Page 1

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

BIOCOM FALA SÓ

Sebastião Lucas & Ferraz Cabuza PÁGINA 03

“A maturidade da nossa equipa melhorou muito”. PÁGINA 04 “A Biocom não está imune às dificuldades macroeconómicas do país”. PÁGINA 07 “Precisamos seguir as regras de segurança”. PÁGINA 11

JUNTOS SOMOS MAIS A importância do trabalho da Comissão Sindical. PÁGINA 06

I: Inovação e criação

de novos caminhos e estratégias.

1


Com a palavra... de produção, podemos afirmar que estamos no caminho certo. Os resultados relacionados a eficiência alcançados na produção e manutenção são notáveis. Recordes na extração de pol, superação das metas de Eficiência Geral Industrial (EGI) e aproveitamento de tempo são alguns dos resultados expressivos obtidos até aqui. Por trás de todos estes resultados está VOCÊ! Você mesmo, que luta todos os dias com profissionalismo, que aproveita as oportunidades para desenvolver a técnica e comportamento, que ensina, que produz, que cuida da segurança de si e da equipa.

O ano de 2018 começou repleto de desafios para a Biocom. Metas cada vez mais arrojadas, mas a certeza de fazer parte de um time vencedor. E é incrível como uma equipa forte e determinada se auto encoraja na superação de obstáculos.

Na contínua busca por alto rendimento no que tange a qualidade e produtividade com baixo custo, precisamos focar as nossas atenções nas operações seguindo os procedimentos, controlos de processo, análise de falhas, melhoria contínua, segurança do trabalho, manutenção preditiva/preventiva e no planeamento de manutenção de Entressafra. Devemos buscar sempre mais e evitar erros.

Após uma Entressafra de grandes conquistas na área Industrial, iniciamos a Safra com a convicção de que as metas estabelecidas seriam superadas e, após 100 dias

A Biocom nasceu grande e cabe a cada um de nós fazer a nossa parte para que ela continue dando frutos para Angola e para o nosso povo!

Jefferson Fernandes Responsável Industrial

Biocom na Mídia

Fernando Koch presta declarações à TPA

O investimento feito pela Biocom na produção de açúcar na região de Capanda foi destaque nos medias durante o mês de Junho. A produção de açúcar e a participação da Empresa na Ambiente Angola 2018 também conquistou grande destaque nos principais veículos do país.

EXPEDIENTE

2

Mukanda Biocom – Ano 3 – Edição 19 – Jun/Jul 2018

Projecto gráfico e editorial: NC – Núcleo de Comunicação

Publicação institucional editada pela Biocom

Contacto: imprensa@biocom-angola.com

- Companhia de Bioenergia de Angola Lda.

Director Geral: Carlos Henrique Mathias

Responsável: Sector de Comunicação Social - Biocom

DISTRIBUIÇÃO INTERNA E GRATUITA

Tiragem: 2.200 exemplares

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018


Todo cuidado é pouco Acompanhe a breve experiência de dois Integrantes da Biocom que foram vítimas de acidentes no local de trabalho. Sebastião Lucas e Ferraz Cabuza contam-nos as suas histórias:

Sebastião Lucas

Sebastião Lucas trabalha no Canavieiro (Sector Agrícola) da Empresa e convive, hoje, com a perda parcial de um dos dedos.

MUKANDA: Como foi socorrido, sendo que estava no meio da produção agrícola? Assim que os colegas tomaram conhecimento do acidente, comunicaram ao nosso Líder e, prontamente, prestaram o socorro. Fui transportado por uma ambulância até o ambulatório da Biocom onde recebi os primeiros socorros e, em seguida, fui transferido para uma clínica de referência em Luanda.

MUKANDA: O que aconteceu no dia 31 de Outubro de 2017? Trabalho na área do Canavieiro, no Sector Agrícola. Certo dia, eu e mais três colegas, tentávamos desatrelar um camião, foi quando um ferro saltou e bateu-me no dedo da mão e causou um ferimento.

