Issuu on Google+

1


4

Bastidores da política e dos negócios

Regularização imobiliária de Ribeirão Grande

É raro encontramos, hoje, em Ribeirão Grande, terrenos e imóveis regularizados, ou seja, com a devida escritura e matrícula. A falta desses documentos dificulta o acesso de quem pretende comprar um imóvel ou alguns metros quadrados para construir, e que necessita de linhas de crédito habitacional, como, por exemplo, o programa nacional Minha Casa Minha Vida. A Prefeitura identificou o problema e o tema virou prioridade. Em parceria com o Governo de São Paulo, através da Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania, Ribeirão Grande está formalizando um

convênio para começar os serviços burocráticos de regularização imobiliária e fundiária. O início dos trabalhos está previsto para 2014, e com isso, abre-se uma nova corrente econômica na cidade. Com os imóveis e áreas documentadas, será uma tarefa quase impossível frear a especulação imobiliária. Corretores formais e informais vão fazer de tudo para arrancar alguns trocos desta nova janela. Cabe ao Poder Pública, Prefeitura e Câmara, discutir ações de controle e fiscalização, para que a regularização não se transforme num mercado negro.

De camarote

Enquanto o grupo político ligado ao ex-prefeito Flávio de Lima (sem partido) e ao atual prefeito Jorge Sabino (PT) se divide em dois, e se atacam entre si usando como arma verbos e palavras, o ex-vereador e pré-candidato a prefeito João Carlos Menk (PP), assiste tudo de camarote o desentendimento, e aproveita o tempo que os adversários se dedicam à brigas internas, para costurar e alinhavar alianças políticas.


5

Prata da casa O jovem capão-bonitense Paulo Henrique de Oliveira é a mais nova revelação do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí. Juquinha, como é chamado pelos amigos, é um artista diferenciado. Nasceu com o dom musical e desde menino vem aprimoramento sua técnica no Trompete. Atravessava a cidade, da extremidade da Nova Capão Bonito à região central, para participar dos ensaios da extinta Banda Marcial do Corpo de Bombeiros Voluntários de Capão Bonito. Foi ali que sua habilidade a música se despertou. Era o mais jovem entre os integrantes do corpo de

metais, porém o mais brilhante. Sua pouca idade diante dos impressionantes movimentos com o Trompete, surpreendia a todos. Em pouco tempo, já se apresentava em concertos e eventos do gênero. Ingressou no Conservatório de Tatuí e hoje é um dos integrantes da principal orquestra desta tradicional, e talvez, mais importante escola de música do Brasil. O menino da Banda Marcial de Capão Bonito se transformou num homem da Arte, e com certeza, pavimentará uma estrada brilhante, enchendo os corações gameleiros de orgulho.

Tomatada no Alckmin! O deputado Guilherme Mussi (PSD) usou uma popular metáfora para criticar o não cumprimento de Alckmin sobre a desativação da cadeia pública de Capão Bonito. O parlamentar reafirmou em seu discurso numa cerimônia de inauguração da Prefeitura, que o governador anunciou, publicamente, em Itapeva o fechamento total da cadeia local. Alckmin prometeu e não cumpriu, e o deputado defendeu a cidade: “Capão Bonito é uma cidade de gente de respeito, e por isso merece respeito. Se o governador não cumprir o que prometeu, vai levar tomatada quando vier pedir votos aqui”. O deputado tam-

IMPRESSÃO

bém chamou a atenção do ex-prefeito Tamura e cobrou um posicionamento mais forte do PSDB no caso: “Tamura, você que é líder supremo do PSDB na região, precisamos cobrar o governador. Capão Bonito não pode virar uma cidade dormitório de criminoso. Capão Bonito é uma cidade de famílias e não de criminosos”, declarou.

