__MAIN_TEXT__

Page 1


Disponibilização: Stella Marques Tradução: Zanin Revisao Zanin Leitura final: Cá e Ly Formatação: Minuit e Dadá


BROKEN LOVE B. B. REID


Uma historia que vai te fazer questionar

tudo que sabe sobre AMOR e ÓDIO Eu não acredito em contos de fadas e Príncipe Encantado. Eu acredito em medo. Ele me ensinou a ter medo. Nós nos conhecemos em um playground em um dia de verão maravilhoso. Foi a primeira vez que ele me machucou, e não seria a última.

Por dez anos, ele tem sido o meu algoz e eu tenho sido sua proibicao. Mas então ele foi embora, e ainda assim eu continuava estava com medo. Agora ele está de volta, e quer mais do que apenas as minhas lágrimas. Você vê ... ele acha que eu o mandei embora e agora ele quer vingança ... e ele sabe exatamente como obtê-la.

POR FAVOR, LEIA OS AVISOS. Este livro é um new adult e contém elementos ásperos, tais como linguagem forte, violência, conteúdo sexual forte, macho alfa, anti-herói, chantagem e consentimento duvidoso. Fear Me, ao todo, contém temas sensíveis e muitas pessoas não são capazes de engolir.


Dedicatória Este livro é dedicado a cada autor de romance que enche meu coração romântico de fantasias.


Agradecimentos A parte mais fácil de escrever sobre Fear Me é agradecer as pessoas maravilhosas e dedicadas que me ajudaram ao longo do caminho ... Em primeiro lugar, quero agradecer a Deus por me abençoar com a coragem de não apenas perseguir o meu sonho, mas para pegá-lo. Mama, obrigada. Há tanta coisa que eu posso dizer, mas tudo isso nunca iria caber no papel. Eu vou fazer qualquer coisa e tudo para manter seu orgulho de mim. Ah, e se você leu Fear Me ... por favor, não me diga. Seria estranho. Eu te amo! Deven, você me encorajou em maneiras que você nunca vai saber. Obrigada por compreender ser ignorado e por todo o meu mau humor. Espero não ter negligenciado muito você enquanto escrevia Fear Me. Você é tudo que uma garota poderia pedir ... às vezes. Você ainda pode ser um cara às vezes. Tiera, minha melhor amiga e, provavelmente, a primeira pessoa a comprar Fear Me, muito obrigada por todo o apoio e amor. Você foi a primeira pessoa a quem eu disse, quando decidi perseguir o meu sonho, porque confiei em você para ser a única a me incentivar da maneira que eu precisava. Além disso, suas palhaçadas me mantiveram seguindo em frente. Tae, pela última vez, eu não estou escrevendo outro Fifty Shades of Grey. Pare de ficar obcecada e conheça seu novo namorado literário. Kimie, Sharee, Stephanie, e Kimmy. Eu não acho que vocês sabem como amo estar na comunidade de escrita. Promoções vão extremamente bem com a dedicação e o amor que vocês mostram a cada pessoa que quer ser autores, blogueiros ou PAs. Seus nomes devem ser reverenciados. Eu não poderia ter feito isso sem vocês, senhoras. Com os teasers, design, capa revelada, e até mesmo uma leitura beta, vocês estiveram lá. Muito obrigada.


Para qualquer autor novo lá fora, procurando por um promotor ou mesmo um amigo, estas senhoras são as que você precisa ver. Elas têm muitas conexões e sabem como trabalhar com eles. Você pode encontrá-las no Facebook ou no seu site de negócios. Elas podem e irão satisfazer todas as suas necessidades promocionais. Robin, meu editor muito talentoso, sua tenacidade me conquistou e eu estou tão feliz que chegamos a trabalhar juntos. Por causa de você Fear Me fluirá, Fear Me fará sentido, e Fear Me será perfeitamente quebrado. Se não houver nenhum autor por aí procurando um editor com preços muito bons visite-os no Words in Play no Facebook. Sharee, meu leitor beta / editor, você coloca-se com as minhas dúvidas e segundo palpites para o fim e como o meu primeiro leitor, eu agradeço a sua opinião honesta e o tempo extra que você gastou certificando Fear Me foi escrito como era suposto. Shantaye! Minha melhor amiga autora... Garota, você é cinquenta tons de louca, mas agradeço pela maneira inspiradora que você me motivou a escrever Fear Me como eu queria. Eu devo muito de seu sucesso a você. Zel (Deviants & Saints) foi uma fantástica leitura escura. Continue a escrever com o coração. Sabrina, Karina, e Dani, as senhoras foram as primeiros autoras que conheci que sequer me deram a hora do dia. Muito obrigada pelo apoio! Para todos os blogs incríveis e fãs que participaram na promoção Fear Me, obrigada! Aqui está Fear Me


Prólogo Eu bufo e limpo o suor da minha sobrancelha, pela centésima vez, nos últimos cinco minutos. O esmalte da unha, cor de rosa, que a tia Carissa me ajudou a pintar, nesta manhã, brilhava à luz do sol. Eu não estava tendo um bom momento. "Quer brincar de amarelinha? Eu tenho giz. É rosa se você quiser. Minha mãe diz que as meninas femininas gostam de rosa. Sua fivela de cabelo é rosa, assim você é definitivamente uma garota feminina. Eu gosto do seu coque. Você parece uma bailarina. Você é uma bailarina? Você pode me mostrar seus movimentos?" A voz suave acima soprou as palavras para fora, antes mesmo que eu pudesse levantar a minha cabeça. Olhei para cima e estava olhando para cintilantes olhos verdes e um rosto gordinho. Ela me lembrou de umas das estátuas da minha mãe, que ela muitas vezes as chamava de querubim. "Willow", ela disse. Eu continuei a olhar. Sua juba selvagem de cabelo vermelho encaracolado, que era mais como uma cor de cobre, atualmente estava espalhada em todas as direções como se ele nunca tivesse encontrado uma escova antes. As sardas cobriam uma grande parte de seu rosto, emoldurando seus olhos redondos e grandes. Seu macacão verde brilhante tinha uma margarida amarela que se destacava com as sapatilhas roxas. Ela definitivamente era uma criança que tinha um atrevido e adorável olhar. "Oi," e após o silêncio tornar-se estranho, eu finalmente respondi. Eu podia ver um pouco de sua confiança desaparecer quando continuei a olhar. "Qual é seu nome?", ela perguntou nervosamente. Eu não tinha certeza se eu deveria responder. Ela parecia como se tivesse tido um longo dia de problemas. Eu não tive a chance de responder, embora.


Uma senhora com cabelo vermelho igual ao dela, mas cuidadosamente penteado para trás, descansando em seus ombros, interrompeu antes que eu pudesse responder. "Willow", a senhora gritou em tom severo. "O que aconteceu com seu cabelo? Ah, deixe para lá. Onde está seu irmão? É hora de ir para casa." "Mããããe", ela lamentou. "Como eu posso saber? Buddy tem cinco anos! Ele é praticamente um adulto!" Tenho quase certeza de que isso não está certo. "Willow Olivia Waters," sua mãe começou a falar, ficando vermelha. Uh oh. "Lake", eu disse abruptamente. As duas se viraram para mim, sua mãe parecendo confusa, enquanto Willow sorriu para mim triunfante. Eu acho que descobrir meu nome era algum tipo de vitória para ela. Estranha. Eu só dei o meu nome como uma distração porque, por algum motivo não queria que o outro garoto ficasse em apuros, mas agora não sei o que fazer, pois ambas olhavam para mim. "Mãe, Lake e eu vamos encontrar alguns amigos e nós vamos encontrá-la no carro", a menina correu para fora quando pegou minha mão e saiu correndo para o outro lado do parque infantil. Nós passamos rapidamente pelo balanço, carrossel e brinquedos, mas eu não vi nada disso realmente, enquanto ela me puxava pelo parque em alta velocidade. Nós finalmente chegamos a uma parada perto de um playground. Parecia bastante assustador para uma criança de oito anos de idade, então eu só podia imaginar como o menino mais novo de macacão jeans, em lágrimas e agachado no topo das barras, se sentia. Eu me perguntava como ele conseguiu subir e por que ficou lá em cima. O playground era para as crianças três vezes maiores do que seu tamanho. "Buddy!" Willow chamou ao meu lado. "Willow, me ajude. Eu não consigo descer!"


Eu podia vê-lo balançando de onde estava de pé e senti pena do menino. Virei-me para sua irmã com expectativa para ver o que ela iria fazer, mas ela não parecia mais a menina vibrante que conheci há pouco. Ela parecia assustada. Eu a cutuquei, o que pareceu quebrá-la fora de seu transe. "Está tudo bem?" "Eu não posso ir até lá", ela sussurrou baixinho. Suas bochechas rosadas empalideceram, quando se virou para mim com os olhos arregalados. Ótimo, ela tem medo de altura. Olhei em volta para ver se achava seus pais e notei que nós estávamos cercadas por árvores do outro lado do parque, longe de qualquer ajuda de um adulto. Pensei por um momento em ir buscar ajuda, mas o menino estava histérico e Willow continuava a olhar em volta, nervosamente. Qual era o grande problema de qualquer maneira? O playground não era tão alto. Eu suspirei, sabendo que ia ser a única a subir nas barras do playground e persuadir seu irmão mais novo a descer. Eu sabia que dar-lhe o meu nome significaria um dia, problemas. Comecei a ir em frente e agarrei o primeiro degrau, pronta para subir, quando o ouvi. "Pare." Eu congelei e imediatamente olhei na direção da voz desconhecida. Eu estava olhando para os olhos de um estranho pela segunda vez hoje. Embora estes olhos não brilhavam. Não... eles eram escuros e me lembrava das tempestades que eu tanto odiava. Eles eram assustadores e maus. Tudo sobre esse momento me fez sentir diferente. Eu era incapaz de desviar o olhar de seus surpreendentes olhos cinzentos. Eles estavam me provocando, me desafiando a desviar o olhar e arriscar as consequências. Eu não sabia, ou melhor, não conseguia desviar o olhar e não sabia se queria. Eu o vi me assistir e de repente eu queria saber o que ele pensava de mim. Eu precisava saber o que ele via, quando olhava para


mim. Eu não tinha certeza do que vi quando olhei para ele, mas sabia que a reação que estávamos tendo um para o outro não era normal. Era muito poderosa. Ele estava apoiado casualmente contra a escada do lado oposto de onde eu comecei a minha subida, mas o seu olhar intenso disse que este encontro era tudo, menos casual. Eu poderia dizer que ele tinha em torno de minha idade ou talvez mais velho. Seu cabelo desgrenhado escuro caiu para frente e protegia parcialmente os olhos, porque era ligeiramente mais comprido na frente. Pequenas gotas de suor alinhados em seu rosto anguloso e maçãs do rosto, que eram ainda ligeiramente arredondadas com a juventude. Uma bola de basquete estava parada a seus pés, assim adivinhei que ele acabou de jogar. "Eu quero ir para casa." Eu ouço o grito fungando de cima, me tirando fora do transe que eu estava. Eu notei algumas outras crianças, que estavam em torno do playground, assistindo o amigo agarrado as barras, mas ninguém se mexeu para ajudar. Havia um menino menor de pé perto dele, que inclinava-se para o lado dele. Ele estava olhando para nós; assistindo nossa troca de olhar silenciosa. Sem dar uma resposta ou outro olhar, continuei, o momento se passou, mas a consciência estava muito presente. No entanto, não coloquei o meu pé no próximo degrau, antes que fizesse ele me parou novamente - desta vez com uma mão na minha perna direita. Seus olhos pareciam ainda mais escuros de perto. Ele me fez parar. Como ele chegou aqui tão rápido? "Não", disse ele neste momento. Quase soou como um grunhido, mas que não poderia estar certo. As pessoas não rosnam. Mas, aparentemente, ele podia, porque continuou a falar no mesmo tom enérgico. "Ele subiu sozinho, então ele mesmo pode descer." O quê? Ele era apenas uma criança, pensei com raiva. Mas então, nós todos éramos também.


"Olha, não sei quem você é ou qual é o seu problema, mas ele precisa de ajuda e vai receber essa ajuda de mim. Entendeu?" Soltei fora as palavras quando encontrei a coragem de falar. Verdade seja dita, ele estava assustando a merda fora de mim. Eu imediatamente percebi que cometi um erro. Mas não, não eram os sons chocados das outras crianças que nos rodeavam que me fez perceber o meu erro. Era a mão que apertou em punho e a raiva crescendo em seus olhos, transformando-os em negros. Olhei em volta e vi Willow no mesmo lugar onde a deixei. Ela estava mordendo o lábio com uma expressão preocupada no rosto. Eu achava que era porque seu irmão tinha parado de chorar e, em vez disso, nos assistia com os olhos arregalados. Ainda assim, puxei a minha perna livre e continuei minha subida, atingindo rapidamente o topo das barras do playground. Eu comecei a me aproximar do garoto mais jovem à espera de ajuda. Não olhe para baixo. Eu deveria ter olhado para baixo. Uma fração de segundo veio o aviso, quando estendi a minha mão para Buddy, os seus olhos se arregalaram em terror, ao contrário do que testemunhei a seguir, não tinha me preparado para o que iria acontecer. Algo me empurrou e então eu estava caindo. Uma dor diferente de tudo que eu já tinha sentindo correu através de mim, quase me cegando depois que bati no concreto abaixo, do meu lado esquerdo. Eu consegui rolar sobre minhas costas e olhar para cima. Mais uma vez eu encontrei seus olhos, enquanto eles observavam minhas lágrimas caírem. Ele já não parecia tão lindo para mim. Ele parecia o monstro que nunca soube que eu precisava ter medo. "Eu disse a você que não poderia ir até lá." Foi Willow falando de algum lugar distante. "Keiran não iria gostar."


Capítulo um Dez anos depois… "Lake!" Eu sai do meu devaneio quando o último sinal do dia tocou, sinalizando o fim da escola e do primeiro ano. Eu sobrevivi. Eu sabia por que, embora não ousasse falar em voz alta tolamente, acreditando que a razão iria aparecer de repente na minha frente como uma nuvem escura. Seja verdadeira, Lake. Olhei para a minha melhor amiga, que estava olhando para mim com perguntas em seus olhos. Eu não disse nada, peguei os meus livros e parei na porta. Willow terminou de recolher as muitas canetas coloridas que ela usava para tomar notas em sala de aula. Isso é apenas Willow. Ela é extravagante em tudo que faz ─ sem exceções. O resto da classe juntamente com o professor já tinham desaparecido. Todo mundo estava igualmente ansioso para o início do verão. Willow se levantou e se aproximou da porta com a mesma travessura em seus olhos, que esteve presente desde o primeiro dia em que nos conhecemos. Fechei os olhos por alguns instantes. Não pense sobre isso. Nós caminhamos em silêncio para o carro vermelho de Willow no estacionamento. Claro que era vermelho ou não seria de Willow. Eu virei o meu olho em direção a ela, esperando-a derramar para fora o que ela estava querendo saber. Eu sabia que não teria de esperar muito tempo porque Willow era uma matraca. "Então, você ouviu?", ela perguntou quando parou ao lado de fora, do lado do motorista. Esperei com paciência, mas ela hesitou para destravar a porta como se não quisesse me deixar entrar. Não, eu implorei silenciosamente. Havia apenas uma coisa de que Willow era cautelosa comigo ou melhor, sobre uma pessoa. Não pense nele. Não pense nele. Ela continuou lá, perdendo completamente


a mudança na minha linguagem corporal. Alguém poderia pensar que depois de dez anos, poderíamos ler a outra pessoa melhor, ou talvez estivéssemos muito confortáveis para se importar. "Não, o que?" Lentamente se tornou mais difícil de respirar. Às vezes acho que gosto da dor, fisicamente e mentalmente. Isso é doente, certo? "O Lorde das Trevas de Bainbridge High, retorna no próximo ano." Eu conhecia o seu olhar preocupado. Acho que ela não é tão indiferente como eu pensava. Ela está me avisando. Respire. Eu usava exercícios de respiração controlada para me impedir de hiperventilar, quando ele estivesse por perto. Ironicamente um hábito desenvolvido depois que ele foi embora, no ano passado. Depois de anos permitindo que ele me controlasse, por causa do medo, você pensaria que eu estaria pulando de alegria depois que ele se foi. Eu finalmente controlei a minha respiração e olhei para cima para encontrá-la ao meu lado, agora esfregando minhas costas suavemente. "Eu estou bem", disse só depois de estar confiante que minha sanidade estava intacta. "Além disso, eu tenho todo o verão para me preparar para as suas artimanhas ligeiramente ilegais para me distrair", eu disse, tentando o humor para aliviar o clima. Willow olhou para o lado e começou a mastigar o lábio. Ok… Meu coração estava batendo rápido agora—muito rápido. Minha respiração estava fora de controle novamente enquanto eu esperava para o golpe final para a minha sanidade mental. "Meus pais estão me mandando embora neste verão ... e ele já está aqui." Eu morri. *** Não, eu não morri, mas foi um segundo próximo a isso. Eu acordei para encontrar a enfermeira da escola sobre mim, pressionando um pano frio na minha testa. A diretora e o professor de


educação física estavam sentados com uma Willow chorando no canto, tentando consolá-la. "É tudo culpa minha", ela repetia quando a Diretora Lawrence a abraçou. "Ela está acordada," anunciou a enfermeira Kelly. Willow correu quando todos se viraram para mim. "Eu sinto muito Lake, não deveria ter dito nada!" Eu dei-lhe um sorriso trêmulo, mas não respondi. Eu não poderia na frente deles. A Diretora Lawrence interrompeu, para dizer que minha tia tinha sido chamada e estava a caminho. Ela vai fazer perguntas. Eu rapidamente sento, pensando que poderia haver tempo para escapar. Ela iria querer respostas que eu não estava pronta e nunca estaria pronta para dar. Eu poderia ter escapado se a enfermeira não tivesse me cutucado de volta, com um olhar severo. "Eu estou bem, realmente. Willow pode me levar para casa." Eu dei a ela o que esperava que fosse um sorriso saudável. "Srta. Monroe, a nossa política nos obriga a notificar os pais ou responsáveis quando ocorrem incidentes como estes. Optamos por não chamar uma ambulância porque você tinha um pulso forte e começou a voltar rapidamente... e então você começou a falar.” Eu estava falando? Oh não, o que foi que eu disse? Foi ruim? A Diretora Lawrence continuou falando, mas não a ouvi, porque eu me perguntava o que poderia ter dito em quase inconsciência. Minha mente passou por muitos cenários em um pequeno espaço de tempo. "Srta. Monroe você me ouviu?", perguntou ela, impaciente. "Sinto muito, o que você disse?" Ela bufou como se estivesse perdendo seu tempo. Eu lutei contra o sorriso puxando em meus lábios, de sua pequena birra. Os funcionários da escola não eram ruins e eu não me importava com qualquer um deles, mas me importava sobretudo com o fato de que eles fecharam os olhos ao meu torturador e o reinado que ele tinha sobre a escola. Era muito fodido para pronunciar as palavras. "Eu disse que nós achamos que você deveria falar com a Sra. Gilmore." Eu imediatamente olho para Willow, perguntando se ela contou qualquer coisa para fazê-los querer envolver


o conselheiro. Ela imediatamente balançou a cabeça, sabendo o que eu estava perguntando. Então isso era ruim. Fui salva de responder, no entanto, pela minha tia correndo atrapalhada passando pela enfermaria, seguida do secretário da escola. Minha tia poderia ser uma pessoa preocupada. "Lake!", ela exclamou quando saltou para frente para me pegar em um abraço. "O que aconteceu, por que você desmaiou? Você está bem? Deixe-me olhar para você. Fique quieta!" Eu não movi um centímetro, mas minha tia estava longe de ser racional no momento. Ela seria uma mãe incrível, mas nunca teve filhos ou um homem em sua vida, apesar do fato de que ela era linda em todos os sentidos. Ela parecia muito com a minha mãe, sua irmã - loira com olhos azuis, pernas longas, grande corpo e personalidade. Ela também era uma daqueles nerds de Star Trek, que gostavam de ficção científica. Eu acho que é por isso que ela é uma autora de best-seller de fantasia e ficção. Eu tinha muito orgulho dela. Nós nos aproximamos uma da outra após o desaparecimento dos meus pais há dez anos atrás, depois... bem isso aconteceu durante o verão. Não sei se eles estão mortos ou se me abandonaram. Minha tia acredita que meus pais nunca me deixariam por vontade própria. Dói de qualquer maneira. Eles se foram. Somente assim, do nada. Eu descobri um mês após o incidente do parque. Tinha sido no dia do meu aniversário e nós tínhamos acabado de sair do consultório médico após uma radiografia do meu braço. Eu tinha ficado inconsciente, por dois dias, e tive um braço quebrado, depois que ele me empurrou do playground. Foi uma coisa muito dura para uma criança de oito anos. Eu nunca disse uma palavra e nem contei a qualquer outra pessoa. Os adultos praticamente assumiram que caí tentando ajudar Buddy. Pergunto-me mesmo agora, como ele poderia segurar tanto poder em tão tenra idade, mas aprendi ao longo do tempo e depois de anos de tortura, que não havia nada de bondade sobre ele.


Concentre-se. "Querida, eles querem que você fale com o conselheiro da escola", disse minha tia, mas foi mais uma pergunta do que uma declaração. Apesar de nossa proximidade, eu nunca disse a minha tia nada sobre o que aconteceu comigo dentro destas salas, fora destas salas, nos meus pesadelos, nos meus sonhos. Sabendo que minha tia iria nos mudar para longe, eu não podia fazer isso. Minha tia ama Six Forks. Ela diz que a inspira. O que isso significa? Eu só sei que não poderia tirar isso dela. Então eu suportei. Dez longos anos de resistência e, em seguida, isso iria acabar e eu poderia finalmente respirar e, finalmente viver, sem medo, sem controle, sem desejo para o obscuro e inalcançável. Sim, não vá para lá. Sra. Gilmore chegou e imediatamente se apresentou à minha tia e eu. Eu já sabia quem ela era, mas nós nunca tínhamos cruzado antes. Como eu disse, resisti. "Por que vocês duas não me seguem ao meu escritório para que possamos conversar em particular?" Eu não estava pronta para isso, mas o que podia fazer? Eu precisava saber o que disse quando estava inconsciente. "Willow, por que você não vai na frente para casa? Obrigada por ficar com ela, mas tenho certeza de que seus pais estão preocupados agora," minha tia sugeriu. Eu tinha esquecido que Willow ainda estava aqui. Ela assentiu com a cabeça e sorriu nervosamente para mim. Eu sorri de volta, mas não tinha nada a dizer, pelo menos não com a presente parte envolvida. Sra. Gilmore abriu o caminho para o escritório dela, enquanto minha tia e eu a seguíamos, silenciosamente. Você consegue fazer isso. Chegamos a seu escritório e entramos. Eu levei um momento para olhar ao redor. Seu escritório era acolhedor, embora um pouco desarrumado com papéis e arquivos espalhados por toda parte. Minhas mãos estavam coçando para arrumar seu escritório ou apontar


à ela a direção da loja de material de escritório mais próxima, para um melhor sistema de arquivamento. Cada um de nós sentamos e apenas olhamos uma para a outra, não sei como proceder. Minha tia foi a primeira a falar depois de alguns momentos de silêncio tenso. "A Diretora Lawrence disse que ela falou enquanto estava voltando a consciência?" "Certo! Sim, as pessoas às vezes o fazem quando estão recobrando a consciência, mas, neste caso, foi a natureza do que foi dito." Levou tudo em mim para não gritar para ela me dizer logo, quando ela ficou em silêncio novamente. "Você disse ..." Quanto mais meu rosto se avermelhava, mais pavor se construía na boca do meu estômago. Eu engoli profundamente e esperei. "Bem, você disse," ela continuou, "Masters não pode voltar." Silêncio. Silêncio total e absoluto encheu a sala mais uma vez, e só eu podia ouvir o rugido ensurdecedor de mortificação e senti a sala girando. Tinha ficado tão silencioso que você poderia ouvir um alfinete cair... pelo corredor. Isso não pode estar acontecendo. Devo ter repetido um milhão de vezes na minha cabeça e algumas vezes em voz alta. Mas aconteceu. Eu sabia disso. Meu corpo estava enrolado apertado, tão apertado que pensei que poderia quebrar. Não se minha mente fizer em primeiro lugar, eu admiti. O olhar de minha tia estava trancado na conselheira. Eu sabia que não era o que ela estava esperando o conselheiro dizer. Nem eu. A Sra. Gilmore bateu a mão sobre a boca como se ela não pudesse acreditar que disse aquilo. Junte-se ao clube. "Você ... você tem certeza que foi o que ela disse?", perguntou minha tia. "Srta. Anderson, eu entendo a sua dúvida quanto a situação possa ser um pouco preocupante," ela respondeu. Sim, sem brincadeira. "Mas o treinador Lyons tinha certeza de que foi o que ele a ouviu dizer."


O Treinador Lyons era o técnico de basquete da equipe masculina e um dos professores de educação física da escola. Ele também era um fã do meu algoz, que também passou a ser o capitão da equipe até que ele foi embora no ano passado. Eu nunca tive problemas com o homem, mas ele nunca se importou com nada, exceto certificar-se que seu jogador estrela favorito fosse feliz. "Eu tenho que perguntar... há qualquer problema em casa?" As costas da minha tia endireitaram-se sob a questão da conselheira e sua implicação. Eu acho que ela não sabia que minha tia tinha um temperamento quando irritada, o que não era muitas vezes, mas quando provocada, até mesmo eu saía da frente. "Desculpe-me? Está insinuando que eu machucaria de verdade minha sobrinha? Você está louca?", ela gritou. "Vamos Lake, minha mão direita está se contraindo." Ela levantou-se para ir embora e a Sra. Gilmore rapidamente tentou recuperar a situação. "Srta. Anderson, por favor. É apenas uma questão de rotina, temos de perguntar. Isto não tem qualquer influência pessoal sobre a sua capacidade como uma guardiã. Por favor, sente-se", ela implorou. Tia Carissa ainda parecia como se pudesse saltar na pobre conselheira, então eu decidi falar. "Sra. Gilmore, minha tia é o melhor pai e mãe que eu poderia ter pedido. Não há nada que ela não faça por mim. Estou completamente segura com ela." A expressão de minha tia suavizou com a minha confiança. Situação a salvo. "Eu não penso assim", respondeu a conselheira. Ela deu a tia Carissa um sorriso de desculpas e nós viramos para ir embora, mas sua próxima pergunta me parou no meu caminho. "Mais uma coisa…" Eu me virei para encará-la novamente. "Sim?" "Isso tem alguma coisa a ver com Keiran Masters voltar no próximo ano?"


Capítulo dois "Eu juro que não disse nada", ela me disse pela centésima vez. Eu mau cheguei e Willow chegou logo em seguida em minha casa para obter detalhes. Eu não estava ansiosa para reviver a humilhação, mas minha amiga inquisitiva não me deixou morrer sozinha. Muito dramática? Eu pensei de volta para o momento em que ela me perguntou sobre ele, e mentalmente me dei um tapinha nas costas para a desculpa esfarrapada que contei a Sra. Gilmore, depois que ela deixou cair a bomba de volta em seu escritório. "Eu não sei o que dizer, Sra. Gilmore. Ele e eu nunca tivemos qualquer associação um com o outro. Mal o conheço. Devo ter simplesmente tido uma queda de pressão e desmaiei." Isso não era inteiramente falso. Senti meu corpo fraco até agora pensando nele. Às vezes era demais. "Eu acredito Willow, você não precisa ficar me lembrando", eu ri. Ela se sentou na minha cama e olhou para mim por um momento mordendo o lábio novamente. Isso significava que Willow estava pensando, e Willow pensando não é uma coisa boa. "Então o que você vai fazer?", ela começou. "Quero dizer, você não pode ficar em casa durante todo o verão e nós temos que voltar para a escola em três meses." "Não sei", respondi com sinceridade. Eu não era tola em pensar que só porque ele se foi há quase um ano que o efeito não será o mesmo. Talvez ele não esteja interessado em me atormentar mais. Assim espero. Willow não ficou muito mais tempo e saiu depois de assegurarse de que eu estava bem. Agradeci a chance de ficar sozinha e me preparei para tomar um banho. Minha tia já tinha ido para a cama. Eu acho que ela não sabia como lidar com a situação. Eu poderia entender. Ela não fazia muitas perguntas, e eu ficava grata. Juntei meu short preferido de dormir, rosa com ursinhos de pelúcia, e parte superior correspondente e fui para o banheiro


dançando. Apesar do sucesso da minha tia, vivíamos modestamente em uma casa de três quartos, e dois banheiros. Era uma casa de dois andares, com um quintal de bom tamanho e piscina. Pelo meu décimo sexto aniversário minha tia comprou um carro para mim, mas Willow e eu íamos juntas, então alternávamos a cada dia. Temos sido inseparáveis desde que nos conhecemos, apesar do que ocorreu naquele dia, embora acho que ela se sinta culpada por algum motivo. Olhei para mim mesma no espelho, como se a razão pelos últimos dez anos estivesse dentro do vidro. Eu era alta com pernas muito longas, o que me fazia sentir um pouco estranha, especialmente em torno de outras meninas que eram mais baixas, como Willow. Meu cabelo loiro caiu no meio das costas e eu mantive minha franja por causa de minha mãe. Ela sempre gostou de minha franja. Meus olhos eram azuis, mas com a luz certa eles pareciam quase verdes. Minha tia diz que eles são turquesa. Eu era magra e tonificada nos lugares certos, graças a yoga. Eu não era muito de sair e pegar sol, então eu era um pouco pálida, mas não me incomodava. Willow gostava de brincar que eu parecia uma Barbie bailarina e era tão menina às vezes. Eu não conhecia outra forma de ser. Eu sou eu. Eu não era perfeita, nem mesmo perto. Eu fui diagnosticada com dislexia em uma idade jovem, quando se tornou evidente que eu estava tendo dificuldade em aprender os textos. E para sair de minha imagem de "boa menina", tenho um piercing no umbigo, há alguns meses. Eu convenci tia Carissa a me deixar colocar um, após muitas semanas implorando. No fim, ela concordou porque não queria me ver fugindo para colocar um, então ela foi comigo. O anel, um amuleto da sorte de prata, que estou atualmente usando, era o meu favorito. Eu rapidamente terminei minha leitura e entrei no chuveiro, ansiosa para terminar meu dia cheio de drama. Quem sabe... talvez eu nem vá correr para ele. ***


Alguém estava rindo às minhas custas. Não literalmente, mas, mesmo que fosse, eu estava acostumada a isso. "Merda mano, eu estou sem preservativos", ouvi uma voz anunciar. Eu conheço essa voz. O problema não era a voz, mas de quem eu sabia que estava falando. Prendi a respiração; esperando, esperando, rezando para que eu não fosse pega, que este não fosse o corredor. Eu estava na farmácia local pegando meu xampu favorito e dei uma rápida olhada ao redor. Meu foco se concentrou em um item tópico e rapidamente corro para pegar o que vim comprar, mas o tempo e as circunstâncias não estavam do meu lado. Embalagens de shampoo e condicionador foram derrubados, quando bati minha mão em toda a prateleira. Foi como um efeito dominó enquanto eu os assistia cair, alguns se abrindo e salpicando em minhas pernas e sandálias. Sério, quem coloca preservativos e shampoo juntos de qualquer maneira? Por um momento pensei em deixá-los e fugir, mas um passo em falso me aterrou na bagunça lisa em todo o azulejo, assim que uma forma alta virou a esquina e entrou no corredor. Eu relutantemente olho para cima quando um mais jovem, mais volátil Masters, parou na minha frente. Keenan. Ele era quase uma réplica exata de meu algoz, exceto que seu rosto não têm as mesmas linhas duras, dando-lhe uma aparência mais juvenil, o que seu primo não tinha. Às vezes eu não podia acreditar que eles eram primos e não irmãos. Ele era lindo, não mais do que seu primo mais velho. Keenan mantinha o cabelo escuro elegantemente espetado e sempre aparecia despenteado, como se estivesse constantemente passando as mãos por ele. Ou uma garota, eu pensei ironicamente. Não era segredo que Keenan era o prostituto da escola, mesmo que ele fosse exclusivo da garota mais quente e mais popular de Bainbridge. Ela também era uma líder de torcida. Eles eram o casal típico adolescente; quente, popular e superficial.


Seus olhos se concentraram em mim e fez uma pausa para tomar nota na minha situação. Ele provavelmente estava pensando em seu melhor olhar de piada para uma menina em aflição, mas quando ele me reconheceu, um sorriso malicioso lentamente se espalhou pelo seu rosto. Merda. "Mano, venha aqui... isso vai para o topo da porra do seu dia", ele gritou, sem olhar para longe de mim. Mudei-me para fugir, mas Keenan decidiu me provocar ainda mais — "Oh não, querida, não há necessidade de mover-se... você já está na posição correta para cumprimentar o meu primo." Sua voz era fria e pingava veneno. Eu senti meu rosto queimar de vergonha. Eu estava atualmente inclinada de quatro, e rapidamente olho para baixo usando o meu cabelo como um escudo. Corre Lake, basta correr, implorei a mim mesma, mas eu estava com muito medo de me mover. Pega como uma presa indefesa, esperando o predador afundar seus dentes, enquanto eu estava parcialmente surpresa com as palavras de Keenan. Embora ele nunca saísse do seu caminho para ser bom para mim, ele geralmente me ignorava. Ele idolatrava seu primo e assim como Keiran era sangue dele também, mas a reação dele em relação a mim agora era nova. Ótimo. Outro fã. Outra forma, mais alta, de repente virou a esquina, e um grande par de botas preta de couro imediatamente parou na minha frente. Eu levantei minha cabeça lentamente. Alguma força imprevista tinha tomado o controle, quando a minha vontade e bom senso fugiram. Meu olhar passou por cima das pernas longas que eu poderia dizer que eram musculares, mesmo através de calça jeans preta que pairava baixo sobre seus quadris. Ele era maior do que eu lembrava ─ mais alto e mais definido. Seu corpo parecia duro e magro sob uma camiseta Five Finger Death Punch preta que abraçava seu peito e bíceps.


Qualquer esperança de que a nossa separação diminuiria o efeito que ele teve sobre mim desapareceu, uma vez que eu finalmente olhei para seus olhos cinzentos e frios. Ele parecia o mesmo que era há um ano, exceto o cabelo preto desgrenhado anterior, agora cortado curto. Sua mandíbula estava também mais forte e seu rosto mais anguloso. Nosso primeiro momento reunido, me disse tudo o que eu precisava saber ─ ele ainda me odiava. Aqueles lindos olhos nunca mentiram para mim. Mesmo quando os lábios dele me disseram que eu não era nada, no passado, vim a conhecer bem esses olhos. Eu não poderia fazer isso. Era muito cedo. Talvez se eu desaparecesse rapidamente, poderia escapar com os meus sentimentos intactos. Com o meu novo plano em mente, pulei para os meus pés, esquecendo-me sobre a confusão escorregadia sob mim, e eu estava caindo novamente. Desta vez, colidi com seu corpo duro. Minha humilhação parecia não ter fim. “Oh, olha Keiran, ela se apaixonou por você. Foi amor à primeira vista?" Eu ouvi a voz maliciosa do Keenan, em algum lugar. Fechei os olhos, desejando que o chão se abrisse e me engolisse, mas depois senti mãos fortes me agarrando. Elas pareciam grandes e pesadas contra meu corpo, e aposto que se eu olhasse para baixo suas mãos iriam circular completamente a minha cintura. Eu respirei fundo, me preparando para ele me empurrar fora com nojo ou raiva, mas isso nunca veio. Confusa, arrisco um olhar para o rosto dele. Ele estava de pé pelo menos 6 centímetros mais alto, o topo da minha cabeça atingindo apenas o seu queixo. Plantei minhas mãos levemente em seu peito, enquanto eu olhava para ele. O calor fervendo em seus olhos, ameaçando transbordar, me fez pensar que ele estava tendo a mesma reação que eu tive. Mas isso não podia estar certo. Não quando ele desprezou o fato de que eu ainda respirava. Eu sei porque ele me disse isso quase todos os dias, durante os últimos dez anos. Não havia raiva em seus olhos, mas também havia confusão...? Eu poderia entender a minha própria, porque nunca estivemos tão


perto, nós nunca antes nos tocamos como agora. Pude sentir seu perfume, quando ele me cercou ─ forte, macho... viril. Era um afrodisíaco. Seus olhos reduzidos com o que poderia ser confundido com luxúria, mas eu sabia que não era isso. Isso era o início de um ataque verbal; eu reconheci os sinais ao longo dos anos. Ele se inclinou mais perto, suas mãos apertando em torno de mim enquanto ele inalou profundamente. "Foda-se", ele rosnou, falando pela primeira vez desde que entrou no corredor e voltou para a minha vida. Sua voz fez meu corpo tremer como sempre. Ou era apenas eu tremendo de medo? Eu não poderia dizer a diferença. Keiran virou a cabeça para seu primo, ainda me segurando. "Saia", ele grunhiu para ele. Keenan se endireitou, lentamente, a partir da prateleira que ele estava encostado, e saiu com um sorriso. Ele viu seu primo caminhar pelo corredor até que virou a esquina e só então virou seu olhar de volta para mim, deixando-o passar por cima do meu corpo lentamente. Ele parecia como se estivesse morrendo de fome e eu era a sua festa. Definitivamente não estava pronta para isso. Ele olhou em volta rapidamente, mas não havia ninguém por perto. O único funcionário na loja estava, provavelmente, lá fora fumando um cigarro, pensei sombriamente. De repente, ele virou-me ao redor até que eu estava pressionada contra a prateleira. Eu congelei, mas depois vim aos meus sentidos e tentei empurrar-me para fora, mas ele foi mais rápido. Ele pegou as minhas mãos com uma das suas mãos maiores, trazendo-as por cima da minha cabeça. Senti pressão no peito contra minhas costas enquanto ele se inclinou perto do meu ouvido. "Eu tive muito tempo para pensar sobre o que faria, uma vez que eu pegasse você sozinha." Eu tentei mais uma vez me libertar, a raiva crescendo, que ele estava me segurando contra a minha vontade... em uma farmácia. Eu permiti que Keiran me atormentasse ao longo dos anos, mas prometi a


mim mesma que nunca iria permitir que ele me tocasse ou fisicamente me machucasse novamente. Seu braço estava em volta da minha cintura enquanto eu continuava a lutar com a frustração crescendo dentro de mim, quando ele trancou meu corpo ao dele. Eu finalmente encontrei a coragem de falar. "Me solte ou vou gritar," eu o ameacei. Ele riu, mas eu tinha a sensação de que ele não achou a situação engraçada. "Sim?" Ele provocou. "Grite e eu prometo que vou fazer da sua vida um inferno; a merda que fiz para você antes, foi brincadeira de criança perto do que eu farei. Eu posso fazer muito pior e destruir o seu mundo perfeito de porcelana, e você vai conhecer a verdadeira dor. Grite." A força de sua ameaça apertou meu corpo, suas palavras saindo violentamente e eu sentia sua aderência me apertando mais. Eu esperava que não encontrasse machucados pela manhã. "O que você quer?", perguntei, embora eu tinha certeza que sabia o que era. Este não era o bullying de todos os dias. Ele estava atrás de algo. Então esperei, antecipando sua resposta. Senti seu corpo tenso antes dele me virar para encará-lo novamente, nossos corpos alinhados agora, enquanto ele ainda me segurava firme. "Eu tenho te observado..." Ele se inclinou mais perto, os nossos lábios se tocando levemente em um quase beijo. Eu senti um deslizar de mão quente sob o meu vestido parando um pouco antes da minha coxa. Eu suprimi um gemido, surpresa com a reação rápida do meu corpo traidor. "Eu vi você e te estudei", ele começou de novo, respirando profundamente. "Eu memorizei você. E sei o que te machuca... sei o que te deixa triste... sei o que te faz chorar. Mas todos os seus medos mais profundos, vou descobrir. Vou pegar os seus chamados pontos fortes, e vou transformá-los em seus pontos fracos." Se Keiran me assustava antes, ele me aterrorizava agora, admiti com uma lágrima queimando um rastro quente pelo meu rosto. "Eu tenho um ano inteiro com você", ele declarou, finalmente me soltando. Eu lentamente deslizei para o chão, minhas pernas muito


fracas para me segurar. "Eu vou quebrar você. Mas o mais importante, vou fazer você pagar." *** 10 anos atrás "Eu te odeio", ele sussurrou. Eu estava sendo empurrada para o chão pelo bonito coque de bailarina, que minha tia me ajudou a fazer esta manhã. Meu cabelo caiu sobre meus ombros e eu gritei de dor, quando ele pisou na minha mão. "M-mas por quê?" Eu mal podia falar ao redor dos soluços e tremedeira que assolaram o meu corpo. "Cale a boca e pare de chorar. Você vai me trazer problemas se alguém nos ouvir... você não quer que eu te machuque, não é?" Eu balancei a cabeça e olhei para ele com medo. Ele não era muito mais alto, mas para mim ele parecia um gigante. Talvez fosse porque eu estava sentada no chão por causa dele. Eu tinha acabado de sair da aula de línguas e estava distraída com as marcas ruins que tive no meu ensaio sobre o que me faz feliz. Eu acho que a Sra. Peterson não gostava que eu não estava feliz... não mais. Não desde que meus pais desapareceram. Todos os dias eu esperava o dia em que viriam para me resgatar. Talvez eles estejam perdidos, pensei. Mamãe disse que “ela me veria em breve”, quando foi embora, então ela teria que voltar. Mamãe deveria cumprir as promessas, sempre. Não muito tempo depois que meus pais não apareceram, tia Carissa decidiu me matricular na escola local. Meu primeiro dia foi hoje e todos os dias eu estava me perguntando sobre o menino que me empurrou das barras no playground. Mais cedo, eu o vi de novo, pela primeira vez, durante o intervalo. Nossos olhos se encontraram em toda a área de jogos e eu sabia que ele me reconheceu. O olhar vazio em seus olhos cheios de ódio, quando me viu. Assim que ele começou


a avançar, a campainha tocou, e eu praticamente corri para a segurança. Eu não esperava vê-lo novamente tão cedo, mas ele me encontrou. Mal sabia eu que isso iria se tornaria o nosso ritual. "Por que você ainda está aqui?", ele perguntou com desdém. "Me-meus pais não vieram me pegar ainda." Eu senti um novo conjunto de lágrimas se formando, quando pensei sobre o quanto sentia falta deles. Estreitando os olhos algo me chamou a atenção, afastando os pensamentos de meus pais. "Por quê?" "Eu não sei. Mas talvez eles estejam perdidos?" Eu não sei por que estava lhe perguntando, mas apenas um pequeno sinal de esperança me ajudaria a me sentir melhor. "Talvez eles estejam mortos", ele riu. "Não diga isso!", eu gritei e enrolei meu punho livre. Ele viu meus punhos se apertando com os olhos zombeteiros. "Eu aposto que eles estão mortos," ele provocou ainda mais. "Não", eu gemi. "Ou eles te deixaram para trás..." Minha camisa estava manchada agora com minhas lágrimas que se lançavam incontrolavelmente. "Nossa, você é igual a ela", disse ele com um tom irritado. Ele franziu sua testa e chutou minha mão com o pé em desgosto. "Igual a ela quem?" Ele ignorou minha pergunta e sua careta aprofundou fazendo-o parecer malvado. "Eu estou indo fazer isso um dia, você sabe’’, ele prometeu em um tom odioso. "Fazer o quê?", perguntei com voz trêmula. Seus punhos fechados, quando ele olhou para mim com os olhos irritados. De repente tive a sensação de que eu precisava fugir, assim, comecei a me afastar dele. Eu deslizei pelo chão enquanto ele me seguia. "Eu vou te matar. Assim como a matei. É o único jeito."


*** Ao longo dos anos, Keiran iria me lembrar de sua promessa. Ele desencadeou suas ameaças sutis em mim, para me assustar e sempre funcionou. Keiran pode sempre entrar na minha cabeça sem esforço. Willow chamou isso de foder a mente. Eu chamo de tortura. Virei-me na minha garagem no piloto automático. Minha mente ainda não poderia definir o que acabara de acontecer na farmácia. Ele me tocou. Eu tolamente esperei no ano passado que ele seguiria em frente... ou não voltaria mais. Meu coração balançou com o pensamento de nunca mais vê-lo, mesmo quando eu sabia que não era possível. Ele ainda tinha que terminar o último ano que ele também pensa que eu roubei dele. Eu estava doente e com nojo de mim mesma com o sentimento que tenho por alguém que me odeia quase violentamente. Eu estava com muito medo de perguntar no momento, o que ele estava planejando fazer, mas eu não precisava. Keiran era perigoso o suficiente, mas quando provocado... Sacudi o pensamento e considerei brevemente contar a minha tia sobre Keiran. Eu não tinha certeza se poderia lidar com ele assim, mas eu não sabia o quão longe o seu ódio corria, então não poderia envolvê-la. Senti-me muito e verdadeiramente isolada. Entrei na casa e chamei por minha tia. Ela deu uma resposta insignificante em troca e eu sabia o por que da resposta e que horas eram. Encontrei-a na sala de estar assistindo as reprises de Sons of Anarchy. Eu acho que ela tinha uma coisa com Charlie Hunnam. Ela e Willow davam alguns gritos histéricos e babavam quando ele aparecia na tela. Eu tive que admitir que sua arrogância era sexy. Ele me lembrava de alguém de cabelos escuros, cruel, e muito quente. Eu me deixei cair no sofá ao lado dela e olhei para o relógio. Era apenas após o meio-dia em um sábado à tarde e eu não tinha nada


emocionante planejado. Willow havia partido na semana anterior para um programa de verão da faculdade de oito semanas. Minha amiga estava focada; estranhamente e tudo. "Lake, você sabe que pode falar comigo sobre qualquer coisa, não é?", perguntou ela, sem tirar os olhos da tela. Eu sabia que isso ia acontecer. "Sim, sei disso tia Carissa." Nós ainda não discutimos o que aconteceu na escola. Eu estava feliz que ela não estava olhando para mim. Se eu olhasse em seus olhos, toda a dor e sofrimento dos últimos dez anos seria derramado. "Você quer falar sobre ele?" Eu chicoteio a cabeça para encarála, incapaz de esconder a minha reação. "Ele?" Eu perguntei com uma voz trêmula. "Keiran Masters. A conselheira da escola falou dele." O olhar que ela me deu, deixou-me saber que ela não comprou a minha história sobre a exaustão pelo calor, mas eu não poderia dizer-lhe a verdade também. Minha tia não estava pronta para ouvir sobre o que Keiran tinha feito para mim ao longo dos anos. Ainda era uma pílula difícil de engolir cada vez que me lembrava. "Lake, eu confio em você", ela continuou quando não respondi e o silêncio cresceu espesso com a tensão, "eu só queria que você pudesse confiar em mim também." Ela se levantou e foi embora e me senti imediatamente como um lixo. Ela pensou que eu não confiava nela, isso não poderia estar mais longe da verdade. Eu não queria isso. Eu não queria machucá-la, tinha que protegê-la. Quem me protegerá?


Capítulo Três O verão passou sem mais quaisquer desentendimentos com Keiran. Six Forks era uma cidade de bom tamanho, mas devo admitir que parte da razão era porque me escondi na minha casa durante os últimos dois meses. Willow estava errada. Eu poderia me esconder, então o fiz. Mas agora era o primeiro dia de escola e eu não podia me esconder mais. No último ano, eu pensava sobre isso com grande alegria. Último ano significava a última etapa, levando-me para mais perto de seguir em frente e escapar do medo que eu vivia a cada dia. Ele não veio me procurar e eu assumi que mais uma vez era uma tática para me assustar. Depois de tudo... por dez anos, agora ele prometeu me matar. Meu celular apitou sinalizando que eu tinha uma mensagem de texto. Eu chequei meu telefone vendo que era de Willow. Não venha para fora! Olhei para o meu telefone, intrigada. Willow ser estranha era normal, mas por que ela não queria que eu fosse lá fora? Fui até a janela para ver qual foi a razão e quase desmaiei quando olhei para fora da janela. A forma como o meu coração estava batendo me fez largar o meu telefone. Eu não esperava o que vi abaixo. Ele estava encostado em seu carro, mostrando seus músculos e olhando muito parecido com um bad boy típico, em calças cargo pretas e uma camisa cinza escura, de manga curta e botão, o que provavelmente combinava com seus olhos. Como ele sabia onde eu morava? Tenho certeza de que não seria difícil descobrir onde eu morava, mas por que ele veio aqui? Isto era muito perto de casa. Sem trocadilhos. Willow estava de pé ao lado do carro, cautelosamente olhando para Keiran. Meu olhar estava fixo sobre ele, debatendo sobre o que devo fazer, quando de repente ele virou a cabeça e olhou diretamente para mim através de minha janela do quarto. Eu pulei


para trás imediatamente e tentei acalmar meu coração disparado e as cambalhotas que meu estômago realizava. Eu pesava em todas as minhas opções, escondendo a possibilidade de ser mais favorável, mas sabia que não podia deixar Willow lá fora sozinha com ele. Ele nunca a aterrorizou ou qualquer outra pessoa além de mim, mas o que ele faria se eu não saísse? Eu sabia que ele não iria simplesmente embora. Era óbvio que ele veio aqui para algo. Eu tomei uma decisão e peguei minha mochila e desci as escadas. Ele me fez uma prisioneira em minha casa todo o verão, mas eu não conseguiria me esconder aqui por mais tempo, e ele sabia disso. Cheguei à porta e saí, sentindo como se estivesse no corredor da morte e esta era a minha caminhada final. Eu relutantemente me aproximei dele, mas apenas perto o suficiente para falar com ele sem Willow ouvir. Quando me aproximei, admiti que havia algo perigosamente irresistível sobre ele. Ele me chamava mesmo quando eu queria fugir. Se eu pudesse descobrir por que... "Por que você está aqui?", perguntei antes que perdesse a cabeça. Seus olhos preguiçosamente viajaram em cima de mim de uma forma que me fez sentir tanto insignificante quanto nua. Eu estava usando jeans branco e um top vermelho escuro que abraçava o meu peito e corria na minha cintura. O top me fazia sentir feminina e sexy. Eu sabia que estava fazendo uma declaração quando o coloquei. Eu só não sabia o que estava tentando dizer. Ele usou as duas mãos para me empurrar para o seu carro, e o impulso trazendo seu peito para o meu, tudo muito rapidamente. Eu respirei fundo e senti meu corpo estremecer tal como aconteceu na farmácia quando ele me tocou. "Perdeu a garota," ele disse alto o suficiente para Willow ouvir. Levou um momento para eu perceber o que ele disse, porque minha mente e corpo tinham se encerrado em submissão. "Mas ela é minha carona para a escola", respondi.


"Livre-se dela", repetiu ele. O olhar em seu rosto me avisou para não discutir. Eu relutantemente me virei para Willow, que estava abertamente olhando para Keiran. Eu nunca disse a ela sobre o incidente na farmácia. Ela só estava de volta há uma semana e foi um acordo tácito entre nós que Keiran era um assunto tabu. Não só isso, mas Willow parecia diferente desde que ela estava de volta. Ela ainda era a minha amiga Willow, mas eu sabia que alguma coisa aconteceu durante o verão. Eu gostava de olhar nos olhos das pessoas. Eles contavam mais do que os lábios jamais poderiam ─ eles diziam a verdade. Os olhos de Willow tinham mudado. Eles seguraram algo que não reconheci, mas eles também me mostraram algo que sei reconhecer ─ dor. "Will, eu vou de carro para a escola hoje. Lamento que você veio até aqui para nada." Eu dei-lhe um pequeno sorriso, esperando tranquilizá-la. "Lake, vivemos um pouco mais de 1 km, e sua casa está no caminho para a escola. O que está acontecendo?" Eu podia ouvir a suspeita em sua voz. "Nada, só tenho coisas que preciso cuidar imediatamente, depois irei a escola. Vejo você na classe, ok?" Ela pegou o olhar que a mandei para sair, então ela suspirou e entrou no seu carro depois de enviar a Keiran outro olhar. Eu esperei até que ela desaparecesse na rua antes de me virar para Keiran. "Por favor. Não faça isso," implorei imediatamente. "Entra no carro," ele ordenou. Pisquei para ele algumas vezes para processar a ideia de estar no carro de Keiran ... sozinha... com ele. "Obrigada, mas posso dirigir sozinha até a escola." Não havia nenhuma maneira que eu estava me metendo no carro com ele. Ficaríamos muito perto ─ respirando o mesmo ar. Eu já estava dolorosamente consciente de tudo quando estávamos à distância. Eu não preciso me torturar. Eu o dispensei rodando por trás e indo para o meu próprio carro. Eu acho que foi assim que acabei por cima do ombro dele, e


sendo atirada em seu carro no momento seguinte. Ele estava no carro antes que eu pudesse fugir. Enquanto alcançava a maçaneta escutei, "eu não tenho paciência, Monroe." Ele estalou as palavras para fora duramente e eu rapidamente abandonei o meu plano para dar uma corrida. Oh Deus, ele vai me matar ─ me matar e atirar o meu corpo em um rio. Eu assisto demasiadamente a sério Law & Order. Eu posso ver as palavras na minha lápide agora ... Ela viveu uma vida miserável, cheia de problemas, com medo e abandono. Talvez seja bom que ela esteja morta. Afinal, isto era tudo o que poderia dar a ela. "Escute, sei o que aconteceu há um ano e sei como parecia, mas estou te dizendo, não tive nada a ver com você ser preso!" Eu gritei, sem me importar que levantei minha voz em pânico para Keiran Mastres. Meu destino já estava selado. Ele não respondeu, mas eu podia ver um tique muscular em sua mandíbula, quando ele estacionou na garagem, fazendo o meu nervosismo aumentar dez vezes mais. Six Forks tem um monte de área arborizada, isolada, onde ninguém poderia ouvir meus gritos. Nós estávamos dirigindo por cerca de dez minutos; durante todo o tempo eu estava segurando a minha respiração. Chegamos a uma das seis áreas na estrada que compunham a cidade. Eu estava perto de entrar em pânico quando ele se virou para baixo, para a estrada que conduz longe da escola. Oh, Deus. Ah, não... merda! "Deixe-me sair," eu estava visivelmente tremendo agora. "Deixeme sair... deixe-me sair da porra do carro!" Eu gritei enquanto seguíamos uma longa estrada que levava a nada, apenas mais árvores. Ele estacionou quando estávamos fora da vista e desligou o carro. Ele ignorou meu ataque de raiva quando saiu do carro, indo ao redor, ao meu lado. Eu freneticamente peguei meu telefone da minha bolsa, para pedir ajuda, enquanto amaldiçoava minha estupidez por


entrar no carro dele em primeiro lugar. Ele abriu a porta, agarrou meus dois braços, e atirou-me contra a lateral do carro. "Eu vou fazer isso rápido e vou dizer isso apenas uma vez, porque algo me diz que a sua amiguinha não hesitará em chamar a polícia, se você demorar muito para aparecer, então escute." Eu apenas olhei para ele, perguntando se isso realmente estava acontecendo. "Você armou para mim " "Juro que não fui eu..." Ele rapidamente envolveu uma mão em torno de minha garganta em sinal de advertência. "Você terminou de falar", ele zombou. Era mais uma afirmação do que uma pergunta. Eu desviei o olhar, a intensidade do seu olhar queimando através de mim. "Olhos em mim." Ele se recusou a fazer isso fácil para mim. "Eu tenho contas a acertar e diretamente envolve você e somente você." Senti o polegar esfregar meu pescoço suavemente, mas ele deixou cair sua mão tão rapidamente, que quando aconteceu me deixou perguntando se ele realmente fez. "Você não vai fazer um movimento sem o meu conhecimento. Toda vez que você comer, beber ou respirar, eu vou saber." Eu olhei para ele como se tivesse crescido duas cabeças nele. "Cada momento é meu ─ seus pensamentos, suas esperanças, seus sonhos são todos meus. Eu sempre saberei onde você está e o que está fazendo. Você é minha... pelo menos pelo próximo ano ", ele sorriu. "Quem você pensa que é?", perguntei, minha raiva substituindo o meu medo. De tudo o que ele poderia ter feito, eu nunca esperava isso. Soou como escravidão. Eu ainda não entendo por que ele não me mata e acaba logo com isso. Ele está jogando este jogo de gato e rato por anos. "Eu sou o cara cuja liberdade você roubou." O tom cortante de sua voz atravessou meus nervos. Eu poderia dizer a partir do tique na mandíbula que ele estava perdendo o controle. "Durante um ano inteiro, o meu livre arbítrio foi tirado de mim e você vai se sentir como eu me senti."


Eu ainda não entendi o que ele estava pedindo e qual a finalidade dele precisar tirar a minha liberdade. Ele queria o controle, isso era evidente, mas ele queria algo mais também. Eu podia ver no calor queimando em seus olhos. "O que você quer?" Eu engoli e ignorei o medo que se instalava na boca do estômago. "Você e eu sabemos o que é que eu quero." Eu balancei a cabeça em negação, embora estava começando a ter uma pista. Eu não tinha mais nada que ele pudesse querer, mas o olhar em seus olhos era inconfundível. Ele se aproximou e colocou os braços em ambos os lados da minha cabeça, descansando-os sobre o capô de seu carro. Minhas costas estavam pressionadas contra a porta e eu estava enjaulada por seu corpo duro e me afogando no cheiro fresco de banho do seu corpo. Seu corpo alto bloqueou tudo além da minha vista para que eu não pudesse ver nada, além do seu peito largo. "Eu quero a única coisa que te mantém tão inocente. Eu quis por um longo tempo Monroe, e você vai me entregar." "E se eu me recusar?" Eu olhei em seus olhos que eram quase negros de luxúria. Ele realmente não esperava... não é? Seu sorriso era sinistro e completamente sem humor. Meu coração começou a martelar no meu peito e meu estômago revirou-se em uma bola de tensão. "Submeta-se a mim ... ou a sua tia vai desaparecer assim como seus pais fizeram." *** Ele faria isso. Eu sabia que ele faria. Não sei como, mas eu sabia. Um arrepio me percorreu quando entrei na escola em transe. Pensei em Keiran como um valentão ─ nada mais, nada menos. Mas agora eu sabia que havia algo muito mais escuro abaixo da superfície que estava esperando para sair.


E eu era a idiota muda que lançou isto. Ele nunca realmente disse que iria matá-la. Mas, o que mais ele poderia dizer? Ele iria matar minha tia se eu não lhe desse o que ele quer. Lembrei-me de nossa conversa no caminho para a escola. "Por que você está fazendo isso?" Eu forcei a questão para fora. Será que eu realmente quero saber? "O que te impediria de me enquadrar novamente, desta vez me prendendo para o resto da vida? Eu te odeio, mas já sabe disso, e não confio em você, assim, preciso manter um olho em você." Eu fechei meus olhos contra a confissão de que ele me odiava. Sim, eu sabia, mas ouvi-lo dizer era mais doloroso. "Você poderia me deixar em paz", sugeri. Ele parecia estar se divertindo quando disse: "Isso não vai acontecer. Você tem algo que ainda quero." Eu andei pelo corredor em silêncio, sem saber o que fazer a seguir. Keiran estava fora do meu alcance e um inimigo muito grande para eu lutar e vencer. Lembrei-me de "ela". Ela foi a única que ele matou. Ela era a razão pela qual eu estava com medo agora. Mas quem era ela? Será que ela morreu, porque lutou? Estas foram as perguntas que corriam galopantes na minha mente por dez anos. Foi a razão pela qual eu vivia voluntariamente na sombra escura de seu ódio. "Dê-me o seu telefone." Eu quase pulei para fora da minha pele ao som repentino de sua voz. Eu estava tão perdida em meus pensamentos que esqueci completamente que ele estava seguindo atrás de mim. Keiran não era uma pessoa de se esquecer facilmente, mas era também justo dizer que ele me deixava de mau humor. Eu cavei meu telefone para fora e o entreguei. Quando olhei para cima, eu o peguei olhando para onde a minha mão desapareceu no meu bolso de trás. Limpei a garganta, mas ele tomou o seu tempo mudando seu olhar da minha bunda, quando estendi meu telefone. Ele finalmente olhou para cima e me encarou sem remorso quando pegou meu telefone. Seus olhos estavam aquecidos e vi a luxúria descarada, enquanto eu sentia um rubor se espalhando pelo


meu corpo. Nada sobre hoje foi normal. Era realmente possível desejar alguém que você odiava? "Por que o seu telefone não é bloqueado com um código de segurança?" "Oh, eu... não tenho muita atividade acontecendo através do meu telefone", eu disse timidamente. Eu só tinha Willow e tia Carissa como constantes em minha vida... não havia mais ninguém e ele sabia disso. Ele me olhou por um momento antes de olhar para o meu telefone. Ele estava tomando seu tempo, então tenho a impressão de que ele estava procurando por algo. O que ele estava procurando? Eu ouvi uma vibração depois de alguns minutos, em seguida, ele pegou seu telefone e silenciou. "Por que você ainda tem informações de contato de Peter Simpson? Qualquer contato ou relacionamento", ele zombou, "que você tenha com ele termina hoje. Tome isto como a última vez que te digo isso." "Eu nem sequer falei com ele em um ano desde que você ─." Eu parei quando percebi que ele estava me ignorando e permaneceu em silêncio enquanto terminava de invadir a privacidade do meu telefone. Havia alguns outros números em meu telefone de caras que salvei por educação, mas nunca utilizei. Foi só depois que Keiran foi embora, que qualquer cara me mostrou qualquer atenção e mesmo assim apenas em completo sigilo. Depois da notícia que Keiran estava voltando, as ofertas pararam. Eu mesma tive alguns caras me pedindo para apagar o seu número, nos últimos dias de escola. Eu não entendia por que, mas agora tinha a sensação de que era porque eles estavam com medo de Keiran. Mas por que Keiran se incomodava com caras me convidando para sair? Ele não se importa o suficiente para fazer algo premeditado. "Qual é a sua primeira aula?", ele perguntou, entregando meu telefone de volta. "Inglês IV com a Sra. Connors."


"Vamos lá. Estamos atrasados’’. Ele caminhou na direção do corredor sênior. "Sem brincadeira, Sherlock", eu murmurei. Ele virou a cabeça ligeiramente, como se tivesse ouvido, mas virou-se sem dizer uma palavra. Eu respirei aliviada que tinha escapado incólume deste deslize. Eu chego na sala de aula vinte minutos atrasada, para muito desgosto da professora. Ela me lançou um olhar irritado antes de apontar para um assento. Os outros alunos pareciam estar focados em mim um pouco demais, e eu me perguntava o que tinha a sua atenção. Eu encolhi os ombros e me sentei no primeiro lugar vazio em uma mesa ao lado de um cara que acho que o nome era Josh. Foi quando percebi que Keiran estava bem atrás de mim. Eu nunca considerei que poderíamos ter a mesma aula, considerando que ele perdeu seu último ano. Então era isso que tinha a atenção dos outros alunos. Keiran e eu tínhamos, aparentemente, entrado na sala de aula juntos. Eu nervosamente olhei ao redor e pude ver que alguns deles enviavam mensagens de texto à toda velocidade, enquanto outros continuaram a olhar e eu sabia que no final do período, a escola inteira saberia sobre o que deveria ter sido uma parte da fofoca insignificante e vulgar dessas informações. Só era o primeiro dia e já havia um boato espalhado sobre mim. Grande. Eu estava tirando o meu caderno quando senti a mão de Keiran agarrar a parte de trás do meu pescoço e me levantar, não muito discretamente ou suave, do assento. Ele então pegou a minha mochila e me levou para o fundo da sala onde haviam dois lugares vazios. A professora, é claro, estava alheia ao seu movimento me empurrando, porque ela estava de costas para a turma. As mesas de tamanho médio foram colocadas lado a lado e pareciam íntimas, agora que eu sabia que seria nossa.... Nunca imaginei que nós compartilharíamos algo.


"A menos que o Sr. Masters e Sra. Monroe estejam ensinando a matéria, por favor olhem para frente e tentem prestar atenção," Sra. Connors disse quando se virou e encontrou a atenção dos outros alunos fixa em nós ao invés de sua lição. A classe inteira estava sorrateiramente se espreitando para nos observar, até que Keiran se inclinou para frente de sua posição quase deitado, para descansar os antebraços sobre a mesa e matar todos os olhares com um olhar de advertência, e de repente todos estavam lutando para se virar. Foi a única vez que eu estava grata por seu poder dentro da escola. Eu não queria a atenção, especialmente quando envolvia Keiran. Eu senti meu celular vibrar e li o texto de Willow. Diga-me que os rumores não são verdadeiros! O que está acontecendo??? Keiran?! O status social de Willow não era muito melhor que o meu, embora ela não tinha um inimigo como Keiran, mas se a notícia já chegou a ela, isso significa que a escola inteira já sabia. Eu olhei para o relógio - cinco minutos. Isso tem que ser um recorde. Eu comecei a escrever a minha resposta quando Keiran habilmente tirou meu telefone da minha mão, verificando a mensagem antes de embolsá-lo. Eu fiquei boquiaberta. Ele simplesmente pegou o meu telefone! "Srta. Monroe, por favor, preste atenção. Se não for possível vou te tirar da sala," a professora anunciou. Ouvi risadinhas em torno da classe, principalmente de algumas das garotas populares sentadas juntas na frente de nós. Meu constrangimento dobrou quando Keiran atirou à professora um olhar que tinha drenado a cor de seu rosto. Ela se atrapalhou sobre si mesma e, em seguida, retomou o ensino da classe. Whoa, os professores têm medo dele também? Isso não me dá muita esperança para pedir ajuda. Eu quero saber quem mais está com medo dele? O resto da aula passou sem muita emoção e fiquei surpresa ao descobrir que Keiran era realmente estudioso. Ele tomou notas,


embora ele não se envolveu em qualquer parte da discussão. Eu também não, mas, novamente eu nunca realmente fazia. Eu tinha me condicionado a ficar escondida em todos os momentos, mesmo quando ele não estava por perto. Era uma maneira desarrumada para viver, mas ele não me deixou escolha. *** Até o final da aula de Inglês eu estava ansiosa para o meu próximo período, que era de educação física. Eu tinha certeza que não teria classe com Keiran, porque os atletas não eram obrigados a levar a saúde física a sério, enquanto eles estavam ativos em uma equipe. As escolas de educação física faziam uma exigência anual a todos os níveis, como forma de promover a conscientização sobre a saúde. Ele me parou antes que eu pudesse sair para minha próxima aula e disse: "Deixe-me ver sua programação." Entreguei-lhe o cartão e ele examinou-o antes de entregá-lo de volta para mim. Ele então pegou meu queixo e levantou meu rosto para ele olhar para baixo nos meus olhos. "Não conte a ninguém sobre isso, nem mesmo a sua amiga." Eu olhei para longe dele desafiadoramente, mas ele só segurou meu rosto mais apertado. "Não me teste nisto Monroe, você não vai gostar das consequências." Eu balancei a cabeça, em seguida, perguntei: "Posso ter o meu telefone de volta?" Ele olhou como se quisesse recusar, mas, em seguida, cavou o meu telefone do bolso e me entregou. Ele me seguiu todo o caminho para o ginásio onde eu tinha Vôlei. Eu estava ansiosa para isso por duas razões. Willow e eu gostamos desse jogo, então nós decidimos levá-lo juntas e Keiran não estaria lá. A única desvantagem foi que havia apenas meninas nesta classe, e cada uma delas havia se apaixonado por Keiran. Eu caminhei para os vestiários para me trocar. Quando estava guardando o meu telefone em um armário vazio, percebi que tinha uma mensagem. Comporte-se.


Eu fiz uma careta para a mensagem enigmática até que li o nome ou melhor, o "K" inicial. Ele deve ter gravado o meu número, quando estava mexendo no meu telefone antes. Perguntei-me por um momento o que devo dizer antes de decidir não responder e joguei meu telefone no armário. Vesti meu uniforme de ed. física, enquanto amaldiçoava a minha situação atual. "Tudo bem com você, cuspa as coisas boas e sem gracinhas, capische?" Eu não pude me segurar e ri da má representação de um mafioso e virei-me para enfrentar a minha melhor amiga... que estava na verdade segurando uma arma de brinquedo. Suas travessuras nunca param. "Ei, quem está segurando a arma aqui? Não ria." Eu sufoquei meu riso e esperei que ela continuasse. "Agora, um passarinho me disse que você e o Lorde das Trevas mostrou-se à classe esta manhã e estavam juntos bem bonitinhos e fofinhos no fundo da sala. Diga-me que o meu informante cometeu um erro. Tenho que desmentir isso, você sabe o que quero dizer, mas tenho que proteger meus interesses. E você é um dos meus melhores, Don Lake." Para alguém que não conhecia Willow, pensaria que ela estava apenas fazendo brincadeiras, mas ouvi a mensagem alta e clara. Ela está com medo por mim e quer me lembrar que sou sua melhor amiga e ela está aqui para mim se eu precisar de ajuda. Eu queria confiar nela, mas sabia que a ameaça de Keiran não era exclusiva para minha tia... que ele usaria qualquer um que eu gostasse para me machucar. Eu não podia deixar isso acontecer, então só a abracei fortemente. Willow e eu éramos como irmãs, onde contava que uma podia sentir a dor da outra. Eu deixei cair uma lágrima enquanto nós nos abraçamos. "Lake você não consegue manter segredos de mim, tem que ser honesta! Diga-me o que está acontecendo", ela chorou e caiu em frustração. "Você primeiro..."


Capítulo quatro Eu termino o jogo com uma cortada mais agressiva, pois até algumas das outras meninas levantaram a sobrancelha, mas 'o que?' Nós ganhamos o jogo. A maioria da minha raiva estava vindo do fato de que Willow não estava falando comigo. Ela mesmo escolheu uma equipe adversária, o que era enorme para nós. Fizemos tudo juntas e agora parecia como se houvesse uma parede introduzida entre nós. Eu não poderia perder minha única amiga, mas também não podia acreditar que ela estava escondendo algo, mas queria desnudar os meus demônios. Eu balancei a cabeça em frustração. Que diabos aconteceu com ela neste verão? Agora que tive a confirmação de que algo estava errado. Ela se fechou depois que dei a entender que ela estava guardando segredos. Willow era um livro aberto ─ um espírito livre. Ela sabia quem era e não tinha medo de mostrar ao mundo; ao contrário de mim que se escondia. Após o banho, corri para me encontrar com Willow que tinha terminado antes de mim e saiu sem dizer uma palavra. Tivemos o período de almoço juntas este ano, mas eu não sabia se ela iria aparecer, já que normalmente evitávamos essa área. Quando dobrei em um canto, minha boca teve uma queda livre e pisquei apenas para me certificar de que não estava tendo alucinações. Os lábios de Willow estavam ansiosamente conectados num cara alto e musculoso. Ele tinha um braço forte envolvido em torno de sua cintura, enquanto uma grande mão espalmava a parte de trás de sua cabeça e ele devorava os lábios dela, como um homem faminto. Eles estavam alheios à minha presença e continuaram a festa no outro, então pisei de volta para trás para dar-lhes privacidade. Quando ouvi um gemido masculino, espiei ao redor para vê-los novamente. Sua mão estava abaixando para agarrar a bunda dela e levantá-la em sua virilha. Ela gemia, o que parecia deixa-lo com mais fome. Willow tinha o corpo de uma sereia, o que poderia levar os homens a seus joelhos - todo voluptuoso e feminino, mas ela sempre se queixou de que precisava perder peso. Se ela visse os olhares lascivos que muitas vezes davam a ela, especialmente quando ela


usava suas roupas incomuns, não iria se sentir assim. Ela era um arraso. "Espere", Willow suavemente protestou. Ele só a puxou mais apertado, pouco disposto a deixá-la ir. Ela parecia tão pequena em seus braços. "Não!" Ela rasgou sua boca longe, tentando recuperar o fôlego. "Eu disse que não posso mais fazer isso. Foi um erro." Quando ela se afastou, minha boca caiu junto com meu coração, que agora estava sentado na boca do estômago. Eu puxei minha cabeça para trás em torno do canto para recuperar-me e evitar um colapso mental. Não podia ser ele. Ela não podia... "Um erro?", ele perguntou, parecendo se divertir. "Qual foi? Quando fodi você ou quando você me fodeu de volta?" "Não, por favor", implorou ela, levando-me a espreitar de volta ao virar da esquina. "Por que não? O que nós compartilhamos foi real, todo o nosso verão foi real." "Eu não vou ser seu brinquedo. Isso é tudo o que você quer." Ele grunhiu de frustração e deu um passo ameaçador para frente envolvendo-a contra os armários. "Como diabos você sabe o que quero? Você nem me conhece." "Você está certo. Eu não conheço você," ela falou com firmeza. "E não confio em você." "Eu não me importo", ele gritou. "Eu recebo o que quero." Ele deixou o aviso pendurado, quando se afastou. Que idiota. Eu queria consolar a Willow soluçando, embora me senti doente e estivesse zangada com ela. Eu não podia dizer a ela sobre o encontro, mas nunca pensei que seria com o inimigo. Independentemente disso, eu sabia que tinha que estar lá para ela. Poderíamos falar sobre o que vi depois. Eu dei um passo para a frente, pronto para consolar minha amiga, mas de repente fui rebocada de volta por um braço, que parecia de aço, em volta da minha cintura. Minhas costas impactaram contra o peito duro e fui mantido presa, meu corpo moldado para o corpo musculoso que me segurava como refém.


"O que você está fazendo?" A voz áspera de Keiran falou em meu pescoço. Eu não vi ou o ouvi se aproximar, então assumi que ele deve ter vindo acima do outro corredor. "Eu estava apenas ─" Eu parei quando senti o outro braço envolver em torno de mim. Seu rosto ainda estava enterrado no meu pescoço enquanto ele me aproximou como um amante faria. Apesar do meu choque com o quão natural era a sensação de estar em seus braços, fechei os olhos, saboreando o momento e esquecendo quem somos e do que se tratava. Isto não era a realidade; era uma fantasia. Era bom demais para ser real. Bastaria um movimento errado e essa fantasia rapidamente se transformaria em meu pior pesadelo. Seus lábios roçaram meu pescoço e seu polegar varria para debaixo da minha camisa para acariciar meu estômago, fazendo borboletas entrarem em erupção. "Se você tentar alguma coisa, vai se arrepender", ele sussurrou. A malícia em sua voz era como um balde de água fria jogada no meu rosto e de repente a sensação de suas mãos e lábios em mim sentiamse como o beijo da morte. "Me solte," eu exigi. Eu estava com raiva, mas não tinha certeza exatamente sobre por que estava mais nervosa. Ele me empurrou para longe e quando quase caí, olhei para ele, mas ele já estava de costas e indo embora tão silenciosamente quanto veio. Eu segui atrás em um ritmo mais lento para que eu pudesse me recuperar dos últimos cinco minutos. Inferno. *** A cafeteria estava cheia com veteranos em torno dos vários recipientes de comida. Eu costumo evitar o refeitório, escolhendo passar o almoço na biblioteca ou em qualquer lugar que Keiran não estivesse. Era normalmente sua rotina me torturar, quer no início ou no final do dia e me ignorar durante o meio. Ainda assim, pensei que era seguro continuar invisível durante esse tempo, apenas no caso dele se sentir extra sádico.


Eu persegui por respostas do porquê Willow não quis me contar sobre este verão, quando procurei em torno por ela. Quando não a vi imediatamente, eu sabia que isso significava que teria de arriscar ir mais longe. Com Keiran me enloquecendo, eu estava mais nervosa do que nunca. Durante toda a manhã estive me perguntando se ele estava... realmente sério sobre a tomada de minha virgindade por vingança. Pelo menos... isso é o que acho que ele estava dizendo. A ideia de que Keiran me desejava sexualmente, quando ele me odiava tão ferozmente, era impossível de acreditar. Ele tem que estar usando o sexo como uma maneira de me humilhar. Não era sobre desejo. Não podia ser. Eu circulei toda a cafeteria procurando por Willow, quando percebi que fui me aproximando sem saber para mesa em que ele estava, e antes que eu pudesse evitar nossos olhos se ligaram, e de repente tive a sensação de que ele estava me observando o tempo todo. Eu rapidamente me virei para ir na direção oposta. "Pare." Eu congelei no local. O som de comando me levou de volta há dez anos atrás, para o playground onde coloquei os olhos sobre ele. Eu lentamente me virei para encará-lo onde ele estava sentado, junto com os seus seguidores estúpidos. "Sente-se." Ele ordenou e empurrou a cadeira na frente dele com sua longa perna. "Você seriamente não quer dizer isso, não é? Nós a odiamos". A menina maliciosa, atualmente sentada no colo de Keiran e olhando furiosamente para mim era Anya Risdell. Líder de torcida e cadela. Me desculpe, o que isso quer dizer? "Sim, eu quero dizer isso. Se você tem um problema com isso, pode ir se sentar em outra mesa", ele respondeu, friamente, sem tirar os olhos de mim. Eu ainda estava de pé a poucos passos de distância, pensando em uma maneira de sair, invés de entrar ainda mais na cova dos leões. Quando seus olhos piscaram de mim e de volta para a cadeira, eu relutantemente me sentei na designada cadeira, não demonstrando o


meu descontentamento. Ele parecia apenas um segundo longe de causar uma cena e eu lembrava muito bem da última vez que ele fez uma cena na lanchonete. Não vá por aí. Senti numerosos olhos nos olhando com curiosidade. Keenan estava sentado à mesa junto com seu outro amigo Quentin, que eles chamavam de Q. Ele era muito parecido com Keiran: silencioso e pensativo. Ele nunca teve realmente muito a dizer, ele é do tipo que se move em silêncio. Ninguém jamais o viu com uma garota em seu braço, e por isso houve um rumor em torno da escola sobre ele ser gay. As pessoas são idiotas. Um par de outros rapazes e meninas estavam sentados à mesa também, mas eles eram todos atletas e líderes de torcida. Me dá um tempo. Sheldon Chambers, a namorada de Keenan estava na mesa também. Ela parecia ser a única pessoa que não me dava olhares hostis. Em vez disso, ela estava olhando para mim, de seu assento ao lado de Keenan, com curiosidade. "Quem você estava procurando?", quebrando de minhas reflexões internas.

perguntou

Keiran

me

"Ninguém." Ele tornou-se estranhamente silencioso, enquanto me observava com os olhos semicerrados; seu rosto parecia que foi esculpido em pedra quando ele cerrou os músculos da mandíbula. "Isso é uma mentira?" "Não", eu menti novamente. Eu não lhe devo uma explicação sobre qualquer coisa que faço. "Vamos ver", ele respondeu suavemente, mas ouvi a ameaça em suas palavras e vi a promessa em seus olhos. Eu sabia que cometi um grande erro por mentir, mas já era tarde demais para fazer algo sobre isso agora. Minha mente estava ocupada com Willow e o que ouvi a poucos minutos atrás. Às vezes eu me perguntava se as ameaças vazias de Keiran eram apenas isso ─ vazias. Mas o seu olhar sempre me avisava que elas não eram. Então, o que lhe segurava? Eu estive resistindo a seus truques e


tormentos por dez anos. Não é nada que eu não possa lidar em apenas mais um ano e minha liberdade virando a esquina. Eu ia conseguir. "Então, Lake. O que você achou do fato de Keiran estar de volta? Tenho certeza que ele tem um monte de coisas para colocar em dia com você. Eu não posso esperar," Anya gargalhou e seus amigos robóticos riram com ela. "Eu não acho que ele vai ter muito tempo para fazer qualquer coisa comigo, se estiver muito ocupado com você. Ouvi dizer que você era seu passatempo favorito." Houve alguns risos abafados e risadinhas em torno da mesa dos caras, e Anya virou uma máscara profunda de vermelho. Normalmente, eu apenas ignoraria Anya, mas a frustração de lidar com Willow e Keiran esta manhã, tinha me deixado um pouco arisca. Eu decidi ignorá-la de qualquer maneira e discretamente mandei uma mensagem para Willow pela terceira vez. Eu tinha que pensar em um jeito de sair daqui e ir para longe do pelotão de fuzilamento. Quando voltei minha atenção para as pessoas na mesa, notei que Anya ainda estava olhando para mim. Eu conhecia o seu jogo de simulação e levantei uma sobrancelha em desafio. Seu lábio enrolou, quando ela se inclinou para frente e falou palavras que definitivamente desejei que pudesse ter dado um tapa bem na sua cara. "Não foi você e Jesse Fitzgerald que tiveram uma coisa no ano passado? Quero dizer, vocês dois eram muito acolhedores por um tempo, mas quem poderia culpá-la. Ele era muito gostoso. Então, o que aconteceu com vocês? Você finalmente conseguiu um namorado e não pode mantê-lo?" A mesa cresceu com um silêncio mortal ainda mais, quando o silêncio se desfez após a pergunta de Anya. Alguns caras se moveram em seus assentos e olharam para Keiran nervosamente, o que era estranho, porque eu era a única que ele estava olhando como se quisesse matar. Evitei seu olhar e olhei para o espaço vazio sobre a mesa. Jesse era a única pessoa que eu jamais poderia ter chamado de amigo. Ele era um jovem militar que se mudou para cá com sua família depois de Keiran ter saído. Depois de um mês ou mais de escola, nós


nos cruzamos, quando eu tinha ficado presa na lama após uma chuva forte que varreu Six Forks. Eu estava tendo um mal sinal no celular e não consegui chamar minha tia para obter ajuda, ou um caminhão de reboque, e ninguém estava por perto. Eu fiquei lá por uns quinze minutos tentando obter um sinal, quando ouvi o estrondo de uma moto puxar para meu lado. Lembro-me de olhar para o segundo par de olhos mais belo que já vi. Embora, ele não me deu essa sacudida familiar que Keiran me dá. Eu o reconheci imediatamente como o novo garoto, mas ele era mais do que isso também. Jesse tinha ganhado rapidamente uma fila imensa de garotas em Bainbridge e tinha um suprimento infinito de meninas perseguindo ele, então quando ele se tornou meu amigo, isso quase causou um alvoroço dentro da escola. Pessoas constantemente tentaram avisá-lo e, inclusive eu, mas ele nunca prestou atenção. Muito em breve, um rumor tinha começado que Jesse e eu estávamos namorando, mas isso não poderia estar mais longe da verdade. Nós estávamos saindo muitas vezes e conseguimos essa afinidade, quando seu pai foi transferido de repente, sua mãe achou melhor estar mais perto da família, de modo que eles se mudaram para o norte, no meio do ano. Eu o tive por seis meses e então ele se foi. "Hey, Keiran, escuta cara, íamos contar-lhe ─", um dos rapazes falou. Antes que ele pudesse terminar, uma briga entre dois homens irrompeu no outro lado do refeitório. Cadeiras e mesas foram viradas como uma debandada, formada para obterem um olhar mais atento, rapidamente transformando a cafeteria em um estádio. Só então, Willow entrou pela porta com os olhos arregalados e olhou em volta. Quando ela me viu seus olhos se tornaram maiores e ela correu para mim. "Puxa, Lake. Eu fico brava com você por cinco segundos e você tenta cometer suicídio." O grupo na mesa deu uma olhada para ela em seu macacão verde-escuro e alça pendurada, e explodiram em gargalhadas, mas ela não poupou a nenhum deles um relance. "Vamos sair daqui", disse ela, pegando a minha mão. Eu não perdi tempo discutindo e pulei do meu assento antes que Keiran pudesse me parar novamente.


*** "Então o que aconteceu esta manhã quando Keiran saiu com você? Foi assustador." Nós nos sentamos em nossos lugares, à espera da aula de francês começar, depois de nos esconder pelo resto do período de almoço. Eu vinha olhando por cima do meu ombro, desde que Anya deixou cair a bomba e corri para longe dele. "Willow, eu lhe disse que precisava fazer umas coisas antes da escola." "Você esqueceu que as pessoas falam, certo? Especialmente quando se trata de Keiran, então tente novamente." Eu respirei fundo e pensei no que dizer. Willow estava chateada que menti para ela, mas o que eu podia fazer? Eu não poderia dizer-lhe a verdade. "Oh, você sabe... ele só queria começar o ano tradicionalmente. Sinto muito, Willow. Eu só não quero que você se preocupe." Isso era a verdade, pelo menos. Ela olhou para mim antes de balançar a cabeça e puxando para fora seu sortimento habitual de canetas coloridas. Eu precisava mudar de assunto e rápido. "Eu também sinto muito por te acusar de guardar segredos. Tudo o que estiver errado com você, pode vir até a mim e contar, quando estiver pronta. Eu não vou pressioná-la. Melhor amiga?" Eu não estava realmente sentindo muito, por querer saber o que estava acontecendo com a minha melhor amiga, mas eu não estava disposta a machucá-la sobre isso. Ela olhou para mim com alívio no rosto e eu me senti como uma idiota. "Melhor amiga”, ela cedeu. "Eu também sinto muito, Lake. Eu tenho sido uma merda. Hey, quer fazer algo mais tarde? Eu tenho que trabalhar esta noite, mas podemos ver um filme amanhã à noite." "Parece bom. Como Pepé aceitou você sumir durante todo o verão?" Pepé era o furão de Willow que ela o nomeou assim após os desenhos animados Pepe Le Pew.


"Eu ainda não consegui fazê-lo brincar comigo. O merdinha, claro, guarda rancor. Ele só me dá olhares maus. É do tipo que me lembra a bruxa, Anya." Eu ri. Eu nunca acreditei que um animal, especialmente um furão, realmente tivesse personalidade, mas Pepé certamente era um personagem. "Então... você e Keiran estão realmente namorando?", ela perguntou. Eu hesitei, sentindo como se de repente estava sob um microscópio. Willow sabia tudo sobre Keiran, acreditando que eu enquadrei ele. Eu ainda não contei a ela sobre a farmácia e não podia contar a ela sobre sua ameaça. "Como se Keiran realmente fosse namorar você. Impossível." Willow e eu olhamos para cima para encontrar Anya e sua pose permanente sobre nós. "Oh não, é a adúltera de Bainbridge High", Willow retorquiu. Eu sufoquei uma risada. "Há algo que podemos ajudá-la Anya?" "Sim, fique longe do meu namorado." Ela trocou o peso de seu quadril e bateu seu excessivamente camuflados lábios. "Keiran não quer você e é patético vê-la segui-lo durante todo o dia. Ele não precisa de um cachorrinho de colo." "Namorado? Será que Keiran sabe disso?", perguntou Willow docemente. "Eu não estou falando com você, esquisita. Eu estou falando com essa perdedora. Keiran só quer usá-la, porque todo mundo ouviu como você desiste muito facilmente, mas ele é meu." "Eu sinto muito que ele nunca mencionou você, mas vou manter isso em mente." Eu me virei para Willow, que estava mordendo uma risada. Como Anya continuou a ficar lá, eu a enfrentei novamente. "Há alguma outra coisa?" Ela revirou os olhos para mim antes de sair com o seu exército de promíscuas a seguindo. "Você acredita naquela garota? Você pensaria que o pau de Keiran era feito de ouro, pela forma como estas meninas agem." Willow zombou. Eu olhei para ela em estado de choque. Sim, definitivamente há algo com ela.


Capítulo Cinco Eu tinha começado a pensar que a escola nunca teria fim. Eu quase caguei um tijolo ─ desculpe a minha língua ─ quando Keiran entrou no quinto período, juntamente com seus companheiros mais próximos. Por uma hora senti o frio e a tensão nas minhas costas, o tempo todo rezando para o período terminar rapidamente. Willow tinha acabado de me deixar em casa e eu imediatamente notei o carro da minha tia na garagem. Eu soltei um gemido baixo sabendo que haveriam perguntas sobre meu dia. Além de Willow, minha tia era alguém que eu odiava mentir, por isso que evitava essa conversa completamente. "Lake como foi seu primeiro dia como uma sénior?" Estressante. "Foi bom. Eu não tenho quaisquer classes difíceis, além de Inglês e Francês." Isso é bom, Lake. Continue. Com alguma sorte eu poderia falar besteira no caminho através desta conversa. "Bem, isso é ótimo. Então... aconteceu alguma coisa? ' Merda. Ela estava pescando e eu sabia o que ela estava pescando. Desde que desmaiei no estacionamento, ela ficou com um olhar preocupado em seus olhos sempre que o tema escola surgia. Eu trabalhei tão duro ao longo dos anos para manter a minha vida escolar longe de casa e agora parecia que tudo estava por vir à luz. "Não. Foi bem monótono. Alguns caras entraram em uma briga hoje." "Não era sobre você, era?" Um sorriso maroto espalhou em seus lábios enquanto ela me observava. "Não. Nada como isso." "Quem sabe um dia. Você é muito linda para não ter isso acontecendo."


"Tia Carissa, não acho a ideia de ser disputada como sucata de mesa atraente." "E isso é que faz de você uma menina tão forte." Ela beijou minha testa e retomou a preparação do jantar, como se ela não tivesse enviado meu mundo abaixo. Eu não era forte. Eu não era nada. Deixei um único cara me isolar toda a minha vida, e agora ele estava atrás de mim da pior maneira e eu estava com muito medo de detê-lo. Após o playground, ele fez de sua missão pessoal me fazer temê-lo. Suas ameaças foram sempre feitas em segredo, e eu nunca sabia quando elas estavam chegando. Eu toquei meu pescoço, distraidamente, pensando sobre o momento mais aterrorizante que ele me ameaçou... *** "Mas eu não quero ir lá com você. Por favor, não me obrigue." Eu estava andando pelo corredor vazio, no caminho para o banheiro. Todos tinham aula, inclusive eu, então eu não estava esperando para correr de Keiran. Literalmente. Nós viramos a esquina, ao mesmo tempo e colidimos um com o outro, fazendo-me cair de bunda no chão enquanto ele me olhava com olhos frios. "Cala a boca. Estou farto de sua lamentação. Eu nem sequer fiz nada para você ainda", ele cerrou em uma voz profunda. Não muito tempo atrás, sua voz tornou-se mais áspera, tornando-o ainda mais assustador. Ele também me fez sentir estranha de outra maneira, mas eu não sei como explicar isso. Minha tia me disse que nossos corpos começariam a mudar após a puberdade, então talvez fosse isso. Ele tinha acabado de completar quinze anos, depois de tudo. Deus, eu espero que minha voz não vá ser assim quando eu fizer quinze em seis meses. Os meninos já não gostavam de mim. Ele me empurrou para o armário do zelador, em seguida, agarrou meu pulso e me arrastou para dentro antes de fechar a porta deixando-nos com a escuridão. Minha respiração se tornou desigual quando entrei em pânico de estar em um lugar tão pequeno com ele.


"O que você quer?" Eu queria que a minha voz produzisse um som forte, mas ela tremia junto com meu corpo. Havia apenas o som de sua respiração irregular, então apertei os olhos, para ver o que ele estava fazendo. "Abra sua camisa", ele ordenou. Eu instintivamente cruzei os braços sobre o peito e dei um passo para trás, mas as prateleiras atrás de mim me diziam que não havia nenhum lugar para ir. "O quê? Po ─ por quê?" "Por quê?", retrucou. "Por que você quer que eu abra minha camisa? Você verá o meu" " Eu não vou ver nada, estúpida. Está fodidamente escuro." "Então por que -." "Apenas faça", disse ele, impaciente. Eu tinha quatorze anos e já auto-consciente sobre o meu corpo, especialmente porque sabia o que minha camisa escondia. Eu estava amadurecendo, então meus seios eram novos para mim e eu não estava tão confortável com eles. Minhas mãos caíram para os botões na minha camisa. Após o primeiro botão, tornou-se mais e mais difícil continuar, mas de alguma forma eu fiz até que minha camisa estava aberta. "Eu ─ eu já acabei", sussurrei. Eu o ouvi puxar uma respiração irregular e assim que ele fez, eu pude sentir algo frio e afiado contra o meu pescoço, antes que ele arrastasse até o meu peito e estômago e para cima novamente. Uma faca? Será que ele realmente tinha uma faca? "Você sente isso?" Eu podia sentir sua respiração na minha pele e sabia que ele estava perto. A coisa fria agora estava provocando um dos meus pontos duros no meu peito e eu tremia involuntariamente. "Sim." "O que é isso?", perguntou. "Uma faca." Minha voz era baixa quando lhe respondi.


"Não", ele disse suavemente. Senti um corte afiado e recuei silenciosamente em dor. "Essa é a sua vida chegando muito perto de terminar. Logo, Monroe." *** Lembro-me de ir para casa mais tarde naquele dia e encontrar sangue seco na minha camisa e pele e percebi que ele tinha me cortado. Muitas vezes me perguntei se foi por acidente ou intencional. Depois disso, eu nunca mais fui sozinha ao banheiro. "Então, você tem certeza que vai ficar tudo bem se você ficar sozinha durante seis semanas?" A próxima pergunta da minha tia me trouxe de volta ao presente. "Tenho certeza. Isto é incrível tia Carissa. Você não deve perdêlo." "Eu me sinto terrível por não estar aqui no seu aniversário." "Não se preocupe. Você sabe como me sinto sobre meu aniversário." "Oh, querida ..." "Realmente, está tudo bem." Mudei em meus pés, esperando que ela não iria trazer o assunto novamente. "Você ainda está brava com Susan?" Susan era a agente da minha tia e amiga. Que tinham passado por bons e maus momentos desde o início de sua carreira. "Não. Ela puxou algumas cordas e conseguiu encaixar a Europa na programação da excursão, portanto, tudo está perdoado agora." "Isso é incrível!" Eu engoli contra a dor na minha garganta, enquanto tentava esconder a ansiedade que sentia por tê-la saindo. E se ela nunca mais voltasse, como eles fizeram? Eu caminhei para as escadas, pensando em começar as minhas tarefas de casa. Bainbridge tinha programas com atribuições pré-planejadas e leituras para nos preparar para a faculdade. Isto era praticamente a minha rotina, desde que eu não tenho uma vida social.


Quando chego ao patamar e a um caminho mais curto para o chuveiro, tomei a decisão de me lavar e jogar esse primeiro dia fora. Após o banho, me enrolo em uma toalha em volta do meu corpo e caminho para o meu quarto, acionando o interruptor de luz quando entrei. Eu imediatamente o vi descansando na minha cama e senti meu coração pular fora do meu peito. Felizmente, não gritei ou teria alertado minha tia. "Feche a porta", disse ele. Eu fiquei tensa com o tom irritado e predador de sua voz. Quando fechei a porta, não pude segurar, mas me sentia como se estivesse me trancando com o próprio diabo. "Tranque-a." O som do clique quando virei o bloqueio foi ensurdecedor, uma vez que ecoou por todo o quarto. "Venha aqui." Eu vacilei. Eu não podia chegar tão perto de Keiran com apenas uma toalha entre nós como proteção. Meu olhar se deslocou ao redor do quarto, enquanto eu tentava pensar em uma maneira de sair dessa. Espero que agora ele já tenha esquecido o refeitório. Definitivamente não esperava encontrá-lo no meu quarto. "Não há segunda chance comigo, Monroe. Nós dois sabemos o que vai acontecer se eu tiver que buscá-la." Meus pés me empurraram em direção a ele enquanto minha mente estava gritando, e arranhando o chão para a porta. Você consegue fazer isso. Talvez ele só queira conversar... sim e lobos não aparecem no bosque. Parei no pé da cama e tentei não pensar no que essa visão, de vê-lo deitado em minha cama, estava fazendo comigo. Seu cabelo escuro e pele contrastavam profundamente com os cobertores amarelo claro na minha cama. Ele também fez a minha cama tamanho queen parecer incrivelmente pequena. Ele sentou-se lentamente ereto e plantou os pés calçados com botas no tapete. O próximo olhar que me deu, quase poderia ser confundido com sedutor, mas eu sabia melhor do que ninguém que não era. "Mais perto", ele sussurrou e, em seguida, fez um gesto para o espaço entre as pernas. Respirar era quase impossível agora, enquanto eu avançava o resto do caminho, agarrando minha toalha apertada em


torno do meu corpo. Ele parecia relaxado, mas eu sabia que ele estava pronto para atacar a qualquer momento. "Co ─ Como você entrou aqui?" Eu gaguejei sobre a minha pergunta quando ele pressionou suas pernas contra mim, obrigandome a aproximar-se dentro de suas pernas. "Você tem sessenta segundos para me dizer tudo sobre Jesse Fitzgerald e que porra você estava fazendo com ele." Ele completamente me pegou desprevenida e eu gaguejei, "Eu não tenho certeza do que você quer dizer..." Fiquei feliz que meu relacionamento com Jesse era algo que Keiran nunca seria capaz de tirar ou manchar porque ele já tinha ido embora. Ele também não tinha o direito de me questionar sobre ele ou até soar ... ciumento. "Ele é um amigo." "Você já transou com ele?" "E se eu tivesse?" "Eu iria matá-lo ─ e você também". A sala ficou em silêncio enquanto eu procurava palavras, uma reação, algo assim. O que quer que eu estivesse esperando que ele dissesse, não era isso. A possessividade com raiva na voz dele era inesperada, juntamente com o formigamento que senti mais abaixo em minha barriga. Não só isso, mas Keiran tinha acabado de ameaçar minha vida novamente. Será que ele realmente me odeia tanto que iria de verdade me matar? "Nós nunca fizemos nada. Éramos apenas amigos. Eu tenho o direito de tê-los." "Só pelo tempo em que estou disposto a deixá-los. Eu acho que você parece esquecer quem é que te controla. Eu posso consertar isso." "Como exatamente você pretende corrigi-lo? Você não pode controlar alguém." Eu estava blefando e sabia disso. Ele me controlava. Ele me tem por dez anos, mas eu não iria deixá-lo ver que ele já tinha ganhado. "Simples", ele encolheu os ombros. "Você vai parar de ser amiga de Willow."


