Page 1

O Guia Prรกtico do seu Animal


Índice: Curiosidades sobre o seu animal…………………………..….….Pág.3 Alimentação……………………………………………………………..…...Pág.4 Higiene Oral………………………………………………….…………...….Pág.5 Banhos…….............................................................Pág.6 Pêlo………………………………………………………………………..……...Pág.7 Vacinação………………………………………………………………….…...Pág.8 Como saber se o seu animal está doente…………….…Pág.9/13 Como dar a medicação ao seu animal…………….….Pág.14 e 15 Como combater as pulgas…………………………………….….…Pág.16 Como viajar com o seu animal………….……………….Pág.17 e 18 Cuidados a ter com o seu animal no Inverno…….Pág.18 e 19 Cuidados a ter com o seu animal no Verão……….Pág.19 e 20 Esterilização do Cão e do Gato……………………………..Pág.21/23 Emergência e Urgência……..…………………..………………Pág.23/25 Os 10 Mandamentos dos Animais……………………….Pág.25 e 26

Hospital Veterinário do Porto © 2009

2


Curiosidades Sobre o Seu Animal - Muitos donos não sabem que… * O cão e o gato andam sobre os dedos e não sobre a planta dos pés como os humanos. As quatro almofadas dos dedos servem como amortecedores, diminuindo o impacto nas corridas e saltos.

* Membranas sensitivas situadas na parte interna do focinho do seu animal transmitem informações sobre o odor para uma região do cérebro muito desenvolvida, responsável perlo olfacto.

* O seu animal pode ouvir frequências de som que você não pode detectar. Ele não tem apenas uma audição aumentada, também possui uma habilidade quatro vezes maior que a do Homem de distinguir sons, que a nós parecem idênticos.

* Se o seu animal possui orelhas grandes, caídas e peludas, ele terá muito mais hipóteses de desenvolver otites (inflamação nos ouvidos), do que animais com orelhas pequenas.

* Se o seu animal tiver um focinho claro ou despigmentado (rosado ou esbranquiçado), terá de usar protector solar durante longos períodos de exposição ao sol (passeios ou caminhadas). Essa região sem protecção poderá desenvolver uma queimadura solar e até cancro de pele.

* O seu animal pode desenvolver doenças iguais às dos Humanos, como: diabetes, cataratas, hepatites, hipertireoidismo, entre outras.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

3


Alimentação

Cães e gatos têm exigências nutricionais muito diferentes dos humanos e, por isso, é um erro dar sobras de comida aos nossos animais.

Resto de comida, doces, massas e tudo o que não for prescrito pelo veterinário deve ser evitado, mesmo que o animal goste ou queira comer.

O animal que “pede” comida da mesa dos donos deve ser repreendido ou retirado do local das refeições familiares.

Mudanças alimentares devem ser feitas gradualmente ou o animal poderá apresentar diarreias.

Cães de raças grandes devem ser alimentados 2 vezes ao dia quando adultos.

Isto evita que ele coma grandes quantidades de alimento de uma vez, e venha a sofrer de torção do estômago (o estômago pode dilatar e girar sobre o seu eixo, causando obstrução nas saídas gástricas e intestinais).

Uma má alimentação pode causar uma série de problemas de saúde, como obesidade, complicações renais e digestivas, pois o equilíbrio alimentar de um cão ou gato está justamente na dosagem precisa de carne, cereais e legumes para satisfazer as suas necessidades de aminoácidos, glicose, proteínas, minerais e vitaminas, fundamentais para uma vida saudável.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

4


Higiene Oral

Não estamos habituados a tratar da higiene oral dos nossos animais de estimação, muitas vezes pensando que é apenas uma “futilidade”, algo somente estético, mas pensar assim é um erro.

Da mesma maneira que o ser humano, cães e gatos formam uma camada de bactérias na superfície dos dentes; a chamada placa bacteriana.

Sem os cuidados de higiene oral, ocorre um depósito de minerais sobre essa placa, originando o cálculo dentário conhecido por “tártaro”.

Muitas vezes a sensibilidade na cavidade oral faz com que o animal pare de comer, mesmo que sinta fome.

Conclui-se que aqueles dentes “amarelados” e o “mau hálito” dos nossos cães e gatos não são tão inocentes assim.

Por isso, mantenha sempre em casa os cuidados necessários com a higiene oral do seu animal, visitando regularmente o veterinário para diagnosticar possíveis problemas de saúde oral e realizar intervenções quando necessárias (como a limpeza do tártaro). Material: - Uma escova de dentes de criança ou uma própria para cães e gatos; - Pasta de dentes específica para animais.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

5


Banhos

Qualquer dono faz todos os possíveis para que o seu animal esteja sempre limpinho e cheiroso.

