Issuu on Google+

Um século, Dez lápis, Cem desenhos – Viarco Express –


102


Um século, Dez lápis, Cem desenhos – Viarco Express –

103


Ficha Técnica VIARCO Express Ideia original Ideia original Isaque Pinheiro

Tradução Tradução xxxxxx

Direcção Direcção Daniel Pires José Vieira

Revisão Revisão xxxxxx

Organização Organização Maus Hábitos Viarco Coordenação Coordenação Mário Canijo Isaque Pinheiro Daniel Pires Manuel César Marques José Vieira Ana Costa Pesquisa e Entrevistas Pesquisa e Entrevistas José Roseira Redacção e Edição Redacção e Edição José Roseira Jorge Longa Fotografia Fotografia Daniel Pires – Retratos José Manuel Costa Alves – Obras Design gráfico Design gráfico José Manuel Lourenço Dias – In Two

Impressão e acabamento Impressão e acabamento Maiadouro Depósito legal Depósito legal xxxxxx ISBN xxxxxx Apoio Institucional Apoio Institucional Museu da Presidência da Republica Copyright © Saco Azul – Associação Cultural – Maus Hábitos, Viarco – Industria de Lápis dos textos e das imagens produzidas no âmbito do projecto © os artistas © os autores das imagens cedidas

1.ª edição 1.ª edição Outubro de 2009 Outubro de 2009

Agradecimentos Aos artistas: Albuquerque Mendes, Alexandra do Carmo, Álvaro Leite, Álvaro Leite Siza Vieira, Ana Anacleto, Ana Guedes, Ana Pérez-Quiroga, Ana Pimentel, Ana Torrie, Ana Vidigal, André Alves, André Carrilho, Ângelo de Sousa, António Antunes, António Charrua, António Jorge Duarte, António Melo, António Olaio, Augusto Cid, Baltazar Torres, Brian Cronin, Bruno Borges, Carla Capela, Carlos Botto, Carlos Carreiro, Carlos dos Reis, Carlos Pinheiro, Cristina Lamas, Cristina Robalo, Cristina Sampaio, Daniel Barroca, Diogo Pato, Eduardo Salavisa, Egas José Vieira, Fabrizio Matos, Fátima Mendonça, Fernando Conduto, Fernando Pinto Coelho, Francisco Queiros, Francisco Vidal, Frederica Bastide Duarte, Gerardo Burmester, Graça Morais, Guida Casella, Hugo Canoilas, Isaque Pinheiro, Joana Vasconcelos, João Baeta, João Catarino, João Pedro Vale, Joen P-Vedel, John Hawke, Jorge Abade, José Emidio, José Loureiro, José Louro, Julião Sarmento, Karina Cid, Luís Figueiredo, Luís Lima, Luísa Gonçalves, Luísa Penha, Mafalda Santos, Manuel Graça Dias, Manuel Santos Maia, Margarida Rebelo Pinto, Maria Velez, Mariana Moraes, Marta Soares, Marta Wengorovius, Mauro Cerqueira, Miguel Vieira, Mónica Cid, Nuno de Sousa, Nuno Vidigal, Paula Rego, Paulo Brighenti, Paulo Mendes, Paulo Patrício, Paulo Quintas, Pedro Barbosa, Pedro Cabral, Pedro Cabrita Reis, Pedro Pousada, Pedro Quintas, Pedro Ravara, Pedro Reis, Rasmus, Ricardo Pistola, Rita Guedes Tavares, Rui Chafes, Rute Rosas, Samuel Silva, Sara Maia, Susana Mendes Silva, Vasco Barata e Yasuto Masumoto. E a todos aqueles que participaram de outras formas no nosso projecto: Ana Carvalho, Ana Jotta, Ana Sousa Dias, António José Vieira Araújo, António Poppe, Arlete Alves Silva, Carlos Coutinho, Catarina Portas, Elídio Nunes, Gaspar Matos, João Fernandes, João Simões, João Pinharanda, Manuel César Marques, Luís Serpa, Manuel Celestino, Maria do Carmo Oliveira, Michael da Costa, Miguel Januário, Nuno Borges, Nuno Coelho, Patrício Macedo, Paulo Marcelo, Pedro Gomes, Pedro Leão, Rodrigo Oliveira e Rui Brito. 102


103


102


Ă?ndice

103


Um século, Dez lápis, Cem desenhos – Viarco Express –

É mais uma vez com uma nova e inédita iniciativa cultural que a Presidência da República assinala, no espaço do Palácio de Belém, residência oficial do chefe de Estado, o nonagésimo nono aniversário da implantação da República. Com a associação ao projecto Viarco Express, nasce uma dupla parceria para a promoção da arte contemporânea portuguesa: com a Viarco, empresa agora centenária, que se inscreve na memória pessoal de cada português, e que se constitui como um exemplo no seio do tecido empresarial nacional; e com os Maus Hábitos, instituição que tem dinamizado, ao longo dos últimos anos, a partir da cidade do Porto, a cena cultural no nosso país. O projecto, que nasceu de um feliz encontro entre estas duas entidades, desenvolve um percurso não orientado, em que dez lápis funcionam como testemunhos que passam de mão em mão, desenhando uma cartografia contemporânea da arte portuguesa, tecendo um enredo de relacionamentos que toca diversas disciplinas de que se constitui o panorama artístico português: do desenho à arquitectura, da escultura à instalação, da literatura ao audiovisual, da caricatura à fotografia. O ecletismo dos trabalhos apresentados é também reflexo de uma rede transgeracional, que une autores consagrados a jovens que iniciam agora o seu percurso artístico. Dá-se assim sequência ao trabalho efectuado nos dois últimos anos, em que o Palácio de Belém, por ocasião das comemorações da implantação da República, se estabelece como uma casa aberta aos cidadãos, promotora de cultura, neste caso da arte contemporânea e dos artistas portugueses, abrindo-se, desta forma, o centésimo ano de vida da República Portuguesa. Diogo Gaspar Pedro Rapoula

102


Um século, Dez lápis, Cem desenhos – Viarco Express –

É mais uma vez com uma nova e inédita iniciativa cultural que a Presidência da República assinala, no espaço do Palácio de Belém, residência oficial do chefe de Estado, o nonagésimo nono aniversário da implantação da República. Com a associação ao projecto Viarco Express, nasce uma dupla parceria para a promoção da arte contemporânea portuguesa: com a Viarco, empresa agora centenária, que se inscreve na memória pessoal de cada português, e que se constitui como um exemplo no seio do tecido empresarial nacional; e com os Maus Hábitos, instituição que tem dinamizado, ao longo dos últimos anos, a partir da cidade do Porto, a cena cultural no nosso país. O projecto, que nasceu de um feliz encontro entre estas duas entidades, desenvolve um percurso não orientado, em que dez lápis funcionam como testemunhos que passam de mão em mão, desenhando uma cartografia contemporânea da arte portuguesa, tecendo um enredo de relacionamentos que toca diversas disciplinas de que se constitui o panorama artístico português: do desenho à arquitectura, da escultura à instalação, da literatura ao audiovisual, da caricatura à fotografia. O ecletismo dos trabalhos apresentados é também reflexo de uma rede transgeracional, que une autores consagrados a jovens que iniciam agora o seu percurso artístico. Dá-se assim sequência ao trabalho efectuado nos dois últimos anos, em que o Palácio de Belém, por ocasião das comemorações da implantação da República, se estabelece como uma casa aberta aos cidadãos, promotora de cultura, neste caso da arte contemporânea e dos artistas portugueses, abrindo-se, desta forma, o centésimo ano de vida da República Portuguesa. Diogo Gaspar Pedro Rapoula

103


A Descrição do Projecto

Este projecto assenta na regra simples dos vulgares jogos de estafeta. Entregando dez lápis especialmente produzidos para este efeito a artistas cuidadosamente escolhidos (ver lista na página 06) pedimos a cada um deles que, utilizando o lápis criasse um desenho e, concluindo o trabalho, escolhesse livremente das suas relações uma outra pessoa cuja actividade profissional se relacionasse com o media do desenho. Desta forma, e estipulando a regra que determina o regresso do lápis à Saco Azul logo que dez pessoas o utilizem, o projecto VIARCO Express visa a criação de um conjunto de 100 desenhos originais e a sua posterior exibição ao público. Para além da criação deste espólio de Desenho, a Saco Azul pretende construir um catálogo que os compreenda e reproduza, completado por uma sequência de entrevistas a cada um dos autores envolvidos no projecto. Pretendemos produzir duas exposições, uma no Porto e outra em Lisboa, onde figure a totalidade dos Desenhos. Não esgotando o valor deste projecto na sua exibição ao público e na edição do catálogo, a Saco Azul pretende lançar o desafio para a construção de uma análise sobre as políticas de amizade, relações de afectividade e cumplicidade entre os mais destacados criativos do panorama artístico nacional, desenhando a partir deste banal jogo de estafeta uma cartografia automática dos diversos grupos e círculos de proximidade.

