Issuu on Google+

Escola Básica 2,3/S de Oliveira de Frades

Área de Projecto

12.ºA

Medicinas Alternativas Professor: António Paulo Rodrigues André Florindo nº 7 Bernardo Pereira nº 9 David Silva nº 11 13 de Maio de 2008

Tiago Ferreira nº 25


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Medicinas Alternativas 12.ºA

Área de Projecto Professor da disciplina: António Paulo Rodrigues

Trabalho elaborado por:

André Florindo nº 7 Bernardo Pereira nº 9 David Silva nº 11 Tiago Ferreira nº 25

2


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Índice Introdução ............................................................................................................................................ 4 Medicina Alternativa ............................................................................................................................ 4 Definição .......................................................................................................................................... 4 Introdução Histórica......................................................................................................................... 5 Fundadores ...................................................................................................................................... 6 Acupunctura ......................................................................................................................................... 6 Aromaterapia ....................................................................................................................................... 8 Ayurveda .............................................................................................................................................. 9 Cinesiologia ........................................................................................................................................ 10 Cromoterapia ..................................................................................................................................... 11 Espiritismo .......................................................................................................................................... 13 Fitoterapia .......................................................................................................................................... 14 Fotografia de Kirlian ........................................................................................................................... 19 Hidroterapia ....................................................................................................................................... 20 Hipnoterapia ...................................................................................................................................... 21 Homeopatia........................................................................................................................................ 22 Iridiologia ........................................................................................................................................... 24 Macrobiótica ...................................................................................................................................... 25 Magnetoterapia ................................................................................................................................. 26 Massagem .......................................................................................................................................... 27 Moxibustão ........................................................................................................................................ 28 Osteopatia .......................................................................................................................................... 29 Quiroprática ....................................................................................................................................... 30 Reflexologia ........................................................................................................................................ 31 Remédios Florais de Bach .................................................................................................................. 32 Shiatsu ................................................................................................................................................ 38 Técnica de Alexander ......................................................................................................................... 40 Tuiná................................................................................................................................................... 41 Yoga .................................................................................................................................................... 42 Yin e Yang ........................................................................................................................................... 43 Meridianos ou Canais de Energia....................................................................................................... 44 Legislação Portuguesa referente à pratica de terapias não convencionais ...................................... 45 Medicinas Alternativas no mundo ..................................................................................................... 48 Em Portugal… ................................................................................................................................. 49 Conclusão ........................................................................................................................................... 50 Bibliografia/Webgrafia ..................................................................................................................... 501

3


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Introdução Ultimamente, assistiu-se a um notável aumento da divulgação e da popularidade das medicinas alternativas, cuja diversidade é cada vez mais vasta porque esta medicina baseia-se na tese de que é possível obter uma cura simples e indolor através de métodos naturais, para que seja possível a reposição do equilíbrio perdido. Embora estas técnicas não se baseiem oficialmente em pressupostos científicos, o principal factor para a sua grande popularidade nas sociedades são os seus evidentes benefícios, uma vez que os indivíduos se sentem aliviados dos sintomas maléficos e também sentem um bem-estar emocional. Assim, científicas ou não, mas com resultados visíveis na maioria dos casos, estas técnicas contam já com milhares de anos de história e, por isso, vale sempre a pena conhecermos as medicinas que durante séculos auxiliaram milhares de pessoas, tanto nos países orientais, como nos ocidentais, apesar de não serem reconhecidas e devidamente valorizadas por estes. Pela importância que este tipo de tratamentos implica, denota-se a necessidade de realizar uma abordagem mais aprofundada do tema. Com a realização deste trabalho, pretendemos explicitar o significado de medicinas alternativas uma vez que, apesar deste tipo de tratamento remontar à préhistória, o seu verdadeiro significado é ainda desconhecido para muitas pessoas. Assim sendo, e porque este tipo de medicina engloba diversas terapias diferentes, iremos abordar as seguintes medicinas alternativas, que achámos mais interessantes para este produto: Acupunctura, Aromaterapia, Ayurveda, Cinesiologia, Cromoterapia, Espiritismo, Fitoterapia, Fotografia de Kirlian, Hidroterapia, Hipnoterapia, Homeopatia, Iridologia, Macrobiótica, Magnetoterapia, Massagem, Osteopatia, Quiroprática, Reflexologia, Remédios Florais de Bach, Shiatsu, Técnica de Alexander e Yoga.

Medicina Alternativa Definição A medicina alternativa engloba uma série de métodos e práticas de diagnóstico, assim como, todo um conjunto de terapias que podem ser utilizadas em adição e/ou no lugar do tratamento médico convencional. O significado preciso da medicina alternativa é uma questão que continua a suscitar controvérsia e que depende, em grande parte, da definição correcta de medicina convencional. O debate sobre a medicina alternativa é muito complexo, devido à diversidade de tratamentos que são categorizados como alternativos, os quais podem incluir práticas espirituais e metafísicas, tradições não europeias (como por exemplo as chinesas), novas técnicas de cura, entre outros. Os defensores, terapeutas

4


Medicinas Alternativas - 12.ºA ou praticantes de uma categoria alternativa podem rejeitar as outras sem que isso não implique uma rejeição das linhas seguidas pelas medicinas alternativas. Muitos na comunidade científica, definem a medicina alternativa como qualquer tratamento de eficácia e segurança não verificados, e que não são susceptíveis de serem submetidos a estudos controlados e rigorosos.

Introdução Histórica As terapias alternativas ou naturais, que nas últimas décadas parecem estar a readquirir um papel importante no panorama dos tratamentos de saúde, nas sociedades ocidentais, são, na maioria dos casos, mais antigas que a história do Homem. Em todas as sociedades existem tratamentos à base de plantas e remédios populares, muitos deles associados à medicina convencional. Tanto que, cerca de metade dos medicamentos utilizados hoje em dia, tiveram a sua origem em fontes vegetais naturais. Na antiguidade, grande parte das doenças eram imputadas a causas sobrenaturais. Acreditava-se que o doente se encontrava possuído pelos demónios ou caíra no desagrado dos deuses e por isso, muitos medicamentos serviam para exorcizar os demónios. Assim, sacerdotes e feiticeiros eram vistos como médicos, pois acreditava-se que conseguiam que os doentes voltassem a cair na graça dos deuses. Estas crenças alteram-se há cerca de três mil anos, por conta de alguns filósofos indianos, chineses e gregos, que afirmaram que a saúde traduzia o equilíbrio das forças interiores e que a doença surgia quando esta harmonia natural era quebrada. Baseados nesta noção, surgiram diversos sistemas e práticas médicas destinados a manter a harmonia interior. As terapias alternativas dos nossos dias são o seguimento directo dessas práticas medicinais milenares e, ainda hoje, usam muitas das suas técnicas. Após o fim do império romano, surgiu na Europa uma nova visão do mundo, e com ela, novas práticas médicas, que originaram um enorme distanciamento entre a medicina oriental e a ocidental. Este distanciamento alargou-se durante a renascença, com o aparecimento da investigação científica e o início da aplicação dos processos científicos à medicina. No século XX, o povo ocidental abraçou a medicina cientifica, desdenhando, ou até mesmo tornando ilegal, a alternativa. Mas noutros locais do mundo, as terapias tradicionais continuaram a coexistir com a medicina convencional. Mesmo na Índia, onde o ensino da medicina tradicional ayurvédica foi proibido durante o domínio britânico, a prática nunca desapareceu, e depressa ressurgiu quando o país se tornou independente. Ultimamente, o número de pessoas a recorrer às práticas alternativas tem vindo a aumentar significativamente, pois cada vez mais se apercebem de que é uma alternativa viável para atingir e manter uma boa saúde.

5


Medicinas Alternativas - 12.ºA Muitas das terapias alternativas, que em tempos foram abandonadas por serem consideradas inseguras e disparatadas, são actualmente consideradas complementares da medicina convencional e importantes na prevenção e/ou tratamento de diversas doenças.

Fundadores Paracelsus (pseudónimo de Theopfrastus Bombastus von Hohnheim): Foi o fundador da medicina natural científica e nasceu em 1493 em Einsiedeln, cantão de Shwyz, na Suíça. Foi médico, teólogo e filósofo, sendo ele o reformador da medicina do seu tempo, imobilizada na teoria e no formalismo, à qual abriria novos caminhos. A tarefa do médico, segundo Paracelsus, é a de estimular a resistência do corpo a partir de remédios naturais, de modo que o organismo se cure a si próprio, como dizia a máxima popular “Natura sanat, medicus curat” (a Natureza cura, o médico ajuda-a!). Foi o primeiro a reconhecer a relação entre o corpo e a alma e a preconizar uma terapêutica física e anímica. O seu mérito não foi reconhecido na altura, sendo mesmo gozado por colegas e tendo perdido a sua cátedra em Basileia. Acabou por morrer em Salzburg em 1541. No entanto, desde 1952, em reconhecimento dos serviços por ele prestados à medicina moderna, a Associação Médica Alemã institui uma medalha com o seu nome, que é atribuída anualmente a médicos particularmente distintos. Samuel Hahnemann: Tratava de doenças com substâncias muito diluídas para as agravar primeiro e curar depois, após esse agravamento inicial. Segundo ele, aquilo que em doses elevadas provoca manifestações de doença nas pessoas saudáveis, em doses muito diluídas provoca nos doentes os mesmos sintomas. Heinrich Lahmann: O seu trabalho incidiu principalmente sobre a reforma da alimentação e a justificação científica da medicina natural. Maximilian Oskar Bircher-Brenner: Foi o primeiro a demonstrar cientificamente a importância dos alimentos crus, naturais, na manutenção da saúde e no tratamento da doença. A inclusão de alimentos crus na nossa alimentação moderna e o movimento em prol de uma reforma de vida, que defende um modo de vida natural, o consumo de legumes e frutos crus.

Acupunctura A acupunctura faz parte de um conjunto de práticas do mundo oriental, que incluem um estilo de vida, uma forma de alimentação, uma disciplina mental (a meditação), etc. … O Universo encontra-se em equilíbrio graças a um fluxo constante de energia, ou Ki, entre dois pólos opostos: o positivo, ou yang, e o negativo, ou yin. Sendo o homem parte integrante do Universo, este também se encontra em equilíbrio quando está saudável, sendo a doença uma manifestação de desequilíbrio. A energia anteriormente mencionada, circula pelo corpo humano seguindo canais ou meridianos. Ao longo desses meridianos,

6


Medicinas Alternativas - 12.ºA encontram-se os pontos nos quais se inserem agulhas, que são os instrumentos desta técnica curativa. A inserção de agulhas nestes canais visa a redistribuição da energia para restabelecer o equilíbrio, e com isso, a saúde do paciente. Nas sessões de acupunctura, depois de se ter estabelecido o diagnóstico do paciente, o médico decide que meridianos e que pontos devem ser tratados, ou seja, onde devem ser inseridas as agulhas, para que o equilíbrio perdido seja restabelecido. A aplicação das agulhas, é completamente indolor, ficando estas cravadas no corpo cerca de 10 a 20 minutos. Em geral, com esta terapia não se verificam efeitos secundários e, o paciente começa a notar melhorias logo a partir das primeiras sessões. Uma vez que o desequilíbrio, que acaba por se manifestar como uma doença, pode ter começado muito antes dos sinais e sintomas clínicos visíveis aparecerem, a acupunctura também pode ser usada como método de prevenção, restabelecendo o equilíbrio antes da alteração ser demasiado grave. O acupuncturista não fará distinção entre o paciente e a doença cuja saúde global tentará melhorar. Contudo, no contexto da medicina oriental, a acupunctura tem mostrado ser benéfica para todos os tipos de dores, desde a artrite a dores nas costas e lesões desportivas, stress, depressão, fadiga, problemas circulatórios e digestivos. Pode também ajudar nos problemas menstruais, ginecológicos e sexuais, febre dos fenos, asma e distúrbios atípicos como encefalite miálgica e fadiga. Em geral, funciona melhor como tratamento de prevenção, alivia problemas agudos ou as primeiras fases de uma enfermidade. Tal como qualquer outra forma de medicina, a acupunctura não pode inverter os danos provocados nos tecidos. Embora possa reduzir a dor, os inchaços e melhorar a mobilidade na artrite reumatóide, por exemplo, não consegue inverter danos musculares ou deformações ósseas que já tenham ocorrido. A popularização da acupunctura e a sua crescente utilização tanto pelos pacientes como por profissionais da medicina, que a exercem ou a recomendam, provocaram o aparecimento de numerosos defensores e opositores. Enquanto os primeiros insistem no facto de a acupunctura ser eficaz para a cura ou alívio de um grande número de problemas de saúde, os seus críticos afirmam que não existe nenhuma base científica evidente que permita confirmar esta teoria.

