Issuu on Google+

“Eu sou a Porta. Se alguém entrar por Mim será salvo.”

“Em tudo dai graças a Deus.” 1Ts 5, 18.

Jo 10, 9.

Um ano de gratidão, memória e compromisso.

Fechamento da Porta Santa da Misericórdia e encerramento do Jubileu de Ouro da Diocese de Guarapuava. 18 de dezembro de 2016 na Catedral Nossa Senhora de Belém. Página 9.

Pastoral Afro participa de romaria em Aparecida.

Padres missionários retornam para Guarapuava.

Nulidade Matrimonial foi assunto em Encontro do Clero

Diocese tem novo sacerdote: Pe. André Santos Lima

Jovens celebram 30ª edição do DNJ

Conheça um pouco mais a paróquia Santos Anjos, em Guarapuava

Página 5

Página 7

Página 6

Página 10

Entrevista:

Pastor Walduino Paulo Littig Junior, da Igreja Luterana, fala um pouco sobre os 500 anos da reforma protestante.

Páginas 28 e 29.

Página 10

Página 30


2

Dezembro - 2016

Editorial Períodos que se encerram para que outros comecem Dezembro é Natal. Natal é nascimento de quem deu a vida por nós, vivendo todas as agruras humanas para que nossas falhas fossem expiadas. Caro amigo leitor: de antemão, agradecemos a parceria e o apoio ao longo deste ano para com o jornal A Igreja na Diocese de Guarapuava, o nosso Boletim Diocesano. Hoje, compartilhamos com todos vocês, a edição de número 451. Este número de publicação nos diz muito, pois é o último deste ano de 2016. Fecha-se mais um ciclo, encerra-se um período para que outros surjam e brotem com vivacidade, com alegria, com amor. Nesta edição, muito temos a agradecer. O ano de 2016 foi inteiro de celebrações e de bênçãos para nossa diocese. Desde o final de 2015, vivemos o Ano Santo da Misericórdia e, em nossa diocese, este tempo se estendeu por um mês a mais, sendo encerrado em 18 de dezembro, juntamente com o encerramento das comemorações do Jubileu de Ouro da diocese, por ocasião dos seus cinquenta anos. E, por falar em comemorações jubilares, o ano de 2016 representou um marco para nossa diocese. Ao celebrar os cinquenta anos de sua fundação, um envolvimento total das pessoas das diversas regiões e comunidades, mostrou que os caminhos da unidade e da partilha são os que movem os corações e as mentes em favor de uma causa justa, significativa e repleta de beleza e amor. O Jubileu de Ouro da diocese de Guarapuava resplandeceu e gerou novas perspectivas para os próximos anos, para as comemorações de um século que devem começar agora, conforme orienta nosso bispo, Dom Antônio Wagner da Silva. “Devemos começar as preparações para os cem anos, agora”, diz Dom Wagner. Nem o encerramento do Ano Santo da Misericórdia, tampouco a conclusão das comemorações jubilares devem significar o fim. De agora em diante, cabe a cada um de nós, refletir e começar a pôr em prática o aprendizado obtido durante um ano inteiro em favor de épocas vindouras. Por isso, há muito que ser feito em se tratando de caminhada, de orientação, de partilha e de busca pelo novo, sem perder de vista o ponto de partida, o início das coisas. Seguindo o curso natural dos trabalhos, retornam para a diocese, depois de três anos de missão, os padres Ângelo Altair de Oliveira e José Joles Glufka. Em artigos publicados nesta edição, os dois sacerdotes discorrem sobre a vida e os trabalhos desenvolvidos na prelazia de São Félix do Xingu, em Mato Grosso. Por três anos, os dois viveram outra realidade e isto é

motivo de enriquecimento para eles e também para a diocese que os enviou numa demonstração de amor e de carisma para com quem mais precisa. Os trabalhos naquela prelazia continuam com a participação de outros dois padres da diocese de Guarapuava. Padre Jair dos Santos Arruda, que foi para aquela região no final de 2015 e, recentemente, no final de novembro deste ano, padre Erico Gabriel Gurkowski, que atuava como pároco em Mato Rico, também foi enviado para aquela prelazia para trabalhar como missionário por três anos. Em celebração de envio de padre Érico, na Casa de Líderes Nossa Senhora de Guadalupe, em Guarapuava, Dom Wagner, que presidiu o ato, grifou, mais uma vez que, “temos que compartilhar também da nossa pobreza”, referindo-se à doação de trabalho, espiritualidade e bondade em prol de quem mais precisa; nas regiões de maior carência. Em se tratando de sacerdotes da diocese de Guarapuava, neste mês de dezembro, os padres Ari Marcos Bona e Reonaldo Pereira da Cruz, comemoram seus vinte e cinco anos de vida religiosa. Homenagens foram rendidas aos dois padres que muito representam para nossa diocese em se tratando de doação, espiritualidade e amor para com o próximo. Em uma reportagem realizada pela equipe do Centro Diocesano de Comunicação (CDC), por ocasião dos quinhentos anos da Reforma Protestante, que será celebrada em 2017 em todo o mundo, o pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil em Guarapuava, Walduino Paulo Littig Junior respondeu a diversas questões que nos levam à reflexão e ao entendimento sobre o modo de pensar do outro, como destaca sempre o Papa Francisco que, desde o início de seu pontificado, clama por uma “Igreja em Saída”. Esta edição está repleta de assuntos importantes sobre nossa diocese e isto nos enche de alegria e também de responsabilidades enquanto veículo de comunicação que somos. Jamais devemos nos esquecer do assunto principal que deve reger nosso trabalho não só nesta edição, mas sempre: Jesus Cristo. Dezembro é Natal. Natal é nascimento de quem deu a vida por nós, vivendo todas as agruras humanas para que nossas falhas fossem expiadas. Ao encerrarmos este tempo jubilar e também de misericórdia, percebemos que o Natal nos chega como presente, como graça redentora e nos mostra o caminho iluminado de Cristo que devemos trilhar. Ótima leitura e um Feliz e Santo Natal a todos, com as bênçãos acalentadoras e misericordiosas de Nossa Senhora de Belém!

AGRADECIMENTOS DESTA EDIÇÃO O sucesso de qualquer trabalho que seja só é possível através da colaboração e dedicação de pessoas. O Centro Diocesano de Comunicação (CDC) da diocese de Guarapuava, setor responsável pela redação, edição, diagramação e produção do jornal A Igreja na Diocese de Guarapuava, o tradicional “Boletim Diocesano”, agradece imensamente a todas as pessoas que, com sua boa vontade e dedicação pelas causas da Igreja, não medem esforços em contribuir com informações, artigos, fotos ou mesmo ideias para que o trabalho só tenda a melhorar com o passar do tempo. Nesta edição, os agradecimentos vão para: • Agentes da Pastoral da Comunicação (Pascom) de todas as paróquias e comunidades. • Alessandra Pereira Custódio Mrosczko. • Seminaristas da diocese de Guarapuava. • Valter Cunha • Jackson Erpen • Portal A12

• Luciano Gallas • Elizete da Aparecida Toledo • Patrícia Nunes Araújo • Cristiane Ferreira dos Santos • Adelia Grzybowski • Maísa Kloster

CONSELHO EDITORIAL

BOLETIM DIOCESANO / INFORME INTERNO

Rua XV de Noembro 7466 - 2º Andar - Sala 206 Caixa Postal 300 - CEP 85010-000 - Guarapuava - PR Fone: (42) 3626-4348 centrodiocesanoguarapuava@gmail.com

Dom Antônio Wagner da Silva, SCJ Padre Itamar Abreu Turco Padre Jean Patrik Soares José Luiz dos Santos Mauricio Toczek Vanessa Paula Pereira

Voz do Pastor

Assim, Feliz Natal... Sim, busque descobrir com a família, com seu grupo de novena ou reflexão, com sua comunidade de fé a verdadeira história, o sentido do Natal. Ouço muita gente comentando e lamentando: a crise está aí; desempregados, atraso nos pagamentos e recebimentos de salários, dívidas, previsões e gastos para o início do próximo ano! Sim todos concordam a crise está aí e, consequentemente, ela afeta profundamente as festividades natalinas. O comércio está pessimista, vai vender abaixo do esperado! Até os enfeites nas lojas, nas ruas estão menos chamativos, mais econômicos. É verdade o fantasma da crise assusta muito, mas não pode acabar com o NATAL, com a verdade do NATAL, com o espírito do NATAL. Sim, busque descobrir com a família, com seu grupo de novena ou reflexão, com sua comunidade de fé a verdadeira história, o sentido do Natal. A história sofrida, mas alegre de Maria e José; o tempo da gravidez, a viagem a Belém, a dificuldade de encontrar pouso, a gruta aconchegante junto dos animais! Também a noite fria e escura. Não tinham nada a oferecer a não ser seu cansaço, seu calor humano, seu amor, sua fé! Recebem com amor e alegria o nascimento do menino Jesus: DEUS CONOSCO! É tudo que têm para oferecer e, esse tudo oferecem, para acolher, aquecer, afagar o menino – enviado de Deus. Quanta carência! Quanta pobreza! Quanto amor! Quanta alegria! É a promessa de Deus que se realiza. Conceberás e darás à luz um filho e Ele se chamará – EMANUEL, DEUS CONOSCO – Nada de presentes, só amor, só amor! Testemunhas? Os animais, os anjos e os pastores! Assim foi a festa do primeiro Natal. Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade; cantavam os anjos! Precisamos de mais o quê? Sim, precisamos de BOA VONTADE! É A FESTA DE DEUS! Ele faz a festa e, ao mesmo tempo nos dá o presente! É festa de alegria, de solidariedade, de partilha. O centro da festa é outro, precisa ser redescoberto! Seremos capazes desta reviravolta? Queremos este retorno à verdadeira origem da festa do nascimento de JESUS? Procure, leia e medite: Mateus 1, 18-25 e também Lucas 2, 1-20. É revelador, é muito lindo! Assim, FELIZ NATAL! Feliz Natal para você, para os seus, para todos os que vocês querem bem, a TODAS AS PESSOAS DE BOA VONTADE! FELIZ NATAL!

Editor: Padre Jean Patrik Soares (Jornalista) Diagramação: Mauricio Toczek Impressão: Grafinorte - Apucarana - PR Distribuição: Mitra Diocesana de Guarapuava Tiragem: 36.000 exemplares

Dom Antônio Wagner da Silva, SCJ Bispo da diocese de Guarapuava - PR

É permitida a reprodução total ou parcial das matérias veiculadas no Boletim A IGREJA NA DIOCESE DE GUARAPUAVA, desde que citada a fonte.


3

Dezembro - 2016

Não é o fim... é um recomeço.

Um ponto de vista sobre a migração da Cultura AM 560 para a faixa FM. Por: Jorge Teles dos Passos Quinta-feira, 07 de novembro de 2013. Lembro que pela manhã, na segunda parte do programa “O Assunto é Notícia”, na Cultura AM 560 de Guarapuava, nos reunimos no estúdio, num número considerável de funcionários da emissora, para retransmitir e ao mesmo tempo, ouvirmos a palavra da Presidente Dilma Rousseff que neste dia assinava o Decreto de Migração das rádios AM para a faixa FM. Iniciava aí o que, em minha opinião, se constituiria num marco para a radiodifusão no Brasil, nesse tempo em que atuo no meio, ou seja, desde o ano de 1982 quando tive os primeiros contatos profissionais com a Rádio Cultura. Vibramos com o ato, haja vista que há muito tempo se falava numa mudança necessária para as emissoras que exploram a faixa AM. No início dos anos 2.000 tudo apontava para a digitalização do rádio, assim como o que ocorre atualmente com a TV, ou seja uma mudança de tecnologia, do sinal analógico para o digital. Isso não ocorreu com o rádio, então a maneira que se encontrou para “salvar” o rádio AM foi a migração de faixa. A faixa de Amplitude Modulada (AM) ou Ondas Médias (OM), infelizmente, torna-se a cada dia mais inviável. Inviável em termos de recepção devido às inúmeras interferências, inviável pelo abandono por parte da maioria das indústrias de aparelhos receptores na falta de investimento nesta tecnologia, e inviável comercialmente o que é um reflexo da queda de audiência do AM. Pesquisa recente realizada pela Rádio Cultura apontou que o consumo do meio de comunicação rádio em Guarapuava é o seguinte: 82,57% da audiência está na faixa FM e 17,43% na AM. Sobre esses números coloco minha opinião: não é problema de conteúdo, nem de transmissão, mas de recepção, ou seja interferência entre o sinal emitido na torre até chegar nos receptores, e também pela maioria dos aparelhos de rádio colocados à venda atualmente serem de baixa qualidade. No dia seguinte, 08 de novembro, já estava publicado no Diário Oficial da União o Decreto 8.139: “Dispõe sobre as condições para extinção do serviço de radiodifusão sonora em ondas médias de caráter local, sobre a adaptação das outorgas vigentes para execução deste serviço e dá outras providências”, já era o momento de começarmos a conhecer os detalhes da Migração. Alguns itens do Decreto, inicialmente, chamavam a atenção. Um aspecto positivo dizia respeito ao enquadramento. Nós, Rádio Cultura AM 560, poderíamos migrar para a faixa FM como classe Especial (E3) o que significaria? A emissora mais potente de Guarapuava (quem sabe de todo o Estado), enquanto as demais rádios da cidade, inclusive a 93FM emissora da Central Cultura de Comunicação, enquadram-se em faixas inferiores (A, B, C). E o ônus da Classe Especial? Alguns, como maior investimento em equipamentos, transmissor, antenas, torre e no consumo de energia elétrica. Outro item do decreto que gerou expectativa foi quanto à criação da faixa estendida. Atualmente o FM está de 87.7 MHz até 107.9, mas como não há espaço em algumas localidades para abrigar as emissoras AM que solicitaram a Migração, então a faixa foi estendida de 76.1 MHz até 87.5 MHz local este, a esquerda do dial, que será liberado com a digitalização da TV. Em grandes centros urbanos a atual faixa está lotada, áreas consideradas de fronteira, onde inicialmente as emissoras de Guarapuava tinham o risco de ser enquadradas, também teriam que utilizar a faixa estendida, o que felizmente acabou não acontecendo. Mas na realidade neste decreto o que mais gerou expectativa e polêmica foi a chamada taxa migratória, pois tudo isso não aconteceria de graça. “O pagamento do valor correspondente à outorga será efetuado em parcela única e corresponderá entre os preços mínimos de outorga estipulados pelo Ministério das Comunicações para cada tipo de serviço e grupo de enquadramento, referente à respectiva localidade”. Esse artigo não dizia nada pelo fato de não sabermos os valores de outorgas de faixa AM. Até a definição do valor da taxa foram muitos boatos, muitas especulações. Mas no final tudo deu certo.

Ainda no mês de novembro de 2013 começamos a dar passos efetivos neste projeto de migração. Em contato com o engenheiro da Central Cultura de Comunicação, Robinson Oliveira, partimos para o estudo de viabilidade técnica para a migração e projeto técnico de instalação. “O estudo de viabilidade desta emissora vai ser muito difícil de executar, pois a classe E3 no interior será algo inédito no sul do Brasil e demandará um esforço de engenharia grande e muita sorte”, disse o engenheiro na ocasião. Ainda no mês de novembro iniciamos uma corrida para juntar os documentos e certidões negativas exigidos no processo. Muito papel! As 16h43min do dia 13 de dezembro de 2013 nosso pedido de adaptação da outorga (migração) foi protocolado junto ao Ministério das Comunicações, em Brasília. No ano seguinte, no dia 12 de março, a Portaria 127, do Ministério das Comunicações, definiu os procedimentos para o recebimento e análise dos pedidos de adaptação de outorga. A portaria também definia datas e prazos para o andamento do processo. Nesse mês de março, no dia 26, também foi preciso protocolar em Curitiba, na sessão pública realizada pela Secretaria de Serviços de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações, ofício destinado ao Ministro de Estado das Comunicações onde a emissora reafirmava a solicitação da adaptação da outorga. Enquanto toda a movimentação no sentido legal, de projetos, análises técnicas, apresentação de documentos ocorria junto ao Ministério das Comunicações, internamente um passo importante foi dado: a mudança do nome de fantasia da Rádio Cultura FM – 93,7. Pensando estrategicamente não seria possível termos, na Central Cultura de Comunicação, duas emissoras na faixa FM em Guarapuava com o mesmo nome, então optamos por chamar a atual FM de 93FM, pois a AM 560 na migração vai ser Cultura FM. Além da mudança de nome a 93FM ganhou nova identidade visual através de um logotipo simples, mantendo as tradicionais cores verde e preto como predominantes. Prefixo e vinhetas também ganharam nova roupagem. A opção de chamar a AM 560 de Cultura FM se deu em virtude da tradição do nome e para o ouvinte ter claro que a Cultura, não acabou, mas apenas mudou de faixa. Vinhetas específicas para serem rodadas na AM 560 foram criadas. “Rádio Cultura, 45 anos no ar. Você que nos ouve aqui nos 560 AM em breve vai acompanhar nossa programação em FM com muito mais qualidade e muitas novidades. Evangelização, jornalismo, esporte, utilidade pública, prestação de serviços, sem esquecer, da boa música. Fique ligado, logo, logo, a gente se encontra em FM” é a mensagem de uma das vinhetas que seriam lançadas numa campanha quando o processo da migração estivesse realmente encaminhado. *Jorge Teles é radialista, jornalista, especialista em marketing. Atualmente é um dos diretores da Central Cultura de Comunicação e Coordenador da Pastoral da Comunicação no Regional Sul 2 da CNBB.

Aniversariantes do mês Presbíteros - Nascimento Pe. Osmar Duarte do Nascimento - 05/12/65 Pe. Diego Giuseppe Pelizzari, SX - 06/12/58 Pe. Acácio Evêncio de Oliveira - 10/12/52 Pe. Ari Marcos Bona - 15/12/67 Pe. Valdecir Badzinski - 15/12/79 Pe. Felipe Fabiane - 16/12/86 Pe. Mauro Aparecido Sávio, CP - 16/12/95 Pe. José Werth - 17/12/31 Pe. Fábio Castelli, SX - 19/12/64 Pe. Zdzislaw Nabialczyk, SCHR - 19/12/61 Presbíteros - Ordenação Pe. Jian Luigi Tessarollo, SX - 04/12/76 Pe. Casemiro Oliszeski - 08/12/78 Pe. Giovanni Cammarota - 08/12/78 Pe. Acácio Evêncio de Oliveira - 08/12/83 Pe. Cristóvam Iubel - 08/12/84 Pe. Casemiro Heupa - 08/12/87 Pe. Jair dos Santos Arruda - 08/12/89 Pe. Vicente de Paula Neto, SCJ - 08/12/00 Pe. Waldomiro Lucio Tardivo Filho - 08/12/01 Frei Ricardo Gomes da Silva, FMM - 10/12/80 Dom A. Wagner da Silva, SCJ - 11/12/71 (Presb.) Pe. Edvaldo Nogueira da Silva, SDB - 11/12/11 Pe. Pedrinho Carlos da Silva, CM - 12/12/99 Pe. Avelino Oestreich, MIC - 13/12/97 Pe. Ari Marcos Bona - 14/12/91 (25 anos) Pe. Miguel Delgado Cedillo, SX - 17/12/95 Pe. Nivaldo da Silva, SVD - 17/12/00 Pe. Jaime Kniess, SDB - 18/12/88 Pe. Claudio Gomes dos Santos, MIC - 20/12/74 Pe. Reonaldo Pereira da Cruz - 21/12/91 (25 anos) Frei Leandro de Queiroz Albuquerque, OM - 30/12/11 Religiosa - Nascimento Ir. Nahir Maria Weschenfelder, CSTJ - 08/12/42 Ir. Luzia de Barcelos, SJC - 12/12/40 Religiosas - Profissão Religiosa Ir. Valdomira dos Santos, CS - 14/12/08 Ir. Laura Marcelino, CS - 11/12/83 Ir. M. Cândida Dias - 18/12/89 Ir. Ivone Camerini, FC - 25/12/67

Apostolado da Oração Oferecimento diário: Deus, nosso Pai, eu te ofereço todo o dia de hoje: minhas orações e obras, meus pensamentos e palavras, minhas alegrias e sofrimentos, em reparação de nossas ofensas, em união com o Coração de teu Filho Jesus, que continua a oferecerse a Ti, na Eucaristia, pela salvação do mundo. Que o Espírito Santo, que guiou a Jesus, seja meu guia e meu amparo neste dia para que eu possa ser testemunha do teu amor. Com Maria, Mãe de Jesus e da Igreja, rezo especialmente pelas intenções do Santo Padre para este mês. Universal: O fim dos meninos-soldados – Para que seja eliminada em todo o mundo a praga dos meninos soldados. Pela Evangelização: Redescobrir o Evangelho na Europa – Para que os povos europeus redescubram a beleza, a bondade e a verdade do Evangelho, que dá alegria e esperança à vida.


4

Dezembro - 2016

Secretários Executivos da CNBB discutem desafios da Comunicação

Congregação dos estigmatinos comemora duzentos anos de fundação

A reunião dos secretários executivos é realizada duas vezes por ano. Esta foi a última de 2016. Em 2017, a primeira reunião será no Rio de Janeiro (RJ), sede do regional Leste 1 da CNBB.

Em Guarapuava, os estigmatinos estão presentes há vinte e cinco anos. A congregação é responsável pela paróquia Divino Espírito Santo que esteve em Missão no mês de julho.

Nos dias 08 e 09 de novembro, foi realizado o encontro com os secretários executivos dos 18 regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), na sede da entidade, em Brasília (DF). A reunião teve por finalidade facilitar a comunicação e o desenvolvimento das atividades gerais da CNBB em cada regional. Além dos secretários executivos, também participaram os assessores das Comissões Episcopais Pastorais e os membros do secretariadogeral da CNBB. Segundo o subsecretário adjunto de pastoral da CNBB, monsenhor Antonio Luiz Catelan, o encontro é dividido em assuntos pastorais e administrativos. Na ocasião, ele destacou os principais temas e desafios discutidos. “Hoje que é o dia mais pastoral, temos dois temas, os desafios da comunicação e a aplicação disso ao nosso âmbito pastoral e, ainda, a nossa relação entre sede e regionais”, grifou. Para o secretário executivo do regional Sul 2 (Paraná), padre Mário Spaki, a iniciativa teve como foco principal, trazer o que é vivido nos regionais. “Essa reunião é muito importante

porque nós formamos uma equipe só. Trazemos aquilo que é vivido nos regionais, partilhamos os aspectos bonitos, os testemunhos, as realidades que estão acontecendo na igreja local e levamos daqui para os regionais aquilo que está sendo vivido em âmbito nacional”, exemplifica. O secretário executivo do regional Nordeste 2 (Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte), Agenor Guedes Filho, apontou que a reunião foi uma oportunidade de todos os regionais realizarem um balanço de suas caminhadas. “Aqui nós dividimos as nossas experiências, alegrias, dificuldades e tudo aquilo que temos que enfrentar. Fazemos um balanço da nossa caminhada e também já nos preparamos para o próximo ano de avaliação e tudo aquilo que nos aguarda de trabalho daqui para frente”, considerou. A reunião dos secretários executivos é realizada duas vezes por ano. Esta foi a última de 2016. Em 2017, a primeira reunião será no Rio de Janeiro (RJ), sede do regional Leste 1 da CNBB.

No dia 04 de novembro, a Congregação dos Estigmatinos esteve em festa por ocasião dos 200 anos de fundação desta que é uma das mais atuantes comunidades católicas do mundo. Religiosos e leigos festejaram a data e destacaram que viver a vocação à luz do Espirito Santo é sinônimo de alegria e desprendimento. Humildade e entrega a Deus fazem parte da caminhada da Congregação que enxerga em Cristo o porto-seguro, a verdadeira salvação da humanidade. Viver a pobreza e ir ao encontro de quem mais precisa são motrizes dos estigmatinos, conforme contam. Os estigmatinos estão presentes em dezesseis países e atuam nas paróquias, escolas, missões e na formação da juventude.

SOBRE A CONGREGAÇÃO

Inscrições abertas para a 46ª Rota da Fé para Moreira Sales A saída será no dia 4 de dezembro, na Catedral São José, em Campo Mourão. Será a última do ano de 2016. Já estão abertas as inscrições para a 46ª Rota da Fé, com destino a Moreira Sales e passagem por Paraná do Oeste, no dia 4 de dezembro. O evento religioso começa com cerca de 500 pessoas e termina reunindo mais que o dobro de participantes. Organizada em Campo Mourão, a Rota da Fé se transformou no maior evento de Turismo Religioso Sustentável do Paraná, reunindo crianças, jovens, adultos e idosos de toda a região. A taxa de inscrições custa R$ 35,00 para adulto. Este valor inclui transporte, alimentação, água, frutas e seguro. São R$ 15,00 para jovens com idade entre 10 e 15 anos, e menor de 10 anos ou pessoas com deficiência mais um acompanhante não pagam.

No dia 04 de novembro de 1816, três jovens de Verona, na Itália, escolhem viver de forma profética a pobreza, a oração, o apostolado e o serviço em favor dos necessitados de forma plena. Eles passam a se reunir em um lugar marcado pela destruição da guerra, a Igreja dos Estigmas, com o intuito de transformar o lugar em um verdadeiro sinal

de vida. Dois deles eram sacerdotes, Gaspar Bertoni e João Maria Marani e o outro era irmão, Paulo Zanoli. Gaspar Bertoni foi o inspirador da decisão e assim, o fundador desta Congregação que recebe, posteriormente, o nome de Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo (Estigmatinos). Confiada à proteção dos Santos Esposos Maria e José, aquele pequeno grupo continua a obra de evangelização de Cristo e dos Apóstolos através da pregação missionária ao povo e ao ministério da Palavra; da formação e assistência ao clero; da educação cristã dos jovens. Tais ministérios específicos passam a dar nova identidade àquela nova comunidade religiosa. A Congregação ganhou novos participantes e cresceu. Os trabalhos passaram então a ser desenvolvidos para além da cidade de Verona e, em pouco tempo, para além das fronteiras da Itália. Religiosos ligados aos estigmatinos, todos os anos, participam de momentos de oração e conversão na cidade onde a Congregação nasceu. A data é celebrada com grande festa ao lado do túmulo de São Gaspar, fundador dos estigmatinos.