102


A Descrição do Projecto

Este projecto assenta na regra simples dos vulgares jogos de estafeta. Entregando dez lápis especialmente produzidos para este efeito a artistas cuidadosamente escolhidos (ver lista na página 06) pedimos a cada um deles que, utilizando o lápis criasse um desenho e, concluindo o trabalho, escolhesse livremente das suas relações uma outra pessoa cuja actividade profissional se relacionasse com o media do desenho. Desta forma, e estipulando a regra que determina o regresso do lápis à Saco Azul logo que dez pessoas o utilizem, o projecto VIARCO Express visa a criação de um conjunto de 100 desenhos originais e a sua posterior exibição ao público. Para além da criação deste espólio de Desenho, a Saco Azul pretende construir um catálogo que os compreenda e reproduza, completado por uma sequência de entrevistas a cada um dos autores envolvidos no projecto. Pretendemos produzir duas exposições, uma no Porto e outra em Lisboa, onde figure a totalidade dos Desenhos. Não esgotando o valor deste projecto na sua exibição ao público e na edição do catálogo, a Saco Azul pretende lançar o desafio para a construção de uma análise sobre as políticas de amizade, relações de afectividade e cumplicidade entre os mais destacados criativos do panorama artístico nacional, desenhando a partir deste banal jogo de estafeta uma cartografia automática dos diversos grupos e círculos de proximidade.

103


OS Objectivos do Projecto

O projecto VIARCO Express insere-se na lógica de actividade que a Saco Azul persegue desde a sua constituição, em 2002, gerindo os espaços Expositivos anexos aos Maus Hábitos, no Porto. Ainda que partindo de políticas de amizade e de proximidade, os espaços que gerimos acabam por escapar ao fenómeno de homogeneização que costuma ser criticado neste tipo de políticas. Não temos medo de dizer que o conjunto de exposições por nós produzidas nos últimos cinco anos é extraordinariamente heterogéneo quando comparado a outras programações em espaços congéneres na cidade do Porto. Artisticamente consideramos que a criação do conjunto de desenhos e da cartografia por nós proposta como uma mais-valia para o registo do nosso património vivo e das relações entre artistas portugueses. Os 100 desenhos finais não corresponderão tão só a uma fantástica colecção, mas também um valioso documento para estudo e pesquisa. Com o objectivo de extrapolar a nossa dimensão local e o estigma associado aos projectos pensados a partir deste epíteto, VIARCO Express é também uma experiência da Saco Azul na captação do interesse privado e da utilização da cultura como forma de promoção e dinamização de actividades industrias e comerciais. A coprodução deste projecto com a emblemática marca de lápis VIARCO é um passo nesse sentido: utilizando o capital emocional que os seus lápis têm em todos os portugueses, aliamos um projecto de produção artística a uma campanha de promoção de uma marca que, tanto simbólica como economicamente entendemos ser de interesse publicitar e trabalhar para uma sua maior implementação no mercado nacional.

102


Os Objectivos do Projecto

O projecto VIARCO Express insere-se na lógica de actividade que a Saco Azul persegue desde a sua constituição, em 2002, gerindo os espaços Expositivos anexos aos Maus Hábitos, no Porto. Ainda que partindo de políticas de amizade e de proximidade, os espaços que gerimos acabam por escapar ao fenómeno de homogeneização que costuma ser criticado neste tipo de políticas. Não temos medo de dizer que o conjunto de exposições por nós produzidas nos últimos cinco anos é extraordinariamente heterogéneo quando comparado a outras programações em espaços congéneres na cidade do Porto. Artisticamente consideramos que a criação do conjunto de desenhos e da cartografia por nós proposta representa uma mais-valia para o registo do nosso património vivo e das relações entre artistas portugueses. Os 100 desenhos finais não corresponderão tão só a uma fantástica colecção, mas constituem também um valioso documento para estudo e pesquisa. Com o objectivo de extrapolar a nossa dimensão local e o estigma associado aos projectos pensados a partir deste epíteto, VIARCO Express é também uma experiência da Saco Azul na captação do interesse privado e da utilização da cultura como forma de promoção e dinamização de actividades industriais e comerciais. A co-produção deste projecto com a emblemática marca de lápis VIARCO é um passo nesse sentido: utilizando o capital emocional que os seus lápis têm em todos os portugueses, aliamos um projecto de produção artística a uma campanha de promoção de uma marca que, tanto simbólica como economicamente entendemos ser de interesse publicitar e trabalhar para uma maior implementação no mercado nacional.

103


A Carta-Convite

(Acompanha cada um dos dez estojos)

Aqui vai um lápis. Um lápis: uma mina de grafite, com a densidade certa, envolvida em madeira de cedro. Coisa tão leve e discreta, objecto de tão corriqueiro quase invisível, e afinal instrumento básico e essencial de expressão. “Os lápis não são madeira e mina, é pensamento pelas falanges”, afirmava um Sr. Toulouse-Lautrec que com ele passeava pelo papel com bastante mais voluptuosidade do que coxeava pelo mundo. Este lápis é um dos seis milhões que, por ano, nascem na única fábrica portuguesa de lápis. Não é mais um pois pertence à mais especial e limitada das séries: comemora os 100 anos da Viarco, celebrando o que de mais extraordinário um lápis consegue fazer, com a tal ajuda de umas poucas de falanges e do pensamento de quem o segura. Para a festa de aniversário convidamos quem com o lápis mais se dá, como é natural: artistas, arquitectos, cartoonistas, designers. E estendemos o convite, para que estes cinco primeiros convidados tragam mais cinco, os amigos dos amigos, pois então. E também esses, por aí fora... No final; a festa será o resultado de um jogo, no qual o convite é um raro lápis-testemunho, que de mão em mão vai desenhando, sucessivamente inspirado. E tudo aquilo que um lápis pensa ao longo da sua vida, com quem vai conhecendo, se expõe no dia da festa. Portanto, eis o jogo: um lápis; um tamanho máximo A1; 15 dias. E depois, uma carta convite para quem se segue, para quem se gosta e também gosta de lápis. Começamos, então. Aqui vai um lápis e um convite… Catarina Portas

102


A Carta-Convite

(Acompanha cada um dos dez estojos)

Aqui vai um lápis. Um lápis: uma mina de grafite, com a densidade certa, envolvida em madeira de cedro. Coisa tão leve e discreta, objecto de tão corriqueiro quase invisível, e afinal instrumento básico e essencial de expressão. “Os lápis não são madeira e mina, é pensamento pelas falanges”, afirmava um Sr. Toulouse-Lautrec que com ele passeava pelo papel com bastante mais voluptuosidade do que coxeava pelo mundo. Este lápis é um dos seis milhões que, por ano, nascem na única fábrica portuguesa de lápis. Não é mais um pois pertence à mais especial e limitada das séries: comemora os 100 anos da Viarco, celebrando o que de mais extraordinário um lápis consegue fazer, com a tal ajuda de umas poucas de falanges e do pensamento de quem o segura. Para a festa de aniversário convidamos quem com o lápis mais se dá, como é natural: artistas, arquitectos, cartoonistas, designers. E estendemos o convite, para que estes cinco primeiros convidados tragam mais cinco, os amigos dos amigos, pois então. E também esses, por aí fora... No final; a festa será o resultado de um jogo, no qual o convite é um raro lápis-testemunho, que de mão em mão vai desenhando, sucessivamente inspirado. E tudo aquilo que um lápis pensa ao longo da sua vida, com quem vai conhecendo, se expõe no dia da festa. Portanto, eis o jogo: um lápis; um tamanho máximo A1; 15 dias. E depois, uma carta convite para quem se segue, para quem se gosta e também gosta de lápis. Começamos, então. Aqui vai um lápis e um convite… Catarina Portas

