Page 1

www.revistamateriadesaude.com.br |

| novembro de 2012 | 1


EDITORIAL

Índice COLUNA VERTEBRAL

04

Exames Radiológicos e doenças na coluna Dr. Fernando Sanchis

CIRURGIA PLÁSTICA

06

Riscos de Lipoaspiração

Dr. Ricardo Lodeiro

Começo de ano é sempre repleto de uma lista com grandes e novos desafios, principalmente quando o assunto é saúde. Sempre planejamos novas dietas, novos hábitos, o compromisso com exercícios físicos, tudo para que possamos ter um ano mais saudável e a certeza de que teremos um cuidado maior com o nosso corpo. Preparamos uma matéria especial sobre os processos de pesquisa e o trabalho de profissionais que se envolvem na elaboração das vacinas. Após avanços nos estudos de vacinas contra o HPV, a reportagem especial exibe as novidades sobre a prevenção do câncer de colo de útero e também das verrugas genitais (DST). A revista traz também dicas para prevenção de roncos e os riscos que envolvem uma cirurgia de lipoaspiração, além de outras matérias para que você comece 2013 com mais saúde e disposição.

Boa leitura e até março!

REPORTAGEM ESPECIAL

16

Doses que salvam vidas

FISIOTERAPIA

22

Sem esquecer de alongar e aquecer ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

30

Fibromialgia

Dr. Marcelo Tafas

PROFISSIONAIS QUE COLABORARAM COM ESTA EDIÇÃO Fernando Sanchis (CRM 25665), Ricardo Lodeiro (CRM 18066), Carlos Da Ros (CRM 16962), Renato Bender Castro (CRM 16838), Marcelo Tafas (CRM 26364), Sergio Dias (CRO/RS 7154), Giane Beber (Coren 106437), Jaqueline Pase (CRM 20219), Kelly Oliveira (CREFITO: 142.789-F), Tatiane Rodrigues (CRESS/RS 7648), Viviane Luhl (CRFa 6817-RS), Juliane Pires ( CRP 07/17523).

2 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br

Expediente Janeiro - 2013 - Ano III - 17a Edição

Circulação: 5000 Exemplares

Jornalista Responsável: Roselaine Vinciprova (MTB 11043) * Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião da revista Matéria de Saúde e são de inteira responsabilidade dos autores. * Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis na revista Matéria de Saúde possuem apenas caráter educativo.

Coordenação: - Roselaine Vinciprova - roselaine@trcomunicacao.com - Tadeu Battezini - tadeu@trcomunicacao.com Fone: 51 3041.2333 e-mail: saude@trcomunicacao.com Comercial: Tadeu Battezini - tadeu@trcomunicacao.com Sandra Santos - sandra@trcomunicacao.com Colaboração: Kamyla Jardim - jornalismo@trcomunicacao.com Fernando Junges - criacao@trcomunicacao.com Gabriel dos Reis - redacao@trcomunicacao.com Mateus Delazeri - criacao2@trcomunicacao.com Matéria de Saúde é uma publicação bimestral da TRCOM. Todos os direitos reservados.


www.revistamateriadesaude.com.br |

| novembro de 2012 | 3


Exames Radiológicos e Doenças na Coluna

A

dor nas costas é um sintoma muito frequente na maioria da população, atingindo cerca de 80% das pessoas em alguma fase de suas vidas. Muitos desses pacientes realizam exames de imagem (radiológicos) para o diagnóstico e definição quanto ao tratamento de suas dores. É muito comum recebermos pacientes preocupados com os “laudos” e termos técnicos descritos nos exames. Em primeiro lugar, é necessário que tanto o médico que solicitou o exame como o paciente conheçam as vantagens e desvantagens de cada exame, assim como as indicações para cada método diagnóstico. A Radiografia convencional (Rx) é o método mais utilizado para a investigação inicial de um paciente com dor na coluna vertebral. Ele é um ótimo exame em uma primeira abordagem, demonstrando principalmente as estruturas ósseas. Entretanto, não consegue delimitar de forma adequada as estruturas nervosas e os defeitos no disco intervertebral. A Tomografia Computadorizada (TC) geralmente é solicitada após o Rx nos casos que necessitam de uma avaliação mais aprofundada. A maioria são pacientes com alguma alteração ao Rx que não pode ser bem avaliada pela radiografia convencional ou aqueles com um Rx considerado normal, mas que não obtêm resposta adequada aos tratamentos. A TC é um ótimo exame para as partes ósseas, mas deixa um pouco a desejar no que se refere aos nervos, discos e ligamentos. A Ressonância Magnética (RM) pode ser considerada o exame mais completo para a investigação das patologias da coluna vertebral. Embora muitas vezes não seja superior a TC, no que diz respeito as estruturas ósseas,

4 | janeiro de 2013 |

é excelente para mostrar as chamadas “partes moles”, ou seja os nervos, vasos sanguíneos, ligamentos, discos intervertebrais, medula espinhal. Alguns termos técnicos encontrados nos “laudos” radiológicos causam preocupação em muitos pacientes. Os termos técnicos mais comuns nesses laudos são os listados abaixo: • Discopatia degenerativa: É na verdade o “desgaste” do disco intervertebral, muito comum após os 50-60 anos. O disco funciona como um amortecedor da coluna, sendo formado normalmente por cerca de 70% de líquido. Quando esse disco desidrata (seca), ele perde suas funções de amortecedor podendo causar dor, principalmente na região lombar e cervical. Pode ser responsável por dores persistentes e incapacitantes. • Osteófitos: São formações ósseas anormais, decorrentes geralmente da instabilidade da coluna. Muitas vezes não causam sintomas, entretanto dependendo do tamanho e localização podem causar compressões nervosas e causar dor radicular tanto nas pernas (ciática) quanto nos braços. • Hérnia de Disco: A hérnia acontece quando ocorre o extravasamento do conteúdo do disco intervertebral. Essa saída de conteúdo discal pode ou não dar sintoma (dor na(s) perna(s) – Ciática), dependendo da quantidade e principalmente da localização. • Protusão discal: É na verdade um abaulamento do disco intervertebral, mas sem ocorrer o extravasamento do conteúdo intradiscal como ocorre na hérnia de disco. Entretanto, dependendo do tamanho e localização podem ocorrer sintomas de dor nas costas/pescoço e nas pernas/braços.

| www.revistamateriadesaude.com.br

Alguns laudos preocupam os pacientes, por isso é importante que os médicos expliquem claramente os termos técnicos mais comuns • Espondilólise/Espondilolistese: Refere-se a um defeito na articulação posterior da coluna. Pode ocorrer o escorregamento (deslocamento) de um corpo vertebral sobre o outro. • Escoliose/Cifose: A escoliose é uma deformidade da coluna vista de frente (curva em S). Já a cifose é uma deformidade vista de lado, em curva para frente. A escoliose nunca é normal, já que não é uma curva anatômica. Por outro lado a cifose pode ser considerada normal, desde que a angulação da curva encontre-se entre cerca de 30-45º na coluna torácica. • Artrose facetária: É na verdade o desgaste da articulação posterior da coluna, geralmente devido à instabilidade vertebral e associada à discopatia degenerativa. Pode ser causa de dor importante e crônica nas costa. • Estenose de canal: Geralmente é uma resposta do nosso organismo ao processo de envelhecimento e instabilidade da coluna. Ocorre o crescimento de osso para dentro do canal da medula e o espessamento de ligamentos, o que pode comprimir a medula e os nervos. Lembre-se, caso você tenha algum desses diagnósticos radiológicos, é importante que procure seu médico ortopedista para o diagnóstico correto de sua doença, podendo assim chegar ao melhor tratamento e consequentemente obter o melhor resultado para o alívio das dores.


