Page 1


DISPONIBILIZAÇÃO: STELLA MARQUES TRADUÇÃO: BREN REVISÃO: LAURAN REVISÃO FINAL: LY LEITURA FINAL: NICK FORMATAÇÃO: DADÁ


03

01

02

04

05


Já se passaram quatro anos desde que eu fugi para longe de casa, do meu irmão, e possivelmente do meu pai. Eu criei uma vida livre das expectativas, enquanto fingia que não estava sendo caçado por todos os demais citados acima. Todo esse tempo eu consegui permanecer sob o radar ... ou assim eu pensei. Quando meu irmão mais velho aparece e salva a minha bunda, eu sou forçado a enfrentar tudo o que deixei para trás, incluindo ela.

Já se passaram quatro anos desde que me tornei uma outra estatística. Eu cometi um monte de erros quando se tratava de Keenan Masters. De todos o primeiro foi amá-lo. Ele tomou algo de mim na noite que ele saiu, e quando eu disse a ele que ainda o amava, ele me disse que ele sempre me odiou. Depois disso, eu aprendi a ficar bem ... até que ele voltou. Foi-se o menino que sempre soube como me fazer rir, e em seu lugar tinha um frio, monstro arrogante.


CARTA A KEENAN

Caro Keenan, Espero que até o final deste livro, você volte para nós. Eu sinto falta do seu coração mole. Aquele que faria qualquer coisa pelos seus amigos e usava seu coração em sua manga. Embora nós não gostássemos de suas traições e sua falta de respeito com as mulheres, mas nós ainda amamos você. Amor, Beebs. P.S. Não deixe a escuridão engolir você.


ONZE ANOS ATRÁS

Eu chutei a bola de basquete em torno da grama como eu vi na TV. Meu pai tinha perguntado o que eu desejava ter para o meu aniversário. Eu não poderia dizer-lhe o meu desejo mais profundo sem ser trancado, então eu pedi uma bola de basquete. No final, tudo foi estragado pela revelação de que ele se esqueceu de obter um aro. Eu só podia saltar ou chutar a bola ao redor, mas, mesmo essa pequena diversão não era permitida. Às vezes, eu iria saltar de qualquer maneira, só assim eles falariam comigo, mesmo que fosse para me repreender. Talvez hoje ele fosse bom, e nós poderíamos conseguir um aro para que ele pudesse me mostrar como jogar. Já era meio-dia, e ele não tinha ido embora, talvez por isso ele fosse finalmente ter um tempo para mim. Corri para casa com a minha nova idéia, na esperança de hoje ser o dia. Excitação aumentava a cada passo enquanto eu corria ao redor da casa o mais silenciosamente que podia. Eles nunca gostavam quando eu fazia barulho. Eles nunca ficavam com raiva, mas eles me mandavam embora para o meu quarto e, às vezes, eles se esqueciam de mim. Quando eu ficava com fome o suficiente, eu finalmente saía apenas para encontrar um prato de comida à minha espera. Depois de procurar por toda a casa, eu finalmente encontrei-o em seu escritório dormindo com a cabeça para baixo. Ele não acordou quando eu entrei até eu me aproximar ao lado dele. "Papai." Quando ele não respondeu, eu puxei a perna da sua calça enquanto segurava a bola para o meu peito.


"Keenan." A voz da minha mãe se afastou da porta. Ela parecia triste hoje de novo, mas, ela sempre parecia triste. "Mamãe, papai vai me ensinar a jogar?" Eu levantei a bola, nervoso. O olhar solene no rosto dela tinha me dito a resposta antes dela falar, mas não era a resposta esperada. "Você sabe que você não deve estar aqui." "Eu sei, mas eu não sabia quando ele ia sair." "Nós já lhe dissemos para se manter fora de vista." "Mas você não vai me deixar jogar com a bola. Por que papai comprou essa coisa estúpida se eu não posso jogar com ele?" "Keenan." Desta vez foi um insulto profundo, mas o bêbado do meu pai chamou o meu nome. Afasto-me da minha mãe para ver que ele agora estava sentado em sua cadeira. Embora seu cabelo estivesse arrepiado e sua roupa enrugada, ele ainda parecia forte. Ele também parecia irritado julgando pelo olhar vazio em seu rosto. "Não responda mal a sua mãe.” "Você vai jogar comigo hoje?" Eu não tinha a intenção de pedir, mas o desespero tinha escapado e agora eu tremia com isso. Ele piscou uma vez, lentamente, como se estivesse limpando algo antes de balançar a cabeça. "Vai para o seu quarto." A rejeição doía, mas cortava muito mais profundo quando eram seus pais que estavam constantemente rejeitando você. "Por que você me odeia?" Eu chorei e joguei a bola para baixo. Meu temperamento tinha conseguido o melhor de mim, mas foi apenas minha esperança por atenção, até mesmo a raiva, mas como sempre, eu falhei. Ele havia se virado e começou a digitar no computador dele, como se ele não estivesse apenas desmaiado bêbado depois de consumir toda a garrafa deitada ao lado de sua mão. "Venha", minha mãe chamou. Ela também já havia se afastado, esperando para que eu a seguisse. Voltei-me pensando em brigar com meu pai mais uma vez, mas o peguei olhando para ela. Dor encheu seus olhos imediatamente antes que eles escurecessem.


"Vรก, Keenan." Desta vez eu obedeci e me perguntei se eles notariam se eu desaparecesse para sempre. "Filho?" A esperanรงa brilhou mais uma vez no momento em que eu me virei. "Sim, papai?" "Nรฃo volte aqui e fique fora de vista." Derrotado, eu balancei a cabeรงa e, finalmente, sai com a cabeรงa baixa. Ser querido. Esse era o meu desejo mais profundo. Sentir-me querido. Por qualquer pessoa que se importasse, mesmo que por apenas um momento.


NOITE DE FORMATURA

Eu sou um masoquista do CARALHO. Eu guiei a minha moto na entrada expansiva. Eu não tinha percebido o quanto ela soou alto até que eu desliguei o motor e desmontei. É tarde demais para voltar atrás agora. Os últimos vestígios de luz do dia desapareceram, mas eu mantive minha viseira como um escudo. A última coisa que eu precisava era que ela visse o quanto ela me machucou. Foi uma das promessas que fiz a mim mesmo quando eu estava morrendo em um hospital. Nunca deixá-los ver. Nunca deixá-los perto. Nunca deixá-los entrar. Eu viveria isso a partir de agora, mas em primeiro lugar, eu tive que dar uma última chance. Meus pés bateram nos degraus das escadas que conduziam à porta da frente. Se eu tivesse que ser honesto, eu estava nervoso pra caralho. Não foi assim que eu imaginei essa noite. Eu nunca imaginei muito, mas eu sempre soube que seria com ela. Isso foi quando eu acreditava no conto de fadas que eu estava puto em acreditar. Minha mão levantou, mas eu congelei antes que eu pudesse bater, percebendo que eu estava sendo sugado de volta para a mesma besteira. Eu não estava prestes a fazer isso de novo. Eu já estava me afastando, mas antes que eu pudesse me virar para sair, a porta se abriu. Dash, vestido em um terno cinza escuro ricamente costurado, cumprimentou-me primeiro, com surpresa e, em


seguida, me deu um olhar cuidadoso antes de se afastar, deixando a porta aberta. Eu olhei através da porta aberta para o salão extravagante bem consciente do mal-estar de todos. Quando eu me tornei o cara mau? Senti o brilho do olhar do meu irmão e da energia perigosa que viajou por todo a sala. Eu teria devolvido o olhar se ela não tivesse escolhido esse momento para entrar. Eu experimentei o que eles chamavam de visão no fim do túnel enquanto eu a admirava. Ela parecia perfeita pra caralho, e mesmo agora, eu podia sentir a minha raiva diminuir. Machucá-la tinha ido para o segundo lugar depois da necessidade de dobrá-la sobre a superfície plana mais próxima e reafirmar o meu pedido. Mas por que eu deveria ter que refazer um pedido? Ela já era minha e devia ter ficado assim, porra. Mas ela não ficou. Ela me deixou. Você pode imaginar o quanto isso doeu, porra? Sentir como se cada respiração que você tomasse pudesse ser sua última, mas sempre usando o pouco que você tinha para pedir à uma pessoa que dizia lhe amar incondicionalmente apenas para estar lá? Me fodeu. Mas acima de tudo, isso me mudou. E eu a odiava por isso. Minha consciência sussurrou-me que não era certo culpá-la, mas a parte escura do meu coração queria rasgar e destruí-la completamente, e eu faria isso. Ela não tinha idéia do que estava por vir. "Keenan ... Como ... co ... mo você está?" *****


Havia momentos em que eu acreditava ter sobrevivido aquele tiro e perder meus pulmões foi um grande erro. Eu pensei que talvez tivesse sido melhor ter feito a passagem de uma vez para o inferno do que passar os próximos sessenta anos assim, ou definhando. Fazia poucas horas, e eu consegui chamar-me por todas as maldições. Não havia ninguém neste momento que pensava menos de mim do que eu mesmo. Sheldon estava deslumbrante. Seu cabelo estava preso. O vestido dela se encaixava perfeitamente. Ela parecia pronta para uma noite de conto de fadas com um príncipe encantado. Eu já havia tentado arruinar isso, fazendo-a sentir-se culpada. Mas, claro, eu não conseguia me parar. Eu estava determinado a ferir todo mundo na minha vida, começando com a pessoa que iria garantir que eu não podia voltar atrás. "Keenan, por que você está fazendo isso?" "Não é óbvio?" "Não para mim", Lake sussurrou timidamente. Eu lutei contra a vontade de rir. Apesar da bravata que ela tinha mostrado ao longo dos últimos meses, ela ainda era um ratinho assustado. E agora, meu irmão a tinha em suas mãos e ele iria comê-la viva. "Eu estou com ciúmes." "Mas por quê?" "Porque o meu irmão não merece um ‘felizes para sempre’." "Você não quer dizer isso." "Por que eu não ia querer?" "Olha, eu sei que você está sofrendo, e era uma responsabilidade muito grande, mas você tem que lembrar que Keiran era apenas uma criança. Há tanta coisa que você não sabe. Se você apenas falasse com ele..." "Meu irmão," Eu soprei fora, "teve onze anos para me dizer a verdade."


"Keenan, ele não sabia que ela era sua mãe. Ela era a mãe dele, também." Seus lábios tremeram na última frase, e eu me perguntei quem sentia mais pena, ele ou eu? "Realmente não importa, não é? Ela está morta. Nada vai mudar isso. Eu nem sequer me lembro dela ... Eu diria a Keiran que ele é o sortudo. Ele nunca teve de olhar nos olhos de sua mãe todos os dias e se perguntar por que ela não o amava, por que ela não o abraçava, ou o que você fez de errado. A maioria dos dias, ela mal me reconhecia. Meu pai não foi melhor. Eu estive sozinho durante sete anos. Não havia riso ou calor. O silêncio era quase assustador. Eu acho que era o que eu odiava mais. Quando ela saiu e nunca mais voltou, eu nunca sequer derramei uma lágrima. Eu quase desejava que ela tivesse sido cruel, e então talvez, não teria significado tanto que ela saiu e nunca olhou para trás." "Mas você teve Keiran. Vocês tiveram um ao outro." Eu dei de ombros. "Com Keiran foi o mesmo, em seguida, como ele é agora, distante, mal-humorado, e violento. Você estava certa no dia que você perguntou se eu tinha medo dele. Eu estive com medo por muito tempo, eu acho que eu sempre estive. Ele não queria nada comigo. Eu só queria um amigo." "Mas vocês eram próximos." "Será?" "Seu irmão te ama, Keenan. Ele pode não saber como mostrar isso de uma forma saudável, mas é verdade, e eu sei que você o ama." "Nenhum de nós sabe o que é amor. Ele vai te machucar, Lake. É de sua natureza fazê-lo. Ele pode pensar que ele quer isso com você, mas um dia, ele vai rachar sob a pressão." "É isso que você fez com o Sheldon?" Senti meus ombros levantarem, mas totalmente o peso que repousava sobre eles.

não

consegui

aliviar

"A idéia de amor deixa um gosto ruim." "Sheldon não merecia o que você fez. Por que você dormiu com aquela professora? É um pouco ridículo, mesmo para você. É absolutamente ridículo."


"Será que isso importa agora? Deu tudo certo para o melhor." Eu tomei mais um gole da garrafa que estava quase vazia agora. Seus olhos, cheios de reprovação, olhou para a garrafa e de volta para mim. Eu ainda estava me recuperando do transplante de pulmão e isso não era potável, mas ninguém poderia acusar-me de dar uma merda para isso. "Como posso fazer isso melhorar?" Eu ri apesar da amargura se instalar na boca do meu estômago. Eu precisava de uma fuga. Eu precisava me esconder. Esconder é no que eu era bom. Baixei a cabeça e deixei minhas próximas palavras flutuarem sobre a pele de seu pescoço. "Você pode começar me deixando te beijar." Ela pulou e me deu um tapa no meu peito quando eu me empurrei mais perto contra ela. "Keenan! O que você está fazendo?" "Você sabia que eu tinha uma queda por você na nona série?" Perguntei, ignorando suas lutas. "Você o quê?" "É verdade. Eu cometi o erro de dizer para Keiran um dia o quão bonita eu achava você." "Bem, o que ele disse?" Deixei escapar uma risada, mas não senti nenhum humor. "Ele ameaçou quebrar todos os ossos do meu corpo se eu falasse com você. Eu pensei que ele poderia ter superado sua vingança contra você e queria você para ele." "Bem, todos nós sabemos que não era verdade." "Talvez não, mas ele sempre quis você. Ele foi apenas bom em esconder isso." Baixei meus lábios mais estreitos e seus olhos quase saltaram para fora de sua cabeça. "Eu ... eu acho que eu deveria ir."


"Eu estou fazendo você ficar nervosa?" Eu sorri para ela, convenientemente colocando meus braços ao lado de sua cabeça, prendendo-a. "Que pergunta estúpida. Claro que você está. Isso é errado." "Correndo o risco de soar clichê, eu só posso dizer que fazer algo de errado só pode ser muito bom?" "Você está certo ... Você soa como um clichê." "Você é fodidamente sexy com as palavras. Keiran não sabe o que ele tem, no entanto, não é?" A batida da porta interrompeu sua resposta, e eu senti um frio gelado da presença atrás de mim, e o rosnado baixo, ameaçador. "Eu sei exatamente o que eu tenho. Minha única pergunta é o que diabos você está fazendo tocando-a?" "Keiran," Lake gritou nervosamente. "Ele, uh ... eu, um ..." "Lake, suba e não desça, não importa o que você ouvir." Ele nunca poupou-lhe um olhar, mas ele não tinha que fazer. Ela rapidamente deslizou do meu alcance. Ela mal tinha saído fora da vista quando eu tinha tomado o lugar dela contra a parede. O braço de Keiran me prendeu à parede contra a minha garganta tornando a respiração difícil. "Você quer morrer tanto assim?" Sua voz ameaçadora era o suficiente para fazer uma pessoa comum se encolher e implorar por misericórdia, mas eu praticamente tinha sido criado por ele. Eu bati minha cabeça na sua, atordoado o tempo suficiente para dar um duro golpe na sua mandíbula. Ele se recuperou rapidamente e conseguiu me bater duas vezes, uma vez no rosto e outro no meu intestino antes que eu pudesse obter outro murro. Keiran poderia ser mais forte, mas eu era mais rápido. Estávamos mortais em nosso próprio direito. Nós não iríamos parar até que o outro estivesse morto. Virei Keiran sobre meu ombro na mesa de café. Ele quebrou sob seu peso e caiu duramente no chão. Vacilante, ele recuperou-se de pé e deu um chute forte no meu peito, me mandando na parede atrás de mim.


Lentamente, eu deslizei de volta até a parede, o meu olhar fixo no dele. Esperamos apenas um batimento cardíaco, mas o tempo parecia se estender para sempre diante de nós e batemos um no outro mais uma vez. "Filhos da puta. Agarre-os antes que eles matem um ao outro", uma voz ainda familiar frenética gritou. Eu fui jogado para trás e Keiran na direção oposta. Eu reconheci Dash através da minha visão embaçada com seus braços em volta do peito apertado de Keiran. Ele lutou para segurar, mas conseguiu mantê-lo subjugado. "Keenan, cara, se renda antes que eu te derrube," Q rosnou. Foi só então que eu percebi que eu estava lutando tão duro. Meu olhar ainda estava apontado para ele, e minha mente ainda estava corrompida pela necessidade de assassinato. Nenhum de nós era reconhecível para o outro. O sangue derramado de nossas feridas. Tudo ao redor ou estava quebrado ou destruído. Lake apareceu de repente e histericamente, atirando-se em Keiran.

correu

pela

sala,

chorando

Eu tinha apenas um palpite a respeito de que a chamou. "Minha garota, Keenan." "Minha mãe, meu irmão." Foram as últimas palavras que eu iria falar com ele por um longo tempo. ***** Eu deveria ter deixado a cidade quando eu saí daquela casa e longe de minha única família, mas eu era o inferno dobrado em um curso para causar estragos quando eu acabei no quarto de Sheldon. "Keenan, por que você está fazendo isso? Esse não é você!" "Sim?" Fiquei olhando para seu corpo espalhado para mim como uma oferenda. Eu tinha acabado devorá-lo recentemente. "Você pensa que me conhece?"


"O que?" Ela olhou ao redor desorientada. "Claro, eu conheço", ela sussurrou baixinho. Eu não gostei do jeito que ela olhou para mim, com amor em seus olhos. Seu amor era uma mentira. O amor era apenas isso. Uma mentira. "Mas você não me conhece. Você nunca me conheceu." Ela tentou levantar-se, mas o cinto envolto em torno de seu pescoço e amarrado aos trilhos de sua cabeceira parou seus movimentos. "Eu o vi fazer isso com ela uma noite." "O quê?" Eu ignorei a confusão em seus olhos e continuei. "Eu queria ver o que ele estava fazendo com ela. Eu não estava procurando prazer. Eu estava curioso. Apenas tentando ser um bom rapaz. Na verdade, eu pensei que eu poderia estar disposto a protegê-la se fosse necessário, porque ela não poderia se proteger. Mas então, ela o levou, porra. Ela, na verdade, decidiu ficar com ele pensando que ele poderia mudar, mas ele não vai e ela não vai perceber isso até que seja tarde demais. Ela já está presa.” Eu sabia que eu soava como uma pessoa louca divagando, mas qualquer um com olhos e um cérebro sabia que era verdade. Keiran não era apenas perigoso. Ele era possessivo, também. "Keenan, por favor, deixe-me ir." "Eu sempre me perguntei que tipo de desejo poderia começar a partir de alguém que ele dizia odiar. Agora eu sei, porra." A queda nos ombros dela e a maneira como seus olhos se arredondaram me disse que ela sabia exatamente quem eu odiava. "Você me odeia?" "O que eu sinto por você vai além do ódio. Eu precisei de você, Shelly, e você virou as costas para mim, como ela fez." "Eu não sou sua mãe, Keenan!" "Oh, eu sei disso. A diferença entre você e ela foi que eu realmente acreditava que você me amava." "Eu amo!" Ela gritou e lutou contra suas amarras.


Eu cerrei os dentes. Minha luta interna estava ameaçando a vir à tona. Eu precisava ficar equilibrado. "Então prove." "Como?" "Foge comigo." Puta que pariu ... Isso não era o que eu deveria dizer, mas eu não estava indo para tomar as palavras de volta também. A cada segundo que passava, e com o medo crescente em seus olhos, a ideia começou a soar melhor e melhor. "O que?" "Ou você vai correr comigo ou correr de mim. Faça a sua escolha." Prendi a respiração e mantive o que eu esperava que fosse uma expressão vazia enquanto meu estômago revirava ao ponto de doer. Eu não poderia colocar uma palavra sobre o que eu estava sentindo. "Eu amo você." Esperança. Isso era o que eu sentia. Eu estava feliz que eu ainda podia sentir algo depois de tudo. "Então você vai vir comigo?" Isso foi até que ela a levou embora. "Não, Keenan. Eu não vou." ***** A única pessoa que poderia me fazer ficar ou que poderia me fazer sentir inteiro novamente, me deu as costas. Não havia nenhuma maneira que eu pudesse ficar. Ela queria ser livre, e gostaria de deixá-la, mas não antes que eu lhe fizesse uma promessa. Se nós alguma vez voltássemos a nos ver, ou se eu nunca mais a visse, gostaria de mantê-la, e eu iria fazer. Eu corri o risco de voltar para a casa do meu pai, porque havia uma coisa que eu não podia sair sem. Eu tinha feito isso antes de ouvir as vozes baixas. Meus passos iluminados enquanto eu chegava mais perto da porta entreaberta do quarto.


"Eu sei que você está chateado, mas você não pode desistir dele. Ele precisa de você mais do que nunca." "Keenan é capaz de cuidar de si mesmo. Ele não teve problemas você para dar em cima de você algumas horas atrás." "Você realmente acha que era sobre mim? Ele está fodido agora, mas ele não iria tão longe. Ele não iria machucá-lo assim, não importa o quanto ele pensa que ele quer fazer isso. Ele acha que você está me escolhendo acima dele, Keiran." "E se eu estiver? Ele fez seus sentimentos muito claros em relação a mim." "Assim como você fez os seus sentimentos claros para mim todos esses anos? Mas, mesmo assim, você ainda sentia algo por mim." "O que você está dizendo?" "Eu estou dizendo que você era bom em fugir e você correu porque você estava confuso." "Confuso ou não, ele tentou tirar o que me pertencia." "Primeiro, eu não sou sua propriedade, Keiran. Em segundo lugar, ele não pode tomar o que eu não estou disposta a dar." "Isso não importa mais de qualquer maneira." Eu podia ouvir a frustração em seu tom e podia imaginá-lo passando as mãos pelo seu rosto no caminho, como se dissesse que estava pronto para matar alguma coisa ... ou alguém. Eu sabia o risco que eu estava tomando ao dar em cima Lake, mas ela estava errada. Se ela tivesse oferecido, eu teria tomado porque era sobre ela. Eu estava disposto a ir tão longe, porque eu sabia o que ela significava para Keiran. Eu não era uma boa pessoa e esta noite provou isso. Afastei-me e calmamente entrei no meu quarto só para ver uma figura deitada na escuridão. Luz encheu a sala, e eu percebi que quem quer que fosse devia estar dormindo. Eu rastejei lentamente em direção à forma adormecida até que eu estava de pé na cabeceira da minha cama. Era Di. A filha do homem que meu irm ... Keiran enviou para a prisão.


Eu a balancei não muito gentilmente e esperei que seus olhos se abrissem. Quando o fez, um terror que eu não esperava inundou sua expressão quando seu olhar caiu sobre mim. Ela rapidamente se afastou e, em seguida, enfiou as mãos para me afastar. Eu nunca me afastei do meu lugar, então eu perguntei do que ela poderia ter medo. "Por que você está aqui?" Ao som da minha voz, com a cabeça inclinada para o lado, me olhou com reconhecimento embora seus olhos ainda parecessem perdidos. "Keenan?" Sua voz rouca soou como sexy, e eu tive a idéia de que ela poderia ser uma operadora de sexo por telefone, mas, em seguida, arranhei na minha cabeça antes que pudesse terminar. Ela era muito sexy para ser confinada a um telefone. Um corpo como o dela foi feito para estar em exibição. Talvez por isso seu pai a usasse. E eu pensei que eu estava fodido. Ela escovou o cabelo escuro de seu rosto e olhou para mim com os olhos arregalados e os lábios ainda mais abertos. Eu considerei transar com ela por um momento, mas rapidamente achei melhor não. O cheiro e a sensação de Sheldon ainda eram evidentes no meu pau, e estranhamente, eu não queria ter nada manchando isso. Pelo menos até que eu tomasse um banho. "O que você está fazendo aqui?" Ela Perguntou quando eu me virei. "Eu moro aqui." "Se Keiran vê você ... " Bati a gaveta da cômoda depois de recuperar o que eu vim pegar e me voltei para ela. "Não me julgue como os covardes que tremem com a visão dele. Eu não tenho medo dele." "Obviamente. Vocês foderam um ao outro muito bem", ela sorriu. "Mais tarde." Eu fui para a porta, mas, é claro, ela tinha que continuar. "Espere", ela sussurrou em voz alta. "Você parece com alguém que está fugindo. Aonde você vai?"


"Longe daqui." "Aonde?" "Eu não sei ainda." "Posso entrar nessa?" "Você está falando sério? Porra, não." "Eu posso fazer isso valer a pena. Você vai precisar de dinheiro. Eu tenho, mas em casa. Eu só preciso de você para chegar lá." Eu tive que admitir que eu estava intrigado. Meu aniversário de dezoito anos tinha passado a três meses atrás, e eu ainda ia receber minha herança. Eu certo como diabos, não estava disposto a sentar ao redor e esperar por isso como um garoto rico e mimado. Eu queria estar sem vínculos ou obrigações com a minha família. "De quanto dinheiro estamos falando?" Seu sorriso se espalhou ainda mais. "Muito, o suficiente para viver livremente."


QUATRO ANOS MAIS TARDE

"Lápis para baixo. O tempo acabou. Por favor, fechem seus testes e tenham um grande verão, todo mundo." A sala de aula tornou-se viva com os estudantes correndo para deixar os testes e iniciar seu verão. Eu soltei o pouco fôlego que ficou em meus pulmões, ergo meus ombros, e me dirigi para frente, onde os testes estavam sendo deixados. As provas finais estavam oficialmente terminadas, e em duas semanas, eu ia me formar. Às vezes, eu ainda não conseguia acreditar que já faziam quatro anos. Dizem que o tempo voa quando você está se divertindo. Poderia ser verdade, exceto que esses últimos quatro anos não tinham sido nada divertidos. "Então, como você acha que foi?" Lábios foram pressionadas contra meu pescoço enquanto minha bolsa foi tirada de meu ombro e atirada em um ombro largo coberto por uma camisa de algodão escuro. Eric Spencer era o único que cada menina com um coração romântico sonhou como seu Sr. Perfeito. Cabelo castanho loiro emaranhado de cachos desenfreados complementavam os cintilantes olhos verdes que olhavam fixamente para mim. Ele tinha “bom garoto” escrito sobre ele. Seu corpo forte estava livre de tatuagens. Ele veio de uma boa e família saudável. Ele era gentil, doce e romântico.


E o mais importante, ele não tinha um osso desleal em seu corpo. Nós já namoramos por quase um ano agora e nunca tive ciúme ou insegurança. Ele era perfeito. Perfeito e conveniente. "Difícil dizer," eu respondi finalmente. "Eu não me lembro de responder a nenhuma das perguntas." "Tudo bem. Eu sei que você fez bem, porque eu não conseguia manter meus olhos longe de você." "Hmmm... Era realmente em mim ou você estava apenas tentando dar uma olhada em minhas respostas?" Eu brinquei assim que saímos da sala de aula. "Você pode me culpar? Não só você é bonita, mas você é mais esperta do que eu, também." Quando chegamos ao parque de estacionamento, eu me virei para encará-lo, plantando minha mão em seu peito. "Se gabar vai te levar longe." Ele se inclinou para sussurrar contra os meus lábios: "Eu estou contando com isso." Eu deixei os seus lábios contra os meus e, embora eu não sentisse nenhuma intensidade lancinante como a que fui apresentada em um muito mais tenra idade, eu gostei. E por que não deveria? Ele era sexy como o inferno. Ele só não era o que eu desejava. Não se leve por esse caminho escuro, Sheldon. "Oh, não, você não." Era difícil dizer para quem o aviso foi realmente, mas eu pulei fora, disfarçando o mal-estar que senti com um sorriso brincalhão e inclinando os meus lábios. "Eu tenho que chegar em casa, cara legal." Depois, agarrando minha mochila de seu ombro, eu fui para o meu carro, a necessidade de colocar distância entre nós. "Qualquer chance de que eu poderia finalmente ser convidado?" Merda.


"Você sabe que eu não posso fazer isso." "Tudo o que sei é o que você me diz, o que não é muito. Por favor, Shelly..." "Não." Quando seu cenho se aprofundou, acrescentei: "Eu já pedi para não me chamar assim." Eu não perdi a confusão em seus olhos antes que ele continuasse. "Se eu não posso voltar para casa com você, você vai pelo menos me dizer por que você insiste em permanecer um mistério?" "Se eu dissesse a você, então você não estaria tão interessado em mim como você está agora." Baixei os óculos de sol, verifiquei meu relógio, e praticamente corri para chegar ao meu carro. Eu estava atrasada. Eu lutei através de sete milhas de tráfego conturbado. A curta distância me levou vinte minutos devido a todos estarem correndo para casa. Havia uma previsão para uma noite de tempestade. Tempestades de verão sempre provaram ser as mais ferozes para que eu pudesse entender o ligeiro pânico. Quando eu finalmente cheguei ao meu destino, eu pulei fora do meu carro e corri pela calçada até a entrada, onde o gerente estava fechando a porta para a noite. "Cindy, eu sinto muito." "Sheldon, eu lhe disse para tomar todo o tempo que for necessário." Ela virou-se para trancar a porta com um grande sorriso enfeitando seus lábios. "Então, como foi?" "Não tenho certeza..." Peguei meu pacote pequeno de cabelo escuro que fez beicinho e disse: "Mamãe tarde", antes de me beijar na bochecha. Era um movimento que ela fazia quando ela estava chateada comigo, mas ainda queria atenção, o que me lembrava muito de seu pai. Eu mordisquei suas bochechas rechonchudas, e uma vez que ela estava preocupada brincando com o meu cabelo, eu me virei de volta para a gerente da creche.


"Você não tem certeza?" Ela inclinou seu quadril e revirou os olhos. Cindy era como a irmã mais velha que eu nunca tive, embora ninguém jamais realmente acreditasse que nós éramos irmãs biológicas simplesmente porque ela é Afro-americana. "O que diabos isso significa, Sheldon? Você tem feito muito para se formar." "Olha a língua, Cindy." Para uma garota que passava todo o seu dia com crianças, ela tinha um mau hábito de deixar suas palavras voarem. A primeira vez que Kennedy trouxe para casa uma palavra ruim foi no dia em que eu comecei a treinar ela para fazer cocô no bispote. Imediatamente depois de fazer, ela ficou de pé, apontou para o bispote infantil e gritou 'merda'. "Desculpa. Tenho certeza que você se saiu bem, mas você tem que relaxar um pouco. O mesmo acontece com Kennedy." Eu não preciso ser lembrada dos riscos de perturbá-la. Eu nunca parei de pensar nisso. "Mais fácil falar do que fazer." "Você já pensou sobre o que eu disse?" "Não. Eu não tenho e eu não preciso. A resposta ainda é não. Sempre será não." "Sheldon ... " "Não. Cindy, mesmo se eu quisesse, eu não sei para onde olhar. Ele se foi.” Eu senti o tremor na minha voz e a julgar pelo olhar no rosto de Cindy, sei que ela também ouviu. Olhei para Kennedy, que agora olhou para mim com admiração e inocência em seus olhos, eu não gostaria de ter isso afastado por causa do coração negro de seu pai. "E se eu tiver sorte ele vai ficar longe." ***** QUATRO ANOS ATRÁS Minhas entranhas sentiam como se estivessem rastejando sobre minha espinha quando me ajoelhei sobre o vaso sanitário. Não era o medo do desconhecido ou mesmo a náusea violenta que fez meu corpo tremer.


Eu sabia exatamente o que havia de errado comigo. Era irônico era que eu estava em um casamento quando eu percebi isso. A tia de Lake e o investigador particular que ela contratou para descobrir sobre a morte de sua irmã tinham tomado outros caminhos e se casaram logo depois de conhecer um ao outro. "Sheldon?" Quando olhei para cima, fui recebida com espumante, jóias turquesa olhando para mim com preocupação gravada em toda a sua face perfeita. Tentei responder e fingir que estava tudo bem. Eu realmente tentei, mas em vez disso, eu me virei para outra rodada de esvaziar as tripas. Isso não podia estar acontecendo. Eu neguei e racionalizei mais e mais na minha cabeça, mas cada vez que eu sentia meu estômago virar e minha cabeça nadar, cheguei mais perto de admitir a realidade da minha verdade fodida. Eu não sabia que eu estava sufocando até que eu senti mãos gentis me puxando do chão para sentar no sofá. Quem coloca um sofá em um banheiro de qualquer maneira? "Lake, eu não sei o que eu vou fazer." Ela esfregou minhas costas e esperou pacientemente para eu continuar. Era a única coisa que eu conseguia pensar para dizer. Eu não percebi o quão chateada eu tinha estado até que eu ouvi ela própria fungando e percebi que ela estava chorando comigo. "Diga-me o que está errado para que eu possa ajudá-la." O seu pânico despertou o meu próprio novamente. "Oh, Deus, Lake ... ele me deixou." Ela visivelmente relaxou, embora ela ainda usasse um olhar preocupado. "Vai ficar tudo bem, Sheldon. Tenho certeza que ele está bem." "Não é isso", eu sussurrei baixo. Meu medo empolgado em cada segundo que passava. Uma vez que as palavras saíssem, eu não seria capaz de levá-las de volta. Iria se tornar real. "O que você quer dizer? O que é isso?" Eu precisava que isto fosse um sonho. Eu balancei minha cabeça antes de me virar para olhá-la nos olhos. "Eu estou” ... A porta se abriu


antes que eu pudesse terminar, e Keiran invadiu com um olhar irritado. Eu não tinha percebido quanto tempo se passou e a ameaça persistente que tinha quase levado os dois à morte. Ele viu Lake sentada na cadeira. Se eu não admitisse agora, eu nunca poderia. Ele foi direto para ela. Meu olhar se fixou com o seu, e eu deixei a verdade livre. "Eu estou grávida." ***** PRESENTE Vinte minutos mais tarde, eu caminhei para o nosso apartamento modesto de dois quartos que contrastava fortemente com o luxo em que eu tinha crescido. A melhor parte foi que eu não me importava, porque era nosso. Eu coloquei Kennedy para baixo, o que imediatamente correu para problemas em partes desconhecidas. Eu tinha instruções estritas para ela ficar fora do banheiro e da cozinha, mas apenas no caso da minha pequena, e teimosa escolher não ouvir, eu mantive chaves nas entradas. Seus brinquedos eram mantidos em uma gaveta na sala de estar, então eu sabia onde sua primeira parada seria. Eu tinha talvez uma hora para preparar o jantar antes que ela estivesse novamente em movimento, então eu geralmente esperava até que ela se cansasse e para colocá-la para dormi antes de fazer a lição de casa ou estudar. Temos uma rotina que funciona para nós. Haviam alguns dias ruins como uma mãe solteira com um bebê inesperado, mas nós nos amamos. Era o suficiente porque tinha que ser. Além disso, para Kennedy não faltava amor. Eu tinha mais do que o suficiente de ajuda quando necessário. Sua existência mudou mais do que apenas a minha vida, e eu nunca vou esquecer o dia em que descobri que estava grávida. Eu acho que foi a primeira vez em que Keiran Masters tinha ficado com medo. Em vez de começar o jantar, eu a segui para a sala e a observei da entrada. "Mama. Angry Birds."


O som da voz da minha menina me arrancado dessa memória. Seus olhos escuros, muito parecidos com os do seu pai, olharam para mim. Quando eu não me movi rápido o suficiente, ela levantou o controle remoto da mesa de café, virou-se e disse: "Mamãe, eu assisto Angry Birds, agora", enquanto pressionava todo e qualquer botão. Estudei como ela franziu a testa em concentração, observando qualquer sinal de ausência ou chateação. Todos os dias, ela tornava-se assim, mais independente, ferozmente. Eu sabia que só iria perturbá-la se eu a ajudasse, então eu esperei pacientemente quando ela descobrisse. Não demorou muito para a minha pequena gênia encontrar um canal adequado, e quando ela fez isso, eu a deixei sozinha para ir preparar o jantar. Adaptar-se a maternidade foi difícil no início, e quando eu finalmente me ajustei e encontrei um ritmo, fui arrebatada. Kennedy foi diagnosticada com epilepsia um ano atrás. A primeira vez que ela teve uma convulsão foi o segundo mais assustador da minha vida. Mesmo que o episódio não tenha durado muito tempo, corri para o hospital naquela noite, sem saber como nem porquê, e eu morri cada segundo que passou. Por causa de sua tenra idade, os médicos optaram por mantê-la lá durante a noite, mas estavam preparados para eu chamá-los no caso de um incidente isolado. Isso foi vinte e quatro horas depois, quando ela sofreu outra convulsão. Uns pares de testes confirmaram os temores dos médicos, era epilepsia. Lembro-me de pensar o quanto ela era muito novinha. Muito inocente e não merecia isso. Sentir-me impotente enquanto ela sofria me doeu por dentro e por fora e me rasgou. Todos os dias, eu me preocupava que de alguma forma simplesmente cuidar dela não seria suficiente, e pela segunda vez, eu iria perder o amor da minha vida. Um ano atrás, eu pensei que eu estava preparada para deixar Keenan para atrás em minhas memórias, mas quando eu pensava que estava perdendo Kennedy, eu o procurava. Eu reabria a ferida para o bem da vida que criamos. Por um momento, eu acreditava que ele tinha o direito de saber, embora tivesse sido sua a decisão de ir embora. Mas


quando eu não pude encontrá-lo, eu comecei a perceber que ele tinha ido embora para sempre, então a ferida cicatrizou de forma diferente. Eu o odiava por tudo o que ele me forçou a passar através do amor. No final, o que doeu mais foi que ele tinha sido o único a sair e eu fiquei segurando os meus pedaços quebrados. Quando acabei jantar, eu coloquei sua refeição favorita de macarrão com frango cortado em pedaços pequenos e queijo em uma tigela. "Kennedy, eu fiz seu jantar favorito!" Esperei um sorriso. Em um segundo ela apareceu na porta e deu um sorriso cheio de dentes. "Fuango?" Ela gritou animadamente fazendo, o r para soar como um w. Meu celular tocou quando eu cheguei até a porta. Sentei-a na cadeira e empurrei a tigela de macarrão em frente a ela antes de o pegar. "Ei, Lake." "Não, diga ‘ei’. Como foi?" Fingi irritação e suspirei, "Você sabe, quanto mais você está com ele, mais rude você fica?" Eu nunca teria imaginado que a mulher que Lake Monroe é hoje era a mesma menina tímida e ingênua que foi intimidada impiedosamente por quem agora é seu namorado. Quatro anos atrás, ninguém sabia a razão por trás do ódio profundo que Keiran Mestres sentia por ela. Ele tinha sido o rei de Bainbridge e não teve problemas em usar o seu poder para ridicularizar e paralisar sua vida social e auto-estima por dez anos antes de tudo mudar pelo amor. Mesmo que o amor tivesse suavizado suas arestas, ele ainda podia ser um filho da puta assustador. Eu costumava me preocupar com Lake porque as pessoas não mudam apenas durante a noite, mas, até agora, eu não vi sinais de que ela poderia estar infeliz. "Confesse. Eu não posso confiar meus futuros filhos a algum charlatão." Ela começou a murmurar a alguém no fundo antes que eu pudesse responder. Deve ter sido Keiran porque eu ouvi o beijo seguido de um tapa alto e risos.


"Vocês dois precisam de algum tempo sozinhos?" “Huh? Oh, desculpe. Então, tudo correu bem?" "Eu realmente não vou ter certeza por mais de uma semana. Você sabe disso." " Mas você acha que foi bem?" "Lake, o que é isso?" "O que você quer dizer?" "Quero dizer, por que você está de repente tão interessada em minhas notas?" "Eu preciso de um motivo específico para estar interessada?" Meus olhos se estreitaram, embora ela não pudesse me ver. Alguma coisa estava acontecendo. "Coloque Keiran no telefone." "Eu não entendo por quê." "Lake", eu rosnei. No próximo segundo uma voz profunda filtrou através do telefone. "O que foi?" "Me diga você. Lake está pescando. O que está acontecendo?" Eu sabia, que se havia alguém que não insultaria minha inteligência com rodeios ou fingimento, seria Keiran. "Eu vou atrás dele." Nem mesmo uma respiração profunda poderia acalmar a tempestade turbulenta na minha cabeça. Tentei dizer a mim mesma que seria como qualquer outra vez. Keenan nunca mais ia voltar. Ele prometeu-me isso na noite em que ele me deixou. "Keiran, você não acha que é hora de desistir disso?" "Eu o encontrei, Sheldon." Meu pulso acelerou, e meu coração pulou uma batida. "Você me disse que iria parar de procurar," Eu rebati. Será que ele realmente o encontrou? Eu tinha um milhão de perguntas que eu queria


perguntar, e ainda assim eu sabia que não devia saber sobre as possibilidades, mas meu coração tinha idéias diferentes. "Eu disse que esta seria a última vez", ele se defendeu. "E então você só passou a ter sorte?" Deve ter havido um milhão de rochas onde Keenan tinha se escondido debaixo. "Ele é meu irmão, Sheldon, porra." Sua voz saiu ameaçadora, mas, em seguida, quase no mesmo instante, ele acrescentou suavemente, "eu provavelmente nunca teria desistido." "Por que você se importa tanto? Ele odeia você e você não se lembra do que ele tentou fazer para Lake?" "Não é algo que eu vou esquecer tão cedo. Onde você quer chegar?" "Ele poderia ser perigoso, Keiran. Já faz quatro anos. Não sabemos mais nada dele." "Eu não vou virar as costas para o meu irmão." "É engraçado, porque isso é exatamente o que ele fez com você." "Quanto tempo você acha que as suas desculpas sobre ele serão suficientes para Kennedy? Um dia, ela vai realmente fazer perguntas." "Ela está indo muito bem sem ele." "Isso não é uma decisão sua. Ela precisa de seu pai." "Você está errado, Keiran. É minha decisão, e ela não precisa de um covarde." Eu desliguei sem esperar por uma resposta. Deixe-o receber o comportamento rude por uma vez. Eu verifiquei para me certificar de que Kennedy estava bem antes de ir para o meu quarto. Uma vez lá dentro, eu fechei e tranquei a porta, corri para minha cama, e gritei minha frustração no travesseiro. Como ele pôde fazer isso? Ninguém sabia o que trazer Keenan de volta aqui significaria.


QUATRO ANOS ATRÁS A festa de formatura era tudo que eu pensei que seria e nada como eu queria. Durante toda a noite, eu estava cercada por amigos. Houve risos, música, dança. As luzes coloridas e enfeites tinham iluminado o ginásio. Tudo deveria ter sido perfeito, mas tudo estava tão errado. Se não fosse por Willow, eu não teria sequer me preocupado, mas de acordo com ela, eu precisava fazer uma declaração. Eu tinha sido totalmente preparada para vestir-me e desfrutar da noite. Eu não tinha sequer olhado para frente para testemunhar Keiran dançando lentamente. Era para ter sido divertido, mas quando ele gentilmente conduziu Lake para a pista de dança e a tomou em seus braços, só serviu para me lembrar de tudo o que eu tinha perdido no amor. Eu poderia dizer que ele estava nervoso, mas a maneira como ele olhava fixamente em seus olhos e ela para ele, como se fossem as duas únicas pessoas no mundo, parecia ajudá-lo através disso. Eles ficaram juntos por dois minutos, enquanto Keenan e eu estivemos juntos por dois anos, no entanto, de alguma forma, o vínculo deles parecia mais verdadeiro. Eu acho que foi nesse momento que comecei a ressentir-me da idéia de amor. Havia um ditado que dizia “o amor não ama ninguém”. Quem disse isso era um gênio. Eu andei para dentro de casa sozinha depois de ser levada do baile por Keiran e Lake. Meus pais estavam fora em uma viagem de negócios, de modo que a casa estava em silêncio e em escuridão. Eu não quero estar sozinha, mas não havia ninguém disponível para me atender. Willow inesperadamente teve que deixar o baile cedo depois de um telefonema um pouco irritado de sua mãe. Tudo o que ela conseguiu dizer antes de sair foi que ela tinha que voltar para casa imediatamente. Dash


surpreendentemente se ofereceu para surpreendentemente, ela foi sem problemas.

levá-la,

e

ainda

mais

Eu tinha grandes esperanças de que os dois iriam parar de lutar contra o inevitável. Era uma esperança sobre a qual eu não precisava manter segredo. Eu caminhei até a cozinha e roubei uma das cervejas do meu pai. Eu preferia algo muito mais forte, mas, eventualmente, meus pais se tornaram mais inteligentes depois de nos pegar roubando as bebidas pela quinta vez. Eles agora mudavam a combinação da tranca para o porão a cada semana. Memórias de um tempo mais simples, quando o amor era simples e novo, invadiram a minha consciência e, de repente, eu desejava aqueles dias de novo. Eu não perdi tempo saindo do meu vestido e saltos. Meus pijamas favoritos estavam espalhados sobre a cama, assim eu os agarrei e me dirigi para o banheiro para me refrescar. Os meus últimos pensamentos, antes de sucumbir no sono, eram se poderia ter sido melhor não ir ao baile. Algum tempo depois, o ar frio cumprimentou minha pele quando meu corpo foi levantado a partir da água ainda mais fria. Eu estava lutando contra a desorientação e contra as mãos que estavam me carregando. "Não", eu protestei, enquanto não estava inteiramente certa de contra o quê eu estava lutando. "Vejo que você ainda não superou me dizer não." A voz profunda foi registrada ao mesmo tempo que o choque de têlo aqui. "Keenan?" Ele não se incomodou em responder enquanto me levou para fora do banheiro e para o meu quarto, mas eu testemunhei o endurecimento de sua mandíbula. Eu também vi todas as suas contusões. "O que aconteceu com você?" Eu gritei e tremi de frio. "Espere, eu preciso de uma toalha." O impacto do meu corpo batendo nos meus lençóis foi a única resposta, e quando eu consegui virar, eu tive que lutar ainda mais contra o frio. Keenan irradiava raiva, e eu sabia que desempenhei um papel enorme nisso. Ele ainda queria que eu fosse alguém que eu não podia


mais ser. Não foi a traição como ele me acusou, foi por sobrevivência. Ele tinha o meu coração e sempre seria assim, mas se eu continuasse a estar com ele, ele iria roubar minha própria existência. "Eu já vi tudo que você tem a oferecer. Você não precisa de uma toalha." "Sim, mas eu estava molhada, e agora estou molhada e com frio." Um lento sorriso apareceu e uma massagem rápida em seu queixo seguida por: "Eu prometo aquecê-la em breve", era tudo que eu precisava para dar lugar ao medo. "E como você planeja fazer isso?" Eu perguntei desnecessariamente. Nós dois sabíamos. A única pergunta era se eu iria ceder. Eu encontrei o olhar de Keenan e tive a estranha sensação de que a escolha não seria minha para fazer. "Mais tarde. Nós temos coisas a discutir." "Coisas?" Ele virou as costas e caminhou em silêncio até a janela para colocar as mãos sobre o vidro. Sua cabeça baixa, e quando eu olhei através do escuro, eu podia ver seus ombros subindo e descendo com suas respirações profundas. "Por quê?" A pergunta formulada e dita entrecortada estaria para sempre gravada na minha memória. Havia tantas respostas para essa pergunta simples, mas só havia uma que eu achava que ele precisava saber. "Porque você me machucou ... pela última vez", acrescentei. Esta não foi como todas as outras vezes em que ele me magoou, e eu o relevei de volta. "Então é assim tão fácil para você, hein?" "Fácil?" Eu estava fora da cama em um minuto, arrastando o lençol comigo para afastar o frio e preservar alguma modéstia. "Você acha que é fácil?"


"Eu realmente não me importo se é ou não. Discutir a nossa separação é o último na lista de coisas que eu quero fazer com você agora." "Então por que você está aqui, Keenan?" "Eu quero saber por que você não me quer mais." Eu apertei minhas mãos em torno do lençol para não estender a mão para ele. Eu queria tocar e confortá-lo, mas então eu percebi que era assim que ele sempre foi capaz de me fazer voltar antes. "Não é você que eu não quero", eu sussurrei antes de permitir que minha voz endurecesse juntamente com a minha determinação. "É a bagagem emocional que eu tenho que carregar por estar com você, e o fato de que você dormiu com a minha professora juntamente com cada menina em Six Forks." "Tudo bem." Ele se virou para me encarar com frustração alinhando suas feições. "Eu a peguei. Eu a peguei e muitas outras garotas sem rosto. Eu não posso te dizer por que ou quando. Eu nem me lembro de seus nomes." "Você precisa ir embora, Keenan. Acabou. Para sempre." Uma sombra escura nublou seus olhos quando ele caminhou para mais perto. Eu estava trancada em seu poder muito antes de ele me tocasse. Meu corpo foi erguido até que eu estava nas pontas dos meus pés enquanto ele apertava as mãos em torno de meus braços. "Eu não vou a lugar nenhum." Ele pegou meus lábios em um beijo brutal que foi doloroso em mais maneiras do que qualquer um. Meu lençol foi arrancado do meu corpo e flutuou até o chão. "E nem você." ***** PRESENTE "Mamãe. Levanta." Eu senti os cobertores levantarem do meu rosto e olhei com um olho para ver um sorriso cúmplice radiante e mais brilhante do que o sol da manhã.


"Então, o que é esta manhã?" Eu resmunguei enquanto eu lutava para despertar totalmente. "Meus sapatos? A parede?" "Eu fiz bolhas, Mamãe." "O quê?" Ela pulou e saiu correndo para o banheiro. Era a única porta que eu não continuo fechando por ter pensado que era seguro. "Kennedy Sophia Chambers. Se você fez o que eu acho que você fez, você está em apuros, menina." Quando ouvi o som inconfundível de pingos de água, corri para o quarto. Eu tropecei duas vezes durante a tentativa de desembaraçar os meus pés dos lençóis. Meu coração estava disparado pelos poucos segundos que me levou para chegar no banheiro. "Mamãe. Olhe!" Kennedy estava segura e orgulhosa ao lado da grande banheira. Em meio às bolhas e vários brinquedos e bonecas flutuantes. Alguns até tinham afundado para o fundo. Não eram os brinquedos, no entanto que estavam causando o barulho. Quase todo o piso do banheiro estava coberto de água com sabão, entre outras coisas. "Kennedy, o que foi que eu disse sobre o banheiro?" Seu sorriso desapareceu lentamente quando ela colocou as mãos atrás das costas. Ela podia ser jovem, mas ela era extremamente hábil para detectar o tom da minha voz, não havia dúvida de que eu não estava feliz. "Mas mamãe, não havia uma chave." "Você sabe das minhas regras, e você poderia ter se machucado." "Como?", ela colocou as mãos nos quadris. "Bolhas são agradáveis." "Oh? Devemos chamar seus tios e falar sobre isso?" Os olhos dela se arregalaram antes que ela gritasse: "Você não faria isso!" "Oh, eu o faria", eu sussurrei e pisquei para dar efeito. "Agora, eu quero que você vá para o seu quarto e pense sobre o que você fez, e talvez eu não os chame." Ela não perdeu tempo pisando fora com atitude. Era lamentável o quando Keiran ou Dash estavam disposto a discipliná-la, mas ela adorava o chão que eles pisavam.


