Issuu on Google+

Recuperação e avaliação da informação I

Recuperação e avaliação da informação I Ricardo Tavares Dinis Lopes nº 9638 1ªano Turma A PRP Docente: Teresa Barros


Introdução

Este portefólio foi realizado no âmbito da unidade curricular Recuperação e Avaliação da Informação I a pedido da docente Teresa Barros, com o objectivo de dominarmos novas técnicas de pesquisa apresento de seguida o meu portefólio que contem uma pesquisa nos motores de busca Google e suas plataformas, a RCAAP (Repositório Cientifico de Acesso aberto a Portugal ) e a B-On ( biblioteca online).


Definição de motores de busca

O QUE É? Um motor de pesquisa (search engine) é um instrumento que permite encontrar páginas na Web que contenham os termos da nossa pesquisa. Os motores de pesquisa dispõem de um programa que percorre automática e periodicamente todas as páginas da Web, que são capazes de detectar e, que satisfazem os critérios previamente definidos. As páginas assim identificadas são então indexadas automaticamente, no seu todo ou em parte.

Quando surge? A internet surgiu na década de sessenta. Desde aí, houve necessidade de uma organização de informação de forma que esta estivesse disponível para consulta dos utilizadores. Apesar de os motores de busca estarem, na altura, a ser desenvolvidos e/ou utilização por algumas agências secretas, os motores de busca surgiram na década de noventa aproximadamente.


Os 2 motores de buscas mais utilizados por os portugueses

Google

IMAGEM DISPONÍVEL EM HTTPS://WWW.GOOGLE.PT/SEARCH?SA=G&Q=GOOGLE+DOODLE&TBM=ISCH&TBS=SIMG:CAQSZRPJCXCO1NGEGGIICWWLE

LCMPWGAPAO6CAESFNEG0AAPBQWG3QAUBPIDGWORA4WDGIDRWPDPZ4V5BBSBODL0YZXOTNAGHXVTSGZ6QUQO DWWLWWWLEI6U_1GGACGOICAESBNNJISKM&EI=U4J4UQJJHEWA0QW75OC4CA&VED=0CCQQWG4OAA&BIW=13 66&BIH=667

Bing

Imagem disponível em https://www.google.pt/search?sa=G&q=google+doodle&tbm=isch&tbs=simg:C AQSZRpjCxCo1NgEGgIICwwLELCMpwgaPAo6CAESFNEG0AapBqwG3QauBpIDgw ORA4wDGiDrWpdpz4V5BbSbodL0yZXOtNaGhxvtsgz6qUQodWwLWwwLEI6u_1 ggaCgoICAESBNNjiSkM&ei=u4j4UqjJHeWa0QW75oC4CA&ved=0CCQQwg4oAA &biw=1366&bih=667#q=bing&tbm=isch&facrc=_&imgdii=_&imgrc=7gp6Fuguzr yzjM%253A%3BSunXgkxticJZxM%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.adsmartonli ne.com%252Fblog%252Fwpcontent%252Fuploads%252F2013%252F01%252Fbing.png%3Bhttp%253A%252 F%252Fwww.adsmartonline.com%252Fblog%252Fmake-the-most-of-yoursearch-campaigns-get-on-board-with-bing%252F%3B1694%3B950


Aquivos Google


Google Generalista

Palavra-chave – marketing de guerrilha Disponível em - http://www.bonstutoriais.com.br/exemplos-mais-que-criativos-demarketing-de-guerrilha/ Titulo - Blogue marketing de guerrilha


RESUMO: NESTE SITE PODE ENCONTRAR UM BLOQUE FANTÁSTICO SOBRE MARKETING DE GUERRILHA COM ALGUMAS IMAGENS ELUCIDATIVAS

Palavras-chave: Marketing de Guerrilha Disponível em : http://exame.abril.com.br/pme/noticias/9-dicas-para-marketing-deguerrilha-para-o-seu-negocio Título: 9 dicas para marketing de guerrilha para o seu negócio

RESUMO: HOJE EM DIA AS EMPRESAS BOMBARDEIAM

AS PESSOAS COM A INTENÇÃO DE ATINGIR A SUA ATENÇÃO. E

ESTA PÁGINA FORNECE QUEM TEM UM NEGÓCIO COM GUERRILHA.