ESTIGMATINOS EM GUARAPUAVA

A saída será novamente na Catedral, de Campo Mourão, a partir das 06h30, quando os participantes são recepcionados para um café da manhã antes da bênção para a partida. As inscrições deverão ser feitas antecipadamente em algumas paróquias em Campo Mourão ou no Centro Catequético. Mais informações devem ser obtidas pelo telefone (44) 3525-1634.

Em Guarapuava, os estigmatinos são responsáveis pela paróquia Divino Espírito Santo, no bairro Vila Bela, que atende quatorze comunidades. Eles estão presentes na cidade há vinte e cinco anos. Dentre as atividades desenvolvidas, destacam-se as Santas Missões estigmatinas realizadas na paróquia de 02 a 10 de julho de 2016. Na ocasião, centenas de famílias foram visitadas pelos mais de cinquenta missionários. Durante a missão, houve muitos momentos de oração, meditação e pregação da Palavra de Deus aos moradores de Guarapuava, principalmente das comunidades pertencentes à Paróquia. O Superior Provincial, padre José Ovídeo da Costa, falou ao Centro Diocesano de Comunicação (CDC), afirmando que a equipe missionária foi composta por dez sacerdotes, dezoito religiosos, sete noviços, quinze seminaristas além de vinte leigos das paróquias pertencentes à Congregação que, numa junção de forças, desenvolveram os trabalhos na comunidade. “Fizemos um trabalho missionário muito importante para nossa comunidade. Estamos felizes com os resultados, com a acolhida das pessoas das comunidades”, destacou padre Ovídeo na ocasião.


5

Dezembro - 2016

Pastoral Afro-Brasileira da diocese de Agentes da Pastoral Afro-Brasileira do Rio Guarapuava participa de romaria em Aparecida de Janeiro promovem curso de formação Esta foi a vigésima edição da Romaria das Comunidades Afro-Brasileiras. Da diocese de Guarapuava, participaram cerca de cinquenta pessoas. Dom Antônio Wagner da Silva, bispo diocesano, acompanhou o grupo.

Cerca de cinquenta pessoas da diocese de Guarapuava foram até Aparecida, São Paulo, no último dia 04 de novembro para participar da XX Romaria das Comunidades Afro-Brasileiras que foi realizada naquele santuário, no sábado, dia 05. Nerci Aparecida Guiné, coordenadora da Pastoral na diocese, destaca que o momento foi extremamente importante para todos os que participaram, pois na ocasião, conforme detalha, houve muitas trocas de experiências sobre as comunidades afro-brasileiras de todas as regiões do país. Nerci também conta que se falou muito dos problemas enfrentados diariamente pelo negro em dias atuais não só no Brasil, mas no mundo e se partilhou de soluções. Houve também discussões acerca de novos projetos para os próximos anos em se tratando da comunidade afro-brasileira. “Foi um evento de acolhida, pois sempre nos sentimos em casa no Santuário da Mãe Aparecida. Mas também tivemos a oportunidade de discutir sobre os anseios e os projetos desenvolvidos pelas comunidades afros de todo o país, sem nos esquecer das dificuldades enfrentas enquanto negros que somos no Brasil. A cada encontro, temos a oportunidade de partilhar muitas ideias e de recarregar as nossas forças para que possamos trabalhar por mais um ano com muita vontade em defesa de nossa gente”, ressaltou Nerci. Em seu artigo publicado no mês de novembro, no jornal A Igreja na Diocese de Guarapuava (Boletim Diocesano), o bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva, discorre sobre a questão das comunidades negras no Brasil e no mundo. Dom Wagner reflete sobre o dia 20 de novembro, quando se celebra o “Dia da Consciência Negra”. “O mês de novembro traz, inevitavelmente, à lembrança de nós brasileiros o dia 20 – polemizado em muitos Estados, Municípios, Escolas, Igrejas, na Sociedade como um todo. O calendário de eventos lembra – 20 de NOVEMBRO – dia de COMBATE AO RACISMO, dia de ZUMBI, dia da CONSCIÊNCIA NEGRA. Voltam à tona discussões como cotas; cor (negro, preto, pardo, moreno, branco,

etc.); outros aspectos físicos; quilombos; escravidão e aspectos correlatos; racismo (existe, não existe); negritude; Igreja e Religiões de matrizes africanas; práticas sociais; vestimentas; músicas e uma infinidade mais de questões para todos os gostos. Há, também, quem ignore e passe por cima: ‘tais coisas nem se fale entre vós, é melhor calar!’”, escreve o bispo num trecho do artigo. Dom Wagner participa todos os anos da Romaria em Aparecida, celebra missa no Santuário e é um dos grandes motivadores dos trabalhos pastorais da comunidade Afro-Brasileira no Regional Sul 2 da CNBB. O encontro deste ano no Santuário Nacional de Aparecida também teve um significado muito especial para os romeiros de todo o país. Neste período, vive-se o Jubileu dos Trezentos Anos do encontro da imagem de Nossa Senhora no rio Paraíba do Sul. À época, o país vivia o período da escravidão. Não bastasse isso, o encontro da imagem foi em uma das regiões de total miséria onde a fome imperava e os desmandos em se tratando de trabalhos eram gritantes. Neste ano, o tema proposto e trabalhado foi “O povo de Deus com o olhar da Mãe negra misericordiosa” e o lema em destaque foi “Com a Mãe Aparecida, amor e fé, rumo aos 300 anos”. O objetivo desta XX edição da Romaria das Comunidades Negras Católicas foi “resgatar a cultura, contemplando o rosto da Mãe Negra, a Mãe da Misericórdia, que se faz presente na nossa história triste e sofrida, mas também nas alegrias e nos desafios da nossa realidade”, detalha o assessor nacional da Pastoral Afro-Brasileira, padre Jurandyr Azevedo Araújo. Padre Jurandyr também grifou que a cada ano cresce a animação, a organização, a qualidade, a quantidade e o envolvimento de grupos da Pastoral Afro-Brasileira na Romaria. “Temos que comemorar com muita alegria esses vinte anos de caminhada”, finaliza.

“A militância precisa se renovar todos os dias, pois, como se sabe, o racismo, a discriminação e a injustiça social não tiram férias”, diz coordenador. A Pastoral AfroBrasileira da arquidiocese do Rio de Janeiro (RJ) realizou, no último dia 23 de outubro, na capela de São João Evangelista, vinculada à paróquia de Santa Rosa de Lima, no bairro Jardim América, zona norte do Rio, mais uma edição dos cursos de formação para agentes. Mais de 30 pessoas de cinco paróquias da cidade participaram do encontro que teve como tema o documento 105 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade - Sal da terra e luz do mundo”. Na formação, as lideranças estudaram o material, aprovado pela 54ª Assembleia Geral da CNBB, em abril deste ano, que é dividido em três capítulos: Cristão leigo, sujeito na Igreja e no mundo; sujeito eclesial: discípulos missionários e cidadãos do mundo; ação transformadora na Igreja e no mundo. Desde 2014, a Pastoral iniciou um processo de formação de liderança. “A pastoral está num processo para ser uma nova pastoral de coragem, isto é, não ser uma de conservação do que já foi conquistado”, explica o coordenador nacional da Pastoral, padre Jurandyr Azevedo Araújo. Em julho, durante o VIII Congresso Nacional da Pastoral, realizado na diocese de Duque de Caxias (RJ), oitenta líderes foram formados. Além do estudo do subsídio, o grupo

aprendeu muitas técnicas para serem aplicados em suas respectivas comunidades, paróquias e dioceses. É o que tem sido feito pelas lideranças no município carioca, a Pastoral está disseminando o trabalho e implantando novos núcleos nas comunidades paroquiais. “Isso vem reforçar uma militância que precisa se renovar todos os dias, pois, como se sabe, o racismo, a discriminação e a injustiça social não tiram férias. As grandes questões do povo negro residem agora no como proceder diante de uma crise econômica planetária, para enfrentamento da qual não basta a conservação do já conquistado, mas urge repensar as formas de se estabelecer a conquista de uma economia efetivamente solidária, como nos propõe os Encontros da Pastoral Afrobrasileira”, ressalta padre Jurandyr. Também participaram do encontro no Rio de Janeiro, representantes de outras pastorais como: da Música, da Criança, Sobriedade, Saúde, líderes de círculos bíblicos e catequistas. CNBB

Povos indígenas da Amazônia equatoriana dialogam com a Repam O diálogo, em clima aberto e de mútua escuta, se mesclou com momentos de espiritualidade e troca de experiências, a partir de uma reconstrução histórica da missão eclesial na Amazônia. Cerca de 130 indígenas, afro-equatorianos e missionários se reuniram de 21 a 23 de outubro no Centro de Pastoral Intipungo, em Puyo – Equador, para um grande diálogo promovido pela Rede Eclesial Pan-amazônica (REPAM) com os povos nativos na Amazônia local. O encontro teve a participação do Cardeal Cláudio Hummes, presidente da REPAM e da Comissão Episcopal para a Amazônia da CNBB e bispos dos Vicariatos Apostólicos da Amazônia Equatoriana. O diálogo, em clima aberto e de mútua escuta, se mesclou com momentos de espiritualidade e troca de experiências, a partir de uma reconstrução histórica da missão eclesial na Amazônia. O bispo de Puyo, Dom Rafael Cob, deu as boas-vindas a todos convidando a escutar a voz dos povos e Mauricio López, secretário executivo da REPAM, apresentou o projeto global do trabalho da Rede, que coordena os nove países amazônicos: Equador, Colômbia, Venezuela, Peru, Bolívia, Brasil, Guiana, Guiana Francesa e Suriname. “Projetos de Vida” e “Modelo de Desenvolvimento” foram temas de mesas temáticas, com a apresentação de

experiências práticas realizadas na área. Também houve lugar para uma festiva noite cultural com painéis de cada Vicariato. No último dia, o Card. Hummes propôs uma reflexão sobre os elementos importantes na pauta de uma Igreja que quer ’um rosto amazônico’. O encontro se encerrou com uma celebração de envio realizada pelas nacionalidades kichwa, shuar, afro-equatorianos e agentes de pastoral. O comunicado final recorda que todos são enviados para levar a boa notícia aos povos e comunidades de onde provêm, como uma Igreja que defende a vida com rosto amazônico. Rádio Vaticano Padre Julio Caldeira, CM


6

Dezembro - 2016

O que representou e o que representa para mim a Missão!

Aprendizagem com a experiência missionária no Araguaia

“Outra coisa que absorvi foi que cada local, cada comunidade, tem a sua realidade e a gente aprende mais do que ensina”.

Um missionário está sempre em atitude de partida. E esta partida, precisa ser para regiões de fronteiras.

Desde muito tempo, início do discernimento vocacional, primeiros anos de seminário, já sentia atração para a experiência missionária. Cada vez que ouvia alguém falar em missão, como um dispositivo, algo mexia dentro de mim e meus horizontes se clareavam dia após dia com relação ao foco do meu ministério. Depois de cinco anos como presbítero da diocese de Guarapuava, tive a oportunidade, ou melhor, a providência divina me pôs no caminho da missão além-fronteiras. Conheci, portanto, a prática e passei a viver grandes experiências. Não que os cinco anos na diocese não tivessem representado uma missão. Quatro anos se passaram e muitas coisas foram se revelando. Uma delas é que a missão não tem nada de extraordinário. Digo isto porque se tirarmos a missão, a Igreja deixa de existir. Se tirarmos a Igreja, a missão continua existindo. Em primeiro lugar, nasceu a missão do coração do próprio Deus, concretizada em seu Filho Jesus Cristo, consagrada e confiada aos discípulos pela força do Espirito Santo. Na missão dos cristãos das primeiras gerações, nasceu a Igreja como instrumento para a missão. Portanto, somos discípulos missionários do Pai, pelo Filho com o Espírito Santo na Igreja. Outra coisa que absorvi foi que cada local, cada comunidade, tem a sua realidade e a gente aprende mais do que ensina. Aliás, se chegarmos “topetudos”, achando que somos donos da verdade, nossa “crista” cai sem demora. Quatro anos convivendo com a simplicidade e serenidade de Dom Pedro Casaldáliga, Dom Adriano Vasino, Irmã Veva (in memoriam) e outros agentes da Prelazia, aprendi que a vida é tão bela e simples e o que mais vale neste mundo são as pessoas com suas histórias e suas esperanças e que a regra da vida é a boa convivência alicerçada no amor, respeito, justiça e

cuidado. A boa vivência independe de sua condição social, política, religiosa, econômica, cultural. Por outro lado, vi pessoas que chegaram querendo impor sua forma de vida, desrespeitando toda caminhada já feita e, infelizmente, sofreram e fizeram o povo sofrer a ponto de não suportarem muito tempo. Tantas outras coisas teria para partilhar, mas reservo as últimas linhas para dizer que foi uma experiência muito válida, que, se preciso fosse, repetiria quantas vezes fossem necessárias. Nunca a providencia divina se revelou tão maravilhosa como neste tempo comigo. Sou muito grato à querida diocese de Guarapuava por confiar em meu trabalho e pelo apoio dispensado no início desta missão. Grato igualmente à prelazia de São Félix do Araguaia pela alegre e esperançosa acolhida. Agradeço a Deus pela vida e pelas pessoas que pôs em meu caminho, me possibilitando essa grande alegria de viver com paixão e teimosia. Viva a esperança! Padre José Joles Glufka

Caros irmãos leitores: fazer uma experiência missionaria é como iniciar qualquer trabalho que nunca fizemos. Podemos ter experiência no ramo, podemos ter feito trabalhos semelhantes em outros locais ou empresas, mas nada se compara ao que vamos experimentar na nova tarefa. Assim, também, nós missionários temos formação teológica, vivência pastoral em outro local e estamos acostumados à vida de Igreja e certamente tudo isso nos serviu de bagagem para a missão. A primeira coisa que aprendi foi que a bagagem ajuda muito em várias situações, mas muitas vezes a bagagem também pode atrapalhar. É preciso saber usá-la, senão esta se torna peso nas nossas costas e pior, quando a pomos nos ombros dos outros. Como dizia Jesus: cestos pesados que nem nós mesmos somos capazes de suportar. Mas, por que isso acontece? Ocorre que nossa bagagem foi sendo organizada em um local determinado. Cabe dentro de uma mala conforme nossa cultura e tradições e nela vem blusa para o frio, expressões e tantas outras coisas. Aqui vem a segunda coisa que aprendi: a atuação missionária deve partir da realidade em que chegamos. Aqui, há algo complicador, porque vemos a realidade com os óculos que trazemos na cara. E esse é um grande desafio a meu ver: deixar os meus óculos de lado e aos poucos ir acostumando minha visão aos óculos das pessoas com as quais agora por graça de Deus eu convivo na missão. Só é possível fazer missão religiosa cristã se o fazemos a partir de Jesus de Nazaré. E Jesus se fez um com seu povo em tudo, como diz Paulo: não se apegou à sua condição de Senhor e assumiu o ser igual às pessoas no meio das quais foi missionário. Daí vem a palavra inculturação. Confesso que essa talvez seja atarefa mais difícil do missionário, inculturar-se. Para ajudar na enculturação, percebo que é muito importante o missionário desenvolver também outra atividade no local, uma atividade profissional, eu diria. Como Paulo, o apostolo que trabalhava. Como Jesus, o carpinteiro e lavrador. A partir dessa experiência riquíssima que ele precisa fazer deixando de lado preconceitos, vai percebendo o que trouxe na mala que não será usado ali. O

missionário e o povo com o qual convive, fazem a experiência um do outro, mas é o missionário que deve ter a iniciativa de conhecer e deixar-se conhecer. Esse aspecto é tão importante que arrisco em dizer que muitas pessoas vão para uma realidade de missão, vivem anos lá e nunca se tornam missionários. Não é por estar numa realidade missionária que se é missionário. Outro aspecto próprio da evangelização que é fulcral é ter clareza do que é evangelizar. E evangelizar não é doutrinar, nem tornar um povo igual ao meu. Tampouco, implantar a forma de igreja na qual eu vivi. Evangelizar é fazer como disse Jesus: que minha presença contribua para que todos tenham vida e vida plena. Se o missionário não tem essa clareza, mata o germe plantado pelo Espírito no meio do povo e sua presença é diabólica. Uma coisa que acontece na missão é a conversão. E a conversão com duas vias. Primeiro é o missionário que precisa converter o seu modo de ver e sua mentalidade através da colheita das sementes do evangelho vividas por aquela gente. A experiência é como a de Jonas que precisou converter-se para aceitar que Deus estava salvando os ninivitas. E, em segundo lugar, a partir das sementes colhidas no meio do povo, ajudá-lo a perceber o que ali não é conforme o evangelho, ou seja, o que está causando a morte naquela gente. Aqui, a missão, muitas vezes se torna profecia. E nem sempre a profecia é aceita. E a profecia se dá primeiramente com o exemplo. E viver o evangelho é mais difícil que falar dele. E nesse processo é possível que alguém se anime a ir convertendo suas atitudes. Em tudo isso a graça de Deus está. E a alegria do Evangelho inunda o coração. Mas também, ser missionário é saber a hora de partir para outra missão. Aí o missionário, agora com calos adquiridos no trabalho realizado, faz sua bagagem novamente. O engraçado, é que agora ele leva bem menos coisas do que trouxe. Agora, neste momento, ele sabe que muita bagagem atrapalha. Ele leva sim, coisas diferentes das que trouxe. Leva elementos do que aprendeu. Ele usa óculos, neste momento, mas divide este olhar. Em um dos olhos, vão os óculos que trouxe consigo. No outro, leva os óculos que lhe emprestaram e que agora lhe pertence. Ele sabe, portanto, que para onde vai, precisará fazer o mesmo movimento de desvencilhar-se do que não será necessário para a jornada. Se o missionário não parte, deixa de ser missionário e se torna residente. Um missionário está sempre em atitude de partida. E esta partida, precisa ser para regiões de fronteiras. Dentre estes limites, deve-se levar em consideração a fronteira existencial da humanidade e da natureza. Agradeço a Deus pelo pouco tempo em que estive na missão em São Felix. # Partiu nova missão. Padre Ângelo Altair de Oliveira


7

Dezembro - 2016

Nulidade Matrimonial foi destaque no Encontro de Formação do Clero em Guarapuava Este foi o último encontro de formação deste ano. Ao final dos trabalhos, houve o envio do padre Érico Gurkowski, que trabalhará na Prelazia de São Félix do Araguaia, em Mato Grosso.

De 07 a 10 de novembro, a diocese de Guarapuava promoveu o Encontro de Formação Permanente do Clero. Esta foi a terceira vez que os padres da diocese se reuniram neste ano para discutir assuntos pertinentes às suas funções junto às comunidades onde atuam. O encontro dos presbíteros foi realizado na Casa de Formação Nossa Senhora de Guadalupe, no bairro Santana. Durante os quatro dias de encontro, diversas questões que dizem respeito às paróquias e à diocese foram discutidas. No entanto, o assunto principal foi sobre o Motu Proprio promovido pelo Papa Francisco e publicado pelo Vaticano no dia 04 de junho de 2016, que versa sobre algumas mudanças que devem resultar em rapidez na análise dos processos de nulidade matrimonial. Embora todos os padres tenham estudado sobre Direito Canônico antes de sua formação, o assunto requer novas abordagens para que dúvidas sejam sanadas, conforme destacou padre Valdecir Badzinski, pároco da paróquia Divino Espírito Santo de Pinhão e também coordenador diocesano e regional do clero do Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Ele avaliou como positiva e esclarecedora a participação dos padres da diocese de Guarapuava no evento. “Durante o encontro, que durou de 07 a 10 de novembro, pudemos desenvolver diversas atividades com os padres da diocese de Guarapuava. Como em cada encontro, discorremos sobre um tema, o eleito para esta ocasião, foi sobre Direito Canônico, com foco no assunto Nulidade Matrimonial. Os assessores trabalharam

detalhadamente estes assuntos e cada padre que participou pôde tirar suas dúvidas e também rememorar as aulas obtidas quando da formação presbiteral, no seminário”, destacou padre Valdecir. Os trabalhos foram assessorados pelo padre Amilton Sampaio, da diocese de Cornélio Procópio e também pela professora de Mestrado em Direito Canônico e membro da Cúria da Arquidiocese de Londrina, Sueli Almeida de Oliveira. Para professora Sueli, os trabalhos com foco no assunto Nulidade Matrimonial, foram muito bem assimilados pelos padres que participaram. Ela ressalta que há muitos pontos que precisam ser entendidos e isto requer atenção e estudo das leis da Igreja. “Este é um assunto que não é novo na Igreja, mas que passou a ser visto com enfoque diferente desde a publicação do Motu Proprio proposto pelo Papa Francisco. A análise para a nulidade de um matrimônio precisa ser feita com base no ato deste sacramento. A possível anulação precisa de mecanismos e ações contidos naquele momento em que o Sacramento foi instituído. Vemos pessoas que por outros motivos, muitos anos depois de casadas, falam em anular um matrimônio e isto não procede. Não se anula casamento na Igreja Católica. O que se faz, é entender se o ato foi nulo ou não no momento em que foi realizado”, explicou a professora. Padre Amilton grifa que a agilidade nos processos de Nulidade Matrimonial promove a paz de espírito nas pessoas envolvidas e lhes tira um peso da consciência. Conforme detalhou, pela nova proposta do Vaticano, os processos que antes

demoravam anos para serem analisados e julgados, agora podem ser feitos em até sessenta dias. Isto, segundo ele, facilita a vida de muitas pessoas que, em alguns casos, já estão em uma segunda união e se sentem culpadas perante a Igreja pela situação considerada irregular em que vivem. “Esta agilidade na análise e também no julgamento de um processo só é possível se as duas partes envolvidas estiverem de acordo. Este entendimento beneficia inúmeras pessoas que, por se sentirem culpadas, acabam, em alguns casos, até se afastando do convívio das comunidades”, sublinhou. Padre Amilton contou que os padres da diocese de Guarapuava que participaram do evento fizeram muitas perguntas e se mostraram interessados pelo assunto. Isto, conforme considera, é motivo de comemoração e representa um grande ganho para a Igreja. “O interesse dos sacerdotes é fator primordial no entendimento desta questão. Nas comunidades, nas paróquias, havendo este interesse por parte dos padres, há, sem dúvida, muita agilidade nos processos. Todos ganham com isto”, observou. A criação de um Tribunal Eclesiástico na diocese de Guarapuava também foi assunto debatido no evento. Para o bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva, este é um trabalho que já vem sendo pensado e desenvolvido. Dom Wagner lembrou que há, por parte da diocese, um grande incentivo aos sacerdotes que queiram estudar este assunto para depois, fazerem parte do Tribunal que deve ser instalado nos próximos anos.

Padre Érico Gabriel Gurkowski Ao final dos trabalhos, no dia 10 de novembro, houve a celebração de envio do padre Érico Gurkowski, que passa a trabalhar na Missão evangelizadora da prelazia de São Félix do Araguaia, em Mato Grosso. Dom Wagner que presidiu a celebração destacou que é motivo de alegria para a diocese ter a possibilidade de enviar um missionário para outras terras e lá, trabalhar em favor das pessoas que mais precisam. “Hoje celebramos a beleza que é partilhar de nosso trabalho com outra região do país. Estamos felizes pelo envio do padre Érico e temos a certeza de que seus trabalhos serão de imensa valia naquela prelazia.

Todos aqui estaremos unidos em oração ao nosso irmão que, a partir de hoje, passa a viver uma nova realidade. Nunca devemos nos furtar de partilhar da nossa pobreza”, observou Dom Wagner. Padre Érico, por sua vez, ressaltou que ser missionário sempre foi um dos seus objetivos enquanto padre. “É com muita alegria que parto para esta missão. Desde que ingressei no seminário, na Congregação Xaveriana, eu tinha este objetivo. Quero ajudar naquela comunidade e servir a Igreja junto àquelas pessoas. Quando Dom Wagner me convidou para este desafio, senti-me honrado e feliz”, expressou padre Érico.

O padre Felipe Fabiane foi enviado a Roma, na Itália, para cursar Direito Canônico. O sacerdote de Guarapuava terá um período de três anos para concluir seus estudos e depois, deve assumir os trabalhos junto ao Tribunal Eclesiástico da diocese. “Nossa diocese está trabalhando há muito tempo no sentido de se preparar para a instalação do Tribunal Eclesiástico. Além do padre Felipe que está em Roma se preparando para trabalhar com os processos canônicos, também há vários cursos aqui no Brasil que podem ser feitos pelos nossos sacerdotes. Estamos incentivando às pessoas para que estudem e assim, possam auxiliar nesta tarefa da Igreja”, adiantou Dom Wagner.

OUTROS ASSUNTOS

Durante o encontro, também foi realizada uma reunião de decanato, onde se debateu as prioridades da diocese. Na ocasião, foram revisados assuntos referentes ao Dízimo como pilar de sustentação da Igreja, priorizando a unidade e a partilha entre as pessoas. O documento 106 da CNBB que fala sobre “O Dízimo na Comunidade de Fé – Orientações e Propostas” foi mais uma vez estudado e cada um dos participantes teve a oportunidade de explanar seu ponto de vista. “Em nossa reunião de Decanato, pudemos revisar e debater as prioridades de nossa diocese. Nossa base de estudos naquele momento, foi o Documento 106 da CNBB que destaca sobre o Dízimo na Igreja enquanto proposta de fé e devoção de todos”, lembrou padre Valdecir.


8

Dezembro - 2016

Frei que trabalhou em Guarapuava morre vítima de malária

Dom Orlando Brandes é nomeado novo Arcebispo da Arquidiocese de Aparecida

O religioso contraiu a doença durante uma missão em Camarões, na África. Depois de cinco dias internado, ele não resistiu e morreu na noite de quarta-feira, dia 23 de novembro.

Dom Orlando substitui o Cardeal Arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis.