Dash, infelizmente, tinha acabado de ir para a Alemanha e não estava programado para voar de volta em outro par de meses. Ele estava aprendendo a tocar o negócio da família e assim, Keiran iria suprir na disciplina de Kennedy. Podia estar em falta no departamento de parentalidade, mas a ajuda extra sempre veio a calhar, e Kennedy sempre respondeu melhor para seus tios. Desde que eu tinha terminado a escola, eu planejei mentalmente um dia inteiro para nós sairmos para comer besteiras com uma série de filmes da Disney até que me lembrei que Kennedy tinha um compromisso no oftalmologista. A minha filha não estava enxergando direito e ultimamente sua visão debilitada me preocupava. "Ei, pirralha!" Eu a chamei do meu quarto. "Sim mãe?" "Ah, então agora eu sou a mãe?" Eu sabia qual era o seu jogo. Quando ela estava chateada comigo, ela me chamava de mãe, em vez de mamãe. "Nós temos um lugar para ir. Você pode se vestir para a mamãe?" Eu salientei a palavra para dar ênfase. Um trecho de silêncio cumprimentou-me antes que ela relutantemente respondesse com, "eu suponho." E saiu com mais 'Pose' ainda, mas isso me fez rir igual. Eu balancei a cabeça e admiti para mim mesmo que às vezes eu não podia acreditar que ela era realmente minha. Ela era uma parte do trabalho, ao que eu culpei totalmente seu doador de esperma para por isso. Em algum lugar onde vivia a minha consciência, eu sabia que não era inteiramente culpa dele que ele não estivesse aqui para ela, mas a mulher desprezada em mim discordou. Ele tomou a decisão de fugir ou saberia o que aquela noite tinha criado. Meus pais tinham saído, e Dash nunca voltou para casa, assim que Keenan se viu livre de todos esteve muito disposto a me curvar à sua vontade várias vezes ao longo da noite. Eu não conseguia sequer lembrar de estar usando proteção. Ele tinha me levado forte e sem pedir desculpas. Foi brutal em mais de um sentido, e como uma tola, eu o deixei tomar suas frustrações e ódio entre as minhas coxas. Mas ainda


assim, a única coisa da qual eu me arrependi sobre aquela noite foi perdê-lo para sempre, mas tinha sido a minha escolha. "Mamãe, eu posso usar minhas legings novas?" A voz de Kennedy me trouxe de volta para o presente e chamou a atenção para o calor espalhando sobre a minha pele. Nada sobre aquela noite estava certo ou até mesmo ela poderia ser chamada de sã, mas nunca deixou de me aquecer em lugares que não tinham sido tocados ... ou reclamados em quatro anos. "Isso depende," eu provoquei enquanto pegava um par de jeans e uma camiseta, "Você vai precisar de ajuda para colocá-las?" "Mamãe, tio Keke disse que eu sou uma menina grande e que eu posso fazer isso", ela mexia. "Eu só estava perguntando. Não deixe sua calcinha em um monte", eu murmurei sob a minha respiração. Eu tinha que ter cuidado com o que eu dizia ao seu redor. Ela presta atenção e repete quase tudo o que ela ouve. Não querendo deixá-la sozinha por muito tempo, eu limpei o banheiro e a banhei o mais rapidamente possível e nos vesti ainda mais rápido. Os dias de chuveiros persistentes e seleções meticulosas de roupas eram passado. Além de ser tão jovem, ela poderia ter uma convulsão a qualquer momento. A cada segundo eu estava com medo pela minha filha. Eu vivia para ela, mas isso me aterrorizava. Eu me perguntei se isso era o que o amor verdadeiro realmente seria. Depois de Kennedy estar vestida e alimentada, fomos em trinta minutos até a cidade para o oftalmologista da família cantando as letras das músicas junto com a Katy Perry. Voltar a Six Forks sempre me deixou nervosa. Depois de descobrir sobre Kennedy, meu relacionamento com meus pais havia se tornado tenso por muitas razões. Meus pais nunca suportaram totalmente meus sonhos me tornar uma modelo, e até o dia em que descobri que estava grávida, eles tinham grandes esperanças de que eles poderiam me falar


em uma profissão mais respeitável. Uma que exigia um diploma de quatro anos. De certa forma, meus pais conseguiram o que queriam, mas de uma forma que nunca tinham imaginado. Dash ficou desapontado comigo e quase não falou comigo durante a maior parte da minha gravidez. Ele tinha ajudado Keiran a procurar Keenan, embora eu tenho certeza que seus motivos eram muito mais sinistros. Foi a primeira vez em muito tempo que Dash e eu tínhamos entrado em desacordo. Eventualmente, o medo e a perda de todo o tipo de amor tinham começado a pesar sobre as minhas emoções até que eu comecei a considerar o aborto. Mas os meus medos e minha decisão final mudaram no dia em que ouvi os batimentos cardíacos do meu bebê. Keiran tinha tudo planejado, me “sequestrou” e me arrastou para o médico quando lhe contei a minha decisão. Mas não foi para a clínica mais próxima. Ele tinha me levado a um obstetra sem marcar hora e intimidado médico idoso em fazer-me um ultrassom. Felizmente, ele teve a consciência de esperar do lado de fora, mas isso não importa de qualquer maneira. O bastardo manipulador tinha feito o seu truque. Eu queria que meu bebê. Eu só não sabia o quanto até que eu descobri o quanto ela estava viva. Depois disso, Keiran esteve preso ao meu lado, tanto quanto possível, juntamente com Lake, que, felizmente, tinha um toque mais suave quando se tratava de persuasão. Se não fosse por ela, Keiran teria me deixado insana. Eu nunca iria entender como ela lidava com suas tendências controladoras e de mandão em uma base diária. Além de suas deficiências, eu tinha aprendido mais coisa sobre ele durante esses nove meses e nos anos seguintes do que uma década de escola com ele tinha me mostrado. Keiran tinha um coração. Um coração com furos de sangramento, mas um coração no entanto. Minha mudança de perspectiva misturada com emoções desequilibradas pode ter tido algo a ver com a minha gravidez, mas de


qualquer forma, eu estava grata por ele. Pode-se até dizer que éramos amigos ... mais ou menos. ***** A visita ao oftalmologista terminou com um par de óculos sendo montado para Kennedy. Sua visão tinha sofrido apenas uma ligeira descida, mas ela estava em perigo de se tornar gravemente míope. Claro, isso não foi muito um problema para Ken, uma vez que ela foi capaz de escolher óculos roxo com glitter. Paramos em um semáforo quando Kennedy disse: "Mamãe, eu quero sorvete." "Ken, são dez da manhã. Não é hora para tomar sorvete ainda." "Mas, mamãe, um sorvete por dia mantém o médico longe." "Você sabe que o certo é uma maçã, certo?" Ela baixou o tom, franziu os lábios, e olhou para mim por cima do olho. "Hoje não." “Ok, então, um de seus tios é responsável por isso? Você quer saber? Risque isso." Eu sabia quem era o responsável. Era incrível quanta influência um completo estranho tinha sobre ela, mas ela era cada pedaço de seu pai. Brincadeira e fala doce eram suas especialidades. "Titia Lake disse que eu sou como meu pai, mas eu disse a ela que eu nunca conheci meu pai. Como ele é, mamãe?" O carro sacudiu a uma parada, e eu percebi que meu pé estava tentando forçar o pedal de freio através do piso. Buzinas soaram e motoristas irritados amaldiçoavam quando como eles desviaram para evitar bater meu carro. Eu vou matar Lake. Talvez eu só estivesse ouvindo coisas?


O discurso de Kennedy ainda estava em desenvolvimento, e, por vezes, eu mesmo poderia ter dificuldade de entender ela. Talvez, ela tenha entendido mal as palavras e as usou errado. Isso poderia ser isso? Kennedy nunca tinha perguntado sobre seu pai antes, porque eu nunca tinha falado. Eu sabia que não era certo, mas eu nunca poderia falar sobre ele. Eu pensei que eu teria um pouco mais de tempo antes que ela começasse a fazer perguntas. Mas eu acho que o tempo realmente não espera por ninguém. Outra lição difícil que eu tive que aprender por causa dele. Eu não queria culpálo por tudo o que tinha dado errado, mas era meio difícil quando ele não estava aqui para se defender. Eu fui para o posto de gasolina, porque esta não era uma conversa que eu poderia ter durante a condução. Eu devia lhe dizer a verdade ou uma mentira? Uma rápida olhada no espelho retrovisor me disse que isso não era apenas uma pergunta aleatória. Deus, ela tinha apenas três anos. Não devia ser a hora ainda. Eu estacionei e respirei fundo antes de me virar para o banco de trás para encará-la. "Ken, seu pai é..." Parei quando vi um homem extremamente grande, vestido de preto no meio do verão escaldante, curvado e olhando para a janela do carro onde minha filha estava sentada. Ela silenciosamente olhou para trás quando seu corpo ficou tenso. "Quem diabos é você?" Eu gritei embora as janelas estivessem fechadas. Quando sua mão se estendeu para a maçaneta da porta eu apertei no botão de bloqueio, e então foi quando notei um segundo homem, igualmente vestido de preto, ao lado da minha porta com um revólver apontado diretamente para minha cabeça, em plena luz do dia. "Se você pelo menos piscar a porra de um cílio, vou explodir o seu cérebro através de seus ouvidos, me ouviu?" "Mamãe!"


"Kennedy!" Ignorando o aviso, eu me virei para ver minha filha lutando contra as grandes mãos retorcidas levantando-a para fora do seu assento no carro. "Tire suas mãos de minha filha!" Tudo aconteceu muito rápido. Muito rápido. E a pior parte era que eu nem sabia o por quê. Eu gritei por socorro, mas nada veio. Nem o som da minha voz ou de um bom samaritano. Apenas dor. A última coisa que eu lembrava era o toque dos meus ouvidos abafando os gritos da minha filha de mim.


"Mantenha seu rabo quieto, Lacy." Ou era Lucy? "Eu não posso," ela gemia e mexia o rabo. "Isso dói." Eu suprimi a tentação de jogá-la fora de minha mesa e em vez disso, apertei a agulha mais profundo em sua pele. Seu silvo de dor era música para os meus ouvidos, e mesmo agora, eu podia sentir meu pau endurecendo. Havia dois tipos de pessoas quando se tratava de dor. Aqueles que recebiam e aqueles que presenteavam. Vamos apenas dizer, eu me tornei um filho da puta generoso. "Quieta!" Eu pedi novamente, desta vez mais baixo e mais fundo, para deixá-la saber que eu estava falando sério, "ou saia da porra da minha mesa." Ela murmurou um pedido de desculpas e conseguiu se manter enquanto eu terminei a última parte da grande tatuagem de borboleta, típico das mulheres que não conseguiram perceber quando tinham passado da idade. Normalmente, eu estaria virando-a, mas a necessidade desesperada de uma distração estava chamando para medidas desesperadas. "Quinhentos," eu pedi após o término de sua tatuagem. "Pague e saia." Uma tatuagem tão fácil quanto à dela não iria custar tanto quanto eu estava cobrando, mas eu estava em um tipo de mau humor. Ela fez um pequeno beicinho, mas sabiamente, não discutiu. Ela me conhecia melhor do que isso. A reputação que eu tinha construído ao longo dos últimos quatro anos me precedia.


"Não se preocupe. Deixei-lhe um pouco de bunda extra doçura." "Sério?" Ela gritou. A cadela estúpida realmente virou, esperando ver sua tatuagem. "Ouça, Lucy ..." "Lacy." "Eu não tenho mais nada para fazer aí e você está me segurando." Eu bati meus dedos para o dinheiro, pronto para atirá-la na rua, com ou sem o dinheiro. "Oh, hum ..." Olhei para ela e senti meu queixo apertar. "Foda-se. Você não tem o dinheiro, não é?" "Não, não é bem assim, isso é muito." "Como ... muito?" "Tenho duzentos." "Deixe o dinheiro sobre a mesa e saia. Não volte." Eu já estava me afastando, esperando que ela tivesse ido embora mais cedo ou mais tarde. "Oh espere! Eu sei." Você não tem uma ideia do caralho. Eu continuei me movendo para o meu escritório com ela em meus calcanhares. Meu humor único foi escurecido quando eu estava sentado atrás da grande mesa de mogno, e ela me seguiu até os joelhos. "Última chance. Saia", eu avisei. "Mas você não quer me deixar pagar primeiro?" Ela passou as mãos pelas minhas pernas e até mesmo com meu jeans que nos separa, meu corpo gelou. "Eu tenho algo melhor do que dinheiro", ela ronronou. "Ah, é?" Corri meus dedos pelos seus cabelos. "O que seria isso?" "Deixe-me mostrar", ela respondeu enquanto tentava desatar o meu cinto. Minhas mãos a pararam enquanto eu me inclinei para frente. "Você quer me chupar?" Ela lambeu os lábios e baixou a cabeça para a frente, mas a minha mão em seu cabelo de repente a parou


quando eu usei o cabelo dela como uma trela. "Eu lhe fiz uma pergunta, caralho." "Sim. Eu quero chupar você." Eu deixei meu sorriso assumir minha face, que parecia apreciar sua vontade. "Bem, então você deve chupar. Mas não vai ser o meu pau." "Você quer que eu chupe o pau de outra pessoa?" Eu suprimi o desejo de balançar a cabeça. Essas putas de Hollywood têm muito pouca vergonha. "Eu quero que você use esses pequenos lábios carnudos ... " eu apontei para onde havia um tubo preso para fora da parede "naquele cano enferrujado ali." "O quê?" "Agora. Chupe essa tubulação, Lacy. Faça-a sentir-se bem." "Mas eu poderia ficar doente", ela lamentou. "Eu simplesmente não dou a mínima. Eu dei-lhe a chance de sair." Quando ela continuou a hesitar, eu perdi o último bocado de paciência que eu tinha. "Faça isso ou eu vou fazer você chupar, e eu não posso garantir que você ainda terá todos os seus dentes quando eu terminar." Ela se pôs de pé e atravessou a sala para o tubo. Eu assisti-a o tempo suficiente para vê-la mais baixa, de joelhos antes de pegar o meu celular. Quando a voz do outro lado falou, eu não perdi tempo cavando na bunda dela. "O que eu disse a você sobre enviar suas amigas vagabundas na minha loja prometendo-lhes um desconto?" "Não é como o sujo falando do mal lavado?" "Vamos começar de novo?" "Se alguém é uma vagabunda, você é ... Rei da vagabundagem." Eu sentei na minha cadeira sentindo-se mais irritado a cada segundo que passava ... "Onde você ouviu isso?" "Durante a minha recente e curta, mas agradável, estadia na encantadora cidade de Six Forks." "Eu não estive lá, em quatro anos, Di."


"Sim, mas, aparentemente, você é uma lenda, porque as senhoras ainda amaldiçoam sua própria existência e seu pau." "Bem, talvez seja hora de eu parar de enviar-lhe lá. Eu pago para obter informação útil, não fofoca.” “Não é a mesma coisa?" "Depende de quem você está falando." Eu segurei minha respiração, esperando, já que apenas o som de sua respiração passou através do telefone. "Eu não o vi." "Claro que não. Ele provavelmente ainda é um escroto estudioso na faculdade para sua pequena princesa." "Keiran? Um imbecil? Estudando?" "Você não o conhece, então não finja que você o faz." "Então por que você me mandou de rabo quente de volta para aquele lugar se você sabia que ele não estaria lá?" "Eu não lhe disse para parar de chupar," eu grunhi para a loira quando ela levantou a cabeça. "Meu queixo dói." "Sério?! Você está recebendo um boquete enquanto você está falando comigo?" "Não importa. Estou cansado de falar." Antes que eu pudesse terminar a chamada, ouvi o grito dela para eu esperar. "O que?" "Foi por ela, não foi?” "E se fosse?" "Eu teria que dizer que estou curiosa sobre o porquê? Quero dizer, é óbvio que você ainda a ama, a julgar pelo grande esboço em sua parede do escritório. Tipo ... doce, mas um pouco obsessivo." "Eu acho que eu tive um momento de fraqueza. É um traço comum meu pelas putas.” Eu desliguei o telefone e fechei os olhos antes de abri-los. Meu olhar viajou para o esboço que eu fiz de Sheldon na noite que tirei a


virgindade dela. Ela estava dormindo, e mesmo depois das coisas que eu tinha feito ao seu corpo, ela ainda parecia pura de alguma forma. Eu refleti sobre os últimos quatro anos, e pela milionésima vez, eu me perguntava sobre tudo o que eu poderia ter perdido. Ela ainda era a mesma? Ela era melhor ou pior? Ou eu era? Não pela primeira vez, eu me perguntei se a vida que levava valia a pena. Minha única opção foi continuar a viver a vida que eu tinha antes de sair de lá. Dezoito anos era muito tempo para viver uma mentira. Eu não poderia sacrificar mais tempo nisso. Alguém poderia pensar que se você gastou sua vida vivendo pelo motivo errado, então não havia sentido em viver, depois de tudo. Eu tive a minha chance de morrer, mas eu fui muito covarde para levá-la. Agora eu sou forçado a viver uma mentira. Mas desta vez é diferente. Desta vez seria a minha mentira. Olhei para a loira que parecia perto de desmaiar. "Saia." ***** Há poucas horas e um par de compromissos mais tarde eu saí da minha loja e fechei para a noite. Abri o Broken Ink pouco depois eu fiquei entediado de estar escondido, e eu estava convencido de que meu irmão não estava quente na minha trilha. Di me convenceu a deixá-la pegar o dinheiro que seu pai tinha escondido em sua casa. Tudo foi bem pensado e depois de conseguir a grana, nós caminhamos com 50% cada um. Desde que não me formei devido a minha longa estadia no hospital, eu me conformei com um GED e, mais tarde, uma licença para abrir a loja.


No início, o negócio era inexistente. Em uma cidade grande, paguei para ter conexões, e os únicos clientes enfeitando minha loja naquela época eram os amigos de Di. Eu nunca pensei que fazer tatuagens baratas para seus amigos iria pagar bem até que eu virei o jogo fazendo uma tatoo para uma banda aspirante que se tornou grande seis meses depois. Funcionou para mim que parte de seu sex appeal hardcore tenha feito o sucesso em toda a Califórnia e até mesmo pessoas fora do estado estavam correndo para a minha loja. O boom do negócio me fez esquecer a realidade da qual eu estava correndo porque nenhumas destas pessoas me conhecia. Eu dei-lhes uma história falsa e mais do que um nome falso, e mesmo sabendo que meu rosto não era possível esconder, trabalhei tanto tempo que eu não dei a ninguém uma razão para procurar. Mas não era com eles que eu estava preocupado. Era com todo mundo que deixei para trás. Conhecendo meu irmão, sabia ele iria olhar por mim por causa de quem ele é, mas depois do que eu tinha feito naquela noite, eu saí, eu não apostaria nisso a menos que fosse para me matar. Ele era uma pessoa vingativa e ninguém sabia disso melhor do que sua namorada que virou seu animal de estimação. Ela era a razão pela qual ele quer vir atrás de mim, se ele nunca fez foi porque quatro anos não foi tempo suficiente para ele esquecer o que eu tinha feito. Eu me perguntava o que ele faria se soubesse que Lake não foi a única que eu tinha machucado naquela noite? Keiran nunca tinha sido um cavaleiro de armadura brilhante, mas mesmo assim, eu podia ver a mudança que Lake havia causado nele. Em vez de felicidade pelo meu irmão e por uma garota que uma vez eu chamei de amiga, tudo que eu sentia era inveja e raiva. Uma vez eu acreditei em meu próprio caminho que o amor podia ter sido real, até que isso foi quebrado na noite em que conheci meu verdadeiro pai e descobri que meu irmão, que eu conhecia como o meu primo por toda a minha vida, matou a minha mãe. Nossa mãe. O amor desapareceu naquele dia. E quando Sheldon virou as costas para mim, ele morreu completamente.


Meu telefone me alertou com uma mensagem de texto recebida. Era uma sexta-feira noite, então eu já sabia o que a mensagem dizia sem olhar. E como sempre, eu aceitaria sem nunca responder ao convite. E por que não? Eu estava livre para fazê-lo. Eu não tenho que responder a ninguém. Eu não tenho que me importar com o que alguém pense. E ainda mais tentador, eu não preciso me sentir culpado por ferir ninguém além de mim. A maioria das pessoas que frequentavam essas festas ou estavam escapando da dor ou procurando por isso. Eu era apenas mais um corpo em um mundo cheio de pecado que não se encaixava em nenhuma das duas categorias. A mensagem de texto, quando eu a finalmente li, disse um endereço e nada mais. Não demorou muito para os anfitriões, ou quem estendeu o convite, para entender o fato de que eu nunca iria responder, então depois de um tempo, eles só enviavam um endereço. Se eu fosse, bem. Se eu não fosse ... bem, eu sempre ia. Estar sozinho nunca era uma boa por muito tempo. Eu tinha o suficiente de que crescer. Eu ansiava por contato. Eu desejava e necessitava de atenção. Eu exigia ser notado. Eu ri silenciosamente primeiro, e depois em voz alta quando me lembrei de em mais de uma ocasião, Lake dizendo que eu era uma prostituta por atenção. Ela viu através de mim, então eu não tinha escolha, apenas fiz amizade com ela. Eu não imaginei realmente me preocupar com ela. Eu não demonstrei na última vez em que a vi, mas eu nunca quis machucá-la. Só ao meu irmão. Eu posso buscar atenção, mas isso não significava que isso preencheu o vazio. Era mais como uma correção temporária pela qual eu rapidamente me tornei viciado, o que era parte da razão pela qual eu ainda estava à procura. Eu pulei na minha moto, e quando ele rugiu para a vida, eu saí em disparada para uma noite de trevas e pecado. *****


O endereço me levou para a parte mais miserável da cidade que até mesmo os policiais deram um amplo esquecimento. Era uma maravilha como muitos de elite da cidade seriam pegos mortos em um lugar como este, misturado com a escória. Eu estava nas duas classes. Uma fileira de casas, cada uma pior do que a anterior, estavam cheias de foliões indo e vindo. Eu escolhi uma para estacionar a minha moto em frente. "Chris! Bem-vindo à festa, cara!" A voz veio da minha esquerda, e enquanto que eu desmontei, ele estava em mim. Keith era um traficante a muito tempo que gostava de realizar festas de porrada para sua clientela potencial e da concorrência. Havia mais de uma ocasião em que uma festa terminou mal devido a um tiroteio ou uma overdose. Na verdade, essa era o tipo de situação que resultou na nossa amizade, há três anos. Eu salvei algumas de suas crianças imbecis, e ele me retribuiu enviando-me clientela fresca e convites para suas festas. Mais frequentemente do que não, eu traria o meu negócio aqui para fazer algumas tatuagens e dinheiro extra, não que eu realmente precisasse. "E aí irmão? Você começou a festa sem mim?" Eu provoquei quando nós batemos as mãos. Ele estrategicamente conseguiu empurrar uma cerveja no meu outro lado. Eu não era geralmente o tipo beber cerveja, mas estes dias, eu comecei a me importar menos e menos. "Nós sempre começamos a festa sem você. Você aparece quando você sente vontade. Se nós esperássemos por você, seria hora de acabar com isso antes mesmo que começasse." "Você nunca ouviu falar que uma verdadeira festa não pára?" "Sim, bem, seria meio difícil não parar quando todo mundo está bêbado, desmaiado de bebida e chapado." "Então, por que aqui? Este não é o seu tipo usual de ponto." "Homem, os porcos estão farejando minha merda, então eu tive que mudar tudo. Além disso, eu tenho ouvido sobre um traficante menor em torno destas peças que quer tomar o meu lugar." "Você sabe que um dia sua merda vai te pegar pelo colarinho, certo?"


"E quando acontecer, pelo menos eu vou ser capaz de dizer que eu vivi minha vida do jeito que eu escolhi. Quantas pessoas você conhece que pode dizer além de mim e você?" "Se você diz, cara", eu concordei sem entusiasmo. Na verdade, Keith estava morrendo. Seu caminho da autodestruição o levaria a um dos dois lugares - a sepultura ou a prisão. Mas eu estava melhor? Eu não posso entrar, mas eu não era melhor do que o resto porque eu escolhi esta vida. Di tinha me avisado a cada dia como era fácil ser sugado por esta vida rapidamente, mas o que ela não sabia era que eu nunca faço nada que eu não queira. A última vez que eu fiz isso me custou tudo. Pelo menos agora, se eu acordasse amanhã e decidisse que queria um caminho completamente diferente, gostaria de tomar esse caminho, mas até então, eu vivo o hoje, apenas hoje. "Então, o que trouxe você aqui hoje à noite?" Perguntou Keith, forçando minha atenção de volta para ele. "Cadelas, bebidas, ou zumbido?" "Tédio." "Ah." Ele estava calmo enquanto olhava por cima da festa e tomou um gole de sua cerveja. Depois de três anos de amizade, ele sabia que não devia empurrar o problema. Era de conhecimento geral que eu nunca me entreguei nessas festas, além de álcool. Eu estava contente de estar aqui e observar as pessoas pelo resto da noite até que a tripulação de escalonada de Keith sucumbisse ao longo de suas groupies no reboque. Um coro de saudações bêbadas dos rapazes e sorrisos sensuais destinadas a seduzir das meninas interromperam o silêncio. Keith estalou os dedos para alguém que eu não podia ver, e não muito tempo depois, cadeiras de gramado foram trazidas. Foi entregue uma a mim e não perdi. "Chris, cara, suas mãos estão um pouco vazias," Ryder, a mão direita de Keith, disse. "Katy, vai sentar no colo dele." A ruiva massageando seu ombro veio prontamente para mim com um largo sorriso como se tivesse acabado de lhe dar um milhão de


dólares, em vez de sentir mal como a puta que era. Eu nunca aspirei ter esse tipo de poder, mas era sempre divertido assistir. "Oi, eu sou Katy," ela ofereceu desnecessariamente quando ela abaixou-se no meu colo. Ela sutilmente levantou a saia de modo que a bunda dela, vestindo apenas uma tanga, descansasse diretamente no meu pau. "Então, eu ouvi." Minha voz saiu tensa quando meu pau subiu contra a minha vontade, abraçado entre suas nádegas. Tomei lentamente em sua aparência e vi que tudo sobre ela era para sexo, desde o tamanho GG de seus seios até a pele macia de suas coxas. Meu pau estava pronto para foder. Quando eu me inclinei para frente e, simultaneamente envolvi meu braço em volta da sua cintura, ela jogou o cabelo e sorriu para mim por cima do ombro. "Katy, é?" Eu sussurrei em seu ouvido.


"Acorde." Rosnei para a voz feminina que me tirou do sono profundo que eu não queria que terminasse. Eu fui atingido com o mesmo sonho que eu tinha toda a maldita noite desde o dia em que saí de casa. Um bocejo involuntariamente escapou antes que eu pudesse abrir os olhos. Eu poderia provar a bebida na minha língua e senti a tensão muscular de muito pouco sono. Quando eu finalmente abri meus olhos, fui recebido com um par de olhos irritados olhando de volta para mim. Antes que eu pudesse pedir-lhe para sair, água gelada me bateu no rosto. "Foda-se!" Eu rugi. "Que porra é essa? Eu estava acordado, você está louca cadela!" "Oops. Erro meu." Di balançou a garrafa de água que estava segurando e sorriu para mim docemente. Ela estava vestida com roupa de ginástica da cabeça aos pés e suor brilhava em sua pele. A luz do sol brilhou através da janela, e eu poderia ver os seus mamilos através da camisa fina. "Você malha sem um sutiã?" "Eu não uso sutiãs. Eles são desconfortáveis e um desperdício de dinheiro. É sério que só agora você está percebendo?" "Sim. Eu não acho nada sobre você atraente." Em vez de ar de cansaço como muitas meninas teriam feito, ela revirou os olhos e inclinou a cabeça para trás para com um gole de água. Eu usei a distração como uma oportunidade de fazer a minha jogada. Seu grito de surpresa foi rapidamente abafado pelo cobertor que eu tinha descartado.


"Keenan!" Ela gritou de indignação. Ela conseguiu empurrar para cima em suas mãos, mas eu já estava lançando-a para suas costas. Meu joelho entrou entre as coxas, e eu usei-o para espalha-las amplamente antes de me fixar entre elas. Uma vez eu estava ancorado, eu levei um tempo para olhar em sua expressão feroz quando ela olhou para mim. Ela continuou a lutar, mesmo que nós dois soubéssemos que sua chance de me fazer sair era zero, nenhuma. "Acalme-se," eu pedi. "Saia de perto de mim." "Não é isso que você queria?" Eu deixei minha voz baixa e até mesmo, de uma forma que dizia que eu estava pronto para foder com ela. Eu poderia dizer que ela notou isso a partir do olhar assustado em seus olhos. Meus quadris foram pressionados contra seu sexo e o suspiro que saiu de seus lábios foi cheio de surpresa. Senti meu pau endurecer para minha surpresa. Talvez eu não devesse ter afastado a puta na noite passada. "Você está brincando comigo?" Ela cuspiu. "Por que mais você traria a sua bunda no meu quarto se não para foder?" "Você não atende ao telefone." "Talvez tenha sido porque eu estava dormindo", lentamente, deixando minha irritação ser conhecida.

eu

disse

"E qual a razão para tudo isso?" "Para que você saiba que se você vier aqui novamente, sem ser convidada, vamos foder." "Uma vez puto, sempre um puto", ela zombou. "Você está com raiva porque eu sou mais forte que você ou com raiva porque você secretamente me quer?" "Não, imbecil. Agora saia de cima de mim."


Desta vez, eu levantei de cima dela e estendi a mão para minha camisa no final da cama. Di saltou para seus pés bufando e jogando adagas para mim. "O que você está fazendo aqui?" Perguntei, sem encontrar seu olhar. Ela não tinha o direito de ficar chateada depois da intromissão no meu espaço sem ser convidada. Eu vivia sozinho num apartamento de cobertura, no centro de Los Angeles. Sempre que eu pisava fora de casa, eu era susceptível de cruzar com um ator ou cantor de uma banda de rock, e mesmo isso não me excitava. Di mudou-se para um apartamento similar, embora menor, alguns andares abaixo, depois de se recusar a viver na casa de seu pai, que ela apelidou de bordel dourado. Depois que tinha roubado o dinheiro de seu esconderijo na casa dele, ela brincou com a idéia de incendiar o lugar até que me lembrei que todo o meu propósito de me mudar era para me manter afastado. Aquela noite também foi à noite em que Di e eu quase nos pegamos em uma cama coberta com dinheiro depois de termos fugido. Chegamos perigosamente perto, mas parece que recobramos simultaneamente os nossos sentidos por diferentes razões que podem não ter sido tão diferentes assim. Nós nunca conversamos sobre isso e nunca fizemos outra jogada dessa. Nossa parceria tinha crescido para uma amizade quando percebemos que nenhum de nós tinha muitas pessoas em que pudessem confiar. Entrei no banheiro, sem esperar por uma resposta, sabendo que ela simplesmente iria me seguir. Ela precisava seriamente trabalhar seus limites. Eu brevemente me perguntei o que Keiran teria feito se tivesse sido ele a ter que lidar com sua merda. Eu ri quando eu percebi que ele provavelmente já teria quebrado o pescoço dela. Quando o pensamento veio, a diversão tinha sido substituída pela dura realidade do que meu irmão foi e como isso me trouxe aqui. Longe da minha casa, meus amigos ... de tudo o que eu já tinha conhecido, incluindo Sheldon. E ela me assombrava dia e noite.


"Eu recebi um telefonema de um cliente dizendo que você nunca apareceu para o seu primeiro compromisso." "Que horas são?" "Uma da tarde." "A que horas era o meu compromisso?" "Sério? Você não precisa nem se lembrar?" Peguei a pasta de dentes e revestido a minha escova. "Você pode responder a porra de uma pergunta simples sem fazer outra pergunta?" "Você foi a uma festa na noite passada, não é? Com essa de drogas, canalha?" "Essa é outra questão, mas posso perguntar uma coisa? Quando no inferno você tornou seu próprio rabo preso, porra?" "Desde quando meu pai foi para a prisão e parou de vender-me como uma prostituta." "Então você está dizendo que você precisa de alguma bunda?" "Você pode, por favor, pensar com seu cérebro e não com o seu pau pelo menos uma vez em sua vida?" "Eu tenho que mijar. Será que encerramos por aqui?" Eu a cutuquei e bati a porta antes que ela pudesse responder. Minha necessidade de urinar não era tão forte quanto a necessidade de esconder a minha reação ao seu julgamento de mim. Não era algo a que eu não estava acostumado. Apesar de tudo isso, ainda me fez querer colocar meu punho através uma parede. "Devo dizer ao seu cliente para reagendar?" Ela gritou através da porta. "Diga-lhe que remarque ou vá se foder," eu gritei de volta no momento que eu entrei no chuveiro e deixei o spray frio lavar os sentimentos indesejados. *****


Desde que eu perdi meu primeiro trabalho e depois de verificar minha agenda, percebi que eu não tenho outro por um par de horas, eu levei a minha moto para ter assistência técnica. Esta moto, Di, e as roupas nas minhas costas foram as únicas coisas que eu levei comigo quando eu saí de Six Forks. Eu disse-me que a razão pela qual eu segurei a moto antiga não era porque o meu nome e o de Sheldon estavam escritos na sua lateral. Na memória de como eles acabaram ali não havia história de corações e flores como alguém poderia supor. Ela realmente os escreveu lá com uma chave após a terceira vez que ela descobriu que eu estava traindo-a. Dizia “Keenan & Sheldon para sempre”. Ela os esculpiu do lado direito antes de despejar a minha bunda fora. Tê-la de volta me custou um monte de rastejar, e não foi até que ela me deixou para o seu bem que eu percebi que ela deveria ter me deixado há muito tempo. E se eu realmente a amasse... eu a teria deixado ir há muito tempo. Se eu fosse sábio, eu nunca poria os pés, em Six Forks novamente. Se ela tivesse sorte, ela nunca teria que colocar os olhos em mim novamente. Eu brincava com a idéia de ter a minha moto redesenhada pela milionésima vez, e cada vez que eu a trazia de volta sem fazê-lo, eu me amaldiçoava todo o caminho de casa. De vez em quando, eu mandava Di de volta para Six Forks como minha espiã. Eu nunca soube exatamente o que eu estava procurando, e Di nunca fez perguntas na maior parte do tempo. Todo mundo tinha ido embora para a faculdade, incluindo Keiran. Di foi capaz de descobrir que Keiran, Lake, e Dash foram todos estudar no mesmo colégio. Sheldon aparentemente escolheu ficar e foi para a universidade na cidade vizinha. Fiquei surpreendido dado o seu sonho de ser uma modelo, o que realmente não exige um diploma. Imaginei que seu pai fosse obriga-la a ir para faculdade. E por que isso me decepcionou? Eu não deveria me importar. Seu futuro não era problema meu, e o lembrete só serviu para trazer a raiva fervendo dentro de mim. Lembrei-me de como eu deixei as coisas com ela. Como eu a culpava e odiava por me deixar.


Quando eu mais precisava dela, ela me deixou de lado. Eu fui responsável por muitos erros em nosso relacionamento, mas uma coisa que eu nunca teria feito era abandoná-la. Foder aquela professora foi um dos pontos mais baixos da minha vida, mas o menor era implorar-lhe para estar comigo. Eu não iria implorar novamente. Se eu nunca mais a visse, gostaria de dizer que foi devido a minha vontade. Ela tinha acabado com tudo e era melhor esperarmos que nossos caminhos nunca se cruzassem novamente. Foi a última coisa que eu disse a ela. Eu estava mergulhado tão profundamente em meus pensamentos, que eu não tinha percebido que o dono da loja estava em pé na minha frente, me olhando com curiosidade. "Diga, homem. Você tem dado mais atenção para começar a repintar sua moto? Eu acho que pelo olhar em seu rosto a pequena senhora que esculpiu essa arte aí já não está na foto." "Você poderia dizer isso", eu disse lentamente para esconder a raiva crescente na boca do meu estômago. Era o mesmo ciclo vicioso que ocorria cada vez que ele era criado, e eu fui forçado a lembrar da traição dela. Um dia, a necessidade tinha tomado o meu bom senso, e eu tinha estado a meio caminho de volta para Six Forks para arrastar a cadela traidora de volta para minha cama se ela estivesse disposta ou não. Um telefonema de emergência de Di dizendo que ela tinha tido em um acidente de carro me impediu. Mas eu voltei só para encontrá-la sentada à beira da piscina bebendo uma margarita, e eu percebi que tinha sido um truque para me trazer de volta aqui. A idiota me entregou uma bebida, inteligentemente seguido de um: "De nada." Depois que os garotos tinham terminado com a minha moto, eu fui para a loja. Meu próximo compromisso não seria daqui a mais uma hora, então eu planejava passar o tempo vendo novos projetos para o meu álbum de recortes.


No entanto, os meus planos voaram para fora da janela, porque, mal tinha me acomodado na cadeira com meu álbum de recortes favorito, a porta da loja se abriu, batendo na parede e quebrando o vidro. Um cara excessivamente musculoso em seus trinta e poucos anos, vestido com uma camisa xadrez com uma barba espessa vermelha se aproximou de mim com mais três que seguiam atrás. O olhar em seu rosto e o fato de que ele quebrou minha porta me disse que não estava aqui para uma tatuagem ou visita social. Eu não preciso me preocupar em parecer não me incomodar com a ameaça potencial. Meu 'dou a mínima' tinha tomado umas férias há muito tempo e nunca se preocupou em voltar. "Ei! Você é Chris?" "Depende do porquê você esteja perguntando." Chris Johnson foi o nome que eu adotei quando eu vim para a Califórnia. Di pensou que eu deveria ter ido com algo menos chato, mas chato era modesto. Um nome comum deu-me menos chance de ser pego se alguém alguma vez ficasse curioso o suficiente. Tinha de haver milhares de Chris Johnsons no mundo, o que me permitiu me misturar com a multidão. "Há alguns dias, você tatuou uma menina e a fez chupar um cano enferrujado depois de tatuar 'Prostituta' em seu traseiro", o grande ruivo falou novamente. Eu fiz questão de deixar o meu olhar viajar sobre o homem cujas táticas de intimidação estavam um pouco desatualizadas. "Eu tenho que dizer que você está ótimo desde a última vez que te vi, embora um pouco diferente." "Ela é minha irmã caçula, seu merdinha." "E então, eu suponho que você está aqui para fazer uma tatuagem?" "Eu não estou aqui para fazer tatuagem porra nenhuma, rapaz. Estou aqui para obter um corpo."


"Desculpe," eu disse sem um pingo de medo ou emoção. "Eu não pareço ter um em estoque, mas se você voltar mais tarde, eu poderia ter um pouco preparado para você." Isso foi uma mentira, mas dar a impressão de que eu era um assassino cruel iria chamar o blefe para o inimigo menor. Foi algo que eu peguei de Keiran embora a diferença entre mim e ele fosse que ele era um assassino de verdade. Eu nunca percebi o quanto sua influência não só havia me afetado, mas também me manteve vivo durante os últimos quatro anos. Eu não me misturo com certas pessoas, porque eu não estava mais interessado em fazer a coisa certa. "Mais tarde, não vai funcionar para mim", ele gritou desnecessariamente. Cuspe voou de sua boca enquanto falava. Sua pele agora estava um vermelho escuro, e eu não pude deixar de pensar naquelas salsichas vermelhas gordurosas que se abrem quando você as ferve por muito tempo. "Eu vou tomar o seu lugar." Os três homens que ainda estavam falando sobre mim enquanto eu continuei sentado com meu bloco de desenho em mão. Eu tinha o meu próprio pedaço gravado sob a minha cadeira para a segurança apenas no caso de um cliente exaltado, ou alguma coisa, ou melhor, alguém que me chamou a atenção me fez repensar o meu próximo passo. "Você tem alguma coisa a dizer agora, garoto bonito?" "Ahhh, merda. Você acha que eu sou bonito?" Eu zombei com um sotaque de país falso. "Chega, Keenan," a voz profunda do meu irmão grande e mau explodiu atrás dos homens desavisados. Antes que eu pudesse piscar, a arma, equipada com um silenciador, apagou a parte de trás da cabeça de cada homem em rápida sucessão. Quando o último corpo caiu, eu fui deixado com a única pessoa que eu já tinha temido. Seus olhos escuros eram tão frios quanto eu me lembrava como ele me olhava. Eu tinha que me lembrar que isso foi há muito tempo. Tornei-me um animal inteiramente novo desde que descobri o quão fodido ele realmente é. "Como você me achou?"


"Isso é a primeira coisa que você diria a alguém que você não tenha visto em quatro anos de merda?" "Você estava esperando um abraço e um beijo na bochecha, ou você esqueceu o fato de que eu iria matá-lo mais cedo do que apertaria sua mão?" "Se você já sentiu a necessidade disso, Keenan, é só me avisar ..." Eu acenei para ele. "Diga o que veio dizer e saia." "Eu não vim aqui para uma conversa educada de chá. É hora de ir para casa, e eu sou o seu acompanhante." O riso borbulhou dentro do meu intestino até que transbordou. "Nada mudou, eu vejo. Você ainda parece pensar que o mundo deveria se dobrar para Keiran Fodido Masters. Bem, eu não estou seguindo você cegamente. Eu fui embora." "Você soa como uma fêmea. Você tem falado com Lake?" Ele soltou uma respiração pesada e rosnou. "Foda-se. Aqui estão as suas opções, você pode andar em seus próprios pés ..." Ele fez uma pausa e no segundo seguinte, eu estava olhando para o cano de sua arma enquanto ele apontou diretamente para minha cabeça, "ou eu posso te fazer vir." "Então, você realmente a matou?" Perguntei, encontrando seu olhar duro e mortal. Se ele estava disposto a me matar, que chance a minha mãe teve com ele, mesmo em tão tenra idade? Às vezes eu me perguntava se ela implorou e se ele realmente não sabia quem ela era quando ele a matou, como Lake tinha afirmado. "Sim", respondeu ele, sem dúvida, mas o vacilo em seu olhar, deixou-me saber que ele não estava completamente fora de contato com seus sentimentos. Talvez Lake tivesse suavizando-o. Era hora de testar essa teoria. "E agora você quer me matar?" "Querer é incorreto para o que estou sentindo, irmãozinho. Eu deveria matá-lo." Eu assisti o aperto dos seus olhos escurecendo as órbitas quase pretas, cheios de raiva.


"Continue. Não é como se eu estivesse pendurado em torno de nada em particular." "Sim você está. Você só não sabe ainda, e eu me recuso a deixá-lo continuar assim por qualquer tempo mais, porque você é um covarde." Eu saio da minha cadeira e caminho para perto dele até que meu peito está pressionado contra o cano da sua arma. "Desde quando você se importa tanto?" Rosnei de dentro do próprio peito que estava a segundos de uma palavra errada. Achei que ele só poderia estar falando de Sheldon. A garota a quem eu dei meu coração todos aqueles anos atrás. Ela finalmente decidiu me deixar depois que eu pisei na bola pela última vez. "Desde que eu tive que vir atrás de você, você não tem ideia do que você deixou para trás, mas você está prestes a descobrir." A ameaça pairava no ar entre nós, pois olhamos um para o outro em silêncio, deixando que nossos olhos dissessem o que nossa boca não diria. Keiran nunca tinha se segurado assim, e para ele fazê-lo agora deve significar que isto é grande. Eu simplesmente me concentro em tentar não me importar. A curiosidade matou o gato, depois de tudo. "O que eu devo fazer sobre essa bagunça? Eu tenho um cliente que estará aqui em menos de uma hora." Eu mudei o assunto para evitar Keiran, recebendo o olhar em seus olhos novamente antes que seu humor virasse mortal. Apesar de já ter visto um cadáver antes, eu ainda me assustava um pouco com a visão dos cadáveres que se encontravam aos nossos pés. Keiran, no entanto, quase não piscou os olhos. "Nós precisamos despejar os corpos." "Como nos? Estamos na porra da luz do dia." Felizmente, não havia nada mais por perto, devido à economia ruim e ao alto preço do espaço dos escritórios. "Em primeiro lugar, ligue e cancele todos os seus compromissos e feche este lugar", ele ordenou. "Vou levar os corpos lá para trás." *****


Levou o resto do dia para eliminar os corpos e limpar a loja. Esperamos a cobertura da escuridão antes de fazer o nosso movimento. Agradeci à minha estrela da sorte que eu não tinha tomado o café naquela manhã, porque tudo o que eu teria comido teria sido perdido quando foi hora de despejar os corpos. Ou melhor, as partes dos corpos. "Você pode ir agora", bufei quando ele continuou a cair em torno depois que voltamos para o meu apartamento. Nenhum de nós tinha falado desde que despejamos fora os quatro homens. "Você sabe que isso não vai acontecer." Ele olhou ao redor do apartamento com uma careta no rosto. Eu nunca estava realmente aqui, a não ser para dormir e de modo geral, o local estava limpo. O design sofisticado era certamente um problema para ele, que franziu a testa. "Você tem um problema com o meu apartamento?" Eu me abaixei para me sentar no sofá de couro preto onde eu mantinha uma nove milímetros escondida sob as almofadas. "Não importa. Você está pronto para dizer adeus a isso?" "Eu não vou a lugar nenhum." Eu peguei a arma debaixo da almofada. Keiran olhou de mim para a arma sem um pingo de medo, como se tivesse antecipado a minha jogada. O sorriso no seu rosto me fez querer atirar primeiro e perguntar depois. O problema era que ele realmente acreditava que eu não iria atirar. "Esse foi um movimento de cadela. Você é melhor do que isso. Eu te ensinei melhor do que isso." "Tudo o que você conseguiu me ensinar foi como atravessar a vida fodendo pessoas e usar seus pontos fracos contra elas. Sim, você me ensinou muito." "Nós nunca fomos boas pessoas, Keenan. O que você esperava? Estávamos condenados desde o momento em que nascemos. Eu posso ter sido um assassino, mas pelo menos eu não sou um covarde de merda." "Então, como não querer aparecer mais para você me faz um covarde?"


"Não." Ele andou mais perto enquanto falava, talvez na esperança de me intimidar, mas eu não ficaria por baixo conforme o esperado. Afinal, foi ele quem me ensinou como fazer as pessoas terem medo de mim, e me fez não temer ninguém. "Fugir de suas responsabilidades faz de você um covarde. Você as deixou e não olhou para trás." "Elas?" Eu tinha certeza de que a confusão estava escrita na minha expressão, mas a vibração alta de seu telefone me distraiu. Linhas profundas e irritadas se formaram ao longo da sua testa quando ele olhou para seu telefone. Ele estava tão absorto em seu telefone que ele tinha esquecido completamente sobre a arma apontada para sua cabeça. Quando a veia infame apareceu em sua testa, eu finalmente baixei o braço. Ele deu um soco com raiva para a tela antes de colocar o telefone no ouvido. "Keiran!" Eu podia ouvir o que soou como Lake gritando pelo telefone. "O que está acontecendo?" Tudo que podia ser ouvido em cima da linha era o som de Lake chorando. Ela estava dizendo alguma coisa, mas eu mal conseguia entendê-la e quando Keiran amaldiçoou ao telefone, eu sabia que sua paciência tinha se esgotado. "Porra, baby. Pare de chorar e me diga quem te machucou." "Não eu..." eu a ouvi gemer ... "foi a Sheldon." Minha frequência cardíaca triplicou e, em seguida, quadruplicou seu ritmo quando ouvi o nome de Sheldon. Ela estava ferida? Eu não sabia que meu punho estava enrolado e minhas unhas estavam cavando profundamente em minha pele até que eu senti a primeira gota de sangue. Eu não ouvi o resto da conversa, e quando eu cancelei a fúria assassina entupindo meus sentidos, Keiran tinha terminado a chamada. "O que há de errado com Sheldon?" "Keenan ..."


"Porra, me diga ou eu realmente vou te matar." A arma balançou na minha mão enquanto eu o assisti tomar uma respiração profunda e esfregar a mão pelo rosto, em um claro sinal de agitação. "Ela levou um tiro. Ela..." Meu punho conectou com o seu rosto antes mesmo de eu perceber que eu tinha me movido.


"Você não tinha que ligar para ele." Minha voz tremeu com as muitas emoções que eu estava sentindo atualmente. A dor física não era nada comparada com a sensação de estar completamente indefesa. "Você está brincando comigo? Você sabe quanta merda que ele vai me dar por esperar o tempo que eu levei? Você levou um tiro na cabeça e esteve inconsciente por quase 24 horas. Ele vai me matar!" "Você e eu sabemos que Keiran é muito egoísta para privar-se de você, e eu não fui baleada na cabeça. Eu levei uma coronhada." "Sheldon, Kennedy está desaparecida. Precisamos dizer a ele. Quanto mais cedo melhor." "Ela está certa, querida. Se alguém pode saber quem estaria por trás do seu sequestro, seria ele." John falou. Ele apenas chegou há poucas horas. Lake teve que ligar para ele quando ela não podia entrar em contato com Keiran. Felizmente, eu recuperei a consciência a tempo de pedir que o chamasse antes que eu tivesse falado com a polícia. Todos nós sabíamos o que iria acontecer quando Keiran descobrisse que Kennedy tinha sido sequestrada. Ele simplesmente poderia me matar junto com os bastardos que fizeram isso com ela se ela nunca fosse encontrada. "Oh, Deus." Soluços forçaram seu caminho através de mim quando eu pensava nos monstros que haviam roubado Keiran quando ele era um bebê. Lake correu e começou a esfregar minhas costas. Eu sabia que ela estava tão assustada quanto eu, mas ela era melhor em esconder isso.


Eu e todos os outros tínhamos a certeza mortal de que o sequestro estava relacionado ao passado de Keiran de alguma forma. Quem mais poderia tentar um sequestro descuidado aleatório em plena luz do dia, a menos que houvesse algo grande para ganhar? Mitch. Tinha que ser ele. Ele tinha feito isso uma vez com seu próprio filho. Não havia nenhuma razão para acreditar que ele não faria isso para Kennedy. Ele mais uma vez conseguiu escapar e ficar escondido por quatro longos anos. Keiran nunca mais parou de procurar embora todos nós acreditávamos que ele era provavelmente estaria morto devido às tantas dívidas que ele não tinha nenhuma maneira de pagar. O pânico me consume e minha imaginação corre desenfreada com pensamentos de onde meu bebê pode estar e se ela está bem ou que sofre por razões que ela não consegue entender. A cada segundo que passou desde que ela foi embora eu morri um pouco mais. E para piorar a situação, o pai da minha filha poderia voltar com Keiran, e ele nem tinha ideia de que ela existia. Fecho os olhos e faço uma oração silenciosa para que Keiran não tenha chegado a ele antes do telefonema. Poderia ser egoísta, mas eu faria qualquer coisa para proteger minha filha. "Você tem certeza que disse à polícia tudo o que você sabia?" Lake perguntou pela enésima vez. "Tenho certeza. Tudo aconteceu tão rápido, então não havia muito para me lembrar." Mas o que eu podia lembre-me muito vivamente, era dos gritos da minha filha quando ela estava sendo forçada longe de mim. A bala, por sorte, tinha apenas roçado o lado esquerdo da minha cabeça, mas foi o suficiente para tornar-me inconsciente. O médico me garantiu que a ferida não vai deixar cicatriz, mas estética era a última coisa com a qual eu estava preocupada. Eu disse isso a ele. Keiran tinha acabado de decolar na manhã de ontem para a Califórnia para trazer Keenan para casa e tinha estado inacessível enquanto todos se esforçavam para encontrar Kennedy.


As poucas testemunhas que se apresentaram disseram que ela tinha sido tomada em uma van preta sem placas. Meu único palpite seria que eles não poderiam ter ido muito longe sem o risco de serem pegos. Era tudo que eu poderia esperar. "Quão longo?" Parei para limpar minha garganta e engolir o pânico. "Quanto tempo até que ele chegue aqui?" "Oito ou nove horas, talvez?" Sua voz tremeu enquanto o nervosismo foi esboçado por todo o seu rosto. "Seus pais ligaram para Dash, e ele está vindo da Alemanha, enquanto falamos." Eu sufoquei uma maldição e consegui manter uma cara séria. A reação do meu pai foi ruim, mas Dash seria cem vezes pior. Meus pais não tinham feito nada além de me culpar por perder Kennedy, ralhando comigo sobre minhas atividades. Eles odiavam que eu tivesse me afastado com Kennedy, embora fosse apenas 30 minutos de distância. Acusaram-me uma e outra vez de puni-los por levá-la para longe deles. Não importa que eu estivesse na faculdade, assim como eles sempre quiseram. Eles acreditavam que a minha necessidade de ser completamente independente era egoísta devido ao fato de ter tido uma filha sendo tão jovem. Eu estava privando-a de sua herança, meu pai dizia. A partir do momento que Kennedy tomou sua primeira respiração, ela só tinha estado sem uma coisa e isso era seu pai. Mesmo assim, ela era amada como se tivesse dois pais, em vez de um. Lake sempre dizia que talvez eles ficassem chateados que eu provasse que eles estavam errados, e eu estava mostrando-lhes que uma gravidez na adolescência nem sempre tem que acabar em desastre. ***** Eu mal tinha terminado meu telefonema com Dash quando Keiran irrompeu pela porta com uma expressão tempestuosa. Eu poderia dizer pelo seu cabelo despenteado que ele tinha estado correndo os dedos muito


através deles. Sua mandíbula estava trancada e ele parecia pronto para lutar contra toda e qualquer coisa que estivesse em seu caminho. Foi o último pensamento que eu tive antes da minha mente não ser capaz de concluir mais nada. Seguindo atrás de Keiran estava a única pessoa que sempre fez meu coração disparar e quebrar simultaneamente. Parecia que Deus havia mais uma vez tinha ignorado minhas orações porque ali estava Keenan Mestres, o meu primeiro amor, meu primeiro desgosto, e o pai ausente da minha filha, de pé diante de mim. Eu poderia dizer imediatamente, sem ele nunca falar uma palavra, que ele não era nada parecido com o garoto pelo qual eu fui apaixonada. Esta pessoa que havia retornado para mim quatro anos mais tarde era uma concha fria dele. Deve ter havido algum método profundo para lidar com o dia que você fica cara a cara com o amor novamente. Mesmo que ele tenha sido tão quebrado quanto o nosso foi. Ele me olhou com desinteresse do seu lado da porta. Seu moicano tinha ido embora e foi substituído por uma cabeça cheia de cabelos escuros que ainda manteve a sua textura espetada. Sua mandíbula tinha perdido sua juventude de menino e ele parecia mais duro. Seus lábios ainda eram macios e perfeitamente adoráveis. Seus cílios eram longos dando aos seus olhos caráter enganosamente brincalhão. Vestido com sua assinatura, roupas escuras, eu ainda podia ver que seu corpo agora estava coberto de tatuagens. Elas espiavam das mangas curtas de sua camisa, e eu tinha mesmo que admitir, ele parecia perigoso. "Como você está se sentindo?" O som da voz rouca de Keiran quebrou o transe onde eu atualmente estava aprisionada. O olhar de Keenan era mais do que um pouco perturbador. Com um olhar, ele deixou claro o quanto ele gostaria de me machucar, mas desta vez com as mãos nuas. Mesmo depois de quatro anos, eu ainda podia lê-lo. "Um pouco de dor, mas o médico disse que eu devo ser liberada na parte da manhã, enquanto eu for com calma." Eu concordei, embora eu soubesse que calma não seria uma opção. Como alguém poderia pensar que eu poderia descansar sabendo que minha filha está lá fora sozinha e


desprotegida? Eu me preparei mentalmente para a batalha que iria ter que lutar uma vez Keiran descobrisse que Kennedy estava desaparecida. "Por favor, Keiran, você tem que me tirar daqui agora." Eu decidi que uma vez que estivéssemos em algum lugar mais privado, eu poderia dizer tudo a ele. Vinte e quatro horas já haviam se passado e a polícia já tinha me avisado que as primeiras quarenta e oito horas eram as mais críticas. Ele não parecia me ouvir enquanto olhava ao redor da sala de hospital. "Onde está Kennedy? Quem está cuidando dela? Ela está machucada?" Keiran disparou perguntas mais rápido do que eu poderia respondê-las. Lake empalideceu quando ela voltou para o canto mais distante dele. "Eu ... eu tenho algo a dizer a você..." "Quem é Kennedy?" Keenan perguntou com desinteresse. Antes que eu pudesse responder, a porta se abriu quando meus pais e dois homens que eu não reconheci. Eles estavam vestidos casualmente em jeans escuros e camisas de colarinho, mas os olhares sérios em seus rostos diziam que sua aparência era apenas um acaso. "Sheldon, estes são os homens que contratamos para encontrar Kennedy," meu pai declarou. "Sim, senhora. Eu sou Greg e este é Vick," o loiro de cabelos compridos apresentou o seu parceiro e ele próprio. "Nós estaremos auxiliando a polícia para encontrar sua filha." O desinteresse em seu tom de voz me fez pensar quão interessado neste caso ele realmente estava. Seu traje despenteado e barba desalinhada eram nada profissionais. Seu parceiro era ainda pior. Parecia que eles tinham acabado de rolar no chão. Estes não erram os homens habituais que o meu pai contratava sempre que ele precisava de algo cuidado. "O que diabos você quer dizer com encontrar?" Keiran berrou. "Filha?" Keenan engasgou. Eu podia ouvir a raiva e o julgamento em sua voz, como se ele tivesse o direito, depois de voltar para a minha vida sem ser convidado. Se eu achasse que os irmãos eram intimidante antes, não era nada em comparação com a visão de ambos olhando para mim agora.


