Issuu on Google+


The Coincidence of Callie & Kayden (The Coincidence, #1) The Redemption of Callie & Kayden (The Coincidence, #2) The Destiny of Violet & Luke (The Coincidence, #3) The Probability of Violet & Luke (The Coincidence, #4) The Certainty of Violet & Luke (The Coincidence, #5) The Resolution of Callie & Kayden (The Coincidence, #6) Seth & Greyson (The Coincidence, #7)


The Probability of Violet & Luke (A probabilidade de Violet & Luke)

Luke Price e Violet Hayes não vêem um ao outro em um par de meses, não desde que eles descobriram a ligação da mãe de Luke no assassinato dos pais de Violet. Mas quando Luke entra em problemas de jogo com as pessoas erradas, o destino decide unir os dois e eles vão para Vegas para tentar liquidar a dívida de Luke. Enquanto Violet passa um certo tempo com Luke, ela fica despedaçada se questionando se deve estar com ele. Ela definitivamente não pode negar que a sua vida é melhor quando está com Luke e ela começa a se perguntar se voltar para Preston foi um erro. As coisas parecem estar indo bem enquanto Violet se abre ainda mais para Luke, mas depois de receber um telefonema do detetive, não só para dar uma atualização sobre Mira Price e o caso, mas para dar informações sobre algumas mensagens de textos ameaçadoras que ela está recebendo. A informação não é apenas chocante, mas faz Violet questionar que tipo de pessoas realmente eram seus pais e se ela vai ser capaz de confiar em alguém novamente.


Luke Quem diria que um telefonema fodido poderia ser tão complicado. Deveria ter sido um pedaço de bolo para mim. Todos estes anos odiando minha mãe - isso é o que eu estava esperando. Finalmente, eu obter alguma forma de vingança por todos os anos de tormento, injeções com drogas, os jogos mentais fodidos que ela gostava de fazer comigo, e todas as outras merdas da minha infância. Até hoje, eu ainda nem sequer aceito totalmente ou admito todas as coisas que ela fez comigo. Este deveria ser o momento em que eu deveria deixar tudo ir. Seguir em frente. Começar novamente. Exceto que eu me sinto culpado, como se eu fosse uma criança fazendo algo errado. Eu me sinto mal do estômago. Todo torcido por dentro. E sei que é por causa dela. Tudo o que ela cravou na minha cabeça está vindo à tona, tudo o que ela me disse quando eu era uma criança para manter meus lábios fechados. A vergonha. O constrangimento, não só porque ela é minha mãe, mas por minha por causa, no que ela me transformou. — Você sempre precisa ouvir-me Lukey, — minha mãe costumava dizer. — Eu sei o que é o melhor para você, mais do que qualquer um. Você sempre precisa fazer o que eu digo, caso contrário, você não vai sobreviver a esta vida. E você não


pode dizer a ninguém o que fazemos em nossa casa. Não é dá conta de mais ninguém. — Ela faz uma pausa e dá um tapinha na minha cabeça como se eu fosse seu cão. — Além disso, se descobrissem as coisas que você fez, você entraria em um monte de problemas também. Eu tinha cerca de oito anos na primeira vez em que ela me disse isso e mesmo assim não parecia uma coisa boa. As coisas que ela me fez fazer... O jeito que ela me segurava por horas, murmurando linhas de uma canção incoerente e fodida, acariciando minha cabeça com a mão, beijando minha bochecha, me implorando para injetá-la novamente. Errado. Tudo parecia errado e repugnante. Mas quanto mais ela dizia que era minha culpa, mais parecia que talvez fosse verdade. Como não poderia ser? Ela era minha mãe, afinal, e as mães não deveriam mentir para seus filhos. Então eu a ouvia. Dia após dia, eu mantive meus lábios selados. Às vezes eu tentava fugir de casa, porque eu não aguentava mais. Mas ela sempre me encontrava e eu comecei a me perguntar se era contra ela que eu precisava lutar para sobreviver. Eventualmente, encontrei uma maneira de lidar. Bebendo e fazendo sexo, eles me ajudavam a esquecer e me deixavam no controle que eu tanto ansiava na minha vida. Eu suspiro com o celular em minha mão, pensando, pensando, pensando. Sim, sei que é insano, que ela arruinou a minha infância, fodeu minha cabeça. Então, denunciá-la para a polícia deveria ser mais fácil do que isso e estou com raiva de mim mesmo pois não é. Mas, ainda assim, no final, eu imagino Violet, belos olhos verdes, lábios carnudos, longo cabelo ondulado vermelho e preto, um corpo sexy tatuado, um piercing de diamante em seu nariz, e a tristeza e dor em sua expressão na última vez que a segurei em meus braços. Isso é o que me ajuda a ligar para a delegacia.


— Olá, Albany County Departamento de Polícia, — a secretária atende. Quando eu hesito, ela acrescenta: — Tem alguém aí? Pigarro de novo e de novo, minha garganta seca, mas eu me forço a ser forte e lutar contra os meus nervos, cada um ligado a algo que aconteceu comigo quando eu era mais jovem. — Sim, eu gostaria de relatar algumas informações sobre o assassinato dos Hayes. — Assim que as palavras deixam meus lábios, eu me sinto vinte vezes melhor, a culpa se tornando mais leve. Eu só queria fazer algo que poderia apagar o passado, mas nada vai fazer isso. Nada vai me levar de volta para Violet. O que está feito está feito e não posso nunca mudar isto.

Violet Vida. Eu odeio isso. mais do que qualquer coisa. E o destino, ele pode ir para o inferno. Eu odeio o destino. Enquanto suas mãos calejadas estão em mim, sentindo minha pele, me fazendo encolher-me internamente, eu desejo nunca ter conhecido o bastardo chamado destino. Então, talvez eu nunca teria sentido o gosto do outro lado da vida, o lado bom. Então, talvez isto não fosse tão difícil. Tanto quanto estou entrando em pânico por dentro, por fora eu sou a calma Violet. A única que pode sorrir falsamente com a queda de um chapéu. A única que pode encantar qualquer um. Mesmo com dor, quando minhas pernas batem ao lado da cama enquanto sou forçada para meus joelhos, eu não faço nada enquanto estremeço. Eu estou morta do lado de fora, fria como uma pedra, enquanto por dentro meu coração está tão acelerado, eu me sinto tonta e mais tonta. Tudo está se movendo tão rapidamente, tão obscuramente, não posso pensar através das minhas emoções. O que é uma coisa boa.


Torna-se impossível dizer o que estou sentindo neste momento e faz suportável, menos doloroso, menos vergonhoso. Ainda assim, quando suas mãos continuam vagando sobre mim, sussurrando para me perturbar, este é o custo, eu sou tudo que você tem, enche meus ouvidos e mata minha alma, pouco a pouco, peça por peça. Quando a minha cabeça é forçada para baixo, encontro-me desejando que houvesse um botão de pausa onde eu poderia congelar o tempo, sair deste lugar e apagar o que está prestes a acontecer comigo. Sim, há uma porrada de momentos em minha vida que eu gostaria de poder fazer mais. Naquela época, em que eu não estudei para a minha prova de Cálculo, porque Preston precisava de mim para cuidar dos seus negócios pela primeira vez. O tempo em que eu desci as escadas no meio da noite e os meus pais foram assassinados, enquanto eu sobrevivi. A noite em que eu fugi de Luke. Este. Cada um teve consequências, alguns mais graves do que outros. E, infelizmente, eu dolorosamente entendo que segundas chances não existem, pelo menos uma onde você pode apagar o passado e começar de novo. E, na maior parte, tirando a morte dos meus pais, eu nunca pensei muito em segundas chances, coloquei a maior parte da culpa da merda conhecida como minha vida no destino. Mas se passaram dois meses desde que eu deixei Luke e o apartamento que senti mais como uma casa para mim do que qualquer outro lugar que eu já vivi. E mesmo que ele ainda me faça pensar sobre como os nossos passados estão entrelaçados, muito antes de nós sequer nos conhecemos, parte de mim deseja que eu tivesse feito as coisas de forma diferente. Dois meses de puro inferno com momentos repletos de ameaças sussurradas e as mãos calejadas, onde eu perdi o controle da Violet Hayes, a versão que Luke Price trouxe para fora. Ela morreu no segundo em que escolheu voltar para casa


de Preston, porque ela estava sofrendo e não conseguia pensar em nenhum outro lugar para ir. E eu não tenho certeza se ela vai viver novamente. Desta vez eu não posso culpar o que está acontecendo comigo no destino. Só meu orgulho, meu coração ferido, e a escolha que eu fiz que me levou a inúmeras escolhas ruins, as quais não podem ser apagadas. Nada disso pode.


01 Violet Estou à beira de perder a consciência, entrando e saindo enquanto dois meses de más decisões me levam ao chão e me empurram ainda mais para dentro da água. Meu corpo inteiro está encharcado, meus pulmões prestes a entrar em combustão, mas eu não subo por o ar. Eu aceito livremente a falta de vida dentro de mim e me permito ficar lá mais e mais, até que eu me sinta leve e sem peso. Um ou dois segundos depois. É tudo o que eu preciso. Eu posso fazer isso. Sentir o conforto por apenas um momento antes que eu tenha que voltar à realidade dolorosa da minha vida e o que eu sou. Só mais um segundo. Prenda a respiração. Mantenha-a. Aguente a dor. Afogue. Não pense. Respire. Não viva. Às vezes me pergunto o que aconteceria se eu desse um passo longe demais. Se eu ficasse sob a água sem respirar por muito tempo. Avançasse um passo perto da borda. Dirigisse um


pouco rápido demais na estrada. Morte. Será que dói? Ou seria sem peso? Libertador? Seria melhor do que a vida? Será que eu, finalmente, no final, seria capaz de respirar livremente de novo? A única maneira de saber é ir até o fim. Ir rápido demais. Afundar até o fundo e nunca subir pelo ar. Estou tão perto de descobrir, mas não estou pronta para selar completamente o meu destino ainda. Então, segurando a borda da banheira, eu me puxo para fora da água, com falta de ar, meus pulmões doloridos agradecidos. Sento-me metade para fora da água, inalando, exalando, o sangue bombeando através das minhas veias e se misturando com a adrenalina. Minhas emoções ainda estão dormentes e me concentro em obter a próxima lufada de ar. Mas quanto mais eu respiro, mais fácil se torna, e mais a minha mente começa a despertar novamente. Sentimentos e pensamentos da morte dos meus pais surgem, apunhalando meu coração. O assassinato. E a coisa que quase me mata toda vez que eu penso sobre isso. cada minuto. Cada segundo. Cada dia maldito me consome. Luke Price. O cara - a única pessoa que eu já deixei entrar. A única pessoa com quem eu já me senti segura. E agora que está tudo acabado, ele se foi. Levado e roubado pelo humor doente e deformado do destino. Que permitiu que nós nos conhecêssemos primeiro, em seguida, permitiu que nós descobríssemos que temos uma ligação muito antes de nos conhecermos. Revelando que sua mãe era uma das pessoas responsáveis pelo assassinato dos meus pais. Que o tempo todo, nós nunca poderíamos terminar juntos. Mesmo que o destino nos fez pensar que estava destinado a ser a partir do momento em que eu pulei da janela e chutei sua cara. E agora eu estou sentindo-me pior do que já estive na minha vida inteira. Antes de Luke, eu não sabia o que era ter alguém que se importasse comigo e entendesse como se sentir ao se preocupar com alguém, estou aprendendo muito rapidamente


que é difícil desligar minhas emoções quando eu sei que posso sentir coisas surpreendentes assim. Mas eu continuo tentando passar através disso, querendo nada mais do que ver como termina. Ver alguém finalmente pagar pela morte dos meus pais. Mas pode ser impossível, já que ainda há outra pessoa envolvida - outra pessoa que ainda é desconhecida. Eu odeio não saber, ao mesmo tempo em que detesto saber quem é um deles, especialmente desde que não tenha havido qualquer justiça ainda. Odeio que eles arruinaram a minha chance de felicidade e me desprezo por pensar nisso dessa forma. Parece egoísta. Meus pais estão mortos e eu deveria apenas estar pensando na justiça para eles, mas não consigo parar de pensar sobre como Luke me fez sentir. Contente e feliz, algo que eu não tinha tido desde que tinha cinco anos de idade. Eu o quero de volta, quase tanto quanto quero justiça pelos meus pais. E isso parece errado, me faz sentir como se meus pais fossem me odiar se eles ainda estivessem vivos. E talvez eles estão. Talvez eles estejam me odiando das sepulturas já que eu nunca fiz uma visita, simplesmente porque não consigo ir até lá. — Violet, o que diabos você está fazendo aí? Preston, o último pai adotivo que eu tive com quinze anos até me tornar legalmente uma adulta aos dezoito, bate na porta. Ele é oito anos mais velho que eu, mas não se importa com a diferença de idade, e usa isso em seu proveito o tempo todo. Ele não costumava ser tão interessado em mim, não nesse extremo. Mas, em seguida, sua esposa o deixou e agora tudo o que ele parece ver é eu. Isso faz mal ao meu estômago, só de ouvir o som da sua voz porque me lembra de tudo o que aconteceu nos últimos dois meses que eu tenho vivido aqui. Aluguel não vem de graça e Preston não aceitará dinheiro. Então eu tenho que lidar com seus negócios para pagar o aluguel e, em seguida, meu corpo paga por quaisquer erros que eu vá cometer ao longo do caminho.


Eu me odeio, por deixar o desespero matar-me o suficiente para que eu permita coisas como essas acontecerem. — Eu estou tomando um banho, — eu respondo, passando minhas mãos sobre o meu cabelo molhado e inclino minha cabeça contra a borda da banheira, o vômito queima na parte de trás da minha garganta quando me lembro da noite... As mãos calejadas... — Bem, se você não sair logo daí, eu vou ter que arrombar o bloqueio e fazer você sair, — ele diz através da porta com diversão em seu tom. E desejo. Luxúria. Necessidade. Eu o odeio. Eu preciso dele. Eu gostaria de estar em outro lugar. — Eu estarei saindo em alguns minutos. — Eu grito, vendo a torneira gotejando e a ondulação da água. Eu coloco meu pé sobre a borda da banheira e olho para as contusões amareladas cobrindo minha canela e acima do meu joelho até minha coxa. Mas, quando as imagens inundam minha mente, eu balanço minha cabeça e me encosto à parede. Recuso-me a pensar sobre elas. Eu preciso sobreviver, não importa o que aconteça, da forma que eu fiz na maior parte da minha vida, dentro e fora dos lares adotivos. Afinal, eu já tive pior. — Você deve se trocar aqui fora, — ele diz, o som da sua voz fazendo as contusões na minha pele picarem. — Pode ser o pagamento pelo erro que você cometeu na semana passada. Eu tremo com a lembrança. Na semana passada eu errei feio. Eu estava distraída sabendo que o semestre estaria começando em poucos dias e que Luke e eu teríamos que nos ver outra vez nos corredores e, provavelmente, na sala de


aula. Eu acabei fazendo negócio com um cara sem pegar o dinheiro primeiro e ele fugiu sem pagar e totalmente me ferrou. — Eu pensei que estaria indo vender para você no sábado e no domingo para compensar. — Eu não me incomodo em mencionar que eu já fiz algo para compensar isso, só porque tenho medo de vomitar se eu disser em voz alta. Eu me inclino para trás e olho para o teto, desejando não me afetar por suas palavras, não me afetar pela sensação ruim que se manifesta na boca do meu estômago. Vomito queima na parte de trás da minha garganta, mas eu me recuso a tirá-lo. — Você está se tornando uma verdadeira chatice, Violet Hayes, — ele diz. — A vida seria muito mais fácil se você apenas relaxasse e fizesse o que eu digo. — Eu já faço, — eu respondo com os dentes cerrados. Eu nunca fui fã de ouvir o meu sobrenome, ou até mesmo dizer às pessoas. Me lembra muito da minha mãe e do pai e como eles morreram. A única pessoa para quem eu disse que não me incomodou foi Luke. Normalmente eu repreendo Preston por usá-lo, mas ultimamente tenho estado muito emocionalmente esgotada para entrar em uma boa luta. Eu só respiro livremente quando ouço Preston se afastar da porta. Então eu saio da banheira e seco minha pele com uma toalha antes de colocar uma blusa roxa, um colete preto e calça combinando. Eu despenteio meu cabelo com um pouco de gel, coloco gloss e um pouco de delineador, então saio do banheiro, me sentindo um pouco extasiada desde a adrenalina que eu tive quase me afogando na banheira. Eu pego um pacote de torradas do armário e uma garrafa de água da geladeira, esperando que Preston seja cooperativo quando eu pedir-lhe uma carona para a escola. Por favor, seja cooperativo.


Mas ele não está em seu quarto, o que provavelmente significa que está no porão abaixo da casa, onde mantém suas drogas. A entrada é sempre trancada, mas eu não vou até lá de qualquer maneira. A última coisa que quero fazer é descer para um espaço estreito e assustador, a sós com ele. Então eu vou para a sala e coloco minhas botas, tomando o meu tempo enquanto espero por ele. A casa em que vivemos é bastante limpa, embora cheire a cigarro e maconha. Ainda assim, não há lixo em torno dela e tudo é organizado e no lugar. Eu já vivi em lares adotivos onde a limpeza era inexistente e a sujeira, lixo e poeira revestiam tudo. Não era o ideal. — Então, o que você está fazendo hoje? — Preston pergunta enquanto anda pela casa, colocando uma jaqueta com capuz xadrez e, em seguida, varre um pouco de terra do seu cabelo. Minhas contrações musculares da mão desejam se apertar em um punho e socar a casualidade do seu rosto. Mas eu enterro o impulso e fecho minha bota na altura do joelho, então, fico de pé e pego minha bolsa. — Eu realmente preciso de uma carona para a aula, a menos que você queira me emprestar seu carro. —Por favor, diga simplesmente sim, sem amarras. — Você sabe que eu odeio fazer isso, a menos que você tenha que vender, — ele diz, inclinando-se contra o batente da porta e cruzando os braços, me dando aquele olhar - o que vem antes dele me pedir para fazer algo. — Então eu vou ficar preso aqui sem um veículo. Eu jogo a alça da minha bolsa por cima do meu ombro. — Bem, você pode me dar uma carona, então? Dessa forma, você ainda vai ter o seu carro. — A escola começou apenas em alguns dias e já está se tornando uma dor na bunda para chegar até lá. Eu deveria ter ficado apenas em um dormitório, mas estupidamente esperei por muito tempo, pensando que


eu estava indo viver no apartamento com Luke, Seth, e Greyson, mas o plano brilhante foi à merda. Preston ajeita seu cabelo no lugar enquanto atravessa a sala e para em minha frente, muito perto e posso sentir o seu cheiro, eu odeio o seu cheiro. — Eu odeio fazer isso, porque então vou ter que esperar em torno de um par de horas para ir te buscar. — Você não tem nada na cidade que precise fazer? — Eu inclino-me sutilmente para longe dele, o seu cheiro está tornando-se enjoativo demais. Ele balança a cabeça. — Não realmente. — Ele pega as chaves do carro na mesa de café. — Mas eu tenho que fazer uma merda com Dan. Meu estado de espírito despenca. — Dan o pervertido? Ele dá de ombros com indiferença, balançando seu chaveiro em torno do seu dedo. — Você diz pervertido. Eu digo que é um cara que só gosta de se divertir. — Ele pisca para mim. — Assim como eu. — Ele paga mulheres para fazer sexo com ele. — Eu digo isso como se fosse mudar alguma coisa, quando claramente não vai. — Dinheiro, comida, um teto sobre a cabeça, um monte de gente troca isso por sexo. — Não há acusação em seus olhos. Por favor, alguém me tire desse maldito lugar. Eu observo como seus olhos estão vermelhos, o que significa que ele está mais do que provavelmente chapado e que ter qualquer tipo de discussão é uma causa perdida. Eu suspiro, virando-me para a porta. — Tudo bem, eu vou apenas pegar uma carona. — Eu tanto amo e odeio a ideia de fazer isso. Amo por causa da emoção. E odeio isso porque eu amo fazer coisas


assim - amo o perigo, porque é tudo o que me resta. Riscos. Bem, na verdade eles são riscos mais o que eu tenho a perder? Preston revira os olhos. — Não seja exageradamente dramática. Vou levá-la para a escola, mas você está por conta própria pelo dia, porque não é problema meu. Ficar por conta própria significa provavelmente pedir uma carona, já que eu não tenho nenhum amigo, exceto Greyson talvez, com quem ainda falo no trabalho e saio algumas vezes, mas acho que ele não tem aula hoje e pedir favores às pessoas é ruim o suficiente como ter que pedir Preston. — Soa como um bom plano para mim. — Eu forço um tom jovial quando caminho para a porta, pronta para começar o dia. O último mês tem sido muito intenso, especialmente com o caso dos meus pais sendo altamente investigado devido a Luke ter dando-lhes informações sobre Mira Price, sua mãe. Eu não falei com Luke sobre isso, porque eu mal consigo olhar para ele sem sentir tanta agonia e mais alguma coisa que não acho que eu já tenha sentido antes. O caso ainda não foi a lugar nenhum. Mira Price tem sido questionada e o detetive Stephner, quem está no comando da investigação, está tentando obter provas suficientes para obter um mandado de busca na casa dela. Quando perguntei por que Luke e eu não podíamos simplesmente depor, ele disse que não tinha certeza se uma canção iria levar ao tribunal, eles precisavam de mais. Prova de DNA ou algo melhor. Eu me pergunto o que diabos estaria em sua casa depois de todos esses anos, estou certa de que ela tenha destruído cada prova - por isso estou pessimista com a ideia de que uma prisão vai ser feita. No entanto, o que tem feito o caso desencadear é a tonelada de atenção da mídia, que fez a minha vida um inferno, pessoas como Stan, o repórter que me assediou através de telefonemas, surgiam em qualquer lugar. É de dar nos nervos, especialmente porque essas mensagens de texto poderiam ser


a partir do verdadeiro assassino já que há duas pessoas no mundo que fizeram isso e eles ainda poderiam estar persistentemente ao redor, me observando E se ele finalmente viesse à minha procura? Durante um breve colapso semi-embriagado, eu disse a Preston meus medos sobre isso, o que me levou estupidamente a divulgar mais do que o que eu pretendia, como o que se passou entre Luke e eu, o que ele usa contra mim. Assim, não só estou constantemente olhando por cima do meu ombro, mas tenho Preston me lembrando do que vou ter se eu deixá-lo - absolutamente nada. Ainda assim, às vezes eu prefiro ter o nada. Eu tento não pensar muito sobre isso, porém, enquanto passo pela porta da frente com Preston logo atrás de mim. Quando chego ao velho Cadillac cinza de Preston estacionado na garagem, ele me rodeia e abre a porta, segurando-a aberta como um verdadeiro cavalheiro, mas ele não é. Algo que revela com a sua próxima jogada, quando eu passo em torno dele para entrar no carro ele agarra meu quadril e me puxa contra seu corpo. Eu tento me imaginar estando no topo do edifício mais alto com os braços estendidos ao meu lado enquanto ele aperta-se contra mim e beija a parte de trás da minha cabeça. — Eu estava pensando que talvez amanhã nós poderíamos fazer algo divertido no seu aniversário, — ele diz, seus dedos errantes em direção ao meu quadril e os alfinetes e agulhas no meu interior começam a esfaquear a minha pele. — Meu aniversário foi a mais de um mês atrás, — eu digo categoricamente. Desligue. Desligue. — E honestamente eu não quero celebrar o dia em que eu vim a este mundo. — Deus, o que diabos há de errado com você. Você está sempre tão para baixo o tempo todo. — Ele mergulha os


lábios na minha orelha e morde meu lóbulo. — Eu não faço tudo por você... Dou-lhe tudo o que você quer? — Seus dedos deslizam para debaixo do cós da minha calça e escovam minha pele. — Deixe-me fazer algo especial para você ou melhor ainda, vamos fazer algo juntos. — Eu não estou com disposição para sentar ao redor e ficar chapada, enquanto você tenta me agarrar. — Eu quero correr. Ficar em pé na estrada e nunca parar. Deixar para trás tudo o que estou sentindo por dentro. A confusão. A aversão ao longo deste e do último par de meses. A obrigação, algo que sei que Preston me lembrará se eu lhe disser para parar de me tocar. Seus dedos escavam minha pele, seu humor mudando para raiva - eu disse a coisa errada novamente. — Porque você não pode ser mais grata? Jesus, às vezes eu acho que poderia ser melhor se eu simplesmente te expulsasse. Apenas te deixar ir viver nas ruas. Você poderia ser uma prostituta e ganhar dinheiro dessa forma. — Talvez eu devesse. — Eu mordo meu lábio logo que digo isso, porque não quero ficar sem-teto agora, não com tudo que estava acontecendo. — Tudo bem, se você quiser fazer alguma coisa no meu aniversário, nós podemos. — Eu tento limpar a bagunça que fiz enquanto me concentro em imaginar como seria chegar ao fim da queda. Será que parece como se estivesse voando por um momento? Ou apenas é uma queda? Será que dói quando atingir o chão? Os ossos quebraram? Ou será que acaba apagando antes mesmo de chegar lá? — Boa menina, — ele diz. — Você é sempre tão boa em fazer o que disse. — Então ele beija meu pescoço, sugando-o antes de se afastar e meu coração acelera rapidamente, mas eu permaneço morta do lado de fora e deixo as imagens de mim esmagada no chão assumir completamente e consumir-me, mas depois elas mudam para outra coisa, o que acontece às


vezes. Minha mente muda para a imagem de mim caindo nos braรงos de Luke. Seguranรงa. Seria muito mais fรกcil se esse sentimento tivesse sumido, mas eu sei muito bem que nada de bom vai acontece.


02 Luke Há sempre duas coisas em minha mente. Álcool e dinheiro. Ou bebida e jogos de azar. É tudo o que posso focar porque no momento em que eu paro e deixo minha mente vagar na vida é o momento em que eu penso nela. Violet Hayes. A única garota que me fez achar uma vez que era o melhor tipo de caminho possível quando na verdade ela me quebrou, me fez pensar apenas sobre ela, me fez querer apenas ela. Mas em seguida, foi levada. Ou roubada pelo que minha mãe fez. Eu deveria saber que não podia escapar do meu passado, que ir para a faculdade não era o suficiente para ficar longe da loucura que é a minha mãe. Que ela iria encontrar uma maneira de ter controle sobre a minha vida, como costumava fazer quando eu era criança. Eu deveria saber que ainda não tinha acabado. Depois que Violet saiu do apartamento, há dois meses, eu liguei para a polícia e relatei os fatos que eu sabia sobre o assassinato. Foi só um pouco, mas eu sabia que devia a Violet, muito. Mas o telefonema não levou a nenhum lugar, infelizmente. A polícia não encontrou qualquer evidência real para prender minha mãe, mas eles estão tentando e eu mantenho meus dedos cruzados que algo vai surgi. Eu acho que parte de mim esperava que, ao dizer à polícia, Violet iria voltar para mim. Mas ela não voltou. E quanto mais tempo se passa, menos eu acho que ela voltará. Se eu fosse mais forte, eu iria para casa da minha mãe e procuraria evidências por mim mesmo, que não tenho nenhuma ideia por


onde começar. Mas me pergunto, o que poderia estar escondido em meio ao caos daquela casa. A perfeita, casa limpa no andar de cima, com anos de porcaria que ela escondeu que estão amontoados no porão. Mas a ideia de ir até lá e ver aquela mulher... me faz sentir um tipo de raiva... Faz-me ter medo do que eu poderia fazer com ela. Assim, a parede permanece entre Violet e eu, se construindo mais e mais a cada momento, enquanto eu morro um pouco mais a cada dia. Para ajudar a acordar todos os dias, eu tento dizer a mim mesmo que eu vou superar Violet, eventualmente, porque o tempo é suposto para curar todas as feridas ou alguma merda estúpida assim, mas parece que o tempo tem o efeito oposto em mim. As feridas estão contaminadas e escorrendo pelo meu corpo, me apodrecendo de dentro para fora. Para adicionar à porcaria acontecendo, eu tenho uma cópia do diário da minha irmã, Amy, que ela escreveu antes de cometer o suicídio quando tinha 16 anos de idade. Eu não pedi pelo diário, mas minha mãe encontrou-o em uma de suas caixas e aleatoriamente enviou para mim, jogando seus jogos mentais habituais, tentando me fazer lembrar da morte da minha irmã. — Lembre-se como a sua irmã me deixou, — minha mãe disse quando liguei para ela depois que eu tinha recebido o diário, perguntando o que diabos era isso. — Você precisa voltar para mim, Lukey. Não me deixe - não seja Amy. — Vá para o inferno! — Eu gritei e desliguei na cara dela, sentindo um fogo tão potente no meu peito, eu acabei destruindo meu quarto apenas para me acalmar. Eu não estava pensando em ler o diário porque nada do que vem da minha mãe é bom. Mas com muito tempo livre em minhas mãos, a maldita coisa começou a me assombrar e eu finalmente cedi. A primeira coisa que descobri é que não havia nenhuma maneira que minha mãe leu antes de me enviar e ela


deveria. O material nas páginas pintam um retrato verdadeiro muito horrível, do tipo doente, desarrumado de pessoa que ela é - minha mãe. Sempre que leio uma página ou duas, eu aprendo mais e mais sobre quanta coisa estava acontecendo entre Amy e minha mãe que eu não entendia, enquanto vivia com elas. Por exemplo, o tempo que minha mãe tentou prostituir Amy para um dos seus traficantes de drogas pelo pagamento.

Cada palavra que eu leio faz meu ódio por minha mãe cresce e a raiva em meu peito se expandir. Muito em breve eu vou ser preenchido com tanto ódio que vou afogar nele. Então faço a única coisa que posso fazer para lidar com ela. Eu me afogo em outras coisas, como faço para esconder a dor em perder Violet. No último par de meses, minhas noites foram preenchidas com bebida, jogos, festas e lutas, alguns dos quais eu fui à procura de outros e foram jogados para mim quando eu fui pego roubando durante um jogo. Eu sei que deveria parar, não porque não é saudável, especialmente porque eu sou um diabético, mas um dia desses eu vou irritar a pessoa errada ou


tomar álcool demais. Mas eu não dou a mínima. Viver ou morrer. É tudo a mesma coisa para mim. Dormir tornar-se um conceito estranho, juntamente com comer e beber qualquer coisa que não vem na forma líquida e me dá uma queimadura para entorpece meu coração, alma e mente. Quando consigo fechar meus olhos, meu passado me assombra. Está se tornando impossível escapar, então tento não dormir o máximo que eu puder. Eu acho que está começando a aparecer, pelo menos é isso que eu quero saber quando caminho para a sala de estar. Seth está sentado no sofá quando eu entro, bocejando e os olhos aborrecidos sem nenhum sono. Ele olha para cima do laptop com um olhar de desgosto em seu rosto quando fixa seus olhos em mim. — Sem ofensa cara, mas você parece uma merda, — Diz, fechando o computador enquanto observa meus olhos fundos e a contusão na minha bochecha se curando, consequência da briga do último fim de semana depois que eu fui acusado de roubar em jogo no Denny. Felizmente, os caras que frequentam lá são um bando de maricas e eu saí de lá com poucos arranhões e por mim mesmo. Infelizmente eu não posso voltar mais lá para jogar, então vou ter que encontrar outro lugar para fazer algum dinheiro. — Cale a boca, — eu digo para Seth, correndo a mão sobre o meu cabelo castanho bagunçado. Está ficando meio grande desde que eu não corto meu cabelo em um tempo. Mas ainda não importa o suficiente para cortar. Seth me avalia, em seguida, revira os olhos. — É preciso superar esta merda. Sério. Isso vai te matar. — Superar o quê? — Eu me finjo de desentendido.


Ele revira os olhos novamente. — Eu diria a você, mas não me atrevo a dizer o nome dela, porque você vai me dar aquele olhar de Bambi ferido e em seguida, arrancar minha cabeça. — Eu não sou um Bambi ferido, — eu digo duramente, mas tenho que engolir o caroço se formando na minha garganta. Pego meu casaco do balcão, antes de ir até a geladeira. — Onde diabos está a garrafa de Jack Daniels? E a Vodka? — Pergunto. Seth coloca seu laptop de lado, levanta-se do sofá, caminhando até a área do balcão. — Você tomou tudo ontem à noite antes de ir para só Deus sabe onde. — Ele faz uma pausa como se estivesse esperando que eu lhe dissesse, mas eu não digo, porque mal consigo me lembrar o que fiz cinco minutos atrás, muito menos cinco horas atrás. Eu fecho a porta da geladeira e abro o armário ao lado onde Greyson, o namorado de Seth, e meu amigo e companheiro de quarto, mantém seu estoque de vodka de cereja. — Você acha que ele vai se importar se eu beber um pouco disso? — Pergunto a Seth, pegando a garrafa que está apenas cerca de quatro dedos completa. Seth dá de ombros quando se inclina contra o balcão. — Eu acho que ele não vai se importar desde que ele mal bebe. — Ele vacila. — Mas acho que ele vai se importar que você esteja bebendo. Eu pego a garrafa, precisando obter um pouco de álcool em meu sistema. Eu estou começando a tremer só de pensar nisso, começando a pensar fodidamente muito. — Eu sempre bebo. — Sim, mas... — Ele faz uma pausa, massageando seu pescoço tenso. Eu olho feio para ele. — Mas o quê? Apenas termine tudo o que você vai dizer.


Ele suspira, abaixando seu braço em sua lateral. — Olha, eu entendo a coisa toda de beber. Eu mesmo bebo um inferno de um lote, mas Greyson e eu temos conversado e parece que... — Ele parece desconfortável. — Recentemente você anda bebendo muito mais do que no último mês ou algo assim. — Você quer dizer desde que Violet foi embora. — Eu ignoro a facada cortando meu peito e é mais fácil com a vodca na minha mão. Ele relutantemente concorda. — Sim, isso mesmo. — Ele toma fôlego, passando os dedos pelos cabelos loiros. — Olha, eu não sei o que aconteceu entre você e Vio... — Ele faz uma pausa quando avista o meu rosto. — Ela. Mas é óbvio que você está tendo um tempo difícil com isso e você pode... Você pode pensar que é mais fácil beber e fazer Deus sabe o que você faz toda noite. — Ele dá um olhar urgente em minha calça suja e minha camisa xadrez amassada, em seguida, olha para o meu rosto. — Está começando a parecer. Sério, você parece um morto-vivo o tempo todo. Eu nem sei como diabos você consegue ir para a faculdade. E sobre o treino de futebol? Não começou em um par de semanas? Você não deveria estar em forma ou o que diabos que vocês fazem para se prepararem para a temporada de jogo? Ele está me dizendo coisas que eu já sei e que não me importo, então eu ignoro-o e começo a desenroscar a tampa da vodka. — Estou bem. Não faço nada que eu não possa lidar. E eu treino o tempo todo. — Mentira. Eu tenho faltado bastante, algo que o meu melhor amigo Kayden observou no outro dia quando eu não apareci nos treinos. Mas não o suficiente para que eu perca um monte de tônus muscular ou qualquer coisa e eu sinceramente estou com muita dificuldade em encontrar vontade para ir, o que é estranho para mim. A minha normal necessidade de estrutura e ordem está fodida, a única coisa no caminho certo no momento é a faculdade.


Seth balança a cabeça. — Esse é o maior monte de merda que eu já ouvi sair da sua boca. Você não está bem - nada está bem com você mais. Na verdade, acho que você está a dois segundos de desmoronar. Eu inclino a minha cabeça para trás e tomo um gole, o líquido doce queima instantaneamente minha boca e eu me sinto vinte vezes melhor. Tomo um longo gole, ignorando o aroma de cereja sem graça, em seguida, abaixo a garrafa da minha boca. — Desde quando você se tornou tão preocupado com a minha vida? — Eu limpo meus lábios com a costa da minha mão. Ele balança a cabeça, decepcionado por algo. — Desde que você, obviamente, deixou de se importar com si mesmo. Eu jogo a garrafa de vodca na minha bolsa, balançando o punho sobre o meu ombro, e passo por ele, dirigindo-me para a porta da frente. — Eu me preocupo com a minha vida. — Mentira. — Caso contrário, eu não iria me levantar todos os dias e ir para a aula. — Outra mentira. A única razão que eu faço isso é a) porque eu tenho um problema estranho com a necessidade de estrutura e a faculdade é a única coisa que dá isso para mim; e b) É o único lugar que eu posso ver Violet vê-la de forma consistente na última semana tem valido a pena a dor na bunda de levantar-me para ir para aula. E mesmo que dói como um filho da puta cada vez que a vejo, devo aproveitar essa dor porque eu ainda quero vê-la. Seth abre a boca para argumentar, mas eu me afasto dele e saio pela porta. Felizmente a faculdade fica a uma curta distância, do contrário eu teria que pedir uma carona a Seth. É um dia decente e eu tento focar nesse fato enquanto faço o caminho da faculdade. Mas então eu ouço meu celular tocar dentro do meu bolso, uma melodia familiar, e a possibilidade de ter um bom dia diminui. Mesmo que eu não queira atender e falar com ela, quero ouvir o que ela tem a dizer - eu sempre quero, mas só porque espero que ela vai finalmente deixar


escapar alguma coisa que vá ajudar a acelerar a investigação para prender-lhe. — O que você quer? — Eu atendo após três toques enquanto tropeço até a calçada. — Ei Luke, — minha mãe cantarola, ela está delirante ou chapada, é difícil de dizer. — Como está o meu menino? — Eu não sou seu menino. — Eu dou um passo em frente, tropeçando no meio-fio no processo. — Então pare de me chamar assim. — Oh, você sempre será o meu menino, — ela responde quando me aproximo do outro lado da rua e, em seguida, começo a descer a calçada. — Quando você vai voltar pra casa? A raiva queima dentro de mim, uma violenta queimadura em meu peito, eu penso sobre tudo o que ela já fez comigo naquele inferno que ela chama de casa. Como ela sempre agiu como se não significasse nada - que tudo o que ela fez para mim e para minha irmã Amy não significava nada. Como ela conseguiu arruinar a minha vida, mesmo quando eu não estava vivendo lá. Como ela poderia ter matado alguém, ou pelo menos foi uma parte disso. Todo o mal que ela fez. Todas as vidas que está arruinando. — Eu não estou fodidamente voltando para casa nunca mais, — eu grito com ela, fazendo um cara que está andando na rua contornar e colocar espaço entre nós, como se eu sou o único louco. — Eu tenho uma vida agora. Aqui. Longe de você e tudo o que você fez e continua fazendo. — O que isso quer dizer? — Ela parece magoada, assim como o dia em que me ligou e me perguntou por que eu tinha dito à polícia que ela poderia ter sido parte de um assassinato que aconteceu quase quatorze anos atrás. Eu disse a ela a verdade, que eu sabia o que ela fez.


Ela negou tudo; a música, a noite em que voltou para casa com sangue em suas roupas, mesmo que eu tenha visto. E no nosso próximo telefonema, ela já estava negando que eu tinha dito algo a polícia. Como se ela estivesse fingindo que não aconteceu. Mas aconteceu. Ela arruinou uma vida. Ela tirou vidas. Ela fez coisas pelas quais precisa pagar e que eu sempre vou pagar por ser seu filho. — Você sabe o que significa, — eu digo. — Então pare de se fingir de estúpida. — Não, eu não sei, — ela mente. Ou talvez não esteja mentindo. Ou isso é tudo um jogo para ela. Talvez ela esteja doente. Precisando de ajuda. Eu honestamente não sei, mas tenho me perguntado isso na maior parte da minha vida. Se talvez haja algo de errado com sua cabeça. Independente disso, ela precisa ser trancada em algum lugar, onde não pode machucar ninguém. — Você falou com a polícia ultimamente? — Eu caminho por todo o gramado em frente à casa de alguém e pulo a cerca, tomando um atalho por um beco estreito. — Não, não desde aquela noite que eu liguei cerca de uma semana atrás... Por quê? — Apenas checando para saber se você estava em apuros, — eu digo sem rodeios, agarrando-me em uma cerca quando imagens começam a entrar na minha cabeça e o mundo começa a girar. — Ou se você finalmente admitiu o que fez. — Eu nunca estive em apuros. Eles me disseram que foi engano e que estava tudo acabado e que a pessoa que ligou nunca mais ia ligar de novo. — Ela faz uma pausa. — Lukey, por favor, volte para casa. Estou solitária. Lembre-se como Amy deixou-nos - me deixou. Eu preciso de você. Não seja como ela - não me deixe.


— Eu não estou voltando para casa nunca mais. — Quando chego ao final do beco, eu corro em frente ao jardim do campus, repleto de árvores, grama verde, e pessoas indo e vindo no estacionamento. — Você tem que voltar, — ela lamenta. — Eu não posso ficar nesta casa vazia... Estar sozinha... Faz-me pensar em fazer coisas ruins. Faço uma pausa na calçada bem antes de pisar no gramado, medo e raiva explodem através de mim por ela está fazendo isso novamente. — Bata parar com essa merda, mãe. — Você precisa voltar para casa antes que algo ruim aconteça. Eu odeio-a ainda mais. Eu não achei que fosse possível, mas ao que parece é, sinto a raiva fervendo dentro de mim, me possuindo. — Eu nunca vou voltar para casa. É aí que tudo de ruim fodidamente acontece! — Sim você vai! Você vai! — Ela começa a chorar histericamente e com cada soluçar meu ódio por ela aumenta e eu fico ainda mais irritado até que estou me afogando, lutando para ver através do vermelho. Finalmente, eu não aguento mais e desligo na sua cara. Mas a raiva ainda arde sob a minha pele, fervendo, apodrecendo, me matando. Eu tomo uma respiração profunda depois outra e, finalmente, procuro em minha mochila pela Vodka. Eu tomo o restante dela, sabendo que estou indo empurrar o meu corpo até a borda para conseguir ser capaz de funcionar, mas preciso da dormência mais do que preciso de ar. Eu preciso apagar este ódio mexendo dentro de mim. Depois que termino, eu descarto a garrafa vazia em uma lata de lixo nas proximidades e atravesso o gramado do jardim do campus, colidindo com as pessoas no meu caminho, às vezes acidentalmente e às vezes intencionalmente, mas nenhuma


delas pronuncia uma palavra sequer para mim. Até o momento que chego na entrada principal do campus, as árvores e os prédios de tijolos estão começando a tornar-se um borrão e tudo que posso ver é vermelho. Raiva. Vermelho. Ódio. Mais raiva. Eu seriamente quase virome e caminho de volta para casa, decidindo que exagerei e provavelmente seria melhor apenas voltar e deixar-me desmaiar. Então eu vejo algo que me impede de me mover. Um cinzento Cadillac parado em frente ao prédio principal. Violet. Está tudo bem - na verdade eu gosto - exceto pelo fato de que Preston o babaca está ao seu lado. O cara é um velho tarado assustador, que vende drogas e também faz Violet vender para ele. Sem falar que ele bateu nela antes. Eu ainda não posso acreditar que ela voltou para ele quando saiu. Só de pensar neles sob o mesmo teto faz minha pele se arrepiar como se estivesse cheia de feridas infectadas. Eu tentei entrar em contato quando descobri que ela voltou a morar com ele, mas ela nunca atendeu seu celular ou respondeu minhas mensagens. Quando finalmente consegui vê-la novamente no meu primeiro dia de aula, ela fingia que eu não existia e foi dessa maneira todos os dias malditos. Eu paro perto das árvores e observo-a sair do carro. Ela está usando calça apertada preta, um colete e uma camisa roxa que é curta o suficiente para que eu possa ver sua lateral que eu sei que é coberta com uma tatuagem, padrões flores cobrindo até sua caixa torácica. Seu cabelo preto com mechas vermelhas está solto e eu não posso me parar, mas lembro-me das poucas vezes em que corri meus dedos por ele, dei-lhe um puxão e ela gemeu em resposta. Deus, o jeito que ela gemeu foi incrível. O que eu não daria para ouvi-la novamente. Tocá-la de novo... Meus dedos coçam só de pensar nisso. Mas ao invés disso eu estou preso a uma certa distância, observando-a enquanto ela fecha a porta do


carro e caminha para a entrada da faculdade. Então Preston sai por algum motivo e, quando ele diz algo, ela faz uma pausa, parando perto da beira da calçada. Ela não se vira, apenas olha para frente do prédio de tijolos enquanto ele anda ao redor da parte de trás do carro e em sua direção. Se eu não soubesse melhor acharia que eles são um casal, pelo jeito que ele se move ao redor dela, põe as mãos nos seus quadris, e se inclina por cima do seu ombro, aproximando-se e pressionando seu corpo contra o dela. Eu vejo um flash brilhante de vermelho. Sinto o fogo no meu peito inflamar e queimar através de cada parte do meu corpo. Eu quero andar até lá e acertar meu punho em seu rosto várias vezes, ver o quão mal eu possa machucá-lo, especialmente quando ele sussurra algo em seu ouvido. Em seguida, ele acrescenta combustível ao fogo abrasador dentro de mim quando move sua mão e enfia no bolso de trás de Violet, querendo tocá-la ou colocar alguma coisa lá dentro. De qualquer maneira, é chato e a compulsão de ir até lá e dizerlhe que ela é minha quase me consome. Ainda assim, estou muito bêbado e estou perdendo o controle dos meus pensamentos e ações. Dou um passo em direção a eles e outro, saindo das sombras das árvores - Deus sabe o que eu vou fazer, mas então faço uma parada quando Violet se vira e deixa Preston inclinar-se e beijá-la. A vermelhidão na minha visão se dissipa. Tudo ao meu redor sai de foco e nada mais faz sentido. Eu sinto frio dentro de mim e me pergunto se eu morri dolorosamente sem perceber ao longo do último mês, enquanto eu estive preso a Violet e o que tínhamos, ela seguiu em frente. Movo-me para frente. Embora eu tenha estado preso no passado, incapaz de escapar, não importa o que eu faça.

