Issuu on Google+

22 de novembro de 2013 - #168

Menos tecnologia, mais criatividade Leia ouvindo ♫ O Autor da Natureza - Zé Ramalho ♪ Quer “dobrar” a sua criatividade em apenas quatro dias? Um estudo diz que isso pode ser possível. E não é graças a nenhum cursinho “express” nem qualquer outra técnica que precise de esforço. Muito pelo contrário, é na maciota que as ideias boas vêm com mais força! É o que indica um dos altores de um estudo recente, David Strayer, professor de psicologia na Universidade do Utah, nos EUA. O que ele sugere? Que passar quatro dias na natureza, sem tecnologias, aumenta a criatividade em 50%. Isso indica que o envolvimento com a natureza trás benefícios reais para conseguir “boas ideias”. Até mesmo na resolução de problemas que pareciam impossíveis. Ele defende que alienar-se em frente a um computador muitas horas por dia, sete dias por semana, tem custos que podem ser remediados Texto Ed

Gomes / foto divulgação

com um simples passeio na natureza. A experiência envolveu 56 pessoas, 30 homens e 26 mulheres, com uma média de 28 anos. Os participantes estiveram passeando em campos e florestas nos estados do Alasca, Colorado, Maine e Washington, e tudo sem celular, computador e qualquer outro tipo de tecnologia, durante quatro dias. Dos 56, 24 fizeram um teste de criatividade com dez perguntas antes de iniciarem o passeio e os outros 32 realizaram o mesmo teste na manhã do quarto dia de passeio. Os resultados? Claríssimos! Pessoas que já estavam há quatro dias na natureza tiveram uma média de 6,08 perguntas certas, enquanto os outros tiveram apenas 4,14. Agora que você já leu nosso caderno, dá uma passadinha no site para conferir mais informações sobre a pesquisa! *confira no www.mazup.com.br depoimentos dos pesquisadores e, depois, bora para a natureza aumentar essa criatividade!


Preguiça ou coragem?

2 mazup

Campo bom para a cabeça

MAZUP ENTRETENIMENTO LTDA. Caderno encartado semanalmente no jornal O Informativo do Vale. Empresa integrante da Rede Vale de Comunicação.

Diretor geral Maico Eckert - maico@mazup.com.br

Comercial Douglas Kerber - douglas@mazup.com.br

Coordenador editorial Ed Gomes - ed@mazup.com.br

Contato (51) 3726-6741 contato@mazup.com.br www.mazup.com.br

Projetos e eventos Cássio Bonfandini - cassio@mazup.com.br

A pesquisa rendeu comentários entre a galera que curte o Mazup. Muitos costumam recorrer à natureza para renovar a criatividade, e há quem nunca tenha feito, mas não falta vontade. Confira os depoimentos:

por Kátia Eckert

Mazup - Você costuma largar a tecnologia e correr à natureza, Felipe? Felipe de Andrade (27) Cara, bastante. Concordo que o resultado de ficar ao ar livre, sem tecnologia, por alguns dias, aumenta a criatividade. Nos obrigamos a pensar mais e usamos o tempo livre para arte e outras formas de expressão. Mazup - Concorda com o resultado da pesquiza? Joyce Alves Zanon (26) Creio que seja verdade. O contato exclusivo com a natureza, sem a instantaneidade e a pressa do nosso cotidiano, nos levam a ver as coisas de outras formas. Ficar em sintonia com nós mesmos, com as coisas simples, com a essência desta vida nos leva a pensar melhor, a exercitar a capacidade de raciocínio, ao invés de utilizar telas de computadores e celulares e botões para pensarem por nós. Mazup - Nunca fez “dessas”, Giovane? Giovane Cassol (21) Olha, confesso que nunca experimentei uma sensação destas. Mas acredito que a pesquisa esteja certa. Fiquei com vontade de testar, inclusive! Mazup - Horas na natureza são benéficas, na sua opinião? Camila França (18) Concordo plenamente e, nos últimos tempos sim, tenho feito muito! Trabalhar na frente de computador 24h se torna cansativo. Estar na natureza traz um gás a mais, quando volto à rotina atribulada noto que a a criatividade está mais aflorada. É como se eu tivesse “zerado” a cabeça, sinto ela pronta para ser lotada de coisas novamente.

