Existem muitas opções para o piso. Carpetes, cerâmica, madeira. A nova tendência é o re-

Felizmente, as opções que existem hoje para

torno triunfal do parquê de madeira maciça

acabamento são tantas que a arquiteta Cyn-

imitando os magníficos assoalhos do Museu

thia Garcia usa a expressão “tem 1001 coi-

do Louvre ou do Palácio de Versailles, na

sas” para ilustrar a quantidade delas.

França. São madeiras nobres, como cumaru,

“O ambiente transmite a maneira da gente ser. Assim como a roupa. Então, cada um deve usar o que existe para fazer o acabamento de acordo com sua preferência.”

Começando por baixo, isto é, o assoalho.

ipê, jatobá, cabriúva, perobinha, sucupira e

Existe tanta variedade de “pisos frios”, in-

amêndola. “Todas vindas de florestas mane-

dicados para áreas sociais, que alguns nem

jáveis, certificadas”, diz Fernanda Brandão,

são frios. Eles são foscos e dão “uma sen-

gerente comercial da Espaço do Piso. Esta é

sação mais aquecida que eu acho necessária

uma questão importante: esse tipo de madei-

para o nosso clima”, diz Cynthia. Além disso,

ra não prejudica o ambiente, nem acelera o

Luciana Baldi, Armazém Cerâmico.

a gama de cores à disposição multiplicou-se,

desmatamento nativo.

sendo a tradicional variação do bege apenas

Também os pisos vinílicos seguem a linha da

uma das opções. Pisos claros, como o branco,

“preocupação ecológica”. Fernanda explica

ela prefere o Cristallo, clareiam o ambiente

que “80% da composição deles é de material

e, acrescenta, “porcelanatos gigantes criam

reciclado”. Esses pisos imitam madeira, fa-

ambientes maravilhosos”.

vorecem a acústica e facilitam o isolamento térmico. Para os quartos, os carpetes estão

Cynthia é que seja 100% seca, para não dar

em alta. Normalmente forrados com espuma,

barulho ao caminhar. Vale para ambientes

para dar mais maciez e conforto. Mas Fer-

clássicos e também para os “mais jovens e

nanda alerta: “Também se pode usar carpe-

despojados”, sugere, como o “legneto cuma-

tes em outras peças da casa, com excelentes

ru, minitaco da Indusparquet”.

resultados”.

Subindo um pouco, as paredes estão pedindo revestimento ecológico. “É uma ultratendência”, entusiasma-se ela. Painéis de peças de

FOTO: BETO GALVEZ

A madeira é outra opção de piso. A dica de

madeira de diferentes espessuras que formam uma “textura” muito interessante. O couro é outra sugestão de revestimento, podendo-se usar desde aparas da indústria até um produto sintético chamado recouro. Ou, ainda, ladrilhos de vidro e até cerâmicas, pois, revela Fernanda Brandão, da Espaço do Piso, “a indústria ceramista está produzindo materiais não apenas para o piso, sabendo que as pessoas procuram coisas novas e diferentes”. Os detalhes também são importantes na cozinha e no banheiro, como novos materiais para pias, cubas e novos modelos para os metais. Pisos de madeira: a volta do parquê inspirado em arquitetura antiga.

19


D e ta l h e s q u e fa z e m a d i f e r e n ç a f i n a l

FOTO: SPAZIO DEL BAGNO / DIVULGAÇÃO

c a pa

Carinho especial com o artesanato O acabamento de uma residência é um caso típico em que a atenção ao detalhe faz uma enorme diferença no resultado final.

O artesanato está em alta e em total integração com a produção industrializada. Luciana Baldi, do Armazém Cerâmico, entende que as peças artesanais podem dar um toque personalizado exclusivo em cada casa: “O porcelanato tem a praticidade, mas o ladrilho

FOTO: ARMAZÉM CERÂMICO / DIVULGAÇÃO

hidráulico é totalmente artesanal e pode-se usá-lo numa composição com o moderno”. Este ladrilho é resultado de uma tecnologia

Pias artesanais: charme e exclusividade.

de mais de um século, aceita diversas cores e como é feito manualmente, não saem dois

tas das cubas da loja são exclusivas, o que

exatamente iguais.

vai ser mais um diferencial a personalizar seu

Isso vale também para detalhes em paredes e

banheiro.

