Page 1

Uma das maiores bolsas do mundo Padrão internacional em governança Referência mundial em gerenciamento de risco Diversidade de produtos e serviços

www.bmfbovespa.com.br

facebook.com.br/bolsapravoce

twitter.com/info_bmfbovespa

youtube.com/bmfbovespa


Marcopolo, vencedora do Prêmio Abrasca de Criação de Valor 2013. Este mérito é atribuído à Gestão da Marcopolo, norteada por valores sólidos de respeito e valorização das pessoas, satisfação dos clientes, solidez econômico-financeira, meio ambiente e comunidades, ética e parcerias.

_09/13

_09/13

Cinto de segurança salva vidas.

O real valor de uma empresa está na prática de seus valores.


Marcopolo, vencedora do Prêmio Abrasca de Criação de Valor 2013. Este mérito é atribuído à Gestão da Marcopolo, norteada por valores sólidos de respeito e valorização das pessoas, satisfação dos clientes, solidez econômico-financeira, meio ambiente e comunidades, ética e parcerias.

_09/13

_09/13

O real valor de uma empresa está na prática de seus valores.


Sumário

Sede: São Paulo Av. Brig. Luiz Antônio, 2504, conj. 151 01402-000 – São Paulo – SP Tel 11 3107-5557 | Fax 11 3107-5557 Rio de Janeiro Av. Rio Branco, 12/6º andar 20090-000 Rio de Janeiro – RJ R. Conceição, 105 salas 1304/1305 20051-010 Rio de Janeiro – RJ Tel 21 2223-3656 | Fax 21 2233-2741 email: abrasca@abrasca.org.br www.abrasca.org.br

DIRETORIA BIÊNIO 2013-2015 Executive Board 2013-2015 PRESIDENTE President Antonio D. C. Castro Souza Cruz S.A. 1º VICE-PRESIDENTE 1st Vice President Frederico Carlos Gerdau Johannpeter Gerdau S.A. VICE-PRESIDENTES Vice Presidents Alfried Plöger Cia Melhoramentos de São Paulo Paulo Setubal Neto Itaúsa Investimentos Itaú S.A. Luiz Spínola Cremer S. A. DIRETORES Directors Flávio Donatteli Duratex S.A. Maurício Perez Botelho Energisa S.A. Morvan Figueiredo Paula e Silva Nadir Figueiredo Indústria e Comércio S.A. Henry Sztutman Pinheiro Neto Advogados Paulo Cezar Castello Branco Aragão Barbosa, Müssnich e Aragão Assoc. José Salim Mattar Localiza S.A. Maria Isabel do Prado Bocater Bocater Camargo Costa e Silva Adv. Assoc.

6

Governança Corporativa e Criação de Valor Corporate Governance and Value Creation

10 Considerações metodológicas

Methodological Considerations

14 Marcopolo

SUPERINTENDENTE GERAL General Manager Eduardo Lucano da Ponte Projeto desenvolvido pela CCRio Comunicação para a Abrasca. A publishing project by CCRio Comunicação for Abrasca. DIRETOR DE REDAÇÃO Editor in Chief Cleber Cabral Reis (R.P. nº 12.567) Repórteres Reporters Martha Corazza, Adriana Braz, Michelle Andrade e Jéssica Barros (estagiária) Projeto Gráfico Graphic Design Raquel Ponte REVISÃO Revision Wendell Setubal Tradução Translation Marcus Peter Carlyon diretor de relações institucionais Institutional Affairs Director Epaminondas Baptista EXECUTIVA DE CONTAS Accounts Executive Karla Guerreiro CONTATO DE PUBLICIDADE Contact Advertising José Gonzaga Dias As análises foram produzidas pela GRC VISÃO, Gestão de Risco e Cenários. The analyses were produced by GRC Visão, Risk Management and Scenarios. Diretor Executivo CEO Alexandre Fischer Esta revista pode ser adquirida nos escritórios da Abrasca ou pelo email atendimento@abrasca.org.br. This magazine can be acquired from the offices of Abrasca or via atendimento@abrasca.org.br.

CONSELHO EDITORIAL Editorial Board Presidente President Antonio D. C. Castro Conselheiros Advisers Cleber Cabral Reis CCRio Comunicação Eduardo Lucano da Ponte Abrasca (superintendente geral) Epaminondas Baptista R&B Eventos

22 23 24 28 30 34 38 42 46 49 52

São Martinho Minerva Lojas Renner Ambev Bradesco Helbor Estácio Tractebel Duratex Sabesp Cielo

56 57 58 60

OdontoPrev Cia. Hering Totvs Triunfo


Editorial

Editorial Depois de cinco anos ocupando uma seção dentro do Anuário Estatístico das Companhias Abertas, o Prêmio Abrasca de Criação de Valor ganha uma publicação especifíca, não só para dar mais espaço aos ganhadores como também ser um veiculo de divulgação de idéias e propostas de mensuração de desempenho das companhias abertas brasileiras. Para a realização do prêmio, lançado em 2008, foi desenvolvida uma metodologia, inédita no Brasil, para distinguir as companhias que apresentam o melhor caso de criação de valor a cada ano, além de se destacarem por sustentabilidade, controle de risco, transparência e atuação social. O objetivo é incentivar as boas práticas de governança corporativa, princípio defendido pela Abrasca e postura exigida das empresas pelo mercado. Das 354 companhias listadas na BM&FBovespa no final de 2012, foram selecionadas 153 utilizando-se como parâmetro o critério de liquidez. Essas companhias tiveram um aumento médio de 45,01% no valor médio de mercado ao fim do ano passado, enquanto as 201 excluídas pelo mesmo critério apresentaram a metade do ganho: 20% no mesmo período. Ao analisar os dados deste levantamento, conclui-se que o critério de liquidez, aplicado pela metodologia do Prêmio, é uma ferramenta eficiente na seleção do grupo de companhias de maior dinamismo no mercado de capitais brasileiro. Ficou claro também que a amostra de companhias que possuem maior participação relativa no mercado tem desempenho superior às demais empresas. A premiação busca provocar uma reflexão sobre o tema criação de valor, um ponto chave na análise de desempenho de uma companhia. Entre as empresas, porém, este conceito ainda não está disseminado. Na verdade criar valor é diferente de obter lucro e da simples valorização das ações. Criar valor é gerar uma rentabilidade superior ao custo de oportunidade composto pelo retorno equivalente dos títulos de renda fixa, acrescido pelo nível de risco a que está exposto ao optar pelo investimento em uma determinada companhia. Entretanto, as empresas são avaliadas não só por seus resultados quantitativos como também qualitativos. Isso significa que as companhias precisam melhorar cada vez mais o nível de disclosure, ampliar as práticas de governança corporativa e alinhar as políticas de remuneração aos acionistas com as expectativas dos investidores. Boa leitura!

After five years of occupying one section of the Statistical Yearbook of Publicly Held Companies, the Abrasca Value Creation Award now has its own publication, not only with the intention of providing more coverage for the winners, but also of being a vehicle for divulging ideas and proposals for measuring the performance of publicly held Brazilian companies. To make the award, which was launched in 2008, a methodology previously unused in Brazil has been developed, to discover the companies that presented the best case of value creation each year, as well as showing outstanding performance in sustainability, risk control, transparency and social engagement. The aim is to encourage good corporate governance practices, a fundamental principle of Abrasca’s and one demanded from companies by the market. Of the 354 companies listed on the BM&FBovespa at the end of 2012, 153 were selected using as parameter the criteria of liquidity. These companies showed an average increase of 45,01% in market value last year, whereas the 201 excluded companies, by the same criteria, showed growth of just 20% during the same period. Analyzing this data, it is clear that the liquidity criteria, applied to the Award methodology, is an efficient tool for the selection of the group of most dynamic companies on the Brazilian capital markets. It was also shown that the selection of companies that have the largest relative market share performed better than other companies. The aim of the award is to promote reflection on the subject of value creation, a key point in the analysis of a company’s performance. This concept is, however, not widespread within companies. Indeed, value creation is different from making a profit and simply increasing share value. Value creation means generating profitability greater than the opportunity cost made up of the return equivalent on fixed-income securities, added to the level of exposure to risk when opting for investment in a given company. Furthermore, the companies are evaluated not only according to quantitative results, but also qualitative ones. This means that companies need to increasingly improve the level of disclosure, broaden corporate governance practices and align their policies of shareholder remuneration with investors’ expectations. Happy reading!


Artigo, por Sandra Guerra Presidente do Conselho de Administração do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC)

As práticas da boa Governança Corporativa (GC) passaram por testes de efetividade ao longo das últimas duas décadas. Os escândalos corporativos ocorridos nos Estados Unidos no início do milênio e depois a crise financeira internacional demonstraram que a Governança adotada ou era apenas de fachada, como no primeiro caso, ou não era tão robusta e efetiva como se queria fazer acreditar. Nestes dois momentos históricos, vimos como a falta da boa Governança pode destruir valor. De empresas, de mercados, de países e de pessoas. Estes episódios tiveram um papel didático e reforçaram a necessidade de se criarem mecanismos efetivos que levassem à boa Governança de fato, assegurando a estabilidade dos mercados e da economia. Quando advogamos que a boa Governança gera valor, o fazemos com base em extensa produção acadêmica que vem examinando há décadas a influência desta prática nas empresas e seus resultados. Distintos estudos foram realizados a fim de demonstrar que os benefícios de se adotar as boas práticas poderiam ser mensuráveis e tangíveis para organizações e para a sociedade. Dentre os vários tópicos, buscaram investigar como características específicas de Governança de uma companhia afetam sua rentabilidade, volatilidade das ações, valor das empresas e outros resultados.

6

A adoção de boas práticas, fundamentadas nos princípios de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa, pode beneficiar as companhias de diferentes formas, ora associados à maior facilidade de captação de recursos e à redução do custo de capital, ora atrelados ao melhor desempenho operacional por meio do aprimoramento do processo decisório na alta administração e mecanismos de controle. A criação de valor é tecida a partir de um ambiente de confiança e de uma perspectiva de longo prazo que leva em consideração o ambiente e a sociedade. Quando confio, não preciso descontar a incerteza no preço. Isso se aplica a um investidor assim como a um profissional que aposta o seu maior capital, seu tempo e seu talento, atrelando seu destino ao de uma empresa. Valor externo A capacidade das empresas em inspirar confiança, tanto nos acionistas quanto nos investidores e demais partes interessadas, resulta na melhor precificação de suas ações ou em melhores condições de contratação de empréstimos. A implantação das melhores práticas permite atrair investidores nacionais e internacionais e, assim, contribuir com o mercado de capitais no cumprimento de seu papel de financiar ideias e projetos. A obtenção de crédito é facilitada, pois as institui-

Imagem: Laura Leavell

Governança Corporativa e Criação de Valor ções financeiras ao redor do mundo adotam metodologias expressas para avaliar as práticas de Governança, segura de que estas tornam as organizações mais bem geridas, mitigando riscos para quem oferece capital. Em complemento, a transparência nas informações prestadas gera algo muito importante para o mercado: a previsibilidade. Com isso, o investidor tem uma melhor ideia do que vai encontrar no futuro e tem bases para avaliar a empresa. A transparência cria uma relação de confiança com o investidor, que premia em forma de valorização do preço das ações. Dentre outros benefícios, evidenciados em estudos, estão o processo de institucionalização com menos dependência de pessoas específicas para gerenciar os negócios; maior confiança na realização de incorporações e aquisições devido a um aumento nos padrões de transparência; além de melhoria substancial nos processos de negócios, incluindo controles internos e supervisão do processo de tomada de decisões. Valor interno Do ponto de vista da organização, as boas práticas permitem um aperfeiçoamento da gestão, do processo de tomada de decisão e do encaminhamento da sucessão de gestores e sócios. Ao adotar essas boas práticas, a empresa tende a inibir os abusos de poder, minimizar erros estratégicos,


Article, by Sandra Guerra President of the Board of the Brazilian Institute of Corporate Governance (IBGC)

conflitos de interesses e eventuais fraudes. A empresa passa a incorporar sistemas adequados de tomada de decisões e de monitoramento dessas decisões, envolvendo os relacionamentos entre os agentes da Governança: acionista/cotista, conselho de administração, diretoria, órgãos de controle e partes interessadas. O benefício de sua prática está em criar um clima de confiança para todos esses agentes, sendo importante a definição das alçadas e do papel de cada um dos órgãos, separando as funções de estratégia das de execução. Em um bom sistema de Governança os conflitos de interesse são minimizados por uma eficaz estrutura de execução e monitoramento. As empresas atentas à adoção das melhores práticas de Governança tendem a apresentar maior capacidade competitiva, exemplificada pelo acesso facilitado na captação de recursos no mercado e pela atração de bons profissionais. Ser e parece ser Nosso desafio agora está em buscar qualidade e efetividade na implementação das boas práticas. É necessário que a abordagem deixe de ser voltada ao formalismo apenas, e vá para Governança que funciona bem e gera valor interno e externo. A Governança do ser prevalecendo sobre a Governança do parecer ser, pois esta última está mais focalizada no que se mostra para fora do que a consistência das práticas de fato adotadas. Isso pode acontecer quando a motivação é apenas com o cumprimento de regras, em geral associada à obtenção de um benefício de curto prazo. Isso é o que podemos classificar de Governança “por obrigação”, que é entendida como um fardo, como custo e não como instrumento gerador de valor no médio e longo prazos. Essa abordagem superficial e de certa forma oportunista é em geral orientada por modelos prontos, que não foram profundamente refletidos e discutidos

Corporate Governance and Value Creation Good Corporate Governance practices have been through tests of effectiveness over the last two decades. The corporate scandals that occurred in the United States at the beginning of the century and the ensuing international crisis showed that the governance adopted either was just a façade, as in the first case, or was not as strong and effective as we had been led to believe. On these two occasions we saw how lack of good Governance can destroy value. Of companies, markets, countries and people. These incidents played a didactic role and added to the requirement for the creation of effective mechanisms that resulted in actual good Governance, to ensure the stability of the markets and of the economy. When we say that good Governance creates value, we say this based on far-reaching academic studies that for decades have examined the influence of this practice on companies and their results. Separate studies were undertaken to demonstrate that the benefits of adopting good practices could be measureable and tangible for organizations and for society. Among the various subjects broached they sought to investigate how specific Governance characteristics within a company affected its profitability, the volatility of its shares, company value and other results. The adoption of fundamental good practices based on the principles of transparency, equity, access to accounts and corporate responsibility, can benefit companies in a number of ways, whether by facilitating raising funds and reducing the cost of capital, or as a result of better operational performance due to improved decision making processes and control mechanisms in the upper administration. Value creation grows out of an atmosphere of confidence and of a long-term outlook that takes into consideration both the environment and the society. Where there is trust, there is no need to discount uncertainty from the price. This applies both to an investor and to a professional, who makes his largest investment – his time and his talent – linking his destiny to that of a company. External Value The capacity of companies to inspire confidence, both in shareholders and in investors and other interested parties, results in the best pricing of shares or in better conditions for contracting loans. The implementation of better practices results in attracting domestic and international investors and, consequently, contributes to the capital market fulfilling its role of financing ideas and projects. Greater credit facility – financial institutions around the world adopt specific methodologies to evaluate Governance practices, as they are convinced these practices improve the management of organizations – mitigates the risks of those offering capital. In addition, the transparency of the information given out creates something very important for the market: predictability. Thus the inves-

tor has a better idea of what he will face in the future and has a basis on which to evaluate the company. Transparency creates a relationship of confidence with the investor, which results in higher share prices. Other benefits shown by studies include: the process of institutionalization with less dependence on specific people to manage the business; greater confidence in undertaking mergers and acquisitions due to higher standards of transparency; and a substantial improvement in business procedures, including internal controls and supervision of the decision-making process. Internal Value From the point of view of the organization, good practices lead to the improvement of management, of the decision-making process, and the process of renewal of managers and partners. By adopting these practices, the company tends to inhibit the abuse of power, minimize strategic errors, conflicts of interest and occasional fraud. The company begins to incorporate adequate decision-making systems and mechanisms for monitoring these decisions, involving the relationships between the Governance agents: stakeholders, Board of Governors, Board of Directors, control bodies and interested parties. The benefit of good Governance lies in creating a climate of confidence for all these agents; the definition of the reach and role of each of these bodies is important, keeping strategic and executive functions separate. In a good Governance system, the conflicts of interest are minimized by and effective structure of execution and monitoring. Companies that adopt the best Governance practices tend to show a greater capacity for competitiveness, due to factors such as easier access to funding and attracting good professionals. Being and appearing to be The challenge now lies in seeking quality and effectiveness in the implementation of good practices. The approach should not be merely formal, but aimed at Governance that works and creates internal and external value. The Governance that is and not that which appears to be, as this latter is more concerned with what is shown to the outside world than with the consistency of the practices actually adopted. This can occur when the intention is simply following the rules, generally associated with obtaining some advantage in the short term. This can be classified as Governance ‘by obligation’, which is seen as a burden, as an expense and not as an instrument for generating value in the mid- to long terms. This superficial and, to a certain extent, opportunistic approach usually relies on already existing models that were not submitted to serious internal discussion and reflection. Consequently they do no generate a Governance model that meets the challenges of the company at a given time, as it only fulfils the role of appearing to be. When this occurs a dichotomy is created between what really happens within the company and what its documents and reports divulge. This state of semi-schizophrenia between internal and external scenarios destroys value, undermining the atmosphere of confidence, making it harder to attract and keep

7


internamente. Como consequência, não geram um modelo de Governança que responda aos desafios da empresa em dado momento, já que cumprem apenas um papel do parecer ser. Quando isso acontece, cria-se uma dicotomia com o que acontece de fato na empresa e o que seus documentos e relatórios divulgam. Essa quase esquizofrenia entre interno e externo destrói valor, minando o ambiente de confiança, diminuindo a atração e retenção de administradores e expondo a empresa a riscos, no mínimo de reputação. GC que cria o real valor Aquelas organizações que vêm extraindo valor da Governança adotada “por princípio” e não “por obrigação” fazem um caminho muito diferente. A partir das referências institucionais da boa Governança, seus administradores examinam com profundidade e regularmente o funcionamento da Governança da empresa. Consideram as implicações de suas práticas e buscam continuamente o seu aperfeiçoamento. Eles ficam sintonizados com as novas demandas resultantes do contexto em que atuam e buscam continuamente repensar sua Governança. As regras são apenas uma orientação e podem servir de guia para os debates internos nas organizações, que podem adaptá-las desde que todas elas respondam aos imperativos dos princípios da boa Governança. As demandas da sociedade se multiplicam e a Governança precisa estar adequada a elas, já que o modelo de Governança é a resposta a um dado contexto. O estado da arte é um objetivo inalcançável quando se trata de Governança: quando se acredita ter atingido um alto patamar é hora de entender as novas dinâmicas sociais e de mercados e refletir sobre quais os novos movimentos em resposta ao novo contexto. Exemplo dessa demanda contínua é a evolução das relações econômicas e do ambiente organizacional com promoção de mudanças significativas no relacionamento entre empresas e suas partes interessadas. Hoje, as em-

8

presas são cobradas também por seus impactos sociais e ambientais em sua cadeia produtiva, não podendo mais classificá-los como mera externalidade. Outro exemplo é a demanda dos investidores internacionais de manter um diálogo com os conselhos, em adição àquele já existente com a empresa através da área de Relações com Investidores. Com os conselheiros, os investidores querem conversar sobre Governança e estratégia. A iniciativa é ainda emergente mesmo em mercados mais maduros, mas já começa a se mostrar como tendência para o futuro, e deve ser bem administrada e liderada pelo presidente do conselho. Outra demanda é a de olhar o conselho de administração não apenas por seus elementos estruturais, mas considerar os aspectos comportamentais do conselho de administração e assegurar que os desafios éticos e morais de seus membros se sobreponham aos aspectos formais e de estrutura. As práticas da boa Governança estão enraizada em princípios, não se tratando de regras apenas. Este ano, em seu Congresso Anual, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) abre a discussão para identificar quais são os principais elementos de Governança que devem ser revistos, repensados e priorizados para que retomemos a liderança de adoção das melhores práticas direcionadas para criação de valor efetivo em oposição àquela de conformidade. Depois de tantos avanços, deparamo-nos com um momento de redução do pró-ativismo e do aprofundamento das discussões da boa Governança. Esta é uma oportunidade para retomarmos nossa tradição dos ciclos virtuosos e nos anteciparmos às atuais demandas. Ao invés de adotar o caminho motivado pela conformidade às leis e regras, devemos prosseguir pela conscientização dos papéis e dos benefícios que cada agente terá no longo prazo ao adotar práticas de Governança continuamente aperfeiçoadas. Esse caminho pode requerer mais tempo e demandar mais esforços, porém é mais consistente e cria valor de forma sustentada.

good managers and exposing the company to risks, not least to its reputation. Corporate Governance that creates real value Those organizations that have succeeded in creating value by adopting Governance “on principle” and not “by obligation” have followed a very different path. Based on institutional references to good Governance, its administrators make a regular and thorough examination of the result of Governance in the company. They consider the implications of their practices and continuously seek to improve them. They are in tune with the new demands resulting from the context in which they are players and continuously seek to rethink their Governance. The rules serve only as guidelines and can be used as a guide for debates within the organizations, which may adapt them as long as they as they all adhere to the imperatives of the principles of good Governance. The demands of society are increasing and the Governance must be adequate to meet them, given that the Governance model is a response to a given context. State-of-the-art is an unattainable goal when dealing with Governance: when we think we have reached a high level it is time to examine the new social and market dynamics and consider the new direction to be taken in response to the new context. An example of this ongoing demand is the development of economic relations and of the organizational environment with the promotion of significant changes in the relationship between companies and their interested parties. Today companies are also held to task for the social and environmental impact of their productive chain, and can no longer classify these as merely external factors. Another example is the requirement from international investors for the maintenance of dialogue with the boards, in addition to the already existing communication channel represented by the Investor Relations department. The investors want to discuss Governance and strategy with the boards. This process, even in more developed markets, is just beginning, but is already a clear tendency for the future, and needs to be well administered by the president of the board. Another requirement is to see the board of governors not only in the light of its structural elements, but to consider its behavioral aspects and to ensure that the ethical and moral challenges of its members are more important than merely structural aspects. Good Governance practices are rooted in principles and are not merely rules. This year, in its Annual Congress, the Brazilian Institute of Corporate Governance (IBGC) initiates the discussion to identify which are the main elements of Governance that should be revised, rethought and given priority so that we can return to the leadership role in the adoption of the best practices aimed at effective value creation and not merely at conformity. After so many advances, we are faced with a period of a less pro-active approach to good Governance and its in-depth discussion. This is an opportunity to return to our tradition of virtuous cycles and to prepare in advance to meet current demands. Instead of mere conformity to the laws and the rules, we should proceed by a greater awareness of the roles and the benefits that each agent will acquire in the long term by adopting and continually improving Governance practices. This path may require more time and demand greater effort, but it is more consistent and creates value that is sustainable.