www.revistamateriadesaude.com.br |

| novembro de 2012 | 5


Riscos de Lipoaspiração: Mais do que se pensava A lipoaspiração, associada ou não à lipoescultura, segunda cirurgia plástica estética mais frequente em nosso país, é muitas vezes associada a um grande número de complicações de forma indiscriminada. Certamente há intercorrências e complicações como em qualquer procedimento, mas são normalmente controláveis, deixando os casos graves relegados a um percentual realmente pequeno. A maior parte das complicações está associada a certos fatores pontuais, relacionados principalmente ao fator “técnico”, como explico a seguir. Um número expressivo de complicações está ligado a escolha do profissional que fará a cirurgia: o único médico que possui no seu currículo de formação o treinamento e conhecimentos oficiais para executar a cirurgia de lipoaspiração/lipoescultura é o Cirurgião Plástico reconhecido pela SBCP. Infelizmente a Sociedade Médica como um todo não tem conseguido barrar de forma eficiente a produção desenfreada de pessoas que se dizem treinadas para executar estes procedimentos, cuja formação muito frequentemente se resume a cursos de fim-de-semana ministrados por entidades ou profissionais cuja habilitação não é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina para tal fim. A população entra com sua parcela de responsabilidade: o site da SBCP possui um “buscador” que permite a qualquer pessoa saber, pelo menos, se o Cirurgião é ou não membro desta. Porém, o “canto da sereia”, que acaba seduzindo as candidatas à lipo, trata-se de algo simples: a busca pelo “bom e barato”. As pessoas acabam encontrando facilmente o barato. Nem sempre associado ao bom. Mas recente publicação científica, moti6 | janeiro de 2013 |

vo de apresentação no Congresso Brasileiro de Cirurgia Plástica ocorrido em novembro de 2012, causou um alerta ainda maior sobre os riscos. Uma pesquisa está mostrando que, quando a lipoaspiração é feita em pessoas que não realizam atividades físicas e não conseguem manter o controle alimentar para evitar ganho de peso, o retorno do peso a patamares anteriores acaba acontecendo. Mas isso já era bem conhecido. Agora as pesquisas apontam para um fato que gera apreensão: o retorno deste peso se dá em grande parte sob forma de gordura visceral, aquela junto aos órgãos internos, e que está muito mais relacionada a problemas de saúde, como cardiovasculares, ao longo da vida, maior causa de mortalidade que se conhece. Ou seja, fazer uma “lipo” em quem não tem controle alimentar e que tem comportamento sedentário passa a ser perigoso em médio a longo prazo. Muitas medicações já foram retiradas do mercado por mostrarem aumento da mortalidade, inicialmente desconhecida. Embora ainda não existam dados específicos, o trabalho aponta para mais um reforço na idéia de que a lipoaspiração possui contra-indicações, como qualquer tratamento. Minhas diretrizes sempre foram claras perante minhas pacientes: “lipo” é segura, se bem indicada. Quando se indica um tratamento cujo fracasso é totalmente previsível, ou seja, se é possível saber que o resultado não será atingido, a indicação passa a ser o erro. Com os novos indícios, este erro passa a incluir riscos antes desconhecidos e a justificativa de que “a paciente pediu” não é aceitável. Mesmo que a paciente peça é obrigação do médico recusar. Assim devem ser encarados todos os tratamentos, estéticos ou não, fornecidos pela Cirurgia Plástica. Há

| www.revistamateriadesaude.com.br

Divulgação

A lipoaspiração, muitas vezes, é associada a um grande número de complicações de forma indiscriminada, porém todas são controláveis razões para negá-los e estas devem ser rigidamente seguidas, pois a mídia, a ganância e a falta de preparo, juntas, são inimigas da boa prática e da saúde.


www.revistamateriadesaude.com.br |

| novembro de 2012 | 7


Pelo MUNDO

Principais estudos e pesquisas realizados na área de saúde

Exercícios com cavalos melhoram a depressão e insônia Um remédio natural contra doenças do mundo moderno. Essa é uma das formas de se ver a equoterapia, que pode ser traduzida como um método terapêutico que utiliza a equitação. A terapia abrange muito mais que pessoas com mobilidade reduzida, ela pode auxiliar no tratamento de estresse, insônia, síndrome do pânico e distúrbios alimentares (bulimia e anorexia), além de ajudar no

Divulgação

aprendizado e no resgate da relação mãe e filho. O contato corporal com o animal melhora a independência, a autonomia, a autoestima e a autoconfiança. Quando a pessoa está em cima do cavalo, precisa se adaptar ao movimento do animal - de um lado para outro, para frente e para trás, para cima e para baixo. Com isso, há liberação das endorfinas, os antidepressivos naturais do organismo. Divulgação

Dieta pode provocar síndrome de abstinência, diz estudo

Estudo sugere cerveja contra gripe Um novo estudo japonês promete agradar os apreciadores de cerveja. A pesquisa, conduzida na Sapporo Medical University, mostra que o humulone, um componente químico encontrado no lúpulo da bebida, é efetivo contra o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) e tem efeito anti-inflamatório. Com evidência maior durante o inverno, o VSR pode causar sintomas semelhantes aos de uma gripe comum em adultos. Agora, a empresa japonesa Sapporo Breweries espera criar alimentos e bebidas não-alcoólicas contendo o componente, para que as crianças

também possam ingerir. Essa não é a primeira vez que os benefícios à saúde trazidos pela cerveja são enumerados. Estudos anteriores sugerem que tomar cerveja pode ajudar a construir ossos mais fortes graças à alta quantidade de silício. O mineral é importante também para prevenir a osteoporose. Os especialistas ressaltam que, embora a cerveja consumida moderadamente possa trazer alguns benefícios, em excesso contribui para o aumento de peso, a desidratação e uma infinidade de outros perigos físicos e sociais.

Ter um prato com uma pequena porção de salada enquanto os amigos comem muitas guloseimas deixa qualquer um de mau humor. Mas, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Montreal, no Canadá, abandonar uma dieta nada saudável causa muito mais que alterações no estado de espírito. Pode ter um efeito similar no cérebro ao da abstinência de drogas. Os cientistas analisaram ratos, cujos cérebros são, em muitos aspectos, comparáveis aos dos humanos. Constataram que a neuroquímica dos animais que saborearam uma dieta rica em gordura e açúcar era diferente da analisada nos que tinham uma alimentação saudável. Os produtos químicos modificados pela dieta estão associados à depressão. Uma mudança de dieta, então, traz sintomas de abstinência e uma maior sensibilidade a situações estressantes, provocando um ciclo vicioso de má alimentação.

Divulgação

Fenômenos naturais têm influência no nosso organismo, dizem especialistas O equilíbrio e a saúde do corpo estão no inverno. diretamente ligados ao ambiente em que A comprovação, em alguns casos, vivemos. As evidências mais claras desse dessa sintonia entre o corpo e o ambiente fenômeno estão relacionadas com mu- declara que o contato com a natureza é danças nas estações do ano. É conhecida, sempre benéfico. Sentir a energia da terra por exemplo, a associação entre inverno e respirar ar puro promovem sensações de e depressão. O principal motivo é a di- bem-estar (por meio da liberação de determinuição da exposição solar. É comum minados hormônios), descansam a mente | www.revistamateriadesaude.com.br 8 |também janeiro de | relatarem mais fome as 2013 pessoas e restabelecem o equilíbrio emocional.

Divulgação


e Esporão de Calcâneo Por Marcelo Leal Tafas Ortopedista e Traumatologista | CRM 26364

É muito frequente recebermos pacientes com queixa de dor na planta do pé (popularmente “na sola do pé”). A grande maioria desses pacientes apresenta uma doença chamada fasceíte plantar (ou fascite plantar). Embora não sejam sinônimos, fasceíte e esporão estão relacionados com a mesma doença. Trata-se da inflamação dos tendões e fáscias que recobrem a sola do pé. Essas estruturas funcionam como braço de alavanca para o impulso do pé durante a marcha. A doença predomina no sexo feminino, geralmente tem início entre 40 e 50 anos. É comum a ocorrência da doença entre atletas e praticantes de caminhadas. Pessoas que ficam em pé por longos períodos, pessoas com sobrepeso ou obesas são mais propensas a desenvolver a doença. A característica da doença é a queixa de dor na sola dos pés e dificuldade para se locomover, em casos mais agudizados.

