My Cooprofar Março 2019

Page 1

março 2019

04. Análise de Mercado

Acessibilidade ao medicamento continua em níveis elevados 08. Especial Saúde

Saúde Oral

12. Campanha de Proximidade

Insuficiência Cardíaca 14. Indústria Farmacêutica

SNS reduz dívida 18. Cooprofar

Formação Cooprofar 19. Breves

Urgências: 40% pouco ou nada urgente


Segue INTERAPOTHEK no

Distribuído por:

LÍDER NO COMBATE À DOR

www.mercafar.com

Um mundo de soluções a pensar em si


Prof. Doutor Delfim Santos Presidente da Direção

EDITORIAL

Avaliar para progredir. No Grupo Cooprofar-Medlog trabalhamos continuamente no sentido de garantir que todo o circuito de distribuição farmacêutica decorre de forma célere e eficaz, desde os fornecedores, aos nossos parceiros e clientes. O papel da Cooprofar é precisamente assegurar as pontes para que os produtos de saúde percorram o seu caminho até às Farmácias, satisfazendo as necessidades das mesmas e gerando ganhos de eficiência e valor para os intervenientes desta cadeia. São estas pontes, estes elos, que permitem criar canais de comunicação fluídos, capazes de gerar efeitos reais na saúde do cliente final: os utentes da Farmácia. Para que este processo tenha sucesso e alcance os resultados pretendidos, a Cooprofar tem o dever de estar constantemente à frente dos constrangimentos do presente, antecipando soluções. Neste propósito temos o privilégio de contar com as Farmácias que, além do seu contributo com sugestões no quotidiano, colaboram com a participação no Inquérito de Avaliação de Satisfação que realizamos anualmente, do qual obtemos sempre informação preciosa para o nosso esforço de melhoria contínua. Enviamos, por isso, o convite a todas as Farmácias para avaliarem a prestação da Cooprofar no ano de 2018, reiterando o compromisso de responder aos desafios que nos são colocados com o máximo empenho. De nossa parte continuamos empenhados em, com os nossos clientes, parceiros e colaboradores, desenvolver e manter processos de trabalho rigorosos, que acrescentem valor e credibilidade à cadeia do medicamento.


Análise de Mercado CRESCIMENTO FACE AO PERÍODO HOMÓLOGO Crescimento Mercado janeiro 2019 vs. mês homólogo

14 12 10 7,0

7,1

6,1

5,1

4,9

3,4

4,6

5,5

3,3

1,9

-8

Farmácias lançam petição As farmácias lançaram uma petição a pedir ao parlamento um “programa legislativo” que garanta “a igualdade e a equidade” de todos os portugueses no acesso aos medicamentos e evite o fecho de farmácias em situação frágil. Com o título “Salvar as farmácias, cumprir o SNS”, a petição apela à Assembleia da República para que “assuma um programa legislativo” com sete objetivos, sendo o primeiro “garantir a igualdade e a equidade de todos os portugueses no acesso aos medicamentos, indispensável à coesão territorial”. Os signatários pedem também ao Parlamento que atribua “incentivos e melhores condições de funcionamento às farmácias mais frágeis, evitando o seu encerramento” e que proíba “a concentração de farmácias e a sua instalação dentro dos hospitais”.

Projeto-piloto reforça vacinação nas farmácias em 31,8% A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) lançou um projeto-piloto, em colaboração com as farmácias dos concelhos de Loures e Odivelas, através do qual os idosos destes dois concelhos puderam vacinar-se contra a gripe, sem receita médica, nas farmácias, em condições de igualdade com os centros de saúde. Segundo os dados facultados no ACES Loures-Odivelas foram vacinadas sensivelmente 40.000 pessoas com mais de 64 anos, mais 10 mil do que na época anterior. Ou seja, com a entrada em vigor deste projeto, a cobertura vacinal deste grupo de risco aumentou 31,8%. As farmácias recorreram ao stock de vacinas do SNS, fornecido pela ARSLVT para o projeto-piloto, não cobrando nada pela administração das vacinas. 4

Viseu

Mercado Total

Vila Real

Setúbal

Açores

Santarém

Madeira

Porto

Lisboa

Portalegre

Leiria

Faro

Guarda

Évora

Viana do Castelo

-6

Coimbra

Beja

-4

Braga

0,7

Aveiro

DEZ

NOV

SET

OUT

JUL

AGO

JUN

ABR MAI

MAR

JAN FEV

-10%

-2

4,0

3,0

2

-5%

6,7

6,2 5,5

4

% 0

6,8

4,9

Bragança

5,5

5%

7,6

Castelo Branco

6

8,9

8,2

8

10%


mycooprofar

INFARMED

“Acessibilidade ao medicamento continua em níveis elevados” O Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento, revelou que recebeu, no ano passado, 435 contactos de utentes a reportar dificuldades no acesso a medicamentos, o que representa uma ligeira descida face a 2017 (455 contactos) e a 2016 (489). De acordo com dados enviados, os portugueses consumiram mais quatro milhões de embalagens de medicamentos em 2018 do que no ano anterior, o que demonstra que a acessibilidade aos fármacos "continua em níveis elevados".