103


O Regulamento

1. O projecto VIARCO EXPRESS consiste no convite à criação, por parte da Saco Azul, de desenhos, elaborados com lápis da Viarco. a. Será fabricado pela Viarco uma série limitada de lápis, com design próprio, que serão utilizados exclusivamente neste projecto. 2. Serão convidados autores de diversos quadrantes: arquitectos, designers, ilustradores, artistas plásticos que iniciarão o projecto. 3. A cada um desses autores convidados será pedido que, com o lápis Viarco que lhe será entregue, elabore um desenho. 4. É concedida total liberdade quanto ao tema, concepção e tipo de obra a ser criada por cada convidado. Apenas, por uma questão de produção, é imposto um limite máximo à dimensão dos trabalhos, que será o formato A1 (50 cm X 70 cm). 5. Após a criação do seu desenho cada autor deverá, por sua vez, convidar um novo autor para aderir ao projecto enviando-lhe o lápis. O prazo máximo para execução e envio não pode exceder 15 dias. a. Para tanto, deverá enviar uma carta, escrita com o lápis, convidando-o particularmente a dar continuidade ao projecto. Este novo autor deverá manter a carta junto ao desenho. 6. Cada autor tem inteira liberdade quanto à pessoa a quem convidar dentro do quadrante em que está inserida. Nesta fase deverá comunicar a identidade e contacto do seu convidado ao Maus Hábitos, enviando mensagem de correio electrónico para o endereço danielpires@maushabitos.com. 7. Se necessário será fornecido um novo lápis ao autor que o solicitar. Tendo este que manter o que resta do lápis junto ao desenho e à carta enviada pelo autor anterior. 8. Os trabalhos entretanto efectuados serão recolhidos pela Saco Azul, Associação Cultural, 9. Quando for atingida a quantidade de trabalhos prevista (exactamente 100) dar-se-á por finda a produção, sendo que o Maus Hábitos avisará os então detentores dos lápis de que não deverão efectuar novos convites. 10. Os trabalhos, os lápis utilizados e as cartas serão expostos em itinerância em locais a designar. 11. Será produzido um catálogo, onde constarão os trabalhos efectuados, as resenhas biográficas de cada autor, uma breve história da Viarco, textos alusivos ao lápis. 12. No final das exposições, em data a fixar, os trabalhos serão leiloados. 13. O resultado do leilão será dividido e aplicado do seguinte modo: a. 1/3 do valor obtido reverterá a favor do autor. b. 1/3 do valor obtido será utilizado pelos Maus Hábitos na produção e divulgação de trabalhos de jovens artistas, por si seleccionados. c. 1/3 do valor obtido reverterá a favor da Viarco que o converterá em material didáctico a fim de ser entregue a instituições de caracter social e escolas carenciadas. 14. A Organização assegurará a realização do leilão, o pagamento dos custos associados com a produção e divulgação das exposições, produção do catálogo, seguros e transporte. 15. Aos autores será comunicada a identidade do comprador do seu trabalho e o valor obtido com a venda. 16. A primeira exposição do Projecto do Viarco Express está prevista para ter início durante o mês de Outubro de 2008. 102


O Regulamento

1. O projecto VIARCO EXPRESS consiste no convite à criação, por parte da Saco Azul, de desenhos elaborados com lápis da Viarco. a. Será fabricada, pela Viarco, uma série limitada de lápis, com design próprio, os quais serão utilizados exclusivamente neste projecto. 2. Serão convidados autores de diversos quadrantes – arquitectos, designers, ilustradores, artistas plásticos –, que iniciarão o projecto. 3. A cada um desses autores convidados será pedido que, com o lápis Viarco que lhe será entregue, elabore um desenho. 4. É concedida total liberdade quanto ao tema, concepção e tipo de obra a ser criada por cada convidado. É apenas imposto, por razões de produção, um limite máximo à dimensão dos trabalhos, que será o formato A1 (50cm x 70cm). 5. Após a criação do seu desenho, cada autor deverá, por sua vez, convidar um novo artista para aderir ao projecto, enviando-lhe o lápis. O prazo máximo para execução e envio não pode exceder 15 dias. a. Para tanto, deverá enviar uma carta, escrita com o lápis, convidando-o particularmente a dar continuidade ao projecto. Este novo autor deverá manter a carta junto ao desenho. 6. Cada autor tem inteira liberdade quanto à pessoa a convidar dentro do quadrante em que está inserida. Nesta fase, deverá comunicar a identidade e contacto do seu convidado aos Maus Hábitos, enviando uma mensagem de correio electrónico para o endereço danielpires@maushabitos.com. 7. Se necessário, será fornecido um novo lápis ao autor que o solicitar, tendo este que manter o que resta do primeiro lápis junto ao desenho e à carta enviada pelo artista anterior. 8. Os trabalhos entretanto efectuados serão recolhidos pela Saco Azul, Associação Cultural. 9. Quando for atingida a quantidade de trabalhos prevista (exactamente 100) dar-se-á por finda a produção, altura em que os Maus Hábitos avisarão os então detentores dos lápis que não deverão efectuar novos convites. 10. Os trabalhos, os lápis utilizados e as cartas serão expostos em itinerância em locais a designar. 11. Será produzido um catálogo, onde constarão os trabalhos efectuados, as resenhas biográficas de cada autor, uma breve história da Viarco, e textos alusivos ao percurso dos lápis. 12. No final das exposições, em data a fixar, os trabalhos serão leiloados. 13. O resultado do leilão será dividido e aplicado do seguinte modo: a. 1/3 do valor obtido reverterá a favor do autor. b. 1/3 do valor obtido será utilizado pelos Maus Hábitos na produção e divulgação de trabalhos de jovens artistas, por si seleccionados. c. 1/3 do valor obtido reverterá a favor da Viarco que o converterá em material didáctico destinado a ser entregue a instituições de carácter social e escolas carenciadas. 14. A Organização assegurará a realização do leilão, o pagamento dos custos associados com a produção e divulgação das exposições, a produção do catálogo, os seguros e o transporte. 15. Aos autores será comunicada a identidade do comprador do seu trabalho e o valor obtido com a venda. 16. A primeira exposição do Projecto do Viarco Express tem início previsto durante o mês de Outubro de 2009. 103


Viarco Express Em 2005, quando a Viarco se cruzou pela primeira vez com o Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural, estávamos longe de imaginar que seria possível estabelecer uma relação tão íntima e proveitosa entre instituições, aparentemente tão diferentes e distantes entre si. Nessa altura, programávamos a comemoração dos 70 anos do registo da marca Viarco em Portugal, e procurávamos apoio para o desenvolvimento de alguns projectos internos de âmbito cultural, com os quais pretendíamos assinalar a data. Foi neste contexto, e por intermédio de um amigo comum, que organizamos uma visita à Viarco, em São João da Madeira. Percorrer as instalações da empresa constitui, seguramente, um momento ao qual ninguém fica indiferente: o mundo dos lápis está envolto em fantasia, imaginação, memórias marcantes e muitos afectos, é um local repleto de surpresas e propício a encontros improváveis. É neste ambiente que Isaque Pinheiro – num clique inspirado, daqueles que só os artistas são capazes –, lança um despreocupado “E se…?!”. Nascia a ideia do projecto Viarco Express, um lápis que viaja de mão em mão, sem rumo definido, e que traça uma linha de relacionamentos durante o seu percurso. O ponto de partida para uma longa e intensa colaboração entre a comunidade artística portuguesa e a indústria, na criação de um projecto que inicia agora um novo ciclo, com a parceria do Museu da Presidência da República. Tal como os lápis fabricados – num total de dez –, o projecto em si também seguiu o seu próprio rumo, sofrendo desvios de trajectória imprevisíveis e mutações diversas, o que não mais se constituiu como o tempo necessário para maturar e aprofundar relações. O Viarco Express é um exemplo dos benefícios que podem ser gerados quando a indústria e as artes colaboram activamente. Juntos podem acrescentar valor às suas actividades e gerar mais valias das quais todos usufruímos. É a criatividade ao serviço da indústria, e a indústria ao serviço da criatividade, num intercâmbio que talvez nos indique um rumo para novos tempos. Agradecer é tudo quanto nos resta fazer. Aos Maus Hábitos, aos Artistas, ao Museu da Presidência da República e a todos aqueles que ao longo deste trajecto colaboraram, influenciaram e possibilitaram a existência do Viarco Express. Muito obrigado!

Sobre a Viarco Escrever sobre a Viarco afigura-se como tarefa quase impossível, para quem sabe à partida ser incapaz de transcrever por palavras toda a importância desta fábrica. É um mundo à parte, um local inundado de história, onde o tempo parou mas, ao mesmo tempo, de pesquisa e experimentação, modernidade e inovação. O lápis, o seu objecto de fabrico, é por excelência a ferramenta com a qual todos iniciamos ciclos de aprendizagem, fundamental para a expressão plástica, para a linguagem escrita, matemática e musical. É um objecto comum nas nossas vidas desde a infância e, apesar de íntimo, muitas vezes ignorado. 102


VIARCO

Viarco Express Em 2005, quando a Viarco se cruzou pela primeira vez com o Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural, estávamos longe de imaginar que seria possível estabelecer uma relação tão íntima e proveitosa entre instituições, aparentemente tão diferentes e distantes entre si. Nessa altura, programávamos a comemoração dos 70 anos do registo da marca Viarco em Portugal, e procurávamos apoio para o desenvolvimento de alguns projectos internos de âmbito cultural, com os quais pretendíamos assinalar a data. Foi neste contexto, e por intermédio de um amigo comum, que organizamos uma visita à Viarco, em São João da Madeira. Percorrer as instalações da empresa constitui, seguramente, um momento ao qual ninguém fica indiferente: o mundo dos lápis está envolto em fantasia, imaginação, memórias marcantes e muitos afectos, é um local repleto de surpresas e propício a encontros improváveis. É neste ambiente que Isaque Pinheiro – num clique inspirado, daqueles que só os artistas são capazes –, lança um despreocupado “E se…?!”. Nascia a ideia do projecto Viarco Express, um lápis que viaja de mão em mão, sem rumo definido, e que traça uma linha de relacionamentos durante o seu percurso. O ponto de partida para uma longa e intensa colaboração entre a comunidade artística portuguesa e a indústria, na criação de um projecto que inicia agora um novo ciclo, com a parceria do Museu da Presidência da República. Tal como os lápis fabricados – num total de dez –, o projecto em si também seguiu o seu próprio rumo, sofrendo desvios de trajectória imprevisíveis e mutações diversas, o que não mais se constituiu como o tempo necessário para maturar e aprofundar relações. O Viarco Express é um exemplo dos benefícios que podem ser gerados quando a indústria e as artes colaboram activamente. Juntos podem acrescentar valor às suas actividades e gerar mais valias das quais todos usufruímos. É a criatividade ao serviço da indústria, e a indústria ao serviço da criatividade, num intercâmbio que talvez nos indique um rumo para novos tempos. Agradecer é tudo quanto nos resta fazer. Aos Maus Hábitos, aos Artistas, ao Museu da Presidência da República e a todos aqueles que ao longo deste trajecto colaboraram, influenciaram e possibilitaram a existência do Viarco Express. Muito obrigado!