outros elementos decorativos, como os vasos

Volta o revestimento metalizado para tornei-

de terracota produzidos no Pantanal. Vasilha-

ras e chuveiros, em “formas puras”, garante,

mes de barro decorativos que foram moda no

que são os desenhos mais retos, “e torneiras

final dos anos 70 retornam agora, mas com

monocomandos, que dão praticidade para

uma diferença: “Aqueles eram feitos em torno,

temperar a água numa mesma torneira”. Mas

agora, são manuais”. Outra vez ela sugere o

os metais merecem um destaque especial, nos

uso das duas formas de produção: vasos de ci-

próximos parágrafos.

mento, feitos em moldes, e artesanais. A busca pela personalização dos ambientes é Ladrilho hidráulico: diferencial na padronização.

uma das características da loja de Luciana. Além de pedir sugestões aos arquitetos da loja para decoração de uma peça, o cliente também pode encomendar modelos especiais de pias e cubas, “que também são feitas à mão”, diz Luciana.

FOTO: DOCOL / DIVULGAÇÃO

As opções para o banheiro

O nome oficial é “cromoterapia”. Na prática, é uma torneira com um sistema de iluminação que muda a cor da água de acordo com a temperatura. Azul para água fria, vermelha para quente e violeta para mistura das duas. Esta novidade integra a série Lumina, da Meber (Bento Gonçalves) que foi campeã do Salão Design Casa Brasil.

O lugar onde se toma banho é tão especial

Outra vantagem das torneiras, mesmo as sem

que Ângela Becker tem uma rede de lojas

cromoterapia, é o sistema de vedação com

para o banheiro, a Spazio Del Bagno. Ela já

pastilha cerâmica associado ao de abertura

detectou o uso do vidro como uma das ten-

de 1⁄4 ou meia volta. Isso elimina o fecha-

dências predominantes, outra são as cubas

mento tradicional, no qual mãos mais pesa-

em corian, uma resina, em diferentes mode-

das acabam destruindo o vedante em pouco

lagens, e também em poliésteres. Pode-se es-

tempo. Também existem chuveiros com cro-

colher a cor que bem entender, mas a maior

moterapia. A diferença é que a cor é determi-

tendência, diz ela, “são as cores claras, com

nada manualmente, de acordo com o desejo

alguns detalhes”.

de quem está embaixo, num controle junto ao

Além disso, pode-se fugir da padronização.

Cristal Swarovski dá mais requinte ao banheiro.

A cor que jorra do metal

da temperatura.

“Temos parceria com artistas plásticos que

Também os acessórios de banheiro seguem

fazem as cubas”, explica Ângela. Assim, mui-

a linha da simplicidade. A Meber tem a li-


FOTO: BEN STUDIO FOTOGRÁFICO

nha Quadra. Também de Bento Gonçalves, a Obispa Design apresenta três linhas de puxadores: Cristal, Floral e Natuglass. A primeira explorando o luxo do contraste entre metal com brilho e cristal facetado. A segunda destaca o charme da simplicidade das flores e a terceira equilibra-se entre as duas.

Cristais e meio ambiente Para se ter uma idéia de como o banheiro tornou-se nobre no lar, os cristais chegaram até ele. A Docol fez uma parceria com a Swarovski, que criou a etiqueta “CRISTALLIZED – Swarovski Elements”, e lançou a linha Lumière, com duas opções de cristais: negro e translúcido. Os metais desta linha contam com o conforto do acionamento 1/4 de volta (cartucho cerâmico, exceto para misturado-

Cromoterapia: cor azul para água fria.

res de banheira) e apresentam as versões banhadas a ouro: Chrome Gold, Dourado Cristal Negro e Dourado, além da opção Chrome Cristal Negro. São torneiras e misturadores para pias, banheiras e duchas, além de saboneteiras, portaFOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / VERES IOAN

toalhas, argolas, papeleiras e cabides. Além da elegância, a Docol também tem uma linha de preservação ambiental. O banheiro é a peça da casa que mais consome água, por isso a empresa criou torneiras, chuveiros, registros, válvulas de descarga e demais componentes com tecnologia e design capazes de economizar 70% da água utilizada.