"Você não disse a eles?" Minha mãe questionou. "N...não. Eu estava tentando antes de vocês interromperem." "Oh, querida." "É melhor alguém começar a falar nos próximos dois segundos" Keiran ameaçou. "Dois homens levaram Kennedy na manhã de ontem depois de irmos ao oftalmologista. Um homem apareceu do nada e abriu a porta do carro quando estávamos estacionados em um posto de gasolina. Eu fui baleada tentando impedi-los de levá-la. Eu não tenho nenhuma idéia de quem eles eram ou por que eles tomaram ela..." "É por isso que estamos aqui, minha senhora," o detetive interrompeu. Precisamos de uma lista completa de amigos, conhecidos, membros da família, vizinhos, e todo mundo, até o carteiro que possa ter entrado em contacto com a criança antes do rapto." "Como diabos você pôde deixar isso acontecer?" Keiran começou a andar com raiva, ignorando as perguntas dos investigadores. Eu nunca tive a chance de responder, porque Lake tinha voado para fora do canto e para o rosto de Keiran. "Ela não deixou nada acontecer, Keiran." Ela o bateu em seu peito com um dedo com raiva, para apoiá-lo contra a parede. "Olha para ela. Olhe para onde ela está. Eu acho que é óbvio que ela fez tudo que podia para salvar Kennedy. É de sua filha que estamos falando. Ela não é a culpada aqui, então saia, porque você não está ajudando." "Por que você não me disse essa merda antes?" "Porque eu queria que você viesse para casa em segurança. Você e eu sabemos que você teria enlouquecido e Kennedy precisa de você agora." Ela olhou para Keenan com nojo. "Ela precisa de vocês dois." A testa de Keenan levantou, mas, felizmente, ele não questionou sua declaração. Ou ele ainda não tinha ideia que Kennedy era filha dele ou ele era bastardo o suficiente para não se importar. Eu secretamente esperava que fosse o primeiro. "Crianças, realmente precisamos para começar isso se queremos trazer Kennedy para casa em breve," o Sr. Chambers interrompeu.


O investigador principal limpou a garganta e tirou um bloco e uma caneta. "Sim. Vamos primeiro começar com a sua idade. Qual a idade dela?" "Você está brincando comigo?" Keiran latiu. "Deixe-me colocar desta forma ... ela é fodidamente muito nova para sobreviver sozinha. Faria alguma diferença se ela é mais velha ou mais nova?" "Olha, garoto, eu venho fazendo isso há tempo suficiente para saber o que estou fazendo. Sua bravata e atitude mal educada é o que vai ter essa menina morta..." Ah Merda! Keiran estava sobre ele antes que pudesse terminar a frase. Antes que alguém pudesse saber o que ia acontecer, Keiran trouxe uma das cadeiras do hospital para baixo na cabeça do investigador e começou a bater-lhe na cabeça repetidas vezes até que ele era uma bagunça amassado no canto da sala. Levou cada mão na sala para afastá-lo. Surpreendentemente, foi Keenan que conseguiu dominá-lo bem o suficiente para impedir Keiran de matar o homem. Minha atenção foi desviada por uma enfermeira entrando no quarto para ver sobre toda a comoção e rapidamente correu de volta para fora propensa a pedir ajuda ou a polícia... ou ambos. "Keiran!" Lake gritou. Ela estava chorando histericamente. Eu não tinha percebido o quão rápido meu coração estava batendo até que a máquina a que eu estava ligada começou a soar alto. Minhas mãos seguravam os lençóis enquanto eu quis parar o meu tremor. Se Keiran reagiu tão fortemente por Kennedy quando era somente sua sobrinha, como é que Keenan ia reagir quando ele descobrisse que ela era sua filha? Levou mais alguns momentos para que eu percebesse que todos, menos minha mãe, tinham saído do quarto. Vick tinha acabado de pegar o seu parceiro inconsciente e levá-lo para fora da sala. "Onde foi todo mundo?"


"Seu pai e John levaram Keiran para esfriar a cabeça. Keenan e Lake seguiram atrás deles." "Isso é ruim. Quem são esses caras? Eles não trabalham para o papai." "Não, mas os homens que são amarrados ao seu pai os conhecem, e estes foram os únicos investigadores que disseram poder encontra-la num curto prazo." "Algo mais? É só isso? Papai só usa o melhor. Você está dizendo que minha filha não é o mais importante?" "Não é assim, Sheldon." Os lábios da minha mãe estão apertados de raiva. Seus traços perfeitos pareciam distorcidos e quase feios quando ela olhou para mim. "Deixe-me adivinhar ... negócios?" Sempre foram os negócios. Os negócios sempre vieram antes de nós a menos que houvesse problemas legais que precisavam limpar. Nós não poderíamos e não deveríamos nunca manchar a imagem da família. "Como você ousa falar comigo dessa maneira." "Seja como for, mãe. Eu entendi. Minha filha pode não ter os avós do lado dela, mas ela me tem ..." Fiz uma pausa quando um pensamento me atingiu como um caminhão. "Você preferiria que ela nunca fosse encontrada? Será que o seu desaparecimento salvaria o nome e a imagem da família?" "Sheldon Chambers, de onde está vindo isto?" "Você e papai não fizeram nenhuma tentativa de manter segredo que vocês odeiam Kennedy por ela ser ilegítima." "Eu não odeio a minha neta. Como você ousa!" "Não, mas você se ressente. Você me odeia por ter tido ela." "Nós sempre quisemos o melhor para você, Sheldon. Eu nunca apoiei você estar namorando aquele garoto, e então você nos insulta ainda mais por ter um filho dele. Seus familiares não são nada mais do que criminosos comuns que se escondem atrás de sua riqueza roubada. Se você me perguntar, eles devem apenas deixar a sua linhagem familiar morrer com esses garotos."


"Você é um pedaço de trabalho, mamãe. O papai se sente assim também?" "Claro. Seu pai e eu temos trabalhado duro para dar a você e a Dash a melhor vida. Então você cuspe na nossa cara, escolhendo o lixo." "Então, por que se preocupar em ajudar Keiran quando ele conseguiu ficar em apuros?" "Porque se nós não o fizéssemos, em seguida, seu irmão, sendo ingenuamente leal como ele é, o teria feito por si mesmo. Nós não podíamos arriscar nosso nome sendo enredado em sua bagunça." "Você não pode continuar escolhendo a nossa vida para nós. Você não tem esse direito." "Temos todo o direito, Sheldon. Enquanto você levar o nosso nome, você vai agir em conformidade conosco." O rosnado baixo e perigoso na porta me impediu de realmente deixá-la terminar. "Bem, talvez seja o momento dela deixar de ter o seu nome." Eu afundei de volta para os travesseiros, desejando que eu pudesse simplesmente desaparecer. Eu mordi meu lábio em angústia, imaginando o quanto ele ouviu. "E o nome de quem ela deveria levar?" Minha mãe zombou. "O seu?" "Iria servi-la bem", Keenan respondeu com um sorriso. O que diabos ele quis dizer com isso? "Eu não penso assim." Minha mãe o olhou como se ele fosse pouco mais que um inseto que ela gostaria de esmagar sob seus sapatos caros. "É engraçado que você me olhe como se eu fosse lixo, mas a sua filha foi a única a ter uma filha fora de um casamento." Dor atirou no meu peito enquanto meu estômago revirou em nós pela forma humilhante que ele falou de mim. Eu sabia que seu comentário foi significativo tanto para mim quanto foi para minha mãe. "Estou quase triste por ter perdido a sua tentativa desesperada de salvar a sua bunda real de um mal nome."


Minha mãe e Keenan sempre tinham sido educados um com o outro no passado. Eu até tinha acreditado por muito tempo que meus pais aprovavam ele, apesar de nosso relacionamento conturbado. Não foi até que eu tinha engravidado e Keenan fugido que eles tinham sido abertos sobre sua antipatia. Eu precisava difundir esta situação, e rápido. "Keenan, pare. Mamãe..." "Você parece estar gravemente mal informado se você acha que você pode olhar de cima sobre a minha filha quando foi você quem conseguiu deixa-la em apuros." Oh, merda. Eu já podia ver as rodas girando na cabeça de Keenan enquanto ele reuniu exatamente o que minha mãe estava dizendo. "Mãe, agora não é o momento. Keenan, há algo que eu tenho que lhe dizer, mas não pode ser agora. Não aqui." "Repita novamente?" Keenan exigiu, ignorando o meu apelo. "Kennedy tem três anos de idade. Faça as contas."


"Ela já tem três anos." A imbecil enfatizou como se eu fosse uma idiota. De certa forma, eu acho que eu era, se eu não descobri isso desde o início. Se a tentativa de Melissa era me bater na minha bunda, ela conseguiu. Três. Três anos. Três malditos anos de idade. E nem insulte minha inteligência, fazendo a matemática. Kennedy era minha. Minha. E esta cadela a tinha escondido de mim. Eu sabia que fui o único a fugir, mas eu não tinha necessidade de questionar se Sheldon nunca teria me dito. Eu poderia dizer pelos olhares que ela estava me dando, a gagueira nervosa, e sua pele pálida. Ela não queria que eu soubesse? Será que eu ainda quero saber? Quando eu concordei em voltar para casa, eu planejei para ser apenas temporário. Eu teria feito qualquer coisa para não ver Sheldon nunca mais e tinha a intenção de sair na primeira chance que eu tivesse e desaparecer por mais quatro anos. Eu nunca esperei voltar para casa para encará-la como a mãe da minha filha. Minha criança desaparecida. Dois homens engravatados entraram no quarto enquanto eu estava lutando para encontrar as palavras nesta situação fodida.


Desta vez eram dois detetives do FBI que estavam aqui para questionar Sheldon. Eu me perguntei se eles poderiam ter encontrado alguma coisa, se eles estavam de volta tão cedo. Ouvi atentamente enquanto Sheldon passou por cima de detalhes com os detetives, mas a rigidez de sua espinha me disse que ela estava muito consciente de mim. Mesmo agora, ela me olhava do canto do olho. Para foder com ela, eu aproximei-me da cama e deixei a minha mão derivar para baixo para agarrar o corrimão. Seu pequeno suspiro foi quase inaudível, mas eu o peguei. Eu me alegrava com a ideia de deixa-la desconfortável. Involuntariamente, eu imaginava contê-la e fazê-la implorar por perdão e misericórdia. Quando meu pau estremeceu, eu me repreendi mentalmente. Agora não era o momento, mas logo seria. Essa não era a minha única promessa, a outra era encontrar a filha que eu nunca cheguei a conhecer. Eu tinha avisado a ela, e agora eu poderia fazer jus à promessa que fiz há quatro anos. Eu não tinha percebido até o momento que era exatamente o que eu queria. Eu só precisava de um álibi perfeito. "Ela é minha?" Eu disse a mim mesmo que eu ia esperar até que eu a pegasse sozinha, mas isso voou para fora da janela junto com a minha contenção. Eu não sabia que ela estava chorando até que sua cabeça girou. Seus olhos cor de âmbar estavam cheios de dor e medo, e pela primeira vez, eu senti remorso. E eu não gostei nem um pouco disso, caralho. Eu não dei tempo a mim mesmo para pensar ou racionalizar. Segurei a parte de trás do pescoço dela para impedi-la de escapar, e logo ali na frente dos detetives, eu lambi as lágrimas, num canto de seu lábio. Eu repeti minha tortura do outro lado do rosto dela e se seu suspiro e a maneira desesperada que ela agarrou meus braços foi para me manter perto para mais ou para me afastar? Isso realmente não importa, porque, a partir deste momento em diante, ela seria minha a julgar por como eu estou satisfeito. "Keenan... "


"Antes de dizer qualquer coisa, eu quero que você saiba que qualquer desculpa ou argumento de merda que você está prestes a atirar em mim não importa." Baixei meus lábios em sua orelha para garantir que somente ela me ouvisse. "Você se lembra do que eu prometi a você?" Para minha surpresa, ela balançou a cabeça lentamente embora seus olhos brilhassem com um pouco de raiva. Bem, merda resistente. Eu estava com raiva também. O detetive que tinha perguntado a maioria das perguntas escolheu aquele momento para interromper. "Desculpe-me, mas você é um parente?" Eu rasguei meus olhos longe de Sheldon só o tempo suficiente para responder ao detetive. "Não." Sutilmente, agarrei seu pescoço apertado e exigi: "Por que você não diz aos agradáveis detetives quem eu sou." Se olhares pudessem matar, eu teria morrido várias mortes no curto espaço de tempo que levou para ela responder. "Ele..." ela parou para tomar uma respiração profunda, trêmula. "Ele é seu pai." Menina esperta. Agora que temos isso resolvido, eu poderia me concentrar em fazer o pagamento dela por roubar minha semente e mantê-la longe de mim. "E você estava presente no momento do incidente?" "Quando minha filha foi tirada de sua mãe? Não." Fiz questão de conhecer o olhar de Sheldon antes de continuar com a minha resposta. "Eu não estava ciente de que ela existia no momento do incidente." Como essas pessoas poderiam obter o registro? "Sra. Chambers, mais uma vez, vamos precisar de uma lista completa de parentes e conhecidos. Esta é a primeira vez que ouvimos sobre um pai. Poderia haver uma ligação." Será que esse filho da puta está ao menos insinuando que eu tenho algo a ver com isso? "Isso é porque ele fugiu antes dela nascer." A voz de Melissa conseguiu quebrar a conexão à medida que ambos pareciam saltar aos pedaços.


"Qual o problema? Você conseguiu uma onda fora de lugar?" "Isso é o suficiente, vocês dois", Sheldon repreendeu. Sua careta de dor, enquanto ela segurava a cabeça, foi o suficiente para me fazer ficar quieto, por enquanto. A única coisa que eu queria causando sua dor era eu. Em primeiro lugar, eu tinha que ser o único a amamentá-la de volta à saúde. "Houve um pequeno desenvolvimento. Uma das câmeras de trânsito perto do posto de gasolina de onde sua filha foi tomada capturou uma foto de uma van preta apressando-se com uma luz vermelha." "E você acha que eram as pessoas que levaram ela?" "Mesma hora. Mesmo lugar. A van da foto também não tem placas para nós seguirmos, assim podemos estar perto de ter algo de concreto." "E enquanto você está aqui, quem está procurando por ela lá fora?" "Nós temos nossos melhores homens nisso, bem como a força policial estadual e local vasculhando a cidade por ela." "E se eles não estiverem na cidade?" Eu pressionei, deixando meu show se agravar. Seu olhar se voltou examinando-me enquanto nós olhamos fixamente um para o outro. "Gostaríamos de examinar as áreas mais próximas primeiro antes de descartar um possível sequestro em família." "Tal como?" "Um pai descontente que decidiu tomar a lei em suas próprias mãos e retirar a criança da sua casa tutora legal porque ele estava descontente com os seus direitos parentais." "Ah, é?" Eu sabia o que ele estava querendo dizer. "E se eles simplesmente quisessem punir o outro progenitor? É por isso que eu faria isso." O respirar fundo de Sheldon encheu o quarto. Eu a vi com o canto do meu olho, mantendo os detetives sob meu olhar duro. "Keenan?" "Você está confessando?"


"Você é idiota? Eu só descobri sobre a minha filha a vinte minutos atrás. " "Nós temos que cobrir todos os ângulos. É o nosso trabalho analisar tudo." "Seu trabalho é encontrar a minha filha." "Sua filha?" Sheldon estalou. "Ela não é sua filha. Você pode ter contribuído para sua constituição biológica, mas ela não pertence a você." Os detetives saíram vestindo sorrisos em seus rostos. Eu esperei até que a porta estivesse completamente fechada antes de seguir atrás e trancar a porta. "Você gostaria de repetir isso?" Eu mantive o meu tom uniforme e falei lentamente, dando-me tempo para repensar o meu próximo passo. "Você não pode simplesmente voltar e reivindicar a minha filha como se você tivesse quaisquer direitos." Eu finalmente afastei-me da porta, e com apenas um olhar, ela começou ir contra os travesseiros enquanto eu a perseguia. Conscientemente, ela colocou as mãos em torno de sua cintura, mas eu não iria deixá-la se esconder. Agora não. Eu rapidamente envolvi minha mão em torno de seu queixo e levantei o seu rosto para que eu pudesse olhar em seus olhos. "Então você está dizendo que não foi o meu pau que encheu a sua boceta de porra? Não foi minha semente que cresceu dentro de você? Não fui eu que você viu cada vez que você olhou em seus olhos?" "Não. Eu não estou dizendo isso, afinal de contas. O que estou dizendo é que não foi você quem a observava crescer dentro de mim. Não foi você que a viu vir a este mundo. Não foi você que ajudou a ensinar-lhe as primeiras palavras que ela falou. Eu sou sua mãe, mas eu também sou o único pai que ela já conheceu. Ela não precisa de você. Nós não precisamos de você." "Isso pode ser verdade, mas eu estou aqui agora, cadela, e eu não vou a lugar nenhum." Eu posso ter me afastado dela antes, mas não havia nenhuma maneira que eu poderia ou iria fazê-lo novamente. Foi uma ameaça - a promessa que eu fiz para ela naquela noite quando deixei-a amarrada a sua cama para seus pais para encontrá-la.


Lake irrompeu pela porta com um olhar cheio de medo, assim como Sheldon estava pronto para retrucar. Seu peito arfava cima e para baixo como se ela tivesse acabado de correr uma milha em vez de vir do esperando do lado de fora da porta. "Eles estão prendendo-o!" ***** Tudo explodiu em caos de uma vez, e pela enésima vez na minha vida, eu vi quando meu irmão foi levado algemado. Todos aoredor pararam os relógios para ver a cena se desenrolar. Médicos, enfermeiros e pacientes, todos pareceram se esquecer do que estavam fazendo enquanto bad boy da cidade ouvia seus direitos sendo lidos. Keiran foi pacificamente e ainda mais surpreendentemente, eram Lake e John que gritavam obscenidades e insultos intermináveis. Não importa que Keiran tivesse provavelmente colocado um homem no hospital por causa de sua fúria violenta. Meus olhos foram no canto mais distante onde o pai de Sheldon já estava em seu telefone, sem dúvida, chamando seu advogado para socorrer Keiran. Eu o vi fazer contato visual com John, o homem que eu acreditei por dezoito anos ser o meu pai. Alguma comunicação silenciosa passou entre eles, e então eles estavam indo para o elevador atrás dos oficiais com Keiran a reboque. Lake adiantou-se para colocar uma mão reconfortante no braço de Keiran. "Fique longe de mim", porra, ele rosnou para ela. Ódio e raiva brilharam em seus olhos, e eu poderia dizer que a surpreendeu e machucou-a pelo jeito que ela deu um passo atrás. Sorri quando percebi que nem tudo era perfeito e eterno no felizes para sempre. Eu sempre me perguntei isso. O salão ficou deserto depois que as portas do elevador se fecharam, e eu fiquei ali olhando para o espaço vazio, me perguntando o que eu deveria fazer em seguida.


"O que está acontecendo?" Sheldon perguntou de seu quarto. "Você não deveria estar na cama?" Ela levantou uma sobrancelha e apoiou uma mão em seu quadril. "Você não deveria estar trabalhando?" Eu pisei em seu espaço pessoal até que meus quadris estavam pressionados contra os dela e enrolei um dedo em torno da fechadura brilhante. Para um espectador que passasse isso seria parecido com um simples abraço entre amantes e não a afirmação do poder que era. "Eu espero que você tenha tanta entrada quando eu tiver você sozinha e nua." "Nós estamos sozinhos agora," ela desafiou. "Mas você não vai me ter nua, nunca." "O que eu vou fazer com você não vai suportar ter testemunhas. Nada vai me dar mais prazer do que punir você por ter passado dos seus limites. Eu vou fazer você gritar por mim, Shelly, e quando o fizer, você vai estar implorando." Assim como você me fez implorar. Ela revirou os olhos e zombou. "Você soa como seu irmão." "Eu sou como o meu irmão." A aspereza em meu tom de voz era irreconhecível até mesmo para mim. A prova da minha afirmação estava no que eu o ajudei a fazer a menos de vinte e quatro horas atrás. "Eu vou te machucar, Sheldon, e não apenas onde corta mais profundo." Eu toquei sua clavícula e, em seguida, arrastei um dedo pelo seu peito amaldiçoando o vestido por manter-me fora de tocá-la completamente. "Então, você realmente espera apenas pegar de onde paramos?" "Segundas chances podem ser mortais, mas eu te libertei uma vez. Agora você é minha." "Eu não vou te amar novamente, Keenan. Não é algo a que eu possa sobreviver a uma segunda vez."


Eu ri, porque eu não sabia mais como reagir. Tivemos negócios inacabados, mas as únicas coisas que eu sentia por ela eram raiva e luxúria. O amor não tinha nenhum lugar aqui. "Eu não quero o seu amor. Eu só quero você." Eu não percebi o quão verdadeiro isso era até que eu tinha dito as palavras. "Não é a mesma coisa?" "Não mais," eu sussurrei com relutância. Ela fez um show de escondê-la, mas eu não perdi a angústia que brilhou em seus olhos antes que eles se tornassem frios, manchas irritadas de âmbar. "Fique longe de mim, Keenan ... e da minha filha." “Nós vamos encontrar a nossa filha, assim que estiver tudo bem Sheldon, eu vou ver vocês duas, em breve." Eu a desarmei e roubei o seu fôlego, simultaneamente, enquanto eu selei seus lábios com os meus e foda-me porque ela tinha gosto tão bom como sempre. Eu ia fazer da minha missão estragar isso.


Tem sido uma semana desde que eu ouvi ou vi Keenan, e eu ainda sentia seu beijo como se ele estivesse aqui me beijando sem sentido neste momento. Uma parte enorme de mim, estava com medo e esperava que ele tivesse mudado de ideia, desistisse, e voltasse para o buraco em que ele se arrastou para fora, ou, conhecendo Keiran, ele havia sido vigorosamente convencido de não se esconder. O conhecimento me lembrou que se Keenan estava aqui era culpa dele, de qualquer maneira. Se ele não tivesse insistido em encontrá-lo, eu não estaria com medo de mim mesma. A raiva era mais fácil porque apesar do que a minha boca disse, meu coração ainda batia por ele. Eu sabia disso no momento em que coloquei os olhos nele de novo, que tudo sobre nós pode ter mudado, mas meus sentimentos permaneceram. O pensamento dele ainda possuir qualquer parte de mim foi o suficiente para me deixar louca. Eu me senti como se eu estivesse morrendo por dentro, mas vivendo de novo ao mesmo tempo. Mas eu não era mais uma adolescente ingênua. Eu também era uma mãe que tinha uma filha para proteger, e eu tinha passado por muito para ceder novamente. Em algum momento ao longo dos últimos quatro anos, tornou-se menos sobre seu caso com uma professora e mais sobre o fato de que ele fugiu e me deixou com os pedaços quebrados de nosso amor. "Eu não posso acreditar em quanto tempo isso está tomando," Dash rosnou enquanto ele andava para trás e para frente. Sentei-me no sofá na minha sala, sentindo-me como uma criança repreendida aguardando punição.


Keiran ainda não tinha sido libertado da prisão e o inquérito estava indo a lugar nenhum. Temos procurado em cada rua, beco, e às vezes indo tão longe como quebrar em lugares que parecem abandonados em busca de Kennedy. Eu ajudei com a procura apesar do protesto de todos. O médico mandou-me ter calma, porque, embora a bala tenha apenas arranhado meu crânio, qualquer trauma para o lado esquerdo do cérebro poderia afetar minha visão, fala e mobilidade do meu lado direito. Nossa única esperança agora era que Keiran pudesse nos levar a quem tinha a levado. A fiança foi negada e a visitação foi limitada quando o investigador particular apresentou queixa. Ele havia sido muito inflexível sobre continuar enterrando Keiran depois de sofrer uma pequena fratura no crânio, mas um golpe ainda maior em seu ego. A graduação seria em uma semana, o que também significava que Keiran perderia sua formatura. Lake estava devastada e tinha estado acampada comigo desde sua prisão. Ela disse que não podia suportar voar de volta para o Arizona deixando-o para trás, apesar do modo como ele a tratou durante sua prisão, por isso temos utilizado uma a outra para nos apoiar. Pela primeira vez em muito tempo, eu pensei sobre Willow e o que ela diria ou faria se ela estivesse aqui. Já se passaram três anos desde que eu falei com ela e ainda mais tempo desde a última vez que a vi. Eu disse a mim mesmo que eu não, mas eu estava ferida quando ela decidiu deixar todos nós para trás. Ela cortou todo o contato e até mesmo ficou longe do Six Forks. Dash nunca falou uma palavra sobre ela, mas eu sabia que isso tinha que machucá-lo duas vezes mais do que a mim. Chame de intuição de irmã gêmea. Lake havia confessado que arruinou sua amizade para sempre quando ela tomou a decisão de seguir Keiran para o Arizona. Apesar do histórico de Keiran, o Arizona tinha oferecido tanto a Keiran quanto a Dash uma bolsa de estudos entre Duke, Wisconsin, e Kentucky. No entanto, Keiran tinha estado preparado para derrubar todos quando Lake disse a Keiran que frequentar a faculdade com Willow tinha sido o seu plano desde que eram meninas. Nebraska era onde elas teriam estudado


por seu diploma juntos - Willow em Produtos têxteis e de moda, Lake em Educação. De alguma forma, Lake tinha convencido Keiran que um relacionamento de longa distância iria funcionar e que ela não poderia ser a causa de Keiran desistir de seu sonho, e assim eles frequentaram a faculdade separados. Fiel ao novo amor, a longa distância durou um semestre e, em seguida, Lake se transferiu para o Arizona, Willow tinha tomado isso duramente, especialmente depois que a mãe de Willow a deserdou por ficar com a sua decisão de perseguir um diploma de moda. Sua mãe não aprovava uma carreira que ela acreditava não oferecer um futuro ou segurança. Lake, Keiran, e Dash tinham ido em busca de Willow depois de um semestre inteiro sem contato para descobrir que ela já não estava frequentando a faculdade em Nebraska. Quando perceberam que ela não tinha voltado para casa, a preocupação se transformou em raiva. Era como se ela simplesmente tivesse desaparecido. "Sheldon! Sheldon ...!" A voz de Dash penetrou meus pensamentos, e eu estava de volta ao presente. "Você pode, por favor, parar de gritar meu nome?" "Sua filha está desaparecida e o pai do seu bebê também," Dash zombou. "E você realmente está aqui sentada sonhando a luz do dia?" "Ninguém está mais consciente de que minha filha está desaparecida do que eu estou!" Eu estava fora do sofá e em seu rosto. Eu nunca tinha odiado alguém tanto quanto eu odiei o meu gêmeo agora. Eu dividi um útero com ele, mas eu nunca me senti mais desconectada dele do que eu estive nos últimos quatro anos. Desde que Willow tinha desaparecido, ele se transformou em um bastardo. Ele era duro, frio e implacável. Apesar de todos seus esforços contra, ele conseguiu tornar-se o nosso pai, só que pior. Eu nunca tinha conhecido meu pai como outra coisa senão um homem duro, mas Dash uma vez, tinha sido descontraído, charmoso e fácil para conversar. "Eu não tenho nenhuma idéia de quem a levou e por quê. Eu não sei se ela tem sido alimentada ou se ela está aquecida durante a noite. Eu


não consigo nem dormir porque tudo que eu posso ouvir é ela gritando por mim. Eu não posso comer, porque apenas a idéia do que ela está passando por isso me deixa doente. Eu quero morrer, Dash." Meus gritos foram afogados em seu peito depois dele me puxar para perto. Agarrei-me a ele, apesar de nossas diferenças. "Eu sinto muito, ok?" Concordei porque falar era impossível. Eu não tenho certeza de quanto tempo ficamos lá, mas quando finalmente nos separamos, toda a frente de sua camisa estava ensopada com minhas lágrimas. Eu ri, e quando ele me olhou com curiosidade, apontei para sua camisa. Seu rosto se contorceu quando ele tomou em sua camisa, que, sem dúvida, custaria mais do que a minha renda. "Ótimo, agora eu estou coberto de meleca." "Fica bem em você. Ouvi dizer que é a sensação em Paris." "Oh sim? Como é que eu vou pegar mulheres com meleca da minha irmã em cima de mim?" Sua brincadeira me fez entrar em pânico e eu já não podia impedirme de fazer a pergunta que eu me fazia em todos esses anos. "Dash?" "Sim?" "Por que você não a encontra?" Assim, simplesmente sua expressão se transformou de brincalhona para séria. "Porque ela não quer ser encontrada ... e ela não me quer." "Mas como você vai saber com certeza se você nunca for atrás dela?" A minha pergunta parecia torná-lo hesitante quando ele esfregou a parte de trás de seu pescoço da forma como ele fazia quando estava nervoso. "Eu tenho que te dizer uma coisa. Eu sou..." Uma batida na minha porta interrompeu o que ele estava pronto para dizer. Eu fui abrir a porta e encontrei Keenan parado do outro lado com um cara que eu reconhecia, mas cujo nome eu não conseguia me lembrar. Loiro, cabelos ondulados e olhos azuis brilhantes que deram-lhe


um olhar polido, faculdade, e eu me perguntava se eu tinha ido para a escola com ele. Talvez ele estivesse em uma fraternidade. "Você vai nos deixar entrar ou vai continuar a babar por Jesse?" Jesse! Ele era o totó da tecnologia com que Lake tinha feito amizade na escola. Ele esteve em nossa escola apenas brevemente antes de se mudar novamente. Ele voltou novamente quando Lake decidiu bancar o detetive e desvendar o passado de Keiran. "O que você está fazendo aqui?" "Nós estamos aqui para ajudar a encontrá-la." Quentin, que eu não tinha notado em pé logo atrás de Jesse, respondeu antes, abrindo caminho passado por Keenan e Jesse entrando no apartamento. "Posso?" Jesse parecia ser o único homem com boas maneiras aqui. Eu silenciosamente gesticulei para ele entrar. Ele me deu um sorriso educado antes de entrar, mas não antes de lançar um olhar simpático em meu caminho. E então houve um ... "Onde você estava?" A pergunta tinha voado para fora antes mesmo que eu soubesse que eu iria fazê-la. Eu queria levá-la de volta, mas o sorriso de satisfação no seu rosto me disse que era tarde demais. "Querida, estou em casa", Keenan cantarolou. Ele passou um braço em volta da minha cintura antes de me pegar para me mover de lado e entrar no apartamento. Tão logo ele me colocou em meus pés, eu cravei minhas unhas em sua pele, forçando-o a deixar-me ir. "Nossa filha está desaparecida há uma semana e você gasta esse tempo tendo uma reunião de segundo grau?" "Então, agora ela é nossa filha?" Ouvi o impacto da minha mão no lado direito de seu rosto antes de sentir a picada em minha própria mão. Eu dei um passo para trás quando sua expressão mudou de choque para diversão. Mesmo assim, eu podia ver a decepção em seu olhar. O sorriso dele disse que ele estava se divertindo, mas seus olhos prometeram vingança.


"Você vai pagar por isso mais tarde", ele sussurrou tão baixo que eu quase não tinha pegado. "Afaste-se de minha irmã e explique onde diabos você esteve na última semana." Pela primeira vez em quatro anos, eu estava grata pela presença e interferência do meu irmão. Desta vez era eu que usava um olhar presunçoso. "É bom ver você também, Dash," Keenan respondeu aparentemente imperturbável. Ele andou mais para dentro em meu apartamento. "Keenan," Dash rosnou em advertência. "Enquanto vocês todos estavam checando becos e mantendo vigílias, eu estava procurando o homem que eu sei que está com Kennedy." "Você não acha que já tentamos isso? Que o FBI não tentou isso? Nós cobrimos todos os ângulos. Tentamos encontrar Mitch, se é que ele ainda pode ser encontrado. Com todas as suas dívidas, ele está provavelmente morto agora." "Ou ele estava apenas esperando a oportunidade perfeita", Quentin acrescentou. "Eu não acho que nós deveríamos descansar em relação a Mitch até que estejamos absolutamente certos. "Ele está certo." Lake surgiu a partir do quarto de Kennedy onde ela estava dormindo. "Além do mais ... podemos não ter verificado todos os ângulos." Ela e Jesse pareciam terem algum tipo de conversa silenciosa acontecendo. "Camden", Jesse desabafou. "Quem é Camden?" Perguntou Keenan. "Camden não é uma pessoa. É um lugar. É onde seus avós vivem e de onde o seu pai veio." "E como você sabe disso?" "Quando Keiran me chantageou, eu fiz alguma escavação. Jesse e eu nos deparamos com muito pouco, mas o que descobrimos era, obviamente, para ficar escondido. Os pais de Mitch. Seus avôs," Lake direcionou-se para Keenan, "ainda estão vivos, e eu acredito que eles ainda estejam vivendo em Camden."


"Então vamos para lá", Dash afirmou. "Onde fica?" "Duas horas?" Meu coração pulou uma batida na possibilidade de que minha filha estivesse perto, mesmo que ela estivesse atualmente nas mãos de algumas das pessoas mais cruéis do mundo. "Há apenas uma pergunta. Por que meus avós iam querer Kennedy? Eu nunca me encontrei com eles. Eles nunca mostraram interesse em nós, então por que ela?" Foi ciúme detectado na voz de Keenan? Nossa filha podia ter sido sequestrada por essas pessoas e ele estava com ciúmes? "Eu sei que não faz muito sentido, mas é o único ângulo que temos para seguir. Não se pode ignorar." "Não importa. Eu quero minha filha de volta. Eu não me importo se nós temos que procurar a casa do papa. Estamos indo. Você tem o endereço?" "Não, mas é aí que eu entro", Jesse afirmou, dando um passo a frente. Foi só então que eu notei uma maleta na sua mão direita. "Basta dar-me vinte e quatro horas no máximo." "Vinte e quatro horas? Mas já tem sido uma semana. Ela poderia tornar... " "Não diga isso", Keenan pediu. Ele estava tão perto que sua respiração se espalhou pela minha pele me fazendo tremer. Quando ele se moveu para tão perto? "Isso não vai ajudar em nada, e precisamos manter o foco." Ele agarrou a parte de trás do meu pescoço com um aperto apertado, silenciando minha retórica inteligente. Foi uma jogada que ninguém mais parecia notar enquanto os outros estavam formado um plano sobre como obter Kennedy de volta. Meu olhar caiu sobre uma foto dela que eu tirei no verão passado durante sua primeira viagem para a praia. Ela estava apaixonada com a água. Eu ainda podia ouvir o som de sua risada tilintar quando ela apontou para os surfistas e gritou: "É a minha vez", com toda a força de


seus pulmões. Ela nunca esqueceu essa viagem e quase todos os dias ela pediu pela praia. Eu tinha planejado levá-la novamente após a formatura. Eu não sabia que eu estava ofegante, até que eu estava sendo levantada por braços fortes que me levaram longe dos olhares preocupados. "Eu cuido disso, cara", afirmou Keenan rispidamente. Dash provavelmente tinha vindo em meu socorro, assim como um irmão mais velho deveria. Mas quando Keenan conseguiu me pegar no meu quarto e me deitei na cama, eu me perguntava o quão bom como um irmão que ele realmente era. Sentei-me rapidamente e olhei em volta como se o meu quarto fosse um lugar estranho. "Por que estou aqui?" "Você estava tendo um ataque de pânico." "Estou bem agora." "Você tem certeza?" Sua preocupação me surpreendeu. Uma semana atrás, ele havia cantado uma música diferente e agora ele estava me ajudando? "Eu gostaria de ficar sozinha." Isso foi apenas parcialmente verdadeiro. Sozinha era a última coisa que eu precisava agora, mas também não quero estar em sua companhia. Eu não podia suportar o silêncio e o vazio criado no apartamento sem Kennedy. "Feito." Quando ele saiu lentamente e fechou a porta do quarto atrás dele, eu estava aliviada e parcialmente surpresa com o quão fácil era para me livrar dele. Deitei-me contra os travesseiros e fechei os olhos. Talvez ele tivesse superado sua raiva.


Eu estive planejando este momento durante toda a semana. Após dois dias de procura por Kennedy, eu tive que repensar minha estratégia. Com Keiran na cadeia, mais uma vez, eu chamei Quentin para me inteirar sobre a organização que os escravizaram há catorze anos. Quatro anos atrás, eles foram completamente erradicados, e os principais intervenientes, bem como muitos dos jogadores menores, estavam agora servindo um tempo duro na prisão. Isso não deixou muitas respostas. Mitch era a aposta provável de quem sequestrou Kennedy e por quê. Ele estava atrás de dinheiro, e uma vez que ele não poderia reivindicar qualquer dinheiro com ambos os pais vivos, isso deixou apenas uma solução. Ele iria vendê-la. Mas para quem? O líder do círculo de escravização foi assassinado logo após sua prisão. Todo mundo estava reunido em torno da mesa de jantar atualmente, espiando por cima do ombro de Jesse que estava digitando em seu computador, que parecia não pertencer a um cidadão comum. Quentin tinha sugerido pedir sua ajuda com base no trabalho que ele fez para Keiran anos atrás. Aparentemente, ele era um gênio com um computador portátil e ligação à Internet. Ele era atualmente um funcionário da inteligência trabalhando para grandes corporações e para os militares para ajudar a encontrar e enterrar informações. Após o colegial, Quentin tinha se inscrito direto no Exército e completou em quatro anos. Ele parecia estar sempre em movimento como se estivesse fugindo de alguém ou alguma coisa. Eu acho que todos nós


temos nossos demônios embora eu não duvide que os seus fossem mais fodidos do que os meus eram. "Como ela está?" "Ela está bem. Ela está deitada descansado e acho que todos devem dar-lhe algum espaço." “Todo mundo ou apenas você?" Perguntou Dash. "Você quer dizer o que você tem a dizer para que você possa, finalmente, obter a sua calcinha para fora do grupo?" "Filho da puta, eu não quero dizer nada para você, mas o que eu quero é vê-lo em uma sepultura pelo que você fez com a minha irmã." "O que aconteceu entre mim e ela não é da sua conta, e sua irmã pode cuidar de si mesma. Na verdade, eu retiro o que disse. Claramente ela não pode, mas não se preocupe ... o papai está em casa." Mal falei as palavras e Dash estava em cima de mim. Seu punho quase quebrou meu maxilar com o impacto, e eu me choquei contra a parede atrás de mim, mas me recuperei rapidamente. Eu lutei para não devolver o favor e arruinar efetivamente a nossa amizade para sempre, mas quando ele acertou meu queixo novamente, eu joguei o cuidado para o vento. Eu o empurrei para a frente e usei a sua força com a minha força para virar ele sobre o meu ombro, fazendo-o colidir com a parede atrás de mim. Quando eu virei, ele já estava de pé. Olhando para ele, ninguém jamais iria adivinhar que ele estava se tornando um dos empresários mais poderosos deste país, mas eu estava pronto para ele. O próximo passo de Dash foi frustrado por Quentin segurando-o. Jesse adiantou-se entre nós dois, e eu tinha acabado de notar a mão de Lake no meu braço. "O que diabos está acontecendo aqui?" Sheldon gritou da porta de seu quarto. Seu rosto estava contorcido de fúria quando ela deu uma olhada ao redor da sala. Quando seu olhar pousou em minha grande massa muscular na parede, ela seguiu em frente. Quando ela ficou na frente de mim, ela enfiou o dedo no meu peito. "Porque diabos você está destruindo meu apartamento?"


"Você deve perguntar ao seu irmão. Foi ele que começou." "Keenan, você não está mais com dezesseis anos, e você não pode simplesmente brigar no meu apartamento. E se alguém chama a polícia? Devíamos estar à procura da minha filha, não provocando brigas. O que quer que sejam os problemas que vocês dois têm um com o outro, precisam esperar até Kennedy estar em casa e segura." "Preste atenção ao seu tom, menina. Eu estou aqui, não estou? Se você fosse uma boa mãe, ela não teria sido tomada em primeiro lugar." "Keenan!" Desta vez foi Lake levantando sua voz. De onde diabos veio isso? Eu não queria dizer isso, mas eu estaria mentindo se eu não dissesse. Minha filha estava em algum lugar lá fora, e eu nunca tinha a conhecido, ela estava lá fora sofrendo porque sua mãe não a protegeu, e não só isso, mas ela não lutou o bastante. Ela desistiu. "Você não tem ideia do tipo de mãe que eu sou com ela." "E de quem é a culpa?" "Cara", Quentin interveio quando chegou entre nós. "Agora não é o momento. Estamos muito perto de encontrá-la no esconderijo. Vocês dois podem brigar sobre quem é o melhor pai quando recuperá-la. Sheldon recuou e desapareceu na cozinha, onde ela pegou uma garrafa de água da geladeira. Quando ela terminou, eu observava seu peito arfar cima e para baixo do esforço antes de rasgar meu olhar para enfrentar Dash. Ele olhou do outro lado do apartamento, enquanto Jesse ficou na frente dele. Será que ela acha que estava protegendo ele ou eu? O dever de Dash era a sua irmã, e se fosse minha, eu teria reagido da mesma forma. Mesmo assim ... se ele insistisse em ficar entre Sheldon e eu, eu estava preparado para fazer o que era necessário. "Há um menino mais velho na escola, que continua pegando no meu pé. Hoje, ele pegou meu almoço e eu fiquei com fome o dia todo, porque eu estava com muito medo de contar. O que devo fazer?" "Você o mata."


"Matar?" "Sim. Você o machuca antes que eles te machuquem." Ouvi a voz de Keiran na minha cabeça como quando eu tinha onze anos e ele tinha doze. Ele havia acabado a escola secundária naquele ano, deixando-me sozinho. Eu nunca tinha tido que me virar para sobreviver antes porque eu sempre tinha Keiran ao meu lado, mas esse foi o ano em que eu mais aprendi. Depois que ele tinha me dito o que fazer, ele me ensinou como usar uma faca e me mostrou a arma que ele misteriosamente tinha escondido no quintal. Sempre que meu pai não estava em casa, nós praticávamos com a faca em serpentes ou no que quer que nós pudéssemos encontrar. Mas tudo isso mudou no dia em que Keiran tinha se atrevido a usar a faca para algo real. Eu tinha chegado em casa com um olho preto, cortesia de Tommy. Keiran tinha dito que era hora de lhe ensinar uma lição, e na escola, no dia seguinte, eu fiz. Eu não o matei, mas depois que ele tinha ido para casa com o rosto mutilado, seus pais já não consideravam a região um lugar seguro para viver. Tenho a certeza que ele nunca iria falar depois que eu decidi não matá-lo. Ao contrário de Keiran, eu não podia matar tão facilmente, mas era seguro dizer que não éramos tão diferentes, afinal. "Eu acho que estou indo embora", eu anunciei desnecessariamente porque eu não tinha mais nada para dar. Uma vez que a porta do apartamento se fechou atrás de mim, eu fiz um telefonema. "Tenha tudo pronto." Uma vez que eu dei a ordem, eu terminei a chamada. *****


"Não fique tão surpreso por me ver, irmão. Eu não estaria aqui se eu não precisasse da sua ajuda." Eu tomei um assento na cadeira de plástico laranja de visita, de frente para Keiran. "Achei o máximo. Eu só estou surpreso que você esteja aqui." "Bem, a filha que eu nunca soube que eu tinha está sumida. Eu sinto uma certa obrigação de ficar." "E depois que você descobriu irá fazer o que?" "Olha, eu só estou levando esta situação fodida um dia de cada vez. Eu não posso ver isso em um futuro distante." Eu menti. "Você deixaria a sua filha para trás?" "Ela está indo bem até agora sem mim." Minhas palavras saíram amargas, isso foi inesperado. A idéia de deixá-las para trás novamente fez meu sangue correr frio, mas eu não permitiria que meus sentimentos me arruinassem novamente. Desta vez, eu seria o único a fazer a ruína. "Ela poderia fazer isso melhor se ela tivesse você." "Por que você está tão certo sobre isso?" "Porque você sabe como é que é estar sem um pai." Eu não estava esperando a resposta dele e me perguntei quando Keiran tinha se tornado tão perspicaz. "Isso não será um problema se nós não a encontrarmos em breve." "Eu não acho que foi alguém da organização. A maioria deles estavam presos e o resto já devem ter dispersado para partes desconhecidas. É Mitch. Tem que ser, e se for ele, então há uma grande chance Kennedy ainda estar viva." "Por que você diz isso?" "Porque ele vai tentar usá-la para obter um resgate." "O que faria ele achar que temos o dinheiro?" "Porque nós temos herdado a segunda parte da nossa herança." "Quanto?" "Um enorme monte de dez milhões cada um."


"Ele vai querer tudo." "E nós vamos dar a ele um pouco antes de matá-lo." "Minha filha, minha morte." "Você nunca matou ninguém antes." "Eu acho que esse é o momento tão bom quanto qualquer outro para começar." Keiran não respondeu. Em vez disso, ele segurou meu olhar como se estivesse tentando me ler. Depois de alguns momentos de intenso silêncio, eu quebrei. "E se ele vendeu ela?" "Ele não vai." "E como você tem certeza disto?" "Porque o que ele pode obter de nós em troca de um resgate é mil vezes mais do que o que ele iria receber por vender ela. As meninas não vendem muito." "Esta é a minha filha de que estamos falando, porra", eu rosnei. Eu não gosto da maneira ocasional que ele falou de vendê-la como se ela fosse uma porra de uma cabra. "E esta é a vida real. Se você não consegue lidar com o que eu estou dizendo, o que faz pensar que você poderia matá-lo quando chegar a hora? Porque ele virá, Keenan. Ele não vai embora de novo e eu não estou andando no lado direito da lei neste momento." Eu balancei a cabeça em concordância. Mitch tinha muitas razões para morrer. Minha mãe e minha filha tinham sofrido nas mãos dele ... e meu irmão. Eu podia ver a preocupação e o medo que Keiran tentou esconder com um rosto duro. Ele estava lutando contra si mesmo para ser um protetor. "Será que Quentin falou sobre Camden?" "Ele disse, mas eu me perguntava porque você estava demorando tanto tempo para me dizer por si mesmo." "Porque nada mudou." "Eu nunca disse que tinha."


Um silêncio desconfortável caiu entre nós, mais uma vez ambos nos perdemos em nossos pensamentos. Uma parte de mim queria que eu nunca tivesse perturbado Lake, e ainda uma parte de mim desejou que eu tivesse sido bem sucedido. Eu também gostaria de saber qual parte era mais forte. "Então, o que foi aquilo hospital?" Eu sabia que eu não teria de elaborar mais dada a forma como ele abaixou a cabeça e respirou fundo antes de encontrar o meu olhar novamente. "Eu estou fodido." "Não brinca. Eu pensei que as coisas estavam bem entre vocês dois." "Elas estão ... elas estavam. Não foi ela. Eu fodi tudo na Califórnia." "O que você fez?" "Aqueles homens que eu matei. Eu prometi a Lake que eu não mataria novamente. Eu convenci a ela que eu tinha colocado o passado para trás, mas claramente, eu não fiz isso. Eu nem sei como lhe dizer." "Você tem medo que ela vá embora?" Ele riu embora um olhar sombrio tenho nublado suas feições. "Não." "Porque você não iria deixá-la ir?" "Eu não poderia, mesmo se eu tentasse." "A sua culpa foi a razão pela qual você a empurrou?" "Em parte, sim. Isso e porque eu a culpo por Kennedy não estar em casa ainda." "Por que isso seria culpa dela?" "Porque, se eu não me importasse tanto sobre decepcioná-la, eu já poderia tê-la encontrado até agora." "Isso é loucura." "Não mais do que você estar culpando Sheldon por perder Kennedy." "Quem te contou isso? Dash?"


"Q. Ele me contou sobre a briga, e eu sei o que você está pensando." " Você não sabe o que eu estou pensando.” "Eu praticamente criei você. Todos esses pensamentos e sentimentos em sua cabeça, eu plantei lá, apenas como eles me fizeram. Você vai matá-lo se ele ficar no caminho." "O futuro de Dash é inteiramente dele. Sheldon e Ken são minhas. Ele não pode interferir a menos que eu permita." "Dash é nosso amigo, Keenan." "Desde quando você já se importa com algo além de obter o seu caminho? Foi você quem me ensinou a fazer isso por quaisquer meios necessários." "Sim, mas eu também não fugi por quatro anos e voltei, esperando que todos simplesmente lhe recebam bem." "Nem todos. Apenas Sheldon e minha filha. E você se esqueceu... Eu não voltei. Você me trouxe aqui, e agora você vai arcar com as conseqüências. Todos vocês." Levantei-me e saí sem outra palavra ou olhar para trás. ***** “Ei, patrão." "Pare de me chamar assim." "Bem, para que ser tão mandão, se você não quer ser o chefe." Eu belisquei a ponte do meu nariz e rezei por paciência. Às vezes, eu sentia como se Di fosse um pé no saco de propósito. "Você fez o que eu pedi, Diana?" Eu usei seu nome completo, sabendo o quanto ela odiava ele embora ela nunca dissesse o motivo. Nunca me importei o suficiente para perguntar. "Sim, eu fiz, chefe, por isso, até quando eu deveria esperar você?" "Tanto tempo quanto eu leve para encontrá-la." "Eu não posso acreditar que você tem um filho."


Sim, eu também não. "É perfeito que ela seja uma menina, no entanto." "E você diz isso porque?" "Porque os jogadores safados sempre devem ter uma menina. Você vai ficar batendo os meninos para longe com um bastão quando ela for mais velha." Ela gritou ao telefone como se ela tivesse acabado de encontrar um pote de ouro. "Será que você pode parar de gritar, porra?" Eu estava a dois segundos de distância de me pendurar em cima dela. "Eu sinto muito, bonequinha." "Não me chame de boneca." "Por que não? Isso se encaixa bem a você, porque você é bonito." "Eu sou ... o quê?" Eu quis dizer isso com um som mais ameaçador. Em vez disso, saiu como um grito. "Eu aposto que o pobre menino inseguro dentro de você está grato por meu elogio, mesmo que o babaca não esteja." "Por que você se refere a mim como duas pessoas diferentes? E eu não sou inseguro." "Ah, mas você é." Ela ficou em silêncio por um momento antes de deixar escapar, "É por isso que você é um vagabundo?" Eu desliguei na cara dela. Levou tudo de mim para não fazer o telefone uma parte permanente da parede do meu quarto. Em vez disso, agarrei o telefone apertado, desejando que a minha raiva desaparecesse. Eu pensei que estaria acostumado a ela por agora, mas tinha que admitir que Di que sabia onde bater quando ela queria. Ela sempre alegou ser uma boa leitora das pessoas, mas eu sempre acreditei que isso fosse uma besteira completa. Ela só não sabia quando calar a boca. Eu não era nem um pouco inseguro. Por que eu seria? Eu nunca tive um problema para chamar a atenção de uma mulher antes. Elas sempre migram para mim e eu gostaria de aceitá-las porquê ...


Meu telefone celular tocando me tirou dos meus pensamentos errantes, e quando eu chequei o identificador de chamadas, eu pensei em não responder, mas eu sabia que não podia fazer isso com ela novamente. Uma semana atrás, Di tinha se assustado completamente quando ela percebeu que eu tinha desaparecido, seja assumindo que eu estava morto ou eu tinha fugido dela, mas quando ela descobriu que Keiran foi atrás de mim, as piadas já não paravam de rolar desde... "Será que ele tem você acorrentado num porão?" "Será que eu estaria nesta ligação se eu estivesse?" "É possível. Ele tem um fraquinho por você, você sabe." "Não, ele não tem. Ele me tolera." "Bem, ele ainda não cortou sua mão por tocar sua menina, então eu acho que a tolerância vai funcionar", ela riu. Eu sabia que não deveria ter dito a ela sobre isso, mas uma coisa que eu percebi ao longo dos anos foi que Di era fácil para conversar. É muito ruim que Sheldon nunca tenha gostado dela. Talvez tenha sido por isso que eu mantive Di tão perto todos esses anos. Poderíamos ter nos separado há muito tempo, mas nunca o fizemos. Ela era o meu próprio pequeno pedaço de carne. "O quê?" Eu lati no telefone. "Eu sinto muito, ok? Eu sei como você se sente sobre ser um puto." "Di..." "Eu quis dizer, estar sendo chamado de vagabundo." Minha única resposta foi quase ininteligível, mas era tudo o que ela iria ter. Nenhum de nós nunca tinha sido bom em pedir desculpas, e se eu fosse, nos últimos quatro anos teria sido muito diferente. "Basta manter tudo no lugar e ficar fora de problemas." Com isso, eu desliguei meu telefone e enfiei no bolso do meu jeans. Voltei lá embaixo, onde eu tinha deixado Quentin e Jesse. Jesse tinha estado acordado a noite toda escavando para obter informações simples que alguém tinha passado por um monte de problemas para enterrar e manter enterrado.