Como nem todas as pessoas têm condições ou tempo para levar o seu animal, uma vez por semana, a uma Petshop para um banho, aqui ficam algumas dicas para dar um bom banho ao seu animal.

Material: - Toalha; - Champô: Existem vários tipos e marcas. Escolha de acordo com a cor do pêlo ou a necessidade. Evite usar champôs humanos, pois podem causar alergias no cão ou no gato. - Condicionador: Indispensável para cães e gatos com pêlo longo. - Algodão; - Cortador de unhas; - Pente ou escova.

Antes de começar o banho é importante a protecção do ouvido. Coloque chumaços de algodão para que a água não entre e cause otite.

A água deverá ser morna, e enquanto estiver com o condicionador aproveite para lhe escovar os dentes.

No final não se esqueça de enxaguar muito bem o corpo todo, e limpe os ouvidos com o algodão humedecido. Hospital Veterinário do Porto © 2009

6


Pêlo Animais que têm o pêlo longo e fino necessitam de ajuda para mantê-lo bonito e saudável, evitando que ele se embarace.

O ideal é que o pêlo seja escovado cuidadosamente desde a raiz até às extremidades, todos os dias.

Para desembaraçar nós, utilize sempre um pente.

A hora da escovagem do animal, além de ser um momento de carinho e de proximidade entre o dono e o animal, ajuda a oxigenação da pele, retira os pêlos mortos (evitando que o animal os engula), e é o momento ideal para verificar a presença de indesejáveis pulgas ou problemas na pele do seu animal.

A tosquia é requerida em algumas raças por motivos estéticos, para facilitar os cuidados com a higiene e para aliviar o calor nas estações muito quentes.

A queda de pêlo pode estar associada a inúmeros factores como doenças de pele, carências nutricionais e doenças ou desequilíbrios em outros órgãos.

O pêlo é um dos “termómetros” da saúde e estado nutricional de cães e gatos.

Bem alimentado, saudável e escovado, o seu animal terá um pêlo invejável.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

7


Vacinação

Cães e gatos hoje em dia praticamente fazem parte da nossa família, muitos vivem dentro de casa em contacto com as pessoas, principalmente com crianças.

É muito importante que para além do cuidado com a higiene, haja também um cuidado especial com a saúde dos animais.

A principal forma de evitar doenças nos nossos animais é através da vacinação.

Quando filhotes, cães e gatos, devem ser vacinados mensalmente após o desmame, no segundo mês de vida.

A partir do término deste processo, o reforço deverá ser anual.

É, sem dúvida, o cuidado mais importante para os animais.

Para ser vacinado, o animal deve estar saudável, sem febre ou diarreia, e devidamente desparasitado.

Se isto não for observado pode ocorrer falha vacinal, ou seja, o organismo pode não responder plenamente à vacinação.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

8


Como saber se o seu Animal está doente

Infelizmente não é possível pedir ao seu animal que aja contra o seu instinto e revele os seus problemas e dores.

Cabe ao dono ser observador e saber o que analisar, para detectar atempadamente os problemas do seu animal.

A melhor forma de descobrir se o seu animal está doente ou não é observar o se comportamento.

O que observar…

- Olhos:

Devem estar brilhantes, sem inchaço ou secreção purulenta (amarelada);

Baixando a pálpebra inferior, a parte interna (conjuntiva) deve ser de cor rosada. Qualquer sinal de palidez excessiva (conjuntiva branca) pode indicar anemia.

Observe a parte escura dos olhos do seu animal e veja se existe sinais de manchas.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

9


- Ouvidos:

Examine a parte interna, externa e bordas das orelhas do seu animal. Observe se existem falhas ou crostas, que podem indicar ácaros ou sarna. Um ouvido saudável não tem secreção ou odor. Se notar cheiro fétido no ouvido do seu animal, bem como secreção amarelada, leve-o ao veterinário.