Desolação completa e absoluta se espalhou através de mim como um fogo selvagem. Minha temperatura subiu até que eu estava à beira de desmaiar novamente. Eu continuei a recuar até que as minhas costas estavam contra a parede, literal e figurativamente. Ele se levantou da cama e andou até mim, como um predador persegue sua presa. "Mas ela é minha melhor amiga. Ela é tudo que tenho." "Exatamente." "Por que você está fazendo isso?", eu sussurrei em derrota. "Eu pensei que você queria..." "Oh, eu quero e vou tomar..." Ele brincou com o canto da minha toalha e meu tremor aumentou até que eu estava visivelmente tremendo. "Isto é apenas o começo. Eu disse que faria você pagar, mas vai ser lento. Eu quero tomar meu tempo com você." Antes que eu pudesse dizer alguma coisa, soou uma batida na porta, tirando-nos do momento. A cabeça de Keiran virou para porta antes de lentamente voltar com um olhar frio em seu rosto. "Keiran, não, por favor, não", eu sussurrei em desânimo. Ele faria mal a minha tia se ela interferisse. "Lake, você está bem? Eu pensei ter ouvido alguma coisa." Eu olhei para Keiran, implorando-lhe com a meus olhos. "Livre-se dela," ele ordenou, mas não se moveu de sua posição na minha frente. "Uh, sim, tia Carissa," eu respondi, desejando que ela fosse para longe da porta. "Eu ─ eu estou bem. A janela bateu. " Eu olhei para a janela que estava bem fechada. As cortinas brancas pareciam imperturbáveis, fazendo-me questionar como Keiran entrou na casa. "Você tem certeza de que está bem, querida?" "Sim, estou bem. Eu ainda estou me vestindo." "Ok, bem, escute, tenho que acordar cedo amanhã, assim já estou indo para a cama. Tem certeza de que vai ficar tudo bem sozinha durante seis semanas?"


Com tudo o que estava acontecendo, o lugar mais seguro para ela estar estava longe de Six Forks, onde Keiran não podia tocá-la. "Claro, tia Carissa, vou ficar bem. Eu tenho Willow que não me deixará só." Eu engasguei com as palavras, porque não sei mais como verdadeiras aquelas palavras eram. O ódio de Keiran por mim corria mais profundo do que eu pensava, sem esperança de uma explicação. "Se você tem certeza. Boa noite, Lake." Ouvi seus passos suaves afastando, e caí contra a parede. Quando a porta do quarto fechou, eu dei uma olhada a Keiran que estava me olhando com um olhar calculista em seu rosto. "Onde a sua tia está indo por seis semanas?" "A turnê do livro e longe de você." Eu queria que ele soubesse que por enquanto a minha tia era intocável, mas em vez de ver qualquer sinal de raiva ou derrota, ele sorriu e se aproximou, me pressionando contra a parede. Ele apoiou as mãos contra a parede, em ambos os lados da minha cabeça e se inclinou para sussurrar no meu ouvido. "E então você acha que ela estará segura?" "Por enquanto." Não havia nenhuma maneira que ele pudesse chegar até ela, se ela estivesse fora do país. "Entendo." Sua mão direita caiu e eu pensei que ele ia dar um passo atrás, até que senti seus dedos apertando minha coxa, levantando-a para embrulhar em torno de sua cintura em um movimento suave. Agarrei minha toalha para mantê-la e não cair, enquanto silenciosamente suplicando-lhe para não fazer fosse o que fosse que ele estava prestes a fazer. Toda a confiança que eu tinha momentos antes foi embora. "Eu posso sentir o calor de sua boceta queimando a toalha", ele fez uma pausa e moveu a mão mais para cima. "Aposto que se eu arrancar essa merda de você e te tocar, você estaria molhada. Devemos descobrir?" Eu gemi quando meu corpo reagiu à sua ameaça. Isso causou esta dor familiar. Eu sentia dentro de mim, sempre que estava perto, só que desta vez foi mais forte. Seus olhos escureceram quando ele pressionou mais contra mim.


"Este negócio entre nós tomou um rumo perigoso e eu não tenho nenhuma intenção de parar. Eu vou desfrutar e roubar o que você mais valoriza, e vou fazer você amar isso enquanto faço." Sua voz estava mal contida, luxúria animal quando sua mão deslizou mais para cima para descansar no ápice das minhas coxas. "Se você tivesse a menor ideia de todas as coisas que vou fazer com você, você iria correr, e correr rápido." Eu balancei a cabeça fracamente e empurrei para a frente quando lambi meus lábios e encontrei seus olhos, deixando-o ver a necessidade que ele estava criando dentro de mim. "Mas então... eu não iria deixá-la correr muito longe." De repente, ele se afastou da parede e passou a mão pelo rosto, a sua máscara normal voltou para o lugar como se os últimos sessenta segundos não tivesse acontecido nada. Sem outra palavra, ele mudouse para a janela. Então, ele veio através da janela. Eu o assisto sair e tive o pensamento fugaz que o desejo e o medo eram os mesmos para ambos. Isso foi uma pegação ou o quê? Ele levantou a janela e fez uma pausa, olhando para a noite. "Não há uma ameaça lá fora para você pior do que eu." Seus ombros estavam tensos e eu prendi a respiração, esperando que ele continuasse. "Faça o que eu te disse", ele pulou, desaparecendo na noite. *** A manhã veio muito cedo. Era o meu aniversário. Eu estava agora com dezoito anos e miserável. Eu tinha esquecido que o meu aniversário estava chegando até a tia Carissa me lembrar ontem à noite. Desde a farmácia que minha mente estava presa em um lugar. Keiran. Eu odiava meu aniversário. Foi o dia em que descobri que meus pais não estavam voltando. Eu parei de pensar nele como meu


aniversário e, em vez disso considerava o aniversário que meus pais se tornaram mortos para mim. Me deixaram. Eu desci, esperando que minha tia já tivesse ido embora, mas a encontrei me esperando com a minha sobremesa favorita. Eu era uma fraca para bolo gelado. Ela amarrou balões as banquetas do balcão e tinha flâmulas em todos os lugares, e eu ri dela quando ela explodiu sobre aqueles sopros nas coisas que soavam como um elefante com um resfriado. "Feliz aniversário, Lake!", ela saltou para cima e para baixo como uma criança grande, que era uma espécie de embaraço, mas adorei. "Obrigada, tia Carissa. Isso é ótimo." "Oh, Willow era suposto estar aqui, mas ela está atrasada. Algo sobre Peepee esconder suas chaves." "Pepé", eu ri, corrigindo-a. "Ele ainda está bravo com ela por sair pelo verão inteiro." Ele era um pouco sorrateiro... "É uma pena. Ele passará a raiva logo, logo. Ninguém pode ficar com raiva de Willow por muito tempo." Isso era verdade. Willow tinha um dom para conquistar as pessoas, exceto aqueles que achavam que ela era uma aberração. Era mais sobre a forma como ela se vestia do que sobre ela mesmo. "Eu estou fazendo suas panquecas de grãos mista favoritas, assim, espero que você esteja com fome." Eu estava com fome, embora nunca comia muito no período da manhã. Meu apetite geralmente se desenvolvia mais tarde na manhã, mas hoje foi diferente, considerando que pulei o jantar, depois de Keiran sair. Eu fui direto para a cama, também emocionalmente torcida. "Morrendo de fome." "Você deveria estar." Ela virou-se para derramar a massa na frigideira e me deu um olhar duro. "Você não comeu o jantar que preparei ontem à noite." Eu conhecia minha tia o suficiente para saber quando ela estava me questionando sem realmente fazer uma pergunta. "Uh, sim. Eu estava muito cansada depois do meu banho e decidi que não estava com fome, então só caí na cama." Ela assentiu


com a cabeça, mas continuou me olhando até que finalmente virou-se para virar as panquecas. "Eu pensei que você estava saindo cedo?", perguntei, tirando a atenção de cima de mim. "Não, eu disse que tinha que acordar cedo. Eu tinha mesmo que pelo menos estar aqui nesta manhã para fazer para você as panquecas, então escolhi um voo posterior. Tara vai me levar para o aeroporto em sua pausa para o almoço." A campainha me parou de responder, e eu pulei para fora do banco para abrir a porta. Willow geralmente só entrava, então eu me perguntava quem poderia ser tão cedo. Abri a porta e imediatamente bati-a de volta. Oh, Deus. Oh não. Oh, Deus. Oh não "Lake, quem era?" "Tia Carissa não vai queimar as panquecas?" "As panquecas estão prontas. Quem era?", ela perguntou mais severamente. "Jornaleiro?" Levantei um ombro, mas sabia que a mentira estava escrita por todo o meu rosto. Ela revirou os olhos e me cutucou de lado para abrir a porta. Os olhos dela se arregalaram de surpresa antes que ela sussurrasse: "Oh meu." Ela se virou para mim com acusação em seus olhos e um sorriso enorme. "E quem é você?", ela perguntou quando me recusei a explicar por que Keiran estava em nossa porta. "Keiran Masters." Sua voz profunda correu, fazendo arrepios cobrir minha pele. "Eu vou para a escola com sua sobrinha." Minha tia escondeu muito bem sua surpresa, mas eu sabia que ela lembrou o seu nome. "Bem, você não é um amigo. Eu nunca o vi antes", ela declarou sem rodeios e de repente eu tinha o desejo de escondê-la de Keiran. Ela não sabia o perigo que estava correndo apenas por estar tão perto dele. "Não senhora, não sou seu amigo", ele respondeu com sinceridade. Eu podia sentir seus olhos me perfurando mesmo quando eu evitava o contato visual.


"Muito ruim. Você é bonito... o suficiente." Eu quase bufei. Ele era lindo e ele sabia disso. Minha tia estava o provocando. "Estou feliz que você aprove", ele respondeu suavemente. "Não é bem assim, mas entre, para que eu possa ver mais." Ela afastou-se, dirigindo-se para a cozinha, deixando-nos de pé no hall sozinhos. "Por que você está aqui?", sussurrei, com veemência. Eu não iria deixá-lo em qualquer lugar perto da minha tia. Ele apenas sorriu antes de abrir caminho por mim. "Você não ouviu? Sua tia quer me ver mais", ele falou por cima do ombro, antes de desaparecer na cozinha. Eu puxei o meu cabelo antes de empurrar a porta e segui-los até a cozinha. Keiran já foi se sentando como se pertencesse aqui. Eu fiz um som de frustração quando vi minha tia empurrando minhas panquecas em um prato para Keiran. Ela me olhou com surpresa enquanto Keiran tinha um olhar orgulhoso no rosto. "Lake, você acabou de rosnar para Keiran?" Não, na verdade eu estava rosnando para você. "Sente-se e pare de ser rude. É seu aniversário. Keiran você sabia que hoje é seu aniversário?" "Claro", ele murmurou em torno de uma boca cheia de minhas panquecas. "Bem, talvez, vocês dois possam comemorar mais tarde. Eu me sinto tão mal que tenho que sair hoje. Mantenha sua companhia em torno dela por mim, ok?" Ela piscou para Keiran e eu revirei os olhos. "Vou ficar de olho nela", ele concordou. Minha tia sorriu, completamente alheia ao engano de suas palavras. Ele fez contato visual comigo, segurando meu olhar até que olhei para longe. "Ooh, eu tenho que terminar minhas malas e deixar prontas para o meu voo. Foi bom conhecer você Keiran. Não me deixe desapontada." Com isso, ela desapareceu pelas escadas, deixando-me sozinha com Keiran novamente. "Vamos," ele comandou. Peguei minha mochila para segui-lo para fora da porta e enviei a Willow um texto rápido para deixá-la


saber que eu já estava indo e explicaria mais tarde. Willow sabia quando não me pressionar. Às vezes. "Por que você veio aqui? Você poderia ter ligado e me deixar saber que estava vindo". Ele me ignorou até que estávamos sentados em seu carro e, em seguida, deu de ombros. "Eu queria encontrar a mulher cuja vida você segura em suas mãos." "Você realmente acredita que seu plano vai funcionar?", perguntei, ironicamente. Se ele não achasse que eu estava com medo dele, talvez me deixasse em paz. Foi um tiro no escuro, mas valia a pena tentar. Sua mandíbula apertou, antes que ele me arrastasse sobre a alavanca de câmbio para o seu colo, envolvendo sua mão ao redor do meu rabo de cavalo. "Eu farei tudo em meu poder para fazê-lo funcionar, você vê, não tenho nada a perder... mas você tem." "Talvez argumentei.

você

tenha,

mas

simplesmente

não

se

importa",

"Então isso me faz um homem muito perigoso." *** Não foi fácil tentar ignorar Keiran quando ele estava em grande parte do meu dia ─ pela força e pelas circunstâncias. Eu ainda estava furiosa sobre a façanha que ele fez esta manhã. A maior parte do dia se foi. O almoço e a aula de francês tinham ido e vindo, e eu tinha acabado de chegar para a aula de arte. Eu estava montando minha estação, quando Keenan entrou com Trevor Reynolds. Senti um calafrio correr pela minha espinha quando Trevor e eu fizemos contato visual. Virei quando ele continuou a me olhar com uma expressão presunçosa. Quando seu rosto caiu, me virei satisfeita. Ele era um soldado anônimo. Eu não me lembrava dele estar na minha classe ontem, então ele deve ter mudado o cursos, embora eu não enxergasse nem ele e nem


Keenan como pessoas que gostassem de artes. Quando Keenan desapareceu dentro do armário de abastecimento, Trevor escolheu aquele momento para passear até mim. "Como está indo Lake?", ele perguntou alegremente. "Foda-se." Eu não me incomodei em olhar para ele de relance. "Você pode querer ser um pouco cuidadosa com a forma que fala comigo." Ele se inclinou para sussurrar em meu ouvido. "Ao contrário de Keiran, não seguro uma tocha secreta por você. Vou acabar com você." Eu finalmente olhei para cima para encontrar seu olhar com um dos meus próprios. "Eu não sei o que você quer dizer. Keiran não iria segurar uma tocha por mim, a menos que fosse para me queimar viva com ela." "Você pode estar certa..." Um sorriso cheshire se espalha em seus lábios, enquanto ele se afasta para se sentar em sua cadeira. Keenan saiu do armário de abastecimento com uma morena rindo e o seguindo. Eu tinha um palpite sobre o que estavam fazendo, e balancei a cabeça. Ele realmente não tinha vergonha. Eu bufei e voltei para o cartaz na minha frente, pensando sobre a ameaça desnecessária de Trevor. Keiran nunca me escuta de qualquer maneira. Eu parecia muito culpada. No dia que Keiran foi embora, e deixou a minha vida pela primeira vez, foi um dia que eu nunca iria esquecer ... ***

Um ano atrás "Você tem certeza que está bem? Podemos totalmente cair fora, se você quiser." Eu sorri para Willow porque ela realmente era uma boa amiga. Um dia antes, Keiran tinha me humilhado na frente de toda a cafeteria quando pedi para falar com ele. "Obrigada Willow, mas você não está me usando para sair de seu exame de Biologia."


"Ugh, não me lembre. Srta. Thompson é uma bruxa. Eu juro que ela me atenta de propósito." "Willow, você ganhou um ‘A-‘ em uma atribuição uma vez, porque você pulou uma pergunta." "Seja como for, ela ainda é uma bruxa. Ei, você já encontrou o seu celular?" "Não, mas tenho certeza que ele vai aparecer." Meu celular desapareceu ontem depois da cena no refeitório. "Talvez alguém o roubou." Era possível. Lembrei-me de enviar um texto para Willow no terceiro período antes de ir ao banheiro. Eu pensei que deixei meu telefone na minha mesa e não percebi que tinha sumido até o quarto período, quando Willow perguntou por que não respondi ao seu texto. Depois de procurar em minha mochila, voltei para o banheiro que usei e ainda avisei à comissão de achados e perdidos, mas nunca apareceu. "Pode ser. Vou procurar novamente e perguntar ao redor antes de relatar a falta." Entramos no estacionamento da escola e notei imediatamente as luzes piscando. Havia carros da polícia e um grupo de estudantes se reuniram em volta, assistindo a escola ansiosamente. "Whoa, alguém morreu?", perguntou Willow. "Eu não penso assim. Não existem quaisquer ambulâncias." Nós rapidamente nos aproximamos da grande multidão para ver o que estava acontecendo. Eu não estava preparada para o que vi. Assim que passei o muro de alunos, avistei Keiran sendo levado, algemado para uma viatura. Outro policial seguiu com pequenos sacos do que parecia ser maconha em sacos Ziploc. "Isso é besteira!" Eu ouvi e vi um Keenan enfurecido sair do prédio seguido por um Dash furioso. Ambos olharam como se estivessem prontos para matar. Eu nunca vi os dois com tanta raiva em seu rosto antes. "Filho, você pode querer se acalmar e voltar antes de eu prendêlo também", um oficial indicou.


"Foda-se, solte meu primo. Essa merda foi plantada!" "Policiais, vocês estão cometendo um erro grave. Vou ter seus emblemas até o final do dia." Isso veio de Dash que estava enganosamente perto de calmo. "Sr. Chambers, estamos apenas fazendo nosso trabalho." Com isso eles colocaram Keiran na parte de trás do carro. Mais tarde naquele dia, eu estava fazendo a lição de casa no meu quarto quando a campainha tocou. Eu abri para encontrar Keenan e Dash na minha porta com expressões ferozes. Dizer que fiquei surpreendida era eufemismo. "Hum, oi." Eu estava prestes a perguntar por que eles estavam aqui quando Dash me cortou. "Pare com isso, isto não é uma visita social." "Nós sabemos que você mandou essa denuncia de merda para as autoridades e plantou as drogas, cadela." Isso veio de Keenan, que parecia esperar por um movimento ou palavra errada minha para que ele pudesse me estrangular. Me mexi nervosamente, desejando que minha tia estivesse em casa. "Estamos dando-lhe apenas uma chance de ir até a delegacia e dizer-lhes que você plantou as drogas". "Eu não sei do que você está falando. Eu não fiz nada disso." Eu tentei fechar a porta, mas Dash colocou rapidamente sua bota na porta. "O dinheiro fala, por isso temos uma boa palavra de que foi o seu telefone celular que ligou para a delegacia... e você deixou seu nome. Não é muito inteligente", zombou Dash. "Eu disse que não tinha nada a ver com isso. Saiam antes que eu chame a polícia." "Não há necessidade de ter medo cordeirinho," a voz de Keenan era baixinha. "Keiran quer lidar com você pessoalmente."


Capítulo Seis Mais tarde naquele dia, entrei no quinto período com Keiran arrastando atrás. Ele estava de pé do lado de fora, conversando com Quentin enquanto eu caminhava para cima. Quando entrei na sala de aula, ele me seguiu sem dizer uma palavra. Eu discretamente olhei em volta para achar Willow, enquanto me sentei em nossos lugares de ontem. Eu tinha que falar com ela e ver se ela estava bem. Ela não estava no Vôlei, francês ou o almoço e não respondeu meus textos. Eu nem sei se ela veio para a escola. Sentei-me na minha cadeira de ontem e mandei uma mensagem Willow novamente. Keiran poderia ter feito alguma coisa com ela? "Monroe, venha sentar-se aqui." "Eu estou bem aqui." O silêncio que se seguiu foi mais intimidante do que se ele tivesse gritado, e eu sabia que agora não era o momento nem o lugar para irritá-lo. Ele não se preocuparia com as outras pessoas na sala. Seria apenas mais uma oportunidade para me humilhar. Suspirei e peguei os meus livros para mover e sentar-me ao lado dele. Keenan e Sheldon entraram um momento depois, com roupas amassadas e sorrisos secretos em seus rostos enquanto eles fizeram o seu caminho para a sala, mas sentaram-se na fileira na frente de nós. "Sr. Masters e Srta. Chambers caberia à vocês chegar a tempo para a classe na próxima vez. Atrasos não serão tolerados." "Claro que sim, Sr. Lawson, mas não acho que as pessoas dizem 'Caberia' mais", brincou Keenan. A classe irrompeu em gargalhadas, causando ao Sr. Lawson um vermelho em seu rosto. "Keenan, pare", Sheldon o repreendeu. "Sim querida." Eu assisti o casal quando eles se estabeleceram. Keenan fazia cócegas e cutucava ela, fazendo-a rir. Ele sempre encontrou motivos para tocá-la e tenho notado a maneira como ele a olha. Ele parecia


realmente adorá-la apesar de sua infidelidade, o que eu não entendia. Sheldon era linda e eu sentia pena dela. "Oi, eu sou Sheldon. Lake Monroe, certo?" Sheldon sorriu para mim, quando se sentou com sua bolsa. Seus olhos eram escuros e seu cabelo era uma leve sombra de loiro. Eu sempre achei que ela parecia exótica e admirava o corpo atlético que obteve sendo líder de torcida. "Uh... sim. Oi." Eu respondi, mas não retornei o sorriso. Eu ainda estava desconfiada de Sheldon, afinal, ela era popular, linda, e tinha um sorriso incrível. Merda, agora pareço Keenan. Eu muitas vezes peguei Keenan no barco motor com outra pessoa para que todos pudessem ver. Ela parecia boa o suficiente, mas não inteligente quando se tratava de homens. Keenan era um puto e não fazia segredo sobre isso, mas ela ficou com ele assim mesmo. Eu não entendia esse tipo de compromisso, embora eu nunca tive um namorado graças a Keiran. "Último ano. Você está animada?", ela perguntou. Você não tem ideia. Eu balancei a cabeça educadamente, mas não disse mais nada. Eu não podia ver por que ela estava falando comigo, muito menos sentada ao meu lado. "Então, você e Keiran, hein? Vocês dois são um casal?", ela balançou as sobrancelhas sugestivamente. Keiran estava falando com Quentin, mas eu sabia que ele ouviu sua pergunta quando sua conversa com Quentin parou e sua atenção se voltou para mim. Eu não poderia o rejeitar e não poderia dizer-lhe a verdade também. Seu sorriso me disse que ele estava gostando do poder que tinha sobre mim. Fui salva de responder porque Willow entrou na sala de aula. Quando ela viu onde eu estava sentada, enviou-me um olhar interrogativo. Forcei um sorriso, mas respirei fundo quando ela se aproximou de mim. "Feliz aniversário, Lake", disse ela alegremente enquanto se inclinou para beijar minha bochecha. Assim que eu estava prestes a responder, Keiran segurou o meu queixo em um aperto forte e virei o rosto para ele.


"Se você quer ser legal, então não pode falar com ela. Nós conversamos sobre isso. Você tem que soltar o seu peso morto." Meu mundo desabou no duplo sentido com suas palavras. O silêncio se passou entre nós enquanto eu olhava para ele com ódio em meus olhos. "Lake?" A voz de Willow tremia e eu sabia que ela ouviu. E a merda estava feita. Eu queria virar e tranquiliza-la. Eu não podia deixá-lo fazer isso. Eu não podia deixá-lo tirar as duas únicas pessoas que eu tinha para amar. Desistir de um realmente significa salvar o outro? Apesar das minhas dúvidas, eu sabia que não podia arriscar. Ele tinha ganhado. Ele sabia no momento em que falou, porque finalmente soltou meu rosto. Meu olhar caiu para o meu caderno que estava na minha frente, mas eu não o vi. Eu não vi nada. Tudo o que podia sentir era o peso do olhar da minha melhor amiga e a dor que lhe causei. Ela caminhou em silêncio aos nossos assentos normais e se sentou. Só então permiti que o meu olhar subisse e ele imediatamente mirou em seus ombros caídos. Quem disse que escolher entre o certo e o errado era fácil, é um mentiroso maldito. *** Largue o seu peso morto. Joguei as palavras na minha cabeça várias vezes enquanto estava na frente do espelho do banheiro. Eu não gostava de quem vi olhando para mim. Eu estava mortificada. Eu machuquei Willow. Eu nunca fiz mal a Willow e Willow nunca me machucou. Uma vez que a aula acabou, ela praticamente correu para fora da sala e eu não podia impedi-la. Eu terminei de me limpar e joguei fora os muitos lenços que usei para chorar minha dor. Eu nunca pensei que quando acordasse esta manhã, que isso iria acontecer. Ele disse que iria tirá-la de mim, mas


eu não acreditei nele. Havia muita coisa que eu não queria acreditar. Como o fato de que Keiran iria me usar para o sexo, me controlar, me destruir e eu tinha que deixá-lo fazer. Eu sabia que iria me consumir se deixasse Keiran me ter. Eu não seria capaz de sobreviver ao que ele estava planejando, sem experiência. Eu finalmente saio do banheiro para encontrar Keiran encostado na parede em frente à porta do banheiro; um pé empoleirado na parede com as mãos nos bolsos. Eu olhei para ele e ele olhou para trás. Quando ele entortou seu dedo, fazendo sinal para que eu fosse até ele, dei um passo em tentação. Ele endireitou-se e cerrou a mão em minha camisa trazendo meu peito nivelado com o dele. "Toda essa besteira que você está dizendo a si mesma para escapar do que vai acontecer entre nós, larga disso. Eu já lhe disse como vai ser. Você quer isso tanto quanto eu, e eu... vou... ter... você. Fim da discussão." Era seguro dizer que eu estava na merda. *** Eu tentei ligar para Willow na hora que cheguei em casa. Eu percebi que não havia nenhuma maneira que ele saberia que falei com ela, mas quando não recebi uma resposta após a quinta ou sexta vez tentando ligar, fiquei frustrada. Eu tinha permitido Keiran nos separar sem levantar sequer um dedo. "Dane-se," Eu peguei minhas chaves e desci as escadas ignorando o aviso de Keiran para não sair. Ele me deixou depois da escola e imediatamente saiu. Tia Carissa tinha saído agora para sua turnê e a casa se sentia incrivelmente vazia sem ela. Eu pisei fora e tranquei a porta, mas tinha uma sensação estranha de alguém me olhando em volta, nervosamente. Eu instintivamente procurei um carro preto particular, mas quando não o achei em qualquer lugar, sacudi o sentimento e pulei no meu carro. Willow vivia ao virar da esquina na rua vizinha sem saída.


Eu estava na casa dela um par de minutos mais tarde, e notei seu carro do lado de fora. O carro dos pais dela não estava lá, então sabia que ela estava sozinha em casa. Buddy, provavelmente, não estava em casa, como de costume. Ele era um calouro, mas já subiu nas fileiras em Bainbridge e ganhou o título como um dos mais quentes ─ mesmo as garotas seniores o perseguia. Nós ficamos próximos ao longo dos anos e ele era como o irmão mais novo que eu nunca iria ter. Eu engoli o sentimento indesejado de amargura e toco a campainha. Alguns minutos se passaram, mas ninguém respondeu. Recusando-se a deixar a minha única amizade morrer, tentei a maçaneta. A porta abriu de modo surpreendentemente, então entrei verificando a sala de estar e cozinha antes de ir para o andar de cima. "Willow?" Eu chamei quando cheguei ao patamar. Eu podia ouvir sons baixos vindos de seu quarto quando me virei para frente. Como ela não respondeu, temia que havia algo errado, assim, empurrei a porta aberta. "Willow?" Eu entrei e imediatamente desejei que não tivesse feito isso. Mal pude distinguir Willow na cama, coberta por um grande corpo masculino. As pernas dela estavam acondicionadas em torno de seus quadris. Sua cabeça estava jogada para trás e os olhos dela fechados firmemente. Ela estava segurando a bunda muscular do cara que tinha ela presa na cama, seus seios balançando no ritmo com a cabeceira da cama batendo contra a parede. Seus gritos apaixonados, misturados com seus gemidos luxuriosos, enquanto ele impulsionava nela, com força. Foi um milagre não ter percebido claramente antes. De repente sua cabeça se voltou para a porta e ele imediatamente me viu, porque fiquei congelada os observando. Dash Chambers. O melhor amigo do Keiran. Seu nome era um gosto amargo na minha língua. Ele continuou seu ritmo furioso nunca perdendo uma batida, enquanto me observava vê-lo com um sorriso. Willow ainda não tinha me notado enquanto ele continuava a agradá-la, então recuei rapidamente e fechei a porta silenciosamente. Desci correndo as


escadas e fui para fora da porta. Eu não podia acreditar que os peguei assim. Então era verdade ... ela estava dormindo com o inimigo. *** "Ei, Charlie", eu cumprimentei quando entrei pela porta da frente. "Obrigado novamente, por cobrir o turno. Eu sei que é seu aniversário." "Nenhum problema. Desculpe que não pude chegar aqui mais rápido." "Por favor, me diga que foi finalmente por causa de um cara?" "Não é bem assim..." "Bem, querida, isso não é um não! Parabéns!" Charlie começou a pular, bater palmas e chamando a atenção indesejada. "Podemos por favor, não fazer isso de novo?" "Perdoe-me por estar preocupado com sua vida amorosa quando você não está. A este ritmo tudo que vejo em seu futuro são gatos malhados e problemas intestinais. Você pode imaginar o que isso poderia fazer para uma pessoa?" Eu escutei o discurso de Charlie enquanto ele me seguiu atrás do balcão de atendimento e na ala dos empregados. Eu tive que ameaçá-lo com danos corporais, quando ele tentou me seguir para o banheiro com box. Ele finalmente foi embora, resmungando sobre adolescentes sem noção e eu rapidamente mudei minha camisa do uniforme. Eu peguei esse trabalho na academia no ano passado depois que Keiran tinha ido embora há cerca de dois meses. Lembro-me de sentir como se tivesse perdido um pedaço vital da minha vida e então eu peguei alguns passatempos no começo, mas não podia ficar com eles. Algumas semanas mais tarde, no meu caminho para a lanchonete


local, eu vi um anúncio pendurado na janela da academia local. Charlie tinha me observado e começou a lamentar a minha falta de vida amorosa. Ele adivinhou que ou eu não apreciava os homens ou estava presa a alguém que não me notava. Se ele soubesse. Eu tentei explicar que tinha apenas dezesseis anos e tinha o resto da minha vida para fazer uma ligação de amor, o que quase o levou às lágrimas. "Pobrezinha. É pior do que eu pensava. Você está contratada. Eu tenho que ajudá-la. Este é o meu único e verdadeiro propósito na vida." E eu tenho trabalhado aqui desde então. Foi uma agradável distração e me deu a oportunidade de poupar algum dinheiro para a faculdade. Eu não tinha a menor ideia de onde queria ir, mas enquanto estivesse longe dele, eu iria sobreviver. Eu retirei o fone do ouvido que ele me fez vestir com minhas calças jeans, cronometrei e sai para fazer minhas rondas. Não havia nada como passar algumas horas inalando o aroma do suor e assistir solitárias donas de casa com luxúria sobre os homens meio nus, suados. A academia definitivamente tinha suas vantagens. Charlie estava no chão, fingindo supervisionar as coisas enquanto discretamente checava os homens enquanto eles malhavam. Ele era um homossexual pleno e com orgulho. Ele também tinha um grande coração, e era um mentor decente em todas as coisas que os homens que ele chamou de fracasso, por causa da minha condição de solteira. Mais tarde, em meu turno, eu estava profundamente concentrada nas contas, peneirando contas que estavam em atraso e marcando-as para averiguar mais tarde, quando senti o cheiro de limões. Um sorriso satisfeito cobriu o meu rosto quando olhei para a mulher responsável. Sra. Fletcher frequentava a academia, mesmo com a idade de sessenta e oito anos, embora ela andasse principalmente na esteira e escada mestre . Às vezes ela me trazia biscoitos de limão. "Boa tarde querida. Eu te trouxe algumas guloseimas." Ela colocou o saco de papel sobre o balcão e eu imediatamente os arrebatei.


"Como você está Sra. Fletcher?" Eu perguntei enquanto enchia de biscoitos a minha boca e desejava um copo de leite frio. "Devagar antes de sufocar. Há mais no saco", ela repreendeu. "Oh, eu sei. Eu só quero comer o suficiente antes de Charlie sentir o cheiro deles. Ele quase comeu todo meu estoque da última vez." "Onde está Charles? Eu preciso dele para vir montar a armadilha da morte para mim." "Olá," uma voz profunda e sedosa nos cumprimentou. Nós duas nos voltamos para o atraente homem de meia-idade que acabou de entrar. Ele também era um frequentador da academia, embora eu nunca o visse realmente malhando. Talvez ele esteja aqui para conferir os homens também. Eu brevemente me perguntei se Charlie ficaria com homens mais velhos. Ele tinha acabado de completar trinta e este homem parecia ter uns meados de quarenta e tantos anos. "Oh, oi Sr. Martin. O que o traz hoje?" "Exercícios pode ser a resposta correta", ele respondeu com um pequeno sorriso. Eu sorri, me desculpando e olhando para a sua aparência bem cuidada habitual, e seu cabelo ondulado escuro. Ele era alto, com um corpo muscular que não era volumoso e sempre era educado e charmoso. Eu sempre me perguntava se ele era casado, mas nunca lhe perguntei realmente. Se ele não for gay, então poderia considerar apresenta-lo a minha tia. Mas se ele não for um fã de Star Trek, então você pode esquecer. Ele virou-se para sorrir com indulgência à Sra. Fletcher, que estava olhando para ele. "Olá, Sra. Fletcher. Como está hoje?" "Eu estou bem, obrigada." Seu tom animou ainda mais com a atenção, assim, estudei os dois para avaliar a sua familiaridade. Eu não estava ciente de que eles se conheciam. "Sempre bom ver você."


"Você é muito gentil." Ela corou e relutantemente o deixou, quando Charlie programou sua esteira e lhe acenou. Sua atenção estava dirigida agora a mim e senti a pressão de seu olhar. "Como vai você, mocinha? O que há de novo?" "Bem, obrigada. Nada muito levemente, tentando descontrair.

interessante",

eu

respondi

Ele continuou a olhar como se esperando por algo. Eu me mexi desconfortavelmente, sentindo a necessidade familiar de me esconder. No ano passado, ele veio para o ginásio e fez muito do mesmo. Ele faz perguntas sobre mim e sobre a escola. Uma vez ele ainda perguntou se eu estava namorando alguém. Lembro-me do pânico que senti quando pensei que ele estava dando em cima de mim e ele deve ter percebido, porque pediu desculpas e deixou a academia abruptamente. Ele finalmente me entregou seu cartão de membro para tomar de sua mão depois de alguns instantes. "Você sabe, nós temos uma promoção acontecendo, se você indicar um amigo para a academia, você tem metade de desconto nas taxas de adesão do próximo mês. Você ainda pode usar um para uma esposa ou crianças." Parei com a raiva que brilhou em seus olhos à menção de uma esposa e filhos. Eu não poderia descrevê-lo, mas não foi morno e distorcido como pessoas que têm famílias geralmente parecem. "Eu não estarei trazendo ninguém", ele respondeu em tom brusco. Era um grito longe do carisma que ele normalmente exibia. "Me desculpe se ofendi você, eu -" "Bobagem." Seu sorriso era forçado e não chegou a atingir seus olhos. "Eu é quem deveria me desculpar. Minha esposa morreu há alguns anos. Eu não ainda não superei a morte dela." Eu me senti imediatamente como uma idiota, não só por trazer más lembranças, mas os pensamentos que estava tendo dele. "Então, por favor, aceite minhas desculpas Sr. Martin." Eu ofereci um sorriso e devolvi seu cartão. "Eu posso dizer que você é uma garota leve, muito especial, Lake. Como uma pena", afirmou e, em seguida, foi embora.


Meu sorriso caiu imediatamente quando o assisti desaparecer nos vestiários. *** Trinta minutos para o meu turno terminar, eu estava limpando as janelas da frente e balançando ao som da música enquanto sentia a brisa de verão do ar exterior, quando alguém entrou. "Seja bem-vindo. No momento, estamos fazendo uma promoção especial. Se você indicar um amigo, você tem taxas com desconto para o próximo mês." "Excelente. Tenho certeza de que Keiran ficaria muito interessado em saber que um certo alguém trabalha aqui." Eu ouvi a voz rouca da serpente que fez a minha pele eriçar. Eu rapidamente me viro na direção oposta para fugir, quando sua mão apertou ao redor do meu braço. "Não tão rápido, rato," ele zombou, puxando-me de volta para a recepção. Ele libertou meu braço e sorriu para mim. "Eu gostaria de fazer a minha adesão." Trevor me entregou sua identidade com um olhar convencido e eu, relutantemente, a aceitei, digitando sua informação no sistema. Ele poderia encher os olhos em mim enquanto fazia isso. Assim que terminei, entreguei sua identidade de volta e mantive um olhar atento sobre ele, quando ele a colocou de volta no bolso. "Então?", ele perguntou com uma sobrancelha levantada. "Então, o quê?" "Ele sabe que você trabalha aqui?" "Isso é da sua conta?" "Apenas protegendo meus interesses." "Você quer dizer o seu rabo? Porque se ele descobrir - " "Ele não vai, e você vai ficar de boca fechada", alertou. "O que isso importa para você de qualquer maneira? Ele já a odeia."


"Porque é muito mais pessoal e agora ele realmente tem uma razão para me odiar. Ele já me ameaçou por causa de você", sussurrei asperamente. Ele cortou sua mão no ar, impaciente. "Eu não me importo. Mantenha a boca fechada ou vou ameaçála também." Ele se afastou, indo para os pesos e eu não consegui segurar os pensamentos, esperando que um peso caísse e apenas esmagasse seu cérebro. Não queria acordar deste pesadelo, mas isso definitivamente iria me fazer rir. Agora quem é o sádico? Eu não iria tentar o destino de tal maneira porque não seria capaz de viver com isto no meu consciente. Isso me fez lembrar mais uma vez o dia fatídico que tudo se virou para uma grande merda. *** 16 meses atrás "Keiran Masters assumiu a equipe! Ele é oficialmente o capitão da equipe agora." "Eu ouvi que Trevor está chateado. O que você acha que ele vai fazer?" "O que ele pode fazer? Keiran é muito durão para Trevor assumir." "Bem, eu estou contente que Keiran é o capitão. Ele é um pouco assustador, mas muito mais quente e talvez a gente vá realmente ganhar o Campeonato deste ano." Eu ouvia as meninas risonhas se reunirem em torno dos armários ao meu lado. Eu não poderia ajudar, mas ouvi considerando o assunto. Eu precisava ficar alerta se fosse necessário ganhar da maneira rápida. Eu suspirei, quando percebi que era apenas mais uma reunião de torcida de Keiran Masters. Suas divagações intermináveis enquanto elas elogiavam sua beleza e popularidade estava me deixando enjoada, portanto me desliguei delas e terminei de guardar meus livros no meu armário.


Quando acabei, hesitei se deveria arriscar almoçar hoje. Após Keiran ter algumas meninas jogando um pote de gordura de frango sobre a minha cabeça para o riso de todos, eu evitava a lanchonete mesmo que isso significasse que tinha que morrer de fome. "Oh meu Deus, ele está vindo para cá", disse um membro do fã clube e deu uma risadinha. Meu coração começou a bater mais rápido, assim rapidamente fechei meu armário para sair e me esquivar. "Oi Trevor", outra deu uma risadinha. Eu relaxei um pouco e soltei a respiração que estava segurando quando cumprimentaram Trevor. Meu alívio foi de curta duração, quando Trevor contornou o trio sem responder e se dirigiu para mim com firme propósito. Ele nunca tinha feito nada para mim, mas ele ainda era popular e um atleta, enquanto eu estava longe demais na cadeia alimentar para pensar que isto ia ser uma visita social e amigável. Eu estava apreensiva, mas surpreendentemente ele não me assustou. Apenas uma pessoa me assustava e felizmente ele não estava próximo, então mantive minha posição de espera para o que estava por vir. Ele parou e examinou meu rosto completamente. Ele provavelmente nem sabe meu nome, pensei e quase rolei meus olhos. "Lake, certo?" Espere, ele disse isso em voz alta? Eu continuei olhando, sem uma resposta. Talvez eu devesse dizer que ele estava com a pessoa errada, pois ele não parecia ter certeza de quem eu era. Ele olhou para o trio de meninas que ainda estavam de pé por perto olhando para mim quando permaneci em silêncio. "Lake Monroe?", ele tentou novamente. "É ela," uma das meninas respondeu. Ele continuou a ignorá-la, mas agarrou meu cotovelo e me puxou pelo corredor atrás dele. "Olha, eu preciso falar com você em particular. Tenho uma proposta para você", disse ele ao arrastar-me para a biblioteca. Passamos por mesas e computadores e, em seguida, para as estantes até chegarmos a uma alcova. Eu finalmente encontrei a minha voz


quando ele parou e foi quando tive a certeza de que não tropecei e plantei meu rosto no chão. "Escute, não me importo com o que ele diz, eu não pratico atos sexuais por dinheiro, por isso, se a sua proposta é sobre isso, você está perdendo seu tempo. Tenho certeza de que há uma abundância de meninas dispostas a fazê-lo gratuitamente, por favor, deixe-me ir," eu bufei furiosamente. Eu sempre recebo dinheiro e notas lascivas no meu armário pedindo favores sexuais, após Keiran espalhar rumores no ano passado que ele me viu dando a Peter Simpson um oral por dinheiro no corredor, depois da escola e, em seguida, me ofereceu para fazer nele por vinte dólares. "Eu não estou atrás disso." "Oh sim? Então o que você está atrás?" "Temos um inimigo comum e sei como se livrar dele."


Capítulo Sete "Sim, tia Carissa, está tudo bem. Como está no Canadá?" Tudo o que ela disse, nunca cheguei a ouvir, enquanto caminhava através da porta depois do trabalho. O telefone foi arrancado das minhas mãos e enquanto eu estava sendo jogada no sofá, eu o assisti bater na parede, mas felizmente não pareceu quebrar. O que -? "Você parece estar com problemas de audição." Eu olhei para Keiran de pé em cima de mim, esperando para encontrá-lo com raiva, mas ao invés disso, ele estava em pé e falando tão calmamente como se estivesse falando do tempo. Verdade seja dita, me assustou ainda mais. "Eu tive -" "Cala a boca. Por que você foi ver Willow?" Então ele estava me observando. Eu levantei meu queixo e olhei diretamente nos olhos. "Porque ela é minha melhor amiga e graças a você, ela é minha única amiga, mas ela é minha amiga e você não vai conseguir me tirar isso". Além de minha tia, Willow era a pessoa mais importante na minha vida e a única que eu amava. Eu costumava amar meus pais ou o que conseguia lembrar-me deles, mas enquanto a verdade do seu desaparecimento me escapou, eu continuaria a ter sentimentos mistos. Os pais abandonavam seus filhos o tempo todo. Quando ele caminhou em minha direção, me mexi para fugir, mas ele foi mais rápido e me arrastou, chutando e gritando com ele para a outra extremidade do sofá. Sentou-se, puxou-me em seu colo, e depois envolveu minhas pernas em volta de sua cintura. Seu braço atado em torno da minha cintura e eu me encolhi quando ele pegou o meu cabelo na mão e puxou minha cabeça para trás. Suas narinas dilataram e eu tremi só de olhar nos seus olhos gelados. É como se eu pudesse sentir tudo o que ele sentia. "É isso que você pensa que é dela? Amiga dela? Ela nem mesmo lhe disse sobre Dash. O que mais ela mantém de você, hein? Você não


é sua amiga... ela nem sequer confia em você." Um som de pesar e mágoa arrancou de minha garganta. Willow não confia em mim? Eu não queria acreditar, mas por que outro motivo Willow não falou comigo sobre o Dash? Nada mais fazia sentido, porque nós sempre compartilhamos tudo... ou pelo menos pensei que nós fazíamos. "Isso não é verdade." Eu balancei a cabeça em negação, mas a semente ruim que ele tinha plantado na minha cabeça já tinha tomado raiz. "Não é? Eu posso ver a dúvida em seus olhos. Você sabia que ele tomou sua virgindade neste verão?", disse ele com um sorriso maligno. "Eu sei. Eu sei quando ele fez isso. Como ele fez isso. E quantas vezes ele fez isso. E você sabe por que sei?" Eu balancei minha cabeça o melhor que pude com a mão pesada controlando-me. "Porque eu lhe disse para fazê-lo." O quê? Não, não, não. Isso não pode estar acontecendo. Nem mesmo Keiran poderia ser tão cruel, poderia? Ele finalmente soltou meu cabelo e usou a mão para traçar a pulsação irregular na minha garganta. "Por quê?" Minha voz era pouco mais que um coaxar enquanto eu procurava em seus olhos por um sinal de que ele estava mentindo ou brincando. Ele segurou o meu olhar quando trouxe seu rosto mais perto. Seus lábios tocaram meu pescoço e começou a dar mordidas pela minha pele. "Porque ele irá machucá-la", ele disse entre mordidas e respirei fundo. "Ele vai usá-la e fazê-la se apaixonar por ele... e então vai quebrar seu coração." O inferno que vai. "Por que você está me contando isso?" "Porque não há nada que você possa fazer para parar o que já está feito. Ele está apenas esperando por minha ordem para ir em frente para completar o ato final. Claro... que não precisa acontecer... mas tudo depende de você."


Eu engoli a bile que havia se levantado. "Você não precisa fazer isso. Você pode me ter - " "E eu vou." "Então, por que você não toma?" Eu bati. Ele inclinou a cabeça para mim com curiosidade e mostrou os dentes. "Isso é um desafio?", ele rosnou, pressionando-se dentro de mim. Eu engasguei com o contato do tesão que ele não fez nada para esconder. "Não se engane, não há nada mais que eu prefira fazer agora do que dobrar você sobre esta cadeira e apresentá-la ao meu pau no caminho certo, mas negócios primeiro e depois nós fodemos." Eu não sabia o que me irritava mais: o que ele disse ou o modo como meu corpo reagiu a ele. "Eu vejo o olhar em seus olhos, Monroe. Você pode manter o ato de boa garota, mas nós dois sabemos o que vai acontecer se eu tocar sua boceta agora." "A única coisa que sinto por você agora é desprezo ..." Eu me inclinei para a frente até que meu nariz estava tocando o seu. "...Não se engane sobre isso." Eu estava de costas antes que pudesse piscar e, em seguida, meu jeans estavam em meus quadris. O pânico tomou posse quando agarrei os pulsos de Keiran, mas ele facilmente saiu do meu controle e virou o jogo, prendendo meus pulsos contra as almofadas com uma de suas mãos. Um segundo depois, ele empurrou com a outra mão a minha calcinha para baixo, entregando um golpe inesperado em minha boceta antes que seus dedos lentamente deslizassem para dentro de mim. Ele imediatamente retirou-os e usou os dedos agora pingando para dedilhar o pequeno feixe de nervos até que eu estava com falta de ar. Só então mergulhou seus dedos dentro de mim mais uma vez, fazendo com que o meu corpo se curvasse para fora do sofá. Seu aperto forte me impedia de escapar do prazer que ele estava forçando em mim e depois de apenas alguns entra e sai de seus dedos me provocando, um tremor violento sacudiu meu corpo. "Como pode ser só desprezo o que sente por mim, se tudo que sinto é você gozando em minha mão? Quando mal toquei em você..."


"Não." Eu balancei minha cabeça contra sua reivindicação. Ele me observava em silêncio até que o tremor diminuiu. O que quer que aconteceu me deixou fraca. Quando ele empurrou para longe de mim para poder se sentar, eu rapidamente puxo minha calça jeans de volta sobre meus quadris, sentindo a vergonha inundar meus sentidos. Eu não poderia encontrar seus olhos, mas sabia que ele estava me olhando do outro lado do sofá. "Agora... de volta aos negócios." Seu rosto normal e atitude insensível sobre a minha primeira experiência sexual tinha sufocado as lágrimas sempre presentes. Era uma ocorrência comum para ele. Ele revirou os olhos e pegou seu telefone. "Como eu disse quando entrou, você parece ter dificuldade em me ouvir." Ele começou a discar em seu telefone e, em seguida, um vídeo de um homem mais velho com longos cabelos loiros, puxado para trás em um rabo de cavalo apareceu em sua tela. "Você está com ela?" "Na minha visão, enquanto falamos." "Bom. Alguém precisa ver." Ele entortou seu dedo e deu um tapinha no seu colo com um olhar de satisfação no rosto. Relutantemente deslizei para mais perto, mas quando me recusei a sentar-me no seu colo, ele me puxou de novo. Eu lutei com ele até que ele colocou uma mão no meu pescoço e sussurrou baixo, "Mova-se novamente e vou bater na sua bunda." "Você tem um pedaço bem mal-humorado aí, não é?", comentou o cara com intenção impura. Um olhar preto cruzou o rosto de Keiran quando ele se virou para a câmera. O cara de repente parecia nervoso e limpou a garganta enquanto se desculpava. A tela de repente mudou e eu estava olhando para o fundo brilhante de um bar. Eu podia ver o nome de um conhecido hotel cinco estrelas, colado na parede e, em seguida, algo ou melhor, alguém, me chamou a atenção. Minha tia. Sentada no bar com sua agente. Eu soube imediatamente o que Keiran estava me mostrando, o que ele estava me dizendo. Sem dizer nada, Keiran terminou a chamada e o vídeo de minha tia desapareceu.


"Um telefonema e ela desaparecerá. Há um monte de lugares que uma pessoa pode desaparecer. Você devia saber disso. Eu sei." "O que você acha que vou fazer?" Eu chorei de raiva e emoção enchendo minha voz. Eu estava gritando pelo tempo que falava a última palavra. Medo por minha tia ofuscando minha necessidade de autopreservação. "Eu não sei. Você me surpreende a cada passo e tenho que dizer, não acho que você tenha isso em você de lutar comigo. Plantar as drogas em meu armário? Brilhante. A execução foi desleixada como o inferno, mas não se preocupe... Vou te mostrar como se vingar de alguém corretamente. Então aqui está o que você vai fazer." *** Eu andei na escola com a cabeça baixa, olhando o chão de ladrilhos e os meus pés enquanto eles rapidamente me levavam para a aula de Inglês. Meu telefone tocou pela enésima vez desde que deixei a minha casa esta manhã e fechei os olhos para conter a dor. Não atenda, Lake. Simplesmente ignore. Você consegue fazer isso. Eu rapidamente guardei os meus livros extras no meu armário e corri para aula de Inglês. Eu não poderia chegar atrasada. Estar atrasada significaria que outra coisa seria tirada de mim, e embora eu não ache que não havia nada mais para ser tirado, não podia arriscar. Ele saberia exatamente onde atacar. Ele sempre sabia. Eu fui para a sala de aula com menos de um minuto de sobra e tive o cuidado para não fazer contato visual com o meu algoz. Ele estava sentado em seu assento normal e fui para o atribuído a mim. O assento que ele me disse para sentar. Eu mantive minha cabeça baixa, olhando para a mesa e ignorando o silêncio. A classe estava completamente vazia e a aula não começaria por mais meia hora. "Solte o seu cabelo," ele ordenou a partir de algumas fileiras atrás de mim. Eu lentamente desenrolei meu cabelo de seu coque em cima da minha cabeça e deixei meu cabelo cair pelas minhas costas. "O que aconteceu esta manhã?"


Eu tentei segurar as lágrimas que ameaçavam imediatamente transbordar. "Eu disse a ela." "O que você disse a ela?" "Para ficar longe de mim." "E?" "Não entrar em contato comigo." "E o que ela disse?" "Por favor, ela não entende-" "Ela... está... ligando... para... você?" Eu balancei a cabeça, incapaz de falar. Eu ficava vendo a dor e o olhar confuso em seu rosto esta manhã, quando quebrei seu coração e o meu. "Por que Willow? Você não precisava fazer isso". "Não? Ela foi a única coisa que resta de pé entre você e eu." "E agora que ela se foi? O que agora?" "Eu começo a jogar." Apreensão sacudiu meu corpo com a ameaça subjacente em suas palavras. "O quê -" "Sem mais perguntas. Não há nada que você possa dizer ou qualquer coisa que possa fazer que vá me deter." "Quanto tempo você vai fazer isso?" "Até que já tenha o suficiente e nem um segundo antes." "Posso te perguntar uma coisa?" "Eu suponho que sim." "Você só ficou detido por seis meses. Por que esteve fora por um ano?" Ele ficou em silêncio por um tempo e percebi que ele não iria responder quando finalmente falou. "Os pais de Dash e o meu tio puxaram algumas cordas e recebi uma condenação reduzida, mas por dentro tenho algumas lutas que precisava trabalhar. Acho que você pode dizer que eu tinha um monte de tensão para ser jogada fora. Eu terminei com sete meses anexados a minha fase original que se


acumularam ao longo do tempo. Por que você acha que é da sua conta saber?" "Eu acho que tem tudo a ver comigo. Você não acha?" Minha voz destilava sarcasmo e eu estava quase arrependida, mas ele não podia ver isso na minha cara. "Agora não é o momento para crescer um par de bolas, Monroe. Estamos sozinhos aqui por pelo menos mais 15 minutos e não há nada me impedindo ter você agora, exceto a minha boa vontade." "Eu sinto muito." Eu realmente não sentia. "Não se desculpe. Seja cuidadosa. Eu quero que você faça algo para mim." "O quê?" "Tire sua calcinha." Eu senti minha pele ficar pálida quando apertei minhas coxas juntas inconscientemente. Ele não podia estar falando sério poderia? "O tempo está contra você, Monroe. Quanto mais cedo fizer o que digo, melhor para você será." Minhas mãos estavam na minha calcinha, puxando-as para baixo do meu vestido antes que ele pudesse terminar de falar. Depois da noite passada, eu estava aprendendo a tomar as ameaças de Keiran a sério. O material estava em meus pés e eu rapidamente a peguei e olhei em volta, nervosamente. Os professores e funcionários geralmente chegavam na escola antes dos estudantes, e a Sra. Connors poderia entrar a qualquer momento. "Traga-a para mim." Eu me levantei da minha cadeira e me virei para ir para a sua mesa. "De joelhos." Meu passo vacilou e olhei para ele do outro lado da sala. "Desculpe-me?" "Fique de joelhos e traga para mim e desde que você não consegue manter a boca fechada, pode colocar a calcinha em sua boca e engasgar-se com ela em primeiro lugar." Ele me olhou com um olhar frio em seus olhos. Inútil seria dizer, mas eu lhe obedeci e coloquei minha calcinha na minha boca e, em


seguida, abaixando até os joelhos ao mesmo tempo mantendo os olhos sobre ele. "Boa garota. Agora rasteje para mim. Devagar." Minhas mãos tocaram o chão e eu estava agora de quatro quando fiz meu caminho para ele. Ele estava sentado preguiçosamente em sua cadeira com uma perna dobrada e a outra esticada para fora, olhando inteiramente muito confortável. Eu espero que ele não me obrigue a fazer algo louco como lamber seus sapatos. De jeito nenhum. A tensão era espessa na sala, bem como a antecipação do que ele faria, uma vez que eu chegasse até ele. Tentei afastar a minha mente do presente e pensar em lugares felizes, mas isso não funcionou. Eu não tinha lugares felizes. Ele nunca me deixou ter. Eu parei na mesa e esperei por seu comando. Ele me olhou de sua forma na cadeira, como um rei olha para baixo aos seus camponeses. "Levante-se", ele finalmente disse. Levantei-me para os meus pés, surpreendentemente graciosa e vi o breve olhar de prazer em seus olhos antes que ele escondesse. "Tire os sapatos." Eu deslizei minhas sandálias de ouro fora de meus pés e olhei com curiosidade. Qual era o seu jogo? "Sente-se sobre a mesa e me encare." Ele estava sentado perto da mesa, mas não me ajudou a me apoiar enquanto eu deslizava sobre a mesa, então os meus pés acabaram descansando em suas pernas. "Abra as pernas e descanse os pés sobre a borda da mesa, antes de alguém tentar entrar, deixe-me lembrá-la que nós temos agora 10 minutos no máximo antes que alguém venha andando através dessa porta." Um sentimento de desconforto e desejo percorreu meu corpo ao mesmo tempo, e eu podia sentir o início dos tremores familiares começar nos dedos dos pés e trabalhar seu caminho para cima. Minha calcinha estava na minha boca, então nós dois sabíamos o que ele veria quando eu abrisse a perna. Fechei os olhos brevemente antes de


abri-los mais uma vez. Eu coloco primeiro uma perna e depois a outra sobre a mesa, mantendo as pernas tão perto quanto possível. "Não brinque comigo", ele gritou. Eu abro minhas pernas mais amplo para ele e fechei os olhos novamente, sentindo seu olhar sobre mim. O silêncio na sala de aula e toda a escola estava me assombrando, me deixando nervosa, quando deveria ter feito o oposto. O assobio que veio dele quebrou o silêncio e senti suas palmas das mãos em meus joelhos, antes de se mover lentamente pelas minhas coxas. Para cima e para baixo, ele suavemente esfregou minha pele. Meu corpo estava rígido em cima da mesa, mas quanto mais ele me tocava mais a rigidez desaparecia, quando o meu corpo consentiu com seu toque, enquanto minha mente o amaldiçoou para o inferno. "Houve uma coisa em minha mente desde que deixei você ontem à noite e acho que você sabe o que é. Eu preciso fazer você sentir isso de novo. Eu preciso ─ " Ele fez uma pausa para tomar fôlego. "Eu preciso ver isso." Eu preciso muito. Ele pegou minha calcinha da minha boca e enfiou em um de seus muitos bolsos. "Coloque as mãos sobre a mesa, atrás de suas costas e não as mova, não importa o que eu faça a você. Você me entendeu?" "Sim." Minha voz estava instável e eu tentei esconder o gemido que passou por meus lábios, mas o sorriso em seu rosto me disse que ele ouviu, enquanto eu observava o meu algoz de dez anos de tortura, olhar entre as minhas coxas nuas com desejo e um propósito em seus olhos. "Eu quero que você me diga o que sente. Eu quero saber tudo e não esconda nada de mim. Eu vou saber se você fizer isso. Isto termina quando você gozar e não antes. Está claro?" Eu balancei a cabeça em vez de falar. Eu não confio em minha voz quando ele me toca. "Bom. Agora, peça-me para fazê-la gozar."


Eu hesitei embora não podia negar a antecipação ansiosa que sentia. Para não mencionar a emoção nervosa que tenho de ser tocada e exposta assim, no meio da nossa sala de aula. "Por favor... me faça ter um orgasmo..." Ele sorriu e abaixou a cabeça. "Meu desejo é o seu comando." O rosto dele desapareceu entre as minhas coxas e o primeiro golpe de sua língua quente em minha boceta dolorida levou-me a sugar todos os pontos de ar disponível. O que ele está fazendo comigo? Foi muito mais do que eu poderia lidar e ainda não era o suficiente. Meu primeiro instinto foi agarrá-lo, mas me lembrei de sua ordem e cravei minhas unhas na madeira da mesa, enquanto ele continuava a me lamber. A sensação de sua língua era estranha em mim, era como uma quente massagem molhada, que nunca queria que terminasse. "Eu não estou ouvindo você", disse ele e eu amaldiçoei aqueles poucos segundos que ele tomou sua boca longe de mim. Mas quando ele mergulhou sua língua dentro da minha entrada, imediatamente depois, um grito irrompeu de mim. "O que... você... está fazendo?" Eu gemia entrecortada. "Eu posso sentir você... lambendo... chupando... tocando em mim." Ele trabalhou sua língua implacavelmente em mim e logo meus quadris começaram a rolar e pressionar nele por mais. Quando o polegar começou a sequência no meu clitóris, eu me inclinei para trás, usando os braços para apoiar o meu peso. Os sons de prazer que atravessaram meus lábios encheram a sala, misturando-se com o som dele e a mesa balançava descontroladamente enquanto eu me movia em cima dela. "Você... tem... que parar. Eu não posso - " Um rosnado ameaçador veio dele quando implorei para ele parar e poupar-me do que estava fazendo para o meu corpo. Sua boca talentosa estava me virando do avesso quando ele trancou no meu clitóris. Eu não era mais eu. Isso estava claro. Havia mais alguém no topo da mesa que o deixou tomar o que ele queria e estava gostando. Os beijos de boca aberta, tocando meus lábios inferiores, fez meu


corpo tremer e, em seguida, ele mergulhou sua língua dentro de mim mais uma vez. "Bem aí," eu gemi. Eu não pensei sobre as unhas quebradas que iria encontrar quando isto acabasse e, em vez disso, abracei a loucura que estava crescendo dentro de mim, enquanto lutava para não o tocar. Nas profundezas da minha mente e consciente, eu estava mortificada com a forma como me entreguei tão facilmente. Eu estava deixando ele ganhar. Mas pior do que isso, estava deixando-o saber que gostei. Eu vou desfrutar disso, roubando o que você mais valoriza, e fazer você amar isso enquanto faço. Ouvi suas palavras na minha cabeça da outra noite. Ele manteve sua palavra, como ele era conhecido por fazer. Eu adorei. "Tão quente", ele murmurou. Eu estava prestes a responder quando ouvi os sons reveladores de carros sendo puxados no estacionamento e passos no corredor. "Oh não. Keiran - " "Não diga o meu nome", ele rosnou. "Mas eles estão vindo. Você tem que parar", eu gemi. "Por favor, vamos ser pegos", protestei novamente enquanto pressionei para a frente o envio de sua língua mais fundo dentro de mim. "Você sabe o que quero. Dê para mim", ele ordenou. Suas mãos agora estavam massageando minha bunda e olhei de volta para a porta para ver algumas cabeças através da pequena janela, que passavam perto. O ritmo de sua língua aumentava e eu senti minhas paredes apertarem em torno de sua língua. "Como?" Eu chorei de frustração, seu ritmo aumentou e o ritmo de meus quadris se contorcendo mais rápido. "Me implore." Eu hesitei, embora meu corpo gritava para fazer exatamente isso. Eu poderia realmente implorar por algo que não deveria pedir? "Faça-me gozar, faça-me ─"


A força do meu orgasmo dominou as minhas palavras quando gozei em um grito silencioso, que abalou meu corpo e jogou o senso comum para fora da janela. Sua boca permaneceu em mim através do meu orgasmo e depois ele pressionou beijos prolongados na minha pele aquecida. Assim que o primeiro sino para o primeiro período tocou, ele levantou a cabeça e olhou para mim com um olhar sombrio nos olhos. "Você tem um gosto mais doce do que você finge ter." *** Horas mais tarde, eu estava correndo para fora da aula de francês para evitar Willow e esperar por Keiran. Parte de nosso acordo de ontem à noite foi que ele tinha os olhos em mim em todos os momentos, de preferência dele. Eu acho que é por isso que Keenan surgiu do nada e disse: "Você vem comigo. Keiran esta ocupado." "Oh, tudo bem... posso caminhar sozinha", eu disse. "Não vai acontecer", ele respondeu, pouco antes de caminhar para longe, assumindo que eu o iria seguir. E eu fiz. Deparamo-nos com Sheldon no caminho para a classe e eu a assisti se empinar até Keenan, que não perdeu tempo abraçando-a. "Oi lindo. Eu senti sua falta", ela riu. Keenan a beijou entusiasticamente enquanto agarrava um punhado de sua bunda. Demonstrações públicas de afeto era normal com estes dois. "Eu senti sua falta, linda. Nós ainda vamos sair esta noite?" "Sim, mal posso esperar." Ela olhou para cima e reparou em mim, um sorriso se espalhando por todo o rosto. "Oi Lake, como vai? "Ótima, obrigada." Eu ainda me pergunto por que ela é tão boa para mim, desde que ela faz parte do acampamento de Keiran. "Oh, quase esqueci. Feliz aniversário atrasado!" Ela percebeu meu olhar perplexo e declarou: "Eu ouvi Keiran dizendo a Keenan. O que você ─?"


"Ok querida, estou levando Lake para aula, para Keiran", ele interrompeu rapidamente e saiu, deixando para trás Sheldon, que agora parecia confusa. "Por que Keiran não pode me levar para a aula?" Ele virou a cabeça para olhar para mim e levantou uma sobrancelha. "Por que você se importa?" "Eu só acho que é um pouco demais. Eu posso encontrar meu próprio caminho para a aula." "Sim, bem, temos visto como você é traiçoeira e quão longe está disposta a ir. Você enquadrou meu primo, princesa. Você fez isso a si mesmo." Chegamos a classe e ele fez sinal para ir para dentro, mas hesitei. "Keenan, ouça. Eu não tive nada a ver com isso. Eu perdi meu telefone celular ou ele foi roubado, não sei, mas eu não o incriminei. Por favor, você tem que acreditar em mim." Eu não sabia por que estava me defendendo para Keenan, mas depois do que aconteceu esta manhã, eu estava desesperada. A maneira que cedi e respondi a Keiran, me assustou. Eu não deveria gostar do que ele fez para mim. Keenan não me cortou imediatamente, isso foi promissor. Em vez disso, ele procurou meus olhos antes de suspirar e balançar a cabeça. "Não é a mim que você tem que apelar, querida", afirmou antes de caminhar para a nossa classe com um encolher de ombros. *** No final da aula de arte, eu estava rezando para os últimos oitenta minutos da escola passar rapidamente. Vendo Keiran pela primeira vez desde a manhã, trouxe um rosado aquecido permanente em minha pele, porque o meu rubor perpétuo simplesmente não teria fim. Ele olhou para mim por um longo tempo, quando entrou na sala de aula, depois que eu já tinha sentado. Keenan tinha mais uma vez me levado para a aula, então eu não esperava ver Keiran novamente


hoje. O som dos meus gemidos quando ele forçou o prazer no meu corpo, ainda ecoava nos meus ouvidos. E então lembrei da sensação de sua boca em mim... Willow tinha acabado de entrar em nossa sala de aula no quinto período, parecendo incomodada, e quando Dash entrou atrás dela, eu sabia o porquê. Parecia que ele estava segurando sua mochila como refém. Ela disse algo a ele e estendeu a mão, mas ele balançou a cabeça e dirigiu-se para nós com sua mochila a tiracolo. Dash sentou-se à minha direita, deixando um assento vago entre nós e jogou sua mochila na cadeira. Ele relaxou em seu assento enquanto olhava para ela. Ela ficou na porta olhando como se quisesse chorar. Por que ele estava brincando com ela? Eu abri minha boca para amaldiçoar e correr para fora, quando senti Keiran apertar a parte de trás do meu pescoço e sussurrar: "Não é seu problema," no meu ouvido. O inferno que não é! Eu o ignorei e tentei mais uma vez ajudar Willow, mas quando ele aplicou mais pressão sobre o meu pescoço comecei a ver manchas. "O que foi que eu disse?" Ele falou lento e calmamente. O efeito foi muito mais intimidador do que se ele tivesse gritado as palavras para mim. Eu relaxei de volta no meu lugar e relutantemente concordei. "Boa garota." Ele soltou minha nuca e começou a esfregar o meu pescoço com a ponta do polegar. Eu estava irritada que me entreguei para ele, mas tinha que admitir que a massagem era boa. Willow era minha amiga, mas não poderia ajudá-la se ela não me deixar entrar. Embora possa ter algo a ver com o fato de que ela estava dormindo com o melhor amigo do meu algoz. Willow deu um suspiro e se sentou conosco, murmurando alguma coisa sobre 'praticamente ser sequestrada'. "Perca essa atitude, meu anjo." Dash repreendeu. Anjo? Eu estava tentada a levar de volta a minha promessa a ela e procurar saber o que estava acontecendo com eles. Eu tentei lhe chamar a atenção e notei que ele estava brincando com as pontas dos cabelos e girando em torno de seu dedo. Ele me lançou um olhar arrogante antes de virar para enfrentar a frente da sala de aula.


Sheldon virou para nos encarar de novo e sorriu para Willow. "Oi, eu sou Sheldon", ela estendeu a mão. Willow sacudiu-a e se apresentou. "Você e Dash estão namorando?" Ela realmente não perde tempo. Ela praticamente me perguntou a mesma coisa ontem. Senti meus olhos se estreitarem enquanto me perguntava qual era o seu motivo. "Não." "Nós somos amigos," Dash acrescentou. "Não nesta vida." Sheldon olhou para Dash, seu irmão gêmeo, para uma resposta, aparentemente não acreditando em Willow. "Nós saímos", ele confirmou novamente. Sheldon então aproximou-se de Willow mais perto e comentou: "Uau, você é quente", disse ela enquanto descaradamente admirava o corpo de Willow. "Eu amo suas curvas." Willow usava uma saia xadrez vermelha e preta com um botão roxo escuro e botas de combate pretas. Foi branda, comparada com o que ela normalmente usava. Eu podia ver o desejo nos olhos de Dash mesmo agora, enquanto olhava para ela. "Baby, você está cobiçando ela?" Keenan riu. "Totalmente. Oh, legal... minha primeira paixão lésbica." Ela piscou para Willow fazendo-a rir. A tensão entre nós era ainda mais espessa do que antes, na aula em francês, quando ela tentou falar comigo e eu a rejeitei. Eu não iria colocá-la em risco, com Keiran assistindo. Ele empunhava uma grande quantidade de energia desnecessária em torno da escola e não tinha medo de usá-lo. O quinto período não terminou tão rápido quanto eu esperava e quando saí da sala de aula com Keiran, deixei escapar um gemido involuntário. Anya estava esperando no corredor e imediatamente serpenteava seu caminho para o espaço de Keiran, empurrando os seios contra seu braço.


"Keiran onde você foi, eu não o vi durante todo o dia", ela lamentou. Um flash de aborrecimento, que ele não tentou esconder, apareceu em seu rosto. "Por aí", ele respondeu logo, sem dar-lhe um olhar. Seu olhar estava focado em mim e quando ela notou, fez uma careta para mim. "Você sabia que Lake está dizendo que vocês dois estão namorando? Que patético." Eu não me preocupei em me defender contra a mentira e, em vez disso balancei a cabeça com a facilidade com que ela deixava a mentira vomitar de seus lábios. Ele enviou-me um sorriso antes de afirmar: "Ela deveria saber melhor do que ninguém... que eu não namoro. Vejo você mais tarde, Amber." Anya engasgou de indignação, enquanto as outras meninas riram por ele chamar-lhe pelo nome errado. Ele a balançou fora antes de me mandar um olhar e ir embora. Segui-o, sentindo cada olhar de cachorrinho de colo que Anya estava dando. "Eu não fiz isso, você sabe", eu disse depois que caminhamos uma boa distância. "O quê?" "Eu não disse que estávamos namorando. Willow perguntou outro dia, mas antes que eu pudesse responder, Anya ouviu e interrompeu", expliquei. "Não importa. Você é minha agora. Isso é tudo o que alguém precisa saber." "O que significa isso? Eu sou sua? Eu não pertenço a ninguém." "O fato de que você está comigo agora, diz algo diferente." "Mas estou com você pela força." Ele olhou para mim por um momento. "É?" Ele perguntou com um olhar presunçoso. Eu queria tirar essa presunção de seu rosto com uma réplica, mas ele continuou, antes que eu pudesse responder. "Pela força, ou livre arbítrio, você pertence a mim até que eu tenha resolvido tudo com você." "E depois?" Eu não podia deixar de perguntar.


"Hey irmão," Keenan interrompeu, aparecendo do nada. Eu nem percebi que eles estavam nos seguindo. "Precisamos começar a praticar logo antes da temporada. Temos de conseguir o seu jogo de volta", disse ele com entusiasmo. "Meu jogo deve estar bom, porque você ainda não pode me bater", Keiran retorquiu. Keenan parou e começou estalando os dedos. "Então como é que você quer fazer isso?" "Quinze minutos. Primeiro de dez ganha." "Oh, sim", Keenan sorriu. "Oh, não", Sheldon gemeu.


Capítulo Oito "Merda, isso é uma falta!" Eu assisti com horror quando Keenan deu um golpe com o cotovelo no nariz de Keiran. Eles foram trocando golpes desde a primeira passagem. Keiran sofreu recentemente um pontapé no estômago dado por Keenan depois que ele o derrubou e roubou a bola. Isto era basquete? O que pensei que seria um jogo amigável entre primos era um jogo intenso e violento... e isso só aconteceu por que uma bola estava envolvida. Estávamos em seu quintal, que era suficientemente espaçoso e com um tamanho decente. Até agora, o jogo estava empatado em oito pontos e quanto mais próximo eles chegaram ao final do jogo mais violento se tornaram. Eu recuei com dor imaginária quando a mandíbula de Keiran foi cortada com um forte gancho de direita, mas ele manteve o controle da bola. Seu próximo passo foi rápido demais; num momento os primos estavam alinhados fora da cesta e no próximo Keiran encestou a bola, ganhando o jogo. "Você ainda está lento", Keiran regozijou-se. "Foda-se", Keenan riu. Eles apertaram as mãos mancando fora da quadra, ostentando arranhões e contusões. Keiran fechou os olhos comigo, ainda sorrindo e meu coração parou. Eu nunca tinha visto Keiran feliz antes. Eu não acho que já tinha visto ele sorrir... bem, não um sorriso genuíno de qualquer maneira. Keenan desapareceu dentro da casa gritando por Sheldon e deixando Keiran e eu sozinhos. "Você sabe que não tinha que prestar atenção a isso. Você poderia ter ido para a casa com Sheldon," Keiran afirmou. "Oh, hum. Eu não tinha certeza ─ " "Caramba Monroe, eu te trouxe aqui, não foi?" Ele balançou a cabeça antes de gesticular para a casa. "Vamos," ele ordenou.


"Para que você possa me acorrentar em seu porão?" Ele virou-se de frente para mim, inclinando a cabeça para o lado. "Não me venha com ideias, Monroe ou você nunca vai conseguir sair daqui. A única razão que não te acorrento no meu porão é porque sei que você vai ser dada como desaparecida no instante que fizer isso." Seu sorriso era malicioso, enquanto olhava para mim. "Eu posso imaginar o quanto sua tia ama você", disse ele com desdém. "E sei o quanto você deve amar sua tia... é por isso que você vai fazer o que digo e tudo o que quero. Então, começa por levar a sua bunda a minha casa." Ele se afastou para olhar para mim até que entrei pela porta. Entramos na casa pela porta dos fundos e fizemos o nosso caminho por um longo corredor até chegar à escada. Ele agarrou meu braço e me puxou para cima das escadas. "Espere. Uh, onde está seu tio?", eu perguntei nervosamente. "Não está... e ele não vai ajudá-la", ele sorriu antes de me empurrar para o seu quarto e fechar a porta atrás de nós. Eu olhei em volta do quarto de Keiran, absorvendo tudo, mas eu só foquei na grande cama dominando o quarto. "Sente-se", ele disse. "Eu acho que vou ficar ─" "Agora". Eu ainda estava de pé quando ele puxou a camisa sobre a cabeça me dando o meu primeiro olhar dele sem camisa. A visão diante de mim me deixou em êxtase e eu não sabia que tinha sentado quando minhas pernas ficaram fracas. Seu peito brilhava de suor e eu pude ver uma única linha correr lentamente sobre as duras ondulações que eram o seu abdômen antes de desaparecer na boxer. Lambi meus lábios inconscientemente, querendo perseguir a gota de suor com a minha língua. Ele tinha o corpo dos sonhos de toda garota adolescente. De repente, me senti mais quente do que o inferno e me mexi. "Me olhando desse jeito você vai ser fodida, Monroe." Eu terminei minha varredura em seu corpo e olhei para ele assim que senti meu rosto ficar cheio de calor de vergonha, porque ele tinha me pego o


admirando. "Você acha que merece minha cama?", perguntou ele e arqueou as sobrancelhas. Presumi que ele estava falando sobre sexo e estava prestes a responder que nunca pedi isso a ele, quando ele acenou para onde eu estava sentada em sua cama. "Levante-se", ele ordenou antes que eu pudesse saltar para cima. Eu não queria estar na sua cama mais do que ele me queria lá. Ele apontou para sua cadeira e eu tomei o assento. "Fique aqui." Ele saiu para fora do quarto e eu fiquei confortável e olhando ao meu redor. Seu quarto tinha um esquema de cores azul, preto, e cinza com prateleiras construídas no lado esquerdo do quarto. Ele as ocupou com vários troféus e fotografias dele, Keenan e Dash. O que eu não vi foram quaisquer fotos de seus pais ou tio. Isso me fez pensar onde seus pais estavam e como ele veio sob o cuidado de seus tios. Ontem, ele mencionou como desapareceu e eu percebi que não tinha ideia do que ele queria dizer, mas eu sabia que não podia ser bom. Olhei em volta e notei uma cesta de basquete pendurada na parte de trás da porta. Uma bola de basquete preta estava no chão perto dela. Na parede havia uma grande televisão de tela plana e vários sistemas de jogo e discos perigosamente jogados no chão. Fui até a cômoda grande preta para inspecionar o conteúdo no topo, mas só havia algumas moedas e relógio e outras bugigangas. Meu olho, no entanto, pegou seu celular parado ali com uma mensagem de 'Blake' iluminando a tela. Tudo pronto. Quando nós estávamos na escola ele tinha pegado meu telefone de mim, então não havia maneira de pedir ajuda se eu precisasse. Eu não sei por que segurei o telefone depois de ler a mensagem várias vezes, mas me arrependi imediatamente quando a porta se abriu. Eu pulei e deixei cair o telefone no chão. Keiran tinha voltado. Ele estava olhando para mim, até que seu olhar viajou para o chão e sua mandíbula apertou quando ele notou que era o seu celular. "O que você está fazendo" Ele fechou a porta atrás dele lentamente e eu respirei fundo.


"Nada, eu ─". "Quem você estava tentando chamar?" Ele estava andando na minha direção devagar e fui dando um passo para trás, esquecendo a cômoda que estava atrás de mim, bloqueando a minha fuga. "Oh, hum..." eu hesitei, sem saber como me safar da porcaria que acabei de me meter. Ele soltou um suspiro cansado e balançou a cabeça. "Sente-se no chão, lá." Ele apontou para um lugar perto de sua mesa de cabeceira. "Eu posso explicar ─" "Eu não estou interessado em suas explicações." Cedi, assim como ele sabia que eu faria, seu sorriso era satisfeito, sabendo que eu o tinha obedecido, me sentei no lugar que ele designou. Quando ele se inclinou para pegar algo em seu criadomudo, inalei seu cheiro. Eu admirei seus cabelos escuros e lábios cheios antes que eu pudesse parar meus pensamentos, um som de metal tinha feito o meu olhar voando para o que ele tinha na sua mão. Tenho certeza que meus olhos estavam perto de explodir para fora da minha cabeça, enquanto fiquei boquiaberta para o objeto em sua mão. Algemas. Ele segurava as algemas. "O que você vai fazer com isso?" "Algemar você." "Não, eu quero dizer isso, por que você as têm em primeiro lugar?" "Estou guardando para um dia específico. Estas são realmente novas. É como um presente "pensado para você", porque eu estava pensando em você quando as comprei." Ele rapidamente me algemou ambas as mãos juntas com uma alça do puxador na gaveta do criado mudo, de modo que meu corpo estava curvado agora em uma posição desconfortável, com as mãos enroscada ao criado-mudo completamente de costas para a porta. "Eu não sou um animal", argumentei, mas quando ouvi o clique da porta, percebi que ele já tinha ido.


*** Minutos depois, houve uma batida suave na porta e, em seguida, foi aberta. Passos leves correram em minha direção e então ouvi a voz suave de Sheldon perguntar: "Você está bem?" "Sim, estou bem." Eu disse sarcasticamente. Deixei o meu olhar cair para a madeira escura, mas senti que seus dedos suaves pegaram o meu queixo, forçando-me a olhar para ela quando se sentou-se no chão ao meu lado. "Ele machucou você?" Sua voz e os olhos estavam cheios de preocupação, o que me surpreendeu. "Sim", eu respondi com sinceridade, "mas não da maneira que você pensa." Keiran sempre tinha o poder de me ferir sem levantar um dedo e nos dias que ele estava se sentindo particularmente sádico, tirava de mim incansavelmente até que eu não tivesse mais nada para dar. Ao longo dos anos, aprendi os sinais e enquanto sabia que não havia como escapar, eu era capaz de me recuperar mais rápido. "Lake, o que você está fazendo aqui com ele?" Deixando-o me punir. "Por quê?", perguntei em vez de falar isso. "Porque vocês dois não têm uma história legal. Quero dizer, por que ele odeia você?" Eu deixei escapar uma risada seca. "Eu gostaria de saber." "Keenan não me diz muito. Ele só disse que começou há muito tempo, mas já percebi isso. Eu estava lá às vezes, quando ele brincou com você. Foi horrível." Eu dei de ombros. "Eu sobrevivi a isso." "Às vezes, sobreviver não é suficiente." Ela estava errada. Era o suficiente. Tinha de ser.


Olhei para o seu rosto impecável e olhos brilhantes e sabia que ela nunca experimentou um dia de sofrimento em sua vida. Ela tinha tanto amor de seus pais, um namorado, e um suprimento infinito de amigos para não mencionar, dinheiro e status. Eu não invejo a sua felicidade, mais nós não temos nada para falar. "Eu realmente aprecio você me verificando para saber se estou bem, mas acho que eu não deveria falar com você." Ela ficou tensa e percebi o meu erro. Sheldon era mais inteligente do que eu pensava. "Ele ameaçou você?" Sim. "Não." Ela me olhou com ceticismo. "Você está mentindo para mim?’’ Sim. "Não." "Você está aqui por sua própria vontade?" Não. "Não". Merda "Entendo." Quando ela se levantou com pressa, entrei em pânico. "Espere! Eu queria dizer, ‘sim, eu concordei em vir aqui.’" "Por que você está cobrindo ele? Você está obviamente em apuros", ela sussurrou enquanto fez um gesto para as algemas. "Por favor, Sheldon. Você não entende. Deixa pra lá." "Faça-me entender ", falou. "Eu não sei como! Por que você se importa de qualquer maneira? Você é amiga dele e namorada de Keenan.’’ "Eu posso lidar com Keenan", argumentou. "Mas você pode lidar com Keiran?" "Keenan não vai deixá-lo fazer qualquer coisa para mim." Eu não tinha tanta certeza sobre isso. Keiran disse que ele estava me olhando, mas eu o observei também. Sua presença afetava a todos ao seu redor. Alguns não gostavam dele, já outros o admirava, mas todos o temiam. Ele era violento e instável como uma criança às vezes, muitas vezes lutando ou atacando, sem provocação. Após suas lutas com


outros rapazes, ele imediatamente me procurava e me rasgava como um círculo vicioso, ataques verbais ou jogos dolorosos. Isso durou até que tínhamos treze anos, quando sua luta cessou completamente. Em seguida todos o evitavam, ou faziam de tudo para ser amigo dele. Ele agora estava controlado e menos volátil. Sempre tranquilo, sempre em silêncio. Ele raramente falava, exceto quando eu estava próxima, mas quando o fazia todos escutavam, inclusive eu. A única pessoa que não parecia ter medo de Keiran era Dash. Talvez fosse por isso que eles eram melhores amigos. Eu não duvidava que Keenan poderia conquistar o seu próprio espaço, mas eu também acho que ele está cego pelo seu amor por Keiran. A única vez que Keiran agia como um adolescente normal, era quando Keenan e Dash o rodeava. Eles elogiavam um ao outro. Dash era o encantador, Keenan era o rebelde, e Keiran... ele era apenas ruim. Que tipo de pessoa realmente formaria um vínculo com alguém como Keiran? Eu pensei sobre isso antes de decidir que não quero saber. Algumas coisas eram melhores manter desconhecidas. "Keenan não vai parar Keiran e você sabe disso. Ele me odeia tanto quanto Keiran, porque ele acha que armei para ele. " "Você fez isso?" Eu segurei o olhar dela antes de responder: "Não." "Bom", ela balançou a cabeça e se levantou para sair. Olhei para ela em descrença. "Você acredita em mim?" "Se você diz que não o fez, então acredito em você, a menos que você me dê uma razão para não acreditar. Isso nunca adiciona muito, de qualquer maneira. Os meninos estão com raiva e além da razão." Ela abriu a porta, mas imediatamente se voltou para mim. "Você não armou para Keiran, mas tenho a sensação de que você sabe quem fez ..." Eu respirei fundo antes de concordar. "Sim." "Então, se você não armou para Keiran... quem foi?" Eu hesitei e me perguntei se ela sinceramente acreditaria em mim se eu lhe dissesse. "Eu não posso te dizer."


"Por que não?" "Eu não confio em você", respondi com sinceridade. "Você não pode me ajudar de qualquer maneira. Ninguém pode." Ela não parecia chateada com a minha resposta. Em vez disso, ela parecia pensativa. "Lake, lembra-se da sexta série quando Keiran quebrou o nariz de Benny Wheeler?" Eu ri, sem graça. "Como eu poderia esquecer? Esse foi o mesmo dia em que Benny me fez tropeçar e roubou o meu leitor de música, porque eu disse a Sra. Jensen que ele colou do meu teste." "Exatamente." Ela piscou e afastou com um movimento brusco, com seu jeito vivaz e bem característico dela. Ouvi vozes no corredor e percebi que Keenan veio procurar por ela. Eu pensei de volta para o dia que Keiran socou Benny, mas tudo que conseguia lembrar era que eu estava indo para casa chateada, com o meu leitor de música que tinha encontrado parado em meu caminho. Eu nunca tinha descoberto quem o colocou lá. *** "Blake disse que ele tem o nosso suprimento pronto, basta ir pegar." "Bom. Você apagou a mensagem?" "Sim, eu e Dash limpamos. Ele não pode fazer esta corrida com a gente, no entanto. Seu pai deu-lhe alguma coisa para fazer. Então, o que você vai fazer com ela?" Eu tentei não entrar em pânico com o possível significado de sua pergunta, enquanto estava escutando. Sheldon não deve ter fechado completamente a porta, quando percebeu que eu poderia ouvir tudo o que eles estavam dizendo. "Ela vem com a gente. Não posso arriscar deixá-la fora da minha vista, pelo menos não agora." "O que você está fazendo com ela de qualquer maneira?" "Eu estou recebendo o que é meu desde anos atrás."


"Ela me disse alguma coisa hoje." "Foi?" "Sim, quando eu estava jogando de ser o guarda dela", afirmou com sarcasmo inundando seu tom. "Ela me disse que perdeu seu celular no dia que a chamada foi feita. Ela me pediu para acreditar nela." "E você acredita?" Keiran soou desinteressado, mas eu também podia ouvir a amargura em seu tom. "Não. É só que... ela parecia bastante convincente e parecia assustada como o inferno. Você fez alguma coisa para ela? Digo, qualquer coisa? Você na outra manhã estava sozinho, mas chegou na escola atrasado com ela." "Como você sabe que apareci atrasado?", ele perguntou, ignorando suas perguntas. "Vamos lá, cara. Quando você se mostra para a escola com a única pessoa que você odeia, todo mundo sabe, as pessoas falam. Sem falar que ela é a peça mais quente de Bainbridge." "Cuidado", ele rosnou. "Vê o que quero dizer? Isso! O que é isso? Você a defende agora?" A frustração de Keenan aumentava com o volume de sua voz, até que ele estava gritando. Eu estava curiosa para saber por que Keiran reagiu tão fortemente. "Você não quer que Sheldon ouça você dizer uma merda assim. Você já está em uma coleira bem apertada." "Certo, mais deixe que eu me preocupo com Sheldon. Ela é linda; nenhuma dúvida sobre isso, mas Lake está bem longe de sua classe social, do dinheiro que ela tem, isso é tudo." "Não importa. Eu estou mantendo um olho em sua bunda vingativa, nada demais." "Se você diz. Olha, vamos pegar o suprimento. Pegue sua garota. Temos que deixar Sheldon em casa. Eu não quero ela envolvida nisso. Seu pai pediria minha morte."


"Ou ele poderia fazer isso sozinho", Keiran riu e, assim como o seu sorriso, eu queria ver e ouvir mais disso. Isso fazia com que ele parecesse humano. Ouvi passos e rapidamente tentei parecer como se não estivesse apenas me esforçando para espionar. A porta se abriu e o ouvi caminhar para dentro. Torci meu corpo e vi que uma toalha estava enrolada em sua cintura enquanto ele passava por sua cômoda. Quando a mão dele caiu para o nó da toalha, eu rapidamente desviei o olhar. O som do material bateu no chão acarpetado, forjou um visual de seu corpo nu para o fundo da minha mente. Eu desesperadamente lutei contra o desejo e tentação de olhar. Somente quando fiquei tranquila e o farfalhar de sua roupa cessou, abri meus olhos. Eu nem percebi que os tinha fechado. Eu me virei novamente para ver que ele vestiu jeans e um casaco de moletom escuro. Eu podia ver as pequenas gotas de umidade de seu banho, sobre os fios de cabelo escuro cobrindo a cabeça. Ele estava puxando uma bota enquanto eu observava seus amplos músculos com seus movimentos. "Você vai me levar para casa agora?", perguntei, hesitante e apesar de ter ouvido claramente o que eles estavam planejando. Quando seus sapatos estavam em seus pés, levantou-se e, finalmente, olhou para mim. "Tenho umas merda para fazer, o que significa que você é uma parte disso." "Eu não posso ir a qualquer lugar com você. Minha tia vai querer que eu esteja em casa. " "Sua tia está a milhares de milhas de distância em sua turnê do livro e não estará de volta por seis semanas. Além disso... ela confia em seu julgamento." Eu fiquei boquiaberta para seu rosto presunçoso. "Como você poderia saber que ela confia em mim?" "Eu li suas mensagens de texto", ele respondeu como se fosse perfeitamente correto invadir a privacidade de alguém. Fiquei imaginando o quanto ele poderia ter ido através disso e se ele viu as mensagens entre Willow e eu. Willow enviava mensagens para mim


muitas vezes ao longo do dia para se certificar que Keiran não tinha chegado até mim. Foi uma tentativa fracassada, sendo que ele sempre me encontrava, não importa onde eu estivesse, mas ela era o melhor tipo de amiga. "Eu não me sinto confortável indo a qualquer lugar com você." "Eu não dou a mínima para isso", disse ele. Ele caminhou até onde eu estava sentada e me libertou das algemas. "Vamos." Ele se moveu em direção à porta, me dispensando. Uma raiva e frustração que nunca senti antes, inundou meus sentidos. Eu queria discutir. Eu precisava lutar. "Não." Eu moí para fora a palavra e sentei-me em sua cama novamente com meus braços cruzados. Eu não tive a chance de repensar no movimento perigoso e o estado vulnerável que ele me colocou, mas ele fez. Ele congelou com a mão acima da maçaneta. Meu batimento cardíaco acelerou, depois abrandou quando ele se virou lentamente para me encarar com uma expressão ameaçadora estampado em seu belo rosto. "Eu te disse, você não merece minha cama, mas já que você parece querer isso agora, posso acomodá-la." O medo e a confusão fez o seu caminho em minha mente quando ele deu passos ameaçadoramente em minha direção, enquanto pegava seu capuz e jogava sobre sua cabeça. Quando chegou ao pé da cama, entrei em pânico e escorreguei para a cabeceira, chegando somente até o meio antes dele agarrar meu tornozelo e me arrastar, eu chutei e gritei, de costas para ele. Fiquei aliviada quando ele me soltou, mas as próximas palavras dele fizeram o pânico vir correndo de volta. "Tire o vestido. Você pode colocar no chão", ele rosnou. Seu olhar era de uma tempestade enquanto me encarava. Eu assisti suas narinas dilatarem quando não me mexi. "Por que eu faria isso?" Eu lutei para me manter intacta, quando tudo que queria fazer era correr e me esconder. "Porque eu disse para fazer." "Apenas me leve para casa!" Frustração aumentou cada vez mais dentro de mim e deixei o meu tom refletir nas palavras.


"Tire. Você tem três segundos." "Mas ─" "Um..." "Eu realmente não sei ─" "Dois. Não me faça chegar a três." "Ou o quê?" Eu o desafiei como uma última tentativa. "Eu faço isso para você." Suas mãos agarraram meu vestido na bainha e o som de material rasgando me fez agarrar suas mãos para detê-lo. "Ok!" Eu gritei em sinal de rendição e ele se levantou. Nossos corpos estavam apenas um sopro de distância e eu podia sentir o calor de seu corpo e o fogo brando de sua raiva, penetrando os meus sentidos. Minhas mãos trêmulas subiram para as alças do meu vestido, deslizando para baixo lentamente até que meu vestido caiu no chão com um sussurro de som. Eu mantive meus olhos baixos, embora senti o peso de seu olhar na minha pele. Eu notei suas mãos cerrarem em punhos e apertar e eu gostaria de ter tido a coragem de perguntar o que ele estava pensando. "Matou o maldito ato. Você não tem nada que eu não tenha visto, sentido ou saboreado. De novo..." Meus joelhos tremiam e meus ombros tremiam diante de suas palavras duras "…e de novo…" "Pare", eu implorei. "... E de novo," ele continuou. Ele me olhou de cima para baixo antes de dizer: "Eu já vi melhor. Você não tem nada de especial." Ele, então, pegou o meu vestido e jogou-o para mim, só para cair no chão novamente aos meus pés. Um som de angústia escapou da minha garganta e corri para pegar o material amarelo claro e agarrá-lo em meu peito nu. Com um olhar de desgosto, ele saiu do quarto, a vibração da porta batendo ecoando por toda a sala. ***


"Vire aqui. Ele disse que estaria no pátio", Keenan falou dirigindo. Nós tínhamos dirigido por trinta minutos para a faculdade local. Fiquei imaginando o que seria o suprimento pelo qual viemos buscar. Keiran estacionou o carro, mas manteve o motor ligado. Ele me olhou pelo espelho retrovisor e segurou o meu olhar. Depois que ele me destruiu emocionalmente em seu quarto, eu fiquei em silêncio, querendo lamber minhas feridas em paz. "Lá está ele," Keenan exclamou com entusiasmo em sua voz. Ele esfregou as mãos antes de saltar para fora do carro. Keiran continuou a me observar, mesmo depois que Keenan tinha ido embora. Quando meu nervosismo começou a se mostrar através da minha inquietação, ele sorriu. "Fique aqui", ele ordenou e então se foi, quebrando a conexão que nos segurava. Olhei pela janela do carro no banco de trás, quando os três homens bateram as mãos e as costas uns dos outros de forma viril e normal. O cara que assumi que era o Blake, carregava uma pequena mochila preta de lona. Ele entregou a mochila, parecendo casual quando eu sabia que não era nada disso. Eu olhei para a mochila preta, silenciosamente surtando sobre as possibilidades de seu conteúdo. Quando eles voltaram para o carro, Keiran colocou a mochila no chão do banco de trás. Eu podia ouvir os movimentos abafados que soou como vidro batendo ao redor. A tentação de abrir a mochila era forte e ele deve ter sabido pelo brilho em seu rosto. "Não toque nisso", ele advertiu, então percebi que Keiran estava me observando juntamente como Keenan e Blake. "Eu não ia tocar," menti, mas em vez de deixar, como pensei que ele faria, ele sentou-se no banco traseiro. O espaço tornou-se menor e de repente não havia ar suficiente para respirar. Por que eu sempre sinto a necessidade de recuperar o fôlego quando estou perto dele? Ele deslizou sobre o banco até que estava sentado diretamente ao meu lado e fechou a porta do carro com um baque retumbante. Ele, então, estendeu a mão para bloquear a porta com um clique suave, mas muito alto em meus ouvidos. Eu pressionei minhas costas contra


a porta do carro, minha respiração ficou rápida e irregular. Ele espalmou a parte de trás da minha cabeça e, em seguida, seus dedos deslizaram sobre os fios até que ele acabou com meu rabo de cavalo em torno de sua mão levemente. "Diga isso de novo", ele perguntou. Sua voz era calma, mas seus olhos não eram, como se ele esperasse pacientemente, eu repetir. Eu relutantemente tossi de volta a mentira. Isso é o que pensei que você disse", ele sussurrou antes de uma dor aguda surgi no meu couro cabeludo. Minha cabeça estava inclinada para trás, longe o suficiente para bloquear o meu ponto de vista dele. "Minta para mim de novo e vou te machucar, Monroe. Eu prometo que vou te machucar. Há dores piores do que a dor física e eu não hesitarei em fazê-la senti-las. Estamos entendidos?" Eu balancei a cabeça, da melhor maneira que pude, com seu aperto no meu cabelo. Tão rápido como aconteceu, tudo estava acabado. Ele estava fora do carro novamente e andando de volta para Blake, que me olhava com curiosidade. Keiran deve ter dito algo a ele, porque abruptamente virou a cabeça de volta para ele. O campus ainda estava ocupado por alguns estudantes, que provavelmente estavam deixando uma classe final ou estudando na biblioteca. A atenção que Keiran e Keenan estavam recebendo de algumas garotas que apareceram do nada, não escapou a minha atenção. Algumas até pararam para conversar e entregar um pedaço de papel, que eu sabia continha o seu número. Eu reprimi o nojo que sentia e desejei não sentir qualquer coisa remotamente perto de ciúme. Isso não era possível. Em vez disso, concentrei-me na paisagem e os sinais óbvios que estava aqui. Eu amo quando as folhas mudam a cor. Os vários marrons, ouro, vermelhos, pintavam uma tela bonita, colorida do mundo, protegendo a realidade que era tão escura quanto o meu lindo algoz. Pelo menos foi o que ele tinha a intenção de me ensinar.