Violet


Eu não posso acreditar no que aconteceu. Preston me beijou em público. De todos os lugares que ele poderia ter feito isso. Uma coisa é ele fazer isso em casa, onde eu posso fechar meus olhos e cair em mim mesmo, mas ao céu aberto, na frente das pessoas, isso parece tão real. Tão deformado e errado. Faz-me sentir tão nojenta. Eu queria me afastar, mas quando ele colocou erva o suficiente no bolso que se eu for pega provavelmente vou estar ferrada, em seguida, disse-me que eu precisava vendê-la até o final do dia ou nem precisava voltar para casa, lembreime de tudo o que eu iria perder. Eu sei que não é muito, mas é tudo o que tenho no momento. Depois que ele foi embora, eu fico lá, fraca e patética, me odiando por isso. Até o momento em que chego à porta da minha primeira aula do dia, estou cheia de todos os tipos de emoções e tenho o desejo irresistível de afastar-me da porta da sala de aula, sair da classe, e em ir encontrar algo perigoso para fazer. O problema é que eu nunca perco uma aula. É meu único objetivo na vida. Quando estou indo para a sala de aula, estou um pouco distraída, e reajo lentamente à medida que alguém entra na porta ao mesmo tempo. Os nossos ombros colidem e eu dou um passo para trás, Violet com raiva está pronta para descontar em alguém. — Onde você aprendeu a andar? — Eu digo friamente. O segundo em que digo isso eu sinto o cheiro de vodka, cigarros e colônia; um perfume que estou muito familiarizada. Eu olho para cima e sou cumprimentada por um par de intensos olhos castanhos, um queixo com barba por fazer, cabelo castanho, e uma expressão de dor que eu tenho certeza que partiu de mim. — Luke. — Eu não quero dizer isso em voz alta, mas acaba saindo.


Ele parece terrível de perto, um rosto machucado, e olheiras sob seus olhos exaustos, e um sentimento se forma em meu intestino enquanto me pergunto se é minha culpa ele parecer desta forma. Eu quero perguntar a ele o que aconteceu, mas as emoções batem através de mim, cheio de lâminas, agulhas e queimadura invisíveis, tão potente e doloroso que eu mal consigo respirar. Eu quero tocá-lo tão mal. beijá-lo. Sentir sua língua deslizar na minha. Eu quero desesperadamente tudo o que tínhamos um par de meses atrás. Os sorrisos. Os arcoíris. A luz do sol, até mesmo o ridículo encontro e o flerte, embora normalmente eu não conseguia suportar. Mas com Luke as coisas eram diferentes. Eu estava mais do que grata por tudo se isso significasse que poderia me livrar de como estou sentindo. Mas não posso apagar o passado e apesar de desejá-lo, apenas por estar perto dele me faz lembrar dos meus pais. E como eu fugi dele por isso e o que fiz com Preston. Eu deveria afastarme dele, mas não consigo me obrigar a fazer isso, finalmente me sinto viva pela primeira vez em dois meses. Eu odeio admitir, mas é verdade. Eu tenho agido como um zumbi ambulante, uma concha vazia, como fui por tantos anos, mas não neste momento. E, aparentemente, nem ele consegue. Então acabamos ali de pé, olhando um para o outro, presos em algum lugar entre a realidade e o faz de conta; aquele onde monstros nunca aparecem durante a noite na minha casa e sua mãe não era um deles. O único onde podemos tocar um no outro e não temos que pensar. O único onde poderíamos estar juntos e não nos machucarmos. Aonde tivemos antes de descobrirmos a verdade. É a primeira vez que estivemos tão perto desde que a verdade foi descoberta e é mais poderoso e potente do que eu imaginava. Nós não falamos, não nos movemos, não respiramos, mesmo quando as pessoas saem e entram pela porta da sala de aula entre nós. Nossos olhos estão bloqueados, a respiração entrecortada. Quanto mais tempo


nós olhamos fixamente um para o outro, mais confuso ele parece e mais eu me sinto perdida porque não estou me afastando. Em vez disso sinto como se eu estivesse sendo puxada em sua direção, ou talvez eu esteja caindo. Eu não tenho certeza. E não quero ter. O que eu quero é que o tempo pare, neste exato momento, então nós não temos que seguir em frente novamente. Mas então seus lábios se abrem, e tudo ao meu redor descongela. Eu não tenho ideia do que vai sair da sua boca. Se eu vou odiar. Gostar. Querer, talvez. E talvez aceitar. Eu nunca chego a descobrir, no entanto, porque o Professor caminha entre nós e quebra o momento como vidro, as peças afiadas quebram e se espalham em torno de nós. Nós dois somos lembrados abruptamente que o faz de conta não existe, a menos que você viva em um conto de fadas.


03 Luke Estou saindo da faculdade. Eu não posso fazer isso hoje, andar no mesmo edifício, vê-la, querer tocá-la, beijá-la, fode-la, fazer o que quiser com ela. Estávamos tão perto e todo o desejo e necessidade estavam rasgando através de mim, mesmo que eu tinha acabado de vê-la beijar outro cara cinco minutos atrás. Eu a queria mais do que qualquer coisa. Bem ali, no corredor, na frente de todos. E eu estava bêbado o suficiente para experimentar. Mas, em seguida, o professor chegou e quebrou o nosso pequeno momento. E eu juro por Deus, que me quebrou também. Sento-me na fileira de trás e observo-a tomar notas todo o restante da aula e é pura tortura. Finalmente, eu decido que preciso dar o fora daqui, então ao invés de ir para minha próxima aula, deixo o campus. Eu penso em ligar para o meu melhor amigo, Kayden Owens, e ver o que ele está fazendo, mas eu realmente não sinto vontade de ter companhia. Eu sinto vontade de fazer algo que vá me distrair. Algo imprudente. Perigoso. Algo que venha com riscos, chances de problemas, briga. Eu volto para o meu apartamento e pego meu estoque de dinheiro, que eu mantenho em minha gaveta de meias. Estou com três mil dólares e começo a pegar a metade disso, mas, em seguida, levo malditamente tudo comigo. Enfio no bolso e então caminho em direção a porta, mas faço uma pausa quando vejo que me esqueci de guardar a cópia do diário de Amy. Está aberto na página que eu estava lendo, antes que eu


tive que guardá-lo; aquele em que ela começa a ficar deprimida, logo após Caleb estuprá-la. Se apenas eu tivesse encontrado isso antes, então talvez ela poderia ter tido alguma ajuda. Eu não posso mais viver assim. Não posso me sentir assim. Só quero me sentir como uma pessoa normal novamente, não tão doente e errado por dentro. Eu quero me sentir como Amy novamente. Eu fecho o diário e coloco-o debaixo do travesseiro, o pensamento assombrando minha mente enquanto cambaleio bêbado para fora do apartamento e em direção aos condomínios em Grove, sabendo que, apesar da aparência calorosa e acolhedora da área, eu vou a um lugar muito perigoso. Eu já ouvi histórias sobre onde estou indo, coisas em que os caras estão envolvidos, as consequências que vêm com isso. Mas não dou a mínima. Quando estou passando pela porta de entrada, o meu celular começa a tocar dentro do meu bolso e o nome de Kayden aparece na tela. Sei que se eu atender ele vai me perguntar por que eu perdi aula e se eu estou indo para treino. Quando eu disser que não, ele vai começar a questionar-me e já tive o suficiente de perguntas de Seth esta manhã. Então deixo ir para a caixa postal e termino a viagem até a porta. Antes de entrar no lobby, eu ligo para Toverson - o cara que me convidou para jogar aqui um par de semanas atrás. Ele responde após quatro toques. — e aí? — Ei, é o Luke. — Eu protejo meus olhos do sol com a minha mão enquanto me encosto na porta de entrada de vidro. — Eu acho que vou aceita a sua oferta e entrar no jogo. — Onde você está? — Ele pergunta. Eu posso ouvir vozes ao fundo, sons de fichas de poker, música alta. Eu desejo estar lá,


desejo a solidão que isso me dará, como eu costumava fazer quando fodia mulheres antes de conhecer Violet. — Na verdade, estou no térreo, apenas fora do lobby. — Eu olho através da porta de vidro para o segurança sentado atrás da mesa, me observando como um falcão. — Você sabe sobre as altas apostas, certo? — Ele pergunta, o ruído no fundo diminui. — É mais do que as apostas no Denny. — Sim, eu sei. Eu trouxe três mil comigo. Ele faz uma pausa e segundos depois eu ouço uma porta se fechando. Os ruídos ao fundo somem completamente. — Sem ofensa, mas onde você conseguiu esse tipo de dinheiro? — Eu limpei minha conta. — Eu não me incomodo em dizerlhe que é tudo o que tenho, já que é da sua conta. — Tudo bem, então, você pode subir, — ele diz, mas, em seguida, faz uma pausa. — Mas só um aviso. Esses caras aqui não agem como os do Denny, então tome cuidado. Se você for pego fazendo qualquer coisa que eles não gostem, eles não vão apenas deixá-lo ir com um arranhão. — Eu entendo, — eu digo. Ele está sutilmente me dando um aviso para não trapacear ou então eu estarei ferrado. Eu sempre trapaceio embora e não tenho planos de parar agora. Trás a emoção que eu preciso. Ainda assim, eu paro por um momento, o álcool no meu sistema se estabelece apenas o suficiente para que eu veja através da neblina e quase amarelo, decidindo se eu poderia continuar com isso quando vejo um cara três vezes o meu tamanho abrir a porta e me cumprimentar. Mas, em seguida, a bebida começa a queimar em minhas veias de novo e eu sigo-o para dentro e até o segundo andar. Quando ele abre a porta e me deixa entrar, me sinto muito melhor. Mesas, pretas, vermelhas, brancas, e


fichas azuis. A fumaça. As bebidas. Mulheres em toda parte. Perigo. Riscos. De repente, eu me sinto muito vazio por dentro. Todas as minhas distrações - meus vícios - estão bem à minha frente e eu quero todos eles.

Violet As aulas parecem mais lentas do que o habitual. Talvez seja por causa do meu encontro com Luke. Ou talvez seja só porque eu sei que vou ter que vender quando acabar; para um cara, quem sabe para um monte deles, que gostariam de ficar chapados. Eu tinha ficado chateada no início, quando Preston me pediu para fazer isso em uma segunda, mas decidi que depois do meu momento com Luke, talvez eu precisasse de uma pausa a partir da realidade presa em minha própria cabeça. Talvez eu precisasse ser a garota bem vestida mais uma vez, encenar o papel, e não dar a mínima para ninguém ou qualquer coisa. Depois da minha última aula, vou até o banheiro e coloco a roupa que estava escondida na minha bolsa para ocasiões como essas. Um vestido preto curto que mostra minhas pernas e ainda por cima um batom vermelho e saltos altos brilhantes. Pareço uma prostituta, mas meio que tem um ponto. Sedução. Eu estou indo em frente com isso. Eu vou ser aquela garota novamente. — Eu posso fazer isso, — murmuro para o meu reflexo enquanto me olho no espelho. Mas a garota no espelho não parece convencida. Tomando uma pausa rápida, eu me afasto e me encosto contra a pia para fazer um telefonema que tento fazer pelo menos uma vez por semana. — Olá, Detetive Stephner falando, — ele responde após dois toques.


— Aqui é a Violet, — eu digo, fechando meus olhos e cruzando os dedos que talvez este seja o momento que ele me dará uma boa notícia. — Violet Hayes. Eu só estou... Checando. Assim que ele suspira, eu sei que nada mudou. — Violet, Eu sei que você quer saber - e confie em mim nós entendemos - mas estas coisas levam tempo. — Tem sido quase dois meses. — Eu sei. Nós ainda estamos trabalhando para conseguir que o mandado de busca seja aprovado. — Você não pode ser mais rápido? — Eu digo, mais duro do que planejei. — Desculpe, é só que isso está me deixando louca. — Eu sei, — ele responde. — E confie em mim, eu não vou descansar até que isso seja resolvido. Mas eu também preciso que você espere por minha ligação quando algo acontecer, em vez de checar. — Desculpe por incomodando, — resmungo, abrindo meus olhos. — Você não está me incomodando. Eu só quero que você pare de se estressar com isso e tente viver uma vida normal, — ele diz. — E enquanto nós estamos no telefone. Como estão as mensagens de texto daquele repórter? Será que ele parou? — Sim, ele fez, — eu digo, ficando reta e pegando minha bolsa do chão. — Obrigado por conseguir a ordem de restrição contra ele. — A qualquer hora. — Não há outra pausa e eu sei o que está vindo antes que ele diga. — E sobre o filho de Mira Price? Você já falou com ele desde que eu o interroguei?


— Não realmente. — Meu peito começa a apertar, meus pulmões se contraindo e sugando o ar. Pare. Desligue isso. — Eu acho que assim é melhor, — ele diz. — Pelo menos por agora. Eu entendo o que ele está dizendo, mas isso parece tão errado. O melhor? Se isto é o melhor, então por que dói tanto? — Eu tenho que ir, — eu digo. — É hora da minha próxima aula. — Tudo bem, — ele diz. — E lembre-se, me ligue se precisar de alguma coisa. Mas claramente ele quis dizer: ligue-me apenas se você precisar de algo que não tenha a ver com checar o caso. Depois que desligo, eu me ajeito e caminho para fora do banheiro com confiança, pronta para seguir em frente a partir da conversa e ir atrás de uma distração. Mas no momento que passo pela lagoa, eu me sinto esvaziada, pensando sobre quanto eu queria estar tentando me afogar em vez de me destacar no campus, à procura de um otário. Quanto mais tempo eu procuro na multidão, mais quero fugir e lidar com qualquer punição que Preston vai me dar. Eu não estou sentindo nada e estou prestes a desistir quando meu celular vibra dentro do meu bolso. Eu pego-o e desbloqueio a tela. Uma mensagem de texto de um número desconhecido. Não é de estranhar. Isso acontece bastante.

Desconhecido: Eu sei o que aconteceu com seus pais. E que comecem os jogos. Eu balanço minha cabeça, pensando em Stan, e algumas das outras ligações e mensagens de texto que comecei a receber desde que a notícia se tornou pública. Eu considero que devo responder.


Sim, eu acho que todo mundo sabe, idiota. Eles foram assassinados. Obrigado por me lembrar embora. Isso foi incrível da sua parte. Eu:

Eu movo-me para guardar meu celular, mas ele vibra em minha mão. Suspirando, eu visualizo a mensagem recebida.

Desconhecido: Mas eu sei quem fez isso. Eu paro de respirar enquanto leio mais e mais e por um breve momento, muito crédulo da minha parte, eu realmente me pergunto se essa pessoa poderia saber algo, como talvez sobre Mira ou a outra pessoa que estava lá naquela noite. Mas no final da minha análise, eu decido que provavelmente é apenas um maldito idiota, como Stan o repórter, e alguns outros de uma forma esporádica que conheci durante minhas poucas viagens até a delegacia de polícia. Eu até mesmo recebi um telefonema de alguém querendo me subornar com informações em troca de alguns detalhes sórdidos que eu vi naquela noite. Eu não fui estúpida o suficiente para acreditar que um repórter mais novo do que a polícia e eu pudesse saber de algo, então eu o mandei ir se foder. Eu estou a ponto de responder a pessoa quando ouço alguém dizer: — Você é a Violet? Tem um cara em minha frente e todo o meu corpo fica tenso, um milhão de pensamentos diferentes em minha mente de quem ele poderia ser. Um repórter. A polícia. A outra pessoa que estava lá naquela noite, quem matou meus pais, embora ele parece muito jovem para o último. Ele está usando uma camisa com as mangas arregaçadas, juntamente com um par de jeans de marca e sapatos mais brilhantes que o meu brilho labial. — Você é Violet, certo? Apesar do meu alarme, eu não perco uma batida, embora meu coração faça. — Por quê? O que você quer?


Seus lábios se espalham em um lento sorriso enquanto ele estende sua mão para mim. — Eu me chamo Roy. Preston me disse que eu provavelmente poderia te encontrar por aqui e que você poderia ter algo para mim e alguns dos meus colegas. — Ele fez, hein? — Eu digo, relaxando. Preston conhece minha rotina um pouco demais, eu acho. Ainda assim, eu não aprecio a emboscada sem aviso prévio. — Sim, eu sou ela. Seu sorriso se amplia, mas suas sobrancelhas se arqueiam quando eu não aperto sua mão. — Bom, venha comigo. Eu não me movo do meu lugar sob a árvore. — Sim, eu vou precisar verificar com Preston antes de ir a qualquer lugar com um cara aleatório que parece que poderia ser um advogado e que poderia estar armando contra mim. Seu sorriso vacila, mas, em seguida, ele relaxa e balança a cabeça para cima e para baixo. — Sim. Totalmente. Compreendo. — Dê-me um segundo. — Eu me afasto dele, discando o número de Preston quando estou longe o suficiente para que ele possa ouvir. — Ei garota bonita. — Preston soa como se pudesse estar chapado e dando uma festa com todo o ruído no fundo. — Eu estava esperando a sua ligação. — Por quê? Porque você me enviou um idiota rico sem me dizer? — Eu digo, olhando para Roy que tem sua atenção focada em uma garota em uma saia curvando-se para pegar um papel que deixou cair e que está roubando totalmente a atenção do campus inteiro. — Eu estava testando você, — ele diz simplesmente. — Eu quero ter certeza de que você não vai foder mais nada em nosso futuro.


Eu rolo meus olhos. — Então, eu passei ou não? — Você passou, — ele diz e eu posso ouvir o sorriso em sua voz. — O que significa que são apenas boas punições para você hoje à noite. Meu coração murcha um pouco mais logo não há nada nele. — Se está tudo bem então, e passei no teste, eu vou voltar para a venda. — Não, Violet, você precisa ir com Roy, — ele diz, falando alto sobre a música. Eu pressiono o dedo no meu ouvido para que eu possa ouvir melhor. — Por Quê? Eu pensei que era um teste? — Um teste sim, mas Roy tem uma ligação em um lugar subterrâneo de jogo de poker em uma das extremidades superiores de Laramie e se conseguirmos impressioná-lo, ele poderia fazer-nos seus fornecedores permanentes. O que é uma boa coisa. Confie em mim. Estamos entrando em algo grande. Eu tento não congelar à menção do pôquer subterrâneo, porque eu sei que Luke gosta de ir a esses tipos de lugares e grandes distribuidores é muito diferentes dos rapazes universitários imbecis que pensam com seus paus. — Eu não tenho certeza se quero fazer isso. — Violet, não foda isso para mim, — ele diz, sua raiva subindo através da sua voz. — Esta é uma grande oportunidade e se você apenas agir normalmente, eu sei que você pode deslumbrar a merda fora deles. Apenas certifique-se de darlhes o que eles querem. — Eu não sou uma prostituta, — eu digo, ficando chateada. — Eu não vou foder ninguém.


— Eu nunca disse que você tinha, mas acho que você tem isso em você, se tiver que fazer, — ele diz. Estou prestes a gritar com ele, bem na frente de Roy quando ele acrescenta: — Olha, eu tenho certeza que ninguém espera que você os foda ou dêlhes um boquete ou qualquer coisa. Basta sorrir e mostrarlhes o seu show e tenho certeza que o meu produto vai selar o negócio. Você pode deixar a foda e o boquete para mim mais tarde. Na verdade, eu meio que prefiro que você faça isso. Eu fecho meus olhos e digo a mim mesma para me acalmar. Não sentir nada. — Tudo bem, eu vou fazer isso, mas juro por Deus, se alguém disser algo sobre você prometer que eu estava indo cuidar deles, eu vou chutar suas bolas quando chegar em casa. — Eu gosto quando você fala assim comigo, — ele diz com uma risada profunda. — Agora vá lá e me deixe feliz, em seguida, volte para mim. Estou começando a sentir sua falta. Eu sinto que vou vomitar aqui mesmo na frente de todos, em todo o gramado. Eu balanço minha cabeça, irritada, mas ainda digo-lhe que tudo bem, porque eu realmente não tenho escolha. Então desligo e volto para o lado de Roy, sorrindo tão docemente quanto posso. — Tudo bem Roy, para onde estamos indo? — No Fifth em Grove, — ele diz com um sorriso enquanto seu olhar preguiçosamente me avalia. Caminhamos pelo campus. O silêncio se estabelece entre nós e estou bastante contente com isso, mas, aparentemente, Roy não porque ele diz: — Então, você gosta de jogar Texas Hold'em? Eu dou de ombros, tentando não pensar sobre a última vez que joguei Texas Hold'em com Luke enquanto ele estava usando uma toalha. — Eu acho.


Ele para na frente de uma Mercedes preto com vidros fumê e brilhante acabamento cromado. Ele aponta a chave para o automóvel e emite um sinal sonoro, as luzes piscam e a porta desbloqueia. — Bem, se eu fosse você, eu iria fingir que ama por esta noite. Eu aceno, entendendo o significado. — Entendi. Nós entramos no carro e ele liga o motor. Então fecha a janela quando percebe que eu estou tremendo um pouco com brisa fria de fora. — Você deveria estar usando um casaco ou algo assim. — Ele comenta enquanto coloca o cinto de segurança. Olho para os arrepios em minhas pernas. — Um casaco não faz parte do meu uniforme, — digo-lhe, saltando meus joelhos para cima e para baixo, tentando me aquecer. — Oh, claro, — ele diz, enquanto da ré. — Há um pouco de vodka debaixo do banco se você quiser uma dose. — Ele vira o carro e dirige para frente, então me dá um sorriso. — Pode te aquecer. Estou prestes a recusar, porque eu não sou fã de beber deixa-me muito louca e emocional, mas então me lembro o que eu deveria ser. E que se eu estragar isso, então vou estragar a pouca vida que me restou. Então, ao invés disso coloco meu sorriso deslumbrante, o falso que não tenho usado há algum tempo, em seguida, me inclino sob o assento, para tomar uma dose, fingindo estar tudo bem, fingindo que não estou me afogando em um mar de dor. Fingindo que estou bem em estar aqui, quando eu não estou. Costumava ser muito mais fácil de fazer isso, flutuar na vida, me separar de todos, incluindo eu mesma. Mas isso foi antes de eu conhecer Luke e descobrir o que é ser feliz. E o pior de tudo é saber que eu nunca mais vou ter isso novamente.


04 Luke Estou na merda, mas ainda estou tentando descobrir se me importo. Alguma canção pop está tocando, copos vazios enchem a mesa, e eu dobrei meu dinheiro, principalmente porque estou trapaceando e estou muito descuidado também. Eu provavelmente deveria ser mais cauteloso, mas continuo bebendo dose após dose com uma morena cheia de curvas no meu colo. Eu encontrei tudo o que estava procurando quando vim para cá e me sinto bem na maior parte, exceto o meu maldito coração que está gritando para eu parar. Que há algo melhor lá fora para mim. Mas o que o meu fodido coração não sabe é que ela não me quer. Há outros três caras sentados à mesa - Geraldson, o dono da casa, um cara grande volumoso - e outros dois da mesma altura e peso que eu - Carson e acho que Dougford, que não confia em mim. Eles são mais velhos e mais ásperos do que estou acostumado a jogar. Eu acho que até mesmo vi uma arma enfiada na parte de trás da calça de Geraldson quando fui até a mesa. Toverson está no deck dos fundos, conversando com alguém no celular, mas continua olhando através da porta na minha direção, me dando um olhar de advertência. — Você está dentro ou fora? — Carson pergunta, ajeitando suas fichas, enquanto tenta ler o meu blefe. Olho para o oito de coração e uma rainha de espadas na minha mão e, em seguida, as quatro cartas sobre a mesa; cinco, sete, nove e um valete. Estou prestes a desistir, mas, em seguida, a


morena se inclina para frente e aperta seus seios contra o meu queixo, dando-me uma bela visão do seu decote. — Basta arriscar, — ela sussurra em meu ouvido, fazendo cócegas com seu dedo para cima e para baixo no meu pescoço. — É tão quente quando caras arriscam desse jeito. Estou prestes a dizer-lhe para se foder, coloco a mão no bolso e tiro um dos cartões que tenho escondidos lá dentro, mas Dougford está observando cada movimento meu do outro lado da mesa, então eu jogo as fichas na mesa, imaginando que eu vou perder essa jogada para fazer minhas vitórias parecerem mais legítimas. — Eu estou dentro. — Eu digo, sendo arrogante por nenhuma razão maldita. Carson me dá um sorriso arrogante em troca, mas acho que ele está fingindo que tem alguma coisa quando na verdade não tem. Eu relaxo na cadeira e tateio os quadris da morena, enquanto o dealer (Aquele que embaralha e distribui as cartas, formas os potes e monitora o jogo) vira a ultima carta. É um dois. Merda. Eu não tenho absolutamente nada. Normalmente, eu desisto ou mudo as minhas cartas, mas me lembro de perder uma mão e igualar a aposta. Ele sorri como um idiota enquanto coloca suas cartas e revela que tem um par de damas. Eu sei que as chances são muito baixas, fazendo-me pensar que ele poderia estar trapaceando então decido não ser mais cauteloso no jogo, estou trapaceando a cada mão que eu puder a partir de agora. É preciso muito para não empurrar a morena do meu colo e inclinar-me e tirar o sorriso do seu rosto. Para me acalmar, eu me inclino e tomo outra dose de Tequila da garrafa sobre a mesa. Eu mal sinto a queimadura - eu não sinto absolutamente nada. É a vez de Geraldson e ele recolhe as cartas enquanto Dougford tira um par de charutos de uma caixa de madeira


que está ao seu lado. Ele pega um deles, em seguida, dá Geraldson e a Carson cada um. — Você fuma? — Ele me pergunta com sua voz rouca. Eu dou de ombros e aceito o charuto que ele está me oferecendo, imaginando que possa me manter satisfeito até que eu possa sair para fumar um cigarro. As pessoas são tão estranhas às vezes. Não pode fumar cigarros na casa, mas charutos estão perfeitamente bem. Eu acendo e inalo, mas não é o suficiente para acalmar a fome dentro de mim, assim eu acabo colocando-o no cinzeiro depois de três tragadas. — O Quê? Não é bom o suficiente para você? — Carson pergunta, separando suas fichas de cada cor coordenada em pilhas. Eu pego as cartas de Gerard distribui. — Não, só não é o que eu costumo fumar. — Minha tensão começa a desaparecer quando vejo o ás na minha mão. Eu estive esperando por essa carta maldita aparece para que eu pudesse usar o que tenho na manga. Um par de às. Estou tentando não sorrir enquanto preparo-me para a jogada, quando a porta da frente se abre e um cara da minha idade usando roupas de mauricinho e um sorriso arrogante entra na sala. — Roy, homem. Como vai? — Diz Geraldson, ajustando suas cartas viradas para baixo sobre a mesa enquanto se levanta da sua cadeira para dar ao cara um abraço com uma só mão. — Bem, — diz Roy enquanto fica de lado para deixar a outra pessoa que está por trás dele aparecer e de repente cada movimento e ruído em torno de mim desaparece. Violet, fodida, Hayes.


Ela parece muito surpreendente, usando um vestido preto curto que mostra suas pernas intermináveis e os saltos... Que eu a foderia com ela apenas usando eles. Eu estou seriamente ficando duro só de pensar nisso, o que seria bom exceto pela morena no meu colo que deve senti-lo pressionando contra sua bunda e ela percebe pelo olhar em seus olhos, como se achasse que é por causa dela já que está sobre ele. De repente eu estou muito consciente de que ela está no meu colo. Através da nebulosidade na minha mente, eu debato se devo me importar ou não. Violet e eu terminamos. Eu não deveria me importar, mas me importo. Eu me importo tanto que me movo e empurro a morena do meu colo, antes que Violet veja. Mas eu me movo tarde demais e seus olhos me encontram como ímãs, assim que estou empurrando a mulher para fora. Há um flash de ciúme neles enquanto ela olha para a mulher que está segurando meus ombros para obter o equilíbrio, é tão perturbador, que eu amo fodidamente vê-lo em seus olhos. Que ela ainda se preocupa o suficiente para ficar com ciúmes. O que diabos há de errado comigo? Violet tira seu olhar de cima de mim e olha para Roy que diz alguma coisa para ela, a mulher que estava no meu colo me dá um olhar desagradável antes de ir para a cozinha para pegar uma bebida. Violet estende sua mão para apertar a mão de Geraldson, dando-lhe um sorriso falso - eu a conheço bem o suficiente para saber que não é seu verdadeiro sorriso. Geraldson não tem chance contra o que ela tem na manga seja lá a razão para ela está aqui. Eles dizem algo um para o outro em voz baixa e eu me torno muito consciente do por que ela está aqui. Negociação. Inferno porra, isso não é bom. Não aqui com esses caras. Isto não é o mesmo que seus pequenos negócios com garotos de fraternidade. Estes são agenciadores pesados e eu estou supondo que distribuidores pesados.


— Sente-se. Tome uma bebida e jogue com a gente, — Geraldson diz para Roy, apontando para a mesa. Em seguida, ele se vira para Violet e arqueia a sobrancelha. — Você gostaria de assistir homens jogando Texas Hold'em, doçura? Ela olha para mim discretamente a partir do canto do olho com um olhar em seu rosto que eu posso dizer que ela está mordendo de volta uma resposta sarcástica sobre a observação machista do Geraldson. — Claro, — ela diz com firmeza. — Bom, então sente-se, tome uma bebida, e nós vamos conversar. — Geraldson sorri e aponta para um assento vazio ao meu lado. Violet parece tensa, mas ainda assim aceita e enquanto está andando, Geraldson olha para sua bunda durante todo o caminho. Espero que Violet vacile antes de se sentar, mas sendo o que ela é, consegue sentar-se sem um flash de hesitação. Ela não olha para mim, porém, mesmo quando sua perna escova contra a minha debaixo da mesa, mas faz com que a minha respiração prenda na minha garganta. Acho que estou perdendo mais uma rodada. — Violet, este é Dougford, Carson, — Gerald começa com as apresentações enquanto se senta e, em seguida, cada indivíduo se inclina para apertar a mão de Violet. Em seguida, ele aponta para mim. — E este é Luke. Violet vira a cabeça na minha direção, com os olhos brilhando. Se eu não a conhecesse melhor, acharia que ela está gostando disso. Mas como poderia quando mal consegue olhar para mim na aula? — É bom conhecer você, Luke. — Ela levanta as sobrancelhas ligeiramente, em seguida, estende sua mão para mim apertar.


Ok, então acho que nós estamos fingindo que não conhecemos um ao outro. — É bom conhecer você também, Violet. — Eu exalo enquanto aperto sua mão. Nossa pele entra em contato, pela primeira vez em dois meses. Eu acho que estou ficando surdo. Cego. Ou talvez seja ela esteja tomando conta de todos os meus sentidos. Meus pensamentos estão rodando tão rápido que meu pulso começa a acelerar e entre isto e a quantidade de álcool em mim, eu acho que poderia apagar. — Respire. — Eu juro por Deus que ela sussurra isso sob os lábios, mas não tenho certeza se é para si mesma ou para mim. Em seguida, se encolhe, tira sua atenção de mim, e calmamente afasta sua mão da minha. Roy vai até a área do bar e prepara para Violet uma bebida. Acho que uísque pelo tom âmbar do líquido no copo, em seguida, senta-se em um assento. Violet casualmente cheira sua bebida, em seguida, toma um grande gole, se forçando a engolir antes de definir o copo sobre a mesa. Em seguida, ela se inclina para trás sem olhar em minha direção enquanto as cartas são dadas, conversando com Geraldson sobre quantias e outra merda que me deixa tão furioso que eu me distraio e fico ainda mais desleixado a cada jogada. Eu não estou sendo tão cuidadoso quanto deveria. Mantenha a atuação. Mas é difícil quando ela está conversando com um homem com uma arma enfiada na parte de trás da calça. — Então, você acha que vai precisar de quanto em uma base regular? — Violet pergunta a Geraldson. Eu me pergunto se é assim que ela age com alguns dos seus clientes. Se for assim, eu preciso detê-la. Estes não são o tipo de pessoas para estar fazendo isso. — Uma grande quantidade, — Geraldson diz enquanto estuda as cartas na sua mão com atenção.


O queixo de Violet se aperta enquanto eu fico tenso. É uma grande quantidade, definitivamente não aqueles pequenos sacos que ela geralmente vende. Ela rapidamente pega o copo de uísque e termina-o para esconder seu nervosismo e eu tenho que saber se ela já sabe aonde está se metendo. Depois de alguns grandes goles, Violet define o copo sobre a mesa e recolhe-se. — Você mencionou isso a Preston? — Ela pergunta friamente. Geraldson acena, apontando para o distribuidor virar a ultima carta. — Sim, ele disse que você iria trazer algumas amostras hoje para que pudéssemos testar. Violet acena a cabeça, aparecendo composta por fora, mas eu conheço-a melhor do que isso. Ela está inquieta, fora de lugar, enquanto segura seu sutiã e puxa um saco de erva daninha, jogando-o sobre a mesa em cima da pilha de fichas. — Muito bom, — diz Roy, olhando dos seus seios para as ervas daninhas enquanto Dougford acena com a cabeça em concordância. Geraldson define suas cartas viradas para baixo, pega o pacote, abre-o e cheira o interior com um olhar de aprovação em seu rosto. — Se importa se eu acender um? — Ele pergunta a Violet. — Só para provar a qualidade? — Claro, — ela responde, começando a ficar inquietar com as mãos abaixo da mesa. Geraldson se levanta para pegar um tubo e Violet olha ao redor da sala como se estivesse procurando uma rota de fuga. — Um de vocês poderia me mostrar onde fica o banheiro feminino? Balançando a cabeça, Roy ansiosamente fica de pé. — Sim, deixe-me mostrar-lhe. — Há um olhar animado em seu rosto, como um cara que está preste a receber um boquete enquanto


eles saem da sala juntos, sinto uma ardência estúpida dentro do meu peito de novo e estou inseguro como devo agir. Ou se eu mesmo deveria.

Violet Eu quero bater minha cabeça contra a parede. — Deus caramba, Preston. Isso é demais para lidar sem algumas consequências pesadas. — Isso me faz pensar quem diabos esses caras são exatamente para precisarem de tanta maconha. Um deles está armado para sabe-se lá por qual motivo. Sim, eu sou durona e já vi de tudo um pouco e não é como se eu estivesse aterrorizada. De fato, o perigo adiciona adrenalina. Mas a ideia de ir para a cadeia não é atraente, mesmo para uma viciada em adrenalina. Eu entro no banheiro depois de ouvir Roy murmurar como minha boca ficaria perfeita em seu pênis, eu me tranco e tento decidir o que fazer. Eu quero fugir, e não apenas escapar deste lugar, mas fugir deste estilo de vida, mas como faço para escapar da única coisa que eu conheço? — As coisas eram muito mais fácies quando eu estava com Luke, — murmuro baixinho, segurando na borda da pia do banheiro enquanto a verdade quase me envia para o chão. — Caramba, isso é ruim. Eu descanso minha cabeça contra o espelho atrás de mim, pensando em como Luke está aqui e como o destino é uma verdadeira puta, colocando-nos juntos novamente. Mas no fundo eu sei que não é culpa do destino. A probabilidade de nós acabarmos nos esbarrando assim, sob o mesmo teto, sempre foi alta, já que ambos vivemos o mesmo estilo de vida de risco na mesma cidade maldita. Eu só queria que a


probabilidade de nós funcionarmos fosse maior. — Que diabos é que eu vou fazer? — Murmuro. Toque. Toque. — Vá embora, Roy! — Eu grito, sabendo que não estou sendo profissional, mas não me importo neste momento. — Eu não estou te dando um boquete. Há uma pausa. — Violet, abra. — A voz de Luke flutua através do outro lado da porta. — Sou eu... Luke. — Como se ele tivesse que dizer seu nome, sua voz malditamente linda está marcada em minha mente por toda a eternidade. Eu levanto minha cabeça para cima e faço uma cara feia para a porta. — Vá embora Luke. — Não... Olha, eu entendo que você não quer ter nada a ver comigo, eu realmente entendo, mas você está em perigo aqui. Eu me aproximo da porta e coloco minha mão sobre ela, fechando os olhos e imaginando-o do outro lado fazendo a mesma coisa, embora eu tenha certeza que isso não seja verdade. Mas eu posso vê-lo em minha mente, os mais intensos olhos castanhos que eu já vi. Seus lábios que eu conheço tão bem são os mais gentis e suaves que eu já beijei. Seus braços magros que me fizeram sentir segura uma vez. E está tudo bem para mim imaginar isso enquanto nós temos uma barreira entre nós como a porta. — Você não acha que eu sei disso? Eu sei que estou na merda. Confie em mim. Eu sabia no momento em que entrei aqui. Leva um segundo para ele responder. — Eu acho que você pode pensar que sabe disso, mas você não está indo embora assim... Eu quero ajudar. — Eu não quero sua ajuda. — Eu abro meus olhos quando ele não responde e alcanço a maçaneta da porta, imaginando que


ele fez o que pedi e decidiu me deixar em paz, desde que ele é bom em dar-me espaço. Mas quando abro a porta, ele ainda está de pé do outro lado e entra sem aviso prévio, obrigandome a voltar para o banheiro e, em seguida, fecha a porta atrás de nós e tranca-a. Ele está ofegante, como se tudo funcionou até que se inclina para trás contra a porta e apenas olha para mim da maneira mais irritante que me deixa toda inquieta. Há pouco espaço entre nós... Muito pouco espaço para respirar... Eu preciso respirar... Eu preciso rasgar as roupas dele... Eu acho que o uísque que bebi antes queimou a minha racionalidade. Eu balanço com o último pensamento na minha cabeça. — O que você quer? — Eu finalmente pergunto num tom cortante, cruzando os braços e me recusando a olhar para longe dele, mesmo que eu queira desesperadamente. — Por que você está me olhando desse jeito? Ele agita sua cabeça um pouco, resmungando algo baixinho antes de ficar reto. — por que você está aqui? Eu o encaro. — Eu estava aqui primeiro. Você é o único que me seguiu e, em seguida, forçou o seu caminho até aqui. Ele hesita em seguida, dá um passo hesitante em minha direção, forçando-me a dar um passo para trás em direção a parede. — Eu quero dizer aqui na casa de Geraldson? — Ele pergunta. — Você não quer andar com essas pessoas, Violet. — Ele olha para a porta, em seguida, olha de volta para mim. — Isto não é o mesmo que aqueles caras da fraternidade que você fodeu. — Você acha que eu não sei disso? — Eu assobio. — Mas eu não tenho escolha, não é? Eu vivo com Preston e é assim que eu tenho que pagar-lhe por isso. — Paga-lo? — Ele deixa escapar um riso espantado enquanto estende suas mãos para o lado e dá mais um passo em minha


direção, um pouco instável em seus pés, o que significa que ele está provavelmente bêbado. — O cara é um babaca. Você não deve nada a ele... Você não deveria sequer estar com ele. Eu dou um passo para trás e depois outro até que estou batendo na parede e o toalheiro está pressionado contra a minha lateral. Eu não tenho outro lugar para ir além do chuveiro ou para fora da janela. Estar em um espaço pequeno com uísque subindo em meu sistema está fazendo o ar soltar um zumbido e um nevoeiro no meu cérebro. Eu preciso sair... Mas eu meio que não quero. — Bem, eu realmente não tenho escolha, não é? — Eu digo. — Desde que não tenho outro lugar para viver no momento, além das ruas. A cor drena do seu rosto e, em seguida, ele estende a mão para me tocar, como se para me acalmar, mas eu inclino a minha cabeça para longe, tanto quanto for possível. Ele congela, aparecendo horrorizado. — Por que você tem tanto medo de mim? — Ele pergunta, a mão sem vida caindo ao seu lado. — Eu nunca iria te machucar. Não de propósito de qualquer maneira. — Eu sei que você não faria, mas ainda dói. — Estamos falando em código e eu quero chorar, mas forço as malditas lágrimas traidoras a ficarem em meus olhos. Eu nunca choro. Só uma vez, quando descobri sobre a mãe de Luke e prometi a mim mesma nunca mais fazer de novo, sou mais forte do que isso. — E além disso, eu tenho medo de mim estar tão perto de você, não o contrário. — E eu gostaria de agradecer a bebida pelo último comentário. Ele engole em seco. — Eu sinto muito. — Sua voz é quase inaudível, tanta agonia transmite dos seus olhos que me destrói. Ele parece como eu me sinto e quero fazer que ambos de nós se sinta melhor. Eu nem tenho certeza do que me supera, se é ele, eu, as poderosas emoções em chamas entre nós, a necessidade de


rasgar a sua roupa, ou o álcool queimando em minhas veias, mas encontro-me indo em sua direção. Eu não me esqueci do passado ou o que aconteceu, mas deixo-me parar de me importar por um breve segundo, deixando minhas paredes cairem apenas o suficiente para que eu possa colocar minha mão em seu peitoral. Ele suga uma respiração afiada a partir do contato, seu ritmo cardíaco acelera imediatamente debaixo da minha palma. — Foda-se, — ele pronuncia, então se inclina para frente e eu acho que vai me beijar, mas ao invés disso ele apenas descansa sua testa contra a minha. Ele respira irregularmente, para dentro e para fora, seu peito sólido batendo em meus seios. Eu espero que ele me toque, mas ele não faz. Espero que ele faça alguma coisa, mas ele não faz. Ele fica imóvel, como se estivesse me dando uma chance para sair. Eu deveria. Apenas caminhar em torno dele e sair pela porta. Nunca olhar para trás. Mas tê-lo tão perto provoca lembranças intensas que inundam meu corpo, me lembrando que ser tocada por um cara não tem que parecer errado ou sujo. Que posso sentir. Aconteceu uma vez com Luke e eu egoisticamente quero de novo. Emoções reprimidas, álcool e uma fome que eu nunca senti antes me possuem e de repente eu estou pressionando meus lábios contra os dele. Ele solta uma respiração assustada, inclinando-se ligeiramente para trás como se para se afastar, mas, em seguida, em um estalar de dedos ele está me agarrando pela cintura e me puxando contra ele enquanto pressiona sua boca na minha. O seu calor... O seu gosto... É tão potente... Tão errado... Tão certo... Tão confuso. — Eu posso parar, — ele sussurra contra a minha boca, sua língua separando meus lábios, sua mão cobrindo a parte de trás da minha cabeça e emaranhando meu cabelo. Ele tem gosto de Vodka, cereja, cigarros e colônia. Delicioso e perigoso, por muitas razões diferentes.


