Page 1

REGULAMENTO 2014


SUMÁRIO CAPÍTULO I

- DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO II

- DA ORGANIZAÇÃO E DIREÇÃO DA COMPETIÇÃO

CAPÍTULO III - DA FORMA DE DISPUTA CAPÍTULO IV - DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE CAPÍTULO V

- DA CONTAGEM DE PONTOS

CAPÍTULO VI - DAS INSCRIÇÕES E PARTICIPAÇÕES CAPÍTULO VII - DA ARBITRAGEM CAPÍTULO VIII - DA SUSPENSÃO, INTERRUPÇÃO E ADIAMENTO DAS PARTIDAS CAPÍTULO IX - DA JUSTIÇA DESPORTIVA CAPÍTULO X

- DAS APENAÇÕES

CAPÍTULO XI - DA PREMIAÇÃO CAPÍTULO XII - DAS DISPOSIÇÕES FINANCEIRAS CAPÍTULO XIII - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS


CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Liga de Futsal, Categoria Principal, será promovido pela LNGF (Liga Desportiva do Norte Goiano) juntamente com a Secretaria de Esporte de Porangatu. Art. 2º - A competição, de caráter oficial, terá como objetivo principal, possibilitar à todas as equipes / atletas, apresentarem seus potenciais técnicos, estimulando assim a prática do futsal em nossa região e buscando novos valores para representá-lo, também, em competições a nível nacional. Art. 3º - As equipes inscritas aderem, incondicionalmente, ao Regulamento Geral do Campeonato Regional, a este Regulamento, às Regras Oficiais adotadas pela CBFS, às normas estabelecidas pela LNGF, como prévia e imperiosa condição de participação no evento. CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO E DIREÇÃO DA COMPETIÇÃO Art. 4º - A organização e direção da competição caberá única e exclusivamente à LNGF, que cumprirá e fará cumprir e observar este regulamento, as regras oficiais adotadas pela CBFS e as leis desportivas em geral. Art. 5º - Competirá à LNGF: a)

Cumprir e observar este regulamento e as leis desportivas em geral;

b)

Elaborar e fazer cumprir as tabelas dos jogos.

c)

Aprovar ou impugnar os resultados dos jogos após exames das súmulas e relatórios dos jogos;

d)

Determinar a perda dos pontos, como sanção administrativa, quando qualquer equipe tiver utilizado atleta ou membro da comissão técnica sem condições de jogo;

e)

Com base nos relatórios dos representante e dos oficiais de arbitragem da LNGF, enquadrar os infratores nas Medidas Disciplinares Automáticas; Remeter, se necessário ao CBJDD, as súmulas e relatórios dos jogos que contenham infrações cometidas no campeonato; Elaborar, periodicamente, com base nos resultados dos jogos realizados os boletins técnicos e a classificação geral.

f) g)

Art. 6º – A LNGF, se fará representar “IN LOCO” em todos os jogos programados, escalando o quadro de oficiais de arbitragem e principalmente, designando representante


com plenos poderes para dirimir quaisquer dúvidas e solucionar eventuais problemas que possam surgir relativos a competição. Art. 7º - Dos locais dos jogos serão observados:  Dimensões mínimas oficiais das quadras de jogo (25 X 15 m);  Que as quadras de jogo estejam limpas e que sejam cercadas com rede (fio de seda ou nylon) que possibilite maior segurança ao público presente;  Tenham vestiários limpos, com chuveiros para as equipes e para os árbitros;  Tenham iluminação adequada;  Policiamento condizente com a expectativa de público e importância do jogo, ficando estipulado o mínimo de 02 (dois) seguranças particulares;  E tudo o mais que a LNGF ou o Representante da partida solicitar. Art. 8º - As equipes inscritas no campeonato deverão indicar, antes do início da competição, a quadra onde mandarão seus jogos, a fim de que a mesma seja vistoriada pelo Departamento Técnico da LNGF. § Primeiro – A LNGF procederá a vistoria nos ginásios sempre que assim julgar necessário, podendo inclusive interditar os mesmos para realização de jogos oficiais, até que os problemas detectados sejam sanados. § Segundo – Não atendida as solicitações da LNGF ou do seu representante legal, quanto às condições da quadra de jogo, ficará facultado a mesma (LNGF), a transferência do jogo em tabela para o ginásio que melhor lhe convier. § Terceiro - O fato das condições locais dos jogos serem consideradas satisfatórias, não exime os clubes inscritos das prescrições previstas no CBJDD e multas previstas no Regimento Interno de Taxas da LNGF se, posteriormente aos jogos, vierem a ser apontadas por autoridades credenciadas, irregularidades às exigências oficiais. CAPÍTULO III