Considerações metodológicas Alexandre Fischer GRC Visão, Gestão de Risco e Cenários Objetivo da metodologia desenvolvida para o Prêmio Abrasca de Criação de Valor é identificar o melhor caso de criação de valor dentre as companhias brasileiras listadas na BM&FBovespa. O método utilizado busca identificar quais companhias abertas mostraram valorização de mercado, na média dos últimos três anos, acima da expectativa de retorno do seu acionista, expressa na taxa de juros de longo prazo ajustada por um prêmio de risco proporcional à volatilidade dos preços de seus papéis. Assim, uma gestão orientada para a criação de valor deve combinar dois direcionamentos muito bem delineados: 1) reduzir a volatilidade e a imprevisibilidade dos retornos da companhia a seus acionistas; e 2) valorizar os ativos da companhia expressando esse retorno no preço das ações negociadas no mercado de capitais. Por essa razão, para construir uma equação que mensure a criação de valor das companhias listadas na

10

BM&FBovespa, a GRC Visão buscou uma metodologia sensível não só às iniciativas das companhias que melhorem sua capitalização de mercado, mas também a gestões que reduzam a volatilidade relativa dos preços de suas ações. Assim, buscamos adaptar para o mercado brasileiro a metodologia de mensuração da criação de valor utilizada em estudo da Universidade de Navarra para as empresas listadas na NASDAQ , a qual enfatiza o desempenho da valorização dos ativos e o grau de exposição a risco do acionista. Consideramos que os mercados, quando transparentes, representam a melhor ferramenta de redução de incertezas e precificação pelos agentes econômicos. Nesse sentido, priorizamos uma metodologia que utilizasse apenas parâmetros e variáveis de mercado, garantindo a transparência da apuração dos resultados. O cômputo da criação de valor utiliza, inicialmente, a variação da posição

Coordenador Coordinator Eduardo Lucano da Ponte

Desenvolvimento da metodologia para o mercado brasileiro Development of the methodology for the Brazilian market GRC Visão, Gestão de Risco e Cenários

Comissão Organizadora Organizing Committee Antonio D. C. Castro Eduardo Lucano da Ponte Alexandre Fischer Cleber Cabral Epaminondas Baptista

Apoio Institucional e Comitê de Premiação Awards Committee Ibef IBGC AncorD ABRAPP Ibracon Anefac ABVCAP Ibri Apimec Amec INI BM&FBovespa Anbima

Imagem: Ilker

Metodologia

de capitalização de mercado da empresa, uma média ponderada dos últimos três anos. Na sequência, expurga os eventuais pagamentos a acionistas e os aportes de capital para chegar ao cômputo do valor líquido adicionado por ação. Os dados referentes à capitalização de mercado e proventos são fornecidos pela BM&FBovespa. O terceiro passo é calcular o retorno requerido por ação, expresso no somatório entre o custo de oportunidade do capital e o diferencial de risco embutido no investimento. Para calcular o diferencial de risco da ação, utilizamos o coeficiente beta da empresa, calculado sobre sua ação mais líquida, dentro de um intervalo de tempo de cinco anos, o que impõe a necessidade da adoção de diretrizes de médio/longo prazos. Portanto, a metodologia utilizada privilegia práticas de governança corporativa orientadas para a criação de valor, onde se destacam as companhias que possuem um modelo de negócio sólido e bem executado. A mensuração desses fatores em termos de criação de valor passa por quatro critérios de premiação: I) Critério de liquidez: foram excluídas da disputa as companhias que não tiverem registrado ao longo de todo o ano de 2012 free-float mínimo de 10% e participação em – no mínimo – 60% dos pregões na BM&FBovespa.


Methodology

II) Critério de cálculo do valor criado: as companhias foram classificadas pelo resultado de sua criação de valor, nos últimos três anos. Expresso na média ponderada utilizando pesos de 20% para o ano de 2010, 30% para 2011 e 50% para 2012. Foram indicadas as 10% primeiras em criação de valor e as três primeiras de cada setor, conforme classificação setorial da BM&FBovespa. Valor Criado = [ Valor Adicionado – Retorno Requerido] Valor Adicionado: o aumento do valor de mercado + dividendo pago durante o ano – aportes de capital + outros pagamentos para acionistas – conversão de debêntures em ações. Retorno Requerido: TJLP + beta (calculado para a ação mais líquida; média dos últimos 5 anos) III) Critério qualitativo: a Apimec forneceu à ABRASCA a lista de companhias que possuem acompanhamento de analistas de valores mobiliários conforme o monitoramento criado a partir do início da atuação da entidade como autorreguladora. As companhias que não possuem acompanhamento de analistas, segundo este critério, foram desclassificadas. Foi aplicado questionário qualitativo aos analistas e as respostas foram parametrizadas, criando um termômetro de qualidade da gestão da companhia quanto à: Influência do ambiente externo sobre o lucro operacional e sustentabilidade dos resultados; Transparência e atuação da área de RI; Projetos/Atuação na área social; Política/Práticas ambientais; Gestão e controle de riscos; Práticas de governança corporativa; e Política de distribuição de dividendos da companhia.

Methodological Considerations

Alexandre Fischer, GRC Visão, Risk and Scenario Management

The aim of the methodology developed for the Abrasca Value Creation Award is to identify the best case of value creation among Brazilian companies listed on the BM&FBovespa. The method adopted seeks to identify which publicly held companies showed increased market value, on average over the last three years, above their shareholders’ expectations, expressed in the long term interest rate adjusted by a risk premium proportional to the price volatility of their securities. Thus management aimed at value creation must combine two very clearly defined tendencies: 1) reduction in the volatility and unpredictability of the company’s returns to its shareholders; and 2) increase in the company assets with share prices negotiated on the capital markets reflecting this increased return. For this reason, to construct an equation that measures the value creation of the companies listed on the BM&FBovespa, GRC Visão sought a methodology that detects not only a company’s initiatives to improve its market capitalization, but also management that reduces the relative volatility of a company’s share prices. Thus we have attempted to adapt for the Brazilian market the methodology for measuring value creation used in a study by the University of Navarra for publicly held companies listed on the NASDAQ , which stresses the performance of asset valuation and the degree of shareholders’ exposure to risk. We consider that the markets, when transparent, are the best tool for the reduction of uncertainties and pricing by economic agents. This is why we adopted a methodology that only uses market parameters and variables, ensuring the transparency of the results obtained. The calculation of the value creation initially uses the oscillation in the market capitalization of the company, a weighted average for the last three years. Next it eliminates occasional payments to shareholders and injections of capital to arrive at the calculation of the net value received per share. The figures for market capitalization and proceeds are published by the BM&FBovespa. The third step is to calculate the required share return, expressed by the sum of the opportunity cost of capital and the risk differential built into the investment. In order to calculate the differential risk of the share, we used the beta coefficient of the company, calculated from its most liquid share, within a timeframe of five years, which makes it necessary to adopt a mid- to longterm outlook. Thus the methodology adopted emphasizes corporate governance practices directed

at value creation, highlighting companies whose business is solid and well executed. The measurement of these factors in terms of value creation is submitted to four award criteria: I) Liquidity criteria: companies that failed to register minimum free-float of 10% and participation in a least 60% of the trading sessions at the BM&FBovespa in 2012 were automatically excluded, as were those that were not monitored by analysts. 98 companies were classified according to this criteria. II) Value creation calculation criteria: the companies were classified according to their value creation during the last three years, expressed in the weighted average, using weights of 20% per year for 2010, 30% for 2011 and 50% for 2012. The top 10% in value creation and the top three in each sector were selected, based on the sectorial classification of the BM&FBovespa. Value Creation = [ Added Value – Required Rate of Return ] Added Value: the increase in market value + dividend paid during the year – capital injection + other payments to shareholders – conversion of debentures into shares. RRR: Long-term Interest Rate + beta (calculated for the most liquid share; average over the last five years) III) Qualitative criteria: Apimec supplied ABRASCA with the list of companies that are monitored by securities analysts in accordance with the monitoring system that was set up when the institution began to act as a self-regulator. Companies that were not monitored by an analyst were disqualified, according to this criteria. The analysts received a quality questionnaire and the replies were categorized, creating a thermometer for measuring the quality of management within the company: - Influence of the external environment on operational income and sustainability of results; - Transparency and performance in the Investor Relations area; - Projects/Activities in the social area; - Environmental policy/practices; - Risk management and control; - Corporate Governance practices; and - The company’s dividend distribution policy. IV) Criteria of the vote of market entities: bboth the results of the questionnaires and the calculation of value creation are presented to the Awards Committee, made up of representatives of 13 market entities. In an open vote, each member defended the

11


Foto: Paula Patrocínio

IV) Critério do voto das entidades de mercado: tanto os resultados dos questionários como o cálculo do valor criado são apresentados ao Comitê de Premiação, formado por representantes de 13 entidades de mercado. Em voto aberto, cada um defendeu

o voto dado à empresa que, em sua avaliação, foi o melhor caso de criação de valor de 2012. A reunião foi acompanhada por representante da Ernst &YoungTERCO, que também conferiu todo o material utilizado no processo de seleção.

Resultado do Prêmio Abrasca de Criação de Valor 2013 Atenderam aos critérios de seleção cerca de 70 companhias e o corte esse ano foi de 10% da amostra. Ou seja, foram indicadas ao Prêmio de Criação de Valor as sete companhias que mais criaram valor na média do período 20102012. Além de ranqueadas por criação de valor, as companhias que atenderam aos critérios de liquidez foram separadas por setores de atuação. Assim, as três companhias que mais criaram valor em cada setor foram candidatas finalistas para o Destaque Setorial.

Nome Name

Ambev Bradesco Cia Hering Cielo Duratex Estácio Part Helbor Lojas Renner Marcopolo Minerva OdontoPrev Sabesp São Martinho Totvs Tractebel Triunfo Part

12

Setor

Sector

Bebidas e Fumo

Beverage and Tobacco

Bancos e Crédito Bank and Credit

Tecidos, Vestuário e Calçados Fabric, Clothing and Footwear

Serviços Financeiros Financial Services

Papel, Celulose e Madeira Paper, Cellulose and Wood

Educação Education

Construção Civil e Merc. Imobiliário Civil Construction and Real Estate

Atacado e Varejo

Wholesale and Retail

Máquinas e Equipamentos Machinery and Equipment

Alimentos Food

Serviços Médico-Hospitalares Medical/Hospital Services

Saneamento e Serv. Água e Gás Sanitation, Water and Gas Services

Açúcar e Álcool

Sugar and Ethanol

Tecnologia da Informação Information Technology

Energia Elétrica Electric Power

Transporte e Logística Transport and Logistics

vote cast for the company which, in his or her opinion, achieved the best value creation in 2012. The meeting was accompanied by a representative of Ernst &Young Terco, who also analyzed all the material used in the selection process. The result of the 2013 Abrasca Value Creation Award Around 70 companies met the selection requirements and 10% of these went through to the finals. In other words, the seven companies responsible for the highest value creation between 2010 and 2012 were selected. As well as being ordered according to value creation, the companies that met the selection requirements were separated according to sector. The three companies with the highest value creation in each sector were selected as finalists for the Outstanding Performance sectorial award.

Valor Ad. 2012 Valor Ad. 2011 Valor Ad. 2010 Beta (5 anos)

Added Value 2012 Added Value 2011 Added Value 2010

Beta (5 years)

Retorno Requerido Valor Criado RRA

Value Creation

40,92%

29,89%

46,90%

0,13714

0,828%

37,67%

23,32%

-3,96%

7,93%

0,66873

4,036%

7,71%

29,99%

20,75%

177,06%

1,28712

7,769%

45,34%

41,88%

43,35%

-12,32%

0,07793

0,470%

30,87%

66,49%

-40,03%

10,19%

0,82721

4,993%

17,41%

132,62%

-33,20%

13,65%

0,74492

4,496%

52,24%

81,88%

-1,38%

105,36%

1,11041

6,702%

51,45%

66,55%

-13,84%

44,09%

0,84359

5,092%

31,26%

82,68%

3,23%

105,67%

0,13083

0,790%

62,17%

192,97%

-23,99%

20,28%

0,41582

2,510%

88,61%

21,02%

6,02%

177,59%

0,36600

2,209%

44,64%

66,96%

22,16%

23,88%

0,40699

2,457%

41,43%

67,16%

-36,79%

55,88%

0,93220

5,627%

26,60%

23,08%

-0,24%

44,63%

0,55036

3,322%

16,53%

11,32%

9,14%

27,50%

0,08621

0,520%

13,31%

32,98%

-3,59%

71,05%

0,24198

1,461%

27,76%


grcvisao@grcvisao.com www.grcvisao.com


Vencedora

Marcopolo a gRandE vEnCEdoRa Em um ano marcado por grandes desafios, como o de se adaptar às novas regras do mercado, empresa obtém bons resultados e ainda cria expressivo valor para os acionistas.

O desempenho da Marcopolo em 2012 foi claramente influenciado pelas condições macroeconômicas, que levaram à desaceleração da atividade industrial no País e ao impacto da transição do mercado brasileiro da motorização Euro 3 para o novo normativo Euro 5. Essa mudança gerou efeito desfavorável sobre os preços, afetando a comercialização de ônibus e, consequentemente, as vendas. A empresa encerrou o ano com lucro líquido de R$ 302,4 milhões, valor 12,1% inferior ao ganho verificado um ano antes. O Ebitda (lucro antes do pagamento de juros, impostos e depreciação de ativos) alcançou R$ 439,8 milhões, com margem de 11,5% contra R$ 464,1 milhões e margem de 13,8% em 2011. Ainda assim, a companhia conseguiu resultados superiores à média do setor. Este desempenho operacional, aliado a uma boa política de governança corporativa foram reconhecidos pelo Comitê do Prêmio Abrasca de Criação

de Valor, formado pelas 13 principais entidades de classe do mercado de capitais brasileiro que elegeram a Marcopolo como o melhor caso de Criação de Valor de 2012. Mesmo em um cenário adverso, a companhia conseguiu criar 62,17% de valor para os acionistas e ter seu valor de mercado quase duplicado ao passar de R$ 3,166 bilhões para 5,76 bilhões no final do ano passado. Em 2011, a empresa foi destaque do setor de Máquinas e Equipamentos ao criar 46,63% de valor para os acionistas. A companhia manteve ainda sua posição de liderança no mercado brasileiro: registrou um market share de 45,2% e suas ações preferenciais subiram 81,9%, contra valorização de 7,4% do Ibovespa. A partir de setembro de 2012, as ações preferenciais da Marcopolo passaram a

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

14

R$ 302.357,00 23,3% R$ 143.086.000 47,3% R$ 5.605.652.026 62,2% 0,79%

compor o índice Emerging Markets Latin America (MSCI). Desde setembro de 2002, a companhia está listada no Nível 2 do Novo Mercado da BM&FBovespa, adotando práticas diferenciadas de governança corporativa. Opinião dos analistas Os analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) que avaliaram os resultados da Marcopolo atribuíram o conceito excelente aos quesitos: governança corporativa, controle de riscos, transparência e atuação da área de RI da companhia. E mais, eles acham que a empresa tem alta probabilidade de sustentar os resultados obtidos em 2012 no curto, médio e longo prazos. Consideraram, no entanto, como me-


Winner

Marcopolo: The big winner

In a year of huge challenges, such as adapting to the new market rules, the company recorded good earnings and even managed to create shareholder value.

diana a atuação da companhia em projetos na área social e ambiental. Os analista consideraram também relevante o fato de mais de 90% do resultado da companhia, antes do imposto de renda ter sido decorrente de atividades operacionais. Destacaram ainda que o desempenho da Marcopolo ter sido obtido em um ambiente macroeconômico e de mercado altamente negativo.

Marcopolo’s performance in 2012 was clearly influenced by macroeconomic conditions, which triggered an industrial downturn in Brazil, and the implementation in Brazil of the new Euro 5 emission standards which replaced Euro 3. This change undermined prices, affecting the bus industry and consequently sales. The company made net income in the year of R$ 302.4 million, 12.1% less than the previous year. The Ebitda (earnings before interest, taxes, depreciation and amortization) amounted to R$ 439.8 million with a margin of 11.5% compared with R$ 464.1 million and a margin of 13.8% in 2011. Despite this, the company’s earnings outperformed the sector average. Coupled with a good corporate governance policy, this operational performance was recognized by the Committee of the Abrasca Award for Value Creation, consisting of the 13 main trade associations of the Brazilian capital markets, which elected Marcopolo as the best case of Value Creation in 2012. Despite

a lackluster economy, the company managed to create shareholder value of 62.17% and its market value nearly doubled, rising from R$ 3.166 billion to R$ 5.76 billion at the end of last year. In 2011 the company was rated as the outstanding performer in the Machinery and Equipment sector for creating shareholder value of 46.63%. The company also sustained its leadership position in the domestic market: with a market share of 45.2 %. Its preferred shares gained 81.9%, compared with the gain of the Ibovespa index of 7.4%. In September 2012 Marcopolo’s preferred shares were listed in the Emerging Markets Latin America (MSCI) index. Since September 2002 the company has been listed in Level 2 of the BM&FBovespa New Market, accordingly adopting special corporate governance practices. Evaluation The analysts appointed by Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) to evaluate Marcopolo’s results rated the company’s corporate governance, risk management, transparency and investor relations as excellent. They also believe the company has an excellent chance of replicating the results obtained in 2012 in the short, medium and long term. However, they rated the company’s social and environmental performance as average. The fact the company derived more than 90% of its before-tax earnings from operating

15


Mario Bernardes Junior, analista da área de Investimentos e Mercado de Capitais do Banco do Brasil A performance da empresa foi positiva em 2012, um ano difícil para a indústria como um todo, repetindo a forte desaceleração que marcou 2011. Isso significa que a conjuntura não ajudou, mas, embora a Marcopolo tenha sofrido compressão de margens, ela não foi tão acentuada como aconteceu com outras empresas do setor. Entre os fatores positivos que contribuíram para esse comportamento esteve a estratégia de diversificação adotada pela companhia. As diversas joint-ventures, não apenas na América Latina, mas também no Egito, na Índia e Austrália, entre outros países, ajudaram a melhorar os resultados das operações internacionais, assim como a diversificação do portfólio de produtos da companhia. A grande dificuldade, cujos efeitos não puderam ser evitados, foi a queda de demanda no mercado nacional de ônibus por conta da entrada em vigor das normas de emissão Proconve-7 (equivalente à Euro 5) no Brasil. A mudança na tecnologia de redução da emissão de poluentes exigiu alte-

16

rações em motores e afetou a precificação, reduzindo vendas. Esse foi um impacto negativo que não pôde ser contornado em 2012. Em 2013, porém, a expectativa é de retomada do crescimento do mercado interno com a adequação ao Euro 5 já devidamente absorvida. Os principais vetores desse crescimento serão a necessidade de renovação da frota doméstica de ônibus e a retomada dos investimentos em infraestrutura no país. Isso será fundamental para a empresa e ela tem condições de capturar os efeitos positivos desse movimento. Entre os investimentos da Marcopolo que são considerados essenciais para o seu desempenho está a expansão do programa Caminhos da Escola, que deixará de ser limitado às áreas rurais para atingir também o transporte urbano, e os investimentos no ônibus Volare, que deixou de ser apenas um produto para configurar toda uma unidade de negócios dentro da companhia. O principal risco para a Marcopolo é o de uma eventual desaceleração da economia, o que poderia causar a interrupção de investimentos pelos empresários e a queda nas vendas. Do ponto de vista de governança corporativa e de relacionamento com o mercado, a imagem é positiva.

A Marcopolo é transparente na prestação de informações, está sempre pronta a atender tanto os analistas como os investidores. Além disso, sua governança transmite conforto ao mercado. Juliana Hsiao Wei Chu, analista da Votorantim Corretora O desempenho da Marcopolo em 2012, considerado dentro do cenário geral da indústria, que sofreu com a implantação do Euro 5, foi positivo. Por conta da estratégia de trabalhar com estoques maiores de chassis Euro III e graças às medidas do governo, a empresa apresentou um volume de vendas acima do obtido pela indústria geral, conseguindo assim manter rentabilidade. O volume de pedidos atendidos para o programa Caminhos da Escola foi um destaque positivo, assim como a melhora no resultado na Austrália. A manutenção de um posicionamento financeiro confortável, seguindo uma política financeira bastante adequada e que possibilita crescimento futuro através de aquisições, também chamou a atenção. Ao analisar os pontos fortes da companhia no que diz respeito à agregação de valor para


Winner

Gustavo Costanzi Perez, analista do Banco Fator Em termos gerais, a companhia obteve um bom desempenho no exercício de 2012, apesar de o mercado interno ter decrescido em termos de produção e demanda interna por ônibus. A posição de liderança da Marcopolo, aliada ao mix de produtos com alto valor agregado, faz com que a companhia obtenha retornos acima da média das empresas do setor. A fim de minorar o impacto negativo da nova motorização Euro 5, em substituição à motorização Euro 3, a companhia adotou a estratégia de adquirir chassis Euro 3 disponíveis no mercado e vender veículos completos. A estratégia se mostrou acertada e reduziu em parte o efeito da implementação do Euro 5. A diversificação e a presença global da companhia também contaram pontos. Destaco nesse quesito o investimento de 19,99% no capital social da canadense New Flyer Industries Inc., líder na produção de ônibus urbanos no Canadá e nos EUA, dando seguimento à estratégia de crescimento e expansão geográfica da companhia. A empresa tem uma presença internacional que engloba países de alto crescimento (Índia e México) e mercados mais maduros, que proporcionam fluxo de caixa mais estável (EUA, África do Sul).

activities was also praised. They also pointed out that Marcopolo achieved this performance in spite of a highly adverse market and macroeconomy. Analyst opinions Mario Bernardes Junior, an analyst of the capital markets and investment department of Banco do Brasil The company’s performance was positive in 2012, which was a tough year for the industry as a whole, which again experienced the sharp downturn witnessed in 2011. This means that the economic situation did not help, but despite seeing its margins diminish, Marcopolo fared better than other companies in the sector. The positive factors that contributed to this included the company’s diversification strategy. The various joint ventures in not just Latin America, but also Egypt, India and Australia, amongst other countries, helped boost international earnings and diversify the company’s product portfolio. A major obstacle, which was inevitable, was the downturn in domestic demand for buses as a result of the enactment of the Proconve-7 emission standards (equivalent of Euro 5) in Brazil. The change in the pollution control technology required changes to engines and led to price increases, thereby harming sales. This was a negative impact, which could not be overcome in 2012. However, the domestic market is expected to make a recovery in 2013 now the adaptation to Euro 5 is complete. This growth will primarily be driven by the need to renew the domestic bus fleet and to resume infrastructure investments in Brazil. This will be crucial for the company and it is in a position to benefit from this scenario. Marcopolo’s investments considered essential to its performance are the expansion of the “Caminhos da Escola” program, which will be extended from rural areas to include urban transportation, and the investments in the Volare bus, which has evolved from a mere product into an entire business division within the company. The main risk to Marcopolo is a possible economic slowdown, which could interrupt corporate investment and trigger a downturn in sales. The company is renowned for its corporate governance and investor relations. Marcopolo discloses information transparently and is always willing to engage with both analysts and investors. Its corporate governance practices also reassure investors.

