Page 1

Instituto de Tecnologia ORT Alunos: Luiza P. Moraes e Leonardo F. Figueiredo Curso Biotecnologia - Turma BT3 A capsaicina é uma molécula presente nas pimentas do gênero Capsicum​, sendo responsável pela sensação de pungência das pimentas por se ligar no receptor Vanilloid 1, encarregado de detectar e regular a temperatura corporal. Além disso, ela possui propriedades anti-inflamatórias, associada com uma substância extraída do repolho tem capacidade de levar células cancerígenas a morte via apoptose e também é capaz de reduzir níveis de colesterol. O objetivo do projeto era montar um protocolo para uma extração eficaz de capsaicina que apresentasse bom rendimento, tempo de extração e uma redução nos custos do processo, para que assim o produto final (como fármacos e cosméticos) possua um preço acessível para a população. Para iniciar o processo de extração, precisávamos estabelecer com qual pimenta queríamos trabalhar. Assim, realizamos a secagem, em microondas, de duas espécies de pimenta pré-selecionadas através da escala de Scoville: a ​Capsicum baccatum ​(dedo-de-moça) e a ​Capsicum frutescens 'Malagueta' ​(malagueta). Em seguida a questão a ser solucionada seria a escolha do melhor solvente. Desta forma, através de características como polaridade da capsaicina e acessibilidade, pré-selecionamos etanol 100% e acetona P.A. Ambos foram submetidos à extração no soxhlet para determinar qual obteria o melhor tempo e qualidade de extração. A última fase do projeto corresponde a identificação da presença da capsaicina nos extratos e quantificação. Nesse sentido utilizamos a técnica da espectrometria de massas, em método de injeção direta full MS, para determinar a concentração da molécula. A pimenta malagueta apresentou perda de massa, através da secagem, de aproximadamente 36,88%, enquanto a dedo-de-moça perdeu 83,90%.m Assim a pimenta malagueta se torna a espécie escolhida, visto que apresenta menor percentual de água em sua constituição. As extrações com acetona P.A apresentaram bons rendimentos, sendo realizadas em curtos períodos de tempo, cerca de 5 horas. Em contrapartida o etanol 100% levou cerca de 5 dias para alcançar os mesmos resultados que a acetona. Desta forma a acetona constitui a melhor opção de solvente para esse procedimento. Durante a espectrometria de massas a massa monoisotópica determinada para a capsaicina foi de 306,2064 g/mol. Em todas as amostras de extrato foi identificada novamente a presença dessa massa aproximada, com variação apenas na quarta casa decimal. Para calcular a concentração de capsaicina nos extratos foi feita uma regra de três entre o NL, um número representativo da abundância relativa da molécula, e a concentração das soluções. Assim foram obtidas as concentrações de 0,78 g/ml, 0,76 g/ml e 0,65 g/ml. Uma vez que, ao final do trabalho, obtivemos extrato rico em capsaicina de forma barata e acessível a laboratórios de baixa tecnologia, concluímos que o protocolo obtido satisfaz os objetivos iniciais do projeto com sucesso.

Extração e identificação da proteína capsaicina da pimenta malagueta.  

Luiza P. Moraes e Leonardo F. Figueiredo O objetivo do projeto era montar um protocolo para uma extração eficaz de capsaicina que apresenta...

Extração e identificação da proteína capsaicina da pimenta malagueta.  

Luiza P. Moraes e Leonardo F. Figueiredo O objetivo do projeto era montar um protocolo para uma extração eficaz de capsaicina que apresenta...

Advertisement