Santa Edwirges Artes Gráficas


Capão Bonito tem as primeiras creches sustentáveis da região Unidades de Ensino Infantil geram energia própria e Possuem um sistema especial de reaproveitamento das águas de chuva Por Francisco Lino

Em busca de novas alternativas que propiciem conforto, praticidade e sustentabilidade, o município de Capão Bonito foi o primeiro da região do Sudoeste Paulista a construir creches que geram sua própria energia com captação dos raios ultravioletas, e ainda reaproveitam as águas que a natureza nos envia através das chuvas. Com um sistema simples, porém moderno e inovador, é possível reutilizar as águas que caem do céu em vasos sanitários, na irrigação dos gramados e jardins, e na limpeza geral da unidade escolar. O sistema funciona assim: as águas correm pelo telhado, caem num conjunto de calhas e drena-

gem e são distribuídas por uma canalização especial. Antes de serem conduzidas ao reservatório – com capacidade de 10 m³ - para armazenamento, passam ainda por uma filtragem que reduz o maior número de impurezas possíveis. “É um sistema inovador e que contribui com o Meio Ambiente. Estamos preservando a nossa natureza com ações e não com discursos”, disse a Prefeitura. Outra novidade é o sistema de placas que detém energia através dos raios ultravioletas emitidos pelo sol. As quinze placas de silício vão produzir megawatts suficientes para aquecer chuveiros e tor-


7

neiras com opção de água quente. Outro diferencial está na arquitetura dos imóveis: todas as salas destinadas aos alunos infantis possuem janelas amplas para facilitar a iluminação e ventilação naturais. Além de poupar a mãe natureza, haverá uma redução nas contas e despesas das escolas. Com a captação de energia solar, calcula-se uma economia de mais de 30% na conta de energia elétrica. “O chuveiro é considerado um dos aparelhos que mais consome energia elétrica, e aqui eles serão mantidos com energia solar”, contou o prefeito Julio Fernando. O projeto de aplicar na prática a ideia de sustentabilidade no início da vida escolar foi pensado pelo próprio prefeito Julio Fernando e conduzido pela equipe de Governo. Por enquanto, são duas unidades que estão trabalhando com esse conceito: a escola Alice Dias no Jardim Alvorada e a creche Yolanda Marchetti Balsevicius na Nova Capão Bonito. Somadas, as duas

escolas sustentáveis atendem cerca de 250 alunos. “Pretendemos com este projeto ampliar a discussão e acima de tudo beneficiar nossos principais usuários: as crianças do

município de Capão Bonito, pois serão elas que aprendem e divulgam os ensinamentos aos pais, amigos e parentes, criando desta forma uma corrente ligada a educação ambiental com alcance inimaginável”,

relatou Julio Fernando.


Crônica O Senadinho Por Antonio Isidoro de Oliveira

“São os homens, e não as casas, que fazem a cidade” Thomas Fuller –médico- escritor inglês

Ainda guardo com saudosa nostalgia algumas lembranças de quando a nossa praça Ruy Barbosa mantinha a sobriedade do nome e o esplendor das arvores e das flores, sobretudo daquelas noites em que a lua cheia iluminava, sobranceira, a igreja e a casa paroquial e harmonizando-se com magia ao som do serviço de alto falante se espalhava ternamente pela praça. Esta, mesmo fragmentada por alguns mandatários que, com boas intenções, pretenderam dar- lhe toques de modernidade e suprimiram seus pitorescos, estreitos e graciosamente sinuosos passeios, ladeados por lindos canteiros eternamente floridos, segundo persistem na minha memória repleta de saudades. Mesmo alterada sua primeira feição bucólica, a nossa praça sempre foi o coração da cidade e jamais perdeu o encantamento e o seu poder de atração, por continuar sendo um espaço agradável para se ficar e distrair. Assim ela continua com seus pontos de negócios, alguns outros poucos de namoros, tênues lembranças, essas resgatadas pelas fotos do valioso acervo de nosso conterrâneo Joubert Galvão. Outra lembrança que se mantém muito viva em minha memória é a do burburinho político intensificados em época de eleições. Esse burburinho político atualiza-se, de certa forma, nessa mesma praça central