DA FORMA DE DISPUTA

Art. 9º . A Liga do Norte Goiano de Futsal – edição 2014, será disputado em conformidade com as regras oficiais adotadas pela CBFS, o Regulamento Geral do Campeonato LNGF (inclusive forma de disputa) aprovadas no Conselho Arbitral realizado na Escola LÍBER em Porangatu, no dia 15 de Janeiro de 2014. Art. 10º - A competição será disputada em 03 (três) fases distintas, a saber: 1ª FASE – Classificatória No masculino serão 15 equipes divididas em 03 (três) Chaves denominadas A, B e C com 5 equipes em cada chave, jogando entre si, classificando as duas melhores equipes de cada chave, e as 2 melhores equipes por índice técnico, que serão as 7º e 8º equipe classificada para 2ª fase.


No feminino serão 8 equipes divididas em 02 (duas) chaves com 04 (quatro) equipes, denominadas A e B jogando uma chave contra a outra e classificando as 04,( quatro) melhores equipes para segunda fase. 2ª FASE : QUARTAS DE FINAL - No masculino as equipes classificadas jogarão da seguinte forma: 1ºJg:1º x 8º , 2ºJg: 2º x 7º,3ºJg: 3º x 6º e 4ºJg: 4º x 5º. Será disputado em uma única partida com direito de igualdade para ambas as equipes, caso persistindo o empate no tempo normal será feita uma prorrogação de 2 tempos de 5 minutos, persistindo o empate o vencedor será conhecido através das cobranças de pênalti. Os 04(quatro) vencedores disputarão a semifinal. 3ª FASE – Semifinal: No masculino os semifinalistas serão conhecidos dos vencedores do 5ºjg: 1º jogo x 4º jogo e vencedores do 6ºJg:2º jogo x 3º jogo. Em uma única partida com direito de igualdade. Persistindo o empate no tempo normal será feita uma prorrogação de 2 tempos de 5 minutos, persistindo o empate o vencedor será conhecido através das cobranças de pênalti. Os vencedores passam à final. No feminino a semifinal, será jogada em duas partidas sendo uma chave contra outra, chaves denominadas, chave C e D, a chave C será formada pelos 1º colocados das chaves A e B, a chave D pelos os 2º colocados das chaves A e B, as equipes com maior pontuação obtida na fase passará para fase seguinte. Ao término da 2ª partida, caso tenhamos empates em números de pontos ganhos, entre as equipes, haverá uma prorrogação de 10(dez) minutos, divididos em 02(dois) tempos de 05 (cinco) minutos, sem intervalo para descanso, se persistir o empate, o classificado será conhecido através da cobrança de tiros livres diretos da marca penal.(Penalidades máximas). 4ª FASE – Finais: No masculino será disputada em 02 (duas) partidas, entre as duas equipes vencedoras do 5º e 6ºjogo da 3ª Fase , sendo que a equipe com melhor índice técnico, em todo o campeonato conforme artigo 11º do regulamento será beneficiado com o mando do segundo jogo. No feminino será disputada em 02 (duas) partidas, entre as duas equipes vencedoras da semifinal , sendo que a equipe com melhor índice técnico, em todo o campeonato conforme artigo 11º do regulamento será beneficiado com o mando do segundo jogo. CAPÍTULO IV DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE Art. 11º - Ao término da 1ª Fase (Fase Classificatória), para se apurar as quatro equipes classificadas para a 2ª fase, serão observados os seguintes critérios em ordem sucessiva de eliminação: 1º – Maior número de pontos ganhos;


