Page 1

CNBB – REGIONAL SUL 2 – BOLETIM ON LINE – ABRIL DE 2011

do Papa, trazida pelas mãos do Cardeal Enio Antonelli, encerrou-se com uma mensagem que traz um pedido: que as Dioceses e Paróquias continuem trabalhando “com fé, Estimados irmãos em Cristo esperança e dedicação” a serviço da humaCoordenadores e Assessores nização da sociedade, “através da promoda Pastoral Familiar do ção e defesa da instituição familiar e do Regional Sul 2 dom da vida”. Não poderia ser melhor para Irmãos no episcopado, saudações! os nossos trabalhos esse verdadeiro “emA Pastoral Familiar e os Movimentos – Es- purrão” vindo do Vaticano e do CELAM. crevo-lhes depois de participar do 5º Encontro Provincial de Lideranças da Pastoral Fa- Semana Santa e Feriadão – Acabo de ver miliar realizado em Cascavel, nos dias 2 e 3 um suplemento de Turismo, com atraentes deste mês de abril. A novidade deste encon- “pacotes”, que prometem “paraísos” de tro foi a participação das Coordenações dos descanso e beleza a todos os que quiserem Movimentos Pastorais, que ouviram a pro- (com um bom investimento) viver os dias da posta de trabalho em conjunto da Pastoral Semana Santa como turistas. Hotéis plenos, Familiar, e responderam muito entusiasma- estradas congestionadas na ida e na volta, dos e dispostos a colaborar nos programas supermercados com portais de ovos de choda Pastoral Familiar das dioceses. Foi um colates. A Semana Santa e a Páscoa, que foi grande passo, feito pela Província de Casca- uma suada conquista dos cristãos, para cevel, que merece ser seguido pelas demais lebrar a Paixão e a Ressurreição do Senhor, províncias e, quem sabe, por todo o país. ganham agora os contornos de um “feriaIndependente de encontros como esses, a dão”. Ainda melhor neste ano emendado integração, chamada também de “pastoral com o feriado de Tiradentes. E as consciênorgânica”, ou “de conjunto” deveria ter uma cias que fiquem tranquilas com a substituiatenção permanente em nossas igrejas lo- ção da carne por um bom e caro bacalhau! cais. Afinal os Movimentos Pastorais não Pobre Cristo na Cruz! Espero que todos nós, apenas devem “colaborar”, mas devem mesmo diante desse quadro, tão vivo, de “ser” Pastoral familiar, como de fato são. Na abandono da fé, tenhamos uma Semana próxima edição, mais detalhes do Encontro. Santa, realmente santa, o que não é redundância, mas uma necessidade da nossa vida Bogotá – Família e Vida – Outro evento espiritual. ocorrido recentemente chama a nossa Paz e Bem, a todos! Muito trabalho, ânimo atenção: promovido pelo Pontifício Conse- redobrado, diante da rica agenda que temos lho para a Família, juntamente com o para este ano, abraçando com coragem os CELAM, o Encontro realizado em Bogotá, na desafios que virão. Colômbia, reuniu os bispos das Comissões Dom João Bosco, O.F.M. de Família e Vida de todo o continente latiBispo de União da Vitória no-americano. Aberto com uma mensagem


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

2

ABRIL/2011

Casal americano ganha prêmio de mais longo matrimônio do mundo nios entre 60 e 69 anos de união matrimonial. Marshall e Winnie foram homenageados também na Câmara de Representantes dos EUA, em Washington DC, onde receberam presentes, um certificado e uma placa de reconhecimento do "matrimônio mais longo". Também foram homenageados pelo governador, funcionários legislativos estatais e o prefeito do Lordsburg. Segundo o casal organizador, Dick e Dianne Baumbach, o concurso procura "dar aos jovens casais a esperança de seu próprio Marshall e Winnie Kuykendall, do Novo Mé- matrimônio". xico (EUA), são o casal como mais tempo de matrimônio do mundo. Ele se casaram O Encontro Matrimonial está presente em em 1929 e foram os ganhadores de um mais de 90 países e é o maior movimento a concurso promovido pela organização pró- favor do matrimônio. Fontes: http://padrelano.com.br/ familia "Encontro Matrimonial Mundial". http://nossasenhoradefatimapb.blogspot.com Eles já tem 82 anos de casados e receberam o reconhecimento nas festividades de São Valentim, uma grande celebração nos Estados Unidos, no último, sábado, 12 de fevereiro. Marshall e Winnie, de 103 e 102 anos de idade, relatam que, quando se casaram, fizeram "o juramento de permanecerem juntos até que a morte [os] separe". Os Kuykendalls, ambos naturais do estado do Arizona, que se casaram apenas cinco meses depois de se conhecerem, têm uma filha - casada há 56 anos - e dois netos. O Encontro Matrimonial Mundial organizou a celebração em homenagem ao casal ganhador, após a intensa disputa na qual concorreram 300 candidatos de todos os estados norte-americanos. Entre os participantes, estavam 100 casais com mais de 70 anos de casados, além de 155 matrimô-

Boletim ON LINE da Pastoral Familiar do Regional Sul II - CNBB Rua Saldanha Marinho, 1266 – 80430-160 Curitiba – PR – Tel.:(41) 3224-7512 Dom João Bosco Barbosa de Sousa Bispo de União da Vitória-PR Representante Episcopal E-mail: dombosco@dioceseunivitoria.org.br Diác. Juares Celso Krum Assessor Regional E-mail: jckrum@yahoo.com.br


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

3

ABRIL/2011

História do primeiro menino curado com células-tronco do irmão vira documentário Fonte: http://entretenimento.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=27189368

medula. O sangue do cordão umbilical de Javier foi transplantado em Andrés para que ele começasse a fabricar células sangüíneas saudáveis. Os pais das crianças, Soledad Puertas e Andrés Mariscal, não sabiam muito sobre célulastronco. Diante da enfermidade de Andrés, eles começaram a investigar os possíveis tratamentos e, quando obtiveram a permissão da Comissão Nacional de Reprodução Assistida para realizar o diagnóstico genético pré-implantacional (PGD), decidiram que o procedimento era a melhor maneira de conseguir uma cura para Andrés. O diagnóstico é uma técnica que permite comprovar se um embrião está são ou não, do ponto de vista genético, antes de ser transferido ao útero materno. A nova opção terapêutica passou a ser permitida em 2006 com a aprovação da Lei de Reprodução Humana na Espanha. O documentário 'Andrés e Javier', préselecionado para os prêmios Goya do cinema espanhol, na categoria de documentários, narra a vida de Andrés Mariscal, um menino de 8 anos que se curou de uma anemia hereditária graças a um transplante de células-tronco de seu irmão Javier. No dia 12 de janeiro fez dois anos desde que Andrés foi objeto de um transplante de células-tronco extraídas do cordão umbilical do irmão, que foi o primeiro bebê nascido de um embrião selecionado geneticamente com fins terapêuticos. Javier é o primeiro caso em que todo o procedimento para gerar um bebê selecionado geneticamente para salvar seu irmão realizado na Espanha. O bebê, que nasceu no Hospital Virgen del Rocío de Sevilla, com 3,4 quilos, trouxe a cura a seu irmão Andrés. O menino sofria de beta talassemia - caracterizada pela impossibilidade de fabricar hemoglobina, o que obrigava a realização de transfusões sangüíneas intermináveis - e precisava de um transplante de

Para realizar o PGD, os embriões são fecundados (seguindo o mesmo método de um procedimento in vitro). Depois, examina-se o seu material genético para comprovar se os embriões não são portadores de alguma enfermidade.