Faltaram 64 milhões de embalagens de medicamentos em 2018

Autoridade vai intensificar inspeções A Autoridade do Medicamento anunciou que vai intensificar as ações de inspeção para detetar eventuais falhas de medicamentos, depois de no ano passado ter realizado quase 400 inspeções a farmácias e distribuidores. O Infarmed adianta que nas inspeções realizadas em 2018 foram identificadas algumas “questões relacionadas com faltas de medicamentos”, mas “nenhuma situação que justificasse uma intervenção”. Apesar de indicar que as inspeções realizadas não detetaram qualquer questão que justificasse uma intervenção, o Infarmed decidiu avançar com “um programa inspetivo” que incide sobretudo “em questões relacionadas com a disponibilidade de medicamentos”, sendo as ações dirigidas a distribuidores, farmácias e titulares dos medicamentos.

A informação do Infarmed surge na sequência de um relatório do observatório do Centro de Estudos e Avaliação em Saúde da Associação Nacional de Farmácias, que indicava que, em 2018, 64,1 milhões de embalagens de medicamentos não puderam ser dispensadas no momento em que as pessoas as tentaram adquirir nas farmácias, o número mais elevado desde que o fenómeno começou a ser monitorizado em 2014. Os medicamentos que mais faltaram aos doentes portugueses em 2018 foram o Sinemet (Parkinson), o Trajenta (diabetes) e o Aspirina GR (tromboses e enfartes).

Farmacêuticos: Taxa de desemprego inferior à média nacional A taxa de desemprego entre os farmacêuticos é inferior à média nacional (4,4% contra 6,8%), com mais de oito em cada dez a arranjar emprego no máximo em três meses após terminarem o curso, revela um estudo realizado pela Ordem dos Farmacêuticos (OF), através do Observatório da Empregabilidade no Setor Farmacêutico e da Plataforma Ensino-Profissão. Segundo o estudo, que decorreu em outubro de 2018 e envolveu 1.502 farmacêuticos, a maioria mulheres (79%), a taxa de desemprego entre os farmacêuticos é inferior à

média nacional e é ainda mais baixa entre os profissionais com menos de 30 anos, não ultrapassando os 2,8%. Os resultados mostram também uma relação direta entre o vínculo de trabalho inicial e a idade dos profissionais, ou seja, quanto menor a idade, maior a percentagem de indivíduos que teve no início da sua carreira profissional um vínculo igual ou inferior a um ano. O estudo indica que 40% dos farmacêuticos auferem entre 1.000 e 1.700 euros brutos mensais. 5


Análise de Mercado

Governo deve estudar soluções para o setor farmacêutico

Portugal ocupa 5º lugar dos países com melhor acesso a contracetivos

A bastonário da Ordem dos Farmacêuticos defendeu que o Ministério da Saúde deve “estudar e equacionar” vários modelos dentro do que é o serviço público que as farmácias prestam aos portugueses e ao Serviço Nacional de Saúde. “Se a solução passa por pagamentos de alguns serviços ligados à otimização da terapêutica em estreita ligação com os médicos ou se passa por olhar para medicamentos que hoje estão com preços muitíssimo baixos não sei, é preciso olhar para o serviço público que as farmácias prestam”, disse Ana Paula Martins. Na sua opinião, os agentes, nomeadamente o Ministério da Saúde, o Infarmed e os farmacêuticos, têm de se sentar e equacionar um sistema que seja comportável e que responda às necessidades dos portugueses, não pondo em causa aquilo que é o orçamento do SNS.

Portugal ocupa o quinto lugar de uma lista de 46 países, a maioria europeus, sobre o acesso a métodos contracetivos, por os disponibilizar à população mais vulnerável, ter planeamento familiar gratuito e informar sobre o assunto na Internet. A lista consta do “Altas da Contraceção 2019”, divulgado em Bruxelas, uma iniciativa do Fórum Parlamentar Europeu sobre População e Desenvolvimento - que reúne vários Estados-membros da União Europeia (UE) -, e de vários especialistas em educação sexual e saúde reprodutiva criada para monitorizar a aposta dos países nesta área.

Saúde sexual: Distribuídos quase 5 milhões de preservativos em 2018 As autoridades de saúde distribuíram cerca de 4,9 milhões de preservativos em 2018, mais um milhão do que em 2014, em centros de saúde, hospitais, organizações não-governamentais, escolas e prisões, segundo dados da Direção-Geral da Saúde (DGS). Os dados, divulgados a propósito do Dia Internacional do Preservativo indicam que, em 2018 foram distribuídos 4.732.261 preservativos masculinos e 170.291 femininos, num total de 4.902.553, contra 3.899.297 em 2014.

