Issuu on Google+

Distribuição gratuita - venda proibida

Jornal da Vila www.jornaldavilacampinas.com.br

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1

Cultura tem

sxc.hu

endereço na Vila

Segurado precisa ser atendido Divulgação

Médicos têm a obrigação de atender conveniados de saúde, é um direito garantido por lei e cuja omissão é passível de indenização Pág 13

Condução de Alvará fica estudantes mais caro

O SESC é uma referência de lazer e cultura de fácil acesso a todos. Localizado nas imediações da Vila Industrial e Bonfim, o centro de atividades se tornou o ponto de encontro o transporte de todos os campineiros e, em particular, de muitos mo- Escolha radores da Vila e região em busca de entretenimento de escolar com consciência e qualidade Pág 08 cuidado Pág 07

A Estação

Divulgação

da Cultura Estação Ferroviária de Campinas, SP. Coleção V-8. Centro de Memória-UNICAMP

Consumo de água

Sabendo usar, não faltará De uma das prin- líquido Pág 15 cipais estações do interior a atual Centro Cultural, relembramos a história da Estação Ferroviá- Apesar de protestos de ria de Campinas, moradores, Vila será mais um patrimônio uma vez o palco da festa em Campinas Pág 11 da cidade Pág 10

Carnaval

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

Projeto da Prefeitura é aprovado e prevê grandes aumentos para pequenos negócios que precisam de alvará Pág 04

Seções

Editorial ............................................. 02 Segurança .......................................... 02 Cidadania .......................................... 03 Política ............................................... 04 Economia ........................................... 05 Inclusão ............................................. 05 Educação ........................................... 06 Serviço ............................................... 07 Capa ................................................... 08 Vila retrô ............................................ 10 Em tempo .......................................... 11 Há tempos ......................................... 11 Saúde ................................................. 12 Bronca ............................................... 12 Jurídica .............................................. 13 Imóveis .............................................. 14 Vila Eco ............................................... 15 Receita ............................................... 15 Personagem ...................................... 15 Passatempo ....................................... 16


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Editorial tas temperaturas nos levam a gastar mais do líquido, que nem sempre utilizamos de forma racional. E para lembrar que este é um jornal da Vila e bairros adjacentes, continuamos nossas reportagens com personagens dos bairros, além da nossa capa. O SESC é uma entidade que, naturalmente, serve a todos, mas o bairro da Vila Industrial desenvolveu uma relação de identidade com ele que o torna um grande pólo de cultura e lazer na região. Assim, o SESC foi incorporado pela Vila como outro elemento importante de seu modo de ser. Mas não nos esquecemos de acompanhar a política local, nem dar as tradicionais dicas do bairro e de mostrar os personagens que fizeram e continuam fazendo a vida do bairro. Até o próximo mês e boa leitura!

Expediente Diretor Executivo Márcio Carvalho Jornalista Responsável José Augusto Padilha MTB: 29274 jaugusto@mcjeditora.com.br Jornalista César Serrazes Colaboradores Ilda Palermo Márcia R. T. Corrêa Criação e Diagramação Marco Schoenmaker Fotografias César Serrazes Cartunista Fabiano Carriero Comercial Inez Oliveira

comercial@jornaldavilacampinas. com.br Depto Financeiro Ana Oliveira financeiro@jornaldavilacampinas. com.br Redação e Publicidade MCJ Editora e Distribuidora Ltda Av. Bueno de Miranda, nº 89 - Vila Industrial - Campinas - SP Tel.: (19) 3272-6218 / 3324-7861 Email Jornaldavila@mcjeditora.com.br O JORNAL DA VILA é uma publicação mensal com tiragem de 10.000 exemplares.

Direção esperta contra assaltos

Divulgação

Depois de passadas todas as boas festas de Natal e Ano novo, é hora de começar a pensar no 2011 que se inicia, com todos os seus compromissos e obrigações. E, para os precavidos (os que guardaram parte do 13º salário) ou não, as contas chegaram. Janeiro é mês de pagamento de impostos importantes, como o IPTU e o IPVA. Saiba o que fazer em nossa matéria de economia. Continuamos nossa edição com matérias especiais sobre os direitos do cidadão, principalmente no que diz respeito a planos de saúde, mostrando que o atendimento é um direito fundamental. Em outra matéria de serviço, as dicas de segurança sobre cuidados com assaltos no trânsito valem a pena a leitura, assim como a reportagem sobre o uso correto de água, um tema muito atual, sobretudo no verão, quando as al-

Segurança

Com o aumento dos congestionamentos, os assaltos também se multiplicaram; por isso, cautela é importante na hora de dirigir pelas cidades Recentemente, os ladrões têm se aproveitado cada vez mais de congestionamentos urbanos para praticar assaltos. Essa modalidade cresce muito pela vulnerabilidade dos motoristas, principalmente em situações de trânsito engarrafado, onde há pouca mobilidade. Por isso, especialistas em segurança avisam que a prudência e o

uso de algumas dicas podem ajudar a evitar situações de risco. Em primeiro lugar, dirija sempre com os vidros do automóvel fechados e as portas e porta-malas travados. Uma pesquisa revelou que diminui a incidência de aproximação de suspeitos em carros que possuem película em seus vidros, portanto, deve-se considerar a alternativa de colocá-los. Ao parar num cruzamento, deve-se evitar parar próximo à faixa de pedestres, local muito visado por assaltantes. Em avenidas de mão única, não é aconselhável parar nas pistas da esquerda ou da direita. Procure utilizar a pista do meio. Se possível, não seja o primeiro da fila, pois, estatisticamente, a incidência dos assaltos aumenta entre os primeiros carros

Telefones Úteis Base Comunitária ......... 3273-0190 3ª Cia ............................. 3213-5588 Polícia Federal .............. 3236-2277 Polícia Militar ........................... 190 Polícia Civil ................... 3272-6624 Guarda Municipal .................. 1532 Disque Denúncia .......... 3236-3040 Doe Sangue .................. 3788-8705 Conseg........................... 3273-0190 02 - Jornal da Vila

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

do lado esquerdo. Ao parar em semáforos, redobre a atenção, permaneça com a primeira marcha engatada e observe a aproximação de pessoas, mesmo que não lhe pareçam suspeitas. Se possível, diminua a velocidade do veículo, de forma a poder aguardar a abertura do semáforo sem ter de parar o carro completamente. Se o semáforo fechou e não for possível evitar a parada completa do carro, procure manter uma distância da esquina e/ou do veículo a sua frente, de pelo menos três metros. Desse modo, em caso de bloqueio ou de um suspeito se aproximar, terá tempo e espaço para tentar uma manobra evasiva. Ao trafegar por locais desertos, especialmente à noite, e ao perceber que o pneu furou ou ao se deparar com bloqueios de pedras ou outros objetos no caminho, não pare, pois pode se tratar de um estratagema para assaltos. Tente se livrar dos obstáculos e procure fugir, mesmo com o risco de danificar o veículo. Quando sentir-se em segurança, avise a polícia. Até mesmo em uma situação de colisão é preciso cuidado. Se houver uma situação suspeita, principalmente à noite em pequenas colisões traseiras, não é recomendado sair do carro para discutir os danos. Alguns acidentes noturnos são provocados proposital-

mente por marginais para facilitar a abordagem. Do mesmo modo, assaltantes costumam arremessar objetos na pista ou nos veículos, principalmente a partir de passarelas ou viadutos baixos. Caso suspeite de algo, não pare e dirija até um local seguro, de onde poderá avaliar melhor os danos. Se o assalto ocorrer, em primeiro lugar, é importante manter a calma. Mantenha uma carteira velha com algum dinheiro no console do carro para dar ao assaltante. É o meio mais rápido de se livrar dos ladrões. Nunca provoque o ladrão ou o force a mostrar a arma, tampouco os olhe diretamente nos olhos, pois muitos temem ser reconhecidos e acabam baleando suas vítimas por este motivo. Antes de pensar em reagir, vale pensar que eles nunca atuam sozinhos e não aceitam ser desafiados. Fique quieto e mantenha o controle. Evite gestos ou reações bruscas. Deixe suas mãos bem visíveis para mostrar que não tem arma no carro. Se for se movimentar, avise antes de sua intenção. Se o assaltante exigir a saída do carro, alerte-o de que vai soltar o cinto de segurança e acionar o freio de estacionamento. Não buzine ou tente arrancar bruscamente, nem gritar ou fazer escândalo, pois a reação é imprevisível. Sua vida vem em primeiro lugar.