2 º - Maior numero de vitórias; 3º – Confronto direto (em se tratando de duas equipes);* 4º – Saldo de Gols; das equipes empatadas, considerando todos os resultados obtidos na fase. 5º – Maior média de gols assinalados na fase (número de gols assinalados divididos pelo número de jogos). 6º - Menor média de gols sofridos na fase (número de gols sofridos divididos pelo número de jogos). 7º - Sorteio. § Único – No confronto direto, como se trata de um único turno será observado apenas os pontos ganhos, ou seja, desprezar-se-á o placar (gols). Art. 12º - Ao término da 2ª partida da Fase Final, caso tenhamos empate em número de pontos ganhos, entre as equipes, haverá uma prorrogação de 10(dez) minutos, divididos em 02(dois) tempos de 05 (cinco) minutos, sem intervalo para descanso, se persistir o empate, o classificado será conhecido através da cobrança de tiros livres diretos da marca penal.(Penalidades máximas). Para cobrança das penalidades máximas se observará o seguinte: a) O arbitro principal deverá escolher a meta na qual serão executadas as penalidades máximas; b) O capitão da equipe que vencer o sorteio, realizado através de uma moeda escolherá se cobrará ou defenderá primeiro as penalidades máximas; c) As equipes devem ser equilibradas com o mesmo número de jogadores antes do inicio das cobranças. Se uma equipe possui mais jogadores que a outra, o capitão da equipe deve indicar o número de cada jogador que deve ser excluído. Podem executar as cobranças todos os jogadores relacionados na súmula; d) Alternadamente se executarão 5 (cinco) penalidades máximas para cada equipe que deverão ser cobradas por cinco jogadores diferentes, indicados ao arbitro pelo capitão da equipe antes do inicio da cobranças das penalidades máximas dentre os jogadores constantes na súmula da partida e que não tenham sido expulsos. Após o inicio das cobranças o goleiro não pode ser substituído, exceto em caso de lesão ou expulsão; e) Se depois de cada equipe executar a cobrança das 5 (cinco) penalidades máximas e ambas as equipes tenham marcado a mesma quantidade de tentos, ou não tenham marcado nenhum, a execução das penalidades máximas deverá continuar até o momento que uma das equipes, executando o mesmo número de cobranças, obtenha de 01 (um) tento a mais que a outra; f) Essa penalidades máximas adicionais deverão ser executadas por jogadores que não tenham participado da cobrança das 5 (cinco) primeiras penalidades máximas. Uma vez que todos tenham cobrado uma penalidade máxima os jogadores mencionados no item “c” continuarão com as cobranças de penalidade máximas na mesma ordem;


g) Jogador que tenha sido expulso da partida não poderá participar das cobranças das penalidades máximas; h) Qualquer jogador poderá ser expulso durante a cobrança das penalidades neste caso não necessitam igualar as equipes; i) Enquanto se executa a cobrança de penalidades máximas todos os jogadores deverão estar no interior da quadra de jogo, na metade onde não se executam as penalidades máximas. O árbitro auxiliar controlará esta parte quadra e mais os jogadores que ali se encontram; j) Se um jogador se lesionar durante as cobranças das penalidades, não necessitam igualar as equipes; k) O anotador deverá registrar todas as cobranças das penalidades; l) Ao final do jogo, todos os jogadores que não foram expulsos e não estão lesionados deverão se necessário, obrigatoriamente, executar as cobranças.; m) Se na decisão por penalidades a bola for chutada e bater em uma ou nas duas traves ou travessão voltar e tocar no goleiro e entrar na meta, o gol será valido.

CAPÍTULO V DA CONTAGEM DE PONTOS Art. 12º – A pontuação para as classificações, em todas as fases, será a seguinte:  Vitória............................................. 03 (três) pontos ganhos;  Empate .......................................... 01 (um) ponto  Derrota............................................ 00 (zero) ponto. Art. 16º - Na hipótese de uma equipe vencer por “W X O”, além dos 03 (três) pontos ganhos, terá a seu favor o resultado de 1 X 0 (um a zero), sendo o gol computado para o capitão da equipe para efeito de artilharia (Boletim Técnico). Art. 13º - Caso uma equipe não compareça ao jogo programado até o horário préestabelecido em tabela para o seu início, ou o faça ainda que devidamente uniformizada, com atraso superior a tolerância de 30 (trinta) minutos, será considerada perdedora da partida por “W X O” , isto é, (um a zero). Art. 14º - Caso ocorra de uma mesma equipe gerar “W X O” por duas vezes consecutivas e/ou alternadas, será considerada como desistente da competição, ficando assim, impedida de participar dos demais jogos programados na tabela da competição, desprezando-se, portanto, todos os seus resultados prós e contra obtidos na fase em curso.


Art. 15º - Para que as equipes infratoras, acima citadas, não fiquem sujeitas às demais penas previstas no Regulamento Geral da LNGF, deverão comprovar os motivos determinantes da ausência ou atraso, que serão apreciados pela Diretoria da LNGF. Art. 16º - O atraso de equipe, desde que comunicado e justificado oficialmente no prazo de 02 (duas) horas., a critério da LNGF ou do seu representante legal, poderá ensejar na alteração da tabela ou aguardar a chegada. No caso da equipe estiver em trânsito, para o local do jogo o responsável deverá entrar em contato com o representante para que o mesmo veja a possibilidade de aguardar a chegada da delegação para ter inicio do jogo. CAPÍTULO VI DAS INSCRIÇÕES E PARTICIPAÇÕES Art. 17º - Para inscrever e participar da LNGF, edição 2014, todas as equipes, obrigatoriamente, deverão inscrever no mínimo 08 (oito) e 25 (vinte) no máximo atletas, até o dia 11/04/2014 ás. O atleta deverá ser filho da Cidade comprovado através do titulo de Eleitor do mesmo ou do Pai ou da Mãe da data de Janeiro de 2013 comprovando ainda com RG, Titulo de Eleitor, Comprovante de Endereço e uma foto 3x4. O mesmo não precisará estar residindo na própria Cidade desde que provas que o mesmo tenha família e é filho da Cidade, para os atletas não filhos da cidade, os mesmos deverão estar residindo na cidade de janeiro de 2014 até o prezado momento, comprovado por comprovante de endereço do mesmo. Art. 18º - Visando elevar o nível técnico da competição, excepcionalmente, ficará facultado às equipes participantes inscreverem mais atletas, até dia 11 de abril de 2014. § Único – Vencido o prazo acima em hipótese alguma, não será permitida a inscrição de atletas.