Juliana Hsiao Wei Chu, an analyst at the brokers Votorantim Corretora Compared with the rest of the industry, which suffered from the implementation of Euro 5, Marcopolo’s performance in 2012 was encouraging. Its strategy of keeping large inventories of Euro III chassis and measures implemented by the government helped the company outperform its competitors in terms of sales, thereby protecting its profits. The number of orders received under the Caminhos da Escola program was good news, as was the improved earnings figures in Australia. The maintenance of a healthy financial position, supported by a suitable financial policy permitting future growth through acquisitions, was also noteworthy. An analysis of the company’s strong points in terms of adding shareholder value revealed that the most effective value driver in 2012 was the consistent growth underpinned by financial discipline and the company’s vision, which unashamedly targets the creation of shareholder value. Analysts and investors receive excellent service from the company’s executives. Marcopolo should be praised for the quality of information and the receptiveness of the investor relations department. Gustavo Costanzi Perez, an analyst at Banco Fator Overall, the company performed well in FY 2012, despite domestic bus production and demand contracting. Marcopolo’s position of leadership coupled with its range of high-added-value products enables the company to outperform the sector average in terms of return. In order to mitigate the adverse effect of the new Euro 5 standard, which has replaced Euro 3, the company’s strategy was to acquire Euro 3 chassis available on the market and sell complete vehicles. The strategy was vindicated and helped offset part of the effect of implementing Euro 5. The company’s global presence and product diversification also received plaudits. An example of this is the acquisition of a 19.99% interest in the capital of Canada’s New Flyer Industries Inc., a leading producer of urban buses in Canada and the USA, as part of the company’s growth and geographical expansion strategy. The company has an international presence which spans rapidly growing countries (India and Mexico) and mature markets, which generate a more stable cash flow (USA and South Africa).

Foto: Eduardo Martins.

o acionista, o que mais gerou valor em 2012 foi o crescimento consistente com disciplina financeira e a própria visão da companhia, que é clara no sentido de agregar valor para o acionista. O atendimento aos analistas é bastante presente e claro tanto por iniciativa da diretoria da empresa, como quando procurados pelo mercado. Apresentações feitas ao mercado, qualidade do material de divulgação e boa acessibilidade ao departamento de relações com investidores são pontos bastante positivos da Marcopolo.

17


Entrevista, por Martha Corazza

Para enfrentar crises, empresa aposta na estratégia de diversificação, com atuação em vários países, investimento em produtividade, capacitação profissional e governança. Apesar das adversidades da conjuntura econômica e da transição do mercado brasileiro da motorização Euro 3 para o novo normativo Euro 5, a Marcopolo conseguiu, em 2012, criar 62,17% de valor para os seus acionistas. Esse resultado reflete o sucesso de algumas estratégias fundamentais adotadas pela companhia tendo como foco a eficiência, inovação e transparência. De acordo com seu diretor-geral, José Rubens de la Rosa, o segmento de atuação da empresa demanda elevado número de componentes e matérias-primas assim como mão de obra qualificada e intensiva. Isso exige investimento em processos produtivos, na formação e no aperfeiçoamento de profissionais e em inovação para projetar e construir ônibus mais leves e competitivos. Em 2012, a empresa investiu R$ 4,4 milhões em capacitação de seus colaboradores e R$ 2 milhões em um novo centro de treinamento. Governança como princípio No mercado de capitais, explica de la Rosa, a companhia tem estreitado seu relacionamento com os stakeholders, por intermédio de uma gestão transparente, iniciativa que acaba se traduzindo em ganhos para os seus acionistas. Esses ganhos, afirma o diretor-geral, estão refletidos na evolução das ações preferenciais da Marcopolo, que em 2012 valorizaram-se 81,9% em comparação aos 7,4% do Ibovespa. Entre os requisitos mais relevantes para o Prêmio Abrasca de Criação de

18

Valor está a questão da governança corporativa. A Marcopolo, afirma de la Rosa, “adota boas práticas de governança, seguindo os princípios da transparência, equidade, prestação de contas (accountability) e responsabilidade corporativa”. As ações estão listadas no Nível 2 de Governança Corporativa da BM&FBovespa desde 2002. A companhia está vinculada à arbitragem na Câmara de Arbitragem do Mercado, conforme cláusula compromissória constante do seu Estatuto Social. “A governança corporativa, portanto, é um dos pilares para aprimorar a gestão e os controles da companhia”, enfatiza o diretor-geral. Nesse sentido, a gestão da companhia é formalizada com base na distinção entre as funções e responsabilidades do Conselho de Administração, do Comitê Executivo e da Diretoria. O Conselho de Administração é constituído por sete membros, dos quais quatro são externos e independentes, sendo um eleito pelos acionistas minoritários, um pelos acionistas detentores de ações preferenciais e outros dois pelos controladores. A companhia conta, também, com um Conselho Fiscal, composto de três membros, um indicado pelos acionistas minoritários, um pelos acionistas detentores de ações preferenciais e um pelos controladores. As competências de cada órgão estão definidas no Estatuto Social. Para auxiliar, opinar e apoiar na condução dos negócios, o Conselho de Administração conta, ainda, com os

Foto: Julio Soares.

Criando valor na adversidade José Rubens de la Rosa, diretor-geral.

seguintes Comitês: (i) Auditoria e Riscos; (ii) Recursos Humanos e Ética; e (iii) Estratégia e Inovação. O Presidente do Conselho e o CEO são pessoas distintas e a diretoria executiva da Marcopolo é composta por executivos sem ligação com as famílias controladoras. De acordo com de la Rosa, “essa filosofia, a forma de gestão e os resultados alcançados explicam a conquista do Prêmio Abrasca de Criação de Valor”. Tratamento justo e igualitário O relacionamento com o mercado é um dos fatores que distinguem a atuação da companhia e suas diretrizes, que inclui tratamento justo e igualitário a todos os minoritários, sejam do capital ou das demais partes interessadas (stakeholders). Na divulgação de informações, observa de la Rosa, são utilizados elevados padrões de transparência, buscando estabelecer um clima de confiança, tanto internamente, quanto nas relações da empresa com terceiros. Para atender dispositivos legais e aprimorar as informações prestadas ao mercado em geral e aos acionistas estrangeiros em particular, as Demonstrações Financeiras são divulgadas conforme padrões estabelecidos pelo IFRS – International Financial Reporting Standard. Ele informa ainda que, em 2012, a companhia realizou reuniões com analistas na Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais (APIMEC) em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, bem


Interview, by Martha Corazza

como non-deal road shows no Brasil e no exterior. O relacionamento da Marcopolo com seus acionistas e potenciais investidores é feito pela área de Relações com Investidores. Em 2012, foram recebidos analistas do país e do exterior e realizados inúmeros contatos telefônicos, além da sexta edição do Marcopolo Day, evento em que a companhia recebe analistas e investidores em suas instalações em Caxias do Sul para uma apresentação sobre a empresa e sua estratégia, seus produtos e seu processo produtivo. Diretriz de sustentabilidade A adoção das melhores práticas de sustentabilidade nos resultados, excelência no controle de riscos, transparência e atuação socioambiental são fatores determinantes para a criação de valor. Desde sua fundação, em 1949, explica de la Rosa, a Marcopolo sempre demonstrou um forte compromisso com o desenvolvimento de seus colaboradores e das comunidades onde está presente. “Em relação à responsabilidade social empresarial, a Fundação Marcopolo realiza projetos de cultura, educação e profissionalização especialmente para jovens em situação social menos favorecida.” No que se refere à sustentabilidade, este tema é item permanente da agenda da alta administração da empresa e diversos esforços têm sido feitos para que o desenvolvimento sustentável permeie todos os níveis da organização, desde a concepção de um novo projeto até a destinação correta dos resíduos gerados nas diversas áreas, pontua de la Rosa. Ele sublinha também que a companhia “compreende a necessidade de conhecer as expectativas e de engajar as partes interessadas em relação à sua atuação em sustentabilidade”. Os resultados de pesquisa realizada com representantes, fornecedores, empregados, gestores e comunidade foram utilizados para o desenvolvimento de uma Matriz de Materialidade, disponível no Relatório de Susten-

Creating value in adverse conditions

To face crises, company bets on diversification strategy, with activities in a number of countries, investment in productivity, professional training and corporate governance. Despite the unfavorable economic context and of the transition of the Brazilian market from the Euro 3 to the Euro 5 emission standard, in 2012 Marcopolo managed to create shareholder value of 62.17%. This result reflects the success of some of the fundamental strategies adopted by the company, focusing on efficiency, innovation and transparency. According to its Director-General José Rubens de la Rosa, the segment in which the company operates requires a large number of components and raw materials as well as intensive, highly qualified labor. This requires investment in production processes, in initial and further training of employees and innovation in projecting and constructing lighter and more competitive buses. In 2012 the company invested R$ 4.4 million in training its collaborators and R$ 2 million in a new training center. Governance as a principle On the capital markets, Mr. de la Rosa explains, the company has created a closer relationship with the stakeholders by means of transparent management, an initiative that ends up benefiting the shareholders, as can be seen by the price of Marcopolo preferred shares, which increased 81.9% in 2012, compared to an increase of just 7.4% for the Ibovespa. One of the key items for receiving the Abrasca Value Creation Award is the question of corporate governance. Marcopolo, Mr. de la Rosa says, “adopts good governance practices, based on the principles of transparency, equity, accountability and corporate responsibility.” The shares have been listed as Corporate Governance Level 2 on the BM&FBovespa since 2002. The company is subject to arbitration by the Market Arbitration Chamber, according to the arbitration clause contained in its bylaws. “Corporate governance is thus one of the pillars that support improved management and internal controls”. The management of the company is based on a clear distinction between the responsibilities of the Board of Directors, the Executive Committee and the Management. The Board of Directors is made up of seven members, of which four are independent (from outside the company), elected by the minority shareholders, one by preferred shareholders and the other two by the majority shareholders. The company also has a Board of Auditors, made up of three members, one appointed by the minority shareholders, one by the preferred shareholders and one by the majority shareholders. The responsibilities of each body are defined in the bylaws. Toe aid, advise and support it in conducting company business, the Board of Directors is supported by the following committees: (i) Auditing and Risk; (ii) Human Resources and Ethics; and (iii) Strategy and Innovation. The posts of President of the Board and CEO are held by different individuals and the executive directors at Mar-

copolo have no links with the controlling family. According to Mr. de la Rosa “this philosophy, the management method and the results achieved explain the Abrasca Value Creation Award.” Fair and egalitarian treatment The relationship with the market is one of the factors that distinguishes the company’s attitude and its guidelines, which include fair and egalitarian treatment of all minorities, whether capital or stakeholders. In the divulgation of information, Mr. de la Rosa notes, high standards of transparency are observed, aimed at establishing a climate of confidence, both internally and between the company and third parties. In order to obey legal requirements and improve the information given to the market in general, and to overseas shareholders in particular, the Financial Statements are issued in accordance with the International Financial Reporting Standard (IFRS) regulations. Mr. de la Rosa adds that in 2012 the company held meetings with analysts from the Professional Capital Market Analyst Association (APIMEC) in Sao Paulo, Rio de Janeiro and Porto Alegre, as well as non-deal road shows in Brazil and abroad. The relationship of Marcopolo with its shareholders and potential investors is conducted by the Investor Relations department. In 2012, analysts from Brazil and abroad were invited and innumerable contacts made via telephone, as well as the sixth edition of ‘Marcopolo Day’ – an event during which the company receives analysts and investors in its complex in Caxias do Sul for a presentation about the company and its strategy, its products and its production procedures. Policy of sustainability The adoption of the best sustainability practices in results, excellence in risk control, transparency and social/environmental engagement are determining factors for value creation. Since its foundation, in 1949, Mr. de la Rosa explains, Marcopolo has always shown a strong commitment to the development of its collaborators and to the communities in which the company is present. “In the social corporate responsibility area, the Marcopolo Foundation undertakes cultural, educational and training projects, above all for young people from poor communities.” Sustainability is a theme that is constantly present on the agenda of the upper administration of the company and a number of initiatives have been made to ensure that sustainable development permeates every level of the organization, from the conception of a new project to the correct disposal of the residues generated from the various production areas, Mr. de la Rosa points out. He also stresses that the company “understands the requirement to be aware of the expectations and to engage the interested parties as regards its performance in sustainability.” The results of the research undertaken with representatives, suppliers, employees, managers and local communities were used for the drawing up of a Materiality Matrix, available in the company’s 2012 Sustainability Report, which follows the GRI standard and will serve as the basis for the company’s future sustainability guidelines. In addition, economic, social and environmental indices were selected to make up the Balanced Score Card (BSC) of the company for 2013, defining higher tar-

19


tabilidade 2012 da Companhia, que segue os padrões do GRI, e servirão para orientar as ações futuras da empresa nos assuntos de sustentabilidade. Além disto, indicadores das áreas econômica, social e ambiental foram selecionados para compor o Balanced Score Card (BSC) da empresa em 2013, tendo sido definidas metas de melhoria em relação aos anos anteriores, monitoradas mensalmente pela gestão da empresa. Transição para a Euro 5 Dois aspectos principais caracterizaram o ano de 2012 para os resultados da Marcopolo. O primeiro deles foi representado pelos desafios originados pela transição do mercado brasileiro da motorização Euro 3 para o novo normativo Euro 5, o que gerou efeito desfavorável sobre os preços e consequentemente sobre a comercialização dos ônibus. O segundo desafio foi a continuidade da expansão geográfica da companhia no exterior. Mesmo nesse cenário adverso, entretanto, de la Rosa enfatiza que a Marcopolo conseguiu manter sua competitividade, sustentando sua posição de liderança no mercado. Por conta da introdução dessa nova motorização, explica o diretor-geral, a Marcopolo adotou a estratégia de adquirir chassis Euro 3 disponíveis no mercado para vender veículos completos. “A decisão mostrou-se acertada e minimizou em parte o efeito da implementação da nova motorização, enfatizando uma das principais características da companhia que é sua capacidade de rápida adaptação a mudanças de cenário, devido à flexibilidade e localização estratégica em diversos países.” Em 2013, informa de la Rosa, “a empresa segue seu ritmo de expansão, através de investimentos no Brasil e no exterior e prevê atingir o guidance divulgado ao final do ano passado, que é de atingir uma receita líquida de R$ 3,8 bilhões e produzir 21.600 unidades em todo o mundo”. Ele observa que os investimentos realizados ao longo dos últimos anos foram fundamentais para que a empresa apresentasse os níveis de crescimento que alcançou. “Somente para este ano estão previstos

20

R$ 350 milhões aplicados na formação e treinamento dos colaboradores, modernização das fábricas, inovação e desenvolvimento de novos produtos e na nova planta do Volare, no estado do Espírito Santo”, informa o diretor-geral. Além disso, está incluída a aquisição de 19,99% da empresa New Flyer, no Canadá. Caminhos do crescimento A modernização da frota nacional de ônibus, o programa Caminhos da Escola e os investimentos em mobilidade urbana por conta dos eventos esportivos a serem sediados pelo Brasil continuam relevantes como vetores capazes de afetar positivamente o desempenho da companhia no mercado doméstico. Um dos pilares para o crescimento da Marcopolo no mercado brasileiro são justamente estes programas, lembra de la Rosa. “Podemos dizer que os eventos esportivos foram o “gatilho” para novos investimentos em infraestrutura, tais como corredores de ônibus (BRTs) e renovação da frota”. Segundo o diretor-geral, “é imperativo lembrar também que a renovação da frota circulante do ônibus no Brasil faz-se necessária, pois a idade avançada acarreta em custos sociais e financeiros, tais como o aumento da poluição, o risco de acidentes e o baixo desempenho operacional, que poderiam ser evitados com uma frota mais renovada”. Do ponto de vista do cenário externo, os principais aspectos que podem influenciar o desempenho da Marcopolo são a apreciação do real contra o dólar e a eventual queda de demanda por ônibus nos países em que a empresa atua, seja por razões políticas e/ ou econômicas. Porém, devido ao posicionamento estratégico global, de la Rosa afirma que a companhia é capaz de mitigar esses riscos. “Um dos objetivos da empresa com sua estratégia de diversificação, que envolve ter fábricas e atuar em vários mercados, é justamente minimizar os efeitos de uma eventual retração de mercado. Assim, mesmo que um mercado não esteja performando muito bem, outro poderá compensar e fazer com que a empresa alcance os resultados pretendidos.”

gets to be met than those of previous years, monitored monthly by management. Transition to Euro 5 Two main aspects influenced Marcopolo’s results for 2012. The first of these was the challenges stemming for the transition of the Brazilian market from Euro Emissions Norm 3 to Norm 5, which had an unfavorable impact on prices and consequently on sales of buses. The second challenge was the continued geographic expansion of the company abroad. Even in this unfavorable context de la Rosa stresses that Marcopolo managed to maintain its competitiveness, maintaining its position as market leader. Due to the introduction of the new emissions standard, the Director-General explains, Marcopolo adopted the strategy of acquiring Euro 3 chassis available on the market to sell complete vehicles. “The decisions proved correct and minimized in part the implementation of the new emissions norm, emphasizing one of the company’s main characteristics which is its capacity to rapidly adapt to changes in scenario, due to its flexibility and strategic location in a number of countries.” In 2013, Mr. de la Rosa continues, “ the company is continuing its rate of expansion, via investments in Brazil and abroad and the forecast is to reach the target divulged at the end of last year, which is to obtain a net revenue of R$3.8 billion and produce 21,600 units worldwide.” He adds that the investments undertaken over the last few years have been fundamental for the company achieving these levels of growth. “For this year alone the forecast is for R$350 million to be invested in the training of collaborators, the modernization of plants, innovation and development of new products and in the new Volare plant in the state of Espírito Santo”. In addition the company will also acquire 19.99% of the company New Flyer, in Canada. Paths of growth The modernization of the domestic fleet of buses, the School Routes program and the investments in mobility due to the sporting events that will be hosted by Brazil, continue to be relevant factors that can positively affect the company’s performance on the domestic market. Mr. de la Rosa recalls that these programs indeed provide one of the pillars for company growth. “We could say that the sporting events were the trigger for new investments in infrastructure, such as articulated bus lanes (BRTs) and the renovation of the fleet.” According to the Director-General “it is essential to remember that the renewal of the bus fleet in circulation in Brazil has become necessary, because the old vehicles imply social and financial costs, such as increased pollution, the risk of accidents and poor operational performance, all of which would be avoided with a new fleet.’ As far as the outlook for the international scenario is concerned, the main aspects that can influence the performance of Marcopolo are the appreciation of the real against the dollar and a possible fall off in demand for buses in the countries where the company is present, for either political or economic reasons. However, due to its strategic global placement, de la Rosa states that the company is able to mitigate these risks. “One of the aims of the company with its diversification strategy, which means having factories and acting on various markets, is precisely to minimize the effects of a possible retraction of the market. Thus, even if one market is not performing very well, another may offset that and be the means by which the company obtains the required results.”


São Martinho Sustentabilidade gera valor Mesmo com redução de 42,4% no lucro líquido, empresa conseguiu criar 26,26% de valor para os acionistas e conquistar o prêmio Destaque do Setor de Açúcar e Álcool.

O Grupo São Martinho, um dos maiores do Brasil no segmento sucroalcooleiro, conquistou pela primeira vez o Prêmio Destaque Setorial de 2012 ao conseguir criar 26,26% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos. Na safra 2012/13, a empresa acumulou um lucro líquido de R$ 72,9 milhões, o que significou uma queda de 42,41% em relação ao resultado do ano anterior. A companhia atribuiu a redução a “variações contábeis sem efeito no fluxo de caixa”, entre as quais destacou um aumento de R$ 101,1 milhões nas despesas com depreciação e um ganho não recorrente de R$ 24,9 milhões reconhecido no exercício anterior. Apesar do lucro menor, o resultado operacional da companhia melhorou. No ano, a São Martinho registrou Ebitda ajustado de R$ 651,9 milhões, 21,4% maior que o dos 12 meses anteriores. A margem em relação ao Ebitda subiu 0,6 ponto percentual, para 39,8%. Já a receita cresceu 19,7%, para R$ 1,63 bilhão. O aumen-

to de receita e Ebitda foram o resultado de um volume maior de cana processada que somou 12,91 milhões de toneladas, 21,9% a mais que na safra anterior. Avaliação Os analistas da Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) que avaliaram a empresa consideraram relevante o fato de 90% do resultado obtido pela empresa no ano passado ter sido decorrente das atividades operacionais. Para eles, existe grande probabilidade da empresa repetir bom desempenho a médio e longo prazos. A São Martinho obteve também avaliação positiva dos analistas em governança corporativa, transparência, gestão de risco, atuação da área de Relações com Investidores e política ambiental. Os analistas, no entanto, consideram mediana a política de distribuição de dividendos e a atuação da companhia em projetos sociais.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

22

R$ 120.280,00 6,25% R$ 36.084,00 30,0% R$ 3.164.000.000 26,3% 5,91%

Foto: Anderson Carvalho

Destaque do setor Açúcar e Álcool

Outstanding Company in the Sugar and Ethanol Sector

São Martinho:

Sustainability generates value Despite a 42.4% contraction in net income, the company managed to create shareholder value of 26.26% and earn the Outstanding Performance in the Ethanol and Sugar Sector award. SãoMartinho is one of the largest Brazilian groups in the ethanol and sugar sector. In 2012 it earned the Outstanding Performance in the Sector award for the first time after managing to create shareholder value of 26.26% in the last three years on average. In the 2012/13 harvest the company accrued net income of R$ 72.9 million, in what was a downturn of 42.41% over the previous year. The company attributed the contraction to “accounting variations that do not affect cash flow”, including an increase of R$ 101.1 million in depreciation expenses and an extraordinary gain of R$ 24.9 million recognized in the previous year. Despite profit declining, the company’s operating income rose. In the year São Martinho recorded an adjusted EBITDA of R$ 651.9 million, 21.4% more than the previous year. The margin in relation to Ebitda rose by 0.6 percentage points to 39.8% while revenue rose by 19.7% to R$ 1.63 billion. The higher revenue and Ebitda were caused by processing a higher sugar cane volume of 12.91 million tons, 21.9% more than the previous harvest. Evaluation The Apimec analysts thought that the fact the company derived more than 90% of its earnings from operating activities was noteworthy. They believe the company has every chance of replicating this good performance in the medium and long term. The analysts also rated São Martinho positively for its corporate governance, transparency, risk management, investor relations and environmental policies. However, the analysts rated the company’s CSR performance and dividend payment policy as average.


Minerva Boas práticas ambientais Companhia criou 88,61% de valor aos acionistas e conquistou destaque do setor de alimentos. Analistas consideram positiva a política social e ambiental da Minerva.