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Cidadania

Conheça a história da Toca de Assis, uma comunidade nascida em Campinas e voltada para os que sofrem com a miséria e o abandono O lema da comunidade é doação, fraternidade e acolhimento aos pobres de

rua, a exemplo da história de São Francisco de Assis e seu espírito caridoso para com homens e animais. O santo, aliás, é o padroeiro da comunidade que leva seu nome. Seus membros são consagrados ou religiosos a caminho da con-

Formada por religiosos de dois institutos de “vida consagrada”, os Filhos e as Filhas da Pobreza do Santissimo Sacramento, as casas de acolhimento também são divididas de acordo com os institutos. A casa de atuação na Vila, a “Casa Fraterna de Aliança São José”, é um dos abrigos masculinos e seus membros são irmãos e leigos que contribuem com os trabalhos de partilha de alimentos e acolhimento dos irmãos de Rua. Os princípios da religião católica, como a catequese e a liturgia, permanecem os mesmos na Fraternidade da Toca. Uma história de desapego e fé Sob a orientação e o incentivo do fundador, Roberto José Lettieri, em

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

dezembro de 1995 quatro jovens realizaram votos de vivência fraterna comum e prática da castidade, pobreza e obediência. Em 1997, quatro irmãs também iniciaram a vivência fraterna em comum na primeira casa feminina de acolhimento, a Casa Sacramento de Amor. A primeira comunidade masculina reuniu-se no dia 01 de maio de 1997 e passou a morar na casa Bendita Árvore da Cruz, ambas situadas em Campinas. Em 1998, contando com mais de 50 membros entre irmãos e irmãs, a comunidade finalmente recebeu o título de “Filhos e Filhas da Pobreza do Santíssimo Sacramento”. Em 2005, a pedido da Santa Sé, o instituto passou a ser dividido em Filhos da Pobreza do Santíssimo Sacramento e Filhas da Pobreza do San-

tíssimo Sacramento, cada qual com seu governo próprio, mas ambos ainda parte da mesma família religiosa. Para contribuir com a Toca de Assis da Vila Industrial ou tornar-se um membro, o contato da comunidade é: Casa Fraterna de Aliança São José (Casa Mãe) Rua Alferes Raimundo, 116, Vl. Industrial Tel: (19) 32724924

Divulgação

Divulgação

Abrigo de afeto E solidariedade

sagração católica que passam por algumas etapas de formação até a cerimônia solene na qual professam seus votos de castidade, pobreza e vida em comunhão. Com raízes na religião católica, a Fraternidade de Aliança Toca de Assis foi fundada em Campinas no ano de 1994 pelo Padre Roberto José Lettieri (então um jovem seminarista) e aos poucos se expandiu por diversos estados do Brasil. São 66 casas de acolhimento no país, duas casas de acolhimento no Equador e uma em Portugal. Para a comunidade, o chamado religioso se dá através do cuidado com os “irmãos de rua”, como são chamados os moradores de rua. Uma das casas, inclusive, está presente na Rua Alferes Raimundo, aqui na Vila Industrial.

Jornal da Vila - 03


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Política

* 2a. Discussão e Votação do Projeto de Lei n. 97/10, Processo n. 204.346, de autoria do Sr. Vereador Dário Saadi, que “Institui o Programa Especial de Combate ao uso de crack no Município de Campinas, e dá outras providências”. Quórum – Maioria Absoluta Votação – 27 votos favoráveis, nenhum voto contrário. Aprovado. 2a. Discussão e Votação do Substitutivo Total, com emenda, ao Projeto

peciais que especifica e dá providências correlatas”; Projeto de Lei n. 376/10, Processo n. 205.638, de autoria do Sr. Vereador Paulo Oya, que “Dispõe sobre o tratamento e destinação final diferenciada de resíduos especiais que especifica e dá providências correlatas”. Adiado 2a. Discussão e Votação, com emendas, do Projeto de Lei n. 452/08, Processo n. 183.658, de autoria do Executivo Municipal, que “Altera dispositivos da Lei n. 11.883, de 09 de janeiro de 2004, que Cria o Fundo Municipal de Transporte e

Política

Divulgação

A  aprovação de uma nova lei sobre a cobrança de alvarás de funcionamento de prestadores de empresa e serviços está gerando discussões. Com dezoito votos a favor e treze contra, o projeto de lei que regulariza a cobran04 - Jornal da Vila

2a. Discussão e Votação do Projeto de Lei n. 73/10, Processo n. 203.845, de autoria do Executivo Municipal, que “Autoriza o Poder Executivo a utilizar recursos contabilizados a seu favor pela EMDEC – Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas S.A para aumento de seu capital social”. Quórum – Maioria Absoluta Votação – 20 votos favo-

ráveis, seis votos contrários Aprovado 2a. Discussão e Votação do Projeto de Lei n. 107/10, Processo n. 204.554, de autoria do Sr. Vereador Pedro Serafim, que “Cria o Banco Municipal de áreas para recuperação ambiental, determina a compensação ambiental no Município de Campinas e dá outras providências”. Adiado 1a. Discussão e Votação do Projeto de Lei n. 20/10, Processo n. 202.344, de autoria do Sr. Vereador Tadeu Marcos, que “Altera as redações do inciso I do artigo

1o. e do artigo 2o. da Lei n. 8.616, de 04 de dezembro de 1995, que Dispõe sobre a isenção de tarifa de transporte coletivo urbano ao incapacitado por deficiência e dá outras providências”. Quórum – Maioria Absoluta Votação – 25 votos favoráveis, nenhum voto contrário Aprovado 2a. Discussão e Votação do Projeto de Lei n. 309/10, Processo n. 205.428, de autoria do Sr. Vereador Luiz Henrique Cirilo, que “Dispõe sobre a adequação das agências bancárias para atendimento a deficientes visuais e dá outras providências”. Quórum – Simples Votação – Unânime Aprovado

Política

Lei aumenta em até 15 vezes o valor de alvarás

Cobrança única será extinta; empresários e autônomos serão classificados individualmente

Trânsito e dá outras providências”. Quórum – Maioria Absoluta Votação PL – 26 votos favoráveis, dois votos contrários Votação Emenda – 10 votos favoráveis, 18 votos contrários. Aprovado PL, rejeitada emenda

ça diferenciada de acordo com cada categoria foi aprovado e entra em vigor neste ano. Com a extinção do valor único, antes R$250,00, o valor cobrado pode chegar até R$ 4,2 mil, um aumento de 1.580% dependendo do tipo da empresa. Os empresários ainda terão que pagar pelo alvará todos os anos. O projeto foi alvo de discussões e foi pedida a sua retirada da pauta de votação, mas sua aprovação se deu em dezembro.

Manifestantes lotaram o plenário, atirando moedas e xingando os parlamentares da base de apoio do prefeito Hélio de Oliveira Santos (PDT), que garantiram a maioria dos votos. A reação hostil do empresariado fez a Prefeitura rever os valores cobrados e as tabelas de preços. mas não abriu não da cobrança diferenciada, nem da regra que prevê a renovação anual. Para a  administração pública, o projeto vai equilibrar a cobrança entre os diferentes tipos de empresas. Em audiência na Câmara Municipal em janeiro, Paulo Mallmann, diretor de finanças, disse que a arrecadação anual dos alvarás é de R$ 800 mil, mas este valor não cobre os custos do Departamento de Urbanismo na prestação de serviços. Com a aprovação, a arrecadação subirá para R$ 8 milhões, segundo dados da prefeitura.

Governo define salário mínimo de R$ 545,00 Reunião da presidente com ministros, na segunda semana de janeiro, estabeleceu o valor Embora a Medida Provisória 516/2010 que fixou o novo valor do salário mínimo em R$ 540,00, o governo federal fez um reajuste de R$ 5 e definiu, no começo de janeiro, em reunião, ministerial, o valor de R$ 545. O valor que vigorava anteriormente era de R$ 510,00. O aumento considerou apenas a variação acumulada do Índice Nacional de Preços ao Consumidor de janeiro a dezembro de 2010.