MUKANDA: Agora como vê as questões de segurança? Depois deste acidente passei a prestar maior atenção no local de trabalho. Além disso, as equipas de segurança do trabalho têm intensificado as acções de sensibilização e, muitas vezes, usam como exemplo, a minha experiência.

MUKANDA: Acha que poderia ter evitado este acidente? Faltou atenção.Tentei dar sinal, mas o colega não estava a dar conta. Então tentei imprimir mais força e o mesmo ferro saltou e bateu-me no dedo.

MUKANDA: Quer deixar algum apelo? Para os colegas que trabalham no campo, com máquinas, e outros instrumentos de corte, todo cuidado é pouco. Por isso, precisamos ter mais atenção, porque trabalhamos em constante situação de risco.

O Operador Júnior de Processo Industrial, Ferraz Quinonga Cabuza, trabalha no tratamento de caldo, e também foi vítima de um acto de negligência no trabalho, que acabou por causar-lhe uma queimadura parcial do corpo.

MUKANDA: Nunca teve instruções sobre segurança no trabalho? A Empresa passa informações sobre as medidas de segurança, tanto mais que antes de começarmos as actividades temos mantido diálogos diários em que é reforçada as medidas de segurança.

Auxiliar de Canavieiro

MUKANDA: Como foi que se acidentou? Num dia normal de trabalho, fomos orientados para abrir a porta de um equipamento chamado “Aquecimento de Caldo”, que, segundo os procedimentos de segurança, não podíamos abrir sem antes deixar esfriar, mas, infelizmente, não cumprimos com este procedimento de segurança. MUKANDA: Por que abriram a porta se sabiam de antemão que seria perigoso? O colega que me acompanhava começou a retirar os parafusos da parte superior do equipamento com uma chave pneumática, e, como ele garantiu-me que estavam assegurados os procedimentos de segurança, dei sequência ao trabalho retirando os parafusos da parte inferior do mesmo equipamento. Infelizmente, a porta abriu com muita pressão e acabei por me queimar.

MUKANDA: Depois desta situação, o que tem a dizer para os outros Integrantes? Precisamos seguir as regras de segurança, não devemos apenas depender da confirmação dos colegas. É necessário ter a certeza daquilo que estamos a fazer, constatar se existem condições para executar a tarefa para evitar acidentes.

Ferraz Cabuza Operador Júnior de Processo Industrial

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

“É necessário constatar se existem condições para executar a tarefa para evitar acidentes”.

3


De acordo com o Coordenador Agrícola, Ailton Júnior, 2018 continua a ser um ano de bons resultados em termos de superação da “maturidade” e da eficiência operacional que superaram os índices do ano anterior. “Estamos na quarta Safra e a maturidade da nossa equipa melhorou muito, considerando os números alcançados em termos de Colheita, tivemos menos perdas e acidentes. A nossa eficiência operacional está acima dos 95%, o que significa que temos menos máquinas paradas e mais envolvimento dos Integrantes no trabalho”, informou.

“A maturidade da nossa equipa melhorou muito”.

Coordenador Agrícola, Ailton Júnior

ANO DE BONS RESULTADOS

Ailton Júnior considera ser animador o processamento de cana-de-açúcar, sendo que 380 mil das 875 mil toneladas de cana-de-açúcar já foram processadas. “É mais um recorde a ser alcançado a nível da Biocom”, afirmou o Coordenador da Área de Corte Carregamento e Transporte (CCT). De acordo com o Coordenador, os números significam, em termos de maturidade e eficiência operacional, que as três frentes de CCT estão a trabalhar com maior eficácia.

Durante o Ano Agrícola, a Biocom realiza duas fases distintas: a Safra e a Entressafra. Em Abril deste ano, terminou o ciclo da primeira fase (Entressafra) em que ocorre a manutenção das máquinas e equipamentos visando assegurar maior produtividade no ciclo seguinte (Safra).