TRATAMENTO: • Medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios são a primeira escolha. Em casos de dor intensa, podemos utilizar opióides. Corticóides, para uso sistêmico ou local (infiltração), são uma opção viável. • Fisioterapias: são utilizadas técnicas de cinesioterapia, eletroterapia, termoterapia e hidroterapia afim de conferir analgesia, ação antinflamatória e melhora da função. • Acupuntura • Terapia por Ondas de Choque (TOC): é uma técnica moderna e eficaz de tratamento para essa patologia. Está indicado nos casos em que os tratamentos convencionais falharam. Lembre sempre, nunca presuma diagnósticos sem consultar um médico. Não realize nenhum tipo de tratamento sem antes conversar com um médico de sua confiança. Estamos a sua inteira disposição para eventuais dúvidas.

www.revistamateriadesaude.com.br |

Ortopedia

Terapia por ondas de choque (TOC)

ms

| novembro de 2012 | 9


Região

:: REGIÃO

ms

Gravataí adquire novo aparelho de raio-X O Serviço de Urgência e Emergência (SUE) de Gravataí irá receber nos próximos dias um novo e moderno aparelho de raio-X. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) está trabalhando nos processos finais para a implantação do equipamento para o mês de janeiro, conforme anunciou o ex-secretário de saúde, Régis Fonseca. A aquisição consiste em um conjunto formado pelo equipamento de raio-X, juntamente com a processadora digital, sistema que elimina a utilização de filmes e o emprego de produtos químicos na revelação dos exames. O médico poderá acessar um programa no computador e efetuar as análises de forma rápida e eficaz, isso tudo sem sair do seu consultório, assim ganhando tempo e precisão na avaliação e diagnóstico dos exames radiológicos.

10 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br

A aquisição consiste em um equipamento de raio-X, juntamente com a processadora digital


:: REGIÃO

Região

Campanha de combate a AIDS em Cachoeirinha A Campanha de combate a Aids em Cachoeirinha foi realizada pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Serviço de Atendimento Especializado em DST/HIV e Hepatites Virais (SAE), e esclareceu dúvidas da população com relação à doença, além de realizar na hora a coleta de sangue para o teste de HIV. De acordo com a integrante do SAE, a assistente social Kátia Meyer, a campanha de combate a AIDS deste ano foi estendida no número de dias e locais, para que também fosse possível ampliar o volume de atendimentos. O programa contou com apresentações do grupo teatral Luz e Cena que enfatizou que o melhor remédio é a informação. O encerramento da atividade ocorreu em frente a Prefeitura e atraiu um grande número de pessoas. • AIDS em Cachoeirinha Atualmente 10 gestantes e 6 crianças HIV+ estão em acompanhamento no SAE. O Serviço tem um total de 649 prontuários abertos desde 2002, 288 pacientes tomando antiretrovirais

Bruna Flores

O grupo Luz e

ms

Cena enfatizo u que o melhor remédio é a in formação

(coquetel) e 194 pacientes com AIDS estão em atendimento no Serviço de Atendimento Especializado em DST/HIV e Hepatites Virais (SAE). Os bairros com maior incidência de HIV são Parque da Matriz, Granja Esperança e Nova Cachoeirinha.

www.revistamateriadesaude.com.br |

| janeiro de 2013 | 11


Urologia

:: REGIÃO

ms

Infertilidade Masculina e Biópsia de Testículo

A

Por Carlos Teodósio da Ros Urologista | CRM 16962

avaliação inicial da infertilidade masculina inclui uma havia a presença de túbulos seminíferos (onde são produzidos os SPZ) cuidadosa anamnese, exame físico, estudo do perfil atróficos entremeados a túbulos com características normais e esperhormonal, e, em casos selecionados, a biópsia testicular, que fornece matogênese preservada. Baseado nestes conceitos, foi introduzida a dados quanto ao epitélio germinativo. A biópsia tem sido utilizada para idéia de mapeamento testicular para diagnóstico e detecção de SPZ, distinguir casos de falência testicular daqueles casos obstrutivos, isto sendo que mais de três locais do mesmo testículo devem ser avaliaé, diferenciar uma espermatogênese normal de uma anormal (hipoesdos. Desta maneira foi confirmada a teoria do mosaico testicular, isto permatogênese, parada de maturação ou mesmo aplasia germinativa). é, podem existir, dentro do mesmo testículo, áreas de atrofia e áreas A biópsia testicular aberta é um método tradicional de investigação de de espermatogênese absolutamente normal. Então, como passou-se indivíduos azoospérmicos (ausência de SPZ no a realizar biópsia em um único testículo, não espermograma). As biópsias, de uma maneira seria prudente retirar material de apenas um A biópsia tem sido utilizada geral, são realizadas em um testículo apenas, local, pois, desta maneira, corremos o risco e é retirado material de um único local. Mais e de biopsiar uma área atrófica e classificarmos para distinguir casos de mais têm-se questionado sobre a necessidade o indivíduo de estéril, sem possibilidades de de biópsias em mais de um local do mesmo obtenção de gravidez biológica, mesmo com o falência testicular de casos testículo e sobre a possibilidade de obtenção emprego de técnicas de reprodução assistida. obstrutivos de material através de punção aspirativa do Pode-se, então, cometer um erro ao se fazer testículo com agulha fina. a análise histológica de um único pequeno Mais recentemente, com o desenvolfragmento de testículo, retirado no momento vimento das técnicas de reprodução assistida, entre elas a injeção da biópsia, para avaliarmos o perfil fértil de pacientes azoospérmicos. intracitoplasmática de espermatozóides (ICSI), surgiram duas novas Se for esquecido o conceito de mosaico testicular e espermatogênese indicações, que são a identificação de espermatozóides (SPZ) madufocal, podemos classificar um indivíduo como infértil e incapaz de ros e móveis, e obtenção dos mesmos para ICSI. Espermatozóides iniciar uma gravidez. A maneira da obtenção de material para análise retirados do testículo através de aspiração ou extração cirúrgica, têm da histologia testicular pode ser discutida, isto é, pode-se empregar a sido empregados, de forma corrente, nas técnicas de reprodução biópsia aspirativa ou a aberta. Porém, o que não pode ser discutido é assistida. Na década de 70, já se afirmava que, no testículo doente, que uma única amostra de tecido de um único local não é represenpodia-se perceber que a histologia raramente é homogênea, isto é, tativa do testículo como um todo. 12 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br


em Porto Alegre

ms

F

oi realizada no domingo dia 25/11/12 a primeira Caminhada Pare a Dor em Porto Alegre,no Parque Farroupilha (Redenção), com mais de 80 participantes. Este projeto é realizado pela SBED (Sociedade Brasileira de Estudo da Dor) em todo Brasil e em Porto Alegre, contou com a organização da SOGED (Sociedade Gaúcha de Estudo da Dor) e apoio dos centros de dor gaúchos. O evento tem como objetivo proporcionar um espaço para prática de exercícios físicos orientado sem pacientes portadores de dor crônica e chamar atenção da opinião pública para este importante tema. O CETA (Centro de Tratamento da Dor e Acupuntura de Gravataí) esteve presente, representado pelo Dr.

Região

Caminhada Pare a Dor

Renato Castro – Presidente da SOGED, organizadora do evento. O exercício físico é um aliado importante no tratamento de pacientes com dor crônica, melhorando as condições físicas, emocionais e sociais do indivíduo. O exercício orientado e rotineiro também é importante na prevenção principalmente de patologias osteomusculares, melhorando a qualidade do sistema músculo esquelético, equilíbrio e flexibilidade. Portanto mexa-se, este é um remédio sem efeitos colaterais que vai melhorar muito sua qualidade de vida!

www.revistamateriadesaude.com.br |

O evento tem como objetivo proporcionar um espaço para prática de exercícios físicos orientados em pacientes portadores de dor crônica

| janeiro de 2013 | 13


Ortodontia

:: REGIÃO

Ronco e apneia do sono formas de tratamento

ms

O

ortodontista Dr. Sergio Dias (CRO/RS 7154) respondeu as principais dúvidas sobre o assunto, explicando como os aparelhos ortodônticos podem auxiliar no tratamento dessas doenças.

