Page 1

Veja também! Alimentação Saudável para reduzir o risco de gripe. Frutas e Legumes.

A revista da mamãe moderna www.materlife.com.br

O pediatra

O que você precisa saber para criar um filho?

Você sabe como é a primeira consulta?

Dicas de alimentação para mães que estão amamentando

Como escolher, quando ir e o que perguntar quando for a sua primeira consulta

célulastronco do dente de leite do seu filho

dicas

Presentes preciosos e duradouros para seu filho

Fácil acesso à revista pelo seu dispositivo móvel JUNHO 2017 / Ano 13 / nº 150

ISSN 2178-8707

QR CODE

5 motivos para armazená-las

Vacinas

Rotavírus: saber para decidir, devo ou não vacinar na rede privada


e

Nasceu

on ome é Lillo.

Todos os momentos com o seu bebê são especiais. A hora do banho é um deles, por isso a Lillo criou a linha Lillo Baby. Produtos suaves, que respeitam a pele delicada dos bebês e deixam aquele cheirinho que é a coisa mais gostosa do mundo.

Dermatologicamente testado Não irritam os olhos Fórmula suave Tudo para proteger e cuidar do seu bebê. Natural como o seu instinto, mãe.

2

|

Junho 2017

Nova linha Lillo Baby C o s m é t i c o s Extratos naturais para o bebê. Tranquilidade e segurança para a mamãe.


Índice

04

Acompanhando os estudos do filho

08

Ajude seu filho a superar o divórcio!

12

Sobre dietas, autoestima e nutrição

16

No inverno a pele merece cuidados

18

Retinopatia da prematuridade

20

Rosto avermelhado pode ser rosácea

22

Alimentação para reduzir o risco de gripe

28

Trombose durante a gravidez

30

Ginecologista explica a Perimenopausa

32

O Menor carrinho de bebê do mundo

34

Escoliose Infantil

36

Motivos para armazenar células-tronco

38

Quando a Criança pode Dormir Fora de Casa?

40

Gripe na gravidez

42

O que você precisa saber para criar um filho?

46 Pode-se fazer acupuntura na gravidez? 48 A importância da vacina da coqueluche 54 Dicas de alimentação para mães 56 Por que os bebês golfam? 58 Presentes preciosos e duradouros para seu filho 60 Gêmeos - Quais mulheres tem mais chances

A Revista Materlife, consciente da sua responsabilidade ambiental e social, utiliza papéis com certificado FSC (Forest Stewardship Council) para impressão desta revista.

62 Pediatra - Como escolher e quando ir? 64 Saiba como fazer os exames durante a gravidez 66 Quando o meu filho vai começar a falar? 68 Filhos consumistas 70 Dormir com barriga e depois com o bebê

71 Está na Hora de Ir para a Escola. E agora? 72 Epidemia de Febre Amarela Vacinar ou não? 74 Mobilidade durante o trabalho de parto 76 Circular Cervical 78 Benefícios da amamentação

Nota: As informações publicadas nesta revista têm caráter meramente informativo e não substituem o aconselhamento e acompanhamento médico por especialistas nas mais diversas áreas atuantes da medicina. Todos os direitos reservados a Revista Materlife. Proibida a reprodução parcial ou total dos conteúdos. A Redação da Revista Materlife não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados ou por qualquer conteúdo publicitário e comercial, sendo este último de inteira responsabilidade dos anunciantes.

Diretor Michel Wajchman Gerente Financeiro João Géa Maringolo Colaboradora Editoral Sacha Silveira (MTB 51948-SP) Direção de Arte Vitor Gomes Coordenador de Assinaturas Marcos Hessman Produção e Conteudo Editorial Julio Mathias Neto Coordenadora de Circulação Julia Feldstain Colaboradores desta edição: Dra. Carolina Mantelli Borges / Dra. Vanessa Penteado / Dr. Bruno Andrade / Dr. Leandro Teles / Dra. Angelina M. F. Gonçalves /Dra. Ana Paula Bautzer / Dra. Cynthia Boscovich / Dr. Joji Ueno / Dra. Angela Shimuta / Antonio Paschoal / Dr. Domingos Mantelli / Dr. Carlos Bautzer / Dr. Fernando Passos / Dra. Liliane Oppermann / Dra. Erica Mantelli Gestão de Relacionamento Médico Lucas Alan Gerência Comercial Anderson Carlos Pereira Redação Wilian Cardoso Logística e Distribuição: Correios Tiragem / mensal: Nacional 50.000 exemplares Atendimento ao assinante: Disponível de segunda a sexta-feira, das 9:00hs às 18:00 horas. São Paulo: 11 5031-4807 Para anunciar ligue: (11) 5031-4807 / (11) 5031-5847 | contato@materlife.com.br Esta marca e os produtos associados encontram-se disseminados em grandes grupos populacionais. A distribuição é feita em todo território nacional para profissionais da saúde nas especialidades de ginecologia/obstetrícia, pediatria e odontopediatria, promovendo o exercício do direito do cidadão em obter a informação de forma gratuita. Contato: Para se corresponder com a redação: Endereçar cartas à Editora Chefe, Revista Materlife, Rua Hugo Taddei, 97 – Pq. Jabaquara - SP - CEP: 04357-010 Fax: 11 5031-4807. contato@materlife.com.br. Cartas devem ser encaminhadas com os contatos do remetente.


Acompanhando os estudos, sem dar as letras

N Seu filho deve ter a sua disposição, o material escolar que vai precisar: lápis, borracha, canetas coloridas, tesoura etc

ão basta ser mãe em tempo integral, tem que participar ativamente na escola também. E o acompanhamento nos estudos é fundamental, principalmente com crianças menores, que rapidamente ficam cansadas com deveres de casa e, nos primeiros períodos ainda não conseguem ler os enunciados propostos nos exercícios. Mas como acompanhar sem fazer por elas? Afinal, o dever que vem para casa é uma forma de reforçar o que o professora ensinou na escola e se os pais derem as respostas, por falta de paciência ou pressa, isso pode até dificultar o aprendizado dos pequenos. Pedimos, então, dicas à professora

Adriana Camejo da Silva Aroma, especialista em Pedagogia da Universidade Presbiteriana Mackenzie para sugerir algumas dicas que nos ajudem a lidar com a “hora da lição” da melhor forma para facilitar o aprendizado e para que este momento não vire um problema na relação pais e filhos. Dicas para a “hora da lição”

A fim de ajudar as crianças com a lição de casa; em todas as idades, vale a dica de reservar um espaço em sua casa, que seja tranquilo, e que nele a criança possa se concentrar nas propostas que devem ser realizadas. Seu filho deve ter a sua disposição; o material escolar que vai precisar: lápis, borracha, canetas coloridas, tesoura etc. Adeque essa lista de materiais em função da idade escolar de seus filhos

– vale lembrar que quanto menores mais frequentes são as tarefas que necessitam de materiais como cola, tesoura, canetinhas hidrográficas, lápis de cor etc. À medida que vão crescendo, essa demanda diminui, e eles passam a precisar predominantemente de lápis, caneta e borracha. Organize a rotina de casa, para que a criança se antecipe de tal forma que saiba de antemão a “hora de fazer a lição”. Por exemplo: se a criança estuda no período da manhã, após a escola, vem o almoço, um pequeno descanso e lição / estudo. Estuda-se no período da tarde, procure estabelecer o momento de levantar, tomar o café da manhã, e na sequência fazer a tarefa. Para a organização dessa rotina, priorize sempre a lição, antes de outras brincadeiras, para que a criança aprenda a fazê-lo também.

Abaixo, sugestões específicas para cada fase escolar. Educação Infantil: Independente da proposta pedagógica da escola em que seu filho estuda, e da idade da criança, lembre-se: a lição de casa decorre do que foi discutido em aula, e mesmo que ainda não saiba ler, a criança deve chegar em casa sabendo o que deve fazer e como fazer a lição de casa. A lição de casa é dele, e não sua! Sempre que possível tenha em casa revistas que poderão ser recortadas procure materiais que tragam tanto imagens, quanto palavras.

Procure estabelecer o momento de levantar, tomar o café da manhã, e na sequência fazer a tarefa. Para a organização dessa rotina, priorize sempre a lição

4

|

Junho 2017

É comum que as crianças tragam para casa um caderno em que devem registrar acontecimentos da rotina. Se isso fizer parte da proposta pedagógica da escola em que seu filho estuda, deixe que a criança escolha o portador dele: pode ser foto, desenho, recorte e colagem, mas que seja sempre fruto da escolha da criança, tanto no que diz respeito ao que registrar, ou no como fazê-lo.


TM

Mais ventinho, bumbum sequinho! Agora com ulada superfície ond que melhora a ar circulação do

Poko-Chan

Disponível nos tamanhos:

P, M, G, XG e XXG

www.portalmamypoko.com.br * Pode variar de acordo com os hábitos e características do bebê. ** Não contêm fibras de algodão. Fralda-Calça™ é uma marca da Unicharm. Imagens meramente ilustrativas.

5


Para quem tem filhos em fase de alfabetização, todas as dicas acima valem, mas não se esqueça:

1. A leitura é um hábito, que pode e deve ser desenvolvido, também, em casa, com a ajuda da família, para começar procure ter em casa bons livros, e para saber quais são eles, peça indicações à escola, e lembre-se dos clássicos, os contos e fábulas costumam ser alvo de interesse das crianças! 3. Estabeleça a rotina de leitura em casa. Quando ainda pequenos, e ainda não se tornaram usuários hábeis de nosso sistema de representação da escrita, as crianças poderão ler com sua ajuda. 4. Seja um parceiro da escola! Nessa fase é comum que a professora envie para casa um livro da biblioteca escolar. 5.Interesse-se pelo livro, converse com seu filho sobre a capa, as ilustrações, o autor, e finalmente leia com ele. 6. Mesmo não sabendo escrever convencionalmente, as crianças pensam sobre o

sistema de representação da escrita, e a respeito de seu funcionamento levantam hipóteses, que nem sempre o refletem. 7. Deixe que a criança escreva a partir dessas hipóteses, e não a corrija, mesmo que isso gere uma escrita ilegível para você. 8. Finalmente: interesse-se pelo resultado final da lição, pedindo para verificar o caderno, mas não corrija se encontrar alguma falha! Deixe que a professora o faça, pois os momentos de correção das lições de casa, em sala de aula, costumam ser preciosos para o processo de aprendizagem dos pequenos. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado pela Jornalista: Priscila Correia - blog Aventuras Maternas. (www. aventurasmaternas.com.br)

Interesse-se pelo resultado final da lição, pedindo para verificar o caderno, mas não corrija se encontrar alguma falha! Deixe que a professora o faça, pois os momentos de correção das lições de casa, em sala de aula, costumam ser preciosos para o processo de aprendizagem dos pequenos

Dicas para filhos no Ensino Fundamental A Internet pode ser uma ótima parceira das pesquisas escolares, mas deve ser sempre monitorada por um adulto. Normalmente, quando solicitam pesquisas, as escolas indicam bons sites para o levantamento de informações, mas procure sempre monitorar essa atividade. Em se tratando de pesquisas, lembre-se: pesquisar não é copiar da fonte consultada. Pesquisar envolve a leitura do pesquisador, e a elaboração de seu próprio texto, a respeito do tema pesquisado.

6

|

Junho 2017

Para as tarefas de matemática, deixe que seu filho escolha a melhor forma de resolver a proposta apresentada, oferecendo ajuda apenas se perceber falha no entendimento da questão. Quando isso acontecer, procure dar um exemplo, ou ainda buscar as “palavras-chave” de um problema, grifando-as. Mas, a resolução, e seu registro, serão sempre tarefa da criança (ainda que sua estratégia se diferencie da convencional). Se mesmo ajudando dessa forma, perceber que seu filho não compreendeu a questão, deixe que a

leve em branco para a escola, e peça para que ele explique à professora o que aconteceu. Se estiver insegura (o) com essa situação, mande você mesmo um recado para a professora, mas não caia na tentação de ensinar você mesmo.

* Nessa fase é comum que as propostas de lição de casa se diversifiquem em função das diferentes áreas, e com isso as crianças começam a realizar em casa, tarefas que envolvem números, pesquisas etc.


Um TYLENOL® para cada fase da vida

GOTAS A partir do nascimento1,2.

CRIANÇA A partir dos 2 anos*. Até 32 kg1. Com copo dosador.

BEBÊ A partir do nascimento1,2. Até 20 kg1. Com seringa dosadora.

MASTIGÁVEL A partir dos 6 anos**. Até 43 kg1.

PARACETAMOL

ADVERTÊNCIAS: NÃO USE TYLENOL® JUNTO COM OUTROS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM PARACETAMOL, COM ÁLCOOL OU EM CASO DE DOENÇA GRAVE DO FÍGADO.

TYLENOL®

MS - 1.1236.3326. INDICAÇÕES: ANALGÉSICO E ANTITÉRMICO.

Referências bibliográficas: 1. Bula do produto. 2. Sob orientação médica. 3. O primeiro comprimido mastigável de paracetamol do mercado brasileiro, conforme lista de referência da Anvisa e registro do produto em 13 de Julho de 2015. * World Health Organization (2015). The WHO Child Growth Standards:

Weight-for-age. Disponível em: http://www.who.int/childgrowth/standards/weight_for_age/en/. ** World Health Organization (2007). Growth reference 5-19 years. Disponível em: http://www.who.int/growthref/en/. SAC: 0800 7286767 ou Serviço ao Profissional: 0800 7023522. Impressão e Distribuição: Maio 2017. ©Johnson & Johnson do Brasil Indústria e Comércio de Produtos para Saúde Ltda - 2017.

SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO


Ajude seu filho a

superar o divórcio!

As crianças experimentam alto grau de ansiedade quando os pais vivem em discórdia

N

ão há dúvidas que um divórcio é complicado para a família como um todo, principalmente para as crianças. Todos acabam sentindo um senso de perda muito grande e períodos de intensa angustia. Após uma separação a família não será mais a mesma, não só em sua configuração, mas também no relacionamento e afetos. Para tanto, os pais precisam fazer o seu melhor para ajudar as crianças a superarem as emoções conflituosas, em destaque a raiva, o medo e a insegurança frente à nova vida a seguir. Os adultos conseguem com maior facilidade lidar com as dificuldades que a nova vida lhes apresenta. Entretanto,

as crianças ainda não sabem como as coisas vão acontecer e se os seus pais continuarão tão próximos quanto antigamente. As crianças experimentam alto grau de ansiedade quando os pais vivem em discórdia ou em “pé de guerra”. Separações pautadas no respeito e na compreensão facilitam o entendimento e aceitação das crianças e ainda ajuda-as a superar as dificuldades. Resolvi escrever esse artigo, tendo em vista o número elevado de casais que me procuram para ajudá-los a enfrentar a separação e ao mesmo tempo auxiliar seus filhos a encarar a situação com menos pesar e sofrimento. Assim, deixo algumas dicas ou estratégias para que os casais pensem e possam colocar em prática com seus filhos.

Após uma separação a família não será mais a mesma, não só em sua configuração, mas também no relacionamento e afetos. Para tanto, os pais precisam fazer o seu melhor para ajudar as crianças a superarem as emoções conflituosas

Os adultos conseguem com maior facilidade lidar com as dificuldades que a nova vida lhes apresenta

8

|

Junho 2017


Amamentar é tão importante que criamos até um programa para ajudar você nesse momento.

A gente entende esta realidade chamada maternidade.

Sabemos que a amamentação é fundamental para a saúde do bebê e para estreitar os laços entre mamãe e filho. Por isso, apoiamos o aleitamento materno e a liberdade de amamentar em qualquer lugar, sem restrições. Para essas e outras dicas de como cuidar melhor do seu bebê, conheça o Programa Mamãe Que Amamenta. Acesse o site:

maemulheremuitomais.com.br

Baixe o aplicativo Diário da Amamentação.

9


Dicas e estratégias Procure conversar com as crianças sobre a intenção da separação de maneira amigável e transmitindo a elas confiança e amor. Por exemplo: “Mamãe e papai não estão mais se entendendo muito bem e isto está nos deixando muito infelizes. Por isso, percebemos que será melhor para todos que vivamos em casas separadas, mas unidos em nosso amor por vocês”. Reassegure as crianças que elas sempre poderão contar com a presença, o amor e o carinho da mamãe e do papai. Por exemplo: “Durante a semana vocês ficarão com a mamãe e aos finais de semana com o papai (ou outro arranjo previamente estabelecido pelos pais)”. Se vocês acharem necessário ou mais fácil para facilitar o processo do diálogo, usem historinhas, bonecos, fantoches para falar sobre a separação. O importante é passar

a mensagem que elas terão acesso a ambos os pais. Não negue as emoções das crianças! Procure mostrar que vocês entendem que é normal elas se sentirem triste e receosas quanto ao evento. Enfatize que quando elas se sentirem tristes ou com medo elas devem falar sobre isso com vocês. Não tenham receio de falar sobre sentimentos com seus filhos – falar sobre afetos ajuda as crianças a superarem as angústias, os medos e as incertezas do amanhã. Reassegure aos seus filhos que a separação não foi ocasionada por eles. As crianças tendem a ser egocêntricas e a acharem que, de alguma maneira, seu comportamento ou pensamento provocaram, magicamente, a separação dos pais. Elas precisam saber que a decisão quanto ao divórcio foi tomada pelos pais.

