Page 1

Compaixão que transforma e resgata

Saiba como foi a Semana Santa 2016 e conheça a história de um atleta que decidiu não correr mais aos sábados e foi batizado.

Envolvimento total

Conheça a história dos dois representantes gaúchos que atuaram no projeto Um Ano em Missão, em 2014 e 2015.

a esperança PERMANECE

Literatura que será distribuída em maio reapresenta conceito, agora, focado nas doutrinas bíblicas.


PALAVRA DO PRESIDENTE

Cristãos legais “Nisto conhecerão todos que sois Meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros”. (João 13:35) O pastor Dwight K. Nelson, líder espiritual titular da Igreja Pioneer Memorial, na Universidade Andrews, em Michigan (EUA), cita em seu livro “O Décimo Primeiro Mandamento”, a oração de uma menininha inglesa: “Ó Deus, faça com que as pessoas más se tornem boas... e as boas se tornem legais.” Dias atrás, deparei-me com um vídeo na internet, onde um ateu declarado afirma as seguintes frases: “[...] o desafio dos religiosos hoje é cristianizar os cristãos” e “[...] o grande desafio cristão hoje é: como enfrentar um ambiente que, formalmente, é religioso e, na prática, é completamente egoísta e voltado totalmente para si? Como falar de Deus para alguém que tem Ele no carro, na casa e na camiseta, mas não o possui no coração?”. Parece irônico, mas acabo de citar uma mensagem cristã muito forte, pronunciada por um ateu. “Cristianizar os cristãos?” Utilizando uma citação do autor Philip Yancey, o pastor Nelson relata uma história verídica ocorrida na cidade de Chicago, contada a Yancey por um homem que trabalhava com excluídos da grande cidade norte americana. Um dia, segundo ele, uma prostituta o procurou desesperadamente em situação deplorável, sem residência fixa, doente e incapaz de comprar alimento para sua filhinha de dois anos de idade. Em meio a soluços e lágrimas, ela contou que alugava sua filha – de apenas dois anos – para homens interessados em perversão sexual. Por uma hora, isto gerava mais dinheiro do

que podia receber em uma noite inteira. Precisava fazê-lo – disse ela – para sustentar seu vício em drogas. “Eu mal suportava ouvir aquela história sórdida”, confessa o autor. “[...] isso me tornava legalmente responsável. Sou obrigado a relatar casos de abuso infantil”, continua ele. “Eu não tinha ideia do que dizer àquela mulher. Por fim, perguntei se ela já havia pensado em procurar ajuda em alguma igreja. Nunca me esquecerei da expressão pura, ingênua e chocada que se estampou em seu rosto. “Igreja!” – exclamou a mulher. “Por que iria eu a uma igreja? Eu já me sinto terrivelmente mal comigo mesma. Eles só fariam com que me sentisse pior”, lamenta. Yancey pondera então: “o que me impressiona nessa história do meu amigo é que mulheres muito parecidas com essa prostituta voavam na direção de Jesus, e não para longe dEle. Quanto pior se sentia uma pessoa a seu próprio respeito, tanto mais facilmente via a Jesus como um refúgio. Teria a igreja perdido esse dom? Evidentemente, os excluídos que se aglomeravam em torno de Jesus, não mais se sentem aceitos entre os seguidores dEle. O que aconteceu?” Nesta linha, Nelson faz uma confissão sobre essa experiência que, pode, inclusive, ser a minha ou a sua realidade neste contexto. “[...] entendo que a história da mãe desesperada pode ser uma aberração ou uma exceção à regra geral da vida na qual vivemos e

eu rapidamente a classificaria como tal, não fosse pela perturbadora consciência de que, com frequência demasiada, não tenho revelado amor, particular e publicamente, como Jesus teria, se estivesse em meu lugar. Tenho sido rápido demais em julgar os outros e ansioso demais por cochichar minhas críticas junto a algum ouvido atento. Tenho condenado aqueles de quem discordo e menosprezado aqueles cujos gostos não são os meus. Passo correndo de largo por aqueles que esperam uma palavra de compaixão, de atenção ou até mesmo um sorriso amável – correndo para tratar dos negócios de meu Pai, sem ter o coração do Pai. Tenho fingido ser tolerante para com todas as raças e culturas, enquanto ao mesmo tempo dispenso como figuras menores aqueles que são diferentes de mim.” Recentemente, pude ver ações de compaixão por parte de algumas congregações, como ênfase do evangelismo de Semana Santa em nosso território e louvo a Deus por isso. Porém, me incomoda o fato delas serem apenas algumas gotas no oceano de uma sociedade ansiosa por cristãos cristianizados. Lewis Smedes escreveu: “Deus chora quando as pessoas acham que podem amar somente a Ele. As pessoas necessitam das pessoas, tão certamente como necessitam de Deus. E porque Deus sabe disso, o Seu amor redentor cria um grupo de distribuidores de amor.” Esses, creio eu, são, de fato, os cristãos legais. Referências: - Dwight K. Nelson, “O Décimo Primeiro Mandamento”, pág. 14. - Lewis Smedes, Love Within Limits, Pág. 26.