O método permite a concepção e o parto de um bebê que não só está livre da enfermidade hereditária que sofre seu irmão, como também proporciona um doador idôneo, capaz de possibilitar sua cura mediante um transplante a partir


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

4

ABRIL/2011

do sangue do cordão, que tem um perfil compatível. Esta compatibilidade faz com que as possibilidades de não rejeitar o transplantes das células-tronco do cordão umbilical de Javier fiquem entre 70% e 90%.

minar embriões de casais com alguma enfermidade na família. Já na opinião de Jorge Hallak, especialista em reprodução humana, a seleção de embriões gera um sério problema ético: - O que fazer com os embriões não selecionados? No Brasil, o descarte é proibido. Não acho o tratamento condenável, mas não deve ser encorajado. Não acredito que essa seleção tenha amparo legal. A lei é vaga. O PGD foi usado pela primeira vez em 2000, nos EUA, para salvar uma menina de 6 anos. A primeira filha do casal Lisa e Jack Nash, Molly, nasceu com anemia Fanconi. A deficiência é fatal se não houver um transplante como o que recebeu de seu irmão, Adam, que nasceu em 29 de agosto de 2000, em Denver, com a ajuda da técnica PGD.

Geralmente, de cada 16 embriões que um casal obtêm por fecundação in vitro, somente três estão livres da enfermidade e são compatíveis com o irmão doente. Os pais de Andrés e Javier, se submeteram a dois ciclos reprodutivos, um em dezembro e outro em fevereiro. Para que o procedimento tenha êxito, é necessário submeter o paciente a um tratamento com quimioterapia. O processo do transplante deve ser completado em 20 dias.

O supervisor do Banco de Cordão do Instituto Nacional do Câncer, Flávio Paraguassu Braga, lembra que o procedimento é a última medida: - Selecionar um embrião é um caso extremo, quando não se encontra doador compatível na família ou nos registros nacionais e internacionais. Em geral, doações da família ou de bancos garantem 80% dos transplantes de medula óssea no Brasil.

- A intensidade não é a mesma que se necessita para tratar um câncer, porque não é preciso eliminar tumor. A quimioterapia é empregada para reduzir os riscos de rejeição e permitir que a medula se enxerte - esclarece o médico Miguel Ángel Canales, membro do Serviço de Hematologia do Hospital Madrileño de La Paz, em entrevista ao site El Mundo. Segundo o 1º vice-presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana, Dirceu Mendes Pereira, no Brasil não há lei para a reprodução assistida. Para realizar procedimento semelhante ao do casal espanhol, seria necessária a aprovação do caso pelo Conselho Federal de Medicina. - Não me parece que salvar uma vida pode ferir a ética do Conselho - analisa o médico, que explica que o PGD já é feito no Brasil para eli-

O que dizer da mudança genética de um embrião para salvar a vida de outra pessoa? E as coisas continuam acontecendo pelo mundo. Veja a página 5 com o artigo sobre assunto “bebê-medicamento” na França, com a opinião dos bispos daquele país, e a página 6 com o uso de células tronco da própria paciente.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

5

ABRIL/2011

"Bebê-medicamento" fere a dignidade humana, afirmam bispos Fonte: http://noticias.cancaonova.com

A França vive um fenômeno conhecido como bébé-médicament - bebê-medicamento -, que são filhos gerados com a intenção principal de serem doadores para irmãos que possuam alguma doença grave, pois o nível de compatibilidade entre ambos é bem maior.

Arcebispo de Paris, Cardeal André Vingt-Trois

O primeiro bébé-médicament nasceu no dia 26 de janeiro, no hospital "Béclère" di Clamart, em Île-de-France. O bebê de nome turco UmutTalha (que significa "a nossa esperança") foi concebido na tentativa de curar um irmão que sofre de uma grave doença de sangue hereditária, mas da qual Umut-Talha não é portador. O Arcebispo de Rennes e encarregado da Conferência Episcopal para acompanhar a discussão em matéria de bioética, Dom Pierre d'Ornellas, sublinhou a "anormalidade" desse nascimento. Já o Arcebispo de Paris e presidente da Conferência, Cardeal André Vingt-Trois, definiu a criança como "um instrumento para buscar a cura do outro menino", declarando-se nitidamente contrário à concepção com fins terapêuticos. A técnica A técnica utilizada prevê que os embriões, após a fecundação in vitro, sejam submetidos a uma dupla análise genética pré-implantatória, que permita selecionar aqueles que não são portadores da doença hereditária e compatíveis - no caso de Umut-Talha - com os dois irmãozinhos portadores da patologia. Depois, os embriões

são transferidos para o útero da mãe, que continua a gravidez. O recém-nascido não somente é sadio, mas, através das células do seu cordão umbilical, poderá curar o irmão mais velho. Segundo Dom d'Ornellas, a estranheza deste nascimento está, antes de tudo, na legalização da instrumentalização do nascituro, como indica em uma declaração assinada com outros bispos e definindo o bébé-médicament como uma "falsa pista". Tal instrumentalização é contrária "ao mais elementar respeito devido a todo o ser humano, contrariando o interesse primordial da criança", disse o prelado, citando a Comissão nacional consultiva dos direitos do homem. A declaração também afirma que toda a criança "tem o direito de nascer por si mesma, ser amada por si mesma e ser acolhida por si mesma". O Arcebispo de Rennes salienta que este nascimento é singular porque instrumentaliza perguntas como: Quem poderia permanecer insensível diante da vida, mais ainda do sofrimento?; Quem poderia negar a legalidade de um ato científico altruísta?. "Todavia, legalizar o uso do ser humano mais vulnerável para curar outro não é digno do homem, e conceber um bebê com esse objetivo não respeita a sua dignidade", afirmam os bispos franceses. O nascimento de Umut-Talha coincide com o debate parlamentar sobre bioética, mas é preciso encontrar a estrada que una o respeito incondicional pela dignidade de todo o ser humano e o uso de técnicas biomédicas surgidas graças ao avanço da ciência. "É sobre essa estrada que se encontra o verdadeiro progresso da humanidade", salientam os prelados, que convidam os parlamentares ao diálogo para encontrar uma solução compartilhada, que leve a medir a pesquisa científica com a régua da liberdade responsável, que escolha o respeito como via de progresso no interesse geral da sociedade.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