Me pergunto se ele realmente iria parar se eu pedisse. Eu não quero descobrir embora. Agora não. Então, eu arqueio minhas costas para ele e pressiono meu peito no seu, enquanto aprofundo o beijo, correndo os dedos ao longo do seu queixo desalinhado, sendo gentil onde há uma contusão. Estou me lembrando de tudo o que se passou entre nós... Deus, eu me lembro... E isso é tão surpreendente, felizmente bom. Cada arranhão dos seus lábios e toque dos seus dedos parece que está apagando cada toque indesejado ao longo dos últimos meses, como se Luke tivesse super habilidades de pagar o indesejável. Suas mãos encontram meus quadris, suas unhas cavando em minha carne, me puxando para mais perto enquanto nos empurra para trás, sem quebrar o beijo. Ele está nos movendo para algum lugar... Para a bancada. Ele me inclina para trás, a borda cavando em minhas costas, antes de me levantar e me colocar sobre ela, posicionando-se entre as minhas pernas e nossos quadris se movem juntos. — Oh meu Deus... — Deixo escapar um gemido de estrela pornô, mas estou completamente sem vergonha enquanto tento arrancar sua camisa, mas não funciona como nos filmes e eu acabo apenas esticando-a. Ele solta uma risada suave pela minha tentativa falha, mas o ruído fica preso em sua garganta. — Você tem um gosto muito melhor do que me lembro, — ele diz com uma voz rouca antes de sugar meu lábio inferior em sua boca, deliberadamente, causando uma queimadura lenta que se constrói dentro de mim que só aumenta quando suas mãos vagueiam pelas minhas coxas e embaixo do meu vestido. A necessidade de tocá-lo ainda mais, eu passo meus dedos na frente da sua camisa e sinto seus músculos magros flexionarem sob minhas mãos. Sua respiração vacila como se eu estivesse deixando-o louco. É diferente, de alguma forma, a partir da última vez que estivemos juntos, como se ele estivesse mais vulnerável.


— Eu não quero te deixar ir, — ele diz, entre beijos quando seus dedos tocam a borda da minha calcinha, seus movimentos bruscos e desleixado, construídos por desespero. De repente, eu sou lembrada do por que não tocamos um ao outro há dois meses, e o que eu tenho feito com Preston por dois meses, e por que eu deveria me afastar. Se eu fosse uma boa pessoa, eu faria. Colocaria meus pais acima do meu tesão por Luke e apenas diria o que deixe Preston fazer comigo, como eu deixei-lhe me tocar. Eu sei que isso iria fazê-lo parar, mas acho que não sou uma boa pessoa. Nunca fui. E a adrenalina pulsando através do meu corpo, causada pelo toque e beijos de Luke, não está ajudando também. Mantendo meus pensamentos para mim mesma, eu me inclino contra o espelho atrás de mim, surpreendendo-o quando afasto meus lábios dos seus. Suas pálpebras se abrem e ele está preocupado que eu vá parar isso, mas eu agarro a frente da sua camisa e puxo-o para mim até que nossos lábios se encontrem. Em seguida, beijo-lhe profundamente, nossas línguas entrelaçadas, seus dedos deslizando em minha calcinha e dentro de mim e eu mordo meu lábio quando seu toque me traz prazer em vez de dor e vergonha como pensei que seria, como é com Preston. Em um ponto, Luke se inclina ligeiramente para trás, olhandome enquanto eu me perco, me afastando da realidade que acordo odiando todos os dias, enquanto me agarro a ele, momentos depois caio aos pedaços em seus braços. Há uma pausa quando a névoa e o calor deixam meu corpo e minha mente e posso dizer que ele acha que eu vou fugir - posso ver isso em seus olhos. Eu não tenho nenhuma intenção de fazer isso, então me inclino para frente para beijá-lo novamente. Mas quando os nossos lábios estão quase se tocando somos interrompidos por uma batida na porta.


— Luke, dê o fora daqui. — Outro estrondo e a porta balança. — Nós temos um enorme problema do caralho que precisamos discutir. Eu sinto os músculos de Luke ficarem rígidos enquanto ele se afasta e olha para a porta, tentando descobrir alguma coisa enquanto coça a cabeça. Recordação lentamente clicam em seu rosto e ele cambaleia para longe da porta, tateando os bolsos de trás da sua calça jeans antes remexer em todos eles. — Porra, eu estou ferrado. — Ele dá um tapinha no bolso da camisa xadrez e solta um suspiro de frustração. Eu pulo para fora do balcão e reajusto meu vestido sobre as minhas pernas. — O que há de errado? Ele balança a cabeça rapidamente. — Não é nada. — Sem olhar para mim, ele solta um suspiro. — Você precisa ir. — Seu olhar finalmente fixa em mim e através do seu torpor bêbado eu detecto uma pitada de medo. — Saia daqui, fuja dessa fodida de casa, e não volte. Alguém bate contra a porta novamente. — Luke, se você não sair daqui agora, eu vou ter que arrebentar essa fodida porta e isso só vai irritar Geraldson ainda mais. Eu balanço minha cabeça, enfiando mechas do meu cabelo atrás da orelha. — Eu não vou embora até que você me diga o que você fez, — eu digo a Luke, mas, segundos depois, eu entendo, — Você trapaceou? Ele leva o dedo aos lábios, pedindo-me para ficar quieta. — Eu sempre faço, — ele sussurra. — Nós encontramos a porra da carta que caiu do seu bolso! — O cara grita do outro lado. Há um estrondo ensurdecedor quando ele provavelmente soca a porta. — Eu avisei para não fazer isto homem!


— Merda, temos que sair daqui... — Ele olha ao redor do banheiro por uma outra maneira além da porta e da ira de um grande cara muito irritado, que provavelmente tem uma arma. Parece que eu deveria estar mais preocupada do que estou, mas isso não é novidade para mim. Eu fui perseguida antes, em mais de uma ocasião - foi assim que conheci Luke. Eu sei que há mais perigo considerando quem são essas pessoas, mas, ao mesmo tempo a dependência doente da minha adrenalina está se manifestando e me dizendo para aquecer porque vai apagar as emoções tentando enfiar-se dentro de mim, as emoções que os dedos e os lábios de Luke trouxe para fora de mim. Ainda assim, eu procuro outro caminho para fugir do banheiro e, em seguida, lembro-me que há uma janela perto do chuveiro. — Claro! — Eu digo, caminhando até o chuveiro e abrindo a janela. Uma brisa suave sopra assim que olho para baixo, uma queda de três andares. Nada mal. Realizável talvez. — Você louca porra? — Luke murmura para mim enquanto eu tiro a tela, deixando-a no chão, em seguida, coloco a cabeça para fora para calcular os contras. Não há cercas. Há carros lá embaixo, mas ei, não seria a primeira vez que eu pousaria em um carro. — Estamos no terceiro andar, pelo amor de Deus. — Sim, mas... Isso poderia ser manejável... — Eu olho por cima do meu ombro para ele e estou alarmada com o medo em seus olhos. Mas então penso em sua irmã e como ela se suicidou em um ato semelhante a este e me sinto mal. Mas ainda assim, a outra alternativa não é a melhor. — Eu vou primeiro se você quiser. Balançando a cabeça, ele agarra meu pulso. — Eu não quero que você vá a qualquer lugar fora da janela. Quero dizer fodidamente isso, Violet.


Suspirando, eu enfio minha cabeça para fora, ignorando o aperto mais forte no meu braço enquanto olho para outras opções e minutos mais tarde encontro uma. — Há uma escada de incêndio no canto... e a borda é grossa. Podemos caminhar sobre ela e, em seguida, descer pela escada. — Não. — Sua voz é firme, assim como a sua determinação. — Eu não vou... — Ele é cortado pelo som da porta sendo socada novamente, desta vez no ponto onde as dobradiças começam a ceder. Enquanto ele está distraído, eu deslizo meu braço para fora da sua mão e me apresso e saio. Uau, minha cabeça gira com a tontura. Eu pressiono minhas mãos e costas contra a parede enquanto o vento bate contra meu rosto e cabelo. Luke amaldiçoa em voz baixa, estendendo a mão para o meu tornozelo enquanto eu equilibro-me no parapeito. Meu coração se debate, animado, nervoso, apavorado. Isso é tudo que eu preciso no momento e calmamente agacho-me e estendo a mão para Luke. — Vamos lá, — eu digo, tanto calma é assustada, quando o terror pode me liquidar. — Não é tão ruim. Eu prometo. Ele começa a protestar, mas as batidas ficam mais altas e sem mais nenhuma hesitação, ele está agarrando minha mão e se agachando para fora, seu corpo tremendo a partir do medo de altura ou do fato de que há um cara com uma arma prestes a arrombar a porta. Luke trabalha para recuperar o fôlego enquanto chega ao meu lado, olhando para a queda de três andares com os olhos arregalados. — Merda, isto é intenso... Eu odeio seriamente alturas. Ainda segurando sua mão, rastejo letamente através da borda com as costas pressionadas contra a lateral do prédio, guiando-o comigo. — Você age como quem nunca teve que


escapar por uma janela antes. — Eu lanço-lhe um olhar divertido em sua direção, sentindo-me em paz com a situação, mas não posso me parar. Isto é o que me acalma, o que me distrai, o que faz com que a dor de estar perto dele se quiete. Ele dá um aperto forte sobre a minha mão enquanto se move comigo, continuamente mantendo o olhar sobre o chão enquanto as palmas das suas mãos ficam suadas. — Você parece muito calma sobre isso, — ele observa, seu olhar passando rapidamente em mim. — Se eu não soubesse melhor, acharia que você está gostando disso. Eu dou de ombros, sem ser capaz de negar. — Acho que você me conhece o suficiente para saber que eu não tenho medo de altura. Ele faz uma pausa, procurando meus olhos, e de repente eu sinto que sou uma aberração em exibição porque juro por Deus que ele pode ver o meu pequeno segredo sujo escondido dentro de mim. — Não, não é a falta de medo... Mas a presença de excitação que parece um pouco inapropriado para a situação. Eu tento pensar em algo para dizer, mas tudo fica branco. Felizmente nós alcançamos a escada de incêndio e eu coloco toda a minha atenção para descê-la. Eu solto sua mão e coloco o pé na escada. Quando Luke se junta a mim, um cara grande enfia a cabeça para fora da janela, parecendo tão irritado como um dos pais adotivos mais abusivo que eu tive por breves duas semanas, quando eu tinha doze anos. — Deus caramba, Luke! — Ele força seu punho contra o parapeito da janela, debatendo se sai e persegue-nos ou tenta encontrar-nos lá embaixo. — Vai, vai, vai, — Luke me dá um empurrão suave quando o cara tira a cabeça dá janela.


Nós corremos para baixo da escada, que treme com o nosso peso. No fundo, eu entendo o quão sério são os problemas em que estamos, mas o lado confuso de mim está prosperando, alimentado pelo perigo. No momento em que chego ao fundo, eu estou quase tonta com tanta adrenalina. Parece que Luke pode ver isso no meu rosto, porque ele agarra meu braço e me ajuda a manter o equilíbrio enquanto corremos em frente ao estacionamento em direção a uma subdivisão perto do complexo de condomínio. — Onde está a sua caminhonete? — Eu pergunto, sem fôlego, pois estamos virando a esquina, olhando para os condomínios. O suor escorre pela nossa testa, mesmo que não esteja tão quente aqui fora, as nuvens cinza e trovões trovejando. — Eu vim andando. — Ele faz uma pausa perto do meio-fio, olhando para a esquerda e para a direita então atrás de nós. — Preciso deixar você em algum lugar seguro... Longe deles... E então eu vou... — Eu vou com você. — Que diabos estou fazendo? Parece que ele tem exatamente o mesmo pensamento. — Você quer ir comigo? Concordo com a cabeça, sabendo que é tão errado porque a principal razão pela qual estou concordando com isso é porque quero que o entorpecente dentro de mim continue, pelo menos, é isso que eu digo a mim mesma, não querendo admitir a verdadeira razão ainda. — Sim. — Eu não posso... Eu não posso te meter nisto... Não é certo. — Muito tarde. Eu já estou. E fiz isso por mim mesma. Ele franze a testa e eu acho que ele vai argumentar mais, mesmo que já deveria saber que não vai ganhar, mas então ele


acaba cedendo e n贸s corremos pela rua juntos, rumo ao desconhecido.


05 Luke — Estou em tantos problemas malditos, — eu anuncio o óbvio enquanto fecho e tranco a porta do meu apartamento quando entramos. Sem saber para onde ir, eu vim para cá com uma Violet muito disposta atrás de mim. Eu não tenho nenhuma fodida ideia de como isso aconteceu - não a coisa com Geraldson desde que eu sempre soube que, eventualmente, a minha sorte iria acabar, mas por Violet estar aqui. Comigo. No lugar que costumava ser a nossa casa. Emoções mexem dentro de mim enquanto eu me inclino contra a porta e observo-a andar ao redor da sala, olhando o alimento no balcão e na mesa de café, os livros no chão, a desorganização geral que nunca estava aqui quando ela estava morando com a gente. — Está mais confuso do que quando eu morava aqui, — ela diz, traçando os dedos ao longo de algumas garrafas de cerveja vazias na bancada da cozinha e, em seguida, através de uma camada de pó na estante. Ela faz uma pausa, colocando uma mecha do seu cabelo vermelho atrás da orelha, considerando algo antes de se vira e cruzar os braços sobre o peito. A emoção que estava em seus olhos verdes a poucos minutos quando estávamos na janela desapareceu e estou feliz porque isso meio que me deixa em pânico, porque eu acho que foi decorrente ao perigo que corríamos. — Você está bem? — Eu pergunto-lhe, querendo atravessar a sala e beijá-la novamente, como no banheiro. O que aconteceu antes na casa do Geraldson entre nós foi por sermos pegos no


calor do momento, sendo que ficamos cara a cara e sozinhos pela primeira vez em meses. Ela encolhe os ombros. — Eu não sei. — Ela desenrola os braços e batuca seus dedos nas laterais de suas pernas enquanto olha ao redor da sala, em todos os lugares menos em mim. — O que você vai fazer? Levanto-me da porta e ouso dar um passo ou dois para mais perto dela, notando que ela fica um pouco tensa, mas felizmente não recua. — Eu honestamente não tenho ideia do que vou fazer, — eu digo. — Quero dizer, eu fui pego trapaceando antes, mas nunca por caras como estes. — Eu solto uma lufada de ar quando a realidade cai em cima de mim, como uma onda muito grande e poderosa. Eu estou muito sóbrio desde que sai do apartamento e estou vendo tudo um pouco claramente demais pro meu gosto. — Eu acho que vou desaparecer por um tempo e esperar que isso passe. — Você realmente acha que vai passar? — Ela pergunta, duvidosa. — Porque eu não estou tão otimista. Não, eu não acho. Nenhum pouco mesmo, mas ela não precisa saber disso. — É tudo o que posso fazer por agora, pelo menos até que eu pense em outro plano. — Eu dou mais um passo ou dois, reduzindo o espaço entre nós, observando como ela se encolhe quando me aproximo, como se ela estivesse com medo que eu fosse tocá-la novamente. Eu quero pra caralho, mas sei que não é certo e claramente não é bem vindo da sua parte, então eu passo em torno dela e caminho até o quarto para pegar minhas coisas, sabendo que quanto mais tempo eu ficar por aqui, mais provável Geraldson pode aparecer. Espero Violet ir embora, mas depois de um minuto ou dois, ela entra no meu quarto que costumava ser o dela também. — Onde você está indo? — Ela inclina-se contra o batente da porta, os olhos à deriva para onde o diário de Amy está aparecendo debaixo do meu travesseiro e eu pego-o e jogo-o na mochila.


Eu dou de ombros, pegando algumas camisas e calças jeans da cômoda e enfiando-as dentro da mochila. — Eu não sei... Eu provavelmente vou dirigir ao redor, ficar em hotéis por uma semana ou algo assim. Faço uma pausa, tentando pensar aonde eu posso me esconder que não inclua ficar com a minha mãe ou meu pai eu jurei nunca pedir-lhe ajuda novamente após a última vez que fiz e ele recusou. Há apenas um membro da família que eu realmente conheço, meu tio Cole, irmão do meu pai, que vive em Las Vegas e que ensinou o meu pai a jogar. Eu o encontrei no total de duas vezes, uma quando eu tinha cinco anos quando meu pai foi a uma pequena viagem de jogo e me levou com ele; a segunda vez foi quando eu tinha dezoito anos e passei uma semana em Las Vegas enquanto meu pai estava de férias lá e queria que eu fosse visitá-lo. Mas a necessidade do meu espaço, eu acabei gastando mais tempo com o meu tio Cole do que com ele. Eu realmente não tenho falado com Cole, desde então, embora, com exceção de um ou dois telefonemas e não tenho certeza se meu tio vai me deixar ficar lá ou não. Ele não é um cara ruim, apenas não o tipo de cara que você sair por aí pedindo favores e ajuda, já que ele é mais como um adolescente do que um adulto. Além disso, eu nem sequer tenho seu número de telefone. Existe uma maneira de conseguir, mas eu não tenho certeza se quero fazer isso. Pense em outra coisa. Violet se senta na minha cama enquanto eu ando ao redor, pegando minha colônia e outras coisas e jogando-as dentro da mochila, tentando ignorar seu olhar implacável que controla cada movimento meu. Ela está aqui. No meu quarto, como eu estive sonhando nos últimos dois meses. Mas isso não é como eu queria que fosse, não sob estas circunstâncias. Quando estou saindo do quarto para ir ao banheiro pegar minha escova de dente, seu celular vibra no seu bolso. Até o momento que eu volto, ela está pálida, como se estivesse


prestes a vomitar. Eu abro minha boca para lhe perguntar o que há de errado, mas ela fala antes que eu tenha chance. — Então você está indo só por uma semana, certo? Para onde você está indo? E então você vai voltar? — Ela pergunta, brincando com uma pulseira de couro em seu pulso enquanto olha para a mancha no chão entre seus pés. — Eu não tenho certeza... — Eu fecho a minha mochila e jogo-a sobre o meu ombro, esfregando minha mão pelo meu rosto. — Esta porra é fodida, não é? Eu só preciso dar o fora daqui. Fugir para algum lugar. — Você não pode fugir para sempre, Luke. — Há um significado subjacente em sua voz, seu olhar fixa em mim e seu peito arfa enquanto ela se esforça para manter sua respiração. — Não, eu não posso. — Faço uma pausa, deixando a minha mochila no chão e pego meu celular do bolso para fazer algo que eu realmente não quero fazer. Eu mando uma mensagem a Toverson, o cara que me colocou no jogo. Eu preciso saber o quão ruim é. Eu: Eu fodi tudo. Eu espero pelo que parece horas para ele responder, mas só leva alguns segundos. Toverson: Eu sei. E eu fodidamente te avisei. Deus caramba, Luke. Que porra você estava pensando? Eu: Eu não estava. Esse foi o problema. Toverson: Onde você está agora? Na sua casa? Eu: Não posso dizer ainda. Não até que eu saiba o quão fodido estou. Toverson: Luke me desculpe, mas eu não posso te ajudar a sair dessa bagunça. E um aviso, Geraldson sabe onde você mora.


Um arrepio rola pela minha espinha enquanto eu leio a mensagem e, em seguida, momentos depois, há uma batida na minha porta, bem mais como um bater de punhos. — Droga, — Eu xingo, colocando meu celular no bolso de trás. Eu começo a andar na frente da cama, tentando descobrir o que diabos fazer, mas não consigo achar outra alternativa. Estou preso. Violet está presa comigo. Isso é tão ruim. Outra batida forte. Em seguida, um estrondo. — Quem é? — Violet pergunta, ficando de pé. — Espera. São eles? Eu paro de andar e olho-a. Depois de todo esse tempo ansiando por tê-la aqui no meu quarto novamente, agora estou desejando que ela não estivesse. Eu errei feio e agora vai haver algumas consequências pesadas. — Fique aqui. — Eu ordeno, em seguida, vou para a sala e olho pelo olho mágico da porta. Geraldson e um cara grande com a cabeça raspada que parece pelo menos o dobro do meu tamanho estão de pé do lado de fora. Ambos estão armados, com armas escondidas em seus cintos, com um Soco Inglês bronzeado na mão do grandalhão. Minha cabeça despenca contra a porta, uma sequência de xingamentos escapa dos meus lábios enquanto eu acerto meu punho na parede até rachá-la. — O que vamos fazer? — Violet aparece atrás de mim. — E pare de bater na parede. Não vai ajudar em nada. Eu levanto minha cabeça e viro o rosto para ela. — Nós não vamos fazer nada. — Eu dou alguns passos largos através da sala e empurro-a em direção ao quarto. — Você vai ficar aqui e se esconder enquanto eu converso com eles. Violet planta seus pés firmemente no chão e pressiona as mãos contra o meu peito, recusando-se a se mover. — Primeiro de tudo, eu realmente duvido que eles estejam aqui para conversar. E segundo, eu não preciso que você me proteja disto. Confie em mim, eu tive o meu quinhão de merda.


— Eu sei que você teve. — Dou-lhe um leve empurrão em direção ao quarto enquanto ouço alguém sacudindo a maçaneta da porta, estou apostando que estão tentando arrombar a fechadura. — Mas isso não significa que você tem que adicionar as minhas merdas nessa lista. Eu começo a empurrá-la em direção ao quarto novamente quando a porta da frente se abre, a maçaneta da porta batendo na parede e deixando um buraco. — Foda-se. — Eu estrategicamente coloco-me na frente de Violet, chateado comigo mesmo por fazer escolhas ruins e envolvê-la nisso. Eu não dou a mínima sobre mim mesmo, mas ela... Bem, isso está me deixando literalmente enjoado só de pensar sobre o que eles podem fazer com ela, como tocá-la. — Luke Price, — Geraldson diz sombriamente, enchendo meu pequeno apartamento quando entra. O grande cara caminha atrás dele, fechando a porta e trancando-nos. — Você me deve algum dinheiro. Rangendo os dentes, eu enfio minha mão no bolso e tiro mil e quinhentos que ganhei hoje. — Ai está. — Eu jogo a pequena pilha de dinheiro no chão entre nós, sabendo que não vai ser o suficiente. Geraldson se abaixa e pega, contando. — Você acha que isso vai ser suficiente? — Provavelmente não, — eu digo secamente. — Mas é o que eu ganhei. Ele solta uma risada baixa, entregando o dinheiro para o cara grande que enfia a mão no bolso de trás. — Você rouba de mim, — ele bate o dedo contra seu peito. — E acha que devolvendo o que roubou vai ficar tudo bem. — Ele estala seus dedos. — Com quem diabos você pensa que está lidando?


Mil respostas irônicas coçam na minha língua, mas eu prendoas, sabendo que só vai piorar as coisas. Se eu estivesse sozinho, no entanto, seria uma outra história. — Quanto? Ele sorri. — Nove mil. — Eu não tenho esse tipo de dinheiro, — eu respondo. — E isso é como seis vezes a mais do que eu ganhei hoje. — Esse é o preço que você pagar por ser uma fraude de merda, — ele responde de volta, dando um passo para o lado para deixar o cara grande dá um passo a frente. Meus músculos flexionam em nós, porque eu sei o que está vindo. — Você foi avisado para não se meter comigo, — diz Geraldson enquanto o grandalhão estala seu pescoço e, em seguida, estende os dedos com o Soco Inglês sobre eles. Eu poderia correr, mas eles iriam me perseguir. E começar uma briga significa obter mais em troca. E conhecendo Violet, ela provavelmente vai tentar intervir, como fez no bar quando eu me meti em uma confusão. Eu não quero que ela se envolva mais do que já está, então eu aperto meus músculos e me mantenho parado quando o grandalhão força o seu punho direito na minha lateral. O impacto e o metal tiram meu fôlego enquanto meu corpo luta para se curvar para frente, mas eu me recuso a deixá-lo, forçando-me a ficar reto. Atrás de mim, eu ouço Violet chupar uma respiração, então sua mão toca as minhas costas, fazendo com que meus músculos se contorçam. — Você tem cinco dias para conseguir esse dinheiro para mim, — Geraldson diz e ele e o cara grande caminham para a porta da frente. — E se você não fizer isso, não vai ir muito longe. — Seu tom ameaçador me faz querer socar a sua cara. Lutar, é o que eu faço. Está enraizado em cada parte, me ajudando a me acalmar, me acalmar quando há uma tempestade dentro de mim. Mas eu não posso fazer isso - não com ela apenas algumas polegadas de distância de mim.


— E você. — Geraldson se inclina para o lado e olha em volta de mim para Violet e eu tenho que enfiar minhas unhas em minhas mãos apenas para mantê-las no lugar. — Você pode dizer a Preston que eu não vou fazer negócios com ele. Violet não diz nada, mas mostra-lhe o dedo do meio quando ele caminha para fora do apartamento com o grandalhão que me deu um soco no estômago. Quando eles se foram, e a porta está fechada, eu me viro para Violet e seus olhos passam freneticamente sobre o meu corpo. — Você está bem? Ele bateu-lhe muito forte. — Ela começa a levantar a mão como se fosse me tocar, mas, em seguida, puxa de volta, decidindo se afastar. Eu aceno, permitindo que meus ombros caiam enquanto afundo no sofá mais próximo. — Super, — eu digo com os dentes cerrados enquanto seguro minha lateral latejante. — Que imbecil por bater-lhe assim. — Ela se ajoelha na minha frente, afastando seu cabelo para o lado enquanto abaixa a cabeça para inspecionar a área que eu estou segurando. — Será que quebrou alguma costela? Eu luto contra a vontade de fechar os olhos e respirar seu cheiro, em vez disso eu aceno para ela. — Eu estou bem. Apenas uma pequena contusão. — Eu dou-lhe um sorriso duro. — Nada que eu não possa lidar. — Você quer que eu pegue um pouco de gelo? — Ela pergunta inclinando-se para trás e sentado sobre os seus calcanhares. — Ou alguns analgésicos? — Eu tenho analgésicos no meu quarto e deixa que eu vou pega-los. — Eu fico de pé, movendo-me lentamente através da dor. — E não há tempo para gelo. Eu preciso ir. — Agora, mais do que antes, para um lugar que eu não quero ir. Mas sei que se eu não pagar, vou estar fodido. E está tudo bem. Eu fui lá à procura de problemas - consegui exatamente o que eu queria.


— Para onde você está indo? — Violet pergunta, seguindo-me enquanto eu manco até o quarto. Eu quero perguntar por que ela ainda está aqui comigo. Por que ela não está fugindo de novo, como tem feito, mas temo perguntar e lembrá-la da situação. — Eu estou indo jogar e ver se eu posso conseguir nove mil. Seus olhos se alargam enquanto uma respiração escapa dos seus lábios. — Como diabos você está pensando em fazer isso? Quero dizer, você pode acabar perdendo todo seu dinheiro no processo e ficar ainda mais ferrado. Faço uma pausa na porta do meu quarto, sabendo a minha única opção no momento que pode me ajudar sair dessa bagunça. — Eu tenho que fazer um telefonema, — digo a Violet, minha voz soando tensa. Mas eu deixo isso de lado e pego meu celular do bolso de trás. — Você pode me dar um minuto? — Eu pergunto e depois caminho para a cozinha para fazer uma ligação que não quero fazer. Mas enquanto fico lá, tentando digitar o número do meu pai, isso prova ser mais difícil do que eu pensava. Ainda assim, é pedir a ele ou deixar minha bunda ser chutada até a morte, por isso, empurro todo o meu orgulho de lado e apenas faço o que tenho que fazer. Ele atende depois de dois toques. — Luke, eu estou tão feliz que você ligou, — ele diz antes que eu possa sequer proferir um Olá, soando tão aliviado por eu está falando com ele novamente. — Tem sido um longo tempo, mas eu estava esperando que você fosse me ligar como disse da última vez que conversamos... Eu não quero ser rude mais. — Eu não te liguei para conversar, — eu digo a ele, fechando meus olhos e apertando meus dedos na ponta do meu nariz, sentindo uma dor de cabeça forte chegando. — Eu preciso de um favor.


— Oh. — A decepção em sua voz me faz sentir mal, mas ao mesmo tempo faz com que a raiva queime dentro de mim por me sentir culpado. — O que você precisa? Abro os olhos e sento em um dos bancos do balcão. — Eu preciso do número do tio Cole. Eu costumava ter o número dele, mas foi apagado da agenda do meu celular em um tempo atrás. — Oh. Ok. Eu posso lhe dar isso. — Ele faz uma pausa. — Mas eu posso perguntar o por quê? — Não. — Luke, eu... Você precisa de ajuda com alguma coisa. — Não. — Eu sei que estou sendo um babaca, mas não consigo me conter. O que ele tirou de mim quando me deixou quando eu era uma criança, com quem ele me deixou, e o que fez com a minha vida, tudo o que roubou de mim, ainda dói como uma ferida não cicatrizada. Eu tenho tanta raiva dentro de mim, me corroendo, pouco a pouco, porque eu não consigo esquecer e deixar a maldita ferida se cicatrizar. — Eu só preciso do número dele. — Se você precisar de ajuda... Deixe-me te ajudar. Eu quero fazer essas coisas, Luke. — Então me dê o número de telefone do tio Cole. Isso é o que vai me ajudar. Ele fica em silêncio de novo e acho que vai tornar isso complicado, mas depois ele me surpreende e me dá o número que eu me apresso a digitar no meu celular. — Tem certeza de que você não precisa de mais nada? — Ele pergunta quando termina. — Não. Não de você. — Essa observação rói meu peito e abro minha boca para murmurar um pedido de desculpas, mas ele fala primeiro.


— Ok, então. — Agora ele soa como o Bambi ferido. — Bem, se você precisar de alguma coisa, você pode sempre me ligar. Eu estou sempre aqui. — Obrigado, — eu murmuro, em seguida, finalizo a chamada. No fundo, sei que a minha vida seria mais fácil se eu apenas deixasse as coisas entre eu e meu pai se acertarem, mas é difícil, especialmente quando eu mal o entendo. Quer dizer, eu entendo por que ele deixou a minha mãe, porque ele precisava se encontrar. Auto-descoberta. E ele está feliz agora com Trevor, seu marido, pelo menos parece dessa maneira. Ter a necessidade de ser feliz, mas por que teve que deixar Amy e eu para trás? Ele não poderia ter feito tudo isso com a gente? — Você está bem? — O tom de Violet é cheio de cautela. Eu aceno a cabeça, virando-me para ela, forçando-me a sacudir o que estou sentindo. — Sim, eu estou bem... Eu vou tentar ligar para o meu tio e ver se eu posso ir a Vegas e ficar com ele por uma semana. Ela permanece na porta. — Você tem um tio que vive em Vegas? Eu concordo. — Mas eu mal o conheço. Só estou esperando que ele possa me fazer um favor, — eu digo, em seguida, disco o número dele. Depois que eu ligo e tenho uma conversa de cinco minutos com ele que se centra principalmente em jogos de azar, ele me diz: — Claro, venha para cá. Podemos totalmente entrar em alguns jogos subterrâneos e ver o que podemos fazer. — Ele diz isso como se entendesse, o que provavelmente faz, já que é muito parecido comigo, apenas cerca de quinze anos mais velho. Então eu me levanto para ir terminar de embalar minhas coisas, enquanto Violet fica na porta sem dizer uma palavra, mas a preocupação em seus olhos diz muito. — E a faculdade? — Ela finalmente pergunta enquanto muda de peso.


Minha necessidade obsessiva tenta me assumir, mas eu a mando calar a boca. — Eu posso faltar por uma semana. Não é um grande negócio. — Eu adiciono meu estojo que transporta os medicamentos para minha diabete na mochila. — Você sempre fez parecer um grande negócio, — ela diz, sentando-se no colchão ao lado da minha mochila. — E confie em mim, eu entendo. — Eu sei que você entende, — eu digo a ela, tanto amor e ódio que temos em comum; amar por causa do quanto eu quero estar com ela e odiar por causa do quanto eu quero estar com ela. — Vegas é realmente muito longe, — ela diz. — Você não pode jogar aqui? — Não. — Eu mantenho a minha cabeça baixa, sabendo que se eu olhar para cima e vê-la na cama, vou perder o controle e preciso me concentrar agora. — Eu só preciso sair e conseguir um pouco de dinheiro aonde ninguém sabe da minha reputação. E não quero ficar aqui com Seth e Greyson enquanto eu estiver limpando essa bagunça. Esta é a minha bagunça não deles. — Eu pego minha mochila do chão e jogo-a sobre o meu ombro. — E é a única que opção eu tenho no momento. Ela morde a sua unha, claramente nervosa. — Por quanto tempo? Eu dou de ombros, pegando dois analgésicos da cômoda e engolindo-os. Se eles não funcionarem em breve, eu vou sentir uma dor grave. — Durante o tempo que for preciso. — Mas isso não é um pouco arriscado? Quero dizer, você pode perder o seu dinheiro e você realmente quer entrar nesse tipo de bagunça que é Vegas. As coisas lá não são realmente intensas?


— Cada lugar é intenso quando você realmente pensa sobre isso. E é a única opção que eu tenho no momento. E, além disso, meu tio sabe o que está fazendo. Ela fica em silêncio enquanto eu vou até o meu armário para pegar meu casaco. Eu ouço o celular sair do seu bolso novamente e quando me viro, ela está mastigando seu lábio inferior com incerteza escrito por todo o seu rosto enquanto ela lê a mensagem. Balançando a cabeça, ela enfia o celular no bolso. — Quer companhia? Quero dizer na estrada ou o que for. — Ela dá de ombros indiferente, indiferente do lado de fora, mas posso dizer que ela está escondendo algo no interior. — Você quer ir para a estrada comigo? Sério? — Algo muito ruim deve estar acontecendo se ela está escolhendo ficar em torno de mim. Há muito medo e dor em seus olhos que me faz querer agarrála, abraçá-la, e nunca deixá-la ir. O olhar é uma mudança total de quando ela estava na borda do prédio e ela parecia chapada. Eu pensei que ela estava por um momento, mas acho que poderia ter sido algum tipo estranho de descarga de adrenalina. — Eu poderia usar como uma pausa. — Ela encolhe os ombros e eu me pergunto quem mandou uma mensagem a ela alguns minutos atrás e se tem alguma coisa a ver com a sua súbita vontade de ficar perto de mim. Eu estou supondo que foi Preston e ele está com raiva que ela acabou de perder um dos seus clientes. Idiota fodido. Provavelmente a ameaçou. — Eu pensei que você odiasse perde aula? — Excluindo o grau de risco dela ir, eu ainda estou relutante. É como se eu não conseguisse passar pelo fato de que ela realmente não parece querer ir comigo, tanto quanto parece querer escapar de algo. E a ideia de estar na estrada com ela, dormindo sob o mesmo teto, quando ela realmente não quer estar comigo, não parece ser algo que eu possa fazer sem perde o controle. E eu não


posso perdê-lo agora, eu preciso resolver minhas merdas e conseguir dinheiro rapidamente. Ela aperta os lábios e de repente se levanta. — Sim você está certo. Eu nem sei por que estou pedindo. — Ela corre para a porta, mas eu agarro seu braço e impeço-a. — Eu só estou perguntando por que você quer ir comigo depois... — Eu me movimento entre nós dois, tentando encontrar as palavras certas. — Tudo o que aconteceu ao longo dos últimos dois meses. — Eu preciso de uma fuga também. Eu não posso... Eu não... — Ela bufa em frustração, finalmente fazendo contato visual comigo e é tão esmagador ao ponto das minhas pernas quase fraquejarem. — Olha, se não quer que eu vá com você, então não tem que deixar. Eu quero perguntar do que ela precisa escapar, mas ela está fechada e a conheço bem o suficiente para saber que ela não vai me dizer, não agora de qualquer maneira. — Eu quero que você vá, — eu digo, meu aperto afrouxando em seu braço. — Mas eu também não quero que você entre ainda mais nessa confusão. — Esta confusão é muito melhor do que a minha alternativa, — ela murmura baixinho. — Confie em mim. — Violet, eu... — Eu paro, percebendo que posso pressioná-la com tudo que eu quero, mas ela não vai se abrir comigo como costumava fazer. Eu quase posso ver a parede em torno dela, a que ela tinha antes ficarmos juntos. Só que é vinte vezes mais grossa e resistente desta vez. — Venha comigo... eu quero isso. — Tudo bem, se é isso que você quer, — ela diz com indiferença, mas um reflexo da atitude eu-ganhei lampeja através dela e me dá um breve vislumbre da Violet que me fez querer mudar tudo sobre mim - tentar ser uma pessoa melhor.


— Ok, então, — eu digo a ela e parece que nós fizemos algum tipo de acordo silencioso na nossa troca, mas eu não li as entrelinhas ainda. — Você está pronta para ir? Não, você provavelmente vai precisar passar em um... Lugar, certo? Quero dizer, para pegar roupa e outras coisas. — Estou divagando, nervoso, como um maldito maricas que nunca passou um tempo com uma mulher antes. — Eu acho que sim, — ela diz, sem rodeios. — Quero dizer, sim. Eu preciso ir... Em casa e pegar minhas coisas. Eu franzo a testa, sentindo raiva dentro do meu peito mais quente do que um incêndio maldito quando sinto que ela está tentando manter algo escondido. — Algo aconteceu com aquele babaca de merda... Ele não... Ele não bateu em você ou algo assim? Porque eu vou bater a merda fora dele, se ele fez. — Nós estamos de bem – tudo está bem. — Ela desliza seu braço da minha mão. — Vamos logo, se formos fazer isso. Vou ligar para Greyson no caminho e ver se ele pode cobrir meus turnos no restaurante. — Ela se encolhe, como se a ideia deixasse-a desconfortável. Eu suspiro e sigo atrás dela enquanto ela anda para fora do meu quarto, sabendo que estou entrando em uma enorme confusão e devo tentar corrigi-la. Mas não consigo encontrar vontade de parar isso, assim eu caminho para dentro do trem desgovernado.

Violet Estou na merda. Eu sabia disso muito antes de receber a mensagem de Preston. A mensagem só confirmou. Preston: Recebi uma mensagem de Roy. Droga Violet, você vai fodidamente pagar por me fazer perder um cliente como este. E


isso vai ser pior do que da última vez. Eu juro por Deus porra, você me deve para o resto da sua vida. A mensagem se repete na minha cabeça uma e outras vezes enquanto eu tento criar coragem o suficiente para sair da caminhonete e entrar na casa para pegar minhas coisas. Eu não quero ser uma covarde, mas não consigo parar de pensar em como eu "paguei" por ter fodido tudo nesses últimos dois meses, os machucados em minha perna marcam meu pagamento e minha penitência. É pôr do sol, as estrelas estão aparecendo, a luz da varanda da casa está ligada. Há uma festa acontecendo, carros alinhados na calçada, pessoas em pé no deck e no quintal. Vai ser mais fácil de entrar despercebido, mas vai ser pior se Preston me ver. Ele provavelmente vai ficar mais irritado e menos controlável. — Eu estou indo com você, — Luke diz-me, desligando o motor e desafivelando o cinto de segurança. Eu quero discutir com ele, porque não quero contar com ele assim, mas caramba eu preciso de alguém agora, então aceno, em seguida, saio da caminhonete. Quando nos encontramos na frente, eu não me afasto dele, deixando sua proximidade me acalmar. Eu não sou estúpida. Sei que tudo isso vai desabar sobre mim em breve, especialmente quando estivermos na estrada e todas as coisas não ditas entre nós forem derramadas. Mas agora eu só quero fingir que ele me faz sentir segura novamente, que eu não preciso fugir, não preciso estragar tudo - que sua mãe não ajudou a matar os meus pais. Quando chego ao topo da escada, eu me espremo entre as pessoas bêbadas e chapadas bloqueando nosso caminho, e faço uma parada na frente da porta de tela. Preston está na sala de estar, conversando animadamente com seus amigos maconheiros com um cigarro de maconha em sua mão. Há


música tocando a partir de uma caixa de som e garrafas de bebidas vazias em toda a bancada da cozinha. — Talvez eu devesse entrar sozinha, — Eu digo a Luke, mas são apenas palavras que não têm um significado verdadeiro por trás delas. Ele não diz nada, apenas agarra minha mão, abre a porta de tela e nós andamos para dentro da casa. Preston não olha em nossa direção no início, envolvido em uma conversa, mas quando eu caminho com Luke através da multidão para o corredor, ele me observa. Ele me dá um olhar escuro misturado com luxúria que faz o vômito queimar na parte de trás da minha garganta. Então ele percebe Luke e a luxúria se transforma em raiva. — O que diabos está acontecendo? — Ele pergunta e de repente a sala inteira está olhando para nós. Fumaça está circulando em torno de mim, um cheiro potente pinica em minhas narinas e tem cheiro de maconha, suor, e várias bebidas diferentes. Eu não sou de recuar, mas estou mais tensa do que o habitual, uma reação ligada à razão pela qual há hematomas cobrindo minha perna. — Eu vim pegar minhas coisas. — Minha voz soa firme, surpreendentemente. Preston solta uma gargalhada, entregando o cigarro a um cara alto e magro ao seu lado antes de atravessar a sala em minha direção, empurrando as pessoas para fora do seu caminho que parecem atordoadas e confusas com o pode acontecer. — O Quê? Você está saindo de novo? — Ele dar um olhar frio para Luke. — Com esse idiota? — Preston não gosta de Luke, considerando que Luke chutou a bunda dele uma vez. — Eu não sei se estou saindo ainda, — eu digo enquanto os dedos de Luke tocam meu pulso, gentilmente acariciando a minha pele, enviando uma onda de calma através do meu corpo que eu nunca senti antes. — Mas eu preciso de uma


pausa de você e de toda essa porcaria. — Eu levanto meu queixo, voz firme, apesar do meu nervosismo no interior. Eu sempre fui boa em fingir quando necessário. Eu posso ficar calma em um estalar de dedos, mesmo quando eu não esteja. Fingir que eu não me importo quando realmente faço. Fingir que não sinto malditamente nada por alguém, quando na verdade eu sinto tudo por eles. Preston está na minha frente agora e posso ver aquele olhar em seus olhos novamente, o que veio antes das contusões que estão em minhas pernas. — Você está cometendo um grande erro. — Sua voz é baixa e carregada de aviso, como sempre acontece quando ele está me ameaçando. Eu deveria ter lutado mais. Deveria ter machucado a merda fora dele. Deveria ter feito. Poderia ter feito. Teria feito. — Eu só preciso de uma pausa. — Repito. Firme. — Uma pausa do quê? Ter um teto sobre sua cabeça? Comida no seu prato? Uma carona? — Ele faz uma pausa, seu olhar passando rapidamente na direção de Luke, então ele se inclina no meu rosto, tão perto que posso sentir sua respiração quente na minha bochecha. — Ou ser uma prostituta que você sempre é. Você é uma fodida vadia. Você me usou para viver usou sua pequena fodida boca e corpo para conseguir o que queria. A mão de Luke subitamente solta meu braço e ele se empurra para perto de Preston, fazendo-o tropeçar nos próprios pés e quase cair. — Fodidamente se afaste, — adverte. — Ou eu vou fazer isso por você. Eu posso cuidar disso. Eu não preciso de você, quero dizer, mas mal consigo respirar, muito menos falar. Todo mundo está olhando para mim, para minha fraqueza, prestes a ter um colapso. Eu preciso de algo. Eu preciso de algo…


— Se curve, — diz Preston, empurrando-me para cama. — Venha V, curve-se e leve-me como você deseja. — O que eu quero fazer é te dar uma joelhada nas suas bolas, Preston, — eu digo. — E se você me tocar de novo, eu vou... Ele pega um punhado do meu cabelo e puxa com força. — E o quê? — Um outro puxão, mas eu me recuso a estremecer. Mostrar dor. Eu estou fodidamente calma antes da tempestade. Eu sou intocável. Ninguém pode me machucar. — Vamos lá garota durona, deixe-me ouvir todas as coisas terríveis que você vai fazer comigo. Eu queria dizer-lhe tudo, o quanto idiota que ele estava sendo, para tirar as mãos de mim, ir se foder, mas depois me lembro da última vez que eu fiz isso, ele me fez sair e como desta vez eu não tenho Luke para salvar a minha bunda gorda. Então, ao invés disso eu me forço a relaxar quando ele me empurra para meus joelhos, que acabam batendo no lado da cama. Então, ele dá a volta para ficar na minha frente, me empurrando para trás um pouco e abrindo o zíper da sua calça... — Eu estou saindo por uma semana ou algo assim, — eu gaguejo, em seguida, esquivo ao redor de Preston, odiando a forma como me sinto insegura, vacilante, como se eu estivesse andando em uma corda bamba, prestes a cair cegamente no desconhecido. — Se você sair eu não vou te aceitar de volta desta vez! — Ele grita atrás de mim, a raiva queimando em seu tom e batendo nas minhas costas. — Você precisa de mim Violet Hayes! Eu sou tudo o que você tem! — Foda-se! — Eu digo venenosamente, virando-me e lhe mostrando o dedo do meio. — Eu odeio ficar aqui e odeio você. — Merda. Oh, Deus. Ah Merda. Não. — Sua vadia ingrata, — ele grita, se aproximando de mim, suas veias salientes, mais irritado do que eu já vi, o que me faz pensar o quanto ele vai me bater se chegar perto o suficiente,


mas eu nunca chego a descobrir porque Luke empurra-o para trás e joga Preston na parede, atordoado. — Deixe-a em paz porra, — adverte Luke enquanto me segue no meio da multidão com os punhos levantados. — Ela vai ficar muito melhor fora daqui, ela merece o melhor e você vai deixá-la ir ou então eu mesmo vou te obrigar a fazer isso seu filho da puta doente. Preston dá uma risada aguda e há algo quase psicopata sobre isso, é meio não controlado, de modo irracional. Eu sei o que está vindo antes mesmo que ele possa dizer. — Você acha que ela é melhor do que eu? — Ele ri de novo, sua voz me seguindo enquanto eu me apresso em direção ao corredor. — Você quer saber por que eu a chamo de prostituta? Pergunte-lhe como ela pagou a sua dívida comigo e ela pode até tentar dizer-lhe que não gostou, mas pelos gemidos eu posso dizer que ela gostava. Eu tapo meus ouvidos e corro para o quarto, não querendo ver ou ouvir a reação de Luke pelo que Preston disse-lhe, não querendo sentir a vergonha no meu interior. Quando chego ao quarto, vou até o armário para pegar minha bolsa, mas depois percebo que Luke pode não querer que eu vá mais com ele, agora que Preston contou tudo. — Foda-se seu imbecil. — Eu xingo sob a minha respiração enquanto permaneço na escuridão do quarto, sem saber o que fazer. Eu quero pegar uma navalha e cortar os meus pulsos, mas estou pronta para ir tão longe? Finalmente, sento-me no chão, puxando minhas pernas ao meu peito, e descanso minha cabeça em meus joelhos. — Por que, por que, por que eu não consigo enfrentá-lo? Eu sou durona com todos, mas com ele, eu sou tão fraca. — Não é culpa sua. — O som da voz de Luke me faz endurecer. Ótimo, ele me viu em um momento de fraqueza. Tão fraca. — Ele abusa do poder de pai e faz você se sentir impotente.


