Issuu on Google+

São Paulo, 26 de Maio de 2014 - Segunda-Feira

NOTÍCIAS DIÁRIAS Mercado aposta que ciclo de alta dos juros chegou ao fim Previsão tem por base sinalizações da própria autoridade monetária. Taxa básica subiu de 7,25% ao ano, em abril de 2013, para 11% ao ano. Após 13 meses seguidos de elevação na taxa básica de juros da economia brasileira, que passou de 7,25% em abril de 2013 para os atuais 11% ao ano, o mercado financeiro acredita que o ciclo de aumento da taxa Selic chegou ao fim. Para esta semana, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne, a previsão é que a taxa não seja alterada. A perspectiva consta no relatório de mercado, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (26), também conhecido como Focus. O documento é fruto de pesquisa com economistas de mais de 100 instituições financeiras. A decisão sobre a taxa de juros será anunciada na noite da próxima quarta-feira (28) pelo BC. A expectativa dos analistas para a manutenção dos juros aconteceu após sinalizações da própria autoridade monetária, contidas na ata da última reunião do Copom, e também do presidente da instituição, Alexandre Tombini. O BC tem avaliado que parte "relevante" do aumento de juros implementado desde abril do ano passado ainda não impactou a inflação, ou seja, não surtiu o efeito desejado. Entretanto, até o momento, a previsão do mercado é de que a taxa terminará este ano em 11,25% ao ano – o que pressupõe que, para os economistas, ainda haverá um novo aumento na taxa de juros até o fim deste ano - mesmo que não seja em maio. Para o fechamento de 2015, a previsão dos economistas para os juros básicos recuou de 12,25% para 12% ao ano. Expectativa de inflação Para 2014, a estimativa dos analistas dos bancos para o IPCA, índice de inflação calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), subiu de 6,43% para 6,47% na semana passada, voltando a se aproximar do teto de 6,5% do sistema de metas de inflação para este ano. A previsão chegou a ultrapassar o teto no mês passado, mas depois recuou. Para 2015, a expectativa ficou estável em 6%. Pelo sistema que vigora no Brasil, a meta central tanto para 2014 como para 2015 é de 4,5%. Entretanto, há um intervalo de tolerância de dois pontos


percentuais para cima ou para baixo. Desse modo, o IPCA pode oscilar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando a inflação fica acima do teto do sistema de metas, o presidente do Banco Central precisa escrever uma carta aberta ao ministro da Fazenda explicando as razões que motivaram o "estouro" da meta formal. No começo do ano, a inflação avançou com mais intensidade por conta do aumento dos preços dos alimentos – resultado das condições climáticas adversas (seca ou excesso de chuvas) no país. Crescimento do PIB Para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2014, a previsão dos economistas subiu de 1,62% para 1,63% na última semana. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos em território brasileiro, independentemente da nacionalidade de quem os produz. O crescimento do PIB do país previsto para 2014 continua abaixo do estimado no orçamento federal – de 2,5% – e também menor que a previsão (2%) divulgada pelo Banco Central em março. Para 2015, a perspectiva de expansão da economia brasileira, feita por analistas do mercado financeiro, recuou de 2% para 1,96%. Câmbio, balança comercial e investimentos estrangeiros Nesta edição do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2014 ficou estável em R$ 2,45 por dólar. Para o fechamento de 2015, a estimativa dos analistas dos bancos para o dólar permaneceu em R$ 2,51. A projeção para o superávit da balança comercial (resultado do total exportações menos importações) em 2014 permaneceu em US$ 3 bilhões na semana passada. Para 2015, a previsão de superávit comercial ficou estável em US$ 10 bilhões. Para 2013, a projeção de entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil permaneceu em US$ 60 bilhões. Para 2015, a estimativa dos analistas para o aporte de investimentos estrangeiros ficou inalterada em US$ 55 bilhões. Fonte:http://g1.globo.com/economia/mercados/noticia/2014/05/mercado-aposta-em-fim-dociclo-de-alta-dos-juros-nesta-semana.html