Evite falar mal do antigo parceiro ou causar qualquer tipo de blasfêmia. Isso tem nome, alienação parental. As crianças precisam sentir que seus pais são valorosos e amorosos. Procure inserir a criança na nova configuração familiar – seu novo quarto, suas novas coisas e se possível, peça a ajuda dela para a aquisição de novos objetos ou mobiliário. Fique atento a possíveis mudanças de comportamento das crianças. Algumas podem sofrer regressão do tipo: voltar a fazer xixi na cama em uma idade não mais esperada para isso, voltar a querer dormir com o papai ou a mamãe, falar de maneira infantil ou errada para a idade, entre outros eventos. Procure ser paciencioso e não reforçar o comportamento regredido dos pequenos, tentando corrigi-los o tempo todo.

Não há duvida de que uma separação é difícil para qualquer um, principalmente para as crianças – elas precisam se sentir amadas por ambos os pais, e, ao mesmo tempo necessitam de um ambiente calmo para poderem crescer e se desenvolver

Não há duvida de que uma separação é difícil para qualquer um, principalmente para as crianças – elas precisam se sentir amadas por ambos os pais, e, ao mesmo tempo necessitam de um ambiente calmo para poderem crescer e se desenvolver física e emocionalmente falando. Caso você ou seu antigo parceiro entendam que não estão dando conta do conflito, é indicado procurar ajuda especializada! Fonte: Dra. Regiane Glashan - Terapeuta familiar com ênfase na relação mãe-bebê(www.terapeutadebebes.com.br)

Reassegure aos seus filhos que a separação não foi ocasionada por eles. As crianças tendem a ser egocêntricas e a acharem que, de alguma maneira, seu comportamento ou pensamento provocaram, magicamente, a separação dos pais

10

|

Junho 2017


1

11


Sobre dietas, autoestima e nutrição no pós-parto

O excesso de gordura pode trazer problemas de saúde para a mãe e para a criança e uma boa alimentação é essencial

É Se alimentar é muito mais que um mero mecanismo para moldar um corpo invariavelmente imperfeito e que precisa atender um padrão beleza

comum ouvir de gestantes e mães que acabaram de ter filhos perguntas sobre como emagrecer ou voltar a ter o corpo anterior à gravidez. Mas antes de pensar em respostas, é preciso compreender o que está por trás destes questionamentos tão aflitos. Fica evidente o desconforto com a própria aparência denotado por muitas mulheres, questão que se repete para além da gestação, mas que, neste momento, pode impedir que elas aproveitem plenamente seu corpo e as transformações incríveis desta

É preciso refletir sobre o porquê deste incômodo com o próprio corpo, o qual se aprendeu a não gostar, antes mesmo de conhecer e aproveitar todas as suas potencialidades!

12

|

Junho 2017

fase. São as marcas externas, estas do corpo, que refletem toda o enriquecimento interno pelo qual a mulher/ mãe passou e continua passando. Claro que o excesso de gordura corporal pode trazer problemas de saúde para a mãe e para a criança e uma boa alimentação é essencial. Entretanto, uma dieta equilibrada, bem orientada por um profissional nutricionista, em conjunto com o hábito da amamentação – que, salvo exceções, deve ser exclusivo até o sexto mês – garante a saúde da puérpera e do bebê, sem precisar sofrer com dietas restritivas, num momento que já traz tantos medos e inseguranças. O ato de se alimentar é muito mais que um mero mecanismo para moldar um corpo invariavelmente imperfeito e que precisa atender a algum padrão externo de beleza do qual as mulheres são tão cobradas e, por isso, o prazer proporcionado pelo alimento não deve se tornar o maior vilão na

conquista da aparência desejada. Mas não é por acaso que dietas que propõem alimentos ou preparações azedas e amargas fazem tanto sucesso – especialmente em jejum, afinal quanto maior a tortura, melhor – e reforçam o imaginário sobre a relação entre alimentação, culpa e punição. Especialmente no pós-parto, isto pode acarretar ainda mais problemas, não só de ordem nutricional, mas também psicológica, com consequências para a mulher e a criança. É preciso refletir sobre o porquê deste incômodo com o próprio corpo, o qual se aprendeu a não gostar, antes mesmo de conhecer e aproveitar todas as suas potencialidades! As mudanças, independente do processo da gestação/amamentação, vão acontecer até o final da vida e olhar para estas transformações como algo rico e positivo pode ser libertador. Tomar atitudes que vão trazer sofrimento para que, talvez, se alcance um


13


padrão considerado “adequado”, mas totalmente separado daquilo que a mulher pensa, sente e nuPortanto, antes de falar sobre tre com relação a si mesma só faz o que comer ou deixar de acumular frustrações e, muitas comer, é essencial fazer uma vezes, a própria família reforça esreflexão sobre o que se está deixando de aproveitar com ses comportamentos, cobrando a esse corpo que lhe foi dado e mãe sobre sua aparência. que a vida e os hábitos vêm Essa dinâmica cruel costuma moldando dia após dia! ser pano de fundo para motivar a busca por soluções mágicas que possam acabar com o sofrimento. Neste ponto entram as famosas dietas que prometem milagres desde que seguidas tal como um ritual de purgação. E algumas, inclusive, ajudam a alcançar resultados mais imediatos, embora escondam danos futuros à saúde e ao bem-estar físico e emocional. Entender de que forma esse processo acontece para cada pessoa e quais os seus impactos nos hábitos de vida ajuda a ultrapassar objetivos estéticos, proporcionando bem-estar real e melhora da autoestima, embora não seja tarefa fácil, pois precisa do apoio e compreensão de todas as pessoas em volta! Independente do objetivo específico que se tra-

ce em relação a uma mudança no hábito alimentar devese entender que a mudança começa de dentro para fora. Como cuidar de algo que não conhecemos plenamente, a não ser como um estorvo estético? Como nutrir um corpo o qual não amamos de verdade? O primeiro passo deve ser olhar com carinho para esse corpo que habita e é capaz de trazer prazeres e satisfações tão incríveis! É com ele que a mulher poderá superar suas dificuldades diárias, sentir prazer e trocar afetos, não só com o bebê que acaba de chegar. Portanto, antes de falar sobre o que comer ou deixar de comer, é essencial fazer uma reflexão sobre o que se está deixando de aproveitar com esse corpo que lhe foi dado e que a vida e os hábitos vêm moldando dia após dia! Quanto, de fato, se está aproveitando de todas as suas potencialidades enquanto ser humano? As mulheres são capazes de coisas incríveis – e se tornar mãe é apenas mais uma prova disso – portanto, não precisam de nenhum tipo de tortura ou purgação para alcançar seus objetivos e sonhos. Mas é necessário, isso sim, de amor para consigo mesma e o seu próprio corpo para que se possa nutri-lo de verdade! Fonte: Josi Freitas de Melo. Nutricionista, CRN-3: 26020. Especialista em nutrição clínica e terapia nutricional enteral pelo Ganep Nutrição Humana. Analista de saúde na Prefeitura de São Paulo. Atende no Consultório Cuidar - Pediatria e Cuidado Integral em São Paulo, www.cuidarpediatria.com.br.

As mulheres são capazes de coisas incríveis – e se tornar mãe é apenas mais uma prova disso – portanto, não precisam de nenhum tipo de tortura ou purgação para alcançar seus objetivos e sonhos

14

|

Junho 2017


Chegou Salsep® Jet e Salsep® Jet Kids O jato contínuo de uso diário efetivo na crise e na prevenção de gripes e resfriados.1-5 Pensado para crianças e adultos.6,7

Único frasco anatômico e com área para marcação de nome. • Bico com formato pensado especialmente para as crianças. • Válvula fixa ao produto: mais segurança na aplicação.8-10

• Jato contínuo com alto rendimento: sem desperdício, dispensa apenas o volume desejado a cada aplicação.

Limpeza segura para o nariz respirar aliviado todos os dias.1,2,11,12 SALSEP® JET 0,9% (cloreto de sódio) e SALSEP® JET KIDS 0,9% (cloreto de sódio) Indicações: fluidificante e descongestionante nasal. Contraindicações: para pacientes com antecedentes de hipersensibilidade (alergia) aos componentes da fórmula. Precauções e advertências: apesar de não existirem estudos específicos durante a gestação e amamentação, o uso de Salsep® Jet e Salsep® Jet Kids é considerado seguro, não existindo contraindicação ao seu uso nessas situações. Não há registros de interações clinicamente relevantes relacionadas ao uso de Salsep® Jet e Salsep® Jet Kids. Reações adversas: ainda não foram relatadas reações adversas específicas com o uso do medicamento. Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. Posologia: aplique a solução nas narinas, conforme necessidade. MEDICAMENTO DE NOTIFICAÇÃO SIMPLIFICADA RDC Nº 199/2006. AFE Nº 1.0033-3. SERVIÇO DE ATENDIMENTO LIBBS: 0800-0135044. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO. SALSEP® JET É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA. Referências bibliográficas: 1. TOMOOKA, L.T. et al. Clinical study and literature review of nasal irrigation. Laryngoscope, v. 110, n. 7, p. 1189-93, 2000. 2. MELLO JR, J. F. et al. Brazilian Academy of Rhinology position paper on topical intranasal therapy. Braz. J. Otorhinolaryngol., v. 79, n. 3, p. 391-400, 2013. 3. FOKKENS, W. J. et al. EPOS 2012: European position paper on rhinosinusitis and nasal polyps 2012. A summary for otorhinolaryngologists. Rhinology, v. 50, n. 1, p. 1-12, 2012. 4. HARVEY, R. et al. Nasal saline irrigations for the symptoms of chronic rhinosinusitis. Cochrane Database Syst. Rev., n. 3, CD006394, 2007. 5. FREEMAN, S. R. et al. A preliminary randomised controlled trial evaluating the efficacy of saline douching following endoscopic sinus surgery. Clin. Otolaryngol., v. 33, n. 5, p. 462-5, 2008. 6. SALSEP ® JET. São Paulo: Libbs Farmacêutica Ltda. Bula do medicamento. 7. SALSEP ® JET KIDS. São Paulo: Libbs Farmacêutica Ltda. Bula do medicamento. 8. CELENK, F. et al. Pediatric endonasal endoscopic dacryocystorhinostomy. Int. J. Pediatr. Otorhinolaryngol., v. 77, n. 8, p. 1259-62, 2013. 9. MANSOUR, B.; ELIAS, N. Foreign body aspiration in children with focus on the role of flexible bronchoscopy: a 5 year experience. Isr. Med. Assoc. J., v. 17, n. 10, p. 599-603, 2015. 10. FIDKOWSKI, C. W. et al. The anesthetic considerations of tracheobronchial foreign bodies in children: a literature review of 12,979 cases. Anesth Analg., v. 111, n. 4, p. 1016-25, 2010. 11. WANG, Y. H. et al. Efficacy of nasal irrigation in the treatment of acute sinusitis in children. Int. J. Pediatr. Otorhinolaryngol., v. 73, n. 12, p. 1696-701, 2009. 12. SLAPAK, I. et al. Efficacy of isotonic nasal wash (seawater) in the treatment and prevention of rhinitis in children. Arch. Otolaryngol. Head Neck Surg., v. 134, n. 1, p. 67-74, 2008.

15


No inverno a pele merece cuidados especiais

N

o inverno os cuidados com a pele devem ser redobrados. O clima frio e seco deixa a pele ressecada e sem brilho. Assim como no verão, que seguimos algumas rotinas de cuidados com a pele, no inverno não escapamos de cuidá-la também. Caso contrário ela irá reclamar! A hidratação é de extrema importância nesta estação e pode acontecer por via interna e por via externa. A hidratação por via interna acontece quando o suor, constituído por água e sais minerais, atravessa as várias camadas da pele, chegando à epiderme. A hidratação por via externa se dá quando introduzimos água, por meio de produtos farmacêuticos e cosméticos, nas camadas mais externas da pele. No verão, as altas temperaturas fazem com que o corpo produza mais suor, levando água das camadas mais profundas para a epiderme, mantendo a pele sempre hidratada. No inverno, a produção de suor diminui e o corpo deixa de contar com esta alternativa de hidratação, sendo fundamental o uso de hidratantes. Atualmente muitos estudos têm mostrado os efeitos da hidratação tópica com óleo hidratante na redução dos sinais

Outra queixa comum é a descamação no couro cabeludo pelo ressecamento da pele ocasionado com uso da água quente em pessoas propensas à dermatite seborreica. Nestes casos é importante a avaliação especializada para o uso de xampus adequados

16

|

Junho 2017

A água quente, associada aos sabonetes e esponjas, remove a camada lipídica (de gordura) natural da pele o que leva ao ressecamento

e sintomas das estrias e cicatrizes. O uso de óleos promove hidratação ao diminuir a evaporação e a perda de água pela pele. O mecanismo de hidratação natural da pele é garantido pela capa mais externa dela, que impede a perda de líquido. Quando o corpo é exposto à água quente e aos sabonetes alcalinos, essa capa de proteção natural, chamada de lipoproteica, é removida, fazendo com que a pele perca água para o meio e desidrate. Portanto, durante o banho, atenção à temperatura! É claro que o banho não precisa ser frio, mas também não precisa ser escaldante. A água quente, associada aos sabonetes e esponjas, remove a camada lipídica (de gordura) natural da pele o que leva ao ressecamento, que se manifesta com coceira e lesões decorrentes desta. No inverno a pele fica mais suscetível a alergias e até mesmo a infecções por estar sem sua proteção. Para amenizar estes efeitos o ideal é tomar banho morno, rápido, sem uso de abrasivos (esponjas) e após o banho aplicar um hidratante corporal para recuperar a camada de gordura

da pele “perdida” no banho. Outra queixa comum é a descamação no couro cabeludo pelo ressecamento da pele ocasionado com uso da água quente em pessoas propensas à dermatite seborreica. Nestes casos é importante a avaliação especializada para o uso de xampus adequados. Também não podemos esquecer da fotoproteção nesta época do ano. Não é porque está frio e não estamos na praia que vamos descuidar! Embora estejamos mais protegidos pelas roupas, devemos sempre aplicar o protetor solar nas áreas expostas: face, pescoço e mãos, duas vezes ao dia. Mas existe o lado positivo desta estação. A ausência de sol forte beneficia diversos tratamentos dermatológicos, como por exemplo, peelings químicos e procedimentos a laser, para remoção de manchas, rejuvenescimento, correções de cicatrizes de acne. Nestas situações, o uso do protetor solar é fundamental para o sucesso do tratamento. Sempre que houver alguma dúvida quanto ao cuidado coma sua pele, converse com o seu dermatologista, ele saberá o produto mais adequado para o seu caso.


Nº 1 em vendas para melhorar a aparência da pele com cicatrizes e estrias em 20 países.*

“Eu nunca me preocupei com estrias, mas quando descobri que estava grávida, pensei que para evitá-las, deveria me prevenir. Minha amiga teve bebê um ano antes e usou Bio-Oil por muito tempo. Minha irmã também usou e recomendou. Então eu comecei a usar corretamente, e não tive nenhuma estria. Além de tudo, Bio-Oil realmente ajudou a recuperar a elasticidade da minha pele.” Theresa e Roxy Evans

Bio-Oil® ajuda a reduzir a possibilidade de estrias que se formam na gravidez, aumentando a elasticidade da pele. Deve ser aplicado duas vezes ao dia a partir do início do segundo trimestre até o final da gravidez. Mais informações sobre o produto e resultados de estudos clínicos, visite o nosso site: bio-oil.com. Bio-Oil é encontrado em farmácias e tem preço sugerido de venda de R$ 34,90 (60 ml). Os resultados podem variar de indivíduo para indivíduo. Produto cosmético. Uso adulto. Usar apenas em pele cicatrizada. Para o uso durante a gravidez, consulte um médico. Este texto é uma tradução de depoimentos reais feitos por usuários de Bio-Oil em vários países. Foram feitas adaptações necessárias ao seu entendimento, sendo preservados o contexto e a integridade do conteúdo. *Mais informações: www.bio-oil.com

SAC: 0800 7733450

atendimentoaocliente@frajo.com.br

17


Retinopatia da prematuridade

A

Outros fatores de risco: baixo ganho de peso uso de indometacina, ocorrência de sepse e de hemorragia intraventricular

Retinopatia da Prematuridade (ROP) é uma doença ocular vasoproliferativa, de causa multifatorial, secundária à vascularização incompleta da retina que ocorre em recém-nascidos (RN) preterimos de muito baixo peso ao nascer. Atualmente, com a evolução da medicina neonatal, a sobrevida de RN cada vez mais prematuros vem aumentando e, por conseguinte, a ocorrência de ROP está se tornando cada vez maior.