Sobre a Viarco Escrever sobre a Viarco afigura-se como tarefa quase impossível, para quem sabe à partida ser incapaz de transcrever por palavras toda a importância desta fábrica. É um mundo à parte, um local inundado de história, onde o tempo parou mas, ao mesmo tempo, de pesquisa e experimentação, modernidade e inovação. O lápis, o seu objecto de fabrico, é por excelência a ferramenta com a qual todos iniciamos ciclos de aprendizagem, fundamental para a expressão plástica, para a linguagem escrita, matemática e musical. É um objecto comum nas nossas vidas desde a infância e, apesar de íntimo, muitas vezes ignorado. 103


Visitar a Viarco é reconhecer a importância das coisas simples das nossas vidas, através de uma viagem encantada ao mundo dos lápis. É um local de pedagogia para crianças, que ensina e transmite valores, de influência e residência para artistas, de museologia industrial, de espantos e admiração. Contudo, e em simultâneo, é uma indústria. Uma indústria criativa que potencia talento para o desenvolvimento de novos produtos, e que cria oportunidades para aqueles com quem se relaciona, numa lógica de riqueza partilhada. Desde 2007 que a Viarco tem lançado sucessivamente materiais inovadores no mercado mundial, frutos de muitas colaborações, experiências e amizades. É por isso que a Viarco continua – e continuará –, a ser uma empresa com a porta aberta para os receber. Sejam bem vindos! José Vieira Viarco – Indústria de Lápis, Lda

Cronologia 1907 – Fundação da Fábrica de Lápis Portugália, por Conselheiro Figueiredo Faria e Eng, Jules Cacheux, em Vila do Conde. 1919 – Fundação da Fábrica de Chapéus Vieira Araújo e Cª Lda., por Manoel Vieira Araújo, em São João da Madeira. 1929/1931 – Falência da Portugália e sua aquisição por Manoel Veira Araújo. 1936 - Registo da marca Viarco (Vieira Araújo e Companhia, Lda). 1941 – Transferência da fábrica de Vila do Conde para São João da Madeira. 1972 – Início da produção de lápis de cera. 1990 – Parceria com a Cooperativa Árvore, na celebração do “Bicentenário da invenção do lápis”. 1990 – Descoberta da aguarela de grafite, por António José Vieira Araújo em colaboração com José Emideo. 2006 – Exposição “Viarco 70 anos”, em parceria com os Maus Hábitos. 2006 – Exposição “O Espírito do Lugar”, de Pascal Nordmann, em parceria com o Centro de Arte de São João da Madeira. 2006 – Início do Viarco Express, em parceria com os Maus Hábitos. 2006 – Exposição e reedição de embalagens antigas, em parceria com “A Vida Portuguesa”. 2006 – Exposição Drawing Experience, em parceria com o designer Miguel Vieira Batista. 2007 – Início da produção da aguarela de grafite Artgraf. 2007 – Exposição comemorativa do centenário da produção de lápis em Portugal, nas Caldas da Rainha, em colaboração com Carlos Coutinho (mestrando em Museologia Industrial). 2007 – Exposição comemorativa do centenário da produção de lápis em Portugal, na Bienal de Vila Nova de Cerveira. 2007 – Exposição comemorativa do centenário da produção de lápis em Portugal e apresentação do projecto “Histórias do Lápis Mágico”, no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora. 2008 – Lançamento do livro “Histórias do Lápis Mágico” no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora. 2008 – Abertura do atelier Viarco, com Ricardo Pistola e Pedro Alves. 2009 – Lançamento da linha Artgraf. 2009 – Exposição “Atelier Viarco”, comissariada por Ricardo Pistola com a participação de Mafalda Santos e Mariana Moraes, em parceria com os Maus Hábitos. 2009 – Primeira apresentação pública do Viarco Express, no Museu da Presidência da República. 102


Visitar a Viarco é reconhecer a importância das coisas simples das nossas vidas, através de uma viagem encantada ao mundo dos lápis. É um local de pedagogia para crianças, que ensina e transmite valores, de influência e residência para artistas, de museologia industrial, de espantos e admiração. Contudo, e em simultâneo, é uma indústria. Uma indústria criativa que potencia talento para o desenvolvimento de novos produtos, e que cria oportunidades para aqueles com quem se relaciona, numa lógica de riqueza partilhada. Desde 2007 que a Viarco tem lançado sucessivamente materiais inovadores no mercado mundial, frutos de muitas colaborações, experiências e amizades. É por isso que a Viarco continua – e continuará –, a ser uma empresa com a porta aberta para os receber. Sejam bem vindos! José Vieira Viarco – Indústria de Lápis, Lda

Cronologia 1907 – Fundação da Fábrica de Lápis Portugália, por Conselheiro Figueiredo Faria e Eng, Jules Cacheux, em Vila do Conde. 1919 – Fundação da Fábrica de Chapéus Vieira Araújo e Cª Lda., por Manoel Vieira Araújo, em São João da Madeira. 1929/1931 – Falência da Portugália e sua aquisição por Manoel Veira Araújo. 1936 - Registo da marca Viarco (Vieira Araújo e Companhia, Lda). 1941 – Transferência da fábrica de Vila do Conde para São João da Madeira. 1972 – Início da produção de lápis de cera. 1990 – Parceria com a Cooperativa Árvore, na celebração do “Bicentenário da invenção do lápis”. 1990 – Descoberta da aguarela de grafite, por António José Vieira Araújo em colaboração com José Emideo. 2006 – Exposição “Viarco 70 anos”, em parceria com os Maus Hábitos. 2006 – Exposição “O Espírito do Lugar”, de Pascal Nordmann, em parceria com o Centro de Arte de São João da Madeira. 2006 – Início do Viarco Express, em parceria com os Maus Hábitos. 2006 – Exposição e reedição de embalagens antigas, em parceria com “A Vida Portuguesa”. 2006 – Exposição Drawing Experience, em parceria com o designer Miguel Vieira Batista. 2007 – Início da produção da aguarela de grafite Artgraf. 2007 – Exposição comemorativa do centenário da produção de lápis em Portugal, nas Caldas da Rainha, em colaboração com Carlos Coutinho (mestrando em Museologia Industrial). 2007 – Exposição comemorativa do centenário da produção de lápis em Portugal, na Bienal de Vila Nova de Cerveira. 2007 – Exposição comemorativa do centenário da produção de lápis em Portugal e apresentação do projecto “Histórias do Lápis Mágico”, no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora. 2008 – Lançamento do livro “Histórias do Lápis Mágico” no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora. 2008 – Abertura do atelier Viarco, com Ricardo Pistola e Pedro Alves. 2009 – Lançamento da linha Artgraf. 2009 – Exposição “Atelier Viarco”, comissariada por Ricardo Pistola com a participação de Mafalda Santos e Mariana Moraes, em parceria com os Maus Hábitos. 2009 – Primeira apresentação pública do Viarco Express, no Museu da Presidência da República. 103