9 DICAS FUNDAMENTAIS SOBRE O MARKETING DE


Palavras-chave: Marketing de Guerrilha Disponível em: http://www.slideshare.net/reinaldocirilo/marketing-guerrilha-guerrillamarketing Título: Marketing de Guerrilha, slides por Reinaldo Cirilo

RESUMO: ESTE CONJUNTO DE SLIDES FALA SOBRE O INÍCIO DO MARKETING DE GUERRILHA: COMO ELE APARECEU, O SEU DESENVOLVIMENTO, A SUA DEFINIÇÃO E VÁRIOS PONTOS A SALIENTAR NESTA TEMÁTICA. ESTE É UM SCREENSHOT DA CITAÇÃO MAIS IMPORTANTE: “MARKETING DE GUERRILHA SIGNIFICA ESTRATÉGIAS POUCO CONVENCIONAIS, NADA TRADICIONAIS, DE BAIXO CUSTO E EXTREMAMENTE FLEXÍVEIS E DE ALTO IMPACTO”.


Palavra-chave: marketing de guerrilha Disponível em: http://www.publicitariossc.com/category/marketing-guerrilha/ Titulo: Zombie marketing

Resumo: Para promover a segunda parte da 4ª temporada da série The Walking Dead, o canal AMC colocou zom iz nos sistemas de ventilação do metre nas de Nova York, próximo ao Union Square Park, para assustar as pessoas que passavam pelo local.


Palavra-chave – Marketing; guerrilha Disponível em: http://motdigital.com/cases/marketing-de-guerrilha-para-pequenasempresas Titulo: Marketing de guerrilha para pequenas empresas

Resumo: Já faz algum tempo que a publicidade convencional já não consegue conquistar a mesma confiança do público. Para resolver este problema, surgiu o Marketing de Guerrilha. A estratégia não é nova – surgiu na década de 1970 nos Estados Unidos, quando Jay Conrad Levinson percebeu que é possível embutir mensagens publicitárias no cotidiano das pessoas.


Palavra- chave – Marketing guerrilha

Disponível em: http://www.linkedin.com/company/austin-marketing-guerrilha

Titulo: Austin, empresa de marketing guerrilha

Resumo: Aproveitar para falar de uma agencia especializada de marketing de guerrilha, A Austin Marketing é uma agência de marketing e estratégia localizada em Campinas SP, mas que atende clientes em todo o País há mais de 4 anos. Faz parte de seu portfólio clientes em diversos segmentos de mercado e pelas suas características vem construindo parcerias concretas e duradouras proporcionando estratégias de alto nível aos seus clientes, sempre em busca dos melhores resultados


Google Académico

Disponivel em: http://www.atena.org.br/revista/ojs2.2.3 Título: A propaganda de guerrilha: uma nova alternativa para posicionar marcas Autor: Edmundo Brandão Dantas, Doutor em Ciência da Informação (Universidade de Brasília) e Mestre em Engenharia de Produção, com ênfase em Planeamento Estratégico. É Professor-Adjunto da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, onde trabalha no Departamento de Audiovisuais e Publicidade.


Resumo: “Posicionar marcas em um mercado fragmentado e saturado de comunicação parece ser algo cada vez mais difícil, considerando os complexos níveis de diferenciação exigidos por essa realidade. Os profissionais de marketing começam a adotar o marketing de guerrilha, aplicar as técnicas de guerrilha à propaganda, para captar a atenção do público de maneira pouco comum, com meios surpreendentemente adequados ao produto ou serviço anunciado. Dessa maneira, criam alternativas de comunicação mais simples, baratas e ousadas, que contribuem para posicionar produtos, serviços e marcas nesse mercado. É o que será tratado neste artigo.”

Palavras-Chave :Marketing Viral; Marketing Estratégico; Marketing Digital; Internet; Redes Sociais; Comunidades Virtuais.

Resumo Este estudo se propõe a classificar os elementos que levam o Marketing Viral a ser um casede sucesso. Com o uso cada vez mais frequente da internet e principalmente das redes sociais, as empresas estão se valendo de maneiras simples, baratas e absolutamente eficazes para propagar suas marcas, produtos e serviços. O Marketing Viral, conhecido também como Buzz, ou boca-a-boca proporciona uma propagação de


longo alcance para essas marcas. Veremos na prática, com o auxílio da teoria e também de conhecidos cases do mercado, os elementos que quando usados podem levar ao Marketing Viral.