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

Após o anúncio da Medida Provisória, Governo e oposição entraram em discussão sobre o reajuste. O Governo assumiu que o reajuste é pequeno e chegou a cogitar os valores de R$ 550,00, mas argumentou que não pode ampliá-lo por conta dos impactos da crise financeira mundial nos dois últimos anos. No entanto, com o retorno dos trabalhos no Congresso Nacional, o valor pode ser alterado de-

pois do dia 2 de fevereiro. Em tempo: um  levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) sugere que o salário mínimo necessário para o trabalhador brasileiro cobrir despesas básicas em dezembro deveria ficar em R$ 2.227,53. O cálculo, feito com base no custo da cesta básica de São Paulo, considera gastos com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência. 

sxc.hu

Projetos votados recentemente

de Lei n. 874/07, Processo n. 175.753, de autoria do ex-Vereador Carlão Chiminazzo, que “Institui a política municipal de resíduos sólidos, define princípios e diretrizes e dá outras providências”. Parecer da Comissão de Constituição, Legalidade e Redação, favorável ao projeto e à emenda. Parecer n. 493/10 da Comissão de Política Urbana, favorável ao projeto. Anexo os Projetos de Lei n. 351/10, Processo n. 205.552, de autoria do Sr. Vereador Artur Orsi, que “Dispõe sobre a restrição do depósito de resíduos sólidos em áreas localizadas no Município”; Projeto de Lei n. 373/10, Processo n. 205.635, de autoria do Vereador Sebá Torres, que “Dispõe sobre o tratamento e destinação final diferenciada de resíduos es-


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Economia

Aliada do consumidor, a Nota Fiscal Paulista foi criada em 2007 para combater a Sonegação e aumentar a arrecadação do Estado O sistema da Nota Fiscal Paulista, programa criado pelo governo do Estado de São Paulo, é simples: a cada compra registrada, o consumidor recebe de volta parte do imposto embutido nas mercadorias. Ele pode receber isso em dinheiro ou como desconto em IPVA. É importante, porém, que o consumidor fique atento para utilizar

corretamente o programa e entender como ele fuinciona. Alguns tipos de serviços não participam do programa estadual, como os de fornecimento de energia elétrica, gás canalizado e serviços de comunicação.  Para saber quantos créditos acumulou, o consumidor pode acessar o site (endereço virtual) do programa e conferir sua pontuação, valores, assim como sorteios e prêmios da Nota Fiscal Paulista, basta apenas se cadastrar no programa para ter acesso. Os créditos são de até 7,5%

do valor da nota fiscal de sua compra. Esse percentual não depende do tipo de produto, mas do estabelecimento, conforme o imposto que ele arrecadar no mês. Outra informação para a qual o consumidor deve estar atento é sobre a liberação dos créditos convertidos em valores. Os créditos não são devolvidos imediatamente. A liberação é feita duas vezes por ano, em abril (créditos do 2º semestre do ano anterior) e outubro (referentes ao 1º semestre do

Mais benefícios e opções

Divulgação

Entenda e utilize a nota fiscal paulista

ano atual). O dinheiro será depositado em uma conta corrente indicada no momento em que o usuário solicita o crédito em conta corrente. Se não tiver feito o cadastro, o dinheiro vai acumulando, vinculado ao seu CPF ou CNPJ. O prazo para esse acúmulo é de cinco anos. Se nesse período o usuário não fizer o registro, perde os créditos.

Além de receber o dinheiro em conta, o consumidor poderá utilizar o crédito para pagar impostos como o IPVA, transferir seus créditos para outro CPF ou fazer uma doação a uma entidade social. A cada R$ 100 em compras

feitas, o consumidor cadastrado tem direito a um bilhete eletrônico para participar dos sorteios mensais do programa Nota Fiscal Paulista. O valor de R$ 100 é cumulativo e pode ser obtido em diferentes com-

pras e estabelecimentos

va em Minas. Foi um sonho real, com vento, natureza, medo e alegria, Mas lógico tinha que ter um imprevisto, como sou pequena o meu peso não deixou que eu chegasse bem ao final, precisei ser resgatada, e com isso pude ficar “pendurada” um pouco mais e aproveitar a liberdade de voar. Fui ao restaurante radiante e cheia de novidades, mas mesmo assim a minha amiga não se animou. À noite, fomos passear na Praça da Matriz, o point do local com barzinhos, música. No dia seguinte, voltamos ao local das aventuras e minha amiga toda animada fez a tirolesa, amou e eu fiz tudo de novo e faria mil vezes. Mas eu queria mais e me arrisquei no bóia-cross, Foi uma novela só pra entrar na roupa de neoprene, mas consegui; peguei a bóia mais colorida e fui. O percurso do rio era cheio de surpresas: quedas, calma-

ria, plantas, um pouco de tudo, mas os monitores estão o tempo todo orientado, dando dicas e fazendo rirmos muito dos tombos. Era época de seca, a profundidade do riacho não passava de um palmo, por isso os tombos e encalhes eram cômicos. E minha a amiga novamente não quis ir, não houve Cristo que a convencesse. Nem chegou perto do riacho, fez todo o percurso de jipe. À noite, descobri que como quase toda farmacêutica tem manias de assepsia, quando ela viu a roupa de neoprene e o riacho, ficou com cuidados e começou a dar desculpas. Ri muito com esta estória. Deixar de viver uma emoção, por simples cuidados, foi a maior surpresa. Fizemos compras também. Lá tem um shopping e uma feira permanente que é o paraíso das consumidoras. Ficamos horas provando roupas e gastando dinheiro que não tínhamos.

Voltamos pra casa depois destes dias, revigoradas para mais um ano de atividades. Vocês devem estar perguntando sobre o segredo do título. É simples: somos pessoas com deficiência. Sim, usamos cadeira de rodas para nos locomover, levamos a vida fazendo tudo da mesma forma que qualquer outra pessoa.

(por R$ 60 numa loja e R$ 40 num restaurante). A lista dos seus bilhetes também está no site. É preciso aderir ao regulamento do sorteio para concorrer.

Inclusão

Férias é bom. Férias com viagem é melhor ainda. Por isso, quando minha amiga sugeriu que viajássemos, logo topei. Viajar é concretizar sonhos e sonhamos alto: Fortaleza, Natal, Fernando de Noronha. Nada deu certo, por que o nosso tempo e dinheiro eram curtos e minha amiga havia sido chamada em um concurso e teria de se apresentar ao novo trabalho. Mas queríamos alguma coisa diferente, que fosse um marco. Achamos a solução ideal. Iríamos fazer turismo de aventura em Socorro, hospedadas em uma colônia de férias, pois o preço era convidativo e a localização,

estratégica. Pegamos o carro em um lindo dia de sol e fomos. A colônia era bonita e fomos bem recebidas. Depois de alojadas fomos nos informar sobre as aventuras. Toda vez que pedíamos informações dos locais as pessoas sugeriam outras coisas para fazermos, mas o que queríamos mesmo eram aventuras. No outro dia, saímos munidas de mapa, orientações e muitas recomendações. O caminho até o local era lindo. Estrada de terra, subidas, descidas e muitas curvas. Depois de cada curva sempre uma nova paisagem, um pasto, uma pedra. Enfim, a natureza. Depois de verificar as

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

Ida Palermo é membro do Conselho Estadual para Assuntos da Pessoa com Deficiência Divulgação

Duas amigas, umas férias e um segredo

alternativas de aventura, optamos pela tirolesa do Pânico, 1000 metros de aventura, a ponte aérea mais rápida entre São Paulo e Minas, apenas 55 segundos. Minha amiga, com receio deixou para o dia seguinte alegando que não estava com roupa adequada e outras coisinhas que para mim não passavam de medo. Pegamos o jipe e subimos até o local. A estrada tinha de tudo, de buracos a bois pastando, mas a equipe sabe como driblar estes imprevistos muito bem. No alto do morro, fui literalmente amarrada aos cabos, com toda a segurança e seguindo as regras da ABETA (Associação Brasileira de Turismo de Aventura). Soltaram-me em São Paulo e eu voei. É uma sensação de liberdade indescritível e rápida, muito rápida. Quando comecei a me equilibrar e a adrenalina abaixar um pouco a descida chegou ao fim, já esta-

Jornal da Vila - 05


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Educação

sxc.hu

Já passamos uma década do século XXI, década que muitos acreditavam ser a última. Mas o mundo não acabou, ao contrário, evoluiu muito em 10 anos: mais

06 - Jornal da Vila

tecnologia, longevidade e consciência ecológica engatinhando. Quais os desafios da educação nestes novos tempos?