A Minerva conquistou pela segunda vez o Prêmio Destaque do Setor de Alimentos ao criar, na média dos últimos três anos, a excepcional marca de 88,61% de valor aos acionistas. A terceira maior produtora de carne bovina do país encerrou 2012 com receita líquida de R$ 4,59 bilhões, 15% superior à do ano passado e a geração de caixa, medida pelo Ebitda, subiu 36,8%, ao totalizar R$ 475,2 milhões. Ainda assim, o frigorífico registrou prejuízo de R$ 199 milhões, devido à desvalorização cambial que teve um impacto de R$ 245 milhões no balanço não contábil da companhia. Mesmo com o desempenho fraco, a empresa planeja investir até R$ 400 milhões nos próximos três anos. A companhia quer ampliar a rede de distribuição no país para atender principalmente o pequeno e médio varejo. Hoje, a Minerva tem 12 centros de distribuição e deve abrir outros quatro nos próximos anos. Também planeja dobrar a capacidade de pro-

cessamento e o faturamento da área de food service até 2015. Avaliação Um dos pontos que mais pesaram na avaliação dos analistas da Apimec foi a atuação da Minerva em projetos sociais e ambientais, ambos considerados positivos. A empresa investe em ações sustentáveis, assumindo diversos compromissos voluntariamente, entre eles a participação no Pacto da Pecuária, coordenado pelo Instituto Ethos, a adesão ao Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável e a assinatura do Termo de Compromisso com o Greenpeace. Os analistas, porém, consideram mediana a transparência praticada pela companhia, atuação da área de Relações com Investidores, governança corporativa, gestão de controle de riscos e política de distribuição de dividendos. Para eles, também é mediana a possibilidade de a empresa repetir, a médio e longo prazos, os resultados obtidos em 2012.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta)

R$ 47.047,97 5,2% R$ 32.322,23 68,7% R$ 1.644.496.929

88,6% 88,61%

Foto: alamogal (sxc.hu)

Destaque do setor Alimentos

Outstanding Company in the Food Sector

Minerva:

Sound environmental practices The Company created shareholder value of 88.61% and earned the award for outstanding performance in the food sector. Analysts rate Minerva’s social and environmental policy as positive. Minerva has earned the award for outstanding performance in the food sector for the second time, for creating exceptional shareholder value of 88.61% in the past three years, on average. The third-largest beef producer in Brazil recorded net revenue of R$ 4.59 billion in 2012, 15% more than the previous year, with cash generation, as measured by Ebitda, rising by 36.8% to a total of R$ 475.2 million. Despite this, the company incurred a loss of R$ 199 million due to devaluation of the local currency, which wiped R$ 245 million off the company’s balance sheet. Despite the weak performance, the company is planning to invest up to R$ 400 million in the next three years. The company is looking to expand its distribution network in Brazil to primarily include small and middle-market retailers. Minerva currently has 12 distribution centers and is set to open four more in the years ahead. It is also planning to double the processing capacity and turnover of the food service division by 2015. Evaluation A key issue according to the Apimec analysts was Minerva’s performance in social and environmental projects, both rated positive. The company is investing in sustainable initiatives, undertaking a number of commitments voluntarily, including participation in the Cattle farming Pact (Pacto da Pecuária) overseen by Instituto Ethos, entering the Sustainable Cattle Farming Work Group and signing the Commitment with Greenpeace. However, the analysts rated the company’s transparency, investor relations, corporate governance, risk management and dividend payments policy as average. They also believe the company has a reasonable chance of replicating the results obtained in 2012 in the medium and long term.

* % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

23


Destaque do setor Atacado e Varejo

Foto: Jefferson Bernardes.

Lojas Renner Aposta em um modelo de negócio Uma das características para o bom desempenho da empresa é seguir um plano de negócio que está fundamentado no aumento do número de lojas e em ganho de rentabilidade.

A Lojas Renner, que recebe o prêmio Destaque Setorial como o melhor caso de criação de valor do setor de Atacado e Varejo em 2012, conseguiu criar 31,26% de valor para os acionistas na média dos últimos três anos. O crescimento sustentável das operações, com o objetivo de aproveitar o grande potencial do setor de vestuário no Brasil, tem sido um dos principais vetores desse desempenho. A empresa segue um modelo de negócios fundamentado no aumento do número de lojas em todas as regiões do País e em ganho de rentabilidade, lembra o diretor de Relações com Investidores da companhia, Adalberto Pereira dos Santos. Segundo ele, esse planejamento inclui também a adequação de toda a estrutura necessária para apoiar a expansão da companhia, envolvendo projetos de modernização e de ganho de eficiência, logística e suporte. Entre as ações que já estão em curso, destaca a conclusão da interação operacional da Camicado, a revisão do modelo logístico com a inauguração do Centro de Distribuição no Rio de Janeiro e o início das operações, em agosto de 2012, do Centro de Serviços Compartilhados. Processo de expansão A estrutura de capital necessária para financiar esse crescimento teve um importante avanço graças à emissão de debêntures feita em

24

junho de 2012. As oportunidades de crescimento da companhia, ressalta Santos, “estão associadas ao aumento da produtividade, à expansão geográfica, ao reforço da atuação da companhia no segmento de casa e decoração e de vendas online, assim como a oferta de mais serviços financeiros”, acentua o diretor. Em relação a lojas de vestuário, a companhia projeta chegar a 2021 com 408 Lojas Renner em funcionamento, só nos próximos anos deverão ser inauguradas 220 lojas. Outro aspecto fundamental para o crescimento, lembra Santos, é a atualização dos espaços de venda, considerada essencial para manter a atratividade das lojas. “Nesse sentido, o programa de reformas será concluído ao longo dos próximos três anos.” O diretor observa ainda que “o rollout das lojas voltadas para o estilo jovem é uma parte importante dos planos da companhia para 2013, ano em que devem ser inauguradas, no mínimo, dez novas unidades em importantes shoppings do País dirigidas a esse público, com área de vendas de aproximadamente 120 metros quadrados”. Ainda em 2013, informa Santos, “será lançada a nova marca que irá substituir a Blue Steel focada nos jovens”. Comércio eletrônico Outra área que apresenta potencial de crescimento é o comércio

Adalberto Pereira dos Santos, Diretor de Relações com Investidores.

eletrônico. Para aproveitar esse potencial, explica Santos, a companhia manterá sempre um website moderno, seguro, ágil e eficiente para os clientes que optem por essa opção de compra. “Esperamos alcançar o break-even desta operação em 2013”, acentua. Para a expansão do segmento de casa e decoração, a Lojas Renner conta com a plataforma representada pela Camicado e seu objetivo é a liderança do mercado, consolidando a presença nacional. “A estimativa da companhia é de ter 125 lojas Camicado em funcionamento até 2021, o que representa um relevante potencial de geração de valor para os acionistas”, diz o diretor. O planejamento também inclui a manutenção dos produtos de conveniência financeira. Com as adaptações do portfólio de produtos, atualmente em fase de implementação, associadas ao início de operação do Clube de Vantagens Renner, a companhia acredita que poderá manter a relevância daquela unidade de negócio na sua geração de resultados. Governança “Profissionalismo e transparência são prioridades na Lojas Renner, que em 2005 foi a primeira companhia listada com 100% de free-float na BM&FBovespa”, destaca o diretor. Ele lembra ainda que “os administradores da Lojas Renner entendem


Outstanding Company in the Wholesale and Retail Sector

que o bom relacionamento com todos os seus públicos, baseado na ética e na prestação de informações, é essencial para a eficiência e estratégia dos negócios.” Nesse sentido, o aprimoramento da governança e suas práticas, como instrumentos de controle e de acompanhamento dos processos e dos negócios, é um trabalho contínuo na companhia. Em 2012, foi criado o Comitê de Auditoria e Gestão de Riscos, que veio agregar valor à gestão da empresa ao lado dos comitês de assessoramento do Conselho de Administração já instituídos anteriormente: Comitê de Pessoas e o Comitê de Sustentabilidade. Entre as principais práticas de governança corporativa, Santos lista a presença no Novo Mercado; maioria de conselheiros independentes (75%) Comitês do Conselho de Administração; Comitês de Gestão; diferentes executivos nas posições de presidente do Conselho e da Diretoria; Conselho Fiscal permanente; manual para participação em assembleias; plano de opções de compra de ações; regimento interno para Conselhos e Comitês; avaliação formal do Conselho de Administração; secretários para Conselhos e Comitês; portal do Conselho de Administração e canal de denúncias.

Lojas Renner:

Focus on business model One of the characteristics of the company’s good performance has been following a business plan based on the increase in the number of shops and higher profits. Lojas Renner, received the Outstanding Company for the Sector award as the company with the best results for increased value in the Wholesale and Retail Sectors in 2012. It managed to create an average of 31.26% increase in shareholder value over the last three years. The sustainable growth of operations, aimed at taking advantage of the great potential of the clothing sector in Brazil, has been one of the main vectors of this performance. The company follows a business model based on the increase in the number of shops in all regions of the country and in higher profitability, says Adalberto Periera dos Santos, Director of Investor Relations at the company. He adds that the planning also includes all the adaptations required to sustain the company’s expansion, including projects for modernization, efficiency gains, logistics and backup. Among the activities already underway, he mentions the conclusion of the Camicado operational interaction, the revision of the logistics model with the inauguration of the Rio de Janeiro Distribution Center and the beginning of the operations, in August 2012, of the Shared Services Center. Expansion Process The capital structure required to finance this growth gained considerable impetus from the debenture issue of June 2012. Santos stresses that the company’s growth opportunities “are linked to pro-

ductivity growth, geographical expansion, strengthening the company’s role in the home and decoration segment and online sales, as well as offering more financial services.” In the clothing segment, the company aims to have 408 Lojas Renner in operation by 2021 with 220 shops being inaugurated in the next few years. Another fundamental aspect for growth stressed by Santos is the remodeling of retail outlets, considered essential for the shops to continue attracting the public. “With this aim, the program of remodeling will be completed over the next three years.” The director also adds that “the rollout of the shops directed at the life style of young people is an important part of the company’s plans for 2013, a year in which at least ten new outlets aimed at this public will be opened in leading shopping malls across the country, with sales areas of approximately 120 square meters.” Also in 2013 “a new brand will be launched that will substitute the Blue Steel brand for young people.” Internet sales Another area with growth potential is Internet sales. To maximize this potential, Santos explains, the company will keep its website modern, secure, agile and efficient for clients who opt for this means of purchase. “We aim to break even on this operation in 2013,” he adds. For its growth in the home and decoration segment, Lojas Renner has recourse to the platform represented by Camicado and its aim is to becoming market leader, consolidating its presence across the country. “The company’s forecast is to have 125 Camidcado shops operating by 2012, which represents a significant potential for generating higher shareholder value.” The planning also includes the maintenance of its financial convenience products. With the changes in these products currently being implemented, and the beginning of the operation of the Renner Advantages Club, the company believes that financial convenience products will remain a significant component in its profitability. Governance “Professionalism and transparency are priorities at Lojas Renner, which in 2005 was the first company listed with 100% free-float on the BM&FBovespa” Santos continues. “The administrators of Lojas Renner understand that a good relationship with all its publics, based on ethical procedures and access to information, is essential for the efficiency and strategy of its businesses.” To this end the improvement of governance and its practices, as instruments of control for tracking procedures and business, is an ongoing activity in the company. In 2012 the Auditing and Risk Management Committee was set up, improving the

25


Investimentos Em linha com o seu planejamento de longo prazo, a companhia iniciou importantes projetos ao longo de 2012, nos quais foram investidos R$ 382,3 milhões. Esse valor foi destinado à abertura de novas lojas – 25 no varejo de vestuário (Renner + Blue Steel) e 10 Camicado –, bem como 24 reformas e atualizações de lojas. Dentro do plano de expansão, está previsto um novo modelo de logística que, além de suportar o crescimento da rede de lojas, resultará em melhor gestão do inventário, assim como maior assertividade na alocação das coleções, consideradas as diferentes características das regiões do País. O projeto de logística inclui também a construção de outros dois

CDs, em Santa Catarina e em São Paulo, que devem estar concluídos até 2016. Para 2013, o investimento total previsto é de R$ 485,6 milhões, incluindo abertura de lojas, remodelações de instalações, sistemas de equipamentos de tecnologia e centros de distribuição, bem como investimentos em empresas controladas. A Renner fechou 2012 com Receita Líquida de R$ 3.462 milhões, aumento de 19,5% em relação à de 2011. As Despesas Operacionais somaram R$ 1.223,5 milhão, com alta de 19,2%, e o Ebitda Ajustado totalizou R$ 714,4 milhões, um aumento de 20,6%. Como resultado dessa performance, o Lucro Líquido da companhia cresceu 5,5% ao totalizar R$ 355,4 milhões.

Avaliação dos analistas Os analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) que avaliaram a Renner atribuíram grau de excelência para a transparência da empresa e atuação da área de Relações com Investidores. A mesma nota foi dada à governança corporativa e à política de distribuição de dividendos. Já a atuação na Renner na área ambiental foi considerada mediana e para a política de controle de riscos atribuída o conceito positivo. Os analistas consideraram relevante o fato de quase 90% do resultado da empresa ter sido decorrente de atividades operacionais. Para eles, é alta a probabilidade da companhia sustentar, a curto, médio e longo prazos, os resultados obtidos em 2012.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

26

R$ 355.401,11 27,2% R$ 266.550,55 75,0% R$ 9.902.562.684 31,3% 5,09%

administration of the company along with the Board of Directors’ advisory committees previously established: the People’s Committee and the Sustainability Committee. Among the main corporate governance practices, Santos lists the New Market; the majority of independent counselors (75%); advisory committees to the Board of Directors; Administration Committees; different executives in the positions of CEO and president of the board; the permanent Board of Auditors; the manual for participation in shareholders’ meetings; share purchase option plans; the company charter to which Advisory Boards and Committees are submitted; formal assessment of the Board of Directors; secretaries of the Advisory Boards and Committees; portal for the Board of Directors and channel for denunciations. Investments In line with its long-term planning, the company started some important projects in 2012, in which R$ 382.3 million were invested. The sum went towards the opening of new shops – 25 clothing retail outlets (Renner and Blue Steel) and 10 Camicado, and the remodeling and updating of 24 shops. A new logistics model is included in the expansion plan which, in addition to providing backup for the growth in the network of shops, will lead to better inventory management, as well as a more assertive policy on the placing of fashion lines, based on the different characteristics of the various regions of the country. The logistics project also includes the construction of a further two Distribution Centers, in Santa Catarina and Sao Paulo, that should be completed by 2016. For 2013 the forecast for investments is R$485.6 million, including the opening of new shops, remodeling of installations, technology equipment systems and distribution centers, as well as investments in subsidiaries. Renner closed 2012 with Net Revenue of R$3,462 million, up 19.5% on 2011. Operating Costs totaled R$ 1,223.5 million, up 19.2% and Adjusted EBITDA totaling R$ 714.4 million, up 20.6% As a result of this performance, the company’s Net Income grew 5.5%, totaling R$355.4 million. Analysts’ Evaluation The analysts appointed by Apimec (Associatoin of Capital Market Investment Professional Analysts) that evaluated Renner awarded it a grade of excellence for the transparency of the company and its Investor Relations performance. The same level was awarded for corporate governance and for its dividend distribution policy. However, Renner’s performance in the environmental area was considered average, and its risk control policy was given a ‘positive’ grade. The analysts considered highly significant the fact that almost 90% of the company’s result came from its operational activities. They consider the chances of the company maintaining its 2012 results in short-, mid- and long-terms to be very high.


Giânia Maria Melo da Silva, graduada em Serviço Social pela Estácio, Rio de Janeiro, RJ, com suas filhas Mayara e Mylena.

Quem recebeu o diploma foi a Giânia. Mas a família inteira subiu no palco junto com ela. Mudar a história de uma pessoa já faz diferença, mas em muitos casos a Estácio ajuda a mudar a de famílias inteiras. A Giânia é um exemplo disso. Com a sua dedicação e a nossa ajuda, ela conseguiu se formar na Estácio depois de vinte anos sem estudar. E sua vida melhorou muito. E ela não é a única, vários de nossos alunos conseguem o mesmo. A Estácio se orgulha de fazer parte de momentos como este. E espera construir mais 40 anos de histórias assim, por isso investimos tanto no futuro de cada aluno, junto com ele.

Estácio. Investindo no seu futuro junto com você.

Vestibular

Inscreva-se já

www.estacio.br


Ambev Líder em prÁtica de gestão A empresa de maior valor de mercado do setor de bebidas e da BM&FBovespa (R$ 248,7 bilhões), no final de 2012, conquista prêmio de criação de valor concedido pela Abrasca.

Em um ano desafiador, a Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) atingiu a marca expressiva de R$ 248,7 bilhões de valor de mercado em 2012. Líder absoluta do mercado brasileiro de cerveja, com 70% de participação, a empresa conseguiu, na média dos últimos três anos, criar 37,7% de valor aos acionistas e conquistar o Prêmio Destaque do Setor de Bebidas e Fumo. A operação da companhia no Brasil alcançou um Ebitda de R$ 11 bilhões no ano, com crescimento de 14,3%. A receita líquida foi de quase R$ 21 bilhões, 12,7% a mais do que 2011. O volume total de vendas cresceu 3,1%, alcançando 117,5 milhões de hectolitros. No ano, a venda de cerveja aumentou 2,5% e a de refrigerante 4,9%. A estratégia comercial direcionada para a expansão nos mercados do Norte e Nordeste foi acertada e contribuiu também para o bom desempenho no ano. Desde sua criação, em julho de 1999, quando foi anunciada a

fusão das centenárias Brahma e Antarctica, a Ambev se tornou um dos mais bem-sucedidos laboratórios de práticas de gestão. Avaliação A quarta maior cervejaria do mundo, líder do mercado latino-americano, conseguiu conceito “muito positivo” dos analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) em quase todos os quesitos analisados: distribuição de dividendos, controle de riscos, atuação ambiental e social. Consideraram “positivas” a área de RI da companhia, sua transparência aplicada e a governança corporativa. Segundo os analistas, a AmBev se destacou também por ter mais de 90% do seu resultado composto por atividades operacionais. E consideram alta a possibilidade da empresa sustentar no curto, médio e longo prazos os resultados obtidos em 2012.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

28

R$ 10.122.367,00 38,6% R$ 7.725.704,00 76,3% R$ 264.356.211.005 37,7% 0,83%

Foto: engindeniz (sxc.hu)

Destaque do setor Bebidas e Fumo

Outstanding Company in the Beverage and Tobacco Sector

Ambev:

Industry-leading management practices The most valuable company in the beverage sector, with market value of R$248.7 billion at the end of 2012, wins Abrasca’s Value Creation Award. Despite tough market conditions, Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) achieved an impressive market value of R$ 248.7 billion in 2012. An absolute leader in beer sales in Brazil, with a 70% market share, over the past three years the company has created shareholder value of 37.7% on average and received the award for ‘Outstanding Performance in the Beverages and Tobacco sector’. The brewer’s Brazilian operation yielded an Ebitda in the year of R$ 11 billion, an increase of 14.3%. Net revenue rose by 12.7% over 2011, to just short of R$ 21 billion. Total sales expanded by 3.1% to 11.750 billion liters. Beer sales grew by 2.5% and soft drink sales by 4.9% in the year. The sales strategy of pursuing growth in the north and north-east regions of Brazil was successful, also contributing to the positive performance in the year. Ambev has become one of the most successful developers of management practices since its creation in July 1999, following the merger between the companies Brahma and Antarctica. Opinion The fourth largest brewery in the world and a market leader in Latin America, the company was rated as “very positive” by Apimec analysts in virtually all areas considered: dividend payments, risk management and environmental and social performance. The company’s investor relations, transparency and corporate governance were all rated as “positive”. Analysts also praised AmBev for deriving over 90% of its earnings from operating activities and believe the company is on course to replicate its 2012 earnings in the short-, medium- and long-term.


DURATEX. COMPROMISSO COM A SUSTENTABILIDADE E A CRIAÇÃO DE VALOR. Entre as dez maiores empresas mundiais nos mercados de construção civil e moveleiro, a Duratex também lidera a produção de painéis de madeira, louças e metais sanitários no Brasil e no Hemisfério Sul. Deca, Hydra, Durafloor e Duratex são marcas reconhecidas e duradouras, assim como nossos produtos, que contribuem para a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Estamos construindo o futuro, cada vez mais apaixonados por inovação, design e excelência.


Destaque Bancos e Crédito

Bradesco Investimentos garantem eficiência Em um ano adverso para o setor, o Bradesco criou valor em 2012 apoiado em quatro fatores: crédito, seguros, controle de custos e investimentos em novos canais de atendimento.

Em meio a um cenário difícil para o setor, com inadimplência alta e redução dos juros, o Bradesco conseguiu se destacar e fechar 2012 com o maior lucro líquido da sua história e o quarto maior do setor no país: R$ 11,38 bilhões, superando a marca de 2011 (R$ 11,02 bilhões). Este resultado permitiu à instituição criar 7,71% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos, e conquistar o Prêmio destaque do setor de Bancos e Crédito. “A consistência dos resultados foi mantida ao longo de todos os trimestres de 2012 e a margem da área de crédito cresceu, graças aos resultados de uma política que prevê o aumento das transações com a manutenção da qualidade”, afirma o diretor executivo do Bradesco, Luiz Carlos Angelotti. Essa linha de atuação permitiu que o banco chegasse ao final do ano apresentando crescimento de 11,5% na carteira de crédito, conseguindo conter o impacto da inadimplência. Investimentos A política de crédito, centralizada e independente, é totalmente separada da área comercial e seu aperfeiçoamento constante decorre de investimentos na melhoria de modelos e análises. “O que inclui aprender também com os nossos erros, corrigi-los e aplicar de forma uniforme as medidas de controle de inadimplência e de manutenção da qualidade dos ativos”, ressalta Angelotti.