Palavras-Chave: Marketing Viral; Marketing Estratégico; Marketing Digital; Internet; Redes Sociais;

Título: marketing de guerrilha, o sucesso Disponivel em: http://www.atena.org.br/revista/ojs2.2.3

Resumo: A informação pode ser vista como um activo da empresa, da mesma forma que as propriedades de uma organização contribuem para o fortalecimento da mesma. Cada vez mais, os gerentes necessitam visualizar a informação como um investimento que pode ser utilizado estrategicamente para obter vantagens competitivas. No entanto, a produtividade e a competitividade das empresas dependem cada vez mais


da capacidade de lidar com a informação e transformá-la em conhecimento. Este artigo busca evidenciar a necessidade das micro e pequenas empresas buscarem e utilizarem a informação, e no dia-a-dia dos seus negócios. Palavras-chave: Marketing religioso, identidade religiosa, conceitos sob rasura, Marketing de Guerra

Disponívelhttp://www.historiagora.com.br/dmdocuments/Artigos/Histria%20Agora%2 0n.13/dossi_3_apresentando_um_marketing_de_guerra_santa_em_trnsito_e_rasurando_ conceitos.pdf

Resumo: Apresenta-se aqui, primeiramente, apontamentos sobre um marketing de guerra santa em trânsito, que se desloca em direção às expectativas e demandas de fiéis-consumidores e compõe uma paisagem religiosa em movimento. Esta é marcada por um contexto de entrelugares religiosos, o qual privilegia o intercâmbio entre agências religiosas e crentes, ambos produtores (e produtos) de sentidos.


Google Imagens Referência:

http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2012/resumos/R30-0009-

1.pdf Título: Marketing de Guerrilha: Uma análise semiológica Autor: Vinícius de Mello Ferreira e Cláudia Bromirsky Trindade, Centro Universitário Metodista do Sul – IPA Palavras-chave: Marketing de Guerrilha Referência da imagem: http://2.bp.blogspot.com/-_UFa5EXFwk/TezGOjdZXgI/AAAAAAAAAn0/zBlVQ6zDs98/s1600/1.jpg Redireccionamento para: http://universooitavoato.blogspot.pt/2011/06/marketing-deguerrilha.html

Campanha de Marketing de Guerrilha da marca “AXE” perfumes/desodorizantes. Pode ver-se um indivíduo a correr e as raparigas, seduzidas pelo seu aroma, correm atrás dele.


Palavras-chave: Marketing de Guerrilha Referência da imagem: http://aletp.com/wp-content/gallery/aletp/colgate_dontforget.jpg Redireccionamento para: http://aletp.com/2009/02/16/dont-forget-acao-de-guerrilhapara-a-colgate/

Campanha de Marketing de Guerrilha da marca “COLGATE” – produtos de higiene oral. A marca colocou escovas de dentes em madeira em gelados e outros doces, para que as pessoas não se esquecessem de lavar os dentes após ingerir alimentos com elevadas taxas de açúcar.


Palavras-chave: Marketing de Guerrilha Referência da imagem: http://publicitariopobre.files.wordpress.com/2012/10/divulgac3a7c3a3o-petstore1.jpg Redireccionamento para: http://publicitariopobre.com/tag/marketing-de-guerrilha/

Campanha de Marketing de Guerrilha da marca “FRONTLINE” – produtos desparasitastes para animais. Pode ver-se um grande cartaz no chão de um shopping, em que as pessoas (à escala) parecem parasitas a caminhar sobre o cão que se coça. Em inglês está escrito “Get them off your dog” que significa “Tire-as do seu cão”.


B-on Disponível em: http://www.rcaap.pt/detail.jsp?id=oai:bdigital.ufp.pt:10284/3167 Titulo: “Lidando com as novas identidades dos consumidores através de formas alternativa...” Autor: Cunha, Cláudia Sofia Campos; Freitas, Elsa Simões Lucas

Resumo: Hoje em dia, as marcas sentem necessidade de apostar em formas alternativas de se divulgar, devido (1) aos preços elevados praticados pelos suportes publicitários tradicionais e (2) ao cansaço experimentado por determinados segmentos do público relativamente às formas publicitárias clássicas. A publicidade de guerrilha surge como uma nova ferramenta do Marketing e uma alternativa ou complemento aos meios de comunicação saturados de mensagens publicitárias, uma vez que conta com o efeito de surpresa, o inusitado da situação criada e o factor entretenimento, características que determinados segmentos apreciam particularmente. Estas acções de comunicação,


muitas vezes politicamente incorrectas, são divertidas, estimulantes e difíceis de ignorar e frequentemente surgem como a forma adequada de atingir públicos cuja identidade enquanto consumidores tem vindo a mudar. Abstract Nowadays, brands feel the need to invest in alternative forms of making themselves know to the public(s), due to (1) the high prices charged by the traditional advertising supports and (2) the indifference felt by given segments of the public as to the classic traditional formats. Guerrilla advertising is emerging as a new marketing tool and as an alternative or complement to the ad-cluttered mass media. To their advantage, they can count on their surprise effect, the unexpectedness of the situation they create and entertainment possibilities, all of which are characteristics that will appeal to specific audiences. These communication actions (sometimes politically incorrect ones) are amusing, stimulating and hard to ignore – and they often constitute an effective way of targeting audiences with new characteristics.