Dentro do grupo de risco para o desenvolvimento da doença, encontram-se prematuros com peso menor ou igual a 1500 gramas ou idade gestacional menor ou igual há 32 semanas. O uso indiscriminado de oxigênio é um dos principais fatores de risco, e seu controle rigoroso é uma maneira de prevenção primária da doença. Outros fatores de risco: baixo ganho de peso uso de indometacina, ocorrência de sepse e de hemorragia intraventricular e necessidade de transfusões sanguíneas. O diagnóstico deve ser realizado o mais precoce possível, em tempo hábil para

Existem vários estágios da doença, e apenas os casos severos tem indicação de tratamento pelo risco de complicações e cegueira, o qual é realizado através da fotocoagulação retiniana com laser diodo ou argônio

o adequado tratamento. Um oftalmologista qualificado deve realizar o exame dos prematuros do grupo de risco entre a quarta e sexta semana de vida, através da dilatação das pupilas e oftalmoscopia binocular indireta, e a partir desse momento monitorar o desenvolvimento da circulação retiniana a fim de detectar a doença. Existem vários estágios da doença, e apenas os casos severos tem indicação de tratamento pelo risco de complicações e cegueira, o qual é realizado através da fotocoagulação retiniana com laser diodo ou argônio. No Brasil, entre os RN prematuros com menos de 1500gr ou menos de 32 semanas de vida, 25 % poderão ter ROP em qualquer estágio, e destes, em torno de 10 % poderá desenvolver a doença severa e vir a necessitar de tratamento. A implementação de programas de triagem neonatal realizada por oftalmologistas treinados para a detecção e tratamento precoce da ROP em hospitais no Brasil contribuiria, em muito, para a diminuição dessa doença, que é a maior causa de cegueira infantil evitável em nosso país. Fonte: Dra. Fernanda Tavares dos Reis, oftalmologista especialista em Doenças Oculares de Prematuros pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre (CRM 30027) para o site da ONG (www.prematuridade.com)

A implementação de programas de triagem neonatal realizada por oftalmologistas treinados para a detecção e tratamento precoce da ROP em hospitais no Brasil contribuiria

18

|

Junho 2017


compre online 19


Rosto avermelhado - pode ser rosácea -

A

rosácea é uma doença da pele que causa eritema facial (deixa o rosto avermelhado) que pode ser acompanhado de sensação de pinicação ou queimação. A rosácea também causa o aparecimento de pequenos vasos sanguíneos na face, chamados de telangiectasias, lesões acneicas (parecem espinhas), inflamações nos olhos e aumento do volume nasal com alterações na pele, denominado rinofima. A vermelhidão facial e as telangiectasias são usualmente os primeiros sintomas a aparecer e podem ser os únicos durante anos. O motivo pelo qual a rosácea provoca estas alterações ainda não está totalmente claro. O tratamento mais eficaz é evitar os fatores desenca-

O que provoca o rosto avermelhado? A vermelhidão facial pode ocorrer sem aviso ou em resposta a alguns fatores desencadeantes. Os mais comumente relacionados com o surgimento do sintoma são: 1. Exposição solar

7. Vento em excesso

2. Estresse emocional

8. Banhos quentes

3. Temperaturas elevadas

9. Frio intenso

4. Ingestão de álcool

10. Bebidas quentes

5. Alimentos apimentados

11. Cosméticos

6. Exercícios físicos

12. Tratamento

A vermelhidão facial e as telangiectasias são usualmente os primeiros sintomas a aparecer e podem ser os únicos durante anos.

20

deantes. Antibióticos orais e tópicos não mostraram resultados efetivos para o tratamento da vermelhidão facial, apesar de serem de grande ajuda para pacientes com lesões semelhantes às da acne. Algumas medicações para controle da pressão arterial podem ajudar a reduzir a ocorrência da vermelhidão mas só devem ser usadas considerando-se o risco benefício dos possíveis efeitos colaterais. Um gel contendo a substância tartarato de brimonidina foi lançado em 2015 no Brasil para o tratamento de quem tem o rosto avermelhado. O produto é aplicado na face e provoca uma constrição dos vasos, diminuindo o volume sanguíneo circulante na pele e, consequentemente, reduzindo a vermelhidão facial. A ação do medicamento dura por até 12 horas. No entanto, algumas pessoas podem apresentar efeito contrário ao desejado, piorando a vermelhidão, além de outros efeitos colaterais como coceira e queimação na pele. A aplicação da luz intensa pulsada pode ser eficaz para o tratamento das pessoas que apresentam o rosto avermelhado devido à rosácea. A energia da luz pulsada é atraída pelo pigmento da hemoglobina presente nas células sanguíneas que estão dentro dos pequenos vasos promovendo a sua destruição pelo calor. Em geral, são necessárias algumas sessões para se obter um melhor resultado. Veja mais informações sobre tratamento de lesões vasculares.A escolha do tratamento ideal deve ser determinada pelo médico dermatologista de acordo com cada caso. Fonte: Dr. Roberto Barbosa Lima, Médico Dermatologista, responsável pelo portal Dermatologia.net ( www.dermatologia.net)

Algumas medicações para controle da pressão arterial podem ajudar a reduzir a ocorrência da vermelhidão mas só devem ser usadas considerando-se o risco benefício dos possíveis efeitos colaterais

|

Junho 2017


21


Alimentação Saudável Para reduzir o risco de gripe: Frutas e Legumes

Confie em alimentos saudáveis, não em vitaminas Alimentos saudáveis são muito melhores que suplementos para a prevenção da gripe, porque através de alimentos conseguimos todo um pacote nutricional. Por exemplo, comer uma laranja é melhor do que tomar vitamina C porque a laranja oferece-lhe um conjunto de nutrientes - magnésio, potássio, folato, vitamina B6 e flavonóides ricos em antioxidantes. Mesmo sabendo que a vitamina C é importante para um sistema imunitário saudável, os estudos não mostram que tomar doses massivas de vitamina C consegue impedir o vírus da gripe de actuar. Contudo, sabemos também que comer frutas e vegetais ricos em vitamina C ajuda a tornar o sistema imunitário mais forte. O seu sistema imunitário é o que o protege de infecções virais, e os alimentos que comemos têm um impacto muito significativo na sua capacidade de combater vírus como o da gripe.

Sabendo que a vitamina C é importante para um sistema imunitário saudável, os estudos não mostram que tomar doses massivas de vitamina C consegue impedir o vírus da gripe de actuar

P

ode a sua dieta reduzir o risco de apanhar gripe? A especialista em nutrição Dra. Lisa Hark, Directora do Programa Educacional de Prevenção e Nutrição da Universidade de Medicina de Pensilvânia, está convicta que sim. A Dra. Hark explicou-nos como uma dieta saudável pode ajudar a reduzir o apare-

22

|

Junho 2017

cimento de espirros, narizes entupidos, irritação do frio e até a miserável gripe. De acordo com a Dra. Hark, uma alimentação saudável amplifica e reforça o seu sistema imunitário, e pode mesmo impedir que fique de cama com gripe. A chave é não esperar até ficar doente para fazer estas mudanças; precisam rever a sua dieta alimentar e estilo de vida antes que o vírus da gripe ataque.

A razão para os frutos e vegetais serem melhores para o sistema imunitário é porque também contêm vitaminas A e E, tal como os flavonóides que trabalham em conjunto com a vitamina C para tornar o sistema imunitário, e todo o corpo, saudável. Coma mais frutas e vegetais Agora que sabemos que precisamos comer muitas frutas e legu-


23


Lave as mãos antes de preparar as refeições, depois de mexer em carnes cruas e antes de servir os alimentos. Certifique-se que toda a gente à mesa segue as mesmas práticas de higiene

mes para tornar o sistema imunitário forte, o próximo passo é tornar este conceito numa realidade. Toda a gente deve ingerir pelo menos 5 doses de frutos e legumes por dia de modo a obter as vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes que necessita - tudo o que precisamos para um sistema imunitário forte e saudável. Uma das formas mais simples de aumentar a ingestão de fruta e legumes é incorporar sumos naturais na sua dieta. Contudo, nem todos os sumos são adequados. Certifiquese que escolhe sumos com 100% fruta, porque os outros sumos contêm açucares extra e calorias. Para os melhores preços, tome especial atenção à sua mercearia local ou mercado municipal em busca de produtos da temporada. As laranjas, por exemplo, são geralmente mais baratas no inverno, o que contribui para a prevenção das gripes através dos citrinos.

O que fazer para prevenir as gripes Uma alimentação saudável é só parte da solução. A Dra. Hark tem outros conselhos para o ajudar: • Lave as mãos: As suas mãos estiveram em contacto com germes durante todo o dia. A melhor de livrar-se deles é lavar vigorosamente as mãos. Lave as mãos antes de preparar as refeições, depois de mexer em carnes cruas e antes de servir os alimentos. Certifique-se que toda a gente à mesa segue as mesmas práticas de higiene. • Descanse: Hoje em dia, a maioria das crianças e adultos não dorme o suficiente. Quando o corpo não descansa o suficiente, existem maiores probabilidades de adoecer. • Faça exercício: Existem fortes indicadores que dizem que quem pratica desporto adoece com menor frequência. O exercício é importante durante todo o ano, mesmo durante o inverno. Tenha um plano para

manter-se activo durante o inverno, como vídeos de exercícios, saltar à corda ou praticar natação. Não se esqueça de levar os seus utensílios de treino quando viaja, praticamente todos os hotéis possuem ginásios e piscinas cobertas onde poderá praticar um pouco de desporto. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: Alimentação Saudável HOJE (www. alimentacaosaudavel.org) • Vacina contra a gripe: A Dra. Hark diz que independentemente da idade, a vacina contra a gripe é sempre um excelente meio de prevenção. A vacinação adquire uma especial importância para pessoas idosas com problemas respiratórios.

A Dra. Hark assegura que comer frutas e legumes congelados é outra forma económica e conveniente de melhorar os seus hábitos alimentares e prevenir-se das gripes. A oferta de legumes congelados varia desde as ervilhas ou espinafres até exóticas combinações de pratos vegetarianos que apenas precisa colocar no micro-ondas. Certifique-se que as frutas e legumes fazem parte de todas as suas refeições. Basta adicionar bagas ou banana fatiada à sua taça de cereais ao pequeno almoço e beber um sumo natural de laranja. Junte uma maçã ao seu almoço e junte fatias de tomate, abacate e alface às suas sandes. Comece o jantar com uma salada ou sopa de vegetais. Habitue-se a manter a fruteira cheia para saciar o apetite entre refeições.

A oferta de legumes congelados varia desde as ervilhas ou espinafres até exóticas combinações de pratos vegetarianos que apenas precisa colocar no micro-ondas. Certifique-se que as frutas e legumes fazem parte de todas as suas refeições. 24

|

Junho 2017


25


Mantenha a sua dieta saudável Enquanto se foca em manter, ou aumentar, a quantidade de fruta e legumes que ingere, não se esqueça de complementar com outros alimentos saudáveis que o seu sistema imunitário necessita. Uma dieta bem balanceada com carnes magras, peixe, legumes, lactícinios magros, cereais e frutos secos fornece ao organismo tudo o que necessita para uma alimentação saudável. E um corpo saudável tende a possuir um sistema imunitário forte. Fontes proteicas como carnes magras, lactícinios, ovos e legumes são especialmente

As carnes magras também contêm ferro e zinco; a deficiência nestes minerais pode causar uma quebra no sistema imunitário

26

|

Junho 2017

importantes porque fornecem os aminoácidos que o corpo precisa para construir os componentes do sistema imunitário. As carnes magras também contêm ferro e zinco; a deficiência nestes minerais pode causar uma quebra no sistema imunitário. Claro, evitar comida pouco saudável é muito importante. Mantenha-se afastado de açucares e gorduras, como as gorduras saturadas. A Dra. Hark sugere que se prepare com lanches saudáveis de modo a não cair na tentação da fast food.

E se ficar doente? Segundo a Dra. Hark, “mesmo que fique doente e perca o apetite, precisa alimentar-se o melhor possível e sempre que possa. Tente três refeições diárias por dia, e não se esqueça das frutas e legumes, é fundamental ir buscar a energia que precisa para a recuperação, já que o seu corpo está a esforçar-se ao máximo para melhorar”. A Dra. Hark também salienta a importância de prevenir a desidratação e diz; “beba muitos fluidos ao longo do dia, preferencialmente água e sumos com 100% fruta”.


de 2º a 6º feira, no

Bom Dia & Cia do

confira toda a coleção no site:

www.

.com.br

27


Trombose na gravidez

Quais os riscos que ela oferece para as futuras mamães?

N

O tratamento para trombose na gravidez deve ser indicado pelo obstetra. Na maioria dos casos é feito o uso de injeções de heparina

o período de gestação os cuidados com a saúde devem ser redobrados para que o bebê e a mãe não corram nenhum risco. Nessa fase, a capacidade de formar coágulos aumenta por conta da preparação da mulher para o parto, o que pode acabar desenvolvendo uma trombose na gravidez. A trombose surge quando um coágulo se forma dentro de uma veia ou artéria, dificultando a circulação. Durante a gestação, em alguns casos extremos, essa doença pode levar ao comprometimento da placenta levando altos riscos para o bebê. Além disso, pode causar uma embolia pulmonar (quadro respiratório grave), quando o coágulo se desprende e acaba parando em uma artéria, impedindo o fluxo de sangue para o pulmão. “A doença pode surgir por três motivos: por lesão mecânica ou química na parede da veia, pela estase venosa que ocorre quando a circulação do sangue é diminuída e pela coagulação sanguínea. As mulheres portadoras de trombofilia estão mais propensas a ela devido a uma predisposição usualmente genética à trombose”, explica Ary Elwing angiologista especialista em cirurgia vascular periférica e tratamento a laser. A trombose na gravidez é mais frequente em gestantes com idade superior a 35 anos, que já sofreram do problema em uma gestação anterior, em mulheres grávidas de gêmeos ou que apresentam excesso de peso. Os tipos de trombose mais comum na gestação são: Trombose venosa profunda na gravidez que afeta mais frequentemente as pernas, a Trombose hemorroidária que pode surgir nas hemorroidas provocadas pelo peso do

“Utilizar meias de compressão graduada desde o início da gestação para facilitar a circulação sanguínea, praticar exercício físico leve regular,

28

|

como caminhadas ou natação, para melhorar a circulação do sangue, evitar ficar mais de 8 horas deitada ou mais de 1 hora sentada, ter

Junho 2017

bebê ou durante o parto, Trombose na placenta causada por coágulo nas veias da placenta, podendo provocar aborto nos casos mais graves e a Trombose cerebral provocada por um coágulo no cérebro. Os principais sintomas são as pernas e pés inchados subitamente, dor e alteração da coloração da pele, que fica vermelha ou azulada e o aumento da veia local. Outros sintomas como sensibilidade e aumento de calor no local também podem indicar essa doença. O tratamento para trombose na gravidez deve ser indicado pelo obstetra.

Na maioria dos casos é feito o uso de injeções de heparina, que ajudam a dissolver o coágulo, diminuindo o risco de formação de novos coágulos. Em grande maioria, o tratamento deve ser mantido até ao final da gestação e seis semanas após o parto, pois durante o nascimento do bebê, seja via parto normal ou cesárea, as veias abdominais e pélvicas das mulheres sofrem lesões que podem aumentar o risco de formação de coágulos.

uma alimentação saudável e evitar fumar ou conviver com pessoas que fumam, são excelentes maneiras de evitar sofrer com o problema”, indica

o Angiologista.Fonte - Dr. Ary Elwing (CRM-22.946), especialista em cirurgia vascular periférica e tratamento a laser.


Uma gestação saudável começa com Kendall ®

Previna-se contra varizes, cansaço, inchaço e dores nas pernas usando as meias de compressão graduada Kendall® 4 Proteção máxima contra odores e bactérias. 4 Regula a sensação térmica.

Seu uso é indicado: • Durante e após a gestação; • No tratamento dos diferentes estágios de doenças venosas; • Para pessoas que permanecem muito tempo em pé, sentadas ou que tenham propensão hereditária às varizes; • Nos casos de cansaço, inchaço e dores nas pernas; • Durante as viagens de longa duração.

Conecte-se com a Kendall:

SAC: 0800 16 77 11 29 www.kendall.com.br


Ginecologista explica a

Perimenopausa Período de transição da vida reprodutiva feminina

D

iferente da menopausa, que se caracteriza pelo período de inatividade reprodutiva ovariana ou momento em que os ciclos ovulatórios e menstruais da mulher se encerram, a perimenopausa é a transição dessa fase e pode durar alguns anos. Segundo o ginecologista e obstetra Dr. Fábio Cabar, especialista em reprodução humana da Elo Clínica de Saúde, é nela em que a produção de hormônios ovarianos começa a ficar deficiente, especialmente dos estrogênios, e diversos sintomas, como os famosos ‘calorzinhos’ aparecem. “A

Não há uma idade exata para início da perimenopausa e de forma geral, pode-se dizer que ela se inicia entre os 45 a 50 anos das mulheres.