6

ABRIL/2011

Menina espanhola obtém cura de um câncer com células do seu cordão umbilical Fonte: ACI Digital Uma menina da cidade de San Fernando (Cádiz, Espanha), de nome Alba, converteu-se no primeiro caso que superou com êxito um câncer de cérebro após ser tratada com células mãe (estaminais ou células tronco) do próprio cordão umbilical do paciente, conforme informou esta segunda-feira a companhia Crio-cord, um dos bancos de conservação de células mãe autorizados na Espanha. A menina, que nasceu sã em 2007, recebeu aos dois anos de idade um diagnóstico de meduloblastoma, um câncer de cérebro muito pouco freqüente. Por isso, se extirpou a maior parte do tumor e, depois de vários ciclos de quimioterapia, procedeu-se ao transplante de células mãe de sangue do seu próprio cordão umbilical. Em concreto, foi o serviço de Oncohematología do Hospital Universitário Menino Jesus de Madrid, dirigido pelo doutor Luis Madero, que desenvolveu em 2009 esta intervenção, que agora foi divulgada, sendo hoje Alba uma menina de quatro anos que leva uma vida normal. O processo para a cura do meduloblastoma começou com a extirpação da maior parte do tumor, no cérebro. Depois Alba se submeteu à quimioterapia para reduzir o tamanho do tumor restante e, continuando, se aplicou quimioterapia mais intensiva para eliminar completamente as células tumorais. Já nesta última fase, a quimioterapia não só destruiu o tumor, mas também o sistema sangüíneo do paciente, motivo pelo que foi preciso recompor o sistema sangüíneo com células mãe. Desta forma, procedeu-se ao transplante das células mãe do seu cordão umbilical, que previamente haviam sido solicitadas pelo Hospital Menino Jesus de Madrid pela Crio-cord, quem as trouxe das instalações da Bélgica e Holanda. Depois do transplante, as células mãe migraram à medula óssea, onde se multiplicaram e começaram a gerar glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas, iniciando assim a regeneração de seu sistema sangüíneo. Revisões periódicas Depois, aos 60 dias do transplante, se infundiram novas células mãe, nesta ocasião provenientes de seu sangue periférico, para acelerar o implante plaquetario. Transcorridos 14 meses depois do transplante, a menina reconstruiu completamente seu sistema sangüíneo e desfruta de uma vida normal, com as lógicas revisões periódicas.

O próprio doutor Madero, quem foi o responsável pelo tratamento de Alba e seu posterior seguimento, assinalou esta segunda-feira que se trata de um caso único na Espanha. "A utilização de células mãe para a regeneração do sistema sangüíneo é um tratamento estendido neste tipo de câncer", resenhou este especialista, quem esclareceu que isto torna único o caso de Alba "já que pela primeira vez em nosso país as células mãe provinham do seu próprio cordão umbilical, conservado ao nascer". "Nos últimos anos, os transplantes de células mãe do sangue do cordão umbilical experimentaram um crescimento muito importante. Concretamente para o caso de irmãos, estas células mãe são a melhor opção terapêutica que existe", acrescentou. "Nosso melhor investimento" Os pais de Alba, Santiago, que é engenheiro informático, e Teresa, professora de Literatura, coincidiram em assinalar que a conservação das células mãe do sangue do cordão umbilical de Alba foi "seu melhor investimento". "Tudo se originou como resultado de meu interesse pelos programas de divulgação científica, já que tinha visto uma reportagem sobre o tratamento com células mãe para o Parkinson e meu pai, naquela época, tinha Alzheimer e estava sensibilizado sobre o uso de células mãe para as enfermidades degenerativas", explicou Santiago, quem disse que não duvidou em conservar as células mãe do cordão umbilical da pequena Alba. "Conservar o cordão umbilical é uma aposta pelo futuro, um seguro de vida que não se sabe se será necessário em algum momento, mas que pode salvar uma vida", afirmou sua mãe, Teresa Molina, quem assegura que viu a sua filha nascer duas vezes. Satisfação na Crio-cord Por sua parte, o diretor geral da Crio-cord, Guillermo Muñoz, também mostrou sua satisfação pelo êxito do processo. "Na Crio-cord estamos orgulhosos de ter participado do processo de cura de Alba, ademais de que este tipo de notícias confirme que o sangue de cordão umbilical é uma excelente fonte de células mãe, que, ao ser as mais jovens do corpo humano, têm um maior potencial de cura", explicou. De fato, avançou que os últimos estudos "confirmam o incremento exponencial do uso destas células mãe em todo o mundo, assim como os resultados obtidos com o sangue do cordão umbilical são excelentes em múltiplas enfermidades, como leucemias, linfomas e falhas congênitas da medula óssea".


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

7

ABRIL/2011

Maio Junho Mês

MAI

JUN

Data

Evento

Local/ Responsabilidade

01

Reunião – Coordenação da CRPF

Londrina/PR

15

Dia Internacional da Família

Paróquias e Dioceses

21 e 22

Encontro – Multiplicadores de Defesa da Vida

Província de Cascavel/PR

28

Simpósio da Família

Aparecida/SP

29

3ª Peregrinação Nacional das Famílias

Aparecida/SP

17 a 19

Assembléia da CNPF (eletiva)

Brasília/DF

MISSA NA CELEBRAÇÃO DO MATRIMÔNIO O matrimônio pode ser celebrado dentro da Missa todos os dias do ano, exceto no Tríduo Pascal, Natal, Epifania, Ascensão, Pentecostes, Corpo e Sangue de Cristo ou outras solenidades de preceito. Nos demais domingos e solenidades, pode haver celebração do matrimônio dentro da Missa, usando-se o formulário da Missa do dia e acrescentando-se a bênção nupcial e, se for oportuno, a fórmula apropriada para a bênção final sobre os noivos. Nessas ocasiões, pode-se proclamar uma das leituras previstas para a celebração do matrimônio. Nos domingos do Tempo do Natal ou durante o ano, se a missa em que o matrimônio é celebrado não coincide com a missa da comunidade paroquial, pode-se usar, na íntegra, o formulário da Missa do matrimônio. Se o matrimônio for celebrado no Tempo do Advento ou no da Quaresma, ou em outros dias de penitência, o pároco previna os noivos acerca do caráter penitencial desses tempos litúrgicos.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

8

ABRIL/2011

Pastoral Familiar, da Diocese de Toledo, lança Plano de Ação 2011-2015

(Texto e fotos: Paulo Weber Junior)

A Pastoral Familiar, da Diocese de Toledo, reafirma o compromisso de fortalecer suas ações em favor da família com o lançamento do Plano Estratégico de Ação da Pastoral, que prevê metas e objetivos a serem alcançadas no período 2011-2015, nos seus três setores: pré-matri-monial, pósmatrimonial e casos especiais.

fidelidade para a vivência do matrimônio. Com isso, pretende-se orientar o que é o verdadeiro casamento, uma vez que qualquer forma de “viver junto” está sendo confundida com o Sacramento do Matrimônio, inclusive união de pessoas do mesmo sexo. Segundo informa o assessor diocesano, pe. Ademir Teixeira, a estratégia de ação está calcada na Animação Bíblica, conforme indicado na assembleia diocesana. “Caminhamos nessa direção, onde temos agentes que vão atuar diretamente nas paróquias a partir dos três setores da nossa Pastoral. Esse trabalho, a princípio, começará com a organização, reestruturação, fortificação da formação da liderança para atuação nas comunidades paroquiais. Nosso objetivo é que a missão aconteça efetivamente na paróquia”, explica.

