Issuu on Google+

São Paulo, 08 Novembro de 2013– Sexta-Feira

NOTÍCIAS SEMANAIS Mineiros do Chile cobram participação nos lucros do filme sobre sua história Alguns dos 33 mineiros resgatados do fundo de uma mina, em 2010, dizem que foram forçados a assinar contratos irregulares e escritos apenas em inglês O resgate dos 33 chilenos que ficaram soterrados em uma mina localizada ao norte do país mobilizou as atenções de todo o mundo no dia 13 de outubro de 2010. Hollywood não ficou indiferente e pôs em produção um longa-metragem sobre o drama vivido pelos mineiros. O filme ainda está longe de chegar às telas, mas já provoca controvérsia. Segundo o jornal The Guardian, os chilenos estão acusando os produtores de forçá-los a assinar contratos irregulares e disponíveis apenas em inglês. Liderados por Luis Urzúa, um dos principais representantes dos mineiros durante os 69 dias de soterramento, um grupo formado pelos trabalhadores cobra participação nos royalties do filme. Os chilenos afirmam que foram abandonados pelos advogados. "Temos que garantir nossos interesses. Não iremos fazer um filme para depois perceber que nossos direitos foram desrespeitados”, afirmou. As filmagens estão previstas para começar daqui algumas semanas e contarão com atores de peso, como Antonio Banderas e Martin Sheen. Mario Sepulveda, que assumiu o papel de porta-voz dos trabalhadores nos vídeos gravados embaixo da terra, disse que não irá se encontrar com Banderas até a revisão dos contratos. O ator esteve no Chile no último mês, mas Sepulveda rejeitou o convite para conhecê-lo. “Não haverá nenhum encontro com Banderas até as condições dos contratos serem fixadas. É o único jeito para pressionar os responsáveis a resolverem essa situação”, disse Elvira Valdivia, mulher e representante de Sepulveda, ao jornalLa Tercera. Saiba mais:Psiquiatra fala sobre situação psicológica de mineiros no Chile Outro grupo formado pelos mineiros, contudo, afirma que os contratos estavam disponíveis em espanhol e foram aprovados após uma votação entre todos os trabalhadores. A discussão em torno dos royalties está focada nos lucros que os mineiros obterão com o uso de elementos essenciais para o filme, como um diário mantido pelos chilenos e os detalhes ainda desconhecidos sobre os


primeiros dezessete dias depois do soterramento. Durante este período, os mineiros decidiram criar uma sociedade para administrar problemas diários, como falta de comida e de iluminação. Especialistas da Nasa disseram posteriormente que o sistema comunitário e democrático foi crucial para a sobrevivência deles. Os insatisfeitos desejam revisar os contratos iniciais, assinados em dezembro de 2010. Os mineiros afirmam que serão recompensados com uma quantia em dinheiro pela concessão dos direitos da história, mas reclamam que serão excluídos dos lucros obtidos com a comercialização do filme. A empresa Carey, que supervisionou a assinatura dos contratos, disse que não fará nenhum pronunciamento sobre o caso. Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/mineiros-do-chile-cobram-participacao-noslucros-do-filme-sobre-a-historia

Orçamento poderia ajudar o governo — mas virou peça de ficção O oráculo esquecido que costumava oferecer projeções econômicas mais fiéis à realidade, hoje se tornou texto inútil; mas pode ser a única alternativa do governo para recuperar parte da credibilidade perdida A peça orçamentária tem se transformado, ao longo do governo petista, num documento quase inútil. As previsões econômicas que constam no texto são ignoradas pelo mercado devido à sua imprecisão —e tampouco ajudam o governo a balizar seus gastos, já que sofrem constantes modificações ao longo do ano. Devido à rápida deterioração das contas públicas verificada desde 2012 e à incapacidade da equipe econômica de dar rumo à política fiscal, o país foi atingido por uma onda de pessimismo que há muito não se via. O ponto mais preocupante é a possibilidade de o país ter sua nota rebaixada pelas agências de classificação de risco durante a avaliação que ocorrerá no ano que vem. Retomar as rédeas da economia é tarefa árdua uma vez que os interlocutores da República já não são mais levados tão a sério pelos investidores. Economistas ouvidos pelo site de VEJA acreditam que a construção da peça orçamentária sem maquiagens e com seriedade poderia ser uma alternativa para que o governo retome parte da confiança perdida. Desde que o déficit de 9 bilhões de reais de setembro foi anunciado pelo Banco Central, o ministro Guido Mantega tem se empenhado em afirmar que as contas estão sob controle e que as receitas do governo aumentarão de forma satisfatória no último trimestre, para que seja cumprida a meta de superávit de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). O Banco Central também tomou sua posição na artilharia afirmando em diversas ocasiões que a política fiscal estava caminhando para a “neutralidade”. Isso deveria significar que o governo está abandonando o expansionismo (que, no jargão econômico, significa o governo injetar estímulos para induzir o crescimento) e adotando maior controle