Eu aperto meus lábios e levanto a cabeça para olhar para ele. Ele é apenas uma sombra na escuridão, ilegível e eu enfio minhas emoções para baixo, querendo ser ilegível também. — Você está falando isso por experiência? — Sim, — ele diz simplesmente, andando em todo o quarto em minha direção. — Minha mãe abusou bastante do poder. É algo que está me assombrado desde o dia em que eu saí do apartamento e me afastei dele. Luke odeia sua mãe, algo que aprendi no início, quando eu o conheci. Ele me contou algumas histórias vagas sobre como ela o fazia injetar heroína nela. Tenho certeza de que é apenas o começo dos problemas que essa mulher lhe causou e parte de mim se sente mal por culpá-lo por algo que ela fez. Não foi culpa de Luke que meus pais estão mortos, mas ele dolorosamente me lembra do que aconteceu, ainda faz. — Talvez eu não devesse ir com você, — eu digo com meu coração pesado. — Provavelmente não foi uma boa ideia, em primeiro lugar... você e... — Eu balanço o pensamento da minha cabeça, porque eu quero muito isso. É melhor se eu não for, embora, eu realmente não tenho qualquer lugar para viver mais, a menos que eu esteja disposta a sacrificar minha dignidade e muito mais. Ele faz uma pausa, então caminha até o interruptor de luz e liga-o. Eu pisco contra o brilho da luz enquanto ele procura no meu rosto por alguma coisa, eu não tenho nenhuma ideia do que - então ele diz: — Não, você está vindo comigo. Não há nenhuma maneira que eu vá deixar você aqui. — Ele olha por cima do ombro para a porta. — Com ele. Não é saudável, a forma como ele te trata, e olha para você. — Seu olhar se choca com o meu e um lampejo de confusão sobe dentro de mim, mas só me faz sentir mais dor. — Você precisa ficar longe dele, Violet. Você merece coisa melhor do que isso. — Seus lábios pressionam minha boca, mas isso acontece tão


rapidamente que meu cérebro mal pode registrá-lo antes que ele esteja falando novamente. — Muito, muito melhor. Eu quero discutir com ele, não apenas sobre o que ele disse, mas sobre quanto eu quero ir com ele. Luke e eu ainda nem começamos a enfrentar a principal coisa que nos separou há dois meses, de modo que sair sem lidar com isso parece ser algo desastroso e impulsivo de se fazer. Mas eu prefiro lidar com Luke em vez de lidar com Preston. Viver com ele tem sido um pesadelo e eu preciso respirar sem sentir como se meus pulmões estivessem me esmagando, mesmo que apenas por um momento. Então eu me levanto e arrumo minhas coisas, sabendo que só estou fugindo dos meus problemas e evitando aqueles à minha frente. E, eventualmente, eu sei que tudo vai desabar em cima de mim. É sempre assim.


06 Luke Saímos da casa de Violet com um pouco mais de confronto com Preston, mas posso dizer que o cara é um maricas total, recuou quando eu o desafiei, porque ele sabe que eu posso chutar o traseiro dele. Ele me deixa enjoado, a maneira como ele a trata, usa sua falta de família como uma arma contra ela. É como uma obsessão - uma obsessão doentia como a minha mãe usava para me controlar. Mas eu tento não pensar sobre isso enquanto dirigimos para fora da cidade e para a estrada. É tarde, a lua está brilhando no céu enquanto nós dirigimos em direção de Vegas, que fica cerca de doze horas de carro de Laramie. Violet está ao meu lado, sentada calmamente. Bem, sentada no mesmo lugar desde que conseguiu colocar uma larga distância entre nós quanto possível, inclinando-se contra a porta do passageiro. Espaço. Não parece muito entre nós, embora eu pudesse me aproximar mais e tocá-la. Por um tempo, eu acho que ela adormeceu, com a cabeça encostada à janela, seu peso encostado na porta, seu peito subindo e descendo enquanto ela respira suavemente. Eu estou procurando o estéreo para colocar uma música, quando ela se senta-se abruptamente, parecendo muito acordada. — Então, o que exatamente ele disse a você? — Ela pergunta, virando-se para mim e levantando a perna no banco.


Volto a minha mão para o volante. — Eu não tenho certeza do que você está falando. — Na verdade eu tenho, mas não quero falar sobre isso... Não quero nem pensar nisso. — Preston. — Sua voz é plana - sem emoção – como quando eu a conheci e me mata por dentro por ouvi-la novamente. — Na sala de estar, quando eu saí, ele disse o que eu venho fazendo nos últimos dois meses enquanto estava hospedada com ele? — Ela está tentando agir de forma indiferente, mas sua voz falha no final, revelando quanta dor ela está sentindo e me faz querer acabar com Preston mais do que qualquer coisa. — Eu não ligo para o que ele disse, — eu digo, segurando o volante com força enquanto tento concentrar-me na estrada em vez da raiva queimando dentro de mim. — Eu só me importo com o que você diz. — Faço uma pausa, esperando por ela me dizer algo. Não é como se fosse uma revelação. Eu tinha visto os dois se beijando no estacionamento mais cedo, mas ainda assim, parece que há muito mais do que isso, ou talvez seja apenas eu sendo estúpido e ingênuo, algo que eu nunca pensei ser antes. — Você quer falar sobre isso? Ela balança a cabeça. — Não. Deus, ela é tão difícil de ler quando está tão fechada. — Você quer falar sobre qualquer coisa? — Com o grande elefante velho fedorento sentado entre nós, ocupando a maior parte do espaço na caminhonete. Estamos prontos para ir até lá? Ela considera o que eu disse, seus olhos vagando para cima em direção ao céu escuro. — Você ainda tem aquela fita de sexo aqui? Que diabos? — Fita de sexo... Eu nunca fiz uma fita de sexo. — Isso é uma mentira. Eu fiz uma vez, quando tinha dezoito anos e havia uma garota que gostava realmente de algumas


merdas perversas. Mas Violet não tem como saber sobre isso e nem quero que ela saiba. Seu olhar pousa em mim, mas está muito escuro para ver sua expressão. — Você está totalmente mentindo para mim agora, você já fez uma. — Seu tom é leve, curioso. — Sabe, eu gostaria de dizer que estou surpresa, mas não estou. Eu relaxo um pouco enquanto seu espírito brincalhão surge. — Ok, estou tentando decidir se eu deveria ficar ofendido ou não por isso. Por você achar que eu sou algum tipo de prostituto. — O que eu era. Não mais embora. — Você não precisa se sentir ofendido, — ela promete com uma pitada de diversão em sua voz. — Além disso, estou certa de que foi uma excelente fita. Deus, o que eu daria para ver a expressão em seu rosto agora enquanto ela sentada com as pernas debaixo dela, as coxas mal cobertas pelo seu vestido amontoado e faz-me querer terminar o que começamos no banheiro do Geraldson. Agora não é o melhor momento para ficar duro. — E além disso, eu não estava falando sobre uma fita de sexo real, — Violet continua. — Mas a fita de música que eu encontrei aqui uma vez que estava rotulada como "fita para foder" ou algo assim. Ouvi-la dizer foder faz meu pau ficar duro como uma rocha. Mas não há mais confiança entre nós, não há base para que ela queira que eu a toque, nada exceto meu desejo de conseguir atravessar seu muro impenetrável, por isso tudo o que eu vou conseguir no momento é um caso grave de bolas azuis. Eu tento me ajustar discretamente. — Oh, eu acho que ainda está sob o assento desde... — Desde quando você estava comigo e estávamos nesta mesma caminhonete, no nosso primeiro encontro. Meu peito se aperta, precisando de ar, e


tudo o que eu quero fazer é beber até que eu não consiga sentir meu corpo. Violet se inclina para frente, abaixando a cabeça para o chão enquanto enfia a mão sob o assento. Ela vasculha até encontrar a fita. — Sim, certo você a jogou. — Ela se senta e lê o rótulo. — Fita Para Foder. — Ela vira-a em sua mão, um sorriso puxando seus lábios. — É engraçado que você realmente tenha fitas ainda. Quase ninguém sabe o que elas são mais. — A caminhonete vem com um toca-fitas e é muito mais barato do que colocar um novo estéreo, — eu explico. — Talvez um dia, porém, eu vá mudar isso. Ela balança a cabeça enquanto coloca a fita no aparelho. — Não. Esse é o caráter da caminhonete. — Ela pressiona o play, em seguida, se inclina para trás, esperando a música tocar. Eu não consigo lembrar o que fodidamente tem lá. Segundos depois, eu me encolho quando a primeira canção começa a tocar no alto-falante. Violet suprime uma risada instantaneamente enquanto cobre a boca com a mão. Ela permanece assim, ouvindo as letras até que finalmente abaixa a mão. — Então... É assim que você chama a sua parte especial de homem? — Ela pergunta, sufocando o riso enquanto pressiona sua mão sobre a boca novamente. Eu balanço minha cabeça para ela e me aproximo para dar-lhe um pequeno empurrão de brincadeira, sabendo que eu estou flertando agora, mas ei, ela começou. — Mesmo se eu tivesse um nome para meu pau, confie em mim, iria ser muito melhor do que isso. Ela continua rir, com a mão sobre a boca, sacudindo os ombros enquanto usa seu braço livre para me empurrar de volta. — Eu não posso acreditar que você teve relações sexuais com essa música.


— Ei, eu nunca disse que tive relações sexuais com ninguém com isso, — eu protesto, mesmo que eu não tenho ideia se isso seja verdade. Eu estou tentando não rir, porque nunca pensei que iria acontecer de novo, as coisas sendo tão leves entre nós e eu não quero ficar todo animado quando sei que vai desabar a qualquer momento. — E elas não são todas ruins. Algumas são realmente muito boas. — Eu me inclino para frente e passo para a próxima música. “Closer” da banda Nine Inch Nails começa a tocar e eu relaxo. Ela abaixa a mão para seu colo e absorve a letra em silêncio. Eu estou supondo que ela é boa em proteger suas emoções, ela provavelmente estaria corando, mas não é seu estilo. Eu me lembro quando ela me disse que era virgem, antes de eu tirar a sua virgindade. Ela disse isso tão cruamente, sem nenhuma vergonha, que eu acabei cuspindo minha bebida em todo o chão em surpresa. A única vez que já a vi mostrar suas emoções foi na primeira e única vez que fizemos sexo. Foi a primeira vez que eu não tentei segurar qualquer emoção de volta também, o que tornou o momento perfeito até algumas horas mais tarde, quando tudo desmoronou. Outra vez, em outro lugar, onde eu gostaria de poder ter ficar, porque por um momento tudo foi perfeito, mas foi apenas a calmaria antes da tempestade. — Ok, essa não é tão ruim, — Violet comenta enquanto inclina a cabeça para trás contra o assento, abre seus lábio e parece tão relaxada. — Na verdade, eu posso imaginar que ter relações sexuais com essa música pode ser bom. Deus, eu daria tudo para ter relações sexuais com ela agora. Bem aqui. Com esta canção. Eu poderia tentar, mas não faço isso, tento ser o cara decente que ela me transformou em um par de meses atrás. Aquele que toma mais cuidado com si mesmo, que não bebe tanto, que não guarda tanta raiva.


Enquanto me esforço para manter meu tesão para mim mesmo durante às próxima hora, essa tensão sexual estranha se constrói entre nós, enquanto ela insiste em ouvir toda a fita. Deftones “Change”, Nickelback, “Something in Your Mouth,” Saving Abel “Addicted”, a lista de músicas é longa, deixando o ar mais quente e mais sexy à cada uma. Lembrame mais e mais da primeira e única vez que Violet e eu fizemos sexo. Deus, eu a quero de novo. Sério, de quem foi essa ideia? Está ficando tão quente na cabine da caminhonete que eu tenho que abrir a janela, fingindo que é porque estou indo fumar, quando na verdade é para resfriar a tensão, senão eu vou acabar tendo um orgasmo enquanto dirijo. Estou enchendo meus pulmões com nicotina quando finalmente Violet desliza para frente sobre o assento para abaixar a música. — Você tem uma mente muito suja, Luke Price. Seriamente. Onde você encontrou todas essas músicas? Eu dou de ombros. — Eu estava entediado um dia, por isso fiz a fita. Demorou um pouco, mas fiquei muito orgulhoso com o resultado. Seus olhos deslizam em mim e cintilam maliciosamente no luar brilhando através das janelas. — Quantas vezes você já teve relações sexuais enquanto a fita estava tocando? Eu contorço-me desconfortavelmente no banco enquanto jogo cinzas do cigarro para fora da janela. — Eu me sinto um pouco desconfortável em falar com você sobre isso, — eu admito. — Bem, é muito mais fácil do que falar sobre todas as coisas que não estamos falando sobre você não acha? — Ela suspira cansada enquanto despenca de volta no assento. — Poderíamos falar... — Eu dou uma longa tragada no meu cigarro e solto a fumaça, que circula na frente do meu rosto. — Se você quiser.


Ela fica tensa quando balança a cabeça e olha para janela ao seu lado. — Eu não estou pronta ainda. — Ela diz baixinho. — Eu quero continuar fingindo apenas um pouco mais. Deus, eu nunca senti meu coração quebrar por alguém mais do que sinto neste momento. Eu quero estacionar, envolver meus braços em volta dela, e apenas segurá-la. Mas isso não é realmente o que ela está me pedindo para fazer, não é? Então, invés disso eu tiro a fita e lanço-a para cima do painel. — Sabe, eu tenho mais três dessas no porta-luvas. Um sorriso toca seus lábios enquanto ela se senta e começa a pegar as fitas, voltando a fingir que tudo está bem, quando não está.

Violet Eu caio no sono por volta das duas da manhã e vou diretamente para os meus pesadelos. Aquele em que estou no porão, escondida, ouvindo os sons do que acho que são fogos de artifício, mas acabam por ser a causa da morte dos meus pais. O pesadelo mudou ao longo dos últimos dois meses para algo que eu não gosto. Luke. Ele é aquele que aparece no porão naquela noite, apenas um garoto da minha idade, mas não está lá para machucar ninguém. Ele quer me ajudar, sempre querendo me ajudar. — Pegue minha mão, — ele diz enquanto fica no meio do porão, olhando diretamente para mim que estou escondida no canto, cercada por caixas e brinquedos. Eu não entendo como ele consegue me ver, ou como pode saber que eu estou com


medo, mas ele pode. — Não se preocupe. Eu não vou te machucar - eu vou te proteger. Eu balanço minha cabeça, não ousando me mover. — Eu não posso. — Sim, você pode, — ele incentiva, dando um passo em minha direção. — Vai ficar tudo bem. — Mas eu estou muito assustada. — Eu sussurro com horror quando sons enchem a casa, sons de dor e destruição. Ele se ajoelha na minha frente, sua mão ainda estendida. — Ela me assusta muito, mas se ficarmos juntos, talvez as coisas não vão ser tão assustadoras. Eu hesito, então, finalmente, coloco a minha mão na sua, rastejando para fora do esconderijo. Há um momento em que eu me sinto segura enquanto ele segura minha mão, mas então eu ouço o estrondo. Eu me empurro para trás, meus dedos escorregando dos seus e o sentimento de segurança desliza do meu corpo quando ele se afasta de mim. Levado por sua mãe enquanto ela começa a cantar aquela canção estúpida que arruinou a minha vida. *** Minhas pálpebras se abrem enquanto eu chupo um grande sopro de ar, lutando para manter meus pulmões funcionando, meu corpo se continua tremendo, minha mente embaraçada enquanto eu me agarro na borda do assento. — Violet, respire, — Luke diz ao meu lado. A caminhonete parou de se mover e o sol está no céu azul brilhando, para que eu possa ver a preocupação no seu rosto. Ele abre os braços a inclina-se para me abraçar, mas eu não posso deixá-lo fazer isso agora, não quando os sentimentos do pesadelo ainda permanecem sob a minha pele.


— Eu estou bem, — eu digo em voz rouca, recostando-me contra a porta e recuperando o fôlego. — Eu só estava tendo um pesadelo. Luke é a única pessoa no mundo que sabe sobre o que meus pesadelos são e posso dizer que é difícil para ele não dizer nada sobre isso, mas ele consegue manter seus pensamentos para si mesmo e agarra a maçaneta da porta para sair do carro. — A caminhonete precisa de gasolina, — ele murmura, tentando não se importar com a minha recusa a deixá-lo me ajudar. — Por que você não entra e pega alguma coisa para comermos? Concordo com a cabeça e depois espero por ele sair antes de fazer o mesmo. Eu ainda estou em meu vestido e saltos de ontem, que está ficando muito desconfortável então pego algumas roupas limpas da minha bolsa que está na parte de trás da caminhonete e entro na loja do posto de gasolina, indo até o banheiro para me trocar. Eu visto a minha camisa do Nirvana e calça jeans, em seguida, calço um par de sandálias e coloco um gorro sobre a minha cabeça para que eu não tenha que perder tempo ajeitando meu cabelo. Eu não me incomodo com a maquiagem, mas coloco um pouco de desodorante antes de sair. Eu vago pelo corredor, verificando minhas mensagens telefônicas antes de decidir ligar e perguntar a Greyson se ele pode ficar no meu lugar no trabalho, apesar do quanto eu não queira porque vou está pedindo um favor. Mas eu não tenho outra escolha no momento. Ele responde depois de quatro toques, obviamente porque estava dormindo, porque eu posso ouvir o cansaço em sua voz. — O que foi? — Ele diz com um bocejo. — Eu preciso que você assuma meus turnos no restaurante até a próxima semana, — eu digo, pegando um saco de Cheetos da prateleira.


— Por quê? O que está acontecendo? Eu pego um saco de M&Ms e depois vou para a seção de refrigerantes. — Nada realmente. Eu só preciso de uma semana de folga. Ele hesita, então, diz com firmeza: — Não, eu não vou. Eu estou abrindo a porta do refrigerador para pegar uma lata de Dr. Pepper, mas congelo. Greyson geralmente não é rude comigo. Essa é coisa mais de Seth e até mesmo ele está mais calmo desde que nos conhecemos, por isso estou um pouco surpresa. — Por que não? — Porque você não me disse o motivo real. — Não há nenhum motivo real. — Eu pego dois refrigerantes em seguida, fecho a porta e ando em direção à caixa registradora. — Eu só preciso de uma pausa. Eu já lhe disse isso. — Eu posso dizer quando você está mentindo, Violet, — ele diz e me faz encolher-me. Eu nunca fui de deixar as pessoas me conhecerem o suficiente para lerem as minhas reações, mas, aparentemente, Greyson pode. — Agora, se você me disser a verdadeira razão, então eu ficaria mais do que feliz em te ajudar. Mas se não, então eu acho que vou te ver hoje à noite no jantar. — Tudo bem. — Eu faço uma careta. — Eu não posso ir trabalhar, porque estou em uma pequena viagem. — Com quem? — Alguém... — Violet. — Oh inferno do caralho. — Eu coloco a comida e os refrigerantes no balcão, ignorando o olhar sujo que a senhora


atrás do caixa me dá pelo xingamento. — Eu estou com Luke... Em direção a Vegas. — O quê? — Ele parece chocado e eu não o culpo. Durante uma das nossas poucas conversas depois do trabalho, eu acidentalmente deixei escapar o que aconteceu entre Lucke e eu, bem pouco de qualquer maneira. Eu geralmente sou boa em manter segredos para mim mesmo, mas, aparentemente, ter amigos significa se transformar em uma garota que não consegue manter sua boca fechada ou seus problemas para si mesma. — Como diabos isso acabou acontecendo? — Um estranho acidente causado pelo destino mais uma vez, — eu digo enquanto coloco uma nota de dez dólares no balcão. — Olha, eu realmente não quero dar mais detalhes porque não são realmente meus. Mas você pode ligar para Luke e ver se ele pode dizer a você o que está acontecendo. — A senhora do caixa me dá o troco e uma sacola com as minhas coisas enquanto eu coloco o dinheiro no bolso. — Tudo bem. — Greyson suspira. — Eu vou preencher o seu turno, mas você vai dar-me os detalhes de como isso aconteceu e o que acontece enquanto estiver na estrada. — Tudo bem, é um trato. — Eu saio pela porta e caminho para a caminhonete, observando que Luke não está lá. Ele deve estar no banheiro ou algo assim. — E Violet? — Sim? — Se você precisar de alguma coisa, você pode ligar-me sempre, está bem? — Diz Greyson. — Na verdade, me prometa que vai fazer isso. Eu tenho a minha mão na maçaneta da porta da caminhonete prestes a subir quando ele diz isso, mas eu faço uma pausa. Nunca alguém disse algo assim para mim. Nunca tive ninguém


que se preocupasse comigo o suficiente para dizer isso, bem, além de Luke. Não desde que meus pais morreram. Faz-me sentir desconfortável, fora da minha área de conforto, exposta, e estou à beira de me desfazer. Deus, o que está acontecendo comigo? Eu costumava ser tão durona. Pigarro várias vezes antes de falar novamente. — Tudo bem, eu vou. — Bom. Tenha cuidado... E tente ficar fora de problemas. — Você fala como um pai. — Eu rolo meus olhos enquanto atiro a sacola com comida para dentro da caminhonete e entro. — Isso é porque eu me preocupo com você, — ele diz enquanto eu fecho a porta. — E me importo. Eu não tenho certeza de como reagir e começo a me desfazer novamente, então evito dizer qualquer coisa. — Eu te ligo mais tarde, tudo bem? — Eu me apresso e então desligo, minhas mãos tremendo um pouco quando coloco meu celular em meu bolso. Então abro a janela, deixando um pouco de ar fresco entrar, e inclino minha cabeça para trás, tentando descobrir quando Greyson e eu nos tornamos amigos. Eu ainda não lhe disse muito sobre mim, as coisas que vem acontecendo com Preston, o tráfico de drogas, o meu vício de adrenalina, mas, aparentemente, nós cruzamos algum tipo de linha onde ele se preocupa comigo e onde eu concordei em tentar aliviar essa preocupação lhe ligando. — Isso é novo, — murmuro. Momentos depois o meu celular vibra no meu bolso. Eu acho que é provavelmente Greyson novamente, querendo saber os horários e dias que eu trabalho desde que me esqueci de dizer-lhe. Mas quando pego o aparelho e vejo que é uma mensagem de um número desconhecido, um calafrio sobe


minha espinha e todos os sentimentos bons que eu tinha em mim somem. Desconhecido: Então, eu estou supondo que pelo seu silêncio você não quer saber quem fez isso. Eu quero responder que quero saber, mas eu também não confio na pessoa na outra linha. Tem que ser um outro repórter entediado, tentando conseguir uma história. Desconhecido: Diga-me Violet, quão nojenta você se sente ao saber que dormiu com o filho dela. Meu coração para - morre dentro do meu peito. Eu esqueço de respirar. Ele tem que estar falando sobre Luke em referência a ser filho de Mira. Mas como é que sabe sobre ele? Ninguém sabe fora a polícia, Greyson, e eu. E a polícia não sabe que eu dormi com o filho de Mira, só que eu o conheço, nem totalmente acreditam que ela é culpada ainda, então por que alguém iria me mandar uma mensagem assim - por que alguém iria me mandar isto? Meu coração começa a bater dentro do meu peito, sangue uivando nos meus ouvidos. Havia mais alguém lá. Havia mais alguém lá. Havia mais alguém lá. Eles sabem. Eles sabem. Eles sabem. Minha respiração vacila enquanto eu respondo. Eu: Quem diabos é você?


Desconhecido: Você não percebeu isso ainda? Eu não estou surpreso, considerando o que seus pais eram. Sempre leva um tempo para descobrir coisas assim também. Eu começo a tremer de raiva e atiro o celular sem pensar. Ele acaba caindo para fora da janela e quando atinge o solo a parte traseira cai para um lado e a bateria aterrissa em uma poça. — Maldição. — Eu abro a porta com um empurrão e pulo para fora da caminhonete. Então pego meu celular e olho para a bateria na poça. É inútil agora. E assim como meu celular no momento. — Está tudo bem? — Luke pergunta atrás de mim. Eu balanço minha cabeça. — Não realmente. — Parte de mim está aliviada que a pessoa não vai mais conseguir chegar em mim, mas a outra parte está frustrada, preocupada que essa pessoa realmente saiba alguma coisa e agora eu arruinei minha maneira de descobrir. Preciso ligar para o Detetive Stephner e, pelo menos, dizer-lhe, mas o seu número está salvo em meus contatos. Suspirando, eu me viro e encaro Luke para mostrar-lhe o meu celular e aponto para a bateria no chão atrás de mim. — Eu acho que está quebrado... Eu vou ter que encontrar uma maneira de comprar um novo logo que chegar em Vegas. — Eu viro o celular de novo na minha mão, tentando descobrir se ele ainda vai funcionar com uma bateria nova. Há um arranhão ou dois, mas é isso. — Talvez apenas uma nova bateria embora. — Isso é bom, mas... — Ele franze a testa. — O que aconteceu? Você o deixou cair? Eu balanço minha cabeça. — Não, eu o joguei pela janela.


Ele não luta para perguntar o porquê, cruzando os braços, com uma bebida energética em sua mão. — Posso perguntar o por quê? Tão educado. — Porque eu recebi uma mensagem de texto que me deixou com raiva. Ele quer me encher de perguntas, eu posso ver isso em seu rosto. Mas ele não faz. — Devemos pegar a estrada? Nós ainda temos mais algumas horas e eu gostaria de chegar lá antes do almoço. Ele trocou de camisa, mas ainda está com a mesma calça. Há olheiras sob seus olhos, os lábios parecem rachados, sua pele pálida, e ele está meio curvado para a esquerda, provavelmente porque está doendo onde o cara bateu-lhe. — Você quer que eu dirija? — Eu ofereço. — Você parece cansado. E dolorido. Ele balança a cabeça e levanta a bebida energética. — Não, eu estou bem. Eu só preciso beber isso e... Verificar o açúcar no meu sangue... Eu posso precisar de uma dose... Então estarei pronto para ir. — Até mesmo sua voz soa cansada. Eu estendo a minha mão. — Deixe-me dirigir, para que você possa descansar um pouco. Ele hesita, então enfia a mão no bolso e tira suas chaves. Ele entrega-as para mim, os nós dos seus dedos escovam a palma da minha mão e eu me vejo tremendo, embora eu não esteja nenhum pouco com frio. É óbvio para ele pelo olhar que ele me dá, mas não diz nada sobre isso enquanto eu entro na caminhonete, ele tira algo da sua mochila. Quando entra na caminhonete, tem um pequeno estojo de couro na mão. Ele pega o objeto em forma de caneta que verifica o açúcar no seu sangue e aplica em sua pele, lembro-me da noite, quando eu o encontrei no bar e tive que fazer isso por ele. Ele verifica a tela, em seguida, balança a cabeça, claramente irritado


enquanto pega outro objeto da bolsa que tem uma agulha no final. Ele tira a tampa, levanta a camisa, mas, em seguida, hesita, olha para mim com um monte de cautela em seus olhos. Eu meio que espero que ele me diga para desviar o olhar. Eu quase quero também, mas não consigo quebrar o contato visual, nossos olhares de alguma forma se fixam. Ele acaba fechando os olhos como uma criança assustada com medo de agulhas. Suas mãos tremem enquanto ele coloca a agulha em seu abdômen e injeta-se. Há algo estranhamente íntimo sobre o momento; Eu não consigo nem explicar. Como se ninguém jamais o visse fazer isso para si mesmo e é com se ele tivesse medo de deixar-me vê-lo, mas também está com medo de ficar sozinho. Eu me lembro quando ele me disse que sua mãe lhe fazia injetá-la com heroína. Fazer isso tem que ser duro para ele, doloroso, e não apenas fisicamente. Uma espécie de bolha começa a se formar em torno de nós. Realidade some. Encontro-me indo em direção a ele, querendo segurar sua mão, querendo confortá-lo, mas de repente ele termina e é assim que a bolha estoura e a realidade se esmaga contra mim e me joga para baixo mais uma vez.


07 Luke — Os nomes dos edifícios são divertidos, — observa Violet, olhando para um mapa que eu tinha em minha mochila da Las Vegas Strip. Estamos estacionados em um posto de gasolina na periferia da cidade, tentando descobrir para onde irmos. É meio dia, um calor sufocante, e minha caminhonete não tem ar condicionado por isso estamos praticamente derretendo. — Oh, eu quero ficar no Caesar’s Palace, — ela diz saltando para cima e para baixo no assento do motorista como uma criança numa loja de doces. Ela olha para mim e a emoção em seus olhos me faz sorrir um pouco, apesar de como estou cansado. — É uma parte do filme Se Beber, Não Case, certo? Concordo com a cabeça, olhando para a faixa à distância. — Mas não podemos ficar lá. Ela faz um beicinho. Na verdade empurra o lábio para fora e faz um beicinho. Ela nunca fez isso antes e honestamente, eu estou alegre, porque é como uma arma secreta que se torna realmente difícil dizer não para ela. — Por quê? Eu deslizo no banco em direção a ela, certificando-me de não invadir seu espaço demais. — Veja todos estes edifícios impressionantes aqui? — Eu aponto, traçando uma linha até a superfície do mapa. — Esses são casinos e tem que ter vinte e um anos para entrar. — Você tem uma identidade falsa embora, — ela diz. — Por que não usa?


— Arriscado demais, — eu digo a ela, cheirando seu perfume doce e espero que eu estou fazendo isso discretamente. — Nós temos que ter cuidado. E além disso, eu gostaria de guardar tanto dinheiro quanto possível. Ela ainda está fazendo beicinho enquanto dobra o mapa e devolve-o para mim. — Então, onde é que vamos ficar? Eu coloco o mapa no porta-luvas. — Com meu tio. — Eu alcanço a maçaneta da porta, encolhendo-me internamente. Eu nunca mencionei ao meu tio que Violet estava indo comigo, porque eu sinceramente pensei que não havia nenhuma maneira no inferno que isso iria acontecer. Então agora eu estou ficando nervoso sobre trazê-la comigo, não apenas porque meu tio pode não ficar muito emocionado, mas por causa do ambiente. O que diabos eu estava pensando, trazê-la para cá? Eu estava pensando de forma egoísta, isso é o que eu estava fazendo. — Por que você parece nervoso? — Ela pergunta, abrindo a janela. Eu dou de ombros. — Por causa do que nós estamos fazendo... Ter que jogar... Estar aqui com o irmão do meu pai... — Quase inconsciente, eu estico meu braço através do assento atrás dela, meu peito apertando-se. — E por causa do ambiente em que vamos ficar. Ela me dá um olhar de simpatia, porque sabe sobre o meu relacionamento rochoso com meu pai, ela até mesmo presenciou enquanto eu estava pirando durante uma conversa por telefone com ele. — E estou supondo que pelo olhar atento sobre o seu rosto que você vai jogar em lugares como o do Geraldson? — Ela pergunta. — Mais ou menos. — Eu hesito. — E o lugar que eu vou ficar é tipo o do Geraldson também, pelo menos era um par de anos atrás.


— Isso parece meio perigoso. — Um olhar estranho cruza seu rosto, como se ao perceber isso faz com que ela fique interessada em algo, como se a ideia do perigo quase... Excitalhe. Droga. É como se estivéssemos de volta a borda da janela de novo e eu estou começando a me perguntar o quanto ela faz isso, coloca-se nestes tipos de situações de propósito e por que eu nunca percebi isso antes. Ou talvez ela não fazia isso quando estávamos juntos. — Não é tão perigoso na casa dele, — eu asseguro-lhe, mas ela percebe que é uma mentira. Como um jogador, meu tio Cole engana o seu caminho através da vida. Mas os tempos de desesperos exigem medidas desesperadas ou seja o que for e ele parecia bom o suficiente da última vez que o visitei. — Aqui, deixe-me conduzir, — digo a Violet, dando-lhe um pequeno empurrão. — É mais fácil do que dar-lhe instruções. Nós trocamos de lugar, com ela escalando sobre meu colo e enviando um frenesi louco de necessidade e desejo pelo meu corpo, deixando meu pau duro. Mas eu mantenho-o quieto e conduzo pela estrada, em primeiro lugar para uma loja para que ela possa comprar uma bateria para o seu celular. Então vamos para casa do meu tio que fica na periferia da cidade, não em meio ao caos da cidade cheia de turistas, luzes de néon, pessoas seminuas. As janelas da caminhonete estão abertas, com o ar quente enchendo a cabine. Eventualmente Violet tira seu gorro e esfrega o rosto com a mão. — Santo inferno, está muito quente aqui, — ela comenta, pegando seus óculos de sol da sua bolsa. — Fica muito pior no verão, — eu digo a ela enquanto entro em uma estrada lateral alinhada com casas que são idênticas, pátios florescente com o gramado verde, os vizinhos do lado de fora conversando e sorrindo, o bairro perfeito.


— Eu estou confusa, — diz Violet quando coloca seus óculos de sol e observa os arredores. — Por que estamos no subúrbio? — Meu tio vive aqui, — eu explico, dirijo para frente de uma casa de dois andares no final da rua em um beco sem saída. Eu estaciono, em seguida, empurro o freio antes de desligar o motor e colocar as chaves no bolso. — Isto é tão estranho, — diz Violet, franzindo a testa. — Não é o que eu estava esperando. Eu abro a porta para sair. — Este é o lado normal da vida dele, bem mais ou menos. Eu estou supondo que não vai ser assim lá dentro. Hesitante, ela sai da caminhonete e segue-me até a calçada, olhando em volta para o canteiro ao lado da via, o paisagismo polido, tudo encobrindo o que está por trás da porta da frente. — Seja bem vindo? — Ela parece ainda mais confusa quanto lê o tapete na frente da porta. Ela levanta seus óculos de sol um pouco e me dá um olhar desconfiado. — Sabe, eu estou começando a não comprar está... A porta se abre e alguém solta uma risada rápida. — Puta merda, — meu tio Cole diz a partir da porta. Ele está usando uma camisa, bermuda preta, e sem sapatos. Ele se parece com meu pai só que em seus trinta anos, dez anos mais jovem do que seu irmão, e ele é mais áspero com tatuagens, alargadores em suas orelhas e cabelo desgrenhado. — Eu achei que você iria chegar fodidamente muito mais tarde, quando você ligou dizendo que estava na estrada. — Já estávamos a meio caminho daqui, — eu explico em tom de desculpa. — Desculpe, eu me esqueci de mencionar isso. — Você não precisa se desculpar, — ele diz, seu olhar cintilando na direção de Violet. — Eu nunca fiz pelo pouco que


vi você de qualquer maneira, graças a sua mãe louca que te manteve longe. Uma onda de raiva sobe por mim, não por ele, mas pela menção da minha mãe. Mas Violet estremece também, então eu empurro o sentimento para baixo e me apresso para mudar de assunto. — Esta é Violet, a propósito, — eu digo balançando a cabeça para ela. — Violet, este é o meu tio Cole. — É esta a sua namorada? — Ele questiona com as sobrancelhas arqueadas quando se inclina contra o batente da porta, com os braços cruzados sobre o peito. A última vez que ele me viu, eu estava muito claro como me sentia sobre as mulheres e que eu nunca tinha realmente tido uma namorada, apenas fodas casuais. Então, aparecer com Violet está o confundindo. Além disso, ele não é uma pessoa muito confiante com estranhos, considerando o que ele faz para ganhar a vida. — Apenas uma amiga, — Violet diz a ele, sendo muito indiferente sobre a coisa toda. Isso dói, embora eu já soubesse que é a verdade. — E a parceira de crime. Ele parece se divertir com ela, o que eu não o culpo, ela pode ser muito encantadora quando quer ser. Com um leve sorriso, Cole se levanta em linha reta e estende seu punho. — Bem, é um prazer Violet, também conhecida como parceira de crime do Luke. — Da mesma forma. — Ela bate os punhos com ele, então meu tio fica de lado e nos manda entrar. Está mais frio no interior graças a Deus - o ventilador e o ar condicionado ligados fazem a fumaça de cigarro circular no ar. As cortinas estão todas fechadas também, então quase nenhuma luz solar consegue entrar. Há alguma música tocando na cozinha e eu posso ouvir


algumas vozes, o que significa que ele tem companhia. E não é da família provavelmente. — Eu tenho algumas visitas, — Cole diz, nos conduzindo através do hall de entrada até a cozinha, chutando um saco que estava bloqueando a porta. — E o meu filho deve ficar comigo por um tempo. Você se lembra do Ryler, certo? Eu aceno, mas honestamente não me lembro muito bem dele. Eu acho que o encontrei apenas uma vez, quando fiquei hospedado aqui e tudo o que posso lembrar é que ele tem torno da minha idade (meu tio fodeu uma garota quando tinha dezesseis anos e praticamente fugiu depois, acho que é uma coisa de família) e que ele não fala. Os detalhes do por que ele é mudo nunca foram divulgados claramente, parece que houve algum tipo de incidente, quando ele tinha uns oito anos. — Ele se transformou em um inferno de um jogador, — meu tio comenta, todo orgulhoso, quando chegamos à pequena área de cozinha a fumaça é a partir dos quatro rapazes sentados em torno da mesa, fumando cigarros. O som de fichas, o gosto de nicotina no ar, o álcool nos copos, a intensidade em torno da mesa, faz meu pulso subir como um viciado em drogas de olho no crack. — Ryler, — ele grita para um dos caras sobre a música depois caminha até um iPod e desliga-o. — Seu primo Luke está aqui. — Ele aponta o dedo para Violet e eu. Um cara da minha idade olha para cima das suas cartas e, em seguida, toma um gole da sua bebida. Ele parece tão intenso quanto quando eu o vi quase dois anos atrás. Jeans com buracos, sobrancelha e lábio com piercings, tatuagens de caveira e cruz em seus braços. Seu cabelo é preto e parece que ele está usando delineador preto, mas não acho que esteja apenas parece dessa forma. E ele está com uma expressão “eu já passei por muitas fodidas coisas”.


Ele me dá um aceno antes do seu olhar encontrar Violet, em seguida, ele se vira para seu tio e sinaliza algo. — Ele é surdo? — Violet pergunta em voz baixa ao meu lado. Eu balanço minha cabeça quando Ryler olha para Violet, ouvindo-a claramente, e meu tio entra na conversa. — Não, ele só não pode falar, — ele diz a Violet. — Mas a sua audição funciona muito bem. Violet não faz perguntas, o que não é surpreendente, mas o que ela faz depois choca a merda fora de mim. Ela levanta a mão e faz uns movimentos, sinalizando claramente algo para Ryler. Isso o faz sorrir, a escuridão em sua expressão acende-se brevemente enquanto ele sinaliza algo de volta, fazendo com que Violet solte uma risada baixinha, em seguida, dar de ombros. — Eu não sei tudo, — ela diz para ele. — Apenas um pouco. Eu quero perguntar-lhe como ela sabe a língua dos sinais, mas Violet teve uma educação muito diferente da maioria das pessoas, vivendo com só Deus sabe quantas famílias por isso estou supondo que ela o aprendeu em algum desses lugares. O que eu não gosto é como Ryler está olhando para ela, como eu costumava olhar para as mulheres quando elas apareciam entrar no meu jogo, com a intenção de trazê-las para o meu colo e fode-las mais tarde. — Esta é Violet, — eu digo, nem tenho certeza se eles fizeram a introdução já. Eu casualmente coloco minha mão em suas costas, esperando que ela não me empurre para longe, o desconforto em minha própria pele está me deixando inquieto. Gostaria de acrescentar, "minha namorada", mas isso provavelmente resultaria em um chute nas minhas bolas.


— É bom conhecer você, Ryler, — diz Violet e eu relaxo com a falta de interesse em seu tom. Ela está apenas sendo simpática. Ryler sinaliza algo para seu pai e meu tio responde: — Na verdade, nós estamos indo levar Luke até o The Warehouse hoje à noite. — Ele vai até a geladeira, pega três cervejas, e oferece para mim e Violet. Eu aceito porque nunca recuso uma bebida, mas fico chocado quando Violet pega a bebida que ele ofereceu. Ela também estava bebendo no Geraldson e fico preocupado que talvez ela esteja começando a adquirir o hábito, mas mencionar isso seria como o sujo falando do mal lavado, assim eu mantenho meus lábios fechados, querendo saber quanto tempo vamos continuar nos evitando.

Violet Seu primo Ryler totalmente me deu um olhar cheio de malícia na cozinha, mas eu não tenho nenhum interesse nele. Ele é quente em uma espécie de forma gótica. Tatuagens que cobrem seus braços, piercings, cabelo preto que paira em seus olhos, e seus cílios são tão grossos que quase parece que ele está usando delineador. Mas a última coisa que eu preciso é de uma conexão aleatória, onde eu me sinta um lixo depois. Para não mencionar o drama que viria entre Luke e eu. E odeio drama de novela mexicana. Então descubro que ele é mudo e não consigo me parar. Por mais que eu adore manter meu passado para mim, eu não poderia deixar de usar a pouca linguagem de sinais que aprendi quando fiquei com uma família um pouco normal que tinha um filho que era surdo. Durante os quatro meses que eu


fiquei lá, ele me ensinou um pouco e eu ainda me lembro muito bem. Depois das apresentações, o tio de Luke leva-nos até um quarto de hóspedes que naturalmente tem apenas uma cama queen size, porque o destino tem sido tão fodido recentemente. Então Cole deixa-nos para nos instalar, fechando a porta quando sai. Enquanto estou tentando descobrir o arranjo de dormir e se eu mesmo me importo, Luke se vira para mim com as mãos enfiadas nos bolsos da calça jeans. — Então... Onde você aprendeu a linguagem dos sinais? — Ele pergunta. Eu dou de ombros. — Uma das minhas famílias adotivas tinha um menino que era surdo. — Eu coloco minha bolsa na cama. — Ele me ensinou um pouco. — Por que você não ficou com a família? — Assim que ele diz, parece morde sua língua. — Não importa. Você não tem que responder a isso. Eu não quero, mas encontro-me fazendo de qualquer maneira, provando mais uma vez o quão confortável eu me sinto com Luke. — Ele ficou doente... O garotinho e com as visitas ao hospital e contas médicas, simplesmente não havia espaço para uma menina de 14 anos de idade, que tinha um monte de bagagem emocional. Agora ele parece está realmente mordendo sua língua, com tanta força que provavelmente pode gerar uma hemorragia. — Eu sinto muito, Violet. Eu encolho os ombros, fingindo procurar algo na minha bolsa para evitar olhar para ele, com medo de que ele possa ver o quão cheia de merda eu sou. — Está tudo bem. Foi há muito tempo atrás... E eu segui em frente. — Eu prendo a respiração, sentindo-o mover-se atrás de mim, como se quisesse me tocar ou abraçar-me, mas eu não posso fazer isso com ele agora. Dar


uns amassos é uma coisa, mas abraçar é emocional demais. — Portanto, há apenas uma cama. — Eu vou dormir no chão. — Luke coloca sua mochila no chão e solta uma respiração ensurdecedora, antes de terminar sua cerveja e jogar a garrafa vazia para o outro lado do quarto. — Desculpe por isso, sobre tudo. — Você não precisa se desculpar, — eu digo, definindo a metade da minha cerveja sobre a cômoda em seguida, inclinome para tirar minhas coisas da bolsa e começo pela bateria que comprei para o meu celular. — Eu praticamente te forcei a deixar-me vir com você. — Eu não me incomodo em observar o quão arrependido ele estava antes. Parece errado para ele pedir desculpas por algo que não está em suas mãos. O que sua mãe fez não foi culpa sua e um dia espero que eu possa dizer-lhe isso. — Ninguém foi forçando aqui. Confie em mim. Eu queria que você viesse comigo mais do que eu deveria, — ele diz, afundando-se na cama, com a cabeça pressionada em suas mãos. — Porque eu sou egoísta. — Você não é egoísta. — Eu me viro e abro o pacote da bateria. Eu tiro-a e coloco em meu celular, cruzando os dedos para que vá funcionar. — Você é tudo menos isso. Ele levanta a cabeça, seus olhos brilhando com tanta intensidade que eu quase recuo. — Como diabos você descobrir isso? Eu pressiono o botão de ligar, dando de ombros enquanto espero para ver se o meu celular vai funcionar. — Você me deu meu espaço quando eu saí... Quando eu lhe disse que não queria te vê. Você me deu o que eu pedi e isso não é egoísmo. Ele aponta para nós, boquiaberto. — Nós estamos aqui agora.