Leite, Anabela Costa: - A importância e o contributo do marketing de guerrilha no sucesso das marcas. Dissertação Disponível em: http://repositorio.ipl.pt/handle/10400.21/2353 , consulçtado

Resumo: Vivemos numa sociedade totalmente globalizada. Os mercados encontram-se repletos de empresas, produtos e serviços semelhantes. Os consumidores são cada vez mais exigentes, informados e infiéis às marcas. A cada minuto surgem novas marcas, ofertas e anúncios publicitários, reina a saturação das mensagens comunicacionais. A necessidade de uma organização diferenciar-se da concorrência feroz, é fundamental e urgente, tornando-se imperativo recorrer a algo que desperte a atenção do público-alvo. O Marketing de Guerrilha é a solução criativa e original para este problema. Neste sentido, torna-se pertinente para o mercado publicitário compreender as formas de potenciar uma marca, de diferenciar a comunicação, por meio das distintas ferramentas de guerrilha e apurar a dimensão do impacto das ações junto do target. Assim, definiuse como questão de partida desta dissertação “Qual a importância e o contributo do


marketing de guerrilha no sucesso das marcas”. Apoiada numa extensa revisão bibliográfica e na análise de dados resultantes do cruzamento de informação proveniente de diversas fontes, como estudos de caso, documentação e discurso de entrevistados, esta investigação assume a forma de um estudo exploratório, de natureza qualitativa. Este estudo permitiu concluir que uma marca que recorre a ferramentas de guerrilha com o intuito de impulsionar o seu sucesso, adquire um forte e positivo impacto junto do público-alvo, surpreendendo e interagindo por meio de ações criativas e distintas. Esta vertente do marketing é recrutada por empresas com espírito inovador, de pequena ou grande dimensão, e têm a possibilidade de investir um montante reduzido ou avultado, conforme o que desejam.


“O ritual da comunicação e o ritual do consumo: novas tribos, novos rituais” Resumo e reflexão crítica Pessoas, objetos e relações de significado Nas tribos primitivas as cerimónias eram usadas para cumprir os objetivos de interação, hierarquia, passagem entre outros, definindo assim a sua organização social, as suas crenças e a sua língua. Na sociedade atual as tribos mantem os seus rituais de integração e de comunicação na forma de rituais de consumo redefinindo valores de identidade e pertença. Estudos recentes traçam um perfil de consumidor tribal que se revela mais pelos seus interesses, atividades e estilos de vida do que por um mero conjunto de características sociodemográficas. Esta perspetiva destrói a visão individualista do consumidor em prol de uma visão mais coletiva. Estas novas tribos de consumo relacionam-se e partilham sentidos de comunidade através de uma linguagem muito própria: a dos objetos. Os produtos passam de meros objetos para signos produzidos pela publicidade, o objeto enquanto “elemento de consumo” assume-se como mediador de ações humanas sendo o elo de ligação entre o homem e o mundo, para além da sua comunicação o objeto tem presente um significado podendo ser alvo de várias interpretações. Para Barthes (1985) o sentido dos objetos necessita de estar isolado para ser possível a sua análise da representação de significante e significado.

A publicidade enquanto uma nova forma de religião Os rituais são práticas de uma cultura que inserem os indivíduos numa religião, comunidade ou sociedade. A religião traduz-se num conjunto de crenças relacionadas com o divino, com aquilo que e transcendente ao ser humano. A relação entre a publicidade e religião devido as alterações sociais e culturais que conduziram a um novo estado civilizacional. Religião e publicidade pertencem ao domínio do simbólico, dos significados codificados, das aparências, sendo ambas do domínio da sedução.