O diagnóstico é clínico e depende da identificação dos sinais e sintomas, especialmente a irregularidade menstrual. Nem sempre a reposição hormonal é indicada, precisando ser avaliada por um especialista, mas existem outros métodos para combater e tratar os sintomas. carência desses hormônios pode levar ao aparecimento de uma série de sinais físicos e emocionais que, muitas vezes, trazem desconforto. Entre eles, devem ser citados a irregularidade menstrual, ressecamento vaginal, aumento da sensibilidade mamária, mudança de peso, fogachos (ondas de calor) alterações no sono (especialmente insônia), perda urinária involuntária, queda de cabelo, ressecamento e perda de elasticidade da pele, fadiga, alterações de humor como depressão e irritabilidade, déficit de memória, dificuldade de lidar com o estresse, diminuição da libido, 30

|

Junho 2017

dificuldade de concentração, etc.” Não há uma idade exata para início da perimenopausa e de forma geral, pode-se dizer que ela se inicia entre os 45 a 50 anos das mulheres. Apesar de infrequente, a gravidez ainda assim pode acontecer nesse período. “A mulher que se encontra na perimenopausa, a despeito da deficiente produção hormonal e da ovulação irregular, ainda pode engravidar e deve ser considerada de risco, portanto, deve ser acompanhada por médicos bem preparados e por uma equipe multiprofissional”, ressalta. O diagnóstico é clínico e depende da identificação dos sinais e sinto-

mas, especialmente a irregularidade menstrual. Nem sempre a reposição hormonal é indicada, precisando ser avaliada por um especialista, mas existem outros métodos para combater e tratar os sintomas. “Devemos lembrar que existem outras modalidades, não farmacológicas, para a abordagem terapêutica, como, por exemplo, a manutenção de uma vida saudável, com supressão de hábitos considerados prejudiciais à vida, como o tabagismo e ingestão de bebidas alcoólicas, prática regular de atividade física e uma alimentação saudável”, finaliza Dr. Fábio. Fonte: Dr. Fábio Cabar Médico ginecologista e obstetra, especialista em reprodução humana assistida e gestação de alto risco há mais de 10 anos, na Elo Clínica de Saúde, em São Paulo. Mestre e Doutor em Obstetrícia e Ginecologia


31


publi-editorial

pockti

O Menor carrinho de bebê do mundo

V

Fabricado com materiais de alta qualidade, especialmente desenhados para um lindo design e com extrema segurança, o GB Pockit é indicado para crianças a partir dos 6 meses

iajar com crianças é uma delícia e uma experiência incrível proporcionada aos pequenos. Durante uma viagem as crianças exercitam uma série de situações e possibilidades que são diferentes do dia a dia. Novo ambiente, novas comidas e novas situações desconhecidas. Passam todo o tempo juntos com os pais e criam memórias que ficarão para sempre. O sucesso da viagem, no entanto, já começa com a praticidade que os pais precisam já que são malas, brinquedos, acessórios e o carrinho do bebê, que é um item fundamental quando os filhos são pequenos. Pensando sempre em facilitar a rotina dos papais, a Cia do Móvel, referência em móveis para quartos infantis no Brasil, traz com exclusividade os desejados carrinhos e cadeiras de bebê da fabricante alemã Cybex. Com a sua

32

|

Junho 2017

excepcional inovação de design, o levíssimo GB Pockit é o menor carrinho de passeio do mundo, registrado pelo Guinness World Records 2014. Quando dobrado é o menor e o mais compacto carrinho atualmente no mercado, medindo apenas 30x18x35cm no modo ultra compacto. Por isso, é chamado Pockit! Em apenas duas etapas, o carrinho se torna um “pacote” compacto e leve - pesando apenas 4,3kg - ideal para o uso em viagens e passeios. É prático e fácil de montar e desmontar. Ele ainda se encaixa em qualquer compartimento pequeno, seja em um avião, trem, ôni-

bus ou carro. Uma ótima opção para os pais que adoram explorar todos os momentos junto com seus filhos. Fabricado com materiais de alta qualidade, especialmente desenhados para um lindo design e com extrema segurança, o GB Pockit é indicado para crianças a partir dos 6 meses até 17kg e ainda possui 2 anos de garantia. A Cia do Móvel traz para suas 100 lojas no Brasil as diferentes linhas das marcas Cybex e GB, divididas em três categorias: Platinum, Gold e Silver, oferecendo o que há de melhor em design e segurança, com conceito e engenharia alemães!


O menor carrinho dobrável do mundo!

GB Pockit

Considerado pelo Guiness Book como o carrinho mais compacto do mundo!

30

cm

35 cm

Pockit

Consulte disponibilidade de modelos e cores.

Similar

Apenas 4,3 Kg

18 cm

De 6 meses até aprox. 4 anos

9 - 17 kg

2 anos de garantia

VOCÊ ENCONTRA OS PRODUTOS CYBEX E MUITO MAIS NAS REVENDAS DA CIA. DO MÓVEL. CONSULTE NOSSO SITE WWW.CIADOMOVEL.COM.BR

33


Escoliose Infantil

Causada por malformação nas cartilagens de crescimento das vértebras

A

A dor ocorre basicamente quando as crianças ou adolescentes estão no computador ou muito tempo sentadas

palavra escoliose vem de uma palavra grega que significa “torto”, é uma curvatura anormal da coluna. Causada por malformação nas cartilagens de crescimento das vértebras, geralmente é de origem genética, afetando mais meninas que meninos. Um problema cada vez mais comum entre as crianças e jovens. Cerca de três em cada cem pessoas têm algum tipo de escoliose, embora para a maioria não seja um problema, para outras conforme o desenvolvimento, o desvio piora, necessitando a utilização de um colete ou uma operação para corrigir o problema. A dor ocorre basicamente quando as crianças ou adolescentes estão no computador ou muito tempo sentadas. Quem tem escoliose pode ter a coluna em forma de um “S” ou “C”, que só pode ser perceptível se olhar de frente ou de costas e na maioria das vezes é claramente perceptível. Se o desvio for muito acentuado pode causar desconforto também. Uma coluna desviada pode fazer com que o corpo se incline para a esquerda ou direita.

Muitas crianças com escoliose têm um ombro mais alto do que o outro com uma tendência a se inclinar para um lado. Este problema pode ser detectado quando a criança está experimentando roupas novas. O raio-X é um bom método para ter uma ideia de como está o desvio da coluna.

Tratamentos mais comuns para escoliose infantil São o uso de colete e o RPG (Reeducação Postural Global) realizado por um fisioterapeuta. Portanto é altamente recomendado que você leve seus filhos regularmente ao médico a fim de prevenir este mal. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: Mulheres Dicas - (www.mulheresdicas.com)

Muitas crianças com escoliose têm um ombro mais alto do que o outro com tendência a se inclinar para um lado. O problema pode ser detectado quando a criança está experimentando roupas novas

34

|

Junho 2017


O LIVRO MAIS COMPLETO Ricamente ilustrado com fotos e gráficos

Traz um beabá mensal para acompanhar os dois primeiros anos de vida e uma série de perguntas e respostas com as dúvidas mais comuns dos pais

l i v r a r ias! s a já n UM RELATO REAL, SINCERO E EMOCIONANTE sobre infertilidade e a realização do sonho da maternidade

35


publi-editorial

5 motivos para armazenar células-tronco do dente de leite do seu filho

O

nosso corpo é formado por diversos tipos de células que exercem funções distintas no nosso organismo. Os neurônios, por exemplo, são células diferentes das que compõem os músculos e assim por diante. Já as células-tronco são especiais: nas condições adequadas, elas podem se multiplicar e se transformar em outros tipos de células, e assim cumprir as mesmas funções delas. Mas por que é importante conservar essas células? Confira 5 motivos para armazená-las: 5. Elas representam um futuro promissor

As células-tronco são a grande esperança da medicina, pois podem auxiliar no tratamento de diversas doenças. Pela sua capacidade de se transformar em outros tipos celulares do organismo, cientistas veem nestas células inúmeras possibilidades de uso terapêutico.Existem diversas pesquisas promissoras em andamento com células-tronco para o tratamento do diabetes, doença de Alzheimer, doença de Parkinson, tratamentos cardíacos e outras doenças que atualmente são consideradas incuráveis. Cientistas estudam para tornar possível até mesmo a criação de órgãos em laboratório.

1. Garantia de proteção para o futuro Os pais têm cuidados especiais com os filhos: buscam oferecer uma boa educação, ensinam hábitos saudáveis, deixam as vacinas em dia, levam para os exames de rotina, entre outras atividades. Mas e se você pudesse garantir uma segurança extra aos seus filhos por toda a vida? Ao armazenar célulastronco do dente de leite você pode! Essa escolha é um ato de precaução que pode proporcionar uma melhor qualidade de vida para o futuro do seu filho.

2. As células-tronco tem inúmeras vantagens As vantagens das células-tronco do dente de leite incluem o fato de serem células jovens com alto potencial de multiplicação e diferenciação em outros tipos de células. Além disso, armazená-las permite que o paciente use suas próprias células em tratamentos futuros, o que minimiza o risco de rejeição pelo organismo.

3. Essas células já são usadas em diversos tratamentos existentes Existem diferentes tipos de células-tronco. As células-tronco do dente de leite são do tipo mesenquimal e isso significa que elas são capazes de se transformar em tecidos e células como neurônios, músculos, ossos, cartilagem e gordura. As células-tronco do dente de leite já se mostraram eficazes para a reconstrução óssea em fissura labiopalatina, enxerto em queimaduras de terceiro grau, regeneração da córnea, regeneração de lesões ósseas, entre outros tratamentos.

4. A coleta é simples e rápida Por volta dos 6 anos, os dentes de leite começam a cair. Porém, quando isso acontece, as células-tronco que estão dentro dele são perdidas. Por isso, é preciso fazer a coleta do dentinho antes que ele caia, com um dentista especializado. Isto garante que as células-tronco mantenham-se intactas e prontas para serem multiplicadas e armazenadas. O procedimento é rápido, seguro e minimamente invasivo. Apenas um dente de leite é suficiente para que se obtenha material em quantidade e qualidade para o armazenamento e é possível solicitar as células-tronco sempre que o seu filho precisar.

Conheça a R•Crio A R•Crio é o único laboratório no Brasil especializado na coleta das células-tronco do dente de leite. Contamos com uma equipe altamente qualificada, com formação em universidades de ponta e centros de pesquisa de referência nacional e internacional. Muito mais do que tecnologia inovadora em saúde, trazemos conosco o despertar de um futuro que parecia distante e, graças a anos de pesquisas, está cada vez mais próximo. 36

|

Junho 2017


37


Quando a Criança pode Dormir Fora de Casa?

U Se o seu filho nunca dormiu fora, é melhor esperar que ele peça, para que a criança sinta-se pronta e segura para viver isso

m dos momentos que aflige todos os pais é a primeira noite dos filhos longe de casa. Praticamente todos concordam que o fato de dar à criança a oportunidade de viver essa experiência é muito positivo para o seu desenvolvimento, pois lhe dá a chance de se socializar e também aumentar a sua autonomia. Para a criança torna-se uma aventura, é divertido, dormir na casa de um amigo longe dos pais, é algo novo e surpreendente. Mas ai vai uma duvida quando a criança pode dormir fora de casa? Em que idade os pais podem permitir essa aventura? Sabemos que prender demais e liberdade exagerada, ao extremo faz mal, tudo deve ser equilibrado, e não há resposta válida para esta pergunta. Na verdade depende de muitos fatores. Um deles é o lugar que a criança vai dormir, não é o mesmo que ir à casa de avós, tios, por exemplo, onde estes já estão mais acostumados. Para facilitar esta matéria, vamos pressupor que a

criança está dormindo na casa de um amigo seja da escola, do clube, do futebol, do balé. Hoje em dia isso é comum, conforme as crianças vão criando vínculos umas com as outras, elas vão para a casa do amigo (a) brincar e acabam ficando para dormir esticando a brincadeira. Se o seu filho nunca dormiu fora, é melhor esperar que ele peça, para que a criança sinta-se pronta e segura para viver isso. Embora não haja idade certa, vamos colocar aqui que por volta dos 6 anos, o seu filho deve ser preparado para esta experiência. Oriente-os para a forma que vão se comportar e dê os conselhos necessários. Passe tranquilidade ao seu filho, diga a ele que qualquer coisa é só ligar e que a hora que ele quiser você irá buscá-lo, não seja uma mãe ou um pai neurótico, pois afinal os filhos crescem e uma hora infelizmente eles vão sair do ninho! Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: (www.mulheresdicas.com)

Hoje em dia isso é comum, conforme as crianças vão criando vínculos umas com as outras, elas vão para a casa do amigo (a) brincar e acabam ficando para dormir esticando a brincadeira 38

|

Junho 2017


39


Gripe na

gravidez Com a chegada do inverno as doenças respiratórias voltam a ser motivo de preocupação

C

om a chegada do inverno as doenças respiratórias voltam a ser motivo de preocupação, em especial nas gestantes. Desde o surto de 2009 da gripe A (H1N1), conhecida popularmente como gripe suína, esta preocupação tornou-se ainda maior com diversos casos de internação e óbito. Essa susceptibilidade das grávidas dá-se, provavelmente, pelas modificações específicas desse período, como o aumento no consumo de oxigênio, diminuição da capacidade pulmonar e alterações imunológicas. Os sinais e sintomas não diferem do resto da população de não gestantes. No caso da grávida (mesmo aquela que foi imunizada) apresentar febre (38oC), associada a tosse ou dor de garganta, características comuns da influenza, a mesma deve entrar em contato com seu médico ou procurar algum serviço de emergência. Após análise e confirmação do diagnóstico, será prescrito o tratamento e avaliada, inclusive, a necessidade de internação. O medicamento de

O uso de analgésicos e antitérmicos podem aliviar os sintomas, porém estes só devem ser utilizados com a liberação de seu obstetra. Nesse período a grávida deve permanecer em repouso em casa

40

|

Junho 2017

escolha é o antiviral (Oseltamivir), que pode ser retirado gratuitamente nos posto de saúde com prescrição médica mesmo que a receita não seja de serviço público. Dado inicio, até 48 horas dos primeiros sintomas o tratamento apresenta os melhores resultados. Na maioria dos casos, os sintomas desaparecem em poucos dias. O uso de analgésicos e antitérmicos podem aliviar os sintomas, porém estes só devem ser utilizados com a liberação de seu obstetra. Nesse período a grávida deve permanecer em repouso em casa, tanto para seu reestabelecimento, quanto para evitar a transmissão. Quanto aos efeitos da gripe sobre o feto, parecem ser raros e desprezíveis. A vacina tem efeito comprovado na redução dos casos mais graves e por isso é recomendada desde 2004, porém só após a epidemia de 2009 viu-se uma boa aderência. A imunização está indicada para todas as grávidas e para as mulheres que encontram-se até o 45o dia após o parto. Além de proteger a mãe, a vacina confere proteção também aos bebês até os 6 meses de vida. Diversos estudos tem demonstrado a segurança da vacina tanto para as mães quanto para os fetos, assim como a segurança do uso do antiviral Oseltamivir (Tamiflu). Vale lembrar que a vacina leva em torno de 2 a 3 semanas para funcionar e por isso a gestante que ainda não se vacinou deve fazê-lo o quanto antes. Fonte: Dr. Wagner Hernandez CRM 116.139 - site: (www.wagnerhernandez.com.br)


41


O que você precisa saber para criar um filho?

S

empre me surpreendo com a falta de compreensão sobre como funcionam seus filhos que os pais demonstram em público. Não os culpo, mas me sensibiliza o tamanho do desencontro de como criar seus filhos. O bebê de um ano de idade balbucia no colo da mãe, os olhos vivos e aquela bunda

Apanhar pode tornar alguém obediente, ou seja, um cavalo, um cachorro ou uma criança, não há dúvida

Bater ou ameaçar bater não são estratégias de educação. Não se engane. São formas de violência. São, sobretudo, maneiras dos pais descarregarem a própria frustração sobre o filho (a)

42

|

Junho 2017

grande de quem estão de fralda. Pega a chupeta e atira no chão. Isso já aconteceu com você? Eu estava na mesa ao lado. O que me chamou a atenção foi à reação da mãe, com a voz contida, mas em tom áspero: “Para com isso! Quer apanhar? Para de jogar no chão!”. Imagino que já tinha pegado aquela chupeta do chão umas quinhentas vezes e estava de saco cheio. Bebês que atiram objetos ao chão repetidos vezes, seguidos de ameaças e violência verbal da mãe (ou de cuidadores) são uma situação dolorosamente comum. Quero comentar dois pontos:

1º ponto:

Bater ou ameaçar bater não são estratégias de educação. Não se engane. São formas de violência. São, sobretudo, maneiras dos pais descarregarem a própria frustração sobre o filho (a). Ou seja, a motivação do pai ou da mãe, ao bater, normalmente não é educar; a agressão é motivada pela falta de capacidade de lidar com os próprios sentimentos de raiva e de medo. Apanhar pode tornar alguém obediente, ou seja, um cavalo, um cachorro ou uma criança, não há dúvida. Mas criar um ser humano é algo mais do que conseguir obediência.


facebook.com/babyjoyoficial

O enxoval do seu bebê está aqui.

Conheça a nossa loja online Ao fazer suas compras na Baby Joy,

além de ter conforto e segurança, você vai adquirir produtos originais da

fábrica, confeccionados com todo o carinho e qualidade que seu bebê merece.

Acesse o site e boas compras!

Várias formas de pagamento para deixar tudo mais fácil.

43 Baby Joy é marca registrada da Incomfral.


A partir de quatro anos, até por volta de 6–7, costumam sentir grande curiosidade a respeito de pintos, bundas e periquitas o que, obviamente, não significa que se tornarão adultos tarados

Ou não? Quando você bate no seu filho (a), ele não está aprendendo o que você imagina estar ensinando (que não é legal jogar as coisas no chão, neste caso). Como as crianças aprendem mais pelo exemplo que pelo conteúdo da fala, o ensinamento será de que a violência é uma boa forma de resolução de conflitos. Que o mais forte deve ameaçar ou mesmo agredir o outro até que faça o que ele quer. A primitiva Lei da Selva Não se espante quando for chamado à escola porque seu filho/a começou a bater nas outras crianças ele (a) estará apenas demonstrando que aprendeu com o seu exemplo, a intimidação e a violência covarde sofridas em casa são, de fato, a base do Bullying. Em outro ambiente, dessa vez com pessoas mais frágeis que si própria, a vítima se torna algoz.