Lançamento do Plano de Ação é marcado pela união de forças pela família

Ele é resultado de uma série de estudos, tendo como base, por exemplo, as Diretrizes Nacionais da Pastoral Familiar e o encontro diocesano sobre Iniciação à Vida Cristã. Sobretudo, contempla as definições da Assembleia Diocesana, de julho do ano passado, que tem como prioridade a Animação Bíblica da Pastoral. O lançamento do Plano ocorreu no último dia 27 de fevereiro, na Paróquia Maria Mãe da Igreja, na cidade de Marechal Cândido Rondon, e contou com a significativa participação das coordenações paroquiais, que demonstraram sua unidade em torno da proposta cujo objetivo é evangelizar as famílias da Diocese de Toledo. O Plano Estratégico vai provocar, por exemplo, os jovens a repensar a ideia do que é viver a liberdade, tocando no tema do relacionamento sexual antes do casamento e da

Pe. Ademir expôs os objetivos e metas do Plano de Ação da Pastoral Familiar

Para que isso aconteça, Pe. Ademir considera importante o bom relacionamento com as diversas pastorais e movimentos eclesiais, especialmente aquelas que já desenvolvem espiritualidade familiar, bem como as demais que atuam com crianças, adolescentes, jovens e idosos. Uma série de atividades serão programadas para contemplar todas as faixas etárias e conforme o setor da Pastoral.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

9

ABRIL/2011

COORDENAÇÕES ANIMADAS De parte dos coordenadores decanais da Pastoral Familiar, a vontade é muito grande para por em prática o Plano Estratégico. “Nas paróquias, vamos fazer o Plano acontecer”, garante Gilberto Woiski, da coordenação do Decanato de Toledo.

Lideranças animadas com a proposta de evangelização

Por sua vez, Romeu Sauer, do Decanato de Rondon, espera que seja possível alcançar a sociedade como um todo. “Precisamos chegar mais perto da família para termos uma sociedade melhor. Isso depende muito da participação de todos os agentes e dos párocos”, considera. Nilce Haraki, da coordenação do Decanato de Assis, espera que o Plano possa desenvolver um bom trabalho com as famílias. “Estamos unindo forças de todos os agentes para resgatar os valores familiares, principalmente a união no lar dentro desta nova realidade”, sublinha. “Quem faz parte da Pastoral Familiar sabe da sua responsabilidade. Queremos o melhor para a sociedade. Por isso, vamos tomar medidas imediatas e urgentes. Até o final deste ano, acredito, vamos ter surpresas muito positivas”, completa Antonio Colontonio, da coordenação do Decanato de Palotina.

LINHAS DE AÇÃO DA PASTORAL FAMILIAR O Setor Pré-matrimonial se preocupa em preparar crianças (preparação remota), adolescentes (preparação próxima) e jovens (preparação imediata) para a descoberta de sua vocação, criando consciência da dignidade da pessoa e dos valores cristãos, a fim de estabelecer a cultura da civilização do amor e da abertura ao Sacramento do Matrimônio para a constituição de casamentos duradouros e famílias bem estruturadas.

O Setor Pós-matrimonial se preocupa em promover a formação para a vida conjugal, familiar e comunitária, à luz do Evangelho, valorizando a família como formadora dos valores humanos e cristãos, incentivando a espiritualidade conjugal e auxiliando os casais na compreensão e vivência do Sacramento do Matrimônio e na educação dos filhos, para uma sociedade voltada para a vivência do amor.

O Setor Casos Especiais se preocupa em acolher e evangelizar as famílias que se encontram em situações irregulares (matrimônio à experiência,

uniões livres, católicos unidos apenas em casamento civil, separados e divorciados sem segunda união, divorciados que contraem nova união) a

fim de que se sintam pertencentes e participem efetivamente da vida da Igreja, de forma consciente e coerente, podendo ou não regularizar a situação perante a igreja.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

10

ABRIL/2011

“TWIBLINGS”, A ÚLTIMA “NOVIDADE” EM PROCRIAÇÃO ARTIFICIAL Gêmeos nascidos de barrigas diferentes com cinco dias de diferença

PORTLAND, domingo, 20 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) - Os pequenos Violet e Kieran são gêmeos hoje com 15 meses. Nasceram com cinco dias de diferença. Com o mesmo material genético, mas gerados em barrigas diferentes. Sendo um caso tão estranho, não existe uma palavra para denominá-lo. Por isso foi cunhado em inglês o termo twiblings, combinação de twin (gêmeos) e sibling (irmão). O caso foi recentemente narrado na revista dominical do New York Times.

Melanie Thernstrom se casou aos 41 anos com Michael Callahan, cinco anos mais jovem, em Portland (Oregon, Estados Unidos), depois de se graduar em Harvard e ter construído uma carreira de sucesso. Apesar da idade, não queria se privar da experiência de ser mãe. Tentou engravidar naturalmente, mas não conseguiu. Então tentou seis vezes uma fertilização in vitro, mas os embriões morriam prematuramente.

A adoção foi descartada, porque o processo é cada vez mais complicado para mulheres maiores de 40 anos: “Quando os pais de Michael adotaram sua irmã, em 1970, abundavam nos Estados Unidos bebês que precisavam de famílias, mas o uso generalizado de métodos contraceptivos, o aborto e outros fatores diminuíram a oferta de crianças para adoção”, diz Melaine no artigo do New York Times. Melanie decidiu procurar uma doadora de óvulos. Insistiam em ter gêmeos, mas sabiam que 60% deles nascem prematuros e com risco de doenças. Pensaram então em ter dois filhos com dois anos de diferença, mas a idade de Melanie os fez pensar que seria melhor alugar duas barrigas, usando os óvulos da doadora e o esperma de Michael. Sobre este assunto, ZENIT consultou o médico ginecologista espanhol Esteban Rodíguez Martín, porta-voz da associação Ginecologistas pelo Direito de Viver. Ele afirma que estes procedimentos “fazem parte das consequências da ideologia de gênero, e são assumidos como dogmas de fé do progresso secularizante”. “Nestes casos”, prosseguiu Rodíguez, “os técnicos acham prazer em satisfazer seu desejo de reconhecimento e de negócio; as „locadoras‟, com a desculpa de um falso altruísmo pelo qual serão pagas; os arrendatários, ao satisfazerem seu desejo de descendência achando que estão contribuindo para um progresso do qual são pioneiros, e que redundaria num bem social graças ao que eles acreditam que é um sacrifício”.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