O processo de criação simbólica: a “magia” dos objetos e os “milagres” do consumo Dado a maior diversificação da oferta, é necessário que os produtos ultrapassassem a sua individualidade física e criem uma identidade a semelhança do que se passa com o ser humano. É como refere Williamson, criar uma imagem num “sistema de diferenças” (1994:24) Através da publicidade os produtos ganham uma característica para além do próprio uso, uma capacidade de expressar e produzir valores e emoções interagindo com o indivíduo nas diversas solicitações. Assim sendo a publicidade representa um discurso mítico onde “as coisas têm aparências de significar por si sós” (Barthes,1957:210), transportando complexas representações entre o mundo e o homem através de meros objetos. À semelhança das figuras mitológicas gregas, os produtos revestem-se de qualidades que controlam o destino dos homens., elevando-se assim a um estatuo de qualidade que celebra a felicidade da vida ao ritmo dos anúncios. Para estes serem percebidos e desejados adquirem um valor que ainda que imaginário está associado a determinados significados que remetem para o padrão cultural da evasão e permissão. De acordo com Williamson (1994:140-141) trata-se de uma área de transformação onde as coisas vão surgindo instantaneamente vindas do nada com o objetivo de encantar o consumidor “magic is a kind of determinism: it consists of particular rites which have particular and predetermined results and effects” ( Williamson,1994:142) O papel do indivíduo enquanto consumidor é elevado com uma função criativa, em que a ação de compra dá acesso aos milagres do consumo. Como se refere Cortese, “advertising promises instant acess to desire and love; consequently advertising seems to assume a belief in magic” (2004:8) Neste contexto a publicidade revela-se não como uma ferramenta de venda mas sim como uma entidade transformadora que promove objetos a valores e sonhos. A capacidade que a publicidade tem em criar produtos que encantam e desafiam o consumidor traduz-se no domínio da sedução encarnando o tema do pecado e da tentação como é exemplo a campanha “Nem os anjos resistem” da Axe Excite. De acordo com Williams, o sistema cria um ideal de consumo que ilude as pessoas na satisfação das necessidades onde a publicidade inicia por magia um ritual que alimenta o ideal de consumo. As necessidades não se saciam com meros objetos, a


magia associa-os a desejos humanos com os quais não tem uma relação direta criando uma sensação de realização económica e social. A magia segundo Baudrillard atribui ao consumo uma espécie de criação cénica que implica o imaginário humano e visa capturar a felicidade. Esta posição traduz que a comprar de objetos resulta na compra de representações de felicidade que o indivíduo persegue. A magia cria a ilusão de satisfação pessoal e social, esta teoria justifica-se pelo facto de estar a surgir como um princípio impositivo embora, por outro lado, o ideal de consumo seja não escolher uma impossibilidade, uma opção descartada considerando que o consumidor do século XXI encontra-se munido de recursos e competências para melhor explorar o mercado. O consumidor só escolhe dentro dos seus parâmetros de estilo de vida definido por cada sociedade. As imagens do consumo entre o “ser”, o “ter” e a ameaça do vazio O consumo é feito de representações, e a imagem de uma sociedade fortemente ancorada por imagens. A um dualidade entre a aparência e a essência, entre o “ter” e o “ser”. O consumo pode ser entendido como uma forma de expressão em que os indivíduos se afirmam mais pelos estilos de vida comunicados do que pelos ideais sociais concretos. Os sinais do consumo, não querendo por vezes significar nada, funcionam como formadores de opinião e sinais de identidade, nas suas palavras Braudrillard, considera que a sociedade de consumo já não apresenta se quer a relação entre o ser e o parecer. Segundo a perspetiva de Williamson, o consumo funciona enquanto linguagem, uma vez que os objetos se definem por aquilo que comunicam enquanto signo, pelos valores que absorvem no discurso publicitário e por a relação simbólica que estabelecem. Quando se tem a perceção que os objetos não passam de coisas geram-se sentimentos de insatisfação e frustração que conduzem o individuo a uma incessante demanda de realização artificial. Ao sentir ameaça do vazio, da perda de identidade, o indivíduo procura incansavelmente o seu lugar no mundo através dos objetos alimentando pelo discurso do espelho mágico que é a publicidade e pelas suas próprias aspirações. O “ser” e o “ter” sendo formas de comunicação através dos signos do consumo, relevam-se mais importantes do que a indefinição que assombra o consumidor. Porém revela-se frágil na sua identificação podendo subjugar meras exterioridades e afastamentos da essência das relações humanas.


Esta noção do produto a imagem do consumir e explorada por outros registos e formas de dialogar com o público. Existe segundo Volli (2003:160) uma capacidade de criar mundos que arrastam o consumidor para a ambiguidade das suas próprias aspirações e para a crença inevitável de soberania e exclusividade, que inevitavelmente dependem do uso do produto. “(…)A publicidade aponta o consumo enquanto forma de expressão vã e descaracterizada, ela é também a prova viva da necessidade que o indivíduo tem de usála enquanto linguagem para gerar significados e encontrar o seu lugar no mundo.”


Paper científico Resumo Com os media tradicionais saturados (tv, rádio e media impressa) e a sua consequente queda de credibilidade perante o público, que está cada vez mais exigente e ciente da persuasão da propaganda, as empresas procuram novas alternativas para divulgar sua marca e produtos. O marketing de guerrilha surge como uma alternativa inovadora e de baixo custo para atrair a atenção do público de forma ousada e criativa. O marketing de guerrilha utiliza técnicas não convencionais para criar propagandas inusitadas, ousadas e criativas, como objectivo de gerar media gratuita. Palavras-chave: Marketing de Guerrilha, Ferramentas do Marketing de Guerrilha, Campanha Social.

