Page 1

Março de 2011 -Ano III - n° 03 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

INMET COMEMORA O DIA METEOROLÓGICO MUNDIAL

a quarta-feira (23), no a u d i t ó r i o d a Superintendência Federal Agricultura Pecuária e Abastecimento no Amazonas (SFA-AM), foi comemorado o Dia Meteorológico Mundial pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) com o tema “Clima para Você”. O evento contou com a presença da Chefe do 1° Distrito de Meteorologia 1° DISME, Lúcia Gularte; do Presidente da Federação da Agricultura do Estado do Amazonas (FAEA), Muni Lourenço; alunos da Universidade do Estado do

N

Amazonas (UEA) e representantes das Forças Armadas, Embrapa, Fio Cruz, Companhia de Abastecimento (CONAB) e MAPA.

É i m p o r t a n t e comemorarmos o dia Meteorológico Mundial, pois a Organização Mundial de Meteorologia (OMM) todo ano tem um tema diferente e de grande relevância na nossa vida e no nosso dia-a-dia.

Lúcia Gularte, Chefe do 1° DISME

As palestras promovidas mostraram como os fenômenos climáticos refletem no nosso cotidiano. E como as mudanças climáticas, que tem ocorrido nos últimos dez anos, trazem conseqüências no solo, nos rios, na fauna, na flora, nas doenças, na genética, na economia, no psicológico e no próprio ser humano. “É importante comemorarmos o dia Meteorológico Mundial, pois a Organização Mundial de Meteorologia (OMM) todo ano tem um tema diferente e de grande relevância na nossa vida e no nosso dia-a-dia”, afirma Lúcia Gularte.


Março de 2011 -Ano III - n° 03 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

ABERTA A 4ª ETAPA DA AGULHA OFICIAL NO AMAZONAS

o dia 21 de março, no município de Careiro da Várzea, foi lançada a quarta etapa da Agulha Oficial 2011 no Amazonas. A solenidade de abertura da campanha aconteceu na Fazenda Porongaba, no Paraná do Careiro, no município do Careiro da Várzea, e contou com as presenças da Secretária Executiva da Secretaria do Estado de Produção Rural (SEPROR), Alessandra Campelo, do Presidente da Comissão Executiva de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (CODESAV), Sérgio Muniz, do Presidente da Federação da Agricultura do Estado (FAEA), Muni Lourenço, do

Superintendente da SFAAM, Edivar dos Santos, além do Prefeito do Careiro da Várzea, Nato Leite. A campanha de vacinação contra a febre aftosa acontece em 12 municípios e tem acompanhamento de técnicos da SEPROR e do Ministério da Agricultura,

georreferenciamento das propriedades rurais e coleta de material para estudo sorológico da avaliação de febre aftosa nos municípios de Autazes, Barreirinha, Boa Vista do Ramos, Careiro da Várzea, Careiro, Itacoatiara, Manaus, Maués, Nhamundá, Parintins, Rio Preto da Eva e Urucurituba. A estratégia de Vacinação Oficial na Calha do Rio Amazonas tem

Pecuária e Abastecimento (Mapa). A campanha ainda conta com o apoio de técnicos do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável (IDAM) e da CODESAV e servidores federais de o u t r o s e s t a d o s . O objetivo é vacinar cerca de 500 mil cabeças de gado no Amazonas. Serão utilizados 24 barcos e 73 voadeiras, que vão percorrer aproximadamente 8 mil propriedades rurais em busca e bovinos e bubalinos. Cerca de 350 profissionais estarão envolvidos nesse trabalho que terá a duração de 45 dias. Além das atividades de vacinação, serão realizados c a d a s t r a m e n t o e

como objetivo acelerar o processo de evolução do programa de Febre Aftosa no Amazonas. O programa faz parte do projeto nacional que envolve os Estados do Amapá e Áreas Indígenas do Estado de Roraima, estados estes que, assim como o Amazonas, são considerados de alto risco para Febre Aftosa. O último foco foi detectado em 2004 no município de Careiro da Várzea.