como manda a boa tradição das cidades do interior. Aqueles bancos em frente dos Becharas tornou-se o ponto de encontro predileto de alguns ”contemporâneos”, assim nominados, apenas para suavidade da real condição de “pós sexagenários”. Sendo assim, este é o local onde todo santo dia, desde que não chova, é claro, eles estão lá a partir das 17horas, para o estimulante exercício do debate de idéias. Esses senhores não desconhecem algumas críticas que lhes foram destinadas e até as compreendem, não por indiferentes a elas, pelo contrário, mas porque seguros de suas convicções e conhecimento, eles as vêem como análogas a uma citação bíblica pois, está lá nas Escrituras: “NINGUEM É PROFETA EM SUA TERRA”. E numa explicita demonstração de que não são neófitos em política, resolveram, por unanimidade, denominar aquele espaço como SENADINHO. Embasados na inoperância do Senado em Brasília, parece que “o nosso” nada fica devendo a eles. Há também nesses encontros uma certa rotina cotidiana que permite uma ilação literária dessas pessoas com os personagens freqüentadores do Bar do Vesúvio, tanto no aperitivinho para o almoço como nas tardes quentes de Ilhéus, narra-


9

dos pelo nosso grande escritor Jorge Amado quando escreveu seu mais lindo e importante romance “Gabriela Cravo e Canela”. Quem já participou de alguma sessão do SENADINHO que toda tarde ali se desenvolve, sabe que os temas são livres e algumas maledicências (porque ninguém é de ferro) só ocorrem se o destinatário não estiver presente. Considero que esse é um fator muito importante para a sua longevidade. É de nossa cultura e por isso não deixa de existir uma similaridade com toda cidade do interior, o fato de que aos nativos geralmente são negados todo e qualquer reconhecimento, muito embora suas conquistas, sejam eles professores, doutores, advogados, comerciantes bem sucedidos, músicos ou de outras profissões exercidas longe daqui. Mesmo assim, para alguns, “nem a

paisagem do mar e os navios”, à vista de sua janela, contiveram o apelo da terrinha. Junto à citação literária de Jorge Amado, cabe muito apropriadamente outra do escritor Humberto de Campos (hoje guia espiritual), que em seu livro “Memórias” tem um capitulo que costumeiramente era lido nas escolas com o título “AMIGO DE INFANCIA”, que tratava da relação de um menino muito pobre com o seu pé de cajueiro em sua pequena cidade do Maranhão, Miritiba, onde nasceu o autor. Com a morte do pai, aos seis nos precisou mudar para São Luis. Muitos anos mais tarde após ter deixado sua pequena Miritiba, estudante, na solidão de uma pensão em São Luis do Maranhão, recebe de sua mãe uma compota de caju acompanhada de uma cartinha: “Receberás com esta uma pequena lata de doce

de caju em calda. São os primeiros cajus do teu cajueiro. São deliciosos, e ele te manda lembranças...” Ao ler a carinhosa missiva lembra-se de uns versos de Rudyard Kipling, em que o Oceano, o Vento e a Floresta palestram e blasfemam. E o mais desgraçado dos três é a Floresta, porque, enquanto as ondas e as rajadas percorrem terras e costas, ela, aguilhoada ao solo com as raízes das árvores, braceja, grita, esgrime com os galhos furiosos, e não pode fugir, nem viajar... Ele chora e pergunta: Por que não tive raízes onde parece que fui feliz? Essa também é uma das razões porque admiro e invejo os atuais componentes do Senadinho, pois só deixaram suas raízes para se formar. Voltaram. No mais, e também são vencedores.


10

Cientista capão-bonitense descobre bactéria que destrói poluentes Por Francisco Lino

A pesquisadora Elen Aquino Perpétuo foi destaque na imprensa nacional pelo projeto científico que coordena na Universidade de São Paulo A cientista capão-bonitense Elen Aquino Perpétuo, de 35 anos, filha do empresário João Francisco Perpétuo e da pedagoga Rose Perpétuo, concluiu um novo projeto científico realizado em parceria com um grupo de pesquisadores na Universidade de São Paulo (SP), e virou notícia na imprensa nacional, carregando, desta forma, junto com ela, o nome de sua cidade natal. A descoberta trata-se de uma bactéria que remove poluentes da água utilizada em atividades industriais na cidade de Cubatão, deixando-a totalmente adequada para o sua reutilização. O estudo foi realizado no Centro de Capacitação e Pesquisa em Meio Ambiente (CEPE-