Por meio da brincadeira, os papéis de mãe e bebê se invertem; ao assumir o comando, ele pode sentir que tem algum controle sobre o mundo

44

|

Junho 2017

2º ponto:

Com grande frequência, adultos esperam que crianças se comportem como crianças mais velhas, ou mesmo como adultas. Não admitem que bebês, por exemplo, se comportem como bebês.Trata-se de um trágico mal-entendido. Se esta mãe soubesse que o comportamento de sua filha, ao atirar objetos no chão e esperar que algum adulto os devolva, repetidas vezes, é não apenas típico, mas saudável, acredito que agiria de outra maneira. É um jogo comovente, que Freud chamou de Fort-Da. Uma tentativa de elaborar no mundo da brincadeira, da criatividade e da imaginação, que constituem a esfera de potência do bebê, a situação mais angustiante com que se defronta naquele período da vida: as idas e vindas da mãe. Por meio da brincadeira, os papéis de mãe e bebê se invertem; ao assumir o comando, ele pode sentir que tem algum controle sobre o mundo. A tentativa de elaboração da experiência infantil é motivada por uma necessidade emocional. É proporcional ao amor que o bebê dedica à mãe e ao tamanho da angústia que sente cada vez que ela se afasta. Que a busca natural e saudável de elaboração emocional do bebê seja recebida com negligência, descaso ou mesmo violência, quando anseia por cumplicidade e acolhimento, me parece algo verdadeiramente trágico. Lança os alicerces para toda uma vida de silêncio das próprias necessidades, de desesperança e complacência com o que os outros esperam de si.

Como evitar? As necessidades e os comportamentos típicos dos seres humanos variam bastante conforme a idade. Uma parte considerável dessas necessidades e comportamentos está mapeada em detalhes nas diferentes descrições do processo de desenvolvimento humano. Piaget, Vygotsky, Freud, Winnicott, Bowlby, Françoise Dolto e Brazelton são algumas das principais referências. Bebês de oito meses podem ter crises de ansiedade e isso não é sinal de que se tornarão carentes ou manhosos demais. Com um ano, muitos/as mordem os amiguinhos na creche (não significa que se tornarão adultos agressivos). Por volta de três anos, é natural que manipulem o próprio cocô e até que o deem de presente a alguém de que gostam (não quer dizer que se tornarão pessoas porcas). A partir de quatro anos, até por volta de 6–7, costumam sentir grande curiosidade a respeito de pintos, bundas e periquitas o que, obviamente, não significa que se tornarão adultos tarados. São apenas comportamentos típicos, mas que podem causar uma boa dose de embaraço e ansiedade em adultos que não estão preparados para lidar com esses comporta-

mentos. Quando alguém resolve dedicar-se à jardinagem, o bom senso recomenda que procure entender as necessidades específicas das plantas que deseja criar. Caso contrário, elas não têm chance de

crescer saudáveis. Além de fazer uma diferença gigantesca na vida emocional dessas crianças, e dos adultos que chegarão a se tornar, saber o que esperar, compreender a sua criança e poder lidar com o que se apresenta deverão tornar sua vida bem menos angustiante. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: Portal 4Daddy (www.4daddy. com.br)


45


Vacinas extra plano. fazer ou não fazer?

Pode-se fazer acupuntura na gravidez? Na gravidez, muitos remédios não são seguros. Por isso a acupuntura é uma grande alternativa para tratar vários incômodos

V

amos entender o que é a acupuntura: é uma técnica milenar chinesa que consiste no estímulo de pontos específicos do corpo para obter a liberação de substâncias naturais que regularizam o funcionamento do sistema imunológico, de resposta ao stress e de dor. Na gravidez Muitos remédios não são seguros. Por isso a acupuntura é uma grande alternativa para tratar vários incômodos como, por exemplo: enjoos, azia, dores nas costas, ansiedade, alterações de humor, dificuldade para dormir ou até mesmo o inchaço. Estudos demonstraram que a acupuntura na gravidez ajudou as futuras mamães a dormir melhor. No final da gestação também pode ser muito importante, pois pode ajudar o bebê a fazer a cambalhota e ir para a posição correta para dar início às contrações uterinas. Pode ajudar também a dor no trabalho de parto. Portanto, a acupuntura na gravidez pode ser uma grande aliada. Mas só deve ser realizada, claro, por profissional habilitado e com material totalmente seguro. Sinta-se bem, sempre! Fonte: Dra Ana Escobar CRM: 48.084. Site: (dranaescobar.com.br)

46

|

Junho 2017

Saber para decidir: Rotavírus Vacina contra o rotavírus A infeção por rotavírus é a causa mais comum de gastroenterite nos bebês e crianças pequenas. A vacina vai proteger contra os tipos mais frequentes deste vírus. A gastroenterite geralmente manifesta-se por vómitos, diarreia e febre. É uma doença autolimitada, muito frequente, que em poucos casos implica internamento hospitalar, mas para muitos pais significa mais uns dias em casa com o filho doente. marcas autorizadas Ambas eficazes e seguras, mas com algumas diferenças de posologia: A Rotarix; administrada em 2 doses, a primeira a partir das 6 semanas de vida, devendo o esquema estar completo até às 24 semanas; A Rotateq; administrada em três doses, devendo a primeira dose ser administrada entre as 6 e as 12 semanas de vida e o esquema completo até às 32 semanas. O intervalo mínimo entre doses é de 4 semanas e podem ser administradas em simultâneo com qualquer outra vacina. Ambas são administradas por via oral. Todas as doses devem ser feitas com a mesma marca de vacina. A duração da imunidade não está ainda bem estabelecida, não sendo recomendado fazer reforço da vacina. Está contraindicada apenas em situações muito particulares de crianças com malformações gastrointestinais ou imunodeficiência combinada grave. Deve ser adiada se doença febril grave, diarreia ou vómitos. Fonte: Dra. Sônia Antunes, Pediatra e Neonatologista da Clínica Crescendo www.facebook.com/clinicacrescendo/


47


A importância da vacina da coqueluche para a gestante

A

coqueluche é uma doença infecciosa aguda, altamente contagiosa, que atinge o trato respiratório, especialmente traqueia e pulmão, com possibilidade de prevenção através do uso de vacinas, os casos ocorrem no mundo todo, podendo atingir qualquer faixa etária. A transmissão ocorre, principalmente, pelo contato direto do doente com uma pessoa suscetível, através da eliminação de gotículas de secreção de orofaringe eliminadas ao tossir, falar ou espirrar, sendo rara a transmissão por objetos contaminados com secreções do doente. A bactéria causadora da coqueluche

é a Bordetella pertussis. A grande maioria das pessoas, especialmente os bebês, são infectados pelos contatos próximos, como a mãe, pai ou avós. Um adulto infectado pode resultar em até 17 casos novos. Apesar de a vacina prevenir a doença, a proteção oferecida por essas não é vitalícia, ou seja, com o passar dos anos os níveis dos anticorpos fornecidos pela vacina caem e a pessoa se torna susceptível, podendo contrair e dessa forma transmitir a doença a outras pessoas. As manifestações clínicas variam muito conforme a idade do paciente. Em uma fase inicial os sintomas podem ser leves, caracterizados por febre baixa, mal estar, coriza, tosse seca. Apesar dos sintomas serem mais leves a possibili-

dade de transmissão é altíssimo nessa fase. A frequência e a intensidade dos acessos de tosse tendem a aumentar gradualmente até o surgimento das crises de tosse muito intensas e desconfortáveis. Com o transcorrer das semanas a febre pode se manter baixa ou desaparecer, porém as crises de tosse persistem, sendo mais frequente a noite, podendo ter cerca de 10 a 30 crises de tosse em até 24 horas. As crises normalmente são seguidas de um esforço inspiratório importante que pode produzir o “guincho” característico (um som alto, produzido quando o paciente tenta “puxar o ar”). Crises de cianose (ficar com a pele arroxeada), saliência dos olhos, protrusão da língua, salivação, lacrimejamento, ingurgitamento das

Apesar dos sintomas serem mais leves a possibilidade de transmissão é altíssimo nessa fase. A frequência e a intensidade dos acessos de tosse tendem a aumentar gradualmente até o surgimento das crises de tosse

48

|

Junho 2017


Atendimento à Gestante

CONHEÇA O PRÉ-NATAL ODONTOLÓGICO DO ATELIÊ ORAL KIDS

Atenção ao Recém-nascido

CUIDAR DA CRIANÇA DESDE OS PRIMEIROS MESES DE VIDA É UMA DEMONSTRAÇÃO DE CARINHO!

Serviços Ateliê Oral Kids Pré-natal odontológico

A primeira consulta do bebê Orientações de saúde bucal infantil às mamães “Teste da linguinha” - lei nacional jun/2014 Acompanhamento periódico com foco na prevenção Ortodontia Ortopedia Funcional dos Maxilares

W W W. AT E L I E O R A L . C O M . B R Rua João Lourenço, 564 • Vila Nova Conceição - São Paulo (11) 3040-8884 www.facebook.com.br/atelieoralkids

@atelieoralkids

EQUIPE RESPONSÁVEL PELO ATELIÊ ORAL KIDS:

Prof. Dr. Gabriel Tilli Politano - CRO 74931 | Dra. Sandra Avancini – CRO 41855 | Dra. Regina Maura Coli Siegl - CRO 22249 EPAO12644/CROSP/CL 12644. RT - CRO 83632. Luis Eduardo Z.B. Calicchio

49


Nos bebês menores de 1 ano e especialmente nos primeiros 6 meses de vida, os quadros podem ser bem graves, ocorrendo número elevado de complicações

A principal faixa etária atingida são os menores de um ano de idade, correspondendo a cerca de 70% dos casos de coqueluche no país. Os bebês menores de 6 meses estão sendo atingidos de forma mais grave

jugulares podem estar presentes, assim como vômito após as crises de tosse. Na fase de recuperação, a tosse pode persistir por vários meses. Nos bebês menores de 1 ano e especialmente nos primeiros 6 meses de vida, os quadros podem ser bem graves, ocorrendo número elevado de complicações com necessidade de suporte de oxigênio, grande possibilidade de internação, algumas vezes inclusive em UTI. A possibilidade de evolução para óbito existe nesse grupo etário. O diagnóstico é feito baseado em dados clínicos da história do paciente, no aspecto radiográfico pulmonar e no resultado dos exames, principalmente hemograma, sorologias, culturas e outros mais específicos. O tratamento é feito com uso de antibióticos, associados a medidas de suporte, como hidratação, oxigenioterapia, fisioterapia respiratória, entre outras. O número de casos de coqueluche no Brasil estava em queda desde a década de 1990, apresentando importante redução na incidência da doença. Porém desde 2011

observou-se um aumento súbito do número de casos com a incidência ultrapassando o limite superior esperado ao se comparar com períodos anteriores. Esse aumento, chegou em alguns momentos a 50

|

Junho 2017

superar em 10 vezes o número de casos anuais que habitualmente ocorriam, mantendo-se as taxas ainda bastante elevadas. A principal faixa etária atingida são os menores de um ano de idade, correspondendo a cerca de 70% dos casos de coqueluche no país. Os bebês menores de 6 meses estão sendo atingidos de forma mais grave, com casos habitualmente bem complicados e maiores incidências de óbito. No Brasil, em 2014, mais de 50 crianças menores de 6 meses de idade morreram por coqueluche. Isso ocorre porque nesse grupo o esquema vacinal inicial não está finalizado e, portanto as crianças estão desprotegidas. Mesmo após os 6 meses, quando o ciclo inicial de vacinação já tiver sido completo, a imunidade ainda não é plena e por isso a criança ainda pode ser gravemente afetada. A principal medida de

prevenção contra a coqueluche é a vacinação. Essa é recomendada para todas as crianças à partir dos 2 meses, com doses aos 2, 4 e 6 meses e reforço aos 15 meses e 4 anos, sendo essa administrada pelo Ministério da Saúde nos postos de saúde ou em clínicas privadas de vacinação.


cor-arte.com.br

o t n

e

m a ç

an

L

ABSORVENTE PARA SEIOS SUPER PREMIUM NOTURNO

Primeiro absorvente para seios Noturno

Proteção prolongada 2x mais Ultragel Contém adesivo de fixação Formato anatômico Possui camada antiaderente Não gruda no mamilo Ideal para mamilos sensíveis

A LINHA AMAMENTE É SINÔNIMO DE CARINHO, PROTEÇÃO E CONFORTO.

www.amamente.com.br

amamente

51


Nas crianças as vacinas possíveis são a DPT (fornecida pelo Ministério da Saúde) ou a DPTa (fornecida pelas clínicas privadas de vacinação). A diferença entre ambas não é a proteção alcançada, já que ambas protegerão da mesma forma as crianças; o diferencial entre as duas é a possibilidade de efeitos colaterais, como febre, irritabilidade, choro intenso,

entre outros, que é bem menor quando utilizada a DPTa. A vacina

também é recomendada para todas as gestantes, à partir da 20ª semana de gestação, sendo fornecida nessa situação pelo Ministério da Saúde a vacina DPTa. Não há diferença da vacina aplicada nas unidades públicas ou privada para as gestantes. Toda gestante

DEVE ser vacinada. Essa é uma medida de extrema importância não apenas para proteção da gestante, mas também para proteção do bebê, já que vimos que é nessa idade que estão ocorrendo os casos mais graves. A aplicação da dose na gestante proporciona a transferência dos anticorpos da mãe para o feto

pela placenta, evitando que eles contraiam a doença até que finalizem seu próprio esquema de vacinação inicial com a vacina DPT, que só ocorre aos seis meses de idade, ou seja, eles já nascem com alguma proteção contra coqueluche. Bebês que nascem prematuros tem prejuízo desse recebimento de anticorpos, já que a transferência máxima destes ocorre nas últimas semanas de gestação. As mulheres que perderam a oportunidade de serem vacinadas durante a gestação, ou por não terem sido encaminhadas ou por alguma outra razão, devem receber uma dose de DPTa no puerpério, logo após o parto, o mais rápido possível. Essa medida, de vacinação pós -parto deve sempre ser evitada. A

época ideal de vacinação é na gestação, pois ao se vacinar uma gestante após o parto, não haverá transferência de anticorpos para o feto, consequentemente, há diminuição da possibilidade de proteção das crianças contra a coqueluche nos primeiros meses de vida. A vacinação pós-parto garantirá apenas que a mãe não adoeça e, portanto não leve a bactéria para próximo da criança, evitando seu adoecimento. Considerando-se esse raciocínio, outros membros da família como pai, avós, por exemplo, também poderiam receber a DPTa. Apesar de a vacina estar implementada em território nacional desde novembro de 2014 e ser fornecida gratuitamente pelo Ministério da Saúde, as coberturas vacinais ainda tem sido

A diferença entre ambas não é a proteção alcançada, já que ambas protegerão da mesma forma as crianças; o diferencial entre as duas é a possibilidade de efeitos colaterais, como febre, irritabilidade, choro intenso, entre outros, que é bem menor quando utilizada a DPTa

baixas e uma parcela considerável das gestantes ainda não são encaminhadas para vacinação. A vacina é segura, não contém bactérias vivas, não oferecendo risco algum a gestante, trazendo apenas benefícios, não apenas a saúde da mulher, mas principalmente pela proteção oferecida para o bebê após seu nascimento. Gestantes, não deixem de se vacinar. Converse com seu ginecologista ou com o pediatra na sua consulta pediátrica de pré-natal. Proteja seu bebê antes mesmo dele nascer. Fonte: Dra Daniela Vinhas Bertolini, CRM 85228. Pediatra e Infectologista Pediátrica. Doutora em Pediatria pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). 52

|

Junho 2017


53


Dicas de alimentação para mães que estão amamentando

Substâncias como cafeína e álcool podem passar da corrente sanguínea para o leite, por isso o ideal é evitá-las

ual mãe nunca se pegou na dúvida do que comer e do que não comer na fase de amamentação? Diante dessa dúvida frequente, preparamos algumas dicas para ajudá-las. A alimentação da lactente, antes de mais nada, deve prover de nutrientes e energia suficiente para a produção e qualidade do leite materno, além de manter sua saúde em condições saudáveis para exercer tal tarefa. As mamães que estão amamentando necessitam de mais energia. Enquanto na gravidez a quantidade de energia a mais necessária era de 300 calorias, na lactação essa quantidade sobe para 500 calorias aproximadamente. Neste período, o depósito de

gordura que a mãe acumulou durante a gestação também é utilizado para fornecer energia para a produção do leite. Por isso, quanto mais a mulher amamentar exclusivamente, maior será o gasto energético dela e, consequentemente, o depósito de gordura se reduzirá. Por esse motivo, quando se diz que amamentar emagrece é porque seu corpo neste período trabalha freneticamente para produzir a quantidade ideal e o melhor alimento que seu bebê precisa. A alimentação deve ser fracionada e, por isso, o mínimo são 5 refeições por dia, as três principais (café da manhã, almoço e jantar) e dois pequenos lanches intercalados. Entre as mamadas crie o hábito de comer pequenos lanches saudáveis, assim você mantém a fome sobre controle e com energia suficiente para aguentar até a próxima refeição. Frutas, cereais, iogurte e castanhas são ótimas opções. É muito importante que não pule nenhuma refeição para que haja uma

variedade alimentar durante o dia e para que os nutrientes não fiquem concentrados em poucas refeições. Substâncias como cafeína e álcool podem passar da corrente sanguínea para o leite, por isso o ideal é evitá-las. e a cafeína pode fazer com que o bebê fique sem sono e irritado. Café, chocolate, chás e refrigerantes não são, definitivamente, aliados nessa fase. As bebidas alcoólicas devem ser excluídas da alimentação, pois podem comprometer a produção de leite materno. Alimentos ricos em enxofre que estimulam a produção de gases também devem ser reduzidos (ou, em alguns casos, evitados), como brócolis, couve-flor, feijão e repolho. É comum algumas mulheres relatarem desconforto quando consomem estes alimentos. A ingestão de água não afeta diretamente o volume de leite produzido, mas deve ser feita em pelo menos 2 litros por dia para a reposição da água gasta e para manter a lactente bem hidratada. Se sua urina estiver clara, é um bom sinal de que você está tomando uma quantidade adequada de líquidos. Mamães, bons hábitos alimentares estão diretamente ligados na qualidade de leite produzido. Então, mantenha-se saudável para poder oferecer para seu bebê o melhor e mais rico alimento que ele precisa nos primeiros 6 meses de vida. Gislaine Donelli – Nutricionista do Empório da Papinha

É comum algumas mulheres relatarem desconforto quando consomem estes alimentos. A ingestão de água não afeta diretamente o volume de leite produzido

54

|

Junho 2017


papinhas e comidinhas orgânicas, GOSTOSAS, SAUDÁVEIS E PRÁTICAS

preparadas com o mesmo amor de mãe.

pioneira em alimentação infantil, com registro na Anvisa e certificação orgânica. Receitas cuidadosamente elaboradas por nutricionistas e completas em nutrientes.