"Eu encontrei um endereço", Jesse gritou como se eu não estivesse apenas três pés de distância. A mesa repleta de Red Bulls pode ter tido algo a ver com a sua alta energia. "Camden é uma cidade muito grande. É maior do que este lugar, mas eu achei. Parece que eles estão em suas próprias terras. Não há ninguém em volta por milhas." "Como diabos você sabe tudo isso? Nós nunca estivemos neste lugar?" Quentin perguntou um pouco mais duro do que o necessário. A vibração entre os dois era muito estranha para duas pessoas que haviam se encontrado apenas uma vez, mas como tudo mais, eu mantive minha cabeça baixa. Eu não estava planejando ficar por aqui. "Satélite. Eu cortei o sinal de um que tinha a segurança de folga e identifiquei a localização. Estamos recebendo vídeos ao vivo da casa agora. É muito grande, e é completamente isolada. É o lugar perfeito para se esconder de alguém." "Você já viu algum movimento?" "Ainda não. Se eles forem inteligentes, eles vão manter a cabeça baixa, por isso que podemos não estar perto de confirmar se alguém está mesmo lá." "Nós não temos tempo. Me envie um texto com o endereço, fique no radar, e mantenha-me informado sobre qualquer atividade. Se um pássaro caga no telhado, eu quero saber sobre isso. Eu vou sair." "Eu vou com você", Quentin anunciou. Eu balancei a cabeça uma vez, mas já estava no meu caminho para fora da porta. ***** A casa era exatamente como Jesse descreveu. Juntamente com o endereço, ele tinha enviado fotos da casa e da área ao redor, de modo que fomos capazes de escolher um local seguro antes mesmo de chegar até a casa. Quentin me convenceu a esperar um par de horas para fazer um levantamento da área para ver se alguém estava vindo ou indo, mas


depois de quarenta e cinco minutos de nada, eu estava tentado a abandonar o plano e carregar com armas em punho. É incrível o quanto eu estava disposto a arriscar e quão longe eu estava disposto a ir por alguém que eu nunca conheci. "Keenan, o seu telefone está tocando nos últimos cinco minutos. Você vai atender isso?" Olhei na janela do carro de Keiran bem a tempo de ver a luz da tela escurece. Até o momento que eu o peguei, o telefone estava tocando novamente. "Sim?" Eu respondi, mantendo meus olhos focados na casa. A voz frenética de Sheldon fez meu coração se sentir como se estivesse sendo arrancado do meu peito. Eu mal podia ouvir sua tagarelice sobre as batidas do meu coração. "Devagar, baby. O que há de errado?" Eu estava dividido. Dividido entre ficar e salvar a minha filha ou sair correndo para confortar minha namorada da escola. Eu tive que me preparar contra o ataque de emoções e lembrar-me que o amor não era parte dessa equação. "Cheguei em casa e encontrei um bilhete pedindo dinheiro ou Kennedy vai morrer." "Foda-se!" Eu bati meu punho contra o volante, esquecendo que Sheldon estava no telefone. "O que está acontecendo?" "Alguém entregou uma nota de resgate." Uma batida na minha janela interrompeu o que quer que Quentin tivesse estado a ponto de dizer. Nós dois tivemos as nossas armas em punho rapidamente, mas porta do carro do motorista se abriu e eu fui arrancado dele antes que eu pudesse puxar o gatilho.


"Que porra você está fazendo aqui, filho?" Eu afastei minhas mãos do meu p.., não, John e dei um passo para trás. "Você parece ter memória seletiva. Eu não sou seu filho." "Você sempre foi tão estúpido ou é apenas hoje?" "Eu não tenho tempo para isso." Voltei para o carro, mas ele me puxou para cima por minha camisa e me bateu contra a lateral do carro. "Então você faça um tempo, e para registro, seu merdinha, eu não me importo com o que a biologia diz. Você é meu filho. Me questione de novo e eu vou matá-lo eu mesmo." Eu vi a verdade em seus olhos, juntamente com raiva e angústia, embora eu não quisesse. "Como você me achou?" Ele estava desaparecido durante a última semana e escolheu agora de todos os momentos para aparecer. "Encontrei um garoto na minha casa fazendo algo que não parecia nem um pouco legal. Sabe alguma coisa sobre isso?" "Ele está me ajudando a encontrar a minha filha." "O que faz você pensar que ela está aqui?" "É o único lugar que não olhei." "Você não deveria estar aqui. Não é seguro." "Não é o melhor momento para começar a se importar, pai. Se ela está lá, eu preciso buscá-la." “Como você encontrou este lugar?"


"É verdade?" Perguntei, ignorando sua pergunta. Eu sabia que ele sabia o que eu estava perguntando. Eu queria saber se seus pais, meus avós, estavam morando aqui todo esse tempo. Eu nunca os conheci, e John nunca tinha falado deles. "Não importa. Você não tem nenhum negócio aqui. Você não pertence a este lugar." "Você está parcialmente certo. Eu não pertenço a lugar nenhum." Eu percebi, há quatro anos, mas o tempo mudou muito, e eu finalmente aprendi a não dar uma merda por isso. "Vamos continuar fazendo isso?" Perguntou Q, vindo ao redor do carro. John manteve os olhos em mim. "Sim, nós vamos fazer isso." A tensão nos ombros aumentou. "Mas não hoje." Uma coisa que eu gostei sobre Q era que ele não faz perguntas. Nós fizemos a viagem de volta na metade do tempo quando eu acelerei todo o caminho até o apartamento de Sheldon. Se houvesse uma nota de resgate agora, isso poderia significar encontrar Kennedy com segurança em vez de disparar cegamente no escuro. Eu não ligava muito para o que iria acontecer comigo, mas Kennedy não merecia morrer por causa de sua mãe e eu. "Onde ele está?" Perguntei, logo que eu estava dentro da porta do seu apartamento. Lake tinha os braços em torno de uma Sheldon trêmula enquanto estavam amontoadas no sofá. Eu fiz um ponto para evitar olhar nos olhos dela ou ir perto dela e não ser capaz de confortá-la. Não é que eu não podia. Eu só não faria. Lake parecia pegar minha agitação interna porque ela arrancou a nota do chão onde estava aos pés de Sheldon e trouxe-a para mim. Ela rapidamente se virou para Sheldon, mas não antes gritar. Eu tinha a sensação de que ela estava começando a pensar menos de mim nos dias de hoje, isto é, se ela pudesse pensar menos de mim. No colégio, eu tinha feito um ponto para ser seu amigo quando se tornou óbvio para mim que ela não tinha nada a ver com a prisão do meu irmão, mesmo quando ele se recusou a vê-lo.


Sacudi os pensamentos de outro momento que eu já não permitia existir, nem mesmo como uma memória. Tudo tinha sido uma mentira. O papel para cartas enrugado na minha mão me lembrava do presente – o que você está disposto fazer por ela? "Não é a letra de Mitch," Lake ofereceu sem emoção logo que eu terminei de ler. Eu virei a nota à procura de mais, mas não havia mais nada. "Como diabos isso é possível?" Eu não tinha percebido que eu tinha falado em voz alta até que eu senti o barulho no meu peito subir com cada palavra. Mitch era a única pessoa que fazia sentido. Se não for Mitch, então quem? "Eu acredito que eu sei a resposta à sua pergunta", John disse, um passo à frente. ***** Eu não tinha tempo para isso. Depois de quatro horas, eu estava mais impaciente do que nunca. Eu estava em uma corrida contra o tempo e perder significava a vida da minha filha. John levou Sheldon e eu para o leste. Ele tinha insistido que nós fossemos juntos, mas eu insisti mais fortemente para irmos separadamente, e quando Sheldon tentou ir sozinha, eu pus fim a isso, também. Se estar perto de mim a desequilibrava tanto quanto eu pensei que fizesse, então, seria exatamente o que eu faria. Lake, Quentin e Jesse ficaram para trás. Quentin e Lake se ofereceram para pegar a busca enquanto Jesse vigiava a casa em Camden. Cada um de nós tentou convencer Lake a ficar para trás sabendo que Keiran não gostaria dela colocando-se em perigo, mas sua raiva em relação a ele a fez teimosa. Minha raiva em relação a meu irmão não me permita me preocupar. "O que é isso?" Perguntei quando chegamos a um edifício que parecia um hospital. A placa pela qual passamos dizia Summit Reabilitação para sobreviventes do Câncer.


John não tinha dado muita explicação para a razão para esta viagem pelo estado. "Apenas confie em mim", foi tudo o que ele se deu ao trabalho de dizer. Eu não confiava em ninguém, muito menos nele. Uma rajada de ar frio bateu, logo que as portas automáticas se abriram, permitindo nossa entrada nas instalações. Sheldon tinha conseguido permanecer em silêncio, mas eu podia dizer que ela estava se sentindo tão ansiosa quanto eu estava. Nós nos aproximamos da grande mesa da recepcionista, onde três mulheres que se pareciam com enfermeiras se movimentavam em torno de si em algum tipo de frenesi harmonizado. "Boa noite, Sr. Masters," uma enfermeira perto da idade de John o cumprimentou. "Eu tenho certeza que você está ciente de que o horário de visita está quase no fim." "É bom ver você de novo, Suzy." A saudação monótona de John era tão vazia quanto a sua expressão, embora seus olhos parecessem perfurar ela. "Isso não vai demorar muito", ele disse sem entusiasmo assegurado. A enfermeira não respondeu, mas, em vez disso, apertou os lábios em desaprovação. Eu li a placa na recepção e percebi que o horário de visitas não duraria nem por mais trinta minutos, então qual era o seu problema? Quando John se afastou sem dizer uma palavra, eu decidi que não era importante. Seus passos pesados levaram-nos por um longo corredor. Ele tomou um caminho rápido e parou na primeira porta para o corredor. Sheldon ainda tinha de dizer alguma coisa, mas continuou a verificar seu telefone repetidamente. O tempo estava se esgotando. A chance de uma vítima de sequestro ser encontrada viva após as primeiras vinte e quatro horas eram pequenas. Kennedy havia desaparecido há mais de uma semana agora. "Olha, filho, quando eu abrir esta porta, eu quero que você mantenha a calma." "Quem diabos está aí, e o que isso tem a ver com a minha filha?" John não se incomodou em responder. Depois de me dar um olhar severo, que eu ignorei, ele virou a maçaneta e entrou lentamente. Eu


entrei e olhei em volta com cautela e vi diante dos meus olhos uma figura liquidada que parecia estar dormindo. Cinco segundos foram o suficiente para eu perceber quem era que eu estava vendo. Ele estava ligado a uma máquina com muitos fios correndo dentro e fora de seu corpo. Sua forma já não era tão grande quanto eu me lembrava. Em vez disso, ele parecia frágil e fraco. Uma pessoa compassiva teria visto um homem que precisava de cura. Tudo o que eu vi foi uma oportunidade. Eu não sabia que eu estava cobrando até que meu pai me trancou em uma chave de braço. Sheldon estava no canto parecendo chocada e com mais do que um pouco de medo. Um olhar acidental no espelho ao lado da cama revelou apenas o quão selvagem e perigoso devo ter parecido para ela. "Mantenha sua cabeça fria, filho. Ele não pode te machucar." "Mas eu posso machucá-lo." O que isso significa? Aqui estava Mitch, que mal parecia capaz de andar, muito menos seqüestrar ou orquestrar um seqüestro. "Você o mantém aqui?" Eu rugi. "Você está protegendo este filho da puta?" O suspiro de Sheldon atraiu meu olhar para ela, mas a visão dos olhos de Mitch abertos e olhando para mim me parou. "Oh, meu Deus", Sheldon gritou. Ela inclinou-se ao meio e usou seus braços para agarrar em seu estômago quando ela começou a desmoronar. No desejo primordial de lhe proteger elevei sua cabeça equivocada, mas eu ignorei os meus instintos e olhei sobre a merda desenrolando na minha frente. Esta situação tinha acabado de se transformar de mal para pior. Se Mitch não tinha a nossa filha, então isso poderia significar que qualquer pessoa com nada a ganhar, estava mantendo-a viva. A memória da nota de resgate, mesmo que isso não fosse muito de um, era a única coisa que me mantinha são neste momento. Kennedy


ainda tinha que estar viva. Eu só precisava descobrir o que significava a nota. "Eu não estou protegendo ele, mas ele é meu irmão. Eu não tinha outra escolha." "Você sempre tem uma escolha John, ou você simplesmente esqueceu que ele matou a mãe do seu próprio filho?" "Acredite em mim. Eu não me esqueci. Eu nunca esqueço. É tudo o que posso pensar em cada minuto de cada dia." "Então, como você o encontrou?" "Eu não fiz. Ele veio até mim." "Quando?" Eu não me incomodei em manter o desgosto longe da minha voz. Toda a raiva e ódio empilhados calmamente dentro de mim forçaram seu caminho para a superfície. "Cerca de um ano depois que você desapareceu e Keiran foi para a faculdade." "Isto é muito fodido." Eu não tinha percebido que eu estava andando até que eu esbarrei em Sheldon. Olhei para ela forma tremendo, mas meu coração estava tão frio quanto o meu humor. "Mova-se", eu lati para ela. Surpreendentemente, ela mudou-se sem uma palavra, mas se olhares pudessem matar ... "Keenan, eu preciso que você me prometer uma coisa." "Você está falando sério? Porque eu faria isso?" "Porque eu estou pedindo para você. Eu sei que não tenho o direito de lhe pedir nada, mas eu preciso de você comigo sobre isso." "O quê?" Rosnei através dos meus dentes cerrados. "Seu irmão. Ele, uh ... " Quando o rosto de John empalideceu, eu sabia. Porra, eu sabia. "Filho da puta ..." Meu olhar viajou de volta para Mitch, que continuou a me olhar. "Ele não sabe que ele está aqui, não é?" "Não, e se alguma vez ele sair de lá..." "Ele vai matar este filho da puta de merda."


***** Prometi a John que eu não diria a Keiran onde Mitch estava, mas o que ele não sabia era que eu tinha minhas próprias razões. Eu finalmente encontrei uma maneira de obter a minha libra de carne a partir dos ensinamentos de Keiran. Eu, como ninguém, sabia que Mitch era o único demônio que Keiran tinha sido incapaz de exorcizar, e enquanto ele permanecesse desparecido, Keiran nunca seria capaz de colocar esses demônios para descansar. Mitch iria morrer em breve de qualquer maneira, e Keiran nunca saber seria o mais sábio. John provavelmente nunca iria dizer a Keiran a sua parte em manter Mitch escondido durante os últimos três anos, porque Keiran não iria vê-lo como algo menos do que uma traição. Se eu não estivesse tão definido em um caminho de vingança e alimentado pelo ódio, eu teria que literalmente ignorar essa instalação. Depois de tudo que Mitch tinha feito, era câncer que iria matá-lo. Mesmo que o nome da instalação indicasse era para sobreviventes do cancro, também atendiam pacientes que essencialmente vieram a morrer depois de cada tratamento e que a teoria médica falhou. A viagem de volta foi cheia de tensão e silêncio. Sheldon e eu tínhamos recuado para nossos próprios pensamentos. Ela poderia ser uma boneca de porcelana pelo jeito que ela sentou-se toda dura e silenciosa. Seus olhos foram treinados para a frente enquanto ela olhava estupidamente para fora da janela. "Você precisa parar com esse mau humor." Que porra é essa? Mesmo para mim, eu parecia um idiota insensível, mas já era tarde demais para voltar atrás. Eu decidi ver onde isso iria. "Com licença?" "Você está acabando com o meu humor", eu repeti. "Isso pode ser difícil para você entender, mas minha filha de três anos de idade, está desaparecida há uma semana, e eu simplesmente descobri que a única pessoa que poderia ter sido um suspeito não tem


nada a ver com isso. Mitch era um sonho em comparação com o pesadelo que estou vivendo em no momento." "Eu não acho que nada poderia ser pior do que a ganância sem escrúpulos de um homem que uma vez vendeu seu próprio filho por dinheiro para jogar." "Isso não ajuda." "Não era para ajudar." Eu levei o risco de tirar os olhos da estrada para encará-la. Seu rosto estava desenhado apertado e as unhas cravaram em seu jeans. Eu tinha esquecido como é bom sentir a dor de suas unhas cavando em minhas costas, mas eu prometi a mim mesmo que eu estaria sentindo isso novamente em breve. "Keiran nunca deveria ter-lhe trazido de volta." Ela sussurrou, e se eu não tivesse jogado muita atenção a ela, eu não teria ouvido. "Não, ele não deveria ter, mas ele fez, e eu não vou a lugar algum baby, assim, se acostume comigo. Eu sou um animal diferente agora ... por isso não se meta comigo." "O que você quer de mim?" Sua voz tinha subido tão alto e de forma inesperada que eu desviei antes de rapidamente corrigir o carro. "Eu quero que você me conte sobre ela." "É isso?" Eu poderia dizer que ela não estava esperando a minha resposta, e eu não perdi a cautela em sua voz. Ela tinha tudo que precisava para ser suspeito. "Por agora." Ela ficou em silêncio por alguns instantes antes de finalmente perguntar: "O que você quer saber?" Eu soltei o ar em frustração, porque eu realmente não sabia. "Qualquer coisa. De que cor são seus olhos? Que tipo de comida que ela gosta? Qual é sua cor favorita?" "Bem ... ela tem os meus olhos e seu cabelo. Ela gosta de tudo o que está coberto de glacê ... mesmo carne." Eu tentei pará-lo, mas eu não podia lutar contra o sorriso semelhante ao que Sheldon atualmente usava quando ela falou sobre Kennedy.


"Sua cor favorita é azul. Ela odeia qualquer coisa a ver com a cor rosa. Ela está obcecada com os Tartarugas Ninja. Michelangelo é o seu favorito." "Você ensinou isso a ela?" "O que?" "A gostar do Michelangelo?" "Eu sei que ele é o seu favorito, mas não, eu não ensinei a ela sobre qualquer um deles. Ela foi atraída naturalmente por ele. Tentei levá-la para a Dora, mas ela odeia." "Essa é minha garota." Sheldon endureceu com a minha declaração, mas deu de ombros. Quanto mais ela falava de Kennedy, que eu notei que ela carinhosamente chamava de Ken, mais eu percebi o quão parecidos minha filha e eu éramos. Essa esclarecimento firmou ainda mais o futuro de Sheldon. Eu quase podia saborear a dor que eu causaria a ela. Meus dedos agarraram o volante, senti o ranger do couro sob minhas mãos enquanto eu imaginava que era sua garganta. Meu pau também se agitada para a vida pensando no momento em que eu poderia começar a fazê-la pagar. Gostaria de fazê-la pagar muitas vezes antes de eu terminar tudo. "Keenan?" Ela me chamou, quebrando-me de minhas fantasias. "Sim?" "Eu tenho que encontrá-la em breve. A condição de Kennedy é muito delicada. Eu não sei o que eles vão fazer se ela... " Sheldon se engasgou com as palavras, e quando ela começou a chorar, minha tensão chutou em alta velocidade. "O que você quer dizer? Que condição?" Ela respirou fundo, o que pareceu acalmá-la antes de continuar. "Desde que ela tinha dois anos, ela sofria de convulsões. Os médicos não têm sido capazes de encontrar uma causa, uma vez que ela nunca sofreu um aneurisma."


"Epilepsia?" Quando ela acenou com a cabeรงa, eu trouxe o meu punho para baixo no volante pressionado para baixo, rachando a pele e pisei mais, acelerando todo o caminho de volta para Six Forks.


"Chefe, o carro decolou." "O lugar está comprometido. Mova-se para o local dois quando for seguro, mas mantenha os olhos neles, no caso deles voltarem antes." "E se isso acontecer?" "Você lida com isso." A linha ficou muda antes que ele pudesse pedir mais instruções. O homem amaldiçoou silenciosamente enquanto desejava que ele nunca tivesse concordado com esse trabalho. Sequestro de crianças era novo para ele, mas era um trabalho, e um que paga bem, embora ele já desejasse ter pedido mais. No dia em que arrancou a criança de sua mãe, ela tinha tido algum tipo de episódio que assustou o inferno fora dele. Ele ia entregar a garota anonimamente para o hospital mais próximo, mas o seu parceiro o convenceu do contrário, lembrando-lhe quanto dinheiro estava em jogo. Felizmente, tudo pareceu não durar muito tempo, assim que acabou, pareia ser uma reação por ser sequestrada, mas quando aconteceu uma segunda e terceira vez, eles começaram a drogá-la. Ele olhou para o monitor no qual ele podia vê-la dormir sem as drogas. Ela estava tão quieta que ele se perguntou se ela poderia realmente estar morta. Ele queria parar de drogá-la, pensando que seu pequeno corpo não poderia lidar com tanto, mas seu parceiro não achava que valia a pena. "Qual é a ordem?" Perguntou Freddy, fechando o zíper de suas calças quando ele saiu do banheiro.


"Temos que nos mudar, mas ele também deu o OK para cuidar deles se eles voltarem." "O que diabos isso significa? Não podemos matá-los." "Seu palpite é tão bom quanto o meu." "Você acha que devemos ir com o Plano B? Nós não temos muito tempo antes de se tornar suspeito." "Eu disse a Greg que era uma má ideia ter dois empregos. Não podemos concluir todos eles." "Não, mas ambos pagam," Freddy sorriu. "Ele vai nos matar." "Ele vai ficar e nos pagar. Esta família é tão rica quanto eles são fodidos. Basta olhar para esta casa. Tudo isso e ninguém se incomoda de viver aqui. Se eles estão apenas bem com o desperdício de dinheiro, por que não deveríamos ajudar-nos?" "Eu não sei, cara... " "Pense grande, Vick. Além disso, com Greg no hospital, temos mais grana." "Eu não posso acreditar que ele o apenas bateu na cabeça com uma cadeira." Os avisos que recebemos sobre Keiran Masters não fizeram nada para nos preparar para vê-lo em ação. Ele secretamente invejava o homem mais jovem que foi capaz de invocar tanto medo com apenas sua presença. Quando ele falou, todos na sala ficaram tensos. Mesmo sua família e amigos o temiam. Quando ele recordou os olhos frios e escuros do hospital que prometia morte, ele se perguntou o que como seria ter tanto poder. *****


"Você tem alguma coisa sobre a casa?" Perguntei, logo que fomos para a porta. Sheldon insistiu em voltar para seu apartamento, mas eu não estava tendo nada disso. Arrastei-a de volta para a casa do meu pai. Lake e Quentin estavam de volta da procura de Kennedy enquanto Jesse ainda mantinha os olhos na casa em Camden. "Foi tão rápido que eu nem tenho certeza se isso aconteceu, mas a cortina ali ..." Jesse apontou para uma janela no nível mais baixo da casa, "ela mudou-se logo depois que você saiu. Poderia ter sido um projeto de..." "Ou as pessoas que levaram a minha filha?" "Você realmente acha que poderia ter sido seus avôs?" "Eu não sei, mas agora eu sei que não foi Mitch." "Como?" Perguntou Quentin. "Ele está morto," eu soltei. Era a única mentira crível. Se Q soubesse sobre Mitch, ele não hesitaria em dizer a Keiran porque era onde sua lealdade estava. Eu queria avisar silenciosamente a Sheldon de contar o mesmo, apenas por a caso, mas Q me olhava muito de perto como se estivesse tentando me ler. "Foda-se", ele gritou. "Keiran não vai gostar disso." "Eu tenho certeza que é tudo que Keiran teria querido." "Só se tivesse sido por suas mãos." Eu precisava mudar de assunto e rápido. Eu não tinha tido tempo para inventar uma história adequada de contar a ninguém sobre a viagem de improviso. Depois, Sheldon tinha me dito sobre a condição de Kennedy, era tudo que eu conseguia pensar. "Isso não importa agora. Está feito." Ele hesitou apenas um segundo a mais do que o necessário antes de perguntar: "Então, o que faz com que você ache que seus avós sequer sabem sobre ela, e por que eles a levariam?" Eu lutei na minha cabeça por uma razão por que eles poderiam ser culpados, mas não consegui encontrar uma, não importa o quão duro eu


tentasse. Corri meus dedos até o fim do meu cabelo e os puxei com a frustração. "Eles estão mesmo vivos ainda?" Sheldon perguntou. "Eu não sei. Eu nunca suspeitei deles, mas eu estava esperando algo ou alguém naquela casa me dizer alguma coisa." "Seria quase demasiado fácil se fosse alguém que você conhecesse", comentou Jesse. Um pensamento surgiu na minha cabeça que eu não poderia tremer, e antes mesmo que eu percebesse meus pés tinham se movido, minhas mãos estavam em Sheldon, imobilizando-a contra a parede. "Eu vou perguntar-lhe isto apenas uma vez, assim seu cérebro avisa a sua boca a não mentir para mim." "Solte-me," ela rosnou. Se eu não estivesse muito perto de matá-la, eu a acharia bonitinha. "Keenan, você enlouqueceu?" Lake gritou. "Cara," Q entrou na conversa. Eu os bloqueei. Eu não conseguia ver nada, a não ser a fantasia da vida de Sheldon drenando de seus olhos quando meu cérebro começou a formar imagens uma após a outra. "Você já teve outro filho da puta em torno da minha filha?" O engate audível em sua respiração e a culpa que brilhou nos olhos dela não fez nada para parar a minha raiva crescente. "O que você quer dizer?" Ela gaguejou. "Sua puta." Eu soltei o pescoço dela e dei um passo para trás. "Quem é ele?" "Quem é quem?" Ela gritou. "Não há ninguém!" "Isso não é o que seus olhos acabaram de dizer." "Então agora você é um leitor de mente, porra?" "Não. Eu sou o leitor da sua mente, caralho. Shelly, não brinque comigo ", eu avisei. "Você não tem direito de questionar a minha vida amorosa."


Amor? Ela estava apaixonada? Foda-se isso. Eu pararia seu coração com minhas próprias mãos antes que eu a permitisse ficar com alguém. Virei-me para enfrentar os outros ocupantes da sala que estavam em estado de choque. Quentin agarrou o braço de Lake enquanto ela tentava continuamente dar um puxão de seu alcance. "Deem o fora." Eu assisti todos eles correrem, enquanto meu coração batia contra o meu peito. Q fechou a porta, mas não antes de me dar um olhar de advertência, que eu não estaria atendendo. Quando me virei para trás, Sheldon tinha ido embora. Meus pés moveram-se rapidamente em torno do primeiro andar. Eu não me incomodei em chamá-la sabendo que ela não iria responder. Ela tinha muitos lugares para se esconder, mas nenhum para onde correr. O pensamento da perseguição fez meu pau endurecer até que estava praticamente batendo contra meu jeans com antecipação.


Me escondo no antigo quarto de Keiran, de todos os lugares. Eu não sei por que eu corri para ali. Não havia nenhum lugar para me esconder, mas eu pensei que talvez se eu ficasse fora de vista tempo suficiente, ele lhe daria tempo suficiente para se acalmar. Eu nunca tinha visto Keenan com um temperamento como hoje. Fiquei ainda mais surpresa com a minha reação a isso. Eu não poderia, em sã consciência acreditar no quanto meu corpo tremia com a visão e som dele, não foi apenas com medo. Meu corpo me traiu cada vez que ele olhou para mim. Seus olhos pareciam me enviar uma mensagem que eu ainda não conseguia decifrar, mas eu sabia que tinha uma promessa que eu não tinha certeza que eu gostaria que ele mantivesse. "Shelly, abra a porta." O tom suave de sua voz desmentia o predador que ele era. "Eu não posso fazer isso." Eu quis que minhas mãos trêmulas parassem junto com o suor escorrendo até o fim dos meus dedos. "Eu preferiria não quebrar essa porta, e eu sei que você também, por isso seja uma boa menina e me deixe entrar. Você não precisa se esconder." "Eu não estou me escondendo. Eu só queria ficar longe de você." "Porque você é culpada?" "Porque o que eu faço durante o meu tempo livre não é da sua conta. Olha, estes últimos dias têm sido estressantes. Acho que precisamos de um tempo separados."


"Nós já passamos tempo suficiente afastados, e eu prometo que você não vai viver mais um dia sem mim." Eu ouvi a ameaça aparente e estremeci por sua promessa fria. Eu encontrei-me chorando, apesar da minha promessa de não enfraquecer. "Você está igual a ele." Era aterrorizante o quanto Keenan tinha se tornado parecido com Keiran. "Eu não sou nada como ele. Eu sou muito pior. Agora abra o caralho dessa porta." Um estrondo contra a porta me fez pular em toda a sala antes que eu pudesse responder. "Keenan, pare!" Eu estava delirando quando implorei com todo os meus pulmões. A porta se estilhaçou e soltou sob a força de seus golpes. "Por favor, deixe-me ir." "Você sempre será alguém que eu quero, Shelly ..." Eu não tinha percebido que Keenan ganhou a entrada até que suas mãos estavam no meu cabelo e a outra tinha agarrado meu queixo. "...Então, que porra faz você pensar que eu vou deixar você ir de novo?" "Porque nós não podemos fazer isso." "Nós podemos fazer qualquer coisa que quisermos, quando eu exigir, e agora, eu quero que você me beije." "O quê?" "Prove-me que não há ninguém mais. Que nunca houve qualquer outra pessoa, ou eu prometo que você não vai sair daqui viva. Quando eu continuei a hesitar, seus braços caíram ao redor da minha cintura para me esmagar contra ele. Quando eu tentei recuar, ele apertou os braços até que eu gritava de dor. Senti seu pau endurecer contra meu estômago e olhei para ele, incrédula. "Você está ficando excitado sobre este assunto?" "Sim", sua voz grave confirmando. "Eu estou." "Keenan, o que aconteceu com você?" "Você quebrou meu coração", ele respondeu a questão com naturalidade. Apesar de seus braços me ligarem a ele, eu senti meus joelhos enfraquecerem. Eu tive que apertar o peito para parar a sensação de queda.


"Você quebrou o meu também." Ele tinha feito um som áspero na garganta antes de rosnar. "Saia, ou eu vou encontrar outra maneira de calar sua boca. Eu estou em um humor agressivo, Shelly. Você não será capaz de me fazer chegar." A advertência em seus olhos me fez finalmente levantar meus lábios nos dele. Fiquei surpresa com o quanto eu realmente queria beijá-lo, mesmo que fosse por uma mentira. A maneira como ele me observava, mesmo depois de os meus lábios tocaram os seus, era irritante, então eu fechei os olhos e afundei no pecado. Eu mantive o beijo suave e lento, de modo a não lhe dar mais de mim do que o necessário, mas isso durou apenas três segundos. Seus dentes afundaram no meu lábio fazendo-me ofegar. Ele aproveitou a oportunidade para aprofundar o beijo, puxando a língua para fora, e quando ele começou a chupar-me, meu corpo aquecido passou ao ponto de febre. Eu só podia esperar que ele conseguisse o que precisava porque eu já não estava no controle. Quando ele me pegou e envolveu minhas pernas ao redor de sua cintura, eu não lutei com ele. Senti para onde ele me levaria, mas estava com muito medo de olhar. Sem aviso, ele puxou minhas pernas ao redor de sua cintura e eu tropecei para trás antes de corrigir-me. Dei uma olhada rápida ao redor e percebemos que estávamos agora no banheiro. "Chuveiro. Eu vou te encontrar algo para dormir." "Eu preciso ir, Keenan. Lake vai saber onde eu estou." "Você não vai embora." Foi tudo que ele disse antes de desaparecer. Se ele pensou que poderia latir ordens e eu ia obedecer, ele estava muito enganado. Eu esperei o tempo suficiente até ter certeza que ele tinha ido embora e dei um passo para a porta. Ele tinha a deixado aberta, e eu pensei que se eu fosse rápida o suficiente, eu poderia escorregar fora da casa antes que ele retornasse.


Eu fiz um traço em silêncio pelo corredor, a confiança construindo com cada etapa. Eu apenas tinha que descer as escadas e eu estaria em casa livre. Eu só fiz isso até o patamar quando o ouvi. Foi um som tão fraco, mas eu sabia que ele estava lá. "Keenan?" Eu falei sem me virar. "Você não me ouviu bem, não é?" Antes que eu pudesse oferecer uma resposta, sua mão estava no meu cotovelo, puxando gentilmente enquanto ele me levava de volta para o banheiro. Eu procurei em seu rosto por um sinal, qualquer coisa, mas ele se movia de maneira silenciosa. Quando entramos no banheiro, ele soltou meu cotovelo e indicou com um aceno de cabeça para eu me sentar, e sabiamente, eu fiz isso. Eu não precisava de sua confirmação de que eu estava fodida. Seu silêncio disse tudo ironicamente. Mas quando ele saiu do banheiro, mais uma vez, eu relaxei. Talvez eu devesse ter acabado de tomar banho e convence-lo a me levar para casa depois. Qualquer coisa era melhor do que me tornar desequilibrada lentamente. Meus nervos estavam em frangalhos, e minha confiança há muito desapareceu com seu primeiro toque. Keenan finalmente voltou minutos depois carregando uma camisa azul royal na mão, que eu imediatamente reconheci como uma de suas camisetas preferidas. Dormi com essa camisa a cada noite, mas quando ele me deixou quatro anos atrás, eu deixei ela para trás. Ela deve ter estado em meu antigo quarto ainda, enterrada com todas as outras memórias dele que eu tinha deixado para trás, de que modo ele conseguiu isso? "Como você conseguiu isso?" "Fácil. Os seus pais passam muito tempo fora." "Você invadiu a casa deles?" O olhar impaciente que ele atirou em mim me fez sentar-me como um covarde. "Poupe a merda melodramática. É um pouco tarde para se preocupar agora, você não acha?" "Por que eu não me importaria? Está errado."


"Você não achava que isso estava errado quando estávamos juntos. Eu sei que você lembra-se de todas aquelas noites em que eu subia as escadas e fodia sem sentido a boceta da pequena princesa do papai enquanto ele dormia no final do corredor sonhando com impérios para esmagar." "Aquela foi uma época diferente." "Você está certa, foi." Ele não disse mais nada enquanto ele se movia para o chuveiro. Eu estava tão absorta no passado que eu não tinha notado a chave sextavada que ele carregava em sua mão. "O que você está fazendo com isso?" Ele me ignorou e brincou com o chuveiro enquanto eu o observava em confusão. O chuveiro está quebrado? Se for assim, por que ele estava tão determinado que eu tomasse um banho? Com o chuveiro em punho, eventualmente, deslizou-o para fora enquanto ele puxou-o revelando um pequeno cepo. Ele virou lentamente o cepo para a esquerda, fazendo um som de clique a cada vez. Quando ele terminou, ele deslizou a alça de volta e apertou o parafuso com a chave sextavada mais uma vez. Embolsando a ferramenta, ele se virou para mim com uma expressão vazia. "Dispa-se." Desta vez eu obedeci lentamente. Seu olhar nunca vacilou enquanto minhas roupas deslizavam do meu corpo. Surpreendentemente, ele não olhou para o meu corpo, mas manteve os olhos fixos nos meus. Eu não sabia se devia ser grata ou me sentir inadequada. Quando o último item foi derramado, ele pegou minha mão e me levou para o chuveiro. Eu meio que esperava que ele se despisse e se juntasse a mim, mas ele simplesmente girou a torneira para o sinal que dizia quente. "Você não vai fechar a porta?" "Você tem oito minutos." "Você realmente acha que me cronometrar e vigiar permanentemente é necessário? Eu acho que posso lidar com a minha


higiene pessoal sozinha... Enfim, esta água está uma espécie de muito quente. O aquecedor de água está quebrado?" "Quem é ele?" Minha cabeça estava sob o spray, mas por causa do aumento da temperatura da água, eu abaixei minha cabeça debaixo da água apenas a tempo para ouvi-lo. "Eu disse que não há ninguém." Eu distraidamente cheguei a recusar a temperatura da água, mas a sua mão no meu pulso me parou. "Solte. A água está muito quente." "Você tem agora cerca de quatro minutos para me dizer a verdade. Quem é ele?" Se eu não estivesse tão distraída com a água, eu poderia ter respondido, mas parecia como se alguém tivesse acabado de jogar uma panela de água fervendo em mim. "Eu preciso sair." Eu me afastei do spray, sentindo minha pele formigar. A água agora parecia como se estivesse fervendo. Vapor subiu e cobriu cada polegada do chuveiro até que eu mal podia vê-lo. De repente, sua mão apareceu através do vapor, ignorando a temperatura quente, e ele me puxou de volta sob o spray. "Keenan! Esta muito quente." "Isso é porque em dois minutos a água vai chegar a uma temperatura escaldante, causando queimaduras de primeiro grau para cobrir sua pele. Em quatro, você vai sofrer queimaduras de segundo grau. Diga-me quem ele é." Ele falou com um tom tranquilo. Muito insensível e frio. Sua expressão era completamente impassível, enquanto observavame sofrer sob o jato da água. Fui afundado até o chão do chuveiro. Meu corpo estremeceu incontrolavelmente enquanto o instinto chutou, implorando por autopreservação. "Por favor, deixe-me sair", eu soprei pra fora. "Eu não posso respirar. Dói muito." "Trinta segundos." Ele continuou a não parecer afetado, e foi então que eu finalmente percebi que ele iria me destruir se eu deixasse.


"Keenan ..." Eu encontrei a força para levantar a cabeça mais uma vez e olhei nos seus olhos desprovidos de uma alma, misericórdia ou amor. "Vá para o inferno." A água tinha atingido uma temperatura insuportável, e eu já não podia parar o grito que rasgou da minha garganta. ***** SETE ANOS ATRÁS "Ei, linda." Olhei em volta em confusão até que meus olhos pousaram sobre um cara extremamente quente inclinando-se contra os armários. Seu cabelo escuro estava arrepiado, e o sorriso torto que ele usava soletrava convites para problemas. Eu o reconheci como um dos garotos populares. As meninas estavam sempre falando sobre ele e suas habilidades de beijo ... entre outras coisas. "Você está falando comigo?" Ele parecia estar à espera de alguém, mas não poderia ter sido eu. Os meninos não falavam comigo. Era uma regra estabelecida pelo meu irmão gêmeo, que era mais velho por alguns minutos. "Eu não vejo qualquer outra pessoa que poderia fazer eu me apaixonar à primeira vista, não é?" Apesar de saber que era uma isca, eu me vi balançando a cabeça lentamente. "Venha aqui." "Oh, eu, hum ... tenho que ir para a aula." Ele revirou os olhos, como se estivesse irritado. "Você é uma nerd?" "De jeito nenhum", respondi de forma rápida e um pouco na defensiva. "Então venha para mim ... agora", ele ordenou. O tom áspero de sua voz desmentia o sorriso descontraído no rosto. Senti meus pés moveremme para mais perto dele, embora o meu cérebro gritasse para eu correr para o outro lado. "Boa menina."


"Uh, oi", eu disse desnecessariamente quando minha mente desenhou um em branco. Eu não sabia como falar com os rapazes porque meu pai e irmão não me permitem ter encontros. "Você é irmã de Dash, certo?" "Sim. Nós somos gêmeos," eu ofereci desajeitadamente. "Eu não vejo como. Dash é feio como o inferno." Comecei a rir e senti a tensão e o nervosismo deixar os meus ombros com facilidade. "Você tem uma bela risada, Shelly." "Meu nome não é Shelly." Eu fiz beicinho em decepção. Talvez ele pensou que eu fosse outra pessoa, apesar de conhecer meu irmão. "É Sheldon, certo?" "Sim" eu saltei quando ele confirmou que ele sabia meu nome. "Bem, eu quero chamá-la de Shelly em breve." "Por quê?" "Porque ninguém mais faz." Ele se aproximou e sussurrou no meu ouvido. "Eu vou ser o seu primeiro e seu único tudo." "O que te faz tão certo disso?" Fiquei surpresa com o meu tom picante, mas escondi bem. Eu não era daquelas que flertavam, mas eu encontrei isso com ele, isso veio naturalmente. "Porque eu planejei isso dessa maneira." Antes que eu pudesse pedir a ele para me explicar, ele beijou minha bochecha suavemente e disse, "Eu te vejo por aí, Shelly. Tchau baby." ***** Eu não sabia quanto tempo seria necessário para que a sensação de queimação desvanecesse, mas quando acordei, algum tempo depois, senti como se minha pele estivesse sendo picada por milhares de agulhas minúsculas. Chorei silenciosamente no travesseiro, querendo que a dor sumisse. As cobertas macias abaixo de mim esfregavam contra a minha pele causando atrito. Eu não queria abrir os olhos porque eu sabia o que me esperava - significaria que isso era real, em vez de um pesadelo.


Eu não podia vê-lo, mas eu sabia que ele estava aqui. Quando eu finalmente abri meus olhos, meu olhar desembarcou pela primeira vez em um cartaz velho onde a Megan Fox usava um traje supermulher. Lembro-me do dia em que ele o pendurou depois de lutar sobre quem iria ficar com ela. Ele assumiu a princípio que ela era uma inspiração para como eu queria parecer. Eu revelei que tinha uma queda ainda maior por ela que eu não podia e não iria explicar. Foi também a primeira vez que ele me disse que me amava. No início eu ri, até que testemunhei o que tinha que ser o primeiro momento sincero que nós compartilhamos naqueles poucos meses. Simplesmente aconteceu que, logo após a bem-aventurança de me apaixonar, fui seguida por dois anos de desgosto por causa de suas traições. Antes daquele dia de verão em seu quarto, ele tinha sido alguém em que eu podia confiar, mas algo quebrou isso. Quando eu percebi que tinha sido condenado desde o início já era tarde demais. "Eu pensei sobre rasgá-la." A voz profunda de Keenan me puxou do passado. Era uma batalha constante para eu não viver no passado, mas era uma guerra não ter medo do presente. "Então por que não fez isso?" O som estridente da minha voz era um testemunho da dor que eu tinha sofrido, no entanto, não passou muito tempo desde que eu tinha estado desmaiada. Eu ainda podia ouvir meus gritos a partir de quando a água quase escaldante se derramava sobre a minha pele. "Porque não há tal coisa como a destruição de uma memória. É impossível." “Não é impossível. Eu consegui esquecer de você todos esses anos." "E, no entanto, aqui estou eu ... Além disso, nós dois sabemos que isso é uma mentira." As palavras em seu tom de voz era quase inaudível, mas o ressentimento estava lá.


"O que posso dizer? Você foi facilmente esquecido ... ou já não aprendeu isso a partir de seus pais?" Eu tinha certeza do que eu tinha feito e talvez ele me matasse por isso. "Como você está se sentindo?" Como se eu simplesmente tivesse feito uma viagem de ida e volta ao inferno. "Por quê você se importa? Então você pode me machucar mais?" "Talvez, mas essa não é uma razão para não responder à pergunta. Se eu quiser te machucar, Shelly, eu vou. Não tenho provado isso?" Sentei-me então, e meu olhar instantaneamente caiu sobre Keenan sentado contra a cômoda com os joelhos encolhidos e os braços descansando contra eles. Eu me perguntei como ele poderia saber que eu tinha acordado pela sua posição. Mesmo agora, ele me observava. Seu olhar nunca vacilou. Tomei uma respiração profunda e procurei por seu olhar. Mesmo que eu sentisse que nenhuma das bravatas que eu exibisse surtiriam efeito, eu tinha que fazê-lo acreditar. "A única coisa que você provou é que você é instável." "Eu aprendi muito sobre mim enquanto eu estava fora. Posso prometer a você que a minha mente está funcionando melhor do que nunca." "Então, foi para fazer isso que você fugiu? Para encontrar-se?" "Não." Ele se levantou e saiu do quarto com passos silenciosos. Apesar do meu desgosto, não pude deixar de admirá-lo. Tudo nele era diferente agora. Movia-se e falava como um predador. Era como se estivesse à procura de alguma coisa. Era como se ele quisesse uma vítima. Eu usei a oportunidade para verificar o meu corpo ferido que estava coberto de manchas vermelhas. Nenhuma das lesões pareciam muito sérias. As únicas cicatrizes que eu levaria estavam muito abaixo da superfície. "Você está me ignorando?" Minha cabeça se levantou e olhei para a porta do quarto onde Keenan estava me observando. "O que?"


Mudou-se da porta para ficar ao pé da cama. Quando ele se inclinou para plantar as mãos em ambos os lados das minhas pernas, eu lutei contra a vontade de me afastar. "Eu estive chamando seu nome." "Eu, obviamente, não ouvi." "Gostaria de mais do que lhe dei antes?" A expressão dele não mudou, mas seus olhos estavam quase negros de ira. "Por favor, não." Ele não disse nada enquanto ficou em pé e estendeu a mão. Fiquei olhando pasma para a sua mão. "Eu posso levá-la ou posso fazê-lo", ele disse suavemente quando eu hesitei um pouco longo demais. Minha mão deslizou lentamente na dele, e eu podia jurar que ele esfregou os nós dos dedos com o polegar antes que ele puxou-me para os meus pés. "Devagar." Eu implorei. Meu corpo estava dolorido e meus movimentos rígidos. Ele não respondeu, mas seus passos eram lentos enquanto me levou do quarto. Quando entramos no banheiro pouco depois, perdi toda a respiração do meu corpo e o controle sobre meus membros. Eu caí no chão, mas sua mão me manteve um controle apertado sobre a minha. "Keenan, não." O tempo todo eu implorei, meus olhos permaneceram fixos na banheira cheia de água. Pensamentos sinistros corriam desenfreados em minha mente. Eu não sabia que eu estava rastejando para trás até minhas costas bateram na parede. "O que você está fazendo?" Seu tom não tinha paciência quando ele caminhou pesadamente para mim. "Por favor, não me faça voltar lá. A água está muito quente." "Não está mais quente. Mudei-a de volta." "Mudou?" Confusão substituiu o pânico enquanto eu olhava para ele através da luz fraca do corredor. O que ele quis dizer com mudá-la de volta? Assim que a pergunta se formou em minha mente, a resposta surgiu.


Keenan não só tinha procurado me punir, mas ele tinha propositadamente tornado a água fervente para me machucar de maneira que poderia causar danos irreparáveis. Deve ter sido que tinha feito quando ele mexeu com o chuveiro. "Sim, Shelly. Eu fiz isso. Agora vem." "Não." Eu me ancorei contra a parede como se ela fosse realmente me salvar dele. Keenan era mais forte e no controle. Como eu poderia competir com isso? "A água não está quente." "Por que eu deveria confiar em você? O que você fez é doentio." Com um encolher de ombros descuidado, ele me obrigou a sair do chão. "Foi necessário." "Você não tem o direito de estar com ciúmes de alguém que não existe," Eu bati e rezei para que ele não ouvisse a mentira na minha voz. "Com ciúmes? Estou apenas tomando de volta o que é meu. Como posso ter ciúmes disso?" Ele me empurrou um pouco mais forte do que o necessário dentro do banheiro. Minha atenção estava tão fixada na banheira que eu não notei seu silêncio atrás de mim até as próximas palavras dele fazerem meu sangue gelar. "Você removeu o meu nome", ele rosnou. Eu me virei para encará-lo. O ódio em sua voz não só me fez sentir como se minha espinha tivesse sido retirada do meu corpo, mas ele também estava bloqueando a saída. A dança do fogo dentro de sua íris escura deveria ter me feito vacilar, mas Keenan saberia no momento que eu fizesse e, em seguida, ele iria atacar. O sorriso que enfeitou meu rosto não podia ser parado mesmo se eu quisesse. Não importa o fato de que eu estava diante de um Keenan completamente raivoso. Não, não foi o suficiente. Eu tinha que provocá-lo. "Sim. Isso?" "Por quê?"


"Eu posso estar presa neste buraco do inferno com você, mas isso não significa que eu responda a mais você." "Errado, Shelly. Você nunca parou de responder a mim. É por isso que você nunca poderia selar o negócio com o seu menino de ouro, não é?" "Você não sabe o que diabos você está falando." Ele falou como se ele soubesse sobre Eric, mas eu sabia que não poderia haver nenhuma forma disso, a menos que Lake dissesse a ele, e eu a fiz prometer nunca contar. "Oh, eu conheço você muito bem. Eu sei o quanto você é quente baby e pronta para foder e, você estava sempre pronta para foder. Mas quando você olha para ele, eu aposto que não há paixão e não havia luxúria. Aposto que ele nunca sequer provou a sua pequena boceta, provou?" Sua mão deslizou pela minha perna lenta e suavemente. Tão suavemente que se eu não tivesse estado tão em sintonia com o seu toque mesmo quatro anos depois, eu poderia não ter notado. "Lembro-me o quanto você gostava disso." "Eu não quero que você me toque." "Então por que as suas coxas estão tremendo?" Tentei parar o tremor das minhas pernas e lutar contra a memória de quando ele as envolvia em torno de seu pescoço e gastava o que pareciam horas me degustando ... mas tudo isso foi manchada pela lembrança da pessoa cruel e sádica que ele tinha se tornado. "Se você me pedir, eu vou fazer isso para você, aqui e agora. Mas se você não fizer isso ... " Ele parou de falar para me conduzir para a banheira com uma pegada apertada no meu pulso. "Se eu não pedir... ?" Eu odiava que a minha voz parecesse sem fôlego e meu corpo respondesse à promessa evidente de sexo. Saber que ele não iria ser fácil comigo não me faz querer menos isso. Saber o que podia fazer e faria me fez querer ainda mais. "Eu vou fazer isso de qualquer maneira. Pelo menos, se você pedir, você vai se sentir como se você tivesse uma escolha." Porque eu fui deixada sem uma escolha, eu levantei e baixei o pé na água, que estava chocantemente agradável e serviu como um bálsamo


para a minha pele. Eu estava ainda mais grata porque a água iria esconder a minha verdadeira reação à sua promessa. "Você pode fazer o que quiser de mim, mas eu não vou pedir nada." Ele se abaixou até que estava no nível dos meus olhos. O calor em seus olhos escuros era inconfundível. "Comece a pedir agora ou mais tarde, mas você vai implorar." Sem aviso, ele roubou meus lábios, mas não me beijou. Ele apertou o cerco contra meu lábio superior até que eu gritei. Quando ele se retirou, eu tentei levantar a mão de meu lábio pouco antes de provar uma gota de sangue. "Eu acho que eu gosto do sabor de seu sangue tanto quanto o de sua vagina", ele riu antes de se levantar a cima de mim. Ao mesmo tempo que eu estremeci com repulsa, a minha língua inconscientemente jogou sobre meus lábios, curiosa pelo gosto. Quando eu reconheci o familiar cheiro de cobre do sangue, eu olhei para ele. "O que você quer de mim?" "Agora, eu só quero que você tome banho e, em seguida, eu quero que você durma." "Eu posso dormir em casa." "Por quê? O que está esperando por você lá, além de um apartamento vazio?" "Não está vazio." A temperatura na sala pareceu cair cem graus quando ele congelou pegando minhas roupas. "Minha filha está em toda parte naquele apartamento," eu esclareci. “Foi onde ela deu seus primeiros passos e aprendeu a falar. Cada cheiro e superfície pertence a ela. Nós temos tantas memórias lá, e eu só quero estar lá com ela." Eu estava implorando, e eu não me importava. Por ela, eu imploraria. Por ela, eu desistiria de tudo. Mas não foi para o Keenan que voltou para mim que eu estava implorando. Implorei ao Keenan que ainda estava fugindo. Eu sabia que ele podia me ouvir. A prova foi a emoção escondida atrás da raiva. Estava ali em seus olhos para o mundo ver. Você só tinha que saber o que procurar. Seu olhar esteve trancado com o meu por mais tempo, e por um minuto, achei que tinha conseguido alcança-lo. Ele fez uma volta rápida


nos calcanhares e jogou minha roupa por cima do ombro, "Você tem dez minutos para terminar." ***** Keenan tinha saído, mas não antes de prender minhas mãos e me trancar em seu quarto, dizendo apenas que ele estaria de volta. Foi mais um aviso do que a garantia que deveria ter sido. Gostaria de saber quando ele tinha mudado as fechaduras da porta, porque ele nunca tinha sido capaz de bloquear a porta com uma chave no passado. Ele planejou isso. Eu adormeci antes que eu pudesse descobrir por que ele iria ter o trabalho de manter-me contra a minha vontade. Acordei algum tempo depois para o sentimento de seus longos dedos circulando meu pulso. Ele abriu uma algema e depois a outra antes de se afastar silenciosamente. Eu ignorei a dor surda em meus pulsos enquanto eu sentei-me e mandei para longe os restos de sono. "Alguma coisa?" Seu rosto permaneceu impassível enquanto ele falava. "Nós voltamos para a casa em Camden, mas não havia ninguém lá. Eu não acho que alguém tenha vivido lá há anos." "Como você entrou?" Em vez de responder, ele me enviou um olhar que dizia que eu precisava usar minha cabeça. "Você invadiu." "Sim." Eu silenciosamente sentei-me e tentei não deixar que a queda nos meus ombros fosse visível. Nossas chances estavam caindo como moscas mortas, e cada dia, parecia menos possível que eu voltasse ver o rosto de Kennedy novamente ou ouvir a voz dela. "Você está pronta para me dizer com quem você saía?" "É inacreditável. Como minha vida amorosa poderia, possivelmente, ajudar-nos a encontrá-la?"


"Use a porra da sua cabeça, Shelly. Pode ter sido qualquer um. Precisamos explorar todas as opções." "Não é isso que o FBI está fazendo?" "Nós não ouvimos nada deles há dias. Eles sabem menos do que nós. Quanto tempo antes que este caso esfrie para eles?" Eu não queria pensar sobre isso. "Não há ninguém. Eu te falei isso." Seus olhos se estreitaram quando sua mandíbula endureceu. "Se eu descobrir que você está mentindo para mim, eu vou fazer você pagar, e você nunca vai vê-la novamente." "Você não pode manter a minha filha longe de mim." Sua mão brilhou fora para agarrando meu rabo de cavalo, puxando minha cabeça para trás, até que meu pescoço sentia como se fosse explodir. "Eu posso, se você estiver morta por pensar muito sobre quem você realmente precisa proteger." Com isso, ele soltou meu cabelo e saiu do quarto. Não havia nenhuma razão para colocar Eric nesse tipo de perigo. As consequências de revelar o seu nome eram mortais. Eric nunca tinha sequer conhecido Kennedy. Eu nunca falei sobre ela com ele. Eu sempre tinha sido cuidadosa. Uma parte de mim não queria que ela confundisse ninguém como seu pai e a maior parte disso foi o instinto maternal de protegê-la. Que tipo de mãe eu seria se eu trouxesse alguém em sua vida em tão tenra idade? Eu não estava apaixonada por Eric, e no fundo, eu sabia que nunca estaria. Eu não tinha nenhuma razão para me sentir culpada. Eu queria encontrá-la mais do que eu queria respirar, mas encontrá-la não deve significar a vida inocente de outra pessoa, deveria? Eu chorei até dormir pensando em tudo o que eu tinha perdido e tudo o que eu ainda teria que sacrificar. Durante a noite, o meu sono agitado se transformou em um sonho erótico. Tudo começou com os meus lábios, seguido por um leve toque no meu pescoço. Meus seios estavam implorando por atenção no momento em que cada polegada do meu pescoço foi abençoado com beijos sensuais.