11

ABRIL/2011

Esteban afirmou que os únicos sacrificados são “os seres humanos inocentes que foram fabricados, selecionados e manipulados, comprados e vendidos, em função do interesse dos que têm o poder de utilizá-los como meio para satisfazer o instinto animal de prazer-desejo”. “Doadores” e “arrendatários” Melanie Thernstrom e Michael se encontraram com todas as envolvidas neste procedimento: a doadora dos óvulos (que embora chamada de “doadora”, comprou um carro zero com o dinheiro que recebeu), e, por meio de uma agência e uma entrevista, as duas mulheres que alugaram suas barrigas para gestar as crianças. Foram eleitas Melissa Fowler, uma enfermeira então com 30 anos, casada e com dois filhos, e Fie McWilliams, 34, também casada e com três filhos. Seus respectivos maridos aprovaram o procedimento e elas explicaram aos filhos que o novo bebê deveria ser entregue a outra família quando nascesse. Melanie acompanhou as gravidezes e fez recomendações. Ao nascerem as crianças, as “locadoras” se comprometeram a amamentá-las com seu leite. Diferentemente de muitos casais que preferem romper o vínculo com as mulheres que alugam seus ventres ou doam os óvulos, eles quiseram conservar o laço com todas as mulheres que intervieram no nascimento de Violet e Kieran. "Só assim é possível desmitificar este assunto", diz o casal. Esta decisão desatou uma grande polêmica por causa dos laços afetivos e da crise de identidade que pode ser gerada nas crianças pelo fato de terem material genético de uma mulher, terem sido gestadas por outras duas e terem sido ideadas por uma terceira, que se diz sua mãe e que é a encarregada de sua educação. Isto, segundo o doutor Rodíguez, anula a “especificidade e a individualidade” do ser humano, que se diferencia de outro ser vivo “por uma qualidade própria, exclusiva e imaterial, e, portanto, não genômica, que o dota de capacidade racional, moral e espiritual. Até Sócrates sabia disto”, afirma. Melanie acha que, à medida que a tendência se tornar comum, as dúvidas irão se dissipando. E

insiste, no artigo: "Em vinte anos, ninguém vai dizer que teve um filho graças a uma doação de óvulos. O escândalo agora acontece porque a situação é nova". Sobre o tema, a instrução Dignitas Personae afirma que a Igreja “considera eticamente inaceitável a dissociação da procriação do contexto integralmente pessoal do ato conjugal”, porque a procriação humana “é um ato pessoal do casal homem-mulher, que não admite nenhum tipo de delegação substitutiva”. A fecundação in vitro envolve um grande número de perda de embriões, “além de não estar em conformidade com o respeito devido à procriação, que não se reduz à dimensão reprodutiva; contribui para debilitar a consciência do respeito que se deve a cada ser humano”.

A Dignitas Personae insiste na legitimidade do desejo do casal de ter um filho e compreende os sofrimentos da infertilidade, mas observa que esse desejo “não pode ser anteposto à dignidade que cada vida humana possui, a ponto de submetê-la a um domínio absoluto”. Enfatiza ainda em que “o desejo de um filho não pode justificar a „produção‟ desse filho, assim como o desejo de não ter um filho já concebido não pode justificar seu abandono ou destruição”.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

12

ABRIL/2011

Sobre este assunto, também se pronunciou Dom Antonio Augusto Dias Duarte, bispo auxiliar do Rio de Janeiro e membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB, em 25 de fevereiro, no site da CNBB:

Uma novidade nem sempre corresponde a uma nova realidade dentro do plano criador de Deus. A criação é, segundo a revelação bíblica que fundamenta a fé católica, um momento de descobrimento do grande e sempre novo achado: a paternidade de Deus. Criar é um ato amoroso, paterno e divino, pleno de sentido para o ser criado e para toda a natureza, principalmente para o ser humano e para a sociedade humana. A verdadeira e perene novidade que assombra o mundo é a participação profunda e autêntica do homem e da mulher na paternidade de Deus. Ser pai e ser mãe transcende, eleva-se, ultrapassa todas as dimensões biológicas e técnicas da procriação artificial, e não porque faltem essas dimensões dentro do processo de transmissão da vida, mas porque a paternidade e a maternidade projetam as pessoas para a dimensão única e original do ser humano, que é a sua autêntica identidade. Um filho tem a sua identidade pessoal formada e amadurecida quando as identidades dos seus genitores mantêm-se puras e inquestionáveis. Recentemente a mídia internacional noticiou o nascimento de um casal de gêmeos, cujo nascimento deuse num intervalo de cinco dias. Essas crianças nasceram de duas mães que alugaram seus úteros para a mulher que desejou ser mãe depois dos 41 anos, quando decidiu pelo casamento após uma carreira profissional cheia de sucessos. Depois de seis tentativas de fertilização artificial com transferência de embriões concebidos para o seu próprio útero, mas que morriam prematuramente, essa mulher de sucesso concebeu uma estratégia para ter a certeza do seu êxito gestacional. Conseguiu uma doadora de óvulos, garantiu os espermatozóides do seu marido, alugou duas barrigas para a gestação do “twiblings”, termo composto pela palavra twin (gêmeos) com a palavra sibling (irmão), e a estratégia gestacional alcançou o seu sucesso laboratorial e econômico. A mulher que doou os seus óvulos comprou um carro zero com o dinheiro que recebeu. As locadoras

do corpo para a gestação, casadas e com filhos, cujos maridos aprovaram o negócio feito através de uma agência promotora desses encontros de barrigas de aluguel, comprometeram-se a amamentar com seu leite os irmãos portadores do mesmo material genético e com a diferença temporal de nascimento. O sucesso gestacional foi conseguido, mas várias questões não se levantaram durante toda essa negociação. Uma mãe é a educadora, outra mãe é a doadora dos óvulos, outras duas mães são as gestantes e uns homens são os espectadores dessa última novidade em matéria de procriação artificial. Os filhos quem são em todo esse processo? Como esses irmãos gêmeos vão reagir ao serem perguntados sobre suas identidades pessoais? De quem são filhos realmente? Quais serão os impactos psicológicos decorrentes dessa busca insaciável de êxito gestacional? Quando se perde a noção de participação no poder criador de Deus, perde-se também a noção da paternidade e da maternidade autênticas e, consequentemente, vai-se transformando a procriação numa delegação substitutiva. Sem perder de vista a legitimidade do desejo de serem pais, e compreendendo todo o sofrimento decorrente da infertilidade, entretanto, não se pode deixar de considerar a dignidade da procriação humana. Nela não ocorrem apenas uniões de gametas, nem sequer um processo gestacional em qualquer barriga, mas nela acontece o ato pessoal mais significativo para uma família. O ato pessoal do casal homem-mulher que se abre certamente a um fenômeno biológico cada vez mais conhecido, também e principalmente se abre seguramente a um fenômeno humano muito mais significativo, que é o da individualização do filho e, consequentemente, o fenômeno da socialização da pessoa em e a partir da sua família. A novidade do twiblings pode tornar-se corriqueira e não chamar mais a atenção da mídia, entretanto essa forma de ter filhos tão desejados vai introduzir na humanidade o fenômeno mais antissocial e mais confuso que se pode pensar: a despersonalização da família. Uma família despersonalizada criará uma sociedade desestruturada, e uma sociedade desestruturada causará um mundo desequilibrado, onde os seres humanos passarão a ter os seus valores considerados a partir de êxitos ou fracassos ocorridos nos negócios onde cada pessoa será um produto de última, penúltima ou antepenúltima geração. Será esse o mundo que Deus criou e confiou à humanidade para que descobrisse todas as maravilhas presentes nele? Essa resposta e as demais que devem ser dadas às questões acima levantadas sobre a identidade dos bebês gerados artificialmente reclamam da sociedade atual a atitude aberta à verdade sobre o homem e a mulher como corresponsáveis com Deus pela vida humana e o amor sincero pelas crianças, criaturas que merecem muito respeito pelo direito fundamental de serem criadas através do ato mais humano e divino, que é o da doação interpessoal no matrimônio.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