7


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Aromaterapia É uma técnica que consiste no tratamento das doenças utilizando óleos altamente concentrados extraídos das plantas. Estes extractos muito perfumados são designados por essências ou óleos essenciais que dão às plantas o seu cheiro característico. Os aromaterapeutas acreditam que muitos têm também propriedades medicinais. Os óleos essenciais são produzidos por minúsculas glândulas existentes nas pétalas, nas folhas, nos caules e na madeira de muitas plantas e árvores. As essências são usadas de várias maneiras, mas sobretudo nos tratamentos de massagens. Podem também ser inalados, acrescentados à água do banho ou utilizados em compressas. Os óleos de pureza são por vezes ingeridos, mas inalados têm uma acção mais rápida, porque os órgãos do olfacto comunicam directamente com o cérebro. Os óleos também podem ser absorvidos através da pele, sendo absorvidos pelos líquidos do corpo e pelo sangue para actuarem internamente.

Óleos de aromaterapia Óleos

Efeitos

Utilizações

Agulhas de Pinheiro

Refresca, Anti-séptico

Asma, cistite e gripe

Alfazema

Refresca, relaxa

Depressão, problemas digestivos

Árvore-do-chá

Anti séptico, purifica

Candidíase, constipações

Resina

Relaxa, calmante

Tensão, cistite, artrites

Bergamota

Refresca, relaxa

Herpes, úlceras, garganta inflamada

Camomila-romana

Refresca, relaxa

Bom para crianças, dor de cabeça

Cânfora

Arrefece, estimula

Prisão de ventre, acne, reumatismo

Cedro

Sedativo

Ansiedade, bronquite, tose

Cipreste

Relaxa, refresca

Varizes, diarreia, menopausa

8


Medicinas Alternativas - 12.ºA Erva-cidreira

Tonifica, refresca

Indigestão, pele oleosa, colite

Esclareia

Aquece, relaxa

Tensão alta, problemas menstruais

Eucalipto

Alivia a cabeça

Dores de cabeça e musculares

Flor de Laranjeiro

Relaxa profundamente

Pânico, stress, insónia

Funcho

Alivia dores de estômago

Má digestão, pedras nos rins

Gerânio

Refresca, relaxa

Distúrbios urinários e viroses

Hissopo

Descongestiona

Problemas respiratórios

Hortelã-pimenta

Refresca

Enjoo de movimento, dor de cabeça

Incenso

Relaxa, rejuvenesce

Cistite, stress, problema de pele

Jasmim

Relaxa, acalma

Apatia, catarro, pele seca

Limão

Refresca, estimula

Má circulação, tensão alta

Manjericão

Anima, refresca

Depressão, problemas digestivos

Manjerona

Aquece, fortalece

Enxaquecas e cãibras

Mirra

Arrefece, tonifica

Úlceras da boca, candidíase, catarro

Patcholi

Relaxa

Depressão, pele seca e feridas

Pimenta-Preta

Estimula

Problemas digestivos, catarro

Rosa

Relaxa, acalma

Bom para crianças, dor de cabeça

Rosmaninho

Revigora, refresca

Memória fraca, bronquite

Salva

Melhora a circulação

Má circulação, infecções virais

Zimbro

Refresca, relaxa, estimula

Artrite reumatóide, insónia

Ayurveda O Ayurveda é uma técnica que pode aliviar qualquer distúrbio, mental, físico ou emocional, mas é particularmente benéfico para problemas digestivos. Nas mãos de um clínico qualificado, este tipo de medicina é seguro para todos. A nossa constituição individual e a forma como se relaciona com as nossas energias é a chave para compreender a medicina ayurvédica. Uma boa constituição é a melhor defesa contra a doença. Se tivermos a funcionar bem, a doença pode não se apoderar de nós, mas quando a nossa constituição se encontra enfraquecida, podemos ficar doentes. O Ayurveda pretende prevenir a doença, actuando no nosso corpo em vez de tentar mudá-lo. Cada um de nós

9


Medicinas Alternativas - 12.ºA possui uma constituição única determinada pelo equilíbrio de três energias vitais existentes no corpo, conhecidos como os três doshas ou tridoshas. Os três doshas são conhecidos pelos seus nomes vátha, pitha e kapha. A constituição de cada pessoa é governada por estes doshas em nós variáveis, mas cada um de nós é também controlado por um ou possivelmente dois doshas dominantes pelo que somos classificados como pertencentes ao tipo vatha, ao tipo pitha, ou ao tipo kapha ou, vatha/pitha, pitha/kapha, etc… O nosso dosha não só determina a nossa constituição e doença a que podemos sucumbir como também determina o nosso temperamento, a cor do cabelo, a nossa tendência para ganhar ou perder peso e que tipo de comida devemos ingerir. Em suma, o nosso dosha afecta cada aspecto da nossa vida diária. Mantemo-nos saudáveis quando os três doshas se encontram equilibrados. Cada uma desempenha um papel no corpo. O vatha é a força impulsionadora; relaciona-se principalmente com o sistema nervoso e energia do corpo. O pitha é fogo; relaciona-se com o metabolismo, digestão, enzimas, ácido e bílis. O kapha está ligado à água das membranas mucosas, fleuma, humidade, gorduras e linfáticos. O equilíbrio dos três doshas depende de muitos factores, principalmente de dieta e exercício, manutenção de uma boa digestão, eliminação saudável dos dejectos corporais e uma equilibrada saúde emocional e espiritual. Existem dois tipos principais de tratamento que são geralmente usados em Ayurveda e chamam-se shodana e samana. Em Ayurveda é essencial desintoxicar o corpo antes de receitar o tratamento, por isso se recorre ao shodana, que é utilizado para eliminar a doença, bloqueios no sistema digestivo ou qualquer desequilíbrios nos doshas. Essa desintoxicação é feita através de massagens, banhos quentes e óleos. Relativamente ao samana, é receitado após a desintoxicação, onde o clínico receita minerais e ervas para corrigir o desequilíbrio dos doshas.

Cinesiologia Cinesiologia vem da palavra grega kinesis que significa movimento e é conhecida como o estudo do movimento. Certos aspectos do organismo foram utilizados por médicos e fisioterapeutas para testar a extensão do movimento, a força e a capacidade de pacientes com lesões musculares. Em 1964 o quiroprático George J. Goodheart descobriu que podia ficar a saber mais sobre a saúde de um paciente testando os seus músculos, do que através de qualquer outro tipo de diagnostico. A cinesiologia aplicada é utilizada para detectar e rectificar desequilíbrios funcionais antes de se transformar em doença. É um misto de tecnologia

10


Medicinas Alternativas - 12.ºA ocidental e de princípios orientais de fluxo energético. Cada um dos órgãos do corpo é alimentado por um canal invisível de energia chamado meridiano. Estes canais actuam em conjunto para formar uma rede energética que alimenta a mente, órgãos e músculos do corpo. A energia flui livremente através destes canais, quando estamos saudáveis, mas a energia bloqueada pode provocar fraqueza no órgão correspondente e afectar o músculo relacionado com ele, por exemplo, os quadricípetes da frente da coxa estão ligados pela energia ao intestino delgado e os tendões da curva do joelho estão de forma semelhante ligados ao intestino grosso. Por isso, se for sensível ao trigo e comer um pedaço de pão, a intolerância regista-se primeiro nos intestinos e depois nos músculos correspondentes das pernas. O cinesiologista testará a força relevante e actuará a partir daí para descobrir a causa do problema. Este sistema aplica-se a problemas físicos, mentais e emocionais. A cinesiologia não é uma cura para qualquer problema. Preocupa-se em detectar e corrigir problemas menores antes de se transformarem numa doença de vulto. O que os médicos chamam de problemas “subclínicos”. Aborda muitos problemas menores de saúde que não são diagnosticados mas são percursores de uma enfermidade. Sensibilidade alimentar, problemas digestivos, rigidez articular, vários tipos de dor, cefaleias, lombalgias e fobias podem ser todas tratadas com a cinesiologia.

Cromoterapia A cromoterapia utiliza a cor para tratar problemas mentais, emocionais e físicos e restaura a saúde e harmonia. A cor pode ser usada de formas muito diferentes, alguns terapeutas combinam-na com a reflexologia, aromaterapia e acupunctura. Baseia-se no princípio de que cada cor vibra consoante a sua própria frequência. Ou seja, todas as coisas no mundo, como por exemplo as células, vibram segundo uma determinada frequência, existindo certas perturbações que fazem alterar estas frequências, provocando uma saúde deficiente. Julga-se que a escolha de uma cor que vibre à frequência necessária para restaurar o equilíbrio das células inicia a sua cura. Os terapeutas não devem apenas escolher a cor correcta, mas aplicá-la na quantidade certa para garantir o equilíbrio adequado, isto porque cada cor tem tantas características positivas como negativas. Uma forma de trabalhar com a cor é o terapeuta mostrar-nos oito cartões coloridos e pedir-nos que escolhamos os três que mais nos agradam. Isto baseia-se no teste cromático de Lüscher. As três cores escolhidas podem revelar o nosso estado emocional, mental e físico

11


Medicinas Alternativas - 12.ºA indicar zonas de deficiência que necessitem de reequilíbrio através de uma cor complementar. Muitos terapeutas também trabalham com a nossa aura e os nossos chakras. A aura é o nosso campo energético que alguns indivíduos mais dotados afirmam ver como uma nébula de luz colorida a rodear o corpo. As cores da aura possuem o seu próprio significado e são afectadas pela saúde e qualidade energética. Os chakras são os sete principais centros de energia do corpo. Situam-se na região sagrada (zona da coluna vertebral), no abdómen, plexo solar, garganta, testa e nuca. Cada chakra possui a sua própria cor e incidência física, mental e espiritual própria. Os clínicos acreditam que a cromoterapia pode ajudar as pessoas com problemas mentais, emocionais e físicos, incluindo insónia, asma, depressão, dor, ansiedade, stress e problemas comportamentais. Pode também acelerar a recuperação de uma doença ou período de convalescença. Desde que este tipo de medicina natural seja aplicada por um clínico qualificado, é bastante segura. Todavia, demasiada quantidade de uma dada cor pode afectar a saúde, por exemplo, o vermelho tem que ser utilizado com cautela isto porque pode diminuir a resistência à dor e aumentar a pressão sanguínea, causando alterações cardíacas da função cerebral.

COR - SIGNIFICADO VERMELHO

Ativador da circulação e sistema nervoso (não utilizado) Age como desobstruidor e cauterizador das veias, vasos e artérias e eliminador de

ROSA FORTE impurezas no sangue ROSA

Activador, acelerador e eliminador de impurezas do sangue

LARANJA

Energizador e eliminador de gorduras em áreas localizadas

AMARELO FORTE

Fortificante do corpo, age em tecidos internos

AMARELO

Reactivador, desintegrador de cálculos, purificador do sistema e útil para a pele

VERDE FORTE

Anti-infeccioso, anti-séptico e regenerador

VERDE

Energia de limpeza, vaso-dilatador e relaxante dos nervos

AZUL FORTE

Lubrificante das juntas e articulações Sedativo, analgésico, regenerador celular dos músculos, nervos, pele e aparelho

AZUL circulatório Anestésico, coagulante e purificador da corrente sanguínea. Limpa as correntes ÍNDIGO psíquicas VIOLETA

Sedativo dos nervos motores e sistema linfático, cauterizador das infecções e

12


Medicinas Alternativas - 12.ºA inflamações COR - ENFERMIDADES Indigestão, hepatite, icterícia, fígado, vesícula-biliar, pâncreas, rins, intestinos, AMARELO espinhas e afecções da pele LARANJA

Asma, bronquite e pulmões

VERDE

Problemas sanguíneos, feridas, infecções e cistos mamários Resfriado, sinusite, infecção do ouvido, stress, tensão nervosa, reumatismo agudo e

AZUL FORTE articulações Inflamação de garganta, tiróide, prisão de ventre e espasmos

AZUL

Inflamações dos olhos, catarata, glaucoma, cansaço ocular, epistache (sangramento ÍNDIGO nasal) e nevralgias

Espiritismo O espiritismo pode ser definido como a ciência que estuda a natureza, a origem, o destino e as relações dos espíritos com o mundo corporal. Foi fundado por Allan Kardec, nos finais do século XIX. Segundo a sua doutrina, o Homem é formado por três elementos: o espírito, onde reside o pensamento, a vontade e o sentido moral; o periespírito, laço entre o corpo e o espírito; e o corpo, invólucro material do espírito. Enquanto o corpo morre, o espírito e o periespírito são imortais e podem manifestar-se aos vivos por meio de pessoas especializadas – os médiuns – em cujo corpo se instalam para se poderem exprimir. Desta forma, apenas se pode acreditar no espiritismo se se admitir que o Homem possui uma alma imortal, que tem existência própria, independente da existência corporal. Os espíritos são as almas das pessoas que morreram e, é perfeitamente compreensível que, mesmo no estado “imaterial” conservem laços afectivos com as pessoas que os rodearam em vida. Estes, podem dar-se a conhecer de diversas maneiras: por meio de alterações na consistência do periespírito, tornam-se visíveis, adoptando geralmente a aparência que tiveram em vida; através de manifestações ocultas podem influenciar o pensamento e os actos dos vivos, ou ainda, por meio de efeitos apreciáveis pelos sentidos, tais como ruídos, luzes, movendo objectos, entre outros – comunicações manifestas.