Entramos na segunda década do novo milênio, mas questões antigas sobre a educação de nossos filhos permanecem. Temas polêmicos como sexualidade, drogas e ética estão cada vez mais latentes no seio familiar. Os pais sentem-se impotentes para educar seus filhos e buscam respostas para suas dúvidas, porém com o receio constante de perder a receptividade dos mesmos. Diante deste cenário, família e escola buscam adequar-se na educação dos filhos através de estratégias para motivar o aluno pela busca de um conhecimento que faça a diferença na construção deste novo tempo da sociedade. Atualmente, a família precisa manter um diálo-

go aberto com os filhos à medida que estes vão sinalizando suas dúvidas. O que não se deve perder de vista é o compromisso dos adultos/pais educarem de forma correta, ou seja, colocando limites adequados para a convivência social, o respeito ao próximo e ao meio em que vive. O exemplo do adulto no cotidiano é sempre imprescindível. Como diz um ditado popular, “as palavras movem, mas os exemplos arrastam”. Aristóteles – filósofo grego – possui uma frase que a cada novo ano torna-se mais significativa: “nós somos o que fazemos repetidas vezes, repetidamente. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito”. A exelência é a palavra que traduz este novo tem-

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

po. Para alcançar os sonhos e ideais – quer sejam pessoais, profissionais ou sociais – faz-se necessário planejamento, estratégia e emoção. Isto não é diferente quando se trata de educar filhos/alunos. Neste novo tempo é inconcebível deixar ao acaso ou simplesmente a “vida levar”. Precisamos ter a consciência de que formamos pessoas e que estas farão a diferença e mudanças futuras para o nosso próprio bem. Afinal, o futuro, também é nosso. A desinformação traz o medo e a insegurança. Espaços como este movem as pessoas para a reflexão e a busca de informação adequada e séria. O comportamento da sociedade atual é reflexo da educação recebida. Cabe a cada um

refletir e posicionar-se. Eis o nosso desafio para o novo ano e, porque não dizer, para a nova década: plantar, cultivar e colher. Plantaremos estes arbustos que darão flor apenas daqui a três anos. Plantaremos estas árvores que darão fruto um dia, mas só depois de dez anos. Plantaremos estes arbustos, Cecília Meireles Divulgação

Estamos construindo o futuro da Educação como devemos?


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Serviço

Filhos em direção segura o consumidor pode verificar

balho dos transportadores antes de contratá-los, parando próxim o à

Divulgação

Veja o que é importante verificar antes de decidir pela contratação de um serviço de trans-

por te escolar

como age o condutor durante o primeiro transporte No primeiro contato com o possível prestador, o pai do aluno deverá pedir todas as informações necessárias para garantir a segurança dos filhos. Para mais segurança, os pais devem exigir a apresentação do alvará de circulação, avaliar as condições de conservação e segurança do veículo, pedir referências e orientar as crianças para prestar atenção à conduta do motorista no trânsito. O ideal é observar o tra-

mento de preço dos combustíveis. Por fim, pode-se negociar, ainda, a melhor data para pagamento e incluir uma cláusula de multa por descumprimento de horários. Entre os cuidados se incluem: verificar se veículos e motoristas são credenciados na Prefeitura, estando, portanto, aptos a oferecer o serviço. É comum encontrar, nas fiscalizações, microônibus sem condições de tráfego e motoristas sem a documentação necessária. O consumidor deve conferir a documentação ou, então, na hora em que for vistoriar o veículo que fará o transporte (ou um deles, se for empresa e houver frota), deve conferir se há um selo atualizado colado no canto direito su-

perior do pára-brisa. O selo é a prova de que o veículo está credenciado e foi autorizado a prestar esse tipo de A coordenadora institucional da Associação dos Consumidores

(Proteste)

Maria Inês Dolci, explica que a prestação do serviço só é válida quando usada pelo consumidor. Dessa forma, a entidade entende que, a cobrança do transporte em 12 meses, apesar de não ser ilegal, é negociável. Esse tipo de acordo é possível se o transporte for terceirizado. Caso seja fornecido pela própria escola, o pagamento geralmente acompanha os boletos das mensalidades.

escola nos horários de entrada e saída, ou seguir o trajeto do veículo pelo trânsito, avaliando itens como parar em frente à escola (e não na esquina, por exemplo), delicadeza no trato com as crianças, ajuda na subida e descida, cuidados ao dirigir, respeito a semáforos, faixas de pedestre etc. Ônibus ou microônibus são veículos mais adequados a essa finalidade. É bom lembrar que um preço bem inferior à média cobrada no mercado pode significar um serviço inadequado.

Divulgação

A pessoa que vai levar seu filho para a escola precisa ser a mais confiável possível. Por isso, quando forem contratar um serviço de transporte escolar, os pais devem estar atentos. Geralmente as próprias escolas podem auxiliar na recomendação: algumas delas oferecem o serviço, outras indicarão uma empresa prestadora ou motoristas autônomos que já transportam alunos da instituição. Pedir referências do motorista a outros pais que usam os serviços do profissional também é recomendável. Se não for possível fazer isso agora,

Organizações de defesa do consumidor alertam para as normas de segurança determinadas pelo código de trânsito: cintos para cada criança, interior do veículo limpo, pneus em bom estado, lanternas funcionando, monitores para acompanhá-las nas viagens e motoristas com carteira de habilitação categoria D - própria para ônibus. As empresas que não estiverem cadastradas não poderão fazer o transporte escolar. Em relação ao contrato de prestação do serviço, é importante negociar para não ter que pagar reserva de vaga e período de férias. Deve ficar claro se haverá reajuste em caso de au-

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

Jornal da Vila - 07


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Capa

Lazer e cultura para todos

onde diferentes gerações podem interagir, trocar e vivenciar juntas os processos e projetos é uma meta que buscamos em nossos eventos”, afirma Ariane Campos, assessora de comunicação do SESC. O SESC também trabalha com atrações dirigidas a públicos específicos, como as atividades para a terceira idade, atividades para crianças, adolescentes e para o público adulto,

jovens (12  a 17 anos), o debate e a troca de experiências acontece através do programa “Papo Geral”, um bate-papo sobre sexualidade, cultura, comportamento, além da realização de oficinas. Com retorno marcado para fevereiro, o “Papo Geral” também é gratuito. Para o público adulto as opções são muitas. Espetáculos teatrais, espetáculos de dança, exibição de

Divulgação

“As atividades para públicos específicos são abertas às demais faixas etárias, visando sempre a integração e não a segregação”

08 - Jornal da Vila

mais convencionais, como cursos de enfermagem do lar, de noivas e serviços de saúde. Desde então, passou por mudanças de endereço até o final dos anos 60, quando começou a construção da Unidade SESC Campinas, inaugurada no dia 8 de junho de 1972. Uma das primeiras do interior de SP, com um prédio moderno, a unidade atualmente abriga quadras poliesportivas, piscinas e espaços de lazer para shows que sempre movimentam a vida social do campineiro.   Unindo gerações   Com um trabalho contínuo e de formação de público, a programação do SESC vai além das datas comemorativas.  A partir desse mês a unidade inicia o SESC VERÃO, um calendário com duração de dois meses cujo objetivo é o estímulo de práticas esportivas e o convívio social entre todas as faixas etá-

rias. Trabalhar a interação entre diferentes faixas etárias, aliás, é uma das metas do SESC. “Apresentamos ao público espetáculos, atrações e projetos que envolvem todo o público, independente da faixa etária.  O conceito de uma programação intergeracional,

filmes, clínicas esportivas, ginástica multifuncional, clubes de esportes, rodas de leitura. Com tanta variedade, o SESC Campinas se tornou uma parada obrigatória de lazer, entretenimento e diversão para famílias inteiras. “Meu pai sempre freqüentou o SESC. Quando eu era criança, eu o acompanhava e adorava passar horas brincando e lendo. Hoje levo o meu filho. É uma forma de educação também”, conta Ana dos Santos, funcionária pública.