— Eu escolhi estar aqui. — Eu relaxo quando a tela do meu celular acende, mas qualquer euforia despenca quando vejo que tenho cinco novas mensagens. Desconhecido: Então nós já não estamos conversando? Desconhecido: Eu te assustei tanto assim? Desconhecido: Deixe de ser uma maldita covarde e me responda. Greyson: Apenas verificando se você está bem. Desconhecido: Eu deveria ter matado você quando tive chance. Tontura me atinge quando leio a última mensagem e tento sentar na cama para conseguir apoio, mas acabo tropeçando e agarrando o ombro de Luke em vez disso. — Babe, o que há de errado? — Ele pergunta, preocupado, sua mão segurando meu quadril para me manter em pé. Eu balanço minha cabeça, olhando por cima do seu ombro para a parede, incapaz de olhar em seus olhos. — Não é nada. — Minha voz está rouca enquanto aperto o celular e o seu ombro. A mão de Luke sobe pela minha lateral, para o meu pescoço, em seguida, em última análise, ele segura meu queixo e me faz olhar para ele. — O que foi que aconteceu com seu celular? — Nada. — Eu estou lutando para respirar, imagens daquela noite piscando em minha mente. É a sua mãe que está me mandando mensagens? Ou a outra pessoa? O homem? O que eu nunca vi? Luke engole em seco, lutando contra algum tipo de raiva interior. — É Preston? Porque eu não vou deixá-lo fazer qualquer coisa com você. Eu prometo.


— Não é Preston, — eu digo, finalmente sentando na cama ao seu lado e franzo a testa para o meu celular. — Você se lembra daquele cara, Stan o repórter? Ele balança a cabeça, ouvindo atentamente. — Será que ele está te incomodando de novo? — Eu não acho que seja ele, — eu digo, sem saber o que dizer. Quero dizer, como diabos eu deveria falar sobre o assassinato e a morte dos meus pais quando sua mãe foi parte disso? E quando ela poderia ser a única me enviando mensagens. — Honestamente, eu não acho que seja um repórter, com as coisas que essa pessoa está dizendo. — Que tipo de coisas? — Sua mão descansa na minha coxa, seus dedos acariciando de cima para baixo, não de uma forma sexual, mas de uma forma reconfortante. Eu fecho meus olhos e dou-lhe o meu celular. — Veja as mensagens do número desconhecido. — Continuo sentada com os olhos fechados, escutando sua respiração acelerar. — Foda-se, — ele diz em voz baixa e eu abro meus olhos, observando a fúria em seus olhos castanhos, sua mandíbula apertada, as mãos fechadas em punhos esmagando o meu celular. — Você não tem ideia de quem está enviando isto para você? Eu balanço minha cabeça. — Tenho recebido pequenas coisas de repórteres desde que o caso foi reaberto, mas isso leva as coisas a um nível totalmente novo. — Quanto tempo isso vem acontecendo? — Ele se esforça para manter a voz calma e sua raiva sob controle. Eu estou meio que com medo de que ele esmague meu celular, com o quão duro está apertando-o. — Começaram ontem, antes de eu ir até o Geraldson, — eu digo a ele. — Eu preciso ligar para o Detetive Stephner e


relatar isso. — Faço uma pausa, relutante em perguntar, mas preciso fazer. — Luke. — Eu engulo em seco. — Você não acha que poderia ser a sua... A sua mãe, não é? — Finalmente, o grande elefante branco que tem estado entre nós é reconhecido. Mas deixa a tensão entre nós ainda pior, se isso é possível, especialmente quando Luke permanece quieto pelo que parece uma eternidade. Os nós dos seus dedos ficam brancos de tanto segurar meu celular com tanta força e eu juro que ele vai quebrar todos os seus dentes com o quão apertado está a sua mandíbula definida. — Eu quero dizer que não, mas, honestamente, eu não tenho ideia, — ele finalmente diz com os dentes cerrados enquanto devolve o meu celular. — Ela é fodidamente louca e eu não iria me surpreender se ela fizesse algo assim. — Ele arrasta a mão livre pelo seu rosto, em seguida, se inclina para frente e pega seus cigarros em sua mochila. Ele pega um do pacote, coloca-o na boca e com a mão tremendo enquanto acende o isqueiro. Depois de um longo tempo ele parece se acalmar, mas as próximas palavras que ele pronuncia estão longe de resolver qualquer coisa. — Eu vou matá-la se ela sequer chegar a te tocar, — ele diz, flexionando os dedos como se estivesse lutando contra o desejo de socar alguma coisa, como estava fazendo com a parede no apartamento. Eu não sei o que dizer. Eu sei que é errado, essa coisa de olho por olho, mas parte de mim quer que sua mãe esteja morta. Mas não pelas mãos de Luke. Não há nenhuma maneira que eu queira que ele leve esse tipo de carga ou sofra as consequências por fazer isso. — Ei. — Eu coloco a mão em seu braço, seus músculos magros flexionam sob o meu toque. — Relaxe. Eu nem tenho certeza se é ela, está bem? Então me deixe ligar para o Detetive Stephner e ver o que ele pode fazer sobre isso.


Seu olhar fixa no meu. — Sinto muito que isso teve que acontecer com você. — Sinceridade derrama dos seus olhos, como líquido quente tentando me afogar. Ótimo, agora eu quero chorar. Jesus, o que diabos está acontecendo comigo nesses últimos dias? Meu período deve estar próximo ou algo assim. Incapaz de falar, eu me levanto e ligo para o detetive Stephner. Vai direto para o correio de voz e eu deixo uma mensagem dizendo-lhe para me ligar assim que ele poder, pois eu tenho recebido mensagens ameaçadoras. Quando desligo, Luke traga o cigarro e olha para mim com um olhar de curiosidade. — O que eu posso fazer? — Ele diz quando coloco meu celular no bolso. — Devo te levar de volta para casa? Por favor, digame no que posso ajudar. — Voltar para casa não vai ajudar. — Eu pego minha cerveja e tomo um longo gole antes de falar novamente. — Se alguém está me perseguindo, é melhor que eu não esteja lá de qualquer maneira. — Bem, então o que você quer fazer? — Ele se levanta da cama e se move em minha direção, parando em minha frente e segurando o cigarro ao seu lado. — Diga o nome e nós vamos fazer isso. — Nós estamos indo conseguir o seu dinheiro, — eu digo persistentemente com minhas mãos em meus quadris. — Isso é o que eu quero fazer. Ele oscila com mal-estar, espalhando cinzas por todo o tapete, mas seu tio não parece se importar com isso desde que há algumas por todo o chão da cozinha. — Eu prefiro que você não venha comigo. É muito perigoso para onde estamos indo.


Eu rolo meus olhos. — Sabe o que é realmente perigoso? Ir a uma casa de crack com sua mãe adotiva quando você tem quatorze porque ela está tão chapada que mal consegue andar, mas está sóbria o suficiente para ameaçar te jogar nas ruas, se você não fizer. Pessoalmente, eu acho que ela só não queria arriscar ser pega, — eu digo. Seus lábios começam a se abrirem, mas antes que ele possa falar, eu interrompo-lhe. — E eu não disse isso para você sentir pena de mim. Você só precisa entender que eu não sou uma garota ignorante que é alheia ao lado escuro da vida. Eu não preciso da sua proteção. Eu já vi de tudo. — Eu deslizo o dedo em meu braço. — E eu tenho a pele de aço, babe. Com o olhar fixo no meu, ele leva o cigarro aos lábios, traga, em seguida, move-o para longe, a fumaça escapando pelos seus lábios. — Eu entendo, mas isso não significa que eu vá te proteger menos. — Ele se inclina e escova seus lábios contra minha bochecha, com cheiro de cigarros, colônia e cerveja, todas as coisas que estão em Luke e por um momento, tudo o que consigo pensar é em casa. Eu quero estar com ele novamente. O contato faz com que minha pele queime e saudade aumente dentro de mim. É tão breve, apenas a vibração de pele com pele, mas é o suficiente para me lembrar como era bom estar com ele. — Eu estou indo falar com meu tio e ver que horas vamos sair. Se você realmente quer ir, então esteja pronta quando eu voltar. Concordo com a cabeça, lutando para manter o equilíbrio e manter a calma enquanto as emoções formigam na minha pele. Só quando ele sai pela porta eu posso respirar livremente de novo.


08 Luke Eu nunca quis entrar em uma briga como quero agora. Alguém estar ameaçando Violet está me rasgando em pedaços. Pior, há aquela voz irritante e estúpida na minha cabeça me dizendo que poderia ser minha mãe. Ela é louca o suficiente para que se encontrasse Violet de alguma forma, ela iria fazer isso. Tento ligar para ela algumas vezes enquanto espero pelo meu tio para nos levar até o armazém, mas é claro que a mulher louca não atende ao telefone. Claro, ela pode me ligar a cada fodida hora do dia, mas quando eu realmente preciso falar com ela, ela não atende. — Dê-me uma meia hora e nós estaremos saindo, — meu tio Cole diz quando eu me sento à mesa da cozinha, bebendo uma cerveja com Ryler, desejando algo mais forte, mas também querendo estar de cabeça limpa para o que estou a ponto de fazer. Ryler tem um caderno e caneta na sua frente, a nossa forma de comunicação, assim como da última vez que nos encontramos. — Você tem dinheiro, certo? Eu aceno a cabeça, batendo no meu bolso. — Sim, cerca de três mil. Balançando a cabeça, ele começa a ir para a escada, mas, em seguida, faz uma pausa na porta. — Luke, o seu pai sabe que você está aqui?


Eu balanço minha cabeça. — Não. Quero dizer, eu liguei para ele passa pedir o seu número, mas não disse o por quê. E agradeceria se você não dissesse. — Bem, eu acho que não vai ser um problema, já que ele praticamente me deserdou, — diz Cole. — Desde que virou um benfeitor um tempo atrás. — Somos dois. — Eu levo a cerveja aos lábios e tomo um longo gole. Sim, definitivamente preciso de algo mais forte. Cole parece tão desconfortável como eu me sinto. Normalmente, eu não digo esse tipo de merda em voz alta. O que diabos há de errado comigo? Eu estou fora do meu jogo. — Hum... Sim... Luke, eu sinto muito por isso. Você sabe que ele tentou te ver, por varias vezes, certo? — Sim, eu sei, — eu digo, descascando o rótulo da garrafa da minha cerveja. — Olha, esqueça o que eu disse. Ele balança a cabeça, deixando o assunto de lado facilmente. — Eu vou me trocar antes de sairmos.

A sua garota está vindo com a gente? Ryler escreve então se inclina para lançar sua garrafa de cerveja vazia no lixo.

Eu deveria corrigi-lo, dizer que Violet não é minha, mas ela não é preocupação dele. — Eu acho. Eu não estou muito confortável em levá-la, mas ela é muito teimosa. O som de riscos de caneta em todo o papel novamente. Ela parece ser muito durona, Ryler escreve. Tenho certeza que ela vai ficar

bem. Suas palavras ficam sob minha pele, provavelmente porque ele notou e fez suposições sobre ela exclusivamente com base na sua aparência. Sim, Violet parece durona e ela lhe diria o mesmo, mas eu a vi quebrar em meus braços.


Mas eu deixo isso de lado e caminho até o quarto para ver se Violet está pronta, mas quando entro, imediatamente desejo que eu nunca tivesse vindo até aqui. Violet está de pé com apenas uma toalha enrolada em seu corpo, a porta do banheiro ligada ao quarto escancarada tornando o ar abafado. Ela está com sua atenção em sua bolsa, seu cabelo úmido, sua pele umedecida com água. Minha fantasia pelos últimos dois meses está bem à minha frente. Essa visão me faz querer arrancar sua toalha e lamber cada polegada da sua pele, mas eu me forço a voltar para a porta com os punhos cerrados ao meu lado, dizendo-me mentalmente para fodidamente me acalmar. — Nós estamos saindo em 30 minutos, — eu digo, minha voz tensa. Ela balança a cabeça, sem olhar para cima. — O que eu devo usar em um... — ela olha para mim. — Eu estou supondo que um jogo de poker ilegal? Eu ofereço-lhe um sorriso apertado. — O que você quiser. Você pode usar o jeans e a blusa que estava usando antes. — Roupas que lhe cubram. Seu nariz se enruga enquanto ela olha para sua bolsa. — Não, está quente demais para isso. — Ela se abaixa e Deus, a toalha sobe até suas coxas, tão alto que se eu estivesse atrás dela sei que seria capaz de obter uma visão da sua bunda perfeita. — Estou supondo que a maioria das garotas se vestem todas sacanas? — Ela olha para mim de novo. — Quero dizer, esse é o tema geral para estas coisas, certo? — Sim, mas eu prefiro que você não faça o mesmo, — eu digo a ela, dando um passo para dentro do quarto e fechando a porta. Ela levanta a sobrancelha com especulação. Suspirando, eu atravesso o quarto e agacho-me na sua frente, tentando ignorar sua nudez e o cheiro que flui dela, algo frutado que me faz querer prová-la. — Quais são as suas opções?


— Bem, tenho aquele vestido que eu vesti ontem. — Ela escava ao longo da sua bolsa. — Mas ele meio que está com um cheiro nojento. — Ela faz uma pausa, sorrindo enquanto pega um pedaço de tecido. — Oh, espere, eu tenho isso. — Ela levanta um vestido curto preto, que dá completamente para ver através dele. Eu franzo a testa. — Dá para ver através da coisa toda. — Eu nem tenho certeza do por que estou sendo tão territorial. Não é da minha natureza, mas o fato de que ela não é minha e que a quero mais do que quis qualquer pessoa em toda a minha vida me faz querer ter certeza de que ninguém mais pode têla. Ponho a culpa na minha necessidade de controle. Violet nunca me deixou controlá-la, e foi essa parte nela que me atraiu. Embora, eu ainda gostaria de controlá-la em alguns aspectos. Ela pega outra peça de roupa, um vestido ainda mais curto, mas que não dá para ver através dele. — Eu vou colocar isso por debaixo. — Eu ainda acho que você deveria ir com o jeans e a blusa. — Eu endireito minhas pernas e levanto-me, dizendo a mim mesmo para tomar um banho frio. — Tenho certeza que você acha, — ela observa quando se levanta, a toalha fica presa em sua coxa então ela está ainda mais exposta. Eu espero que ela me peça para sair para que possa se vestir, mas em vez disso, ela apenas olha para mim, mordendo o lábio enquanto agarra a parte superior da toalha, pensando profundamente em algo. — Você quer que eu saia? — Eu deveria apenas fazer isso, mas não quero, então preciso que ela me diga. Seu olhar se desloca deliberadamente pelo meu corpo. — Eu não sei.


Seja um bom rapaz de merda por uma vez e se vire. — Eu deveria ir. — Talvez. — Violet... Ela solta a toalha, uma respiração instável escapando dos seus lábios enquanto o pedaço de pano cai do seu corpo e pousa no chão. — Eu nem sei o que estou fazendo, — ela diz quase horrorizada. — É só o que eu quero fazer. Estou lutando para respirar normalmente com a visão do seu corpo; pernas longas, pele lisa, a tatuagem fodidamente sexy como o inferno que se curva em sua lateral, a forma como a água escorre do seu cabelo molhado pelo seu corpo, gotas rolando em seus mamilos. Eu não estive com ninguém em dois meses e com ela assim em minha frente, eu perco o controle. Quebro em pedaços. Me divido ao meio. Me despedaço. Tantas coisas diferentes que nunca senti antes. Sem sequer processar o que estou fazendo, eu dou um passo em sua direção, roubando qualquer espaço deixado entre nós. Seus lábios se abrem com a minha aproximação, pensando que eu vou beijá-la, mas em vez disso eu caio de joelhos na sua frente e pressiono o lábio em seu seio, sugando seu mamilo em minha boca. Eu nem mesmo sei o que me supera. Preliminares nunca foi a minha coisa. Eu não sou de dar sem receber nada em troca, mas pessoas já levaram o suficiente de Violet e eu quero dar isso a ela - daria tudo para ela se eu pudesse. Eu meio que esperava que ela fosse se afastar, mas em vez disso seus, dedos encontram meu cabelo e ela deixa escapar um gemido, fazendo que meu pau fique imediatamente duro. Eu tenho que lutar contra o instinto de empurrá-la na cama e foder a merda fora dela, mas me mantenho mordiscando e passando meus dentes ao longo da sua pele, fazendo um


caminho para o outro seio. Eu traço círculos lentos em todo o mamilo com a língua, olhando para seu rosto, enquanto meus dedos passeiam até a parte de trás das suas coxas para segurar sua bunda. Fico surpreso quando vejo que ela está olhando para mim, mordendo o lábio, os olhos encobertos com puro êxtase. — Isso é tão bom, — ela suspira, correndo os dedos pelo meu cabelo, puxando meu rosto para mais perto. Bom Deus... Eu nem tenho certeza do que fodidamente fazer comigo mesmo. Eu nunca fiquei de joelhos na frente de uma garota. Eu sempre gostei de foder, mas vendo o olhar em seu rosto, o que eu tenho desesperadamente sentido falta nos últimos dois meses, eu quero dar-lhe mais. Meus instintos me ultrapassam, os que eu nunca achei que tinha, e movendo uma das minhas mãos contra o seu estômago, eu delicadamente empurro-a para trás até que ela esteja encostada na parede, em seguida, seguro sua coxa e levanto sua perna por cima do meu ombro, colocando meu rosto entre suas pernas. Eu sei que Violet não é muito sexualmente experiente e fazme querer pergunta se ela já fez isso antes. Eu com certeza nunca fiz - eu sempre fui o único a receber sexo oral. A parte distorcida de mim espera que ela não tenha, porque significa apenas mais uma experiência que ela só compartilhou comigo. Deus, eu quero que ela seja minha tão mal que é quase uma tortura. Eu só queria que, quando tudo acabasse, eu ainda poderia têla.


Violet Não houve muitas vezes em que eu estive em um momento como esse e estou querendo saber como diabos cheguei lá. Como se eu não conseguisse recuar nenhum segundo quando fiz a decisão que me trouxe até aqui. Foi como se em um momento eu estivesse de pé enrolada em uma toalha, tropeçando ao longo da vida, e como se eu precisasse encontrar uma maneira de me acalmar. Há uma tonelada de prédios altos em Vegas e eu queria saber o quão difícil seria chegar ao topo de um deles, mas, em seguida, Luke entra no quarto e me olha com aquela fome em seus olhos que realmente me faz sentir desejo em vez do desgosto que sinto com a maioria dos rapazes. Eu começo a pensar que o último cara que me tocou foi Preston, como ele me fez ficar de joelhos, empurrou-me com tanta força que eu bati minha perna no lado da cama. Então ele agarrou meu cabelo e me fez chupar seu pau. Eu quero apagar essa memória, não deixá-la ser tão presente em minha mente, então solto a toalha, esperando... Bem, eu não tenho certeza, mas definitivamente nada é tão incrível quanto isto. O rosto de Luke está entre as minhas coxas, uma das minhas pernas engatada por cima do seu ombro, sua boca lambendo, sugando e mordiscando, dando-me arrepios e um sufocante calor por todo o meu corpo. Nunca um cara me tocou deste jeito. Os caras que eu conheci sempre foram negócios. Luke parecia ser um desses caras quando eu o conheci, mas aprendi rapidamente que o seu exterior áspero era muito equivocado. Ele não é o cara que todo mundo acha que ele é, pelo menos quando está comigo. Eu me deixo relaxar contra a parede, ele continua fazendo maravilhas coisas com a sua boca em mim, os dedos cavando em minhas coxas, pressionando meus machucados, mas eu não sinto dor. Tudo o que sinto é a maravilhosa sensação de


liberdade enquanto o calor aumenta dentro de mim e eu aperto Luke enquanto continuo caindo. Eu acabo puxando seu cabelo, mas estou muito incoerente para liberá-lo. Mas isso não parece incomodá-lo enquanto sua língua e boca continuam me levando até o fim, até que eu caia e fique ofegante. Em seguida, ele começa a se afastar, mas faz uma pausa, seus dedos tocando um dos hematomas no meu joelho. — O que aconteceu aqui? — Ele pergunta, sua voz tão baixa e rouca que provoca vibrações na minha pele, quase ao ponto que eu esteja tendo outro orgasmo novamente. — Eu caí, — eu minto, tirando a perna do seu ombro, me sentindo mal por não dizer a verdade, mas a verdade só vai prejudicar ambos de nós e já compartilhamos dor o suficiente. Ele me segura quando estou começando a afastar-me, em seguida, delicadamente traça a contusão na minha pele. — Sabe, eu posso dizer quando você está mentindo. — Por favor, não estrague isso, — eu digo em voz baixa. — Por favor, apenas esqueça... Eu não posso te dizer... Não agora. — Deus, como isso parece errado. Logo depois dele me dá um sexo oral, pela primeira vez, eu ter que dizer: ei, a propósito, eu dei um boquete a Preston, tão recentemente que ainda tenho as contusões. Ele quer me pressionar a dizer-lhe, porque é isso que nós fazemos - e na maioria das vezes eu gosto, mas ao invés disso ele se levanta, os lábios ainda molhados e se inclina para me beijar, dando-me a fuga que eu tanto precisava de todos os problemas. Sua língua desliza profundamente em minha boca e nossas línguas se emaranham brevemente antes dele se afasta. Ele enfia uma mecha do meu cabelo úmido atrás da minha orelha


e me olha diretamente nos olhos, como se estivesse prestes a dizer algo importante. — Se um dia eu descobrir que ele te machucou, ele vai pagar, — diz com firmeza. Eu não tenho que perguntar quem é "ele". Eu sei que ele está falando sobre como provavelmente sabe de onde as contusões vieram - de Preston, talvez não a parte do boquete - mesmo que eu não lhe disse. Isso me dá uma nova perspectiva sobre ele. Quero dizer, antes de eu fugir, só tínhamos nos conhecido por um par de meses e mal nos falamos em algumas semanas. Eu só vi esse seu lado protetor duas vezes - uma vez com Preston e outra com o repórter, Stan. Estou aprendendo, porém, que poderia ser algo seu e eu amo e odeio isso. Odeio, porque não quero depender de ninguém para me proteger assim. Eu sou muito forte para isso e contar com as pessoas só me causou dor e me deixou fraca quando eles se tornaram confiáveis. E amo, bem, porque eu nunca tive alguém fazendo isso por mim. Tem sido sempre eu contra o mundo. Mas parte de mim se pergunta, se eu pudesse, possivelmente, deixar o passado de lado o suficiente para realmente ficar com Luke, se poderia ser eu e ele contra o mundo. Mas pode ser apenas eu que queira ficar na terra do faz de conta.


09 Luke Perfeito. Perfeito. Perfeito. A noite começou dessa maneira, mas o momento de euforia de estar com Violet rapidamente se dissipou no momento em que saímos do quarto e eu percebo que não estou bêbado o suficiente para o que está à minha frente para a noite. Antes de sairmos para o armazém, meu tio Cole me puxa de lado para me lembrar das regras, para me lembra dos riscos que estou tomando. É meio estúpido quando penso sobre isso. Eu me fodi por trapacear em um jogo e agora tenho que trapacear novamente enquanto jogo para compensar isso. Se eu fracassar, estarei de volta aonde comecei e vou dever dinheiro em dobro. Por esta razão, eu tento manter Violet fora dos planos, mas o problema é que a garota conhece essas merdas. Está se aproximando das seis, mas o céu ainda está claro, o sol está brilhando abaixo da cidade e do deserto que o rodeia. Nós temos as janelas abertas, mas não ajuda em nada, mas parte poderia ser porque eu estou no banco de trás com Violet, tentando não ficar tão malditamente nervoso sobre toda a situação. — Então, o que tem nesse lugar chamado The Warehouse? — Violet pergunta do banco de trás do Dodge Challenger 1970 para o tio Cole. Ela está usando esse vestido curto que eu não queria que ela vestisse e ele abraça seu corpo perfeitamente, deixando muito à imaginar. — Porque soa como um lugar onde a máfia iria esconder cadáveres.


Cole olha para ela pelo espelho retrovisor enquanto Ryler sorri, abrindo sua janela todo o caminho. — Bem, se for, você deveria estar um pouco preocupada que nós estamos te levando para lá, não é? — Meu tio brinca enquanto pega um maço de cigarros do painel. — Se você pensa assim, — Violet diz divertida, a brisa quente que flui através da cabine faz as mechas do seu cabelo flutuar em seu rosto. — Mas se vocês estão indo até a máfia, então não parece ser tão assustador, já que não estão armados se precisarem escapar. — E como você sabe que não estamos armados? — Cole pergunta, seu olhar me encontrando e posso dizer que ele aprova Violet, o que seria ótimo, exceto que ela não me aprova. — Bem, vocês estão usando regatas e não há lugar para esconder qualquer coisa. Nenhum dos bolsos da calça ou short parecem volumosos e eu fiz uma nota mental de que nenhum de vocês têm nada na parte de trás da calça. — Ela relaxa contra o assento, cruzando os braços, contendo um sorriso. — Menina esperta, — comenta Cole enquanto para o carro em um semáforo. As calçadas ocupadas pelo zumbindo com excitação, luzes de néon piscando em cada prédio, e eu posso praticamente sentir o cheiro das máquinas caça-níqueis no interior deles. — Luke, eu gostei dela. Você deve mantê-la por perto. Eu também, quero dizer a ele, mas em vez disso digo: — Sim, ela não é tão ruim, eu acho. — Eu cutuco sua lateral com o cotovelo para que ela saiba que eu estou brincando. — O que posso dizer, eu gosto de estar preparada, — Violet diz, não se afastando quando eu descanso meu ombro contra o dela. — Você nunca sabe quem são os loucos.


Meu corpo enrijece, se perguntando se ela quis dizer isso como eu entendi. Mas ela parece calma e satisfeita, assim estou supondo que ela está apenas conversando e não pensando muito nisso. Ainda assim, me lembra que um dos 'loucos' que ela está se referindo pode ser a minha mãe e que um desses 'loucos' assassinou seus pais, o que a fez passar a maior parte da sua infância em lares adotivos, o que a fez entrar na vida desarrumada de Preston. Tudo por causa da minha mãe e um cara desconhecido. Ryler gira em seu assento para olhar para nós e sinaliza algo para Violet, algo divertido eu estou supondo pela forma como Violet e ele riem. Violet dá de ombros. — Facas não são assustadoras. Você pode fugir delas. Ryler franze a testa, descansando seu braço na parte de trás do assento, ainda sinalizando. — Parece que estou falando por experiência, né? — Violet diz, acenando para Ryler. Então ela dá de ombros novamente, parecendo não está disposta a divulgar qualquer coisa do seu passado, algo que eu estou acostumado. Mas conheço o suficiente sobre ela e ela teve uma infância de merda, então não ficaria surpreso se ela já fugiu de alguém com uma faca. Foda-se, e se fosse minha mãe. Eu nunca ouvi os detalhes do que exatamente aconteceu naquela noite. — Você é uma garota muito durona, — comenta Cole, em seguida, olha para mim. — Sabe, nós poderíamos usá-la hoje à noite. — Não, — eu digo bruscamente. — Ela não está aqui para se envolver nisso. — Bem, ela está aqui, — Cole diz, ficando um pouco irritado. — Então, tecnicamente ela já está envolvida.


— Ela está aqui apenas para assistir, — eu argumento, apertando minhas mãos em punho. — Nada mais. Os olhos de Violet estão em mim, não necessariamente brilhantes, ela não parece feliz. — O que há com você e toda essa coisa de proteção? — Ela diz baixinho, mas Ryler ainda pode lhe ouvi e sentir uma briga chegando, se vira na cadeira e começa a fumar. — Eu só não quero que você se machuque, — eu digo a ela com um encolher de ombros. — Não é como se fosse uma fodida revelação. Eu era da mesma maneira quando estávamos... — Eu quero dizer namorando, mas nós chegamos a namorar realmente? Sim, nós saímos em um ou dois encontros, mas nossa relação foi breve - breve demais. — Eu não preciso de proteção, — ela promete em um tom firme. — E se há alguma maneira que eu possa ajudar, então eu quero. Confie em mim, a manipulação é o meu forte. — Eu não quero ser outro Preston em sua vida, — eu digo tão baixinho que mal consigo ouvir. Ela suga uma respiração lenta, enquanto a mão distraidamente vaga para os hematomas em suas pernas, praticamente confirmando minhas suspeitas de que foi o bastardo quem as colocou lá. Isso me faz ver vermelho novamente, como quando vi Preston beijando-a no estacionamento da universidade, a minha raiva me cega ao ponto que se Preston estivesse por perto, eu faria algo irracional e provavelmente irreversível, sem sequer pensar duas vezes. Eu me lembro quando o meu melhor amigo Kayden Owens bateu a merda fora de Caleb - o mesmo cara que estuprou minha irmã Amy antes dela cometer suicídio pulando de um telhado, porque ele havia machucado sua namorada, Callie, provavelmente da mesma maneira que ele machucou a minha irmã. Na época, eu meio que não entendi por que ele fez isso, proteger as pessoas que você gosta. Mas


ele só tinha estado com Callie por pouco tempo para que ele pudesse estar tão apaixonado para defendê-la. Mas eu entendo agora por que ele fez isso, como a raiva pode consumi-lo até o ponto que você não pode ver ou pensar claramente, se você se preocupa muito com alguém. Eu teria batido a merda fora de Caleb também, se alguma vez eu o encontrasse - por Amy. E eu iria machucar Preston igualmente pelo que ele fez para Violet. Porque eu me preocupo muito com ela, de uma forma que eu iria arruinar minha vida se isso significasse que ela teria que carregar menos dor. Eu recebo uma revelação naquele momento, o que eu não esperava e que não tenho certeza se estou pronto para aceitar. Me bate como um caminhão, tira meu fôlego, e faz meu coração doer de uma forma muito estranha. Eu me importo com Violet mais do que me importo comigo mesmo. Talvez eu até... A ame? Foda-se, eu estou apaixonado? Não, não há nenhuma maneira. Eu nem sei o que é o amor. — Você não é Preston, — Violet interrompe meus pensamentos em pânico, com a mão cobrindo o hematoma na perna. — Eu quero ajudar se houver uma maneira. Você não está me forçando a fazer nada, estou optando por fazer isso. Eu quero perguntar o que ele a forçou a fazer para deixá-la com esses machucados, mas mesmo se ela fosse ceder e me dizer, eu não quero que seja no carro com Ryler e meu tio fingindo que não estão escutando enquanto eu, provavelmente, vou perder o controle da pior forma possível. — Ela poderia ser uma boa distração, Luke, — Cole interrompe quando vira a direita na rodovia, até uma rampa. — Ela é uma garota bonita - e eu quero dizer em um bom


caminho, sem flerte. — Ele está irritando a merda fora de mim agora e sei que ele pode perceber, mas não se importa. — O que exatamente você está pensando? — Violet se inclina para frente e cruza os braços na parte de trás do assento. Seu cabelo está amarrado, me dando um vislumbre da parte de trás do seu pescoço e a tatuagem de dragão, junto com as estrelas, as que representam a morte dos seus pais. Eu não sei por que faço isso, mas encontro-me trançando meu dedo em uma delas. Ela salta com o contato, mas não diz nada. — Há um cara, Catterson, que é um babaca total quando se trata de mulheres, mas é bom com cartas, — Cole explica enquanto vira em uma rua. — Se você se sentar perto dele e tentar fazê-lo aumentar suas apostas, pode fazer com o jogo seja mais rápido e dar-nos uma melhor chance de sairmos de lá sem problemas. — O quão perigoso é? — Ela pergunta com cautela. — Quero dizer, quais os problemas que você está falando? Do tipo de problema: não-volte-aqui-se-você-for-pego-trapaceando ou você-não-vai-sair-daqui-se-for-pego-trapaceando? — Você provavelmente deve perguntar isso a Luke, — Cole responde, olhando por cima do ombro para mim. Violet me encara, mordendo o lábio inferior, que está manchado com batom vermelho, tentador o suficiente para morder. — Quão ruim é esse lugar? Pior ou melhor do que no Geraldson? Eu gentilmente segurando a parte de trás do seu pescoço. — Pior ainda, — eu digo e seu corpo fica rígido. Mas ela rapidamente sacode sua inquietação, colocando as mãos nos meus ombros e sua boca ao lado da minha orelha. — Você tem certeza que quer fazer isso? — Ela sussurra em meu ouvido. — Eu ainda tenho algumas das ervas daninhas de Preston. Não é de grande valor, mas poderia ser um começo.


— Não, não tráfico de drogas. — Minha mão encontra sua cintura e os meus dedos se envolvem em torno dela enquanto puxo-a para mais perto, quase fechando os olhos ao sentir seu calor. Apesar da merda com a minha mãe, eu ainda estou mal por ela de qualquer maneira. Tê-la aqui, pronta para ajudar com isso, é estúpido, eu sou estúpido. — Deus, eu gostaria que nós tivéssemos nos reunido novamente sob circunstâncias diferentes... Eu sinto sua falta, mas sei que não posso te ter... — Eu não quero dizer a última parte em voz alta, mas meio que desliza para fora e não há como retirar o que eu disse. Eu esperava que ela se afastasse, mas surpreendentemente ela não faz. Em vez disso, ela pressiona um beijo suave na ponta da minha orelha. — Eu vou ajudar, — ela diz, em seguida, se vira no banco, pronta para colocar-se em perigo, tudo por causa da minha estupidez. — Então, o que eu deveria saber sobre esse tal de Catterson?


10 Violet Deixe que o fodido vício da adrenalina comece. Eu poderia dizer que Luke não queria que eu me envolvesse, mas depois de estar com ele como estivéssemos no quarto, eu estou desesperada por algum tempo sem emoção, as lâminas e agulhas estão vindo em ondas, eu me esforço para manter minhas emoções em direção a Luke calmas. Então aproveito a oportunidade para distrair Catterson, que acaba por ser um pervertido de trinta e poucos anos que gosta de flanela e tem cheiro de maconha. Jesus, o que há comigo e com este tipo? É como se eu os atraísse para mim, como uma chama atrai mariposas. Ainda assim, ajo como uma prostituta, eu tomo algumas bebidas com ele e acabo sentando-me ao seu lado no armazém, o que acaba por ser exatamente o que parece - um armazém cheio de caixas, mas do que elas estão cheias eu não tenho nenhuma ideia. Há cinco mesas que têm cinco jogadores em cada, a maioria homens, embora haja duas mulheres jogando. Há algum rock clássico tocando ao fundo, dinheiro que está sendo jogado da esquerda para direita, o ar só fumaça, bebidas sendo passadas ao redor, muitas delas sendo consumidas por mim. Eu nem tenho certeza do por que estou bebendo. Eu só planejei beber uma, mas depois que me sentir relaxada, se transformou em uma após a outra. — Então, o que você acha, querida? — Catterson coloca a mão no meu joelho direito, bem acima de uma das contusões e eu


tenho que lutar contra o impulso de empurrá-lo e dar um tapa em seu rosto. — Devo arriscar ou jogar pelo seguro. Eu deslumbro-o com o meu sorriso não tão bonito e inocente. — Isso quer dizer... Arriscar ou ir para casa? — Eu gosto da sua maneira de pensar. — Ele pisca para mim, colocando sua aposta ridícula em pratica e me forço a rir enquanto giro uma mecha do meu cabelo em volta do meu dedo. Enquanto espero por um Fold (desistir da jogada) ou Raise (aumentar uma aposta anterior), ele se inclina em minha direção e diz em um tom abafado: — Você é maior de idade, não é? Idiota do caralho. — Claro, — eu digo com outra risada. — Eu realmente pareço jovem para você? Ele se inclina para trás e deixa seus pervertidos olhos preguiçosamente rolarem sobre o meu corpo, dando um longo tempo extra aonde meu vestido começa a cobrir as minhas pernas. — Você está ótima como o inferno. — Ele diz isso como se fosse um elogio, como se o inferno fosse um lugar bom e que ter boa aparência vai me tornar uma garota boba que vai desmaiar em seus braços - e quem usa a palavra desmaio ainda. — Obrigado, — eu digo como uma cabeça oca. Jesus, tudo que eu preciso é de uma goma de marcar e vou estar um passo de ser uma desmiolada. Ele empurra a bebida metade vazia em minha direção, uma com vodka e cranberry. — Beba garota bonita. Posso dizer que ele acha que eu vou ficar bêbada e ir para algum quarto com ele, e fode-lhe. Honestamente, estou indo para a parte do bêbada, por isso meu lado malicioso está começando a sair, com garras e tudo... Oh, garras... A pele de Luke... Eu balanço a nebulosidade na minha cabeça. Concentrese. Violet. E pare de beber tanto.


Catterson ainda está sorrindo para mim e eu tenho que me forçar a sorrir de volta. Não há nenhuma maneira que eu esteja indo para casa com esse cara. Eu tenho meus olhos no cara quente sentado do outro lado da mesa, intensos olhos castanhos, cabelo macio, cheiro familiar e tudo o que eu desejo poder ter, mas estou com medo como o inferno de têlo, por causa das emoções na minha cabeça. Mas, falando sério, se não houvesse tantas malditas pessoas ao redor agora, eu rastejaria sobre a mesa e o atacaria... Rasgaria suas roupas e lhe morderia, lhe lamberia, faria todos os tipos de coisas más com ele... Esse pensamento me faz olhar para o meu copo, imaginando o quanto eu bebi. Está vazio agora. Merda, eu nem me lembro de tomar tudo... E é o meu quinto, sexto... Oitavo? Caramba, isso é ruim. Violet bêbada é irresponsável, selvagem, impulsiva. Ela pode facilmente sair do controle, pior do que Violet sóbria. Eu deveria me levantar e ir dormir no carro... Sim, eu vou fazer isso, apenas depois de fazê-lo beber mais uma dose. — Beba tudo, — ele diz enquanto me dá um copo cheio de bebida preta com aroma de alcaçuz - provavelmente Jager (Jägermeister é uma bebida alcoólica produzida na Alemanha desde 1935.) . Em seguida, levanta seu copo e toma a coisa toda com um só gole. Eu coloco a borda do copo na minha boca e tomo tudo em um gole, lambendo meus lábios e jogando o copo vazio sobre a mesa como se eu fosse algum tipo de bêbada profissional. Mas eu não sou e lamento instantaneamente por beber tudo quando meu estômago se agita. Vomito queima na parte de trás da minha garganta... Eu acho que vou vomitar. Não, não faça isso. Prenda-o. — Você está bem? — Catterson pergunta, colocando a mão no meu ombro para me firmar quando eu começo a cair para o outro lado da cadeira.


Eu forço meus lábios a sorrirem, forçando-me a segura-lo esta Violet é durona. A única que vende drogas e deslumbra clientes. — Eu estou bem, — eu digo-lhe, conseguindo sorrir de novo, e ele tem o prazer de retribui. — Um pouco forte para você, hein? — Ele pergunta e, em seguida, não espera que eu responda. — Tudo bem. Nós vamos parar com essas pequenas bebidas frutadas, — ele diz e eu tenho que resistir à vontade de deixar minha boca inteligente se abrir. Sorrindo, ele volta sua atenção para as suas cartas, perdendo a jogada e xingando baixinho, mas quando olha para mim, ele simplesmente diz: — Se você ganha algo, você perde um pouco. — Tenho a sensação de que você vai ter sorte na próxima. — Eu pisco para ele e deixo meus dedos derivarem para o decote da minha camisa. Deus, eu estou indo bem, penso comigo mesma quando vejo a protuberância em suas calças — Espero que sim, — ele diz, ajustando-se enquanto ele pega suas novas cartas e observa-as com um olhar sério em seu rosto. Aproveito a oportunidade para olhar para Luke sentado em minha frente. Seu tio e primo estão espalhados em mesas diferentes. No carro eles explicaram que é inútil jogar uns contra os outros, especialmente quando estão todos trapaceando. Evidentemente, a fraude é o negócio da família ou algo assim, pelo menos no seu lado paterno. Embora, Ryler não se pareça com ele. Na verdade, ele agiu como se estivesse aqui apenas pelo seu pai. Luke tem estado bastante tranquilo no jogo, saboreando uma Bacardi e fumando seus cigarros, até pouco demais. Eu o conheço bem o suficiente para saber que ele está trapaceando, mas não posso dizer em quais rodadas, que é provavelmente uma coisa boa.


Enquanto continuo olhando abertamente para ele, ele avalia suas cartas enquanto as propostas fazem o seu caminho ao redor da mesa. Quando é a vez dele, ele coloca cerca de duas centenas de fichas depois inclina-se para trás na cadeira, parecendo relaxado enquanto o distribuidor vira as cartas. Mantendo as cartas em uma mão, ele toma um longo gole da sua bebida, em seguida, dá uma profunda tragada no cigarro, aparentemente alheio ao meu momento perseguidor. Ou pelo menos é o que eu acho até que ele olha para mim sobre suas cartas, seus lábios se curvando enquanto ele pisca para mim, e me pergunto se ele estava ciente disso o tempo todo. Faz as borboletas dançarem no meu estômago, o que nunca aconteceu antes. Então, novamente, poderia ser o Jager e a vodka que estão fazendo isso, não borboletas. Oh quem se importa com o que seja. Eu o quero. Não me importo se eu esteja bêbada. Eu preciso fazer algo imprudente esta noite com toda essa energia dentro de mim e agora quero que esse algo seja ele, mesmo que ele seja a causa da energia. Que o jogo termine logo, por favor. Minhas coxas estão queimando. Eu pressiono minhas pernas juntas e tento ser tão paciente quanto eu puder, observando os jogadores diminuírem em torno da mesa, mantendo-me encantadora para Catterson. Finalmente, a maldita coisa chega ao fim, Luke conquista nove mil, enquanto seu tio e Ryler perderam todo o dinheiro. Bem, pelo menos é assim que parece. Mas eu os ouvi conversando no carro. Cole e Ryler iram perder para não parecer que estavam trapaceando e em troca Luke lhes daria um terço então tecnicamente ele conseguiu apenas três mil. Eu me pergunto se ele vai ser capaz de conseguir o suficiente e o que vai acontecer com ele se não conseguir. Sendo realista e conhecendo sobre o mundo de Geraldson, tenho duas ideias muito ruins, primeira: Luke levará uma surra, muito ruim. Eu não tenho certeza se eles vão matá-lo, mas só de pensar nisso faz mal ao meu estômago. Ou segunda: Luke vai acabar não


voltando para Laramie, decidindo que é melhor ficar longe do que voltar para o risco. Essa opção surpreendentemente faz mal ao meu estômago também. — Então, para onde você quer ir agora garota bonita? — Catterson pergunta, o som da sua voz me força a volta à realidade. Eu percebo que perdi um pouco de tempo enquanto estava perdida em meus pensamentos. Todo mundo já começou a sair e Catterson está olhando para mim com expectativa, como se eu estivesse prestes a transar com ele aqui mesmo. — Você quer sair ou quer ir para o quarto dos fundos comigo? Porque eu adoraria ver essa sua maldita bunda em minhas mãos. Há tantas coisas que eu quero dizer para esse cara. Como para começar, perguntar-lhe se essa cantada ridícula já funcionou. Mas sei que tenho que manter minha boca fechada e dizer a coisa certa, senão vou ser descoberta. Eu não sei onde fica esse quarto dos fundos, mas tenho algumas ideias. Durante o meu tempo nas ruas, acabei em um clube de strip com um cara que disse que poderia conseguir algumas cervejas no quarto dos fundos porque era de fácil acesso, sem que ninguém nos visse. Acabou que o quarto dos fundos não tinha cerveja, mas mulheres nuas fazendo boquetes e danças no colo. Sim, foi uma grande maneira de me despertar para a minha sexualidade Ela realmente tem que pegar uma carona com a gente. Ryler aparece ao meu lado e coloca causalmente o braço em volta de mim, como um cavaleiro das trevas da armadura brilhante, sinalizando. Tenho que ter a certeza de que ela vai chegar em casa com segurança. Catterson olha de Ryler para mim e dou-lhe o meu melhor sorriso sinto-muito-mas-não-vai-ser-desta-vez. — O que ele está dizendo? — Ele pergunta, confuso.