30

Os investimentos de 2012, num total de R$ 4,4 bilhões, incluíram R$ 3,7 bilhões exclusivamente para melhorias em tecnologia e telecomunicações, enquanto os demais R$ 700 milhões foram direcionados para reforçar a infraestrutura do banco. A estimativa de investimento para este ano é de aproximadamente R$ 4,6 bilhões, mas o total poderá ser 5% até 10% acima do que foi investido em 2011. “É fundamental manter o melhor parque tecnológico possível, porque toda a nossa rede opera on-line e isso representa não só uma oferta de melhores serviços para os clientes, mas também uma captura de informações mais eficiente e precisa.” O Bradesco conclui este ano um processo de revitalização completa de sua estrutura de Tecnologia da Informação que começou em 2005. O objetivo é remodelar totalmente a estrutura de TI, que cresceu de forma complexa e demandava uniformização de suas diversas linguagens. Foram 28 frentes de revitalização, das quais 27 já concluídas, incluindo hardware, infraestrutura, processos e sistemas, assim como um novo datacenter na Cidade de Deus. A última frente tem a tarefa de reescrever todo o sistema para uma linguagem única, com mais dados e ganho de eficiência, mais informações sobre os clientes e seu interesse pelos diversos produtos. Com a fi-

Luiz Carlos Angeloti, Diretor Executivo.

nalização dessa frente, diz Angelotti, o Bradesco será 50% mais rápido na hora de criar novos sistemas. Ganho de produtividade Um dos resultados mais relevantes desse processo contínuo de investimento tem sido o ganho de produtividade na área de crédito, sublinha Angelotti. Ao longo dos últimos dez anos, o volume de consultas de crédito aumentou 18 vezes, enquanto a estrutura operacional mantida para atender a esse volume caiu 43%. Atualmente são 191 mil propostas analisadas diariamente e a aprovação a esses pedidos tem que sair em questão de segundos. Em ano de aumento da inadimplência em todo o mercado, o Bradesco viu esse índice subir em sua carteira, passando de 3,9% no final de 2011 para 4,1% no fechamento de 2012, tendo chegado até 4,2% ao longo do ano. Essa alta de 0,2 ponto percentual provocou aumento de 27% nas despesas com provisões para devedores duvidosos (PDD), que subiram de R$ 10,3 bilhões em 2011 para R$ 13 bilhões no final do ano passado. “Na comparação com o desempenho do setor, porém, nossa performance foi melhor por termos conseguido conter este crescimento” acentua Angelotti. Em 2013, as projeções indicam redução na inadimplência, como já ocorreu no final do


Outstanding Company in the Bank and Credit Sector

segundo trimestre, e as despesas do Bradesco com provisionamento este ano deverão ficar em R$ 12,5 bilhões, destaca o diretor. O Bradesco encerrou o ano de 2012 com lucro líquido de R$ 11,381 bilhões, expansão de 3,2% em relação ao ano anterior. O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido subiu 19,2% e a carteira de crédito expandida fechou o ano com R$ 385,529 bilhões e crescimento de 11,5%, inferior às estimativas feitas pela própria instituição, que apontavam expansão de 14% a 18% do crédito. No final do primeiro semestre de 2013, o lucro líquido do banco já tinha atingido R$ 5,86 bilhões, com alta de 4,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Custos e sinergias Outro aspecto decisivo para gerar valor ao investidor foi o trabalho desenvolvido pelo Bradesco na busca pela eficiência de seu controle de custos e redução das despesas operacionais. Em 2011, foram abertas mil novas agências, o que representou a contratação de mais 10 mil

Bradesco:

Investments drive efficiency In a tough year for the industry, Bradesco successfully created value in 2012 via four factors: loans, insurance, cost control and investing in new customer service channels. In what was a challenging year for the industry with high levels of default and interest rate cuts, Bradesco performed well, and in 2012 reported its highest ever earnings and the fourth highest earnings in the sector: R$ 11.38 billion, more than the figure for 2011 (R$ 11.02 billion). This enabled the bank to create shareholder value of 7.71% on average in the last three years and earned it the award for Outstanding Performance in Financial Services. “The consistency of our earnings held strong across all quarters of 2012 while our margin on loans saw an increase driven by a policy that aims to increase transactions, whilst maintaining quality”, said Bradesco’s executive director, Luiz Carlos Angelotti. This approach enabled the bank to grow its loans portfolio by 11.5% in the year, while keeping default levels in check. Investments The bank’s centralized, independent credit policy is completely segregated from the sales department, and investment to improve models and analyses ensures its ongoing enhancement. “This includes learning from our mistakes, rectifying them and consistently acting to control default and maintain asset quality”, Angelotti said

The total investment in 2012 of R$ 4.4 billion includes R$ 3.7 billion exclusively allocated to improving technology and telecommunications and R$ 700 million allocated to enhancing the bank’s infrastructure. Investment for this year has been estimated at R$ 4.6 billion, although the total could exceed the amount invested in 2011 by between 5% and 10%. “Investing in state-of-the-art technology is crucial because our entire network is online, which enables us not only to provide the best services to our clients, but also to collect information more efficiently and accurately”. This year Bradesco completed an IT asset upgrade project that started in 2005. The aim was to completely overhaul its IT infrastructure, which had grown complex and required standardization of the various languages involved. 27 of a total of 28 upgrades have been completed, including hardware, infrastructure, processes and systems, in addition to a new data center in the Cidade de Deus district. The final task entails recoding the entire system in a single language, with more data and greater efficiency, and more information about clients and their interest in products available. Angelotti says Bradesco will be able to create new systems 50% faster once this program has been completed. Productivity gained Angelotti pointed to productivity gains in the loans department as one of the best results yielded by this ongoing investment process. The number of loan enquiries has risen 18 fold in the last ten years, while the operational infrastructure maintained to handle this volume has contracted by 43%. 191,000 proposals are now being analyzed on a daily basis and these applications have to be accepted or rejected in a matter of seconds. In a year when default levels rose throughout the sector, Bradesco’s default index rose from 3.9% at the end of 2011 to 4.1% at the end of 2012, peaking at 4.2% in the course of the year. This increase of 0.2 percentage points caused a 27% increase in the allowance for doubtful accounts, which rose from R$ 10.3 billion in 2011 to R$ 13 billion at the end of last year. “However, we still outperformed the industry by managing to keep default levels in check” added Angelotti. Projections for 2013 point to a reduction in default levels, as was the case at the end of the second quarter, and Bradesco is set to provision for expenses of R$ 12.5 billion this year, the director said. Bradesco closed 2012 with a net income of R$ 11.381 billion, 3.2% more than the previous year. The annualized return on equity rose by 19.2% and the expanded loans portfolio closed the year at R$ 385.529 billion, growing by 11.5%, which underperformed on the bank’s estimates of 14% to 18%. At the end of the first half of 2013, the bank’s net income was already R$ 5.86 billion, an increase of 4.3% over the same period the previous year. Costs and synergies The creation of value for investors was also decisively enhanced by Bradesco’s pur-

31


pessoas e um aumento na base de custos da companhia. Com a maturação dessas agências, que começaram a gerar receitas em 2012, e o esforço de controle de custos, houve um aprimoramento nesse indicador e isso deverá se refletir nos resultados do ano, observa Angelotti. Um terceiro diferencial foi o desempenho da área de seguros, que voltou a crescer em importância e passou a representar 31% do resultado total do Bradesco em 2012 contra uma fatia de 29% em 2011. Na área de seguros, o principal produto é a previdência, que responde por cerca de 55% a 60% dos negócios. O quarto foram os investimentos na ampliação de canais de atendimento, graças à maior base de agências, internet e celular, que contribuíram para que o volume total de transações do Bradesco aumentasse 30% em relação a 2011, observa Angelotti. A aplicação das melhores práticas de governança corporativa é outro aspecto relevante que permitiu ao Bradesco criar valor em 2012 e que passa por contínuo aperfeiçoamento na companhia, decorrente de uma

política iniciada em 2006. “Atualmente ela é avaliada pela Austin Ratings e tem classificação AA+”, informa Angelotti. No que diz respeito à política de Relacionamento com Investidores, o esforço do Bradesco é no sentido de manter total transparência e equidade em relação a todos os grupos de stakeholders. “O senso de prestação de contas é muito alto na companhia, mas o esforço da área de RI e não perder oportunidade de ouvir quais são as expectativas do mercado.”

Avaliação dos analistas “Excelência em governança corporativa” foi o destaque no trabalho dos analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) para avaliar o desempenho do Bradesco em 2012. Eles também consideram relevante o fato de mais de 90% do resultado alcançado pelo banco em 2012 ter sido decorrente de atividades operacionais. Para eles, a instituição tem alta probabilidade de sustentar esses resultados a curto, médio e longo prazos. Os analistas atribuíram ainda conceito positivo para a área de Relações com Investidores, atuação em projetos sociais e ambientais, políticas de controle de riscos e distribuição de dividendos.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

32

R$ 7.611.668,19 6,5% R$ 2.718.081 35,7% R$ 132.165.776.624 7,7% 4,04%

suit of efficient cost controls and lower operating expenses. A thousand new branches opened in 2011, which resulted in the hiring of more than 10,000 staff and the company’s costs rising. Cost-cutting efforts and the fact that these branches became fully operational and began generating revenue in 2012 helped improve cost figures, which should be reflected in the annual earnings, commented Angelotti. A third key factor was the performance of the insurance division, which grew in size and accounted for 31% of Bradesco’s earnings in 2012, compared with 29% in 2011. Pensions are the bestselling insurance product, accounting for roughly 55% to 60% of transactions. The fourth factor was the investment made to expand customer service channels by increasing the number of branches and online and mobile capabilities, which helped grow Bradesco’s total volume of transactions by 30% in relation to 2011, said Angelotti. Bradesco’s use of best corporate governance practices also contributed greatly to the creation of value in 2012. These practices have been continually enhanced since they were first introduced in 2006. “These practices are currently rated by Austin Ratings as AA+”, said Angelotti. In investor relations Bradesco make every effort to ensure full transparency and equal treatment for all stakeholder groups. “Coupled with the company’s keen sense of accountability are Investor Relations’ efforts to seize every opportunity to canvass the market on its expectations”. Analyst evaluation “Excellence in corporate governance” was singled out for special praise by the analysts appointed by Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) to assess Bradesco’s performance in 2012. The fact the bank derived more than 90% of its earnings from operating activities in 2012 is also noteworthy. In their opinion the bank is on course to replicate these earnings in the short-, medium- and long-term. Analysts also praised the investor relations department, performance in social and environmental projects, risk control policies and dividend payments.


Não podemos controlar a volatilidade do mercado

Mas podemos ajudá-lo a construir projetos de alta performance em criação de valor para sua empresa

Consultoria e Inovação em Comunicação Financeira www.mzgroup.com/br +55 11 3529.3781

Chicago

Hong Kong

New York

Rio de Janeiro

San Diego

São Paulo

Sydney

Taipei

Vancouver


Destaque Construção Civil e Mercado Imobiliário

Foto: Hélio Norio.

Helbor Governança e bons resultados Empresa colhe os frutos de uma estratégia de crescimento bem-sucedida desde a abertura do capital em 2007. Política de governança supera exigências do Novo Mercado.

A Helbor Empreendimentos S.A conquistou pela primeira vez o Prêmio Destaque do Setor de Construção Civil e Mercado Imobiliário de 2012, ao criar 51,45% de valor aos acionistas na média dos últimos três anos. Parte desse desempenho positivo se deve ao bom resultado da companhia, que fechou o ano passado com lucro líquido de R$ 272,1 milhões, resultado 27,5% superior ao verificado em 2011. Ao registrar a maior valorização das ações entre as companhias do setor imobiliário no ano passado (89,40%), a Helbor refletiu em seu desempenho o resultado de uma estratégia que vem sendo mantida inalterada desde o IPO (sigla em inglês de Oferta Inicial de Ações), em 2007. “A valorização atingida em um ano muito difícil para o setor é o reflexo da confiança dos investidores na estratégia da companhia, que se manteve inalterada desde o IPO e, sucessivamente, trimestre a trimestre”, explica o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da empresa, Roberval Toffoli. Ele lembra que essa postura da companhia tem permitido apresentar resultados sólidos com elevados índices de rentabilidade. Desde a abertura de capital, as ações da Helbor subiram 285% e seu valor de mercado já passa dos R$ 2,2 bilhões, fazendo da empresa uma das mais rentáveis do mercado imobiliário brasileiro.

34

RI e governança “Apesar de vivermos um cenário global mais recessivo, acreditamos no crescimento da companhia com margens sustentáveis em 2013”, afirma Toffoli. Para isso, a estratégia continuará dando prioridade aos investimentos em áreas que tenham potencial de crescimento, seja na capital ou fora dela, além de manter a política de consolidação nas praças em que a companhia já atua, acentua o diretor. Além da performance das ações, a Helbor também foi a companhia que apresentou o maior dividend yield (rendimento de dividendos) entre as construtoras e incorporadoras em 2012. Outro aspecto relevante para os investidores foi a aprovação, pelo Conselho de Administração, no início do ano, do desdobramento de ações, o que – aliado à valorização desses papéis – possibilitou um incremento de mais de 100% no volume negociado. Entre os fatores essenciais para a criação de valor ao acionista, o trabalho de aperfeiçoamento na área de Relações com Investidores foi ainda mais intensificado pela Helbor ao longo do ano. Foram realizadas mais de 170 reuniões com investidores no Brasil e no exterior. Em outubro, foi realizado o Helbor Day na BM&Bovespa, para marcar os cinco anos de listagem na bolsa de valores, com a presença de mais de 200 pessoas. Além disso, destaca Roberval Toffoli, houve avanços na transparência, provendo mais

Roberval Toffoli, diretor Financeiro e de Relações com Investidores.

informações de forma regular e periódica nas divulgações de resultados. A Helbor adota os padrões de Governança Corporativa do Novo Mercado, nível de listagem mais elevado da BM&Bovespa, além disso também amplia as boas práticas de governança com uma proporção maior do que a exigida de conselheiros independentes, diz Toffoli. O acesso às informações, lembra o diretor, é amplo e facilitado inclusive por meio do site de Relações com Investidores da companhia. Desempenho Um dos atributos fundamentais para a agregação de valor é o atendimento ágil e eficiente das demandas de investidores e analistas. Para assegurar isso, a companhia mantém uma área dedicada exclusivamente para atender esse público. A área provê as informações regulares durante o processo de divulgação dos resultados trimestrais e tem como diretriz básica atender de forma equânime e tempestiva quaisquer partes relacionadas ao mercado de capitais, seja no que diz respeito às exigências regulamentares ou voluntárias. Com isso, observa Toffoli, é possível à companhia assegurar maior transparência e ao mesmo tempo estreitar o relacionamento com seus diversos públicos. Em 2012, a Helbor registrou o maior retorno sobre o patrimônio líquido entre as empresas do setor


Outstanding Company in the Civil Construction and Real Estate Sector

listadas na BM&Bovespa, que atingiu 28,9%, com um lucro líquido de R$ 272,1 milhões. No período, foram lançados 18 empreendimentos, que totalizaram R$ 1,835 milhão em VGV (Valor Global de Vendas) e mais de 4.500 unidades. As vendas atingiram R$ 1,536 milhão no ano e foram entregues mais de 2.700 unidades em 16 empreendimentos. O Ebitda somou R$ 331,5 milhões em 2012, crescimento de 29,3% em relação a 2011, com margem Ebitda de 23,1% (margem Ebtida ajustada de 27,8%). O lucro líquido de R$ 272,1 milhões em 2012 representou um crescimento de 27,5% em relação a 2011, com aumento da margem líquida em comparação com o ano anterior, partindo de 18,1% para 19,0%. A partir de 2007, a empresa assumiu uma posição de companhia

Helbor:

Since going public in 2007 the company has been reaping the fruit of a highly successful growth strategy. Governance policy goes beyond New Market requirements.

Company’s CFO and investor relations director Roberval Toffoli. He pointed out that the company’s approach has yielded robust results with healthy profits. Since going public, Helbor’s stock has risen by 285% and its market value now exceeds R$ 2.2 billion, making the company, one of the most profitable companies in Brazil’s real estate sector.

Helbor Empreendimentos S.A was awarded the Outstanding Performance in Civil Construction and Real Estate award for the first time in 2012, for creating shareholder value of 51.45% in the last three years, on average. This positive performance is partly due to the company’s excellent earnings, which closed last year with net income of R$ 272.1 million, 27.5% more than in 2011. Creating the greatest shareholder value amongst real estate companies last year (89.40%) was facilitated by a strategy that has remained unchanged since Helbor’s IPO in 2007. “The value created in a tough year for the sector demonstrates investor confidence in the company’s strategy, which has remained unchanged since the IPO”, said the

IR and governance “Despite the global slowdown, we believe the company will grow in 2013, with sustainable margins”, said Toffoli. For this reason, the strategy will continue giving priority to investing in areas with growth potential, in either the capital city, or elsewhere, in addition to maintaining the consolidation policy in regions the company is already active in, emphasized the director. In addition to its stock performance, Helbor was also the company with the highest dividend yield amongst construction firms and real estate developers in 2012. Also of importance to investors was the Board of Directors’ approval of the share split at the start of the year, which in addition to the securities’ appreciation led the trading volume to more than double. Helbor stepped up the enhancement

Excellent governance and earnings

35


of its investor relations in the course of the year, which was one of the fundamental factors for creating shareholder value. More than 170 meetings were held with investors in Brazil and overseas. Helbor Day was held at BM&Bovespa in October to commemorate its five years on the stock exchange, which was attended by more than 200 people. Roberval Toffoli also drew attention to the improved transparency, with the company now providing information more regularly and periodically in earnings disclosures. Helbor follows the corporate governance standards of the New Market, the most rigorous level of BM&Bovespa, and also has more independent directors than required by good governance practices, said Toffoli. The director pointed out that access to information is broad and made easier via the company’s investor relations site.

aberta, quando passou a integrar o Novo Mercado da BM&FBovespa. Desde a abertura de capital, as ações da Helbor subiram 285% e seu valor

de mercado já passa dos R$ 2,2 bilhões, fazendo da empresa uma das mais rentáveis do mercado imobiliário brasileiro.

Avaliação dos analistas Os analistas da Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) que avaliaram a Helbor consideraram relevante o fato de mais de 90% do seu lucro ter sido oriundo de atividades operacionais. Consideram, porém, mediana a possibilidade da empresa manter o resultado obtido em 2012 a curto, médio e longo prazos. Os especialistas atribuíram classificação excelente para a política de distribuição de dividendos da Helbor. Atribuíram o conceito bom para a transparência praticada pela companhia e para a atuação da área de Relações com os Investidores. Foram consideradas medianas, por sua vez, a atuação da empresa em projetos sociais, ambiental e a governança corporativa.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

36

R$ 258.509,77 26,2% R$ 103.403,91 40,0% R$ 2.450.898.549 51,4% 51,45%

Performance One of the key attributes for adding value is handling investors and analysts efficiently and expeditiously, which the company achieves by running a department exclusively dedicated to serving these people. The department provides regular information during the disclosure of quarterly earnings and always treats any parties related to the capital market equally and in a timely fashion, be it in respect of regulatory or voluntary requirements. Toffoli says this makes it possible for the company to ensure greater transparency, while furthering relations with its various stakeholders. In 2012 Helbor reported the largest return on equity amongst companies in the sector listed on BM&Bovespa, of 28.9%, with net income of R$ 272.1 million. 18 ventures were launched in the period, with an overall sales value of R$ 1.835 billion and comprising more than 4,500 units. Sales amounted to R$ 1.536 billion in the year and more than 2700 units in 16 ventures were delivered. The Ebitda amounted to R$ 331.5 million in 2012, up by 29.3% over 2011, with an EBITDA margin of 23.1% (adjusted Ebtida margin of 27.8%). The net income of R$ 272.1 million in 2012 was an increase of 27.5% over 2011, with the net margin rising over the previous year from 18.1% to 19.0%. In 2007 the company went public when it joined the BM&FBovespa New Market. Since going public, Helbor’s stock has risen by 285% and its market value now exceeds R$ 2.2 billion, making the company, one of the most profitable companies in Brazil’s real estate sector. Analyst evaluation The Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) analysts evaluating Helbor praised it for deriving over 90% of its earnings from operating activities. However, they thought the company has a reasonable chance of replicating its 2012 earnings in the short, medium and long term. The analysts rated Helbor’s dividend payment policy as excellent and rated the company’s transparency and investor relations as good. Lastly, the company’s performance in social and environmental projects and its corporate governance were rated as average.


Destaque do setor Educação

Fotos: Arquivo Estácio.

Estácio Um ano de superação de metas Graças a um modelo de negócios, baseado em qualidade e governança corporativa, empresa supera metas em 2012, cria valor e conquista prêmio Destaque do Setor de Educação.

A Estácio Participações provou, mais uma vez, o seu bom modelo de negócios. A empresa, que repetiu o feito de 2009, conquistando o Prêmio Destaque do Setor de Educação de 2012, ao criar a significante marca de 52,24% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos. “O ano de 2012 permitiu à companhia superar metas e crescer”, enfatiza o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da companhia, Virgílio Gibbon. Ele explica que o aumento no número de alunos é resultado de um modelo de ensino já bem conhecido e de uma força comercial capacitada e disciplinada. Destaca também a gestão baseada na melhoria contínua, no maior conhecimento dos drivers de valor e na constante melhoria no nível de serviços. Qualidade e governança “Em 2008, aderimos ao Novo Mercado em busca de maior transparência e eficiência de administração”, observa Gibbon. Desde 2010, a Estácio tem o capital pulverizado na bolsa e é realmente uma full corporation no sentido estrito do termo. “Com isso em mente, adotamos diversas práticas de governança para garantir o tratamento igualitário a nossos acionistas, entre as quais se destacam: (i) a adoção do voto a distância, através do sistema Assembleias Online; (ii) a disponibilização do Manual do Acio-

38

nista para participação nas Assembleias Gerais e (iii) a criação de área interna voltada para as práticas de governança corporativa e compliance”, acentua. Além disso, a companhia mantém um Portal de Governança Corporativa, um canal direto entre Administradores, membros do Conselho Fiscal e dos comitês. Em 2012, a empresa se associou ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), formando um leque de iniciativas que contribuem para geração de valor. “O objetivo é fazer com que o acionista se sinta cada dia mais confortável em investir na Estácio, sabendo que pode contar com transparência e tratamento igualitário, além, é claro, das perspectivas de um investimento com ótimo retorno”, assegura o diretor de RI da empresa. Em 2012, a Estácio investiu cerca de R$172 milhões, dos quais mais de R$ 60 milhões na aquisição de cinco instituições. Além disso, continuou investindo em seu modelo de ensino, em sistemas de TI, na distribuição de tablets para os alunos e em novas unidades a serem lançadas. Segundo Gibbon, a expectativa de retorno é a melhor possível: construir a base para continuar crescendo tanto por aquisições como organicamente. Crescimento Os resultados nos seis primeiros meses de 2013 revelam expressiva

Virgílio Gibbon, diretor Financeiro e de Relações com Investidores da companhia.

expansão na base de alunos e ganho de eficiência e rentabilidade. “No primeiro semestre, apresentamos um crescimento de 27,5% na receita líquida e um Ebitda de R$154 milhões, um aumento de 62% em relação ao mesmo período do ano anterior. Este resultado mostra que continuamos crescendo de maneira significativa, aproveitando o ótimo cenário do setor de educação brasileiro, impulsionado pelo aumento da demanda e pela necessidade de mão de obra qualificada no país.” As linhas de investimento para 2013 estão focadas em expansão e novas aquisições. Os projetos de expansão envolvem o lançamento de novas unidades, como a Estácio FIC, em Fortaleza. Após a oficialização da mudança de faculdade para Centro Universitário, a Estácio inaugurou uma nova unidade na Parangaba. Em maio, foi anunciada também a abertura de duas novas unidades no estado do Rio de Janeiro, nos municípios de Teresópolis e de Angra dos Reis, que já iniciam operações com oito cursos de nosso portfólio. Aquisições Em termos de aquisições, foi anunciada em abril a compra da Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas (Facitec), em Brasília, por R$ 29 milhões. Localizada na cidade de Taguatinga, a instituição foi fundada em 2001 e possui cerca de 3.600


Outstanding Company in the Education Sector

alunos e 120 professores distribuídos em 13 cursos de graduação e 24 de pós-graduação, além de cursos de extensão e livres. Em 2012, a Facitec foi avaliada pelo MEC, que emitiu Conceito Institucional (CI) 4, numa escala de um a cinco. Em junho, foi anunciada a formalização do compromisso de compra da Associação de Ensino de Santa Catarina (Assesc), mantenedora das Faculdades Integradas Associação de Ensino de Santa Catarina (Fassesc), com sede e campus na cidade de Florianópolis, estado de Santa Catarina. A Assesc possui 915 alunos alocados em 4.970 vagas totais, divididas em 10 cursos de graduação e um ticket médio de R$ 570. A aquisição, observa Gibbon, “significará a entrada da Estácio na capital catarinense, o que proporcionará a consolidação das operações na Grande Florianópolis, considerando nosso Centro Universitário de São José”. Além disso, ele ressalta que a aquisição complementa a oferta de um portfólio de cursos que agora cobre todos os principais segmentos com alta demanda pelo mercado de trabalho local. “Por fim, a operação na cidade permitirá a exploração de ganhos importantes de qualidade acadêmica, eficiência e escala. Em 2011, a Assesc obteve o Índice Geral de Cursos (IGC) 3 na avaliação do MEC, numa escala de um a cinco.”