1

1

Jonas Birkheuer

1- Você aceitaria um pedido de amizade de Mickey Mouse no Facebook? Esta é a proposta da t-shirt do Jonas. A moda sempre utiliza personagens que estão em alta e Mickey é um deles. Este ano o ratinho completa 85 anos. O curta metragem “Hora de Viajar” foi produzido em homenagem ao roedor e estará anexado ao filme “Frozen – Uma aventura Congelante”, que estreia em janeiro.

Camila Eckert

1- Se você sempre quis usar uma saia longa e não sabia como, aqui vai uma boa notícia: basta conhecer seu corpo para usá-la a seu favor. Para as baixinhas, modelos plissados ou com listras verticais alongam a silhueta. Para quem tem ombros mais largos em relação aos quadris, a opção é a modelagem godê. Se o quadril é maior, opte por saias sequinhas, sem muito volume.


divulgação

CURTIMOS

O poder da caminhada lenta Eu nunca fui muito fã de exercícios físicos, eu não sou psicóloga, mas imagino que tenha relação com minha infância frustrada com esportes. Eu tentei. Até participei de time de vôlei, mas não era boa nisso, e era sempre uma das últimas a ser escolhida para qualquer time. Tem outro fator: os professores de educação física que tive sempre "mandavam" correr, caminhar, jogar, mesmo sabendo que eu era péssima naquilo, que até medo da bola eu tinha… Ninguém nunca me explicou, me deu um motivo do tipo “correr libera endorfinas, substância que provoca a sensação de bem-estar, deixará você mais feliz, menos ansiosa e você ficará em forma”. Ninguém tentou me "seduzir", me cativar para aquele universo. Talvez por isso eu não seja lá tão atlética. Contudo, mais tarde, conheci profissionais que me cativaram, acabei simpatizando. Antes tarde do que nunca! Se você ainda não se convenceu de que o corpo precisa se movimentar, repense.

divulgação

Artistas falam sobre o 'Dia da Consciência Negra' O Dia da Consciência Negra foi celebrado nesta quarta-feira (20), mas a reflexão sobre a condição do negro no Brasil e a luta contra a escravidão não pode ser restrita a um único dia. Veja o que alguns artistas falaram, em redes sociais, sobre a data: De acordo com uma pesquisa da universidade de Michigan, exercícios em ritmo lento desencadeiam uma reação química no corpo que intensifica a perda de peso. Todo gasto energético rápido tende a ser compensado por uma enorme vontade de comer. A vantagem da perda de energia lenta e gradativa é a adaptação do apetite. Mas nesse caso

é essencial que você respire certo, porque o tempo entre a inspiração e a expiração é que vai determinar o ritmo das passadas e colaborar para a concentração no movimento.

divulgação

Gui Santos - DJ O DJ Gui Santos está completando três anos como profissional das picapes. O cara manda muito bem e está em clima de comemoração. Confere um trecho da entrevista aqui e, as respostas na íntegra, no site do Mazup!

+ em mazup.com.br Como surgiu o interesse em ser DJ? O interesse começou desde pequeno, sempre gostei muito de ouvir música. Passava horas na frente do rádio com uma fita K7, esperando tocar aquela música preferida para gravar... Qual o lado bom e o ruim da profissão? O lado bom é que estamos sempre ligados às novas tendências

Ivete Sangalo -"Hoje é um dia de muita importância. O Dia da Consciência Negra! Respeito, igualdade, e valorização dessa cultura , o nosso grande pilar.”

Gloria Kalil - "Não é chique ter um dia da consciência negra. Chique mesmo é termos, todos os dias, a consciência de que somos todos iguais". Preta Gil - "Dia da Consciência Negra, sou Preta, sim, com muito orgulho , faço parte da maioria do povo brasileiro sou fruto da miscigenação".

papo legal musicais. Ter reconhecimento (isso é muito gratificante), e ser uma referência ao publico. O lado ruim é que você passa praticamente 24h do seu dia respirando música... Perde amigos, comemorações especiais com a família, casamentos, momentos únicos, etc... Tudo em função do aperfeiçoamento na área, técnicas, estudo. Mas vale muito a pena!

Olhando para trás, estes três anos lhe dá orgulho? Sim, e muito! São mais de oito anos trabalhando com música, porém me considero DJ profissional há três anos (quando pela primeira vez saiu meu nome em um flyer e ganhei cachê). Nesses três anos estipulei algumas metas e objetivos, atingi algun, e outros ainda estou batalhando para conquistar.



Menos tecnologia, mais criatividade