Art. 19º - Cada cidade participantes deverá inscrever, atletas que são filhos da cidade, comprovadamente com a documentação exigida conforme o que ficou decidido no congresso técnico, e que segue registrados na ficha de inscrição, Todos os procedimentos administrativos de inscrição inicial (esse fornecido pela LNGF) , deverão ser feitos na ficha de inscrição que foi enviadas para a cidades participantes, sem rasura, devendo constar, obrigatoriamente, a assinatura do Técnico da equipe e do atleta, que será o responsável pelas informações prestadas junto a LNGF; Art. 20º - As inscrições iniciais deverão estar acompanhadas de 01(uma) fotos 3x4 recentes. Art. 21º - Documentação exigida: Xerox do Titulo de Eleitor, Xerox da RG e Comprovante do Endereço. Art. 22º - Para a categoria Adulto deverá ser observada a faixa etária de 14 a 45 anos, ou seja, atletas nascidos de 1968 a 1997. § Primeiro - Inscrições de atletas menores de 18 (dezoito) anos, somente com autorização expressa dos pais ou responsáveis legais § Segundo - Inscrições de atletas acima de 45 (quarenta e cinco) anos, deverão estar acompanhadas de atestado médico, realizado antes do inicio da competição e que comprove estar o atleta apto para praticar esporte (Futsal). § Terceiro - A idade fixada como limite mínimo deverá ser atingida até a data de início na competição, enquanto será permitida a participação dos atletas que tenham atingido, no ano da competição, a idade fixada como limite máximo. Art. 23º - Atleta inscrito por uma equipe, não poderá inscrever e nem tampouco competir por outra equipe na mesma competição/edição . § Único - Fica facultado a LNGF alijar da competição o atleta que se inscrever por mais de uma equipe, ficando o mesmo suspenso da próxima Edição. Art. 24º - Somente poderão ser membros das Comissões Técnicas as pessoas profissionais com idade superior a 18 (dezoito) anos, completados na data da inscrição. § Primeiro - Os Técnicos, auxiliares Técnicos e toda comissão Técnica deverão estar uniformizados conforme as regras oficiais permitidas e acompanhadas do seu cartão de identificação, os crachás. § Segundo - É vedado aos membros das Comissões Técnicas acumularem funções ou se transferirem de funções durante as partidas.


Art. 25º - Quando dos jogos as cidades disputantes deverão entregar ao anotadorcronometrista, com antecedência de 30 (trinta) minutos da hora fixada para o início dos jogos, as documentações dos seus atletas e membros da comissão técnica. Art. 26º - Somente poderão tomar parte dos jogos oficiais, os atletas e membros de comissão técnica que apresentarem, antes do início do jogo, os crachás de identificação fornecida pela LNGF, com validade para a temporada de 2014, e que, quando do início dos mesmos (jogos), se encontravam devidamente relacionados na súmula. Art. 27º - Somente poderão fazer parte do banco de reservas os seguintes elementos: 09 (nove) atletas reservas; 01 (um) técnico ou treinador; 01 (um) massagista; 01 (um) preparador físico; 01 (um) médico ou 01 (um) fisioterapeuta, todos devidamente uniformizados e identificados na súmula e usando seus crachás. Art. 28º - É vedado o início de uma partida sem que as equipes contenham um mínimo de 05 (cinco) atletas, nem será permitida a sua continuidade ou prosseguimento se uma das equipes, ou ambas, ficar(em) reduzidas a menos de 03 (três) atletas. § Primeiro - Se um clube ficar reduzido a menos de 03 (três) atletas perderá os pontos, mantendo-se o escore caso esteja perdendo ou, marcando-se o escore de um a zero (1x0), no caso do clube faltoso estiver vencendo ou empatando a partida. § Segundo - Se os 02 (duas) equipes ficarem reduzidos a menos de 03 (três) atletas o jogo será considerado como tendo sido disputado, não marcando pontos para ambos. Art. 29º - Fica estabelecido que a equipe que constar na tabela dos jogos do lado esquerdo, terá o mando do jogo. Assim sendo, caso ocorra semelhança nas cores dos uniformes, a pedido do árbitro principal, providenciará a troca dos uniformes, respeitando o tempo legal para tal, ou seja, 15 (quinze) minutos. § Único – Com exceção a equipe anfitriã que sempre será a mandante do jogo. Não precisará trocar o uniforme de cor Principal e sim o seu adversário.