A versatilidade dos tecidos Algodão puro e seda. Uma dupla tão tradicional da tecelagem internacional está unida agora e ganhando disparado a tendência de colchas, cortinas e até servindo como papel de parede. Fátima Bonamigo, da Fátima Bonamigo Deco-

Painel de madeira e carpete formam texturas interessantes.

rações, anuncia: “A tendência são as cores preta e branca para dormitórios, principalmente de jovens”. Junto a estas FOTO: FÁTIMA BONAMIGO / DIVULGAÇÃO

duas está o tom sêndi, antes conhecido como cor cáqui. O trio serve de base para a mistura de padrões floral, listrado e xadrez. Quando se trata de cortinas, a base é branca, com os reposteiros combinando com as colchas. Mas o tecido não se limita mais a camas e cortinas: “Como não há papel de parede igual aos tecidos, a opção é colar tecido nas paredes”, diz Fátima. A cola para isso é especial. Para os estofamentos, a variedade é maior. Várias cores, listradas ou com mistura de elementos. Os tecidos são outros, como lonas e sarja peletizada (para não encolher) e que também podem ser usadas como capas de sofás, poltronas, cadeiras, chaise-longue.

Cores e flores: tecidos também nas paredes.

21


FOTO: SILVA’S FOTOGRAFIA

moda

p o r A n i ta F r e i r e Empresária do segmento de moda e diretora-geral da Conte Freire, loja especializada em produtos premium, que trabalha com renomadas grifes nacionais e importadas.

A explosão dos outlets

Existem shoppings inteiros nos EUA desti-

vidade para shopping regular, pois os brasilei-

nados à venda de mercadorias fora de cole-

ros não entendiam a cultura dos baixos pre-

ção. Em Nova York há o Woodbury Common

ços, chegando a desmerecer as grifes. Hoje,

Premium Outlets®, com 220 lojas como

há outlets das próprias marcas situados em

Nike, Adidas e Puma, além das luxuosas

ruas charmosas de São Paulo e Rio de Ja-

Armani, Gucci e Ermenegildo Zegna. Esse

neiro, como Fórum, Richards off, Sale Shop

segmento movimenta milhares de empregos

Andréa Saleto, Lenny Off e feiras sazonais

para os americanos e os shoppings ofere-

como Q!Bazar.

cem estacionamento, praça de alimentação e todos os atrativos dos shoppings conven22

cionais.

Pesquisando para a matéria acessei o site CHIC-Glória Kalil e encontrei 20 dicas de outlets em São Paulo. Os brasileiros come-

Nos arredores de Milão pode-se comprar

çam a entender o negócio e a não desconfia-

praticamente todas as marcas em outlets e

rem dos preços baixos – que se justificam

na Espanha há a La Roca Village, uma mini-

pela falta de numeração e disponibilidade

cidade de outlets de grifes luxuosas, como

das peças, e a venda do estoque de produtos

Burberry e La Perla. A Zara usa o nome de

de outras estações do ano, que mesmo assim

Lefties em plena Calle Pelayo, em Barcelona,

mantêm a qualidade e o valor agregado da

e vende casacos a partir de 11 euros.

grife.

No Brasil não havia shoppings totalmente

Por tudo isso, os consumidores brasileiros de-

voltados para esse fim e os que abriram com

vem ficar atentos a essa tendência, que veio

essa intenção nos anos 90 mudaram sua ati-

para ficar!


tecnologia

p o r F e r n a n d o E ly FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / MUSTAFA DELIORMANLI

Fernando Ely é formado em Marketing pela ESPM e sócio proprietário da empresa Áudio & Vídeo LTDA com 17 anos de atividade na comercialização e consultoria em sistemas de som,

FOTO: ©ISTOCKPHOTO.COM / MATJAZ BONCINA

vídeo e automação residencial – fernando@audioevideo.com

Conexão HDMI High Definition Multimedia Interface, ou interface multimídia de alta definição. O padrão HDMI foi criado com a finalidade de simplificar a ligação entre os equipamentos,

Conexão HDMI suporta imagens de alta qualidade.

substituindo aquela multidão de cabos. Esta característica é a primeira proposta de valor do padrão HDMI, já que um único cabo é ca-

24

“Um único cabo é capaz de transportar sinais de áudio multicanal e de vídeo.”

paz de transportar sinais de áudio multicanal

lips foram as primeiras). Se o seu DVD não

e de vídeo. A única exigência é que o televisor

possuir conexões HDMI, saiba que é possível

ou projetor sejam compatíveis com a reso-

adaptar as novas TVs via um conversor cha-

lução da fonte original. Mas a grande dife-

mado “Scaler de vídeo” que converterá as

rença entre os padrões é que o HDMI aceita

conexões padrões para o formato HDMI, já

qualquer tipo de resolução, das 480 linhas

existentes nos novos receivers de Home Thea-

(480p) do DVD às mais altas (720p, 1.080i

ter de marcas mais conceituadas.

e 1.080p) da TV digital e dos novos aparelhos com discos de alta resolução (blu-ray), ao contrário das conexões analógicas, pois a grande vantagem em matéria de vídeo é a possibilidade de transportar bilhões de cores e diversas escalas de tonalidades.