de despesas. A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, defendeu que "não há descontrole fiscal". Contudo, como o discurso não tem (ainda) qualquer resultado prático, o mercado continua cético. “O pior não é a deterioração das contas públicas, em si, mas a comunicação truncada em torno de qualquer número fiscal. O déficit foi ruim, mas pior ainda é o governo não ter dado uma explicação plausível ou pelo menos que desse segurança para o mercado de que vai corrigir a situação”, afirma a economista Monica Baumgarten de Bolle, da consultoria Galanto. Se, por um lado, o ministro tenta desconversar sobre o fracasso das contas, a equipe econômica anda disposta a falar — e muito. Segundo reportagem da Agência Estado, os próprios técnicos da Fazenda criticam o não cumprimento das metas e afirmam que “o governo parou de fazer as contas”. O descontrole fiscal, segundo os servidores ouvidos pela reportagem, é fruto de maquiagens feitas nas projeções orçamentárias para mitigar o contingenciamento de gastos e ajustá-lo à meta fiscal, que, mesmo com toda a contabilidade criativa, dificilmente será cumprida em 2013. Exemplo disso são as estimativas de despesas com abono e seguro-desemprego, recentemente alçadas por Mantega ao posto de vilãs da meta fiscal. O ministro afirmou à imprensa que colocará em prática medidas para reduzir tais gastos, como se o aumento tivesse ocorrido do dia para a noite. Mas, quando se olha as projeções, percebe-se que não é de agora que o número preocupa. No primeiro relatório de reprogramação orçamentária do começo do ano, a projeção para o gasto estava em 40,3 bilhões de reais. Passou, em setembro, para 41,8 bilhões de reais. Na semana passada, o ministro afirmou que os benefícios custariam 47 bilhões de reais aos cofres públicos. Levar o orçamento a sério, na avaliação dos economistas, não é acertar em cheio as projeções — mas ajustá-las de acordo com a realidade, deixando claro para onde vai a condução da política fiscal. “Uma coisa é a dificuldade de se desenhar o orçamento. Isso é normal. A outra é que, de fato, o governo não ter conseguido sinalizar para os agentes econômicos a condução da política”, afirma Zeina Latif, da consultoria Gibraltar. No caso do seguro-desemprego, o problema está sendo discutido há meses pela equipe econômica, mas apenas nos últimos dias, depois do resultado fiscal assustador de setembro, o governo resolveu colocá-lo em evidência. Outro exemplo é o rombo nas contas da Previdência até setembro, de 47,61 bilhões de reais, enquanto a projeção divulgada pelo relatório orçamentário do início do ano previa um déficit de 36,2 bilhões de reais para o ano todo. Sobre o buraco bilionário do INSS, o ministro Garibaldi Alves afirmou que não se trata de “um problema só de contenção de despesas”, e sim de arrecadação em queda — deixando claro que uma reforma previdenciária está fora de cogitação em qualquer cenário previsto pelo governo do PT. A força de um relatório orçamentário mais fiel à realidade funcionaria, mais ou menos, como a melhora da atuação do Banco Central ao longo de 2013. A grande quebra de confiança entre o mercado e a autoridade monetária ocorreu quando a atuação do BC se descolou totalmente das expectativas dos economistas, em 2011. A queda forçada dos juros num momento de inflação alta deu início a incertezas sobre a condução da economia no governo Dilma. Depois das críticas (e do avanço ainda maior da inflação), as decisões de política monetária voltaram a convergir para a média das previsões de