Mercado da homeopatia vale quase seis milhões de euros A homeopatia é uma das terapêuticas não convencionais com mais fãs na Europa, mas em Portugal vive um momento de estagnação. As vendas de medicamentos homeopáticos nas farmácias registaram um crescimento acentuado de 2013 a 2015 (mais 16% e 14% em valor, respetivamente), mas baixaram nos dois anos seguintes (1,2% e 0,1%).

Segundo dados do estudo “A saúde dos adolescentes portugueses após a recessão”, 28% de adolescentes referem não ter utilizado o preservativo na última relação sexual e 6,1% não se lembram de ter usado. “Numa altura em que estão disponíveis novas estratégias de prevenção, como a Profilaxia pré-Exposição (PrEP) e Profilaxia Pós-Exposição, importa relembrar que o preservativo continua a ser um meio de fácil acesso e altamente eficaz na prevenção de infeções sexualmente transmissíveis e de gravidezes não desejadas”, sublinha a DGS.

Ainda assim, em 2017, o mercado dos medicamentos homeopáticos representava 5,92 milhões de euros. E, até outubro do ano passado, tinham sido vendidas 447 mil embalagens de homeopáticos, num total de 5,1 milhões de euros.

6 AF COLGATE

Folheto SBE Higiene Oral A4.pdf

1

05/02/2019

17:20


mycooprofar

RECEITAS

Médicos já podem passar através do telemóvel Os médicos passaram a poder passar receitas através do telemóvel, deixando de ter de o fazer só em computadores com leitor de cartões. O presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), Henrique Martins, explicou que esta nova funcionalidade será especialmente útil nos casos de consultas ao domicílio ou quando o médico se encontra longe do doente. Dados dos SPMS indicam que só no ano passado foram prescritas mais de meio milhão de receitas manuais e no domicílio, com os antigos modelos de receita A5 em papel. Através desta nova funcionalidade, Henrique Martins espera uma “diminuição muito grande” das receitas em papel passadas nos casos em que os médicos se deslocam a casa do doente.

Infarmed manda retirar medicamentos para afeções das vias respiratórias… … e alerta para ilegalidade de produtos para disfunção erétil

A Autoridade Nacional do Medicamento determinou a retirada do mercado do remédio Pneumorel xarope e comprimidos para tratamento de afeções das vias respiratórias, na sequência da identificação de um potencial efeito nocivo no ritmo cardíaco. O Infarmed esclarece que o laboratório Servier Portugal – Especialidades Farmacêuticas, Lda, decidiu suspender e retirar do mercado aqueles medicamentos devido à identificação de um potencial efeito nocivo no ritmo cardíaco associado à utilização de medicamentos contendo a substância fenspirida.

O Infarmed alertou ainda para a existência de três produtos para disfunção erétil que contêm substâncias que só podem ser utilizadas em fármacos e sem autorização de venda em Portugal. O produto Hapenis, em cápsulas, contém substâncias destinadas ao tratamento da disfunção erétil. Após análise no laboratório do Infarmed, verificou-se que o produto contém a substância ativa nortadalafil, um análogo da substância ativa tadalafil, que se destina à melhoria do desempenho sexual. De acordo com o Infarmed, foram também detetados na Alfândega os produtos Yohimbe extract, solução oral, e Venom Dragon Pharma, em pó, que contêm substâncias destinadas ao tratamento da disfunção erétil. Foi ainda detetado na Alfândega o produto DHEA Hormone Balance Swanson, em cápsulas, que contém uma substância com atividade hormonal. 7


Especial Saúde

A definição de saúde oral, preconizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), consiste “na ausência de lesões dos tecidos moles circundantes aos dentes, ausência de dor orofacial e de cancro oral e faríngeo, malformações congénitas, doença periodontal, cárie dentária e outras patologias que afetam o complexo craniofacial”. Define-se que uma pessoa tem saúde oral quando esta se encontra num estado de bem-estar físico, mental e social, desprovida de doenças orais. Manter a boca saudável é crucial para o seu bom funcionamento e manutenção da saúde em geral.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 80% destes casos seriam evitáveis com prevenção e investimento em hábitos de saúde regulares.

8


mycooprofar

Cuidados especiais com crianças:

O que fazer para manter uma boca saudável?