Na hora de escolher o melhor cabo HDMI, a dica é optar sempre por produtos comercializados com garantia. Se possível, procure ainda levar em conta a experiência de profissionais da área. Fique atento também à metragem, que não deve ultrapassar os 17m,

As novas versões das conexões HDMI dão

para não prejudicar o sinal. Hoje, vários fa-

ainda total suporte aos formatos de áudio

bricantes disputam este mercado, oferecendo

presentes nos novos discos de alta definição.

uma grande variedade de cabos de qualida-

Mas de nada adianta a TV com HDMI e um

de. As marcas mais tradicionais são Acoustic

DVD convencional, pois não haverá compati-

Research, AudioQuest e Monstercable, porém

bilidade entre eles. Todas as TVs de plasma e

alguns fabricantes nacionais vêm conquistan-

LCD atualmente em nosso mercado possuem

do seu espaço nessa área pelo baixo valor de

no mínimo uma conexão HDMI (LG e Phi-

seus cabos.


FOTO: EDU LIOTTI

decoração

por Cynthia Garcia Arquiteta, sócia-fundadora da BGarquitetura, escritório atuante nas áreas comerciais, corporativas, residenciais e de arquitetura efêmera.

O poder dos revestimentos de parede na decoração “Não existe nada que diga que o seu espaço deva ser preferencialmente de uma cor ou de outra. Ela deve refletir a sua personalidade ou o seu momento de vida.”

Convivemos entre quatro paredes a maior parte do nosso tempo. As paredes são a paisagem principal do dia-a-dia. Dentro do projeto de ambientação, então, o tratamento das paredes é um ponto de extrema importância.

bamento da pintura também é ponto-chave

Elas podem ser neutras, participando como

para o efeito final. Particularmente dou pre-

coadjuvantes de uma composição de mobiliário, iluminação e objetos. Mas também

FOTOS: ANDRE NERY

podem ter personalidade própria, assumindo

26

papel principal através de cores fortes e tex-

ferência ao “matte” com efeito fosco e aveludado para salas de estar e ao acetinado para dormitórios, pois são laváveis e não brilham. Dentre os papéis de parede, gosto de usar os

turas rústicas ou refinadas.

de fibra de vidro com padronagens simulan-

A cor por si só possui o poder de imprimir

após sua instalação e proporcionam efeito

sensações diferentes nas pessoas: energia,

excelente em lavabos, por exemplo. Das tex-

alegria, descanso. Por isso não existe nada

turas oferecidas, as mais interessantes, a meu

que diga que o seu espaço deva ser preferen-

ver, são as que reproduzem o efeito da anti-

cialmente de uma cor ou de outra. Ela deve

ga caiação de paredes: aparência desbotada

refletir a sua personalidade ou o seu momen-

com rugosidade suave – perfeitas para áreas

to de vida. A designer de superfícies Renata

externas e fachadas.

Rubim afirma no seu site: “Não se deve fixar nos mesmos grupos ou combinações de cores. Não se fechar à experimentação e à ousadia de novas composições, pois as cores intera-

do tramados. Estes devem receber pintura

Como tendência, o uso dos adesivos em paredes é a nova sensação, desde composições infantis até grafismos bem elaborados, apli-

gem para além do controle objetivo.”

cados em vários tons e alternando superfícies

A gama de tintas oferecida pela indústria

fundidade. Mais de um site comercializa ade-

conferiu-nos um poder incrível: a liberdade

sivos com padrões preestabelecidos, enquan-

da criação. Qualquer cor é possível, a opção

to designers criam desenhos personalizados e

varia do conceito do projeto. Escolher o aca-

exclusivos para cada pessoa.

foscas e brilhantes, dando sensação de pro-


gastronomia

p o r G i l b e r t o Ti m m e r s Gilberto Timmers é chef e proprietário dos restaurantes Il Fornellone e Bier Garten. Apaixonou-se pela culinária na infância e aprimorouse em cursos com grandes chefs internacionais.