O lápis exquisito Em 1925, em Paris, os surrealistas franceses inventaram o esquisito jogo do cadavre exquis: escreviam ou desenhavam o que lhes apetecia, dobravam a folha e passavam ao seguinte que, sem saber do início, prosseguia a frase ou o desenho; e assim por diante, de mão em mão, até à surpresa final, desdobrada a superfície e contemplado o resultado. O Viarco Express também é um jogo, o jogo do crayon exquis. Agora é o lápis e não a folha o continuum lúdico, um lápis que anda de mão em mão a desenhar como imagina quem o segura. É um lápis Viarco, nada mais justo, tem disso o hábito pois passa de geração em geração desde que a marca nasceu em 1936. A fábrica já existia desde 1907, em Vila do Conde com o nome Portugália, mas só em 1931 é adquirida por Manoel Vieira Araújo, proeminente industrial de São João da Madeira que a rebaptiza e deslocaliza, com o nome e para o local que hoje conhecemos. E, tantas décadas passadas, ainda na mesma família, ela continua a ser, gloriosamente, a única fábrica portuguesa de lápis. É um crayon exquis e não um cadavre exquis este lápis Viarco, afirmo. Contrariando todos os cépticos que olham para as fábricas e marcas antigas portuguesas com arrogância de autópsia, como estruturas produtivas decrépitas e condenadas com desdém e pragmatismo pela globalização-papão, confirmo. Olho para a história da Viarco e distingo experiência e persistência, descubro-lhe manufactura e especialidade. É isso que lhe dá a vantagem da versatilidade, a facilidade da personalização, a possibilidade da diferença num mundo de gigantes iguais. Olho também para os portugueses a olharem para as embalagens antigas da Viarco que, em parceria, reeditámos nos seus 70 anos e quase tacteio o intangível que todas as marcas procuram desesperadamente: um produto que se tornou, mais do que uma memória, uma história contada por cada um de nós. Uma madalena em cada Proust que há em nós. Nada disto valeria sem audácia e visão. Com imenso esforço e muita criatividade, a Viarco de hoje continua a (ar)riscar o seu futuro. Lança produtos inovadores como o ArtGraf, cede espaços desactivados a artistas, cria redes para inventar exposições como esta. Enquanto assim for, vive a Viarco. E por isso Viva a Viarco! Catarina Portas A Vida Portuguesa

102


VIARCO

O lápis exquisito Em 1925, em Paris, os surrealistas franceses inventaram o esquisito jogo do cadavre exquis: escreviam ou desenhavam o que lhes apetecia, dobravam a folha e passavam ao seguinte que, sem saber do início, prosseguia a frase ou o desenho; e assim por diante, de mão em mão, até à surpresa final, desdobrada a superfície e contemplado o resultado. O Viarco Express também é um jogo, o jogo do crayon exquis. Agora é o lápis e não a folha o continuum lúdico, um lápis que anda de mão em mão a desenhar como imagina quem o segura. É um lápis Viarco, nada mais justo. Tem disso o hábito, pois passa de geração em geração desde que a marca nasceu, em 1936. A fábrica já existia desde 1907, em Vila do Conde, com o nome Portugália; mas apenas em 1931 é adquirida por Manoel Vieira Araújo, proeminente industrial de São João da Madeira, que a rebaptiza e deslocaliza com o nome e para o local que hoje conhecemos. E, tantas décadas passadas, ainda na mesma família, ela continua a ser, gloriosamente, a única fábrica portuguesa de lápis. É um crayon exquis e não um cadavre exquis este lápis Viarco, afirmo. Contrariando todos os cépticos que olham para as fábricas e marcas antigas portuguesas com arrogância de autópsia, como estruturas produtivas decrépitas e condenadas com desdém e pragmatismo pela globalização-papão, confirmo. Olho para a história da Viarco e distingo experiência e persistência, descubro-lhe manufactura e especialidade. É isso que lhe dá a vantagem da versatilidade, a facilidade da personalização, a possibilidade da diferença num mundo de gigantes iguais. Olho também para os portugueses a olharem para as embalagens antigas da Viarco que, em parceria, reeditámos nos seus 70 anos e quase tacteio o intangível que todas as marcas procuram desesperadamente: um produto que se tornou, mais do que uma memória, uma história contada por cada um de nós. Uma madalena em cada Proust que há em nós. Nada disto valeria sem audácia e visão. Com imenso esforço e muita criatividade, a Viarco de hoje continua a (ar)riscar o seu futuro. Lança produtos inovadores como o ArtGraf, cede espaços desactivados a artistas, cria redes para inventar exposições como esta. Enquanto assim for, vive a Viarco. E por isso Viva a Viarco! Catarina Portas A Vida Portuguesa

103


102


Maus Hábitos – an alternative

It is not a conventional gallery, but it is a fully adequate venue to host exhibitions. It does not have an Italian style stage, but it has conditions to host theatre plays and even concerts. It is not a school in the traditional sense, but it offers training courses in plastic arts and photography and also labs for this purpose.

Maus Hábitos project, housed in a spacious flat in an old building located in the deserted downtown Oporto has its inter-disciplinary nature as its main characteristic. The diversity of cultural means of expression to be found at Maus Hábitos is surely a consequence of the variety of backgrounds and experiences of its founders. To fill an existing void, these came up with a project to bring into existence an area of creative freedom and cultural dissemination to suit their requirements as well as those of others. The ‘specifications’ for this project, which has been in operation since January 2001, include three essential points: the letting of the place for rehearsals and presentations, production of events and contents, training and consulting. The first point was included as a result of the shortage in Oporto of venues for rehearsals, hosting of shows and exhibitions by young artists, whose projects often do not materialize for this very reason. However, in the 800 square metres of Maus Hábitos, these new talents have the opportunity to show what they are worth, since one of our aims is to make the work of young artists known. We also organize collective exhibitions of works by reputed artists. Let us now turn our attention to what has been happening in the area of the production of events and contents. At the end of almost three years of work, the important role that Maus Hábitos is playing in the cultural life of Oporto has become apparent. It is an outstanding venue where to host events from the most diverse areas of cultural life, from visual arts to music, from theatrical plays and performances to concerts and poetry recitals. In what concerns training, we must stress that all those who intend to teach at Maus Hábitos also teach at establishments of Higher Education. However, the essential difference is that at Maus Hábitos, on the one hand, students enjoy more freedom and, on the other hand, there is a more practical approach. The same applies to the workshops we are planning. There will be short lectures aimed at professionals and/or amateurs who wish to improve their theoretical technical knowledge or their skills at photography, theatre, dance, plastic arts, music and video. Since its have attracted people to deserted downtown Oporto. We have formed new audiences through the exhibitions and shows we hosted. We have promoted debate. And we have done it all with the healthy arrogance of those in a permanent quest of excellence. Born in the context of Oporto 2001 - European Capital of Culture - in partnership with Rotterdam, the Maus Hábitos project aims to keep alive the energy that curiosity generated in the general public at the time. The people of Oporto revealed such an active interest in cultural pursuits that Maus Hábitos has the belief that it is possible to keep the flame alive. We want to make 102


Maus Hábitos – uma alternativa

Não é uma galeria convencional, mas dispõe de espaços apropriados para receber exposições. Não tem um palco de estilo italiano, mas oferece condições para acolher peças de teatro e concertos. Não é uma escola no sentido tradicional, mas desenvolve um programa de formação em diversas áreas da criação artística, organizando oficinas.

O projecto Maus Hábitos, instalado num amplo 4º andar de um velho prédio da desertificada baixa do Porto, caracteriza-se sobretudo pelo seu carácter interdisciplinar. O cruzamento de linguagens que se respira no Maus Hábitos encontra explicação na circunstância de, na sua origem, se encontrarem pessoas com formações e experiências muito diversas, que sentiam falta de um espaço de liberdade de criação e fruição cultural, e que pretenderam colmatar essa lacuna fundando um projecto que lhes servisse e estivesse ao serviço dos outros. O “caderno de encargos” do projecto, a funcionar desde Janeiro de 2001, engloba três pontos essenciais: a cedência de espaço para ensaios e apresentações, a produção de eventos e conteúdos, formação e consultoria cultural. O primeiro ponto do programa nasceu da necessidade de oferecer condições logísticas para a realização de ensaios, produção de espectáculos e apresentação de exposições por jovens criadores, cujos projectos, por esse motivo e em muitos casos, não chegam a passar do plano das ideias. Ora, estes novos talentos encontram nos 800 metros quadrados do Maus Hábitos oportunidade para mostrar o que fazem, não fosse meta nossa divulgar o trabalho dos jovens artistas, para além dos trabalhos de artistas consagrados que também produzimos e apresentamos. Entrando, então, na área da produção de eventos e conteúdos, ao longo de quase nove anos de trabalho é possível formar uma ideia do lugar que os Maus Hábitos podem ocupar numa cidade como o Porto, oferecendo um espaço excepcional para a mostra de eventos das mais diversas áreas da vida cultural, das artes visuais à música, da apresentação de peças de teatro e “performances” a concertos e recitais de poesia. Quanto à formação, a característica diferenciadora está, por um lado, na maior autonomia conferida ao formando no processo de aprendizagem e, por outro lado, na valorização da vertente prática. Uma lógica próxima da dos “workshops” e oficinas, que vimos organizando, dirigidas a profissionais e/ou amadores que desejem aprofundar conhecimentos em técnicas usadas em fotografia, teatro, dança, artes plásticas, música e vídeo. Desde a inauguração, os Maus Hábitos produziram e mostraram produções de outros. Trouxemos pessoas à deserta baixa do Porto. Fizemos formação de novos públicos através das exposições e espectáculos apresentados. E promovemos o debate. Nascido no contexto da iniciativa Porto 2001 - Capital Europeia da Cultura, em parceria com Roterdão, o projecto Maus Hábitos pretende contribuir para que perdure e se renove a curiosidade então desperta no público em geral, e acredita que é possível alimentar essa energia e não desperdiçar a intensidade de vida espiritual e cultural de que o Porto descobriu ser capaz 103


sure that what was exceptional in the recent past of this city becomes the norm in the present and the future of its cultural life. For this to become a reality it is of great importance to establish strong connections with foreign partners. We prefer the Portugal of Fernando Pessoa: “Oh, immense sorrow of the world, what is lacking is action” to Ruy Belo’s – “a country where nothing ever happens”. Therefore our project is as follows – to take action, to do things, to make things happen. At a local level and also at a national or international level. This is what we were born for and this is what we want to live for.