Art. 30º - Os tempos de duração dos jogos oficiais, categoria principal, serão de 50 (cinquenta) minutos para o masculino na 1º fase e 60 (sessenta) minutos para as fases seguintes, corridos, divididos em 02 (dois) períodos de 25 (vinte e cinco) e 30 (trinta) minutos respectivamente. Para o naipe feminino serão 20 (vinte) minutos na 1ºfase e 25 (vinte e cinco) minutos para a semifinal e final, com tempo máximo de 05 (cinco) minutos de intervalo para descanso entre ambos. Art. 31º - Em todos os jogos o controle do tempo dos mesmos será feito pelo anotadorcronometrista, através de placar eletrônico ou cronômetro manual..


CAPÍTULO VII DA ARBITRAGEM Art. 33º - Para dirigir os jogos a LNGF escalará os árbitros pertencentes ao seu quadro de oficiais e/ou os árbitros pertencentes as cidades participantes, não será permitidos árbitros atuarem de cidades que não estejam participando da LNGF, Edição 2014,; cabendo única e exclusivamente a LNGF escalá-los, não sendo permitido, em hipótese alguma, às equipes participantes o direito de veto. § Único - Dentro da quadra de jogo, o árbitro principal é autoridade máxima competente. Art. 34º - As arbitragens para os jogos onde existe placar eletrônico, serão compostos por 04 (quatro) oficiais de arbitragem, sendo 02 (dois) árbitros, 01 (um) anotador e 01(um) cronometrista, onde não houver placar, serão compostas por 03(três) oficiais de arbitragem, sendo 02(dois) árbitros e 01(um) oficial acumulando as funções de anotador e cronometrista. § Único - Para a 2ª Fase a critério da LNGF, serão escolhidos os melhores árbitros da primeira fase. de arbitragem. Art. 35º - Os oficiais de arbitragem deverão comparecer ao local da competição com antecedência mínima de uma hora (60') da hora fixada para seu início. Art. 36º - Os oficiais de arbitragem estão obrigados a identificar os atletas e comissão técnica antes do início dos jogos, através dos crachás de identificação fornecidas pela LNGF Art. 37º - Em todas as partidas programadas a LNGF se fará representar através de 01 (um) representante “IN LOCO”, com poderes amplos para dirimir quaisquer dúvidas e tomar as devidas providências necessárias.Presidente da Liga Sr. Waldey Silver, Suas decisões “IN LOCO”, nas áreas técnicas e administrativas, antes, durante e após os jogos, prevalecerão. Art. 38º - Nenhuma partida deixará de ser realizada, pelo não comparecimento da equipe de arbitragem, ou de qualquer um de seus membros. Competirá ao Representante da liga, providenciar para que sejam substituídos, preferencialmente por aqueles pertencentes ao quadro da LNGF ou cidades participantes. Sendo impossível conseguir os árbitros o jogo deverá ser adiado. § Único - A não participação no jogo, sob alegação do não comparecimento dos oficiais de arbitragem escalados pela LNGF ou, o não acatamento da decisão do representante, implicará na perda da partida por “W x O”. CAPÍTULO VIII


DA SUSPENSÃO, INTERRUPÇÃO E ADIAMENTO DAS PARTIDAS Art. 39º - Caberá ao Presidente da LNGF em conjunto com o Árbitro Principal decidir sobre o tempo de interrupção e as medidas a serem adotadas, quando quaisquer circunstâncias prejudicarem o andamento dos jogos. Art. 40º - Ocorrendo interrupções, independentemente do tempo de paralisação, o jogo poderá, a critério do representante da LNGF, ser transferido de local, data e horário, ou ainda ter sua continuidade no mesmo dia e local, reiniciando o mesmo a partir de sua interrupção, isto é, mantendo o mesmo placar, tempo jogado, faltas coletivas e atletas que se encontravam em quadra no momento da paralisação, etc. Art. 41º - Em caso de força maior, a critério do Representante da LNGF (organizador) da partida, medidas extraordinárias poderão ser tomadas, visando à segurança nos jogos. CAPÍTULO IX DA JUSTIÇA DESPORTIVA