Como um aparelho dentário pode ajudar pessoas com problemas de ronco e apneia obstrutiva? Durante o sono, músculos e tecidos moles da faringe e boca relaxam e acabam diminuindo a passagem do ar, causando uma vibração no palato mole e úvula. As vibrações destes tecidos moles relaxados são chamadas “respiração ruidosa” ou ronco. É importante mencionar que a pessoa que ronca não tem, necessariamente, apneia. Porém, alguns pacientes fazem apneia obstrutiva durante o sono. Neste caso, tipicamente roncam pesado e, então, param de respirar. O marido ou a esposa observa que o ronco cessa e há tentativas para respirar muitas vezes acompanhadas de arquejo e sons que lembram engasgos. É considerado apneia do sono quando o fluxo de ar cessa por 10 segundos ou mais. Estes episódios podem se repetir ao longo da noite, poucas ou muitas vezes a cada hora de sono, comprometendo a qualidade reparadora do sono e ocasionando sonolência durante o dia. Normalmente a causa da apneia é obstrução da passagem do ar por colapso das vias aéreas, geralmente causada pelos tecidos moles. Existe, embora raro, a originada no cérebro, onde o órgão falha ao enviar sinais aos músculos responsáveis pela respiração e há associação das duas causas. Felizmente, a grande maioria das apneias são por obstrução, neste caso, o aparelho para ronco é indicado, observando se o paciente tem apneias leves a moderadas diagnosticadas e classificadas pela polissonografia para maiores chances de sucesso. O aparelho para ronco é semelhante a um ortodôntico removível, colocado quando o paciente vai dormir. Este aparelho faz com que haja um aumento na quantidade de ar inspirada, reduzindo ou até mesmo eliminando o ronco e a apneia. Quando este tipo de aparelho deve ser utilizado e como é feito o diagnóstico? Alguns sintomas e sinais podem indicar a presença da apneia do sono. O maior deles é o ronco, queixa frequente feita por casais, onde o ronco de um atrapalha o sono do outro, obesidade, sonolência durante o dia, boca seca pela manhã e cefaleia. Também, quando for diagnosticada a apneia obstrutiva do sono. Este diagnóstico é 14 | janeiro de 2013 |

O aparelho ortodôntico removível faz com que haja um aumento na quantidade de ar inspirada, reduzindo ou até mesmo eliminando o ronco e a apneia

feito pelo médico, geralmente otorrinolaringologista, que solicita uma polissonografia. Entre outros fatores, será analisada o número de apneias a cada hora. De acordo com a Associação Americana de Apneia do Sono, de 5 a 15 é considerado leve, de 15 a 30 é moderada e mais de 30 apneias por hora é considerada severa. O aparelho é eficaz em casos leves e moderados. Outras informações deverão ser avaliadas para o sucesso deste aparelho. Existe mais de um tipo de aparelho para esta função? Existem vários tipos de aparelhos. A maior parte deles possui o mesmo objetivo: aumentar o fluxo de ar inspirado, evitando o ronco e a apneia. Temos utilizado um aparelho semelhante a um removível ortodôntico em acrílico transparente, não possui nenhuma parte externa, não machuca e possibilita regulagens, aumentando a projeção da mandíbula ou reduzindo, com o objetivo de oferecer conforto de uso e redução do ronco. Qualquer pessoa pode utilizar este aparelho? Infelizmente não são todas pessoas que podem usá-lo. Quando o paciente tem poucos dentes, usa dentadura ou prótese removível, pode ter dificuldades para manter o aparelho em boca. Ainda assim, poderá fazer uma reabilitação com implante dentário ou próteses fixas e, num segundo momento, adaptar o aparelho. Pacientes com problemas periodontais (gengiva) severos com mobilidade dos dentes deverão ser bem avaliados. Aqueles que possuem alterações da ATM (Articulação Têmporo-Mandibular) como dor, desvios, dificuldade de abertura da boca, entre outros, também e pessoas com alergia a algum produto usado na confecção do aparelho. Em pacientes com várias apneias por hora (cerca de 40) ou muito obesos, o índice de bons resultados pode ser baixo. Nestes casos, o uso do aparelho deverá estar associado com outros tratamentos. O ronco e a apneia são mais comuns em quais pessoas? A apneia é encontrada mais frequentemente em homens, idade acima dos 40 anos e pessoas com sobrepeso, embora possa atingir pessoas de qualquer idade, inclusive crianças. Cerca de 18

| www.revistamateriadesaude.com.br


Ortodontia

ms

É considerado apneia do sono quando o fluxo de ar cessa por 10 segundos ou mais. Estes episódios podem se repetir ao longo da noite, poucas ou muitas vezes a cada hora de sono. Dr. Sergio Dias

milhões de americanos sofrem com este problema. Quando não tratada pode ser responsável por hipertensão e outros problemas cardiovasculares, alteração da memória, impotência, diabetes, depressão, ganho de peso, falta de atenção durante o dia, sonolência, entre outros. Existem outras opções de tratamento para o ronco e a apneia? Algumas opções de tratamento podem ajudar na redução do ronco e da apneia, principalmente nas diagnosticadas leves. Além do uso do aparelho para ronco, é importante considerar: perda de peso, cerca de 70% das pessoas que sofrem com apneia está com

15 | janeiro de 2013 |

sobrepeso. Dormir de lado: algumas pessoas fazem apneia quando dormem de barriga para cima. Não ingerir álcool antes de dormir. A cirurgia, segundo a Associação Americana, é mais eficaz para o ronco do que para a apneia, porém o médico é quem deve tomar esta decisão. Cirurgia em crianças, como a remoção de adenóides, tem sido endossada pela Academia Americana de Pediatria como tratamento inicial para ronco e apneia. Para apneias severas, seu médico provavelmente indicará um aparelho chamado CPAP, que é a sigla em inglês de Contiunous Positive Airway Pressure, ou seja, pressão positiva contínua na via aérea, solucionando o ronco e apneia.

| www.revistamateriadesaude.com.br


Especial

:: ESPECIAL

Doses que

ms

salvam vidas

E

xistem registros de que povos chineses e do mediterrâneo já usavam técnicas de imunização através de vacinas contra as principais doenças que contaminavam as pessoas. O princípio da técnica é simples: o contato com o vírus ou bactéria, atenuado ou morto, propicia uma reação no sistema imunológico que cria defesas para se proteger da doença. A partir da disseminação da importância das vacinas em cada etapa da vida, surgiram as clínicas particulares com o intuito de popularizar a imunização. Conforme a enfermeira da Clínica Multivacinas, Giane Beber (Coren 106437) a cada ano aumenta a procura pela vacinação já que a população compreende que é a maneira mais eficaz de prevenir doenças como a gripe, sarampo ,varicela, tuberculose, e muitas outras,não só em crianças mas também na população adulta. Uma vacina passa por uma centena de testes para ter sua eficácia e segurança comprovadas. “Uma vacina só é liberada para comercialização quando tem no mínimo 70% de eficácia, algumas delas chegam a quase 100%”, revela a médica Jaqueline Pase (CRM 20219). Os estudos de vacinas acontecem em todo o mundo com o objetivo de prevenir e aumentar a qualidade de vida da população. Na Grã Bretanha já iniciaram os testes em humanos da vacina contra a Aids. No Brasil, dois tipos de vacinas contra o câncer de pele começarão a ser usadas pelo Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais, sendo que na Austrália ela inclusive já está sendo comercializada. Centenas de outras vacinas estão em fase de testes como, por exemplo, para prevenção da Doença Celíaca, Alzheimer e Dengue. Nos Estados Unidos, uma análise de custobenefício revela que, para cada dólar investido em uma dose de vacina, pode se economizar até US$ 27 em gastos com a saúde. A erradicação apenas da varíola resultou em uma economia de mais de US$ 3 bilhões para os Estados Unidos, entre 1983 e 1994.

Conforme a enfermeira Giane, existem algumas diferenças entre as vacinas oferecidas na rede pública e na privada. “Na rede privada optamos por vacinas combinadas, ou seja, menos quantidade de picadas, pois oferece proteção contra várias doenças numa mesma vacina. A rede pública utiliza algumas vacinas produzidas no Brasil, como a tetravalente, pentavalente (Fiocruz) e influenza A, Hepatite B, Raiva e DTP (Butantan). Na rede privada as vacinas são importadas de países como França, Alemanha, Suíça e Estados Unidos”, revela Giane.