Morreu, na noite de 23 de novembro, em São Paulo, frei Rodrigo Matheus, de 34 anos. O religioso estava internado desde o dia 18 de novembro, quando retornou de uma missão que desempenhava na África, em Camarões, na cidade de Yaoundé, capital daquele país. Frei Rodrigo sentiu sintomas de malária logo depois que embarcou rumo a Londres, na Inglaterra. No aeroporto inglês, o diagnóstico da doença se confirmou. De lá, ele fez conexão e embarcou num voo para São Paulo. Ao chegar ao Brasil, recebeu cuidados médicos ainda no aeroporto e foi levado para o hospital. Segundo o reitor do Seminário Menor São Francisco de Paula, em Guarapuava, frei José Antonio de Lima, dias depois de internado, o religioso apresentou melhoras significativas, mas na terça-feira, dia 22 de novembro, foi levado às pressas para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu e morreu na noite de quarta-feira, dia 23. Frei Rodrigo trabalhou em Guarapuava e faria uma visita à cidade nos próximos dias. “Foi uma grande perda para todos nós. Frei Rodrigo nos deixou cedo

demais. Ele viria para Guarapuava visitar os amigos e ficar conosco nos próximos dias, mas não houve tempo. Que Deus o acolha em sua bondade. Rezemos por sua alma”, lamentou frei José Antonio. Frei Rodrigo permaneceu em Camarões por dois anos, desempenhado vários trabalhos missionários naquele país. Padre Jean Patrik Soares, vigário da Catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava, que era amigo de frei Rodrigo, disse lamentar a morte do religioso e destacou que ele estará em suas orações sempre. “Era um grande amigo. Sempre muito empolgado com os trabalhos missionários. Tinha um espírito jovem e buscava aprender as coisas. Ele sempre quis ser missionário na África e realizou seu sonho. Foi um choque receber a notícia de sua morte”, destacou padre Jean. Natural de Botucatu, em São Paulo, frei Rodrigo foi ordenado sacerdote no dia 18 de julho de 2009. O sepultamento do religioso foi na tarde do dia 24 de novembro, no cemitério do distrito de Campo Limpo, em São Paulo.

O Papa Francisco aceitou, no último dia 16 de novembro, a renúncia do Cardeal Arcebispo de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis. E, nomeou como novo arcebispo Dom Orlando Brandes, transferindo-o da Arquidiocese de Londrina, no Paraná. Dom Damasceno havia apresentado renúncia em fevereiro de 2012, quando completou 75 anos, conforme prevê o Direito Canônico. E, até a posse do novo arcebispo, marcada para o dia 21 de janeiro de 2017, ficará na Arquidiocese de Aparecida como Administrador Apostólico. Em entrevista ao vivo à Rádio Aparecida, na manhã do dia 16 de novembro, Dom Orlando falou sobre sua transferência para Aparecida. “Quero acolher essa nova missão que me foi confiada pelo Papa Francisco. O primeiro objetivo é conhecer o rosto da Arquidiocese de Aparecida”. “Sinto-me muito feliz por tê-lo por sucessor. Terá uma especial proteção de Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil. Desejo-lhe que tenha um ministério muito frutuoso em Aparecida”, afirmou Dom Raymundo Damasceno a Dom Orlando. Dom Orlando Brandes nasceu em 13 de abril de 1946 em Urubici, SC. É filho de Gregório Brandt e Hilda Morais Brandt (falecidos). Tem seis irmãos. Após o curso primário ingressou no Seminário João Vianney, de Lages. Em 1968 concluiu Filosofia na UCP em Curitiba. Fez seus estudos teológicos na Universidade Gregoriana e na Academia Alfonsiana (Roma) especializando-se em Teologia Moral em 1973. Recebeu a ordenação sacerdotal em Francisco Beltrão (PR) em 6 de julho de 1974. Foi professor de Teologia Moral

e Dogmática no Instituto Teológico de Santa Catarina (Itesc) de 1974 a 1994. Vice-diretor do Itesc (1974-1982) e seu diretor (1982-1984). Diretor do Seminário Teológico (1987-1987), orientador do Seminário Dom Honorato Piazera (1990-1994), presidente, vice-presidente e Juiz do Tribunal Eclesiástico Regional de Florianópolis. Assistente Espiritual do Seminário Nossa Senhora de Guadalupe da Diocese de Joinville, em Florianópolis. Pregador de retiros espirituais. Auxiliar na Catedral Metropolitana. Animador de diversos cursos de teologia e, por espírito missionário, passava suas férias escolares em diversas paróquias carentes no Estado e também na Bahia, Mato Grosso, Acre e Piauí. Foi eleito pelo Papa João Paulo II no dia 9 de março de 1994 como 3° bispo diocesano de Joinville. Escolheu como lema: “Somos operários de Deus” (1 Cor 3,9). A ordenação episcopal e posse ocorreu no dia 5 de junho de 1994 na Catedral São Francisco Xavier em Joinville, dia de São Bonifácio. No dia 10 de maio de 2006, o Papa Bento XVI nomeou Dom Orlando Brandes Arcebispo de Londrina. A tomada de posse como 4º Arcebispo da Arquidiocese de Londrina aconteceu no dia 23 de julho de 2006.


9

Dezembro - 2016

Diocese de Guarapuava promove fechamento da Porta Santa e encerramento do Ano Jubilar A cerimônia de encerramento dos trabalhos de 2016 será realizada no dia 18 de dezembro, na Catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava.

No último dia 20 de novembro, seguindo a determinação do Vaticano, encerrou-se em todo o mundo, o Ano Santo da Misericórdia, com o fechamento das Portas Santas. O período do Jubileu Extraordinário da Misericórdia teve início no dia 08 de dezembro de 2015 e, durante este tempo, muitas manifestações de indulgência e reconciliação em todo o mundo foram promovidas pela Igreja como sinal de expiação dos pecados. Em Guarapuava, além de celebrar o Ano Santo da Misericórdia, a diocese também celebra, durante todo o ano de 2016, o Jubileu de Ouro, por ocasião de seus cinquenta anos. Em consonância com as leis que regem a Igreja Católica Apostólica Romana, em se tratando de suas particularidades, em Guarapuava, os encerramentos tanto do Ano Santo da Misericórdia, como dos festejos jubilares da diocese, serão realizados no dia 18 de dezembro. Neste período, conforme destaca o bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva, houve muito espaço para a reflexão, para a partilha e também para se planejar os próximos anos enquanto comunidade católica que deve ir ao encontro do povo, numa manifestação viva de “Uma Igreja em Saída”, como reforça o Papa Francisco. “O fechamento dos trabalhos jubilares da diocese de Guarapuava e também o encerramento do Ano Santo da Misericórdia nos sinalizam os caminhos para novas perspectivas enquanto

SOBRE O JUBILEU DA MISERICÓRDIA

cristãos, enquanto Igreja que somos. Hoje, vivemos um novo começo sob novas luzes e isto nos motiva a buscar cada vez mais a verdade e o envolvimento com nossas comunidades enquanto seres humanos”; enfatiza Dom Wagner. Antecedendo o encerramento das comemorações na diocese, haverá diversas celebrações na Catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava, envolvendo todas as paróquias do decanato centro. As paróquias que pertencem a outros decanatos também celebrarão com suas comunidades, no mesmo horário que a Catedral, às 19h30. As missas preparatórias para o encerramento dos trabalhos jubilares nos decanatos serão celebradas a partir do dia 05 de dezembro, conforme calendário de programação distribuído nas paróquias e comunidades desde o início dos trabalhos, em 2015. A celebração do dia 18, às 10 horas, na Catedral Nossa Senhora de Belém, será

presidida por Dom Wagner. Na ocasião, os participantes terão a oportunidade de passar pela Porta Santa e pedir indulgência pelos pecados cometidos. Conforme grifa padre Acácio Evêncio de Oliveira, pároco da Catedral Nossa Senhora de Belém, as pessoas da diocese de Guarapuava são privilegiadas, pois terão mais uma oportunidade de passar pela Porta Santa e se arrepender de seus erros, quase um mês depois de a maioria delas terem sido fechadas no encerramento do Ano Santo da Misericórdia em outras partes do mundo. Do domingo, na parte da manhã, uma missa marcará o final das comemorações jubilares e também o encerramento do Ano Santo da Misericórdia. Representantes de todas as paróquias do decanato centro também participarão desta celebração que será um marco histórico para a diocese. “Agora, nossos planejamentos são para celebrarmos os próximos cinquenta anos”, finaliza Dom Wagner.

O Jubileu Extraordinário da Misericórdia tem como lema “Sede misericordiosos como o Pai”. A celebração iniciou em 08 de dezembro de 2015 e prosseguiu até 20 de novembro deste ano (2016), exceto em Guarapuava, por ocasião das comemorações jubilares em celebração aos cinquenta anos da diocese. O Ano Santo marca as celebrações do 50º aniversário do encerramento do Concílio Vaticano II. A iniciativa convida os fiéis do mundo inteiro a celebrarem o sacramento da Reconciliação e Arrependimento de seus erros. A abertura da Porta Santa no Vaticano, pelo Papa Francisco, deu início, oficialmente, ao Ano da Misericórdia. Nas dioceses de todo o mundo foram abertas as portas da misericórdia, nos santuários e catedrais, em sinal de comunhão entre as igrejas particulares. Com a proposta de motivar as celebrações, a Santa Sé organizou calendário de atividades. Alguns atos principais ocorreram, no Vaticano, com a presença do Papa Francisco e foram estendidos às dioceses, como as romarias, liturgias e datas festivas.

Coronel Fabriciano (MG) sedia VI Assembleia dos Leigos Missionários Xaverianos A diocese de Guarapuava foi representada por Missionários Xaverianos de Laranjeiras do Sul. Nos dias 13 e 14 de novembro, a cidade de Coronel Fabriciano, em Minas Gerais, sediou a VI Assembleia dos Leigos Missionários Xaverianos. O tema do encontro foi: “O Rosto humano dos Leigos Missionários Xaverianos”. O lema discutido nos dois dias de trabalho foi “Viver a misericórdia fazendo do pobre e excluído o altar de Cristo”. Integrantes de Laranjeiras do Sul participaram do encontro representando a diocese de Guarapuava. Do Paraná, além da cidade de Laranjeiras do Sul, também participaram missionários de Curitiba e Goioerê. Integrantes do grupo “Juventude Missionária”, da cidade anfitriã, Coronel Fabriciano, conduziram a animação do evento. Histórico da caminhada dos seis anos do Laicato Brasil Sul, apresentado por Patrícia Nunes; formação sobre a temática o Rosto Humano dos Leigos Missionários Xaverianos com o padre

Alfiero Ceresoli; momento de oração pessoal, seguido de partilha, fizeram parte dos trabalhos desenvolvidos pelos participantes. O Documento 105 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que versa sobre “Cristãos, Leigos e Leigas, na Igreja e na Sociedade”, foi trabalhado com profundidade, embasado no lema contido no mesmo documento que explana sobre: “sal da terra e luz do mundo” (Mt 5, 13-14). O padre Rafael Villaseñor conduziu esta parte dos trabalhos e abriu espaço para a troca de experiências entre

Os trabalhos foram encerrados na segunda-feira, dia 14, de novembro com deliberativas sobre a Regra de Vida, Aprovação do Estatuto da Associação dos Leigos Missionários Xaverianos e Projeto Missionário para o Alto Solimões, Eleição da coordenação para o biênio 2017/2018 e posse da nova coordenação. os missionários que saíram de suas comunidades para ajudar em outras regiões. Patrícia Nunes falou de sua vivência junto aos moradores da região de Alto Solimões, no norte do Brasil. Elizete da Aparecida Toledo, que trabalhou por dois meses como missionária em Guiné-Bissau, na África, junto à diocese de Bafatá, na Missão de Quebo, também explanou sobre sua experiência em terras estrangeiras. Elizete é de Laranjeiras do Sul e destacou que conhecer parte da realidade daquele país africano, considerado um dos mais pobres do mundo, lhe foi de grande valia. Ela considera que esta experiência é algo que sempre fará parte da sua vida.

Com informações e fotos de Elizete da Aparecida Toledo e Patrícia Nunes Araújo


10

Dezembro - 2016

Primeiro padre do município de Pinhão é ordenado com grande festa Em um momento histórico para a paróquia, André Santos Lima foi ordenado padre. O novo presbítero recebeu a ordem sacerdotal de Dom Antônio Wagner da Silva, bispo diocesano. A paróquia Divino Espírito Santo, em Pinhão, viveu um momento histórico no último dia 19 de novembro. Mais de mil pessoas de diversas partes da cidade, da diocese e de outras regiões do Brasil, testemunharam e também participaram da primeira ordenação de um sacerdote nascido naquele município. Sob o lema “O zelo por tua casa me consome (Jo 2,17)”, padre André Santos Lima recebeu a ordem sacerdotal pelas mãos do bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva, em uma cerimônia emocionante e repleta de bons significados para toda a diocese e para a Igreja conforme grifou o bispo. Para Dom Wagner, acolher um novo padre na diocese significa que a semente plantada tempos atrás, rendeu bons frutos que agora podem ser colhidos à forma de benesses, de amor e de partilha sob as bênçãos de Deus que é união, força e muito amor. “Olhando para o número um, para uma pessoa em se tratando das dimensões da Igreja, pode parecer pouca coisa, mas não é. O que esta pessoa pode fazer pela comunidade, os resultados que ela é capaz de mostrar enquanto Igreja é, com certeza, extremamente significativo, é motivo de comemoração. Hoje, o padre André deu seu sim para Deus, para a comunidade que deve contar com sua vocação em favor de quem mais precisa, em todas as horas. Padre André é jovem e tem uma disposição incrível. Nossa diocese terá um grande impulso em se tratando de trabalho missionário. Presidir esta ordenação é motivo de muitas graças, de bênçãos para toda a nossa comunidade. O novo padre não pode, de maneira nenhuma, se sentir sozinho. Devemos, enquanto comunidade, rezar sempre para que esta

vocação se mantenha latente no coração do sacerdote para que ele continue firme em seus propósitos missionários”, observou Dom Wagner. Para Marilene Pinto dos Santos, mãe de padre André, a ordenação do filho representou para a família e para a comunidade, um momento único e um grande gesto de amor. Ela sublinha que a doação faz parte da vocação e isto deixa a todos à sua volta felizes. “Era um sonho dele. Este sonho, hoje, se concretizou com a ordenação. Nossa família está muito feliz. Todos da comunidade estão felizes por este gesto. Meu filho ganhou muitas outras famílias no dia de hoje”, destacou Marilene. Padre André disse agradecer a Deus pelo dom que recebeu e por ter descoberto a vocação desde cedo. Ele considera sua ordenação como um dos momentos de intensa felicidade e de plenitude. Imitar Cristo em se tratando de bondade, doação e partilha, segundo o sacerdote, é o que pretende fazer e para isso, conforme destaca, conta com as orações de todos da comunidade. “Nosso Deus é um Deus de alegria. O dom de ser padre é motivo de muito contentamento. Eu senti este chamado e respondi com minha vocação. Hoje eu disse sim para o serviço deste ministério. As palavras do Senhor são muito fortes e eu percebo esta força brotar todos os dias em mim

e quero ser digno desta confiança que o Senhor em mim depositou através da descoberta desta vocação. Eu peço as orações de todas as pessoas para que eu possa me manter firme neste propósito de servir a Deus através da Igreja. Quero que todos esperem de mim, um grande esforço para imitar Cristo. A tarefa é árdua, eu sei muito bem, mas estou disposto a fazer de tudo para representar com muito amor este Cristo presente, este Cristo humano que vai ao encontro das pessoas a qualquer momento, em qualquer lugar”, disse padre André. Padre Valdecir Badzinski, pároco em Pinhão, expressou que o momento é muito importante para a Igreja, mas, sobretudo, para aquela comunidade e região. Segundo ele, acolher, pela primeira vez a ordenação de um “filho da terra” é sinônimo de alegria, de doação e de partilha. Conforme destaca, os frutos estão sendo colhidos em seu melhor momento. “Para nós, enquanto Igreja, enquanto comunidade é motivo de júbilo, de felicidade e de muitas alegrias o dia de hoje. Nossa paróquia já acolheu outras ordenações, mas nunca de um filho da terra, de alguém que foi nascido e criado aqui. Hoje, o padre André chega para somar forças em resposta a este chamado missionário que ele aceitou. O momento desta ordenação não podia ser mais oportuno. Vivemos, em nossa diocese, o Ano Jubilar, pelos seus cinquenta anos e a chegada de mais um irmão padre é um verdadeiro presente para todos nós. Padre André agora tem uma família muito grande, ele pertence à Igreja. Não há felicidade maior do que esta”; exclamou o pároco. Depois da cerimônia de ordenação, os presentes participaram de um jantar no salão paroquial, oferecido pela comunidade em comemoração ao momento considerado ímpar.

“O zelo por tua casa me consome” (Jo 2,17)

SOBRE PADRE ANDRÉ André Ricardo Santos Lima nasceu em Pinhão, Paraná, no dia 18 de abril de 1987. É filho de José Jalir de Lima e Marilene Pinto dos Santos. Foi batizado na paróquia Divino Espírito Santo, em Pinhão, no dia 23 de agosto de 1987. Na adolescência, entrou para o Seminário Diocesano Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava e cumpriu seus estudos, passando pelas cidades de Cascavel e Francisco Beltrão. Foi ordenado diácono no dia 05 de março de 2016, na catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava, em uma cerimônia presidida pelo bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva. Sua ordenação sacerdotal foi realizada no dia 19 de novembro de 2016, na paróquia Divino Espírito Santo, em Pinhão, sua cidade natal. Dom Wagner, também nesta ocasião, foi quem presidiu a cerimônia e concedeu a ordem sacerdotal ao presbítero. Atualmente, padre André trabalha na paróquia São Pedro Apóstolo, no município de Nova Tebas e exerce as funções de vigário.

Jovens da diocese de Guarapuava celebram 30ª edição do DNJ Celebração da 30ª edição do DNJ (Dia Nacional da Juventude) reúne centenas em Guarapuava. Centenas de jovens de diversas paróquias e comunidades da diocese de Guarapuava celebraram, no último dia 27 de novembro, a trigésima edição do DNJ (Dia Nacional da Juventude). O evento que foi realizado no ginásio de esportes da Fundação Social e Cultural de Guarapuava, no bairro Morro Alto, contou com celebrações e atrações que mostraram o trabalho desenvolvido em favor do jovem tanto em nível nacional quanto em nível local. Com o tema “Juventude e nossa casa comum”, as atividades começaram às 09 horas da manhã, com a acolhida da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida, que passou por todas as paróquias da diocese e retornou à Catedral Nossa Senhora de Belém, na manhã do último dia 25 de novembro.

Às 09h30, a banda Há Poder de Deus animou o evento para a acolhida dos jovens que se disseram felizes por poderem participar daquele momento importante para a diocese e também para o país, pelos trinta anos de existência do DNJ. Uma missa presidida pelo bispo diocesano Dom Antônio Wagner da Silva, com a participação dos padres Itamar Abreu Turco, coordenador da Ação Evangelizadora e de João Inácio Koling às 10 horas da manhã, emocionou aos presentes que tiveram a oportunidade de refletir sobre o papel e a caminhada do jovem em dias atuais, bem como suas dificuldades em meio à sociedade e à época em que vivem. Depois da celebração, a Banda Há Poder de Deus continuou com a animação até às 11h30, quando o vigário da Catedral Nossa Senhora de Belém, padre

Jean Patrik Soares proferiu a palestra “Jovem, protagonista do agora”. Ao meio dia, os presentes participaram de um almoço e, às 13 horas, a Banda Efésios VI realizou um show musical. Meia hora mais tarde, às 13h30, o frei

Bernardo Luz, discorreu sobre o tema: “Juventude e nossa casa comum”. No decorrer da tarde, animação, e debate sobre a Rota 300, show musical e bênção de envio encerraram os trabalhos.


11

Dezembro - 2016

Decanato Laranjeiras

Laranjeiras do Sul • Quedas do Iguaçu • Espigão Alto do Iguaçu • Nova Laranjeiras Marquinho • Rio Bonito do Iguaçu • Porto Barreiro • Virmond • Cantagalo

Visitas a dizimistas e curso de batismo foram destaques na paróquia de Virmond

Decanato Laranjeiras realiza terceira etapa da Peregrinação da Misericórdia

Todos os meses uma família é sorteada e recebe a vista da Pastoral do Dízimo em Virmond.

A peregrinação encerra as atividades do Jubileu Extraordinário da Misericórdia proposto pelo Papa Francisco.

DÍZIMO

A família de Liliane Aparecida Machado recebeu a visita da Pastoral do Dízimo em Virmond no mês de outubro. Todos os meses, um sorteio é realizado na paróquia e o dizimista contemplado recebe a visita dos representantes da Pastoral que, juntamente com a família, fazem oração e entregam um presente em resposta à fidelidade do compromisso assumido para com a Igreja. “São sempre momentos de muitas alegrias para todos. É maravilhoso compartilhar com as famílias a graça de ser dizimista e de contribuir diretamente para manutenção da Igreja”, destaca a Pastoral em nota. No mês de novembro, as famílias de Eliandro Pilarski e Rafael Komineck Kudelsk também receberam as visitas da Pastoral do Dizimo. O momento, conforme destacam os visitantes, foi de muita alegria, oração e agradecimento pela

partilha. “Nós, da Pastoral do Dízimo, agradecemos de coração, a todos de nossa comunidade que devolvem em forma de gesto concreto o que foi dado por Deus. Dízimo é vivência e partilha”, destacam os integrantes em nota.

CURSO DE BATISMO

Também no mês de outubro, a paróquia Nossa Senhora do Monte Claro, em Virmond realizou o curso de preparação para o batismo. O evento visa preparar pais e padrinhos para o sacramento. De acordo com a Pastoral da Comunicação (Pascom), a participação de pessoas da comunidade foi intensa. “A participação da comunidade no curso de preparação para o batismo foi intensa. O objetivo é sempre mostrar aos pais e padrinhos o valor deste sacramento, (que é o primeiro que a criança recebe), para sua vida religiosa”, grifa a Pascom em nota.

Paróquia de Virmond recebe imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida A imagem foi recepcionada na Matriz, Nossa Senhora do Monte Claro, na noite de quarta-feira, dia 16 de novembro. Para receber a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, que chegou à diocese de Guarapuava no último dia 05 de setembro e que passará por todos os decanatos, a paróquia Nossa Senhora do Monte Claro, em Virmond preparou uma celebração especial para a ocasião. Na quarta-feira, dia 16, às 19 horas, houve uma missa de recepção da imagem. Os responsáveis pela liturgia foram os integrantes da Renovação Carismática Católica (RCC). Na quinta-feira, dia 17, uma peregrinação da imagem por diversos locais da cidade foi ponto marcante para toda a paróquia. Os trabalhos de evangelização começaram às 07h30 e terminaram às 20 horas, com a reza do terço e louvor na Praça Municipal. Na sexta-feira, dia 18, a peregrinação foi pelos bairros da cidade até ao meio dia e meia, quando houve uma celebração na Matriz. À tarde, a imagem foi levada em procissão e caravana às capelas do

interior do município. Às 17h30, depois da missa, também na Matriz, a imagem foi entregue à paróquia Sant’Ana, em Laranjeiras do Sul e de lá, prosseguiu com a peregrinação.

Coordenada por Tereza Cionek Grzybowski e Elizete da Aparecida Toledo, ambas moradores de Laranjeiras do Sul, foi realizada, nos dias 05 e 06 de novembro, a terceira e última etapa da Peregrinação da Misericórdia. Na manhã do dia 05, os peregrinos se reuniram na Praça do Cristo, em Laranjeiras do Sul. De lá, seguiram de ônibus até Marquinho, e foram recepcionados na paróquia Imaculado Coração de Maria. Junto ao pároco, padre Piotr Pochopień, os visitantes rezaram pelas relíquias de Santa Irmã Faustina e tomaram o café da manhã. Depois, os integrantes do grupo rezaram no cemitério municipal. De Marquinho, os peregrinos seguiram para Palmital rezaram na Matriz Imaculada Conceição. Houve momento de veneração da Santa Cruz e reflexões sobre as marcas do pecado e adoração ao Santíssimo. A terceira parada foi na paróquia Santa Maria Imaculada Conceição em Santa Maria do Oeste. Lá, os peregrinos almoçaram e participaram de um momento de partilha sobre a Terra da Misericórdia. A paróquia Senhor Bom Jesus, em Cândido de Abreu e a comunidade da Serra da Laranjeira, em Reserva, também receberam visitas dos peregrinos no sábado. Em Reserva, houve celebração e confissões. Famílias da cidade ofereceram pernoite aos viajantes. Na madrugada de domingo, os peregrinos seguiram para a paróquia São Sebastião e Santuário Diocesano Nossa Senhora Aparecida em Ponta Grossa, onde passaram pela Porta Santa e

pediram indulgências por seus pecados e também pelos pecados dos mortos. O grupo partiu rumo a Curitiba e lá, todos repetiram o ato de passar pela Porta Santa da Misericórdia. Da capital do Estado, os peregrinos retornaram, passando mais uma vez pela cidade de Ponta Grossa, onde participaram de celebração e bênção apostólica. Depois de um lanche, a caravana retornou para a região central do Estado. As atividades foram encerradas na paróquia Nossa Senhora do Monte Claro, em Virmond. Houve jantar e momentos de descontração, de acordo com os organizadores.

SOBRE O ANO DA MISERICÓRDIA O Ano Santo ou Jubilar acontece de forma ordinária na Igreja Católica a cada vinte e cinco anos. No entanto, o Papa Francisco anunciou um Jubileu Extraordinário da Misericórdia para o período de 08 de dezembro de 2015 a 20 de novembro de 2016. Na diocese de Guarapuava, o Ano Santo da Misericórdia se encerra no dia 18 de dezembro, por ocasião das conclusões das atividades em comemoração aos cinquenta anos de fundação da diocese. Com informações de Elizete da Aparecida Toledo Fotos: Cristiane Ferreira dos Santos e Adelia Grzybowski


12

Dezembro - 2016

Pinhão • Prudentópolis • Entre Rios • Foz do Jordão • Candói • Inácio Martins Palmeirinha • Turvo • Reserva do Iguaçu • Campina do Simão • Goioxim

Decanato Pinhão

Paróquia de Campina do Simão Celebra Festa da Padroeira

Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Turvo, divulga atividades do último mês

O evento foi realizado no último dia 16 de outubro com grande participação da comunidade, de acordo com pároco.

Crianças da comunidade de Ilha das Flores, em Turvo, receberam a Primeira Eucaristia em outubro. O acesso ao local é por meio de uma balsa improvisada.