13


Medicinas Alternativas - 12.ºA Os espíritos podem ajudar-nos a corrigir defeitos e modos de acção, permitindo melhorar aspectos morais. Um outro aspecto relevante no espiritismo diz respeito aos médiuns: estes não exercem qualquer influência sobre os espíritos, devendo apenas esperar que este se mostre. Geralmente, os bons médiuns comunicam com espíritos bons, honestos e prudentes enquanto que os médiuns moralmente incorrectos são “vítimas” dos espíritos maus. Actualmente, o termo "cirurgia espiritual" é associado a uma prática onde uma suposta entidade espiritual, com ou sem a incorporação num médium hospedeiro, e sem cortes, executariam cirurgias buscando a reabilitação do enfermo. Existem relatos anedóticos de sucesso na cura em grande número de casos, gerando algum confronto com os conhecimentos actuais da ciência, mas não há nenhuma demonstração científica dessas curas que não seja explicada por outros mecanismos, como o efeito placebo. Porém, o Conselho Federal de Medicina e a comunidade científica de modo geral, alertam que esse tipo de cirurgia não deve ser feita em substituição da medicina tradicional, principalmente em casos graves. Se alguém convencer um paciente de que esse método é eficaz, este pode ser culpado de charlatanismo, principalmente se a "cirurgia espiritual" for cobrada ou causar algum dano no paciente por negligência de socorro, podendo pagar multas e ser condenado a até 1 ano de prisão.

Fitoterapia Genericamente, baseia-se no tratamento médico por meio de plantas medicinais ou fitoterapêuticas. Usam-se para o efeito, os caules, as cascas, as flores, os frutos e também as sementes. É uma das técnicas mais antigas do mundo que teve origem, provavelmente, nos tempos da préhistória, quando o Homem descobriu, através da prática e da experiência, que certas plantas possuíam poderes curativos. Hoje em dia, os medicamentos da medicina convencional, produzidos industrialmente, são feitos à base de plantas, por isso, os técnicos referentes continuam à procura de novas fontes vegetais, para que talvez um dia, a cura do cancro, da sida e de outras doenças seja possível por meios naturais. Um dos locais onde essa pesquisa é mais intensificada é na floresta Amazónica, pela sua riqueza fitoterapêutica. Ainda que muito positiva, esta terapia tem os seus riscos intrínsecos: existem inúmeras plantas venenosas, que podem causar variados problemas, desde vómitos à morte e, para além disso, há que ter sempre em conta que os remédios têm doses próprias e que devem ser tomados consoante essas doses. Na china, esta técnica é conhecida há milhares de anos e, as plantas utilizadas nestes tratamentos, são rigorosamente seleccionadas para que não haja mistura de remédios incompatíveis. Assim, as receitas baseiam-se nas classificações das plantas segundo as suas características físicas e no facto de serem Yin –

14


Medicinas Alternativas - 12.ºA frescas ou frias; ou Yang - mornas ou quentes. Mais especificamente, podem ser classificadas em cinco sabores e/ou quatro direcções de acção. Ver classificação chinesa das plantas fitoterapêuticas.

Planta

Alcaçuz

Utilização

Precauções

Irritação da pele e membranas

Geralmente seguro, usado

mucosas; úlceras; auxiliar da

em excesso, eleva a tensão

digestão;

arterial;

Geralmente seguro, mas cru Anti-séptico; reduz a tensão pode irritar a pele e as Alho

arterial alta e os níveis de mucosas; não deve substituir colesterol no sangue; medicamentos receitados; Anunciado às vezes como Hidratante da pele; pequenos

laxante ou para distúrbios do

cortes; queimaduras do sol;

estômago, a sua ingestão é

Aloés perigosa;

Geralmente seguro; o uso Emoliente nas inflamações e excessivo pode causar

Alteia irritações intestinais; feridas;

diarreia;

Calmante da tosse; auxiliar da Geralmente seguro;

Anis digestão;

15

Ilustração


Medicinas Alternativas - 12.ºA Uso exclusivamente externo.

Arnica

Anti-Inflamatório e analgésico

Provoca toxicidade cardíaca

nas luxações e equimoses;

se ingerido; suspenda o uso

dores musculares

se o linimento de arnica lhe causar dermatite;

Em chá: sedativo, auxiliar da digestão; dores menstruais. Em

Geralmente seguro em

compressas: artrite; problemas

pequenas quantidades;

Camomila da pele;

Ferimentos na pele; Não deve usar-se equimoses; queimaduras e internamente devido à

Consolda furúnculos; reduz o edema nas

possível toxicidade hepática; entorses; calmante da pele;

Em compressas: úlceras da pele; picadas. Em chá:

Geralmente seguro em

infecções da bexiga; febre;

pequenas doses;

Equinácea cefaleias;

Geralmente seguro em Espinheiro-

Laxante; auxiliar da digestão;

Cerval

tónico; irritações da pele;

pequenas doses. Não deve tomar-se durante a gravidez;

Congestão nasal e dos seios

O óleo irrita os olhos e as

perinasais; tosse;

membranas mucosas;

Eucalipto

16


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Expectorante; tónico digestivo; Feno-Grego

laxante. Em cataplasma alivia

Geralmente seguro

furúnculos e úlceras de pele

Funcho

Auxiliar da digestão;

Geralmente seguro

Geralmente seguro, mas Tónico geral; fluidifica o

muito do que se diz das suas

sangue; afrodisíaco;

propriedades curativas nunca

Gienseng foram provadas;

Não deve ingerir-se. Diz-se Adstringente; irritações

que possui propriedades

cutâneas; hemorróidas;

anti-sépticas e anti-

Hamamélia inflamatórias;

Expectorante; dor de garganta; Geralmente seguro;

Hissopo tosse; auxiliar da digestão;

HortelãAuxiliar da digestão;

Geralmente seguro;

Pimenta

17


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Descongestionante; Marroio

expectorante; alivia a tosse;

Geralmente seguro;

baixa a febre;

Geralmente seguro, pode Matricária

Analgésico; provocar aftas se mastigada;

Analgésico; sedativo;

Pode agravar problemas

problemas de auto-imunidade;

hemorrágicos;

Onagra

Ferimentos na pele; alivio de Não deve ingerir-se;

Sassafrás picadas;

Taráxo

Laxante; tónico; diurético;

Geralmente seguro;

Diurética; cistite: cálculos dos

Geralmente seguro, mas não

rins e da bexiga;

deve substituir antibióticos;

Uva-Ursina

18


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Geralmente seguro, mas não Valeriana

Facilita o sono; alivia o stress

deve tomar-se durante a gravidez;

Fotografia de Kirlian A fotografia de Kirlian foi desenvolvida em 1939 por um electricista russo chamado Semyon Kirlian e a sua mulher Valentina. A técnica é uma forma de fotografar a qualidade de energia da pessoa ou objecto. Baseia-se na convicção que somos seres eléctricos e que a energia eléctrica humana pode ser fotografada e analisada. Quando utilizada com pessoas as mãos e pés são as zonas mais vulgarmente fotografadas. Para a realização da fotografia de Kirilian, colocam-se as pontas dos dedos, dos pés ou das mãos em placas fotográficas, numa máquina que emite um sinal eléctrico de alta frequência. A imagem produzida a qualidade de energia da pessoa, mostrando a sua capacidade de ressonância com a frequência emitida pela placa. A imagem varia dependendo da forma como a pessoa fotografada se sente. Por vezes, não resiste a nada, por exemplo se a pessoa estiver em choque ou exausta. Se, por outro lado, a pessoa estiver cansada pode produzir uma imagem que apresenta “estrias” erráticas, nome dado à “penugem” esbranquiçada à volta do contorno da impressão. O terapeuta analisa as estrias e a continuidade da “coroa” ou contorno da imagem, em busca de informação sobre a qualidade da sua energia. A fotografia de Kirlian pode ajudar pessoas que perderam a sua identidade após o divórcio, ou quando os filhos abandonam a casa. Tem sida utilizada na pesquisa da monitorização dos efeitos de medicação, no controlo de problemas crónicos, para detectar o período mais fértil do ciclo menstrual em

19


Medicinas Alternativas - 12.ºA mulheres subférteis e mostrar o estado do desenvolvimento de um cancro, afim de se poder aplicar o tratamento mais adequado.

Hidroterapia Na base da hidroterapia reside a crença de que a água é a essência da vida. Forma a maior parte do nosso corpo e é um elemento constituinte da maioria dos alimentos. Podemos viver apenas uns dias sem ela. É utilizada nas suas diversas formas para induzir relaxamento, estimular a circulação sanguínea, eliminar impurezas, medicamentos ou álcool, aliviar dores e rigidez e curar doenças. O corpo humano pode beneficiar da água de diversos modos (em compressas, pulverizações ou banhos, etc.), mas o factor mais importante é a sua temperatura. A água ou o vapor quentes dilatam os vasos sanguíneos, estimulam a sudação, relaxam os músculos e as articulações e atraem calor à superfície. Enquanto que a água fria constringe os vasos sanguíneos, reduz a inflamação e a congestão superficial e estimula o afluxo de sangue aos órgãos internos. Segundo o criador da moderna hidroterapia, Sebastian Kneipp, a água era o principal meio de estimular ou mitigar os próprios poderes curativos do organismo. Banhos quentes e frios, banhos de vapor, compressas quentes e frias, duches e banhos aos pés eram acompanhados de um rigoroso programa de alimentação e exercício que Kneipp recomendava para libertar o organismo de impurezas. Pessoas com dores nas costas, problemas das articulações e reumatismos podem sentir-se aliviadas com tratamentos à base de água como parte da sua fisioterapia. Também é benéfica para pessoas que tenham lesões musculares e sofram de paralisia após uma doença, lesão ou acidente vascular. Eis algumas técnicas de hidroterapia: •

Fisioterapia – para doentes com músculos enfraquecidos ou atrofiados após uma operação ou lesão ou em virtude de doença prolongada ou acidente vascular, é provável que o fisioterapeuta inclua a terapia pela água como parte do tratamento. Um doente submerso em água morna é parcialmente sustentado por esta, de modo que os músculos e as articulações relaxem. O calor dilata também os vasos sanguíneos, aumentando o fluxo sanguíneo e a oxigenação dos tecidos, o que contribui para a cura.

Compressas – para aumentar o afluxo do sangue a uma zona ou órgão doente e eliminar impurezas graças a um aumento da sudação, o terapeuta pode aplicar compressas quentes. Também a própria pessoa pode utilizar compressas quentes em casa para aliviar músculos tensos. Passe um

20


Medicinas Alternativas - 12.ºA pano por água quente, mas não excessivamente quente e enrole-o em volta do local da dor, onde ficará até arrefecer. •

Banhos – um tratamento vulgar da hidroterapia é um banho de 20min em água quente a 38ºC e com altura suficiente para cobrir os ombros. Este banho relaxa os músculos, alivia a dor e promove a sudação, que elimina as impurezas do corpo. Os banhos frios com a água a cerca de 16-20 ºC reduzem a inflamação e melhoram a circulação, de modo que o oxigénio e os nutrientes são levados a todo o corpo com maior eficiência.

Banhos de assento – nos casos de cistite, prisão de ventre, hemorróidas e problemas dos órgãos reprodutores são recomendados banhos de assento. São utilizadas duas banheiras e enche-se uma das banheiras com água quente e outra com água fria. A pessoa senta-se na de água quente, de modo a cobrir as ancas e o abdómen, durante três minutos, com os pés na banheira de água fria; depois, senta-se na de água fria durante um minuto, com os pés na de água quente (pode repetir-se a operação).