. Nos primeiros dias após o nascimento, limpe as gengivas do bebé, com uma gaze ou toalha limpa e húmida;

. Lavar os dentes todos os dias, duas vezes por dia; . Escovar pelo menos durante 2 minutos; . Não comer pelo menos 2 horas a seguir à escovagem; . Mudar de escova a cada 3 meses; . Usar um dentífrico com flúor e uma escova manual

. Se usar biberão, coloque apenas o leite materno ou o leite artificial;

. Não adicione ao leite no biberão nenhum tipo de açúcar; . Não coloque no biberão sumos de fruta, refrigerantes ou água com açúcar;

. As crianças devem ir para a cama sem levarem o biberão; . Evite que o bebé adormeça com o biberão na boca; . Não coloque açúcar ou mel na chupeta do bebé; . Quando o primeiro dente começar a nascer, comece

ou elétrica;

. Não bochechar com água após a escovagem dos dentes, cuspir apenas o excesso de dentífrico;

. Reduzir o consumo de açúcar; . Consumir frutas e vegetais; . Não abusar do consumo de álcool; . Não fumar; . Consultar regularmente o dentista.

a limpá-lo antes de o bebé ir para a cama;

. Encoraje a criança a beber pelo copo, a partir do seu primeiro aniversário;

. Se a criança tiver menos do que três anos, coloque

uma pequena porção de dentífrico com flúor na escova (semelhante a um bago de arroz);

. Se a criança tiver entre três e seis anos, coloque uma porção de dentífrico com flúor na escova, do tamanho de uma ervilha;

. A partir de cerca dos dois anos e meio, a criança não deve usar chupeta;

. Desencoraje a criança a chuchar nos dedos; . Estabeleça bons hábitos alimentares desde cedo,

limitando a quantidade e a frequência do consumo de alimentos e bebidas açucaradas.

37,4%

+30%

nunca marcam consulta para check-up

53,6%

31,7%

afirmam não ter necessidade de ir a consultas de medicina dentária

não vão ao dentista por falta de condições financeiras

70%

8,2%

não tem qualquer dente natural

41%

não vão a uma consulta de medicina dentária há mais de um ano

nunca vai ao médico dentista ou apenas vai em caso de urgência

têm falta de dentes naturais

Barómetro da Saúde Oral 9


Especial Saúde

Conheça os sinais Portugal tem uma das taxas de incidência e mortalidade por cancro oral mais elevadas da Europa, com 15 casos de cancro oral por cada 100 mil habitantes. Contudo, só 30% dos pacientes diagnosticados com a patologia numa fase já avançada conseguem ser tratados. A deteção precoce da doença aumenta as probabilidades de tratamento, mas é importante conhecer os sinais que podem indicar a presença de lesões pré-malignas e visitar, de forma regular, o médico dentista. FORMAÇÃO

Saúde Oral e o Papel do Farmacêutico 28 MARÇO 2019 Cooprofar, Gondomar

De acordo com os profissionais de medicina dentária, os pacientes devem procurar feridas que não cicatrizam, manchas que alteram a cor ou que não desparecem, aftas muito prolongadas, nódulos, inchaços, dificuldade em engolir, mastigar ou falar, assim como sensação de dormência persistente e mobilidade dentária anormal. Para além disso, é aconselhado observar e palpar os lábios, puxar os lábios e examinar internamente, inspecionar o palato e os bordos laterais da língua, procurando alterações visuais ou táteis, comparar o lado direito e esquerdo do pescoço e procurar alterações palpando um lado de cada vez.

Em caso de dor de dentes que medicação pode ser feita? A gravidez enfraquece os dentes e por isso há maior risco para a doença cárie?

Não. Durante a gestação pode haver agravamento das condições da má saúde oral, mas por si só a gravidez não aumenta a incidência de cárie dentária.

Nunca se automedique. A grávida deve consultar um Médico Dentista para que lhe seja prescrita medicação ou efetuados os tratamentos dentários adequados que solucionem a situação dolorosa.

Uma grávida pode fazer qualquer tipo de tratamento dentário?

Sim. Mesmo que necessite de anestesia. Uma infeção oral é mais prejudicial para o bebé do que o tratamento dentário. O ideal Durante a gravidez os dentes enfraquecem seria fazer consulta de medicina dentária antes da gravidez a fim de evitar infeções orais durante este período. As consultas porque há perda de cálcio para o bebé? devem ser de curta duração preferencialmente de manhã, sendo Não. O cálcio está presente nos dentes da mãe, de forma mais indicado o segundo trimestre da gestação. estável e cristalina, não sendo disponível para a circulação sistémica. A gravidez não propicia aumento de incidência de cárie dentária. A que nível a higiene oral da grávida pode

A gengiva sangra mais na gravidez?

influenciar a saúde do bebé?

A higiene oral é a mais eficaz medida preventiva para evitar Sim. Devido a alterações hormonais a gengiva pode doer e infeções da cavidade oral. A mãe pode infetar o bebé por meio de sangrar facilmente, a situação agrava-se se não existirem microrganismos provenientes de doenças infeciosas como a cuidados adequados de higiene oral. cárie dentária e doenças periodontais.