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida em Campina do Simão celebrou a Festa da Padroeira no último dia 16 de outubro. O evento foi comemorado quatro dias depois do dia oficial, que é celebrado em 12 de outubro por adequação de data. Dia 16 de outubro foi um domingo e isto deu tempo para que a comunidade se preparasse para o momento que é considerado importante e representativo. Pela manhã, um grupo de tropeiros chegou com a imagem da padroeira que havia percorrido todas as comunidades do interior do município em romaria. Houve missa com a presença das imagens dos padroeiros das capelas que chegaram também pela manhã. A participação da comunidade foi maciça, conforme contou o pároco, padre Reinaldo Cardoso da Congregação Sociedade do Verbo Divino (SVD). “A participação de nossa comunidade naquele momento

importante foi intensa e verdadeira. Celebramos e festejamos com gratidão a festa de nossa padroeira. A presença das crianças alegrou ainda mais o nosso dia. Contamos também com visitantes devotos de outras regiões que fizeram questão de celebrar conosco. Estas participações deixaram o dia mais animado e festivo. Nossa gratidão a todos os que estiveram presentes. Que Nossa Senhora Aparecida abençoe a todos”, agradeceu o pároco.

Comunidade de Passo da Reserva em preparação para mais uma edição de sua festa O evento começa no dia 10 de dezembro com a segunda edição da Tropeada Passo da Fé. No dia 11, a festa começa às 09 horas, com a oração do Terço. A comunidade de Passo da Reserva, em Reserva do Iguaçu, prepara mais uma edição de sua Festa Anual. Este ano, o evento será realizado no dia 11 de dezembro. No sábado, dia 10, será realizada a segunda edição da Tropeada da Fé, que foi um sucesso no ano passado, segundo o pároco da paróquia Nossa Senhora de Belém, local ao qual a comunidade pertence, padre Elizeu Nahm. Os tropeiros, levando a imagem de Nossa Senhora Aparecida, pernoitam na Estância Tapera e prosseguem no domingo cedo, às 07 horas. Enquanto isso, no Santuário, às 09 horas, haverá a oração do terço. Às 09h30, a comunidade acolhe os romeiros e também os tropeiros, numa grande festa. Às 10 horas, uma missa será celebrada. Ao meio dia, será servido o

almoço e, às 13h30 terá início a um show musical com o grupo Estância Divina. Às 15 horas, como em anos anteriores, será celebrada “A Hora da Misericórdia”, um momento de oração e devoção à padroeira do Brasil e também daquela comunidade, Nossa Senhora Aparecida. Depois, a festa prossegue até o início da noite.

SERVIÇO Conforme determinação do Regional Sul 2 da CNBB e também da diocese de Guarapuava, não será permitido comercializar nem consumir bebida alcoólica durante a festa. Para os proprietários de animais que participarão da tropeada, será exigida a Guia de Trânsito Animal (GTA), emitida pela Secretaria Estadual de Agricultura. Mais informações sobre o evento poderão ser obtidas pelo telefone 42 3651-1167.

O Santuário do Passo da Reserva é um dos lugares de turismo religioso mais visitado do Paraná. Em dias de festa, caravanas de várias regiões chegam até o local que é repleto de belezas naturais e tem uma história fascinante. Muitos romeiros vão agradecer a Nossa Senhora Aparecida por graças alcançadas e outros, em procissão, renovam seus pedidos e votos de devoção à Virgem.

PRIMEIRA EUCARISTIA

No último dia 22 de outubro, poucas horas antes de deixar as atividades de pároco de Turvo, para trabalhar em Curitiba, o padre Daniel Willemann visitou três comunidades do interior do município, juntamente com as catequistas Soeli Aparecida Oliveira Medeiros e Elizangela Babiuk para ministrar a Primeira Comunhão às crianças. As comunidades visitadas no sábado, dia 22, foram Ivaí, Ilha das Flores e Passo Grande. No domingo, dia 23, como ainda permanecia na comunidade, depois de transferir as funções de pároco ao padre Jozef Tomazko, em uma missa presidida pelo bispo diocesano Dom Antônio Wagner da Silva, padre Daniel celebrou missa, também com a Primeira Comunhão, na comunidade de Carriel. Lá também ele foi acompanhado pelas duas catequistas. Conforme sublinhou Soeli, além da longa distância, por estradas de difícil acesso, a travessia do rio em uma balsa improvisada até a comunidade de Ilha das Flores representaram momentos emocionantes e requereu muita força de vontade e também coragem. A balsa, que foi projetada e construída pelo padre Luiz Grudznski em anos anteriores, é o único meio de transporte para se chegar até a ilha, pelo Rio Ivaí. “Apesar de todas as dificuldades, fomos agraciados com muitas bênçãos e proteção divina. Visitar as comunidades do interior e levar os sacramentos às pessoas é um trabalho de evangelização e, por isso, muito gratificante”, destaca Soeli. Moradores do local ressaltam que se não fosse a iniciativa do sacerdote em construir a balsa improvisada com tambores de plástico, sair do lugar seria praticamente impossível.

MISSA DE FINADOS

Devido à chuva, no último dia 02 de novembro, a missa de finados que seria realizada no Cemitério Municipal de Turvo, precisou ser transferida para a Igreja Matriz, Nossa Senhora Aparecida. O padre Luiz Antonio Buckta, que trabalha em Curitiba, foi o celebrante do dia. De acordo com a Pastoral da Comunicação (Pascom), a igreja ficou lotada e o fato de não haver missa no cemitério, não prejudicou em nada a participação das pessoas da comunidade que aproveitaram o Dia de Finados para proferir preces aos mortos e acender velas em sua homenagem.

APOSTOLADO DA ORAÇÃO

No último dia 06 de novembro, o Movimento Apostolado da Oração da paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Turvo, promoveu um encontro com os integrantes do grupo. A reunião, que será realizada todos os meses, serve para discutir os trabalhos desenvolvidos junto às famílias da comunidade e também para reforçar o compromisso em se tratando de orações em prol das pessoas que mais precisam. Ademar Tonon, membro do Apostolado da Oração em Turvo, contou que dentre as principais atividades desenvolvidas pelos participantes, as visitas às famílias são as que merecem destaque. “Levar Jesus até as pessoas através da Palavra é algo que fazemos com muito amor. Através destas visitas, muitas famílias são restauradas. Considero este trabalho uma verdadeira bênção. Quem se sentir tocado e motivado a participar do Apostolado da Oração em nossa paróquia, será muito bem-vindo. É só procurar um dos membros e começara a trabalhar”, grifa Ademar.

Veja as notícias da diocese no site:

www.diopuava.org.br


13

Dezembro - 2016

Decanato Pitanga

Pitanga • Palmital • Barra Santa Salete • Cândido de Abreu • Rosário do Ivaí • Nova Tebas • Mato Rico Altamira do Paraná • Santa Maria D’Oeste • Laranjal • Boa Ventura de São Roque • Rio Branco do Ivaí • Manoel Ribas

Paróquia Sant’Ana em Pitanga realiza primeira edição do “Encontrão da Juventude com Cristo” Início de novas amizades; troca de experiências, além da percepção da vivência entre as pessoas, foram tratadas durante o evento que se repetirá no próximo ano, de acordo com os organizadores. Com o tema “Jovens, já não vos chamo só de servos, mas também de amigos” (Jo, 15,15), a Pastoral Juvenil da paróquia Sant’Ana, em Pitanga, promoveu o “Encontrão da Juventude com Cristo (EJC)”, no último dia 22 de outubro. O evento que reuniu dezenas de jovens da região foi realizado na comunidade Parque São Basílio, capela Nossa Senhora Aparecida, naquela cidade. Esta foi a primeira edição do encontro que visou a interação dos participantes e também permitiu traçar novos rumos enquanto juventude para os próximos períodos.

SOBRE O EVENTO

O EJC, segundo a coordenação, tem como objetivo a integração dos jovens através da vocação em suas comunidades, contribuindo assim, para formação cristã e o encorajamento em relação aos desafios enfrentados todos os dias. “O alvo principal do encontro foram os jovens que já estão integrados nas atividades da paróquia. Durante o evento, foi procurado despertá-los para sua verdadeira vocação de cristão. Isto contribuiu para sua formação e encorajamento, sem desconsiderar o engajamento comunitário e social”, destaca a Pastoral da Comunicação (Pascom) em nota. Durante o EJC, também houve espaço para preparo individual para o “enfrentamento dos males modernos da juventude, como: drogas, conflitos na

convivência familiar, além de outros males que assolam as pessoas”. “Este encontro, permitiu ainda, que os jovens de nossos dias tenham a oportunidade de parar para rever seus valores e princípios, face às transformações previstas para o novo milênio. Como se trata de um encontro com Cristo, os valores pessoais serão confrontados com os valores do Evangelho. O termo ‘Encontro’ sugere também uma oportunidade do jovem reencontrar consigo mesmo, com o próximo e com Deus. O EJC é um caminho que procura construir uma consciência livre, porém madura”, redarguiu a Pascom. Início de novas amizades; troca de experiências, além da percepção da vivência entre as pessoas, foram tratadas durante o evento que se repetirá no próximo ano, de acordo com os organizadores.

Grupo de Jovens de Pitanga promove o primeiro “Avivamento Jovem 2016” A intenção dos organizadores do encontro, foi unir as pessoas e promover a animação dos jovens.

Paróquia de Pitanguinha destaca trabalhos junto à comunidade Curso de oratória, encontro de formação de coroinhas, “Missa Explicada” e projeto “Cinema da Família”, foram destaques na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Pitanga.

COROINHAS PARTICIPAM DE ENCONTRO DE FORMAÇÃO

A capela Santa Bárbara, em Pitanga, acolheu, no dia 30 de outubro, o Encontro de Coroinhas da paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, do bairro Pitanguinha, em Pitanga. Dezenas de crianças que atuam como coroinhas na Matriz e também nas comunidades, participaram de momentos de formação litúrgica e também de gincana com brincadeiras e competições educativas. O pároco daquela comunidade, padre Gilson José Dembinski e a coordenadora da catequese na paróquia, Salete Lukachevski foram os assessores dos trabalhos. O encontro de formação também contou com a participação de membros da Pastoral Familiar na condução das tarefas. “Foi um momento enriquecedor para todos os nossos coroinhas. Eles aprenderam sobre a importância de seus trabalhos para a celebração da missa”, destaca Salete.

ORATÓRIA E COMUNICAÇÃO

O Grupo de Jovens Sentinelas da Manhã, da paróquia Sant’Ana, em Pitanga, promoveu um retiro no último dia 30 de outubro. O evento intitulado Avivamento Jovem 2016, foi realizado no salão paroquial e teve por objetivo promover o louvor. Na ocasião, houve pregação,

apresentações de música e de teatro e também adoração. O evento foi encerrado com uma missa. Para a coordenação do encontro, a intenção do trabalho foi reanimar os jovens que haviam participado da primeira e segunda edições do Retiro de Jovens Noite de Louvor, também na paróquia Sant’Ana.

A paróquia Perpétuo Socorro, em Pitanga, em parceria com as psicoterapeutas Rosa Hanquel e Rosenilda Euzebio, promoveram, nos dias 29 e 30 de outubro, o curso de Oratória e Comunicação. Os trabalhos, segundo os organizadores, tiveram por objetivo preparar e orientar pessoas que exercem funções de lideranças nas comunidades para que priorizem a boa comunicação. Práticas de oratória e leitura em público, entonação de voz e exercícios para vencer a timidez, fizeram parte dos dois dias de trabalho. “Os presentes contaram com muitos exercícios, dicas e orientações sobre a comunicação nas comunidades. Foram momentos de muito trabalho, mas também de alegrias e comprometimento para com a comunicação na Igreja”, sublinha e Pastoral da Comunicação (Pascom) em nota.

“MISSA EXPLICADA”

No dia 02 de outubro, Dia de Finados, pela manhã, a paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Pitanga, promoveu uma missa com explicações detalhadas sobre todos os pontos de uma celebração. O pároco daquela comunidade, padre Gilson José Dembinski, e a freira da congregação Irmãs da Caridade Social, Laura Marcelino, foram os responsáveis pelos trabalhos durante a missa. Na ocasião, os presentes puderam entender sobre o significado de cada momento da missa e foram conscientizados de como proceder juntamente com a comunidade em se tratando dos mistérios celebrativos. “Foi um momento de orientação e conscientização para a comunidade sobre a riqueza da Santa Missa. Na ocasião, as pessoas puderam tirar suas dúvidas e também entender sobre o mistério celebrado”, conta padre Gilson.

CINEMA DA FAMÍLIA

A Pastoral Familiar da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Pitanga segue com a proposta de evangelização através do cinema. Atualmente, o projeto “Cinema para Família” é destaque na comunidade. O objetivo do trabalho é unir as pessoas em torno de uma história cinematográfica e promover reflexões sobre os diversos temas, com foco especial, para os assuntos em família. No dia 29 de outubro, dezenas de pessoas lotaram o salão paroquial e, em unidade, assistiram ao filme “A Travessia da Serra que Chora”. O filme, conforme destaca a Pastoral da Família, mostra uma história de amor, fé e superação. Nos próximos meses, os filmes continuarão a ser exibidos nas comunidades do interior.


14

DECANATO PITANGA

Dezembro - 2016

ALTAMIRA DO PARANÁ: Paróquia Nossa Senhora Aparecida divulga atividades do mês Visita pastoral, recepção da imagem peregrina, encerramento do Ano Santo da Misericórdia e Festa de Cristo Rei, foram algumas das atividades desenvolvidas pela paróquia.

DOM WAGNER EM VISITA PASTORAL

No último dia 30 de outubro, a paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Altamira do Paraná, recebeu a visita do bispo da diocese de Guarapuava, Dom Antônio Wagner da Silva. As passagens pelas paróquias da diocese fazem parte do projeto Visita Pastoral, previsto em planejamento da instituição. Na ocasião, Dom Wagner presidiu uma missa às 09 horas da manhã, na Matriz. Depois da celebração, o bispo conversou com coordenadores e lideranças locais sobre os trabalhos que vêm sendo desenvolvidos e também sobre novos projetos pastorais para o próximo ano. A reunião com a presença de Dom Wagner seguiu até o meio dia. A importância da missão do catequista que continuamente está em contato com crianças, adolescentes e jovens tendo a possibilidade de formar uma boa consciência cristã, fizeram parte da conversa promovida pelo bispo. Depois da reunião, a comunidade ofereceu um almoço aos participantes. Coordenadores das Pastorais e Movimentos tiveram a oportunidade de conversar com Dom Wagner na parte da tarde. A Pastoral da Comunicação (Pascom) apresentou o museu Padre

Vitor Coelho, entidade que foi restaurada e reinaugurada no dia 27 de julho deste ano e que conta a história do município e da região através da exposição e conservação das peças.

PARÓQUIA ACOLHE IMAGEM JUBILAR

De 28 a 30 de outubro, a paróquia de Altamira do Paraná recebeu a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil e também daquela comunidade. A peregrinação da imagem faz parte das comemorações dos trezentos anos de encontro da mesma no rio Paraíba do Sul, em São Paulo e também celebram os cinquenta anos de fundação da diocese de Guarapuava. Houve festa de acolhida, celebração, vigília e bênção das chaves das residências e também das empresas da cidade. Padre Érico Gabriel Gurkowski, que até então trabalhava com pároco da paróquia Santo Antônio de Pádua, em Mato Rico e que agora trabalha como missionário em Mato Grosso, na Prelazia de São Félix do Xingu, foi quem presidiu a primeira missa do tríduo que celebrou a chegada da padroeira na cidade. No sábado, 29, durante o dia, a imagem visitou as comunidades de Rio Achado e Rio Laranjal que têm Nossa Senhora Aparecida como padroeira.

Às 19h30, padre Paulo Fernando Francini, pároco local, presidiu a segunda missa do tríduo com a benção do Sal. Encerrando o tríduo, às 09 horas de domingo, o bispo da diocese de Guarapuava, Dom Antonio Wagner da Silva, presidiu a missa. Na ocasião houve bênção das rosas que foram distribuídas às pessoas. À tarde, às 16h30, a reza do terço mariano encerrou a peregrinação da imagem em Altamira do Paraná. A paróquia Imaculada Conceição, da cidade de Palmital, foi a próxima comunidade a receber a visita da imagem peregrina da padroeira do Brasil. Foram momentos especiais para as comunidades, conforme destacou a Pastoral da comunicação (Pascom), em nota.

ANO SANTO DA MISERICÓRDIA O Movimento “Mães que oram pelos filhos” de Altamira do Paraná promoveu uma caminhada de oração às 18 hroas do último dia 18 de novembro. A passeata que reuniu dezenas de pessoas percorreu a avenida principal da cidade. Na ocasião, se rezou em agradecimento pelo Ano Santo da Misericórdia e em prol das famílias.

PASTORAL DA PESSOA IDOSA

Realizou-se, nos dias 19 e 20 de novembro, a segunda etapa de formação para agentes da Pastoral da Pessoa Idosa. Rozilda Lemes do Nascimento, coordenadora nacional da Pastoral, conduziu os trabalhos. Integrantes da Pastoral da Pessoa Idodas da paróquia São Luiz Gonzaga, em Guarapuava também colaboraram com nas atividades. A próxima etapa de formação e envio da equipe paroquial será em março de 2017.

CRISTO REI

No último dia 20 de novembro, a paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Altamira do Paraná, celebrou o Dia de Cristo Rei. Na ocasião, também foi lembrado o encerramento do Ano Santo da Misericórdia e o dia dos Leigos. O destaque foi para a Pastoral da Criança, que comemorou trinta anos de presença na diocese e cinco de reativação na paróquia. Na ocasião a coordenadora Miuza Rainha de Oliveira agradeceu a todos os padrinhos que doam os alimentos para a celebração da vida e também à comunidade que participa de campanhas caritativas, além de lideres e produtores de brinquedos, responsáveis pela alegria das crianças nos encontros da Pastoral.


Círculos Bíblicos

Dezembro - 2016

15

1º ENCONTRO - Lucas 5,17-26 - Jesus cura um paralítico Acolhida • Boas vindas • Canto Animador – Mais uma vez nos encontramos para celebrar o Círculo Bíblico. A Bíblia ilumina nossos passos e nos fortalece na caminhada para sermos solidários com os enfermos e sofredores. Confiantes, invoquemos a presença de Deus em nosso meio. a) Rezando com a Bíblia (Is 61,1-3) Animador – O Espírito do Senhor repousa sobre mim, porque o Senhor consagrou-me pela unção; enviou-me a levar a boa-nova aos humildes, a curar os corações doloridos, a anunciar aos cativos a redenção, e aos prisioneiros a liberdade. Todos – O Espírito do Senhor repousa sobre mim. Animador – Me enviou a proclamar um ano de graças da parte do Senhor, e um dia do juízo de Deus; a consolar os aflitos; a dar-lhes um diadema em vez de cinzas. Todos – O Espírito do Senhor repousa sobre mim. Animador – Para dar o óleo da alegria em vez de vestido de luto, cânticos de glória em vez de desespero. Então os chamarão de azinheiras da justiça, plantadas pelo Senhor para sua glória. Todos – O Espírito do Senhor repousa sobre mim. b) Aprendendo com a Bíblia Leitor 1 – Conforme ensina o trecho do Evangelho de hoje, Jesus se faz solidário e se compadece com o paralítico que sofre. A doença do paralítico era incurável. Mas Jesus se faz solidário e o liberta da paralisia que o impedia de andar. Leitor 2 – Após afastar a doença do paralítico Jesus perdoa seus pecados. Os fariseus e doutores da lei se

alvoroçam e acusam Jesus de blasfêmia. No entanto Jesus mostra sua misericórdia, acolhendo e libertando as pessoas. c) Revendo nossa vida Leitor 1 – Jesus cura o paralítico e perdoa seus pecados. No perdão Jesus acolhe e integra na comunidade, aquele que era deixado de lado. 1. Na nossa comunidade como os doentes são tratados? São acolhidos com misericórdia por nós ou são alvos de críticas? Resposta: Muitas pessoas, entre eles ministros extraordinários da comunhão, e agentes de pastorais e movimentos se dedicam a acompanhar os enfermos. Todos nós batizados somos chamados a seguir o exemplo de Jesus. 2. Na nossa comunidade agimos conforme o exemplo de Jesus que acolhe ou como os fariseus que apenas se limitam a condenar? Resposta: Às vezes agimos como fariseus, condenando. No entanto, em Jesus temos o exemplo. Ele estende a mão: perdoa e acolhe. d) A palavra de Deus ilumina • Canto de aclamação a Palavra de Deus • O leitor proclama a leitura bíblica: Lc 5,17-26 e) Apreendendo a Bíblia com a leitura orante (Se desejar o animador pode colocar uma musica de fundo para cada um dos 4 passos da leitura orante, orientada) • 1º Leitura do texto: Ler o texto uma segunda vez, com bastante calma. Em seguida, tempo livre para repetir espontaneamente alguma frase que mais chamou atenção na leitura.

• 2º Meditação: O que o texto me diz? Meditar por alguns minutos buscando ver o que o texto sugere para mim de concreto, hoje. • 3º Contemplação: Ver a realidade com os olhos de Deus. Buscar perceber o agir de Deus e o que ele me ensina para vida. • 4º Ação: O que farei de concreto na vida? Buscar entender como é possível e em quais situações da minha vida devo aplicar essa palavra. (Se o grupo desejar pode partilhar a leitura orante, contudo sem tratar de coisas paralelas ou assuntos que fogem da leitura). f) Súplicas a Deus O animador motiva as preces espontaneamente, e depois conclui com as orações. (Em base no texto proclamado apresentar os pedidos a Deus). Oração: Pai Nosso... Ave Maria... Glória ao Pai... Comunicados • Aniversariantes • Próximo encontro g) Oração missionária Todos – Pai Nosso, Senhor da vida e do amor, enviaste o vosso filho para nos libertar das forças da morte e conduzir-nos no caminho da esperança. Movei-nos pelo dom do vosso Espírito! Fazei-nos discípulos e discípulas comprometidos com o anúncio do Evangelho em nossa Diocese. Fazei-nos missionários e missionárias, caminhando ao encontro de nossos irmãos e irmãs, acolhendo a todos com alegria; sobretudo, os jovens, os afastados, os pobres e os marginalizados. Senhora de Belém, intercedei junto ao vosso filho Jesus Cristo, para que sejamos fiéis ao nosso compromisso de discípulos e discípulas missionários. Amém!

2º ENCONTRO - Lucas 5,27-31 - O chamado de Levi Acolhida • Boas vindas • Canto Animador – Bem vindos irmãos e irmãs. No Círculo Bíblico de hoje iremos refletir sobre o chamado que Jesus faz a Levi. Participemos com amor e fé esse círculo de fé e amor à Bíblia Sagrada. Iniciemos com o sinal da fé. Todos - Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém a) Rezando com a Bíblia (Is 61,1-3) Animador – O Espírito do Senhor repousa sobre mim, porque o Senhor consagrou-me pela unção; enviou-me a levar a boa-nova aos humildes, a curar os corações doloridos, a anunciar aos cativos a redenção, e aos prisioneiros a liberdade. Todos – O Espírito do Senhor repousa sobre mim. Animador – Me enviou a proclamar um ano de graças da parte do Senhor, e um dia do juízo de Deus; a consolar os aflitos; a dar-lhes um diadema em vez de cinzas. Todos – O Espírito do Senhor repousa sobre mim. Animador – Para dar o óleo da alegria em vez de vestido de luto, cânticos de glória em vez de desespero. Então os chamarão de azinheiras da justiça, plantadas pelo Senhor para sua glória. Todos – O Espírito do Senhor repousa sobre mim. b) Aprendendo com a Bíblia Leitor 1 – Na época de Jesus os fariseus se apresentavam como um grupo de judeus zelosos para com a lei de Moisés e controladores da religião. Uma coisa falta em suas vidas a misericórdia. A atitude de fidelidade desse grupo muitas vezes os levava, ao desprezo dos pecadores e pessoas de má vida. Leitor 2 – Levi (Mateus) era um cobrador de impostos, que acolheu Jesus em sua casa com uma refeição. A idéia corrente na época era que uma pessoa de bem não se

mistura com pecadores. Jesus quebra regra, porque entende que a pessoa pode superar seus pecados e defeitos quando é acolhida e valorizada. Pela boa acolhida de Jesus Levi se tronou um dos 12 apóstolos, conhecido como Mateus. c) Revendo nossa vida Leitor 1 – Ao fazer a refeição na casa do cobrador Levi Jesus resgata sua dignidade e da uma chance para esse homem sair do seu pecado. 1. Já me senti algumas vez como esse pecador, desprezado pelas pessoas? Quando isso aconteceu busquei a força de Jesus para se levantar? Resposta: Nem sempre abrimos o coração como Levi para sair do pecado. Somos convidados a seguir o exemplo de Levi que se abre a Deus para sua vida ser transformada. 2. Como costumo agir em relação as pessoas e seus eventuais defeitos? Costumo valorizar a pessoa e ajudar ou me limito a atacar e criticas maldosamente? Resposta: Existem iniciativas que buscam tirar as pessoas da situação de pecado ou de sofrimento: casas de recuperação, pastorais sociais e outras iniciativas. Podemos fazer nossa parte ajudando financeiramente essas iniciativas, ou mesmo fazendo algum trabalho pastoral na comunidade. d) A palavra de Deus ilumina • Canto de aclamação a Palavra de Deus • O leitor proclama a leitura bíblica: 5,27-31 e) Apreendendo com a leitura orante (Se desejar o animador pode colocar uma musica de fundo para cada um dos 4 passos da leitura orante, orientada) • 1º Leitura do texto: Ler o texto uma segunda vez, com bastante calma. Em seguida, tempo livre para repetir espontaneamente alguma frase que mais chamou atenção na leitura

• 2º Meditação: O que o texto me diz? Meditar por alguns minutos buscando ver o que o texto sugere para mim de concreto, hoje. • 3º Contemplação: Ver a realidade com os olhos de Deus. Buscar perceber o agir de Deus e o que ele me ensina para vida. • 4º Ação: O que farei de concreto na vida? Buscar entender como é possível e em quais situações da minha vida devo aplicar essa palavra. (Se o grupo desejar pode partilhar a leitura orante, contudo sem tratar de coisas paralelas ou assuntos que fogem da leitura). f) Súplicas a Deus O animador motiva as preces espontaneamente (o texto nos levar a rezar, por isso as preces devem estar em sintonia com o evangelho). Conclui com as orações: Pai Nosso... Ave Maria... Glória ao Pai... Comunicados • Aniversariantes • Próximo encontro g) Oração missionária Todos – Pai Nosso, Senhor da vida e do amor, enviaste o vosso filho para nos libertar das forças da morte e conduzir-nos no caminho da esperança. Movei-nos pelo dom do vosso Espírito! Fazei-nos discípulos e discípulas comprometidos com o anúncio do Evangelho em nossa Diocese. Fazei-nos missionários e missionárias, caminhando ao encontro de nossos irmãos e irmãs, acolhendo a todos com alegria; sobretudo, os jovens, os afastados, os pobres e os marginalizados. Senhora de Belém, intercedei junto ao vosso filho Jesus Cristo, para que sejamos fiéis ao nosso compromisso de discípulos e discípulas missionários. Amém!