mercado, melhorando a avaliação do BC. Esta sintonia é necessária porque dá previsibilidade aos investidores — palavra de ouro quando se trata de política econômica. Outro exemplo ocorreu há poucos meses, com a disparada do dólar. Enquanto a autoridade monetária não deixou claro que havia um plano para frear a oscilação cambial, a moeda americana não parou de subir. Ambas as situações mostram que é preciso que o governo demonstre controle dos fatos — e não o contrário. E, num momento em que as promessas feitas em Brasília já não são levadas a sério, lançar mão do orçamento como arma para recuperar o que foi perdido pode ser uma das poucas alternativas viáveis. O economista Raul Velloso, um dos maiores especialistas em contas públicas do país, afirma que a peça orçamentária é pura ficção e vista com descrença há mais de uma década. A razão, além das projeções irreais, é o engessamento das despesas (muitas são obrigatórias) e os restos a pagar de outros governos, que acabam comprometendo ainda mais as receitas. A arrecadação, que na década passada costumava surpreender positivamente as previsões mais otimistas do governo, hoje decepciona. Mudar tal realidade requer vontade política. Nos Estados Unidos, o comitê orçamentário do Congresso não é partidário. Ainda que Republicanos e Democratas se engalfinhem para conseguir aprovar ou vetar gastos, há um time técnico e isento por trás que apresenta os números tal como são — sem floreios nem projeções dignas de piada. Os números são, em muitos casos, alinhados com os do Fundo Monetário Internacional (FMI). No Brasil, os governos de Fernando Henrique Cardoso e Lula costumavam lançar relatórios mais condizentes com a realidade — ou até mais conservadores do que o próprio mercado. Em 2002,último ano do governo FHC, tanto o crescimento econômico quanto a arrecadação e a meta fiscal superaram as previsões do último relatório orçamentário, divulgado em setembro. O superávit ficou em 4,06% do PIB, o maior já atingido no país. Em 2010, ano eleitoral em que o então presidente Lula não hesitou em abrir as torneiras, a arrecadação também surpreendeu para melhor. Ficou em 800 bilhões de reais ante a previsão de 521 bilhões de reais no último relatório orçamentário. Nos últimos três anos, as palavras soltas e desprovidas de ação não têm sido aliadas do governo. E, já que um ajuste fiscal está descartado devido à proximidade das eleições presidenciais,se houver o uso certo do papel do Orçamento e jogo limpo na hora das projeções, ainda exista alguma chance de recuperação da imagem arranhada do Brasil. Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/economia/orcamento-poderia-ajudar-o-governo-mas-viroupeca-de-ficcao


Academia atingida por incêndio em SP tinha alvará vencido Fogo começou na madrugada desta sexta-feira (8) no centro da capital paulista. 30 pessoas foram hospitalizadas A academia de ginástica Smart Fit e um prédio residencial ao lado atingidos por um incêndio de grandes proporções na madrugada desta sexta-feira (8) na República, região central de São Paulo, estavam com o Alvará de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) vencido. Segundo o Corpo de Bombeiros, a academia, onde o fogo começou, entrou com pedido de renovação do documento em julho deste ano, mas não teve o requerimento atendido. O edifício, também com a documentação irregular, não havia sequer pedido a renovação. De acordo com o Corpo de Bombeiro, o alvará da academia foi negado porque a empresa fez uma reforma no espaço, alterando a planta. Antes do estabelecimento, inaugurado nesta semana, funcionaram no espaço uma sala de cinema e um estacionamento. Em comunicado, a Smart Fit afirmou que "a direção da empresa está em contato com autoridades para identificar as causas (do incêndio) e poderá prestar mais esclarecimentos quando tiver informações suficientes". O incêndio começou por volta da 1 hora da madrugada na academia, localizada no térreo de um prédio de 25 andares.Parte da estrutura do edifício foi abalada. Todos os 405 moradores, dos 146 apartamentos, tiveram que deixar o local. A fumaça espalhada foi tanta que provocou a interdição de um edifício vizinho, de 150 apartamentos residenciais. O fogo só foi controlado pela manhã. Após inalar fumaça, dezenas de moradores foram atendidos no local. Trinta pessoas foram hospitalizadas. Duas delas estão internadas em estado grave. De acordo com a Defesa Civil Municipal, o prédio deve ficar interditado por uma semana. Fonte:http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2013/11/academia-atingida-por-incendio-em-sptinha-balvara-vencidob.html