"Eu quero que você abra as pernas." Sonhando, minhas pernas obedeceram alegremente sob o comando. "Agora, abra seus olhos." A voz familiar flutuou no meu sonho, corrompendo a felicidade e se transformando em algo real. Ah, porra! Meu sonho não era um sonho, e eu estava espalhada e aberta como uma vagabunda devassa. Keenan estava ao meu lado, sem camisa, como uma sombra sexy na escuridão. A intenção em seus olhos escuros era muito clara, mesmo quando minha visão lutou para se ajustar. O luar destacava o seu peito, e eu prendi a respiração enquanto a visão completa de seu peito tornou-se mais clara. Foram os anéis no seu peito? Piercings se pratas projetavam de cada um de seus mamilos dando ao seu peito um apelo exótico. Tatuagens intrincadas adornavam quase cada polegada de pele. Era perturbador o quanto o meu corpo respondeu ao dele. Mesmo agora, eu podia sentir minha boceta apertar e liberar-se com antecipação. Senti-me em pânico e desesperadamente puxei as cobertas até o meu corpo. Sua camiseta que tinha se transformado em meu uniforme para dormir foi cortada ao meio, revelando o meu corpo nu por baixo. Engasguei-me com a tristeza pela camiseta arruinada em que eu nunca mais poderia voltar a encontrar conforto. "O que você está fazendo?" "Você vai fingir que não sabia que isso ia acontecer?" "Eu gostaria de pensar que tenho uma escolha no assunto." "Você pode decidir como você deseja isso." Ele levantou as cobertas das minhas mãos afastando-as e revelando meu corpo mais uma vez. "Mas se eu fosse você eu decidiria rápido, porque diabos, eu vou machucá-la, eu vou fazer tudo, e quando eu fizer isso, você vai me sentir. Eu posso esticar e enchê-la mais e mais até que você goze, ou eu posso fazer você gritar de outra maneira." "Keenan..." Eu mal podia gerir o seu nome. Não importava de qualquer maneira quando ele virou-me para o meu estômago sem aviso e retirou os restos de sua camisa do meu corpo.


"Levante os quadris." Estupidamente, eu obedeci. Ele correu os dedos hesitantes pelo meu sexo já pingando embora suas intenções fossem claras. Para frente e para trás, ele continuou a esfregar, criando uma fricção deliciosa que eu lutei para odiar ainda que ansiasse por mais. Meus quadris estavam tensos com a necessidade de mover-me contra ele. Minha boceta estava chorando de necessidade dele, e todo o tempo, eu silenciosamente chorei no travesseiro. Eu estava grata pela minha posição para que ele não visse as lágrimas. Ele provavelmente iria deliciar-se por ter esse efeito sobre mim. Eu queria isso. Era um fato, tanto quanto era doloroso. "Nós não podemos fazer isso." Isso estava errado por tantas razões, e se eu cedesse a ele, o que seria de mim? "Sua boceta me deseja mesmo assim me dizendo ao contrário de suas palavras. Eu conheço o seu corpo melhor do que você conhece a si mesmo. Você ainda pertence a mim, e eu não vou deixar você esquecer isso novamente." Ele estava errado. Eu nunca esqueci isso nos quatro anos em que estivemos separados, mas todos os dias eu tentei. "Eu não tenho..." Foi uma coisa boa que a sua língua escolheu aquele momento para tocar o meu sexo ou então eu teria confessado tudo. Eu estava gemendo, ofegante, contorcendo-me em todos os momentos. "Eu retiro o que eu disse anteriormente. Sua boceta ainda é a melhor coisa que eu já tive na minha boca."


Foi como uma explosão totalmente maravilhosa agredindo meu paladar. Seus gritos eram abafados e eu gemia em sua vagina. Ela já tinha gozado uma vez, e eu estava lutando por uma segunda. Seu corpo tremia docemente em minhas mãos e ela fraquejava em minha boca. "Keenan, por favor." É isso aí, baby. Implore mim. Só um pouco mais. "Por favor, por favor, por favor", ela entoou. Eu conhecia a maneira perfeita de empurrá-la sobre a borda, e ela estava exatamente onde eu queria. Eu tocava a minha língua um pouco mais rápido contra o seu clitóris, e quando as suas coxas tremiam incontrolavelmente, eu sorri contra sua pele. "Foda-me". Sussurrou baixo demais, se eu não tivesse desejado tanto ouvir isso, eu teria perdido. Eu continuei a chupar cada pedaço do seu sexo. O prazer de saber que ela ainda desejava o meu pau dentro dela era quase melhor do que dar o troco. Ela se virou de joelhos para me encarar, para chegar a fivela do meu cinto. Minha mão em seu pulso parou. "Qual o problema?" Ela perguntou. Confusão e luxúria estavam escritos em todo seu rosto. "Eu acho que paramos por aqui." Eu saí para fora do quarto exatamente quando seu grito de raiva rasgou o ar. Missão cumprida. Fui para armário de bebidas do meu pai no porão. Eu tive toda a minha esperança em encontrar Kennedy naquela casa esta noite apenas para encontrar outro beco sem saída.


Uma parte de mim se perguntou o que eu faria se eu a encontrasse. Ela pertencia a mim, tanto como sua mãe, e eu sabia que não seria capaz de ignorar meus instintos para mantê-las. Ficar longe tinha me destruído. Ir embora não era algo que eu poderia fazer uma segunda vez. Eu recuperei uma garrafa fechada com planos de terminar a coisa toda pela manhã e voltei-me para as escadas. Parei com a visão de Sheldon rastejando para baixo da escada. "O que você está fazendo aqui?" Perguntei com impaciência evidente em cada sílaba. "Como diabos você sai assim sem gozar?" Ela parou no meio da escada e cruzou os braços através de seus peitos. Não olhar para eles era quase impossível. Ela sempre foi generosa nesse departamento. A forma como eles saltavam sempre que ela andava era uma memória permanente de bom que eu invocava sempre que eu precisava de uma gozada. "Eu não, mas você gozou. Duas vezes." "Peço-lhe para me foder depois de você ter ameaçado fazê-lo de qualquer maneira e você vai embora?" Humilhação brilhava no seu rosto mesmo que estivesse diante de mim com a cabeça erguida. "Você não pediu, você implorou, mas felizmente para você, eu fiquei entediado." A verdade era que eu fui embora porque, embora eu quisesse seu corpo, eu podia ver-me realmente machucando-a. Eu a quis mais do que eu queria a minha próxima refeição. "Se eu pedi ou implorei é irrelevante. Sei que você não vai me tocar novamente. Você me fez um favor, realmente. Eu tinha esquecido o quão medíocre foder você pode ser." Ela deu um passo para trás até as escadas, mas não havia nenhuma maneira no inferno que eu ia deixar ela ir embora depois disso. Chamem de uma viagem de ego, mas ela tinha acabado de ficar completamente fodida, mas não da maneira que ela esperava. "Bem. Você quer ser fodida?" Soltei a garrafa, deixando-a cair e quebrar descendo as escadas e agarrei seu pulso para girar em torno dela,


batendo-a contra a parede da escada. Choque e medo saíram de seus lábios enquanto soltou um suspiro sem fôlego. "Me deixar ir." "Cale-se. Se nós vamos transar, eu quero o seu traseiro em primeiro lugar." Ela devia ter estado extremamente chateada para descer aqui completamente nua, mas isso funcionou a meu favor. Chutei seus pés separados e aninhados entre as minhas pernas. "Você ainda é virgem aqui?" Em silêncio, ela balançou a cabeça. Quando estávamos juntos, eu sem entusiasmo, tentei convencer Sheldon para me deixar fodê-la lá, mas ela sempre se recusou. Até agora, eu tinha respeitado seus desejos. Sua respiração era espessa e pesada quando ela preparou-se contra a parede com ambas as mãos parecendo aceitar o que iria acontecer. Ambos precisávamos disso. Segurei sua mandíbula duramente e apliquei uma pressão até que ela se abriu. Lentamente, eu deslizei dois dedos dentro e ordenei que ela os chupasse. Enquanto isso, eu desabotoei meu cinto e a calça jeans e baixei-a o suficiente para meu pau deslizar livre. Eu ainda estava duro e latejante por ter comido sua boceta. A visão de seu corpo nu só serviu para me endurecer ainda mais. "Chega." Minha voz estava rouca com desejo de fazer o meu comando mais áspero do que pretendia, mas o leve tremor por sua espinha deixou-me saber que ela respondeu bem a isso. Eu escorreguei meus dedos dela e levemente arrastei-os para baixo em sua coluna vertebral. Eu me abaixei até meus joelhos e agarrei a bunda dela em minhas mãos antes de espalhar ela para que assim que eu pudesse deleitar-me. "Foda-me!" Eu rosnei antes de tomar meu primeiro gosto. "Oh Deus. Keenan, o que você está..." Sua respiração foi interrompida quando eu afundei dois dedos dentro de sua vagina, um de cada vez, lentamente. Eu fodi sua boceta com os dedos ao mesmo tempo


que devorei sua bunda, apreciando como ela se desfez sob a minha atenção. "Venha aqui," eu pedi depois de subir para os meus pés. Segurei seu cabelo e virei-a antes de empurrá-la de joelhos. "Chupe-me." Ela não perdeu tempo levando-me em sua boca. Segurei o seu cabelo como uma coleira enquanto sua cabeça balançava ansiosamente. Eu tinha esquecido como era bom ter os lábios dela envolvidos em torno de mim. Minha cabeça caiu para trás, e eu soltei um grunhido quando senti meu orgasmo se edificando. A necessidade de gozar era forte demais, mas havia apenas um lugar em que eu planejava deixar minha porra. "Levante-se." Ela se pôs de pé com as pernas trêmulas. "Depois que eu entrar em seu rabo, eu estarei colocando meu selo de volta onde ele pertence." Quando ela abriu a boca para protestar, eu torci o seu mamilo e rosnei. "Não brinque comigo sobre isso." Gostaria de reclamar o que era meu. Tudo o que ela podia fazer era acenar antes de eu plantar suas mãos contra a parede novamente e abriu suas pernas antes de dobrar suas costas. Cuidei para lubrificar meu pau tanto quanto possível antes de estabelecer sua cabeça contra seu traseiro ainda molhado. Eu tive que ir devagar desde que eu não tinha mais do que nossas salivas combinadas como um lubrificante. O calor de seu traseiro, quando comecei a entrar nela, me inflamou. Embora eu não pudesse ver seu rosto, eu sabia que ela estava chorando pelo engate irregular em sua voz quando ela engasgou cada vez enquanto eu ia mais profundo. "Dói", ela gemeu, e foda-me se isso não fez o meu pau crescer ainda mais. Eu apenas tinha a violado com o meu pau. "Isso é porque você está lutando contra isso. Deixe-me entrar." "Como?" Gritou. "Pare de pensar, é assim." Enrolei um braço em volta da sua cintura ancorando-a para mim. O movimento fez sua bunda me sugar mais fundo, e eu quase gozei instantaneamente. Só um pouco mais.


Enfiei os dedos da outra mão ao redor dela até que eu estava tocando sua boceta, que ainda pingava apesar de seus protestos. Ela gemeu trêmula enquanto eu a esfregava ali, brincando com ela e levantando-a a um nível que ela nunca tinha experimentado antes e que ela nunca faria de novo a menos que eu permitisse. "Dentro de mim." "O quê?" Eu comecei a me mover lentamente dentro de seu traseiro. Meu quadril empurrando em um ritmo que tinha sido desconhecido para mim nos últimos quatro anos. "Eu quero que os seus dedos dentro de mim ... por favor." "Por quê?" Meu ritmo aumentou infinitamente. Gostaria de apresentá-la à uma porra dura novamente, mas primeiro, eu precisava tomar meu tempo. Eu não quero que isso acabe até que ela goze para mim. "Eu só preciso", ela murmurou incoerentemente. "Do meu pau?" Ela inclinou a cabeça contra a parede e concordou com a cabeça, mas eu não estaria aceitando nada disso. Eu agarrei sua garganta e a trouxe de volta nivelada com a minha frente. "Diga-me que é do meu pau que você precisa." Eu aumentei o meu ritmo um pouco mais. Sua bunda agora era minha propriedade e, em breve, ela também seria. Eu só precisava ouvir as palavras. "Diga isso, baby. Diga-me o que você senti..." eu empurrei meus dedos mais profundamente dentro de sua vagina e sussurrei em seu ouvido, "bem aqui." "Porra ... Keenan." "Diga," eu grunhi. "Você me possui!" Ela gritou e convulsionou contra meus dedos enquanto ela gozava. "Isso é certo, baby. Seu pequeno e doce traseiro pertence a mim, e você também."


Meu ritmo rapidamente foi transformado de uma provocação lenta para uma batida forte. Eu desisti do controle e mandei tudo à merda. Sua bunda acolheu meus golpes implacáveis enquanto seus gritos me estimulavam. Quando ela já não podia manter-se de pé, eu a levei até os joelhos. Ela rapidamente colocou as mãos sobre o chão e se preparou para os meus golpes implacáveis dentro de seu corpo. Meus dedos não estavam mais empurrando dentro dela. Em vez disso, agarravam seus quadris para puxá-la mais profundamente no meu pau. "É tão bom. Oh, baby, eu vou gozar", ela implorou. "Foda-se, sim. Goze no meu pau. Eu quero sentir a sua bunda me sugando." Suas pernas tremiam e sua respiração saiu em suspiros curtos quando ela gozou forte, forçando-me a segui-la e me esvaziar dentro dela. A força dos nossos orgasmos parecia sugar nossas forças para de nós dois quando nós desabamos nas escadas. Nós tínhamos adormecido onde estávamos, na escadaria, e foi o meu telefone tocando algum tempo depois que me acordou. "Sim?" Eu resmunguei preguiçosamente no telefone. Eu não tinha certeza que eu tinha respondido até que quem estava ligando disse três palavras que fizeram meu coração parar. "Lake se foi." Levantei-me imediatamente e puxei minha calça jeans. Sheldon começou a acordar quando eu gritei ao telefone. "Que porra você quer dizer com ela se foi?" "Quero dizer, ela saiu em algum momento durante a noite," Dash disse furioso. "Noite? Espera ... Que horas são?" "É depois das seis da manhã. Que porra você está fazendo aí?" "Nada", respondi um pouco rápido demais. "Eu estava dormindo." "O que está acontecendo?" Sheldon murmurou sonolenta. "Será que isso é a minha irmã?" Dash gritou através do telefone.


"É Dash?" Eu balancei a cabeça em silêncio para ela se levantar. Pela primeira vez, ela ouviu sem argumento. "Você ligou para ela?" "Várias vezes. Ela não vai atender, mas eu sei que ela me vê chamando porque ela continua a enviar-me para a caixa postal." "Por que ela foi embora?" "Provavelmente porque Keiran rejeitou sua visita novamente." Cerrei os olhos fechados e amaldiçoei. "Ele vai nos matar e depois a ela." "Sim, e mais cedo do que você pensa. Conseguimos convencer o investigador particular e o hospital a retirarem as acusações." "Como?" "Dinheiro. De que outra forma seria?" "Então, quando ele vai ser liberado?" "Em três horas." "Foda-se!" Gritei. "Portanto, temos três horas para encontrá-la. Você já tentou sua tia?" "Eu estou no meu caminho para lá agora." "Eu estou no meu caminho." Eu desliguei sem dizer mais nada e corri a toda velocidade até as escadas para o primeiro nível, enganchando direito minha roupa e corri até o segundo conjunto de escadas. "O que está acontecendo?" Sheldon perguntou quando ela puxou a calça jeans de ontem. "O que você está fazendo?" Eu parei e olhei para ela. Sheldon tinha uma altura média, enquanto eu era alto, e usei isso para minha vantagem cada vez que eu procurava intimidá-la. "Estou me vestindo. Eu não posso exatamente ir para casa nua, posso?" “Você não vai a lugar nenhum, então nua não deve ser um problema. Pense nisso como a sua casa até encontrarmos Ken."


"Não a chame assim. Você não conseguiu esse privilégio." "Como o homem que fertilizou seu óvulo, eu acho que eu posso." "Mas isso é tudo o que você foi." Sua voz levantou-se com cada palavra enquanto ela puxou em suas roupas. "Porque a cadela que deu origem a ela não tentou me informar que ela tinha tido o meu bebê." "Não me culpe porque você é um covarde. O que eu deveria fazer? Pesquisar em todo o mundo? Virar cada rocha em que você pode ter rastejado abaixo?" "Sim", respondi simplesmente. "É o que eu teria feito se você tivesse fugido." Ela colocou as mãos nos quadris e me olhou friamente. "Isso é uma ameaça?" Eu andei até ela até que meu peito estava nivelado com a dela. Segurei-lhe o queixo delicadamente e levantei o rosto para que eu pudesse olhar em seus olhos. "É uma ameaça, uma promessa, um compromisso, e um voto. Leve a sério, baby, porque se você me deixar, eu vou encontrá-la, mas eu não posso prometer que você vai sobreviver." "Eu sinto falta do velho você", ela sussurrou de forma inesperada. A dor nos olhos dela era inconfundível. "Isso é muito ruim, porque ele se foi." Um coração partido não pode ser reparado. "Para sempre?" "Sim, querida. Para sempre." Ela retirou o queixo dos meus dedos e deu um passo para trás. "Então não há mais nada a dizer. Estou indo embora." Eu balancei a cabeça uma vez, e ela parecia tomar isso como aceitação, mas quando fui buscá-la e joguei-a na cama, ela gritou e lutou. "Se aquiete, ou eu vou transar com você aqui, e desta vez eu não vou esperar por permissão." "Você vai me estuprar?" O medo evidente em seus olhos desmentia seu desafio. "Oh sim! Teste-me."


"Eu vou lutar com você." "E eu vou gostar." Ela ficou em silêncio e ainda, assim, sem mais uma palavra, eu rasguei o jeans de seu corpo e me levantei. Na saída, eu peguei o resto de suas roupas e saí, batendo a porta atrás de mim para uma boa medida. Arrependimento surgiu sorrateiramente em cima de mim quando eu me inclinei contra a porta. Se eu pudesse chutar meu próprio traseiro, eu o faria. Eu soei como um verme mesmo para os meus próprios ouvidos, mas o que eu deveria fazer? Eu não podia deixá-la sair, mas uma parte de mim desejava que eu não tivesse levado tão longe. Talvez eu devesse deixá-la ir. Quanto mais tempo eu estava ao seu redor, mais perigoso para ela eu tornava-me, mas a parte egoísta de mim era mais dominante, e simplesmente não podia deixar ela ir. ***** Eu parei na entrada da casa de infância de Lake. O R8 de Dash já estava estacionado na rua, então eu fui até a porta e toquei a campainha. Eu não esperava Dash ser o único a atender a porta, mas, logo que eu entrei, eu sabia o porquê. "Apenas me diga onde você está, querida. Estamos preocupados com você ... Sim, eu sei que seu namorado é um idiota insensível, mas se lembre por que você o ama ... você não quer dizer isso." Ouvi atentamente a conversa unilateral, mas quando isso parecia não estar indo a lugar nenhum, eu silenciosamente indiquei para pegar o telefone. "Lake?" Eu falei ao telefone. Ela bufou e perguntou: "Sim?" "Keiran vai ser liberado em cerca de duas horas." Eu desliguei o telefone e entreguei-o de volta para tia dela. "Porque você fez isso? Podemos não chegar a ela para responder de novo."


"Ela vai vir", Dash respondeu. Carissa cruzou os braços e nos olhou com ceticismo. "Lake é perfeitamente capaz de fazer suas próprias decisões. Mesmo que eu goste muito de Keiran, ele não tem e não deve ter esse tipo de poder sobre ela." "Então, é evidente que você nunca esteve apaixonada." Menos de uma hora depois, Lake bateu na porta da frente, revirou os olhos, e marchou para cima. Carissa seguiu-a para após se recuperar da surpresa de quão rápido sua sobrinha reapareceu. Era uma maravilha que ela estava mesmo surpresa dado o tipo de homem que seu marido é. Anos atrás, eu tive a impressão de que ele não era alguém a quem você devesse foder. Ele passou a ser um dos melhores detetives particulares em todo o mundo e isso poderia, sem dúvida, ajudar a encontrar Kennedy. Infelizmente, pouco antes de Kennedy ser levada Jackson saiu para algum país do terceiro mundo em um grande caso. "Onde está minha irmã?" Dash perguntou, quebrando-me dos meus pensamentos. "Na casa do meu tio." "Então, o que vocês fizeram na noite passada?" Eu cortei meus olhos para vê-lo me olhando com os olhos apertados. "Isso é da sua conta?" "Alguém tinha que dar conta dela desde que você não tem se preocupado nos últimos quatro anos." "Que porra é essa que você quer de mim? Uma carta de desculpas?" "Quero que você seja homem para perceber que não somos mais crianças. Minha irmã não merece suportar o peso do seu rancor, e se você sequer pensar em feri-la de novo, eu vou matar você, filho da puta." "Bem, então eu sugiro que você me mate agora, porque se eu sair ou ficar, ela vai se machucar. Foi um erro me trazer de volta aqui, então se você quer culpar alguém culpe a pessoa que começou tudo isso." "Você não está fazendo isso tudo melhor. Por que você não pode ver isso?"


Eu ri apesar da seriedade da nossa conversa. "Porque eu não quero fazê-lo melhor. Eu não tenho nenhuma intenção de fazê-lo. Eu vim para cobrar. Então, como eu disse antes, me mate ou fique fora do meu caminho."


QUINZE ANOS ATRÁS

Meu pai tinha acabado de chegar em casa com um rapaz estranho que era da minha idade. No início, eu estava animado em ter alguém com quem brincar, mas assim que meu pai nos deixou sozinhos, o menino chamado Keiran desapareceu. Eu procurei por toda a casa até que o único lugar que restava era o porão onde eu não tinha permissão para ir. Minha mãe tinha dito que era perigoso, mas ela não estava em casa há muito tempo, e eu duvido que meu pai iria notar. Ele nunca me notou. Lentamente, eu me aventurei a descer as escadas escuras. Quando eu fiz todo o caminho para baixo, percebi que o porão era frio e assustador. Eu olhei para a esquerda e para a direita, mas não conseguia ver nada por falta de luz. Desde que eu nunca tinha sido autorizado a vir para cá, eu não sabia onde o interruptor de luz estava. "Por que você está me seguindo?" A voz parecia fantasmagórica no escuro. Como ele sabia que eu estava aqui? "Onde você está?" Lentamente, eu me aventurei mais fundo no escuro na direção de onde sua voz veio. "O que você quer?" "Não tenha medo", eu disse suavemente. Para ser honesto, ele me fez ter medo.


Seu riso era incomum e não era amigável. Era assustador, como se ele era, e eu tenho a sensação de que estar aqui sozinho com ele era perigoso. Quando ele finalmente terminou de rir, ele disse, "Você não deveria estar aqui." "Você também não deveria", retruquei. "Não nos é permitido vir aqui." "Quem disse?" "Meu pai. Vamos ficar em apuros." "Será que ele vai me matar?" "O que? Não! Por que você acha isso?" "Porque eu vou matá-lo se ele tentar me machucar." "Ele não vai. Por favor, não mate-o." Eu queria fugir, mas eu fiquei porque eu queria saber mais. O som de sua voz tornou-se mais forte quando cheguei mais perto. "Por quê você se importa?" "Porque ele é meu pai. Você não tem um pai?" Eu fiz uma careta, porque ele agiu estranho. As crianças não deveriam falar sobre matar. "Sim, mas ele não é bom. O seu pai é legal?" "Ele pode ser, mas ele está muito ocupado, então eu nunca realmente o vejo. Eu nunca tenho ninguém para conversar ou brincar com qualquer um, então eu queria saber ... " "Eu não sei como brincar." "Mas você é uma criança. As crianças sempre sabem como brincar." "Eu não sou uma criança. Eu sou um escravo." "O que é um escravo?" Eu me senti tolo falando com o escuro, mas era melhor do que não ter ninguém com quem falar em tudo. "Eu realmente não sei, mas eu sempre tenho que fazer o que eles mandam ou eles vão me matar." "Quem?" "Os treinadores."


"Eles soam como pessoas más." "Eles são." "Você é mau?" "Sim. Você deve ficar longe de mim." "Talvez tudo que você precisa é de um amigo." De repente, ele estava bem na minha frente. A careta em seu rosto era assustadora, e antes que pudesse fugir, ele me empurrou para baixo. "Você não entendeu? Eu sou mau. Pessoas más não brincam." ***** Dash e eu dirigimos em carros separados para a cadeia local. John e o Sr. Chambers já estavam lá esperando. Pouco depois de chegarmos, Keiran atravessou as portas e praticamente correu escada abaixo. Depois dele ser trancado tantas vezes, eu tinha me familiarizado com o que acontece em seguida. Keiran estaria em um estado de espírito mais irritado do que o normal depois de ser trancado como um animal. "Venha aqui", disse ele à Lake assim que seu pé tocou no pavimento. Ele ignorou completamente o resto de nós e marchou até onde ela estava. Mesmo depois de quatro anos juntos, sua obsessão por ela era tão forte quanto quando ele a odiava. Talvez ainda mais forte. Ela resistiu sua atenção para apenas torna-lo irritado. Em um momento, ele a tinha trancada em seu abraço possessivo enquanto devorava seu rosto. "Tudo bem, vocês dois. Vão para um quarto. Ainda temos a minha neta para encontrar", o Sr. Chambers os repreendeu. O lembrete de que Kennedy ainda estava desaparecida parecia deixar Keiran fora de si. "Não há mais merda ao redor," Keiran latiu. "Nós a encontraremos esta noite, e ninguém come ou dorme até que o façamos isso, porra." Dez minutos depois, estávamos todos reunidos na sala da minha casa de infância, menos John, que disse que ele tinha um lugar para ir (também conhecido como Mitch). Eu tinha encontrado para Sheldon


alguns shorts velhos e uma camisa dos meus tempos de pré-adolescente para ela vestir. Todo mundo levantou uma sobrancelha para seu vestuário, mas com sabedoria, ninguém disse uma palavra. Após cerca de uma hora de Keiran nos grelhando, todos nós estávamos mais impacientes. "A nota de resgate não nos deu muito para seguir em frente, e temos procurado em todos os lugares. Sabe alguma coisa, não?" "Se nós já tivéssemos procurado em todos os lugares, Kennedy teria sido encontrada. Qual é o negócio com a casa em Camden?" "Era um beco sem saída, mas temos mantido a vigilância sobre ela. Nada apareceu no radar." "Q, quando você tem que voltar?" "Eu estou bem por mais uma semana." "Jesse, o quão seguro estamos cortando estes satélites?" "Enquanto eu continuar a saltar entre satélites, eu posso entrar e sair antes que alguém possa pegar que eu estava sempre lá." Keiran tinha começado a andar para trás e para frente, e quando o silêncio se estendeu por muito tempo, eu o interrompi. "O que você está pensando?" "Há um lugar onde não olhamos." "Onde?" Todos nós gritamos coletivamente. "Quatro anos atrás, John me contou a história de como ele conheceu a mamãe. Mitch a manteve prisioneira em uma casa que ninguém sabia onde era até que John a encontrou. Eu não sei como ele encontrou-os, e ele também nunca me disse onde estava ... Onde é que ele disse que estava indo de novo?" Keiran perguntou enquanto ele pegou seu telefone. "Ele não disse" Q respondeu antes de cortar os olhos para mim. Porra. Não havia nenhuma maneira de que Q poderia saber onde ele tinha ido, mas eu sabia que ele suspeitava de alguma coisa. O olhar que ele me deu confirmou.


Eu tinha prometido a John que não contaria a Keiran onde Mitch estava, mas era um segredo construído a partir da necessidade de vingança. Isso realmente vale a vida da minha filha? Eu tinha acabado de tomar a minha decisão quando Keiran começou a falar ao telefone. Keiran desligou pouco tempo depois com uma expressão tensa. "O que ele disse?" Perguntou Sheldon. Suas mãos tremiam e seu peito arfava para cima e para baixo. Eu olhei em seu corpo e mais uma vez reparei em como ela havia se tornado magra em um tempo tão curto. Foi algo que eu notei ontem à noite, mas a minha cabeça estava muito nublada com luxúria para olhar para isso. Pensando para trás, eu não a tinha visto comer ou beber mais do que uma garrafa de água uma vez que acordou no hospital há uma semana. "Ele disse que estava a caminho." Isso explicava a frustração que ele usava em seu rosto. Puxei meu telefone vibrante de minha calça jeans e li a mensagem que iluminava a tela. Não diga nada. Era um texto de John. Eu considerei ignorá-lo, mas o que isto significaria para Kennedy se eu fizesse isso? Será que John manteria a informação em segredo se eu derramasse o seu segredo? O que significaria para Kennedy se eu não contar? "Quanto tempo até que ele esteja aqui?" Eu não tinha percebido que eu estava olhando fixamente para o meu telefone até a voz de Sheldon me bater de volta ao presente. "Ele disse em algumas horas." Eu pulei para os meus pés e olhei ao redor da sala para todos os rostos cansados. Era evidente que cada pessoa nesta sala quase não tinha dormido desde que Kennedy foi tomada. O amor que claramente a rodeava era algo que eu não tinha visto em sua idade. Pelo que eu poderia lembrar, eu só tinha estado isolado. "Bem, eu estou indo ajudar a sua mãe com os voluntários," Sr. Chambers anunciou. "Dash, você vem?"


"Não, eu acho que vou ficar por aqui no caso de algo vir à tona." A maneira como ele olhou para mim me disse a verdadeira razão pela qual ele escolheu ficar por aqui. Ele não confia em mim, e eu lhe dei todas as razões para não confiar. De alguma forma, eu também acho que ele estava esperando que eu mudasse minha mente. Isso era Dash. Ele era sempre o positivo. "Tenha cuidado, Dash. Basta lembrar o que está em jogo. Impérios não se constroem sozinhos." "Pai, a minha sobrinha, sua neta é o que está em jogo. Eu vou fazer o que for preciso", ele respondeu friamente. Dada a conversa entre Sheldon e sua mãe no hospital, eu não estava surpreso com a sua reação. No entanto, Keiran foi completamente surpreendido e, atualmente, parecia à beira de assassiná-lo de onde ele estava. O Sr. Chambers sabiamente saiu sem uma resposta. "Que diabos foi isso?" Keiran perguntou assim que a porta se fechou. "Deixou-o sozinho," Dash resmungou. Eles pareciam ter algum tipo de olhar concurso e não estava disposto a ceder. "Baby", Lake o chamou. Ela levantou-se para colocar peito e começou a esfregar em um movimento calmante diminuir sua raiva. "Eu estou realmente cansada, e eu sei estar, também. O que você acha que conseguirmos algo relaxar um pouco enquanto esperamos por John?"

a mão em seu que ajudou a que você deve para comer e

Sua atenção parecia estar funcionando quando Keiran e Dash recuaram. Eu não poderia deixar de estar um pouco decepcionado. O duo dinâmico nunca tinha estado em desacordo um com o outro até agora. Arruinar a amizade de Keiran com a única pessoa que tinha sido corajosa o suficiente para ficar ao lado dele todos esses anos teria sido a cereja no topo do bolo. Lake levou Keiran no andar de cima pela mão, e Dash também saiu, logo depois de receber um telefonema. O olhar tenso em seu rosto só se aprofundou então eu sabia que o telefonema não poderia ter sido uma boa notícia.


"O que você acha de comer alguma coisa?" Perguntei a Sheldon uma vez que fomos deixados sozinhos. "Eu não estou com fome." "Eu posso ver seus ossos, com fome ou não, você vai comer." Eu recuperei sua roupa e ordenei-lhe para tomar banho e se vestir. ***** Levei Sheldon a um restaurante nos arredores da cidade, que era conhecido por suas panquecas. Eu não tinha percebido todas as pequenas coisas que eu desisti quando eu saí. "Eu não vejo por que nós tivemos que sair para comer", Sheldon resmunga quando nós chegamos em nossos assentos. Estávamos sentados imediatamente, devido à hora tardia para o café da manhã. "Tenho certeza que há uma abundância de comida em sua cozinha." "Eu queria ter certeza de que você comeu desde que você não pode cuidar de si mesmo, e não é minha cozinha." "Eu posso cuidar de mim mesmo. De qualquer forma, por que eu deveria comer quando eu nem sei se a minha filha tem comido em uma semana?" "Então, ficar com fome vai trazê-la de volta? Você não pode punirse." "Não, eu não posso, mas só porque você está fazendo um trabalho bom o suficiente por mim." "Você honestamente achava que eu iria fazer isso fácil para você?" "Não. Eu aprendi a não esperar nada de bom quando se trata de você. Você me destruiu, Keenan. Em mais de um sentido." O garçom veio para anotar os nossos pedidos antes que eu pudesse responder. Para irritação de Sheldon, não só eu pedi para ela, mas eu também ordenei um prato inteiro de café da manhã com o que eu sabia que ela nunca seria capaz de consumir tudo. "Eu posso falar por mim, e eu não posso comer tudo isso."


"Muito ruim, porque você não vai sair desta mesa até que você termine." Eu sorri largamente para uma boa medida, o que só serviu para irritá-la mais. "Você certamente está se sentindo incrivelmente poderoso hoje." "Na noite passada, eu tive meu pau enterrado profundamente no seu rabo enquanto você gritava por mais ... por que eu não estaria?" "Porque foi um erro que não vai acontecer novamente." "Isso vai acontecer novamente tão frequentemente quanto eu queira. Pode acontecer agora, direto sobre esta mesa, se você não comer sua comida. Minha filha vai precisar de sua mãe em boa forma quando ela chegar em casa. Ela não merece vê-la assim.” Isso pareceu calá-la, forçando-nos em um silêncio desconfortável. O garçom veio com a nossa comida e comemos em silêncio. Aconteceu de eu olhar para cima da minha comida a tempo de pegá-la limpando uma lágrima. "Isso te incomoda tanto assim?" Minha pergunta pareceu quebrar as comportas. "Eu preciso dela de volta. Eu me sinto impotente, porque eu não sei para onde olhar, e eu nem sei por que ela foi tirada de mim, mas o que eu sei é que ela está com estranhos que não sabem como cuidar dela. E se ela tiver um ataque?" "Ela vai superar isso." "Como você sabe disso? Você nem sequer a conhece.” "Porque eu conheço sua mãe. Ela cresceu e se tornou uma mulher incrivelmente forte, que pode lutar." Ela ergueu o queixo e forçou seu olhar em mim. "E ela vai continuar a lutar, porque ela sabe que isso é tudo o que ela pode fazer." "Por que você está sendo tão bom para mim? Você não me odeia?" "Eu devo isso à filha que eu nunca conheci, manter a mãe dela em uma única coisa que posso fazer," eu disse com desdém. Eu não gostei da maneira esperançosa que ela me observava. Nós não estávamos vivendo um conto de fadas mais, e era hora de lembrar isso a ela. "Você deve corrigir-se. Chorar faz você parecer uma merda."


Eu consegui chocá-la em um silêncio atordoado antes de uma carranca transformar suas feições. Ela empurrou a cadeira para trás com raiva e saiu para a parte de trás do restaurante. Quando ela estava fora de vista, eu levei alguns dos alimentos de seu prato e reorganizei para torná-lo completo. Eu não sabia de onde minha necessidade de olhar por ela vinha, mas eu tinha que ter cuidado. Sheldon era fácil de gostar. E se eu não pisar com cuidado, ela poderia muito bem me possuir completamente mais uma vez. Depois do café, ela conseguiu convencerme a levá-la para seu apartamento para uma mudança de roupas. Eu tinha acabado de tomar um assento quando o som de vidro quebrando quebrou o silêncio. Corri a curta distância até o quarto, onde eu achava que ela tinha desaparecido. Lá estava ela, no centro, segurando uma nota. O papel, que eu instantaneamente reconheci como semelhante ao da nota de resgate que tínhamos encontrado, sacudiu instável em sua mão sangrando. Cacos de vidro do espelho quebrado estavam espalhados pelo chão ao redor de seus pés. Sem dizer nada, eu arranquei a nota de sua mão e a guiei para ela sentar-se na cama. Seu olhar estava trancado em frente quando ela se sentou congelada. Mentalmente, eu me preparei para o que provocou uma reação tão violenta. Depois de desenrolar o papel, li silenciosamente a próxima pista do desaparecimento da minha filha. VOCÊ SE DISPÕE A MATAR? ***** Trinta minutos mais tarde, eu tinha Keiran, Lake, Dash, e Q sentados em torno de sua pequena sala de estar. Entreguei a nota para Keiran que silenciosamente a leu antes de entregá-la para Dash.


"Isto não faz qualquer sentido. Quem poderia querer que a minha irmã matasse e por quê? Ela não é uma assassina. "Não. Mas Keiran é." Todos se voltaram para Q, que agora segurava a nota. "O que?" Ele levantou o papel. "Está direcionado a ele." Peguei o papel de sua mão e com certeza, escrito em letras em negrito na parte de trás estava o nome dele. "O primeiro resgate não foi abordado." "Keiran?" Sheldon tinha saído de seu quarto. Ela ainda parecia como se tivesse visto um fantasma, mas parecia mais firme em seus pés. "Por que eles iriam levar a minha filha se isso é sobre você?" "Quem escreveu esta nota sabe sobre meu passado. Tem que ser alguém que eu conheço." "Então o que devemos fazer agora? Esperar por uma outra nota de resgate?" "Posso vê-la?" Lake estendeu a mão para a nota, e quando eu entreguei a ela, ela a leu. Ela virou-a, pelo menos dez vezes e cada vez que ela lia, sua pele ficava pálida. "Você vê alguma outra coisa?" "Não. Mas eu... eu não acho que a nota é para Keiran." "O que você quer dizer? O nome dele está escrito no verso." Sua mão bateu sobre a boca, e ela rapidamente saiu correndo da sala antes que ela pudesse explicar. Keiran a seguiu enquanto o resto de nós se destacou em torno da nota. "Porque ele não é o destinatário," Q terminou. "Ele deve ser a vítima." Alguém queria o meu irmão morto em troca de Kennedy? Naquele momento, Keiran caminhou de volta para a sala de estar sozinho com uma expressão dura. "Precisamos encontrar Mitch." Merda.


"Keenan!" Ao som da voz de Sheldon, olhei em volta, mas ela não estava à vista. Eu não tinha notado quando ela saiu do quarto, foi a primeira vez. Segui o som de seu choro e encontrei-a no que deve ter sido o quarto de Kennedy. Eu não tinha percebido o resto tinha me seguido até um coro de xingamentos soarem atrás de mim. Escrito na parede em tinta vermelha havia uma mensagem: ELA MORRE EM 24 HORAS.


Nenhum de nós sabia por onde começar depois de encontrar a mensagem no quarto de Kennedy. Estávamos com pouco tempo e sem direção, e nós não tínhamos ouvido falar de John. "Quando foi a última vez que esteve aqui?" Keiran questiona. "Na noite passada," Keenan respondeu agradavelmente. Minha garganta ainda estava entupida, e eu estava com medo que eu iria engasgar com minhas próprias lágrimas se eu falasse muito cedo. A minha filha estaria morta em apenas algumas horas. Eu estaria disposta a matar? Mais importante, eu estaria disposta a matar um amigo pela minha filha? Tinha que haver outra maneira. Eu tinha que acreditar, porque qualquer outra possibilidade era muito dolorosa. "Precisamos do endereço", Keiran rosnou. "Onde diabos John está?" "Talvez Keenan saiba," Q ofereceu. O olhar que ele enviou para Keenan foi um desafio, mas Keenan conseguiu manter a compostura, apesar de estar apoiado em um canto. Este segredo de John obrigava Keenan em manter o seu segredo guardado. Eu silenciosamente implorei-lhe com os meus olhos, mas Keenan ignorou e se afastou da parede na qual ele encostava-se atualmente. Três golpes duros na porta interromperam o que quer que Keenan tivesse estado a ponto de dizer. Ele fez um desvio para a porta e abriu para revelar John e Jesse parados do outro lado. "Onde você estava?" Eu gritei.


"Eu vim o mais depressa que pude. Você pode nos deixar entrar?" John brincou. A contragosto, eu me afastei para deixá-los entrar. Jesse fez o seu caminho para a pequena mesa de jantar posicionada no canto e começou a definir-se. "Fui para casa primeiro, mas quando eu só encontrei ele," John indicou para Jesse, "Eu vim aqui logo." "Recebemos uma outra nota de resgate. Nós precisávamos de você aqui dias atrás." A expressão de John escureceu quando ele olhou ao redor da sala. "Filho da puta. O que a nota diz?" "Se Sheldon não matar Keiran em vinte e quatro horas, Kennedy vai morrer. Isso soa urgente o suficiente para você?" "Precisamos do endereço agora", Keiran ordenou. A veia irritada na sua testa estava começando a pulsar. "Nós precisamos conversar, filho." Kennedy poderia morrer em breve, e ele queria conversar? "Por favor, John. Basta dar-nos o endereço. "Ele se virou para mim com olhos tristes cheios de pesar, mas não houve resposta. "O que poderíamos, eventualmente, ter de falar neste segundo?" "Mitch." "Sim. Estou me preparando para estourar a cabeça dele e trazer minha sobrinha para casa. O que há para discutir?" "Não foi Mitch que sequestrou Kennedy." "Você não sabe disso com certeza", eu me direcionei para John. Keiran olhou de mim para John antes de beliscar a ponte de seu nariz. "Alguém quer me dizer o que diabos está acontecendo?" "Mitch está morrendo. Ele tem estado assim nos últimos três anos." "E como você sabe disso?" "Porque eu tenho mantido ele em uma clínica a algumas horas de distância." A sala congelou visivelmente com a revelação de John.


"Diga isso de novo?" "Seu pai veio a mim há três anos atrás após ser diagnosticado com um tumor canceroso. Até o momento que ele veio até mim, ele estava muito fraco para cuidar de si mesmo, então eu o levei para uma instalação de tratamento." Keiran estava quase raivoso quando John tinha acabado de explicar. "Onde?" "Ele está sob minha proteção Keiran, mas sei que isso é para protegê-lo, também." “Éeee?" Perguntou Keiran. "E quem irá protegê-lo?" "Olha, a única razão pela qual eu disse isso era porque eu não queria desperdiçar o pouco tempo que temos em um beco sem saída." "Besteira", Keenan rebateu. Foi a primeira vez que ele tinha falado desde que o confronto começou. "Se é um beco sem saída, então, me dê o endereço e deixe-me tomar essa decisão. Você não tem nada a perder, exceto sua vida se você não disser." Eu nunca tinha visto Keenan assim antes. Ameaçar as pessoas era coisa de Keiran, o que me fez pensar mais uma vez apenas em quem foi que voltou da Califórnia, e se eu podia confiar nele com a minha filha? Agora, isso fazia parte do porque eu segurei a esperança de trazer Kennedy para casa, e uma vez que ela estivesse em casa segura, eu faria o que fosse preciso para nos proteger dele de uma vez por todas. Como se sentisse meus pensamentos, ele se virou para mim, seus olhos escurecendo com cada segundo que passava. Ele parecia estar enviando uma mensagem silenciosa, que eu não estava muito certa que eu queria decifrar. Eu desviei o olhar, mas não antes de pegar o lento sorriso sinistro que o fazia parecer quase mau. Eu não podia mais ver a pessoa que ele foi. Eu olho para ele e tudo o que vejo é um anjo caído, porque, em muitos aspectos, ele é. "De uma forma ou de outra, vamos trazer minha filha de volta esta noite", Keenan anunciou. "Então aqui está o plano."


***** "Eu não me sinto bem sobre isso", Lake disse pela milésima vez enquanto andava para trás e para frente. Os caras, tirando Dash e Jesse tinham ido para uma cidade a cerca de três horas de distância, onde John tinha encontrado Sophia e Keiran pela primeira vez. Se eu não estivesse com tanto medo, eu teria rido sobre como a vida poderia ser cheia de círculos quando você menos espera, mas nada sobre esta noite era engraçado. Keenan e Keiran tinham escolhido ir com coragem e determinação com apenas poucas horas restantes. Se eles estivessem certos, Kennedy estaria de volta em meus braços hoje à noite. Se eles estivessem errados... "Eu sinto que eu deveria estar fazendo alguma coisa." "Há um pequeno detalhe que seus namorados parecem ter esquecido", Jesse brincou sem tirar os olhos do computador. Ele havia silenciosamente trabalhado em puxar para cima a transmissão por satélite da casa. "O que é isso?" "O FBI", ele soletrou para fora lentamente. "Alguém se preocupou em preenchê-los?" "Acredite em mim, eles não esqueceram", Dash afirmou. "Se Kennedy estiver naquela casa, então, ninguém envolvido estará andando vivo depois disso. Além disso, o FBI não tem sido muito útil e nem os investigadores particulares contratados por meu pai." "Eu acho que a única coisa a fazer era negar seus serviços depois de Keiran espancar um deles, você não acha?" Isso veio de Lake, que agora tinha desarrumado seu cabelo passando os dedos por ele. "Vai ficar tudo bem, Lake". "Mas e se não ficar e Keiran for embora para sempre? Deus, ele estava finalmente se livrando de ser escravo e tornando-se sua própria pessoa, mas de repente alguém vem de volta para terminar o trabalho." Ela afundou na parede até chegar ao chão. "Mesmo se ele não morrer ou


não for mandado embora para sempre, e se isso começar tudo de novo? Todos nós vimos o que aconteceu no hospital." "O que eu vi foi alguém que faria qualquer coisa para proteger seus entes queridos. Isso é o que ele é hoje. Ele é capaz de amar e você tem que acreditar que isso é a única coisa motivando-o. Se você pode acreditar em qualquer coisa, acredite no amor." Ela parecia estar pensando sobre isso antes de trancar seu olhar com o meu. "Você vai ser capaz de fazer o mesmo?"


"O que você vê?" Nós fizemos a viagem de três horas na metade do tempo e estávamos vigiando a casa nos últimos trinta minutos. A casa era média e não era um lugar que ninguém esperaria que uma criança raptada estivesse, tornando-a o local perfeito. "Nada. Este é o lugar", Keiran afirmou, ecoando meus pensamentos interiores. "O que vamos fazer com os federais?" Q perguntou do banco traseiro. "Assim que confirmarmos que Kennedy está aqui, nós vamos denunciá-lo, mas nem um minuto antes. Eu quero que os filhos da puta que tomaram a minha menina sofram." "Como você quer fazer isso?" Perguntou Keiran. "Quente e rápido. Não há nenhuma maneira de dizer onde Kennedy está naquela casa. Eu não quero dar-lhes a chance de ter vantagem. Nós faremos o trabalho rápido. Sheldon disse que havia dois homens que a levaram. Não poderia ser mais, mas vamos deixar alguém vivo para interrogatório antes de matá-lo. John, você se lembra como entrou lá antes?" De acordo com John, os bloqueios foram projetados para manter qualquer um que não tenha uma chave, dentro ou fora. "Eu tenho-o coberto, filho." "Boa. Uma vez que você entrar Keiran e eu vamos assumir a liderança. Você e Quentin vão puxar para cima na parte de trás. Há


quatro quartos e as áreas comuns. Kennedy provavelmente está em um dos quartos." Havia uma chance de cinquenta por cento de nós falharmos e perdermos tudo, inclusive nossas vidas, mas eu devia isso à criança que eu gerei. Era mais do que meus pais tinham me dado. "John," eu chamei novamente a atenção do meu pai. "Sim, meu filho?" "Eu quero que você saiba que, se minha filha estiver lá dentro, eu vou matá-lo eu mesmo." Do canto do meu olho, eu vi Keiran voltar sua atenção a partir da casa para mim. Eu corajosamente encontrei seu olhar, desafiando-o a protestar, mas quando ele simplesmente assentiu com a cabeça, eu relaxei. John sabiamente optou por não responder. Pai ou não, ele tinha ferrado com a vida da minha filha por proteger um homem que não merecia viver. Eu poderia me importar menos com o quais foram suas intenções. Nós nos aproximamos da casa rapidamente, tendo o cuidado de ficar escondidos nas sombras. Escutei as vozes, e quando ouvi o som baixo, mas inconfundível de vozes, eu estava pronto para estourar através da porta. A lembrança de minha consciência de que poderia muito bem ser um jantar de família seria a única coisa para arruinar toda a missão. John fez um rápido trabalho na porta, e em um momento, nós estávamos entrando. A porta de entrada estava escura, mas vazia, e quando nós entramos mais, eu podia ouvir vozes profundas descendo de cima. Nós seguimos o som de uma porta em um andar superior. "Você acha que ela vai fazer isso, Vick?" Vick? Eu me perguntava quão boa era a possibilidade deste Vick ter sido o mesmo investigador que Chambers contratou para encontrar Kennedy. "Se a cadela sabe o que é bom para a pirralha, ela vai fazer. Ela só tem um par de horas." "Como é que vamos saber se ela o matou?" "Vamos esperar até recebermos a ligação."


"Mas como ele vai saber?" "Não é nosso problema. Uma vez que tivermos a cha..." Sua cabeça foi arrancada antes que pudesse terminar de falar. Assim que seu corpo caiu, eu treinei a minha arma na cara sardenta com cabelo cor de cenoura. Ele não parecia velho o suficiente para estar mesmo fora da escola. "Se você não parar de gritar, você se juntará a seu amigo." Ele freneticamente olhou ao redor da sala para o aliado antes de ver Q como sua melhor aposta. "Não olhe para mim, cadela." "Pegue o que quiser, só não me mate." "Você sabe o por que eu estou aqui?" "N...não." Ele balançou a cabeça com força para dar ênfase. "Você sabe quem é esse?" Eu perguntei apontando para Keiran. Ele piscou algumas vezes, focando seu olhar no meu irmão e balançou a cabeça novamente. "Este é Keiran Masters." Reconhecimento havia brilhado em seus olhos antes que o terror tomasse conta. "Se ele é Keiran", ele gaguejou, "então quem é você?" Perguntou. "Eu sou o pai da menina que você roubou." E foi aí que a miséria começou. Eu tive que bater nele com a arma algumas vezes para fazê-lo calar a boca por tempo suficiente. "Eu estou tentando ter uma conversa educada com você, mas você continua me interrompendo." "Sinto muito, senhor." Seu nariz fungando estava começando a me incomodar, então eu decidi não torturá-lo. "Eu só vou perguntar isso uma vez então preste atenção. Onde está minha filha?" "Ela está no quarto de hóspedes no final do corredor à direita." Uau. Essa foi fácil. Eu esperava que a surpresa que eu senti não se mostrasse no meu rosto, mas a julgar pelo terror ainda evidente em seus olhos, eu sabia que eu ainda parecia um homem decidido a matar. "Por favor, deixe-me ir. Eu nem sequer queria fazê-lo." Ele gritou histericamente.


"Mas você fez, meu amigo." Fiquei surpreso com a calma em minha própria voz, apesar de todos os nervos, veias e vasos sanguíneos dentro de mim se enfureceram. Assim que eu saí, deixando Keiran e Q para trás com ele, a gritaria começou de novo. John seguiu-me, alegando que ele não tinha estômago para tortura. Eu segui as instruções simples para uma porta no final do corredor. Eu coloquei minha orelha na porta e procurei ouvir vozes apenas no caso de que isso fosse uma armadilha. Eu ouvi o som de um pequeno choro do outro lado e joguei o cuidado para o vento. Eu tentei a maçaneta, mas a porta estava trancada, então eu joguei meu ombro contra ela. Eventualmente, a porta cedeu e eu surgi no meio. Lascas de madeira caíram em torno de mim e, temporariamente, fixei minha visão na pequena trouxa encolhida na cama. "Kennedy?" Seu choro havia se tornado pequenos gemidos. Ela tentou se encolher devido ao medo. De repente eu percebi que eu não fiz a melhor entrada em sua vida. "Keenan?" Voltei-me para John, que tinha uma mão estendida como se para me bloquear. Quando notei o olhar nos meus olhos, ele disse: "Você realmente quer que sua primeira lembrança de você seja assim? Ela não sabe quem é você, e ela já está com medo." "Papa?" O som angelical ainda tímido de sua voz quase me desfez. Ela reconheceu John e tentou sentar-se, mas eu notei que seus movimentos pareciam lentos. Será que ela tinha acabado de acordar? "Papa, eu estou assustada e quero ir para casa agora." "Oh, querida, nós vamos levá-la para casa agora. Sua mãe tem sentido muito a sua falta." "O homem mau machucou a mamãe." Ela olhou para mim quando ela disse isso, e eu não pude evitar o rubor culpado que aquecia minha pele. Ela parecia exatamente como sua mãe descreveu. A mistura perfeita de sua mãe e eu.


"Ela está muito bem, meu anjo. Ela tem estado muito preocupada então não vamos perder mais tempo." Ele a pegou, e eu odiei o jeito que ela se agarrou a ele. Ciúmes rasgou-me rápido e duro. Eu queria levá-la dele, mas sabia que não seria uma jogada inteligente. Eu era essencialmente um estranho para ela. "Quem é ele?" Ela olhou para mim mais uma vez e se abaixou para esconder a cabeça contra o pescoço de John. John olhou para mim por uma resposta, mas eu balancei minha cabeça. Ao vê-la em carne e osso, eu percebi que eu não estava pronto. Quem eu seria? "Eles estão drogando-a", John afirmou assim que tivemos Kennedy no carro. Ela adormeceu contra o assento de volta quase imediatamente. "Como você sabe?" "Suas pupilas estão dilatadas severamente. Seus movimentos estão lentos e suas palavras arrastadas. Ela é muito desenvolvida para sua idade e pode falar como uma criança com dobro de sua idade. Sheldon tem feito muito bem com ela." "Você a está defendendo?" "Eu sei o que você está pensando em fazer. Sheldon é uma boa mãe e você se foi. Você realmente acha que ela teria mantido-a de você se ela soubesse onde você estava?" "Sim", eu respondi sem hesitar. "Ela teria. Ela gosta de pensar que não teria, e se eu estiver errado, ela vai fazer isso agora." "Com razão, eu tenho certeza." "Gostaria de levar a cabo a minha promessa agora, a minha filha pode ter pesadelos de sua morte para o resto de sua vida?” "Faça o que quiser de mim, filho, se isso vai compensar todos os anos que eu..." Ele parou e olhou para longe por alguns batimentos cardíacos. "Se eu soubesse que a minha ausência, em seguida, e mais tarde estaria fazendo com você, eu não teria per..." "Eu não acredito nisso e nem em você. Você teria, porque você estava com dor, mas acima de tudo, você era egoísta e fraco."