Pe. Gilson José Dembinski


16

Reflexões Dominicais

Dezembro - 2016

Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria

Solenidade da Epifania do Senhor

01 de janeiro de 2016

08 de janeiro de 2016

Nm 6, 22-27 | Gl 4, 4-7 | Lc 2, 16-21

Is 60, 1-6 | Ef 3, 2-3a.5-6 | Mt 2, 11-12

Hoje a liturgia celebra a festa de Maria Santíssima Mãe de Deus. Nós nos achegamos a ela hoje com os sentimentos de quem se aproxima de uma mulher que há poucos dias gerou o seu primogênito. Duas coisas, porém, distinguem nossa homenagem a Maria acima de qualquer homenagem humana. Aquele a quem ela deu à luz é o Filho de Deus. Ela é, portanto, verdadeira Mãe de Deus: Theotokos, como dizem os cristãos ortodoxos. A Igreja definiu esta verdade num de seus primeiros concílios ecumênicos: aquele que teve lugar em Éfeso no ano de 431. Santo Inácio de Antioquia, um dos mais ilustres mártires da antiguidade cristã, chama a Jesus “o filho de Deus e de Maria”. Isto coloca Maria em um patamar altíssimo: nada mais e nada menos do que junto ao Pai Celeste. Mas a coloca, ao mesmo tempo, tão próxima de nós de modo a torná-la nossa mãe: a mãe da Igreja. O Jesus que ela gerou nos assumiu como irmãos; uniu-nos a si tão profundamente de modo a formar um só corpo; fezse nossa cabeça, mas também nosso irmão: primogênito entre uma multidão de irmãos, como o chama São Paulo (Rm 8,29). É aquilo que o apóstolo nos recordou com as palavras sublimes de sua carta aos gálatas que acabamos de ouvir há pouco: Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher [...] para que recebêssemos a sua adoção. No momento em que Jesus, em Maria, se torna filho do homem, nós, filhos dos homens, nos tornamos filhos de Deus. Uma vez que ele de filho se faz servo, nós que éramos servos nos tornamos filhos: Já não és mais escravo, mas filho, nos recordou São Paulo na mesma carta. É a admirável permuta, diante da qual se encanta hoje toda a Liturgia da Igreja. Dessa permuta, Maria foi “o lugar” e a mediadora. Tornados filhos de Deus por meio do Espírito, nós adquirimos o direito de usar também a linguagem e a confiança dos filhos em relação a Deus, chamando-o como Jesus: Abba! Pai nosso! O Verbo se faz carne Talvez devêssemos recordar-nos mais frequentemente deste nosso incrível e dulcíssimo direito; deveríamos imitar nosso irmão Jesus, o qual na angústia do horto das oliveiras, como no ímpeto da alegria, sempre se dirigia ao Pai: Pai, se é possível... Agradeço-te, ó Pai... Pai, em tuas mãos entrego meu espírito. Nossa vida cristã tem necessidade deste amplo respiro para não viver na tristeza e não definhar na aridez do formalismo. Se nós aprendermos a estruturar toda nossa vida cristã nesse relacionamento filial com o Pai, nele encontraremos a unidade de toda a fé; descobriremos a relação que nos une com cada uma das três pessoas divinas: nós vamos ao Pai por meio de Jesus Cristo, no Espírito Santo.

E vamos a ele não individualmente, ou até por grupos, mas como comunidade de pessoas salvas, como Igreja da qual Maria é a mãe, o modelo. Até aqui as reflexões sugeridas pela linda carta de São Paulo: “guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração”. “Todos esses fatos”. De que fatos se trata exatamente? As palavras e os acontecimentos daqueles dias. Tudo o que acontecera por ocasião do nascimento de Jesus. O Natal foi para ela algo que conservou no coração, que meditou: foi uma escola da fé. Por quantas vezes Maria talvez tenha voltado o pensamento àqueles fatos, “às coisas ditas pelos pastores”, para haurir deles luz e coragem durante aqueles trinta longos anos de Nazaré, anos de fadiga e silêncio. Porque – é importante sabê-lo – também Maria viveu de fé, cresceu na fé, foi provada na fé. E nesse crescimento na fé seu alimento foi, como é para nós, a Palavra de Deus. A Palavra de Deus nela se fez carne duas vezes: primeiro fisicamente, quando por nove meses ela o carregou no seio e o alimentou; depois se fez carne no resto de sua vida, no sentido de que cada um de seus gestos e cada momento tenha sido inspirado pela Palavra de Deus, que atuou com fidelidade. Maria é a Palavra de Deus feita silêncio. Ela fica silenciosa debaixo da Cruz e silenciosa no cenáculo. Nós não podemos imitá-la na primeira encarnação, mas podemos fazer isto na segunda. Podemos como ela “conceber o Verbo com a mente” (Santo Agostinho). Podemos, sim, acolher a Palavra, guardá-la no coração, torná-la “luz para os nossos passos”, alimento de nossa vida. Até merecer aquela bem -aventurança que o Senhor pronunciou um dia, por ocasião de uma visita de sua mãe: Bem-aventurados aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a observam (Lc 11,28). Maria Santíssima Mãe de Deus Terminemos voltando à ideia de permuta da qual falamos no início de nossa reflexão. À luz da festa de hoje, Maria apresenta-se como o dom maravilhoso que se trocaram, no Natal, Deus e o gênero humano. Nossos irmãos de rito bizantino assim falam a Jesus na festa de Natal: “O que podemos vos oferecer, ó Cristo, por vos terdes feito homem sobre a terra? Cada criatura vos apresenta o sinal do seu reconhecimento: os anjos, os seus cantos; os céus, a sua estrela; a terra, uma gruta; o deserto, um presépio. Mas nós vos oferecemos uma mãe virgem! ”. O gênero humano deu a Jesus, Maria, sua mais bela criatura, por mãe. E Jesus, no ocaso da vida, nos devolveu o presente, dando-nos Maria por nossa mãe: Filho, eis tua mãe.

Seminaristas: Everton Pavilaqui, Felipe Geraldo Madureira, Herick Rogger Pinchesk, Jacir dos Santos, Marinaldo Cheliga e Rodrigo Campanharo.

“CRISTO SE REVELA A TODOS OS POVOS” Celebramos neste domingo a Solenidade da Epifania do Senhor. Esta festa possui nome grego “epifania” e significa “manifestação”. Ou seja, celebramos o dia em que o Filho de Deus, encarnado se manifestou a outros povos da terra, representados pelos Magos do Oriente. Os magos vão a Jesus, o menino Deus, que recebe deles homenagem – os três presentes : ouro, incenso e mirra - e também adoração. Tudo isso nos faz compreender que se Cristo se revela a todos os povos, existe um apelo à unidade fundamental de toda a família humana, ou seja, a humanidade é um único povo e única família, à qual Deus se manifesta, à qual o Cristo vem oferecer a salvação. A primeira leitura é do livro do profeta Isaías, na qual Jerusalém é apresentada como a luz que se opõe às trevas, exatamente porque nela mora a glória de Deus, já que nela habita o Senhor. A presença do Senhor (representada pela sua habitação em Jerusalém), que é uma luz, unifica todos os povos. Mais ainda, esta presença atrai todas as pessoas e povos, pois o Senhor é o grande unificador. Desse modo, a esta cidade todos se colocam a caminho: os filhos e filhas do povo de Deus, também os dispersos, desterrados e todos os outros povos. No Novo Testamento, Jesus é apresentado como aquele que revela o Pai e também como a definitiva palavra de Deus aos homens. E esta característica se percebe na segunda leitura que ouvimos na liturgia de hoje. Deus tem um plano de salvação em cristo, que o próprio Cristo realizou em sua vida, e que foi dado a conhecer aos apóstolos por

meio do Espírito Santo. Paulo descreveu isso aos efésios e agora se resume em poucas palavras: a herança de Cristo não é oferecida somente aos judeus, mas também é oferecida aos pagãos, e juntos, estes povos formam um único povo. Este único povo faz parte do mesmo corpo, que é a Igreja, da qual Cristo é a cabeça. Assim, expressa-se mais uma vez esta união que Cristo realiza: a união de todos os povos, pois Ele se manifesta a todos as nações. O Evangelho que rezamos nesta solenidade é segundo São Mateus, que alarga os horizontes. Mateus descreve os acontecimentos da infância de Jesus à luz das profecias, mas alarga a visão ao mostrar que os pagãos são atraídos pelo rei-Jesus e vão até Ele. Os que visitam o menino Jesus em Belém trazem a Ele a riqueza das nações, visto que ele é o rei. Os magos ao visitarem demonstram sensibilidade religiosa e acreditam nas palavras do profeta, tornam-se praticantes da palavra: “E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as cidades de Judá, porque de ti sairá p chefe que governará Israel”. Os magos creem naquilo que lhes foi revelado e por isso são exemplo pois não só ouvem o anúncio, mas vão atrás daquilo que creem e saem em missão em busca do verdadeiro Deus, em busca da salvação, do sentido verdadeiro da vida, que É Jesus. A Jesus eles oferecem presentes, homenagens e adoração. Portanto, Jesus se manifesta a todos e devemos compreender isso, sem distinção de raça, sem distinção de cor ou cultura, Ele oferece salvação a todos. Esta solenidade é a grande celebração da unidade fundamental de todos os homens que formam a família humana.

Seminaristas: Everton Pavilaqui, Felipe Geraldo Madureira, Herick Rogger Pinchesk, Jacir dos Santos, Marinaldo Cheliga e Rodrigo Campanharo.


17

Reflexões Dominicais

Dezembro - 2016

2º Domingo do Tempo Comum

3º Domingo do Tempo Comum

15 de janeiro de 2016

22 de janeiro de 2016

Is 49, 3. 5-6 | 1Cor 1, 1-3 | Jo 1, 29-34

Is 8, 23b-9,3 | 1Cor 1, 10-13.17 | Mt 4, 12-23

“EIS O CORDEIRO DE DEUS” Após celebrarmos com toda a Igreja a Solenidade da Epifania do Senhor e o Batismo de Jesus, nesse domingo somos convidados a testemunhar fielmente Jesus com a nossa vida e com nosso comportamento cristão. As leituras e o evangelho nos indicam o caminho que somos chamados a trilhar a fim de tornarmonos luz, e iluminar também a vida dos irmãos e irmãs. A primeira leitura é um trecho do Segundo cântico do Servo. Fala da vocação e da missão deste Servo, que a Igreja considera uma profecia sobre Jesus. A expressão “desde o ventre materno” é um modo de dizer que a missão do Servo é semelhante à de um profeta. O profeta tem papel especial na transformação do povo de Israel. Ele deve desempenhar o papel de Servo e persuadir o resto do povo a segui-lo. E o modelo de Israel por ele representado prevalecerá. A missão do Servo não diz respeito só à restauração de Israel. Israel continua apesar das infidelidades ao projeto de Deus, a ser o povo escolhido, mas a salvação precisa chegar aos confins da terra. Ela é chamada a ser “luz das nações”. Deus escolheu o povo de Israel para manifestar a sua obra de salvação. Hoje, entendemos claramente que esse povo de Deus é toda a Igreja chamada a ser luz no mundo. Na segunda leitura Paulo continua a missão de apresentar o Cristo ao mundo como Luz. Em suas cartas segue um costume bastante antigo. Primeiro, identifica-se e depois diz o nome do remetente. Importante é a breve descrição de Paulo a seu respeito: “apóstolo de Cristo”. Em outras palavras, alguém que é enviado, não por vontade própria, mas por vontade de Deus. A vocação de Paulo é também missão de servir decididamente a

Cristo, que transformou a sua vida e, de quem se tornou servo. A mensagem do apóstolo é clara. No dia em que o mundo acreditar que Cristo é a Luz para o mundo, este poderá ser o novo céu e a nova terra. Não esperemos a perfeição já, mas sua busca permanente. A missão é destinada a desenvolver o homem como um todo, renovar os corações e dar vida em abundância a todos. Não se trata só de converter corações a Deus, mas convertê-los ao amor de todos. No evangelho João Batista apresenta Cristo aos Judeus. Vê a si mesmo como menor e aquele que prepara. Vê em Jesus o Espírito Santo que permanece. Diz: Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Cordeiro e Servo se referem a Cristo em sacrifício pascal. O Sacrifício de Cristo está no cumprimento da vontade do Pai, desde sua encarnação. Como o Servo, Jesus vem para a recuperação do povo e para ser luz para as nações para que a salvação chegue até os confins da terra. Jesus é esse Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, tomando-o sobre si! Mas, que Servo? O Servo sofredor anunciado pelo Profeta Isaías. Servo predestinado desde o nascimento; Servo destinado a recuperar e salvar Israel. Eis, portanto, quem é o nosso Jesus: o Cordeiro, o Servo! Nele, feito homem, nele, sofrido como nós, nele, morto e ressuscitado, no seu corpo macerado e transfigurado em glória, Deus reuniu e formou um novo povo, o verdadeiro Israel, a Igreja – esta que aqui está reunida em torno do altar e esta mesma, reunida em toda a terra e, em qualquer lugar onde o nome do Senhor Jesus é invocado! Esta Igreja que o Senhor veio formar somos nós, já santificados no Batismo e chamados a ser santos por nosso procedimento, por nosso seguimento ao Senhor!

Seminaristas: Everton Pavilaqui, Felipe Geraldo Madureira, Herick Rogger Pinchesk, Jacir dos Santos, Marinaldo Cheliga e Rodrigo Campanharo.

“SEGUI-ME, E EU FAREI DE VÓS PESCADORES DE HOMENS”

Irmãos e irmãs vivenciando o terceiro domingo do tempo comum. Somos convidados a olhar para a vida publica de Jesus, o qual faz um convite a cada um de nós, para que estejamos próximos Dele. Porém, para esta proximidade é necessário uma conversão de vida, estarmos atentos as suas palavras, para assim buscarmos fazer uma experiência concreta com este que nos conduz no caminho para o Pai. É uma experiência profunda, a qual exige que saíamos de nós mesmos, de nossas seguranças para podermos viver na completude deste grande mistério que o é o convite de nosso Deus. Desta forma: “Neste encontro com Cristo, queremos expressar a alegria de sermos discípulos do Senhor e de termos sido enviados com o tesouro do Evangelho. Ser cristão não é uma carga, mas um dom: Deus Pai nos abençoou em Jesus Cristo seu Filho, Salvador do mundo” (DA, 28). Na primeira leitura Deus é aquele que ao longo da história liberta seu povo oprimido, devolvendo-lhe a liberdade e a vida, restituindo-lhe dignidade e identidade própria, não permitindo que seja objeto de uso

e abuso dos gananciosos e poderosos deste mundo. Ele não permite que seu povo seja pisado ou explorado, pois ele é o libertador. Na segunda leitura Paulo faz uma chamada de atenção a comunidade de Corinto para que não caiam na tentação de desviar-se da unidade, pois, haviam certas divisões ocasionadas pela falta de fraternidade e união em torno de Jesus. No Evangelho vemos Jesus iniciando a sua pregação. Ele está na Terra onde cresceu, a Galileia, norte da Terra Santa. Sai de Nazaré, vai para Cafarnaum, nas proximidades do lago, e inicia o anúncio do Evangelho. O texto deixa claro o conteúdo desta pregação: “Convertei-vos, pois o Reino dos Céus está próximo”. Logo em seguida, o Senhor chama duas duplas de irmãos: Tiago e João, Pedro e André. Os Apóstolos prontamente aceitam o Chamado. Portanto, a liturgia deste dia nos acena a nos aproximar de nosso Deus, o qual é um Deus libertador, o qual nos livra da escravidão do pecado e nos convida a conversão e ao seu seguimento. Qual nossa resposta diante do convite do Senhor?

Seminaristas: Everton Pavilaqui, Felipe Geraldo Madureira, Herick Rogger Pinchesk, Jacir dos Santos, Marinaldo Cheliga e Rodrigo Campanharo.


18

Dezembro - 2016

Padres de Guarapuava participam de especialização em Bíblia e Ensino Religioso As aulas são realizadas a cada quinze dias, na Casa de Formação São José Freinademetz, em Pitanga.

4º Domingo do Tempo Comum 29 de janeiro de 2016 Sf 2, 3; 3,12-13 | 1Cor 1, 26-31 | Mt 5, 1-12a “E JESUS COMEÇOU A ENSINÁ-LOS” A liturgia deste domingo nos propõe uma reflexão sobre lógica do Reino de Deus. As leituras nos ensinam que o projeto de Deus está contrário à lógica do mundo. Percebemos que no plano de Deus estão os pobres, os humildes, os que não são orgulhos, que não buscam os próprios interesses e que são verdadeiramente felizes. E o Papa Francisco nos ensina que é preciso seguir e viver as bem-aventuranças que são “como uma “bússola”, GPS, indicam aos cristãos o caminho certo da vida”. Quanto a primeira leitura, Sofonias inicia com um apelo a conversão, que nos deixa entender como Justiça e humildade. Assim, denuncia o orgulho dos poderosos e convida o povo de Deus a converter-se à pobreza. Nesse sentido, entendemos que ser “pobre” não é uma categoria sociológica, mas uma atitude espiritual de quem tem o coração aberto às propostas de Deus e é justo na relação com os outros. O pobre como aquele que se entrega nas mãos de Deus com humildade e confiança. Assim, ele reconhece a possibilidade de abrigo no Reino do Senhor para os humildes. Na segunda leitura, Paulo exorta os membros da comunidade de corinto a refletir sobre a história deles próprios. Pois, o mundo deles exalta o sábio, os poderosos, os de família distinta. Mas os coríntios não se incluem entre eles e Paulo os convida a não colocar a sua esperança e segurança nas pessoas ou em esquemas humanos de sabedoria, pois essa é incapaz, de salvar por si só. Ao contrário, os coríntios são convidados a colocar a sua esperança e segurança em Jesus Cristo, que na cruz deu a vida por todos. Entende-se que o caminho cristão não é uma busca de sabedoria humana, mas uma adesão a Cristo, e esse crucificado. É nele que se manifesta, de forma humanamente desconcertante, mas plena e definitiva, a força salvadora de Deus.

No evangelho temos Jesus instruindo as multidões com o discurso da montanha. As bem-aventuranças constituem o caminho proposto pelo Senhor para uma vida coerente com o Reino de Deus. Essa declaração constitui a abertura do discurso, no qual Jesus propõe um estilo de vida que se faz presente com a chegada do Reino. No conjunto, é uma mensagem de esperança, e uma palavra de alento, para descobrir a presença do Reino e desejar ardentemente a sua chegada definitiva. É nesse contexto de pregação sobre o Reino que precisam ser entendidas as “bem-aventuranças”. Portanto, as “bem-aventuranças” são um novo programa de vida, para libertar-se dos falsos valores do mundo e abrir-se aos verdadeiros bens, presentes e futuros. De fato, quando Deus consola, sacia a fome de justiça, enxuga as lágrimas dos aflitos, significa que, além de recompensar cada um de modo sensível, abre o Reino dos Céus. Damos, destaque aos misericordiosos que são aqueles que têm um coração capaz de compadecerse, de amar sem limites, que se deixam tocar pelos sofrimentos e alegrias dos outros homens e mulheres, que vão ao encontro dos irmãos e estendem-lhes a mão, mesmo quando eles falham. Para concluir, sabemos que a lógica da sociedade contemporânea exalta os poderosos, os que triunfam por todos os meios, ou seja, exalta os que possuem poder e marginaliza e rejeita os pobres, mas isso não deve ser assim entre os cristãos. Pois, segundo o Papa Francisco, as respostas sobre o que fazer para ser um bom cristão estão nas bem -aventuranças: “em que Jesus indica atitudes contrárias ao que habitualmente se faz no mundo. Trata-se de um programa de vida proposto por Jesus, algo tão simples e ao mesmo tempo tão difícil”.

Seminaristas: Everton Pavilaqui, Felipe Geraldo Madureira, Herick Rogger Pinchesk, Jacir dos Santos, Marinaldo Cheliga e Rodrigo Campanharo.

Organizado pelo decanato Pitanga, sete padres da diocese de Guarapuava participam, desde o início deste ano de 2016, de uma especialização em Bíblia e Ensino Religioso. O curso que é promovido pela Faculdade Vicentina de Curitiba tem duração de dois anos e visa maior aprofundamento no assunto. As aulas são realizadas a cada quinze dias, na Casa de Formação São José Freinademetz, em Pitanga. Segundo padre Gilson José Dembinski, pároco da paróquia Perpétuo Socorro, na Pitanguinha, em Pitanga, as aulas são muito importantes para os presbíteros para que entendam melhor sobre a Palavra e possam repassar os conhecimentos à comunidade. Padre Gilson, que também faz o curso, foi um dos idealizadores do projeto que trouxe a especialização para a diocese de Guarapuava. “Nossos padres estudantes, juntamente com leigos que também fazem o curso, acreditam ter um aprofundamento maior da Bíblia nessa especialização, de modo que possam

contribuir da melhor maneira para com a formação e crescimento da comunidade. Os trabalhos estão promovendo grande crescimento às pessoas”, destaca padre Gilson. Além de padre Gilson, os sacerdotes que participam do curso são: Osmar Duarte do Nascimento, Carlos de Oliveira Egler, Mateus Gonçalves da Silva, Agenor Batista de França, Sebastião Guina e Paulo Sérgio Vieira. A partir de dezembro, os alunos entram em férias. O encerramento do curso será no final de 2017, segundo a organização.

“Abraço de Pai” reúne mais de cem pessoas na Catedral Nossa Senhora de Belém O encontro também serviu como preparação para o Dia Nacional da Juventude (DNJ), que foi celebrado em 27 de novembro.

Mais de cem pessoas, (a maioria jovens), participaram do encontro “Abraço de Pai”, realizado no último dia 19 de novembro, na Catedral Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava. A celebração que começou às 22 horas, foi presidida pelo padre Jean Patrik Soares, vigário da Catedral e apresentador dos programas Palavra de Fé, na TV Humaitá e Ave Maria, nas Rádios Cultura AM 560 e 93 FM. O encontro que teve por objetivo chamar a atenção dos jovens para a penitência e pedido de perdão pelos pecados cometidos foi promovido pelo Grupo de Jovens da Catedral Nossa Senhora de Belém, com apoio de diversas Pastorais e também de Movimentos Religiosos. A celebração “Abraço de Pai” estava inserida nas comemorações do Ano Jubilar da diocese de Guarapuava por ocasião de seus cinquenta anos de fundação e também fez parte do Ano Santo da Misericórdia instituído pelo Vaticano em 2015.

“A celebração Abraço de Pai, foi realizada no último dia 19 e contou com a presença de mais de cem jovens de vários locais da cidade. Tivemos uma Santa Missa de cunho penitencial. Todos os presentes puderam participar de uma dinâmica envolvendo muita oração e partilha. Na ocasião, se pediu perdão pelos pecados e todos puderam passar pela Porta Santa da Misericórdia como forma de indulgência. Na ocasião, também se saiu da igreja e se rezou o terço num ato de penitência e demonstração de arrependimento pelas faltas cometidas. Ao entrar na Catedral novamente, os jovens foram recebidos com um abraço de diversos homens que lá estavam. Este abraço simbolizou o abraço de ternura de Deus. Foram momentos intensos e muito gratificantes para nossa comunidade que vive seu momento jubilar”, descreveu padre Jean. O encontro também serviu como preparação para o Dia Nacional da Juventude (DNJ), celebrado no último dia 27 de novembro.


19

DECANATO PITANGA

Dezembro - 2016

Paróquia de Manoel Ribas tem novo pároco Novo pároco de Manoel Ribas celebra Padre Marcos Dabkowski já trabalhou na paróquia Santo Antônio missa na capela Santo Antônio exercendo as funções de pároco na década de 1990. A posse foi dada pelo bispo diocesano Dom Antônio Wagner da Silva.

Com a Matriz lotada, o padre Marcos Dabkowski da Congregação dos Padres Marianos da Imaculada Conceição (MIC), tomou posse como pároco da paróquia Santo Antônio, em Manoel Ribas, no último dia 13 de novembro. A celebração, que começou às 09 horas da manhã, foi presidida pelo bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva. Padre Marcos, que já exerceu as funções de pároco em Manoel Ribas na década de 1990, disse que é com muita alegria que retorna à comunidade para trabalhar em prol da Igreja. Ele também ressaltou que se sente honrado pelo compromisso a ele atribuído.

Na ocasião, padre Avelino Oestreich, que ficou à frente da paróquia por oito anos, também recebeu homenagens da comunidade. Padre Avelino permanece na região e passa a trabalhar em tempo integral no Santuário Nossa Senhora da Salete, em Barra Santa Salete, distrito de Manoel Ribas. Em nota, a Pastoral da Comunicação (Pascom) de Manoel Ribas parabenizou padre Marcos pelo retorno e desejou-lhe felicidades na nova caminhada. “Seja bem-vindo, padre Marcos. Parabéns a todos os organizadores pela belíssima celebração”, diz a nota.

Paróquia Sant’Ana, em Pitanga, realiza Assembleia Cerca de duzentas pessoas participaram do evento que foi presidido pelo pároco, padre Thiago Alberto Grande.