13

ABRIL/2011

Nova Evangelização será discutida no Sínodo de 2012

UNIVERSIDADE HARVARD DÁ RAZÃO AO PAPA NA LUTA CONTRA AIDS

O termo Nova Evangelização, destaca o texto apresentado hoje, foi introduzido pelo Papa João Paulo II, em 1979, durante a visita apostólica à Polônia. Dois anos mais tarde, João Paulo II resumiria o conceito como “sinônimo de renascimento espiritual da vida de fé das igrejas locais, início de percursos de discernimento das mudanças que afetam a vida cristã nos diferentes contextos culturais e sociais, releitura da memória da fé, assunção de novas responsabilidades e novas energias em vista de uma proclamação alegre e contagiante do Evangelho de Jesus Cristo”.

ROMA, sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) Um estudo realizado pela Universidade Harvard deu razão à posição de Bento XVI sobre a AIDS, afirmando que um comportamento sexual responsável e a fidelidade ao próprio cônjuge foram fatores que determinaram uma drástica diminuição da epidemia no Zimbábue. Quem explica, em sua última pesquisa, é Daniel Halperin, do Departamento de Saúde Global da População da universidade norte-americana, que, desde 1998, estuda as dinâmicas sociais que causam a disseminação de doenças sexualmente transmissíveis nos países em vias de desenvolvimento. Halperin usou dados estatísticos e análises sobre o estudo de campo, tais como entrevistas e focus group, o que lhe permitiu coletar depoimentos de pessoas que pertencem a grupos sociais mais desfavorecidos. A tendência de dez anos é evidente: de 1997 a 2007, a taxa de infecção entre adultos diminuiu de 29% a 16%. Após sua pesquisa, Halperin não hesita em afirmar: a repentina e clara diminuição da incidência de AIDS se deve "à redução de comportamentos de risco, como sexo fora do casamento, com prostitutas e esporádico". O estudo, publicado em PloSMedicine.org, foi financiado pela Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional, da qual Halperin foi conselheiro, e pelo Fundo das Nações Unidas para a População e Desenvolvimento. "Com este estudo, Halperin promove uma reflexão séria e honesta sobre as políticas até agora adotadas pelas principais agências de combate à AIDS nos países em desenvolvimento", afirma o jornal L'Osservatore Romano, ao dar a notícia, em sua edição de 26 de fevereiro. Segundo o estudo, fica claro que a drástica mudança no comportamento sexual da população do Zimbábue "recebeu o apoio de programas de prevenção na mídia e de projetos educativos patrocinados pelas igrejas". Poucos anos atrás, Halperin se perguntava como é possível que as políticas de prevenção "mais significativas tenham sido feitas até agora baseando-se em evidências extremamente fracas", ou seja, na ineficácia dos preservativos. Em suma, segundo o estudo de Halperin, é necessário "ensinar a evitar a promiscuidade e promover a fidelidade", apoiando iniciativas que visem a construir na sociedade afetada pela AIDS uma nova cultura. Como disse Bento XVI, é necessário promover uma "humanização da sexualidade".

CNBB/Rádio Vaticano

Fonte: ZENIT.org

As diretrizes para a 13ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que vai acontecer em outubro de 2012, no Vaticano, foram apresentadas nesta sexta-feira, 4 de março, na sala de imprensa da Santa Sé. As linhas gerais que vão nortear as discussões foram apresentadas pelo secretário geral do Sínodo dos Bispos, dom Nikola Eterovic. O texto tem pouco mais de 60 páginas. Está divido em três capítulos que tratam da urgência de uma Nova Evangelização, do dever e dos desafios de evangelizar, e dos possíveis cenários da Nova Evangelização do cristianismo moderno. O foco central, definido pelo papa, é o conceito da Nova Evangelização e os desafios da Igreja diante das mudanças que tornam o mundo, cada vez mais, um planeta globalizado. A revolução tecnológica marcou a passagem dos séculos XX para XXI e entra nessa primeira década aparece como a solução mais cotada para todos os problemas da humanidade. As instituições que não acompanham o novo ritmo dos acontecimentos mundiais estão em risco de serem automaticamente excluídas do contexto social, econômico, político e religiosos dos dias futuros. Nas diretrizes apresentadas nesta sexta-feira, a Igreja parece ter se antecipado à revolução tecnológica. Nas linhas gerais da Nova Evangelização para a Transmissão da Fé Cristã, há uma citação dita pela primeira vez há quarenta anos, no Concílio do Vaticano II: “A humanidade vive um período novo da sua história, caracterizado por profundas mudanças e rápidas transformações que progressivamente se estendem para todo o universo”.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

14

ABRIL/2011

Retiro de Formação Setor Casos Especiais em Campo Mourão as etapas do processo de nulidade matrimonial; a espiritualidade do agente e a ação pastoral. A pastoral Familiar é um braço da Igreja e como tal tem o dever de dar testemunho ao mundo e informar e preparar os vocacionados ao matrimônio.

Participantes atentos

Aconteceu nos dias 05 e 06 de março, no Centro de Formação Dom Elizeu, o Retiro de Formação do Setor Casos Especiais. O objetivo do retiro foi formar agentes para acolher os casais em segunda união. Trabalho esse que é uma das prioridades eleitas pela Pastoral Familiar do Regional Sul II (Paraná). Ministrado pelo casal Sednir e Maristela, da Arquidiocese de Cascavel, coordenadores do Setor Casos Especiais do Regional Sul II; contou com a presença do casal Luiz e Bete, também de Cascavel que vieram para dar um testemunho de vida aos casais participantes.