102


aquando desse acontecimento excepcional. Queremos contribuir para que o excepcional desse passado recente se torne o habitual do presente e do futuro da vida cultural da cidade. Para o que será da maior importância o estabelecimento de laços sólidos com parceiros estrangeiros, como temos vindo a fazer, nomeadamente com Roterdão (projecto MORGEN), Barcelona (Feira NEW ART) ou Hannover (projecto TRANS_HÁBITOS). No seu oitavo ano de vida, o projecto Maus Hábitos amadureceu, vem afinando o rumo e, sobretudo, abriu-se ao mundo, internacionalizou-se. O nosso espaço é hoje ponto de encontro regular de gente de muitas nacionalidades e áreas de actividade. Na era da globalização, colhemos, e oferecemos, o que tem de melhor: a circulação cada vez mais fácil das pessoas e das ideias, com o que traz de aproximação, descoberta da semelhança na diferença, exercício da convivência fraterna, tolerante e livre entre iguais de condição, para além e aquém das diferenças de circunstância. Com Fernando Pessoa, dizemos: “ó mágoa imensa do mundo, o que faz falta é agir”. E é esse o nosso projecto – agir, fazer e fazer acontecer. Tanto à escala local, como à escala nacional e internacional. Foi para o que nascemos, é para o que queremos viver.

103


103


MAUS HÁBITOS – um novo lugar antropológico

As cidades revelam-se mais nos seus interstícios do que nas suas fachadas. Os governantes tem, assim, duas hipóteses de fazerem política: Ou se preocupam com a cidade visível, aquela que podem propagandear como resultado das suas acções; ou intervém na sua (re)construção, através da cidade invisível, base fundamental do desenvolvimento sustentado. O mito desenvolvimentista da modernidade acreditava na indústria pesada como factor de progresso. Hoje, ultrapassada essa heróica aventura, acreditamos nas indústrias criativas como o verdadeiro motor do desenvolvimento das cidades, do seu tecido social e da sua malha urbana. O que procuramos como o lugar de (re)encontro não é a praça monumental construída pelo “príncipe” com a ajuda dos arquitectos de serviço e dos grandes planos de urbanismo duvidoso mas o lugar de todas as transversalidades. O que se nos depara diariamente é uma representação da cidade que oscila entre o modelo da Babilónia ou da Disneylandia. O que explica a ansiedade da procura-do-lugar é a ilegibilidade da cidade contemporânea e das suas representações e, o consequente enfraquecimento das suas novas formas urbanas e do desvirtuamento das relações sociais. É a descontinuidade e a fragmentação que devemos opor à superficialidade, à uniformização, à massificação e à neutralidade pois estas prevalecem sobre a individualidade. Tal como Marco Polo, procuramos um retorno aos primeiros arquétipos da memória pela imagem de ausência das cidades. À realidade-real devemos opor a realidade-imaginada. Os MAUS-HÁBITOS tem contribuído para que nos tornemos viajantes imaginários que falam dessas cidades impossíveis pela persistência (e resistência) à desertificação do centro histórico do Porto. É pedra fundamental na renovação urbana pois gera novas singularidades que contribuem decisivamente para a elaboração de uma nova arquitectura de territórios pelo que tem sido o elemento fundamental de sedimentação da cidade. Na Baixa, desenvolvem-se agora limites sem fronteiras simbólicas pois permitem a aglomeração de diversos grupos sociais com as suas mútuas relações e géneros distintos, gerando um cenário formado por uma ilimitada cumplicidade de pequenas e grandes singularidades, «formando um verdadeiro lugar antropológico». Os MAUS HÁBITOS representam o modelo que queremos ver implantado como o motor da renovação que urge apoiar sob pena de, amanhã, nos rever como os responsáveis de eventual perda de memória. Luís Serpa

102


MAUS HÁBITOS – um novo lugar antropológico

As cidades revelam-se mais nos seus interstícios do que nas suas fachadas. Os governantes têm, assim, duas hipóteses de fazerem política: Ou se preocupam com a cidade visível, aquela que podem propagandear como resultado das suas acções; ou intervêm na sua (re)construção, através da cidade invisível, base fundamental do desenvolvimento sustentado. O mito desenvolvimentista da modernidade acreditava na indústria pesada como factor de progresso. Hoje, ultrapassada essa heróica aventura, acreditamos nas indústrias criativas como o verdadeiro motor do desenvolvimento das cidades, do seu tecido social e da sua malha urbana. O que procuramos como o lugar de (re)encontro não é a praça monumental construída pelo “príncipe” com a ajuda dos arquitectos de serviço e dos grandes planos de urbanismo duvidoso mas o lugar de todas as transversalidades. O que se nos depara diariamente é uma representação da cidade que oscila entre o modelo da Babilónia ou da Disneylândia. O que explica a ansiedade da procura-do-lugar é a ilegibilidade da cidade contemporânea e das suas representações e o consequente enfraquecimento das suas novas formas urbanas e desvirtuamento das relações sociais. É a descontinuidade e a fragmentação que devemos opor à superficialidade, à uniformização, à massificação e à neutralidade pois estas prevalecem sobre a individualidade. Tal como Marco Polo, procuramos um retorno aos primeiros arquétipos da memória pela imagem de ausência das cidades. À realidade-real devemos opor a realidade-imaginada. Os MAUS-HÁBITOS têm contribuído para que nos tornemos viajantes imaginários que falam dessas cidades impossíveis pela persistência e pela resistência à desertificação do centro histórico do Porto. É pedra fundamental na renovação urbana pois gera novas singularidades que contribuem decisivamente para a elaboração de uma nova arquitectura de territórios, pelo que tem sido o elemento fundamental de sedimentação da cidade. Na Baixa, desenvolvem-se agora limites sem fronteiras simbólicas pois permitem a aglomeração de diversos grupos sociais com as suas mútuas relações e géneros distintos, gerando um cenário formado por uma ilimitada cumplicidade de pequenas e grandes singularidades, “formando um verdadeiro lugar antropológico”. Os MAUS HÁBITOS representam o modelo que queremos ver implantado como o motor da renovação que urge apoiar sob pena de, amanhã, nos revermos como os responsáveis pela eventual perda de memória. Luís Serpa

103


103


When is drawing not a drawing?

“The reduction of a head in movement to a bare line seemed to me defensible” Marcel Duchamp1

The VIARCO Express project is not about drawing. There is arguably no longer such a thing as drawing in the classical beaux arts sense. Only drawing in relation to other disciplines and other media. In the case of Viarco Express there is an exploration of the relationship between drawing, the message, and the pencil, the medium. Apologies to Marshall McLuhan. Viarco Express is about drawing as collaborative and multidisciplinary effort and takes pace with a new perspective (sic). This project has been developed and produced by Daniel Pires the director of Maus Habitos, the alternative cultural space in Porto, Portugal. But this is not a typical curatorial project. In many ways the absence of the normal curatorial voice enhances and empowers creative participation. The constant of the project is not the curatorial eye of Daniel Pires but his photographic one as he snaps the portraits of “his” drawers. The project touches on three important areas: the new Portuguese Creative Industries, new definitions of creative clusters and new forms of incubation. In fact the project is a prime case study for the Portuguese creative industries. It is a case study in the appropriation of traditional skills and industries and transforming them, conceptually with the assistance of new technologies and media, into something that has intellectual property and that can generate income. Viarco Express is not a drawing project per se. It’s a creative social network. In new media jargon, if such a thing existed, one could call Viarco Express Web Minus One Point Zero (Web -1.0). In Portugal there are plenty more potential collaborations out there on the creative map between new and old industries. These are one of the unique sales points of the Portuguese creative sector and they should not be neglected. And ADDICT the creative industries agency is in a place to facilitate them and these kinds of collaborations are what, in these metacompetitive times, will allow the Portuguese creative industries to stand out from those of other countries. The mapping and defining of the entire creative sector including handicrafts will help stimulate the creative economy in the entire Iberian Peninsula. What we are talking about here is bridging the gap between innovation and tradition. This is what projects like Viarco Express are able to accomplish. The creative clustering aspect of the Viarco Express project also deserves attention. If the telecommunications company of high tech guru Martin Varsavsky FON could be considered a virtual cluster based on the sharing of access to technology, then Viarco Express should also be considered a form of virtual creative cluster. Especially, when it enters the web but not exclusively so. In the case of Viarco Express the participants, the media partners, the President of the Republic Museum and all of the rest of the team providing a service to the project constitutes a cluster. In the creative sector this ability to cluster is what drives the project driven economy. In other words the original definitions of both creative industries and cluster have become outdated because the market has changed and both definitions require reframing. 1 – Theory of Modern Art - Theories of Modern Art: A Source Book by Artists and Critics by Herschel B. Chipp (University of California Press - 1984)

102


When is drawing not a drawing?