MA), da USP, e está relacionado às pesquisas ambientas da academia. Em entrevista à imprensa, a pesquisadora e doutora em Biotecnologia Elen Perpétuo conta que os estudos e o desenvolvimento do projeto científico começou em 2005. Segundo ela, os próprios pesquisadores poluíram uma pequena quantidade de água para realizar os exames. “Isolamos algumas bactérias que apresentam alta capacidade de degradar. Elas foram encontradas no ar de Cubatão”, explicou. A capão-bonitense afirmou que o grande desafio era usar essa bactéria em água que realmente contaminada pela indústria. A Refinaria Presidente Bernar-


11

des, em Cubatão, enviou o efluente para os pesquisadores, que conseguiram a comprovação necessária que a bactéria consumia os poluentes. “A água contém compostos bem tóxicos e algumas bactérias têm a capacidade de comer esses compostos, usando como fonte de carbono. Eles retiram esse poluente do efluente e transformam em gás carbônico e em água, que é o que a gente chama

de mineralização”, contou. Elen e o grupo de pesquisadores pretendem patentear o processo e diminuir os custos da aplicação. Elen Aquino Perpétuo nasceu em Capão Bonito e estudou em colégios tradicionais da cidade: Jacyra Landim Stori, Vale Encantado e na escola de inglês Fisk, comandada pela educadora Iara Freitas.

Gradou-se em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina em 1997. Transferiu residência para São Paulo, onde conseguiu ingressar nos cursos de Mestrado e Doutorado na Universidade de São Paulo. Ganhou experiência e respeito profissional em palestras ministradas em países como Alemanha, Estados Unidos da América e República Tcheca.


14

Padre obreiro Por Francisco Lino

Pedro Martins tem qualidades intelectuais e espirituais como outros líderes religiosos, mas seu olhar enxerga o que outros não veem Padre Pedro Martins Vieira comada atualmente a Paróquia São José em Guapiara. Ele possui as mesmas características dos padres convencionais com relação à liturgia, porém, tem um diferencial que o torna referência na Igreja Católica: é um padre obreiro. Recentemente, estive na vizinha Guapiara para prestigiar a tradicional Festa de São José e aproveitei a ocasião para conversar com o líder religioso daquela comunidade, que já surpreendeu os capão-bonitenses quando atuou como chefe da

Paróquia Nossa Senhora da Conceição e promoveu uma completa revitalização na Matriz. Ficou pouco tempo entre os gameleiros, mas deixou marcas positivas. Foi injustamente perseguido por um grupo de pessoas ligadas a uma família que sempre sobreviveu da política, e que não aceitava o destaque empreendedor do então pároco. Capão perdeu, Guapiara ganhou. Chego à sede da Paróquia São José em Guapiara, e sou carinhosamente recebido por um grupo de cozinheiras que monta-


15 ram uma cozinha improvisada na área do imóvel para comercializar marmitas para o exército de vendedores ambulantes que vieram à cidade para aproveitar a grande festa do Santo Padroeiro. Um dinheiro extra que a igreja arrecada e que será aplicado num grande projeto relacionado ao turismo religioso. Padre Pedro relatou, rapidamente, a história da paróquia e as atividades que ali são desenvolvidas. Papo vai e papo vem, chegamos ao ponto principal do diálogo: a construção do Santuário de Nossa Senhora D’Ajuda no bairro Capela do Alto, que recebe milhares de romeiros e fiéis durante o ano. Não tenho dúvidas: Pedro Martins é um padre diferenciado. Tem qualidades intelectuais e espirituais como outros líderes religiosos, mas seu olhar enxerga o que outros não veem. Criou um projeto que vai se transformar na maior esperança de renda turística da região, apesar de não assumir o DNA da criação. Prefere manter suas boas relações com a Diocese e utilizar a primeira pessoa do plural. O Santuário vai promover muitos milagres, inclusive o de resgatar o potencial econômico de Guapiara e de manter os jovens na cidade. A igreja está precisando de alguém para consertar as coisas, e de muitos padres obreiros, e Guapiara tem o seu. Paróquia São José de Guapiara completa 50 anos Fundada pelo padre italiano Antônio Dragone, a Paróquia é considerada, atual-