Pastor Milton Andrade

- EXPEDIENTE -

Equipe ASR: Antônio Barreto, Célio Longo, Douglas Pino, Edson Rauber, Élvia Andrade, João Lorini, Jefferson Queiroz, Rosa Rauber, Vinicius Cardoso. Edição Trimestral Tiragem: 6 mil exemplares Distribuição Gratuita - Copyright by ASR Associação Sul-rio-grandense da Igreja Adventista do Sétimo Dia

Revista Voz dos Pampas Associação Sul-rio-grandense Av Caí, Nº 82 - Bairro Cristal - CEP 90810-120

Porto Alegre - RS Fone: (51) 3245 7000 Website: asr.adventistas.org

Produção Executiva: Milton Andrade, Leonardo Preuss e Harlei Queiroga Diretor de Comunicação: Vinícius Cardoso Jornalista Responsável: Willian Vieira Arte/Diagramação: Diego Soares


EDITORIAL

esperança viva Há cerca de oito anos, a Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul vem distribuindo livros como “folhas de outono”, espalhando por todos os cantos a mensagem de esperança. E neste ano, não pode ser diferente. A campanha continua com uma nova abordagem. Intitulado “Esperança Viva”, este livro seguirá uma linha mais doutrinária, focando temas como a guarda do sábado, o estado dos mortos, a teologia da prosperidade, a controvérsia a respeito da origem da vida, além da questão da prática de línguas estranhas em rituais religiosos. O livro foi produzido pelo pastor Ivan Saraiva, que atua como apresentador do programa “Está Escrito”, veiculado semanalmente pela TV Novo Tempo.

2 Palavra do Presidente Cristãos Legais

3 Editorial Esperança Viva

4 Reportagem Compaixão que resgata e transforma

6 Capa A Esperança Permanece

8 Envolvimento total Missão Extrema

10 Giro pelos Pampas 12 Artigo Dizer “não” também faz bem

Segundo o autor, o objetivo do livro é “alcançar pessoas que não acreditam mais em igrejas” por rejeitarem o “evangelho” vulgar e descontextualizado que é apresentado frequentemente pela mídia. Desse modo, conforme explica Saraiva, a intenção do novo livro missionário é “mostrar que a Bíblia também não concorda e não aceita qualquer evangelho além do que ela mesma apresenta”. Para ele, ao longo das leituras, “milhares de pessoas descobrirão que existe uma igreja bíblica que também não concorda com muita coisa que é tida por verdade”, acredita Saraiva.

dia 14 de Maio, unamos forças como um grande exército, para distribuir esta mensagem de esperança e salvação a nossos vizinhos, amigos e irmãos. Vamos nos unir para que todas as casas ao redor de nossas igrejas e grupos recebam este livro, fazendo nossa parte aqui, em nossa região, assim como nossos irmãos adventistas, espalhados pelos oito países da Divisão Sul-Americana, que também o farão. Para isto basta você ou sua igreja adquirirem o livro “Esperança Viva” na loja da Novo Tempo mais próxima de sua casa. Temos uma na sede da Associação e outra no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (Iacs). Aproveite a promoção que estamos fazendo por tempo limitado, onde, para cada livro adquirido, você ganha outro de cortesia. O preço do livro é apenas R$ 1,00. Resumindo, na compra de um, você leva dois.

Quero concluir com uma mensagem do pastor Ivan Saraiva direcionada a mim e a você: “O livro foi escrito com muito carinho, oração e pesquisa minuciosa... Meu recado para o leitor é: amigo, antes de distribuir o livro, leia-o. Você terá alegria e prazer em oferecer esse livro que apresenta as verdades do cristianismo de maneira clara e transparente. Esse livro levará muitas pessoas a uma libertação de crença sem precedentes. Vamos juntos pregar Em meio à pluralidade de o evangelho”. interpretações bíblicas existentes nas mais de 40 mil denominações Pastor Leonardo Preuss cristãs, o livro “Esperança Viva” terá o grande desafio de reconduzir os leitores às Escrituras, a fim de que eles redescubram o cristianismo puro em sua teologia e doutrina. Quero convocar você e todos os membros de nossa Associação Sul-Rio-Grandense para que no

R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s | M a i o 2 0 1 6

3


REPORTAGEM

COMPAIXÃO QUE TRANSFORMA E RESGATA

                         

Semana evangelística que antecedeu a páscoa aproveitou abertura das pessoas para demonstrações do amor de Cristo em ações especiais. Compaixão e envolvimento estão entre aspectos que conservam relacionamentos e motivam fé de indivíduos.