Frutas 6 meses

@emporiodapapinha

Sopas creme 6 meses

Sopas com pedaços 8 meses

/empóriodapapinhamatriz

Linha Empo rinho 12 meses

www.emporiodapapinha.com.br

Dúvidas sobre nossos produtos? Fale com a nutri: nutricionista@emporiodapapinha.com.br 55


Por que os bebês golfam? Gastropediatra explica razões do refluxo tão comum em bebês

Na maioria dos casos, o refluxo não impede que os bebês cresçam, ganhem peso e se desenvolvam normalmente

1º mês

56

uem tem um bebê sabe que é preciso ter sempre à mão um lencinho para limpar as golfadas. Há quem fique preocupado, mas elas são muito comuns em nenéns e, na maioria das vezes, desaparecem após o primeiro ano de vida. – O refluxo gastroesofágico acontece quando o conteúdo do estômago volta para o esôfago e, muitas vezes, pode resultar na golfada que é quando esse conteúdo sai pela boca. Essa situação é muito comum nos bebês, principalmente os mais jovens. Isso acontece por-

Até o primeiro ano de vida, o bebê segue amadurecendo os mecanismos que o protegem do refluxo gastroesofágico, além de sofrer mudanças nos hábitos de vida próprios da idade, como redução da ingestão de líquidos, habilidade para sentar e caminhar

|

Junho 2017

que os mecanismos de defesa do organismo em relação ao refluxo nos bebês ainda estão em amadurecimento, ou seja, ainda não funcionam da maneira ideal. Além disso, há alguns fatores que são próprios dessa faixa etária, como dieta líquida – e, às vezes, em volume maior que o necessário -, e posição horizontal a maior parte do tempo. Até o primeiro ano de vida, o bebê segue amadurecendo os mecanismos que o protegem do refluxo gastroesofágico, além de sofrer mudanças nos hábitos de vida próprios da idade, como redução da ingestão de líquidos, habilidade para sentar e caminhar. Assim, até o final do primeiro ano, a maioria deles não terá mais as golfadas frequentes – explica Fernanda Paiva, especialista em Gastroenterologia pediátrica. O amadurecimento desses mecanismos acontece gradativamente de acordo com o desenvolvimento do bebê, mas a frequência das golfadas podem ser reduzidas com alguns cuidados simples no dia a dia. Recomenda-se evitar mamadas ou refeições volumosas, sendo preferível ingerir menores volumes mais frequentemente ao longo do dia; evitar deitar o bebê logo após as refeições – por isso muitos pais e avós têm o hábito de ninar o bebê em posição ereta por 20 a 30 minutos após as mamadas – e evitar roupas e fraldas que apertem a barriga. Muito importante é deixar claro que na hora de dormir a


posição recomendada para menores de um ano é de barriga para cima sempre. Na década de 80-90, a recomendação era colocar o bebê para dormir de barriga para baixo, já que essa é a melhor posição para diminuir o refluxo nessa faixa etária. No entanto, ao longo dos anos diversos trabalhos mostraram que bebês menores de um ano que dormem de barriga para baixo têm maior chance de sofrerem a Síndrome da Morte Súbita do Lactente – orienta a médica. Na maioria dos casos, o refluxo não impede que os bebês cresçam, ganhem peso e se desenvolvam normalmente. As golfadas diminuem com o tempo, e não há motivos para preocupação. Alterações nesse desenvolvimento, no entanto, merecem maiores cuidados. – Há alguns casos de bebês com refluxo que nos preocupam mais. Pais e pediatras devem estar atentos aos bebês que golfam e parecem não ir bem, com dificuldade de crescimento e ganho de peso ou vômitos de coloração esverdeada ou com sangue, por exemplo. Nestes bebês, podemos estar diante de problemas mais sérios que necessitam de avaliação de um gastroenterologista pediátrico. É muito importante conhecer que existe o refluxo gastroesofágico fisiológico, que melhora conforme o bebê amadurece, e a doença do refluxo gastroesofágico, que é menos comum que o refluxo gastroesofágico fisioló-

Recomenda-se evitar mamadas ou refeições volumosas sendo preferível ingerir menores volumes

gico. A doença do refluxo está presente no bebê que apresenta golfadas e não vai bem – explica Fernanda. Segundo a gastroenterologista, o tratamento mais adequado para a doença do refluxo será definido após avaliação médica criteriosa. Há casos que necessitam de medicamento ou cirurgia. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: Quem Coruja (quemcoruja.com.br)

É importante

Segundo a gastroenterologista, o tratamento mais adequado para a doença do refluxo será definido após avaliação médica criteriosa

Evitar deitar o bebê logo após as refeições por isso muitos pais e avós têm o hábito de ninar o bebê em posição ereta por 20 a 30 minutos após as mamadas

57


Presentes preciosos e duradouros

Para seu filho 1º ponto Auto Estima Positiva

É preciso que seus filhos acreditem que mesmo depois de muito errar há possibilidades de melhorar e mudar as circunstâncias

Maximize os feitos positivos de seus filhos. Use uma lupa e banque o detetive, porém só flagrando e colocando uma lente de aumento nas coisas certas que ele faz e fala. Flagre-o fazendo o certo e expresse seus sentimentos ao vê-lo realizando assertivamente tarefas, sejam elas, simples, complicadas, rotineiras ou extraordinárias. Quanto aos erros demonstre a diferença entre amar sua pessoa, seu “ser” e não aceitar aquele “fazer” que deve ser interrompido e não mais repetido. Este presente é um “pacotão” que deve estar sempre junto com os itens dois e oito.

2º ponto Elogios Incondicionais

Dê beijos, abraços, presentes e declarações de amor simplesmente porque os ama e não condicionados às notas boas, à obediência ou qualquer outro feito. Evite negociar prêmios. 3º ponto Capacidade de Resiliência

Obs.: Resiliência é a capacidade concreta de retornar ao estado natural de excelência, superando uma situação critica. Segundo dicionário Aurélio, é a propriedade pela

Quanto aos erros demonstre a diferença entre amar sua pessoa, seu “ser” e não aceitar aquele “fazer” que deve ser interrompido e não mais repetido. Este presente é um “pacotão” que deve estar sempre junto com os itens dois e oito

58

|

Junho 2017


qual a energia armazenada em um corpo deformado é devolvida quando cessa a tensão causadora de tal de formação elástica”. Aqui estamos falando em ensinar a nossos filhos a arte de transformar as experiências ruins em soluções criativas – em fatores importantes para obter o sucesso. Para dar este presente a seus filhos é necessário oferecer tempo e oportunidade para que eles refaçam com sucesso aquilo que foi um insucesso ou mesmo um fracasso. É preciso que seus filhos acreditem que mesmo depois de muito errar há possibilidades de melhorar e mudar as circunstâncias. 4º ponto Espírito Solidário

No lugar de se enfurecer ou lamentar quando algum de seus filhos fracassa, entristeça com suas perdas, frustrações e dificuldades. Demonstre-lhe sua comiseração. Só consegue aceitar o outro quem aceita, sente e percebe seus próprios erros e dificuldades. 5º ponto Espírito de Inclusão-Sem Preconceitos

Faça uma reavaliação em seus comportamentos, comentários e sentimentos frente aos diferentes, aos menos validos, aos necessitados, aos portadores de necessidades especiais... Auxilie seus filhos a respeitá-los aceitando-os, amando-os, incluindo-os e, sobretudo admirando-os.

Educação se dá pelo modelo. Crianças vêem, crianças fazem. Seja uma influência positiva. Veja o filme: http://www.youtube.com/watch?v=8D_xeaFbq-w 6º ponto Segurança e Independência

Esteja com eles, faça-lhes companhia, encoraje-os frente a situações difíceis de serem realizadas. Lembre-se, nunca faça por eles, mas acompanhe-os e motive-os. Se você tem mais que um filho ensine cada um deles a ser independente e auxiliar a independência do outro, mas ensine-os a serem uns pelos outros. Distribua tarefas caseiras para que eles realizem em meio a suas atividades. 7º ponto Compreensão e Afetividade

Envolva seus filhos com olhares de carinho, compreensão e amor. Se eles se familiarizarem

com seus olhares e expressões faciais de aprovação certamente compreenderão quando o olhar for de advertência. 8º ponto Competência e Capacidade

Valorize os acertos de seus filhos. Temos o hábito de interferir no erro e considerar o acerto como se fosse normal e comum e às vezes até obrigação. Às vezes há pais que até verbalizam isto dizendo “Não fez mais do que sua obrigação!”. Valorizar os acertos é trocar esta frase por outra semelhante “Parabéns! Você cumpriu maravilhosamente bem sua obrigação! Estou orgulhoso de você! Continue assim!”. Valorizar é dar lugar de destaque. È tornar importante. Não é necessário um presente para valorizar algo. Valorizar o acerto não necessariamente é dar-lhe uma recompensa material, mas sim um destaque afetivo. Lembre-se sempre, este presente faz parte do “pacotão” dos itens um e dois. 9º ponto Tranquilidade e Paz

Ofereça rotina para seus filhos. Que eles tenham pelo menos uma das refeições do dia coletivo com a família envolta de uma mesa onde as pessoas trocam idéias, que eles tenham horários para estudar, brincar, passear, tomar banho, dormir e acordar. Que eles

tenham rituais para guardar as roupas, os objetos, os brinquedos – cada coisa em seu devido lugar – e ensine-os a diminuir o lixo, colecionar e conservar objetos. Só uma pessoa capaz de conservar poderá preservar e respeitar a natureza. 10º ponto Religiosidade

Este é o último presente que enumero para você dar a seus filhos, porém é o mais importante. Através da religiosidade as pessoas aprendem que há leis naturais que regem a Terra e reconhecendo a grandeza e soberania de Deus terá sensibilidade para conhecer a si mesma. Com a religiosidade você desenvolverá em seus filhos dois dons espirituais de extrema motivação para a vida: FÉ E ESPERANÇA. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: Dra. Ely Paschoalick(http://comoeducarosfilhos.blogspot.com.br)

Valorizar o acerto não necessariamente é dar-lhe uma recompensa material, mas sim um destaque afetivo

59


Gêmeos Quais mulheres tem naturalmente maior chance de terem?

O que discutiremos não vale para gêmeos idênticos ou monozigóticos, que possuem frequência relativamente constante na população estimada em 4 para cada 1000 nascimentos

60

|

Junho 2017


É

nítido que a frequência de gestações múltiplas aumentou muito nas últimas décadas. Será que só as técnicas de reprodução assistidas são responsáveis por esse aumento? Estima-se que dois terços desse aumento sejam por conta disso. E o outro terço? De onde vem? A maior fatia desse terço vem da tendência das mulheres terem filhos cada vez mais tarde quando comparadas as gerações passadas. Para se ter uma ideia; o número de mulheres americanas que deram a luz pela primeira vez após os 30 anos comparando 1975 a 2000 aumentou em 5 vezes. A explicação para o aumento das gestações gemelares (duas crianças) nessas mulheres com mais de 35 anos se dá por ser um período em que um hormônio chamado FSH (hormônio foliculotrófico ou folículo-estimulante) que é diretamente relacionado à ovulação tem sua atividade máxima responsável pelo aumento das taxas de ovulações múltiplas por ciclo e consequentemente de gêmeos. Porém, existem outros fatores que contribuem para maiores chances de engravidar de gêmeos. Algumas mulheres são naturalmente propensas

As mulheres afrodescendentes são em primeiro lugar as mais propensas, tendo uma tribo na África com um caso em cada 20 nascimentos e em segundo lugar fica no extremo oposto do planeta, as orientais com chance 10 vezes menor.

geneticamente a ter gestações múltiplas. Essa tendência normalmente vem de família. Como essas gestações estão diretamente relacionadas ao número de óvulos, não existe relação com a parte do seu parceiro nem da família dele, ou seja, mesmo que tenham na família do seu marido vários casos ou até que ele tenha um irmão gêmeo a chance de vocês terem gêmeos não aumenta. O fator racial também pode influenciar e destacase principalmente em dois extremos. As mulheres afrodescendentes são em primeiro lugar as mais propensas, tendo uma tribo na África com um caso em cada 20 nascimentos e em

segundo lugar fica no extremo oposto do planeta, as orientais com chance 10 vezes menor. Acredita-se também na teoria de que cada etnia apresenta diferentes níveis do hormônio FSH. Ainda com relação ao FSH, estudos demonstraram que existe maior taxa de gêmeos nas mulheres logo no primeiro ciclo espontâneo após a parada da pílula anticoncepcional por um estímulo hormonal súbito em grande quantidade e nas pacientes com sobrepeso e obesidade com índice de massa corporal (IMC) maior que 30.Fonte: Dr. Wagner Hernandez CRM 116.139 site: (www. wagnerhernandez.com.br)

Existem outros fatores que contribuem para maiores chances de engravidar de gêmeos.

Para se ter uma ideia; o número de mulheres americanas que deram a luz pela primeira vez após os 30 anos comparando 1975 a 2000 aumentou em 5 vezes Estudos demonstraram que existe maior taxa de gêmeos nas mulheres logo no primeiro ciclo espontâneo após a parada da pílula anticoncepcional

61


Pediatra

Como escolher, quando ir,e o que perguntar

J

á somos as melhores mães antes mesmo do bebê nascer. E queremos sempre o melhor para o nosso filho! Por isso, durante a gravidez começa a surgir à dúvida: como escolher o “melhor” pediatra para o meu bebê? Há várias questões que devem ser consideradas para você levar em conta na hora de decidir quem vai cuidar do seu bem mais precioso. A escolha deve ser feita preferencialmente através de indicação profissional ou de amigos, entretanto o pediatra ótimo para a sua amiga pode não ser para você. Os aspectos a serem analisados pelos pais vão além da empatia. Verifique se o profissional faz parte da Sociedade Brasileira de Pediatria e tente conhecer um pouco sobre ele antes de decidir. Verifique também a distância entre o consultório e sua casa, a disponibilidade do pediatra, a forma de contato em situações emergenciais em que você precise dele. O ideal que a primeira consulta seja agendada ainda no final da gravidez, a partir de 32º semanas de gestação, para o pediatra e mãe se conhecerem e interagirem com as dúvidas que surgem mesmo antes de o bebê nascer. Nesta consulta, é importante para o pediatra verificar alguma intercorrência na gravidez que possa influen-

O ideal que a primeira consulta seja agendada ainda no final da gravidez, a partir de 32º semanas de gestação para o pediatra e mãe se conhecerem e interagirem com as dúvidas que surgem mesmo antes de o bebê nascer

62

|

Junho 2017

ciar a saúde da criança, através dos exames realizados no pré-natal, além de saber dos fatores emocionais envolvidos, se o bebê foi planejado e os seus medos e anseios em relação a maternidade. Você poderá solucionar as suas dúvidas sobre os tipos de parto, o que acontece com o bebê logo que nasce, amamentação, como se preparar para receber o seu filho em casa, entre outras questões. Enfim, esta primeira consulta serve para você criar confiança e se sentir segura com o pediatra que vai cuidar do seu filho. Assim que você deixar a maternidade, agende a primeira consulta. O ideal que seja feito entre 5-10ºdia de vida. Os pais devem levar para a primeira consulta os documentos que informam o histórico do bebê, como os exames e vacinas realizadas na maternidade. Durante o primeiro ano de vida as consultas devem ser mensais a fim de detectar precocemente qualquer alteração, já no segundo ano passam a ser trimestrais.