Passos se aproximando encurtaram a nossa conversa, e quando olhei para trás, Q e Keiran tinham saído de casa. O sangue que levemente salpicava suas camisas se tornou mais evidente quanto mais próximo eles vieram. "Não deixe que Kennedy veja suas camisas." "Merda ... um pai por três minutos e você já está mandona," Q brincou. Keiran removeu sem palavras a sua camisa, seguido por Q. "O que foi que você descobriu?" "Ele alegou que não sabia quem era seu patrão. Ele continuou falando sobre um cara rico que prometeu-lhes um monte de dinheiro para sequestrar Kennedy. Ele disse que foi prometido a eles o dobro se eles tivessem que matá-la." "Será que você cuidou dele?" "O que você acha?" Keiran rebateu sombriamente. "Eu não sei o que ele pensar, mas eu acho que nós precisamos chamar os federais e limpar a casa logo," Q interveio. ***** Até as primeiras horas da manhã, eu tinha ido através do processo de interrogatório que normalmente segue um assassinato. Não, eu não agi com má intenção. Sim, foi autodefesa. Não, não me foi dada informação sobre o paradeiro de Kennedy antes de agir. Foram todas as mentiras que eu consegui dizer bem. Eu não tinha idéia de como Keiran tinha acabado de ser libertado da prisão sob a acusação de agressão e nem vinte e quatro horas mais tarde, tinha sido localizado em uma casa com cadáveres. Ao meio-dia, estávamos todos de pé na calçada parecendo nada pior para o desgaste. Dash estava lá, menos as garotas conforme as instruções. "Como ela está?" Perguntei, logo que eu estava fora.


"Ela está bem. Sheldon queria levá-la de volta ao seu apartamento, mas conseguimos convencê-la a ficar pelo menos mais uma noite. Foi uma noite emocionante para ambas. Você devia tê-las visto juntas." "Leve-me para elas." Uma hora mais tarde, depois de tomar banho e me trocar, eu andei dentro da Mansão Chambers bem a tempo de ver Sheldon servindo café da manhã à Kennedy. Seu olhar colidiu com o meu assim que eu andei através da porta de entrada. Mesmo do outro lado da sala, eu pude ver como as suas mãos se agitaram e seu pulso acelerou. Tantas emoções passaram entre nós em um curto espaço de tempo. "Mamãe, é ele!" Eu olhei para baixo para ver Kennedy apontando e olhando para mim com admiração. Seus olhos redondos expressivos ainda seguravam a inocência da juventude, apesar de seu sequestro. "Ela não parou de falar sobre você." "É justo, porque eu realmente não parei de pensar nela." Eu fechei a distância entre nós e acrescentei: "Ou em você." Eu escovei sua bochecha com os dedos, mas em vez de responder, ela se encolheu para longe do meu toque. Meu instinto gritou comigo para agarrá-la, mas agora eu tinha que lembrar dos olhos sempre atentos de minha filha. "Você já disse a ela?" Ela balançou a cabeça e continuou a me observar com um olhar cauteloso. "Vocês disseram algo?" "Não. Na noite passada, não parecia ser o melhor momento." Seus ombros visivelmente relaxaram. "Bom. Eu queria falar com você sobre isso." A finalidade em seu tom me pôs na borda e imediatamente me coloquei na defensiva. Ao invés de explodir na frente de Ken, eu a puxei para fora da cozinha para a despensa grande. "Seja o que for que você acha que deveria dizer para mim, eu quero que você pense sobre isso novamente." "Eu não tenho que pensar sobre isso. Eu não acho que você estará em sua vida. É muito tarde."


Naquele momento, eu poderia realmente ver-me matando-a, então eu a calei da única maneira que eu sabia. O beijo não foi feito para despertar. Era duro e punitivo. Ela lutou para fugir, então eu esmaguei-a contra mim. Quando ela finalmente aceitou a perda do controle, eu transformei o beijo em um abraço sensual. Não havia nada que eu quisesse mais, neste momento, do que fodêla aqui, contra as prateleiras cheias de conservas de legumes e molhos de tomate. A maneira como ela empurrou os seios contra o meu peito e gemeu na minha boca me empurrou perigosamente perto de testar a robustez das estantes. Quando ela abriu a boca para a minha língua explorar mais profundamente, eu joguei o cuidado para o vento e encontrei-me dizendo: "Se eu tirar suas roupas e me inclinar você para o meu pau, você poderia me levar em silêncio?" Quando ela balançou a cabeça confirmando lentamente, eu escondi a minha surpresa e não perdi tempo escorregando para baixo seus shorts de dormir minúsculos. Eu tive sorte e fiquei exultante ao descobrir que ela estava nua por baixo. Eu não queria arriscar ela mudando de idéia porque eu não tinha certeza de que eu poderia parar se ela fizesse isso. Eu a virei e levantei seu joelho direito para descansar em uma prateleira do meio. "Keenan, se apresse." Eu enrolei minha mão em seu pescoço e trouxe sua orelha para perto de meus lábios. "O quão ruim você quer isto?" "Eu estou desesperada o suficiente para ignorar o bom senso." Eu ri testemunhado a maneira como o som fez vibrar sua pele. Minhas calças jeans se desfizeram e meu pau duro empurrou buscando a entrada de sua vagina. "Camisinha," ela engasgou quando eu comecei a entrar nela. Era incrível o quão molhada e pronta, ela já estava. “Não.” "Não o quê?"


Sua mão direita segurava na prateleira, então eu descansei a minha em cima da dela e bati com força. "Eu disse que não." "Oh, foda-me." Depois de fodê-la algumas vezes, seus suspiros lentamente subiram para gritos baixos. "Eu vou, foder, agora se acalme. Nossa filha está na sala ao lado." Eu me mudei dentro dela, cada invasão mais dura e profunda do que a última. As latas sacudiram com a força dos meus golpes quando eu peguei a velocidade. Eu podia sentir seu aperto de mão na prateleira mais apertado sob a minha mão. Eventualmente, eu fui forçado a cobrir seus gemidos com a minha mão e afundei os dentes em seu ombro para mascarar meus grunhidos. "Agora que eu tenho sua atenção, deixe-me explicar uma coisa. Eu não vou a lugar nenhum. Você é minha e Kennedy é minha." O gemido contra a minha mão era provavelmente um protesto, mas eu continuei. Seus quadris encontraram os meus enquanto ela fodia-se dentro e fora do meu pau, procurando desesperadamente por uma liberação que eu simplesmente estava feliz em dar a ela.


Não havia palavras adequadas suficientes para descrever a multiplicidade de sentimentos que me assaltavam todos os dias. A minha filha tinha finalmente voltado para casa ontem à noite depois de ser sequestrada há mais de uma semana, e aqui estava eu, trepando com seu pai na despensa de casa em que eu cresci. Ter relações sexuais com ele foi sem precedentes. Eu não tinha aviso ou razão profunda adequada para explicar por que, mais uma vez, em um período de 48 horas, eu tinha conseguido ser coagida para fora da minha calcinha com pouco esforço. Talvez fosse a luxúria esmagadora. Ou talvez fosse o fato de que eu não tinha feito sexo em quatro anos. Eu gemia e choramingava contra sua mão como uma puta devassa, que era exatamente como eu me sentia. No passado, ele sempre tinha sido capaz de me fazer sentir como uma puta e uma dama sempre quando fazíamos amor. Mas nós não estávamos fazendo amor agora. Não, isso era sexo no seu melhor. Apressei meus quadris para corresponder às suas estocadas. Meu orgasmo se construiu o primeiro de minha alma antes de rasgar através do meu coração e ser libertado em minha boca com um grito mudo. Foi uma coisa boa que sua mão estava lá. Não me agradava a ideia de explicar o auge da paixão para Ken em uma idade tão jovem. Algo me disse que seu pai não iria apreciar isso também.


Quando o nevoeiro começou a clarear, eu me tornei ciente das latas que se desarrumam aos meus pés e como minhas unhas cavavam nas prateleiras de madeira. A sensação de calor viajou para baixo da minha coxa, e eu sabia que só podia ser uma coisa. Eu podia sentir o movimento do seu peito contra minhas costas e o cheiro doce de sua respiração na minha pele. O som de sua fivela de cinto quando ele ajeitou suas calças ecoaram em torno de mim. Eu já estava respondendo às consequências da minha decisão. Fui no caminho possessivo que ele me tratava quando ele puxou meus shorts e envolveu o seu braço forte em volta da minha cintura para me guiar da despensa. Quando entramos na cozinha, eu tive a sorte de não encontrar ninguém, apenas Ken. Ela fez uma bagunça completa de suas panquecas, como de costume, e na minha ausência, tinha conseguido derrubar quase toda a garrafa de xarope em sua comida. "Ken, o que eu te disse sobre derramar o xarope sozinha?" "Eu estava com fome." Era oficial. Eu sou a pior mãe do mundo. Eu queria chorar e garantir-lhe que ela podia derrubar toda a calda do mundo, mas eu sabia que não iria reverter a última semana ou os últimos dez minutos. Molhei uma toalha e comecei a limpar o seu rosto e as suas mãos. Ela geralmente não gostava que eu a limpasse, percebi que sua atenção estava completamente fixa em Keenan. Eles se olhavam completamente extasiados um com o outro. "Oi," ela o cumprimentou suavemente. "Olá, Kennedy." Keenan balançou a cabeça como se para limpá-la e disse: "É bom finalmente conhecê-la." "Qual é seu nome?" "Eu sou ... Eu sou ..." Pela primeira vez desde a sua chegada, ou diante de uma menina, ele parecia estar sem palavras. Ela olhou para ele com expectativa, e o que aconteceu em seguida chocou-me até o núcleo. Keenan caiu de joelhos.


Bem ali, desabou no chão da cozinha. Kennedy deixou sua cadeira e caminhou até ele, lentamente. Eu me apavorei, porque o que estava acontecendo diante de mim apenas um monstro poderia estragar. Como eu poderia protegê-la dele se ela aceitouo sem saber quem ele era para ela? "Você está com medo?" Ele acenou com a cabeça atordoada, e assim ela descansou a mão em seu rosto. "Tia Lake disse que ninguém pode feri-lo se você não permitir." Saiu confuso, três anos de idade e de bagunça, mas eu tinha estado lá quando Lake a disse, e então eu reconheci o que ela queria dizer. "Ela está certa," Keenan falou. Embora sua voz tremesse, ele ainda soava forte. Kennedy assentiu uma vez, como se aceitando a sua aceitação. "Meu nome é Keenan." "Keenan," ela repetiu, mas saiu mais como Kena. "Você é amigo da mamãe?" "Sim, eu sou amigo da mamãe, mas eu sou seu amigo também." "Você me salvou dos homens maus." "Será que eles te machucaram?" Eu segurei minha respiração, embora eu a tinha perguntado a mesma coisa ontem à noite, juntamente com os médicos que a verificaram. Quando ela balançou a cabeça, eu exalei tranquilamente. Keenan tirou os olhos de Kennedy o tempo suficiente para acenar com a cabeça em minha direção. "Me desculpe, eu não estava aqui para você mais cedo." A borda dura na voz dele me disse que ele queria dizer por mais do que apenas ontem à noite. Não havia nenhuma maneira que eu poderia deixar isso acontecer agora ou nunca. "Kennedy, por que você não vai lá para cima e se prepara para que eu possa levá-la para praia." Seu grito animado rasgou o ar e só assim, o feitiço foi quebrado. "Keenan pode vir?"


Eu ignorei a dor de Keenan em ouvi-lo ser chamado pelo nome por sua filha. "Eu não acho que Keenan quer vir com a gente." "Keenan quer, e Keenan vai", disse ele, mas saiu como uma ameaça. Felizmente, Kennedy parecia completamente alheia à mudança drástica em seu clima e atmosfera. Ela gritou seu entusiasmo antes de decolar para recuperar seu maiô. "Você acha que uma viagem para a praia é uma boa idéia tão cedo?" Senti um lampejo de raiva com a idéia dele questionar minhas competências maternais, logo após a reunião curta com ela. "Eu acho que é exatamente o que ela precisa. Eu não quero que isso seja algo que a traumatize." "Você não acha que isso já aconteceu? Ela pode não entender, mas confie em mim quando eu digo que ela nunca vai esquecer. Se você acha que eu não estou certo, tente falar com Keiran." "Não é a mesma coisa." "Mas poderia ter sido, e é exatamente por isso que eu estou ao redor. Você não pode protegê-la sozinha. Você quase morreu porque você não pode sequer se proteger." "Você está me culpando? Isso é culpa da sua família fodida." Nós estávamos gritando agora, mas eu não poderia me importar menos. "Hey, pessoal." A voz de Dash interrompeu nosso momento aquecido, e quando me virei, vi o porquê. Segurando a mão de Dash estava Kennedy, que parecia à beira das lágrimas. Antes que eu pudesse pensar em algo reconfortante para dizer, Keiran, Lake, e Q passaram por eles, o que significava que eles devem ter ouvido tudo, também. Cada um deles pegou um assento e fingiu que nada estava errado, todos exceto Keiran, que me olhava com um olhar frio em seus olhos. Lake lançou olhares preocupados entre Keenan e eu enquanto Q observava em silêncio. Dash felizmente quebrou o silêncio novamente. "Kennedy, por que você não vai brincar com seus brinquedos enquanto sua mãe e eu temos uma conversa?" "Você vai brincar comigo?" Ela perguntou para Keenan.


"Eu preciso falar com sua mãe também, mas eu vou brincar assim que eu estiver terminado." "Eu vou brincar com você, querida," Lake ofereceu. Ela deu um tapinha no ombro de Keiran, ao sair, e apenas esse simples toque dela parecia acalmá-lo. "Por que vocês estão aqui?" Perguntei logo que Lake levou Kennedy para o quarto. Keiran e Keenan rapidamente correram para baixo os acontecimentos de ontem à noite que antecederam ao salvamento de Kennedy. "Um dos homens que tomaram Kennedy era um dos investigadores que seu pai contratou para encontrá-la." "Como isso é possível?" "Isso é algo que eu gostaria de perguntar a seu pai", Keiran respondeu com o gotejamento do gelo em cada sílaba. "Você está seriamente sugerindo que meu pai tenha algo a ver com a sua própria neta ser raptada?" "O que eu estou sugerindo é perguntar a ele. Ele pelo menos tem que saber algumas informações sobre os homens que contratou, isso poderia nos levar à razão pela qual ele os contratou em primeiro lugar. "Que homem era ele?" "O único que Keiran não tentou matar," Q respondeu a questão naturalmente. "E se o meu pai não souber de nada?" "Então começaremos a olhar para ele como um suspeito." "Sim, mas há apenas um pequeno detalhe que você está perdendo. Por que meu pai quer você morto? Todo esse pesadelo começou por causa de você. Alguém está atrás de você, não de mim, e não de Kennedy." "No entanto ela é uma Masters..." "Ela não é. Ela é uma Chambers." Keenan e Keiran estreitaram seus olhos cada um em uma forma similar, e se eu não estivesse tão irritada, eu teria sido surpreendida por quão parecidos eles realmente eram. Tinha sido impossível ver na escola


porque enquanto Keiran usou sua coroa com orgulho, Keenan tinha sido o diabo em pele de cordeiro. "Um fato que seus pais parecem ter contra você." "Chega," Dash latiu. "Não importa qual a porra do seu sobrenome. Nós vamos protegê-la de qualquer maneira. Agora, meu pai não é nenhum santo, mas ter sequestrado Kennedy não é algo que ele faria apesar de como ele se sente sobre a sua paternidade." "Então, o que você está dizendo?" Perguntou Keenan, mas soou mais como um desafio. "Eu estou dizendo que vou pedir-lhe para obter as informações sobre os investigadores que ele contratou, mas consideramos outros ângulos. Keiran, você precisa pensar mais sobre o seu passado, e ter certeza de que não há ninguém à espreita que iria querer machucar você." A campainha tocou, então eu usei a oportunidade para escapar da tensão esmagadora circulando pela sala. "Bom dia, Sra. Chambers." Os agentes federais designados para o caso de Kennedy estavam na varanda da frente. "Bom Dia. Eu prometo que eu ia entrar. Eu só... " "Não há necessidade de desculpas. O importante é que Kennedy está segura em seu lar. Nós cobrimos a maior parte do interrogatório com o pai, mas como sua guardiã legal, queríamos fazer algumas perguntas adicionais. Fazem parte da rotina, se você tiver alguns momentos." "Sim, claro." Eu mudei de lado para deixá-los entrar. "Existe algum lugar onde possamos falar em privado?" Eu os levei a cozinha para a pequena biblioteca no corredor. "Posso oferecer-lhe algo para beber?" "Não, isso não será necessário. Isso só vai levar alguns minutos." "Então, como posso ajudá-los?" "Os homens que encontraram sua filha na noite passada encontraram-se em uma situação difícil. Dois homens foram mortos cruelmente em vez disso, especialmente aquele cuja garganta foi cortada e


depois esfaqueado nove vezes no coração. Quanto você sabe sobre os acontecimentos?" Bile subiu na minha garganta com a imagem mental que ele pintou desnecessariamente. "Não muito. Eu não estava lá." "Você estava ciente do que eles estavam planejando fazer antes de acontecer?" “Ao dizer consciente, você quer dizer se eu sabia que eles planejavam matar aqueles homens?" "Nós estamos em causa, dada a história dos homens envolvidos, particularmente Keiran Masters. Ao longo de toda esta investigação nos foi dado pouca informação e estamos curiosos para saber como aconteceu de repente de caírem em cima de uma casa a poucas horas." Eu não sabia se era paranóia, mas de repente, tive a sensação de que eu estava sendo levada a um canto, só que eu não era a presa. "Me desculpe ... você disse que havia perguntas de rotina que você precisava fazer?" "Sim, nós só queríamos checar para nos certificar de que a pequena Kennedy está bem. Se cuide agora." Os agentes tinham ido embora tão rapidamente quando eles vieram, me deixando confusa e nervosa. Eu corri para fora da biblioteca para avisar aos caras, mas descobri que nenhum aviso foi necessário. Keenan, Keiran, Dash, e Q tinham cercado os agentes e, embora eles parecessem casuais, eu sabia que não era outra coisa senão uma ameaça. "Você esqueceu alguma coisa ou você acabou de perder-nos?" Keenan provocou. Eu estava presa ao chão, porque, por um minuto, eu vi o velho ele. "Nós estávamos verificando sobre a Sra. Chambers e Kennedy agora, se você vai nos desculpar." Eles se espremeram através da pequena abertura do círculo e desapareceram pela porta da frente. "Vocês todos enlouqueceram?" Lake gritou. Eu não a tinha visto em pé na escada. Felizmente, Kennedy não estava à vista. "Esses são os agentes federais."


"Baby…" Ela levantou a mão. "Não, Keiran." Ela virou-se e se dirigiu de volta para cima. "Você está em apuros," Q cantou e Keiran empurrou-o para a mesa e saiu em direção a parte de trás da casa. "O que foi que eu disse?" ***** De alguma forma, a nossa viagem de fim de semana para dois se transformou em viagem para oito. Nos empilhados em três carros e fizemos o nosso caminho para a costa da Califórnia. Kennedy tinha conseguido saltar em torno de emoção por todos os trinta minutos que levou antes de cair em sono profundo. "Ela tem muita energia", Keenan comentou logo após seus olhos se fecharem. Foi a primeira vez que Keenan tinha falado desde que saímos. Estávamos no carro de Keiran a sós com Kennedy enquanto Keiran e Lake foram com Dash, Q e Jesse estavam juntos no outro carro. "As crianças tendem a fazer isso", respondi secamente. Entre as outras coisas sobre ele que me irritou, eu estava ainda mais do que um pouco irritada que ele tinha insistido em não só inserir-se em nossa viagem, mas também em nossas vidas. Eu disse a mim mesmo que eu não iria me debruçar sobre isso. Este fim de semana era para Kennedy. Eu queria que tudo fosse bom na medida do possível e feliz em sua vida, queria apagar a semana aterrorizante que ela suportou. "O que eu estou tentando dizer é que ela parece ser uma criança feliz. John estava confiante de que você fez um ótimo trabalho com ela." "Lembre-me de agradecer-lhe o elogio." "Eu não gosto de sua atitude, Shelly." Sua voz se aprofundou de leve à perigosa, mas eu me recusei a deixar que ele me intimidasse. "Me morda." Muito maduro, Sheldon.


Eu mal tinha acabado de falar as palavras e Keenan perigosamente virou o carro para o lado da estrada. Eu agradeci à minha estrela da sorte que o tráfego fosse leve, mantendo o pânico na baía. Paramos com um guincho de pneus quando pedras e sujeira voaram em torno de nós. "Você enlouqueceu?" Ele me ignorou quando ele pegou seu telefone. Seus toques eram rápidos e com raiva. Seja qual for a mensagem que enviou deve ter sido curta, pois ele já havia colocado o celular no bolso novamente. Pouco depois, os carros de Dash e de Q foram para o nosso lado. Keenan pulou para fora e abriu o banco de trás, desafivelando o cinto de segurança de Kennedy, que por algum pequeno favor ainda estava dormindo. "O que diabos você pensa que está fazendo?" Eu rapidamente soltei o cinto de segurança, mas no momento que eu andei em torno do carro, Keenan já tinha Kennedy colocada no carro de Dash. "O que está acontecendo?" Eu ouvi Dash questionar. "Sheldon e eu precisamos ter uma conversa privada. Tome Kennedy e nós vamos segui-los." "Dash, não!" Eu esperava que, se alguém me ajudasse, seria Dash, mas quando ele balançou a cabeça, senti a minha confiança diminuir e o pânico elevar sua feia cabeça. "Eu não posso mais te ajudar se você for continuar dando-lhe motivos. Você precisa trabalhar com isso", ele disse antes de ir embora. "Como você pode simplesmente pegar a minha filha?" Meu discurso foi interrompido quando Keenan me jogou por cima do ombro. "Pare!" Ele caminhou a curta distância de volta para o carro, mas quando ele contornou o lado do passageiro e a porta traseira, a confusão tomou o lugar da minha raiva. Ele rapidamente abriu o porta-malas e no segundo seguinte, eu fui jogada para dentro. O forte impacto me sacudiu e antes que eu pudesse me recuperar, a porta se fechou.


***** Depois de uma hora andando no porta-malas, eu estava dolorida. Se eu não o conhecesse melhor, eu não acharia que ele manobrava para dentro e fora do tráfego propositadamente para me insultar. Passou mais uma hora, e eu tinha acabado de começar a adormecer lentamente quando o carro chegou a uma parada dura. Antes que eu pudesse me preparar, eu rolei e bati na parede do porta malas, e com um gemido de dor, eu estabeleci-me de volta no lugar apenas a tempo para do porta malas para abrir. Levou um momento para os meus olhos se ajustarem. O rosto de Keenan era uma máscara de indiferença em branco que era muito mais dura do que raiva. Pelo menos, quando ele estava com raiva, eu podia dizer o que ele estava pensando e até mesmo prever seu próximo movimento. "Você está esperando por um convite?" Eu permiti mostrar o meu desprezo por ele, em seguida, saí lentamente. Meus músculos gritaram em protesto por isso, tomei um momento para esticar e respirar o ar fresco. "Se sentindo melhor?" "Por que você fez isso comigo?" "Porque você precisava." "Eu precisava? Você acha que eu precisava ser presa em seu porta malas como um saco de mantimentos?" "Eu quis dizer que você precisava de um tempo sozinha para pensar. Você estava agindo como uma criança, então eu a tratei como uma. Pense nisso como um tempo limite." "Seu filho da... " "Termine essa frase, e eu prometo que você vai fazer o resto da viagem se sentindo pior do que uma sacola de compras." "Eu odeio você." Surpreendentemente, dizer em voz alta não me fez sentir como eu teria esperado. "Você não me odeia ainda, mas você vai. Vou me certificar disso."


Olhei para ele, incrédula. "Por que você quer que eu te odeie?" E por que eu me importo? "Porque assim vai ser muito mais duro para você, e então você vai sentir como foi ficar sem você." "Depois de quatro anos você ainda não entendeu, não é?" "O que é que eu não consegui entender, Shelly?" Uma parte de mim não podia acreditar que eu faria isso ao lado de uma estrada árida, mas eu não poderia guardar isso por mais tempo. "Eu não o deixei porque eu não queria você. Eu deixei você porque eu percebi o quanto melhor e mais forte eu estaria sem você. Você era arrogante, mimado, e infiel, você realmente acredita que você me merecia. Não, você acredita que você tinha direitos sobre mim. Você não tinha, e você nunca vai ter. Não importa quanta dor você me cause ou quanto controle sobre mim você tenha. Eu nunca vou realmente ser sua de novo." Um turbilhão de raiva nublou seus olhos escuros fazendo-os parecer quase pretos. Eu não conseguia mais distinguir a íris até que restou dele se assemelhava a uma janela sem alma. "Você não tem que ser minha, mas você nunca vai pertencer a qualquer outra pessoa."


Após o confronto com Shelly, a praia era o último lugar em que eu queria estar. Se eu seguisse meus instintos para ser um filho da puta, eu teria a levado em algum lugar privado onde eu poderia apenas promulgar como ela ficaria sendo minha. Mas Kennedy me chamou. Depois de apenas conhecê-la, eu não poderia ficar de fora. Como alguém tão inocente poderia possuir esse tipo de controle com pouco esforço? "Por que você demorou tanto tempo?" Questionou Lake com desconfiança em seu tom. Ela olhou para Sheldon antes de virar os olhos apertados para mim. Sheldon escolheu permanecer em silêncio por isso eu falei. "Estávamos confusos sobre a direção em que estávamos indo, mas nós encontramos o caminho certo." Isso tinha um significado oculto que só Sheldon pareceu pegar a julgar pelo olhar que ela me enviou. "Mamãe!" Kennedy correu a toda velocidade através do lobby do resort, enquanto o resto a seguia. Pela primeira vez desde que tirei Sheldon do porta-malas, um sorriso agraciou seus lábios enquanto ela abaixou-se apenas a tempo de pegar Kennedy. "Nós vamos para a praia agora?" "Mamãe só precisa colocar um traje de banho, e então podemos ir, ok?" Kennedy tem um olhar descontente em seu rosto e, em seguida, olhou para baixo em seu pulso vazio como se verificasse a hora. Sua pequena cabeça apareceu e um flash de travessura apareceu pouco antes de ela dizer: "Mamãe veio nua igual como no chuveiro!"


Agora há uma idéia. Eu não conseguia parar o riso que borbulhou de mim derramandose até que encheu o lobby. Todos, incluindo Sheldon, riram enquanto Kennedy olhou em confusão antes de entrar. Uma vez que eu estava de volta no controle, eu fui para baixo ao lado de Sheldon. "Eu acho que é uma ótima ideia, Kennedy, mas sua mãe não pode ser ir para praia se ela não está vestida adequadamente. O que você diz da sua tia e tios levá-la, e nós iremos encontrá-la quando depois?" "Tio Keke pode vir, também?" "Quem?" Eu olhei para Sheldon para obter ajuda. "Keiran. Ela não pode dizer o nome dele também, então Lake consegui que ela o chamasse assim. Acho que ele ainda a está fazendo pagar por isso." "Claro que ele pode. Na verdade, ele vai segurar sua mão todo o caminho até lá. Parece bom?" Ela assentiu com entusiasmo, mas de alguma forma, eu sabia que ela não estava satisfeita quando ela não se despiu imediatamente. Keiran saiu e a pegou, mas antes que ele pudesse ir embora, ela perguntou: "Você vai vir, também?" O olhar preocupado em seu rosto, como se estivesse com medo de perder-me me deu uma pausa. Naquele momento, eu queria prometer-lhe o mundo inteiro com nada de ruim. "Eu não perderia isso", eu prometi. Uma vez que todos saíram do lobby, eu coloquei minha mão nas costas de Sheldon e a levei para a recepção. "Eu tenho uma reserva para três." Depois de dar ao funcionário minhas informações, ele me entregou um conjunto de chaves. Eu apertei a mão ao redor do braço de Sheldon e a conduzi em direção aos elevadores. "Por favor, diga-me que as chaves são para dois quartos." "Por que você acha isso?" "Porque Kennedy e eu precisamos de nosso próprio quarto." "Vocês duas vão ficar comigo." As portas do elevador se abriram, e, felizmente, ninguém estava por perto para entrar com a gente. Eu podia sentir meu temperamento aumentando.


"Eu não vou colocando minha filha para dormir em um quarto com um desconhecido." Eu tinha perdido a luta. Minha mão estava em torno de sua garganta, e eu a forcei para trás até que ela estava presa no canto. Eu só podia esperar que não houvessem câmeras. "Eu não sou um estranho para ela. Eu sou o pai dela. Um fato que será dito à ela hoje à noite." A pressão que eu apliquei a impedia de responder, o que era o caminho mais seguro. Somente quando as portas se abriram eu a soltei. Eu lutava internamente comigo. O velho eu podia ter vivido uma mentira forjada, mas eu nunca teria tocado nela dessa maneira, e mesmo agora, eu me sentia mal comigo mesmo. Mais uma vez, eu coloquei minha mão na parte inferior das suas costas com uma facilidade que desmentia a força bruta de alguns momentos atrás. "A única maneira de sobreviver é ferir aqueles que estão contra você antes que eles possam prejudicá-lo, e se eles tiverem sucesso, você agradeça a dor e os faça pagar." Naquela época, o conselho de Keiran tinha apenas me dado medo, mas agora ele me deu um propósito. Eu endureci a minha decisão por mim mesmo, lembrando que este não era um conto de fadas. Este era apenas o começo de sua prisão para mim. ***** Sheldon não tinha respirado uma palavra e ainda parecia um pouco estranha desde o incidente no elevador, mas eu estava determinado a não me sentir culpado. Quando nós chegamos à praia, Keiran e Lake estavam longe de serem encontrados. Dash estava protegido do sol lendo um livro enquanto todas as garotas na praia o assistiam com fascínio sensual. Olhei ao redor de Kennedy e encontrei-a espirrando água com Q e Jesse. Q estava tentando ensiná-la a surfar em águas rasas, enquanto Jesse os


observava. Diversão derramou através de meus sentidos apagando toda a tensão das últimas horas. "As crianças de três anos não podem surfar, cara." Jesse brincou. "Esta não é apenas uma criança de três anos de idade. Não é verdade, criança?" Uma faísca de ciúmes passou por mim ao perceber que todos pareciam ter um relacionamento com Kennedy, exceto eu. "Mamãe ... Keenan, olha!" Kennedy lutou para ficar com as mãos de Q segurando-a, mas quando ela finalmente conseguiu, o sorriso mais brilhante apareceu. Sheldon não perdeu tempo em correr para água, criando um respingo enquanto eu observava seu biquíni exuberante de duas peças. A maternidade tinha feito bem ao seu corpo também. Por algumas horas de divertimento na praia e a felicidade da minha filha, eu deixei o passado e meus planos para o futuro. Eu ensinei Kennedy as noções básicas de natação e usei isso como uma oportunidade de me relacionar. Fiquei espantado com a sua paixão pela água em uma idade tão jovem. Keiran e Lake se materializaram depois que nós tínhamos nos esgotado na água. O rubor culpado que aquecia seus rostos e seus sorrisos presunçosos forneceram uma descrição detalhada do que eles tinham feito nas últimas horas. "Legal vocês dois se juntarem a nós, finalmente, mas eu estou com fome," Dash anunciou. "Por que você não pega uma das mulheres que não podem parar de olhar para sua virilha para que você obtenha um pouco de comida?" "Porque então elas esperariam que eu o colocasse para fora, e minha mãe me ensinou que o que está dentro do meu pote de biscoitos é precioso." "Isso foi eu, idiota." Sheldon revirou os olhos enquanto ela colocou a toalha em Kennedy. "Desde que Keenan abandonou-nos para viver aqui, por que ele não escolhe um lugar?"


Enviei a Dash um olhar para ele ir se foder e arrumei a bolsa que Sheldon tinha embalado para Kennedy. "Eu não moro por aqui, então eu não sei." Virei-me para Sheldon apenas a tempo de ver o jogo de emoções em seu rosto antes que ela cobriu-se com uma expressão vazia. Poderia ter sido a lembrança de que eu as deixei ou de que eu tinha criado outra vida? Quando começamos a nossa caminhada de volta até o resort, eu encolhi os ombros. O que quer que nós tenhamos sido antes de agora já não importava. De volta ao resort, todos concordaram em se reunir em uma hora para o jantar antes de ir para nossos caminhos separados. "Vocês três estão no mesmo quarto?" Lake perguntou depois do resto ter saído. Sua expressão era de desaprovação. "Sim, nós estamos." "Mas vocês não disseram a Kennedy," ela continuou ao olhar entre nós dois. "Isso não vai confundi-la?" "Acredite em mim, eu tentei dizer isso a ele," Sheldon reclamou. Kennedy já estava meio dormindo no meu ombro e não era susceptível de notar alguma coisa, mas eu vi o ponto de Lake, embora a última coisa que eu quisesse era concordar com ela. Eu lutava para ganhar vantagem e olhei para Keiran por ajuda, me comunicando silenciosamente com ele. "Nós levaremos Kennedy uma vez que ela já está cansada." Ele levantou-a dos meus braços e pegou o cotovelo de Lake, conduzindo-a para o corredor. Sheldon os assistiu a curta distância até o seu quarto antes de atolar o cartão-chave na fechadura com raiva. Após cerca de três tentativas sem sucesso, eu a coloquei de lado e abri a porta. "Eu vou tomar banho primeiro para que eu possa ter Kennedy pronta", foi tudo o que disse antes de desaparecer no banheiro e bater a porta. As paredes vibraram com a força de sua raiva fazendo com que o trabalho artístico de ouro emoldurado chacoalhasse nas paredes. Eu esperei até que ouvi o chuveiro correr antes de arrancar meus calções de banho e seguir atrás dela. Tinha sido uma tortura ficar


observando-a enquanto ela brincava no sol e na água e não ser capaz de tocá-la. Achei que, uma vez que ela era minha, eu podia entrar também. Quando eu pisei dentro do banheiro, o vapor já estava começando a se formar, mas eu ainda podia ver a silhueta dela no chuveiro grande feito para dois. Eu levei um momento para admirar seu quadro nu através da porta de vidro antes de abrir. Ela pulou e deixou escapar um suspiro baixo e seus olhos cor de âmbar escuro se tornaram raivosos. "Saia." "Não." Era tudo que eu poderia reunir antes que eu me desse conta de que todo o sangue nas minhas veias foi direto para o meu pau. Eu selei quaisquer novos protestos empurrando a minha língua tanto quanto eu podia para baixo em sua garganta, e surpreendentemente, ela me aceitou. Logo fiquei sabendo, contudo, que o prazer de sua rendição não viria sem um pouco de dor. Ela passou as unhas no meu peito. Eu vacilei no mesmo momento em que meu pau subiu para a vida, tornando-se mais duro do que antes. Quando eu finalmente deixei meus lábios derivarem até seu pescoço, ela sussurrou: "Eu não consigo negar-lhe, o mais aterrorizante é que eu não quero, mas apesar de tudo, isso é a única coisa que vamos ter agora. Eu espero que seja o suficiente para você." "Shelly, eu nunca vou ter o suficiente." Eu levantei minha cabeça para encontrar seus olhos. "Então eu acho que eu vou ter que foder você." Eu levantei a sua perna e a enganchei ao redor do meu quadril para que eu pudesse entrar lentamente. Eu não consegui parar até que eu estava totalmente dentro dela, e eu amei o flash de dor em seus olhos pouco antes dela se render ao prazer. "Keenan, você preenche-me tanto," ela apenas gemeu antes de seus olhos se fecharem. "E você ainda me possui, baby. Foda-se." Meus quadris bateram nela até que se tornou frenético. Seus suspiros e gemidos eram tão guturais que eu podia senti-los viajar até a minha própria espinha até que finalmente saiu pela minha garganta como um grunhido.


"Nunca foi assim", eu rosnei contra seu pescoço antes de lhe morder. Eu queria machucá-la mais do que eu queria respirar, então eu mordi mais forte até que ela gritou por misericórdia. Era muito ruim que eu não tinha nada para dar a ela. O sangue correu pelo meu corpo aumentando a minha necessidade. Eu encontrei-me puxando-a mais para cima na minha cintura, mas quando isso não foi suficiente, eu a ancorei contra o chuveiro para ter meu pau torturando o seu caminho com ela. Sua boceta me sugou ainda mais profundo, mesmo quando seus pequenos gemidos me imploraram para abrandar. "Keenan!" Seu grito fez meu pau se contorcer em seu interior. Porra, eu amava o meu nome em seus lábios, e eu daria qualquer coisa para mantê-lo lá. "Não me peça para parar, baby. Eu não posso." Eu apertei meus braços em torno dela e dei-lhe o atrito que ela precisava para impulsionála sobre a borda e em linha reta em uma felicidade orgástica. Assim que ela começou a descer, eu empurrei mais profundo dentro do corpo dela para a minha libertação. "Você não pode gozar dentro de mim ... de novo", ela ofegava. Eu a soltei. "Você não está no controle de natalidade?" "Não, eu não estou." Eu levei um tempo para pegar sabão e espuma antes de responder. "Vamos agendar uma consulta quando voltarmos." "Isso é tudo que você tem a dizer?" Ela retrucou e arrebatou o sabonete da minha mão. "E se eu ficar grávida de novo?" "Então eu vou estar aqui para você." Mesmo para os meus próprios ouvidos, soou mais como uma ameaça do que como um gesto de apoio. "Isso não vai acontecer. Você arruinou a minha vida uma vez. Eu não vou deixar você fazer isso de novo." "Você está dizendo que minha filha arruinou sua vida?"


"Sim ... não. Eu estou dizendo que você arruinou a minha vida. Kennedy é a melhor coisa que já me aconteceu. Eu só queria que você não fosse uma parte disso." A ferocidade com que sua declaração me bateu causou uma explosão no meu autocontrole. Eu abri a porta do chuveiro e a arrastei para fora atrás de mim - sabão na pele e tudo. Ela não tentou fugir, e assim eu fui capaz de senta-la facilmente na bancada de mármore. "Abra suas pernas." Eu não sei se foi o tom da minha voz, a carranca no meu rosto, ou a possibilidade de outro orgasmo alucinante, mas ela abriu as pernas sem nenhum argumento, e eu rapidamente dei-lhe cada polegada de mim dentro de sua vagina ao engolir os gritos dela. "Eu vou fazer você se arrepender disso." ***** Uma hora tinha passado a muito tempo atrás. Eu percebi quando eu chequei meu telefone e vi uma mensagem de Keiran afirmando que eles levaram Kennedy para comer junto com um endereço para o restaurante. "Acabamos as lutas por hoje?" Ela perguntou. Sua voz estava rouca e fraca do sexo duro e sono. Eu não percebi quando ela começou a traçar o meu peito com os dedos. Ao longo de quatro anos, eu colecionava tatuagens no meu peito como uma maneira de esquecer a noite em que toda a minha vida se revelou uma mentira, e eu comecei a viver no pesadelo em vez disso. Cada tatuagem, todas elas sem sentido, à exceção de uma, cobriam os seis ferimentos de bala que eu carregava a partir daquela noite. Eu sempre ouvi como eu tinha sorte de estar vivo, embora eu me sentia longe de ter sorte. "As cicatrizes se foram", eu disse mais duro do que eu queria dizer, mas eu soava sempre em estado de frustração quando isso voltava. "Não. Estão aqui ... " Ela beijou o local perto de meus pulmões antes de avançar e fazer o seu caminho até meu peito. "E aqui ..." Ela apertou outro beijo sobre o local onde o meu coração estava. Eu senti


uma gota de umidade e olhei para baixo para ver outra lágrima. "Elas nunca irão embora. Tatuagens não vão resolver a dor. Estão muito mais profundas do que a sua pele." Ela olhou para cima e encontrou meu olhar, mais uma vez, mas desta vez ela o segurou. "Por que você continua me olhando desse jeito?" "Como assim?" "Como se você estivesse procurando por algo." "Porque eu estou." "E o que você está procurando?" "Ele." "Ele?" "O menino por quem eu me apaixonei." "Por que você faria isso?" "Porque eu queria dizer a ele há um longo tempo que eu ainda o amo." Meus ouvidos doeram com a força do meu coração batendo no meu peito. Eu procurei por sinceridade ou ainda por um sinal de que podia ser uma mentira. Ela ainda me amava? Não, não a mim. Ele. "O quê?" "Eu quero que ele volte. Se não for para mim, então que seja para Kennedy." "Ele era arrogante, mimado, e infiel, lembra?" Sua opinião sobre mim permaneceria para sempre na minha memória. Eu não tinha o direito de me sentir magoado sobre isso. Eu tinha mais do que merecia. "Sim, mas ele também seguia sua consciência e amava com seu coração em sua manga. Ele teria dado sua vida por mim ao invés de me ameaçar. Ele fugiu porque no fundo ele não poderia me deixar ir de outra maneira, então ele fez o que pôde para me libertar."


Ela arrastou o dedo em um ponto específico no meu peito logo abaixo do meu coração. Presas entre as vinhas quebradas estavam as palavras - Um amor quebrado ainda pode durar para sempre, desde que você transporte as peças perto de seu coração. "Eu o perdoei anos atrás, e eu carregava as peças também, esperando que ele voltasse, mas ele nunca voltou. Eu tive que aprender a viver sem ele." Ela olhou para mim com tanta esperança e amor que eu não tinha escolha a não ser deixá-la ali e sair da cama. Na verdade, eu estava sem palavras. Eu rapidamente peguei as minhas roupas para me vestir e me dirigi para o banheiro. A porta se fechou, mas não a tempo para que eu esquecesse o som do seu choro. ***** Quando chegamos, o restaurante estava cheio de moradores e turistas. O bar já estava lotado e cada mesa parecia estava preenchida. Eu rapidamente avistei o nosso grupo sentado em uma mesa na parte de trás e levei Sheldon pela mão, para seu desgosto. "Gentileza de vocês se juntarem a nós," Dash cumprimentou sarcasticamente. "Você realmente precisa encontrar uma garota para que você possa parar de agir como um pedaço de pau", Keiran comentou. "Keiran!" Shelly o repreendeu quando ela tomou seu lugar ao lado direito da Kennedy. Peguei o assento à esquerda de Kennedy e estendi a mão para o copo de água à minha espera. "Eu não estou bloqueando o pau de ninguém. Eu estou com fome." "Tio Keke, o que é isso?" "Merda." "Oooh, mamãe. O tio disse uma palavra ruim." "Parabéns, babaca. Você corrompeu oficialmente nossa sobrinha." "O que é um babaca?"


"Vocês dois são idiotas." Q riu. "Idiotas!" Kennedy repetiu e depois riu escandalosamente. "Que porra, todo mundo, calem a boca antes de todos corromperem a minha filha." Todos na mesa ficaram em silêncio com a minha explosão, incluindo Kennedy. O suspiro de Sheldon foi audível, mas eu só tinha olhos para Kennedy e ela para mim, embora os dela estivessem arredondados com admiração. Eu me perguntei se ela podia entender o que tinha acontecido. Eu mordi meu lábio inferior me perguntando o que eu deveria fazer em seguida. "O que é porra?" Todo mundo começou a rir. "Kennedy, isso é uma palavra ruim que as meninas e nem pessoas adultas deveriam dizer. Principalmente na presença de uma menina doce como você. Sinto muito." Ela assentiu com a cabeça e voltou sua atenção de volta para comer seu frango como se nada tivesse acontecido. Quando ela engoliu um frango, eu notei que ela tinha ketchup e mostarda misturados, assim como eu gostava. "Nós pedimos para ela para que ela não tivesse de esperar para que você terminasse as coisas", Dash reclamou mais uma vez. "Você está sofrendo gravemente de bolas azuis, meu caro." Pedimos, e a conversa fluía facilmente o resto do jantar. Eu aprendi um monte de coisa que tinha perdido na minha ausência. Sheldon estava para se formar em Medicina no próximo sábado. Ela queria estudar mais para ser uma pediatra. Isso era novidade para mim, uma vez que ela sempre quis ser uma modelo. Eu tinha a sensação de que Kennedy tinha algo a ver com isso. Keiran estudava para uma licenciatura em Ciência da computação. Isso deu-me a pausa mais longa. Ele havia recebido uma bolsa de estudos para jogar basquete no Arizona então eu sabia que a obtenção de um grau era uma parte desse negócio, mas eu não esperava que ele escolhesse algo que não envolvesse esportes.


Lake estava estudando por um diploma em Pedagogia. Seu plano era para se tornar uma professora de escola primária especializada em dificuldades de aprendizagem. Dash estudava negócios e jogava bola no Arizona para o desgosto de seu pai, que preferia que seu herdeiro e filho único não participasse de uma liga, já que ele estava começando a assumir as operações de negócios de seu pai. Quentin tinha se juntado ao exército logo depois da escola quando ele decidiu que a vida universitária não era para ele e que um pouco de estrutura e violência nunca fizeram mal a ninguém. Jesse, surpreendentemente não seguiu a carreira militar, embora ele tenha sido criado em uma família militar. Todo mundo esperava que ele simplesmente seguisse os passos de seu pai, mas em vez disso, ele escolheu trabalhar com eles em vez disso. Parecia que todos tinham tomado grandes passos e se movido para frente enquanto eu ainda me sentia como se eu estivesse parado. "Então, onde está Willow? Ninguém vai trazê-la de volta?" "Nesse ponto, eu acho que eu tenho que usar o banheiro", Jesse tossiu. "Willow é hum ... bem, ela ..." "Ela foi para Nebraska e não temos visto ou ouvido falar dela desde então." Eu fiz um ponto para olhar para Dash, que se sentou encarando a mesa. "Então ela literalmente foi embora, não é? Eu acho que o charme e o dinheiro não funcionam em todos." "Qual é o seu problema?" Dash disse finalmente olhando para cima. "Você. Você é estupido." "E o que isso faz de você?" "Arrogante, mimado, e infiel. Será que eu entendi direito, Shelly?" "Sim, mas eu acredito que eu esqueci um. Você também é um covarde." Ela afastou-se da mesa e se levantou de sua cadeira. "Lake, você


pode cuidar de Kennedy?" Ela não esperou por uma resposta antes de se afastar. Eu segui seus movimentos até que ela desapareceu dentro do banheiro. "Se você quer ela de volta, você está indo pelo caminho errado", Keiran afirmou. "Você deve ser um especialista?" Em vez de responder, ele virou-se para Lake. "Baby, você me ama?" "Sim. Você me ama?" "Para sempre", ele sussurrou baixinho. Seu olhar se virou duro para mim. "Viu. É simples assim. " "É?" "É. Você apenas tem que ser inteligente o suficiente para perceber isso antes que seja tarde demais." "Que tal levarmos Kennedy com a gente e colocá-la na cama, assim você e Sheldon podem ter algum tempo sozinhos?" Lake ofereceu. Eu não ia discutir com essa possibilidade. "Kennedy?" "Sim, Keenan?" Eu tive que engolir o impulso de lhe dizer que eu era o pai dela, pela enésima vez antes de falar. "Sua tia e seus tios vão levá-la de volta para que você possa dormir um pouco. Sua mãe e eu estaremos bem atrás de vocês." "Vamos lá, pequena delinquente juvenil. Vamos ver em quantos problemas podemos entrar antes de dormir." Keiran pegou-a e jogou-a por cima do ombro, para seu deleite. Seus gritos de emoção ecoaram no restaurante enquanto ele conduziu o resto para fora. Levei um momento para perceber que todos eles me deixaram para pagar a conta. Quando eu estava pescando para fora meu cartão de crédito, Sheldon emergiu do banheiro. Mesmo a partir daqui, eu podia ver o quão vermelhos e inchados seus olhos estavam. "Shelly?" Meus ouvidos começaram a doer a partir do som de algum imbecil chamando minha garota pelo apelido que eu dei-lhe quando estávamos


apaixonados. Sheldon estava em seu caminho de volta do banheiro, e eu cronometrei cada passo dela quando um cara loiro, com aparência de garoto de fraternidade se aproximou dela. Quando seus dedos deslizaram em torno de sua cintura e puxaram-na para um beijo, eu estava fora do meu assento e indo rápido. Ela estava de costas para mim, por isso ela não me viu aproximar-me deles. "Eric? O que você está fazendo aqui?" "Vou jantar com meus pais. Eu disse que sou dessa área. Você está bem? Estou ligando e procurando por você em todos os lugares." "Estou bem. Acabei passando por um momento muito difícil com o estresse das provas finais e a admissão às escolas médicas." "Você ainda vai para a formatura, certo?" "Eu não tenho certeza, e eu vou dizer-lhe tudo sobre isso mais tarde, mas eu tenho que voltar." "Não há nenhuma necessidade de apressar-se, Shelly. Todos foram embora. Então, quem é seu amigo?" Sua pele empalideceu visivelmente ao ouvir o som da minha voz invadindo seu momento íntimo. Eu coloquei meu rosto em uma expressão complacente, mas a julgar pela forma como ela estava tremendo, ela já sabia que era uma encenação. Eu avisei-a do que aconteceria se eu descobrisse que ela tinha mentido. Eu sabia que ela estava mentindo para mim. Ela tinha esquecido o quão bem eu a conhecia. Eu também sabia que um dia eu iria ficar cara a cara com o cara que ela pensou que ela poderia usar para se esquecer de mim. "Eu sou o namorado dela. Você é um amigo da família?" "Não, eu sou o pai da filha dela, e o homem que ela vai foder pelo resto de sua vida ... por mais longa que seja." Fiz questão de fazer contato visual com ela quando eu disse a última parte. "Portanto, agora que todos nós esclarecemos os nossos papéis em sua vida, eu vou ter de lhe pedir para remover seus dedos do corpo dela antes que eu quebre cada um deles." "Shelly, quem é esse cara?"


Eu bati nele e não foi ainda muito por isso. Gritos cortaram o ar depois que eu bati o garoto de fraternidade em sua bunda e fiz um rápido trabalho de contusão em seu rosto. "Keenan, por favor!" Sheldon gritou, mas eu não atendi. Visões dos dois juntos me agrediram e cada golpe em seu rosto e corpo era a minha maneira de batê-las fora. "Você está matando-o. Por favor, pare." Ela puxou sobre os meus ombros, e com cada tentativa desesperada de me parar, sua força cresceu até que eu não podia mais ignorar a cena que eu tinha criado. A névoa negra levantou lentamente, e quando eu me levantei, peguei a mão dela e caminhei com ela de volta à nossa mesa como se nada tivesse acontecido. Troquei o cartão por dinheiro para pagar a conta e levei-a para fora do restaurante, ignorando descaradamente a confusão sangrenta em que foi deixado o tal namorado. O homem que eu poderia matar até o final da noite.


Um rio de suor tinha se formado sobre cada polegada do meu corpo. Tínhamos viajado durante quase uma hora agora, e eu não tinha ideia de para onde estávamos indo. Ele nunca disse uma palavra a não ser para me pedir para entrar no carro de Keiran depois de quase bater em Eric até a morte. Keiran tinha me avisado o que iria acontecer quando ele descobrisse, mas eu não tinha acreditado nele, assim como eu nunca realmente acreditava que Keenan iria voltar. Eu estava procurando por uma maneira de contar a ele sobre Eric apesar de não estarmos juntos. Eu sabia que ele ficaria chateado, mas o nível de brutalidade que isso desencadeou no restaurante foi muito além de tudo o que eu achava que sabia sobre ele. Depois de outra hora, eu não podia suportar o silêncio e o medo do desconhecido, por isso eu me enrolei contra a porta o quanto pude e deixar o sono me levar. A batida áspera de uma porta de carro sacudiu-me e acordando-me algum tempo depois. "Onde estamos?" Perguntei, assim que a porta foi aberta. "Você está em casa. Agora entre." Casa? Ele disse casa? As luzes da cidade que filtravam através das janelas da garagem estavam muito longe das noites escuras e pacíficas de Six Forks. O olhar sinistro em seus olhos fez o meu coração acelerar. Não havia nenhum lugar para onde correr, então eu me sentei no assento. Eu poderia dizer pelo conjunto duro em sua mandíbula que ele tomou minha decisão como desafio ao invés de medo. Quando ele se inclinou para


baixo, o cheiro doce de sua pele e colônia invadiram os meus sentidos, fazendo-me temporariamente esquecer que eu estava com ele contra a minha vontade. O clique do desbloqueio do cinto de segurança limpou minha névoa de luxúria. "Você já tentou a minha paciência. Pela última vez, Sheldon. Vá para a porra do edifício ou você vai passar o resto da noite lamentando ter me desobedecido." Peguei sua ameaça como verdadeira e saí do carro. A viagem de elevador até o topo do edifício parecia mais longa do que deveria. Talvez porque parecesse que eu estava no caminho para minha desgraça iminente? Talvez fosse porque eu prendi a respiração? As portas do elevador finalmente se abriram para um apartamento grande e espaçoso. Estéril, aparência na moda com linhas duras e superfícies brilhantes que não dão a sensação de casa. Keenan teve que colocar a mão na parte inferior das minhas costas e me forçar para dentro do apartamento. Olhei ao redor a procura de um lugar para me esconder em caso de necessidade, mas rapidamente percebi que seria inútil, uma vez que era o seu território. Independentemente do tamanho do apartamento, não haveria muitos lugares para me esconder, e ele provavelmente saberia onde procurar. Eu me virei para encará-lo, finalmente, aparentemente aceitando o meu destino. Eu só rezava para que talvez ele tivesse se acalmado durante a viagem. "Você quis transar com ele?" Sua voz era calma, dando a aparência de uma pergunta casual, mas tempestade mortal em seus olhos era tudo, menos calma. Eu dei um passo lento para trás esperando que ele não notasse minha tentativa desesperada de recuar. Seu olhar deslizou para baixo e lentamente para cima, deixando-me saber que ele tinha notado. "Para onde você vai, Shelly?" "Keenan, você está me assustando." "Eu estou?" Eu podia apenas acenar devido ao tremor de meus lábios aumentando além do controle.