Estácio:

A year of exceeding targets Thanks to a business model founded on quality and corporate governance, the company exceeded targets in 2012, created value and earned the award for outstanding performance in the education sector. Estácio Participações has again shown how good its business model is. The company created impressive shareholder value of 52.24% in the average for the past three years, repeating its achievement in 2009 when it earned the award for outstanding performance in the education sector. “In 2012 the company exceeded targets and grew”, pointed out the company’s CFO and Investor Relations Officer, Virgílio Gibbon. He attributed the increase in the number of students to a renowned educational model and a disciplined and trained sales team. He also pointed out the management practices based on continual improvements, greater knowledge of value drivers and the ongoing enhancement of the service level. Quality and governance “In 2008, we entered the New Market in the pursuit of greater transparency and management efficiency”, said Gibbon. Since 2010 Estácio’s capital has been widely dispersed in the stock exchange and it really is a full corporation in the strictest sense of the term. “With this in mind we have implemented a range of governance practices to ensure equal treatment for our shareholders, policies which include: (i) adopting remote voting via the online Meeting system; (ii) providing Shareholder Manuals for attending General Meetings and (iii) creating an internal compliance and corporate governance department”, he concluded. The company also runs a corporate governance website, and a direct channel between executives, members of the Audit Committee and other committees. In 2012,

the company became a member of the IBGC (Brazilian Corporate Governance Institute), creating a range of initiatives that help create value. “The aim is to make shareholders feel more and more at ease when investing in Estácio, in the knowledge that they will be afforded equal treatment and transparency in addition to the prospect of an investment with an excellent payback”, the company’s IR director pointed out. In 2012 Estácio invested roughly R$ 172 million, including more than R$ 60 million on the acquisition of five institutions. It also continued investing in its educational model, IT systems, the distribution of tablets to students and new establishments to be opened. Gibbon said the return is expected to be excellent: to build a foundation for ongoing growth through both acquisitions and vegetative growth. Growth The results for the first six months of 2013 revealed a sizeable increase in the number of students, greater efficiency and higher profits. “In the first half we incurred net revenue growth of 27.5% and an Ebitda of R$ 154 million, an increase of 62% over the same period the previous year. This result shows that we will continue growing at a fast pace, capitalizing on the positive performance of Brazil’s education sector, driven by higher demand and the need for qualified labor in Brazil”. Investment for 2013 will primarily be allocated to expansion and new acquisitions. The expansion projects entail the opening of new establishments, such as Estácio FIC in Fortaleza. After officially finalizing the university’s move to Centro Universitário, Estácio opened a new establishment in Parangaba. In May it also announced the opening of two new establishments in the municipalities of Teresópolis and Angra dos Reis, in Rio de Janeiro state, now offering eight of our courses. Acquisitions In April, the company announced the acquisition of the Technology and Social Sciences Faculty (Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas – Facitec), in Brasília, for R$

39


Para 2014 deve ser mantido esse ritmo de crescimento e ganho de eficiência. “Entre os principais projetos, planejamos iniciar a operação de novos polos de ensino a distância, cerca de 50, já protocolados junto ao MEC.” Resultados de 2012 A percepção crescente de qualidade, tanto pelos alunos como pelos potenciais alunos, conferiu a Estácio maior capacidade de repassar os custos atrelados à inflação, bem como levou a uma migração para cursos de maior valor agregado, com o ticket médio presencial em 2012 subindo 9,1% em relação a 2011,

enquanto o ticket médio a distância aumentou 7,4% no mesmo período. Nesse contexto, informa o diretor, a receita líquida atingiu R$1,4 bilhão em 2012, com um crescimento de 20,5% sobre 2011, o que permitiu atingir um Ebitda de R$ 210 milhões e uma margem de 15,2%, 4,5 pontos percentuais superior ao ano anterior. O lucro líquido totalizou R$109,7 milhões, um aumento de 56% com relação ao lucro verificado em 2011, em grande parte decorrente do aumento de mais de 70% verificado na linha do Ebitda, que foi suficiente para absorver as maiores despesas com juros da dívida.

Avaliação dos analistas A Estácio se destacou, principalmente, na opinião dos analistas da Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais), por ter mais de 90% do seu lucro oriundo de atividades operacionais. Além disso, a empresa recebeu o conceito “excelente” para a sua política de distribuição de dividendos. Os especialistas atribuíram classificação “boa”, para os quesitos: governança corporativa, atuação em projetos ambientais e sociais. Já a transparência, a área de Relações com Investidores e a política de controle de riscos foram considerados medianos, na avaliação dos analistas. Consideram ainda grande a possibilidade de a empresa manter o resultado obtido em 2012 a curto, médio e longo prazos.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

40

R$ 104.202,81 15,5% R$ 26.051 25,0% R$ 3.442.123.244 52,2% 52,24%

29 million. Located in the city of Taguatinga, the institution was founded in 2001 and has some 3,600 students and 120 lecturers in its 13 undergraduate and 24 postgraduate courses, in addition to extension courses and free courses. In 2012 the Ministry for Education and Culture (MEC) assigned Facitec Institutional Grade (CI) 4, on a scale from one to five. In June the formal implementation was announced of the commitment to acquire Associação de Ensino de Santa Catarina (Assesc), the sponsor of the Integrated Universities of Associação de Ensino de Santa Catarina (Fassesc), whose registered office and campus is located in the city of Florianópolis, Santa Catarina state. Assesc has 915 students allocated to a total of 4,970 vacancies, embracing 10 undergraduate courses with average tuition fees of R$ 570. Gibbon says that the acquisition “will signify Estácio’s entry into the capital of Santa Catarina state, resulting in the consolidation of operations in greater Florianópolis, including our São José University Centre”. He also pointed out that the acquisition expands the portfolio of courses which now covers all the main segments primarily sought after by the local labor market. “Having a presence in the city will make it possible to make important gains in terms of academic quality, efficiency and scale. In 2011, the Ministry for Education and Culture (MEC) assigned Assesc General Courses Grade (IGC) 3, on a scale from one to five”. This pace of growth and efficiency gains are set to be replicated in 2014. “Our main projects include the start-up of around 50 new distance learning centers, which have already been registered with MEC. 2012 Earnings The growing perception of Estácio’s quality by students and potential students has boosted its capacity to pass through inflationindexed costs and resulted in students migrating to courses with higher added value, with the average tuition for on-site courses rising by 9.1% in 2012 over 2011, and the average distance education tuition rising by 7.4% in the same period. The director said that net revenue accordingly amounted to R$ 1.4 billion in 2012, up by 20.5% over 2011, which resulted in an Ebitda of R$ 210 million and a margin of 15.2%, 4.5 percentage points more than the previous year. Net income amounted to R$ 109.7 million, an increase of 56% over the figure in 2011, primarily due to the increase of more than 70% in EBITDA, which was sufficient to offset most of the debt interest expenses. Analyst evaluation The Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) analysts praised Estácio for deriving over 90% of its earnings from operating activities. The company’s dividend payment policy was also rated as “excellent”. The analysts rated the corporate governance and performance in social and environmental projects as “good”. Transparency, investor relations and the risk management policy were rate “average” and the company has a good chance of replicating its 2012 earnings in the short-, medium- and long-term.


Destaque do setor Energia Elétrica

Foto Plinio Bordin.

Tractebel Lucro, clareza e transparência Empresa está focada em governança e sustentabilidade dos resultados. Mantém um programa de relacionamento com o mercado e os acionistas e investe em energia renovável.

O ano de 2012 foi marcado por uma série de obstáculos para a Tractebel, como a estiagem dos últimos meses do ano, a reação negativa à Medida Provisória 579 regulamentando o setor elétrico e a frustração com o baixo crescimento do PIB brasileiro. Apesar das adversidades, a empresa conseguiu criar, na média dos últimos três anos, 13,31% de valor aos acionistas, o que lhe garantiu a conquista do Prêmio Destaque do Setor de Energia Elétrica. O presidente da companhia, Manoel Zaroni Torres, explica este desempenho como resultado de uma política baseada na clareza e na transparência de informações, assim como uma abordagem de negócios que considera de maneira constante a equação risco/retorno. De acordo com o CEO, foi fundamental também o resultado robusto apresentado pela companhia no ano passado, que registrou lucro de R$ 1,5 bilhão. Comunicação contínua As melhores práticas de governança corporativa e sustentabilidade dos resultados são vetores relevantes na criação de valor. No caso da Tractebel, Zaroni Torres lembra que uma maneira direta de avaliar o resultado da interligação desses fatores é a própria geração de valor ao acionista, que pode ser medida pelo total shareholder return (em português: retorno total ao investidor), indicador no

42

qual a companhia tem se destacado e angariado diversos prêmios de reconhecimento. “Um exemplo disso foi a melhoria da governança, a partir de outubro de 2010, com a transferência de ativos da Controladora para a Tractebel. Naquele momento, o valor das ações da TBLE tiveram valorização expressiva, prova de como o mercado aprovou as medidas que tomamos”, afirma o CEO. A construção do relacionamento com o mercado é outro aspecto fundamental para criar valor, afirma o CFO da Tractebel, Eduardo Antonio Sattamini. Ele explica que o Departamento de Relação com Investidores está totalmente voltado ao objetivo de construir, estreitar e fortalecer o relacionamento da companhia com o mercado, tanto do ponto de vista do buy side como do sell side. “Temos um programa de comunicação contínua, incluindo as reuniões com analistas, como as da Apimec, canais diretos com os investidores e iniciativas em que o contato com a companhia se dá de forma bastante intensa, como no programa Por Dentro da Tractebel, que leva os investidores a conhecer as nossas usinas.” Ao todo, conta Sattamini, são 15 mil investidores que podem acessar a equipe do DRI para buscar informações. “Nosso padrão de resposta, nesses casos, é inferior a 24 horas, o que demonstra nossa preocupação com o atendimento tanto de analistas como de investi-

Manoel Zaroni Torres, presidente da empresa.

dores individuais que, às vezes, detêm poucas ações da TBLE.” A Tractebel passou a integrar o Novo Mercado da BM&FBovespa em 2005 e foi selecionada para compor o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Todas as usinas da empresa possuem certificações NBR ISO 9001 e NBR ISO 14001. Energia renovável Em 2013, a Tractebel Energia está focada na implantação dos novos parques eólicos do Ceará, que adicionarão 115 MW à sua capacidade instalada e serão comercializados no Mercado Livre; na conclusão de obras restantes da Usina Hidrelétrica Estreito e no início da modernização das Usinas de Passo Fundo (RS) e Salto Santiago (PR). No longo prazo, explica

Eduardo Sattamini, diretor Financeiro e de Relações com Investidores.


Outstanding Company in the Electric Power Sector

Desempenho A Tractebel, líder do setor privado de geração de energia elétrica no Brasil, respondeu, em 2012, por 7% do suprimento do mercado nacional e é uma das líderes em negócios com clientes livres. A companhia registrou receita líquida de R$ 4,9 bilhões, resultado que representou expansão de 13,5% em relação ao de 2011, en-

Tractebel:

Profit, clarity and transparency Company is focused on governance and sustainability of results. Maintains program of relationship with market and shareholders and invests in renewable energy. 2012 was marked by a series of obstacles for Tractebel; these included the drought during the last months of the year, the negative impact of the government’s Provisory Measure nº 579 that regulated the electric sector and disappointment at the low growth of Brazil’s GDP. Despite these adverse conditions, the company’s share value increased on average by 13.31% over the last three years, an achievement that led to its receiving the award for Outstanding Company in the Electric Sector. The company’s CEO, Manoel Zaroni Torres, explains this performance as the result of a policy based on clarity and transparency of information, as well as a business approach that constantly takes into consideration the risk/ return equation. He adds that the company’s healthy result for last year – income of R$ 1.5 billion – was also of fundamental importance. Ongoing Communication The best corporate governance and sustainability practices are important vectors for increasing a company’s worth. In the case of Tractebel, Mr.Torres points out that one direct way of evaluating the result of the interconnection of these factors is the increased value for shareholders, that can be measured by the total shareholder return, an index where the company’s performance has been outstanding and for which it has received a number of awards in recognition. “An example of this was the improvement in governance, from October 2010 onwards, with the transfer of assets from the parent company to Tractebel. At that moment the value of TBLE’s shares increased considerably, proof that the market approved the measures we took,” says Torres. Another fundamental factor for increasing a company’s worth is constructing a relationship with the market, according to Tractebel’s CFO

Usina Hidrelétrica Estreito.

Foto: Leandro Provedel.

Zaroni Torres, “a estratégia de investimentos é a de estar presente em todas as fontes de geração de energia e prontos para quando o Governo incentivar uma ou outra dessas fontes”. A companhia mantém a preferência por investir em energia renovável, mas tem a convicção de que precisa estar pronta para suprir as necessidades do País. “Nesse sentido, temos investido em projetos eólicos, térmicas a carvão, a gás e biomassa, além de liderar o P&D da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de energia fotovoltaica, que vai nos indicar quais os melhores locais e as tecnologias mais adequadas às condições brasileiras para gerar energia a partir do sol”, acentuou o presidente. A diversificação do portfólio de usinas tem sido crescente ao longo dos últimos anos e o desenvolvimento de fontes alternativas de energia inclui o biomassa e a energia eólica, com parques que aproveitam a força dos ventos no Ceará e no Piauí. A expectativa é de que os novos parques do Ceará comecem a gerar energia ainda no segundo semestre deste ano.

Eduardo Antonio Sattamini. He explains that the company’s Investor Relations Department is thoroughly committed to strengthening the company’s relationship with the market, creating closer ties on both the buy and the sell side. “We have an ongoing communication program, including the meetings with analysts, such as those with Apimec, direct channels to investors and initiatives in which the contact with the company occurs very intensively, as for example in the “Inside Tractebel” program, which takes investors on visits to our plants.” Sattamini adds that a total of fifteen thousand investors can access the IRD team for information. “Our time frame for reply in these cases is less than 24 hours, which shows our concern with both analysts and individual investors who, in some cases, hold only a few TBLE shares”. Tractebel was included in the BM&FBovespa’s New Market in 2005 and was also chosen to be included in the Corporate Sustainability Index (ISE). All the company’s plants hold NBR ISO 9001 and NBR ISO 14001 certificates. Renewable Energy In 2013, Tractebel Energia is focusing on the installation of new wind turbine parks in Ceará, that will increase its installed capacity by 115 MW to be sold on the open market. It is also focusing on the conclusion of the Estreita Hydroelectric Plant and initiating the modernization of the Passo Fundo (RS) and Salto Santiago (PR) plants. In the long term, Mr. Torres explains, “the investment strategy is to be present in all the sources of energy generation and ready for government initiatives to provide incentives to any of these sources.” The company maintains its preference for investing in renewable energy, while being conscious that is must be prepared to meet the country’s energy needs. “That is why we have invested in wind power projects, thermal plants powered by coal, gas and biomass, in addition to coming first in the National Electric energy Agency’s (Aneel) R&D rating for photovoltaic energy, which will indicate to us the best locations and technologies, given the conditions in Brazil, for the generation of solar energy,” Mr. Torres adds. The diversification of plants has increased over recent years and the development of alternative energy sources includes biomass and wind power generation, with parks that utilize the strong winds in Ceará and Piauí. The forecast is for the new park in Ceará to start generating power in the second half of this year. Performance Tractebel, leader in the private sector of electric power generation in Brazil, was responsible in 2012 for 7% of domestic supply and is one of the leaders in negotiations with free clients. The company registered net revenue of R$ 4.9 billion, up 13.5% on 2011, while net income topped R$ 1.5 billion, 3.6% up on the previous fiscal year. Power production from plants operated by the company averaged 4120 MW, of which an average of 3482 MW originated from hydro-

43


Foto: Leandro Provedel.

quanto o lucro líquido atingiu R$ 1,5 bilhão, valor 3,6% superior ao do exercício anterior. A produção do parque operado pela companhia ficou em 4.120 MW médios, sendo que 3.482 MW médios foram originados pelas hidrelétricas, 559 MW médios foram provenientes das termelétricas e 79 MW médios produzidos pelas usinas complementares. A companhia mantém 22 usinas entre hidrelétricas, termelétricas e complementares – biomassa, eólicas e pequenas centrais hidrelétricas – em 12 estados. Graças à operação de um parque com 8.630 MW, a Tractebel possui uma capacidade instalada própria de 6.908 MW em empreendimentos localizados nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Maranhão, Ceará e Piauí. A Tractebel investiu R$ 353,6 milhões em 2012, sendo R$ 160,1 milhões aplicados na Usina Hidrelétrica Estreito; R$ 112,5 milhões nas centrais eólicas Trairi, Guajiru, Mundaú, Flexeiras e Porto do Delta, em cons-

Parque éolico beberibe, no Ceará.

trução na região Nordeste; e R$ 81 milhões na manutenção e revitalização de usinas. Para 2013, a geradora e comercializadora de energia pretende investir R$ 1,2 bilhão, distribuídos na conclusão da Usina Hidrelétrica Estreito, nos parques eólicos do Nordeste, além de uma parcela reservada para aquisição da Usina Hidrelétrica Jirau e outra para projetos de geração que estão em fase de análise.

Avaliação dos analistas A transparência e atuação da área de Relações com Investidores da Tractebel foram consideradas excelentes pelos analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) para avaliar a empresa. Eles atribuíram o mesmo conceito para os seguintes itens: atuação em projetos na área social, ambiental; controle de riscos; governança corporativa; política de distribuição de dividendos. Pesou também na avaliação dos analistas o fato de quase 90% do resultado da empresa ter sido decorrente de atividades operacionais. Apesar de a companhia ter enfrentado um ambiente macroeconômico e de mercado adverso, eles consideram elevada a possibilidade da Tractebel manter os resultados obtidos em 2012 a curto, médio e longo prazos. Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

44

R$ 1.429.345,88 26,6% R$ 1.429.345,88 100,0% R$ 21.768.952.103 13,3% 0,52%

electric plants, an average of 559 MW from thermoelectric plants and an average of 79MW from complementary plants. The company operates 22 plants, including hydroelectric, thermoelectric and complementary: biomass, wind and small hydroelectric plants – in 12 states. As a result of its operation of an energy park of 8630MW, Tractebel has its own installed capacity of 6908 MW in projects located in Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Maranhão, Ceará and Piauí. Tractebel invested R$ 353.6 million in 2012, of which R$ 160.1 million was invested in the Estreito Hydroelectric Park; R$ 112.5 million in the Trairi, Guajiru, Mundaú, Flexeiras and Porto do Delta wind generation parks, under construction in the Northeast; and R$ 81 million in plant maintenance and revitalization. For 2013, the power generation and commercialization company plans to invest R$ 1.2 billion, distributed between the conclusion of the Estreito Hydroelectric park, the wind generation parks in the Northeast, and funds reserved for the acquisition of the Jirau Hydroelectric Plant and other generation projects currently being analyzed.

Analysts’ evaluation

The transparency and performance of Tractebel in the Investor Relations area were considered excellent by the analysts appointed by Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) in their evaluation of the company. They gave the same high rating to the following items: engagement in social and environmental programs; risk control; corporate governance; dividend distribution policy. The fact that almost 90% of the company’s result originated from operational activities also weighed heavily in the analysts’ evaluation. Despite the adverse macroeconomic environment and market conditions faced by the company, they consider the chances of the company maintaining the results obtained n 2012 in the short, mid- and long-terms to be high.


www.triunfo.com

SOluçõeS inTeligenTeS nOS inSpiram a inOvar e a criar valOr. Triunfo. Vencedora do prêmio aBraSca de criação de Valor na caTegoria deSTaQue SeTorial 2013 – TranSporTe e logíSTica.

O mundo acreditava que o mapa era a melhor solução para se localizar. Até que Roger Easton pensou em uma solução mais inteligente: o GPS. Casos como esse inspiram o trabalho da Triunfo todos os dias. Afinal, a Triunfo vive em uma busca incessante por maneiras mais inteligentes e eficazes de realizar cada um de seus projetos. É assim que a Triunfo consegue ter rodovias, portos, navegação, aeroporto, energia e novos projetos promissores para a infraestrutura do país. Triunfo. O nosso nome é o nome do nosso projeto.


Destaque do setor Papel, Celulose e Madeira

Duratex Crescer com foco no longo prazo Investimentos consistentes realizados nos últimos anos associados a uma rígida política de governança são fatores que explicam a criação de valor apresentada pela empresa.

46

O desempenho particularmente favorável em 2012, reflexo entre outros aspectos de uma política de investimento consistente de longo prazo, assim como uma governança corporativa com resultados efetivos sobre a gestão dos negócios permitiram à Duratex conquistar, pelo segundo ano consecutivo, o Prêmio Destaque do Setor de Papel, Celulose e Madeira. No ano passado, a companhia conseguiu criar, na média dos últimos três anos, 17,41% de valor aos acionistas. Grande parte deste resultado foi fruto do bom resultado financeiro alcançado no ano passado. “A performance de 2012 foi assegurada pelo aumento de 14,3% na receita líquida da companhia em relação ao ano anterior”, destacou o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Duratex, Flavio Donatelli. Só a receita da Divisão Madeira cresceu 18% e a da Divisão Deca 7,7%. A margem Ebitda ficou em 30%, representando um salto significativo em relação aos 18% de 2011. “O lucro líquido também teve uma grande melhora ao subir 25%”, observa o diretor.

de painéis, ele ressalta a compra de 37% de participação na colombiana Tablemac, líder no mercado de painéis naquele país. Além disso, foi adquirida uma nova fábrica de registros industriais para a divisão Deca, até então voltada apenas ao segmento residencial; e, finalmente, a aquisição da Thermosystem, empresa especializada na fabricação de chuveiros eletrônicos e sistemas de aquecimento solar, cujo perfil inovador e produtos de grande valor agregado vieram reforçar a presença da Deca em um mercado com grande potencial de crescimento no Brasil. “Essas três aquisições, somadas ao desempenho positivo da companhia no ano foram fundamentais para agregar valor”, sublinha Donatelli. Entre os pontos altos desse desempenho, que apresentou um diferencial importante em relação às médias de mercado, ele destaca o crescimento de 16,1% no volume de madeira expedido pela Duratex enquanto o volume geral do mercado subiu apenas 11%. Na Divisão Deca, a receita líquida cresceu 7,7%, enquanto a do setor aumentou apenas 1,4%.

Valor aos acionistas Entre os principais fatores que agregaram valor aos acionistas em 2012, Donatelli destaca as três aquisições que vieram reforçar o processo de consolidação da estratégia de crescimento da Duratex. Na divisão

Diferenciais de governança “O desempenho de 2012 resultou de uma série de fatores e refletiu o grande esforço de investimento feito pela companhia ao longo de 2008, 2009 e 2010, aumentando sua capacidade instalada em 40%”, explica

Diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Duratex, Flavio Donatelli.

Donatelli. Além disso, a companhia tem investido de maneira diferenciada no aprimoramento de sua governança corporativa. A entrada no Novo Mercado; o dividendo mínimo de 30% e o fato de um terço dos membros do Conselho ser independentes são alguns dos aspectos primordiais dessa estrutura de governança. “Outro ponto fundamental para a governança está no fato de que a companhia pertencer ao conglomerado Itausa – Investimentos Itaú S.A. e à Companhia Ligna de Investimentos –, ou seja, os dois controladores têm uma forte vinculação com a atividade da Duratex”, ressalta Donatelli. A manutenção de uma política de endividamento conservadora, com apenas 1,3% de dívida sobre o Ebitda, contribui para que a Duratex possa aproveitar os períodos favoráveis dos mercados e, ao mesmo tempo, não sofra um impacto mais forte nos momentos de turbulência. Em 2012, com o mercado aquecido, custos menores, melhorias operacionais e baixo endividamento, a companhia pode usufruir os resultados de uma combinação de fatores positivos. Em 2013, observa Donatelli, embora o mercado não esteja tão favorável como no ano anterior, a empresa continua crescendo e investindo. Ao final do primeiro semestre, sua receita havia crescido 19%, a margem Ebitda consolidada estava em 31%, o lucro líquido subiu 47%, revelando uma per-


Outstanding Company in the Paper, Cellulose and Wood Sector

formance favorável tanto na divisão Madeira como na Deca.