Nova mentalidade para se aposentar bem O planejamento das contas das famílias passou por muitas transformações nas últimas duas décadas. Até os anos 1990, a regra de sobrevivência era gastar tudo o que podíamos, quanto antes. Devido à alta inflação, se demorássemos a usar nosso salário, perdíamos rapidamente o poder de compra. Havia a figura da correção monetária nas aplicações overnight, mas as limitadas ferramentas financeiras da época obrigavam os correntistas a ir ao banco tanto para aplicar quanto para resgatar, e isso consumia muito tempo. Era mais compensador ir às compras no dia do pagamento, fazer estoque e, quando o gasto era maior que a verba, parcelar o valor da compra por vários meses.


No início do novo século, tivemos o despertar da educação financeira. Com os juros elevados, ficou evidente a oportunidade de poupar para alcançar rapidamente a independência financeira, enquanto os empréstimos e financiamentos se mostravam os maiores vilões da classe média brasileira. Na época, os brasileiros consumiam cerca de 30% de sua renda com o pagamento de juros. Um bom planejamento financeiro se traduzia em adotar um estilo de vida restritivo, com compras à vista e um grande esforço de poupança. Hoje, a realidade é distinta desses dois períodos anteriores. A economia é mais estável, com maior nível de emprego e menor temor dos trabalhadores quanto a seu futuro. Os juros são mais baixos. Isso torna os financiamentos de bens duráveis menos proibitivos. Há ainda um debate intenso sobre qualidade de vida, sustentabilidade e empreendedorismo. O planejamento financeiro deixou de ser sinônimo de corte no orçamento e formação de poupança. Passou a significar construção do equilíbrio e sustentabilidade. Em vez de sacrifícios para alcançar amanhã aquilo de que abrimos mão agora, um bom planejamento se traduz por gastar com qualidade o dinheiro que temos, investindo com inteligência o mínimo de recursos de que precisamos para sustentar esse bom estilo de vida. Consumo de qualidade é gastar mais dinheiro com o que nos dá prazer (como lazer e confortos cotidianos), e menos com aspectos burocráticos e onerosos da vida (como despesas com moradia e carro). Investir com inteligência é desenvolver continuamente a sagacidade de se defender contra as oscilações da economia e de encontrar oportunidades de dar pequenos saltos na evolução do patrimônio. Esse novo planejamento exige mais tempo para se aposentar. Isso não é problema quando se vive com qualidade. Os futuros aposentados precisarão ainda empreender com seu patrimônio, para manter a renda em crescimento depois de parar de trabalhar. Sem isso, a conta não fecha mais. Fonte:http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/gustavo-cerbasi/noticia/2013/11/novamentalidade-para-se-baposentar-bemb.html

Ambev conclui reestruturação e troca ações de nova empresa Hoje será o último dia de negociação das ações ON e PN e dos American Depositary Receipts da Companhia de Bebidas das Américas A Ambev está concluindo entre hoje e amanhã o processo de reestruturação que resultará na troca das ações em circulação da Companhia de Bebidas das Américas pelas da recém-criada Ambev S/A. Hoje será o último dia de negociação das ações ON e PN e dos American Depositary Receipts (ADRs, recibos de ações brasileiras negociados no mercado americano) da Companhia