Depois de alguns minutos de ignorar a exibição enjoada do desfile de garotas sem vergonha na frente do grupo, com saias curtas e tops curtos, eles finalmente voltaram para o carro. Eu estava disposta a apostar que nunca até mesmo nomes foram trocados. As garotas eram estúpidas. Fingi cutucar minhas unhas, mesmo depois que eles entraram no carro e saímos do campus da faculdade. Quando chegamos à rodovia, eu ainda não tinha olhado para cima, e por esta altura de tanto cutucar o esmalte, eu tinha as minhas unhas aparadas no meu colo. Cheia de rancor, eu alegremente sacudi elas para todo o chão limpo do carro. Você poderia chamar essa atitude de imatura. Eu chamo isso de vingança. Foi a minha própria pequena maneira para dizer 'foda-se'. Eu não sabia que tinha rido alto até que Keenan virou a cabeça e olhou para mim de maneira engraçada. Eu rapidamente desviei o olhar para fora da janela, vendo o dia dar lugar à noite. *** Quando chegamos de volta em Six Forks, eu esperava ser levada para casa. Em vez disso, encontrei-me mais uma vez na casa de Keiran. Eu rezei e pedi paciência, quando ele saiu do carro e abriu a porta traseira, assumi que era para pegar a mochila. Em vez disso, ele me puxou para fora do carro e Keenan pegou a mochila no banco de trás. Com a mão no meu braço, eu não era corajosa o suficiente para lutar contra o seu domínio, então o deixei me arrastar para sua casa. Keenan seguiu atrás de nós para depositar a mochila antes de recuar porta a fora. Momentos mais tarde, eu podia ouvir o barulho de uma moto a distância. Ocorreu-me agora que eu estava sozinha com Keiran. Ele tinha ido para lugares desconhecidos na casa, me deixando de pé na entrada. Eu olhei para a mochila deixada na porta, tentada a ir contra o seu aviso. E se ele estivesse lidando com drogas e tivesse me levado


para algum tipo de troca? De qualquer maneira eu estava ferrada, tanto como uma testemunha ou uma participante. Depende de como a polícia veria se fôssemos pegos. "O que você está fazendo?", perguntou Keiran atrás de mim. Eu não o ouvi chegando e saltei antes de girar para encará-lo com uma expressão culpada e uma cor vermelha se espalhando sobre a minha pele. "O que está na mochila? Você está vendendo drogas?" Eu respondi com uma pergunta. Quando sua mandíbula apertou, pensei que ele iria me atacar, mas tudo que ele disse foi: "Ligue para sua tia, mas faça-o rápido e não tente nada", fiquei surpresa. Foi então que notei que ele estava segurando meu telefone na mão. "Exatamente o que eu deveria tentar? Eu amo minha tia e vou fazer de tudo para protegê-la. Só porque você não sabe o significado da palavra, não significa que isso não é real." Silêncio. "Então, você faria qualquer coisa para protegê-la?" Seu tom era calmo demais quando ele lentamente se adiantou. "Tem certeza?" "Foi o que eu disse." "Dê-me um boquete." Senti algo acelerar dentro de mim e um rubor espalhar em meu corpo inteiro. "O quê"? "Você me ouviu na primeira vez." Meus olhos se arregalaram quando ele começou a desafivelar seu cinto. Os sentimentos familiares de pânico começaram a definir enquanto ele continuava a se aproximar de mim. "Fique de joelhos. Eu quero sentir esses lábios rosados em mim." "Não faça isso." "Eu não. Você vai fazer. Prove a si mesmo e salve e sua preciosa tia." Sua mão me empurrou para baixo, até que eu estava de joelhos. Meu corpo ficou dormente e minha capacidade de pensar fugiu. Eu podia ouvir suas palavras duras se repetindo mais e mais na minha


cabeça. Será que ele realmente pouparia a minha tia se eu fizer isso? Posso mesmo passar por isso? "Decida rapidamente. Minha oferta não vai durar para sempre." Sua oferta? É assim como realmente ele viu isso? Está mais para coerção e chantagem. "Eu ─" "Eu não disse para você falar." Ele abaixou a calça jeans e o boxers até que eles penduraram em torno de seus quadris. Seu pau tinha saltado para fora dos limites de sua calça jeans e um arrepio de apreensão percorreu meu corpo, enquanto meus olhos se arregalaram com choque e ansiedade. Sua ereção era enorme e grossa com as veias inchadas por todo o comprimento. Minha atenção foi atraída para a cabeça pulsante que tinha uma gota de umidade brilhando na ponta. Minha barriga tinha borboletas e minha boca e os lábios de repente tornaram-se secos. Lambi meus lábios para umedecê-los e o olhar de Keiran se fixou em meus lábios quando o fiz. Um som baixo, gutural irrompeu de seus lábios enquanto ele me observava. Ele começou um movimento acariciando, subindo e descendo enquanto olhava para mim, me desafiando com os olhos. Quando continuei a hesitar ele agarrou a minha nuca e trouxe meus lábios mais para perto. A ponta do seu pau tocou os meus lábios e ele começou a esfregar em tudo lentamente. Eu estava tremendo incontrolavelmente com uma emoção e sentimento que não poderia explicar. Mas reconheci a vergonha. Vergonha de que eu queria provar ele, mesmo sabendo que ele só queria me machucar. "Ok, vou fazer isso, mas por favor, seja gent ─" Minhas palavras foram perdidas quando ele mergulhou seu pau na minha boca, sem aviso prévio. Ele continuou a empurrar para a frente com um gemido e eu imediatamente me senti pressionada na parte de trás da minha garganta, me deixando amordaçada com seu pau. Eu instintivamente fechei a boca em torno do comprimento intruso para aliviar a pressão, mas logo percebi o meu erro. Meu calor


corporal aumentou em resposta a sua agressividade e eu senti tanto quanto o medo como o desejo batalhando dentro de mim. Infelizmente, o medo tinha ganhado e coloquei toda a minha força para afastar minha boca para longe dele, empurrando contra suas coxas fortes. "Eu não posso!" Eu gritei quando minha boca foi finalmente capaz de libertá-lo. Ele me empurrou e eu caí no chão, aterrissando de costas e causando um estalo alto de som através do ar. Ao invés de me atacar, ele riu. Mas ele estava cheio de raiva e desgosto quando olhou para mim, com as narinas dilatadas. "Você não pode, porque você não quer. Você não é melhor do que os outros. Você não dá a mínima para sua tia." Entrei em pânico ao pensar que poderia ter ferrado as chances da minha tia ficar em segurança. "Isso não é verdade. Você me assustou. Eu posso fazer isso. Eu sou -" "Nada mais do que uma farsa. Não há nada de inocente sobre você, há Monroe?”, os lábios curvados quando ele cuspiu suas duras palavras em mim. "Por favor, Keiran." "Não... diga... meu... nome. Nunca." Eu nunca entendi por que ele me proibia de dizer o seu nome. Ele era simplesmente um mistério que eu nunca pude resolver. Antes que eu pudesse dizer alguma coisa mais, a porta da frente se abriu e eu congelei. "Que diabos?" "Cara..." "Merda." Eu reconheci o som de Sheldon, Dash e a voz de Keenan atrás de mim, nessa ordem. Nós ainda estávamos no corredor, do mesmo jeito que ele tinha me forçado em meus joelhos, assim que a porta se abriu à direita de nós. Keiran continuou a olhar para mim enquanto endireitava seus jeans, e parecendo não se incomodar com a intrusão. Constrangimento inundou meu rosto e eu estava colada ao local. Embora Keiran fosse o


único exposto, era evidente o que havia acontecido. Eu já não estava caída no chão quando eles chegaram, mas eu ainda estava de joelhos. Todo mundo tinha ficado quieto. A humilhação da minha situação era esmagadora e então eu estava chorando de novo. Eu estava sempre chorando. Quando ia lutar e parar de chorar? "Já chega. Lake, levante-se." Sheldon puxou meu braço até que eu estava de pé, mas mantive meu olhar par baixo. Ela então se virou em Keiran. "Que diabos está errado com você? Ela pode ter medo de você, mas eu não tenho. Se eu te pegar fazendo alguma merda como essa para ela de novo, vou chutar o seu traseiro. Se descobrir que houve um jogo sujo, eu mesma vou acabar com você. Entendeu?" "Jogo sujo? Você quer dizer estupro?", ele perguntou em tom sarcástico. "Eu não estupro. Mas, mesmo assim, Monroe e eu sabemos que não precisaria fazer isso. Ela se entregaria por vontade própria e eu não hesitaria em tomar qualquer coisa que ela oferecesse." Abracei minha cintura ouvindo ele insinuar o que eu queria. Eu não queria ele. Ele era meu inimigo... ou talvez fosse apenas o meu corpo que o desejasse, enquanto minha mente o temia. Eu só desejava descobrir o que tinha sobre ele que fazia o meu corpo me trair de forma confusa. Sheldon abraçou meus ombros e nos levou para longe dos caras, eu senti um momento de auto aversão. Eu odiava me olharem como vítima. Eu não era uma vítima. Certo?


Capítulo nove Sheldon me levou lá em cima e nos trancou no banheiro, onde ela me olhou indefinidamente. Eu não poderia dizer-lhe a verdade, mas não menti. Eu disse a ela que Keiran tinha acabado de me provocar, como de costume. Ela tinha escolhido algumas palavras a dizer sobre Keiran, mas deixou pra lá. Eu estava limpando o meu rosto com um pano quente que ela tinha me dado quando uma batida forte na porta interrompeu nosso silêncio. Sheldon abriu a porta para revelar Keiran parado do outro lado e imediatamente mudou-se para me proteger dele. "O que você quer?" "Saia", disse ele mal reconhecendo-a. Seu olhar estava focado em mim e eu olhei para trás. Eu queria desviar o olhar, mas não consegui. Eu nunca o vi olhar para mim desse jeito antes. A memória de seu pau na minha boca voltou correndo em minha mente. Corei e finalmente olhei para longe, quebrando a conexão. "Vou levá-la para casa." O alívio que senti foi de curta duração, com o olhar em seu rosto. O cálculo frio em seus olhos me disse que ela iria rapidamente tornar-se uma vítima de sua ira se eu não interferisse. Eu não podia deixá-la sofrer o peso da sua ira. Eu tive anos para aprender a sobreviver. "Sheldon, está tudo bem." Ela me olhou com surpresa gravada em todo rosto e desejei que pudesse levá-la como ajuda. "Realmente, está tudo bem." Eu tive problemas para manter seu olhar. "Sheldon, venha aqui!" A voz de Keenan aumentou de algum lugar fora do corredor. Ela me deu uma última olhada antes de sair do banheiro com um lacônico "tudo bem". Keiran fez sinal para eu segui-lo assim que joguei a toalha para o lixo e o segui até o seu quarto.


"Você está me levando para casa em breve?" Ele me ignorou e pegou meu telefone da cômoda grande e preta e jogou para mim. Eu me revezei olhando do celular e para ele. "Sua tia ligou. Ligue de volta e a deixe saber que está tudo bem." "Ah... certo." Eu disquei o número dela. "Coloque no viva-voz," ele ordenou. Tive o cuidado de não mostrar o meu nervosismo e perturbá-lo. Ele poderia mudar de ideia e minha tia se preocuparia se eu não ligasse. Minha voz ansiosa filtrou através do telefone, depois do terceiro toque. "Hey, tia Carissa." "Lake, graças a Deus! Como está tudo por aí?" Ela tentou parecer normal, mas eu podia ouvir o estresse e a fadiga, o que era estranho, porque ela normalmente se divertia em suas turnês. "Tudo está ótimo aqui. Como você está?" "Oh, você sabe, estive autografando livros durante todo o dia. Nada de muito importante." A resposta dela só aumentou a minha preocupação. Tia Carissa era geralmente cheia de emoção e tudo a respeito de lidar com seus livros e leitores era uma grande coisa. Ela adorava ser uma escritora. "Você tem certeza? Você parece cansada." "Sim, estou bem. Ouça, tenho que ir, mas como foi a escola?" "A escola é escola. Eu acho que vou falar com você mais tarde", eu disse lentamente com uma careta e um coração pesado. "Ótimo. E Lake? Eu te amo, querida." A linha caiu antes que eu pudesse responder a mesma coisa. Eu me senti mal, apesar de sua garantia, me lembrando da última vez que vi e falei com meus pais. Será que a tia Carissa ia me deixar também? "Eu deveria ir para casa. Você pode me levar agora?" "Nós vamos ter uma festa. Você deve ficar por aqui." Ele pegou meu telefone da minha mão e guardou no bolso. Eu não gosto do som do seu convite. Soou mais como uma ordem, que eu sabia que ele usava.


"Obrigada, mas não obrigada", eu respondi sarcasticamente. "Eu realmente prefiro ir para casa." "Eu não estava pedindo. Tenho que explicar isso para você de novo? Eu não confio em você. Estou mantendo um olho em você. Simples assim." "Não é realmente sobre como manter um olho em mim, não é?" Seu corpo ficou tenso e eu poderia dizer que atingi um nervo. Ao invés de assustar-me isso deu a motivação que eu precisava para empurrálo. "Qual o problema? Você não pode ficar duro, a menos que esteja com raiva?" Eu circulei em torno dele do jeito que ele fez comigo naquele dia na lanchonete, mais de um ano atrás. Eu insultei e testei o quão longe poderia ir. "É isso o que você esconde? Algumas doentes fantasias torcidas? Diga-me... é especial para mim ou é com todas as mulheres? Mamãe não te ama o suficiente então você ─" A mão ao redor da minha mandíbula me parou como uma punição e mais uma vez as minhas palavras foram perdidas para mim. Ele inclinou meu corpo para trás sobre sua cômoda baixa e se aproximou. A frieza em seus olhos não poderia ser confundida com qualquer outra coisa, a não ser ódio profundo. "É só para você, nunca duvide disso. Ninguém mais me faz sentir desta forma. Ninguém. Sempre foi você. Será sempre você." A ameaça sutil em suas palavras enviou um calafrio através do meu corpo. Tão perto que eu podia ver o fio de barba ao longo de sua mandíbula, prova de que ele não fez a barba hoje de manhã, não pude deixar de pensar como incrivelmente sexy e masculino ele parecia. "Será que isso é para me assustar?" Eu parecia mais temerosa do que aparentava, mas ele não precisava saber isso. "Já assustou." "É isso o que você quer ouvir? Que tenho medo de você? Que ainda tenho medo de você? Sim, tenho medo, mas isso é tudo que sempre vou sentir por você. É a necessidade de sobreviver. Você não pode me controlar além disso. Me solte." "Eu não posso fazer isso."


"Por que não? Eu não fiz nada e não pretendo fazer, você escolheu não acreditar, mas é a verdade." Eu procurei seus olhos para um vislumbre de crença, mas eles permaneceram inflexíveis. Minhas costas estavam começando a tremer a partir de quase ser dobrada ao meio, para não mencionar o efeito que seu corpo tinha sobre o meu. "Porque ainda te odeio, Monroe. Nunca esqueça isso." *** Sheldon e Keenan já estavam lá embaixo no momento em que finalmente saímos de seu quarto. Suas últimas palavras ainda ecoavam na minha cabeça. Enquanto eu tinha aceitado há muito tempo que Keiran sempre me odiaria, ouvi-lo dizer isso, não o tornava mais fácil. Nós os encontramos na cozinha e se preparando para a festa que eu estava sendo forçada a comparecer. Quem diria que meu primeiro convite para uma festa seria da única pessoa que me manteve longe delas... mesmo que ele estivesse me forçando a essa. A primeira coisa que notei ao entrar na cozinha era a misteriosa mochila preta que Keiran e Keenan pegaram, agora colocada aberta e cheia de garrafas de álcool. Bem, eu serei amaldiçoada. Eu não podia acreditar que eles realmente compraram álcool em uma venda de rua ilegal. Pelo menos não eram drogas. O pensamento não fez me sentir melhor. Embora, eu sempre me pergunto como os garotos da escola encontram o fornecimento de álcool para as suas festas. Eu presumia que eles roubavam de seus pais, apesar de que seria meio difícil de explicar o sumiço do álcool. Lembro-me de, no ano passado, os pais de Michael Hastings se divorciarem logo após uma grande festa que ele deu. Aparentemente, seu pai era um alcoólatra e jurou parar de beber e um dia sua mãe encontrou garrafas vazias de álcool escondido, na casa que não foram jogadas fora. Ela imediatamente culpou seu pai e


pediu o divórcio. Ele tem sido uma espécie de solitário desde então. A culpa deve ser uma cadela para lidar com ela. "Diga cara, eles estão dizendo que vamos ter um bom ano para a neve neste inverno. Eu mal posso esperar para as pistas deste ano", disse Keenan, quando entramos na cozinha. Ele estava praticamente pulando de excitação. "Por quê? Você ainda não está cansado de chupar a minha neve quando fica para trás?" "A única coisa sendo chupada esta noite é o meu pau ─ Aargh, caramba, menina. Isso dói!" "Não parece que isso está acontecendo também", Keiran bufou. Keenan agora se inclinou no banco protegendo sua virilha. Ele olhou como se fosse desmaiar. Sheldon piscou para mim e eu sorri. "De qualquer forma, Lake, é muito divertido. Fazemos isso a cada inverno durante as férias de Natal. As pistas têm vista para o Lago Tahoe e é lindo. Assim como você, certo Keiran?" Ela sorriu para ele maliciosamente. Keiran grunhiu, mas não disse nada. Ele pegou um copo e derramou um líquido âmbar, rapidamente jogando-o para trás e alcançando mais. "Você já foi esquiar?", perguntou Sheldon. "Não, eu uh ... não sei como." "Okay, podemos ensiná-la," ela ofereceu. Os caras tinham ficado em silêncio quando Sheldon estendeu seu convite. Keiran parou de beber e Keenan não estava mais gemendo de dor, quando o silêncio constrangedor desceu. "Hum... não, está tudo bem. Eu normalmente só visito a minha avó na casa de repouso em Red Rocks." Minha avó materna foi acometida pela doença de Alzheimer há cinco anos e foi incapaz de ficar com a gente, apesar dos protestos da minha tia. "É de onde você nasceu? Eu lembro de você se mudar para cá na segunda série." "Sim, na verdade. São cerca de duas horas a leste."


"Você sente falta de lá? " "Não, eu mal me lembro," menti. Falando sobre Red Rocks significava pensar em meus pais e como acabei aqui em primeiro lugar. A saúde da minha avó estava falhando, mesmo assim, minha mãe nunca conheceu o seu pai, assim minha tia Carissa me levava lá. Eu senti os olhos em mim e olhei para cima para ver a atenção de todos em mim. Keiran estava fazendo um buraco através de mim, e eu me senti exposta, então rapidamente desviei o olhar. "Eu juro que se você, cabeça dura, fazê-la chorar novamente, vou castrá-lo!" Eu ri, grata por Sheldon. Nós mal nos conhecíamos, mas ela estava se tornando uma amiga. Seu desejo feroz de se levantar por mim foi me conquistando. Eu não posso lidar com Keiran. Eu estava com muito medo dele. Ele me mostrou quem realmente era naquele parque infantil e eu sabia que o menino que eu conheci naquele dia ainda estava lá dentro ─ enterrado e esperando para sair. *** O retumbar ensurdecedor de alto-falantes e o olhar de Keiran parecia encontrar-me sempre, não importava onde eu me escondia. A festa estava em plena explosão por mais de uma hora. Eu assisti o swing estridentes e balanço de garotas meio nuas em saias curtas e machos eufóricos, hormonais, tropeçando e caindo embriagados de sala em sala. Sendo adolescentes, eu talvez não teria achado isso tão ruim se tivesse um único amigo aqui. Eu fiquei isolada a um canto da sala e do meu outro lado podia ver Keiran cercado por outras garotas, embora ele não parecesse estar prestando muita atenção a elas. Em vez disso, seu olhar encontrava o seu caminho de volta a mim. Tenho certeza que se ele desse ao seu grupo um pouco mais de atenção, iria perceber a morena quente, que tenho certeza que era uma das meninas que vi no campus anteriormente, o olhando.


Procurei ao redor por Sheldon, mas não vi um sinal dela em qualquer lugar. Anya havia a arrastado para algum lugar, para grande irritação de Sheldon que não tentou esconder. Eu não entendia por que ela andava com Anya, desde que claramente não se importava com ela ou o resto das líderes de torcida. Todos elas pareciam unidas e não gostavam de estranhos. Ah bem. Isso era uma questão de Sheldon, não minha. Comecei a debater formas de esgueirar-me para fora da festa e ir para casa sem Keiran perceber. Ele não parecia estar bebendo além das duas doses que tinha bebido anteriormente. Ele nem sequer parecia como se estivesse se divertindo, o que era estranho, considerando que ele arrumou a festa. Meus pensamentos devem ter sido transparentes, quando um olhar suspeito passou por seu rosto antes dele se dirigir para o meu canto. Eu tentei me afastar mais profundamente nas sombras pensando que poderia milagrosamente me tornar invisível. "Por que você não está festejando e se divertindo?", ele perguntou rispidamente. "Eu lhe disse que não estava interessada. Você é o único que me queria aqui. " "Você está aqui porque eu disse para estar." "Por que você está tão zangado sobre isso? Eu não quero estar aqui", pronunciei mais uma vez. "Levante-se e siga-me", ele ordenou. "Eu estou bem aqui." Eu dei um tapinha no assento. "A vista é excelente, você sabe. Eu posso ver todos fazerem de si mesmos tolos e sujar toda a casa do seu tio. Ele deve estar muito orgulhoso", eu disse sarcasticamente. Eu olhei para ele me sentindo presunçosa, enquanto observava sua mandíbula apertar e suas narinas inflar. Eu estava provocando-o e amei isso. Havia muitas testemunhas aqui para eu ter medo. "Eu posso ter todos fora daqui em três segundos, facilmente. Não pense por um segundo que você está segura, Monroe. Você nunca estará a salvo de mim."


Eu lentamente levantei de meu assento, não querendo chamar a atenção para mim. O olhar orgulhoso no rosto dele era para me provocar ainda mais e estava funcionando. Ele me levou até o balcão que estava cheio com bebidas, adquiridas de forma ilegal. Ele agarrou a mesma garrafa de licor âmbar, que o vi beber mais cedo, e derramou uma dose. Eu olhei para o copo quando ele me entregou. "Eu não bebo." "Eu não perguntei." Depois de um curto tempo de encarar, arrebato o copo de sua mão, derramando um pouco na minha mão. Ele levantou uma sobrancelha, mas não disse nada em contrário. Cheirei a bebida rapidamente e odiei o cheiro forte, revoltante. Eu lutei para não engasgar quando levo o copo aos lábios e tomo um gole. Meu rosto formigava, a partir do sabor forte e eu relutantemente tomei outro gole. "Isso não é como se deve beber a porra de uma dose. Beba tudo", ele instruiu, impaciente. Enviei-lhe um olhar fulminante e, em seguida, abri minha boca para engolir rapidamente o líquido. O formigamento de antes irrompeu em chamas completas nos meus olhos e minhas bochechas ficaram coradas. Eu senti imediatamente os efeitos da bebida alcoólica na minha cabeça. Eu fiz um som de angústia e lutei para me orientar. "Bom. Agora outra. " "Por favor, não quero. " "Eu não me importo. Beba." Eu olhei para ele, incrédula. Já foi ruim o suficiente ele me fazer beber isso pela primeira vez. Como é que as pessoas realmente se divertem bebendo isso? Eu bebi champanhe antes em uma das pesquisas do livro da minha tia, mas nunca nada tão forte e repugnante. "Você tem alguma coisa mais leve?" "Sim, mas isso é o que você vai tomar”. Ele derramou outra dose e desta vez um segundo copo apareceu. "Vou levar este aqui com você." Isso deveria me fazer sentir melhor?


Desta vez não esperei para ele mandar. Joguei a bebida para trás e tossi enquanto queimava na minha garganta. "Boa menina", elogiou. Eu não me sentia bem em tudo. Eu sentia um mal estar. Seis ou sete doses depois, meu corpo estava solto e pesado ao mesmo tempo. Eu tinha certeza que minha visão estava embaçada. Ou isso, ou eu estava tendo alucinações. Eu não sabia porque nunca tinha bebido antes. Ou talvez eu só estava bêbada? Eu estava olhando para o balcão desejando a minha visão normal para me concentrar e eu podia sentir Keiran me olhando de lado. Um cara, que acho que nem mesmo pertencia a nossa escola, tinha entrado durante minha terceira dose, enquanto eu estava implorando para Keiran parar de me fazer beber. Ele estava me observando com muito interesse em seus olhos. Eu não me incomodei em implorar a Keiran para acabar com isto desta vez, mas surpreendentemente ele fez, depois que tinha ficado parado em silêncio por alguns minutos. Eu achei que estava seriamente fodido, que estava bêbado, mas ele não estava. " Ei cara, se você realmente quer fazê-la se soltar, você pode ter um par destes." O cara puxou um saco plástico cheio de comprimidos e lhe acenou com um sorriso sínico. "Eu posso até dar-lhes a você de graça, se eu conseguir uma rodada. Meu cérebro entorpecido pelo efeito do álcool foi lento para pegar o que estava acontecendo, mas quando vi a luxúria nos olhos do maconheiro e Keiran pegando o saco dele, eu olhei com espanto. Ele não estava pensando seriamente em me drogar, estava? "Você pode andar?", perguntou Keiran. "Se é para o seu carro, eu posso até pular, se você quiser." Não havia nenhuma maneira no inferno que estava deixando ele me drogar. "Vá para o quarto de hóspedes e tranque a porta." "Mas ─" "Agora, Lake." Eu não me preocupei em discutir mais e fomos nessa direção, mas apenas quando cheguei às escadas, Trevor me interceptou. Eu, portanto, não preciso disso agora.


"Ora, ora, ora. Eu nunca pensei que veria a Senhorita empertigada em uma festa, muito menos dos Masters." "Não fique muito esperançoso. Eu estou tentando encontrar a saída mais próxima para fora desta fossa. " "Parece-me que você estava se esgueirando para o andar de cima." "Ninguém jamais iria acusá-lo de ter maus olhos. Desculpe-me." Eu tentei passar, mas ele jogou seu braço em volta da minha cintura e se inclinou para mim. Eu podia sentir o cheiro de álcool em seu hálito. "Você esteve cuidando do nosso pequeno segredo? Não gostaria de fazer de mim um inimigo também, não é?" "Não é o meu segredo, Trevor. Isso é seu. O único com medo de fazer inimigos agora é você." "Se você gosta de admitir isso, Lake, você me ajudou a trazer Keiran para baixo. Você deve saber que sou grato. Eu a deixei tomar o crédito por todo o trabalho." Ele sorriu e se afastou para longe como a serpente que era. Tanto quanto odiava a traição de Trevor, acho que eu estava mais furiosa comigo mesma. Eu deveria ter visto isso chegando. Eu deveria ter sido mais cuidadosa... *** "Inimigo? Eu não tenho inimigos. Eu não sou ninguém", eu disse, estupefata. O que o eu poderia, possivelmente, ter em comum com, Trevor? Nós não compartilhamos o mesmo status social e os nossos círculos ─ ou melhor, meu círculo de amigos ─ eram diferentes. Ele olhou para mim com impaciência quando olhei para ele em confusão. Puxa, todos na equipe de basquete eram tão assustadoramente altos? Ele ofuscava facilmente meus 1,72 m. Trevor era loiro e com bom aspecto, mas Tiffany e suas amigas estavam certas ─ Keiran era mais bonito... com um corpo mais quente. Trevor ficava otimista quando seus músculos ficavam tencionado e


puxava contra sua pele, enquanto Keiran era magro com a quantidade certa de tônus muscular que o fazia parecer naturalmente poderoso. "Keiran Masters," ele disse simplesmente. Eu dei um passo para trás, chutando a ansiedade. Era minha reação habitual ao ouvir seu nome. Eu também não entendia o que ele estava pedindo ou o que queria de mim. Olhei em volta pensando que era uma pegadinha e que Keiran estava esperando para saltar em cima de mim. Ele não passou um dia sem uma brincadeira, condescendente olhar, ou provocação, nem uma vez em dez anos. Era como se a minha dor fosse um vício e ele precisava de sua dose diária. Às vezes eu acho que ele saía do seu caminho para me encontrar para que pudesse me machucar. "O que tem ele?" Eu engoli profundamente querendo estar em qualquer lugar, menos aqui. "Eu sei um jeito que pode detê-lo para que ele não seja mais um problema para qualquer um de nós", ele disse simplesmente como se estivesse falando sobre o tempo. "Por quê?" Ele franziu a testa para mim, não esperava essa resposta, eu imaginei. "Por quê?" "Por que você está fazendo isso?" "Por que quero", ele zombou. "Keiran acha que é intocável. Ele pode mandar nesta escola, mas ele não manda em mim”. "Você não quer parar a intimidação?" "Sim." Era verdade, queria, mas quão longe eu estava realmente disposta a ir para ter paz? "Bom. Eu sei a maneira perfeita para ensinar-lhe uma lição. " "Como?" "Nós o incriminamos." ***


Meu encontro com Trevor me lembrou o dia em que ele me fez a proposta, estou um pouco mais sóbria, mas ainda tropeço ao subir as escadas, uma de cada vez. Quando chego ao patamar, sinto vontade de fazer xixi, assim tropeço mais ao fundo do corredor para o banheiro. Sorte minha, o achei na primeira tentativa e ninguém estava lá. Na verdade, o segundo andar parecia completamente deserto. Pensei que as pessoas normalmente ocupavam o quarto para fazer... coisas. Depois de usar o banheiro, caminhei para um dos quartos e empurrei a porta aberta. Eu me deixei cair de bruços sobre os cobertores macios que cheiravam familiar e rapidamente apaguei. Se eu não estivesse tão bêbada, teria percebido o que tinha feito. Se eu não estivesse tão bêbada poderia ter evitado o que aconteceu depois. O som da porta se abrindo e fechando, seguido de passos pesados pelo chão acarpetado empurrou-me para fora meu sono algum tempo depois. Estava escuro e eu não poderia ver muito no meu quarto, mas podia sentir os olhos me observando enquanto permanecia tão imóvel quanto possível e tentei não entrar em pânico. Era o cheiro dos lençóis abaixo de mim que deu a primeira pista. O cheiro era familiar e, sem dúvida, masculino e os lençóis não se pareciam com o meu. Este não é o meu quarto. "Eu sei que você está acordada." Keiran. Alívio inundou minha mente, que não era algum perdido da festa e eu soltei a respiração que estava segurando ... Oh, Deus. Era Keiran. O pânico voltou a pleno vigor e mais forte do que antes, quando me lembrei exatamente onde estava e exatamente por que eu estava lá. Eu levantei da cama e pairei na cabeceira da cama, puxando o cobertor em torno de mim para me proteger. Seus olhos brilharam para o cobertor e de volta até encontrar o meu olhar como um sorriso zombeteiro espalhando seus lábios. "O que é isso?" Agarrei os cobertores ─ seus cobertores, mais apertado e fechei os olhos, apertando-os forte. Meus joelhos estavam batendo juntos sob o cobertor e rezei para que ele não pudesse ouvir.


"Isso é para protegê-la de mim?" Eu podia ouvir o sarcasmo na sua voz baixa, vindo do outro lado do quarto, mas ainda permaneci em silêncio. "Devo ir até aí e fazer você falar?" "Como você chegou aqui? Eu tranquei a porta, como você disse." Eu pensei que estava a salvo dele com a porta trancada... pelo menos por esta noite. "Eu tenho uma chave... e você não trancou a porta." Engoli em seco contra o caroço na minha garganta. Meu coração batia muito rápido e minha respiração tornou-se irregular. "Será que você acha que estaria segura de mim?" "Sim." "Você se sente segura agora?" Sua voz soava mais perto e percebi que ele devia estar parado ao meu lado agora, então meus olhos saltaram para trás abertos. "Não." "Não, o quê?", ele perguntou desnecessariamente. Eu sabia que ele queria me provocar. Eu podia ver isso em seus olhos e ouvi-lo em sua voz. "Não, não me sinto segura." "No entanto, você estacionou sua bunda na minha cama de qualquer maneira." "Eu não queria vir aqui", disse com os dentes cerrados. Ele se inclinou sobre a mesa de cabeceira e ligou a lâmpada, criando um brilho ofuscante. "Eu não acredito em você", disse ele em voz baixa. "Olha, posso ir embora agora." Eu ofereci, embora o olhar em seus olhos me diziam que ele não ia deixar-me ir a qualquer lugar. "Descubra-se", disse ele, confirmando os meus medos. Eu agarrei o cobertor mais apertado no meu peito, lutando contra o desejo de obedecê-lo em vez de soltar o cobertor. Quando ele olhou para mim com um olhar de luxúria e irritação, tudo o que eu queria fazer era obedecer. O x da questão era, "é por causa do medo ou desejo?"


Sua respiração profunda cortou minha agitação interna, e foi meu único aviso antes de seu punho se fechar ao redor do meu pulso direito. Ele arrancou minha mão longe do cobertor até que isso estava fortemente pressionado contra a inflexível cabeceira. O canto do cobertor que eu segurava, caiu na minha cintura e senti o calor de sua respiração e o cheiro de álcool no meu rosto quando ele se inclinou para baixo. Ele está bêbado. "Eu dei-lhe a oportunidade de fazer isso de maneira fácil. Acabou a brincadeira." Ele me puxou para baixo por meu tornozelo até que eu estava de costas e, em seguida, ele arrancou o resto do cobertor. Era a única coisa que nos separava. Ele se endireitou e levantou sua camisa lentamente, até que foi descartada em uma pilha no chão. "Eu quero esse vestido fora." Tornava-se cada vez mais difícil respirar. A força de seus comandos me balançou até meu núcleo, mas de alguma forma consegui lutar com ele. Ele era o único que detinha o controle suficiente para não deixar que isso acontecesse. Eu não podia dizer não. Eu não queria. "Não assim, por favor." "Por que não?", ele perguntou em tom aborrecido. "Porque você está bêbado", eu chorei. Minha voz soava desesperada mesmo para os meus próprios ouvidos. "Você está dizendo que não?" "Você sabe que não posso fazer isso." "Então não me importo. Estou cansado de esperar." Ele estendeu a mão para mim, então deslizei para longe de seu alcance e ele riu. "Você é uma contradição ambulante, Monroe. Seus olhos estão gritando 'foda-me’, muito antes de eu lhe dizer que iria fazer isso, mas ainda assim você resiste à tentação." "É disso que você chama? Tentação? É chantagem!" Ele levantou uma sobrancelha e inclinou a cabeça. "O que só significa que você tem uma escolha, e você escolheu meu pau porque o quer." "Isso não é verdade. Você me confunde", eu disse enquanto continuava a fugir para longe.


"Não mais do que você me confunde. A única diferença é que estou com raiva suficiente para fazer você pagar por isso." O olhar em seus olhos me segurou cativa enquanto eu o assistia. Eu acho que é por que não percebi quando ele foi para o outro lado da cama, assim como eu. Ele não me tocou quando parou ao meu lado. Ele simplesmente continuou a olhar para mim com curiosidade. "Por favor, você está me assustando." "Você deve ficar com medo, porque quando eu terminar com você, não haverá nada deixado para você se segurar. Vou me certificar disso. Agora tire a porra... do... vestido. " "Não há outra maneira?", perguntei, mesmo quando a última resistência escapuliu. "Não, Monroe, não existe." Eu respirei fundo, balancei a cabeça, e depois deslizei as alças sobre meus ombros. Enquanto fazia, me perguntava se ele seria gentil ou cuidadoso por ser a minha primeira vez. Quando me levantei da cama na frente dele para remover o meu vestido, meus olhos involuntariamente vagaram sob seu peito e pela primeira vez notei o que parecia ser uma cicatriz sob o seu coração. Era fraca, o que significava que deve ter sido há muito tempo. Eu queria perguntar a ele sobre isso, mas a voz na minha cabeça, chamada de senso comum, me disse que era uma má ideia. Eu rapidamente olhei para baixo antes que ele pudesse perceber onde se fixou a minha atenção. Suas botas estavam tocando as pontas dos meus dedos e eu me senti pequena em comparação com o seu grande corpo. Ele nem sequer me beijou. O pensamento era inesperado, e eu me perguntava se queria que ele me beijasse. Olhei em seus lábios, eles pareciam adoráveis e perfeitos. Eu estava tão envolvida em uma fantasia com os seus lábios e os meus, que não percebi quando meu vestido escorregou de meu corpo e caiu em volta dos meus pés. Seus olhos percorreram o meu corpo e, assim como lá em baixo, não houve nenhuma emoção ou reação. Ele mal reconheceu meu estado nu, antes que ele dissesse: "De joelhos."


"Você não quer que eu termine?" O rubor envolveu mais minhas bochechas, escondendo a minha surpresa e eu não sabia sobre o que estava mais surpresa ─ minha pergunta ou o fato de que ele não me pediu para continuar. Então, de qualquer jeito, Keiran nunca poderia ser considerado previsível e já descobri que meu cérebro era praticamente inútil quando estava perto dele. "Eu te mandei fazer isso?" A arrogância em sua voz e sua atitude distante estava aumentando meu nervosismo. "Es-esta é a minha primeira vez." "E daí?" "Você não deveria me beijar?" Merda. Meu rubor tomou conta de tudo. "Quem disse que esta será a sua primeira vez?" "Bem, você disse ─ "Eu disse que a queria em seus joelhos." "Sim, mas -" "Então, por que você não está em seus joelhos?" "Talvez porque você não me pediu gentilmente," respondi. Eu tinha que admitir, seus jogos mentais estavam me cansando. "Gentilmente ou não, o resultado será o mesmo." Ao olhar em seus olhos, eu finalmente afundei no chão e senti o tapete de macio debaixo de meus joelhos. "Eu estou de joelhos agora, então o que você quer?" "Eu quero que você termine o que começou." Eu sabia o que ele queria dizer, sem ter que ser dito. Meus olhos imediatamente abaixaram e olhei para o cinto grosso de couro com um crânio de prata envolvida em torno de sua calça jeans escura. A forma como o jeans se encaixava nele, estava destinado a provocar. Ele sempre parecia pairar apenas em torno de seus quadris trazendo a atenção para o V profundamente em sua cintura e desaparecendo em seus jeans. Sua ereção estava lutando contra o material áspero, esperando por mim para deixá-lo sair.


Eu posso fazer isso... devo fazer isso? "Você está pensando demais..." Keiran grunhiu interrompendo meus pensamentos privados, "... e eu não confio em seus pensamentos." Eu não sei o que deu em mim quando perguntei, "Por quê?" Eu me virei para olhar diretamente em seus olhos. "Você tem medo de mim?" Eu zombei dele, agarrando-me ao pouco de luta que ainda tinha dentro de mim. Ele ia me destruir de qualquer maneira. Por que não lhe dar uma razão então? Seu olhar, no entanto, foi avassalador em sua intensidade. Seu olhar perfurou através da minha recém-descoberta rebeldia, baixei os olhos em submissão. Eu tão logo estava chutando meu próprio traseiro, percebendo que ele apenas me dominava com um olhar. Notei também que seu olhar e a percepção de que estava dirigido a mim era claro, fez meu coração bater dolorosamente contra o meu peito. Ele não está bêbado. Ele sabe exatamente o que está fazendo. "Os segundos estão tiquetaqueando na minha cabeça e se eu chegar a um, você vai se arrepender", disse ele ameaçadoramente. Sem ser dito mais nada, eu rapidamente comecei a despi-lo. Estendi a mão para o couro preto e o soltei, mas em minha pressa equivocadamente escorreguei seu cinto completamente fora, onde ele se aninhou em minhas mãos. Eu olhei para ele para reafirmação, mas apenas descobri que seu controle já tinha ido embora. O cinto foi arrancado fora das minhas mãos e eu estava capotando, de bruços no chão. O espesso tapete abafou qualquer som que eu fizesse. Eu podia ver na visão periférica, seus pés calçados com botas plantadas em ambos os meus lados. Minhas mãos foram então colocadas atrás e então algo estava sendo envolvido em torno de meus pulsos. O cinto. O material do sistema de retenção improvisado foi apertado em meus pulsos e um grito de medo escapou dos meus lábios antes que eu pudesse detê-lo, mas não revidei. Eu não lhe disse não. Ele iria parar, se eu lhe dissesse que não, mas logo depois ele iria para minha


tia. Ele iria matá-la, porque ele era cruel e sabia que ela era tudo que eu tinha. Eu lembrei dos meus pais de novo e chorei por eles. Se eles não tivessem me deixado, eu não estaria aqui e os odiava por isso. Eu também odiava os demônios de Keiran, que constantemente perseguiam ele. Ele levantou-me pelas minhas mãos até que eu estava de joelhos novamente na frente dele. "Me desculpe," chorei, as palavras pegando na minha garganta. Eu não tinha percebido que ele estava caminhando para fora da porta até que eu já tinha soltado as palavras. Ele estava saindo? "Sabe o por quê?" Ele parou e perguntou um segundo depois. Eu podia ouvir a suspeita em sua voz. "Que alguém o machucou e lhe fez dessa forma." Eu me arrependi imediatamente das palavras, uma vez que foram sopradas fora, mas já era tarde demais. Seus passos pesados eram barulhentos e pisavam com força contra o chão, enquanto caminhava de volta para mim. Eu sabia que ele estava irritado antes mesmo que ele falasse, mas eu não sabia o quanto, até que ele falou. "É aí que você entendeu errado", ele trincou a mandíbula, e, lentamente, abriu o zíper de seu jeans. Ele agarrou meu cabelo em suas mãos e inclinou minha cabeça para trás, um pouco para que ele pudesse olhar nos meus olhos. "Eu fui o único a machucar." Meus lábios se abriram por si só, envolvendo seu pau duro e eu encontrei-me mais uma vez engasgando em torno dele, enquanto ele agarrou a parte de trás da minha cabeça e empurrou lentamente para dentro e para fora da minha boca. Seu gemido era relutantemente animalesco quando ele cerrou os dentes e inclinou a cabeça para trás. Ele parecia recompor-se rapidamente e ergueu a cabeça para olhar para mim. Eu me esforcei para tirar tudo dele quando a ponta dele violou minha garganta. "Não finja pela porra de um segundo que você sabe alguma coisa sobre mim." Estocada. "Ou o que tenho feito." Estocada. "Ou quem sou." Estocada. "A única coisa que precisa saber, é que vou acabar com você."


Quando ele finalmente se afastou, eu puxava o ar com muita urgência, mas assim que consegui pegar minha respiração, meus lábios avidamente trancaram seu pau, novamente. Eu vi seus olhos se arregalarem ligeiramente em surpresa antes dele estreitá-los. Eu mantive meus olhos no seu e tentei levar tanto dele quanto podia, e depois puxei para trás até que meus lábios estavam envolvidos em torno apenas da cabeça. Eu olhei para o incrível e longo comprimento de seu pau, com perplexidade, enquanto sugava a ponta e corria a minha língua para cima e para baixo de seu comprimento. Eu não tinha ideia do que estava fazendo; eu só sabia que tinha de acalmá-lo de alguma forma. Sua mão ainda estava no meu cabelo, mas seu aperto não era tão forte quanto alguns segundos atrás. Por um momento, pensei que tinha conseguido. Por um momento, pensei que tinha ganhado. Foi o rosnado que irrompeu de sua garganta que deveria ter me avisado, mas eu estava muito presa no meu próprio prazer. Eu gostei de forçar uma reação dele, assim como ele tinha feito comigo por dez anos. Isso me fez sentir como se eu fosse a única no controle. Mas esse controle, imaginário como era, foi de curta duração. "Se você vai me chupar, então me chupe. Não amoleça meu pau, Monroe. Você não vai gostar das consequências." Era incrível como ele poderia me fazer sentir vergonha de um ato que ele iniciou. Eu comecei a remover a minha boca de seu pau e salvar um pouco da minha dignidade enquanto ainda podia, mas ele agarrou a parte de trás da minha cabeça bem forte e seguiu em frente. Eu senti a ponta do seu pau tocar o fundo da minha garganta mais uma vez para eu me abrir mais para ele, mas quando ele começou a deslizar para baixo de minha garganta, eu engasguei e ele gozou. "Eu quero que você se lembre deste momento", disse ele em um tom controlado enquanto eu lutava contra ele para tomar ar. "Como estou agora, como você está agora." Ele tomou seu pau para fora da minha boca e me empurrou de volta. "Eu quero que você se lembre que não há nada de bom sobre mim e nunca haverá." Eu acreditei nele. Deus me ajude, eu acreditei nele.


"Você realmente gostou disso, não é?", Ele riu. "Você pensou que estava me agradando? Me controlando, não é mesmo? " Ele estava brincando comigo o tempo todo. "Por que você está fazendo isso?" Eu podia ouvir a amargura em minha própria voz. Ele ignorou minha pergunta e arrumou seu jeans. Engoli nervosamente e provei os restos dele, senti um momento de desgosto, mantendo meu olhar pregado ao chão. "Você queria isso, então por que você está com tanta raiva?", perguntei novamente. "Eu não estou com raiva. Isso significaria que me importo." Ele mudou-se para a porta, com a intenção de me deixar amarrada aparentemente, mas ele voltou e perguntou:" Você realmente acha que pode me manipular?" "Não." "Não?" "Isso não é por que você está zangado." Meu olhar se levantou para atender sua raiva. "Você está com raiva porque isso estava funcionando e eu agradei a você”. "Bem, então, isso seria estupidez." "Por quê?" Eu perguntei, curiosa. "Porque então eu seria forçado a mantê-la. E você não quer isso", respondeu ele, ameaçadoramente. Um estrondo e o som de passos correndo e gritos chegaram através da porta e, em seguida, a voz de um cara pode ser ouvida do outro lado. "Keiran homem, saia daí. Dash e Keenan estão lutando com uns caras que caíram na festa. Merda, que inferno de bagunça." Ele andou em direção à porta, sem camisa e saiu tão silenciosamente como veio. Para alguém que não reconhece os sinais, ele parecia calmo, mas vislumbrei a raiva fervendo em seus olhos. Ele me deixou no piso, ainda amarrada por seu cinto e indefesa. Momentos depois, um barulho alto e gritos terminou e a casa ficou assustadoramente tranquila e, em seguida, de repente, eu podia ouvir o som de passos correndo novamente seguidos por pneus guinchando e carros partindo.


Empurrei-me, até que estava de pé. Minhas pernas estavam dormentes de estar presa em uma posição por tanto tempo. Lambi meus lábios e imediatamente reconheci o gosto dele, persistente em meus lábios e curioso, eu lambi novamente, antes que percebesse o que estava fazendo. Alguma parte doente de mim gostava do gosto dele, apesar de ser manipulado. Tentei dizer a mim mesma que eu não tinha escolha, que não gosto de ser violada por ele. Mas eu não queria lutar com ele também. Se eu lutasse com Keiran, perderia de uma forma ou de outra.


Capítulo Dez Eu pensei sobre meu diário. Eu precisava do meu diário. Era onde eu guardava toda a minha dor e contava todos os meus segredos, e escrevia sobre apenas duas coisas, meus pais e ele. Eu não pensei sobre esse diário desde o ano passado, quando ele foi embora, e eu não tinha mais nada para escrever. O diário era velho e algo que eu mantinha para lidar com a dor de perder os meus pais. Eu comecei mesmo, um ano depois que eles desapareceram e quando a intimidação de Keiran piorou. A primeira palavras escrita sobre ele foi na quarta série, depois que ele mandou algumas garotas grudar chiclete usado em meu cabelo e deixou todo mundo cuspir na minha cabeça, na hora do almoço. Eu me tranquei dentro do banheiro e imediatamente puxei meu diário para escrever. Foi um erro, mas logo se tornou minha salvação e o caminho para o enfrentamento. Começava sempre quando uma memória de meus pais vinha à tona, então eu escrevia a memória e como me sentia sobre eles. Era algo que minha tia sugeriu que eu fizesse quando ela não pudesse falar comigo sobre isso. Ela disse que preferia contar a um pedaço de papel do que a qualquer um de toda forma. Acho que foi a escritora nela falando. Keiran tinha me dado uma nova dor para focar. Então, quando comecei a escrever apenas sobre Keiran, o diário tornou-se um recipiente e agora detém cada pensamento e emoção que já tive por Keiran, dentro dele. Nele expressava a confusão que sentia muitas vezes de ser atraída por ele, enquanto envelhecemos. Eu finalmente admiti ao meu diário ter uma queda por ele uns dias antes de fazer 16 anos. O ano escolar havia começado e eu o vi pela primeira vez em três meses. Ele tinha ido a algum acampamento de basquete que foi patrocinado pela NBA e NCAA para os melhores talentos. O olhar intimidador que ele me deu, quando veio pelo corredor em direção a mim, era quente. Lembro-me de seus olhos cinzentos arrastando lentamente para cima e para baixo do meu corpo, quando nós


chegamos mais perto de lados opostos do corredor. Nossos olhares estavam trancados o tempo todo e eu não pude deixar de admirar o fio de barba que tinha crescido nele. O fazia parecer mais velho e mais sexy, se isso fosse mesmo possível e assim quando eu estava passando por ele, pensando que ele iria me poupar de sua dose normal de humilhação pública, ele bateu os meus livros da minha mão e enviouos voando junto com as poucas folhas de papel que eu tinha. Eu não reagi. Eu nunca reajo. Peguei meus livros e continuei caminhando para a primeira aula, com minha cabeça erguida e as angústias do meu coração enterradas em segredo. Os tormentos de Keiran vieram com mais frequência e ficaram mais cruéis naquele ano. Por alguma razão ele pareceu me desprezar ainda mais. Lembro-me de sempre estar confusa sobre os olhares estranhos que ele me dava, seguido por um violento ataque verbal. Mas nós estávamos em um campo de jogo totalmente diferente agora. Keiran era ameaçador o suficiente quando não provocado, mas agora ele tinha realmente uma razão para me odiar. Eu tentei olhar para ele a partir de seu ponto de vista. Ele perdeu um ano de sua vida no sistema. Foi um ano que ele nunca teria de volta, condenação por drogas ameaçava o seu futuro, porque nada ficava completamente enterrado. Adicione a humilhação de uma prisão pública, isso seria suficiente para irritar uma freira. Eu entendi por que ele queria vingança, mas ameaçar a vida da minha tia era imperdoável. Ela era inocente em tudo isso. Quando o carro parou, ele me tirou dos meus pensamentos e percebi que estávamos em minha calçada. Ele não desligou o motor e fiquei aliviada. Eu não poderia lidar com mais Keiran por hoje. Depois que sua festa chegou a um impasse estridente, violento, ele voltou lá para cima e me desamarrou. Ele então me mandou "dar o fora" e eu teria saído correndo para a porta, mas tive que lembrá-lo que ele me trouxe para cá e eu não poderia ligar para Willow, porque ele sabotou a nossa amizade. Então aqui estávamos nós. Eu toquei a maçaneta da porta para sair, mas parei e olhei para fora do para-brisa. Eu respirei fundo e tomei uma decisão.


"Foi errado," eu comecei. Ele se virou para mim, com as sobrancelhas levantadas. "Você tinha uma coisa boa acontecendo. Você tinha acabado de ser nomeado capitão do time de basquete – o rumor era que os batedores já estavam olhando e avaliando você. Era o fim do primeiro ano, e você deveria se graduar no ano passado. Você deveria estar na faculdade agora cercado por uma fonte infinita de garotas quentes. Você queria um futuro. Você esperava um futuro." Eu olhei para ele, finalmente - parecia que ele estava pensando em algo quando esfregou seu lábio inferior com o dedo. Eu não consegui me segurar, mas acompanhei o movimento, observando seu dedo fazendo uma varredura em seu lábio. Seus lábios eram macios e adoráveis e de repente eu estava com ciúmes de seu dedo. "Você era inocente. Eu sei disso, mas não porque você acredita que eu o enquadrei, mas porque se você tivesse feito isso, então isso -," fiz um gesto entre nós dois, "não estaria acontecendo. Você teria aceitado as consequências, mesmo que alguém tivesse feito a denuncia a polícia." Eu senti o peso de seu olhar quando o silêncio encheu o ar, nos confins do carro. Tornou-se quase insuportável depois de alguns minutos de espera para que ele dissesse alguma coisa, então desisti e estendi a mão para a maçaneta da porta novamente, acabando de dizer o que queria. "O que te faz ter tanta certeza?" Eu me virei para ele confusa. "Certeza sobre o quê?" Ele estava tentando dizer que era culpado? "Que não estaria acontecendo isso entre nós." Sua pergunta imediatamente me irritou. Eu sabia que era apenas uma outra tática para entrar em minha cabeça. "Você está sugerindo o contrário, porque os últimos dez anos diz algo bem diferente." "Você não é tão cega como finge ser Monroe, então corte o papo furado. Você desmoronou quando te toquei, sem hesitação... naturalmente... como se os últimos dez anos, dissesse algo bem


diferente." Ele enfatizou a última parte e eu corei, pensando na sala de aula e na memória de sua boca me devorando. "Exatamente. Naturalmente. É biologia pura." "Você quer dizer que a biologia fez você gostar de eu foder você com minha boca?" "Não, mas o desejo não tem nada a ver com o ódio." "Não tem? Você esqueceu ─ Eu estava lá no corredor, naquele dia que aquele idiota beijou você." Lembrei-me daquele dia. Keiran tinha efetivamente arruinado o meu primeiro beijo e a chance de um interesse amoroso. "O que isso tem a ver com alguma coisa? Como você sabe que não fui eu que o beijei?" "Você não o beijou de volta." Eu não disse nada, porque ele estava certo. Eu odiava isso. Eu não beijei Peter de volta. Consenti, mas perdi o desejo uma vez que seus lábios estavam nos meus. Lembro-me ainda de contar os segundos até que acabou, e ainda me senti grata que Keiran tinha nos encontrado e sai correndo. "Então?" "Então você teria sentido desejo por ele. O desejo não é baseado em biologia e acho que você sabe disso. Ele começa aqui", ele tocou minha têmpora antes de arrastar os dedos pelo meu corpo lentamente, "antes que ele atinja o seu ponto doce." Eu tinha certeza que estava um vermelho flamejante em meu rosto agora. "Eu não odeio você", sussurrei esfregando meus pulsos doloridos, vermelhos. Manchas escuras já estavam se formando e me perguntei como poderia escondê-las da minha tia. "Nem mesmo depois do que fiz para você hoje à noite?" "Eu não sei como me sinto sobre isso." "Mas você tem medo de mim." "Então você acredita que o meu medo despertou o meu desejo sexual por você?"


"Algo me diz que você já chegou a essa conclusão." Eu balancei a cabeça em negação, não querendo admitir como ele estava certo. "Monroe, você não me deseja porque tem medo de mim. Você me desejou muito antes de eu lhe dar uma razão para ter medo." Eu balancei minha cabeça de novo abruptamente. "Impossível -" Ele soltou um suspiro de frustração. "Como eu sei? Você queria me foder desde a puberdade. Tenho notado você Monroe ─ além de provocações e os rumores que espalhei, eu notei. Você me queria. Você ainda me quer." "É impossível, porque eu tenho medo de você desde que tinha sete anos de idade." *** Era mais de meia-noite, quando finalmente entrei em minha casa. Eu pensei sobre a última coisa que disse a ele antes de dizer boa noite, encerrando abruptamente a nossa conversa. Devo dizer que eu não esperava a reação dele. Ele quase me expulsou de seu carro e saiu em disparada antes mesmo que eu chegasse à porta. Nada de beijos castos na soleira da porta. Não que eu quisesse beijá-lo ou qualquer coisa. Depois de um banho quente, eu estava entrando embaixo de meus cobertores, amaldiçoando Keiran o tempo todo, quando ouvi um barulho. Pareceu-me abafado e longe, mas mesmo assim discretamente mudei-me para a porta do quarto e espiei em torno do corredor. Minha porta era a mais próxima das escadas, então vi uma luz que não me lembro de ter ligado. Assustada, desci as escadas lentamente, rezando para que não houvesse um assaltante assustador na casa. Minha tia era muito pacifista para manter uma arma em casa, não que eu soubesse como usar uma, de qualquer maneira. Embora, quão difícil poderia ser? Basta apontar, atirar, e esperar que o lado errado não esteja voltado para você.


Eu estava a meio caminho e finalmente, me convenci de que não era nada, quando a luz de repente desligou. A única coisa que podia ser ouvido depois, era a batida do meu coração acelerado quando ele caiu no fundo do meu estômago. Acalme-se, Lake. A energia deve ter caído. Eu olhei para trás até as escadas, para ver a luz que continuava brilhando no meu quarto e meu corpo ficou frio. Eu estou falando frio do Ártico, gente. Eu sabia que precisava pedir ajuda, mas estava com muito medo de me mover, com medo de que isso iria alertar quem estava na casa, por algum pequeno ruído. Eu sabia que a tia Carissa não voltaria tão cedo sem me dizer em primeiro lugar, então tinha que ser um arrombamento. Tentei me lembrar se tranquei a porta, mas não podia lembrar de nada depois que a luz desligou. Finalmente isso veio. O som que confirmou que alguém estava em casa comigo. Pareceu-me com passos, duro e pesados. Havia apenas dois e então parou. No hall de entrada? A cozinha? Esses foram os dois únicos lugares na casa, além do banheiro, que produziria o som de passos tão altos. Toda minha pele se arrepiou e lentamente comecei a recuar até as escadas, cuidadosamente para não fazer nenhum som. Eu quase consegui, mas o som súbito de meu telefone celular tocando vindoem direção da porta aberta do meu quarto, quebrou o silêncio. Keiran tinha me dado de volta quando me chutou para fora de seu carro. Merda. Eu irrompi em uma corrida, não me importando em manter silêncio por mais tempo. Eu entrei correndo em meu quarto e tranquei a porta, assim que o toque parou. Corri até minha mesa de cabeceira e peguei meu celular. Era uma chamada não atendida de Willow. Eu bati o ícone do telefone para discar o da polícia e um segundo mais tarde, houve uma batida na porta do meu quarto. Seguida por uma série de batidas que se tornaram mais forte. Alguém estava tentando arrombar a porta.


O operador finalmente atendeu a linha. "Por favor, alguém está na minha casa", eu chorei. De repente houve uma parada das batidas e eu podia ouvir o som de passos novamente. Eu dei ao operador meu endereço e afundei no chão de alívio quando a porta sacudiu e eu senti meu coração parar completamente. "Vá embora, eu chamei a polícia!" "Você fez o que? Abra a porta!" Eu ouvi uma voz familiar com raiva do outro lado do "boom" da porta. Eu estava apavorada demais para me mover, então sentei lá de joelhos, agarrando o meu telefone e desejando que a polícia se apressasse. "Por que você está fazendo isso?" Eu perguntei em um soluço angustiante. "Fazendo o que? Abra a porta!" Ele continuou batendo na porta, até que um crack dividiu a madeira. Eu pulei e comecei a gritar muito alto. "Me deixe em paz, por favor!" Keiran tinha quase conseguido quebrar a porta quando ouvi passos adicionais, subindo as escadas. "Polícia!" Eu ouvi as vozes do outro lado da porta instruindo a Keiran colocar suas mãos para cima. "Minha senhora, é o agente Reynolds e meu parceiro, agente Burke. Você pode abrir a porta agora. Temos ele contido." Sentei-me ali paralisada por um minuto antes de finalmente me levantar e abrir a porta. Um oficial estava parado do outro lado. Ele de alguma forma parecia familiar, mas eu não consegui reconhecê-lo. O outro oficial estava levando embora um Keiran algemado, que ficou em silêncio, quando foi levado para baixo. "Você está bem, ele machucou você?", perguntou o policial Reynolds. Eu achei que era difícil falar, então balancei minha cabeça. "Nós precisamos que você venha para baixo para fazer uma declaração. Você tem alguém que queira ligar? "


"Minha tia está fora da cidade, mas eu posso chamar a minha melhor amiga. Podemos esperar até de manhã, oficial? Eu não posso fazer isso agora." Ele hesitou antes de perguntar: "Quantos anos você tem?" "Dezoito". Ele assentiu com a cabeça antes de sair. Sentei-me no chão uma vez que eles tinham ido embora e chorei até que não tinha mais nada. *** Pepé estava enrolado confortavelmente no meu colo enquanto eu estava sentada no quarto de Willow olhando pela janela. Ele deve ter percebido que algo estava errado, porque não deixou meu colo desde que cheguei aqui. Ele geralmente encontrava lugares para conquistar e itens para roubar. Eu tinha certeza que ele já fugiu com as minhas chaves, como de costume, antes dele voltar para cuidar de mim. Ele provavelmente queria garantir que eu não iria procurá-las, que essa era a razão de seu afago incomum. "Você vai me dizer o que está errado? Parece que você viu um fantasma ou algo assim." Eu respirei fundo antes de responder. "Keiran invadiu a minha casa e ─" "Oh, meu deus! O quê? Onde você estava? Você está bem? Diga alguma coisa!" Willow tinha pulado da cama e correu para me sacudir em meu ombro. "Willow, eu estou bem agora, mas não estarei se você continuar me sacudindo. Você vai deslocar alguma coisa." Ela me deu um olhar de desculpas, antes de me liberar. "Sinto muito. Eu sabia que algo estava acontecendo entre vocês dois. Isso não estava fazendo sentido e a propósito, eu não comprei isso de 'Não quero ser sua amiga de merda' por um segundo, mas diga a Keiran que eu disse: ‘boa tentativa’." "Willow, sobre isso, eu sinto muito, eu ─"


"Não se preocupe com isso. Imaginei que a única maneira que poderia ajudá-la agora era jogar esse jogo junto, até que você falasse comigo. Então, o que aconteceu?" Eu contei a história que terminou com a polícia prendendo Keiran. "Espera ... você disse que estava na escada quando ouviu o telefone tocar?" Ela estava franzindo a testa agora e eu percebi que ela estava perturbada. "Sim, o que ─" "E você viu a luz sendo desligada e passos no andar de baixo antes de seu telefone tocar?" “Sim. Willow ─", ela interrompeu novamente segurando a mão para me silenciar. "Quando você chegou a seu quarto e pegou o telefone, era minha a chamada perdida?" "Sim", eu disse simplesmente sabendo que ela não esperava mais que isso. "A única chamada perdida?" Eu balancei a cabeça, desta vez, sem me importar em dizer qualquer coisa. "Não poderia ter sido ele." Eu dei-lhe um olhar perplexo e ela explicou. "Lake, passei por Keiran voltando do trabalho. Eu fiquei até tarde para ajudar com o inventário. " "Sim, mais eu lhe disse, ele me deixou em casa bem tarde após a festa." Ela balançou a cabeça antes de afirmar: "Eu o vi voltando para baixo de sua rua e foi quando eu liguei para você. Eu imaginei que ele estava chegando da sua casa, devido a seu "relacionamento" recente. Eu queria saber o que o estava fazendo por vir tão tarde." Ela balançou as sobrancelhas sugestivamente, mas fiquei boquiaberta quando um pavor intenso me deu um soco e fez minha cabeça nadar. Inclinei-me colocando minha cabeça entre os joelhos, irritando Pepé. Ele pulou do meu colo e correu para fora do quarto. "Oh, Deus. Oh não", eu gritava, balançando para frente e para trás. "Lake, não se preocupe. Vamos à polícia e livrá-lo. "


"Não, você não entende." Eu sentei ereta e olhei para Willow com lágrimas nos meus olhos. "Ele vai matá-la." *** A manhã chegou e eu tinha poucas horas de sono. Eu me virei a noite toda acordando Willow, uma vez que nós dividimos a cama. Saí correndo para a estação de polícia, sabendo que o dano já tinha sido feito, mas não adiaria por muito tempo também. Fui para casa para tomar banho e me vestir. Desde que eu não sabia quem era o intruso, aceitei com gratidão a oferta de Willow e Buddy para virem comigo. Trinta minutos mais tarde, fiz o meu caminho para a estação de polícia com Willow. Ela ainda estava assustada sobre a minha confissão na noite passada. Me arrependi imediatamente de lhe dizer, mas sabia que o estrago já estava feito quando ela se apavorou. Ela explodiu suas perguntas e fui para a cama. Ela estava me dando o tratamento do silêncio desde então. Chegamos e entramos na estação de polícia, ouvindo vozes. A cena que me cumprimentou imediatamente me fez querer virar e correr. "Seus porcos, vocês já não tiveram o suficiente? Onde ele está? Vocês não tem merda ─" Ele parou quando me viu, seus olhos se estreitaram condenando-me no local. Willow e eu instintivamente demos um passo para trás. Dash balançou a cabeça antes de correr a mão pelo rosto. "Você não precisava fazer isso, Lake. Ele nunca teria ─ " "Nós não temos que explicar merda nenhuma!" Keenan rugiu, interrompendo Dash. "Jovem, eu preciso que você se contenha, antes de eu jogar sua bunda na cela, juntamente com seu primo."


Sheldon irrompeu pela porta quando o oficial estava repreendendo Keenan. "Keenan, pare de ser um idiota. Nós não sabemos o que aconteceu", ela repreendeu. "Ela tem razão, filho. Acalme-se," um homem mais velho afirmou. "Ela não vai escapar com isso, Sr. Chambers. De novo não." "Rapaz, você precisa seriamente relaxar. Ela não está atrás de seu primo precioso, assim sossegue para que possamos fazer o que viemos fazer." Willow tinha apenas previsto a lei e se isso fosse em qualquer outra situação eu teria achado divertido. Só então um oficial veio com Keiran, que parecia cansado em sua roupa amarrotada. Ele caminhou até a mesa para assinar documentos e recolher seus pertences. Nós imediatamente fizemos contato visual, e tudo desde ontem à noite voltou correndo. Eu tinha tanta certeza de que era ele que invadiu a minha casa para me assustar. "Você está livre para ir, Sr. Masters." Eu franzi a testa na compreensão de como ele já estava livre para ir. Era do meu entendimento de que eles poderiam prender alguém por quarenta e oito horas sem acusações. Keiran ficou aqui apenas por oito horas. Não me interpretem mal. Eu queria que ele fosse liberado, mas não tinha limpado a barra dele ainda. "Sim. Pedimos desculpas pelo mal-entendido Sr. Chambers." "Você pode acreditar nisso? Tanto quanto eles sabem, Keiran invadiu sua casa e eles só o libertaram porque o velho de Dash puxou algumas cordas? Inacreditável", Willow sussurrou. Sr. Chambers se virou para mim, me avaliando. "Pense cuidadosamente sobre o que você está prestes a fazer Srta. Monroe. Você não vai ter sucesso uma segunda vez." Com isso eles deixaram a estação e eu comecei a respirar mais fácil. "Oficial, eu gostaria de fazer uma declaração para limpar Keiran Mastres. Ele não foi o único a entrar na minha casa. Eu trouxe uma testemunha a depor para isto."


O oficial me deu um olhar severo antes de encaminhar-nos para preencher a papelada necessária. Após o interrogatório pesado, fomos capazes de deixar a delegacia. Willow não parava de olhar para mim durante a viagem para a escola e eu sabia que ela estava preocupada. "Lake, você vai ficar bem?" Essa série de acontecimentos definitivamente não parecia bom para mim. Se eu achasse que a reação de Keenan era ruim, então, sabia que a de Keiran seria dez vezes pior. "Eu não sei." *** Conseguimos chegar a escola em tempo para o Vôlei, então fomos direto para lá. Eu não vi qualquer sinal de Keiran quando cheguei, então assumi que ele já tinha ido para a aula. Eu ainda teria que enfrentá-lo na hora do almoço, então não estava livre ainda. Eu usei a demanda física de Vôlei para me distrair do estresse mental. A aula terminou muito rapidamente e antes que eu percebesse já estava vestida, e mordia minhas unhas. Eu estava esperando Keiran aparecer a qualquer momento para me aterrorizar e lançar ameaças, mas ele não veio. O almoço estava na metade do tempo, quando desisti de esperar. Eu fui para o refeitório em busca dele e o encontrei sentado à sua mesa, normal... com Anya em seu colo. O ciúme que eu sentia era equivocado e me lembrei de que não era sua namorada e fiz meu caminho até a sua mesa. "Ei. Eu uh... esperei por você depois do Vôlei". Anya olhou para mim e riu, então sussurrou algo atrás de sua mão para Keiran. Ele sorriu para ela, em seguida, beijou o pescoço dela fazendo com que ela começasse a gemer. Ele me ignorou completamente, então olhei em volta da mesa. Keenan estava olhando para mim, enquanto Sheldon olhava para mim se desculpando. "Olha, sobre a noite passada e esta manhã, eu -"


"Monroe você parece pensar que temos algo a discutir. Nós não temos. Você parece pensar que estamos em um relacionamento. Nós não estamos." "Foi um mal-entendido, mas você não vai entrar em apuros. Eu esclareci as coisas." Ele olhou para mim com a sua máscara em branco, antes de afirmar: "Você é livre para ir embora." "Tchau, Lacy," Anya afirmou depreciativamente. Todos na mesa explodiram em gargalhadas em seu propósito de confundir o meu nome. Eu ignorei as risadinhas e saí da cafeteria. Eu sabia o que ele realmente quis dizer com sua última declaração. Ele não queria mais lidar comigo, mas o que isso significava para a minha tia? Eu sei que deveria estar feliz, mas não estava. Eu me sentia vazia, como se eu tivesse perdido alguma coisa. Era a mesma sensação que tive quando meus pais desapareceram. Eu balancei a cabeça por minha estupidez. Eu não posso perder algo que nunca tive. *** "Lake, espere!" Eu ouvi Sheldon gritar para mim, mas continuei andando. Eu não queria interagir com qualquer pessoa associada a Keiran agora. "Lake, pare. Eu juro que vou bater em você, se não parar de correr de mim!" Eu parei e me virei, uma vez que estava do outro lado da escola, longe de Keiran. "Sheldon, não posso fazer isso. Agora não." "Por que você está sempre fugindo? Você não tem que deixá-lo vencer, você sabe." "O que eu devo fazer?", gritei. Eu estava frustrada além do meu limite. "Lute de volta", ela brincou.


"Por que você está me falando isso? Ele é seu amigo." Eu estreitei os olhos quando ela balançou a cabeça. "Ele é. Eles são todos meus melhores amigos. E nós poderíamos ser amigas também se você deixasse. Eu não sou sua inimiga." "Não, mas você está na cama do meu inimigo. Além disso, você tem Anya e as outras líderes de torcida. Para mim parece como se você já tem muitos amigos." Ela bufou, "eu poderia querer sempre mais e tenho um sentimento que você quer mais amigos também." Eu dei de ombros. "Não importa. Keiran nunca permitiria que fossemos amigas." "Keiran não manda em mim. Eu decido de quem sou amiga." "Keenan me odeia, também. " "Não, Keenan ama seu primo." "Qual é a diferença?" "Seu vínculo com seu primo faz dele um lutador ao lado de Keiran e ele o protege, se necessário." Eu olhei para ela, desconfiada. Esta poderia ser uma armadilha de Keiran para me machucar ou se vingar de mim. "Por que você é tão boa para mim?" "Eu não sei, Lake. Talvez porque goste de você e você nunca fez nada para mim? " "Ainda assim, não seria sua amizade com eles o bastante para ser contra mim? Isso é o que os amigos fazem, certo? Proteger uns aos outros e lutar suas batalhas?" "E eu teria uma se pensasse que você fosse uma ameaça." "Puxa, obrigada." "Sem ofensa, querida. Então o que você diz? Amigas?" Ela estendeu a mão para um aperto. Estudei seu punho, refletindo sobre isto, antes de finalmente dar-lhe minha mão. "Amigas." Vamos ver.


Capítulo Onze Eu consegui chegar incólume ao quarto período, graças principalmente a Willow e Sheldon. Sentei-me duas fileiras à frente de Keiran, que ainda estava muito perto, mas era o único lugar que permitia que Willow e eu sentássemos juntas. Nem dez minutos se passaram depois que a aula começou quando senti algo leve bater no meu ombro. Eu não pensei em nada, até que aconteceu novamente, desta vez nas minhas costas. Eu olhei para baixo para ver duas bolas de papel no chão e, em seguida, outra bateu minha cabeça. Eu ouvi, "realmente maduro, caras", antes de uma cadeira raspar e Sheldon vir sentar-se conosco. Eu olhei para trás para ver Keiran com um sorriso sínico. Keenan parecia chateado e estava olhando para Sheldon. Ele murmurou, "Traidora", em voz baixa, em seguida, revirou os olhos para mim. Depois da escola, Sheldon e Willow andaram comigo para minha casa. Keenan jogou uma birra no estacionamento. Ele estava irritado, mas ela apenas riu quando ele gritou obscenidades e chutou seu carro. Optamos por assistir a um filme aqui, em vez de ir ao cinema. Estávamos sentadas na sala de estar fazendo lição de casa e tendo conversa de garotas. Sentia-me muito bem. Eu tive isso com Willow, mas parecia bom tê-lo com outra pessoa também. Minha contagem de amigos, agora era de dois. Caramba Lake, isso deve ser um recorde. Eu ri alto da minha piada privada. "O que é tão engraçado?", perguntou Willow. Eu apenas balancei a cabeça e fechei meu livro. "Acabei", anunciou Sheldon. "Então –mechas roxas? Você fez isso mesmo?" Elas já estavam discutindo sobre cabelo pelos os últimos dez minutos, mais ou menos. Sheldon estava temendo pela liberdade de Willow se expressar. Eu me perguntava o que ou quem seria capaz de fazer ela segurar, quem ela realmente era. "Sim, eu fiz. Na verdade, vou adicionar algumas mechas azul escuro também. "


"Muito legal. Eu queria poder tentar isso. Minha mãe teria um ataque cardíaco." "Eu tenho tentado levar Lake para o lado escuro, mas ela não vai ceder." "Eu não sei Willow, Lake tem um olhar inocente, grandes olhos azuis parece bem para ela. Os caras caem por ela... em segredo é claro." "Sim, eu chamo-lhe de Barbie Bailarina". "Gente, estou sentada aqui." "Sim, mas você está quieta. Pensando em um certo garoto mau com uma disposição escura?" Sheldon ainda estava convencida de que Keiran e eu éramos mais do que inimigos. "É um navio que nunca vai navegar, Sheldon." Willow afirmou. "Lake é muito acostumada a negar o que ela quer ─ por medo... dever... proteção." "Você realmente acha que Keiran e eu deveríamos namorar?", perguntei, incrédula. "Desde quando?" "Eu não acho, mas você não teve um namorado, isso é tudo o que estou dizendo." "Eu lhe asseguro que não foi por minha opção." "Então, qual é o acordo entre você e Keiran?", perguntou Sheldon. "Todos esses anos eu sabia que ele gostava de você, mas ele também carrega um rancor contra você mesmo antes de entrar na adolescência." Foi algo sobre o qual me perguntei por dez anos. Por que ele me odeia tanto? O que fiz? Como eu poderia corrigir isso? Minha mente desenhou um espaço em branco de cada vez que a tensão entre nós tornou-se muito grossa para cortar. "Eu gostaria de saber," eu finalmente respondi. Sheldon deu de ombros: "Que pena. Eu tenho certeza que isso teria dado uma grande história para dormir." Ela revirou os olhos, me


fazendo rir. "Você ouviu sobre o cara aleatório que caiu na festa de Keiran e Keenan na outra noite?" "Os caras que Keenan e seu irmão lutaram?" "Não, um cara que estava com drogas na festa. Keiran deve ter o pego, porque Dash disse que teve que impedi-lo de matar o cara." "Sério, o que ele fez?", Willow perguntou com um pouco de emoção demais. "Ele empurrou algumas pílulas e álcool na garganta dele e disse que ele poderia querer ir buscar uma lavagem estomacal." "Caramba! O cara poderia ter morrido! "Willow exclamou. "Alguns dos seus amigos estavam lá e o levaram para o hospital. Keiran não está na prisão por assassinato, então acho que ele está bem. É apenas estranho, porque esta não é a primeira vez que Keiran travou uma luta com pessoas com drogas em sua casa, mas é a primeira vez que ele reagiu tão fortemente. Eu não posso acreditar que você perdeu isso, Lake". "Oh sim. Eu uh, subi as escadas e tipo adormeci." Eu agi indiferente sobre isso, mas realmente estava pirando na minha cabeça. Tinha que ser o mesmo cara que me ofereceu drogas. O cara era uma ferramenta, mas o que fez deixou Keiran perigoso e em apuros. Quero dizer, e se o cara tivesse morrido? Havia uma festa cheia de testemunhas que poderiam apontar o dedo, inclusive minha tia. "Estou curiosa para saber como você e Keenan ficaram juntos", afirmou Willow e eu percebi que tinha perdido parte da conversa. "Ele parece tão... agressivo." "Quando ele não consegue algo que quer. Então, parece um bebê como uma criança de dois anos, cujo brinquedo favorito foi roubado, mas ele é um docinho no coração. Ele parece agressivo, mas acho que é para chamar a atenção de seu pai. Sua mãe morreu em um acidente de carro quando ele tinha sete anos e seu pai apenas sumiu. Não há um monte de amor incondicional compartilhado na casa dos Masters". "Então, onde estão os pais de Keiran? Quero dizer, como é que o seu tio se tornou seu guardião?" Willow estava fazendo todas as


perguntas, mas gostaria de ser amaldiçoada se não estivesse escutando. "Keenan disse que seu pai se recusa a falar sobre seu irmão, mas, aparentemente, a mãe de Keiran foi um caso de uma noite do irmão, e foi ela quem deixou Keiran na porta de John quando ele tinha oito anos." "Então, por que o deixou com o pai de Keenan e não o irmão?" "Eu acho que ela não conseguiu encontrá-lo. Keenan disse que nunca conheceu seu tio, então acho que também explica por que John não o entregou ao seu irmão. Ele provavelmente não pôde encontrá-lo, ou não tentou, se seu relacionamento tomou um rumo para o pior." "Qual é o nome do irmão?", Perguntei. "Não me lembro, mas tenho certeza que começa com um 'M'. Meus pais me disseram que nenhum deles são originalmente de Six Forks. John se mudou para cá há muito tempo e vivia sozinho até que um dia ele trouxe para casa uma mulher e um bebê. Ele nunca foi visto, até mesmo com uma esposa ou namorada antes e, em seguida, sete anos depois, Keiran apareceu." Ela sentou-se em silêncio por um momento, pensando. "Muito louco, mas Keenan disse que sua mãe fugiu na mesma época que Keiran foi encontrado. Ele nem sabia que tinha um primo e que seu pai nunca mencionou um irmão antes. Eu acho que eles não se davam bem. Ele me contou sobre o dia que John o trouxe para casa. Ele disse que Keiran não era normal... para dizer a verdade, acho que Keenan tinha medo dele. Ele nunca disse isso, mas a maneira como ele descrevia Keiran e o olhar que ele tinha em seus olhos..." Ela parecia pensativa enquanto suas palavras se apagaram. Eu posso entender. "E quanto a sua mãe? Talvez ela foi para casa", eu disse. A testa de Sheldon enruga em uma profunda careta e encontreime inclinada em antecipação. "Eu acho que ela não queria ir para lá ... ou talvez ela foi, mas Keenan nunca se encontrou com eles."


"Uau ... Eu nunca pensei que iria sentir uma pontada de simpatia por Keenan ... ou Keiran." Willow parecia triste enquanto falava. "Uh, então que tal você contar sobre você e o meu irmão? Ele fez algum mal para você," perguntou Sheldon. "Não há nada para contar. Dash está perseguindo o próprio rabo. Ele é muito playboy." "Então você está me dizendo que quer algo sério com ele?" Willow corou como se ela tivesse acabado de ser pega. Será que ela tem sentimentos por ele? "Não, eu quis dizer ─" ela fez uma pausa como se estivesse pensando sobre suas palavras. "Eu não quero ─ simplesmente não posso." "Eu conheço o meu irmão. Ele é charmoso, mas é um manipulador filho da puta, quando se trata de algo que ele quer. Ele aprendeu isso com nosso pai. Esta é a primeira vez que testemunhei na verdade ele perseguir alguém. Assim, se você não quiser ser parte de algo com ele, então sugiro que você tenha certeza, porque uma coisa que Dash pode detectar é uma conversa fiada." Depois que Willow e Sheldon foram embora, liguei para minha tia e falei com ela por um tempo. Antes de nós dizermos a nosso boa noite habitual ela me lembrou que estaria voando para sua próxima parada da turnê na parte da manhã. Eu rapidamente arrumei algo para comer e fiquei pulando de canal, quando a campainha tocou. Eu fiz uma careta querendo saber quem estaria vindo, quando vi o tablet de Willow na mesa de café. Eu balancei a cabeça e agarrei seu tablet. Willow era uma pessoa esquecida e sempre deixava as coisas para trás. Abri a porta com um sorriso. "Algo aqui pertence a você, Will -" "Alguma coisa aqui pertence a mim, mas tenho certeza que não é um tablete. ***


Keiran foi a última pessoa que eu esperava ver em pé na minha porta considerando ontem à noite e hoje. "O que você está fazendo aqui?" "Você sabe por que estou aqui." Eu tentei fechar a porta, mas sua bota segurou-a de fechar, quando ele abriu caminho fazendo-me perder o meu domínio sobre a porta e tropeçar. Ele me pegou antes que eu pudesse cair e puxou-me perto de seu peito. "Você disse que nós não ─ não ─" O propósito em seus olhos quando ele me segurou era tanto provocativo quanto assustador. "Eu disse que não tínhamos nada para falar. Nós não temos. Eu disse que não estávamos em um relacionamento. Nós não estamos. " "Sim, mas ─" "Eu nunca disse que você não me deve o seu corpo, porque você sabe muito bem que deve e estou aqui para cobrar." "Eu não devo nada a você", eu disse com os dentes cerrados. Seus lábios caíram sobre os meus e por um momento me entreguei a ele e mostrei meus desejos, antes de ser arrebatada. Ele sorriu e disse: "Vamos ver sobre isso na parte da manhã." Ele me virou e me empurrou na direção da escada. Quando chegamos ao meu quarto, ele deixou cair a mochila. Eu não percebi que ele estava carregando e trancou a porta. "O que aconteceu ontem à noite?", ele perguntou quando abaixou seu capuz. "Eu lhe disse que foi um mal-entendido. Alguém estava aqui. Alguém invadiu a casa e me perseguiu até as escadas, mas me tranquei no... Me desculpe, eu não vi quem foi e então você estava aqui, eu simplesmente ─". "Ele machucou você?" Sua voz soava neutra, mas o tique em sua mandíbula me deixou curiosa, mesmo quando a pergunta dele me deixou puta de raiva.


"Não mais do que você tem feito por dez anos. Eu fiquei mais forte. " Eu não sei o que me fez gritar com ele, mas sabia que era a resposta errada quando seus ombros ficaram tensos e as mãos fecharam em punhos com tanta força, que as veias estavam inchadas e lutando contra sua pele. Eu não acredito que a tensão no ar poderia ficar mais espessa. Eu e minha boca. "É mesmo?" Meu corpo e meu sistema nervoso inteiro entrou em alerta da maneira arrepiante, que ele fez a pergunta. Eu cuidadosamente recuei para a porta, sentindo o suor se formando em volta do meu rosto, mesmo quando meu corpo ficou frio e os pelos ao redor do meu pescoço se levantaram. "Eu acho que estamos prestes a ver o quão forte ... você realmente ficou." Eu corri para a porta, mas não fiz mais do que colocar a mão na porta, antes de ser arrebatada e então eu estava voando. Caí na propagação suave da minha cama e na posição vertical. Ele já estava parado ao pé da minha cama, me olhando quando levantou a camisa de seu peito e jogou-a no chão. "Espere! Eu não estou preparada." "Merda, Monroe. Você teve um ano para ficar pronta." Como eu poderia saber que isso iria acontecer? Eu sabia que ele estaria louco, mas isto ... "Podemos falar sobre isso?" "Eu não quero falar. É hora de te foder." Eu recuei, sentindo-me tanto chocada quanto ativada por seu comportamento bruto. Eu procurei seus olhos pela última vez, mas não encontrei qualquer misericórdia neles. "Eu vou lutar com você", avisei a ele, sem entusiasmo. "Você não vai ganhar se eu lutar de volta." "Não faça isso."


"Eu tenho toda a intenção de fazer isso. Eu tenho desde a primeira vez que você olhou para mim com a mesma necessidade que eu sentia todos os malditos dias." "Do que você está falando? Eu nunca ─" "Eu li seu diário", ele interrompeu com um sorriso. Meu coração parou no peito. Ou ele estava batendo tão alto que eu não podia ouvilo mais? Ele leu meu diário. Isso significava que ele conhecia cada emoção ou pensamento que já senti ou tive sobre ele. Isso também significava que ele sabia sobre meus pais. "Alguma vez você já pensou em ser uma escritora? Você é muito... descritiva. Gostei especialmente das anotações datadas de 17 de agosto e 27 de maio. Essas datas não significam nada para você?" Ele sorriu para mim, mas o sorriso não alcançou seus olhos. Abaixei minha cabeça, sabendo exatamente a que datas que ele estava se referindo. O dia que percebi que o desejava e o dia antes que ele foi preso. Ambos estavam no mesmo ano letivo. "Você é um monstro." "E você é uma mentirosa." Ele começou a tirar o cinto de sua calça jeans. Era o mesmo de ontem à noite. Meus pulsos ainda tinham a marca do crânio de sua fivela e estavam vermelhos e inchados. "Eu não menti." "Venha aqui." "Não." Ele suspirou como se eu fosse pouco mais que um incômodo e, em seguida, ele estava de repente na cama, me arrastando para a beira da cama e me puxando para cima. "Como quiser", ele sussurrou contra os meus lábios. "Não ─" advertência.

Ele

agarrou

minha

cintura

mais

apertada

em


Minha blusa foi rapidamente desabotoada e jogado longe. O ar frio bateu no meu peito nu, endurecendo os meus mamilos pouco antes de sua cabeça abaixar e sua boca cair sobre mim, chupando. Minhas costas instintivamente arquearam com a sensação, pressionando meus seios em sua boca ainda mais. A dor aguda de sua mordida me tinha ofegante e agarrando sua cabeça para o equilíbrio, quando senti todo meu mundo girar, com um pouco de tempero da dor. No momento seguinte, eu estava nas deitada e suas mãos em meus shorts, puxando-os para fora dos meus quadris e pelas minhas pernas até que desapareceram sobre a cama. O olhar sombrio de determinação em seu rosto me assustou, até mesmo quando meu corpo se preparava para levá-lo. Eu não podia negar ou esconder a evidência da minha excitação. Eu não entendia tudo o que estava acontecendo ou o que havia de errado comigo. Eu tentei me lembrar de todas as coisas horríveis que ele tinha feito e planejado fazer, mas nada funcionou. Quando ele pegou minha calcinha, eu finalmente tive domínio dos meus sentidos, e agarrei suas mãos para detê-lo, mas ele tomou longe de mim também e eu fui deixada nua e tremendo na minha cama. Eu deveria estar gritando e xingando, mas não estava. Em vez disso, eu o assisti devorar meu corpo com os olhos e pude ver uma pitada de aprovação neles. Ele me puxou para cima novamente e ordenou-me a terminar de despi-lo. Estendi minhas mãos nervosas para seu jeans, desabotoei e deslizei o zíper para baixo. Agarrei a cintura de sua calça jeans com as duas mãos e deslizei para baixo de suas pernas ao mesmo tempo mantendo meus olhos nos dele, deixando-o ver o meu desprezo e orando para que eu estivesse protegendo a minha fome. "Você pode continuar lutando, Monroe, mas meu pau vai estar profundamente dentro de você antes que a noite acabe. Temos toda a noite. Não há ninguém aqui para te salvar. Ninguém para ouvi-la gritar. Ninguém para vê-la gozar." O pulsar lento e constante entre as minhas pernas começou a partir de sua ameaça. "Deite-se e afaste as pernas para mim."


Eu me arrastei de volta em direção à cabeceira da cama e lentamente abaixei minhas costas no colchão. Olhei para o teto enquanto abri minhas pernas para ele. Eu sabia que ele podia ver a minha excitação. "Olhe para mim", ele falou. Eu deixei meu olhar viajar para o rosto dele e vi a raiva lá. "Não se esconda de mim", ele rosnou. "Você deve se acostumar com isso agora. Eu tenho me escondido de você toda a minha vida. " O ódio profundo brilhou em seus olhos, mais do que já vi antes, era a minha única advertência. Ele cobriu meu corpo com o dele e forçou minhas coxas abertas mais amplas para acomodá-lo. Eu podia sentir a cabeça de seu pau na minha entrada quando ele agarrou uma mão cheia de meu cabelo e se inclinou para colocar os lábios em meu ouvido. "Eu vou te foder agora e quando você tiver mais do que pode tomar, vou fazer tudo de novo, e não vou te deixar, não importa o quanto você me implore para parar." Olhei em seus olhos e não podia ver qualquer sinal de remorso, apenas a luxúria e a raiva. Os últimos dez anos correram de volta para mim, tudo de uma vez, e foi parecido como um soco no estômago. Como eu poderia pensar em desejá-lo? Ele ameaçou minha tia; ele tentou me tirar de Willow. Eu o odiava. "Quando tudo isso acabar ─" Minha voz ficou presa na minha garganta quando ele começou a entrar em mim. Eu já me sentia tão completa. "E você perceber seu erro, serei eu quem fará você implorar, e não vou parar até que o traga para a porra dos seus joelhos." Ele parou e olhou para mim, seus olhos procurando os meus, antes que ele finalmente falasse com sua voz arrepiante. "Obrigado, Monroe. Você quase fez isto ser difícil para mim." Parecia como se o grito liberado viesse direto da minha alma, quando ele entrou em mim. Choque e dor tomaram o meu corpo quando ele tirou a minha virgindade. Agarrei seus ombros e tentei afastá-lo, mas ele agarrou meus pulsos em seus punhos e trancou-os contra o colchão.


"Foda-se", ele gemeu. Felizmente, ele não se mexeu. Seu corpo ainda estava no topo do meu enquanto me observava de perto. Eu balancei a cabeça, febrilmente. "Eu não posso ─" "Você... você pode e vai. Leve-me, baby. " Ele continuou a afundar-se cada vez mais fundo dentro de mim, enquanto olhava nos meus olhos e eu sabia que ele me queria sentindo sua posse e eu o fiz. Senti-o em todos os lugares. Quando ele começou um impulso lento e constante em meu corpo, os meus sentidos dispararam para o espaço. A dor começou a desaparecer e o prazer assumiu. Quando seu ritmo ficou cada vez maior, ele envolveu minhas pernas em volta de sua cintura e mordeu meu pescoço. A pequena mordida de dor me fez inundar em seu pau, e de repente seu controle parecia quebrar e ele começou a me bater no colchão, conduzindo-nos um tanto loucamente. "Oh Deus!" Eu gemia quando se tornou insuportável. "Você sente isso?", ele perguntou enquanto me destruía com golpes profundos que me tiravam o fôlego. "Isso é possuir sua boceta, baby. Eu. Não Deus ", ele rosnou. Ele ergueu o peso do meu corpo e plantou seus punhos ao lado da minha cabeça e continuou seus impulsos, longos, profundos golpes contundentes com os quadris poderosos, que me empurravam para cima da cama. A cabeceira começou uma batida constante contra a parede, ameaçando explodir diretamente por ela. Comecei debatendo e mexendo em torno dele, lutando não só contra ele, mas também contra as sensações que ele estava criando dentro de mim. "É muito," eu chorei. "Não." Ele se ergueu, me trazendo com ele até que estava sentado sobre as suas pernas e eu estava em seu colo. "Não é suficiente", ele gemeu contra o meu pescoço. Nessa nova posição, enterrando seu pau muito mais profundo dentro dos meus muros, eu senti como se fosse sufocar. Seus lábios assumiram o controle dos meus, em um emaranhado de língua e dentes e paixão.


Eu estava perdida. Tão perdida em seu beijo poderoso que não estava preparada para quando ele agarrou meus quadris e enfiou seu pau com tudo em mim, roubando minha respiração e inibições. Eu gritei. Eu gritei por tanto tempo, que meus gritos não eram mais que isso. Tornaram-se gemidos roucos que mal fez um som. O suor e o calor de seu corpo, misturado com o meu me deixou bêbada. "Por favor," eu finalmente sussurrei. Ele continuou a pressão em mim com uma moagem, o que acrescentou um atrito que eu não poderia obter o suficiente. "Diga-me, Monroe. O que você precisa?" " Eu preciso... eu preciso gozar." "Você acha que você merece gozar?" Ele beijou o topo dos meus seios, tornou a dar pequenas mordidas nos montes pesados, pressionados contra o peito dele. Ele estava de volta no controle agora que eu havia me tornado desequilibrada. Eu sei o que ele queria. "Só se você quiser que eu goze." A luxúria e a fome que assolava dentro da profundidade de seus olhos assustados, me excitaram. "Peça-me corretamente", ele ordenou e aprofundou seus impulsos. "Por favor, me faça gozar." "Eu vou fazer mais do que você gozar, Monroe. Vou marcar cada doce centímetro de seu maldito corpo ─ dentro e fora, e quando eu terminar, você vai saber quem é seu dono." Mas em vez de me foder mais forte como se meu corpo parecesse precisar mais, ele diminuiu seus quadris a um ritmo constante. "Eu estive imaginando você assim por um longo tempo, Monroe. Assim como está. Quente, molhada e aberta para mim. Tomando meu pau, como uma boa menina." Sua mão veio entre nós e começou a esfregar meu clitóris, assim que seu ritmo aumentou e ele estava mais uma vez batendo em mim sem piedade. Meus gritos de libertação foram ensurdecedores quando


meu corpo se rendeu ao dele. A necessidade de gozar estava lá, mas por alguma razão minha liberação evadiu-se. "Goze para mim", ele finalmente ordenou e subiu em mim uma última vez, levantando os joelhos da cama quando fez. Meus gritos subiam através do ar e eu senti minhas paredes chuparem ele, puxando a libertação de seu corpo enquanto ele estremecia acima de mim e agarrava meus quadris com força. "Você é minha agora ...", alertou. *** "Acorde." Meu corpo tremia da mão pesada me pegando de um sono profundo. Tudo de uma vez, antes que eu pudesse abrir meus olhos, a noite anterior voltou correndo ao longo dos sinais evidentes de sexo forte em meus músculos doloridos. Depois que fizemos sexo, Keiran parecia quase humano. Ele ficou olhando nos meus olhos por um longo tempo depois que nós finalmente acalmamos a nossa respiração. O momento se foi quando ele piscou uma vez e se desculpou. Tudo foi por água abaixo depois que recebi dois telefonemas. O primeiro telefonema foi de Willow, à procura de seu tablet. O segundo foi de Jesse. Atendi o telefone quando Keiran voltou do banheiro. Ele possuía um pano quente na mão dele, mas jogou fora antes de tomar o telefone das minhas mãos e desligar na cara dele. Ele estendeu a mão para mim e fui até ele tolamente pensando que seria como antes. Mas não foi. Ele estava frio, duro, e impiedoso quando me levou de novo. Ele não me deixou até um par de horas atrás. Se uma garota alguma vez imaginou como sua primeira noite seria, tenho certeza de que não era dessa forma. Eu era parcialmente culpada. Eu nunca lhe disse não. Eu finalmente abri meus olhos para vê-lo olhando para mim e parecendo escuro, pecaminoso e inalcançável, com seu cabelo despenteado na cama. Ele estava sem camisa, mas vestindo jeans, e


eu poderia dizer que ele até já tinha ido. Ou não foi dormir. Eu tinha desmaiado de exaustão e estresse do meu corpo ontem à noite, então não sabia muito sobre o que aconteceu depois que ele finalmente saiu de cima de mim. Meio dormindo, me arrastei para fora da cama e fui até o banheiro com os lençóis enrolados em torno de mim. No entanto, uma vez que deixei cair o lençol e dei uma olhada no espelho, a visão que me cumprimentou chocou e acordou-me. Havia marcas vermelhas e mordidas por toda a minha pele. Eu sentia cada uma delas, mas isso não fazia vê-las menos perturbadoras. Toquei uma das marcas e estremeci com a dor maçante. "O que você está fazendo?" Eu pulei ao som repentino de sua voz diretamente atrás de mim. "Por que você está me espionando?" "Apresse-se. Nós vamos nos atrasar." "Eu não acho que posso ir para a escola." "Por que não?" Ele parecia aborrecido e desinteressado, mas eu respondi-lhe de qualquer maneira. "Talvez porque parece que eu estive apanhando?" Eu não tentei esconder o desprezo que sentia. "Você gozou, não foi? Muitas vezes, se bem me lembro." "Você sabe que me chantageou para fazer sexo, certo?" "Mantenha-se dizendo isso", ele sorriu. "Você deveria ter ficado longe", eu sussurrei, meus olhos baixando. " Talvez. Mas eu não fiquei. Isso ia acontecer, Monroe. Eu lhe avisei... Eu fiz café da manhã, a propósito." Ele mudou de assunto e me deu um olhar de advertência. Eu não conseguia esconder o olhar de surpresa que passou pela minha face. "Você fez?" Ele olhou para mim sem expressão. "Eu estava com fome", ele encolheu os ombros.


"Certo." Que tola eu, pensando que ele iria fazer algo de bom depois da noite que tivemos. Mas você gostou muito. Sacudi os pensamentos indesejados e fui direto para o chuveiro. Eu entrei e sabia que ele ainda estava lá, embora eu estivesse de costas. "Você está planejando me assistir tomando banho?" "E se eu estiver?", ele se inclinou contra a porta e cruzou os braços, me olhando através da porta de vidro. Eu não respondi, sabendo que ele estava me atraindo, procurando uma desculpa para atacar, mas de qualquer forma... ele nunca precisou de uma no passado. "Esta não é a primeira vez que peguei você no chuveiro, sabe." "O quê?" Eu me virei, surpresa, esquecendo a minha tentativa de ignorá-lo. "Eu fui a pessoa que roubou suas roupas dois anos atrás." "Foi você? Quero dizer... Eu sabia que você tinha algo a ver com isso, mas você realmente foi para o vestiário das meninas? " Ele revirou os olhos e enfiou as mãos nos bolsos. "Não foi a primeira vez que estive no vestiário das meninas, Monroe." "Por que mais você iria ─ oh." Meu rosto ficou vermelho e eu senti uma pontada seguida pela raiva, mas não entendi o porquê. "Você está com ciúmes." Ciumenta? Eu não estava, estava? "Eu não." "Isso é outra mentira?" Sua voz baixou para um nível que gritava "perigo". Eu escolho permanecer em silêncio e termino ensaboando meu corpo. Quando seu telefone quebrou o silêncio, ele finalmente saiu do banheiro para meu alívio. Eu rapidamente lavei meu cabelo antes de sair. Vesti-me e usei algumas das maquiagens da minha tia para cobrir as marcas visíveis e feitas pelo caminho lá embaixo. Quando entrei na cozinha, ele terminou seu telefonema e empurrou um prato cheio de comida para mim. Eu não podia negar o quão boa a comida parecia e cheirava bem.