Duche – um jacto de água quente (quente, fria ou alternadamente quente e fria) lançado sobre parte ou todo o corpo é utilizado para uma grande diversidade de queixas, desde anemia e artrite até às diabetes, cálculos biliares e dores de cabeça. A temperatura da água é o factor mais importante do tratamento; os benefícios são os

mesmos dos banhos, mas o impacte do duche intensifica os efeitos. As hidromassagens aumentam igualmente os efeitos, mas n tanto como os duches. A água do mar e termais tornam os duches particularmente eficazes.

Hipnoterapia Não há uma definição única aceite de hipnoterapia. Mas pode ser descrita como uma forma de psicoterapia que actua a nível do subconsciente, alterando o pensamento e os padrões de comportamento. A palavra «hipnose» refere-se ao estado de transe em que se entra quando se é hipnotizado, sendo a «hipnoterapia» a prática de induzir a cura ou facilitar a mudança em estado de hipnose. Originalmente, os hipnotizadores acreditavam que a hipnose era uma forma de sono e alívio ao induzir um transe profundo nos seus pacientes, utilizando técnicas autoritárias, em que o terapeuta «ordena» ao paciente que faça a mudança. Os terapeutas modernos criam uma relação com os seus clientes que os capacita a «sugerir» as mudanças. Acredita-se agora que a profundidade do transe não tem relação com o tratamento. Os

21


Medicinas Alternativas - 12.ºA modernos hipnoterapeutas utilizam técnicas simples para induzir um transe ligeiro que pode produzir os resultados mais espantosos. Quando em transe, ficamos mais sugestionáveis e colaborantes do que em estado normal e a nossa mente torna-se mais predisposta a aceitar novas informações, mas apenas aquilo que queremos ouvir. Assim, o terapeuta pode fazer sugestões que armazenamos na nossa mente, programando-a para aceitar ou rejeitar certas convicções ou padrões de comportamento. Se, por exemplo, temos medo de aranhas, ele pode sugerir que esse medo já desapareceu. Se tivermos dispostos a ultrapassar a nossa fobia, a nossa mente absorve a sugestão e substitui o velho medo pela nova ausência de medo. O mesmo pode acontecer com a dor. É uma sensação física, mas é registada pelo cérebro. Se, na hipnose, a mente aceita que não sentimos dor, então não a sentimos. A mente é incrivelmente poderosa e está inextrincavelmente ligada ao corpo. Isto fica demonstrado durante um transe hipnótico quando se pode abrandar o ritmo da respiração, dos batimentos cardíacos e do metabolismo e quando a dor é reduzida e as reacções alérgicas interrompidas. Os hipnoterapeutas acreditam que a mente tem o poder de criar qualquer doença e de a curar, activando o mecanismo de cura e reparação que é controlado pelo subconsciente. Esta técnica pode ser usada a par de outras terapias, como a osteopatia ou a acupunctura, para reforçar os seus benefícios. O seu sucesso depende da cooperação do indivíduo com o terapeuta, mas muitos dos que se submetem à hipnoterapia estão dispostos e desejosos de mudar. Temos consciência da mente consciente porque a utilizamos para as decisões do dia-a-dia. Mas a mente consciente é regida pelos desejos do muito mais vasto subconsciente, como sejam todas as funções mentais e físicas de regulação da pressão sanguínea ao armazenamento de recordações. Um desejo subconsciente é tão forte que triunfa sempre sobre um desejo consciente. Por exemplo, podemos tomar uma decisão de parar de fumar, mas se o nosso subconsciente não quiser, então não paramos. Os terapeutas começam a hipnose estimulando-nos a relaxar pois acreditam também que a mente subconsciente é a fonte da energia e poder humanos e a sede do nosso eu real. Se não aprendemos a compreender o nosso subconsciente, nunca nos compreenderemos a nós próprios, e se não a aprendermos a utilizar o nosso verdadeiro potencial. Um outro ponto importante sobre o subconsciente é o facto de acreditar em tudo quanto lhe dissermos. O hipnotismo explora esta submissão mental pondo a dormir momentaneamente a mente consciente, a fim de chegar ao subconsciente, onde podemos substituir as convicções negativas por outras positivas e colocar emoções construtivas em substituição das destrutivas.

Homeopatia É uma forma de medicina que trata o corpo como um todo e ajuda-o a curar se a si próprio. O tratamento resulta em doenças agudas (curto prazo) e em distúrbios crónicos (longo prazo) e a sua finalidade é evitar não só a doença como trata-la. O nome homeopatia vem do grego “homios” que

22


Medicinas Alternativas - 12.ºA significa semelhante e “phatos” que significa sofrimento. A homeopatia significa então tratar o semelhante com o seu semelhante. Na prática, isso significa que uma substância que provoca sintomas de doença numa pessoa saudável pode também curar sintomas semelhantes quando estas resultam de doenças. Esta perspectiva opõe-se á medicina convencional, ou alopática, que trata a doença com um antídoto, em vez de o fazer com uma substância similar. Assim, um médico alopático tratará a diarreia com uma substância que causa obstipação, enquanto um homeopata ou médico homeopata trataria com uma dose mínima de uma substância que realmente provocaria diarreia se ministrada em dose maior. As substâncias mínimas usadas no tratamento chamam-se remédios homeopáticos. Estes são receitados para a pessoa e para a forma como reage a doença, não apenas para a doença. Um remédio não é homeopático por ser receitado por um homeopata mas porque corresponde á situação do paciente. Há mais de 2000 remédios homeopáticos que são referidos pelo seu nome abreviado. Por exemplo, Argentum nitricum é conhecido como Arg nit. A par dos remédios homeopáticos, os homeopatas receitam sais tecidulares. Sais tecidulares bioquímicos são ingredientes preparados homeopaticamente que foram introduzidos no final do século 19 por um médico alemão. Acreditava-se que muitas doenças eram provocadas pela deficiência de um ou mais dos 12 sais minerais vitais e que uma deficiência em cada sal tinha sintomas específicos. A falta de calcarea phosphorica, por exemplo, manifesta-se em problemas dentários ou na incapacidade em absorver adequadamente os nutrientes, enquanto a falta de fosfato de magnésio afecta as terminações nervosas ou os músculos. Substituiu os minerais em falta com uma dose mínima do sal tecidular, para corrigir o problema. Os sais tecidulares preparam se recorrendo a fontes minerais, mas os remédios homeopáticos são de origem animal, vegetal e mineral. Podem ser tão exóticos como veneno de serpente ou tão vulgares como cebolas, mas estão todos tão diluídos que não produzem efeitos secundários possíveis, mesmo com as substancias mais tóxicas. Extractos do ingrediente natural são dissolvidos num misto de álcool e água, ficando a repousar duas a quatro semanas. Durante este tempo, são agitados ocasionalmente e depois coados. A solução coada é conhecida como tintura mãe.

23


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Iridiologia A iridiologia é o exame da íris do olho para avaliar o estado de saúde do indivíduo e a sua tendência para desenvolver uma doença particular. Os médicos há muito que acreditavam que os nossos olhos fornecem muitas informações sobre a nossa saúde, mas foi só no século passado que o médico húngaro, Ignatz von Peczeley, descobriu de que modo essa informação podia ser pormenorizada. Em criança, von Peczeley,

estava

a

brincar

com

um

mocho

quando

acidentalmente partiu a perna da ave, e, então reparou que uma marca negra aparecia no olho do mocho. Anos mais tarde, quando trabalhava como homeopata, von Peczeley, reparou numa marca semelhante no olho de um paciente com uma perna fracturada. Investigações posteriores revelaram-lhe que muitos sinais de má saúde ficavam registados na íris do olho. Contudo, a iridologia não visa diagnosticar a doença. Preocupa-se mais em detectar tendência à enfermidade e em tomar medidas para evitar que essas tendências se transformem numa doença. Os clínicos examinam a cor, textura e marcas do olho. A íris esquerda relaciona-se com o lado esquerdo do corpo e a íris direita com o direito. A cor pode dar uma indicação geral sobre a constituição. Por exemplo, pessoas de olhos azuis têm tendência para desenvolver problemas de acidez, como artrite e úlceras, enquanto que pessoas de olhos castanhos podem ter problemas com a metabolização

de

gorduras,

que

podem

provocar

arteriosclerose ou problemas na vesícula. Íris mistas como verde ou cinzenta são conhecida como “biliares”, indicam uma tendência para perturbações digestivas. Pontos de cor, as fibras da íris e o posicionamento das marcas são tudo aspectos significativos. Os iridologistas utilizam uma carta ocular pormenorizada que assinala a relação entre cada parte do olho e a parte correspondente do corpo. O estômago, por exemplo, é de imediato indicado à volta da pupila em ambas as íris e a pele localiza-se no anel exterior. Utilizando o mapa, o clínico detecta determinados problemas físicos e psicológicos. A iridologia não é utilizada para diagnosticar doenças, mas para detectar problemas que desemboquem em doença. Por exemplo, o iridologista pode ser capaz de dizer a um paciente se os seus rins estão a trabalhar deficientemente ou se tem problemas de digestão. Podem também detectar predisposições hereditárias a doenças, como artrite ou deficiências cardíacas. Deste modo a iridiologia é

24


Medicinas Alternativas - 12.ºA perfeitamente segura para todas as idades, sendo que não deve ser considerada substituta de qualquer tipo de diagnóstico médico.

Macrobiótica A macrobiótica baseia-se na filosofia chinesa do yin e do yang, que são duas qualidades que se equilibram mutuamente e que existem em cada objecto e ciclo natural. Os clínicos macrobióticos acreditam que a macrobiótica muda a condição do sangue, que é formado por três componentes principais – plasma, células vermelhas e células brancas. A quantidade de plasma é cerca 50% das células e esta proporção altera-se de 10 em 10 dias. Portanto, as mudanças na saúde detectam-se em ciclos de 10 dias. Quem inicia um programa macrobiótico há-de detectar grandes mudanças durante os primeiros 10 dias, principalmente como reacção ou como um processo de descarga. Cansaço, irritabilidade, transpiração, insónia e desejos fortes são muito comuns. Depois de cerca de 10 – 30 dias os relatórios variam, mas em geral as pessoas tendem a sentir-se mais despertas, com um aumento de apetite e uma aparência mais calma, mais concentrada e mais flexível. Ao fim de 6 a 8 meses de um programa macrobiótico, o sangue mostra uma grande melhoria e o seu yin e yang estão perfeitamente equilibrados. Caso se mantenha uma actividade física regular e houver grande variedade tanto na dieta como no estilo de vida, então os distúrbios crónicos devem por norma começar a apresentar uma notória melhoria. A mudança de dieta é um grande passo; abordá-la da forma correcta e receber apoio e feedback são essenciais para minimizar erros. É necessário dedicação e paciência para a praticar, mas os clínicos macrobióticos dizem que quando a macrobiótica é executada sem esforço e a pessoa aprecia a comida que ingere, então tornou-se num macrobiótico. A macrobiótica ajuda a fortalecer o sistema imunitário e permite-lhe manter uma boa saúde. È também boa para evitar ou reduzir problemas digestivos, obesidade, fadiga, deficiente concentração, falta de mobilidade física ou de vigor. Alguns clínicos afirmam ter dito sucesso no tratamento e cura de artrites e de algumas formas de cancro. A dieta macrobiótica é considerada excelente para indivíduos saudáveis, pois pode ajudar a evitar o aparecimento da doença. Nas décadas de 70 e 80, surgiu a prática de uma versão perigosa de macrobiótica, que implicava comer pouco mais que arroz integral. Muitas pessoas desenvolveram uma grande subnutrição que de imediato deu a terapia uma má reputação. Desde então, as dietas foram modificadas par reflectir o

25


Medicinas Alternativas - 12.ºA presente pensamento sobre nutrição equilibrada na dieta. Sob a supervisão de um clínico credenciado, a macrobiótica é, por norma, muito segura. Muitas crianças adoptam uma dieta macrobiótica liberal sem quaisquer problemas. Contudo, deve ser aplicada apenas sob orientação de um médico. As mães lactantes, as grávidas e as e as mulheres que pretendem conceber deverão discutir com o médico a possibilidade de adoptar a macrobiótica antes de tentarem iniciar a dieta. Muitos clínicos credenciados estão dispostos a modificar a dieta de modo a adaptar-se as suas necessidades individuais.