mente, uma das mais organizadas da Diocese de Itapeva A comunidade católica de Guapiara está em festa. Neste ano, a Paróquia São José comemora seu jubileu de ouro. Sua história se confunde com a própria independência administrativa de Guapiara. Fundada em 1963 pelo saudoso padre Antônio Dragone, um líder religioso ousado e corajoso, que dedicou boa parte de sua vida à comunidade católica guapiarense que carrega o nome de São José, o homem que foi consagrado por Deus para se casar com a mãe de Jesus Cristo. Para organizar a comunidade e erguer a Igreja Matriz e suas capelas afiliadas, o padre Dragone sempre se inspirou no santo padroeiro, São José, um carpinteiro humilde, porém um trabalhador incansável que não media esforços para construir o caminho de fé do filho de Deus.

As primeiras atividades de evangelização da paróquia são foram fáceis, mas, mesmo funcionando num prédio modesto – uma pequena capela formada por paredes de barro e taipa-, os fiéis jamais deixaram de manifestar a fé ao Cristianismo e a devoção a São José. O município de Guapiara cresceu e se desenvolveu ao redor de sua Mãe, a Igreja Matriz de São José, que sempre foi a principal referência no acolhimento dos filhos que nasceram em seu solo abençoado. Pelo santíssimo altar da Matriz, milhares de guapiarenses receberam a benção do Batismo, que hoje, aqueles pequenos fiéis que passaram pela primeira consagração da fé, se transformaram em homens e mulheres, em cidadãos e cidadãs, que com a força do trabalho, com a perseverança e com muito amor à terra natal, também contribuíram com a transformação de Guapiara


16


17


CAPテグ BONITO


EXPO RODEIO 2013


20


SHOW CESAR E PAULINHO - RIBEIRテグ GRANDE


22

Elas vão à luta Foi se o tempo que mulher era considerada o sexo frágil e que o Ballet era uma das únicas alternativas de esporte. Elas agora não dão mole e vão à luta. Joyce Silva, 20 anos, é uma das representantes da classe feminina que divide o rinque ou tatame com os homens e está entusiasmada com o Jiu Jitsu. Estudante de Agronomia da Fait de Itapeva, Joyce pratica essa modalidade há

18 meses e não pensa, em nenhum momento, em parar. Treina jiu jitsu três vezes por semana e ainda concilia alguns treinos de judô e muay thai. “Além do companheirismo e da disciplina que o esporte oferece, o jiu jitsu também nos prepara para a vida. Temos mais equilíbrio e controle emocional nas tomadas de decisões que a vida nos põe a prova constantemente”, explicou.

Joyce quer chegar no mais alto nível do jiu jitsu: a faixa preta, e para isso, se espelha em suas referências: Alan Galvão, atleta campeão mundial e professor, Bruno Oliveira, campeão mundial de jiu jitsu e Juliano Carvalho. “Tenho essas grande exemplos como referência e quero ressaltar o trabalho da academia Number One e o companheirismo de toda a equipe de atletas”, finalizou.


23


Ismael


25

Moradora vence na Justiça direito à escritura imobiliária Por Francisco Lino

Briga de mais de 20 anos acabou em final feliz para a moradora Edneia Vieira do Jardim Colonial

Mulher, esposa, mãe de duas filhas, Edneia Vieira, 45 anos, moradora do Jardim Colonial, é mais um exemplo de mulher guerreira, batalhadora e que sabe brigar quando é preciso para garantir seus direitos. Ela e sua família se mudaram para o Jardim Colonial no início da década de 90 depois de comprar de um cunhado, uma área de 300 m² no bairro, hoje localizada na rua Marinha. Para auxiliar seu marido Mário Vieira (in memorian) no sustento da família, Edneia conta que fez de tudo um pouco. Foi auxiliar de mecânica, borracheira e caminhoneira, ofícios que geralmente são ocupados por homens. Infelizmente, quando ela e sua família