Pernil com cachaça

Modo de fazer:

(pode-se utilizar pernil de cordeiro, porco, javali)

FOTO: BIER GARTEN / DIVULGAÇÃO

Pré-aqueça o forno a ± 150°C. Corte finamente ou processe rapidamente os ingredientes: salsão, cenoura, cebola, tomate, pimentão, alho. Faça alguns furos no pernil e tempere com sal grosso, cubra com os vegetais picados, acrescente o azeite, o tomilho, o louro e os 10 dentes de alho inteiros, regando tudo com a cachaça. Misturar a água com a farinha para formar uma massa grossa. Coloque o pernil em um panelão de ferro com a marinada e lacre a tampa com a massa grossa de farinha. Cozinhe por ± 7 horas. Retire do forno e quebre o lacre. Para acompanhar, asse no forno por 20 minutos em uma travessa 6 tomates sem sementes cortados em quatro, 2 cebolas grandes cortadas em fatias, uma pitada de açúcar, alecrim, sal grosso, tudo regado no azeite.

28

Coloque na mesa pão francês fresquinho, de uma boa padaria, folhas de alface e de rúcula, tomate em rodelas, o assado de tomate e cebola, um punhado de amigos com muita cerveja e divirta-se com boas horas de conversa e risos. Ah, não esqueça, é lógico, do pernil na panela, pegue seu pão e faça um sanduíche do seu jeito. Ingredientes: 1 pernil de 1.700kg

4 colheres de sopa de azeite de oliva

2 ramos de tomilho

4 dentes de alho cortados em fatias

4 cenouras médias

1 1⁄2 xícaras de cachaça

10 dentes de alho inteiros com casca

2 cebolas médias

sal grosso e pimenta

4 tomates sem sementes

2 talos de salsão

1 xícara de farinha de trigo

1 pimentão vermelho pequeno

2 folhas de louro

1 xícara de água


por Beto Conte beto@stbpoa.com Já percorreu 110 países nos 5 continentes, tendo estudado nos USA e Europa, nos conta sobre sua mais recente viagem ao

FOTOS: BETO CONTE / DIVULGAÇÃO

viagem

Egito. Entre suas outras andanças estão o Irã, ‘trekking’ ao Everest no Tibet, camelo pela Ásia Central e safári na África.

Egito: 5.000 anos de história

Pirâmide de Quéfren.

O Egito Antigo me fascina desde garoto. No iní-

ABU SIMBEL

cio de 2008 acompanhei um grupo com o histo-

O templo mais marcante para mim em todo

riador francês Alexandre Roche numa imersão

Egito é o de Abu Simbel. Foi escavado na ro-

pelos 5 mil anos de civilização egípcia.

cha e decorado com 4 estátuas colossais de Ramsés II, que governou por 67 anos.

Templo de Karnak em Luxor.

Templo de Abu Simbel.

30

MÊNFIS & GIZÉ – arredores de Cairo Pouco restou da capital do antigo império,

NILO

Mênfis, construída pelo faraó Menes, unifica-

Uma viagem pelo Nilo possibilita observar a

dor do Alto e Baixo Egito (respectivamente o

vida ribeirinha, as margens cultivadas som-

vale e delta do Nilo) em 3000 a.C. Na necrópo-

breadas por tamareiras e o deserto despontan-

lis em Saqqara se destaca a pirâmide escalo-

do ao fundo.

nada projetada pelo genial Imhotep, arquiteto

Todo final do dia subia ao convés e com a brisa

do faraó Djoser, que serviu de modelo para as

no rosto, o som do “muezzin” da mesquita no

grandes pirâmides de Gizé – Quéops, Quéfren e

povoado de passagem, admirando as mudanças

Miquerinos – construídas há 4.500 anos.

das cores no céu, percebia a atração milenar do Nilo.

LUXOR – sul

Pescador danúbio em Aswan.

Sugestão de Leitura O romance Ramsés de Christian Jacq, e os livros de Naguib Mahfouz – prêmio nobel de literatura – que retratam entre outros temas o cotidiano do Cairo atual.

Tebas, capital do médio império em torno de

CAIRO

2.000 a.C, continua a impressionar com tem-

Cairo é a maior cidade da África, centro da

plos como os de Karnak e Luxor, que dá o nome

cultura árabe e islâmica e do poder no Egito

à cidade atual.

desde a conquista árabe em 662.

