Issuu on Google+

ESTREIAS CINEMA

O SAL DA TERRA DE

ESTREIA 9 ABR

WIM WENDERS E JULIANO RIBEIRO SALGADO

Dur: 110 min

DOCUMENTÁRIO COM SEBASTIÃO SALGADO, WIM WENDERS, JULIANO RIBEIRO SALGADO

A vida, e obra, do fotógrafo Sebastião Salgado contada pelo filho e por Wim Wenders

SEBASTIÃO SALGADO Sebastião Salgado nasceu a 8 de Fevereiro de 1944 no Brasil. Trabalhou anteriormente como economista, até iniciar a sua carreira como fotógrafo profissional em 1973, em Paris, onde colaborou com as agências fotográficas Sygma e Magnum.

Ao longo das últimas quatro décadas, o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado tem percorrido o mundo com a sua arte fotográfica. Neste documentário, o filho – e realizador - Juliano Ribeiro Salgado e Wim Wenders – também ele fotógrafo - percorrem a vida e obra de um artista que testemunha a mudança no mundo. Wim Wenders conhece o trabalho de Sebastião Salgado há cerca de 25 anos, altura em que comprou duas fotografias do brasileiro. Tendo ficado fã do seu trabalho desde então, conheceu pessoalmente o fotógrafo há cerca de seis anos. Num encontro em Paris, Sebastião Salgado levou o realizador ao seu estúdio. A partir deste encontro surgiram outros, nos quais os dois artistas descobriram muitos interesses em comum, um deles a fotografia. Nessa altura, Sebastião perguntou a Wim se estaria interessado em acompanhá-lo e ao seu filho Juliano numa viagem – foi assim que nasceu O Sal da Terra. Juliano Ribeiro Salgado tinha já acompanhado o seu pai em várias viagens pelo mundo. Quando Wim Wenders decidiu co-realizar o filme com Juliano, depararam-se ambos com um problema: a abundância de material. Tinham horas e horas de imagens documentais, incluindo entrevistas de Wim Wenders a Sebastião Salgado, gravadas em Paris. Para Juliano, “Wim Wenders era a pessoa ideal. Ele já conhecia o trabalho de Salgado, e eles já se tinham encontrado algumas vezes. Ele já tinha a ideia de fazer um filme sobre o Sebastião. Encontrámo-nos várias vezes, falámos bastante e foi, por isso, natural fazermos este filme juntos.” O filme inclui imagens de Wim Wenders, entrevistas e filmagens das viagens de Juliano com o seu pai. No final, todos esses registos se ligam para mostrar o percurso do fotógrafo, as suas memórias e o seu testemunho. Na edição passada do Festival de Cannes, na qual O Sal da Terra venceu o prémio do Júri Ecuménico, os membros do júri classificaram-no como “uma obra-prima documental, um testemunho envolvente dos nossos tempos e uma reflexão sobre a condição humana que mostra a possibilidade de esperança para a Humanidade.”

Em 1944, formou a Amazonas, uma organização criada exclusivamente para promover o seu trabalho. Sebastião Salgado viajou por mais de 100 países e os seus trabalhos foram publicados e expostos um pouco por todo o mundo. Ao longo da sua carreira, Salgado recebeu inúmeros prémios pelo seu trabalho fotográfico. Além disso, dedica-se a causas ambientais, é Embaixador da UNICEF e membro honorário da Academy of Arts and Sciences, nos Estados Unidos. Em 2004, começou o emblemático projecto Genesis, uma série de fotografias de paisagens, da vida selvagem e de comunidades que continuam a viver de acordo com tradições e culturas ancestrais. Actualmente, Sebastião Salgado vive e trabalha em Paris.

Prémios e Festivais: Óscares – Nomeação para Melhor Documentário Festival de Cannes – Prémio Especial do Júri Un Certain Regard Prémio do Júri Ecuménico – Menção Honrosa Césares – Nomeação para Melhor Documentário

MARÇO | ABRIL 2015 11


Medeia Magazine 16 Março e Abril