de Bebidas. Na segunda, serão negociados apenas os papéis ON da nova Ambev S/A. A operação visa simplificar a estrutura societária da empresa e melhorar sua governança corporativa, abrindo caminho para um aumento da liquidez das ações com um único tipo de papel. No passado, a empresa foi alvo de críticas ao provocar forte perda para os donos de ações sem direito a voto (PN) quando o controle da AmBev foi vendido para belga Interbrew. No caso, apenas os donos de ações com voto (ordinárias ou ON) receberam o prêmio pela venda, como manda a lei. Além disso, segundo a corretora XP Investimentos, haverá um benefício fiscal, a possibilidade de amortização de um ágio de R$ 105 milhões pela nova empresa, o que reduzirá seu lucro e o imposto a pagar. Esse ágio está hoje contabilizado na Inbev Participações e será dividido com todos os acionistas da Ambev. A troca de ações será feita na proporção de cinco ações da nova Ambev S/A para cada ação da Companhia de Bebidas, ordinária ou preferencial, ou ADR. Segundo a XP, hoje a Ambev possui 3,132 bilhões de ações e passará, após a reestruturação, a ter 15.659.382.775 ações ordinárias. Com isso, o valor da ação terá uma “redução”, indo para casa de R$ 16,85 por papel ON. A nova classe de ações terá direito a um diretor na participação no prêmio de controle em caso de venda (tag along) de 80%. Além disso, uma classe só de ações deve alinhar mais os interesses de minoritários e controladores. A liquidez das ações preferenciais migrará para os papéis ON, que hoje são pouco negociados. A corretora observa, porém, que os papéis da Ambev são negociados por múltiplos bastante elevados, com um preço equivalente a 20 vezes o lucro projetado para a companhia em 2014. Fonte:http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/ambev-conclui-reestruturacao-e-troca-acoesde-nova-empresa?

Auditor preso por fraudes diz que Kassab "sabia de tudo" Ronilson Bezerra Rodrigues, disse em telefonema gravado com autorização da Justiça que o secretário e o prefeito com quem trabalhou "tinham ciência de tudo" Preso desde o dia 30 sob acusação de chefiar a quadrilha suspeita de fraudar o recolhimento do Imposto sobre Serviços (ISS) e de desfalcar os cofres municipais em ao menos R$ 500 milhões, o subsecretário da Receita na gestão Gilberto Kassab (PSD), Ronilson Bezerra Rodrigues, disse em telefonema gravado com autorização da Justiça que o secretário e o prefeito com quem trabalhou "tinham ciência de tudo", segundo áudios revelados nesta quintafeira, 07, pelo Jornal Nacional.


O diálogo ocorreu no dia 18 de setembro entre Rodrigues e uma pessoa chamada Paula, que seria a auditora fiscal Paula Sayuri Nagamati, ex-chefe de gabinete do secretário de Finanças na gestão Kassab, Mauro Ricardo. Ele reclama com a auditora de uma publicação no Diário Oficial da Cidade na qual era intimado a prestar esclarecimentos à Controladoria-Geral do Município (CGM) já na gestão de Fernando Haddad (PT). "É um absurdo, Paula. Tinha de chamar o secretário e o prefeito também, você não acha? Chama o secretário e o prefeito com quem eu trabalhei. Eles tinham ciência de tudo", afirma Rodrigues, sobre a investigação da CGM, que, em parceria com o Ministério Público Estadual (MPE), resultou na sua prisão e de outros três auditores. Em nota, Kassab afirma que as afirmações "são falsas" e que "repudia as tentativas sórdidas de envolver o seu nome em suspeitas de irregularidade que pesem contra funcionários públicos municipais admitidos há anos por concurso, cujo objetivo escuso é única e exclusivamente atingir a sua imagem e honra". Os ex-secretários de Finanças da gestão Kassab, Mauro Ricardo e Walter Aluísio Rodrigues, não foram localizados. O Jornal Nacional também exibiu uma conversa gravada pelo auditor Luis Alexandre Magalhães, na qual ele, Rodrigues e outro fiscal preso, Carlos Augusto di Lallo Amaral, discutem em clima tenso as possíveis consequências da investigação. A gravação - que teria sido feita durante um encontro, depois de março, em um local não identificado - foi encontrada pelo MPE durante a busca no apartamento de Magalhães. Na conversa, ele mostra preocupação em ser pego sozinho no esquema. Diz que deu muito dinheiro a Rodrigues e faz ameaças ao ex-chefe, dizendo ter provas contra ele. Irritado, Rodrigues afirma que recebeu o dinheiro porque manteve Magalhães no cargo. Procurados, os advogados dos três não foram localizados ontem. Rodrigues, Amaral e Eduardo Horle Barcellos devem deixar hoje a carceragem do 77.º DP (Santa Cecília), quando expira a prisão temporária dos três. Magalhães foi solto na madrugada de segunda, após ter feito acordo de delação premiada. Atual. Trechos da investigação do Ministério Público aos quais o Estado teve acesso mostram que o atual subsecretário da Receita, Douglas Amato, também foi investigado sob suspeita de fazer parte da quadrilha dos auditores fiscais detidos. Até agora, porém, o que há contra ele é o depoimento de uma testemunha protegida pelo MPE. Ela citou Amato e outro funcionário em cargo de chefia na gestão Haddad, Leonardo Leal Dias da Silva, diretor do Departamento de Arrecadação e Cobrança. Eles aparecem em meio a dez nomes dados pela testemunha que teriam envolvimento no esquema. Questionada sobre os fiscais citados, a Prefeitura defendeu Amato. "As investigações não encontraram indícios de participação efetiva no esquema do servidor Douglas Amato", diz a nota. A reportagem apurou que a investigação sobre Amato não evoluiu. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Fonte:http://exame.abril.com.br/brasil/politica/noticias/auditor-preso-por-fraudes-diz-quekassab-sabia-de-tudo?