Em Karnak, a alameda de esfinges nos leva

Imperdível para sentir a Cairo atual é percor-

pelo Hypostyle Hall até o templo de Amon – o

rer o bazaar de Khan Al-Khalili e entre barga-

maior dos deuses da cosmologia egípcia.

nhas parar para um chá e uma “sheesha” na

Na margem ocidental do Nilo, o Vale dos Reis,

ruela Fishawi’s – e observar a movimentação

com as tumbas dos grandes faraós do novo im-

dos locais.

pério como Ramsés II e a do jovem Tutankhamon.


veículos

FOTO: SAVARAUTO / DIVULGAÇÃO

Tecnologia em carros de luxo forced Impact Safety Evolution) que conta com controle de velocidade em descidas, freios ABS e chave de código antifurto. O computador de bordo informa consumo, variação da temperatura externa, variação de altitude. O rádio tem capacidade para seis CDs e leitor de MP3. Uma facilidade que o Série 3 da BMW apreFOTO: RAMADA / DIVULGAÇÃO

Classe B tem bluetooth, MP3, bancos com memória.

senta é a Direção Ativa, que reage conforme A tecnologia é uma exigência crescente dos

a necessidade do motorista. Para manobras

consumidores brasileiros de carros de luxo.

na cidade ou andando em velocidade baixa,

Alguns itens são básicos, como vidros elétri-

a proporção entre o movimento da direção e

cos, câmbio automático, airbags ou clima-

das rodas é direta. Já em altas velocidades,

tizadores de ar. Outros vêm de fábrica em alguns modelos e são acessórios em outros, para se enquadrar mais facilmente na possi-

Pajero Full apresenta controle de velocidade em descidas. FOTO: BMW / DIVULGAÇÃO

bilidade financeira do comprador.

32

so Adaptive Headlights (faróis adaptativos)

Benz vem com bluetooth, o equipamento

a velocidade do veículo.

que integra o celular no sistema de som do carro e comandos de ligar e desligar no vo-

de memória: você programa a altura dele, posição do volante e dos espelhos retrovisores FOTO: EUROBIKE / DIVULGAÇÃO

nha” as curvas das estradas, graças ao recurque monitora o desvio, o ângulo da direção e

gaveta para um CD. Os bancos têm sistema

Volvo C30, nem precisa tirar a chave do bolso.

motorista. À noite, a luz dos faróis “acompa-

Um modelo como o Classe B da Mercedes-

lante.O som tem entrada para MP3, além de Série 3 BMW, com luzes que “acompanham” a estrada.

não é tanta, o que aumenta o controle do

de acordo com a preferência de cada um dos motoristas do carro.

O Volvo C30 apresenta algumas exclusividades que realmente fazem a diferença. Uma é o sistema Keyless, que dá a partida no carro sem precisar tirar a chave do bolso, graças a um sistema de ondas. Tem mais: o BLIS, uma pequena luz que se acende quando algo estiver no ponto cego do carro. Com isso, mesmo que a gente não veja pelos retroviso-

A Pajero Full, da Mitsubishi, com 10 airbags,

res, sabe que um veículo, ou pessoa está pró-

apresenta a deformação da lataria, em caso

ximo do veículo. Outro: sistema WHIPS, que

de colisões, como um de seus grandes itens de

serve de proteção à coluna cervical em caso

segurança do sistema chamado RISE (Rei-

de colisões.


vinhos

África do Sul, onde a democracia ajudou o vinho

Pinotage 2004

Tipo: tinto Produtor: Kanonkop Região: Stellenbosch, na região Coastal Region, na província de Western Cape. Uva: Cabernet Sauvignon/ Pinotage/Merlot Conteúdo: 750ml Servir: entre 18 e 20ºC.

Tipo: tinto Produtor: Kanonkop Região: Stellenbosch, na região Coastal Region, na província de Western Cape. Uva: Pinotage Conteúdo: 750ml Servir: entre 16 e 18ºC.

O país da próxima Copa do Mundo é

ções ao país. Uma dessas foram sanções

tempo para visitar algumas vinícolas,

também um emergente na produção

comerciais.

elas são abertas ao público, algumas têm

de vinhos de qualidade. Desde o início dos anos 90, a África do Sul sobe no conceito dos apreciadores da bebida e já conquistou respeito e admiração no mundo.

Quando caiu o regime, abriram-se as fronteiras e o vinho foi um dos grandes beneficiados. Houve replantio de mudas,

lizada na costa sudoeste, recebendo brisa

produção de cepas mais nobres.