"Sheldon ... Eu lhe fiz uma pergunta. Uma que você ainda tem que responder. Por favor, não me faça forçar a resposta de você." Eu mal notei a maneira hábil com que ele me perseguia. Ele se moveu tão silenciosamente, e antes que eu percebesse, eu estava apoiada nas portas da varanda sem ter para onde correr. Ser encurralada surpreendentemente me deu o efeito oposto do que eu imaginava. Em vez de me encolher de medo, minha própria raiva bateu nas minhas veias. "Você não tem o direito de estar chateado. Então, o que importa se eu transei com ele? Eu pertenço a ele, Keenan. Eu não pertenço a você. Eu não tive você por quatro anos ... talvez eu nunca tenha tido." Engasguei com as minhas últimas palavras quando suas mãos se fecharam em torno de minha garganta. Meus pés lutaram buscando o chão quando ele levantou-me no alto. Nós estávamos nos movendo, mas eu não conseguia ver para onde. Não foi até que meu tornozelo bateu contra a grade que eu percebi que estava pendurada sobre a borda da varanda, apenas com a sua força e misericórdia para me impedir de cair vinte andares. "Responda-me," ele exigiu. "Ou eu vou fazer a nossa filha uma criança órfã de mãe." Friamente, ele fez um show de lançar um lado do meu pescoço. Eu estava sendo segurada apenas por um braço. Eu disse a mim mesma para não lutar, mas eu não podia evitar, apenas fazer exatamente isso. Minha visão ficou turva. Meu rosto aqueceu, enquanto o resto de mim tinha ficado frio, e, de repente, eu não podia mais lutar. Eu fiz um esforço para dar uma última olhada, na esperança de encontrar o menino pelo qual eu me apaixonei uma vida atrás. Eu congelei. Quando meus olhos finalmente trancaram com os seus, não foi raiva que eu encontrei em suas profundezas expressivas. Lágrimas escorriam pelo seu rosto, e tudo que eu podia ver era dor, pânico, e o amor perdido antes de tudo isso desaparecer. *****


SETE ANOS ATRÁS "Você está com frio?" "Um pouco." Keenan deu de ombros e tirou o capuz que muitas vezes eu o vi usar e envolveu-o em volta dos meus ombros. "Como está isso?" "Melhor." Para ser honesta, eu ainda estava um pouco frio, mas eu apreciei o esforço. Nós estávamos tendo um piquenique proibido tarde da noite, no parque. Eu queria estar no meu melhor no nosso primeiro encontro por isso eu escolhi o vestido mais fino e mais curto que eu poderia encontrar no meu guarda-roupa. Eu tinha acabado de completar quinze anos, então eu não tinha muitos, já que minha mãe não consideraria isso apropriado para uma menina da minha idade. "Mentirosa." Ele sorriu assim que seus braços vieram ao meu redor. Eu não esperava que ele me colocasse em seu colo e se envolvesse mais apertado em volta de mim. Meu corpo aqueceu instantaneamente a partir do sentimento do seu. Era em parte pelos meus nervos e pelo calor do seu corpo. "Que tal isso?" Ele sussurrou contra o meu pescoço. "Eu definitivamente me sinto quente agora." "Bom. Eu não quero que minha garota fique doente." " Sua... sua garota?" Eu gaguejei. "Eu disse que eu ia fazê-la minha." Keenan não tinha perdido qualquer momento me convidando para sair. Tinha sido apenas dois dias desde que ele falou comigo no corredor. Ele disse que tinha alguns aros para saltar antes, ele também tinha conhecido meu irmão. Ontem eles tinham brigado. Dash não concordava em me deixar sair com o Keenan e, aparentemente, o confronto aumentou. O que eu não entendi era como eles poderiam ainda ser amigos.


Keenan atualmente ostentava um olho roxo e várias contusões que desapareciam dentro de sua camisa. Dash não tinha saído melhor da luta. No final, Keenan tomou a decisão de que ele iria me levar para sair em um encontro, e Dash não poderia detê-lo. "Eu não vou estar aqui por muito tempo se eu não voltar para casa em breve. Meus pais vão me matar se descobrirem que eu escapei." Nós tínhamos ido realmente ao nosso encontro antes, no cinema, mas poucas horas depois de voltar para casa, eu tinha ouvido o primeiro toque na minha janela. Quando perguntei o que ele estava fazendo na minha janela tão tarde, ele tinha encantadoramente declarado que não podia esperar para me ver novamente. Eu tinha derretido ali contra o parapeito da janela e não me importava com quem pudesse ver. "Se a minha rainha deseja ... mas as primeiras coisas primeiro ..." "O que é isso?" Eu podia literalmente sentir meu coração disparar de excitação ao ver o olhar em seus olhos. Era um olhar que eu estava rapidamente me tornando acostumada a ver. Às vezes, ele apenas olhava para mim como se não quisesse me deixar ir para que ele me mantivesse em cativeiro com os olhos. "Você já beijou alguém?" Devo mentir ou dizer a verdade? Será que ele pensaria que eu sou uma perdedora se eu lhe disser a verdade? Será que ele pensaria que eu sou uma puta, se eu não fizesse?" "Se você está pensando em mentir para mim, eu adoraria se você não fizesse. Seja qual for a sua resposta, eu ainda vou querer você." Pela segunda vez esta noite, eu derreti. Percebi que com Keenan, isso seria um estado constante. "Não, eu não nunca beijei ninguém." O amplo sorriso de menino que enfeitou seus lábios me colocou à vontade. Sua mão deslizou corajosamente a minha frente. Meu vestido molhou ligeiramente. Todo o tempo, eu previa o momento em que ele iria tocar minhas costelas ... Sua mão parou lá para me puxar para mais perto antes de pular sobre os meus seios completamente e agarrando meu pescoço.


"Posso ser o seu primeiro?" Eu mal terminei de concordar antes que seus lábios roçaram os meus na carícia mais suave. Era um sentimento que eu nunca iria esquecer e eu espero nunca perder. ***** PRESENTE Eles dizem que o beijo do verdadeiro amor é o sinal mais poderoso de amor no mundo. É o momento quando você encontra a pessoa a quem você está destinado a confiar o resto de sua vida. Nada jamais foi dito sobre a vida que termina em uma varanda por causa do amor verdadeiro. Mesmo que eu tinha vivido, o verdadeiro amor morreu. "Você tentou me matar", eu estremeci. Eu estava em sua cama. Ele se sentou na beirada, me observando. "Você mentiu para mim, mesmo quando a mentira dizia respeito à nossa filha. Eu deveria tê-la matado." "Eric não sabe sobre Ken. Ele nunca sequer a conheceu." "Muito nobre de sua parte, mas isso não muda as coisas. Mesmo que eu não tenha podido matá-la, eu prometi que você se arrependeria por ter mentido para mim. Foi uma promessa que eu estava preparado para cumprir, porque eu conheço você, Shelly. Isso significa que eu sei quando você está mentindo." "O que você vai fazer?" "O que eu deveria ter feito quatro anos atrás, quando você me disse não. Você vai ser a minha prisioneira. Dê uma olhada ao redor, meu amor. Esta é a sua gaiola." Ele magicamente produziu um conjunto de algemas. "Você vai me fazer usá-las? Você poderia considerar-lhes o seu anel de casamento." "Keenan, o que... " "Peça." "O quê?"


"Se você quer ser livre, a única coisa que eu gostaria de ouvir de seus lábios é o som de você se humilhando. Eu não estou interessado em qualquer outra coisa." "Por favor..." "Isso é mais parecido com o que eu quero." Ele respondeu presunçosamente. "Eu não tinha terminado." Eu estava presa, mas eu não poderia me importar com as consequências. "Eu quis dizer por favor, me poupe do seu ataque de ciúmes. Você não parece ser muito inteligente. Eles vão procurar para mim." "Você não tem prestado atenção, não é?" "Em que eu deveria estar prestando atenção?" "Eles estão esperando que nós tenhamos uma chance de nos apaixonar de novo e acham que precisamos de algum tempo sozinhos." Ele se levantou da cama, embolsou as algemas, e caminhou para a porta. Sentei-me e corri atrás dele, mas ele conseguiu fechar e trancar a porta. Eu puxei e puxei e bati na porta, esperando que ele fosse abrir. Quando minha garganta tinha finalmente ficado rouca de tanto gritar, eu descansei contra a porta, fraca demais para me afastar. Eu tinha que sair.


"De jeito nenhum! Eu não vou ser uma babá. A cadela da sua namorada me odeia, lembra?" Na manhã seguinte, eu tinha chamado Di e vinha tentando convencê-la a ser minha guarda. "Não a chame de cadela. E você não vai precisar falar com ela. Eu só preciso de você para trazer sua comida três vezes por dia. O banheiro principal é acessível a ela. Eu só preciso sair por algumas horas, mas isso é apenas uma precaução." "Oh, Deus. Acabamos de gravitar de perseguição a sequestro." "Não cresça uma consciência em mim agora, e eu nunca persegui ninguém.” "Não? Do que você chama me mandar de volta para espionar uma cidade cheia de pessoas que você abandonou há quatro anos?" "Eu te pago, então por que isso importa?" "Eu não preciso do seu dinheiro, você tem sido bem ciente disso desde o momento em que quase fodemos." "Mas você tirou isso de mim de qualquer maneira. Olha, eu estou te pedindo isso como um favor. Você não vai se meter em nada." "Então o que você vai dizer ao seu irmão grande e mau quando ele descobrir que ela está desaparecida?" "Eu vou dizer-lhe a verdade." "Você acha que é uma boa ideia? Escreva isso. Claramente, você não está preocupado com a tomada de decisões inteligentes. E se ele tentar impedi-lo?" "Ele não vai. Ele sabe bem."


"Eu meio que tenho a impressão de que Keiran não tem muito medo de você." Eu não poderia dizer se ela quis dizer isso como um aviso ou um insulto. Conhecendo Di, acho que foi o último. "Ele não é invencível." "Uau." Di balançou a cabeça e, por um momento, ela parecia preocupada. "Você vai realmente fazer isso, não é?" "Fazer o que?" "Você vai tentar construir um muro contra todos os que se preocupam com você. Como amiga, eu tenho que ser honesta e dizer que você vai perder." "Obrigado por seu voto de confiança." "Apenas mandando a real." "Antes disso ficar mais real, eu preciso de outro favor." ***** Keith me encontrou na garagem do prédio, e eu lhe atirei as chaves para o carro de Keiran. Eu pulei no carro que tinha comprado um par de anos atrás, mas nunca tinha realmente utilizado. Uma hora mais tarde, estávamos nos dirigindo até o resort. Os banhistas já estavam lá mesmo sendo tão cedo. "Espere aqui", instrui Keith. Ele assentiu distraidamente enquanto inspecionava a praia provavelmente à procura de sua próxima groupie. O homem era um prostituto maior do que eu fui um dia. Eu tinha batido na porta de Keiran por dez minutos antes dele atender a porta parecendo muito acordado, vestido com calças de moletom soltas e pingando de suor. "Você me fez ficar esperando aqui por dez minutos para que pudesse terminar de foder?" "O que você quer?" Ele perguntou.


"A minha filha." A tensão entre nós era palpável quando estávamos sozinhos. Eu tinha a sensação de que Lake tinha algo a ver com isso. Para alguém impiedosamente atormentado, insultado e menosprezado, ele faria o que pudesse para mantê-la feliz. Se ela ao menos se ferisse por causa de um prego, ele estaria pronto para matar uma cidade inteira. "Ela está na praia com Q e Jesse." "Eles são suas babás? Onde Dash está?" "Ela conhece-os melhor do que a você. Dash teve que voltar. Seu pai exigiu sua presença para alguns negócios." "Eita, ele não o deixa respirar muito, não é? Ele vai pagar por não ter ido para Yale ou Harvard pelo o resto de sua vida." "Dash é um menino grande. Ele pode lidar com seu pai." "Sendo seu cachorrinho?" "Oi, Keenan," Lake interrompeu. Ela abaixou-se sob o braço de Keiran apenas com uma blusa dele cobrindo-a. Ele fez uma careta para ela e depois para mim quando ele me pegou propositalmente olhando suas pernas. "Onde está Sheldon?" "Ela está amarrada no momento." Eu quis dizer isso como uma piada secreta, mas a julgar pelos olhares severos em seus rostos e olhares desconfiados, não foi como eu esperava. "Ela está bem?" Ela perguntou lentamente. "Ela está bem. Você não confia em mim?" "Não", eles disseram ao mesmo tempo. "Oh, olhe para vocês dois. Vocês estão praticamente terminando as frases um do outro." Keiran puxou Lake para dentro por seu aborrecimento e rosnou: "Vá se foder, Keenan." "Eu pretendo, mas primeiro eu queria devolver as chaves do seu carro."


"Como você vai voltar?" "Eu tenho meu próprio carro, um fato que eu deixei muito claro quando você me sequestrou uma semana atrás." "Então, quem diabos está dirigindo meu carro?" "Um amigo." Keiran entrou plenamente no quarto e fechou a porta atrás dele. Eu poderia dizer pela veia na sua testa que ele estava chateado. "Você sabe que você apenas se trancou para fora, certo? Lake provavelmente não vai deixar você voltar desde que você não a deixou jogar." "Que amigo?" Ele perguntou, ignorando as minhas provocações. "Um simples amigo." "Di?" "Por que você acha que é Di?" "Você acha que eu sou estúpido? Como você acha que eu te encontrei?" "Isso é besteira." Minha mente estava correndo mesmo depois de negá-lo. Tinha Di me traído? "Ela não foi muito cuidadosa nas últimas duas vezes que ela veio para Six Forks. Em sua última viagem como sua espiã, eu a vi. Ela me deu seu endereço somente se eu prometesse não matá-lo." Isso explicava sua histeria quando desapareci. Ela não estava preocupada. Ela se sentia culpada. "O que é preciso para um pouco de lealdade?", eu murmurei. "Me diga você." Nós olhamos um para o outro por um longo momento, nenhum de nós disposto a dobrar. Foi a abertura do elevador e o som das conversas animadas de Kennedy que nos obrigou a terminar o duelo silencioso. "Keenan!" Ela libertou-se de Jesse e correu para mim tão rápido quanto suas pernas curtas iriam deixá-la. Eu me abaixei para aceitar ansiosamente seu abraço. "Bom Dia, princesa. Como você está?" "Bem. Obrigada. Onde está a mamãe?"


"Ela está esperando por você agora mesmo para ir e brincar. Você vem comigo para que eu possa levá-la para ela?" Ela assentiu com a cabeça e olhou para Keiran. "Tio, eu posso ir?" Atrás dela, eu olhei para ele e senti ciúmes. Meus punhos estavam cerrados por ver o olhar orgulhoso no rosto dele antes de responder. "Claro, garota. Certifique-se de dizer a sua mãe para me ligar." Ele me mandou um olhar de advertência, que eu escolhi ignorar. Depois de reunir nossas malas do quarto que nunca usamos, eu coloquei o resort em minhas lanternas traseiras. Meu plano funcionou sem tanto soluço e o único arrependimento que eu sentia era por ter que mentir para Kennedy. Eu não tinha intenção de deixá-la perto de sua mãe tão cedo. Só depois que eu a punisse completamente. ***** Eu deixei Di saber que fui bem-sucedido em pegar Kennedy, e depois de deixar Keith, nos encontramos em uma mini mansão do outro lado da cidade, longe do meu apartamento. Eu ainda estava surpreso com o quão fácil foi, apesar da ameaça sutil de Keiran. Eu sabia que ele acabaria por procurar Sheldon, então eu implementaria a segunda parte do meu plano. "E quem é essa querido?" Di balbuciou. "Oi," Kennedy cumprimentou timidamente. Ela então colocou os braços ao redor da minha perna e abaixou a cabeça. Eu estava acanhado pelo conhecimento de que ela confiava em mim para mantê-la segura. "Você vai ficar bem aqui?" "Por que não? Eu sou uma menina grande," Di respondeu levianamente. "Porque eu sei o que este lugar fez com você." Eu a convenci a me deixar usar a casa de seu pai, onde viveu por mais de sua vida e onde seu pai a tinha usado para seus vários parceiros de negócios. Foi também


onde nós tínhamos encontrado o cofre cheio de dinheiro que havia totalizado até cerca de oito milhões. Dividimos o dinheiro e nunca mais retornamos. "Posso confiar em você?" "Você tem uma escolha?" Ela brincou. O sorriso nos seus lábios morreu em minha expressão imóvel. "Eu vou estar de volta hoje à noite e quando eu vier, nós precisamos conversar." Por alguns instantes, ela olhou para mim com confusão e, em seguida, entendeu. "Ele lhe disse." Eu não respondi e não dei chance dela se explicar porque eu já estava de saída.


O som da abertura e do fechamento da porta me alertou para a presença de Keenan. Eu tinha desistido de tentar escapar e tinha a contragosto, me jogado na sua cama na qual fiquei até que ele voltasse. Eu estava de luto pela perda de Kennedy. Eu tinha apenas começado a curtir sua volta para ser tirado dela em troca. "Eu preciso voltar para ela," eu disse depois que o silêncio tinha esticado por muito tempo. "Ela está em boas mãos." "Ela vai estar melhor comigo." "Você vai tê-la de volta quando eu achar que você merece." "Como é que é?" Eu estava fora de sua cama e em seu rosto mais rápido do que eu pudesse respirar minha próxima respiração. "Eu sou sua mãe. Ela precisa de mim." "Um fato que você tinha esquecido quando você escolheu proteger o seu namorado sobre nossa filha." "Eric não tinha nada a ver com o seu rapto." Uma nuvem de ódio flutuava em torno de nós. Seus olhos mudaram de impassíveis a furiosos tão rapidamente, era como se alguém tivesse pressionado um botão. Suas mãos estavam no meu cabelo, me puxando para baixo até que eu me ajoelhei aos pés dele, mas eu me recusei a me encolher diante dele. Eu olhei para ele com ódio igual. Eu não vi a faca, mas eu a senti na minha garganta. "Se você disser a porra do nome dele na minha presença de novo, eu vou acabar com você."


"Então faça isso", o desafiei. "Eu nunca vou te dar o que você quer. Eu nunca vou ser sua." O silêncio era tudo que tínhamos entre nós enquanto eu esperava pela impressão da faca, mas ela nunca veio. "Talvez não aqui", ele sussurrou enquanto ele arrastou a faca da garganta para o meu peito, bem acima de onde meu coração batia. "Mas você vai ser em tudo o resto." Ele levantou-me em seus braços e me levou para fora do quarto. Olhei em volta, tanto quanto eu poderia. Antecipação nervosa foi construída até que eu estava tremendo. Ele me levou até a cozinha e me sentou com cuidado sobre a mesa. A frieza em seus olhos permaneceu, assim eu me afastei, mas sua mão na minha coxa me parou. "Não se mova." Minhas roupas foram derramadas sob suas mãos, e mesmo que eu quisesse lutar com ele, a advertência em seus olhos me fez hesitar. Quando eu estava completamente nua, ele acenou para a cadeira, e eu rapidamente sentei-me nela. Eu empurrei para a frente e usei a mesa para proteger o máximo do meu corpo que eu pude. Seu sorriso me disse que ele notou isso. Ele virou as costas e rapidamente começou a fazer um café da manhã. Eu o vi com o canto do meu olho, mas ele nunca se virou para me reconhecer. Quando ele terminou, ele colocou um prato em frente a mim com uma ordem para comer e, em seguida, virou-se para limpar os pratos. "Quem disse que eu estava com fome?" "Não importa se você está ou não. Você faz o que eu digo, e isso significa comer quando eu digo." "Ou o quê?" "Ou eu vou puni-la." "Isso não é punição?" "Você não está sofrendo ... ainda. Portanto, não tente minha paciência."


A borda perigosa em sua voz fez a ameaça parecer mais real, então eu silenciosamente peguei meu garfo e comi. Fiquei surpresa com o quão boa a comida estava. Quando ele aprendeu a cozinhar? Como eu, ele mal tinha sido capaz de descongelar uma galinha sem estragar isso de algum jeito. Um pensamento feio formado, e eu estava perturbada por ciúme. "Isso está muito bom. Será que sua namorada te ensinou a cozinhar?" Sua gargalhada me surpreendeu. "Eu não tenho uma namorada. Eu não tenho uma há quatro anos." "Tudo bem. Os seus baldes de vadias então. Tenho certeza que você tem toneladas delas." Ele se virou para mim, segurando um prato em sua mão. "Eu não tenho toneladas ... apenas uma." Ele se sentou e me olhou com luxúria em seus olhos. "Venha aqui", ele ordenou. Ele empurrou sua comida intocada longe e deu um tapinha no espaço sobre a mesa na frente dele. Sempre ciente de meu estado nu, subi em cima da mesa para o local que ele indicou. "Abra suas pernas para mim. Deixe-me ver o que é meu." Minhas pernas trêmulas pareciam desmoronar sob seu olhar aquecido, aquecendo meu sexo em troca. Suas mãos corriam o comprimento das minhas coxas, mas ele manteve esse toque aquecido. "Eu sempre amei a sensação de sua pele. É tão, macia e suave. Toque-se. Sinta o que eu sinto." Meus dedos empurraram hesitantemente através dos lábios quentes do meu sexo. Meu corpo estremeceu em resposta, e eu quase podia sentir tudo o que ele estava pensando em fazer para mim. Tudo o que ele faria para mim. "Eu não terei de perguntar se você está pronta para mim. Eu posso ver a evidência escorrendo de seus dedos." Eu queria implorar para ele me tocar, mas isso seria rendição e eu não podia fazer isso. "Eu sei o que você quer, mas você não vai, você vai?" Eu continuei com o leve toque dos dedos e até mesmo fui tão longe como para inserir um. Se ele podia me provocar então, assim eu poderia


também. Sua respiração era quase inaudível, mas meus sentidos estavam muito em sintonia com os seus para não ouvir. "Você vai me matar, porra", ele gemeu. Sua boca desceu, e no momento em que seus lábios encontraram minha boceta, eu gozei e enchi a cozinha com meus gritos. Eu podia sentir minha força de vontade enfraquecendo junto com meu corpo. Eu nem percebi que eu estava caindo. Em mais de um sentido. Minhas costas agora repousavam sobre a mesa, e minhas pernas se abriram mais para um acesso melhor. "Leve tudo", eu sussurrei pouco antes da minha libertação forte ter sugado o ar dos meus pulmões, juntamente com a minha vontade. "Eu pretendo", ele sussurrou de volta. O lamento que eu tinha ouvido foi rapidamente substituído pela invasão súbita e impiedosa de seu pau. A mesa balançou e as cadeiras desabaram sob a força de seus quadris. Eu engoli meus gritos até que eles eram nada mais que choramingos. Eu não iria dar-lhe isso. "Não querida, você não sabe se segurar." Ele deslizou a mão entre nossos corpos e torturou meu clitóris. "Grite para mim." ***** Keenan passou a manhã me fodendo, e nenhuma vez eu resisti. Ele tinha feito coisas para mim que ainda me faziam corar. Não havia uma parte do meu corpo que ele deixou intocada. "O que estamos fazendo aqui?” Perguntei muito mais tarde enquanto eu olhava ao redor da loja de tatuagem vazia com irritação. "Corrigindo um erro." Ele começou a se movimentar como se estivesse se preparando para um cliente. "Esta é a sua loja?" Eu tentei não soar impressionada quando eu perguntei, mas não consegui. Eu sempre me perguntei o que Keenan tinha feito e se tinha encontrado alguém. Ele saiu antes que pudesse se formar devido à sua longa permanência no hospital, e dada a sua


necessidade desesperada de segurança, de atenção e afeto, era impossível imaginá-lo sem alguém. "É minha." Ele deu um tapinha na cadeira de couro. "Pule para cima e se deite de barriga para baixo." "Mas eu não quero uma tatuagem." "Eu não estava pedindo, Shelly," ele ameaçou sem olhar para cima. "Você está sendo ridículo." "Você pode fazê-la por vontade própria, ou eu posso prendê-la na cadeira e fazer o que eu quero de qualquer maneira." Eu lutava com as minhas escolhas e percebi que faltava uma vantagem ou as palavras para convencê-lo de que o que ele estava fazendo cruzava muitas linhas. A adolescente tola em me ainda esperava ... Eu rapidamente fiz o que ele pediu antes que ele pudesse ver minhas lágrimas. Eu descansei minha cabeça contra o couro macio em derrota e desejei que meu corpo ainda me mantesse. Eu afoguei tudo para fora. O zumbido da máquina. A sensação de sua mão. A vibração da perfuração da agulha contra a minha pele. Eu deixei tudo ir para o passado. ***** SEIS ANOS ATRÁS "Você está com medo?" Levei um momento para me recompor depois que ele tinha acabado de me levar através de um beijo sem sentido. Estávamos em seu quarto com uma música romântica tocando suavemente no fundo. Eu tinha que admitir que ele estava puxando todas as paradas. Uma pontada de tristeza e raiva fluiu através de mim quando eu me lembrava do nosso rompimento recente, mas curto e do porquê. Eu o tinha perdoado, mas o


desejo de bater fora os freios de Jessica Stanton ainda era forte. Ela tinha sido uma amiga, e os dois tinham feito o impensável em uma festa. "Um pouco. Eu nunca fiz isso antes." O mais lindo sorriso se espalhou em seus lábios e aliviou um pouco do meu nervosismo. "Você não sabe como isso me deixa feliz." "Por quê? Porque você está bem danificado?" "Ouch. Isso dói." Ele apertou o peito como se estivesse gravemente ferido. "Talvez isto ajude", eu sussurrei e rapidamente tirei o meu vestido antes de perder a coragem. Fiquei surpreso com o quão descarada eu era, mesmo que fosse que tudo isso fosse uma encenação. Seus olhos corajosamente viajaram cada polegada do meu corpo, e eu tremi apenas com esse contato. "Você tem certeza que quer fazer isso agora? Podemos esperar, se você quiser." Eu balancei a cabeça enquanto eu cruzei os braços sobre os meus seios. Eu tinha feito dezesseis anos no mês anterior, e eu senti que eu estava pronta, como eu jamais estaria. "Que dia melhor do que o dia dos namorados?" Eu brinquei. "O dia do seu casamento", ele respondeu. Seu rosto virado para baixo com culpa, e ele recuou, mas a minha mão disparou para detê-lo. "Eu sei. Eu só estava brincando, mas eu quero você agora. Eu escolho você. Eu escolho este momento." "Eu não mereço você." "Bem, eu sou bastante surpreendente." "Eu sinto muito, ok? Isso nunca vai acontecer novamente. Eu não quero feri-la assim de novo." Por mais que eu não quisesse arriscar esta noite, eu não conseguia segurar meus sentimentos. "Por que você fez isso?" Sua cabeça caiu para a frente e os ombros tremiam quando ele agarrou os lençóis. Eu assisti as veias em suas mãos se alongarem. "Eu gostaria de saber."


***** PRESENTE Ele tinha mentido. Depois da primeira vez, ele me machucou muito pior a cada vez. A dor de ontem não curaria com o tempo. Ela só inflamaria. "Aonde você vai?" Eu me senti sendo levantada já que até agora eu estava deitada na posição vertical. Eu senti a dor na minha bunda e olhei para baixo para ver o que ele tinha feito, mas achei que estava enjoada. "O que?" "Aonde você estava agora? Você estava tão dura quanto uma tábua." "Em minhas memórias, Keenan. São o meu único conforto. O que você fez para mim?" " Eu disse ... eu precisava para corrigir um erro." Realização me bateu, e eu fiquei tremendo de raiva. "Você tatuou seu nome em mim?" "Não muito." "O que. Você. Fez?" "Eu deixei um lembrete de que você me pertence. É mais para mim, realmente." "Sua arrogância é pouco atraente." Eu posso ter soado mesquinha, mas era tudo o que eu tinha no momento, a não ser matá-lo. "Você está dizendo que você não me quer?" "Mais ou menos." "Vamos testar essa teoria agora." Em um movimento fluido, ele me virou e levou meus shorts em torno de meus tornozelos. "É assim que vai ser? Eu não sou seu brinquedo, Keenan." "Não, querida. Você não é. Você fode muito bem para ser um brinquedo." Eu podia sentir ele descascar o envoltório longe da minha bunda. "Minha", ele rosnou e me espalmou.


"Você já disse isso antes." "Eu quero dizer que isso é o que a tatuagem é. Ela diz 'Minha'." "Por favor, me diga que você não fez isso." Tentei levantar-me, mas a mão nas minhas costas me manteve no lugar. "Eu fiz e eu gostei." Ele tirou a minha calcinha com o polegar para baixo e beijou a minha bunda. De alguma forma, eu encontrei a força que eu não sabia que eu possuía. "Keenan, deixe-me ir." Virei a cabeça para olhar em seus olhos e deixá-lo ver o quão sério eu estava falando. "Eu não quero isso." Ele olhou para mim congelado por tanto tempo que, por um momento, eu achei que ele não me deixaria ir. Ele se empurrou para longe de mim e chutou sua cadeira até que ela bateu na parede com violência. No segundo seguinte, o seu punho voou para dentro da moldura de vidro ali perto, e eu assisti com horror quando ele quebrou e caiu no chão. Sem dizer uma palavra, ele caminhou para o fundo da loja e desapareceu atrás de uma porta. Passei as próximas horas confinada a um canto de sua loja enquanto ele viu inúmeros clientes. Todos eles eram do sexo feminino. Eu as assisti flertar e tocar e lançar-se descaradamente para ele. Algumas até tiveram a ousadia de agarrar o seu pau e ele apenas sorria. Sempre sorridente e acolhedor. Eu o odiava. Ele prometeu que eu iria odiá-lo e ele conseguiu. "Então, Keenan, eu queria saber se você vai finalmente me levar pra um encontro", uma loura platinada com um corpo cheio de tatuagens perguntou. Sério, onde ela poderia ter espaço para caber uma outra tatuagem? "Eu não sei, Missy. Eu estou meio ocupado. Talvez da próxima vez", ele piscou, e eu quase vomitei com a forma como ela emocionou-se. "Como é que eu vou roubar seu coração se você nunca vai me deixar levá-lo para sair?" "Isso é porque meu coração já foi roubado." A platinada virou o nariz para mim e rosnou, "Ela?"


Ele riu. "Não seja boba." Meu coração despencou em seu desrespeito flagrante por mim. "Eu estou falando sobre a minha filha." "Oh, eu aposto que você faz bebês muito bonitos." Ela sentou descaradamente em seu colo e correu um dedo pelo peito. "Eu aposto que poderíamos fazer alguns bebês bonitos. Então, quantos anos ela tem?" "Ela tem três anos e tão doce e bonita quanto um botão de rosa, ao contrário de sua mãe, que é uma cadela venenosa." "É ela?" Ela olhou para mim com desgosto, e eu não pude deixar de virar o rosto. "Não, ela não é nada para mim." "Então por que ela está apenas sentada ali?" A mandíbula de Keenan apertou, mas a cadela estava muito ocupada zombando para me notar. "Missy, se você não se importa, eu tenho um outro cliente em cinco minutos, mas que tal eu aceitar a sua oferta e levá-la para sair neste fim de semana?" "Isso seria bom." "Eu ligo para você", ele disse sem olhar para ela. Eu revirei os olhos para a visão de seu rebolado saindo da loja. "Você é um porco. É uma maravilha que você não tenha contraído alguma coisa." "Eu estou sempre protegido, Sheldon." "Eu não posso dizer o mesmo. Você nunca usa um preservativo quando eu peço para você." "Isso é porque você é diferente." "Um minuto atrás, eu não era nada." "O que posso dizer? Eu tenho que manter meus clientes satisfeitos." "De que maneira? Com o seu pau? Eu não me importo o que dizem. Um vagabundo é um puto se for um homem ou uma mulher." "Você não sabe o que você está falando", ele trincou. "Eu sei que você não mudou. Quando é que alguém vai se tornar o suficiente para você?"


"Cale a boca, Shelly." "Diga-me ... com quantas mulheres você já dormiu desde que nos separamos? Uma a cada noite? Duas? Seis?" " Zero." Talvez fosse o bater do meu cérebro ou o martelar do meu coração que me fez entender mal. Eu conseguiu me recuperar do choque de sua resposta e dizer: "Você não é só um puto infiel, mas você é um mentiroso também." "Desde quando eu minto para você? Eu posso ter mantido minha merda escondida de você, mas quando você descobriu, eu nunca menti, então por que eu iria mentir agora? Eu não estou olhando para um futuro com você. Eu não toquei uma única maldita mulher em quatro anos." Tantas emoções me agrediram de uma vez. Eu engoli o peso para baixo, mas ele só continuava a voltar até que eu vomitei as tripas por todo o chão. Meus soluços secos me fizeram perder o foco, e por causa da minha visão manchada, eu não o vi se mover, mas eu senti suas mãos me levantarem. "Pelo amor de Deus, foda, Shelly. Respire!"


Eu não acho que eu me lembro de alguma vez estar tão assustado. Nem mesmo quando eu conheci Keiran pela primeira vez, ou quando eu senti a primeira bala entrar no meu corpo e ameaçaram acabar com a minha vida. Nem mesmo quando eu estava confinado a um hospital para morrer. "Shelly, por favor respire, baby. Não faça isso comigo." "Não ... estou morrendo", ela tossiu. "Então o que diabos você está fazendo comigo?" Eu não tinha percebido que estava gritando até que seu corpo estremeceu em meus braços. "Por favor, pare de gritar." Ela gemeu e inclinou-se contra o meu peito. Eu brevemente me perguntei o quanto apertado eu podia segurá-la sem esmagá-la. Estou perdendo a cabeça. Ela possuía o poder de me deixar louco sem fazer muito esforço. "Você está falando sério?" Ela perguntou depois que tinha passado algum tempo. Eu continuei a esfregar suas costas, na esperança de mantê-la calma. "O quê?" "Eu fui a primeira?" "Bem, não a minha. Lembre-se que foi... " "Keenan." "Sim, você foi a minha primeira e a última." "Por quê?"


Eu soltei o ar pesadamente e pensei nos últimos quatro anos. "Eu tive impulsos, mas eu não podia fazer. Eu não sei por quê." "Então você pode ser fiel a mim quando comprometidos, mas não quando estávamos juntos?"

não

estamos

"O que você quer que eu diga? Dê-me as palavras certas e eu vou dizê-las." "Isso não importa, e isso não é da minha conta. Eu não deveria ter perguntado. Agora, se você não se importa, o cheiro do meu vômito me faz querer vomitar tudo de novo." Ela deslizou de meus braços, e eu a deixei, porque eu não sabia mais o que fazer. "Onde fica o banheiro?" Eu apontei para o meu escritório, e enquanto ela estava fora, eu juntei alguns suprimentos de limpeza e limpei a bagunça. Uma vez que o chão estava impecável novamente, fui ver como ela estava. Encontrei-a em pé, congelada na entrada do banheiro. Sua mão estava segurando firme sobre a boca, enquanto as lágrimas escorriam pelo seu rosto. Eu estava confuso e segui a direção de seu olhar até que o meu próprio pousou no esboço dela que tomava a maior parte da parede à direita. Estava em clara visão do banheiro e deve ter sido a primeira coisa que ela viu quando saiu. Meus olhos se fecharam com pesar sobre a minha confusão. Ela nunca deveria ver isso. Limpei a garganta, mas isso provou ser outro erro. O olhar perdido em seus olhos me quebrou, porra. "Keenan ... o que é isso?" Será que ela não se lembra? Ela tinha visto o esboço antes. Eu acordei-a para mostra-lo a ela naquela noite. Foi quando eu descobri o quanto de uma mal-humorada que ela era quando acordava. "Você sabe o que é." "É muito maior e está aqui.” “Porquê, porque não? Eu desenhei. É uma boa imagem." "Não faça isso, Keenan. Diga-me o porquê."


"Meu objetivo era odiar você e nunca me lembrar do porquê eu sempre lhe amei. Olhar para o esboço ajudava. Fez-me lembrar como você tirou a única pessoa que já me quis e o primeiro amor que eu já senti que era real." "Keenan, por favor, tente entender ... você me machucou tanto. Cada vez que você estava com elas, eu sofria." "Bem, então você deve se sentir satisfeita. Você me devolveu isso na íntegra." ***** As luzes do clube piscando e música batendo de todos os lados eram exatamente o que eu precisava para me esconder em plena vista. Bebidas vieram e pretendentes do sexo feminino sem vergonha passaram. Muitas eu não tinha idéia de onde vinham, mas eu não queria me importar. Eu queria perder a sensação de estar errado. Eu tinha o meu braço em torno da morena mais próxima. Evitei as loiras e qualquer coisa que me lembrassem da cadela traidora que tem atormentado o meu pensamento, cada um deles. Depois de levar Sheldon de volta para o meu apartamento e trancála no meu quarto de novo, eu a evitei e assim que a noite caiu, eu fugi. "Querido, você está tão tenso," a morena balbuciou. Sua mão se arrastou até a minha coxa e parou logo abaixo do meu pau. "Que tal um boquete?" Quatro anos atrás, eu teria encontrado esse tipo de comportamento e de sacanagem atraente e mergulhado direto. Agora eu só me perguntava por que diabos eu nem ligava para isso. Seus dedos longos brincavam com meu zíper, e quando eu dei-lhe um aceno de aprovação, ela baixou-o e enfiou a mão dentro. Quando os dedos chegaram em volta do meu pau, eu senti minha pele arrepiar. Eu ignorei e tomei um gole da minha bebida enquanto ela trabalhava para fazer meu pau endurecer.


Talvez eu tivesse um pau cheio de uísque. Ou talvez ele só quisesse Sheldon. Foda-se. Eu não posso tê-la de qualquer maneira. Ela deixou isso bem claro. Uma parte de mim me importunava para deixá-la ir novamente, mas eu sabia que seria impossível deixá-la ir e ficar longe desta vez. Como eu poderia, sabendo que ela tinha a minha filha? Merda. Kennedy. Eu olhei para a mulher que ainda estava trabalhando para me deixar duro. "Chega. É o suficiente." Eu verifiquei a hora e corri para fora do clube, esperando que eu pudesse pegá-la antes dela dormir. A cidade estava viva com as pessoas procurando diversão para fechar o fim de semana. Trinta minutos mais tarde, eu estava andando pela porta da frente. Eu encontrei Di e Kennedy acampadas na sala assistindo “Tubarão” e comendo sorvete. "Sério, Di?" Ela quase pulou para fora de sua pele ao ouvir o som da minha voz. "Keenan!" Kennedy correu para mim com o rosto coberto de calda de chocolate. Eu a peguei bem na hora e levantei-a em meus braços. "Como você está, princesa?" "Bem. Onde está a mamãe?" Culpa por minha mentira voltou com força total, e eu me senti como um idiota ainda maior. Mantê-las separadas havia ultrapassado oficialmente a lista das piores coisas que eu já tinha feito. Talvez eu tenha ficado com raiva sobre perder três anos da vida de Kennedy, mas eu sabia que Sheldon não a tinha me mantido longe propositadamente. Eu cometi esse erro por simplesmente sair. "Ela está esperando para dobrar você, assim eu vim para te pegar." "Sério?" Perguntou Di, ganhando o meu brilho. "Olha em quem cresceu uma consciência." "Fique fora disso."


"Eu não posso. Não há mais ninguém para lhe dizer quando você está sendo um idiota ... e, a propósito, se isso não estava claro, você está sendo um idiota." "O que é isso?" Perguntou Kennedy. "Princesa, vá sentar-se na sala de estar enquanto eu falo com Di." Ela fugiu, e assim que ela estava fora de vista, Di começou a recuar em direção à porta da frente. "Nem sequer pensar sobre isso. Você e eu precisamos conversar." "Sério?" Ela gritou e fingiu ignorância. "Sobre aquilo?" "Primeiro, porque minha garota está assistindo Tubarão e comendo sorvete tarde da noite. Falando de tarde, porque ela ainda não está na cama?" "Whoa, super pai. Acalme-se. Eu acho que a melhor pergunta é por que ela ainda não sabe que é sua filha?" "É complicado. Agora, responda a minha pergunta." "Você me fez ajudá-lo a basicamente raptá-la através da criação de todos esses bloqueios para que você pudesse fazer valer seus direitos e agora você está arrependido?" "Isso não é um sequestro, e não saiu como planejado, mas não importa, porque elas estão aqui agora." "As coisas não correram como planeado, porque não deveriam ter acontecido. Estou feliz que você recobrou seus sentidos ... mais ou menos." "Por que você me dedurou para o meu irmão?" "Porque você estava com saudades de casa, e eu sabia que ele não iria machucá-lo, não importa quantas vezes ele pode ter fantasiado sobre isso ao longo dos anos." "Isso não é uma razão." "Será que eu saber sobre Kennedy seria uma razão?" "Vamos começar de novo?" Ela respirou fundo e disse lentamente. "Ele me disse isso quando ele me encurralou. No início, eu pensei que era um truque para eu dizer a


ele o que ele queria saber, mas então, eu percebi que era Keiran. Ele teria apenas me torturado." "Então, como é que ele a convenceu que ela era real?" "Ele me mostrou uma foto dela. Ela se parece com você, isso é uma espécie de vergonha. Eu sempre quis saber se esses shows Maury foram criados com material real ou encenado." "Di." "Sim?" "Obrigado." "Para que são os amigos afinal?'' Ela retrucou presunçosamente. "Você me irrita, porra." "E você é um puto."


Eu tinha saído livre. De volta à loja, eu roubei um par de grampos e não me permiti me perguntar como eles tinham chegado lá. Graças ao tédio e ao YouTube, eu descobri há muito tempo como arrombar uma fechadura. Uma vez eu estava livre, eu fui na ponta dos pés fora da sala e não ouvi qualquer sinal de Keenan. Quando eu percebi que ele não estava no apartamento, fiz uma corrida louca para o telefone que avistei lá embaixo. Eu rasguei o receptor do balcão e liguei para Dash. Quando ele não respondeu, eu tentei Lake, que respondeu quase que imediatamente. "Sheldon! Estou tão feliz que você ligou. Eu estava me preparando para formar um grupo de busca para você e um grupo de linchamento pela cabeça de Keenan." "Então, por que você não veio?" Perguntei amargamente. Era tudo que eu podia fazer para não gritar no receptor. Eu tinha sido trancada em algum local não revelado nas últimos vinte e quatro horas ou mais, e Lake, uma das minhas melhores amigas, fingia como se eu tivesse acabado de voltar de umas férias. "Bem, eu não queria perturbar o seu tempo romântico sozinho." "Comece de novo?" "Não seja tão mesquinha com os detalhes, menina. Derrame." "Lake ... do que diabos você está falando?" Eu estava gritando no telefone, segurando-o com um aperto mais sufocante do que a morte. "Risque isso. Onde está Kennedy?" "Eu pensei que Kennedy estava com vocês. Você está bem?" "Não. Eu não estou bem. Keenan... "


"Mamãe?" Eu me virei e quase tropecei em meus pés ao som da voz do meu anjo pequeno e doce. "Kennedy?" Eu podia ouvir Lake chamando por mim em segundo plano, mas eu distraidamente desliguei e corri a curta distância até onde Kennedy esperava na porta. "Ken! Oh, meu Deus." Beijei-a por todo o rosto e completamente ignorei o fato de que eu poderia estar assustando-a. "Você está bem? Deixe-me olhar para você.” "Mamãe, eu me diverti." Ela começou a disparar sobre tudo o que ela tinha feito, e, embora eu mal pudesse manter-me com sua tagarelice, eu escutei, porque eu queria saber exatamente onde ela estava. "Di me mostrou os Tubarões." Di? Ela disse Di? "Di? Você tinha a minha filha em torno dessa vagabunda?" "Cuidado com a boca perto da minha filha." "Eu acho que sei como criar minha própria filha. Eu sou a mãe dela." "Então, você deve agir como uma. Ela precisa de um banho e já é tarde. Faça isso antes de eu mudar de ideia." Por mais que eu quisesse discutir, ele estava certo. Era quase meianoite, e fiquei surpresa que ela ainda estava de pé e bem acordada. Eu também podia sentir o cheiro da praia nela. Ele passou por mim e derramou o seu casaco de linho que combinava com a calça que ele usava. Eu tentei não salivar sobre a forma como ele parecia. Estava muito longe dos jeans e das camisetas que ele normalmente usava. Ele parecia cada bit do homem que ele tinha crescido para ser e ainda mais velho que seus vinte e dois anos. Corri para dar um banho em Kennedy. Em pouco tempo, seus olhos estavam à deriva por isso eu a vesti para ir para a cama. Quando eu tinha colocado a camisola nela, Keenan entrou e sentou-se na borda da banheira enquanto eu escovava os cabelos de Kennedy. Sua cabeça descansava contra o meu peito, mas quando Keenan entrou, ela começou a lutar contra o sono.


Ela poderia já estar ligada a ele? Se ela estivesse, então eu sabia que era tarde demais. Como eu poderia afastá-los agora? "Por que Lake acha que nós estávamos gastando o tempo sozinho juntos?" "Porque foi isso que eu disse a eles." "E eles simplesmente acreditaram em você?" Eu me senti como se eu tivesse sido vendida pelo maior lance. "Eu disse a você ... eles nos querem de volta juntos ... mesmo se não for isso o que queremos." "Eles estão sendo ridículos." Seus olhos se estreitaram e as mãos apertaram com minha declaração. Kennedy pareceu sentir a mudança em seu pai porque ela levantou a cabeça para olhar para ele. Ele percebeu e saiu de lá imediatamente, e eu não podia evitar, mas sorri. "Eu vou colocar a nossa filha na cama. Eu quero que você espere por mim no quarto." "Keenan, eu não acho que isso é uma boa idéia. Talvez eu devesse dormir com Kennedy." Ele pegou-me com uma mão leve em volta do meu pescoço e rosnou contra os meus lábios. "Vá. Agora." Eu encontrei os olhos da minha filha, que estavam quase fechados de fadiga, mas ainda muito conscientes. Lutar com Keenan na frente dela quando isso ainda era muito novo para ela só iria assustá-la. Eu limpei o banheiro e fui para o quarto onde eu tomei um banho no banheiro principal. No momento em que eu terminei, Keenan estava esperando por mim na cama. Ele tirou sua camisa e sapatos e ao vê-lo sem camisa e descalço uma luxúria indesejada me deixou agitada. As tatuagens cobrindo seu corpo contrastava enormemente com as calças. "Você pode parar de babar agora." Eu bati minha boca fechada e engoli a umidade que se formou a partir da visão dele. "Eu não estava babando."


"Se você diz." Ele sorriu. "Aqui. Eu quero que você use isso." Ele estendeu um pedaço de tecido translúcido, e com relutância, eu peguei e o ergui para inspecionar. "Eu acho que vai ser um pouco arrumado demais para dormir, você não acha?" "Você pode dormir nua, se quiser." "Por que não posso vestir o pijama que eu trouxe comigo?" Em vez de responder, ele passou um braço em volta da minha cintura e me puxou entre as pernas e, em seguida, arrancou a camisola das minhas mãos. A toalha foi tirada do meu corpo, e deixada cair descuidadamente para o chão, e tão rapidamente, eu estava usando o que ele me deu. "Será que você sempre precisa ter o seu caminho?" "Temo que sim." Ele ficou de pé, elevando-se sobre mim. "Eu vou tomar banho, mas eu vou estar de volta para você." "Isso é uma ameaça?" "É uma promessa." Ele me assustou por beijar meu nariz suavemente e, em seguida, desapareceu no banheiro. Que porra é essa? Keenan apenas correu para fora do quarto me deixando confusa e na borda. Por que ele mudou de ideia sobre Kennedy? Por que ele estava sendo gentil e quase simpático? Uma parte de mim esperava que fosse real, enquanto a outra temia que fosse apenas mais um jogo mental. Eu entrei no quarto onde Kennedy estava dormindo e vi seu peito subir e descer por um tempo. Com cada respiração que dava, meu coração se sentiu mais leve. Ela estava segura. Ela estava em casa. Nós tínhamos uma a outra. "Nós temos que dizer a ela em breve." Minha cabeça se virou para a porta, onde Keenan estava, seu cabelo e corpo, ensopados com uma toalha enrolada na cintura. "Você está babando novamente." "Seu pau está praticamente fazendo uma tenda nessa toalha."


"Não há nada prático sobre meu pau, baby." "Por que você está falando doce comigo?" "Você prefere que eu ameace e grite com você?" "Pelo menos seria real." "Então deixe-me mostrar-lhe o que sinto de verdade", ele cumprimentou enquanto seus olhos escureceram. Eu de repente lamentei o que eu disse. Me assustou o quão rapidamente ele pode mudar. "Vamos." Ele virou-se, supondo que eu iria o seguir. Eu fui. E eu me amaldiçoei todo o caminho até seu quarto. Ele sentou-se na beira da cama grande e entortou seu dedo. Eu obedeci estupidamente. "Face para a parede." Eu fiz como me foi dito e o meu cérebro enviou o comando para o meu corpo executar. Você consegue fazer isso. Não importava o quanto ele me odiava, eu tinha que lembrar que em algum lugar, lá no fundo, ele ainda era Keenan. Meu Keenan. O Keenan que sempre tinha uma piada pronta e um toque amoroso. Apenas ... neste momento, aqui, juntos, ele não era meu Keenan. Ele era a minha ruína. Ouvi ele se mover, mas de alguma forma eu sabia que me virar seria um erro. O quarto encheu-se com o sussurro lento e sexy de um homem que cantava sobre um amor perdido substituído por ódio e sexo. "Dance para mim." Ao seu comando, meus quadris começaram a balançar. O tecido fino que ele me fez vestir não fez nada para esconder as curvas que ganhei na minha gravidez. Seu olhar antes de eu me virar digitalizando meu corpo exposto me disse que ele apreciava. "Sua bunda está ainda mais bonita do que eu me lembrava. E seus peitos ... "


Seu gemido era baixo, mas perfeitamente audível. "Você é uma mulher agora." Sua respiração quente sussurrou sobre a minha pele, aquecendo-me, mas, ao mesmo tempo, elevando arrepios. Nunca ouvi falar dele se mover. "Será que minha filha fez isso para você?" "O que você acha?" "Eu acho que você está mais sexy do que nunca. Perfeita mesmo." A mão dele foi entre as minhas coxas e deslizou apenas até as pontas dos dedos descansarem debaixo da camisola frágil. "Perfeita?" Eu mal conseguia falar a palavra quando seus dedos dedilharam brevemente meu sexo antes de se afastar, como se nunca tivesse acontecido. "Perfeita", ele repetiu. "E isso é realmente muito ruim." Um beijo no meu ombro me deixou precisando de mais do que apenas uma ameaça promissora. "Por que é assim?" "Porque você não vai mais ser quando eu terminar com você. Eu vou ser o diabo que você fez de mim." "Talvez você sempre tenha sido essa pessoa, e o cara pelo qual eu me apaixonei fosse uma fachada." Ele me virou para encará-lo com as mãos sobre meus quadris. "Parabéns, Shelly. Você está finalmente pensando com a sua cabeça." Ele me empurrou de volta na cama e deitou em cima de mim. "É muito ruim que a sua cabeça não seja necessária para o que eu estou a ponto de fazer com você." "Eu nunca disse que queria transar com você." "Você não tem que dizer. Seu corpo diz-me tudo o que eu preciso saber." Ele arrastou a mão na minha coxa e descansou apenas onde minha coxa encontrava o meu sexo. "Sua boceta não resiste tanto. Eu posso sentir todo esse calor entre nós ... bem aqui." Ele arrastou um dedo pelo meu sexo e meu corpo traidor tremeu. "Porque você não joga limpo." Eu empurrei a toalha de seus quadris e ele puxou a camisola sobre minha cabeça. Minha mão imediatamente agarrou seu pau e guiou-o para dentro de mim.


"Eu nunca disse que faria isso," ele gemeu quando ele estava totalmente sentado. "Então o que vamos fazer agora?" "Nós fodemos." Seus lábios encontraram os meus ao mesmo tempo que ele começou a se mover dentro de mim. Minhas pernas foram envolvidas mais apertadas em torno de sua cintura, e eu o puxei para mim. Seu olhar escuro me prendeu à cama pouco antes de suas mãos fazerem o mesmo. "Só que eu controlo essa foda, baby, então deixe isso ir." Eu tinha que endurecer seus quadris para lidar com sua posse dura, mas lenta de seu corpo. Era a mesma canção e dança que eu dava a ele toda vez. Eu lutava para não deixá-lo ver o quanto eu ansiava pela rendição. ***** Ele rolou de costas, levando-me com ele, e olhou para o teto. Meus membros estavam como borracha e todo o meu corpo doía por excesso de uso, incluindo as partes proibidas. Keenan tinha me explorado exaustivamente durante toda a noite. Minha boca e minha bunda também tinham tomado o peso de sua luxúria. "Por que você mudou de idéia?" Eu sussurrei na escuridão. "Sobre?" "Levar Kennedy para longe de mim." "Eu nunca a levei para longe de você, e mesmo assim, nada mudou, Shelly. Eu ainda sou o cara mau." "Proteger-se não tem de significar ferir os outros. Você não tem que ser tão cruel." "Você quer saber sobre crueldade? Não há nada pior do que ser apaixonado por alguém que você quer odiar." "O que você está dizendo?"