#Conquista Iniciamos um novo ciclo quebrando um recorde! Alcançamos a marca de 7.740 toneladas de calcário produzidos no mês de Julho. Nosso compromisso é crescer atingindo os melhores resultados. Projectamos quebrar esse recorde no mês de Agosto, com uma produção de 8.500 toneladas! Por mais desafios e novas conquistas. #juntossomosmais

Novo recorde da Safra 2018 da Biocom!

7.740 ton

Produção de Calcário.

4

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018


COMUNIDADE

Stand Biocom

FEIRA INTERNACIONAL DE TECNOLOGIAS AMBIENTAIS & FILDA 2018 Tal como no ano passado, a Biocom participou da 6ª edição da Feira Internacional de Tecnologias Ambientais, que decorreu, de 05 a 08 de Junho, sob o lema “Promover o crescimento verde em todos os sectores da economia”. Durante o evento, que aconteceu na Baía de Luanda, a Biocom apresentou os seus produtos, além dos participantes poderem realizar uma viagem de 360º num vídeo 3D que apresenta a Unidade Agro-industrial, em Cacuso - Malanje.

O Director de Produção, Ricardo Guerra, apresentou como é feita a “Geração de energia através do bagaço da cana”, que é usada na Biocom, numa palestra que contou, inclusive, com a presença de estudantes do Ensino Médio. A presença da Empresa na Feira Internacional de Luanda (FILDA) 2018 teve como objectivo principal apresentar ao público o KAPANDA, o açúcar produzido pela Biocom. “Apresentamos um stand que valorizava o nosso açúcar com o KAPANDA em 5g, 1Kg e 50Kg, aproveitando, desta forma, para conquistar potenciais Clientes e mostrar mais uma vez a marca do nosso produto”, explicou o Supervisor de Comunicação, Mondlane João, que esteve presente em ambas as feiras.

FILDA 2018

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

5


CAPA

A IMPORTÂNCIA DA COMISSÃO SINDICAL Reconhecendo o papel e valor representativo da Comissão Sindical, a Biocom vem ajustando e criando medidas que visam a satisfação mútua entre as partes (Comissão Sindical e Empresa), valorizando o “diálogo e a cordialidade”. “Os problemas são resolvidos por meio do diálogo, da cordialidade e da fluidez na comunicação”, salientou o Coordenador de Administração de Pessoas, Emiliano Gonçalves, afirmando que, quando “há diálogo e cordialidade” a relação entre as partes torna-se “favorável e o Sindicato passa a funcionar como um parceiro”. Continuando, Emiliano disse que o Sindicato ajuda a “melhorar a intervenção sobre os anseios e preocupações dos Integrantes”, a prevenir “riscos, como as paralisações ou mesmo manifestações”, dando margens para uma melhor participação da Empresa. Considerando o facto de a Biocom ter mais de 2 mil trabalhadores, torna-se indispensável a existência de uma Comissão Sindical. “É importante que as empresas com a dimensão da Biocom tenham sempre uma Comissão Sindical, porque ela abre as portas para o diálogo entre os que reivindicam determinados direitos e o patronato”, sublinhou, acrescentando que o Sindicato “é a forma mais adequada” de conhecer as preocupações dos Integrantes. A relação com a Comissão Sindical e a Empresa é importante apesar de ambas defenderem interesses diferentes que têm a ver com o bem-estar dos Integrantes e as questões de produtividade (maximização dos lucros), mas no final de tudo, acabam chegando no mesmo caminho.

Emiliano Gonçalves

Coordenador de Administração de Pessoas

6

“É importante que as empresas tenham sempre uma Comissão Sindical”.