Abstract Saturated with traditional media (TV, radio and print media) and the consequent fall of credibility with the public, which is increasingly demanding and aware of persuasive advertising, companies are looking for new alternatives to promote your brand and products. Guerrilla marketing emerges as an innovative and cost-effective alternative to attract public attention to bold and creative way. Guerrilla marketing uses unconventional techniques to create unusual, bold and creative advertisements, aimed to generate free medium. Keywords: Guerrilla Marketing Tools, Guerrilla Marketing, Social Campaign


Introdução O termo Marketing de Guerrilha surge na guerra bélica onde os exércitos com um menor número de combatentes e armamentos menos capazes, aplicavam táticas de guerrilha de forma a surpreender os inimigos e derrota-los. A técnica de Marketing de guerrilha é descrita pela primeira vez por Jay Conrad Levinson num livro que publicou em 1982. Segundo este o Marketing de guerrilha usa maneiras alternativas de modo a atingir as metas convencionais de baixo custo. Assim pequenas empresas podem usar esta “arma” como o grande aliado para lutar contra o mundo da concorrência atual. O Marketing de Guerrilha é utilizado para divulgar uma mensagem que ultrapasse a saturação de informações que atingem o público de forma incessante, onde serão expostas, a forma que cada uma destas ferramentas é aplicada e exemplos de sua aplicação, expondo campanhas que se utilizaram de alguma destas ferramentas. Através desta campanha, é feita uma análise da eficácia e importância do Marketing de Guerrilha no mercado atual.


Marketing de Guerrilha: Conceito Hoje em dia, os consumidores exigem muito mais dos produtos que compram e existe cada vez mais competição e concorrência por parte das empresas. Devido a esses factos as empresas têm a necessidade de ser mais agressivas, sendo necessário criar novas formas de comunicação de modo a atingir a atenção do público e passar a sua mensagem da forma mais eficiente possível. Com um custo mais baixo comparado com os media tradicionais, o Marketing de Guerrilha tornou-se uma forma, essencialmente, para as pequenas empresas, que possuem recursos financeiros limitados, competir com a concorrência, divulgando a sua marca, produto ou serviço. O marketing de guerrilha, é um “arsenal de conceitos, proposições e ideias de como sobreviver e vencer num mercado totalmente desigual.” (RODRIGUES, 2010, apud CAVALCANTE, 2003, p. 49). O Marketing de Guerrilha utiliza formas não convencionais para sua criação, como por exemplo, adesivos, grafite, atores, instalações, projeções, entre outras, onde o essencial é o uso da criatividade, ousadia, inteligência e planeamento para se ter uma divulgação que cause impacto, fazendo muitas vezes com que a criatividade supere o recurso financeiro elevado das grandes empresas. Enquanto outras empresas divulgam seus produtos através dos media tradicionais (tv, rádio e imprensa) onde o consumidor não pode interagir com a marca, o Marketing de Guerrilha promove ações corpo-acorpo com o consumidor, saindo do mundo não tátil da tv, internet, rádio, e materializando a marca na frente do consumidor, fazendo com que o consumidor tenha uma maior identificação com a marca, gerando mais vendas e maiores lucros. É “comunicar de modo diferente, captando a atenção do público de maneira pouco comum, porém com meios surpreendentemente adequados ao produto ou serviço anunciado.” (DORRIAN; LUCAS, 2006 apud DANTAS, 2009, p. 9).

Vinte principais diferenças do Marketing de guerrilha e o marketing tradicional segundo Jay Conrad e que ajudam na sua compreensão. 1. Investe energia, imaginação, tempo e informação ao invés de dinheiro. 2. É voltado normalmente para pequenas empresas e não para grandes corporações.