“O troféu mais legal vai ser aquele que eu vou receber de Jesus.” João Ronaldo

4

O evangelismo de Semana Santa realizado entre os dias 19 e 26 de março teve, pela primeira vez na história, a junção de três projetos diferenciados: o Dia Mundial do Jovem Adventista, o Mutirão de ComPaixão e o início da Semana Santa. A ideia de atrair às pessoas por meio de ações solidárias veio como iniciativa da sede sul-americana da Igreja, com objetivo de demonstrar o mesmo espírito que Jesus teve ao viver na Terra. Foi por este motivo que o pastor Erton Köhler, líder sulamericano dos adventistas, reforçou durante a preparação para o evangelismo de que as pessoas precisam, de fato, sentirem “o amor em ação”, antes de serem evangelizadas. Nas regiões leste e sul do Rio Grande do Sul, ocorreram doações de sangue em postos de coleta, entrega de roupas e

M a i o 2 0 1 6 | R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s

brinquedos às famílias carentes, buzinaço nos faróis, abraços gratuitos, entrega de livros missionários, feiras de saúde e encenações sobre o sacrifício de Jesus. Em Taquara, uma ação que disponibilizou roupas de qualidade em varais, próximo a uma rua coberta conhecida, mobilizou a juventude. “Lá, oramos com as pessoas, abraçamos e ouvimos seus pedidos e histórias. Deixamos roupas, folhetos da TV Novo Tempo, sobre o projeto Vida por Vidas e, é claro, convites para Semana Santa. A inexplicável e boa sensação de dever cumprido era o que estava estampada no rosto de cada jovem, mesclando com a gratidão dos que recebiam as doações”, conta Felipe Alexandre, líder auxiliar regional de jovens para a região da Serra Gaúcha e Paranhana.


As igrejas realizaram o programa tradicional de Semana Santa em duas partes: a primeira metade ocorreu nas casas dos fiéis e a segunda, nos templos. Os servidores que atuam no escritório que administra atividades da Igreja Adventista nas regiões leste e sul do Rio Grande do Sul (ASR) atuaram no bairro Partenon. “Quem participou destes momentos pôde ter a certeza do quão bom foi estar entre os irmãos. Nós fomos muito bem recebidos e aproveitamos este ambiente de unidade e de entrega”, declara o líder financeiro da Igreja, Harlei Queiroga. Como ocorre nas semanas de evangelismo, as histórias de conversão são diversas. Entre elas, há a de um atleta que havia se afastado do caminho da fé e resolveu selar sua volta durante a Semana Santa, no município de Parobé. João Ronaldo da Silva Martins, de 37 anos, pertence a uma família cristã, mas começou a fazer parte da igreja de forma oficial há cerca de 17 anos – a convite de seu irmão, Leandro. O interesse pelo esporte começou após participar de uma corrida rústica promovida pelo Instituto Adventista

Cruzeiro do Sul (Iacs), internato confessional de Taquara. Anos depois da prática da modalidade ter ganhado fôlego em sua vida, Ronaldo precisou se mudar de casa, saindo do bairro Cohab, onde morava, para o bairro Guarujá. O acontecimento fez com que os com vínculos cultivados e o envolvimento com a igreja do Loteamento Panorâmico fossem afetados. “Eu estava em um ritmo forte. Gosto de movimento e de bastante gente. Sempre tinha muitas programações, grupos de música. Eu até fazia trabalho missionário, visitava asilos e comecei a frequentar o clube de Desbravadores, mas quando me mudei, foi um pouco difícil me adaptar. Como passei a frequentar um grupo menor, nem sempre tinham tantas atividades no sábado à tarde, daí, comecei a ocupar o meu tempo aos sábados com mais corridas”, relembra. Mesmo assim, João Ronaldo não parou de frequentar a igreja e depois de um tempo, percebeu que precisava se posicionar quanto ao que seguir. Em suas reflexões, aliadas a insistência de familiares e amigos por sua volta, ele decidiu deixar as atividades esportivas no sétimo dia. “Eu

falei para eles que não vou nem treinar mais. Só quero fazer treinos [no fim de semana] se forem aos domingos pela manhã e, de preferência, competições aos sábados à noite. A maioria das competições com mais de 80, 100 km, são normalmente feitas aos sábados, porque vem gente de vários lugares, daí no domingo, é muito trabalho, pois o pessoal precisa voltar para suas cidades e Estados”, explica. Hoje, João Ronaldo atribui seu retorno à família, à companhia de irmãos de fé e, especialmente, ao envolvimento nas ações missionárias. Ele se junta às centenas de pessoas que reencontraram a Deus aos pés da cruz e, de acordo com a narrativa bíblica, o prêmio para quem coloca Jesus no centro de tudo é maior do que todas as glórias passageiras. “É como eu digo: o troféu mais legal vai ser aquele que eu vou receber de Jesus, pois os prêmios desta vida aqui fazem parte de momentos. Teve medalha que eu até dei para crianças. Os troféus do esporte, com o tempo, você nem liga... Ficam ali, criando poeira, mas o que Ele vai me dar é o troféu da vitória”, conclui Ronaldo. 5