Divulgação

Com uma atuação cada vez mais forte na região, SESC Campinas é referência em atrações, espetáculos e esportes para toda a família e se consolidou definitivamente como um polo de lazer e cultura no Bonfim e Vila Industrial   A relação do SESC com a cidade e particularmente com a Vila Industrial é antiga. Sinônimo de entretenimento e qualidade, desde 1948 o SESC tem forte atuação em Campinas na elaboração de projetos, promoção de atividades, cursos e espetáculos. Também tem programações especiais no carnaval, no Dia internacional da Mulher, festas juninas, Dia do Trabalhador, Dia do Comerciário, Dia da Criança, semana da cultura popular, semana olímpica e outras datas comemorativas. O SESC começou a atuar em Campinas na rua General Osório, em parceria com o Senac, oferecendo serviços de assistência social

mas mesmo as atividades dirigidas a públicos específicos são também abertas às demais faixas etárias. Entre as mais relevantes, para as crianças destacamse o SESC-Curumim, um programa gratuito de formação não-formal para a faixa etária de 07 a 12 anos, com brincadeiras, atividades artísticas e esportivas. Também fazem a alegria da molecada as rodas de ciranda, os teatros e os cursos de esporte como futebol e natação. Para os

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo


Jornal da Vila

Divulgação

Interação com o publico local   Após a crise cafeeira, a partir da década de 30, o aspecto de cidade rural assumiu uma característica urbana, com indústrias e

serviços. Campinas passou a vivenciar uma multiplicação de bairros no entorno das fábricas e do comércio, que começam a buscar  melhora da condição urbana a partir da década de 1950. Neste cenário, a

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

Divulgação

atuação do SESC com os bairros centrais como Bonfim, Centro, Vila Industrial, Botafogo e Castelo é intensa, com uma grande troca e participação da população. Muitos dos moradores e trabalhadores desses bairros são frequentadores assíduos do SESC, participando dos programas e projetos, comentando as atividades, interagindo com a equipe. O SESC como conhecemos hoje, com um prédio próprio, quadras, piscina, teatro e lanchonete, está instalado no Bonfim desde 1972, mas a história do SESC na cidade de Campinas é bem mais antiga. Depois de alguns anos situado no centro, o escritório do SESC sentiu a necessidade de uma sede própria, com um prédio planejado para abrigar as suas atividades. Com a construção da sua unidade, a atuação do SESC passou a ser ainda mais forte e entrou definitivamente na vida esportiva e cultural de Campinas. Depois de duas décadas no Bonfim, o prédio foi desocupado em 1998 para uma reforma completa. Durante quatro anos o SESC ocupou um prédio no centro da cidade, na Avenida Aquidabã, oferecendo também um sistema itinerante de

tornar referência em atividades físico-esportivas e culturais na região”, explica Ariane. Os locais terão capacidade diária para duas mil pessoas, com salas para oficinas culturais, espaço multiuso e adaptável com aparelhagem de som e iluminação, sala de ginástica com 1.500 metros quadrados com capacidade para 3.850 pessoas, 115 equipamentos de ginástica, parede de escalada, aulas de luta, técnicas alternativas, aulas em grupo e aulas de bike indoor. 

Divulgação

Divulgação

“Aumentamos a abrangência das ações e ampliamos o público, garantindo espaço aos atletas, artistas e grupos locais em nossa programação”

atividades nos mais diversos pontos da cidade como a Lagoa do Taquaral, a Catedral e os teatros. Em 7 de abril de 2001 foi reinaugurada a unidade no Bonfim.  Em 2006, o SESC adquiriu galpões onde são realizados grandes shows, exposições, espetáculos teatrais e atividades esportivas. Atualmente os galpões estão em reforma, com previsão de entrega para o primeiro semestre desse ano. “Com essa ação, o SESC Campinas visa o estreitamento de sua relação com a cidade, além de se

Divulgação

Divulgação

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Jornal da Vila - 09


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Vila Retrô

Estação ferroviária: história sobre trilhos

Dados Data de construção do prédio atual: 1884 Inauguração: 11 de agosto de 1872 (com trilhos) Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1872-1971) FEPASA (1971-1998) Uso atual: centro cultural Fonte de pesquisa: http:// www.estacoesferroviarias. com.br/c/campinas.htm

Procissão de São José, Campinas, SP, entre 1900 e 1920. Coleção Projeto Bairro, Identidade e Memória - Centro de Memória-UNICAMP

Fonte: “Além do túnel, uma vila” (Larissa Velasco).

“O Matadouro Municipal” Homem fazendo churrasco, Campinas, SP, 5 fev. 1995. Coleção Projeto Bairro, Identidade e Memória - Centro de Memória-UNICAMP

Um de nossos registros históricos mais importantes, a Estação Ferroviária continua viva na memória da cidade. Conheça um pouco da história desse patrimônio que atravessa nosso bairro A  Estação Ferroviária de Campinas  (também conhecida como  Estação de Campinas,  Estação da Fepasa  ou ainda Estação Cultura) foi inaugurada em 1872 e tombada como patrimônio histórico e cultural da cidade em  seu centenário, 1982. Serviu como estação ferroviária

até  15 de março de 2001, época em que partiu o último trem de passageiros com destino a Araraquara. Em julho  de  2003, com a desativação completa das linhas ferroviárias,  passou a abrigar um centro cultural, administrado pela prefeitura. É considerada um dos pontos turísticos da cidade. Curiosidades Em 1884 o prédio foi desativado, tendo sido inaugurado nesse mesmo ano um novo prédio, que

Vila Industrial, Campinas, SP, 1920. Coleção V-8 Centro de MemóriaUNICAMP 10 - Jornal da Vila

sobrevive até hoje. O velho prédio sobreviveu mais alguns anos, tendo sido finalmente demolido em 1889. Não agüentou os danos causados por um enorme formigueiro sob suas fundações, que o fez afundar, e também os danos causados por um grande temporal, em 1883. O novo prédio foi construído sobre o leito original dos trilhos, em frente à antiga estação. Entre 1910 e 1915, um segundo corpo foi construído na ala oeste, além de ter sido instalada a cobertura da entrada principal com estrutura metálica, que aliás existe até hoje. Finalmente, nos anos 20, acrescentou-se todo o segundo pavimento da ala leste e o segundo andar da extremidade oeste, onde existem a sala de bagagens e a sala 67. Em 1984, a estação, em meio a festas pelo centenário do prédio, sofreu uma grande reforma, dois anos depois de ser tombada como Patrimônio Histórico.

Matadouro Municipal, Campinas, SP, 194. Coleção V-8 Centro de Memória-UNICAMP

Instalado na Vila Industrial, o Matadouro da cidade era motivo de farra para a criançada “Construído em 1881 pela empresa particular “Cia. Campineira do Matadouro Municipal”, em um local na época adequado para tal atividade – área distante suficientemente do centro da cidade, sem construções e perto de um córrego – o Matadouro respeitava as normas de higiene e salubridade consideradas modernas para o final do século XIX. O

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

edifício era elegante, com edificações de tijolo à vista próximas umas das outras – seguia o plano do Matadouro de Lisboa – e possuía dois pavilhões, escritório, cômodo de matança do gado, salga e depósito de animais. Com o surgimento e crescimento da Vila Industrial próximo ao local, o Matadouro tornouse obsoleto e indesejado e foi demolido em 1970 sem ao menos ser tombado ou reformado. Antes de ser derrubado, o local onde se matavam vacas, bois e por-

cos para abastecer toda a cidade era uma área de brincadeiras para as crianças da Vila. Sendo um prédio aberto, sem restrições para entrada, principalmente o pasto, os meninos vilenses adoravam assistir às matanças. (...) O córrego que passava atrás do Matadouro, atualmente córrego do Piçarrão, era utilizado para jogar o lixo do local.” Fonte: “Além do túnel, uma vila” (Larissa Velasco)


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Em Tempo

Há tempos

Ô abre-alas que eu quero passar... Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo, o carnaval tem sua origem em uma festa portuguesa na qual, no passado, as pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. A festa acontecia num período anterior a quaresma e tinha um significado ligado à liberdade. No Brasil, desde o começo do século passado as ruas do Rio de Janeiro – cidadecoração da “festa pagã” – são invadidas no carnaval por grupos de pessoas dispostas a se divertir. No começo, a brincadeira recebia nomes diferentes:  ranchos, cordões, grupos, ou sociedades. Uma época de ingenuidade e diversão. Em Campinas,

os blocos atravessavam a Avenida Francisco Glicério e adentravam pelas ruas do centro. Na Vila, as crianças e jovens sonhavam diferente, sorriam diferente, e o carnaval era uma farra e uma alegria diferentes das “farras” e “alegrias” do carnaval de hoje, maquinal, exposição de pele sem pudor, por vezes até agressivo. Eram dessa época as marchas de carnaval, também conhecidas como “marchinha”. Esse gênero de música popular esteve no  carnaval dos brasileiros  dos anos 20 aos anos 60, quando começou a ser substituída pelo sambaenredo. A primeira marcha, composta em  1899, é de autoria  de  Chiquinha Gonzaga e intitulada  Ó