— Ele disse que precisa me levar para casa em segurança, — digo a ele, dando-lhe o meu melhor olhar sinto-muito-masnão-podemos-foder. — Ela é da família? — Pergunta a Ryler com um olhar duvidoso, como se não conseguisse ver uma semelhança familiar. Prima, Ryler murmura, dando-me um abraço estranho antes de me puxar para acompanhá-lo para fora, passando pelas mesas, e indo até a porta de saída, acenando para Catterson antes de abri-la para então saímos. — Obrigado priminho, — eu digo, com um sorriso sarcástico quando entramos no vazio estacionamento escuro e o ar superaquecido. A rua é um pouco longe, mas muito vaga, um aglomerado de luzes cintilantes que dançam contra a cidade. Ryler sorri enquanto fecha porta assim que saímos, então suas mãos se movem para frente enquanto ele sinaliza, Ei, era melhor do que deixar você inventar uma explicação do por que flertou com ele a noite toda, mas não vai deixá-lo lhe leva para os bastidores. — Ei, talvez eu quisesse que ele me levasse para os bastidores, — afirmo, arqueando minhas sobrancelhas enquanto dou um passo para ficar de frente para ele. Estou ficando corajosa e a ansiedade para sair com Luke daqui aumenta, caso contrário eu vou acabar fazendo algo estúpido, provavelmente. Ryler faz uma pausa no estacionamento, confusão enchendo seu rosto enquanto ele brinca com o piercing em sua sobrancelha. Você não está com Luke, embora? Eu paro de andar e coloco minhas mãos em meus quadris. — Eu pareço estar com Luke? — Eu continuo com a conversa, embora tudo o que quero fazer agora é ficar com Luke.


Eu não faço ideia. Ele massageia a parte de trás do seu pescoço. Ele meio que me faz lembrar de Luke de certa forma, mas não o suficiente para mudar de assunto. Ele também tem a aparência áspera como Luke, especialmente os olhos, o piercing, a tatuagens e adicione à intensidade. Mas se isso é para parecer ou não, quem sabe. Mas parece de qualquer maneira. Ele faz uma pausa, esperando pela minha resposta, mas eu não tenho nada para lhe dar porque ainda estou tentando descobrir isso por mim mesma. — Onde está Luke? — Eu faço uma varredura no estacionamento, meus olhos pousam no Dodge Challenger roxo escuro, estacionado na parte de trás completamente vazia no momento. A situação poderia ser perigosa, uma garota e um cara muito forte sozinhos, sem ninguém para ouvi-la gritar. Minha obsessão doentia por andar na linha entre a vida e a morte me puxa para frente, em vez de volta em direção à luz que vem do The Warehouse. Ryler começa a caminhar ao meu lado para o carro, balançando as chaves em torno do seu dedo. Ele teve que ir sacar o dinheiro. Ele abre a porta, em seguida, vira o assento para frente para que eu possa ir para a parte de trás. Meu pai foi com ele apenas para se certificar de que não existem quaisquer problemas. Eu aponto o dedo para ele quando abaixo a cabeça para entrar no carro. — Mais uma vez, soa muito mafioso. — Eu sento no banco de trás, muito desajeitada e de forma grosseira, provavelmente, o primo de Luke confere minhas partes de menina desde que me esqueci de usar roupa de baixo e que só me lembrei agora. Eu me importo, mas estou muito bêbada para isso e se Ryler viu, ele é cavalheiro o suficiente para não dizer nada, calmamente coloca o assento do motorista no lugar e se senta nele com a porta aberta , os pés plantados no chão lá fora.


Ele coloca um cigarro na boca e acende-o, dando uma longa tragada enquanto coloca a chave na ignição. Ele liga o aparelho de som e “Red Light Pledge” da banda Silverstein começa a tocar nos alto-falantes. Você parece ser uma garota muito interessante. Ele roça o polegar ao longo da extremidade do cigarro e cinzas dançam através do ar. — Interessante? — Eu descanso meus braços na parte de trás do assento enquanto ele se inclina contra o volante para olhar para mim. — Essa é uma boa maneira de dizer que eu sou uma esquisitona. Mas tudo bem. Eu já fui chamada de coisa pior. E melhor ser uma esquisitona do que normal, certo? — Exatamente. — Eu inclino minha cabeça para o lado e avalio-o. Ele parece ser o tipo de cara que eu sairia no passado quando estava tão bêbada e entediada como estou agora, eu poderia dar-lhe uma chance. Poderia ser mais fácil do que sair com Luke, o que vai acontecer se eu fizer do meu jeito, mas mesmo através da vodka e Jager, as emoções que eu estive tentando evitar a noite toda, posso sentir agora me levando para Luke. E é terrível, pensar sobre o que pode significar isso. — Se importa se eu tiver um? — Eu aceno para o cigarro em sua mão. Sua sobrancelha se levanta. Você fuma? Ele questiona provavelmente porque eu estive em torno de fumantes a noite inteira e não fumei nenhum. E normalmente eu não fumo, mas esta noite eu vou ser alguém diferente. — Sim. — Olá mundo, conheça a bêbada e fumante Violet. Ele dá de ombros, em seguida, pega o pacote do bolso e me dá um cigarro e o isqueiro. Eu acendo, não engasgo com a fumaça porque já fumei no passado, em circunstâncias muito estranhas quando alguém que cuidou de mim por um tempo


queria que eu acendesse um quando ela estava fazendo coisas como cozinhar e não estava com as mãos livres. — O quão você conhece Luke? — Eu pergunto com curiosidade, dando uma tragada no cigarro e a fumaça enche meus pulmões. Ryler estende seu braço para fora e cinzas caem no chão. Não muito bem. Eu o encontrei uma vez, quando ele ficou com meu pai em um verão, mas é só isso. Honestamente, eu mal vi meu pai um par de anos atrás. Ele leva o cigarro aos lábios e respira profundamente, tentando encobrir seu desconforto com o assunto. E você? Ele solta a fumaça pelos lábios. — O quanto eu conheço Luke? — Eu pergunto e ele concorda. Eu vacilo, sem saber como responder, porque parece que eu conheço Luke muito bem, mas ao mesmo tempo não conheço. — Eu ainda estou tentando descobrir isso, — eu digo com sinceridade. — E você? — E eu o quê? — Foi ele quem fez essa pergunta? Ou eu estou perdendo a noção do tempo novamente. Eu mal o conheço. Sua atitude está se transformando em sedução, que seria bom se não me fizesse pensar em Luke. Jesus, por que rapazes e garotas não podem ser apenas amigos? — Eu sou uma pessoa bastante chata, — digo-lhe, em seguida, me inclino para frente sobre o assento com um olhar sarcástico no rosto. — E se eu lhe dissesse alguma coisa sobre mim, então eu teria que te matar. Ele me dá um olhar satisfeito, tentando não rir. Como eu disse, interessante.


Inclino-me para trás e dou uma tragada no meu cigarro. — E eu ia dizer a mesma coisa sobre você, até que você começou a flertar comigo. Ei, você não pode culpar um cara por tentar. Ele pressiona a mão sobre o coração e fica reto no assento. Além disso, se você apenas dissesse que está com Luke, então eu iria te deixar em paz. Oh, eu entendo agora. Ele está tentando me fazer confessar. Estou prestes a dizer o que está na ponta da minha língua, embora eu não tenha certeza se é a verdade, mas, em seguida, Luke e Cole aparecem e me interrompem antes que eu possa confessar. Mas a própria revelação faz o pânico subir no meu peito e a necessidade de fazer algo louco enche meus pulmões e tira meu fôlego. Salva pelo namorado questionável. Ryler pisca para mim, em seguida, sai do banco do motorista e caminha ao redor do carro para o lado do passageiro, enquanto Cole levanta o assento e Luke se senta ao meu lado Assim que ele se acomoda, ele olha para o cigarro na minha mão e suas sobrancelhas se arqueiam. — Que diabos você está fazendo? Eu bato meus cílios inocentemente para ele e estendo o cigarro em sua direção. — Eu apenas acendi para você. Ele me olha com ceticismo. — Ok, certo. E fumou a metade. — Ele tenta pegá-lo para me testar, mas eu movo a minha mão para o lado. — De jeito nenhum. — Eu coloco a ponta em minha boca e permito que a fumaça encha meus pulmões. — É meu agora. Você vai ter que lutar contra mim para pegá-lo, — eu digo enquanto Cole coloca o carro em movimento e, em seguida, sai do estacionamento.


Luke atira um olhar para Cole, em seguida, Ryler, depois balança a cabeça, reprimindo uma risada. — Quanto você bebeu? — Ele pergunta em voz baixa. Eu dou de ombros, observando as manchas de cores na janela quando chegamos à estrada que nos levará de volta a cidade. — Cinco, oito, onze. — Eu ergo meus dedos, tentando mostrar-lhe a quantidade, mas onze prova ser um problema. — Ei, eu só estava fazendo meu trabalho. Não foi minha culpa que o tal de Catterson continuava me oferecendo bebidas. — Você fez um bom trabalho, — comenta Cole, fazendo uma curva para a auto-estrada. — Mas nós vamos ter que encontrar um novo cargo para você amanhã, assim os chefões não vão descobrir nada. — Ok, no começo eu estava brincando sobre a coisa dos mafiosos, mas agora eu tenho que saber. — Eu me inclino para frente para enfiar minha mão para fora da janela e me livrar das cinzas do cigarro. — Não há mafiosos, apenas jogadores pesados que não levam desaforo de ninguém, — Cole diz, colocando um cigarro entre os lábios e segurando a ponta para acender. Após essa observação, Ryler e ele começam a ter uma conversa sobre o jogo, Ryler sinalizando o tempo todo e parecendo realmente irritado com seu pai sobre algo. Deixame distraída o suficiente para concentrar toda a minha atenção em Luke enquanto uma escuridão em meu peito começa a agitar, Violet bêbada é inquieta. Sempre a procura de problemas, o que uma das minhas mães adotiva costumava dizer. Incontrolável. Ela pode não ter estado tão certa no momento, mas agora estaria. Acho que saiu exatamente como ela pensou - como todos pensavam. Mas isso não é no que eu quero focar. Algo bom. Quero me concentrar em algo bom que está sentado ao meu lado.


Luke está olhando para frente com os braços cruzados, seus músculos tensos, o rosto pensativo, como se estivesse pensando em alguma teoria complicada sobre a natureza humana e como nos transformamos da maneira que fazemos, o que nos molda para as pessoas que somos. Eu balanço minha cabeça. Deus, eu penso em algumas coisas estranhas quando estou bêbada. Luke. Concentre-se em Luke. Ele está sentado perto de mim, mas não perto o suficiente, então eu me aproximo e ele balança a cabeça, um sorriso ameaçando aparecer em seus lábios. — Você tem esse olhar em seu rosto, — ele diz, virando a cabeça para mim. — Aquele onde eu posso dizer que você deseja entrar em problemas. — Você me conhece melhor do que eu pensava, — eu digo francamente, não sendo capaz de ver muito claramente através do álcool balançando ao redor do meu cérebro. Seus olhos procuram os meus confusamente. — Eu? Eu aceno deliberadamente, sentindo uma queimadura em meu peito baseado na luxúria. — E aposto que você poderia adivinhar exatamente o que estou pensando agora. — Eu pressiono minha mão no meu corpo, mordendo meu lábio enquanto me toco. Ele suga uma respiração lenta e gradualmente solta-a, murmurando "uau". Mas ele não fala em voz alta, apenas envolve seus dedos em torno do meu pulso, leva a minha mão até sua boca, e coloca os lábios em torno do cigarro que estou segurando. Isso me faz pensar na sua língua e como foi bom senti-la me lambendo no quarto. Depois que ele dá uma tragada no meu cigarro, ele me solta, em seguida, diz: — Você está pensando o quão impressionante eu sou por ganhar três mil hoje à noite.


— Tão impressionante quanto você seja, não é isso que eu estou pensando. — Eu balanço minha cabeça, sentindo a eletricidade no ar, fora de controle, do jeito que eu gosto. Então coloco o cigarro nos lábios, não porque quero fumar, mas porque quero provocá-lo como ele fez comigo. Dou uma boa e longa tragada, sentindo uma pontada de pânico quando vejo o rosto de Preston, o jeito que ele parecia antes de me empurrar para meus joelhos, excitado não apenas pela obtenção de um boquete, mas pela dor e falta de desejo em minha expressão. Mas eu rapidamente empurro essas imagens para longe e sou absorvida pela vodka queimando em minhas veias e nublando minha mente e julgamento. — Então, pense nisso de novo, — eu digo, exalando uma nuvem de fumaça. Os olhos de Luke escurecem, as sombras na luz fluindo dos postes de iluminação, cassinos e pontos turísticos externos. Ele se inclina em minha direção, seu joelho pressionando contra a minha perna, ele segura a minha bochecha e mergulha os lábios na minha orelha. O calor da sua respiração acaricia minha pele e envia calor por todo o meu corpo. Segurança. Eu sinto esse sentimento novamente. — Você está pensando sobre o que eu fiz com você no quarto algumas horas atrás, — ele diz no meu ouvido, sua voz baixa e cheia de desejo, seu hálito quente contra a minha pele. Sufocando, estou sufocando e não é de calor. — E sobre o quanto você quer que eu faça isso novamente, só que desta vez vai ser mais lento e vai... Ser mais longo... — Ele deve estar bêbado também e duas pessoas bêbadas em um Challenger podem fazer decisões catastróficas, sem sequer pensar sobre as consequências. E faz com que a viciada em adrenalina em mim quase caia em um estado de euforia. A calma me vence e se instala dentro do meu peito, eu deixo minhas mãos derivarem em direção ao jeans de Luke, descansando-as bem em cima do seu pau. Bem ali, no banco de trás do carro com seu tio e primo ao nosso alcance. E, em troca, Luke solta um gemido gutural que me faz querer


arrancar suas roupas e arranhar a merda fora dele, como estava imaginando fazer na mesa de jogo. Mas quando meus dedos começam a vagar sob sua camisa, minhas unhas arranham suavemente contra seus músculos magros, seu tio acaba com o momento. — Ok, vocês dois, vamos esperar até voltarmos para casa, — ele diz divertidamente. — Eu prometo que não é tão longe. Eu não sou de sentir-me envergonhada, mas de qualquer maneira meu rosto cora ou o ar ficou ainda mais quente. Luke no entanto, parece completamente a vontade enquanto se inclina para trás, colocando as mãos em cima das minhas, prendendo-as dentro da sua camisa, minhas palmas pressionadas contra seus músculos e sua pele quente. Então ele me dá um olhar como se tivesse toda a intenção de continuar todo momento antes de entrarmos no quarto. Eu só espero estar bêbada o suficiente para ficar com ele sem emoção, caso contrário, eu poderia ter que encontrar uma outra alternativa para resolver as emoções enterradas no meu interior, uma que quer estourar fora de mim, as antigas e novas. E tenho medo de deixá-las sair e não ser capaz de colocá-las de volta no lugar.


11 Luke Cara bom? Cara mau? Que tipo de cara eu sou? Há alguns meses atrás eu sabia a resposta e estava bem com isso. Melhor compreender a si mesmo do que ser um completo ignorante. Não saber é duro e agora eu sou o maior idiota sem noção que existe. Porque quero foder o inferno fora de Violet. Quero foder com ela longo e duro até que ela grita meu nome e arranhe minha pele com suas unhas como fez no carro... Deus, aquilo quase me fez vir dentro da minha calça jeans, na parte de trás do carro. Eu quero mais do que tudo e preciso dela mais do que qualquer coisa. Isso é o que o diabinho em meu ombro está sussurrando. Mas no ombro oposto, há um anjinho, bem, eu acho que está, mas não posso ter certeza desde que eu nunca tinha o ouvido antes. Mas ele está me dizendo que Violet está bêbada e sofrendo, e que quase parece está tentando encobrir sua dor, fazendo coisas imprudentes que não iria fazer se estivesse sóbria. Como ficar aqui comigo, estar comigo, me querer. Dói pensar sobre isso, mas eu posso ver em seus olhos, o mesmo olhar que ela tinha quando estávamos fugindo do Geraldson. Só que eu sou o perigo desta vez. Eu pensei durante a viajem inteira e cheguei a decisão de ser o cara bom, mas ela faz com que seja realmente complicado quando tropeçando juntos para o quarto e ela começa a tirar a roupa antes que eu possa sequer fechar a porta. Ela está bêbada o suficiente para que fique instável em seus pés e


desleixada com seus movimentos, mas a forma como seus olhos se mantém em mim é sexy como o inferno. Primeiro o vestido, então o outro... E inferno, ela não está usando uma calcinha. Mas antes que eu possa até mesmo conseguir pensar, seu sutiã está fora. Ela alegremente joga-o em mim e acaba acertando meu rosto. Eu pego-o, balançando a cabeça, um sorriso começando a surgir em meus lábios, mas a visão do seu corpo nu à minha frente faz com que eu tenha que morder meu lábio para reprimir um gemido. — Você está seriamente bêbada. — Eu jogo o sutiã no chão, incapaz de tirar os olhos dela, pernas magras e longas, estômago liso e seus mamilos rosados. — E daí? Você também está. — Ela dá um passo para trás até que suas pernas batam na cama, e então se abaixa no colchão, me chamando com o dedo para segui-la, me esperando para ir pega-la. E eu quero muito, mas preciso ser o cara bom, mesmo que seja apenas por uma vez na minha vida. — Eu estou sempre bêbado, — Eu admito a verdade, atravessando lentamente o quarto, indo até ela. — Você, por outro lado, geralmente não fica. — Eu paro perto da cama onde suas pernas estão balançando. — Na verdade, eu só te vi bêbada uma vez. Ela me dá um olhar vazio. — Você vai me dizer seriamente que nunca dormiu com uma garota bêbada antes? Eu balanço minha cabeça. — Mas você é diferente. — Eu me aproximo e coloco minha mão em sua bochecha, embriagado o suficiente para não dar a mínima com o quão emocional eu estou sendo. — E não quero dormir com você só porque está bêbada e você está sofrendo com alguma coisa... Eu quero dizer... Por nós dois. — Eu sopro um fôlego, meu pau ficando seriamente bravo comigo. — Mas se você quiser conversa


sobre isso, nós podemos. Na verdade, eu queria que você falasse. Ela solta uma risada aguda. — Eu não quero conversar. — Ela se inclina para longe de mim, sua expressão endurecendo e se enchendo de pânico. — Por que você está tentando ser um cavalheiro agora, quando horas atrás estava pronto para transar comigo? — Porque eu fui pego pelo calor do momento antes, — eu digo a ela, deixando minha mão cair ao meu lado. — E não estou dizendo que não quero você. Confie em mim, eu quero, mas estive pensando, — eu tomo uma inspiração profunda e deixo-a sair lentamente antes de sentar-me na cama ao seu lado. — Sobre como nós realmente não conversamos sobre nada. E sei que você não quer, o que é bom, mas acho que nós não devemos fazer sexo. Não até termos confrontado as coisas entre nós. — Deus, esta é uma primeira vez para mim. Uma garota nua na minha frente, de pernas abertas, e eu não estou disposto a empurrar meu pau dentro dela. Eu espero ela ficar chateado comigo, mas em vez disso ela começa a respirar pesadamente como se estivesse lutando para obter ar em seus pulmões e seu olhar está varrendo pelo quarto, como se ela está à procura de uma saída, o pânico assumindo o olhar bêbado em seus olhos. Eu não tenho certeza do que resultou essa forma tão abrupta, mas conheço o suficiente sobre ataques de pânico para saber que ela está prestes a ter um. — Violet, relaxe. — Eu coloco minha mão em seu joelho, tentando fazê-la a olhar para mim. — Eu não vou a lugar nenhum e não vou fazer você falar sobre qualquer coisa que você não queira. Ainda respirando de forma irregular, ela olha para a minha mão em seu joelho, em seguida, empurra a perna para longe


de mim. — Não me toque. — Ela pula da cama e pega o vestido do chão, puxando-o pela cabeça. Então começa a ir em direção a porta, pronta para sair. Levanto-me para agarrá-la, mesmo que eu saiba que provavelmente não é uma boa ideia tocá-la quando ela está neste estado de espírito. Mas como diabos eu vou deixá-la sair em um pedaço de tecido que mal cobre a sua bunda e mostra o contorno dos seus mamilos? — Por favor, acalme-se. — Faço uma pausa enquanto seus olhos fixam em mim, pânico selvagem flui a partir deles. Eu levanto minhas mãos, deixando-a saber que não vou tocá-la. — Eu acho que você está tendo um ataque de pânico. — Não, eu não estou. — Terror enche sua expressão quando ela olha de mim para a porta e, em seguida, para a janela. Sem dizer outra palavra, ela corre para a janela e abre-a, uma brisa quente entra no quarto. — Deus caramba, Violet, pare com isso. — Eu corro até ela, agarrando seu braço antes que ela possa sair pela janela, entrando pânico quando penso em Amy. Estamos no segundo andar e mesmo que ela não sofra muitos danos, eu não vou correr esse risco. — Se você se vestir, então eu vou deixar você sair pela porta... Eu só não quero que você saia vestida com isso. — Deixe-me ir. — Ela puxa seu braço para longe de mim, olhando-me. — Não é disso que se trata. — Em seguida, ela balança as pernas para fora da janela, mas eu agarro a parte traseira do seu vestido e puxo-a para mim. Ela luta contra mim, balançando os braços e as pernas, contorcendo seu corpo enquanto eu envolvo meus braços em torno dela e a puxo de volta para mim. — Deixe-me ir... Deixe-me ir... — Ela suspira, empurrando de volta contra mim. Eu balanço-a para trás e para frente, beijando sua cabeça. — Não, não até que você me diga o que está acontecendo.


— Há muita coisa... — sua voz falha e mesmo que eu não possa ver o seu rosto, acho que ela está chorando. — Eu preciso desligar... — Ela começa a massagear seu peito como se estivesse com dor. — Dói... — Outro suspiro, depois outro. Eu abraço-a contra mim, tentando descobrir o que acabei de testemunhar e como posso acalmá-la. Eu não tenho certeza se ela estava realmente indo saltar ou se estava pensando sobre isso, mas Jesus, e se ela fosse? E se as coisas estão tão ruins que ela está pronta para tirar a dor de qualquer forma? — Por favor, deixe-me ir... — Ela implora entre suspiros, rasgando meu coração ao meio com a agonia em sua voz. — Eu só preciso sentar na janela por um momento... Ver a altura... E eu vou ficar bem... — Ela tenta sugar o ar em seus pulmões, mas a ansiedade é muito grande e eu posso dizer que ela não está respirando muito bem. Ela vai apagar e sei que preciso acalmá-la de alguma forma, mas eu sinceramente não tenho ideia como. Quando eu me irritava assim, eu queria beber, jogar de forma imprudente, ou iniciar uma briga. Eu não quero nada disso para ela então a viro de modo que ela esteja de frente para mim. Ela está muito fraca para realmente lutar contra mim, também focada em tentar respirar. Lágrimas manchando seus olhos verdes e rosto, rímel escorrendo pelo seu rosto enquanto ela se recusa a me olhar nos olhos. — Violet, olhe para mim, — eu digo com a voz suave, mas firme do que já usei antes. Eu seguro seu rosto com uma das mãos, apoiando seu peso na outra. Quando ela balança a cabeça, mais lágrimas escorrem pelo seu rosto, eu tento novamente usar a voz suave. — Babe, olhe para mim. Suas pálpebras vibram quando ela inclina a cabeça para cima, a luz refletindo em seus olhos brilhantes. Mas ela faz contato


visual comigo, que é surpreendentemente considerando como ela parece exausta.

intenso,

— Eu não quero me sentir assim, — ela sussurra, com lágrimas escorrendo pelo seu rosto. — Eu quero sentir outra coisa... Não... Não toda essa dor... Eu nem sei de onde veio. Um minuto eu estava bêbada e então você me fez ficar para baixo e eu... — Ela faz uma pausa, sugando uma respiração. — Eu sinto muito, Violet. Por causar-lhe dor. — Deus, me mate agora. Isso é demais. Insuportável, vê-la assim. — Pare de se desculpar... Não é culpa sua... É da sua mãe... E de Preston por me obrigar a fazer todas aquelas coisas... É a minha culpa maldita por não lutar contra ele com mais força... Por voltar... Por não ser capaz de esquecer de tudo... — Ela começa a chorar, lágrimas bêbadas e me pergunto se ela vai mesmo ser capaz de lembrar de algo disso na parte da manhã. Uma coisa é certa, tenho certeza como o inferno que eu vou, especialmente a parte sobre Preston. — Se você me deixasse perto da janela... — Ela inala, forçando oxigênio em seus pulmões, abrindo os olhos para olhar para mim de novo. — Deixe-me me acalmar... Então tudo seria melhor. — Seu discurso é um pouco arrastado a partir do álcool e parece que ela está lutando contra a exaustão, provavelmente a partir do ataque de pânico. Eu estou supondo que ela não está tão atenta e sóbria, pois se estivesse não estaria admitindo abertamente isso comigo. — Você quer saltar para fora da janela para sentir-se melhor? — Eu engasgo com a ideia de Violet se machucar. Ela balança a cabeça. — Não, eu só não quero pensar sobre isso... Eu preciso sentir a adrenalina, não isto. — Ela coloca a mão em seu peito, acima do seu coração, como se estivesse doendo. — Por favor, Luke, deixe-me ir e tudo vai ficar bem.


Eu balanço minha cabeça. — Não, eu não posso fazer isso... Nunca... — Minha voz é tensa enquanto eu tento nos manter em pé, suportando a maioria do seu peso. Em seguida, sem dizer nada, eu levanto-a e caminho de volta para a janela, sem solta-la quando a coloco no chão; mesmo quando ela sobe no parapeito da janela e permite que suas pernas balancem do outro lado. Isso começa a fazer sentido, pouco a pouco, peça por peça, como Violet nunca conseguia compreender o perigo, pelo menos é o que eu pensava. Mas agora, eu entendo-a, ela apenas recebe-o com prazer. De fato, parece acalmá-la como o álcool e jogos de azar fazem comigo. Depois do que parecem mil respirações profundas, ela finalmente relaxa contra mim. — Não é o mesmo com você me segurando, — ela murmura, mas não tenta escapar dos meus braços ou dizer-me para lhe soltar. Ela só inclina a cabeça no meu peito e eu descanso meu queixo no topo da sua cabeça, segurando sua preciosa vida, orando a Deus para não nos deixar cair.


12 Violet A primeira coisa que vem à minha mente quando eu acordo é que me lembro de perder o controle. Completamente e totalmente, bem na frente de Luke. Eu estava tão bêbada que não dei a mínima, mesmo quando parecia que eu estava assustando a merda fora dele. Mas quando acordo no dia seguinte, é uma outra história. Quando abro meus olhos, sinto um peso em cima de mim. Eu percebo que é o braço de Luke e que nós estamos encolhidos na cama, nossos corpos estão próximos um do outro, não há espaço para mais nada. A minha bunda está pressionada contra sua parte viril, que está me agraciando com sua ereção matinal. Ele tem o rosto colado na parte de trás do meu pescoço, seu hálito quente acariciando a minha pele e nossas pernas estão entrelaçadas, o vestido que estou usando acabou subindo, assim estou mal vestida e sua mão está descansando suavemente na minha lateral. O seu cheiro me oprime e tudo o que posso pensar é: por favor, apenas congele este momento e nunca deixe-me avançar ou retroceder novamente. Estou surpresa com o quão satisfeita me sinto, especialmente após o drama da noite passada. Mas talvez isso só seja a negação. Eu não quero admitir que fiquei tão bêbada que desmoronei completamente e ele descobriu o meu pequeno segredo sujo. Só Deus sabe o que eu disse a ele... Eu me lembro de algumas coisas sobre a dor... E Preston... Caramba, eu disse a ele sobre as contusões e o boquete?


Eu penso em erguer seu braço e esgueirar-me antes que eu possa descobrir. Encontrar uma carona e ir para casa para evitar o confronto. Mas, tecnicamente eu não tenho uma casa, por isso seria apenas voltar para Laramie e tentar encontrar um banco para dormir até que eu possa chegar a uma situação de vida alternativa. — Como você está se sentindo? — Luke fala da parte de trás do meu pescoço enquanto pressiona um beijo suave no local, exatamente onde minhas tatuagens estão, me assustando. Meu corpo se contorce quando ele afasta meu cabelo do meu ombro e começa traçar círculos suaves com o dedo. — Bem, eu acho, — digo a ele. — Eu estou com um pouco de dor de cabeça, mas nada que alguns analgésicos não possam resolver. — Eu forço meu tom a sair claro, espero que ele entre no jogo e finja, me deixe ficar na terra do faz de conta. — E quanto as outras coisas? — Sua mão desliza lentamente do meu ombro para minha lateral, então repousa sobre o lado da minha perna, pele nua com pele nua, a palma da mão diretamente sobre as minhas contusões. Eu fecho meus olhos e respiro fundo várias vezes antes que eu possa dizer: — Eu não sei o que dizer... Eu sinto muito. Sua mão fica tensa na minha perna. — Por quê? Abro os olhos e olho para a parede. — Por agir como uma psicopata com você na noite passada. — Você não agiu como uma psicopata comigo na noite passada. Você teve um fodido ataque de pânico, que eu entendo totalmente. Confie em mim. Eu tive o meu quinhão deles. — Uma pausa, então sua mão desliza pelo meu corpo até meu pescoço, parando no meu queixo. Ele vira a minha


cabeça em sua direção, forçando-me a girar meu corpo para que eu esteja encarando-lhe. Ele parece tão desgastado, os círculos sob seus olhos ainda mais definidos e sua pele ainda mais pálida do que o habitual. Ele está sem camisa, o cobertor cobre apenas a sua parte inferior me dando um vislumbre do seu peito nu. Ele ainda está em forma e tudo, mas parece ter perdido um pouco de peso. Estou começando a me preocupar, que talvez ele não esteja cuidando de si mesmo o suficiente com a sua diabetes, mas como faço para dizer isso a ele? — Eu quero que você me diga o que aconteceu com Preston. Eu balanço minha cabeça, meus lábios tremendo enquanto aperto-os firmemente juntos, ficando fraca apenas com a menção do seu nome. — Eu não posso. — Eu sei que é difícil, — ele diz, seus dedos se espalhando por todo o meu rosto. — Mas eu preciso que você me diga... Se ele te machucou, então eu... Eu cubro sua boca com a mão. — Eu não quero que você machuque-o, — afirmo com firmeza. — E não porque eu me preocupo com ele, eu só não quero que você se machuque. — Eu espero um minuto, em seguida, abaixo a minha mão. Ele range os dentes em frustração. — Se eu lhe prometer que não vou machucá-lo, você me diria? — Parece que ele tem que se esforçar para conseguir autocontrole para dizer isso. Ele quer que eu fale de boa vontade sobre meus problemas? — Eu odeio falar sobre essas coisas em voz alta, — Eu admito. — Você não acha que é muito mais fácil apenas manter as coisas para si mesmo? Especialmente quando se é a razão por ter acontecido em primeiro lugar? Quero dizer, seria muito patético para mim lamentar sobre qualquer coisa que aconteceu quando eu dei esse direto à ele.


Ele considera o que eu disse, então me atordoa quando vejo uma pitada de raiva transparecer em seus olhos. — Eu costumava pensar que era melhor manter as coisas para si mesmo, — ele diz. — Mas não tenho mais tanta certeza. Não desde que conheci você... E você está fugindo do que não foi culpa sua. Sim, eu gostaria que você apenas tivesse ficado... Mas entendo por que você teve que sair. — Eu deveria ter voltado depois que você ligou para a polícia e denunciou sua mãe... As coisas teriam sido menos terríveis se eu tivesse feito isso, — murmuro, em seguida, engulo em seco, minha mente correndo com cada má escolha que eu fiz. — Não foi como se eu tivesse lutado contra isso ou qualquer coisa. Era o nosso negócio enquanto eu estava lá. — Ar dentro, ar fora. Respire. — Ele me deu um teto sobre minha cabeça e em troca eu tinha que tocá-lo... Pelo menos foi assim no começo. Mas, em seguida, uma semana depois, eu errei em um negócio estúpido e ele ficou super chateado e meio que me forçou a ficar de joelhos para... — Eu faço um gesto com a mão. — Bem, você sabe. E foi daí que as contusões vieram. Eu bati minha perna na cama quando ele me empurrou, — eu digo. O rosto de Luke passa de pálido para vermelho, sua respiração acelera, seus dedos apertam com força a minha bochecha, como se estivesse lutando contra o desejo de não acerta o punho em algo. Eu sinto a necessidade de acrescentar algo. — Você não deve ficar bravo com ele. Na verdade, você deve estar com raiva de mim. Eu nunca deveria ter voltado para ele. Eu teria estado melhor vivendo nas ruas, mas fiquei com muito medo de fazer isso de novo e, honestamente, por alguma razão, eu não queria estar sozinha no mundo e Preston ainda é a única família que tenho, tão fodido como é. Eu estava fraca e achei melhor deixar do jeito que estava. — Eu dou de ombros e continuo. — As coisas que me aconteceram - aonde eu fui me meter - é minha culpa. Na verdade, é o meu tipo de coisa. Eu


sou descuidada e não penso nas consequências e onde estou me metendo. Casa, família. E agora eu estou pagando pelos meus erros. — Você diz isso como se merecesse. — Ele parece perplexo, a raiva desaparecendo ao choque. — Às vezes eu acho que mereço, — eu admito, pela primeira vez em voz alta. — Eu penso em todas as vezes que fui transferida de casa em casa. Eu sempre fingia que não importava se eles não me queriam. Mas acho que foi mais um mecanismo de defesa do que qualquer coisa... Eu poderia ter tentado mais duro ser uma filha melhor, mas eu era muito teimosa e tinha muito rebelião em mim. Ele olha para mim, sua expressão ilegível, uma mão no meu quadril, a outra no meu rosto. Eu posso sentir sua pulsação através dos dedos. Parece que ele está procurando as palavras certas, mas eu não quero que ele diga qualquer coisa. Eu não quero ouvir como ele acha que não é verdade, que eu sou melhor do que isso, que foi a culpa de todos, menos minha. — Eu não quero sua piedade, — digo a ele. — Eu estava apenas dizendo os meus pensamentos em voz alta. — Eu não estava indo lhe dar minha piedade, — ele responde, lembrando-me da razão de eu estar atraída por ele em primeiro lugar. — Eu ia dizer que quando voltarmos para Laramie, eu quero que você fique com a gente. — Quando eu começo a abrir a boca para dizer, bem, eu não tenho certeza, ele fala por mim, — eu vou dormir no sofá e você pode ficar com o quarto. Seth e Greyson estarão completamente bem com você estando de volta. Na verdade, Seth disse algo sobre sentir sua falta, mas não diga isso a ele. — Ele faz uma pausa como se estivesse esperando que eu concordasse, mas não tenho certeza se estou pronta ainda. — E se você quiser,


podemos trabalhar em algum tipo de cronograma onde não temos que estar na casa ao mesmo tempo, exceto quando estivermos dormindo. É incrível como é fácil fugir dos problemas. Correr de volta para Preston parece mais fácil do que voltar para Luke. Sim, tem a ver com a sua mãe, mas acho que sempre foi mais do que isso. Acho que era mais fácil fugir, porque significava fugir do que eu estava sentindo. Naquela noite, quando ele me disse sobre sua mãe me deixou tão mal que eu sabia que estava apaixonada por ele. Difícil. Eu nunca tive essas emoções poderosas em direção a alguém antes e isso me assustou. — E a coisa sobre sua... Mãe? — Eu pergunto, estremecendo quando me lembro da primeira e única noite em que conheci sua mãe, como ela parecia louca enquanto cantava aquela canção com o sangue dos meus pais em suas roupas. — E se algo acontecer, como se ela for presa? Isso não vai tornar as coisas estranhas? Mais do que já estão? Ele parece perplexo, seu queixo cai, seus olhos arregalam. — Porra, eu espero que eles a prendam. Na verdade, eu estive esperando por isso toda a minha vida. O silêncio se estende entre nós enquanto ele deriva em pensamento, rolando para suas costas, seu olhar flutuando para o teto enquanto eu examino sua expressão, tentando descobrir o que ele poderia estar pensando. — Foi muito ruim? — Atrevo-me a perguntar. Eu ouvi algumas histórias dele, histórias horríveis, mas estou supondo que há mais do que isso, mais do que ele não me disse ainda. — Com a sua mãe, quero dizer... Foi apenas a coisa com drogas? Ou havia mais? Sua respiração prende em sua garganta, os olhos grudados no teto enquanto ele luta com algo internamente. Estou prestes a


dizer-lhe que não importa, que ele não tem que falar sobre isso se não quiser, mas, em seguida, ele começa a falar. — Ela gostava de inventar uns jogos, — ele diz, com a voz vacilante. — Aqueles que você nunca conseguiria ganhar, mas tem que tentar, ou então você pagaria também. Houve um tempo em que ela desarrumou toda a casa e, em seguida, me disse para limpá-la, mas o problema era que tudo tinha que ser colocado no lugar certo, caso contrário, eu teria que passar um tempo com ela... Dias... Que devia soar divertido, mas sua ideia de passarmos um tempo juntos não era o normal relacionamento entre mãe e filho. Mais como um animal de estimação... Só que ela gostava muito desse animal de estimação... — Ele aperta os olhos e me pergunto se está tentando conter as lágrimas. — Sabe o que realmente foi uma merda? Foi deixá-la me obrigar a fazer todas aquelas coisas, porque eu tinha muito medo dela. — Você era apenas uma criança, — digo a ele. — Não foi culpa sua. —Eu sabia que o que ela estava fazendo era errado, mas eu não fiz nada para tentar pará-la, porque eu tinha medo, ainda tenho às vezes. Um homem adulto e apenas o som da sua voz me faz sentir tão irritado e impotente. Assim como Preston faz comigo. Deus, nós temos muito em comum. Se não fosse por uma coisa, então talvez nós poderíamos ter algo bom. Ele ainda permanece em silêncio por algum tempo, enquanto eu quero saber exatamente o que ele está tentando dizer, ler nas entrelinhas. Sua mãe claramente lhe machucava, mas parece que há muito mais do que isso, muito, muito mais. Coisas escuras. Coisas que eu deveria saber. Coisas que as pessoas fazem por trás das portas - eu vi um monte de merda


na minha vida. Mas acho que Luke poderia ter visto mais, que é tão triste que machuca meu coração. Quando ele abre os olhos de novo, ele rola em minha direção e começa a acariciar minha bochecha com seu dedo. — Sinto muito. Eu não deveria estar falando com você sobre isso. Você passou por sua própria merda, e a última coisa que precisa é me ouvir balbuciando sobre os meus problemas. — Está tudo bem. Fui eu quem perguntei, — eu digo, lutando para manter minha voz. Muitas emoções, caramba, eu não posso continuar fazendo isso. Faço uma pausa, inspirando e expirando em voz alta, prestes a dizer algo que eu nunca pensei que diria em voz alta. — Luke... Sua mão para de se mover na minha bochecha, seu polegar traçando uma linha abaixo do meu olho. — Sim? — Quando eu não digo nada de imediato, ele acrescenta, — Você pode dizer o que quiser para mim, bom ou ruim. Eu mereço tudo o que vim. — Acho que eu agi errado em fugir aquele dia. — As palavras saem dos meus lábios e colide com a terra como um vidro frágil. Ao longo dos últimos dois meses, eu pensei nisso muitas vezes. Toda vez que acordava dos meus pesadelos sozinha. Toda vez que via um lugar em que Luke e eu compartilhamos algum tipo de momento juntos. Toda vez que Preston tocavame... Era quando eu mais me arrependia da minha decisão. Mas admitir e voltar para o lugar que eu estava antes de deixar Luke, sempre pareceu fora de alcance. Mas e se estiver bem aqui, na minha frente? Apenas deixe ir. A ideia soa como a voz do meu pai, mas a coisa é, eu não o conhecia bem o suficiente para saber se ele seria o tipo de pessoa que iria querer que eu guardasse rancor ou deixasse-o


ir. Eu era muito jovem quando ele morreu, apenas começando a conhecer ele e minha mãe. Eu quero acreditar, porém, que eles eram boas pessoas, apesar do que qualquer outra pessoa diga. — Você tinha todo o direito de sair. — Ele faz uma pausa, contemplando alguma coisa, então de repente se senta, levando seu calor com ele. Ele passa a mão pelo cabelo. — Quer saber de uma coisa? Eu acho que estou indo tentar ajudá-los. Quando voltarmos, acho que vou fazer-lhe uma pequena visita. — Eu não acho que é uma boa ideia. — Eu me apresso e sentome, alongando minhas pernas que ainda estão debaixo do cobertor. — Eu não quero que você esteja ao redor dela. — Eu não quero estar perto dela também, — ele diz com uma voz firme. — E talvez se nós conseguirmos levá-la para trás das grades, eu nunca vou ter que vê-la de novo. A ideia de conseguir colocá-la atrás das grades me faz sentir melhor, mas ainda assim, não estou muito otimista, então o conceito de que isso vá realmente acontecer parece fora de alcance. — E sobre o outro cara? Você acha que ela vai dizer quem é? Ele gira na cama, puxando os joelhos para fora do cobertor. Ele só está usando boxers e posso ver praticamente tudo dele, incluindo o hematoma enorme sobre sua caixa torácica, onde o guarda-costas de Geraldson, ou o que quer que o grandalhão seja, bateu-lhe. Luke coloca o braço na perna e se inclina para perto de mim. — Eu não tenho certeza, mas nós vamos descobrir isso. Eu vou fazer tudo que posso, mas por favor, me diga que você vai voltar para casa comigo. Casa? Parece uma palavra estrangeira.


Eu não concordo, não estou pronta ainda. Mas eu quero e tem que ser algo. Ainda há muito entre nós que não foi dito ainda. E eu poderia continuar fugindo e nunca ter que falar sobre isso, mas a verdade é que eu realmente não quero mais. Estou cansada de fugir de tudo e de todos. Eu venho fazendo isso há quase quatorze anos e talvez seja hora de fazer uma pausa. *** Depois de conversamos um pouco mais, sobre coisas mais leve, eu percebo que a bateria do meu celular descarregou ontem à noite assim eu encontro um carregador e coloco nele. Há uma mensagem do detetive Stephner, me dizendo para ligar para ele o mais cedo possível, mas quando ligo, vai direto para caixa postal. Então eu deixo-lhe outra mensagem e desligo o celular. Eu tiro uma soneca enquanto espero, porque, aparentemente, entre a energia que eu perdi durante o ataque de pânico e a ressaca, estou exausta. Quando acordo, já é noite e Luke está usando jeans, uma camisa preta e botas, o seu cabelo penteado e seu rosto barbeado. Ele está deitado na cama ao meu lado, em cima do edredom e o caderno que o vi colocar em sua bolsa antes aberto em seu colo, os olhos nas páginas. Seja o que for que tenha lá está deixando-o com os olhos brilhantes, seus dedos tremendo quando ele vira a página. — Tudo bem? — Eu pergunto, sentando-me na cama e esticando meus braços acima da minha cabeça. Ele salta e pressiona a mão em seu coração, assustado. — Jesus, você assustou a merda fora de mim.