N


Março de 2011 -Ano III - n° 03 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

SFA-AM NA POSSE DO NOVO PRESIDENTE DA CODESAV o dia 17, a SFA-AM participou da posse do médico veterinário Sérgio Muniz na presidência da Comissão de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (CODESAV). Compôs a mesa vários representantes de entidades do setor agrícola, como Muni Lourenço, presidente da Federação de Agricultura no Amazonas (FAEA); Eron Bezerra, secretário da Secretaria de Produção Rural (SEPROR), Deputado Estadual Chico Preto, Edimar Vizolli, presidente do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário (IDAM); Edivar Santos, Superintendente da SFA-AM e outros. O Antecessor de Muniz, Alexandre Araújo se emocionou e parabenizou o apoio do Ministério da Agricultura - MAPA pelos trabalhos desenvolvidos em conjunto. O Secretário Eron Bezerra em seu discurso salientou a importância da parceria entre o MAPA e a SEPROR para alavan-car a economia no Amazonas através do setor primário.

N

O

SFA-AM DISCUTE DIAGNÓTICOS NA PRODUÇÃO DE OVINOCULTURA E CAPRINOCULTURA

Superintendente da SFAAM participou do Encontro de Liderança de Ovinocultura e Caprinocultura no dia 18 de março, que contou com a

participação do Presidente da Comissão Nacional de Ovinocultura e Caprinocultura (CNA), Francisco Edilson Maia Costa; representante do SEBRAE,

Enio Queijada de S o u z a ; o pesquisador da Universidade de Brasília UnB, Marlon Vinicius Brisola e lideranças deste segmento de toda região norte

para debater diagnósticos sobre a cadeia produtiva ovinocultura e caprinocultura. Questões como a carência de informações e instrução das normas de sanidade exigidas por legislação também foram discutidas. O Superintendente, Edivar Santos propôs apoio aos referidos setores. Dessa maneira, pretende-se evitar abatedouros clandestinos no estado do Amazonas. E colocou a SFAAM a disposição dos produtores e demais interessados da Ovinocultura e Caprinocultura.


Março de 2011 -Ano III - n° 03 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

SFA RECEBE VISITA DE INSPETORES DA RBF

o dia 01 de março, a Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas (SFA/AM) recebeu a visita do Inspetor-chefe da Receita Federal do Brasil, Bruno Nepomuceno, e o Chefe do Serviço de Vigilância (SEVIG), Jean Barreto de Melo. O objetivo da visita foi reunir com o chefe do Serviço de Vigilância Internacional Agropecuária (SVA), Mark Dantas, e discutir estratégias para melhorar a fiscalização nos Portos de Manaus. Desta forma, gerar uma fiscalização mais eficiente. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Receita Federal do Brasil (RFB) são dois órgãos de extrema importância na fiscalização e liberação de cargas importadas de outros países. Os fiscais do MAPA vistoriam de acordo com a demanda de cargas. O lacre utilizado pelo MAPA é aplicado nos conteineres apenas em caso de ocorrência fitossanitária, ou seja, quando a carga apresenta algum tipo de irregularidade conforme a legislação, principalmente nas embalagens de madeira. Pois a madeira usada para acondicionar as cargas, aumenta a probabilidade de trazer insetos que podem prejudicar o setor agrícola. Uma forma encontrada de intensificar as vistorias, é fazer com que as cargas do canal verde, que correspondem cerca de 90% das que estão nos portos, sejam fiscalizados pelo MAPA após o desembaraço. Dessa maneira os

N

fiscais agropecuários têm a certeza de que os conteineres já passaram pela parametrização da RFB e podem ser liberadas em seguida. Em caso da carga estar em canal vermelho, acertou-se previamente que as mesmas serão objeto de fiscalização conjunta, onde Nepomuceno se comprometeu a baixar uma ordem de serviço em que os fiscais da Receita só fiscalizarão os conteineres na presença de um fiscal do MAPA. Outra reunião ficou marcada para abril, pois nesse intervalo de tempo ambos podem amadurecer as idéias discutidas na reunião.