Abre Alas, feita para o cordão carnavalesco  Rosa de Ouro. Com compasso acelereado, melodias simples e vivas e letras políticas ou de duplo sentido, as marchinhas portuguesas também fizeram grande sucesso no Brasil até 1920, destacando-se  Vassourinha, em  1912, e  A Baratinha, em 1917. A verdadeira marchinha de carnaval brasileira começou a surgir no Rio de Janeiro com as composições de  Eduardo Souto, Freire Júnior e  Sinhô,  e atingiu seu ápice com intérpretes como Carmen Miranda, Almirante,  Mário Reis,  Dalva de Oliveira,  Silvio Caldas, Jorge Veiga e Blecaute, que interpretaram, ao longo do século XX, composições de  João de Barro, Braguinha e Alberto Ribeiro, Noel Rosa, Ary Barroso e Lamartine Babo. Curiosidades No carnaval de 1932, Lamartine Babo lançou “O teu cabelo não nega”, um

O desfile das escolas de samba de Campinas e dos trios elétricos acontecerá novamente na Avenida Rui de Almeida Barbosa, na Vila Industrial. O coordenador de Comunicação da Prefeitura, Francisco de Lagos Viana Chagas, confirmou que a estrutura será montada no mesmo lugar pela terceira vez consecutiva.  No ano passado, as reclamações de moradores do bairro sobre os transtornos da festa tipicamente brasileira chegaram até a Prefeitura, que prometeu transferir o evento para outro local em 2011. Dentre os incômodos foram citados problemas com o

volume do som, brigas e consumo de drogas. No entanto, o projeto para a construção de um novo sambódromo ainda continua em estudo e sem previsão para ser concluído. Parte dos recursos para o sambódromo, que seria construído na Avenida Ruy Rodrigues, na Vila União, já foi liberado pelo Ministério do Turismo — R$ 3 milhões. Segundo estimativas da Administração, a obra pode custar até R$ 20 milhões. O projeto prevê a construção de uma nave mãe, escola e praça. Quanto às reclamações dos moradores, a Prefeitura afirma ter condições para manter a segurança dos moradores e que já existem estudos da Secretaria de Urbanismo sobre a intensidade

sonora, que garantiriam os limites estabelecidos pela legislação durante a apresentação das escolas. “Sempre vai haver reclamação de alguns moradores, mesmo que transferíssemos para outro lugar. Todas as providências de preservação ambiental e segurança já foram tomadas. Se tudo der certo, ano que vem o Carnaval será realizado no sambódromo”, informou Chagas.

em 1960, a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro aprovou uma lei determinando a marcha “Cidade Maravilhosa” como marcha oficial da cidade.

Ó abre alas que eu quero passar Eu sou da lira não posso negar Eu sou da lira não posso negar (...) Rosa de ouro é que vai ganhar Rosa de ouro é que vai ganhar

E você, leitor? Dê sua opinião sobre o carnaval na Vila. Diversão ou transtorno? Envie seu comentário para o e-mail: jornaldavila@mcjeditora. com.br  Fonte de pesquisa: www.cosmo.com.br

Divulgação

Divulgação

Vila recebe carnaval novamente

Apesar das promessas, novo local para realização da festa continua indefinido

grande sucesso. Já o ano de 1935 foi marcado por um acontecimento bastante curioso: a marcha “Cidade Maravilhosa”, de André Filho, cantada por ele e Carmem Miranda, ficou em segundo lugar no concurso, perdendo para “Coração Ingrato”, de Nássara e Frazão, cantada por Sílvio Caldas. No entanto,

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

Abre alas (Chiquinha Gonzaga, 1899) Ó abre alas que eu quero passar

Jornal da Vila - 11


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Saúde

A dengue não comemora festas de final de ano nem respeita feriados. Assim,para que o surto em Campinas não atinja proporções alarmantes, é melhor respeitar cuidados simples. Em meados do ano passado, a Secretaria de Saúde decretou que a doença atingiu nível de epidemia, com mais de 1200 casos registrados em cinco meses. Por isso, é melhor continuar com as

ações preventivas contra o mosquito transmissor. Algumas medidas são conhecidas, como evitar qualquer tipo de água parada, esvaziar e escovar paredes internas de recipientes ou vasos que acumulam água. Para bromélias, deve-se utilizar água tratada com água sanitária, na proporção de 40 gotas por litro de água, duas vezes por semana. Não se devem cultivar plantas aquáticas. Quem possui pneus em casa, deve furálos e guardá-los em locais protegidos das chuvas. O mesmo procedimento é recomendado para latas

Doença que afeta primeiro animais para depois atingir os homens, a leishmaniose visceral tem ocorrido em surtos em Campinas. Por isso é bom prevenir, pois ela pode ser fatal para cães Um surto recente de leishmaniose visceral, com sete casos registrados em cães de Joaquim Egídio

Bronca

Saúde

sxc.hu

Infarto, ataque ou parada cardíaca?

Entenda o que significam os termos usados no dia-adia

12 - Jornal da Vila

e Sousas, colocou o Centro de Controle de Zoonoses de Campinas em vigilância. Considerada uma doença grave pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), a leishmaniose visceral pode afetar o homem. O inseto pica o animal doméstico da casa, que está infectado e, ao picar o homem, transmite a doença. Já foram identificados insetos transmissores na região. A doença é causada por protozoários do gênero

Leishmania e a forma visceral é considerada bastante grave e faz milhares de vítimas ao redor do globo, inclusive no Brasil, o que, contudo, se deve à ausência de diagnóstico e à conseqüente falta de tratamento. Os sintomas da forma visceral são febre irregular persistente, perda de peso muito acentuada, intensa palidez devido à profunda anemia, prostração, desnutrição, diarréia, queda importante da imunidade, dificuldade de coagulação do sangue e aumento do volume abdominal. Quando os animais adoecem, precisam ser sacrificados, mas seres humanos podem ser tratados; o Serviço Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito e a prefeitura está tomando previdências de controle.

Há diversas causas que podem levar à parada cardíaca, como insuficiên-

cia cardíaca em fase terminal, embolia pulmonar, arritmia cardíaca congênita, entre outras.  A mais comum, o ataque cardíaco, é conhecido popularmente por infarto ou infarte. Essa denominação “genérica” acontece geralmente quando ainda não se sabe a origem do ataque. Porém não se pode dizer que é a mesma coisa. O infarto é uma designação de um problema específico, enquanto ataque pode ser qualquer problema. Quando o coração se contrai, distribui sangue pelas artérias; e quando se dilata, traz o sangue de volta para dentro dele. Já a parada

cardíaca ocorre quando o coração para funcionar e deixa de exercer a função de bombeador. Porém, quando há obstrução de um vaso que alimenta o órgão, a região relacionada a esse vaso pode vir a morrer. Isso é o chamado infarto (ou enfarte) agudo do miocárdio do coração. O infarto pode levar à  necrose (morte do tecido) de parte do  músculo cardíaco  por falta de nutrientes e  oxigênio. É causado pela redução do  fluxo sanguíneo coronariano, ou seja, uma deficiência de oxigênio no músculo cardíaco por “entupimento” de uma artéria coronária.

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

“É da nossa consciência cuidar mais das áreas de lazer. As praças não podem se tornar depósitos de lixo de jardim, de árvores cortadas. A  praça próxima da rua Paschoal Celestino Soares (Praça Francesca de Marco Gatti) sofre com esse problema há bastante tempo. Basta que um cidadão comece a jogar lixo para que surjam pneus e outros detritos e assim vai acumulando. Com esse período de chuvas, o lixo entope as bocas de

lobo e vira um transtorno. Esse bairro é muito gostoso e tranquilo, precisamos preservá-lo para que todos possam sempre aproveitálo e ter acesso aos locais públicos.” Marta Maionchi Leite, professora e moradora da Vila Industrial.

Divulgação

Com a chegada do verão, todo cuidado é pouco com a casa para que não haja risco da chegada do mosquito da dengue

Saúde em risco para homens e cães Divulgação

Vigilância sobre a dengue

e garrafas, que devem ser emborcadas para não reter água. Moradores de casas precisam limpar periodicamente calhas de telhados, marquises e rebaixos de banheiros e cozinhas, não permitindo que a água se acumule ali. Todos os ralos de casas e prédios devem ser desinfetados quinzenalmente. Em terrenos que estão sendo feitas obras, recomenda-se encher com areia ou pó de pedra poços desativados ou depressões de terreno. Não se deve despejar lixo em valas, valetas, margens de córregos ou riachos. Aliás, o lixo precisa ser acondicionado em sacos fechados ou latões tampados. A ordem do dia é manter secas todas as dependências da casa ou condomínio, inclusive subsolos e garagens.