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018


HISTÓRICO A Comissão Sindical da Biocom nasceu há 4 anos, fruto da iniciativa de cinco Integrantes, que procuraram a UNTA - União Nacional de Trabalhadores de Angola na sede da província de Malanje, para a sua constituição. Deste modo, o Assistente PL - Administrativo e Secretário para Administração e Finanças da Comissão Sindical, Edgar Mulombo, disse que o órgão conta, desde a data da sua criação, em 2014, com 32 Delegados de Áreas e 6 membros do Secretariado. Edgar avança que a flexibilidade da administração da Empresa na satisfação das regalias tem ajudado a conter possíveis crises. “Se os nossos Direitos não estivessem a ser salvaguardados, talvez estaríamos a entrar no mesmo caminho das paralisações tal como assiste-se um pouco por todo país. Mas o entendimento que temos estado a alcançar junto da entidade empregadora, garante a tranquilidade no seio dos Integrantes”, assegurou. Este responsável disse, também, que as reivindicações feitas pelo Sindicato junto da administração da Biocom foram satisfeitas parcialmente, apontando a actual situação financeira. “Cerca de 50% de tudo que solicitamos já foi atendido e pensamos que a outra parte depende muito da situação financeira que a Empresa enfrenta”, reconheceu, frisando que “a Biocom não está imune às dificuldades macroeconómicas do país”. O Sindicato, de acordo com Edgar, incide a sua actuação na consciencialização dos seus assistidos através de medidas pedagógicas que visam “prevenir os riscos e evitar remedeios”. “Este é o nosso maior foco, incutir nos trabalhadores a necessidade de prevenir os riscos e evitar remedeios, tentar levar a compreensão dos Integrantes qual o papel do Sindicato”, assegurou. A Biocom conta com cerca de 1874 trabalhadores nacionais e 139 expatriados, perfazendo 2013 trabalhadores que são, igualmente, representados pela Comissão Sindical.

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

Edgar Mulombo

Assistente PL - Administrativo e Secretário da Comissão Sindical

7


ças Evento para as crian

Mes

das

riancas

FESTIVIDADES DO MÊS DE JUNHO O mês de Junho é dedicado à criança em África e em todo o mundo. Por isso, anualmente, centenas de actividades marcam as comemorações do Dia da Criança Africana, bem como do Dia Internacional da Criança. A Biocom realizou, nos dias 01 e 15 de Junho, em Cacuso, província de Malanje, duas actividades recreativas que marcaram a vida de mais de 350 crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 16 anos. De acordo com o responsável da área Social, João Bernardo, “a criança é uma prioridade absoluta” para a Biocom. “Este ano festejamos com as crianças da área Social, da comunidade adjacente do Carima, e os filhos dos Integrantes”, assegurou. O primeiro evento contou com cerca de 180 crianças da comunidade do Carima, que participaram do hilariante “1 de Junho”, dentro das instalações da Usina. As crianças participaram de várias acções, com destaque para a visita guiada em torno das instalações da Biocom, onde puderam conhecer de perto os processos da Empresa.

Por outro lado, a actividade que marcou as festividades do Dia da Criança Africana, foi repartida em dois momentos – uma no período da manhã e outra no final do dia. Participaram do primeiro momento deste evento 50 crianças que além das brincadeiras lúdicas, participaram de concursos. “Os filhos dos Integrantes da Biocom foram convidados a conhecer melhor o local de trabalho dos seus pais, a fim de estimular o interesse, no futuro, destas crianças pretenderem trabalhar na Biocom”, afirmou. Na sequência desta actividade, no período de tarde, a Empresa reuniu no seu campo multiusos, todos os praticantes das modalidades desportivas que a Biocom apoia no âmbito da sua responsabilidade social. Com o lema “Miúdo bom de bola, miúdo bom na escola”, os praticantes de Futebol, Capoeira, Jiu-Jitsu, Judo, celebraram esta efeméride incutindo o sentido do “gosto pelos estudos”, sendo este o objectivo principal desta actividade em particular.