Duratex:

Novos investimentos Três novos investimentos que entram em operação este ano vieram dar continuidade ao programa de expansão da Duratex. A nova planta de MDF em Itapetininga (SP), com capacidade instalada de 520 mil metros cúbicos, trouxe um incremento de aproximadamente 16% nessa área e representou investimentos de R$ 450 milhões. A melhoria da unidade de Taquari (RS), que elevou a capacidade de 440 mil para 670 mil metros cúbicos, exigiu investimentos de R$ 100 milhões e deve assegurar um fluxo melhor da produção. O terceiro projeto, que entrou em operação no início do segundo semestre e representa investimento de R$ 145 milhões, é a fábrica de louças em Queimados (RJ), com capacidade para produzir 2.400 mil peças ou o equivalente a um aumento de 25% na capacidade instalada. Além dos três projetos, novos investimentos voltados à expansão na área de Madeiras devem ser anunciados pela Duratex ainda em 2013, informa o diretor. A preocupação da companhia com a sustentabilidade nos negócios com florestas é constante. A Duratex possui atualmente cerca de 230 mil hectares com florestas plantadas e áreas de conservação nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. “Fomos a primeira empresa florestal do país a receber a certificação FSC (Forest Stewardship Council), em 1995”, explica o diretor. Além disso, todos os esforços e iniciativas da empresa em relação a esse aspecto de seu negócio levaram ao convite para que ela passasse a integrar a carteira do Dow Jones Sustainability World Index (DJSWI), o Índice Mundial de Sustentabilidade Dow Jones. A Duratex integra também o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa. “A companhia tem um histórico relevante de preocupa-

The consistent investment in recent years coupled with a strict governance policy underpin the value created by the company.

Focused on long-term growth

The particularly good performance in 2012, driven by consistent long-term investment and corporate governance policies, which improved business management practices, led Duratex to earn the Outstanding Performance in the Paper, Pulp and Timber Sector award for the second year in a row. Last year the company managed to create an average shareholder value of 17.41%, mainly due to the financial income earned last year. “The performance in 2012 was driven by the 14.3% increase in the company’s net revenue over the previous year”, pointed out Duratex’s CFO and Investor Relations Director Flavio Donatelli. The revenue of the Timber Division alone rose by 18% and the Deca Division 7.7%. The Ebitda margin was 30%, a noticeable increase over the 18% in 2011. “Net income also rose sharply by 25%, said the director. Shareholder value Amongst the main factors which added shareholder value in 2012 Donatelli cited the three acquisitions, which bolstered the process of consolidating Duratex’s growth strategy. He drew attention to the panel division’s acquisition of a 37% interest in Colombia’s Tablemac, a leader in the country’s panels sector. A new industrial stop valve manufacturing facility was also acquired for the Deca division, which had previously only made products for the residential segment. and lastly the acquisition of Thermosystem, a company specializing in the manufacture of electric showers and solar heating systems, whose innovative profile and high-added-value products have bolstered Deca’s presence in a sector with huge growth potential in Brazil. “These three acquisitions and the company’s positive performance in the year played a fundamental role in adding value”, pointed out Donatelli. The highlights of this performance, which outperformed the market average, included the 16.1% growth in the volume of timber dispatched by Duratex compared with the market average of just 11%. The Deca Di-

vision’s net revenue expanded by 7.7% compared with sector growth of just 1.4%. Superior governance “The performance in 2012 was due to a series of factors, and reflected the huge investment made by the company in the course of 2008, 2009 and 2010, which upgraded its installed capacity by 40%”, Donatelli explained. The company has also invested heavily in enhancing its corporate governance practices. The entry into the New Market, the minimum dividend of 30% and the fact that one third of Board members are independent are some of the decisions underpinning this governance structure. “Another factor crucial to governance is the fact that the company belongs to the conglomerate Itausa – Investimentos Itaú S.A. and Companhia Ligna de Investimentos -, i.e., the two controlling shareholders are highly engaged in Duratex’s business”, pointed out Donatelli. A conservative debt policy, with a debt over Ebitda ratio of just 1.3%, means Duratex can benefit from favorable market conditions while not suffering serious impacts during times of volatility in the markets. With a strong market, lower costs, operational improvements and low debt, in 2012 the company could reap the rewards of a series of positive factors. Although the market is less favorable than the previous year, in 2013 the company will continue growing and investing. At the end of the first half its revenue had grown by 19%, the consolidated EBITDA margin was 31% and net income rose by 47%, revealing a positive performance in both the Timber and the Deca division. New investment Three new ventures that are coming into operation this year will further Duratex’s expansion program. With an installed capacity of 520,000 cubic meters, the new semi-hardboard plant in Itapetininga (SP) increased this area by around 16% in an investment of R$ 450 million. The expansion of the Taquari plant (RS) raised capacity from 440,000 to 670,000 cubic meters, required investment of R$ 100 million and is set to enhance the production flow. The third venture came into operation at the start of the second half. The investment of R$ 145 million entails a sanitary ware manufacturing facility in Queimados (RJ), with the capacity to produce 2,400,000 products, equivalent to a 25% increase in installed capacity. In addition to the three ventures, the director said Duratex is

Forno da fábrica de louças sanitárias – Divisão Deca.

47


Roda de resfriamento de chapas, da fábrica de MDF em Agudos, São Paulo.

ção com as questões ambientais e está, inclusive, no nível mais elevado do GRI (Global Reporting Initiative), além de manter encontros frequentes com os stakeholders e representantes de diversas entidades na área de

sustentabilidade para discutir todas as questões que envolvam seus negócios sob esse ponto de vista.” Em 2012, a Duratex foi certificada com o ISO 14001, relativo à área de meio ambiente.

Avaliação dos analistas Transparência e atuação da área de Relações com os Investidores foram itens que receberam conceito excelente dos analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) para avaliar qualitativamente a empresa. Eles atribuíram conceito bom para a atuação da Duratex em projetos sociais e ambientais e para as políticas de controle de riscos e governança corporativa. Os analistas, no entanto, avaliaram como mediana a política de distribuição de dividendos da companhia. Para eles, foi relevante, ao longo do exercício, o fato de quase 90% do lucro da companhia ter sido decorrente de atividades operacionais. Consideram elevada a possibilidade da Duratex sustentar os resultados obtidos em 2012 a curto, médio e longo prazos.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

48

R$ 459.255,48 3,8% R$ 157.496,30 34,3% R$ 8.168.302.509 17,4% 4,99%

set to announce further investment to expand the Timber division before the end of 2013. The company is fully dedicated to making its forestry business sustainable. Duratex currently has planted forests occupying some 230,000 hectares and conservation areas in the states of São Paulo, Minas Gerais and Rio Grande do Sul. “We were the first timber company in Brazil to be awarded FSC (Forest Stewardship Council) certification, in 1995”, the director, explained. All the company’s endeavors and initiatives in respect of this part of its business led to it being invited to join the Dow Jones Sustainability World Index (DJSWI). Duratex is also a part of the Corporate Sustainability Index (ISE) of BM&FBovespa. “The company has always taken environmental issues seriously and is ranked in the highest level of the GRI (Global Reporting Initiative). It also meets frequently with stakeholders and representatives of several sustainability entities to discuss all the relevant issues posed by its operations”. In 2012 Duratex was awarded ISO 14001 environmental certification. Analyst evaluation Transparency and investor relations were rated as excellent by the analysts appointed by Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) to quantitatively evaluate the company. They rated Duratex’s performance in social and environmental projects and its corporate governance and risk management policies as good. However, the company’s dividend payments policy was rated as average. The fact the company derived more than 90% of its earnings from operating activities in the year was also deemed noteworthy and they believe Duratex has an excellent chance of replicating its 2012 earnings in the short-, medium- and long-term.


Sabesp Uma década de bons resultados Gerida por uma ótima governança corporativa empresa conquista, pelo terceiro ano consecutivo, o Prêmio Destaque do Setor de Saneamento e Serviços de Água e Gás.

No ano em que completou 10 anos de listagem no Novo Mercado da BM&FBovespa e na Bolsa de Nova York a Sabesp conquistou, pelo terceiro ano consecutivo, o Prêmio Destaque do Setor de Saneamento e Serviços de Água e Gás ao criar, na média dos últimos três anos, 41,43% de valor aos acionistas. Parte deste resultado é creditado ao bom desempenho operacional da companhia, que fechou 2012 com alta de 56,3% no lucro líquido e de 12,2% no Ebitda. O ano passado foi marcado também por um desempenho vigoroso das ações da companhia,o que se refletiu em seu valor de mercado, com alta de 67%. As ações da Sabesp apresentaram a terceira maior valorização do Ibovespa. No mercado americano, os ADRs da empresa subiram 50,2%. Outro destaque foi a criação da Aquapolo Ambiental, que vai produzir, fornecer e comercializar água de reuso para o Polo Petroquímico de Capuava, e a At-

tend Ambiental, cujo objetivo é implantar e operar uma estação de pré-tratamento de efluentes não domésticos e condicionamento de lodo RMSP. Avaliação Mais uma vez, a Sabesp recebeu conceito “positivo” em quase todos os itens qualitativos analisados pelos analistas da Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) . São eles: transparência, área de RI, atuação em projetos sociais e ambientais, governança corporativa e controle de riscos. Apenas o quesito distribuição de dividendos foi considerado mediano. Mas um dos pontos mais relevantes na avaliação foi o fato de mais de 90% dos resultados da empresa serem decorrentes de atividades operacionais. Segundo eles, a probabilidade desse desempenho se sustentar, a curto, médio e longo prazo é bastante alta.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta)

R$ 145.566,35 22,7% R$ 159.527 109,6% R$ 5.700.793.118 44,6% 2,21%

Foto: Giani Pralea

Destaque do setor Saneamento e Serv. de Água e Gás

Outstanding Company in the Sanitation and Water and Gas Services Sector

Sabesp:

A decade of good results Managed with excellent corporate governance, for the third consecutive year the company wins the Outstanding Performance Award for the Sanitation and Water and Gas Services Sector. In the year of its 10th anniversary as a listed company on the Novo Mercado of the BM&FBovespa and on the New York Stock Exchange, Sabesp won the Outstanding Performance Award for the Sanitation and Water and Gas Services Sector for creating an average of 41.43% shareholder value over the last three years. Part of this result is credited to the good operational performance of the company, which closed 2012 with net income up 56.3%; EBTIDA 12.2%. Last year also witnessed a robust performance by Sabesp shares, whose market value rose 67%; the third largest increase on the Ibovespa. On the North American market the company’s ADRs went up 50.2%. Another high point was the creation of Aquapolo Ambiental, which will produce, supply and sell recycled water for the Capuava Petrochemical Plant, and Attend Ambiental, whose objective is to implement and operate a pre-treatment plant for nondomestic residues and conditioning mud in the Sao Paulo Metropolitan Area. Evaluation Once more Sabesp was graded ‘positive’ in almost all the qualitative items analyzed by the Apimec analysts. These were: transparency; Investor Relations; social and environmental projects; corporate governance and risk control. Only the item ‘dividend distribution’ received an ‘average’ grade. But one of the most important points of the evaluation was the fact that over 90% of the company’s results were due to its operational activities. The analysts consider that the chances of the company sustaining this performance in the short-, mid- and longterms are very high.

* % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

49


Destaque do setor Serviços Financeiros

Cielo Crescendo com rentabilidade Empresa procura se diferenciar no mercado oferecendo produtos únicos aos clientes. O próximo passo é investir no grande potencial do comércio eletrônico brasileiro.

A Cielo, maior empresa de meios de pagamento do Brasil, apresentou um forte avanço no lucro líquido no ano passado, que somou R$ 2,31 bilhões com alta de 28% em relação a 2011. A receita operacional líquida subiu 29% e o Ebitda 28%. O excelente desempenho operacional e qualitativo contribuiu para a líder no setor de cartões criar 30,87% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos, e conquistar o Prêmio Destaque do setor Financeiro em 2012. Segundo o presidente da companhia, Rômulo Dias, criar diferenciais em relação às demais companhias do setor, investir em inovação e atendimento são alguns dos fatores-chave na estratégia da Cielo, que estabeleceu como meta continuar a crescer com rentabilidade enquanto consolida sua posição como uma empresa de serviços. “A Cielo procura se diferenciar oferecendo ao lojista produtos únicos como Cielo Fidelidade, que dá ao lojista a possibilidade de acumular pontos de acordo com o uso do cartão para trocá-los no site da companhia, e a promoção Compra Premiada”, explica Dias. Prevenção contra fraudes A companhia aposta também no significativo potencial de expansão das transações envolvendo comércio eletrônico no Brasil. Um dos destaques de 2012 foi o investimento de aproximadamente US$ 670 milhões na compra da americana Merchant e -Solutions

52

(Me-S). Somando esse valor aos recursos dirigidos à aquisição de novas máquinas de pontos de vendas – POS (Point of Sales na sigla em inglês) –, o investimento total feito no ano passado atingiu R$ 1,8 bilhão. “Temos buscado também parcerias inéditas no mercado, como o acordo com a CyberSource, empresa especializada na gestão de pagamentos e que fornece à Cielo um produto desenhado especialmente para prevenir fraudes no comércio eletrônico”, destaca Dias. Com acesso a mais de 60 milhões de transações processadas anualmente em todo o mundo, a CyberSource veio agregar um diferencial competitivo importante à estratégia de prestação de serviços da Cielo. “Esse é um serviço essencial uma vez que vender sem fraude é fundamental para o lojista que utiliza o comércio eletrônico. Em caso de cartões clonados, por exemplo, é o lojista que arca com o custo da fraude”, diz o presidente da companhia. Outra inovação relevante foi a parceria firmada com instituições financeiras, que permite oferecer parcelamento de compras em até 48 vezes para o consumidor pessoa física. O comércio eletrônico, que representa atualmente 8% do faturamento da Cielo (faturamento nesse caso é sinônimo de todas as transações que passam pela rede), deve passar a responder por uma fatia de 21% até o ano 2020. “Continuamos crescendo e, embora a substituição dos cheques pelos

Rômulo Dias, presidente da Cielo.

cartões tenha sido o principal driver de expansão até agora, o próprio movimento de expansão do comércio eletrônico será um fator fundamental ao longo dos próximos anos porque existe um grande potencial de penetração do cartão no consumo da família brasileira”, afirma o presidente. Esta postura inovadora garantiu à companhia encerrar 2012 com resultado operacional, medido pelo Ebitda, somando R$ 3.082,6 milhões, 28% acima do registrado em 2011. O lucro líquido cresceu 27,9% em relação ao ano anterior, atingindo R$ 2.314,6 milhões. Entre outros fatores, contribuiu para esse desempenho a evolução do volume financeiro capturado nas operações de crédito (+21,4%) e débito (+16,9%), assim como o avanço da receita de aluguel em função do aumento de 16,4% de POS instalados. Ganho de market share A companhia registrou também aumento da receita de antecipação de recebíveis, por conta dos maiores volumes negociados. As margens sofreram o impacto do aumento nos gastos operacionais, em grande parte decorrentes da aquisição da Me-S. A companhia fez também distribuição de dividendos e juros sobre capital próprio, além de bonificação. A performance da empresa no primeiro semestre de 2013 refletiu a capacidade da Cielo para superar expectativas em relação ao market sha-


Outstanding Company in the Financial Services Sector

re e ganhar participação no mercado, apesar de enfrentar um aumento substancial da concorrência por conta da entrada de novos players nesse setor. Após a apresentação do balanço do segundo trimestre, as estimativas dos especialistas atribuíam à Cielo uma fatia de 54,9% do mercado. No período a companhia exibiu receita operacional líquida de R$ 1,6 bilhão, com uma alta de 28,9% em relação ao mesmo período de 2012 e avanço de 3,7% em comparação com o primeiro trimestre deste ano. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), que mede a geração operacional de caixa da companhia, chegou a R$ 859,1 milhões, com um crescimento de 22% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. O balanço do segundo trimestre revelou ainda que o volume financeiro processado pela Cielo continua elevado nas duas modalidades, tanto no crédito como no débito, e atingiu R$ 106,4 bilhões, com um crescimento anual de 14,2%. Outro aspecto relevante foi o aumento de 8,4% no número de pontos de vendas ativos, que atingiu 1,3 milhão. A base instalada de POS cresceu 9,9% sobre o segundo trimestre de 2012. RI no DNA da companhia Como a décima empresa em valor de mercado na Bolsa de Valores de São Paulo, a Cielo valoriza de maneira particular o atendimento ao mercado

Cielo:

Growing profitably Company is seeking exclusivity in the market by offering unique products to its clients. Invest in the huge potential of ecommerce in Brazil is the next step. Cielo is the largest electronic payment solutions company in Brazil and saw net income rise sharply to R$ 2.31 billion last year, an increase of 28% over 2011. Net operating revenue rose by 29% and Ebitda 28%. The excellent operational and quantitative performance has helped the leader of the credit card sector create shareholder value of 30.87% in the past three years, on average, and earned it the Outstanding Performance in the Finance Sector award in 2012. The company’s CEO Rômulo Dias said that offering unique services and investing in innovation and customer service are some of the key components of Cielo’s strategy that is aiming for ongoing growth and profitability while it consolidates its position as a service provider. “Cielo is aiming to stand out by offering retailers exclusive products like Cielo Fidelidade, a loyalty scheme which allows retailers to accumulate points for card use, which can then be cashed in on the company’s site, in addition to the Compra Premiada promotion”, explained Dias. Combating fraud The company is also betting on the substantial potential for growth in e-commerce transactions in Brazil. One of the headlines in 2012 was the investment of USD 670 million made to acquire US company Merchant e -Solutions (Me-S). In addition to the acquisition of new point-of-sale checkouts, the total investment made last year amounted to R$ 1.8 billion. “We have also pursued groundbreaking partnerships, such as the agreement with CyberSource, a payments management company which has created a

specific product for Cielo to combat fraud in e-commerce”, pointed out Dias. Handling over 60 million transactions around the world annually, CyberSource has incremented a major competitive edge into Cielo’s service strategy. “This is an essential service as combating fraud is crucial for retailers using e-commerce. For example, in the case of cloned credit cards it is the retailer who picks up the bill”, said the company’s CEO. Another important development was the partnership entered into with financial institutions that makes it possible for individual consumers to finance their purchases in up to 48 installments. Currently accounting for 8% of Cielo’s turnover (turnover in this case means all transactions processed by the network), e-commerce is set to account for 21% by 2020. “We are still growing, and although the replacement of checks by cards has been the main driver of our expansion thus far, the expansion in e-commerce itself will play a fundamental role in coming years because there is huge potential for cards to play a greater role in Brazilian household consumption”, said the CEO. This innovative mindset helped the company close 2012 with operating revenue (Ebitda) of R$ 3.083 billion, up by 28% on 2011. Net revenue rose by 27.9% over the previous year, to R$ 2.315 billion. The factors that drove this performance included the increase in the financial volume generated by credit (+21.4%) and debit (+16.9%) transactions, and greater rental payments due to the 16.4% increase in the number of installed POS checkouts. Greater market share The company also received greater factoring revenue as a result of higher transaction volumes. Margins were impacted by higher operating expenses, primarily due to the acquisition of Me-S. The company also paid out dividends, interest on equity and bonuses. The company’s performance in the first half of 2013 reflected Cielo’s capacity to ex-

53


por meio de sua área de Relações com Investidores, “uma parte muito forte do nosso DNA desde que a companhia abriu capital, em 2009”, pontua Dias. Ele destaca a realização de 18 conferências anuais promovidas pela área, assim como sua política de partes relacionadas e o tratamento ao sigilo de informações. No ano passado, a Cielo conquistou a primeira colocação no ranking da revista Institutional Investor Magazine nas categorias: Melhor Equipe de RI, Melhor CEO, Melhor CFO e Melhor Profissional

de RI, por sell-side e buy-side, no setor de Financials ex-Banks na América Latina. Em 2013, a estratégia de investimentos da Cielo continua focada no constante aperfeiçoamento da equipe de RI, na aquisição de máquinas e nos serviços de prevenção a fraudes. “Nossa estratégia de diferenciação está baseada principalmente em serviços e na inovação, assim como na melhoria permanente do atendimento aos clientes para ajudar os lojistas a vender mais e mais”, afirma Dias.

Avaliação dos analistas Os analistas da Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais) que acompanharam a empresa atribuíram grau de excelência para a sólida gestão de riscos e para a política de distribuição de dividendos da Cielo. Foram considerados pontos positivos ainda a atuação em projetos na área social, ambiental e a governança corporativa. Por sua vez, receberam conceito mediano os itens transparência praticada pela empresa e atuação da área de com Investidores. Na avaliação dos analistas, com tudo isso, a empresa possui elevada possibilidade de sustentar os resultados positivos obtidos em 2012 no curto, médio e longo prazos. Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

54

R$ 2.267.382,77 99,2% R$ 1.587.167,94 70,0% R$ 1.587.167.939 30,9% 0,47%

ceed expectations regarding market share and market share gains, despite facing a substantial increase in competition as a result of new players entering the sector. After examining the balance sheet for the second quarter, specialists said Cielo had a market share of 54.9%. In the period the company recorded net operating revenue of R$ 1.6 billion, an increase of 28.9% over the same period in 2012 and an increase of 3.7% over the first quarter of this year. Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization (Ebitda), a benchmark used to measure the company’s operating cash generation, amounted to R$ 859.1 million, up by 22% over the same quarter last year. The balance sheet for the second quarter also showed that Cielo is still processing substantial volumes of credit and debit transactions, with the financial volume increasing by 14.2% to R$ 106.4 billion. Further good news was the 8.4% increase in the number of active points-of-sale, which reached 1.3 million. The installed POS base expanded by 9.9% over the second quarter of 2012. IR in the company’s DNA Given its status as the tenth largest company traded on the São Paulo Stock Exchange in terms of market value, Cielo makes every effort to provide exceptional services to the market via its Investor Relations department, “which has been embedded in our DNA since the company was floated in 2009”, said Dias. He pointed out the 18 annual conferences held by the department, in addition to its policy for relatedparty transactions and handling confidential information. Last year Cielo was ranked top by Institutional Investor Magazine in the categories: Best IR Staff, Best CEO, Best CFO and Best IR Professional, on the sell-side and buy-side, in the Financials ex-Banks in Latin America. Cielo’s investment strategy for 2013 remains focused on the ongoing enhancement of its IR staff, the acquisition of machines and fraud prevention services. “Our main strategy for standing out relies on services and innovation, in addition to the ongoing enhancement of customer services in order to help retailers increase their sales”, asserted Dias. Analyst evaluation The Apimec (Association of Professional Capital Market Investment Analysts) analysts evaluating the company rated Cielo’s robust risk management and dividend policy as excellent. The performance in social and environmental projects and corporate governance was also viewed positively. The company’s transparency and the performance of its investor relations department were evaluated as average. In their opinion the company is on course to replicate these positive results obtained in 2012 in the short-, medium- and long-term.


OdontoPrev Destaque em criação de valor Analistas que avaliaram a empresa atribuíram conceito positivo para os itens transparência, política de distribuição de dividendos, praticas ambientais e atuação social.