"Você sabe cozinhar?", ele resmungou e continuou tocando o teclado, me ignorando. "Eu quero falar com minha tia. Como saberei que você não fez alguma coisa contra ela? " "Você não precisa", ele respondeu laconicamente. "Faça o que diabos eu digo e você não terá nada para se preocupar." "Isso é besteira!" Eu gritei. Ele lentamente olhou para cima de seu telefone e eu bati minha boca fechada. Quando ele deslizou seu telefone para mim e eu o peguei com cautela. Na tela estava uma foto da minha tia em um aeroporto. "Isso não prova nada", eu disse. "Isso é tudo que você vai ter. Vamos. " "Mas eu não comi a minha comida ainda. " "Traga com você. " *** "Você teve um orgasmo hoje!" Eu cuspi a bebida que estava bebendo, e disparei a Charlie um olhar assassino. "Bem, bem. Não olhe para mim desse jeito com esses magníficos olhos azul-esverdeados. Não há necessidade de ser uma puritana sobre isso. Todo mundo tem orgasmos e aquele que não ... Deus abençoe suas almas." "Por que você diria isso?" "Porque é tudo sobre o seu rosto. Quem é ele? Quero detalhes e não se esqueça dos sujos." Eu não sabia se era uma boa ideia compartilhar minha vida sexual florescida com o meu chefe, mas não acho que seria justo segurar. Ele se importava tanto sobre eu encontrar um amor ou como


ele disse ‘É realmente um bom pedaço de pau para levar.’ Charlie era tão grosseiro quanto era extravagante. Sorte minha que eu estava salva de responder quando o Sr. Martin entrou pela porta. "Você sabe, acho que o homem está tramando alguma coisa," Charlie sussurrou enquanto olhava para o homem mais velho. "Ele só aparece quando você está aqui e eu nunca o vejo realmente malhando. Eu acho que você tem um admirador secreto, Lake." "O quê? Ele é velho o suficiente para ser meu pai e metade de um avô." "Então ele é material para ser um bom ‘amante’. " "Como se fosse. Talvez ele esteja aqui por você. " "Querida, ele nem sequer olha para mim. De qualquer maneira, sobre o que ele fala com você?" "Nada demais. Ele é sempre educado e geralmente apenas me pergunta sobre a escola." Eu não queria contar a ele sobre a vez que ele perguntou se eu estava namorando alguém. Isso só iria encorajar Charlie. Eu fiz o meu caminho até a recepção para checar sua entrada. "Boa noite, Sr. Martin." "Ah, Lake. Como você está hoje?" Bem, passei a noite toda sendo fodida sem sentido, pela primeira vez, muito agradável. "Bem. E você?" "Oh o habitual. Apenas de passagem." Sim, por que isso? "Algum novo envolvimento?" "Ah, não. Nada de novo," eu menti. "Tão bonita como você é, jovem, acho que é difícil acreditar que você não tem alguém especial." "Oh, hum. Obrigada." Eu acho. "Existe alguém especial? Alguém que vai para a escola com você?" "Não..." Suas perguntas persistentes começaram a me deixar nervosa. Por favor, não me diga que esse cara é um canalha.


"Não há nada para se envergonhar. Você pode me dizer." Sua insistência em saber sobre minha vida amorosa estava me deixando desconfortável. "Desfrute de sua visita, Sr. Martin." Entreguei-lhe de volta o seu cartão de sócio e lhe dei um sorriso falso que ele parecia ver através. "Eu suponho. Estarei de olho em você, Lake." Ele se dirigiu para os vestiários e eu sabia que não iria vê-lo novamente até a próxima vez. Meu celular vibrou no bolso de trás, eu o peguei e li a mensagem. K: Onde diabos você está? Lake: Trabalho. Uma menina tem que comer. K: Monroe... Lake: Sim? K: Onde. Você. Está? Lake: Na academia. Ele não mandou nenhum texto de volta depois disso, então voltei a trabalhar. Eu acabei de falar com um dos frequentadores que Charlie tentou me ligar em numerosas ocasiões, apesar do fato de que só me tornei legal há dois dias. Ele era um daqueles caras muito musculoso. Isso me fez apreciar o corpo de Keiran ainda mais. Ele era magro e musculoso e natural. E não seu. "Estou mais perto de você concordar em sair comigo? Posso darlhe um bom momento se você me deixar." Eu tinha a sensação de que ele não estava falando apenas de jantar e cinema. " Chad, obrigada, mas eu sou ─" "Comprometida", soprou uma voz atrás de mim. Eu sabia quem era mesmo sem me virar. Ele sempre teve um talento especial para me espreitar. "De alguma forma não acho que isso é o que a senhorita estava prestes a dizer. Então, por que você não some, garoto."


"Eu estou dizendo isso por ela. Ela é minha. Você quer tentar levá-la de mim?" Ele tinha os punhos cerrados, quando andou de igual para igual à Chad. Será que ele estava seriamente tentando começar uma briga? Olhei em volta para Charlie, que parecia ter desaparecido. Não havia nenhuma maneira que eu fosse capaz de detê-los se eles lutassem, então eu tinha que tentar acalmar a situação. "Ela não se parece como sendo sua. Caso contrário ela não teria estado aqui flertando com o meu pau." As palavras mal tinham saído da boca de Chad, antes que ele capotasse sobre o banco de peso, por um gancho de direita feroz de Keiran. Eu tinha certeza que vi um par de dentes voarem também. "Pare! O que diabos você pensa que está fazendo?" Eu agarrei o braço de Keiran para impedi-lo de perseguir Chad, que ainda estava deitado no chão, imóvel. Ele arrancou seu braço e olhou para mim, seu rosto uma máscara de fúria descontrolada. "Obtenha sua merda e vamos embora." "O quê? Não." "Monroe!", ele gritou e eu quase pulei para fora da minha pele. Sua têmpora estava pulsando de novo e ele parecia prestes a me estrangular. Charlie tinha finalmente aparecido e estava tentando reviver Chad. "Eu não posso deixar o meu emprego. Você está louco?" Assim que as palavras saíram, fui arrastada para cima do seu ombro e transportada para fora da porta. Uma academia cheia de pessoas e ninguém se adiantou para parar um adolescente instável. Inacreditável. O seu Challenger estava estacionado em frente, com o motor ligado. Algo me disse que ele já tinha planejando fazer isso. Isso me lembrou muito do Keiran que me intimidava à distância. "Por que você veio aqui? Eu lhe disse que estava trabalhando," falei enquanto ele me deixava no banco de trás. Um segundo depois, ouvi a trava e ele estava andando de volta para dentro da academia. Alcancei a porta e tentei abri-la, mas ela não se moveu, então tentei a outra e ela fez o mesmo. Ele fez isso para me trancar?


Eu contemplei chutar a janela e dar o troco, mas sabia que não iria muito longe antes que ele me pegasse, então subi no banco da frente e pelo tempo que eu estava abrindo a porta, ele estava andando de volta para fora. Corri de volta para o banco de trás, mas já era tarde demais. Ele já tinha me pego tentando escapar. "Há quanto tempo você trabalha lá?" "Um ano. O que lhe dá o direito de pôr em perigo o meu trabalho assim? Eu poderia ser demitida." " Eu já cuidei disso." "O quê?" "Eu disse a eles que você vai sair. Você não está voltando para lá." *** Eu disse à minha tia que tinha dores de estômago muito ruim e não podia falar muito quando ela ligou. Foi parcialmente verdade, embora a verdadeira razão foi mais por causa de Keiran. Ele me observava como um falcão quando conversei com ela e eu não queria arriscar minha tia detectar algo errado, e assim continuei a chamada curta. Ele imediatamente saiu quando terminei a chamada, dizendo que tinha que ir para fora da cidade, mas levou as chaves do meu carro como um aviso para ficar e que ele estaria de volta. Eu não o entendia. Por que passar por todo esse problema para encontrar-me se ele não ia ficar por aqui? Eu tinha certeza de que ele iria exigir sexo, embora eu não acho que meu corpo poderia lidar com outra noite como a passada. Eu podia sentir a dor entre as minhas coxas até agora. Pensei em ligar para a academia e me desculpar pelo que aconteceu e talvez até mesmo implorar para manter o meu trabalho, mas a humilhação foi muito recente, então decidi fazê-lo amanhã e fui fazer a lição de casa. Eu tinha que me manter seguindo em frente para


não ficar para trás. Eu desejei que meus pais pudessem me ver agora. Eles ficaram tão arrasados quando fui diagnosticada com dislexia. Esta era uma das minhas lembranças mais claras. Eu aprendi que não era o fim do mundo, quando percebi que a dificuldade de aprender normalmente não significa uma incapacidade de aprender. Uma coisa que me levou a apreciar a aprendizagem e a educação mais ainda. Foi por isso que eu queria me tornar uma professora. A dislexia não era algo que eu poderia superar, mas era algo que poderia conquistar. Eu estava na sala de estar à procura de minha caneta favorita, que minha tia comprou em uma de suas viagens, quando notei no canto algo preto que espreitava para fora, debaixo do sofá, perto da mesa de canto. Eu me abaixei para pegar o objeto, e percebi que era um envelope endereçado a mim. Havia um cartão de aniversário no interior, então abri o cartão e o que vi fez meu coração parar e senti meu intestino ser perfurado. Dentro havia uma imagem de uma menina. Uma menina morta. Seu cabelo era loiro e ela parecia não ter mais do que seis ou sete anos de idade. As bordas estavam imperfeitas e desgastadas pelo tempo ou manuseadas bruscamente, para que a imagem parecesse de alguns anos. O buraco sangrando na cabeça dela, eu estava lutando para segurar a necessidade de vomitar. Eu inspecionei o cartão, mas não vi qualquer sinal de uma assinatura ou ideia de quem ele veio. Minha mente correu para descobrir de quem é que o cartão poderia ter vindo e como ele chegou aqui. A invasão! Era a única coisa que fazia sentido. Desde então, tenho pensado sobre as razões por que alguém iria invadir uma casa ocupada. Eles fizeram isso para deixar esta nota. Eu procurei na imagem alguma pista, mas não achei nada. Eu tinha certeza que nunca vi essa garota antes, então por que alguém iria deixar-me uma imagem de seu corpo? Quando uma esclarecimento entrou em minha mente, o envelope caiu da minha mão e flutuou para o chão. Isto significaria que a invasão não foi aleatória. Ah Merda! Peguei o cartão e o virei de


ponta cabeça para inspecionar a parte de trás e ler as palavras que selavam o meu destino. Este é o seu único aviso.


Capítulo Doze O arrependimento e nervosismo me fizeram ficar olhando por cima do meu ombro mais de uma vez. "Eu não devia ter vindo. Por que deixei você me convencer a isso?" "Acalme-se, Lake. É sábado e é apenas um jogo de futebol. Ele provavelmente não estará aqui mesmo. Mas se ele tentar intimidar você, vamos embora ok?" Como é que digo a ela que não era com o bullying que eu estava preocupada? Que Keiran estava usando ameaças com sexo e morte para me atormentar agora? Eu concordei em vir aqui porque devia a Willow e sentia falta dela. Além de Keiran dizer que estava indo para fora da cidade. Ele não disse quando estaria de volta, mas eu achava que era no fim de semana, porque não tenho notícias dele desde que ele me deixou encalhada em minha casa. A casa ficou muito calma e cheia da culpa que estava pesando em mim, para não mencionar o cartão de aniversário assustador, e tudo isso também me fez sair da minha gaiola. A casa que compartilhei com minha tia costumava ser meu porto seguro, mas Keiran tinha conseguido transformar isso contra mim também. Eu ainda não disse a minha tia sobre a invasão, depois que ela ligou novamente para me verificar. Com sua turnê, eu não queria que ela se preocupasse ou pior, cancelasse, então deixei de fora por enquanto. Além disso, ainda acredito que se ela se for, estaria mais segura onde Keiran não pudesse chegar até ela. "Ok", eu finalmente respondi quando entramos no portão. Não havia como voltar agora, pensei quando soltei um sopro. "Mas você não está evitando Dash?" "Sim, mas me recuso a deixar que ele me impeça de viver." Willow estava certa, claro, mas não era assim tão simples para mim. Keiran agora controla todos os aspectos da minha vida. Na verdade, ele sempre controlou. Cada decisão que já tomei, há dez anos, começou e terminou com a melhor forma de evitá-lo, apesar dele


sempre me encontrar. Assim como eu sabia que ele faria esta noite. Eu vim porque devia a Willow. Apesar de sua compreensão, sei que a machuquei. A área em torno do campo de futebol estava lotada com o que parecia ser toda a cidade, bem como cidades vizinhas. Bainbridge geralmente tinha uma grande afluência, porque o Atletismo da nossa escola é o melhor do estado. Eu nunca fui a um jogo antes, mesmo quando Keiran estava no reformatório e Willow me pediu para ir com ela. "Você vê a multidão? Talvez você não vai nem mesmo encontrálo, se ele estiver mesmo aqui." Mas o que dizer de uma centena de outras pessoas que, no passado, iriam correr para contar a Keiran sempre que eu estava na vizinhança? Como é que evito a todos? "Sheldon quer encontrá-la na lanchonete. Ela disse que é urgente", Willow disse olhando para o seu telefone com uma careta. Demorou um tempo para manobrar através de todas as pessoas, mas finalmente cheguei a lanchonete, que também estava lotada. O cheiro de pipoca e cachorros quentes cumprimentou-me quando nos aproximamos. Sheldon estava ali em seu uniforme de líder de torcida, verde e branco, com uma garrafa de água na mão. "Hey Sheldon." Ela olhou para cima e rapidamente se aproximou de nós. "Keiran está aqui e muito pior, ele sabe que você está aqui. Ele está vindo atrás de você." Olhei para ela, sem palavras. Eu não fiquei surpresa. Sabia que isso iria acontecer. Eu não entendia isso, mas não estava surpresa. "Mas nós acabamos de entrar," Willow afirmou, olhando para mim se desculpando. "Você sabe que Keiran tem seus capachos espalhados em todos os lugares. Eles provavelmente viram você e ligou para ele no momento em que colocaram o pé no estacionamento." "Eu deveria ir," finalmente respondi. "Você não deveria ter vindo em primeiro lugar", disse a voz profunda em algum lugar atrás de mim.


Willow e Sheldon saltaram de surpresa e eu lentamente me virei para encará-lo. Ele estava nas sombras, inclinando-se contra a parte de trás das arquibancadas de metal e vestido com uma camisa de manga comprida vermelha e calça jeans preta. Ele parecia dar água na boca. Ele me intimidou, agarrou meu cotovelo, e me arrastou sem dizer mais uma palavra. Demorou um segundo para que eu percebesse que não era para a saída. Eu olhei para trás, impotente ao ver que Keenan e Dash também tinham aparecido do nada. Keenan parecia que estava repreendendo Sheldon e eu sabia que era porque ela estava me ajudando. Dash tinha Willow presa contra a parede do lado da lanchonete. Eles estavam escondidos nas sombras, mas um pouco do brilho das luzes do estádio me permitiu ver que ele tinha as mãos delas presas acima de sua cabeça e ele estava dizendo algo para ela. Eles rapidamente desapareceram da vista quando viramos um canto, então foquei a minha atenção de volta para Keiran. Seu rosto estava definido em uma máscara dura e seus ombros e costas estavam tensos enquanto andava. O som do jogo e as testemunhas ─ pareciam distantes quando ele nos levou a uma curta distância das arquibancadas. De imediato, notei seu carro estacionado perto das portas traseiras, enquanto nos dirigíamos a ele. É por isso que não vi o carro dele. Chegamos a seu carro e ele caminhou até a porta do condutor, puxando as chaves fora. "Onde estamos indo?" "Vou levá-la para casa." "O quê? Por quê?" "O que eu disse a você quando saí ontem à noite?", ele perguntou. "Para ficar quieta." "E?" "Você estaria de volta." "E eu voltei?"


"Não." "Então, o que você acha que deveria ter feito?" Fugir para longe de você. "E você acha que eu não sei o que deveria ter feito?" Perguntei com a minha voz cheia de sarcasmo agridoce. Ele agarrou meu braço e me encurralou contra o capô. "Você deveria ter me escutado, porra", ele sussurrou contra os meus lábios. Seu beijo inesperado foi surpreendentemente suave, mas ainda tirou toda a respiração e a força que eu tinha, como sempre. Mas o prazer que senti de ter seus lábios devorando os meus não era real. Foi mais um jogo de mente. Um que tinha persistentes efeitos na minha mente e corpo. Eu lutei contra ele, esquecendo as consequências de resistir a ele. Uma mordida rápida no meu lábio e sua mão agarrando meu pescoço em aviso, levou-me a amolecer contra ele com um gemido necessitado. Seu toque me colocou na borda, mas sua agressividade foi o que me empurrou. Eu gostava de seus beijos e seu gosto também. Isso não era como tudo, mas me mantinha na ponta do pé para que eu pudesse alcançar mais dele. Ele gemeu e me puxou para mais perto, pressionando sua ereção dura contra o meu estômago. Eu tinha esquecido que ele estava com raiva de mim. Nós não parecíamos como inimigos agora. Parecíamos mais como amantes. "Você deveria ter me escutado", repetiu ele distraidamente, quebrando nosso beijo justamente quando eu estava pronta para implorar por mais. "Você deveria ter ficado longe..." Sua voz soou tensa, enquanto seus lábios desciam do meu queixo para meu pescoço, mordendo e chupando. Minha cabeça caiu para trás, expondo mais do meu pescoço em sinal de rendição, enquanto ele continuava a morder traçando o seu caminho para baixo. Quando seus lábios atingiram meus seios, ele levantou a cabeça e o olhar frio em seus olhos me pegou de guarda baixa.


"Dê-me uma boa razão para que eu não te foda bem aqui", ele gritou. Antes que eu pudesse responder, ele me virou e apertou a minha parte superior do corpo contra o capô. "Alguém vai ver!" Eu soltei a minha voz em pânico, como um grito na noite. "Deixe eles. Eu quero que eles vejam." "Por quê?" Ele puxou meu cabelo para trás do meu rosto, abaixou o seu rosto e apoiou a mão no capô. "Porque então eles saberão de quem você é", ele sussurrou em meu ouvido, me surpreendendo com a possessividade evidente em sua voz. Eu quase lhe pedi para repetir, para que eu pudesse ter certeza. Ele ficou quieto agora, mas eu sabia que ele estava me observando. "Por que você veio aqui?", perguntou, enquanto a outra mão correu pelas minhas costas. "Eu queria ver o jogo." "Você queria ver o jogo", ele repetiu lentamente. "Quem está jogando hoje à noite?" Sua mão tocou a minha parte inferior das costas e eu podia sentir seu polegar esfregando as covinhas que tinha em minhas costas. "Piney." "Errado". "Uh, Carver." "Tente novamente." "Eu não sei!" "Por que você acabou de mentir para mim?" "Por que não posso estar aqui? Não há nada que eu pudesse fazer para você aqui. " " Será que... você... mentiu para mim?" "E ─ Willow queria que eu viesse." Eu finalmente admiti. "Willow".


"Sim, a minha melhor amiga? Minha única amiga. Você se lembra dela?" Eu sabia que estava sendo desafiadora, mas não me importava no momento. "Sim, estou começando a me lembrar." O gelo em seu tom de voz era inconfundível. "Então, você me desobedeceu porque Willow pediu?" Ah Merda! Acabei de me lembrar que não era suposto eu ser amiga de Willow mais. "Não, não é o que quis dizer. Nós ─" Suas mãos agarraram minha bunda, espalhando as minhas pernas mais distantes antes de seu dedo escorregar em minha calcinha. Eu comecei a entrar em pânico quando seu dedo contornou minha boceta e demorou em um lugar proibido. De jeito nenhum. Apenas quando senti um ataque de pânico completo e emergente, ele retirou seu dedo de volta. "Então me explique por que você está inclinada sobre o meu carro, com o seu rabo para cima, prestes a ser fodida, se você não me desobedeceu porque Willow pediu?" "Porque ─" seus dedos estavam agora na minha entrada e as palavras que eu teria falado deu lugar a um gemido ofegante. "Estou esperando." "Eu não posso falar com você... fazendo isso." "Fazendo o que? Isto?" Um dedo longo entrou em mim, seguido por outro, até que ele estava me torturando com o impulso lento de seus dedos grossos. "Por favor," ouvi o desespero em minha própria voz quando comecei a mover os meus quadris contra ele. Nós dois sabíamos o que eu estava pedindo. "Venha", disse ele, levantando-me até que as minhas costas estavam contra seu peito duro e eu me derreti nele. Os sons do jogo foram abafados pelo que ele estava fazendo comigo, me fazendo esquecer que estávamos em um lugar público. Ou eu simplesmente não ligava mais. "Você se lembra o que eu disse que aconteceria, se você mentisse ou me desobedecesse novamente?" A sinistra ameaça em sua voz era como um balde de água fria, extinguindo o fogo que ele construiu dentro de mim.


"Você disse que eu me arrependeria", respondi, relutante. "Isso é certo." Ele beijou minha bochecha, mas parecia cruel. "E você vai se arrepender." *** O jogo foi chegando ao fim com as duas equipes empatadas. Keiran estava de pé apoiando os jogadores no banco, conversando com alguns rapazes. Eu notei que eles gostavam de olhar para ele para pegar conselhos e dicas, embora ele não fosse mais um jogador de futebol. É incrível o tipo de admiração que ele tem por aqui. De qualquer forma... eu era a única que ele era sempre cruel. Claro que ele tinha estado em muitas lutas, mas que cara não tem estado? Ainda assim, Keiran era visto como algum tipo de modelo e eu não entendia o porque. Depois que ele prometeu me punir, me levou para as arquibancadas com uma ordem para não me mover. Procurei ao redor por Willow, mas não a vi na área imediata. Eu não era capaz de chamá-la, uma vez que Keiran tinha meu telefone, mais uma vez. Eu, entretanto, vi Dash de pé com uma das líderes de torcida, com a mão na bunda dela. Eu balancei a cabeça em desgosto para ele, para Keiran, e acima de tudo para mim mesma. Eu sabia que eles estavam usando-a por vingança contra mim, embora eu ainda não a tinha avisado. Eu realmente me sentia como se não tivesse escolha. Eu só rezava para que Willow me perdoasse no final. Era a única maneira de proteger nós duas. "Lake?" Meu nome foi chamado e reconheci de imediato a voz, seguido por uma sensação de pavor. Este dia não poderia ficar pior. Virei a cabeça ao som da voz e viu uma forma magra, com um tufo de cabelos castanhos encaracolados, vestindo um blusão xadrez em verde e azul, e jeans desbotados, de pé no final dos estandes. Um sorriso largo se espalhou pelo seu rosto quando meus olhos encontraram os dele.


"Não me diga que você já se esqueceu de mim", brincou quando continuei a olhar para ele. Eu sabia quem era, mas rezei silenciosamente que não fosse ele. "Jesse?", perguntei, relutantemente, sabendo que não era preciso. "Você está correta, mas estou ferido." Ele colocou uma mão em seu coração e fez o seu caminho até as arquibancadas para mim. "O que ─ o que você está fazendo aqui?" "Você acabou de continuar a cavar a faca no meu mais profundo amor próprio. Talvez você deva dar-lhe uma pequena torção. Eu senti sua falta também," ele disse sarcasticamente. "Eu sinto muito, Jesse. Você não pode estar aqui. Esta não é uma boa hora." Olhei em volta nervosamente, mas as costas de Keiran ainda estavam voltadas para o outro lado. Ele estava conversando com um dos treinadores. Eu não vi nenhum de seus capangas em qualquer lugar, mas não podia correr esse risco, não depois de como ele agiu no meu trabalho... ou melhor, ex-trabalho. "Por causa dele? Onde ele está de qualquer maneira? Eu gostaria de conhecê-lo." "Você não pode!" "Caramba, Lake. Você está tremendo. Ele machucou você?" "Não, Jesse. Apenas por favor, vá. Você tem que entender." "Eu entendo bem. O que ele está fazendo com você?" "Eu não posso responder a isso." "O que você quer dizer com não pode responder a isso?" Sua voz tinha subido, fazendo com que algumas pessoas se virassem. Se ele falasse um pouco mais alto, Keiran iria ouvi-lo eventualmente. "Abaixe a voz. Estou bem. Ele não me machuca." "Willow disse que era um risco trazer você aqui, mas eu não esperava... Eu pensei que ele estava te intimidando novamente. Há outra coisa acontecendo?"


Eu não lhe respondo e, ao invés disso mantive um olho em Keiran. "Eu posso te ajudar, Lake." Eu balancei minha cabeça. "Não, não pode. Eu tenho tudo sob controle, apenas por favor, vá." "Não." Ele disse com firmeza. "Não? O que quer dizer com não? Vá embora!" "Você percebe que está rimando?", Ele riu. "Jesse!" "Lake, não vou a lugar nenhum. Na verdade, vou ter uma conversa com ele." "Você o quê?" Eu gritei. "Por favor, não faça isso." "Quando é que você vai enfrentá-lo, Lake? Você não pode ser tão fraca!", disse ele, frustração lançada em sua voz. "O que?" "O que ele poderia fazer para você além de espalhar rumores?" Machucar minha tia. Machucar Willow. Me machucar. "Você não o conhece. Você não faz ─ " "Você está certa, não o conheço. Mas posso descobrir." Com isso, ele caminhou para baixo da arquibancada, em direção ao campo, e começou a caminhar em frente. Enquanto o jogo estava rolando! "Jesse, pare!" Eu não era tão corajosa ou tão louca como ele era, mas rapidamente corri ao redor da pista para tentar interceptá-lo. A multidão nas arquibancadas estava jogando copos e alguns dos jogadores teve algumas palavras bem escolhidas para Jesse. Alguns deles da escola o reconheceu e o cumprimentou, embora ele basicamente interrompeu e arruinou o jogo. Isto, naturalmente, chamou a atenção de Keiran. Se ele ficou surpreso, não demonstrou quando olhou diretamente para Jesse. Sua sobrancelha se levantou e um sorriso cruzou seu rosto. Caramba. Ele saberia exatamente quem Jesse era agora.


"Masters", chamou Jesse, andando até ele. "Eu quero falar com você." Oh merda, merda oh, oh merda. Keiran deu ao treinador de futebol um olhar e ele se afastou imediatamente, que foi seriamente ridículo. "Então fale", disse Keiran, cruzando os braços. "Jesse, não. Vamos." Ele me ignorou e endireitou-se com Keiran. "Você precisa deixá-la sozinha." "Por que eu faria isso?" O ar em torno de nós foi tomado de tensão e as pessoas estavam começando a perceber a tensão entre Jesse e Keiran e todos esqueceram o jogo que estava acontecendo. Mesmo os jogadores que tinham parado de jogar. Isso era ruim. Eu tinha que parar com isso... de alguma maneira. "Gente isso é suficiente. Vocês estão fazendo uma cena," eu repreendo, afirmando o óbvio. Gênio realmente, Lake. Jesse olhou para mim, enquanto Keiran me observava silenciosamente sem expressão. Esse foi o maior sinal de que ele estava planejando alguma coisa ruim, especialmente para mim. "Vou levá-la para casa", Jesse trincou, voltando-se para ele. Keiran passou um olhar fugaz para Jesse, então a mim. Ele parecia entediado quando se inclinou para trás contra as arquibancadas metálicas, casualmente. "Faça isso." Ele afirmou, chocando a ambos. Ele acenou com a cabeça em direção ao campo e eu podia ouvir os primórdios do reinício do jogo, junto com um monte de resmungos e vozes abafadas. Eu não sabia o que dizer enquanto olhava para ele. Sua atenção já estava reorientada para o jogo. Keiran não era uma pessoa a ser dito o que fazer, então eu sabia que algo estava acontecendo, porque ele mudou-se em silêncio, nunca mostrando sua mão. Jesse achava que ele tinha a vantagem agora, mas ele não sabia o quanto estava errado. Jesse se aproximou de mim e agarrou a minha mão. O engraçado era; eu não queria sua mão na minha. Eu não queria que


ele me tocasse. Nem mesmo de uma forma amigável. Eu não estava brava com Jesse por me ajudar, mas não queria ser tocada por ninguém. Ele virou-se comigo e falou por cima do ombro enquanto se afastava. "Fique longe dela." "Não provoque, Fitzgerald." Jesse parou e virou-se para Keiran novamente. "Tire suas mão dela. Ela é minha." "Ela não é uma propriedade para ter dono." Jesse argumentou. Keiran riu, levantou-se e caminhou até nós, seus olhos trancados com os meus por todo o caminho. "Bem, então você nunca teve Monroe", disse ele pretensiosamente. Minha mão coçou para esbofeteá-lo. Eu sabia o significado de suas palavras e acho que Jesse também, quando seus olhos acusadores voaram para mim. "Tudo nela é feito para ser possuído. Ela faz você querer possuí-la, porque ela gosta desse tipo de controle." Ele sorriu para mim, sorrateiramente. "Não é, Monroe?" Quando ele chegou a mim, agarrou meu pescoço ali, na frente da vista dos outros, e se inclinou para sussurrar no meu ouvido. "Solte sua mão e talvez eu vá deixar você gozar esta noite, quando te foder." Eu imediatamente tirei minha mão de Jesse, amaldiçoando o fato de que queria isso. "Boa menina", elogiou. "Eu não quero ter que estragar o seu amiguinho e ter uma verdadeira razão para ir para a cadeia. Ninguém toca em você. Você entendeu?" "Sim", eu sussurrei. Eu odiava a ânsia aparente na minha voz. "Eu te vejo mais tarde", disse ele. Suas palavras eram tanto ameaçadoras quanto luxuriosas, e eu aprendi desde cedo que elas eram o mesmo para ele e para mim. *** "Eu sinto muito, Lake. Eu pensei que ele poderia ajudar!" Assenti e balancei a cabeça.


"Está tudo bem, Willow, pelo menos, não houve sangue derramado", eu disse enquanto falava ao telefone. Fazia uma hora que Jesse me trouxe para casa. Pedi desculpas a ele e o fiz sair imediatamente. Eu não era burra o suficiente para balançar o barco. Eu era apenas um incidente tímido a ser enviada para a casa de loucos. Eu tentei pegar no dever de casa, mas meu nervosismo não deixava me concentrar. Willow tinha me ligado querendo ver como as coisas foram e eu tentei não deixar a minha frustração crescer com seu show. Ela estava apenas sendo uma amiga, mas Keiran agora acha que não o obedeci e pior... ele acha que menti sobre o rompimento de minha amizade com Willow. Como ele poderia pensar que uma amizade de dez anos como a nossa, poderia ser tão facilmente rompida de qualquer maneira? "Para onde você desapareceu de qualquer maneira?" A outra linha tornou-se tão quieta que tive que checar se ainda estava ligada. "Willow?" "Oh hum, bem Dash ele..." "Entendi. Willow, você tem certeza sobre Dash? " "O que você quer dizer? " "Eu só quero ter certeza de que você está sendo cuidadosa." "Bem, usamos proteção todas as vezes ─" "Caramba Willow! Não era o que eu queria dizer. " "Oh, desculpe", ela riu. "Willow, não quero que você se machuque", eu disse a sério novamente. "Lake, não se preocupe. Eu não estou me apaixonando por Dash. Nós somos amigos." Apesar de sua afirmação, não perdi o desejo em sua voz. Finalmente me dei conta de que não importa a consequência, eu não podia deixar que Willow se machucasse. Tenho certeza de que minha tia não iria querer isso também. Eu tinha que encontrar outra maneira de protegê-las.


"Willow, tenho que te dizer uma coisa. É sobre Keiran e Dash. Eles planejam- " "Eu pretendo fazer o quê?" O aparecimento súbito de Keiran me fez largar o meu telefone. Virei-me para vê-lo parado na minha porta do quarto. "Como você chegou aqui?" "Responda-me", ele gritou. Eu hesitei antes de responder. "Eu ia dizer a ela." Provavelmente não era sábio lhe dizer a verdade, mas eu queria que ele soubesse que era mais forte do que ele pensava. "É mesmo?" "Eu não posso fazer isso." "Tudo bem", ele entrou na sala. "Então vou lhe dizer." Ele pegou meu telefone antes que eu pudesse processar o que ele planejava fazer. Quando tentei pegar o meu telefone dele, ele me empurrou contra a parede e usou uma mão forte para cobrir minha boca. Tudo o que podia ser ouvido era os sons abafados dos meus protestos e Willow chamando meu nome sobre o telefone. "Willow", a voz hipnótica de Keiran falou ao telefone. "Eu gostaria de dizer algo sobre a sua querida amiga." Eu estava balançando a cabeça tão forte quanto podia para soltar a mão da minha boca, para que pudesse detê-lo. Não era assim que eu queria que ela descobrisse e ele sabia disso. Ela nunca me perdoaria por ouvir isso de outra pessoa. "Ela está usando você para ─" Eu não tento parar as lágrimas que desciam do meu rosto em sua mão. Elas chamaram sua atenção e ele baixou o olhar de mim para sua mão. "Parece que ela teve uma mudança de coração." Ele desligou o telefone sem se despedir e se aproximou de mim me pressionando contra a parede. Ele plantou os pés do lado de fora dos meus e agarrou meu pescoço, mantendo a mão sobre a minha boca.


Ele pegou seu telefone para discar um número e, após alguns segundos, começou a falar. "Sim, você ainda está de olho nela? Onde ela está agora? Bom. Sua sobrinha já não está interessada em nosso negócio." Quando me dei conta do que ele estava fazendo, comecei a lutar e gritar contra o aperto dele que estava sobre mim, mas sem sucesso. Eu mordi a mão dele e arranhei o seu rosto, mas ele não vacilou. Enquanto me observava lutar contra ele, com um extenso sorriso depravado em seu rosto. "Sim, quero que você a mate. Corte sua garganta, mas antes de fazer isso... deixe ela saber que sua querida sobrinha envia seus cumprimentos." Quando ele disse que a última frase, consegui desalojar a mão da minha garganta e logo que eu estava livre, um grito de ondulação de sangue rasgou-se a partir das profundezas da minha alma pela minha tia. Sua morte seria toda minha culpa e se ela morresse, eu gostaria de morrer com ela. "Por favor," eu resmungava porque gritar não era mais possível. "Eu lhe dei o que queria." "Isso não é o que quero. Por favor... chame-o de volta. Eu sinto muito." "Do que é que você está arrependida? " "Sinto muito por desobedecer você. Isso não vai acontecer novamente." "Veja onde você está errada. Isso vai acontecer de novo, porque você acha que pode salvá-las. Você quer ser uma heroína. " "Não." "Sim, você quer", ele respondeu preguiçosamente. "Por favor, chame-o de volta. Eu farei qualquer coisa." "Sim, você vai e eu não preciso chamá-lo." "O quê, por quê?" "Porque nunca liguei para ele." Apertei os olhos quando ele sorriu para mim. "Você é um idiota."


"E você é masoquista. Talvez você realmente goste do que fiz com você na noite passada." Eu balancei minha cabeça, mas ele só sorriu. "O que eu disse sobre a mentira, Monroe?" Ele me virou para que minhas costas agora estivessem de frente para ele. "Você tem algumas coisas para responder e eu gostaria de começar o mais cedo possível." "O que isso significa?" Eu estava rapidamente me tornando uma pilha de nervos ao som da promessa em sua voz. "Você sabe o que isso significa", disse ele, enquanto abria o zíper do meu vestido. "Eu não vou permitir que ela se machuque, por isso deve haver alguma outra forma, você pode me punir. Só não use Willow." "E que jeito é esse? Devo bater em você? Por mais que gostaria de dar um tapa fodido em você, não vou. Você não tem mais nada", ele zombou. "Então agora você é um farol de moralidade e boa vontade?" "Não. Isso significa que há melhores maneiras de prejudicá-la." "O que você vai fazer?", perguntei quando ele deslizou o meu vestido dos meus ombros e desabotoou meu sutiã. "O que eu quiser." "Você vai me machucar?" "Sim." O canto de sua boca se elevou. "Mas você vai gostar." "Eu duvido disso." Ele estava deslizando minha calcinha pelas minhas pernas quando eu disse isso. Ele se endireitou e no segundo seguinte, me virou para trás e abaixou a cabeça para morder meu mamilo. Eles estavam sensíveis e pareciam sempre que me faziam querer coisas que eu sabia que não deveria. Minhas pernas tremiam e tentei pressionálas juntas para esconder a minha reação, mas sua mão já estava lá. "Seu corpo não mente. Vá ficar ao lado da cama e curve-se. Coloque as mãos em torno de seus tornozelos e não se mova. E Monroe... não me faça ter que dizer-lhe qualquer coisa duas vezes." Eu fiz o que ele mandou, e caminhei para a cama. Eu posicionei meu corpo para encará-lo e me inclinei quando ele me parou. "Não. Vire-se."


Eu senti minhas bochechas corarem quando pensei sobre como a posição iria me expor a ele completamente. Ainda assim, fiz o que ele disse e me virei. "Não importa o que você ouvir ou sentir, mantenha os olhos no chão e só fale quando eu disser para você falar." Seu tom era todo de comandos. Apesar de suas advertências, eu queria virar-me para vê-lo. Eu estava com medo do que ele pudesse fazer e queria me tranquilizar que ele não iria realmente me machucar, mas sabia que ele nunca faria isso. Ele queria que eu estivesse com medo dele. Seus pés calçados com botas de repente apareceram entre as minhas pernas e chutou meus pés afastados. Eu lutava para ajustar sem tirar minhas mãos em torno dos meus tornozelos. O som dele tirando o cinto chutou o meu medo em alta velocidade. "Vamos começar com o seu primeiro delito. O que era?" "Eu fui para o jogo." "Não." Uma dor aguda espalhou pela minha bunda quando o som do chicote duro na minha pele ressoou pelo ar. Deixei escapar um grito alto e quase tombei. Quando ele me pegou, virei minha cabeça, mas ele rapidamente agarrou a minha nuca, me segurando no lugar. "Isso foi o primeiro. Cabe a você quantas receberá. Qual foi o seu primeiro delito?" "Eu não sei," chorei. Minha bunda ainda estava pulsando quando ele me deu uma segunda chicotada. "Bem, deixe-me informá-la", disse ele, falando sobre o meu choro. "Seu primeiro erro foi tomar essa merda de trabalho. Seu primeiro crime foi deixar aquele palhaço perto de você. "Mas ele ─" Eu senti o couro na minha bunda pela terceira vez. "Você realmente vai me fazer repetir?" Eu balancei a cabeça rapidamente. Meu cabelo estava caindo na frente do meu rosto com alguns fios tocando meu rosto.


"Bom, então nós não precisamos mais disso." Eu ouvi a queda da correia para o chão e senti um momento de gratidão, até que ele me puxou para a cama com ele e me deitou em seu colo. Ele começou a massagear minha bunda e falar comigo. "Eu quero que você me diga tudo o que fez de errado hoje. Se você mentir ou deixar algo de fora, pego o cinto novamente. Comece." "Eu conversei com Willow." Tapa. "Saí de casa." Tapa. "Eu ia mentir para você." Tapa, tapa. Eu tentei ignorar a dor queimando que os tapas estavam causando-me, mas no último, minha voz quebrou e eu mordi o lençol na minha frente. "Continue", ele trincou. "Eu conversei com Jesse, mas juro que não sabia que ele estaria lá! Eu ─ " Tapa. "Eu não pedi desculpas.” “Continue ". "Eu deixei ele me tocar. "Tapa! "Ahhh!" Meu grito rasgou através do ar, quando ele deu esse golpe. Foi mais forte do que o resto. Eu estava soluçando fortemente em sua calça e no lençol quando tentei fugir, mas um braço de aço unido ao redor do meu corpo, me segurou no lugar. Ele ainda estava sentado, enquanto eu gritava a minha dor e continuava a me segurar até que parasse. "Por favor. Dói." Todo o tempo eu estava me movendo. Eu podia sentir sua ereção através de seu jeans. Eu não podia negar minha própria excitação, mas não podia explicar isso também. "O que mais você fez?", ele sussurrou. Seus dedos estavam brincando com a minha pele com uma pontada de vez em quando. "Eu ia contar a Willow tudo. Eu queria parar você." "E isso, Monroe, é o seu maior delito."


Ele começou a me espancar com golpes duros, inflexíveis em toda a minha bunda. Ele não parou. Não importa quanto tempo ou alto eu gritava e pedia; ele não parou. Percebi que esses tapas de antes foram o prelúdio para o que estava por vir. Quando ele finalmente terminou comigo, me empurrou para fora de seu colo e no chão. Meu corpo inteiro estava corado vermelho e latejante de dor. Eu podia ver a cama com os olhos borrados e o lençol que tinha sido roubado de mim. Ele se levantou da cama e caminhou até o armário e tirou minha mochila pequena e começou a enchê-la com roupa. "O que você está fazendo?" "O que lhe parece?" "O que? Você ficou louco?" "Como é que o seu rabo se sente Monroe?" O olhar ameaçador que ele me deu me mandou calar a boca e tão rápido me calei. Legal. Eu posso falar merda na minha cabeça. Ele foi para minha cômoda e começou a encher a mochila com as minhas roupas íntimas. "Se existe alguma coisa que você precise, sugiro que você diga agora. Você não está voltando. " "Para onde você está me levando?" "Minha casa". "O quê? Não posso ficar com você. Minha tia vai me matar!" "Sua tia não estará de volta se você continuar falando." Eu fiz um som de frustração e corri para o banheiro para me vestir e pegar os itens essenciais. Quando voltei para o meu quarto, ele tinha a minha mochila na mão e estava esperando por mim. "Vamos," ele comandou. *** Quando entramos em sua casa, eu imediatamente olhei em torno, procurando por seu tio e mais uma vez se encontrava ausente.


O que é que o mantém fora o tempo todo? "Seu tio está sempre fora", comentei em voz alta. "E daí?" "Ele não vai ficar chateado quando chegar em casa e encontrarme aqui para o fim de semana?" Sua atitude indiferente a tudo, especialmente a ausência de seu tio, era incomum na melhor das hipóteses. "Meu tio só vem para casa quando um de nós está em apuros." "Por quê?" "Pare de fazer perguntas que você não precisa saber a resposta." Ele me levou para a cozinha, onde deixou cair minha mochila no chão e abriu a geladeira para olhar dentro. "Por que estou aqui?", perguntei com extrema exasperação. Lidar com Keiran por longos períodos de tempo sempre me deixava cansada, confusa, e... excitada. "O que você está planejando fazer comigo pelo resto do fim de semana?" "Você está aqui porque tem uma consciência. Isso é um inconveniente para mim. Mas é conveniente você estar disponível para me atender imediatamente", ele disse isso com naturalidade. Ele bateu a porta da geladeira e antes que eu soubesse o que ele ia fazer, minhas costas foi contra a geladeira e sua ereção estava sendo pressionado no meu estômago. "Eu quero te foder duro e quero te foder muitas vezes." Ele levantou minha perna para envolver em torno de seu quadril, trazendo o meu centro mais perto de sua ereção. "Eu não estou pedindo, Monroe. Você quer isso tão ruim quanto eu. Eu posso sentir a sua necessidade... você está úmida, quente, e é toda minha." Havia algo irritante, mas incrivelmente quente ao ouvi-lo alegando minha boceta como sua, mas não consegui me sentir à vontade para pedir exatamente o que ele ameaçou fazer, aqui e agora. “Por que você fala assim comigo?", perguntei em vez disso. "Assim como?" "Como se eu fosse uma vagabunda."


"Porque isso te deixa com raiva e também te deixa quente. Vagabunda, ou não." "Mas não sou. Você foi o único com quem tive relações sexuais." O som que ele fez baixo em sua garganta foi de raiva. "Bom, porque se você tivesse feito isso com mais alguém. Eu iria matá-lo... lentamente... e depois você." Sua voz era inconfundivelmente excitada e possessiva. "Você não pode simplesmente ameaçar matar as pessoas!" "Não é uma ameaça." "Adolescentes normais não ameaçam matar pessoas e dizem isso." "Quem disse que sou normal?" "Eu sei que você não é." Eu só queria que você fosse. Olhei em seus olhos cinzentos e desejei ter a coragem e a capacidade de negá-lo. Mas não podia. Eu sempre dei a ele exatamente o que ele queria, sejam minhas lágrimas, meu medo, ou o meu corpo. "Por que você me testa?", perguntou. Eu não estava esperando a sua pergunta, mas a resposta que se seguiu foi ainda mais surpreendente. "Faz-me sentir como se eu estivesse tentando." "Tentando o quê?" "Não ter medo." "Por que, quando você tem tanta coisa para ter medo?" Olhei para ele com cuidado. "Por que você quer que eu tenha medo de você? O que você ganha? " "O que faz você pensar que ganho alguma coisa? Talvez seja apenas divertido para mim." "Você sabe que algumas pessoas pensam que você senti alguma coisa por mim?" Eu o assisti cuidadosamente para uma reação ou


sinal de que poderia estar certa, mas é claro que ele permaneceu perfeitamente impassível. "Algumas pessoas são estúpidas. Eu não tenho 'sinto coisas'." Ele deixou cair a minha perna de volta de sua cintura e se afastou para se sentar em uma das cadeiras da cozinha. "Então, por que temer? As pessoas estão intimidadas na escola o tempo todo para algumas merdas e risos, mas você não quer risos." "Você não sabe o que quero." "Esclareça-me então," exigi com mais força do que o necessário. "Não." "Não?" "Não faça perguntas que você não precisa das respostas", disse ele, repetindo sua declaração de mais cedo. Seu tom de voz estava entediado, mas os músculos em seus ombros e costas estavam tensos. "Por que você continua dizendo isso?" Minha frustração só aumentava e quando ele sorriu, eu sabia que ele estava apenas fazendo-me miserável. "Porque é o melhor que você vai conseguir disso, deixe-me sozinho." Era um aviso e deveria ter ouvido, mas eu nunca ouço meus instintos. "Quando você disse que faria minha tia desaparecer... o que você queria dizer? Você vai matá-la? " "Por que eu faria isso? Eu prefiro muito mais você viva com a agonia de saber que ela está em algum lugar sofrendo." "Por favor, me escute. Eu não enquadrei você, mas sei quem fez." Seus olhos se estreitaram enquanto me observava. "Cuidado, Monroe. Minha boa vontade está desaparecendo. Rápido." "Não. Você precisa ouvir isso. Eu sabia sobre isso porque ─" Ele estava fora do assento, com os braços em volta de mim, esmagando meu corpo ao dele. Eu gritei quando ele mordeu meu pescoço. Eu gritei novamente, mas ele ignorou meus protestos acalorados e mordeu com


mais força. Ele me inclinou sobre a mesa da cozinha e empurrou de lado a minha calcinha. "Porque você é uma cadela conivente?", ele perguntou com desprezo suprimido. Eu ouvi o som distinto de um pacote de preservativos rasgando e logo depois senti a força de seu impulso punitivo quando ele entrou em mim. A mesa mexeu-se alguns centímetros, então a agarrei para não cair. "Não", neguei e empurrei meus quadris contra ele. Nós dois gememos do sentimento dele enterrando mais fundo. Minha boceta apertou com seu pau dentro, dando boas-vindas. "Você fez isso. Você." Cada palavra que ele falou foi emparelhada com um golpe duro, até que ele soltou completamente e estava batendo toda a sua frustração e raiva dentro de mim. Ele estava na minha cabeça e meu corpo, ao mesmo tempo, sem esperança de fuga. Suas mãos eram ásperas e duras em meus quadris enquanto ele me puxava para ele. Quando os dentes afundaram em minha espinha, soltei um gemido gutural. " Não é vadia gostosa, não é mesmo? Eu posso sentir você tomando tudo sobre meu pau.” "Não me chame assim." Eu gritei quando ele bateu seu pau em mim uma vez e segurou-o dentro enquanto rosnava no meu ouvido. "Eu digo para você o que quiser", disse ele, agarrando o meu rabo de cavalo e entregando uma série de golpes rápidos e fortes. "Oh Deus... por que parece tão bom?" Eu gemia quando apertei ao redor dele. Ele me tinha presa à mesa, completamente imóvel e vulnerável às demandas de seu pau. "Bom", ele empurrou mais profundo em mim, roubando minha respiração. "Isso significa que você sente tudo de mim. Você é minha, Monroe. Você sempre será e não vou deixar você ir embora. Você ouviu isso? Eu não vou." " Você tem que ... " O som da abertura da porta da frente e a voz de Keenan mal podia ser ouvida sobre o som da nossa merda. Keiran continuou a me bater, então eu não tinha certeza se ele tinha ouvido seu primo entrar, mas sabia que Keenan seria capaz de nos ouvir. O som da nossa pele


se batendo, seus gemidos, e meus gritos ecoavam por toda a cozinha e a porta da cozinha estava aberta. "Pare. Ele vai nos ouvir ", gemi fracamente. "Eu posso ver muito bem também querida. Por favor, não pare por minha causa. Você parece estar desfrutando disso." Eu olhei para o lado para ver Keenan encostado na porta observando-nos com um sorriso. Eu imediatamente virei meu braço atrás de mim para empurrar Keiran longe, mas ele o pegou e o prendeu na parte baixa das minhas costas. "Me solte. Ele está assistindo!" Os dedos de Keiran rechearam a minha boca, silenciando o resto dos meus protestos. Mordi seus dedos, mas ele só riu e bateu na minha bunda já dolorida. A necessidade de gozar era muito forte, mas a minha libertação era uma ilusão. "Keiran, por favor", implorei. "Você me desagradou hoje, Monroe. Você acha que merece gozar?" Seus impulsos abrandaram para um ritmo de provocação. "Eu quero... por favor." Meu corpo tremia incontrolavelmente pela necessidade de gozar. Ele agarrou a minha nuca e se inclinou para sussurrar no meu ouvido. "Então, tome o que você precisa. Foda-me, Monroe." Suas palavras mal saíram antes que eu empurrasse meus quadris para trás contra ele de novo e de novo, desesperadamente à procura de algo que só ele poderia me dar. "Droga... ela parece uma foda gostosa", Keenan gemeu. Eu tinha esquecido que ele estava nos observando. "Keiran, por favor!" Eu implorei mais uma vez. Seus gemidos baixos e promessas pecaminosas me diziam que ele não era tão imune a mim como fingia, mas precisava dele e ele queria que eu implorasse. Eu não estava acima da minha capacidade de raciocinar. Não quando seu pau estava enterrado tão profundamente. Seus dedos finalmente deslizaram para provocar meu clitóris e esfregar a pequena pilha de nervos e uma vez que ele me tocou, um poderoso orgasmo correu através de mim. Minhas costas curvaram e travaram quando deixei o meu orgasmo assumir.


Keiran ainda estava se movendo dentro de mim, lentamente, enquanto me observava gozar. Eu podia sentir seus olhos em mim mesmo agora. "Teve o bastante?", perguntou. Eu sabia, sem precisar me virar, que o sorriso sempre presente estava lá. Não. Meu corpo não aguentava mais de suas demandas agressivas e o prazer doloroso que ele submetia o meu corpo para que eu balançasse a cabeça. "Levante-se", ele ordenou. "Não posso." Minhas pernas estavam fracas demais para me segurar, muito menos de pé. "Ou se levanta ou te fodo de novo. Sua escolha." Ele ainda estava dentro de mim, movendo-se levemente. Eu já podia sentir o início de outro orgasmo subindo. Eu me levantei com as pernas bambas e descansei minhas costas contra seu peito e surpreendentemente ele me deixou. Lentamente saiu de mim e senti que ele ainda estava duro, o que significava que ele não tinha gozado. Eu discretamente arrumei meu vestido e calcinha quando notei Keenan ainda nos observando em silêncio. "Suba as escadas, se limpe, e espere por mim." Fiz o que ele ordenou sem discutir. Eu sabia onde que normalmente ele ficava. *** Entrei no quarto de Keiran e não podia deixar de admirar o cheiro. Ele e tudo o que tinha, sempre tinha um cheiro fresco e frio. Olhei em volta com curiosidade, mas não sabia o que estava procurando, mas como qualquer pessoa, o quarto era de domínio de uma pessoa. Era o lugar mais provável que uma pessoa iria esconder seus segredos para mantê-los perto; e todo mundo tinha segredos ... então quais eram os de Keiran? Fui até sua cômoda primeiro, esquecendo sobre sua ordem para me limpar. Não havia nada de particularmente revelador ou incomum


no topo, assim como antes, então eu rapidamente abri a primeira gaveta da cômoda enquanto ouvia atentamente para qualquer som de Keiran vindo. Uma rápida inspeção através de sua cômoda não revelou nada. O que você está procurando, Lake? Isso provavelmente iria ajudar se eu soubesse o que. Eu abri a porta do armário e entrei. O armário de Keiran parecia o de um adolescente normal, mas Keiran não era normal. Fosse o que fosse, tinha que estar aqui. Roupas escuras e vários tênis e botas enchiam as prateleiras e vários cabides. Eu toco levemente na roupa com cuidado para não bagunçar ou fazer barulho. A pior coisa que poderia acontecer é eu ser pega bisbilhotando. Depois de alguns minutos, estava olhando através de minha terceira caixa de sapato e quase desisti da minha procura quando bati na mina de ouro. Eu não estava esperando encontrar o que encontrei. Engoli em seco e a peguei hesitante, sentindo o peso dela em minhas mãos. O que Keiran está fazendo com uma arma? Eu a inspeciono ainda mais, revirando-a em minhas mãos. Havia um botão no lado próximo ao cabo e o gatilho, então o pressionei. O tambor caiu e dentro podia vê-lo carregado com balas. Deixei cair o clipe e apressadamente pego-o de volta para depositá-lo de volta na arma. Foi quando notei a corrente fina de um medalhão de ouro com uma pérola enrolada em torno do punho. Ele era belo e... familiar. Eu procurei em minha memória por onde eu poderia ter visto esse colar. Não era novo. Era... a foto! Eu tinha quase certeza que a menina morta na foto estava usando o mesmo colar quando ela morreu. Eu só precisava ter em minhas mãos a imagem para confirmar. Eu tinha escondido isso na minha mesa e não olhei para ela desde que a encontrei. À primeira vista, não prestei muita atenção às suas joias ou as vi como uma pista, considerando que eu não esperava deparar com ela em um armário, muito menos no de Keiran. Porque Keiran não foi o único a invadir a minha casa, eu descartei a possibilidade de que ele tivesse deixado a foto para me assustar. Não era seu estilo ser vago. Ele era muito mais direto ao entregar ameaças.


Mas se ele tinha o colar agora, ele deve ter conhecido essa garota. Então como ele conseguiu isso e quando ela esteve com ele? As paredes começaram a se fechar sobre mim e o armário, então de repente me senti muito pequena quando muitas perguntas inundaram minha mente. No entanto, quando olhei para a arma na minha mão, foi a única que se destacou, e foi a mais perigosa de responder. Ele a matou? Eu esqueci de respirar enquanto olhava para o aço frio e duro da minha realidade. Eu tinha que sair daqui. Eu precisava escapar antes que ele tirasse tudo que sempre amei. Eu não podia deixá-lo ferir minha tia. Eu sabia o que era ser ferido por Keiran. Ele cava fundo e nunca deixar ir. O instinto gritava para eu sair e pela primeira vez o escutei. Eu rapidamente bati o clipe de volta na arma e cuidadosamente arrumei de volta na caixa e joguei de volta na prateleira de cima. Assim, eu estava sentada quando Keiran entrou. Ele imediatamente olhou para mim com desconfiança. Eu provavelmente parecia nervosa do jeito que estava me sentindo. "O que você estava fazendo?", ele perguntou calmamente. "Não ─ nada. Eu estava esperando por você como me disse para fazer." "Você não fez o que eu lhe disse para fazer." Eu olhei para ele confusa, sentindo formar suor na minha testa. "Eu também lhe disse para se limpar, então o que você estava fazendo?" Pense, pense, pense. "Eu ─ eu estava..., mas não havia quaisquer toalhas à mão para eu me limpar." Merda! Que mentira estúpida. "É mesmo?" Eu assenti silenciosamente e engoli a saliva que de repente estava muito espessa e pesada na minha garganta. "Me mostre." A sala começou a girar e eu podia praticamente sentir o cheiro da merda batendo no ventilador. Levantei-me e saí para o corredor e me dirigi para o que esperava que fosse a porta do banheiro. Eu estava muito distraída da última vez, para me lembrar onde Sheldon tinha me


levado. Eu rapidamente joguei ‘Uni duni tê’, com as portas e peguei uma. "Esse é o quarto de Keenan." Eu esfreguei minha mão suada contra o meu vestido para esconder meu nervosismo. "Desculpa. A coisa sobre portas é que todos elas têm a mesma aparência." "Então, está mentindo." "Eu não estou mentindo." "Então, obtenha a sua bunda no banheiro, Monroe. Meu relógio favorito está correndo." Ele parou contra uma porta no corredor com os braços cruzados sobre o peito e a lâmpada finalmente estalou na minha cabeça. Fui até a porta e fiquei na frente dele, tentando mascarar meu nervosismo. "Sim?" "Você está de pé em frente à porta," eu sussurrei. "Estou?" Acredito que sim. Olhei para ele, mas não disse nada. Ele sorriu e abriu a porta ao mesmo tempo mantendo o seu olhar no meu. Olhei para dentro hesitante e deixei escapar a respiração que não sabia que estava segurando. "Parabéns, você conseguiu alguns segundos." Ele entrou no banheiro e se encostou na pia, esperando por mim. Eu entrei e olhei ao redor do banheiro limpo, porém simples. Você poderia dizer olhando que apenas homens usavam este banheiro. Não havia qualquer um dos ‘Frou-frou’ que as mulheres gostavam de decorar. "Eu não vi onde vocês guardam as toalhas aqui." "Isso é porque nós não usamos." "Então por que você ─" "Eu queria ver se você ainda estava mentindo para mim." Você podia ouvir uma caneta cair a uma milha de distância. Eu abri e fechei a boca, mas as palavras não saíam. Ele olhou para mim por alguns segundos a mais e, em seguida, caminhou até o chuveiro e ligou a água. Quando caminhou de volta para mim, dei um passo para


trás, mas ele pegou a frente do meu vestido e me puxou para ele. Ele me girou e abriu o zíper nas costas e quando estava fora, ele me empurrou para o chuveiro. Ele saiu do banheiro e voltou momentos depois com duas esponjas e duas toalhas em sua mão. Ele continuou a me ignorar, enquanto escorregou para fora da calça jeans e camisa, e quando ele entrou no chuveiro, me afastei para colocar espaço entre nós. Ele agarrou o sabonete da saboneteira, agarrou meu pescoço em seguida, me puxando para ele novamente. "Lava-me," ele ordenou, colocando uma esponja na minha mão. "Você não vai me punir?" "Você quer que eu te puna?", hesitei e percebi que não sabia como responder a essa pergunta. Não, imbecil! Eu gritei mentalmente a resposta para mim, mas ainda assim as palavras não puderam passar dos meus lábios. Ele sorriu e disse: "Eu te conheço melhor do que você se conhece, Monroe. Eu não vou puni-la... esta noite. Eu estou fodidamente cansado. Controlar você é desgastante." "Eu deveria sentir pena de você?" Eu disse isso em voz alta? Ele me olhou e disse: "Cuidado... Eu não estou tão cansado assim." Olhei para baixo e mexi a esponja com sabonete na minha mão. Ele soltou uma respiração forte e agarrou meu pulso trazendo-o até seu peito. "Você pode começar aqui." Minha mão começou a se mover automaticamente em círculos sobre o peito. Ele tinha uma compilação impressionante para um jovem de dezoito anos, mas ninguém jamais acusou Keiran de ser comum. Ele me observou enquanto eu o lavei e quase deixei cair a esponja algumas vezes. Quando cheguei a seu estômago e a sua ereção estava dura e esticada contra ele, fiz uma pausa. Eu lentamente esfreguei a esponja para cima e para baixo, meu nervosismo fazendo meus movimentos mais firme e eu brevemente esperava que estivesse machucando-o da mesma maneira como ele me fazia quando me leva. Mas você gosta da dor... O gemido que surgiu de sua garganta parecia agradavelmente doloroso, então apertei mais um pouco e continuei o movimento para


cima e para baixo. A água quente caindo sobre nós foi esquecida, enquanto eu me concentrava em fazer-lhe mal. "Foda-se", ele gemeu de novo. "A menos que você queira que eu te foda agora, sugiro que você pare de brincar com o meu pau. Eu sei o que você está tentando fazer. Seria mais eficiente se você me desse uma joelhada nas bolas." Eu mantive o meu olhar para baixo, escondendo a culpa e rapidamente terminando de lavá-lo. Quando terminei, ele ensaboou a outra esponja e lavou o meu corpo com surpreendentemente suaves movimentos de massagem. Antes que eu percebesse, estava fechando os olhos e desfrutando da sensação. Quando ele terminou de me lavar, bruscamente ordenou-me para sair e eu revidei de volta uma resposta por sua grosseria. Eu me seco lentamente, esperando que isso o irritasse e depois ele me mandou esperar em seu quarto. Eu ainda podia ouvir o chuveiro ligado quando vasculhei a mochila que ele embalou para mim. Depois de procurar por três vezes, percebi que ele esqueceu de pegar pijamas para mim. Eu bufei e sentei-me na beira da cama. Ele finalmente chegou momentos depois com uma toalha enrolada na cintura. Esta foi a minha segunda vez que o vi assim e o efeito foi ainda mais forte do que o último. "Eu não tenho pijama." Ele desembrulhou a toalha e usou um canto para secar seu peito. O desejo de provar sua pele era esmagador. Quando ele deixou cair a toalha no chão e apagou a luz, mergulhando o quarto na escuridão, minha ira aumentou. Ele se aproximou da cama e caiu sobre o colchão. "Eu durmo nu, assim você também." "Eu realmente prefiro não dormi nua, se você pudesse me emprestar uma camisa ..." "Dorme nua ou dorme no chão." Ele soou como se já estivesse meio dormindo. Eu só conseguia ver sua sombra entre os lençóis. "Você está sendo irracional." O silêncio me cumprimentou. Depois de alguns minutos me levantei e deixei cair a toalha. Escorrego


novamente sobre os lençóis enquanto o observo com cuidado, e rapidamente deslizo para dentro, usando o lençol para cobrir o meu corpo nu. Sua respiração soou, mesmo assim pensei que ele já tinha adormecido. Eu me mexi até que estava tão longe dele quanto poderia, sem cair da cama. "Keiran?" "O quê?" "Por que você fodeu comigo na frente de seu primo?" Eu segurei minha respiração, esperando por uma resposta. "Ele precisava ver que você era só minha." "Por que ele precisa ver isso?", perguntei, confusa. "Porque ele quer foder com você." Ele disse isso casualmente, como se estivéssemos discutindo o tempo. Eu fiz uma careta. "O que faria você pensar isso?" "Meu primo fode tudo que se move." "E ainda assim ele não fodeu você." "Monroe ..." "Desculpe." Eu suprimi o riso sorrateiro borbulhando no meu peito, mas rapidamente morreu quando um pensamento perturbador me ocorreu. "Será que você deixaria ele me ter?" Seus braços estavam em volta da minha cintura tão rápido quanto possível, puxando-me do outro lado da cama em direção a ele. Ele virou-me para as minhas costas, me enfiou no seu lado, e se inclinou sobre mim para olhar nos meus olhos. "Ninguém nunca terá você, só eu." "Como você pode ter tanta certeza?", perguntei, fingindo raiva, mesmo com o meu coração pulando uma batida. "Porque vou te matar primeiro. Você é minha, Monroe. Isso nunca vai mudar."


Capítulo Treze "Foda-se, segunda-feira," murmurei para mim mesma. O dia estava ao longo do meio caminho e fiquei pensando sobre o segundo que pudesse escapar deste inferno, mas depois lembrei-me que você nunca poderia realmente sair do inferno quando vendeu sua alma para o diabo. Estive jogando com a sua sombra durante todo o dia e estava cansada disso. Keiran estava em todos os lugares, o tempo todo, sem realmente estar ao redor. Os olhares e cochichos que tenho recebido estavam me drenando. Não me interpretem mal, eu estava acostumada a isso, mas por razões diferentes. Havia muitos rumores que circulavam sobre o que eu estava fazendo com Keiran, e nada disso era bom. Para piorar a situação, Willow mal falou comigo ou olhava para mim no vôlei hoje. Eu tinha que encontrar uma maneira de falar com ela mais tarde, sem Keiran ficar sabendo. Abri a porta do banheiro e imediatamente avistei Anya se arrumando no espelho. O que ela precisava arrumar no meio de um período de aula, eu não tinha ideia. Ela estava em pé na sua marca, saltos altos e minissaia. Eu gostaria que ela maldosamente tropeçasse e caísse pelo menos uma vez. Talvez então ela iria receber o indício de que saltos altos não foram feitos para a escola. "Bem, se não é a prostituta de Bainbridge High", ela zombou. "Engraçado. Eu ia dizer o mesmo sobre você." "Eu não roubo namorados das pessoas." "Não. Você só afasta as pernas para eles. Você, pelo menos, pede para jantar primeiro?" Seus olhos se estreitaram e notei sua mão em punho ao seu lado. "Quando Keiran acabar com você, vou te fazer me pedir desculpas." "Muito tarde. Eu já sinto muito. "


"Você acha que é especial, mas não é. Ele só quer transar com você por qualquer motivo. Você nem mesmo é bonita." "Puxa, obrigada. Talvez ele queria uma mudança de cenário. Algo menos superficial." Ela estreitou os olhos e colocou a mão em seu quadril. "Você acabou de me chamar de gorda?" Ela bufou. Eu sufoco uma risada. Uau, ela é realmente uma cabeça oca. "Sinto muito. O que eu estava pensando?" "Que seja. Fique longe de Keiran. Ele é meu." "Isso é meio difícil quando ele não consegue ficar longe de mim. Mas vou te dizer que... você pode mantê-lo quando eu terminar com ele, vou jogá-lo de volta." "Você nunca vai ter a chance. Trevor tem algo planejado para você, e Keiran será todo meu de novo." Consegui manter uma expressão entediada. Ela estava me observando de perto por uma reação, mas me recusei a dar-lhe uma. "Deixe-me saber como isso funciona para você, certo?" "Cadela", ela cuspiu. Ela se encaminhou para a porta e bateu no meu ombro no caminho da saída. Enquanto eu estava andando de volta para a aula, recebi uma mensagem de texto de Jesse dizendo que ele queria falar comigo. Optei por não responder. Eu tinha que me distanciar dele e Keiran não poderia usar mais ninguém para me machucar. Além disso, não havia nada que Jesse pudesse fazer para me ajudar e por mais que nós tivéssemos nos aproximados, eu não me sentia à vontade para discutir sobre Keiran com ele. Quando o último sinal finalmente tocou, caminhei para fora e encontrei Keiran, Keenan, Dash, e Quentin todos de pé em torno do carro de Keiran. Eu estava querendo saber como iria chegar em casa, uma vez que Keiran não apareceu para o quinto período. Willow estava lá, mas depois do que aconteceu na noite de sábado e do telefonema, me sentia muito culpada para olhar nos olhos dela e muito menos pedir uma carona para casa. Keiran também provavelmente descobriria que o desobedeci novamente. Tudo me fez questionar mais


uma vez se eu estava fazendo a coisa certa. O fim do destino da garota morta na foto, me disse que eu estava. Quando me aproximei do carro, os rapazes olharam para mim, mas eu não deixei meu nervosismo aparecer sobre os olhares minuciosos. Eu levantei meu queixo e caminhei até Keiran. "Leve-me para casa," eu pedi. Os caras riram, como se eu tivesse contado uma piada enquanto Keiran me observava, mas não disse nada. Eu apertei a mão sobre a alça da minha bolsa e encontrei seu olhar, mas alguns segundos mais tarde comecei a vacilar. Ele queria que eu me descontrolasse e droga, estava funcionando. Ele conseguiu pegar as minhas defesas e atirá-las para longe. "Sua garota não tem boas maneiras," Dash comentou. Keiran coçou o queixo, onde sua barba estava ficando mais espessa e resmungou. "Eu acho que ela faz isso por atenção", Keenan brincou. "Você sabe tudo sobre implorar por atenção, não é verdade?", Keenan era bem falante para uma criança com problemas com os pais. Ele jogou de rebelde e prostituta, mas vi através de seu ato. "Sim, mas presunçosamente.

não

imploro

como

você

faz",

disse

ele

Meu rosto ficou vermelho com a lembrança de Keiran e eu na cozinha outro dia. Eu ainda não podia acreditar que Keiran lhe permitiu nos assistir, mas, Keiran não têm quaisquer sentimentos calorosos em relação a mim. Eu era apenas outra garota que abriu as pernas para ele. "Você é um pervertido ─" "Chega", Keiran ordenou. "Entre no carro." Ele abriu a porta e empurrou o banco para a frente para que eu pudesse entrar na parte traseira. Uma vez sentados no carro, ele bateu a porta fechada. Bati meu pé impacientemente enquanto ele continuava a falar com seus amigos. Peguei meu telefone e enviei uma mensagem para minha tia. Minha preocupação com ela me manteve fazendo um check-in mais frequentemente do que normalmente era necessário.


O estacionamento da escola estava quase vazio pelo tempo que ele decidiu sair. Ele e Keenan subiram no carro e nós aceleramos fora do estacionamento. Eu assisti a cidade passar através da janela e tentei não ouvir a conversa. Keenan estava mais uma vez falando sobre uma garota quente que queria foder com ele. Eu honestamente não sei o que Sheldon viu nele. Ele era um porco. Meu corpo não estava acostumado a todo o sexo que tive ao longo das últimas vinte e quatro horas, então deitei minha cabeça contra o assento e fechei os olhos e em pouco tempo eu tinha adormecido. Em algum lugar entre o sono e a vigília, senti o carro parar e ouvi uma porta sendo aberta. Eu relutantemente abri os olhos e, quando notei que estava em casa depois de tudo, sentei-me com emoção. Eu tinha certeza de Keiran me trancaria em sua casa novamente, onde eu poderia servi-lo a qualquer momento. Keiran deslizou para fora de seu carro e levantou seu assento. Eu pisei ansiosamente para fora e caminhei até a porta sem olhar para trás ou dizer adeus. Por mais que o meu corpo quisesse o que ele fez para mim, eu estava exausta. Abri a porta e entrei, mas quando tentei fechá-la, ele parou-a com a mão na porta. Virei-me de surpresa ao vêlo caminhar para dentro. "Eu pensei que você estava indo embora?", perguntei, nervosa. "Tire suas roupas," ele ordenou. Sua voz estava rouca e excitada quando fechou a porta devagar e tirou sua camisa. *** O baque desanimador da porta fechando depois de sua partida, ecoou em meus ouvidos. Eu escutei ele levantar do sofá onde deixoume nua, desgastada e dolorida. Só quando não pude ouvir o som de seu motor mais, é que me levantei do sofá. Antes de subir para um banho, peguei minhas roupas do corredor, onde foram descartadas. Eu senti muitas emoções, mas a dominante era a decepção. Ele levou-me com força e depois saiu sem uma palavra. Era muito bonito o


jeito que ele sempre me tratava depois que me tinha. Ele me fodia então me ignorava. Eu posso ter sido uma virgem quando fizemos sexo, mas não era ingênua o suficiente para pensar que isso era normal. Minha inexperiência foi causada em parte por causa de Keiran, que fez sua missão de executar fora todos os caras que mostraram interesse em mim... mesmo os mais impopulares. Meu primeiro beijo terminou em um desastre por causa dele. Decidi entrar para o clube de matemática porque eu era boa com números e esperava fazer amigos. Willow foi o amor da minha vida, tanto quanto melhores amigos são, mas eu não poderia sufocá-la. Depois de duas semanas no clube, Peter me convidou para sair e eu imediatamente aceitei. Ele era bom e muito bonito. Ele também não era popular, tanto que nós entendíamos um ao outro, ou então pensei assim. Ele pediu para me beijar uma tarde quando estávamos saindo de uma reunião e eu deixei, porque nunca tinha sido beijada antes. Era um simples beijo, perto da boca, o que não foi muito longe. Eu só não sabia que ele estava nos observando... *** "Que porra você acha que está fazendo?" Eu ouvi um grunhido de voz rouca. Ele parecia mais intimidante do que o habitual. Olhei para cima para encontrar um Keiran furioso, suado, em seu uniforme de basquete. Nós estávamos distante, fora das portas do ginásio, e por causa da minha vontade, não processei o perigo de ficar por muito tempo. Mas o que me assustou foi que ele não estava olhando para mim. Ele estava olhando para Peter, que parecia que estava tentando desaparecer na parede. Se olhares pudessem matar ... "Dá o fora daqui", ele rosnou para Peter fazendo-o fugir imediatamente. Pisquei não acreditando o quão rápido ele se foi. Vireime para sair, não querendo dançar com o diabo. "Onde você pensa que está indo?"


Eu parei no meu caminho, mas não me virei, mesmo quando o ouvi se aproximar. "Você" ─ ele começou, mas parou e ouvi um estrondo alto e eu pulei, percebendo que ele deu um soco que podia ter perfurado um armário. Oh, Deus. "Porra, olhe para mim!", ele gritou. Eu viro lentamente, com medo do que poderia ver. Keiran ficou lá ─ os punhos cerrados, o peito arfante. Sua mandíbula estava apertada e eu pude ver que uma veia perto de seu rosto estava latejando. Ele estava furioso. Anos de assédio moral dele e insultos, e eu nunca o vi tão zangado, nem mesmo quando ele me empurrou das barras do playground. Eu estava acostumada a absorver a indiferença... até mesmo ódio. Mas isto... eu não conhecia e não tinha certeza se poderia lidar com ele assim. "Você o deixou tocar em você." Ele disse e o "tocar" com nojo, como se fosse difícil imaginar alguém gostar de mim ou mesmo me querer. Abracei-me para conforto, lutando contra as lágrimas. Eu não podia deixar que ele me puxasse para baixo assim. "Desculpa, Keiran -" "Cale a boca", ele ordenou. A primeira lágrima descia como ácido enquanto queimava seu caminho pelo meu rosto. "Você não pode dizer o meu nome. Nem agora, nem nunca...", ele zombou. Eu respirei com o ódio frio derramando-se dele em ondas... Eu estava me afogando nele, minhas lágrimas derramando agora. Ele virou-se abruptamente e se dirigiu para a saída. Eu estava congelada no meio do corredor quando ouvi pneus cantando e sabia que era Keiran saindo. Eu finalmente caí de joelhos chorando, enquanto sentia uma dor no meu coração que não podia descrever. Eu senti como se o tivesse traído de alguma forma. Na manhã seguinte, descobri por uma garota aleatória no corredor, que não era uma parte do clube de matemática mais. Eu tentei ir à reunião naquela tarde, mas, aparentemente, o lugar da reunião foi movido para outro local. Eu não sabia o que estava


acontecendo, mas sempre tive um sentimento que Keiran estava por trรกs disso.


Capítulo Quatorze Após a imersão em um banho quente para aliviar minhas dores e músculos desgastados, cedi e liguei para Willow. Eu precisava saber se estávamos bem. O telefone tocou por um tempo e quase desisti quando ela finalmente pegou. "Sim?" "Hey, Willow." Eu tentei parecer normal, apesar do nervosismo que senti. "Hey", ela respondeu em um tom seco. "Sinto muito sobre sexta-feira." Eu lutava com as palavras certas para dizer em minha mente, mas a verdade era que eu não sabia o que mais poderia dizer. "É só isso?" "O que você quer dizer?" "Corte essa conversa fiada, Lake. Você estava se preparando para me dizer algo sobre Dash. O que está havendo?" "Eu não posso ─ não posso dizer." Eu sabia que eu era fraca, mas enquanto não podia lhe dizer a verdade, não podia mentir para ela também. "Você não pode me dizer?", ela sussurrou. Eu podia imaginá-la em pé com a mão em seu quadril e seus olhos se estreitando. "É complicado, Willow. Mas você sabe que eu nunca faria nada para machucá-la." "Não, mas parece que você mentiria para mim." "Willow ..." "Esqueça isso." Ela desligou o telefone e eu me sentei lá por um minuto com a minha cabeça em minhas mãos. Ele tinha feito isso. Keiran conseguiu romper nossa amizade sem fazer muito depois de tudo. Eu considerei ir até a casa dela e fazê-la falar comigo, mas decidi que era melhor


deixá-la esfriar a cabeça. Além disso, o que eu diria a ela de qualquer maneira? Meu telefone alertou, poucos minutos depois, com uma mensagem de Jesse novamente. Jesse: Deixe-me ajudar. Lake: Como você faria isso? Jesse: Poderíamos contar a alguém ... Lake: Eu não posso fazer isso e por favor não diga nada. Eu silenciei meu telefone e o joguei sobre a mesa de café. Jesse era um bom rapaz, mas para Keiran ele não era nada. Keiran não veria Jesse como uma ameaça, mas sim um outro peão para usar contra mim. Ocupei-me com as tarefas e trabalhos de casa para passar o tempo e tirar a minha mente das minhas tristezas. Normalmente eu estaria no trabalho, mas Keiran tinha ferrado isso para mim, também. O dia após o incidente, eu tinha ligado para Charlie e ele me assegurou que estava tudo bem, mas também disse que eu não poderia ter o meu emprego de volta. Aparentemente tinha chegado ao proprietário local a palavra ‘luta’ e ele não me quer de volta. Isso ainda foi outra coisa que Keiran conseguiu roubar de mim. *** Duas semanas se passaram rapidamente, mas nada ficou melhor. Na verdade, tudo ficou pior. Willow não falava mais comigo, Trevor estava me observando, e garotas aleatórias mantinham provocações e brigas comigo. Ainda ontem eu fui empurrada contra os armários por uma das amigas de Anya. Keiran também mudou... mais ou menos. Ele me ignorava completamente na escola agora, mas a cada noite ele vinha para mim. Por mais estranho que fosse, suas visitas noturnas eram a única hora que eu não me sentia sozinha. Eu também me sentia como a garota mais estúpida do mundo, porque não importava o quanto ele virou meu mundo de cabeça para baixo, o meu corpo sempre o acolheu. Toda vez que me tocava, ele tomava sem dar nada em troca. Às vezes


eu chorava depois de fazermos sexo, mas não era de dor física. Era a sensação sufocante de desesperança. Keiran tinha conseguido me fazer sua prisioneira.


Capítulo Quinze Quando Sheldon não estava ocupada com as líderes de torcida e Keenan, ela fazia uma missão para me tirar da minha depressão. Minha tia estaria de volta em três semanas e eu saudei com a oportunidade de me sentir segura em casa novamente e não apenas por causa da invasão recente. Eu tinha decidido esperar até a minha tia voltar para contar a ela sobre isso. Eu não queria que ela se preocupasse ou cancelasse sua turnê. Não havia nenhuma maneira de explicar o cartão de aniversário e uma foto desde que era ligado ao Keiran de alguma forma. Sorte minha eu não ter sido arrastada de volta à sua casa novamente, desde que encontrei a arma e o medalhão em seu armário, mas isso também significava que eu não tinha nenhuma maneira de descobrir sua conexão com a menina. Eu decidi deixar essa parte de fora quando contar a ela. Eu sabia que manter tudo em segredo dela era perigoso e irresponsável, mas precisava dela longe de Six Forks o maior tempo possível. Eu tinha certeza que Keiran iria se cansar de mim em breve. Eu nunca tinha visto ele com a mesma garota por muito tempo. Eu estava no meu caminho para me encontrar com Sheldon na lanchonete local. Eu queria convidar Willow, mas ela ainda não estava falando comigo. Senti uma dor no meu coração cada vez que vi ou pensei sobre ela. Quando isso acabar, de alguma forma farei tudo para ela. A Lanchonete estava lotada e eu não esperava menos, mas Sheldon apenas escolheu aqui de todos os lugares para sair. Eu entrei e vasculhei o lugar procurando por ela. A lanchonete expandiu um par de anos atrás, para acomodar a quantidade de ocupação do lugar experimentado nas noites de sexta. Geralmente só durava até que alguém decidia levar a festa para sua casa. "Lake!" Olhei para trás para ver Sheldon empurrando através da multidão parecendo extremamente boêmia em uma longa saia, maxi colorida, com duas divisões na frente, o que fez suas pernas espreitar


para fora quando ela entrou. Ela usava uma blusa verde escura e um longo colar de pingente de penas. Seu cabelo estava em duas tranças com uma faixa fina de acessórios. "Você parece como Willow," eu disse, surpreso. "Obrigada! Nós estávamos falando sobre moda no outro dia e Willow sugeriu este look quando eu lhe disse que queria tentar algo diferente." "Como ela está?" Eu perguntei e soquei a sensação de ciúmes. "Ela sente sua falta." "Como você sabe disso?" "Ela é sua melhor amiga. Por que mais ela sentiria sua falta?" "Eu não tenho sido uma amiga muito boa." "A coisa sobre amizades verdadeiras é que elas são resistentes como o inferno." Eu estava prestes a responder quando alguém passando por entre a multidão, me bateu. "Sério, de todos os lugares, por que este aqui?" "Vamos, Lake. Não seja tão Debbie Downer1. Onde mais poderíamos ir de qualquer maneira?" Eu sabia que ela estava certa. Eu só não gostei das possibilidades de que poderia enfrentar. "Existem mesas sobrando?" Eu quase tive que gritar para ser ouvida sobre a música e as pessoas. "Você ainda pergunta? Eu estava pensando, quando eles transformarem isso em uma festa em casa, podemos sair também." Lembrei-me da primeira e última vez que fui a uma festa em casa. Claro que Keiran estava lá, por isso terminou mal. Brian Personagem da série Saturday Night Live. ‘a: Uma pessoa que diz algo terrivelmente deprimente (um infortúnio), tipicamente apenas tangencialmente relacionado com a presente circunstância ou tema de conversa, e, assim, destrói a atmosfera positiva. b: a afirmação de que é característica de Debbie Downer’. 1


Lassiter, do último ano do ensino médio e o quarterback, tinha começado uma conversa comigo, porque seu irmão mais novo era um fã dos livros de minha tia. Ele queria saber se ele poderia conseguir uma cópia autografada para seu aniversário, quando Becky Daniels saiu do nada gritando sobre eu flertando com seu namorado. Quando ela me deu um tapa, balancei e bati nas costas de alguém e foi aí que Keiran gritou que eu estava começando as brigas. As pessoas da casa me expulsaram e eu nunca fui convidada a voltar para uma festa novamente. "Não é uma boa ideia." "Por que não? Keiran não foi atrás de você estas últimas semanas, já deve ser bem seguro agora, certo?" Exceto quando ele foge para o meu quarto, na calada da noite. "Eu não sei. A última vez quase acabei com a minha vida escapei por pouco." Ela revirou os olhos e disse: "Agora quem está sendo dramática?" "Eu não quero esse tipo de problema ou qualquer dificuldade. Você já notou recentemente que sou o alvo de tanta hostilidade? A última coisa que preciso agora é minha tia recebendo um telefonema dizendo que entrei em uma briga ou pior, acabei na cadeia." "Mas essa não é a melhor forma de mostrar ao lobo mau que ele não pode derrubar sua casa, não importa o quanto ele pode bufar e bufar?" Eu ri pela sua comparação com Keiran. Ela era uma bobona às vezes. "E eu sei que você está me chamando de nomes em sua cabeça", disse ela. Ela parecia realmente ofendida, o que só me fez rir mais ainda, até que ela estava rindo também. "O que é tão engraçado?" Trevor perguntou enquanto vinha em nossa direção e enganchou seu braço em volta do meu pescoço. "Por favor compartilhe."


Meu humor apenas cometeu suicídio. "Sinto muito. Foi uma brincadeira privada em uma conversa partilhada entre amigas... em privado." "Você tem uma boca muito inteligente, mas pelo que ouvi Keiran terminou com você, então eu teria cuidado sobre quem você provoca", Trevor ameaçou. "Você tem mesmo ideia sobre que pessoas está provocando agora. Você deveria tentar. Como agora," Sheldon retorquiu. Eu ri, o que só fez Trevor mais irritado embora isso não me perturbou. Um Keiran com raiva me fazia querer correr e me esconder, mas um Trevor com raiva apenas me irritava. "Ninguém está falando com você. Por que você não se preocupa com quem o seu namorado está fodendo além de você?" As narinas de Sheldon se alargaram e eu sabia que sua declaração a irritou. "Sheldon ..." Eu cheirei o ar. "Você sente o cheiro? Cheira a... idiota." Sheldon e eu cheiramos o ar até que ambas viramos os olhos para Trevor. "Trevor, eu acho que está vindo de sua direção. Você deve cuidar disso antes que fique além de seu controle." Nós começamos a se afastar quando senti um rasgo de dor aguda no meu crânio. Trevor tinha me agarrado pelo meu rabo de cavalo e me atirou para o chão em um acesso de raiva. Eu bati no chão e a força do impacto me atordoou. "O que você disse para mim, vadia?" Ele perguntava em relação a mim, seu pé subindo para me chutar. Eu me enrolei para evitar o golpe, mas ele nunca veio. "Oh meu Deus!" Eu ouvi Sheldon gritar. Quando olhei para cima, Keiran estava lá e estrangulando Trevor, que estava arranhando as mãos para escapar. Ele estava ficando azul e parecia perto de desmaiar. Ele vai matá-lo. Keiran foi finalmente arrancado mas levou Dash, Keenan e Quentin para detê-lo e segurá-lo. Trevor estava lutando para recuperar o fôlego enquanto Sheldon ajudou-me. Todos na lanchonete estavam olhando para Keiran como se tivesse crescido outra cabeça.


"Qual é o seu problema, cara? Você está me atacando por causa dela?" Ele vomitou as palavras com nojo como se eu fosse o único problema. Keiran ainda estava lutando para se soltar e o aperto de Keenan sobre ele estava escorregando. "Ele chutaria a sua bunda por bater em qualquer garota. Eu gostaria de bater no seu rabo. Metade dos caras aqui querem bater no seu rabo, "Dash rosnou. "Mas há apenas uma garota que ele iria matá-lo por bater nela", Keenan acrescentou em um tom sinistro. "Por que você se importa? Ela armou para você!" Keiran passou instantaneamente, seu corpo apertado com tensão. Eu podia ver sua mandíbula apertada e a veia infame perto de seu rosto batendo um ritmo constante. Keenan e Dash viraram-se para Sheldon para interrogá-la silenciosamente. Ela balançou a cabeça negativamente e eu gostaria de saber o que a sua comunicação silenciosa se tratava. Eu percebi agora que Keiran podia ser lembrado que me odiava e essa situação iria se dissolver imediatamente e todos iriam rir às minhas custas. Em vez disso, voltou-se para Trevor, mas Keiran não tirava os olhos de cima de mim. "Diga homem, como você saberia quem incriminou Keiran? Como você poderia saber que Lake fez isso", Dash perguntou. "Mais uma vez... inocente." Eles olharam para mim com as sobrancelhas levantadas e percebi que devia ter dito isso em voz alta. Oops. "Todo mundo sabe que ela armou", disse Trevor, nervosamente. Seus olhos estavam piscando e olhando para trás, mas nunca fazendo contato visual. Vimos ele se contorcer e, em seguida, Keenan pulou para ficar em uma das cadeiras. Ele não teve que se preocupar em obter a atenção de ninguém, porque o restaurante inteiro estava assistindo atentamente. "Alguém sabe o que este pedaço de merda está falando?", ele gritou para a lanchonete. Todas as cabeças balançaram negativamente.


"A coisa sobre denuncias é que elas não são liberadas ao público", Dash zombou. "Meu pai me disse. Você ─ vocês sabem que ele é um policial", ele gaguejou. Eu quase me senti mal por ele. Quase. "Será que o seu pai normalmente divulga informações confidenciais? Eu tenho certeza que é ilegal", perguntou Sheldon. Ele estreitou os olhos para Sheldon e Keenan deu um passo para ele ameaçadoramente. "Tenha cuidado para onde aponta esses seus malditos olhos desse jeito, antes que eu os arranque fora de sua cara." Trevor olhou para o chão imediatamente. Eu não entendi porque, ele era maior do que todos eles. Eu acho que maior não significava sempre ser mais forte. "Vamos lá cara, você sabe como é. Há vantagens em ser o filho de um policial. Eu conheço um monte de merda". "Como quando nossas buscas programadas?", perguntou Dash.

aleatórias

de

drogas

são

O rosto de Trevor empalideceu enquanto sua boca abria e fechava. Ele me lembrou de um peixe. "Você está tentando dizer que armei para Keiran?" O trio permaneceu em silêncio, suas palavras ressoando no ar. Parecia a verdade. Olhei para Keiran que estava estranhamente quieto e imóvel. Trevor ainda não olhou para ele. "Isso é mentira, homem! Por que eu faria isso?" "Sim, por que você faria?" Keenan perguntou assim que o sino da porta de entrada parecia desviar minha atenção para ele. A tranquilidade da lanchonete fez o sino simples parecer que foi explodido em um megafone. Anya estava deslizando para fora da porta. Eu fiz uma careta, perguntando por que ela estava saindo tão rapidamente. Ela faz todas as fofoca e voluntariamente estava perdendo essa?


"Tudo bem, gente acabem com isso." Os policiais apareceram junto com o oficial Reynolds, que sei era o pai de Trevor. As pessoas estavam espalhando para sair, mas eu estava presa ao chão. "Filho, o que está acontecendo aqui?" Seu pai questionou Trevor, enquanto olhava para Keiran. Eu queria tomar uma página fora do livro de Keenan e arrancar os olhos do oficial. Puxa Lake, você poderia ser mais imbecil? O cara é seu inimigo. "Nada pai. Estávamos apenas jogando. E ficou fora de controle." "Bom menino." Keenan zombou, ganhando a atenção do oficial Reynolds agora. "Vocês três, embora agora. Filho, quero você em casa. Não fale com esses meninos mais." "O que?" Dash perguntou. Oficial Reynolds franziu a testa para Dash, "Olha rapaz, não me importo com o quanto poder o seu papai tem", ele zombou. "Eu não tenho medo de algum garotinho que mal saiu do seio de sua mãe." Um sorriso lento espalhou pelo rosto de Dash. "Nós vamos ver isso ─ Com pai ou não" Oficial Reynolds abriu a boca para falar quando Keiran finalmente falou. "Nós estamos indo. Nós não queremos que ninguém se machuque, não é mesmo Oficial?" Eu tinha a sensação de que Keiran não estava falando sobre si mesmo ou seu primo e Dash. Eu vi o flash de medo dentro dos olhos do oficial Reynolds antes dele estreitá-los e dizer: "É isso mesmo." Keiran e os caras saíram sem outra palavra. Ele mal me olhou ao longo de toda a troca de palavras. Sheldon e eu deixamos a lanchonete logo depois e desde que Sheldon estava estacionado perto da lanchonete, nos separamos imediatamente com a promessa de nos ligar. Eu andei ao redor do prédio em direção aos espaços extras onde meu carro estava estacionado e parei. Keiran estava sentado na traseira do meu carro, a cabeça inclinada com as mãos segurando o cabelo. Eu nunca tinha visto ele parecer nada menos do que legal e confiante, mas agora ele parecia


estressado. Eu não cheguei muito perto dele, antes dele levantar a cabeça como se estivesse me sentindo aproximar. Ele tinha um olhar torturado em seu rosto enquanto o meu manteve-se neutro. "O que você está fazendo?", perguntei em vez de tentar parecer indiferente. "Esperando por você." Ele pulou graciosamente, considerando que suas pernas eram assustadoramente longas e agora estava parado na minha frente. Ele afastou meu cabelo, que agora estava solto, colocando atrás da minha orelha e me olhou suavemente. "Leve-me para casa com você." Eu vacilei com suas palavras, sentindo-me confusa. "Por quê?" Ele baixou a mão ao mesmo tempo que deixou cair sua máscara, aparecendo a fria e inalcançável novamente. "Porque eu mandei." *** "Comece a falar." Nós mal tínhamos passado do limiar da porta, quando Keiran emitiu o comando. Ele me sentou a sua frente e me encarou. Eu sentia como se estivesse em uma sala de interrogatório, em vez de minha sala de estar. Não me atrevi a levá-lo para o meu quarto. "Isso depende." Eu me remexia sob seu olhar minucioso mas continuei olhando para o chão. "De que?" "O que você quer ouvir." Eu olhei para ele e ele rosnou, mas não disse nada. "Certo." Eu olhei para o chão novamente, tentando contar os pontos do carpete. "Bem, por que eu deveria? Você não ouviu antes. Mesmo naquele dia no refeitório", eu disse e olhei para ele.


Eu sabia que estava agindo como uma criança de três anos e não me importava. Eu não iria deixá-lo me intimidar na minha própria casa. Meu porto seguro. Ele franziu a testa e eu suspirei. "Um dia antes de você ser preso." Me irritava que ele não se lembrasse, porque eu me lembrava de tudo tão bem. *** Senti um arrepio nas minhas costas e eu queria correr. Esta situação estava me deixando desconfortável e eu não sabia como responder. Eu respirei fundo e soltei uma única palavra, selando meu destino. "Não." Seus olhos se estreitaram quando agarrou meu braço, apertando forte. Eu gritei de dor enquanto ele trouxe seu rosto para baixo para o meu. Eu virei o rosto, não querendo estar muito perto dele. "Você vai querer repensar isso?", ele perguntou de forma ameaçadora. Eu balancei a cabeça vigorosamente. "Ouça sua cadela ─" ele foi interrompido quando meu joelho se conectou com suas bolas e ele rapidamente me soltou, permitindo-me fugir antes que ele pudesse se recuperar. Eu corri para o corredor fazendo rapidamente o meu caminho para o refeitório sem nunca parar para pensar sobre a decisão que eu tinha tomado. Eu tinha que avisá-lo. Eu avancei pelo meio da cafeteria chamando a atenção de todos os presentes enquanto me dirigia para a mesa que Keiran sempre se sentava, no outro lado do refeitório, de frente para a minha mesa de sempre. Quando cheguei em sua mesa, eu estava respirando com dificuldade. Meu cabelo estava em desordem, como fossem tentáculos no meu rosto e cordões pesados em torno do meu ombro escapando do


meu rabo de cavalo. Ele me olhou com um olhar vazio, como se estivesse entediado. "Eu preciso falar com você." Eu me dirigi a ele. Algumas garotas que se sentavam na mesa riram do meu pedido, enquanto eu olhava para ele suplicante. Seu primo estava lá com sua namorada, Sheldon, em seu colo. Junto a eles estava Keiran e do lado direito, Dash Chambers, seu melhor amigo e playboy mais rico da escola. "Você está cert -" Keenan começou a dizer antes de Keiran lhe lançar um olhar rápido, silenciando-o. Ele se virou para mim com um olhar distante que aparecia afetado por meu estado desgrenhado. "Vá... embora", ele simplesmente disse. Ele estava esparramado embaixo de sua cadeira, suas pernas espalhadas, com ambos os braços esticados através das cadeiras vazias em cada lado dele. Parecia como se nada no mundo importasse, quando ele olhou para mim sob seus cílios. "Por favor, Keiran, isso é importante." "Eu te disse antes. Você não pode dizer o meu nome. Última oportunidade – saia." Eu tentei de novo, meu coração batendo rápido. Isso não ia acabar bem. Eu preciso que você ─" Ele saltou da sua cadeira tão rápido que voou de volta. Uma fração de segundo depois, ele recuperou-se e casualmente passou por mim com um ar de superioridade predatória que me fez sentir uma presa. "Você precisa de mim?", ele riu sombriamente enquanto circulava em torno de mim. Não faça isso... por favor. Abaixei a cabeça, sabendo o que estava por vir. "Eu pensei que lhe disse da última vez que não queria os seus serviços. Posso conseguir uma boceta fresca de graça." Ele cheirou o ar como se ele pudesse cheirar algo ruim. Então se inclinou em meu ouvido, mas afirmou suficientemente alto para todo mundo ouvir: "Você fede."


A cafeteria tinha ficado assustadoramente tranquila para acompanhar o que estava acontecendo. O sino tocou, sinalizando o fim do período de almoço e o início de outro, mas ninguém se moveu. Ele apontou para o braço esquerdo, onde Trevor tinha me agarrado deixando um hematoma. "Que vida difícil, não é? Seu último cliente deve ter dado a você um bom tempo." Eu não sou uma prostituta. Eu não sou. "Eu acho que não foi bom o suficiente desde que você teve que vir correndo para mim imediatamente depois." Ele parou de me rodear, parando na minha frente. "Você deve estar louca Monroe; Eu não iria tocá-la nem com metros de distancia, mas talvez Peter poderia ajudá-la. Parecia que ele realmente gostou de suas habilidades da última vez." Eu podia ouvir o riso e um suspiro chocado a distância quando, mais uma vez, caí em lágrimas. O choro era uma ocorrência diária para mim; às vezes eu nem sequer o notava. Naquele momento, queria morrer pensando que seria a única maneira de escapar. "Lake!" Eu ouvi o meu nome, mas não tive a força mental para levantar a cabeça. Luz, passos se aproximaram de mim e senti um braço gentil vir ao meu redor me guiando para a saída. "Lake, sinto muito, por que você veio aqui?" Eu finalmente reconheci a voz de Willow e levantei minha cabeça para encontrar lágrimas nos seus olhos. "Eu tinha que tentar", sussurrei. *** Com o reconhecimento mostrado em seu rosto e eu me sentei, enrolando minhas pernas debaixo de mim, esperando que ele dissesse alguma coisa. "Você disse que precisava falar comigo", disse ele. "Sim."