Art. 42º - Considerando a RDI nº. 01/99 da CBFS que dispõe sobre a lei nº. 9.615/98 que ao regulamentar a Justiça Desportiva, retirou a composição e constituição da Comissão Disciplinar da órbita de competência das Diretorias das entidades desportivas, etc., criou como parte integrante e indissociada dos Regulamentos das Competições Oficiais as MEDIDAS DISCIPLINARES AUTOMÁTICAS, englobando assim, todos os incidentes que aconteçam durante os eventos esportivos: a LNGF, como Entidade Regional de Administração Desportiva, sanciona, parcialmente, isto é, adequando à sua realidade, a RDI nº. 01/99-CBFS e Lei nº 9.615/98, para as usas promoções/competições oficiais, enquadrando, portanto, nas MEDIDAS DISCIPLINARES AUTOMÁTICAS (Anexo III), atletas, comissão técnica, árbitros, dirigentes, equipes e cidades por comportamento antidesportivo.

CAPÍTULO X - DAS APENAÇÕES Art. 43º - A aplicação de cartões punitivos, estabelecidos nas Regras Oficiais Nacionais do Futsal, nas cores: amarela (advertência) e vermelha (expulsão) constitui medida preventiva de inequívoca eficácia no campo desportivo, objetivando refrear violências individuais e coletivas. Art. 44º - Sujeitar-se-á ao cumprimento de suspensão automática e conseqüentemente impossibilidade de participar da partida subseqüente o atleta, técnico ou treinador,


massagista, médico, preparador físico e fisioterapeuta que, na mesma competição receber: a) – 01 (um) cartão vermelho, ou, b) – 02 (dois) cartões amarelos (advertência). Art. 45º - O cumprimento da suspensão automática independe do julgamento a que for submetido no âmbito da Justiça Desportiva. Art. 46º - A quantificação de cartões recebidos independe de comunicação oficial da FGFS, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva das equipes participantes da competição o seu controle, o que para tanto, ao final dos jogos, receberão cópias das súmulas. Art. 47º - A contagem de cartões, para fins de aplicação da suspensão automática, é feita separadamente e por tipologia de cartão, não havendo possibilidade do cartão vermelho anular / zerar o amarelo, já recebido na mesma competição, independentemente das fases. Art. 48º - Se um mesmo atleta, técnico ou treinador, massagista, médico, preparador físico e fisioterapeuta em determinado momento da competição, simultaneamente, acumular 02 (dois) cartões amarelos e mais 01 (um) cartão vermelho, cumprirá automaticamente a suspensão de 02 (duas) partidas, podendo ainda ser penalizado pelas Medidas Disciplinares Automáticas (devido a expulsão / cartão vermelho). Art. 49º - A equipe que utilizar atleta e/ou membro da comissão técnica, irregularmente, estará sujeita a sanções administrativas e/ou disciplinares previstas respectivamente, pela LNGF / CBFS, baseando-se principalmente no Regulamento dos Campeonato, Regionais e Estaduais e Regras Oficiais Nacionais e Leis Desportivas em Geral, em vigor; não necessitando, portanto, da equipe prejudicada entrar com protesto. Art. 50º - A equipe participante, cujos dirigentes, membros da comissão técnica ou atletas, contribuírem para agressões aos oficiais de arbitragem, membros da delegação adversária ou autoridades esportivas em geral, ou permitirem ou incentivarem invasão da quadra, ou interrupção do jogo com arremesso de objetos na quadra, ou ainda, tomarem atitudes não condizentes com a moral e a disciplina desportiva, será julgado baseado no CBJDD. Art. 51º - Atletas, técnicos ou treinadores, massagistas, médicos, preparadores físicos e fisioterapeutas que tenham sido expulsos da partida ou que estejam cumprindo penalidade disciplinar de suspensão, quando presentes no local dos jogos, deverão se posicionar, obrigatoriamente, no lado oposto do local onde se encontra o banco de reservas de sua equipe na quadra de jogo.


§ Único - Sendo inacessível para o público o lado oposto da quadra de jogo, deverão os mesmos se posicionar no lado onde se encontra o banco de reservas da equipe adversária.