Olho do caderno para seus olhos arregalados. — Eu posso ver. — Faço uma pausa, olhando para o caderno novamente. — O que você está lendo? Ele balança a cabeça, fechando o caderno. — É... Foi... — Ele toca na faixa de couro em seu pulso que sempre usa, traçando os dedos sobre a palavra Redenção. — Minha irmã, o diário de Amy... Minha mãe... Enviou para mim algumas semanas atrás. — Ele define o diário de lado, balançando a cabeça. — Eu não tenho ideia por que ela fez isso. Acho que foi mais um dos seus jogos para tentar me fazer voltar para casa, como se me fazer lembrar de Amy iria rasgar-me o suficiente para que eu precisasse estar com ela ou algo assim. — Ele revira os olhos. — Ela foi estúpida, no entanto. Ela não deve ter lido antes de me enviar porque há um monte de provas que poderiam incriminá-la, o que me faz querer nunca mais vê-la novamente. — Ele faz uma pausa, parecendo em conflito, brincando com um pequeno buraco em seu jeans. — Embora ela deveria tê-lo lido e é muito louco ver o quão ruim isso a faz parecer. Estou prestes a dizer... Bem, alguma coisa, porque parece que eu preciso, mas, em seguida, ele abruptamente muda de assunto. — Estou feliz que você acordou antes de eu sair para jogar. Queria falar com você sobre algo. Eu franzo a testa, puxando meus joelhos de debaixo de mim, então afasto meu cabelo indomável do meu rosto. — Por que você disse isso assim - como se eu não fosse? — Porque você não vai. — Ele me oferece um sorriso torto sexy, como se me deslumbrando com seu charme vai torna isso mais fácil para ele. — Eu não quero ter a necessidade de me certificar de que você está segura durante a noite toda.


— Não tente sorrir dessa maneira, Sr. Estoicamente arisco, — eu digo, elevando minhas sobrancelhas para ele. — Eu quero ir. Ser útil. Não apenas ficar aqui e sinto que estou indo ficar louca com a tranquilidade. — Algo muda em sua expressão, como se compreendesse algo, sua língua desliza para fora da sua boca para molhar os lábios. — O que foi? — Eu pergunto, não tenho certeza se ele parece chateado ou dolorosamente aliviado, talvez ambos. — Não é nada. — Ele balança a cabeça, o olhar colado no meu. — É só que você usou o meu apelido. — E... — Eu estou tão confusa. — E que eu não o ouvi sair da sua boca desde que você o usava quando está querendo me irritar. — Ele está certo. Eu só usava quando estava brincando com ele ou tentando deixá-lo irritado porque ele fica sexy quando está frustrado, quando está a beira de perde para mim. — Eu senti falta disso, — acrescenta, parecendo como se fosse me beijar. E eu quero que ele faça isso desesperadamente, não apenas porque a cada beijo seu parece como se estivesse apagando mais e mais os beijos de Preston, mas porque quando seus lábios estão nos meus, eles são a única coisa que eu posso sentir, o meu próprio substituto para o meu vício de adrenalina. — Você não vai me beijar? — Eu finalmente pergunto depois que se passa um minuto com ele olhando para minha boca. Eu estremeço com o desespero na minha voz, quase ofegante. Ele dá um sorriso, elevando as sobrancelhas. — Você quer que eu te beijar? Eu ajo de forma indiferente. — Você está jogando comigo, o Sr. Estoicamente arisco?


— Se eu estivesse, eu estaria ganhando. — Seus lábios se curvam, divertido, e por um momento incrível, parece que estamos no passado novamente, desafiando um ao outro. Eu não quero perder e admitir o quanto quero beijá-lo e nem ele. Idiota teimoso. — Você quer saber de uma coisa? — Pergunto, então me inclino, meus lábios pairando sobre o seus. — Eu vou ganhar. — Com isso, eu pressiono meus lábios nos dele e dou-lhe um beijo apaixonado, minha língua abre sua boca para encontrar a sua enquanto meus braços o cercam e meus dedos passeiam pelo seu cabelo. — Como você sabe que ganhou? — Ele pergunta entre beijos, sua mão se emanharando pelo meu cabelo. Eu sorrio internamente, quase rindo em voz alta pelo meu brilho. — Porque eu levei o beijo de você. Ele deixa escapar uma risada rouca, de repente, o beijo se tornando muito mais aquecido enquanto ele se inclina em minha direção e me empurra para trás, cobrindo meu corpo com o seu. — Se for esse o caso, — seus dedos deslizam pelo vestido que ainda estou usando desde ontem à noite, fazendo o caminho até a minha perna, pronto para entrar em mim. Não querendo dar-lhe a vitória, porém, eu movo minha mão para baixo e afasto seus dedos, apesar do quanto meu corpo protesta. Ele deixa escapar um rosnado, mas antes que possa chegar a mim de novo, eu coloco minha mão em sua calça jeans e começo a esfregar no local, fazendo-o ofegar, seu corpo fica rígido enquanto eu aperto-o e movo a minha mão para cima e para baixo. — Droga, Violet, — ele geme em meu ouvido, beliscando minha pele, dentes perfurando o local e fazendo aquelas


borboletas no meu estômago vibrarem novamente. Huh? Eu acho que não foi o Jager e a vodka. Com seu corpo sobre o meu, seus braços lutam para sustentar seu peso, eu acaricio-o, sem nem mesmo ter certeza do que diabos estou fazendo, mas continuo. Sem desgosto. Sem vergonha. Apenas desejo. Tanto desejo. Acho que ele está prestes a atingir a borda e eu estou sorrindo para mim mesma, porque tecnicamente eu meio que ganhei, pelo menos na minha cabeça. Mas, em seguida, alguém bate na porta e minha mão instintivamente faz uma pausa e Luke solta um gemido em protesto. — Luke, temos que ir! — Seu tio grita, batendo na porta novamente. — Ou então nós vamos chegar atrasados e eles não vão nos deixar entrar esta noite. — Só um segundo! — Luke grita de volta, parecendo irritado. Seus olhos fechados e pressiona o rosto na dobra do meu pescoço enquanto agarra o cobertor, tentando se acalmar. — Não a apenas um segundo! — Seu tio bate na porta repetidamente. — Nós já estamos abusando da sorte! Balançando a cabeça, Luke range os quadris contra a minha mão mais uma vez. — Eu estou indo fodidamente machucá-lo por isto, — resmunga. Em seguida, com outro grunhido de protesto, ele se empurra para longe de mim. Minha mão saindo da sua calça jeans e ele ajusta a si mesmo enquanto se senta, parecendo estar com dor. — Você está bem? — Eu estou tentando não rir, mas é difícil. Ele aperta os olhos para mim. — Você acha que isso é engraçado? — Ele pergunta, então se inclina em minha


direção com um olhar escuro, com fome em seu rosto. Eu acho que ele vai me beijar, mas, em seguida, ele diz com uma voz rouca, — Espere até eu voltar. Eu estou ganhando a próxima. — Com isso, ele se levanta, pega a carteira da mesa de cabeceira, e enfia no bolso de trás da calça jeans, parecendo muito satisfeito consigo mesmo. Eu rolo no meu estômago e descanso meu queixo em minhas mãos enquanto olho para ele. — Você realmente vai me deixar aqui? — Bem, eu realmente não tenho uma escolha mais, — ele diz, agarrando a maçaneta enquanto Cole continua batendo do outro lado, deixando Luke irritado. — Eu tenho que ir agora, mas provavelmente não teria deixado você ir de qualquer maneira. Dou-lhe um olhar sujo. — “Não iria me deixar ir”? Sério? O que é isto? 1950? — Não, eu só me importo muito com você. Eu saio da cama e atravesso o quarto indo até ele, notando que ele parece um pouco pálido novamente. Eu o vi injetar-se outra injeção esta manhã, por isso espero que isso vá ajudar com sua palidez e cansaço. Eu não sei o suficiente sobre diabetes. Eu estou começando a me preocupar mais e mais embora. Eu o vi tão bêbado uma vez que ele acabou precisando da minha ajuda para verificar o açúcar em seu sangue e dar-lhe comprimidos. — Tudo bem, eu vou deixar você me deixar aqui, — eu digo e ele começa a sorrir. — Agora vá ganhar muito. — Eu pressiono meus lábios nos dele, dando-lhe um beijo rápido, em seguida, dou um tapa em sua bunda. — Assim que se faz no campo de futebol, certo?


Ele balança a cabeça, tentando não rir de mim. — Por favor, fique longe de problemas, — ele diz quando vira a maçaneta da porta. Revirando os olhos, eu dou-lhe uma saudação. — Sim chefe. Um olhar pensativo aparece em seu rosto. — Você deve começar a me chamar mais assim. Eu gosto, — ele diz e eu balanço minha cabeça, brincando e beliscando sua lateral. Ele ri e abre a porta todo o caminho. Cole está de pé lá com os braços cruzados, parecendo irritado, louco, bêbado e, entre outras coisas. — Eu sei que parece legal e tudo, — ele diz a Luke severamente. — Mas não com isto. Se eu te colocar nas conexões, é melhor você seguir as regras ou então eu vou deixá-lo por sua própria conta. Eu posso dizer que isso irrita Luke, e ele provavelmente tem que morder a língua com muita força para se manter calmo. — Bem, eu estou pronto agora, então vamos em frente. Cole olha para ele, em seguida, olha por cima do ombro para mim. — Ryler vai ficar aqui com você, ele está no andar de baixo caso você queira ir falar com ele. Eu aceno enquanto Luke fecha a cara para Cole. — Vou me vestir e descer. — Então eu aceno para Luke e fecho a porta antes que ele possa surtar mais. Eu coloco uma regata e calça jeans, desejando ter trago uma bermuda, mas não achei que seria tão quente. Então vou para o andar de baixo para ver se posso tolerar qualquer tipo de alimento. Eu não tive muitas ressacas em minha vida, mas estou aprendendo rapidamente que deixa meu estômago super enjoado.


Quando chego no andar de baixo, Ryler está sentado na mesa da cozinha, comendo um sanduíche, uma música toca em segundo plano enquanto ele joga paciência. Ele parece realmente concentrado, torcendo um dos seus piercings na sobrancelha, perdido em pensamentos profundos. Quando ele percebe minha presença, ele luta contra um sorriso. Se sentindo melhor? Eu suspiro e faço o meu caminho até a mesa. — Sim, desculpe por ontem à noite. Eu fico um pouco intensa quando estou bêbada. Tudo estava bem. Ele vira uma carta e, em seguida, estuda seu próximo movimento. Divertido mais do que qualquer coisa. — Bem, eu estou feliz que você pense assim, — eu digo, em seguida, aponto para o sanduíche em seu prato. — Se importa se eu fizer um para mim? Ele balança a cabeça, colocando as cartas de lado e se levantando. Eu vou fazer um para você. Eu balanço minha cabeça e faço um sinal para ele se sentar. — Obrigada, mas eu estou bem. — Eu abro a geladeira. — Eu sou totalmente independente. Sim, eu posso ver isso. Ele pega o baralho de carta, mas depois parece que quer me dizer algo enquanto eu pego a maionese, presunto e queijo. Finalmente, ele coloca o baralho na mesa. Então, como você aprendeu a linguagem de sinais? Eu fico tensa e ele deve notar porque acrescenta: Você não tem que me dizer se não quiser. — Não, está tudo bem... Eu acho. — Eu coloco duas fatias de pão sobre um prato no balcão. — Aprendi com um dos meus


irmãos adotivos. — Eu não olho para ele, não quero ver a reação em seu rosto ao saber que eu sou órfã, e mantenho minha atenção em meu sanduíche. Coloco maionese no pão, presunto, queijo e pronto. Quando eu finalmente pego o sanduíche, descubro que ele está olhando para mim. E, em seguida, suas mãos se movem em sua frente. Eu cresci em lares adotivos também. Estou a ponto de dar uma mordida e é uma boa desculpa para não responder imediatamente, mas eu realmente estou tentando me recompor. Este é um assunto pesado, eu não gosto de falar sobre meu tempo sendo passada de família em família. — Como assim? — Eu finalmente pergunto depois de engolir e sento-me à mesa. Meus pais não podiam cuidar de mim. Ele sinaliza tão casualmente, mas eu posso ver a dor que emite dos seus olhos. — Mas você está com o seu pai agora, certo? — Eu tiro um pedaço da crosta do pão. Eu sei, mas ele não me quis até meus dezoito anos, quando eu estava muito bem por conta própria. Eu me sinto mal por ele. Eu perdi meus pais e fui forçada a viver com outras pessoas. Os pais de Ryler deram-lhe por opção. — E a sua mãe? Ele dá de ombros. Vamos apenas dizer que ela nunca esteve pronta para ser mãe... Então, muito honestamente, eu ainda acho que meu pai não está pronto para ser um pai agora. Ele age como uma criança, por várias vezes, e é difícil confiar... Às vezes me sinto como o pai. Ele faz uma pausa, balançando a cabeça em seus próprios pensamentos. E você? Onde estão seus pais?


Eu hesito. Deus, como diabos eu acabei nesta conversa? — Eles morreram quando eu tinha cinco anos... — Minha voz trava e eu limpo minha garganta. Eu sinto muito. Eu aceno e procuro mudar de assunto, ficando tão cansada de ouvir "eu sinto muito". Eu sei que as pessoas querem ser agradáveis, mas não muda nada. — Eu gosto dessa música, — eu digo, apontando para o iPod. Ele me dá um olhar interrogativo, notando a minha necessidade de mudar de assunto, mas deixando passar. Sim, Taking Back Sunday é uma boa banda. Ao vivo também. — Eu vi uma vez, um par de anos atrás, — eu digo e dou outra mordida no sanduíche. — Foi super foda. Continuamos falando das nossas bandas favoritas, mas meus lábios estão se movendo quase roboticamente, meus pais ocupam a maior parte dos meus pensamentos. Eu só fico pensando sobre como seria se eles estivessem vivos, como Ryler com seus pais? Claro que nunca poderia acontecer, mas às vezes é bom fingir, como eu fiz no primeiro ano ou algo assim depois que eles morreram. Na verdade, é a primeira vez que eu realmente penso sobre eles sem sentir pânico. Adicionando a conversa leve com Ryler e as coisas estão indo muito bem. Isto é até o meu celular vibrar loucamente dentro do meu bolso. Deve ter havido um atraso quando a bateria descarregou por causa de um fluxo de mensagens de texto que começam a chegar, o tempo varia entre ontem à noite para apenas algumas horas atrás. Desconhecido: Tenho pensado bastante em quanto eu quero te machucar.


Desconhecido: Você acha que me ignorando vai me fazer parar. Pense de novo. Desconhecido: Esta merda está ficando velha já. Desconhecido: Você me dá nojo, ficando com o filho da mulher que tirou a vida dos seus pais. Desconhecido: Sua puta. Responda minhas mensagens. Desconhecido: Vai se foder. Desconhecido: Se você não me responder agora, algo ruim vai acontecer. Desconhecido: Eu sei que você está em Las Vegas. Espero que você se divirta. Estarei esperando por quando você voltar. Elas terminam, exatamente daquele jeito. Não é um fim para mim, porém, mas o início de um ataque de pânico se eu não encontrar uma maneira de me acalmar. Porque ele sabe onde eu estou, mas qual é a questão? Como é que ele descobriu, quando ninguém sabe que estou aqui? As únicas pessoas que sabem estão aqui comigo... E Greyson. — Merda. — Eu pulo da cadeira, assustando Ryler. Ele olha para mim com preocupação, murmurando o que há de errado. Mas eu não respondo, discando o número de Greyson. Toca quatro vezes e, em seguida, vai direto para o seu correio de voz, por isso deixo-lhe uma mensagem para ele ligar para mim imediatamente. Ele poderia estar apenas no trabalho, mas e se ele não estiver. E se alguma coisa aconteceu com ele... E se o desconhecido está com ele. Deus, eu não quero pirar, mas estou prestes a fazer. Lâminas. Agulhas. Lâminas. Agulhas. Elas estão cutucando loucamente debaixo da minha pele.


— Você pode me dar licença por um segundo? — Pergunto a Ryler e quando ele balança a cabeça, eu corro até o quarto de hóspedes, sem saber o que fazer. No começo só estou pensando sobre mim e sobre as muitas maneiras que eu poderia me machucar, mas, em seguida, todos os meus pensamentos vão para Greyson. Estou preocupada com ele. Eu. Violet Hayes. Preocupada com alguém além de si mesma. Na verdade, eu estou preocupada com um monte de gente no momento. Então eu clico no número de Greyson novamente, fechando meus olhos, e prendendo a respiração, cruzando os dedos que ele vai atender. — Por favor, por favor, Greyson, atenda. Ele não atende, porém, assim eu acabo ligando mais dez vezes, uma e outras vezes, tornando-me uma espécie de stalker. Finalmente, ele atende, mas parece está muito, muito malhumorado sobre isso. Mas estou aliviada ao ouvir sua voz. — Que diabos, Violet, — ele murmura no telefone. — Eu estou no trabalho, preenchendo seu turno. Lembra-se? — Merda. Desculpe, mas é realmente importante. — Sento-me na cama e deito-me de costas. — Você disse a alguém que eu estava em Las Vegas com Luke? Há alguns barulhos de pratos ao fundo. — Sim, Seth. Mas é só. — Será que ele disse a alguém? — Provavelmente. Ele diz tudo a todos. — Ele faz uma pausa e eu posso ouvir o gerente da lanchonete gritando algo no fundo. — Espere? Eu não deveria dizer nada a ninguém? — Não, está tudo bem, mas... — Eu vacilo, me perguntando se deveria dizer a ele o que realmente está acontecendo. Eu


odeio dizer os meus problemas para as pessoas, mas não parece que eu tenho uma escolha mais. — Não é realmente um grande negócio ou qualquer coisa, eu só recebi algumas mensagens estranhas e essa pessoa sabe que eu estou em Las Vegas com Luke, o que é estranho, já que ninguém realmente sabe, exceto você e acho que Seth. — Um repórter de novo? — Eu não penso assim. Quero dizer, ele poderia ser um repórter, mas eu não sei. — Eu solto um suspiro alto. — Você poderia me fazer um favor e ligar para Seth e ver para quem ele disse, apenas para que eu possa talvez ter uma ideia de quem é o idiota? — É claro, — ele diz, não pressionando mais. — Dê-me 10 minutos e eu vou fazer uma pausa e ligar para ele. Em seguida, te ligar de volta. — Obrigado, — eu digo, sentindo-me um pouco mais leve, as lâminas e agulhas não tão potentes e agudas. Então isso que é pedir ajuda? Eu realmente deveria fazer mais vezes, mas, novamente, chegando ao ponto de perguntar se parece como arrancar os dentes. — De nada, — ele diz. — Falo com você em apenas um minuto. Nós desligamos e eu tento relaxar o melhor que posso, observando os minutos passarem, mas eu só respiro livremente de novo quando Greyson liga de volta. — Então, não foi Seth, — ele diz assim que eu atendo. — Enquanto eu estava falando com Seth ao telefone, Benny me ouviu falar sobre isso e disse que um cara que veio jantar aqui no outro dia, perguntou onde você estava.


Minha boca se inclina para um olhar severo. — Você disse a Benny onde eu estava? — Bem, só porque eu estava preenchendo seu turno. Mas Benny não sabe que você está com Luke, então eu não sei como descobriram isso. Mas Seth prometeu que não disse uma palavra e ele pode ser um fofoqueiro, mas com certeza não é um mentiroso. Ele é, na verdade, o oposto por ser muito sincero. — Sim, eu sei. — Eu suspiro, cansada, querendo saber se o desconhecido é o cara que perguntou sobre mim. E por que é importante para ele me rastrear? Quem poderia ser? A outra pessoa naquela noite? Poderia ser possível porra? A ideia faz com que meus cabelos fiquem em pé. — Obrigado por descobrir isso. — Não tem problema. — Ele hesita, então, pergunta: — Tudo bem? — Sim, acho que sim. — Eu me forço a derrubar a parede de novo, a que eu sempre tento colocar quando as pessoas querem falar comigo. — Eu fiquei super bêbada ontem à noite embora. — Isso não soa como você. — Eu sei. Foi uma decisão impulsiva que me levou a gritar comigo mesma por dormir enquanto Luke cuidava de mim... Eu me sinto como uma imbecil. Sério. Eu costumava ser tão forte e durona e agora sou uma bagunça quente. — Todo mundo pode ser uma bagunça quente, às vezes. Confie em mim.


— Sim, eu sei, mas odeio fazer as pessoas terem que cuidar de mim. — Tenho certeza que Luke não se importou, Violet, — Greyson assegura. — Na verdade, ele provavelmente meio que deve ter gostado, vendo como ele está apaixonado por você. — Nós tivemos essa conversa muitas vezes, — Eu lembro-o. — Luke não está apaixonado por mim. Nós apenas temos... Bem, eu não sei o que temos, mas com certeza não é amor. — Você tem certeza disso? — Ele questiona cinicamente. — Porque eu acho que você só não quer admitir isso, porque tem medo - medo de deixar alguém se sentir assim sobre você. — Sim, eu tenho certeza Sr. terapeuta, — eu digo em voz baixa. — Além disso, eu nem sei o que é amor. O silêncio se estende entre nós, o tipo estranho. Nós conversamos muito, mas eu sou normalmente bastante fechada, então acho que a minha franqueza sobre as minhas emoções o chocou. — Violet, eu... Eu o interrompo. — Ei, eu posso te ligar depois? Luke acabou de chegar. — Uma mentira, mas não estou pronta para ter essa conversa com Greyson ainda e provavelmente nunca estarei. — Sim, claro. — Ele parece magoado, como se soubesse que eu estou mentindo, o que mostra o quanto ele me conhece. — Ligue-me de volta, no entanto, está bem? Eu me preocupo com você. — Sim, com certeza, — eu digo e então rapidamente desligo, meu coração disparado dentro do meu peito enquanto eu luto para recuperar o fôlego. — Eu nem sei o que é amor?


Realmente Violet? Eu preciso começar a manter minha maldita boca fechada, — murmuro para mim mesma, sentando na beira da cama e deixando minha cabeça cair em minhas mãos. Por um breve instante, eu tento lembrar como era a sensação de ser amada pelos meus pais, qual era a sensação ao ser abraçada, cuidada, sentir-se quente no interior em vez de vazia e fria. Surpreendentemente, meus pensamentos se dirigem para Luke e quando ele me acalmou ontem à noite, bem no meio de um ataque de pânico. Ninguém jamais conseguiu fazer isso antes, ou melhor ainda, até tentou me acalmar. Enquanto me deito, tentando resolver minhas emoções sem querer atirar-me pela janela, meu celular vibra no meu bolso. No começo eu acho que é o perseguidor me mandando mensagens, mas então percebo que o celular está realmente tocando neste momento. Quando vejo o nome do detetive Stephner na tela uma onda de alívio me inunda quando eu atendo. — Já era tempo, — eu digo a ele quando coloco o celular na minha orelha. — Eu estava começando a pensar que você estava intencionalmente evitando minhas ligações. — Tenho estado ocupado. — Alguma coisa em sua voz me preocupa um pouco. Não é que ele está sendo rude, mas soa ansioso. Sento-me reta. — Ocupado com o que exatamente? — Eu pergunto, curiosa. — Eu não posso dizer-lhe, no entanto, não até que saibamos com certeza, — ele diz com uma pitada de remorso. — Mas assim que eu puder você vai se a primeira a saber. Meu coração martela com força e estou começando a me preocupar seriamente que ele vai acabar saltando para fora


do meu peito. — É sobre os meus pais? Encontram provas contra Mira? Ou será que acharam a outra pessoa que fez isso? — Minhas palavras estão correndo para fora dos meus lábios a cem milhas por hora enquanto as possibilidades transmitem através da minha cabeça. É isso? O momento em que eu estive esperando? A justiça finalmente vai acontecer depois de todos esses anos? — Violet, acalme-se, — ele diz como se fosse algo tão fácil de fazer. — Eu não posso revelar oficialmente nada ainda, mas como eu disse, assim que eu puder, vou te ligar. — Isso não é justo, — Eu digo. — Você não deveria ter me ligado até que pudesse falar comigo. Ele suspira, cansado. — Eu liguei porque você pediu, lembra? Você deixou uma mensagem de voz dizendo sobre alguém estar te mandando mensagens de textos de novo. — Oh, sim. — A adrenalina passa através de mim e faz minha voz soar desigual. — No começo eu pensei que fosse outro repórter, mas essa pessoa sabe coisas sobre mim que um repórter não saberia, a menos que estejam me perseguindo. — Dê-me os detalhes, — ele diz e eu começo a tagarelar sobre o que está acontecendo e até mesmo leio todas as mensagens. — Você pode encaminhá-las para mim? — Ele pergunta quando estou quase acabando. — Eu gostaria de ter uma cópia. — Claro, — eu respondo, já enviando. — Você vai recebê-las em apenas um segundo. — Eu quero grampear o seu celular também, — ele diz, enquanto eu coloco no viva-voz para que ainda posso ouvi-lo,


enquanto verifico as mensagens. — Vamos ver se iremos conseguir encontrar o número de onde as mensagens estão vindo. — Ele envia de um número desconhecido, apesar de tudo. — Não importa. Ainda pode ser rastreável. — Quanto tempo vai demorar? — Tudo depende, mas vou começar a trabalhar nisso assim que desligar. E se você receber qualquer mensagem a mais me ligue imediatamente. — Ele faz uma pausa relutante. — Violet, eu tenho que perguntar sobre Luke. Você está realmente com ele agora como as mensagens estão dizendo? — Sim... Meio que simplesmente aconteceu. — De repente, eu me sinto culpada, especialmente com a maneira como ele diz, como se estivesse decepcionado. — Houve algumas coisas acontecendo e... Olha, eu sei quem é a mãe dele e tudo, mas ele não é uma pessoa má. — Eu nunca disse que ele era, — afirma. — Eu só estava me perguntando onde ele estava no caso de precisarmos dele por algum motivo. — Oh. — Eu faço outra longa pausa, sabendo que não há sentido em perguntar, mas não posso me parar. — Não é possível que eu possa ter um pequeno detalhe sobre o que está acontecendo? — Vou tentar lhe ligar na parte da manhã, — ele diz, ignorando a minha pergunta. — E certifique-se de está com alguém em todos os momentos. Eu não quero que você se locomova por conta própria até descobrirmos de onde estão vindo essas mensagens.


— Ok, eu vou, — eu digo, frustrada que ele ainda não vai derramar os detalhes sobre o que está acontecendo, mesmo que no fundo eu saiba que ele não pode, sem entrar em sérios problemas. — Bom. — Ele hesita, em seguida, acrescenta: — E Violet, apenas tente relaxar. Tenho a sensação de que algumas coisas boas vão acontecer em breve. Eu acho que é a sua maneira de me dar uma dica, que tudo o que está acontecendo é uma coisa boa. Pelo menos essa é a maneira que eu estou escolhendo levar. E pelo tempo que desligamos, eu me sinto um pouco mais leve, como que talvez em breve eu vou ser capaz de respirar novamente sem o peso da vida me empurrando para baixo, pela primeira vez em quase quatorze anos.


13 Luke As coisas estavam indo bem. Assim, tão bem. Violet e eu estávamos conversando e, finalmente, eu senti como se ela estivesse realmente se abrindo comigo. Mas eu deveria saber que não iria durar. Você pensaria que eu teria aprendido a lição depois de todo esse tempo, mas acho que eu sou um aprendiz lento. Atalhos. Há sempre o risco quando se trata deles. O bom dia tinha sido despencando para começar mais as horas prosseguiram. Ele começou quando eu estava lendo mais do diário de Amy e encontrei algo tão fodido, eu não poderia nem mesmo processar. A razão de Caleb ter lhe estuprado. E ler sobre isso quase me rasgou em pedaços. Eu nunca deveria saber sobre isso, minha irmã Amy tinha escrito sobre o papel alinhado, a tinta preta manchada como se tivesse chorado e as lágrimas escorriam pelo às páginas.


Eu estava prestes a chorar quando terminei de lĂŞ-lo, mas Violet tinha acordado e eu me forcei a me acalmar. Mas notei a


data no canto quando estava fechando o caderno. Dois dias antes de Amy tirar a própria vida, porque ela não conseguiu lidar com a ideia de continuar vivendo na escuridão que havia assumido sua mente. Isso me fez querer vomitar. Como minha mãe pôde fazer isso com a própria filha? Mas o fodido é que eu não estava tão surpreso quanto se poderia pensar e isso me faz preocuparme com quantas 'surpresas' estão alojadas para mim no futuro. Felizmente, através de tudo isso, eu consegui manter minha merda calma tempo suficiente para sair de casa e ficar longe de Violet. Eu tinha deixado-a, pensando que as coisas não poderiam ficar piores, até que meu tio Cole decidiu que queria trapacear demais e sem me avisar. Os chefes do armazém pegaram o que ele estava fazendo e eu acho que não foi a primeira vez que isso aconteceu com Cole. Isso é quando eles arrastam-no para o quarto dos fundos. Estou bem no meio de uma vitória e foi assim que toda a confusão começou. Cole entrou em uma briga enquanto dois caras o puxaram pelo braço e o arrastaram pelo armazém. Eu estou começando a me levantar, tentando descobrir o que fazer, se eu deveria ir atrás dele. Quando um cara grande, com pescoço grosso, vestido da cabeça aos pés de preto vem até mim. — Siga-me, — ele ordena e quando eu hesito, acrescenta: — Vai ser pior se você não vier. Rangendo os dentes, eu defino as cartas na mesa e sigo-o enquanto ele faz o seu caminho pelas mesas de poker em direção a área de trás, escondida atrás de uma parede de aço. Até o momento que chego lá, os dois caras que arrastaram meu tio estão batendo a merda fora dele, um segurando-o


pelos braços, enquanto o outro força o punho em seu intestino, rosto, braços - em todos os lugares. — Ei, — eu começo a protestar quando sou empurrado para o chão por um conjunto pesado de mãos que acabam batendo meu rosto no concreto. O gosto de sangue enche minha boca e meu queixo começa a pulsar enquanto tento me levantar, mas um pé me mantém no lugar. Eles tomam a minha carteira do meu bolso, eu tenho certeza que todo o dinheiro está lá. Não é tudo, mas é o bastante para que eu esteja em apuros. Não é demais mencionar que tudo o que ganhei esta noite se foi. — E se você voltar aqui novamente, — um dos caras diz para Cole, acertando o punho direito em seu rosto. O sangue jorra da sua boca e cai no chão. — Greford não vai deixar você sair. O cara tira o pé de cima de mim enquanto eles soltam meu tio e ele cai no chão, incapaz até mesmo de proteger sua cabeça da queda. Eu me levanto e começo a ir até ele, quando um dos caras chega até mim. Eu empurro-o de volta com força. — Nem pense sobre essa merda. Isto não tem nada a ver comigo. — Você que pensa, — o cara diz. Ele tem uma cicatriz abaixo do seu olho e uma aparência assassina em seus olhos enquanto limpa um pouco do sangue do meu tio do queixo. — Se você vem aqui com um trapaceiro, você também é declarado um trapaceiro. Regras do jogo. — Então ele estica o braço para trás e acerta um soco com o punho na minha mandíbula, certo no lado que atingiu o concreto. Instintivamente, eu reajo com meu próprio punho, atingindoo bem na lateral. Chocando-o um pouco e de repente eu estou sendo detido e o cara com a cicatriz me dá mais três socos ou quatro antes de me soltar.


Todo o meu corpo dói, mas a dor é mínima para a realidade da situação. Meu tio inconsciente, estou sem dinheiro, sem como pagar Geraldson. — Agora, tirem seus malditos traseiros daqui, — O cara da cicatriz diz e, em seguida, cospe no chão à minha frente antes de sair com os outros caras. Tropeçando para os meus pés, eu cambaleio até meu tio, machucado, espancado e quebrado, pronto para desistir. Quando chego até ele, ele parece morto, com o rosto inchado, o nariz de um azul arroxeado. Mas, em seguida, ele abre os olhos e tosse. — Bem, isso foi malditamente péssimo. — Nenhum pedido de desculpas. Sem arrependimento. Nada. Irritado e dolorido como o inferno, eu ajudo-o a se levantar e levo-o para o carro. Ele me dá as chaves, incapazes de dirigir com um dos seus olhos inchados e eu sento no assento do motorista e dirijo de volta para sua casa, minha mente correndo um milhão de milhas por minuto. Foda-se, eu estou fodido. Este é o pensamento que está correndo mais e mais na minha mente enquanto dirijo. — Devo... Devo talvez te levar para a sala de emergência? — Eu finalmente pergunto, sentindo meu próprio corpo doer com a necessidade de ser curado. Ele balança a cabeça, virando-se para a janela, murmurando: — Não há um mandado de prisão contra mim e a última coisa que eu quero é ser pego. — Por quê? — Eu pergunto, virando para a auto-estrada. — Isso não é da sua conta. — Ele repousa a cabeça na janela e permanece em silêncio pelo resto do caminho.


Depois de chegarmos em casa, eu ajudo-o a entrar e não consigo parar de pensar em meu próprio futuro e me pergunto se é assim que vou acabar. Vinte anos de idade e eu já tive meu traseiro chutado mais do que consigo me lembrar por ser pego trapaceando. E agora não tenho dinheiro para pagar Geraldson. Estou querendo saber se é assim que Cole era. Pelo que me lembro, mesmo quando tinha cinco anos de idade e ele vinte, ele estava jogando, bebendo e brigando, da mesma maneira que está agora. No momento em que tropeçamos para a sala de estar já é tarde, bem depois da meia-noite. Há uma lâmpada acesa lá, mas o resto da casa está escura, então faço o resto do caminho, o braço de Cole ao redor do meu ombro enquanto carrego a maior parte do seu peso com o meu próprio corpo golpeado. — Devagar, — ele murmura para mim enquanto passo pela porta e vou em direção ao sofá. Quando entramos, Ryler, que está sentado no sofá assistindo televisão, olha imediatamente para gente. Ele define sua cerveja para baixo e não parece nem um pouco chocado com a nossa aparência, apenas parece irritado com a visão do seu pai e a condição em que ele se encontra. Cole parece ainda pior do que antes. Todos os lugares que ele foi atingido agora estão inchados o dobro do tamanho do que quando saímos do The Warehouse. Ryler sinaliza algo curto e simples, seus movimentos rápidos. — Ei, você foi o único que decidiu não ir hoje à noite, — Cole diz enquanto lentamente se senta na cadeira ao lado do sofá e tira o braço do meu ombro. — Você sabe que eu faço essas coisas quando você não está por perto, eu não posso me parar. Ryler olha de mim para seu pai, em seguida, sinaliza algo de novo e mesmo que eu não saiba a linguagem de sinais, os


movimentos dos seus braços são o suficiente para me dizer que ele está dizendo algo duro. — Ei, Luke me pediu para ajudá-lo, — Cole protesta, tocando seu rosto inchado com as pontas dos dedos, em seguida, faz uma careta. Há sangue espalhado por toda a sua camisa rasgada e estou bastante certo de que seu nariz está quebrado. — Isso é o que eu estava tentando fazer. Se eu não tivesse sido pego, em seguida, Luke não teria que compartilhar seus ganhos comigo e teria tido o suficiente para pagar a sua dívida. — Eu não te pedi para fazer isso, — digo-lhe, não querendo ser rude, mas não quero ter culpa nisso, nem quero perder todo o meu dinheiro e estar de volta à estaca zero. — Eu teria feito uma ótima quantia em uma noite ou duas. Agora não tenho nada e nenhum jogo para ir. — Vou encontrar outro lugar, — Cole promete, reclinando-se na cadeira e colocando seus pés sobre a mesa. Ele perdeu seus sapatos em algum lugar, quem sabe onde embora. — Eu só preciso de alguns dias. — Ele fecha os olhos e deixa sua cabeça se inclinar para trás. — Eu não tenho alguns dias. — Eu esfrego minha mão pelo meu rosto, em seguida, estremeço, esquecendo que está ferido. — Estou tão fodido. — Nós vamos descobrir como lidar com isso. Não é nada que eu não lidado antes, — Cole murmura enquanto Ryler o observa, tirando a tampa da cerveja para fazê-lo abrir os olhos. Quando ele faz, Ryler sinaliza alguma coisa, mas eu não consigo entender. — Ei, eu sou bom em lidar com coisas sob pressão, — Cole diz a Ryler e depois olha para mim. — Sabe, talvez você pudesse perguntar ao seu pai se ele pode nos emprestar algum dinheiro para que possamos fazer as coisas andarem de novo?


Eu balanço minha cabeça e caminho para fora da sala. — Eu não estou pedindo qualquer coisa ao meu pai. Ele franze a testa. — Luke, essa pode ser a nossa única opção. Eu odeio a maneira como ele diz "a nossa opção", como se o seu problema se tornasse o meu. — Eu tenho meus próprios problemas, — digo a ele. — Eu não preciso de mais. — Basta pensar nisso, — Cole diz enquanto Ryler balança a cabeça, irritado, como se seu pai fizesse isso o tempo todo e ele já estivesse cansado disso. — Tenho certeza que ele faria isso por você, se você pedisse a ele. Mesmo que eu quisesse pedir a ele, não tenho tanta certeza de que ele faria ou se tivesse acesso a esse tipo de dinheiro. Mas não quero ir por esse caminho com o meu pai de qualquer maneira, por isso não é uma opção. — Eu vou sair amanhã de manhã, — eu digo a Cole, em seguida, saio da sala. Ele chama pelo meu nome, quase em pânico, mas eu sei que não é sobre mim. É sobre si mesmo. Ele é um viciado em jogos de azar. Puro e simples. Meu futuro possível, se eu não descobrir uma maneira de concertar isso. O que é uma revelação. Embora, eu nem tenho certeza se é o que aconteceu, se isso tem a ver com descobrir a verdade sobre o que aconteceu com Amy, ou se foi Violet que me fez querer ser uma pessoa melhor. Enquanto arrasto meu traseiro cansando pelas escadas, tento me lembrar como cheguei a este ponto, como errei tão mal em minha vida. Cansado. Espancado. Quebrado. Sozinho. O último pode não ser tanta verdade. Isso é realmente com Violet e se ela ira querer ficar comigo novamente. Honestamente, ela estaria melhor sem mim, pelo menos até eu consertar minhas merdas, mas sou muito egoísta para afastá-la.


Isso é o que estou tentando me convencer - a não ser egoísta quando entro no quarto e vejo-a deitada na cama, as cobertas empurradas para baixo, usando uma das minhas camisas, suas longas pernas esticadas, eu percebo que preciso dela. Através da insanidade da minha vida, Violet é a única coisa sã que tenho, mesmo que nosso relacionamento seja uma loucura completa. Ela deixou uma lâmpada acesa, por isso há uma trilha suave de luz no pequeno quarto. Eu tiro minha camisa e as minhas botas, fazendo meu caminho até a cama, parando quando me aproximo e desabotôo minha calça e tiro-a. Suas costas estão para mim, a cabeça apoiada no travesseiro, os cabelos espalhados na cama e em sua costas. Eu me inclino para frente e afasto-o para o lado, em seguida, traço meus dedos ao longo das duas estrelas em seu pescoço, sua pele tão suave e familiar, tudo o que eu quero. Eu mal me lembro da primeira vez que tive relações sexuais e todas as outras vezes são um borrão depois que conheci Violet. Claro, sexo sempre me fez sentir bem, pelo menos para mim. Não tenho certeza sobre as mulheres desde que eu não me importava nem em ficar tempo o suficiente para perguntar. Havia algo sobre ter esse tipo de controle sobre uma pessoa - onde eu poderia simplesmente ir embora antes que elas me usassem - o que me fazia sentir satisfeito brevemente. Iria desaparecer embora e eu teria que ir atrás da satisfação novamente e outra vez. Na verdade eu nunca estive com ninguém mais de uma vez, incluindo Violet, mas não porque a usei e depois fugir como fiz com o resto das mulheres com quem estive. Violet sempre foi diferente de qualquer outra pessoa com quem eu estive. Eu soube no primeiro momento em que literalmente cai em mim. Na época, eu não sabia exatamente o que a tornou diferente ou porque tive a súbita necessidade de estar em torno da mesma mulher por mais de uma hora. Mas agora acho que sei.


Porque eu estou apaixonado por ela. Mas não posso lhe dizer isso. Ainda não. Eu não estou pronto e nem ela está. Na verdade, eu não tenho certeza se ela estará pronta para isso um dia, pelo menos comigo, mas quero ficar por aqui e descobrir - estar lá para ela. Sugando uma respiração profunda sobre esta revelação terrível para mim, eu subo na cama e pressiono-me contra ela, envolvendo meus braços em torno dela, escorregando um debaixo da curva do seu pescoço para que sua cabeça esteja descansando no meu braço como um travesseiro. Sinto-a saltar um pouco e meio que espero ela acordar do seu pesadelo e entrar em pânico, como normalmente acontece toda vez que ela acorda. Mas ela deve ter estado acordada o tempo todo, porque mal se mexe antes que relaxe contra mim. — Você cheira a charutos, — ela murmura enquanto meus dedos derivam de cima à baixo da sua lateral. — E cerveja. Eu puxo-a mais contra mim e respiro o seu cheiro; algo com baunilha e uma sugestão de perfume que me faz fechar brevemente os olhos e me perder. — Você parece tão bem na minha camisa, — eu sussurro, abrindo meus olhos, então afasto seu cabelo do caminho e beijo o ponto sensível em seu pescoço, logo abaixo da sua mandíbula, deixando meus lábios permanecerem lá para provar sua pele. — Luke... — Ela soa quase engasgada, seus dedos encontrando meu braço e agarrando minha pele. Eu espero por ela se afastar, nos impedir de fazer qualquer coisa, mas, em seguida, ela se curva e sua bunda se pressiona contra meu pau. O contato me faz gemer e morder sua pele mais do que eu pretendia fazer. Em resposta, as suas unhas perfuram minha pele, suas costas se arqueando ainda mais enquanto meu


joelho desliza entre suas pernas e escorrego minha mão por baixo da camisa para segurar seu quadril, sua pele morna. — Deus, você é tão boa... — Eu faço uma pausa quando começo a sugar seu pescoço e esfregar meu joelho contra ela enquanto ela começa a balançar os quadris com os meus movimentos, fazendo com que meu pau fique duro como uma rocha. Eu poderia ficar seriamente contente com isso, por apenas tocá-la, e é assustador que eu não precise de mais, mesmo que eu queira. Necessidade é muito diferente do querer. Necessidade é algo impulsionado por um vício enquanto procura algo que eu queira fazer. Querer. Eu quero Violet. Ela deve pensar o contrário, porque de repente está escorregando para fora dos meus braços. Meus olhos se arregalam enquanto ela se afasta de mim, mas, em seguida, ela se vira, sobe em cima de mim e me monta. Alcançando o colarinho da sua camisa, ela puxa-a sobre sua cabeça e a atira para o chão, mechas do seu cabelo vermelho e preto caem sobre seus ombros nus. Ela não está usando um sutiã ou calcinha e quando seus mamilos batem no ar ficam instantaneamente duros, o que faz meu pau instantaneamente ficar mais ansioso. — Porra, baby, eu... — Eu paro quando ela me ajuda a tirar a minha cueca boxer e, em seguida, retorna para o meu colo. Eu nunca tive uma garota no controle assim antes. Normalmente eu sou o único que precisa dele. E é difícil não agarrá-la e afastá-la, tirar as coisas, mas eu consigo ficar parado embaixo dela e ver até onde isso vai. Um pequeno sorriso toca seus lábios enquanto ela coloca as mãos nos meus ombros e me prende contra o colchão. — Eu acho que você ia dizer algo sobre eu ganhar. — Então ela se abaixa e pega meu jeans do chão. Antes que eu possa


perguntar o que ela está fazendo, ela se senta novamente e coloca um preservativo no meu peito. — Como você sabia que estava lá? — Eu pergunto, pegando o preservativo. Ela encolhe os ombros, afastando o cabelo dos seus olhos. — Eu apenas assumi. Eu franzo a testa. — Você sabe que eu não estive com ninguém desde você, certo? — Eu não culpo se você esteve, — ela diz. — Nós não estávamos juntos. — Bem, eu não estive. — E é verdade. Claro que eu pensei em fazer, tirar minha mente das coisas ao meu redor, mas ir em frente com isso era muito duro, pois eu sempre pensava na minha obrigação com Violet e colocava um fim antes que as coisas chegassem muito longe. — Eu acho que você está um pouco necessitado, então. — Ela balança os quadris, esfregando sua umidade contra meu pau. Jesus, eu juro que ela sabe exatamente como entrar debaixo da minha pele, da melhor fodida maneira possível. Algo se encaixe dentro de mim, algo que eu nunca senti antes. E me sinto ainda mais impotente quando ela começa a se abaixar em mim, deslizando meu pau para dentro dela. Na metade do caminho, eu não aguento mais e com um impulso duro, eu bato meus quadris contra ela e empurro meu pau profundamente dentro do seu interior. Ela imediatamente estremece e morde o lábio, seus músculos se apertando em torno de mim. Eu congelo, de repente, lembrando que ela só fez sexo uma vez, e que foi há dois


meses. Ela ainda está apertada como o inferno e eu fiquei agitado. Querendo realmente foder duro. — Merda, eu te machuquei? — Eu pergunto, varrendo um pouco do seu cabelo para fora do seu rosto enquanto suas unhas perfuram meus ombros. Ela balança a cabeça, a dor em sua expressão mudando para prazer quando ela move seus quadris. — Não... Eu me sinto bem, foi apenas um pouco intenso... E tem sido um tempo... — Ela repete o movimento, rebolando uma e outra vez com seus quadris, indo devagar, como se estivesse saboreando as sensações, suas mãos saindo dos meus ombros e correndo os dedos para baixo do seu corpo. Isso está me deixando louco, observar seus olhos se fecharem, seus lábios se abrem enquanto ela se pressiona em mim, tocando-se, totalmente no controle. Finalmente, eu perco o controle novamente e começo a me mover com ela, empurrando meus quadris para cima, minhas mãos encontrando sua cintura e segurando-a. Eu começo lento no início, mas, em seguida, fico mais rápido, mais forte, mais áspero, mais ela geme. Soltando-me quando sua cabeça começa a se inclinar para trás e eu sento ainda segurando-a e movendo-me, assim posso pressionar meus lábios nos dela. Ela me beija de volta brevemente, mas está tão perdida no momento que acaba mordendo meu lábio inferior. — Forte, — ela suspira, pressionando contra mim enquanto eu balanço dentro dela, nossos movimentos combinando perfeitamente. — Oh Deus... Por favor... Mais forte... Estou aterrorizado além do imaginável. Seriamente. Eu não consigo pensar em mais nada além dela. Cada parte de mim pertence a ela naquele momento. Eu sinto algo mudar dentro de mim, algo que me faz querer ser uma pessoa melhor sempre.