Ele revirou os olhos. "O que você precisava dizer?" "Eu sabia que você ia ser preso." Sua mandíbula apertou e sua respiração acelerou e me perguntei se ele sabia que estava fazendo isso. Estar perto dele nesses dias me permitiu ver muito. Mais do que ele estava mesmo ciente. "Tratava-se de uma confissão?" "Não." Apertou mais a mandíbula. "Uma chance." "Chega com os jogos!", ele gritou de repente e saltou para seus pés andando para lá e para cá. "Uma chance para quê?" "Uma chance de ficar ao meu lado! Eu tentei falar com você ─ Deus ─ Eu tentei avisá-lo! Isso nunca teria acontecido se você não fosse... um... maldito... idiota." Seus olhos brilharam antes que ele enfiasse a máscara de volta no lugar. "Então, a culpa é minha? Eu não pedi para ser preso." "A culpa não é sua, mas você teve alguma responsabilidade pelo o que aconteceu." "Eu não vou pedir desculpas pelo que fiz a você. Nada disso." Eu me senti como se meu coração fosse arrancado de mim e fez uma chacota. Sabendo que ele não estava arrependido pela dor que me causou, doeu mais do que toda a dor combinada ao longo dos anos, mas me recusei a chorar. Eu olhei para ele e endureci o meu olhar. Eu o odiava. "Então nós não temos nada a dizer um ao outro." "Ah, é?", ele perguntou perigosamente baixo. "Você quer uma explicação, eu quero um pedido de desculpas." "Não. Está. Acontecendo ", ele rosnou. "Eu concordo... tchau." Levantei minha mão para a porta com desdém, mas acho que foi um erro, porque encontrei-me presa contra as almofadas, seu corpo mantendo-me prisioneira, e sua mão apertando a minha garganta ameaçadoramente antes que eu pudesse piscar.


"Você vai me contar toda merda e não vou sair daqui até que você o faça." *** Ele estava falando sério. Quer dizer, acho que eu deveria ter sabido disso, considerando quem ele era, mas não demorou até que Keenan e Dash forneceu-lhe uma mochila com o que assumi que eram roupas. Eles começaram a jogar um jogo que parecia operações militares e me ignoraram. Havia rapazes na minha casa. Três, para ser exato. Minha tia ia me matar. De qualquer forma, considerando sua preocupação sobre a minha falta de uma vida amorosa, da persuasão adolescente, ela pode ficar enlevada, mas tenho certeza que ela pensaria que três era empurrar demais. "Saiam. Agora," eu exigi pela centésima vez. A frustração iniciada em vinte minutos atrás, quando Keenan me perguntou o que tinha para o jantar. Eu tinha ido atrás da faca de açougueiro, mas Keiran me avisou que ele já tinha escondido as facas. Dash e Keenan olharam para mim como se eu fosse quando me sentei. Eu nunca atirei uma faca em ninguém antes, situação exigia medidas desesperadas. Eu tinha certeza que iria coisas do meu jeito, se eu ameaçasse desmembrar ou separar apêndices de seus corpos.

louca mas a ver as certos

Depois de uma hora sendo ignorada, desisti temporariamente de chutá-los para fora, e subi as escadas para fazer lição de casa. Não é como se eu pudesse pedir ajuda. Depois de sua ameaça de confiscar minha casa, ele levou meu celular novo. Que idiota. Depois de terminar meu dever de casa, vou lá para baixo na esperança deles terem ido embora.


"Você ainda acha que ela fez isso?" Eu ouço Dash perguntar. Eu sabia que eles estavam falando de mim, então parei no canto para espionar. "Difícil dizer. Ela não parece interessada em limpar-se mais. " "Por quê? ", Perguntou Keenan. "Ela quer que eu peço desculpas", afirmou. Dash e Keenan bufaram. "Sim, isso não vai acontecer.", disse Keenan. "Bem, pelo menos sabemos que ela teve ajuda, se ela fez isso." Dash disse "Ou foi a ajuda. Aquele filho da puta do Trevor é um negócio feito, porra." Keenan trincou. "Ela disse que sabia que eu ia ser enquadrado e tentou me avisar um dia antes de eu ser preso. " "Quando você contou a toda cafeteria que ela fedia?", perguntou Keenan. "Cara, como você se lembra mas eu não?" "Porque essa foi a primeira vez que Sheldon me negou sua boceta. Nem mesmo quando ela me pegou a traindo na primeira vez tinha feito isso." "Um dia minha irmã irá deixá-lo." Dash riu. "Ela não tem uma palavra a dizer. Somos nós. Sempre seremos nós." "Eu não duvido. Por que ela está tomando o partido Lake, afinal?", Dash perguntou. "Ela acredita que Lake é inocente e você sabe que ela quer novos amigos. Rosalyn e Anya são uma peça de trabalho." Quem é Rosalyn? "Sim. Anya parece pensar que pertenço a ela. Ela é uma boa foda, mas realmente ela é apenas algo para fazer depois, quando foder com Monroe se tornar chato." "Será que alguma vez vai ficar?", perguntou Dash. Ele ficou em silêncio por um longo momento e eu achava que ele não ia responder.


"Quando ela me ignorar." Sua resposta me chocou. Por que ele se importa? "Falando de ignorar, o que está acontecendo com você e a cabeça vermelha?", perguntou Keenan a Dash. "O que que tem ela?" "Você a está perseguindo ela muito mais do que o necessário." Ele riu antes de responder, "Divertimento. Ela é divertida. Eu estou me divertindo." Imaginei o encolher dos ombros largos que ele provavelmente fez e fiquei possessa. Eu queria descer e enfrentá-los, mas sabia que não seria nada bom. Willow ainda não falava comigo. "Eu aposto que sim. Sua bunda parece incrível." Eu ouvi o som de carne batendo em carne, seguido pelo grito de dor de Keenan. Merda, se eles começarem a brigar e quebrarem algo em casa, minha tia vai me matar. "Ela é minha." "Porra, cara! Você bateu muito forte por só ‘diversão’. Na verdade, você geralmente compartilha a diversão." Ele continuou enfatizando a palavra diversão, enquanto o meu sangue continuava a ferver. "Agora não mais. Isso vale para você também, Keiran." "Eu não quero ela.", disse Keiran indiferente. A maneira como eles estavam falando dela, como se fosse um pedaço de carne, me irritava. "Você conhece Keiran. Ele prefere dormir com o inimigo. Ele tem um jeito meio estranho." Todos riram da piadinha de Keenan. Muito har har. Eu não achei nada engraçado. "Então, qual é o plano, cara? Eu sei que você precisa saber se ela é culpada ou não apenas para faze-la pagar de volta." "Esperar em torno até ela quebrar. Eu tenho três semanas." "E a tia. Ela é gostosa?"


"Eu vejo de onde ela herdou sua aparência". Keiran afirmou, sem responder diretamente à pergunta. "Foda—quente, então." Uma bofetada ressoou no ar e Keenan choramingou de dor novamente. Eu não podia sentir pena dele. Eu nem estava lisonjeada que ele pensasse que sou quente. "O que você vai fazer se ela for inocente?" Dash perguntou. Prendi a respiração à espera de sua resposta, até que tive certeza que estava ficando azul. "Não importa se ela é ou não inocente", afirmou Keiran com desinteresse. "Isso não vai mudar nada."


Capítulo Dezesseis Eu desisti de escutar e me dirigi de volta para cima para tomar banho. Não havia mais nada que precisava neste momento do que minha cama. A casa estava em silêncio quando terminei meu banho e saí do banheiro, então eu assumi que eles finalmente foram embora. Eu acho que minhas armas eram mais resistentes do que as de Keiran afinal. Ele provavelmente tinha ficado entediado e foi embora, eu imaginei. Eu estava errada quando abri a porta do quarto e o encontrei descansando em cima da minha cama. "Pronta para falar agora?", perguntou ele com sua voz suave, filtrada através do quarto. Ele estava segurando o meu diário aberto na mão. "O que você está fazendo?", eu gritei. "Relendo a minha história favorita da hora de dormir. Há novas anotações aqui", disse ele, sem olhar para mim. O sentimento familiar de medo retornou enquanto eu o observava ler o meu diário. Eu comecei a escrever há duas semanas atrás, quando as primeiras sintomas de depressão e solidão começaram a enraizar. Não havia mais ninguém que eu pudesse contar, então disse ao meu diário. Eu geralmente mantinha minhas pequenas anotações curtas, mas agora eram ainda mais curtas. Parecia que eu estava ficando sem tempo também. "Meu diário é particular. Você não tem esse direito", rosnei. Eu olhei em volta do meu quarto buscando algo para jogar nele ou melhor ainda, arrancar seus olhos para fora com o que eu achasse. "Eu tenho todo o direito, considerando que a maior parte é sobre mim." Ele parecia muito confortável descansando contra meus travesseiros e lendo todos os meus pensamentos e sentimentos secretos. Eles eram meus. "Por que você está fazendo isso?" "Você não vai falar, então tive que encontrar outra maneira para que você me diga o que preciso saber."


"E você achou alguma coisa?", eu perguntei sarcasticamente. "Eu achei muito." Ele fechou o diário, mas ainda o segurava na mão, provavelmente para me deixar louca. Eu o queria fora de suas mãos, muito. Eu não podia apagar o que ele já sabia, mas talvez fosse levar um pouco da dor humilhante à distância. "Bom, então você pode sair", insisti. "Eu não estou indo a lugar nenhum." "Saia. Eu não quero você aqui ", eu disse com firmeza. "Eu acho que você quer muito mais de mim do que está disposta a admitir em voz alta", brincou ao acenar meu diário e jogá-lo na cama. Finalmente. "Venha aqui", ele acenou. "Não." Eu finquei meus pés no chão para afastar o poder e a magia que ele exercia sobre mim. O que me fazia obedecer. "Você vai me fazer ir buscar você, então?" "Se for preciso," eu disse e agarrei minha toalha mais apertada em torno de mim. "Monroe?" Ele chamou baixinho, sua voz era suave, mas o olhar que ele me deu foi intenso quando seus olhos percorreram meu corpo com desejo ardente. "Sim?" "Você está ferida?" "Não", respondi, sentindo minha boceta apertar. Ele estava ansioso para o que estava por vir e eu também, tive que admiti a contragosto. "Quando eu colocar minhas mãos em você", disse ele, levantando-se da cama, "Vou te foder forte e vou fazer você gozar mais forte ainda." Ele tirou sua camisa enquanto dava passos lentos em minha direção. "Você está pronta para mim?"


"Se você me odeia tanto, por que me quer?" Eu soltei. Se eu não estivesse tão concentrada nele, teria perdido sua pausa e o olhar de incerteza que passou em seus olhos antes que ele escondesse. "Eu poderia te perguntar a mesma coisa. Além disso, acho que é um pouco tarde demais para questionar agora", ele respondeu sarcasticamente. Eu levantei meu queixo e recuei um passo. "Eu não acho que você me queira. Eu acho que você faz isso para me atormentar mais." "Então estou torturando a ambos", disse ele, antes que ele roubasse meus lábios com os seus e me apoiasse contra a parede. Quando abri para ele, ele chupou minha língua e desembrulhou a minha toalha do meu corpo. Eu ouvi a queda do material no chão aos nossos pés, quando ele pressionou com mais força contra o meu corpo nu. Ele tinha bem mais que 1,80m de altura e sempre me fazia sentir tão pequena comparado a ele. Seu peito nu estava quente contra a minha própria pele, enquanto sua dureza brincava no meu estômago através de seu jeans. Eu não conseguia acabar com nossa distancia o suficiente, então desabotoei sua calça jeans, empurrei para baixo de seus quadris e imediatamente agarrei seu pau na minha mão pequena. Ele cavou em seu jeans e tirou um preservativo. Ele empurrou-o em minha mão e me mandou colocá-lo nele. Seu olhar era presunçoso, enquanto observava o meu jogo de mão ao redor de seu pau. Eu me atrapalhei com o preservativo por um minuto, antes de finalmente entender isso e embainhar a seu redor. "Erga sua perna", ele ordenou, tocando minha coxa. Eu passei minha perna ao redor de sua cintura. O movimento me abriu para sentir seu pau esfregando tentadoramente contra a minha abertura. "Ponha-me dentro de sua boceta, baby. Eu preciso sentir você agora." Meu coração acelerou, ao ouvir ele me chamar de 'baby', mas eu sabia que tinha que ser o desejo agora. Mesmo a noite, Keiran parecia perder o controle quando nossos corpos se uniam. Com uma das mãos em seu pau, usei a minha outra para agarrar a bunda dele e levá-lo para dentro da minha boceta em espera. "Segure-se em mim", ele resmungou.


Eu passei meus braços em volta do seu pescoço, enquanto ele pressionava seu peito em meus seios e me apertava contra a parede. Eu não estava preparada para o instante que ele puxou para trás e bateu em mim. Eu soltei um grito chocado de prazer e olhei para ele. Seus olhos estavam vidrados quando ele olhou para o lugar onde nossos corpos estavam unidos. "Você está tão profundo", eu disse com um gemido trêmulo. Ele fez uma careta, puxando para trás e enfiou o pau em mim novamente. "Não profundo o suficiente," ele gemeu. Nós dois parecíamos perder o controle, ao mesmo tempo que seu corpo duro balançava em mim de novo e de novo, forçando gritos apaixonados da minha garganta. Seus golpes eram brutais e inflexíveis. Sua cabeça abaixada e a boca fechada sobre o meu mamilo, mordendo e chupando. Joguei minha cabeça para trás e apertei-me contra ele. Ele levantou minha outra perna em torno de sua cintura, mantendo seu ritmo e controle sobre o meu corpo. "Eu posso sentir o aperto de sua boceta em torno de meu pau, Monroe. Você gosta do que estou fazendo para você?" "Sim." "Diga isso", ele rosnou e me levou para mais estocadas forte. "Eu gosto disso. Por favor, não pare. " "Eu não vou parar. Eu nunca vou parar." Ele me levou até a cama, onde ele se sentou na beira. Eu envolvi minhas pernas apertadas em torno de sua cintura enquanto ele dirigia seu pau para cima de mim lentamente. "Sua boceta está tão quente e úmida." Ele apertou os quadris em mim e senti a pressão mais embaixo no meu estômago. "Sim, bem aí. Foda-me aí," eu o incentivei descontroladamente. Minhas inibições sempre fugiam uma vez que seu pau estivesse dentro de mim. "tão ... porra ... apertada", ele me apertou, me batendo mais forte a seguir. "Por favor ... Eu preciso gozar".


"Mmmh, mas eu acho que gostaria de fazer você implorar um pouco mais", ele brincou. "Não", eu gemi. "Agora." Agarrei seus ombros e montei em cima dele. A noite que ele tomou minha virgindade, ele me fez aprender a montá-lo, e isso veio bem a calhar agora, quando montei ele furiosamente, assumindo o ritmo e o controle. Eu me fodia em seu pau, enquanto ele me olhava com um olhar orgulhoso no rosto. Eu estava fazendo a porra agora, mas sabia que ele ainda detinha todo o controle. Então quando senti meu orgasmo subindo, encontrei-me de bruços sobre o colchão. "Você vai ter que pagar por isso", disse ele com um tapa no meu rosto. Senti suas mãos acariciarem meu traseiro e, em seguida, ele estava em cima de mim, deslizando para dentro novamente. Sua mão ficou sob a minha boceta onde nós nos juntamos e levantei meus quadris para ele. Sua outra mão veio ao redor do meu pescoço para agarrar-me. "Agora vamos deixar uma coisa clara entre você e eu", disse ele em meu ouvido quando impulsionou em mim mais uma vez, me fazendo gritar. "Você não pode mais fazer nenhuma merda." Ele ergueu o peito das minhas costas e agarrou meu cabelo. "Eu lhe disse antes, Monroe. Você irá se submeter a mim, não o contrário." Ele usou seu pau para me punir quando me bateu repetidamente. Meu grito ensurdecedor misturado com seu rugido, parecia abalar a casa quando nós gozamos simultaneamente. *** Era tradição para Bainbridge realizar jogos de basquete todos os sábados de manhã, antes do início da temporada para a comunidade. Foi também uma maneira de sondar novos jogadores antes dos testes e manter os jogadores prontos. O comparecimento era sempre enorme, e toda Six Forks tentava aglomerar-se no ginásio. Willow arrastava-me a estas coisas uma ou duas vezes no passado, mas eu estava sempre


acima do meu limite para apreciar realmente o jogo, sabendo que Keiran estava lá. Agora eu estava aqui com Keiran e ainda muito nervosa, quando me sentei na seção de equipe. Keiran tinha desaparecido para o vestiário com os outros jogadores após me despejar nas arquibancadas com um pedido firme para ficar. "Ei, seu pedaço de merda, estive chamando você." Olhei para cima para encontrar uma Sheldon afrontada olhando para mim, antes dela irromper em um sorriso e se sentar no meu colo. Todo o ar dos meus pulmões foram para fora de mim quando seu peso me prendeu ao meu assento. Ela olhou para mim maliciosamente como se soubesse o que estava fazendo. "Sheldon, você está me esmagando." Eu ofegava para fora. Ela engasgou de indignação perante a insinuação, "Você está me chamando de gorda?" "Sheldon!" "Eu tenho uma surpresa para você", ela disse em uma voz melodiosa. Antes que eu pudesse perguntar o que ou jogá-la fora de meu colo, Keiran retornou. "Onde está Monroe?" Eu ouvi a pergunta na voz profunda de Keiran. Eu levantei minha mão para sinalizar que estava lá, porque Sheldon ainda estava sentada em mim. Gargalhadas entraram em erupção e, em seguida, seu peso foi tirado de mim, assim que comecei a ver as manchas. "Você pode sentar no colo do papai se você precisar de um lugar para sentar", Keenan falou lentamente. Ela revirou os olhos antes de empurrá-lo e sentar-se ao meu lado. "Então? Onde você estava e por que você não retornou às minhas ligações?" Sheldon questionava, enquanto descaradamente ignorava Keenan que, em seguida, pisou fora irritado. Eu procurei por uma desculpa razoável para ela, mas nenhuma me ocorreu. Será que eu poderia dizer a ela que Keiran estava me mantendo como refém na minha própria casa e me isolou de qualquer um que pudesse me ajudar, enquanto me fodia até perto da


inconsciência, para passar o tempo? Olhei para Keiran que estava ocupado amarrando seus sapatos, mas eu sabia que ele estava ouvindo. "Oh, hum... eu adormeci. Foi uma longa noite e dormi cedo." Ela me olhou com ceticismo, eu sabia que ela sabia que eu estava escondendo algumas merdas. "Mhmm, então por que você está aqui? Você disse que odeia essas coisas quando te convidei." Olhei para cima quando senti Keiran me assistindo agora. Ele me lançou um olhar de advertência antes de caminhar para a quadra. A multidão irrompeu em uma cacofonia ensurdecedora de gritos e assobios quando eles rugiram o seu bem-vindo. Keiran estava de volta na quadra. A primeira cadeia de jogadores se reuniram na quadra apertando as mãos. Keiran, Dash, e Keenan estavam na mesma equipe e fiquei surpresa ao ver Buddy se unindo à eles. Eu não sabia que ele poderia jogar basquete muito menos querer se juntar à equipe. Trevor estava lá e na equipe adversária com outros quatro caras que eu reconheci da escola. Minha suposição era de que ele estaria liderando a equipe. Mudou-se para a frente para apertar a mão de Keiran, mas Keiran suavemente passou a bola para ele e ficou em posição para iniciar o jogo. "Eu não posso acreditar que ele está deixando Trevor ter a bola." Sheldon declarou, perplexa. Eu não era um especialista em basquete, mas mesmo eu sabia que não era assim que o jogo começava. A expressão de Keiran era fria, dando a impressão de que não se importava. Ele olhou para Trevor, desafiando-o a protestar. Olhei em volta e vi a expressão confusa entre as equipes. O árbitro deu de ombros e se afastou enquanto soprava o apito sinalizando para começar o jogo. Trevor driblou a bola, mas antes que ele pudesse passar a bola, Keiran roubou dele passando-a para Dash, que sem esforço levou a cesta, marcando o primeiro ponto. Tudo aconteceu rápido demais para


qualquer um compreender; causando um atraso na reação, mas logo um rugido ensurdecedor sacudiu o ginásio. Sheldon era pior. Ela quase caiu em cima de mim de seu salto e gritando. Trevor ficou furioso. Keiran, basicamente, o humilhou na frente de todos. Quando Dash olhou e piscou, Willow corou e virou a cabeça. Estes dois estavam se escondendo à vista de todos e Willow ainda não confia em mim. O jogo foi intenso enquanto a equipe de Keiran dominava o placar e cativava a multidão. Foi uma moleza ganhar, quando a frustração de Trevor cresceu e começou a tirá-lo de sua equipe. Keiran era como um general, comandando e frio. Ele lia facilmente a defesa da equipe adversária e explorava suas táticas. Eu aprendi com Sheldon que ele joga como armador, enquanto Dash guardava na defesa e Keenan era o poder para frente. Dash era o jogador mais arrogante, fazendo muitos pontos após pontos e, efetivamente manuseando a bola. Ele não tinha nenhum problema mostrando sua habilidade. Keenan era o jogador mais agressivo. Ele principalmente se hospedava perto da cesta e entrava para rebotes ou assistências, driblando o jogador que estava fazendo um mau trabalho de defesa. Eu aplaudi principalmente para incentivar Buddy, que estava jogando na pequena área. Dash olhou para ele várias vezes na quadra, ao que parecia, encorajando-o a ir atrás da bola, enquanto ele ladeava Keiran para criar aberturas para uma cesta. A equipe adversária estava muito ocupada tentando emboscar Keiran, especialmente Trevor, mas ele lidou com eles com facilidade. O resultado estava agora em uma situação embaraçosa: 34-17. A pontuação da equipe de Trevor era a menor e metade dos pontos quem fez foi Keiran. Ao se aproximar do fim do último tempo, Trevor ficou mais agressivo sobre a equipe de Keiran, mesmo que eles já tinham puxado para trás. Eles estavam ficando mais e mais irritados com o


comportamento de Trevor ao que parece, ou as suas expressões eram qualquer coisa assim. Keiran tinha a bola se preparando para lançar, mas foi bloqueado por Trevor, que parecia perto de agredi-lo parando a bola quando ele não podia roubá-la. O rosto de Keiran permaneceu impassível, não revelando nada até que o cotovelo ligou com o nariz de Trevor fazendo-o cair. O árbitro soprou o apito sinalizando uma falta a favor da equipe de Trevor, dando-lhes a concessão da bola. O técnico olhou como se quisesse puxar Keiran fora do jogo, mas não o fez. Depois de tudo, o que havia era menos de um minuto faltando. Eles já haviam ganho o jogo. A vitória veio para a equipe de Keiran e todos os jogadores de ambas as equipes se reuniram na quadra para apertar as mãos mais uma vez. Eu sentei lá preparada para esperar por Keiran e admiti que estava feliz em vê-lo jogar pela primeira vez. Ele era realmente bom e me perguntei se ele planejava fazer disso uma profissão. Eu vi Anya com algumas de suas seguidoras da escola e uma outra garota desconhecida, elas se aproximam e eu interiormente gemi. "Sheldon, por que você não se senta com a gente? Keiran e Dash nos disse para sentarmos do outro lado," Anya lamentou. Elas me notaram sentada aqui e viraram o nariz. "Realmente Sheldon, você deveria ter nos mandado uma mensagem para que você não tivesse que se sentar com uma perdedora," Anya zombou. "Parece-me que ela está sentada do lado que acaba de ganhar", Willow disse. Eu nem sequer a notei subir. Eu ri porque ela nunca foi de ficar quieta. A menina que se parecia com uma daquelas debutantes da alta sociedade, estreitou os olhos para Willow enquanto pegava em seu cabelo e roupas, com um olhar de desgosto em seu rosto. Eu queria limpar a parte inferior do meu sapato em seu rosto. "E quem é você?", ela perguntou. "Ninguém da sua conta". Willow rolou o pescoço dela, dando a garota o seu olhar 'Não se meta comigo'. "Bem, eu sou Rosalyn Cordell. Noiva de Dash e eu acredito que você está no meu lugar."


O que ela disse agora? Eu rapidamente olho para Willow cujo rosto está sem cor. Ouvi Sheldon murmurar, "Oh, merda" e, em seguida, Willow se levanta lentamente e sai, deixando Rosalyn e Anya com sorrisos em seus rostos. Suas comparsas estão cacarejando, enquanto meu coração se partiu por Willow. "Você provavelmente deve ir com ela, perdedora. Keiran não quer você e você está sentada na minha cadeira", afirmou Anya. Eu não hesitei em me mover, mas não por causa de Anya, mas porque tinha que verificar a minha amiga. Ouvi Sheldon discutir com elas antes de eu empurrar as portas. Eu verifiquei o vestiário das meninas e imediatamente ouvi soluços suaves vindo de um dos boxes. "Willow?" Eu chamei baixinho. "Está tudo bem, Lake. Eu não estou chorando." Ela se partiu na última palavra e chorou mais, torcendo meu coração. Eu senti sua dor e queria compartilhá-la com ela, mesmo se fosse apenas para tomar um pouco dela. "Willow, por favor. Por favor, abra a porta para que eu possa te abraçar. É a única maneira, porque não sei o que dizer. Eu não sei como fazer isso direito. Fale comigo." Ela começou a tossir forte, arrancando soluços e então eu podia ouvir o som de seus vômitos violentamente. A ouvi gemer, em seguida, a porta se abriu de repente e Willow voou passando por mim, correndo para fora do vestiário. "Willow!" Eu gritei em vão. Notei algo colorido deixado em cima da pia e avancei para inspecioná-lo. Era um bracelete de platina com pedras de ametista. Os únicos encantos eram asas de anjo e as letras 'D' e 'W'. O braço direito do W estava enrolado em torno da curva da letra D como amantes. Era lindo. Eu poderia dizer que era caro e algo que nem Willow ou seus pais poderiam pagar. Eu nunca tinha visto Willow com esta pulseira antes e parecia muito novo para ter sido herdada. Dash.


Tinha que vir dele. As letras D e W fazia sentido juntamente com asas de anjo. Ele a chamou de anjo uma vez antes. Eu embolsei o bracelete com a intenção de devolvê-lo a ela quando esbarrei em um corpo rígido que bloqueou a minha saída. "Onde você vai com essa pressa?" Uma voz familiar perguntou. Eu fui empurrada para dentro do vestiário, quando Trevor avançou, fechando a porta atrás de si. Eu imediatamente berrei por ajuda, mas ele apertou a mão suada sobre minha boca, abafando meu grito. "Eu acho que não, querida. Nós temos coisas para discutir e você não vai sair daqui até que nós terminarmos." Ele me pressionou contra o lado do box, me prendendo. "Você sabe, sua amiga é uma puta idiota. Ela nunca teve uma chance real com Dash ─ oh sim, eu sei", afirmou percebendo o meu choque. "Sua família pode ser rica, mas eles não valem nada. Eles pegam o que querem, sem se preocupar com os outros ou a lei. Gostaria de saber qual é a sensação de possuir tanto poder? Talvez, um dia eu vá descobrir." Eu lutei para não rolar os olhos para ele e irritá-lo ainda mais. Seu olhar me dizia que ele estava à beira de instabilidade. "Então me diga. Você está dando para o Keiran?" Meus olhos se estreitaram para ele com desgosto, pelo que ele simplesmente deu de ombros. "Claro que você está. Ou isso ou ele está tomando. Ele não é o cara que todo mundo pensa que é, você sabe. Mas mesmo ele não conseguiu impedir uma condenação por drogas de manchar sua imagem. E pensar sobre todo o trabalho duro que fiz para tramar isso." Eu tentei falar, mas saiu abafado, então ele levantou a mão. "O que é, querida?" Eu odiava essa palavra instantaneamente. "Eu disse que você é um invejoso, idiota patético." Ele sorriu. "Claro que eu estava com inveja. O cara estava roubando todos os louros e a fama. Eu pensei que se me livrasse dele, Keenan e Dash não seriam muito de uma ameaça e eu poderia governar a escola."


"Então você o enquadrou por status?" Isso tinha que ser o motivo mais idiota de merda que já ouvi. Esse cara tem problemas. "Ele também meteu o nariz onde não devia. Minha mãe deixou meu pai por causa dele. " "Por que Keiran tem algo a ver com a sua mãe deixando o seu pai? " "Porque Keiran a convenceu a divorciar-se dele e abandonar sua própria família." Eu ouvi rumores há algum tempo antes de Keiran ser preso, que os pais de Trevor estavam se divorciando, mas como é que Keiran estava envolvido? "Então, por que me incriminar?" "Eu precisava de um bode expiatório. Você sempre vai ser só isso mesmo, então você me ajudou. Eu tenho que te dizer querida, não contava que você fosse me negar um pedido. Teria feito a minha tarefa muito mais fácil também. Quero dizer, quem sabia que você estaria apaixonada pelo cara depois de tudo o que ele fez com você." "Eu não estou apaixonada por ele." "Ah, sim, você está. Depois que você disse que não, poderia ter apenas se afastado, mas não, você ainda tentou avisar o cara e ele esmagou o seu pequeno coração pobre, ali mesmo no refeitório. Tsk. Tsk. " "Isso não significa nada." "A escola inteira sabe que Keiran quer você. Quase anseia por você. Todos, exceto você, sabe disso. Mas, em vez de apenas ter você, ele fodeu com você. Fez sua vida um inferno. Isso tem que ser a preliminar mais foda que já ouvi falar. " "Você não sabe do que está falando", eu continuava a negar. Na verdade, eu estava deslumbrada com o que Trevor estava revelando e uma parte de mim sabia que era verdade. "Vamos. Até mesmo Anya sabe que Keiran te quer. Ela acha que você é uma ameaça, e tenho que dizer que você é muito mais quente do que ela. É por isso que ela me ajudou." "Anya te ajudou? Mas ela é a namorada de Keiran."


" Sim, em sua cabeça ela é. " "E daí? Você queria ela também?" Ele deu de ombros. "Eu disse a ela que enviaria Keiran afastado por um tempo, esse era um pequeno preço a pagar para fazê-lo esquecer você. Ela roubou seu telefone e ligou para denunciar ele como se fosse você. Simples. Meu pai e eu arrumamos o resto ", ele sorriu. "Você está fodido na cabeça, você sabe disso?" Eu queria sair dessa tenda e ir para longe de sua loucura. Keiran deve estar procurando por mim até agora. "Cuidado. Você não quer fazer disto pior para si mesma." Pavor e um frio invadiu meu corpo com o olhar em seus olhos. "Fazer o que pior?", eu perguntei em uma respiração instável. "Keiran me humilhou na quadra hoje e em frente da cidade, da escola, e do meu pai", disse ele com os dentes cerrados. "Qual melhor maneira de fazê-lo pagar do que tomar o que ele mais quer? Eu realmente deveria ter feito isso em vez de enquadrá-lo." Sem aviso, bateu seus lábios nos meus, me fazendo engasgar enquanto eu lutava contra seu aperto nos confins do box. "Não!" Eu gritei quando senti sua mão deslizar na minha saia. A outra agarrou forte o meu peito esquerdo. Eu tentei trazer o meu joelho para cima para suas bolas, mas suas pernas fizeram as minhas pernas imóveis. Assim que comecei a entrar em pânico e ficar desesperada, definindo o quanto eu lutaria pelo que parecia ser para sair viva, tinha acabado tão rapidamente como começou. Eu estava ofegante quando Trevor foi arrancado de mim e eu fui levantada suavemente para fora do box. Olhei bem a tempo de ver um formidável Keiran torcendo o braço direito de Trevor ao meio, em um aperto forte e doentio de quebrar músculos e ossos. A última coisa que ouvi foi o seu grito de ─ sangue e dor.


Capítulo Dezessete Uma voz masculina falava em algum lugar perto, quando comecei a acordar em um quarto que cheirava como pintura antiséptica e fresca. "Ela não parece ter sofrido quaisquer ferimentos por isso, quando ela acordar, estará livre para ir para casa. Os seus pais foram notificados?" "Sua tia é sua tutora e está atualmente fora da cidade, mas ela foi notificada e é esperado estar de volta amanhã de manhã." Meus olhos voaram com a menção de minha tia voltar para casa e o porquê. Isso não poderia estar acontecendo. "Lake, querida, você está acordada?" A voz soava como a mãe de Willow. "Sra. Waters?" Minha voz soava grogue e minha garganta estava seca. Olhei para a minha direita e vi que estava perto do médico. Eu não fiquei surpresa que ela estava aqui. Minha tia listou como um contato de emergência, porque ela frequentemente estava na estrada para reservar excursões e pesquisa. "Sou eu. Como você está se sentindo?" "Bem. O que ─ o que aconteceu?" Eu estava confusa a respeito de como eu acabei no hospital pela segunda vez na minha vida... Keiran. "Keiran, ele fez -" "Oh aquele jovem diabolicamente belo está na sala de espera! Ele salvou-a do cara que te atacou. Você não se lembra? " Tudo veio à tona para mim de uma vez e eu encontrei-me assentindo. Willow. Trevor. O vestiário.


Eu senti um mal estar e desejava que não me lembrasse de nada, quando lembrei sobre como suas mãos me tatearam e me puxaram. Eu também senti culpa por assumir que Keiran tinha feito alguma coisa para mim. Espere. Ele está aqui? "Oi Lake, eu sou o Dr. Landing. Você sofreu uma situação bastante traumática. Você está sentindo alguma dor?" Dr. Landing, um homem de meia idade com cabelos grisalhos, me examinando e me perguntou algumas questões de rotina. Ele então me informou que a polícia estava esperando lá fora para me fazer perguntas sobre o ataque e que ele iria enviá-los, se eu estivesse pronta. Eu não queria falar com ninguém, mas sabia que era melhor fazê-lo apenas para acabar com isso. Eles vieram e respondi suas perguntas e repeti a confissão que Trevor me disse antes dele me atacar. Depois que eles saíram, o médico me disse que eu estava livre para ir e saiu. Imediatamente depois que eles partiram, a porta do meu quarto foi empurrada e Keiran entrou. Eu olhei para sua aparência e imediatamente percebi a pele sangrenta em volta de seus dedos. Ele parecia tão quebrado quanto eu. "Oi", ele cumprimentou em tom sombrio. Ele me olhou com olhos duros de seu lugar ao lado da porta. "Oi," eu sussurrei. Nós continuamos a olhar um para o outro em silêncio. "Eu mandei todo mundo para casa. Willow e sua mãe ainda estão à espera. Eu quero te levar para casa. Você vai me deixar?" "Eu não acho que ─" "Por favor," ele me cortou. Seu apelo era nada menos que surpreendente. Keiran era um, ‘levar tudo e foda-se tudo’, tipo de pessoa. Ele fazia o que queria sem permissão ou preocupação. Pode ter sido a culpa pelo seu erro que fez ele mudar de atitude... pelo menos neste momento, então decidi dar-lhe algo que ele nunca me deu. Misericórdia.


Eu balancei a cabeça favoravelmente e entramos na sala de espera juntos. Willow estava lá, como Keiran disse. Um turbilhão de emoções cruzaram seu rosto quando ela me viu e eu sabia que ela estava à beira de quebrar. Ela correu até a mim e me abraçou com lágrimas escorrendo pelo rosto. "Eu sinto muito. Eu não deveria ter deixado você." Seu pequeno corpo tremia com lágrimas e eu odiava que ela se culpasse. Ela estava no meio de seu próprio tumulto emocional. Ela não precisava do ônus do meu também. "Não faça isso. Ninguém tem culpa, somente Trevor e sua próprio mente fodida. Não você e nem eu." Eu beijei sua testa antes de liberá-la para enfrentar sua mãe. "Senhora. Waters Eu aprecio a Sra. ter vindo, mas estou indo para casa com ele, se estiver tudo bem para a Sra. " "Oh, hum... você tem certeza? Realmente não tem nenhum problema." "Eu tenho certeza." Parecia que ela queria protestar, mas Willow agarrou a mão dela para levá-la para fora, mas não antes de olhar para Keiran em advertência. "Ligue-me quando você estiver em casa e sua tia estará voando amanhã de manhã." Ela finalmente partiu, deixando-me, juntamente com Keiran na sala de espera. Ele estava de pé diretamente atrás de mim e eu podia sentir o calor de seu corpo irradiando para mim. Não dessa vez, Lake. Olhei por cima do meu ombro para encontrá-lo me estudando intensamente. "Estou pronta", disse.

*** Segunda-feira finalmente chegou e eu estava feliz pela distração da escola. Tia Carissa chegou domingo de manhã e estive sob seu olhar atento desde então. Até onde ela sabe, fui atacada aleatoriamente em um vestiário na escola. Ela queria que eu ficasse


em casa invés de ir para a escola pelo resto do ano e eu quase deixei, mas não quero me esconder mais. Depois de muitos argumentos, ela finalmente concordou em continuar sua turnê e se organizou para voar de volta amanhã, mas ela me fez prometer que a Sra. Waters manteria um olho em mim. Isso significava visitas ─ regulares. Saí para a escola de manhã cedo, não querendo ir com Keiran. Depois que saímos do hospital, Keiran me levou para casa, mas, uma vez que parou na minha calçada, ele recebeu um telefonema. Ele discutiu no telefone com alguém antes de desligar, com uma expressão furiosa. Ele se virou para mim com pesar em seus olhos e me disse para sair do carro. Eu não o ouvi ou vi desde então. Peguei Willow no caminho para a escola esta manhã. Willow e eu fomos capazes de botar tudo para fora na noite passada, embora eu ainda não contei a ela sobre Dash usá-la para me atingir. Eu só não acho que agora era a hora para adicionar mais ao seu prato, considerando que ela acabou de descobriu que ele tem uma noiva. Nós desaparecemos na biblioteca uma vez que chegamos cedo para o primeiro período começar. Eu tinha a sensação de que Willow queria se esconder tanto quanto eu. "Oh Willow, quase esqueci", eu disse, alcançando dentro da minha bolsa. "Você deixou isso no vestiário." Tirei o bracelete que encontrei no sábado e a entreguei. Ela apenas olhou para ele ansiosamente, antes de um olhar de desgosto passar sobre seu rosto. Ela balançou a cabeça antes de dizer: "Eu não quero isso. É sem sentido." "Nunca deixe-me ouvi-la dizer essa merda de novo, meu anjo." Nós duas olhamos com surpresa para ver Dash e Keiran de pé na frente de nossa mesa, com expressões ferozes. Eu não entendia como eles nos encontraram tão rapidamente. Fiquei surpresa que eles se preocuparam em procurar. "Vá embora, Dash e você pode levar essa coisa com você. Tenho certeza de que sua noiva apreciaria. Mas de qualquer forma, seu nome não começa com W, não é?"


Willow baixou o olhar para seu livro, para ela não olhar em seus olhos, isso foi antes dele puxar ela para fora do seu assento e rapidamente desaparecesse com ela nas estantes. Eu podia ouvi-la falar com ele algumas de suas palavras favoritas e bem escolhidas. Ela soou como se tivesse tudo sob controle, então me virei para meus livros. Eu estava me preparando para ignorar Keiran, mas parecia que ele tinha outros planos quando me levantou do meu lugar e me sentou em seu colo. Eu lutei contra, mas ele passou os braços em volta de mim e enterrou seu rosto no meu cabelo. "Porra, eu senti falta disso", ele murmurou, me chocando completamente, me fazendo parar antes que eu percebesse que ele disse "disso" e não "você". Tudo o que ele queria de mim era o meu corpo e minha dor. Eu estava irritada comigo mesma por quão rápido poderia esquecer. "Não ─" O som de livros caindo das prateleiras e uma batida constante, interrompeu o que eu ia dizer. Eu saí fora de seu colo, com a intenção de me certificar que Willow estava bem, quando senti a mão de Keiran apertando ao redor do meu pulso, me parando. "Eu não faria isso uma segunda vez." Keiran advertiu. "O que você está ─ Oh." Entendimento ocorreu-me e eu podia sentir meu rosto corar. "Ele não iria ─" Keiran levantou uma sobrancelha. "Ela não iria ─" Eu fui interrompida pelo que soou como um gemido feminino que veio de sua direção. Eu não podia acreditar que eles estavam fazendo sexo na biblioteca da escola! Nós não estávamos mais do que alguns pés longe deles. Eu não conhecia mais a minha melhor amiga e o pensamento fez sentir-me mal. "Você não parece muito bem. Sente-se", ele ordenou, puxandome de volta para seu colo. Eu ainda podia ouvir os sons abafados de sexo e eu tentava desesperadamente ajustá-los para fora. "Você precisa manter Dash longe de Willow. Ele está corrompendo ela." Eu estreitei os olhos para Keiran em uma tentativa


lamentável para intimidá-lo. O canto de sua boca se elevou em um meio sorriso. "Ela quer ele." "Você não conhece ela. Você não sabe o que ela quer." "Aparentemente ‘você não quer’ e ‘seus gemidos’ falam uma coisa bem diferente", disse ele com naturalidade. Ele não parecia convencido sobre isso, mas isso ainda me deixou puta, porque eu sabia que ele estava certo. Apesar do desejo de Willow para ficar longe, ela parecia sempre querer estar com ele. Eu observei Keiran e admiti que eu poderia entender como se sente ao estar confuso. "Ela está confusa." Eu não sabia se estava tentando convencê-lo ou a mim mesma. Ele olhou para mim como se eu fosse louca diante de seus olhos e ele segurou o meu olhar. "Se isso faz você se sentir melhor, ele está tão confuso quanto ela, e talvez apenas um pouco viciado." Algo me disse que ele não estava falando apenas de Dash e Willow, em tudo. "Por que ele iria ficar viciado?" "Porque ela é muito malditamente bonita. Em todos os sentidos." Eu respirei na emoção crua evidente em sua voz. Ele não estava falando sobre eles. Ele estava falando sobre nós. "Por que você fugiu de mim esta manhã?" "Eu não fugi." Eu menti. "Não minta para mim. Nunca mais faça isso." Seus olhos cinzentos estavam endurecidos. "Você que saiu correndo no sábado. Você recebeu um telefonema e apenas saiu sem uma palavra." Ele soltou um suspiro antes de responder. "Eu não corri. Meu tio ficou sabendo do que aconteceu, então tive que te deixar e ir para casa." Eu ainda tenho arrepios quando penso sobre Trevor e o que ele tentou fazer.


"Como você me encontrou naquele dia?" Keiran ainda estava no campo, quando saí para correr atrás de Willow e não acho que ele me viu. "Eu vi Anya e Rosalyn se aproximando de você e estava esperando por problemas, quando vi Willow fugir e você correr atrás dela. " "Eu vi Willow correr para fora do vestiário e voltar para o ginásio, para se encontrar com Sheldon e arrastá-la para fora. Isso deve ter sido quando Trevor avançou", ele disse. Eu podia ver a auto culpa em seus olhos e mais uma vez quis confortá-lo, mas me segurei. "Sheldon entrou e voltou para fora momentos depois para obter ajuda." "Então, você ainda acha que foi eu que o incriminei?" Ele balançou a cabeça, "Não. Sheldon ouviu maior parte de sua confissão. Eu ouvi o suficiente." "Então o que acontece agora? O que vamos fazer?" Eu estava confusa a respeito do por que ele me seguiu, se já sabia a verdade. "Nós ainda somos inimigos... não somos?" "Eu ─ eu não sei", ele franziu a testa em confusão. Huh? Eu não estava esperando essa resposta. "Trevor estava certo." Ele engoliu em seco antes de continuar. "Na noite passada, pensei sobre você e sobre essa coisa entre nós que mantive viva por dez anos. Foi fodido, mas era a única maneira, porque eu odiava você. Essa parte foi real." "Então, o que, você acha que pode simplesmente pegar de onde paramos? Você quer continuar a me intimidar e me humilhar, porque isso te diverte?" Levantei-me para sair, muito além de chateada. "Foda-se." Levantei o dedo por diversão e me virei para sair. Claro que ele não me deixou sair. Eu encontrei-me deitada no topo da mesa com seu corpo duro pairando acima de mim, antes que eu pudesse dar um passo. Olhei em volta por ajuda, mas ainda era muito cedo para outros estudantes estarem ao redor e o bibliotecário não estaria deixando o jogo de paciência tão cedo.


"Shh." Ele tentou me acalmar. "Eu não posso dizer que nunca vou te machucar novamente ou que não vou mesmo querer." "Não? E você faria mal a minha tia também, não é?" Ele fechou os olhos como se estivesse com dor e respirou fundo. "Eu pensei que você era a culpada de me enquadrar. Isso nunca foi sobre ir para a cadeia. Eu fiz mais do que merda o suficiente para merecer essa sentença e não estou falando sobre você. De qualquer forma, pensei que você estava lutando contra isso. Pensei que você não tinha mais medo de mim. Eu tinha que fazê-la estar com medo de novo, porque não podia perder esse controle. Eu precisava disso." "Então, eu sou só deveria perdoá-lo?" Eu estreitei os olhos para ele. "Eu estou tentando ser honesto com você. Não tenho as palavras certas para fazer isso direito. Eu só sei que teria feito qualquer coisa para controlá-la. Eu ainda faria." Ele está falando sério? O olhar em seus olhos me disse que ele estava. "E se alguém tentasse machucar seu tio? Como você se sentiria?" Nada. Não havia um tremor ou emoção ou arrependimento. Seus olhos e rosto estavam tão imóveis quanto a morte. "Você não se importa sobre o seu tio?" Eu tentei de novo. "Não." Seu tom era seco e sem remorso. Bem, merda. Olhei para ele sem saber o que dizer. "Como? Quero dizer... por que não?" Ele deu de ombros e me levantou da mesa, me puxando para cima com ele para ficar sentada e, em seguida, ele estava de pé entre as minhas pernas. "Bem, e sobre a minha tia? Você ainda a está seguindo?" "Não", ele disse, enquanto olhava para mim. Suas mãos começaram a acariciar para cima e para baixo minhas coxas vestidas com jeans, lentamente. Eu queria puxar para baixo o capuz de sua cabeça, para que pudesse ver todos as suas feições e talvez correr minhas mãos pelo seu cabelo. Comecei a relaxar quando ele confirmou que minha tia estava segura agora, até que algo me ocorreu.


"Você está tentando me distrair?" O canto de sua boca se elevou em um meio sorriso que eu estava começando a amar. Ele me deu um olhar de menino e não tão assustador. "Está funcionando?", perguntou. "Não." Eu menti, mas ele não tinha que saber isso. Ele me deu um olhar cético antes de retirar as mãos e enfiar nos bolsos do casaco. Eu queria pegá-las de volta e ele deve ter entendido, pelo olhar arrogante em seu rosto. "Olha", eu respirei fundo, tomando coragem para o que eu tinha a dizer. "Eu não posso impedi-lo de me odiar, por isso não temos mais nada a dizer um ao outro." "Não, nós temos muito mais do que palavras que devemos um ao outro. Estou cansado de te odiar por algo que não é culpa sua." "Mas você me odiava antes disso." "Eu não estou falando sobre a prisão." Seus olhos hipnotizantes olharam nos meus, eu desejava poder compreender. Eu não entendo. "Eu não entendo, e não me importo. Nós terminamos por aqui." "Então deixe-me esclarecer para você." Os olhos dele ficaram frios com minha rejeição e desmentia tudo o que ele tinha acabado de dizer. "Você estragou tudo quando me deixou me aproximar de você. Você estragou tudo quando me deixou tocar em você. Mas você fodeu com tudo mesmo quando me deixou tê-la." "Eu não tive escolha!" Sua mão subiu para o meu pescoço para me segurar levemente. Seu polegar varreu meus lábios e eu inconscientemente lambi os lábios, saboreando sua pele. Seus olhos estavam agora também escuros com luxúria. Ele era quente e frio naquele momento. Eu tremi querendo fugir e ainda assim chegar mais perto. "Eu decidi que a primeira vez que você me deixasse entrar entre suas doces coxas, com culpa ou não, você seria minha. Eu estou cansado de negar o que quero. Você me quer tanto quanto eu."


"Notícia de última hora, eu tive você", retruquei, "e eu terminei com você." Eu cruzei os braços sobre o peito e olhei para ele desafiadoramente. "Essas cadelas estão seriamente ferradas!" Dash falou, saindo a partir das estantes e interrompendo tudo o que Keiran teria dito. Eu estava tão envolvida com Keiran que tinha esquecido de Willow e Dash. Eu reparei em sua aparência e senti meus olhos se arregalarem. Seu cabelo estava desgrenhado, o suor escorria de sua pele, e seu cinto estava agora soltou. Não restava dúvida sobre o que eles estavam fazendo. "O que você fez para Willow?" Eu pulei para fora da mesa para enfrentar Dash, mas acabei presa entre Keiran e a mesa quando ele se recusou a se mover. Olhei para cima para encará-lo e ele olhou de volta. "Nada ainda", Dash afirmou ameaçadoramente e olhou para Keiran. "Você está pronto, cara?" Keiran ignorou-o e agarrou meu rabo de cavalo levemente no punho. "Vá cuidar de sua amiga." Ele beijou a ponta do meu nariz e eu senti meu corpo amolecer contra a minha vontade. "Mas lembre-se do que eu disse," ele ordenou. Ele teve que sair e arruinar tudo. *** Eles finalmente saíram e eu corri para encontrar Willow nas estantes. Eu a encontrei chorando baixinho e imediatamente a envolvi em meus braços. "Willow, olhe para mim." Ela balançou a cabeça negativamente e manteve o rosto enterrado em meu ombro. "O que aconteceu? Por favor, deixe-me ajudá-la." "O destino deve ter um senso de humor doentio. Nós éramos as únicas duas pessoas da nossa escola no programa de verão para ser jogada em direção um ao outro. Ele sempre foi tão doce. Charmoso. Metade do tempo eu sabia que ele estava cheio de merda, mas isso não


importava, porque ele era engraçado e pé no chão. Eu sempre achei que ele era apenas um garoto rico e mimado com o nariz empinado, mas ele não era. Ele não era falso. Ele era real ─ o tempo todo, sobre tudo. Ou assim eu pensei." "Ele está quebrando seu coração," eu adivinhei. Eu estava tentada a ir atrás dele e chutá-lo nas bolas. "É realmente bobo da minha culpa. Ele nunca me prometeu nada. Ele simplesmente sempre me fez sentir especial. E pela primeira vez eu queria ser especial para alguém além de mim. Eu queria ser especial para ele. Eu me preocupava com o que ele pensava." Eu tentei esconder minha surpresa, mas sabia que meu rosto dizia tudo. Para ela era uma grande coisa. Willow era um tipo de garota ‘leva-me ou deixe-me’. "Um dia ainda tentei ser normal. Me vesti como uma cafona para agradar ou impressioná-lo ─ Eu não sei. Nós íamos sair e ele apareceu vestido como sempre veste." Ela soltou uma pequena risada, seus gritos finalmente cedendo. "Ele parecia ridiculamente belo e orgulhoso e eu o amava por isso. Esse foi o dia em que me entreguei a ele." "Por que você está chorando agora?" "Eu o ameacei conseguir uma ordem de restrição, se ele não ficar longe de mim." Eu levantei minhas sobrancelhas com surpresa. "Ele ficou chateado. Realmente chateado. Ele disse que não era justo tentar forçá-lo a ficar longe só porque eu não poderia". "Entendo que ele é o supostamente noivo de Rosalyn, mas por que você estava lutando contra ele antes mesmo de descobrir?" "Você sabe que Charles é o meu pai adotivo e o verdadeiro pai de Buddy?" Eu assenti. "Minha mãe não gosta de falar sobre isso, mas o meu pai biológico é um cara rico que ela se apaixonou. Bem, eles deveriam se casar, mas sua família não aprovava ela. Aparentemente, ele já estava noivo de outra pessoa. Minha mãe não contou muito sobre essa suposta noiva, apenas que ela vinha de uma família rica também." "Isso está soando familiar", eu disse secamente.


"Sim, é por isso que me apavorei sábado e pela primeira vez tive que admitir que minha mãe estava certa e doeu como o inferno ouvir que ele estava brincando comigo." A culpa me comia mais eu a ouvia, porque sabia do plano de Keiran e Dash e da maneira que participei disso não dizendo nada. Na época, pensei que era a coisa certa a fazer, mas agora ... Eu respirei fundo e me preparei para o que tinha que fazer. "Willow, Keiran instruiu Dash para chegar até você para que ele pudesse usá-lo para me chantagear. Eu sabia sobre isso, mas não poderia dizer-lhe porque se fizesse, ele iria dizer a Dash para quebrar seu coração." As palavras correram para fora da minha boca antes que eu pudesse pensar sobre isso. Ela balançou a cabeça e lançou uma risada sem humor. "Ele foi bem sucedido. Meu coração está quebrado." "Eu sinto muito, Willow. Eu deveria ter contado mais cedo. Por favor, me perdoe." "Sim, você devia ter dito", afirmou. "Mas não culpo você." Eu a abracei e surpreendentemente ela me abraçou de volta. "Então, por que se envolver com ele?" "Na verdade, não descobri até eu voltar. Ele veio até a minha casa no segundo dia que voltamos. Ele disse que sentiu minha falta e foi estranho não me ver assim, então o deixei entrar. Eu o apresentei a minha mãe e ela ficou muito fria em direção a ele. Foi estranho, então pedi desculpas e pedi-lhe para sair. Minha mãe e eu tivemos uma briga enorme quando ela me proibiu de vê-lo. Eu quis saber por que, e foi aí que ela me contou sobre meu pai. Eu me senti tão mal por ela e parecia realmente importante para ela, então cedi. Foi a coisa mais difícil que tive que fazer. Apenas quando estava me tornando algo com Dash, eu tive que esquece-lo. Depois de uma tempo, comecei a me lembrar de quem ele realmente era. Ele era o playboy popular. Ele é diferente agora ─ não o meu Dash. Mas então ... ele nunca foi meu. Ele se recusa a entender por que tenho que esquece-lo e por que ele tem que me deixar ir." Sua voz quebrou no final.


"Então o que você vai fazer agora?", perguntei com o coração pesado. Parecia que eles estavam fadados ao fracasso desde o início. "Eu vou ficar longe dele. Mesmo se isso me matar." Vê-la tão quebrada e perdida, encheu-me de uma ira ardente e eu finalmente senti o que Keiran deve ter sentido nestas últimas semanas. "Willow?" "Sim?", ela fungou e olhou para mim com lágrimas nos olhos, o que reforçava a minha decisão. "Eu quero fazê-los pagar."


Capítulo Dezoito Eu andei com Willow para sua primeira aula, com tempo suficiente para ir à aula de Inglês. Eu estava esperando para ver Keiran em sala de aula, mas ele não estava lá. Presumi que ele estava atrasado, mas nunca apareceu. Ele não estava no almoço ou no quinto período também. Eu estava tentada a perguntar a Dash ou Keenan onde Keiran foi, mas nós não éramos exatamente amigos. Eu não deveria me importar de qualquer maneira. A mesa agora virou e era eu que estava querendo vingança. Era um insulto para ele pensar que depois de tudo o que tinha feito e tentou levar embora de mim, que poderíamos começar de novo e ser amigos. Foda-se. Eu estava em busca de sangue. Fiquei surpresa com o quão rápido Willow concordou. Eu não tinha um plano ainda, mas era tudo o que estava na minha mente. Ele tinha uma lição a aprender e eu estava indo ensinar a ele. Fui direto para casa depois da escola com Willow junto comigo. No momento em que cheguei em casa, sabia exatamente o que precisava fazer, quando me lembrei da menina na foto. Mas, para que meu plano desse certo, eu tive que contar a Willow tudo. Começando com o dia na farmácia. No momento em que terminei, Willow tinha apenas desejado toda a sorte de maldades para Keiran. Não era preciso nem dizer que a nossa amizade foi completamente restaurada depois disso. Ela começou a culpar-se por não ter enxergado mais cedo, mas eu disse a ela que era um monte de porcaria. Keiran era um mestre na manipulação. Não havia ninguém para culpar além dele. "Então, o que fazemos?" Eu peguei a foto e entreguei a ela. "Nós iremos descobrir quem ela é, e como Keiran conheceu ela." "OK, mas porquê?" Eu hesito antes de responder. "Acho que ele matou essa menina." "O quê!", ela gritou.


"Willow, acalme-se." "Eu não posso me acalmar. Por que você acha que ele assassinou aquela menina?" "Eu encontrei o medalhão que a menina está usando em seu armário com uma arma." "Oh meu Deus. " "Nós apenas temos que ─" "Lake, você está seriamente pensando em transar com ele de novo, sabendo que ele assassinou alguém?" "Sim", eu disse sem hesitar. "Eu não tenho uma escolha. Ele ameaçou minha tia e tentou arruinar a nossa amizade. Ele não pode ir longe com isso. " "Lake ..." "Dash te machucou também. Você não quer um encerramento?" "Como o Dash se encaixa em tudo isto? " "Ele é seu melhor amigo. Então, nós sabemos que ele pode ter algo a ver com isso também, ou pelo menos saber sobre isso. Você sabe o que dizem; farinha do mesmo saco. Se não, então vamos encontrar uma outra maneira. De qualquer maneira, eles vão pagar pelo que fizeram." Ela colocou a cabeça entre as mãos e murmurou: "Isso é loucura." "Nós não estamos fazendo nada de errado ou ilegal. Se Keiran não matou esta garota, então nós não temos nada com que se preocupar." "Lake, eu realmente acho que essa é a sua raiva falando. Isto não é você. Quando você disse fazê-los pagar, pensei que você estava sugerindo cortar os seus pneus ou algo assim." "Willow, eu nunca iria obrigar você a fazer algo que não queira. Amigos não fazem isso. " "Os amigos também não permitem que outros amigos se coloquem em perigo. E se ele a matou? Ele foi sentenciado antes. O


que faz você pensar que ele não vai fazer de novo? Desta vez seria para valer." "Eu estou ciente disso. Olha, ele me disse que quer ser meu amigo. Acho que se eu jogar junto e ser sua amiga posso descobrir sobre ela. Uma menina inocente morreu e ele poderia facilmente ter matado a minha tia também. Ela é tudo que tenho além de você." "E você é tudo que tenho, Lake. Eu tenho minha família, mas você é minha única amiga. E se ele ferir você?" "Ele está me machucando por dez anos, Willow. Eu acho que posso lidar com isso. " "Não faça isso", ela implorou. Eu balancei minha cabeça e senti uma sensação de desespero passando sobre mim. "Eu tenho que fazer." *** Eu estava além de nervosa, quando entrei na escola na manhã seguinte. Eu não tinha ouvido falar de Keiran desde ontem na biblioteca e, embora fosse o meu plano fazer amizade com ele, como ele queria, eu não sabia como chegar a ele depois que eu tinha lhe dito basicamente para ir se foder. Eu percebi que iria deixá-lo fazer a bola rolar. Minha oportunidade veio na aula de Inglês quando a Sra. Connors me pediu para ler um trecho do texto. Felizmente para mim o lugar que Keiran havia designado para nós em Inglês, no primeiro dia, tornou-se meu assento permanente, pelo que fui capaz de me sentar ao lado dele. Ele não disse uma palavra para mim. Ele nem sequer olhou para mim. Eu li a mensagem de Willow me implorando sem parar para deixar isso, quando ouvi o professor chamar meu nome. Olhei para cima para encontrar a Sra. Connors olhando para mim e eu sabia que fui pega lendo mensagens de texto. Ela estava dizendo algo que não entendi.


"Desculpa, o que?" "Eu gostaria que você lesse a passagem no texto." Merda. Eu não tinha ideia de onde estávamos. Eu também estava apreensiva sobre a leitura em sala de aula por causa da minha dislexia. Eu costumo ler as atribuições antes do tempo, para lê-los antes da aula e memorizar as passagens. Devido a isso, eu era capaz de permanecer em aulas normais. Eu tinha um bom controle sobre isso, mas ainda me sentia auto-consciente. Eu repeti de ano na primeira série, porque eles mal diagnosticaram a minha dificuldade de ler e achei melhor repetir a série. Eu chamei isso de destino. Eu não poderia imaginar ter aulas com Keiran nos últimos dez anos. Minha hesitação estava se tornando dolorosamente evidente para o resto da classe. Eu levei esse risco para que pudesse ter normalidade. Eu também não quero dar a Keiran mais munição. "Escolha outra pessoa." Minha cabeça estava para baixo, mas eu sabia quem disse as palavras. Olhei para cima para encontrá-lo olhando para mim, antes dele virar os olhos frios para a professora. "Sr. Masters, não vou deixar você me desrespeitar na minha sala de aula. " "Acho difícil. Ela não vai ler. Escolha ... outra ... pessoa. " "Ela vai ler ou vai sair da minha classe." Ela estava chutando-me para fora? Antes que eu pudesse protestar, Keiran pegou minha mão e me levou para fora da sala de aula, antes de voltar para dentro. Eu estava confusa no corredor vazio antes dele voltar com nossas mochilas. "O que você está fazendo?" "Estamos indo embora." "Nós não podemos! Você está louco?" Ele agarrou minha mão, me ignorando até que estávamos no estacionamento ao lado de seu carro. "Entre", ele ordenou.


"Não." Eu cruzei os braços e fiquei no lugar. "Não brinque comigo agora", ameaçou. "Vai se foder." Eu estava inclinada sobre o capô do carro antes que pudesse piscar, com ele pressionado contra as minhas costas e respirando em meu ouvido. "Eu estou mais do que tentado em foder agora se você não calar a boca." Eu lutei contra o seu aperto, o que foi um erro quando senti sua ereção crescer contra a minha bunda. "Não me toque." "Por quê? Porque você gosta muito? Eu assisti você se contorcer na semana passada cada vez que eu estava até mesmo perto de você. Você imploraria, não é?" "Vai sonhando." "Eu sonho. Cada porra de noite eu desejo e sonho. Eu penso muito sobre a sala de aula. Você se lembra?", ele provocou. "Sim, você lembra." Ele ergueu o peito das minhas costas e passou a mão na minha espinha, me fazendo arquear as costas. Sua mão atingiu minha bunda, arrastando para baixo até que ele me segurou. "Você gostaria que eu fizesse novamente? Eu podia comer a sua apertada boceta aqui no capô do meu carro. Seria meu prazer ... e seu." Ele esfregou a parte inferior do corpo contra mim, criando uma fricção deliciosa e eu gemi. "Por favor. Alguém vai ver." "Vamos fazer um acordo. Você coloca a sua bunda no carro ou vou dar-lhe aqui mesmo o que nós dois sabemos o que você quer." Eu entrei no carro. Acabamos em Pies, Shakes, & Things para pegar alguns hambúrgueres depois que saímos da escola. Bem, um para mim e três para Keiran. Eu balancei a cabeça para o seu apetite. Homens.


Eu não podia acreditar que estávamos matando aula. Era algo que eu nunca tinha feito antes e pensei sobre quantas vezes minha tia me mataria se ela descobrisse. Ela escreve ficção científica, ela sabe das coisas. "Podemos voltar agora?" Eu finalmente perguntei depois que terminei de comer. "Basta comer a minha comida e me abandonar hein? Sem coração." "Pelo que me lembro, você me sequestrou da escola." Ele deu de ombros. "Eu poderia ter comido você em vez do hambúrguer." Meu rosto ficou quente e eu tentei não derreter no meu lugar. "Você está se contorcendo de novo", observou ele com um sorriso. "Você pode parar?" Eu estava irritada que ele estava vendo como eu me sentia. "Eu sou uma má companhia?" "Você é uma companhia indesejada." "Não seja uma cadela." "Eu tenho todo o direito de ser! Ou você se esqueceu?" Eu não me importo que eu soasse como uma megera. Como ele ousa me chamar de cadela depois do inferno que ele me fez passar? "Eu não esqueci. Você me faz lembrar cada oportunidade que tem. Você não pode deixar isso pra lá?" "Não. Eu não confio em você. " "Eu quero ser seu amigo." Eu ri, "isso não vai acontecer". Mas iria. Esta era a minha chance. Ele estava prestes a responder quando o sino soou por cima da porta e uma mulher vestida com roupas caras com cabelo castanho curto entrou. Ela parecia fora do lugar quando olhou ao redor como se procurasse alguém. "Porra. Vamos ", afirmou jogando dinheiro sobre a mesa.


"Keiran?" Ela deu um passo para a nossa mesa quando nós estávamos nos levantando para sair. "Eu pensei que era seu o carro que vi do lado de fora. Como vai querido?" Ela mudou-se para abraçálo, mas ele se esquivou dela me trazendo com ele e se dirigindo para a porta. "Cuide de si mesmo, Joan", disse ele sem se preocupar em responder a sua pergunta. "Diga a seu tio para me ligar!", ela gritou. Eu queria saber quem era e por que Keiran foi rude com ela. De qualquer forma, Keiran era rude com todo mundo. *** Eu assisti seus dedos apertar e soltar no volante enquanto ele dirigia. Seu humor tinha deslocado do lúdico para escuro e não sei se foi a minha recusa a ter qualquer coisa a ver com ele ou o seu encontro com Joan. Eu estava curiosa para saber o tipo de relacionamento que ele tinha com o tio, que eu ainda não encontrei. "Seu tio tem um trabalho que o mantém afastado? Eu nunca o vi por perto." Eu decidi começar a fazer perguntas despretensiosamente. "Por que você quer saber?" "Pense nisso como um tipo de entrevista." "Uma entrevista? Por quê?" Ele rapidamente tirou os olhos da estrada e me olhou com os olhos apertados. "Você disse que queria ser amigo." Ele resmungou. "Você é algo mais do que isso e sabe disso?" Olhei para ele com os olhos arregalados, projetando inocência. "O que você quer dizer?" Ele balançou a cabeça e lambeu os lábios melados e lembrei-me de imediato do gosto deles. Como hortelã e pecado. "Digamos que ─ vamos jogar pela sua resposta." "Jogar?" Eu o olhei com cautela.


"Basquete. Um contra um." "Mas você vai acabar comigo. Não vai ser uma luta justa." "Eu vou fazer isso fácil. Se você conseguir fazer duas cestas antes de eu chegar a dez vou responder a sua pergunta." "É apenas uma pergunta simples que precisa de uma resposta simples." "Eu vou adoçar o negócio. Eu vou responder uma pergunta para cada cesta adicional que você fazer. Duas cestas você tem sua primeira resposta. Cada cesta depois você recebe uma resposta adicional a qualquer pergunta que queira fazer." Isso poderia funcionar para mim. "Qualquer pergunta?" Ele balançou a cabeça e esperou pela minha resposta. "O que você ganha com isso?" Tinha que haver algo, eu pensava enquanto nós puxamos em sua garagem. "Se eu ganhar, então você nos dá uma chance." Ele não hesitou em responder e foi então que eu soube que tinha sido planejado. Meu coração batia forte em antecipação, mas não foi pelo jogo. "Para ser amigos?" Eu esclareci. Ele olhou nos meus olhos e eu sabia que eles estavam expondo meus desejos mais profundos e mostrando-lhe exatamente o quanto eu o queria. O proibido sempre foi o mais difícil de combater. Só espero que ele não pudesse também ver o quanto eu o odeio. "Você sabe que vai ser muito mais do que isso, mas se é isso que você precisa dizer a si mesma, então tudo bem. Amigos." Ele zombou da palavra, me provocando. "Eu poderia dizer não", eu disse. "Mas você não vai." Sua mandíbula apertou e eu poderia dizer que ele estava no limite. Ele estava certo. Eu não podia dizer não. Eu queria respostas. "Vamos fazer isso." ***


Eu estava ficando muito frustrada, mas me recusei a sair. Sair significaria somente que ele iria ganhar por padrão e eu não estava prestes em apenas entregar a minha sanidade mental para ele. Eu consegui marcar uma cesta até agora, mas Keiran já tinha marcado sete. A este ritmo, ele certamente iria vencer, mas não se pode cantar vitória antes de terminar o jogo. De jeito nenhum. Eu pensei que se parasse de olhar fixamente em seus bíceps tempo suficiente poderia marcar mais algumas cestas. Ele colocou uma camiseta regata antes de nós começarmos a jogar e eu estava babando desde então. Depois de ver a maneira feroz que ele jogou com Keenan e a forma hábil que jogava, eu sabia que ele estava deixando mais fácil para mim, mas ainda não podia entregar. "Falta!" Eu gritei depois que ele bateu na minha bunda e fez uma cesta. Oito. Ele sorriu e driblou a bola entre as pernas me observando. "Isso não significa que recebo um arremesso livre?" "Não. Isso significa apenas que você pega a bola. Ele passou para mim e eu rapidamente arremessei antes que ele pudesse tentar roubá-la de mim. Ela bateu no aro e ele estava lá para pegá-la, afundando a bola e marcando seu nono ponto. Isso era tão fácil para ele. "Por que você está brincando comigo?" Eu ouvi o lamento em minha voz e amaldiçoei. Eu soava como as inúmeras cadelas da escola. Eu sempre pensei que elas nasceram assim, mas talvez fosse apenas a atenção masculina que as fazia agir assim. "Eu não estou. Você que está desistindo." "E você está trapaceando." "Eu estou lutando pelo o que quero. E você?" Ele levantou uma sobrancelha e limpou o suor da testa com sua camisa. Eu dei uma olhada em seus abdominais brilhando a suor e senti minha própria vibração na barriga. Eu toquei meu estômago, sentindo a pele macia. Ele era duro onde eu era suave. Esculpido onde eu era lisa. Eu ansiava por me esfregar contra ele para comparar a diferença.


"Eu posso mostrar-lhe mais. Basta dizer a palavra." Merda. Ele me pegou olhando. Abaixei minha mão e coloquei minha cabeça de volta no jogo. Eu estava driblando a bola, lutando para mantê-la, enquanto ele mantinha a guarda em mim. Estávamos perto. Realmente perto. Nossa respiração se misturava e nossos corpos se tocavam. Eu fiquei mais quente, com um tipo diferente de calor quando meu quadril se alojou em sua virilha. "Você sabe o que penso? Acho que o que você realmente quer é ceder, mas você deseja que a decisão seja tirada de você, para que depois não se sinta tão culpada." Eu vacilei e perdi a bola para ele, que sem esforço marcou outra cesta. Eu ouvi o apito revelador do painel eletrônico que ele tinha acabado de ganhar a partida. O mundo pareceu parar até que éramos só nós enquanto encaramos um ao outro. Ele estava avaliando minha reação e eu sabia que ele viu a minha necessidade, quando seus olhos se obscureceram com luxúria. "Eu ganhei", regozijou-se. O único som que podia ser ouvido era a bola saltando em segundo plano, até que também parou.


Capítulo Dezenove Ele me levou para casa para tomar banho e mudar de roupa, com a promessa de que poderíamos voltar para a escola para o terceiro período. Eu estava chateada que já tinha perdido o Vôlei. Willow tinha me mandado uma mensagem, perguntando onde eu estava, e mandeilhe a versão resumida do que aconteceu na aula de Inglês. Deixei Keiran no andar de baixo e tirei minhas roupas suadas, verifiquei a temperatura da água antes de entrar debaixo. Nossa partida ficou presa na minha cabeça junto com tudo o que ele tinha dito. Eu quero que ele tome a decisão de ceder? Eu ainda não tinha aceitado a realidade de perder o nosso acordo e o que isso significava. Fechei os olhos e inclinei a cabeça para trás para a água escorrer pelo meu cabelo, quando ouvi a cortina deslizar para trás. Eu abri meus olhos e encontrei Keiran no chuveiro comigo. "Eu ─ que ─ você..." Eu perdi a capacidade de falar quando notei que ele estava nu. O chuveiro de repente parecia minúsculo quando ele lotou o meu espaço e empurrou-se contra mim. Minhas costas estavam contra a parede e sua ereção estava pressionando contra o meu estômago. "Você tem algo que quer dizer?" Ele estava desafiando-me a protestar, embora ele tenha ganhado a justa aposta. Eu balancei minha cabeça, mas pensei seriamente sobre dar uma joelhada nele. "Boa garota." Ele alcançou acima de minha cabeça para pegar o shampoo e esguichou um pouco em suas mãos antes de ensaboar o meu cabelo. Eu tentei manter meus olhos fora da ereção que se mexia com ele, batendo na minha pele. Senti-me maravilhada com seus dedos massageando meu couro cabeludo. Eu relutantemente fechei os olhos para aproveitar a sensação. Eu balanço em direção a ele, sentindo-me como se estivesse flutuando nas nuvens e equivocadamente peguei sua cintura. Eu imediatamente retiro minha mão, mas ele a pegou, trazendo-a de volta.


"Você pode me tocar em qualquer lugar que quiser." Seus olhos estavam semicerrados, quando ele sussurrou as palavras. Seu pau era grosso e inchado e pronto. Mesmo que ele já tivesse gozado em mim muitas vezes, não era menos intimidante. Eu mordi meu lábio nervosamente enquanto me aproximei para tocá-lo. Seus dedos deram uma pausa no meu cabelo, numa fração de segundo antes dele retomar a massagem no meu couro cabeludo e me relaxar ao mesmo tempo. Uma gota de líquido claro vazou da ponta do seu pau e engoli em seco e corei quando percebi para onde meus pensamentos me levavam. Eu queria estar de joelhos, tendo-o na minha boca. "Dói?" Eu olhei para ele, enquanto envolvia minha mão em torno de seu comprimento apertando levemente para ver se mais escaparia. "Sim", ele respondeu, sua voz profunda e baixa. "Mostre-me como fazê-lo se sentir melhor." Ele me observa de perto quando passou a mão sobre a minha cobrindo-o completamente. Juntos, massajemos o comprimento, com um movimento de bombeamento. Nossa respiração ficou mais pesada enquanto olhávamos nos olhos um do outro, perdidos no momento. Nossa velocidade acelerou e logo seu corpo foi empurrando e seus gemidos se transformaram em gemidos profundos. Eu estava a centímetros para trazer nossas bocas juntas, querendo nossos lábios se tocando. Nós suspiramos entre si, seu cheiro me deixando louca. "Baby ... porra." Senti sua liberação quente na minha barriga quando ele me agarrou, me puxando para mais perto de seu corpo. Ficamos ali em silêncio, a água em cascata sobre os nossos corpos, enquanto nós usamos um ao outro para dar força. Uma vez que nossa respiração estava sob controle, nós rapidamente terminamos o banho e nos vestimos para voltarmos à escola. ***


Eu estava em pânico, toda a viagem de volta para a escola e todo o resto do dia, sempre pensei sobre o que isso poderia significar para Keiran e eu realmente sermos amigos. Puta que pariu. "Cara, você está olhando para ela com estrelas em seus olhos ou alguma merda assim. Cuspa. Ela foi boa?" Ouvi Keenan sussurrando uma desculpa lamentável e comecei a cantarolar para mim mesma. Nós estávamos no quinto período agora. Eu ainda estava sentada com Willow e Sheldon, embora nós estivéssemos agora na linha diretamente na frente dos caras. Era a única maneira de Keiran me permitir sentar em outro lugar. Sua possessividade já estava ficando fora de controle. Eu acho que possessivo não é a palavra correta para ele. Talvez louco ou psicótico. Hoje cedo, um cara cometeu o erro de me falar que minha bunda parecia bem no meu jeans. Felizmente Dash estava conosco e puxou Keiran, antes do cara ter qualquer dano real feito. Eu não sabia como lidar com o olhar em seus olhos, então permaneci em silêncio enquanto ele me levou para a aula antes de sair para a sua. Keiran me salvar do ataque de Trevor era uma coisa. Mas o Keiran de algumas horas atrás era um animal totalmente diferente. Eu esperava que não estivesse cometendo um erro ao aceitar sua amizade, mesmo que fosse por vingança. Eu estava começando a pensar que Willow poderia estar certa sobre ele não valer o risco. "Cale a boca, Keenan", ele gritou. "Lake. Hey Lake," Keenan me chamou, ignorando claramente a advertência em seu tom. Eu cautelosamente virei na minha cadeira para encará-lo. "Sim?" "O que você fez com o meu primo? Ele parece apaixonado, garota." Seu sorriso me espantou, uma vez que ele deveria me odiar. "Hum, não sei, mas ele é muito bom com o shampoo." Eu pisquei para Keiran e me virei. Dash e Keenan provocaram Keiran interminavelmente, para o meu prazer. Meu telefone vibrou depois de alguns minutos e verifiquei.


K: Você vai pagar por isso. Lake: Eu? O que fiz? K: Eu mal posso esperar para GOZAR novamente. Lake: Nós nunca concordamos com nada disso K: Muito tarde. Esse foi o banho mais quente que já tive. Eu apertei minhas coxas juntas para aliviar a necessidade. K: Você está se contorcendo de novo ... Lake: Talvez vou fazer você esperar ... K: Talvez eu vá fazer você implorar ... Lake: ah é? K: Sim ... Eu fiz um grande show ao jogar meu telefone na minha mochila e ouvi a sua risada atrás de mim. Willow e Sheldon me olharam com curiosidade. Dei de ombros distraidamente e foquei em tomar as notas. Quando a aula acabou, andei com Willow e Sheldon para a porta, pronta para ir para casa. Então quando estava saindo, senti um puxão na minha bolsa. Keiran me virou e imediatamente deu um beijo profundo em meus lábios, chocando todos ao nosso redor. Quando ele finalmente veio à tona para respirar, olhou para mim. "Aonde você está indo?" "Eu vim de carona com Willow." "E daí?" "E daí... que vou para casa com ela." "Você está me perguntando ou afirmando?" "Eu estou afirmando." O olhar que passou por seu rosto teria me assustado antes, mas segurei minha onda. Ele apertou sua mandíbula e, em seguida, me soltou. "Eu vou te ver mais tarde." Com isso, ele saiu e me deixou ali com Willow, cujo o queixo estava tocando o chão.


"Lake, o que diabos aconteceu?", ela gritou. Olhei em volta e notei os muitos olhos que ainda estavam em mim. "Aqui não. Agarrei-a e corremos para a saída, querendo estar longe dos olhares indiscretos. Eu vi Keiran no estacionamento ao lado de seu carro, cercado por uma tonelada de pessoas. Ele me viu assim que apontei na porta e viu quando fomos para o carro de Willow. Assim que abro a porta do carro, ele move a boca falando "se comporte" e se virou. *** Willow me olhava acusando-me por todo o caminho para casa e continuou a olhar para mim, uma vez que chegamos à casa dela. Eu me senti como uma criança ruim que foi pega roubando biscoitos do pote. "Então, posso te contar a minha versão ou você vai continuar a acusar-me?" "Eu não disse nada", ela fez beicinho. Revirei os olhos e comecei a limpar seu quarto, quando cansei de ter uma competição de encarar. Peguei uma calça jeans dela e encontrei Pepé dormindo sob elas. "Willow, porque Pepé está fora de sua casa?" Nós a chamamos de casa porque ela estava convencida de que Pepé não gostava da palavra gaiola. Sim, Willow era dessas. "Eu não sei... ele escapou?" "Willow sua mãe vai ter um ataque se souber que ele foi deixado fora." "Ele tem uma alma! Ele não pertence a uma gaiola!" Aqui vamos nós. Virei-me em seus alto-falantes para evitar outro discurso dos direitos dos animais. "Eu tenho um encontro com Derek Ryan hoje à noite," ela deixou escapar. "Dash ainda não está falando com você?" "Não. Quem se importa de qualquer maneira."


"Willow ─ "? "Não. Não vá por aí. Ele tem uma noiva, lembra?" "Você sabe se isso é realmente verdade? Você sabe como as garotas desse tipo são. Elas são interesseiras. Elas acham que o mundo as pertence." "Ele não negou, de qualquer forma." "Você perguntou a ele? Quando?" "Ele veio sorrateiramente no domingo à noite, quando meus pais foram dormir." "O que ele disse?" "O que caras como esse sempre dizem? Ele me disse que seu relacionamento com Rosalyn não tinha nada a ver com a nossa coisa." Ela soltou uma risada sem humor. "Perguntei-lhe se eu deveria ser sua amante ou algo assim e ele apenas deu de ombros e disse que somos amigos que fodem e não havia nada para falar." "Oh Willow." Sentei-me na cama ao lado dela e a abracei. "Você sabe qual é a pior parte sobre essa merda?" "O quê?" "Eu deixei Dash jogar fora meu vibrador favorito! Ele era especial." Eu ri de sua tolice. Eu estava feliz que ela não deixou Dash quebrá-la, porque seu espírito era incrível. "Então, você ainda pretende ir atrás de Keiran e Dash, hein?" O jeito que ela falou de imediato, me fez virar para encará-la. "Eu não vou atrás do Dash, se você não quiser que eu..." Ela encolheu os ombros e olhou para o chão. "Willow?" "Eu não quero que você vá atrás de qualquer um deles." "Olha, nem sei o que vou fazer. Eu só sei que preciso descobrir se ele matou aquela menina." "Por quê?" Ela finalmente encontrou o meu olhar novamente, mas ela parecia verdadeiramente irritada agora. "Você nem conhece ela."


"Mas ela é uma menina inocente." "Como você sabe disso? Realmente, Lake. Como? Tudo que você tem é a foto. Então você encontrou um medalhão em seu armário que se parece com o dela. Isso não significa que ele fez isso." " Willow ... " "Eu sei como isso soa, caramba! Eu só não quero que você se machuque." "Eu prometo, vou ter cuidado", eu tranquilizei ela. "Sim, bem ... promessas são feitas para serem quebradas." Sheldon veio mais de uma hora mais tarde, com a notícia de que Anya tinha uma recompensa pela minha cabeça. Aparentemente, a notícia se espalhou que Keiran e eu éramos um casal agora e que eu roubei seu homem "Eu não me preocuparia com Anya, ela só lati. Keiran não vai deixar ninguém te tocar de qualquer maneira." "Eu não estou preocupado com ela. Keiran e eu somos apenas amigos de qualquer maneira." "Claro, querida. " "Lake, eu tenho que concordar", opinou Willow. "Aquele beijo de antes não parecia amigável. Isso foi quente." "Nós apenas temos um acordo. Um tipo de trégua." A trégua que era mais uma meia mentira, mas ia me servir para o que eu precisava. Não havia nenhuma maneira de Keiran fugir com isso. "Uh, huh e como é que este acordo surgiu?", perguntou Sheldon. "Nós jogamos basquete." Elas me deram um olhar estranho e contei tudo o que aconteceu, começando pela aula de Inglês. No entanto, eu não lhes disse sobre o nosso banho improvisado. "Ele totalmente empurrou você, Lake." "O que você quer dizer? Foi um jogo justo." "Vamos lá. Você viu Keiran jogando. Ele usou a sua curiosidade e te deu boas chances, o suficiente para que você não pudesse desistir."


"Ele brincou com você", Willow acrescentou. "E se eu conheço Keiran, ele está muito além de amizade." "Eu sei. Ele deixou bem claro que quer sexo." "Tem certeza que você sabe o que dar a Keiran e se ele vai levar?", perguntou Sheldon. "Um orgasmo?" Eu ri. "Lake, Keiran está jogando para valer." "Ele deve ter fodido com quase todas as garotas em Bainbridge e até mais algumas. Será que ele mantém todas elas?" "Claro que não. E ele não é um homem tão prostituto assim, como você pode pensar. Ele é muito calculista. A maioria das coisas que ele faz tem um propósito." "Como seu súbito interesse em mim?" "Você estava ouvindo? Isso sempre existiu." Eu não entendia por que todo mundo estava tão convencido de que Keiran sempre me quis. Ele tem feito tudo que estivesse ao seu alcance para convencer a todos que eu era um desperdício indesejável de espaço. Eu nunca, uma única vez fui a um encontro, por causa dele. Eu não vou as festas. Eu não saio. Até agora eu tinha uma amiga. Não importa o quanto me escondia no passado, ele me encontrava. Eu corria e ele perseguia. Eu não podia escapar dele. Era como se a minha dor alimentasse ele. Este ano era para ser sobre seguir em frente e separar-se, com a esperança de que nunca o veria novamente. Agora estava sendo dito que o passado era uma mentira. Parecia muito real para mim porque eu ainda carregava as cicatrizes. Depois de seu último jogo em minha sanidade, as cicatrizes correram mais profundo do que nunca. Acho que ainda não estou longe de usar minhas emoções na minha cara, porque Sheldon mudou rapidamente de assunto. "Willow o que você está fazendo com o meu irmão? Ele está atirando e rosnando para todos. Meu pai colocou-o em uma chave-de-braço, quando ele virou-se para a minha mãe. Foi incrível." "Segui o seu conselho. Mostrei a ele que eu estava falando sério."


"Eu nunca duvidei que estava falando sério. Eu estou querendo saber se você tem certeza do que esta fazendo." "O que você quer dizer? " "Você quer ele, então qual é o problema?" "Ele está envolvido?" "Oh, isso." Ela encolheu os ombros e respondeu: "Ele não está envolvido." "Sheldon, não minta para ela". "Ele não está. Havia uma conversa entre nossos pais sobre Rosalyn e Dash se casarem, mas que era mais como um casamento arranjado. Pelo menos para o meu pai era. Ele descartou a ideia quando Dash lhe disse que não estava interessado. O pai de Rosalyn, no entanto, tem em sua cabeça que eles fizeram um acordo. Nós todos sabemos que ele está apenas atrás de dinheiro. Suas finanças estão falhando e nossa família é mais rica, então eles querem casar-se com a família." "Você está falando de um casamento arranjado? Quem faz isso? ", interrompi. Eu não podia acreditar no que estava ouvindo. "Nossas famílias são bem antigas, então eles seguem uma série de tradições e velhos costumes. Meu pai é mais realista e acredita em se casar por amor. Além disso, ele nunca iria nos obrigar a fazer o que nós não iríamos querer; a um ponto de qualquer maneira." "Que ponto?", perguntou Willow. "Dash e meu pai entraram em uma discussão na noite de domingo sobre qual faculdade Dash iria. Ele quer Dash em uma faculdade mais promissora para que ele possa assumir os negócios da família." "Dash não quer assumir?" "Ele quer. Ele só quer fazê-lo à sua maneira. De qualquer forma a discussão esquentou e ele desapareceu por algumas horas," "Ele veio aqui domingo à noite por volta das nove, mas ele ficou aqui apenas por alguns minutos. Perguntei-lhe sobre Rosalyn e ele


caiu fora." Willow repetiu a conversa para Sheldon que não ficou surpresa. "Ele não quis dizer isso, Willow. Ele já estava chateado e procurando alguém para acabar com isso. Dash é louco por você. Ele me disse que não havia ninguém como você." "Ótimo. Eu sou o seu brinquedo favorito. Estou honrada." Sheldon balançou a cabeça, exasperada. "Vocês dois vão ficar presos da pior maneira. Não diga que não avisei. Dash pode ser louco, mas agora ele não vai largar você e Keiran não vai deixá-la fugir dele, Lake." "Como você está tão certa disso?", perguntei. "Porque vocês vão deixá-los entrar."


Capítulo Vinte Os rumores foram se espalhando muito rápido. Para todos na escola, eu era a namorada de Keiran e fomos o tema da conversa de todos. O que realmente me chocou foi a garota, com o nome de Angela, disse que Keiran começou o boato. Willow tinha a parado no corredor para perguntar sobre de onde isso veio. As palavras exatas de Angela foram "Como poderia ser um boato se ele veio diretamente da boca do cavalo?" Sabia que tinha que ser Keiran porque eu não falo essas merdas. Quando confrontei Keiran, ele só deu de ombros e disse: "Você é minha. Agora eles sabem disso." Para piorar a situação, Anya estava fazendo de tudo em seu poder para manchar minha reputação, o que foi realmente uma tentativa patética depois de ser intimidada por Keiran por anos. Eu era imune a qualquer outra pessoa. A temporada de basquete estava chegando, então eu não tenho visto muito Keiran fora da escola. Ele ainda usava todas as oportunidades para me excitar e violar-me na escola. Eu estava me tornando bastante familiarizada com locais inadequados para fazer atos inapropriados. A possessividade de Keiran não era o único contribuinte para minha frustração crescente. O tempo foi passando. Minha tia devia voltar em algumas semanas e eu não estava mais perto de encontrar respostas sobre a garota na foto. Algumas vezes cheguei perto de perguntar a Keiran sobre isso, mas sabia que seria perigoso e estúpido. Nós podemos ser "amigos" agora, mas ele poderia rapidamente tornar-se meu inimigo novamente se eu não tivesse cuidado. Depois de muitas tentativas falhadas de encontrar qualquer coisa sobre ele, eu cedi e chamei Jesse. Ele era um mestre do crime com computadores e encontrar coisas que não foram feitas para serem encontradas. Eu até pensei em pedir-lhe para encontrar os meus pais, mas no final decidi que não queria saber. Seria muito doloroso saber


que eles me abandonaram. Talvez um dia, gostaria de ter a coragem para encontrar a verdade. A campainha tocou e corri para respondê-la. Nós não tínhamos muito tempo antes do treino de Keiran acabar, e eu não podia arriscar Keiran encontrar Jesse aqui ou pior, descobrir o que estávamos fazendo. Abri a porta para encontrar um Jesse irritado do outro lado. "Diga-me do que se trata e é melhor que seja bom. Eu fiz o que você disse e corri todo o caminho até aqui." "Bem, você disse que queria me ajudar. É isso. Ajude-me." "Então, como e por que isso envolve meu computador?", ele perguntou enquanto montava seu computador na cozinha. "Eu preciso que você encontre tudo o que possa sobre Keiran, especialmente quem e onde seus pais estão." "Ok, porque?" "Eu não posso explicar isso para você... não agora." "Aqui vamos nós. Por que não, Lake?" "Jesse, não temos muito tempo. Você vai me ajudar ou não? " "Tudo bem." Ele murmurou algo sobre garotas mandonas e esquemas descuidados, enquanto ele inicializava o seu computador. Eu beijei seu rosto em agradecimento, mas ele me afastou. "Quando você ficou tão aborrecido?" Eu provoquei. "Bem na hora que você começou a manter segredos." "Seja como for, vou fazer a lição de casa." "Ótimo, você pode fazer a minha também", disse ele, bemhumorado, como se tivesse acabado de se oferecer para fazer a minha lição de casa em vez disso. "O quê?" "Eu trouxe Cálculos e Química", disse ele, sem tirar os olhos do computador. "Você não pode estar falando sério ..."


"Eu não brinco em sair de casa." Ele pegou seus livros e empurrou-os sobre a mesa. "Isso vai me levar a noite toda!" "Obrigado, querida", ele sorriu para mim descaradamente. "Puxa, você pode ser uma vadia." Eu cruzei os braços e olhei para ele do outro lado da mesa. "Caramba. Quando cresceu garras em você?" "Desculpe, Jesse. Eu só estou estressada." "As bolsas sob os olhos, diz tudo, e isso é um chupão?" Quando cheguei em casa mudei a parte superior do top, que só agora percebi, era um pouco revelador demais. O chupão que Keiran colocou no topo dos meus seios, esta manhã, estava parcialmente espreitando para fora do meu top. O rubor que não consegui esconder, aquecia minha pele e eu pulei da mesa. "Eu já volto, chato." Eu corri para cima para pegar minha lição de casa. Quando peguei meus livros da minha mesa vi a foto deitada debaixo dele. Quem é você? Eu voltei ao Jesse lá embaixo e estabeleci uma longa noite de trabalho de casa. Jesse tinha seus fones de ouvido, por isso eu sabia que ele estava bem concentrado. Depois do que pareceram horas finalmente terminei a lição de casa de Jesse, porque ele realmente não estava brincando sobre isso. "Lake?", ele chamou meu nome com um senso de urgência, mesmo que estávamos sentados na mesma mesa. "Você pode querer ver isso." Eu pulei do meu assento e praticamente corri ao redor da mesa. "Você achou alguma coisa?" Eu olhei para baixo, sobre seu ombro, para as manchetes que ele tinha colocado na tela. Um novo herdeiro para a fortuna dos Masters? A família Masters celebra uma nova adição, mas não é a chegada de um bebê recém-nascido. Fontes dizem que John Masters, filho mais velho de Charles e Victoria Masters, agora tem ao seu cuidado um menino de oito anos,


com o nome de Keiran Masters. Mas de onde ele veio? Quem é o pai desta criança misteriosa? É Mitch Masters o pai desta criança? Fontes revelam que a criança de oito anos misteriosa, deve ser o filho do herdeiro mais jovem dos Masters, Mitch Masters. Poderia o pequeno Keiran Masters ser o resultado de um caso de amor secreto? Os artigos foram espaçados em meses de diferença, o que significa que tinha de haver mais, então onde estavam? Os artigos que encontramos mostrava pouca ou nenhuma informação... talvez fosse por isso que eles não eram tão escondidos com os outros. "Estes foram todos os que encontrei e tive que fazer uma escavação pesada. Alguém pagou um monte de dinheiro para manter isso em segredo com pouco questionamento", disse ele, expressando meus pensamentos. "Eu não consigo nem mesmo encontrar todos os registros médicos sobre Keiran. Ou qualquer informação sobre sua mãe." "Que tal uma certidão de casamento para seu pai?" "Nada. Ele nunca foi casado. Mitch tinha apenas vinte e cinco anos quando Keiran nasceu." "Toda essa publicidade e nenhum indício ou palavra de sua mãe? " "Eu tinha pensado o mesmo, então procurei os registos do Tribunal por algum histórico de um processo de paternidade ou pensão alimentícia para a criança numa audiência, mas não havia nada. Sem ter uma certidão de nascimento para Keiran, a mãe seria muito difícil de achar." "E quanto a registros escolares? Ele tinha oito anos quando chegou aos cuidados de John, então isso deve ter sido entregue na escola." "Espaço em branco, querida." "Então ele simplesmente apareceu do nada?"


"A única maneira que você pode manter alguém em segredo é se eles quiserem ser mantidos em segredo, ou se eles não estão vivos para lhe dizer o contrário." "Você acha que a mãe dele está morta?" "Por que não? Dez anos e nenhum sinal dela?" "Então haveria o registro de sua morte." "Sem um nome como é que vamos encontrá-la?" "Alguém namorando."

tem

que

saber

algo

sobre

quem

Mitch

estava

"Não necessariamente ..." "O que você quer dizer?" "Caras ricos trocam de mulheres mais do que mudam suas roupas íntimas. Ela poderia ter sido apenas um outro buraco em seu cinto - usado e invisível." "A única pessoa que saberia é John, mas nunca vi o cara. Ele nunca está por perto". Eu pensei muito nisso antes de um pensamento me ocorrer. "De onde eles são? Se fossem de um lugar como Six Forks não seria quase impossível descobrir. Muitas pessoas são fofoqueiras." "Beleza e inteligência. Meu herói ", ele riu. "Alguns dias não me sinto tão inteligente ..." "Isso é porque você deixa sua boceta falar, querida." Ele rapidamente digita em seus teclados e só depois de alguns minutos se depara com algo. "Ele é de Camden. Isso é apenas uma corrida de duas horas. " "Então, é perto." "Você não está pensando seriamente em ir lá, está?" "Por que não?" "Talvez porque toda esta família parece sombria como toda essa porra? Você não pode simplesmente aparecer na porta de alguém e começar a fazer perguntas sobre algo que obviamente foi mantido


muito em segredo para ninguém desenterrar. Pense nisso, linda ... Keiran era uma criança quando foi encontrado... ele não esconde tudo isso a si mesmo." Eu pensei muito sobre o que ele disse, mas sabia que não tinha escolha. Isso estava se tornando mais do que apenas uma necessidade de vingança. Eu queria respostas. Eu precisava de respostas. "O que mais posso fazer?" Em vez de responder, ele voltou para a digitação. "Parece que ele tinha uma governanta." "Como você sabe disso?" "Seu currículo foi enviado neste site social para os profissionais que o utilizam para fazer conexões." Ele estudou o currículo e, em seguida, virou-se para olhar para mim. "Que mês é o aniversário de Keiran?" "Fevereiro, eu acho." Eu dei de ombros com indiferença, quando ele sorriu para mim com uma expressão insolente. "Você acha?" "Ok, eu sei." "Bem, parece que a sra. Jenkins foi demitida." "Quando?" "Nove meses antes dele nascer", ele respondeu secamente. "Merda! Bem, talvez possamos descobrir onde desapareceu? Ninguém só deixa toda a riqueza para trás."

seu

pai

"Certo. Mas eu tenho que voltar. Meus pais vão me matar se ficar por muito mais tempo", ele disse quando arrumou o seu computador. "Obrigada, por tudo, Jesse. Eu sei que você quer fazer mais, mas não posso deixar qualquer um lutar a minha luta ─. Não mais " "Só prometa que você vai ser cuidadosa." "Eu não sou tão boa com promessas, Jesse." Não depois que as duas pessoas mais importantes da minha vida me quebraram ...