adquiriram o imóvel no Jardim Colonial, ninguém tinha o conhecimento suficiente para entender o processo burocrático e legal de uma transação imobiliária. Com auxílio de amigos e familiares, ela descobriu que para obter linhas de crédito para reformar a pequena casa que vivia com suas filhas e marido, era preciso a escritura do imóvel, e a partir de então, iniciou-se uma batalha envolvendo do outro lado a família do advogado José Lopes – pai do ex-vereador Gilson Kurtz e genro do ex-prefeito Oscar Kurtz Camargo – e do ex-prefeito e vereador Hélio Santensso, proprietários do empreendimento imobiliário Jardim Colonial. Em sua sã ingenuidade, a moradora procurou o advogado José Lopes para re-

quisitar a escritura do imóvel, do qual era a legítima proprietária, conforme comprovou através de um recibo de compra e venda. Segundo ela, Lopes disse que entregaria a escritura mediante a um pagamento de R$ 7 mil, e foi então que Edneia se aprofundou no assunto e correu atrás dos seus direitos. Reuniu, por diversas vezes, centenas de moradores que também cobravam o documento imobiliário. Colheu assinaturas através de abaixo-assinado e enviou ao Poder Judiciário para as devidas providências legais. Após analisar a reivindicação, a Justiça informou aos moradores que a ação processual deveria ser assinada individualmente, colocando como base a Lei de Usucapião - direito que um cidadão adquire por possuir imóvel decorrente do uso por determinado tempo. A grande maioria não ingressou com ação judicial, mas Edneia acreditou na Justiça, e no último dia 6 de fevereiro de 2013, o juiz Diogo Corrêa decidiu dar a vitória a solicitante, concedendo o registro imobiliário (escritura) através de sentença declaratória de Usucapião. “Sempre acreditei na Justiça e nos meus direitos. Foi uma batalha longa, cansativa e desgastante, mas está aqui, o troféu da nossa vitória – exibindo a escritura”, disse aliviada.


26

Joaquim Brasílio completa 100 dias de Governo Por Francisco Lino

A lista de trabalho tem novos projetos na Assistência Social, no Esporte e setor de Planejamento, onde a cidade está formalizando mais de R$ 4 milhões em novos convênios com o Governo Estadual e Governo Federal Entre dezembro de 2012 e janeiro de 2013, a Prefeitura Municipal sofreu um processo de transição de Governo. Encerrou-se um modelo administrativo de oito anos para começar uma nova era de Gestão Pública, com ações e medidas diferenciadas, entre elas as que valorizam as comunidades organizadas através de um governo interativo, onde se discute a formulação de políticas públicas ouvindo aqueles que, verdadeiramente, se beneficiam das ações do Poder Público, os moradores, o povo, o contribuinte. Eleito ao lado do vice-prefeito Antônio Carlos (Ganso) para administrar a

Prefeitura de Ribeirão Grande nos próximos quatro anos, o prefeito Joaquim Brasílio (PSDB) completou 100 dias de Governo inaugurando obras na Saúde, Educação e Infraestrutura e tocando novos projetos como a nova Estação de Tratamento de Esgoto Sanitário – obra avaliada em mais de R$ 6 milhões -, construção do Terminal Rodoviário e o programa de recuperação de estradas rurais. Na Saúde, o novo prefeito entregou uma nova sala de reuniões ao Departamento de Saúde construída graças ao prêmio de R$ 50 mil que a cidade recebeu do Governo de São Paulo pelas boas práticas


27

realizadas na atenção básica de saúde. A recém inaugurada repartição será utilizada para palestras de prevenção e sócio-educativas. Na Educação, Joaquim Brasílio estabeleceu um divisor de água na rede de ensino municipal ao propor mudanças e aperfeiçoamento em programas pedagógicos e na estruturação física das escolas de Ribeirão Grande. Em menos de quatro meses, inaugurou a ampliação da escola do bairro Capoeira Alta, e a reforma completa da pré-escola do Ferreira dos Matos. Ainda na Educação, o chefe do Executivo determinou ações constantes na qualificação dos professores e aprovou um aumento salarial de 10% aos docentes com pós-graduação. No Ensino Superior, Joaquim Brasílio autorizou a concessão de incentivos financeiros para o auxílio transporte. Além disso, a nova administração deve entregar nos próximos meses a nova creche do bairro Jardim São Paulo. Novo Velório O ato de confortar os corações daqueles que choravam pela perda do ente querido era preciso, na maioria das vezes, improvisar no momento de arrumar um espaço para a despedida final. Os velórios eram realizados na própria residência dos familiares ou nas igrejas espalhadas por Ribeirão Grande. A partir de agora se acabou com o improviso e o prefeito Joaquim Brasílio entregou à população o novo Velório