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Jurídica

Médicos e clínicas que relutam ou demoram a atender pacientes conveniados não estão fazendo apenas algo moralmente errado, mas uma grave infração ao código de ética profissional Há algum tempo, alguns consultórios médicos vêm adotando uma prática duvidosa para atendimento aos pacientes conveniados com planos de saúde, as quais contradizem o Código de Ética Médica que regula a profissão. A prática consiste em “jogar para frente” consultas que se darão através de planos de saúde, atendendo imediatamente apenas se o paciente pagar a consulta particular. O Código é taxativo ao estabelecer princípios fundamentais, como o I: “A Medicina é uma profissão a serviço da saúde do ser hu-

mano e da coletividade e será exercida sem discriminação de nenhuma natureza”. Há ainda a responsabilidade profissional, prevista no mesmo Código, que, no artigo 7º, diz ser vedado ao médico “ Deixar de atender em setores de urgência e emergência, quando for de sua obrigação fazê-lo, expondo a risco a vida de pacientes, mesmo respaldado por decisão majoritária da categoria”. No artigo 8º, lê-se no parágrafo único: “Caso ocorram quaisquer atos lesivos à personalidade e à saúde física ou mental dos pacientes confiados ao médico, este estará obrigado a denunciar o fato à autoridade competente e ao Conselho Regional de Medicina.” Já o artigo afirma que é proibido “Deixar de atender paciente que procure seus cuidados profissionais

em casos de urgência ou emergência, quando não haja outro médico ou serviço médico em condições de fazê-lo”. Outra proibição é a do artigo 40, que menciona ser vedado ao médico “ Aproveitar-se de situações decorrentes da relação médico-paciente para obter vantagem física, emocional, financeira ou de qualquer outra natureza.” Quando o paciente é cadastrado junto ao Plano de Saúde, o atendimento tem que se dar pela mesma forma que os demais. Porém, diferentemente disto, quando há necessidade de um atendimento com urgência, os pacientes sempre recebem a informação de que pelo plano só daqui a alguns dias, semanas ou mesmo meses, havendo a consulta apenas pela forma particular, pagando

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

ca, alegando que ela estava descumprindo o contrato e lhe causando prejuízos. A clínica, por sua vez, alegou que a empresa não possuía registro no CRM e que a usuária foi atendida pelo médico através de outro plano de saúde, e por isso não houve dano moral. A sentença do juiz de primeira instância, Maurício Goyata Lopes, eximiu a clínica de indenizar. Inconformada, a empresa recorreu afirmando ter havido, sim, conduta ilícita por parte da clínica. Nas contra-razões, a clínica insistiu na inexistência de dano. Contudo, os desembargadores entenderam que a clínica não comprovou que houvesse motivos para não cumprir o contrato e negar atendimento à usuária do plano. Com isso, condenaram a clínica ao pagamento de indenização de R$ 7.600. O relator destacou em seu voto que a clínica se contradisse em suas alegações, pois, aduziu que não houve a recusa de atendimento pelo referido médico, alegando, entretanto, ter atendido a paciente por outro plano de saúde, e pela lógica, atender por outro plano significa re-

cusa de atendimento pelo plano contratado. No Estado de São Paulo, a AUSSESP – Associação dos Usuários de Plano de Saúde do Estado de São Paulo já vem divulgando a prática deste tipo de conduta. Desta forma, caso este tipo de coação aconteça com você leitor, aja da seguinte forma: Aceite os termos postulados agendando a consulta particular, pague o valor somente após a consulta e entrega do recibo, em seguida, procure o PROCON ou um advogado de sua confiança. Sabemos das dificuldades que os profissionais da classe médica passam e dos esforços que desprendem para se manterem. Porém, atitudes deste tipo relatadas aqui, precisam ser combatidas. O direito à prevenção, manutenção e reabilitação da saúde é constitucional. Quando do cadastro junto ao plano de saúde, surge a obrigatoriedade de atendimento, não podendo haver discriminação pela forma em que se realiza a consulta.  Fernando Ormastroni Nunes – Advogado.

sxc.hu

sxc.hu

Paciente conveniado merece atendimento decente

pela consulta. Os Tribunais superiores já estão abolindo esta prática ilícita, através das ações que estão sendo ajuizadas, como a de Minas Gerais. A recusa do médico, de uma instituição hospitalar, em atender uma paciente, usuária de um plano de saúde, levou a 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais a condenar uma clínica, de Juiz de Fora, a indenizar a empresa mantenedora do plano em R$ 7.600 por danos morais. A clínica e a empresa de planos de saúde firmaram contrato em 9 de dezembro de 2004. Assim como outros contratantes, uma usuária do plano recebeu um livreto informando quais médicos atendiam por aquele plano e em quais clínicas. Ela procurou a clínica para uma consulta com um reumatologista, citado na listagem de médicos conveniados, e foi informada de que ele não atendia pelo plano, apenas de forma particular. Com o atendimento negado, a usuária procurou o PROCON local para requerer o cancelamento do contrato. Sentindo-se lesada, a empresa ajuizou ação contra a clíni-

Jornal da Vila - 13


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Imóveis

Divulgação

Varanda gourmet

área, o gerente tem visto essa tendência se consolidar aos poucos. Até bem pouco tempo atrás, de acordo com ele, espaço gourmet era privilégio de quem morava em grandes residências, com espaço suficiente para acolher uma bancada, fogão, fornos especiais, mesas longas, cadeiras, TV e outros itens que compõem o ambiente. “Mas depois que passou a fazer parte dos

14 - Jornal da Vila

Segundo o gerente de vendas de apartamentos da imobiliária Prado Gonçalves, Daniel Atensia Junior, “ reunir amigos em espaçosgourmet de condomínios virou moda no mercado imobiliário”. Profissional que possui 15 anos de experiência na

rio. “Eles mesmos comentam que frequentemente reúnem os amigos para cozinhar, transformando o encontro em uma experiência divertida. Além do mais, podem ter a oportunidade de receber as pessoas como se estivesse em casa, sem exatamente es-

Divulgação

Aquele espaço do apartamento ou casa que se usava para descansar e ver o final do dia está cada vez mais movimentado. Construtoras se deram conta que uma varanda pode ser um ponto de encontro de amigos ou local para

quintais. Dentro da tendência de considerar a gastronomia caseira como entretenimento para os amigos, uma varanda gourmet tem várias possibilidades de equipamentos. Ela pode ter tanto uma churrasqueira com exaustor e grelha elétrica, como uma bancada completa para a instalação de um cooktop (fogão que tem só a parte de cima) ou ainda de um forno de assar pizzas. Os mais sofisticados projetos chegam a contemplar adegas para vinhos neste espaço. De uma certa forma, os arquitetos estão criando um novo espaço de convivência e refeições. Para o gerente da Prado Gonçalves, a possibilidade de ter um espaço gourmet facilitou muito a vida dos moradores, pois com isso evita-se a sujeira e bagunça dentro de seu apartamento ou de casa. “As pessoas são recebidas com mais conforto porque os espaços têm mais lugares para receber os convidados”, justifica o profissional, segundo o qual os próprios clientes estão colocando à prova o seu talento culiná-

tar em casa”, observa. Outra vantagem de ter um espaço-gourmet é a economia. Em vez de gastar nos restaurantes, cozinhar em casa - ou melhor - no condomínio - pode sair muito mais barato para um grupo de pessoas que saem para almoços ou jantares e dividem as despesas’’ Engana-se quem pensa que a tendência está restrita a apartamentos de alto padrão, pois há demanda até para condomínios com unidades de 50 a 70m2, segundo construtoras e imobiliárias. “Os espaçosgourmet são muito valorizados por quem procura um imóvel para morar. Não há quem não se renda ao espaço. É muito versátil. E a decoração é um charme a mais. São lugares muito aconchegantes”, afirma Daniel Atensia Junior. Entretanto, é preciso observar no contrato o que está previsto para o espaço. É comum o espaço ser entregue com área para churrasqueira, pia e bancada, mas tudo deve ser discriminado no contrato de compra. Outros itens normalmente são à parte

Divulgação

exercitar os talentos gastronômicos. Assim, ganha popularidade no mercado o conceito de espaço gourmet, um espaço que pode chegar, nos apartamentos de alto padrão, até a 60 m2.