"Certo. Até mais tarde." Ele me deu um último abraço e foi embora. *** O trovão rolou e o brilho iluminando o meu quarto. O cenário era tão clichê e parecendo um filme de terror, especialmente quando se iluminou a figura alta do outro lado do quarto. Eu acordei completamente, e pulei quando percebi que não estava sonhando e que alguém estava realmente no meu quarto. Ele estava de costas e acho que fiz um som, porque de repente ele se virou. Era Keiran. Ele estava lá, de pé, encharcado pela chuva. Sua camisa estava grudada na pele, delineando seu peito e seu abdômen. Sua respiração era profunda e desigual. "O que você está fazendo aqui?" "Foi aqui?" "O quê?" Eu perguntei, confusa. "Você trepou com ele na sua cama?", ele rosnou. Sua voz penetrou meus sentidos fazendo um terremoto pelo meu corpo. "Que diabos você está falando, Keiran? Saia da minha casa!" Ele se moveu muito rápido. Eu estava presa entre o colchão e seu corpo duro e meu tremor dobrou. "Por que Jesse estava aqui e pense duas vezes antes de deixar passar uma mentira entre esses seus lindos lábios carnudos? Eu não estou interessado em ser legal com você agora." Olhamos um para o outro, deixando suas palavras e o significado resolver em torno de nós. O único som que podia ser ouvido era a nossa respiração irregular e profunda. "Eu vou perguntar de novo, Monroe. Você transou com ele?" "Eu não fiz nada com ninguém e se eu fizer, não é da sua conta. Eu não pertenço a você. Eu. Nunca. Pertencerei!" Seus olhos cinzentos brilharam enegrecidos, tumultuado de cerveja, finalmente quebrou e se enfureceu mais forte do que jamais esteve. "Não. Mas você irá."


Essa foi a única advertência antes que seus lábios batessem nos meus. O som de surpresa que fiz me abriu para suas paixões, quando sua língua penetrou meus lábios. Eu não poderia deixar de acolher o gosto dele. Eu ansiava por isso cada vez mais. Antes que eu pudesse repensar, estava passando meus braços em volta do pescoço dele e me rendendo à necessidade. Minhas roupas foram rasgadas e afastadas até que fui deixada nua sob seu olhar escuro. Seu olhar ficou preso no meu enquanto ele abaixava a cabeça entre as minhas coxas trêmulas. Ele finalmente desviou o olhar para encarar o calor úmido entre as minhas pernas. Eu me mexi, lutando contra a vontade de pedir para sua boca vir em mim, quando seus lábios se levantaram em um sorriso predatório. De repente lembrei-me do medo, que tenho mantido perto todos esses anos, voltando com tudo. Eu não acho que poderia lidar com ele assim. "Não olhe para mim desse jeito, baby. Eu não vou parar. Agora diga o que você quer." Por favor, não pare, pensei. "Eu quero você", eu havia dito sem hesitar. Eu imediatamente senti sua boca quente e sua língua em mim. Eu gemia e me contorcia enquanto ele me devorava. No entanto, a acumulação de desejo era muito mais poderosa do que o prazer que eu sentia com sua língua. Eu precisava de mais. Segurei seus cabelos em desespero, procurando o que estava faltando até que estava me afogando em lágrimas. De repente, eu estava sendo virada e então estava de pé. Olhei para Keiran debaixo de mim quando montei o seu rosto. "Goze no meu rosto, baby. Pegue o que você precisa." Então eu fiz. Forte e rápido. Senti suas mãos apertando a minha bunda e me puxando mais profundo em sua língua. Ele acariciou-me até que despedacei. Eu ainda estava tremendo quando fui virada de costas. Eu abri meus olhos para encontrar Keiran ajoelhando-se diante de mim, me olhando com um olhar intenso em seus olhos. Sua mão pegou sua camisa e depois desapareceu. Eu estava olhando para seu peito e segui a linha fina de cabelo que se arrastava a partir de seu umbigo e desaparecia nos seus shorts, e lambi meus


lábios em antecipação. Ele baixou o short lentamente e minha respiração ficou presa na garganta quando sua ereção finalmente escapou. Tenso para mim, pedindo-lhe para tocar. Ele rapidamente colocou a proteção, enquanto olhava para mim com um olhar sombrio em seus olhos. Estendi a mão para ele, mas seu olhar endurecido congelou meu movimento. "Coloque sua mão para baixo", ele ordenou, então envolveu sua mão ao redor de seu comprimento. "Dê-me o que quero e tudo isso é seu." "Talvez eu não queira isso", brinquei. "Talvez o fato de que você gozou em todo o meu rosto diga algo diferente." "Eu sempre posso chamar outra pessoa." Antes que pudesse piscar, eu estava comendo o lençol da cama com a minha bunda no ar. "Não brinque comigo quando meu pau está para fora, Monroe. Dê-me o que quero. " Senti-o descansar o pau contra a minha entrada, me provocando com impulsos leves que deslizavam sua dureza contra a minha entrada. "Eu não sei o que você quer!" Eu chorei. "Você sabe." Ele respondeu, simplesmente continuando sua tortura em meus sentidos. "Por favor... Eu não posso." "Nem por isso?" Ele agarrou meus quadris mais apertados e deslizou a cabeça para dentro. Minha boceta imediatamente agarrou e prendeu ele. "Eu quero isso", gemi esperando que ele fosse satisfazer-me. "Eu sei o que você quer", ele sussurrou sedutoramente. "Eu também quero... Eu quero tudo isso." Foi então que eu sabia o que ele estava pedindo. Minha rendição completa. Eu tinha que ser dele. Eu queria ser sua.


"Eu sou sua", sussurrei, uma sensação de leveza assumindo, como se um peso tivesse sido tirado de mim. Eu me senti completa, embora soubesse que era uma mentira. "Diga isso de novo", ele rosnou. Seu corpo pronto para assumir o meu. "Eu sou sua. Apenas sua." Eu virei minha cabeça para olhar profundamente em seus olhos. "Foda-me," sussurrei, desesperadamente, segurando seu olhar com o meu. A força de seu impulso quebrou meus sentidos quando ele bateu em mim sem aviso, e meu grito rasgou o ar. Sua cabeça foi enterrada no meu pescoço, pressionando beijos suaves contra a minha pele. Fechei seus lábios com os meus, quando nossa fome assumiu e nosso beijo se tornou mais profundo. "Porra, baby", ele gemeu quando minhas paredes apertavam ao redor de seu pau. Seus quadris se moveram e ele começou a empurrar lentamente dentro de mim. Eu poderia dizer que ele estava se segurando por algum motivo. "Isso é bom?" "Sim", eu gemi. "Mais." Eu sabia que soava como uma cadela no cio, mas eu estava muito bêbada para me importar. "Mais?", ele repetiu. "Assim?" Seus impulsos pegaram velocidade até que ele estava batendo dentro de mim. Ele parecia saber sempre o que eu precisava, mesmo quando eu mesma não sabia. "Lake ..." Eu me derreti ao som de meu nome em seus lábios. "Sim." "Diga meu nome, Lake. Eu quero fazer sexo ouvindo-o." "Keiran." O nome dele foi capturado em um grito, quando ele quase levantou meus joelhos para fora da cama com um único golpe duro. "Você é minha", ele rosnou. Eu senti meu orgasmo se aproximando e crescendo desesperadamente para o momento final e o prazer que vinha com ele. Keiran foi me deixando louca sob sua posse. Seus gemidos se tornaram mais altos e sabia que ele estava prestes a gozar e eu ansiava por isso. "Venha comigo, baby." Seu dedo encontrou o meu clitóris e trabalhou o feixe de nervos até que senti meu corpo


ficar tenso e minha barriga tremer. Meu grito gutural e o seu rugido ecoaram por todo o quarto, quando o poderoso orgasmo atingiu a nós dois. Keiran me levou mais uma vez antes dele sair do quarto, deixando-me cansada e sobrecarregada na cama. Eu pensei sobre o amor que acabamos de fazer e estremeci. Ele foi feroz e brutal, mas isto éramos nós. Eu amei. Ele voltou depois de alguns minutos e me limpou, mas não voltou para a cama. Eu o assisti se vestir em silêncio, enquanto ouvia a tempestade ainda raivosa lá fora, perdida em meus próprios pensamentos. Uma vez que o nevoeiro de sexo limpou da minha mente, me lembrei que dormir com ele novamente não fazia parte do plano. Assim como no chuveiro, fui pega no momento. Eu também estava chateada que ele estava mais uma vez me deixando. O que você esperava Lake? Afago debaixo das cobertas? Conversa de travesseiro? "Eu vou te perguntar uma coisa e só vou perguntar uma vez", disse ele enquanto caminhava pelo quarto. O tom de sua voz era agudo e eu soube imediatamente por que, quando ele pegou a única coisa deixada em cima de minha mesa. Meu coração parou, quando ele perguntou: "Onde diabos você conseguiu isso?" "Eu posso explicar," disse sem muita convicção. Eu estava chutando meu próprio traseiro por deixar a foto na mesa. Depois que Jesse saiu, desmaiei de cansaço mental. Cavar o passado de Keiran foi mais complicado do que eu pensava inicialmente. "Estou contando com isso." "Eu não sei." "Lake", ele rosnou. "Estou falando sério! Eu não sei. Acho que quem invadiu a minha casa naquela noite deixou a foto. Estava em um cartão de aniversário dirigido a mim".


"Besteira. Isso foi há um mês. Por que você não disse alguma coisa? " "Porque ... eu ─ " "Porque você queria usá-lo contra mim", disse ele com toda a calma. Isso imediatamente me fez desconfiar. Onde estava o grito? Onde estava a raiva? "Você está sendo ridículo." Sentei-me e puxei as cobertas em volta do meu corpo nu, não me sentindo muito confortável nua. Eu me sentia vulnerável o suficiente sob seu olhar ameaçador caindo em cima de mim. "Eu estou?", perguntou. "Como é que eu poderia saber que a foto envolvia você?" Mantendo seus olhos trancados com os meus, ele empurrou o punho no bolso e puxou-o para trás para fora imediatamente. Eu achei estranho ele fazer isso, até que ele abriu seu punho e deixou o medalhão de ouro oscilar entre os dedos. "Isso parece familiar?" "Está começando a parecer", eu disse com petulância. Eu sabia que estava travada e verdade seja dita, eu estava com medo, mas não iria deixá-lo ver. "Que tal se eu enrolar isso em torno de seu pescoço e estrangular você?" Eu pulei da cama, esquecendo sobre o meu estado de nudez e as palavras foram vomitando fora da minha boca antes que eu mesmo soubesse o que ia dizer. "Vá em frente e faça! Você vem ameaçando me matar desde que éramos crianças! Às vezes desejo que você apenas fizesse, assim me colocaria para fora da miséria que você me causou!" Meu peito arfava para cima e para baixo enquanto ele me observava em silêncio. "Sim, eu estava querendo descobrir a história por trás dessa foto, a história por trás de você, e a história por trás dos últimos dez malditos anos e ia usá-lo para fazer você pagar por tudo o que fez para mim." Seus olhos se estreitaram e sua voz estava cheia de veneno quando ele perguntou: "O que fiz para você?"


"Eu nunca fiz nada para você. Eu não merecia seu ódio. " "Isso pode ser verdade", disse ele com indiferença e deu de ombros, "mas isso não significa que você não me afetou, porque você fez." "Afetá-lo como?" "Você me fez perceber como eu estava fodido ou ... estou." "Por que isso é uma razão para me odiar? Eu tinha sete anos, Keiran. Eu nem conhecia você! " "Não importava. Eu te culpava por me fazer perceber, então machucar você tornou-se uma maneira para eu aceitar quem eu era. Dez anos atrás eu estava falando sério quando disse que ia matá-la, mas, em seguida, machucar você se tornou um vício e eu não conseguia parar." "Se foi medo o que você queria, por que só atingir a mim? Há tantas pessoas que têm medo de você. " "Nada seria igual como você." "Keiran, você está doente." Em vez de raiva, eu estava cheia de compaixão e empatia por ele. Não poderia ser fácil ser esse tipo de pessoa. "Eu não estou doente, Lake. Só estava fazendo tudo o que já conheci." Eu ainda não podia imaginar o que poderia transformar uma criança inocente em alguém tão escuro. "J - Jesse encontrou alguns artigos hoje. Eu sei que sua mãe abandonou você quando você tinha oito anos." "Como ele descobriu isso? É suposto ter sido apagado ─ tudo isso." "Ele é bom em encontrar coisas." "Entendo." "Então me ajudou descobrir. O que aconteceu com você?" "O que o artigo diz?" Eu fiz uma careta para sua pergunta. Ele não parecia com raiva ou triste sobre eu descobrir sua história. Em vez disso, ele parecia curioso.


"Não muito. Ele disse que John o levou e que Mitch Masters é o seu pai. Ele não diz nada sobre sua mãe. Quem é ela?" "Minha mãe era uma prostituta e uma viciada em drogas. Ela me deixou com meu tio para que ela pudesse ir embora e morrer." Ele tentou disfarçar, mas ouvi o desprezo em sua voz quando ele falou sobre sua mãe, mas ele ainda não tinha emoção alguma. "E sobre a menina na foto?" Seus olhos nublaram quando ele olhou de volta para a foto. "Ela não é ninguém", respondeu ele. Eu podia ouvir a amargura em sua voz. "Ela era fraca." O desprezo em sua voz estimulou minha próxima pergunta. "Então, o que aconteceu com ela?" Ele tinha que saber algo, considerando que tinha o medalhão. Ele poderia ter estado lá quando ela morreu? "Eu a matei." Por mais que eu estava esperando honestidade, realmente não esperava que ele fosse ser tão honesto. Ele apenas admitiu ter assassinado alguém e ainda era muito casual sobre isso. "Por quê?" perguntei com relutância. Minha voz tremeu, mas eu consegui esconder mais do mesmo. "Porque eu não poderia salvá-la." Seus olhos tinham encoberto alguma emoção sem nome quando ele falou. Era um olhar que eu nunca tinha visto no rosto de Keiran antes. De arrependimento. "Salvá-la de quê?" Seu telefone bipou interrompendo o que ele teria dito ou não. Quando ele cuspiu uma maldição áspera e seu rosto se transformou em uma máscara, minha atenção se voltou para o que prendeu a sua atenção agora. "O que é?" Eu não podia deixar de perguntar. "Reynolds saiu sob fiança." "Quando?" "Ontem".


Capítulo Vinte e Um A luz do sol na minha pele me acordou e eu juro que podia ouvir o canto dos pássaros do lado de fora e senti vontade de cantar. Eu sou uma idiota. Estiquei e meu corpo doído em todos os lugares certos, me lembrando como cheguei a isso, trazendo um sorriso ao meu rosto. "Bom dia querida." Fiquei surpresa ao ouvir a voz dele, embora eu soubesse que ele passou a noite. Depois que descobrimos que Trevor estava solto ─ provavelmente graças ao seu pai ─ sem palavras me deitei de volta na cama e fechei os olhos, desejando que o sono chegasse rapidamente. Eu disse a mim mesma que não ligava para o que Keiran fez ou onde foi, mas quando ele subiu na cama e me abraçou por trás, meu coração fez polichinelos em todo o meu peito. Eu finalmente abri meus olhos e encontrei-o sentado no chão ao lado da cama. Seus joelhos estavam dobrados com os braços drapeados através deles. Ele usava uma expressão intensa em seu rosto e eu me perguntei o que ele estava pensando. "Por que você está no chão?" "Você ficou me chutando. Eu quase caí da cama... e você ronca. " "Eu não!" Eu joguei um travesseiro nele e, em seguida, percebi que não tinha como esconder minhas bochechas coradas. Ele riu quando pegou o travesseiro. "Você é muito selvagem." "Bem, estou acordada agora. Então vamos lá." Eu dei um tapinha na cama e olhei para ele sedutoramente. Ele sorriu timidamente e balançou a cabeça. "Eu criei um monstro. Não temos tempo para a cama." Ele se levantou e se dirigiu para a porta e eu fiz beicinho. "Mas se você trouxer sua bunda sexy no chuveiro comigo vou dar a sua primeira rapidinha", ele disse por cima do ombro antes de sair.


Eu não perdi tempo pulando para fora da cama e correndo atrás dele. Eu já decidi em algum momento entre ele me batendo contra a parede do chuveiro e meu orgasmo gritando, que era o meu lugar favorito para ter relações sexuais. Não muito tempo depois, fomos para baixo fazer o café da manhã, quando ele disse: "Eu quero que você pare de tentar descobrir o meu passado." "Eu não posso fazer isso", eu disse sem olhar para ele. O ouvi bater com o copo para baixo e senti seus olhos queimando através de mim. "Por que diabos não?" "Porque quero respostas que você não vai me dar." "É por um motivo muito bom. Droga, Lake. Isso vai além de você e eu. Você vai descobrir alguma merda e vai desejar que não tivesse feito e eu não vou ser capaz de salvá-la." "Então o que acontece em seguida? Você vai me matar também?" Em vez de responder, ele atirou-se do seu assento e foi ao redor da mesa antes que o meu cérebro fosse arrebatado ao senso comum. Sua mão estava no meu cabelo, puxando minha cabeça para trás e meus olhos encontraram seu olhar tempestuoso. "Isso não vai acontecer porque você vai fazer o que digo. Não quero ter que te machucar mais uma vez. Não me empurre até esse ponto. Estamos entendidos?" Olhei em seus olhos e vi algo que nunca pensei que iria ver em seus olhos, nunca! Eu vi o medo. "Do que você tem medo?" Seu olhar se desviou do meu rosto antes de encontrar meu olhar novamente. "Eu não tenho medo de nada", ele respondeu rapidamente. Ele soltou meu cabelo e saiu da cozinha antes que eu pudesse responder. "Todo mundo tem algo a temer", sussurrei para uma casa vazia. ***


Eu não me lembro do caminho para a escola. Após o café da manhã que comi sozinha, olhei em volta procurando Keiran, embora eu soubesse que ele tinha ido embora. Eu propositadamente cheguei a escola com apenas alguns minutos de sobra. Mesmo que Keiran não estivesse mais me aterrorizando dentro destas paredes, sua atenção me colocava no fim de recepção de olhares e comentários sarcásticos de suas ex-baldes de ejaculação - Anya especialmente. Fiquei surpresa que ela estava andando incólume e ainda reclamando Keiran, mesmo após a confissão de Trevor que ela era uma parte da armação. A ironia da situação não me escapou. Talvez ele realmente tinha sentimentos por ela ... Entrei na aula de arte e descobri que o meu lugar foi tomado. Eu não acho que foi um grande negócio até que notei que os únicos lugares vazios eram ao lado de Keenan e o outro ao lado de um membro do esquadrão bocetas de Anya. Keenan não parecia me odiar mais, mas não chamaria exatamente de amigos. Joguei minha cabeça para trás, irritada, antes de camonhar para sua mesa. Ele olhou para cima e sorriu quando me viu. Ainda era estranho o quanto eles pareciam iguais. Eu relutantemente sentei-me ao lado dele. "Super cunhada. Você ainda está louca comigo?" Eu tentei não reagir ao seu apelido para mim. As pessoas estavam ficando com ideias sobre Keiran e eu, que eu não estava particularmente afeiçoada. "Não estou louca. Ok. " Ele franziu a testa antes de dizer: "Eu não dei a melhor impressão ..." Era mais uma afirmação do que uma pergunta. Dei de ombros e fui recuperar o meu projeto. Eu voltei para o meu lugar e olhei com curiosidade. Ele estava olhando para sua tela quando estava falando. Eu dei uma olhada e vi que ele estava desenhando um retrato de Sheldon fazendo uma de suas coreografias em um jogo. Fiquei impressionada com o quão bom ele era, e ele capturou cada detalhe. Sua arte realmente parecia vir à vida.


"Você é muito bom. Arte é algo que você quer fazer?" Conversar foi minha maneira de dar uma trégua... mais ou menos. Eu não devia nada a Keenan, mas não queria ser uma cadela também. "Huh?" Ele levantou a cabeça e olhou para mim. "Oh... talvez. Hey, uh ... podemos ser amigos?" "Por quê?" Ele definitivamente me atirou de surpresa com essa pergunta e eu não tento esconder a minha surpresa ou suspeita. "Porque fui um idiota para você? Eu sinto muito pela forma como te tratei. " "Entendi. Você estava protegendo ele." Eu não entendi, mas isso não significava que eu tinha que ser a idiota. "Keiran não teve a melhor experiência com ter uma família, então eu tento cobrir suas costas." "Eu sei. Na noite passada, ele me contou sobre sua mãe ser uma prostituta e uma viciada em drogas, depois que desenterrei algumas coisas de seu passado." A expressão de Keenan estava misturada com surpresa e confusão. "Ele te disse isso?", ele perguntou como a testa franzida de sua profunda careta. "Sim." Eu estudei a expressão em seu rosto e, em seguida, perguntei: "Será que ele não te disse?" "Uh, sim. Sim, ele me disse. Eu só estou surpreso que ele esteve tão próximo... para te contar sobre isso." "Sim, sem brincadeira." Eu disse distraidamente. O olhar de Keenan era mais do que surpresa. "De qualquer forma, você acha que ele teria feito o mesmo por você, se ele não acredita na família?" Ele hesitou e eu poderia dizer que ele estava pensando sobre suas palavras. "Ele teria feito muito pior." Eu estudei seu rosto e vi algo estranho escondido em seus olhos. Eu reconheci aquele olhar. "Você tem medo dele?" "Não. Tenho medo por ele."


"Por quê?" Ele hesitou novamente, e poderia dizer que ele não queria responder a minha pergunta, mas eu não ia deixar isso passar. "Nós não podemos ser amigos, se não posso confiar em você." Eu sabia que era manipulação usar isso contra ele, mas estes dois têm feito muito pior. Ele parecia estar se divertindo, antes de balançar a cabeça. "Keiran vai ter as mãos cheias com você", ele riu. "Não mais do que vou ter com ele. Conte-me." "Eu tenho medo por ele, porque cada dia ele tem que lutar com a pessoa que ele é, para ser a pessoa que ele quer ser." "O que acontecerá se ele perder?", perguntei, enquanto os cabelos na parte de trás do meu pescoço se levantaram. "As pessoas se machucam." Eu não perdi o olhar triste que passou por seu rosto antes dele se concentrar em sua tela e começar a trabalhar na imagem. "Algo me diz que você não vai entrar em detalhes." Eu sabia que Keenan sabia mais do que deixou Sheldon ou qualquer outra pessoa saber. Eu não posso imaginar viver com alguém como Keiran e não ver mais do que o resto. "A não ser que você tenha algo mais a oferecer." Ele balançou as sobrancelhas sugestivamente e eu ri. "Sim. Você, eu e Sheldon poderíamos todos ter um bom tempo," brinquei sarcasticamente. Ele virou para mim com os olhos arregalados que estavam vidrados com o que parecia esperança. "Não diga isso a menos que você queira dizer, porque se Keiran fode, eu tenho direitos." Ele piscou e voltou para o seu projeto. *** "Eu quero você no treino comigo." Era apenas após o quinto período quando Keiran entregou a sua mais recente ordem. Nós


estávamos saindo da sala de aula quando eu tinha virado para dar um beijo de adeus à Keiran, porque ele não me deixaria ir de outra forma. "Eu vou passar." Eu me virei para ir embora, irritada, mas não querendo mostrar. Era muito para a fase de lua de mel. Então, de qualquer jeito eu não sabia o que era isso entre nós. Keiran tinha feito saber que não ia me deixar sozinha e assim foi, quer ser meu amigo ou ser ... Eu não sei. Eu escolhi ser amigo, mas, ele estava tomando muito mais. "Eu não estou pedindo," ele rangeu os dentes enquanto agarrou meu braço e me puxando na direção oposta. Olhei de volta para Willow por ajuda, mas ela estava distraída e olhava inquieta sob o olhar de Dash. Sim, ainda estava ruim para ela. "Keiran isso é ridículo. O que eu deveria fazer em seu treino? Eu vou parecer como uma daquelas pegajosas groupies puxa-saco. Não, obrigada." Ele continuou a me puxar até que se cansou de lutar e me jogou por cima do ombro. Eu não poderia lutar, mas amaldiçoei quase todo o caminho até que ele me deu um tapa forte no meu traseiro que me fez ver estrelas. Chegamos ao ginásio onde ele finalmente me liberou e vi Buddy sentado sobre a linha lateral, calçando os tênis. Willow me disse que ele fazia parte da equipe este ano. Todo mundo ficou impressionado com sua habilidade no jogo de sábado. Eu inconscientemente procurei em volta por Trevor. Mesmo que ele estivesse em liberdade sob fiança, ele foi suspenso da escola até o julgamento. Quando não vi nenhum sinal dele, caminhei até Buddy e senti o olhar de Keiran penetrando em minhas costas enquanto eu me afastava. Revirei os olhos, porque sabia que ele não podia ver e senteime ao lado de Buddy. "Você se tornou uma mercadoria quente para Bainbridge. A quem você deve o seu sucesso?" Eu estendi um microfone imaginário para ele. "Me prometeram um suprimento infinito de garotas gostosas e quentes."


"Bem, aqui está pessoal. Outro atleta com morte cerebral. Quando é que o ciclo vai terminar?" "Oi, mãe!" Ele falou para a câmera falsa. Eu bati no ombro e ri dele. Buddy era tão adorável. "Falando de garotas quentes, quando você vai parar de quebrar meu coração e fugir comigo?" "Nunca, cai fora e pare de bater na minha mulher." Nós olhamos para cima e vimos Keiran de pé sobre nós parecendo irritado. "Essa é a minha deixa para sair." Ele bateu as mãos com Keiran, antes de manter distância. "Você sabe que ela me queria primeiro, de qualquer forma!" Ele gritou quando estava a uma distância segura. Eu estava rindo histericamente ao ver a expressão no rosto de Keiran, sobre o comentário de Buddy. Ele parecia dividido entre a vontade de rir ou matá-lo. Buddy teve uma queda por mim por tanto tempo quanto eu conseguia lembrar, mas ele nunca iria a qualquer lugar. Não me interpretem mal, Buddy é insanamente quente. Ele poderia até mesmo ser páreo para Keiran. Mesmo que ele fosse apenas um calouro era óbvio que Buddy assumiria as rédeas uma vez que Keiran saísse. Até o momento que parei de rir, Keiran tinha virado seu olhar ameaçador em mim e pela primeira vez não tive medo. "Ei, não olhe para mim assim. Você é o único que insistiu para que eu viesse aqui. Agora todos os seus companheiros de equipe começam a me comer com os olhos." "É?" Antes que eu pudesse responder, ele se afastou na direção do vestiário. Vinte minutos depois, a equipe saiu do vestiário e começou a se aquecer. Peguei meus livros para passar o tempo. De vez em quando assistia a equipe, ou mais especificamente, ao treino de Keiran. Havia um monte de merda de conversa entre os rapazes enquanto eles treinavam e eu encontrei-me rompendo um sorriso ou dois, da porcaria que saiu da boca de Keiran. Eu nunca vi essa natureza descontraída dele. Isso quase o fez parecer humano. Após um treino intenso, eles tiveram uma breve pausa para pegar água, mas Keiran ficou na quadra para garantir que todos


bebessem água. Eu o ouvi dizer aos novos jogadores que sua regra número um era se manter hidratado em todos os momentos e ele estaria assistindo para vê se eles também fariam isso. Keenan pegou sua garrafa de água e correu para mim quando eu estava fechando meu livro de Literatura. "Diga, o que há com o nosso garoto?", ele perguntou sorrindo. "O que você quer dizer?" "Ele entrou no vestiário e ameaçou arrancar as bolas de qualquer um que olhasse para você durante o treino." Ele começou a ficar estranho quando meu queixo caiu em estado de choque. "Diga-me que você está brincando." "Eu não posso fazer isso." Deve ter sido por isso que o número oito não olhou para mim quando lhe entreguei a bola que rolou para perto de mim. Eu apenas pensei que ele era muito tímido. Eu vi Keiran nos observando conversar com um olhar intenso em seu rosto. Sua mandíbula estava apertando com raiva e ele parecia chateado. Ele está com ciúmes de Keenan falando comigo? Eu conheci o seu olhar e acenei-lhe com o meu dedo. Ele não hesitou e fez o seu caminho até nós do outro lado do ginásio. Quando ele chegou, pegou minha mão e me puxou para cima, sentando no meu lugar antes de me sentar em seu colo. Eu respirei seu cheiro suado e não conseguia pensar em nada que já cheirasse melhor. Ele estava olhando para Keenan com uma expressão possessiva e arrogante. Keenan estava olhando de volta para ele desafiadoramente, antes que ele revirasse os olhos e sorrisse. "Relaxe cara, eu tenho a minha própria garota." Keiran grunhiu sua resposta, antes de beijar meu pescoço que arrepiou minha espinha. Minha garganta emitiu um pequeno gemido antes que eu pudesse detê-lo. "Você está a dois segundos de ser fodida tão forte nessas arquibancadas, se você não parar de mover sua bunda por todo o meu pau." Sua voz era dura no meu ouvido fazendo meus olhos se abrirem.


Keenan ainda estava de pé na frente de nós dois, assistindo através das pálpebras abaixadas e mordendo o lábio com uma expressão curiosa em seu rosto. "Cai fora", Keiran latiu quando notou Keenan olhando. "Filho da puta", Keenan murmurou saindo. "Esse é o segundo cara que fugiu em menos de uma hora. Você não terá mais amigos se continuar assim. Qual é o seu problema?" "Você " "Eu?" "Você é muito sexy, porra." "Você é louco. Ninguém jamais se interessou por mim antes." "Que você saiba. Eu tive certeza disso." "Outra vez?" Eu olhei para ele como se tivesse crescido uma outra cabeça nele. Às vezes acho que Keiran realmente tem duas cabeças com duas mentes completamente diferentes. Uma sã e um não tão saudável. "Terminou o intervalo. Comporte-se", ele ordenou antes de se afastar. Eu sentei lá estupefata. Eu sempre soube que o bullying de Keiran foi a causa da minha imemorável vida sem rapazes, mas não achei que ele tinha uma mão direta nisso. Ele tem algumas explicações a dar. Meu telefone vibrou com uma mensagem de Willow. Ela me mandou uma imagem bonita de Pepé em um uniforme de marinheiro. Willow era excelente em projetar e fabricar roupas e queria uma graduação em design de moda. Eu não lhe contei ainda sobre a minha noite com Keiran. Eu ainda estava pensando que iria acordar e descobrir que foi tudo um sonho. Será que Keiran ser enviado para o reformatório nos uniu ou adiou o inevitável? Um ano atrás, ninguém me convenceu a acreditar que o sexo entre nós seria mesmo possível.


A equipe parou para outra pausa de água e desta vez Dash se aproximou de mim e sentou-se. Ele me olhou por um momento antes de tomar uma respiração profunda. "Hey." Ele parecia triste. Eu levantei uma sobrancelha para ele. "Oi." Ele esfregou a parte de trás do seu pescoço e passou a mão sobre seu cabelo mais ou menos loiro escuro. "Então, você e Keiran, hein?" "Nós somos amigos." Eita, o que há com todo mundo? Fiquei imaginando qual era o seu motivo para falar comigo. Ele ficou lá por mais um minuto, olhando para longe e eu poderia dizer que ele estava pensando. "Como está Willow?", ele perguntou finalmente. E aí está. "Você a vê todos os dias. Por que não pergunta você mesmo a ela?" "Ela não vai falar comigo." Suas narinas dilataram com irritação. "E isso te incomoda?" Eu virei minha cabeça e estudei-o. Ele era um playboy rico e um cara grande e sexy, que poderia ter qualquer garota que quisesse e ainda se sentava aqui parecendo quase doente de amor sobre uma... Minha menina conseguiu seu jogo. "Mais do que deveria." "Willow é fenomenal." Eu disse asperamente. "Eu sei." "Esperta" "Eu sei." "Amável" Ele balançou a cabeça. "Louca como o inferno." Ele riu. "Bonita, com um corpo arrebatador." "Eu sei", ele rosnou, seus olhos nublaram com luxúria. "Ela é muito boa para você." Eu disse sem rodeios.


"Eu sei." Determinação espalhou por suas feições, fazendo-o parecer cruel. "Você não se importa, não é?" "Eu tentei, mas ... prefiro tê-la do que fazer a coisa certa." "Isso é egoísta." "Assim é a vida", ele retrucou. "Ela tem sentimentos por você. Você sabia disso?" Ele engoliu profundamente antes de encolher. "Eu duvido que ela mesmo saiba disso... ou não quer admitir isso. "Eu não vou machucá-la." "Então, fazê-la se apaixonar por você para se vingar de mim, não ia machucá-la?" Era uma pergunta retórica e ele sabia disso porque não respondeu. "Você não vai dar a ela o que ela precisa tanto. Isso vai machucá-la, então deixe que alguém dê a ela o que ela precisa." "Ela é minha." Emoção primitiva assumiu suas feições e eu sorri para ele. Ele balançou a cabeça, percebendo a armadilha que o levei a cair. Só assim ele admitiu que tinha sentimentos por ela também. "Keiran vai ter problemas com você", disse ele, levantando-se. "Já ouvi isso." Ele estendeu a mão para mim. "Amigos?" Olhei para ele por um minuto, avaliando sua sinceridade. "Por que diabos não? Amigos." Eu apertei sua mão e ele me puxou para um abraço de urso, me balançando ao redor. Eu gritei e fui pega de surpresa antes de rir. "É melhor colocá-la para baixo antes de Keiran voltar aqui e matar todo mundo," o Treinador Lyons repreendeu enquanto caminhava passando por nós. Grande, o treinador tinha medo dele também. ***


Quando o treino terminou Keiran nos levou para sua casa, onde ele me disse que estava me levando para um encontro. Eu não sabia o que dizer e, aparentemente, ele não o fez ou porque tínhamos apenas ficado lá olhando um para o outro antes de eu encolher os ombros e responder com um lacônico: "Claro." Portanto, esta noite foi o meu primeiro encontro... o nosso primeiro encontro. Keenan e Sheldon decidiram vir, então acho que você poderia chamá-lo de meu primeiro encontro duplo também. Dash ia vir junto quando Keenan sugeriu uma garota para levar, até que lhe dei um olhar do mal. Isso seria o movimento errado e ele sabia disso. Todo mundo sabia que o caminho para o coração de uma garota era avaliação através de sua melhor amiga. Estamos todos atualmente no carro de Keiran, em nosso caminho para assistir um filme, com planos para ir depois para a pista de boliche local. Nós dois estávamos fora do nosso normal, mas não poderia dizer se ele estava tão nervoso quanto eu estava. Ele segurou minha mão durante todo o caminho, esfregando o polegar no centro da palma da minha mão. Keenan e Sheldon estavam muito ocupados trocando DNA no banco de trás, então fomos deixados em nosso próprio mundo. Quando escolhemos o cinema, os caras nos deixaram escolher o filme. O primeiro filme que escolhemos ganhou gemidos sem fim e reclamações sobre garotas e suas escolhas, então escolhemos uma comédia em vez disso. Tínhamos vinte minutos de sobra até que o filme começasse, então nós jogamos nos brinquedos anexos. Keiran me levou até o jogo de basquete. Havia uma divisão entre as pistas com bolas paradas dentro. Ele pegou duas e me entregou uma. "Quer fazer uma aposta?" Eu olhei para ele de lado e espiei seu sorriso furtivo. "Não? " "Por favor, eu vou ser bom. " "O basquete é a sua coisa. Você vai me bater." Ele revirou os olhos antes de me levar até a mesa da Wack-a-mole. "Isto é melhor, baby?"


Dei de ombros e peguei um wacker – wacker? "Então, qual é a aposta?" "O que você gostaria de ganhar?" "Respostas". Eu respondi sem hesitar. Ele não parecia surpreso na verdade, de repente tive a sensação de que fui levada para uma armadilha quando ele sorriu para mim. "O que você quer?", perguntei, mantendo um olhar atento sobre o seu rosto. O olhar predatório em seu rosto me fez desconfiar. "Posso te foder sem sentido. Toda a noite. Pelo tempo que eu preciso." Ele se aproximou inclinando a cabeça para baixo até que a respiração se espalhou ao longo do meu pescoço. "E você não pode cair fora... não importa o quão bom isso te faz sentir." Minha respiração estremeceu de forma irregular, quando o meu corpo sucumbiu ao calor da ameaça subjacente em seu tom. "O que acontece se der um empate? "Então você obtém suas respostas e eu te coloco debaixo de mim novamente." Estremeci novamente em antecipação. Olho de tigre, Lake. Não se acovarde agora. "Negócio fechado." "Não é um negócio, a menos que você o sele com um beijo ..." Eu imediatamente fechei o espaço restante entre nós, o desafio brilhando nos meus olhos e lentamente enrolei uma perna ao redor de seu quadril, enquanto deslizava minhas mãos para cima em seu peito musculoso. Tracei seus lábios incrivelmente sexy com a minha língua e, em seguida, mordi seu lábio inferior, ouvindo-o emitir um grunhido gutural baixo. Eu pisquei para ele, antes de bicar os seus lábios e me afastar. "Oh inferno que não." Ele me agarrou e me puxou de volta para ele antes de devorar meus lábios avidamente. Meus lábios se abriram para ele ansiosamente e ele me conquistou com um beijo. Eu derreti, entregando o controle de volta enquanto ele se alimentou de mim. Ele finalmente me deixou ir com um tapa na minha bunda e virou-se para iniciar o jogo. Olhei em volta e corei com o número de


olhos que observavam nossa exibição, incluindo Keenan e Sheldon que tinham expressões de bobos. Eu balancei minha cabeça. Era o segundo dia que estávamos oficialmente juntos e ele já estava me virando do avesso. Começamos o Wack-a-mole e fizemos de tudo que estivesse em nosso poder para distrair o outro. Keenan e Sheldon vieram para torcer e fazer piadas. Keiran estava atualmente à frente de mim por um ponto com apenas alguns segundos restantes e eu estava ficando desesperada quando tive uma ideia. "Sheldon você viu aquele cara que acabou de chegar? Muito quente." Keiran virou-se com uma careta em seu rosto e eu rapidamente fiz o meu movimento, terminando o jogo em um empate. Keiran descobriu o meu truque e sorriu para mim com o que parecia ser orgulho em seus olhos. "Você não está bravo?", perguntei. "Não. Eu ainda consegui o que quero." Ele lambeu os lábios e agarrou a minha mão, levando-nos para a sala do cinema. Estava bastante vazia, considerando que era um dia de semana. Haviam dois casais sentados na frente, por isso tomamos a fileira de trás. Keiran e Keenan colocaram Sheldon e eu nos assentos e desapareceram de volta para o lobby. "Ok, derrame cadela e rápido antes que eles voltem." "O quê?" Eu perguntei inocentemente. Sheldon tinha um olhar conhecedor em seu olho e um sorriso de aprovação em seus lábios. "Keiran está olhando para você como se você tivesse a chave para a terra prometida durante todo o dia." Eu suspirei, "eu duvido." Ela deu um suspiro dramático, com os olhos arregalados de excitação. "Você totalmente botou tudo a perder!", ela... "Shhh! Sheldon, caramba!" "E você? " "Bem, ele veio ontem à noite e uma coisa levou a outra ..." "Ahh, não me admiro que você estivesse sorridente durante todo o dia. Você é um pau tonto. "


"Pau o quê?" Eu juro que não conseguia acompanhar o vocabulário de Sheldon. Todos os dias ela tinha uma nova palavra para descrever algo. Era geralmente de sexo. Ela sorriu. "Não se preocupe, não tem nada sobre o poder da boceta. Você apenas tem que saber como usá-lo. Então vocês estão namorando?" "Não." "Isso significa que sim. Keiran não tem encontros. " Revirei os olhos. "Isso não significa que estamos namorando." "Oh isso significa. Confie em mim, Lake. Você está lidando com um tipo especial de homem aqui. Você está namorando." "Minha tia vai me matar. Ela me quer namorando, mas sei que ela não esperava por isso. Eu me sinto tão culpada; para não falar com medo. " "Perdeu a virgindade?" Eu assenti. "Pelo menos a sua foi aos dezoito anos. Você é uma adulta. De qualquer forma, pais nunca estão prontos para seus filhos cruzarem a linha. Eu tinha dezesseis anos quando fiz isso pela primeira vez. " "Foi com Keenan?" "Sim", ela suspirou com um olhar sonhador em seus olhos. "Você estava com medo?" "Absolutamente. Foi inesperado e foi após a primeira separação, quando descobri o que ele fez com Jessica Stanton em uma festa. Dash foi realmente o único a me dizer sobre isso. Eles brigaram feio um com o outro com esse acontecido." "Como eles ainda são amigos?" "O inferno se eu sei. Os homens não guardam rancores como as mulheres fazem, eu acho. Dash ficou de fora depois que aceitei Keenan de volta pela terceira vez." Sua voz baixou e ela parecia triste, então eu a deixei ter o seu momento. Eu pensei sobre o que Keiran tinha planejado para mim hoje à noite, quando estávamos sozinhos e senti um arrepio correr pelo meu corpo.


"Você ainda fica com medo?" "Sim, mas nunca digo não, porque sei que ele não me machucaria. Ele pode ser um animal", ela sorriu. "E às vezes acho que a necessidade apenas o ultrapassa. Ele fica nesses humores..." Ela parou e parecia perdida em pensamentos. Antes que eu pudesse descobrir mais, os caras voltaram, cada um com pipoca e bebidas. Eu estava curiosa sobre o que Sheldon queria dizer e sabia que havia uma história lá. Keiran sentou-se à minha esquerda, enquanto Keenan sentou-se no lado direito de Sheldon, deixando-nos no meio. As luzes se apagaram e os trailers começaram a rolar então me ajeitei na minha cadeira para assistir o filme. "Eu consegui com bastante manteiga." Ele se sentou com a pipoca no meu colo, antes de cair para baixo em seu assento e espalhando as pernas afastadas em uma pose sexy, ainda preguiçoso. Ele deixou seu descanso contra as costas do assento e me olhou para cima e para baixo. "Obrigada," sorri para ele, mas ele não retornou meu sorriso. Em vez disso, ele se virou para a tela e parecia pensativo. Eu fiz uma careta, mas hesitei apenas um segundo antes de tomar a decisão de dizer alguma coisa. Eu dei o meu corpo para ele; eu não podia ter mais medo dele. "Algo errado?" Ele continuou a olhar para a tela, me ignorando. Ele não parecia irritado, mas sua linguagem corporal gritou "desinteressado". Eu me inclinei para a frente e acenei com a mão na frente do rosto dele. Ainda nada. Então eu estalei os dedos duas vezes para chamar sua atenção. "Hey... Eu estou falando com você. Isso significa que você diz algo de volta." "Seja uma boa menina." Eu ouvi Sheldon dizer e rir quietamente. Ele finalmente se virou para mim, uma careta estragando suas feições. "O quê?", ele perguntou friamente. Recuei com surpresa por um momento antes de recuperar a compostura. "Se você estiver indo para agir como um idiota sem razão, então pode simplesmente me levar para casa. Agora."


"Tudo o que quero fazer é te levar para casa." “Então por que você me trouxe aqui?" Senti as lágrimas ardentes na parte de trás das minhas pálpebras, mas me recusei a deixá-las cair. Agora não. Ele soltou um suspiro agravado. "O inferno se sei." "Então, por todos os meios vamos acabar com esse encontro agora." Eu soprei a palavra encontro e senti o desprezo transformar o meu rosto. "Eu não quero que você se sinta obrigado." " Você é idiota de propósito, ou você realmente não pode ser diferente?" "Não me chame de idiota. Eu não sou estúpida. Ou talvez sou, porque estou sentada aqui com você agora." Eu me levantei antes que pudesse dizer qualquer outra coisa e saí para o saguão, quase tropeçando em Sheldon e Keenan. Eu ouvi ele cuspir uma maldição áspera e Sheldon chamá-lo de 'idiota burro' antes de eu sair através das portas. As luzes brilhantes do lobby quase me cegaram ou talvez fosse o líquido quente derramando pelo meu rosto. Porra. Eu disse que não faria isso. Eu contemplei ir a pé para casa, antes que percebesse que não era tão estúpida e me dirigi para o banheiro. Eu empurrei para dentro e peguei o meu celular para ligar para Willow, para pedir uma carona. "Você não deveria estar em um encontro com o Sr. Alto, escuro, e do mal agora?" "Ele está sendo um idiota. Você pode escolher ─" Isso era tudo que pude dizer, antes que o telefone fosse arrancado de minhas mãos. Keiran terminou a chamada e guardou meu telefone no bolso. Grande surpresa. "O que você está fazendo no banheiro das garotas?" Eu apressadamente tentei limpar meu rosto antes que ele pudesse ver que eu tinha chorado. Ele pegou minhas mãos e usou a sua própria para limpar suavemente meu rosto.


"Vim para pedir desculpas e este é o banheiro dos homens." Meus olhos se arregalaram e eu olhei em volta e notei os mictórios antes de apertar os olhos fechados em constrangimento. Eu poderia ser mais idiota? "Vamos embora." Eu recuei até minhas costas tocarem a parede, precisando de espaço entre nós, mas ele apenas seguiu. "Não." "Você não é minha pessoa favorita no momento." "Isso é bom, porque posso garantir que você vai mudar de ideia na próxima vez que eu colocar meu pau em você." "Se você diz," Eu levianamente retornei ao deslocamento contra a dor entre as pernas. "Quer testar essa teoria agora?", ele desafiou. Dei de ombros e virei minha cabeça, dando-lhe o ombro frio. Ele gentilmente segurou meu queixo e virou meu rosto para ele. Meus lábios abriram instintivamente para os seus. Ele olhou para a minha boca antes de sorrir para mim. "Estou falando com você. Isso significa que você deve dizer algo de volta;" Ele jogou as minhas palavras em mim, o que me deixou puta, então joguei o meu joelho para cima para bater em suas bolas. Ele pegou minha perna debaixo da minha coxa e envolveu-o em torno de sua cintura e me pressionou com mais força contra a parede. "Você está tentando conseguir uma rodada aqui mesmo?" Seus olhos estavam aquecidos com intenção sexual e apesar do modo como meu corpo respondeu, eu disse não com a cabeça. "Então se comporte." "Por que você está sempre me dizendo para me comportar?" "Porque você quer isso." "Não explica ..." Eu disse sarcasticamente e revirei os olhos. Ele segurou meu queixo novamente, desta vez em um aperto inflexível. Eu assisti o flash em seus olhos e tremi todo o caminho até os dedos dos pés.


"Eu não tenho que explicar. Você e eu sabemos o quanto molhada sua boceta fica cada vez que emito um comando. Você ama isso." Eu comecei a protestar, ele transferiu seu aperto na minha garganta. "Você precisa disso", ele rosnou. Deus me ajude, eu preciso. "Não me faça provar isso para você aqui. Você não está pronta para o tipo de merda que eu te daria aqui. Mas você vai estar... depois desta noite." Eu desenhei uma respiração profunda quase implorando-lhe para cumprir sua ameaça. "Eu não sei o que dizer." Foi uma resposta estúpida às promessas quentes que ele acabou de fazer para mim, mas era tudo o que eu tinha, caramba. "Tudo que preciso é que você diga sim quando preciso de você. É isso." "Por que eu deveria dizer sim? Você estava sendo ele de novo. Eu não gosto disso." Sua mão caiu de minha garganta quando franziu a testa e procurou meus olhos com o que parecia pânico. "Ele?", perguntou. "Sim... o Keiran antes de agora." Eu não perdi a expressão de alívio que cruzou suas feições. "Eu não vou me desculpar novamente uma vez que parece que você não está ouvindo, então vou explicar em vez disso. Eu estou feliz por passar este tempo com você. Eu só gostaria que pudéssemos passar sozinhos. Eu não consigo segurar, mas quero você só para mim o tempo todo. Eu perdi dez anos com você, porque não podia acordar de um pesadelo que jogava comigo mais e mais. Mas ainda mais egoisticamente, eu gostaria que estivéssemos trancados no meu quarto em vez de um cinema malcheiroso. Acredite em mim, baby, eu faria qualquer coisa para não ser ele novamente." Seus braços vieram ao redor de mim em algum momento durante o seu discurso e me segurou firme como se para me impedir de fugir. Seu comportamento possessivo me disse que eu não tinha escolha. A sinceridade brilhou através de seu olhar, mas eu não poderia perdoá-lo ainda.


"Qualquer coisa?" Eu salientei. Suas mãos caíram para minha bunda e me levantou nele. "Sim." "Então você deve saber que este é o meu primeiro encontro. Não estrague isso, ok? " "Nem mesmo se isso significasse minha vida", ele concordou.


Capítulo Vinte e Dois "Lake, o quão bom você consegue fazer com as bolas? Aaargh! As bolas de boliche, baby!" Sheldon tinha dado uma cotovelada no estômago de Keenan. Eu ri de sua expressão de dor, porque ele nunca parecia aprender a lição. "Eu vou contar a Keiran." Sheldon afirmou. "Dedo-duro", Keenan retornou. "Vadia". "É isso aí. Eu estou escolhendo Lake como minha parceira." "Você não pode escolher Lake. " "Por que não?" "Talvez por que eu queira Lake." " É uma pena. Eu já escolhi ela". "Você não pode tê-la. Ela é minha amiga. Ela nem mesmo gosta de você." Ai. "Lake, diga a ela que somos amigos agora. Lembra-se? BFFs2? Arte?" "Lake, isso é verdade?", perguntou Sheldon, em tom acusador, com as mãos nos quadris. "Uh -" "Obviamente não", Sheldon provocou. "Obviamente ela gosta de mim e só não quer ferir seus sentimentos." Keiran chegou com os nossos sapatos, mas eles continuaram a brigar sobre mim e não perceberam. Eu olhei para ele para ajudar, mas ele apenas sorriu e sentou-se para trocar os sapatos. Eu o vi retirar seu capuz, revelando a camisa cinza claro que moldava sobre 2

Best Friends Forever = melhores amigos para sempre.


sua pele, e instantaneamente eu salivava. Ninguém deveria ser tão quente. "Meu corpo é mais quente. E eu tenho melhor cabelo. Seu cabelo está pegajoso." "Pegajoso? Quer dizer, como o seu pau? " "Você não estava dizendo isso na noite passada quando você gozou toda sobre ele." Essa é a minha deixa para sair. Fui até onde Keiran estava e sentei-me ao lado dele. "Será que eles sempre brigam assim?" "Eles não estão discutindo. Isso é só eles. Quando eles brigam, eles se separam." "Bem assim?" Ele deu de ombros. "É normal para eles. Eles uma vez romperam por uma hora antes de estarem de volta um sob o outro." "Alguns diriam que é saudável." "Provavelmente. Mas o relacionamento é deles, não de outra pessoa." "É assim que você se sente sobre nós?" O que você está dizendo Lake? Não há um relacionamento entre nós! "Sim", disse ele sem hesitação e sorriu, pegando meu deslize. "A opinião de ninguém nunca vai me importar sobre nós. Apenas a sua." Ele virou a cabeça para olhar para mim até que balancei em compreensão e, em seguida, comecei a montar o jogo. Olhei para Keenan e Sheldon que estavam com certeza se curtindo agora. Ele praticamente havia colocado ela do outro lado da mesa, enquanto a tateava. Eu nunca iria compreender aqueles dois, mas não era para eu entender mesmo. Nós nos levantamos para começar a jogar a primeira rodada, quando ouvi meu nome ser chamado. "Lake?" Eu girei para enfrentar o som da voz familiar às minhas costas. "Hey Willow. O que você está fazendo aqui?"


"Oh, uh ─" ela apontou para um rapaz com o cabelo castanho maçante e óculos quadrados em pé atrás dela. Ele era de estatura média e vestindo calças cáqui com uma camisa de colarinho marrom escuro. Ele era bonito, mas surpreendentemente simples e, portanto, não era pra Willow. "Oi, eu sou Thomas." Ele avançou para apertar minha mão, mas quando eu estendi a mão para pegar a dele, fui afastada. Keiran me colocou atrás dele com uma careta em seu rosto antes que eu pudesse apertar sua mão. Eu olhei para trás e, em seguida, espiei a boca triste de Willow e seu encontro. "Quem é o quadrado?" Eu ouvi Keenan perguntar quando soltou Sheldon e mudou-se para frente. Ele olhou descaradamente o cara de cima e para baixo, desafiadoramente com um sorriso de escárnio em seu rosto. "Realmente, Wills? Você não poderia fazer melhor? ", Ele se dirigiu a Willow. "Não é da sua conta, Keenan." "Você está certa. Você é da conta de Dash. Vou deixar ele lidar com isso." Ele acenou com a cabeça uma vez e deu um passo atrás para sentar-se em uma mesa próxima. Todos voltaram seu foco para trás em Willow e Thomas, no entanto assisti Keenan retirar seu celular. Imediatamente se tornou suspeito o olhar furtivo em seu rosto. "Oi, Thomas. Eu sou Sheldon. Você ─" "Não estenda essa bunda espancada para cumprimentar ele, querida." Keenan advertiu, sem tirar os olhos de seu telefone. Seus dedos se moviam sobre seu teclado rapidamente. Quando ele terminou, guardou seu telefone e fez contato visual com Keiran e assentiu. Keiran acenou de volta e terminou a sua comunicação silenciosa. Eles estavam tramando algo. Tornou-se muito estranho o ar enchendo de tensão, desde que os caras não nos deixavam falar com Thomas e eles continuaram a encará-lo. Ela finalmente saiu com a promessa de falar com Sheldon e eu mais tarde.


"Não vá muito longe Wills. Eu tenho algo a caminho para você", Keenan avisou. Eu vi as costas de Willow endurecer enquanto ela continuava a se afastar. Havia um brilho nos olhos de Keiran e Keenan. Eu coloquei Keiran para trás e ele finalmente me puxou de volta ao redor na frente dele. "O que foi isso?", perguntei ao enviar Keenan um olhar descontente. "Você tem a primeira jogada", disse ele, apontando para a pista e ignorando a minha pergunta. Eu tinha certeza que havia vapor saindo dos meus ouvidos enquanto caminhava para a pista. Eu dei um último olhar para Willow que estava no balcão recebendo sapatos com Thomas antes de pegar uma bola. Dois strikes mais tarde, eu estava admitindo que fui sugada no boliche, mas não tive tempo de fazer beicinho sobre isso, porque em pé estava um arrogante Dash muito chateado. Agora ele era um grito distante do descontraído playboy, que poderia encantar a calcinha de qualquer garota que ele escolhesse. Ele foi direto para Willow, onde ela estava duas pistas afastada com o olhar entediado. Willow ainda não o tinha visto quando ele veio por trás dela. Ele tirou o braço de Thomas de seu ombro, antes de agarrar a nuca dela, pegando sua bolsa e sapatos e guiando-a em direção à porta. Ele deu um breve aceno para Keiran e Keenan quando passou por nós com Willow, que não disse uma palavra. Ou ela estava em estado de choque ou apenas feliz por estar terminando seu encontro. Assim de repente, ele estava fora da porta com ela. Acabou tão rápido quanto começou. Virei com os olhos acusador sobre os culpados que deram de ombros e fingiram olhares inocentes. Eu não estava acreditando. Eles o chamaram aqui. Eu olhei duas pistas para Thomas, que estava com o rosto vermelho e confuso. Pobre rapaz. Ele parecia bom o suficiente, mas ele, sem saber, entrou em uma batalha que não tinha nenhuma esperança de ganhar. Nunca mais.


"Você vai me deixar ligar para ela?" "Por quê?" Ele pegou a bola para a sua vez. "Para me certificar de que ela está bem?" Os caras eram muito estúpidos. "Ela está bem." "Você não sabe disso." "Eu conheço Dash." "E eu conheço Willow." Estendi a mão, indicando que queria meu telefone. Ele segurou o meu olhar e enfiou a mão no bolso. "Você é teimosa, você sabe disso?" "Então, eles continuam me dizendo." Eu me virei e imediatamente liguei para Willow. Tive de telefonar para ela duas vezes antes dela responder. "Você não está em um encontro?" Eu ouvi a voz suave de Dash através da linha. "Por que você está atendendo o telefone? Desligue." "Não." Isso foi tudo o que ouvi antes da linha ficar muda. Olhei para Keiran que estava tentando o seu melhor para não olhar divertido. "Satisfeita?" Ele perguntou com um sorriso. Eu fiz uma careta e guardei meu telefone. "Tanto faz. É a minha vez? Onde é que Keenan e Sheldon foram afinal?" Eu estava mais do que irritada e não fiz nada para esconder. Ele deu de ombros e pegou minha bola, em seguida, entregou-a para mim. "Você é péssima nisso." "Obrigada. Não percebi, " eu brinquei. Ele ignorou o meu sarcasmo e passou os braços em volta de mim, nos levando para a pista. "Você tem uma boa bola, mas você precisa ajustar sua postura. Suas pernas estão expandidas também." Ele chutou meu pé esquerdo ligeiramente para a frente e ajustou a minha posição.


"Agora, quando você apontar, aponte para a direita uma vez que você é destra. Você está apontando para o meio, o que está causando uma divisão, que é quando você realmente acerta os pinos. Torna-se difícil para obter o resto. Eu quero que você solte a bola na sua frente. Não balance muito para trás porque você pode se machucar, e bater as pernas, e se você não puder envolvê-las em torno de mim, vou ficar puto para caralho com você. Dobre os joelhos, não as suas costas. A única coisa que pode dobrar as suas costas sou eu, e prometo que você vai amar, mas desta forma, não tanto. Preste atenção ao seu objetivo. Você não visa os pinos, você visa a seta que quer que a bola siga. Os pinos só acontecem de estar no caminho." Eu vou ser honesta aqui. Eu não tinha certeza se estávamos falando de boliche ou de sexo. Talvez Sheldon estivesse certa e eu sou um pau tonto. "Vamos ver você tentar." Oh, boliche. Certo. Eu tentei lembrar o que ele disse, uma vez que ele me soltou e seu cheiro não estava me deixando louca. Eu mantive a minha postura como ele me disse e apontei para as setas e liberei. A bola suavemente rolou para a frente e bateu nos pinos. Todos, exceto um caíram, mas eu liberei uma mensagem para a vitória, que foi provavelmente mais como um guincho. Virei-me e saltei sobre Keiran envolvendo minhas pernas em volta de sua cintura e o beijei. Quando eu finalmente vim à tona para respirar, olhei para ele. "Bom trabalho. Vamos ver se podemos obter um strike." "Ou você pode me levar para casa agora e fazer o que você prometeu..."

*** Sheldon contou aos pais que ela estaria dormindo com uma amiga, então fomos direto para a casa de Keiran e Keenan. Eu não sabia o quão confortável eu poderia me sentir na casa de Keiran, mas


ele não me deu muita escolha depois que lhe dei a luz verde para me levar para casa. Pensando em como Keiran caçou Sheldon e Keenan de seu canto escuro e praticamente lançou os sapatos para os pobres dos caixas, antes de puxar a bunda para fora do beco, trouxe um sorriso ao meu rosto. Entramos na casa e notei mais uma vez que seu tio não estava lá. Eu tentei não julgar, pensando em quantas vezes tia Carissa estava na estrada por causa de sua carreira. Eu não sabia a sua história, então não era da minha conta formar uma opinião. Keiran parecia indiferente a ausência de seu tio, mas notei como Keenan discretamente olhava ao redor, e a decepção sombreando suas feições. Ele nunca se deixa mostrar por muito tempo. Tão rapidamente como ela vem, já tinha ido embora novamente. Eu sabia como era se perguntar se seus pais o amava ou não. Pelo menos ele sabia onde estava o dele... ou se eles ainda eram vivos e não abandonou você... Eu sacudi o pensamento e virei-me para Keiran que estava me observando. "O que você está pensando?" "Por que você sempre quer saber o que estou pensando?" "Porque você ainda está se escondendo." Era isso que eu estava fazendo? Uma parte de mim ainda acreditava que isso era uma piada cruel e ele ainda me odiava. Dez anos de medo não apenas se desvaneceria, não é? "Então, você também está." Era a única coisa que eu poderia pensar em tomar o calor fora de mim. "Pode ser, mas não porque eu não confie em você." Seu tom era acusatório. "Mas porque acho que vai mantê-la segura." "De que?" "De mim". Sua expressão era de dor. Eu definitivamente precisava de respostas. "Será que eu lhe pedi para me proteger?" "É o tipo que vem com o pacote." Seus lábios se curvaram em um sorriso de escárnio e eu poderia dizer que ele estava chateado.


"Bem, eu fiz muito bem quando você era a ameaça. Talvez você ainda está... " "Você vai descobrir se ainda sou uma ameaça assim que você tiver o seu rabo na minha cama." "Isso é tudo o que importa?", perguntei, fingindo raiva. "No momento sim." "Você pode ser um idiota." Mudei-me para sentar-me no sofá e ficar confortável. Eu queria permanecer na sala de estar pelo maior tempo possível para nos manter em pé de igualdade. Assim que ele me levasse em seu quarto, sabia que todas as apostas estariam perdidas. "O que diabos você quer de mim, Lake? Estou tentando." "Eu nunca pedi nada para você!" Eu gritei as palavras antes que pudesse pegá-las. Quando tínhamos começado a discutir? "E eu nunca vou dar-lhe uma escolha!", ele gritou de volta. Ele estava parado do outro lado da sala, mas senti sua raiva como se ele estivesse bem na minha frente. "Você continua lutando contra isso. Lutando contra mim. Por quê?" Sua voz era gutural e aflita. Eu não queria nada mais do que dar a ele o que ele queria, mas não podia. Eu ainda estava segurando. "Porque não acredito em felizes para sempre, Keiran. Você tirou isso de mim há muito tempo. Como é que vou te perdoar se nem sei por quê deveria?" Minha voz se quebrou na última palavra. Ergui a cabeça e o vi afastar-se de frente para a parede. Suas mãos agarraram o suporte da estante com as costas apertadas com tensão. "Keiran, por favor -" "Eu estava indo ao ginásio para jogar basquete, assim como todos os dias. Eu não tinha a intenção de gostar do jogo. Eu só queria abraçar a única coisa que eu era bom, além do que fui ensinado a fazer. Eu fugia até mesmo no meio da noite para jogar, então não teria que dormir. John finalmente me pegou uma noite, por isso ele colocou o aro na parte de trás da casa. Ele não me impediu de sair, embora eu não estava disposto a aceitar qualquer coisa dele. Eu não queria ter


que dizer obrigado, porque o que diabos eu teria que ser grato? Eventualmente, os pesadelos pararam e eu podia dormir de novo... até que você chegou." Ele agarrou o suporte mais forte uma vez antes de deixar ir para me enfrentar. Seus olhos estavam ardendo com fúria silenciosa. "Você parecia tão inocente naquele dia. Tão doce e alimentada, como se você nunca tivesse tido um dia ruim, ou feito alguma coisa ruim. Você me fez lembrar de tudo o que eu era e o que não era. Naquela noite tive pesadelos novamente pela primeira vez em semanas. Mas desta vez foi diferente. Era você no meu pesadelo agora, não ela ou qualquer um deles. Eu disse a mim mesmo que nada daquilo era real mais, e que não iria machucá-la ou qualquer um. Eu não queria ser uma pessoa ruim." Ele soltou uma risada seca e esfregou as costas de seu pescoço. "Eu sabia que ela chegaria a mim." Eu queria desesperadamente perguntar sobre esta misteriosa "ela". Se ela era uma menina ou uma mulher? "Eu não estava preparado para vê-la novamente. Pensei ─ eu esperava, que talvez você estivesse apenas de passagem, mas então vi você novamente no parque infantil. Você estava indo salvar seu amigo quando ninguém mais o faria. Nem mesmo sua irmã iria tentar." Ele engoliu em seco e respirou fundo, desviando os olhos. "Não há nada mais nada neste mundo que eu odeie mais do que um herói..." seu olhar pegou o meu mais uma vez quando ele disse, "nem mesmo você." "É por isso que você me empurrou?" "Quando tentei parar e você não quis me ouvir, eu queria punila. Depois que te empurrei, percebi que poderia machucá-la e que nunca seria bom e eu me odiava por isso. Eu não esperava que você ficasse. Pensei de novo que você iria embora, mas você nunca foi e eu estava preso com a constante lembrança de quem eu era, cada vez que via você. Ninguém poderia me fazer sentir desse jeito, mas você sim, então, tentei quebrar você. Eu acho que saiu pela culatra, porque à medida que ficava mais velho, comecei a querer algo diferente de você e de repente fazer você chorar não era suficiente. Eu sabia que não


poderia tê-la, porque você não foi feita para alguém como eu e isso me irritava mais ainda." Minha mente estava correndo com perguntas. Eu não sabia se devia ficar brava ou triste por ele. Nenhuma criança deve ter esses tipos de pensamentos ou pensar em si mesmo dessa forma, especialmente nessa idade, quando sua infância é tão crucial para o seu futuro como um adulto. "Diga alguma coisa", ele perguntou. "Quem era ela?" "O quê?" Seus olhos se afastaram e seu rosto empalideceu. "Você disse que tinha pesadelos novamente, mas sobre mim e não ela. Quem era ela? " Ele respirou fundo e passou a mão pelo rosto. "Ela foi alguém que não merecia o que aconteceu com ela." "Foi?" "Ela está morta." "A garota na foto," eu disse. Ele acenou com a cabeça quando me levantei e caminhei até ele, mas ele deu um passo para trás, afastando-me até que suas costas bateram na estante de livros. Eu tomei seu rosto em minhas mãos e beijei seus lábios suavemente, olhando em seus olhos. Eu vi o calor e a emoção em um flash em seus olhos e senti seu corpo vir em direção a mim. Isso é bom baby. Fique comigo. Eu queria perguntar-lhe sobre seus pesadelos, mas decidi deixar isso passar. Eu não queria arriscar. Seu humor mudou ao redor como um relógio, exceto que ninguém saberia o que vinha a seguir. "Quando você me viu pela primeira vez?" "No Pies, Shakes and Things, dois dias antes do playground. Eu estava andando em minha bicicleta e vi você do outro lado da calçada com sua tia. Foi a sua voz que me chamou a atenção. Você estava cantando junto Sweetest Thing do U2. Eu sentei lá na minha bicicleta e escutei você tentar acertar cada nota alta. Foi a primeira vez que


consegui me lembrar de estar sorrindo, desde sempre. Eu não te vi por muito tempo porque você entrou na loja. Eu queria segui-la. Eu quase fiz." Lembrei-me daquele dia mais claro do que me lembrava de qualquer outro dia. Eu estava me sentindo triste por ter sido separada dos meus pais pela primeira vez, então minha tia nos levou para tomar sorvete para me animar. Eu escutei a canção que tocava no rádio quando chegamos. Tinha sido a minha música favorita, então minha tia ligou o rádio e pulei para fora do carro para cantar junto com a música. Eu estava tão envolvida em esquecer que estava triste que não sabia que estava sendo vigiada. "Qual era o nome dela?", perguntei. Ele engoliu em seco e balançou a cabeça, mas agarrei seu rosto mais forte. "Está tudo bem, Keiran. Conte-me. Por favor, eu preciso saber." "Por quê?" Sua voz estava cheia de emoção. "Porque ela é a verdadeira razão por que você me odeia, não é?" Ele me olhou nos olhos por tanto tempo que pensei que ele não iria responder. "Sim." "Você não tem que me dizer por que, pelo menos não agora. Apenas me diga o no ─ " "Lily," ele deixou escapar antes que eu pudesse terminar. "Lily," eu repeti, testando seu nome em meus lábios. Estranhamente senti uma conexão com ela. Talvez fosse porque ela era a ligação que amarrou Keiran e eu juntos. "Eu não posso falar sobre ela, Lake." Keiran me implorou através de seus olhos. Eu beijei seus lábios suavemente, o que parecia relaxálo e tentei uma pergunta mais fácil. "No início você disse que fez com que eu não fosse solicitada por ninguém. Por quê?" Seus olhos escureceram com a obsessão e, em seguida, suas mãos estavam em meus quadris, me puxando para ele.


"Eu não sou um cara bom, então não me importo de ser egoísta. Se não posso ter você, ninguém pode. " "Você quer dizer ‘teria’? " "Não, quero dizer ninguém pode." "Você não pode decidir isso por mim." Ele deu de ombros e me lançou um olhar que dizia: ‘Quer apostar?’ "Eu já fiz. Não foram apenas os caras de qualquer maneira. Eu não queria ninguém perto de você. Às vezes parecia como se eu estivesse tentando protegê-la. Ou melhor quem você é. Irônico, não é? Eu queria proteger a própria coisa que eu odiava", disse ele amargamente. "Eu tinha Willow", argumentei. "Ela não era uma ameaça. Para ser honesto, ela é muito parecida com você é, mas estranha." "Willow não é estranha. Ela é especial. " "Isso é o mesmo que dizer que ela é estranha." "Não é." "Ok", ele sorriu. "Se você se senti fortemente assim sobre mim, o que você fará quando acabar o ano escolar? Todos nós teremos nossos caminhos separados, uma vez que nos formarmos. Algumas pessoas nunca se verão outra vez." "Você realmente acredita nisso?" Ele balançou a cabeça e continuou em vez de esperar pela minha resposta. "Eu não acho que você teria ido longe." "Por quê?" "Eu não teria deixado você ir. Eu sei disso agora." "Isso não faz sentido. " "Isso não se destina a fazer sentido, Lake. Isso apenas é assim. " "Você percebe que o que está dizendo não é normal?" "É como me sinto. Foda-se o normal. "


"Keiran, você ─" "Perguntas demais. Vamos lá." Sem aviso, ele agarrou meu pescoço e começou a me levar para trás, para as escadas. "Eu não acabei!" "Eu não me importo. Eu preciso estar dentro de você agora”, ele sussurrou "Eu relaxei contra o seu aperto e deixei que ele me levasse para o andar de cima. Nós chegamos ao patamar e eu podia jurar que ouvi gemidos e um som distinto batendo, vindo do quarto de Keenan, do outro lado do corredor. Quando Keiran abriu a porta do quarto, a voz de Sheldon gritou, "Pare de brincar de Marco Polo com a minha bunda, Cristóvão Colombo. Esta não é uma exploração que você estará colocando seus ding dong neste buraco de rosquinha!" Eu estava rindo histericamente, quando Keiran me forçou em seu quarto e fechou a porta. *** Quando Keiran finalmente me liberou, recuei para a cama, mas parei quando ele não me seguiu. Ele permaneceu junto à porta com uma expressão desconfortável. Eu fiquei ali, imóvel enquanto olhava para ele me assistindo. Ele não se lançou sobre mim como eu esperava. Seu comportamento era diferente de todas as outras vezes que tivemos relações sexuais. A luxúria com raiva que estava normalmente presente em seus olhos, estava faltando. Caminhei de volta para ele, pensando que ele estava jogando mais um de seus jogos de mente e queria que eu fizesse o primeiro movimento. Durante as semanas que ele me fez de sua escrava sexual pessoal, Keiran costumava foder a minha mente mais forte do que ele fodia meu corpo. "Lake?", ele perguntou, me parando em meus passos. "Sim, Keiran?" "Eu quero", ele engoliu profundamente quando um olhar de incerteza passou por seus olhos e percebi que era isso que Keiran


parecia, vulnerável. "Eu não posso explicar o que quero fazer com você agora, mas só... deixe-me fazer?" Eu não respondi imediatamente. Em poucas palavras, ele conseguiu me fazer sentir como uma virgem de novo e não a menina que secretamente ansiava por seu duro, áspero, irritado sexo e jogos mentais. Isso poderia muito bem ser outro jogo de mente... na verdade eu sabia que era, mas não parecia me importar. Eu também não sabia que estava balançando a cabeça até que ele empurrou a porta e caminhou em minha direção. O olhar nos seus olhos, embora mais suave, ainda me fez sentir muito parecido com a presa que ele sempre me fez sentir. Quando ele finalmente me alcançou, passou os braços em volta de mim e me puxou para perto. "Foda-se", ele gemeu, envolvendo inesperadamente a mão em volta do meu pescoço novamente, beliscando minha bochecha e depois garganta. "Você vai me fazer explicar?", ele perguntou rispidamente. Eu passei meus braços em volta do seu pescoço e inclinei-me sobre as pontas dos meus dedos dos pés para chegar aos seus lábios. "Não. Seja o que for, eu... eu quero." Eu não deveria querer isso, mas queria e de alguma forma sabia que seu comportamento era por causa do que aconteceu lá embaixo. Será que eu o empurrei o seus limites longe demais? Ele me despia lentamente e então me deitou em sua cama antes de despir-se. Todo o tempo ele manteve seus olhos em mim, enquanto olhava para o meu corpo faminto. Quando ele estava completamente nu, ele estava em cima de mim, acariciando seu pau, preparando-o para qualquer punição que ele precisava me provocar. "Eu não sei por onde começar primeiro", disse ele e mordeu o lábio. Os olhos baixos e eu não podia deixar de admirar quão sexy ele parecia. "Você pode começar por me beijar", sussurrei, nervosa. "Eu sempre adoro isso." Com um sorriso ele inclinou-se para beijar meus lábios. Isso rapidamente se transformou em um beijo frenético quando nós devorávamos a boca um do outro. Quando a necessidade se tornou muito forte, comecei a puxar seu corpo. Eu precisava sentir seu corpo


duro moldando o meu e seu peso sobre mim. Era algo altamente erótico sobre isso em mim. "Você é tão doce," ele gemeu. Sendo quem ele era, eu não sabia se levava isso como elogio ou não. Sua mão arrastou minha perna e em torno de minha coxa avançando onde eu mais precisava dele. "Mas você tem um gosto muito mais doce aqui", ele sussurrou, lentamente deslizando dois dedos dentro de mim. Eu soluçava contra sua boca e levantei meus quadris em seus dedos mergulhados. Ele curvou os dedos e aumentou a pressão, mantendo o seu ritmo até que gozei ao redor de seus dedos grossos, absorvendo a cama debaixo de mim. "Vire-se", ele exigiu antes que eu pudesse recuperar o fôlego. Fiquei surpresa pelo forte tom de sua voz e não obedeci imediatamente. Eu procurei seus olhos que agora estavam queimando com intensidade e a necessidade de ceder a seus impulsos. Não havia nada a distância fria que eu estava acostumada a seus olhos, então virei apesar do meu nervosismo e me acomodei em meus joelhos. Eu me preparei para o forte impulso de seu pau, mas ele nunca veio. Em vez disso senti ele plantar beijos suaves em toda a volta das minhas coxas e as mãos esfregando minha bunda com movimentos suaves. Então quando eu estava à beira de implorar, sua língua varreu meus lábios inchados e deixei escapar um pequeno grito, quando a minha boceta se congratulou com o prazer criado por sua boca. Até o momento que ele estava satisfeito, eu tinha gozado duas vezes e fiquei uma bagunça contorcida em sua cama. A cama afundou sob seu peso, enquanto eu ainda estava recuperando o fôlego. Ele virou-me até que eu estava liquidada em meu lado e, em seguida, me enganchou por trás e colocou seu braço em volta da minha cintura. "Keiran?" Virei a cabeça para encará-lo perguntando se ele mudou de ideia. "Erga sua perna para mim." Eu fiz o que ele pediu, sem um segundo pensamento. O olhar em seus olhos me disse que ele ainda me queria. Ele me puxou para mais perto dele, até que cada centímetro de nossa pele estava unida. Nós nunca tínhamos sido tão íntimos antes.


Ele sempre tinha mantido uma parte de si mesmo longe de mim quando me levava, mas agora eu me sentia cercada por ele. Ele levou a perna de cima entre as minhas e começou a me penetrar lentamente. A sensação sozinha agitava a minha necessidade de ir e quando ele rangeu os dentes, eu sabia que ele sentia o mesmo. Parecia que sempre tinha ido e vindo quando ele finalmente estava totalmente encaixado dentro de mim. Ele descansou a cabeça em cima da minha e levou uma respiração profunda, estremecendo. "Isso está me matando", ele gemeu. Ele levantou a cabeça e olhou nos meus olhos. Ele estava tão perto que eu podia ver o suor na sua testa. Mexi um pouco para ver mais de seu rosto e quando ele gemeu novamente, seus olhos tinham perdido o foco. "Não ─ ah merda, não ─", ele grunhiu enquanto minhas paredes cerraram e puxaram seu pau. Eu sorri para ele retratando inocência. "Não o quê?", perguntei docemente. Uma parte de mim queria que ele perdesse o controle e me levasse mais forte do que jamais me tomou antes. Ele estreitou os olhos para mim e depois flexionou os quadris uma vez, dirigindo o seu pau duro em mim, onde ele violou meu colo do útero. Eu soltei um forte grito e gemi contra seus lábios. "Essa foi sua única advertência", ele soprou as palavras antes de me beijar suavemente. Ele empurrou para dentro de mim novamente, mas desta vez ele foi surpreendentemente suave enquanto continuava a balançar contra mim. A nova posição deixou-me senti-lo em lugares que eu nunca tinha sentido antes, então quando ele me virou de costas e me penetrou rapidamente, eu quase protestei, mas a maravilha em seus olhos quando ele olhou para mim me parou. A emoção crua em seus olhos oprimia a minha própria. Segurei seus cabelos em minhas mãos sentindo os fios sedosos escuros escaparem por entre eles e mordi o lábio. Seus lábios se separaram e ele aprofundou seus golpes, nos movendo mais para cima do colchão. Ele estava perdendo o controle. "Keiran?" Estremeci fora.


"Sim, baby?" "Eu amo o jeito que você faz amor... mas preciso do jeito que você me fode." Seu corpo ficou tenso e seus olhos endureceram quando eu disse 'fazer amor', mas não tive a chance de falar novamente ou perceber o meu erro. Ele cuspiu uma maldição áspera, sentou-se sobre suas pernas e puxou meus quadris para fora da cama deixando minha metade inferior suspensa no ar quando ele enfiou com tudo, estocadas brutais rápidas, que me deixou ofegante e agarrando os lençóis. "Keiran, espere," Eu soluçava. "Cale a boca." Sua mão se fechou ao redor do meu pescoço, apertando e cortando meu suprimento de ar. O pânico e a sensação dele se movendo dentro de mim era uma combinação perigosa e após o quinto ou sexto empurrão de seu pau, eu gozei com um grito rasgando por minha garganta. Ele viu-me gozar, aparentemente hipnotizado, mantendo um ritmo forte dentro do meu corpo tremendo. "Não há nada mais sexy do que assistir você gozando ao redor do meu pau", ele rosnou e então jogou a cabeça para trás. Senti seus dedos cavando em meus quadris e vi as veias de seu pescoço saltando e sabia que ele estava gozando. Cada um de nós se colocou em silêncio, tentando recuperar o fôlego e os nossos pensamentos. Eu queria correr e me esconder, mas isso seria admitir meus sentimentos por ele. "Eu deveria te levar para casa", disse ele, distraído.


Capítulo Vinte e Três Já ouviu falar da caminhada da vergonha? Era quando um caso de uma noite tinha de suportar o constrangimento após ser fodida, literal e figurativamente. Apesar disso, independe do que as pessoas podem pensar, tenho algum respeito por mim mesma. É irônico realmente, porque depois de um nocaute, em vez de me arrastar para fora da luta, eu fiquei. Por que? Porque ele não ia gozar do jeito que ele fez e, em seguida, me chutar para fora. Mas eu tinha estado muito ocupada, celebrando minha vitória, para perceber que eu possa ter ganho a batalha, mas não a guerra... bem a guerra tinha orgasmos múltiplos. Desde que fiquei, Keiran não me deixou sozinha a noite inteira. No meio da nossa luta, ele me empurrou para o seu colo nu e me fez montá-lo até que eu gozei e mesmo assim continuou me levando toda a noite. Eu sabia que ele lamentou a nossa única e verdadeira faísca de intimidade, então ele tentou apagá-la por ser o mesmo bastardo frio que sempre tinha sido. Na parte da manhã ele tinha apenas falado duas palavras para mim, exceto para me dizer que estava me levando para casa para tomar banho e trocar de roupa para a escola. "Posso fazer o café da manhã?" Ouvi Keiran perguntar atrás de mim quando nós caminhamos para minha casa. Virei-me com os olhos arregalados sobre ele. "Você quer me fazer café da manhã?" Ele deu de ombros antes de colocar sua jaqueta de couro preto. "É o mínimo que posso fazer depois de ontem à noite." Fiz uma pausa de surpresa. "Você está se desculpando?" "Não." Ele se virou, desaparecendo rapidamente para a cozinha. Eu subi para tomar banho e quando me olhei no espelho, notei imediatamente os inúmeros chupões vermelhos e marcas de mordidas por todo o meu pescoço e arrastando debaixo da minha camisa, para os meus seios.


Entrei em pânico, imaginando como eu poderia cobri-los. Corri uma mensagem para Sheldon e Willow, que me disseram para usar maquiagem e garantiram-me que sumiriam em um par de dias. Eu entrei para tomar banho e corri o gel sobre os meus músculos doloridos, na esperança de acalmá-los. Dizer que Keiran trabalhou ao longo da noite, era um eufemismo. Após o banho, rapidamente sequei meu cabelo e, em seguida, sem a menor cerimônia coloquei um jeans e uma blusa de botão, e deixei meu cabelo cair em ondas suaves nas minhas costas e o dedo penteando minha franja, também fazendo uma nota para cortá-la. O cheiro de comida cumprimentou-me quando fiz meu caminho para baixo. Ele realmente fez café da manhã. Eu encontrei Keiran na cozinha colocando a nossa comida nos pratos. Acho que o meu estômago gostou do que viu, porque ele rosnou ... alto. Muito bem, você. Muito sexy. Ele sorriu para mim e empurrou meu prato em minha direção. "Ajude a si mesma", afirmou, aprofundando o meu constrangimento. "Não se importe se eu fizer," eu admiti a contragosto. Eu peguei um garfo e comecei a cavar os deliciosos ovos, olhando quando seu telefone tocou e ele saiu da cozinha para atender. Eu estava um pouco feliz que ele fez, porque minhas boas maneiras à mesa são atrozes quando estou com fome. Eu terminei minha comida em segundos, mas ele não voltou ainda para comer. Quero dizer, provavelmente seria absolutamente muito mal de minha parte, comer a sua comida e a minha. Eu enlatei a ideia, mas então lembrei em como ele tentou me chutar para fora de sua casa. Talvez não. Devorei a comida dele e como ele ainda não tinha retornado, a curiosidade assumiu, então pulei a banqueta do balcão e fui procurálo. Ele não estava em qualquer lugar aqui embaixo, então subi e ouvi a voz baixa vindo do meu quarto. Sorte minha que a porta estava entre aberta, então espreitei. Ele estava parado na minha mesa, segurando uma foto minha que tinha sido tirada no ano passado, enquanto ele estava no reformatório. Willow e tia Carissa tinham me convencido a fazer uma


viagem extremamente longa para a praia, quando comecei a ficar deprimida por algum motivo desconhecido. Tia Carissa tinha tirado a foto de mim em pé, com os pés descalços na água, vestindo o primeiro sorriso que tive em muito tempo. Ele estava olhando para baixo com força para a foto, com um controle apertado sobre a moldura, enquanto falava ao telefone. "Não, quero que você mantenha um olho nela. Descubra por que ela mentiu." Sua voz estava ameaçadora e eu senti pena de quem quer que fosse que ele estava se referindo. "Ah, e diga ao seu chefe que ele estará recebendo um novo pacote em breve, para fazer o que quiser." Ele desligou a chamada e eu entrei em pânico, pensando que seria pega, mas ele continuou a olhar para a minha foto intensamente. Eu respirei fundo e voltei lá para baixo tão silenciosamente quanto pude, antes de ser pega. Eu não tive tempo para pensar em tudo o que ouvi antes dele estar de volta na cozinha. Ele olhou em volta para seu prato, erguendo a sobrancelha para mim. Eu apenas dei de ombros e levei os pratos para a pia. Quando eu estava de costas, encontrei a coragem de fazer a pergunta que tinha estado na minha mente desde o jogo. "Keiran?" "Sim?" Eu podia sentir seus olhos me observando, amplificando o meu nervosismo. "O que você vai fazer sobre Trevor e Anya, agora que sabe que eles armaram para você?" "Você não obteve informações suficientes com a espionagem na porta?" Pega. "Eu uh ..." "Não faça isso de novo", ele ordenou com um tom normal. Eu me virei, segurando um prato com sabão na minha mão e senti o desejo de atirá-lo em sua cabeça. "Porque não pode me dizer com quem você estava falando no telefone?"


"Por que você precisa saber?", ele perguntou com desinteresse. "Porque ele tentou me estuprar em um vestiário? Ou porque ele me meteu nisso também? Eu vou deixar você escolher." O sarcasmo foi atado ao longo da minha voz que foi difícil de segurar. Seus olhos se estreitaram de forma ameaçadora, mas eu não vacilei. Estou ficando boa nisso. Em vez disso, segurei seu olhar até que ele revirou os olhos e me empurrou para fora do caminho para assumir a limpeza dos pratos. "Keiran, preciso saber. Eu ─ " "Eu estou bem ciente do que ele fez para você e o que ele tentou fazer com você", disse ele, sem emoção, enquanto fazia círculos meticulosos sobre o prato. Ele enxaguou o prato e virou-se para o outro. "Você não se importa, não é?" Eu lutei contra a dor que senti deslocando e me agarrei em cima do balcão com força para segurar minhas emoções. Ele continuou a lavar os pratos com um encolher de ombros. "Importar não faz a diferença. Só fica com pessoas mortas. " "Talvez você seja apenas incapaz de sentir qualquer coisa. " "Sinto muitas coisas: raiva, ódio, dor, luxúria. Eu não preciso sentir qualquer outra coisa." "E quanto ao amor, compaixão e felicidade?" Ele finalmente olhou para mim um sorriso como se ele se divertisse com a minha pergunta. "Eu não acredito nisso." "Então sinto pena de você." "Eu vou viver. Essas emoções que você carrega em sua manga são o que faz de você uma fraca... mas você também sente raiva e ódio, não é? " "Quem exatamente eu odiaria?" "Seus pais. Você acha que eles abandonaram você e te deixaram aqui para sofrer. Você acha que se eles não tivessem ido embora, os


últimos dez anos não teriam acontecido. Você odeia sua tia também. Se ela não tivesse pego você, se ela não te amasse, então você não estaria aqui. Você não acredita no amor, mas você é uma hipócrita." "Saia," eu gritei. Ele se encostou na pia, cruzou as pernas, e continuou a me encarar com um olhar em seus olhos de conhecimento, e seu sorriso sempre presente. Raiva como eu nunca tinha sentido antes passou por cima de mim, assim que agarrei o filho da puta pelos chifres e segurei. A faca estava em minhas mãos sem nem me lembrar de como ela chegou lá. Eu parti para ele, pronta para machucá-lo como ele tinha me machucado. Quando eu estava perto o suficiente, levantei meu braço. Seu pé atirou para fora, chutando meus pés debaixo de mim e eu estava caindo, a faca arrebatou fora das minhas mãos. Ele estava em mim antes que eu pudesse me mover, espalhando as minhas pernas abertas e pressionando a faca contra a minha garganta. "Você quer me machucar?", ele disse, desabotoando minha calça jeans e empurrando-a para baixo das minhas pernas. "Você nem sequer sabe por onde começar, porque primeiro eu teria que te dar uma foda", ele rosnou e empurrou para dentro de mim. Seu punho no meu cabelo puxava minha cabeça para trás enquanto empurrava ferozmente em mim. Meus gritos eram tão altos e arbitrários enquanto eu empurrava meus quadris de volta para tomar mais dele. Ele apertou a faca mais profundo contra a minha garganta e se inclinou para sussurrar no meu ouvido. "Eu deveria matá-la agora e colocá-la para fora da miséria que você reivindica viver em cada dia, mas não posso deixar você ir. Foda-me, eu não posso deixar você ir ", ele repetiu com um único golpe forte e, em seguida, ele estava gozando, derramando sua semente em meu corpo desprotegido. *** "Hey, a feira hoje à noite, nós vamos?" Sheldon falou lentamente quando apareceu, inclinando-se contra os armários com uma perna


apoiada atrás dela. Eu estava distraída por muitos pensamentos correndo pela minha cabeça. "Uh, eu não tenho certeza ..." "Vamos Lake, esta é a minha única noite de folga esta semana!" Willow exclamou enquanto caminhava em nossa conversa. Ela nunca poderia resistir a roda-gigante. "Além de que você me deve um prêmio", ela fez beicinho. "Tudo bem, tudo bem. Não perca as suas calcinhas," eu bati. Willow olhou para mim em choque, espelhando a minha própria surpresa. Eu nunca falei com Willow assim. Eu murmurei uma rápida desculpa e abri o meu armário para guardar os meus livros para o almoço, mas foi batido para trás por uma pequena mão com os dedos vermelhos. "Eu não sei o que você disse ao meu homem, mas é melhor você ficar longe dele ou vai se arrepender. Keiran é meu. " "Engraçado, já ouvi isso antes." Mentalmente me engasguei com o fedor do mal puro, proveniente da bruxa chamada Anya. "É melhor você mover a mão," eu avisei. Eu ainda estava com raiva desde esta manhã e do desastre que aconteceu depois da luta. Dizer que eu estava com medo era um eufemismo e não era porque ele ameaçou me matar com uma faca cavando em minha garganta. "Ou o que, perdedora. Você precisa parar de se prostituir ─ " Ela não conseguiu terminar essa afirmação, porque ela estava comendo metal no momento. Eu a subjuguei com uma mão forte contra seu crânio, empurrando o rosto dela no armário. Eu juro que podia ouvir seus dentes raspando contra o armário. Anotei para mim mesma: desinfetar isso mais tarde. Uma multidão rapidamente se reuniu na oportunidade de testemunhar uma luta. "Ouça com atenção, por favor. Não quero ter que me repetir. Keiran... não... é... seu. Ele nunca foi. Então cai fora. E eu teria muito cuidado em um futuro próximo. Eu não vou ser tão indulgente. Ok, abóbora?" Eu sorri maldosamente na parte de trás de sua cabeça. Eu percebi que estava totalmente fora do personagem no momento, mas


não me importei. Eu precisava descarregar minha ira e Anya se elegeu como tributo. Quando ela assentiu, deixei a pressão na parte de trás de sua cabeça e bati-lhe uma vez. "Boa garota. Agora, saia." Ela correu para fora em seus saltos altos. Sério mesmo, o que havia na água da escola? "Eu estou tão quente para você agora", Willow brincou. "Raaawr! Quem diria, tinham dois puxa-sacos com ela?" Sheldon perguntou. "Que diabos foi isso?" Eu ouvi uma voz grunhindo. A multidão tinha quase se dispensado, então eu sabia que um dos espectadores era Keiran. "Eu não sei. O que lhe parece?" Eu pensei que a qualquer momento o seu rosto iria rachar sob a pressão que ele estava colocando em seu maxilar. "Diga-me", perguntou ele. Eu suspirei exasperada e virei-me de frente para o meu armário. Eu retirei um lenço que mantinha para higienizar as mão e limpei a frente do meu armário. "Lake", ele chamou em advertência. "Eu estava mantendo seus baldes de piranhas no lugar delas, desde que você parece ser incapaz de fazer isso." "Oooh! Queime! Droga!" Uma saraivada de vaias soou ao redor da multidão. "Saiam", ele ordenou e enquanto as outras pessoas corriam, ele voltou sua atenção para mim. "Você quer explicar qual é o seu problema?" "Isso é uma pergunta séria?" Talvez tivesse algo a ver com o fato de que ele poderia ter me engravidado enquanto ameaçou cortar minha garganta, mas posso estar errada. Eu não poderia dizer-lhe de qualquer maneira. Não com Willow e Sheldon nos observando de perto. Sempre fomos cuidadosos antes, mas admiti que estava tão louca comigo mesma por ceder a ele mais uma vez.


"Eu te vejo mais tarde." Ele disse simplesmente, mas soou ameaçador ao mesmo tempo. Com isso, ele se virou e foi embora. Não precisava ser dito. Eu sabia que errei, mas se ele poderia fazer o que quisesse, então eu também poderia. "Ele parecia chateado", comentou Willow. "O que se passa com eles de qualquer maneira? Eles são tão hipócritas e mandões. É sempre ‘Faça o que eu digo', 'agora', 'não', 'meu'. ‘Mim Tarzan, você Jane’. Agora curve-se!" "Não se esqueça do grunhindo e o rosnado", acrescentou Sheldon. "Eu continuo à espera de ser arrastada a uma caverna ou algo assim." Nós compartilhamos uma longa risada sobre a atitude dos caras, mas fomos interrompidas por um pigarro. Nós viramos ao mesmo tempo para encontrar Dash e Keenan inclinando-se contra os armários, nos observando e parecendo com raiva. Eu acho que eles ouviram o que dissemos. Oops. "Oh merda, um ... Eu te amo pão de mel?" Sheldon, brincou, tentando acalmar os sentimentos de Keenan. Ele revirou os olhos e foi embora na mesma direção que Keiran recuou. Dash permaneceu um tempo e eu podia ver a luta em seus olhos antes que ele murmurou, "Foda-se", e saiu atrás de Keiran e Keenan. Willow, Sheldon, e eu estávamos de pé sozinhas no corredor vazio. Cada uma de nós compartilhou uma olhada, antes de encolher os ombros e ir para o refeitório. O almoço foi uma grande reunião social que eu ainda não me acostumei, após muitos anos evitando a área e as pessoas em geral. Willow ainda se recusou a sentar-se à mesa de Keiran por causa de seu drama com Dash, então fomos para uma mesa vazia para nos sentar e olhei em volta automaticamente procurando por Keiran, mas não o encarei. Eu tinha certeza de que essa era a direção que ele tomou e assumi que ele viria para cá. Olhei em volta e não encarei Keenan ou Dash também.


"Olá senhoras e Coisa." Buddy montou uma cadeira ao meu lado com um sorriso amplo. "Se manda garoto." Willow bufou. "Desde quando faço o que você diz?" "Desde que sei onde você guarda as revistas sujas e o estoque de pornôs que vou contar a mamãe e o papai." "Ha! De quem você acha que eram? Papai precisava se livrar das provas", disse ele secretamente enquanto sorria mais amplo, se esticando. "Eca." "De fato", ele imitou em tom bajulador, em seguida, virou-se para mim e Sheldon. "Hey amante. Hey Sheldon. " "Não diga ‘Hey Sheldon’. Da próxima vez que você usar o banheiro coloque o assento para baixo. Eu caí de bunda no banheiro, porque estava cheio de água! " Ela jogou um feijão para ele, que ele pegou com a boca. "Não fique com raiva de mim porque você não presta atenção onde estaciona seu rabo." "Espere, quando você estava na casa dela e por quê?" Willow perguntou. "Call of Duty3. Qual é o seu problema?" "Você está confraternizando com o inimigo? Meu próprio irmão!" "Ninguém mandou você desistir e pegar um cara solteiro," ele tinha um olhar perturbado, quando ele pegou uma batata frita da bandeja de Willow. "Você não sabe o que você está falando, Buddy. Não comece rumores." "Eu não preciso. Eles já estão lá fora. Dash colocou a ordem que você estava fora dos limites, semanas atrás. O pobre idiota da outra noite foi o único a tentar, mas foi apenas porque ele é novo. Não se preocupe. Dash já falou com ele também." Ele atirou um sorriso diabólico e o rosto de Willow empalideceu antes de ficar vermelho. 3

(Jogo de vídeogame)


"Ele não tinha o direito ─" "Diga a ele isso, irmã. Eu sou apenas um espectador inocente." "Como seu irmão gêmeo, posso dizer-lhe que Dash é até pode ser legal. Mas ele é sorrateiro. Ele pode ficar quieto agora, mas lhe asseguro que ele está tramando algo, eu espero, que você esteja pronta para ceder." "Isso não vai acontecer", Willow zombou mas soou forçado. "Willow, talvez conversando com ele em vez de ignorar irá funcionar melhor. Diga-lhe como você se sente ", sugeri. Keiran pode ter tido razão. Eu era uma hipócrita. "Meu irmão não se importa sobre como Willow se sente ou o que ela quer. Ele está agindo em prol dos seus próprios sentimentos e agora o que ele quer é você. Agora ele está procurando por uma fraqueza e no momento certo atacará". "Esta não é uma guerra, Sheldon." "Não, este é um Chambers. Você está ferrada." "Obrigada." Willow respondeu secamente. "A qualquer hora, querida." "É por isso que fico solteiro," Buddy falou presunçosamente. "Porque você é feio?", perguntou Willow. "Só por isso, estou convidando Dash hoje à noite." "É melhor você não fazer!" "Já convidei", ele zombou, puxando o seu telefone e enviando um texto rápido. "É isso aí. Eu renego você." Buddy zombou e revirou os olhos antes de trancá-los com meu. "Então Lake, o que você fez para o meu garoto?" "E quem seria esse?" "O padeirinho", respondeu ele, impaciente. "Você sabe quem." "O que é isso para você?", eu perguntei ao invés de responder a sua pergunta.