3. Mede o sucesso através do lucro, ao invés de medir através do aumento de vendas 4. Baseia-se na psicologia do comportamento humano, e não através da experiência, hipótese e de julgamentos. 5. Tem um foco na busca pela excelência dos produtos, e não pela ampliação de linha de produtos. 6. Procura o aumento de um número maior de transações com o mesmo cliente, ao invés de buscar novos. 7. Procura a satisfação do cliente após a compra, ao invés de ignorar o pós-venda. 8. Trabalha em cooperação com outras empresas, ao invés de vê-las como concorrentes. 9.Concentra-se nas ideias e símbolos para alterar o comportamento do cliente, ao invés de não dar a importância devida ao apelo visual. 10.Concentra-se nos pensamentos, ações e palavras dos clientes, ao invés de focar apenas no marketing. 11.Foca-se na felicidade do cliente, ao invés do valor da vida monetária do cliente. 12.Combina diversas ferramentas de marketing, ao invés de utilizá-las separadamente 13. Mensura o número de relacionamentos estabelecidos, ao invés do número de vendas. 14. Visa a tecnologia como uma aliada, ao invés de algo complicado 15. Utiliza armas de baixo custo para atingir nichos mais segmentados, ao invés de utilizar armas mais honrosas e atingir poucos nichos. 16. É intencional, focando na experiência em torno do produto, ao invés de não ser intencional. 17. Acaba com o medo, ao invés de apresentar algo complexo. 18. O marketing tradicional é uma forma de escrever, ler, falar e ouvir. Marketing de Guerrilha é o diálogo e interação. 19. Utiliza várias armas de marketing diferentes e algumas gratuitas. 20. Dá ao cliente o que ele realmente precisa para conquistar sua confiança a longo prazo, ao invés de vender o que eles querem.

Como praticar Marketing de guerrilha? A melhor forma de aplicar o marketing de guerrilha é praticá-lo como uma forma de ataque. De todas as etapas do Marketing de Guerrilha, a que demora mais tempo é a manutenção da posição conquistada. Será gasto um pequeno tempo para desenvolver e iniciar um ataque, porém será gasto uma vida inteira para manter uma


posição empresarial, monitorá-la, e melhorar seu poder ofensivo. Sendo que de forma alguma a empresa pode perder a sua posição. Enquanto ela luta para manter a sua posição, outros competidores ágeis e inteligentes, estão a estudar uma forma para conquistar sua posição e ultrapassá-la no mercado. O sucesso do Marketing de Guerrilha dá – se através do foco na base de clientes e o compromisso de longo prazo. De acordo com Jay Conrad, “O Marketing de guerrilha é sempre um marketing autêntico e nunca atos que transmitam impessoalidade. Nunca é transmitido a intenção de vender.” A propaganda vem demonstrando cada vez menos credibilidade perante o cliente, não conseguindo criar um relacionamento com o mesmo. Os clientes estão cada vez mais resistentes à persuasão da propaganda. Além disso, com a criação da internet, contem uma vasta disponibilidade de informações, o consumidor tornou-se ciente da persuasão e da motivação de venda por trás de um vendedor, fazendo com que ele seja mais seletivo, menos ingénuo, e mais cético, quando atingido por um apelo de compra. Uma organização de guerrilha não modifica a matemática de uma guerra de marketing. (A grande empresa ainda bate a pequena.) A guerrilha, porém, procura reduzir o tamanho do campo de batalha para conseguir uma superioridade de força. Em outras palavras, “tenta tornar-se um peixe grande em um pequeno açude” (RIES e TROUT, 1986. p. 89)

Conclusão Ao longo deste trabalho foi possível conhecer uma das mais novas ferramentas do marketing, surgida a partir da supersaturação de informações que os media tradicionais proporcionam e da falta de credibilidade destes. O marketing de guerrilha surge para as pequenas empresas como uma alternativa para divulgar seus produtos e marcas, utilizando para isto um baixo custo, proporcionando uma luta justa e igual com as grandes empresas. Com ações de baixo custo, inusitadas, ousadas e criativas, o marketing de guerrilha surge como uma das poucas possibilidades para as pequenas empresas comunicarem com o seu público. Este tipo de ação consegue cortar os custos e chamar a atenção do consumidor, que está cansado da persuasão e supersaturação das media tradicionais. O marketing de guerrilha oferece importantes vantagens, possui inúmeras formas de criação, não havendo regras para a sua confeção, sendo uma ferramenta extremamente flexível. As suas estratégias e ações, são executadas de acordo com o público que se deseja comunicar, de acordo com as suas necessidades e objetivos, permitindo uma grande liberdade de criação, onde, o local, tempo, frequência e


quantidade, é determinado pelo seu criador, garantindo a este, uma grande mobilidade física e de tempo. Através de uma intensa pesquisa bibliográfica na internet, foi possível conhecer o objetivo do marketing de guerrilha, as suas ferramentas, e o impacto que esta a causar em relação ao marketing. A guerrilha deve ser utilizada com o objetivo de envolver o público, fazendo com que ele vivencie uma experiência diferenciada, criativa e interativa, fazendo com que este gere a propaganda boca-a-boca. Posto isto, com este estudo foi possível verificar a importância de utilizar o marketing de guerrilha para a divulgação de uma mensagem, marca, produto ou evento, seja com a criação de uma campanha social ou comercial, com o uso de poucos recursos é possível transmitir uma mensagem e conseguir criar um vínculo com o público.