R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s | M a i o 2 0 1 6


CAPA 

A ESPERANÇA PERMANECE Citada mais de 100 vezes na Bíblia, a esperança em Deus tem o poder de tornar mais viva, a experiência de qualquer ser humano. Novo livro missionário retoma o tema, agora, com foco nas doutrinas bíblicas.

6

O livro missionário para 2016 tem suas bases fincadas em uma série de doutrinas bíblicas. A proposta do material é fazer com que leitores – especialmente aqueles que não acreditam no que é dito pelas igrejas – encontrem na Palavra de Deus, o conforto e a confiança que tanto necessitam para viver. Em um mundo que passa por crises políticas, sociais e espirituais, o desconhecimento, a insegurança e o desamparo fazem com que pessoas caminhem em direções diferentes, cada qual com sua visão. Por este motivo, a identificação de uma verdade absoluta por meio da Bíblia ajuda indivíduos a seguirem em um mesmo rumo com ânimo e perseverança. O livro foi escrito pelo pastor Ivan Saraiva, conhecido por apresentar os programas Está Escrito, A Voz da Profecia e acompanhar o quarteto Arautos do Rei em caravanas pelo Brasil e outras partes do mundo. Composto por 93

páginas, o material é dividido em 12 capítulos com temas independentes, mas sob o mesmo guarda-chuva da verdade. Os temas discutidos estão entre alguns dos mais procurados e debatidos pelos curiosos, como a origem da vida, ateísmo, ocultismo, milagres,

virtualidade e salvação. No entanto, a abordagem de Saraiva não se deixa seguir pelos moldes populares. Para ele, a verdade precisa estar ancorada no conhecimento de quem é o dono de tudo: um Ser que é, em si mesmo, a pura verdade. “Embora a verdade seja impopular e não

M a i o 2 0 1 6 | R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s

seja buscada ou desejada por muitos, a proposta deste livro e redescobrir esse tesouro”, escreve Saraiva, em um trecho do prefácio. Conforme a narrativa, quem possui o conhecimento da verdade de Deus pode andar de forma mais tranquila e até mais viva, já que a esperança em um futuro melhor – segundo pesquisas de especialistas citadas no primeiro capítulo – gera vários benefícios ao que crê. A ideia motivacional de esperança faz com que seres humanos tenham mais vontade de concretizar planos. Por consequência, a influência em aspectos físicos também é vista, como por exemplo, em maior resistência a doenças e lesões. A própria Bíblia apresenta a esperança da salvação como uma espécie de capacete, parte crucial de uma armadura. Além disto, há também a constatação de que a confiança em Alguém maior que si mesmo contribui de maneira significativa para que males como a depressão sejam bem menos propensos. Essa perseverança também faz diferença na hora de fazer escolhas difíceis. Ao mesmo tempo em que o livro busca falar de uma das grandes virtudes do cristianismo, uma série de doutrinas e conceitos são apresentados pelo autor. Em um mar de denominações cristãs – mais de 40 mil delas no mundo todo – o descrédito das pessoas por assuntos religiosos ganha muita força. “Esse fenômeno pós-moderno se dá, sobretudo, por dois fatores: pela superficialidade do conhecimento bíblico e pelo alto índice de rejeição ao evangelho vulgar e descontextualizado que encontramos nos veículos de comunicação. Ao nos


“Embora a verdade seja impopular, [...] a proposta deste livro é redescobrir este tesouro.” Ivan Saraiva posicionarmos claramente ao lado da Bíblia, fazemos o contraponto natural a tudo que afasta as pessoas de Jesus e do evangelho eterno. À medida que esse livro for sendo lido, milhares de pessoas descobrirão que existe uma igreja bíblica que também não concorda com muita coisa que é tida por verdade”, ressalta Saraiva, em entrevista concedida a Agência Adventista Sul-americana de Notícias (ASN). A Esperança Viva que irá chegar a milhares de lares nas regiões leste e sul do Rio Grande do Sul, entre os dias 14 e 15 de maio, é um dos três pilares permanentes da vida cristã, citados pelo apóstolo Paulo na primeira carta aos Coríntios. “Permanecem a fé, a ESPERANÇA e o amor” (I Cor 13:13). É por meio dela que os cristãos, incluindo os adventistas, esperam a concretização do Reino da Glória. É só um pouco mais!