CAPÍTULO XI DA PREMIAÇÃO Art. 52º - As equipes Campeã e Vice-Campeã serão agraciadas pela LNGF com troféus ou taças e medalhas . Art. 53º - A equipe que se sagrar campeã e vice campeã receberá uma premiação em dinheiro, naipe masculino Campeão R$: 3000.00, vice Campeão R$: 2000,00 ; naipe Feminino Campeão R$: 2500,00 vice Campeão R$: 1500,00, ainda sendo premiado a seleção do campeonato nos ambos naipes, com uma premiação individual de R$ 100,00 e troféu para cada atleta escolhido pra seleção do campeonato incluindo o melhor Técnico e ainda sendo premiado o melhor arbitro com R$ 100,00 e um troféu. Art. 54º - A LNGF agraciará com medalha e R$ 100,00 para o atleta artilheiro e goleiro menos vazado, para ambos os naipes. § Primeiro – Quando houver empate entre atletas com o mesmo número de gols serão observados, pela ordem de desempate os seguintes critérios: a) O atleta que tenha a maior regularidade, tendo marcado gols no maior número de jogos. b) O atleta que marcou o maior número de gols em uma partida. c) O atleta que não tenha sido penalizado com cartão vermelho. d) O atleta que não tenha sido penalizado com cartão amarelo. e) O atleta que participou do menor número de jogos. f) O atleta da equipe melhor classificada. § Segundo – Quando houver empate entre atletas (goleiros) com o mesmo número de gols sofrido serão observados pela ordem de desempate os seguintes critérios: a) O atleta que tenha participado em maior número de jogos, b) O atleta que não sido penalizado com cartão vermelho. c) O atleta que não tenha sido penalizado com cartão amarelo. d) O atleta da equipe melhor classificada. Art. 55º - Será ainda instituído o troféu “fair play”, destinado a premiar a equipe mais disciplinada/organizada ao longo da competição. Sendo o critério de maior peso para esta apuração o número de cartões aplicados e faltas cometidas no sistema da FIFA, sendo:  20 Pontos Ganhos

-

Por cada jogo disputado;


 05 Pontos Perdidos  10 Pontos Perdidos  01 Ponto Perdido

-

Por cada Cartão Amarelo recebido; Por cada Cartão Vermelho recebido; Por cada falta cometida;

Obs.: Será aplicada em dobro a punição quando o infrator for membro da Comissão Técnica e vier a receber Cartão Amarelo ou Cartão Vermelho. Art. 56º - Todos os prêmios aqui previstos serão entregues, no Centro Cultural de Porangatu, uma semana após a última partida da competição e proclamação dos vencedores. CAPÍTULO XII DAS DISPOSIÇÕES FINANCEIRAS Art. 57º - As taxas de arbitragem serão assumidas integralmente pela a LNGF. § Primeiro – A cidade ou equipe participantes terá que efetuar o pagamento da taxa de inscrição R$ 1500,00 por equipe e R$ 15,00 dos crachás de cada membro da equipe ate a data de 15/02/ 2014. Art. 58º - A cidade sede deverá ainda fazer uma premiação para cada atleta MVP dos jogos realizados em sua etapa, para os ambos naipes, que será entregue no final de cada partida, ficando a escolha do premio a critério da cidade sede, e custear a despesa do locutor animador da Liga no valor de R$ 300.00( trezentos reais) e uniformes para as Liguetes sendo camiseta da liga e short, feito esses pela a direção da LNGF. No valor de R$ 70.00 reais o conjunto, no mínimo 6 garotas. Art. 59º - A equipe anfitriã ficará, também, com a incumbência de da alimentação as equipes participantes sendo oferecidos almoço e jantar incluindo refrigerantes e frutas no cardápio. E lanche para a equipe de arbitragem e organização no período vespertino. Art. 60º - As equipes mandantes não poderão explorar a bilheteria nos jogos da LNGF em sua cidade. Com exceção à comissão organizadora da LNGF, nas fases semi-finais e finais. Art. 61º - A LNGF quando dos jogos decisivos, independentemente da fase, deverá deslocar seu quadro móvel para atuar nas bilheterias dos ginásios. Art. 62º - As despesas com transporte, serão assumidas pelas equipes que farão parte da competição da LNGF. Art. 63º - Nenhuma equipe poderá participar da competição ou prosseguir na mesma, passando para fases seguintes, se estiver em débito com a LNGF.


Art. 64º - A LNGF, tem a exclusividade de exploração dos direitos de televisão da Liga do Norte Goiano de Futsal e publicidades nos ginásios sedes das etapas. Na semana do evento. Com uso dos banner de seus patrocinadores. CAPÍTULO XIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 65º - A bola oficial, a ser utilizada, na competição será de Marca Oficial assim como seu tamanho e peso ( sem costura), cabendo a cada cidade sede deverá, se apresentar para os jogos programados com 02 (duas) bolas em perfeitas condições de uso. Art. 66º - Nos jogos do Campeonato da Ligado Norte Goiano de Futsal, categoria adulto Masculino e Feminino serão observados as seguintes diretrizes com relação aos atletas:









É obrigatório o uso, por todos os atletas, de caneleira confeccionada de material apropriado e que propiciem efetiva proteção, devendo estar cobertas completamente pelos meiões. Na hipótese dos atletas fazerem uso de bermudas térmicas, estas terão de, obrigatoriamente, ser da mesma cor dos seus calções. Não será permitido o uso de ataduras por cima das meias. É obrigatório que figure o número do atleta na frente da camisa (oito a dez centímetros de altura), além do já existente nas costas (quinze a vinte centímetros de altura). E obrigatório o uso de coletes (cor diferente do uniforme), pelos atletas reservas; Podendo o representante da LNGF analisar o caso e liberar o uso do colete.