Bolsas da Ásia fecham sem direção comum; Tóquio e Xangai sobem Os mercados asiáticos encerraram esta jornada sem rumo comum. Os investidores deram atenção aos ganhos registrados na sexta-feira passada em Wall Street e monitoraram o movimento do câmbio. Em Tóquio, o índice Nikkei avançou 0,97%, somando 14.602,52 pontos. Em Xangai, o índice Xangai Composto subiu 0,34%, para 2.041,48 pontos. Em


sentido oposto, o Hang Seng, de Hong Kong, caiu 0,01%, para 22.963,18 pontos. Em Seul, o Kospi recuou 0,34%, marcando 2.010,35 pontos. Além de avalariam indicadores econômicos americanos divulgados na sextafeira passada, como as vendas de casas, os agentes financeiros estão atentos às reuniões de política monetária dos bancos centrais e deram atenção às eleições ocorridas no fim de semana na Ucrânia. Fonte: http://www.valor.com.br/financas/3561482/bolsas-da-asia-fecham-sem-direcao-comumtoquio-e-xangai-sobem

Em semana de divulgação do PIB, IBGE inicia greve nesta segunda-feira Servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) começam nesta segunda-feira (26) uma greve em "defesa de democracia interna e valorização do corpo funcional". A paralisação coincidirá com a divulgação dos resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2014, previstos para serem apresentados sexta-feira (30), no Rio. De acordo com Ana Magni, uma das diretoras da Associação de Servidores do IBGE, a categoria reivindica aumento do orçamento do órgão, para atender às metas de planejamento, a contratação de 4.000 servidores e equiparação salarial a funcionários de outros órgãos, como o Banco Central e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). "Temos milhares de vagas que precisam ser recompostas, aposentadorias crescentes, trabalho precário e temporário na ponta, que precisamos substituir, além de recomposição de salários condizentes com outros órgãos do Ministério do Planejamento", disse Magni. Sobre a divulgação do PIB, Magni disse que não é possível prever o impacto sobre a publicação, que está em estágio avançado. "Não sabemos ainda a intensidade e o ritmo da greve." Devem paralisar as atividades funcionários de Alagoas, do Amapá, Amazonas, Distrito Federal, da Paraíba, do Rio Grande do Norte, Paraná, Rio Grande do Sul, de São Paulo, Santa Catarina e unidades do Rio de Janeiro. Novas assembleias estão previstas ao longo desta semana. Apesar da paralisação, está mantida a divulgação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), com dados nacionais sobre o mercado de trabalho. A publicação, que substituirá a Pesquisa Mensal do Emprego (PME) -- e avalia seis regiões metropolitanas--, chegou a ser cancelada pelo órgão e depois retomada. Os servidores também cobram participação nas decisões de gestão. "Reivindicamos participar das decisões sobre o futuro da instituição, nos moldes de outros órgãos que têm um congresso institucional que pensa, debate e escolhe seus dirigentes".


Segundo Magni, a ideia é escolher gestores que não fiquem "à mercê de intempéries políticas e econômicas". "Juntamente com a sociedade, conseguimos manter essa publicação. A divulgação desses dados é uma questão de honra", disse a diretora. Procurado pela Agência Brasil na última sexta-feira (23), o IBGE, que tem 5,7 mil funcionários em todo o país, disse que só comentaria a paralisação nesta segunda-feira. Fonte:http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/05/26/em-semana-dedivulgacao-do-pib-ibge-inicia-greve-nesta-segunda.htm