ENVOLVIMENTO TOTAL

MISSÃO EXTREMA

Eles nunca mais foram os mesmos depois de saírem de casa para serem missionários. Após se envolverem em projetos de voluntariado missionário, os jovens gaúchos Vinicius Santos e Tiago Rabelo tem histórias de sobra e aprendizado para compartilhar com muita gente. Entre elas, há o relato de uma mulher presa ao vício da bebida alcoólica, que decidiu mudar de vida, mas que, certo dia, teve profunda recaída. “Eu apelei forte para ela voltar para Jesus, para largar o vício e nunca mais colocar álcool na boca. Então, peguei a última garrafa de cachaça que havia ali e chamei a Sônia para fora e até filmei o ato dela derramar o líquido no chão. Graças a Deus, ela aceitou a Jesus e, ainda hoje, é adventista do sétimo dia”, conta Rabelo, que atuou na cidade de Santa Maria durante o ano de 2015, na segunda edição do projeto Um Ano em Missão.

O verdadeiro evangelho é se conectar às pessoas por meio de relacionamentos e assim conectá-las a Cristo”

A iniciativa que reuniu nove representantes dos Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul em dois períodos, 2014 e 2015, foi promovida pelo escritório da Igreja Adventista para o Sul do Brasil – União Sul Brasileira. Vinicius Santos, que atuou como voluntário na primeira edição em Ciudad del Leste, Mingua Guazu e Presidente Franco, três cidades do Paraguai, conta que, no passado, já havia certa simpatia no coração pelo trabalho evangelístico. “Desde que me tornei cristão, passei a admirar histórias de missionários – o que me levou a missão primeiramente na localidade onde morava, como obreiro bíblico, e posteriormente, na inscrição para participar do projeto”, relembra o jovem, que esteve envolvido em três das seis edições do programa Missão Calebe, ocorrido sempre nas férias de janeiro. No caso de Rabelo, que atuou no município de Santa Maria em 2015, não foi apenas a Missão Calebe que trouxe a base que ele tanto precisava. “Fui colportor em seis

campanhas e foi por meio deste trabalho que tive o meu maior crescimento e amadurecimento espiritual e pessoal. Isto contribuiu para despertar o desejo de servir a Deus e ao meu próximo onde estiver”, revela. Antes de colocar a mão na massa, eles leram manuais e literaturas produzidas com o máximo possível de informações para quem pretende ser missionário voluntário – como por exemplo, o livro Passaporte Para a Missão, da Casa Publicadora Brasileira. Em seguida, passaram um período no espaço do Instituto Adventista Paranaense (IAP), em Ivatuba, onde receberam orientações de especialistas sobre evangelismo e ação missionária. Eles trataram dos perfis culturais dos públicos-alvo e, por conta do projeto internacional, também estudaram a base da língua falada no país vizinho. “Ouvimos experiências de missionários e tivemos aulas sobre a cultura paraguaia e, inclusive, sobre os dois idiomas: guarani e espanhol. O guarani é uma língua nativa muito complexa de se entender, então, aprendemos apenas o básico. Agora, eu acreditava que já sabia o espanhol, pois já havia feito cursos, mas quando cheguei lá, percebi que não sabia muita coisa”, conta Santos, em risos. Na visão de Rabelo, que atuou em Santa Maria, o treinamento recebido em sua época foi o melhor de sua vida. “Recebemos instruções sobre homilética [definida como a arte da pregação cristã] e também sobre evangelismo, com o pastor Sidnei Mendes, professor de pratica pastoral no Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia do IAP, que se tornou o nosso ‘paizão’. Também recebemos aulas de liderança, desbravadores, aventureiros, feiras de saúde, estudos bíblicos, profecias e muito mais”, pontua.