Nesta consulta, o pediatra deve perguntar sobre o histórico de saúde dos familiares, da gestação, o contexto familiar, se primeiro filho, informar sobre os dados do parto, verificar o aspecto nutricional, a


Uma mãe bem informada deixa o consultório confiante. E uma boa relação com o seu pediatra é fundamental para a saúde e bem estar do seu filho

Os aspectos a serem analisados pelos pais vão além da empatia. Verifique se o profissional faz parte da Sociedade Brasileira de Pediatria e tente conhecer um pouco sobre ele antes de decidir

amamentação, o sono, as funções fisiológicas (diurese e evacuações), o cuidado com o coto umbilical, a carteira de vacina, o banho de sol, o suplemento vitamínico. No exame físico, devem-se avaliar as medidas antropométricas como peso, comprimento, circunferência cefálica, torácica e abdominal, avaliar cada segmento da criança, inclusive sem a fralda. São avaliados ainda o desenvolvimento emocional, comportamental e motor. Em geral esta primeira consulta tem o objetivo de orientar e esclarecer dúvidas, e os pediatras aconselham que o pai também esteja presente na consulta. Convém aos pais a anotar as dúvidas na agenda entre os intervalos das visitas. Dúvidas sobre dificuldades na amamentação, cólicas, icterícia, regurgitações, vômitos, sons e ruídos

emitidos pelo bebê, soluços, características de fezes, higiene corporal, o banho de sol, vacinas, quantidade de roupas, controle de temperatura, além de temas de interesse particular de cada família podem ser solucionadas durante a consulta. Preparar essa lista garante que você volte para casa com todas as perguntas respondidas. Uma mãe bem informada deixa o consultório confiante. E uma boa relação com o seu pediatra é fundamental para a saúde e bem estar do seu filho. Fonte: Daniela Gerent Petry Piotto Médica pediatra e reumatologista pediátrica. Coordenadora do Curso de Cuidados com a Saúde da Mamãe e do Bebê – Grupo Fleury. Professora afiliada departamento de medicina UNIFESP(www. amordepediatra.com.br) 63


Saiba como fazer os exames - Durante a gravidez sem apertar o orçamento -

A

realização de um bom pré-natal garante uma gravidez tranquila e facilita o planejamento do parto, aumentando as chances do bebê nascer forte e saudável. No entanto, devido à dificuldade de acesso às consultas e exames necessários na rede de saúde pública, muitas grávidas acabam recorrendo aos serviços particulares e pagando por tudo do próprio bolso. Quer descobrir como fazer os exames durante a gravidez sem apertar o orçamento da família? Confira as nossas dicas!

Tipagem sanguínea e coombs indireto: Determina o tipo de sangue da mulher e se ela já está sensibilizada contra o Rh positivo

A cada consulta de pré-natal, o médico obstetra solicita alguns exames para avaliar melhor a saúde da mulher

64

|

Junho 2017

Quais exames são realizados durante a gravidez? A cada consulta de pré-natal, o médico obstetra solicita alguns exames para avaliar melhor a saúde da mulher e o desenvolvimento do bebê, verificando a necessidade de iniciar algum tratamento ou planejar algum procedimento. Os principais exames durante a gravidez são: Beta HCG: É um dos primeiros hormônios a se elevar e ajuda no acompanhamento da gestação. Ultrassom transvaginal: É o primeiro ultrassom a ser realizado. Confirma a gravidez e indica se a mulher está grávida de um bebê ou mais. Hemograma: Solicitado a cada trimestre, avalia anemia e outras doenças no sangue. Urina rotina e urocultura: Avalia sinais de infecção de urina e de alterações no funcionamento dos rins, sendo importante para o

diagnóstico de pré-eclâmpsia. Glicemia de jejum: Avalia os níveis de açúcar no sangue da mulher, identificando os casos de diabete gestacional. Tipagem sanguínea e coombs indireto: Determina o tipo de sangue da mulher e se ela já está sensibilizada contra o Rh positivo. É importante para a prevenção da anemia hemolítica do recém-nascido, por meio da aplicação de um soro ao nascimento do bebê. TSH e T4 livre: Diagnostica hipotireoidismo, uma doença que precisa ser controlada para que a gestação corra bem. Rastreamento de infecções: Detecta-se a presença de diversas infecções (toxoplasmose, rubéola, sífilis, hepatite B, hepatite C e HIV/ AIDS) que podem ser transmitidas para o bebê, provocam malformações, abortos e partos prematuros.


Cada exame é pedido por um motivo específico para avaliar certo aspecto da saúde da mãe ou do bebê, influenciando diretamente no bem-estar de ambos durante a gestação e o parto

Ultrassom morfológico: É um ultrassom mais completo que avalia a estrutura de cada órgão do bebê, buscando malformações. Ultrassons obstétricos: São ultrassons simples e que conferem o batimento cardíaco, o tamanho e a posição do bebê, além de avaliar a quantidade de líquido amniótico. Exame da translucência nucal: Realizado durante o ultrassom, avalia o risco de o bebê apresentar síndromes cromossômicas, como a síndrome de Down. Todos os exames são realmente necessários para o prénatal? Cada exame é pedido por um

motivo específico para avaliar certo aspecto da saúde da mãe ou do bebê, influenciando diretamente no bem -estar de ambos durante a gestação e também do parto. Como realizar esses exames sem apertar o orçamento? Para economizar e obter os melhores preços do mercado é importante pesquisar diversas clínicas e laboratórios, tendo cuidado para não comprometer a qualidade do serviço. Uma boa alternativa é buscar clínicas populares que ofereçam pacotes de pré-natal com acesso a todas as consultas e exames necessários nessa fase da vida da mulher.

Clínicas populares As clínicas populares são serviços médicos privados de qualidade, oferecidos a preços mais acessíveis para a população. O atendimento é feito sem a necessidade de plano de saúde, com alta disponibilidade de horários e de forma completa, permitindo consultas com especialistas, realização de exames e de procedimentos. Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. Divulgado em: Blog da Clínica SIM. (www.clinicasim.com/blog)

A realização de um bom pré-natal garante uma gravidez tranquila aumentando as chances do bebê nascer forte e saudável. No entanto, devido à dificuldade de acesso às consultas e exames necessários na rede de saúde pública, muitas grávidas acabam recorrendo aos serviços particulares

65


Quando o meu filho

vai começar a falar? Muitas pesquisas apoiam a tese que o bebê já compreende a linguagem antes mesmo de nascer.

O Além da fala, as suas expressões faciais e a linguagem corporal podem dar dicas do que ele está querendo falar

choro do seu filho ao nascer é a primeira forma de comunicação. É através do choro, que ele expressa o choque de sair do acalento gostoso do útero da mãe e de estar em um lugar diferente, no meio externo. Muitas pesquisas apoiam a tese que o bebê já compreende a linguagem antes mesmo de nascer. Ele acostuma ao compasso dos batimentos do seu coração, ele entra em sintonia com o som da sua voz. Após o nascimento, é capaz de discernir a sua voz das dos demais. Por isso é tão importante conversar com o bebê dentro da barriga, seja a mamãe ou o papai da criança. Ouvir músicas na gestação também é uma forma de compreensão da linguagem e de estímulos do desenvolvimento cognitivo do bebê intra-útero. Seu filho é um observador: ele aprende regras da linguagem e da socialização, observando você reagindo a seus sons, os diferentes tons, e como você e seus parceiros conversam e se entendem. Por isso, é importante utilizar diferentes tons e sílabas quando você fala de modo que ele possa imitar e aprender novos sons. As habilidades verbais do seu bebê vão progredir por etapas a medida que seu mecanismo vocal amadurece e ele se relaciona com o seu ambiente. Assim como ele tem que engatinhar ou se rastejar antes de andar, ele tem que balbuciar antes de falar. Balbuciar é um marco importante do desenvolvimento porque representa o início de uma comunicação real, quando um bebê começa a experimentar sons, reações, respostas e a construção de relações sociais. O sorriso social que é um marco do desenvolvi-

6 a7

Em torno de 6 a 7 meses o bebê usa seus lábios e língua para formar sons e vai iniciar uma conversa com você atrás das mudanças no tom quando ele fala

meses

66

mento do primeiro trimestre também é uma das primeiras formas de comunicação do bebê, além do início dos sons de vogais com “coos” e “goos”. Já no primeiro mês de vida, seu filho vai fazer umas caretas para você e a gostar de olhar e até imitar alguns gestos. Mostre a língua e veja como ele faz a mesma coisa. Balbuciação começa em torno de 4 meses. As primeiras experiências incluem, muitas vezes, sons com “p”, “b” e “m”, que são produzidos só de colocar os lábios juntos. Nesta fase, ele também dará gritinhos de alegrias só de ver a mamãe e papai, refletindo um forte sinal de vínculo. Em torno de 6 a 7 meses o bebê usa seus lábios e língua para formar sons e vai iniciar uma conversa com você atrás das mudanças no tom quando ele fala. Sua voz pode subir no final de uma série de murmúrios, como se estivesse fazendo uma pergunta, ou ele pode resmungar em voz baixa após outra pessoa beijar o seu rosto. Ele também começa a compreender que uma conversa é uma coisa de vai-e-vem e por isso pode fazer pausas entre as exclamações. Além da fala, as suas expressões faciais e a linguagem corporal podem dar dicas do que ele está querendo falar. Lembre-se que o desenvolvimento da linguagem assim como o desenvolvimento motor varia para cada criança. Entretanto se ele não balbucia, não faz contato com os olhos ou gestos, se as palavras não surgem até os seus 15 meses ou não fala frases com 2-3 palavras até aos 2 anos, ou se há uma regressão da fala a qualquer momento agende uma conversa com o seu pediatra e um fonoaudiólogo. Quanto mais cedo uma criança recebe ajuda no problema de linguagem, melhor será.

|

Junho 2017


dicas para ajudar na fala do seu bebê 1. Converse com o seu bebê: ao falar com ele,

6. Estimule-o a nomear o que ele deseja ao apon-

2. Cante para o seu bebê: durante as atividades do

7. Sempre que possível, associe gestos ao que

olhe-o nos olhos e articule bem os sons das palavras. Use diferentes tons e sílabas quando você fala de modo que ele possa imitar e aprender novos sons. dia a dia, como na hora de comer, do banho ou do sono, cante músicas com letras curtas e repetitivas e sempre no mesmo tom de voz. Isso antecipa para o bebê o que vai acontecer com ele, e ele se sente mais seguro na rotina do seu dia.

tar. Resista à tentação de satisfazer as vontades dele rapidamente. Por exemplo, se seu filho aponta para um copo de agua ou balbucia “ aua”, pergunte-o: ”Você deseja um copo de água?” diz como; sacudir o dedo indicador quando fala “não” ou mostrar as mãos vazias ao anunciar que algo “acabou”.

8. Nos passeios, aproveite para ensinar palavras

novas. Em um parque, por exemplo, aponte e nomeie os elementos da paisagem: “veja as árvores, os pássaros, os bebês.”

3. Os pais não podem incentivar o filho a falar er-

rado, ainda que achem bonitinho o jeito como ele pronuncia determinada palavra. Evita infantilizar a fala ou usar diminutivos.

9. Ao contar histórias, crie vozes diferentes para os

4. Os especialistas justificam que as palavras ficam muito parecidas quando acrescidas de “inho” ou “inha” no final, dificultando a memorização e a consequente ampliação do vocabulário.

personagens, alternando tons graves e agudos, sons mais altos e mais baixos, e faça gestos para interpretação dos personagens.

5. O bebê pode chamar o cachorro de “au-au” e o

machucado de “dodói”. Já os pais, como modelos, precisam reforçar o uso da palavra correta.

Fonte: Daniela Gerent Petry Piotto Médica pediatra e reumatologista pediátrica Coordenadora do Curso de Cuidados com a Saúde da Mamãe e do Bebê – Grupo Fleury Professora afiliada departamento de medicina – UNIFESP (www.amordepediatra.com.br) Facebook: dradanielapediatra Instagram: @dradanielapediatra

67


Saiba identificar se o seu filho está se tornando um pequeno consumista

N

os últimos anos a indústria da propaganda infantil tem levado alguns “puxões de orelha” e as publicidades vem tomando um rumo menos agressivo (Ufa! Os pais agradecem!). Só que, mesmo assim, nossos filhos são “bombardeados” por inúmeras campanhas que incentivam a “necessidade” de comprar. E nesta lista não entram só brinquedos e alimentos não. A verdade é que as crianças brasileiras influenciam em até 80% as decisões de compra

Saber se o seu filho está se tornando consumista ou não nem sempre é fácil, infelizmente, e, muitas vezes, requer ajuda de psicólogos

68

|

Junho 2017

de uma família inteira. Você já parou para pensar em quantas vezes o seu filho deu palpites durante uma ida ao supermercado? Aqui é um verdadeiro caos: “Quero isso”! “Quero aquilo!” “Quero esse também!”. Comprar realmente é bom (ninguém pode negar) só que as crianças vivem uma fase de desenvolvimento em que são mais vulneráveis e podem sofrer desde cedo com as consequências relacionadas ao consumismo, consequências essas como obesidade infantil, erotização precoce, estresse e agressividade. Saber se o seu filho está se tornando consumista ou não nem

Explique para o seu filho, desde cedo, como os pais ganham dinheiro e como ele deve ser gasto conscientemente


sempre é fácil, infelizmente, e, muitas vezes, requer ajuda de psicólogos. Só que há uma situação que chama bastante atenção e que pode ajudá-la a identificar se o seu pequeno está caminhando para ser um pequeno consumista. Essa situação é quando a criança insiste muito em um determinado objeto (os olhos chegam a brilhar) e, quando o tem, perde o encanto facilmente ou parece que nunca fica satisfeita com nenhuma compra o brinquedo. Sempre quer mais e mais e mais e o que ganha não causa prazer ou o prazer é muito momentâneo mesmo. Bom, mas o que fazer numa situação em que se identifica que o filhote está se tornando ou pode vir a se tornar um pequeno consumista?

Comprar realmente é bom (ninguém pode negar) só que as crianças vivem uma fase de desenvolvimento em que são mais vulneráveis

dicas básicas para evitar o consumismo 1 Limite o tempo da criança na TV e

também na internet (esses são os principais veículos de publicidade no Brasil). E se liberar, dê preferência por opções que não tem anúncio.

2 Quando o seu filho for assistir TV ou

navegar pela internet, sempre fique com ele e vá, aos poucos explicando o que faz parte do programa e o que é propaganda (sem esquecer-se de explicar o que significa propaganda, claro!).

3 Explique para o seu filho, desde cedo,

como os pais ganham dinheiro e como ele deve ser gasto conscientemente.

4 É por volta dos 4 anos que a criança

começa a lidar com as frustrações,

então, está é a fase que ela precisa realmente entender que não é possível comprar tudo que deseja. 5 Uma dica para quando o seu

filho insistir em um brinquedo é fazê-lo pensar nesta atitude. Faça perguntas como: porque você quer esse brinquedo? Mas você já não tem um parecido? Ah, e não aceite como resposta um ‘porque sim’.

6 Por último, não se esqueça de que os

pais precisam dar exemplo e também evitar o consumismo.

7 Passeios ao shopping e lojas devem

ser substituídos por idas a parques, praças, museus e outras atrações muito mais ricas para as crianças.

Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador.Divulgado em: Blog Macetes de Mãe (www.macetesdemae.com)

69


publi-editorial

Dormir com barriga e depois com o bebê

D O bebê que dorme na mesma divisão que seus pais, mas não na mesma cama, fica menos exposto ao risco de Síndrome de Morte Súbita do Lactente

ormir bem durante a gravidez é vital para o bem-estar de uma futura mãe, mas, geralmente, algumas das perturbações, como o estímulo de micção frequente, o bebê se mexe cada vez mais, as alterações hormonais e, acima de tudo, as habituais dores de costas, afetam o sono. Durante os últimos três meses, mais de 75% das mulheres sofrem de perturbações do sono e têm de dormir mesmo durante o dia. De modo, que é importante encontrar uma posição confortável para favorecer o descanso. De um ponto de vista científico, a posição recomendada para dormir é deitada de lado, de preferência para a esquerda, com os joelhos ligeiramente dobrados. Esta posição reduz o inchaço e a retenção de líquidos, evitando que o peso do feto faça pressão contra os órgãos internos e os vasos sanguíneos. A utilização de uma almofada especialmente concebida para suportar todo o corpo da grávida ajuda a evitar as dores de costas, favorecendo ao mesmo tempo a posição deitada de lado, o que aumenta a qualidade do

É aconselhável dormir perto do bebê, mas levá-lo para a sua cama não é seguro para ele. Durante os primeiros dias e as primeiras semanas de vida

70

|

Junho 2017

sono. De fato, o suporte dos joelhos e tornozelos favorece o alinhamento correto com as ancas e ajuda a evitar dores e inflamações do nervo ciático, assegurando o máximo conforto.

Muito juntinhos...

É aconselhável dormir perto do bebê, mas levá-lo para a sua cama não é seguro para ele. Durante os primeiros dias e as primeiras semanas de vida, os pais gostam de manter o bebê sempre perto deles. Esta necessidade se torna ainda mais forte durante a noite, principalmente para a mãe que precisa de sentir o bebê junto dela para o alimentar, mimar e vigiar. Assim, o bebê também fica mais tranquilo, sentindo a presença e proximidade da mãe; se sente seguro e as suas necessidades são satisfeitas de imediato. Hoje em dia, os especialistas consideram esta proximidade positiva, não só para a tranquilidade dos pais como para o correto crescimento do bebê que ajusta o seu ritmo biológico ao dos pais. Além disso, de acordo com estudos recentes, o bebê que dorme na mesma divisão que seus pais, mas não na mesma cama, fica menos exposto ao risco de SMSL, Síndrome de Morte Súbita do Lactente. Tendo em conta tudo o que foi dito acima, as mães que levam os bebês para dormirem junto delas e geralmente para a sua cama não são poucas. Também o fazem para não terem de sair da cama para os alimentar e para os mimar quando acordam. Mas deixar o bebê dormir na cama dos pais é totalmente desaconselhado porque não é seguro para ele! Para um recém-nascido, o calor produzido debaixo dos lençóis com a presença de adultos pode ser excessivo e consequentemente perigoso. Além disso, não se pode excluir a possibilidade de a mãe aproximar-se em demasiado do bebê ao dormir, representando um risco concreto de sufoco acidental. É aconselhável deixar o bebê dormir no mesmo cômodo que os pais, mas não na mesma cama. É melhor utilizar um berço para colocar junto da cama dos pais onde o bebê pode descansar no seu próprio espaço, perto da mãe mas em total segurança. Para um sono tranquilo e descansado.