Sednir Edely de Lima Tápia

Estiveram presentes 14 paróquias das 38 da Diocese. "Porque muitos são os chamados e poucos os escolhidos" (Mateus 22,14). Padre Roberto, assessor eclesiástico fez a abertura do retiro e a missa foi celebrada pelo padre Luca Pelis, vigário geral da Diocese. A animação esteve a cargo do ministério de musica da Capela Divino Espírito Santo. Visitaram o retiro: o padre Ednaldo, da paróquia São Francisco de Assis e o seminarista Jilliard. A todos os que se fizeram presentes, a todos os que colaboraram, e aos casais Sednir e Maristela com o filho Francisco, e Luiz e Bete, com a filha Aninha, nosso muito obrigado. Que Deus os abençoe.

Maristela Pezzini Tápia

Entre os assuntos passados estavam: o sacramento da eucaristia e reconciliação; o conceito de casal segunda união, segundo o guia da CNBB para o setor casos especiais; o sacramento do matrimônio; o que a Igreja entende por matrimonio nulo, os impedimentos existentes para que o matrimônio seja válido;

Momento de Adoração ao Santíssimo http://pastoralfamiliardiocesecampomourao.blogspot.com


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

15

ABRIL/2011

O aborto voluntário no discurso de Bento XVI à Assembleia Geral da Pontifícia Academia para a Vida O aborto é um "drama" para a mulher e constitui uma "ferida gravíssima" para a consciência moral, reiterou o Sumo Pontífice, recebendo em audiência na manhã de 26 de Fevereiro, na sala Clementina, os participantes na assembleia geral anual da Pontifícia Academia para a Vida.

percepção comum da gravidade moral do aborto e de outras formas de ameaçar a vida humana, os médicos precisam de uma fortaleza especial para continuar afirmando que o aborto não resolve nada, que mata o filho, que destrói a mulher e cega a consciência do pai da criança, muitas vezes arruinando a vida familiar".

Em uma sociedade muitas vezes caracterizada pelo "eclipse do sentido da vida", o Papa Bento XVI voltou a afirmar que "o aborto não resolve nada", mas, ao contrário, cria Este dever, frisou, não se limita "à profisproblemas sérios para todos os envolvidos. são de médico ou de profissional de saúde". O Papa recebeu em audiência, no sábado, dia 26 de fevereiro, os participantes da 17ª Assembleia Geral da Pontifícia Academia para a Vida (PAV), enfatizando o "engano" a que se induz "a consciência de muitas mulheres que acreditam encontrar no aborto a solução para as dificuldades familiares, econômicas, sociais ou para os problemas de saúde de seus filhos". "Especialmente neste último caso, a mulher é convencida, muitas vezes pelos próprios médicos, de que o aborto é uma escolha não só moralmente lícita, mas também um ato ‘terapêutico' necessário para evitar o sofrimento do filho e da sua família e uma carga ‘injusta' para a sociedade", declarou. "Em um contexto cultural caracterizado pelo eclipse do sentido da vida, que reduziu a

De fato, é necessário que "toda a sociedade defenda o direito à vida do nascituro e o verdadeiro bem da mulher, que nunca, sob quaisquer circunstâncias, será respeitado na escolha do aborto". Da mesma forma, é preciso "prestar a ajuda necessária às mulheres que, infelizmente, já recorreram ao aborto e agora experimentam todo o drama moral e existencial". Neste contexto, o Papa recordou as muitas iniciativas, "no âmbito diocesano ou por meio de entidades de voluntariado individual", que oferecem "apoio psicológico e espiritual para a recuperação humana completa". "A solidariedade da comunidade cristã não pode renunciar a este tipo de responsabilidade", afirmou.


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

16

ABRIL/2011

CONSCIÊNCIA MORAL A questão do aborto, continuou Bento XVI, interpela a consciência moral do indivíduo. Segundo o Catecismo da Igreja Católica (nº 1778), a consciência moral é "um juízo da razão, pelo qual a pessoa humana reconhece a qualidade moral de um ato concreto que vai praticar, que está prestes a executar ou que já realizou".

riedade dos indivíduos na participação em pesquisas dirigidas a promover o bem comum". No caso do uso de células-tronco do cordão umbilical, reconheceu o Papa, "trata-se de aplicações clínicas importantes e de pesquisas promissoras no âmbito científico, mas, para a sua execução, muitas dependem da generosidade na doação do sangue do cordão no momento do parto".

Na verdade, é dever da consciência moral "discernir o bem do mal em diversas situações da vida, de modo que, sobre a base desse juízo, o ser humano possa livremente abraçar o bem". "Muitos querem negar a existência da consciência moral no homem, limitando sua voz ao resultado de condicionamentos externos ou a um fenômeno puramente emocional; é importante afirmar que a qualidade moral da ação humana não é um valor extrínseco ou facultativo, e não é sequer uma prerrogativa dos cristãos ou dos crentes, mas comum a todo ser humano", indicou o Pontífice. "Na consciência moral, Deus fala a cada um e convida a defender a vida humana em todos os momentos. Neste vínculo pessoal com o Criador está a dignidade profunda da consciência moral e a razão da sua inviolabilidade." "Mesmo quando o homem rejeita a verdade e o bem que o Criador lhe oferece, Deus não o abandona, mas, através da voz da consciência, continua procurando-o e falando com ele, para que reconheça seu erro e se abra à Misericórdia divina, capaz de curar qualquer ferida." PROMOVER A PESQUISA Outro ponto importante abordado na Assembleia Plenária da PAV foi "o uso de bancos de sangue de cordão umbilical para fins clínicos e de pesquisa". O que está em jogo é o valor e, portanto, o compromisso da pesquisa científica e médica, "não só para pesquisadores, mas para toda a comunidade civil", e daí nasce o "dever de promover as pesquisas eticamente válidas por parte das instituições e o valor da solida-

Para isso, ele convidou os presentes a serem "promotores de uma verdadeira e consciente solidariedade humana e cristã". Neste contexto, recordou que "muitos pesquisadores médicos ficam justamente perplexos diante do florescimento de bancos privados de armazenamento de sangue do cordão umbilical para uso exclusivamente autólogo". Esta opção, "além de carecer de uma real superioridade científica com relação à doação do cordão, enfraquece o espírito de solidariedade que deve incentivar constantemente a busca desse bem comum ao qual, em última instância, a ciência e a pesquisa médica tendem". Por esta razão, concluiu com a esperança de que os participantes mantenham "sempre vivo o verdadeiro espírito de serviço que torna os corações e mentes sensíveis ao reconhecimento das necessidades dos homens que são nossos contemporâneos".