O preparo culminou na realização de uma série de ações. A partir do desenvolvimento e coordenação de estudos bíblicos, feiras de saúde e pequenos grupos, novas pessoas foram integradas ao corpo da Igreja em ambas as edições do projeto e, ao mesmo tempo, houve uma preocupação especial para que não fossem criados consumidores de mensagens, mas sim, discípulos locais, que dariam prosseguimento as ações mesmo com o término do projeto. O ‘plantio’ de igreja também geraria um templo físico, para que os novos membros pudessem se reunir. A participação de Santos e Rabelo trouxe uma percepção mais profunda da relação que as pessoas têm com Deus e com os cristãos. Para eles, o relacionamento e o testemunho são pilares básicos no trabalho de difundir as boas notícias de perdão e esperança. “Acredito que só entendi, de fato, o que é o evangelho depois desta experiência, pois em minha mentalidade, evangelizar era apenas levar pessoas a assistir cultos em nossa igreja. O verdadeiro evangelho é se conectar às pessoas por meio de relacionamentos e assim conectá-las a Cristo”, expõe Santos. Em uma dessas ocasiões, Santos viu o quanto as pessoas estão abertas e necessitadas de uma esperança viva. Ao ministrar estudos bíblicos com outro voluntário à dona Mirna, um dos temas acabou trazendo comoção extrema a senhora. “Ali, em um dos dias, ensinamos que Jesus vai voltar – e para nós, é uma realidade que, muitas vezes, não valorizamos na real dimensão – e ela não sabia sobre isso. Quando descobriu, começou a chorar e nós também. Foi um momento muito emocionante. Ainda tenho notícias dela e sei que está crescendo em Cristo para glória de Deus”, recorda. Hoje, no ambiente universitário, Rabelo entende que aquilo que aprendeu deve ser aplicado por ele para tentar salvar ao menos um, pelo testemunho de sua fé. “Hoje, convivo num ambiente altamente secularizado, cercado por ateus e agnósticos, mas como aprendido no projeto, trabalho com afinco pela construção do meu testemunho – que é o argumento mais forte – diante dos colegas, o que já gerou interesse de alguns para estudarem profecias comigo. Agradeço a Deus e aos homens usados por Deus, por eu ter participado do projeto Um ano em missão”, conclui.

“ Desde que me tornei cristão, passei a admirar histórias de missionários.” (Vinicius Santos, que atuou no projeto em 2014)

“Fui colporta r em seis ca mpanhas. Is despertar o de to contribuiu sejo de servir para a Deus e ao m Rabelo, que eu próximo.” (T atuou no prog iago rama em 2015 , a esq. na fo to)

Grupo que at uou em 2014 , no Paragua representand i, o a União S ul Brasileira.

R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s | M a i o 2 0 1 6

9


GIRO PELOS PAMPAS

FATOS EM DESTAQUE 02

LOUVOR NO RÁDIO E NA TV

01

Uma representação de estudantes pertencentes ao Coral dos Adolescentes do Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (Iacs), de Taquara (RS), esteve nos estúdios da Rede Novo Tempo de Comunicação, em São Paulo. O grupo divulgou em programas de TV e rádio, as canções de seu trabalho artístico mais recente – o DVD Casa do Louvor – lançado em novembro de 2015. Além da participação no programa televisivo Caixa de Música, o coral gravou três módulos para o programa Feliz Sábado, que vai ao ar ao pôr do sol das sextas-feiras.

10

Na intenção de fortalecer hábitos de fidelidade a Deus e esclarecer dúvidas sobre o tema, a sede administrativa regional da Igreja (ASR) promoveu um encontro para líderes da área de Mordomia Cristã e tesoureiros. O orador do evento foi o pastor Paulo Clézio, diretor do Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia (SALT) do Instituto Adventista Paranaense. Na ocasião, ele abordou a adoração a Deus fundamentada na escritura bíblica. No encontro, os tesoureiros também receberam orientações sobre questões técnicas da função.

FIDELIDADE INTEGRAL

M a i o 2 0 1 6 | R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s

ATENDIMENTO GRATUITO

03

Em tempos de problemas graves na saúde pública de Guaíba – seja pela falta de hospitais estruturados e atendimentos básicos –, adventistas do município promoveram um mutirão de consultas gratuitas no segundo domingo de março (13). A ação, feita em parceria com médicos da região, beneficiou cerca de 73 crianças e 65 pessoas de outras faixas etárias. Os profissionais receitaram medicamentos, encaminharam pessoas para atendimento especializado e ofereceram exames gratuitos de pressão arterial e teste de glicose.


Confira as matérias completas e informações do que acontece nos departamentos da Associação sul-rio-grandense acessando o site: ASR.ADVENTISTAS.ORG

05

AULA MAGNA

04

Os universitários adventistas da região leste e sul do Rio Grande do Sul tiveram uma aula nos moldes do que é feito nas universidades no início do período letivo. Reunidos no auditório do Colégio Adventista de Porto Alegre, eles tiveram uma palestra com o professor Thadeu de Jesus e Silva Filho, doutor em Sociologia, sobre a identidade do jovem adventista. A realização é do Ministério Jovem da Igreja Adventista, em parceria com a Agremiação Gaúcha dos Universitários Adventistas (Agua).

O Dia Mundial do Jovem Adventista – ou Global Youth Day – contou com ações das mais variadas por todo o sul e leste do Estado. As iniciativas do dia 19 de março repercutiram a proposta da Igreja Adventista em oito países sul-americanos que buscou demonstrar compaixão a quem precisava, apontando para os feitos de amor realizados por Jesus contidos na narrativa bíblica. Entre elas, ocorreram doações de sangue em postos de coleta, entrega de roupas e brinquedos às famílias carentes, buzinaço nos faróis, abraços gratuitos, entrega de livros missionários, feiras de saúde e encenações sobre o sacrifício de Jesus.