Municipal, uma estrutura composta por um amplo salão, copa, almoxarifado para organização dos documentos, dois banheiros construídos respeitando a lei de acessibilidade e uma varanda. Segundo o chefe do Cemitério de Ribeirão Grande, Milton Soares, são realizadas, em média, quatro funerais por mês na cidade. “O novo velório tem capacidade para acomodar cerca de 80 pessoas”, contou.

A lista de trabalho segue com novos projetos na Assistência Social, no Esporte e no trabalho técnico do setor de Convênios, que está formalizando mais de R$ 4 milhões em novos convênios com o Governo Estadual e Governo Federal. Em pouco tempo, muitas ações foram consolidadas, comprovando o empenho da NOVA ADMINISTRAÇÃO em bem administrar o dinheiro do contribuinte.


Marco Citadini coordenará os projetos de grande porte da Prefeitura Por Francisco Lino

Por suas mãos devem passar a implantação de água e esgoto no Jardim Santa Isabel e criação do novo Distrito Industrial O vice-prefeito reeleito Marco Citadini, 47 anos, assume uma função mais estratégica neste novo mandato. De imediato, assumiu a articulação política para discutir a revisão tarifária do contrato de concessão pública com a Sabesp para a exploração dos serviços de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto no município, que deve ser revisto a cada quatro anos. “A revisão tarifária do contrato com a Sabesp deveria ser realizada em 2012, mas devido às eleições, planejamos para esse ano, para que a discussão envolva o Executivo, o Legislativo e a sociedade civil organizada”, comentou.

Citadini apresentou a questão com a Sabesp a um grupo de vereadores liderados pelo pededista Heitor Silveira. O objetivo da reunião que ocorreu na Câmara Municipal é de tornar a discussão para democrática e estender as decisões ao Legislativo. “Estamos vivendo uma fase de evolução política nas tomadas de decisões públicas. Conceder espaço aos vereadores nas ações do Executivo é atender o interesse público, pois são eles os legítimos representantes da população”, observou. Além disso, o vice-prefeito é um dos integrantes da comissão que reivindica a implantação de rede de abastecimento de


29 água e coleta de esgoto no Jardim Santa Isabel, um bairro localizado num dos melhores pontos geográficos do município. Citadini informou que a equipe de engenheiros da Sabesp já concluiu a elaboração do projeto técnico do possível investimento, e segundo ele, é uma obra que vai custar aproximadamente R$ 4 milhões. “Levar água e esgoto ao Santa Isabel já virou um assunto de interesse público, por isso, Prefeitura e Sabesp precisam unir forças para levar tal benefício para aquela comunidade”, enfatizou. Novo distrito industrial Marco Citadini também assumiu no início de janeiro a coordenação da comissão que vai estudar o planejamento da criação do novo distrito industrial. A indicação foi feita pelo próprio prefeito Julio Fernando que, conforme seus próprios interlocutores, jamais criou barreiras para atrapalhar o desempenho político e administrativo do seu companheiro de chapa nas duas eleições vitoriosas para o Executivo Municipal.

das concessões de áreas, vamos investir em infraestrutura como água, esgoto, iluminação, pavimentação e energia elétrica”, afirmou.