- Boca:

Levante o lábio superior e observe as gengivas. Elas devem estar rosadas, a palidez excessiva pode indicar anemia. A língua deve ter igualmente coloração rosada. Se o seu animal apresentar a de cor roxa (excepto os chow-chow) ou azulada após exercitar-se, consulte o veterinário. Observe se todos os dentes estão firmes e inteiros. Dentes moles ou quebrados podem causar dor ao animal. A presença de tártaro, placas duras e amareladas nos dentes, conferem mau hálito. Se for o caso, leve-o ao veterinário para uma limpeza dentária. Hospital Veterinário do Porto © 2009

10


- Focinho:

Normalmente ele deve estar húmido e frio e não deve conter secreção. Nariz seco e quente nem sempre indica febre. Se isso ocorrer, observe o animal e aguarde outros sinais como perda de apetite. No caso de febre, além do focinho, as patas e orelhas ficam muito quentes. Um focinho despigmentado (branco) exige a protecção de um filtro solar.

- Corpo:

O exame de órgãos internos não é possível ser feito pelo dono. No entanto, se houver problema em qualquer órgão haverá uma manifestação externa, como vómitos, diarreia, excesso ou falta de urina, ingestão exagerada de água, tosse, cansaço, dor ao mover-se, “engasgo” após exercício, etc. Se notar algum destes sinais, que perdurem mais de 2 dias, leve o seu animal ao veterinário. Observe se o seu animal está acima do peso. Este é um parâmetro muito subjectivo, pois aquilo que pode ser “obesidade” para o veterinário, pode não ser para o dono do animal. Hospital Veterinário do Porto © 2009

11


Se as costelas do seu animal estiverem “salientes”, é fácil deduzir que ele esteja abaixo do peso. Por outro lado, se o animal perder a “cintura” (curvatura da região do flanco), é sinal que ele esteja muito gordo.

A barriga inchada nem sempre é sinal de muita comida, o animal pode ter vermes. No caso das fêmeas é preciso examinar todas as tetas em busca de nódulos ou inchaços. As cadelas e gatas podem ter tumores nas glândulas mamárias. A castração é um método de prevenção.

- Pêlo:

Examine sempre com atenção o pêlo do seu animal. A queda uniforme de pêlos, sem apresentar falhas, pode tratar-se de muda anual.

Observe a presença de parasitas como pulgas ou carraças. Os animais podem ter piolhos, parasitas que não se movem, são pequenos e acastanhados.

Surgem em condições de higiene precárias em canis e gatis. Falhas na pelagem, crostas ou ferimentos devem ser analisados pelo veterinário.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

12


- Membros:

Alguns animais detestam que mexam nos seus membros. Tente diferenciar a dor do medo. As extremidades são zonas sensíveis, devido às almofadas, e estão expostas a perigos quando o animal sai à rua. Os membros devem ser verificados individualmente. Feridas, cortes ou objectos espetados devem ser tratados pelo veterinário. A zona entre os dedos não deve ter sujidade. As unhas não devem estar demasiadamente compridas, pois curvam e perfuram a pele. Leve o seu animal a cortar as unhas regularmente ou se souber como, corte-as em casa.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

13


Como dar medicação ao seu Animal Como dar comprimidos Dar comprimidos nem sempre é uma tarefa fácil para alguns proprietários. Para que o seu animal não fique traumatizado com a experiência, pode seguir estas dicas:

- Dar o comprimido misturado com comida:

A melhor maneira de tentar dar o comprimido ao seu animal é colocá-lo dentro de um pedaço da carne ou biscoito. Os cães certamente engolirão rapidamente a carne e o comprimido. Por seu turno, os gatos que são bem mais exigentes podem perceber a presença do comprimido pois costumam investigar e cheirar o que vão comer.

- Dar o comprimido directamente na boca: Sem dúvida é o melhor método, pois terá a certeza que o animal tomou a dose certa. Eleve um pouco o focinho do seu animal, abra-lhe a boca e coloque o comprimido bem no fundo da língua. Se não colocar o comprimido profundamente, é quase certo que ele vá pô-lo fora.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

14


Como dar medicamentos líquidos

- Misturar aos alimentos: Se o liquido for adocicado, o seu animal aceitará facilmente sem qualquer mistura.

- Dar directamente na boca:

Utilize uma seringa, sem agulha, que contenha a dosagem a ser administrada.

Abra ligeiramente a boca do seu animal e vá inserindo o líquido, aos poucos, no fundo da língua.

Se for difícil manter o seu animal com a boca aberta, coloque a seringa na parte interna da bochecha e vá inserindo o liquido.

Lembre-se que o focinho deverá estar um pouco elevado para que o líquido não venha para fora.

Nota: Após medicar o seu animal, dê-lhe uma recompensa ou algo que ele goste muito, para que ele associe o remédio com um momento de prazer.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

15


Como combater as pulgas É muito raro encontrar um animal que não tenha tido pulgas. As pulgas reproduzem-se com uma velocidade e facilidade incríveis e, se a infestação não for combatida logo no início, o problema toma proporções assustadoras.