CONVENÇÃO JOVEM

06 MUTIRÃO DA COMPAIXÃO

Jovens das regiões leste e sul do Estado participaram, nos dias 30 de abril e 01 de maio, de um evento que buscou ajustar o foco da vida e, ao mesmo tempo, trazer propostas evangelísticas. Os convidados especiais, Marcelo e Ângelo Meireles, levantaram ideias sobre como melhorar a atividade musical dentro e fora das igrejas. Já o líder do departamento, Vinicius Cardoso, ressaltou a forma com que Jesus vê os jovens e os escolhe, independente das fraquezas que possuem. Ele também reforçou a prática da comunhão, do relacionamento e da missão.

R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s | M a i o 2 0 1 6

11


ARTIGO

D IZER “NÃO” TAMBÉM FAZ BEM Você sabe dizer “não”? Ou você é do tipo que tem dificuldade em negar pedidos ou favores? Tenho recebido em meu consultório, muitas pessoas que possuem dificuldade em dizer “não” em situações sociais, como quando alguém lhe pede um favor, ou lhe oferece algo para comer. Mas, de onde vem essa dificuldade?

1

A dificuldade em dizer “não” está diretamente relacionada com nossas crenças e na avaliação que fazemos de nós mesmos e do outro. Se a forma como eu me vejo transmite insegurança, e me faz sentir necessidade de ser aceito por todas as pessoas, terei mais dificuldade em dizer não – pois em minha mente, se eu negar algo a alguém, a pessoa pode se afastar ou se chatear comigo. Se eu fui ensinada na infância que é feio dizer “não” quando alguém pede um favor, também terei dificuldade com isso e, se por acaso negar o favor, poderei me sentir culpada por estar agindo mal.

12

Dizer “não” é, em muitos momentos, necessário. E se não sabemos fazer isso, um dos prejuízos que podemos ter é sofrer com o estresse. Isto porque quando dizemos “sim” para tudo e todos, acumulamos mais responsabilidades e atividades do que somos humanamente capazes de realizar. Um dos aspectos essenciais de uma vida saudável é ter temperança. Temperança significa dizer “não” para aquilo que é ruim e ser equilibrado naquilo que é bom.Trabalhar é bom, mas trabalhar 12 horas por dia ou sete dias na semana não é saudável. Às vezes, você terá que dizer “não” para o seu chefe ou colegas de trabalho, recusando-se a fazer tantas horas extras. Ir à casa da avó fazer uma visita é muito bom, mas se você está trabalhando para emagrecer, você terá que aprender a dizer “não”, quando a avó oferecer aqueles quitutes gostosos que ela faz com muito carinho para você. Você pode até dizer que o seu chefe vai ficar zangado e que você pode até perder o emprego, ou quem sabe, que sua avó vai ficar ofendida e você não quer causar isto a ela. Essas são formas de pensar muito comuns que fazem com que as pessoas continuem dizendo “sim”, quando deveriam dizer “não”.

2

Na verdade, negar algo não significa ofender ou chatear pessoas, mas cuidar de si mesmo e respeitar seus próprios limites. Você pode encontrar outra forma de colaborar com sua equipe. Pode encontrar também outra forma de lidar com os quitutes feitos pela avó, porém, o primeiro passo é convencer a si mesmo de que você não precisa dizer “sim” sempre e que buscar o equilíbrio naquilo que é bom – porque aquilo que é prejudicial, nós nem devemos fazer – é necessário para ser alguém saudável e feliz.

M a i o 2 0 1 6 | R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s


AGENDA

MAIO

JUNHO

JULHO

• 01 – Convenção Jovem – IASD Central Pelotas • 14 – Impacto Esperança • 15 – Projeto Esperança Viva • 21 – Sábado da Criança e Dia do Aventureiro • 22 – Trimestral Ministério da Criança e Adolescente no IACS e para o Litoral na Escola Adventista de Osório • 25 – Curso para formação de líderes de Aventureiros • 27 – Final de Semana da Família • 28 – Dia do Batismo Mundial • 31 – Pamp Geral

Impacto Esperança

• 04 – Sábado Missionário da Mulher • 04 – Encontro de Secretárias de Igrejas e Grupos - Grande POA • 05 – Escola de Evangelistas Voluntários – Região POA • 05 – Trimestral Ministério da Criança e Adolescente – Escola Adventista Rio Grande / Colégio Adventista de Pelotas • 11 – Lançamento de Recolta • 12 – Trimestral Ministério da Criança e Adolescente – POA • 18 – Encontro de Anciãos, Diretores de Grupos e Esposas – IACS • 25 – Dia do Ancião • 25 – Celebração distrital