Em consonância com as propostas da diocese de Guarapuava, a paróquia Sant’Ana em Pitanga, realizou, no último dia 06 de novembro, mais uma edição da Assembleia paroquial. O evento foi presidido pelo pároco daquela comunidade, padre Thiago Alberto Grande e também contou com a participação dos padres Sérgio Vieira e Valdir Sloboda. Aproximadamente duzentas pessoas, representantes das comunidades que pertencem àquela paróquia, participaram. No encontro, os temas abordados acompanharam os assuntos que vêm sendo tratados nas edições da Assembleia Diocesana, tais como Equipe Missionária, Dízimo e Círculos Bíblicos. Após a apresentação dos temas, os participantes foram divididos em grupos, por comunidade, e realizaram de dinâmicas

utilizando a metodologia: ver, julgar e agir. Na ocasião, também foram definidas as prioridades para a ação pastoral da paróquia no decorrer do próximo ano. A agenda de festas dos padroeiros das comunidades também foi assunto abordado na assembleia. Durante sua explanação, padre Thiago ressaltou a importância da conscientização sobre o dízimo, do fortalecimento espiritual das comunidades e da conversão paroquial com a realização das festas sem venda de bebida alcoólica. Primeira Eucaristia, Formação, renovação dos Conselhos e a realização da Festa da Unidade também fizeram parte dos assuntos discutidos. Conforme a organização da Assembleia Paroquial, os participantes saíram motivados do encontro.

A celebração foi o primeiro ato religioso do novo pároco, padre Marcos Dabkowski. A capela Santo Antônio foi a primeira igreja construída na cidade e tem grande significado histórico para a comunidade.

Depois de sua posse como pároco da paróquia Santo Antônio, em Manoel Ribas, realizada na manhã do último dia 13 de novembro, padre Marcos Dabkowski, da Congregação dos Padres Marianos da Imaculada Conceição (MIC), rezou uma missa à tarde, na capela Santo Antônio (Réplica). A celebração que teve início à 15 horas, foi marcada por agradecimentos e acolhida ao novo pároco. Padre Marcos, que já atuou como pároco daquela comunidade na década de 1990, foi um dos incentivadores pela restauração da capela que representa o nascimento do município em 1942. Naquele local, foi construída a primeira igreja da cidade de Manoel Ribas. “Foi um dia histórico, para toda a comunidade de Manoel Ribas. Naquele local, estão guardadas as raízes do nosso município.

Também não podemos esquecer que foi graças ao padre marcos, em sua primeira estadia na paroquia, nos anos 1990, que se iniciou o processo de restauração deste patrimônio histórico, cultural e religioso”, grifou Elenice Kulkamp Reguel, coordenadora da capela. A comunidade, conforme contou Elenice, agradece ao padre Avelino Oestreich (MIC) pelos trabalhos desenvolvidos junto àquela paróquia, durante oito anos. “Nossos sinceros agradecimentos ao padre Avelino Oestreich, que durante oito anos esteve à frente dos trabalhos na paróquia e nos deu o apoio necessário para a realização de muitos projetos, dentre eles, a restauração da capela Santo Antônio”, finalizou a coordenadora.

Comunidade presta homenagem a padre Avelino Oestreich Integrantes da capela Santo Antônio (Réplica), em Manoel Ribas, emitiram uma nota de agradecimento ao padre Avelino Oestreich pelos oito anos de trabalhos e apoio àquela comunidade. A coordenação da capela Santo Antônio (Réplica) em Manoel Ribas prestou uma homenagem ao padre Avelino Oestreich, da Congregação dos Padres Marianos da Imaculada Conceição (MIC), pelos oito anos de trabalhos desenvolvidos junto à paróquia Santo Antônio e, em especial pela atenção àquela comunidade que representa o início da presença da Igreja Católica no município. No lugar de padre Avelino, assumiu as funções de pároco daquela comunidade, o padre Marcos Dabkowski, no último dia 13 de novembro. Segundo os coordenadores, os serviços do pároco foram vitais para a transformação daquela comunidade que tem um grande significado religioso e também histórico para todos. Registros fotográficos relembram muitos momentos e fases porque a comunidade passou e retrata, segundo a coordenação, a evolução do local tanto em se tratando de questões espirituais quanto em trabalhos concretos. Elenice Kulkamp Reguel, coordenadora da capela, escreveu a seguinte nota em agradecimento ao pároco: “Querido padre Avelino: quase oito anos se passaram desde sua posse como pároco da paróquia Santo Antônio. Em meu nome e em nome de toda a comunidade

Santo Antônio (Réplica), agradecemos-lhe pelo grande apoio na realização desse projeto. Nas fotos tiradas ao longo do tempo, podemos ver a grande transformação realizada no período em que esteve nos apoiando na condição de pároco. Foram dias de grandes lutas, sem dúvidas, mas graças a esse esforço, conseguimos alcançar os nossos objetivos. Agradecemos ao senhor, padre Avelino, pois esta conquista também é sua! Que o Bom Deus possa lhe recompensar!”, diz a nota. Padre Avelino, a partir de agora, passa a desenvolver seus trabalhos em tempo integral no Santuário Nossa Senhora da Salete, em Barra Santa Salete.


20

Decanato Centro

Dezembro - 2016 Paróquias: Catedral Nossa Senhora de Belém • Santa Terezinha • Santa Cruz • Sant’Ana • Santuário Nossa Senhora Aparecida São João Bosco • Nossa Senhora de Fátima • Divino Espírito Santo • Santos Anjos • São Pedro e São Paulo • Bom Jesus Quase-Paróquia Nossa Senhora Perpétuo Socorro • São Luiz Gonzaga • Assunção de Nossa Senhora (Rito Ucraniano)

Comunidade Nossa Senhora do Rocio celebra festa da padroeira Celebrações temáticas marcaram os dias que antecederam a festa da padroeira na comunidade Nossa Senhora do Rocio.

Centenas de pessoas participaram da Festa da Padroeira na comunidade Nossa Senhora do Rocio, no Bairro Industrial, em Guarapuava, no último dia 13 de novembro. Em preparação para as festividades, a comunidade recebeu, pela terceira vez, a visita da imagem de Nossa Senhora do Rocio, que foi trazida do Santuário em Paranaguá, no litoral do Estado. Uma caravana com mais de cento e vinte pessoas foi montada para buscar a imagem. Os romeiros saíram pela manhã, no dia 30 de outubro e retornaram à noite. Para a entrega da imagem, uma nova caravana também foi preparada, conforme contou o pároco da paróquia São Pedro e São Paulo, local ao qual a comunidade pertence, padre Mateus Gonçalves da Silva. “Fizemos uma grande festa para buscar a imagem de Nossa Senhora do Rocio em Paranaguá. Também realizamos outra grande festa para a entrega da mesma no dia 20 de novembro. Tudo isso, representou um gesto de devoção à padroeira”, destacou padre Mateus.

Celebrações temáticas pontuaram os dias que antecederam a festa da padroeira na comunidade Nossa Senhora do Rocio. As missas, sempre às 19h30 (exceto no dia 13, quando se celebrou a festa e houve duas celebrações) começaram no dia 02 de novembro e prosseguiram até o dia 15 do mesmo mês. Para o dia 13, domingo, uma programação diferenciada foi preparada pelas equipes de organização da comunidade. A celebração da missa foi às 10 horas da manhã e teve como tema “Ressurreição”. O lema destacado foi: “Quem vive ao lado de Maria, ressuscitará com Cristo”. O celebrante deste horário foi o padre Mateus. Depois da missa, houve almoço comunitário e brincadeiras variadas por toda a tarde. Às 19h30, outra celebração foi realizada e quem presidiu a missa deste horário, foi o padre Carlos de Oliveira Egler, pároco da paróquia Nossa Senhora de Fátima, bairro Primavera, em Guarapuava.

Décimo quarto passeio ciclístico “Um Grito pela Paz”, reúne centenas de pessoas em Guarapuava A primeira edição do passeio ciclístico na cidade foi realizada no ano de 2003, motivada pelo à época pároco da paróquia Santa Terezinha, padre Zdzslaw Kalisz. No último dia 15 de novembro, feriado nacional por ocasião da Proclamação da República, Guarapuava sediou mais uma edição do Passeio Ciclístico “Um Grito pela Paz”. O evento que é em honra a São José Freinademetz, padroeiro dos ciclistas, chegou ao seu 14º ano sempre com adesão de mais participantes que encontram no ato de pedalar uma forma de evangelização e de celebração da paz entre os povos. A primeira edição do passeio ciclístico na cidade foi realizada no ano de 2003, motivada pelo à época pároco da paróquia Santa Terezinha, padre Zdzslaw Kalisz e pelo bispo diocesano à época e atual bispo emérito, Dom Giovani Zerbini com a presença de vários sacerdotes da Congregação do Verbo Divino (SVD), em comemoração ao ano da Canonização de São José Freinademetz. A ideia foi um sucesso desde sua primeira edição e de lá para cá, já se tonou um evento tradicional em Guarapuava. Todos os anos, centenas de ciclistas se reúnem em frente à Catedral Nossa Senhora de Belém, no centro da cidade e, após bênção especial, partem rumo ao Bosque Bíblico Santo Arnaldo Janssen, às margens do Rio Cascavelzinho, na Rua Aragão de Matos Leão, um trajeto de quatro quilômetros e meio. O celebrante desta edição do Passeio Ciclístico foi o padre Acácio Evêncio de Oliveira, pároco da Catedral Nossa Senhora de Belém.

Conforme contou Jair Golinhaki, coordenador do evento, o passeio ciclístico é uma maneira de evangelizar e de estar sempre em missão e em harmonia com as pessoas. Ele explicou que São José Freinademetz evangelizava na China usando a bicicleta como meio de transporte daí, o fato de ele ser eleito o padroeiro dos ciclistas. “São José Freinademetz evangelizava na China usando a bicicleta e, por isso, foi eleito o padroeiro dos ciclistas. A cada ano que passa, percebemos que muitas pessoas aderem ao passeio e celebram conosco no Bosque Bíblico”, sublinhou Jair. Durante o evento, foram sorteados brindes e bicicletas aos participantes.


Dezembro - 2016

21

DECANATO CENTRO

Guarapuava sedia encontro de religiosos da diocese

Milhares de pessoas prestigiam Festa da Padroeira na paróquia Santa Terezinha

O evento foi realizado na sede da congregação das Irmãs da Caridade Social, no bairro Bonsucesso, em Guarapuava.

“A Vida com Jesus é Mais Feliz”, foi o tema trabalhado durante a novena de preparação para a festa.

A comunidade das Irmãs da Caridade Social de Guarapuava promoveu um encontro entre os religiosos da diocese no último dia 13 de novembro. O evento foi realizado na sede da instituição, no bairro Bonsucesso. Dezenas de pessoas participaram do evento que teve a assessoria do Irmão Marista Pedro João Wolter, Coordenador Regional dos Religiosos. Na ocasião, dentre outros assuntos pertinentes às congregações religiosas, também se discutiu sobre a 24ª Assembleia Nacional da Conferência dos Religiosos do Brasil, ocorrida em julho, em Brasília (DF). Durante a conferência, um pedido para que as congregações olhem para as grandes transformações e conflitos ocorridos no

mundo, foi destaque. Os trabalhos em Guarapuava relembraram os assuntos discutidos em Brasília, conforme falou Irmã Clotilde Bonfim. “O evento contou com a assessoria do Coordenador Regional, Irmão Pedro João Wolter, de Curitiba, que refletiu conosco sobre os principais enfoques da 24ª Assembleia Nacional da Conferencia dos Religiosos do Brasil transcorrida em julho desse ano. Um grande destaque foi o convite para que os religiosos olhem para as grandes transformações, conflitos e problemáticas do mundo atual com fé e esperança, pois ‘Cremos que Deus está fazendo coisas novas’ como nos lembra Isaías no capítulo 43, 19” destacou Irmã Clotilde.

Documento 106 da CNBB é tema de estudo na paróquia Santos Anjos Mais de cem pessoas participaram do encontro e os resultados, conforme sublinhou o pároco, padre Reonaldo Pereira da Cruz são sempre os melhores possíveis.

Divididas em duas etapas, nos dias 03 e 10 de novembro, a equipe da Pastoral do Dízimo da paróquia Santos Anjos, em Guarapuava, promoveu uma formação para toda a comunidade. O objetivo dos trabalhos, segundo a organização, foi aprofundar os conhecimentos sobre o Dízimo como forma de sustentação da Igreja. Mais de cem pessoas participaram

do encontro e os resultados, conforme sublinhou o pároco, padre Reonaldo Pereira da Cruz são sempre os melhores possíveis. Ele salienta que a Igreja tem no Dízimo seu pilar de sustentação e isto precisa ser lembrado sempre. Conforme o documento 106, “Dízimo significa doação, missão, comunidade”. “A Igreja recebeu a missão de evangelizar e isto requer entendimento, partilha e generosidade. Nosso encontro foi no sentido de conscientizar e aprofundar o conhecimento da comunidade acerca do dízimo. A formação contou com uma linguagem clara, objetiva e sucinta. Indo de simples imagens, até dinâmicas e teatros. A equipe se utilizou de todos os meios para expressar o que era o dízimo e o que o documento 106 tem a dizer sobre o mesmo em dias atuais. Foram trabalhados diversos assuntos e situações com base nos ensinamentos bíblicos e isto mostra com clareza sua finalidade” expressa em nota a Pastoral da Comunicação (Pascom).

A paróquia Santa Terezinha, em Guarapuava, celebrou mais uma edição da Festa da Padroeira, com grande sucesso, segundo a organização. O evento foi realizado no dia 13 de novembro e, este ano, “A Vida com Jesus é Mais Feliz”, foi o tema trabalhado durante os nove dias que antecederam a festa. Além da novena, quermesse e música, também fizeram parte da programação que já se tornou tradicional na paróquia. Milhares de pessoas de todos

os pontos da cidade e também de outros municípios, prestigiaram o evento. Nos dias 05 e 12, houve bênção dos veículos das 13h30 às 18h30, na Avenida Moacir Júlio Silvestri, em frente à Matriz. No dia 13, a programação começou às 10 horas, com a celebração da missa. Ao meio dia foi servido o almoço comunitário, no salão paroquial. Brincadeiras e música fizeram parte do evento. Encerrando as atividades, às 18 horas, o rei e a rainha da festa foram coroados. De acordo com pároco da comunidade, padre Nivaldo da Silva, da Congregação Sociedade do Verbo Divino (SVD), celebrar a festa foi sinônimo de muita alegria. “O tema trabalhado este ano fala muito de alegria, de amor. A Vida com Jesus é Mais Feliz e precisamos levara adiante esta alegria, o bem viver junto a todos os que estão à nossa volta”, comemorou padre Nivaldo.

Capela São João Batista na comunidade de Guabiroba, celebra Festa do Padroeiro O evento será no dia 11 de dezembro. Haverá celebração da missa às 10 horas da manhã, seguida de almoço comunitário, barraquinhas e show de prêmios. A capela São João Batista, comunidade que se situa na Estada Rural, KM 11, na localidade de Guabiroba, em Guarapuava, celebra a oitava edição da Festa do Padroeiro. O evento será realizado no dia 11 de dezembro, com missa às 10 horas da manhã, almoço comunitário ao meio dia, seguido de barraquinhas de doces e salgados à tarde. Haverá um show de prêmios no decorrer da festa. Todos são convidados a participar do evento segundo a diretoria da comunidade que pertence à paróquia Santana, em Guarapuava. A festa na comunidade São João Batista é um evento tradicional na diocese de Guarapuava. Todos os anos, centenas de pessoas celebram com aqueles moradores.

Comunidade Divino Pai Eterno acolhe décima edição da Assembleia Paroquial O evento é da paróquia Divino Espírito Santo e passa a ser realizado nas comunidades como forma de ir ao encontro das pessoas e entender suas necessidades. A paróquia Divino Espírito Santo, em Guarapuava, realizou a décima edição da Assembleia Paroquial no último dia 20 de novembro. As atividades tiveram início com a celebração de uma missa, às 09 horas da manhã. Desta vez, os trabalhos foram desenvolvidos junto à comunidade Divino Pai Eterno, no bairro Alto Cascavel, como forma de descentralizar os trabalhos e ir ao encontro dos moradores. O provincial da Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo - Estigmatinos (CSS), padre

José Ovídio da Costa e o bispo diocesano, Dom Antônio Wagner da Silva, participaram dos trabalhos. Na ocasião, se discutiu sobre a presença da Igreja junto às comunidades e também se falou dos trabalhos desenvolvidos durante todo o ano de 2016 na diocese de Guarapuava. A paróquia Divino Espírito Santo faz parte da província Santa Cruz e possui quatorze comunidades. Destas, sete estão situadas no interior do município e sete, no perímetro urbano.


22

Dezembro - 2016


23

Dezembro - 2016

Trinta anos da Pastoral da Criança em Guarapuava são celebrados com grande festa Atualmente, das quarenta e sete paróquias da diocese de Guarapuava, trinta e nove delas possuem os trabalhos da Pastoral da Criança.

ASSEMBLEIA ELETIVA

As novas equipes de coordenação entusiasmadas, comprometidas e com um grande testemunho de vida, assumiram com alegria a nova missão. Paróquia Santana em Guarapuava: Coordenadora Neusa Rocha Carli. Paróquia Imaculada Conceição em Palmital: Coordenadora Ruth de Souza Machuga. Paróquia Santos Anjos: Coordenadora Clemair Maria Rodrigues Bonfim

RETIROS ESPIRITUAIS

Com o objetivo de despertar as lideranças para uma maior consciência missionária, os líderes estão tendo a oportunidade de participar de Retiros Espirituais com a Irmã Clotilde Rodrigues Bonfim.

EMPADÃO DE BRÓCOLIS COM LEGUMES

Que Deus te abençoe e sua vida seja cheia de graça! No dia 5 de dezembro, é celebrado o Dia Internacional do Voluntariado, data escolhida também como Dia da Pastoral da Criança, já que sua essência é o voluntariado.

“Esse é o melhor e mais abençoado dos trabalhos, porque é feito com puro amor, dedicação total, fé em Deus, procurando sempre aprender mais para ensinar mais, nessa rede de solidariedade humana.” Dra. Zilda Arns

Ingredientes: Massa: • 8 colheres de margarina ou manteiga • 8 colheres de leite • 2 ovos • Sal a gosto • Farinha de trigo até dar ponto Recheio: • 4 tomates • 1 cebola • 2 maços de brócolis • 4 batatas grandes • Milho, verde e/ou ervilha • 2 cenouras • 3 dentes de alho • 250 gramas de carne moída • Cebolinha e salsinha a gosto Modo de Preparo: Massa: Misturar todos os ingredientes e amassar até soltar das mãos. Abrir a massa e reservar.

Recheio: Refogar a carne moída com a cebola e o alho. Em seguida coloque os legumes picados em cubos e deixe cozinhar por 30 minutos com um pouco de água. Cuidado para não deixar muita umidade no recheio. Montagem: Unte uma refratária, forre com uma camada de massa, coloque o recheio, mas não deixe umedecer muito. Cobrir com o restante da massa e pincelar com as gemas dos ovos. Levar ao forno médio por 45 minutos.


24

Dezembro - 2016

VOCAÇÃO: Passos curtos por caminhos longos

Aproxime-se da voz que chama e que te pede a resposta e, quanto mais andar, mais próximo dela estará para encontrar repouso. A cada passo dado vamos descobrindo a vocação. A clareza vem na medida em que damos passos e pomos em AÇÃO o nosso “VOCARE” (chamado). É muito comum ouvirmos diariamente em todos os lugares, várias coisas sobre vocação. Até a propaganda tem sido bem feita: outdoors, placas, banners e panfletos. O convite é feito, o desejo é despertado, mas o caminho se faz longo para nossos pequenos pés. Responder não é uma coisa fácil, exige coragem, força e, sobretudo, fé. Pôr o pé na estrada vendo no horizonte o ponto de chegada é encorajador, suportar as tempestades, ventos e desafios é ato de força. Contudo, é chegando ao fim do caminho que se constata e consuma o ato de Fé. Mas, por que MISSÃO? É impossível pensar em chegar a algum lugar sem sair de onde se está; ficar parado esperando que o vento leve, é apenas imagem de desenho animado. A vocação exige caminhar, desinstalar-se. E nesse caminho, encontraremos muitas outras coisas, muitas outras luzes, muitas outras pessoas olhando e indo na mesma direção. A vocação é atentar os olhos e ouvidos para aqueles que estão à nossa espera ou à nossa frente; é sair de si para tocar e receber o que o outro nos oferece como possibilidade de crescer. Isso faz de nós vocacionados à missão. Jesus passava por vários lugares, encontrando as pessoas e ouvindo-as, tocando suas misérias, e com passos curtos que iam longe, emitia seu chamado. O Mestre ia passando... Inúmeras vezes,

vemos no Evangelho, Jesus que caminhava, e por onde passava, a multidão o seguia. Nem sempre as pessoas respondiam de modo instantâneo, mas, mesmo assim, ao ouvirem o VOCARE do filho de Deus, as pessoas punham em AÇÃO aquilo que Ele lhes dava como missão. Olhavam para seus pés, muitas vezes presos em suas misérias, mas tinham coragem de iniciar com passos curtos a longa trajetória que os esperava. Olhar para o caminho, assim como os que seguiram Jesus nas narrações evangélicas, é necessário, mas não se pode esquecer que o caminho leva a algum lugar e esse lugar é onde repousaremos nossos pés, cansados de andar; nesse lugar lavaremos nossos olhos sujos e secos pela poeira do deserto e molharemos nossa garganta para que nossa voz possa sair tranquila e suave, proclamando que até ali nos conduziu o Senhor. E com os pés descansados podemos caminhar ainda mais, com os olhos limpos e abertos podemos ver além daquilo que nossa fraqueza restringe e proclamando a Boa Notícia concretizaremos a vocação e missão. Não importa se o caminho é longo e os passos são curtos, dê o primeiro passo e o caminho já ficará mais curto. Aproxime-se da voz que chama e que te pede a resposta e, quanto mais andar, mais próximo dela estará para encontrar repouso. Ouça quem te chama e caminhe em sua direção. Seminarista Lucas Ribas - Filosofia

Seminário Diocesano Nossa Senhora de Belém (42) 3623-4406 Rua Wilson Luiz Silvério Martins, 243. Bairro Santana - Guarapuava - PR

Estágio Vocacional, o primeiro passo na caminhada

Uma das principais funções do estágio vocacional é mostrar o que verdadeiramente é vivido em um seminário, tirar a visão de um lugar onde não se faz nada além de rezar. Nos dias 04, 05 e 06 de novembro, o Seminário Diocesano Nossa Senhora de Belém em Guarapuava realizou o segundo e último estágio vocacional deste ano. Vieram jovens de várias paróquias da Diocese, que, de alguma forma, foram chamados por Deus para participarem do estágio. Cada jovem que esteve presente trazia consigo toda uma história. Cada um deles pertence a uma família diferente e possui cultura diferente também. E toda essa diversidade era vista no modo de falar, de vestir e de agir de cada um. No decorrer do estágio foram feitas dinâmicas para apresentar aos jovens, parte da vida no seminário. Além disso, eles participaram da missa, do terço, trabalharam, praticaram esportes, entre outras atividades que fazem parte da rotina diária da casa. Durante as dinâmicas, os visitantes se abriram e contaram a respeito de suas vidas, compartilhando suas alegrias e seus pesares, criando assim, um vínculo entre seminaristas e estagiários. Durante as conversas, os estagiários puderam apresentar muitas dúvidas em relação ao seminário e à vocação. Porém, ouvindo os testemunhos de alguns seminaristas, perdiam um pouco aquela visão de vocação, onde Deus manda seu anjo que desce de uma luz, como foi com Maria e te chama para ser padre. Muitas vezes esse anjo vem na forma de uma pessoa da comunidade, de um familiar, ou esse chamado parte da vivência na comunidade, na vontade de servir às pessoas de alguma forma, no desejo de fazer a diferença no mundo. As dúvidas são naturais e se estão presentes, sejam lá quais forem, a fase em que você estiver, seja na hora de decidir se entra ou não no seminário, seja no propedêutico, seja na filosofia, seja na teologia, seja no diaconato ou até mesmo depois de ordenado padre, elas sempre se farão presentes. Para isso, basta usar essas dúvidas e transformá-las em busca constante de uma resposta. Você, junto com seus formadores e tendo confiança no projeto de Cristo, conseguirá ter um crescimento psicológico, intelectual e espiritual que irá contribuir imensamente na formação para o sacerdócio, ou mesmo na formação como pessoa. Conversando com alguns dos jovens, foi possível notar um desejo de fuga ao falarem de entrar no seminário. Fuga

de problemas na família, fuga de ter que encarar o mundo, pois ao mesmo tempo em que o seminário oferece muitas oportunidades para você trabalhar e crescer; há também a tendência de se acomodar, encontrar um refúgio contra seus problemas e não resolvê-los; uma fuga de você mesmo. Com isso, no futuro, esses jovens poderão ser ordenados padres, que não raro, deixam suas paróquias à mercê de sua própria sorte, padres que não correspondem às exigências do mundo de hoje, deixando, assim, as pessoas sem um guia para as direcionarem no caminho de Cristo. Há outro problema que é cada vez mais comum em meio à juventude: o apego às coisas “mundanas”. Contra isso advertiu o Papa Francisco no último dia 05 de novembro, durante a audiência concedida na Sala Paulo VI, em Roma aos participantes do III Encontro Mundial dos Movimentos Populares, “O seminário não é o lugar para aqueles que estão muito apegados ao dinheiro e às coisas materiais”, você deve ser livre de apegos ou, pelo menos, estar disposto a libertar-se. Uma das principais funções do estágio vocacional é mostrar o que verdadeiramente é vivido em um seminário, tirar a visão de um lugar onde não se faz nada além de rezar, mostrar que se vive uma vida como a de qualquer outro jovem, com muita alegria, descontração e, principalmente, com liberdade, que exige, na mesma medida, responsabilidade. Que os jovens que sintam verdadeiramente o chamado a SERVIR, que se interessam pelo projeto de Cristo, possam ser guiados segundo a luz do Espírito Santo para que possam fazer uma experiência vocacional no seminário. Seminarista Henrique Stuani


25

Dezembro - 2016

JUVENTUDES E MISSÃO: Encontro em Brasília reflete experiências missionárias com jovens Participaram do curso seis jovens da Juventude Missionária (JM).