“The reduction of a head in movement to a bare line seemed to me defensible” Marcel Duchamp1

The VIARCO Express project is not about drawing. There is arguably no longer such a thing as drawing in the classical beaux arts sense. Only drawing in relation to other disciplines and other media. In the case of Viarco Express there is an exploration of the relationship between drawing, the message, and the pencil, the medium. Apologies to Marshall McLuhan. Viarco Express is about drawing as collaborative and multidisciplinary effort and takes pace with a new perspective (sic). This project has been developed and produced by Daniel Pires the director of Maus Habitos, the alternative cultural space in Porto, Portugal. But this is not a typical curatorial project. In many ways the absence of the normal curatorial voice enhances and empowers creative participation. The constant of the project is not the curatorial eye of Daniel Pires but his photographic one as he snaps the portraits of “his” drawers. The project touches on three important areas: the new Portuguese Creative Industries, new definitions of creative clusters and new forms of incubation. In fact the project is a prime case study for the Portuguese creative industries. It is a case study in the appropriation of traditional skills and industries and transforming them, conceptually with the assistance of new technologies and media, into something that has intellectual property and that can generate income. Viarco Express is not a drawing project per se. It’s a creative social network. In new media jargon, if such a thing existed, one could call Viarco Express Web Minus One Point Zero (Web -1.0). In Portugal there are plenty more potential collaborations out there on the creative map between new and old industries. These are one of the unique sales points of the Portuguese creative sector and they should not be neglected. And ADDICT the creative industries agency is in a place to facilitate them and these kinds of collaborations are what, in these metacompetitive times, will allow the Portuguese creative industries to stand out from those of other countries. The mapping and defining of the entire creative sector including handicrafts will help stimulate the creative economy in the entire Iberian Peninsula. What we are talking about here is bridging the gap between innovation and tradition. This is what projects like Viarco Express are able to accomplish. The creative clustering aspect of the Viarco Express project also deserves attention. If the telecommunications company of high tech guru Martin Varsavsky FON could be considered a virtual cluster based on the sharing of access to technology, then Viarco Express should also be considered a form of virtual creative cluster. Especially, when it enters the web but not exclusively so. In the case of Viarco Express the participants, the media partners, the President of the Republic Museum and all of the rest of the team providing a service to the project constitutes a cluster. In the creative sector this ability to cluster is what drives the project driven economy. In other words the original definitions of both creative industries and cluster have become outdated because the market has changed and both definitions require reframing. 1 – Theory of Modern Art - Theories of Modern Art: A Source Book by Artists and Critics by Herschel B. Chipp (University of California Press - 1984)

103


[“Clusters are geographic concentrations of interconnected companies, specialized suppliers, service providers, and associated institutions in a particular field that are present in a nation or region. Clusters arise because they increase the productivity with which companies can compete. The development and upgrading of clusters is an important agenda for governments, companies, and other institutions. Cluster development initiatives are an important new direction in economic policy, building on earlier efforts in macroeconomic stabilization, privatization, market opening, and reducing the costs of doing business.”]2 As Justin O Connor puts it: “This is not some pragmatic accommodation with a passing policy fad but an attempt to give it real theoretical and empirical flesh. It is not primarily an extension of Daniel Bell’s “knowledge economy” and its “symbolic workers”, as is often argued (Garnham, 2005; Pratt, 2009) – a charge more applicable to Richard Florida (2005) and John Howkins (2001). Nor is it simply ‘economism’ in the sense of reducing cultural production to its economic outputs. It draws on evolutionary economics and theories of cultural democratisation to argue that the creative industries exemplify a particular kind of market – a social network market – in which the false opposition of economic and cultural values is dissolved within highly complex, adaptive systems.”3 In other words the creative sector in Portugal and elsewhere requires special care and attention compared to other industry sectors. O Connor revisits the same point in another essay bur from a different angle: “Economic geographers working in this field sought further to distinguish creative industry clusters from other business clusters, and emphasised the socio-cultural dimensions of place as key factors of “competitive advantage”. In so doing they have used terms such as innovative or creative milieu, creative field, or creative, critical or soft infrastructure (Hall, 2000; Pratt, 2000; 2002; 2004; Scott,2000; 2001; 2004; 2006).”4 In these late modern days it can be argued that clusters, creative or otherwise, can be permanent and temporary and their facilitators, in this case Maus Habitos, are agents of creativity in the pure sense of the term and possess a strong role in the incubation of ideas. The forthcoming Maus Habitos project will investigate notions of creativity, entrepreneurship, clustering and incubation. If the telco company FON could be considered a cluster based on the sharing of access to technology, then Viarco Express is also a form of creative cluster. The original definition of a cluster has become outdated. “Clusters are geographic concentrations of interconnected companies, specialized suppliers, service providers, and associated institutions in a particular field that are present in a nation or region. Clusters arise because they increase the productivity with which companies can compete. The development and upgrading of clusters is an important agenda for governments, companies, and other institutions. Cluster development initiatives are an important new direction in economic policy, building on earlier efforts in macroeconomic stabilization, privatization, market opening, and reducing the costs of doing business.”5 These days they can be permanent and temporary and their facilitators, in this case Maus Habitos, are agents of creativity in the strongest sense of the term. Maus Habitos is an incubator of creativity in an informal yet very powerful way. 2 – “Location, Competition and Economic Development: Local Clusters in a Global Economy” Michael E Porter, Harvard Business School – 2000) 3 – Creative Industries – A new direction? Justin O Connor (International journal of cultural policy – 2009) 4 – Developing a Creative Cluster in a Post-industrial City: CIDS and Manchester Justin O’Connor and Xin Gu, Creative Industries Faculty, (Queensland University of Technology – 2009). 5 – “Location, Competition and Economic Development: Local Clusters in a Global Economy” Michael E Porter, Harvard Business School – 2000)

102


[“Clusters are geographic concentrations of interconnected companies, specialized suppliers, service providers, and associated institutions in a particular field that are present in a nation or region. Clusters arise because they increase the productivity with which companies can compete. The development and upgrading of clusters is an important agenda for governments, companies, and other institutions. Cluster development initiatives are an important new direction in economic policy, building on earlier efforts in macroeconomic stabilization, privatization, market opening, and reducing the costs of doing business.”]2 As Justin O Connor puts it: “This is not some pragmatic accommodation with a passing policy fad but an attempt to give it real theoretical and empirical flesh. It is not primarily an extension of Daniel Bell’s “knowledge economy” and its “symbolic workers”, as is often argued (Garnham, 2005; Pratt, 2009) – a charge more applicable to Richard Florida (2005) and John Howkins (2001). Nor is it simply ‘economism’ in the sense of reducing cultural production to its economic outputs. It draws on evolutionary economics and theories of cultural democratisation to argue that the creative industries exemplify a particular kind of market – a social network market – in which the false opposition of economic and cultural values is dissolved within highly complex, adaptive systems.”3 In other words the creative sector in Portugal and elsewhere requires special care and attention compared to other industry sectors. O Connor revisits the same point in another essay bur from a different angle: “Economic geographers working in this field sought further to distinguish creative industry clusters from other business clusters, and emphasised the socio-cultural dimensions of place as key factors of “competitive advantage”. In so doing they have used terms such as innovative or creative milieu, creative field, or creative, critical or soft infrastructure (Hall, 2000; Pratt, 2000; 2002; 2004; Scott,2000; 2001; 2004; 2006).”4 In these late modern days it can be argued that clusters, creative or otherwise, can be permanent and temporary and their facilitators, in this case Maus Habitos, are agents of creativity in the pure sense of the term and possess a strong role in the incubation of ideas. The forthcoming Maus Habitos project will investigate notions of creativity, entrepreneurship, clustering and incubation. If the telco company FON could be considered a cluster based on the sharing of access to technology, then Viarco Express is also a form of creative cluster. The original definition of a cluster has become outdated. “Clusters are geographic concentrations of interconnected companies, specialized suppliers, service providers, and associated institutions in a particular field that are present in a nation or region. Clusters arise because they increase the productivity with which companies can compete. The development and upgrading of clusters is an important agenda for governments, companies, and other institutions. Cluster development initiatives are an important new direction in economic policy, building on earlier efforts in macroeconomic stabilization, privatization, market opening, and reducing the costs of doing business.”5 These days they can be permanent and temporary and their facilitators, in this case Maus Habitos, are agents of creativity in the strongest sense of the term. Maus Habitos is an incubator of creativity in an informal yet very powerful way. 2 – “Location, Competition and Economic Development: Local Clusters in a Global Economy” Michael E Porter, Harvard Business School – 2000) 3 – Creative Industries – A new direction? Justin O Connor (International journal of cultural policy – 2009) 4 – Developing a Creative Cluster in a Post-industrial City: CIDS and Manchester Justin O’Connor and Xin Gu, Creative Industries Faculty, (Queensland University of Technology – 2009). 5 – “Location, Competition and Economic Development: Local Clusters in a Global Economy” Michael E Porter, Harvard Business School – 2000)