O calendário base do Sistema Único de Saúde oferece vacinas para proteção de 15 agentes de doenças. Na rede privada, além destas, é possível ter acesso a doses contra hepatite A, Varicela, Tetra Viral (vacina conjugada), Pneumocócica 13 valente e 23 valente, Meningocócica quadrivalente, contra o HPV e vacinas combinadas. Cada país possui um tipo de calendário distinto conforme as suas peculiaridades. Os principais calendários hoje no Brasil são os preconizados pelo Ministério da Saúde (PNI), pela Associação Brasileira de Imunizações –Sbim – (rede privada) e pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

A Anvisa publicou as novas cepas (vírus) que devem compor as vacinas da gripe para este ano de 2013. Anualmente elas são atualizadas de acordo com o vírus circulante. Uma das cepas que já estava desatualizada mudou por uma mais recente e de maior prevalência .A vacina contra a gripe protege contra os três principais tipos de vírus que circularam no inverno– um deles é o da gripe suína (H1N1). A expectativa é que a vacina da gripe já esteja disponível a partir de março.

16 | janeiro de 2013 |

Uma vacina só é liberada para comercialização quando tem no mínimo 70% de eficácia, algumas delas chegam a quase 100% Jaqueline Pase

Mudanças na vacina da gripe para 2013

| www.revistamateriadesaude.com.br


Especial

Uma vacina passa por uma centena de testes para ter sua eficiência comprovada. Os estudos acontecem em todo o mundo com o objetivo de prevenir as doenças e aumentar a qualidade de vida da população.

ms Vacina contra o HPV: um grande avanço

Lançada há cerca de dois anos, a vacina contra o HPV resultou num grande avanço na prevenção de câncer de colo de útero e também das verrugas genitais (DST). A eficácia é de 99%. A idade indicada é a partir dos 9 anos, antes da fase sexualmente ativa, mas também pode ser aplicada em outras idades conforme avaliação médica. Cerca de 50% da população sexualmente ativa vai entrar em contato com o HPV em algum momento da vida. O INCA (Instituto Nacional do Câncer) verificou a ocorrência de 18 mil novos casos de câncer do colo uterino no Brasil a cada ano. Aproximadamente 4 mil mulheres morrem deste tipo de câncer, sendo que o vírus do HPV está sempre presente no câncer de colo de útero. Existem duas vacinas disponíveis no mercado, qualquer uma das opções devem ser feitas em três doses. A vacina está disponível somente na rede particular. A vacina contra o HPV está disponível também para o sexo masculino, já que o homem não só é o transmissor, mas também pode contrair verrugas genitais e até desenvolver algum tipo de câncer de pênis.

www.revistamateriadesaude.com.br |

| janeiro de 2013 | 17


Especial

:: REGIÃO

ms

Curiosidade

A vacina tem seu nome oriundo de Vaccinia, que é agente infeccioso da varíola bovina.

Mudanças na história da Vacinação:

Na rede privada optamos por vacinas combinadas, ou seja, menos quantidade de picadas, pois oferece proteção contra várias doenças numa mesma vacina. A rede pública utiliza algumas vacinas produzidas no Brasil, como a tetravalente, pentavalente (Fiocruz) e influenza A, Hepatite B, Raiva e DTP (Butantan).

• Edward Jenner descobre a vacina em 1796. • Em 1961 chega a primeira vacina no Brasil contra a Varíola. • 1973 nasce o Programa Nacional de Imunizações (PIN). • 1987 muda a formulação das vacinas orais aumentando a concentração do vírus tipo 3. • Em 1988 com a criação do SUS é preservado todo o legado relativo a vigilância, prevenção e controle das doenças imunopreveníveis. • Em 1993 foram criados os Centros de Referências de Imunobiológicos Especiais (CRIE). • 2000 concretização do calendário de vacinação indígena. • 2002 implantação da vacinação combinada DTP + Hib. • 2004 é publicada Portaria dos Calendários de Vacinação básico da criança, adolescente, adulto e idoso. • 2006 foi introduzida a vacina oral do rotavírus. • 2012 muda o calendário de vacinação. As duas primeiras doses da vacina contra pólio passam a ser injetável, ou seja, de vírus inativado.

Giane Beber 18 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br


Uma das maiores campanhas de vacinação em todo o mundo é a da Poliomielite (paralisia Infantil). Até 1988 a estimativa é que cerca de 1000 a 2000 crianças eram infectadas pela doença todos os dias. Em 1998, a Organização Mundial da Saúde, com o apoio do Rotary Internacional, criou uma campanha para erradicação do vírus no mundo. Com doações mundiais para a vacina chegar a todos os locais, a doença hoje está em fase de erradicação presente apenas em quatro países como endêmica . No Brasil, o último caso registrado foi em 1989. A vacina é o único meio garantido para que realmente o vírus seja erradicado do planeta.

Antes da vacina certifique-se: Se a empresa possui licença junto aos órgãos competentes de saúde e vigilância sanitária municipal e estadual Em caso de vacinação em locais específicos, como empresas, é preciso ter uma autorização extra-muro, para o transporte das vacinas, dentro das normas técnicas da Funasa.

Especial

Campanha da Poliomielite

ms

Caléndários de Vacinação:

A Sociedade Brasileira de Imunização disponibiliza os calendários de vacinas atualizados com orientações específicas para cada faixa etária. Acesse os calendários para Prematuros, Crianças, Adolescentes, Adultos, Idosos, Mulheres e Ocupacional no site www.revistamateriadesaude.com.br

www.revistamateriadesaude.com.br |

| janeiro de 2013 | 19


:: REGIÃO

Novidade

Divulgação

ms

A Clínica foi estruturada para possibilitar conforto e segurança aos pacientes

A clínica vai promover ao longo do ano campanhas de prevenção e de detecção precoce dos tipos mais frequentes de Câncer.

O

CRHO oferece tratamento para pacientes com câncer

s pacientes que necessitam de tratamento contra o câncer ganharam um serviço de referência em Gravataí, com a inauguração em dezembro do Centro Regional de Hematologia e Oncologia Dom João Becker. A Clínica Oncológica é uma parceria entre o HDJB, Instituto DeVita e o Centro Regional de Hematologia e Oncologia, especializados em oncologia e hematologia, que já conta com sete unidades em diversas cidades do Estado, sendo a matriz em Caxias do Sul. Conforme o doutor Fábio Miguel, oncologista clínico, diretor do CRHO, a vontade da instituição e do Hospital Dom João Becker, de poder oferecer este serviço para a região iniciou há anos. “Hoje o tratamento para pacientes com câncer prioriza a qualidade de vida. A possibilidade das pessoas realizarem os procedimentos perto de sua casa, evita transtornos e torna o tratamento menos desgastante. Pois é justamente isso que estamos oferecendo para toda a região do Vale do Gravataí”, revela o doutor Fábio. A Clínica foi estruturada para possibilitar conforto e segurança aos pacientes, desde as cores do ambiente até o estudo dos padrões usados nos centros mais atualizados. “Todos os nossos profissionais, participam de congressos internacionais algumas vezes por ano para 20 | janeiro de 2013 |

se atualizarem. Essa experiência é empregada nas nossas unidades e nos tratamentos”, afirma. O CRHO – Gravataí, contará com uma equipe multidisciplinar, com profissionais das áreas de oncologia clínica, hematologia, psicologia, nutrição e enfermagem oncológicos. Uma das áreas que mais teve avanços nos últimos tempos, foi o desenvolvimento de novos medicamentos para os pacientes com câncer, entre estes, hormonioterapia, quimioterapia e terapia com alvos moleculares definidos, como os anticorpos monoclonais e antiangiogênicos. A clínica atua em tratamentos neste seguimento. Há alguns anos, pouco se falava em cura do câncer, hoje os relatos de pessoas que controlaram a doença são inúmeros. Além do tratamento medicamentoso, para os casos diagnosticados de Câncer, o CRHO ao longo do ano vai promover campanhas de prevenção e diagnóstico precoce. O CRHO – Gravataí está localizado no 3º andar do Centro Profissional Raio Som (Rua Dr. Luiz Bastos do Prado, 1586 – Gravataí). Divulgação

O CRHO – Gr avataí está loc alizado

| www.revistamateriadesaude.com.br

no Centro de

Gravataí


do Câncer de Pele

E

statísticas comprovam que 25% dos tumores malignos diagnosticados são de câncer de pele, a maioria deles fruto do excesso de exposição aos raios ultravioleta. Com o slogan Salve sua Pele, Preserve sua Vida, o Centro Regional de Hematologia e Oncologia de Gravataí, em parceria com o Hospital Dom João Becker e a Liga Feminina de Combate ao Câncer de Gravataí lançaram uma campanha de prevenção e explicação sobre a doença. O Melanoma é um tipo de câncer que se desenvolve nas células da pele. Aquelas pintinhas ou manchas escuras que surgem na pele e que são benignas, quando expostas ao sol intenso podem sofrer alterações malignas. É possível realizar o autoexame, de preferência após o banho e com o auxílio de um espelho móvel. Assim se percebe o surgimento ou não de manchas na pele, observando mudanças no formato e tamanho das manchas. A campanha Salve sua Pele, Preserve a sua Vida prevê a distribuição de centenas de folders explicativos em espaços públicos, no CRHO e no Hospital, além de orientar a população.