O Centro Cultural Missionário (CCM) e as Comissões Episcopais para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial para a Juventude e para a Amazônia da CNBB promoveram o 7ª Encontro Nacional da Missão Continental tendo como tema: “Juventude e Missão Permanente”. O encontro foi realizado em Brasília (DF), do dia 03 a 06 de novembro e reuniu 20 pessoas das diversas partes do Brasil para avaliar e refletir sobre a riqueza das experiências missionárias e o que elas significam para os jovens na caminhada da Igreja no Brasil. Ao falar sobre a missão, padre Sidnei Marco Dornelas, SC, assessor da Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da CNBB, destacou a natureza missionária da Igreja, a partir do Documento de Estudo 108 da CNBB, Missão e Cooperação Missionária: orientações para a animação missionária da Igreja do Brasil. “Este estudo nos faz compreender que a missão é formadora do ‘ser igreja’. É constitutiva do próprio Deus, que transborda e se envia. Ele é missão”, ressaltou o coordenador do curso. Sobre os modelos de Igreja, o missionário scalabriniano esclareceu como se conceber a Missão a partir do Decreto Ad Gentes, do Concílio Vaticano II. “Não podemos compreender as iniciativas missionárias a partir do modelo missionário de colonialismo, mas como própria vocação da Igreja, que está em sua identidade mais profunda. Então, como Igreja missionária, é necessário que nos aproximemos das pessoas, como um serviço à humanidade. É a missão que precede a Igreja”. O diretor nacional das Pontifícias Obras Missionárias (POM), padre Maurício da Silva Jardim, observou o caráter experiencial da missão. “O contato com o diferente, com a realidade, provoca transformações. O que a missão provoca em nós? A mudança de mentalidade deve acontecer a partir

dos processos que a pessoa vive dentro da missão”, comentou. “A missão provoca uma mudança em sua formação, que não ocorre apenas de forma intelectual. A experiência missionária também forma. Rompe a visão restrita e escolástica, no banco de uma academia. As pessoas se formam em uma prática, na experiência concreta”, sublinhou padre Maurício. Ao comentar sobre a formação, o diretor das POM explicou que os processos devem ser claros. “Missão é caminho, algo feito pessoalmente, mas também percursos institucionais de cada movimento, pastoral ou congregação religiosa. Na missão, precisamos de menos cursos e mais percursos. Ela não se faz tanto com palestra, mas com caminhos. O Documento de Aparecida nos recorda os percursos missionários, que orienta para uma Igreja em saída”. Já o assessor da Comissão para a Juventude da CNBB, padre Antônio Ramos do Prado, observou que “a aventura de Jesus é nos conhecer, acompanhar e ensinar o seu testemunho. O processo de ser discípulo missionário é entender esse processo de escuta, encontro e seguimento, sem fragmentá-lo”. Partindo da Pedagogia do Amor e citando o Caminho de Emaús, padre Toninho apresentou os processos de acompanhamento das juventudes. “Precisamos conhecer o Mestre, sem uma compreensão de que Jesus é alguém que pune. É preciso exercer a escuta verdadeira do próprio Nazareno, que fará com que o jovem se torne seu amigo, seguindo-o. Assim, o jovem se torna seguidor e propagador: discípulo missionário”, recorda o padre salesiano. Participaram do curso seis jovens da Juventude Missionária (JM). O coordenador estadual da JM na Bahia, Daniel Bittencourt, recorda o caráter processual da caminhada missionária. “É preciso reafirmar a necessidade de processos para ação da Igreja no contexto e complexidade da sociedade atual. O encontro reflete uma preocupação da CNBB e de toda a Igreja do Brasil com juventudes que vivem esse caminho na proposta de ser discípulos missionários de Jesus de Nazaré”. Everton Pavilaqui Acadêmico de Teologia Diocese de Guarapuava

Movimento Eucarístico Jovem celebra sete anos em Guarapuava Uma missa celebrada na paróquia Dom Bosco, no último dia 20 de novembro, marcou a comemoração da data na cidade.

O Movimento Eucarístico Jovem (MEJ) comemorou, no último dia 22 de novembro, sete anos de presença em Guarapuava. Para celebrar a data uma missa foi realizada no domingo, dia 20, quando se festeja Cristo Rei. A comemoração foi realizada na paróquia Dom Bosco e reuniu um grande número de pessoas de Guarapuava e região, conforme a coordenação. Depois da celebração, houve um almoço festivo. O evento é tradicional naquela comunidade nas celebrações de aniversário do MEJ. “Celebrar mais um ano de caminhada nos faz olhar para nossa missão enquanto jovens mejistas e, em unidade com o Papa e a igreja, colaborar para a construção de um mundo novo, mais justo e mais humano e ver o que estamos fazendo para pôr tudo isso em prática”, destaca o coordenador do MEJ em Guarapuava, Leo Geovane Pereira.

SOBRE O MEJ

O MEJ é um movimento, que, com o Apostolado da Oração, forma a Rede Mundial de Oração do Papa, e propõe aos jovens e adolescentes, através de cinco pedagogias, o descobrimento do sentido mais profundo da vida. “Vivemos, tanto em nível nacional como mundial, um processo de recriação. Isto nos insere no contexto atual, destacando o protagonismo e a força do jovem enquanto Igreja. Tal processo contribui para o crescimento individual e também do Movimento. Em Guarapuava, podemos perceber, pouco a pouco, os frutos desse processo e a adesão dos grupos de MEJ a estas novas metodologias”, acrescenta o coordenador. Na Diocese de Guarapuava o MEJ está presente em oito paróquias. Cinco delas, são do decanato centro e três, no decanato Pinhão.

Acompanhe a MDJ Guarapuava no face: facebook.com/mdj.missaodiocesanajuvenil


26

Dezembro - 2016


Dezembro - 2016

Jubileu - 25 anos

27

Há 25 anos, padre Ari Marcos Bona era ordenado sacerdote pela diocese de Guarapuava

Padre Reonaldo Pereira da Cruz celebra 25 anos de sacerdócio em dezembro

O padre Ari Marcos Bona, que atua na paróquia Santana, em Guarapuava, desde 2008, destaca que a evangelização deve ser fator principal nas comunidades.

A cada celebração, o sacerdote dá uma verdadeira aula de evangelização, perseverança e muito amor, segundo os participantes das missas da Matriz e também das capelas.

Ao longo de sua carreira como sacerdote, padre Ari Marcos destaca que os problemas que afligem a comunidade sempre foram motivo de preocupação de sua parte. Conforme salienta, com base no livro de João, capítulo 10, versículo 10, “Eu vim para que todos tenham vida em plenitude” (João 10,10), uma vida plena não significa apenas o aspecto doutrinal ou religioso. Segundo acrescenta, uma vida plena “deve abranger tudo o que se refere à dignidade da pessoa”. Embasado nestes ensinamentos, o sacerdote conta que desenvolver projetos na paróquia onde atua é de fundamental importância, pois promover dignidade humana vai ao encontro do que prega o cristianismo. Em oito anos atuando junto à paróquia Santana, muitas foram as atividades desenvolvidas e incentivadas pelo pároco, tais como: O dia 14 de dezembro de 1991 representou uma verdadeira mudança na vida do padre diocesano e pároco da paróquia Santana, em Guarapuava, Ari Marcos Bona. Nesta data, há vinte e cinco anos, padre Ari Marcos era ordenado e começava ali, sua história sacerdotal. De comunicação cativante, conforme destacam as pessoas de seu convívio, em um quarto de século de trabalho em prol da Igreja, Ari Marcos desempenhou diversas atividades que inseriu as comunidades por onde passou em lugar de destaque para toda a diocese e também fora de seus limites. O pároco que é o quinto de sete irmãos nasceu no dia 15 de dezembro de 1967 na cidade de Porto União, Santa Catarina. Pouco tempo depois de seu nascimento, a família mudou-se para o Paraná, se estabelecendo na cidade de Cantagalo, onde Ari ingressou na escola, cursando o ensino primário. Os pais do garoto, Aurélio Bona e Noêmia Schwarzer Bona, sempre foram grandes incentivadores do estudo na família. Depois que concluiu o ensino primário, Ari começou a estudar em Centenário do Sul e depois, em Londrina, cidades estas que ficam no norte do Paraná. Lá, ele formou-se no curso de contabilidade técnica, obtendo o diploma de “Profissional Pleno em Contabilidade”. Neste período, Ari Marcos sentiu que tinha vocação para o sacerdócio e entrou para o Seminário Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava. Depois do cursar os primeiros períodos de estudos na cidade, Ari ingressou nos cursos de Filosofia e Teologia, numa preparação para o sacerdócio. Para obter os diplomas nas duas habilitações, padre Ari Marcos passou pelas cidades de Ponta Grossa, Toledo e Curitiba. Depois de concluir o período de preparação, ele foi ordenado padre no dia 14 de dezembro de 1991. Tão logo proferiu os votos, o sacerdote começou a trabalhar na cidade de Pitanga, atuando como vigário da paróquia Sant’Ana. Ele permaneceu nesta atividade por três anos e meio, quando assumiu a coordenação da Ação Evangelizadora da Diocese. Como coordenador, o sacerdote desempenhou suas atividades por mais de três anos. Depois disso, foi nomeado pároco da paróquia Divino Espírito Santo, na cidade de Pinhão, permanecendo nesta atividade por nove anos e meio. No dia 04 de fevereiro de 2008, tomou posse como pároco da paróquia Santana, em Guarapuava, atividade esta que desempenha até o momento.

• Cursinho pré-vestibular que em quatro edições beneficiou quase quatrocentas pessoas, facilitando a mais de trinta por cento destas, o acesso na universidade; • Curso para garçons que em seis edições pôs no mercado de trabalho dezenas de pessoas; • Curso para domésticas, responsável por promover a dignidade de muitas mulheres e inserir mais de trinta participantes no mercado de trabalho, proporcionando-lhes renda e sustento de suas famílias; • Curso de panificação, doces e salgados que há mais de cinco anos ensina e gera renda para pessoas carentes; • Sala da escuta com atendimento gratuito de psicólogas, pedagogas, advogados, orientação financeira, amparo a famílias de dependentes químicos e acompanhamento de casais; • Projeto Bom Samaritano, onde profissionais e técnicos das diversas áreas encaminham e resolvem situações de pessoas carentes; • Projetos voltados à atividade física de idosos, adultos, jovens e crianças. Aulas de pilates, capoeira, Skate, muay thai, matinê para a terceira idade, além de outras atividades lúdicas, mas de cunho educativo, somam-se aos trabalhos paroquiais; • Sala de informática para inclusão digital de pessoas sem acesso ao computador e à rede; Além disso, conforme grifa padre Ari Marcos, não se pode, de maneira alguma, deixar de lado o principal dentro de uma comunidade, que é a evangelização. Pessoas de todos os bairros da cidade participam das celebrações da paróquia Santana. Isto, conforme grifa padre Ari Marcos, é motivo de muita alegria, mas também de compromisso para com toda a comunidade. “A participação das pessoas na paróquia Santana indica que estamos no rumo certo. Porém, tenho consciência de que muita coisa poderia ser melhor. Nunca me canso de agradecer a colaboração dos leigos das Pastorais, Movimentos e voluntários dos projetos sociais. Se não fossem as pessoas de boa vontade, nada seria possível. Nenhum líder tem êxito sozinho. Assim sendo, Guarapuava representa na minha história uma oportunidade de amadurecimento, ampliação de horizontes, muito aprendizado no relacionamento com pessoas de todos os níveis sociais, profissionais e culturais” detalhou padre Ari Marcos à reportagem da Revista Visual em uma entrevista que concedeu à publicação em 2015.

Somando-se às comemorações jubilares da diocese de Guarapuava, por ocasião dos seus cinquenta anos, o padre Reonaldo Pereira da Cruz, comemora, no dia 21 de dezembro, vinte e cinco anos de sacerdócio. Padre Reonaldo, atualmente, desempenha as funções de pároco da paróquia Santos Anjos, em Guarapuava. Ele trabalha naquela comunidade desde o ano de 2005 e é o segundo pároco local. A partir do momento em que chegou àquela Matriz, segundo os moradores, padre Reonaldo foi promotor de muitas mudanças e isto, conforme apontam, motivou muito mais pessoas a participarem dos trabalhos da igreja. A cada celebração, o sacerdote dá uma verdadeira aula de evangelização, perseverança e muito amor, segundo os participantes das missas da Matriz e também das capelas. Isso, conforme endossam, faz dele alguém muito especial, digno de respeito e admiração. Frequentadores de suas celebrações destacam que veem sempre no pároco o acalento de que tanto precisam, principalmente nas horas mais difíceis de suas vidas. As missas de cura e libertação são procuradas por pessoas da cidade inteira e por moradores de outras regiões também. Participantes contam que saem leves das celebrações, pois através das palavras proferidas pelo padre e de suas orientações, encontram-se consigo mesmos e isto, eles consideram de suma importância para o cultivo da espiritualidade e para uma vivência cristã comprometida para com a verdade e a união. Em homenagem ao pároco, a comunidade preparou uma vasta programação na paróquia. A confecção de um tríptico vocacional desenvolvido pela coordenação das capelas que pertencem à paróquia simboliza a ação de graças pelos vinte e cinco anos de sacerdócio do pároco e também tem por objetivo despertar as vocações na comunidade. “Eu fiquei muito feliz pelo carinho da comunidade em confeccionar o tríptico em formado de capelinha, com a oração pelas vocações, com

imagens do Bom pastor e também com uma homenagem ao meu trabalho junto à paróquia e à diocese de Guarapuava, durante estes vinte e cinco anos”, contou padre Reonaldo. O Tríptico fica uma semana em cada capela da paróquia. Durante este período, os moradores se reúnem para rezar e agradecer pelas graças recebidas, conforme detalhou o pároco. “Este é um trabalho muito emocionante. O encontro das pessoas para rezar e agradecer é motivo de muitas alegrias não só para mim, mas para toda a comunidade. Os integrantes da paróquia estão de parabéns pela inciativa de realizarem este belo trabalho pastoral e de motivação vocacional”, considerou padre Reonaldo. Para celebrar o Jubileu dos vinte e cinco anos de padre Reonaldo e também por ocasião do Natal, uma programação diferenciada foi preparada pela Pastoral Vocacional na Matriz. De 13 a 21 de dezembro, uma novena será realizada. Os encontros serão às 06 horas da manhã e terão como tema principal, a Motivação Vocacional. No dia 21, encerrando as atividades comemorativas, haverá a novena normalmente, pela manhã e uma celebração especial às 19h30, na Matriz, com uma missa de Ação de Graças. O evento contará com a presença de representantes de todas as capelas pertencentes à paróquia e também de familiares e amigos do sacerdote que moram em outras regiões. “Eu convido a todos para celebrarem conosco este momento importante para nossa comunidade e para a diocese de Guarapuava. A paróquia Santos Anjos está sempre de braços abertos para receber a todos”, grifou o sacerdote. HISTÓRICO Nascido em Pitanga, Paraná, em 1964, Reonaldo Pereira da Cruz foi ordenado padre em 1991, pelo Seminário Diocesano Nossa Senhora de Belém, de Guarapuava. Antes, porém, ele teve uma trajetória de muito estudo tendo passado pelo Santuário de Aparecida, São Paulo, onde cursou Filosofia. Ele concluiu esta fase do ensino na cidade de Toledo, Paraná. Na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), cursou Teologia com o Studium Theologicum. Padre Reonaldo é formado em enfermagem, profissão que exercia antes do sacerdócio. Ele também é publicitário, economista e administrador. Possui MBA em Gestão e é especialista em planejamento familiar. Além de Pároco da Igreja Santos Anjos, padre Reonaldo também é diretor das Rádios 93 FM, Cultura AM 560 e portal Central Cultura, veículos estes da Central Cultura de Comunicação, pertencentes à diocese de Guarapuava.


28

Dezembro - 2016

Pastor fala sobre os quinhentos anos da Reforma Protestante Questões sobre união e respeito entre as diferentes denominações religiosas foram respondidas pelo pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil em Guarapuava, Walduino Paulo Littig Junior. Enquanto seres humanos, somos movidos pela história, pelos fatos. Eventos; sejam eles grandes ou pequenos, causam impacto entre as pessoas, as comunidades, os países. Em muitos casos, os eventos mudam completamente a maneira de se pensar e a perspectiva com que vemos e sentimos o mundo à nossa volta. Há quase cinco séculos, um desses acontecimentos motivou novos olhares ao cristianismo, mudou conceitos e fez com que a humanidade repensasse seus atos e o caminho pelo qual vinham seguindo até então. O promotor de tal mudança foi Martim Lutero, que era padre e estava muito descontente com alguns pontos de doutrinas da Igreja Católica Romana. Ele propôs uma reforma no catolicismo. Na ocasião, o padre recebeu o apoio de vários religiosos e governantes europeus, mas também viu pela frente muita gente contrária às suas ideias reformistas. Mesmo ante as divergências, nascia, portanto, a Reforma Protestante promovida por Lutero, no dia 31 de outubro de 1517, quando este publicou suas noventa e cinco teses a respeito do que defendia como mudança dentro da Igreja.

As atitudes do religioso provocaram uma acalorada revolução na religião, iniciada na Alemanha, estendendo-se pela Suíça, França, Países Baixos, Reino Unido, Escandinávia e algumas partes do Leste europeu, principalmente os Países Bálticos e a Hungria. A resposta da Igreja Católica Romana foi o movimento conhecido como Contrarreforma ou Reforma Católica, iniciada no Concílio de Trento (1542-1545). O resultado da Reforma Protestante foi a divisão da chamada Igreja do Ocidente entre os católicos romanos e os reformados ou protestantes, originando o protestantismo. Lutero publicou cerca de quatrocentas obras durante sua vida. O monge morreu de derrame cerebral no dia 18 de fevereiro de 1546. Seu corpo foi sepultado na igreja do Castelo de Wittenberg onde, trinta e cinco anos antes, ele havia afixado suas noventa e cinco teses. O tempo passou e muita coisa mudou no mundo, desde então. Várias tentativas de aproximação da Igreja Católica com a Igreja Protestante foram realizadas, mas a maioria, sem muito sucesso. A partir do Concílio Vaticano II, iniciado em dezembro de 1961, a discussão sobre a reaproximação das duas

doutrinas voltou a ser discutida, agora com muito mais abertura. Desde então, muitas foram as ações que passaram a ser executadas em conjunto entre as duas Igrejas e os laços de irmandade também foram estreitados, promovendo assim, uma união que, em anos anteriores, se julgava impossível. Novos avanços ocorreram nos papados de João Paulo II e Bento XVI. Com a chegada do Papa Francisco ao Vaticano, a proposta de unir as doutrinas cristãs foi vista pelo pontífice como fator primordial para a humanidade. Buscando uma “Igreja em Saída”, Papa Francisco encontrou no diálogo a melhor das formas para unir as pessoas em todo o mundo, sempre tendo Jesus Cristo como foco principal e seus ensinamentos como metas a serem buscadas e alcançadas. No último dia 31 de outubro, uma celebração ecumênica na Catedral de Lund, na Suécia, com a participação do Papa, foi considerado um momento histórico para o cristianismo. O encontro foi em celebração aos quinhentos anos da Reforma Protestante, com a participação de dirigentes políticos e líderes católicos e luteranos. Na ocasião, o Papa manifestou

seu pedido de perdão pelos erros do passado e pelas divisões. Ele também grifou que há o propósito de caminhar juntos e trabalhar pelo bem da humanidade. Em entrevista, por ocasião das comemorações dos quinhentos anos da Reforma Protestante, a reportagem do Centro Diocesano de Comunicação (CDC) foi conversar com o pastor da Igreja Evangélica Luterana do Brasil em Guarapuava, Walduino Paulo Littig Junior. Pastor Walduino tem 35 anos, nasceu na cidade de Nova Venécia, Espírito Santo, é casado com Sandra R. Zorzanelli Littig e foi ordenado pastor há dez anos. Já desenvolveu seus serviços nas cidades de Canoas, Rio Grande do Sul, na Congregação Cristo, bairro Niterói e, em Guarapuava, na Congregação São Paulo, onde trabalha há cinco anos. O religioso é formado pelo Seminário Concórdia de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul e pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) de Canoas, no mesmo Estado. Atualmente, cursa Mestrado em Teologia Prática no mesmo Seminário. Pastor Walduino foi receptivo para com a reportagem do CDC e respondeu às perguntas que lhe foram feitas. Confira a entrevista na próxima página. à

Papa na Suécia: não nos resignar à separação e ao distanciamento “Estamos aqui reunidos para redescobrir quem somos em Cristo”, disse Martin Junge, ao pronunciar-se em espanhol, lamentando a perda da unidade em Cristo. “Enquanto o passado não se pode modificar, aquilo que se recorda e o modo como se recorda podem ser transformados. Rezamos pela cura das nossas feridas e das lembranças que turvam a nossa visão uns dos outros. Rejeitamos categoricamente todo o ódio e violência, passados e presentes, especialmente os implementados em nome da religião”. Catedral de Lund, 31 de outubro de 2016. Uma data para entrar na história do cristianismo. Uma celebração ecumênica, também com forte caráter penitencial, um pedido perdão pelos erros do passado e pelas divisões, e o propósito de caminhar juntos e trabalhar pelo bem da humanidade. Uma celebração para curar a memória, para cicatrizar as feridas, para ultrapassar as barreiras levantadas ao longo dos séculos. Presentes representantes de diversas Confissões cristãs. A procissão de ingresso na Catedral de Lund precedida pela Cruz, símbolo da viagem, feita pelo salvadorenho Christian Ayala, e que durante a celebração ocupou um local de destaque no altar, deu o tom sereno, espiritual e jubiloso da celebração. Canções de Taizé marcaram toda a celebração ecumênica, produzindo um efeito impactante já no início com o Laudate Domini. No altar, o Papa Francisco, o Presidente e o Secretário da Federação Luterana Mundial, respectivamente Dr. Munib Younan e Martin Junge, o Cardeal Kurt Koch, a Primaz da Igreja da Suécia, Arcebispa Antje Jackelen. O ecumenismo de sangue, que recebe frequentes referências do Papa Francisco, foi recordado no canto do Kyrie, cuja letra em aramaico foi composta pelo bispo sírio-ortodoxo Mar Gregorios Youhanna Ibrahim, sequestrado em abril de 2013 na Síria.

comunidades luteranas e católicas” do mundo inteiro para que sejam “corajosas e criativas, alegres e cheias de esperança no seu compromisso de prosseguir na grande aventura que nos espera. Mais do que os conflitos do passado – afirma o texto – há de ser o dom divino da unidade entre nós a guiar a colaboração e a aprofundar a nossa solidariedade”. Pouco antes das 16 horas, (hora local), a Cruz com a procissão deixa o altar da Catedral da Lund ao som de júbilo do Laudate Dominum, de Taizé, numa celebração histórica que reafirmou o propósito de continuar e solidificar o caminho comum rumo a um futuro de unidade.

ENCONTRO COM A FAMÍLIA REAL

“Estamos aqui reunidos para redescobrir quem somos em Cristo”, disse Martin Junge, ao pronunciar-se em espanhol, lamentando a perda da unidade em Cristo. “Como seguir caminhando agora?”, perguntou. O Papa, ao tomar a palavra, clamou pelo dom da unidade, insistindo na necessidade de um testemunho comum crível para que o mundo creia. “Com a comemoração comum da Reforma de 1517 – disse - temos uma nova oportunidade para acolher um percurso comum, que se foi configurando ao longo dos últimos cinquenta anos no diálogo ecumênico entre a Federação Luterana Mundial e a

Igreja Católica. Não podemos resignarnos com a divisão e o distanciamento que a separação gerou entre nós”. “Com este novo olhar ao passado – observou – não pretendemos fazer uma correção inviável do que aconteceu, mas ‘contar essa história de maneira diferente’. Peçamos ao Senhor – disse Francisco – que a sua Palavra nos mantenha unidos, porque Ela é fonte de alimento e vida; sem a sua inspiração, nada podemos fazer.” Na Declaração comum assinada pelo Papa Francisco e pelo Presidente da Federação Luterana Mundial, é lançado um apelo “a todas as paróquias e

Antes da oração na Catedral, o Papa Francisco fez uma visita de cortesia à Família Real sueca. Ao chegar ao Palácio, pouco antes do Pontífice, o Rei Carl XVI Gustav e a Rainha Silvia foram ovacionados pelos presentes no parque circundante, marcado pelas cores do outono. Na chegada do Papa, por sua vez, foi a comunidade latino-americana presente na Suécia a saudá-lo em espanhol, com o tradicional “se vê, se sente, o Papa está presente”. Após o encontro, que durou cerca de 20 minutos, Francisco e o casal real foram saudados por um grupo de coroinhas luteranos e católicos diante do Palácio, encaminhando-se então, a pé até a Catedral, distante cerca de 100 metros. Ao longo do percurso, Francisco beijou crianças, saudou e conversou com os presentes. Não faltaram bandeiras da Argentina. De Lund na Suécia, Jackson Erpen CNBB, com informações da Rádio Vaticano


Entrevista

Dezembro - 2016

29

Entrevista: Pastor Walduino Paulo Littig Junior CDC – A Reforma Protestante completa quinhentos anos em 2017. A separação foi resultado de um conflito dentro da Igreja Católica. Em seu modo de entender, este conflito mudou a forma de pensar da humanidade? Como? Pr. Walduino – De certa forma, podemos dizer que a Reforma também gerou um impacto considerável na humanidade. Além de uma grande explanação sobre a vida cristã, Lutero também trabalhou muito sobre outras questões pertinentes do seu tempo. Como, por exemplo, na área da educação. Onde propôs uma reformulação do ensino, levando a também moldar a educação moderna. Isto, nós vemos em dois títulos que ele escreveu: Manifesto pela criação e manutenção de escolas cristãs (1524) e publicou também – Lugar de criança é na escola (1530). Estas duas obras reforçam a necessidade para que todas as pessoas tivessem acesso à educação. A partir desse momento começaram a ser criadas escolas em todos os lugares. Além da área educacional, Lutero escreveu sobre política, economia e ética. Ao falar de política ele defendeu que deveria haver uma distinção entre Estado e Igreja, o que levou a uma nova visão de se governar, sem uma clara intervenção da Igreja, como acontecia no seu tempo. Sobre economia, escreveu uma obra com o título Comércio e Usura (1520), diante da intensificação do comércio que levou muitas pessoas a terem um grande acúmulo de capital. Alguns especialistas em história da ciência da economia atribuem a Lutero uma contribuição significativa para este campo do conhecimento. Se pensarmos nestas obras, com certeza veremos que a humanidade sofreu certa influência da Reforma Protestante, que levou a moldar a sociedade em que vivemos hoje. CDC – A intenção de Matinho Lutero, em princípio, não era criar uma nova Igreja, mas sim, corrigir o que ele considerava errado dentro da Igreja Católica. Se observado hoje, depois do surgimento da Igreja Luterana, pode se considerar que os pensamentos dele se concretizaram? Pr. Walduino – A igreja Católica sofreu grande influência da Reforma Protestante. Muitas mudanças, que vemos hoje, foram em decorrência da Reforma. Mas, nem tudo mudou de acordo com as propostas defendidas por Martinho Lutero. Ainda há uma grande diferença doutrinária entre as igrejas Luterana e Católica, mas isso não impede de vivermos em respeito e amor mútuo. Lutero nunca teve o desejo de formar uma nova igreja e muito menos que seus seguidores se chamassem luteranos. Mas, diante da pressão do imperador e da igreja de seu tempo, os que seguiam Lutero foram chamados de luteranos, o que perdura até hoje. Lutero escreveu assim, no prefácio da primeira edição alemã de suas obras: “Antes de tudo, peço que não mencionem o meu nome e nem se chamem de luteranos, mas de cristãos. Quem é Lutero? A doutrina não é minha. Também não fui crucificado por ninguém. Em 1 Coríntios 1 São Paulo não tolerou que se chamasse os cristãos de paulinos ou petrinos, mas (deveriam chamar-se apenas) cristãos [...] Não seja assim, caros amigos, apaguemos todos os nomes partidários e sejamos (apenas) de Cristo, cujos ensinamentos temos. …os cristãos não creem em Lutero, mas no próprio Cristo; (assim) abram mão de Lutero; apegue-se à palavra. [...] Não sou, nem quero ser o mestre de ninguém. Somente Cristo é nosso mestre”.