Parque da Juventude recebe “Mostra de Museus” neste sábado Os visitantes recebem passaportes que dão acesso gratuito a 18 museus até novembro de 2014 São Paulo de todas as crenças, artes e cores é considerada um dos mais importantes pólos culturais do mundo. Ou seja, conhecer todas suas galerias pode ser uma tarefa um tanto quanto difícil (senão impossível). Então, que tal conhecer 18 museus ao mesmo tempo, todos reunidos ao ar livre e de graça? Essa é a proposta da Mostra de Museus, que reúne um pouco de cada espaço cultural da cidade no Parque da Juventude neste sábado, das 10h às 17h, com entrada Catraca Livre. A mostra apresenta um pouco do universo de cada museu – não apenas do acervo e conteúdo, mas também com relação às atividades que realizam com seus visitantes. Por lá, o público encontrará uma intensa programação de oficinas, jogos, bate papo, exibição de filmes e contação de histórias, entre outras atividades. A programação inclui até o futebol de cinco – uma adaptação do esporte, jogado por pessoas cegas. Participam da mostra os museus Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida, Catavento, Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil, Museu da Casa Brasileira, MIS (Museu da Imagem e do Som), Museu da Imigração, Museu da Língua Portuguesa, Museu do Futebol, Museu de Arte Sacra, Estação Pinacoteca, Paço das Artes e Pinacoteca. Além de vivenciar, em um único dia, tantas histórias, culturas e conhecimentos, os visitantes receberão também um passaporte que dá direito a uma entrada gratuita em cada um dos museus até novembro de 2014. A abertura oficial da Mostra de Museus acontecerá às 10h com a apresentação do Quinteto de Metais da Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo). Em seguida, a programação prossegue até as 17h em diferentes locais do parque. Fonte:http://catracalivre.com.br/sp/ar-livre/gratis/parque-da-juventude-recebe-mostra-demuseus-neste-sabado/


Faculdade Hotec abre inscrições gratuitas para oficinas de culinária As aulas terão como tema receitas tipicamente natalinas O Cook Center da Faculdade Hotec abrirá suas portas para todos os interessados em preparar, por conta própria, o banquete de Natal. De 6 de novembro a 14 de dezembro, aulas gratuitas serão ministradas durante duas horas e as inscrições devem ser feitas previamente via telefone: (11) 32462888. Entre as receitas que serão passadas por Chefs de cozinha estão as de panetone, sobremesas geladas, saladas e diferentes tipos de carnes. Veja abaixo a programação completa. 06/11 Horário: 14h às 16h Festival de Cupcakes na caneca e decorados -Adriana Maeda (Arcolor). 07/11 Horário:14h às 16h Receitas saborosas de massa folhada com Maria Julia (Arosa):tarte tartine, torta de ricota com frutas cristalizadas e nozes. 08/11 Horário:14h às 16h Receitas especiais de Natal (Entrada, prato principal e sobremesas) por Fabiano Bueno (Sakura). 11/11 Horário:14h às 16h Delícias com chocolate por Maria Julia ( Harald) -copinhos de chocolate com cerejas e presépio na casca de chocolate trufado. 12/11 Horário:14h às 16h Festival de sobremesas por Fabiano Bueno (Italian Coffee) -torta mousse de sonho de valsa com espuma de chocolate, mousse de cacau com arabesco de chocolate e mousse de Angola. 13/11 Horário:14h às 16h Venha saborear deliciosas sobremesas para o seu Natal, com Claudio Graças (Castor). 14/11 Horário:14h às 16h Festival de Panettone recheados e decorados, com Rosé Vitielo (Mavalério).