As primeiras articulações burocráticas da nova área que será destinada para a exploração industrial, comercial e de serviços, estão avançadas, como a escolha dos integrantes da comissão e o início do projeto técnico. Citadini afirmou que após a conclusão das delimitações de área e do levantamento de engenharia, ele pretende buscar recursos junto ao Governo de São Paulo, através da Sabesp e das secretarias de Desenvolvimento Econômico e de Planejamento, para a realização de obras de infraestrutura no local. “Não podemos cometer as mesmas falhas do primeiro distrito, por isso, antes do início

Articulação política Com prestígio político em alta, o vice-prefeito também se transformou no principal articular político do Executivo junto às grandes empresas com atividades na cidade, como a Fibria, Grupo Orsa e Suzano Celulose e Papel. Citadini também atua como mediador de vários projetos ligados ao desenvolvimento econômico do município e que envolve setores madeireiros e comerciais. Os vereadores de Capão Bonito também ganharam uma atenção especial junto ao vice-prefeito. Ele faz questão de apresentar todos os projetos aos parlamentares, que opinam e dão sugestões em audiências e reuniões. “Apresentar e discutir os projetos junto com os vereadores é a forma mais democrática de se fazer política”, destacou.


COLUNA SAÚDE

Bruxismo

De nome estranho, e entendimento ainda mais, esse tema causa muita confusão e dúvidas entre os pacientes que frequentam os consultórios odontológicos. Encaro como sendo uma consequência de uma das doenças do século passado e de todos os outros que virão: ESTRESSE. Palavra extremamente usada todos os dias por nós, para nos referirmos aos mais difíceis momentos de nosso dia, trabalho, família e etc. Verificando com certa cautela, os problemas não estão nas dificuldades que passamos, antigamente as pessoas passavam por dificuldades ainda maiores e sem sombra de resolução, hoje temos tecnologia e informação, porém a forma que encaramos os nossos problemas nos tornam ESTRESSADOS. O BRUXISMO é grandemente vinculado ao ESTRESSE, por isso que temos cada dia mais um aumento do número de pacientes com queixas que nos levam a diagnostica-lo. O BRUXISMO é o ato de apertar ou esfregar os dentes durante a noite, enquanto dormimos, por

isso é um ato involuntário, que a maioria os pacientes não sabem que o fazem. Isso ocorre devido ao ESTRESSE, que faz com que a musculatura responsável pela elevação da mandíbula (fig. 1), osso que segura os dentes inferiores, fique, parte do tempo em que dormimos, contraídos, fazendo com que os dentes se toquem com força e posições diferentes da que estamos habituados durante o dia. Essa força e as diferentes posições dessa mordida, sem querer, durante a noite causam sobrecarga de força nos dentes e faz com que a musculatura fique inchada e dolorida, como vemos na figura 2. As principais queixas de um paciente que faz o bruxismo e tem dor são: 1) Dores de cabeça logo pela manhã; 2) Dores perto do ouvido; 3) Sensação de dentes amolecidos; 4) Sonhos envolvendo perda de dentes; 5) Estalos perto do ouvido; 6) Dores em

dentes sem relação a outras causas. O BRUXISMO é uma doença multifatorial, ou seja, não há somente um fator que cause-a, por isso que um tratamento com várias frentes de ação é importante. PRIMEIRO: o diagnóstico pode ser feito por um DENTISTA ou um FISIOTERAPEUTA, isso é de extrema importância, não é raro de se encontrar pacientes que fizeram tomografia e até ressonância magnética para descobrir a causa das dores de cabeça, sendo que o problema é referente às musculaturas já comentadas. SEGUNDO: não existe cura para esse mal, o que se deve fazer é tratar ativamente a dor aguda através de FISIOTERAPIA, uso de remédios para dores, e por fim fazer uso de um dispositivo que fique entre os dentes superiores e inferiores para impedir que as forças da musculatura provoquem as tão indesejadas dores. Esse dispositivo se chama PLACA MIORRELAXANTE (fig3), confeccionada em material acrílico duro, esse aparato neutralizará as forças musculares provocando um relaxamento da musculatura e aliviando as dores, porém a suspenção do uso desta PLACA fará com que as dores e os desconfortos voltem. O melhor seria se pudéssemos encarar nossos problemas de outra forma impedindo a progressão do ESTRESSE, mas pelo jeito isso parece meio impossível. Dr. Felipe Yanikian - Dentista



Revista Matéria Prima - Maio/2013