Para ambas actividades, os meninos da comunidade do Carima, os filhos dos “Elas ouvem falar da Biocom e por meio desta actividade, tiveram a Integrantes e os atletas que praticam as modalidades apoiadas pela Empresa, oportunidade de conhecer, parcialmente, a nossa Empresa, que até então era participaram de vários momentos lúdicos como: danças, jogos, concursos um sonho”, frisou. pedagógicos, em que receberam premiações. INFORMATIVO EDIÇÃO Nºalguns 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

8


CRIATIVIDADE E REDUÇÃO DE CUSTOS

A equipa de manutenção CCT da área de Equipamentos conseguiu adaptar a cabine de um modelo de colhedora desactivada em outro que estava danificado, conquistando assim, uma economia de aproximadamente Akz 36.108.858,84 nos custos para reactivação da máquina. De acordo com o Coordenador de Engenharia e Confiabilidade, Pablo Candido, a colhedora no modelo 3520 estava desactivada devido a depreciação contábil e custo de manutenção do activo, portanto, disse “foram

reaproveitados a estrutura da cabine e as partes do sistema de instrumentação da máquina”. Com a liberação do equipamento, a máquina já consegui colher 12.138 toneladas de cana, com um rendimento de RMC 329 tc/dia. “A colheita é uma das actividades mais importantes na agricultura da cana devido ao seu alto valor agregado, a colhedora é um equipamento de vital importância no momento da colheita”, reforçou.

EVITE ACIDENTES O seu futuro está nas suas mãos!

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

9


CAFÉ COM LÍDER Com o objectivo de dar voz aos Integrantes da Empresa, o Sector de P&O realizou, a 19 de Julho, mais uma edição do Café com Líder, que reuniu Integrantes de diversas áreas. Os 23 participantes do “turno B” tiveram a oportunidade de interagir abertamente, com os seus Líderes, durante uma hora, na qual fizeram contribuições, sugerindo melhorias, e receberam explicações sobre algumas medidas de administração da Empresa. Diálogo com Integrantes

POR DENTRO DA BIOCOM

O evento, que acontece pelo menos uma vez por mês, tem como objectivo permanente, a aproximação entre Líderes e Liderados através do diálogo franco entre as partes.

Mais de 100 Integrantes dos sectores de Desenvolvimento Agrícola e Mão de Obra (MDO) participaram, durante os meses de Junho e Julho, da edição do Por Dentro da Biocom, realizado na Unidade Industrial. O objectivo da actividade foi informar aos participantes sobre o papel que cada Sector da Empresa representa na cadeia de produção e desenvolvimento da Biocom. “O objectivo é simplesmente fazê-los perceber o papel que cada Sector tem dentro da Empresa, além de permitir a interacção entre colegas de Empresa”, disse o responsável da área Social, João Bernardo. Dos 100 participantes, 57 Integrantes vieram do Sector de Desenvolvimento Agrícola, que aproveitaram a oportunidade para entender os procedimentos do preparo do solo, plantio, colheita, transporte e a produção do açúcar, etanol e da energia eléctrica. Para a Analista de Laboratório, Esperança João da Silva, que trabalha na Empresa há 5 anos, a experiência “foi muito boa para quem nunca teve a oportunidade de conhecer a Agrícola”. “Conhecemos a área da plantação, da colheita, fomos informados como funciona uma colhedora, como planta-se a cana, em resumo foi uma experiência muito boa para todos nós”, enumerou, visivelmente satisfeita. Por outro lado, o Auxiliar de Produção Agrícola, Virgílio Manuel Malundo, destacou a visita, afirmando que conviveu “durante muito tempo com dúvidas” sobre os processos do Sector da Indústria. “No sector da Indústria, tomamos conhecimento de como funciona a mesa alimentadora, onde explicaram-nos sobre o funcionamento da mesma e como a cana é retirada do canavieiro”, disse, salientando que o fluxo de dúvidas que tinha, levou-o a saber mais sobre a identificação das variedades de canas plantadas.