Inspetor-chefe, Bruno Nepomuceno e Jean Barreto, chefe do SEVIG da Receita Federal


Março de 2011 -Ano III - n° 03 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

GRUPO DE TRABALHO APRESENTA PALESTRA SOBRE SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS Maria Aldenir Brito do Serviço de Sanidade, Inspeção e Fiscalização Vegetal (SIFISV), participou da IV Reunião do Grupo de Trabalho, gestor do projeto fundo Amazônia Reflorestamento em áreas de intensa pressão de desmatamento no sul do estado do amazonas, ocorrida no dia 18/02 no auditório da UEA, apresentando palestra com o objetivo de nivelar o grupo de trabalho sobre o sistema nacional de sementes e mudas , enfatizando a produção de mudas de espécies florestais nativas e exóticas para fins de reflorestamento

pela lei 10.711/2003 de 05/08/2003, decreto 5.153 de 23/07/04, com função normativa, consultiva, informativa e de assessoramento ao MAPA. E é formada por representantes de várias instituições/órgãos do setor primário. O objetivo da reunião foi discutir e propor alterações da minuta de instrução normativa e anexos que dispõe sobre as normas para a produção e a comercialização de sementes e mudas de espécies florestais nativas e exóticas. E aprimorar o sistema nacional de sementes e mudas. .

COMISSÃO DE SEMENTES E MUDAS DISCUTE N O R M A S P A R A P R O D U Ç Ã O COMERCIALIZAÇÃO O SIFISV coordenou a reunião da Comissão de Sementes e Mudas do Estado do Amazonas nos dias 15 e 28 de fevereiro. A comissão de Sementes e Mudas foi instituída

NORMA DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORIENTA SERVIDORES SOBRE FÉRIAS Com o objetivo de estabelecer regras relativas às férias de servidores públicos do Poder Executivo Federal, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) publicou no Diário Oficial da União de 24 de fevereiro a Orientação Normativa n°2, que dispõe sobre a concessão, indenização, parcelamento e o pagamento da remuneração de férias. Uma das mudanças é dar preferência para que servidores com filhos em idade escolar possam conciliar suas férias com as EXPEDIENTE SFA/AM AGRONOTÍCIAS AMAZONAS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas. Rua Maceió, nº 460 - Adrianópolis - CEP: 6957-010 Assessoria de Comunicação Social: Ana Maria dos Santos Andrade (DRT-AM 058) E-mail: acs-am@agricultura.gov.br Telefone 4009-3802 Estagiária de Comunicação: Mayara Cristina Santos de Lima E-mail: mayara.lima@agricultura.gov.br

do período escolar. Servidores da mesma família e que trabalham no mesmo órgão poderão usufruir férias conjuntamente, se assim quiserem e se não for prejudicial às atividades da unidade de exercício. Outra alteração permite que, em caso de falecimento do servidor, os dependentes legais farão jus à indenização correspondente férias não usufruídas. Para o coordenador de Legislação e Acompanhamento Processual (Colep), Luís Garay, “a norma foi reeditada para ajudar os servidores a compreender melhor o que é permitido ou não em relação às férias”. Em caso de dúvidas sobre a orientação, ligar para a Colep nos números: 61-3218-3033 ou 6132183080.

COMUNICADO ASecretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, considerando a competência regimental do art 35 inciso I do Decreto nº 7.063, de 13 de janeiro de 2010, orienta aos órgãos e entidades do SIPEC: - atendendo a solicitações das unidades de recursos humanos dos órgãos integrantes do SIAPE, quanto ao prazo para efetuar as atualizações no cadastro de dependentes dos dados referentes ao CPF (cadastro de pessoa física), previsto para o mês de fevereiro, Comunica Geral 540677 transmitido em 26/08/2010, informamos que as atualizações deverão ser efetuadas até 31 de julho de 2011, transação >CDIADEPEND. - para o cadastramento de novos dependentes no módulo de dependentes do SIAPE a exigência do CPF será a contar do mês de fevereiro de 2011. - os órgãos deverão adotar, ainda, os procedimentos necessários à atualização no módulo de dependentes dos dados referentes a servidores que possuem dependentes previstos no artigo 83 da Lei 8112/90, acompanhamento de pessoa da família código 11. - a atualização dos órgãos quanto ao dado de acompahamento de pessoa da familia, código 11, será fundamental para a concessão deste tipo de licença ao servidor, considerando que com a implantação do módulo do SIAPE SAÚDE, os profissionais das áreas de saúde irão efetuar as perícias diretamente no Sistema.


