Issuu on Google+

Resistindo às férias na selva de pedra 31 de janeiro de 2014 - #180

texto: Kelly Raquel Scheid foto: Douglas Kerber

Leia ouvindo ♫ Norah Jones - Good Morning ♪

Suas férias finalmente deram o ar da graça, mas patavinas de viajar? Não se sinta só. Sobreviver no período de “fim da guerra com o despertador” sem mudar o plano de fundo também é a tarefa do lajeadense Lucas George Wendt, que garante: “A temporada por casa, pode sim, culminar em uma fuga da rotina, principalmente se focarmos novos hábitos”. Não tendo o entrave do pouco tempo - imposto pelo trabalho e faculdade -, as férias na cidade, para Lucas, que cursa Jornalismo, acabam sendo perfeitas para incrementar seus hobbies e convivências. “Assistir a filmes e seriados, separar tempo para leitura e curtir momentos com meus amigos se intensificaram nesta época e são ótimas ideias para preencher a programação de quem não quer cair no tédio. Ah, outra prática com que divido o meu tempo é dormir, afinal, esta é uma das maravilhas das férias.” Organizar-se para as práticas e transformá-las em um motivo para reunir a galera são outras indicações do futuro jornalista, que costuma destinar duas horas diárias à leitura. “Pela noite, o ideal é, com os amigos, assistir a episódios das minhas séries favoritas ou ir ao cinema. Após, seguir para algum pub ou pico da cidade ou arredores com a galera é outra de minhas preferências, à qual, em férias ou não, reservo cerca de dois ou três dias da semana.” Se for livro, não adianta: o estudante é fã de um bom exemplar físico. Lucas explica que assim é bem mais fácil para prender a atenção, embora considere válida a facilidade de tempo que os virtuais proporcionam. E para quem, assim como ele, prefere as bibliotecas em vez das “nuvens”, ficam as dicas de Wendt: “Dá para conhecer obras literárias muito interessantes nesses locais. Na seção de novas aquisições ou livros mais procurados sempre há chance de grandes descobertas”. “Além de ler, curto praticar a maior parte de meus hobbies na companhia de amigos, tanto pelo motivo de assistirmos às mesmas séries quanto pela divergência no gosto por gêneros cinematográficos, o que acaba sendo um ponto positivo, pois sempre acabamos assistindo de tudo”, conta Wendt. “No fim das contas, se você procurar aquilo que te faz bem e coisas que lhe agregam algo, ficar sem viajar nas férias nem é algo tão ruim assim. Muito pelo contrário, pode ser bem divertido se o tempo for bem administrado.” Ele ainda revela que não dispensa a alternativa de fazer downloads de seriados e filmes, pois TV não é sua “praia”, ainda mais somada à dificuldade de acompanhar séries, por exemplo.


Resistindo às férias na selva de pedra!