Dia do Ancião

• 10 – Escola de Evangelistas Voluntários – IACS • 11 – Capacitação Teológica – IACS • 16 – Save One • 17 – Escola de Evangelistas – Região Sul • 23 – Encontro de Equipes de Mordomia Cristã (EDMAS) • 23 – Início da Semana de Oração Jovem • 30 – Dia do Colportor Evangelista

Dia do Colportor

14

25

30

R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s | M a i o 2 0 1 6

13


DESAPARECIDOS

SE VOCÊ CONHECE ALGUÉM DA LISTA, ENTRE EM CONTATO COM A SECRETARIA DA ASR PELO TELEFONE (51) 3245-7037 OU PELO E-MAIL SECRETARIA.ASR@ADVENTISTAS.ORG.BR

ALTO ROLANTINHO Iara Neuci Santos da Silva

HÍPICA Cristiane Santos Ouriques Cristiano Barreto Fauth ASSOCIAÇÃO SUL Edith Thais Menezes Do Campo RIO-GRANDENSE Felipe Dos Santos Teixeira Anelio Paz Oliveira Gabriel Porto Elio Luz Giovanna Rinco Rodrigues Erotilde de Oliveira Bueno Luis Fernando Alcantara Bezerra Viegas Plauto Dos Santos Teixeira Jessica Franciele Bernardes Queli Denise Osorio Mota Luciano Barcelos Luciano da Costa Porto IGREJINHA Luciano Silva Vargas Fabiano dos Santos Paulo Carvalho Gabriel Vedovatto Rochelly Laryssa Duarte Charao João Tadeu Padilha Rosa Marcia de Souza Poloni Sonia Lombardi LOTEAMENTO TEJADA Treice Franciele Bernardes Franciele Silva de Olvieira Soli Alencastro Martins BAGÉ CENTRAL Diuli Gabriel Marques Souza NOVA PETRÓPOLIS Celeste Rudtke Baierle BAIRRO SANTA ROSA Lauri Winert Thiago Brezolim Soares Rafael Fontes Portal Viviani Carvalho Bresolim RESTINGA 2 CAMPO DOS QUEVEDOS Alana Martins da Rosa dos Santos Jussara Westfalen Alessandra Nunes Oliveira Cleusa Lima Vieira CARAVÁGIO Diego Pereira Weschenfelder Edson Luis da Silva Jean Carlo Aguirre Souza Jonelson Luis Tetur Souza Jennifer Pinto de Matos Lucas D’avila Cabrera COSTA DA MIRAGUAIA Maria de Fatima da Silva Moura André Paulo de Lima Siqueira Roger dos Santos COSTA DO CERRO Leila dos Santos Oliveira GLÓRIA Protacio Jose de Oliveira Ruth Plucani Vieira GLORINHA Ataliba Machado Pereira

14

VIAMÓPOLIS Denise da Cunha Taborda Alves Diego Oliveira Jaqueline dos Santos Batista Jonatas Siqueira Menezes VILA HERDEIROS Eduardo Nogueira Tolotti Felipe Adriano Viegas de Oliveira

M a i o 2 0 1 6 | R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s

Janaina Nogueira Dias Lucas Antonio Lopes Bueno Maria Iracema dos Santos Ferreira Maria Salete Moraes Santana Marlene Gonçalves Pereira Miguel de Arruda Morais Tais Greskoviak Leal Tiago Adalicio Bruno Valeska Greskoviaki Vitoria Enedina Leal Mesquita Zaida Gonçalves de Oliveira VILA JÚLIA Angela Marines da Silva Bernardina Rodrigues da Costa Claudio Roberto Schirmer Sartori Daiane Dias Teixeira Eliane Oliveira Liedke Flavio Luiz Silva Carvalho Geni Martins de Oliveira Iracema Oliveira da Silva Ivo Pinto Machado Leonice Stumm Machado Luciane de Andrade Pedroso Marco Antonio da Silva Santos Neto Marildo Domingues Cardozo Moises Barbosa Nadir Lizzot Renan Sander Olveira Liedke Roger Pedroso Ferreira Rulon Sandro Oliveira Liedke Shanna Russiane Oliveira Liedke Thauana Brun Pavao Vera Lucia Duarte Carvalho VILA SÃO JOÃO Alberto Valencio Manoel Floriano Giliardi da Silva Cardoso dos Santos Manri Lupato da Silva Schaila Machado de Oliveira Adriana Pereira Padilha


R e v i s t a Vo z d o s P a m p a s | M a i o 2 0 1 6

15


Revista voz dos pampas maio 2016  

Revista voz dos pampas maio 2016

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you