Issuu on Google+

Bichos do

lixo Ferreira Gullar


Bichos do

lixo Ferreira Gullar


Ao leitor A palavra lixo nos faz pensar em sujeira, mas não é este o caso aqui. Este é um lixo limpo, colorido, que, não obstante, iria certamente para a lixeira, não fosse esta minha mania de brincar com restos de envelopes, convites, propagandas, revistas, calendários, catálogos e muitos outros materiais em papel que recebo pelos correios. Na verdade, brinco com as possibilidades do acaso, isto é, com a probabilidade de que, lançados a esmo, os recortes coloridos façam nascer alguma coisa: um bicho, por exemplo. Um bicho que eu identifico aleatoriamente como uma ave e você talvez o identificasse como outro animal qualquer. Animal que, aliás, não precisa existir. É em suma uma brincadeira. Divirta-se. F.G.


6

O lagarto verde 

Este animal ĂŠ feito de papel e acaso.


7


20

A danรงarina


21

Quando ela danรงa, a fauna inteira danรงa com ela.


Seres azuis

26

Aqui, diferentemente da natureza, a essĂŞncia dos seres ĂŠ a cor.


Pássaro no ninho Sei que as coisas não estão claras. Quanto ao pássaro, acho que sim, é um pássaro.

30

Mas se não está no ninho, está onde? In dubio pro reo.


O gato que ri

32

Ele surgiu assim, de repente, em meio a retalhos coloridos, rindo nĂŁo se sabe de quĂŞ.


33


C

até e , o r la

pa

au. p e d rece

Não está evidente que tem uma perna menor que a outra?

34

O manco


35


Sua Majestade, o Urubu

36

Quem é rei não perde a majestade. Mesmo se não cheira bem.


37


• 38


Filhote Está na cara que é filhote, só que de outra mãe.

39


Bichos verdes Certos seres valem pelo que mostram. Nesses casos, as aparĂŞncias nĂŁo enganam.


41


Ave de

o.

briga orça f a é , z uem di

42

q u e u o s Não

d

que m e g a a im

oa

. Eu u o i r c o cas

cas a o i e d aju


43


Dr. Urubu Doutor urubu, a coisa tรก preta.

53


54


Canguru Se isso não é canguru, é o quê?

55


56


Cachorro

É enfeitado demais para ser um cachorro?

Sim, mas há cachorro de todo tipo e tamanho. Em matéria de cachorros, a natureza é muito inventiva.

57


• 58


O mordomo da floresta

Ele é bicho, como se vê, mas tem a cor e o silêncio dos vegetais.

59

Solene, para estar a serviço da realeza.


Maternidade

60

É próprio da mãe reconhecer o filho – até mesmo quando não é dela.


61


Pรกssaro Quixote

62

Ele anda preparado para uma batalha que nรฃo hรก. Por isso, ataca moinhos de vento.


63


Jacarés Há jacarés e jacarés. O pantanal está cheio deles.

64

Já eu me sinto mais à vontade com estes, de papel.


O louva-deus

74

Bicho prestigiador, que a todos encanta e engana.


75


Habitantes da รกgua

76

sia.

Hรก mais peixes de diferentes feitios do que sonha a nossa fanta


77


82


Abre-alas Esta ĂŠ a verdadeira vaca louca que, quando se invoca, saiam todos da frente.

83


86

Ele 茅 s贸 garganta


87

Que culpa tem o coitado de ter nascido assim?


Ferreira Gullar é um poeta diferente. Até porque não é apenas poeta – é também crítico de arte, tradutor e ensaísta. É que Gullar gosta muito de palavras, mas também de imagens, suas formas, cores e surpresas. Há alguns anos, descobriu que também gosta muito de bichos, principalmente aqueles que cria ao acaso com pedaços de papel, tesoura e cola. Eles estão sempre por perto, assim como Gatinha, sua gata siamesa, de carne, osso e olhos azuis. Gullar nasceu em São Luís do Maranhão em 10 de setembro de 1930 e foi batizado José de Ribamar Ferreira. Aos 19 anos, publicou seu primeiro livro de poesia, Um pouco acima do chão, e dois anos mais tarde mudou-se para o Rio de Janeiro, cidade em que mora até hoje. Em mais de seis décadas, colaborou para jornais e revistas, escreveu peças de teatro, diversos ensaios e publicou algumas das mais importantes obras da poesia brasileira como o Poema sujo, escrito nos anos 1970, período em que esteve exilado, e os livros A luta corporal (1954), Dentro da noite veloz (1975), Na vertigem do dia (1980), Barulhos (1987) e Muitas vozes (1999). Em 2010 ganhou o Prêmio Camões, o mais importante da língua portuguesa, pelo conjunto de sua obra. No mesmo ano, lançou mais um livro de poemas, Em alguma parte alguma (José Olympio), e uma edição apresentando sua Zoologia bizarra (Casa da Palavra), eleito pela Academia Brasileira de Letras a melhor obra infantojuvenil do ano. Em 2012, as ilustrações que fez para seu livro Bananas podres (Casa da Palavra) deu a Gullar o Prêmio Jabuti, o primeiro que ganhou como ilustrador. É que Gullar adora novidades. E o melhor: diverte-se muito com elas.


© 2013 desta edição Casa da Palavra © 2013 Ferreira Gullar Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19.2.1998 É proibida a reprodução total ou parcial sem a expressa anuência da editora. Direção editorial  Ana Cecilia Impellizieri Martins e Martha Ribas Coordenação editorial  Renata Nakano Projeto gráfico e direção de arte   Tratamento de imagens   revisão  

Mayumi Okuyama

Trio Studio

Duda Costa

Este livro foi revisado segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, em vigor no Brasil desde 2009.

cip brasil. catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, rj G983b Gullar, Ferreira, 1930Bichos do lixo / Ferreira Gullar. – Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2013. il.

isbn 978-85-7734-330-0

1. Literatura infantojuvenil brasileira.  i. Título. 12-9021 10.12.12 13.12.12

cdd 028.5

cdu 087.5 041399

ç editorial casa da palavra produção Av. Calógeras, 6, sala 1.001 | Rio de Janeiro | 20030-070 Tel.: 21 2222-3167 | Fax: 21 2224-7461 www.casadapalavra.com.br | divulga@casadapalavra.com.br


Beijo e tchau. Este livro foi composto com a fonte Gazz e impresso em offset 120g, pela Grรกfica Santa Marta, em janeiro de 2013.


Selo para utilização na quarta capa Escala 1:1 Atualizado em 17/05/2011 Não há regra para posicionamento na página

Constelação Ao olhar para o céu, muitas pessoas veem um touro nas estrelas. Outras, ao olhar para o lixo, veem o mesmo touro em restos de papel. E se continuam observando aqueles pequenos recortes, veem surgir, ao lado do bicho, as estrelas que antes só brilhavam no céu.

92

E você, o que consegue ver nestes Bichos do lixo?

leya.com.br

www.casadapalavra.com.br

ISBN 978-85-7734-330-0


Bichos do lixo