Iniciativa do Centro Regional de Hematologia de Gravataí, Hospital Dom João Becker e da Liga Feminina de Gravataí promove ações para prevenir e explicar a doença

Proteção

Campanha visa a prevenção

ms

SAIBA MAIS • Proteção adequada contra o sol evita as chances de evitar a doença • Qualquer alteração na pele deve ser comunicada ao dermatologista • Se o melanoma for identificado em fase inicial existe grande chance de cura. Casos mais avançados têm altos índices de mortalidade.

www.revistamateriadesaude.com.br |

| janeiro de 2013 | 21


Fisioterapia

Sem esquecer de alongar e aquecer

ms

Por Kelly Assis de Oliveira

A

Fisioterapeuta | Crefito: 142.789-F

tualmente cresceu o número de praticantes de atividades físicas regulares e estes questionam a influência e os benefícios do alongamento sobre o esporte que praticam. Para a grande maioria das pessoas, alongar é quase obrigatório antes de realizar qualquer exercício físico, seja ele de alta ou baixa intensidade, curta ou longa duração e nos mais diversos ambientes, mesmo nos mais hostis. As tradicionais rotinas de alongamento realizadas durante o aquecimento, antes do exercício, podem aumentar a flexibilidade por um curto período de tempo, porém não promovem benefícios para a performance, tão pouco na prevenção de lesões musculares, tendões e ligamentos. A dor muscular de início tardia, também conhecida como dor do dia seguinte, não se beneficia do alongamento pré e pósatividade, pois o risco de lesão a estas estruturas parece ser

O aquecimento tem como função preparar a fibra muscular para o esforço aumentando sua vascularização

22 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br

Kelly Oliveira


menor em indivíduos de melhor condição aeróbica. A posição mais aceita atualmente é que para se ganhar flexibilidade deve-se realizar o alongamento em momentos distintos da atividade física propriamente dita. Este alongamento, ou trabalho de flexibilidade deve preferencialmente ser feito de forma passiva (com auxílio) e com tempo de permanência em cada posição de aproximadamente 30 segundos. Em relação à prevenção de lesões, devemos nos preocupar mais com o aquecimento antes da atividade, pois o alongamento não prepara necessariamente para o esforço. O aquecimento tem como função preparar a fibra muscular para o esforço aumentando sua vascularização, assim a temperatura corporal aumenta, preparando os ligamentos, tendões e músculos para a atividade a ser realizada. Pode-se dividir o aquecimento em duas categorias, sendo elas: • Aquecimento geral: tem como principal propósito aquecer o corpo como um todo, utilizando exercícios que exijam ação de grandes grupos musculares, podendo ser realizados por meios de movimentos corporais gerais, alongamento e corrida, entre outros. • Aquecimento específico: tem como objetivo preparar uma musculatura específica exigida em determinada modalidade, além de proporcionar um treinamento das habilidades que serão utilizadas na atividade pós-aquecimento. Pode-se citar como exemplo, um atleta do muay-thai ou boxe que realizaria o aquecimento através de socos ou chutes em menor intensidade. No inverno o risco de ocorrer uma lesão muscular aumenta 30% em relação ao verão devido aos músculos estarem menos elásticos, mas o aquecimento deve ser feito em qualquer época do ano antes de iniciar qualquer tipo de atividade física, evitando

assim uma sobrecarga muscular e o rompimento de algumas fibras musculares.

Fisioterapia

Para a grande maioria das pessoas, alongar é quase obrigatório antes de realizar qualquer exercício físico, seja ele de alta ou baixa intensidade, curta ou longa duração e nos mais diversos ambientes

ms

Os alongamentos e aquecimento podem trazer benefícios como: • Aumentar a temperatura muscular, preparar o sistema cardiovascular e pulmonar para a atividade e desempenho esportivo; • A temperatura muscular mais elevada aumenta a eficiência da contração muscular, reduzindo a viscosidade do músculo, aumentando a velocidade de condução nervosa; • Dilatação dos capilares, aumentando a emissão de oxigênio para os músculos ativose, minimizando o déficit de oxigênio e formação de ácido lático (ácido relacionado a dores musculares e câimbras); • A prevenção de lesões deve-se também com o aumento da temperatura, pelo qual há uma redução da resistência elástica e da resistência do atrito, portanto as estruturas como músculos, ligamentos e tendões tornam-se mais elásticos e menos susceptíveis a lesões ou rupturas. Também há mudanças nas articulações, apresentando estas com maior produção de líquido sinovial (líquido interno das articulações que lubrifica as mesmas e permite um movimento mais suave e indolor) tornando-se mais resistentes às forças e pressões; • Também como efeito do aquecimento, a ativação nas estruturas do sistema nervoso central, consequentemente melhorando o estado de alerta e de atenção, favorecendo assim, o aprendizado técnico, a capacidade de coordenação e precisão de movimento. Por fim, para um bom aquecimento faça uma caminhada leve de pelo menos cinco minutos, depois faça movimentos articulares com a cabeça, braços, entre outros, e depois termine o aquecimento com uma corrida. E deve-se lembrar que cada pessoa possui um preparo físico, então a progressão deve ser segura, dentro da tolerância física de cada indivíduo.

www.revistamateriadesaude.com.br |

| janeiro de 2013 | 23


Neurologia

Roselaine Vinciprova

ms

A Neurologia foi uma das especialidades médicas que mais evoluiu nos últimos tempos

Ineuro oferece atendimento multidisciplinar A comunidade de Gravataí e região ganhou um serviço diferenciado na área da neurologia. A Clínica Ineuro oferece atendimento multidisciplinar em todas as especialidades com neurocirurgiões, neurologistas, neurologia pediátrica, fisioterapeutas e nutricionista. Conforme o Neurocirgião, Dr. Thiago Torres de Ávila, as causas tratadas podem ser as mais comuns desde tonturas, dores de cabeça até demências, traumatismos do sistema nervoso central e periférico, malformações cerebrais e hidrocefalia, além de toda reabilitação neurológica. A Neurologia foi uma das especialidades médicas que mais evoluiu nos últimos tempos, tanto na área dos diagnósticos como no tratamento. Os estudos buscam dar condições de saúde e plenitude aos pacientes. A Ineuro está localizada no 5º andar do Centro Profissional Raio Som (Rua Dr. Luiz Bastos do Prado, 1586 – Gravataí). Informações 3484.1745.

24 | janeiro de 2013 |

Rosela

ine Vin

A Ineuro

| www.revistamateriadesaude.com.br

está loca lizada no 5º andar do Centr o Profiss ional Rai o Som

ciprova


feira de produtos orgânicos

O

ms

consumo de produtos orgânicos tem se tornado cada vez mais comum, principalmente neste período do ano – o verão -, onde as pessoas consomem uma quantidade menor de carboidratos, optando por refeições mais leves e saudáveis. O sistema orgânico busca o equilíbrio do ecossistema para resultar em plantas mais resistentes às pragas e doenças. Para impedir a disseminação de doenças, outras culturas são utilizadas durante o cultivo ou alterações com a produção. Plantas consideradas daninhas para muitas lavouras são usadas na agricultura orgânica por atraírem para si as pragas e enriquecerem o solo, fortalecendo as plantações e evitando doenças. Todo produto que for cultivado em um ambiente que considere sustentabilidade social, ambiental e econômica e valorize a cultura das comunidades rurais pode ser considerado orgânico. A agricultura orgânica não utiliza agrotóxicos, hormônios, drogas veterinárias, adubos químicos, antibióticos ou transgênicos em qualquer fase da produção. Onde encontrar esses produtos em Cachoeirinha? Cachoeirinha está preparando e organizando uma feira de produtos orgânicos, que deverá ocorrer no Parcão do município, que fica localizado no bairro Parque da Matriz. Segundo Max Alexandre, supervisor da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SMDET), há um estudo para que aconteça uma feira na cidade. “Estamos buscando fornecedores para que possamos realizar uma feira de produtos orgânicos em Cachoeirinha”, informou. A cidade possui dez pontos com feiras de hortifrútis, verduras e legumes, mas não com produtos específicos de alimentos orgânicos.