10

Formação

P&O EM CAMPO No mês de Junho, o P&O em Campo instruiu os Integrantes sobre o processo interno de avaliação de carreira, que está a decorrer, desde Julho. Anualmente, todos os Integrantes recebem de seus Líderes um retorno formal sobre os seus desempenhos. Se por um lado os Integrantes têm um feedback sobre o seu trabalho, por outro, com os resultados, a equipa de P&O consegue planear quais os treinamentos necessários para melhorar os desempenhos das equipas. Os responsáveis pelo P&O em Campo efectuam visitas às frentes de trabalho, em todos os turnos. Nessas visitas, para além de serem abordados temas do Diálogo Diário de Segurança (DDS), são uma oportunidade de escutar as necessidades de cada Integrante. O P&O em Campo ministra ainda palestras para os moradores das comunidades no entorno da Biocom. “Como os nossos Integrantes vivem nessas comunidades, entendemos que as famílias deles precisam ter acesso ao mesmo conhecimento que eles obtêm na Biocom. Dessa forma, conseguimos fazer um trabalho efectivo de mudança de comportamento”, fala João Bernardo.

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018


Nosso Código de Conduta: Responsabilidade Social e Acções Disciplinares

Os Integrantes cumprem a sua responsabilidade social fundamental por meio do trabalho realizado com produtividade, com prestação de bons serviços de qualidade, atendendo à legislação, evitando desperdícios, respeitando o meio ambiente, os valores culturais, os direitos humanos e a organização social nas comunidades.

O Integrante que: descumprir a lei; descumprir qualquer política ou procedimento da Biocom; ter conhecimento de qualquer violação e deixar de reportá-la e permitir que um Integrante de sua equipa o faça.

Está sujeito à acção disciplinar adequada, até mesmo à demissão.

4 É proibida retaliação ou qualquer tentativa de prevenir, obstruir, ou dissuadir os Integrantes da Biocom em seus esforços para informar o que acreditem ser uma violação do compromisso aqui definido, o que se constitui também em razão para uma acção disciplinar, inclusive demissão.

INFORMATIVO EDIÇÃO Nº 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

11


FOTO REPORTAGEM

Maria Mole de Gelatina INGREDIENTES • 2 pacotes de gelatina • 300 ml de ågua • 150 gr. de açúcar Kapanda • 100 gr. de coco ralado MODO DE PREPARO: Coloque a ågua para ferver e quando estiver fervendo desligue e coloque a gelatina, mexa atÊ dissolver; Coloque na batedeira o açúcar KAPANDA e acrescente a gelatina; bata por cerca de 20 minutos ou atÊ dar ponto de suspiro; Unte uma forma com óleo e despeje a massa, coloque na geleira (1 hora) ou na arca (35 min); Corte no formato de sua preferência, passe no coco ralado e sirva. Mantenha na geleira.

A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento Neto, visitou os projectos apoiados pela årea Social da Biocom, voltados para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida de 220 crianças e jovens. Os projectos ganharam elogios por parte da ministra, que ainda interagiu com os miúdos.

Nesta edição do MUKANDA temos como grande destaque a importância da COMISSĂƒO SINDICAL para o quotidiano dos INTEGRANTES da BIOCOM. Os cuidados a se ter para evitar ACIDENTES de TRABALHO ĂŠ outro destaque do nosso INFORMATIVO. Boa LEITURA!

T

A

R

C

A

I

B

D

A

E

L

N

H

T

O

E

X

S

S

L

E

I

I

I

N

D

I

C

A

L

B

I

O

C

O

M

T

U

R

A

C

O

M

I

S

S

A

O

D

R

N

T

E

G

R

A

N

T

E

S

I

N

F

O

R

M

A

T

I

V

T

O

9LD$/(GLItFLR7UDQVEUDV2I¿FHž$QGDU Telefone de Contacto: +244 923 168 205

12

Telefone de Contacto: +244 923 168 200

INFORMATIVO EDIĂ‡ĂƒO NÂş 19 - JUNHO/JULHO DE 2018

S

Mukanda Biocom  

Jornal Biocom

Mukanda Biocom  

Jornal Biocom

Advertisement