“Que possamos amar e respeitar uns aos outros, para que assim, levemos ao necessitado e ao desamparado o amor que vem de Deus.” Pr. Walduino

CDC – Sabemos que é grande o surgimento de novas igrejas, com muitas denominações. Como o senhor analisa esta situação? As grandes quantidades de igrejas não prejudicam o entendimento e a fé das pessoas? Pr. Walduino – Infelizmente, uma das consequências da Reforma foi o surgimento de muitas igrejas e seitas. Todos procuram ter a verdade e acabam buscando uma forma diferente de interpretar a Sagrada Escritura. Hoje, vemos igrejas que tentam apenas servir às pessoas, atendendo a seus desejos. Muitas igrejas viraram comércios e se afastaram, quase que por completo, da Palavra de Deus. Um dos fundamentos da Reforma é justamente que a Sagrada Escritura é a única fonte de ensino da igreja cristã. Pois, buscar outros caminhos incorre no erro de buscar apenas as próprias necessidades ou desejos. Tendo a Palavra como única fonte de norma e doutrina e também única fonte do pleno conhecimento de Deus e de sua vontade, eliminamos nossos desejos e nos submetemos aos desejos de Deus para conosco. Se todos se curvassem à Palavra de Deus não haveria tantas igrejas que confundem o cristão. Pois o cristão acaba buscando o que mais lhe agrada e não o que realmente prega a Cristo e a Salvação Eterna. CDC – Em se tratando desta aproximação com o Vaticano, o senhor considera salutar a questão? A unidade é a saída para os seres humanos? Pr. Walduino – O Papa Francisco trouxe uma nova forma de agir da Igreja Católica em relação aos Evangélicos. Isto é bom no âmbito de um maior respeito e compreensão de ambas as partes. Mas, dificilmente haverá uma unidade da igreja cristã, pois ainda há grandes diferenças doutrinárias. Vejo que a melhor forma seria o reconhecimento que a fé em Cristo Jesus é o caminho para a Salvação, não importando as denominações. Pois, a Igreja Cristã está onde a Salvação em Cristo é pregada. Esta igreja não tem paredes, ela é formada por pessoas que têm esta fé. Como Paulo diz em Ef 2.8: “Porque pela graça, sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus”. Se tivermos esta compreensão, saberemos respeitar uns aos outros e viver em paz e alegria. CDC – Pastor Júnior, muito se fala em ecumenismo atualmente. Para o senhor, o ecumenismo é possível no mundo? É uma saída para a humanidade? Pr. Walduino – Não vejo o ecumenismo da forma como é proposta hoje, uma saída para a humanidade. Mas vejo o respeito e o amor para com o próximo, como a melhor forma para uma melhor sociedade. Sempre

haverá diferenças e a história mostra que simplesmente unir pessoas que pensam de maneiras diferentes sobre o ser igreja e a fé, não auxilia para uma mudança eficaz na sociedade. Muitos países ao longo da história tentaram isso e falharam. A melhor forma é saber respeitar e viver os princípios cristãos estabelecidos por Deus. Se todos nós cristãos vivermos como Cristo nos ensinou, teremos uma sociedade maravilhosa e próspera. CDC – Como o Vaticano, sobretudo, o Papa Francisco é visto pela Comunidade Luterana? Há alguma diferença na maneira de tratar com ele, se comparado a outros Papas? Pr. Walduino – O Papa Francisco é visto como um acolhedor e apaziguador. Mas, a Igreja Evangélica Luterana do Brasil, sempre tratou com profundo respeito os Papas ao longo da história. Não temos uma diferença de trato com o Papa Francisco. CDC – Na Igreja Católica busca-se, através das convicções do Papa Francisco, ir ao encontro dos que mais precisam, sem olhar para sua religião, condição social ou modo de viver? Na Igreja Luterana, qual é a principal preocupação hoje em se tratando de sociedade? Pr. Walduino – Nós também buscamos auxiliar o necessitado não olhando para a sua religião. Auxiliamos muitas pessoas de várias denominações religiosas com roupas e alimentos. Nossa preocupação é apenas ajudar, seguindo o que Cristo nos ensinou: “Amar o próximo como a ti mesmo”. Em relação ao modo de viver, condenamos o pecado, mas amamos o pecador, como Cristo nos ensina. A grande preocupação hoje da Igreja Luterana é a defesa e a manutenção da família estabelecida por Deus. Buscamos auxiliar as famílias a superarem suas dificuldades para manteremse unidas em torno da Palavra de Deus. Esta é uma batalha árdua, que com certeza a Igreja Católica também compartilha. CDC – O senhor considera possível uma aproximação entre as igrejas cristãs com outras religiões/denominações não cristãs, como por exemplo, as religiões árabes? Pr. Walduino – Na esfera social, eu considero um grande desafio, pois devemos zelar por uma sociedade melhor e mais organizada, que dê condições de vida digna a todas as pessoas. Na relação do campo espiritual, não enxergo como possível, são caminhos totalmente diferentes. Mas, isto não deve impedir de forma alguma, o respeito mútuo, que ainda enxergo como grande desafio a ser buscado.

CDC – Se falarmos de ecumenismo em Guarapuava, em seu modo de entender, há muito que ser feito? Pr. Walduino – Se pensarmos em uma visão ecumênica, onde buscamos agir em parceria para o bem da sociedade, penso que estamos para um bom caminho, mas há muito ainda a percorrer para ter uma parceria mais eficaz. CDC – Com o final do ano se aproximando, qual a mensagem que o senhor deixaria, enquanto líder religioso, para as pessoas deste país, deste estado e, sobretudo desta cidade? Pr. Walduino – Como pastor e cristão, eu oro a Deus para que a Sua Palavra possa estar em cada lar sendo estudada por todas as famílias. Que nossa linda cidade, possa sempre estar fundamentada em Cristo, em uma fé viva e atuante para o bem de todo ser humano. Que possamos amar e respeitar uns aos outros, para que assim, levemos ao necessitado e ao desamparado o amor que vem de Deus. Que sejamos uma luz em meio às trevas, para levar as pessoas ao caminho da salvação em Cristo Jesus. Um feliz ano novo e uma vida cristã cheia de bênçãos de Deus! CDC – Uma última pergunta: sobre a estátua de Lutero que foi instalada em Guarapuava. De quem foi a iniciativa? Monumentos não vão contra as ideias do fundador da Comunidade Luterana? Como os membros da igreja receberam esta notícia? Pr. Walduino – A iniciativa para a construção de monumento partiu de nossa congregação para as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante. Toda a igreja está muito feliz e participante nas doações para finalização da obra. Pois toda ela foi custeada pela nossa Igreja, sem participação da prefeitura, que apenas cedeu o espaço. O monumento não vai contra os princípios da igreja Luterana, pois ele é apenas um símbolo para nós. Nós não veneramos e nem consideramos Lutero um santo, apenas um instrumento que Deus usou em uma hora de grande necessidade da igreja. Para nós, este monumento é apenas um símbolo do resgate da salvação pela Graça de Deus. Sob a estátua foi feita uma Rosa de Lutero, que resume seus ensinamentos: a Cruz, no centro, lembra que Deus vem ao nosso encontro com o seu amor através de Jesus crucificado; o Coração significa que Cristo agiu na nossa vida através da cruz e que ela recebe novo sentido, se Cristo for o seu centro; a Rosa significa que, quando a cruz de Cristo tem lugar em nossa vida, ocorre uma transformação que traz verdadeira paz e alegria. A cor branca representa o reino de Deus; o Fundo Azul significa que Deus está conosco. Podemos viver com e para Deus, como sinais de Seu reino já aqui e agora. Mas a cor azul é também esperança no futuro, pois lembra a eternidade; o Anel Dourado representa as dádivas que recebemos através da cruz e ressureição de Jesus. A vida para a fé e o amor, a serviço de Cristo, é o que temos de mais precioso.


30

Jubileu - 50 anos Paróquias ajudam a contar a história No Jubileu de Ouro, o júbilo é também de quem contribui diretamente para com a história da diocese de Guarapuava. Numa série de reportagens em homenagem aos

cinquenta anos da diocese as paróquias contam suas histórias que se entrelaçam com a história das pessoas, fundindo-se com a existência dos municípios.

Paróquia Santos Anjos: Duas décadas de amor e trabalho em prol da comunidade Projetos de edificações, missões e atividades que buscam unir a comunidade, são pontos de sustentação da paróquia Santos Anjos, em Guarapuava. Há vinte anos, a diocese de Guarapuava se tornava mais rica em se tratando de comunidade. Nascia no bairro São Cristóvão, a paróquia Santos Anjos. A comunidade que foi desmembrada da paróquia Nossa Senhora Aparecida, foi instituída no dia 28 de julho de 1996, pelo bispo Dom Giovanni Zerbini (bispo emérito da diocese de Guarapuava e que atualmente mora em Araçatuba, São Paulo). Os Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael foram instituídos padroeiros daquela comunidade que acolheu a notícia com muita alegria, conforme os documentos paroquiais. “Em sessão solene, o primeiro pároco da paróquia Santos Anjos, padre Albino Dziadzio, recebeu as chaves da igreja das mãos de Dom Giovanni. Foi um momento de alegria e de fortalecimento para toda a comunidade”, diz um texto sobre a criação da paróquia. Santa Ângela de Merici, foi eleita a co-padroeira da nova paróquia. Um ícone representando a santa foi doado pelas Irmãs Ursulinas de Guarapuava, juntamente com suas relíquias (um pequeno pedaço de osso da santa). A imagem permanece no altar da paróquia e, todos os dias, muitas são as pessoas que visitam o local e pedem graças à padroeira. Santa Ângela de Merici é conhecida por ter ido ao encontro dos pobres, enfermos e sofredores. Ela é lembrada no dia 27 de janeiro. Celebrações em sua honra são realizadas na paróquia Santos Anjos. No dia 01 de setembro de 1996, Dom Giovanni presidiu a missa de inauguração da paróquia com grande participação da comunidade. Na ocasião, vários padres da diocese participaram do momento solene e repleto de devoção, conforme grifam os moradores daquele bairro e que fizeram parte da data importante.

SEGUNDO PÁROCO

Em outubro de 2005, Dom Wagner dá posse ao segundo pároco daquela comunidade. Padre Reonaldo Pereira da Cruz, que até então, atuava na paróquia Santana, assume os trabalhos paroquiais, dá sequência e muitos projetos já existentes e desenvolve novos trabalhos junto à comunidade. A área de reforma e construção de novos espaços foi marcante desde o momento em que o novo pároco assumiu suas funções. Padre Reonaldo havia desenvolvido grandes obras de construção da paróquia Santana, quando construiu a nova igreja em tempo recorde. Ele aplicou sua experiência de vários anos de serviço em prol da Igreja, na paróquia Santos Anjos. De imediato as mudanças foram percebidas na parte estrutural e visual da comunidade, conforme apontam os moradores e pessoas que desde aquela época colaboravam nos trabalhos junto à Igreja.

NOVA FASE

Com a nova paróquia instalada, muitas atividades passaram a ser realizadas naquela comunidade. Obras foram erguidas para acolher a todos durante as celebrações, reuniões e festas. Também foram reformadas e ampliadas instalações existentes. Quando a comunidade já estava com seis anos como paróquia, em 2002, decidiu-se por promover as Santas Missões Populares naquela região, como forma de instigar ainda mais a fé e a devoção dos moradores. O ato motivou toda a comunidade. Pessoas, inspiradas pelo momento missionário, fixavam pequenas cruzes de madeira nas portas de suas casas sinalizando que ali, as Missões haviam passado. Estes símbolos permanecem até hoje, em muitas das residências visitadas à época. Em 2003, padre Albino, primeiro pároco daquela comunidade, completa vinte e cinco anos de ordenação sacerdotal. Dom Antônio Wagner da Silva, que já atuava como bispo diocesano, presidiu uma missa em homenagem ao padre. A igreja ficou lotada. Pessoas de outras comunidades da cidade participaram do que consideraram uma fervorosa manifestação de carinho e amor pelo pároco. Naquela época, as Pastorais e Movimentos já exerciam grande trabalho junto aos moradores. De 1994 a 2005, foram criados Conselho Pastoral Comunitário (CPC), Conselho Paroquial de Assuntos Econômicos (COPAE), Pastoral da Comunicação (Pascom), Renovação Carismática Católica (RCC) Jovem, Grupo de Coreografia Angel’s, Grupo Infantil As Estrelinhas, Apostolado da Oração e Equipe das Capelinhas Marianas. Esses grupos de trabalho, de acordo com seus dirigentes, promoveram mudanças para melhor na comunidade que vislumbrou novos rumos e pôde trilhar caminhos seguros, e que até então eram desconhecidos.

O destaque maior, no entanto, conforme documentos da paróquia foram em relação às Pastorais e Movimentos. A partir da motivação destes grupos, segundo conta padre Reonaldo, as outras coisas puderam ser projetadas e construídas na comunidade. “A partir da motivação das Pastorais e Movimentos, a comunidade ganhou novo ânimo e as pessoas passaram a trabalhar com muito mais vontade. Estas tarefas eram em benefício de todas as famílias. A união passou a ser fator principal e o ardor missionário se estabeleceu na paróquia Santos Anjos, e ganha cada vez mais força na medida em que o tempo passa”, comemora padre Reonaldo. Ações como a divisão da comunidade por setores facilitaram os acompanhamentos das situações dos moradores. Outra atividade que também auxiliou na compreensão das necessidades dos paroquianos, foi o Censo Familiar Religioso. Através de mapeamento, obteve-se respostas precisas do que necessitava ser mudado. “Integrantes da comunidade Matriz saíram em visita missionária. Iniciava ali, o Censo Familiar Religioso, onde duas mil trezentas e doze famílias foram cadastradas. Além de analisar a situação familiar das pessoas, os visitados puderam conversar com os missionários e receber bênçãos sacerdotais”, conta padre Reonaldo. Em fevereiro de 2008, no período em que as missões eram realizadas, a comunidade também acolheu as irmãs Teresianas da Companhia de Santa Teresa de Jesus. As religiosas: Rita Romio (de Guarapuava), Rita Emer e Ema Seidel (do Rio Grande do Sul), faziam parte da nova comunidade que se instalava na paróquia. As irmãs permanecem na comunidade até os dias atuais ajudando nos trabalhos paroquiais, sempre primando pelo carisma que é fator motivador da congregação.

Dezembro - 2016 A cada dia, novos desafios surgem na paróquia Santos Anjos, em Guarapuava e isto, conforme explica padre Reonaldo, é sempre um motivo a mais para buscar alternativas e também fortalecer os laços de amizade e de amor que unem as pessoas em prol do bem comum, da vida em comunidade tendo Cristo como o grande mestre. Missões, construções de novos espaços, reformas e a busca constante pela evangelização são o diferencial da paróquia Santos Anjos. Ampliação da Matriz, construção de novas salas e, recentemente, o início da reforma do “salão baixo”, refletem a boa administração e a unidade entre os moradores da comunidade em favor do bem comum. “Esta obra está sendo realizada com recursos do Dízimo que é arrecadado todo mês, fielmente, das pessoas de nossa comunidade. Os valores são convertidos em ações que beneficiam de todos. Agradeço de coração aos moradores e amigos da paróquia pela perseverança, partilha e doação. Sem o esforço de cada um, nada seria possível. Todos nós somos a Igreja”, afirmou o pároco.

PROJETOS

Projetos esportivos e de saúde, surgem como fatores importantes para os moradores que não precisam sair do bairro para desenvolver suas atividades. Serviços pastorais, como a priorização pela catequese, formação de novos ministros da Eucaristia e prioridade pelo Dízimo como coluna de sustentação da comunidade, são sempre levados em consideração na paróquia Santos Anjos. A formação também é contínua e necessária, pois só através de estudos e perseverança que as coisas acontecem, conforme salienta o pároco. “Temos que priorizar as pessoas e a formação de lideranças. É preciso que todos tenham oportunidades. Sem oportunidades, não podemos fazer nada. Sem estudos, a comunidade para e as pessoas ficam amortecidas, desvirtuadas”, enfatiza padre Reonaldo. A comunidade possui um blog que é atualizado diariamente pelas equipes da Pastoral da Comunicação (Pascom) e também da secretaria paroquial. No espaço eletrônico, são publicados textos sobre assuntos de interesse de todos, notícias paroquiais, fotos de eventos e programações dos horários de missas e reuniões. Esta é uma maneira, segundo a diretoria paroquial, de aproximar as pessoas através da comunicação e mostrar com clareza as ações que são desenvolvidas na paróquia. Oito comunidades fazem parte da paróquia Santos Anjos. Além de desempenhar as funções de pároco daquela comunidade desde 2005, padre Reonaldo Pereira da Cruz também atua como diretor da Central Cultura de Comunicação, que compreende as rádios Cultura AM 560 KHZ (que está em processo de migração para a faixa FM), rádio 93 FM em 93,7 MHZ e portal Central Cultura, em www.centralcultura.com.br. Como uma mãe que abraça seus filhos e os protege com candura, a diocese de Guarapuava, neste Ano Jubilar, por ocasião de seus cinquenta anos de instalação, reforça os laços de amizade, proteção e amor para com a paróquia Santos Anjos. Trabalhar em favor da mudança e do anúncio da boa nova é sempre sinônimo da representação viva das mensagens de Cristo e de Maria, que nesta diocese, se manifesta através de Nossa Senhora de Belém.

Horários de missas na Paróquia Santos Anjos: Domingos: 8h e 10h Sábados: 19h30 Quartas-feiras: 19h30 Primeira sexta-feira de cada mês: 19h30 Mais informações na secretaria da paróquia: (42) 3624-3365


31

Dezembro - 2016

Dicas de Leitura

IRMÃOS E IRMÃS ANIMADORES VOCACIONAIS, BEM-VINDOS! Equipe Diocesana de Animação Vocacional – REAVIVE – aos novos grupos de Animadores Vocacionais Paroquiais.

A Pastoral Vocacional trabalha com as vocações em sua universalidade, ou seja, tem por missão trabalhar a dimensão vocacional no âmbito da comunidade, desenvolvendo uma cultura vocacional, isto é, despertando na comunidade a consciência de que ela é vocacionada e vocacionadora. Trabalhar as vocações e atingir todos os membros da comunidade é o objetivo da animação vocacional, pois “a Pastoral Vocacional exige ser assumida com um novo, vigoroso e mais decidido compromisso por parte de todos os membros da Igreja” (Pastore dabo vobis, 34). Nesse sentido, a Pastoral Vocacional requer sempre muito esforço e comprometimento de pessoas que se dediquem cada dia mais ao trabalho vocacional. E é para este mesmo serviço que, com grande alegria no coração, acolhemos as três novas equipes de trabalho vocacional de nossas paróquias da Diocese de Guarapuava: a equipe da PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA - ALTAMIRA DO PARANÁ; a equipe da PARÓQUIA SÃO PEDRO APÓSTOLO - LARANJAL; e a equipe da PARÓQUIA NOSSA SENHORA IMACULADA CONCEIÇÃO - PALMITAL. Queremos aqui expressar, novamente, todo o nosso apoio a este trabalho vocacional. A REAVIVE faz-se comunhão convosco nesta caminhada. Pedimos a Maria, mãe da Igreja, cheia de fé e de graça, totalmente consagrada ao Senhor, exemplo de mulher solícita e laboriosa, que acompanhe todos os vossos trabalhos, em cada dia da vida. Sob sua maternal proteção ecoem em nossos corações suas palavras: “Fazei tudo o que ele vos disser!” (Jo 2,5) “Como bons administradores da multiforme graça de Deus, cada um coloque à disposição dos outros o dom que recebeu. Se alguém tem o dom de falar, fale como se fosse palavras de Deus. Se alguém tem o dom do serviço, exerça-o como capacidade proporcionada por Deus, a fim de que, em todas as coisas, Deus seja glorificado, por Jesus Cristo, a quem pertencem a glória e o poder, pelos séculos dos séculos. Amém”. (1Pd 4,10-11)

Pe. José Amarildo Novacoski Assessor Diocesano Nicolas Thanrique Oliveira Secretário E demais Irmãs, Seminaristas e Leigos que constituem a Equipe Diocesana. IMPRESSO OFICIAL – SECRETARIA DA PASTORAL

Centenas de pessoas participam da festa do Santuário de Schöenstatt em Guarapuava A festa deste ano comemorou os vinte e seis anos de fundação do Santuário que é considerado um dos locais mais bonitos da cidade. O Santuário Tabor das Vocações de Schöenstatt, em Guarapuava, comemora vinte e seis anos de sua fundação em 2016. Para celebrar a data, no último dia 20 de novembro, uma festa foi realizada. As celebrações começaram pela manhã, com uma caminhada saindo da Catedral Nossa Senhora de Belém, centro de Guarapuava com destino ao Santuário, no Quilômetro seis da PR 170. Mais de duzentas pessoas participaram da procissão que já se tornou tradição na cidade. Uma missa, celebrada por Dom Antônio Wagner da Silva, às 10 horas da manhã, reuniu centenas de pessoas que saíram de vários pontos da cidade para participar do evento. Ao meio dia, um almoço comunitário foi servido e, à tarde, foi realizado um show de prêmios.

Biblioteca Diocesana Nossa Senhora de Belém Edifício Nossa Senhora de Belém Rua XV de Novembro 7466 - Sala 04 Centro - Guarapuava Fone: (42) 3626-4348

Vaso Novo Um sonho de vida nova Autora: Maria José Tenório de Araújo Vaso novo é um testemunho vibrante de fé, resistência, perseverança e vida cristã. Assim Deus age na vida das pessoas: quando pensamos que somos um vaso quebrado, Deus o reconstrói para que sejamos instrumentos úteis para a sua obra. É SAGRADO VIVER Autor: Padre Fábio de Melo “Deus está na surpresa e no inesperado. Quando menos imaginamos, sua presença se irrompe nos lugares cotidianos mais inusitados. Hoje pude vê-lo no quintal de minha casa. Chegou de mansinho, colheu algumas jabuticabas, deu comida aos passarinhos e depois se foi, rindo e pulando sobre as margaridas para não as machucar. Deus é igual a um menino: alegra-se com pouca coisa!” Ao encontrar na vivência simples de cada um a mais profunda complexidade, padre Fábio de Melo nos convida a lançar os olhos sobre o cotidiano, e nele descobrir a surpreendente presença de Deus. Com sua narração fortemente marcada pela poesia, ele nos conta histórias de todos nós. Nada escapa ao bom humor e à sensibilidade. O que faz bem ao corpo e à alma Autor: Anselm Grün Nas sete consolações, Santo Tomás de Aquino nos mostra concretamente como a graça se edifica sobre a natureza, como as alegrias terrenas e as alegrias místicas estão interligadas. O texto descreve passo a passo como Deus nos concede as coisas terrenas a fim de transformar nossas tristezas, dores, sofrimentos em dispositivos de consolo para a vida. FILME O quarto Rei Alazar é criador de abelhas. Com a venda do mel ele sonha dar melhores condições de vida para a mulher Izira e para o filho que vai nascer. A rotina é interrompida com a chegada do rei Balthazar e do encontro com os outros dois reis. Começa aí, o drama entre duas escolhas: seguir a estrela como os reis magos ou voltar para sua mulher que é assediada e despejada de casa? O filme pode ser uma boa dica de entretenimento e compreensão para os tempos do Advento.


32

Dezembro - 2016

Retrospectiva 2016 - Algumas imagens que marcaram a história de nossa Igreja neste Ano Jubilar:

Abertura da Porta Santa da Misericórdia. (14 de dezembro de 2015)

Imagem peregrina de Nossa Senhora de Belém visita aldeia indígena em Nova Laranjeiras. (02 de fevereiro de 2016)

Celebração jubilar pelos 60 anos de vida presbiteral e 70 de profissão religiosa de Dom Giovanni Zerbini.

Encontro dos Pioneiros.

Celebração do Jubileu de Ouro da Diocese. Dom Wagner lembra que as crianças farão os próximos 50 anos.

Chegada da imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida.

(14 de agosto de 2016)

(26 de junho de 2016)

(02 de junho de 2016)

(05 de setembro de 2016)

A todos um Feliz Natal e um 2017 de muitas luzes. Continuemos juntos como sujeitos eclesiais da Diocese de Guarapuava!


Boletim Diocesano. Edição 451. Guarapuava.