Magnetoterapia Os praticantes desta terapia descrevem a aura como um campo magnético em torno do corpo que interage continuamente com outras auras do meio ambiente. Dizem que estas auras individuais estão em contacto com um campo universal de energia espiritual, da qual obtêm a sua força. Muitos praticantes - em especial os que curam pelo espírito - dizem que vêem as auras sob a forma de áreas de luz em volta dos doentes e utilizam-nas como auxiliares do tratamento. Desde os tempos antigos que artistas e místicos reclamam terem visto e retratado este efeito - por exemplo, obras de arte tão diversas como esculturas indianas antigas, pinturas rupestres dos aborígenes australianos e postes totémicos dos índios americanos mostram figuras rodeadas por auras de luz ou linhas que emanam dos seus corpos. Crê-se que as auréolas da arte religiosa ocidental derivam de uma aura dourada vista a refulgir em volta da cabeça da figura temática. Os técnicos da magnetoterapia dizem que, embora habitualmente não tenhamos consciência disso, a aura determina as nossas primeiras reacções relativamente as pessoas e as coisas e que é um aferidor mais rápido e mais sensível que muitas faculdades mais racionais. Estes técnicos acreditam que o desconforto que muitas vezes sentimos na companhia de certas pessoas pode resultar de uma aura que vibra em desarmonia com a nossa própria e que a sensação da paz num determinado lugar provavelmente significa que estamos rodeados por auras harmoniosas. Dizse que as auras das plantas, dos animais e dos minerais comunicam e interagem continuamente entre si como parte de um único sistema vivo. Pensa-se que a aura de cada pessoa é constituída por todas as radiações das células e substâncias químicas do corpo e também das suas interacções.

26


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Massagem A massagem é a manipulação dos tecidos moles do corpo com técnicas específicas que promovem ou restauram a saúde. Os massagistas utilizam as mãos para detectar e tratar problemas nos músculos, ligamentos e tendões nos tecidos moles do corpo. Muitos terapeutas e os que trabalham holisticamente, crêem que a massagem corporal regular pode aliviar a tensão emocional e promover a saúde, restaurandoa de forma gradual na pessoa como um todo. A massagem também constitui a base de outras terapias como a aromaterapia, shiatsu e fisioterapia e têm um papel importante na medicina chinesa de forma calorosa e amigável, e o anestesista segurou a mão de cada paciente enquanto lhe falava. Após a operação, os pacientes do ultimo grupo pediram menos analgésicos e receberam alta de três dias mais cedo pelo que não foi acarinhado nem tocado. Assim, vê-se que o contacto humano ajuda o processo de cura. Há muitos tipos diferentes de massagem. Algumas actuam sobre pontos de pressão ou reflexos, como shiatsu, reflexologia e a massagem chinesa, enquanto outras se concentram em aliviar situações específicas. Por exemplo, a massagem com pomadas é usada para tratar de lesões causadas pelo desporto ou músculos doridos e a drenagem linfática manual é usada para estimular o sistema linfático. Mas as técnicas básicas da massagem como o golpear, amassar, enrugar, socar e nuckling revelaram-se úteis a estimular a cura física e emocional num duplo sentido: através de uma acção mecânica e reflexa. A aceitação de que a massagem pode curar o corpo ajuda a compreender de que modo ocorre a cura. Pode provocar benefícios imediatos mas a recuperação de quem está doente leva o seu tempo. Os massagistas identificaram quatro estados no processo de cura: •

Alívio: as primeiras sessões de tratamento aliviam a dor, reduzem a tensão e acalmam os músculos sujeitos ao stress. Não resolvem necessariamente o problema, mas aliviam os sintomas e o paciente sente-se melhor.

Correcção: quando a dor diminui o terapeuta pode actuar sobre a sua origem subjacente, a fim de evitar reincidência do problema. A acção correctiva implica retoníficar os músculos, descongestionando um sistema linfático preguiçoso ou libertando fibras magoadas ou finas.

Fortalecimento: é importante numa zona muito lesada. A fraqueza no local afectado pode significar problemas recorrentes no futuro. Por exemplo, as lesões provocadas pelo desporto podem causar problemas muito depois de curadas, se a lesão e um longo período de recuperação tiverem enfraquecido os tecidos circundantes. A massagem pode fortalecê-los permitindo-lhes fornecer o adequado apoio quando a lesão tiver sido curada.

27


Medicinas Alternativas - 12.ºA •

Manutenção: é tanto a fase final da cura como o primeiro passo da prevenção. Recomendam-se tratamentos à base de massagens ocasionais para controlar os problemas de saúde e evitar que se transformem num autêntico quebra-cabeças.

Moxibustão É a estimulação dos pontos de Acupunctura através do calor, o que se consegue pela combustão de uma quantidade de pó de Artemisia vulgaris ou sinensis (uma planta que arde sem chama e a temperatura elevadíssima), que se directa ou indirectamente naqueles pontos para regularizar, tonificar e completar o fluxo energético corporal de qi (energia vital). Trata-se de uma prática muito popular na China e no Japão e que é considerada particularmente útil para aliviar a dor pós-operatória e para doenças crónicas como a artrite. Salvo algumas excepções, todos os pontos chineses podem ser moxados. A moxa pode ser utilizada em simultâneo com a agulha ou ser feita individualmente. As moxas são mais indicadas nos doentes idosos, muito debilitados ou nas crianças, pois o seu efeito é mais tonificante; além disso, o seu uso é também recomendável nas épocas mais frias do ano. Existem três métodos de moxibustão. Todos utilizam a moxa, que é preparada secando e rasgando as folhas de artemísia ou secando o pêlo das suas folhas. No método da agulha aquecida, o técnico insere agulhas de acupunctura, depois coloca pequenos cones de artemísia nas cabeças das agulhas e acende-os (as agulhas são por vezes inseridas através de discos de papelão ou material semelhante para impedir que caiam cinzas sobre a pele do doente. O calor assim gerado propaga-se pela agulha e entra no corpo. No método da moxa indirecta, também designado pelo método do rolo de papel, o técnico enche o rolo de papel com 15 cm de comprimento com artemísia e pega-lhe fogo. Depois mantém a ponta acesa sobre o ponto de acupunctura e, quando ficar demasiado quente, retira-a. O número de vezes que este procedimento é repetido varia de acordo com o estado do doente e a natureza da queixa. No método da moxa directa, o técnico prepara pequenos cones de artemísia e aplica-os directamente nos pontos que deverão ser tratados. Em alguns casos pode colocar-se entre a pele e a moxa uma substância adequada (uma rodela fina de batata, por exemplo), de modo a atenuar o calor. A moxa

28


Medicinas Alternativas - 12.ºA emite calor, que se torna cada vez mais intenso à medida que a artemísia se vai consumindo; quando a dor é forte, retira-se bruscamente a moxa.

Osteopatia O maior sistema do corpo é a sua estrutura de ossos, articulações, músculos e ligamentos. É ela que nos permite andar, correr, falar, escrever – ou seja, desempenhar qualquer actividade física. A osteopatia diagnostica e trata os problemas mecânicos da referida estrutura, problemas que podem dever-se a lesão ou stress, por exemplo, e impedem que a estrutura funcione confortável e eficientemente. A postura vertical exerce uma tensão constante sobre o mecanismo de sustentação. São as articulações da coluna e os discos respectivos que suportam a maior carga na posição vertical, e essa carga aumenta quando a postura é incorrecta, tornando mais provável a ocorrência de problemas. Os osteopatas utilizam as mãos para massajar e manipular a estrutura, com o objectivo de restabelecerem um funcionamento normal. As pessoas com problemas de coluna, especialmente na região inferior, e dores no pescoço, representam mais de metade das que procuram a ajuda de um osteopata. As dores de cabeça devido a tensão provocada pela contracção dos pequenos músculos situados na base do crânio são outro problema frequentemente tratado pelos osteopatas. As articulações rígidas ou com dificuldades de funcionamento podem ser libertadas guiando a articulação rapidamente através da sua amplitude de movimento normal. Esta técnica produz o estalido que muitas pessoas associam ao tratamento osteopático. Os osteopatas

recomendam

muitas

vezes

exercício, postura correcta e técnicas de relaxamento que os doentes poderão praticar em casa entre as sessões de tratamento. Muitos médicos reconhecem os benefícios da osteopatia no caso de pessoas com problemas e tensões mecânicas, e cada vez mais médicos de clínica geral enviam doentes a osteopatas credenciados. No entanto, os médicos questionam o valor da osteopatia em relação a doentes com sintomas não-mecânicos.

29


Medicinas Alternativas - 12.ºA Consideram essencial um diagnóstico correcto feito por um especialista qualificado antes de se decidir se a osteopatia será ou não o tratamento mais indicado.

Quiroprática A quiroprática é uma terapia que implica o tratamento dos esqueletos e dos músculos, mais especificamente da coluna e do sistema nervoso. Pode ajudar a combater a asma, dores menstruais, cefaleia, obstipação e problemas digestivos, bem como aliviar a dor nos ombros e nas costas. É conhecida como sendo uma terapia complicada e altamente especializada. Embora seja por muitas vezes comparada com a osteopatia, apresenta diversas diferenças como por exemplo o facto de se concentrar no ajustamento específico manipulando uma articulação de cada vez, enquanto que os osteopatas podem esticar várias ao mesmo tempo; na quiroprática pode-se utilizar a radiografia como parte do diagnóstico, o que na osteopatia raramente se faz; na quiroprática a coluna vertebral é fundamental no tratamento mas não é central na osteopatia. O objectivo da quiroprática é restaurar a coluna ao seu estado natural perfeitamente funcional apropriado a cada pessoa, e pode aliviar a pressão sobre o sistema nervoso que liga a coluna a todos os órgãos fundamentais do corpo. A palpação implica movimentar uma articulação até onde pode ir sem dor para o paciente, enquanto que a manipulação envolve levar a articulação ainda mais longe com qualquer das diferentes técnicas. Neste terapêutica a força e velocidades aplicadas são de extrema importância. Existem três técnicas distintas na quiroprática: •

Técnica de Impulso Directo: É caracterizada por

movimentos rápidos e energéticos. O quiroprático aplica as diferentes partes da mão às articulações específicas que quer manipular, como por exemplo o quiroprático utiliza a parte média ou a base do indicador quando pretende ajustar o pescoço ou a zona ossuda do pulso para ajustar a zona torácica ou a coluna lombar. Assim leva a articulação à máxima da extensão do movimento e aplica directamente um movimento a alta velocidade para obter o ajustamento correcto. Poderá ocorrer um estalo resultado do rebentamento das bolhas de fluido entre as superfícies da articulação. •

Técnica do Impulso Indirecto: Utilizada quando o método anterior se revela demasiado doloroso.

São necessários alguns minutos para esticar suavemente a articulação sobre uma superfície rija (toalha ou maca). •

Técnica dos Tecidos Moles: Esta manipulação geralmente é utilizada antes de um ajustamento para

reduzir a tensão muscular e relaxar as articulações para permitir um mais fácil ajustamento. É também utilizada para libertar os “pontos-chave” dos músculos presos, deste modo estabelece-se uma semelhança entre essa técnica e a acupunctura.

30


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Pode obter-se as melhorias necessárias logo após o primeiro tratamento, mas o tempo necessário para uma recuperação completa depende do tipo de problema, do tempo desde que este se manifestou e da idade do paciente. Podem ser precisas duas ou três visitas nos primeiros sete a dez dias e depois semanalmente sessões bissemanais ou de dez em dez dias até resolver o problema. Após isto é aconselhável fazer um check-up duas vezes por ano. Apesar de o método ser relativamente seguro, não se aconselha em casos de ossos lesados ou com cancro dos ossos. As grávidas podem também ser tratadas, mas os quiropráticos não utilizam raio X pois é um risco para o nascituro.

Reflexologia A reflexologia baseia-se na massagem dos pontos reflexos dos pés, das mãos ou das orelhas, para conseguir um aumento da circulação sanguínea e um relaxamento de todo o corpo. Os reflexologistas não isolam as doenças, tratando apenas os seus sintomas, mas tratam o indivíduo

como

um

todo,

conduzindo-o a um estado de equilíbrio e de harmonia. Estes acreditam que o pé esteja dividido em

zonas

de

reflexo

que

correspondem a todas as partes do corpo e, ao serem estimulados, irão actuar

sobre

correspondentes

os de

órgãos modo

a

encontrar o normal funcionamento do corpo e, por consequência, a saúde geral do indivíduo. Durante o tratamento, e seja qual for a doença, todas as áreas reflexas de ambos os pés são massajadas. Se estabelecermos uma linha que divide o corpo verticalmente em duas metades simétricas e a seguir, dividirmos cada metade em cinco zonas, que o percorram verticalmente, teremos no total, dez zonas onde o fluxo de energia se relaciona com os órgãos que se encontram nela. Uma alteração num ponto deste percurso pode manifestar-se à distância e, em outro órgão diferente daquele que foi afectado inicialmente. Esta divisão também se encontra nas mãos e nos braços mas a sua definição não é tão evidente, uma vez que são mais móveis que as pernas. Numerosos terapeutas, após diversos anos de estudo e prática, concluíram que a reflexologia actua ao nível fisiológico e espiritual.