103


Future Viarco Express Now for some important questions which pre-empt the inevitable switch of Viarco Express from analogue to digital. Is this drawing? www.knittaplease.com, or this www.yellowarrow.net or this http:// graffitiresearchlab.com/?page_id=76. If they are not then what are they? These new creative forms seem to cross figurative and abstract territories. Debut de siecle drawing has taken on a fluidity that it did not have in the previous century. There are a new generation of drawers and a new generation of people studying those drawings. Perhaps, we need a new generation of teachers too? Unlike the past, those doing the drawing and those researching the drawing are one in the same: “When I first became interested in drawing research…I rather naively identified two communities. I saw drawing makers who made drawings for a variety of reasons. I also identified a group of people who studied these outputs…Today a more extensive drawing community exists but we still wrestle with the relationship between drawing and research”.6 This convergence deserves further investigation itself of course. When is a drawing not a drawing? Who cares! Why is that a drawing and this not a drawing, that is the question we should be asking. MDB, Autumn, 2009 Michael DaCosta Babb Chief Executive, ADDICT - Creative Industries Portugal

6 – “Writing on Drawing: Essays on Drawing Practice and Research” by Steve Garner (Intellect - 2008) Pg 16

102


Future Viarco Express Now for some important questions which pre-empt the inevitable switch of Viarco Express from analogue to digital. Is this drawing? www.knittaplease.com, or this www.yellowarrow.net or this http:// graffitiresearchlab.com/?page_id=76. If they are not then what are they? These new creative forms seem to cross figurative and abstract territories. Debut de siecle drawing has taken on a fluidity that it did not have in the previous century. There are a new generation of drawers and a new generation of people studying those drawings. Perhaps, we need a new generation of teachers too? Unlike the past, those doing the drawing and those researching the drawing are one in the same: “When I first became interested in drawing research…I rather naively identified two communities. I saw drawing makers who made drawings for a variety of reasons. I also identified a group of people who studied these outputs…Today a more extensive drawing community exists but we still wrestle with the relationship between drawing and research”.6 This convergence deserves further investigation itself of course. When is a drawing not a drawing? Who cares! Why is that a drawing and this not a drawing, that is the question we should be asking. MDB, Autumn, 2009 Michael DaCosta Babb Chief Executive, ADDICT - Creative Industries Portugal

6 – “Writing on Drawing: Essays on Drawing Practice and Research” by Steve Garner (Intellect - 2008) Pg 16

103


no princípio...

Escusado repetirmos aqui a lenda grega que nos relata o princípio do desenho. Princípio, no sentido de começo de uma prática que os clássicos têm como base de todas as artes; princípio também, no sentido de solução técnica (o traço), de orientação ética (a fidelidade ao modelo), de justificação emotiva (a preservação ou construção da memória). Se jogarmos com as palavras, tal como os desenhos jogam com o real, traço também pode ser risco; e risco é, então, afrontamento de um perigo, solução de novidade. desenho, buscado na raiz latina, significa aquilo que é marcado ou assinalado, ou seja, guardado ou revelado, reproduzido ou inventado, é expressão de uma vontade de consolidar, inventar ou desmontar o real. já por via grega, graphien faz coincidir os actos de desenhar e escrever (grafar), outro modo de exercermos e registarmos o nosso desígnio sobre o mundo. Fidelidade e risco, memória e invenção, escrita e vontade são pares intermutáveis com que devemos lidar na nossa abordagem ao desenho. Tudo isso podemos perceber nos primeiros 10 artistas convidados a darem início à corrente de 100 artistas deste projecto. depois, participando num jogo de alto risco, cada um dos novos convocados ignora o conteúdo da mensagem recebida do estafeta anterior fazendo tudo de novo, transformando cada nova imagem numa primeira imagem. assim se quebra o conceito popular de “corrente” ou “cadeia”, que obriga à simples cópia dos textos das cartas “votivas” que, desde há décadas supersticiosamente se reenviam pelo mundo inteiro; assim se põe em causa o conceito erudito do arriscado jogo de continuidades que é o cadavre exquis. Na necessariamente injusta selecção dos primeiros artistas o uso do lápis por Cabrita Reis como instrumento de registo de uma escrita, grafando a legenda de uma imagem que não provém de um desenho mas de uma foto, abre todas as possibilidades para o que, depois, os restantes 99 artistas nos oferecem. desde logo, temos a provocação dos suportes (Joana Vasconcelos e Cabrita Reis) e a reafirmação do estilo (Álvaro Siza, Julião Sarmento, Manuel Graça Dias, Paula Rêgo ou Rui Chafes); o uso caricatural (António Antunes), ilustrativo (Manuel Graça Dias) ou decorativo (Joana Vasconcelos) do desenho; a figura (Miguel Vieira), a sua transfiguração (Álvaro Siza), a sua negação (Baltazar Torres), o seu massacre (Paula Rêgo e Rui Chafes) a sua reinvenção (Julião Sarmento)... Estes primeiros 10 exemplos dificilmente poderiam esgotar os modos atribuíveis ao desenho; mas os 100 artistas finais dificilmente deixarão de fora o que de mais significativo se passa do momento português em que se insere a iniciativa. João Pinharanda

102


no princípio...

Escusado repetirmos aqui a lenda grega que nos relata o princípio do desenho. Princípio, no sentido de começo de uma prática que os clássicos têm como base de todas as artes; princípio também, no sentido de solução técnica (o traço), de orientação ética (a fidelidade ao modelo), de justificação emotiva (a preservação ou construção da memória). Se jogarmos com as palavras, tal como os desenhos jogam com o real, traço também pode ser risco; e risco é, então, afrontamento de um perigo, solução de novidade. desenho, buscado na raiz latina, significa aquilo que é marcado ou assinalado, ou seja, guardado ou revelado, reproduzido ou inventado, é expressão de uma vontade de consolidar, inventar ou desmontar o real. já por via grega, graphien faz coincidir os actos de desenhar e escrever (grafar), outro modo de exercermos e registarmos o nosso desígnio sobre o mundo. Fidelidade e risco, memória e invenção, escrita e vontade são pares intermutáveis com que devemos lidar na nossa abordagem ao desenho. Tudo isso podemos perceber nos primeiros 10 artistas convidados a darem início à corrente de 100 artistas deste projecto. depois, participando num jogo de alto risco, cada um dos novos convocados ignora o conteúdo da mensagem recebida do estafeta anterior fazendo tudo de novo, transformando cada nova imagem numa primeira imagem. assim se quebra o conceito popular de “corrente” ou “cadeia”, que obriga à simples cópia dos textos das cartas “votivas” que, desde há décadas supersticiosamente se reenviam pelo mundo inteiro; assim se põe em causa o conceito erudito do arriscado jogo de continuidades que é o cadavre exquis. Na necessariamente injusta selecção dos primeiros artistas o uso do lápis por Cabrita Reis como instrumento de registo de uma escrita, grafando a legenda de uma imagem que não provém de um desenho mas de uma foto, abre todas as possibilidades para o que, depois, os restantes 99 artistas nos oferecem. desde logo, temos a provocação dos suportes (Joana Vasconcelos e Cabrita Reis) e a reafirmação do estilo (Álvaro Siza, Julião Sarmento, Manuel Graça Dias, Paula Rêgo ou Rui Chafes); o uso caricatural (António Antunes), ilustrativo (Manuel Graça Dias) ou decorativo (Joana Vasconcelos) do desenho; a figura (Miguel Vieira), a sua transfiguração (Álvaro Siza), a sua negação (Baltazar Torres), o seu massacre (Paula Rêgo e Rui Chafes) a sua reinvenção (Julião Sarmento)... Estes primeiros 10 exemplos dificilmente poderiam esgotar os modos atribuíveis ao desenho; mas os 100 artistas finais dificilmente deixarão de fora o que de mais significativo se passa no momento português em que se insere a iniciativa. João Pinharanda

103


Livro Viarco 1-49