"Porque ele está atirando e rosnando para quem passa. Ele tem alguma grave ‘febre Lake’ acontecendo." "O quê?" "Sim. Eu juro que vocês são melhores que as minhas novelas." Eu balancei a cabeça para Buddy. Ele realmente assiste novelas fielmente. "Eu posso lidar com Keiran." "Você pode?" Seu tom foi atado com seriedade e seus olhos perfuraram os meus com preocupação em seus olhos, um completo oposto de seu normal estado brincalhão. "Sim, Buddy. Eu mentirosa também...

prometo." E, aparentemente, sou uma

*** "Eu estou indo para a feira hoje, com Willow e Sheldon." "Oh?" "Sim." Silêncio. "Então?" "Então, o quê?" "Nada." Mais silêncio. "Você está com raiva de mim?" "Eu deveria estar?" "Não." "Então acho que não estou." Eu estava começando a ficar cansada de suas respostas curtas. Keiran tinha me dado um gelo, desde que fiz Anya comer meu armário na escola. Ele não parece ver a situação com Anya, o que foi o suficiente para andar por aí com um pedaço de pau no cu. Nós não trocamos palavras desde então. Depois da escola estávamos deitados na sua cama, depois de ter acabado com algumas rodadas de sexo


suado. Ele tinha me enganado no seu carro, dizendo-me que me levaria para casa, mas acabei aqui em vez disso. "Eu acho que você está, apesar de tudo." O silêncio de novo. "Você não vai falar comigo?", eu tentei de novo. Ele soltou um suspiro. "Você está me irritando." "Idem." "Eu quero que você fique longe de Anya," ele ordenou. Bingo! Temos comunicação! "Acredite em mim, eu não a abordo de boa vontade. Além disso, ela começou." Ele me olhou fixamente até que eu me encolhi de volta no meu assento. "Tudo bem," eu bufei. "Que horas você vai para a feira?" "Seis". "Não faça nada de estúpido esta noite." "Sim, papai." "Lake ..." "Atenção. Você não pode me controlar, Keiran, então pare de tentar. " "Eu posso e vou", respondeu ele, sem falsa modéstia. Eu não sei por que me preocupo em dizer a ele o contrário. Keiran sempre faz o que quer, mas ele não era Deus, não importa o quanto ele fingisse ser. "Eu não vou deixar você." "Você não pode me parar. Você ainda realmente quer ou está tentando salvar a sua cara"? "Eu ─. Eu não sei." Era a verdade. Eu realmente não sabia. "Ouça. Trevor pode estar lá. Não se aproxime dele e não o provoque. Se ele chegar perto de você, então você me chama. Imediatamente. Você entendeu?" "Keiran, ele não pode vir perto de mim. Eu estarei bem." "Você precisa que eu repita isso outra vez?" O olhar em seus olhos me disse para calar, o que fiz com relutância. Seu corpo ficou


tenso quando ele mencionou Trevor, o que era estranho para alguém que alegou não se importar. "Algum dia vamos falar sobre aquele assunto?" Eu olhei para ele do meu lugar em seu peito, mas seus olhos estavam fechados. Uma ruga profunda desfigurando seu rosto. "Não há nada para falar." "Como você pode dizer isso?", eu disse para ele, incrédula. "E se eu engravidar?" Estar grávida na minha idade seria a maior ameaça para o meu futuro, mas estar grávida de Keiran seria a maior ameaça para a minha sanidade mental. "Sem mais perguntas. Pegue suas roupas ", disse ele, levantando-se da cama e exibindo sua nudez sem vergonha. Levou tudo em mim para não babar, observando sua bunda firme, quando ele puxou o jeans do chão. "Por que você não está indo com a gente para a feira?" "Não é minha coisa." "Oh ... bem ..." "O quê?" Como se diz ao cara que é suposto ser seu inimigo, que você queria fazer todos as coisas piegas que os casais geralmente gostam de fazer, ganhar prêmios para o outro e andar no carrossel segurando as mãos, sem parecer um lunático? Eu não devia querer essas coisas com ele. Nós éramos duas pessoas que se odiavam e se perdiam nos corpos um do outro. Ele tinha dito que não me odiava mais. Mas eu sabia que não era verdade. Ele ainda carregava ódio em seus olhos por mim, mas estava nublado pela luxúria. "Nada", eu respondi cabisbaixa.


Capítulo Vinte e Quatro O som do riso das crianças e o cheiro de frituras me cumprimentou quando entramos na feira. Era uma noite clara, bastante quente. Nós acabamos chegando com mais de uma hora de atraso, porque Pepé decidiu esconder as chaves de Willow para impedi-la de sair. Demorou um tempo para encontrá-las e, no final, o levamos junto com a gente, mesmo que eu não estivesse muito certa que animais de estimação seriam autorizados a entrar. "Primeiro as coisas de comer. Eu preciso de uma coxa de peru defumado e um bolo, nessa ordem, e vocês cadelas melhor pegar para vocês, também, porque não vou dividir", Sheldon anunciou. A menina realmente poderia colocar isso para fora. Fomos para a barraca mais próxima de alimentos, tecendo o nosso caminho através da multidão. "Então Lake, sua tia sabe sobre Keiran?", perguntou Willow. Eu não estava esperando que ela me perguntasse isso, considerando que ela se esquivou de questionar o nosso "relacionamento." "Uh, um pouco. Ele veio uma vez e a encontrou, mas ela não sabe nada. Eu me sinto culpada, na verdade. Ela confia em mim, mas estive guardando segredos dela." "Sim, e assim como todos os outros adolescentes de todos os tempos. Ela sabe o que é ter dezoito anos." "Sim, mas ─" "Fale com ela quando chegar em casa. Coloque tudo na mesa. Ela ainda não tem ideia de que a casa foi invadida?", perguntou Sheldon. "Não. Eu não queria estragar sua turnê, contando isso. Eu estou preocupada que ela não possa confiar em mim mais uma vez." "Pais decepcionados é uma parte do círculo da vida. Você poderia ter feito muito pior, se você me perguntasse."


"É apenas um território novo. Com o sexo na equação, eu já não tenho certeza das regras e limites. A lei diz que sou maior de idade, mas as circunstâncias fazem tudo enviesado." "E isso não é irônico que a própria pessoa que manteve a sua vida amorosa inexistente, agora a consome?" Willow soltou uma risada irônica, antes de comprar uma coxa de peru e refrigerante. Nós agarramos nossa comida e rapidamente encontramos lugares para comer. "Keenan não está falando com você ainda?" Eu perguntei a Sheldon. "Não. Estranhamente não tive notícias dele esta tarde. Eu acho que ele mencionou que seu pai chegaria em casa mais cedo, esta manhã." "O que seu pai faz que o mantém longe o tempo todo?" "Ele faz trabalhos de construção para sua empresa e pega empregos em todo o país pelo preço certo, mas acho que tem mais a ver com ele querer ficar afastado. Eu estou com Keenan por mais de dois anos e só e quase nunca o vi. Ele garante que Keiran e Keenan estão bem cuidados, mas ele fica longe na maior parte do tempo. Eu sei que machuca Keenan, mas ele disfarça isso. Na verdade, soube que John costumava ser um homem muito extrovertido há muito tempo, mas depois que a mãe de Keenan fugiu, ele se fechou." "Mas tem de haver mais. Keiran não se importa com seu tio e eu não acho que é só porque ele é um pai ausente." "Você pode estar certa, mas nenhum deles está disposto a conversar. Keenan não parece saber muito de qualquer maneira." "Mas Keiran sabe. Eu sei que ele sabe. " "E seus pais estão mortos, certo?" Ela encolheu os ombros e mordeu o seu peru. "Você não acha que estão?" "Nunca houve desapareceram."

qualquer

prova.

Ambos

simplesmente

"Desapareceram?", perguntou Willow. Eu pensei sobre os artigos que Jesse encontrou um par de dias atrás. Ele ainda estava à procura de qualquer vestígio de seu pai, sem sorte até agora.


"Sim. Keenan me disse uma vez que o pai de Keiran foi deserdado por sua família e fugiu anos atrás. Ele provavelmente nunca sequer conheceu Keiran, e sua mãe foi um caso de uma noite. Ele esteve com seu tio por anos e nenhum sinal de seu pai." Um pensamento perturbador surgiu na minha cabeça quando ela disse essa última parte. "Espere, então ele tinha acabado de se mudar para cá quando eu vim para Six Forks?" "Sim, cerca de três ou quatro meses antes, eu acho." "Falando sobre tempo de vida". "Quem me dera conseguir que Keiran me contasse sobre seu passado. Sinto que tem tudo a ver com o porquê dele ser assim." "Você acha que ele pode dominante?", perguntou Sheldon.

ter

uma

personalidade

muito

"Você quer dizer, que ele é um idiota?", perguntou Willow. "Os pais das pessoas vão embora o tempo todo. Os seus pais se foram e você está bem." Eu ignorei a dor que sentia com a lembrança de que meus pais tinham ido embora, e eu não tinha ideia do porquê. Além disso... eu estava realmente bem? "Gente, ele me disse que era uma pessoa má, porque ele fez coisas ruins. Que as pessoas o fizeram fazer coisas ruins. Ele nunca mencionou sua mãe, mas ele me disse que ela era uma prostituta e viciada em drogas. "Então, o que você está pensando?", perguntou Willow. "Eu não sei ao certo, mas e se ─ e se ele não estava com sua mãe?" "Onde mais ele estaria", perguntou Sheldon. "Talvez a família dela cuidou de Keiran até que eles não pudessem mais? As pessoas estão no plural. Onde quer que estivesse por oito anos sua mãe não era a única pessoa em torno dele e qualquer coisas ruins que eles fizeram, ele seguiu. Ele ainda o segue e não sei o que fazer. Eu não sei como ajudá-lo."


"Você quer dizer consertá-lo?", perguntou Sheldon. "Eu acho que o que você está fazendo já esta funcionando. Ele parece muito menos... fechado... estes dias. Talvez isso seja o suficiente", Willow disse. "Além disso, ele pode não gostar da ideia de você tentando consertá-lo. Ele poderia tomar o caminho errado." "Gente, ele me disse que eu o fazia ter pesadelos! O que devo fazer?", Sheldon tossiu e cuspiu refrigerante com a minha explosão. "Uau," ela ainda afirmou tossindo. "Isso é romântico", Willow terminou sarcasticamente. "Pesadelos de quê?", perguntou Sheldon uma vez que seu ataque de tosse havia terminado. Contei para elas tudo o que ele me disse ontem à noite, e quando terminei, pareciam mais do que um pouco perturbadas e não era nem mesmo uma história completa de tudo que eu sabia. "Você acha que Dash e Keenan sabem?" "Dash, talvez. Keenan, não", respondeu Sheldon. "Por que Dash talvez e Keenan não?" "Porque ele tem as costas de Dash, mas ele protege Keenan. Keenan o admira. Ele se preocupa mais do que deixa transparecer, de modo que ele não vai querer manchar isso." "Eu sei o que você está pensando Lake, mas Dash não vai dizer uma palavra. Ele é leal até a alma", Willow afirmou. "Eu acho que alguém se preocupa mais do que deixa transparecer. Você deve dar ao meu irmão uma chance então", Sheldon sorriu para Willow que zombou e olhou para longe. "Olha, eu vim para passeios e prêmios. Vamos Pepé. Temos de fazer algumas merda." Ela agarrou Pepé e saiu pisando duro com ele. "Por que você tem que dizer essas coisas?" Eu disse a Sheldon. "O quê? Você sabe que é verdade. Eles estão morrendo um pelo outro e eu estou farta de vê sua bunda andando ao redor da casa com uma calcinha irritante enfiada no rabo."


"Deixe-os se resolverem." "Não é a mim que você precisa dizer isso. Eu estou lhe dizendo, Dash não vai esperar para sempre." "Então ele vai seguir em frente." "Não, ele vai forçar a mão dela. Os homens da minha família não jogam limpo. Considere como um aviso. Agora vamos buscá-la. Não posso ter minha futura cunhada com raiva de mim. " *** "Eu não posso mais comer algodão doce. Vou vomitar", Sheldon lamentou. Estávamos na roda-gigante após a ingestão de grandes quantidades de algodão doce. Sheldon é claro, queria superar a todos nós e transformou-o em uma competição. "Eca. Vomitar assim", Willow se mexia, sua voz cheia de nojo. "Pare de me empurrar." "Afaste-se, Eca." "Ugh, diga-lhe para parar de me empurrar, Lake." "Acalmem-se crianças... Hey, pode voltar para o seu canto? Estou sendo esmagada." "Eu vou matar você", Willow ameaçou Sheldon, me ignorando. "Não se eu vomitar em você, em primeiro lugar." "Quantos anos têm, três?" "Você está machucando meus sentimentos." "Atire os doces, já." "Estamos no topo da roda gigante!" "Talvez um garoto vá pegá-lo." "Mmm," Sheldon gemeu quando ela deu outra mordida. "Bom algodão doce ... Oh deus", ela bateu com a mão sobre sua boca. "Não mais." "Sheldon!" Willow gritou.


Tentei não ouvir as minhas duas amigas brigarem e tentei muito mais em não pensar sobre empurrá-las para fora. Isso era ruim, certo? "Pare de me lamber!" Willow gritou. "Havia algodão doce em seu rosto!" Talvez não. O passeio começou novamente e quando parou para nós sairmos, eu estava tentada a cair de joelhos e beijar o chão. Willow teve que esconder Pepé em sua bolsa, para que ele pudesse ir no passeio com a gente, e ela rapidamente o retirou de lá. Ele revirou os olhos para ela antes de se estabelecer em seus ombros e olhando ao redor. "Ei, olha. Onze horas." Olhei para a apresentação de acrobatas e vi Trevor... com Anya. Se beijando. Vendo os dois juntos, sem se importar com seu mundo louco me deixou doente e de repente eu queria muito Keiran aqui. "Precisamos avançar. Eu não quero que ele me veja." "Muito tarde. Ele já está olhando para você." Com certeza Trevor e Anya estavam ambos sobre nós com olhares de ódio em seus rostos. Eu sinceramente esperava que Trevor não fosse estúpido o suficiente para tentar qualquer coisa. Eu peguei as mãos de Sheldon e Willow e saímos com pressa na direção oposta. "Hey, Lake!" Eu ouvi meu nome ser chamado, com uma voz rouca. "Bem, ninguém nunca o acusou de ser inteligente." A voz de Willow pingava com sarcasmo. " Continue andando ", insisti, apressando-me para a saída. "Ele é muito corajoso", afirmou Sheldon. Ela soltou a minha mão, mas manteve-se ao meu lado enquanto eu fazia o meu caminho para o carro. Um momento depois, ela estava ao telefone dizendo a alguém que ele estava aqui. Eu tive uma boa ideia de quem. Nós tínhamos acabado de abrir as portas, quando Trevor agarrou meu braço, me puxando para longe de Willow e Sheldon. "Não tão rápido, querida. Você não sentiu falta de mm?"


"Tire as mãos de cima de mim." "Por quê?" Anya rosnou. "Você acha que só porque tem Keiran, que ninguém é bom o suficiente para você? Você não poderia nem mesmo obter um namorado antes." "Anya por favor supere isso. Keiran nunca quis você. Você se jogou para ele." Eu quase tive meu braço arrancado, quando ele o apertou e começou a andar para longe comigo a reboque. "Você está vindo comigo. Há alguém que quer conhecê-la." Antes que eu pudesse responder ou gritar por ajuda, caí no chão. Willow tinha pulado nas costas de Trevor e começou a insultar e puxar seus cabelos enquanto Sheldon batia e o chutava em todos os ângulos. Felizmente como braço de Trevor estava quebrado ele não tinha muita vantagem, ou assim eu pensava. "Fiquem longe de mim suas cadelas loucas!", ele gritou, antes de Willow ser jogada pelo ar e Sheldon no chão. Eu fiquei possessa ao vê-lo maltratar as minhas amigas e antes que eu pudesse repensar isso, lhe dei uma cabeçada no rosto e chutei sua virilha, para trazê-lo de joelhos. Virei-me para ajudar Sheldon e Willow, que não estavam se mexendo no chão. Pepé estava cheirando o rosto de Willow e fazendo pequenos sons para sua mãe. "Lake, cuidado!" Eu me virei a tempo de ver Trevor vindo para mim com uma expressão assassina, mas antes que ele pudesse me agarrar, foi jogado a alguns passos de distância por Dash e agarrado por Keenan que entregou golpes poderosos em seu rosto. Eles agiam em dupla e bateram a merda fora de Trevor. Estremeci com a surra que ele estava tomando. O que mais me surpreendeu, embora, foi a ausência de Keiran e como eles haviam chegado aqui tão rápido. Sheldon estava gritando para eles pararem e, tanto quanto eu odiava Trevor, tive que concordar. Eles estavam se movendo rapidamente de uma surra para uma tentativa de homicídio se eles continuassem a bater nele.


Depois de mais alguns golpes, Keenan agarrou Trevor pelos braços e arrastou-o para Dash, esperando no carro, e jogou-o no interior, enquanto Dash correu para Willow. Ele a pegou em seus braços e pegou um Pepé assustado. "Onde está seu carro?" Sua voz era áspera e dura, e seu rosto era uma máscara de fúria não confinada. Todo o seu corpo tremia de raiva mal controlada. "Mais acima ─ ali", eu apontei para o carro vermelho a alguns metros a frente, mas com a mão trêmula. Willow pareciam afetada pela queda, mas ela estava consciente e não pareceu ter quaisquer ferimentos. Ele a colocou no banco do passageiro, juntamente com Pepé e virou-se para mim. "Vá para sua casa e fique lá. Keiran virá para você." Ele correu de volta para seu carro”. Ele e Keenan pularam dentro, e foram embora... com um Trevor inconsciente. Olhei em volta do estacionamento vazio e suspirei de alívio que ninguém estava lá para ver Trevor sendo agredido e basicamente sequestrado. Mais de qualquer forma, poderia ter sido uma coisa ruim. Se Sheldon não tivesse chamado seu irmão, quem sabe o que Trevor teria feito ou onde ele teria me levado? O que ele queria dizer com alguém que queria me conhecer? Olhei em volta e percebi novamente que Anya tinha ido embora. "Onde é que Anya foi? Será que ela fugiu de novo?" "Infelizmente não. Keenan agarrou-a também e a levou com eles." "O que! " "Aham." "Por quê?" "Eu não acho que quero saber." "Nós não podemos simplesmente ignorar o fato do que aconteceu Sheldon."


"Você realmente quer ir contra todos os três?" "Mas Keiran não estava aqui." Ela olhou para mim como se eu fosse idiota. "Onde você acha que eles estão levando-os? Olha, vamos levar Willow para casa e nos preocupar com isso mais tarde." Eu relutantemente entrei no carro e deixei Sheldon em sua casa, antes de conduzir-nos para a casa de Willow. Willow ficou em silêncio toda a volta para casa e eu continuei a verificando para ter certeza que ela ainda estava consciente. Não parecia como se ela tivesse batido a cabeça da queda. "Você está bem?" "Sim", ela resmungou. "Isso não soa verdadeiro." "Eu estou bem." "O que Dash disse para você?" "O que faz você pensar que ele disse alguma coisa?", perguntou ela. Eu atirei-lhe um olhar impaciente, mas não disse mais nada. Às vezes eu conhecia Willow melhor do que conhecia a mim mesma, e vice-versa. Ela soltou um suspiro agravado antes de afirmar: "Ele disse que viria para lidar com a minha estupidez, mais tarde." "Ele não está facilitando as coisas para você, não é?" Ela bufou. "Nada sobre Dash é fácil. Ele está sempre tão determinado a ter seu caminho. Ele nem mesmo me quer realmente. Ele só acha que o mundo é suposto a mudar para se ajustar a ele." Willow soou tão triste e de coração partido e amaldiçoei minha inexperiência com os garotos, porque eu não tinha absolutamente nenhuma ideia do que dizer a ela. "Então, o que você irá fazer?" "Esperar a faculdade começar e fugir?"


"Você e Dash não estão interessados na mesma faculdade?" "Não. Ele só fez isso para irritar seu pai. Ele vai acabar em alguma faculdade da Ivy League. Se a sorte estiver do meu lado, vai ser do outro lado do país." "Eu não sei Willow ..." "O que você não sabe?" "Eu não sei se isso vai ser o suficiente." "Tem que ser." "Eu não o conheço muito bem, mas reconheço um homem puto, quando vejo um. Ele parece diferente com você. Ele olha para você de forma diferente." "Porque tenho carne na minha pele?" Eu ri com o seu comentário. Willow tinha curvas, mas ela não era gorda. "Não seja simplória. Porque você é bonita de uma forma que ele nunca conheceu e nunca conhecerá novamente. Caras como ele só tem uma oportunidade como esta uma única vez, e ele é inteligente o suficiente para aproveitá-la." "Posso te perguntar uma coisa?" Ela perguntou. "Claro." "Como você pode perdoar Keiran tão facilmente?" "Você acha que eu o perdoei?" Ela encolheu os ombros e eu suspirei. "Eu não sei o que estou fazendo com ele. Eu fui machucada por ele, Willow. Fiquei magoada muitas vezes e ainda sinto algo por ele e isso me confunde." "Você ainda está com medo dele", afirmou. Eu balancei a cabeça e senti uma pontada de culpa ao admiti-lo. Na verdade, eu era o seu saco de pancadas proverbial. Ele jogou a frustração de seu passado em cima de mim e eu estava com medo de que a qualquer momento ele poderia escorregar de volta, porque ninguém, além dele, sabia quão enterrado seu passado realmente estava. Eu sabia que não poderia sobreviver a isso novamente depois


de conhecê-lo tão intimamente. Havia mais entre nós do que atração, mas eu não era corajosa o suficiente para dizer isso em voz alta. "Você está certa, Lake. Algo o está assombrando. Está lá em seus olhos. Culpa. Vergonha. Raiva. Está tudo lá. Eu não quero que você se machuque. " "Eu não sei mais o que fazer, Willow." "Você tem que sobreviver, Lake. Isso é tudo o que você pode fazer. Se ele te ama, ele vai fazer o que for preciso para se certificar de que você também o faça." *** Se ele te ama... Ela disse amor. Eu tinha certeza que ela disse. Eu estava anestesiada em silêncio e não falei uma palavra, desde a última declaração de Willow. Ela tomou meu silêncio como uma oportunidade de recuar em seus próprios pensamentos. Keiran e eu nunca tínhamos discutido sobre amor. Eu ainda estava chegando a um acordo com o fato de que tivemos sexo um com o outro. Não havia nenhum espaço para o amor lá? Nosso relacionamento estava em terreno movediço, sem adicionar o amor na equação. Eu não podia deixar de pensar o que poderia ter alguém tão pecaminoso e perigoso como Keiran te amando. A sensação poderosa que varreu meu corpo me fez estremecer de prazer. Oh, Deus. Sacudi a sensação e verifiquei a hora. Já passava das dez e estava ficando cada vez mais tarde. Os pais de Willow tinham viajado para uma lua de mel. Willow disse que levou uma eternidade para eles se resolverem. Eu sabia que eles não se importavam de eu estar aqui tão tarde, eu tenho dormido aqui muitas vezes. Buddy estava longe de ser encontrado, como de costume em uma noite de sexta-feira, assim nós estávamos aqui sozinhas. Eu estava além de cansada, mas sabia o que eu estava esperando. Dash tinha me dito que Keiran viria para mim. Duas horas se passaram, mas ele ainda não estava aqui.


Eu brevemente me perguntei o que eles fizeram com Trevor e Anya. Trevor era perigoso, mas Anya era pouco mais que uma simples cadela. Ela não tinha a capacidade mental para ser mais nada. Talvez eu tenha sido um pouco dura. Eu estava confortável no sofá, preparada para cair no sono. Willow tinha ligado um filme há muito tempo, mas sua atenção atualmente estava dirigida para o teto enquanto ela olhava para a superfície lisa e de cor creme logo acima. Eu realmente desejei que pudesse ajudá-la a superar esse triângulo amoroso entre ela, Dash, e o passado de sua mãe. Eu chequei meu celular mais uma vez antes de ceder ao sono e cochilar. A campainha me acordou algum tempo depois e uma verificação rápida na hora, me disse que era depois da meia-noite. Eu tinha uma boa ideia de quem poderia estar do outro lado da porta. Willow começou a se mexer de seu lugar no sofá com um resmungo. Eu odiava estar em torno de Willow quando ela acordava primeiro. Essa menina era uma resmungona, quando estava com sono. "Quem é?", ela perguntou, com os olhos ainda fechados. "Eu não sei. É a sua porta." A campainha tocou novamente, ao mesmo tempo que o celular de Willow começou a tocar. Ela pegou e respondeu sem olhar. "Alô ─ O que você está fazendo aqui? Eu não vou abrir a porta. Eu não me importo. Não! Você sabe o quão tarde é? Vá embora!" Willow estava completamente acordada agora e andando pelo chão da sala, enquanto ela discutia com a pessoa do outro lado da linha. Levantei-me para espiar pela janela e vi Dash e Keiran de pé na varanda. Keiran estava encostado no pilar, vestido com um Henley4 preto, manga longa e calça jeans preto de cós baixo, pendurada na cintura. Seus braços estavam distendido enquanto descansavam cruzados contra o seu peito. Sua postura era casual, mas seu rosto estava duro. Sua cabeça virou-se lentamente para a janela e seus olhos se conectaram com os meus, segurando meu olhar. 4

Henley é uma camisa sem gola e as mangas pode ser curta ou longa.


"Abra a porta", ele diz. Mordi o lábio e me afastei da janela, sem saber o que fazer. Eu sabia que Keiran estaria louco sobre o que aconteceu na feira, mas isso não fazia a realidade menos intimidante. "Willow temos que abrir a porta." Eu sussurrei para ela do outro lado da sala. "Não, nós não temos. Eles vão embora." "E quando eles nos pegarem depois?" Tivemos um momento de indecisão e Dash passou a bater na porta. A qualquer momento os vizinhos iriam acordar e talvez chamar a polícia. A última coisa que eu precisava era que Keiran pensasse que chamei a polícia para ele... de novo. "Porra! Está bem." Ela se mudou para destrancar a porta e assim que foi virada a fechadura, a porta se abriu, Dash voou para dentro enfurecido. Willow se afastou antes de virar para fugir e subir as escadas com Dash quente em seus calcanhares. Eu ouvi uma porta bater, em seguida, um grito, e uma segunda porta bater. Eu imediatamente me arrependi de fazer Willow abrir a porta e me virei para ajudá-la. "Eu não me preocuparia com o que ele vai fazer com ela. Eu me preocuparia com o que vou fazer com você." Eu fiquei com minhas costas virada para ele, ouvindo as batidas do meu coração acelerando forte. Ele estava tão quieto e silencioso atrás de mim e isso fez meu nervosismo aumentar. "Venha aqui." "Keiran," eu ainda chorava de costas para ele. "Não!", ele gritou. "Não faça isso, caralho. Venha aqui", ordenou lentamente. "Não me faça ir buscá-la." Eu me viro lentamente, a minha mente numa corrida para uma maneira de acalmá-lo. Meu coração pulou uma batida com a visão de Keiran sem uma porta nos separando. "Por que você está aqui?", perguntei, tentando ganhar tempo.


"O tempo acabou", afirmou, movendo-se para mim. Antes que eu pudesse reagir, ele me lançou por cima do ombro e levou-me para fora da porta. Eu assisti sua bunda enrijecida, por todo o caminho para o carro de Dash, o que, infelizmente, foi uma curta distância. Ele foi embora e minutos depois estávamos parados na minha garagem. Ele deu a volta para abrir minha porta e estendeu a mão para mim. O gesto disse mais do que um olho poderia ver. Ele poderia facilmente ter me levantado para fora do carro sem que eu fosse capaz de fazer algo para detê-lo, mas em vez disso ele estava pedindo o meu consentimento. Para aceitar o que estava prestes a acontecer. Eu fiz o que qualquer garota faria, quando confrontada com um homem seriamente quente que você queria. Peguei a mão dele. Ele me levou até a porta, pegou minhas chaves, e a destrancou. Aqui vamos nós. "Diga-me o que aconteceu antes de Dash e Keenan chegar lá." Nós estávamos sentados na cozinha enquanto ele verificava o meu corpo. Eu não estava esperando isso, quando entramos pela porta. Eu fui capaz de relaxar, mas não muito. "Não muito. Vimos Trevor e Anya se beijando." Fiz uma pausa e olhei para uma reação, mas não havia sequer um lampejo, assim continuei. "Ele nos viu e nós deixamos a área e até mesmo os recintos da feira, mas ele nos seguiu até o estacionamento e me pegou." Lá estava ele. Ele reagiu a minha última declaração. A raiva brilhou em seus olhos e seus punhos fecharam. Eu fingi que não vi e contei-lhe o resto do que aconteceu. Sua expressão era assassina pelo tempo que terminei. "O que você acha que ele quis dizer com alguém que queria me conhecer?" Eu ainda não podia acreditar que Trevor tinha se inclinado para o sequestro. "Não importa. Isso nunca vai acontecer." Espere. O quê?


"Você sabe de quem ele estava falando? Quem Trevor e eu poderia ter em comum? " "Não é alguém que você tem em comum. É alguém que eu tenho em comum." "Eu não entendo ... " "Você não precisa. Eu vou lidar com isso. " "O inferno que não. Ele ia me sequestrar Keiran, ou você não entendeu isso?" Meu nível de voz levantou-se com a minha frustração. "Deixe quieto." "Não." Eu disse, cruzando os braços. "Não?" Seus olhos eram quase negros agora e a veia rebelde perto de seu rosto estava latejando. "Eu vou descobrir o que você está escondendo Keiran. Eu mereço saber. Seu passado é a razão pela qual você estragou o meu e eu quero saber por que. Eu quero saber tudo. Não as meias-verdades que você me deu." "Eu lhe pergunto sobre seus pais, Lake?", ele gritou. A vibração de sua voz me balançou como um trovão através da cozinha. "São seus pais?", perguntei, surpresa. Eu podia ver o momento que lhe ocorreu o entendimento do que ele tinha falado. Ele amaldiçoou e saiu da cozinha. Seus passos bateram no chão, até que a porta da frente bateu. Eu pulei por cima do balcão e corri para a porta. Eu não sabia se queria detê-lo ou me certificar que ele se foi. Abri a porta, e o carro de Dash acelerava na rua, de forma imprudente. Eu olhava para os faróis traseiros até que eles desapareceram ao virar da esquina. Um longo caminho a percorrer, Lake. Você o irritou e ainda não obteve respostas. Uma vez que seu carro desapareceu, notei um carro escuro com os faróis desligados estacionado do outro lado da rua. Ele puxou na direção que Keiran foi e eu fiz uma careta. Fechei a porta contra o ar frio e fiz questão de trancá-la, antes de correr para o meu telefone


celular no casaco. Eu tentei várias vezes o telefone de Keiran, antes de desistir e ir para o meu próprio carro. Eu não tinha a menor ideia de onde ele possa ter ido além de sua casa, então iria para lá. Eu continuei a chamá-lo e amaldiçoa-lo, quando percebi que não tenho o número de Keenan, então tentei o de Sheldon. "Olá," ela murmurou com sono no terceiro toque. "Ei, Keenan está com você? É importante." "Certo. Espere um pouco." Eu ouvi o deslocamento e vozes abafadas antes da voz de Keenan vir. "Ótimo. Agora ela sabe sobre o nosso caso de amor secreto, Lake. Muito bem." Eu ouvi um barulho de um tapa através da linha. "Keiran saiu depois que tivemos uma discussão. Eu estou dirigindo até sua casa. Se ele não estiver lá preciso saber para onde ele iria." O silêncio encheu a linha e eu podia sentir sua hesitação. As chances eram de que Keiran estaria em casa e de que ele poderia estar em perigo. "Keenan, por favor." Ele soltou um suspiro alto ao telefone antes de responder. "Para a quadra. Ele iria para lá ", afirmou antes de desligar. Eu vim para uma parada em um dos cruzamentos da cidade. A esquerda levava para a casa de Keiran, enquanto a direita iria me levar para o playground. Eu ainda não pisei o pé naquele playground em dez anos. Eu já vi isso cavando o passado e ele não mudou muito, mas todas as lembranças começaram lá. Eu fiz a minha decisão e corri o resto do caminho até lá.


Capítulo Vinte e Cinco Eu piso no gramado a procura de sinais do veículo de Dash. Vi o brilho do carro prateado e apressei-me nessa direção. Eu não vi sinais do veículo suspeito quando procurei por Keiran. Eu tinha uma boa ideia de onde ele poderia estar. Eu ouvi o som da bola batendo no concreto, uma fração de segundo antes do farfalhar da rede. Eu fiquei atrás das árvores e olhando Keiran mover-se rapidamente através da quadra. Mesmo a partir daqui eu podia vê-lo coberto de suor e sua camisa agarrada ao seu peito e braços. Ele jogava como se estivesse em transe e percebi que esta era sua maneira de se esconder do presente e do passado. Ele estava usando o basquete como um mecanismo de defesa para escapar de si mesmo. Mas quem era o verdadeiro Keiran? "Keiran, pare!" Ele continuou tocando embora estivesse mais perto, e falei alto o suficiente para ele me ouvir. Seus movimentos eram agressivos como se houvesse um adversário jogando contra ele. Ele poderia ter uma lesão a qualquer momento, se ele se mantivesse assim. Corri para a quadra de basquete e rasguei a bola fora de suas mãos, quando ele estava indo para um arremesso. Mãos desesperadas me agarram, pouco antes de seus lábios desceram sobre os meus. Eu inalei seu suado perfume masculino que intoxica meus sentidos. A bola de basquete caiu de minhas mãos em favor de seu abdômen esculpido, que arfava sob o meu toque. Suas mãos em concha debaixo da minha bunda, me levantou e eu envolvi minhas pernas em torno de seus quadris e o deixei me levar... a qualquer lugar. Seus lábios nunca soltaram os meus e o ar tornou-se irrelevante para a necessidade de senti-lo me levar. Minhas costas estavam pressionadas contra uma superfície dura e só então ele deixou-me ficar nos meus próprios pés; mas quando ele começou a rasgar a minha roupa eu tive uma sensação desconfortável, então comecei a empurrar contra seus ombros. No entanto, isso não foi


suficiente quando ele continuou a me beijar apaixonadamente. Ele agarrou minhas mãos sobre minha cabeça e apertou-as contra a parede atrás de mim. "Keiran," eu consegui dizer em torno de sua língua mergulhando na minha boca. "Keiran, espere." Por mais que eu o quisesse, precisava detê-lo. Ele continuou a ignorar os meus protestos e pressionou seu corpo mais contra mim. "Keiran, pare!" Mordi seu lábio antes de rasgar a minha boca longe dele. Ele empurrou para longe e me olhou com os olhos apertados. "Você está dizendo não para mim?" Eu balancei a cabeça e mantive um olhar atento sobre ele. Ele parecia como se fosse me atacar a qualquer momento. "Eu não posso deixar você se esconder atrás de mais relações sexuais." "Deixar-me?", ele zombou. "Você acha que preciso que você permita?" "Seria muito difícil de fazer sem o meu consentimento, você não acha?" "Eu não me escondo", disse ele, ignorando a minha pergunta. Ele arrumou suas roupas e se sentou em um banco nas proximidades, com a cabeça abaixada. "Por que você veio aqui?", ele perguntou, mas sua voz era desinteressada. "Eu queria ter certeza de que você estava bem. Você saiu muito louco e dirigia de forma imprudente." Ele deu de ombros e olhou para longe. "Não seria a primeira vez. Eu posso cuidar de mim mesmo." "Então eu também posso", retruquei. Ele virou a cabeça e estudou o meu rosto. "Não, você não pode. Você é muito desastrada. Você não tem a menor ideia, garota." "E você tem?" "Mais do que você imagina. Eu sou o monstro que fazia você se esconder debaixo das cobertas, quando criança." "Você era uma criança, também."


"Eu nunca fui um garoto, Lake. Eu não tive uma infância. Eu não tinha pais ou uma família. Eu era um corpo usado para ganhos egoístas que fere pessoas." "E a sua mãe?" Eu perguntei com uma careta. "Ela não era muito como uma mãe. Eu mal a conhecia." "E agora? Quem é você agora?" "Eu sou um merda sem esperança que está obcecado por uma garota que ele ainda quer machucar." Eu não reagi à sua confissão. Na verdade, eu não sabia o que dizer ou fazer. Obsessão era uma coisa muito poderosa. Quão profundo era os seus problemas? Um vento quebrou através do ar e eu tremia de frio por causa da temperatura, ele pareceu notar. "Vamos para casa", afirmou sombriamente. *** Eu acordei na manhã seguinte não encontrando Keiran, que havia ido embora. Seu lado da cama estava quente, o que significava que ele não tinha ido há muito tempo. Levantando-me para começar cedo, deixei meus pés afundarem no tapete de macio e fiz meu caminho para o banheiro, decidindo que um banho quente era necessário para relaxar os músculos cansados. Enquanto a banheira enchia de água quente, peguei meus sais de banho e óleo de coco e derramei-os na água subindo. Sabendo que iria demorar um pouco para encher a grande banheira, saí do banheiro para ligar para Willow. Quem geralmente acorda primeiro, liga para a outra. Nós gostamos de torturar uma a outra, dessa maneira. "Eu vou visitar a minha avó hoje. Você quer ir?" Willow às vezes ia comigo para Red Rock para visitar minha avó. Imaginei que hoje ela poderia precisar de uma fuga depois de lidar com Dash na noite passada. Falando disso…


"Sim! Quando estamos saindo?" Sua voz soava desesperada e fiz uma careta para o telefone. "Você está bem?" "Conto-lhe tudo no caminho. Então... quanto tempo?” "Oh, uh. Mais ou menos uma hora? " "Não é possível ir mais rápido?" "Willow ─" "Bem. Uma hora, então. Mas tentarei ir mais rápido possível!" A linha caiu antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa. Apenas quando pensei que Willow não poderia ficar mais louca ela faz isso. Eu imaginei que Buddy estivesse em casa e deixando-a louca, mas quando ela respondeu, sua voz soou como se ela tivesse acabado de acordar. Voltei para o banheiro e olhei para o chuveiro separado. Contemplei preceder um banho para economizar tempo, mais meus músculos tensos protestaram quando levantei minha camisa sobre a minha cabeça. Eu só vou ter que torná-lo um banho rápido. Entrei na água fumegante e resisti à vontade de pular de volta para fora quando o calor picou minha pele. Arrepios cobriram minha pele quando afundei na água. Eu rapidamente envolvi meu cabelo em um bagunçado coque alto, e relaxei. Em pouco tempo os meus olhos estavam fechando em contentamento e esqueci das minhas limitações de tempo. Minutos depois percebi que tinha cochilado quando um som me abalou, me acordando. Meus olhos se abriram e vi Keiran sentado na borda da banheira, me observando. Ele estava completamente vestido em roupas novas e parecia bem descansado. "Dolorida?" A voz dele parecia veludo líquido derretendo por cima de mim. A sensação era melhor do que a água quente e sais calmante. "Como é que você entrou aqui?", perguntei em vez disso. "Eu roubei sua chave enquanto estava dormindo, e você não respondeu minha pergunta." Eu assenti a minha resposta, enquanto


seus olhos correram sobre meu corpo nu. "Isso é muito ruim", ele murmurou. "Por que você voltou?" Ele deu de ombros e passou a mão pelo cabelo escuro, fazendo com um pico. "Eu queria estar com você." "Então por que você saiu? Você estava com medo que eu iria bisbilhotar?" "Você ia?" Ele segurou o meu olhar até que quebrei. Eu soltei uma respiração lenta e descansei minha cabeça contra a parte de trás da banheira. "Não no momento", eu disse e peguei minha esponja. "Eu preciso tomar banho..." "Então, permita-me." Ele afundou de joelhos ao lado da banheira e pegou a esponja de minhas mãos. Eu sentei lá insegura, enquanto ele ensaboava a esponja, vagarosamente. Vi suas grandes mãos apertarem a esponja que parecia tão indefesa como eu geralmente me sentia sob a sua força. Ele chegou a mim e puxei um fôlego longo quando ele começou a lavar-me, iniciando no meu pescoço e metodicamente movendo-se através de meu corpo, mal roubando meus pontos quentes. Meus seios começaram a vibrar com antecipação de sua negligência e senti um pico de dor nos pontos duros. A mão dele desceu o tenso músculo do estômago e então virou-se lentamente para minhas costas antes de subir e de levantar-me. Agora eu estava arqueada no peito dele, enquanto ele esfregava círculos nas costas, antes de mergulhar a esponja na água e voltar para minha cintura e de volta a parte baixa do meu estômago. Eu gemia e me apoiava nos lados, quando um dedo começou a provocar meu umbigo levemente. "Facilite", ele ordenou suavemente. Minha perna direita então foi levantada para fora da água e ele me ajudou ao longo do lado da banheira, descansando o meu pé contra o peito dele, deixando-me aberta e exposta. A água instantaneamente embebeu sua camisa azul escura, enquanto ele


corria a esponja sobre a minha perna, começando no meu pé e trabalhando para baixo da minha coxa. Inesperadamente, ele fez cócegas na parte de trás do meu joelho com a outra mão, desviando minha atenção para longe da mão com a esponja, até que finalmente chegou o meu centro pulsante fazendo um prazer explodir a extensão do meu corpo me deixando tremendo em seu rastro. Eu vagamente notei ele abaixando sua cabeça e, em seguida, sua língua bateu sobre os bicos dos meus seios provocando-me, antes que ele fechasse os lábios sobre um e chupasse. Minhas mãos seguravam sua cabeça desesperadamente, com a necessidade de mantê-lo lá. Eu ouvi o som baixo de lamento, feito no fundo da minha garganta e de repente sua mão estava lá, onde eu mais precisava dele. Ele passou brevemente sobre o meu clitóris antes de mergulhar dois dedos dentro dos meus muros à espera. Minha mão seguiu-o para baixo, direcionando seus movimentos onde eu precisava dele e juntos trabalhamos para me foder com os dedos invasores, enquanto ele se agarrava ao outro mamilo com a língua quente, dando-lhe o mesmo tratamento. Meu orgasmo veio rápido e acabou tão rápido quanto veio. No fundo eu podia ouvir o trinado do meu telefone tocando. Merda. Willow. Eu pulei da banheira rapidamente fazendo Keiran perder o equilíbrio e cair de bunda no chão. Ele me lançou um olhar perplexo e se eu não estivesse em uma corrida, teria achado engraçado. "Sinto muito. Tenho que ir. Willow está esperando por mim." Corri do banheiro ao meu quarto para me vestir. "Onde você está indo?" Eu ouvi a sua voz profunda em todo o quarto e me virei para encontrá-lo em pé na porta com um aborrecimento estampado por todo o rosto. "Eu vou ver minha avó em Red Rock." Ele permaneceu quieto e eu continuei a me vestir e, em seguida, passei uma escova pelo meu cabelo antes de deixá-lo cair em ondas longas nas minhas costas.


Quando eu estava pronta, passei por ele para sair, mas ele pegou meu braço. "Eu vou com você." "O quê? Não, você não vai. Por quê?" Em vez de me responder, ele me levou até a porta da frente e usou a minha chave para trancar. O frio do ar da manhã cumprimentou-me e de repente desejei o calor do corpo do Keiran. Notei que ele tinha mudado de carro enquanto ele abria a porta e, me jogou dentro. Observei-o pelo para-brisa enquanto ele se movia para o lado do motorista até que ele se sentou e ficou grato ao entrar no carro enquanto resmungava sobre o calor. Eu odiava o frio que ficou no Norte, mas Keiran nunca parecia se importar, mesmo abrindo mão de um casaco às vezes. Isso me fazia pensar onde ele cresceu, se ele ficava tão confortável com esse tempo. Minutos depois, estávamos parando na garagem de Willow, então pulei para fora, mal deixando-o parar o carro e corri para a porta. Toquei a campainha e esperei. Depois de alguns instantes, ouvi passos que se deslocavam para a porta, em seguida, ela abriu e um corpo masculino meio nu me cumprimentou. Minha boca abriu e fechou quando as palavras me falharam. Eu tinha certeza que parecia um peixe morto sem cérebro. Eu não estava esperando-o para atender a porta. Ele estava sem camisa e calça jeans que foram deixadas abertas, revelando a pele bronzeada e os duros planos de seu corpo superior. Eu olhei para seu rosto presunçoso, notando sua barba, cabelo amassado de quem estava na cama. Meu choque se transformou em raiva e olhei para ele, mas ele só sorriu e mudou de lado, me deixando entrar. Eu subo as escadas para o quarto de Willow, onde a encontrei envolta em lençóis, no meio do quarto e olhei em sua aparência desgrenhada. Sua boca larga e sensual estava inchada dos beijos, e marcas de paixão decoravam seu pescoço e a parte superior de seus seios fartos, e eu tinha certeza de que havia mais sob os lençóis. Ela parecia frustrada e perto de se debruçar em lágrimas e eu imediatamente a abracei.


"Eu sou um fracasso para as mulheres, ao redor do mundo", ela gritou. Mesmo em seu estado estressado, Willow ainda conseguia encontrar uma piada para a situação. "Por que você não me disse que ele estava aqui? Eu teria vindo mais cedo." Eu ignorei o sentimento de culpa que me levou. "Qual seria o ponto? O dano já foi feito. Seu telefonema me acordou e quando o vi deitado ali ao meu lado, a noite de ontem voltou correndo e, em seguida, ele acordou e nós ─ nós ... Oh Deus", ela gemeu. Isso explica ela não estar vestida ainda. "O que eu faço, Lake? Ele nunca vai me deixar ir, agora. " "É isso mesmo que você quer? " "Não importa o que quero. Nós não podemos fazer isso. Nós somos de dois mundos diferentes." "Ele não parece se incomodar com isso. " "Mas ele está me usando. O que acontecerá quando ele ficar cansado de mim?" "Então, ele seria um tolo." "Eu gostaria que Buddy chutasse a sua bunda, mas o merdinha tem o homem como herói. Eles são 'melhores amigos’ agora." Ela revirou os olhos e eu ri. Nós duas sabíamos que Buddy nunca deixaria ninguém machucar seriamente sua irmã. Ele a adorava, embora ele deu-lhe um monte de merda. Ele pode ser jovem, mas Buddy era ferozmente protetor. "Onde está ele de qualquer maneira?" Ela encolheu os ombros. "Eu honestamente não sei. Ele não fica em casa mais. Meu Buddy, pequeno feijão está crescendo ", afirmou usando seu apelido que ele odiava. "Bem, vamos começar a vesti-la. Minha avó está esperando." "Sim, nós não queremos manter esse fogo de artifício, esperando muito tempo. Ela vai amaldiçoar ambas." " Uh, acho que será com todos nós. Keiran está indo."


Ela levantou uma sobrancelha curiosa. "Oh, uau. Vovó Lane vai comê-lo vivo. Eu mal posso esperar! " Ela correu para fora do quarto e momentos depois ouvi o chuveiro ligar. Olhei para Pepé, que estava no canto enrolado em seu travesseiro de dormir. Eu esperava que o rapaz tivesse dormido, com tudo o que ocorreu neste quarto. Lembrei-me da profundidade de seus gritos quando entrei nele semanas atrás. Pobre rapaz ficaria provavelmente traumatizado. Saí do quarto e voltei lá embaixo, onde ouvi duas vozes masculinas falando baixo. Eu olhei a sala de estar, pela porta, para onde estavam sentados e a conversa imediatamente parou quando eles olharam para mim. Eu atirei a Dash um olhar fulminante, antes de cair na cadeira. Senti seus olhares sobre mim, mas eles permaneceram em silêncio. "Vocês duas já terminaram de falar mal dos homens?" Dash brincou. Eu suspirei e peguei meu telefone, para mandar uma mensagem para minha tia, em vez de responder-lhe. No entanto, quando ele se levantou e se dirigiu para as escadas minha atenção desviou de volta para ele. "Onde você está indo?" Eu questionei, hostilidade escorrendo de minha voz. "Mano, obtenha a sua mulher fora do meu negócio", ele riu. Eu ignorei sua insinuação de que Keiran poderia me controlar, mesmo que nós dois sabíamos que ele era capaz. "Deixa-a em paz." "Eu nunca vou deixá-la sozinha. Você de todas as pessoas deveria saber disso." Os olhos dele foram para Keiran e de volta para mim, sugestivamente. "Ela não quer você, Dash." "E ainda assim, ela não me disse não", ele sorriu e eu odiava sua atitude arrogante. "Você poderia ser o homem que afirma ser e dar-lhe o que ela quer."


Todo o seu comportamento mudou em um flash. Eu assisti os olhos e o endurecer de sua mandíbula apertada deixando para trás vestígios do cara despreocupado. "Eu não estou interessado no que ela acha que quer. Mas sei o que ela precisa e vou ser o único a dar a ela. O resto não importa."


Capítulo Vinte e Seis "Eu ainda não entendo por que você teve que vir", Willow se queixou do banco traseiro. Willow e eu estávamos finalmente na estrada, em direção a Red Rock, com mais dois intruso. "Porque isso incomoda tanto. Você sabe... nós fomos amigos por um tempo curto, mas desde quando você ficou tão perversa?" "Desde a época em que um pau começou a se mostrar... e não me refiro aquele entre suas pernas." "Ssss, ai. Você me magoa, baby. Você me magoa." Se eles continuassem com a briga teríamos uma longa viagem. Keiran ainda não tinha dito uma palavra para mim, desde que deixamos a minha casa. Eu poderia dizer que ele estava chateado, mas não sabia o porquê, e não me importava. Olhei para ele no banco do motorista, mas seu rosto estava ilegível. Faltava pelo menos uma hora e meia de carro à minha frente para aturar, um casal brigando e um amante de cara amarrada. Peguei meu iPod e toquei a na primeira música que apareceu. Minha música favorita, The Sweetest Thing, fluiu através dos botões minúsculos de meus fones de ouvido. Agradável. *** Nós puxamos para a propriedade florida de Whispering Pines uma hora mais tarde, e só então removi meus fones de ouvido. Às vezes eu invejava a minha avó e o refúgio pacífico, embora poderia passar por isso sem o cheiro de Bengay e antisséptico. Nessas visitas, tenho a certeza de manter minha aparência como o mais próximo das imagens que minha avó tem em seu quarto, tanto quanto possível. Eu era muito jovem quando ela foi diagnosticada com a doença de Alzheimer, então para que ela ainda me associe com a minha imagem mais nova. Durante cada visita eu trago uma nova foto


minha para torná-lo mais fácil para ela me reconhecer. Ela também manteve as fotos de Willow, já que muitas vezes vinha comigo. "Eu preciso que vocês dois fiquem longe por um momento. Ela não conhece vocês, então não quero alarmá-la. Ela gosta de fazer caminhadas, então vou levá-la em campo aberto para que possa se sentir mais confortável." "Claro que sim. Mal posso esperar para conhecê-la em seus sessenta anos. Aposto que ela era a mais gostosa", Dash sorriu. "Você não pode estar seriamente considerando flertar com uma mulher de setenta anos de idade!" A voz de Willow pingava com desgosto e uma pitada de ciúme. "Isso depende, se você está seriamente ficando com ciúmes de uma mulher de setenta anos," ele respondeu. E a briga começa novamente. Olhei para Keiran que acenou com a cabeça uma vez e se dirigiu para uma mesa de xadrez atualmente ocupada por um homem idoso com uma juba espessa de cabelo branco-neve. Peguei Willow e puxei-a para a entrada, tentando evitar outra sessão nauseante de preliminares com as palavras. "Ugh, ele apenas me incomoda muito", Willow gemeu enquanto eu assinava na recepção, antes de fazer o meu caminho para o quarto da vovó. "Ele não te incomoda, Willow. Ele afeta você." "Essa é a diferença de um sábio?" "Seu efeito sobre você só é possível por causa de seus sentimentos por ele." Eu abri a porta, enquanto ela gaguejou e bufou. Minha avó estava sentada perto da janela, olhando para o gramado da frente e me perguntei se ela viu quando cheguei, ou mais importante, que cheguei com ele. "Quem são aqueles dois jovens rapazes que acompanham as duas moças aqui?", ela perguntou sem virar a atenção para longe da janela. Eu não tinha dúvida de quem ela estava olhando.


"Rapazes? Jovens? Vó Lane você envelhece cada vez que a vejo," Willow fala brincando. "Ha! Eu sou velha, mas ainda tenho isso e não se esqueça disso. Se eu fosse apenas alguns anos mais jovem..." Ela passou a mão pelo cabelo sugestivamente e eu não consegui me segurar por mais tempo com as crises de riso. Eu nem dei dois passos dentro, e ela já conseguiu me fazer sorrir e rir, tudo em um. "Apenas alguns, hein?" "Você meninas venham aqui e deixe-me olhar para vocês." Ela afastou-se da janela para nos enfrentar finalmente e deu-nos um olhar severo. Nós nos mudamos para frente, para a janela onde estava sentada, e a abraçamos cada uma em sua vez, antes de nos sentarmos. "Então, por que eles estão lá fora no frio e não aqui com vocês?" "Eu não queria assustá-la porque ─" "Sim, seria mais desagradável não se lembrar tão bem, olhando os homens. Eu nunca pensei que veria o dia em que vocês duas cederiam e conseguiriam um homem. Eu pensei... solteironas com certeza." "É isso mesmo", eu ri profundamente. "Vai ter que saber ─" "Willow, Pepé não conta como um amigo. Apesar de bonito, eu queria dizer a alguém de sua própria espécie." Ela deu-lhe um olhar de censura que deixou Willow cabisbaixa. "Sim, senhora." Ela baixou a cabeça baixa e tentei não rir às custas dela. Willow e vó Lane juntas era uma experiência única. "Agora. Diga-me todas as notícias e faça isso rápido. Eu quero conhecer os dois rapazes." Passamos os próximos vinte minutos ou assim, falando dos planos da escola e faculdade. Você sabe... os tópicos de segurança que as pessoas sempre ficam cheias, quando se lida com um parente.


Depois de recuperar o atraso das conversas, Willow se desculpou e foi chamar Keiran e Dash lá fora, me deixando sozinha com a minha avó por alguns momentos. "Então, como está minha filha?" "Bem. Ela deve estar retornando de sua turnê do livro na segunda-feira e planeja vir visitá-la até o final da semana." "Bom. Bom. Eu preciso ter uma conversa com essa minha criança rebelde. Deixar sozinha uma menina de 17 anos de idade por tanto tempo." "Estou bem. Tia Carissa confia em mim." "Sim, bem, ela não deveria. Você é uma jovem muito boa, Lake. Você é incrivelmente bela e inteligente. Eu posso não me lembrar muito nestes dias, mas me lembro o que era ter dezessete anos e assim como ela também." Ela olhou para mim com conhecimento de causa, com uma mistura de desaprovação e empatia, e eu me perguntava o quanto estava deixando revelar. "Eu posso ver isso em seus olhos, querida. Quando você entrou aqui, não era a mesma Lake. Eu suponho que é por causa dele?" Ela assentiu com a cabeça em direção aos rapazes, que ainda estavam sentados na mesa de xadrez absortos em um jogo com o homem idoso. "Quem?" Ela atirou-me um olhar impaciente para jogar a frase muda. "Alto, escuro e pensativo." "Sim, mas não do jeito que você pensa. " "E que jeito é esse?" "Nós... nem sempre fomos amigos. Mesmo agora..." Eu não sabia como explicar a minha avó que Keiran costumava me odiar tanto quanto ele odiava a si mesmo, ou que eu estava dormindo com ele. "Eu vejo", ela suspirou. "Por que o amor sempre parece um campo de batalha?"


Eu pisquei duas vezes para limpar a minha cabeça e repetir o que ela acabou de dizer. "Vovó, você citou Jordin Sparks?" Ela olhou para mim, indignada. "O quê? Eu sou legal." "Ninguém diz mais a palavra legal." "É legal. Eu sou legal." Ela fez o sinal da paz e eu caí na gargalhada. Meu estômago parecia que tinha cedido e eu não conseguia levar o ar em meus pulmões. Eu estava enrolada em uma bola aos pés da minha avó, segurando meu estômago e é assim que eles me encontraram quando os três entraram. "Alguém por favor pegue minha neta tola fora do chão, por favor." Dash estendeu a mão para mim, mas parou ao ver a expressão que Keiran lhe deu. Ele me pegou e me colocou de volta no meu assento. "Oh meu..." Minha avó sussurrou baixinho. Ela estava assistindo Keiran e Dash de perto. Sem dúvida, surpresa com a possessividade que Keiran exibia. A mão dela vibrou até o pescoço, antes de discretamente alisar o cabelo dela. "Esses jovens são homens finos, de fato." Eu brevemente me perguntei se ela poderia ter sido um Cougar5 em seus anos mais jovens. "Quantos anos você tem, meu jovem?" Ela dirigiu a pergunta a Keiran. Sim. Definitivamente um Cougar. "Dezoito", ele respondeu antes de se ajoelhar em um joelho e segurar sua mão frágil dentro de suas mãos muito maiores. "É um prazer conhecer você." Foi uma boa jogada, feita para ser charmoso, tanto me surpreendeu e incomodou. Eu ia deserdá-la, se ela se apaixonasse por ele. "Da mesma forma." Seu sorriso era tímido e iluminou seu rosto claramente gostando da atenção. Cougar, que traduzindo literalmente quer dizer puma, que é uma mulher mais velha que sai com homens mais novo, e que pra nós significa papa anjo. 5


"Da um tempo", murmurou Willow. "Silêncio e você pode aprender alguma coisa", ela repreendeu e lhe lançou um olhar fulminante. "Diga-me, quais são suas intenções com a minha neta. Ela nunca teve um namorado, você sabe." "Sim, senhora. Eu estou ciente." "E você tem alguma coisa a ver com isso?" O canto de sua boca se elevou em um meio sorriso. "Eu poderia ter." "Por quê?" "Porque ela é minha." A qualquer momento o chão poderia desaparecer debaixo de meus pés, e eu poderia escapar deste pesadelo. "É mesmo?" Ela olhou para ele com curiosidade antes de decidir algo aparentemente. "Eles dizem que há uma linha tênue entre o amor e o ódio. Você sabe o que isso significa?" "Não." "Isso significa que duas pessoas são demasiadamente burras e cegas para saber a diferença." Ele inclinou a cabeça para o lado. "Então o que devemos fazer?" "Resolvam isso juntos, homem. E cuide da minha Lake ou a deixe sozinha." Bem, eu vou ser amaldiçoada. Se ela não me deixa depois de tudo. Ela virou-se ao som da risada de Dash e levantou uma sobrancelha. "O mesmo vale para você, menino bonito. Eu vejo a maneira como você olha para Willow e do jeito que ela tenta evitar você. Eu tenho certeza que sua mãe lhe disse pelo menos uma vez, que um dia haveria uma mulher especial que não se deixaria enganar pelas suas mentiras." "Eu estou uh, certo de que foi uma ou duas vezes." "Mulher esperta. Seus pais ainda estão juntos?" "Sim senhora, embora ela ameace se divorciar dele muitas vezes."


"Tenho certeza. Você vem de família que tem dinheiro, não é? Eu posso sentir o cheiro em você." "Meu pai trabalhou muito." Dash deu de ombros, mas eu podia ver a questão sob a fala dele. "Mas, você não?" "É o seu império. Eu sou apenas um sanguessuga até que possa ganhar meu sustento." "Portanto, há algo para você diferente de sua aparência." "Eu gosto de pensar que sim." "No entanto, ela ainda não vai lhe dar uma chance...", ela sussurrou com conhecimento de causa. Ele desviou os olhos para Willow com desejo intenso em seus olhos, antes de sua mandíbula endurecer com raiva. "Não. Ela não vai", afirmou, enquanto seu olhar permanecia em Willow. "Então você está indo forçá-la, não é mesmo?" Sua contundente pergunta deixou todos nós surpresos. Os olhos de Dash voaram de volta para vovó Lane, enquanto Willow se mexeu desconfortavelmente. Ele encontrou seu olhar, mas ao invés de negá-lo ele permaneceu em silêncio. "Eu espero que se nos encontrarmos novamente, que eu tenha uma melhor impressão de vocês dois. Não me decepcionem." Notei um instante de fadiga e percebi que era hora de terminar a nossa visita, de forma que ela pudesse descansar. "Gente, vou encontrá-los no carro. Eu só quero dizer adeus a ela." Os três saíram do quarto, depois de dizer adeus, e eu ajudei a minha avó até sua cama. Ela deve ter ficado realmente cansada, porque não reclamou da ajuda como de costume. "Obrigada querida. Não há nada como a velhice para os músculos." "Parece fazer você briguenta também."


"Agora, não fique chateada. Aqueles rapazes precisavam de uma dura. Se somente o seu pai estivesse aqui para conhecer aqueles homens." "Por que?" "Porque aqueles dois não poderiam ser mais opostos. Seu pai era uma alma gentil. Tanto ele quanto sua mãe. Eles provavelmente iriam desmaiar, se soubessem que sua bebê estava apaixonada por um cara como ele". "Nós nunca dissemos que ─" "Só porque você não tenha falado, não significa que você não sente isso." "Eu não entendo muito do que sinto ou penso nos dias de hoje." "Querida... é apenas seu coração agarrado ao seu cérebro que está dizendo que você não pode ter." "Então o que devo ouvir?" "Qualquer coisa que seja, desde que te faça sentir bem. Você não precisa entender isso. Confie em si mesmo. Isso é tudo o que você pode fazer." Ela fechou os olhos, a fadiga assumindo, então a deitei e levanto de minha cadeira. Eu estava colocando a foto que trouxe comigo em sua mesa de cabeceira quando notei uma foto de minha mãe que não estava lá antes, descansando no topo da mesa. Ela estava vestida com um vestido bonito, seu cabelo loiro caindo sobre seus ombros e eu poderia dizer que era um retrato de verão. Ela estava em pé na frente de uma bonita casa de tijolos, que uma vez chamei de lar... e segurando um bebê, que sabia ser eu mesma. Seu sorriso sozinho deu vida a foto, enquanto ela olhava para mim segurando a parte superior de seu vestido, e eu estava olhando para ela, um sorriso expandia minhas bochechas rechonchudas. Com a idade de oito anos, eu tinha muitas memórias de meus pais e em nenhuma delas eu poderia me lembrar de não me sentir amada. Lembro-me de minha mãe chorando no dia em que partiram. Meu pai quase cancelou toda a viagem.


"Será que meus pais me deixaram?" Eu perguntei antes que pudesse repensar ou parar. "Eles nunca iriam deixar você, Lake." A dor em sua voz era evidente. Ela estava lutando para se apegar à sua memória, enquanto já faz tempo que os dois se foram. Embora ela nunca falasse sobre a minha mãe, sei que ela sente falta dela. Eu nunca pensei sobre o quão difícil deve ser perder um filho e não saber o porquê. "Então, onde estão eles?" Todo mundo estava tão certo de que os meus pais não morreram, mas nunca houve qualquer sinal de vida. Como eles poderiam simplesmente desaparecer? "Eu gostaria de saber." *** Uma vez que estávamos na porta da minha casa, depois de voltar de Whispering Pines, vi que Keiran parou junto à porta, e olhou para mim com curiosidade. "Fique longe dela," eu disse simplesmente. Toda a viagem de volta lutei contra os sentimentos de pesar. Eu tinha exposto a minha avó para Keiran. Agora ele tinha mais uma pessoa para usar contra mim, se ele escolhesse. Ele agora sabia quem ela era e onde estava e pior ... ela não iria se lembrar quem ele era. Ele usava um olhar indiferente em seu rosto quando fechou a porta. "Você vai me dar uma razão para não ficar perto dela?" Sua falta de garantias foi inesperada e perigosa para minha paz de espírito. "Keiran ela é a minha avó! Ela é velha e impotente. Como você pode sequer pensar em ─ " "Eu não estava pensando sobre isso. Mas isso não significa que eu não iria, por isso não vou lhe dizer o contrário." "Mas que razão você poderia, eventualmente, ter de ir atrás dela?" Fora das duas únicas pessoas nesta sala, Keiran era o perigoso, e tinha toda a hostilidade e raiva irradiada para mim. Sua indiferença pela vida humana era arrepiante.


"Eu quero que você fique longe do meu passado. Eu sei que você ainda está cavando, mas pare agora." "De onde veio isso? " "Eu pedi antes. Eu estou dizendo a você agora." "Apenas me diga o que é que você não quer que eu encontre!" Gritei, perdendo a paciência, mas ele se foi antes de eu terminar, e o som da porta da frente batendo foi a minha única resposta. Eu deslizei para o chão em derrota quando percebi que Keiran nunca iria se abrir para mim.


Capítulo Vinte e Sete "Onde você estava todo domingo? Eu te liguei uma centena de vezes." Ouvi o barulho de Sheldon, enquanto caminhávamos pelo corredor. Era período de almoço e eu acabei de sair do Vôlei, que não foi tão divertido sem Willow. Ela mandou uma mensagem esta manhã para dizer que estava doente e ia faltar na escola. "Desculpe, eu só tinha muita coisa na minha mente e precisava de tempo para pensar." "Vadia. Eu queria que você viesse comigo para minha audição. Felix está à procura de um rosto para a sua nova linha de roupas." "Eu realmente sinto muito, Sheldon. Como foi?" Eu perguntei, sentindo como merda, porque esqueci sobre sua audição. "Cancelado. Eu estava muito nervosa. Dash se ofereceu para ir comigo, mas ele desapareceu também." "Você tem certeza que modelagem é o que você quer fazer?" "Tem sido meu sonho desde que vi o meu primeiro show. Papai diz que eu tenho que ir para a faculdade primeiro, mas depois, meus sonhos são meus." "Você está bem com isso?" "Acho que sim. Ir para a faculdade não é tão ruim." Eu balancei a cabeça e comecei a colocar minhas coisas no meu armário. "Sheldon você tem que pensar ─" "Isso é uma marca de mordida?", ela perguntou, interrompendo o que eu estava prestes a dizer. Merda. Eu havia me tornado tão acostumada a Keiran deixar marcas de mordida em mim, que parei de notar. Eu olhei para baixo para ver que a minha camisa superdimensionada tinha caído do meu ombro, expondo a mancha vermelha e marcas onde o pescoço encontrava os meus ombros. Eu rapidamente puxei-a para trás sobre meus ombros e terminei de guardar os meus livros no armário. Evitei o olhar dela e a ouvi rir.


"Chupões. Eu gosto", ela riu. "Dash me disse que vocês foram ver sua avó. Estou chocada." "Por que você está chocada? "Por causa do óbvio e do desdém de Keiran para qualquer coisa parecida com um pai." "Por quê?" "Eu não sei. Talvez porque ele saiba que seu pai e sua mãe o deixou na porta de um estranho?" Mas pais ruins não fazem com que alguém se torne problemático, sem que algo muito ruim aconteça. Havia tantos buracos que só ele poderia preencher. "Eu gostaria que pudesse fazê-lo falar comigo." "Se alguém pode fazê-lo se abrir, esse alguém seria você." "Por que você diz isso?" "Você é a única que afeta Keiran de qualquer forma. Ele iria falar... para você. Você só precisa saber as palavras certas a dizer." "Bebidas, senhoras bonitas?" Keenan veio e enfiou os braços em volta dos nossos ombros, com um sorriso bonito em seu rosto. "Vocês sabem, apenas por estarem aí juntas, vocês já cumpriram com uma das minhas fantasias? Agora só tenho que descobrir como conseguir vocês duas nuas... comigo no meio. " "Antes ou depois de Keiran e eu se revezando para matar você?" Sheldon brincou. "Faz sentido. O que vocês duas estão cochichando?" Lançou olhares desconfiados entre nós e tentou um olhar intimidador. Eu tenho certeza que ele poderia adivinhar, se não fosse tão bobo. "Nossas menstruações", Sheldon respondeu alegremente. "Eca, querida." "Você perguntou." "Mas você não tem que me dizer isso!" E eles estão discutindo novamente. Eu escutei eles brigando e ficando de bem. Às vezes acho que eles discutiam de propósito.


Sheldon me disse que o sexo que eles faziam depois de fazerem as pazes era coisa fora deste mundo, mas já fiz sexo com raiva de Keiran então não acho que seria sábio escolher lutar com ele. "Gente, estou com fome", disse eu interrompendo sua briga. "Alguém sabe onde Keiran está?" "Ele está com o treinador. Ele me disse para levá-la para o almoço, se ele estivesse atrasado." "Então acho que isso significa que você ainda é o meu guardacostas?", perguntei, um pouco irritada. Será que ele não confia em mim ainda? "De certa forma," ele sorriu. "Porque não posso ser confiável. Eu não entendo." Eu realmente não sei. "Porque Keiran não confia em ninguém. Especialmente com você." "O que aconteceu com seus pais?" Eu soltei. Eu não estava planejando fazer essa pergunta em um corredor lotado, durante o meio do dia na escola, mas hey ... merda acontece. Eu já patinei muito em torno da questão. Keenan congelou e, em seguida, olhou para Sheldon que realmente parecia contrita, por sua vez. "O que faz você pensar que algo aconteceu?" "Keenan ..." "Eu não sei, está bem? Ele não fala sobre isso. Ele provavelmente nem se lembra." Ele olhou para o lado e eu poderia dizer que ele estava mentindo ou segurando algo. Só então Dash caminhou até o nosso círculo com uma careta no rosto. "Onde está sua garota?" "Me diz você... você que estava com ela ontem." Ele manuseou o queixo e me olhou antes de rolar os olhos e tatear o seu telefone. Ele deu um soco em alguns números, resmungando. Após teclar no seu telefone três vezes ele murmurou: "isto é uma treta" e saiu fora. "Willow ainda não quer falar com ele?", perguntou Sheldon.


"E você conseguiria?", perguntei. "Eu cortaria o seu pinto fora e pendurava ele no meu quarto." Keenan deu a Sheldon um olhar louco. "Então, você tocaria no pau de seu irmão?" "Claro que não. Eu faria você fazê-lo, abóbora." Ela deu um beijo em sua bochecha. "Ah não. Eu não estou fazendo isso de novo." "De novo?" Nós duas perguntamos ao mesmo tempo. Keenan arranhou a parte de trás do seu pescoço. "Eu uhh... perdi uma aposta no ano passado, então tive que segurar seu pau por dois minutos." Fiquei de boca aberta e Sheldon se dobrou de tanto rir. "Oh, querido, você é um marica", ela riu. "Hey, ele estava de calça!" Keenan disse defensivamente. Ele me olhou suplicante e disse: "Não diga a Keiran, ok?" "Por quê?" "Porque então ele me faria segurar o seu pau." Nós começamos a rir e eu caí de joelhos, segurando o meu estômago. O rosto de Keenan era certamente um momento Kodak. "O que é tão engraçado?" A voz de Keiran de repente veio de trás de nós. Eu ainda estava no chão, rindo enquanto ele se aproximava. "Por que ela está no chão?", ele perguntou, virando para Keenan. "Seja como for, vocês não prestam," Keenan murmurou saindo. Sheldon saiu seguindo logo atrás dele, ainda rindo. "Lake, levanta do chão, baby." Oh, então agora eu sou "baby" de novo? Revirei os olhos e ignorei as borboletas que eclodiam no meu estômago cada vez que ele dizia isso. Sempre parecia tão sexy, e sensual e íntimo. Agora, ele só usava o meu último nome quando estava sendo um idiota ou eu estava sendo punida. Ele me pegou quando levei muito tempo para me mover, mas manteve as mãos em meus quadris, me puxando para ele.


"Como foi o vôlei?", Ele perguntou-me dando um rápido beijo em meus lábios. Olhei para ele com surpresa, considerando o que aconteceu da última vez que nos falamos. Ele estava se tornando realmente de lhe dar com seus humores. Ou talvez eu fosse a única que carregava rancor, ao longo de um fim de semana inteiro. "Oh, você sabe... alguém bate a bola sobre a rede assim que eu bato a bola por cima. É uma espécie de como jogar batata quente, mas com Vôlei não é quente." Ele ignorou o meu sarcasmo e aproveitou a oportunidade para apalpar-me em vez disso. Felizmente, todos foram almoçar ou ficaram na classe, então ninguém estava no corredor, apenas nós. "Porque você precisou ver o treinador?" Não era importante para eu saber, mas precisava de uma distração do sentimento de suas mãos em mim. "Ele queria falar comigo sobre nossa próxima vitória." Eu sorri para sua suposição de que a equipe ganharia seu primeiro jogo. "Muito arrogante?" Ele me deu um sorriso torto que pensei, o fez parecer adoravelmente humano e começou a beijar meu pescoço. "Você está tentando ir para o profissional?" "Esse é o plano", ele murmurou contra o meu pescoço. "Os olheiros universidades?"

ainda

estão

pensando

em

você,

para

as

"O treinador disse que está ansioso para me ver realizar este ano." Ele levantou a cabeça do meu pescoço e olhou para mim com uma expressão séria. "Na verdade, eu queria falar com você sobre isso." "OK." "Eu preciso treinar ainda mais forte do que já tenho feito, antes de considerar o ano que perdi e as circunstâncias. Não estou culpando você por isso, corrija o seu rosto", acrescentou ele quando mandei um olhar fulminante. "O ano perdido foi justificado pela merda que eu fiz." Como o assassinato de uma menina? Eu mascarei a sensação de náusea que me dominou, mas percebi que perdi parte do que ele estava dizendo. "... Eu estarei treinando muito e não vou ter muito tempo livre."


A campainha tocou, quando atentei para o que ele estava me dizendo. "Eu entendo." "Entende?" "Nós não estamos namorando, Keiran. Não se preocupe." Ele estreitou os olhos antes que ele tomasse meus lábios nos seus, em um beijo possessivo que dizia o contrário. Acabamos passando o período de almoço todo curtindo contra armários e felizmente não fomos capturados. Eu tive que acabar com isso, quando ele tentou enfiar a mão dentro das minhas calças. Ele não se colocou muito nisso, embora seu rosto dissesse que queria, porque a campainha tocou. Ele silenciosamente me levou a classe e quando chegamos ele me deu um tapa na bunda e saiu. Eu o assisti passear pelo corredor e não podia deixar de admitir o quanto eu amava sua caminhada ... e todas as outras garotas na vizinhança. Algumas até paravam para olhar ou estendiam a mão para tocá-lo. Garotas que amam um pau com tesão. Eu queria gritar que ele era meu, mesmo que ele nunca fosse. Eu ainda sentia o prazer maligno quando ele as ignorou e as sacudiu, e antes dele virar a esquina, olhou para mim como se sentisse que eu ainda estava lá. Ele piscou e desapareceu. *** Não tinha passado nem mesmo cinco minutos na sala de aula, quando um par de uniformes entrou, piscando seus distintivos. Por alguma razão o meu coração caiu para a boca do meu estômago. Eu não sabia por que, até que olhei para algumas linhas e notei um assento vazio. A cadeira vazia de Anya. O acontecimento da feira e tudo o que aconteceu voltou correndo. Dash e Keenan saíram com eles e Keiran não disse uma palavra, mas eu sabia que tinham que tê-lo levado com eles. Tudo o


que eu esperava. O que eles fizeram em retaliação não terminasse assim, ou melhor, terminasse com Anya não aparecendo na escola. Talvez ela esteja fora e doente. Os outros estudantes começaram a se irritar quando os dois oficiais conversavam com nosso professor. "Classe sosseguem. A polícia está à procura de Anya Risdell e Trevor Reynolds, e estão pedindo a nossa plena cooperação. A cada aluno será agendado uma entrevista individual com os seus pais, ao longo dos próximos dias. Eles pediram, se vocês tiverem qualquer informação sobre o desaparecimento, vocês sairão com eles o mais rapidamente possível. Só então os olhos de um oficial travaram com os meus e eu o reconheci como o parceiro do pai de Trevor e aquele que algemou Keiran na noite do arrombamento. Merda. Ele estava me queimando com seus olhos e eu me mexia no meu lugar, nervosamente. Meu telefone tocou no meu bolso, então o puxei para fora, grata pela distração. K: Você está ok? Lake: Não ... K: Eu vou cuidar disso. Lake: Como você cuidou deles? K: Porra, Lake. Não diz essa merda pelo telefone. Lake: Desculpe. Eu não sei o que fazer. K: Esteja lá em dois minutos. Não importa o quanto tentei, não poderia conter os sentimentos nervosos ou a bile que aumentou acentuadamente. Keiran apareceu na porta e entrou na sala. Ele ignorou os oficiais que estavam conversando com a classe e minha professora que parecia muito chateada, mas não disse nada. Ele andou até a minha mesa, pegou minha mão e me puxou para cima do meu assento. Eu apressadamente peguei minha bolsa no caso de não conseguir ou poder voltar.


"Você rapidamente está me colocando na lista negra de cada professor que você conhece." "Pelo menos nós estaremos juntos", ele sorriu. "Keiran o que você fez?" Eu perguntei uma vez que estávamos fora do alcance de qualquer um ouvir. Ele me apoiou nos armários e descansou seu antebraço acima da minha cabeça. "Eu estou cuidando disso", ele respondeu sarcasticamente. "Quanto menos você souber, melhor. Esta é a minha merda." "Alguém poderia ter nos visto sendo abordadas." "Deixe-me preocupar com isso. Você não sabe de nada. Isso é o que você diz a eles quando perguntarem. " "Mas sei alguma coisa!" Ele estreitou os olhos e senti aquele frio olhar familiar que eu equivocadamente pensei que estava muito longe. "Então, o que você pretende dizer a eles?" "Não faça isso. Não comece a olhar para mim como se eu já tivesse te traído. Eu não te devo nada." Em vez de responder, ele tomou os meus lábios com os seus, me abrindo para a sua língua, o qual tomei com avidez. O estresse e medo de nossa situação atual tinha-me necessitada e tentando escalar seu corpo ali mesmo no corredor. "Você quer sair daqui?", ele perguntou, erguendo os lábios dos meus. "Eu gostaria muito disso, mas não posso. Eu tenho um teste chegando e um projeto de Arte, no próximo período. Você está saindo?" Ele balançou a cabeça. "Eu não vou deixar você aqui sozinha." "Meu herói", eu sussurrei, sorrindo provocativamente para ele. Quando ele vacilou e seu olhar tornou-se assassino, lembrei-me de seus sentimentos sobre heróis. Sua reação me fez pensar que era mais do que apenas uma opinião. Os policiais saíram da sala e lançou-nos olhares duros. Eu olhei de volta para eles nervosamente. Eu provavelmente estava sendo muito suspeita, com a minha cara. Keiran estava de costas para não os ver sair. Eu estava distraída com sua avaliação, quando Keiran usou seu


polegar para esfregar pequenos círculos mais embaixo do meu estômago, quando eu estava prestes a avisá-lo. "Eu tenho que voltar", sussurrei. "Você deve. Os pervertidos estão assistindo", disse ele, indicando os policiais na outra extremidade do corredor. Olhei novamente para a polícia e os observei dizendo algo um ao outro, mas eles estavam muito longe de nós para ouvirmos. "Você está muito calmo sobre isso", comentei. Na verdade, foi me deixando nervosa, em vez de calma. Os policiais estavam nos observando muito atentamente, e era como se eles estivessem esperando por algo. Ele deu de ombros, deixou cair o braço de cima da minha cabeça e se afastou de mim. Eu perdi a segurança criada por sua proximidade. Parecia que o meu refúgio pessoal do mundo tinha me deixado. Engraçado como ele costumava ser a única coisa que eu precisava me esconder, não muito tempo atrás. Talvez ele ainda fosse, pensei, lembrando de Anya, Trevor, e o que ele disse sobre a minha avó. Ele me cutucou para a porta, mas desta vez esperou por mim para entrar antes de ir na direção dos policiais. Eu não podia resistir, então espreitei minha cabeça fora da porta, plenamente consciente de que toda a classe, juntamente com a atenção do meu professor estava em mim. Quando Keiran estava muito longe para ouvir o oficial disse algo a ele e eu fiquei tensa, embora não pudesse ouvir nada. Keiran não parou para falar com eles, no entanto. Seu único reconhecimento foi cumprimenta-los. Eu o assisti subir as escadas, levando dois degraus de cada vez, até que ele desapareceu. "Srta. Monroe, se está tudo bem com você, por favor tome o seu lugar para que eu possa retomar a aula", a Sra. Bisette falou. Definitivamente na sua lista negra.


Capítulo Vinte e Oito Eu inclinei minha cabeça contra a parede e fechei os olhos, extraindo o som do treino de Keiran. Minha cabeça parecia que estava girando e tudo o que eu queria fazer era ir para casa e me esconder debaixo dos meus cobertores. Eu esperava para ir direto para casa depois da escola, mas como sempre, Keiran tinha ideias diferentes e, como sempre, eu o segui. "Já é sexta-feira?" Sheldon reclamou de seu assento ao meu lado. "Não." "Porra. Eu não acho que posso tolerar ir para o treino hoje. Eu estou muito estressada." "Você pode faltar agora? Com Anya ausente, você não é a capitã agora?" "Caramba. E se as pessoas pensarem que fiz isso? " "Por que eles pensariam isso? " "Para poder tomar seu lugar como a capitã?" "Você assiste muita TV." "Trevor fez isso para Keiran", ressaltou. "Ponto feito." "Ugh, o que você acha que eles vão fazer sobre a investigação?", ela perguntou. "O que faz você pensar que eles vão fazer alguma coisa?", perguntei, mantendo os olhos fechados. "Porque eles estão muito calmos e tranquilos sobre isso." "O que você acha que eles fizeram com Anya e Trevor? Você os conhece melhor do que eu. O que eles fariam?" Ela parou de amarrar os tênis e hesitou antes de responder. "Se Keiran está por trás disso, não acho que quero saber. Dash diz que ele tem conexões que o dinheiro não pode comprar." Eu a olhei cuidadosamente por qualquer


sinal de que ela estava brincando, mas suas respostas soavam verdadeiras. Lembrei-me da conversa que ouvi dele sexta-feira passada, mas nada disso me colocava mais perto de descobrir o que pode ter acontecido com Trevor e Anya. Keiran sozinho estava determinado a me fazer deixar seu passado, mas o seu passado não parece ser muito de um passado em tudo. "Eles não dizem muito em volta de mim de qualquer maneira", continuou Sheldon, tirando-me dos meus pensamentos. "Keiran disse que eu tenho uma boca grande. Você pode acreditar nisso?", ela gritou chamando a atenção de alguns jogadores e líderes de torcida. Eu levantei minhas sobrancelhas e franzi os lábios. "Não... Eu não poderia imaginar." Eu disse sarcasticamente. Ela me deu um olhar indignado e voltou a arrumar os sapatos. "Vocês estão praticando aqui hoje?" Ela assentiu com a cabeça, "Está chovendo lá fora. Você não percebeu?", ela apontou para as portas duplas que levavam para fora. Ela saiu com um rápido até logo’ e se dirigiu para a outra parte do ginásio. Nosso ginásio era o único, então ele tinha várias seções, para que isso não comprometesse o treino de basquete e outros eventos. Olhei para a quadra a tempo de ver Keiran fazer um esforço para um lançamento na linha de meio campo. Keenan começou a regozijarse como se ele tivesse acabado de fazer a cesta, balancei minha cabeça. Keiran fez contato visual comigo e pediu uma pausa. "O que há de errado?", ele perguntou se aproximando de mim. "Além da minha dor de cabeça violenta e medo de prisão iminente?" "Claro", disse ele revirando os olhos. "Então, nada. Eu acho que estou indo para casa." Eu me levantei na ponta dos pés e biquei seus lábios. Ele fez uma careta e parecia como se fosse protestar quando peguei minha mochila. "Vá para a minha casa." "Eu vou ficar bem em casa."


"O que eu disse?" "Você não é meu pai, Keiran." Ele agarrou forte o meu queixo e olhou para mim sem dizer nada. "Como eu poderia entrar?" Revirei os olhos para ele. Ele se inclinou e enfiou a mão no bolso do short e pegou seu anel de chave. Ele bateu uma das três chaves e entregou para mim. "Direto para lá." "Bem, estou com fome, então estava pensando em pegar um hambúrguer no caminho", eu disse apenas para irritá-lo. "Monroe", alertou por cima do ombro enquanto ele se afastava. Missão cumprida. *** Eu fui para a casa de Keiran e notei uma grande pick-up preta estacionada na garagem. Keiran não mencionou sobre alguém mais na casa dele e eu contemplei ligar para ele antes de entrar, mas eu sabia que ele não iria receber minha chamada até que o treino terminasse. Eu saí com minha mochila... e meu hambúrguer e entrei com a chave que ele me deu. Eu não ouvi nada nem ninguém quando entrei. Eu caminhei para dentro da casa com passos lentos. Assim que cheguei à beira da escada, uma brecha abriu pelo corredor e um homem alto e imponente saiu. Nós dois congelamos enquanto olhávamos um para o outro em surpresa. Depois de alguns minutos de olhar fixamente um ao outro, ele fechou a porta e se aproximou. Eu agarrei o corrimão e lutei entre a escolha de lutar ou fugir. "Quem é você?", ele perguntou finalmente. Sua voz era suave e rouca e quando olhei mais de perto decidi que era bastante considerável em seus jeans desbotados e camisa branca de colarinho. Ele também se parecia surpreendentemente com o meu namorado enigmático e seu primo volátil. De repente, percebi que este deveria ser seu tio. John Masters. Eu continuei boquiaberta para ele, sua pergunta pairando entre nós.


"Você deve estar aqui por causa do Keenan. Presumo que ele está traindo novamente." Ele parecia mais resignado do que zangado. "Na verdade, sou amiga de Keiran," eu disse, encontrando a minha voz. Eu peguei o olhar de surpresa quando suas sobrancelhas se ergueram. "É mesmo?" Eu balancei a cabeça e ele continuou a olhar. "Onde está Keiran?" "Ele esta no treino." "Ah sim. Basquete. Então, por que você está aqui?" "Ele me pediu para encontrá-lo aqui." "Qual é o seu nome, garota?" "Lake Mo ─ Monroe." Ele coçou o queixo e continuou a me olhar de cima a baixo. "Por que é que eu nunca ouvi falar de você antes?" Talvez porque você nunca está por perto? "Eu nunca vi Keiran trazer meninas para casa. Muito menos entrega-las a sua chave." "Eu ─ eu deveria ir." "Mas Keiran não gostaria que você esperasse por ele?" Meus pés estavam presos ao chão e eu balancei mentalmente com meu nervosismo. "Não se preocupe, menina. Eu não vou te machucar. Nunca estou em casa e meu sobrinho mal me poupa um olhar." Ele me olhou com curiosidade antes de perguntar:" Quantos anos você tem?" "Dezoito", eu respondia quando perguntavam, por que minha idade importava. "Eu não acredito que conheço seus pais", disse ele, mas foi mais como uma pergunta. Não. Eu não conheço eles também. Eu pensei que conhecia. "Carissa Anderson é minha tia e responsável por mim." Um olhar de piedade atravessou seu rosto e eu odiava isso. Eu odiava quando alguém tinha pena de meus pais ou eu. Eles não mereciam isso... nem eu, porque às vezes eu os odiava.


"Entendo. Bem, isso é algo que você e Keiran têm em comum." Ele caminhou em direção à cozinha, deixando-me confusa. O encontro foi estranho, fazendo-me sentir nervosa e desajeitada. Eu praticamente corri até as escadas e me tranquei no quarto de Keiran. Retirando meu telefone, enviei um texto rápido para Keiran deixando-o saber que seu tio estava aqui. Minha dor de cabeça só tinha piorado desde que deixei o ginásio, então deslizei sob os lençóis de Keiran e deixei o sono me superar. Eu me preocuparia com o resto mais tarde. *** Eu ouvi o clique da luz primeiro, seguido por um segundo e automaticamente um balançar dos meus dedos agora livres, mas ainda coberto com as meias. Meus olhos se recusaram a abrir quando fui acordada, mas quando senti o cheiro familiar que aprendi a amar, os meus olhos finalmente se abriram. Keiran estava de pé acima de mim, ainda vestido com seu uniforme de treino. Ele geralmente tomava banho depois do treino, então percebi que ele correu para casa. Mais provável para ver se eu o obedeci e fui à casa dele. "O que ele disse para você?" Eu pisquei algumas vezes antes de totalmente compreender o que ele estava me perguntando. John estava aqui mais cedo e nossa conversa correu de volta para mim. "Bem, ele foi muito mais agradável do que você foi, quando nos conhecemos." "Lake ..." "Não, Keiran. Ele não fez nada. Conversamos um pouco, mas foi isso." "O que ele disse?", ele perguntou. "Nada demais. Ele só queria saber quem era a estranha garota que estava andando em sua casa com uma chave. Por que você não me disse que ele estava aqui?"


Ele passou a mão sobre a sua cabeça. "Eu não sabia. Aparentemente, eles o chamaram para agendar uma entrevista desde que Keenan ainda tem dezessete." "Oh. Certo." Às vezes eu esqueço que era alguns meses mais velha do que Keenan. Sentei-me na cama e passei a mão autoconsciente sobre o meu cabelo. Eu não tinha um cabelo sexy ao levantar da cama como Keiran tinha. Eu estava grata que a minha voz não estava tão rouca como de costume, quando acordei. "Ele ainda está aqui?" Ele balançou a cabeça e abriu uma gaveta da cômoda. Ele estava de costas para mim, então não vi seu rosto quando lhe perguntei, mas notei seus músculos das costas tensos. "Ele está falando com Keenan agora sobre a escola e toda a outra merda paternal. Não tenho nenhum interesse nisso." A amargura em seu tom não me escapou. "Por que você e John não são próximos?" "Por que seríamos?" "Ele é seu tio." Ele deu de ombros e ergueu uma camisa recém-saída da gaveta. "Não é problema meu." "Eu não acho que é bom para você estar tão distante dele." "Porque você se importa?" "Porque me preocupo com você." Minha voz agora foi levantada a partir da frustração que eu sentia. Ele soltou um suspiro irritado. "Você não deveria. Por que você se preocupa?" "Você tem que deixar as pessoas se preocuparem com você. Você não pode simplesmente manter suas emoções engarrafadas e ignorálos. Mais cedo ou mais tarde elas vão sair." "Eu disse a você que sinto emoção. Eu sinto raiva e sinto ódio. Não é o suficiente?" "Não. Você tem que parar de punir a si mesmo. " Ele balançou a cabeça. "Você não diria isso se soubesse por que me puno, como você mesma diz."


"Tente-me contar", eu desafiei. Sheldon pensou que eu poderia levá-lo a falar. Eu queria testar essa teoria. "Eu vou deixar isso passar." Ele pegou o meu hambúrguer esquecido e caminhou até a porta. Eu estava totalmente presa, pensei enquanto observava sua forma de recuar. "Keiran?" Ele parou na porta, mas se manteve de costas, com a cabeça virada para o lado. "Como é que alguém deveria amar você, se você não consegue nem amar a si mesmo?" Sua mandíbula apertou e sua mão em punho veio em torno da maçaneta, antes de responder. "Eu não quero ninguém", disse ele friamente. Ele saiu e bateu a porta do quarto e senti como se ele apenas batesse aquilo para fora, mantendo o meu coração distante também. Por uma vez, suas palavras não me fizeram chorar, mas isso não significava que ele não me irritou. Eu bati na cama com os braços cruzados, batendo pé sobre o colchão. É assim que ele me encontrou quando retornou de seu banho, usando apenas uma toalha. Eu podia ver sua protuberância pressionando contra o material. Oh Deus, mantenha o foco. "O que você quer dizer com não quer que ninguém te ame?", perguntei, logo que ele abriu a porta. " Você?" Ele perguntou secamente. "Eu o quê?" "Você está planejando se apaixonar por mim?" Sua voz era dura quando ele olhou para mim do outro lado do quarto. "Eu não tenho certeza que seja possível para nós", respondi com sinceridade. "Então do que estamos falando?", ele perguntou e se afastou, deixando-me saber que não estava interessado em uma resposta. No entanto, eu me esforcei sobre o que dizer e mais importante por que eu me importava tanto que ele não acreditava no amor. Keiran não era uma pessoa para sempre e nem eu era, porque nenhum de nós acreditava em felizes para sempre.


Quando ele deixou cair a toalha, minha atenção se voltou com a visão de seu corpo forte, ainda úmido de seu banho, em exibição. De repente, eu o queria da pior maneira, apesar do perigo de tudo isso. Ele deve ter sentido o mesmo, porque quando se virou para me encarar, sua ereção era proeminente e o olhar em seus olhos era escuro e promissor. "Podemos não ter amor, mas temos isso. Isso é tudo o que sempre será", disse ele enquanto se despia para mim. "Eu tenho uma palavra a dizer?" Eu perguntei com a angústia pesada em minha mente e fazendo o seu caminho até a meu coração. Logo ele poderia muito bem tomar conta da minha alma e então seria tarde demais. "Não, querida. Já está decidido", disse ele enquanto colocava seu corpo sobre o meu e entrou em mim lentamente. Ele fechou os olhos brevemente, antes de abri-los novamente. "Eu sou viciado em você."


Capítulo Vinte e Nove Eu não sabia que tinha adormecido até que acordei em um quarto escuro novamente, mas desta vez não houve qualquer sentimento de medo. Eu relutantemente rolei para minhas costas com um gemido baixo. Eu pensei sobre o trabalho de casa que precisava ser feito. Keiran estava me distraindo demais. Eu tinha que manter uma vantagem na minha lição de casa para boas notas. Eu esfreguei o local ao lado onde ele tinha estado e o encontrei frio. Quanto tempo estive dormindo? Eu rapidamente saí do quarto e ouvi a televisão no térreo, então segui o som. Quando cheguei à sala de estar vi apenas seu tio sentado no sofá de couro. Ele olhou para mim aparentemente sentindo a minha presença. Eu não poderia encontrar seus olhos, após o que Keiran e eu fizemos lá em cima. Eu tinha esquecido que ele estava em casa. O desejo sexual mais uma vez nublou meu julgamento e eu rezei para que ele não tenha nos ouvido. "Eles estão no porão", ele disse. Eu teria dito obrigada, mas ele já tinha se voltado para a televisão, então não falei nada. Quando abri a porta, podia ouvir um zumbido derivando-se da parte inferior da escada e o baixo ruído da voz de Keiran. Desci e encontrei Keiran sentado em uma cadeira com uma garrafa de álcool em suas mãos e Keenan sentado atrás dele segurando uma pistola com agulha. Eles olharam para cima e repararam em mim quando cheguei mais perto. "O que vocês estão fazendo?" "Ele finalmente deixou-me trabalhar nele." Keenan sorriu e mergulhou a agulha na tinta e trouxe-a para as costas. Eu instintivamente estiquei o pescoço para ver, porque não podia ver o que ele estava desenhando a partir daqui. "Keiran?" "Eu estou me perdoando", disse ele com sarcasmo, segurando meu olhar e trazendo a garrafa aos lábios novamente. Eu não sabia


que Keiran bebia muito, mas, de qualquer jeito, eu não conheço muito sobre ele mesmo. "Ao fazer uma tatuagem?" "Ao confessar meus pecados da única maneira que posso." Isso me pegou de surpresa. "Oh." "Venha aqui." Ele deu um tapinha no seu colo e Keenan fez uma careta para suas costas. "Fique quieto, homem." Keenan olhou para mim com um sorriso malicioso. "Hey, Lake, o que há com todas essas marcas de garras nas costa dele? Você arruinou a minha tela." Eu ignorei a oferta de Keiran e o comentário de Keenan e puxei uma cadeira na frente dele. Tão mal quanto queria ver o que estava fazendo, eu ignorei a tentação e descansei as mãos sobre os joelhos. "Você não precisa de uma licença para fazer isso?" Ambos bufaram, e Keenan continuou a trabalhar. "É por causa do que eu disse?", prossegui, mudando a pergunta. "Não", ele respondeu sem hesitar. "Oh." Eu me perguntei novamente que pecados poderia uma criança de oito anos possivelmente cometer, e eu mais uma vez pensei sobre a menina da foto. Eu não sabia se era sábio para trazê-lo até ele. Ele iria abrir uma lata de minhocas, com certeza, e eu ainda não obteria qualquer resposta. "Quão ruim dói?" "Eu já me senti pior." "Eu poderia fazer uma ─" "Não", ele disse com veemência. "Eu quero o seu corpo do jeito que esta. E não há nenhuma maneira no inferno que alguém está colocando as mãos em você." "Seja verdadeiro, Keiran." "Eu sou. Eu disse não." "Shelly tem uma", Keenan falou, interrompendo o nosso olhar em silêncio.


"Onde?", perguntei. Eu não vi uma e ela nunca mencionou ter uma. "Em sua bunda. Eu coloquei o meu nome lá há alguns meses atrás", disse ele arrogante. Sheldon ainda tinha dezessete anos, então eu tinha certeza de que seus pais não permitiriam isso. "Deixe-me adivinhar... seus pais não sabem?" "Não. Seu pai me mataria." "Então, por que fez?" "Nós estávamos bebendo e ─" "Espere, você a tatuou quando vocês estavam bêbados?" Ele deu de ombros. "Ficou muito bonito." "Esse não é o ponto e você sabe disso." "Ah, nós quatro bebemos desde os treze anos. Podemos lidar com o álcool." Eu balancei minha cabeça, mas não disse mais nada. Eles eram todos loucos. "Eu prometo não tatuar o seu rabo, enquanto eu estiver bêbado." "Você não vai a lugar nenhum perto da bunda dela", Keiran latiu. Keenan bufou e revirou os olhos. "Rapaz você tem sua primeira namorada e de repente acha que é o chefe de todos." "Keenan ─" Keiran começou. Tanta sacanagem que ele fazia, que eu estava certa de que ele deve ter tido uma namorada ou duas, ou seis, então perguntei: "Que tal Anya?" "Essa maluca? De jeito nenhum! Ela nem é tão boa transa", Keenan disse antes que Keiran pudesse responder. "E como você sabe? Ela era namorada de Keiran. Você já tinha uma namorada. " "Ela não era minha namorada." Keiran finalmente respondeu, cortando Keenan.