31


Medicinas Alternativas - 12.ºA Para os reflexologistas o corpo tem a capacidade de se curar a si mesmo. Depois da doença, do stress ou da lesão, o corpo está em “desequilíbrio” e estes acreditam que, os “caminhos da energia vital” estejam bloqueados, impedindo assim o normal funcionamento do corpo. Numa sessão de reflexologia, o terapeuta e o paciente devem estar confortavelmente instalados. Os dedos do terapeuta correm o pé do paciente, dobrando-o e endireitando-o pela articulação. Na reflexão, o polegar pressiona a planta do pé e este, é flectido várias vezes; o polegar percorre a planta do pé, do calcanhar para a ponta dos dedos. Os efeitos, frequentemente poderosos, desta terapia podem significar que nem sempre seja indicada durante a gravidez ou para quem sofra de artrite nos pés, diabetes, certos distúrbios no coração, osteoporose ou distúrbios da tiróide. Nestes casos o tratamento necessitará de cuidados especiais, ou deixará mesmo de ser feito.

Remédios Florais de Bach O Dr. Bach era invulgar entre os médicos do seu tempo, porque acreditava em tratar pessoas, e não as suas doenças. Acreditava que a natureza da pessoa exercia o impacte directo sobre a sua saúde física. Falava com os seus pacientes, confortava-os e observava-os à espera de detectar sinais que mostrassem de que modo a sua natureza afectava a sua doença. Depois de considerável estudo, concluiu que a doença é apenas uma manifestação de pensamentos negativos, como o medo, ansiedade, mágoas, frustração e desespero. Curar as pessoas, acreditava, consistia em curar os pensamentos negativos que as tornavam doentes. Descobriu ainda que todos os pacientes com as mesmas dificuldades emocionais podiam ser curados com o mesmo nosodo (preparação homeopática feita de descargas de doença que, em quantidades mínimas, podem ser usadas para tratar os efeitos secundários da doença em causa), independentemente dos seus sintomas físicos. As suas investigações iniciais das origens emocionais da doença levaram-no a procurar outros remédios naturais para enfrentar as causas emocionais e mentais da doença antes de se tornarem sintomas físicos. Há 38 remédios Florais de Bach criados para apoiar cada atitude, personalidade e estado mentalmente negativo concebíveis. Foram desenvolvidos como um sistema completo e, antes de morrer, Bach deixou instruções para não se acrescentar mais nenhum remédio. O objectivo era manter o sistema simples e, embora alguns terapeutas possam considerar o sistema um pouco restritivo, os remédios foram preparados para o auto-alívio e muitos apreciam a sua simplicidade. Bach classificou os problemas emocionais em sete grandes grupos: medo, incerteza e indecisão, insuficiente interesse nas circunstâncias presentes, solidão, hipersensibilidade, abatimento ou desespero e excesso de preocupação pelo bem-estar dos outros. Através da sua subtil energia vibracional, os remédios actuam para curar cada aspecto negativo dos sete tipos de doenças emocionais, restaurando assim a harmonia mental e evitando a manifestação de

32


Medicinas Alternativas - 12.ºA qualquer doença física. Os remédios Florais de Bach podem complementar outras terapias, como a fitoterapia, homeopatia ou aromaterapia, ou ser utilizados sozinhos. Todas as manhãs, Bach passeava a pé e reparava no orvalho das flores. Pensou que enquanto o orvalho permanecia nas plantas devia absorver algumas das suas propriedades. Juntou e testou o orvalho de certas flores e reparou que podia ter um efeito positivo sobre a mente. Testou diversas flores e plantas, aparentemente por instinto e chegou aos 38 remédios. Testou-os em si mesmo e, durante vários dias, antes de descobrir cada flor, experimentava um particular estado negativo de alma e os consequentes sintomas físicos que exigiam um remédio. Então, partia à procura da flor que lhe restaurasse a sua paz de espírito e corpo. Testou cada flor, colocando uma pétala na língua ou na mão e sentiu de imediato os benefícios de uma que resultava. Primeiro, sentiu as melhoras mentais e depois os sintomas físicos desapareceram. Os remédios Florais de Bach são tão simples que, em geral, são considerados placebos. Não actuam a nível bioquímico e, como remédio, não contém nenhuma parte física da planta, as suas propriedades e acções não podem ser detectadas ou analisadas como uma droga ou uma preparação de ervas. Os terapeutas acreditam que os remédios contêm a energia ou marca da planta com que foram feitos e actuam de forma similar aos remédios homeopáticos.

Tabela de Remédios Florais de Bach Denominação

Aplicação Determinado para indivíduos que sofrem no seu interior, mas que não o

Agrimony demonstram exteriormente, ou seja, para (Agrimonia eupatoria) pessoas angustiadas, ansiosas, aflitas, que apesar destes sentimentos estão sempre com um sorriso no rosto. Apropriado para pessoas como medos Aspen (Populus Tremula)

vagos ou indefinidos, com medo de fantasmas, espíritos e maus presságios, medo do desconhecido e de fenómenos paranormais. Adequado para quem é demasiadamente

Beech crítico, arrogante, intolerante, racista, ou (Fagus sylvatica) seja, para pessoas que costumam julgar e condenar os outros, irritando-se com os

33

Imagem da flor


Medicinas Alternativas - 12.ºA seus hábitos. Ajustado para os incapazes de colocar limite nos outros, que não sabem dizer não. Pessoas de boa índole, que querem Centaury agradar e acabam por ser exploradas, até (Centaurium erythraea) mesmo algumas que negligenciam suas necessidades a favor das necessidades dos outros. Também para pessoas influenciáveis. Determinado para os que não confiam em Cerato

suas próprias opiniões e procuram sempre

(Ceratostigma

o apoio dos outros, assim, para pessoas

willmottianna)

com falta de auto-confiança para decidirem por sozinhas o que quer que seja.

Cherry Plum

Apropriado para quem se sente perto de

(Prunus cerasifera)

um colapso nervoso, para quem está com medo de perder o controlo. Ajustado para quem anda sempre

Chestnut Bud repetindo dos mesmos erros, portanto (Aesculus hippocastanum) para quem tem dificuldade em aprender e retirar uma lição dos erros que comete. Adequado para pessoas que gostam de Chicory

controlar os outros, que são possessivas,

(Chicorium intybus)

egoístas e manipuladoras. Mas que tem uma necessidade estrema de atenção por parte dos outros.

Clematis Apropriado para os distraídos, assim, (Clematis vitalba) como também para a perda de sentidos. Bom para os que são muito preocupados Crab Apple com a limpeza, a higiene, a ordem e a (Malus pumila) perfeição, para os que sentem vergonha de si mesmo, que não se aceitam. Para

34


Medicinas Alternativas - 12.ºA quem se preocupa exageradamente com pormenores. Determinado para pessoas fortes, altruístas, seguras e confiantes, que Elm (Ulmus procera)

momentaneamente se sentem inseguras, incapazes, para aqueles que, sobrecarregados pelas responsabilidades, sentem-se temporariamente sem forças e esgotados. Apropriado para os que sofrem de

Gentian depressão por um motivo identificável, (Gentianella amarella) igualmente para desanimados, pessimistas e cépticos. Gorse (Ulex europaeus)

Bom para os que perderam a fé e a esperança e acham que não vale a pena continuar a lutar. Ideal para pessoas carentes, que querem

Heather atrair a atenção das pessoas para si e para (Calluna vulgaris) os seus problemas, ou seja, para pessoas egoístas e egocêntricas. Holly (Ilex aquifolium)

Adequado para pessoas invejosas, raivosas, com desejos de vingança, ciúmes, desconfianças e ódio. Bom para os que vivem recordando o passado, os nostálgicos e saudosistas. Para

Honeysuckle aqueles que ficam presos nos erros que (Lonicera caprifolium) cometeram, nas oportunidades que perderam no passado e na vida que passou. Ideal indivíduos que sentem cansaço físico Hornbeam (Carpinus betulus)

e mental, fadiga, sobrecarga, preguiça matinal… Ajuda bastante nos momentos de readaptação de vida (casamentos, luto, mudança de cidade, etc).

35


Medicinas Alternativas - 12.ºA Apropriado para indivíduos impacientes, Impatiens irritados, inquietos, intolerantes, tensos e (Impatiens glandulifera) nervosos, assim, bom para insónias, hipertensão, tensões físicas. Larch (Larix decidua)

Determinado para quem nutrem sentimentos de inferioridade e falta de auto-confiança. Bom para quem sente medos cuja origem

Mimulus

é conhecida: medo de viajar, de morrer,

(Mimulus guttatus)

de ser assaltado, de se ferir, de conduzir, … Portanto, para os tímidos, reservados e inibidos. Apropriado para os que padecem de

Mustard melancolia e depressão de carácter cíclico (Sinapsis arvensis) e sem uma causa definida, para pessoas tristes e, possivelmente, desesperadas. Determinado para indivíduos que são Oak grandes lutadores na vida, que assumem (Quercus robur) muitas actividades e responsabilidades a ponto de perder o limite de suas forças. Olive (Olea europaea)

Ideal para aquelas pessoas que se sentem exaustas física e psiquicamente, possivelmente com um esgotamento. Adequado para pessoas que nutrem

Pine sentimentos de culpa exagerados, que se (Pinus sylvestris) auto condenam, até mesmo quando o erro é de outros. Bom para os que são ansiosos, apreensivos Red Chestnut

e temerosos, que vivem com medo que algo mau aconteça com as pessoas de

(Aesculus carnea)

quem gostam, para quem, sofre de superprotecção, preocupação excessiva, …

36


Medicinas Alternativas - 12.ºA Composto floral desenvolvido para ajudar Rescue as pessoas nas situações de emergência e (Rock Rose, Impatiens, para os primeiros socorros. Utilizado Cherry Plum, Clematis, Star quando a pessoa vai ou está a enfrentar of Bethlehem). uma situação de grande tensão física, psíquica ou emocional. Rock Rose

Ideal para aqueles, cujo medo adquiriu tal

(Helianthemum

intensidade que se tornou pânico, terror,

nummularium)

um temor incalculável, que os leva a perder o controlo das situações. Apropriado para os que são extremamente

Rock Water

exigentes consigo mesmo e desejam ser um exemplo para os outros, que são demasiadamente rígidos consigo mesmos. Determinado para indivíduos indecisos,

Scleranthus confusos, hesitantes e instáveis, que (Scleranthus annuus) mudam rapidamente de ideais, para pessoas excêntricas. Star of Bethlehem (Ornithogalum umbellatum)

Ideal para os que viveram ou vivem alguma situação traumática, de natureza física, mental ou emocional. Bom para os casos extremos de angústia e

Sweet Chestnut

de desespero, no qual a pessoa sente que

(Castanea sativa)

está no limite da sua resistência, portanto, em caso de depressão, quando já não se é capaz de ver uma saída. Determinado para os indivíduos que se

Vervain entregam de modo extremo a uma causa, (Verbena officinalis) tal como, fanáticos, que não toleram as injustiças. Adequado para autoritários, ambiciosos, Vine inflexíveis, tiranos e insensíveis, ou seja, (Vitis vinifera) para os que procuram excessivamente o poder.

37


Medicinas Alternativas - 12.ºA Apropriado para quem se encontra numa Walnut fase de mudança: adolescência, (Juglans regia) menopausa, início ou fim de uma relação afectiva,... Ideal para indivíduos reservados, contidos, Water Violet

solitários, orgulhosos, com sentimentos de

(Hottonia palustris)

superioridade, para os independentes que naturalmente, não interferem na vida alheia. Bom para os que sofrem com

White Chestnut

pensamentos repetitivos e que se fixam na mente, para quem sofre de um diálogo

(Aesculus hippocastanum)

interno constante e incontrolável, que lhe atrapalha a concentração. Ideal para quem ainda não descobriu a sua

Wild Oat (Bromus ramosus)

vocação, logo, para indivíduos aborrecidos e entediados com o dia-a-dia, profissionalmente frustrados, incapazes de planear a sua própria vida. Ideal para os apáticos, sem ambição, os

Wild Rose resignados com a vida. Portanto, para os (Rosa canina) insensíveis emocionalmente, que não se entusiasmam com nada. Adequado para pessoas profundamente negativas, que se sentem injustiçadas, Willow colocam a culpa nos outros pelo seu (Salix vitellina) próprio azar. Assim, para pessoas ressentidas, amargas, invejosas e rancorosas.