Isso sem contar com as doenças causadas pelas pulgas.

Nunca aplique no seu animal produtos que são utilizados na casa, como insecticidas.

Banhos anti-pulgas devem ser dados com precaução, para que o animal não lamba o Champô.

Antes de usar qualquer produto no seu animal para as pulgas, consulte o seu veterinário, pois há o risco de utilizar produtos de cães em gatos o que pode colocar a vida deste em risco.

Proteja o seu animal das pulgas: - Dar banhos, frequentes, com champô anti-pulgas; - Utilizar produtos anti-pulgas de longa duração; - Tosquiar os animais, mais peludos, nas épocas mais quentes; - Evitar locais como jardins e canteiros, pois são focos de contágio de pulgas já que são frequentados por muitos animais.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

16


Como viajar com o seu Animal Quando o dono decide viajar chega a tão inquietante dúvida: “Levo ou não o meu cão (ou gato)?” Deve-se analisar sempre cada caso e cada animal, e levar em consideração alguns pontos, tais como:

- Distância: viagens muito longas e mudanças de ambiente são factores de bastante stress para o seu animal. Os gatos estranham muito mais um novo ambiente do que os cães. Regra Geral: Evite viagens muito longas.

- Clima: viajar com o seu animal no Verão, principalmente de carro, é algo preocupante. O cão e o gato não suam, e a temperatura corporal irá elevar-se em ambientes muito fechados. Se levar o seu animal, programe viajar em horários mais frescos (como à noite), e pare frequentemente para ele urinar e beber água.

Leve-o sempre no banco de trás utilizando cintos de segurança próprios para animais ou, no caso dos gatos, dentro das transportadoras.

- Meio de Transporte: os mais comuns são o carro e o avião. Se a distância for grande, mas a viagem for feita de avião, o factor stress será menor. Cães e gatos viajam bem de avião, mas há regras impostas pelas companhias aéreas, como: dimensão e tipo de caixa de transporte, necessidade de sedação, número de animais por voo, etc.… Hospital Veterinário do Porto © 2009

17


- Idade e Condições de Saúde: evite viajar com animais idosos, principalmente aqueles cujas condições de saúde requerem mais cuidados. Animais com menos de 4 meses que ainda não tenham completado a vacinação, só devem viajar em caso de necessidade. Muitos animais costumam vomitar nas viagens. Consulte o veterinário quanto a medicar o animal contra vómitos. Nunca o alimente antes de viajar, leva água e faça paragens regularmente.

Cuidados a ter com o seu Animal no Inverno Quando a temperatura começa a baixar não são só os humanos que sentem frio, os animais também o sentem. Os mais afectados são os animais De pelagem curta. Podemos observar que no frio, Algumas doenças aparecem com maior frequência. Assim devemos preparar os nossos animais para o Inverno. O animal pode apresentar sinais clínicos que lembram muito a gripe humana, com tosse, espirros, febre e falta de apetite. A esse quadro clínico damos o nome de traqueobronquite ou tosse de canil.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

18


Essa doença pode aparecer em qualquer época do ano, porém, há uma maior predisposição nos meses frios, pela baixa temperatura. A doença pode ser causada por vírus, bactérias ou fungos e é altamente contagiosa entre animais, pelo seu contacto directo. Além das doenças respiratórias, os animais com problemas osteoarticulares como artrose, passam a sentir mais dor quando expostos a baixas temperaturas. Choques de temperatura, como dar banho, secar o cão com secador e sair em seguida com ele à rua, será prejudicial seja ele jovem ou não.

Conselhos úteis: - Evite banhos em dias muito frios; - Mantenha o pêlo do seu animal mais comprida no Inverno; - Cães de pêlo curto podem vestir Bodies que estão há venda nas Petshops; - Leve-o a passear à rua em horários mais quentes do dia (das 11:00 às 15:00);

Cuidados a ter com o seu Animal no Verão Cães e gatos, ale do pêlo, que piora a sensação de calor, não possuem glândulas de suor, ou seja, eles não suam como as pessoas. Sem esse recurso, os animais mantêm a boca aberta nos dias quentes, fazendo com que o ar entre e arrefece o seu corpo. Quanto mais calor tem, mais ofegantes ficam. Com essas “desvantagens”, dá para concluir que os animais podem passar maus momentos com o calor. Hospital Veterinário do Porto © 2009

19


As raças de cães muito peludas e adaptadas a Invernos rigorosos sofrem ainda mais, pois além do pêlo e a falta de glândulas de suor, possuem uma camada de gordura sob a pele, para protegê-los do frio.