§ Primeiro – O atleta que não cumprir estas exigências, não poderá participar do jogo § Segundo – O árbitro principal será o responsável pelo cumprimento destas exigências. Art. 67º - As equipes participantes poderão utilizar os seus uniformes/vestuários de jogos, para divulgação dos seus patrocinadores/produtos. Art. 68º - As equipes participantes poderão utilizar de espaços nos ginásios que sediar seus jogos para divulgar seus patrocinadores/produtos, todavia, deverá ceder espaço para a LNGF, como promotora do evento, para expor a sua logomarca e divulgar seus patrocinadores oficiais.


Art. 69º - As Cidades mandantes deverão providenciar, obrigatoriamente, policiamento condizente com a rodada/público previsto, sendo no mínimo 02 (dois) Policiais Militares e assistência médica básica (primeiros socorros) e ambulância no local. § Primeiro - Outrossim, na ausência do policiamento as equipes mandantes deverão apresentar ao organizador do campeonato cópia do ofício emitido e entregue com pelo menos 24 (vinte e quatro) horas de antecedência do jogo onde solicitava o referido policiamento. § Segundo – O jogo poderá ser iniciado sem a presença do policiamento, desde que, o árbitro principal e o representante da LNGF dêem anuência para o início da partida. § Terceiro – Se durante a disputa do jogo houver a perturbação da ordem, a critério do árbitro e do representante, será o mesmo suspenso, até que o policiamento compareça. Não comparecendo o policiamento o árbitro suspenderá o jogo. § Quarto - Caso não seja possível a continuação do jogo, o árbitro e o organizador deverão apresentar relatórios detalhados à Diretoria da LNGF que decidirá a respeito. § Quinto – Em caso de perda de mando de jogo, a equipe penalizada jogara em local indicado pelo Presidente da LNGF, que indicara uma cidade com distância de 50km no mínimo da sede da equipe infratora, que reúna melhores condições e segurança para a partida. Art. 70º - É de inteira responsabilidade da equipe mandante do jogo, a liberação da quadra, com o mínimo 30 (trinta) minutos de antecedência, do horário previsto para o início das partida, viabilizando assim o ingresso na quadra para os atletas que interessarem em aquecer no local do jogo. Art. 71º - Todo e qualquer protesto com relação a acontecimentos da competição, somente poderá ser feito até o término do expediente da LNGF até 48 horas imediatamente posterior ao dia do jogo, sendo vedada a utilização da súmula da partida para a formulação do protesto, devendo o mesmo ser feito em separado, assinado pelo Técnico do Clube ou da Cidade e acompanhado de taxa regulamentar de R$: 300,00 (trezentos reais) por recurso. Art. 72º - Ficam autorizados a entrada nos ginásios de instrumentos de percussão, e outros instrumentos musicais, sendo proibido a entrada e uso de cornetas e buzinas, desde que não prejudiquem o andamento dos jogos e fiquem do lado oposto a mesa do anotador-cronometrista. Art. 73º - Quando possível, procurando minimizar gastos para as equipes participantes, a LNGF escalará quadro de oficiais pertencentes a LNGF para atuar em todos os jogos do Campeonato.


Art. 74º - A LNGF, na qualidade de promotora e organizadora do evento, não se responsabilizará, em hipótese alguma, por acidentes e/ou prejuízos que porventura possam ocorrer com atletas e/ou equipes, antes durante ou após as competições, seja dentro ou fora das praças esportivas. Art. 75º - Os casos omissos no presente Regulamento serão resolvidos pela LNGF, que subsidiariamente aplicará o Regulamento do Campeonato Regional - CBFS e Regras Oficiais adotadas pela CBFS, mediante resoluções publicadas oficialmente na sede da Entidade LNGF e enviadas à todas as equipes participantes da competição. Art. 76º - Este Regulamento aprovado pela Diretoria da LNGF, Conselho Arbitral ocorrido no dia 15/01/2014, na Escola Líber de Porangatu-GO, com a presença dos Secretários de Esportes e Técnicos das equipes e Cidades participantes, entrará em vigor nesta data, revogando todas as disposições em contrário. Porangatu, 15 de Janeiro de 2014.

____________________________ Waldey Ferreira Silver Organizador

Regulamento liga futsal 2014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you