Eu te amo. Eu quero dizer. Meus problemas são esquecidos momentaneamente. A vida é momentaneamente esquecida. E tudo o que posso fazer é segura-la e esperar nunca ter que deixá-la ir.

Violet Santo inferno, isso é muito, muito melhor do que a primeira vez que tivemos sexo. Menos doloroso. Mais intenso. Mas acho que pode ser porque Luke está mais solto desta vez em vez de ser cuidadoso comigo. Eu estou em cima dele, agarrando seus ombros, enquanto ele se senta e empurra profundamente dentro de mim, os movimentos dos meus quadris se igualam ao seu. Uma das suas mãos está segurando a minha cintura, enquanto a outra descansa na base do meu pescoço, colocando uma leve pressão contra a minha carne enquanto ele se agarra a mim e me beija com tanta paixão que mal consigo respirar. Nós mantemos movimento em movimento, nos perdendo um no outro, nossas peles suadas enquanto nos tornamos sem fôlego, exaustos, mas parece bom demais para parar - eu nunca quero parar. E ele parece sentir o mesmo também, saboreando cada beijo, aperto, mordida, cada toque das nossas peles e a união dos nossos corpos até que ambos caímos desamparadamente em êxtase ao mesmo tempo. Eu grito de puro prazer, o som da minha voz irreconhecível enquanto minhas unhas perfuram sua pele, em desespero, necessidade de agarrar em algo. Luke continua empurrando dentro de mim mais alguns minutos antes de começar a


abrandar, pressionando mais uma vez dentro de mim enquanto a cabeça cai contra o meu peito. Ele ainda permanece por um tempo, respirando pesadamente contra o meu peito, como se estivesse com medo de se mover. Eu meio que não quero que ele faça, porque tudo parece perfeito agora, o que é raro para mim, inexistente. Mas, eventualmente, ele se move de volta para baixo, deslizando para fora de mim, mas me levando com ele e me puxando contra seu corpo, enquanto nos ajeitamos na cama, cara a cara. Com a lâmpada lançando luz sobre sua bochecha, eu percebo que há um hematoma enorme lá, no topo de uma contusão preexistente e um pouco de sangue seco. Eu tinha estado tão entretida no momento íntimo que não percebi que estava lá até agora. — O que aconteceu? — Eu pergunto, colocando delicadamente minha mão sobre o ferimento. — Será que você entrou em uma briga? Ele dá de ombros, os olhos fixos nos meus enquanto se inclina para o meu toque, como se minha mão o acalmasse. — Um pouco, mas nada muito importante. — Será que você foi pego trapaceando? Sua respiração vacila dos seus lábios. — Cole foi pego, mas não é um grande negócio. Eu não devo dinheiro ou qualquer coisa. Sua voz está tensa e toda a paz que tivemos momentos atrás se quebra em um milhão de pedaços de modo que eu quero junta-las novamente. — Eles pegaram o dinheiro, não foi? — Eu pergunto com uma careta.


Ele não respondeu à minha pergunta, apenas diz: — Eu vou pensar em outra forma. — Ele solta um suspiro cansado e, em seguida, esfrega os olhos, parecendo desgastado. — Eu quero ajudar, — digo-lhe, traçando uma das suas tatuagens em sua caixa torácica. Na verdade, existem várias tatuagens no local e ele me disse uma vez que passou por uma fase onde fazia uma tatuagem toda vez que se sentia uma merda, o que significava que ele se sentiu um monte assim. — Deixa-me ajudar. — Eu não vou deixar você lidar com drogas para me ajudar, — ele diz em um tom firme, balançando a cabeça. — Eu prefiro que batam a merda fora de mim do que ter de fazer isso e sou eu quem deve a ele. — Sua expressão suaviza um pouco quando ele coloca uma mão nas minhas costas e gentilmente movimenta seu dedo para cima e para baixo na minha espinha. — Deixe-me dormir um pouco. Eu posso ter uma ideia, mas preciso descobrir o quão ferrado estou. Eu não sei qual é essa sua ideia, mas isso me preocupa, porque a última vez que vi esse olhar de desamparo em seu rosto foi na noite que ele me disse que sua mãe poderia ser a assassina dos meus pais.


14 Luke Eu observo-a dormir durante a maior parte da noite. Pensando. Minha cabeça está tão cheia que eu mal consigo respirar. Até o momento que estou realmente terminando o sol está aparecendo e eu não tinha absolutamente nenhuma sono. Tem sido assim durante o último par de meses e entre isso e beber, eu estou começando a sentir os efeitos no meu corpo. Constantemente cansado, eu me pergunto como vou conseguir sobreviver à temporada de futebol se eu não conseguir resolver minhas merdas. Resolver minhas merdas. Parece que tenho muito a fazer antes que possa ser possível, mas enquanto estou deitado aqui olhando Violet dormi em meus braços, eu quero fazer isso mais do que qualquer coisa. À medida que o sol se levanta e ilumina o quarto, decido dar o primeiro passo, apesar de não querer fazer isso. Eu relutantemente saio da cama e pego meu celular para fazer uma ligação que eu nunca pensei que poderia fazer em um milhão de anos. Mas é a única alternativa e ficar aqui até que eu possa descobrir algo não é algo que eu queira fazer. Ainda é cedo na Califórnia, mas meu pai atende depois de três toques. — Luke, está tudo bem? Eu juro por Deus que é como se ele soubesse que eu preciso de algo. — Não realmente. — Faço uma pausa, esperando que


ele diga alguma coisa, mas ele não diz, então olho para fora da janela e digo. — Olha, eu preciso de um favor... Eu preciso de dinheiro emprestado. — Se ele recusar de novo, acho que nunca mais irei pedir-lhe qualquer coisa. — Ok. — Ele já soa cauteloso. — De quanto você precisa? Eu olho por cima do meu ombro quando Violet se move na cama, em seguida, faço meu caminho para o banheiro em anexo com o quarto e entro, assim não vou acordá-la. — Nove mil. Ele solta um assobio lento. — Merda, Luke. Isso é um monte de dinheiro. — Eu sei que é. — Eu fecho a porta, me encostando contra ela, e deslizo para o chão. — Eu não estaria pedindo se não fosse uma emergência. — Você está em algum tipo de problema? — Poderia se dizer isso. — Eu hesito, não tenho certeza se quero dizer a ele, não querendo lhe dá o direito de saber ainda, mas sobre mim, de repente, há toda essa pressão dentro do meu peito e ela explode sem aviso prévio. Tudo derrama para fora de mim. E não apenas a parte do jogo. Eu digo a ele o quanto andei bebendo. O que aconteceu entre Violet e eu. Tudo o que minha mãe fez. Mesmo o que encontrei no diário de Amy. E no final estou chorando, como um garotinho assustado. Faz-me sentir tão patético. Tão fraco. Tão fora de controle, como quando eu morava com a minha mãe, e parte de mim se odeia por isso, mas a outra parte se sente aliviado, como se eu pudesse respirar novamente. — Luke, vamos corrigir isso, — meu pai diz depois que eu finalmente paro de chorar à tempo suficiente para ele falar novamente.


— Você não pode corrigir isso, — eu digo, sugando as lágrimas. — Não mais de qualquer maneira. — Bem, então estou indo consertar o que eu puder, — ele diz calmamente. Eu não sei nem como ele está fazendo isso. Eu apenas empilhei vinte anos de bagagem em cima dele e ele está sendo tão legal quanto pode. — E o resto nós vamos descobrir juntos. — Ele faz uma pausa, como se estivesse recompondo-se. — A primeira coisa que vou fazer é dar-lhe o dinheiro. Você pode voltar para Laramie e ele deve estar lá no tempo em que você chegar. Em seguida, você vai pagar de volta a esse tal de Geraldson. Eu enxugo as lágrimas dos meus olhos com a costa da minha mão. — E depois? — E então eu quero que você venha me visitar, — ele diz e antes que eu possa protestar, ele acrescenta: — Só por uma semana, para que possamos conversar e talvez conhecer um ao outro um pouco melhor... Eu gostaria de conhecer meu filho. — Você acha que conversar vai ajudar? — Eu questiono com ceticismo. — Porque eu não tenho tanta certeza. — Eu acho que é um passo... E se você deixar, eu gostaria de dar esse passo com você e espero que mais passos. — Ele suspira. — Eu sei que não estive lá para você e não posso voltar ao passado. — Agora parece que ele está engasgando. — Mas eu gostaria de malditamente tentar o meu melhor. Você só precisa deixar-me tentar. — Eu tenho prática de futebol em um par de semanas, — eu digo. — E aulas. É difícil para mim ir a algum lugar agora.


— Você pode tirar algum tempo de folga? — Ele pergunta, esperançoso. — Apenas uma semana ou algo assim. — Eu odeio tirar um tempo de folga. E já perdi mais do que estou confortável. — Eu estou sendo uma dor na bunda, ainda inquieto sobre a coisa toda. Bem, mais como assustado. Quando eu era jovem, tudo que eu pensava durante todas aquelas vezes com as agulhas, abraços, carícias, loucuras, era que ele iria voltar e me salvar, mas nunca aconteceu e eu quase apodreci até a morte naquela casa. E agora, é difícil esquecer de tudo isso. — Então eu vou até você, — ele insiste com determinação. — Se você disser que está tudo bem, eu vou ir até aí te ver. Eu corro minha mão sobre a cabeça, deixando escapar um suspiro estressado. — Por quanto tempo você ficaria? — O tanto que você queira, — ele responde. — Eu levaria algumas horas neste momento. — Isso é um vôo longe para um par de horas. — Não, não é. — A maneira como ele diz isso me faz querer chorar de novo, mas seguro as lágrimas antes de derramá-las. — Tudo bem, você pode vir se quiser. — Eu me levanto. — E você pode ficar por alguns dias. Leva um segundo para ele responder e quando finalmente faz, eu posso dizer que ele está chorando, mas tentando não deixar-me ouvi-lo. — Bom. Estou tão feliz. Estou tão, tão feliz. Isso parece tão estranho e inacreditável, deixar as coisas que eu estive carregando desde sempre irem. Eu só espero que tudo funcione, mas não estou prendendo a respiração ainda.


15 Violet Quando acordo, Luke não está na cama e eu tenho esse momento estranho onde me pergunto por que não estou pirando, não só porque Luke não está ao meu lado, mas também sobre a forma como eu sempre acordo. Meu ritual habitual ofegante está ausente, em vez disso meus olhos simplesmente se abrem e tudo o que posso pensar é: O que diabos? É mais assustador do que qualquer coisa. Eu sempre acordo desse jeito e agora de repente não estou. Parece como se uma parte de mim desapareceu e não sei o que fazer com isso. E então olho para as mensagens no meu celular e torna as coisas piores. Desconhecido: Por que você ligou para polícia? Sua fodida covarde. Você está tão morta. Eu estou tentando não enlouquecer enquanto leio a mensagem mais uma vez, quando Luke sai do banheiro. Eu dou uma olhada nele, embora, e o problema some. Ele ainda está em sua cueca boxers, seu cabelo bagunçado, seu queixo desalinhado, e seus olhos vermelhos e inchados - ou ele está chapado ou estava chorando. Eu estou supondo que é o último.


— Qual é o problema? — Eu sento-me rapidamente, o cobertor caindo do meu peito. Eu ainda estou nua de ontem à noite e seu olhar vagueia para o meu seio, mas apenas por um instante, em seguida, ele esfrega os olhos e suspira. — Eu liguei para o meu pai. — Ele olha para o chão, um vinco em sua testa, confuso. — Eu não consegui pensar em mais nada para fazer, então liguei para ele e pedi-lhe o dinheiro. — O que ele disse? — Eu sei muito pouco sobre o relacionamento de Luke com seu pai, exceto que eles não têm um e Luke não tinha nenhum interesse em ter por causa da ausência do seu pai durante sua infância, por isso, pedi-lhe ajuda é um grande negócio. Ele coça a parte de trás do seu pescoço, exalando antes de olhar para mim. — Ele disse que me ajudaria, mas eu tenho que deixá-lo vir me visitar. Eu coloco meu celular na mesa de cabeceira e balanço minhas pernas sobre a borda da cama. — Ele te chantageou? — Não, não realmente. Ele apenas disse que iria me dar o dinheiro e que queria vir me ver, eu meio que concordei. — Ele se senta na cama ao meu lado. — Isso é tão estranho. Não sabendo mais o que fazer, eu me aproximo e esfrego suas costas. — Sinto muito, — eu digo. — Mas estou feliz que ele esteja te ajudando, ao invés de você ter que jogar novamente. — Minhas palavras são chocantes. Normalmente, eu anseio pelo perigo, mas estou descobrindo que se o perigo significa Luke se machucar, então não é tão emocionante assim. — Sim, acho que eu também estou. — Ele abaixa a cabeça em suas mãos. — Mas vamos ver como vai ser. Eu não estou indo ficar todo esperançoso ou qualquer coisa. — Ele fica em


silêncio por um tempo com a cabeça baixa, respirando suavemente - acho que ele pode estar tentando não chorar. Eu fico quieta e continuo esfregando suas costas, até que finalmente ele levanta a cabeça, tentando limpar discretamente as lágrimas dos seus olhos. Ele limpa a garganta algumas vezes e, em seguida, fica de pé, pegando um par de jeans da sua mochila. — Eu acho que devemos ir, — ele me diz. — A última coisa que eu quero fazer é ficar aqui com Cole. O cara é muito pior do que eu. — Ele coloca seu jeans e puxa o zíper. — O que diz muito. Concordo com a cabeça, em seguida, saio da cama e vou até a minha bolsa, seus olhos me seguindo todo o caminho. — Eu estou realmente ansiosa para voltar também, — eu digo, pegando uma blusa e calça preta. — Eu conversei com o detetive Stephner ontem à noite e, embora ele não quis me dizer nada, eu posso dizer que há algo acontecendo com o caso. — Eu coloco o jeans. — Eu estou esperando que seja uma boa notícia. — Quando você vai saber? — Ele pergunta, puxando uma camisa vermelha sobre a cabeça. Eu dou de ombros, em seguida, coloco a minha própria blusa e puxo meu cabelo para fora do colarinho. — Eu não tenho certeza. Ele disse que poderia me ligar esta manhã, mas tudo que eu consegui até agora foi outra mensagem do perseguidor. Ele franze a testa. — Você disse ao detetive sobre ele? Eu concordo. — Ele está procurando por isso. Ele aperta os lábios como se quisesse dizer alguma coisa, mas depois desiste e começa a vagar ao redor do quarto, pegando suas coisas e colocando em sua mochila. Eu começo a embalar


as minhas também, sem me preocupar em dobrar minhas roupas. Na verdade, é um hábito que peguei quando era jovem. Após embalar pela quinta vez para mudar de casa, eu desisti e apenas joguei tudo da mesma forma. E não me incomodei em desembalar quando eu chegava em um novo lar. — Você acha que é sobre a minha mãe? — Luke pergunta tão de repente que me assusta e leva um momento para mim responder. — O que o detetive não pode dizer ainda. Você acha que tem algo a ver com a minha mãe? Eu fecho a minha bolsa e levanto-a. — Eu me pergunto... talvez. — Espero que seja, — ele diz, raiva laçando em seu tom. Eu sei o que isso significa - que ele quer que ela seja presa tanto quanto eu quero. Ele joga a mochila por cima do ombro, seus músculos flexionando um pouco como se estivessem doloridos. Em seguida, ele caminha até mim e me dá um beijo suave na bochecha. — Você está pronta? — Ele pergunta, colocando uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha e me olhando fixamente nos olhos. Parece que ele está me perguntando muito mais do que apenas está pronta para sair da casa do seu tio. Como, se eu estou pronta para voltar para Laramie. Para viver com ele. Eu aceno, não tenho certeza qual pergunta estou respondendo, mas acho que vou descobrir quando chegarmos lá. *** O tio de Luke parece realmente chateado quando descemos as escadas para sair, discute com Luke mandando-o ligar para o


seu pai e pedi-lhe dinheiro emprestado. Luke não diz nada sobre o fato de que já fez isso, acho que tomando a decisão de deixar Cole limpar sua própria bagunça. Irado, Cole tropeça para a mesa de café na sala de estar e toma cerca de meia garrafa de Vodka. — Para aliviar a dor do espancamento, — ele diz, quando nos pega observando-o. Então se joga no sofá e momentos depois desmaia. Ryler parece que quer ir com a gente, apenas para sair da casa, demorando-se na sala de estar enquanto Luke coloca sua mochila no chão para dar-lhe um daqueles abraços que os caras dão. — Você pode ficar com a gente, sempre, — Luke diz a ele, dando um passo para trás e pega sua mochila, seus olhos derivam para onde Cole está de costas, o braço pendendo para o lado do sofá. — Mesmo que seja apenas para uma pausa. Ryler sorri, mas não chega a atingir seus olhos quando ele levanta as mãos, o que diabos eu iria fazer em Wyoming? Luke espera eu traduzir e quando termino de passar a mensagem, ele diz, — A faculdade de lá é muito legal. Ele levanta a sobrancelha perfurada, divertido. Eu, ir para a faculdade? Essa é uma ideia engraçada. Eu mal consegui terminar o ensino médio. — Ei, eu estava da mesma maneira. Na verdade, quase desistir, — digo a ele, sentindo-me estranha por estar falando sobre meu passado de forma tão leve. — E eu realmente gosto da faculdade. Mesmo? Ele murmura e eu aceno. Ele faz uma pausa, olhando para seu pai, que continua do mesmo jeito, espancado, desmaiado e bêbado no sofá, depois murmura para mim, talvez um dia.


Concordo com a cabeça, em seguida, ele nos dá o seu número de telefone e nós terminamos dizendo adeus. Então Luke e eu pegamos a estrada. É cedo, o céu está alaranjado por causa do nascer do sol. Estamos voltando mais cedo do que planejamos, o que significa que vamos faltar menos aulas e acho que Luke e eu podemos apreciar esse fato. Nós gastamos a metade do caminho ouvindo a sua música e ele diz brincando que vai nos fazer nossa própria fita de foder quando chegarmos em casa. Ele continua dizendo nós e sei que eu deveria estar grata, que tenho um lugar para viver com pessoas que se preocupam comigo, mas está me assustando ao mesmo tempo. Deus, se eu pudesse ter mais um momento com os meus pais para que eles pudessem me dizer que está tudo bem. Que eu estou fazendo a coisa certa. Enquanto estou no meio desse pensamento, o meu celular começa a vibrar dentro do meu bolso. Eu rapidamente desligo a música e pego-o, deixando escapar um suspiro de alívio quando olho para a tela. — É o detetive. — Digo a Luke e ele acena com a cabeça, parecendo tão nervoso quanto eu. — Por favor, diga que você pode me dizer tudo agora, — digo quando coloco o aparelho na minha orelha. — Eu posso, mas tenho boas e más notícias, — ele diz, soando um pouco desanimado. — A boa é que eu finalmente tenho um mandado de busca para a casa de Mira Price. E encontramos algo que poderia ser potencialmente útil, mas ainda precisamos fazer alguns testes de DNA para confirmar. — Ele faz uma longa pausa. — E depois há a má notícia. Duas na verdade. — Isso não é sequer uma palavra. — Eu faço uma piada para tentar esconder meus verdadeiros sentimentos. Que estou animada e apavorada ao mesmo tempo. Eles poderiam conseguir provas. Meus pais podem finalmente ter justiça.


Luke me dá um olhar de preocupação enquanto continua dirigindo pela estrada. — Está tudo bem? — Ele sussurra. Eu dou de ombros e sussurro de volta, — eu vou deixar você saber em um minuto. — Bem, eu estou declarando-o uma palavra para essa conversa, — ele diz e, em seguida, suspira, perdendo todo o humor. — A primeira má notícia é que Mira está desaparecida e falamos com os vizinhos e proprietário, parece que ela já se foi faz um tempo. Olho para Luke, me perguntando se ele poderia saber onde ela está. — E o que isso significa exatamente? — Isso significa que mesmo que nós podemos fazer a prisão, nós temos que encontrá-la em primeiro lugar. Eu quero bater em alguma coisa. Gritar até estourar meus pulmões. Isso não é justo! Isso não é justo. Droga! — E qual é a segunda? — Minha voz treme enquanto minha pulsação martela. Ele leva um ou dois segundos para responder e quando faz, parece relutante. — Descobrimos quem tem está enviando essas mensagens para você... Nós rastreamos as chamadas de Preston Parkington, o cara com quem você estava vivendo. — O quê? — Eu exclamo, pronta para bombardeá-lo com perguntas, fazendo Luke vira sua cabeça em minha direção. — Mas isso não é possível... Como ele poderia... Eu não entendo... — Que diabos? É esta a minha punição? Por toda a bagunça? — E fica ainda pior, — diz o detetive Stephner. — Devido ao material ameaçador nas mensagens, tínhamos o direito de ir


até a casa dele e questioná-lo, mas estava desocupada quando chegamos lá. — Mas ele estava morando lá há alguns dias... Eu estava lá... Eu o vi. — Meu coração está se debatendo no meu peito, minha pulsação subindo um milhão de milhas por hora e eu odeio a adrenalina dentro de mim agora, muito. — Ele tem que estar fazendo isso para se vingar de mim, porque eu o deixei. — Isso é o que eu pensei, mas depois que fizemos algumas pesquisas sobre ele, uma verificação dos antecedentes criminais e outras coisas, descobrimos algo que trouxe uma grande preocupação. — Como o que? — Como que ele tem a ficha suja. O fato de que ele mudou seu nome cerca de 14 anos atrás. Ele costumava ser Danny Huntersonly. — Mas por que ele iria mudar o seu nome? — Eu balanço minha cabeça, tentando ignorar olhar preocupado de Luke em mim. — E por que os assistentes sociais deixaram-lhe me adotar? — Bem, tecnicamente os papéis de adoção estão no nome da namorada dele que adotou você. Registrada como Kelley Arlingford. — Kelley era esposa dele. — Eu aperto a maçaneta da porta por apoio, porque estou hiperventilando e sinto que estou prestes a desmaiar. — Quando ela o apresentou a mim, ela disse que Preston era seu marido e, em seguida, eles se divorciaram e Preston falou sobre ela ter se casado de novo. — Assim que eu digo isso, porém, eu sei que há uma enorme falha. Porque a maioria das informações vieram de Preston,


assim, portanto, há uma grande chance de tudo ser uma mentira. — Bem, ela estava mentindo para você, em seguida, e, aparentemente, para o estado, — ele diz. — Em seus registros, Kelley vivia sozinha e o estado nem sabia sobre Preston, pelo menos a partir dos relatórios. É uma espécie de falha no sistema, eu acho, ninguém se certificou de que havia alguém morando com ela. Mas quando as crianças começam a ficar velhas... Então talvez eles... Às vezes deixam algumas coisas deslizarem para debaixo do tapete. Ele está me dizendo coisas que eu já sei, desde que vivia debaixo daquele tapete durante anos. — Kelley sabe sobre Preston? Quero dizer, ela sabia sobre sua mudança de nome e seu passado? — Eu não sei, mas vamos tentar descobrir. — Outra pausa. — Tem mais. — Oh Deus. — Minha cabeça cai para frente e a mão de Luke desliza até chegar a minha, seus dedos se entrelaçando através dos meus, e eu me agarro a ele com minha vida. — Eu acho que não aguento mais. — Você precisa ouvir isso, — diz o detetive. — Você precisa entender a gravidade. — Tudo bem. — Eu agarro a mão de Luke com tanta força que tenho certeza que dói. — Vá em frente. — Você sabia que Preston tinha um quarto secreto debaixo da casa? — Sim... Bem, não... — Merda. O que eu digo? Que eu sabia que ele mantinha drogas lá. — Bem, ele mantinha o quarto trancado, mas eu sabia que existia.


— Achei que você não soubesse, considerando o que estava lá dentro. — O que era? Outra pausa. Estou começando a odiar esse silêncio. — Um quarto com fotos e artigos de você por toda a parede... Até mesmo alguns dos seus pais. — Eu não entendo... por que ele teria isso? — Quer dizer, eu sei que ele me queria e tudo, mas isso parece ser o movimento de um stalker... — Por que ele está fazendo isso? Não faz sentido. Quero dizer, ele sempre foi um pouco estranho e controlador, mas por que, de repente, iria recorrer à ameaça e um quarto de louco cheio de fotos? Ele suspira de novo e eu me preparo para mais um golpe no intestino. — Violet, eu não tenho certeza de quanto você sabia sobre seus pais, mas no início do caso havia poucas sugestões em que alguém realmente mencionou algo a você, simplesmente porque você era muito jovem e honestamente não queríamos que isso saísse para o público. Manter certos detalhes em segredo pode ajudar a condenar a pessoa certa. No entanto, agora eu acho que você precisa saber, mas quero que você se prepare para isso. — Ok, eu estou preparada. — Maior mentira que eu já disse e não teria tido a coragem de dizer isso se eu soubesse o que ele ia dizer em seguida. — Durante a primeira investigação dos seus pais, o detetive responsável pelo caso encontrou alguns detalhes sobre seus pais, bem, sua mãe de qualquer maneira - que a ligavam a alguns traficantes de drogas locais. Foi uma coisa do passado, acho que terminou poucos anos depois que você nasceu, que foi quando ela se casou com seu pai.


— Não, minha mãe se casou com meu pai antes de eu nascer, — eu digo, mas realmente não tenho ideia - eu mal sei algo sobre eles, sendo que os perdi em uma idade tão jovem. — Não, ela se casou com ele depois de cerca de três anos, — ele diz. — Depois que ela conseguiu resolver suas coisas e saiu da clínica de reabilitação, mas seu passado ainda estava atrás dela e ela devia dinheiro as pessoas erradas. A polícia nunca foi capaz de rastrear as pessoas em questão e honestamente todas as evidências apontam para um roubo aleatório, mas depois de cavar os registros anteriores de Preston, eu descobri que ele estava vivendo na área Cheyenne no momento e traficando drogas... E algumas das fotos que ele tinha sua... Você era mais jovem. — Não... Você está fodidamente mentindo. — Eu balanço minha cabeça repetidas vezes até que fico tonta. — Você está mentindo, você está mentindo, você está mentindo. Eu não morava com o assassino dos meus pais. Isso nunca iria acontecer. — A menos que fosse feito de propósito? Oh meu Deus, foi de alguma forma feito de propósito por Preston? — Eu não estou dizendo que ele é o assassino de qualquer forma ou meio, — ele diz com uma voz suave. — É mais do que provável que ele poderia ter desenvolvido uma obsessão por você uma vez que a maioria do que encontramos aponta para um comportamento assediador, que acontece às vezes com casos públicos como estes, mas eu quero que você saiba todos os detalhes agora, apenas no caso. Apenas no caso de quê? Apenas no caso de quê? Apenas no caso de quê?


As palavras ecoam dentro da minha cabeça uma e outras vezes até que de repente estou vendo o rosto de Preston na minha memória, aquele em que estou no porão e ele está gritando com Mira Price, enquanto ela canta e canta e canta. Tão claramente. Mas é só porque foi sugerido ou eu finalmente juntei as peças? — Não! Minha mãe nunca usou drogas... Eles eram boas pessoas... — E para mim, aos seis anos de idade, com belos sonhos, eles eram. Eles eram perfeitos. E eu quero me lembrar deles dessa forma. Eu quero apagar tudo o que ele disse, esquecer que ouvi isso, mas não posso. — Eu não estou dizendo que eles eram ruins, — ele me diz. — As pessoas que usam drogas não são necessariamente más pessoas. Elas apenas fazem algumas escolhas erradas e sua mãe limpou seu ato. Ela apenas se esforçou para apagar seu passado. Tal mãe, tal filha. — Violet, eu preciso te fazer mais algumas perguntas sobre Preston e o que estava acontecendo enquanto você estava vivendo lá com ele. — Uma pausa. — É importante para nós, a fim de localizá-lo. Não consigo respirar. Não consigo pensar. Não consigo enxerga. Tudo está girando, girando, girando e girando. Tudo misturado. Tudo errado. Eu posso sentir a caminhonete desacelerando enquanto suspiro para o ar. Assim que para, eu largo o celular no assento, abro a porta, e caio para fora da caminhonete de joelhos. Caindo no cascalho e ralando meus joelhos e as palmas das minhas mãos enquanto eu suspiro esgotada, com falta de ar em meus pulmões.


Sobrecarga de adrenalina. Uma que eu n達o causei. Mas aquela que parece como se fosse me matar. E honestamente, eu desejo que fosse.


16 Luke Ela está assustando a merda fora de mim. Ela não vai falar. Já que mal consegue se mover. Eu tenho que levá-la de volta para a caminhonete. Uma vez que a coloco dentro e fecho a porta, eu entro no lado do condutor, em seguida, pego o celular do banco, que continua tocando desde que ela o jogou lá. — Olá? — Eu respondo, meu braço movendo-se para Violet quando ela abaixa-se no banco e coloca a cabeça no meu colo. Ela agarra meu jeans, ainda sem se mover, mal piscando enquanto olha fixamente para frente, para o nada, como se estivesse completamente e totalmente perdida. — Quem é? — Alguém pergunta do outro lado da linha. — Luke... Price. — Oh... — Ele parece desconfortável. — Aqui é o detetive Stephner. Violet está com você? — Ela está, mas não pode falar agora, — eu digo a ele, alisando minha mão sobre sua cabeça, que parece estar ajudando, sua respiração se acalma um pouco, mas seus olhos ainda estão vazios. — O que exatamente você disse a ela? — Eu não tenho permissão para dizer. — Ele faz uma pausa. — Vocês já estão de volta em Laramie?


Eu olho para a estrada à nossa frente. — Não, nós estamos a meio caminho na verdade... Por quê? — Bem, eu gostaria de sugerir que você e Violet fiquem em algum lugar apenas por alguns dias, — ele diz. — Só até que possamos obter algumas respostas sobre um certo alguém. Eu continuo correndo meus dedos para cima e para baixo da bochecha de Violet e ela fuça com meu toque. — Será que isso tem alguma coisa a ver com a minha mãe? — Eu pergunto silenciosamente. — Você precisa falar com Violet. Isso é tudo que eu vou dizer, — ele responde em um tom formal. — Faça com que ela me ligue assim que se acalmar. — Ok, — eu digo-lhe, em seguida, desligamos e eu coloco seu celular no painel e olho-a; a cabeça no meu colo, com os olhos tão cheios de medo. — Babe, você quer falar sobre isso? — Eu pergunto, lutando para manter minha voz firme. Eu não quero pressioná-la, mas estou desesperado para saber se isso tem a ver com a minha mãe. Ela balança a cabeça e fecha os olhos enquanto escovo meus dedos pelo seu cabelo. — Ainda não. Minha mão faz uma pausa em seu cabelo. — O detetive... Ele disse que talvez seria melhor se você ficasse longe de Laramie um pouco. — Ok, você pode me deixar no lado da estrada. — Ela não está brincando. Na verdade, ela soa esperançosa de que eu vá fazer isso. Eu não tenho certeza quanto tempo fico estacionado no lado da estrada, tentando descobrir o que fazer, para onde levá-la. Voltar para Vegas? Eu não quero fazer isso, não quero voltar


para aquele tipo de ambiente. Só há uma outra escolha, que eu tenho que engolir o pouco do meu orgulho antes de tirar meu celular e discar o número do meu pai. Ele responde após dois toques e digo antes que eu perca a coragem. — Ei, eu preciso de outro favor.


Um dia depois...

Luke Meu pai vive na zona da cidade de San Diego, onde as ruas são cheias de altos e delgados sobrados e são inclinadas e coberta de árvores. O ar cheira a mar e pelo tempo que chegamos lá está anoitecendo, o pôr do sol, o céu pintado de laranja e rosa. Violet mal falou durante toda viajem e só se moveu quando paramos para ir ao banheiro. Aproveitei a oportunidade para ligar para Kayden e pedir o número do treinador para que eu pudesse falar com ele sobre a minha falta na primeira semana de treino. — Você sabe que é estranho toda essa merda, — Kayden diz, lembrando-me o quanto eu poderia estar estragando a minha agenda perfeita que eu tinha trabalhado tão duro para manter. — Eu sei, — eu respondo. — Mas é o que é... Eu não posso fazer isso lá. — Posso perguntar por quê? — Lembra quando você bateu a merda fora de Caleb e me disse que estava fazendo isso porque alguém machucou muito


Callie? E você fez isso sem pensar duas vezes, mesmo se significasse que sua própria vida estava indo para o fundo do poço? — Sim... — Ele está confuso e um pouco desconfortável, principalmente porque nós não falamos sobre este tipo de coisas. — Bem, eu não estou indo bater em qualquer um ou qualquer coisa assim, mas alguém precisa de mim agora e eu realmente não dou a mínima para o futebol ou a faculdade no momento, — eu digo. — Só ela. Ele faz uma pausa. — É Violet? — Sim. Outra pausa e, em seguida, ele diz: — Diga ao treinador que é uma emergência familiar. Eu fiz isso da última vez e mesmo que ele estivesse chateado, me deixou faltar. — Valeu cara, — Eu digo, então, rapidamente tenho que desligar porque Violet voltou do banheiro e não quero que ela ouça o que eu estava fazendo e tente me convencer do contrário. — Eu comprei Skittles (doces com sabor de frutas), — ela diz voltando para a caminhonete e foi a última coisa que ela disse pelas últimas cinco horas, acabou caindo no sono e nem mesmo acordou quando chegamos na casa do meu pai - eu tive que carregá-la para dentro. — Estou preocupado com ela, — Eu digo ao meu pai quando volto para a cozinha depois de deixar Violet no quarto de hóspedes, deitada na cama. Eu não quero deixá-la sozinha por muito tempo, preocupado que ela vá fazer algo imprudente,


como tentou fazer na casa do meu tio com o incidente da janela. Eu estou de pé na cozinha com meu pai, cansado, necessitando desesperadamente de sono e comida. Eu liguei para Seth durante a viagem e perguntei-lhe se o meu pai poderia transferir dinheiro para sua conta e, em seguida, se ele poderia retirá-lo e transferi-lo para Geraldson, como o acordo que fizemos alguns minutos mais cedo. — Sim claro. Qualquer coisa para ajudar, — ele respondeu e, em seguida, sendo quem ele é, naturalmente pressionou para consegui mais detalhes, que eu prometi que lhe diria mais tarde, se ele fizesse o favor. Era meio estranho pedir a ajuda de Seth. Um ano atrás eu teria pedido a Kayden para fazer isso, mas acho que as coisas mudam. Seth conhece algumas das merdas que se passam na minha vida também, não todas, mas algumas. — Há quanto tempo ela está assim? — Meu pai pergunta, sentando-se em uma das banquetas com uma caneca de café na sua frente. É tão estranho vê-lo pessoalmente novamente, uma vez que tem sido cerca de um ano desde a última vez que o vi e desde que eu dei-lhe algumas dicas sobre o que minha mãe fez comigo e com Amy depois que ele nos deixou. Até um ano atrás, ele parecia um estranho, mas agora ainda parece diferente do que eu me lembro. Um pouco mais envelhecido, perdeu um pouco do seu cabelo marrom, mais rugas, mais cheio na cintura, mas saudável, um estranho que eu conhecia e me sentia desconfortável ao redor. Felizmente é tarde o suficiente para que Trevor esteja na cama. Eu não tive nenhum tempo para me preparar para enfrentar meu pai, muito menos seu marido.


— Uma vez que ela falou com o detetive ao telefone, — eu digo, sentando-me em uma banqueta ao lado dele, minhas pálpebras estão tão pesadas que mal posso mantê-las abertas. Eu dirigi direto para cá, mal fazendo paradas para colocar gasolina no carro e estou pronto para cair no sono. — Será que foi... Foi... — Ele se esforça, nervosamente olhando em volta da área da cozinha, que está decorada com arte, provavelmente de Trevor. — Foi sobre Mira? — Eu não sei, — eu digo a ele com um encolher de ombros. — Ela não vai falar sobre isso, seja o que for. Mas o detetive conversou comigo brevemente e disse que poderia ser melhor se eu a levasse para algum lugar longe de Laramie por um tempo. — Eu abaixo a cabeça para a bancada, a frieza da superfície é tão boa contra a minha pele quente. — Jesus, eu não tenho nenhuma ideia do que fazer. Ela está me assustando... Meu pai coloca a mão nas minhas costas e eu salto, mas não me afasto. — Vá descansar um pouco e então eu vou te ajudar a falar com ela de manhã. Vou te ajudar, Luke... Eu estou aqui por você... Há um milhão de coisas que eu quero dizer naquele momento, algumas rudes e outras agradáveis, mas tudo o que eu digo é: — Obrigado. — Porque estou tão cansado. Então eu saio do banco e caminho até o quarto de hóspedes, pronto a entrar em colapso na cama. Mas ao invés disso eu encontro Violet em pé em frente à janela, olhando para a rua com os braços cruzados sobre o peito. Deixo escapar um suspiro nervoso e atravesso o quarto indo até ela, hesitando antes de envolver meus braços em sua volta. Ela não me afasta, faz o oposto na verdade, inclinando-se contra mim como se eu fosse à única coisa que estivesse


segurando-a. — Eles encontraram evidências de que podem ajudar na prisão contra a sua mãe, — ela diz calmamente. — Mas eles têm que encontrá-la em primeiro lugar. — Espere um minuto? Encontrá-la? — Eu me inclino para o lado para olhá-la nos olhos. — Ela não está em casa? Ela balança a cabeça, recusando-se a fazer contato visual comigo. — O proprietário e os vizinhos disseram que ela não tem estado lá por um tempo. Meus braços se apertam em torno dela, preocupado que ela esteja indo de repente me empurrar para longe e fugir, como fez um par de meses atrás. — Nós vamos encontrá-la, — eu prometo. — Não importa o que aconteça. — Eu beijo a parte de trás da sua cabeça e ela se aconchega em mim. — Eu vou me certificar disso. — Há mais. — Sua voz soa tão vazia, o luar refletindo a dor nos seus olhos, tão avassalador, quase como se a possuísse. É um olhar que vai me assombrar para sempre. — É sobre Preston e meus pais... Bem, minha mãe de qualquer jeito. — Ok. — Eu não tenho nenhuma ideia de onde isso vai dar, mas me preparo para algo extremamente ruim, pela forma como ela reagiu no carro e o olhar em seu rosto agora. — Aparentemente, esse nem mesmo é o verdadeiro nome de Preston... E ele tinha várias fotos de mim e da minha família em um pequeno quarto sob a casa que eu sempre pensei que ele mantinha drogas... Ele poderia ter estado de alguma forma ligado ao traficante de drogas da minha mãe quando ela usava porque ele vivia na mesma área... Algo que eu não sabia até agora... — Uma lágrima desliza do seu olho e ela não se incomoda em limpa-la. — O que não significa apenas que a minha mãe não era quem eu estive pensando que ela era toda a minha vida, mas que Preston poderia ter algo a ver com o


assassinato... O detetive disse que é mais provável que seja coincidência e que ele é mais um perseguidor do que um assassino... Mas foda-se... E se ele... E se ele tiver algo a ver com isso... — Outra lágrima e depois outra. — Todo esse tempo que passei com ele... As coisas que eu fiz... Deus, acho que eu vou vomitar. — É quando ela começa a chorar, as lágrimas escorrendo dos seus olhos enquanto suas pernas fraquejam. Lágrimas queimam nos meus próprios olhos. Jesus, a vida é tão injusta. Tão cruel. Por fazer uma pessoa passar por isso. Segurando seu peso, eu levanto-a em meus braços e levo-a para a cama. Eu não consigo pensar em nada a dizer, porque não existem palavras para este momento. Honestamente, eu não consigo nem mesmo acreditar que seja possível. Como pode ser o mundo de uma garota tão abalada. Tão quebrada. Tão machucada. Eu quero tirar tudo isso dela, eu iria em uma batida de coração se eu pudesse. Mas em vez disso eu tenho que ficar aqui com ela em meus braços e ouvi-la quebrar, assim como eu fiz um par de meses atrás, quando descobrimos sobre a minha mãe. E, eventualmente, os meus próprios olhos começam a lagrimar. — Como eles podem ter certeza? — Eu pergunto, lutando para manter o equilíbrio na minha voz. — A polícia, quero dizer. Eles estão indo descobrir se ele teve alguma coisa a ver com isso ou não, certo? — Sim. — Ela esconde o rosto no meu peito. — E se ele tiver parte nisso... Eu o deixe me tocar do jeito que ele fez e o tempo todo foi ele quem tirou as vidas... — Suas mãos encontram o fundo da minha camisa e ela agarra com força. — Eu não posso lidar com mais essa... — Ela suga a respiração, depois outra. — Dor. Eu estou tão cansada de não ter ninguém... De ter todos os relacionamentos arruinado.


Meus braços se apertam em torno dela e eu seguro-a com cada parte de mim. — Não importa o que aconteça, eu vou estar aqui para você. Ela afunda seu rosto ainda mais no meu peito, apertando-se contra mim. — Prometa-me que nunca vai me deixar. — É difícil ouvi-la através do choro, mas a suavidade absoluta das palavras são o suficiente para que algumas lágrimas escapem dos meus olhos. Eu quero enxugá-las, para que ela não me veja caindo aos pedaços, mas não quero soltá-la também. — Eu prometo. — Eu quero dizer isso mais do que qualquer coisa. — Não importa o que aconteça, eu sempre estarei aqui para você. Quero dizer ali mesmo que eu a amo, mas sei que não é o momento certo. Então, em vez disso tento mostrar a ela, segurando-a e deixando-a chorar, prometendo a mim mesmo para tentar encontrar uma maneira de tirar um pouco da sua dor, não importa o que seja preciso.


The Certainty of Violet & Luke (The Coincidence #5) A vida de Violet Hayes está uma bagunça. Entre seu perseguidor, Preston, recusando-se a deixá-la em paz, o caso dos seus pais ainda sem solução, e ficar para trás na faculdade, ela sempre se sente à beira de perde o controle. Quando uma notícia inesperada surge, é a gota d'água e ela acaba fazendo algo que quase custa a sua vida. Felizmente, ela sobrevive e faz uma promessa a si mesma para colocar sua vida de volta no lugar e tentar descobrir exatamente como se sente sobre Luke Price, a única pessoa que está sempre lá para ela. Mas como um jogador alcoólatra em recuperação, Luke tem suas próprias lutas a serem superadas. Ele também está apaixonado por Violet, mas teme dizer-lhe a verdade, com medo de assustá-la ou pior, ela não retribuir o sentimento. Além disso, nunca parece ser a hora certa para dizer-lhe isso, seja o caso, Preston, ou a vida ficando no caminho. Podem os dois conseguir paz suficiente em suas vidas para enfrentar seus medos e, finalmente, dizer um ao outro a verdade sobre como se sentem?


Olá! Meu nome é Edieny Williams e esse e-book tem a tradução e revisão efetivada por mim, sem qualquer forma de obtenção de lucro, direto ou indireto. O leitor fica ciente de que o download da obra destina-se somente ao uso pessoal e privado, e que deverá abster-se de postagens ou hospedagens em qualquer rede social. Email para contato: edienywilliams@outlook.com Faça download de outras traduções pelo MinhaTeca


Série the coincidence #4 the probability of violet & luke jessica sorensen (revisado)