Está na hora de ir para a escola. E agora? “seu filho vai iniciar a vida escolar e o primeiro passo começa em escolher a escola ou berçário”

C

hegou a hora tão difícil, a licença maternidade está acabando e por opção ou necessidade seu filho vai iniciar a vida escolar e o primeiro passo começa em escolher a escola ou berçário.

Mas como escolher um lugar que contemple todas as minhas expectativas ?

Quando decidi colocar meu filho no berçário fui conhecer pelo menos 6 escolas com recomendações e nenhuma parecia ser suficiente pro meu pequeno. Que sofrimento, afinal ninguém poderia cuidar dele como eu?

Claro que não é fácil e com certeza quem mais sofre não é o filho mas a mãe que tem um misto de tristeza e insegurança. Mas quando via ele feliz na escolinha e os amiguinhos da mesma forma sabia que tinha escolhido o lugar certo para ficar!

E sabe qual é resposta?

Não, ninguém poderá cuidar do seu filho como você. E isso é ótimo pois outras pessoas irão cuidar, alimentar, dar carinho ao seu filho e ele será capaz de amar outras pessoas. Mas não se preocupe, seu lugar estará sempre garantido. Por mais que passe o dia longe, quando chegar para buscá-lo todo amor entre vocês aparecerá no semblante de felicidade do seu filho ou filha ao te ver. Eu lembro como se fosse ontem a primeira vez dele entrando na escola. Só de pensar que estava chegando o dia, já me dava um friozinho na barriga, ansiedade de saber como seria a adaptação. Claro que não é fácil e com certeza quem mais sofre não é o filho mas a mãe que tem um misto de tristeza e insegurança. Mas quando via ele feliz na escolinha e os amiguinhos da mesma forma sabia que tinha escolhido o lugar certo para ficar! Por isso siga seu instinto, nunca feche os ouvidos a ele que conseguirá encontrar o lugar certo pra te ajudar a educar seu filho ou filha. Fonte: Dra. Carla Kikuchi Fernandes CRM 112.843 blog (www.dracarlagineco.com.br)

Não se preocupe, seu lugar estará sempre garantido. Por mais que passe o dia longe, quando chegar para buscá-lo todo amor entre vocês aparecerá

Só de pensar que estava chegando o dia, já me dava um friozinho na barriga, ansiedade de saber como seria a adaptação. Claro que não é fácil e com certeza quem mais sofre não é o filho mas a mãe que tem um misto de tristeza e insegurança.

71


Epidemia de Febre Amarela Vacinar ou não?

D

entro das inúmeras opiniões sobre vacinar ou não contra a febre amarela, devido ao surto atual em alguns estados do Brasil, achei a reportagem do Bem Estar a mais elucidativa, na forma de perguntas e respostas. Vale ler:

Por que este surto de febre amarela é chamado de “silvestre” e “selvagem”? 1º

Porque os casos são registrados em regiões rurais ou de mata, transmitidos pelos mosquitos Haemagogus ou Sabethes. Por enquanto, não foi detectada a transmissão da doença pelo Aedes aegypti, mais famoso pela dengue, zika e chikungunya e por gostar das áreas urbanas. É possível que a epidemia chegue às grandes cidades? 2º

Sim. Uma pessoa infectada em zona rural poderá ir para uma cidade. Uma vez picada por um mosquito Aedes aegypti, o inseto poderá transmitir para outra pessoa, e assim por diante. A boa notícia é que isso não aconteceu ainda, de acordo com o Ministério da Saúde e os médicos. “A pessoa que vive dentro da cidade, em São Paulo, por exemplo, não precisa entrar em pânico, mas é verdade que

Uma vez picada por um mosquito Aedes aegypti, o inseto poderá transmitir para outra pessoa, e assim por diante

72

|

Junho 2017

todo mundo tem que receber pelo menos uma dose da vacina [...]. Sem dúvida alguma, pessoas que têm contato com área rural ou silvestre precisam estar vacinadas”, disse Marcelo Simão, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia. Vale ressaltar que o vírus da febre amarela não é transmitido de pessoa para pessoa, apenas pela picada de mosquitos infectados. “A epidemia, na verdade, está entre os macacos da mata. O homem adentrando ou estando próximo é picado pelo mesmo mosquito e adquire a doença”, completou Simão. 3º

Devo sair atrás da vacina, então?

Como o surto está concentrado fora das regiões urbanas, o Ministério da Saúde recomendou a imunização para todas as pessoas que residem em Áreas com Recomendação da Vacina contra febre amarela e aqueles que vão viajar para regiões silvestres, rurais ou de mata. Os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro estão fora da área de recomendação para a vacina. NOTA: o governo já cogita vacinar todas as crianças (não especificam faixa etária). Qualquer região a 50 km de outra que teve casos de febre amarela é uma região aonde a população deve ser vacinada.


Quem não pode se vacinar?

Por causar reações, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo. NOTA (minha): *idade mínima para a vacina: 9 meses. Acima dos 60 anos de idade, depende de cada pessoa, autorizada pelo clínico geral. 5º

Eu vacinei uma vez, preciso me vacinar de novo?

Atualmente o Ministério da Saúde adotou a conduta internacional, que é uma única dose da vacina, que protege pela vida toda. Portanto não há necessidade de reforços. 6º

A doença vai se espalhar por todo o Brasil?

Depende. De acordo com os especialistas, se a população

Todas as pessoas residentes nas regiões dos casos devem ser imunizadas.O Ministério da Saúde informou que todos os estados estão abastecidos com a vacina e o país tem estoque suficiente para atender toda a população

de Minas Gerais e das áreas afetadas passar por uma boa vacinação de contenção, o surto irá diminuir. Todas as pessoas residentes nas regiões dos casos devem ser imunizadas.O Ministério da Saúde informou que todos os estados estão abastecidos com a vacina e o país tem estoque suficiente para atender toda a população nas situações recomendadas. O órgão disse, ainda, que enviou 735 mil vacinas ao estado, totalizando mais de 1 milhão de doses ao estoque de Minas Gerais.

Quais os sintomas da febre amarela? A doença se torna aparente de três a seis dias após a infecção, de acordo com o Ministério da Saúde. Os sintomas iniciais são febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas cos-

tas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maior parte das pessoas apresenta uma melhora após tais sintomas. Cerca de 20% a 40% das pesso-

as que desenvolvem a versão mais grave da doença (15% do total de infectados) podem morrer. Fonte: Dr. Jairo Len Pediatra - CRM SP 76.705 São Paulo, Brasil.

73


Mobilidade durante o trabalho de parto alivia dores das contrações

A

O posicionamento correto da mãe, pode acelerar o trabalho de parto e reduzir o desconforto das contrações, pois favorece a descida do bebê

mobilidade e o movimento da mãe durante o trabalho de parto são um dos métodos mais eficazes para lidar com a dor das contrações. Estudos têm demonstrado que as mulheres que permanecem a maior parte do tempo em posições verticais (sentado, de pé ou caminhando) experimentaram contrações menos dolorosas. A maioria das mães começa o processo de parto enquanto ainda está em casa. Para aliviar a dor, elas podem mudar de postura, caminhar, balançar os quadris de um lado para outro, ou ainda se agachar. A movimentação vai auxiliar o bebê que está descendo em direção ao canal de parto e precisa da ajuda da gravidade para “encaixar” na pelve em uma posição ideal. A mobilidade materna durante o trabalho de parto e as posições adotadas no momento do nascimento, desempenham um papel importantíssimo no nível de conforto da mãe, e também tem influência em quão rápido e eficaz o trabalho de parto irá progredir. Evidências científicas comprovam que as mães que mudam frequentemente de posição, diminuem em até 50% o tempo da fase ativa do trabalho de parto. O posicionamento correto da mãe, pode acelerar o trabalho de parto e reduzir o desconforto das contrações,

pois favorece a descida do bebê, diminuindo a pressão em áreas específicas e o esforço muscular desnecessário. A maioria das posições pode ser aplicada na sala de parto com ou sem o uso de acessórios, como uma bola terapêutica, além disso, o leito pode ser adaptado a uma posição que facilite a saída do bebê. Infelizmente, ainda hoje a posição mais utilizada na hora da retirada do bebê (período expulsivo) é com a mulher deitada de barriga para cima. Embora essa posição permita à equipe o acesso mais fácil à região pélvica, ela é prejudicial por muitas razões. A principal é que o canal por onde o bebê tem que passar fica até 30% menor, além disso, o canal do nascimento é efetivamente colocado em uma orientação de “subida”, forçando a mãe a empurrar contra a gravidade para expulsar o bebê, dificultando a passagem. Posições de nascimento ineficazes podem comprimir os vasos sanguíneos principais, o que interfere com a circulação e reduz a pressão sanguínea materna, o que pode reduzir a chegada de oxigênio e diminuir a frequência cardíaca do bebê ou contribuir para outras formas de sofrimento fetal. Com orientação adequada muitas posições podem ser implementadas e mesmo com anestesia peridural é possível alterar a postura da parturiente, gerando maior conforto para ela sem comprometer o trabalho da equipe de assistência. O fisioterapeuta especialista em obstetrícia é o profissional mais indicado para o acompanhamento da parturiente durante todo processo de nascimento, pois, ele possui conhecimento anatômico para propor exercícios e posturas adequadas para cada fase do trabalho de parto, que vão favorecer a descida do bebê, a dilatação do colo uterino, aumentar à tolerância a dor, e reduzir danos perneais, com o objetivo de fazer com que o parto seja uma boa experiência para mulher. Fonte: Thalita Freitas: Fisioterapeuta especialista na Saúde da Mulher da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, atuante na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Supervisora do curso de Pós-graduação em Fisioterapia na Saúde da Mulher HC-FMUSP (2015) e Coordenadora do curso de Pósgraduação em fisioterapia, no módulo de Uroginecologia, na Faculdade de Medicina da USP (2014). (http://www. athalifisioterapia.com)

Ainda hoje a posição mais utilizada na hora da retirada do bebê (período expulsivo) é com a mulher deitada de barriga para cima. Embora essa posição permita à equipe o acesso mais fácil à região pélvica, ela é prejudicial por muitas razões

74

|

Junho 2017


isa mais gostosa o c Tem do que o leite da ma

mãe

?

Frasco graduado 120 ml

acompanha 12 etiquetas

O Recipiente Lillo armazena o leite materno de forma segura, prática e pode ser congelado e aquecido. Adapta-se à Bomba Manual e vem com 12 etiquetas para controle das datas de extração do leite.

75


Circular Cervical O cordão ao redor do pescoço do bebê, conhecido como circular cervical

C

ordão umbilical ao redor do pescoço do bebê. É tão perigoso quanto dizem? O cordão ao redor do pescoço do bebê, também conhecido como circular cervical, é um achado extremamente comum no momento do parto, podendo estar presente em 15 a 30% dos nascimentos. Geralmente é motivo de grande preocupação entre os futuros pais e costuma ser tema de questões polêmicas como a necessidade ou não de se antecipar o parto e da obrigatoriedade de se realizar, nesses casos, a cesariana. A circular cervical pode ser única ou múltipla e pode estar frouxa, justa ou apertada. Na maioria dos casos ela é única e frouxa. Ela acontece de forma aleatória, mas acredita-se que está relacionada à grande movimentação dos fetos e especialmente em cordões umbilicais mais longos. Apesar de relatos de óbitos fetais pela presença da volta de cordão no pescoço, os estudos científicos demonstram que o achado da circular cervical não aumenta o risco de morte do feto nem antes, nem durante o parto. Nos raríssimos casos em que infelizmente acontecem complicações, elas costumam ocorrer na presença de circulares múltiplas e/ou apertadas. Os possíveis mecanismos associados a essas complicações fetais estão relacionados à diminuição do fluxo de sangue para o cérebro e a própria compressão do cordão junto ao pescoço impedindo a chegada de sangue oxigenado ao resto do corpo.

O diagnóstico ante natal pode ser feito através de ultrassom, especialmente quando utilizado o modo doppler, quanto mais próximo do parto, maior a chance de acertar o diagnóstico, pois boas partes das circulares cervicais diagnosticadas muito antes do parto acabam desaparecendo até o momento do nascimento. Por ser considerado um achado normal durante a gravidez, à presença de circular de cordão não deve, nem costuma ser descrita nos laudos de ultrassom. Durante o trabalho de parto nos casos, por exemplo, das circulares múltiplas e/ou apertadas, as possíveis alterações na vitalidade do feto que eventualmente podem acontecer, em geral são detectadas pela monitorização dos batimentos cardíacos fetais, permitindo ao obstetra a qualquer momento mudar a via de parto caso seja necessário para preservar o bem estar fetal. Saber se o cordão está ao redor do pescoço do bebê não contribui em nada e só costuma deixar pais e obstetras extremamente preocupados e ansiosos. Por ser extremamente comum e comprovadamente não aumentar estatisticamente os riscos para o bebê, seu achado deve ser desprezado. Frente a tudo isso, podemos concluir que pela simples presença de uma circular cervical, o nascimento do bebê não deve ser antecipado e a via de parto não precisa ser a cesariana como muito se escuta falar por aí. Fonte: Dr. Wagner Hernandez CRM 116.139 - site: (www. wagnerhernandez.com.br)

O diagnóstico ante natal pode ser feito através de ultrassom, especialmente quando utilizado o modo doppler, quanto mais próximo do parto, maior a chance de acertar o diagnóstico, pois boas partes das circulares cervicais diagnosticadas

76

|

Junho 2017


Meu melhor amigo

envoxaisfofinho

inverno 2017

www.fofInho.com.br

77


Benefícios da amamentação Apesar das adversidades, felizmente, está cada vez mais bem difundido entre as mulheres os benefícios da amamentação

A

amamentação pode ser um período de grandes dificuldades que vão desde a dor para amamentar a exaustão. Apesar das adversidades, felizmente, está cada vez mais bem difundido entre as mulheres os benefícios da amamentação exclusiva até os 6 meses de vida de um recémnascido, o que ajuda e muito a manutenção dessa prática vital. Ainda assim, algumas mulheres não conseguem amamentar por muito tempo e as duas principais causas são: a impressão errônea que o leite materno não é suficiente para o crescimento do bebê e a dor para amamentar.

Benefícios para o bebê Vários componentes do leite humano estimulam o crescimento e a maturidade do sistema gastrointestinal, diminuindo o risco de infecções intestinais graves. O leite humano contém uma variedade de agentes com atividade antimicrobiana que protegem o bebê contra vírus e bactérias. O leite humano em comparação com fórmula diminui o risco de doenças agudas durante o período de amamentação como: diarreias, doenças respiratórias, otites (dor de ouvido) e infecções urinárias. A amamentação apresenta também benefícios em longo prazo. Embora com evidências ainda inconclusivas, o leite materno oferece menor risco de doenças agudas e crônicas e melhor desenvolvimento neurológico mesmo após amamentação. Há relatos de associações entre a duração da amamentação e redução na incidência de obesidade, câncer (leucemia e linfomas), doenças cardiovasculares e certas condições alérgicas na vida adulta. Parece ainda haver um efeito analgé-

sico da amamentação, o que pode ser devido à ligação íntima da mãe com o bebê. Crianças amamentadas com leite materno têm menos estresse durante procedimentos dolorosos do que crianças alimentadas com fórmulas. Benefícios maternos Auxilia no controle do sangramento pós-parto imediato pela liberação de ocitocina. Redução do estresse materno. Alguns estudos mostram que peptídeos neuroendócrinos, ocitocina e prolactina, são componentes importantes do eixo de tensão e tem um impacto positivo sobre o comportamento social, incluindo a ligação da mãe com o bebê. Menores taxas de abuso e negligência são observadas nas mães que amamentam. A grande contribuição da amamentação para perda de peso e retorno ao peso pré-gravídico. ≈Apesar de não ser considerado um bom método contraceptivo, a amamentação prolonga o tempo da mulher sem ovular e diminui consequentemente a chance de uma gravidez precoce indesejada.

Redução no risco de câncer de mama e de ovário

Vários componentes do leite humano estimulam o crescimento e a maturidade do sistema gastrointestinal, diminuindo o risco de infecções intestinais graves

78

|

Junho 2017

Alguns estudos demonstram que a amamentação diminui as chances de osteoporose após a menopausa. Menor incidência de doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e obesidade. Os benefícios econômicos são ainda mais claros. Uma família chega a poupar algo ao redor

de mil dólares por ano por não precisar comprar leites artificiais. Isso sem contar a economia com os gastos com médicos, remédios e ausências no trabalho pelo efeito protetor do leite materno. Fonte: Dr. Wagner Hernandez CRM 116.139 - site: (www.wagnerhernandez.com.br)


79


6

Extremamente versátil Com pés dobráveis adapta-se a todos os tipos de cama.

6 posições de altura, para cada tipo de cama e de abraço. Inclinável, para proteção e conforto seu bebê.

Compacto e fácil de transportar Acompanha prático saco de viagem.

OBSERVATÓRIO CHICCO

Um colchão macio e uma tela de proteção de malha para a circulação de ar.

2 rodas para mover o produto facilmente pelo quarto.

www.chicco.com.br

DORMIR É AINDA MELHOR QUANDO VOCÊ ESTÁ PERTO DE SEU FILHO!

ED.150 JUNHO/2017  

ED.150 JUNHO/2017

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you