25 | janeiro de 2013 |

Região

Cachoeirinha contará com

RECEITA: Suflê de espinafre INGREDIENTES: 1 maço de espinafres; 1 cebola (media) picada; 3 colheres (sopa) de manteiga; 2 colheres de farinha de trigo; 1 copo de leite morno; 3 ovos separados; sal; 1 colher (sobremesa) de fermento em pó (opcional). MODO DE PREPARO: Lave o maço de espinafres e jogue em um litro de água fervendo. Mantenha fervendo por 3 minutos. Escorra, esprema e pique bem miúdo. Numa panela refogue a cebola na manteiga, junte a farinha e deixe dourar ligeiramente, sempre mexendo. Junte o espinafre, as gemas, o sal e o leite morno e cozinhe mexendo sempre, até que se torne um creme consistente. Tire do fogo e deixe esfriando. Enquanto isso bata as claras em ponto firme. Junte-as a massa, agregando delicadamente. Se quiser um creme mais fofo, coloque fermento nas claras batidas. Unte um pirex, coloque a massa e leve ao forno pré-aquecido. Polvilhe com queijo ralado. Quando estiver firme está pronto. Fonte: Site Sitio do Guido

| www.revistamateriadesaude.com.br

| junho de 2012 | 25


Profissão

:: REGIÃO

ms

Assistente social, que profissional é esse? Por Tatiana da Silva Rodrigues Assistente Social | CRESS/ RS 7648

O

assistente social é um profissional que através de conhecimentos técnico-científicos e manejo de recursos trabalha visando a melhoria das condições de qualidade de vida no que se refere à moradia, saúde, educação, previdência, lazer, habilitação e reabilitação e assistência social. Mesmo quando atende a um indivíduo, o assistente social está trabalhando com o grupo social, pois entende que a pessoa está inserida em um contexto no qual não pode dissociar o indivíduo do coletivo. O assistente social, independentemente da instituição em que

esteja inserido, deve nortear sua intervenção por quatro dimensões: a dimensão ético-política, dimensão teórico-metodológica, dimensão técnico-operativa e dimensão sócio-afetiva. A dimensão ético-política é a capacidade do profissional se engajar no espaço institucional expressando o compromisso ético-político do projeto profissional, sendo capaz de reconhecer as expressões particulares dos sujeitos sociais. A dimensão teórico-metodológica é a capacidade de o assistente social manter sua postura investigativa, problematizando a realidade das relações presentes no espaço socioinstitucional. Nesta dimensão também estão incluídas a capacidade de identificar novas demandas institucionais e as demandas dos usuários, reconhecendo as contradições existentes no espaço socioinstitucional. A dimensão técnico-operativa é reconhecer e perceber a instrumentalidade do Serviço Social como uma dimensão do processo de trabalho que está diretamente relacionada às demais dimensões da profissão, identificando e criando mediações necessárias para a concretização de sua finalidade. Nesta dimensão, o assistente social demonstra a sua capacidade de orientar a população na identificação de recursos para atendimento e defesa dos seus direitos, fazendo e devolvendo perguntas a fim de estabelecer um movimento reflexivo e analítico. A dimensão sócio-afetiva se caracteriza pela postura crítica e autocrítica do assistente social em relação ao seu processo de trabalho, suportando e enfrentando dificuldades e impedimentos na construção de mediações para a realização do trabalho


O fim das

Um estetoscópio inteligente está ajudando a monitorar a eficácia dos tratamentos de cálculos renais

dores renais A pedra no rim, também conhecida como cálculo renal ou litíase renal, é uma doença muito comum, causada pela cristalização de sais mineiras presentes na urina. A crise de cólica renal é um dos eventos mais dolorosos que um paciente pode experimentar durante a vida. Mas essas dores estão com os dias contados, pois o monitoramento será mais eficaz com o lançamento de um estetoscópio inteligente, que está ajudando a monitorar a eficácia dos tratamentos de cálculos renais. A combinação inusitada é possível porque, ao contrário dos estetoscópios comuns, que os médicos usam para ouvir os batimentos cardíacos ou a respiração, este nem mesmo é precisa ser conectado continuamente aos ouvidos do profissional de saúde. O aparelho monitora sozinho os ecos das ondas de choque destinadas a destruir as pedras nos rins, permitindo dosar o tratamento e medir sua eficácia. Isso pode evitar que os pacientes submetam-se desnecessariamente a novas terapias ou façam exames de raios X desnecessários.

27 | setembro de 2012 |

Nefrologia

:: REGIÃO

ms

Estetoscópio inteligente O aparelho monitora sozinho o eco das ondas de choque que atingem as pedras, informando quando elas já foram trituradas o suficiente. “Nós registramos o som das pedras no início do tratamento, quando elas estão ainda intactas e fazem um som de tique; e esperamos por um “taque” para indicar o final do tratamento, quando a pedra foi quebrada,” explica o médico Tim Leighton, da Universidade de Southampton (Reino Unido). O aparelho está em testes em alguns hospitais ingleses antes de ser aprovado para venda.

| www.revistamateriadesaude.com.br


Fonoaudiologia

:: REGIÃO

ms

A obstrução nasal é uma das queixas mais recorrentes na prática clínica. Frequentemente, o paciente passa a respirar pela boca como mecanismo compensatório

D

respirador bucal Por Viviane Luhl Fonoaudióloga | CRFa 6817- RS

esde o nascimento do bebê até cerca de seis semanas a seis meses, sua respiração é exclusivamente nasal. O nariz é a via respiratória preferida e tem como funções essenciais aquecer, umedecer e filtrar o ar que respiramos. A obstrução nasal é uma das queixas mais recorrentes na prática clínica. Frequentemente, a obstrução nasal é crônica e o paciente passa a respirar pela boca como mecanismo compensatório. Por ser um distúrbio de alta prevalência na população e que acomete diferentes faixas etárias, pode passar despercebido e, até mesmo, considerado um hábito normal. Com o passar do tempo, o hábito de respirar pela boca ocasiona flacidez dos músculos da face, deformidades faciais, alterações de postura corporal, má oclusão dentária, insuficiência respiratória, sensação de cansaço, mau hálito, boca seca, falta de apetite e pouca qualidade no sono. As causas da obstrução nasal podem ser variadas, como: fatores anatômicos, mal formações congênitas, fatores inflamatórios, infecções, neoplasias, doenças sistêmicas e outras. Assim, é imprescindível a avaliação adequada destes pacientes principalmente frente à equipe multidisciplinar (otorrinolaringologista, fonoaudiólogo e ortodontista). Cabe ao otorrinolaringologista o diagnóstico da causa de obstrução nasal que leva a respiração oral. Definindo-se uma causa, define-se também o tratamento, cirúrgico ou clínico. Sem a elucidação da causa da respiração oral e seu devido tratamento, pode haver maior dificuldade no sucesso das terapias 28 | janeiro de 2013 |

A síndrome do

fonoaudiológicas e ortodônticas, pois continuará o estímulo para que o paciente respire pela boca. Características do respirador bucal: ∙ Posturas anormais, não só corporais como orofaciais; ∙ Aumento de infecções do aparelho respiratório; ∙ Estreitamento da arcada superior, do palato e das narinas pelo desuso; ∙ Lábio superior hipotônico, curto e elevado devido a pouca irrigação sanguínea; ∙ Gengiva hipertrófica; ∙ Língua com postura anormal e hipotônica; ∙ Olfato prejudicado, frequentemente acompanhado pela diminuição gustativa e redução do apetite; ∙ Má oxigenação cerebral, causando dificuldade de concentração e atenção e consequentes dificuldades de aprendizagem; ∙ Alterações nos processos de deglutição e mastigação. A terapia fonoaudiológica do respirador bucal deve ser realizada após o diagnóstico médico e, muitas vezes, após o diagnóstico ortodôntico. O principal objetivo da terapia de respiração é fazer com que o paciente perceba que tem condições de respirar pelo nariz. O tratamento é feito através de exercícios respiratórios, fortalecimento dos grupos musculares afetados e alongamentos, entre outros recursos.