10


11


 26 milhþes de adultos

Na maioria dos casos manifesta-se atravÊs de dispneia, edemas (principalmente nos membros inferiores), fadiga e aumento súbito de peso (devido à acumulação de líquidos)1.

em todo o mundo sofrem de IC3

4,36% ĂŠ a prevalĂŞncia global da IC crĂłnica em Portugal5

A IC pode ser classiďŹ cada em insuďŹ ciĂŞncia cardĂ­aca com fração de ejeção reduzida ou InsuďŹ ciĂŞncia cardĂ­aca com fração de ejeção preservada, tendo em conta a quantidade de sangue expelida pelo ventrĂ­culo direito. Entende-se por fração de ejeção a relação entre a quantidade de sangue bombeada e a quantidade de sangue contida no ventrĂ­culo esquerdo1,2.

Cerca de 1 em cada 5 pessoas (20%) com mais de 40 anos vĂŁo desenvolver IC

ao longo da vida6,7. Este risco aumenta com a idade e ĂŠ mais frequente nos homens que nas mulheres8 Estudos demonstram que

a qualidade de vida ĂŠ pior

com insuďŹ ciĂŞncia cardĂ­aca face a outras doenças crĂłnicas9

Trata-se de uma patologia progressiva com elevado risco de morte, seja por morte súbita ou devido a falência de bomba. Apesar dos avanços terapêuticos dos últimos anos, a mortalidade por IC permanece inaceitavelmente elevada, com mais de 50% dos doentes a não sobreviver nos 5 anos após o diagnóstico1,2,4.

A IC ĂŠ a causa mais comum

para hospitalização nas pessoas com mais de 65 anos10

12


Como ĂŠ de esperar esta patologia tem um enorme impacto social e econĂłmico e hĂĄ muito tempo que estava patente a necessidade de se desenvolver novas abordagens farmacolĂłgicas9,11,3,1. É exatamente para responder a essa necessidade que surge Entresto (sacubitril/valsartan), um fĂĄrmaco inovador pertencente Ă nova classe INRA (inibidor da neprilisina e dos recetores da angiotensina) e que representa o culminar de dĂŠcadas de investigação na ĂĄrea da IC1,12. O estudo PARADIGM-HF demonstrou a eďŹ cĂĄcia superior de sacubitril/valsartan, face ao comparador Enalapril, bem como segurança e tolerabilidade semelhantes. Entresto atua promovendo os efeitos benĂŠďŹ cos dos sistemas neurohormonais protetores do coração (sistema dos pĂŠptidos natriurĂŠticos) bloqueando simultaneamente os efeitos do SRAA. Traduz-se assim como uma mudança de paradigma no tratamento da IC com Fração de Ejeção Reduzida13.

Â

• 21% redução do risco de Hospitalização por IC • 20% redução do risco de morte CV • 20% redução do risco de morte sĂşbita • Melhoria da qualidade de vida

Â? Â? Â? Â? Â?  Â?  O farmacĂŞutico ĂŠ o proďŹ ssional de saĂşde por excelĂŞncia com capacidade de orientar o doente na toma correta dos seus medicamentos. Assim, cabe ao farmacĂŞutico garantir que o utente toma o fĂĄrmaco da forma correta e, caso nĂŁo esteja ainda medicado, alertĂĄ-lo para consultar o seu mĂŠdico1.

1. Ponikowski P, et al. Eur Heart J. 2016;37(27):2129-200 2. http://www.heart.org/HEARTORG/Conditions/HeartFailure/DiagnosingHeartFailure/EjectionFraction-Heart-Failure-Measurement_UCM_306339_Article.jsp#.Wt5nyrWWyM9 3. Ponikowski P, et al. ESC Heart Failure. 2014;1(1):4-25 4. Ahmed A, Am I Cardiol 2007; 99: 549-553 5. Fonseca C, et al. Rev Port Cardiol. 2017; 36(1):1-8 6. Go et al, Heart Disease and Stroke Statistics−−2014 Update: A Report From the American Heart Association, Circulation 2014, 4;129:e28-e292 7. Lloyd-Jones DM et al. Lifetime risk for developing congestive heart failure: the Framingham Heart Study. Circulation 2002;106:3068–72 8. Van Riet EE, et al. Eur J Heart Fail. 2016;18(3):242-52 9. Hobbs FD, et al. Eur Heart J. 2002 Dec;23(23):1867-76 10. Cowie MR, et al. ESC Heart Failure. 2014; 1:110-45 11. Calvert MJ, et al Eur J Heart Fail 2005 Mar 2;7(2):243-51 12. RCM ENTRESTOÂŽ, Ăşltima atualização 22/06/2017 13. McMurray JJ et al. N Engl J Med. 2014 Sep 11;371(11):993-1004 14. Desai AS, et al. Eur Heart J. 2015;36(30):1990-7. 15. Chandra A, et al. JAMA Cardiology. 2018.