Para garantir o bem-estar do seu animal no Verão, damos algumas dicas:

- Coloque sempre água fresca no bebedouro do seu animal, e vá trocando durante o dia;

- Não leve o seu animal a passear nos horários quentes do dia. Leve-o mais ao final do dia, pois é o momento mais fresco do dia.

- NUNCA deixe o seu animal dentro do carro, mesmo que deixo os vidros semiabertos;

- Se o seu animal estiver bastante ofegante num dia quente, passe-lhe um pouco de água fresca pelo corpo.

- No caso das aves deixe uma tigela com água, para que o pássaro possa refrescar-se. A gaiola deve ficar sempre à sombra;

- Pequenos roedores como hamsters podem sentir muito calor no Verão. Deixa a gaiola num local fresco, sombreado e arejado durante o dia;

Os sinais que nos mostram que o animal está com muito calor são bem fáceis de observar: boca aberta e respiração ofegante, deitar-se em locais com piso frio com os membros traseiros abertos, beber muita água (em dias quentes) e procurar sempre uma sombra. Garanta que o Verão seja uma época agradável para o seu animal.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

20


Esterilização do Cão e do Gato Quando esterilizamos um animal serão Retirados os testículos, no macho ou Os ovários e útero, na fêmea. Com esse processo, cadelas e gatas Não acasalarão mais, pois o contacto Sexual com um macho está dependente De alterações hormonais que ocorrem No cio. Não tendo mais cios, a fêmea não permitirá a aproximação de um macho para o acasalamento. Os machos, após a castração, também não terão o estímulo hormonal para acasalarem. Além da castração, existem métodos de esterilização dos animais: a vasectomia (macho) e a laqueadura (fêmea). Nestes casos, os órgãos sexuais não são retirados mas é feita uma interrupção na passagem dos óvulos, no caso das fêmeas ou dos espermatozóides, no caso dos machos. Os animais continuarão a acasalar, mas serão inférteis. A laqueadura e a vasectomia são bons métodos de controlo populacional em animais, porém, existem alguns pontos desvantajosos, tais como: Em Gatos: - Não evita que os machos urinem pela casa para marcar território, e continuarão a fugir para procurar fêmeas; - As gatas continuarão a ter cios após a laqueadura, e essa cirurgia não evitará a ocorrência de doenças uterinas; Em Cães: - O pós-operatório da vasectomia pode ser doloroso por processo inflamatório na bolsa escrotal; - O desejo sexual do macho não diminui, o que continua a ser um problema para animais que não encontram fêmeas para cruzar, têm o hábito de subir às pernas dos seus donos ou urinam pela casa para marcar território;

Hospital Veterinário do Porto © 2009

21


- As fêmeas continuarão a ter cios após a laqueadura e a cirurgia não evitará a ocorrência de doenças uterinas e tumores de mama. Embora a laqueadura e a vasectomia sejam feitas em animais, o uso não é frequente. A castração é o melhor método de esterilização. A castração tem um efeito bastante positivo no comportamento do seu animal, deixando-os mais calmos. A castração não produz nenhuma Alteração significativa na Personalidade do seu animal.

Vantagens da castração no comportamento dos machos: - Diminui a agressividade para com outros machos; - Acaba com a marcação de território com urina; - Acaba com o “montar” noutros animais ou em pessoas; - Diminui as reacções instintivas e o stress, tornando o macho mais calmo; - No caso dos gatos, têm menor tendência a fugir de casa, diminuindo assim o risco de contraírem doenças transmitidas pelo acto sexual ou ainda doenças transmitidas por mordeduras.

Vantagens da castração no comportamento das fêmeas: - Deixam de ter cio, o que elimina o típico comportamento de “choro”durante a época de acasalamento; - Diminui o risco de contraírem doenças transmitidas pelo acto sexual ou ainda doenças transmitidas por mordeduras; - Evita a ocorrência de doenças uterinas e tumores mamários.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

22


Do ponto de vista de uma família, a esterilização torna normalmente os animais muito mais adequados para ter em casa, uma vez que os comportamentos associados ao cio (nas fêmeas) e à marcação de território com urina (nos machos) desaparecem ou são minorados.

Emergência e Urgências Cada proprietário deverá saber como agir em situações onde os primeiros socorros são os mais importantes para o seu animal.