Shiatsu Apesar de o nome japonês shiatsu significa literalmente “pressão dos dedos”, esta estimulante forma de massagem faz-se também com as palmas das mãos, antebraço, cotovelos, joelhos e pés. No

38


Medicinas Alternativas - 12.ºA shiatsu aplica-se pressão sobre centenas de pontos superficiais além dos meridianos do corpo, afim de estimular o afluxo de Qi (força vital) através dessas linhas. Só no início deste século o shiatsu foi formulado como terapia de largo alcance. Trata-se de uma técnica segura e eficaz de carácter francamente preventivo, mas também utilizada como forma de fisioterapia para doenças

específicas.

Actua

sobre

as

subtis

forças

electromagnéticas do corpo, que são particularmente altas ou baixas nas áreas utilizadas como pontos de pressão. Estimulando ou acalmando esses pontos, o shiatsu tem por objectivo o reequilíbrio da quantidade e qualidade de energia electromagnética distribuída ao longo dos meridianos – beneficiando não só o corpo, mas também, a mente, os sentimentos e o espírito. Os terapeutas afirmam que o shiatsu proporciona alívio numa vasta gama de problemas do dia a dia, incluindo dores de cabeça e enxaquecas, dores nas costas e dores de dentes. Dizem ainda que é eficaz em casos de distúrbios da alimentação, obstipação e diarreia e que devolve a vitalidade e a energia a convalescentes e pessoas em fase de recuperação. Verificou-se o aumento da mobilidade e bem-estar geral a nível de articulações e músculos em doentes que sofriam de rigidez crónica, e obtiveram-se boas respostas em casos de lesões resultantes de desporto ou outros esforços físicos. O shiatsu é também um programa que abrange todo o organismo, concebido para evitar aquelas situações, tonificar a circulação, sistema nervoso e o sistema imunitário, promover a eliminação de toxinas e a ajudar a fortalecer os ossos. Trata-se de uma medicina caseira útil, em particular no que se refere ao alívio de dores. Pode ser que a pressão aplicada com força estimule o organismo a produzir endorfinas, capazes de eliminar as dores. É pouco provável que esta terapia faça mal à maior parte das pessoas – principalmente se forem apenas utilizados os polegares, os outros dedos e as palmas das mãos – não devendo, no entanto, ser utilizada sobre áreas inflamadas, infectadas ou lesionadas, em caso de fracturas ou de uma hérnia discal, ou quando se esteja a tomar esteróides, tais como cortisona.

39


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Técnica de Alexander Esta técnica foi criada pelo actor australiano Frederick M. Alexander. Ao verificar que estava a perder a voz, descobriu que a cura dependia da correcção da sua postura. Esta descoberta tornou-se a base de uma técnica completa para reeducar os movimentos e posições do corpo. Graças a esta técnica, é possível aprender a sentir para autocorrigir a postura, de forma, a que o nosso corpo possa funcionar de um modo mais natural, descontraído e eficaz. Os terapeutas que a utilizam afirmam que é absolutamente segura para promover o estado harmonioso tanto da mente como do corpo e que beneficia uma série de situações clínicas, que podem ir desde as dores nas costas até às dores de cabeça. Qualquer pessoa que pense que poderá beneficiar com esta técnica pode fazer um teste, observando a sua postura num espelho. A técnica de Alexander tem ajudado pessoas de todas as idades e de

todas

as

condições

sociais,

melhorando-lhes a saúde, o bem-estar emocional, a vivacidade mental e a resistência

ao

stress.

O

escritor

britânico Aldous Huxley afirmou que a técnica não só melhorou a sua saúde física e mental, como ainda provocou um “aumento geral da consciência a todos os níveis”. Investigações científicas recentes têm confirmado as teses de Alexander sobre a postura natural a relação entre a ansiedade e a tensão física. A técnica não colide com a medicina clássica e, mesmo que os médicos não sugiram esta terapia, também não se opõem.

A postura correcta Ao caminhar Evite: - Uma postura abatida, com a cabeça curvada e os ombros descaídos e tensos. Procure: - Manter o equilíbrio da cabeça erguida e os ombros descontraídos. Sinta que transfere o seu peso alternadamente para cada um dos pés à medida que caminha.

40


Medicinas Alternativas - 12.ºA Sentado Evite: - Sentar-se com a cabeça curvada para a frente, os ombros descaídos e o estômago comprimido, o que dificulta a respiração, ou de um modo tão pouco natural que as costas adquirem uma curvatura anormal. Procure: - Manter a cabeça equilibrada, os ombros relaxados, os joelhos um pouco afastados (as pernas cruzadas torcem a bacia e a coluna) e os pés bem assentes no chão.

Ao trabalhar na secretária: Evite: - Curvar-se sobre a secretária, pois assim, comprime o estômago, dificulta a respiração e deixa os braços tensos. Procure: - Tentar sentar-se correctamente, dobrando-se apenas na anca e mantendo as nádegas bem assentes. Não segure na caneta com força, nem mantenha os braços tensos quando escreve, dactilografa ou trabalha com um computador. A cadeira deve ter a altura adequada ao tampo da secretária.

Sentar-se e levantar-se de uma cadeira:

Evite ao sentar-se na cadeira: - Deixar-se cair: incline a cabeça para trás, projecte as nádegas para fora e aumente a curvatura da zona lombar. Evite ao levantar-se da cadeira: - Projectar a cabeça para a frente, dobrar o corpo e depois endireitar-se. Procure: - Manter a coluna e o pescoço na mesma linha dobrando-se apenas nas ancas, joelhos e tornozelos. Ao sentar-se, pense que vai acocorar-se. Adopte a mesma postura ao levantar-se.

Tuiná Esta terapia nasceu há cerca de dois mil anos na China, então com o nome de Anmo, só mais tarde evolui para Tuiná.

41


Medicinas Alternativas - 12.ºA É uma massagem que actua sobre os músculos e articulações, desbloqueando-as. Visa estimular os pontos dos meridianos, de modo a equilibrar o fluxo de energia e regular o yin-yang. Para além de curar, esta terapia é preventiva: ajuda a proteger a saúde, desenvolvendo o corpo humano, para que as doenças não o consigam afectar significativamente. Como melhora a micro-circulação sanguínea e linfática, actuando sobre o sistema nervoso, é muito útil na resolução de dores musculares e de coluna. Ajuda em problemas como estiramentos lombares, artrites reumatóides mas também, noutros bastante diferentes tais como: constipações, hipertensão, infecções respiratórias, entre outros… Existem algumas situações onde esta terapia é desaconselhada, como no caso de pessoas com doenças infecciosas, hemorrágicas, com tumores malignos e também em caso de gravidez. Recorrem a ela sobretudo adultos, mas existem também crianças e idosos que a praticam, mas com algumas restrições.

Yoga Nos últimos anos, o yoga tem vindo a ser cada vez mais utilizado como terapia para ajudar a debelar determinadas queixas, em especial o stress e problemas com ele relacionados. Uma vez que actua conjuntamente sobre o corpo e a mente, o yoga é recomendado para combater esses problemas. Diz-se que as doenças do coração e a asma se contam entre os problemas que reagem à terapia do yoga. Os antigos mestres de yoga criaram algumas das posturas observando os movimentos dos animais, que parecem mover-se e descontrair-se com muito maior eficiência do que os seres humanos. As posturas têm por objectivo dar flexibilidade e um relaxamento controlado. Os movimentos são executados lentamente e as posições mantidas durante um ou mais minutos para se tomar consciência do corpo e das suas tensões e padrões de comportamento. Não deve haver qualquer sensação de esforço nem exibição excessiva durante os exercícios de yoga; o essencial é uma tomada de consciência interior e concentrada. A respiração desempenha um papel importante no yoga. Embora a respiração seja uma função inconsciente, pode ser conscientemente modificada – com efeitos sobre o bem-estar. A respiração reflecte também os diversos estados emocionais, e, por isso, a tomada de consciência e o controlo dos padrões de respiração

42


Medicinas Alternativas - 12.ºA podem desempenhar um papel importante na criação de uma harmonia mental e emocional. Diversos exercícios de yoga podem ser executados para produzir diferentes níveis da respiração – do diafragma, da caixa torácica e do ombro. Os professores de yoga consideram que qualquer pessoa com paciência e perseverança pode beneficiar da prática do yoga. Desde que se tenha uma perspectiva realista das capacidades físicas, pode ser praticado desde a infância até a uma idade muito avançada. O yoga não se destina só a pessoas ligadas à espiritualidade; com efeito, os professores defendem que, quanto mais agitado se torna o dia-a-dia de uma pessoa, tanto maior é a necessidade de algo que lhe dê uma calma compensatória. Até muito recentemente, o papel do yoga no Ocidente era fundamentalmente o de promover a saúde do corpo e da mente, uma forma de medicina preventiva, e não uma terapia para problemas específicos. Há muito que é utilizado para ajudar aqueles que sofrem de tensão. Tanto as tensões físicas como as psicológicas traduzem-se muitas vezes em músculos tensos, que podem manter-se hipertónicos, num estado de espasmo durante o dia inteiro. Distender e relaxar os músculos dão à mente a capacidade de se libertar das preocupações e stress que estiveram na origem do espasmo muscular. Para aqueles que têm problemas de mobilidade e postura corporal, os exercícios de yoga são muito benéficos, pois aumentam a flexibilidade da coluna e dos músculos das costas. Dado que a coluna é o condutor do sistema nervoso central junto do tronco e membros, o seu bem-estar relaciona-se intimamente com muitos movimentos reflexos e com controlo da dor. Os progressos no yoga manifestamse gradualmente através de um persistente desenvolvimento da flexibilidade, força e atitude mental. Para ajudar este desenvolvimento, recomenda-se uma prática regular em casa, além da frequência de aulas.

Yin e Yang A teoria Yin-Yang não se limita apenas à explicação do universo. Na medicina tradicional chinesa tudo se explica à vista do que acontece com a natureza: se o equilíbrio que criou o universo e dado pelas forças do Ying-Yiang, também o nosso organismo pode ser explicado à luz deste princípio. Desta forma, e como o objectivo é manter uma vida saudável, o equilíbrio contorna-se equilibrando ambas as forças, quando um factor externo provoca um desequilíbrio no Ying esse equilíbrio é restabelecido com o auxílio do Yang, e vice-versa.

Yin: processos crónicos; tendências à obesidade; congestão; hipotermia; tónus muscular diminuído; flacidez; sensibilidade diminuída; pessimismo;

pele

húmida,

fria;

olhar apagado;

sonolência;

timidez;

voz

apagada;

depressão;

inibição;

distensão; dilatação; equilíbrio estático; coma;…

43


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Yang: processos agudos; tendência ao emagrecimento; inflamação; febre; tónus muscular aumentado; espasmo; sensibilidade aumentada; pele seca, quente; insónia; voz vibrante; optimismo; olhar brilhante; aspecto arrogante; desembaraço; ansiedade; excitação; tensão; contracção; alteração dos movimentos; convulsão;…

Para além da teoria do Yin-Yang, uma outra forma de tratar as doenças e os seus sintomas baseia-se num ciclo de 5 elementos: Fogo; Madeira; Água; Metal e Terra. Estes 5 elementos relacionam-se com as 4 estações do ano e ainda com uma semi-estação referente à colheita do arroz. Desta forma, o fogo simboliza o Verão; a Madeira simboliza a Primavera; a Água simboliza o Inverno; o metal simboliza o Outono e finalmente a terra, simboliza a semi-estação referente à colheita do arroz. Estes podem ainda inter-relacionar-se com os diversos órgãos do corpo: Seguindo estas relações, o tratamento de doenças é feito de uma forma intuitiva, solucionando um problema de saúde tratando também todos os órgãos que com ele se possam relacionar. É nesta maneira que dizemos que, para a MTC o indivíduo é visto como um todo e não como um sistema isolado.