Março de 2011 -Ano III - n° 03 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

TODOS CONTRA A DENGUE Mosquitos. A dengue pode ser transmitida por duas espécies de mosquitos (Aedes aegypti e Aedes albopictus), que picam durante o dia e a noite, ao contrário do mosquito comum, que pica durante a noite. Os transmissores de dengue, principalmente oAedes aegypti, proliferam-se dentro ou nas proximidades de habitações (casas, apartamentos, hotéis), em recipientes onde se acumula água limpa (vasos de plantas, pneus velhos, cisternas etc.). O Aedes aegypti. O Mosquito Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte, mas, mesmo nas horas quentes, ele pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa. Há suspeitas de que alguns ataquem também durante a noite. O indivíduo não percebe a picada, pois no momento não dói e nem coça

homem. Após a ingestão de sangue infectado pelo inseto fêmea, transcorre na fêmea um período de incubação. Após esse período, o mosquito torna-se apto a transmitir o vírus e assim permanece durante toda a vida. Não há transmissão pelo contato de um doente ou suas secreções com uma pessoa sadia, nem fontes de água ou alimento Período de incubação. Varia de 3 a 15 dias, mas tem como média de cinco a seis dias.

O Ciclo do Mosquito. O ciclo do Aedes aegypti é composto por quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. As larvas se desenvolvem em água parada, limpa ou suja. Na fase do acasalamento, em que as fêmeas precisam de sangue para garantir o desenvolvimento dos ovos, ocorre a transmissão da doença. O seu controle é difícil, por ser muito versátil na escolha dos criadouros onde deposita seus ovos, que são extremamente resistentes, podendo sobreviver vários meses até que a chegada de água propicia a incubação. Modo de transmissão. A fêmea pica a pessoa infectada, mantém o vírus na saliva Uma vez imersos, os ovos desenvolvem-se rapidamente em larvas, que dão origem às pupas, das quais surge o e o retransmite. adulto. A transmissão ocorre pelo ciclo homem-Aedes aegypti-

SINTOMAS DA DENGUE O tempo médio do ciclo é de 5 a 6 dias, e o intervalo entre a picada e a manifestação da doença chama-se período de incubação. É só depois desse período que os sintomas aparecem. Geralmente os sintomas se manifestam a partir do 3° dia depois da picada do mosquitos Dengue hemorrágica Dengue Clássica * Pulso rápido e fraco. * Dificuldade respiratória. Os sintomas da dengue * Febre alta com início súbito. * Perda de consciência. hemorrágica são os mesmos da * Forte dor de cabeça. dengue comum. A diferença ocorre * Dor atrás dos olhos, que piora quando acaba a febre e começam a com o movimento dos mesmos. surgir os sinais de alerta: * Perda do paladar e apetite. * Manchas e erupções na pele * Dores abdominais fortes e semelhantes ao sarampo, contínuas. principalmente no tórax e * Vômitos persistentes. membros superiores. * Pele pálida, fria e úmida. * Náuseas e vômitos· * Sangramento pelo nariz, boca e * Tonturas. gengivas. * Extremo cansaço. * Manchas vermelhas na pele. * Moleza e dor no corpo. * Sonolência, agitação e confusão * Muitas dores nos ossos e mental. Continua... articulações. * Sede excessiva e boca seca.

>>


Fevereiro de 2011 -Ano III - n° 02 Informativo da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Amazonas

TODOS CONTRA A DENGUE Na dengue hemorrágica, o quadro clínico se agrava rapidamente, apresentando sinais de insuficiência circulatória e choque, podendo levar a pessoa à morte em até 24 horas. De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, cerca de 5% das pessoas com dengue hemorrágica morrem.

aparecimento de manchas vermelhas na pele, sangramentos (nariz, gengivas), dor abdominal intensa e contínua e vômitos persistentes podem indicar a evolução para dengue hemorrágica. Esse é um quadro grave que necessita de imediata atenção médica, pois pode ser fatal.

O doente pode apresentar sintomas como febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, náuseas ou até mesmo não apresentar qualquer sintoma. O

É importante procurar orientação médica ao surgirem os primeiros sintomas, pois as manifestações iniciais podem ser confundidas

com outras doenças, como febre amarela, malária ou leptospirose e não servem para indicar o grau de gravidade da doença.

AgoNotícias III  

Jornal Interno da SFA-AM elaborado por mim durante o estágio. Fotos, diagrama e textos por Mayara Lima