13


mycooprofar

SNS reduz dívida A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) congratulou-se com o “impulso do Governo” no final de 2018 para a “diminuição significativa da dívida" dos hospitais públicos aos fornecedores. O presidente da Apifarma, João Almeida Lopes, manifestou também agrado com a intenção anunciada pelo Ministério da Saúde de “eliminar a dívida até ao final deste ano”. Segundo disse o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, o objetivo é, ao longo deste ano, “tentar eliminar, ou quase eliminar, os pagamentos em atraso”. Para a Apifarma, a eliminação da dívida aos fornecedores do SNS “é um importante sinal para os

agentes económicos”, reforçando a competitividade e a confiança na economia portuguesa, ao mesmo tempo que considera que desta forma o Governo “reconhece o contributo essencial dos fornecedores do Estado para a sustentabilidade do SNS” e para prestar cuidados aos portugueses. Os pagamentos em atraso dos hospitais públicos aos fornecedores ficaram no ano passado abaixo dos 500 milhões de euros, após reforços de financiamento, o que corresponde a uma redução de 42% face a 2017, segundo dados oficiais do Governo.

INTERNATO FARMACÊUTICO

Governo e sindicatos chegam a acordo O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, anunciou o desenlace das negociações entre o Ministério da Saúde e o Sindicato Nacional dos Farmacêuticos para regulamentação da Carreira Farmacêutica no SNS. “Residência Farmacêutica” será a nomenclatura para o internato farmacêutico, que admitirá o ingresso e progressão profissional dos jovens farmacêuticos a ser contratados para os hospitais públicos.

Francisco Ramos referiu-se também aos trabalhos em curso para generalização da possibilidade de consulta e registo dos farmacêuticos hospitalares dos processos clínicos dos doentes. Esta é uma prática já instituída em alguns hospitais do país, mas terá agora um caráter vinculativo. A generalização do acesso aos processos clínicos requer a homogeneização e parametrização da plataforma informática utilizadas nos hospitais, num processo que terá que envolver os Serviços Partilhados do Ministério.

Roche lança oferta para comprar a Spark

assim com uma tendência de queda, ao perderem 0,69% para 275,30 euros.

A Roche ofereceu 4,2 mil milhões de euros para comprar a Spark Therapeutics. Esta oferta representa um prémio de 122% face ao valor de fecho das ações da Spark na sessão imediatamente anterior. Esta operação animou a negociação da americana Spark, com os títulos a subirem 120,5% para 99 euros, no mercado alemão. As ações atingiram o valor mais alto desde que se estrearam em bolsa (2015). Já as ações da Roche não sofreram grandes alterações, ainda

A Roche aposta assim num negócio emergente dentro das farmacêuticas: a terapia genética. O negócio mostra ainda que as farmacêuticas estão a reforçar a sua aposta num segmento difícil, mas lucrativo, que é o das doenças raras. A Roche entrou no mercado de tratamento de hemofílicos há dois anos, com o lançamento do Hemlibra. A Spark traz para o portefólio da companhia francesa, tratamentos experimentais que reparam os genes que causam os problemas renais. 14


Indústria Farmacêutica

Futuro do medicamento está na personalização Dar a conhecer a importância crescente da personalização dos fármacos, adaptados a cada tipo de pessoa, foi o objetivo de uma conferência proferida pelo cientista americano Bob Powell, professor da School Of Pharmacy, da University Of North Carolina (EUA), na Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (UC). Bob Powell revelou que o futuro farmacológico deve incidir em três pressupostos: melhorar o acesso, reduzir o custo, na indústria, e adaptar cada medicamento ao doente que o vai tomar. Em detalhe, o cientista defende que os pacientes devem ter acesso à medicação mais rapidamente do que acontece hoje. Por outro lado, a indústria farmacêutica deve ser capaz de diminuir o custo dos medicamentos que estão a ser desenvolvidos, utilizando dados reais de pesquisas em pacientes. Finalmente, é importante que a medicação seja adaptada a cada pessoa, tendo em conta as características de cada doente, para que se reduzam os efeitos letais ou secundários e para que aumente a eficácia no combate à doença.

Novo antidepressivo pode ser a descoberta do século Há um novo medicamento para a depressão, inspirado pela forma como a ketamina atua no corpo humano, que está a ser descrito por vários médicos como a "descoberta do século" no que a este tipo de tratamentos diz respeito. Um painel de especialistas da Agência para a Segurança dos Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos votou 14 contra apenas dois a favor dos efeitos positivos do 'esketamine'. Foi concebido para tratar formas graves de depressão, que não respondam a outros tratamentos. Quer se trate de Abilify ou Zoloft, dois antidepressivos comuns, quase todos os antidepressivos funcionam "ligando-se" aos lugares onde o cérebro humano produz serotonina, um mensageiro químico que desempenha um papel fundamental na harmonia mental e no humor.