Área comandada por Paulo Roberto Costa na Petrobras assinou contratos firmados na informalidade Navios responsáveis pelo transporte de produtos da estatal eram negociados sem pesquisa de preço ou análise de documentos. Dados constam em relatório elaborado por auditores, diz jornal Um relatório produzido por um grupo de auditores da Petrobras aponta que acordos milionários foram fechados durante a gestão de Paulo Roberto Costa sem obedecer a requisitos mínimos de controle estabelecidos pela estatal - alguns deles, baseados apenas em autorizações verbais. É o que informa reportagem desta segunda-feira do jornal Folha de S. Paulo, com base no relatório da auditoria. O relatório data de 2009 e aponta que o setor de abastecimento da estatal, comandado por Costa até 2012, fechou contratos de frete de maneira informal. O ex-diretor da estatal foi preso na operação LavaJato, da Polícia Federal. Investigado sob suspeita de corrupção, Costa foi liberado da cadeia na semana passada. O documento mostra que operações feitas em 2008, e totalizando 278 milhões de dólares, não obedeceram aos critérios de controle. As irregularidades envolveram contratações de navios. Segundo a análise feita pelos auditores da Petrobras, os contratos analisados descumpriram "procedimentos previstos no manual de afretamento" e referem-se a irregularidades na contratação de navios, responsáveis pelo transporte de produtos. Entre as falhas apontadas, há falta de autorização por escrito para iniciar processos de frete, autorização prévia para tomada de preços com aval de gerente e contratações informais que levaram até 390 dias para serem registradas no sistema. Alguns contratos sequer apontam registro de informações de histórico de negociação no sistema de conferência de compras da Petrobras e da empresa prestadora de serviço. Com a falta de registro e informações não detalhadas, auditores relatam que há impedimento para analisar como os negócios foram firmados e, portanto, dificuldades de apuração de irregularidades. O relatório indica ainda a necessidade de rever o manual de afretamento, a contratação de terceirizados para o serviço. "Descontroles dessa magnitude


podem ser resultado de falta de comando, falhas de comunicação, pressa. É uma situação inadmissível em uma empresa desse porte, e abre caminho para má fé", aformou ao jornal Fernando Filardi, pesquisador da área de administração do Ibmec-RJ. Destino de 18% de todos os investimentos da Petrobras, a área de abastecimento é a segunda mais importante da empresa, atrás apenas de Exploração e Produção, alvo de 70% dos recursos. Além da comercialização de petróleo e derivados - atividade que demanda contratações de navios para movimentação de carga em todo o mundo-, estão sob sua responsabilidade a gestão das 13 refinarias no Brasil e a construção de outras quatro. O uso de empresas terceirizadas para o transporte de produtos produzidos pela Petrobras foi algo de investigação durante a Operação Lava-Jato. A PF apura um suposto esquema de evasão de divisas e lavagem de dinheiro com recursos da petroleira e outras fontes. Entre os investigados da PF estão Costa, que ficou preso por dois meses por suspeita de destruir provas, e o doleiro Alberto Yousseff. Procurada pela Folha, a Petrobras informou não ter constatado "irregularidades ou prejuízos" nas operações auditadas na diretoria de abastecimento. As falhas e irregularidades constatadas pela auditoria interna da empresa são "explicadas em parte pela dinâmica de mercado à época e pelo aumento das contratações de frete", informou. A Petrobras afirmou também que acatou as sugestões de melhorias em seus processos internos feitas pelo grupo de auditores. Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/area-comandada-por-paulo-roberto-costa-napetrobras-tinha-contratos-firmados-na-informalidade

Câmera do LG G3 terá sensor a laser Falta apenas um dia para a LG anunciar seu novo top de linha, mas a própria empresa não para de divulgar aspectos do G3. Na semana passada a companhia soltou um comunicado à imprensa mostrando as capinhas inteligentes que poderão ser usadas no smartphone. Agora divulgou dois vídeos com detalhes do aparelho. Um deles foi feito apenas para informar que o G3 terá uma tela de 5,5 polegadas. Isso bate com um vazamento ocorrido no meio do mês passado, quando ainda se disse que a resolução será de 2560x1440, algo visto geralmente em monitores de alto desempenho. Já o outro vídeo, apesar de apenas um teaser, é mais revelador, porque deixa passar que a câmera contará com um sistema de foco a laser, novidade que dará mais precisão e velocidade às capturas.


Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/42191/42191


NOTÍCIAS DIÁRIAS ED. 415