"Eu acho que você sabe." Eu sabia, mas algumas coisas eram melhores sendo deixadas no escuro. Eu definitivamente não queria acreditar. Cada um de nós cedeu aos nossos pensamentos privados. A ascensão e queda do seu peito estava começando a me atrair para dormir até que a minha mente começou a gritar para eu fazer a pergunta que ainda estava entre nós dois. "Por que você transou com ela?" Ele ficou em silêncio por tanto tempo que eu pensei que ele pudesse ter caído no sono até que seu suspiro pesado me disse que não estava. "Porque eu teria perdido você de qualquer maneira. Pelo menos, da maneira que eu escolhi, eu sabia que poderia ter uma chance de mantê-la e você ficaria bem." "O que quer dizer com você teria me perdido? Onde eu teria ido?" "Deixa para lá, Shelly." "Eu não posso fazer isso." "Você não tem uma escolha." Sentei-me e procurei seu rosto, talvez esperando que ele fosse desistir, mas seu olhar de aço encontrou o meu. "Esqueça. Isto." "Um dia desses, eu vou finalmente aceitar que você nunca vai deixar de ser um covarde." Eu mudei-me para o meu lado e olhei para longe dele enquanto lutava contra as lágrimas. Durante muito tempo, o único som que podia ser ouvido era o som da minha respiração incessante fungando até que ele falou tão baixinho que eu quase não o ouviu. "Você leu as mensagens de texto, mas você as compreende?" O que? "Eu li o suficiente." Não haviam sido muitas, e depois de quatro anos, eu poderia, provavelmente, só achar que não havia mais do que um punhado de lembranças abrangendo nossas duas últimas semanas. "Não, Shelly. Você não leu."


***** QUATRO ANOS ATRÁS "Seus pais estão em casa hoje à noite?" Keenan se aninhou contra o meu pescoço e tateou minha bunda para me levantar contra ele. Nós tínhamos acabado de sair para fora da garagem. "Eu não sei, mas Dash pode voltar a qualquer momento." Eu ri. "Não, ele não vai. Ele está ocupado perseguindo o traseiro de Willow. Eu não o culpo também." Eu bati nele no peito e considerei dar uma joelhada nele. "Não flerte com minhas amigas", eu avisei. "Baby, eu estava só brincando. Você é a maçã ácida do meu olho." "Você está realmente pedindo por isso esta noite, não está?" Eu quis dizer isso como uma ameaça, mas a luxúria em seus olhos aumentou dez vezes. "Eu estou muito próximo de implorar por isso, Shelly. Você vai dar para mim?" "Isso depende ... " "De quê?" "De como você vai pedir." "Eu posso pedir muito bem, baby. Se você me levar para dentro agora, eu posso te mostrar o quão bem eu imploro com a minha boca na sua boceta." Nós fomos para o andar superior e nos trancamos em meu quarto em sessenta segundos. Continuamos a nos beijar com uma intensidade que eu ainda não tinha me tornado inteiramente. “Seus lábios têm gosto de como se eu tivesse morrido e ido para o céu, mas sua boceta vai me fazer querer morrer por aquele pequeno pedaço do céu. Vire-se, baby, e dobre-se sobre a cama." Fiz o que ele instruiu sem hesitação.


"Levante sua saia e deslize sua calcinha para seus tornozelos." Eu me senti completamente estranha com suas instruções e na minha posição atual, mas consegui abandonar o constrangimento. "Boa menina", ele elogiou. A voz dele soava distante, então eu virei minha cabeça para encontrá-lo em pé perto da parede distante, me olhando com seus tornozelos e os braços cruzados. "Por que você está brincando comigo?" "Estou admirando. O jogo começa agora." Ele tirou seu moletom e a camiseta e se ajoelhou atrás de mim. "Fodidamente linda", ele gemeu antes de sua língua varrer meu sexo. A partir desse momento, ele me manteve em um constante estado de choro e agitação enquanto ele me comia avidamente. Quando ele finalmente decidiu que tinha o suficiente, ele se posicionou em cima da minha colcha azul e ordenou-me para montá-lo. Depois de três rodadas, finalmente a nossa respiração se acalmou. Enquanto eu estava à deriva para dormir, eu o senti beijar meu nariz. Abri os olhos a tempo de vê-lo escapar do quarto. Assim que ele fechou a porta, seu celular vibrou com uma mensagem. Eu gemi e me virei, pronta para o sono me levar. Cinco minutos mais tarde, seu telefone continuou a vibrar repetidamente. Pensando que poderia ser uma emergência Eu agarrei sua calça jeans e pesquei o telefone do bolso: Desconhecido: Por que você está me ignorando? Parecia ser a primeira mensagem que tinha vindo através de um número desconhecido. Havia pelo menos mais cinco, cada uma pior e mais incriminadora do que a última: Desconhecido: Sua namoradinha está por perto? Desconhecido: Ela não pode te amar como eu. Desconhecido: Eu quero mais Keenan. Desconhecido: Quantos outros foderam sua professora de química?

garotos

podem

dizer

que

Desconhecido: Temos algo especial. Eu não parei de pensar sobre o seu pênis. A última foi a mais confusa de todas.


Desconhecido: Eu disse a você ... se você quiser mantê-la, você precisa ver as coisas do meu jeito. Eu rapidamente rolei para cima e li as mensagens. Keenan tinha respondido às mensagens apenas duas vezes nas duas semanas. Ele tinha dito a ela o seu acordo tinha terminado e na segunda mensagem dizia que o que tinha acontecido foi um erro. O telefone escorregou das minhas mãos no chão, e eu o segui depois quando meus joelhos cederam. O acordo poderia envolver sexo com a Sra. Felders? Ele fodeu Sra. Felders. Esta não tinha a primeira vez que ele me traiu, mas eu nunca pensei que iria tão longe. Eu não tinha percebido que eu estava chorando até que eu senti seus braços em volta de mim, me puxando para cima a partir do chão. Sua voz estava mal sendo ouvida sobre o som do meu coração quebrando em pedaços, quebrados e sangrentas. Se eu olhasse bem o suficiente, eu poderia ter sido capaz de vê-lo caído aos meus pés. Ele levantou o meu corpo nu e gentilmente me deitou na cama e, em seguida, olhou para mim rapidamente. Quando ele não viu sinais físicos para o meu estado atual, ele perguntou novamente: "Por que você está chorando, Shelly?" "Você disse que não iria acontecer novamente." A última das minhas lágrimas havia sido derramada e em seu lugar veio a raiva. "Eu não estou entendendo." A confusão inundou suas feições enquanto seus olhos procuraram os meus. "Então, talvez, o seu telefone possa lhe trazer até o entendimento." Eu pulei da minha cama, peguei o telefone do chão, e joguei-o em seu peito nu. "Você e a professora de química parecem terrivelmente familiares um com o outro. É porque você transou com ela? A porra da professora de química." "Foda-se." Ele se levantou da cama e estendeu a mão para mim, mas eu me afastei. O pensamento de suas mãos em mim agora fazia minha pele se arrepiar. "Sheldon, isso foi..." "Um erro? Eu sei. Você disse a ela após uma de suas muitas mensagens enviadas a você apenas implorando por mais de seu pau."


"Foi apenas uma vez. Virei-a depois disso." "O que isso significa para mim? Isso nunca deveria ter acontecido." "Mas não foi como você pensa." "É sempre assim? Não foi assim com Jessica Stanton ou Casey Whitmore ou Brittany Anderson. Quão forte você acha que eu sou, Keenan? Ou você só me acha muito tola? Não, não responda a isso. Eu sou uma tola, mas mais do que isso, eu estou cheia." "Não faça isso, Shelly." Ele implorou e suplicou, mas não ouvi nada disso. "Não vá embora de novo." "Keenan, eu não estou indo embora. Eu estou fechando a porta. Agora. Por favor, saia." "Eu não vou sair, Shelly, e nem você." "Eu não posso mais ficar com você, Keenan. Eu não posso competir com os seus demônios. Eles consomem você. Eu te odeio tanto que se você morresse agora, eu nem me importaria."


Um peso em minhas costas tinha me acordado e quando eu abri meus olhos e virei minha cabeça, eu estava satisfeito com o meu próprio reflexo olhando para mim. "Keenan. Levante." "Princesa? Por que você está fora da cama?" "Eu desenhei." "Oh, não", eu ouvi Sheldon resmungar debaixo do meu braço. Em algum momento durante a noite, eu a tinha enrolado com as costas descansando contra a minha frente. Nós dois estávamos completamente nus por baixo das cobertas, por isso sair da cama com Kennedy ali não era uma opção. Especialmente não com o meu pau duro que atualmente descansava entre as coxas de Sheldon. "O que há com isso?" Perguntei à Sheldon indicando para Ken. "Todas as manhãs, ela sai da cama e encontra uma maneira de fazer minha manhã longa. Sua filha é um gênio do crime.” "Entendo..." Voltei-me para Kennedy, que estava atualmente ocupada brincando com o meu cabelo. "Kennedy, você pode esperar por nós fora do quarto, por favor?" "Keenan, venha agora e veja o meu desenho." Ela fez beicinho. Eu não sei como ela fez isso, mas mesmo assim, eu cedi. Eu não podia deixar a minha menina ser infeliz, eu podia? Eu mataria qualquer um que tentasse, então eu tive que viver por ela. Eu trabalhei o lençol em volta da minha cintura, cuidando para esconder o meu tesão e a tomei pela mão. Eu podia sentir os olhos de Sheldon em mim e ouvi ela rir pouco antes de fechar a porta do quarto.


"Lidere o caminho." Eu segui atrás dela para a sala. No início, eu não o vi, mas a coloração vermelha fraca de um dos marcadores que eu usava para esboçar na parede chamou minha atenção. Ela correu para o local e apontou com excitação iluminando seu rosto. Era apenas um monte de linhas e formas, mas, para mim, era a maior criação do mundo. Não importa o depósito que eu não estaria recebendo de volta. "Lindo?" Ela perguntou. "É lindo." Eu pensei sobre isso muito antes de perguntar: "O que é isso?" "Mamãe ... eu ... você." Eu respirei profundamente e repentinamente mudei a minha atenção de Kennedy e sua parede de arte para sua mãe horrorizada atrás de mim e com a minha camisa. Ela parecia prestes a entrar em colapso. Eu cruzei a curta distância entre nós e puxei-a em meu peito pela parte de trás do seu pescoço. "Isso assusta você?" Eu sussurrei contra seu pescoço. Ela assentiu com a cabeça contra o meu peito, mas permaneceu em silêncio. Kennedy puxou no lençol em volta da minha cintura. "Mamãe está triste?" Eu a peguei e abri espaço para ela entre nós. Ela esfregou a cabeça de sua mãe e, em seguida, franziu a testa quando ela não levantou a cabeça. Quando os lábios dela começaram a tremer, senti minha testa subir. "Não, baby. Ela não está triste. Não é verdade, mamãe?" O aviso no meu tom suave, finalmente, a convenceu a levantar a cabeça. Ela estava chorando baixinho contra o meu peito. Ela sorriu brilhantemente para Kennedy, e apesar de ter sido forçado, parecia apaziguá-la. "Você está com fome?" Sheldon voltou seu olhar com lágrimas para mim e só depois de um segundo a mais ela relutantemente assentiu. "E quanto a você, mini eu".


"Keenan," Sheldon repreendeu-me. Minha referência a Kennedy sendo minha passou por cima de sua cabeça, então eu ignorei o aviso de Sheldon e coloquei Kennedy em seus pés mais uma vez. "Eu quero cereal." "Cereal, hein? Que tipo você gosta?" Ela desfiou uma lista inteira de cereais longa o suficiente para incluir todos os cereais no mundo, mas de alguma forma, não listou o sabor que eu queria. "Que tal panquecas?" "Sim, por favor e cereais, também?" Olhei para Sheldon por ajuda, mas ela só deu de ombros e disse: "É um de seus favoritos." Voltei para o quarto e rapidamente vesti calças de moletom antes de levá-las para a cozinha. Kennedy balbuciou a uma milha por minuto sobre tudo sob o sol, enquanto eu cozinhava. Eu nunca soube até agora, o quanto as crianças questionavam. Quando terminei, eu coloquei a comida nos pratos e levei-os para a mesa onde Sheldon soprava framboesas do pescoço de Kennedy. Enquanto ela estava preocupada, eu aproveitei a oportunidade para fazer o mesmo com o pescoço exposto de Sheldon. Ela saltou de surpresa e Kennedy riu escandalosamente. "Papai, bobo." Eu endureci com o som da palavra, e eu poderia dizer sem olhar que Sheldon teve a mesma reação. Eu finalmente reuni algum movimento e virei-me para enfrentar o sorriso brilhante de Kennedy para mim. Ela gritou e apertou a mão sobre a boca como se ela tivesse acabado de dizer um grande segredo. "Você disse a ela?" Acusação de Sheldon só serviu para me irritar antes que eu pudesse deleitar-me com a idéia de que a minha filha sabia quem eu era. "Não, eu não disse, mas isso importa? Eu sou seu pai, a menos que exista algo que você gostaria de me dizer." Eu sabia que era besteira assim que pronunciei as palavras, mas eu queria revidar. Kennedy era minha. Cada polegada sua era minha.


"Ela não podia saber." "Parece que ela sabe", eu respondi presunçosamente. "Ela tem três anos, Keenan. Não significa nada." Os olhos dela brilharam maldosamente quando ela sentou-se em sua cadeira e cruzou os braços. "Ela pensou que Keiran fosse seu pai uma vez também, você sabe, na época em que ela começou a falar ... " O sorriso que apareceu em seus lábios me machucou pior do que as balas que quase levaram a minha vida. Contei os segundos e isso me levou a perceber que o que eu pensei que eu a ouvi dizer era real. Eu queria sentir raiva. Eu queria a raiva. Eu queria sangue. Mas tudo que eu podia sentir era devastação. Kennedy tinha conhecido alguém como seu pai. Então, onde é que isso me deixa? "Saia." Ela se encolheu ao meu comando, e se a minha filha não estivesse sentada nos observando, eu a teria jogado sobre a sua bunda. "Eu não vou embora sem a minha filha." "Bem. Então saia da minha frente antes que eu perca o pouco de controle que me resta e quebre seu pescoço." "Não fale assim perto da minha filha." "Sai fora, Sheldon!" Segurei o balcão até que minhas unhas se enterraram no granito, porque embora eu possa ter perdido a cabeça, eu ainda tinha um fraco controle. Kennedy agora estava chorando e me olhando como se eu estivesse perto de machucá-la, e eu nunca quis isso. Eu olhei para Sheldon com puro ódio em minhas veias enquanto ela relutantemente saiu da cozinha. "Mamãe". Kennedy estendeu as mãos para ela. Sheldon se voltou para ela, mas meu olhar a deteve. Eu deixei de fora todo o calor de meros momentos atrás. Ela merecia isso, minha casca fria e dura, nenhuma pessoa quebrada ia sair de dentro para salvá-la de mim.


Quando ela finalmente foi embora, eu me virei para Kennedy, que agora me olhava com olhos tristes. Meu reflexo e eu podia sentir a queda nos meus ombros. "Sinto muito que você teve que ver isso, garota." Eu tinha perdido meu apetite por isso eu me contentei em observála comer as suas panquecas uma vez que ela se acalmou. Ela não era o auto falante habitual, o que fez a atmosfera estranha, por isso, quando meu telefone tocou, eu fui grato pela distração. "Keenan, o que você precisa para chegar aqui agora." A voz rouca de Keiran através do telefone antes de eu pudesse falar. Ele parecia assustado. "O que está acontecendo?" "É o seu pai." "O meu pai?" John ... ou Mitch? "John", ele esclareceu como se ele pudesse ler minha mente. "O que é que ele quer?" "Ele foi baleado, cara, e ele não está parecendo bem. Venha para cá."


Keenan apenas nos jogou no carro sem dizer uma palavra sobre para onde estávamos indo e porquê. Mais de uma vez, eu tive que pedirlhe para desacelerar o carro e lembrá-lo de que Kennedy estava no banco de trás, mas ele nunca respondeu. Ele simplesmente pegava o volante mais apertado até o que quer que estivesse atormentando sua mente voltasse e então ele acelerava novamente. Nós fizemos a viagem de oito horas em apenas menos de sete e fomos direto para um hospital. Eu ainda não tinha idéia do que estava acontecendo, mas eu sabia que alguém próximo estava em apuros a julgar pelo olhar de terror e dor gravado em todo seu rosto. Peguei Kennedy e persegui Keenan, que tinha estacionado na faixa de emergência e corrido para dentro do prédio. Ele estava na recepção, sacudindo os pobres enfermeiros que se esforçavam para encontrar o que eu assumi que fosse o número de um quarto. "Keenan, você tem que se acalmar antes deles nos expulsarem." Ele me prendeu com um olhar que teria me matado no local, se tal coisa fosse possível. "Sim, John Masters está no quarto 345. Você pega uma direita" Keenan já tinha saído antes da senhora poder terminar de falar. Segui em um ritmo muito mais lento muito e insensível para me mover mais rápido. Alguma coisa tinha acontecido com John, e eu só podia adivinhar que ele estava falando sério, dada a gravidade do humor de Keenan. Avistei Lake logo que eu entrei no corredor onde o quarto de John estava e corri em direção a ela. Ela parecia perdida em seus pensamentos. Seu olhar estava fixo na parede. Eu coloquei a Kennedy dormindo em um


sofá próximo antes de falar. "Lake, o que está acontecendo? O que aconteceu com John?" Ela estalou para o som da minha voz, e quando ela olhou de mim para Kennedy, ela quebrou e disse rapidamente os acontecimentos que levaram a este momento. "Ele foi baleado em um semáforo no caminho da cidade para casa. As poucas testemunhas dizem que tudo aconteceu muito rapidamente." "Então, o que os médicos dizem? Será que ele vai ficar bem?" "Não, Sheldon. Ele não vai. Ele está sangrando lentamente perto do coração e os médicos não são capazes de parar o sangramento." "Então o que..." Não importa quantas vezes eu tentasse, eu não poderia concluir. Eu não poderia trazer o meu medo à vida. Keenan ia perder seu pai? "Ele vai morrer e ele não tem muito tempo. Eles disseram que seria no próximo par de horas ou algo assim." Isso não pode estar acontecendo. Por que isto está acontecendo? "Quem fez isso?" "Eu não sei. Keiran ficou lá por horas e não saiu. Eu nunca o vi assim. Eu não sei o que fazer." "Você ficou aqui?" Ela balançou a cabeça e disse: "Ele me disse para esperar aqui fora." "Eu não posso fazer isso." Não havia nenhuma maneira que eu poderia ficar aqui sem fazer nada. Eu empurrei a porta do quarto do hospital e encontrei Keenan, Keiran, Dash, e Q em torno da cama com expressões graves. Nenhum deles notou-me ao entrar, então eu estava congelado contra a porta. "Diga-me quem fez isso", Keenan exigiu. "Eu não posso fazer isso, filho. Eu prefiro deixar este mundo sabendo que nós dois finalmente ficamos em paz. Eu não mereço ter minha morte vingada. É hora de eu pagar minhas dívidas." A voz de John, uma vez forte e profunda, agora era um som fraco e doente. O homem forte e duro de repente parecia frágil.


"O que você está falando?" Keiran latiu. "Se você merecesse morrer, eu teria feito isso há muito tempo." Eu deveria ter ficado intimidada por seu comportamento, mas depois de tantos anos de amizade, eu sabia que ser duro era sua maneira de mostrar a sua dor. "Garotos... " "Não, John ... pai... foda!" Keenan visivelmente lutava com as palavras e as emoções que ele tentou desesperadamente manter longe. Ele estava lutando uma batalha perdida. "Eu sou seu pai, filho. Eu não me importo sobre a biologia." Foi então que me lembrei que um teste de paternidade nunca tinha sido feito mesmo quando surgiu a questão. John poderia realmente ser seu pai? Com sua morte, Keenan nunca saberia. "Basta dizer-nos quem fez isso com você." "Aqui está sua chance de fazê-lo chegar até nós. Diga-nos quem fez isso", Keiran pressionou. "Não importa se ele é culpado ou não, eu iria incentivar o assassinato de um homem e sacrificar seus futuros. Não importa o que eu permiti no passado. Tudo o que importa agora é o que eu faço no presente." Ele respirou fundo e continuou falando. "Eu vivi minha vida com um lamento após o outro, mas os arrependimentos eu vou levar comigo para onde eu for, agora eu estou protegendo os dois e dando-lhes o melhor de mim. Lamento não estar aqui. Eu sei que não tenho o direito de pedir, mas eu quero que vocês dois me façam uma promessa." Arrisquei me aventurar mais na sala, porque sua voz estava se enfraquecendo a cada palavra e seus olhos ficaram pesados. Os caras não reconheceram verbalmente o seu pedido, mas sua atenção nunca vacilou. "Prometam-me que vocês vão ser um homem melhor do que eu fui." O tempo parou e, em seguida, se estendeu impossivelmente desde que cada pessoa na sala esperou para ver o que Keenan e Keiran iriam decidir. Ao mesmo tempo, eles finalmente balançaram a cabeça, oferecendo uma pequena misericórdia e conforto para o homem moribundo que era o único pai que qualquer um deles já tinha conhecido.


Eu esperava mais. Redenção. Aceitação. Amor. No final, John morreu e nenhum deles nunca derramou uma lágrima. ***** Ninguém sabia o que dizer então ninguém disse nada. Foi tão devastador e inesperado quanto sem sentido a morte poderia ser. O médico anunciando a hora da morte ainda ecoava na minha cabeça. O que você diria a alguém cujo pai acabou de morrer? Você está bem? Meus pêsames? Isso vai ficar bem? A verdadeira tragédia estava na falta de emoção que se seguiu a sua morte. Keenan e Keiran tinham saído sem olhar para trás. O único que não parecia capaz de obter um porão de suas emoções era Lake. Dash tinha concordado em levar Kennedy para a casa dos nossos pais para passar a noite, deixando-me seu carro enquanto ele pegou uma carona com Q. Eu andava pelo corredor, enquanto Keenan e Keiran conversavam com os médicos em busca de algo para dizer. Quando alguém morre, você lamenta. Eu não sabia tudo de John devido à sua ausência, mas ele havia se tornado alguém com quem eu poderia contar com Kennedy nos últimos quatro anos. Eu estava tão profundamente em meus pensamentos que eu não tinha notado quando Keenan se aproximou e parou na minha frente, olhando. "Você está bem?" O som de sua voz rouca chamou a minha atenção. "Eu deveria estar te perguntando isso." Ele só encolheu os ombros, e eu vi seus olhos sem emoção olharem de volta para mim sem expressão. "Keenan ... o que está acontecendo na sua cabeça?" "Meu pai acabou de morrer. Eu não sei o que você quer que eu diga."


"Fale comigo. Você tem que sentir alguma coisa. Eu sei que você senti." "Eu nem mesmo pude dizer ao meu próprio pai que eu o amava antes dele morrer e você sabe por quê? Porque eu não o amava. Eu não podia amá-lo, porra. A nossa história é muito feia. Como diabos eu vou ser capaz de amar a minha própria filha?" "Keenan, às vezes não é tão simples. Você não é seu pai e Kennedy não é você." "É? Bem, eu não acho que isso é uma chance que eu estou disposto a tomar mais." E foi assim que, pela segunda vez na minha vida, ele se afastou de mim. Só que desta vez, eu o segui. Direto através das portas do hospital e pela noite. Durante um tempo menos emocional, no futuro, posso me perguntar por que eu corri atrás dele. Ele acelerou a partir do terreno do hospital, e eu lutava para manter Keenan na minha mira enquanto eu corria atrás dele. As estradas estavam escorregadias da chuva e o tráfego parecia derramar de todas as direções. Ele estava indo embora. Como ele poderia ir? Por que eu estava tentando impedi-lo? Seu pai tinha acabado de morrer, e sem perder uma batida, seu único pensamento foi fugir. Talvez fosse apenas por algumas horas, mas o olhar em seus olhos tinha enviado sinais de alerta para o meu intestino não deixá-lo escapar. O curso desta noite duraria para sempre, e eu devia escolher um caminho. Certo ou errado. Eu tinha que escolher. Então eu escolhi. "Vamos, Keenan. Por favor, diminua a velocidade. Desacelere. Devagar…" Ele atravessou um cruzamento quando a luz ficou vermelha e eu não tinha escolha, apenas andar, para não perdê-lo. Foi um erro que se tornou evidente pelas luzes ofuscantes de um carro próximo, o que


dificultou ainda mais a minha capacidade de ver, mas já era tarde demais de qualquer maneira. Eu nunca tinha ouvido um som pior do que o metal moendo e não havia um medo maior do que cair. Na verdade, isso não era verdade. A sensação como se eu estivesse morrendo foi maior. O medo de tudo o que você deixaria para trás ao morrer foi o maior de todos eles.


Eu precisava me virar. Algo estava me dizendo para me virar, mas o que eu ouviria se eu fizesse isso - cabeça ou o coração? A chuva caía tornando difícil de ver. Eu acelerei pelas ruas dirigindo para a saída de Six Forks. Meu pai estava morto, e eu não conseguia sentir absolutamente nada. A noite de hoje provou o quão vazio eu estava, e o modo como Sheldon olhou para mim não podia sair da minha cabeça. Como se eu fosse mau, indigno, e frio. Pelo menos é assim que eu me sentia. Eu não poderia colocar a culpa sobre ela. O sinal de trânsito mais à frente ficou amarelo e eu tive que fazer a escolha de parar ou acelerar completamente. Eu escolhi o último, porque parar significava ter a oportunidade de olhar para trás. Eu fiz isso quando o sinal ficou vermelho e pensei que estava livre até que uma série de palavrões explodiu em torno de mim. No início, eu ignorei, apenas motoristas descontentes. Até que eu olhei no retrovisor a tempo de ver um carro estupidamente me seguindo. O carro rapidamente girou fora de controle até que um poste o parou. Dolorosamente, eu assisti o carro se envolver violentamente em torno do poste. Não havia nenhuma maneira de que o motorista pudesse ter sobrevivido. No espaço de segundos, o mundo pareceu parar quando eu reconheci o carro. Ele pertencia a Dash, mas ele havia saído mais cedo com Kennedy e pegou uma carona com Q. Porra! Sheldon.


Eu puxei o carro para o lado e bati no chão correndo. A multidão se formou em torno do carro, e eu tive que passar pelas pessoas para chegar a ela. O carro tinha capotado e estava completamente destruído. Desespero e vergonha inundaram meus sentidos. Sheldon estava me perseguindo. Eu fiz isso. "Jovem, você não deve chegar muito perto. O carro está vazando gás." Uma rápida inspeção confirmou o aviso da mulher mais velha. Eu já podia ouvir sirenes no fundo, mas eu não podia esperar por eles. Gritei para Sheldon, mas quando ela não respondeu ou se moveu, eu percebi que ela estava inconsciente. Sangue vazava de sua cabeça e dado o traumatismo craniano recente, tornou a situação ainda mais prejudicial. Eu puxei a maçaneta da porta, mas ela não se moveu. O vidro foi completamente destruído por isso eu alcancei dentro cortando meu braço e minha mão no processo. Não importa o quão duro eu empurrasse, arrancasse e batesse - a porta não se movia. Corri em volta e tentei todas as quatro portas até que a do passageiro traseiro cedeu. "Oh, querida," a senhora mais velha de antes engasgou. "Filho, é melhor ficar longe e esperar por ajuda. Essa parte está começando a cair." Não demorou uma explicação para saber o que aconteceria se uma única faísca atingisse o chão e o gás viajava mais perto a cada segundo. Recusei-me a perder o meu pai e ela na mesma noite. "Filho, fique longe. Você vai se matar", gritou uma voz sem rosto da multidão. Não havia nenhuma maneira que eu iria parar ou ficar esperando pela ajuda. Se isso fosse acontecer, eu iria morrer com ela. Sem ela, eu estaria morto de qualquer maneira. Eu apenas rastejei para dentro e quando comecei a chegar perto dela, eu disse uma rápida e silenciosa oração agradecendo porque ela ainda estava viva e estendi a mão para ela. Gritos rasgaram o ar, e quando olhei para trás, vi uma única faísca caindo. Eu a assisti cair e em dois segundos, me movi com determinação renovada. Estendi a mão novamente, mas assim que eu fiz isso, mãos me agarraram, me afastando.


"Não!" Eu gritei e mãos estavam me agarrando, mas havia muito mais me puxando longe delas. A centelha tinha chegado ao chão agora e correu em direção ao carro. Eu joguei um cotovelo e minha cabeça para trás, não me importando que fosse ao fim da recepção e consegui me libertar. A adrenalina subiu por minhas veias. Em minhas mãos e joelhos, eu fui para o carro mais uma vez e mergulhei sem hesitar. Eu arranquei o cinto de segurança para longe e apenas senti quando o carro começou a pegar fogo. Instantaneamente, eu pude sentir as chamas aquecendo a minha pele. Fumaça encheu o carro tornando difícil de ver, por onde eu entrei já tinha sido engolido, deixando-me como minha única opção de saída a porta do motorista. Com pouco espaço, chutei a porta, consciente de que a qualquer momento o carro iria explodir. Mesmo agora, eu podia sentir-me cansado por causa da fumaça que enchia meus pulmões. Tornava-se impossível respirar e até mesmo a força dos meus chutes diminuiu. Comecei a ver como a minha vida tinha sido e, em seguida, como minha vida poderia ser. "Keenan," Sheldon ainda gemeu antes que ela desmaiasse. Apenas o som do meu nome vindo dela me deu a força que eu precisava, e com um último chute, a porta finalmente cedeu. ***** UM MÊS DEPOIS "Eu ainda não posso acreditar que você fechou a loja. No entanto, como você vai atender a todas as mulheres de Los Angeles?" "Quer parar com as piadas, vagabunda? Eu não dormi com uma única mulher na Califórnia." "Oh, eu sei, mas é muito divertido ver sua calcinha em uma reviravolta." "Se perca, Di." Eu fingia não me importar, mas rapidamente desisti da luta. "Como você soube?"


"Porque você estava muito mais feliz quando você estava fodendo em uma base regular. Desde que você a deixou, você se tornou um idiota mal-humorado. Eu diria ainda pior do que o seu querido irmão." “Você está aqui para me ajudar a desfazer as malas ou refletir sobre minha personalidade?" "Eu não posso acreditar que você realmente saiu." "Você sempre pode ficar. Keenan e Di - na estrada novamente." "Umm ... viver em Six Forks? Acho que não. Eu preciso da vida de glamour na cidade." "Ou talvez você esteja com medo," eu provoquei. "Não há nada em Six Forks que me assuste." A carranca que ela usava era conturbada. Levantei uma sobrancelha para ela, mas não respondi. Ao contrário dela, eu não pressionava. Olhei em volta da casa do meu pai, que ele deixou para Keiran e eu junto com cada única coisa que possuía. Keiran tinha imediatamente rejeitado tudo, enquanto eu escolhi doar tudo, menos a casa e seu negócio. Tivemos nossas diferenças tão fodidas quanto foram, mas eu não poderia dar tudo o que ele construiu. Eu tinha advogados dividindo tudo o que pertencia a John, e tudo o que foi herdado, e tinha-lhes doando os fundos herdados às várias organizações, com as porções maiores indo para fundações dedicadas a mulheres agredidas e crianças. "Então, o que vem depois?" "O que você quer dizer?" Eu perguntei distraidamente quando eu cortei a fita na outra caixa. Michelangelo olhou para mim na forma de uma mochila. O pequeno monstro verde estava sorrindo enquanto ele estava pronto em uma pose para o combate. "Você vai lutar por elas dessa vez?" "Quem?" "Isso importa? Elas são um par agora, você sabe. Duas pelo preço de uma", ela brincou. "O que é isso?"


"Oh ... preste atenção, você vai? A mulher pela qual você esteve apaixonado. Mãe de sua filha, e a mulher que você tirou de um carro em chamas está lá fora se apaixonando por alguém e você está aqui. Apodrecendo." "Ela não quer ter nada a ver comigo, Di. Ela deixou isso bem claro." "Bem, você quase se matou porque ela estava preocupada com você quando você não podia ter se incomodado o suficiente para cuidar de si mesmo." Eu respirei fundo e fechei a caixa cheia de coisas da minha filha que foram deixadas para trás naquela manhã há um mês. "Com quem você esteve conversando?" "Lake. Ela e Keiran estão indo muito bem no Havaí, por sinal." Keiran e Lake haviam se mudado temporariamente pelo verão até que Lake começasse a pós-graduação em Stanford no outono. O passado de Keiran de quatro anos era difícil para Lake, por isso eles não tinham sido capazes de relaxar nenhuma vez. Keiran tinha tomado a sua herança e canalizou uma grande parte dela na companhia de Jesse, tornando-se um parceiro. Era difícil de acreditar que Keiran lutou com ele no passado por seu ciúme e agora, na verdade, trabalhava com o homem. Ninguém sabe o que ele fez com o resto de sua herança. Ele só alegou que não era mais sua. Aparentemente, ele tomou essa decisão muito antes das ofertas da NBA. Ele tinha virado todas elas para baixo. Mesmo que o nosso relacionamento ainda fosse difícil, eu não poderia deixar de respeitar a sua decisão. Algo me dizia que Lake tinha algo a ver com isso. Indiretamente, é claro. Qualquer um com olhos podia ver que Keiran procurava sua aprovação. Ele queria ser digno dela. Ele também teve sua licenciatura em ciência da computação. Eu não acho que eu jamais iria obter uma mais. "Isso é ótimo. Quando eles vão voltar?" "Em cerca de dois meses, mas não tente mudar de assunto. O que você vai fazer?"


"Eu estou tentando ser um ser humano decente pelo menos uma vez." "Ao negar seus sentimentos e um pai a sua filha?" "Kennedy não sabe que eu sou o pai dela. É melhor assim. E eu não vou ter de passar os próximos quinze anos com medo de ter me tornado o meu pai e de ser um sofrimento para ela." "Então, cumpra a promessa que você fez durante os momentos finais a um homem que morreu e faça a coisa certa."


Eu li as palavras da carta pelo que parecia ser a centésima vez. Eu consegui. Depois de quatro anos querendo puxar meus globos oculares através do meu crânio pelo meu cabelo, eu tinha realizado o que me propus a fazer. A Faculdade de Medicina estava chamando o meu nome. Preocupação tentou tomar conta de mim, mas eu não ia deixar que o estresse das últimas semanas ou os meus obstáculos futuros como uma estudante de medicina e mãe solteira neste momento me atingissem. Eu precisava ligar para alguém. Eric surpreendentemente apareceu na minha cabeça, mas depois de Keenan ter lhe batido na frente de um restaurante cheio de pessoas, incluindo seus pais, ele deixou claro que eu não precisava entrar em contato com ele, especialmente depois que eu disse a ele sobre Kennedy. Aparentemente, seus pais tiveram certeza que a minha bagagem poderia manchar a imagem dele. E assim terminou um relacionamento de um ano que nunca teria se desenvolvido após o limite que eu tinha definido. Fiquei ainda mais grata por nunca ter dormido com ele. Eu nunca sequer tive o desejo. Era hora de para fazer o almoço de Kennedy então eu a verifiquei primeiro. Era um trabalho de tempo integral mantê-la fora de confusão. Pela primeira vez, ela tomou a iniciativa de realmente desenhar em papel em vez das paredes ou móveis. Sua cabeça estava inclinada e seu rosto sério com concentração enquanto ela rabiscava. Eu estava começando a acreditar que o desenho era algo que ela gostava de fazer como seu pai.


Não pense sobre ele, Sheldon. Não pense sobre como ele ainda não tinha ligado e nem tinha ficado. Não. Ele voltou para a Califórnia para sua loja de tatuagem e apartamento de cobertura e ... Di. Eu me perguntei se eles já fizeram sexo ou se sua amizade tinha sido completamente platônica. Havia algo sobre ela que não encaixava. Eu não sei se era bom ou ruim, mas eu sabia que ela era mais do que ela mostrava ao mundo. Talvez fosse por isso que eu não confiava nela. Ou talvez eu só estivesse com ciúmes. Afinal, ela tinha estado em sua vida durante os últimos quatro anos, quando eu não tinha. Será que ele percebeu que a amava e foi por isso que ele nunca mais voltou? Mais frequentemente do que não, eu me perguntava se ele já pensou em nós. Foi difícil para mim não pensar nele ou no que ele tinha feito por mim. Ele arriscou sua vida por mim da maneira mais louca. Não só tinha eu ouvi sobre isso, mas também um garoto punk teve a ousadia de fazer um vídeo e enviá-lo para o YouTube. Agora toda a vagina ao redor do mundo e homens com sonhos de menina o queriam. O que eu queria fazer era estacar minha reivindicação sobre ele e esquecer como eu o afastei depois de sobreviver ao acidente. Metade de mim meio que esperava e queria que ele fosse me ameaçar e me reivindicar, mas ao invés disso, ele caminhou para longe de nós calmamente. Seria razoável eu odiá-lo por isso? "Kennedy, é hora para o almoço", eu gritei sobre o trovão que de repente quebrou através do céu. Uma espiada através das janelas mostrou chuvas torrenciais derramando para a rua abaixo. "Mamãe, está chovendo agora. Eu posso ir brincar?" Eu sorri e como sempre, balancei a cabeça. Eu acho que Kennedy era a única filha que não entendia que as tempestades não eram para brincar. A minha pequena mal notava um dia ensolarado.


"Nós conversamos sobre isso, Ken." Eu coloquei o prato cheio de sanduíches de manteiga de amendoim e geleia cortados em quadrado na frente dela no exato instante em que um duro golpe soou na porta. Eu debati sobre responder porque eu não estava esperando ninguém. Depois de Kennedy ter sido sequestrada sem nenhuma pista de quem foi o responsável, eu estava sendo extremamente cautelosa. Quando eu peguei a grande faca de cozinha no caminho para a porta, eu percebi que paranoica poderia ter sido um termo melhor. Keenan e Keiran tinham suspeitado do meu pai, mas depois de interrogá-lo, puseram isso para descansar. O único crime de meu pai tinha sido o seu descuido e colocar os negócios antes de sua neta. Greg e Vick tinham abordado o meu pai com falsas credenciais como detetives particulares após 'Ouvir sobre o sequestro' no noticiário. Tinha sido um risco longo, mas tiveram sorte depois de seus homens já terem sido colocados em outra atribuição relativa a um acordo de negócios na Alemanha que meu pai tinha vindo a cultivar por um tempo muito longo. A única questão agora era quem os contratou para representar serem detetives particulares. Nós já sabíamos por quê. Alguém lá fora, queria Keiran morto o suficiente para raptar uma criança inocente, e sem um nome, ele ainda estava em perigo, juntamente com Kennedy. "Só um segundo," eu pedi quando a batida continuou, tornando-se mais alto a cada batida. Eu abri a porta e olhei para a pessoa do outro lado com surpresa. Eu não estava esperando isso. "Posso ajudá-lo?" "Sim, eu estou aqui para instalar o seu novo cabo e serviço de internet." Um homem de meia-idade, em um jeans desbotado e uma camiseta ainda mais desbotada com o logotipo da empresa de cabo estava com um sorriso no rosto. Eu rapidamente deslizei a faca em meus shorts de dormir e coloquei um sorriso. "Eu não agendei uma instalação de internet." O homem franziu a testa e, em seguida, olhou para o tablet que carregava. "Sandy Chaplin? Apartamento 203?"


"Não me desculpe. Esse apartamento é ao virar da esquina, a duas portas." "Me desculpe. Tenha um ótimo dia." Ele caminhou fora e eu fechei a porta me sentindo boba. Eu tinha acabado de voltar para a cozinha quando a batida recomeçou. Desta vez eu deixei a faca. Eu assumi que o técnico podia ter se perdido novamente por isso o meu sorriso estava pronto quando eu abri a porta. A pessoa que estava do outro lado da porta desta vez varreu o meu sorriso de mim. Meu cérebro gritou para que eu fechasse a porta e fingisse que isso nunca aconteceu, mas eu fiquei paralisada. Keenan estava do outro lado, com a cabeça baixa, encharcado de água da chuva. Sua camiseta branca estava grudada em seu peito musculoso fazendo suas tatuagens visíveis enquanto seu jeans estava pendurado fora de seus quadris da maneira que eu tanto gostava. "Você vai me deixar entrar ou continuar me olhando como se fosse me foder", ele sorriu. Em vez de esperar por uma resposta, ele pegou minha mão e entrou, fechando a porta atrás de nós. Todo o tempo, eu estive com minha boca aberta. Ele está realmente aqui. "O que ... hum ... o que você está fazendo aqui?" Eu tive que limpar minha garganta várias vezes para falar de forma inteligível. Eu olhei em direção à cozinha, nervosa e debatia sobre chutá-lo para fora. Eu não queria que Kennedy o visse se ele não estivesse aqui para ficar ... O que eu estava pensando? Eu queria que ele ficasse? Kennedy tinha sido curiosa sobre o desaparecimento de Keenan mas apenas parou de perguntar para ele. Durante algum tempo, ela chorava até dormir e eu não a entendia, mesmo que eu quisesse chorar com ela. Ela só tinha conhecido ele por um fim de semana. O amor não acende tão rápido, não é? Eu me senti como uma hipócrita por sequer pensar isso. Keenan e eu tínhamos nos apaixonado rápido e forte um com o outro. Por que não poderia ser o mesmo por pai e filha?


"Um bom amigo meu me lembrou que eu não estava cumprindo minhas promessas. Eu relembrei cada promessa que eu fiz desde que eu fui para longe de você, há quatro anos. Mesmo a promessa que tinha feito ao meu pai antes de morrer." "Do que você está falando?" "Eu estou falando sobre você e Kennedy e o fato muito permanente que vocês duas ainda me possuem." Minha cabeça nadou com as possibilidades do que ele poderia querer dizer. "Eu não falo em enigmas, Keenan. Por que você está aqui?" Ele passou as mãos pelo seu cabelo espetado e soltou um suspiro. "Eu estou aqui porque eu quero pedir algo... se você me deixar." Ele parecia estar em uma perda de palavras, então eu perguntei, "O que você quer pedir?" "Para você e para a minha filha." Eu dei um passo para trás, deixando minha mão deslizar de seu aperto forte. Surpreendentemente, ele me deixou me afastar e se encolheu com a perda de contato. "Você está realmente pedindo outra chance?" "Não." "Oh ..." "Eu estou pedindo para você salvar a minha vida, porque a cada respiração no meu corpo, eu te amo. Eu vou te amar até o meu último dia. Sem você, eu não sou mais alguém com uma razão para viver." "Eu gostaria de acreditar nisso, mas eu não posso. Você tem um problema que eu não posso ignorar mais. Eu não posso passar o resto da minha vida preocupada que um dia você vai encontrar a mulher pela qual não só vai valer a pena me trair, mas também quebrar meu coração para sempre." Seus olhos ficaram desesperados e frustração alinhou em suas feições. "Eu estava preenchendo um vazio criado pelos meus pais. Eu era invisível antes de você. Eu era indesejado e sem amor. Eu vivi assim até que eu encontrei uma maneira de preenchê-lo, mesmo que fossem apenas correções temporárias. Eu era um viciado, mas não da maneira que você


pensa. Eu desejava a atenção e a intimidade que eu nunca tive e fui muito estúpido para perceber que o presente que você me deu foi muito mais precioso. Eu não era digno de você, mas você preencheu o vazio. E então, de alguma forma, essa imagem da minha mãe se afastando de mim para sempre me transformou. Eu estava com medo, Shelly. Eu estava com medo de que você um dia iria percebesse que eu era indigno e me deixasse. Assim, eu encontrei uma maneira de lutar contra a insegurança, mantendo você. Isso me fez sentir como se eu estivesse no controle, e que não importa o que acontecesse, alguém iria me querer." "Então, eu era substituível." "Não!" Ele gritou e eu olhei nervosamente em direção à cozinha. Ele baixou a voz e disse: "Não é substituível. Você era inalcançável." "Mas você me teve." "Eu tive a minha mãe uma vez também, e então eu a perdi." "Então, o que faz com que você ache que vai ser melhor agora?" "Porque eu sei que minha mãe e meu pai fizeram as suas escolhas, mas as suas escolhas não têm que refletir nas minhas. Eu não tenho mais medo de te amar." "Você nem sequer me ama o suficiente para lutar por mim. Em vez disso, você fugiu na primeira vez que eu te machuquei, mesmo que eu tenha perdoado você cada vez que você quebrou meu coração. Eu arrisquei tudo para estar com você, meu auto-respeito, a minha sanidade mental, e meu coração e agora você está me pedindo para arriscar tudo de novo?" "Se o risco significa minha rendição, então isso ..." Ele se ajoelhou e meu coração ricocheteou em torno do meu peito. "Isto, Shelly, é me entregar a você." "Eu, uh ... o quê?" "Princesa", ele gritou. "Você poderia vir aqui, por favor?" Passos minúsculos soaram, mas eu ainda estava congelada sem reagir. "Keenan!" Kennedy correu à vista e lançou-se nos braços de Keenan. "Eu senti sua falta", ele sussurrou para ela.


Ela se agarrou ao seu pescoço até que ele a sentou em seu joelho. "Garota, eu tenho uma confissão a fazer que você não pode entender, mas eu preciso fazer isso de qualquer maneira. Você está ouvindo?" Ela assentiu com a cabeça e ele limpou a garganta. "Quatro anos atrás, eu feri sua mãe muito ruim em mais de uma maneira." Kennedy parecia entender porque seu rosto caiu, mas ela continuou a ouvir. "Eu pensei que eu poderia protegê-la de uma senhora muito ruim, fazendo algo que eu sabia que iria quebrar seu coração. Eu tomei a chance de impedir o pai dela de levá-la para longe de mim por causa da senhora má que sabia que éramos crianças impertinentes." Ele sorriu para a última parte, e eu limpei minha garganta. "De qualquer forma, a senhora má gravou um vídeo de nós com seu telefone quando fizemos uma coisa impertinente na escola e ameaçou mostrar a seu pai junto com o mundo inteiro se eu não fizesse o que ela queria. Ela também ameaçou prejudica-la se eu dissesse não, e isso significava que sua mãe teria que ir a algum lugar longe de mim para terminar a escola. Eu fiz um pacto com o diabo, e embora eu tenha salvado a sua mãe da senhora má, eu também a perdi. Eu era egoísta, Princesa, e eu fiz sua mãe sofrer, mas se você puder me perdoar, eu prometo passar o resto da minha vida sem nunca fazer isso novamente." Ele olhou por cima de Kennedy para encontrar meu olhar. "Você pode me perdoar, baby?" Eu não sei quanto tempo nós olhamos nos olhos um do outro antes de Kennedy se levantar do colo do pai para ficar na minha frente. "Mamãe, desculpe Keenan." "Você é uma traidora", eu sussurrei para ela antes de um sorriso aparecer livre. Senti minhas lágrimas, mas ignorei-as, porque não era algo que eu precisava dizer. "Eu vou perdoá-lo com uma condição." Ele olhou desconfiado, mas disse-me para prosseguir sem hesitação. "Você dizer a Kennedy que você é o pai dela, e é melhor ter um anel em algum lugar em você, porque não estamos aceitando nada menos do que o seu empenho total."


Seu sorriso de menino que eu reconheci de há muito tempo quebrou livre quando ele enfiou a mão no bolso e materializou não um, mas dois anéis. "Princesa, venha aqui." Ela se virou para ele e ele pegou sua mão esquerda. "Kennedy Sophia Chambers, você vai me aceitar como seu pai?" Kennedy assentiu com seu olhar petrificado no anel que parecia um diamante verdadeiro embora pequeno para que coubesse no seu dedo. Eu suprimi o desejo de repreendê-lo por comprar para uma menina de três anos de idade, um anel que, sem dúvida, custaria muito dinheiro. Ele colocou o anel em seu pequeno dedo, e para minha surpresa, ele se encaixou perfeitamente. Ele resmungou algo sobre a mudança de seu último nome antes de se virar para mim. Esse foi o momento em que eu comecei a sentir meu coração batendo no meu peito um pouco demais. "Sheldon Chambers, você vai me dar a honra de aceitar a minha entrega a você e ser minha esposa?" ***** DOIS MESES DEPOIS "Deixe-me ver o anel! Deixe-me ver o anel!" Lake deixou de lado todos em seu caminho para chegar até mim. Sério, alguém teria que falar sobre o que a gente começou a chamar de tendência de Keiran. Estávamos tendo atualmente um churrasco em nosso quintal para celebrar seu retorno do Havaí. Ela emocionou-se e balbuciou sobre o meu anel de noivado antes que ela começasse a chorar. "Eu sabia que ele era susceptível de deixar de ser um covarde." Todos na vizinhança riram exceto Keenan, que derramou um olhar gelado. Ele ainda poderia ser como um bebê. Havia dias em que Ken era mais adulto que ele. "Então, quando é o casamento?" "24 de novembro. Dois dias antes de Ação de Graças." "Eu estou tão feliz por você, eu poderia simplesmente chorar."


"Eu acho que você já está ...?" Keiran comentou, ganhando uma cotovelada no intestino. Ele revirou os olhos e começou a mordiscar seu pescoço, e assim, eu simplesmente fui esquecida. Eu tive que limpar minha garganta para chamar sua atenção novamente. "Vocês nunca usam um quarto?" Mais de uma vez, eu tinha flagrado eles durante suas férias de primavera. Foi logo depois que Kennedy nasceu, e a primeira vez que eu tinha pegado eles transando no balcão da cozinha. Mesmo que fosse sua casa, mas ainda assim... "Keenan, obtenha sua noiva fora da minha vida sexual", Keiran respondeu. "Alguém poderia pensar que você não pode agradar a sua mulher." Risos nos cercaram, e embora eu fosse o motivo da piada, eu estava feliz por voltar a vê-los tentar se aproximar mais uma vez. Eles ainda estavam na ponta dos pés em torno de si, mas um pouco da tensão se dissipou. Seu vínculo começou a se reconectar no funeral de John, logo após sua morte. Eu tinha assistido, apesar da minha decisão de ficar longe de Keenan, porque eu não poderia trazer-me não estar lá. Havia dias em que Keenan iria se deparar com algo de John e uma nuvem negra tomava conta dele, eu esperava ela sumir e como sempre, ele voltava para mim. "Shelly, posso falar com você em particular?" Sem esperar por uma resposta, ele pegou meu cotovelo e me guiou em sua casa de infância que agora era nossa. "Se você está me arrastando para sexo, eu disse que há um período de espera. Nós fizemos isso na máquina de lavar só uma hora antes do churrasco começar." "Eu encontrei a carta", ele disse uma vez que ele fechou a porta para o nosso quarto. "Huh?" "A carta de aceitação da faculdade de Stanford. Eu achei ela escondida em sua gaveta de calcinhas." "O que você estava fazendo na minha gaveta de calcinhas?" "Essa não é a questão. Por que você não me contou sobre isso?"


"Porque eu decidi não ir." "Você disse o quê?" "Que eu decidi não ir. Stanford está na Califórnia." "Eu estou bem ciente de onde Stanford está. O que eu não entendo é por que você jogou fora essa oportunidade?" "Porque a nossa vida é aqui em Six Forks." "Não, Shelly, a nossa vida é onde quer que estejamos desde que estamos juntos." Ele balançou a cabeça, e eu me senti como uma criança repreendida. "Estou decepcionado com você." Agora eu era a única a fazer beicinho. "O que você quer que eu diga, Keenan? É muito tarde." "É aí que você está errada. A admissão precoce está chegando. Eu já recolhi tudo o que você precisa. Hoje à noite, antes mesmo de pensar em ter-me entre suas coxas, eu quero que você comece a trabalhar sobre isso e faça qualquer preparação que você precisa." "Não tenho uma palavra a dizer nisso?" "Você já teve sua palavra, agora é a minha vez." "Mas eu gosto daqui." Na verdade, eu não sabia por que eu estava objetando. A Faculdade de Medicina era o que eu queria desde que Kennedy teve seu primeiro episódio de convulsão. Para algumas pessoas, pode não ter sido uma razão para decidir o caminho que eu tomaria, mas eu nunca quis me sentir impotente de novo, e eu poderia ajudar não somente a Kennedy, mas também a outras crianças doentes. Eu poderia fazer uma diferença maior do que sendo um modelo de moda. "Podemos voltar em alguns anos, quando você estiver pronta, e Kennedy terá acesso a uma praia a qualquer hora que ela quiser." Kennedy era insaciável quando ela ia para a praia. Sempre que ela via água, ela estava pedindo para ir à praia. A hora do banho era um regalo. "O que vamos fazer com a casa?" "Está paga e é nossa. Ela não vai a lugar nenhum."


"Você está realmente disposto a fazer isso por mim?" "Pergunte-me isso de novo e eu vou bater em sua bunda." "Eu só..." "Sheldon." "Sheldon? Desde quando você me chama de Sheldon?" "Desde que você começou a pedir para ser dobrada por cima do meu joelho." Meu corpo respondeu a sua declaração muito antes que eu pudesse. "Em vez de seu joelho, talvez você pudesse me amarrar à cama de novo." Eu levantei o meu vestido sobre minha cabeça, revelando o meu corpo nu embaixo. "Lembra-se de como nós concebemos Ken?" "Foda-se, sim, eu me lembro." Sua voz se tornou rouca e os olhos escurecidos com a necessidade de me foder.


Eu olhei para Shelly enquanto eu tinha um sorriso provocante nos lábios e pensava em como, para o resto da minha vida, eu veria esse sorriso todos os dias. Eu nunca me senti tão necessário quanto quando estou com ela e Ken. Toda a minha vida eu tinha estado à procura de um pouco de atenção quando todo esse tempo tinha sido me concedido um amor que era só para mim. E, embora o nosso amor possa ter sido quebrado, ele ainda era nosso.


NÃO ACABOU "Então, quem é a pobre alma que sofreu este destino infeliz, e mais importante, a quem ele irritou?" "Mitch Masters. Idade quarenta e oito. Nenhuma esposa ou filhos se pronunciaram. A família é um assunto obscuro. Seu irmão, John Masters, admitiu-o na instalação, mas também foi assassinado há alguns meses e não há pistas encontradas." O detetive circulou a cena do crime com cuidado, mas quando seu olhar pousou em todo o sangue na parede, ele desviou o olhar e estudou o corpo em seu lugar. "Então, seus olhos estavam abertos?" "Sim. O pobre coitado viu a sua morte." A confusão sangrenta nas paredes era difícil de engolir, mas desta vez, o detetive não desviou o olhar imediatamente. Escrito em vermelho carmesim, estavam as palavras: "Por John." "Eu acho que nós encontramos a nossa pista."


MAS... E SOBRE... Quem estava por trás do sequestro da Kennedy? Quem matou Mitch? Quem era o pai de Keenan? Onde está Willow? …e mais. A série continua, portanto, fique atento à um importante anúncio.

Série broken love 03 fear us b b reid  
Série broken love 03 fear us b b reid  
Advertisement