Agência Europeia de Medicamentos muda de sede A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) vai mudar de sede em março para Amesterdão, devido à saída do Reino Unido da União Europeia (UE). A mudança estará completa em abril, estima Bruxelas, rejeitando que o ‘Brexit’ afete o funcionamento deste organismo.

2039, apesar de estar em processo de transferência para Amesterdão. O juiz deu razão à empresa proprietária do imóvel, no bairro de negócios de Canary Wharf. A agência terá de assumir os cerca de 575 milhões de euros de um contrato que, segundo o Tribunal, não é invalidado pela decisão do Governo britânico de sair do bloco comunitário. Para o magistrado judicial, a agência não estava obrigada por lei a abandonar o Reino Unido devido ao ‘Brexit’.

Apesar da mudança, o Tribunal Superior de Londres determinou que a EMA deverá cumprir o contrato de arrendamento da sua sede em Londres, em vigor até 15


mycooprofar

Resíduos farmacêuticos: Concentrações a aumentar na água As concentrações de resíduos farmacêuticos nas fontes de água doce aumentaram em todo o mundo nos últimos 20 anos, representando um risco ambiental crescente, adverte um estudo onde especialistas em ambiente da universidade holandesa de Radboud dizem que os níveis do antibiótico ciprofloxacina na água chegaram a um ponto em que podem causar efeitos negativos na ecologia. O estudo, divulgado na revista científica “Environmental Research Letters”, é o primeiro que examina os efeitos de dois medicamentos, um antibiótico e um antiepilético, em fontes globais de água doce. Rik Oldenkamp, principal autor do artigo publicado sobre o estudo, diz que é preciso mais dados e acrescenta que “obter uma imagem precisa dos riscos ambientais” derivados dos dois medicamentos depende da disponibilidade de dados e que essa disponibilidade “é limitada”.

CANÁBIS

Produtora canadiana entra em Portugal

A filial portuguesa da Aurora Cannabis, que vai ser constituída até ao final do terceiro trimestre de 2020, pretende atingir cerca de duas toneladas de canábis, por ano, em Portugal. “Com este novo projeto, passamos a estar presentes em 24 países, o que nos afirma, acreditamos nós, como a empresa de canábis com maior presença no mundo”, referiu, o presidente executivo Terry Booth. Com a filial portuguesa pretendemos ainda “conquistar uma quota significativa no mercado europeu, que está em rápido crescimento”, sublinhou.

A canadiana Aurora Cannabis vai entrar em Portugal, após ter comprado 51% da Gaia Pharm, produtora de marijuana medicinal, por um valor não revelado. Portugal constitui “um mercado atrativo” devido à sua “legislação favorável aos produtores” e à “competitividade da mão-de-obra”, disse, num comunicado, a Aurora Cannabis, uma das maiores produtoras mundiais de canábis.

Prémio Bial defende endoscopia no rastreio colorretal para prevenir cancro O Prémio Bial de Medicina Clínica 2018 foi entregue ao médico Mário Dinis Ribeiro, que defende a realização de uma endoscopia digestiva alta em simultâneo com o rastreio do cancro colorretal para prevenir cancros.

cancro gástrico, não de todos os casos, como é óbvio”, referiu. Se nada for feito quanto ao diagnóstico precoce, Mário Dinis Ribeiro considerou que a morte por este tipo de cancro continuará “elevadíssima”, estimando-se que em 2035/2040 seja diagnosticado todos os dias a dezenas de pessoas.

O premiado, que é diretor do Serviço de Gastrenterologia no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, entendeu que proporcionar ao utente a possibilidade de fazer uma endoscopia ao mesmo tempo que faz o rastreio do cancro colorretal é proporcionar-lhe um “momento único” de rastreio ao tubo digestivo e a possibilidade de detetar lesões precoces. “A deteção de lesões precoces vai permitir reduzir as mortes por

Além disso, acrescentou, nas próximas décadas o número de mortes por cancro gástrico vai aumentar devido ao envelhecimento da população. O médico avançou que em 2016 as mortes por cancro gástrico corresponderam a três quartos dos acidentes de viação ou a nove vezes os doentes que morrem com sida. 16


17


Especial Cooprofar

FORMAÇÃO Criadas há já 15 anos, as Formações Cooprofar têm como objetivo dotar o Farmacêutico de informação e ferramentas que permitam um know-how sempre atualizado e diferenciado, ajustado ao estado da arte do setor. Desta forma, procura-se tornar a Farmácia cada vez mais competitiva e empreendedora, munindo os seus profissionais de competências para suportar a mudança, aumentar a rentabilidade e acrescentar dinamismo ao negócio. Neste sentido, a Cooprofar tem planeadas as seguintes Formações para os próximos meses:

Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa Administração de Vacinas e Medicamentos Injetáveis - Inicial Administração de Vacinas e Medicamentos Injetáveis - Atualização

Marketing Digital

Cefaleias: Update em Patologia e Terapêutica

Ansiedade ou Ansiedades?