Cabo, encomendou videiras da Europa na esperança de produzir vinhos para combater o escorbuto, doença comum entre os marinheiros da época. Porém, a produção de vinho no país serviu apenas para consumo interno. Além disso, o regime do Apartheid gerou condenação internacional e diferentes puni-

A maioria das regiões vinícolas está locafria do Atlântico.

zido ali foi em 1659, dia 2 de fevereiro.

nhia das Índias Ocidentais na Cidade do

preços que variam de três a 20 dólares.

lhor aproveitamento do solo e das condições climáticas, controle de pragas e

pois de montar um escritório da Compa-

restaurantes e vendem seus produtos a

atualização de técnicas de produção, me-

Historicamente, o primeiro vinho produIniciativa de Jan Van Riebeeck que, de-

34

Kadette 2004

CONSTANTIA

O resultado foi um salto de qualidade.

Aqui foi produzido o primeiro vinho da

Muitos já percebem uma identidade pró-

África do Sul. Mantém a liderança de

pria dos vinhos do Cabo. E alguns paí-

produção no país. A vinícola Buiten-

ses da Comunidade Européia começam

verwachting e a Thelema são citadas

a protestar contra o uso de definições

como integrantes de uma elite produtora

como “porto”, ou “sherry” em produções

reconhecida internacionalmente. A Gran-

sul-africanas.

gehurst, do vinicultor Jeremy Walker

Seguindo a prática do Novo Mundo, os produtores da África do Sul rotulam seus vinhos com o nome da cepa que entra em maior proporção no corte. As principais cepas são:

— que é na verdade um artesão da indústria do vinho —, na prática é uma “wineboutique”. Também merecem referência Stellenzicht, do vinicultor Andre Van Rensburg, o mais premiado no país nos últimos anos. Em 1994 ele produziu um Shiraz (Syrah 94) que seduziu o mundo

Cabernet Sauvignon, Merlot, Shiraz,

e era vendido a US$ 30,00 a taça no ho-

Pinotage, (um híbrido do Pinot Noir +

tel Waldorf-Astoria em Nova Iorque.

Cinsaut ), Sauvignon Blanc, Chardonnay, Chenin Blanc (que é a uva mais plantada).

FRANSCHHOEK Fica num vale cercado de montanhas e

Se você for a Copa de 2010, ou visitar

produz vinhos das cepas Cabernet Sau-

a África do Sul antes disso, arrume um

vignon, Chardonnay, Pinot Noir e Shiraz.


Porcupine Ridge Syrah 2006

The Wolftrap Blend 2005

Obikwa Chenin Blanc

Obikwa Pinotage

Tipo: tinto Produtor: Boekenhoutskloof Região: Franschhoek, no distrito de Paarl, na Coastal Region, na província de Western Cape. Uva: Syrah Conteúdo: 750ml Servir: entre 18 e 20ºC.

Tipo: tinto Produtor: Boekenhoutskloof Região: Franschhoek, no distrito de Paarl, na Coastal Region, na província de Western Cape. Uva: Syrah/Cinsault/Mourvèdre/ Viognier Conteúdo: 750ml Servir: entre 16 e 18ºC.

Tipo: branco Produtor: Obikwa Sub-região/Região: Stellenbosch Uva: Chenin Blanc Conteúdo: 750ml Servir: entre 11 e 13ºC.

Tipo: tinto Produtor: Obikwa Sub-região/Região: Stellenbosch Uva: Pinotage Conteúdo: 750ml Servir: entre 16 e 18ºC.

PAARL

As regiões vitícolas da África do Sul

No vale do rio Berg, na base das montanhas Paarl. Produção que varia dos brancos secos, passando por portos Style, Kosher e espumantes a licores e brandies. Lamberts Bay

STELLENBOSCH

Elands Bay

São 300 produtores, a região tem índice de chuva, clima e solos ideais para variedades nobres. A cidade é também sede da Stellenbosch University com mais de 14.000 estudantes, única do país a ter departamentos dedicados à viticultura e

Vredenburg Saldanha

Moorreesburg

Yzerfontein

Malmesbury

enologia. SWARTLAND

Cape Town

área de cultivo de milho. Seus vinhos têm

Regiões Vitícolas

extrema concentração de cor, os preços

Constantia

são bons em relação à qualidade e é vista

Durbanville

como região de futuro.

Paarl-Wellington

Tulbagh

Costi Bebidas Rua Santos Dumont, 752 www.costibebidas.com.br 51. 3222.0878

Arniston

Olifants River

Swartland

Onde comprar

Witsand

Kleinmond

ce no verão deu origem ao nome da região, “terra negra”. Antigamente, foi uma

Mosselbaai

Strand

A vegetação de folhas negras que apare-

Stellenbosch Franschhoek Worcester Robertson Hermanius/Overberg Walker Bay Klein Karoo

Na próxima edição, vamos à Califórnia. Mas não para surfar ou visitar os parques de diversão, mas para conhecer seus vinhos. Desde o final do século 20, eles atingiram um patamar superior de qualidade e são elogiados internacionalmente.