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

17

ABRIL/2011

Encontro de Formação - Setor Defesa da Vida em MARINGÁ

O casal coordenador do setor defesa da vida no Regional Sul II, Wilton e Cristian, da arquidiocese de Londrina, esteve no centro de pastoral arquidiocesano (CEPA), em Maringá, para um encontro de formação do Setor Defesa da Vida na Província de Maringá nos dias 19 e 20 de março. Estiveram presentes as dioceses de Umuarama: casal José Carlos e Joana Darc; Campo Mourão: Lafaete, Maria e Antonio e Lucinéia; Paranavaí: Paulo César, Solange e Sueli; Maringá: Sérgio,Aurora, Zulmira e Aleardo. A formação e implantação do Setor Defesa da Vida é uma das quatro prioridades assumidas pelo Regional durante a Assembléia de Guarapuava.

A vida na Palavra de Deus, o catecismo da Igreja Católica e os temas relativos à vida, a vida humana, sua dignidade, a liberdade, a responsabilidade, a consciência moral,"é preciso obedecer a Deus antes que aos homens"(At 5,29), Encíclica Evangelium Vitae:" A Igreja não pode e não vai se calar perante as injustiças sociais do passado e ainda não superadas."(cf EV 5), a Valorização e Defesa da Vida segundo a orientação da Igreja; foram alguns dos assuntos abordados.

Neste primeiro dia, ficamos com a mensagem do Papa João Paulo II na Enciclica Evangelium Vitae: "Respeita, defende, ama e serve a vida, cada vida humana! Unicamente por esse caminho, encontrará justiça, progresso, verdadeira liberdade, paz e felicidade!" (EV 5). No segundo dia, foram trabalhados os temas: o valor da pessoa, a maravilha da criação; a integridade da pessoa, Documento de Aparecida; a posição da Igreja sobre a sacralidade e inviolabilidade da vida de cada ser humano: todo ser humano é criado a imagem e semelhança de Deus e a certeza cientifica de que a vida começa na fecundação; os desafios na promoção da vida, os ataques contra a vida, as meias-verdades nas pesquisas de célula tronco, as manipulações genéticas, os projetos de lei em andamento; como implantar uma comissão de promoção e defesa da vida na diocese e no final do encontro houve uma abertura para questões e dúvidas. A promoção e defesa da vida é uma questão urgente. Como Igreja temos que informar, divulgar e sensibilizar as pessoas para a promoção e defesa da vida, desde a sua concepção até a morte natural. Que a Sagrada Família nos guie e abençoe nessa caminhada. "Não hesito em proclamar diante de vós e diante do mundo, que toda vida humana desde o momento de sua concepção e em todas as suas fases seguintes é sagrada, porque a vida humana é criada à imagem e semelhança de Deus, nada ultrapassa a grandeza ou a dignidade da pessoa humana." (Papa João Paulo II).


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

18

ABRIL/2011

Encontro de Formação sobre BIOÉTICA em São José dos Pinhais uma alternativa que nos leva a uma resposta humana e científica por parte destes profissionais. Assim o paciente deixa de ter um conceito de cliente para ter um conceito de pessoa.

No dia 19 de março de 2011, na paróquia do Senhor Bom Jesus em São José dos Pinhais, foi realizado um encontro de formação para casais agentes de pastoral familiar da Diocese de São José dos Pinhais cujo Pe. José Rafael colocou diversas situações tema foi BIOÉTICA. O palestrante foi o Pe. Dr. José Rafael Solano Durán, assessor do práticas vividas na arquidiocese de Londrina comitê de Bioética da CNBB, Regional Sul como ações nos postos de saúde pública com melhoria na qualidade do atendimento. II. Finalizou a apresentação tratando da questão da morte apresentando os conceitos de eutanásia distanásia, mistanásia e ortotanásia.

Dentro do tema foram apresentadas questões relacionadas a área de saúde e o enfoque recaiu no sentido da humanização das pessoas. Foi refletido também sobre a preparação dos profissionais da saúde, médicos, enfermeiros e atendentes apresentando

Matéria enviada por Faustino Suchla


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

19

ABRIL/2011

EVENTO TEOLÓGICO – FAMÍLIA E MISSÃO EM CAMPINA GRANDE DO SUL MÁRIO ANTONIO BETIATO

2. Que mundo as famílias gostariam de encontrar?

Foi na paróquia Nossa Senhora de Fátima de Campina Grande do Sul que aconteceu o evento A plenária dos grupos foi muito significativa teológico Família e Missão, coordenado e as- e segundo comentários do diácono Juares, apasessorado pelo diácono Juares Celso Krum e pe- receu respostas preocupantes como: lo professor de Teologia Mario Antonio Betiato, 1. A realidade: violência doméstica, discrimino dia 27 de março de 2011. nação da mulher, conflito de gerações (pais e filhos), apelos consumistas, vulgarização e Participaram do evento aproximadamente banalização da sexualidade humana, grande 400 pessoas, famílias de Campina Grande do influência dos Meios de Comunicação Social, Sul. O evento teve início às 9:00h e término às falta de participação nas comunidades eclesi19:00h com bênção do Santíssimo e missa soleais, vícios, etc. ne, num clima de espiritualidade cristã e eclesial 2. A esperança: fraternidade, inclusão, maior conduzido pelo Pe. Messias, pároco local. compreensão entre pais e filhos, vida sacramental mais intensa, maior comprometimento eclesial.

Depois de uma reflexão sobre Família e Missão feita pelo prof. Mario, toda a comunidade participou, em grupos menores do seguinte deEste primeiro momento foi iluminado, na sebate: qüência, por uma palestra proferida pelo prof. 1. Que mundo as famílias estão encontrando? Cesar Kuzma sobre Jesus Cristo, sua realidade e


Pastoral Familiar – CNBB – Regional Sul 2

20

ABRIL/2011

suas esperanças e as conseqüências do evangeAs reflexões que podemos construir a partir lho no universo da família. deste evento são as de sempre. Sabemos que é ao redor da família que tudo gira, pois é lá que nos identificamos, que “desamarramos as sandálias”. No entanto, a Pastoral Familiar tem suas dificuldades de se inserir na pastoral orgânica e em algumas dioceses do Paraná ela ainda não existe.

No período da tarde a comunidade refletiu sobre os desafios (agir) das famílias diante do mundo sombrio que se apresenta. As alternativas de solução apresentadas foram: formação por parte da Igreja, vida sacramental mais intensa, alternativas de lazer mais sadio, maior consciência missionária. Por mais que a Catequese, a Pastoral de Juventude, as Pastorais Sociais se articulem com suas respectivas metodologias, precisamos cuidar do berço de todos: da família, desta comunidade de amor onde reina a cumplicidade, a fidelidade e o sentimento de pertença. O compromisso cristão começa na família, na pequena comunidade de pessoas que se assumem e se amam com gestos de amor, com atitudes de cumplicidade e se sentem seguras na vida para poder ser luz para o mundo. O evento acabou em clima festivo e sacramental numa celebração eucarística que envolveu toda a comunidade (aproximadamente 800 pessoas).

“Abençoa Senhor as famílias, amém”. Fotos: Angelo Bosso Sproger e Juares Celso Krum

Pastoral Familiar - Abril 2011  

Pastoral Familiar - Abril 2011