Meridianos ou Canais de Energia A imagem refere-se de forma específica aos meridianos de acupunctura, no entanto, estes meridianos são ainda utilizados por outras técnicas tais como o shiatsu, o tuiná e ainda, nos casos em que a moxibustão é feita com as agulhas de acupunctura aquecidas. O método principal do médico que pratica acupunctura para tratar a desarmonia do ki corporal, consiste em estimular pontos específicos do corpo, que se encontram colocados ao longo de um sistema de canais ou meridianos invisíveis, que unem as diferentes energias do corpo. Existem catorze meridianos principais, que ligam o interior do corpo ao exterior, e a teoria clássica reconhece 365 pontos de acupunctura sobre estes canais, embora actualmente o seu número ultrapasse os dois mil. Os percursos dos meridianos foram traçados pela primeira vez há milhares de anos, mas actualmente foram medidos e construído um mapa com meios tecnológicos modernos. Os meridianos Yin vão desde os dedos do pé para cima e os meridianos Yang vão desde a cabeça e a ponta dos dedos das mãos até aos dedos do pé.

44


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Legislação Portuguesa referente à pratica de terapias não convencionais ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Lei de Enquadramento das Terapêuticas Não Convencionais 45/2003 Capítulo I Objecto e princípios Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o enquadramento da actividade e do exercício dos profissionais que aplicam as medicinas não convencionais, tal como são definidas pela Organização Mundial de Saúde. Artigo 2.º (Âmbito de aplicação) A presente lei aplica-se a todos os profissionais que se dediquem ao exercício das terapêuticas não convencionais reconhecidas no presente diploma.

Artigo 3.º (Conceitos) 1 — Consideram-se terapêuticas não convencionais, aquelas que partem de uma base filosófica diferente da medicina convencional e aplicam processos específicos de diagnóstico e terapêuticas próprias. 2 — Para efeitos de aplicação da presente lei são reconhecidas como terapêuticas não convencionais as praticadas pela acupunctura, homeopatia, osteopatia, naturopatia, fitoterapia e quiroprática. Artigo 4.º (Princípios) São princípios orientadores das terapêuticas não convencionais: 1 — O direito individual de opção pelo método terapêutico, baseado numa escolha informada, sobre a inocuidade, qualidade, eficácia e eventuais riscos. 2 — A defesa da saúde pública, no respeito do direito individual de protecção da saúde. 3 — A defesa dos utilizadores, que exige que as terapêuticas não convencionais sejam exercidas com um elevado grau de responsabilidade, diligência e competência, assentando na qualificação profissional de quem as exerce e na respectiva certificação. 4 — A defesa do bem-estar do utilizador, que inclui a complementaridade com outras profissões de saúde. 5 — A promoção da investigação científica nas diferentes áreas das terapêuticas não convencionais, visando alcançar elevados padrões de qualidade, eficácia e efectividade.

45


Medicinas Alternativas - 12.ºA Capítulo II Qualificação e estatuto profissional Artigo 5.º (Autonomia técnica e deontológica) É reconhecida autonomia técnica e deontológica no exercício profissional da prática das terapêuticas não convencionais. Artigo 6.º (Tutela e credenciação profissional) A prática de terapêuticas não convencionais será credenciada e tutelada pelo Ministério da Saúde. Artigo 7.º (Formação e certificação de habilitações) A definição das condições de formação e de certificação de habilitações para o exercício de terapêuticas não convencionais cabe aos Ministérios da Educação e da Ciência e do Ensino Superior. Artigo 8.º (Comissão técnica) 1 — É criada no âmbito dos Ministérios da Saúde e da Educação e da Ciência e do Ensino Superior uma comissão técnica consultiva, adiante designada por Comissão, com o objectivo de estudar e propor os parâmetros gerais de regulamentação das terapêuticas não convencionais. 2 — A Comissão poderá reunir em Secções Especializadas criadas para cada uma das terapêuticas não convencionais com vista à definição dos parâmetros específicos de credenciação, formação e certificação dos respectivos profissionais e avaliação de equivalências. 3 — A Comissão cessará as suas funções logo que implementado o processo de credenciação, formação e certificação dos profissionais das terapêuticas não convencionais, que deverá estar concluído até ao final do ano de 2005.

Artigo 9.º (Funcionamento e composição) 1 — Compete ao Governo regulamentar as competências, o funcionamento e a composição da Comissão e respectivas Secções Especializadas, que deverão integrar, designadamente, representantes dos Ministérios da Saúde, da Educação e da Ciência e do Ensino Superior e de cada uma das terapêuticas não convencionais e, caso necessário, peritos de reconhecido mérito na área da saúde. 2 — Cada Secção Especializada deverá integrar representantes dos Ministérios da Saúde, da Educação e da Ciência e do Ensino Superior, da área das terapêuticas não convencionais a regulamentar e, caso necessário, peritos de reconhecido mérito nessas áreas.

46


Medicinas Alternativas - 12.ºA Artigo 10.º (Do exercício da actividade) 1 — A prática de terapêuticas não convencionais só pode ser exercida, nos termos deste diploma, pelos profissionais detentores das habilitações legalmente exigidas e devidamente credenciados para o seu exercício. 2 — Os profissionais que exercem as terapêuticas não convencionais estão obrigados a manter um registo individualizado de cada utilizador. 3 — O registo previsto no número anterior deve ser organizado e mantido de forma a respeitar, nos termos da lei, as normas relativas à protecção dos dados pessoais. 4 — Os profissionais das terapêuticas não convencionais devem obedecer ao princípio da responsabilidade no âmbito da sua competência e, considerando a sua autonomia na capacidade de diagnóstico e instituição da respectiva terapêutica, ficam obrigados a prestar informação, sempre que as circunstâncias o justifiquem, acerca do prognóstico e duração do tratamento. Artigo 11.º (Locais de prestação de cuidados de saúde) 1 — As instalações e outros locais onde sejam prestados cuidados na área das terapêuticas não convencionais só podem funcionar sob a responsabilidade de profissionais devidamente certificados. 2 — Nestes locais será afixada a informação onde conste a identificação dos profissionais que neles exerçam actividade e os preços praticados. 3 — As condições de funcionamento e licenciamento dos locais onde se exercem as terapêuticas não convencionais regem-se de acordo com o estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, que regula o licenciamento das unidades privadas de saúde, com as devidas adaptações.

Artigo 12.º (Seguro obrigatório) Os profissionais das terapêuticas não convencionais, abrangidos pelo presente diploma, estão obrigados a dispor de um seguro de responsabilidade civil no âmbito da sua actividade profissional, nos termos a regulamentar. Capítulo III Dos utentes Artigo 13.º (Direito de opção e de informação e consentimento) 1 — Os cidadãos têm direito a escolher livremente as terapêuticas que entenderem. 2 — Os profissionais das terapêuticas não convencionais só podem praticar actos com o consentimento informado do utilizador.

47


Medicinas Alternativas - 12.ºA Artigo 14.º (Confidencialidade) O processo de cada utente, em posse dos profissionais que exercem terapêuticas não convencionais, é confidencial e só pode ser consultado ou cedido mediante autorização expressa do próprio utilizador ou determinação judicial. Artigo 15.º (Direito de queixa) Os utilizadores das práticas de terapêuticas não convencionais, para salvaguarda dos seus interesses, podem participar as ofensas resultantes do exercício de terapêuticas não convencionais aos organismos com competências de fiscalização. Artigo 16.º (Publicidade) Sem prejuízo das normas especialmente previstas em legislação especial, a publicidade de terapêuticas não convencionais rege-se pelo disposto no Decreto-Lei n.º 330/90, de 23 de Outubro, na sua actual redacção. Capítulo IV Fiscalização e infracções Artigo 17.º (Fiscalização e sanções) A fiscalização do disposto na presente lei e a definição do respectivo quadro sancionatório serão objecto de regulamentação por parte do Governo. Artigo 18.º (Infracções) Aos profissionais abrangidos por este diploma que lesem a saúde dos utilizadores ou realizem intervenções sem o respectivo consentimento informado é aplicável o disposto nos artigos 150.º, 156.º e 157.º do Código Penal, em igualdade de circunstâncias com os demais profissionais de saúde.

Medicinas alternativas no mundo O conjunto de disciplinas terapêuticas que hoje conhecemos como “Medicina Chinesa” é o método de saúde essencial na maior parte do mundo Oriental, e já alcança uma importância extrema em muitos países Ocidentais. No mundo Ocidental, a Medicina Chinesa foi apresentada pelos padres Jesuítas, sobretudo portugueses, que viajavam nas caravelas no período dos Descobrimentos. Quando ancoraram na China, tanto os descobridores como os membros do clero, encontraram uma Medicina evoluída que os tratou de uma série de mazelas adquiridas nas viagens marítimas e, fascinados com tais conhecimentos traduziram os textos fundamentais da Medicina Chinesa para línguas europeias e, por isso mesmo, foram os pioneiros

48


Medicinas Alternativas - 12.ºA na transmissão desses conhecimentos para o Ocidente. A Medicina Chinesa teve um rápido crescimento por todo o continente Europeu, graças ao crescente intercâmbio cultural e à vontade de recuperar métodos terapêuticos naturais.

Em Portugal… Actualmente, as práticas de medicina não convencional intensificaram-se, não só nos países orientais como também nos ocidentais. Portugal não é excepção! A Medicina Chinesa instalou-se em Portugal na década de 80 do século passado, tendo tido uma evolução relativamente rápida. Na última década a procura deste tipo de terapêutica incrementou-se de tal forma, que o Estado Português foi “obrigado” a ponderar a realização de uma lei que abrangesse este tipo de terapias. A presente lei foi aprovada pela Assembleia da República apenas a 22 de Agosto de 2003, na íntegra. Esta reconhece como não convencionais todas as terapias que impliquem uma base filosófica diferente da medicina convencional, tais como a acupunctura, a homeopatia, a osteopatia, a naturopatia, a fitoterapia e a quiroprática e, tal como em qualquer outra prática médica, os pacientes devem ser informados dos tratamentos e, só devem ser submetidos a eles de for de sua livre vontade

49


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Conclusão A nossa civilização é dotada de um enorme conforto material, no entanto, é também geradora de doenças e angústias, que muitas pessoas tentam remediar com terapêuticas ancestrais. A natureza não é apenas portadora de beleza e de biodiversidade! Ela coloca à nossa disposição todo um conjunto de fenómenos e elementos, que podemos utilizar para fazer frente a qualquer situação patogénica. Nas últimas décadas, tem-se assistido a um crescente interesse, por parte dos indivíduos, por tratamentos mais suaves e com menos riscos de efeitos adversos. Podemos então dizer, que a mentalidade e forma do Homem lidar com a medicina, com as doenças e até mesmo com a sua própria vida, tem vindo a sofrer grandes alterações. Essa alteração, deve-se, em grande parte, à melhor compreensão das situações que podem levar à doença: difundiu-se a ideia de que o Homem também pode adoecer a partir do seu “mundo emocional e espiritual”. É inegável que existe um objectivo global: a busca do equilíbrio entre corpo e espírito. Como resposta a este problema, “surgem” as terapias alternativas. A nova mentalidade e concepção de vida – procura de reconforto espiritual – estimulou uma crescente afluência a este tipo de terapia, nas últimas décadas, isto porque, estes terapeutas têm uma visão holística do ser Humano, ou seja, vêem-no como um todo, em que o corpo e a mente são dois parâmetros indissociáveis, e não como um sistema isolado de órgãos, em que as patologias são tratadas consoante o sintoma que o paciente manifesta, não se estabelecendo qualquer tipo de relação com os outros sistemas de órgãos do organismo, nomeadamente o nervoso. Assim, constata-se a necessidade de acolher as medicinas alternativas como algo de positivo, apesar das diversas críticas que esta recebe por parte dos médicos convencionais. Não devemos optar entre uma ou outra terapia, excluindo-a, pois, ambas se completam e nenhuma se anula, até porque, “o diferente não tem de ser necessariamente mau!”

50


Medicinas Alternativas - 12.ºA

Bibliografia ATTENBOROUGH, Antonhy et al. (1994). Dicionário de Medicina Natural. 1ª Edição, Lisboa: Selecções do Reader’s Digest LAVERY,

Sheila,

SULLIVAN,

Karen,

et

al.

(1997).

Enciclopédia

das

Medicinas

Complementares. PÚBLICO LEIBOLD, Gerhard (1990). O Livro da Medicina Natural. 2ª Edição, Lisboa: Editorial PRESENÇA

Webgrafia www.guardioesdaluz.com.br/cromoterapia.htm Data de consulta: 13 de Novembro de 2007

http://acupunctura.com.sapo.pt/acupunctura.html# Data de consulta: 17 de Janeiro de 2008

http://saude.sapo.pt/medalt/ Data de consulta: 17 de Janeiro de 2008

http://pt.wikipedia.org/wiki/Medicina_alternativa Data de consulta: 6 de Fevereiro de 2008

51


Trabalho Escrito AP