Divulgação

A tendência de fazer da varanda um espaço gourmet vem ganhando força em Campinas e está transformando uma área de descanso em sala de gastronomia e reunião e amigos

condomínios residenciais como área de lazer para uso de todos os moradores, as pequenas festas, jantares e reuniões entre amigos e familiares viraram moda. É cada vez mais comum as pessoas que gostam de cozinhar, poderem reunir os amigos em casa”, argumenta. Assim, ao mesmo tempo que um prédio ganha uma área de lazer e convivência, os apartamentos também estão oferecendo um lugar de socialização. Isso, naturalmente, tem um preço: os apartamentos estão ficando cada vez menores, em nome do aumento dos espaços de convívio. Nos novos projetos arquitetônicos, a varanda gourmet é tratada como extensão da cozinha ou sala de jantar, dentro do conceito de integração de ambientes. Todavia, essas áreas podem ser consideradas uma espécie de releitura dos antigos terraços, que permite agregar funcionalidade ao ambiente e têm ganho destaque nas edições mais recentes das principais mostras de arquitetura e decoração do país. Arquitetos comentam que, além de resgatar a tradição dos terraços, os espaços gourmet das varandas, de certa forma, recriam para os moradores de apartamentos a informalidade e a privacidade que os moradores de casas desfrutam em seus

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

e podem custar mais de cinco mil reais para serem adquiridos. Uma recomendação de consultores da área é saber se haverá dutos para exaustão na varanda gourmet, pois sem eles podem ocorrer problemas entre vizinhos.


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Divulgação

Água, um bem precioso

Para quem acha que água é um elemento abundante no planeta e que não deve se preocupar com isso, é melhor reavaliar seus conceitos. Cerca de

Receita

O verão chegou para aquecer o coração e “forrar” o estômago com pratos leves. Nada melhor que uma receita de macarrão muito gostosa e especial para essa época do ano! Tempo de preparo: 45 minutos. 4 porções Ingredientes: - 300 g de espaguete integral fininho ( pode utilizar o normal) - 1 colher bem cheia de margarina light sem sal - 1 dente de alho picado bem miudinho

minutos, pode gastar quase 280 litros. Os homens que têm a mania de fazer barba de torneira aberta, se a fecharem, podem economizar mais de mil litros de água por mês. O mesmo vale para quem resolve lavar o carro em casa. Três minutos de mangueira aberta para esse serviço consomem 215 litros de água, o que faz o balde ser recomen-

dado para esse serviço. Em casa, olho às rachaduras: faça a revisão periódica do encanamento e fique atento a sinais de vazamentos. Um buraco de 2 milímetros no encanamento desperdiça cerca de 3 mil litros de água por mês. Assim, fique atento e pratique soluções simples, que irão fazer a diferença em termos de consumo.

Personagem - 1 cebola média picada - 2 abobrinhas pequenas picadas - 7 azeitonas picadas - 1 cenoura pequena ralada - 600 g de carne de sobrecoxa de frango cortada em cubinhos - 2 cubinhos de caldo de frango, se encontrar o com azeite de oliva fica mais saboroso. - 1 cubinho de caldo de tomate, caso não encontre esse caldo utilize 3 cubos de caldo de frango e uma colher de sopa de colorau. - 7 tomates médios picados, se desejar tire a pele. - Pimenta-do-reino a gosto - louro em pó a gosto 1 colher de chá de orégano - 250 ml de água Modo de Preparo: 1. Cozinhe o espague al dente 2. Cozinhe a abobrinha também al dente, de preferência no vapor, e reserve

3. Coloque numa panela grande, de preferência wok, a margarina 4. Deixe derreter e acrescente a cebola, deixe dar uma douradinha e coloque o alho 5. Ponha o frango e deixe dourar 6. Pique os cubinhos de caldo sobre o frango, mexa 7. Coloque os tomates, a  pimenta  - do - reino, o louro e a cenora ralada 8. Cozinhe por aproximadamente 10 minutos 9. Acrescente a água e o orégano, deixe ferver em fogo médio até dar uma encorpada 10. Então coloque a abobrinha, as azeitonas e em seguida o macarrão 11. Mexa bem 12. Tampe a panela e deixe cozinhar por mais 1 minuto 13. Desligue e sirva.

Divulgação

Divulgação

Macarrão de Verão

mo tem sua distribuição em chuveiros, torneiras, bacias, máquinas de lavar, entre outros. Apenas para o banho, uma pessoa gasta, em média, 1575 litros mensais, o que dá 34% do consumo total de água em uma residência. Para piorar, muitos brasileiros ainda mantêm alguns maus hábitos, como os de escovar os dentes ou fazer a barba de torneira aberta, lavar as calçadas com mangueira, lavar roupas na máquina com metade da capacidade total do equipamento, entre outros. Por exemplo, a cada 15 minutos de torneia aberta, quando se está lavando louça, podem se perder 115 litros. Na calçada, um esguicho forte de mangueira, aberto por 15

Antonio Carlos, o Toninho da Vila Teixeira Cesar Serrazes

O líquido mais importante do planeta não é ilimitado e por isso deve ser utilizado com cautela e moderação, para que dure. Veja algumas dicas de como usar melhor a água e evitar desperdícios

97,50% da disponibilidade mundial da água está nos oceanos (água salgada), ou seja, água imprópria para o consumo humano. Isso significa que temos mais de 2,4% para nosso uso, certo? Errado, a maior parte do restante está em regiões polares ou subterrâneas, de difícil aproveitamento. Apenas 0,007% da água disponível é própria para o consumo humano, e está em rios, lagos e pântanos (água doce). Isso significa que é preciso usar melhor o que temos à nossa disposição, para que não falte . Estatísticas mostram que por dia, uma pessoa no Brasil gasta de uma média de 150 litros de água por dia (dependendo da sua região). Este consu-

sxc.hu

Vila Eco

Personagem do bairro, o cabeleireiro Toninho carrega no sobrenome Teixeira uma origem de muito orgulho O sorriso fácil e caloroso ao relembrar histórias é cativante. Nascido na Vila Teixeira em 1936, Antonio Carlos Teixeira, o Toninho, como gosta de ser chamado, é uma personagem que desde a infância acompanha a evolução do bairro e guarda suas histórias, a

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo

maioria delas relacionada à sua profissão, o corte de cabelo. Simpático e solícito, Toninho lamenta que a profissão tenha se desgastado nas últimas décadas. “Também sou barbeiro, mas o público é pequeno e quase não vemos mais barbeiros por aí”, comenta. “Sou um dos últimos trabalhando ainda”, revela. Toninho começou sua vida profissional na Rua Carlos de Campos, Vila Industrial, durante a adolescência. Neto do cadete João Teixeira, cujo sobrenome deu origem ao nome do bairro, Ele mudou-se alguns anos depois para uma das principais avenidas do bairro, a Sales de Oliveira, de onde acompanhou o desenvolvimento do bairro, mas também guarda muitas memórias do cen-

tro velho de Campinas, região na qual trabalha até hoje e que abrigou os mais famosos salões de cabeleireiro da cidade. “Vim para o centro trabalhar no Salão Elite (Rua Conceição), um salão chique, bem freqüentado, muito conhecido. A maioria dos meus amigos é do centro”. Atualmente Toninho continua no centro, em um salão na Rua Barão de Jaguara, com seus clientes fixos, a maioria amigos de longa data. Da Vila Teixeira, Toninho mostra um certo saudosismo dos seus tempos de infância e juventude. “Até hoje o bairro é calmo, sem violência, mas não é como antigamente... Quarenta anos atrás a Vila tinha mais verde, era mais sossegada. Como eu gosto bastante de natureza, pensei em me mudar para Sousas”, comenta. Mas quem disse que conseguiu? “Gosto bastante daqui, não pretendo mudar mais”. Jornal da Vila - 15


Jornal da Vila

Campinas - Fevereiro de 2011 - Edição nº 03, ano 1 www.jornaldavilacampinas.com.br

Jogo dos 7 erros

Palavras cruzadas a - Competição (popular) b - Peça plana, de madeira c - Que animal dizem ter sete vidas? d - ... de laranja ... de limão e - Boneco articulado f - Que vivia nas cavernas g - Animal (doméstico/ fêmea) h - Veículo aéreo i - Pele em torno das unhas j - Pequena câmara (navios, teatro) k - Budapeste é a capital da ... l - Tipo de ave m - Manuscrito antigo n - Tipo de vegetação do nordeste o - Flores de fragrância forte p - Homem muito pobre q - Calmante r - Árbitro s - ... de saúde t - Capital do estado do Amazonas u - Adorno Feminino v - Substancia secretada na boca w - Conjunto de teclas

Humor

Sudoku

16 - Jornal da Vila

Vila Industrial - Vila Teixeira - São Bernardo - Bonfim - Botafogo


edicao3jv