18/11 Horário:14h às 16h Delícias Gourmet (sobremesas da alta gastronomia), com Priscila Descovi (Ricaeli). 19/11 Horário:14h às 16h Receitas especiais na cozinha (mousse de tomate seco, costelinha suína com molho picante e cartola), com Fabiano Bueno (Makro). 26/11 Horário:14h às 16h Inove seu cardápio com receitas inéditas de Fabiano Bueno (Bassar) -risoto à toscana, picanha no sal grosso e carne pastelada. 27/11 Horário:14h às Roscas Natalinas, com Edivania Reis (NITA) -doces e salgadas.

16h

02/12 Horário:14h às 16h Cardápio para o seu Natal (filé de peixe encapado e torta Saint’ Honoré), por Maria Julia (Arosa). 03/12 Horário:14h às 16h Delícias para sua Ceia de Natal, por Fabiano Bueno (Makro) -salada natalina, arroz com frutas secas e pavê de capuccino 04/12 Horário:14h às 16h Cardápio completo de Natal por Fabiano Bueno (Bassar) -arroz com champagne, pernil folhado com molho de laranja e lombo recheado. 05/12 Horário:14h às 16h Aprenda a fazer um lindo bolo de Natal com Adriana Maeda (Arcolor) -casa do Papai Noel com pasta americana. 06/12 Horário:14h às 16h Festival de Panettonne (recheados e decorados) com Edivania Reis (NITA). 07/12 Horário:10h às 12h Sobremesas especiais para o seu cardápio natalino, por Priscila Descovi (Ricaeli) -pavetone e rabanadas recheadas) parceria NITA. 09/12 Horário:14h às Delícias de Natal, por Maria Julia (Harald) – alfajor e bombons natalinos.

16h


10/12 Horário:14h às 16h Monte sua mesa com deliciosas receitas, por Fabiano Bueno (Italian Coffee). 11/12 Horário:14h às Um toque especial para o seu Natal, por Lucila Thomé (Zini).

16h

12/12 Horário:14h às Especial de Natal com cardápio completo, por Angela Festa (Korin).

16h

13/12 Horário:14h às 16h A arte da confeitaria para o Natal com sobremesas geladas, por Rosé Vitielo (Mavalério). 14/12 Horário:10h às 12h Novidades para o seu Natal, por Fabiano Bueno (Prato Fino) -chester, arroz natalino, salada de arroz e pavê de arroz com morango.

Fonte:http://catracalivre.com.br/geral/gastronomia/indicacao/sete-vegetarianos-honestos-

para-carnivoro-nenhum-botar-defeito/

Black Friday terá código de ética para compras online A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e-net) e a Busca Descontos, empresa organizadora, elaboraram o Código de Ética do evento de compras online O Black Friday- evento anual que concentra promoções e descontos aos moldes do comércio norte-americano - deste ano terá uma ferramenta exclusiva de proteção aos consumidores virtuais. A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (Camara-e-net) e a Busca Descontos, empresa organizadora, elaboraram o Código de Ética do evento de compras online, que este ano está marcado para o dia 29 de novembro. A necessidade da elaboração de normas para o evento surgiu após o registro de oito mil reclamações no ano passado, através do site ReclameAqui, a respeito da veracidade dos descontos praticados e a falta de estrutura das lojas virtuais. As ações de fiscalização desse ano envolvem a orientação dos setores envolvidos (realizada desde agosto), fiscalização da "maquiagem" de preços através da comparação com valores praticados anteriormente -, monitoração de disponibilidade de estoque e distribuição do Selo Black Friday Seguro para as lojas que estiverem atuando de acordo com o regulamento.


O Black Friday 2012 movimentou o recorde de R$ 217 milhþes em vendas, atingindo um crescimento de 117% em relação a 2011. Fonte:http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/black-friday-tera-codigo-de-etica-paracompras-online


NOTÍCIAS SEMANAIS.