35


FOTOS: BOSSA AGÊNCIA DE IMAGENS

melnick

Melnick Even, qualidade para todo o mercado A união de forças é a expressão que melhor resume o surgimento da Melnick Even, empresa criada em 4 de março de 2008. A nova empresa vai atuar em todos os segmentos do mercado do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Com uma característica, assegura o diretor comercial, Juliano Melnick: “Vamos manter nossa qualidade e atuação no alto padrão. E vamos levar nossa experiência e qualidade para outros segmentos”. 36

A Construtora Even S.A. é a maior do Brasil em metros quadrados construídos, de acordo com o IV Ranking ITCnet 2007 — as 100 Maiores da Construção—, com sede em São Paulo e atuação no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Rio Grande do Norte e Paraíba, totalizando 17 cidades. Lançou mais de R$ 2 bilhões em 2007, resultando num crescimento de 134% em relação a 2006. A Melnick, que fez a primeira investida no interior do Rio Grande do Sul em 2004, em Gramado, é a líder no mercado gaúcho de alto padrão. A nova sociedade não se restringe a uma soma de ativos e históricos vencedores. É também uma união de filosofia empresarial. “Já na primeira conversa, vi que nos entenderíamos”, disse Carlos Terepins, diretor-presidente da Even, naquela tarde de março. O motivo desse sentimento positivo era o relacionamento diferenciado que a Melnick mantém com clientes, funcionários e colaboradores, semelhante ao que a Even pratica. Além disso, Terepins acredita que traz de berço uma compreensão sobre o Estado: “Meu pai era gaúcho, do interior. Aprendi a fazer churrasco muito bem”, garante. A nova empresa nasce unindo o melhor de cada grupo em projetos inovadores, alto padrão de execução e atendimento. O objetivo é superar expectativas e atingir todo o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Com alta qualidade de construção.

A Melnick Even nasce da associação da Melnick, uma das maiores incorporadoras do RS, atualmente líder do segmento de alto padrão no estado, e a paulista Even, que apresenta um dos maiores índices de crescimento no setor.


A Casa Cor volta a Porto Alegre em 2008 (foi em Gramado em 2007). Vai acontecer numa área de mais de 4.000 metros quadrados e pela quarta vez conta com o apoio estrutural da Melnick. Esta é a 17ª edição da Casa Cor no Estado e tem uma novidade: serão duas residências, a Casa do Casal Sênior e a Casa do Casal Jovem, totalizando 50 ambientes e mais áreas de paisagismo, lazer, gastronomia, joalheria, um shopping Casa Cor e estacionamento. A Casa Cor é considerada o maior evento de decoração da América Latina e acontece em 16 cidades, três delas fora do Brasil. Peru, Panamá e Suécia são os países estrangeiros onde ocorre o evento este ano. Foi criada há 22 anos e desde então consolida-se como referência em arquitetura e decoração A exposição de Porto Alegre será de 30 de maio a 13 de julho, de terça a domingo, das 11h às 21h. O público esperado é de 30 mil visitantes. Além de dar apoio, a Melnick Even participa da Casa Cor com um show-room apresentando todos seus lançamentos, inclusive o ARTE Luxury Home Resort, que será no mesmo local: Rua Luis Manoel Gonzaga, 111.

38

Arte com muito luxo Luxo e bom gosto nunca se esgotam. A prova disso é o lançamento do ARTE Luxury Home Resort, o maior empreendimento de alto padrão da Melnick. O terreno tem 4.650 metros quadrados e 117 metros de frente. São duas torres com 18 unidades cada, uma por andar, 334 e 231 metros quadrados privativos, três e quatro suítes e três e quatro estacionamentos respectivamente. Todos os quartos são de frente, a orientação solar é perfeita e a fachada é de granito e pastilha. Além disso, a infra-estrutura é de clube: quadras de tênis e futebol, piscinas adulto e infantil, raia de natação coberta, salão de festas e jogos, brinquedoteca, cinema infantil, fitness e spa com sauna seca e úmida. Ótima localização: Rua Luis Manoel Gonzaga, 111, ali onde acontece a Casa Cor de 2008.

FOTO: DIVULGAÇÃO / CASA COR 2007

Show-room na Casa Cor



Melnick Magazine 5