A vida dele poderá depender do seu imediato auxilio até que o socorro veterinário seja possível.

Saiba como agir em casos como atropelamentos, hemorragias, envenenamentos, etc.…

Analise se o caso é de emergência ou urgência

Emergência – requer medidas imediatas, das quais a vida do seu animal irá depender. Exemplo: hemorragia, paragem cardíaca e/ou respiratória, atropelamento, envenenamento, choque eléctrico, afogamento, etc.… Urgência – são casos de menor gravidade, mas que devem ser socorridos a tempo para que o seu animal não tenha complicações mais graves. Exemplo: vómito ou diarreia intensos, piometra (infecção uterina), ausência de urina por mais de 24h, convulsões, etc. …. Seja qual for o caso, procure manter a calma… Em desespero, o proprietário pode cometer erros ou não conseguir colocar em prática uma medida simples, mas importante.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

23


Avalie sempre se o seu animal entrou em estado de choque… Este estado significa um deficiente suprimento de sangue para os órgãos vitais, e pode ser fatal.

Os sintomas do estado de choque são: - Temperatura corporal baixa, principalmente nas extremidades como membros e orelhas; - Batimentos cardíacos acelerados; - Respiração acelerada; - Pode ou não haver perda de consciência; - Gengivas muito pálidas. O animal pode entrar em choque em casos de hemorragia grave, atropelamento, envenenamento, choque eléctrico intenso, desidratação grave, queimaduras graves e outras situações de emergência.

O que fazer: - Manter o animal deitado de lado; - Manter a cabeça e região do tronco mais baixos do que a parte traseira do corpo. Isso irá garantir que o sangue chegue ao cérebro e coração; - Manter o animal aquecido: enrole-o num cobertor e coloque uma botija de água quente próximo dele. - Estanque qualquer hemorragia existente: aplicando 26 um pano limpo sob a ferida, e pressionando firmemente.

- Transporte ou movimente o animal delicadamente para evitar traumatismos maiores. Se possível improvise uma maca com uma toalha grande ou cobertor; - Procure auxílio veterinário o mais rápido possível. Para isso, tenha sempre à mão o telefone e morada do hospital veterinário ou de uma clínica veterinária com urgências 24h.

Lembre-se que o mais importante é manter a calma e transportar, delicadamente, o seu animal para o hospital onde um profissional poderá socorrê-lo.

Hospital Veterinário do Porto © 2009

24


Nunca tente tratar do seu animal por conta própria nem perca tempo em levá-lo até um profissional de medicina veterinária.

Os 10 Mandamentos dos Animais Os 10 Mandamentos para quem tem animais em casa: A minha vida deve durar entre 10 a 15 anos. Qualquer separação do meu dono será muito dolorosa; Dêem-me algum tempo para entender o que vocês querem de mim; Tem confiança em mim, pois é fundamental para o meu bem-estar; Não fiques zangado comigo durante muito tempo, e não me prendas em nenhum lugar como castigo. Tu tens o teu trabalho, os teus amigos e as tuas diversões. Eu só te tenho a ti!; Fala comigo de vez em quando. Mesmo que eu não entenda as tuas palavras, compreendo muito bem a tua voz e sinto o que me estás a dizer; Fica ciente que, a maneira como me tratas, ficará sempre gravado em mim; Antes de me bateres, lembra-te de que eu tenho dentes que te podiam magoar, mas eu nunca os usei contra ti; Antes de me censurares por eu ser preguiçoso ou teimoso, observa se há alguma coisa que me esteja a incomodar. Talvez eu não me esteja a alimentar bem, pode ser que eu esteja doente, ou o meu coração está a ficar velho e cansado. Ou simplesmente eu esteja a precisar de atenção e carinho; Cuida de mim quando eu ficar velhinho. Tu também vais ficar e vais querer alguém do teu lado a cuidar de ti; Hospital Veterinário do Porto © 2009

25


Não te afastes de mim nos meus momentos difíceis ou dolorosos. Nunca digas “prefiro não ver” ou “faça quando eu não estiver presente”. Tudo é mais fácil para mim, quando estás do meu lado!

Cuide bem do seu animal de estimação pois eles são aos nossos amigos verdadeiramente leais, nos bons e maus momentos da nossa vida!

Hospital Veterinário do Porto © 2009

26

Guia Prático do seu Animal  

Um guia prático para que possa fornecer ao seu animal de estimação uma melhoria nos cuidados e atenção, proporcionando-lhe assim uma melhor...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you