Link: http://mktguerrilha.weebly.com/


Webgrafia http://buscadores-pesquisa.blogspot.pt/p/o-que-sao-motores-de-busca.html http://www.slideshare.net/OpInf25/trabalho-sobre-motores-de-busca http://pt.wikipedia.org/wiki/Motor_de_busca http://www4.fe.uc.pt/fontes/pesquisa_na_internet/motores_busca/motores_de_busca.ht m http://visibilidade.net/tutorial/tipos-motores-busca.html Informações sobre Marketing de Guerrilha em: http://www.slideshare.net/reinaldocirilo/marketing-guerrilha-guerrilla-marketing http://www.oficinadanet.com.br/artigo/webmarketing/o_que_e_marketing_de_guerrilha http://bazooka.pt/ http://exame.abril.com.br/pme/noticias/9-dicas-para-marketing-de-guerrilha-para-o-seunegocio http://www.endeavor.org.br/artigos/marketing-vendas/marketing-de-guerrilha/comodivulgar-produtos-de-forma-guerrilheira http://www.infopedia.pt/$marketing-deguerrilha;jsessionid=EGFcqRZsbGfooO5lVXdtKg__ http://www.bocc.uff.br/pag/dantas-edmundo-a-propaganda-de-guerrilha.pdf http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2012/resumos/R30-0009-1.pdf http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2010/expocom/EX19-0947-1.pdf http://www.insite.pro.br/2013/Janeiro/marketing_guerrilha_publicidade.pdf https://ubithesis.ubi.pt/handle/10400.6/1575 http://www.insite.pro.br/2013/Janeiro/marketing_guerrilha_publicidade.pdf Imagens e mais Informações sobre Marketing de Guerrilha: http://universooitavoato.blogspot.pt/2011/06/marketing-de-guerrilha.html http://aletp.com/2009/02/16/dont-forget-acao-de-guerrilha-para-a-colgate/ http://www.claudionasajon.com.br/index.php/2012/07/quer-divulgar-uma-novidade-desua-marca-use-o-marketing-de-guerrilha/ http://publicitariopobre.com/tag/marketing-de-guerrilha/ http://12most.com/2011/08/04/12-clever-guerrilla-marketing-advertisements/


http://www.creativeguerrillamarketing.com/guerrilla-marketing/guerilla-marketingspam-smart-consumers-know-respond/ Livros e Revistas sobre Marketing de Guerrilha: http://books.google.pt/books?id=VcPv2VEziqkC&printsec=frontcover&hl=ptPT#v=onepage&q&f=false http://books.google.pt/books?id=yF8EAAAAMBAJ&pg=PA32&dq=guerrilla+marketin g&hl=pt-PT&sa=X&ei=TsP3UouG6qf0QXCyoHgAg&ved=0CDcQ6AEwAQ#v=onepage&q=guerrilla%20marketing& f=false http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/anagrama/article/view/7807/7267 http://books.google.pt/books?id=BYPngv36-pMC&dq=guerrilla+marketing&hl=ptPT&source=gbs_navlinks_s http://books.google.pt/books?id=87zG8iUHcjoC&dq=guerrilla+marketing&hl=ptPT&source=gbs_navlinks_s http://books.google.pt/books?id=dxOiyGJ-jIcC&dq=guerrilla+marketing&hl=ptPT&source=gbs_navlinks_s Vídeos sobre Marketing de Guerrilha: http://www.youtube.com/watch?v=U6Aza9LVm7M http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/reportagem-torke-tvi24-raqueal-matos-cruzmarketing-de-guerrilha/1201831-4071.html http://www.youtube.com/watch?v=12PxJtBepdQ http://www.youtube.com/watch?v=fCctvg0jIww http://www.youtube.com/watch?v=PSM1tV4BAZQ http://www.youtube.com/watch?v=UCj272PVZYw Artigos científicos sobre Marketing de Guerrilha: http://bdigital.ufp.pt/handle/10284/3167 Mais alguns links: http://pt.wikipedia.org/wiki/Marketing_de_guerrilha http://pt.scribd.com/doc/14766913/Marketing-de-Guerra-Resenha-Livro http://www.creativeguerrillamarketing.com/page/2/ http://www.creativeguerrillamarketing.com/guerrilla-marketing/10-guerrilla-marketingblogs/ http://pt.scribd.com/doc/38918165/Marketing-de-Guerrilha-Melhor-definicao-eexemplos


http://www.oficinadanet.com.br/artigo/webmarketing/o_que_e_marketing_de_guerrilha http://www.bocc.uff.br/pag/dantas-edmundo-a-propaganda-de-guerrilha.pdf


Portefolio