Saúde Oral e o Papel do Farmacêutico

13 MAR 2019 | Gondomar 25 MAR 2019 | Aveiro Duração: 7h | Créditos: 1.05 UC

22 MAR 2019 | Gondomar Duração: 7h | Créditos: 1.05 UC

27 MAR 2019 | Aveiro Duração: 4h | Créditos: 0.68 UC

4 ABR 2019 | Gondomar Duração: 2h | Créditos: 0.20 UC

9 ABR 2019 | Gondomar Duração: 2h | Créditos: 0.20 UC

28 MAI 2019 | Gondomar Duração: 2h | Créditos: 0.20 UC

28 MAR 2019 | Gondomar Duração: 2h | Créditos: 0.20 UC

Informações: www.cooprofar.pt

18


Breves

Breves

Partilha de dados Bruxelas recomenda partilha de dados sobre doentes

Quimioterapia

A Comissão Europeia recomendou aos 28 Estados-membros que facilitem o acesso em total segurança dos cidadãos aos seus dados médicos eletrónicos em qualquer Estado-membro da União Europeia. Bruxelas quer que seja criado um sistema seguro de acesso por qualquer cidadão a pelo menos partes dos seus registos de saúde e a possibilidade de usar prescrições eletrónicas de medicamentos noutro país.

Nanocápsula reduz efeitos secundários

Uma equipa de investigadores da Universidade do Minho está a desenvolver uma nanocápsula com nanopartículas magnéticas que vai permitir o transporte de fármacos até ao local de um tumor, diminuindo os efeitos secundários do tratamento da quimioterapia.

URGÊNCIAS 40% pouco ou nada urgente

Cerca de 40% dos atendimentos em urgência nos hospitais públicos no ano passado foram considerados pouco ou nada urgentes, sendo quase 2,2 milhões de casos, segundo dados oficiais. Os números das urgências por triagem de Manchester, que determina o grau de prioridade clínica, indicam que estes atendimentos receberam pulseira verde ou azul o que significa que os utentes poderiam ser encaminhados para outros serviços de saúde, como os cuidados primários.

Depressão Spray Nasal Revolucionário

Um anestésico em forma de spray nasal é a nova aposta para o tratamento de casos de depressão crónica. Atualmente, o produto está na fase três, a mais avançada, de avaliação em seres humanos, ensaios esses que medem a eficácia do produto antes de ser amplamente disponibilizado no mercado.

SNS 24 Novo site indica necessidade de cuidados médicos O site do SNS foi renovado com novo grafismo e novas funcionalidades como é exemplo uma espécie de pré-triagem, tal como acontece com as chamadas para o SNS 24. A nova ferramenta leva o nome de "avaliador de sintomas" e, como a denominação indica, vai permitir ao cidadão avaliar os seus sintomas e obter informações e conselhos adequados para o seu problema de saúde.

Deteção através de dispositivo médico

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) desenvolveram um algoritmo que, ao recorrer a um dispositivo médico designado nariz eletrónico, pretende auxiliar no "diagnóstico e monitorização" de doentes com sintomas de asma. O estudo que está agora em fase de revisão para ser submetido a publicação, desenvolveu-se em duas fases: na criação de um algoritmo e na validação clínica, tendo recrutado 207 pacientes do Centro Hospitalar de São João, no Porto.

SNS

Diabetes

Cirurgias diminuíram

Administração Oral de Insulina

Cientistas testaram com sucesso, em porcos, a administração oral de insulina, através de uma microagulha contida numa cápsula, cuja ponta de insulina sólida se dissolve no estômago. Atualmente, os doentes com diabetes do tipo 2 dependem da injeção diária de insulina, em estado líquido, sob a pele, para reporem os níveis de glicose (açúcar) no sangue nos parâmetros normais.

Poderá consultar a lista de bónus em www.cooprofar.pt ou através da leitura deste código QR Code.

Asma

19

O Serviço Nacional de Saúde fez em 2018 menos cerca de cinco mil cirurgias do que no ano anterior, segundo a ministra da Saúde, que indica que a redução foi de apenas 0,5% “num ano particularmente difícil”. Só no primeiro período de greve dos enfermeiros em blocos operatórios, que decorreu entre meados de novembro e final de dezembro, foram canceladas ou adiadas mais de 7.500 cirurgias no SNS.


www.cooprofar.pt

COOPROFAR farmácia

encomendas diretas o melhor serviço para as suas

Transfer order clássica Divisão de encomendas diretas Adiantamento de encomendas diretas Encomendas de urgência Gestão de pendentes Acordos tripartidos

+Serviço +Informação +Integração +Flexibilidade +Rentabilidade Saiba as condições junto do seu Gestor de Clientes.


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.