| www.revistamateriadesaude.com.br


O processo de luto nas crianças

Psicologia

:: REGIÃO

ms

Por Juliane Pires Psicóloga | CRP 07 / 17523

A

s crianças têm uma forma de compreensão do mundo e dos acontecimentos que o compõem pautado pelo nível de desenvolvimento psicólogico, emocional e cognitivo em que ela se encontra, bem como o suporte social que lhe é concebido. Sendo assim, a forma como a criança vivenciará os processos de luto também se encontra permeado por essa esfera biopsicosocial. De acordo com a idade e o nível maturacional da criança, será dado por ela um sentido à morte. Por volta de 2 anos de idade, é uma fase de uma incompreensão total, na qual a criança não consegue ter um mínimo de entendimento a respeito e, portanto, não esboça muitas reações significativas. Entre 4 e 6 anos a criança tem um entendimento da morte como temporária e reversível, ou seja que a ausência de determinada pessoa não será para sempre e que em algum momento retornará, o que não torna a morte ameaçadora. Aproximadamente entre 9 anos e 11 anos, a criança começa a compreender a irreversibilidade da morte, e que ela não é algo temporário e sim definitivo, conseguindo simboliza-lá e não mais compreendê-la como uma forma de castigo, e sim como algo natural, que acontece a todos e, portanto, causador de angústia. Contudo, independente da fase de desenvolvimento na qual a criança se encontre, a forma como essa morte será comunicada a ela vai ser fundamental para a formação do conceito e noção da mesma. Nesses casos, a verdade deve sempre prevalecer e a vontade da criança respeitada. Inventar histórias que a pessoa viajou, ou foi trabalhar, pode alimentar um entendimento por parte da criança de que a ausência e separação da pessoa realmente é temporária e que haverá um retorno, gerando imensa ansiedade pela espera contínua. A maneira como é transmitida essa verdade também será imprescindível para a criança elaborar a situação. Mesmo que a morte seja abordada através de explicações mais objetivas ou mais lúdicas, deve-se tentar ao máximo compreender qual entendimento e qual fantasia a criança teve sobre o que foi transmitido à ela, usando palavras e experiências que sejam compreendidas pela criança. Mesmo a morte sendo comunicada adequadamente para a criança, as reações do restante de sua família também farão parte do processo de elaboração do luto. A reação dos adultos tende a variar entre uma tristeza profunda ou tentativas de fingir que nada aconteceu. Ambas as reações podem gerar na criança sentimentos de intranquilidade e depressão, e uma necessidade maior por parte dela de negar o que aconteceu. Encontrar um ponto de equilíbrio em meio a esse turbilhão

de sentimentos, seria o mais adequado. Assim como as reações dos adultos são importantes nesse contexto, as reações da própria criança merecem uma atenção especial. Inquietação, irritação, sentimentos de culpa, agressividade, agitação, alterações de sono, de apetite, dificuldade de atenção, e falta de interesse em suas atividades lúdicas, são algumas das manifestações típicas ao luto. Perguntas frequentes e repetitivas sobre a situação que envolve a perda e separação de uma pessoa significativa, também é normal. É o meio que a criança encontra de continuar em contato com a história da pessoa que desapareceu, de ver a forma como os outros reagem, conseguindo assim dar um significado a essa morte e construir a sua história. Ao contrário, algumas se recusam a falar sobre o assunto, pois levam mais tempo para compreender o que é essa ausência e as emoções derivadas dela. O importante é a criança sentir que tem permissão e um canal aberto junto a sua família para se expressar. Sendo assim, o processo de luto nas crianças é permeado tanto pelo seu desenvolvimento psicólogico como pela sua esfera social. Nesse sentido, é importante ficar atento as reações que a criança terá considerando sua faixa etária e o contexto no qual se encontra inserida, atentando sempre para a sua frequencia e intensidade dessas reações. E, caso prejuízo social e acadêmico seja detectado, procure o auxílio de um profissional.

Os processos de perda irreversível como a morte, são processos difíceis de serem vivenciados e elaborados, principalmente para as crianças

| setembro de 2012 | 29


Centro de Especialidades Ortopédicas e Traumatológicas de Gravataí - CEOT Dr. Fernando Sanchis (Coluna Vertebral) | Dr. Paulo Velasco (Ombro) | Dr. Roberto Schwanke (Joelho) Dr. Ricardo DeBona (Joelho) | Dr. Tiago Sumi (Ombro) | Dra. Ronise Ribeiro (Ortopedia Pediátrica) Leohnard Bayer (Mão e Cotovelo) | Dr. Pablo Lessa (Quadril) | Dr. Renato Castro (Dr e Acupuntura) Dr. Pedro Kanan (Pé e Tornozelo) | Dr. Marcelo Tafas (Coluna Vertebral) Dr. Fabrício Brinco (Mão e Cotovelo) | Dr. Alfredo Sanchis (Quadril)

Fibromialgia, síndrome fibromiálgica Por Marcelo Tafas Ortopedista e Traumatologista | CRM 26364

A

fibromialgia é uma doença reumática que se manifesta pelo aparecimento e cronicidade de dores pelo corpo, em vários pontos, geralmente associado com cansaço fácil, fadiga, estresse, depressão, ansiedade, diminuição da vontade sexual (libido). Pacientes com fibromialgia podem referir dores de várias maneiras: uns se queixam de dores em várias articulações, outros referem dores musculares. Também pode ocorrer de o paciente não conseguir precisar o(s) ponto(s) exato(s) da(s) dor(es), muitas vezes referindo “dor em todo corpo”. O sexo predominante é o feminino (80 à 90% dos casos). Geralmente os sintomas iniciam entre os 30 e 40 anos de idade.

Causas

• A fibromialgia tem causa desconhecida, embora existam estudos que sugerem haver níveis do hormônio serotonina abaixo do normal nos pacientes com fibromialgia. • Distúrbios emocionais, como estresse, ansiedade, depressão podem desencadear ou estar associados com a fibromialgia, embora não haja consenso médico sobre isso.

Sintomas

• Dor em vários pontos do corpo, de difícil tratamento, que tendem a cronificar; • Sensação de cansaço; • Desânimo; • Sintomas depressivos (tristeza, apatia, falta de perspectiva); • Falta de disposição e energia; • Alterações do sono; • Alguns pacientes apresentam sintomas de 30 | janeiro de 2013 |

ansiedade; • Aguns pacientes apresentam cefaleia persistente, sem outra justificativa clínica; • Falta de desejo sexual ou relações não satisfatórias; • Alguns pacientes podem apresentar sintomas intestinais (diarreia, prisão de ventre, dores abdominais, azia), sintomas ginecológicos (alteração do ciclo).

Tratamento

Ortopedistas e reumatologistas são os médicos mais indicados para o tratamento dessa doença. Além disso, preferencialmente deve ser um tratamento multidisciplinar, com médico, fisioterapeuta, psicólogo, educador físico. • Os medicamentos utilizados são os analgésicos e antinflamatórios, associado a anti-depressivos. Os opiódes e corticóides são também boas opções. • Fisioterapia / hidroterapia • Atividade física • Mudanças no estilo de vida: evitar fumar e ingerir bebidas alcoólicas em excesso, evitar atividades que causem estresse, praticar esportes regularmente, pegar sol diariamente nos horários recomendados, alimentar-se corretamente e procurar realizar atividades prazerosas. • Psicoterapia está indicado quando os sintomas emocionais prevalecem. • Outras modalidades: acupuntura, RPG, Pilates, Shiatsu, Massoterapia, Terapia por Ondas de Choque (TOC) quando pontos dolorosos são facilmente identificados, Musicoterapia, Quiropraxia. Lembre sempre, não utilize medicamentos por conta e não realize nenhum tipo de atividade física e terapêutica sem antes consultar um médico. Estamos à disposição em nossos locais de atendimento.

| www.revistamateriadesaude.com.br

Ainda não existe nenhum exame que detecte a doença, o diagnóstico é feito na consulta médica, na conversa médico – paciente


31 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br


32 | janeiro de 2013 |

| www.revistamateriadesaude.com.br

Matéria de Saúde 17ª edição  

Janeiro de 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you