O ano de 2012 foi um período de consolidação de um novo modelo operacional para o Grupo OdontoPrev. A empresa, líder em planos odontológicos na América Latina, aumentou em 8% o número de beneficiários, que atingiu 6 milhões de brasileiros, um acréscimo de 442 mil novos clientes em relação ao ano anterior. Apesar de ter sido um ano bastante desafiador para a empresa, também em função do baixo crescimento econômico, a maior operadora de planos odontológicos do país repetiu o feito de 2010 e 2011 e levou o Prêmio Destaque do Setor de Saúde de 2012. A empresa conseguiu criar 44,64% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos. Além disso, fechou 2012 com valor de mercado de R$ 5,7 bilhões. A receita bruta no período somou R$ 995 milhões, 15% superior aos R$ 861 milhões em 2011. O lucro líquido ajustado atingiu R$ 157

milhões, semelhante ao ano anterior. Os investimentos da companhia totalizaram R$ 10,6 milhões. Em 2012, a Odontoprev adquiriu a Papaiz Associados Diagnósticos por Imagem (Grupo Papaiz). Avaliação Os analistas da Apimec que analisaram a empresa atribuíram conceito “positivo” e “muito positivo” a quase todos os quesitos qualitativos, com destaque para os itens transparência e política de distribuição de dividendos. A companhia foi avaliada positivamente ainda em relação a suas práticas ambientais e atuação social. A governança corporativa e gestão de risco também foram consideradas “boas”. Segundo eles, a participação do resultado operacional na formação do resultado da empresa ficou acima de 90%, o que aumenta a probabilidade do desempenho positivo do ano se repetir, a curto, médio e longo prazo.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

56

R$ 145.566,35 22,7% R$ 159.527 109,6% R$ 5.700.793.118 44,6% 2,21%

Foto: Nicholas Sales

Destaque do setor Serviços Médico-Hospitalares

Outstanding Company in the Medical/Hospital Sector

Odontoprev:

Outstanding performance in value creation Analysts evaluating the company rated its transparency, dividend payment policy, environmental practices and CSR performance as positive. OdontoPrev Group consolidated a new operational model in 2012. A leading provider of dental health care plans in Latin America, the company saw the number of planholders rise by 8%, to 6 million Brazilians, an increase of 442,000 new clients over the previous year. Despite being an extremely challenging year for the company, which was aggravated by a sluggish economy, the largest provider of dental health care plans in Brazil repeated its achievement of 2010 and 2011, and earned the Outstanding Performance in the Healthcare Sector award for 2012. The company managed to create shareholder value of 44.64% on average in the past three years. In addition, it closed 2012 with a market value of R$ 5.7 billion. Gross revenue in the period amounted to R$ 995 million, 15% more than the R$ 861 million reported in 2011. The adjusted net income amounted to R$ 157 million, relatively unchanged on the previous year. The company invested a total of R$ 10.6 million. In 2012, Odontoprev acquired Papaiz Associados Diagnósticos por Imagem (Papaiz Group). Evaluation The Apimec analysts who evaluated the company rated nearly all of its quantitative areas as “positive” and “very positive”, especially transparency and the dividend payment policy. The company also rated well for its environmental practices and CSR and corporate governance and risk management were considered “good”. The analysts reported that the company derived more than 90% of its earnings from operational income, which increases the chance of replicating the positive performance in the short, medium and long term.


Cia. Hering Mais um ano de bons resultados Bons resultados operacionais levaram a empresa a conquistar, pelo terceiro ano consecutivo, o Prêmio destaque de criação de valor do Setor de Vestuário e Calçados.

Em um ano marcado por um ambiente macroeconômico desfavorável a Cia. Hering conseguiu conquistar pelo terceiro ano consecutivo o Prêmio Destaque do Setor de Tecidos, Vestuário e Calçados de 2012. O prêmio foi concedido pelo excelente desempenho operacional que resultou na criação de 45,34% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos. A empresa fechou 2012 com lucro de R$ 311 milhões, resultado 5% superior ao de 2011. A receita líquida somou R$ 1,49 bilhão, com aumento de 10,2% e as vendas avançaram 8,7% no período. Atualmente a Hering possui mais de 400 lojas franqueadas em diversas regiões do país e três lojas virtuais com as marcas Dzarm e PUC. Para 2013, a meta é atingir 592 lojas na rede Hering Store, com 77 inaugurações de lojas. Além disso, continuará expandindo a rede Hering Kids. Em 2007, a Hering entrou para o novo mercado da BM&FBovespa e

passou a integrar o Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada. Avaliação A Hering se destacou por alcançar conceito positivo para sua atuação em projetos sociais e ambientais, na avaliação dos analistas da Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais). A área de Relações com Investidores e a transparência da empresa também foram consideradas positivas. Os analistas consideram também relevante o fato de mais de 90% do resultado obtido em 2012 ter sido decorrente de atividades operacionais. Para eles a companhia tem grande probabilidade de manter este resultado a médio e longo prazos. Eles, no entanto, consideraram mediana a governança corporativa da companhia, gestão de riscos e a política de distribuição de dividendos.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta)

R$ 246.520,71 39,7% R$ 243.844,33 98,9% R$ 6.895.761.519 45,3%

Foto: Joerg Rudloff

Destaque do setor Tecidos, Vestuário e Calçados

Outstanding Company in the Fabric, Clothing and Footwear Sector

Cia. Hering:

Another year of excellent results Good operating earnings earns the company the Outstanding creation of value in the clothing and footwear sector award for the third consecutive year. In a year marked by an unfavorable macroeconomy, in 2012 Cia.Hering managed to earn the Outstanding Performance in the Clothing and Footwear Sector award for the third consecutive year. The award acknowledged the company’s excellent operational performance, which resulted in the creation of shareholder value of 45.34% in the last three years on average. The company reported a profit for 2012 of R$ 311 million, 5% more than in 2011. Net revenue amounted to R$ 1.49 billion, up by 10.2%, and sales rose by 8.7% in the period. Hering currently has more than 400 franchised stores in several regions of the country, and three online stores operating under the Dzarm and PUC brands. In 2013 the goal is to achieve a total of 592 stores in the Hering Store chain, with 77 new stores opening. The Hering Kids chain will continue expanding too. In 2007 Hering entered the BM&FBovespa New Market and subsequently joined the Special Corporate Governance Stock Index. Evaluation Hering excels for its positive performance in social and environmental projects, according to the Apimec analysts.The company’s investor relations and transparency were also deemed positive. The fact the company derived more than 90% of its earnings from operating activities in 2012 is also noteworthy. In their opinion the company has an excellent chance of replicating these earnings in the short, medium and long term. However, the company’s corporate governance, risk management and dividend payments policy were rated as average.

7,77%

* % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

57


Totvs EMPRESa ConFIRMa dESEMPEnHo Pelo quarto ano, empresa ganha prêmio de criação de valor, confirmando opinião dos analistas que apostaram na probabilidade de bons resultados a médio e longo prazos.

Pelo quarto ano consecutivo, a Totvs, maior empresa brasileira de software de gestão e a sexta maior do mundo, ganhou o Prêmio Destaque e Criação de Valor do Setor de Tecnologia da Informação. Em 2012, a empresa conseguiu criar 16,53% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos, e fechar o ano com R$ 6,52 bilhões de valor de mercado. O resultado foi fruto do bom desempenho operacional da empresa, ao registrar lucro líquido de R$ 297 milhões, 22% acima do de 2011. A receita líquida somou R$ 1,4 bilhão, um aumento de 10%. A combinação de um crescimento de receita líquida com a busca por maior eficiência resultou no crescimento de 22,5% de Ebitda, que chegou a R$ 378 milhões. Um dos pilares para esse desempenho é o reconhecimento da marca TOTVS, uma marca jovem, mas já posicionada entre as marcas mais valorizadas no Brasil. A companhia é líder absoluta no Brasil, com 53,1% de market share, e na

América Latina com 35,6%. É a 6ª maior desenvolvedora de sistemas de gestão integrada (ERP) do mundo e a 1ª em países emergentes, sendo líder também no segmento de pequenas e médias empresas (PME) na América Latina. Avaliação A companhia novamente recebeu dos analistas da Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) avaliação muito positiva pela governança corporativa e a distribuição de dividendos. Outros pontos considerados positivos foram: transparência, área de RI, projetos na área social e ambiental e controle de riscos. Um aspecto também de destaque para a empresa foi a elevada participação da receita operacional no resultado de criação de valor da companhia, acima de 90%, o que fortalece a probabilidade da empresa sustentar os resultados a curto, médio e longo prazo.

Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

58

R$ 196.786,78 17,7% R$ 118.000,37 60,0% R$ 6.528.233.479 16,5% 3,32%

Foto: Flavio takemoto

Destaque do setor Tecnologia da Informação

Outstanding Company in the Information Technology Sector

Totvs:

Company confirms performance The company has earned the value creation award for the fourth time, confirming analysts’ projections of strong earnings in the medium and long term. Totvs is the largest management software firm in Brazil and the sixth largest in the world. For the fourth consecutive year it has earned the award for Outstanding Performance and Value Creation in the Information Technology Sector. In 2012, the company created shareholder value of 16.53% in the past three years on average, closing the year with a market value of R$ 6.52 billion. The result was driven by the company’s positive operational performance recording net income of R$ 297 million, 22% more than in 2011. Net revenue amounted to R$ 1.4 billion, an increase of 10%. The combination of higher net revenue and the pursuit of efficiency gains led to the Ebitda margin rising by 22.5%, to R$ 378 million. This performance is driven by recognition of the TOTVS Brand, which despite being a young brand is already established as one of the most valued brands in Brazil. The company is the absolute leader in Brazil, with a 53.1% market share, and in Latin America, with 35.6%. It is the sixth largest developer of ERP systems in the world and the largest in emerging countries, and also leads the small and middle market segment in Latin America. Evaluation Once again the Apimec analysts rated the company very positively for corporate governance and dividend payments. Transparency, investor relations, CSR and environmental projects and risk management were also rated as positive. The fact that the company’s operational revenue accounts for more than 90% of the company’s value creation was also praised, which makes the company more likely to replicate its earnings in the short, medium and long term.


Divulgue os resultados da sua empresa com agilidade, qualidade e confiabilidade. Com o nosso portfólio de serviços, sua empresa reduz custos com deslocamentos e viabiliza reuniões de forma rápida e segura, 24 horas por dia, 7 dias por semana. O Conference Call Wittel oferece: • Operadora e Backup dedicadas à conferência; • Atendimento bilíngue; • Sessão de perguntas e respostas; • Gravação; • Replay com relatório detalhado com os mesmos dados do call principal; • Transcrição; • Estrutura para tradução simultânea; • Conference Viewer; • Relatório de participação; • Speech pré-gravado; • Saudação personalizada com o nome da empresa; • Convites RSVP com conexão via código individual de acesso. Faça reuniões em qualquer lugar e de qualquer dispositivo A Wittel é parceira certificada Cisco e a única empresa brasileira a oferecer o Webex como serviço, com áudio de teleconferência integrado.

Consulte-nos e conheça todas as vantagens do Conference Call Wittel.

0800 709 1666 ou acesse www.conferencecall.com.br


Destaque do setor Transporte e Logística

Triunfo Estratégia coerente de expansão Sucesso da empresa é manter uma linha de atuação voltada para diversas áreas de infraestrutura como rodovias, portos, aeroportos, navegação e geração de energia elétrica.

A Triunfo, que no ano passado conquistou o Prêmio Abrasca de Criação de Valor, este ano foi Destaque do Setor de Transporte e Logística, ao criar 27,76% de valor aos acionistas, na média dos últimos três anos. A empresa reeditou em 2012 o resultado positivo de uma estratégia que foi desenhada ainda em 2006, quando preparava sua abertura de capital. Desde o primeiro ano como uma companhia aberta, em 2007, sua linha de atuação tem sido norteada por uma política de crescimento direcionada para vários setores na área de infraestrutura, com foco em concessões rodoviárias, portos e aeroportos, navegação e geração de energia. “Crescer como uma operadora de infraestrutura foi uma diretriz bem-sucedida ao longo de todos esses anos e o principal vetor para a criação de valor aos acionistas também em 2012”, observa o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da companhia, Sandro Lima. Diversificação A percepção antecipada sobre a grande demanda do país pelos investimentos em setores vitais para o crescimento econômico, somada à opção pela diversificação setorial, levou à montagem de uma estratégia bastante diferenciada da Triunfo e ajuda a compreender seu desempenho ao longo de todos esses anos, diz o diretor. “Enquanto outras companhias preferiram investir apenas em concessão

60

rodoviária, geração de energia ou operação portuária, por exemplo, a Triunfo preferiu atuar como uma operadora de infraestrutura.” Em 2012, o mercado assistiu a uma quebra de paradigma porque outras companhias passaram a ampliar sua área de atuação para também operar infraestrutura. A concorrência não trouxe impacto desfavorável porque a companhia tem conseguido repetir com sucesso a estratégia de crescer atuando em vários segmentos, analisa o diretor. “O leilão do setor aeroportuário de que participamos foi um bom exemplo disso. Tivemos players que até então só operavam rodovias e que decidiram entrar também no setor de aeroportos, mas isso só mostrou que a nossa estratégia está correta, tanto é que ganhamos a concorrência do aeroporto de Viracopos”, acentua Lima. Governança Em 2012, a governança corporativa adotada pela companhia também contribuiu expressivamente para gerar valor. “Repetimos nossa postura de ouvir muito todos os stakeholders”, ressalta Lima. Entre os exemplos efetivos de boas práticas de governança em 2012, ressalta o fato de o controlador ter votado junto com os minoritários na eleição dos dois conselheiros independentes. No Conselho Fiscal, foi registrado outro episódio claro de boa governança, destaca o diretor: “O controlador

Sandro Lima, Diretor Financeiro e de Relações com Investidores

tinha o direito de eleger dois conselheiros, enquanto o minoritário podia eleger apenas um, porém quando o minoritário apresentou dois nomes que, por sua experiência anterior, ele entendia que poderiam gerar valor para a companhia, o controlador aceitou e agora temos dois conselheiros indicados pelo minoritário em consenso com o controlador.” Todas essas iniciativas, pondera Lima, são capturadas positivamente pelo conjunto de análises que o mercado faz em relação à companhia. O principal investimento da Triunfo em 2012 foram as melhorias no Aeroporto de Viracopos, considerado um grande passo nesse setor diante de sua grandiosidade. O projeto envolve o novo terminal, que passará dos atuais 28 mil metros quadrados para 150 mil metros quadrados e representará, apenas em sua primeira fase, investimentos totais de R$ 2,2 bilhões para entrega em maio de 2014. Outro investimento relevante em 2012 (da ordem de R$ 1 bilhão) foi na Hidrelétrica de Garibaldi (Santa Catarina) pela controlada Rio Canoas. As obras começaram em 2011 e foram mantidas dentro de seu cronograma. O projeto será entregue no segundo semestre de 2013, com 15 meses de antecedência em relação ao prazo acordado com a Aneel. “Esse pode ser considerado o grande destaque dos nossos investimentos em 2012, não pelo volume de


Outstanding Company in the Transport and Logistics Sector

recursos, uma vez que já estamos no terceiro ano de obras, mas pelo fato de conseguirmos entregar a usina com tanta antecedência num setor que geralmente convive com atrasos consideráveis”, destaca o diretor da Triunfo. Resultado Em 2012, mesmo com três projetos em andamento tomando recursos – Viracopos no início, Rio Canoas na metade do caminho e uma empresa de navegação em desenvolvimento – ao mesmo tempo em que a geração de caixa ficou longe do ideal, a Triunfo conseguiu apresentar lucro base de dividendos de R$ 80 milhões, dos quais R$ 48,8 milhões foram distribuídos com 2,7% de dividend yield anualizado. “Isso demonstra que a estratégia da companhia está correta porque os projetos quando maduros têm forte capacidade de geração de caixa e de criação de valor”, analisa Lima. Embora as condições macro preocupem, diz Lima, vamos manter este ano o mesmo ritmo de crescimento. Ele cita como exemplo o desempenho da Portonave (Navegantes, SC), empresa por meio da qual a companhia atua no setor portuário, e que conseguiu apresentar aumento de 25,6% em sua receita e pelo, terceiro ano

Triunfo:

Consistent expansion strategy Success of company due to focus on different areas of infrastructure including highways, ports, airports, navigation and electric power generation. Triunfo, which last year won the Abrasca Value Creation Award, this year won the award for Outstanding Company in the Transport and Logistics Sector, for increasing shareholder value by an average of 27.76% over the last three years. In 2012 the company repeated the positive results of its strategy laid out in 2006 at the time it was preparing its IPO. Since its first year as a publicly held company, in 2007, its focus has been on its policy of growth directed at various sectors in the infrastructure area, concentrating on highway port and airport concessions, navigation and power generation. “To grow as an infrastructure operator has been a successful policy throughout these years and the main factor behind the creation of shareholder value in 2012,” says Sandro Lima, the company’s Financial and Investor Relations Director. Diversification The perception in advance of the huge demand in the country for investments in sectors vital to economic growth, added to the policy of sectorial diversification, has led to Triunfo adopting a very novel strategy and helps to explain its performance over the past years, Mr. Lima adds. “Whereas other companies preferred to invest only in highway concessions, power generation or port operation, for example, Triunfo chose the role of infrastructure operator”. In 2012 the market changed in this respect, as other companies began to expand

their activities, also becoming infrastructure operators. The competition did not have a negative impact because, Mr. Lima continues, Triunfo managed to repeat the success of its strategy of being present in various sectors. “The public tenders in the airport sector in which we took part were a good example of this. We had competitors who had previously only operated highways and who decided to enter the airport sector as well, but this only went to show that our strategy was correct, proof of which is that we won the concession for Viracopos Airport.” Governance In 2012, the corporate governance adopted by the company also contributed considerably to value creation. “We repeated our pattern of listening carefully to all the stakeholders,” stresses Mr. Lima. One of the examples of good governance practices is that fact that the majority stakeholder voted along with the minority stakeholders in the election of two independent counselors. The Board of Auditors gave another clear example of good governance: “The majority stakeholder had the right to elect two counselors, whereas the minority stakeholders only one; but when the latter put forward two names, which, due to past experience they believed would generate value for the company, the former accepted, so that now we have two counselors appointed by consensus.” Mr. Lima considers that all these initiatives are reflected in the various market analyses of the company. Triunfo’s largest investment in 2012 was in improvements to Viracopos Airpost, considered an important move in the sector due to the huge scale of the operation. The project is focused on the new terminal, which will be expanded from its current 28,000 m² to 150,000 m², and which, in its first phase

Rio Verde

61


alone, will absorb investments of R$ 2.2 billion, for delivery in May, 2014. Another significant investment in 2012 (of around R$1 billion) was in the Garibaldi hydroelectric plant (in Santa Catarina), by the subsidiary Rio Canoas. The works began in 2011and are going according to schedule. The project will be delivered in the second half of 2013, 15 months ahead of the deadline agreed upon with the ANEEL. “This can be seen us our outstanding investment in 2012, not due to the volume of resources, as we are already in the third year of construction, but due to the fact that we managed to deliver the plant so far ahead of time, in a sector where considerable delays are the norm,” Mr. Lima adds.

Portonave

consecutivo, foi listada entre as seis melhores operadoras portuárias do mundo pela Lloyds List Award, sendo o único terminal portuário brasileiro nessa listagem. No setor de rodovias, o crescimento da companhia entre os anos de 2009 a 2012 foi de quase 10% ao ano e neste semestre voltou a crescer, com aumento de quase 5% em volume e de 10% em receita, informa Lima. Considerando o período de cinco anos desde sua abertura de capital, em 2007, até 2012, a Triunfo saiu de uma receita líquida de R$ 196 milhões para R$ 834,9 milhões, com

um crescimento acumulado de 325%. “Crescemos em média 33% ao ano nesses cinco anos e seguimos confiantes na performance dos ativos já maduros e do setor de infraestrutura.” Reforçando a percepção de que a estratégia da companhia permite atingir um desempenho positivo mesmo diante de conjuntura macroeconômica menos favorável, a Triunfo encerrou o ano de 2012 apresentando receita operacional líquida de R$ 834,9 milhões, com um crescimento de 20,6% em relação ao exercício anterior. O Ebitda ajustado atingiu R$ 419,5 milhões, com crescimento de 19,2%.

Avaliação dos analistas Os analistas indicados pela Apimec (Associação dos Analistas Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais) para avaliar a Triunfo atribuíram conceito excelente para a transparência praticada pela companhia e atuação da área de Relações com Investidores. Consideraram relevante o fato de mais de 90% do resultado de 2012 ter sido decorrente de atividades operacionais. Para eles, é alta a probabilidade da Triunfo sustentar este desempenho a curto, médio e longo prazos. Já a atuação da empresa em projetos sociais e ambientais, assim como sua política de controle de riscos, foi considerada mediana pelos analistas. Eles avaliaram como negativa a política de distribuição de dividendos da Triunfo. Lucro líquido ajustado do exercício de 2012 (R$ mil) Adjusted net income for the fiscal year 2012 (R$ thousands) Retorno (%) sobre o PL* Return (%) on Net Equity* Dividendos e JCP distribuídos Interest on equity and dividends distributed Dividendos e JCP distribuídos (% lucro líquido) Interest on equity and dividends distributed (% net income) Valor de mercado 2012 (posição em 31/12/12) Market Value 2012 (position on 12/31/12) Criação de Valor ao acionista média 3 anos Shareholder value creation – 3 year average Retorno requerido (TJLP * beta) Required rate of return (long-term interest rate * beta) * % indica quanto é gerado de novos ativos para cada 1 real investido Fonte: Formulário de Referência da Empresa (FRE 2013)

62

R$ 79.605,00 28,0% R$ 20.440 25,0% R$ 1.825.000.000 27,8% 1,46%

Results In 2012, even with three projects underway demanding investments – Viracopos (just starting), Rio Canoas (half way through) and a navigation company being developed – while cash generation was far from ideal, Triunfo managed to produce base dividend income of R$80 million, R$48.8 million of which was distributed with 2.7% annualized dividend yield. “This shows that the company strategy is correct because the projects, when they mature, have a high capacity to generate cash flow and create value.” Although the macro conditions are worrying, Mr. Lima says, this year we will maintain the rhythm of growth. He gives as an example the performance of Portonave (Navegantes, SC), the vehicle for the company’s activities in the port sector, which managed to present a 25.6% increase in its revenue, and, for the third year running, was listed as one of the six best port operators in the world in the Lloyds List Award, being the only Brazilian port included in the list. In the highway sector, the growth of the company between 2009 and 2012 was almost 10% a year, and this semester grew once again with an increase in volume of almost 5% and of 10% in revenue. For the five year period since becoming a publicly held company in 2007, Triunfo’s net revenue went from R$196 million to R$834.9 million, an accumulated growth of 325%. “We have grown on average by 33% a year during these five years and we will move ahead confident in the performance of our operational assets and in the infrastructure sector.” Strengthening the perception that the company’s strategy allows for positive results even in less favorable macroeconomic conditions, Triunfo closed 2012 with net operational revenue of R$834.9 million, up 20.6% on the year before. Adjusted EBTIDA totaled R$419.5 million, up 19.2%. Analysts’ evaluation The analysts appointed by Apimec (Association of Capital Market Investment Professional Analysts) to evaluate Triunfo awarded a grade of ‘excellence’ for the transparency of the company’s Investor Relations procedures. They considered significant the fact that over 90% of the 2012 result came from operational activities. They consider it highly probable that Triunfo will maintain this performance in the short-, mid- and long terms.


Marcopolo, vencedora do Prêmio Abrasca de Criação de Valor 2013. Este mérito é atribuído à Gestão da Marcopolo, norteada por valores sólidos de respeito e valorização das pessoas, satisfação dos clientes, solidez econômico-financeira, meio ambiente e comunidades, ética e parcerias.

_09/13

_09/13

Cinto de segurança salva vidas.

O real valor de uma empresa está na prática de seus valores.


Uma das maiores bolsas do mundo Padrão internacional em governança Referência mundial em gerenciamento de risco Diversidade de produtos e serviços

www.bmfbovespa.com.br

facebook.com.br/bolsapravoce

twitter.com/info_bmfbovespa

youtube.com/bmfbovespa

Prêmio Abrasca Criacao de Valor 2013  

Depois de cinco anos ocupando uma seção dentro do Anuário Estatístico das Companhias Abertas, o Prêmio Abrasca de Criação de Valor ganha uma...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you