"Isso não é o que ela disse." Eu cruzei os braços sobre o peito e sentei-me no meu lugar. "Será que estamos realmente discutindo isso agora? Eu peguei ela duas vezes. A segunda vez só aconteceu porque eu estava bêbado e ela pulou no meu pau sem ser convidada." "Que seja," revirei os olhos novamente. Parece-me que faço muito disso em torno dele. Ele estreitou os olhos para mim e respirava pelo nariz e eu poderia dizer que ele estava ficando chateado. "Por que as garotas sempre fazem perguntas que não querem saber a resposta?", perguntou Keenan. Keiran o ignorou e continuou a olhar para mim. "Elas estão conectados dessa forma", disse Dash aparecendo a partir das escadas com Sheldon bem atrás dele. "Ah cara, você está sendo tatuado? Sou eu depois." "Eu não terminei seu projeto ainda. Por que você tem que ser tão complicado de qualquer maneira?" "Eu sou um homem de profundidade. O que posso dizer? Este é especial." Ele, então voltou seu olhar para mim. "Hey, Lake. Você falou com a sua menina? " Merda, Willow! Eu tinha esquecido sobre ela porque estava tão envolvida com Keiran. Eu sou uma amiga de merda. "Não, na verdade não falei. Desculpe-me," eu disse levantando e indo para as escadas. "Ei, vou com você", disse Sheldon. Dei de ombros e fiz meu caminho até as escadas. Quando cheguei ao quarto de Keiran, puxei meu celular da minha bolsa e vi uma chamada perdida dela. Eu marquei Willow e esperei por ela para atender. "Graças a Deus. Achei que você me abandonou ", ela fungou. "Você está resfriada?" "Não. Minha mãe está em casa." Willow e sua mãe não costumam se dar bem. Ela odiava como independente e livre era Willow. Isso só piorou quando ela descobriu sobre Dash. Agora, tudo o


que elas faziam era discutir. Sua mãe estava sempre empurrando seus últimos problemas sobre ela. "Você está em casa? Eu quero ir até aí". "Estou na casa de Keiran, mas estou indo agora." Ela soltou uma risada seca. "Nós duas sabemos que isso não vai acontecer. Quando foi a última vez que você dormiu em sua própria cama?" "Seu tio está em casa." "Oh, droga. Você o conheceu? Como ele é? " "Intenso." "Talvez seja mal de família." "Sim, talvez. De qualquer forma, não acho que vou ficar hoje à noite. Isso seria muito estranho." Nós conversamos por mais alguns minutos antes de eu passar o telefone para Sheldon que queria falar com ela. Saí do quarto e voltei para o porão. Suas vozes baixas imediatamente me colocaram em alerta e fiz uma pausa na escada. "Arizona, Kentucky e Wisconsin estão lutando agora mesmo. Eles estão no topo da minha lista. Eu não tomei uma decisão." "Por causa de Lake, certo? Onde ela está indo?" "Eu não sei. Ela não disse. " "Então pergunte a ela." "Eu estou tentando isso, idiota. Eu tinha que cuidar dos outros dois primeiro." "O que Mario fez com eles?" "Ele está mantendo-os em gelo para mim." "Ele é um filho da puta assustador. Como você conheceu aquele cara?" "Ele costumava ser um parceiro das pessoas que me possuíam." "Merda." "Porra." Possuíram ele? Alguém tinha a posse dele? Oh infernos, não. Eu precisava conversar com ele.


"A quem você pertence?", perguntei, andando o resto do caminho descendo as escadas. "Lake ..." "Não, Keiran. Você acabou de falar de alguém que te pertencia." "Deixa pra lá ", disse ele com os dentes cerrados. "Eu não posso simplesmente deixar pra lá. Eu tenho o direito de saber." Ele pisou até mim e me empurrou contra a parede ao lado da escada. "Você não tem o direito de saber merda nenhuma, além do que lhe digo. Meu passado é meu." "Mas você disse ─" "Eu sei o que disse. Não é da sua conta. " "Por que Dash e Keenan sabem?" "Pelo amor de Deus, garota ─" "Hum, pessoal? Por mais que me excite ver vocês lutarem, nós precisamos ir", Keenan brincou. "Ir? Aonde você está indo?" "Estamos indo para jogar laser tag ", enfatizou Keiran. "Sim, é a louca segunda-feira. Terá todos os alimentos que você pode comer e o meu garoto Teddy está trabalhando esta noite, então temos bebidas também. Vamos rolar!" Ele e Dash subiram as escadas correndo e tropeçando, empurrando um ao outro para chegar ao topo primeiro. "Eu nunca joguei laser tag." "Não? Bem, então você não pode estar no meu time. Eu não perco", ele regozijou-se. Eu bati no seu ombro e seus olhos dançaram com ironia. "Posso ver a sua tatuagem?" "Ela não está terminada." "Oh... mais tarde, então?" Quando ele olhou para mim, eu podia ver a agitação por trás de seus olhos. Ele se afastou de mim e enfiou os


dedos em seus cabelos. Será que ele já se arrependeu de começar a tatuagem? "Precisamos ir", disse ele, pegando a minha mão e me puxando para cima das escadas. Ouvi Keenan criando um tumulto, logo que chegamos ao primeiro andar. "O que os policiais estão fazendo aqui? Esta não foi a hora que foi agendada." "Digamos apenas que pensamos em vir fazer algumas perguntas e talvez dar uma olhada ao redor. Nós esperamos que você não se importe", um dos oficiais disse, mas seu tom de voz sugeria que ele não se importava de qualquer forma. "Você pode fazer suas perguntas a partir da porta porque você não está pisando dentro desta casa sem um mandado." "Será que precisamos de um Sr. Masters?", o segundo detetive perguntou em tom ríspido. "O seu pai está em casa, por acaso? Nós realmente gostaríamos de falar com ele também. " "Vocês não têm alguns donuts que precisam chupar ou querem apenas o meu pau?" "Keenan, deixe esses oficiais entrar e deixe de ser uma dor na minha bunda", seu pai falou a partir de em algum lugar na casa. Keenan rangeu os dentes, mas não se moveu. Keiran foi direto para a porta e eu o segui atrás. Não sei porquê, mas senti a necessidade de ficar entre Keiran e os problemas. Alguém tinha que ser a voz da razão. "Nós não estamos interessados em qualquer merda que você acha que sabe", disse ele sem preâmbulos. "Você sabe por que estamos aqui, filho. Nós apenas queremos fazer algumas perguntas sobre o desaparecimento da Srta. Risdell e do filho do oficial Reynolds." "Então, pergunte a eles." Ele atravessou seu braço sobre o peito e ficou ao lado de Keenan que agora tinha uma expressão arrogante no rosto.


"Esta não é a maneira de conduzir uma entrevista." O policial pareceu confuso e com raiva e tentei abafar meu riso, mas eles devem ter ouvido quando seus olhares pousaram em mim. "Ah, Srta. Monroe. Que conveniente. Estávamos planejando fazer-lhe uma visita depois. Não vai nos convidar para entrar." "Não é a minha casa", eu disse e caminhei até Keiran, me moldando contra suas costas. Meu toque pareceu relaxá-lo quando senti a tensão em suas costas desaparecer. "Como é bonito", o oficial escarneceu, percebendo o nosso abraço. "Vamos voltar", alertou seu parceiro quando eles se retiraram para seu carro. "Cara, você fala como uma rejeição do Exterminador do futuro." "Eu adorei esse filme", Keiran comentou. Ha! Um fato sobre Keiran. Eu estava chegando a algum lugar. "Comigo três," eu falei. Eles se voltaram sorrindo para mim. "Obrigado por enviar esses porcos guinchando de volta para seu lugar", Keenan sorriu. "Um por todos..." "E todos por um." Eu cruzei os punhos com ele quando eles seguraram. "Eu odiava esse filme", acrescentou Keiran. "Só porque ele teve um final feliz." "Eu odiava esse filme também, na verdade." "Você dois pombinhos me deixam doente." "Com ciumes?" Ele bufou. "Não. Namorar Sheldon é como namorar um cara e uma garota ao mesmo tempo. É incrível. Embora eu me pergunto às vezes ... " "Onde está Sheldon," perguntei, olhando ao redor.


"Ela e Dash foram na frente. Eu me segurei para esperar por vocês. Levou tempo suficiente." "Cale a bca." Keiran engravatou Keenan na parte de trás de sua cabeça. Só então o tio saiu da sala de estar. "Onde vocês estão indo? " "Laser Tag", Keenan respondeu logo. Keiran mal poupou-lhe um olhar. "Bem fiquem fora de problemas e levem esta garota para casa em uma hora decente. Não me faça te procurar", alertou. "Claro que sim, pai", Keenan aceitou, sem entusiasmo. John grunhiu e voltou para a sala. Keiran me puxou pela mão e saímos para fora da casa. "Oh espere. O meu telefone." Eu me virei para voltar para dentro para ele quando Keenan me parou. "Shelly me deu para te entregar." Keenan me entregou meu telefone. "Ei, você acha que Willow poderia vir?" "Eu não me importo, mas você sabe que Dash estará lá né?" "Sim eu sei. Não vai doer se perguntar." Depois que entrei no carro de Keiran, eu marquei Willow que atendeu ao primeiro toque. "Por favor, me diga que você já está em casa", ela respirou no telefone. "Não, mas tenho algo melhor. Venha ao jogo de laser tag conosco. " "Nós? " "Sim. Keiran, Keenan, Sheldon, e ... " "E Dash? ", ela adivinhou. "Sim, mas ─" "Eu vou", ela cortou. "Mas estou levando Buddy como reforço." ***


"Você não pode usar cores brilhantes para laser tag! Cara", Keenan olhou para Dash, "diga-lhe que ela não pode usar roupas brilhantes para laser tag." Willow tinha acabado de nos encontrar do lado de fora da arena aparecendo como flamboyant, como de costume, apesar de seu humor mais cedo. Ela vestiu-se em apenas jeans e camiseta que exibia sua figura, mas seu jeans era rosa e a camisa era roxa. "Eu tentei dizer a ela", disse o camarada que caminhava até dar um tapa nas mãos com os caras. "Chupem isso, idiotas. Vou usar o que quero." "Ela está em sua equipe," Keenan lamentou a Dash. Dash ignorou e continuou a olhar para Willow enquanto Willow olhava em todos os lugares, menos para ele. Depois de alguns momentos de silêncio tenso, ele sorriu e caminhou até Keiran e começou a sussurrar baixo para ele. Eu sabia que eles estavam tramando algo. "Tudo bem", Keiran falou. "Nós não estaremos em duplas. Este será individual para todos. " Willow então mostrou o dedo a Keenan, que sorriu e jogou beijos para ela. Sheldon os pegou e atingiu seu braço, rosnando, "ela é minha." Eu ri com a competição que eles pareciam ter sobre ela. Às vezes penso que Sheldon realmente tinha uma queda por Willow. "Graças a Deus! Eu te amo, maninha, mas você vai ter que me matar." Buddy teve seu rosto pintado de guerra, como se isso fosse real. Garotos. "Vocês são ridículos." Ela arrebatou o equipamento, que ele ofereceu a ela e bufou. Dash explicou as regras e ativamos nossos sensores. Apenas antes de começarmos, notei Dash inclinar-se por trás de Willow e sussurrar algo em seu ouvido com um olhar maligno em seu rosto. Seu rosto empalideceu e seus olhos se arregalaram e de repente ela atirou na escuridão da arena. Ele riu e seguiu atrás dela, mas ele não parecia como se estivesse com pressa. Sheldon, Buddy, e Keenan todos


correram para a arena e eu poderia imediatamente ouvir o som de lasers queimando. "Estando lá é uma boa maneira de perder", disse Keiran. "Está tudo bem. Eu sempre guardo o melhor para o final." Ele desapareceu dentro da arena, a escuridão engolindo-o. Agarrei minha arma e caminhei lentamente. Assim que fiz, o meu sensor apitou e olhei para ver Keenan saltando para cima e para baixo com a vitória. Em seu segundo salto, ele foi marcado em pleno ar por Keiran que se virou e piscou para mim. Uma outra série de tiros foram disparados assim, abaixei para me esconder atrás de um muro baixo, perto da entrada. Meu sangue já estava bombeando com entusiasmo. Mantive-me baixa e cautelosamente andei ao redor da arena, que havia ficado tranquila, então eu sabia que os caras estavam na caça. Eu me perguntava como Sheldon e Willow estavam se saindo. "Ah querida, você me pegou! Como você pôde?" Eu ouvi Keenan gritar em algum lugar distante. Olhei por cima do muro e vi um flash de cabelo loiro alguns pés na minha frente. Era Buddy de costas, mas parecia que ele estava se concentrando em algo e isso foi quando observei Keiran. Ele estava prestes a pegá-lo desprevenido. Eu sabia que tecnicamente não estavam na mesma equipe, mas senti uma feroz necessidade de protegê-lo, mesmo um jogo bobo cancelava o meu bom senso. Eu levantei e marquei Buddy por trás, assim que Keiran virou e marcou Buddy pela frente. Keiran sabia que ele estava lá o tempo todo! Buddy virou e olhou para nós dois, em estado de choque, antes de correr, deixando Keiran e eu para nos enfrentarmos. Ele olhou para mim e eu olhei para trás, enquanto ele parecia estar louvando e desafiando-me com os olhos. Eu rapidamente disparei um tiro, mas errei e quando corri, podia ouvi-lo dizer: "Eu estou ferido baby, mas você ainda tem que realmente apontar a arma para mim." Bastardo arrogante. Quando manobrei por toda a arena, percebi que era construída como um labirinto com alguns pontos de bons esconderijos, mas eu estava agora também no jogo de esconder enquanto procurava meu próximo alvo.


Eu rapidamente virei a esquina e colidi com um peito duro que me derrubou na minha bunda. "Bem, bem, bem. Olhe o que tenho aqui. Diga algo, querida. Diga que você vai deixar o meu primo para mim e eu poderia considerar deixá-la viva." Eu estampava um olhar pensativo no meu rosto, enquanto ele olhava para mim. "Não é um acaso", eu disse e disparei dois tiros no peito dele. Eu rolei para longe como eles faziam nos filmes e me escondi atrás de um outro muro, escapando do seu fogo de retorno. Andei ao redor da arena olhando para a minha próxima vítima. Eita, Lake você está tendo demasiado divertimento com isto. "Psiu." Eu olhei em volta para a origem do som, mas não vi ninguém. "Aqui, menina." Eu olhei para cima e vi Sheldon sentada em uma das paredes. "Como você chegou aí em cima?" "Ser um líder de torcida tem suas vantagens." Ela pulou na minha frente com um sorriso astuto em seu rosto. "Quer formar uma aliança secreta e derrubar esses idiotas?" Eu nem sequer tenho que pensar sobre isso. "Claro." "Bom." "Espere, onde está Willow?" Ela deu de ombros e disse: "Não sei, não a vi." Dash provavelmente tem suas patas sobre ela. "Onde está seu irmão?" "Eu não sei dele também." Ela sorriu e eu sabia que ela estava pensando a mesma coisa que eu. "Temos de nos mover. Vou pela direita, você pega a esquerda." Ela tinha ido embora de novo antes que eu pudesse responder. "Tramando com o inimigo?" Eu me virei e encontrei Keiran descansando contra a parede. "Você está me seguindo?" "Sim", respondeu ele descaradamente. "Por quê?"


"É laser tag, querida." "De qualquer maneira pode parar." Ele não respondeu, mas continuou a me observar. "Você vai atirar em mim?" "Quer dizer, como você tentou atirar em mim?" "Bem, faça logo." Ele balançou a cabeça e levantou-se em minha direção. "Eu lhe disse que estava guardando o melhor para o final." "Eu poderia atirar em você." "Você poderia. Mas não vai ". Eu apontei a arma a laser para ele. "Eu não vou?" Oh merda, vou? Keiran estava me olhando intensamente, assim ele não viu o ponto em seu peito, até que fosse tarde demais. Ele havia sido marcado. "Pontuação para o Team Dream, yeah baby!" Sheldon apareceu na esquina e arrastou os pés ao redor. "Eu tenho um grande mau, Keiran!" Ela soprou a fumaça imaginária de sua arma. Keiran me olhava com um pequeno sorriso em seu rosto. "Você vai pagar por isso mais tarde", ele me prometeu, ainda que Sheldon tinha sido a única a marcar ele. Um arrepio de antecipação correu através de mim. "Não faça promessas que você provavelmente não possa cumprir." Seu sorriso espalhou mais pelo meu desafio. "Será que vocês dois poderiam parar de foder um ao outro? Temos uma guerra para terminar!" Sheldon me arrastou para fora e Keiran mais uma vez desapareceu de vista, mas eu sabia que ele ainda estava me perseguindo em torno da arena. Jogamos sem parar depois disso. Buddy, Keenan, e Sheldon foram marcados, terminando nossa aliança secreta. Isso deixou Keiran e eu. Oh, e Dash e Willow ─ se alguém pudesse encontrá-los. A arena ficou em silêncio, enquanto eu me movia através dele. Keiran e eu parecíamos estar fugindo um do outro muito bem... a não ser que ele já soubesse onde eu estava. Eu rapidamente olhei atrás de mim, mas não vi nenhum sinal dele. Eu estava caçando-o tanto


quanto ele estava me caçando, mas isso não me impedia de me sentir como a presa. Eu parei por um dos muros altos e olhei o mapa que um dos funcionários nos deu. Onde diabos ele estava? "Você nunca foi boa em se esconder de mim." Eu o ouvi atrás de mim, e virei-me para encontrá-lo se movendo para fora das sombras. Eu tentei correr, mas ele foi muito rápido quando me bateu duas vezes no peito. Eu estava etiquetada. "Eu ganhei." *** Nós deixamos a arena com a minha mão tragada pela dele. Eu perdi, mas não foi surpreendente. Buddy, Sheldon, e Keenan estava esperando nas proximidades, seus equipamentos já devolvidos. "Onde estão Dash e Willow?" Todos eles encolheram os ombros e eu imediatamente olhei para o Keiran. Quando ele rapidamente desviou o olhar, apertei os olhos. "Buddy poderia fazer o favor de ir ver onde sua irmã está?" A mão de Keiran espremeu a minha em advertência, mas eu o ignorei. "Por quê?", ele perguntou e ficou lá sentado. "Lembra daquela vez na quinta série ..." "Eu vou." Ele se levantou de seu assento e desapareceu dentro da arena. "O que aconteceu na quinta série?", perguntou Keenan. "Uma dama nunca conta." Sheldon respondeu por mim. Ele olhou para ela com as sobrancelhas levantadas. "Você é uma dama?" Ela deu um tapa no braço e ele roubou um beijo profundo dela. Em um momento ela estava em seu colo e eles estavam se curtindo. Keiran e eu estávamos entregando nossos equipamentos, quando Buddy veio para fora da arena com um olhar perturbado no rosto. "Buddy?", perguntei preocupada.


"Há apenas algumas coisas que um irmão nunca deveria ver." Ele balançou a cabeça e passou por nós e para o lobby principal. "Vamos. Eu quero alimentá-la", disse Keiran e pegou minha mão. "Mas nós temos que esperar por Dash e Willow." Ele me ignorou e continuou me puxando para a área de alimentação. Buddy já estava sentado em uma cabine grande, então deslizamos para ele. "Buddy, o que você viu?" Em vez de me responder, ele olhou para Keiran e depois de volta para mim e balançou a cabeça. "Eu prefiro não reviver isso, muito obrigado." "Ei, você já fez o pedido?" Dash perguntou quando se sentou e puxou Willow atrás dele. Olhei para Willow, querendo que ela olhasse para mim, mas ela evitou o meu olhar e olhou para suas mãos, então eu a chutei por baixo da mesa. "Ai!" Ela finalmente olhou para mim e eu dei-lhe um olhar penetrante, que ela ignorou. "Cara, que porra era aquela?" Buddy perguntou a Dash. Ele sorriu para ele. "Você vai me agradecer mais tarde, jovenzinho." "Mas essa é a minha irmã! Além disso... Eu danço esta dança desde que eu tinha treze anos." "Ewww, Buddy! " Ele cortou o olhar para ela. "Você realmente quer ir para lá depois do que acabei de ver?" Suas bochechas coraram e ela olhou para baixo. "Keiran deixe-me sair. Eu tenho que fazer xixi", eu bufei quando ele não se mexeu. Quando ele finalmente se mudou, corri para o banheiro. Eu não sabia que estava segurando, mas quando a emoção do jogo morreu, eu senti a necessidade de fazer xixi. Eu usei o banheiro e me olhei no espelho. Por alguma razão, encontrei-me libertando o meu cabelo do coque e o deixei cair em meus ombros e pelas minhas costas.


Pelo amor de Deus! Quando comecei a me preocupar com o que meu cabelo parecia? Saí do banheiro, irritada comigo mesmo. Em seguida eu estaria usando botas com saltos altos para ir a escola. Mais uma vez pensei sobre o desaparecimento de Anya e Trevor. Eu tenho que convencer Keiran a falar. "Você deveria ter mais cuidado com as companhias que você mantém." "Sr. Martin?" Ele estava parado perto da saída da parte de trás. O que ele estava fazendo aqui? "Sim querida." "Desculpa. Eu não achava que este seria o seu tipo de lugar. " "Há muita coisa que você não sabe sobre mim, mocinha. " Uau. Porque isso não soava assustador... "Bem, foi bom ver você", eu respondi me sentindo estranha e assustada. Ele rapidamente se aproximou de mim com sua mão estendida como se quisesse me pegar. "Antes de você ir ─ "Venha aqui, Lake." Dash apareceu atrás de mim e estava em pé perto banheiro dos homens. O olhar que ele deu ao Sr. Martin foi arrepiante. Fui até ele e ele agarrou a minha mão. Eu estava secretamente agradecida por sua súbita aparição. Eu não gostava das vibrações que estava recebendo dele. "Eu só estava conversando com ela, meu jovem." "Sim, você é muito bom falante." O olhar duro que apareceu no rosto do Sr. Martin, me assustou. Eu nunca tinha visto ele ser outra coisa senão encantador e educado. Mas assim que o olhar apareceu, tinha ido novamente. Ele nos deu um sorriso educado e desculpou-se, saindo pela porta de trás. "Quem era aquele cara?" Dash perguntou franzindo a testa enquanto Sr. Martin desapareceu pela porta completamente. "Sr. Martin. Ele vinha no meu trabalho ─ desculpe-me ─ meu antigo emprego, um monte de vezes. Por quê?" "Eu nunca o vi antes."


Dei de ombros, pela sua suspeita. "Six Forks não é tão pequena assim." "Ainda assim, você deve ficar longe dele." "Ele é inofensivo, Dash. Charlie acha que ele tem uma queda por mim. Ele é realmente muito educado e um cavalheiro", argumentei. "Você prefere ouvir isso de mim ou de Keiran?" Ele levantou uma sobrancelha e olhou para mim. "Bom ponto," eu resmunguei, então pensei melhor. "Apesar do que você ou qualquer outra pessoa pensa, Keiran não é meu pai. Eu tive um pai e ele se foi." "Keiran quer controlá-la, mas ele também quer mantê-la segura. Posso entender essa necessidade." "Você sabe... você pode ter uma chance novamente, se você parar de tentar manipulá-la." "Oh, sim? Como?" Ele levantou uma sobrancelha e olhou para mim com ceticismo. "Seja o cara por quem ela se apaixonou." *** Um par de horas mais tarde, Keiran estava estacionando o carro na minha garagem e eu finalmente admiti que tive uma noite divertida. Minha tia estaria chateada, se ela descobrisse que fiquei fora até tarde em uma noite segunda-feira. Inclinei-me para beijar-lhe dando boa noite e não podia negar o quão natural me sentia, mas quando ele se inclinou para longe de mim e desligou o motor, a sensação desapareceu rápido. "Quem é o Sr. Martin?" "Não há necessidade de ter ciúmes querido, ele é cinquentão." Eu sorri para ele, mas ele não retribuiu. Quando ele continuou a me olhar, suspirei e sentei no banco. "Eu não sei realmente. Ele é um cara que ia a academia. Eu o conheci há um ano. "


Ele balançou a cabeça e levou seu olhar de cima de mim para fora do para-brisa. "Você continua a testar a minha paciência", ele sussurrou e eu tenho a sensação de que ele não estava realmente falando comigo. "Como estou testando você?" "Fique longe dele." "Ele é inofensivo." "Lake!" "Não levante a voz para mim, Keiran. Eu posso ouvi-lo muito bem. " "Você é uma dor na minha bunda ", ele retrucou. "Idem." Ficamos em silêncio por um momento, cada um em nossos próprios pensamentos. "O que você fez com Anya e Trevor?" "O que faz você pensar que fiz alguma coisa para eles?" "Talvez porque vi Dash e Keenan saindo com eles e talvez porque ouvi você dizer-lhes que Mario os tem. Diga-me a verdade." Sentou-se lá por um tempo sem dizer nada, quase desisti. "Eu estou fazendo-os ser entregues às mesmas pessoas que me mantiveram por sete anos." "Mantiveram você?" Ele parecia relutante antes de responder. "Sim. Antes de eu vir para cá, trabalhei para algumas pessoas ruins quando era mais novo." "Mas, pensei que você estava com sua mãe?" O passado de Keiran era intrigante. Eu lutava para colocar os pedaços juntos com o pouco que tinha descoberto. Mas nada fazia sentido. "Ela é a razão pela qual eu tinha que trabalhar para essas pessoas." "Você não sabe quem são eles?" "Não." "Então, como você vai saber para quem entregar Trevor e Anya?"


"Mario vai lidar com isso. Eu não sei porque e não quero saber. Quanto menos coisas me ligar a eles, menor a chance que tenho de ser pego." "Então, o que ele vai fazer com eles?" "Eles vão desaparecer. Eles não serão mortos... contanto que eles façam o que lhes é dito." A explicação de Keiran foi esboçada no melhor contexto e tudo parecia horrível. Tanto quanto eu odiava Anya e Trevor pelo o que eles fizeram e tudo o que planejaram, não acho que poderia viver com isso na minha consciência. "Traga-os de volta." Eu disse, segurando minha voz firme. Sua cabeça virou, seu olhar ardente sobre mim. "O quê?" "Eu quero que você os traga de volta." "Não." Sua mandíbula endureceu e eu podia ver os músculos dentro de seu aperto na maçã do rosto. "Nós não podemos fazer isso para Anya e Trevor. Olhe o que eles fizeram com você. " Ele deu de ombros. "Eu sobrevivi." "Você sobreviveu?" "Não importa. Eles não voltarão. Nunca." "Então não quero ter nada a ver com você. Fique longe de mim." Eu abri a porta do passageiro e a fechei com força. Keiran estava fora e em volta do meu lado antes que eu pudesse mover dois passos. Ele agarrou-me por meus braços e me forçou contra a lateral do carro. "Se você tivesse alguma ideia do que eles estavam planejando para você, você não estaria jorrando essa merda fora de sua boca. Eu não dou a mínima se você não gosta de como faço as coisas, mas eu vou te proteger. É o meu fardo para carregar." "E meu!" Eu chorei. Ele soltou uma respiração irregular e parecia como se quisesse me estrangular. "Lake ..." "Estou falando sério. Recupere-os ou fique longe de mim. Eu não vou deixar você fazer a minha alma tão feia quanto a sua." Quando ele


se encolheu, minha mão voou para a minha boca, abafando o meu suspiro horrorizado. Eu percebi o que disse, ao mesmo tempo que meu coração caiu e quebrou aos meus pés. O olhar em seu rosto quebrou meu coração. Eu fiz aquilo. Eu sabia como machucá-lo pior do que ele já tinha me machucado. "Keiran, eu ─ " Eu fui cortada, quando ele se empurrou para longe de mim e olhou para mim com um ódio mais profundo do que já vi em seus olhos antes. Tudo foi tão de repente e tão abruptamente como começou, ele se foi. Eu só podia supor que ele iria sair da minha vida agora.


Capítulo Trinta Eu nunca quis chamar sua alma de feia. Isso foi além da média. Foi proporcionalmente cruel. Alguns poderiam dizer que foi justificado ou mesmo verdade, afinal sua crueldade e manipulações eram muito mais dolorosas do que qualquer coisa que ‘eu poderia dizer a ele. Então, por que ainda me sinto tão malditamente culpada? Eu sei que queria que Anya e Trevor pagassem pelo o que fizeram, mas a verdade é que eu só precisava que todo este pesadelo fosse embora. Eu precisava voltar a ter sete anos de novo e estar com meus pais. Depois de dez anos, eu ainda sentia uma conexão forte com eles, uma que doeu mais do que ajudou. Cheguei à porta da frente com o coração pesado. Eu não conseguia pensar em apenas uma maneira de fazer isso direito, a não ser implorar por perdão. Mas também foi por causa do que eu sabia que tinha que fazer, se Keiran não os trouxesse de volta. Eu não estava mais com medo. Estava cansada. Quando abri a porta e entrei, senti a necessidade familiar para pedir perdão. Não era tanto quanto o que vi ou ouvi. Era o que eu sentia. Olhei ao redor da casa vazia. Tudo estava calmo e nada parecia perturbado, mas eu não conseguia afastar a sensação de que algo não estava certo. "Eu estive esperando por você." O som assustador de uma voz que não deveria estar na minha casa me assustou. O grito que teria rasgado através de meus pulmões foi silenciado pela repentina pressão de um aço frio contra a minha bochecha. "Não grite. Eu não tenho que te machucar, mas vou fazer isso se precisar." "O que você está fazendo aqui?" O grito da minha voz não fez nada para mostrar o terror que eu sentia. "Eu tentei avisá-la. Tentei ajudá-la." "Tentou avisar sobre o quê?" "Eu pensei que você fosse inteligente. Você é igual a todas as outras vagabundas burras." Sua voz furiosa e quase psicopata foi a


última coisa que ouvi quando senti a coronha da arma bater em cima de meu crânio. *** Ela estava de volta. Ela estava sorrindo para mim, mas seu sorriso não alcançou seus olhos. Em seus olhos havia medo. Eu sabia, porque eram como os meus, de muitas formas. Ela parecia triste também, mas eu poderia dizer que ela estava feliz em me ver e pela primeira vez, desde que desapareceu, fiquei feliz em vê-la também. Eu não tinha medo, raiva, ou sentimento de ódio por ser abandonada. Eu me senti aliviada porque eles finalmente voltaram para mim. Eu estava indo para casa. Uma mão forte apareceu em seu ombro. Era ele, meu pai. Mas ele não sorria para mim. Ele nem sequer olhava para mim. Ele estava olhando para a minha mãe. Ele estava dizendo alguma coisa para ela. Ela balançou a cabeça e estendeu a mão para mim e senti minha mão estendendo para a dela. Uma gota de umidade caiu sobre meu ombro. Ele estava chorando, quando finalmente olhou para mim. Ele era tão bonito e alto. Lembrei-me de momentos do passado, em seus ombros quando ele brincava comigo. Eu me lembro agora. Ele me amava e eu o amava muito. Eu adorava os dois. Eu senti falta deles. "Por quê?" Eu tentei perguntar, mas nenhum som saiu. Eu tentei novamente, mas parou quando percebi que ele estava puxando-a para longe. "Não! Não vá. Não me deixe. Não novamente." Eu gritei e gritei, mas nada aconteceu. Ele olhou para mim mais uma vez, enquanto minha mãe chorou e chorou quando ele a levou embora. "Nós não podemos ajudá-la agora", disse ele. Minha mãe virou quase desesperadamente. Ela estava apontando. Apontando para algo atrás de mim.


Eu virei minha cabeça e de repente estava no playground agora. Eu vi um menino alguns pés longe de mim. Keiran. Ele era como eu o conheci pela primeira vez; oito anos novamente, com o sol brilhando, mas desta vez o mundo estava tranquilo. Silencioso como a morte. Foi então que percebi que ele estava segurando uma arma na mão e pendurado em seus dedos estava o medalhão de ouro. Seus olhos estavam tristes quando ele olhou para mim, mas eles também estavam cheios de raiva. Ele olhou para a mão e notei a descoloração no medalhão. Era... sangue. "Keiran?" "Eu os matei", disse ele. "Quem? Quem você matou?" Ele visivelmente tremeu quando tomou respirações profundas e irregulares. "Você tem que me dizer quem são!" Eu gritei desesperadamente. Sua mão se levantou devagar e apontou a arma para mim. Eu balancei minha cabeça, mas em vez de tentar fugir, me aproximei. "Eu mato", ele gritou e disparou a arma. *** Fui arrancada do meu pesadelo e estava encharcada de suor e ofegante. Eu teria pensado que o meu pesadelo tinha acabado, mas a minha dor de cabeça latejante disse o contrário. Eu abri meus olhos e estava olhando para fora de uma janela. Eu podia ver o gramado desalinhado, mas nada mais. "É bom vê-la acordada. Eu estava começando a pensar que podia ter lhe batido muito forte. Como está a sua cabeça agora?" "Está tudo bem", eu disse sarcasticamente. Ele sorriu amplamente e pela primeira vez não encontrei nada charmoso sobre ele.


"Me desculpe, eu tinha que fazer isso, não acho que você viria comigo de bom grado." Eu olhei de volta para os olhos frios do Sr. Martin, enquanto ele estava sentado no canto da sala. "Por que você está fazendo isso? Você estava por trás da invasão, não foi?" "Pelo o que você acha que alguém faz alguma coisa? Por dinheiro querida, e sim, fui eu quem deixei a foto. É triste o que aconteceu com aquela menina”. "Mas a minha tia não está aqui e ela não é rica." Ele riu como se eu tivesse acabado de contar uma piada ou dito algo espirituoso. Ou talvez o homem era apenas louco. A última explicação se encaixava melhor. "Eu não quero o dinheiro de sua tia ou você. Na verdade, isso tem pouco a ver com você em tudo." "O quê? Então por que ─" "Você é apenas a isca, Lake." "Isca para quem?" "Você é realmente cega ou é assim por livre escolha?" "Me desculpe Sr. Martin. Deve ter sido o golpe na minha cabeça. Eu recebi um recentemente. Você vai ter que me ajudar com isto." "Bom para começar o meu nome não é Martin. É Masters e eu estou aqui pelo meu filho. "


Capítulo Trinta e Um O tempo que levou para eu processar o que ele acabara de dizer foi de dois segundos e meio. Não merda ─ Eu contei. "Mas todo mundo pensa que você está morto." "Não, estou muito vivo." Ele cruzou uma perna sobre a outra, e pareceu de maneira muito casual para o meu gosto. "Se você estava vivo todo esse tempo, então por que agora que apareceu?" "Porque o meu filho teria colocado uma bala na minha cabeça no momento em que me visse", ele respondeu, cheio de desdém. Eu fiz uma careta, porque como todo mundo, eu estava sob a impressão de que Keiran nunca conheceu seu pai. "Se Keiran é o seu filho... por que ele quer matá-lo?" "Eu não tenho sido o melhor pai." Ele deu de ombros, sem se comprometer. "Eu já contei um monte de mentiras, Srta. Monroe, e fiz muitas coisas feias. Coisas que eram necessárias para conseguir o que é meu por direito." "Você está mesmo arrependido por isso? Por que eu deveria acreditar em você agora?" Não havia uma pitada de compaixão na maneira como ele falou sobre seu filho distante e sua mãe morta. "Eu realmente não me importo se você acredita ou não. Você serve a um propósito, que é trazer Keiran para mim. Eu assisti a ambos por algum tempo. Muito antes de conhecer você. Devo dizer que foi intrigante ver a forma como o meu filho trata a garota que ele ama." "O que te faz tão certo de que ele está apaixonado por mim?" "Pelo seu bem, espero que ele esteja." "Tenho certeza de que um homem como o senhor não estaria disposto a arriscar tanto se não houvesse esperança... se é que você realmente acredita nisso." Sua sobrancelha levantou e ele apertou os lábios. "Meu filho permite você se safar com uma boca assim?" Seus olhos escureceram


bem como a maneira de Keiran muitas vezes fazia, e eu era inteligente o suficiente para saber quando estava fora do meu alcance. "Que quantidade de dinheiro vale a pena tudo isso?" "Milhões". Seus olhos brilhavam com a ganância. "Milhões que deveriam ter sido meus anos atrás." "Como você espera que com 18 anos seu filho possa pagar-lhe todo esse dinheiro?" "Você e eu sabemos que Keiran está longe de ser impotente e mais do que capaz de fazer muitos atos ilegais. Oh sim, sei tudo sobre Anya Risdell e Trevor Reynolds. Eu tenho muitas conexões", disse ele em um tom conspiratório. "Keiran faz parte da herança de uma grande fortuna que ele vai herdar quando fizer vinte e um." "Onde ouvi isso antes?" "Eu percebo que a situação é extremamente clichê e ainda extremamente real." "Você disse que parte ..." "Sim, o outro garoto. ─ Keenan" Eu não perdi o desprezo em sua voz enquanto falava seu nome. "E meu irmão, bem... se ele se casar." "Então, você não vai ter parte da fortuna também?" "Infelizmente, já recebi a primeira porção da minha herança. A mesma porção definida para Keiran herdar em três anos. " "Eu não entendo." "Nossa família sempre foi determinada a continuar a linhagem Masters, por muitas gerações vindouras. Durante os últimos cinquenta ou sessenta anos, a taxa à qual somos conhecidos a casar com respeito e reproduzir, diminuiu tanto que agora existem disposições em vigor para garantir que o nosso nome não morra. Para que qualquer um de nós receba a nossa herança completa, devemos casar e ter filhos. Nós recebemos a nossa parcela inicial, muito menor, quando nos tornamos maior de idade e o resto, uma vez que tenhamos concluído os nossos deveres." Conversa sobre chantagem. As pessoas ricas classe A, eram loucos. "Então você tem dinheiro ─"


"Eu tinha dinheiro, Srta. Monroe. Eu tenho gostos caros e tenho uma grande quantidade de dívida, que poderia me custar minha vida se não pagar. Eu tenho estado, nos últimos dez anos, em uma maré de azar, uma vez que a sorte correu fora". "Já ouviu falar de barganha nas compras?" Ele me olhou com os olhos apertados que espelhavam seu filho. Como se eu não tivesse visto isso antes? "Por favor, não tente testar a minha paciência. Asseguro-lhe que não hesitarei em te machucar; embora não possa matá-la... ainda não de qualquer maneira." Eu balancei a cabeça uma vez e segurei minha língua. "Certo." "Bom." Ele descruzou as pernas e se levantou, indo até a cômoda onde estava uma garrafa de líquido marrom, que eu sabia ser álcool. Ele derramou um copo e rapidamente o bebeu, antes de derramar outro. "Onde eu estava?" "Você quebrou." Ele me mandou um olhar afiado e encolhi de volta contra a cabeceira. "Desculpe... velhos hábitos. Então, se você odeia Keiran e ele não herdará nada por mais três anos, por que está fazendo isso agora?" "Essas dívidas, que mencionei dispostas a esperar por três anos."

anteriormente,

não

estão

"Mas eu seriamente duvido que ele irá ajudá-lo." "Não... ele não vai." "Então como..." O entendimento ocorreu-me ao olhar em seus olhos. "Não!" Eu gritei, pulando da cama. Meus pés estavam plantados firmes quando enfrentei ele. "Eu não vou deixar você machucá-lo", rosnei. Se Keiran morrer, o dinheiro dele, sem dúvida, irá para o seu pai, como seu parente mais próximo. Ele riu, o que me irritou ainda mais. "Você sabe o que me surpreende, é que você está tão pronta para protegê-lo, mesmo que isso signifique o mal para si mesma ─" "Se isso for o que é preciso," o interrompi com aço na minha voz.


"Isso é verdadeiramente notável Srta. Monroe. Meu filho não fez nada além de machucá-la por anos." Ele deve ter notado o olhar surpreso em meu rosto quando disse: "Sim, sei tudo sobre isso. O menino Reynolds me informava. Ele estava muito disposto a trazer ao meu filho a morte iminente. É uma pena que Keiran acabou com ele primeiro, porque eu teria, eventualmente, o matado eu mesmo. Eu poderia ter tido o dinheiro que precisava um ano atrás, se não fosse por ele." Eu não podia acreditar, mas ele estava certo. Se Trevor não tivesse enquadrado Keiran... ele estaria morto. "Você era a pessoa que Trevor disse que queria me conhecer na noite da feira." "Sim, era eu, Srta. Monroe." "Você é louco." "Chame do que você quiser. Eu soube então que você era apenas o peão que eu precisava para puxar Keiran. Preciso de uma vantagem quando o enfrentar." "O que te faz tão certo que Keiran iria matá-lo? Isso é um pouco exagerado para um pai ausente." "Não, fui muito pior do que isso." "Eu não estou entendendo." "Keiran já matou antes. Muitas vezes. Você acredita nisso?" "Não", menti, mas minha voz vacilou enquanto eu pensava sobre a menina na foto. "Você é uma péssima mentirosa, Srta. Monroe. Uma coisa que meu filho e eu temos em comum é a falta de misericórdia ou remorso. Ele prejudicaria a sua própria mãe se lhe convier. Ele já provou isso." "O que você quer dizer? O que aconteceu com sua mãe? " "Ela morreu", ele respondeu. Seu rosto e voz era destituído de qualquer emoção. "Será que foi de overdose? Keiran disse que ela era uma prostituta e uma viciada em drogas."


Ele me olhou com um olhar impaciente e um toque de seus lábios. "Não admira que o meu filho tem tanta facilidade de manipular você. Sua propensão para ser crédula é surpreendente ou é o pau do meu filho que faz você tão confiante?" "O que aconteceu com ela?" Eu soprei fora. Eu estava tratando toda esta situação como um quebra-cabeças que queria juntar com meias-verdades. "Ela foi assassinada." Toda desapareceu instantaneamente.

a

umidade

na

minha

boca

"Quem a matou?" Eu consegui perguntar ao redor do meu nervosismo. Ele me olhou com um olhar divertido. "Eu posso dizer pelo olhar em seus olhos que você já sabe quem." "Você está mentindo!" Eu gritei. Minhas emoções estavam transbordando e me oprimindo. Eu não estava disposta a acreditar que Keiran mataria sua própria mãe a sangue frio. "Sim, ele certamente fez.", disse ele, respondendo a minha pergunta silenciosa. "Como você sabe disso?" "Porque eu estava lá quando ele colocou a bala em sua cabeça. Meu filho é um pedaço de trabalho frio. Eu vejo como ele trabalhou em você ao longo dos anos, muito bem. Por isso que você se apaixonou por ele, não é? " "Eu não sei o que você está falando. Por que ele iria matar sua própria mãe? " "Porque ele é um assassino de sangue frio. Ele foi treinado dessa forma. Enquanto a maioria das crianças estavam sendo deitadas à noite e ouviam histórias na hora de dormir, meu filho estava correndo com o mais mortífero dos criminosos e cometendo atos indescritíveis." "Mas por que ela iria deixá-lo fazer isso? Ela deveria protegê-lo." "Ela quase não tinha uma palavra a dizer em tudo o que ele fez. Eu era o responsável por isso. Sua mãe era fraca. Tivemos alguns desentendimentos... e então ela me deixou depois que ele nasceu, sem


uma palavra ou rastro." Sua voz baixou e seus olhos escureceram enquanto ele falava. "Naturalmente, eu procurei por eles, mas não por muito tempo. Seu pai tinha sido sua única família, mas morreu quando ela estava com seis meses de gravidez, foi difícil encontrá-la. Eu tinha quase desistido, até um mês antes de seu primeiro aniversário. Até então eu estava cheio de desprezo pela cadela e a necessidade de vingança, por isso levei meu filho." "Por que não houve registro de seu nascimento ou um termo de custódia?" Ele olhou para mim surpreso, um sorriso se espalhou pelo seu rosto. "Eu vejo que você tem feito alguma escavação. Ela teve um parto em casa e não havia um caso de custódia, porque eu não ia deixar que um juiz decidisse se o meu filho me pertencia ou não." "Oh Deus... você o sequestrou." "Sim, eu fiz." Ele me olhou de perto para uma reação, quando tomou um gole de sua bebida. "Então, não teria havido o relatório de uma pessoa desaparecida ..." "Não se sua mãe não apresentasse um". "Por que ela não apresentou uma queixa do desaparecimento do seu filho?" "Por que, de fato. Eu acho que poderia ter tido algo a ver com o fato de que ela estava fugindo de mim. Ela nunca tinha sequer o registrado, depois que ela me deixou, por isso não havia registro de que ele era nem nascido, assim quem acreditaria nela? " "Por que ela iria se esconder de você?" "Porque ela era uma vadia egoísta. Ofereci-lhe a oportunidade de ter dinheiro e status, mas não foi o suficiente", ele grunhiu com raiva. "Então o que você fez com Keiran por sete anos e como você manteve em silêncio por tanto tempo que você tinha um filho?" Eu só tinha que mantê-lo falando e então talvez eu poderia descobrir minha maneira de sair dessa e ainda obter algumas respostas.


"Eu estava em dívida com um homem que dirigia uma organização criminosa, muito lucrativa, que era um pouco não ortodoxa." "De que forma?" "Vamos apenas dizer que eles colocam um novo significado ao termo ‘escravidão infantil’, porque essas crianças não foram jogadas em uma loja de roupas e trabalho por menos de um salário mínimo. Estas crianças estavam trabalhando para salvar suas vidas." "Então você o deu a eles?" Meu coração parecia que parou, quando imaginei Keiran sofrendo, junto com Deus sabe quantas outras crianças sem rosto. "Não, eu o vendi para eles." O suspiro que deixou meu peito estava pesado e cheio de dor e tristeza. Ele costumava ser um parceiro com as pessoas que eram meus donos. Lembrei-me das palavras de Keiran de hoje mais cedo. Meu coração se partiu por ele, tudo de novo. "Você vendeu seu próprio filho?" Eu queria dar um soco em algo, de preferência Mitch fodido Masters. "Meu filho," ele zombou, "foi criado para retornar-me o dinheiro e, nada mais. Se ele não pudesse obtê-lo para mim do jeito que planejei, então tive que fazer alguns ajustes." "Ele é seu filho! " "Ele era um meio para um fim!" Mitch rugiu. Seu rosto estava agora contorcido de raiva mal controlada. Fiquei em silêncio enquanto mentalizava o que ele estava dizendo. Um momento depois ele estava normal, como o homem despretensioso que eu estava enganada a pensar que ele era. "Deixei-o com uma família que trabalhava sob essa organização, até que ele tivesse idade suficiente para trabalhar. Eu mantive o controle sobre ele, porque ele ainda era valioso para mim. " "O qual é o nome desta organização?" "Ah, vamos lá", ele repreendeu. "Você está querendo que eu te mate." Eu desejo. "Nem mesmo Keiran sabe quem eles realmente são." Isso pode ser verdade! Era crível considerando sua idade na época.


"Então, como é que ele acabou com seu tio? Será que de repente você teve uma consciência?", perguntei, incrédula. "Só depois que ele fez oito anos, o meu dinheiro secou novamente, então percebi que precisava retomar o meu velho plano de se casar. Eu coagi a mãe cadela com uma chance de salvar seu filho se ela se casasse comigo." "Mas como você explicaria o seu filho de oito anos?" "Eu teria explicado à minha família que ela foi um amor, há muito tempo perdido, e tinha ficado grávida antes de perdemos o contato. Minha família nunca a tinha encontrado antes, nem qualquer um dos meus amigos." "Mas Keiran arruinou seu plano quando ele a matou." "Não é bem assim." Só então o telefone tocou e ele me enviou um sorriso de desculpas. "Com licença. Eu realmente devo atender esta chamada." Uma vez que ele saiu do quarto, corri para a porta, mas ouvi o som de uma chave girando. Eu tentei a maçaneta da porta de qualquer maneira e a achei trancada. Bati furiosamente contra a porta, mas ele não retornou, por algum tempo. Sentei-me naquele quarto correndo através de tudo o que ele havia revelado. Parecia que horas mais tarde ouvi qualquer aparência de som fora da porta. Eu podia ouvir batidas pesadas e grunhidos que soaram estranhamente, como se alguém estivesse lutando. Eu esperava por algum milagre que Keiran ou alguém tivesse me encontrado e comecei a gritar por socorro. Não muito tempo depois, Mitch reapareceu no quarto que eu estava sendo mantida. A raspagem da chave na fechadura me alertou de seu retorno. "Eu quero que você se comporte agora. Temos companhia." "Quem?" "Tudo no seu devido tempo. Acabei de saber que meu filho deixou Six Forks inesperadamente. Isso certamente vai colocar um atraso em meus planos, que não pode esperar. Eu preciso de um favor."


"Você está brincando certo?" "Temo que não." "Bem, isso é muito ruim, porque a única coisa que estou disposta a fazer para você é lhe mostrar para onde você deve se foder." A sensação dura da palma da mão no meu rosto me arremessou para o chão, seguido da dor queimando. "Agora esse foi o seu primeiro e único aviso." Ele pegou seu telefone celular e entregou para mim. Eu cautelosamente olhei para ele do chão. "Ligue para o meu filho." Apesar de sua advertência eu não estava disposta a colocar Keiran em perigo. Sim, eu entendo o que quer. "Não." "O que?" "Eu disse não. Você só vai ter que me matar." A temperatura na sala parecia cair algumas centenas de graus que poderiam congelar o inferno. Ele me olhou por um momento com raiva inconfundível, fervendo dentro de seus olhos, antes que ele rapidamente se virasse e voltasse para a porta. Ele estava de volta antes que eu pudesse fazer uma corrida para a porta e para a liberdade. Parecia que ele estava arrastando algo ou melhor alguém, como descobri logo depois. Notei primeiro uma cabeça familiarizada, cheia de cabelo espetado escuro. "Pode não ser por você que eu comece...", alertou. "Keenan!" Eu fiquei horrorizada com a visão de seu corpo ainda sangrando em vários lugares. Arrastei-me imediatamente até ele para ver se ele estava respirando. Quando senti o aumento raso e queda de sua respiração, enviei uma oração silenciosa. Como ele pegou Keenan e por quê? "O que você fez com ele?" Eu gritei. "Meu sobrinho não foi exatamente cooperativo com os homens que contratei. Levou três deles para derrubá-lo. Eles bateram nele muito bem." Ele deu de ombros como se não se importasse de qualquer maneira por ele.


"Por que Keenan?" "Eu decidi ir atrás de tudo isso. Somos essencialmente o último de uma raça em extinção e eu dou a mínima para continuar a linhagem. Se eu matar todos, toda a herança será minha." "Não." Eu protegi Keenan com o meu corpo. Eu tinha que fazer o que fosse preciso para mantê-lo seguro. "Oh, não se preocupe. Eu não vou matá-lo ainda. Ele é um incentivo extra para conseguir Keiran aqui." "E quanto a seu pai, o seu irmão? " "Estou guardando-o para o último. Eu quero a sua morte lenta e dolorosa." Enquanto falava sobre seu irmão pude notar o ódio profundo lançado em seu tom. "Você iria tirar a vida de seu irmão também?" "Meu irmão tomou muito mais de mim." Ele olhou em direção a Keenan brevemente antes de disparar os olhos de volta para mim. "Agora, faça a chamada." Ele deixou cair o telefone no meu colo, mas eu o deixei ali intocado, até que de repente ele sacou uma arma e apontou-a para Keenan. "Ok!" Estendi as minhas mãos em sinal de rendição antes de pegar o telefone. "Boa garota. Keiran a treinou bem." Eu disquei o número de Keiran e rezei para que ele não respondesse. Mas quando ele finalmente atendeu, percebi o quanto eu o amava e senti o som da sua voz, mesmo que agora soava rouca e cheia de impaciência. "Quem diabos é?", ele latiu. "Keiran..." "Lake? Onde diabos você está?", perguntou. Eu podia ouvir a raiva, mas também podia ouvir o desespero em sua voz. "Eu não sei." Eu quebrei imediatamente a chorar. Mitch pegou o telefone fora das minhas mãos.


"Olá, filho. Você não esqueceu sobre seu pai durante todos esses anos, esqueceu?" Eu não ouvi o resto da conversa. Mitch tinha saído, me trancando no quarto com um Keenan inconsciente. Eu estava com medo por ele, e por não saber a extensão de seus ferimentos. Para não mencionar ser incapaz de formar uma ideia de como nos tirar de tudo isso com segurança. Eu não era estúpida o suficiente para acreditar que Mitch iria me deixar ir embora a partir disto. Não depois de tudo o que ele tinha revelado. "Keenan," sussurrei. "Se você pode me ouvir, você precisa acordar... por favor, acorde." Eu o cutuquei e surpreendentemente ele começou a agitar e gemer de dor. Quando seus olhos finalmente se abriram, os fechou instantaneamente apertando-os fechados novamente. "Merda", ele resmungou. "É pior do que merda", eu meio que brinquei. "Lake?", Ele gemeu. "Sim, sou eu. Você pode sentar-se?" Ele exalou e se moveu lentamente até que estava sentado no chão perto de mim. "Quão ruim é que eles te machucaram?" "Eles?", ele perguntou com um olhar confuso. "Você não se lembra?" Ele estava tranquilo, mas no momento em que se lembrou do que aconteceu, a expressão dele mudou para raiva. "Você se importaria de me dizer quem diabos é esse cara?", ele rosnou. Eu empalideci e olhei para ele. Desta vez, eu era a única confusa. "Você quer dizer que não sabe?" Ele me lançou um olhar impaciente e minha careta se aprofundou. "Não, não sei." "Ele é ─ ele é seu tio." O silêncio se estendeu entre nós, mas um olhar de incredulidade passou por todo seu rosto. "Meu tio? Eu não tenho um tio. O único tio que tenho é o pai de Keiran e ele está morto."


"Bom, então os mortos subiram da sepultura, porque esse é ele. "Você está brincando comigo?" "Receio que não." Ele soltou um suspiro e balançou a cabeça. "Não parece, mas o cara é louco." "Sim, obrigado, eu não tinha notado," ele disse sarcasticamente. "Ele disse alguma coisa para você, afinal?" Ele franziu a testa. "Só que era o momento que eu pagaria o que lhe era devido. Quem diz merda como essa?" "Quanto você sabe sobre a sua herança?" "Herança? Eu tenho um fundo de faculdade, que meu pai disse que foi criado para mim, mas é só isso." "Bem, aparentemente você tem uma no valor de milhões e ele a quer." "De jeito nenhum. "É verdade." "Filho da puta", ele gemeu. "Temos de encontrar uma maneira de chamar Keiran." "Já fiz." "Como?", ele perguntou com as sobrancelhas levantadas. "Ele me obrigou. Ele quer matar vocês dois." "Bem, foda ... " *** Keenan e eu estávamos pensando em um plano de fuga, quando Mitch entrou no quarto junto com outros dois homens. Ele olhou entre Keenan e eu, antes de apontar os homens em relação a nós. No entanto, seus capangas agarraram Keenan e o levantaram. Keenan conseguiu dar com o cotovelo no rosto do careca e foi derrubado com um pontapé duro na parte posterior de seu joelho, para piorar seus machucados.


Uma vez que eles conseguiram levá-lo para fora do quarto, fiquei com Mitch. Ele olhou para mim com um olhar presunçoso. "Você vai vir mais pacificamente ou preciso providenciar para você ser trazida?" "Eu acho que consigo ir." "Muito bom ouvir isso. Ao meu sobrinho poderia ter sido ensinado algumas boas maneiras. É hora do show, minha querida. " "Posso fazer um último pedido? " "O que te faz tão certa que vou te matar?" "Você me contou muito... e seus olhos dizem tudo. Você é mal e vazio. Incapaz de ter boa vontade ou remorso." "Você tem uma mente maravilhosa. É uma vergonha que deva ser erradicada. Podemos ir?" Ele fez um gesto para a porta e fui orientada por ela, mas parou quando eu estava no corredor. A casa, pelo que eu podia ver, parecia normal, mas grande. Ele nos levou para fora, onde dois carros com janelas fortemente escuras estavam à espera. Eu deslizei no carro que ele me dirigiu e esperei que ele terminasse de falar com seus homens. Uma vez que ele subiu dentro do carro, tirou um pedaço de pano negro. "Isto é para seus olhos. Não posso deixar de ser muito cuidadoso." Ele enrolou e amarrou a venda ao redor do meu rosto e uma vez concluído, o carro partiu. "Onde está Keenan?" "Não se preocupe com isso. Sua parte é tudo o que deveria importar para você. As peças vão cair onde eu mandar-lhes." *** Eu sabia no momento que não estávamos mais na estrada principal. Devia ser um caminho de terra ou uma estrada de cascalho que pegamos, quando a estrada virou acidentada. Nós finalmente


paramos com um guincho de pneus quando o motorista pisou no freio e amaldiçoou. "Deixe isso para meu filho pegar, essa é minha surpresa para ele." Eu ouvi sua risada divertida vindo da minha direita. "Chefe, o que vamos fazer?" "Nós saímos." Mitch tinha amarrado minhas mãos minutos atrás, quando ouvi o som das portas do carro sendo abertas. Eu fui então arrastada para fora do carro e jogada ao chão. "Cuidado com ela", disse Mitch, sua voz parecendo irritado. "Ela é uma preciosa carga e pelo olhar no rosto do meu filho, ele parece pronto para nos matar bem agora." "Soa como se você tivesse medo de seu próprio filho," eu zombei. "Lake", ouvi o apelo familiar do meu nome a partir de uma distância curta na minha frente. Keiran. Ele deve estar mais perto do que eu pensava. Eu inconscientemente dei um passo na direção do som de sua voz, mas fui puxada de volta por uma mão áspera em meu cabelo. Meu grito de dor perfurou o ar frio da noite e eu estava de volta contra o peito de um homem. "Você vai perder quando eu matar você," ouvi Keiran dizer. O cheiro da respiração do homem espalhou pelo meu rosto quando ele riu e puxou meu cabelo mais forte. "Filho ─ " Mitch começou. "Eu não sou seu filho." Eu podia ouvir a raiva na voz de Keiran e desejava que pudesse ver seu rosto. "Keiran, eles estão com Keenan!" "Ah sim. Traga o bastardo para fora ", declarou Mitch friamente. Ouvi passos e depois o som de portas se abrindo e depois batendo. Keenan começou a gritar obscenidades, logo que ele estava fora do carro. Minha venda foi subitamente arrancada e quando meus olhos se adaptaram à escuridão, eu podia ver Keiran de pé, cerca de alguns metros de distância. Ele estava vestido todo de preto com uma mochila sobre o capô de seu carro.


"Por que diabos você está aqui?", perguntou Keiran. Ele não parecia surpreso ao descobrir que seu pai estava muito vivo ou então ele escondeu isso muito bem. "Eu achei que você ficaria feliz em me ver, uma vez que você tem procurado por mim." "Eu não fazia segredo disso." "Não... você não fez, não é? Bem, aqui estou eu. " "E tudo isso, o que é? " "A única razão para você não me matar assim que cheguei." Keiran olhou para ele e, em seguida, pegou a mochila, jogando-a aos pés de Mitch. O olhar de Mitch desceu para a mochila preta e, em seguida, de volta para Keiran. "O que é isso?" "Vinte mil dólares em dinheiro. Solte-a." Mitch sorriu para Keiran. "Ela deve ser uma garota especial", ele comentou. "Isso é romântico meu filho, mas temo que não seja suficiente. Você vê... você e Keenan," ele zombou de seu nome, "valem muito mais do que isso. " "Pegue o dinheiro, imbecil." Keenan cuspiu para o chão perto de Mitch. Seu olhar era frio quando ele se virou para Keenan. "Está muito parecido com seu pai." "Você quer dizer seu irmão, seu bicha?" "Keenan!" Keiran gritou, chamando a atenção de Keenan. Os primos pareciam estar tendo uma batalha silenciosa e, em seguida, Keenan cerrou os dentes e olhou para Mitch. "Por que esperou dez anos?" Quando os olhos de todos viraram para mim, percebi que tinha feito a pergunta em voz alta. "Acredite ou não, Srta. Monroe, eu não vim com a decisão de matar meu único filho tão facilmente, e ainda havia esperança de se casar com alguém tão ingênuo, quanto sua mãe tinha sido. Afinal, eu fui muito bonito, quando era jovem. E havia esse outro pequeno imprevisto, que dizia que eu deveria estar morto."


"Então, como você planeja conseguir escapar disso?" "Não é um crime retornar dos mortos. Um teste de DNA rápido irá provar que Keiran era realmente meu filho e eu receberei a sua herança. Depois que cuidar do meu irmão, não haverá ninguém para refutar nada disso ." "Você não vai tocar no meu pai", Keenan rosnou. "Filho, você não estará por perto para me parar." "Mitch, pegue o dinheiro e vá embora. Vou até lhe dar uma vantagem. Essa é a minha única oferta", Keiran ordenou. "Você acha que pode simplesmente ficar aí e inchar o peito para cima de mim? Eu sou seu pai, seu merda. Você não me dá ordem. Eu fiz você", ele gritou. "E foi uma porra de um bom trabalho que você fez. Você me fez e então me vendeu." "Você sempre foi um meio para um fim e esse fim era o dinheiro. Era para eu casar e produzir um herdeiro. Sua mãe estragou tudo quando fugiu para ser uma puta para o meu irmão!" "O que diabos você está falando?", perguntou Keenan. Ele estava olhando entre Keiran e Mitch, enquanto eu estava junto em choque. "Não é essa a razão que você odeia tanto John, filho? Porque o meu irmão", ele zombou, "proibiu Sophia de relatar o seu desaparecimento para a polícia para que pudessem proteger a outra criança." Ele olhou para Keenan, "o filho bastardo que ela teve com ele." O olhar de Keiran escurecia enquanto Keenan congelou com o restante da bomba catastrófica, Mitch bateu todos nós em nossas bundas. Eles são irmãos. Oh merda. Ele tinha que estar mentindo. Ele disse muitas mentiras antes, a fim de conseguir o que queria. "Cale a boca, Mitch", Keiran advertiu. "Quando Sophia me deixou, eu tinha todos os hospitais vigiados por qualquer sinal dela, então quando Keenan nasceu, isso levou-me certo para ela. Imagine minha surpresa ao encontrá-la com o meu


irmão dentre todas as pessoas. Eu nem estava ciente de que eles se conheciam, mas aparentemente ele vinha a farejando e decidiu jogar de herói." "Você a estava mantendo como sua refém", eu imaginei em voz alta, pensando sobre a governanta que foi demitida. Tudo fazia sentido. "Ela não queria mais ficar com você, não é? Deixar você queria dizer arruinar seus planos." "Você é mais esperta do que os créditos que te dei," Mitch respondeu, maliciosamente. Ele virou os olhos que não tinham qualquer calor paternal, para Keiran novamente. "Diga a ele, Keiran. Diga-lhe como Sophia morreu porque queria protegê-lo e a este pequeno filho da puta. Diga-lhe como você matou sua mãe. A mãe que ambos partilham." Keenan deu um passo ameaçador em direção a Mitch, mas os dois homens agarraram seu braço. "Minha mãe fugiu quando eu tinha sete anos", disse ele com os dentes cerrados. "Sobrinho, é incrível como o dinheiro pode girar um conto de muitas maneiras e ninguém bate um cílio para procurar a verdade. Assim como fui capaz de permanecer como morto nos últimos dez anos." "Você está mentindo", ele grunhiu e se virou para Keiran. "Keiran, que porra é essa, cara? Diga-me que ele está mentindo!" Quebrou meu coração ao ver uma lágrima correr pelo rosto de Keenan, antes que ele a enxugasse com a mão e com raiva. Keiran ficou lá, em silêncio e imóvel. "Você a matou? Você matou a minha mãe?" Keiran permaneceu em silêncio, mas seu olhar inflexível foi fixado em Keenan. "Responda-me!", ele gritou. Esta foi a primeira e única vez que já vi Keenan, que era geralmente o palhaço, com tanta raiva. A risada sombria de Mitch quebrou o breve silêncio. "Ele não pode. Ele atirou-lhe diretamente na cabeça e nem sequer piscou uma vez", ele riu de novo. Uma fração de segundo mais tarde, antes que qualquer um de nós pudesse reagir, Mitch estava no chão e Keenan estava batendo com o punho no rosto de Mitch, criando uma tela sangrenta. Eu fui jogada no chão como pó e balas voavam.


O som de sentidos entraram fazer nada, nem acertadas, quando

tiros era ensurdecedor, quando todos os meus em alerta, pouco antes de desligar. Eu não poderia ninguém. As luzes dos veículos devem ter sido a escuridão tomou conta com poeira misturada.

Onde esta Keiran? Eu não sabia que estava gritando até que alguém apareceu do nada e fechou a mão sobre a minha boca. Uma vez que acalmei, a mão foi removida e ouvi passos correndo. À medida que a poeira assentou, eu podia ver dois grandes corpos ainda deitados no chão e sob os dois havia uma poça de sangue.


Capítulo Trinta e Dois Keiran tinha ido embora. Eu não o tenho visto ou falado com ele por quatro dias. Eu visitei o hospital com frequência, na esperança de que ele pudesse estar lá e visitar Keenan. Depois do tiroteio fatal, Keenan tinha sido levado para cirurgia, mas entrou em coma devido ao trauma de seus ferimentos. Pois recebeu seis tiros em seu corpo, um perto de seu coração e outro em um de seus pulmões fazendo com que ele entrasse em colapso, eu não fiquei surpresa. Mitch tinha conseguido escapar, enquanto os dois homens descarregavam em Keenan. Keiran conseguiu atirar em ambos ─ matando um e ferindo outro. Infelizmente com Keenan sendo deixado em coma e um corpo morto no meio do nada, nenhum de nós conseguia parar a cidade de falar. A notícia se espalhou rapidamente sobre o que aconteceu na noite de ontem e até sexta-feira, eu estava mais do que feliz em me trancar longe de tudo, pelos próximos dois dias. Na segunda-feira, o único pedaço que eles foram capazes de manter quieto foi a minha parte no sequestro. Keiran tinha chamado Quentin, que estava esperando por perto para me levar para casa antes que a polícia chegasse. A primeira noite, tentei o máximo que pude ficar em casa sozinha, mas sabia que Mitch ainda estava lá fora me assombrado. Meu nervosismo transformou-se em medo e meu medo se transformou em paranoia. Cada som que ouvia, era de Mitch vindo para mim. Ele estava em cada esquina. Eu estava com medo da minha própria sombra. Willow sabia tudo sobre o que aconteceu naquela noite e depois de sua tentativa de me fazer chamar a polícia ter falhado, ela me convenceu a ficar com ela. Enquanto eu caminhava dentro de casa para pegar mais roupas para a escola, meu telefone tocou. Eu considerei ignorá-lo sabendo que não seria Keiran, mas desde que tia Carissa não estava em casa, decidi responder apenas no caso. "Hey, Lake," Sheldon falou na linha.


"Você parece infeliz." Desde que descobriu o que aconteceu com Keenan, Sheldon estava vivendo em uma casca de si mesma. Ela também se recusou a vê-lo no hospital. "Obrigada." "Vá vê-lo, Sheldon. Isso vai fazer você se sentir melhor." "Eu não posso", disse ela. Sua voz falhou e ela parecia à beira das lágrimas. "Por que não? Ele é seu namorado, Sheldon. Eu não entendo ─ " "Não, esqueça isso, ok? " "Tudo bem", eu relutantemente concordei. "Então, como é que ele está?" "Caramba, você acabou de me pedir para deixar isso!" "Eu sei o que disse, eu ─" O segundo seguinte eu podia ouvir Sheldon soluçando na outra extremidade da linha "Sheldon o que está acontecendo com você?" "Ele transou com ela." Eu não reagi imediatamente porque todos nós sabíamos Keenan frequentemente traia, mas Sheldon sempre o perdoou. "Quem?" "Srta. Felders." "A nova professora de química?" Eu gritei. Ela fungou e disse: "uh huh." "Como... quando?" "Oh, você sabe, a maneira tradicional", disse ela com sarcasmo. "Eu não sei quando começou, mas tenho uma ideia. Eu sabia que algo estava acontecendo entre os dois, quando ela começou a prestar atenção extra nele. Eu peguei ela um dia com a mão em seu peito, quando fui perguntar a ela sobre minha nota faltando em um projeto." "O que eles disseram?" "Ela riu e disse que estava alisando um amassado em sua camisa. Você sabe como cheguei perto de dar uma cabeçada fodida


nela? Agradeci-lhe e disse-lhe que a partir dali em diante eu seria a única que alisaria os amassados na camisa dele." "Quando foi que você descobriu? Quero dizer... como você sabe que ele realmente fez sexo com ela? Isso é um pouco forçado, até mesmo para Keenan." "Aparentemente não. Vi as mensagens de texto entre os dois que abrange cerca de duas semanas e confrontei-o sobre isso depois que saímos do laser tag. Nós discutimos e eu o chutei para fora da minha casa. Ele deve ter sido levado logo depois", sua voz finalmente quebrou nas últimas palavras e eu sabia que ela deveria estar se sentido culpada. "Sheldon, sei que você está pensando que é sua culpa, mas não é." "Eu simplesmente não posso ajudar, mas acho que se eu tivesse perdoado a sua besteira apenas mais uma vez, ele não estaria lutando por sua vida agora." "Sheldon ..." "Deixei-o, Lake. Eu disse a ele que o odiava e desejava que ele morresse. Você sabe como me sinto horrível? Eu fui vê-lo, você sabe." Isso me pegou de surpresa. "Quando?" "Na manhã seguinte. Dash e eu não tínhamos sido informados até então. Corri direto para lá, juro que fiz, mas então eu a vi. Ela estava lá, Lake. Ela foi ver o meu homem. Você pode acreditar nessa cadela?" "Então, o que você fez?" Eu perguntei, pegando sua alegação de Keenan. Eu sabia que ela ainda o amava, mas estava doendo demais para vê-lo agora. "Eu fui embora. Foi o último prego no caixão e agora nós nunca mais seremos capazes de perdoar um ao outro." ***


Segunda de manhã veio bem rápido, e eu ainda não ouvi uma palavra de Keiran. Eu não sei se ele ainda está vivo ... Será que Mitch o encontrou de novo? Neste momento, Keiran poderia estar morto ... Minha mente trouxe uma imagem de um Keiran quebrado e sem vida, e eu teria caído se já não estivesse sentada. Não pense sobre isso. Mas eu não podia deixar de me preocupar. Sua ausência estava me deixando louca e todos pareciam estar presos em seus próprios dilemas, então eu não podia me distrair. Como ele se atrevia a colocar minha vida em perigo e, em seguida, simplesmente desaparecer assim? Eu poderia ter perdido minha vida... Eu poderia tê-lo perdido. Parecia que já o perdi. Mitch ainda estava lá fora e saber o que ele planejava fazer com seu filho, arruinou meus nervos. Perdida em meus pensamentos, me virei para o estacionamento da escola um pouco rápido demais. Havia uma aglomerado de estudantes ainda no estacionamento, embora o primeiro sino tocaria em breve. Quando estacionei meu carro, notei uma multidão de estudantes em um ponto. Quando cheguei mais perto podia ver através da pequena abertura, eu pude ver um carro preto familiar e Keiran encostado nele. Quentin e Dash estavam bloqueando-o da multidão. Eu não poderia dizer o que estava acontecendo, porque todo mundo estava falando ao mesmo tempo. Eu me aproximei do círculo e só podia ouvir os vários 'você está bem?’, ‘como está Keenan?', e 'o que aconteceu?’ Meu coração pulou com a visão dele. Tinha sido apenas uma semana, mas a preocupação e o fato de que senti falta dele, fez parecer muito mais tempo. Peguei meu ritmo para chegar até ele antes que ele pudesse desaparecer novamente, assim que entrei no circuito, Chloe Newman, uma das líderes de torcida, se jogou em seus braços e pior... ele a pegou. Eu estava lá e os vi. A dor me prendeu ao chão quando morri por dentro. Mas quando vi suas mãos apalparem a bunda dela, esqueci a dor, e deixei minha raiva assumir. Antes que percebesse, minhas mãos estavam em seu cabelo e ela estava sendo puxada para o chão. A


multidão explodiu em caos, quando cheguei em cima dela e recuei meu punho. Oh, é melhor você acreditar que eu estava indo para o narizinho perfeito, mas meu punho nunca se conectou com seu rosto. Minha mão foi pega e eu estava sendo puxada para cima e em um peito duro. "O que você está fazendo, Lake", perguntou Keiran; a voz neutra. Ele parecia entediado. "O que estou fazendo? O que você está fazendo?" Eu gritei e me arranquei para longe dele, não me importando o que possa ter parecido ou se soasse como uma alma penada. O que ele está fazendo comigo? "Você desaparece por dias, e a primeira vez que o vejo, o encontro com as mãos na vadia mais próxima?" Nisso a vadia já tinha fugido com sua legião de vadias. "Não é um grande coisa." "O inferno que não é, imbecil." O olhar ardente familiarizado em seus olhos voltaram e a veia no seu rosto começou a latejar novamente. "Vamos." Ele saiu, assumindo que eu iria o seguir. Eu fiz. Segui-o até uma das salas de aula vazias, que eles usavam para armazenar mesas extras. "Onde você estava?" Eu perguntei quando ele olhou para mim com um olhar negro em seus olhos. Eu não o vi desta forma em um tempo tão longo que quase esqueci sobre a sua ferocidade. Ele soltou um suspiro agravado. "Olha, me desculpe, eu tinha que desaparecer. Como você está? " "Eu não sei... talvez magoada? Onde você estava?" "Eu tinha que descobrir merda." "Mas como você poderia simplesmente deixar Keenan sozinho desse jeito?" "Ele não está seguro, uma vez que meu pai ainda está lá fora, e ele tem John." "Mas ele precisa de você também, você é seu irmão─" "Não", ele soprou fora. "Não diga isso." A dor em sua voz era inconfundível. Eu só podia imaginar como Keenan deve ter se sentido,


descobrindo do jeito que foi. Keiran, no entanto, não pareceu surpreso naquela noite. "Você sabia todo esse tempo?" "Sim." "Como?", perguntei, incrédula. "Eu vi sua foto na mesa de cabeceira de Keenan, no dia que John me trouxe para casa. Ele disse que ela era sua mãe." Ele engoliu em seco e respirou fundo, mas não continuou. "O que eles obrigaram você a fazer?" Eu não senti a necessidade de elaborar a pergunta. Havia apenas uma coisa entre nós. Ele me observava atentamente, mas eu não estava prestes a me arrepender novamente. "Eu acho que não importa mais, de qualquer maneira." Seu tom era desolado e eu me perguntei o que ele queria dizer com isso. "Eu fiz a minha primeira morte para eles, quando tinha seis anos." "Como? Você era tão jovem! " "É incrível o que você está disposto a fazer quando está morrendo de fome e não sabe uma maneira de sair disso. Eles usavam qualquer coisa que pudessem para nos controlar. Em pouco tempo parei de perceber as dores da fome ou sede e as cicatrizes fecharam, antes mesmo de saber que elas estavam lá." Havia tantas perguntas que nadavam na minha cabeça, mas eu não queria interromper. Seu olhar era distante e todo o seu corpo estava muito quieto. "Eles começaram comigo quando eu era pequeno. Primeiro foram as outras crianças que eles queriam punir, até que fiz o meu caminho até os adultos. Após dois anos de assassinatos, me tornei um dos melhores. Eu era um velho garoto para a idade de oito anos, porra. Parei de pensar e parei de sentir. Isso me manteve vivo." "Isso não é viver", argumentei. "Como você sabe?", perguntou ele com raiva e percebi que ele estava certo.


Eu não sei ─ eu o estava julgando. Não era como se ele tivesse uma escolha. "Eu sinto muito." Ele balançou a cabeça e continuou. "Ela veio no meio da noite como um pesadelo, porra ─ apenas como você, exceto que você era muito mais real. Passei semanas ignorando-a enquanto batiam nela infinitamente. Ela era tão pequena e tão inocente. Eu pensei que ela era fraca, e que ela não faria o que lhe foi dito. Um dia, acho que a fome cancelou seu medo, porque um dos monitores a pegou cavando no lixo por comida e bateram nela. Ele bateu tanto nela naquele dia que eu finalmente fiz algo que não deveria ter feito." "O que você fez?", perguntei, enquanto lutava contra as lágrimas para o quadro que ele pintou da criança, impotente. "Eu o impedi de cavar a cabeça dela, com o calcanhar da bota como se fosse nada. Dois anos de trabalho foi por água abaixo por causa de um movimento errado. Eu ainda não me arrependo, pelo menos não no início. Ela se agarrou a mim e depois olhou para mim como seu protetor. Todos os dias eu levei os seus espancamentos e os meus, e muitas vezes eu estava fraco demais para fazer qualquer matança, de modo que se tornaram mais cruéis. Eu comecei a odiá-la depois de um tempo. Eu a culpava por me fazer fraco novamente, quando tudo o que ela queria que eu fizesse era cuidar dela. Eu não queria, então não sei por que a ajudei. Eu apenas fiz." Ele se mexeu para se sentar em uma das mesas e segurou os punhos cerrados sem sua frente. "O que aconteceu com ela?" "Um dia depois de uma corrida, me disseram que eu tinha um trabalho a fazer, que me custaria a minha vida se não o fizesse. O que eles não sabiam era que eu não me importava se vivia ou morria, mas aceitei de qualquer maneira. Eles me levaram para uma sala que nunca tinha visto antes. Lily estava lá, esperando. Ela estava nua e chorando e eu vi os hematomas e cortes em todo o corpo." "Por que ela estava nua?" Eu estava com medo de resposta, mas eu tinha que saber. Eu precisava entender o quão profundo sua crueldade foi.


"Eles queriam que eu ─ nós fizéssemos ─ eles queriam que eu transasse com ela, por alguma fantasia doente, de uma grande quantidade de doentes, velhos fodidos estavam pagando uma porrada de dinheiro para olhar na câmera." "Oh Deus, Keiran ..." "Ela parecia tão quebrada, e eu poderia dizer que ela não tinha mais nada. Eu não poderia fazê-lo. Fora de todos os postos de trabalho e as pessoas que tinha machucado, isso era algo que eu não podia fazer. É por isso que fiquei aliviado quando ela me pediu para fazê-lo." "Fazer o quê?" "Para salvá-la." "Mas você estava em perigo também." Ele balançou a cabeça e olhou para mim. "Eu não ligo para o que acontece comigo." "Como você pode tê-la salvo?" "Da única maneira possível", disse ele enigmaticamente, mas eu sabia o que ele estava dizendo. Ela pediu-lhe para matá-la. "Eu tirei a sua dor e o seu medo. Fui até ela e eu a deitei e fechei seus olhos. Nesse espaço de tempo, tentei encontrar uma outra maneira, mas no final, eu continuava voltando para a mesma resposta." "Você era apenas uma criança." "Eu nunca fui uma criança, Lake. Por dez anos minha decisão tem me assombrado. Quando te vi pela primeira vez, pensei que você fosse ela e então pensei que estava tendo alucinações. Você parecia exatamente como ela. Mas quando finalmente percebi que não era ela, eu sabia que estava sendo punido. Você me lembrou muito dela." Ele finalmente olhou para mim com uma expressão dolorosa. "Você está aqui para me punir?" "Eu nunca quis puni-lo, Keiran." O que estou dizendo? Ele balançou a cabeça. "Eu acho que estava punindo a mim mesmo e procurando alguém para culpar."


"Você a amava?" Eu estava louca por sentir ciúmes de uma criança de oito anos, mas a emoção que ele transportou para Lily era forte. "Não." "Porque você não acredita no amor?" "Você acredita?" "Quando seu pai o pegou de volta?" Eu perguntei a ele, em vez de responder a sua pergunta. Eu não sei mais em quem acreditar. "Será que eles não teriam matado você, quando arruinou os seus planos?." "Eu não fui morto por desobedecer por um golpe de sorte chamado Mario. Parece que seu único vício era prostituição infantil e pornografia. Ele me salvou de ser morto e cortou seus laços de negócios com seu parceiro um pouco depois, mas não antes de deixarme uma maneira de contatá-lo se eu precisasse de alguma coisa, mas principalmente se quisesse trabalhar para ele. Eu não me iludo a pensar que ele se importava." "E seu pai?" "Um par de semanas depois que Lily morreu, eu fui pego sorrateiramente por um dos monitores que meu pai tinha em seu bolso. Eu estava com Mitch já há uma semana antes de Sophia aparecer, embora eu não soubesse quem ela era ─ não a primeira vista. Ele imediatamente me disse quem ele era. Mas eu não sabia quem ela era até depois que ela morreu." "Você realmente a matou?" "Sim." Eu estava esperando de alguma forma que Mitch estivesse mentindo. Que Keiran não matou sua mãe. Mas se ele não sabia... "Por quê?" Ele olhou para mim de novo, os olhos vazios de emoção ou sentimento. "Por que não?" "Porque ela era inocente."


"Ela era?" "Mas ─" "Não há nenhuma inocência", ele gritou. "Quantas mães você conhece que deixam seu filho ser levado sem sequer lutar?" "Então, você a matou por causa disso?" "Eu não sabia que ela era minha mãe, quando coloquei a maldita bala através de seu crânio, porra", ele cuspiu. "Você está mesmo arrependido por isso?" "Eu não me arrependo do que não posso consertar. Ela está morta ─. Você não pode voltar atrás". Ele se levantou apressadamente, e o impulso empurrou a mesa para trás alguns pés. Ele estava passando por mim e tinha alcançado a porta antes que eu percebesse o que estava acontecendo. "Onde você está indo?" "Eu terminei nossa conversa." "Mas, o que dizer sobre Mitch? Ele sabe onde você está agora. Ele sabe onde todos nós estamos." "Eu sei," ele disse quando virou a cabeça para me encarar, mas manteve a mão na porta. "Você estava quase morta por minha causa. Eu lamento isso, o que significa que posso corrigi-lo." "Como você vai corrigi-lo?", perguntei, desconfiada. "Eu estou deixando você ir", ele disse e saiu da sala. *** Eu fui deixada sozinha na sala de aula empoeirada. Eu estou deixando você ir. A realidade das suas palavras não me bateu até que fui deixada sozinha com a sensação do meu coração quebrado. Antes de Keiran, eu não acreditava que um coração fosse capaz de quebrar tantas vezes. Depois de tudo o que ele tinha feito, eu só ia deixá-lo sair? Antes que pudesse me parar, eu saí para o corredor.


"Então é isso?" O corredor estava cheio de pessoas indo para sua primeira aula, e quando gritei no corredor para ele, todos pararam para nos assistir. Ele se virou para me encarar. "Isso é tudo que estou disposto a dar-lhe." "Você me atormenta durante dez anos, fode comigo loucamente nos últimos dois meses, e me faz apaixonar por você. Então, como se isso não fosse suficiente, você quase me mata por causa de seu pai assassino, e acha que pode simplesmente ir embora, porque você acha que é a coisa certa a fazer?" "Eu não dou a mínima para o que é certo. É mais seguro desta forma." "Quem disse? " "O meu irmão que se encontra lutando pela sua vida no hospital, por causa de mim!", ele gritou. O corredor entrou em erupção com sussurros e chocados sons diante a sua explosão. Ninguém sabia ainda que Keenan e Keiran eram realmente irmãos. "Então você vai afastar-se dele também?" "Se isso é o que é preciso. Ele ainda está lá fora." "Porque você escolheu salvar a vida de seu irmão!" Ele não reagiu. Eu estava certa e ele sabia disso. Eu não conseguia ver muita coisa naquela noite, mas sabia que Mitch estava perto o suficiente para Keiran matá-lo facilmente. Em vez disso, ele se concentrou em colocar para baixo os homens que atiraram em Keenan e assim Mitch foi capaz de fugir. "Você ama seu irmão, Keiran... e você me ama, ou então não se importaria." Ele balançou a cabeça e se virou. Minha respiração acelerou, ao mesmo tempo que o meu temperamento disparou. Foda-se isso. Olhei em volta e notei Quentin segurando uma bola de basquete e nos observando com olhos tristes. Eu andei até ele e peguei a bola antes que ele pudesse me parar. O segundo seguinte ela estava voando pelo ar e atingiu as costas de Keiran. Eu estava em cima dele antes que ele pudesse virar-se totalmente e empurrei-o com toda a força que eu


poderia encontrar, e mesmo que soubesse que a minha força não era páreo para a dele, eu estava muito chateada e emocionalmente destruída para me importar. Eu estava disposta a fazer papel de boba por ele. Eu já tinha sido, no último par de meses. "Você não pode simplesmente ir embora," eu chorava, enquanto bateia em seu peito. "Você não pode ir embora." Minhas lágrimas me cegaram e surpreendentemente com cada empurrão, ele dava um passo para trás. "Você não pode," eu sussurrei sem fôlego. Sua cabeça baixou até que seus lábios estavam centrados direto acima do meu. "Eu... não... quero... você", ele grunhiu e depois me afastei dele. Perdi o equilíbrio e caí no chão. Havia sons coletivos de choque e risos em torno de nós. Eu assisti Keiran ir embora e não percebi quando alguém me levantou do chão. Eu não conseguia ver nada, além da visão de Keiran se afastando de mim. A necessidade de escapar e de me esconder veio quando ele não estava mais à vista. Eu quis que meus pés me levassem pelo corredor até às portas duplas, para a segurança onde eu poderia morrer em paz. *** Não havia outro lugar que me sentisse segura o suficiente para chorar mais do que no braço da minha avó. Eu corri para Whispering Pines, derrapando cascalho, quando freei. Não me lembro de chegar aqui. Eu não me lembro de nada, depois de correr da escola. Tudo o que eu podia sentir era dor. O tempo tornou-se ainda mais frio desde a última vez que estive aqui, de modo que os jardins estavam vazios. Corri através do lobby, não parando para check-in e fiz meu caminho para o quarto dela. Quando cheguei ao quarto da minha avó podia ouvir vozes familiares à deriva através da porta rachada. "Oh, mãe. Eu só não sei o que fazer ou dizer." Tia Carissa? Quando ela voltou? Ela não devia voltar até quarta-feira. "Querida, não há uma maneira fácil de lidar com isso, mas ela precisa ouvir isso. Aquela criança ficou perdida todos esses anos. Ela pensa que eles a odeiam. Diga-lhe a verdade."


"Mam達e, como eu posso dizer-lhe que seus pais n達o a abandonaram? Eles n達o morreram. Eles foram assassinados."


Capítulo Trinta e Três Alguém uma vez me disse que a dor não dura para sempre. Lembro-me de ouvi-la depois de descobrir que meus pais estavam desaparecidos. Ao longo dos anos achei que era uma completa besteira. A dor ficou para sempre. O amor é que não dura para sempre. Eu olhei para fora da janela enquanto ouvia as conversas telefônica. "Lake, quando você voltará para casa? Nós sentimos sua falta e você sabe quem está meditando novamente.", disse Willow. Fazia uma semana desde o meu desentendimento com Keiran. Eu não voltei para casa, depois de ter ouvido a conversa de minha tia com a minha avó sobre meus pais. "Sim, o cara está seriamente fora de controle neste momento", acrescentou Sheldon, trazendo-me de volta ao presente. "Eu peguei ele indo para sua casa ontem." Depois que ele me rejeitou de forma tão brutal na frente de toda a escola, eu fiz tudo o que pude para esquecê-lo. "E Dash disse que se você não voltar para casa logo, ele estará arrumando um grupo de busca." "Gente, Keiran deveria estar preocupado com seu irmão." "Sim, mas mesmo o treinador está falando sobre deixa-lo no banco. É o primeiro jogo da temporada. A cidade vai ficar puta. Dash disse que haverão olheiros lá fora, e ele pode explodir suas chances se ele não se recompor." "Eu deveria sentir pena dele? Eu acho que ele deixou bem claro que não queria nada comigo." "Então você está só o deixando ir?", perguntou Willow. "Será que estamos realmente tendo essa conversa agora?" "Está tudo bem. Você tem que voltar para casa algum dia."


"Não... eu não sei. Olha, não queria dizer nada muito cedo porque não tinha certeza do que fazer, mas acho que vou terminar o resto do ano sênior aqui." "O quê?", ambas guincharam. "Lake, não." Willow soou como se ela estivesse à beira do choro. "O que hostilidade.

você

está

pensando?"

Sheldon

perguntou

com

"Eu estou pensando que preciso obter o controle da minha vida. Eu acho que vai ser muito bom para mim se ficar longe de Six Forks por um tempo e não posso faltar à escola. Pessoal... eu já dei entrada nos documentos de transferência. " A linha ficou em silêncio por um momento antes de ouvir Sheldon rosnar, "Foda-se" antes de desligar. "Lake, você tem certeza?" "Sim, Willow. Tenho certeza. É mais fácil dessa maneira", admiti. Eu acho que ela não tinha muito a dizer depois disso, porque ela terminou a chamada. Eu descansei minha cabeça contra o encosto do sofá e pensei sobre onde, os últimos dois meses, me levou. "Você sabe que fugir de seus problemas nunca resolve nada. Eles só chegam até você mais tarde." Minha madrinha e melhor amiga da minha tia, Karen, tinha entrado na sala de estar para sentar perto de mim depois que eu desliguei a conversa com Willow. "Me desculpe, eu não estava atrás da porta, mas não pude deixar de ouvir. Parece-me que você tem pessoas que se preocupam com você e te querem de volta em casa. Tem certeza de que quer abrir mão disso? " "Não acho que estou desistindo, tia Karen. Estou apenas dandome uma pausa." Depois de ouvir a notícia sobre os meus pais, acordei em um hospital pela terceira vez em minha vida. Aparentemente eu desmaiei de choque e desidratação. Chamaram de colapso mental. Minha tia não disse mais nada sobre o que eu tinha ouvido e não perguntei. Eu não estava pronta para saber o que aconteceu.


Depois que o médico me liberou para ir para casa, comecei a ter um ataque de pânico mais uma vez. Tudo o que eu pensava era como não poderia voltar e por isso a minha tia e eu chegamos a um acordo que eu precisava de um período de férias. Fomos capazes de falsificar um atestado médico, me ausentando da escola por alguns dias. Minha tia ligou para Karen que concordou em cuidar de mim. Só era suposto ser por alguns dias, mas toda vez que eu pensava em ir para casa a minha ansiedade aumentava. Keiran tinha finalmente conseguido o que acho que ele sempre esteve tentando fazer. Ele me afastou de casa e de todo mundo que eu amava. Ele poderia ter o controle de Six ForKs e a escola, mas não poderia ter a minha sanidade mental. "Bem, se você me perguntar, acho que este menino merece o beijo final dos meus Nine Up , no rabo." "Tia Karen!" "HMMP! O que aconteceu com os dias em que um garoto simplesmente comprava para uma garota flores, e se ela fosse realmente especial, ele comprava doces também antes do sexo?" "Eu acho que morreu na década de setenta," eu ri. "Que vergonha." Eu contei a tia Karen tudo sobre Keiran na primeira noite que estava aqui. Eu me senti culpada por confiar nela e não na minha tia, mas só veio tudo para fora. Eu sabia que mais cedo ou mais tarde teria que dizer a ela. Não era justo para ela não saber mais. Ela cuidou de mim quando eu não tinha mais ninguém. Eu lhe devia muito e gostaria de começar por dar-lhe a minha honestidade. "Você não falou com Carissa ainda?" "Não, ainda não. Eu só preciso de algum tempo. " "O tempo não espera por ninguém Lake, lembre-se disso." Nós sentamos e conversamos por horas e antes que eu percebesse, a noite tinha caído. Tia Karen saiu para ir fazer o jantar, e quando eu estava assistindo TV a porta se abriu e Tio Ben, meu padrinho, entrou.


"Hey, Lake. Não passou de sua hora de dormir? " Eu ri. "Não, tio Bennie. Eu não tenho oito anos mais, mas acho que é o seu passado." Ele riu e bagunçou meu cabelo antes de correr para encontrar sua esposa. Quando ele entrou na cozinha, a ouvi rir como uma colegial com uma parada e o som inconfundível de um beijo pesado. Eu sempre pensei que eles eram o casal mais romântico que já conheci. Os dois tinham sido melhores amigos desde a faculdade. Tinha sido amor à primeira vista e eles estavam muito bem casados, desde seu último ano. Seu único momento ruim foi quando a tia Karen sofreu dois abortos, e o casal desistiu de tentar. Isso quebrou o coração da tia Karen, que ela não poderia lhe dar as crianças que sempre falavam, mas o tio Ben disse que ela era tudo o que ele precisava. Já se passaram cinco anos desde seu último aborto e agora eles estavam falando sobre adoção. Eu acho que felizes para sempre servia apenas para alguns. *** Minhas férias foram interrompidas no dia seguinte, quando recebi um telefonema da minha tia me dizendo que havia detetives me procurando. Eu imediatamente entrei em pânico, pensando que de alguma forma descobriram sobre eu ser sequestrada por Mitch e o quanto eles poderiam ter dito a minha tia. Corri de volta para Six Forks e segui direto para a delegacia, recitando a história que Keiran disse-me para dar naquela noite se alguém me perguntasse. Eu entrei nela, com os meus nervos em meu estômago e ameaçando vomitar a qualquer momento. "Srta. Monroe, tão agradável de você nos visitar", um detetive que acredito que disse que seu nome era Daniel falou comigo. Ele parecia e agia como o típico detetive idiota, careca e um bigode espesso. Ele também tentou ser intimidante. Se eu já não estivesse tão nervosa, teria rido. "Minha tia disse que você estava procurando por mim?"


"Sim, você perdeu sua entrevista agendada." Merda, Trevor e Anya! Com Mitch voltando dos mortos, eu tinha esquecido sobre seu desaparecimento. "Sinto muito, eu não disse..." "Um telefonema foi dado à sua tia que nos informou que você estava fora da cidade. Alguma razão particular para isso?" "Estou me transferindo da escola." "Eu vejo", ele escreveu algo antes de olhar para mim. "Conte-me sobre o seu relacionamento com Trevor Reynolds e Anya Risdell. "Inexistente. Nós não éramos amigos." "Por quê? ", perguntou ele com desconfiança. "Você foi amigo com cada pessoa que foi para a escola com você?" "Não, mas deve haver uma razão para que um deles iria supostamente atacá-la em um banheiro e receber um braço quebrado por Keiran Masters." "Não é suposto ele ter feito isso porque Trevor Reynolds me atacou. Em vez de me tratar como uma criminosa, você deveria estar procurando por ele mais duramente. Ele precisa ser posto de lado." "Nós cancelamos a busca." Eu não me preocupei em esconder a minha surpresa enquanto olhava para ele. "Eu posso ver que esta notícia a surpreende." "Por que vocês cancelaram a busca?" "Porque houve um novo desenvolvimento no caso. Trevor Reynolds e Anya Risdell foram encontrados esta manhã." "Então por que estou aqui?" Eu estava preste a ir embora, não realmente me preocupando com a resposta. Eu precisava dar o fora de lá. "Porque eles foram encontrados queimados vivos em um campo fora da cidade. Eles estão mortos Srta. Monroe e acho que você sabe quem fez isso." Morto? Ele não os trouxe de volta?


"Quem não os trouxe de volta, Srta. Monroe?" Perguntou o detetive e eu percebi que devo ter dito isso em voz alta. Eu lentamente sentei-me enquanto lutava com a resposta do que tinha que dizer. Ele não apenas os matou. Ele os torturou. Eu praticamente podia sentir o cheiro da carne queimada quando a culpa corroeu minha mente. "Lake?" Eu finalmente encontrei o olhar do detetive, quando ele chamou meu nome novamente. Eu sabia o que tinha que fazer. "Eu tenho que te dizer uma coisa." *** Deixei a estação com um sentimento dormente. O que eu tinha feito era como a traição final, mas também sabia que era a coisa certa a fazer. Eu só nunca soube, que escolher o certo sobre o errado era tão difícil. Ele os matou. Ele matou tantos. Ele não deve ser permitido andar longe disso. Certo? Eu não fui direto para casa dos meus padrinhos. Em vez disso, fui para casa porque a verdade seja dita, eu estava sentindo saudades de casa. Eu não decidi sair porque era o que queria. Eu senti que era necessário porque não havia outra maneira que poderia ficar longe de Keiran. Eu estava tão viciada a ele como ele era por mim. É por isso que o entregou? Sacudi meus pensamentos e puxei na minha garagem. O carro da minha tia estava estacionado do lado de fora e eu estava ansiosa para vê-la e talvez finalmente conversar. Eu não tive a chance de perguntar sobre sua turnê ou contar a ela sobre a invasão. Eu desliguei o carro para sair, mas o som do meu telefone tocando me parou. Eu li na tela o nome de Sheldon, então rapidamente respondi. Ao longo do último par de semanas, Sheldon não estava no melhor momento. "Hey, Sheldon."


"Lake, oh Deus. Ele vai morrer!", ela soluçou entrecortada ao telefone. "Sheldon, acalme-se. Quem é que vai morrer?" "Apenas um pulmão de Keenan está trabalhando e agora falhando. Os médicos disseram que não parece bom para ele e se ele não conseguir um pulmão em breve, ele vai morrer." Encontrar um doador de órgão era como ganhar na loteria. Pode levar meses e o par deve ser quase perfeito e os candidatos perfeitos eram, geralmente, os pais. "Sheldon, Keenan não vai morrer. Ele é muito rebelde para isso. Será que eles testaram John para ver se ele é compatível?" "Sim e eles puxaram os registros médicos de sua mãe, desde seu nascimento para verificar se há qualquer registro de problemas médicos de família e todos essas rotinas porcarias de médicos." A linha ficou em silêncio, assim, verifiquei meu telefone para ver se ainda estava ligado. "E?" "John não era compatível." "Droga. Ele deve ter o tipo sanguíneo de sua mãe. Então, quanto tempo ele tem antes que se torne crítico?" "Lake, você não entende", disse ela, seus soluços se tornando mais pesados. "O que não entendo?" Sheldon soou perto de histérica agora. "O sangue de John era do tipo AB e quando eles puxaram os registros médicos de Sophia, eles descobriram que seu sangue era do tipo A." Eu fiz uma careta quando não podia fazer a conexão. "Eu nunca fui muito boa em biologia, então você vai ter que me ajudar aqui." "Keenan é do tipo de sangue O. Os pais com sangue tipo AB e A só pode produzir uma criança com A, B ou AB." "Oh merda, então você quer dizer -" "John não é o pai de Keenan."


"Mas isso é insano! Se John não é o pai de Keenan então ele tem que ser ─ oh Deus ... " "Mitch", concluiu Sheldon.

Profile for Meire Adriana

Série broken love livro 01 fear me b b reid  

Série broken love livro 01 fear me b b reid  

Advertisement